dez anos canteiro revisado regi 2013

Сomentários

Transcrição

dez anos canteiro revisado regi 2013
Accacio Gomes de Mello Junior . Adda Alessandra Piva Ungaretti . Adelcke Rossetto Netto . Adelia Midori Yamasaki . Adilson Jose Alves da Silva . Adolf Dias
Ribas . Adriana Andreotta Cavagna . Adriana Bestle Turrin . Adriana Cesar Guimarães . Adriana Chaves Freitas . Adriana Ferreira Sousa . Adriana Franklin .
Adriana Gouveia Rodrigo . Adriana Guedes Hasegawa . Adriana Lessa de Oliveira . Adriana Maiolini Mesquita . Adriana Maria Yazbek . Adriana Secatto
da Cruz . Adriana Sodeyama Pinto . Adriana Yamashita . Adriane Santi Itimura . Adriano Augusto Bosetti . Adriano Calabresi do Couto Souza . Adriano di
Benedetto . Adriano Ricardo Estevam . Agata Pedroso Natalo . Agnes Helena Chiuratto . Akemi Terase Nagamine . Alberto Yuji Watabe . Alcides Ramos de
Oliveira . Alda Regina Bueno Minioli . Alessandra Ayumi Nomura . Alessandra Floriano de Souza Pissardo . Alessandra Giselle Mimura de Melo . Alessandro
Augusto Dardin . Alessandro Batista da Silva . Alessandro de Matos Lickunas . Alessandro Moreno Muzi . Alessandro Sciulli . Alessia Patricio de Oliveira .
Alessio Perticarati Dionisi . Aletha Talarico Utimati . Alex de Brito Ninomia . Alex de Carvalho Matos . Alex de Oliveira Sartori . Alex Garcia Smith Ângelo .
Alex Geraldes Uzueli . Alex Ka Wei Tso . Alex Kleberson Honório . Alexander Alfonso Villalon . Alexander Matos Carnier . Alexander Yamamoto . Alexandre
Barrozo do Amaral Villares . Alexandre de Miranda Almeida Rosa . Alexandre Gaiser Fernandes . Alexandre Galvao Starr . Alexandre Hector Benoit .
Alexandre Hepner . Alexandre Leal Machado . Alexandre Luis de Souza Guimarães . Alexandre Massashi Akatsuka . Alexandre Massayuki Akiyama .
Alexandre Mitsuro Silveira Yassu . Alexandre Nakano Marques . Alexandre Nikakis . Alexandre Okuda Campaneli . Alexandre Perroca Castro . Alexandre
Pires do Prado Baptista . Alexandre Rocha Daud . Alexandre Tanaka . Alexandre Uyeda Sato . Alexandre Ventura de Oliveira . Alfredo Francelino Faljana .
Alice Albertini Viggiani . Aline Cannataro de Figueiredo . Aline Carvalho Magalhães . Aline Carvalho Sasse . Aline Coutinho de Araújo . Aline da Silva
Escorcio Ribeiro . Aline Dalfre Barbieri . Aline de Castro Teixeira . Aline de Matos Carvalho . Aline Elisabeth Bronkhorst . Aline Faiwichow Estefam . Aline
Frugoli Verde . Aline Harumi Osoegawa . Aline Klimas . Aline Massari. Aline Nami Onoe . Aline Oliveira de Lucia . Aline Sayuri Muramoto . Aline Sodre de
Sousa . Aline Torti . Alois Bruno di Leo Gremmelspacher . Amalia Cristovao dos Santos . Amalia Ferreira . Amanda Beatriz Palma de Carvalho . Amanda de
Almeida Sales de Oliveira . Amanda Puchille Pinha . Amanda Rafaela Ragusa Rabello . Amanda Steinmeyer Antunes . Amanda Stenghel de Aguiar Whitaker
Raimondi . Amanda Vanessa Mônaco . Amer Nagib Moussa Junior . Americo Teruo Miyaura . Amir Rahamim Admoni . Ana Augusta Lopes de Moraes . Ana
Beatriz Nestlehner Cardoso de Almeida . Ana Beatriz Palma Urushima . Ana Carolina Ayres Gimenez . Ana Carolina Belizário . Ana Carolina Brandao de
Rezende . Ana Carolina Carmona Ribeiro . Ana Carolina Correia de Lima . Ana Carolina de Araujo Trugillo . Ana Carolina de Oliveira Modinger . Ana
Carolina dos Santos Vieira . Ana Carolina Figueiredo de Castro . Ana Carolina Louback Lopes . Ana Carolina Melare dos Santos . Ana Carolina Montoia de
Lima . Ana Carolina Nicolini Salomão . Ana Carolina Rodrigues . Ana Clara Giannecchini . Ana Claudia Ando . Ana Claudia de Carvalho Lima Farias . Ana
Claudia Paixão . Ana Claudia Recco Dias Grilo . Ana Cristina Mayumi Takeda . Ana Daniela Pizzatto Dalla Rosa . Ana Emilia Gil Boschiero . Ana Frieda
Avila Nossack . Ana Gabriela Akaishi . Ana Heloisa Santos Fuzzo Santiago Pinto . Ana Laura Kawazoe . Ana Lucia Fochi Golin . Ana Luisa Azevedo Moori
. Ana Luisa Carmona Ribeiro . Ana Luisa Coppola . Ana Luiza Lacerda Coelho de Paula . Ana Luiza Padilha Addor . Ana Luiza Petlik . Ana Marina Fortes
Borelli Costa . Ana Paola Salviano de Souza . Ana Paula Arato Gonçalves . Ana Paula Bruno . Ana Paula Cerniavskis Ribeiro do Prado . Ana Paula Coelho
. Ana Paula da Silveira Cavalero . Ana Paula de Sousa Lima . Ana Paula Diegues Zappia . Ana Paula Guimaraes Pereira . Ana Paula Marchi Martini . Ana
Paula Patrone . Ana Paula Yumi Nemoto . Ana Teresa Siqueira de Carvalho . Ana Thereza Silva Caiado . Ananda Miryah Oliveira Tandelli de Galvao . Anay
Koprowski Garcia Rodrigues . Anderson Luiz Felix de Sa . André Augusto Pepato . Andre Azenha Turazzi . Andre Bouteiller Kavakama . Andre Costa Gomes
. Andre Cristo . Andre Desani Ariza . Andre Hideki Higa . Andre Hiroyuki Yoshioka . Andre Kengi Alves Hirata . Andre Leal . Andre Lopes do Prado . André
Luis Cardoso Orlandi . Andre Luis Dario Moreau . Andre Luiz Onouye Miotti . Andre Luiz Teixeira dos Santos . Andre Luiz Tura Nunes . Andre Malheiros
Santiago . Andre Malveira Lima . Andre Medeiros Sztutman . Andre Montes Rodrigues . André Pires Martins Delmanto . Andre Sant Anna da Silva . Andre Seiji
Miya . Andre Tostes Graziano . Andre Vicente Ferreira de Almeida . Andre Villas Boas Coelho Mendes . Andre Westerstahl de Abreu . Andre Wigman . Andrea
Bandoni de Oliveira . Andréa Claudia Boller . Andrea Conard Muscat . Andrea de Paiva Erdos . Andrea Dias Peres . Andrea Feldon . Andrea Felix de
Carvalho Noguchi . Andrea Luri Ishizu . Andrea Midori Simão . Andrea Oliveira Villela . Andrea Quintanilha de Castro . Andrea Sae Yang . Andrea Santana
do Nascimento . Andrea Silva Ribeiro . Andrea Straccia . Andreas Oliveira Guimarães . Andrei de Mesquita Almeida . Andreia Macedo Barcarollo . Andreia
Tiemi Tagomori . Andresa Prata Cirino e Silva . Andressa Bassani . Anelise Bertolini Guarnieri . Anelise Stein . Anibal Silveira Moriyama . Anita Rosangela Tan
De Domenico . Anna Carolina Amorim de Mello . Anna Carolina Esperante Gomes . Anna Cristina Barbosa Fonseca . Anna Gabriela Hoverter Callejas .
Anna Helena de Assis Meirelles Villela . Anna Kaiser Mori . Anna Paula Barbugli Sortino . Anna Turra Ajzenberg . Anne Catherine Waelkens . Anselmo Seiji
Mello Matsui. Anthony Adeniran Onasanya . Antonio Augusto Delfim da Silva Santos . Antonio Carlos Souza Brandão . Apoena Amaral e Almeida . Araci
Mayumi Yochida . Aran Lopes dos Santos . Argos Silva Giampietro . Ari Felipe Miaciro Correia. Ariane de Souza Stolfi . Ariel Macena . Arlete Sayuri Kikuta
. Arnaldo Hirofumi Yamashita . Arthur Ferreira . Arthur Jose Amaral de Souza Junior . Arthur Pacheco de Siqueira Brito . Arthur Santos Francisco . Artur Kim Shum
. Arua Oliveira Wagner . Ary Henrique de Souza Neto . Audrey Rosa Lima Pereira . Augusto César . Ascendino Correa . Augusto Cesar de Vasconcellos Anea
. Augusto César Macieira Magalhães . Augusto Tadachi Mory . Augusto Wan Sheng Tsai . Aya Takeda . Barbara Bianca Giovanni Assaf Dalge . Barbara
Camila Toaliar . Barbara de Carvalho Raggi Terra . Barbara Scheid . Barbara Villanova . Beatriz Aratani Fujinaka . Beatriz Baffi Fernandes . Beatriz de Almeida
Yanaguizawa . Beatriz Doreto Rodrigues . Beatriz Falleiros Nunes . Beatriz Marques de Oliveira . Beatriz Martins Arruda . Beatriz Mickle Griesi . Beatriz Rolfsen
Jorge . Beatriz Weber Fideles . Bernardo Pacheco Loureiro . Bernardo Spindola Mendes Neto . Berta de Oliveira Melo . Bhakta Krpa das Santos . Bianca
Fernandes Paula Braga. Bianca dos Santos Joaquim . Bianca Maria Abbade Dettino . Bianca Sartori Riotto . Boris Ramalho . Borys Marques de Castro Lage
Duque . Bruna Goldberger Teixeira Coelho . Bruna Keese dos Santos . Bruna Limoli Silva . Bruna Luz . Bruna Marcos . Bruna Maria de Medeiros Benvenga .
Bruna Veiga Pollini . Brunna Laboissiere Ferreira . Bruno Antunes Oliveira . Bruno Braganca Mendes . Bruno Chiarioni Thomé . Bruno Cosenza Botelho
Nogueira . Bruno de Castro Cardoso . Bruno de Oliveira Lucchese . Bruno di Maulo Etchepare . Bruno Eduardo Nakaguma Gondo . Bruno Fernando Uehara
. Bruno Ferreira Pinheiro da Cunha . Bruno Henrique . Emmanuel Mendes . Bruno Jin Young Kim . Bruno Jose Barchesi . Bruno Keiti Tamane . Bruno Lucarelli .
Bruno Luís Damineli . Bruno Luis Nunes Polastre . Bruno Luiz Delia . Bruno Maziero . Bruno Nogueira de Franca Santos . Bruno Schiavo . Bruno Silva Balthazar
. Bruno Spinardi Silva . Bruno Taiar de Carvalho . Bruno Vignola Salles . Bruno Yanagizawa Paes de Almeida Nogueira Pinto . Caio Fucilli Chassot . Caio
Leonardo Rodrigues Pereira . Caio Monteiro . Camila Barbuy Zaneti . Camila Bellatini . Camila Chicchi Cussiol . Camila Conti . Camila Cristina Junqueira de
Lima . Camila de Almeida Lisboa . Camila de Almeida Rodrigues . Camila de Andrade Kfouri . Camila de Souza Silva . Camila Del Gaudio Orlando . Camila
do Amaral Brito . Camila Fuzihara Gascon . Camila Gangi Bachichi . Camila Guerreiro Reis . Camila Gui Rosatti . Camila Ismerim Lacerda . Camila
Kahvedjian Amadio . Camila Lima Pires de Castro Lara . Camila Malerba Malachias . Camila Maleronka . Camila Maria Camara . Camila Massumi Ishihata
. Camila Mie Ujikawa . Camila Miranda Ferreira . Camila Motoike Paim . Camila Pereira Saraiva . Camila Renault Calazans . Camila Rezende Carvalho .
Camila Ribeiro Nogueira . Camila Stonis . Camila Suganuma . Camila Sverzuti Fidencio . Camila Vigneron Dias de Moraes . Camilla Barros Uzeda . Caory
Senday . Carime Thomazini Andre . Carina Akita . Carina Brejeiro de Almeida . Carina Brugnera Silva . Carina Cecilia Park . Carina de Mattos Baratella .
Carina Ishiyama . Carina Rubega Pimentel . Carla Andrade da Silva . Carla Angelini Lazur . Carla de Almeida Soffi Bonfante . Carla Rocha Soares . Carla
Tennenbaum . Carlos Andre Rios Esteves . Carlos Augusto Costa Santos . Carlos Augusto Munoz Cruz . Carlos Eduardo Collet Marino . Carlos Eduardo
Ladalardo Martinelli . Carlos Eduardo Murgel Miller . Carlos Eduardo Verzola Vaz . Carlos Frederico Assan Botelho . Carlos Hunold Mancebo . Carolina
Arantes Olivon . Carolina Borges . Carolina Campos Guimaraes Moura . Carolina Carvalho Leme . Carolina Carvalho Martinussi . Carolina Catelan
Gonzalez . Carolina Dal Ben Padua . Carolina Feio de Faria . Carolina Geise . Carolina Goncalves Mioni . Carolina Heldt D’Almeida . Carolina Leonelli .
Carolina Maihara dos Santos . Carolina Montebelli . Carolina Montes Ribeiro . Carolina Murrer Gomes . Carolina Ohashi . Carolina Paula de Castilho .
Carolina Pedrosa . Carolina Rago Frignani . Carolina Rattes La Terza de Almeida . Carolina Ribeiro Tapajoz . Carolina Rodrigues Boaventura . Carolina Roman
Amigo . Carolina Sendoda Yamate . Carolina Silva Oukawa . Carolina Spindel Sverner . Caroline Akemi Makiyama Maeda . Caroline Cristina Pazini .
Caroline Gabriel Pedro de Almeida . Cassia Mary Itamoto . Cassiane Rodrigues do Nascimento . Cassio Vinicius Marques de Castro Pereira . Catarina Bessell
de Jorge . Caue Waneck Joffe . Cecilia Bracale . Cecilia Donha Teixeira . Cecilia Lourenco de Goes . Celina Harumi Hirata . Celina Kurihara . Celina Sayuri
Fujii . Celma Emi Yamamoto . Celso Carlos Longo Junior . Celso Jun Nawa . Cesar Fukuda Pizzocaro . Cesar Harold de Almeida Albornoz . Cesar Machado
de Matos . Cezar Augusto Machado Capacle . Chen Chih Cheng . Chen Yen Kuang . Christiana Brandao Pereira . Christiane Wang Cavichioli . Christophe
Michel Oltra . Cibele Claire Teixeira Gonzaga . Cibele Romani . Cinthia Correa Duclerc Vercosa . Cintia Capelhuchnik . Cintia Mara Oliveira . Cintia Peres
Buganza . Cintia Sayuri Sawada . Ciro Ghellere Guimaraes . Ciro Luis Andriussi Miguel . Clara Barzaghi de Laurentiis . Clara Passaro Goncalves Martins .
Clarice di Giovanni Marques da Silva . Clarice Kwon . Clarissa Camargo Tiseo . Clarissa de Almeida Paulillo . Clarisse Ohtsuki . Claudia Afonso de Oliveira
Araujo . Claudia Bresciani . Claudia Freeland Gracia . Claudia Grunauer Kassab . Claudia Inoue Vaz . Claudia Lopes . Claudia Marianno . Claudia Miranda
Goncalves . Claudia Querci Filardo . Claudio Habara . Claudio Marraccini . Clea Nunes da Silva . Criscia Eloize Galan Sacardo . Cristiane Bueno . Cristiane
Hitomi Shintani . Cristiane Ikedo Bardese . Cristiane Kimie Maeda . Cristiane Lea Cortilio . Cristiane Mitiko Sato . Cristiane Nakao . Cristiane Sommer
Damasceno . Cristiane Yumi Sato . Cristiano Chiarella Ortiz . Cristiano Moreira de Andrade Bucheb . Cristiano Oiwane . Cristina Gavranic Arrebola . Cristina
Kim . Cristina Mari Yamamoto . Cristina Midori Rocha Ei . Cristina Mizuki Umetsu . Cristina Myung Sun Gu . Cristina Paiva . Cristina Rombauer van Den
1 Bosch
. Cristina Yurie Takahashi . Cyntia Ayres Guimaraes . Dalton Bertini Ruas . Damaris Pereira Melo . Damiano Aimara Marcondes Leite . Daniel Alves Jacobino
. Daniel Araujo Ferreira da Silva . Daniel Bolsoni Castilla . Daniel Caliari Pollara . Daniel Dall Ara Azevedo . Daniel de Oliveira Franco . Daniel Ferreira Santos
. Daniel Figueira de Mello Paulino da Costa . Daniel Hissao de Carvalho Akashi . Daniel Katz . Daniel Nobre . Daniel Ramos La Laina Sene . Daniel Rodrigues
Dias Fonseca . Daniel Rubens Lopes Cavalheiro . Daniel Savoia Castilho Cunha . Daniel Yuhasz . Daniela de Almeida Milani . Daniela de Souza Coelho
Pereira Bastos . Daniela Gomes Rezende . Daniela Marinho Marques . Daniela Marques da Silva . Daniela Messias Florencio da Costa . Daniela Mikyung
Song . Daniela Okamota Yui . Daniela Paulino Betanho . Daniela Perre Rodrigues . Daniela Rizzi . Daniela Santana Andrade . Daniela Tsukuda Prates
. Daniela Tunes Zilio . Daniela Vaz . Daniele Queiroz dos Santos . Daniele Tobara Crema . Daniella Lobo da Costa Lima . Danielle Cristina de Freitas
. Danielle Csipok Botto . Danielle dos Santos Alves . Danielle Midory Oshiro Marques de Souza . Danielly Ordanini Marcelino de Melo . Danilo Barbieri
Cordeiro . Danilo Bressiani Zamboni . Danilo Hideki Abe . Danilo Martins Guiral Bassi . Davi Rodrigues de Lima . Davi Tjhio Kolar de Marco . Debora
Cazarini Neme . Debora Cristina Rosa Faria da Costa . Debora Ferreira Branco da Fonseca . Debora Kalil Fernandes . Debora Kalil Fernandes . Debora
Keiko Itinoseki . Debora Lika Yakushiji . Debora Luisa Curbi Inacio . Debora Mayumi Torii . Debora Mayumi Torii . Debora Oelsner Lopes . Débora
Ortegosa Cordeiro . Debora Wan-dick Ferreira Jorge . Debora Zanini Liberato da Costa . Deborah de Carvalho Almonacid . Demetrius Borges dos
Santos Gomes de Araujo . Denis Augusto Elias . Denis Cossia . Denis Espinosa Cezar . Denise Invamoto . Denise Kaminaga . Denise Tieme Yui .
Denise Tiemi Kina . Denise Yumi Hino . Dhiego Bueno Arruda . Diana Oliveira dos Santos . Diego Brentegani Barbosa . Diego Fernandes Miya .
Diego Hosiasson Kapaz . Diego Migliore . Diego Vernille da Silva . Diego Villela Simoes . Dinalva Derenzo Roldan . Diogo Augusto Pereira . Diogo
Cavallari Bella . Diogo Damasio Gomes da Silva . Diogo Guermandi . Diogo Machado Oliva . Dominique Elena Giordano Gonzalez . Dora Souza
Dias . Douglas Uemura Olim Marote . Dulcilei de Souza Cipriano . Dyane Assis de Arruda . Eder Fabio Faria Ribeiro . Edson Massato Kamano .
Edson Tadashi Koza . Eduardo Bella Lisboa . Eduardo Caetano Barbosa . Eduardo Castanho . Eduardo da Mata e Silva . Eduardo Enoki . Eduardo
Galli Ewbank . Eduardo Gianni Dutra Ribeiro . Eduardo Henrique de Campos . Eduardo Hirama . Eduardo Hiroshi Omine . Eduardo Luis Telles de
Abreu e Silva . Eduardo Marchioni Escobar Filho . Eduardo Mitsuo Uchita . Eduardo Pimentel Pizarro . Eduardo Pompeo Martins . Eduardo Ramos
Massaro . Eduardo Simoes de Carvalho Casuccio . Eduardo Takashi Kitawara . Eduardo Viana Rodrigues . Eduardo Zeppelini Iannicelli . Elaine Ribeiro
Pacheco . Elaine Terrin . Elena Sass . Elenice Souza Lima Teixeira . Eliane Hayashi Suzuki . Eliane Kotsubo . Eliezer Kyung Jin Kang . Elis Yoneko
Okuyama . Elisa Duarte Dutra . Elisa Haddad de Oliveira . Elisa Sayaka Ito . Elissa Yulka Terensi . Eliza Miyuki Omine . Elizabeth Romani . Ellen
Cesonis . Eloisa Balieiro Ikeda . Elton James Padeti . Elton Luis Azuma . Elziene Montanha Machado . Emerson Makuda . Emerson Miki Ihara .
Emerson Perez . Emilia Luithardt de Freitas . Endyra de Oliveira Russo . Enrique Sevillano Gutierrez . Erasmo da Rosa . Eric Ennser . Eric Simao Saraiva
. Eric Tanaka . Erica Aparecida de Jesus Paulino . Erica Gina Kim . Erica Harue Braga Kawakami . Erica Leticia Borges de Barros . Erica Miguita .
Erica Mitie Umakoshi . Erica Nagashima . Erika Akemi Ozako . Erika Kyushima Solano . Erika Rufino de Souza . Erika Yukie Ide . Eron Reigota Vianna
. Estela Macedo Alves . Estela Mari Imai . Estela Maris Carneiro Alves . Ester Vasconcellos de Camargo . Estevao Borba Florenzano . Estevao Sabatier
Simoes Ferreira . Eunice de Abreu . Eunice Liu . Eunice Shibue de Pontes . Evelyn Vivian de Lima . Eveny Tamaki . Everson Russo Navarro . Eza
Silveira Martins Renattini . Fabiana Nakano . Fabiana Rodrigues de Souza . Fabiana Santos de Almeida . Fabiana Yukie Kobayashi . Fabiano Alves
Doto . Fabiano Medeiros da Silva . Fabio Augusto Toscano Bellini . Fabio Cabral Fusaro . Fabio Carrari Sayegh . Fabio de Paula Assis Junior . Fabio
Francisco Peixoto Frutuoso . Fabio Gallo Junior . Fabio Hideki Teruia . Fabio Kneese Flaks . Fabio Lopes Guzzo . Fabio Martini Pontes . Fabio Massami
Onuki . Fabio Miranda de Faria . Fabio Seiji Tsuge Cinagawa . Fabio Takayama Garrafoli . Fabio Yam Gomes Liu . Fabiola Igarashi Diniz . Fabiola
Mamede Vital . Fabricio Angelelli de Brito . Fausto Kadomoto Inomata . Fauzi Renato Kiyoiti Sakamoto . Felicia Maria Caropreso Carasso . Felipe Asato
Araki . Felipe Augusto Kanashiro Fujita . Felipe Chodin . Felipe de Araujo Contier . Felipe de Oliveira Luz . Felipe Ferraz . Pereira de Moraes . Felipe
Freire Antonoff . Felipe Fuchs . Felipe Gressler . Felipe José Gonzales Praxedes . Felipe Moraes de Almeida Nogueira Junqueira . Felipe Passos Rosas
Gomiero . Felipe Pistori Devitte . Felipe Ribeiro Cunha . Felipe Ribeiro de Oliveira Carvalho . Felipe Tinel Silva . Felipe Vignon de Castro Rios . Felipe
Vila Chagas . Felipe Zene Motta . Fellipe de Carvalho Silva . Fernanda Accioly Moreira . Fernanda Alves da Silva Bonatti . Fernanda Andrade Ferrari
. Fernanda Baccelli Isola . Fernanda Brossi Sabia . Fernanda Costa Cavallaro . Fernanda Craveiro Cunha . Fernanda Cristina Marques . Fernanda
Cunha Pirillo . Fernanda de Urquidi Gabriel . Fernanda Dellabarba Barros . Fernanda Gibertoni Carneiro . Fernanda Invernise de Moraes . Fernanda
Jardim Okazaki . Fernanda Kwast Yazbek . Fernanda Lachat . Fernanda Lucarelli Kappke . Fernanda Macedo Valerio . Fernanda Mangini de Oliveira
. Fernanda Maria Monteiro . Fernanda Midori Kano . Fernanda Mota Lima . Fernanda Panetta de Faria . Fernanda Pereira Frazao . Fernanda Portugal
Sugimoto . Fernanda Regina Okuyama . Fernanda Senda . Fernanda Varella Borges . Fernando Augusto Vinagre Barros . Fernando Bizarri Requena .
Fernando de Mello Vargas . Fernando de Moraes Caro . Fernando Dimiranda Boari . Fernando Ferreira Lima Martines . Fernando Jaffe de Lima Forte .
Fernando Kazuo Ikeda . Fernando Ken Otsuka . Fernando Laranjeira Petrich . Fernando Mendes de Castro . Fernando Renberg . Fernando Ruzene
Rodrigues . Fernando Stankuns de Paula Figueiredo . Fernando Tulio Salva Rocha Franco . Fernao Carrari Morato . Filipe Lima Romeiro . Filipe Maciel
Paes Barreto . Flavia Andrea Nagamatsu . Flavia Cavallari de Castro . Flavia de Toledo Ponzoni . Flavia Garofalo Cavalcanti . Flavia Lopes Trevisan
. Flavia Medina de Oliveira . Flavia Pavani . Flavia Suemi Silveira . Flavia Taliberti Pereto . Flavio Antonio Dugo Bragaia . Flavio Henrique Miwa
Faggion . Flavio Henrique Tanabe . Flavio Johnsen Barossi . Flavio Raffaelli Fonseca . Flora Monte Alegre Olmos Fernandez . Francesco Felippe Micieli
. Francis Vianna . Francisco Bela Deak . Francisco Gitahy de Figueiredo . Francisco Jose de Macedo Zullo . Francisco Lauridsen Ribeiro . Francisco
Massucci Silveira . Francisco Toledo Barros Diederichsen . Franklin Galerani Rodrigues Alves . Frederico da Silva Trevisan . Frederico Otto Vogetta Neto
. Frederico Pedrina Scachetti . Fulvio Ramos Roxo . Fulvio Toniato . Gabriel Alcantara Madeira . Gabriel Barro Fiuza . Gabriel de Andrade Fernandes
. Gabriel Dozzi Gutierrez . Gabriel Germano Rossi . Gabriel Juliani Mentone . Gabriel Kogan . Gabriel Manzi Frayze Pereira . Gabriel Negri Nilson
. Gabriel Pedrosa Pedro . Gabriel Rocchetti Sumere . Gabriel Rodrigues Grinspum . Gabriel Seki Kioshima . Gabriel Sepe Camargo . Gabriela Affonso
dos Santos Haddad . Gabriela Audi de Vasconcellos Ferreira . Gabriela Luna Castor de Lima . Gabriela Mamede Carvallo . Gabriela Rimoldi Cunha
. Gabriela Simoes Garcia . Gabriela Tie Nagoya Tamari . Gabriela Wu Ferraz . Gabriele Toth Lender . Gabriella de Mattos Pimenta . Gabriella
Roesler Radoll . Galileo de Carvalho Giglio . George Ferreira . George Zelenjuk Filho . Georges Alphonse Prado Boris . Geraldo Gabriel Busato do
Nascimento . Gerson Kazuki Uchida . Gil Tokio de Tani e Isoda . Giovana Freguglia Aiello . Giovana Moreli Avancini . Giovanna Estevam Saquietti
. Giovanna Megumi Ishida Tedesco . Giovanna Seraphim de Araujo . Giovanna Vendrasco Dantas . Giovanni Meirelles de Faria . Giselle Kristina
Barbosa de Mendonca . Giuliano Asaka Poli . Giuliano Soares Hungria Giannetti . Glauber Augusto de Macedo Girotto . Glaucia Cristina Hokama .
Glauco Franca . Glaucya de Souza Brigatto . Gleuson Pinheiro Silva . Gloria Chuan Shen . Graziela Marques de Castro . Guido de Carvalho Giglio
. Guido D’Elia Otero . Guilherme Albamonte Mejias . Guilherme Arruda Nogueira Cesar . Guilherme Callegari Leme Duarte . Guilherme Cassis de
Araujo Moreira . Guilherme Dutra Correia . Guilherme Gabriel Alves . Guilherme Garbato . Guilherme Magalhaes Pupo Santos . Guilherme Magalhaes
Santos Marinho . Guilherme Maggio da Silva . Guilherme Massady Nakata . Guilherme Montoya Bueloni . Guilherme Moreira Petrella . Guilherme
Pianca Moreno . Guilherme Prado Zorzella . Guilherme Sebastiany Martins de Toledo . Guilherme Vieira dos Santos . Guilherme Yabu Tamura .
Guilherme Yudi Hayakawa . Guillermo Gómez Abente . Gunther Rocha Ishiyama . Gustavo Aguiar Marcondes de Faria . Gustavo Brandao Pereira .
Gustavo Brunelli . Gustavo Cardozo Mukay . Gustavo Henrique Braga . Gustavo Jun Inafuku . Gustavo Marchetti . Gustavo Meneghini Amaral Sampaio
Coelho . Gustavo Orlando Fudaba Curcio . Gustavo Otsuka de Castro . Gustavo Pereira Lima Wiering . Gustavo Pires de Andrade Neto . Gustavo
Ramalho Mendes Garrido . Gustavo Ruffin Leme de Godoy . Gustavo Vescovi Meirelles . Gustavo Yuji Honda . Haluane Santana de Oliveira . Hannah
Arcuschin Machado . Hannah Uesugi . He Nem Kim Seo . Heitor de Andrade Pinto . Heitor Kooji Mello Matsui . Helena Bragatto . Helena Cristina
de Souza Carias . Helena de Cerqueira Cesar Radesca . Helena Galrao Rios . Helena Marao . Heloisa Diniz de Rezende . Henrique Franca Bustamante
. Heraldo Issamu Nomiyama . Herbert Heitmann Arraes . Hermes Augusto de Almeida . Hernani Carvalho Paiva . Heyne Midori Minamoto . Higor
Rafael de Souza Carvalho . Huana Assanuma Ota de Carvalho . Hugo Alves Paiva . Hugo Morihara . Humberto Flavio Zanola . Humberto Pio
Guimarães . Hye Kyung Hong . Iara Caroline Pimenta de Mello . Ilan Szklo . Ilana Baccarin Ribeiro Cordioli . Ilana Schlaich Tschiptschin . Ines Mie
Nakacima Sumida . Ines Pereira Coelho Bonduki . Irene Sasaki Imakuma . Irina Bertolucci Chermont . Isaac Safdie . Isabel Cristina Rodrigues de Oliveira
. Isabel Falleiros Nunes . Isabel Teixeira Sperry Cezar . Isabel Xavier da Silva . Isabela Abrao Martins de Fraia Souza . Isabela de Luna Lima . Isabela
Romano Azzi . Isabella Rodrigues Lenzi . Isadora de Andrade Guerreiro . Isadora do Nascimento Giuntini . Isadora Marchi de Almeida . Issao Iwasa
. Issao Okawa . Itala Grigolin Bonatelli . Italo Massaru Hanayama . Ivan Custodio dos Santos Souto . Ivo Alexandre Sakamoto . Ivo Magaldi Rodrigues
da Cruz . Ivy Martins Morais . Jair Americo de Araujo . Jan de Maria Nehring . Janaina Medeiros Pacheco . Jennifer Wen Lin Liao . Jessica Barabanov
de Assis . Jessica Naomi Futema . Jessica Oliveira Delias . Jessika Fernanda de Araujo . Jihana Yussif Abou Nassif . Joana da Costa Manso Ramos Alves
. Joana da Silva Barros . Joana Longman Campos Brasiliano . Joanna Perez Conceicao . Joao Aguiar Sperandio . Joao Carlos Amaral Yamamoto .
João Carlos de Andrade Faias . João Carlos Santos Taqueda . Joao Clark de Abreu Sodre . Joao Francisco Silva Pasqua . Joao Guilherme Viaro Correa
. Joao Leal Junqueira Vieira . Joao Lucena Busko . Joao Luis Bengla Mestre . Joao Luiz Bellia . Joao Martins de Oliveira Filho . Joao Miguel Alves de
Moura e Silva . João Miguel Pires Oliveira . Joao Paulo Daolio . Joao Paulo Machado Osinski . Joao Paulo Parenti Ceban . Joao Rett Lemos . Joao
Tadeu Foa Binsztajn . Johnny Klemke Costa Pinho . Jonas Zarpellon . Jonatas Vargas da Rosa . Jorge Manuel Dobrões Moreira . José Eduardo Baravelli
. Jose Luis Dubon Santamaria . Jose Paulo Neves Gouvea . Joyce Azevedo Rodrigues . Joyce Reis Ferreira da Silva . Juan David Valencia Marin . Julia
Caio Siqueira
. Julia Lopez da Mota . Julia Nakandakare
Risiexperimental
. Julia Paccola Ferreira
Nogueira
Julia Paes de Almeida de Saito . Julia Paes Straforini
2
canteiro
10 anos
na .fau
. Julia Pedreira de Freitas Franca . Julia Pinheiro Ribeiro . Julia Rettmann . Julia Rozo Perez Ferrari . Julia Savaglia Anversa . Julia Sayeg Tranchesi . Julia
Silva de Vilhena Moraes . Julia Zanella Saragoca . Juliana Allonso Mizumoto . Juliana Azem Ribeiro de Almeida . Juliana Bertolucci Torres . Juliana Braga
Costa . Juliana Candeia Franco . Juliana Carvalho Igima . Juliana Cavalheiro . Juliana Cipolletta . Juliana Costriuba de Moura . Juliana de Almeida
Proença . Juliana de Brito Nascimento . Juliana de Campos Silva . Juliana de Sousa Lacerda Selestrino . Juliana Fernandes Silveira . Juliana Ferraz
Dragone . Juliana Gomes Petrarolli . Juliana Grenfell de Carvalho . Juliana Guarinon Kuperman . Juliana Gushi . Juliana Martinho Beividas . Juliana
Índice
07
1. Apresentação
2. Depoimentos
11
2.1. Julio Roberto Katinsky
16
2.2. Murillo Marx
19
2.3. Sérgio Ferro
24
2.4. Pedro Fiori Arantes
34
2.5. Maria Inês Sugai
40
2.6. Fernando C. N. Minto
44
2.7. Francisco Barros
52
2.8. Vitor Amaral Lotufo
55
2.9. Carolina Heldt, Felipe Contier e Raquel Schenkman
64
2.10. Clarissa Mendes
65
3. Portafólio
3
Universidade de São Paulo
reitora Profa. Dra. Suely Vilela
vice reitor Prof. Dr. Franco Lajolo
Faculdade de Arquitetura e Urbanismo
diretor Prf. Dr. Sylvio Barros Sawaya
vice diretor Prof. Dr. Marcelo de Andrade Romero
Departamento de Tecnologia
chefe Prof. Dr. Khaled Ghoubar
Laboratório de Culturas Construtivas
responsáveis Prof. Dr. Reginaldo L. Nunes Ronconi e
Profa. Dra. Érica Yukiko Yoshioka
Organizadores
Profa. Dra. Érica Yukiko Yoshioka,
Prof. Dr. Reginaldo L. Nunes Ronconi,
Fernando C. N. Minto,
Adriana Ferreira Sousa.
A arquitetura é um processo, não um desenho
João Filgueiras Lima - Lelé
Equipe de Apoio
Rafael de Sousa Silva,
Luis Fernando Tavares,
Francisco Barros,
Fernando Stankuns.
Imagem capa / Design Capa
Helena Rios
Projeto Gráfico
Helena Rios
Revisão dos textos
Fernando Minto
Crédito fotos
Helena Rios,
Reginaldo Ronconi,
Fernando Stankuns,
Marcos Kiyoto de Tani e Isoda,
acervo do Laboratório de Culturas Construtivas.
4
canteiro experimental
10 anos na fau
5
Apresentação
Canteiro para espaços experimentais
Antonio Domingos Battaglia.
na arquitetura
–
À guisa de apresentação.
1
Essa publicação insere-se nas comemorações pelos 10 anos
de existência do Canteiro Experimental na FAUUSP.
Uma década na versão atual, pois ao falar de Canteiro na
Escola falamos de uma antiga luta expressa em diversas
formas e assumida em revezamento por diferentes
professores.
Na etapa que antecede a atual configuração do Canteiro
Experimental os professores Érica Yoshioka, Elisabetta
Romano e Antonio Domingos Battaglia utilizaram o
canteiro de obras do edifício anexo para testarem o
desenvolvimento de atividades relacionadas com idéia de
Canteiro Escola. Vivenciaram as dificuldades inerentes aos
desbravadores, trabalhando com os estudantes na inóspita
terra da organização do trabalho na construção civil.
Muitas questões foram levantadas, provocando e exigindo
uma continuidade na elaboração de respostas.
O Canteiro Experimental hoje leva o nome do professor
Battaglia em reconhecimento a sua convicção, a qual
salientou, na prática, a necessidade de superar quaisquer
dificuldades para envolver a formação do arquiteto com os
aspectos da transformação dos desenhos em construções.
6
canteiro experimental
10 anos na fau
7
O Canteiro Experimental da FAU, como é mais
conhecido, estabeleceu uma possibilidade institucional.
Foi construído em um terreno obtido especificamente
para esse fim, resultado de uma permuta entre unidades
da USP, estrategicamente situado para articular-se com as
oficinas do laboratório de modelos e ensaios e garantir
uma proximidade do edifício principal. Foi projetado para
a finalidade didática, recebeu máquinas e ferramentas
seguindo essa direção e estabeleceu uma proposta
pedagógica para seu desenvolvimento. Enfim demonstra a
possibilidade de implantar sem (muita) improvisação mais
um espaço para o ensino de arquitetura.
Acredito que essa leitura será em alguns momentos
inquietante, provocativa quase sempre, mas certamente de
interesse para a quem se preocupa com a formação do
arquiteto. Por isso, ela veste como uma luva esse momento
de comemoração.
Um abraço
Reginaldo Ronconi
O Canteiro da FAU trabalha com a possibilidade de
invenção existente em cada estudante. Trabalha ajudando a
estruturar atitudes mais emancipadas, livres e responsáveis,
socialmente integradas. Ajuda o estudante a elaborar a
crítica sobre as próprias decisões, avaliar seu caminho,
acertos e erros.
Nas atividades desenvolvidas no Canteiro Experimental
um mesmo problema é examinado pelos olhares dos
técnicos das oficinas, dos estudantes e dos professores.
Olhares com formações diversas, porém concentrados
no mesmo objetivo. Esse diálogo, de fazeres e propostas,
estabelece suporte para interações que são raras no meio
acadêmico.
O Canteiro é uma construção contínua elaborada por
muitas mãos. Mãos do cotidiano, dos técnicos, dos
professores, de todos os estudantes, da manutenção que
o mantém limpo com grama cortada, dos funcionários da
administração que licitam e compram, das secretárias que
cuidam atentamente dos compromissos todos.
Esse caderno traz imagens, depoimentos documentados
através das lentes que acompanharam esse cotidiano. Traz
também o pensamento de alguns autores que se relacionam
com o tema, seus textos criaram um painel também de
olhares diversos sobre o canteiro; esse que existe na FAU
ou aquele que existe na utopia de cada um de nós.
8
canteiro experimental
10 anos na fau
9
Depoimentos
O Canteiro Experimental e o Aprendizado do Arquiteto
Julio Roberto Katinsky1
2.1
Toda atividade humana capaz de produzir bens pode ser
distribuída em duas categorias principais. A primeira é a
produção de bens que expressam desejos humanos, e são
até certo ponto independentes do quotidiano das pessoas.
A segunda é aquela que contempla as necessidades
quotidianas, de produção e reprodução da vida.
É claro que nós podemos discernir em cada uma das
categorias traços da outra, mas mesmo assim devemos
reconhecer que um martelo como finalidade de uso é
bem diferente da palavra flor, por exemplo. Mas também
não podemos deixar de reconhecer que as palavras são
produzidas como são produzidos os objetos de uso
cotidiano.
Por exemplo, a palavra “automação” em português
só foi dicionarizada (portanto alcançou um grande
grau de difusão) nos finais da década de 60 do século
passado. Antes não existia para a língua falada, ainda
que potencialmente ela poderia até mesmo ser criada.
Parece que os grupos humanos viveram sem precisar
estabelecer essa distinção durante milênios, exprimindose indistintamente com palavras e coisas (e produzindo-as
com a mesma intenção).
10
canteiro experimental
10 anos na fau
11
Quando surgiram as cidades, penso que surgiram objetos
de grandes proporções cuja função era exclusivamente
expressiva, como os túmulos e os templos, necessários
para fixar desejos: - os túmulos para fixar a idéia de
permanência, prioridade do grupo humano; - os templos
para fixar a nova aliança entre os grupos familiares. É
claro que antes do aparecimento das cidades, já havia
uma produção de objetos exclusivamente expressivos:
os arqueólogos colecionaram para nosso conhecimento,
pequenos amuletos, pinturas nas paredes, tratamento
dos mortos. E da mesma maneira, até hoje, o critério
seguro para caracterizar antropóides como humanos
propriamente ditos, é o encontro de objetos feitos para
uso, pedras lascadas como “raspadores” ou “machados de
mão”.
Essa nova “história” do homem, que não tem duzentos
anos, não diminui o fato de que foi nas cidades que o
poder expressivo das coisas fixou-se nesses grandes
objetos. Tanto isso é verdade que os gregos consideravam
as sete maravilhas do seu mundo, em sua maioria, templos
e túmulos:
1. As pirâmides do Egito
2. “Os jardins suspensos” da Babilônia
3. A grande torre da ilha de Faros (O Farol de
Alexandria)
4. O colosso de Rodes (A estátua de Apolo que fechava o
porto da cidade)
5. O túmulo do rei Mausolo (O Mausoléu)
6. O templo de Zeus em Olímpia
7. A estátua de Zeus de Fídias
Desses todos, só dois tinham serventia quotidiana: o farol
para orientar os navios em noite escura e o colosso de
Rodes que permitia a entrada e saída dos navios do porto
da cidade. Pode parecer uma interpretação moderna,
esta de separar obras úteis para o quotidiano e obras
exclusivamente expressivas (como se fossem palavras),
mas sirvo-me de um registro de dois mil anos, de uma
12
canteiro experimental
10 anos na fau
época na qual as maravilhas antigas ainda em grande parte
existiam e que também dividem as obras como fizemos.
Refiro-me ao livro “Os Aquedutos de Roma” (tradução
francesa, edição bilíngüe da coleção Belles Lettres – 1961)
escrito por Sextus Julius Frontinus, no qual ele faz uma
descrição pormenorizada de todos os aquedutos que
serviam Roma nos finais do século I de nossa era, com
suas vazões respectivas. Após essa exaustiva exposição, o
poderoso senador romano observa:
“Às massas tão numerosas e necessárias de tantos
aquedutos, ide comparar às pirâmides que não servem
evidentemente a nada, ou ainda as obras dos gregos,
inúteis, mas celebradas por todos!” (p. 13).
Provavelmente podemos interpretar o desabafo do
patrício romano à condição intrínseca de sua mentalidade
romana tradicionalmente rústica, mas também podemos
compreende-lo como sua mais arraigada visão cidadã,
herança maior que ele nos deixou para todos os povos de
formação latina.
É interessante notar que túmulos e templos são letras ou
palavras de sentidos opostos: os túmulos são fixações de
uma visão mágica, são “monumentos” no seu significado
mais primeiro, de memória coletiva que assinala a presença
dos nossos espíritos ancestrais que protegem nossas vidas.
São “presentes” como é mágico o presente que damos a
pessoa querida.
Os templos, somente surgem com as cidades, e são o
penhor da nova aliança entre as varias famílias (gens, clãs,
“grandes famílias”), estabelecendo o comportamento
coletivo através de convenções deliberadas que serão
ferreamente obedecidas: leis. O templo é o penhor da
racionalidade urbana (nomos como diziam os gregos), que
irá invadir, paulatinamente toda nossa visão do mundo.
Os antigos mediterrâneos sempre entenderam os desenhos,
molduras, aplicados aos edifícios particularmente religiosos
como uma “escrita” (as “ordens” de Vitrúvio) que poderia
ser manipulada pelos arquitetos definindo pelo jogo de
13
proporções, meticulosamente estabelecido, seu acento
especial em cada época e mesmo caracterizando cada
arquiteto, cada artista como se fosse um poeta laureado.
Ainda em poema de João Cabral de Mello, compareceu
essa poderosa imagem da “escrita da arquitetura”. Mas
essa expressão já era, parece, corrente na Renascença, ao
menos depois de Brunelleschi.
Podemos então estabelecer em nosso aprendizado de
arquitetos, aquelas atividades que nos adestram para
compreender e agir sobre nossa realidade quotidiana. E
aquelas que nos permitem compreender e agir sobre a
realidade expressiva, que para alguns é a única que nos
faz humanos. Mas se somos ou queremos ser arquitetos,
nós devemos ter os olhos voltados indissoluvelmente para
ambas realidades.
Há então algumas atividades nas Escolas de arquitetura
que não podem (e não devem) ser reduzidas a uma das
duas categorias: exclusivamente produtoras dos bens
cotidianos (martelo, anzol, cadeira, mesa) ou produtoras de
palavras. São elas, aquelas que combinam uma ação física
para produzir um bem que simultaneamente são palavras;
como nós procuramos há mais de trinta anos ao estabelecer
o estudo das obras de arquitetura existentes através de
modelos tridimensionais, nos quais há necessidade de
transpor mental e fisicamente a integridade de um espaço
construído e imaginado, para um novo espaço equivalente
(mas não idêntico) e aquele também imaginado. Igualmente
o “desenho de observação”. É nessa chave que eu entendo
o canteiro experimental: não se trata de usar um atalho para
aprofundar um conhecimento tecnológico necessário para
o exercício responsável na cidade. Trata-se de aprofundar
a consciência de cada um na invenção do espaço que se
deseja.
Assim o professor Mario Franco, inicialmente produzia
modelos para “explicar” o comportamento estático das
cargas e sua transmissão para os suportes. Mas depois ele
evoluiu para propor aos alunos o projeto de estruturas
materializado em modelos tridimensionais. Minha
14
canteiro experimental
10 anos na fau
interpretação é que os alunos não aprendiam a projetar
grandes estruturas, inicialmente. O que eles aprendiam era
o comportamento da cartolina, dos fios de aço, da madeira
compensada, dos tecidos esticados. Como um desenhista
que precisa tirar da folha em branco o desenho de uma
folha: ele tem que construir sua imagem do nada.
Ou seja, o “Canteiro Experimental”, não é nem uma cópia
diluída dos laboratórios de construção civil da EPUSP ou
IPT, nem persegue seus objetivos: estes são a maximização
tecnológica e construtiva dos projetos já definidos. E
essa maximização numérica e física é necessária para o
esgotamento das possibilidades de atuação do projeto.
Enquanto o laboratório da FAU persegue o “grau da
escrita”, na feliz expressão de Barthes, que neste caso
pode ser aplicada com propriedade, pois aqui, trata-se de
compreender os fundamentos do projeto arquitetônico com
tijolos, argamassa, vigas, pilares e arcos, do mesmo modo
que nos exemplos anteriores ou nos projetos escolares,
simulações da realidade vivida. Uma complementação a
esse aprendizado é o exame pormenorizado de obras de
arquitetura através de “croquis”, e levantamento preciso
de plantas e elevações das construções reais. Pelo menos,
se acreditarmos em Villard D’Honnecourt, uma prática de
mil anos.
Na mesma seqüência, o canteiro experimental, conduz
os alunos, pela posição ideológica de seu mentor, a travar
contacto com os problemas da periferia, na sua mais
completa indigência dos recursos estatais, na qual as
populações ali situadas retiram do nada a sua condição
humana e, se construindo nos constroem como unidade
maior. Sem esquecer os desdobramentos da ciência e
tecnologia contemporânea, estas me parecem as lições
mais valiosas do canteiro e de sua vigência nesta Escola.
São Paulo, 28 de agosto de 2008
1 Arquiteto e urbanista, professor titular da FAUUSP, diretor da Faculdade
na gestão 1994 - 1998
15
construção. Não para complementar, mas para aplicar
os conhecimentos teóricos adquiridos sobre a resistência
dos materiais, as estruturas diversas, os cálculos que, além
destas, quantificam a topografia, fundações, hidráulica, a
iluminação natural e artificial, acústica e conforto térmico.
Das ciências mais exatas a suas implicações no projeto e
aplicações em obra, o exercício pleno da criatividade.
2.2
Depoimento suspeito
Murillo Marx1
Conheci Reginaldo Ronconi, havia poucas semanas
ingresso na Universidade de São Paulo, em imperativo
não rotineiro da vida acadêmica. Pelo contrário, tratavase de instalar condignamente o canteiro experimental da
Faculdade de Arquitetura e Urbanismo em breve espaço
de tempo. Por determinação de Julio Roberto Katinsky,
então diretor da escola, coordenei as providências relativas
ao projeto e à execução da obra. Tive a boa ventura de
poder contar com a competência objetiva e o generoso
entusiasmo do professor estreante.
Mais do que a premência do prazo em uma gestão de
diretoria a meio caminho, empenhada na recuperação da
grelha de cobertura da sede da FAU, na ocupação do então
recente anexo e na reforma de sua biblioteca de importância
nacional, a caracterização do novo espaço didático na
Cidade Universitária constituía uma preocupação. Ao lado
da grande e introspectiva estrutura do edifício principal,
bem como de seu anexo, pretendia-se um agenciamento
acolhedor e discreto.
O que se propunha é que o estudante tomasse contacto
efetivo com os sistemas, as técnicas e os materiais de
16
canteiro experimental
10 anos na fau
No longo percurso de nossa Faculdade, com seu momento
de afirmação em 1962, cabe lembrar a contribuição da
antiga “maquete” e a ponte técnica lançada para o “atelier”
por alguns de seus melhores docentes e funcionários.
Cabe, sobretudo, destacar a precedência de dois ex-alunos
e jovens professores, cuja atuação extravasava as salas de
aula teórica no âmbito: Leo Nishikawa, que faz tempo nos
deixou, assistente do catedrático da Escola Politécnica
Luiz Cintra do Prado e o recém tragicamente falecido
Joaquim Guedes.
Graças a esses servidores e docentes pioneiros e à luta
de gerações de estudantes também, comemora-se os 10
anos dessa cobertura tensil que abriga permanentemente
ensinamentos e exercícios práticos. Erica Yoshioka e
Reginaldo Ronconi oferecem as disciplinas obrigatórias
“Fundamentos da Construção I e II” e, entre outras lá
desenvolvidas, a disciplina optativa “Técnicas Alternativas
de Construção”. Os discentes, que nelas se inscrevem, dão
concreção a tais conquistas.
Um canteiro instrumental precede a obra, prepara o futuro
profissional para as surpresas do sub-solo, as imposições
do fluxograma que envolve diferentes trabalhadores e
materiais, as caprichosas estações do ano. O nosso canteiro
não visa apenas ensinar o drible dos lençóis freáticos ou
dos veios d’água, do humo ou do matacão, do atraso na
entrega da areia, cimento, ferragem, da madeira ou tijolos,
dos pré-moldados ou perfis metálicos... Um canteiro
experimental impõe o senso crítico, zomba da indecisão,
leva à busca da alternativa.
17
O ovo de Colombo foi muito antes de Brunelleschi, a cúpula
das mesquitas otomanas revela o oriente e o ocidente na
opção sincrética do grande arquiteto Sinan, o pleno sentido
espacial de uma época advirá da crítica a um vocabulário
bimilenar por Borromini. Nos três, a compreensão dos
materiais, a tomada firme de partido diante das técnicas,
a audácia em inventar sistemas alternativos de construção.
Com a mão na massa e na cabeça, na prancheta ou no
canteiro.
São Paulo, 11 de setembro de 2008
Experimentação
em arquitetura: práxis crítica e reação
conservadora
Sérgio Ferro1
2.3
Sempre considerei que o pólo determinante de uma escola de
arquitetura deveria ser o ciclo de mestrado e doutoramento,
organizado a partir de laboratórios de pesquisa. Sua missão
essencial seria o desenvolvimento teórico-experimental da
atividade arquitetônica. Mestres e doutores se formariam
participando desta missão, no interior dos laboratórios. Os
ciclos precedentes seriam organizados a partir deste pólo,
alimentados por suas pesquisas. Todos os professores em
tempo integral participariam nos laboratórios. O que a
escola não desenvolvesse em suas pesquisas, ficaria a cargo
de professores associados.
Nesta proposição, a pesquisa é o fundamento. Ora, toda
pesquisa séria abriga um par de complementares: a teoria e
a experimentação. Mesmo as formulações conservadoras
reconhecem isso.
1 Arquiteto e urbanista, Professor titular da FAUUSP, vice-diretor da
Faculdade na gestão 1994 - 1998
18
canteiro experimental
10 anos na fau
Para Karl Popper, por exemplo, uma teoria é um conjunto
de hipóteses coerentes, não tautológicas que, para merecer
consideração, deve permitir deduções de valor iguais ou
superiores às deduções provindas de teorias concorrentes.2
Mas uma teoria, por mais atraente que seja, só conta
19
mesmo se for testada. São as experiências que verificam
praticamente se as deduções não são falsas – caso contrário
é preciso abandonar ou reformular a teoria.
Este modelo rígido foi adaptado por Imre Lakatos
e Thomas Khun – e criticado por Paul Feyerabend.3
Entretanto, mesmo eles não reduziram o papel da
experimentação. Note-se de passagem que, segundo esse
modelo, a maioria absoluta das “teorias” em arquitetura
são “metafísicas”, na terminologia de Karl Popper, pois
não passam pelo momento experimental.
No caso da pesquisa arquitetônica, este modelo tem
que ser modificado. A arquitetura constitui um sistema
dinâmico, um processo caracterizado por relações
múltiplas e recíprocas que não se adapta à noção de causa
implícita nele. Mas, o que menos convém à arquitetura
é a dualidade que carrega: de um lado, a teoria “pensa”;
de outro, a experiência “verifica”. Esta dicotomina,
isomórfica, à que separa projeto e execução, por si só
leva ao desconhecimento do fundamento da arquitetura:
arquitetura é práxis, comunhão de teoria e prática, ação
racional crítica.
O modelo kantiano de Popper convém ao entendimento; a
arquitetura se situa no plano da razão. A ação racional crítica
da arquitetura não visa à simples reprodução do presente
– mas sua transformação. Isto é, a superação dos entraves
irracionais, historicamente acumulados em sua constituição
atual. Nenhuma teoria da arquitetura pode mais valer, sair
da abstração, sem que seja envolvida numa práxis, sem
que mergulhe no processo de sua transformação crítica.
Por isso, as escolas de arquitetura devem intervir prática
e criticamente, no campo da arquitetura efetiva. Esta é a
pesquisa autêntica que deveria alimentar seu ensino. E a
experiência, no caso, não é mais somente a que verifica
a teoria: passa a ser o seu contraponto indispensável na
simbiose da práxis.4
20
canteiro experimental
10 anos na fau
Peço que desculpem este condensado obviamente
insuficiente. Sua intenção é afirmar que a experimentação é
necessária às escolas de arquitetura – mais que necessária, é
prioritária. Mesmo dentro da visão tradicional isto deveria
ser evidente: não há ensino sem teoria explícita; não há
teoria sem verificação experimental – caso contrário, o
ensino passa a ser a exposição do ego do professor. Não
há progresso teórico sem avanço experimental. Numa
perspectiva mais aberta e especificamente arquitetural, a
pesquisa implica a participação ativa, crítica e experimental
na produção efetiva. Não falo de palácios, museus ou coisa
semelhante, mas do que deveria ser a função primeira de
escolas públicas, em tese não destinadas à formação de
arquitetos “liberais”: atender às necessidades sociais mais
prementes, em escala experimental.
Durante 47 anos participei da vida de escolas de arquitetura.
Sei bem, portanto, que nada do que disse acima se realiza
facilmente. Como estudante, durante os primeiros anos,
Rodrigo Lefévre, Flávio Império e eu compensamos a falta
de experimentação no ensino que recebemos abrindo um
prematuro escritório de arquitetura. Já como professor, voto
vencido nas reformas da FAUUSP, participei da fundação
da Escola de Santos, cujo programa inicial incluía larga
experimentação voltada para a habitação popular. No fim
do primeiro ano, boa parte dos professores foi presa. Na
França, desde que cheguei, estimulei práticas alternativas
experimentais, inclusive a de Patrick Doat, então meu
aluno, de quem falo abaixo. Além de alguns ensaios feitos
no terreno da Escola de Arquitetura de Grenoble, tentei
interferir na elaboração arquitetônica efetiva: projetamos
no laboratório Dessin/Chantier um conjunto de H.L.M.
(habitação pública de aluguel subsidiado) em Echiroles,
casas para prostitutas etc. Consegui vencer várias barreiras
institucionais contra a experimentação, menos uma: a
ordem dos arquitetos e sua ideologia. Nada foi realizado.
21
22
Mais tarde, nosso laboratório mais o laboratório Craterre,
dirigido por Doat, iniciaram a fundação de um ambicioso
centro de experimentações, do qual poderiam participar
outras escolas de arquitetura, de engenharia e de artes
plásticas. O processo de constituição demorou anos –
mas hoje existe e funciona em Isle D’Abeau, perto de
Lyon. O projeto inicial seguia o que descrevi acima: o
centro deveria experimentar propostas para a realização
de equipamentos construtivos para as populações mais
carentes, em particular nas antigas colônias francesas, com
atenção especial às relações de produção. Mas o ministério
responsável pelas escolas de arquitetura só aceitou financiar
o projeto com a edulcoração do programa: nada de práxis
crítica. Nosso laboratório abandonou o projeto, que Doat
conduziu a termo. Ele tem a paciência do camponês, que
eu não tenho: recuou taticamente, esperou calado. Mas
hoje, pouco a pouco, está voltando, na moita, ao projeto
original.
Contra Isle D’Abeau primeira versão, até horário de
ônibus serviu.
Conto essas coisas para ilustrar a reação permanente
do meio acadêmico tradicional e do campo profissional
“liberal” contra a experimentação coerente. É difícil atacar
o princípio: ele é evidente. Uma escola que prepara agentes
de modificação concreta do espaço construído não pode
recusar a pesquisa prática nem a iniciação do estudante
à intervenção real. Todos os obstáculos que encontrei
nunca visaram o fundamento da proposta diretamente,
mesmo quando se tratava de testar outras relações de
produção. Ora se apoiavam em empecilhos jurídicos, ora
em estatutos profissionais. Todos podem ser contornados.
Mas a resposta contra a experimentação séria é tão forte
que mesmo então encontra outros “argumentos”. Dou
um exemplo grotesco: desenhamos as residências para
as prostitutas em abóbada; o responsável pelo urbanismo
de Grenoble, após ter esgotado sem sucesso todos os
mais fantasiosos argumentos contra, deu sua sentença: é
impossível aprovar casas de putas com forma de bunda.
Grignan, agosto de 2008
canteiro experimental
10 anos na fau
O que, na verdade, incomoda em qualquer experimentação
crítica e conseqüente é seu potencial desmistificador.
Colocar os arquitetos em formação ou já con-formados
em contato com a realidade do canteiro, com o peso das
coisas e, sobretudo, com a fertilidade inventiva do fazer,
é subverter a profissão. A missão desta, para a maioria, é
prescrever em nome de um suposto saber superior cujas
categorias têm a virtude de não ter nenhuma relação com
a construção: só assim cumpre sem consciência pesada
seu papel de auxiliar de exploração. A pesquisa racional e
crítica, não puramente instrumental, é perigosa. Cuidado
nunca é pouco. Se o operário entrar no jogo, quiser seguir
o exemplo, se puser a criticar, propor, alterar... vade retro
satanás!
1 Sérgio Ferro é arquiteto, pintor e professor aposentado da Escola de
Arquitetura de Grenoble. Foi professor da FAUUSP entre 1962 e 1970, ano
em que foi preso e demitido da faculdade. Sua produção crítica foi reunida e
publicada em Arquitetura e trabalho livre. São Paulo, CosacNaify, 2006.
2 Ver de Karl Popper. Lógica da pesquisa científica. São Paulo, Cultrx, 1972
e Conhecimento objetivo. Belo Horizonte, Itatiaia, 1975.
3 Sobre a experiencia científica, ver, além de Popper: Imre Lakatos.
Historie et methodologies des sciences. Paris, PUF, 1994; Thomas Khun. La
Tension Essentielle. Paris, NRF, 1990; Paul Feyerabend. Diálogos sobre o
conhecimento. São Paulo, Perspectiva, 2001.
4 Sobre o conceito de práxis, ver Pierre Macherey. Marx 1845,Les thèses sur
Feuerbach. Paris, Ed. Amsterdam, 2008; e de Franck Fischbach. L’Etre et
L’Act. Paris, Vrin, 2002, e “Activité, production et subjectivité chez Marx”
em Marx Contemporain. Paris, Syllepse, 2008.
23
em nosso quotidiano experiências como essa, que encenam
em curto espaço de tempo um momento de completude
– conceber, executar, consumir e festejar, coletivamente.
Nos termos da antropologia, trata-se de “um ato social
total”, não parcelado.
2.4
Qual futuro para o Canteiro Experimental?
Pedro Fiori Arantes1
Fui da primeira turma do Canteiro Experimental da
FAUUSP, em 1993, iniciado sob a coordenação do
professor Battaglia. Naquela época não havia o espaço
atual, com sua tenda branca – ocupávamos os vãos da
obra do Anexo, então paralisada, numa faixa em que ainda
aflorava a terra bruta. Nossa turma fez vários experimentos
construtivos: o do meu grupo, uma ponte em arcos de
tijolo – vencer um vão livre sem usar aço e concreto, um
saber milenar, mas por nós até então desconhecido. Mas o
que me chamava mais a atenção não era o desafio técnico –
de resto, significativo para um aluno de primeiro ano – mas
a felicidade da maioria dos estudantes naquele momento,
excepcional no curso, de encontro do inexperiente grupo
de construtores com materiais e ferramentas, elaborando
e executando um objeto possível.
Num dos dias, decidimos encerrar as atividades do
semestre construindo um forno e assando pizzas. A
jornada foi até tarde da noite, mas fizemos e comemos
nossas pizzas, e comemoramos o sucesso da obra coletiva.
Por mais simples que seja o forno, não é tão fácil executar
a curvatura perfeita da cúpula e a exaustão correta da
fumaça. Depois vivi essa cena em encontros de estudantes
e também no quintal de uma das sedes da Usina. São raras
24
canteiro experimental
10 anos na fau
Fiz muitos outros projetos como estudante, mas nenhum
me traz à memória a mesma sensação, o mesmo aprendizado
por ação direta, e lúdica. Vivi ali uma experiência única de
educação e, algum tempo depois, quando “descobri” os
textos de Sérgio Ferro, pude entender que aquele exercício
singelo tinha um significado muito mais amplo do que as
pizzas que fazíamos.
O que está em jogo?
Após o falecimento do professor Battaglia, coube
sobretudo aos professores Reginaldo Ronconi e Érica
Yoshioka a tarefa de manter vivo e aprimorar esse lugar à
parte e estranho à FAU.
A tenda branca que abriga o Canteiro Experimental já é,
em si, o primeiro sinal de dissonância. Ela transmite a idéia
de efêmero, imprevisto, espontâneo – sugere a teatralização
de algo novo, que se anuncia. Quem se aproxima dela e
observa as obras executadas pelos alunos percebe algo
diferente: cúpulas e abóbodas de todos os tipos, peças em
argamassa armada, experimentos com taipa, exercícios
de amarração e curvaturas em tijolos, brincadeiras com
garrafas de vidro, laminados em madeira, geodésicas etc.
São materiais e pesquisas construtivas discrepantes em
relação aos cânones da faculdade.
O visitante que percorre o Canteiro pode vislumbrar
nas peças experimentais sinais do prazer com que foram
produzidas e o sentido do aprender ali inscrito, seus erros
e acertos, suas dúvidas e ousadias. É impossível não
reconhecer nisso tudo um espaço de criação que se impõe
em contraponto à faculdade e seus ateliês, um aprendizado
25
através de idéias e práticas coletivas, concretizadas em
obras nas quais aflora a dimensão própria do construir.
O professor Reginaldo montou ali um “terreiro” onde se
celebram as possibilidades do fazer.
Vamos deixar claro, desde já, o que está em jogo com a
existência desse espaço na faculdade: sua condição de lugar
de dissenso e resistência. Para isso, um breve parêntese
histórico.
Nos anos 1960 e início dos 1970, com o debate aberto
entre os grupos liderados por Vilanova Artigas e Sérgio
Ferro, a FAU nunca esteve tão inteligente e capaz de
refletir sobre si mesma – o confronto entre as posições,
quando não beirava o antagonismo sectário, acenava para
a possibilidade de uma teoria e prática dialéticas no ensino
da arquitetura. A síntese possível estava na superação da
contradição desenho-canteiro, inclusive como alegoria da
própria construção nacional. Na reforma curricular de 1968,
entretanto, essas posições se antagonizaram e prevaleceu
a perspectiva pró-desenho, em detrimento da prática
experimental.2 Com isso, o pólo-canteiro ficou restrito à
sua enunciação teórica e a ensaios isolados exteriores à
faculdade, sem constituir um campo experimental coletivo,
interno à escola.
Mesmo com a reação do regime militar, a aposentadoria
compulsória de Artigas em 1969 e a demissão de Sérgio
Ferro e Rodrigo Lefèvre em 1970, o debate ainda seguiu, a
seu modo, por meio de alunos e discípulos, espelhando-se,
por exemplo, na divisão entre as duas principais revistas
dos estudantes: O desenho e Ou....
O peso da repressão, a transferência para a Cidade
Universitária e a emergência de outras agendas políticas
e temas acadêmicos colaboraram para que o debate fosse,
a bem dizer, extinto. A despeito das iniciativas de alguns
professores, a dimensão política da prática de construir
26
canteiro experimental
10 anos na fau
– e com ela a evidência do canteiro – foi recalcada na
FAU, posta para fora da sala de aula. O projeto tornou-se
intransitivo e sem o seu outro, o ensino na FAU viu-se
refém de uma forma autonomizada: o desenho-fetiche.
A necessidade de existência do Canteiro Experimental
e de sua ampliação, em importância e profundidade
pedagógica, é, por isso, um dos caminhos necessários para
que se retome a dialeticização do ensino da arquitetura – e
sua correspondente politização como práxis.
Para os menos familiarizados com a discussão, é preciso
explicar que o Canteiro Experimental da FAU não simula
um canteiro de obras convencional, em miniatura, onde
são treinadas habilidades construtivas e testados materiais
e técnicas. Sua proposta pedagógica apóia-se justamente
na crítica ao canteiro convencional, enquanto espaço de
opressão e alienação do trabalho. A pedagogia do Canteiro
Experimental é, assim, um “método de conscientização”,
como o concebia Paulo Freire: pretende instituir-se como
um espaço de unidade entre o saber e o fazer, como
lugar de problematização e de autonomia dos sujeitos na
definição de sua ação no mundo – fortalecendo-os em
suas potencialidades transformadoras.3 Por isso, o que
está em construção nesse canteiro não são apenas formas
arquitetônicas, mas um novo tipo de arquiteto.4
Na experimentação que articula saber e fazer, os
educadores propõem algumas “situações”, com o objetivo
de intervenção prática e investigação crítica. O motivo
inicial passa a ser visualizado por vários ângulos – dos
estudantes recém-egressos, dos estudantes em fim de
curso, dos professores e dos funcionários com experiência
em construção – e, por isso, modificado pelo diálogo
entre os executores, até o momento da concreção. Estão
sendo pesquisadas nesse “jogo”, por meio das formas
arquitetônicas, modalidades de práticas não-alienadas
– o que Marx denominou de “auto-atividade”, quando
meios e fins são definidos pelos produtores, em oposição
ao trabalho heterônomo no capitalismo. Supostamente,
27
o arquiteto que passa por essa formação estará apto
a desnaturalizar e transformar os canteiros de obra
convencionais5 – e, por extensão, será capaz de pensar e se
posicionar diante dos dilemas sociais mais amplos.
O Canteiro Experimental apresenta-se, assim, como
“resíduo” da racionalidade arquitetônica hegemônica, nos
termos de Henri Lefebvre. É uma negação que contém em
si as possibilidades da superação e é, por isso, um momento
sintético de ensaio de uma “utopia experimental”.6 Isto é,
uma utopia testável em suas implicações e conseqüências e
que, mesmo cerceada pelo contexto atual e realizada com
grau limitado de autonomia, não deixe de apontar para o
que seria a autonomia em seu sentido forte.
Desafios para a radicalização da experiência
A prática do Canteiro Experimental ainda esbarra em
diversos limites, como não poderia deixar de ser, em se
tratando de uma iniciativa contra-hegemônica. A superação
de alguns desses limites, como forma de radicalização da
sua razão de ser, é o melhor meio de indicar seu significado
político, seus objetivos e alianças. Na comemoração de
seus dez anos, o Canteiro Experimental vive o dilema de
ser assimilado (e esterilizado) pela estrutura da Faculdade,
como prática desvinculada e secundária do curso, ou
aceitar o enfrentamento histórico que lhe corresponde:
disputar o sentido do ensino e lhe restituir a possibilidade
de práxis crítica e transformadora, ao mesmo tempo
disposta a redefinir seu papel diante de um país em “estado
de emergência”.7
Indico, a seguir, dois desafios político-pedagógicos que
considero decisivos para as escolhas futuras do Canteiro.
O primeiro diz respeito aos métodos para ensaiar a
superação do projetista e do executor separados, testando
o que seria uma “nova manifestação do construtor, em
28
canteiro experimental
10 anos na fau
unidade superior”, como propôs Sérgio Ferro.8 Para isso,
creio que seria interessante a existência de momentos
de formação em que se ampliem os participantes das
experiências para além dos estudantes de arquitetura.
Se as atividades pedagógicas devem, numa primeira
fase, estimular no grupo de estudantes a capacidade de
unificar o ato de conceber-executar, numa segunda etapa
é desejável permitir o exercício, agora mais complexo e
dialético, da formação da unidade diante da alteridade, isto
é, do arquiteto confrontado com seu outro: o operário
da construção. Isso significa tomar a lógica da separação
em sua determinação histórica e social para ensaiar sua
negação determinada em favor de uma possível síntese
superadora.
Para tanto, é preciso, em algumas das atividades pedagógicas
do canteiro, permitir o fazer conjunto entre estudantes
(não só de arquitetura, mas de diversas formações)
e trabalhadores da construção civil, seus sindicatos,
cooperativas e escolas profissionais, e também com
organizações populares que têm estabelecido canteiros
autogeridos na produção habitacional.9 As conseqüências
políticas dessa aproximação são claras: construir uma
aliança entre técnicos e trabalhadores (não custa lembrar
que os arquitetos quase sempre estiveram a serviço dos
donos do dinheiro e do poder) para a transformação dos
canteiros convencionais em espaços de autonomia.
Se a pedagogia do canteiro ensaia a “emancipação do
estudante de arquitetura”, como afirma o professor
Reginaldo10, ela só se completará quando, num segundo
momento da formação, for acompanhada da emancipação
de todos os trabalhadores da construção – o que, de
fato, não tem como ocorrer no momento histórico atual,
a não ser na condição de laboratórios experimentais de
práticas futuras. O exercício de estranhamento (no sentido
brechtiano) da divisão social do trabalho (sobretudo entre
trabalho intelectual e manual) é o primeiro passo para que
a relação entre arquitetos e operários, entre desenho e
29
canteiro, não se dê mais por imposição e prescrição, mas
por diálogo e ação coletiva.
Devemos reconhecer que o Canteiro Experimental na
FAU e na maioria das escolas de arquitetura está restrito a
uma ação entre iguais (em geral, brancos de renda média
ou alta) e, por isso, apresenta limites como ensaio de práxis
transformadora num país altamente cindido como o nosso.
Apontar o caráter classista de uma experiência confinada
aos muros universitários é o primeiro passo para superar
essa condição. Declarar uma aliança com os trabalhadores
da construção (que compõem, historicamente, a maior
camada profissional urbana) é um dos caminhos para
levar até o limite a sua proposta pedagógica e conduzi-la,
conseqüentemente, para fora da Universidade, intervindo
na cidade e pensando o país.
A experiência do Canteiro não pode ser reduzida a
“experimentalismo” de classe média, formalista e
confinado, por isso deve ter seus objetivos estratégicos
e finalidades político-pedagógicas claramente definidos
e enunciados. Isso não significa fazer uso partidário
ou particularista da Universidade, ao contrário, tratase justamente de se contrapor à privatização do saber
e das estruturas acadêmicas, a favor do uso público
do conhecimento, para estabelecer novas técnicas e
processos de trabalho e, ao mesmo tempo, colaborar para
solucionar problemas que afligem a maioria da população.
Como afirma Sérgio Ferro: “ajudar experimentalmente
a encontrar algumas pistas de respostas às gigantescas e
urgentes necessidades (moradias, escolas, silos, hospitais...)
que esmagam a maioria do mundo hoje, talvez seja a mais
digna das pesquisas em arquitetura”.11
Seria possível, num primeiro momento, já testar algumas
mudanças na forma de produção em obras públicas e,
em especial, da própria universidade pública. O projeto
e a construção da USP-Leste poderiam ter ocorrido nos
moldes de um grande canteiro experimental – e talvez
gerado uma fábrica pública nos moldes do CTRS ou
30
canteiro experimental
10 anos na fau
do CEDEC12 –, mas o que se viu foi o contrário: uma
obra de empreitada convencional, apoiada em cadeias
de subcontratação, precarização do trabalho, jornadas
estendidas para acelerar o ritmo de uma obra pouco
mecanizada, com muitas atividades braçais e idiotizadas
– enfim diversas formas de reposição da opressão e da
exploração.13 Poderia ter sido diferente.
Aqui entramos no segundo desafio: o Canteiro precisa
construir uma teoria correspondente à sua prática. Só
assim ele se constituirá, de fato, como práxis crítica, como
reflexão e ação dos indivíduos sobre o mundo, para
transformá-lo. Como primeira iniciativa, é preciso definir
referências conceituais e fundamentos metodológicos,
realizando um estudo criterioso da teoria, que relacione
pedagogia, produção do espaço e ação política.
O ponto de partida é, a meu ver, o estudo da obra de Sérgio
Ferro (e dos autores que mobiliza) – pois se trata, sem
dúvida, da teoria crítica mais sistemática e radical produzida
entre nós nesse campo –, associado ao exame das diversas
experiências práticas que vislumbraram outros modos de
construir, em associação com os trabalhadores.14
De forma complementar, é necessário empreender
uma revisão da história das técnicas e dos materiais de
construção, da organização da produção e da divisão do
trabalho, da forma arquitetônica e de sua ideologia, olhando
agora pelo ângulo do canteiro e de seus construtores (dos
escravos aos assalariados, dos mestres italianos paulistas
aos candangos de Brasília).15 Também é preciso conhecer
criticamente a situação atual dos canteiros capitalistas
convencionais, da autoconstrução nas favelas e periferias,
e dos canteiros alternativos, descrevê-los em detalhes,
verificar as estratégias de projeto, produção e gestão, seus
resultados urbanos, políticos, econômicos e sociais. Isso,
sem deixar de articular o que se passa na construção civil
com o quadro mais geral da financeirização da economia,
das novas estratégias produtivas, da desregulamentação e
precarização dos direitos trabalhistas, das políticas sociais
31
compensatórias, entre outros temas contemporâneos.
Certamente, uma tarefa de pesquisa e produção crítica que
deverá envolver outros professores da FAU e de diferentes
faculdades, estudantes e pesquisadores, além da equipe
atual do Canteiro.
O esforço de interpretação, por um novo ângulo, da
história e das manifestações contemporâneas, bem
como a constituição de um marco teórico próprio, com
a delimitação de seu campo, são tarefas necessárias para
estabelecer um movimento dialético interno ao Canteiro.
Seu papel histórico só será de fato cumprido se aceitar os
desafios que tem pela frente. A qualidade da experiência
até aqui desenvolvida e a lucidez dos que dela participam
já é o melhor sinal de que, mesmo diante da encruzilhada
atual, temos como seguir pelo melhor caminho.
Mais que apenas uma transformação interna ao curso
da FAU, está em questão definir um novo elo críticopropositivo, perdido nas últimas décadas, entre uma prática
não conformista da arquitetura e um projeto mais amplo
de transformação do país.
Longa vida ao Canteiro!
1 Pedro Fiori Arantes é arquiteto e doutorando pela FAUUSP, autor de
Arquitetura Nova: Sérgio Ferro, Flávio Império e Rodrigo Lefèvre, de Artigas
aos mutirões (Ed. 34, 2002) e coordenador da assessoria técnica USINA.
2 Derrotado na FAU, Sérgio Ferro ainda insistiu na hipótese da experimentação
na FAU-Santos – inciativa interrompida pela prisão de vários professores no
primeiro ano – e, depois, em Grenoble. Sobre suas iniciativas nessa escola ver
a coletânea de Sérgio Ferro por mim organizada: Arquitetura e trabalho livre.
São Paulo, CosacNaify, 2006.
3 Ver de Paulo Freire, especialmente Educação como prática de liberdade e
Pedagogia do oprimido (várias edições).
4 Cf. Reginaldo Ronconi. “Canteiro experimental – uma proposta pedagógica
para a formação do arquiteto e urbanista” em Revista Pós, FAU-USP, n. 17,
2005, p.143.
5 Posso dizer que os estudantes da FAU que procuram a Usina para trabalhar
em canteiros de obras geridos por movimentos populares se referem ao
Canteiro da FAU como tendo sido decisivo em sua formação e disposição
crítica para reinventar a prática.
32
canteiro experimental
10 anos na fau
6 Henri Lefebvre em O direito à cidade e Revolução urbana, e mais
especificamente no texto “Utopie expérimentale: pour um nouvel urbanisme”
em Du rural à L´urbaine. Paris, Anthropos, 1970.
7 Para uma interpretação do Brasil atual, ver, por exemplo: “Fim de século”
de Roberto Schwarz (em Sequências Brasileiras. Cia das Letras, 1997); “A
que ponto chegamos” de Fernando Novais e João Manuel Cardoso de Mello
(em História da Vida Privada v 4. Cia. das Letras, 1998); O ornitorrinco
de Francisco de Oliveira (Boitempo, 2004); Extinção, de Paulo Arantes
(Boitempo, 2007) e Brasil delivery de Leda Paulani (Boitempo, 2008).
8 Em Arquitetura e trabalho livre. Op. cit., p.176.
9 A ITCP (Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares) da USP,
por exemplo, poderia incubar cooperativas de construção civil com apoio
do Canteiro, o que não ocorre atualmente. O Canteiro já realizou algumas
iniciativas de extensão universitária, bem como outros professores da FAU
em suas disciplinas. Contudo, o principal ponto de contato da faculdade
com organizações de trabalhadores ocorreu por meio do GFAU e de seu
Laboratório de Habitação (que existiu entre 1997 e 2005).
10 Op.cit., p.143.
11 Op. cit., p.232.
12 O CTRS – Centro de Tecnologia da Rede Sarah – é uma fábrica do
Ministério da Saúde, coordenada por João Filguerias Lima, o Lélé, em
Salvador. O CEDEC – Dentro de Desenvolvimento de Equipamentos
Comunitários e Urbanos – existiu durante o governo de Luiza Erundina
em São Paulo (PT, 1989-1992) e foi coordenado por Mayumi Souza Lima,
também com o apoio de Lelé.
13 Sobre a obra da USP-Leste e sua comparação com um canteiro alternativo,
ver o filme de Paula Constante, Capacetes Coloridos. Trabalho de conclusão
de curso na FAUUSP, 2007.
14 Entre as experiências brasileiras e seus arquitetos, menciono algumas
das principais que, mesmo cercadas de limitações e paradoxos procuraram
superá-los e, por isso, merecem um exame cuidadoso: Cajueiro Seco, com
Acácio Gil Borsói, em Pernambuco; Brás de Pina e as ações de Carlos Nelson
dos Santos nas favelas do Rio de Janeiro; as fábricas de hospitais, escolas
e infra-estrutura urbana de João Filgueiras Lima e seus colaboradores,
em diversas cidades; as casas em abóbada de Rodrigo Lefèvre; a ação da
Cooperativa do Sindicato dos Arquitetos nas periferias de São Paulo no fim
da ditadura; o Seminário dos Padres Claretianos, de José Mário Nogueira
e Affonso Risi Jr, em Batatais; a engenhosa arquitetura lúdica de Vitor
Lotufo; a bio-arquitetura de “pés descalços” de Johan Van Legen, no Tibá; os
Laboratórios experimentais em diversas faculdades; a residência estudantil
da Unicamp e as obras do Nudecri; o Cedec, coordenado por Mayumi Souza
Lima; os mutirões dos movimentos populares e suas assessorias técnicas;
a construção da Escola Nacional do MST; além da produção dispersa de
diversas cooperativas de construção civil.
15 Perspectiva que foi desenvolvida, para a produção arquitetônica européia,
por Sérgio Ferro e equipe, no Laboratório Dessin-Chantier da Escola de
Arquitetura de Grenoble. Parte do material produzido pelo Laboratório está
sendo coletada por Felipe Contier em sua Iniciação Científica com o objetivo
de divulgá-la e arquivá-la na FAUUSP.
33
sentidos também se preparem para confrontar o imaginário
com o real. Mas ao entrar pela primeira vez no edifício
de Vilanova Artigas esse desejo de cotejar quase sempre
é contido pelas fortes emoções e surpresas que o espaço
suscita, e que transparecem pelo súbito silêncio no agito
dos estudantes da excursão.
2.5
Há mais de vinte anos, desde a primeira viagem de estudos
com meus alunos da disciplina de projeto arquitetônico,
esses sentimentos e esse ambiente de descobertas, de
controvérsias e de admiração se repetem quando os
estudantes visitam essa premiada obra de Vilanova
Artigas. Comprovam, renovadamente, como os espaços
arquitetônicos inovadores e engenhosos trazem à tona
emoções profundas, mesmo que às vezes contraditórias.
O olhar do visitador
Maria Inês Sugai1
Quando o ônibus da Universidade Federal de Santa
Catarina, no qual viajavam 40 jovens estudantes do Curso
de Arquitetura e Urbanismo, atravessou o portão principal
da cidade universitária da USP, deu para sentir no ar,
como das outras vezes, a mesma expectativa e entusiasmo.
Dezenas de olhares ansiosos espreitavam através das janelas
enquanto o ônibus avançava. Ao mesmo tempo em que
tentavam não perder nenhum detalhe das explicações, os
estudantes observavam, surpresos, a dimensão do campus,
o traçado de suas amplas avenidas, as enormes distâncias
e vazios entre as suas edificações, tentando reconhecer
naquela seqüência de edifícios e de siglas algum sinal do
nosso edifício de destino. Quando finalmente despontou o
perfil familiar do prédio da FAU-USP, e a imensa empena
de concreto armado sobressaiu-se no meio das árvores,
os olhares e a curiosidade se aguçaram. Enfim, depois
de tantas horas de viagem, reconheciam e adentravam o
edifício projetado pelo arquiteto e professor João Batista
Vilanova Artigas, e podiam confirmar e vivenciar a
concretude de uma arquitetura que conheciam de livros,
revistas e vídeos.
A experiência de entrar pela primeira vez num edifício
que se conhece através de imagens faz com que nossos
34
canteiro experimental
10 anos na fau
Nos últimos anos, nas viagens para visitas à FAU-USP,
essa experiência foi desdobrada e ampliada. Conhecer os
espaços da FAU-USP - com seus ateliês abertos e ao mesmo
tempo reservados, com seus espaços inferiores livres ao
exterior, sua biblioteca em inserção singular, seu rico acervo,
infra-estrutura e laboratórios – evidenciava sua condição
particular e privilegiada. Entretanto, ao final dos anos 90,
com a implantação do Canteiro Experimental Antônio
Domingos Bataglia, criaram-se referências inaugurais
de uma nova pedagogia para o ensino de arquitetura. O
Canteiro Experimental constitui-se, sem dúvida, em mais
um laboratório que amplia o já rico patrimônio material e
imaterial da FAU-USP, mas não apenas isso. Trata-se de
uma ousada experiência pedagógica, que talvez ainda não
tenha se irradiado totalmente para o conjunto da escola,
mas que certamente traz consigo o embrião da mudança.
Hoje, um visitante que se aproxima do emblemático edifício
Vilanova Artigas tem, à sua direita, a visão de uma alva
cobertura tensionada que pousa graciosa e discretamente,
expressando o desejo de leveza e de fugacidade, quase
num contraponto às fortes características construtivas
do edifício da FAU-USP. Essa cobertura e sua estrutura
tensil, sinalizam e delimitam o espaço coberto do Canteiro
35
Experimental, o qual, em sua concepção estrutural e em
sua implantação, demonstra relação respeitosa com os
espaços e a importância histórica do edifício projetado por
Artigas. A área coberta do Canteiro Experimental como
espaço de aprendizado denota também transparência,
transitoriedade e graciosa irreverência em relação às
demais edificações, coerente com as atividades que ali se
desenvolvem, adequada às atividades criadoras e aos que
querem ter o direito de experimentar.
Muitos confundem as atividades do Canteiro Experimental
com a de um canteiro de obras, onde os estudantes exercitariam
os saberes estabelecidos ou a construção de um projeto
criado no ateliê, reproduzindo a separação entre teoria e
prática, entre a atividade intelectual e a manual. Entretanto,
a proposta do Canteiro Experimental é muito mais ousada.
Possibilita o exercício de uma pedagogia transformadora,
na qual o estudante se apropria criticamente dos saberes
que envolvem o projeto e a obra em sua totalidade, assim
como analisa o processo e o método durante o próprio
exercício construtivo, que o incentiva às atividades de
investigação e de experimentação. A possibilidade de
experimentar e de criar durante o exercício construtivo
permite o aperfeiçoamento do projeto, a averiguação de
soluções historicamente reconhecidas, a investigação de
alternativas construtivas inovadoras, a reavaliação crítica
do método, enfim, a reaproximação entre arte e técnica. A
experimentação no Canteiro, portanto, exige que se aceite
o erro como instrumento de aprendizado, ou seja, o erro
não se constitui num obstáculo a ser evitado, mas num ato
pedagógico. Deste modo, o Canteiro Experimental remete
não só à possibilidade do exercício consciente do processo
construtivo e do fazer arquitetônico, mas significa também
o lançamento de novas perspectivas metodológicas para se
ensinar arquitetura de forma critica. É no canteiro que os
estudantes podem ver e reconhecer, a si mesmos e também
os que constroem o papel de sujeitos políticos.
36
canteiro experimental
10 anos na fau
A proposta do Canteiro Experimental tem tido repercussões
diretas em diversos cursos de arquitetura e urbanismo,
sendo que alguns deles vêm tentando investigar e reproduzir
essa forma de ensino e de aprendizagem. No entanto, as
indagações que muitos se fazem relaciona-se ao porquê
dessa experiência inovadora do Canteiro Experimental
da FAU-USP, apesar de reconhecida e tão bem sucedida
nesses 10 anos, ter se disseminado apenas numa pequena
parcela dos 207 cursos de arquitetura e urbanismo no país;
ou ainda, do porquê dessa experiência pedagógica ficar
restrita às chamadas disciplinas da área técnico-construtiva
e não se articular com as demais disciplinas e conteúdos
que integram a formação dos arquitetos e urbanistas.
Certamente não possuo a resposta, mas arriscaria apontar
alguns aspectos para contribuir para essa reflexão. Por
um lado, porque não se trata de um trabalho isolado dos
departamentos ou núcleos de tecnologia, e essa necessária
maior participação do Canteiro Experimental no ensino
só poderá ocorrer se for fruto de um anseio e de um
trabalho coletivo. Deve-se considerar, ainda, que um
Canteiro Experimental envolve custos, exigindo apoio de
infra-estrutura, espaço físico, oficinas, laboratórios e um
corpo técnico especializado, incompatíveis com o sistema
de ensino empresarial, centrado, sobretudo, no espaço
físico das salas de aula e ateliês, como ocorre na maior
parte dos cursos de arquitetura que se alastram pelo país
afora – o que reforça uma necessária postura crítica e
reivindicadora.
Entretanto, além desses fatores citados, e para que não
venha a se tornar apenas mais uma simulação de um
canteiro de obras, o Canteiro Experimental exige que os
professores possam também estar dispostos a rever a sua
relação com o ato de conceber o projeto arquitetônico e a
sua relação com a obra e, ainda, a rever o ato de ensinar,
o que exige não apenas novas metodologias, mas aceitar
mudanças na relação ensino-aprendizagem. Nesse sentido,
aqui se evidencia um dos mais enfáticos preceitos do
37
educador Paulo Freire que insiste para que nós, educadores,
nos convençamos definitivamente, de que “ensinar não
é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua
produção ou a sua construção”. O que também implicaria
aceitar a relação continua e de mão dupla entre docência
e aprendizado e suas repercussões, ou seja, “quem ensina
aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender”.
Por todas essas exigências, seguramente as atividades do
Canteiro Experimental devem produzir muitas resistências,
como toda proposição inovadora e inaugural. Dessa
forma, talvez possamos entender o motivo de sua pouca
disseminação nos cursos de arquitetura e urbanismo. Assim
como também vislumbrar o porquê de ainda não ter sido
implementado na UFSC, apesar de sermos visitadores
contumazes, levando anualmente quase 10% de nossos
alunos nessas viagens de estudos. Entretanto, é fascinante
constatar como esse contato com a prática pedagógica
desenvolvida no Canteiro Experimental da FAU-USP vem
repercutindo e influenciando positivamente a formação de
nossos alunos da UFSC. Nos últimos anos, convidados
também pelos estudantes, e em diferentes ocasiões, o
Prof. Reginaldo Ronconi, coordenador do Canteiro
Experimental da FAU-USP, e também o Prof. Vitor
Lotufo, professor da Escola da Cidade e grande entusiasta
dessa experiência, efetuaram palestras e workshops em
duas edições da Semana da Arquitetura e Urbanismo
organizado pelo Centro Acadêmico e pela Coordenação
do Curso na UFSC. Além de se engajarem nas diversas
atividades lúdicas propostas pelos dois professores, e de
se entusiasmarem com a construção de uma catenária e
de uma parabolóide no entorno do prédio da escola, os
estudantes aprenderam e vêm absorvendo e reproduzindo
essa prática, inclusive até na elaboração de Trabalho Final
de Graduação, quando neste semestre um dos nossos
formandos, tendo como referência a experiência da FAUUSP, traz para debate uma proposta de implantação do
Canteiro Experimental na UFSC.
38
canteiro experimental
10 anos na fau
Ou seja, essa é uma experiência extremamente
enriquecedora, mas que para se realizar plenamente,
exige mais do que o apoio de um grupo de estudantes
e de professores interessados. O amadurecimento dessa
proposta pedagógica e sua relação mais intensa com as
atividades de projeto dependem e devem se constituir,
necessariamente, numa ação coletiva de professores e
estudantes do curso.
A comemoração dos 10 anos do Canteiro Experimental
e o reconhecimento de sua inestimável contribuição
para o ensino de arquitetura e urbanismo se constitui
também num momento para pensarmos nos próximos
passos que deverão ser dados para consolidar essa
proposta. Certamente uma das metas é garantir que, além
desse reconhecimento, possa ser adotado como campo
pedagógico, ultrapassando o próprio espaço do Canteiro
e se articulando com os demais campos disciplinares da
escola, e, ainda, que a experiência continue a transpor o
campus da USP, se reproduzindo nas demais escolas de
arquitetura brasileiras. Portanto, ao mesmo tempo em
que, em nome do corpo docente e discente do Curso de
Arquitetura e Urbanismo da UFSC me congratulo com
o corpo docente, discente e de funcionários da FAUUSP espero que tanto a articulação disciplinar dentro da
FAU, quanto a sua disseminação pelo país se consolidem,
o que seguramente irá alterar e qualificar a formação das
próximas gerações de arquitetos e urbanistas brasileiros.
São esses os meus votos para a próxima década.
Agosto de 2008
1 Arquiteta e urbanista, com graduação, mestrado e doutorado obtidos na
FAU-USP, professora do Curso de Arquitetura e Urbanismo e do Programa
de Pós-Graduação em Urbanismo, História e Arquitetura da Cidade, ambos
do ARQ/UFSC.
39
é ela que exige do aluno a prontidão para a resolução e
solução dos problemas. Estas vivências e este sentimento
provocado facilitam a formação da singularidade de cada
arquiteto. Esta situação provocadora aguça a percepção
de todos os conhecimentos pregressos e, com isso, o
autoconhecimento. A individuação é mantida – quando
não, construída – na medida em que a práxis possibilita
aflorar as intenções e verdades veladas que não conseguiram
espaço nos ambientes da sala de aula.
2.6
­ anteiro experimental:
C
O material e o imaterial
Fernando Cesar Negrini Minto1
No decorrer da formação do arquiteto urbanista, o
canteiro experimental é capaz de promover um desafio:
o de colocar à prova os seus projetos. Porém, há que se
observar, para que este espaço privilegiado seja mesmo
um espaço para a experimentação e para a síntese dialógica
entre a construção e o desenho – condição fundamental
para a boa formação do arquiteto. O canteiro não deve ser
entendido como tão somente uma disciplina.
De tudo o que se vê, se ouve, e se pratica na faculdade, seja
nas aulas de história, de resistência dos materiais, seja nas
aulas de sociologia, técnicas retrospectivas ou nos estúdios
de projeto, todos os conceitos e conhecimentos podem
e devem manter trocas constantes com as atividades de
canteiro e serem passíveis de experimentação. Serem
testados e comprovados nos ambientes de canteiro.
Uma particularidade que há nos canteiros experimentais
das faculdades de arquitetura é a possibilidade da
materialização das coisas. Uma construção que revela
as contingências veladas nos processos e que relativiza
o projeto. Esta materialidade presente nestes canteiros
traz à tona os problemas que muitas vezes não estão
presentes nas pranchetas ou nas telas dos computadores;
40
canteiro experimental
10 anos na fau
Uma discussão importante para a compreensão destes
fenômenos ocorridos no canteiro é a da dimensão do
material, entendido não apenas como matéria, mas como
processo histórico de ação humana sobre a natureza. .
Quando se adota – em algumas enfadonhas disciplinas
sobre material – uma descrição tal qual dos catálogos e
de análises intermináveis de tabelas de resistência e de
características físicas, isto faz do material algo inerte, como
que se houvesse uma distância enorme entre a verdade
daquelas tabelas e a possibilidade de se experimentar
coisas novas. Mas se encararmos o material como matéria
histórica, modificada pelas mãos do homem, este se torna
transformável e transformador. Para Sérgio Ferro, há no
material uma “memória cultural” que pode ser reconhecida
e utilizada. O exercício de canteiro pode ser uma espécie
de disparador para a compreensão desta existência, da
“síntese da matéria e história condensada da produção”,
alojada no material2.
Ao se entender material como parte substrato e parte
experiência humana, permite-se manuseá-lo entrando em
contato com as informações intrínsecas e ser provocado
por elas. Perceber e se sensibilizar pelo material. Perceber
o que ele é e de onde ele vem, sua natureza, seu peso e
forma. Perceber os impactos e resultados na produção e na
aplicação desses materiais. Quando se manipula a matéria e
se percebe histórico ao fazê-lo, há uma evocação intuitiva
desses conhecimentos, o que aguça a intuição criativa.
Uma espécie de mistura da natureza física e morfológica
desta matéria com a percepção fenomenológica do aluno.
41
Se prestarmos atenção, percebemos que há certa
peculiaridade e particularidade nos exercícios praticados
no canteiro experimental.
Os exercícios que vemos hoje no canteiro da FAU são de
uma natureza que difere daquela que construiu esta escola.
Talvez porque o canteiro não está lá para erigir escolas
ou qualquer outra coisa. O canteiro existe tão somente
para construir arquitetos e para dar referencia e segurança
ao estudante da arquitetura. A possibilidade do erro, garante
ao aluno a segurança para submeter o seu projeto à
prova. Antes de o aluno ser testado, seu projeto é por ele
testado e verificado. Nas palavras do professor Reginaldo
Ronconi, responsável pelo canteiro experimental “Antônio
Domingos Battaglia”, nos exercícios lá vivenciados, o
simples treino cede lugar a descobertas emancipadoras.
Esta vivência de canteiro possibilita a autonomia. Há
que se perceber a qualidade e a autenticidade da criação
quando esta leva em consideração o regionalismo crítico.
Cada momento e cada lugar promovem um tipo específico
de arquitetura que tem a ver com o seu lugar e com o
seu tempo. Construir abóbadas, arcos, paredes em taipa
de pilão, curvas catenárias com madeiras laminadas, peças
de argamassa armada e paredes com garrafas, tudo num
mesmo exercício e num mesmo espaço, é uma forma de
se desvencilhar das convencionais práticas e de tratar o
material como realmente ele deve ser tratado.
A meu ver, este espaço carece ainda de uma participação
mais significativa de outras disciplinas que possibilitaria
uma complexidade ainda maior nas operações hoje lá
realizadas. Imagino que estes exercícios sendo realizados
sob a ótica de diferentes docentes, de diferentes áreas,
elevariam o canteiro a uma categoria realmente de espaço
para a síntese absoluta.
A minha primeira experiência com o Canteiro Experimental
da FAU foi num workshop a que fui convidado a ministrar
em 2005. Consistia num mini curso para introdução aos
conceitos de arquitetura com terra crua. Hoje, estou na
fase final de um mestrado que aborda a experimentação
42
canteiro experimental
10 anos na fau
prática do estudante de arquitetura e urbanismo com ênfase
nas práticas de canteiros experimentais. Nesta pesquisa
pude constatar que muitas das questões relevantes para a
formação do arquiteto estão dadas no canteiro, mas que
o canteiro ainda não construiu a sua teoria e a sua crítica.
Falta fazer a ponte entre esta práxis e os problemas sociais e
econômicos entendidos na dimensão teórica em disciplinas
do curso. Falta a apropriação desta dinâmica do canteiro por
parte dos pesquisadores de pós-graduação. Falta alinhavar
os discursos existentes nos estudos de história da técnica
e as experiências de exercício das “culturas construtivas”
que há no canteiro. Tudo isto aponta para a necessidade de
que todas as categorias da escola estejam envolvidas com o
canteiro. Para que se estabeleça e se fortaleça um discurso
próprio deste espaço.
E vou além. Creio que deveria haver uma extensão
destas atividades para o campus universitário e para a
cidade como um todo. E vice-versa. Iniciativas exógenas
deveriam procurar, no canteiro, um espaço para discussão
de suas ações. Neste espaço de constante diálogo entre
os fazeres do arquiteto – de prancheta e de canteiro – há
espaço suficiente para as diversas esferas da sociedade.
Sem que se comprometa o seu caráter pedagógico, poderia
haver uma progressão nas escalas de ação do canteiro –
satisfazendo as exigências tanto teóricas como práticas –
do primeiro ao último ano, crescendo gradualmente em
comprometimento, complexidade e nível de interferência.
O lugar intelectual e prático do canteiro na faculdade já
foi experimentado e compreendido. A importância de sua
pedagogia e do seu papel no ensino e aprendizagem da
arquitetura já foram comprovados.
Há, agora, a necessidade desta extensão e apropriaçãocoletiva.
Agora é a hora de engrossar o caldo!
Parabéns ao canteiro por estes dez anos de existência.
1 Arquiteto e Urbanista, assessor da Usina, mestrando na FAU USP e
pesquisador do Laboratório de Culturas Construtivas
2 FERRO Sérgio. Arquitetura e Trabalho Livre. São Paulo: Cosac Naify,
2006
43
2.7
Canteiro experimental da FAU
E o canteiro – cooperativa de construção
Francisco Barros1
“Em regime de votação:
qual das propostas de projeto até então elaboradas vai ser
executada?
Favoráveis ao projeto 01, favor levantar suas mãos: um, dois, (...)
Favoráveis ao projeto 02, levantem as mãos: um, dois, três, quatro,
cinco (...)
Favoráveis ao projeto 03, com as alterações propostas pelo Cláudio
(...)”.
Trecho alegórico de aula da disciplina no canteiro
experimental. AUT 0131 – Técnicas Alternativas na
Construção. Prof. Reginaldo Ronconi
uma fagulha
Quão interessante seria se por toda cidade, antes de
um dia de obra, os operários da construção tivessem a
possibilidade de se reunir em seus canteiros, para debater
e deliberar sobre questões como a quantidade de tijolos
a compor determinada forma em obra de arquitetura,
ou sobre a locação de um equipamento eletrônico para
facilitar sua execução, de modo a torná-la menos dura e
mais belo o resultado plástico da cobertura de um dado
espaço?
44
canteiro experimental
10 anos na fau
E ainda, se resolvessem decidir sobre seu próprio salário?
Tal perspectiva existe, está colocada. Pois foi realizada,
experimentada, praticada e vivida por 43 trabalhadores da
construção nos anos de 2004, 2005 e 2006, no Canteiro
– Cooperativa de Construção, bairro da Pompéia – São
Paulo2.
Realizando breve análise sobre a formação desta
cooperativa, onde a entrada e saída são livres, observando
por que os profissionais que nela trabalhavam assim
resolveram compor este corpo produtivo, é que podemos
tecer algumas conclusões.
Se, de um lado, observarmos os operários da construção, os
pedreiros, mestre de obras, pintores, eletricista, ajudantes...
é de fácil compreensão o interesse em se juntar a um
grupo de pessoas que possuem a democracia como forma
de gestão do trabalho na construção civil.
Para um pintor, trabalhar em tal coletivo, significa a
ampliação de perspectivas sobre os direitos do trabalho.
Os direitos de opinar, contribuir, participar e subsistir
sobre todas suas esferas.
Como em uma cooperativa o associado é convidado a
decidir sobre todas as questões que compõe seu trabalho,
significa ter o direito de decidir, por exemplo, na escolha
das cores ou da técnica de pintura a serem aplicadas em
determinada superfície. Ainda, há a possibilidade de medir
e saber de fato quanto vale seu trabalho em toda uma
complexa obra, e dirigir seus anseios salariais sobre o todo
do corpo de trabalhadores.
Não parece haver dúvidas.
Ao trabalhador braçal extirpado de direitos o interesse na
participação em tal cooperativa parece óbvia.
Agora, que faz um corpo de acadêmicos3, dotados de
poder de decisão, remuneração, reconhecimento social, ou
seja, de direitos, inclusive autorais, ter interesse em dividir,
compartilhar disso tudo?
Há respostas e explicações das mais diversas, mas há
uma delas que parece comum a estes formados como
intelectuais que deve sim ser considerada.
45
A do papel transformador da universidade na formação
dos profissionais que por ela passam. Dentre seus espaços
de formação4, destacamos no caso das faculdades de
arquitetura e urbanismo, os canteiros experimentais, da
USP de São Paulo, e de São Carlos5.
Aos cooperados formados nessas universidades o canteiro
experimental lançou fagulhas.
Incendiárias.
Há, neste ambiente universitário, a abertura de paradigmas
impensáveis no mercado da construção civil, espaço de
gritante exploração do trabalhador, dominado pelo modo
de produção capitalista. Ou seja, pelo todo6 do fazer
arquitetônico contemporâneo.
Nas aulas do canteiro experimental pudemos viver a
maravilha7 da reunião de duas atividades vitais para o
viver humano separadas pelo capital. Pensar e fazer. Que,
na divisão social do trabalho capitalista encontram-se
apartadas basicamente em duas classes sociais: a pensante
privilegiada, com bons salários (onde o arquiteto se insere
de modo ativo – também comandante do processo e
proprietário de meios de produção, ou passivo – peça
chave da engrenagem produtiva, mas ainda refém de seu
salário), e aquela fazedora desprovida de meios para viver,
sobreviventes operários urbanos.
Tivemos na FAU, por apenas um semestre que seja,
reatados em um só corpo produtivo cabeça e mãos. Hoje
totalmente antagonizados na construção da cidade.
Em determinada aula da disciplina AUT 0131 – Técnicas
Alternativas na Construção ministrada pelo prof. Reginaldo
Ronconi fomos convocados a projetar e a executar um
determinado elemento arquitetônico.
A regra era clara: os vinte alunos deveriam desenhar,
pensar, projetar elementos arquitetonicamente relevantes
e escolher apenas um desenho, uma idéia dentre todas e
executar.
E assim foi.
Reunidos em grupos desenhamos, debatemos, criticamos,
alteramos, melhoramos, alteramos, votamos.
Depois os vinte, em torno dessa única idéia, eleita,
46
canteiro experimental
10 anos na fau
passaram a construí-la. Foram semanas para executar os
debates de uma tarde sobre o projeto.
Linha, cimento, tijolos, braços, colheres, areia, prumo...
E a peça foi erguida.
E bela.
A vivência da democracia entre as atividades do pensar e
do fazer pelos mesmos mostrou-se perfeitamente factível.
É prática desalienante, conflituosa e bela.
Daí, necessária !
A questão que resulta da experiência positiva vivida é por
que a cidade nega tal prática.
Bela?
Por que os arquitetos se contentam apenas com as lapiseiras
alienadas?
A pergunta é simples: por que não produzir dessa forma
conjunta? A dar daí realmente nova forma?
Ou alguém prefere um canteiro de obras onde temos
centenas de pessoas a trabalhar como zumbis para
construção de uma obra idealizada por uma pessoa?
Ou alguém prefere que o privilégio decida quem vai ser o
um a dizer como vai ser a obra feita por todos?
Ou alguém prefere após um dia de trabalho ir jantar sushi
enquanto que os colegas da obra executores de sua idéia
vão todos ter com salsicha e um ovo?
Preferem o privilégio da formação universitária?
Afinal, alguém prefere?
Bem, não é necessária resposta. Antes, vejamos com maior
cuidado, ainda que de modo breve, as diferenças vividas na
reunião das atividades de criação e execução na disciplina
do canteiro experimental da FAU e as obras todas de
construção civil.
“toca-se com as mãos a idéia” ou “mandar
obedecendo” (EZLN)
Na universidade, no canteiro experimental, sob a chancela
da experimentação e da formação, temos dois momentos
distintos vivenciados pelas mesmas pessoas que no
47
mercado da construção estão quase que proibidos de se
encontrar.
Há o momento primeiro, da criação da idéia, que conta
com a participação de todos, com propostas livres, de
contribuição geral. Todos influenciam. Há no caso vinte
cabeças que pensam, projetam, gesticulam suas intenções
em modelos prévios, representações da idéia em formação.
São idéias múltiplas, diferentes, conflituosas. Debate-se.
Argumenta-se. Melhora-se a uma idéia (que sairia de um
só se fosse nos moldes tradicionais). São muitas cabeças
bem melhores que uma...
Neste processo coletivo há momentos de desacordo.
O diferente aparece. Se aparecem duas idéias, debatese, analisa-se, argumenta-se a plástica, a função, a
construtibilidade, os materiais, os tempos, os prazos, as
dificuldades. Se ainda não há consenso, vota-se, escolhese um único caminho. Ali todos têm o controle, operarão
com as próprias mãos a idéia.
Tem-se assim o segundo momento (execução) dentro
do primeiro pois são as mesmas pessoas. Exatamente
as mesmas. Não se trata de desenhar para comandar
outro qualquer que seja por intermédio de relações de
dominação.
E isso faz toda diferença.
O segundo momento é o momento da aplicação, da
verificação física sobre o antes pensado. Com a vivência
própria de quem elaborou toca-se com as mãos a idéia.
Algo diferente na construção da cidade é vivido: uma
relação objetivamente direta entre pensar e fazer. E
notam-se reflexos disso, há reflexão plástica, há crítica, há
repensar, há avanço, há criação.
No durante, muda-se a idéia.
Se verificado que o pensado, agora em escala natural não
era assim tão...
Chama-se o corpo construtivo e decide-se a mudança da
idéia com as mãos erguidas em votação a arrumar o mal
entendido.
Muda-se, melhora-se, ajusta-se.
48
canteiro experimental
10 anos na fau
Têm-se os autores próprios, a executar a obra com
autoridade. Eles próprios são os autores. Eles dão
propriedade à autoria. Eles assim, autorizam a propriedade.
Eles assim, podem fazer uma nova cidade.
para além dos alambrados: “(...) no final a gente vê”
O processo, assim em breve relato dá pistas às razões que
entremeavam as assembléias dos arquitetos e urbanistas
que juntos decidiram continuar a experimentar para além
do alambrado universitário na Fau e São Carlos e trabalhar
de forma cooperada com os operários convidados.
Os antes estudantes visualizaram que se o processo deste
coletivo universitário continuasse a existir, a erguer obras
pela cidade, haveria avanço plástico material e social certo.
Teríamos a criatividade revivida, a arquitetura seria sempre
criação, de fato. Não comando alienado, rompido8. Haveria
processo.
Temos portanto, neste processo de construção da cidade
do tipo “novo” duas ocorrências: temos democracia,
onde todos elaboram a idéia, e a idéia através de todos
é concretizada. E, temos um processo crítico material
sintético. Onde o objeto produzido é revolto, de volta, em
direção ao pensamento, à idéia própria.
Ou seja, um encontro de pessoas a reunir pensamento à
matéria.
Cria-se e executa-se uma idéia que lhes é própria.
Quebra-se a propriedade.
Quebra-se a separação, a alienação.
Na cidade, hoje, nada disso é vivido:
Os que pensam (poucos) não executam, e os que executam
(muitos) não pensam. Temos alienação autoritária,
imposta. Ou a heteronomia tão bem descrita por Sérgio
Ferro. O arquiteto não tem a mínima noção em como
melhorar sua idéia, que alienada baseia-se em formas
vindas de imagens antes vistas, mas nunca percorridas
pela técnica, pela produção, pelo sangue das mãos. É tudo
imagem. É tudo abstração. É, no limite, apenas modelo,
desenho tridimensional, que belo, sim, mas em formato
49
ideal. Abstrato, irreal.
Temos portanto um problema de cunho político e um
problema de método de trabalho (que resulta em si, em
arquitetura, em problema estético):
Ao mesmo tempo em que estamos impedidos de relacionar
democraticamente pessoas que idealizam com pessoas
que executam para decisão do futuro a ser construído,
resultado do privilégio da formação de classe (pedreiros e
arquitetos), estamos também impedidos de avançar sobre
a criação da beleza plástica das coisas.
Como se vê na resposta dada, anos depois, em obra da
cooperativa, na fala de José Carlos, mestre de obras a
explicar a um pedreiro novo “no método”, ao debaterem
sobre parede que deveria ser erguida com liberdade de
amarração dos tijolos:
“Parece difícil... mas no final a gente vê que fica mesmo mais
bonito”.
voltando, revolução
Voltando à questão inicial. Por que esses arquitetos e
urbanistas que se inscreveram nas atividades da cooperativa
resolveram compartilhar de seu trabalho privilegiado?
A hipótese lançada é de que a experiência da cooperativa
não teria sido levada de tal forma a cabo se não fossem
os avanços de entendimento político objetivo do fazer
construtivo, geminados nos espaços de experimentação
das faculdades de arquitetura de São Carlos e São Paulo.
Pois, na atual conjuntura, se não fosse a abertura e o
interesse desses acadêmicos de compartilhar de seus
privilégios de formação de classe, de sua propriedade
de mando autoral, resolvendo continuar a experimentar
para além dos alambrados universitários, os executores
das obras dificilmente teriam por si só criado tal espaço
de trabalho, necessariamente formado pela presença de
ambos em relação democrática direta.
A não ser que tivéssemos já feito uma revolução
democrática que permitisse aos operários tomar de conta
dos meios de produção a obrigar a minoria de arquitetos
50
canteiro experimental
10 anos na fau
a trabalhar segundo os desejos das maiorias dos operários.
Daí, as cidades certamente já se achariam belas, pelos olhos
do todo de sua população9. Algo que não seria nada mal.
1 Arquiteto e urbanista, cenógrafo, um dos fundadores da cooperativa de
construção canteiro.
2 A cooperativa de construção Canteiro teve durante os dois anos e meio de
seu funcionamento produtivo a presença de 43 profissionais da construção
(Aparecido – carpinteiro, André – arquiteto e urbanista, Andrei - arquiteto
e urbanista, Ariane – arquiteta e urbanista, Carolina – arquiteta e urbanista,
Carol – arquiteta e urbanista, Cris – arquiteta e urbanista, Daniel – arquiteto
e urbanista, Denílson – pintor, Dinalva – arquiteta e urbanista, Douglas –
arquiteto e urbanista, Edielton – ajudante, Fábio – ajudante de eletricista,
Frieda – arquiteta e urbanista, Francisco – arquiteto e urbanista, Gabriel –
Pedreiro, Genival – pedreiro, Guilherme – cientista social, João – arquiteto
e urbanista, José – arquiteto e urbanista, José – mestre de obras, Jovelino –
pedreiro, Julia – arquiteta e urbanista, Isabel – arquiteta e urbanista, Liliane
– arquiteta e urbanista, Lucas – arquiteto e urbanista, Luiz – arquiteto e
urbanista, Manoel – arquiteto e urbanista, Manoel – eletricista, Mariana –
arquiteta e urbanista, Mayra – arquiteta e urbanista, Marco Aurélio – arquiteto
e urbanista, Paulo – ajudante, Pedro - arquiteto e urbanista, Pedro – arquiteto
e urbanista, Renata – arquiteta e urbanista, Renato – arquiteto e urbanista,
Tais – arquiteta e urbanista, Tomas – engenheiro civil, Zé – pintor, Zé Bétio
– pintor, Zequinha – pedreiro, William – arquiteto e urbanista) produziu mais
de R$ 300.000,00 distribuídos democraticamente entre seus cooperados,
pela realização de projetos e execução de obras de construção, produtos de
marcenaria e cenografia de espetáculos teatrais. Uma análise da suspensão
dos trabalhos da cooperativa, realizada em assembléia de outubro de 2006
encontra-se no TFG – Trabalho Final de Graduação de Daniel Costa, em
vídeo: “Aqui Jazz Canteiro – cooperativa de construção”.
3 Aqui os acadêmicos referidos são arquitetos e urbanistas e engenheiro.
Houve também em determinados momentos da cooperativa a presença de
biólogos e cientistas sociais.
4 Os espaços de formação na universidade são os mais amplos. Há, além
do ensino, a pesquisa, a extensão universitária e instâncias outras, como o
movimento estudantil, e toda forma de convivência proporcionada pela
simples presença no universo universitário.
5 Compõe a cooperativa arquitetos das faculdades de arquitetura e urbanismo
da USP de São Paulo e São Carlos, onde também há espaço para o revelamento
de questões radicais do trabalho na construção civil, por meio de atividades
realizadas pelo Prof. João Marcos Lopes e colegas outros.
6 Há sim maravilhosas exceções a essa regra, qual deixo aqui espaço para
busca. Quais são ? Quantas são?
7 Em conversa e um copo de cerveja com o mestre Arquiteto Fernando Minto
notávamos a alegria dos alunos na referida disciplina, onde “mais parecia
um piquenique dos alunos”: imagine se a construção da cidade tivesse esse
caráter !
8 Recomenda-se visita à obra de Sérgio Ferro, o “canteiro e o desenho”.
9 William Morris, em Notícias de lugar nenhum prevê assim a beleza das
cidades e campos, após desejada revolução socialista na Inglaterra.
51
Importante também foi a primeira guerra do petróleo que
levantou uma porção de questões sobre energia, escassez
etc.
2.8
Reflexões sobre o Canteiro Experimental
Vitor Amaral Lotufo1
Quando era estudante de arquitetura no Mackenzie,
vizinha da FAUUSP, descobri na sua biblioteca uma revista
totalmente diferente das outras. Era a AD - Architectural
Design, revista inglesa, mas que focava a contracultura
americana, hippies, Buck Fuller, Frei Otto etc. Trazia
anúncio de venda por correio de preciosidades como
“Shelter”, os IL - relatórios do Instituto de Estruturas
Leves do Frei Otto em Stuttgard, Architecture Without
Architects do Bernard Rudofsky e vários títulos sobre
energia e afins. Essa revista teve uma infeliz mudança em
1976 quando foi vendida para um editor Pós Modernista.
Nessa época quem chamava mais atenção era Buckminster
Fuller com as geodésicas, que possibilitavam a
autoconstrução, pois com materiais mais leves era possível
construir espaços grandes, mesmo por pessoas como nós
que não conseguimos executar trabalhos mais pesados.
Provavelmente ele foi um dos primeiros a aparecer nas
revistas executando grandes modelos na escala 1:1.
Artigos mostravam projetos de Steve Baer e outros, com
preocupações ambientais e chamando especial atenção
para as construções chamadas de vernaculares, que foram
redirecionando o olhar para as construções em terra etc.
52
canteiro experimental
10 anos na fau
No início dos anos 70 fui convidado a dar aulas numa nova
escola de arquitetura em Guarulhos. Pedíamos sempre que
os alunos construíssem modelos de seus projetos. Dando
aula com o Eduardo Kneese de Mello, resolvemos pedir
aos alunos que fizessem modelos dos projetos numa escala
maior para que os problemas estruturais e construtivos se
revelassem, pois a escala reduzida com suas poderosas
colas encobria os problemas. Deveriam utilizar materiais
que pudessem representar o funcionamento do real.
Em 1976, depois de muitos anos, tivemos novamente um
Congresso de Arquitetos em São Paulo no Ibirapuera e
os alunos, entusiasmados com seus grandes modelos,
resolveram montá-los na área do próprio Congresso,
recebendo uma premiação.
Em 1980 passei a dar aulas na PUCCAMP. Alguns
professores realizavam um exercício com os alunos que
consistia na construção de um abrigo em escala natural. Isso
serviu de estímulo para que, em nossa disciplina Sistemas
Estruturais, tivéssemos um momento de construção de
algum sistema construtivo, procurando utilizar materiais
tradicionais de construção.
Uma das construções foi uma cúpula esférica, que no
final da aula foi utilizada como forno para assar algumas
pizzas. Esta prática deu origem a uma festa que ficou
tradicional entre os estudantes de final de trabalho de
canteiro; entretanto, a todo semestre era demolido pela
Universidade e reconstruído em seguida.
Essas experiências sempre incomodaram o restante da
Universidade, pois pela necessidade do uso de água e
luz, eram realizadas próximo às salas de aula. Expulsos
e com o apoio da direção da Faculdade foi permitido que
fizéssemos as construções numa reserva de terreno, onde
53
foi disponibilizado um ponto de água e luz e a escola
passou a colaborar disponibilizando alguns materiais de
construção.
Nessa época passou a trabalhar na disciplina João Marcos
Lopes e após alguns anos, fomos expulsos novamente de
nosso canteiro, mas mais uma vez a direção da faculdade,
considerando como uma atividade essencial para o
ensino da arquitetura, providenciou a área destinada à
construção da futura escola de arquitetura, local que ficou
conhecido como “platô de sistemas” e que para prejuízo
da Universidade ficava no lugar mais proeminente e visível
do campus.
As construções remanescentes foram destruídas no início
desta década, gerando grande protesto dos estudantes. Eu
e João Marcos já não lecionávamos lá há algum tempo.
No final dos anos 80 fui dar aulas na USP de São Carlos e
junto com o professor Gelson iniciamos também algumas
construções com os alunos. Mas depois das férias foram
demolidas por enfearem muito o campus da universidade.
Fiquei muito contente quando o professor Battaglia me
convidou para ver os primeiros protótipos no canteiro
experimental da FAUUSP (funcionando na obra do anexo
da FAUUSP). Eu tinha conhecido Battaglia fabricando
piscinas de argamassa armada; depois fui encontrá-lo na
Belas Artes. Era um fervoroso defensor da importância
do arquiteto prático teórico, o artista que sabia planejar
e executar, algo como os grandes Rietveld, Loos,
Michelangelo, Leonardo e outros.
Agora o Canteiro da FAUUSP, comemorando 10 anos,
é algo realmente importante para o meio das escolas de
arquitetura, pois se institucionalizou algo muito importante
para o ensino e a prática profissional.
Canteiro Experimental. A problemática e o material
da arquitetura.
Carolina Heldt , Felipe Contier e Raquel Schenkman
1
2
3
2.9
“Ora, os que num momento dado dominam são os herdeiros
de todos os que venceram antes. A empatia com o vencedor
beneficia sempre, portanto, esses dominadores. Isso diz tudo
para o materialista histórico. Todos os que até hoje venceram
participam do cortejo triunfal, em que os dominadores de hoje
espezinham os corpos dos que estão prostrados no chão. Os
despojos são carregados no cotejo como de praxe. Esses despojos
são o que chamamos bens culturais. O materialista histórico
os contempla com distanciamento. Pois todos os bens culturais
que ele vê têm uma origem sobre a qual ele não pode refletir
sem horror. Devem sua existência não somente ao esforço dos
grandes gênios que os criaram, como à corvéia anônima dos
seus contemporâneos. Nunca houve um monumento da cultura
que não fosse também um monumento da barbárie. E, assim
como a cultura não é isenta de barbárie, não o é tampouco,
o processo de transmissão da cultura. Por isso, na medida do
possível, o materialista histórico se desvia dela. Considera sua
tarefa escovar a história a contrapelo.”
Walter Benjamin, Sobre o conceito da história4
1 Arquiteto, professor da Escola da Cidade.
54
canteiro experimental
10 anos na fau
55
Este depoimento sobre o Canteiro Experimental da
FAU, feito a três mãos, trata da experiência de alunos
que pesquisaram teórica e historicamente (em IC, TFG,
etc.) as relações entre arquitetura, trabalho e construção.
Procuramos apresentar aqui uma reflexão sobre as
possibilidades de ampliação do campo e da formação do
arquiteto, partindo do Canteiro Experimental como um
programa de ensino.
Ensinar a arquitetura no canteiro não é uma proposição
neutra, nem um simples anexo, mas uma questão específica
e central do modo de entender a arquitetura que, como
tentaremos demonstrar, implica resultados que ampliam a
abordagem do problema arquitetônico, cujas conseqüências
à concepção da arquitetura são o que interessa aqui.
Se a maneira de pensar, desenhar, construir, e até
mesmo usar a arquitetura, muda na história, é possível
identificar que nossa concepção do ensino de arquitetura e
urbanismo é atualmente resultado dos embates marcados
especialmente pelo espírito moderno, determinante no
rumo de nossa escola. Este ideário traz consigo um modo
de conceber o trabalho do arquiteto que, no entanto, deve
ser objeto de contínua revisão.
Tomemos alguns momentos da sua história para identificar
certos aspectos que, a despeito das transformações históricas,
se não por causa delas, procuraram permanecer.
Pode-se dizer que a história do moderno profissional
arquiteto tem início na Renascença, quando as oficinas
se tornam independentes dos canteiros de obras. Em
espaços separados, cada vez mais especializados, as
oficinas trouxeram consigo uma divisão do trabalho que
exigia o desenvolvimento de códigos de representação
mais precisos. A Academia Real de Arquitetura da França,
criada já em meados do século XVII para se diferenciar
das guildas medievais, tinha como propósito estudar
a arquitetura, buscando teorias absolutas da estética,
56
canteiro experimental
10 anos na fau
da história e do projeto na antiguidade. Mais tarde as
Academias de arquitetura, escultura e pintura foram
substituídas pela Escola de Belas-Artes, modelo de ensino
que se difundiu no século XIX5 .
As interpretações sobre a modernidade freqüentemente
identificam como uma nova forma de pintar, esculpir,
projetar se expressava por um ideal que, desde a origem do
arquiteto moderno no Renascimento, punha em primeiro
plano a razão humana, a geometria, a simetria, a ciência
como domínio da erudição (baseada nos clássicos) e do
abstrato (separada do trabalho concreto). O Renascimento
daria início, assim, a um crescente interesse por inovações
técnicas e artísticas que já neste momento tivessem
a virtude de quantificar, mensurar, calcular (como o
dinheiro, a perspectiva, o tempo mecânico) num esforço
de racionalização do trabalho com a manufatura, mais
produtiva.
Na Escola Politécnica, criada durante a Revolução Francesa,
as aulas de arquitetura eram apenas uma introdução ao tema.
A disciplina era ensinada através de uma geometrização e
simplificação dos modelos clássicos como forma do aluno
aprender abstrata e sistematicamente. Nas outras disciplinas
do curso eram ensinadas as técnicas construtivas, o cálculo,
a resistência dos materiais. As transformações técnicas e
econômicas da atividade construtiva, mobilizadas com a
Revolução Industrial a partir de fins do XVIII, exigiram
um profissional arquiteto que fosse capaz de trabalhar com
inovações que seguissem o sentido de uma intensificação
do trabalho racionalizado, controlado, mais fragmentado,
e agora impulsionado por profundas transformações
da ciência e dos materiais. Tal processo possibilitou a
sistematização do taylorismo em fins do XIX, que por sua
vez se expandiria com o Fordismo – tão caro à perspectiva
da arquitetura moderna de industrialização, padronização
e socialização do consumo.
57
Ainda que tantas outras ideologias, como o liberalismo,
tenham imprimido na história ressalvas quanto ao
interesse pelo controle na produção, e momentos como
o romantismo tenham contestado a racionalidade estética,
o fundamento das inovações técnicas e artísticas que
vigorou permanece enraizado na investigação pelo
aumento de produtividade; acompanhado pelo sempre
crescente aumento da divisão social do trabalho, e com ela
a desigualdade social estrutural da sociedade capitalista.
Nesse processo, o arquiteto e seu meio de trabalho, o
desenho, destacam-se ainda mais do momento produtivo,
de forma que as regras do desenho assumem uma
autonomia sintomática do fetiche técnico-artístico.
Tal autonomização do desenho frente à produção é baseada
no processo histórico de aprofundamento da divisão
social do trabalho que, porém, é de natureza contraditória,
uma vez que, se contém aspectos de permanência, é por
que outros foram subtraídos ou subjugados ao longo das
transformações na história.
No entanto, o ideário moderno possui um caráter
pretensamente universal e consensual, como se fosse uma
conclusão lógica e unívoca de todo o processo histórico
que levou a ele. Grande parte da historiografia reafirma
esse sentido. Manfredo Tafuri analisa como a historiografia
comumente busca a “origem” da arquitetura moderna
como um “precedente” na história que servisse a justificar
as sólidas bases da arquitetura moderna e uma “tradição”
que conferisse aos arquitetos modernos a segurança
projetual6. O autor caracteriza o modo pelo qual uma
crítica operativa trataria de “forçar” a história fazendo-a
desencadear nos resultados do presente7. Esta crítica
retiraria da história passada os fracassos e dispersões que
lhes são próprios e da história futura as bases do presente,
resultando em uma atitude de contestação da história
passada ou em profecias8.
58
canteiro experimental
10 anos na fau
Há, portanto, usualmente, uma interpretação da história
da arquitetura que é parcelar, da parte que seria atribuída
ao profissional arquiteto, marcada pela própria divisão
social do trabalho da qual o arquiteto é parte. A arquitetura
se torna o momento de trabalho do arquiteto com a sua
obra, independente ou sobrejacente às bases materiais
de sua produção. O desenho de arquitetura apresentase como um método geral em que todas as soluções já
estão previstas, porém acaba expressando o que de fato é:
instrumento dos vencedores dessa história.
O que ocorre é que ao se abstraírem as bases materiais se
abstraem com isso as próprias contradições na história,
pois é a partir das bases materiais que se pode interpretar
os demais atores dessa história, a dinâmica cotidiana
dos conflitos, negociações, conciliações, entre interesses
divergentes na sociedade, determinantes e ativos para a
consecução das características da obra arquitetônica9.
Um dos caminhos para abordagem das contradições do
problema arquitetônico, sugerido por Sérgio Ferro, é
compreender a relação dialética entre o canteiro de obras e
o desenho do arquiteto, a partir do que se pode identificar a
centralidade do trabalho10. Esta perspectiva abre inúmeras
possibilidades para se “escovar a história a contrapelo” e
resgatar as tensões que fizeram a história, como sugere
Walter Benjamin11.
Em alguns episódios da história essa perspectiva se
apresenta mais nítida. Talvez por significar momentos de
tensionamento em que os próprios arquitetos acabaram
formulando programas que, pode-se dizer, buscavam
tentativas de transformações das relações de trabalho na
produção do objeto da arquitetura, frente à racionalização.
Por exemplo, foi o caso do movimento Arts&Crafts e de
algumas orientações do Art-Nouveau, da Deutscher-werkbund
e da Bauhaus. Com William Morris, o Arts&Crafts teria
enfrentado o dilema da industrialização através da
restituição do artesanato, enquanto o Art-Nouveau teria
59
procurado estabelecer um convívio entre o ornamento,
a técnica e o pensamento matemático, pelo qual acabou
vencido. Em outro sentido, a Deutscher-werkbund e a Bauhaus
pensavam uma nova arte aplicada à indústria, onde o
trabalho manual sustentasse seu valor, mas não como
um estilo, romantizado ou passadista, senão como uma
instância pedagógica de revisão dos processos de produção
do design industrial. Toda a centralidade do trabalho
presente nestes episódios que, no entanto, fizeram parte
significativa da história da arquitetura moderna, é ainda
em grande medida negligenciada. O que dizer dos demais
momentos da arquitetura em que as tensões que fizeram
sua história, que manifestam a pluralidade, as contradições
e as brechas na história, foram completamente e
recorrentemente apagadas?
A análise da produção material permitiria a arquitetura
ser interpretada como resultado dos vetores das relações
sociais nela envolvidos, o que amplia enormemente seu
campo de questões e obviamente de possibilidades de
reflexão e de produção.
Isso fica mais claro se resgatarmos o conceito de “material”
de Sérgio Ferro12, elaborado a partir da teoria de Theodor
Adorno. Em linhas gerais, “material” significa a matéria
mais o trabalho do homem. Adorno propôs este conceito
no campo da música, utilizando o material musical como
base para uma discussão sobre a produção musical. Ferro
adaptou para as artes plásticas e para a arquitetura. Esta
noção de material vivo – por causa do trabalho – substitui
a noção de um material com características exclusivamente
físico-químicas e traz consigo o uso cultural e histórico
do material. Acrescenta uma forma social às propriedades
mecânicas da matéria e afirma que a razão de ser do
material é dada pelo homem. Desse modo, abre-se novo
caminho para a compreensão da história nas culturas
construtivas, nas técnicas construtivas e até mesmo nos
gestos construtivos.
60
canteiro experimental
10 anos na fau
A adoção de um material (argamassa armada, tijolo, ou
concreto, por exemplo) representa muito mais do que um
olhar desatento poderia sugerir. As propriedades mecânicas
do material sugerem formas, dimensões. O emprego
deste material tem uma história, um desenvolvimento
da sua produção em relação às tensões sociais. E ainda,
por conseqüência desta história da produção, surge uma
história do uso deste material, que se constitui como
cultura de povos, regiões, sociedades. Pensar o material
negligenciando essas possibilidades e interfaces com
o trabalho do arquiteto é ignorar um problema que, no
entanto, está diante do arquiteto, e que poderia sugerir uma
ampliação de pesquisa do campo de relações (dialéticas) da
produção da arquitetura13.
Aproximar o estudante de uma dimensão da arquitetura
raramente enfatizada nas escolas – a relação do arquiteto
com o material – e não apenas com os instrumentos
de representação, como é usual no atelier de projeto,
poderia ser um ponto fundamental para a compreensão
de contradições da produção da arquitetura e inclusive da
cidade. O contato do estudante com o canteiro, mesmo
que em condições especiais, em caráter de laboratório,
poderia possibilitar a experiência de um conhecimento
elaborado a partir de uma relação mediada pelo material,
entre teoria e prática. O projetar pode assim ganhar sua
outra dimensão que não a simples antecipação abstrata
de formas e materiais, mas sim concreta e diversa daquela
concebida e construída por saberes analíticos e reflexões
sobre produtos acabados.
É preciso destacar esse espaço como importante ponto
de partida para se interpretar a arquitetura como produto
social e espaço de produção da sociedade14. Ou seja, não
se trata de uma pesquisa da história do canteiro de obras
– apesar do seu importante papel – mas a interpretação
da arquitetura através da análise do canteiro de obras,
tomando-o como documento histórico15.
61
O Canteiro Experimental é um espaço privilegiado para
o desenvolvimento deste campo ainda pouco explorado
de relações entre trabalho, forma, cultura e construção.
Estudar as características mecânicas e as técnicas dos
materiais ao lado de seus usos nas diversas culturas e
momentos históricos significa uma possibilidade de
ampliação da formação crítica.
Assim, procuramos a partir do Canteiro Experimental
compreender o presente histórico, através justamente da
consciência de que as decisões projetuais e suas implicações
no canteiro são permeadas não de uniformidade, síntese,
e permanência, mas de contradições e conflitos de
interesses econômicos, políticos e sociais. Com isso, o
Canteiro Experimental poderia significar um programa de
investigação das relações entre o arquiteto e o material,
para uma concepção da arquitetura a partir da abordagem
do material em seu sentido amplo, que inclui história e
trabalho.
científica com tema próprio e bolsa Fapesp.
3 Aluna do último ano da graduação da FAU USP e pesquisadora de iniciação
científica com tema próprio e bolsa Fapesp.
4 BENJAMIN, Walter. “Sobre o conceito de história”. In: Magia e técnica,
arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo,
Brasiliense, 1994.
5 DREXLER, Arthur (org). The Architecture of the École des Beaux-Arts.
New York, Museum of Modern Art, 1977.
6 TAFURI, Manfredo. Teorias e História da Arquitectura.Lisboa, Presença/
Martins Fontes, 1979, p. 193-194.
7 Ibidem, 1972.
8 Ibidem, 177.
9 Ou seja, considerando as rupturas além das permanências e tradição a partir
de uma origem.
10 Segundo Ferro: “[...] é na produção material, na densa obscuridade da
manufatura, que todos os conflitos tornam-se mais agudos [...]. Mas como
em todo sintoma, sua natureza e sua localização dão uma indicação do
conflito que foi transferido: pois a falsa oposição [entre técnica e arquitetura]
torna-se aguda no canteiro de obras, lembrando que a verdadeira oposição
se estabelece entre as forças que impedem o desenvolvimento da força de
trabalho, no lugar mesmo onde é apropriado [no canteiro de obras]”. FERRO,
Sergio. Arquitetura e trabalho livre. São Paulo, Cosac Naify, 2006, p. 205.
11 BENJAMIN, Walter. Loc. Cit.
12 FERRO, Sérgio. Op. Cit. “Questões de Método”.
13 É claro que estas relações levantam pontos como saúde do trabalhador,
divisão do trabalho, mecanização do canteiro e forma do projeto, que não
são decisões isoladas do arquiteto, mas desenvolvidas historicamente e pela
sociedade. E, diga-se de passagem, desenvolvidas com um forte empenho de
setores econômicos historicamente poderosos na sociedade, o que prova as
efetivas implicações das decisões desse setor na economia global e expressa
a força da resistência a ser enfrentada.
14 Diferentemente de interpretá-las como obra de um autor soberano na
história (ao abstrair suas contradições). Ao invés disso (na contra mão), é
possível analisar na particularidade de cada obra o reflexo das relações sociais
de produção e, portanto, a história da arquitetura como produto histórico
social.
1 Arquiteta e urbanista formada pela FAU USP em 2007 e professora de
História e Teoria do Urbanismo na USJT.
2 Aluno do último ano da graduação da FAU USP e pesquisador de iniciação
62
canteiro experimental
10 anos na fau
15 Em última instância, o desenho de arquitetura, analisado como documento
em que o arquiteto imprime seu argumento, é importante objeto de investigação
para a interpretação das contradições na história. Mas do ponto de vista de
um programa de ensino, ao contrário dos demais espaços de aprendizado, no
Canteiro não há como abstrair que o processo de realização da arquitetura é
resultado não apenas de arquitetos, que há algo entre o projeto e a execução, e
algo que pode transformar (ou não obedecer) o projeto do arquiteto.
63
O Canteiro
Clarissa Mendes
portafólio
eu me lembro!!
Catenárias incólumes!...
que fluem
flutuam...
2.10
funcionam!!!
Construir o tijolo
Sentir o cimento
Ver os arames
Estruturas
verdadeiras
Que surgem
Ressurgem
Sugerem.
Digerem
Nossas mãos em formas vivas.
O corpo
Por inteiro.
O processo
primeiro.
Obrigado,
canteiro!
64
canteiro experimental
10 anos na fau
65
66
canteiro experimental
10 anos na fau
67
68
canteiro experimental
10 anos na fau
69
70
canteiro experimental
10 anos na fau
71
72
canteiro experimental
10 anos na fau
73
74
canteiro experimental
10 anos na fau
75
76
canteiro experimental
10 anos na fau
77
78
canteiro experimental
José Silva do Nascimento
Julio César da Silva
Antonio José Peixoto
Celso Faustino do Prado
Alcino Domingos de Souza
Renato dos Santos Rodrigues
Ricardo Domingues
Romerito Fonseca Ferraz
José da Costa Rocha
10 anos na fau
técnicos do lame e do canteiro
79
o processo do canteiro
80
canteiro experimental
10 anos na fau
81
82
canteiro experimental
10 anos na fau
arco saarinen
83
84
canteiro experimental
10 anos na fau
arco saarinen
85
86
canteiro experimental
10 anos na fau
hassan fathy
87
88
canteiro experimental
10 anos na fau
hassan fathy
89
90
canteiro experimental
10 anos na fau
gabarito e cúpula
91
92
canteiro experimental
10 anos na fau
túnel aniversário gaudi
93
94
canteiro experimental
10 anos na fau
túnel aniversário gaudi
95
96
canteiro experimental
10 anos na fau
arco madeira laminada pregada
97
98
canteiro experimental
10 anos na fau
arco madeira laminada pregada
99
100
canteiro experimental
10 anos na fau
arco madeira laminada pregada
101
102
canteiro experimental
10 anos na fau
cúpulas de gesso
103
104
canteiro experimental
10 anos na fau
cúpulas de gesso
105
106
canteiro experimental
10 anos na fau
testes de ruptura
107
108
canteiro experimental
10 anos na fau
bemo , cadeira , outros
109
110
canteiro experimental
10 anos na fau
nervuras de tijolos
111
112
canteiro experimental
10 anos na fau
visitando fathy
113
114
canteiro experimental
10 anos na fau
visitando fathy
115
116
canteiro experimental
10 anos na fau
oficina taipa
117
118
canteiro experimental
10 anos na fau
arco cerâmica armada
119
120
canteiro experimental
10 anos na fau
arco cerâmica armada
121
122
canteiro experimental
10 anos na fau
tronco pirâmide torcido
123
124
canteiro experimental
10 anos na fau
tronco pirâmide torcido
125
126
canteiro experimental
10 anos na fau
vigas de madeira
127
128
canteiro experimental
10 anos na fau
ferrocimento
129
130
canteiro experimental
10 anos na fau
arco em dupla curvatura
131
132
canteiro experimental
10 anos na fau
tensigrity
133
134
canteiro experimental
10 anos na fau
gabarito para cúpulas
135
136
canteiro experimental
10 anos na fau
intersecção abóbadas
137
138
canteiro experimental
10 anos na fau
tfg chico barros
139
140
canteiro experimental
10 anos na fau
construção do canteiro
141
142
canteiro experimental
10 anos na fau
Megumi Ozaki . Juliana Mitie Hobo . Juliana Pinheiro Goncalves . Juliana Quartim Barbosa Gotilla . Juliana Regina Salles Pereira . Juliana Sgulmar
Santos . Juliana Tiemi Tamanaha . Juliana Varella Reginato . Juliana Vicente Becker . Juliana Yamamoto Tintori . Juliano Bottino . Juliano Ijichi Machado
. Julio Casagrande Tango . Julio Cesar de Campos Junior . Julio Maia de Carvalho Mariutti . Julio Watanabe Junior . Julyane Pereira Poltronieri . Jun Jo
Sakabe . Jung Ah Kim . Jung Yun Chi . Jurandir Monteiro da Silva . Kaio Augustu Franco Munhoz . Karen Andrea de Albuquerque Mello . Karen
Migliorini Pires de Campos . Karen Sayuri Matsuy . Karen Yukari Yokoyama . Karin Regina de Castro Marins . Karina Akemi Sawada . Karina Izumi
Gushiken . Karina Mendonca de Almeida . Karina Raimo Benassi Monegatto . Karina Sanches da Costa . Karina Terumi Kodaira . Karina Yoshika
Shimono . Karina Yuri Irino . Karyna Georges Kyriazi . Katheryn Emilia Paterson Carleial . Kathia Luhuey Shieh . Kathleen Martini Chiang . Katia
Cristina Zanelatto . Katia Fernanda de Oliveira Vieira . Katia Miyuki Akamine . Katia Vanessa Felix Aprile . Katia Yuri Sugimura . Kelly Naguissa Sato
. Kelly Torres dos Reis Oliveira . Kelly Viana Shuhama . Keyla Lumy Nakayama . Kim Hoffmann . Kim Ordonha Cyrillo . Laercio Monteiro Junior . Laila
Kaori Kosaka . Laila Milek de Andrade . Lais de Oliveira . Lais Matiussi . Lais Regina Flores . Lara Cavalcanti Ribeiro de Figueiredo . Lara Damha
Santos . Lara Martins Del Bosco . Lara Palma Elsing . Larissa Carreira de Rosso . Larissa Elize Nebesnyj . Larissa Gianetta Fernandes . Larissa Guelman
. Larissa Helena Galastri de Oliveira Santos . Larissa Mayumi Shinzato . Larissa Moreno Siqueira Milani . Larissa Ribeiro de Almeida Sales . Larissa
Sayuri Tsuda . Larissa Yukimi Nakagawa . Laryssa Aimee dos Santos . Valente . Laura Bensenor Lotufo . Laura Burkowski dos Reis . Laura de Sousa
Nakel . Laura Mantovanini Guedes . Laura Mattos Fortes . Laura Sobral Rodrigues . Laura Tassara Ferraz . Leandro Hideki Okamoto . Leandro Ishioka
. Leandro Key Higuchi Yanaze . Leandro Leao Alves . Leandro Lopes de Oliveira . Leandro Makowski de Oliveira Filho . Leandro Martins Augusto .
Leandro Matos Caetano . Leandro Moura Robles . Leandro Moura Robles . Leila Mahir Saleh Hussein . Leila Santiago de Oliveira Santos . Lenita Franco
de Sena . Lenita Pimentel Apolinario . Leon Yajima . Leonardo Capelossi Caramori . Leonardo Chen Chen Che . Leonardo Ching Shiann Shieh .
Leonardo Cleber Lisboa dos Santos . Leonardo Fabrizio Nunes Guidugli . Leonardo Hideo Okamoto Marroquini . Leonardo Klis . Leonardo Loyolla Coelho
. Leonardo Marques Monteiro . Leonardo Nakaoka Nakandakari . Leonardo Yu Lon Pai . Leslie Loreto Mora Gonzalez . Leticia Ayumi Ikeda . Leticia
Barreto Preturlan . Leticia Martins Baldo . Leticia Moreira Sigolo . Leticia Tiemi Tomisawa . Leticia Yoshimoto Simionato . Leticia Zamolo Duque . Letticia
de Paula Diez Rey . Lia Naomi Guglielmetti Untem . Liana Sujin Há . Liang Mei Tzu . Lidia Hisae Yoshino . Ligia Beraldo Lemos de Melo . Ligia
Casonato Avila . Ligia Massetto de Aquino . Ligia Otaga . Ligia Prangutti Orlandi . Ligia Santi Lupo . Ligia Siqueira Medina da Cunha . Lilian Dreger
Schiavinato . Lilian Farah Nagato . Lilian Hatsumi Nagae . Lilian Mayumi Endo . Lilian Mayumi Mitsunaga . Lilian Shyemin Ie . Lilian Utsunomia Hung
. Liliana Sayuri Wada . Liliane Callegari da Silva . Liliane Cristine Nambu . Lincoln Koiti Jyo . Lino Wai Ming Yam . Lisa Watanabe . Livia de Salvi
Lazaneo . Livia Gasparelli Cavalcante . Livia Louzada de Toledo . Livia Miyadaira Ito . Livia Monteiro Rocha . Livia Ribeiro Zaffalon . Livia Rigitano
Ferraz de Arruda . Livia Silva Ribeiro . Liz Arakaki . Lourenço Urbano Gimenes . Luana Kawamura Demange . Luana Sato . Lucas Caracik de Camargo
Andrade . Lucas Fabrizzio Laquimia de Souza . Lucas Frech Caldeira . Lucas Teixeira Silva de Guide . Lúcia Zanin Shimbo . Lucian de Paula Bernardi
. Luciana Barcelos Mainardi . Luciana Cristina Ceron . Luciana Cristina Mantovani . Luciana Cunha de Oliveira . Luciana de Almeida Siqueira . Luciana
de Cresce El Debs . Luciana de Oliveira Hara . Luciana Maki . Luciana Maria Barbosa Rivera . Luciana Mota Barbosa . Luciana Nicolau Ferrara .
Luciana Romao da Silva . Luciana Saez Orvat . Luciana Satiko Takaesu . Luciana Schwandner Ferreira . Luciana Tango Rios . Luciana Vicente de Oliveira
. Luciana Yano . Luciana Yurie Sakayemura . Luciane Cristina Gesualdi . Luciano Adamiak . Luciano da Silveira Araujo . Luciano Xambre Henrique .
Lucila Kaori Muranaka . Lucila Monteiro de Barros Martens . Lucimeire Pessoa de Lima . Lucio Marcos Casonatto . Luis Carlos Baum Ludmer . Luis Carlos
Gurgel do Amaral . Luis Carlos Leite Gomes Florentino . Luis Eduardo Crepaldi Garcia . Luis Eduardo Ribeiro Ratto . Luis Fagner Koga Suzuki . Luis Felipe
Abbud . Luis Felipe Brandao Sereno . Luis Felipe Carli Lucas de Oliveira . Luis Felipe Jorge Bernardini . Luis Felippe Chammas . Luis Fernando Estuqui .
Luis Fernando Villaca Meyer . Luis Fernando Zangari Tavares . Luis Frederico Lida Kinoshita . Luis Guilherme Bombana Nicoletti . Luis Henrique de Lima
. Luis Henrique Tachibana . Luis Pompeo Martins . Luisa Amoroso Guardado . Luisa de Medeiros Possas . Luisa do Valle Gambaro . Luisa Magni Fecchio
. Luiz de Lamonica Imenes . Luiz Felipe Amado da Cunha . Luiz Fernando Seo . Luiz Henrique Dominguez . Luiz Henrique Pinheiro Giannecchini . Luiz
Marino Kuller . Luiz Ricardo Araujo Florence . Luiz Samuel Valentim Moretto . Luiz Signorini Novaes . Luiz Vicente Micali Ros . Luiza Ho . Luiza Junqueira
de Aquino . Luiza Lima Silva de Carli . Luiza Orsini Cavalcanti . Luiza Russo Bassani . Luiza Sa Moreira de Oliveira . Lydia Megumi Oide . Mainara
Amanda Cesar Avelino . Maira Afonso de Andre . Maira Cotovio Suzuki . Maira Fernandes Silva . Maira Martines da Costa . Maira Piccolotto Issa .
Maira Roman Sales Costa . Maithy Hitomi Makiyama . Maki Hirai . Makiese Teresa Mawete . Manoel Francisco de Alcantara . Manuela da Costa
Lima . Marcel Martin Baptista de Faria . Marcel Rofatto . Marcela Alonso Ferreira . Marcela Antunes de Souza . Marcela Costa Teixeira . Marcela
de Araujo Pereira . Marcela Helena Perez Ulloa . Marcela Sayeg Johansson . Marcella Aquila . Marcello Pereira Delgado . Marcelo Acerbi Wendel
. Marcelo Arend Madalozzo . Marcelo Augusto Paiva Pereira . Marcelo Beraldo Kurashima . Marcelo de Abreu Sampaio Holl Cury . Marcelo de
Carvalho Pirk . Marcelo de Souza Rodrigues . Marcelo Ferreira . Marcelo Hiroshi de Oliveira Homa . Marcelo Kussunoki . Marcelo Massayuki Nakazaki
. Marcelo Mesquita Nunes . Marcelo Mikyo Hori . Marcelo Otsuka . Marcelo Sassaki . Marcelo Senday . Marcelo Suenaga . Marcelo Tome Kubo
. Marcia Galvao Peres . Marcia Helena Yamamoto Sato . Marcia Kayo Shibagaki . Marcia Miyuki Ishikawa . Marcia Renata Itani . Marcia Trento .
Marcio Diniz de Araujo . Marcio Flavio Motta Ribeiro . Marcio Jun Mizumoto . Marcio Roberto Dela Marta . Marcio Yoshio Ishibashi . Marco Andre
Cenamo Salles . Marco Antonio Cezarino Braga . Marco Antonio Nobrega Carvalho de Brito . Marco Antonio Pompeu Pimentel . Marco Aurelio Grenier
Granzotto . Marco Aurelio Mendonca . Marco Lafer Amorim . Marco Masaomi Naka . Marcos da Costa Sartori . Marcos Donizete Machado .
Marcos Fernandes Calixto Rios . Marcos Kiyoto de Tani e Isoda . Marcos Koji Onodera . Marcos Leite Rosa . Marcus Vinicius de Oliveira Brito . Marcus
Yoshihiro Takano . Margarete Hitomi Fujikawa . Maria Augusta Rodrigues da Cunha . Maria Beatriz Szarota Barrios . Maria Carolina Alves de Paula
Bianchi . Maria Carolina Sampaio de Araujo . Maria Clarissa Spindola Mendes . Maria Cristina Savaia Martini . Maria Elisa Crisp Fonseca . Maria
Fernanda Miserochi Dias . Maria Fernanda Puglisi Munhoz . Maria Flavia de Lima Ribeiro . Maria Flavia Iwai . Maria Isabel Jesus do Carmo . Maria
Isabel Momoe Ota . Maria Izilda Donato da Silva . Maria Joao Cavalcanti Ribeiro de Figueiredo . Maria Leticia Bassoli Chirinea . Maria Ligia Nakamura
Guillen . Maria Livia Wolf de Toledo . Maria Luiza Itokazu Canzian da Silva . Maria Luiza Mieko Oyadomari . Maria Luiza Moura de Carvalho . Maria
Manuela Pose Guerra . Maria Rita de Sa Brasil Horigoshi . Maria Rosa de Oliveira Leite de Almeida . Maria Sueli dos Santos Sant Anna Agnelli . Maria
Terzian de Bobadilla . Maria Vitoria Fischer dos Santos . Mariana Akiko Iwanaga . Mariana Araujo de Matos Novaski . Mariana Barossi . Mariana
Berto Vilela . Mariana Carraco Palos . Mariana Cavalcanti Pessoa . Mariana Cenovicz Moro . Mariana Correa Soares . Mariana de Melo Siqueira
. Mariana Emy Katayama . Mariana Falcone Guerra . Mariana Gazioli Leme . Mariana Keller Frazao . Mariana Lopes Juliao . Mariana Losch
Zingerevitz . Mariana Marchetto Lucato . Mariana Mari Miura Suzuki . Mariana Martinez Wilderom . Mariana Martins de Oliveira . Mariana Martins
Ruzante . Mariana Mayumi Hiroki . Mariana Mendonca Meyer . Mariana Mouro Yovanovich . Mariana Naomi Hirai . Mariana Noronha de Camargo
Ponzetta . Mariana Ohira Hashimoto . Mariana Paoli Fernandes . Mariana Parente Burdelis . Mariana Pereira Guimaraes . Mariana Pereira Horta
Rodrigues . Mariana Pierobon Gomes . Mariana Pinheiro de Carvalho . Mariana Quinelato da Costa . Mariana Rodrigues Bressane Cruz . Mariana
Rodriguez Zanetti . Mariana Seiko Sakurada . Mariana Simas Magalhaes . Mariana Siqueira Silva . Mariana Strassacapa Silverio . Mariana Tassi
Damiao . Mariana Tiemi Ishizaka . Mariana Wyse Abaurre . Mariana Yamamoto Martins . Mariane Takahashi Christovam . Mariane Victor Frade Teles
. Marianna Perrone Martins Costa . Marianna Ramos Boghosian Al Assal . Marianna Sayuri Sandes Ianagui . Maricy Miki Hisamoto . Marieta Colucci
Ribeiro . Marilia Barbin Villela . Marilia Buoniconti Camargo . Marilia Caldonceli Sumihara . Marilia Carraro . Marilia Fernandes . Marilia Ferrari
Zambotto . Marilia Gonzalez Ferreira . Marilia Mendes Castilho . Marilia Sayuri Chino . Marina Andrade Leonardi . Marina Arantes Lessa . Marina
Ataguile Malagolini . Marina Barrio Pereira . Marina Borges Pires dos Santos . Marina Borges Pontes . Marina Caio Mendonca Garcia . Marina
Calegaro Neco . Marina Camargo Heinrich Carrara . Marina dos Santos Pereira Bueno . Marina Emy Shirai . Marina Frederico de Oliveira . Marina
Fujita Dias . Marina Ladeira Colonelli . Marina Lympius . Marina Masetti Faggin . Marina Milan Acayaba . Marina Nardin Prado . Marina Nobrega
Reato . Marina Pastore Marques Bila . Marina Prado Sander Smit . Marina Rago Moreira . Marina Ribeiro Stock . Marina Rosa Crespo . Marina Vaz
da Costa Vianna . Marina Yumi Ioshii . Marinho Velloso . Mario Fiaschi . Mario Tavares Moura Filho . Marisa Toshi Nagumo . Marissol Yuka Sato .
Marta Midori Uechi . Martha Hitner dos Santos . Martha Serra de Castro . Martin Gonzalo Corullon . Martina Kiefer Alonso . Marysol Rivas Brito .
Mateus Arantes Fandino . Mateus Corradi Persin . Mateus Fry Pereira . Mauricio Daniel Gimenez Garcia de Zuñiga . Mauricio Feijo Cruz . Mauricio
Focas Carrer . Mauricio Pereira Martins . Mauricio Soares Alito . Mauro Tetsuo Nakazone Aguilar . Mauryas de Castro Manzoli . Max de Almeida
Tango . Max Furtado Schenkman . Max Herbert Heringer . Maya Sakuma de Oliveira . Mayra Bonato Garcez Yasuda . Mayra Cristina Homem de
Mello Castanho . Mayra de Camargo Rodrigues . Mayumi Cursino de Moura Hirye . Meire Mayumi Nakamura . Melina Furuta Kuroiva . Melissa
Kawahara . Melissa Okamoto . Melissa Pereira da Silva Benito . Melissa Vaquero Roviriego . Melissa Weng . Melissa Yukie Kawaoku . Meyre Ferreira
dos Santos . Michel Hoog Chaui do Vale . Michele Fernanda Ferreira de Araujo . Michelle Nakazato Mikaro . Michelle Shieh Shiah Tung Gabriel .
Miguel Falci Camara . Miguel Masulino Prata . Milena Daniel . Milena Kirkelis Bingre . Milena Satie Shikasho . Milena Yuri Uyeta . Milene
143 Soares
Cará . Min Chul Kim . Min Kyung Lee . Minyoung Jung . Mirian Claudia Matsuoka . Mirian Sayuri Vaccari . Monica de Medeiros Mongelli . Monica
Emiko Uechi . Monica Mitie Kanematsu . Monica Pereira Marcondes . Moreno Zaidan Garcia . Murillo Guimaraes Costa . Murilo Macedo Gabarra
. Myriam Tschiptschin Francisco . Nadia Chiba de Carvalho . Nadia Chiba de Carvalho . Naomi Yamada . Nashira Mehen-ha Goncalves . Natalia
Carvalho Sampaio . Natalia Frazao Nicolau . Natalia Golubeff . Natalia Harumi Tanaka . Natalia Maria Gaspar . Natalia Mitie Miyai . Natalia
Scromov Espada . Natalia Turri Lorenzo . Natalie Oliveira Friaza . Natasha Bugarin Woiski Miranda . Natasha Kiyo No . Natasha Mincoff Menegon
. Nathalia Dias Fonseca . Nathalia Emmi Asamura . Nathalia Pedro Cury . Nathalia Viana dos Santos . Nathalia Yukari Watanabe . Nayana Tiemi
Minetoma . Nicolas Xavier de Carvalho . Nicolau Peric de Freitas . Nicole Alessandra Winge . Nicole Sneider Unger . Nidia Reis de Paiva . Nilton
Issamu Takahashi Suenaga . Nina Standerski . Nivea Maria Justino da Silva . Noemie Helene Marie Benezeth . Nuno de Brito Rocha . Octacilia Raquel
Coutinho . Octavio Maringoni Mayer de Andrade . Olavo Yang Jaguaribe Ekman . Oliver Paes de Barros de Luccia . Olivia Alves Suguri . Olivia
Bartolomei Nakagawa . Olivia Cuculi Salgueiro . Olivia Mendes Leal Costa . Otavio Guercia Mesquita Coelho . Otavio Lanner de Moura . Pablo
Aleksitch Padin . Pablo Gomes de Alvarenga . Pablo Ignazio Souza Ferres . Paloma Agramonte Delgado Coloma . Paloma Aparecida Bezerra de Oliveira
. Pamela Carrijo Costa . Pamela Leal Bassi . Paola Gemente di Sessa . Patcha Cademartori Figueiredo Pietrobelli . Patricia Akemi Tomomitsu . Patricia
Andrea Soto Osses . Patricia Aulicino . Patricia Cezario Silva Spinazzola . Patricia de Sá Romancini . Patricia Domingues Truzzi . Patricia Farrielo de
Campos . Patricia Gargiullo Nunes . Patricia Lemos Nogueira Cobra . Patricia Machado Melo . Patrícia Mara Sanches . Patricia Megumi Nii . Patricia
Nobre . Patricia Pero Occhipinti . Patricia Pires Tan . Patricia Seiko Okamoto . Patricia Sitrangulo Ditolvo . Paula Alessandra Ramos . Paula Bittencourt
Poggi Pollini . Paula Carneiro Romagnoli . Paula Carolina Coyado . Paula Carolina Neubauer da Silva . Paula Constante Silva Santos . Paula Custodio
de Oliveira . Paula Escobar Gabbai . Paula Fernanda Toledo Matuoka . Paula Ferraz Dondon . Paula Flores Rigolo . Paula Flumian Soubhia . Paula
Gorenstein Dedecca . Paula Lelis Rabelo . Paula Maria Ponce . Paula Martins Vicente . Paula Mendes Ricci . Paula Mollan Saito . Paula Nogueira
Mendonca . Paula Regina da Cruz Noia . Paula Sangeon Herglotz . Paula Satiko Fukuda . Paula Soares Maia Silva . Paulo Adolfo Gomes Martins .
Paulo Alas Rossi . Paulo Andre Rodilhano Chagas . Paulo Assis Barbosa . Paulo Avian . Paulo Dominguez Pastorelo . Paulo Eduardo Alves de Souza
Junior . Paulo Eduardo Braga Brasil . Paulo Emilio Buarque Ferreira . Paulo Felippe Paschoal Gomes . Paulo Jose Alves dos Santos Castro Feliz . Paulo
Kiyoshi Abreu Miyada . Paulo Luis Fodra . Paulo Marcondes Torres Neto . Paulo Renato Drubi de Queiroz Pinheiro . Paulo Sergio Grossi Filho . Paulo
Urbonas Neto . Pedro Alvim Borges . Pedro Augusto Galbiati Silva Giachini . Pedro Augusto Vieira Santos . Pedro Botton Lins . Pedro Collet Bruna .
Pedro Cotovio Suzuki . Pedro Dlugosz Angi . Pedro do Monte Bahia . Pedro Emilio Guglielmo . Pedro Gardel Camara . Pedro Henrique Lima Alves .
Pedro Ichimaru Bedendo . Pedro Kiyoshi Camargo Nakamura . Pedro Kok . Pedro Mollan Saito . Pedro Murilo Goncalves de Freitas . Pedro Paulo Sotto
. Pedro Piccino Alasmar . Pedro Pierson Domingues dos Santos . Pedro Puglia Schneider . Pedro Sales de Melo Suarez . Pedro Sampaio Gabriel de
Pieri . Pedro Simonsen Dias Vieira . Pedro Stucchi Vannucchi . Pedro Wagner de Toledo Ribeiro . Perrine Laborde . Philippe Mercaldi Metropolo .
Poliana Podboi Adachi . Priscila Arakawa Dal Col . Priscila Esteves . Priscila Guerra Barbosa da Silva . Priscila Kayoko Kubo . Priscila Liu . Priscila
Mantovani da Rocha . Priscila Menegasso . Priscila Miyuki Miura . Priscila Thiemy Sanefuji . Priscilla Wolter Giddings Vassao . Priscyla Freitas Gomes
. Quezia Camargo Tomaz Cleto . Rafael Arrelaro . Rafael Assuncao Santos . Rafael Augusto Urano de Carvalho Frajndlich . Rafael Baravelli . Rafael
Borges Pereira . Rafael Camargo Aquila . Rafael Cruz Gimenes . Rafael da Silva Sanches . Rafael de Albuquerque Montezi . Rafael de Medeiros Ramos
. Rafael de Sousa Silva . Rafael Dezan de Abreu . Rafael Domingues Pereira das Neves . Rafael Henrique de Oliveira . Rafael Isaac Nishimoto . Rafael
Magalhaes Laurindo . Rafael Masashi Saito . Rafael Meira Pinatti Sanchis Sola . Rafael Mielnik . Rafael Misato . Rafael Novais Passarelli . Rafael
Nunes Sanchos de Araujo . Rafael Otoni Goncalves . Rafael Pollastrini Murolo . Rafael Pompilio da Silva . Rafael Sodre Craice . Rafael Suriani . Rafael
Tonoli . Rafaella Basile . Raffaella Saad Yacar . Rainer Grassmann . Raisa Drumond de Abreu Negrao . Ramiro Levy . Raphael Grazziano . Raphael
Negri Milion . Raphael Soares Freire . Raquel Furtado Schenkman . Raquel Galvao de Carvalho . Raquel Marechal . Raquel Mayumi Akagi Jordao .
Raquel Santana de Morais . Raquel Takano . Raquel Yukie Murakami . Raquel Yumi Shida . Raul Mota da Silva . Regina Gauer Jose . Regis Yassuda
Sugaya . Reinaldo Anraku . Renan Rodrigues Ferreira . Renata Adriana Fabbris . Renata Bacheschi Mori . Renata Canto Scheliga . Renata Carla de
Souza Atilano . Renata Cristina Alves Cardoso . Renata Cristovao Ferretti . Renata Cruz Rabello . Renata Davi da Silva . Renata Dias de Gouvea de
Figueiredo . Renata Heloisa de Tonissi e Buschinelli de Goes . Renata Maria Pinto Moreira . Renata Marie Miyasaki . Renata Mendes de Carvalho
Guedes . Renata Monteiro Siqueira . Renata Nakaharada Mendes de Sousa . Renata Sandoli Silva . Renata Takatu Ribeiro . Renata Tieko Tanaka .
Renata Tiemi Owa . Renata Veloso Guimaraes . Renato Antonio Soares Costa . Renato Gama Foot Guimaraes . Renato Gomes Carriti . Renato Junqueira
Suyama . Renato Lagos Mentone . Renato Perigo . Renato Salles Amaral . Renato Souza Cordeiro . Renato Tadeu Belluomini Cardilli . Rene David
Jezler Nicolau . Rene Miranda . Ricardo Aguillar da Silva . Ricardo Bianca de Mello . Ricardo Bozza . Ricardo Cesarini Oliveto . Ricardo Elias
Delgado . Ricardo Lopes Gusmao . Ricardo Lopes Stanzani . Ricardo Nogueira Garcia . Ricardo Nucci Vieira . Rita de Cassia Cheng Wu . Rita de
Cássia Francisco . Rizzardi Pier Alessio . Roberta Caetano Rondino . Roberta Deak . Roberta Guedes Furlan . Roberta Schuchmann . Roberto Barreto
Leonel . Roberto Buracovas . Roberto Massayoshi Uechi . Roberto Racy Miguel Junior . Roberto Rusche . Roberto Takeshi Suguio . Robis Ley Feliz .
Rodolfo Mesquita Macedo . Rodolpho de Aragao e Ramirez . Rodrigo Agostini de Moraes . Rodrigo Angelo Campagner Vergili . Rodrigo Arraes Gianoni
. Rodrigo Bellotto Ferreira . Rodrigo Carvalho Lopes de Souza . Rodrigo Cervino Lopez . Rodrigo de Castro Dantas Cavalcante . Rodrigo de Pizzol
Mattos . Rodrigo de Toledo Vicino . Rodrigo Dias Machado . Rodrigo Fernandes Brancher . Rodrigo Fernandes Vieira Camargo . Rodrigo Guedes de
Azevedo . Rodrigo Izecson de Carvalho . Rodrigo Marreiro Alves . Rodrigo Mendes de Souza . Rodrigo Minoru Hayakawa Tanaka . Rodrigo Okuyama
. Rodrigo Petratti . Rodrigo Rolim Prudente dos Santos . Rodrigo Sanfelice da Cunha . Rodrigo Scatena Degani . Rodrigo Seixas Liboni . Rodrigo Vaz
Ohtake . Rodrigo Xavier da Silveira . Rodrigo Yoichi Freitas Ito . Rodrigo Yudi Honda . Rogerio Brandao Cipolla . Rogério Fernando Taffarello . Rogerio
Toshio Takeuti . Ronny Hideki Hasimoto . Rosana Yamaguti . Rosely Mie Jyo . Rubem Ryoiti Hojo . Rui Carlos Leopoldo e Silva . Rui da Silva Sarnadas
. Sabrina Harris Agostini . Sabrina Yon Mi Kim . Samantha Orui . Samira Bueno Chahin . Samuel Ahn . Samuel Augusto Ferreira Brigido . Samuel
Carvalho Gomes Fukumoto . Samuel Shin Choi . Sander Norio Rezende . Sandra Antunes Nasser . Sandra Crevellari . Sandra Maria Lorenzon Javera
. Sandra Mayumi Morikawa . Sandra Yumi Hagiwara . Sandro Cardim Tubertini . Sandy Belmonte Garcez . Sarah Correa Bento . Sarah Daher Kobata
Felippe . Sarah Lourencon Moura . Saul Maguil de Souza . Saulo Andrade Yamamoto . Scarlat Medeiros Guerreiro . Selma Shimura . Sergio Ricardo
dos Santos . Sergio Ricardo Lessa Ortiz . Seyey Roberto Cunioci . Sheila Mayumi Monomi . Shin Ithi Ino . Sidney Vieira Carvalho . Silvia Amstalden
Franco . Silvia Jerger Rocha . Silvia Kaori Fujisawa . Silvia Lenyra Meirelles Campos Titotto . Silvia Mara da Mata . Silvia Mattar Franchini . Silvia
Mika Kanayama . Silvia Regina Merendas Rangel . Silvia Sanae Kabashima . Silvia Schiffer Acar . Silvia Toledo de Abreu . Silvia Vaz de Azevedo
Corbucci . Silvio de Rezende Duarte Filho . Silvio Kimura . Simone Haruko Tamashiro . Simone Shoji . Simone Spano da Silva . Socrates Kentaro
Matsuura . Sofia Robbe Bender . Sofia Sterzi e Silva . Solange Estanislau dos Santos . Sonia Maria Milani Gouveia . Soraya Rodrigues . Stefania
Woznarowycz Maluf . Stela de Camargo da Dalt . Stella Litsuko Tomiyoshi . Stella Mommensohn Tennenbaum . Stephanie Silveira Guerra de Andrade
. Stephanie Yuri Torres Ogata . Suddy Kim . Sueli Norie Inoue . Suellen Oliveira Maia . Susana Narimatsu . Suzana Bilato Bozza . Suzana Nobrega
Barboza . Tabata Cristina Sung . Tadeu Lulho Melegatti . Tais Cohn . Tais Jamra Tsukumo . Tais Jayme da Cunha Mattos . Taisa da Costa Endrigue .
Taissa Tiemi Tanobe da Cruz . Talita Camacho Barao . Talita Cenamo Salles . Talita Gentile Jacobelis . Talita Maniglia de Melo . Talita Maria Badari
. Talita Martins de Melo . Talitha Gelza Oliveira do Nascimento . Tamara Crioruska Tarasiuk . Tamires Almeida Lima . Tammy Evelise Pereira de Almeida
. Tania Nascimento Helou . Tania Sanae Nagai . Tarek Mostafa Saleh . Tarek Mostafa Saleh . Tarsila Kato Barbosa de Oliveira . Tassia Barroso Falsete
. Tatiana Abramovicz . Tatiana Borgonovi Diana . Tatiana Carvalho Feliciano . Tatiana Crema Tobara . Tatiana Donadio Moura . Tatiana Durigan de
Freitas Almeida . Tatiana Galati Ozzetti . Tatiana Kimie Kawasaka . Tatiana Moreira de Souza . Tatiana Morita Nobre . Tatiana Rizzo de Campos .
Tatiana Tatit Barossi . Tatiana Zamoner . Tatiana Zanini Liberato da Costa . Tatyane Bandeira de Souza . Tercio Oliveira Monteiro . Tereza Flesch Fortes
. Thabata Pigatti Regiani . Thais Almeida Marcussi . Thais Aquino Alves da Cunha . Thais Bianca Rosanelli Bortolato . Thais Lopes Lessio . Thais Martins
Oyola . Thais Martins Sabadin . Thais Molon Grotti . Thais Osso Lourenco da Silva . Thais Tozatto Maio . Thalita Mira Munekata . Thaysa de Rezende
Carvalho . Thelma Luiza de Araujo Cardoso . Thelma Yumi Sanda Hisayasu . Thiago Adonis Parucci dos Santos . Thiago Bellot Rolemberg Lessa . Thiago
Canhos Montmorency Silva . Thiago Cesario Gomes . Thiago de Souza Aranha . Thiago Inouye Miyazaki . Thiago Natal Duarte . Thiago Saburo Inoue
. Thiago Sang Hyun Lee . Thiago Vidotto . Thiago Zaldini Hernandes . Thiciene Caccia Feragi Cintra . Thomas de Almeida Ho . Thomas Henrique
Pegoraro Garcia . Thomaz Machado Teixeira Ramalho . Thomaz Pinheiro de Rezende . Tiago Carvalho Oakley . Tiago Gimenez Ribeiro . Tiago Hiroaki
Katayama . Tiago Mantovani Simao . Tiago Martinelli Lourenzi . Tiago Peschke de Azevedo . Tiago Toscano Cavallete . Tiago Wright van Deursen .
Ticiana Stivalle Pollettini . Tissa Yokota Neves . Tomas Andre Rebollo Figueredo da Silva . Tomas Bolognani Martins . Tomo Maeichioka . Uibira Barelli
dos Santos . Uira Kayano Nobrega . Ulisses Dias Cambraia Sardao . Ulliana Veigantt . Uriel Cardoso Bianchini . Vagner Soaias Junior . Valentina
Nogueira Figuerola . Valeria Garcia Conrado . Valter de Oliveira Neto . Vanessa de Oliveira Friso . Vanessa Grossman . Vanessa Hatsue Chigami .
Vanessa Hena Lee . Vanessa Kawahira Chinen . Vanessa Prado Barroso . Vanessa Rocha Siqueira . Vanusa de Araujo Viana . Veronica Satie Zukeran
. Vicente Lourenco de Goes . Victor Berbel Monteiro . Victor Buck . Victor Campos de Oliveira . Victor Dariano Silva . Victor David Custodio Sagica
. Victor Dominic Aiello Tsu . Victor Estanislau Alarsa . Victor Macedo de Oliveira . . Victor Macedo Gurgel . Victor Miaciro Costa . Victor Piedade
de Prospero . Victor Rodrigues de Paula Freitas . Vinicius Langer Greter . Vinicius Malaco Machado . Vinicius Murad Constancio Pereira . Virginia Duarte
Nehmi 144
. Vitor Coelho Nisida . Vitor Martins de Almeida
Rolloexperimental
. Vitor Ribeiro de Aguiar
. Vivian
canteiro
10 anos
na Akemi
fau Cascao Yoshikawa . Vivian Hashimoto . Vivian
Lissa Yamachi . Vivian Naomi Heleno Maruyama . Vivian Natalia Markarian . Viviane Bernardes Gomes . Viviane Cristina da Rocha . Viviane de Araujo
Cesare . Viviane Vallesin Guimaraes . Vladimir Jose Iszlaji . Wagner Isaguirre do Amaral . Wagner Roberto Sacco . Wagner Wadhy Miguel Rebehy
. Wanderson Demetrius Rodrigues . Wayne Almeida de Sousa . Weber Sutti . Welinton de Bastos . Wellington Morette . Wesley Soares da Silva .
William Eiji Itokazu . William Petry Barros Martinha . William Shoiti Saito . William Yoshio Kimura . Willian Chen . Yoiti Taniguchi . Yuji Kawasaki .

Documentos relacionados