Aspectos positivos e negativos da velhice

Сomentários

Transcrição

Aspectos positivos e negativos da velhice
43
Aspectos positivos e negativos da velhice
Carmen Silva
Rosane Firmo
Sônia M. M. Packness de Almeida
Resumo: Sugerimos aqui uma reflexão lúdica sobre aspectos positivos e
negativos do processo do envelhecimento, baseada no filme “O Quarteto”
(2013). Ao mesmo tempo, o texto faz pensar sobre como enfrentar esse
processo, ainda apoiado no modelo biomédico que traduz velhice como
declínio e morte, em uma sociedade que enaltece o jovem, o belo e o forte,
acarretando dúvidas, conflitos e angústia para os idosos. Nessa perspectiva,
não valorizam a vida que segue, na qual se realizariam e alcançariam objetivos
e desejos, aceitando as limitações de maneira “afinada”, como a orquestra bem
dirigida, retratada na segura direção de Dustin Hoffman.
Palavras-chave: velhice; processo de envelhecimento; filme Quarteto
A
consequência da vida é a velhice, e todos queremos uma vida longa e
de qualidade. Porque viver é tudo, e lutamos o tempo todo pela nossa
vida. No entanto, existem em cada fase encantamentos e
desencantamentos, e na velhice encontramos, na criatividade e na adaptação,
maneiras para viver satisfatória e alegremente. O lado negativo envolve a
descoberta de cabelos brancos, rugas, patologias típicas, sentimentos de
exclusão do mundo dos jovens, inutilidade e desvalorização, conforme relatos
de distintos idosos.
REVISTA PORTAL de Divulgação (São Paulo), 37, Ano IV, out. 2013. ISSN 2178-3454. www.portaldoenvelhecimento.org.br/revista
44
Apresentamos a reflexão de duas psicólogas e uma enfermeira que discutem
os aspectos positivos e negativos do processo de envelhecimento, para
contribuir com uma nova perspectiva para a Gerontologia. Como refletir sobre
as ambivalências da velhice, fase tão viva quanto qualquer outra?
Como psicólogas trabalhamos com processos emocionais, buscando identificar
os conflitos internos por meio do acolhimento das emoções que envolvem os
vínculos humanos. Na enfermagem visamos cuidar do bem-estar das pessoas,
por meio da promoção de uma vida saudável no que diz respeito a saúde,
informações socioeducativas, orientações para prevenção de doenças,
limitações e incapacidades. Cuidar com desvelo, zelo, atenção e bom trato.
Assim, a atuação da enfermagem seria entendida como atitude constante de
ocupação, preocupação, responsabilidade e envolvimento com o semelhante.
Somem-se os valores de solidariedade, respeito, afeto e compaixão
encontrados na dinâmica terapêutica do profissional com o idoso e familiares.
Aprender que ser velho é experiência longa, complexa e
dolorosa. A cada década, o círculo da Grande Fadiga se
estreita em torno de nós, restringindo a intensidade e
duração de nossas atividades. (HAREVEN apud G.
STANLEY HALL, 1999:13)
Atender às necessidades básicas e promover o bem-estar do idoso e de seus
familiares, apoiando-os nas decisões, ajudando-os a aceitar as alterações
físicas advindas de doenças próprias da idade, é a prática profissional
esperada.
A Psicologia tem papel importante no processo do envelhecer, pois oferece sua
compreensão emocional, enfatizando a valorização dos vínculos afetivos
familiares como base segura para lidar com questões de depressão e
insegurança. É muito importante como apoio nas instituições; em processos
psicoterápicos individuais; na elaboração de projetos multidisciplinares; na
implementação de estatutos e de normas sociais, levando-se em conta os
aspectos emocionais limitadores e operacionais dessa fase da vida; em
psicoterapia de grupo ou de família e em projetos de sensibilização e
conscientização, dirigidos aos profissionais de diversas áreas.
No convívio profissional observamos, com frequência, pessoas de todas as
idades usarem a palavra “velho” como sinônimo de morte. Mas ao refletir sobre
os estudos e observar a realidade, sob o olhar da Gerontologia Social,
constatamos que existem infinitos renascimentos. É uma nova etapa de vida,
repleta de possibilidades: estudar e trabalhar, paquerar e namorar, viajar e
aproveitar o muito que a vida tem a oferecer. Por que não? Assim os indivíduos
vivem a velhice como fase de interesses, desejos renovados e adaptados. Eles
aprendem e ensinam os conceitos de uma vida prolongada. E nós?
Aprendemos e ensinamos como devem se cuidar e como devem manter a sua
autonomia, que se perde gradualmente, vendo a dependência como natural no
processo de envelhecimento.
REVISTA PORTAL de Divulgação (São Paulo), 37, Ano IV, out. 2013. ISSN 2178-3454. www.portaldoenvelhecimento.org.br/revista
45
O envelhecer, para diversas pessoas, é processo doloroso e muito complexo,
pois demanda transformações nos aspectos psicológico, biológico e social.
Observa-se que a maioria das pessoas não percebe que está envelhecendo e,
se percebe, não fala sobre as mudanças. Os estudos e a literatura
especializada afirmam que, por um lado, o envelhecimento seria acompanhado
de acúmulo de experiências, gerando maior criatividade para lidar com as
condições da vida. Por outro lado, indicam declínio significativo nas
habilidades, que levaria a incapacidades físicas e cognitivas.
Alguns autores analisam, nos registros de dados, pesquisas desenvolvidas
com pessoas a partir dos 30 anos de idade, demonstrando ser essa a idade de
maior criatividade, o que foi contraposto com a idade avançada, quando as
pessoas vivenciam o início do declínio nas habilidades.
Mas como envelhecer criativamente?
Inicialmente, na tentativa de entender um pouco mais a palavra “criatividade”,
salientamos que acreditávamos que significasse apenas a possibilidade de o
individuo realizar atividades diferentes, inovadoras, como o próprio dicionário
descreve. Mas após lermos a respeito do assunto, percebemos que alguns
autores abordam a criatividade na perspectiva global, isto é, de maneira ampla,
o que nos ajudou a aprofundar a compreensão do tema.
O conceito de criatividade se transformou historicamente; foi considerada
divina e concedida apenas a alguns mortais, até ser associada, em outras
épocas, ao conceito de loucura. Porém, na década de 1980 houve novas
pesquisas. Segundo Wechsler (1998), a criatividade é conceito abrangente,
“entendida como o resultado da interação entre processos cognitivos,
características de personalidade, variáveis ambientais e elementos
inconscientes”. As pesquisas evidenciariam, portanto, resultados de maior nível
de criatividade em pessoas velhas no gerenciar a vida cotidiana, com qualidade
e de acordo com suas possibilidades.
Conclui-se, em geral, que os idosos são criativos para
solucionar
problemas
decorrentes
do
cotidiano,
adaptando-se a situações diversas, tudo em um bom
enfrentamento dessa fase chamada velhice (BRAGA;
HORIOKA; FERREIRA, 2010:3).
A criatividade depende de vários fatores que influenciam o contexto no qual o
indivíduo está inserido: familiar, social e educacional, aliados à personalidade e
elementos cognitivos.
Provavelmente por isso, ao assistirmos ao filme “O Quarteto” nos sentimos
provocadas a debater os aspectos positivos e negativos da velhice, e
motivadas a repensar as questões surgidas no processo de envelhecimento e
seus resultados.
REVISTA PORTAL de Divulgação (São Paulo), 37, Ano IV, out. 2013. ISSN 2178-3454. www.portaldoenvelhecimento.org.br/revista
46
A partir do filme refletimos sobre a velhice como idade avançada na
sofisticação e aprimoramento de vida, traduzindo muito bem o que observamos
e sentimos diante da tela, porque ela pode ser leve e divertida como qualquer
outra fase da vida, se valorizadas a alegria e a criatividade.
O filme “O Quarteto” apresenta um grupo de
idosos aposentados como artistas eruditos,
vivendo em uma casa de repouso, cada um
retratando as inconveniências provocadas pela
idade, como Alzheimer, esquecimentos da
senilidade, estremecimentos de partes do corpo,
dores nas articulações, dificuldade de audição,
dificuldades de concentração, de locomoção,
entre outras fragilidades típicas.
A desenvoltura com que aquele grupo lida com
aspectos limitadores nos intrigou, especialmente
por não enfatizar os transtornos de saúde; ao
contrário, fazer deles um motivo de cuidado em
tom de brincadeira, deixando sobressair o lado
mais leve da vida.
No filme, um grupo de cantores líricos e instrumentistas se prepara para uma
apresentação musical para o público influente da cidade, com a intenção de
angariar fundos para a manutenção da instituição onde moravam. E um
detalhe: conseguir a permanência dos mesmos profissionais, valiosos para
eles, pois já havia se formado vínculo afetivo importante e terapêutico.
Percebemos no filme uma orquestra bem afinada no dia a dia das relações
interpessoais - fator muito importante e que deveria servir de exemplo para
pessoas que trabalham ou lidam com idosos. Descrevem-se as relações
interpessoais como baseadas na cooperação, compreensão, reconhecimento e
ajuda mútua, o que auxiliaria a elevação da autoestima do grupo de indivíduos
velhos e atuantes.
Dentre os personagens destacou-se um diretor respeitado, irônico e divertido,
para organizar os números das apresentações e as atividades cotidianas dos
ensaios. Ele dirigia os velhos com ternura e certa rigidez, e todos percebiam e
entendiam como atitude de cuidado, salientando e considerando no
acolhimento as características e dificuldades peculiares de cada membro do
grupo, levando em consideração alguns tropeços, porém fazendo com que
todos se mantivessem incorporados em alta escala de valores e de respeito
com os demais. Todos se alegravam ao mesmo tempo em que se dedicavam a
cada número a ser apresentado.
O filme retrata situações lúdicas e reais, que podem e devem acontecer na
convivência e no trabalho com os velhos. Ele nos ensina que há muita vida
para se viver e, como uma orquestra, todos, em cada fase de vida, tem tons,
sons, afinações, instrumentos e lugares definidos. Todos são importantes, e o
REVISTA PORTAL de Divulgação (São Paulo), 37, Ano IV, out. 2013. ISSN 2178-3454. www.portaldoenvelhecimento.org.br/revista
47
maior descuido é pensarmos que algo está no fim quando todo dia é um
recomeço, cada hora pode ser marcante e durar uma eternidade. É possível
ser feliz, ampliar o bom, abrir um largo sorriso e trocar um abraço em qualquer
idade.
Quando refletimos sobre o processo de envelhecimento nos deparamos com
um aspecto complexo, no qual se insere a dificuldade de o velho se reconhecer
e compreender, apoiados nos estudos de MERCADANTE et al (2005).
Ao pensar nesses pontos nos deparamos com dúvidas em relação ao
enfrentamento das dificuldades próprias dessa fase, pois poderia causar
angústia o fato de pensar nas intercorrências desse processo, nos remetendo a
sentimentos profundos.
Mas, surpresa, saímos do cinema motivadas. Esse momento foi muito bem
ilustrado no filme, quando a atriz principal, Maggi, descobre que seus afetos e
desafetos partilharão o mesmo espaço na casa de repouso, e todas as
recordações do passado vêm à tona, lembrando-se do sucesso que fez como
cantora, o poder que tinha seu nome no passado, e a angústia de que já não
se sentia como tal, e enfrentar o seu antigo amor, com lembranças dolorosas e
alegres.
Sentimo-nos motivadas a fazer o quê?
Engajar-nos em movimentos sociais, que promovam maior consciência da
sociedade com a velhice, atender às necessidades de saúde; maior número de
instituições especializadas; cuidados profissionais especializados; valorização;
inserção social; afeto e reconhecimento pelas experiências, expandindo o
respeito pela pessoa de idade avançada. Em outros termos:
[...] alguma coisa complexa indica dificuldade e uma não
explicação ...não há uma resposta simples a ser buscada
e, nem tampouco, um conceito chave, ‘que abra as
portas’, que consiga analisar as situações psíquica,
existencial, social, econômica e política. (MERCADANTE
et al, 2005: 23).
Questionar os valores da aposentadoria e as leis de estacionamento para
carros dos idosos, gratuidade nos transportes públicos, direito à meia-entrada
em cinemas e shows, enfim, percebemos ser pouco o que se faz, pois são
esses aspectos de modos de cuidar dos velhos no Brasil, na perspectiva social.
Acreditamos que as pessoas de idade avançada estão no topo das
experiências de vida e aprimoradas no entendimento sobre os relacionamentos
humanos, profissionais, sociais, e elas mantêm vivos na memória os detalhes e
crenças das histórias da família, prontas a serem ouvidas e valorizadas.
REVISTA PORTAL de Divulgação (São Paulo), 37, Ano IV, out. 2013. ISSN 2178-3454. www.portaldoenvelhecimento.org.br/revista
48
No entanto, frequentemente um grande número perde o carinho e a atenção
dos entes queridos, por falta de tempo - na correria em cumprir os
compromissos diários. O tempo está passando, mas ainda não está perdido.
De qualquer forma, é imprescindível dar voz a essas pessoas cheias de vida,
cheias de graça, apesar das limitações. Há muito a oferecer, especialmente em
termos de troca afetiva, tão importante para a nossa sobrevivência emocional,
no mundo cada vez mais voraz, instantâneo, indigesto e competitivo.
O mundo atual sofre transformação nas comunicações, com avanços
importantes e cotidianos na tecnologia, em parte da nossa vida diária,
mudanças que geram insegurança aos velhos, realidade que não fazia parte da
rotina, como atualmente. Vários idosos se encantam, sentem curiosidade, se
envolvem e aprendem a lidar com os aparelhos modernos de comunicação,
veículo importante para renovar as capacidades cognitivas, cativar, manter e
renovar vínculos entre pessoas distantes ou afastadas pelo tempo. Mas outros
resistem ou, simplesmente, não se interessam.
Conforme Mercadante (2005), o processo do envelhecimento e a velhice são
vividos de modos diversos, próprios a cada indivíduo. O comportamento, nessa
fase, depende de um conjunto de fatores: como
o idoso se vê; como está inserido na família,
comunidade e/ou sociedade. No filme, pessoas
com comportamentos diferentes enfrentam a
mesma fase da vida, alguns com bom humor,
outros criativamente, ou amarguradamente,
demonstrando descontentamento em todas as
ações dos companheiros.
A sociedade brasileira envelhece e convive com o fenômeno da crescente
longevidade. Quem de nós estará amanhã ocupando o lugar daquele que não
é valorizado, que está esquecido pela família, pelas instituições? Ou protegido
por uma consciência social de promoção e regulamentação de leis que
garantam condições do velho, de fato?
Mas o que é velhice?
O dicionário explica que é o estado ou a condição de velho e Mercadante
(2005) diz que essa palavra é entendida segundo conceitos diferentes, de
acordo com cada profissional. A classe médica responderá como fenômeno
biológico que remete ao declínio, pois aborda aspectos físicos e mentais,
resultando na morte.
Assim, temos na literatura da área médica geriátrica o
entendimento da velhice como fenômeno biológico
apontado como gerador de declínio irreversível, tanto
físico quanto mental do indivíduo, como consequência da
passagem do tempo (MERCADANTE et al. 2005: 24).
REVISTA PORTAL de Divulgação (São Paulo), 37, Ano IV, out. 2013. ISSN 2178-3454. www.portaldoenvelhecimento.org.br/revista
49
Ao refletir sobre a “idade social”, constatamos tratar-se de conceito relativo,
que varia conforme o contexto cultural que se está analisando:
Ao tentar entender as condições sociais que afetam a
idade adulta e a velhice, é importante perceber que as
definições do envelhecimento, bem como as condições e
funções sociais de cada grupo de idade, não só mudam
significativamente ao longo do tempo, mas também
variam entre diferentes culturas. (HAREVEN, 1999: 17)
Segundo Hareven (1999), em meados do século XIX a sociedade norteamericana aceitou a velhice naturalmente caracterizada como declínio, redução
gradativa e consequente desaparecimento, diferentemente de tempos
anteriores, em que o “velho” manifestava a sua força.
Do ponto de vista físico, salientamos que as transformações do corpo no
processo do envelhecimento têm impacto importante - o velho tem a visão do
seu corpo modificado por linhas de expressão no rosto, a descoberta dos
cabelos brancos, deparando-se com a necessidade de trabalhar o seu mundo
interior para se adaptar a mudanças que resultam na desconstrução do jovem
belo – processo vivido de maneira peculiar pelos indivíduos.
No filme “O Quarteto”, este ponto é ilustrado quando a atriz Maggi
se olha no espelho e analisa seu rosto velho; há algumas rugas e
ela se lembra de como era bonita quando jovem. No filme ou na
vida real há a tentativa de se inovar diante do espelho quebrado.
Porém, distintas pessoas não conseguem e se ressentem, não
aceitando as inevitáveis modificações do corpo.
O envelhecimento é visto pelo conjunto da sociedade
como um tabu, como algo desagradável e que, portanto,
deve ser negado. Lidar com as questões da velhice e do
envelhecer, tanto nosso quanto do outro, requer uma
abertura especial. Temos que ter a compreensão do
envelhecimento como uma totalidade que não é simples e
nem
tampouco
abstrata
(CÔRTE;
ARCURI;
MERCADANTE, 2005: 40).
Pesquisa com mulheres de 67 a 77 anos, na qual foi sugerido um desenho
conjunto, teve como resultado o desenho de uma mulher jovem. Fato que
sugere a juventude como ainda fortemente internalizada por essas mulheres, e
nos faz perceber a importância social da identidade corporal, com padrão de
beleza imposto pela sociedade, e tão facilmente incorporado por nós (ARCURI
et al. 2005).
Envelhecer significa a perda da identidade corporal, o que leva diversas
mulheres ao autoengano em clínicas estéticas, na tentativa de manipular os
sinais de envelhecimento, como último recurso para se sentirem inseridas
REVISTA PORTAL de Divulgação (São Paulo), 37, Ano IV, out. 2013. ISSN 2178-3454. www.portaldoenvelhecimento.org.br/revista
50
socialmente. Significa a dificuldade de trabalhar naturalmente com as perdas
da juventude, negando o envelhecer e postergando o momento da reflexão.
Cada grupo social lida diferentemente com o envelhecimento:
O corpo burguês é bonito, bem cuidado, recebe todo tipo
de cuidado, tanto mais quanto mais próximo à velhice. [...]
o corpo burguês é “produzido”, termo que já passou à
gíria entre os jovens dessa classe. (RODRIGUES,
SOARES, 2006 apud BARRETO, 1992: 22).1
No grupo social, com menor condição financeira, que não pode arcar com a
produção do corpo bonito e sofre influência por meio da mídia, o conflito é
ainda maior, pois se torna impossível corresponder ao padrão de beleza
socialmente imposto. Em alguns casos, pessoas idosas, de qualquer classe
social, podem desenvolver a síndrome denominada Gerontofobia.2
Precisamos preparar a sociedade para entender o
novo sentido da vida, possível na velhice; ensinar
como ser útil, receptivo, sensível, sem pieguice,
com todo o respeito que o velho merece. Basta se
permitir fazer troca. É preciso trabalhar para
aprimorar e ampliar a escuta especializada,
sensibilizar e humanizar os profissionais de
diferentes áreas, aproximando-os dos pacientes
velhos e frágeis, mas fortes em seus afetos.
É difícil perceber as múltiplas perdas: agilidade, mobilidade corporal; pessoas
queridas; sentimento de pertença e utilidade; consideração e respeito das
pessoas próximas, profissionais e órgãos sociais. Perdas que levariam a
indiferença, desligamento da realidade, pensamentos confusos e depreciáveis
a respeito de si próprio. Utilizando, em diversas ocasiões, como último recurso
para chamar a atenção, os queixumes que, ao invés de comover, cativar e
estreitar laços afastam as pessoas mais importantes em um momento tão
especial e delicado da existência humana.
Concluímos ser essencial um projeto que insira funcionalmente a pessoa idosa
na alegria, diversões, relações afetivas, no sorriso e no abraço, compreensão e
acolhimento, e na dignidade de se viver em um país
que tem os olhos no presente, pensando no futuro,
mas que reconheça o valor do passado, pois é sobre
ele que se fundamentam as bases imprescindíveis
para a continuidade dos valores morais que
implantam e implementam o caráter do indivíduo e
sua atuação no meio familiar e social.
1
Aspas da autora.
“aversão a medo patológico de pessoas idosas ou do processo de envelhecimento”.
Disponível em: http://www.priberam.pt/dlpo/.
2
REVISTA PORTAL de Divulgação (São Paulo), 37, Ano IV, out. 2013. ISSN 2178-3454. www.portaldoenvelhecimento.org.br/revista
51
Referências
BRAGA, A. S.; HORIOKA C.; FERREIRA, A. A. Criatividade na Velhice. (2010)
Disponível
em
http://www.umc.br/_img/_diversos/pesquisa/pibic_pvic/XIV_congresso/Arquivos
/Alessandra%20dos%20Santos%20Braga.pdf>. Acesso em: 12 abr. 2013.
CORTE, B; MERCADANTE E. F.; ARCURI, I. G. (organizadoras)
Velhice/Envelhecimento Complex(idade). (2005) São Paulo: Vetor PsicoPedagógica Ltda.
HAREVEN, T. K. Novas Imagens do Envelhecimento e a Construção Social do
Curso
da
Vida.
(1999)
Disponível
em:
<http://www.ifch.unicamp.br/pagu/sites/www.ifch.unicamp.br.pagu/files/n13a02.
pdf>. Acesso em: 14 abr. 2013.
O Quarteto: Direção: Dustin Hoffman; 98 minutos; Inglaterra /2012
http://vejasp.abril.com.br/atracao/o-quarteto
RODRIGUES, L. S; SOARES, G. A. (2006) Velho, idoso e terceira idade na
sociedade contemporânea, Revista Agora. Vitória, n. 4, p. 1-29.
Dicionário
Priberam
da
Língua
Portuguesa.
Disponível
em:
<http://www.priberam.pt/dlpo/>. Acesso em: 28 abr. 2013.
WESCHSLER, S. M. Avaliação multidimensional da criatividade: uma realidade
necessária (1998). In Psicologia Escolar e Educacional. Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S14135571998000200003&script=sci_artt
ext&tlng=pt>. Acesso em: 22 abr. 2013.
Data de recebimento: 25/05/2013; Data de aceite: 26/07/2013.
_______________
Carmen Cordeiro da Silva – Psicóloga clínica, acompanhamento terapêutico
(UNIP), discente no curso de Gerontologia lato sensu (Cogeae/PUC-SP).
Email: [email protected]
Rosane Moura Albino Firmo – Enfermeira, consultora técnica de materiais
médicos e hospitalares, discente do curso de Gerontologia lato sensu
(Cogeae/PUC). Email: [email protected]
Sônia Maria de Macedo Packness de Almeida – Psicóloga clínica (Unifapa),
especialização em Psicanálise (Unifesp), Psicopedagoga (lato sensu Universidade São Marcos), formação em Letras (Unifai). Discente do curso de
Gerontologia lato sensu (Cogeae/PUC-SP), voluntária em psicoterapia
individual no Centro de Convivência de Idosos Viva Vida (Ipiranga/SP). Email:
[email protected]
REVISTA PORTAL de Divulgação (São Paulo), 37, Ano IV, out. 2013. ISSN 2178-3454. www.portaldoenvelhecimento.org.br/revista

Documentos relacionados

A Psicologia das derradeiras fases da vida

A Psicologia das derradeiras fases da vida do nascimento à morte. Essa construção é sempre forjada pela interação do biológico, do psíquico e do social. Palavras-chave: velhice; Psicologia; identidades

Leia mais

Demorei muito para te encontrar

Demorei muito para te encontrar que se chama “Demorei muito para te encontrar”. Adotei essa música como a melodia do que a Gerontologia é na minha vida profissional e pessoal: “Eu quero só você, eu quero só você. Tava cansado de ...

Leia mais

4. o papel da mídia na construção social da velhice

4. o papel da mídia na construção social da velhice produto, o anúncio passa uma mensagem subjetiva de qualidade de vida. Propõe ainda que através do consumo do produto, o idoso estará tendo uma vida com mais vigor e saúde, substituindoa imagem de u...

Leia mais

“Hoppípolla” e as novas imagens do envelhecimento

“Hoppípolla” e as novas imagens do envelhecimento estudos de diversos setores (bem como de legislação e demarcação dentro da sociedade e do mercado), a velhice se tornou proeminente como outra fase, distinguindo-se suas necessidades daquelas da me...

Leia mais

Shangri-la- Uma proposta para hoje?

Shangri-la- Uma proposta para hoje? passageiros da aeronave sequestrada, deixado por uma idosa em um dos hospitais da China, e encontrado por Rutherford. A carta começa contextualizando a situação da cidade de Baskul. Quatro civis, ...

Leia mais

Aspectos Biopsicossociais da velhice

Aspectos Biopsicossociais da velhice que ocorrem ao longo do tempo em organismos multicelulares. Estas alterações acontecem nas moléculas e nas células que acabam por prejudicar o funcionamento dos órgãos e do organismo em geral. A fo...

Leia mais