Mercado suporta novos aumentos

Сomentários

Transcrição

Mercado suporta novos aumentos
Terça-feira 7
maio de 2013
A Assecob doou 62 computadores ao setor de aprovação
de obras da Prefeitura de Santos. O presidente da
entidade, Luiz Paiva dos Reis, e o prefeito Paulo
Alexandre Barbosa assinaram a parceria durante o Ficon.
C-1
A TRIBUNA
www.atribuna.com.br
[email protected]
Economia
Mercado suporta novos aumentos
Na abertura do 3o Ficon, evento de A Tribuna, economista Ricardo Amorim diz que imóveis de Santos têm preços de nível médio
FOTOS CARLOS NOGUEIRA
MARCELO SANTOS
DA REDAÇÃO
Apesar da
percepção
do santista
de que os
preços dos
imóveis estão muito altos, o mercado ainda suportará novos aumentos, mesmo que a um ritmo menor do que verificado
nos anos anteriores. Já o Brasil
não está livre de enfrentar o
estouro da bolha imobiliária,
embora a probabilidade disso
ocorrer ainda seja pequena.
A análise é do economista
RicardoAmorim, um dos debatedores do programa Manhattan Connection, da Globonews, que abriu o 3o Ficon –
Fórum da Indústria da Construção de Santos e Região no
Mendes Convention Center.
O Ficon é um evento do Sistema A Tribuna de Comunicação,
com realização da Una Eventos.
“Comparei os preços de 385
cidades no mundo, sendo 12 do
Brasil, e Santos é uma delas.
Brasília é a décima mais cara
do mundo e Fortaleza e Campinas estão entre as mais baratas.
Mas Santos está no meio do
bolo (por volta da 185a posição). Aqui o preço ainda é de
nível médio”, afirma ele.
Em meio aos nove anos em
que morou nos Estados Unidos (ele já regressou ao Brasil),
Amorim conviveu com a bolha
imobiliária que estourou nos
EUA em 2007 e foi acompanhada da crise financeira de
2008 que acabou por contaminar a economia dos países ricos, inclusive Europa e Japão.
A bolha é a queda brusca dos
preços quando o mercado percebe que eles estão irreais. Nesta hora, ninguém compra apostando num valor menor ainda.
De acordo com ele, que estudou 40 bolhas imobiliárias pelo
mundo, na média elas ocorrem
quando o consumo local é de
400 quilos per capita de cimento por ano. No Brasil, está em
361 quilos. Porém, a Coreia do
Sul teve a sua com 1.600 quilos.
A China já atingiu esse patamar
e não “explodiu”. Portanto, não
hágarantiasdebolhanoBrasil.
O outro estudo de Amorim é
de que nas bolhas a relação do
crédito imobiliário sobre o PIB
é de 50%. No Brasil, a proporção atual é de apenas 7%.
“Por esse critério, uma bolha
levaria 30 anos para acontecer
no Brasil”, diz o economista.
Em resumo, o santista não deve apostar em uma queda de
preços tão cedo.
ParaoPaís,Amorimtemdúvidasde que o crescimento da eco-
Parceiros
O 3o Ficon tem o patrocínio da
Besmon Empreendimentos
Imobiliários, Ecovias, Crego
Painceira Construtora, Família
Capital, Franz, Odebrecht
Realizações Imobiliárias (OR),
Grupo Macuco, Grupo Mendes,
Icipar-Grupo Sonda, L. Lopes
Participações, WDS, SRW
Engenharia, Terracom e Vértice.
O evento tem o apoio da
Associação dos Empresários da
Construção Civil da Baixada
Santista (Assecob), Caixa
Econômica Federal, Prefeitura de
Guarujá, Prefeitura de Santos,
Serviço Social da Construção Civil
do Estado (Seconci), Sindicato da
Indústria da Construção Civil do
Estado (Sinduscon) e Sindicato da
Habitação (Secovi), além da
colaboração da Associação das
Pequenas e Médias Empresas da
Construção Civil do Estado
(Apemec) e Sindicato da Indústria
da Construção Pesada do Estado
(Sinicesp).
Marcos Clemente Santini abre o 3o Ficon: viagem a Chicago mostra importância da sustentabilidade e do planejamento urbano para as cidades
Confira a programação
nomia será maior do que 3%,
comopreveemboapartedomercadoeoGoverno.Maseleaposta
em uma era de prosperidade,
porque China e Índia vão precisar de muitas matérias-primas e
alimentos para os milhares de
habitantesquevãomigrarparaa
classemédianospróximosanos.
Porém, ele destaca a necessidade de modernização da economia para que o País se torne
mais competitivo para poder
disputar mercado com os países ricos, que reduzirão seus
custos violentamente para sobreviverem aos emergentes.
CHICAGO
Amorim, que visitou Chicago
quando morou nos EUA, conta
que o país não tem mais as
maiores torres do mundo –
elas estão na Ásia. Porém, foram todas criadas por arquitetos de Chicago.
A cidade foi lembrada por ele
por ter sido destino da comitiva de empresários da construção e autoridades organizada
pelo Ficon. O objetivo foi conhecer o planejamento urbano
de Chicago, que tem arranhacéus gigantescos há décadas,
utiliza o subterrâneo para desafogar o trânsito e mantém qualidade de vida invejável até para padrões americanos.
O prefeito de Santos, Paulo
Alexandre Barbosa, o deputado
federal Beto Mansur, e o presidentedaAssociaçãodosEmpre-
Amorim: Brasil precisa modernizar economia para ficar competitivo
sários da Construção (Assecob),
LuizPaiva Reis, que integraram
a comitiva, comentaram na
aberturadoFiconsobreaimportânciadavisitaaChicago.
Mansur, por exemplo, diz
que é preciso alterar a legislação para dar segurança ao investidor, além de se voltar à
defesa do meio ambiente.
“Essa viagem a Chicago foi
reveladora na parte da mobilidade e da sustentabilidade, são
exemplos que devemos seguir
mas de forma adaptada à nossa
região”, conclui Reis.
Hoje
8h30 – Credenciamento
9h30 – Palestra Internacional: As
Soluções Urbanas e Arquitetônicas de
Chicago
Palestrante: Benet Haller, diretor de
Design Urbano e Planejamento da
Secretaria de Habitação e
Desenvolvimento Econômico do
Município de Chicago; Philip Castillo,
arquiteto de Chicago
Debatedores: Franco Pasquali (Franz
Construtora) e Ramon Crego (Crego
Painceira). Moderador: Tony Lamers
11 horas – Painel: Indústria ImobiliáriaPanorama Atual e Perspectivas para os
Próximos Anos
Expositores: Celso Petrucci
(Secovi) e Ana Maria Castelo (Sinduscon
e FGV-Ibre; Moderador: Alcindo
Gonçalves ( IPAT).
Debatedores: Renato Monteiro
(Besmon), Ricardo Beschizza
(Sinduscon), Luiz Paiva dos Reis
(Assecob).
14 horas – Palestra: Marketing
Estratégico: Como realizar um
Marketing Revolucionário e de Alto
Impacto na Indústria da Construção
Palestrante: Tom Coelho, educador
Debatedores: Sidney Soares Filho
(Caixa Econômica Federal), Wilson
Roberto da Silva (SRW), Daniel Sibinelli
(WDS). Moderador: Marcio Delfim (A
Tribuna)
15 horas – Palestra: Cidades
Sustentáveis — Cidades Inteligentes
Palestrante: Carlos Leite, urbanista
Debatedores: José Carlos Cassaniga
(Ecovias). Moderador: Eduardo Silva (TV
Tribuna)
16h15 – Palestra: Cidades Inteligentes –
Soluções Modernas
Palestrante: Sílvio Magalhães
Barros(ex-prefeito de Maringá/PR)
Debatedores: André Ursini (Icipar), José
da Costa Teixeira (Macuco Construtora).
Moderador: Carlos Conde (A Tribuna)
17h15 – Mesa-redonda: O que esperar
de cada Cidade em Relação ao Boom
Imobiliário Metropolitano que vivemos
Com os prefeitos Paulo Barbosa
(Santos), Luis Cláudio Bili (São Vicente),
Antonieta de Brito (Guarujá), Márcia
Rosa (Cubatão), Alberto Mourão (Praia
Grande), José Mauro Orlandini
(Bertioga), Marco Aurélio Gomes dos
Santos (Itanhaém), Artur Parada
Prócida (Mongaguá), Ana Preto
(Peruíbe). Moderador: Eduardo Silva (TV
Tribuna).
18h30 – Encerramento
Após crescimento, hora de planejar
❚❚❚ Após anos de forte crescimento da construção, o Ficon
debate a necessidade de planejarascidades.“Chicagodesenvolveu estilo arquitetônico próprio
com soluções inovadoras”, diz o
diretor-presidente de A Tribuna,MarcosClementeSantini.
O diretor-presidente da TV
Tribuna, Roberto Clemente
Santini, lembra que a viagem
uniu os construtores. “Os grandes empresários estão aqui reunidos para discutir experiências e também oportunidades.
A abertura do Ficon contou
com a presença das diretoras
de Marketing, Renata Santini
Cypriano, e de Circulação, Flávia Clemente Santini. Ainda
participaram os prefeitos Marcia Rosa (Cubatão) e Luís Claú-
dio Bili (São Vicente), diretor-regional da CDHU, Luiz
Carlos Rachid, diretor da
Unip, Edson Monteiro, deputados estaduais Luciano
Batista e Telma de Souza,
reitores Nelson Teixeira
(Unilus) e Ozires Silva (Unimonte), e o presidente do
Sinduscon, Sérgio Watanabe, entre muitos convidados.
doras. Com a falta de espaço e o
alto custo dos imóveis, a prefeituraviabilizou a construção deprédiosimensos.
A percepção que se tem é que
tantas torres poderiam gerar
um caos urbano na cidade,
mas os gestores de Chicago pensaram na solução para isso. No
Centro da cidade, o subterrâneo é cortado por avenidas que
abrigam estacionamentos e
bolsões para descarte de lixo,
onde também são feitos o embarque e desembarque de insumos para os prédios.
Porúltimo, Chicago está focada na construção sustentável,
com telhados verdes no topo
dos edifícios e materiais que
reduzem o uso de energia.
Hoje, iremos acompanhar debates sobre como essas medidas
poderiam impactar de forma po-
sitiva a nossa região. Teremos,
inclusive,umapalestrainternacional com o diretor de Design
Urbano e Planejamento da Secretaria de Habitação e DesenvolvimentoEconômicodacidadedeChicago,sr.BenetHaller.
Estamos certos de que mais
uma vez o Sistema A Tribuna de
ComunicaçãodáumaimportantecolaboraçãoparaodesenvolvimentodaBaixadaSantista.
Opinião POR MARCOS CLEMENTE SANTINI, DIRETOR-PRESIDENTE DE A TRIBUNA
Ficon focado na sustentabilidade
❚❚❚ O Sistema A Tribuna de
Comunicação comemora mais
uma edição do Ficon – Fórum
da Indústria da Construção de
Santos e Região.
Depois de discutirmos temas como o novo Plano Diretor (em 2011) e a capacitação
de mão de obra (no ano passado), o Ficon deste ano direciona suas atenções para a sustentabilidade.
A exemplo das edições anteriores, onde visitamos Barcelona e a Cidade do Panamá, uma
comitiva de empresários da
construção civil e autoridades
da região foi conhecer, há 15
dias, a realidade da cidade de
Chicago, nos Estados Unidos.
Destruída por um grande incêndio no ano de 1871, Chicago
desenvolveu um estilo arquitetônico próprio com soluções inova-