PROJETO INTERDISCIPLINAR

Сomentários

Transcrição

PROJETO INTERDISCIPLINAR
PROJETO INTERDISCIPLINAR
2º ANO
2013
DESENVOLVIMENTO
• ALUNOS BENEFICIADOS: 2º ANO
• TEMA: RENOIR, VALORIZANDO A FAMÍLIA
ANÁLISE DA SÉRIE: “AZUL E ROSA”
Renoir, Pintor da Luz, da Felicidade e da Harmonia
Pierre-Auguste Renoir nasceu em Limoges (França), em 1841. Viria a tornar-se um dos
mais famosos pintores do movimento impressionista. A sua forma de ver, muito em particular a
natureza, tornam-no inconfundível e a luz que se espalha pelos seus quadros constitui algo de
mais bonito que desde sempre se pintou. Além do mais, produziu uma enorme quantidade de
trabalhos, cerca de 6.000, talvez a obra de maior vulto, a seguir à de Picasso.
Renoir começou com treze anos, como um pintor de porcelana, numa fábrica de Paris, o
que lhe deu grande experiência no trabalho com as cores e uma técnica muito aperfeiçoada.
Desde cedo ficou entusiasmado com os tons delicados e a força luminosa das cores. A
mecanização do fabrico das porcelanas levou-o a ser dispensado deste trabalho, tendo-se
dedicado então à pintura de leques e reposteiros. Aos 21 anos já possuía meios que lhe
permitiram dedicar-se ao estudo da pintura. Em 1862 entrou na École des Beaux Arts. Ao
mesmo tempo começou a frequentar as aulas de Gleyre, onde conheceu e se tornou grande
amigo de Bazille, Sisley e Monet, todos participantes do importante movimento de renovação da
pintura que então nascia. A sua relação com Monet foi particularmente importante e decisiva
para o aparecimento do movimento “Impressionista”. Ambos defendiam que era muito
importante pintar no exterior e interpretar as cores tal como estas podiam ser vistas na natureza.
A interpretação das cores da sombra, do rico colorido desta e dos seus cambiantes com a hora
do dia e com o reflexo das cores adjacentes, torna-se uma preocupação constante na sua
pintura.
Mas para Renoir, apesar das dificuldades porque passava, pintar era sempre exprimir a
beleza e a alegria proporcionada pelas cores. Quer para ele, quer para Monet, preocupava-lhes
mais a falta de dinheiro para comprar as tintas do que o que lhes faltava para a comida.
Escreveu um dia, cerca do ano de 1870 a Bazille: “Apesar de não comermos todos os dias,
estamos de boa disposição” e nunca ninguém os viu pintar quadros que expressassem
pessimismo ou depressão.
A partir dos anos 80, sobretudo por mérito do galerista Paul Durand-Ruel, que o havia
descoberto dez anos antes e farejara o seu talento, Renoir passa a vender regularmente os seus
trabalhos e deixa de se debater com os problemas econômicos. Em 1883, Ruel organiza uma
exposição especial sobre Renoir. Mas é precisamente nessa época que se dá uma profunda
modificação no trabalho do pintor, que considera que o impressionismo se está a esgotar,
chegando a afirmar que tem de reaprender a pintar e a desenhar. Os impressionistas começam
a ser acusados de apenas representar as aparências exteriores.
Entre 84 e 87 Renoir entrou num novo período que designou por “manière aigre”. “Os
Guarda-Chuvas” marcam muito bem este período de mudança. Houve quem temesse que esta
crise afetasse definitivamente o trabalho de Renoir. Os seus companheiros Monet, Degas e
Pissarro sofriam crises semelhantes. Era a rotura com o impressionismo. O oitavo e último salão
dos impressionistas deu-se em 1886, já sem a participação de Renoir.
Ao mesmo tempo, porém, Durand Ruel apresentou 32 quadros de Renoir em Nova York
abrindo caminho para os impressionistas no mercado americano.
Entretanto, a pintura de Pierre-Auguste vai-se modificando lentamente. Os seus temas
favoritos deixam de ser as festas e as cenas da vida quotidiana e passam a ser mais universais.
As figuras femininas ganham dimensões mais universais, por vezes mitológicas. As crianças são
temas favoritos e pinta várias vezes a sua futura mulher e o filho mais velho, cujo nascimento foi
já um pouco tardio. As naturezas mortas dão ao pintor um especial prazer e chega a afirmar que
ao pintar flores se atreve a experiências, inovações e aplicações de cores que nunca se
atreveria na representação da figura humana, pelo medo de estragar a correção desta. No
entanto, a experiência apreendida na pintura das flores torna-se-lhe muito útil, posteriormente,
na figura humana.
Nos últimos trinta anos da sua vida Renoir era plenamente reconhecido e a venda dos
trabalhos garantia-lhe uma vida desafogada. Durante este período viajou mais, tomou contato
com a pintura italiana e espanhola e pintou com outros pintores seus contemporâneos,
nomeadamente Cézanne que muito o admirava.
Em 1892 Durand-Ruel organizou nova exposição de Renoir, na qual expôs 110 quadros.
Apesar da ainda grande relutância na aceitação dos impressionistas – que eram por vezes
associados aos anarquistas – o Estado francês comprou nesta exposição, pela primeira vez, um
quadro do pintor.
No final da década de 80 começa a ser atacado pelo reumatismo, que se vai acentuando
até que, em 1910, cada vez mais magro, fica definitivamente preso a uma cadeira de rodas. A
doença leva-o a escolher o Sul da França para viver e, em 1905, muda-se definitivamente para a
Côte d’Azur. Nascera entretanto, em 1901, o seu terceiro filho, que lhe serviu frequentemente de
modelo.
Em 1907 o Metropolitan Museum de Nova York compra num leilão o famoso retrato de
“Madame Charpentier e as suas filhas”, pintado em 1878, quadro que na época em que Renoir
era tão criticado teve a sua importância, já que Charpentier era um conhecido editor que
acreditou no valor do pintor ao ponto de lhe encomendar o retrato da sua família. É também em
1907 que o pintor compra a quinta “Les Collettes”.
A partir de 1904 a doença começou a tornar-se insuportável, mas nem por isso Renoir
deixa de pintar, chegando a um ponto em que lhe entalavam os pincéis entre os dedos, nas
mãos ligadas. Apesar disso o pintor só interrompia o trabalho quando as dores lhe eram
completamente intoleráveis. Chegou mesmo a tornar-se escultor sem poder utilizar as próprias
mãos, dando indicações aos assistentes que iam moldando no barro, conforme as suas
instruções. O espanhol Guino foi o seu mais dedicado assistente e interpretou de tal modo as
instruções recebidas que é o traço de Renoir que ressalta das esculturas.
Apesar da doença e do sofrimento nunca se deixou dominar pelo pessimismo ou pela
tristeza. Renoir mostrou um grande desprezo pela estupidez da guerra, na qual ficaram feridos
dois dos seus filhos. Um deles, Jean Renoir, veio a tornar-se famoso realizador de cinema e
escreveu, em 1962, uma preciosa biografia sobre seu pai: “Renoir, mon pére”.
Renoir manteve sempre um intenso contacto com a natureza e mandou construir na sua
casa de Cagnes um estúdio ao ar livre, onde pudesse observar a cor em todo o seu esplendor.
No final da sua obra é especialmente impressionante a “festa” da luz, muito em particular a que
envolve ricamente as figuras femininas, tema ainda predileto, mas agora mais amadurecido e
por isso mais universal. Gabrielle, que tomava conta do seu filho mais novo, tornou-se um
modelo favorito e ficou por ele eternizada como um símbolo visual do feminino.
Em 1919 foi levado de cadeira de rodas a visitar o Louvre, onde viu um dos seus quadros
ao lado de Veronese. Nesse ano, Pierre-Auguste Renoir comentava que ainda fazia progressos
e chegou a afirmar então: “Creio que, aos poucos, começo a perceber isto”. Acometido em
Novembro por uma pneumonia, veio a falecer em 3 de dezembro e está sepultado em Essoyes,
ao lado de Aline, sua mulher.
É considerado por muitos o pintor da luz, da felicidade e da harmonia.
RENOIR, VALORIZANDO A FAMÍLIA
Diante da sociedade em que vivemos e com o que nos deparamos todos os dias nos
noticiários e nas ruas, é possível observar o quão importante é a família. Face a isso, surgiu a
ideia de aliar arte ao tema família, com o objetivo de trabalhar de forma lúdica o conceito de
família e mostrar que hoje as famílias são compostas das mais diferentes maneiras, não
havendo mais um padrão a ser seguido, mas que acima de tudo a família é a instituição mais
importante na vida de cada indivíduo.
Renoir foi um pintor impressionista que se dedicou muito à família. Muitos de seus quadros
tiveram como modelo membros de sua própria família. Outra característica que o destaca para
esse projeto é o fato de que ele era contratado muitas vezes pra pintar famílias inteiras, como a
família Charpentier.
ETAPAS:
1. Conhecer o projeto, o artista e o impressionismo
Em uma roda, ler o livro do projeto “Renoir e A borboleta Marieta”.
Conversar com as crianças sobre a ilustração da capa e contar que trata-se de uma
pintura de Renoir chamada “Rosa e Azul”.
Propor às crianças que descubram quem foi Renoir.
Estudar a biografia do artista e o que foi o Impressionismo – ver revista Coleção saberes
da educação nº 03 – pág.42
OBS.: Ao estudar a biografia de Renoir, destacar o fato de que muitas de suas telas tinham
como modelos membros de sua família ou seus amigos e que ele pintava muitas telas de
famílias.
a. Apresentar às crianças diversas obras de Renoir para que apreciem.
2. Conhecer “As meninas Cahen d’Anvers – Rosa e Azul
Mostrar a tela para as crianças e conversar sobre o que elas observam. A professora
deverá contar a história do quadro, e mostrar suas características principais e o que
torna essa tela tão importante no cenário das Artes. Também é importante ressaltar ao
trabalhar a história do quadro, a questão das pinturas de família que eram
encomendadas na época e ainda muitos anos depois.
O quadro "As Meninas Cahen d'Anvers" (conhecido como "Rosa e Azul"), pintado por
Renoir em 1881 foi encomendado pelo banqueiro Louis Raphael Cahen d'Anvers, pai das
meninas que aparecem no quadro - Alice e Elisabeth Cahen d'Anvers. A família do banqueiro
não gostou do resultado e o quadro ficou esquecido, escondido em um lugar qualquer obscuro
da casa e só muitos anos depois foi redescoberto.
A obra pertence ao acervo do Museu de Arte de São Paulo (MASP) desde que foi adquirida
por Assis Chateaubriand (fundador do Museu). Este quadro tem sido fonte de muita inspiração
para o público e para outros pintores. O pintor Washington Maguetas e o quadrinista Maurício de
Souza já fizeram suas interpretações artísticas desta grande obra (ver imagens abaixo).
Washington Maguetes
Maurício de Souza
"Renoir, pintando Rosa e Azul, mostra na vibração da superfície e das cores vivas
que compõem os vestidos das meninas toda a vivacidade e a graça instintivamente
feminina que se esconde atrás da convenção da pose, todo o frescor e a candura da
infância. As meninas quase se materializam diante do observador, a de azul com o seu ar
vaidoso e a de rosa com um certo enfado, quase beirando as lágrimas." (Texto junto ao
quadro - MASP)
ANÁLISE DA OBRA
Por Percival Tirapeli - Professor de Estética e História da Arte da UNESP
Além de ser uma obra-prima, Rosa e Azul sintetiza algumas das preferências de Renoir. O
nome remete às tonalidades que estarão presentes em muitas das telas, sendo suas cores
favoritas.
Além disso, o quadro apresenta uma mistura de técnicas que marca muito o trabalho de
Renoir. Temos aqui três momentos bem distintos, criados com três técnicas diferentes. O
primeiro deles é o rosto polido das meninas, praticamente sem sombras, muito bem trabalhado e
de forma bem arredondada.
Em seguida, percebe-se a tinta gorda esticada com um pincel chato que dá todo o volume
e textura do cinturões dos vestidos.
O terceiro momento é a sensação causada pela textura do vestido, pelo qual ele deixa
transparecer a estrutura do corpo das meninas.
Neste caso, ele aplica a técnica do pontilhismo - muito usada por seu amigo Alfred Sisley
(1839-1899) - os tons são divididos em semitons e lançados na tela em pequeninos pontos
visíveis de perto, mas que se fundem na visão do espectador ao serem vistos a distância.
Este quadro demonstra ainda toda a energia de vida que Renoir sempre quis retratar em
suas obras.
Explicar que “Rosa e Azul” inspirou muitos outros trabalhos como:
A. Damas em Giverny (óleo sobre tela - 47x59cm - 2005)
Quadro pintado por Washington Maguetas, imaginando como estariam estas duas irmãs
de rosa e azul após alguns anos, visitando os jardins da casa de Monet na cidade de Giverny, na
França.
B.Magali e Mônica de Rosa e Azul
Versão pintada por Maurício de Souza em 1989, após ver pessoas tentando
copiar o quadro original durante uma exposição no MASP. Após esta ideia, Maurício de Souza
fez uma exposição e um livro chamado "História em Quadrões", com paródia da obra de
diversos artistas utilizando seus personagens.
Levar as crianças para o laboratório de informática para que pesquisem fotos e pinturas
de famílias de antigamente – conversar sobre a composição das famílias de
antigamente.
Fazer uma releitura da obra. Dividir a turma em grupos misturando meninos e meninas.
Os meninos podem ficar responsáveis pelo desenho e pela pintura. As meninas devem
confeccionar as roupas das meninas como vestidinhos de boneca. O trabalho pode ser
feito em cartolina ou papel cartão.
Pode-se também colorir ou fazer um mosaico.
Conversar sobre os irmãos de cada um. Quem não tem irmãos pode comentar sobre se
gostariam de ter ou falar sobre um amigo que se tornou quase um irmão.
Produzir um depoimento sobre o irmão (ou sobre o amigo), ressaltando as qualidades
que o tornam um bom irmão, (sugiro que as crianças façam um rascunho do
depoimento e que, depois, sejam filmadas fazendo-o.) Usar como epígrafe para o amigo
o texto de Provérbios 18:24 “. . .há um amigo que se apega mais do que um irmão”.
Perguntar às crianças se em casa há fotografias de sua família e se já viram na casa de
seus avós quadros com fotografias ou pinturas antigas de toda a família.
Pedir que tragam uma fotografia de toda a família e que tentem reproduzi-la como nos
quadros antigos. (Se possível, levar para a sala um quadro daquelas pinturas de família
que havia na casa de nossos avós).
3. Estudar a tela “O almoço dos Barqueiros”
“O Almoço dos Barqueiros” registra um almoço em um feriado no terraço do restaurante La
Fournaise, em Chatou. Fournaise era uma das mais populares opções de lazer da Paris
moderna. A partir da década de 1860, com o surgimento das linhas de trem, várias áreas rurais
próximas a Paris passaram a ser frequentadas pela burguesia da cidade.
Auguste Renoir ia com frequência ao restaurante. Muitos dos protagonistas da pintura são
amigos do pintor. A moça com o cachorrinho é a sua futura esposa, Aline. Atrás dela,
apoiado na balaustrada, está o filho do proprietário do restaurante, Alphonse Fournaise. Ao seu
lado, está sua irmã, Alphonsine. Do lado aposto, também vestido de barqueiro, está Caillebotte,
pintor impressionista. A atriz Ellen André está próxima, e o jornalista Maggiolo se reclina sobre
ela.
Renoir começou a estudar o tema em 1880 e concluiu a tela no ano seguinte, em seu
ateliê – de vez em quando, os personagens da pintura o visitavam, para servirem de modelo. A
tela foi exposta na Sétima Exposição Impressionista (1882) e adquirida pelo galerista DurandRuel.
Destaques da obra:
Os personagens: são retratados com leveza e jovialidade. Todos estão em meio a uma
ação, com gestos naturais e olhares espontâneos – captar um flagrante, um momento
efêmero, era um ideal impressionista.
A composição: o quadro é composto em uma diagonal, o que confere dinamismo e
profundidade à imagem.
Luz e sombra: a luz é natural e cria sombras sutis, matizadas de azul. As sombras
coloridas também são características do movimento impressionista.
As cores: Renoir conserva os tons límpidos e luminosos do impressionismo. O verde das
folhagens e o vermelho do toldo são tons complementares e conferem um colorido
harmônico à obra. As vestimentas claras dos personagens os destacam do fundo,
refletindo a luz que invade pela abertura da varanda.
Destacar o fato de que a pintura mostra amigos de Renoir e sua futura esposa.
Em casa as crianças deverão conversar com os pais sobre como se conheceram, onde
isso aconteceu. (Ter cuidado com as crianças cujos pais são separados e não se dão
bem.)
Pedir que as crianças façam um desenho do lugar e de como os pais se conheceram.
A tela mostra um restaurante onde as pessoas costumavam se reunir em Paris.
Conversar sobre onde as famílias das crianças vão quando querem se divertir, almoçar,
passear. Conversar sobre se em Inhumas há algum lugar assim.
4. Conhecendo as famílias
Pedir às crianças que tragam gravuras de diferentes famílias para que observem em
sala como são as várias famílias possíveis.
a) Solicitar aos alunos que, após observarem tais imagens, escolham uma que lhes
chamem a atenção: seja porque se parece com a sua, seja porque representa uma família que o
aluno gostaria de ter, dentre outras razões.
b) Após essa etapa, cada aluno deverá apresentar os motivos que o levaram a optar por
tal imagem. Professora, sugere-se que nesse momento você estimule o aluno a falar de sua
própria família apresentando-a a seus colegas. Em seguida, a professora entregará aos alunos
folhas de papel sulfite, lápis de cor, giz de cera e canetinha solicitando que os mesmos
desenhem eles próprios com sua família, registrando o que cada membro da família faz melhor.
5. Conhecer a história da família de cada um
Um dia antes desta aula o professor deverá pedir para os alunos indagarem seus pais
acerca de sua família, ou seja, como seus pais e avós se conheceram, onde nasceram,
enfim, o intuito é que eles possam ter conhecimento acerca de sua história familiar.
No laboratório de informática mostrar um vídeo, de 4 minutos e 3 segundos,
denominado “Palavra cantada-EU” (Fig. 1), disponível em:
http://www.youtube.com/watch?v=2cqcWHs7a_E. Acesso em 22 Out. 2009.
Seria interessante que cada criança tivesse a letra da música:
Eu
Perguntei pra minha mãe:
"Mãe, onde é que ocê nasceu?"
Ela então me respondeu que nasceu em Curitiba
Mas que sua mãe que é minha avó
Era filha de um gaúcho que gostava de churrasco
E andava de bombacho e trabalhava no rancho
E um dia bem cedinho foi caçar atrás do morro
Quando ouviu alguém gritando: "Socorro, socorro!"
Era uma voz de mulher
Então o meu bisavô, um gaúcho destemido
Foi correndo, galopando, imaginando o inimigo
E chegando no ranchinho, já entrou de supetão
Derrubando tudo em volta, com o seu facão na mão
Para alívio da donzela, que apontava estupefata,
Para o saco de batata, onde havia uma barata
E ele então se apaixonou
E marcaram casamento com churrasco e chimarrão
E tiveram seus três filhos, minha avó e seus irmãos
E eu fico imaginando, fico mesmo intrigado
Se não fosse uma barata ninguém teria gritado
Meu bisavô nada ouviria e seguiria na caçada
Eu não teria bisavô, bisavó, avô, avó, pai, mãe, não teria nada
Nem sequer existiria
Perguntei para o meu pai: "Pai, onde é que ocê nasceu?"
Ele então me respondeu que nasceu lá em Recife
Mas seu pai que é o meu avô
Era filho de um baiano que viajava no sertão
E vendia coisas como roupa, panela e sabão
E que um dia foi caçado pelo bando do Lampião
Que achavam que ele era da polícia um espião
E se fez a confusão
E amarraram ele num pau pra matar depois do almoço
E ele então desesperado gritava: "Socorro!"
E uma moça apareceu bem no último instante
E gritou pra aquele bando: "Esse rapaz é comerciante!"
E com muita habilidade ela desfez a confusão
E ele então deu um presente, um vestido de algodão
E ela então se apaixonou
Se aquela moça esperta não tivesse ali passado
Ou se não se apaixonasse por aquele condenado
Eu não teria bisavô, nem bisavó, nem avô, nem avó, nem pai pra casar com a minha mãe
Então eu não contaria essa história familiar
Pois eu nem existiria pra poder cantar
Nem pra tocar violão.
Ao término do vídeo o professor poderá indagar aos alunos se os conheciam (o vídeo e
a música), se gostaram, o que acharam do que viram e ouviram, entre outros. Ele
poderá acrescentar e dizer que todos têm uma história, a qual está atrelada à família na
qual nascemos. Uma vez que isto nos diz respeito é um assunto interessante de ser
explorado.
O professor solicitará que os alunos sentem-se em círculos. Feito isso, cada um deles
deverá apresentar sua história familiar à classe. Neste momento eles poderão mostrar
uma fotografia da família, se desejarem.
Mostrar a árvore genealógica da família Simpson (Fig. 3), e explicar a eles que ela
representa o histórico da família contendo todos os seus componentes: pai, mãe, avós,
irmãos, primos, tios, entre outros.
Figura 3-Árvore genealógica
Disponível em: http://itallo.files.wordpress.com/2009/01/simpsons-tree1.jpg.
Após estas explicações, propor que as crianças façam sua árvore genealógica. Uma
árvore genealógica cheia de arte – fazer a árvore com recorte e colagem de papel
colorido.
É importante o professor dizer que os alunos podem colocar nomes de pessoas próximas
que fazem o papel de pai, mãe, avó, entre outros, porquanto alguns deles podem não conhecer
os pais, ou ainda não saber dizer os nomes dos avós, por falta de contato com estes, ou por
outros motivos.
6. Produzir um álbum de textos e fotos “Minha família é assim”
No álbum, as crianças escreverão sobre a família e também pesquisarão poemas e
outros textos sobre cada membro da família.
No final do álbum, fazer uma parte chamada “Minha família é uma graça”, onde as
crianças farão caricaturas dos membros da família. Para um estudo da caricatura ver
livro A arte na sala de aula – 4º ano – pág. 66
Junto com a parte de caricaturas, fazer uma página de colagens absurdas. Livro
Educação Artística – Reviver nossa arte – 3 pág. 34
Na abertura do álbum, para apresentar o autor, realizar a atividade com a fotografia da
criança sugerida na revista Especial Projetos escolares nº 1 – pág. 26
Fazer a árvore da amizade para agregar os amigos à família – Revista Guia prático para
professores de Educação Infantil nº 105 pág. 6
7. Leitura de livros sobre o tema
“Uma história parecida com a da gente”
STRAUZS, R.A. Uma história parecida com a da gente. São Paulo: Editora Ática, 2000.
Sinopse do livro: Na história, cada bicho tem uma família diferente e a autora questiona
se esse fato se assemelha à vida em família dos seres humanos. A história compara formas de
organização familiar dos animais com as das pessoas.
• Explorar com os alunos: No que essa história se parece com a história de cada um de
nós? Quais as relações entre a história contada e os registros feitos pelos alunos?
• Fazer o reconto do livro – pode ser feito na aula de redação, por exemplo.
“Os problemas da Família Gorgonzola”.
FURNARI, E. Os problemas da família Gorgonzola. São Paulo: Global Editora, 2004.
Sinopse: O livro aborda o tema família de uma forma divertida. Na história, a família
Gorgonzola tem problemas como todo mundo, mas a diferença está no fato de que, nessa
família especial, os problemas são sujos, imundos. A autora faz um convite ao leitor para tentar
resolver tais problemas.
• Explorar a história com os alunos: Do que fala esse livro? Por que será que a família
dessa história era conhecida como “Família Gorgonzola”? Vocês identificam problemas em sua
família? Será que os problemas que vocês têm em família são como os da família Gorgonzola?
Será que seus problemas fedem, ou são sujos? Vocês acreditam que os seus problemas em
família têm solução?
ESTA ETAPA É MUITO DELICADA, POR ISSO, É NECESSÁRIO MUITO CUIDADO AO
FAZÊ-LA OU TALVEZ NÃO REALIZÁ-LA. ACHO MUITO INTERESSANTE.
a) Professora, nesse momento, sugere-se que você proponha aos alunos que,
individualmente, listem em fichas distribuídas, alguns problemas que eles identificam na sua
convivência familiar.
b) Feita essa listagem, os alunos deverão entregar as fichas à professora para que a
mesma, embaralhe-as e redistribua-as aos alunos de forma que cada um pegue uma lista de um
colega. Após essa etapa, os alunos deverão fazer a leitura e reflexão de tais problemas,
sugerindo estratégias de resolução dos mesmos aos colegas, sem necessariamente identificar o
autor da lista. Professora, faz-se importante que você percorra as carteiras dos alunos
auxiliando-os nas sugestões para que sejam pertinentes e tenham aplicabilidade.
c) Socializar tais estratégias ressaltando elementos que de fato colaborariam para a
resolução de problemas em família.
Ler e analisar com as crianças o texto “Deixe a raiva secar” do padre RÉUS – Construir
notícias nº 64 – pág. 56
8. Comparar a tela “Maternidade” de Renoir e a tela “Madona Litta” de Leonardo Da
Vince
Destacar as características do impressionismo presentes na obra de Renoir.
Montar um painel com fotografias das mães dos alunos quando estavam grávidas.
Conversar sobre o teste do pezinho que toda criança faz ao nascer e fazer o quadro a
seguir.
Como releitura da obra Maternidade de Renoir, fazer o seguinte quadro.
OBS.: Se possível, fazer um para cada criança com fotografia de cada criança. Se não,
montar com gravuras tiradas de revistas ou jornais.
9. Comemorar o Dia da Família – 15 de maio
Datas Comemorativas – “Dia da Família” - 15 de Maio
A Assembleia Geral da ONU proclamou, pela resolução nº 47/237 de 20 de setembro de
1993, o dia 15 de maio como “Dia Internacional da Família”, com o objetivo de chamar a atenção
de todo o mundo, governos, responsáveis por políticas locais e famílias, para a importância da
FAMÍLIA como núcleo vital da sociedade e para os seus direitos e responsabilidades.
Falar sobre o Dia da Família e como ele começou a ser comemorado.
Pesquisar pinturas de famílias e montar um livro com as telas impressas. Como por
exemplo esta de Tarsila do Amaral.
Conversar sobre os tipos de famílias que existem. Falar sobre os papéis e funções que
cada um tem dentro da família.
Relacione os valores que devem ser conservados dentro das famílias e reflita sobre
eles.
Fale sobre os idosos, a experiência que trazem e a herança que nos passam.
Peça às crianças que escrevam sobre cada um dos integrantes de sua família, suas
características, seus pontos positivos, o grau de parentesco, a profissão e a relação que
têm com os demais membros da família.
Peça que façam um desenho e nomeiem todos os familiares.
Oriente-os nas atividades artísticas que representem a família ou que decorem objetos
de uso coletivo da família.
Ensaiar a música “Ter uma família” para apresentar no Dia da Família. Convidar as
famílias para irem à escola para serem homenageadas.
Portarretrato, Capa de agenda ou Caixinha porta-chaves
Cada criança pode escolher fazer um ou a professora escolhe uma sugestão e
propõe aos alunos.
Materiais: cartolina branca, lápis preto, tinta guache ou plástica (plastic paint) ou tinta
acrílica (acrylic colors), pincéis, tinta dimensional preta, crystal cola de várias cores, tesoura, fita
dupla face.
Modo de fazer:
a. Corte cada cartolina em quatro partes, dê uma parte para cada criança.
b. Peça que fechem os olhos e façam linhas sobre o papel, de maneira que elas se cruzem
em vários pontos (desenho cego).
c. Pinte cada forma de uma cor com uma das tintas sugeridas na lista de materiais.
d. Faça as linhas com tinta dimensional preta (contorno das formas).
e. Faça texturas sobre a pintura com a crystal cola. Deixe secar.
Portarretrato
Sobre as laterais do portarretrato cole fita dupla face. Cole o papel trabalhado sobre ele.
Corte nas laterais.
Capa de agenda
Solte o espiral da agenda. Encape a capa da frente da agenda, utilize a fita dupla face.
Com um lápis perfure os buraquinhos onde passa o espiral. Passe o espiral unindo as capas e
as folhas da agenda.
Caixinha porta-chaves
Passe uma demão de base branca para artesanato em toda a caixinha pelo lado de fora.
Pinte a parte debaixo da caixinha com tinta nature colors ou tinta acrílica fosca.
Faça linhas sobre a tampa da caixinha de maneira que elas se interceptem. Pinte cada
forma com uma cor de tinta. Espere secar. Faça os contornos com Tinta dimensional preta. Faça
texturas com crystal color.
Família com colher de pau
Material: colher de pau, tinta PVA, pincel, EVA de várias cores, olhinhos móveis, tesoura,
lãs, fitinhas, canetas permanente (preta e vermelha), cola branca, cola para EVA e crystal cola.
Modo de fazer:
a. Pinte as colheres de pau de maneira que cada uma represente um membro da família.
b. Pinte com canetas permanentes (preta e vermelha) as sobrancelhas e boca.
c. Cole os olhinhos móveis.
d. Faça os cabelos com lã e cole com cola branca no topo da colher de pau.
e. Faça as roupinhas em Eva e cole sobre as colheres de pau.
Decore-as com crystal cola.
Família com massinhas
Material: massinhas Soft, tinta guache, acrílica ou plástica e pincéis.
Modo de fazer:
•
Modele os familiares utilizando as massinhas Soft. Preste atenção no formato do corpo
de cada familiar, nas cores dos cabelos, cor de pele, roupas que os familiares usam, etc.
Depois de duas ou três horas a massinha Soft endurece e fica esbranquiçada. Pinte os
familiares com guache, tinta plástica ou tinta acrílica.
Fazer um grande varal com a imagem abaixo. No Dia da Família, os pais escrevem um
elogio para os filhos nos balõezinhos – depois de pronto, o painel pode ser exposto no
muro de fora da escola ou no da extensão.
10. Confeccionar cartões para os membros da família (pais, avós, tios, irmãos,
primos...) independente de datas comemorativas
Ver também a sugestão de cartão no livro – Novo Eu Gosto – Arte – livro 4 pág. 31
Confeccionar um pezão de papelão para o papai – Revista Professor Sassá nº 40 pág.
11. Promover o dia de cada membro da família na escola
Ver a matéria Uma data para lá de especial” no livro de Alfabetização págs. 58 a70
Pai – jogar bola
Mãe – festival de torta na cara
Avó – dia do chá
Avô –contar histórias
Irmãos – soltar pipa ou tomar banho de mangueira
12. Confeccionar brinquedos ou jogos para serem jogados em família
EXEMPLOS:
a) DADOS DE CARINHO
Constroem-se dois dados. Em cada face de um dado escreve–se o nome de um dos
membros da família. Em cada face do segundo dado escreve-se um carinho (abraçar, fazer
cafuné, dar um beijo na bochecha, fazer massagem nos pés ...)
Cada membro da família joga os dados e realiza o carinho na pessoa sorteada.
b) CARTÕES DE ELOGIOS
As crianças farão cartões com elogios.
Os cartões ficarão em um saco. Cada pessoa tira um elogio e o faz a um dos membros da
família.
As crianças confeccionarão estes jogos e os realizarão em casa com a família.
Depois farão um relato de como foi a realização da atividade.
13. Família florida
Plantar flores juntamente com as crianças, formando uma família de vasos de plantas.
Pensei em cada vasinho pequeno ser um filho com carinha também.
Objetivos Específicos:
• Ter contato com a arte de maneira prazerosa e lúdica
• Apreciar estética e criticamente obras do artista estudado
• Conscientizar a criança da importância da família
• Conceituar família no mundo atual
• Valorizar a família
• Conhecer a própria família
• Conhecer e achegar-se mais aos membros da própria família
• Expressar sentimentos, emoções e desejos
• Identificar e refletir sobre conflitos presentes na relação familiar
• Argumentar com membros da família sobre a importância do respeito e de uma
convivência harmônica em família
• Perceber que um bom vínculo entre pessoas da família colabora com o
desenvolvimento e a aprendizagem.