CONCRE TA e E NDIE L - Escola Profissional CIOR

Сomentários

Transcrição

CONCRE TA e E NDIE L - Escola Profissional CIOR
Dezembro 2015 #52
E S C O L A
C I O R
s
a
t
r
o
P
e
d
ra
o
F
r
e
d
n
Apre
L
IE
D
N
E
e
A
T
E
R
C
CON
P R O F I S S I O N A L
Leitur a s
SUMÁRIO
Leituras
E S C O L A
TÍTULO
Leituras CIOR
P. 05
PROPRIEDADE
Concreta e ENDIEL
P. 10
04 Linhas Mestras
05 Em Foco
Atividades no
Parque da Devesa
27 Livre-Trânsito
O Dia de S. Martinho
33 Daily English
35 InternaCIORizando
P. 13
Estágios na Europa
P. 15
36 Entretanto
Bem Escrever 36
Natal Ecológico
Raíz Quadrada 37
P. 20
P. 16
39 Check-List
F. C. Famalicão na
CIOR
Entre Capas 39
P. 22
Última Fila 41
Testemunhos
de Ex-Alunos
Desafios da Rede
Hot Point 42
50 Em Alta/Em Baixa
P. 29
P. 28
P. 28
Estudo Luminotécnico
na CIOR
Curiosidades
51 ADN
(In)Confidências 51
Bilhete de Identidade 51
P. 32
P. 30
P. 46
Ilusões de Ótica
P. 38
Edição Online
Cooperativa de Ensino de Vila
Nova de Famalicão, C.R.L.
(Escola Profissional CIOR)
DIRETORA
Carla Oliveira
RECOLHA DE INFORMAÇÃO /
IMAGEM / FOTOGRAFIA
Arcélio Sampaio
Cristina Ferreira
REVISÃO DE PROVAS
Andreia Araújo
Carla Susana Azevedo
Joaquim Meneses
DESIGN GRÁFICO E PAGINAÇÃO
Pedro Veloso
MÊS DE PUBLICAÇÃO
Dezembro de 2015
NÚMERO
52
PERIODICIDADE
Quadrimestral
TIRAGEM
1100 Exemplares
INÍCIO DE PUBLICAÇÃO
1998
DISTRIBUIÇÃO
Gratuita
MORADA
Rua Amélia Rey Colaço, 106
Apartado 48
4764 - 901 V. N. de Famalicão
GPS:
lat: 41.399684 | lon: -8.522847
Tel: 252 301 210
Fax: 252 301 219
http://www.CIOR.pt
[email protected]
DEPÓSITO LEGAL
290782/09
[2]
C I O R
FICHA TÉCNICA
Eleição da Associação de
Estudantes
Windows 10 para
“Dummies”
P R O F I S S I O N A L
Editorial
Além dos habituais cursos profissionais do ensino secundário (Mecatrónica Automóvel, Instalações Elétricas, Energias Renováveis, Eletrónica
Automação e Comando, Produção Metalomecânica e Animação Sociocultural), a CIOR preparou-se para receber os cursos vocacionais (Novas
Tecnologias, Empregado de Mesa e Animação de 6º ano; Novas Tecnologias, Mecatrónica Automóvel e Metalomecânica de 9º ano; Nova Tecnologias, Turismo e Ação Social/Geriatria de 9º ano; Novas Tecnologias,
Metalomecânica e Eletricidade/Eletrónica de 9º ano; Animação, Teatro e
Serviços de Mesa de 9º ano). E, por isso, este ano temos mais 150 alunos
do que é habitual. São alunos que, pelas mais diversas razões, ainda não
completaram o 6º ou 9º ano. Vieram com a esperança de, desta vez,
acertarem no percurso que a CIOR lhes coloca à disposição.
Apesar de a escolaridade ser obrigatória até aos 18 anos, importa que
os estudantes se apercebam da importância da escola. A curiosidade
espicaça o engenho, fomenta o conhecimento e, com ele, vamos descobrindo e dominando o mundo que nos rodeia. Com o conhecimento,
com a técnica, manipulamos a realidade, criamos e desenvolvemos produtos, instrumentos e tecnologias que nos permitam ultrapassar obstáculos, diminuir o sofrimento, aumentar a longevidade e, supostamente,
sermos mais felizes.
É esta a primeira tarefa da escola: transmitir conhecimentos, desenvolver competências, aumentar capacidades. Em princípio, os alunos
vêm para a escola para aprender, estudar, progredir. Nas escolas, há
instalações, equipamentos, professores e funcionários à disposição dos
alunos. É urgente que estes cumpram também a sua parte. Quem não o
fizer é um parasita: suga o dinheiro dos impostos dos restantes cidadãos,
esbanja o esforço de todos aqueles que na escola estão ao seu dispor e
se esforçam para que eles tenham sucesso. E este obtém-se trabalhando e estudando muito, desenvolvendo competências de comunicação
em diferentes línguas, dominando tecnologias de comunicação, sendo
emocionalmente inteligente e socialmente responsável, cidadão com ca-
CR
CR
ráter, íntegro, profissionalmente excelente. Para isso, é preciso esforço,
inspiração, transpiração. Não há outro caminho. A ignorância corta-nos
os sonhos, oprime-nos, limita a qualidade de vida. O conhecimento, a
sabedoria libertam-nos. E se apostar no conhecimento é tarefa da escola, a sua missão fica coxa se não incluir a formação das pessoas. Ensinar
e formar é um binómio sem limites. Queremos cidadãos sábios e bons!
Altruístas, voluntários, interventivos, participativos na sociedade, construtores de um mundo melhor.
Os meios de comunicação social divulgaram as notícias e imagens dos
atentados terroristas que ocorreram em Paris. De imediato, a nível mundial, sucederam-se os lamentos e condenações. Mas os olhos, por vezes,
não enxergam o que está próximo: no trabalho, nas escolas, nas diversas
instituições, na rua, na classe política, e por aí fora, há autêntico terrorismo verbal que, também ele, destrói, deteriora, aniquila as relações
humanas. E assim vamos assobiando para o lado. Ver o mal nos outros,
é fácil.
Paris também é notícia por outas razões: aquando da composição deste LEITURAS, 195 países, num total de 40 mil pessoas, aí estão reunidos
na Cimeira do Clima. O combate à emissão de gases de efeito estufa e a
definição de estratégias para impedir o aumento da temperatura global,
entre outros, serão temas que estarão em cima da mesa. Não restam
dúvidas de que o aquecimento global e as questões ambientais são problemas muito sérios e preocupantes. Que da cidade das luzes saiam novas luzes para pôr cobro à degradação ambiental. O problema é global e,
por isso, espera-se que desta cimeira saem resoluções que efetivamente
comprometam todos os países. E, depois, todos os cidadãos também
se comprometam num efetivo combate às agressões ambientais e tenhamos um desenvolvimento sustentável. Não bastam boas intenções.
É preciso agir. Uma ação local e uma consciência global trarão um futuro
melhor. E, será que ainda vamos a tempo?
Antecâmara
A D. Lurdes, ou tia Lurdes, como carinhosamente os alunos a tratavam, depois de muitos anos ao serviço da nossa escola, reformou-se.
Goza agora de um merecido tempo livre para se dedicar a si mesma e
a quem lhe é mais querido. Vamos ter saudades! Esperamos que nos
venha visitar muitas e muitas vezes!
A população estudantil da CIOR está ainda mais rica este ano! Para
além das cinco turmas de 10º ano do ensino profissional, este ano recebemos quatro turmas de ensino vocacional de 9º ano e uma de 6º ano.
Entre todos os alunos da escola, temos, como é hábito nos últimos anos,
alguns alunos estrangeiros. Somos uma escola multicultural e muito nos
orgulhamos disso!
Este é um novo desafio para todos! Munidos de muita força de vontade e impulsionados pelo cumprimento do dever assumido, o sucesso
destes novos projetos é já uma realidade, cada vez mais cimentada. Aos
novos alunos dizemos: gostamos muito de vos ter cá!
Com o alargamento do número de turmas da nossa escola, houve
necessidade de proceder a reajustes a vários níveis: mais salas, mais
equipamentos, mais indumentárias, mais materiais de trabalho e mais
massa humana! Nove novos professores estão este ano empenhados em
colaborar no sucesso dos alunos da CIOR, a saber: Ana Novais, Bruno
Rodrigues, Carla Quintas, Couto Faria, Eduardo Jerónimo, Juliana Oliveira, Luís Cerejeira, Paula Silva e Samuel Ribeiro. Contamos ainda com a
colaboração de Maria Manuela Unas, na Educação Especial. Bem-vindos
e bom trabalho!
Continuamos empenhados na participação em projetos internacionais! Já estão em curso dois desses projetos: estágios, de sete semanas,
em Itália, de cinco alunos da turma de Animação Sociocultural de 12º
ano e estágios profissionais, de cerca de seis meses, de seis alunos recém-graduados, em Espanha (Barcelona e Sevilha) e Malta.
Estão já a preparar-se os próximos fluxos relativos a estágios para os
alunos de 12º ano. Está também prevista para breve a mobilidade de
trinta alunos das turmas de 10º/11º ano, distribuídos da seguinte forma:
dez para a Finlândia e vinte alunos para a Alemanha. Estão todos preparados para serem selecionados? Façam por merecer e boa sorte!
Depois de uma campanha eleitoral intensa e de uma votação renhida, foi eleita a nova Associação de Estudantes da Escola Profissional
CIOR. Ganhou, com margem mínima, a lista W para representar os alunos neste ano letivo. Todos esperamos muito de vocês! Arregacem as
mangas e mão à obra.
Parece que ainda agora iniciou o ano letivo e já estamos no final do
primeiro período! Já todos nos preparamos para gozar a merecida interrupção letiva. Os sons e cheiros do Natal já nos enchem a alma e nos
aquecem o coração. Desejamos a toda a comunidade escolar um Feliz
Natal e um Próspero Ano de 2016.
[3]
LINHAS MESTRAS
O PROFESSOR
O trabalho do professor, dentro e fora da sala de aula, é cada
vez mais difícil e cada vez menos reconhecido e aceite pela comunidade em geral e pelo aluno em particular. As generalizações têm todas exceções; esta não foge à norma, mas o que era
a regra no que toca a esta temática – respeito e admiração pelo
formador –, tende para a exceção.
Não é nosso propósito, nem este é o espaço indicado, fazer
um trabalho sociológico aprofundado sobre a questão-mote, no
entanto, a experiência acumulada, decorrente do contacto quotidiano, e um breve mas crítico olhar sobre a atualidade dão-nos
um respaldo que nos permite comprovar facilmente algumas
das asserções que expressaremos.
Criamos recentemente, na nossa escola, o gabinete do aluno
(para os cursos vocacionais) e estamos a afinar a polivalência do
Centro de Recursos, iniciado no ano transato. Do nosso ponto de
vista, trata-se de dois espaços fundamentais para conseguirmos
corporizar alguns dos objetivos plasmados no nosso Projeto
Educativo.
Sabemos de antemão, que na sala de aula, nas oficinas ou laboratórios, o professor não é o único detentor do conhecimento
e do poder, mas sobretudo um facilitador, um parceiro na aquisição e construção desse mesmo conhecimento, por parte do
aluno. Para que haja sucesso na sua consecução, tem de haver
regras, verdadeira autoridade e consideração pelas partes, e
não tensão, falta de respeito, autoritarismo, desobediência, etc.
Não há docência sem discência!
Ser professor, hoje, é uma enorme responsabilidade para os
alunos, para as famílias, para o país e para a aldeia global. Fernando Savater, eminente filósofo e professor de craveira mundial, referia recentemente, numa entrevista, que o desenvolvimento humano de uma sociedade pode ser medido por meio
de dois fatores: o tratamento dispensado aos prisioneiros e aquele que é dado
aos professores. Para ele, a
crise educacional contemporânea não se deve apenas a questões estritamente
sociais, mas também a outras causas, como o quase
eclipse da família das suas
responsabilidades, as constantes e frágeis alterações
das políticas educativas, etc.
O professor sente-se cada
vez mais abandonado pela
[4]
sociedade, menos reconhecido pelo estado, menos respeitado
pelos encarregados de educação e pelos próprios alunos. Em
boa verdade, a boa educação/ensino fica cara porque exige a
cumplicidade, a dedicação e determinação de muitos agentes
educativos. E tantas vezes, o milagre dá-se pro bono! E quantas
vezes, sem reconhecimento!
Como se motivam 30 almas, numa sala de aula, com personalidades e vivências variadas, com duras e inabaláveis vontades,
muitas vezes, de desistir, mal alcancem a maioridade? Como
se consegue exercer plenamente a docência, quando tantos e
tantas vezes assomam e destroem o decurso da atividade letiva
problemas extraescolares? Como pode o aluno respeitar a autoridade do professor quando não a conheceu nem a exercitou
em casa?
Não raras vezes, o professor despende muito do seu tempo
na educação dos valores, das regras, das atitudes, ouvindo os
encarregados de educação, os agentes educativos, consumindo
energias que devia destinar à instrução e ao conhecimento. E
consome-se em comezinhos processos burocráticos desgastando-se, e impacienta-se facilmente, vergado, por vezes, pela derrota das metas e dos objetivos pré-estabelecidos.
Mas o verdadeiro professor não desiste dos alunos mais fracos, mais difíceis, mais desafortunados, mais abandonados por
todos, e exerce a sua autoridade com firmeza, renovada e robustecida, todos os dias, nos seus conhecimentos, nas suas competências e atitude(s), sempre através do diálogo e da inteligência.
Aqui, como em qualquer outra parte do mundo, o compromisso
da educação para o desenvolvimento humano da nossa sociedade passa necessariamente por preparar, agora, o futuro dos
adolescentes e jovens. Só assim teremos melhores cidadãos, e
seguros de que “Se a boa educação é cara, a má educação é
ainda mais cara!”
Numa das intervenções
recentes, urbi et orbi, o
Papa Francisco reconheceu
o importante contributo do
professor para o desenvolvimento das sociedades, afirmando que o trabalho do
professor é “lindíssimo, mas
mal pago: é como ser pais,
pelo menos espiritualmente. Uma grande responsabilidade”.
J.P. & A.D
EM FOCO
Eleição da Associação de
Estudantes da CIOR
ao novo presidente da Associação de Estudantes da CIOR, João Pereira,
da turma de Eletrónica, Automação e Comando, EL21.
As propostas apresentadas são muitas e variadas e vão dinamizar a
escola.
Deixamos um apelo: não percam o entusiasmo e façam tudo pelos
alunos que vos elegeram!
Este ano letivo, à semelhança de outros, houve animação e música,
muito, muito alta, durante a campanha eleitoral para a eleição da nova
Associação de Estudantes.
É nestas alturas que conseguimos constatar que, quando têm objetivos, os nossos alunos são capazes de mover montanhas! A verdade é
que a animação foi muita!
Depois do sufrágio eleitoral, de muita espectativa e nervosismo foi
constatado que a lista vencedora foi a W. Parabéns a todos e em especial
CR
Desfile de Moda
CIOR STYLE 2015
Alguns alunos da turma de Animação Sociocultural, ASC13, organizaram
um desfile de moda, no final do ano letivo anterior. O local escolhido para a
realização deste evento foi o anfiteatro do Parque da Devesa. Foi realizado
com a colaboração da Câmara Municipal de V. N. de Famalicão, da nossa escola e também de diversas lojas de produtos relacionados com a moda, tais
como: Manchita, Padruska, Berço das Noivas, Manuel e Vera Dinis, Mónica
Share, Rita Hairstyle e Sexto Sentido.
Foi um evento com cariz solidário, pois foram vendidos artigos com o intuito de angariar fundos para apoiar o Gaspar: uma criança de 6 anos que
sofre de uma doença rara.
Na organização deste evento houve altos e baixos, mas com muito empenho e dedicação o resultado final foi um sucesso.
Gostaríamos de agradecer a todos os que contribuíram direta ou indiretamente para a preparação deste show de moda.
Os elementos da organização, ASC 13
[5]
Em Foco
[6]
Os Alunos da CIOR no
Correio do Minho e
Rádio Antena Minho
À semelhança do que
tem acontecido nos anos
anteriores, as turmas do 11º
ano de Eletrónica, Automação
e Comando, EL21, Mecatrónica
Automóvel, MA6, Produção
Metalomecânica, PM1, Energias
Renováveis, ER9, e Animação
Sociocultural, ASC13, visitaram
a redação do Jornal Correio do
Minho e os estúdios da Rádio
Antena Minho, em Braga.
Esta visita de estudo foi
realizada no âmbito da disciplina
de inglês e teve como objetivo
sensibilizar e motivar os alunos
para o estudo dos media e do
seu funcionamento.
Na redação do Correio do
Minho, o chefe de redação
explicou quais as dinâmicas
que envolvem a elaboração do
jornal e qual o papel de cada
profissional na sua preparação,
referindo que as notícias
abrangem todos os concelhos
do Minho.
Nos estúdios da rádio, os
locutores da Antena Minho
explicaram aos alunos o dia-adia da rádio e o funcionamento
dos diversos equipamentos. Os
alunos tiveram ainda direito
a escolher uma das músicas
que passaram na rádio tendo a
escolha recaído sobre uma das
canções do Enrique Iglesias.
Os alunos mostraram-se
participativos e interessados
apresentando algumas questões
sobre o jornal e a rádio.
Esta visita permitiu-lhes
compreender
melhor
o
funcionamento destes meios de
comunicação.
Augusta Salgado, professora
[7]
Em Foco
Ecos da
Feira Medieval/
Quinhentista
Com certeza que este tema já é do conhecimento de todos, mas no
nosso LEITURAS ainda não foi noticiado este Grandioso Evento, uma
vez que ele decorreu depois fecho da edição do terceiro período do ano
letivo passado. Não podemos deixar de vos mostrar algumas fotografias
para relembrar o que, por terras de Vila Nova de Famalicão, a Escola
Profissional CIOR dinamizou. Um feito memorável!
[8]
O Rei esteve presente com o seu séquito; o clero deu as bênçãos,
cuidando dos enfermos e peregrinos; a nobreza mostrou a sua riqueza
e o povo trabalhou para que nada faltasse. Houve mercadores, autos de
fé, assaltos ao castelo, jogos e animais, odaliscas, acrobacias, danças do
povo, banhos, banquete e baile medieval….
CR
O Meu Projeto é
Empreendedor
Os alunos da turma de Energias
Renováveis de 12º ano, ER8, visitaram a exposição das PAP’s - Provas
de Aptidão Profissional – inscritas
no concurso “O Meu Projeto é Empreendedor”. Esta exposição estava
patente no Centro Tecnológico das
Indústrias Têxtil e do Vestuário – CITEVE.
O concurso é uma iniciativa da
Rede Famalicão Empreende, em colaboração com a ACIF – Associação
Comercial e Industrial de Famalicão
e tem como objetivo fomentar o
empreendedorismo e pretende destacar Provas de Aptidão Profissional
(PAP) mais empreendedoras, apresentadas a júri de avaliação, pelos
alunos finalistas dos cursos profissionais.
O projeto vencedor deste ano foi
um sistema automatizado que atua
com o objetivo de poupar água e
eletricidade e que se destacou entre
dez projetos selecionados de um total de 33 Provas de Aptidão Profissional que este ano se apresentaram a
concurso.
Os alunos da turma ER8 tiveram
uma postura adequada mostrando-se interessados pelos projetos apresentados.
Sendo esta uma turma finalista,
também eles vão desenvolver, no
final deste ano letivo, as suas PAP’s
que poderão estar a concurso na
próxima edição de “O meu projeto é
empreendedor”!
Manuel Vieira, professor
[9]
Em Foco
CONCRETA e ENDIEL
Realizou-se na Exponor, de 19 a 22 de
novembro, em Leça da Palmeira, Matosinhos, a 27ª Concreta, em paralelo com a
18ª edição da ENDIEL.
A 27ª Concreta – Feira de Construção,
Reabilitação, Arquitetura e Design, resultou numa mostra representativa dos principais subsetores da fileira portuguesa da
construção e da atual oferta nacional nas
áreas de arquitetura, engenharia e especialidades técnicas.
A Concreta 2015 surgiu com um layout
diferente de todas as edições anteriores,
adotando uma organização espacial assente em “praças temáticas” e propondo
aos visitantes um passeio do parque de
feiras da Exponor, como se tratasse da visita a uma cidade.
As sete praças temáticas foram criadas
em parceria com empresas e marcas do
setor, dos quais tomam o nome: “Still Urban Design”, “Secil”, “Amorim e Gyptec”,
“Construção Sustentável”, “Smart Cities”,
“Arquitetura” e “Cozinhas”. Contou ainda,
com três zonas dedicadas às tendências
[ 10 ]
do mercado de arquitetura e design, configuradas no espaço “Urban Trends”.
Não menos importante foi o “Espaço
Arquitetura”, criado em parceria com a
Secção Regional do Norte da Ordem dos
Arquitetos, onde estiveram profissionais a
expor os seus trabalhos.
Paralelamente, realizou-se o 18º ENDIEL
– Encontro para o Desenvolvimento do Setor Elétrico e Eletrónico. Com mais de 30
expositores, entre empresas, industriais e
de serviços, representativos da oferta nacional do setor, parceiro de primeira linha
da fileira da construção em áreas como a
requalificação urbana, a sustentabilidade,
as cidades inteligentes e a eficiência energética.
Durante a feira decorreram, ainda, um
alargado programa de atividades paralelas, como seminários técnicos, workshops,
debates e exposições, zonas destinadas à
intervenção de designers e arquitetos,
prémios e lançamentos de produtos.
A escola profissional CIOR proporcionou aos alunos das turmas de Instalações
Os alunos das turmas IE16, EL21, EL22, ER8 e ER9 na foto de grupo após a visita.
E, já agora, um desafio. Vejam quantos alunos conseguem identificar.
Elétricas, Eletrónica Automação e Comando e Energias Renováveis uma
visita de estudo à exposição para que estes tomassem contacto com os
novos equipamentos, produtos, soluções e máquinas adequadas às instalações elétricas, à eletrónica e à construção civil, aplicáveis nas áreas
dos cursos que se encontram a frequentar. Os alunos foram acompanhados pelos professores Armindo Evangelista, Manuel Vieira, Pedro Veloso
e Pedro Rocha.
À hora combinada no ponto de encontro
Troca de impressões num dia diferente
Boa disposição após a explicação do Cristóvão
Uma área interessante para os alunos da ER9
Momentos de descontração e convívio
[ 11 ]
Em Foco
Um grupo de alunos de Energias Renováveis
Mais do que observadores atentos pretendeu-se que pudessem
interagir de uma forma positiva com o ambiente que os rodeava,
dadas as novidades técnicas e a presença de quem os pudesse
elucidar sobre as vantagens competitivas dos novos produtos
lançados no mercado. Assim, questionando os responsáveis dos
stands sobre aspetos que lhes suscitaram curiosidade foram construindo e adquirindo novos conhecimentos. Foi uma tarde interessante, motivadora que despertou interesses variados e alguma
admiração por alguns dos equipamentos expostos. A recolha de
documentação e o contacto com os técnicos comerciais dos expositores deixaram marcas que os alunos querem repetir.
Sistemas fotovoltaicos e sistemas solares térmicos foram também alvo da atenção dos nossos alunos como, por exemplo, o stand da
“Boa energia”, na área das energias
renováveis, onde foi dado destaque
ao IMEON, um inversor inovador de
marca francesa e que permite fazer a
gestão da energia de acordo com as
regras definidas pelo utilizador. Este
inversor, disponível em potência de
3kW (monofásico) e 9kW (trifásico),
é um sistema “all-in-one” que pode
funcionar em autoconsumo direto,
em sistema isolado (off-grid), “smart grid” ou backup. O mesmo equipamento, adicionando baterias, acumula energia produzida durante o dia
para utilizar à noite, aproveita a tarifa bi-horária para carregar as baterias, vende eletricidade à rede e tudo com monitorização online e uma
simples aplicação para telemóveis.
Momentos antes do regresso
Mochilas dotadas
de células solares
e Casas modulares
construídas com materiais
compatíveis
com o ambiente, em
madeira e cortiça,
também despertaram
o interesse dos nossos
alunos.
Para finalizar, podemos dizer que foi uma
experiência enriquecedora, motivadora, a
repetir e propiciadora
de novas ideias para
as futuras Provas de Aptidão Profissional. Aliás, estas foram as conclusões mais repetidas pelos nossos alunos.
Manuel Vieira e Pedro Veloso , professores
[ 12 ]
Atividades no
Parque da Devesa
Os alunos das turmas de Energias Renováveis (ER9) , Mecatrónica Automóvel e Metalomecânica
(V1 – MAM1), Metalomecânica
e Eletricidade/Eletrónica (V2 –
MEE1) participaram, no parque da
Devesa, na atividade Oficina do Papel. Nesta oficina os alunos tiveram
oportunidade de fazer uma folha
de papel reciclado a partir de jornais velhos e folhas já inutilizadas.
Ao longo da sessão, a monitora foi
interagindo com os alunos, alertando-os para as consequências da
excessiva utilização do papel e da
sua não separação. Por outro lado,
os alunos foram sensibilizados para
a importância da reutilização, separação e reciclagem do papel.
Os alunos das turmas Metalomecânica e Eletricidade/Eletrónica
(V2 – MEE1) e Animação, Teatro e
Serviço de Mesa (V1-ATSM1) participarem, também, noutra oficina:
Oficina do Pão. O pão escolhido foi
o pão de bolota por ser desconhecido pelos alunos. Ao longo da sessão os alunos tiveram conhecimento da evolução do fabrico do pão
ao longo dos tempos, dos utensílios utilizados no seu fabrico e
como tinham os responsáveis pelo
Parque da Devesa chegado a esta
receita de pão. Além do enquadramento histórico e geográfico os
alunos puderam constatar as transformações químicas que ocorrem
durante o processo de fabrico de
pão. Por outro lado, fizeram o seu
próprio pão, passando por todas as
etapas da sua fabricação.
Todos os alunos que participaram nestas atividades foram muito
ativos e empenhados e por tal, a
mesma foi uma mais-valia para a
sua aprendizagem!
Ilda Dias, professora
[ 13 ]
Em Foco
O Parlamento dos Jovens é uma iniciativa da Assembleia da República
realizada em parceria com o Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P., o Ministério da Educação e as Regiões Autónomas.
Os objetivos desta iniciativa são, sobretudo, divulgar, junto dos jovens,
os valores e as práticas democráticas; incentivar o seu interesse pela participação cívica e política; dar a conhecer a organização e funcionamento
do Parlamento, enquanto órgão representativo dos cidadãos portugueses, entre outros.
Tema para o debate no ano letivo
2015/2016
Este ano a Comissão Parlamentar de
Educação, Ciência e Cultura propõe aos
jovens que debatam nas suas Escolas o
tema: “Portugal: assimetrias litoral/interior. Que soluções?”.
aprovar o Projeto de Recomendação da Escola e eleger os representantes às Sessões Distritais/Regionais.
2ª FASE (entre 22 de fevereiro e 15 de março de 2016): Sessões nos
Distritos e Regiões Autónomas
- Realização das Sessões Distritais/Regionais, com os alunos que representam as Escolas de cada distrito, ou Região Autónoma, para aprovar
as Recomendações a submeter à Sessão Nacional do Parlamento dos
Jovens e eleger os deputados que os vão
representar nesta Sessão.
3ª FASE (23 e 24 de maio de 2016): Sessão Nacional na Assembleia da República
- Realização da Sessão Nacional do
Parlamento dos Jovens na Assembleia da
República na qual se aprova, após debate
em Comissões e Plenário, a Recomendação final sobre o tema.
Como se processa o Programa
1ª FASE (até 17 de fevereiro de 2016):
Sessão Escolar
- Debate do tema proposto e processo
eleitoral na Escola.
- Realização da Sessão Escolar para
Para mais informações consultar:
http://www.jovens.parlamento.pt
Carla Saldanha, professora
Festejando o Halloween
Como já é habitual, todos
os anos a CIOR veste-se a rigor e comemora o Dia das
Bruxas, mais conhecido pelo
Halloween. Este ano coube às
turmas EMA1 e ASC12 decorarem a nossa escola, a rigor,
para a ocasião.
Afinal, o que é o Dia das
Bruxas ou Halloween?
O dia das bruxas é festejado na noite de 31 de outubro. Teve origem nos antigos
povos da Grã-Bretanha e Irlanda, que acreditavam que, na véspera do Dia de Todos os
Santos, os espíritos voltavam para suas casas.
Aos poucos, a comemoração foi-se tornando
pública e muitos rituais começaram a ser praticados, mas sempre em tom de brincadeira,
[ 14 ]
como adivinhas e jogos para
saber quem iria casar ou ganhar muito dinheiro naquele
ano.
Com isso, o costume de
festejar a data foi ganhando
adeptos, principalmente entre crianças e adolescentes.
Levado para os Estados Unidos pelos colonizadores, o
Halloween é, hoje em dia,
uma das festas mais populares do país. Fantasiados conforme manda o figurino fantasmagórico, meninos e meninas percorrem as casas vizinhas
repetindo a frase: “Trick or Treat?” (travessuras
ou doçuras), e recebem doces em troca do sossego dos donos da casa.
CR
Dia de São Martinho
O Magusto
No dia 11 de novembro, dia de S. Martinho, a tradição voltou a cumprir-se na Escola Profissional CIOR.
Neste dia, no nosso país, há a tradição de assar castanhas e provar o
vinho novo.
A direção da nossa escola proporcionou a toda a comunidade escolar
um excelente convívio com castanhas, vinho (só para alguns) e sumo.
As turmas dos cursos vocacionais de Animação, Teatro e Serviço de
Mesa, ATSM1, e de Novas Tecnologias, Empregado de Mesa e Animação,
EMA, organizaram esta atividade para a comunidade escolar.
“Na preparação deste evento, na disciplina de Serviço de Mesa, com
a ajuda do professor Couto Faria, aprendemos, entre outras coisas, a
organizar um pequeno evento, saber utilizar os utensílios usados na restauração, a decorar mesas, as normas a cumprir aquando a realização
de serviço, o funcionamento da máquina de pressão e a postura que
devemos adotar neste tipo de eventos.
Após a aquisição destes conhecimentos, ficamos mais preparados
para a realização destas e de outras atividades. Contudo, apesar do balanço ser positivo, estamos conscientes de que há muito a aprender durante este ano e ao longo da nossa vida profissional”.
ATSM
[ 15 ]
Em Foco
ESTÁGIOS NA
Formação em Contexto Real de Trabalho em
Ri mi n i , I t á lia
Somos alunos do curso de Animação Sociocultural, ASC12, nomeadamente, Tânia Pereira, Rita Almeida, Catarina Gomes, Suzete Quaresma e
João Caridade.
De 26 de outubro a 21 de dezembro, estivemos na Cidade de Rimini,
Itália, a realizar a nossa formação em contexto de trabalho.
Rimini é uma cidade turística, com cerca de 147 650 habitantes, situada no Norte de Itália.
Foi é uma experiência única, enriquecedora para o nosso futuro. E estar aqui foi também mérito nosso.
Estágio Profissional em
A viagem de avião foi uma expêriencia nova para ambos, pois nunca
tínhamos andado de avião, e como se espera a viagem correu bem e
chegamos 2 horas antes do autocarro que nos levou para Sevilha. Após
a chegada a Sevilha, de autocarro, às 6:00
da manhã fomos recebidos pela Tamara
Ortiz, que logo nos levou à casa onde ficamos a dormir. Quando chegamos a casa
arrumamos as malas e voltamos a sair para
conhecer o centro da cidade de Sevilha. Sevilha é muito bonita e mesmo as pessoas
são muito simpáticas e sempre dispostas
a ajudar. Também reparamos que aqui no
centro os transportes mais utilizados são as
motas e as bicicletas. Uma das coisas que
nos chamou a atenção foi o estacionamento dos carros, porque não sabemos como
eles conseguem estacionar ou até mesmo
retirar o carro quando estes estão muito
juntos uns aos outros. Estas são algumas
das primeiras impressões deste local onde
iremos permanecer nos próximos tempos.
Pedro Ribeiro e José Carlos Oliveira,
recém-graduados
[ 16 ]
Se v i lh a , Es pa nha
EUROPA
Estágio Profissional em
Ma lt a
Tudo começou no aeroporto Sá Carneiro,
no Porto, às 18h, do dia 16 de novembro!
Foi nesse momento que decorreram
as despedidas, o adeus ao nosso país,
ao nosso lar, à família… Despedirmo-nos
definitivamente da nossa rotina diária e
embarcámos numa aventura que marcará
para sempre as nossas vidas.
Após uma longa viagem intercalada com
escalas noutros aeroportos, conseguimos,
pela primeira vez, observar pelas janelas do
avião as maravilhosas paisagens de Malta.
Carros em direção contrária, calor intenso
em pleno outono, pessoas de diferentes
culturas, foram as primeiras impressões ao
chegar ao “nosso novo lar”. Estaremos cá,
pelo menos, por um período de 6 meses.
Apesar de transportarmos connosco
um pouco de nervosismo do primeiro dia
de estágio, as pessoas que nos acolheram
fizeram-nos sentir em casa. Idosos
carinhosos e sorridentes e funcionárias
simpáticas, de várias culturas. Apercebemonos logo que os hábitos e a cultura de todos
aqui eram muitos diferentes dos nossos.
As saudades apertam a cada dia que
passa. Lembramo-nos dos nossos amigos
e familiares todos os dias. Isso é inevitável!
Mas por tudo que temos vindo a aprender,
e que continuaremos a aprender, este
estágio profissional está a revelar-se uma
experiência única, diferente e fantástica! É
uma oportunidade que só surge uma vez na
vida! E nós queremos muito aproveitá-la.
“Life is a journey to three stations: action,
experience and memory” - Julio Camargo
Juliana Machado e Ana Maciel,
recém-graduadas
[ 17 ]
Em Foco
A “Tia” Lurdes Reformou-se
Pois é, ao fim de tantos anos habituados a vê-la pelos corredores, com
um sorriso sempre pronto, a nossa tia Lurdes está a gozar a sua merecida
reforma. Em jeito de comemoração, a direção e os colegas de trabalho
organizaram um jantar convívio, onde imperou a boa disposição e a brincadeira. Um futuro risonho, muito preenchido e cheio de saúde, é o que
todos desejamos a uma amiga que atingiu mais uma etapa da sua vida. Não se esqueça de nos vir visitar de vez em quando! Estaremos sempre à sua espera.
Nilza Jardim
Profissionais do Ensino
em Formação
Não são só os alunos que vão às aulas na CIOR. Na preparação do ano
letivo, foi dinamizada pelo Professor Arcélio Sampaio uma ação de formação sobre “Primeiros Socorros”. Foram duas sessões muito práticas,
em que os conteúdos abordados visaram a aplicação dos conhecimentos
a situações do dia-a-dia.
Todos os colaboradores, docentes e não docentes, foram convidados
a participar nesta iniciativa. O principal objetivo foi dotá-los de conhecimentos suficientes para agirem corretamente em caso de emergência,
em diferentes situações, antes da chegada dos profissionais de saúde.
Os primeiros socorros são a primeira ajuda ou assistência dada a uma
vítima de acidente ou doença súbita, antes da chegada de uma ambulância ou médico.
[ 18 ]
A finalidade dos primeiros socorros é preservar a vida, evitar o agravamento do estado da vítima e promover o seu restabelecimento.
É da responsabilidade do socorrista avaliar a situação, identificar a
doença, prestar socorro e providenciar transporte.
Foi muito importante esta formação, pois primeiros socorros podem
ser necessários a qualquer altura!
Também em novembro, os professores das áreas técnicas dos cursos
de Eletrónica Automação e Comando, Instalações Elétricas, Mecatrónica
Automóvel e Produção Metalomecânica, participaram numa ação de formação dinamizada pela Empresa HT Instruments, sobre o funcionamento dos novos equipamentos adquiridos.
CR
Jornadas Pedagógicas 2015
Foi já em julho de 2015 que a ANESPO – Associação Nacional de Escolas Profissionais – organizou as Jornadas pedagógicas, aproveitando
também para comemorar os seus 25 anos.
Decorreu no Auditório da EPROMAT – Escola Profissional de Matosinhos e a nossa escola fez-se representar por uma comitiva motivada
para ouvir e participar nas sessões plenárias, nas sessões paralelas e nos
grupos de trabalho.
Na sessão de abertura discursaram: Fernando Sá Pereira – Diretor Geral da EPROMAT; José Luís Presa – Presidente da Direção da ANESPO;
Guilherme Pinto – Presidente da Câmara Municipal de Matosinhos e Fer-
nando Reis – Secretário de Estado do Ensino Básico e Secundário.
Depois a propósito da comemoração dos 25 Anos de Ensino Profissional – Balanço e Perspetivas, tomou a palavra Joaquim Azevedo – Universidade Católica, um dos impulsionadores do ensino profissional em
Portugal.
Estas Jornadas Pedagógicas culminaram numa manifestação da capacidade e do potencial de intervenção das escolas profissionais e de partilha de experiências e boas práticas.
CR
Mostra Regional de
Provas de Aptidão Profissional
No âmbito das comemorações dos 25 anos do Ensino Profissional e
da criação das primeiras Escolas Profissionais, dois alunos da turma de
Eletrónica, Automação e Comando, EL20, estiveram, nos dias 2, 3 e 4
de dezembro, no espaço Instituto Design, na cidade de Guimarães, demonstrando alguns projetos representativos do que de melhor se faz na
nossa escola.
Esta mostra formativa contou com
um vasto número de atividades desenvolvidas pelos alunos dos inúmeros cursos que compõem a Oferta
Formativa das Escolas Profissionais
da Região Norte. De entre estas atividades destacam-se: rastreios; demonstração de projetos; maquetes;
moldes; projeções digitais de fotografia, vídeo a animações; impressão de
postais; visitas de estudo à cidade; minishow case, projeção de vídeos, desfile de moda, espetáculo de dança e
ainda o seminário: As Escola Profissionais e a sua ligação às empresas, testemunhos de empresários e ex-alunos
e assinatura de protocolos.
CR
[ 19 ]
Em Foco
Somos o que Comemos...
e Cheiramos... e Sentimos!
Aproveitando a iniciativa dos Serviços Educativos do Parque da Devesa, a turma Empregado de Mesa e Animação, EMA, participou nas atividades Somos o Que Comemos – Alimentação Sustentável e Somos o Que
Comemos – Em que Sentido?
Estas duas atividades, realizadas nos dias 17 e 26 de novembro, pretendiam incutir nos alunos algumas noções básicas para uma alimentação sustentável, ensinar como, através do consumo alimentar, podemos
diminuir a nossa pegada ecológica e como uma alimentação sustentável
pode e deve ser uma alimentação equilibrada, bem como demonstrar
como os nossos sentidos influenciam decisivamente as nossas preferências alimentares.
Foram duas sessões repletas de dinamismo e boa disposição e uma
experiência decisivamente a repetir.
Arcélio Sampaio, professor
CIOR Participa na Atividade
Natal Ecológico
A quadra natalícia é uma boa altura para reforçarmos o espírito de grupo e o trabalho em
equipa, deste modo, pela primeira vez, a Escola
Profissional CIOR participou no projeto concelhio promovido pela Câmara Municipal de V. N.
de Famalicão intitulado “Natal Ecológico”.
As turmas dos cursos vocacionais: Novas
Tecnologias, Empregado de Mesa e Animação,
EMA, Novas Tecnologias, Turismo e Ação Social/
Geriatria, TASG, e Novas Tecnologias, Mecatrónica Automóvel e Metalomecânica, MAM,
deitaram mãos à obra e elaboraram três trabalhos: duas árvores de Natal e um desenho alusivo à quadra natalícia.
A turma EMA elaborou uma árvore de Natal,
com materiais
reciclados, principalmente jornais. Igualmente,
a turma vocacional de TASG criou
outra árvore feita essencialmente de garrafas e
cartão e, por fim,
[ 20 ]
um desenho/pintura realizado por um aluno do
9º ano da turma de MAM, José Rafael Monteiro,
que tem demonstrado muitas competências ao
nível do desenho.
Estes trabalhos elaborados pelos nossos alunos e outros realizados por alunos de outras
instituições do concelho podem ser vistos na
exposição “Natal Ecológico”, patente até 6 de
janeiro nas instalações dos Serviços Educativos
do Parque da Devesa.
Manuel Cortinhas, professora
Cidade do Porto
Um Dia Bem Passado
No dia 30 de novembro, as turmas dos cursos vocacionais de Novas
Tecnologias, Mecatrónica de Automóvel e Metalomecânica, MAM1, e
Animação, Teatro e Serviço de Mesa, ATSM, juntamente com quatro professores, Manuela Cortinhas, Carla Susana, Arcélio Sampaio e Luís Bessa,
realizaram uma visita de estudo ao Porto.
No auditório da Biblioteca Almeida Garrett, visualizamos duas peças
de teatro. Da parte da manhã, assistimos à peça Auto do Cubo- Matemática, e de tarde “A Poesia Não é Tão Rara Como Parece”, ambas encenadas pela Companhia Profissional de Teatro EDUCA.
Em o “Auto do Cubo”, um cozinheiro, um futebolista e um bailarino
são teletransportados, inesperadamente, para um cubo gigante sem janelas ou portas, a única hipótese de voltar a vida normal, é resolver os
enigmas matemáticos lançados pelo próprio cubo. Uma aventura nem
sempre fácil e recheada de peripécias hilariantes, onde três desconhecidos vão ter de conviver com gostos e estilos bem diferentes. Embora
sozinhos, as três personagens serão ajudadas pelos espetadores corajosos que ousem entrar nesta realidade paralela. O que parecia ser obra
do acaso esconde uma verdade que os une. Será que conseguirão sair
do cubo?
Quanto à peça “A Poesia Não É Tão Rara Como Parece” trata-se de uma
verdadeira comédia teatral poética que retrata a história de um velho e
o seu namoro, que recordam uma história de amor não correspondido.
Entre as peripécias, são abordados, interpretados e contextualizadas
vários poemas lecionados nos diferentes anos curriculares de poetas
consagrados bem como temas de atualidade, sempre pelo lado cómico
pelo meio. Foi possível a interação direta com alunos e professores, enriquecendo a experiência teatral de um dos mais divertidos espetáculos
da atualidade. Acima de tudo, este espetáculo pretendeu mostrar que,
em várias situações da vida “A Poesia Não é Tão Rara Como Parece…”
Gostamos muito deste dia, porque visitamos, pela primeira vez, a Biblioteca Municipal Almeida
Garrett, localizada nos Jardins do Palácio de Cristal, e, por outro lado,
pudemos, de forma divertida e lúdica, aplicar conhecimentos adquiridos
em sala de aula.
MAM
Produtos Hortícolas
“Made IN” Famalicão
No passado dia 20 de outubro, a turma do
6º ano de Empregado de Mesa e Animação,
EMA, pôs os pés a caminho e, em grande animação, visitou, no Parque da Devesa, as Hortas
da Cidade.
Foi uma tarde bem diferente para os alunos. Depois de muito debaterem nas aulas
sobre hábitos alimentares e de terem inclusive
construído uma roda dos alimentos, a turma
pôde verificar, em primeira
mão e em plena cidade, o
incentivo dado aos nossos
munícipes para recuperarem hábitos antigos e colocarem, literalmente, as
mãos na terra.
Devidamente acompanhados e elucidados pela
responsável por este projeto, os alunos percorreram todos os metros deste
espaço, observando as culturas agrícolas aí
promovidas, colocando questões e aprendendo um pouco mais sobre os principais cultivos
na nossa região, bem como sobre técnicas de
agricultura biológica, como a compostagem e
o recurso a plantas aromáticas, e da necessidade da promoção de uma atividade agrícola
sustentável.
Arcélio Sampaio, professor
[ 21 ]
Em Foco
F. C. Famalicão na CIOR
Ao pesquisar na página oficial do principal clube de futebol de Famalicão constatamos uma longa história que iniciou em 1931, ano em que
foi fundado. Ao longo do tempo, o clube passou por várias épocas futebolísticas, umas com mais sucesso, outras com menos.
Atualmente, na época 2015/2016, o clube da cidade está a disputar a
2ª liga. O entusiasmo dos famalicenses é crescente e o clube está ganhar
protagonismo.
No âmbito de uma atividade de divulgação do F. C. de Famalicão, alguns jogadores, na tarde do dia 1 de dezembro, estiveram presentes no
polivalente da CIOR, numa sessão de autógrafos, com oferta de alguns
cachecóis e de bilhetes para assistir ao jogo da quarta-feira seguinte.
Os alunos da CIOR mostraram entusiasmo e satisfação com esta iniciativa!
CR
Segurança e Prevenção
Rodoviária
Na disciplina de Física e Química e no âmbito do tema Segurança
e Prevenção Rodoviária, três turmas dos cursos vocacionais da Escola
Profissional CIOR participaram numa atividade, ministrada pelo corpo
de intervenção no terreno da brigada da PSP.
Os agentes destacaram a importância de conduzir de forma segura.
Através de uma projeção multimédia, explicaram alguns conceitos físicos como distância de travagem, distância de segurança, tempo de travagem e tempo de reação. Foi ainda abordado o tema da importância
do uso de cinto de segurança e de capacetes no caso dos motociclistas.
Foram projetadas imagens reais de acidentes e explicado o porquê de
terem ocorrido, bem como as consequências que advieram dos mesmos. Os alunos puderam fazer questões que foram, prontamente, respondidas pelos agentes. A par da projeção, foram mostrados equipamentos reais usados no caso de acidentes rodoviários.
A Divisão de Trânsito e Segurança Rodoviária do Departamento de
Operações da
Direção Nacional da Polícia
de Segurança
Pública informa
e aconselha:
A sinistralidade rodoviária é
preocupação primordial da atividade de Segurança Pública.
[ 22 ]
A circulação dentro dos grandes centros urbanos exige uma convivência pacífica e harmoniosa entre condutores (veículos) e peões.
Cerca de 89,5% dos peões feridos e 63,9% dos peões mortos verificam-se em acidentes ocorridos dentro das localidades, resultantes, na
sua generalidade, de atropelamentos.
Estes alertas são de extrema importância para todos e por isso esta
iniciativa teve grande adesão por parte dos alunos.
Ilda Dias, professora
E o Núcleo Recomeça
com Energia Renovada
Novo ano, novos alunos, novas ideias... e as velhas dinamizadoras
continuam... É assim que este ano o núcleo de Física e Química encara
o novo ano letivo. Continuando com o projeto da construção da tabela
periódica em 3D, temos já todas as peças necessárias à sua construção.
Terminado o módulo um, dedicado a esse mesmo tema, será a altura
ideal para os alunos colocarem em prática conhecimentos adquiridos e
colorirem a parede da sala de Física e Química com uma bonita e útil
tabela periódica.
Entretanto, o primeiro período termina sempre com a
festa de Natal e para
não fugir da tradição
preparam-se já, com
reutilização de materiais, as lembranças
do núcleo para a comunidade escolar...
Para já é surpresa e
as fotos desvendam
apenas que efetivamente se trabalhou para o resultado final.
Com a entrada de novos alunos e novas modalidades de ensino e no
âmbito do módulo um, de metalomecânica, 4 alunos do curso vocacional
de MAM concorreram ao concurso
EcoNatal da Resinorte. Desta forma, construíram-se no laboratório
de Física e Química 3 presépios
utilizando, pelo menos, dois dos
materiais que são colocados nos
ecopontos. Também um aluno da
turma EL20 quis participar e fez
um presépio que foi levado também a concurso.
As professoras responsáveis
pelo projeto do núcleo de Física e
Química sentem que os objetivos
propostos aquando da sua criação
estão a ser cumpridos, e muito
embora a maior parte das vezes seja difícil encontrar tempo e disponibilidade para realização de atividades, pela carga horária e tarefas a
cumprir por elas e pelos alunos, a verdade é que continuam a apostar e
a acreditar que é uma mais-valia a sua existência e sentem-no quando
percebem este envolvimento gratuito delas e dos alunos nas atividades e
o quanto eles aprendem e valorizam este tipo de atividades.
Carla Oliveira e Ilda Dias, professoras
Uma CIOR Olímpica na
Matemática
No dia 11 de novembro, aguardavam, à porta da sala 2, alguns alunos
das turmas MA7, MA8 e ASC13. Embora com sorrisos abertos e posturas
confiantes, o andar de um lado para o outro, o olhar constante para o
relógio que teimava em se aproximar das 15.30h, denunciavam um certo
nervosismo que, com o avançar dos minutos, parecia tomar conta deles.
A professora chegou finalmente e, com ela, o início das Olimpíadas
Portuguesas de Matemática.
As Olimpíadas Portuguesas de Matemática são organizadas todos os
anos pela Sociedade Portuguesa de
Matemática e consistem num concurso de problemas de
matemática, dirigido aos estudantes
do 1º, 2º e 3º ciclos
do ensino básico e
também aos que
frequentam o ensino secundário, visando desenvolver
o gosto pela matemática.
Foi precisamente
isso que se procurou fazer ao trazer
este concurso para
a CIOR. No próximo
número do nosso
Leituras ficaremos
a saber se algum
dos participantes
passou à próxima
eliminatória.
Até lá sempre
podem ir equacionando sobre a vossa participação nas próximas Olimpíadas Portuguesas da Matemática.
Feliz Natal.
Juliana Oliveira, professora
[ 23 ]
Em Foco
YUPI e CIOR
Juntas na Formação de Jovens
A Youth Union of People with Iniciative (YUPI), associação para o desenvolvimento social e comunitário, sediada em V. N. de Famalicão, é
uma das instituições parceiras de formação na profissional CIOR. Esta
parceria, que dura há vários anos, tem permitido uma dinâmica muito
significativa na formação dos nossos alunos.
Assim, neste primeiro período, a Cláudia Peixoto, educadora da YUPI,
esteve presente na escola para dar continuidade ao Projeto Metamorfose, iniciado no ano letivo 2014-2015. Este projeto visa o acolhimento e
integração de jovens que frequentam a CIOR e são originários de outros
países. Esta integração vai para além da escola: visa também desenvolver competências de participação cívica e
voluntária na
sociedade.
A turma de
Mecatrónica
Automóvel, do
10º ano, MA7,
foi presenteada
com um conjunto de dinâmicas
implementadas
pelos
animadores
András
Szabó e Angie
Lazo
(ambos
voluntários da
YUPI no âmbito
do
programa
Serviço Voluntário Europeu)
e Mayra Teixeira
(voluntária da
YUPI e ex-aluna
da CIOR!). A cooperação, a diversidade cultural, estereótipos e preconceitos, direitos humanos foram, entre outros, temas abordados. Esta
atividade, inserida na disciplina de Área de Integração, teve uma participação muito ativa de toda a turma.
Em janeiro, o público-alvo de intervenção serão os alunos que irão
fazer Mobilidade Europeia, isto é, a sua Formação em Contexto de Trabalho noutros países. Vivência em grupo, cidadania europeia e pluralidade
cultural serão conteúdos a abordar.
Joaquim Meneses, professor
Educação e Formação
Boas Práticas no Contexto
Europeu
A nossa escola promove e impulsiona a participação de alunos e professores, em intercâmbios com diferentes países da União Europeia, através do programa Erasmus+, que é o
programa da Comissão Europeia, no domínio da Educação, Formação, Juventude e Desporto.
À semelhança do que tem vindo
a acontecer em anos anteriores, os
professores que participam nestes
projetos foram convidados a partilhar as suas experiências, nomeadamente, no que se refere às boas
práticas, na educação e formação,
observadas nas escolas e centros de
formação que nos acolheram ao longo do ano letivo anterior.
O programa ERASMUS+ tem permitido a diversos jovens e profissionais viver experiências enriquecedoras e desenvolver projetos únicos a
nível internacional.
Apostando nesta realidade, novas candidaturas foram entregues e
muitas mobilidades estão previstas
para o ano letivo de 2015/2016!
CR
[ 24 ]
Projeto Ciência na Escola
Mais uma vez, a CIOR concorreu ao projeto Ciência na Escola da Fundação Ilídio Pinho. Trata-se de um projeto a nível nacional que envolve
muitas escolas, alunos, professores e organizações parceiras com o intuito de, desde cedo, motivar todos os alunos, das diferentes vias de
educação e formação, para a aprendizagem das ciências e para a escolha
de áreas tecnológicas.
Título do Projeto:
O sol também nos dá água pura
Obtenção de água para consumo humano pelo processo destilação/
condensação recorrendo a energia solar.
Resumo do Projeto
Estudo, conceção e elaboração de um protótipo para obtenção de
água adequada para beber, através de energia solar.
As águas salobras ou impróprias para consumo são, muitas vezes,
uma fonte de propagação de doenças e limitação do desenvolvimento
de aglomerados populacionais mais desfavorecidos. O propósito deste
projeto será a conceção de um sistema acessível, facilmente transportável e de fácil utilização, com recurso a concentradores de energia solar,
de modo a garantir a produção de água bacteriologicamente pura, pelo
processo de destilação/condensação. Serão estabelecidas parcerias com
entidades que possam contribuir para a valorização do projeto. A cons-
trução do protótipo será feita nas oficinas de metalomecânica da escola,
recorrendo aos equipamentos existentes e envolverá alunos do curso de
produção metalomecânica e energias renováveis. O objetivo final será o
de encontrar parceiros interessados na produção e comercialização do
produto a baixo preço.
Entretanto, resta-nos ir preparando o trabalho que se avizinha e
aguardar pela decisão do júri quanto à seleção do nosso projeto.
Manuel Vieira, professor
Semana da Ciência e Tecnologia
CIOR Visita Universidade Lusíada
A Universidade Lusíada de Famalicão levou a efeito
a Semana da Ciência e Tecnologia, destinada aos alunos dos 11º e 12º anos. Atividades interativas, experiências laboratoriais, palestras e visitas fazem parte
do programa da SC&T 2015.
Representa uma oportunidade de aproximação à
realidade do ensino superior e da investigação científica, permitindo o contacto com especialistas de diferentes áreas de conhecimento.
Na sequência desta ação, a turma de Energias Renováveis de 12º ano, ER8, da CIOR, participou, no
passado dia 27 de novembro, numa das sessões promovidas por esta instituição.
Foram muito bem recebidos e posteriormente
encaminhados para os laboratórios da faculdade de
engenharia e tecnologias da universidade. Aí tiveram
oportunidade de conhecer um pouco dos trabalhos
de investigação desenvolvidos e em desenvolvimento, nesta universidade. Em seguida foram recebidos
pelo Prof. Doutor Carlos Rego, que explicou, de forma pormenorizada, o funcionamento e os conceitos científicos aleados
a uma “Bomba de Calor de Compressão Elétrica”, demostrando experimentalmente o seu funcionamento. Tiveram ainda oportunidade de
observar uma dessas bombas, comercializadas no mercado, que estava
a ser monitorizada e testada.
Os alunos mostraram satisfação por terem participado nesta atividade
e consideraram-na muito importante para a sua aprendizagem.
Manuel Vieira, professor
[ 25 ]
Em Foco
Rádio e Jornal
Cidade Hoje
A turma de 11ºano do curso de Animação Sociocultural da Escola Profissional CIOR visitou as instalações da rádio e jornal Cidade Hoje, em
Vila Nova de Famalicão.
Os alunos foram recebidos pelo senhor António Baptista, que os encaminhou para a redação do jornal. Aí foram recebidos pelo Dr. Rui Lima,
diretor da redação, que explicou todo o funcionamento daquele departamento e as funções específicas de cada colaborador.
Posto isto, deslocaram-se para o departamento da rádio, sendo acom-
panhados novamente pelo Sr. António Baptista. Este explicou os procedimentos a seguir para um bom funcionamento da rádio.
Todos consideraram a visita muito interessante, porque ficaram a conhecer o funcionamento deste órgão de comunicação social e também
adquiriram conhecimentos para melhor perceber o módulo II – Textos
dos Media, da disciplina de português.
Carla Susana Azevedo, professora
Aprender...
Com Água na Boca
A turma de Técnico de Restauração, da escola Didáxis S. Cosme, apresentou um conjunto de pratos, inseridos no programa “Experimenta
marmita”. O filete de cavala foi o primeiro a entrar em cena, seguindo-se-lhe o Bacalhau à Brás, bem português, tendo o peito do frango
encerrado o desfile. Para se sentirem mais completos, o leite-creme, a
rabanada e a mousse de chocolate adocicaram o evento.
E, caro leitor, com
que mestria os alunos confecionaram
estes pratos, cujo
custo individual não
chega a um euro!
Uma pechincha que
nem nos melhores
saldos. O segredo?
Está no saber!
Na
assistência,
estava, também, a
turma de Novas Tecnologias, Empregado
de Mesa e Animação,
EMA, da escola profissional CIOR, equipada a rigor, de olhos
bem abertos, olfato
[ 26 ]
apurado e a atenção no limite, ia interiorizando formas de bem cozinhar,
bem comer e muito poupar! Acompanhados pelos professores Couto
Faria e Joaquim Meneses, os alunos aplaudiram o desempenho dos anfitriões e saíram da Casa da Juventude com o apetite em alta!
Joaquim Meneses, professor
L i v r e - Tr â n s i t o
O Mundo... Últimas
EUA: Escândalo Volkswagen (22 de setembro)
A fabricante alemã Volkswagen anunciou que mais de 11 milhões de
carros a gasóleo, em todo o mundo, foram equipados com um dispositivo que identifica quando o carro está a ser submetido a testes, emitindo
assim menos gases poluentes.
Vários países abriram investigações ao caso que foi descoberto por
uma organização não-governamental nos Estados Unidos.
UNIÃO EUROPEIA: Distribuição de refugiados (22 de setembro)
Os ministros do Interior da União Europeia aprovaram, por ampla
maioria, o plano de distribuição de 120 mil refugiados pelos Estrados-membros, para assim enfrentar a pior crise de refugiados na Europa
desde a II Guerra Mundial.
A República Checa, a Eslováquia, a Roménia e a Hungria votaram contra a resolução. A Finlândia absteve-se na votação.
SÍRIA: Russia inicia ataques (30 de setembro)
O Parlamento russo autorizou o envio de tropas russas para a Síria, a
pedido do Presidente Vladimir Putin.
As autoridades russas afirmaram que o objetivo destes ataques é o
grupo jihadista Estado Islâmico e outras organizações terroristas que
atuam na Síria.
AFEGANISTÃO: Hospital bombardeado (3 de outubro)
Aviões norte-americanos da NATO, que apoiavam a reconquista da
cidade de Kunduz aos talibãs, atingiram um hospital gerido pelos Médicos Sem Fronteiras. Morreram 22 pessoas, 12 das quais funcionários
da organização.
Os EUA argumentaram que o bombardeamento foi acidental e anunciaram que vão indemnizar as vítimas.
PORTUGAL: Coligação vence sem maioria (4 de outubro)
A coligação Portugal à Frente, constituída pelo PSD e CDS, ganhou as
eleições legislativas, mas sem uma maioria absoluta. Assim, a composição do Parlamento ficou com 107 deputados da coligação Portugal à
Frente, 86 do PS, 19 do Bloco de Esquerda, 17 da coligação CDU e 1 do
PAN.
A abstenção fixou-se nos 43,07%, a maior de sempre registada em
eleições legislativas.
UNIÃO EUROPEIA: Missão militar contra traficantes (7 de outubro)
A União Europeia lançou uma operação militar para patrulhar o Mediterrâneo com o objetivo de reduzir o tráfico de pessoas. Os navios de
guerra europeus vão poder intercetar e realizar rusgas em embarcações,
mas apenas em águas territoriais.
Esta missão de combate aos traficantes na Líbia, aprovada em maio,
conta com seis navios de guerra.
NORUEGA: Nobel da Paz (9 de outubro)
O Comité Nobel norueguês atribuiu o Prémio Nobel da Paz ao Quarteto para o Diálogo Nacional da Tunísia pela sua “contribuição para a
construção de uma democracia pluralista após a Revolução de Jasmim
de 2011”.
Para o Comité, as quatro instituições criaram um processo político alternativo e pacífico numa altura em que o país estava à beira de uma
guerra civil.
UCRÂNIA: Avião atingido por míssil (13 de outubro)
Investigadores internacionais concluíram que o avião da Malaysian
Airlines, que se despenhou a 17 de julho de 2014, foi abatido por um
míssil BUK, de fabrico russo, disparado das zonas rebeldes do leste da
Ucrânia.
A queda do avião na Ucrânia provocou a morte de 298 pessoas, 193
eram de nacionalidade holandesa.
ANGOLA: Ativista termina greve de fome (27 de outubro)
O rapper e ativista angolano Luaty Beirão anunciou o fim da greve de
fome que mantinha há 36 dias.
Esta greve foi uma forma de protesto contra a sua prisão preventiva
e a de 14 colegas, desde junho, por suspeita de planearem um golpe de
Estado em Angola.
FRANÇA: Terror em Paris (13 de novembro)
Oito terroristas, com coletes de explosivos, atacaram vários locais na
capital francesa e provocaram 130 mortos e centenas de feridos.
A França decretou estado de emergência e restabeleceu o controlo de
fronteiras. Estes foram os atentados mais sangrentos na Europa desde os
ataques em Madrid, em 2004.
EGITO: Queda de avião Russo (17 de novembro)
As autoridades russas confirmaram que a queda do Airbus-321 foi um
“ato terrorista” provocado pela explosão de uma bomba.
O avião, que tinha como destino a cidade russa de São Petersburgo,
despenhou-se a 31 de outubro na península do Sinai, no Egito, causando
a morte das 224 pessoas a bordo.
BÉLGICA: Alerta máximo (21 de novembro)
A Bélgica decidiu aumentar para o nível máximo o alerta de terrorismo, depois de uma alegada ameaça com explosivos e armas em vários
pontos de Bruxelas.
O primeiro-ministro belga informou que a elevação do nível de alerta “se baseava em informação bastante precisa sobre o risco de ataque
como o que aconteceu em Paris”.
Carla Saldanha, professora
[ 27 ]
Livre-Trânsito
Testemunhos
de Ex-Alunos
Hé ld e r P i n t o , I E 6
O meu nome é Hélder Pinto. Fui aluno da
Escola Profissional CIOR, de 2003 a 2006,
onde frequentei o curso de Instalações Elétricas, na turma IE6. No final do meu 9º ano,
tinha uma certeza na minha cabeça: queria
frequentar um curso profissional. Comecei
então a ver algumas escolas profissionais da
região, mas foi na CIOR que encontrei tudo
aquilo que desejava.
Nesta escola, cresci muito a nível profissional e aprendi que, quando gostamos do que
fazemos, o esforço e as horas de dedicação ao
curso acabam por compensar. A CIOR deu-me
as bases para construir a minha vida profissional.
Durante o meu percurso de formação na
CIOR tive a oportunidade de realizar um estágio curricular em Itália, com duração de sete
semanas, juntamente com quatro colegas
de turma. Este estágio teve importantes repercussões na minha vida, visto que me proporcionou a primeira experiência profissional
num país estrangeiro.
Após a passagem pela CIOR, recebi algumas propostas de trabalho, por via da psicóloga da escola, que, no entanto recusei, pois
pretendia continuar os estudos no Ensino
Superior. Como tal, inscrevi-me no Exame Na-
cional de Matemática A, visto que esse exame
era requerido para me candidatar ao Ensino
Superior.
Entrei no curso de Engenharia Electrotécnica - Sistemas Eléctricos de Energia no Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP).
Sem dúvida que a experiência que tive durante os 3 anos que ingressei na CIOR foi uma
mais-valia durante o meu curso superior, visto
que já tinha alguma prática na área de estudos pela qual optei.
Posteriormente, findei a licenciatura e
entrei no mercado de trabalho. Durante 12
meses estagiei numa empresa de caixilharia
elétrica no setor de motorizações. Uma das
mais-valias deste estágio consistiu na oportunidade de trabalhar no estrangeiro por diversas vezes, o que me permitiu conhecer os
mais recentes desenvolvimentos na área.
Atualmente encontro-me a trabalhar numa
outra empresa, na área de fiscalização e realização de projectos eléctricos.
Sem dúvida que a CIOR teve um papel fulcral para o meu desenvolvimento pessoal e
profissional. Desta escola levo muitas lições
de vida. Agradeço profundamente a todas
as pessoas que de alguma forma entraram
na minha vida, aos amigos que encontrei na
CIOR, com os quais mantenho contacto graças aos jantares de turma que fazemos todos
os anos. Também quero agradecer a todos
os funcionários e professores pela simpatia
e preocupação que sempre demonstraram,
especialmente à professora Isabel Fernandes,
que sempre apoiou e acreditou nas minhas
capacidades. Espero que esta grande escola
continue com o nível de excelência com que
sempre nos habituou.
R i card o Ta v a r e s , E R 3
Olá a todos, o meu nome é Ricardo Tavares, frequentei o curso profissional de
Energias Renováveis na turma ER3.
Nas indecisões da adolescência em que
a oferta é tanta e na maioria dos casos
não temos maturidade suficiente para
decidir o nosso futuro, eu não fui exceção.
Comecei por seguir Ciências e Tecnologias, mas, no final dos três anos, a única
coisa que podia fazer era ingressar na faculdade, e se assim não o fizesse, aqueles
anos não serviriam para nada. Foi então
que no final do 10º ano optei por desistir
e procurar um curso profissional.
Depois de alguma procura decidi inscrever-me na CIOR. Hoje, passados todos
estes anos, sinto que foi a decisão mais
[ 28 ]
acertada, conheci pessoas que hoje são
meus grandes amigos. Os professores,
ainda hoje, sempre que preciso de ajuda disponibilizam-me informação, fui um
dos felizes contemplados com um intercâmbio na Islândia e, passado todo este
tempo, sempre que aí vou sinto saudades
daqueles tempos!
E a vocês, agora, pode parecer que não,
mas irá acontecer o mesmo, certamente.
Finalizado o curso profissional inscrevi-me na faculdade, em Engenharia de
Energias Renováveis.
Em julho deste ano editei o meu primeiro livro de poesia: “Reflexos Transversais!”
E o futuro… Ninguém sabe!
Cursos
VOCACIONAIS
( De sa ) f i o s d a R ed e
“o meu filho, doutor (…) prometa-me, jure pela saúde dos seus, que o saberei proteger, que viverá para sempre, criança sem mágoas junto a mim
(…) jure que terá o conforto que o meu ventre lhe prometeu, mais, muito mais, que o meu ventre lhe jurou (…) não anuncie desgraças, privações, troças, desamores (…) não anuncie tempestades, furacões, não me afunde em tristeza sem retorno. (…) faça cumprir a promessa de criança sem mácula.
(Nuno Lobo Antunes in Sinto Muito)
Corria o mês de maio, e enquanto lia pensamentos, sentires e desejos genuínos de quem
traz os filhos à vida, confrontava-me com as
primeiras entrevistas de candidatos aos cursos
vocacionais. Vinham em estrada larga. Entravam pais, irmãos, tios, tutores, avós, padrinhos… Desembrulhavam histórias de vida com
a pressa, a inabilidade e a ânsia de qualquer
criança a abrir um presente em véspera de Natal. Desfolhavam com naturalidade, sem preconceitos nem pudores, os diagnósticos que
outros lhe haviam traçado: hiperatividade, depressão, comportamento opositivo, autismo,
ansiedade, medos…
Afinal, não se cumpre a promessa da “criança sem mácula”, murmurava eu baixinho… enquanto observava, silenciava, escrevia algumas
notas.
Em casa, regressava ao livro “sinto muito”:
“Não anuncie dores, mortes, imperfeições
(…) doutor não se engane, feche os livros, ria
da ciência, confesse ignorância, não zombe do
milagre”.
Com a mesma facilidade com que debitavam
problemáticas, dificuldades e desânimos, espreitava pelo canto do olho a esperança que o
anúncio de vaga lhes trazia. A passagem do desespero à esperança, da descrença à crença, do
luto à vida, viajava à velocidade da luz. A dança
das emoções fazia-se em
passos leves e desconcertados. Depois ficava o
silêncio, quando a música
chegava ao fim e eu ficava a sós com as minhas
próprias emoções e um
punhado de apontamentos inúteis de histórias
que não deviam ter sido
contadas, não deviam ter
sido desenroladas.
O que aconteceu afinal? Diria o Leonard
Cohen: Esqueceram-se de
rezar aos anjos e os anjos
esqueceram-se de velar
por eles?
Acredito mais na falta da razão dos homens,
desequilíbrios, inversão da pirâmide dos valores, falhas crassas dos sistemas de vigilância e
proteção, replicação em cadeia da herança dos
desamores. Talvez também os anjos!... nem só
os homens!
Em busca de algumas respostas, remexi em
apontamentos antigos do tempo da faculdade
e encontrei, uma pequena reflexão, em jeito
de prólogo, que
elaborei para um
trabalho
sobre
comportamentos
desviantes (marginais/outsider)
que aqui partilho:
É da margem
que se olha o rio
de água límpida
e turva. Estabe-
lece os limites da corrente - fluxo de agitação
e de acalmia - que a acorrenta e comprime.
(…) e não existe margem sem rio, nem rio sem
margem. É ali, em pontos quase invisíveis, que
dedos de terra se estendem pela água adentro
e toalhas de água invadem os grãos de terrainterpenetração que atinge o cerne da indignação, pois quem diria que o rio também é margem e a margem rio?
Reescrevo hoje em 2015 com a mesma inquietação com que escrevi em 1993.
Acredito que na margem também corre
água límpida e que com a experiencia de todos
nós, paciência, humanidade, saber, otimismo,
emoção, inspiração… havemos de levar rios,
riachos, ribeiros e regos a atravessar algumas
encostas.
Podemos não desaguar no mar, mas quem
é que disse que era aí que deveríamos chegar?
Fernanda David, psicóloga
[ 29 ]
Livre-Trânsito
A Necessidade de Racionalizar
os Consumos Energéticos e a
Iluminação LED
É premente a necessidade de racionalizar os consumos energéticos, face às dificuldades económicas que
atravessam transversalmente a sociedade em geral.
Numa abordagem aos consumos de energia em
Portugal, segundo dados da Direção Geral de Energia
e Geologia (DGEG), o setor dos serviços e o residencial
perfazem cerca de 29% do consumo total de energia
do país.
Se centrarmos a nossa atenção sobre os consumos
de energia eléctrica, poderemos concluir que, embora
se tenham feito algumas campanhas para a redução
de consumos, os resultados obtidos estão bastante aquém daquilo que seria expectável. As referidas
campanhas têm incidido sobretudo sobre a mudança
de hábitos enraizados numa sociedade até aqui consumista e despreocupada.
Por força das atuais circunstâncias, há necessidade
Pormenor do ambiente gerado pela iluminação numa zona comercial com recurso à tecnologia LED (Projecto PHILIPS)
de se adotarem novos comportamentos e, mais do
que isso, como interessados no processo, procurar ativamente novas soluções no mercado que nos ajudem a reduzir a fatura de energia elétrica.
Estranhamente, e ainda segundo dados da DGEC, no setor doméstico,
assiste-se a um ligeiro aumento do consumo de energia elétrica por unidade de alojamento.
Não nos podemos esquecer que os tarifários de energia elétrica foram
agravados, em 2015, em cerca de 3%, contribuindo para o aumento das
despesas familiares e empresariais.
Que soluções?
Para além das recomendações veiculadas pelas sucessivas campanhas
de sensibilização, umas levadas a cabo nas escolas, outras divulgadas
nos media através das associações de defesa dos consumidores, ensaiaram-se timidamente a substituição de lâmpadas incandescentes por
lâmpadas de descarga de baixo consumo. Ensaiam-se agora campanhas
de substituição por lâmpadas LED.
Se modificar hábitos enraizados, pode, sem dúvida, contribuir para o
desagravamento da nossa fatura energética, não é menos verdade que
o contributo do Decreto-Lei 80/2006, de 4 de Abril, Regulamento das
Caraterísticas de Comportamento Térmico dos Edifícios (RCCTE) e mais
recentemente o Regulamento de Desempenho Energético dos Edifícios
de Habitação (REH) - DL118/2013, de 20 de Agosto, estabelece requisitos de qualidade para os novos edifícios de habitação e de pequenos
edifícios de serviços sem sistemas de climatização, nomeadamente ao
nível das caraterísticas da envolvente, limitando as perdas térmicas e
controlando os ganhos solares excessivos. Sintomático também é que na
[ 30 ]
sequência das novas regras, a Agência para a Energia (ADENE) registou
um aumento de 150% na emissão de certificados energéticos relativos à
habitação e de 149% de imóveis destinados a comércio ou serviços, até
outubro passado.
No entanto, teremos ainda muitos anos pela frente até à completa
implementação e consolidação do disposto na referida legislação.
O contributo atual da iluminação “LED”
A tecnologia LED está a liderar uma transformação significativa no
mundo da iluminação com os espaços e as estruturas que nos rodeiam
a modelarem-se em cenários que não teriam sido possíveis de realizar
com a iluminação convencional devido ao seu tamanho reduzido, à sua
natureza digital, à baixa radiação de calor e à sua capacidade de gerar
uma gama de milhões de cores. Sem qualquer dúvida, a maior transformação a que assistimos na iluminação em geral deve-se à sua longa vida
útil, à eficiência energética e à natureza digital dos LED em comparação
com as iluminações convencionais. Estima-se que até ao ano 2020 aproximadamente 75% do mercado global de iluminação estará baseado na
tecnologia LED. A tecnologia está mais madura, mas apesar de tudo são
necessárias algumas cautelas na aquisição destas novas fontes de luz e
equipamentos auxiliares.
Assistimos ao aparecimento no mercado de uma grande profusão de
fabricantes sem grande experiência em iluminação em que os responsáveis pela divulgação dos dados técnicos parecem mais interessados em
conquistar fatias de mercado do que em especificar, corretamente, os
dados luminotécnicos, a vida útil, o rendimento e condições de operação
para que a comparação entre os fabricantes seja possível e justa tendo
em linha de conta o utilizador final. Alguns destes dados são divulgados
clássicas armaduras de encastrar, equipadas com lâmpadas fluorescen-
sem grande rigor científico, denotando um otimismo tão exagerado que
tes, por painéis led de 48W com 600x600 mm, nas salas de aula.
o utilizador mais avisado tem relutância em aceitar. Nesta fase não há
O desafio não foi fácil dada a exigência de uniformidade de iluminação
como recorrer a fabricantes com créditos firmados na indústria da lumi-
e a necessidade de limitar o encandeamento provocado pela superfície
notecnia e verificar no terreno os resultados já obtidos em projetos de
brilhante dos painéis led.
iluminação que se tornaram estudos de caso.
As luminárias convencionais estão preparadas para distribuir o feixe
de luz de uma forma mais dispersa recorrendo a refletores e são dotadas
A utilização da tecnologia “LED” na CIOR
de lamelas transversais para reduzir o encandeamento.
“Identificamos o futuro” é uma das frases associadas aos nossos logótipos e que faz parte da cultura da nossa escola. Neste contexto, fizemos
a primeira abordagem a esta tecnologia com sucesso ao implantar, em
2009, um sistema autónomo com recurso às energias renováveis, para
iluminação da fachada da escola, constituído por dois projetores equipados com LEDS. O
projeto foi pioneiro e integrou
a Prova de Aptidão Profissional
de um dos alunos do Curso de
Diagrama Polar de uma luminária convencional
Diagrama Polar de um painel LED 600x600
Técnicos de Energias Renová-
Nos painéis LED, o feixe de luz é irradiado a partir de uma superfície
veis. Os resultados obtidos até
opalina de brilho intenso e de uma forma mais concentrada. Obedecer
aqui são excelentes, comprovando a fiabilidade do sistema implementa-
aos requisitos de uma boa iluminação para uma sala de aula torna-se
do e a respetiva poupança energética.
assim mais difícil.
Mais recentemente, procedeu-se a um estudo para substituição das
Estu d o Lu m i n o t éc n i c o
As ferramentas de cálculo
luminotécnico ao dispor permitem fazer vários ensaios
de modo a otimizar os resultados pretendidos de forma
Designação do Espaço (PE)
Sala de aula normal com
utilização noturna e para
formação de adultos
Designação na norma/ Ponto da norma
Nível médio de iluminação
(lux)
UGR
Classroom for evening classes and adults
education / 6.2.2
500
19
satisfatória. No caso presente
mesmo tempo brilhos e reflexos em estrita obediência à norma •Norma
foi utilizado o software DIALUX
Europeia – EN 12464-1:2002 – “Light and lighting – Lighting of work pla-
para simular o ambiente de
ces – Part 1: Indoor work places”. •
uma sala de aula de modo a
O pé direito (3,25 m) mais elevado das nossas salas de aula e as pare-
seguir os critérios necessários
des na cor branco mate contribuíram para conseguir uma solução equi-
para manter o ambiente es-
librada em termos de qualidade de iluminação, consumo energético e
timulante, com a iluminação
investimento a realizar.
Os alunos do curso de Instalações Elétricas levarão a cabo a remode-
adequada para não prejudicar
lação das salas de aula com a instalação da nova iluminação LED, colo-
a visão dos alunos e estimular
a produtividade eliminando ao
Simulação do ambiente da sala de aula
com recurso ao software DIALUX
cando em prática as suas aprendizagens em consonância com as mais
recentes tecnologias.
Resu ltad os L u m i n o t éc n i c o s
Potência
Total
Uniformidade no plano de
trabalho Emin / Em
Uniformidade no plano de
trabalho Emin / Emáx
Nível médio de
iluminação (lux)
UGR
(Máx.)
8.91 W/m²
300, 6 W
0.616
0.547
617
13
Após os vários ensaios conseguiram-se resultados bastante satisfatórios permitindo, para além de uma iluminação de qualidade, uma amortização do equipamento inferior a dois anos já que a anterior instalação
ainda possuía balastros ferromagnéticos.
A tabela seguinte mostra um pequeno resumo dos resultados luminotécnicos.
Manuel Vieira e Pedro Rocha, professores
Fontes: http://www.erse.pt/”, “Philips Lighting” e http://www.dgeg.pt/
Sala 1 / Plano de uso / Linhas isográficas (E)
Valores em Lux
Potência
específica:
[ 31 ]
Livre-Trânsito
C urios i d ad e s
Fernanda David, psicóloga
Recolha in “Ciência Hoje”
QUEM SE FECHA À COMUNICAÇÃO VAI ATROFIAR O TECIDO CEREBRAL
“Por muito vertiginoso que esteja a ser o progresso no
conhecimento do processo de funcionamento das estruturas cerebrais, não se compreende como uma atividade
eletroquímica se manifesta na subjetividade individual
como um sentimento ou como uma ideia abstrata”.
Este é um dos maiores mistérios escondidos por detrás
da capacidade mental, sobretudo em pessoas com idade
mais avançada, segundo afirmam os investigadores Daniel Serrão e António Jácomo ao Ciência Hoje.
Daniel Serrão e António Jácomo, coordenadores da iniciativa, explicam que a mente pode e deve ser estimulada. Os investigadores assumem, igualmente, que à semelhança do exercício físico, os indivíduos devem apostar
em atividades mentais para atrasar ao máximo qualquer
tipo de doença neuro-degenerativa.
“O cérebro é o órgão de relação da pessoa com o mundo exterior, que inclui as outras pessoas, claro. A melhor forma de o ativar é mantê-lo voltado para o mundo
exterior, pelas diversas sensorialidades, e para o mundo interior, pela
curiosidade que estimula a inteligência reflexiva e simbolizadora. Quem
se fecha à comunicação vai atrofiar o tecido cerebral e diminuir as suas
capacidades efetoras”, explicam.
“As neurociências confirmam a convicção de muitos filósofos de que
corpo e alma são formas ‘complementares’, no sentido de Niels Bohr, de
olhar, descrever e conhecer o homem. Sendo diferentes, são ambas verdadeiras porque a certeza está no método de conhecer. O corpo, como
cérebro, condiciona as manifestações mentais que são depois autónomas. Sem cérebro a pessoa não pode amar, mas quando ama exprime
e cria muito mais do que o cérebro possibilitou. Esta outra vida que é
chamada vida do espírito, nasce do cérebro, mas cresce fora dele”, dizem
Daniel Serrão e António Jácomo.
ANSIEDADE LEVA A ENVELHECIMENTO PREMATURO
A ansiedade acelera o processo de envelhecimento natural do ser humano, segundo avançou
uma equipa de investigadores do Hospital Brigham and Women, da Universidade de Harvard,
nos Estados Unidos.
O recente estudo, publicado na PLoS One, mostra que quanto mais ansiosa for determinada
pessoa, menor é o tamanho dos seus telómeros
– estruturas constituídas por fileiras repetitivas
de proteínas e ADN que formam as extremidades dos cromossoma e funcionam como um
protetor para os cromossomas assegurando que
a informação genética (ADN) relevante seja perfeitamente copiada quando a célula se divide.
Os telómeros são considerados marcadores
do envelhecimento biológico ou celular e os
encurtados foram ligados a um maior risco de
cancro, doenças cardiovasculares, demências e
aumento da taxa de mortalidade.
Para o estudo, a equipa de cientistas analisou
amostras de sangue de 5243 mulheres com idades compreendidas entre 42 e 69 anos. Usando as amostras, os investigadores analisaram o
[ 32 ]
comprimento dos telómeros e questionários
a que responderam as voluntárias, sobre níveis de ansiedade e possíveis sintomas de
fobia.
Segundo os resultados, maiores níveis
de ansiedade e maior número eventos
de fobia foram associados a telómeros
de comprimento significativamente
mais curto. “Muita gente questiona se o
stress pode acelerar o envelhecimento”,
disse a coordenadora do estudo, Olívia
Okereke e acrescenta “que o estudo estabelece uma ligação entre uma forma
comum de stress psicológico, que é a ansiedade acompanhada de fobia, e um mecanismo para envelhecimento prematuro”.
No entanto, a equipa ressalva que é necessário realizar mais investigações para saber “se é de facto a ansiedade que provoca
o encurtamento dos telómeros, ou se é o
contrário”.
Daily-English
Did You Know ?
Did you know there is an International “Buy
Nothing Day”?
The idea is to make people think about mass
consumerism and its effect on the cultural and
natural environment of the world.
the Netherlands, France, Norway and Sweden.
Participation now includes more than 65 nations
including Portugal.
So... remember
Do you know how it began?
The first Buy Nothing Day was organized in
Canada in September 1992 as a day for society
to examine the issue of over-consumption. In
1997, it was moved to the Friday after American
Thanksgiving, also called “Black Friday”, which is
one of the ten busiest shopping days in the United States. Soon, campaigns started appearing
in the United States, the United Kingdom, Israel, Austria, Germany, New Zealand, Japan,
Pedro Rodrigues, MA5
Black Friday ? What is it ?
Black Friday is the day
following Thanksgiving
Day in the United States
(the fourth Thursday of
November). Since the
early 2000s, it has been
regarded as the beginning of the Christmas
shopping season in the
US, and most major retailers open very early
(and more recently during overnight hours) and offer promotional sales.
Black Friday is not an official holiday, but many non-retail employees
and schools have both Thanksgiving and the following Friday off, which,
along with the following regular weekend, makes it a four-day week-
end, thereby increasing
the number of potential
shoppers. It has routinely
been the busiest shopping day of the year since
2005.
The term “Black Friday”
was coined in the 1960s
to mark the kickoff to
the Christmas shopping
season. “Black” refers to
stores moving from the “red” to the “black,” back when accounting records were kept by hand, and red ink indicated a loss, and black a profit.
Paula Pereira, teacher
Thanksgiving
Thanksgiving Day in the United States is a holiday on the fourth
Thursday of November. It precedes Black Friday.
What do people do?
Thanksgiving Day is traditionally a day for families and friends to get
together for a special meal. The meal often includes a turkey, stuffing,
potatoes, cranberry sauce, gravy, pumpkin pie, and vegetables. Thanksgiving Day is a time for many people to give thanks for what they have.
Thanksgiving Day parades are held in some cities and towns on or
around Thanksgiving Day. Some parades or festivities also mark the
opening of the Christmas shopping season. Some people have a four-day
weekend so it is a popular time for trips and to visit family and friends.
Many people trace the origins of the modern Thanksgiving Day to the
harvest celebration that the Pilgrims held in Plymouth, Massachusetts in
1621. However, their first true thanksgiving was in 1623, when they gave
thanks for rain that ended a drought. These early thanksgivings took the
form of a special church service, rather than a feast.
Thanksgiving Day is also a national holiday celebrated in Canada on
the second Monday
of October as a day of
giving thanks for the
blessing of the harvest
and of the preceding
year.
Paula Pereira, teacher
[ 33 ]
Daily-English
[ 34 ]
Halloween
W as C el eb r a t ed a t C I OR by th e Voca ti on a l Cou rs es !
A green-eyed monster lurked all passersby and swallowed all those who dared to
enter the auditorium, two wicked witches
guarded the front doors and welcomed pupils, staff, teachers and tutors, a former pale
ceiling gave way to the dark webbed threatening corridor, two creepy trees announced
a kingdom of darkness and evil … And an
orange doomed creature stared viciously
behind the curtains of an old abandoned
carriage in the shadows… The atmosphere
was there.
All Hallows’ Eve or HALLOWEEN spirit
reigned… And this was the result of a week’s
hard work:
Eighteen strongly motivated and hardworking pupils put their heart
and imagination in this project-work.
It was all year 6 - Vocational Course - EMA’s work . All students got
engaged in decorating
the vocational corridor to celebrate the
creepiest Halloween
at CIOR! And in doing
so they used nothing
but black plastic rubbish bags.
EMA created, decorated and celebrated!
These pictures are the creepiest proof of it.
Have all a Spooky Hallowe’en!
Natália Luciano, teacher
InternaCIORizando
Gabinete de Projetos
Prosseguindo a Estratégia de Internacionalização definida no ano letivo anterior, a CIOR viu finalmente aprovada a candidatura à VET MOBILITY CHARTER – que confere a acreditação da nossa Instituição e comprova a qualidade na organização da mobilidade no ensino e formação
profissional para formandos e pessoal. Esta carta é concedida durante
todo o período do Programa Erasmus + e demonstra um percurso de
qualidade na gestão de projetos europeus.
Assim, para este ano letivo, prevê-se a realização de perto de 100 mo-
bilidades entre jovens em formação, recém-graduados e Staff da escola,
em países de norte a sul da Europa.
Destaque também para o acolhimento de um formando ao abrigo do
protocolo estabelecido com a Xunta da Galiza. O formando Carlos Cordido, proveniente do Centro Integrado de Formación Profesional (CIFP)
MANUEL ANTONIO, desenvolveu um estágio de dez semanas em serviço
de restauração no Grupo Requinte, em Vila Nova de Famalicão.
SEMINÁR IO F INAL DO PR OJETO
G PS II – G ET PR OF ESSION AL
SKILLS IN EUR OPE
Para encerrar o Projeto GPSII e disseminar os resultados das mobilidades do Staff, o gabinete de projetos organizou um Seminário Final de
apresentação de boas práticas observadas.
O Seminário realizou-se no Auditório da CIOR, no dia 10 de setembro, e
contou com a presença de todos os professores da Escola. Foram também
convidados os representantes do Município e outras entidades parceiras.
Numa atmosfera descontraída, de partilha de informação e de debate,
os palestrantes apresentaram os resultados da formação desenvolvida,
tendo evidenciado todas as boas práticas observadas ao longo dos 5 dias
de trabalho que tiveram lugar na Áustria, na Escócia, em Malta e em Espanha.
Este Seminário revelou-se extremamente pertinente para que a comunidade educativa conhecesse melhor os sistemas de formação profissional dos países parceiros, as metodologias de trabalho adotadas e a
ligação das instituições de formação às empresas, com destaque para a
resposta às necessidades de competências técnicas em défice. Como tal,
esta será uma iniciativa a repetir no final deste ano letivo, após a conclusão das mobilidades previstas.
MOBI LI DA D E D E A L U N O S
F I NA L I S T A S
Estão em Rimini – Itália, os 5 alunos da turma ASC12 a realizar
a sua formação em contexto real de trabalho, em Instituições
que atuam no apoio a idosos e crianças. Com alguns “sobre(assaltos)” pelo meio, estes jovens já interiorizaram bem os objetivos do programa de mobilidade: “há mais vida para além do
trabalho!” e parecem saber aproveitar todos os ícones culturais
proporcionados pela “bella vita” italiana. Esperemos que estas
8 semanas de estágio
sejam profícuas a todos os níveis para a Catarina Gomes, o João
Caridade, a Rita Almeida, a Tânia Fernandes
e a Suzete Pinto.
Em janeiro será a vez
dos alunos das turmas
IE15 e EL20 rumarem a
Malta e Espanha.
MOB ILIDADE DE ALUNOS
R ECÉM-G R ADUADOS
Este ano, já 6 valentes recém-graduados aceitaram o desafio de realizar
um estágio de 6 meses no estrangeiro. Estes jovens demonstraram iniciativa,
curiosidade e ambição quando se candidataram ao projeto e estão conscientes da mais-valia que esta oportunidade lhes proporcionará no seu futuro
profissional.
A Juliana Machado e a Ana Maciel, da turma ASC11, foram as primeiras a
partir, para Malta, no dia 16 de novembro. Já estão a trabalhar num lar de
idosos e ao que parece, estão muito
satisfeitas. Entretanto, seguiram-se
os alunos da turma MA4 – Rui Teixeira e Marco Ribeiro, que estão a
estagiar em Barcelona na Empresa
“TodoTaxi” desde o dia 23 de novembro. Logo de seguida, os alunos
Pedro Ribeiro, da turma IE14 e José
Carlos Oliveira, da turma EL19, iniciaram em Sevilha os estágios nas
respetivas áreas de formação.
[ 35 ]
InternaCIORizando
MOB I LI DA D E
DE S T A F F
Também o Staff da CIOR não fica de fora e, com o mesmo objetivo de melhorar o desempenho profissional, estão
a ultimar-se os planos de trabalho para as 10 mobilidades previstas para o Reino Unido, a Polónia e Itália.
P R O G RA M A C O M E N IUS – PAR CER IAS MULTILATER AIS
P roj e to “W a ter - Ever y Dr o p Co unts”
Este projeto finalizou com o encontro que decorreu em Karystos, na
Grécia em junho passado. Os parceiros apresentaram os últimos trabalhos sobre “A água na Literatura”. A nossa escola fez-se representar pelo
aluno Marco Ribeiro, da turma MA4, acompanhado pela Dr.ª Nilza jardim
e Dr.ª Fernanda Fernandes. Para não fugir à regra, este encontro contou
também com a presença da chuva para dar destaque ao tema principal.
Nesta reunião final, foi ainda apresentado o Manual do projeto, constituído por todas as atividades/ aulas desenvolvidas pelos parceiros ao
longo dos dois anos do projeto. Assim, para quem estiver interessado,
pode encontrar um exemplar na biblioteca da nossa escola e ler sobre
os temas da água na ciência e ecologia, na história e geografia, na arte,
na literatura bem como na utilização diária. Os resultados bem como
os encontros deste projeto encontram-se também descritos do website
www.watercomenius.com
P A R T I CI P A ÇÃ O E M A ÇÕ E S DA AG ÊNCIA NACIONAL ER ASMUS +
No intuito de melhorar a gestão dos projetos e acompanhar as alterações inerentes ao Programa ERASMUS +, os elementos do Gabinete de
Projetos participaram, em setembro e em novembro, em duas ações de
informação e apoio promovidas pela Agência Nacional.
MO BI LI DA D E E R A S MU S – A C OLHIMENTO ALUNOS DA G ALIZ AEscrito2015
em Galego
e, por outro lado, a satisfacion persoal de haber
coñecido un serie de persoas (mellor dito amigos)
como foron o meus compañeiros de traballo, o meu
patron e por suposto o persoal do centro CIOR, os
cales todos se preocuparon de que a miña estacia
aqui fora a mellor posible.
Unha aperta moi afectuosa para todas esas persoas.
Carlos Cordido
Entretanto
1.
Associa a cada expressão idiomática apresentada na coluna da esquerda o sentido
que lhe corresponde na coluna da direita.
a) Apanhar alguém com a boca na botija
1.
Complicar as coisas, exagerar
b) Apertar o cinto
2.
Insistir no mesmo assunto
Arregaçar as mangas
3.
Criticar alguém maldosamente na sua ausência
d) Bater na mesma tecla
4.
Acabar bem
e) Comprar gato por lebre
c)
5.
Não valer nada
f)
Cortar na casaca
6.
Apanhar em flagrante
g)
Deitar achas na fogueira
7.
Acautelar-se; precaver-se
h) Fazer uma tempestade num copo de água
[ 36 ]
B e m E s c r e ve r
8.
Lançar-se ao trabalho
i)
Fechar com chave de ouro
9.
Dizer algo que agrava um conflito
j)
Meter os pés pelas mãos
10. Ser enganado
k)
Pôr-se a pau
11. Atrapalhar-se
l)
Ser um zero à esquerda
12. Poupar, economizar
Carla Azevedo, professora
Soluções 1
a)6; b)12; c)8; d)2; e)10; f)3; g)9; h)1; i)4; j)11; K)7; L)5
Soluções 2
1. estudasse, estuda-se, estudasse, estudasse
2. escrevesse, escreve-se, escreve-se, escrevesse
3. vendesse, vende-se, vendesse
4. damos, dá-mos
Hola, chamome Carlos Cordido, teño 38 anos e
estou finalizando as practicas dun ciclo medio de
restauracion e servicios, que levei acabo no centro
de formacion Manuel Antonio de Vigo en Galicia.
Esta experiencia erasmus aqui en portugal estame
resultando doblemente satisfactoria xa que por un
lado estou adquirindo unha serie de coñecementos
tanto de hosteleria como dun novo idioma que me
van a ser moi utiles para o meu futuro profesional,
2. Completa os espaços em branco com a forma verbal adequada:
1 - Estudasse ou estuda-se
Se ele _____________ mais obteria melhores resultados nesta disciplina.
_____________ com maior proveito quando se acha a matéria interessante. Talvez ele ____________ mais se o ajudasses; eu gostava que
ele _____________ todos os dias. Era melhor!
2 - Escrevesse ou escreve-se
Se ele te _____________ tu respondias-lhe? Atualmente,
____________ pouco, porque é mais rápido telefonar. Mas, quando se lê
muito, ____________ com maior facilidade. Para que ele ____________
era preciso que tivesse tempo.
3 - Vende-se ou vendesse
Faria um mau negócio se __________________ o meu carro. No entanto, nos dias de hoje, _______________ um carro mais facilmente do
que há uns anos atrás.
No entanto, quando _______________ o carro, talvez ganhasse algum
lucro!
4 - Damos ou dá-mos
Nós ___________ prendas aos nossos amigos.
João, estão aí os meus livros? ________________ cá, por favor!
R a í z Q u a d r a da
A M atemáti ca ,
Também, Bri l h a n o N a ta l . . .
A Matemática tem uma estrita relação com a Arte – harmonia, equilíbrio, forma, fórmula, simetria, padrão, dimensão, perspetiva, beleza,
rigor, genialidade – são alguns conceitos comuns às duas áreas. O matemático britânico Godfrey Harold Hardy (1887 – 1947), em Apologia
de um Matemático, afirma que “O matemático, tal como o pintor ou
o poeta, é um criador de padrões. Um pintor
faz padrões com formas e cores, um poeta com
palavras e o matemático com ideias. Todos os
padrões devem ser belos. As ideias, tal como
as cores, as palavras ou os sons, devem ajustar-se de forma perfeita e harmoniosa.”.
E nesta construção de padrões, com ideias
formas e cores, a Matemática dá uma ajuda
para a elaboração de uma Árvore de Natal
mais harmoniosa.
Dois membros da Sociedade de Matemática
da Universidade de Sheffield, em Inglaterra,
Nicole Wrightman e Alex Craig, propuseram-se
e descobriram a fórmula que permite decorar
com mestria numérica uma árvore de Natal. Segundo os investigadores,
a altura da árvore tem de ser expressa em centímetros e devemos usar
as seguintes proporções:
Número de enfeites decorativos: dividir a raiz quadrada de 17 por 20 e
multiplicar o resultado pela altura da árvore;
Comprimento de fita decorativa: multiplicar
13 por Pi (π), dividir por 8 e multiplicar o resultado pela altura da árvore;
Comprimento do fio de luzes: multiplicar a
altura da árvore por Pi (π);
Estrela: dividir a altura da árvore por 10.
Aplicando este algoritmo, o resultado será o
ideal, o mais equilibrado, o mais harmonioso.
Parece muito complicado? Não há problema, afinal gostos não se discutem e a criatividade e a aleatoriedade também existem na
Matemática.
Bom Natal!
Andreia Araújo, professora
D esa f i o s ...
O N e núf a r
Num lago, foi colocado um nenúfar
que todos os dias aumenta para o dobro do seu tamanho. Ao fim de quinze dias já ocupava metade do lago.
Quantos dias demorará para o nenúfar cobrir o lago inteiro?
O s Due n d e s
O Pai Natal distribuiu pelos seus cinco duendes
a sua coleção de 225 brinquedos. Começando pelo
menor dos cinco duendes e, por ordem crescente
das suas alturas, cada um recebe um número ímpar
de brinquedos e cada um recebe mais dois brinquedos do que o anterior.
Quantos brinquedos receberá cada duende?
O Tri ân g u lo
Com os números de 1 a 9, sem
os repetir organiza-os para que a
soma de cada triângulo seja igual
a 15.
Juliana Oliveira, professora
[ 37 ]
Entretanto
O M ar é Sal g a do . P o rq u ê?
A explicação para essa questão é simples, e pode ser respondida
relembrando o ciclo da água no planeta Terra. Também é importante
lembrar que a água do mar contém cloreto de magnésio, cloreto
de potássio, bicarbonato de cálcio e muitas outras substâncias. Nós
sentimos o sabor do cloreto de sódio, porque ele é a substância mais
abundante na água do mar.
O processo que resultou na salinização da água do mar começou
há milhões de anos. A chuva dissolve os minerais da superfície do
planeta, levando estas substâncias para o mar. Os vulcões submersos
também lançaram elementos
químicos na água. Estes dois
processos naturais da Terra
contribuíram
diretamente
para o sabor salgado da água
dos oceanos.
A salinidade média dos
mares
está
atualmente
estabilizada em 3,5% para
cada litro de água. Um facto
curioso é que o Mar Morto,
no Médio Oriente, apresenta
uma taxa de salinidade muito
mais elevada que os restantes
reservatório de água salgada,
com uma taxa de 35% em
cada litro de água, o que faz
com que os corpos lá flutuem com mais facilidade.
Conclusão, a água dos mares é salgada devido a uma processo natural,
que já ocorre há centenas de milhões de anos, onde o sal da superfície
e das rochas é levado para os oceanos depois de se dissolver na água
da chuva. Como o sal não evapora com a água, ele fica acumulado nos
mares.
Fonte: http://www.sitedecuriosidades.com
I l u s õ es de Ó ti ca e m Fo to g ra f i a s
Algumas fotografias mostram ao nosso cérebro imagens que
definitivamente não existem. Trata-se de ilusão de ótica, ou seja,
imagens que mostram ao sistema visual humano algo que não está lá
Uma foto que, com certeza, é
capaz de fazer com que qualquer
motorista fique nervoso. Na
imagem, as pessoas veem a Ponte
Storseisundet, na Noruega. A
ligação rodoviária do continente
Romsdal com a ilha de Averøya
pode criar uma ilusão ótica. Ao
olhar para a fotografia, temos a
impressão que o motorista vai
cair de uma altura assustadora. A
ponte é construída de tal forma
que a partir de um determinado
ângulo parece que ela leva a
um abismo. O local é conhecido
como a ponte do bêbado.
Nesta imagem, a mulher
parece estar a flutuar por cima
da areia, como se tivesse saído
de um filme do Star Wars. Na
verdade, trata-se de uma ilusão
ótica causada pela sombra de
uma bandeira, que está ao lado
da plataforma onde se encontra
a mulher.
Na terceira foto, a lua parece
um globo de luz, daqueles que
costumamos ver em baladas.
[ 38 ]
na realidade. A ilusão de ótica engana a visão e leva-nos a ver coisas
incríveis.
Fonte: http://www.sitedecuriosidades.com
Na quarta foto, vemos um
gatinho aparentemente ligado
à rede de energia elétrica. Até
os olhos brilhantes do gato nos
remetem a tal ilusão de ótica.
Nesta fotografia vemos um
camelo que parece estar a
engolir a veterinária que está
a tratar dele! De acordo com a
agência que forneceu a imagem,
o camelo está apenas a ser
preparado para uma sessão de
pedicure, nos Emirados Árabes
Unidos.
A foto foi tirada no alto do
Mont Blanc, a montanha mais
alta dos Alpes franceses. Parece
que a tenda está a flutuar nas
nuvens.
Por fim, na foto, temos a
impressão de que o menino
está a fazer festinhas ao tigre.
Contudo, existe uma barreira
entre os dois: um painel de vidro
quase invisível.
Check-List
A minha sugestão de leitura, ou melhor, as minhas sugestões de leituras, vão para dois famalicenses, de que tenho a honra e o prazer de conhecer pessoalmente. Gostei muito de ler os dois
livros, diferentes, mas muito bem escritos. Recomendo a leitura e acreditem que vão gostar.
E n t r e - C a pa s
Manuela Cortinhas, professora
Uma fuga de casa
aos catorze anos foi o
ponto de partida para
uma aventura que levaria Afonso a correr
o mundo e a passar
por situações inimagináveis. Tudo começou
durante a ditadura
imposta por Salazar,
numa Lisboa dos anos
sessenta, que exala
um intenso cheiro a
homossexualidade e
pedofilia. Um terreno
de caça onde a presa é constantemente
acossada e esta: “Porque não desconfia,
não repara no mundo
sórdido que a rodeia.
Ainda não identifica o
odor pedofílico que emana daqueles recantos.” A fome, as noites frias
em Campolide, a PIDE, a emigração clandestina, uma incursão pelos bastidores da pena de morte em França e muitos outros dramáticos acon-
tecimentos que o autor quis partilhar, como o do Brilhantina que morre
enforcado. Suicídio?... Talvez não.
Biografia do Autor
José Alberto Salgado nasceu em Joane, em 1947. Depois de muito trabalhar e viajar é em Joane que vive. É um verdadeiro artista, desistiu de
Belas Artes da Universidade do Porto, mas não desistiu da pintura, pois é
um pintor fantástico. Dedicou-se agora à escrita, pois era um sonho que
acalentava há muito: passar para o papel as suas aventuras e desventuras, as suas vivências, a sua história e a da sua terra, os seus sonhos. Este
livro é a história quase verdadeira da sua vida.
Este livro que hoje aqui trago “Olha o rio
Ave…” conta a história do nosso rio Ave,
através de diálogos ternos e meigos entre
o autor e a sua neta Beatriz, ilustrados pelos desenhos maravilhosos da Fedra Santos.
Ocupou, enquanto professor do ensino
secundário, a partir de 1974, vários cargos
de gestão em estabelecimentos de ensino.
Foi vereador da Cultura e Presidente de
Câmara por mais de vinte anos.
Já retirado da vida política, decide cumprir um dos seus sonhos adiados: escrever!
Biografia do Autor
Agostinho Peixoto
Fernandes nasceu
em Joane, em 1942.
Após a instrução
primária, ingressou
na austera Ordem
do Carmo, em Viana
do Castelo, tendo
terminado a licenciatura em Filosofia na
Faculdade de Letras
da Universidade do
Porto.
[ 39 ]
Check-List
Mansfield Park foi escrito em
Chawton, no Hampshire, entre fevereiro de 1811 e junho de 1813.
O livro seria publicado em 1814
em três volumes.
No essencial, é um romance de
costumes saído da relação entre
duas famílias da elite rural inglesa.
«Mansfield Park é um conto de
fadas, mas afinal de contas todos
os romances são, em certo sentido, contos de fadas. À primeira
vista, a forma e o assunto de Jane
Austen podem parecer antiquados, afectados, irreais. Mas isso
é uma ilusão a que um mau leitor
sucumbe. O bom leitor está consciente de que a demanda da vida real,
das pessoas reais e por aí fora é um processo sem sentido quando falamos de livros. Num livro, a realidade de uma pessoa, ou de um objeto,
ou de uma circunstância, depende exclusivamente do mundo desse livro específico. Um autor original inventa sempre um mundo original, e
Nascido em Inglaterra, Maajid
Nawaz foi recrutado na adolescência para o Islão politizado do
Hizb al-Tahrir (O Partido da Libertação), onde desempenhou um
papel de liderança na formação
e disseminação de uma agressiva narrativa contra o Ocidente,
viajando por todo o Reino Unido, Dinamarca e Paquistão, onde
criou novas células e deixou um
rasto de ardentes recrutas. Mas,
quando chegou ao Egito, a sua
atividade chamou a atenção da
infame Polícia de Segurança do
Estado, que o deteve. Enquanto
cumpria pena, sofreu uma transformação intelectual, e ao ser libertado renunciou publicamente à ideologia islamita, arriscando agora a vida para desfazer tudo aquilo por que
em tempos esteve preparado para morrer.
O que Maajid Nawaz nos relata neste livro é uma biografia extraordinária que vai desde os seus tempos de estudante e recrutador para
organizações terroristas até ao momento em que colocou de parte todas
as crenças que até então orientavam a sua vida. “Radical” é uma obra
atual e de leitura obrigatória.
Ajuda a acreditar que a mudança é possível. Por vezes parar para pensar faz toda a diferença.
Biografia do Autor
Maajid Usman Nawaz nasceu a 2 de novembro de 1978, em Essex,
na Inglaterra, de pais com origem Paquistanesa. A sua mãe é descrita
como sendo uma pessoa liberal, apaixonada por literatura e o seu pai,
um engenheiro eletrotécnico que trabalhou para a Marinha Paquistanesa, depois para o grupo Dewan em Islamabad e, por fim, para uma
empresa petrolífera na Líbia, vivendo entre a Líbia e o Reino Unido até à
[ 40 ]
se uma personagem ou uma ação cabe no padrão desse mundo, então
sentimos o agradável choque da verdade artística, por mais improváveis
que a pessoa ou a coisa possam parecer se transferidas para aquilo que
os críticos literários, pobres escrevinhadores, chamam “vida real”. Não
existe essa coisa da vida real para um escritor de génio: deve ele próprio
criá-la e depois criar as consequências.»
[Vladimir Nabokov, Aulas de Literatura]
Biografia da Autora
Jane Austen (Steventon, 16 de dezembro de 1775 – Winchester, 18 de
julho de 1817) foi uma proeminente escritora inglesa. A ironia que utiliza
para descrever as personagens dos seus romances coloca-a entre os clássicos, sendo constantemente objeto de estudo académico e alcançando
um público bastante amplo.
Nascida em Steventon, Hampshire, de uma família pertencente à nobreza agrária, a sua situação e ambiente serviram de contexto para todas
as suas obras, cujo tema gira em torno do casamento da protagonista. A
inocência das obras de Austen é apenas aparente, e pode ser interpretada de várias maneiras. Os meios académicos têm-na considerado uma
escritora conservadora apesar de a crítica feminista atual reconhecer
nas suas obras uma dramatização do pensamento de Mary Wollstonecraft sobre a educação da mulher.
Augusta Salgado, professora
sua aposentação.
Frequentou a escola Westcliff High School for Boys e mais tarde estudou Direito e a língua Árabe em SOAS, na Universidade de Londres. Aos
21 anos casou-se com Rabia Ahmed, de quem tem um filho, e de quem
se separou alguns anos mais tarde.
Em 2014, casou-se com Racheln Maggart, uma artista e escritora originária dos Estados Unidos que gere uma galeria de arte em Londres.
Nawaz é um ativista britânico, autor, colunista e político. Foi candidato
parlamentar pelo partido Liberal Democrata para o círculo eleitoral de
London’s Hampstead and Kilburn, na eleição geral de 2015.
Foi um dos fundadores do grupo radical islamista Hizb-Ut-Fahrir (Partido da Libertação), o que levou a que fosse preso no Egito, em dezembro
de 2001, onde ficou preso até 2006.
A leitura de livros sobre os Direitos Humanos e o seu contacto com a
Amnistia Internacional que, considerando-o um prisioneiro de consciência, o defenderam em tribunal, levaram a uma transformação intelectual
de Nawaz. Isso fez com que renunciasse ao HIZB-Ut-Tahrir em 2007.
Escreveu, depois, o livro “Radical” (2012) em que nos conta a sua história. Desde então, tornou-se um crítico do islamismo no Reino Unido e
tem ido a várias conferências falar sobre a sua experiência, mencionando as raízes do radicalismo e extremismo do movimento.
Nawaz é fluente em Inglês, Urdu e Árabe. É colunista no Daily Beast
e tem os seus trabalhos publicados em vários jornais internacionais, incluindo o New York Times, The Guardian, Financial Times e Daily Mailand Wall Street Journal.
Em junho de 2014, Nawaz tornou-se sócio honorário da National Secular Society que foi fundada em 1866. O seu segundo livro “Islam end the
Future of Tolerance”
(2015), em co-autoria
com o neurocientista
americano Sam Harris,
foi publicado em outubro 2015.
Augusta Salgado, professora
Ú l t i m a F ila
Pedro Veloso, professor
Adaptado de c7nema.net
The Hung er Gam es - A Revo lta (Par te 2)
Em “Os Jogos da Fome” sentimo-nos enganados, burlados com as etiquetas que são constantemente atribuídas
para catalogar os filmes e especificá-los às estatísticas e
estudos de mercado. Sentimo-nos desencantados com a
própria noção de cinema adolescente, ou até do preconceito envolto do blockbuster, esses filmes de grandes orçamentos cujos mais puristas acreditam somente ser “isco”
para massas.
Não, “Os Jogos da Fome” são um fenómeno, acima do
cinema propriamente dito e nisso podemos evidenciar a
influência da sua protagonista, Katniss Everdeen, a Joana
D’Arc do novo século, conseguindo movimentar multidões,
dentro e fora do ecrã. Na Tailândia, por exemplo, a sua figura e o respetivo cenário motivaram uma nova geração,
cansada de se sentir oprimida, a rebelarem contra o sistema no qual estão inseridos. É esse tipo de manifestação
que faz concentrar réstias de esperança quanto ao poder do cinema,
não somente como uma força de entretenimento mas sim como uma
viabilidade de expressão.
Contudo, é de ficar pasmados pela grandiosidade da produção e a
sua simbiose por uma ácida e constantemente cínica teia político-social, até porque a franquia evoluiu: é mais do que romance e ação, é
um espelho atualizado que se transforma consoante a nossa ideologia,
imaginação e crença. Nesse sentido, Katniss, que para muitos é uma
heroína, pode ser vista como uma mártir ou até uma equivocada figura
antagónica, sem saber ao certo a sua posição.
A personagem interpretada por Jennifer Lawrence é um ícone de
guerra, manipulada pelos media e pelas forças políticas que assombram uma distopia futurista. Ela não é omnipresente, eticamente perfeita e incontestável, simplesmente é uma jovem, com todas as conotações e gestos instintivos que isso lhe traz. É um peão num jogo de
adultos, um tabuleiro de peças bélicas, onde a verdadeira guerra se faz
longe dos olhares dos infantes.
The “Hunger Games: A Revolta - Parte 2”, a parte que corresponde
ao terceiro livro de Suzanne Collins, é uma alegoria de guerrilha cantada sobre pautas matrizadas do cinema mais lúdico e inconsequente,
assim sendo temos a nosso dispor as habituais sequências de ação e
o romance trágico que qualquer adolescente sonha viver, para além
dos elementos dignos da ficção científica que esclarece que todo este
palco é pura fantasia, e que qualquer similaridade política é pura coincidência.
Novamente com Francis Lawrence encarregue na realização, o filme
avança sorrateiramente no seu percurso narrativo, tentando a todo o
custo contornar as personagens descartáveis que surgem neste enredo, sabendo que nem todas podem ser salvas desse anorexismo, até
porque a verdadeira atenção encontra-se na nossa estrela, a nossa
Katniss que brilha em todos os sentidos. Se a atriz encanta com a sua
performance, é nos argumentistas que se evidencia um trabalho esforçado em compô-la.
Do outro lado do conflito, Snow, o assumido “vilão”, um ditador
vampírico que parece prover da postura e presença de Donald Sutherland que encontra em “The Hunger Games: A Revolta - Parte 2” uma
forma de marcar um dos seus melhores e atuais registos. Uma das
improbabilidades que este capítulo conseguiu com garra foi a química
emanada por ambos, numa das sequências mais vitais deste enredo,
providas de um dos muitos twists que invocam uma acidez e por sua
vez, o referido cinismo a nível politico, tão delicioso como refletivo.
A obra contrai aqui um tom mais pessimista, negro e sobretudo desferido como expressionismos melancólicos que opõem o seu eventual
“happy ending”, confiantemente prolongado por uma longa elipse. No
final de contas, como a própria Katniss afirma em um dos atos “eu
também tenho pesadelos”, a desilusão de uma geração que acreditou
piamente em mudanças perpétuas e em veracidade nos sistemas governamentais. Sim, essa
Katniss é sobretudo parte íntegra de uma vaga,
hoje formada pelas crianças de ontem e pelos
adultos de amanhã.
Dividido entre o espetáculo corriqueiro de
uma Hollywood para massas e as suas ousadias
que se espalham como mensagens subliminares,
o filme resulta, até à data, no melhor do franchise, inserindo-se numa versátil crítica politica que
desafia as suas próprias definições de maniqueísmo. É que neste tipo de conflitos, não existe nem
“bem” nem “mal”, somente escolhas idealizadas.
[ 41 ]
Check-List
Hot Point - Play Z o n e
Arcélio Sampaio, professor
Adaptado de gameover.sapo.pt
Não foi fácil a escolha de jogos para vos trazer e apresentar nesta
edição do Leituras. A culpa? Bem a culpa é do Natal! As grandes
empresas de gaming software apostaram forte para esta época festiva.
De qualquer forma aqui ficam alguns títulos à vossa consideração e
que talvez gostassem de ver no “sapatinho”.
Ne e d Fo r Speed ( 2015)
Com quatro turmas de Mecatrónica Automóvel era impossível
deixar passar este lançamento da Eletronica Arts.
Need for Speed é daqueles títulos eternos que se renova constantemente. De facto, já perdemos a conta às vezes que Need For
Speed se reinventou, entre reboots e remakes dos capítulos mais
emblemáticos. Existem bons títulos na série, mas outros foram
produzidos para esmiuçar a licença e a sua base de fãs.
O novo jogo apresenta uma nova narrativa, suportada por sequências em Live Action, como já havia sido revelado nos trailers
de promoção. Os jogadores assumem um piloto novato que se junta a um grupo de entusiastas da condução, da adrenalina dos bólides rápidos e do tuning. A imagem de marca de Need For Speed
são as cinco figuras lendárias, e reais, que estão presentes no jogo,
tais como Ken Block, o mestre da gincana; Risky Devil é uma equipa
especialista em drift; Magnus Walker, um dos maiores entusiastas
da Porsche; Morohoshi-San, um gangster japonês; e Nakai-San, um
dos mais conhecidos modificadores de automóveis.
A ação decorre na cidade fictícia, e eternamente noturna, de
Ventura Bay, que pode ser totalmente explorada desde início. Embora visualmente deslumbrante, não é a cidade mais divertida de
explorar, isto porque simplesmente não existem muitos incentivos
para tal. Não existem atividades para lá das provas da história (que
uma vez finalizadas ficam registadas no mapa, caso queiram repetir e melhorar tempos). Existem pilotos aleatórios que podem ser
desafiados para amealharem mais uns créditos e reputação, mas
pouco mais há para fazer. O único incentivo é procurar os elementos colecionáveis, a saber, locais especiais para a fotografia; marcos
designados para fazer “donuts” – rodopiar a viatura sem sair do
local; e peças de upgrade para os automóveis, poupando assim na
sua aquisição na garagem.
A campanha geral tem dezenas de corridas e provas distintas
para jogarem a solo. No entanto, Need For Speed obriga a uma
ligação permanente online aos servidores da Electronic Arts. Ao longo
da carreira e dos níveis de reputação conquistados, terão acesso a uma
simpática lista de carros, entre modelos clássicos a grandes bombas.
[ 42 ]
Entre eles terão modelos como o Ford Mustang GT, Nissan Skyline
GTR, o Toyota Supra SZ-R ou o Lamborghini Diablo e Huracan, apenas
para referir alguns. Mais interessante ainda é a possibilidade de os caraterizar. Não se trata de algo superficial, mas sim bem a fundo, cosmeticamente e na performance. Há um leque de acessórios disponíveis à
medida que conquistam novos patamares de reputação ou concluindo
as missões da história. Desde o exaustor, motor, suspensão, caixa de
velocidades, pneus, turbos, etc. podem ser trocados em diferentes níveis de qualidade, aumentando a potência e a velocidade dos veículos.
E ainda podem proceder a afinações de peso, do equilíbrio ou atuação
dos travões que modificam a sensibilidade dos automóveis no drift.
Resumindo, à semelhança de títulos anteriores da série, Need For
Speed é um jogo de condução sólido, mesmo que totalmente arcade,
que deixa as leis da física muitas vezes de lado para salientar a espetacularidade e velocidade da ação.
“Tonight we race!”
C a ll of Duty : Black O ps III
Black Ops II elevou a fasquia de qualidade da série
Call of Duty a um patamar
muito difícil de bater. Isso
mesmo verificou-se nos jogos
seguintes, Ghosts e Advanced
Warfare.
Com o regresso de Black
Ops, a produtora disparou
em todas as direções: uma
campanha imersiva, com
uma narrativa muito interessante e um vilão carismático;
pavimentou o caminho com
algumas noções futurísticas;
e puxou pelo formato multijogador com novidades.
Beneficiando do novo ciclo
de produção de três anos, o
experiente estúdio da Activision teve tempo de pensar o que pretendia
para o novo capítulo Black Ops, sobretudo depois dos excelentes indicativos do título anterior, Advanced Warfare.
A história de Black Ops III anda à volta de conflitos entre nações onde
série continua intacta, sendo mesmo um dos mais sólidos FPS da série.
As missões continuam a ser um carrocel de emoções, repletas de set
pieces explosivos e sequências intensas, pautadas por um ritmo controlado. Neste aspeto a produtora manteve-se bastante conservadora e
desde o primeiro momento sentem tratar-se
de um Call of Duty.
Quando a modos de jogo, mantêm-se os
mais populares formatos da série, desde os
habituais Team Deatmatch ou Capture the
Flag, o Kill Confirmed ou Domination. Podem
ainda aceder aos modos de diversão, como o
Gun Game, por exemplo, jogar multijogador
em partidas gerais, mas podem optar por
participar nos rankings, para quem gosta de
desafios mais competitivos. O jogo suporta
ainda ecrã dividido, caso queiram jogar com
um amigo qualquer dos modos disponíveis.
Black Ops III é um bom jogo, muito sólido e
a adição dos elementos futurísticos conferem
novas abordagens estratégicas e de diversão.
Game’s on!
as defesas antiaéreas do mundo tornaram
obsoletas os ataques aéreos. A tecnologia
militar progrediu a um ponto onde os robôs tomam lugar de destaque nos combates. Foram desenvolvidos supersoldados:
militares que viram os membros do seu
corpo substituídos por próteses especiais,
capazes de lhes oferecer habilidades especiais, bem ao jeito de Robocop. A tecnologia evoluiu ao ponto dos militares terem
mais componentes eletrónicos do que
carne e sangue, o que começou a gerar
um medo geral da população, das máquinas se revoltarem e tomarem de assalto,
muito ao estilo da famosa série cinematográfica Exterminador Implacável.
Apesar do tom futurista, a essência da
[ 43 ]
Check-List
Ri s e of the To mb R aider
Tomb Raider é inegavelmente uma das
principais bandeiras da indústria dos videojogos e Lara Croft um ícone incontornável
da cultura pop. O primeiro jogo da série
ajudou a solidificar a PlayStation no mercado, gerando múltiplas sequelas.
Todos nós gostamos de uma boa caça ao
tesouro, quanto mais não fosse porque todos (espero eu!) assistimos no cinema ou na
TV às aventuras de Indiana Jones, atrás de
joias e esmeraldas perdidas, desbravando a
selva amazónica ou tomando de assalto as
pirâmides egípcias. Porém, no universo dos
videojogos foi Lara Croft e a série Tomb Raider que transferiram para os jogadores as
emoções de uma aventura intensa, a viajar
pelo globo à procura de pistas e tesouros
lendários.
A nova aventura da exploradora britânica acontece um ano após os
eventos no Yamatai, com a experiência sobrenatural de Lara Croft a ser
desacreditada pela organização Trinity. Esta corporação tem acesso a
grandes recursos e total interesse em descobrir e apoderar-se de artefa-
tos supernaturais para uso dos seus planos
de dominação. Querendo provar que não
está louca, Lara entra num estado obsessivo de procurar a verdade sobre diferentes mitos espalhados pelo mundo. Neste
caso, começa pelas anotações do seu pai,
também ele desacreditado na comunidade
científica, sobre a possível existência de um
artefacto capaz de conferir vida eterna aos
seus detentores. A investigação conduz a
heroína às montanhas gélidas da Sibéria,
para procurar a cidade perdida de Kitezh,
construída por Yuri II de Vladimir, no século
XIII.
Rise of the Tomb Raider apresenta-se
como uma aventura linear, em termos
narrativos, mas com sucessivos mini-hubs
[ 44 ]
abertos à exploração, tal como o primeiro jogo. Entre itens colecionáveis, recolha de acessórios e armas, há muito para explorar para completar cada área a 100%. A recolha de matérias-primas é mesmo um ponto
fulcral da aventura, pois através destas podem produzir munições e kits
médicos, entre outros objetos.
Os combates continuam a ser um ponto essencial na aventura, ainda que neste
capítulo sejam bem mais acessíveis que
o jogo anterior. A aventura oferece ainda
momentos de cortar a respiração, com
uma conjugação de set pieces cinematográficos. Basta ver os primeiros momentos
da aventura, em que Lara tem que enfrentar uma montanha a colapsar, fomentando
os reflexos dos jogadores, com um ou outro elemento de quick time event, enquanto corre freneticamente, saltando entre
plataformas.
Rise of the Tomb Rider é sem dúvida o
título que os fãs da aventureira tanto esperavam.
As s a s s i n’s Creed Sy ndicate
Assassin’s Creed Syndicate tem a árdua tarefa de reconquistar o público e colocar a série novamente nos
eixos, isto após a desilusão que foi para muitos o título
da série Unity.
Uma das grandes novidades deste capítulo é a introdução de um par de protagonistas, neste caso os irmãos
gémeos Jacob e Evie Frye – e pela primeira vez na série
principal uma protagonista feminina. Jacob funciona
melhor nas abordagens diretas ao inimigo, sendo mais
forte e visceral; já Elvie destaca-se pela sua destreza na
ação furtiva, sendo mais ágil a circular pelas sombras.
Para decalcar essas diferenças, ambas apresentam uma
árvore de habilidades, sendo algumas delas exclusivas a
cada um. Os jogadores podem assim dar prioridade às
habilidades de força e combate a Jacob e desenvolver as
furtivas da sua irmã.
Um dos aspetos que notarão nos momentos iniciais
desta aventura é a mudança dos menus e do mapa geral
da cidade, que estão agora bem mais organizados e limpos. Por exemplo, já não se irão perder na amálgama de
ícones espalhados pelo mapa, pois além de serem mais
pequenos, os filtros tratam de os agrupar. Os menus estão organizados para terem acesso rápido à informação
mais relevante, sobretudo o progresso da aventura, as
missões secundárias e atividades relevantes, biografias
de locais e personagens, etc.
O cenário do jogo é Londres, durante a Revolução Industrial, e a Ubisoft Quebec fez um trabalho irrepreensível ao construir a capital europeia mais poderosa da
Europa no final do século XIX e governada pela influente
rainha Victoria. Desta vez a cidade foi construída tendo
em conta as estradas e a circulação de carroças, e como
tal podem utilizar os veículos como meio de transporte.
Existem diferentes tipos de carroças e estas estão altamente instaladas nas diversas missões, desde as perseguições, fugas com pessoas raptadas, entre outras. O
controlo está afinado, ainda que possa ser estranho inicialmente conduzir uma carroça, sobretudo porque têm de se habituar
ao trânsito a circular pela esquerda, como é regra britânica.
Em cada período histórico, os jogadores têm de se habituar ao tipo de
armamento e tecnologia do período. Neste caso, os combates inspiram-se bastante no formato brawler, baseado nos arruaceiros das ruas, não
faltando armas como soqueiras e canivetes; para além dos revólveres e
pistolas de pequeno porte. Isto não
significa que os combates não sejam
tão intensos como os anteriores, e
até podem esquivar-se aos disparos
dos inimigos se premirem um botão
no timing correto. As coreografias
são muito boas, sobretudo as finalizações dos inimigos.
Syndicate é assim um regresso à
excelente forma da série, com muitas histórias para descobrir neste importante período histórico.
Junta-te ao Sindicato!
[ 45 ]
Check-List
H ot P oi n t - iTe k
O sistema operativo Windows 10 chegou recentemente ao nosso
país e a milhares de computadores em
Portugal.
Entre outros apelativos, este foi o primeiro Windows gratuito em 30 anos de história deste sistema operativo,
o mais utilizado em computadores de todo o mundo e, segundo a
própria Microsoft a melhor versão alguma vez produzida pela empresa.
Bill Gates e a sua Microsoft, depois da deceção que foi o Windows
8, bem que precisam de um sistema operativo funcional e que reúna
consenso entre os utilizadores por todo o mundo. A empresa terá percebido, finalmente, que há coisas nas quais não se deve mexer.
Mas vamos ao que interessa, ou seja, como obter gratuitamente o Windows 10?
Se utilizas versões legais do Windows 7, 8 ou 8.1
(Home Edition ou Pro) já deves ter reparado
num ícone (símbolo do Windows em ponto
pequeno) na barra de tarefas, bem junto ao
relógio. Este é uma notificação de sistema
a avisar-te para a oferta do Windows 10.
Deves clicar nesse ícone e reservar a tua
cópia. No mesmo instante é realizado
um diagnóstico ao teu PC para verificar
a compatibilidade com o Windows 10,
em particular ao nível dos componentes,
como por exemplo, processador, memória
RAM ou gráfica. Caso tudo esteja ok, o teu
PC fica elegível para receber a atualização via
Windows Update.
Mas atenção, a atualização não é gratuita indefinidamente. Terás que atualizar nos próximos 12 meses. É isso mesmo, durante 12 meses a seguir ao lançamento, o
Windows 10 é totalmente gratuito para quem tem versões originais do
Windows 7, 8 e 8.1. E vai manter-se assim durante o “tempo de vida da
máquina”: ou seja, enquanto utilizares o dispositivo onde o instalaste,
o sistema não terá custos e terás direito às atualizações de segurança
e até a novas funcionalidades. E não te preocupes! Caso aconteça alguma coisa ao disco rígido do computador, é sempre possível voltar a
reinstalar o Windows de forma gratuita. Aqui fica a explicação oficial
dada pela Microsoft Portugal: “O que estamos a fazer no upgrade de
Windows 10 é atribuir direitos de upgrade a uma licença de Windows 7
ou 8.1. Isto significa que a licença original de Windows instalada no computador fica associada à ‘nova licença’ de Windows 10. Esta associação
[ 46 ]
acontece sempre, independentemente
do upgrade ser feito por download das ISO
files ou automaticamente pelo Windows Update, já
que fica registada nos nossos servidores de ativação, que
também validam a licença original do dispositivo. O upgrade fica
assim válido apenas para essa máquina, que tem o registo da licença na
BIOS/UEFI no caso de ser uma licença pré-instalada de origem, ou com
a chave de ativação do sistema operativo caso ele tenha sido comprado
no retalho”. Dúvidas?
Terei mesmo direito a todas as atualizações?
Sem dúvida. E ainda mais! Pela primeira vez, além dos pacotes de segurança, a Microsoft também vai disponibilizar novas funcionalidades
nas atualizações. Ou seja, não vai ser necessário esperar pelo lançamento de uma nova versão para conseguires fazer mais coisas no Windows. É
o que acontece, por exemplo, no Facebook. Esta rede social lança novas
funcionalidades com muita regularidade e os utilizadores adaptam-se
às mudanças.
Mas, e se a minha “máquina” não for elegível para a atualização automática para Windows 10? Tenho que ficar com o Windows 7, 8 ou
8.1?
Se após correr a aplicação de diagnóstico o resultado não
for o que mais desejas, ou seja a atualização automática do sistema via Windows Update, mas tiveres a
certeza de que o teu PC é capaz de correr o sistema operativo, encontra-se à venda, desde
do dia 20 de agosto, as versões Home, Pro e
Pro Pack, com um preço recomendado de
€135, €279 e €159, respetivamente.
Por outro lado, a Microsoft garante
que todas as máquinas compradas agora ou durante este período de 12 meses
têm acesso à atualização gratuita do sistema.
Já agora, cá ficam os requisitos mínimos
do sistema para a atualização gratuita do sistema:
Se já tem o Windows 8 ou 8.1, o seu computador vai correr, de certeza, o Windows 10. De qualquer
forma, quando reserva o 10 é efetuada uma análise de compatibilidade ao seu dispositivo. Mas, para que não fiquem dúvidas, a lista
de requisitos mínimos é esta:
• Sistema operativo atualizado (Windows 7 SP1 ou Windows
8.1 Update)
• Processador a 1 GHz ou superior (ou Sistema num Chip – SoC)
• 1 GB de memória para a versão de 32 bits ou 2 GB para a de
64 bits
• Espaço em disco: 16 GB para 32 bits ou 20 GB para o de 64 Bits
• Gráficos: DirectX 9 ou superior
• Ecrã: 1024x600 px (Sim o teu Notebook 10’1 já pode receber
o Windows 10)
Não me aparece qualquer notificação para atualizar para o Windows
10. O que fiz mal?
Bem, pode estar a acontecer uma de várias coisas: o teu computador
não está atualizado; o Windows Update está desligado ou configurado
para não receber atualizações automaticamente; o teu Windows não é
legítimo.
Para resolveres esta questão deves ligar o Windows Update e atualizar
a tua máquina para a versão mais recente do Windows.
No caso de a tua versão atual do Windows não ser oficial, mesmo que
consigas a atualização para o Windows 10, à semelhança do que acontece no Windows 8 (e noutros Windows), vais começar a perder funcionalidades no sistema e a receber avisos para legalizares o sistema. Em
muitos casos, a atualização nem vai funcionar. Opções em como tornares
a tua versão do Windows legal podem ser
encontradas no site oficial da Microsoft.
Vale a pena a atualização? O que tem o
Windows 10 de novo?
O Windows 10 é uma verdadeira mistura
do melhor do Windows 7 com o pouco de
bom que trouxe o Windows 8. O produto
final apresenta algumas novidades como o
regresso do saudoso menu Iniciar. Sim! O
“velho” Iniciar está de volta, mas com muitos retoques estéticos. Basicamente, estamos perante uma fusão de ambas as interfaces. Ao clicares no botão Windows tens
acesso, no lado esquerdo, às aplicações
mais usadas, às que foram adicionadas recentemente, ao Explorador de Ficheiros,
às Definições, ao Ligar/Desligar e ao menu
Todas as Aplicações, bem ao jeito do Windows 7. Do lado direito, encontramos atalhos para os mosaicos dinâmicos herdados do Windows 8. Ou
seja, é possível arrancar, a partir daqui, apps e programas. Um bom sistema de atalhos que pode ajudar a manter o Ambiente de Trabalho liberto
de uma floresta de ícones. Um clique com o botão direito em cima do
símbolo Windows e tens acesso aos menus clássicos do Windows – exatamente como no Windows 8.
Há um pequeno botão junto à barra de pesquisa que dá acesso a uma
nova função no sistema operativo Windows, até agora apenas disponível
a quem utiliza outros sistemas operativos como o Mac OS, por exemplo.
Essa nova função é o acesso a vários Ambientes de Trabalho. Ou seja,
podes ter um conjunto de aplicações abertas num ambiente de trabalho
e saltar rapidamente para outro ambiente de trabalho onde tens diferentes aplicações a correr.
As notificações ganharam também uma nova vida com um novo centro de notificações onde são mostradas as notificações do sistema ao
mesmo tempo que dá acesso a alguns atalhos. Esta aplicação organiza as
notificações por hora e, sempre que há alterações, surgem pop-ups que
te alertam para essas mudanças.
Também as apps sofreram um lifting. Música, fotos e, por exemplo,
Mapas. Estas apps sofreram uma profunda mudança estética e, até, de
funcionalidades. A app fotos reúne as fotos e vídeos que fazes com qualquer dispositivo e que, claro, estão guardadas localmente ou no OneDrive. A app de música também foi retocada, surgindo a Groove Música, mas que mantém, na essência, o mesmo funcionamento. Uma nova
app de Outlook vai funcionar exatamente da mesma forma em todos os
dispositivos, mas mostrar, mais ou menos menus, consoante a área de
trabalho disponível. No entanto, a maior novidade é a aplicação Xbox.
Nesta primeira fase, será possível fazeres chat com os amigos, trocar
mensagens, seguir a atividade dos amigos. Mas prepara-te para o melhor! Vais poder fazer stream de jogos diretamente da Xbox One para
outros dispositivos como outro PC, Windows Tablet ou Windows Phone,
numa integração completa. Os dispositivos apenas têm de estar na mesma rede.
Como referido, o clássico Painel de Controlo continua disponível. No
entanto, à semelhança do que aconteceu no Windows 8, a Microsoft
criou uma versão mais funcional. Este painel de definições tem nove áreas. Todas de
acesso rápido às principais definições do
sistema.
E pronto “Dummie”, considera-te apto
para explorar a nova prenda de Natal da
Microsoft.
Feliz Natal.
Arcélio Sampaio, professor
Adaptado de notícia in Expresso por Pedro Oliveira
[ 47 ]
Check-List
Hot Point - A ppDr o i d
Rea lida d e
Vir tua l
Caseira
(C om o Fa z e r ?)
No que concerne à Realidade Virtual, numa breve pesquisa na internet,
podemos concluir que existe no mercado uma série de dispositivos para
o efeito.
No entanto, esses dispositivos não estão acessiveis para a carteira do
O que é a Realidade Virtual (RV)
O objetivo dos sistemas de realidade virtual é recriar, ao máximo, a
sensação de realidade para o individuo que está a utilizar essa tecnologia, levando o cérebro a adotar essa interação como uma realidade.
Um sistema de realidade virtual é tão melhor (e mais caro) quanto
mais consegue “enganar” o nosso cérebro através das imagens que são
produzidas e percecionadas pelos nossos olhos/cérebro.
comum mortal. Mas isso pode ser ultrapassado.
De seguida podes aprender como fazer uns óculos de Realidade
Virtual com meia dúzia de Euros.
Vamos lá, então, entrar no mundo virtual.
indivíduo se sinta no mundo virtual quando, na verdade, não está;
- RV de Projeção: O utilizador está fora do mundo virtual mas pode
comunicar com personagens ou objetos virtuais;
- RV Aumentada: É utilizado um capacete específico que combina imagens entre o mundo real e o mundo virtual;
- RV de Mesa: Utiliza monitores e óculos, em conjunto com um projetor, onde o utilizador vê o mundo virtual.
Como Fazer um Sistema de RV
Sistemas de RV
Há vários tipos e sistemas de realidade virtual sendo os mais conhecidos os que se seguem:
- RV de Simulação: utilizam-se dispositivos que façam com que o
[ 48 ]
Fazer um sistema de realidade virtual não é assim tão complicado
quanto possa parecer.
A maioria dos materiais utilizados podem ser facilmente encontrados
em casa.
Lista de materiais:
- Caixa de papelão (pode ser uma caixa de sapatos);
- Tesoura;
- X-ato;
- Velcro;
- Cola;
- Telemóvel Android;
- 2 Lentes bicôncavas de 45mm.
Como podem ver, nesta lista, apenas as lentes
são mais complicadas de encontrar. A forma mais
simples e cómoda de as conseguir é encomendá-las no ebay ou amazon (seguir o código QR ao
lado) por menos de €3,00.
1º Passo
Descarregar o decalque para recortar o papelão,
seguindo o link do código QR ou diretamente em
http://goo.gl/u6lJyp
Abrir o ficheiro descarregado e imprimir o
ficheiro “print_yourself.pdf”. Apenas chamo à
atenção que, ao imprimir, têm de selecionar
“Tamanho real” para que o tamanho dos óculos não fique pequeno.
2º Passo
Organizar e colar a impressão no papelão:
4º Passo
Colocar as lentes. Depois de concluído, avalia a tua obra.
Estás satisfeito? Se sim, ótimo, és um profissional da bricolage. Se não,
identifica o que não está bem, arranja outra caixa de papelão e volta a
tentar. Podes, depois, melhorá-los e colocar um elástico para que fiquem
presos à tua cabeça, como se de uns óculos de ski se tratassem.
5º Passo
Hora de experimentar!
Descarreguem a aplicação Cardboard da Google
com o link do código QR.
A partir daqui é só testar as funcionalidades do
sistema e depois procurar na Play Store outras
aplicações para explorares os teus novos óculos
de realidade virtual.
Há aplicações para todos os gostos e todos os dias surgem novas.
3º Passo
Recortar, dobrar e colar as várias partes:
Pedro Veloso, professor
[ 49 ]
Em
Alta
Baixa
a escola, aborda temas muito
O Leituras é uma visão global da noss
mados sobre as atividades
interessantes, mantendo os alunos infor
e assuntos da atualidade.
escolares desenvolvidas e também sobr
(I n ) C o n f i d ê ncia s
Álvaro Oliveira, EL20
Um livro que gostaste de ler
Não gosto muito de ler livros,
mas gosto de ler jornais
O nosso jornal, o Leituras, é uma fonte de informação, comunicação e de lazer muito importante, tanto para a comunidade escolar, como para a região. O Leituras é fundamental para a continuação e demonstração do sucesso da CIOR. Está sempre a evoluir e
a inovar, procurando sempre estar atualizado nas tendências para
cativar toda a comunidade que cada vez mais espera ansiosamente por uma nova edição. Com o Leituras ficamos a conhecer todas
as atividades, projetos, testemunhos de alunos, passatempos e curiosid
ades, tudo um
pouco relacionado com a escola e cultura geral. O Leituras é, sem dúvida,
uma mais-valia para a CIOR. Desde já dou os meus parabéns a toda a equipa, continue
m a evoluir.
Pedro Sousa, IE15
O Leituras é um meio de comunicação que nos coloca a par das
atividades e projetos que foram desenvolvidos dentro e fora da
escola.
O jornal Leituras é uma mais valia para a nossa escola e penso
que é de louvar o trabalho desenvolvido pela equipa do Leituras.
Hélder Martins, MA5
O Leituras é dos melhores jornais esco
lares que se pode ler, senão o melhor. Para além dos artigos
sobre assuntos relacionados com a escola e com os seus alun
os, tem também páginas
dedicadas a outros artigos completa
mente fora do assunto escolar, como artigos relacionados com
desporto ou tecnologia,
que são interessantes e despertam
a curiosidade para ler. Não
mudava nada neste jornal, é interessa
nte, divertido e cativa a
leitura. Parabéns a quem está envolvido
neste projeto, que continue com este
trabalho.
Samuel Silva, ER8
rtante para sabermos tudo o que
O Leituras é um jornal muito impo
a nossa escola está envolvida, às
se passa, desde os projetos em que
atividades realizadas, entre outros.
agrado de todos. Dá também para
É um jornal bastante cativante e do
e o leituras e descobrir “curiosidaconhecer a opinião dos alunos sobr
fazem parte da CIOR.
des” dos funcionários e de todos que
Tânia Pereira, ASC12
A música da tua vida
Dvbbs - Tsunami
A frase que mais te irrita
“lol, tá bem”
O filme que mais te marcou
Sem Saída
Cinema ou teatro?
Cinema
Fast-food ou comida tradicional?
Gosto tanto de fast-food como comida tradicional
Disciplina preferida
Educação Física
Artista de cinema preferido
Paul Walker
Animal de estimação
Gato
Sobremesa preferida
Bolo de bolacha
De quem gostarias de ler as memórias
Hardwell (DJ favorito)
A viagem de sonho
Dubai
Mulher Ideal
Sincera, bonita, amiga e determinada
Qualidades que mais aprecias
Sinceridade e amizade
O que não dispensarias numa ilha deserta
Família, amigos e computador
Rafael Fernandes, IE15
[ 50 ]
ADN
Bi l h e t e d e I d e n t i d ade
(In) Confidên ci a s
Um livro que gostaste de ler
“The Lightning Thief”, de
Rick Riordan
A música da tua vida
“See you again”, Wiz
Khalifa
A frase que mais te irrita
“Levas um murro”, by Zé “Pinóquio” Sampaio
O meu nome é Maria Alexandra Ilharco Galvão.
O filme que mais te marcou
“O impossível”
Moro na Freguesia de Abade de Vermoim.
Nasci no dia 27 de novembro de 1970.
Cinema ou teatro?
Cinema
No dia do meu aniversário gosto de alegria e sol.
Fast food ou comida tradicional?
Comida tadicional
As pessoas dizem que tenho jeito para boa disposição.
Produzo muito mais quando tenho um tema que me agrada e pessoas
que querem trabalhar comigo.
Disciplina preferida
Educação Física
Sinto-me feliz quando tenho beijos e abraços das minhas filhas.
Artista de cinema preferido
Jackie Chan
Comovo-me quando vejo os valores serem praticados.
Adoro conviver e trabalhar/treinar.
Animal de estimação
Piriquito
Detesto falta de educação.
Sobremesa preferida
Fruta da boa
Num filme interpretaria a personagem de qualquer uma, pois gosto de
desafios.
De quem gostarias de ler as memórias
Do CR7
Um dos meus sonhos é ter ginastas na seleção nacional.
Acredito que o carinho e amor combatem tudo.
A viagem de sonho
EUA
Se fosse um animal seria um jardim zoológico.
Por um dia gostava de não ter horas para nada.
Mulher Ideal
Simpática, carismática e jeitosa
Se ganhasse o Euromilhões para além de ajudar a família, construiria uma
escola onde o ensino e o desporto caminhassem lado a lado.
Qualidades que mais aprecias
Simpatia e Humildade
O que não dispensaria numa ilha deserta
Mulheres
Os computadores para mim são um acessório de trabalho.
O que faltou perguntar foi... nada.
Luís Lemos, EL20
[ 51 ]

Documentos relacionados

Conquis tamos o 1º Prémio - Escola Profissional CIOR

Conquis tamos o 1º Prémio - Escola Profissional CIOR de uma forma estruturada e sustentada, envolvendo o trabalho conjunto entre profissionais de educação e saúde escolar. Sabendo que a educação sexual é uma importante dimensão da promoção e proteção...

Leia mais

cior qua lifica - Escola Profissional CIOR

cior qua lifica - Escola Profissional CIOR RECOLHA DE INFORMAÇÃO / IMAGEM / FOTOGRAFIA Arcélio Sampaio Cristina Ferreira REVISÃO DE PROVAS Andreia Araújo Carla Susana Azevedo Joaquim Meneses DESIGN GRÁFICO E PAGINAÇÃO Pedro Veloso

Leia mais

Leituras - Escola Profissional CIOR

Leituras - Escola Profissional CIOR Cooperativa de Ensino de Vila Nova de Famalicão, C.R.L. (Escola Profissional CIOR) DIRETORA Carla Oliveira RECOLHA DE INFORMAÇÃO / IMAGEM / FOTOGRAFIA Arcélio Sampaio Cristina Ferreira REVISÃO DE P...

Leia mais

V encemos a iDroneCup - Escola Profissional CIOR

V encemos a iDroneCup - Escola Profissional CIOR Cooperativa de Ensino de Vila Nova de Famalicão, C.R.L. (Escola Profissional CIOR) DIRETORA Carla Oliveira RECOLHA DE INFORMAÇÃO / IMAGEM / FOTOGRAFIA Arcélio Sampaio Cristina Ferreira REVISÃO DE P...

Leia mais