O SER HUMANO é o

Сomentários

Transcrição

O SER HUMANO é o
Mestrado Profissional em Educação e Tecnologia
Entendimento e Modelagem de uma “Educação Líquida”
MATERIAL DE APOIO
Prof. Dr. Glaucius Décio Duarte
Atualizado em 08ago2015
Representação do
Pensamento de Zygmunt
Bauman Utilizando
Lógica Proposicional (2)
LÓGICA PROPOSICIONAL MODERNA
CONECTIVO LÓGICO
É um símbolo ou palavra usado para conectar duas ou mais sentenças.
Negação (não): ¬, ~
Conjunção (e): ∧, & O SER HUMANO é um SER DA MODERNIDADE e
pode ser transformado em ‘’REFUGO HUMANO’’.
Disjunção (ou): ∨, ||
Implicação material (se...então...): → , ⇒
Bicondicional (se e somente se...): ↔, ≡
Disjunção exclusiva ("ou...ou.."): “Se o SER DA MODERNIDADE
pode ser transformado em
um “SER REFUGADO”,
então o SER HUMANO também
pode vir a se transformar
em “REFUGO HUMANO”.
“O SER HUMANO pode conseguir TRABALHO ou
pode ser transformado em “REFUGO HUMANO”.
“Não é verdade que o SER HUMANO
não possui a propriedade da ETERNA MUDANÇA,
ou que o SER HUMANO não pode ser transfomado em “REFUGO HUMANO”.
PROPOSIÇÕES COMPOSTAS
A produção de “refugo humano”, ou, mais propriamente de seres humanos
refugados (os “excessivos” e “redundantes”, ou seja, os que não puderam ou
não quiseram ser reconhecidos ou obter permissão para ficar), é um produto
inevitável da modernização, e um acompanhante inseparável da modernidade
(BAUMAN, 2005, p.12).
p: O SER HUMANO é um SER DA MODERNIDADE.
q: O SER DA MODERNIDADE é o “REFUGO”.
r: O SER HUMANO é o “REFUGO”.
P: p  q  r
PROPOSIÇÕES COMPOSTAS
Na verdade, o que é a moda – substituir coisas menos adoráveis por outras
mais bonitas, ou a alegria que se sente quando as coisas são jogadas num
monte de lixo depois de serem despidas do glamour e do fascínio? As coisas
são descartadas por sua feiura, ou são feias por terem sido destinadas ao
lixo? (…) cada vez mais coisas novas devem ser produzidas para substituir
outras, menos atraentes, ou que perderam a utilidade. (…) as coisas são
declaradas inúteis e prontamente descartadas porque outros objetos de
desejo, novos e aperfeiçoados, e que elas estão fadadas a serem jogadas fora
a fim de que se abra espaço para as coisas mais novas. (…)
é a novidade de hoje que torna a de ontem obsoleta,
destinada ao monte de lixo (BAUMAN, 2005, p.10).
p: A MODA substitui COISAS MENOS ADORÁVEIS.
q: COISAS MENOS ADORÁVEIS são substituídas por
COISAS MAIS BONITAS.
r: As COISAS são descartadas porque são FEIAS.
s: As COISAS são FEIAS.
t: As COISAS são destinadas ao LIXO.
Q: p  q  r  (s  t)
PROPOSIÇÕES COMPOSTAS
Na verdade, o que é a moda – substituir coisas menos adoráveis por outras
mais bonitas, ou a alegria que se sente quando as coisas são jogadas num
monte de lixo depois de serem despidas do glamour e do fascínio? As coisas
são descartadas por sua feiura, ou são feias por terem sido destinadas ao
lixo? (…) cada vez mais coisas novas devem ser produzidas para substituir
outras, menos atraentes, ou que perderam a utilidade. (…) as coisas são
declaradas inúteis e prontamente descartadas porque outros objetos de
desejo, novos e aperfeiçoados, e que elas estão fadadas a serem jogadas fora
a fim de que se abra espaço para as coisas mais novas. (…) é a novidade de
hoje que torna a de ontem obsoleta,
destinada ao monte de lixo (BAUMAN, 2005, p.10).
p: A MODERNIZAÇÃO substitui o TRABALHADOR MENOS
ATUALIZADO.
q: O TRABALHADOR MENOS ATUALIZADO é substituído
por um TRABALHADOR MAIS ATUALIZADO.
r: O TRABALHADOR é descartado quando está
DESATUALIZADO.
s: O TRABALHADOR está DESATUALIZADO.
t: O TRABALHADOR é destinado ao LIXO HUMANO.
R: p  q  r  (s  t)
TABELA-VERDADE
CONJUNÇÃO
DISJUNÇÃO
CONDICIONAL
p
q
p∧q
p
q
p∨q
p
q
p→q
V
V
F
F
V
F
V
F
V
F
F
F
V
V
F
F
V
F
V
F
V
V
V
F
V
V
F
F
V
F
V
F
V
V
F
V
BICONDICIONAL
DISJUNÇÃO EXCLUSIVA
NEGAÇÃO
p
q
p↔q
p
q
p
¬p
V
V
F
F
V
F
V
F
V
F
F
V
V
V
F
F
V
F
V
F
V
F
F
V
p
q
F
V
V
F
TAUTOLOGIA
Um termo ou texto que expressa a mesma ideia de formas diferentes.
É dizer sempre a mesma coisa em termos diferentes. Um argumento é
tautológico quando se explica por ele próprio, às vezes redundante ou
falaciosamente.
“Não é verdade que, o SER HUMANO pode ser marcado como REFUGO e o
REFUGO HUMANO é um produto inevitável da MODERNIZAÇÃO.”
p: O SER HUMANO pode ser marcado como REFUGO.
q: O REFUGO HUMANO é um produto inevitável da MODERNIZAÇÃO..
P: ~(p  q)
“Não é verdade que o SER HUMANO pode ser marcado como REFUGO, ou,
não é verdade que o REFUGO HUMANO é um
produto inevitável da MODERNIZAÇÃO.”
R: ~p  ~q
TAUTOLOGIA
É um inescapável efeito colateral da construção da ordem (cada ordem define
algumas parcelas da população como “deslocadas”, “inaptas” ou
“indesejáveis”) e do progresso econômico (que não pode ocorrer sem
degradar e desvalorizar os modos anteriormente efetivos de “ganhar a vida” e
que, portanto, não consegue senão privar seus praticantes dos meios de
subsistência (BAUMAN, 2005, p.12).
p: O SER HUMANO é INAPTO.
q: O SER HUMANO é INCAPAZ.
~(p  q)  ~p  ~q (Lei de Morgan)
Não é verdade que, o SER HUMANO é INAPTO e o SER
HUMANO é INCAPAZ, equivale a dizer que o SER HUMANO
não é INAPTO ou o SER HUMANO não é INCAPAZ.
ou ainda, poderíamos dizer que:
Não é verdade que, o SER HUMANO é INAPTO e INCAPAZ,
equivale a dizer que o SER HUMANO é APTO ou CAPAZ.
LEIS LÓGICAS
Fonte: http://www.dct.ufms.br/~eah/ftc/logica-4p.pdf
QUANTIFICADOR
É um operador que gera proposições a partir de termos gerais,
indicando a quantidade de objetos que pertencem à classe referida
por esses termos.
Quantificador universal: ∀
“Todo o SER REDUNDANTE é um SER DISPENSÁVEL.”
∀(x) | x SR  x SD
Quantificador existencial: ∃
“Alguns SERES HUMANOS podem ser marcados como REFUGO.”
∃(x) | x SH x H_REF  x H_CONS
onde:
H_REF: humanos refugados
H_CONS: humanos consumidores
QUANTIFICADORES
(…) a nova plenitude do planeta significa, essencialmente, uma crise aguda
da indústria de remoção do refugo humano. Enquanto a produção de refugo
humano prossegue inquebrantável e atinge novos ápices, o planeta passa
rapidamente a precisar de locais de despejo e de ferramentas para a
reciclagem do lixo (BAUMAN, 2005, p.13).
Alguns SERES HUMANOS são HUMANOS INDESEJÁVEIS.
SH = Conjunto dos SERES HUMANOS
HI = Conjunto dos HUMANOS INDESEJÁVEIS
∃(x) | x SH  x HI
Todo “REFUGO HUMANO” necessita ser destinado à
RECICLAGEM, ou então, deve ser descartado no “LIXO
HUMANO”.
SHR = Conjunto dos SERES HUMANOS que devem ser
RECICLADOS
LH = Conjunto do LIXO HUMANO
∀(x) | x RH x SHR x LH 
AS LINHAS NEM SEMPRE SÃO CONTÍNUAS
Vivemos em um vai e vem das linhas. Oscilamos de
uma a outra. Dobramos e desdobramos nossos modos
de ser a partir do que se passa na cartografia.
(DELEUZE; GUATTARI, 2011)
Uma vida é feita de linhas. Cada indivíduo deve
encontrar as suas. Essas linhas não pré-existem.
(DELEUZE; GUATTARI, 2011)
O mais interessante é ficar atento à cartografia que vai
se formando, ou melhor, que cada indivíduo ou grupo
fique atento a sua própria cartografia, com suas linhas:
seus cortes, fissuras e rupturas. Isso passa a ser
interessante com o intuito de criar um pensamento
diferente que afete os modos de vida, que afete a
formação de quem cartografa.
(DELEUZE; GUATTARI, 2011)
MODERNIDADE LÍQUIDA
Vivemos tempos líquidos. Nada é para durar.
(BAUMAN)
A família de pensamentos está repleta de anões. É por
isso que a lógica e o método foram inventados e,
depois de descobertos, adotados pelos pensadores de
ideias […] Cerradas as fileiras quem vai notar o
tamanho diminuto dos soldados.
(BAUMAN, 2004, p.16)
Nem no amor, nem na morte pode-se penetrar duas
vezes – menos ainda que no rio de Heráclito. Eles são,
na verdade, suas próprias cabeças e seus próprios
rabos, dispensando e descartando todos os outros […]
eventos distintos, não conectados […] com eventos
“similares” […] a não ser na visão de instituições ávidas
[…] por identificar […] retrospectivamente essas
conexões e compreender o incompreensível.
(BAUMAN, 2004, p. 17)
CRÍTICA À LÓGICA
A lógica [...] repousa sobre pressupostos que não
correspondem a algo de real no mundo [...] no
pressuposto da igualdade das coisas, a
identidade da mesma coisa em
diferentes pontos do tempo.
(NIETZSCHE)
A lógica [...] aplica-se apenas a entidades fictícias que
criamos. A lógica é a tentativa de compreender o
mundo efetivo por meio de um esquema de ser
postulado por nós mesmos; mais corretamente, de o
tornar formalizável e calculável para nós.
(NIETZSCHE)
O mundo parece-nos lógico, porque o tornamos lógico.
(NIETZSCHE)
CRÍTICA À LÓGICA
A lógica se baseia em pressupostos que não tem
correspondência no mundo real […] O mesmo se dá
com a matemática, que por certo não teria surgido, se
desde o princípio soubéssemos, que na natureza, não
existe linha exatamente reta, nem círculo verdadeiro,
nem medida absoluta de grandeza.
(NIETZSCHE, 2005, p. 21)
Entre as coisas que podem levar um pensador ao
desespero, está o conhecimento de que o ilógico é
necessário aos homens e que, do ilógico, nasce muita
coisa boa. […] Apenas os homens muito ingênuos,
podem acreditar que a natureza humana pode ser
transformada numa natureza puramente lógica.
(NIETZSCHE, 2005, p. 37)
REFERÊNCIAS
BAUMAN, Z. Vidas desperdiçadas. Rio de janeiro: Jorge Zahar,
2005.
__________. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços
humanos. Rio de janeiro: Jorge Zahar, 2004.
__________. Modernidade líquida. Rio de janeiro: Jorge Zahar,
2001.
CPFL ENERGIA; FRONTEIRAS DO PENSAMENTO. Diálogos com
Zygmunt Bauman. [Vídeo]. (29,41 min) Leeds, 2011. Disponível em:
< http://vimeo.com/40079568 >. Acesso em: 09/08/2014.
DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e
esquizofrenia. vol. 1. São Paulo: Ed. 34, 2011. 2. ed.
NIETZSCHE, F. W. Humano, demasiado humano: um livro para
espíritos livres. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.