Titulo da Mesa: ENSINO DE ARTE E DIVERSIDADE CULTURAL

Сomentários

Transcrição

Titulo da Mesa: ENSINO DE ARTE E DIVERSIDADE CULTURAL
Modalidade: Mesa Redonda
GT: Artes visuais
Eixo Temático: Múltiplas culturas, interculturalidade e inclusão: metamorfoses contemporâneas.
Titulo da Mesa: ENSINO DE ARTE E DIVERSIDADE CULTURAL
ARTE E ARTESANATO NAS AULAS DE TECELAGEM:
RESSIGNIFICANDO OLHARES SOBRE A CULTURA POPULAR NO CONTEXTO
MEXICANO.
Vanessa Freitag (UGto, Guanajuato, México)
RESUMO:
O presente artigo objetiva discutir sobre a importancia de se construir olhares mais
significativos em torno à cultura popular tomando como ponto de partida, a experiência
prática de estudantes universitários com a linguagem têxtil. Nesse sentido, a base empírica
deste texto se fundamenta nas aulas de tecelagem impartidas numa instituição de ensino
superior da cidade de León, México e que forma gestores culturais. Durante dois semestres
letivos (agosto de 2013 a junho de 2014), se trabalhou com dois grupos de 18 estudantes do
bacharelado em Cultura e Arte da referida instituição, onde se abordou temáticas que
relacionavam o fazer artesanal com o artístico através da linguagem têxtil. Além disso, se
pretendeu ressignificar os modos de ver o oficio artesanal na formação dos futuros gestores
culturais. Se realizou um exaustivo registro fotográfico sobre o processo criativo de cada
estudante e um questionário para avaliar a percepção dos mesmos sobre as aulas de
tecelagem e acerca do conceito de cultura popular construídos ao longo das sessões.
Palavras-chave: arte e artesanato; linguagem têxtil; processo criativo;
ARTE Y ARTESANÍAS EN LAS CLASES DE TELARES: RE-SIGNIFICANDO MIRADAS
EN TORNO A LA CULTURA POPULAR EN EL CONTEXTO MEXICANO.
RESUMEN:
El presente artículo busca discutir sobre la importancia de construirse miradas más
significativas en torno a la cultura popular tomando como punto de partida, la experiencia
práctica con el lenguaje textil en el contexto universitario. En este sentido, la base empírica
de este texto se fundamenta en las clases de telares tradicionales impartidas en una
institución de enseñanza superior que forma a gestores culturales en la ciudad de León,
México. A lo largo de dos semestres (agosto de 2013 a junio de 2014) se ha trabajado con
dos grupos de 18 estudiantes de la licenciatura en Cultura y Arte de la referida institución,
donde se ha abordado temáticas relacionadas con el quehacer artesanal y artístico a través
del lenguaje textil. Además, se buscó re-significar los modos de concebir el oficio artesanal
para la formación de los futuros gestores culturales. Se ha realizado un exhaustivo registro
1
fotográfico sobre el proceso creativo de cada estudiante y un cuestionario para evaluar la
percepción de los mismos sobre las clases de telares y acerca del concepto de cultura
popular construido a lo largo de las sesiones.
Palabras-clave: arte y artesanía; lenguaje textil; proceso creativo.
1 Introdução
Como trabalhar a cultura popular no contexto universitário? Quais são os
olhares construídos pelos estudantes sobre a arte popular? Como ressignificar
esses olhares em torno à diversidade cultural e artística durante a formação
universitária? As respectivas interrogantes fundamentam a construção desse texto
cujo propósito é refletir sobre a experiência didática realizada durante as aulas de
tecelagem com estudantes do curso de Cultura y Arte. Com isso, busco compartilhar
o processo de formação de olhares sobre as práticas artesanais no âmbito
universitário mexicano. As aulas se caracterizaram pela aproximação gradativa dos
estudantes à linguagem têxtil, às suas histórias de vida e sobretudo, à sua formação
como profissionais no campo da arte e cultura.
Grosso modo, a ideia do presente texto é gerar um espaço de diálogo e
reflexão sobre o ensino da arte em contextos de diversidade cultural. Entendo como
diversidade cultural as manifestações artísticas criadas por distintos grupos sociais e
com múltiplos propósitos (Bourdieu, 1979; Chalmers, 2003; Eisner, 2003; Novelo,
2002; Barbosa, 2009). Entre elas, podemos destacar os grupos folclóricos, os
artistas populares, a arte urbana e os coletivos de artistas, entre outros. Me
interessa discutir especialmente, o papel da arte que se produz em contextos não
formais, sua incidência e recepção nas aulas de artes e para a formação integral do
aluno. Se defende a postura de que tanto a arte contemporânea, portanto, erudita e
legitimada, como a arte popular (muitas vezes desqualificada pelos alunos e
professores) devem ser problematizadas e trabalhadas seriamente em espaços não
formais assim como, em espaços escolares e universitários. Como qualquer outro
campo do saber, a arte também está socialmente construída e reflete ideologias,
experiências e valores que são próprios de uma determinada cultura. Neste sentido,
é importante questionar esses saberes e valores que muitas vezes são trabalhados
de forma irreflexiva no ensino de arte e com isso, ampliar o olhar sobre as
produções artísticas que lidam com outros códigos que dialoguem com a pluralidade
cultural.
O contexto deste estudo se refere à minha atuação como professora
universitária no curso de “Cultura e Arte” cujo propósito é formar estudantes para
atuarem como gestores culturais. Como tal, a escola tem uma série de ateliês cuja
finalidade é a sensibilização dos alunos nas linguagens artísticas e artesanais.
Durante seis semestres, os mesmos podem conhecer e praticar diversas linguagens
e aprender técnicas e princípios básicos de cada ateliê. A intenção desses ateliês
nao é formar artistas, muito menos professores de arte (embora alguns trabalhem
como tal), mas a de “sensibilizar” o futuro gestor nas linguagens artísticas.
Portanto, a estrutura do texto está constituida da seguinte forma: num primeiro
momento, se fará uma breve contextualização sobre o panorama artesanal no
México (algumas problemáticas vividas pelos produtores e as possibilidades do
artesanato neste contexto); posteriormente, se apresentará algumas características
da linguagem têxtil; finalmente, se discutirá alguns resultados da pesquisa e o
trabalho desenvolvido no ateliê de tecelagem propriamente dito.
2
2 Breve panorama sobre o trabalho artesanal mexicano.
El artesano representa la condición específicamente
humana del compromiso
(Sennett, 2009).
Sendo uma das práticas mais conhecidas e reconhecidas no contexto
mexicano, o artesanato conserva suas características tradicionais apesar do tempo
e das dificuldades enfrentadas pelos seus criadores. Neste sentido, se pode dizer
que no México o trabalho artesanal vive uma paradoxa: por um lado, pobreza,
doenças, carências e exclusão são sinônimos dessa atividade de raiz tão antiga; por
outro, se glorifica e se enaltece com orgulho as mãos criativas do povo mexicano
capaz de traduzir em cores, formas e materiais, tradições que resistem ao tempo e
às novas tecnologías.
O certo é que sobreviver com tantas dificuldades para manter o ofício ativo e
vivo entre as novas gerações de artesãos tem sido um dos principais desafios dos
artesãos atualmente. Nesse país, de norte a sul, se observam tipos de artesanatos
muito variados que exploram as características climáticas e a matéria-prima de cada
contexto, sem contar a hibridização de crenças religiosas e profanas que também
servem como referentes para criar trabalhos inventivos.
De acordo com Novelo (2002), os artesãos mexicanos pertecem ao extrato
mais baixo dessa sociedade, já sejam indígenas ou mestiços; camponeses ou
citadinos; homens e mulheres; adultos e anciãos. Ser artesão e ser indígena
significa viver duplamente a exclusão social, os olhares que recriminam, minizam e
ridicularizam as raízes mexicanas. Considerado desde a Revolução Mexicana
(1910) como um dos “símbolos” que identificam este povo, o trabalho artesanal
somente é visto com orgulho quando convêm a uma determinada clase social
(especialmente, com propósitos políticos).
Mas para entender um pouco mais a dimensão do ofício neste contexto é
importante resgatar algumas definições de “arte popular” e “artesanato” na
perspectiva de alguns pensadores mexicanos. No México, artesanato não é,
necessariamente, sinônimo de manualidades. No entanto, é sim um trabalho
manual, na maioria das vezes familiar, transmitido de uma geração a outra (de
famílias com cinco ou mais gerações dedicadas ao ofício), que mantém a memória
coletiva de um grupo ou sociedade e que serve de catalizador de tradições
esquecidas.
Para Scheffer (1987), como cultura popular se refere a um determinado povo
produtor de elementos culturais diversos, criativos, expresivos e artísticos. Além do
mais, se refere aos costumes que se transmitem de uma geração à outra de maneira
não institucionalizada (ou seja, a través da experiência direta com a prática
artesanal) e finalmente, a tudo aquilo que se aprende de modo espontâneo como
resultado da vivência do individuo com o seu meio.
Neste sentido, os artesãos costumam ter um refinado sentido estético no
trabalho que realizam: cada nova peça, cada nova linha artesanal, cada cor e
material utilizado, imprimem uma função que supera a necessidade inicial de
responder à uma utilidade prática ou cotidiana. Caso contrário, que sentido tem
decorar cada nova peça? desenhar formas diversas sobre a superficie dos objetos,
inundar de cores e texturas a simplicidade das coisas feitas a mão? Para Pomar
3
(2008:29, tradução livre da autora), os objetos denominados como “arte popular”
possuem quatro características, a saber:
A concepção que tem o seu criador de acordo com a cultura da qual provêm; Os
materiais que pode ter ao seu alcance e que são provenientes do entorno em que
vivem; A capacidade criativa do artesão; A demanda que eles possuem na
comunidade onde se manufaturam.
Enquanto os artesãos imprimem um caráter estético y representativo de uma
dada cultura a objetos criativos e inovadores, o artesanato possui, além do mais,
uma função social específica: conservação e preservação das costumes tradicionais
de um povo, traduzido na indumentária tradicional e festiva, na produção de
utensílios domésticos, na simbología cerimonial e nas festividades de uma
determinada sociedade ao longo do tempo. De acordo com Franco Frías (2005, p.
16) a arte popular é “o trabalho tradicional do artesão que agrega um elemento de
beleza o de expressão artística ao carácter utilitario do objeto ou sua função na vida
social”. Isto quer dizer que a arte popular é uma expressão artística de carácter
utilitário, mas não se trata de uma regra. Dentre a diversidade de objetos criados
pelos artesãos, me interessa dedicar algumas linhas à produção têxtil. No próximo
apartado, se apresentam brevemente as principais características dessa linguagem,
aspectos históricos e a situação do trabalho artesanal no contexto mexicano.
2.1 Linguagem têxtil: entre arte e artesanato.
A linguagem têxtil é considerada um dos elementos mais significativos da
cultura mexicana onde se vê refletida sua extraordinaria diversidade cultural. A
tradição têxtil neste país remonta à época pré-hispânica com a produção de
diferentes tecidos e tapetes através do tear de cintura. A maioria dos materiais
utilizados para tecer provinham de fibras vegetais tais como, algodão e palmas, além
disso, de algumas plumas de aves, peles e pelos de animais, com a finalidade de
complementar os adornos e estrutura do tecido. A finalidade dos teares era a
produção de tapetes, cobertores, banderas e especialmente, a confecção da
indumentária de diversas clases sociais: a maioria da população usava um traje
simples, feito de fibras naturais e sem adornos; já os guerreiros, sacerdotes e
dirigentes tinham o direito de vestir-se com certa sofisticação e usavam trajes com
brocados muito coloridos, com plumas e adornos de pedras preciosas, além de
bordados com um importante conteúdo cultural (YLLADES, 2009, p.09).
Um dos teares mais antigos e tradicionais que ainda se usam em muitas
regiões do México, é o tear de cintura. A eficiência técnica e a facilidade de
transportá-los para qualquer lugar consiste numa de suas principais características.
Nesses teares, a largura do tecido não podia ultrapassar a extensão dos braços de
quem os tecia. Os tecidos ocupavam uma posição importante nas sociedades préhispânicas caracterizadas por conteúdos simbólicos, ritualísticos e religiosos.
4
Figura 01. Diosa
Xochiquétzal.
Figura 02. Telar de cintura, Zinacatán, Chiapas.
Fonte: http://www.mexicodesconocido.com.mx/fotossemana-artesanias-zinacantan-chiapas.html
Figura 03. Estructura del telar de
cintura.
Fonte: http://www.arts-history.mx
Tecer era uma atividade que desde a época pré-hispânica estava associada ao
gênero feminino. Ainda na infância, as meninas eram incentivadas e incorporadas
pouco a pouco, na arte têxtil. Aos quatro anos de idade, já sabiam os primeiros
passos do ofício ao brincar com os instrumentos relacionados com o tear. Quando
completavam 16 anos, já estavam preparadas para realizar qualquer labor no tear e
consequentemente, estavam prontas para contrair matrimônio. De acordo à
cosmovisão da cultura mexica, Xochiquétzal (Xochi=flor; Quetzal= hermosa) é
considerada a deusa protetora dos tecedores e a primeira entidade a tecer e a
transmitir os saberes do ofícios aos homens.
Também é considerada a deusa da fertilidade, representando a íntima relação
desta prática com a chuva e o surgimento de uma nova vida. Tecer era uma
5
atividade predominantemente feminina e que se realizava no seio familiar
(YLLADES,2009). Devido a fragilidade dos materiais usados para tecer e das
inconstâncias climáticas, lamentávelmente contribuiram no processo de deterioração
da maioria dos têxteis mexicanos. Grande parte da história desses tecidos se
encontram nos murais de sítios arqueológicos, nas figuras de alguns objetos
cerâmicos, nos códices e esculturas pré-hispânicos.
A linguagem têxtil possibilita a apropriação de materiais diversificados e com
isso, a construção de tecidos para diferentes usos e significados. É interessante
observar como alguns artistas contemporâneos usam esta linguagem e suas
técnicas para produzir objetos artísticos, caracterizados como arte contemporânea
(a exemplo, se cita o trabalho da artista Joana Vasconcelos, Cecilia Martínez, Eliza
Bennett, Sue Stone, entre outros).
Muitas vezes, as obras criadas não ultrapassam os limites da
bidimensionalidade do têxtil e se enfocam na pesquisa de diferentes texturas e
materiais inovadores na criação de tapizes (específicamente para parede). Outros se
interessam em explorar as possibilidades espaciais e a construção de cenários
(instalações) mediados pelas peças criadas através da trama e urdumbre. Vejamos
algumas experiências tidas durante as aulas de tecelagem no contexto universitário.
3 Aulas de tecelagem: modos de significar o olhar sobre o artesanato
mexicano.
Me parece importante dedicar este apartado para refletir sobre a experiência
prática tida nas aulas de tecelagem com estudantes do curso de Cultura y Arte de
uma instituição do ensino superior no México. Como responsável pela disciplina,
meu propósito foi trabalhar a revalorização dos oficios artesanais através da
experiência direta e investigativa numa linguagem em específico: a arte têxtil.
Enquanto aos aspectos pedagógicos da disciplina, se buscou aproximar
gradativamente os estudantes à linguagem têxtil, aos principios técnicos e
terminologias que se usaria ao longo do curso, assim como, à construção de seus
próprios teares (com bastidor de prego).
Num primeiro momento, o domínio da técnica foi uma prioridade das aulas
posto que só assim, os alunos poderiam criar e usar uma variedade de materiais
para produzir suas peças. As sessões foram divididas em quatro módulos ao longo
do semestre: cada nova etapa, se fazia uma introdução teórica e leituras específicas
sobre diferentes tipos de possibilidades técnicas e expressivas no tear; exemplos de
artistas e artesãos que se dedicavam a explorar a linguagem têxtil e o contexto de
produção dos principais representantes da cultura têxtil no México. As aulas eram
complementadas com a pesquisa de materiais, desenhos e trabalhos por parte dos
alunos, a fim de que investigassem sobre os diversos grupos indígenas produtores
de têxteis no país e também, de artistas que se dedicavam à produção de tapizes.
A fim de conhecer quais eram as expectativas iniciais dos estudantes antes
de começar o curso e o que foi mais significativo para os mesmos ao terminar as
aulas, se aplicou um breve questionário em que relatariam suas experiências
durante as atividades realizadas. Entre algumas das respostas registradas, se
mencionam:
6
As aulas de tecelagem sempre me chamaram muito a atenção, acho uma
atividade realmente artística os trabalhos feitos com esta técnica. Minhas
expectativas sempre foram poder aprender a realizar a técnica com as minhas
próprias mãos, pra falar a verdade, nao pensei aprender a fazer mais de uma
técnica e foi o que aconteceu, dado que realizei mais de cinco trabalhos com
técnicas mistas” (Aluna 1, dezembro de 2013).
Antes de começar as aulas tinha uma ideia sobre o que ia fazer, sabia que
queria aprender e que ia servir como um exercício de distração e
concentração. Depois do curso, posso dizer que definitivamente as aulas
superaram minhas expectativas, posto que não somente levo comigo os
conhecimentos que foram compartilhados, mas também levo uma maneira
diferente de ver as coisas e uma maneira distinta de viver. Aprendi muito
mais do que esperava e não só isso, pude refletir sobre o que acontecia
comigo; a paciência é algo que levo e também aprendi a valorizar as coisas
(Aluna 2, dezembro de 2013).
Cuando comecei o curso minhas expectativas eram baixas, já que não tinha
certeza que tipo de técnicas utilizaríamos nas aulas ou que tão complicadas
seriam e conforme foi passando o semestre me senti muito conforme e feliz
com as técnicas utilizadas nas mesmas, já que não aprendemos somente as
técnicas básicas da tecelagem mas também nossa criatividade.(Aluna 3,
dezembro de 2013).
Comparado com a variedade de ateliês e linguagens artísticas que a escola
possui, o Ateliê de Tecelagem acaba sendo uma opção menos atrativa para a
maioría dos alunos (e especialmente, para os alunos do sexo masculino). A maioría
dos estudantes que participam do mesmo são as meninas e geralmente chegam a
se interessar pela técnica porque já tiveram alguma experiência prévia com crochê
ou outras manualidades ou porque visitaram o ateliê num semestre anterior, onde
puderam observar as atividades que se realizavam neste espaço.
Um dos grandes desafios das aulas de tecelagem é ensinar a paciência e a
capacidade de observação e planejamento sobre aquilo que se pretende tecer.
Geralmente, os alunos começam de forma intuitiva e realizam trabalhos bastante
espontâneos e outras vezes, cometem alguns equívocos que fazem parte do
processo de aprendizagem da técnica (pular pontos, puxar demais os fios, cortar a
urdumbre, entre outros). No entanto, se mostram muito exigentes sobre o que
produzem e se inquietam com muita facilidade, e às vezes, se frustram diante de um
trabalho que não ficou bem feito técnicamente. Como professora, preciso estar
atenta aos sinais de desânimo dado que a aprendizagem do ofício requer tempo de
maduração e exercício constante.
Nesses momentos, costumo comentar sobre o tempo que um mestre artesão
necessita para realizar trabalhos bem feitos e bonitos e que a experiência tida nas
aulas de tecelagem, possam servir para que vejam as coisas desde outra
perspectiva, desde um ritmo mais lento, que aprendam a apreciar as coisas feitas à
mão, os detalhes e peculiaridades dos materiais usados pelos artesãos, como
podemos observar nos testemunhos destas alunas:
7
Aprendi algo muito importante (quase esquecido) que é a paciência. Encontrei
um espaço que gerava tranquilidade na minha vida acelerada, além disso, a
possibilidade de conviver com novas pessoas e inclusive chegar a estimá-las.
Pude construir uma maior consciência sobre este trabalho, o fato de apreciar
os distintos fios, o uso do tiempo, o esforço e inclusive as ideologias, crenças e
imaginação que um artesão imprime num trabalho. O fato de ter a capacidade
(como futura compradora) de não “pechinchar” o trabalho alheio, e difundir este
trabalho que identifica o meu país e que forma parte das nossas tradições e
costumes que não se deve perdê-las. (Aluna 4, dezembro de 2013).
Aprendi a ser paciente, observadora. A valorizar trabalhos como este, saber
todo o processo, tempo, material e esforço que representa. Sem dúvida, é uma
forma de se comunicar, por este meio, podes transmitir muitas coisas e
também muitas outras coisas sobre nossa cultura que se vê refletidas nesses
trabalhos. Adorei poder ter a experiência de ver de perto o processo de um tear
de cintura, o trabalho e a capacidade que consiste realizar uma única peça
desta forma. Realmente, as pessoas não valorizam um trabalho tão delicado
que se tem ao realizar artesanato. Tem toda uma carga cultural e tradicional
atrás. Desde o processo inicial até o resultado final. Acho que no caso do
artesanato não se paga o preço que se deveria pagar, dado que não se
conhece os processos que implicam sua realização. No caso da tecelagem,
não se tem a mínima ideia do tempo e esforço que se requer para criar um
objeto e não só isso, simplesmente não se toma em conta que ao apoiar este
tipo de manifestaçoes culturais, estamos resgatando parte das nossas
tradições e a essência do nosso povo. (Aluna 5, dezembro de 2013).
A intenção das aulas sempre foi a aprendizagem das técnicas e pontos básicos
que caracterizavam a linguagem da tecelagem, para num segundo momento,
fomentar a criação e experimentação de novas técnicas, texturas, formas e
estruturas por parte do aluno. Como podemos observar nos relatos dessas alunas, a
participação no ateliê propiciou o aprendizado de conhecimentos, actitudes e valores
que foram construidos através da experimentação e significação dos exercícios
vivenciados durante as aulas. Com cada novo ponto aprendido (peruano, duplo,
tafetá, nós, enlaces, etcétera), os alunos tinham a liberdade para decidir quais
materiais e estruturas usariam para criar seus projetos.
Esse processo de aprender uma linguagem que era nova para muitos (embora
a tradição têxtil seja conhecida entre os mexicanos), comprender a lógica de criação
significou diretamente a valorização das práticas artesanais para cada estudante.
Como comentado no início deste texto, as artes populares parecem ainda ser pouco
trabalhadas no contexto educativo de um modo geral. Por este motivo, conhecer a
linguagem se relaciona diretamente com o conhecimento e compreensão de um
modo de vida: o artesanal.
Neste sentido, Sayer (1998,p.64) reforça o anterior ao dizer que “as escolas
governamentais deveriam respeitar as tradições artesanais locais e convidar os
mestres artesãos para ensinar no contexto da sala de aula”. Uma das experiências
bastante comentadas pelos alunos durante um dos semestres cursados foi a visita
8
de uma artesã indígena que nos brindou uma aula sobre o “tear de cintura”. A
técnica em si é bastante rudimentar e usa poucas ferramentas para tecer, mas exige
bastante habilidade técnica por parte do tecedor. Este contato com a história de vida
da artesã foi importante dado que o tear de cintura é um tipo de trabalho que não se
aprende de outra forma se não se tem um contato direto com os artesãos
especialistas nesta técnica.
Figura 04. Aluna trabalhando no tear de
pregos. Junho de 2014, fotografia de
Vanessa Freitag.
Figura 05. Aluna trabalhando no tear de
pregos. Dezembro de 2013, fotografia de
Vanessa Freitag.
Figura 06. Alunas trabalhando no tear de
cintura. Dezembro de 2013, fotografia de
Vanessa Freitag.
9
Figura 07. Alunas conhecendo os princípios
da tecelagem. Dezembro de 2013, fotografia
de Vanessa Freitag.
4 Considerações Finais.
Como se pode apreciar ao longo deste texto, embora México seja um país com
uma grande riqueza cultural e artística, isso não significa que as mesmas sejam
igualmente apreciadas e valorizadas pelos alunos no contexto educativo. Nas aulas
de tecelagem, sempre busquei relacionar o trabalho artesanal com o artístico e que
os alunos pudessem ver esta prática como uma atividade artística, que comunica,
que encanta, que carrega consigo tradições e costumes de um povo, que têm muitas
finalidades que não só a de ser útil ou fungir como adorno. Com isso, o maior
objetivo das aulas de tecelagem foi o de conscientizar sobre a importância do
trabalho artesanal para o povo mexicano e tornar o olhar dos estudantes, um pouco
mais receptivo e aberto às diferentes manifestaçoes culturais:
“É um setor pouco valorizado, sem dúvida, e que não consegue ser valorizado
econômicamente de uma forma adequada e que isto talvez se deva em parte,
às mudanças de estilo/estética das pessoas” (Aluna 5, junho de 2014).
“Muitas vezes se desprestigia este tipo de trabalho e poderia dizer o mesmo do
artesanato de um modo geral. Com este tipo de ateliês (de tecelagem) nos
damos conta, de forma muito mais clara e próxima, sobre o trabalho que
realmente implica realizar este tipo de atividades. Podemos ver desde uma
10
perspectiva muito mais objetiva e assim, ser mais críticos e apreciar muito mais
o que temos” (Aluna 6, junho de 2014).
O comentario da aluna 5 é bastante significativo dado que se refere às
mudanças no modo como as pessoas veem os oficios artesanais em detrimento de
outras linguagens artísticas: mudam-se as formas de ver, mudam-se os gostos e
interesses por certos objetos. Desta forma, o ponto é sempre questionarmos sobre
como aprendemos a ver e a reconhecer certos tipos de arte, o que influencia nosso
olhar a respeito e ao contrário, como invisibilizamos algumas práticas artísticas e
tradicionais. Mas isso também se refere à formação do olhar sobre as coisas, como
bem reitera Efland (2003:168): “inclusive dentro da comunidade artística profissional,
se pode entender as questoes de poder à luz da tendência do mundo da arte de
relegar o artesanato ao patamar de arte decorativa e à arte popular ao mero kitsch
ou entretenimento”.
Neste sentido, quando conocemos, olhamos de modo distinto e cuando
olhamos de outra forma, significamos mais intensamente as experiências e damos
sentido a outras que nos passavam desapercebidas. Dejar-se seduzir pela arte
popular nos permite lentificar a percepção para examiná-la atentamente, para
saborear suas qualidades, para reconhecer seus valores e também as similitudes e
diferenças com outras culturas. Espero que as experiências relatadas neste texto,
possam motivar e contribuir para repensar as atividades artísticas populares nos
diferentes espaços educativos de nosso país.
5 Referencias Bibliográficas
BARBOSA, Ana Mae (2009) “Arte y Cultura”. Disponible en: Encuentro Nacional sobre
Arte y Diversidad Cultural. Perú, 05 al 07 de noviembre de 2009
http://encuentroeducacionarte.blogspot.mx
BOURDIEU, Pierre (1979) La Distinción. Criterios y bases sociales del gusto. Taurus:
Argentina.
CHALMERS, Graeme F. (2003) Arte, Educación y Diversidad Cultural. Paidós Arte y
Educación, Barcelona.
EFLAND, Arthur D; FREEDMAN, Kerry; Patricia STUHR (2003) La educación en el arte
posmoderno. Paidós: Barcelona.
EISNER, Elliot (2003) El arte y la creación de la mente. El papel de las artes visuales en
la transformación de la conciencia. Paidós: Barcelona.
FRANCO FRÍAS, Efraín (2005) Cultura popular y artesanías. Gobierno del Estado,
Secretaría de Cultural, Guadalajara, Jalisco.
11
NOVELO, Victoria (2002) “La expropiación de la cultura popular”. En: Culturas populares y
política cultural. México: CNCA, pp.77-85.
POMAR, María Pomar (2008) A ojo de pájaro. El arte popular guanajuatense. Editora de
La Rana, Guanajuato.
SAYER, Chloë (1998) “La misión de educar”. En: Artes de México: Arte Popular Museo
Ruth Lechuga, n.42, México, pp.63-66.
SENNETT, Richard (2009) El artesano. Editorial Anagrama, Barcelona.
YLLADES, Teresa (2009) Telares y tejedores. Textil artesanal en Guanajuato. Ediciones
de La Rana: Guanajuato.
Vanessa Freitag - Doutora em Ciências Sociais com especialidade em Antropologia Social
por CIESAS (Centro de Investigación y Estudios en Antropología Social), Sede Guadalajara,
México. Mestre em Educação com especialidade em Arte e Educação (UFSM), especialista
em Arte e Visualidade (UFSM), Bacharel e Licenciada em Desenho e Plástica (UFSM).
Atualmente é professora pesquisadora da Universidad de Guanajuato, Campus León
(Estado de Guanajuato, México) e pesquisa arte e cultura popular, arte e artesanato.
http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4711524D9
12