Fast-Food - Progresso

Сomentários

Transcrição

Fast-Food - Progresso
1. http://www.infoescola.com/curiosidades/fast-food/
Fast-Food
Por Thais Pacievitch
Fast–food quer dizer, literalmente, comida rápida. Trata-se de um setor diferenciado no
serviço de alimentação, onde a padronização, a mecanização e a rapidez, além da garantia da
procedência dos ingredientes, atraem os clientes. Os restaurantes ou lanchonetes do tipo fastfood são uma evolução dos restaurantes e lanchonetes do tipo drive-in, que surgiram na década
de 40, no sul da Califórnia.
A ideia de aperfeiçoar o atendimento, agilizando o serviço e economizando com os salários
dos funcionários (garçons, cozinheiros) foi de Maurice e Richard McDonald, que foram donos de
um drive-in por mais de 10 anos. Apostaram então em um sistema de “produção” parecido como
uma linha de montagem, e idealizaram uma cozinha que comportasse os equipamentos para o
preparo de pouca variedade de alimentos, em grandes quantidades. Com poucos funcionários e
com um serviço padronizado, os irmãos McDonald tiveram seu patrimônio multiplicado
rapidamente. A ideia foi logo imitada por diferentes setores do serviço da alimentação.
Atualmente, além da McDonald”s, outras multinacionais especialistas em fast-food estão
espalhadas pelo mundo todo, como o Bob’s, a Pizza Hut e o Baked Potato, entre outros. Essas
empresas fizeram uso do sistema de franquias para se multiplicarem. Ceder uma franquia
significa vender, ou melhor, alugar o direito do uso da marca, dos produtos e dos métodos
utilizados a um terceiro, o franqueado, que além de pagar as instalações, paga taxas e,
geralmente, repassa um percentual de seu lucro para a matriz.
Apesar de ser muito apreciada, a comida do tipo fast-food está na mira dos médicos
e nutricionistas. Isso por que os padrões nutricionais desses alimentos não são indicados para o
consumo constante. São alimentos ricos em gorduras hidrogenadas, açúcar, sódio, e calorias.
Fibras e vitaminas não fazem parte do cardápio tipo fast-food.
A população de obesos dos Estados Unidos cresceu muito nos últimos anos, inclusive
entre as crianças. Muitos especialistas apontam o fast-food como responsável por esses índices.
Como as redes de fast-food são encontradas em diversos países, o alerta dado pelos
especialistas merece atenção.
2. http://www.infoescola.com/saude/maleficios-do-fast-food/
Malefícios do Fast-Food
Por Gabriella Porto
Fast-Food é um termo em inglês que significa “comida rápida”. São considerados FastFood alimentos preparados num pequeno intervalo de tempo, que ficam pré-prontos no estoque
do estabelecimento.
Na maior parte das vezes, os alimentos de FastFood são desprovidos de nutrientes básicos para o bom
funcionamento do corpo humano, e fartos em gorduras
e açúcares. A atual sociedade, na qual as pessoas têm
pouco tempo para realizar atividades pessoais, inclusive
para comer, produz, a cada dia, mais consumidores
deste tipo de alimento, e aumenta as taxas de
obesidade e outros problemas alimentares, como até
mesmo a desnutrição.
Muitas crianças crescem em meio às redes de
Fast-Food, que vêem nos pequenos um potencial grupo
de consumidores. Comidas muito saborosas, com
muitos elementos como molhos, frituras, queijos e nas
sobremesas sorvetes, caldas, chocolates, enfim, uma
enorme lista de ingredientes sedutores que fascinam até
mesmo adultos, o que faz das crianças alvos fáceis de
serem persuadidos.
A comida rápida e de baixo custo dos Fast-Food
está cada vez mais incorporada aos hábitos alimentares
do indivíduo pós-moderno, no entanto os perigos envoltos neste tipo de prática estão
gradativamente maiores. Os índices de doenças coronarianas, obesidade e diabetes na
atualidade aumentam a cada ano, chegando a níveis preocupantes. Osedentarismo, atrelado à
mesma falta de tempo para realizar as refeições e outras atividades desvinculadas do
ambiente profissional, é mais um agravante da situação. A saúde do ser humano contemporâneo
está sendo deixada de lado em virtude do mercado de trabalho cada vez mais exigente e detentor
do tempo do indivíduo.
Além de estes alimentos serem ricos em gorduras e açúcares, na maioria das vezes os
consumidores comem dirigindo, em frente ao computador ou ao telefone, situações em que a
concentração não está na mastigação, que fica prejudicada, e sendo esta o primeiro estágio da
digestão, faz com que esta sim se dê precariamente, prejudicando toda a absorção dos
nutrientes, já poucos neste tipo de alimento, pelo corpo.
Comer em Fast-Foods também não é expressamente proibido. No entanto, é necessário
que se tenha bom senso ao frequentar tais restaurantes. Ter uma alimentação balanceada, rica
em nutrientes e praticar exercícios físicos mantém o corpo saudável, e quem é saudável pode
dar-se ao luxo de, esporadicamente, ir a algum estabelecimento de Fast-Food. Isto não deve
tornar-se uma rotina, nem substituir a alimentação básica. Assim como os adultos, as crianças
também podem comer alimentos de Fast-Food, mas em pequenas quantidades e
esporadicamente, isto jamais deve tornar-se parte do cotidiano.
3. http://profhendrickson.blogspot.com.br/2012/10/pesquisa-revela-fast-food-atrofia.html
Pesquisa revela: fast food atrofia a inteligência!
Crianças que comem muito fast food
desenvolvem QI menor, diz estudo. Pesquisa
avaliou refeições de 4 mil crianças escocesas
entre 3 e 5 anos. Nível sócio-econômico dos pais
influencia qualidade dos alimentos servidos.
Crianças que comem muito fast food têm mais
risco de desenvolver um QI (quoeficiente de
inteligência) menor até a vida adulta do que
aquelas que consomem alimentos frescos, aponta
um novo estudo feito pelo Goldsmiths College, da
Universidade de Londres. A pesquisa avaliou a
principal refeição diária de 4 mil crianças escocesas entre 3 e 5 anos de idade, e o impacto do tipo
de comida na capacidade cognitiva do cérebro – que envolve funções como raciocínio, memória,
atenção e imaginação – e no crescimento desses participantes. "É senso comum que o tipo de
alimento que ingerimos afeta o desenvolvimento do cérebro, mas pesquisas anteriores só olharam
para os efeitos de grupos alimentares específicos sobre o QI das crianças, em vez de tipos
genéricos de refeições", diz a autora Sophie von Stumm, do Departamento de Psicologia do
Goldsmiths. A cientista destaca que a nutrição na infância tem efeitos permanentes sobre o QI. E
o nível sócio-econômico dos voluntários também influencia nisso: pais com um nível de vida
melhor disseram preparar refeições saudáveis para os filhos com maior frequência. "Os
resultados destacam que as diferenças nas refeições das crianças também são um problema
social. Mães e pais de origem menos privilegiada geralmente têm menos tempo de preparar para
os filhos uma refeição cozida a partir do zero. Essas crianças acabam apresentando um
desempenho pior em testes de inteligência e frequentemente sofrem na escola", afirma
Sophie. Na opinião da autora, colégios que ficam em áreas menos privilegiadas deveriam se
esforçar ainda mais para equilibrar a dieta dos alunos, para que eles possam alcançar seu
potencial de desenvolvimento cerebral. Isso porque, como Sophie destaca, o frescor e a
qualidade dos alimentos importam muito mais do que simplesmente estar de barriga cheia.
4. http://www.nomundoenoslivros.com/2010/05/consumo-de-fast-food-piora-notas-em.html
Consumo de fast food piora notas em leitura e matemática
Crianças que comem fast food - incluindo sanduíches, batatas fritas e pizzas - mais de três
vezes por semana têm piores notas em testes de alfabetização, segundo pesquisadores da
Universidade Vanderbilt, nos Estados Unidos.
Em pesquisa com mais de 5,5 mil crianças da escola primária, com idades entre dez e 11
anos, os especialistas notaram que aquelas que reportavam o consumo de hambúrgueres e
outros tipos de fast food mais de três vezes semanais pontuaram até 16% pior em testes de
leitura e matemática. Isso ocorria independentemente de renda dos pais, raça e peso.
"É possível que os tipos de comida servidos em restaurantes fast food causem dificuldades
cognitivas que resultem em menores pontuações nos testes", disse a pesquisadora Kerri Tobin.
Porém outra explicação possível seria a tendência de o consumo desse tipo de alimento decorrer
das piores notas, e não o contrário - com a ingestão de fast food resultando em piores
pontuações.
Os pesquisadores destacam que os resultados são significativos, principalmente em um
contexto de crescimento das taxas de obesidade infantil. Algumas escolas do Reino Unido e
Estados Unidos já implementam medidas para reduzir o problema, como proibir a saída dos
alunos na hora do lanche e almoço, e oferecer um cardápio mais variado, sem fast food, em suas
cantinas.

Documentos relacionados

FAST-FOOD - FitEscola

FAST-FOOD - FitEscola entanto, até há pouco tempo, Portugal assumia o título de vice-campeão europeu de obesidade infantil. Embora comer fast-food não constitua a única causa da elevada prevalência de obesidade infantil...

Leia mais