migração de aplicações de escritório para o contexto do software

Сomentários

Transcrição

migração de aplicações de escritório para o contexto do software
MIGRAÇÃO DE APLICAÇÕES DE ESCRITÓRIO PARA O CONTEXTO DO
SOFTWARE LIVRE: MOTIVAÇÕES E OBSTÁCULOS
André Luiz Turetta (G-UEM)
Álvaro José Periotto (UEM)
Resumo: O presente trabalho tem seu foco voltado para a dinâmica do software livre, recente fenômeno do
cenário econômico e social, impactante tal qual a Web e que desperta preocupações quanto à migração de
produtos licenciados para equivalentes deste novo paradigma. Um levantamento de dados empíricos realizado
em uma IES decidida pela adoção dessa tecnologia, detectou em período prévio ao aculturamento, a especial
preocupação dos usuários finais quanto a aplicações cotidianas, próprias de escritórios. Diante disso, realizou-se
um trabalho experimental com implementações realizadas com um pacote de software livre, visando analisar
criticamente a migração de aplicações que se reproduzem também nos setores empresariais. Do material gerado,
destacam-se as limitações e potencialidades dos recursos, mas principalmente as motivações inerentes à proposta
e os obstáculos do processo de transição.
Palavras-Chave: Cultura Organizacional – Sistemas de Informações Empresariais - Aplicações com Software
Livre
Introdução
Em 1946, quando o primeiro computador - ENIAC (Electronic Numerical Integrator
and Computer) – entrou em operação, realizando 5000 somas por segundo, o fato não
conseguiu despertar o interesse do setor empresarial por um motivo simples: a programação
era realizada por hardware.
Algumas gerações mais tarde, quando os mainframes já eram realidade para muitas
empresas, em 1981 a IBM lançou no mercado um modelo que rapidamente tornaria popular a
vertente dos PCs - Personal Computers, padrão que incluía o sistema operacional MS-DOS
da Microsoft. Contudo, as aplicações empresariais somente ganharam fôlego quando a
Microsoft publicou, em 1985, a primeira versão do Windows, uma interface gráfica operada
através de mouse, fácil de usar e com suporte a multitarefas (TRUCOS PARA WINDOWS,
2006).
2
Como resultado desta evolução, viu-se as aplicações da informática avançarem dentro
das organizações, ampliando seu foco e consolidando-se como ferramenta de manipulação de
dados e informações de apoio à gestão. Assim, o processamento de dados da década de 70,
utilizado nas escriturações contábeis tradicionais avançou para sistemas de informações que
emitiam relatórios resultantes de sínteses e cruzamentos que caracterizavam a informação e
não apenas listagem de dados (STAIR e REYNOLDS, 2002). Já na década de 80, os sistemas
de informação passaram a apoiar de fato à decisão, colaborando no tocante à apresentação de
informações e cenários críticos, alertas, planejamento, acompanhamento de projeto e gestão
do pessoal (cartão-ponto). Entrando nos anos 90, os sistemas de informações consolidaram
seu papel estratégico e, conforme O´Brien (2001, p.28), “a tecnologia da informação se torna
um componente integrante dos seus processos, produtos e serviços, que ajudam a empresa a
conquistar vantagem competitiva no mercado globalizado”.
Atualmente a Tecnologia da Informação (TI), democratizou-se a ponto de transformarse num meio de acesso à informação pelo público externo, constituindo-se uma ferramenta
vital no sentido de promover a vantagem competitiva pela especialização de sistemas,
integração dos subsistemas e difusão em intranets, extranets e a rede mundial Internet.
Recorrendo mais uma vez a O´Brien (2001, p.28), tem-se que as ligações em rede estão
“revolucionando a computação para o usuário final, empresa e entre organizações, as
comunicações e a colaboração que apóiam as operações empresariais e a administração de
empreendimentos bem sucedidos”.
Neste cenário de evolução tecnológica, empresas de diferentes portes e ramos de
atividade posicionam-se em diferentes estágios: algumas, globalizadas, apóiam-se fortemente
nesta tecnologia visando a liderança em seu segmento, outras já nasceram virtuais em
procuram sustentação no mercado competitivo, enquanto outras ainda estão decidindo
informatizar seus processos administrativos, contábeis e financeiros.
É neste mesmo cenário que também se instala a dinâmica do software livre (SL), o
mais recente e interessante fenômeno no cenário econômico e social, equiparando-se ao
advento da World Wide Web. Esta dinâmica envolve o desenvolvimento do software e dos
produtos e serviços agregados a ele, que sai do setor acadêmico e chega até a esfera
corporativa como uma importante opção de crescimento. Seu desenvolvimento tomou rumos
distintos, mas sua maior expressão prática é o GNU/Linux, um sistema operacional, com
características de open source, que disputa lugar com sistemas operacionais proprietários e
difundidos como o Windows, Windows Server, Unix, Novell Netware, entre outros (DA
SILVA, 2005).
3
Embora a proposta do Linux tenha origens ideológicas, sua adoção altera
substantivamente as condições nas quais um programa de computador pode ser utilizado e, no
meio empresarial, além, evidentemente dos aspectos financeiros, tem motivações calcadas no
momento de transição para um novo modelo de empresa, mais ajustada a estrutura em rede, a
cooperação virtual e ao compartilhamento de conhecimentos. Como reflexo, pode-se
considerar a recente pesquisa realizada pela IDC, empresa líder mundial na área de market
intelligence, que levantou dados de 5.000 desenvolvedores de software, em 116 países ao
redor do mundo e detectou que 71% utilizam código aberto. A pesquisa aponta que o
resultado é conseqüência de inovações no mercado de tecnologia, juntamente com a iniciativa
de diminuir o preço dos produtos ao consumidor (IDG NOW, 2006).
A adoção sofre os percalços do novo paradigma, mas se efetiva com significativo
impacto, conforme registrado em projeto iniciado em 2004, pela Prefeitura da cidade alemã de
Munique, que está migrando 14 mil desktops do sistema Windows para uma distribuição de
Linux rodando muitos outros softwares de código livre (BROERSMA, 2006).
A Universidade Estadual de Maringá, considerando a política de Governo do Estado
do Paraná, pela não atualização das licenças de software proprietário e adoção de software
livre em todas as unidades da administração direta e indireta, incluindo as autarquias e IEES,
tornou obrigatória a implantação em todos os microcomputadores, a serem adquiridos pela
Instituição, o pacote de software livre, a partir de 01/06/2006, conforme especificações
descritas no quadro 1 (UEM, Portaria Nº 005/2006-PAD):
Software substituído
MS Office
(Word, Excel, Power
point)
Nero
Internet Explorer
Outlook
Software livre
BrOffice.org 2.0.1
Categoria
Suite de escritório
CDBurnerXP Pro 3.0.116 Gravação de CD/DVD
Mozilla Firefox 1.5 PtBr
Navegador WEB
Mozilla Thunderbird 1.5 Cliente de email
PtBr
PowerDVD
VideoLAN VLC media Player de DVD
Player 0.8.4a
Quadro 1 – Migração de software licenciado por software livre na UEM
Fonte: Portaria Nº 005/2006-PAD
Licença
Open Source
Freeware
Open Source
Open Source
Freeware
Embora, a norma institucional preveja um planejamento de preparo para essa
migração, o momento presente é de aculturamento e dúvidas. Um levantamento de dados
empírico, realizado pelo Departamento de Administração da UEM (DAD na WEB, 2006)
junto aos usuários finais apontou suas principais preocupações com a adoção do software
livre: “aprendizado dos aplicativos do software livre” (19.67 %), “migração dos arquivos
atuais para o novo sistema” (37.70 %) e “implantar ambiente similar em casa e outros locais
em que usa computador” (42.62 %). Nota-se portanto, que a apropriação da tecnologia revela
4
que as maiores dificuldades previstas estão relacionadas com a mecânica das aplicações
rotineiras (geradoras de relatórios e arquivos que possam ser manipulados em outras
oportunidades e ambientes).
Frente a isso, o presente trabalho propõe-se, através da análise de aplicações
corriqueiras e próprias do ambiente de escritório, estabelecer um referencial esclarecedor e
crítico a respeito da migração para o software livre.
Os procedimentos, essencialmente experimentais, envolvem basicamente a geração de
relatórios a partir de uma base de dados através da suíte BrOffice.org, pacote de software livre
similar ao MS Office, que opera sobre a plataforma Microsoft Windows ou GNU/Linux, os
dois sistemas operacionais mais comuns em PCs.
O restante deste artigo destina-se a estabelecer aporte teórico complementar que
sustente considerações a respeito, descrever detalhes do processo experimental específico e
estabelecer um paralelo sobre o uso dos aplicativos de software livre comparativamente ao
software licenciado, posicionando concretamente as dificuldades do processo de migração.
Tecnologia e Sistemas de Informações em Processos Empresariais
Os fatores que levam os empresários a automatização de processos, são geralmente
aqueles que apontam para um estrangulamento de metas com a escala atual. Assim, quando
uma empresa decide-se pela informatização, nota-se que parte dos fatores se dinamizam,
gerando maior folga para a continuidade do crescimento.
Segundo Cautella e Polloni (1993), alguns fatores sintomáticos que mostram a
necessidade de informatizar: crescimento da empresa (a evolução da empresa implica em
maior volume de informações), novos produtos (novos dados que requerem tratamento),
aumento de volume (com proporcional necessidade de suporte), aumento do número de
funcionários (necessidade de maior controle e aumento da burocracia), multiplicação e
desdobramento de dados em múltiplos arquivos (preocupações com duplicidade e
integridade), perda na qualidade das informações (contradições, não-atualização de dados nas
várias fontes, demora na apuração de resultados, falta de controle e confiabilidade).
A realidade é que a informatização encontra-se relacionada com a busca de maior
margem de acerto nas decisões subsidiadas por informações qualificadas especialmente nas
ações gerenciais, quer nas funções inerentes a esse nível, quer nas áreas de especialização
técnico-profissional.
Nélio (1998), através de um caso fictício de uma empresa em expansão, mostra que
5
um microempresário individual pode deter todas as informações necessárias para executar as
operações, avaliar resultados e planejar ações em sua empresa. Contudo diante de um quadro
de expansão, a empresa requer sistemas estruturados, capazes de fornecer informações ágeis e
no tempo certo, para poder estabelecer objetivos, avaliar as alternativas para os cursos de ação
da empresa, orientar e coordenar as operações e avaliar os resultados de forma integrada,
tornando-se imprescindível a adoção de uma tecnologia condizente com a realidade presente.
Percebe-se, portanto a relevância da tecnologia da informação nas organizações em função da
busca por eficiência e por conseqüência da eficácia da empresa.
O’Brian (2003) argumenta que já histórico o fato das empresas utilizarem a TI para
automatizar os processos empresariais e apoiar a análise e apresentação de informações para a
tomada de decisão gerencial:
“A tecnologia da informação está sendo utilizada para reestruturar o trabalho
mediante a transformação dos processos empresariais. Um processo empresarial é
todo o conjunto de atividades destinado a produzir um resultado específico para um
cliente ou para o mercado. O processo de desenvolvimento de novos produtos e o
processo de atendimento de pedidos de clientes são exemplos típicos. (O´BRIAN,
2003, p.13).
Assim, junto com a evolução da TI, as empresas se apropriam de seus recursos para
redesenhar de maneira melhorada a forma de se executar tarefas do quotidiano empresarial.
Pode-se dizer que as necessidades capitalistas foram motivações para este avanço, uma vez
que, a informação é algo indissociável do ambiente de negócios e até mesmo do ambiente
digital.
Contudo, cabe considerar também que a evolução da TI, não auxiliou apenas a
ascensão do mercado produtivo, mas também toda a conjuntura econômica: surgiram os
mercados eletrônicos, os financeiros, os prestadores de serviços digitais e os sistemas
colaborativos. A economia tornou-se dependente da capacidade técnica de se manipular a
informação e de distribuí-la corretamente.
Este avanço tecnológico na área da informação é um fato constatado no dia-a-dia do
contexto empresarial: as etapas comerciais geradoras de dados registrados em banco de dados;
a Internet oferecendo comunicação entre a clientela e os vendedores, através de informações e
relatórios resumidos; acesso remoto às extranets, permitindo a consulta dinâmica de
fornecedores, baixa ou entrada no estoque, etc. Os resultados são organizações menores e
mais flexíveis, capazes tanto de gerenciar eficientemente as forças e grupos internos que
geram seus produtos e serviços, como de lidar estrategicamente com clientes, colaboradores,
órgãos governamentais, concorrentes e tendências sócio-econômicas em seu ambiente
6
Dinâmica do Software Livre
As discussões dos méritos e desafios do software livre em relação ao software
proprietário têm sido uma constante na mídia, eventos especializados e incorporados na
agenda de organizações governamentais, chegando a blocos econômicos.
Segundo a FSF (Fundação pelo Software Livre), de onde advém a sigla “GNU” (GNU
is Not Unix), o Linux é uma variante desta família, e a definição para SL se refere à liberdade
dos usuários executarem, copiarem, distribuírem, estudarem, modificarem e aperfeiçoarem o
software. Redistribuir cópias de modo que você possa ajudar ao seu próximo, aperfeiçoar o
programa, e liberar os seus aperfeiçoamentos, de modo que toda a comunidade se beneficie,
são as potencialidades do software livre. A GPL (General Public License) pressupõe essas
características, e outras especificações de manejo do SL. Portanto, o Linux e o BrOffice.org
são regidos pela GPL.
Em alguns países, o software livre é visto como de importância estratégica, tanto como
meio de desenvolver suas indústrias nacionais de software como ferramenta para quebrar o
virtual monopólio dessa indústria, atualmente concentrado nos EUA. As principais
motivações estão relacionadas com o desenvolvimento do setor de TI com sua comprovada
capacidade de promover inovação, criar empregos, produzir crescimento econômico e gerar
divisas de exportação de produtos, serviços e soluções. Contudo, os crescentes gastos com
software e a situação econômica adversa e recessiva em vários países, inclusive no Brasil,
aumentam o interesse por alternativas de redução de custos. Naturalmente, argumentações
análogas são consideradas por empresas privadas nos estudos de adoção do software livre.
Em especial, no segmento de softwares para desktop, a situação de amplo domínio de
mercado dos sistemas operacionais e switches de escritórios, respectivamente pelo Windows e
Office, ambos da empresa Microsoft, gera temores próprios de um virtual monopólio e
contribuem significativamente para impulsionar o debate sobre novas opções de
licenciamento e uso de software.
Sob a ótica de negócio, o software livre é um modelo de negócio e como tal propõe a
ruptura com os modelos tradicionais e gera uma crise de transição (TAURION, 2004). O
software proprietário é direcionado pelos interesses comerciais, recursos tecnológicos e
financeiros de uma empresa. Esta embute no preço do licenciamento os seus custos de
pesquisa e desenvolvimento.
Na realidade, o software livre permitiu o surgimento de um modelo de negócio
completamente inovador em relação ao desenvolvimento de software: a colaboração entre
7
grupos desenvolvedores através da Internet, proporcionando a comunicação e distribuindo
know-how, conhecimento e responsabilidades para todos os participantes da rede, sejam eles
desenvolvedores, tradutores ou simplesmente usuários em busca de conhecimento
(TAURION, 2004). Na prática o desenvolvimento de software livre na rede dilui os custos de
desenvolvimento por toda a comunidade de colaboradores e, portanto, não gera necessidade
de recuperação destes investimentos na sua licença de uso.
Em 1991, Linus Torvalds escreveu o embrião do kernel do Linux e convidou a
comunidade da Internet a participar do seu desenvolvimento. Em poucos anos o Linux se
tornou um dos mais importantes sistemas operacionais da história da computação. No Brasil,
entre as comunidades de desenvolvimento de software livre destacam-se:
• Kurumin
(http://www.guiadohardware.net
e
http://fisica.ufpr.br/kurumin/):
comunidade dedicada ao desenvolvimento do sistema operacional Kurumin Linux,
que permite entre outras coisas rodar o sistema direto do CD com a instalação
automática;
• Dizinha (http://www.dizinha.cjb.net/): Tem o intuito de, desenvolver um pacote de
sistema operacional, leve e robusto, baseado em Linux, dando “vida” à
computadores mais antigos, permitindo um prolongamento da vida útil do hardware
nas empresas.
• OpenOffice.org (http://www.broffice.org): comunidade brasileira dedicada ao
desenvolvimento do conjunto de ferramentas para escritório OpenOffice.org que
abrange planilha de cálculo, editor de texto, apresentador de slides e todos os
recursos de seus similares, atendendo às necessidades e costumes da América
Latina;
• Mozilla (http://www.mozilla.org.br): comunidade dedicada ao desenvolvimento do
browser para Internet Mozilla em resposta a distribuição gratuita do Internet
Explorer.
Aplicações de Escritório com Pacote de Software Livre
Na visão de O'Brian (2003, p.19), a visão sistêmica da empresa permite forte analogia
com os próprios sistemas de informações:
“Uma empresa é um sistema organizacional no qual os recursos econômicos
(entrada) são transformados por vários processos organizacionais em bens e
serviços (saída). Os sistemas de informação fornecem para a administração
8
informações (feedback) sobre as operações do sistema para sua direção e
manutenção (controle), enquanto ele troca entradas e saídas com seu ambiente.”
Contudo vivemos uma abundância de soluções que atendem também aos propósitos
de agregar instrumentos que proporcionem ganho de tempo e aumento da sua performance
nas atividades de rotina, ou seja, aprender rápido, reagir às mudanças e até inovar. Para
O'Brian (2003, p.140), “Os usuários empresariais estão reagindo às necessidades críticas de
melhores informações para suas missões específicas devido a mercados em rápida
transformação, cada vez mais voláteis e competitivos, bem como a ciclos de vida de produto,
cada vez mais curtos”.
Neste contexto, uma ferramenta de banco de dados torna-se imprescindível. Contudo,
o simples registro de informações no banco de dados não é apenas a solução dos problemas
para obtenção da informação: é necessário um software compatível com a política da empresa
que manipule tais dados, de maneira à atender as reais necessidades da organização,
oferecendo recursos aos inúmeros níveis de usuários (stakeholders) que estão envolvidos com
a base de dados.
O Banco de Dados, armazenado num dispositivo primário e confiável (servidor),
administrado pelo sistema operacional, é a base para agregar um console funcional, ou uma
interface que permita manipulação local ou via rede.
Entre os aspectos de estruturação de um banco de dados para sua utilização no
quotidiano empresarial deve-se considerar: adoção de convenções inflexíveis para tarefas
críticas e precisas (por exemplo, no tratamento de custos, onde há uma gama de classificação
de contas), agrupamento por campos semelhantes, padronização da entrada de dados,
estabelecer relacionamentos de informações para agilizar as buscas por registros e obtenção
de informações completas. Quanto ao aplicativo, além de manter-se estável e seguro ao
manipular uma base volumosa, seus recursos deverão oferecer suporte às especificações e
layouts fixados pelo usuário, formatação condicional, funções lógicas e matemáticas,
filtragem, e geração simples de consultas e de relatórios automáticos.
Para o estudo pretendido, na seqüência propõe-se a criação de um banco de dados
alimentado com registros transacionais e geração de relatórios resumidos gerenciais.
No pacote BrOffice.org de software livre, o aplicativo BASE é equivalente ao MSAccess. Durante o uso do assistente de criação de banco de dados (ver figura 1a), a opção
“registrar o banco de dados no OpenOffice” permite utilizar a base de dados em outros
aplicativos, como o CALC (planilhas), ou WRITER (editor de textos).
Ainda através do assistente procede-se a criação de tabelas, ou seja, sub-arquivos
9
armazenados no banco de dados, que recebem os registros de dados pelo usuário através de
campos formatados para esse fim, por meio de interface intuitiva e fácil para o usuário (ver
figura 1b). Sob o ponto de vista da aplicação, mais interessante é que as tabelas devam
relacionar-se, permitindo o cruzamento e a síntese de dados.
Figura 1a – Assistente do aplicativo BASE do pacote
de software livre BrOffice.org
Figura 1b –Interface intuitiva do BASE destacando a
opção Formulários
A interface do BrOffice.org BASE absorve todas as características consagradas na era
pós MS-DOS em atenção ao usuário final. Assim, mantém-se a facilidade de realização de
operações com tabelas através do assistente, acionando-se o menu de contexto para fazer uso
das opções de edição para inclusão e remoção de campos, entre outras (figura 2).
Figura 2 – Gerenciamento de tabelas e formatação de campos através do BASE
É interessante notar, que toda tabela deve ter um campo destacado como index (ou
chave primária), usado para localizar um registro específico dentro da tabela. Na figura 2, o
10
campo “Código” foi destacado para essa finalidade, conforme se nota através do ícone em
formato de chave.
Uma vez que as tabelas tenham sido criadas, a interface também apresenta facilidades
para geração de formulários personalizados de consulta ou que funcionam como interface
para navegação através da base de dados e manipulação de registros. Este processo pode
iniciar-se com a definição de “Relacionamento entre campos”. Ou seja, campos que constam
em mais de duas tabelas e possuem a mesma informação, dizendo respeito à mesma tabela de
origem.
Como ilustração, podemos recorrer à figura 3 para observar duas tabelas: uma que
guarda dados dos “Clientes” e uma outra que guarda dados de “Pedidos”. Supondo que seja
necessário identificar um cliente que está requerendo um determinado pedido, bastaria
relacionar um campo próprio da primeira tabela, por exemplo o “Código do Cliente”, com a
segunda para ter-se informações acerca da relação desejada.
Figura 3 – Relacionamentos entre tabelas no BASE através do menu “Ferramentas”
A ligação entre os campos, em destaque na figura 3, permite que com a criação de uma
interface para a leitura, inserção ou edição dos dados, fique fácil saber que o pedido X referese ao cliente Y e que imediatamente ao apontarmos para certo pedido apareça na tela, por
exemplo, o telefone ou outra informação peculiar ao cliente do referido registro. Para a
criação de relatórios dinâmicos tem-se um Assistente de Relatórios, que permite selecionar e
agrupar campos relevantes ao tipo de informação desejada (ver figura 4a) ou modificar o
layout do documento (cores, letras, disposição, etc). Concluído o processo, o BASE pode
11
gerar um arquivo de texto (DOC, RTF, HTML, ODT ou PDF) e pode incluir no WRITER os
campos criados na tabela, prontos para a impressão (ver figura 4b).
Figura 4a – Assistente de Relatório Dinâmico
Figura 4b – Relatório gerado pelo BASE no Writer
Observa-se, que o Assistente de Relatório Dinâmico corresponde a uma ferramenta
para listar e imprimir dados por meio do WIRTER, obtidos nas tabelas do BASE ou ainda, de
tabelas criadas em planilhas MS-Excel ou CALC. Outra aplicação interessante, extremamente
útil no meio empresarial e, portanto, pertinente ao contexto em estudo, é a “geração de
formulário” no WRITER. Por tratar-se de um editor de textos, o arquivo resultante será tão
leve quanto uma página da Web. O formulário funciona como uma interface amigável e
personalizada pelo usuário, que linka os campos da base com os componentes visuais do
documento de texto, permitindo inserir e editar dados de maneira mais simples. O processo
resume-se a ativar a opção “Formulários” na tela principal do BASE e utilizar-se de um
assistente para montar a página do formulário (ver figura 5).
Figura 5 – Formulário gerado com o assistente do BASE, dentro do WRITER para a
manipulação dos dados
12
Também chama a atenção entre os recursos do BrOffice.org a possibilidade de
integração da base de dados (quando registrada no banco do OpenOffice, pelo assistente de
criação) com os programas CALC, WRITER, IMPRESS, etc.
Ou seja, no momento em que se cria uma planilha, um demonstrativo gráfico ou uma
apresentação de slides multimídia, é possível chamar o banco de dados para inserir dados préexistentes. Como exemplo, a figura 6 mostra a interação do banco de dados com o CALC do
BrOffice.org.
O processo simplifica-se a usar a tecla F4 dentro do CALC para exibir junto à barra de
ferramentas, uma lista com as tabelas criadas, as quais se podem vincular os dados na
planilha, muito útil, inclusive quando se requer redigir documentos com o mesmo texto, onde
mudam apenas alguns dados (certidões, memorandos, avisos, etc).
Figura 6 – Interação do banco de dados com o CALC do BrOffice.org
No que diz respeito, mais especificamente ao uso de planilhas, a transformação de
registros cronológicos simples e operacionais (ver a planilha 7a) em uma planilha dinâmica
que agrupa, filtra, supre e resume dados (ver a planilha 7b), exemplifica a semelhança no
manejo das planilhas CALC do BrOffice.org e Excel da Microsoft.
13
Figura 7a – Registro operacional de dados em planilha Figura 7b – Tabela dinâmica criada com o recurso de
simples
sub-totais
A figura 7a, mostra a origem da tabela dinâmica, uma planilha simples que pode ser
equiparada a uma base de dados, onde suas diferentes formas de processamento e tratamento
encontram-se disponíveis no menu “Dados”.
Por sua vez, a figura 7b mostra uma tabela dinâmica criada com o recurso de “Subtotais” para acumular dados automaticamente, enquanto que a opção “Agrupamento”, permite
ocultar linhas de período semelhante, exibindo somente o montante daquele período,
economizando espaço na tela do usuário.
Procedimento e recursos complementares às tabelas dinâmicas podem ser
implementadas com a opção “Filtro”, muito útil para evidenciar apenas dados pertinentes (ver
figura 8).
A utilização das tabelas dinâmicas, é uma maneira típica da informatização do
processo de transformação de dados em informações gerenciais, para a tomada de decisão
consistente numa organização moderna, que prima pela eficiência de seus processos
administrativos e contáveis.
14
Figura 8 – Opção “Filtro” como alternativa às tabelas dinâmicas
Considerações Finais
O atual padrão proprietário de sistemas operacionais estabelecido pelo Windows
determinou ao mercado, por muito tempo e de maneira ampla, o pagamento de uma taxa de
monopólio virtual a uma única empresa (Microsoft) para que outras mantivessem seu
funcionamento.
Entretanto, os números sobre o crescimento do mercado de Linux são cada vez mais
expressivos, sugerindo uma clara tendência de substituição do produto e de quebra do atual
paradigma. Nos mercados de “Servidores”, até o ano de 2004, por exemplo, o Windows caiu
para 62% das máquinas das companhias brasileiras, enquanto o Unix e família estão presentes
em 30%. Deste total, o Linux representa 14%. A Novell tem participação de 5% e outros
fornecedores, 3%, (Fonte: Ministério da Ciência e Tecnologia).
Produtos do software livre como o BrOffice.org, já possuem recursos tão bons quanto
seu equivalente licenciado, o Microsoft Office, porém ainda possui muitas limitações por
estar em desenvolvimento. Por ser um software gratuito, empresas públicas utilizam-no no
seu dia-a-dia, economizando com licenças proprietárias.
Por outro lado, é necessário um planejamento de TI extremamente cuidadoso e
criterioso, uma vez que, nem sempre a decisão por um software livre, é a correta: pode
ocorrer, para determinada atividade que exerça a empresa, soluções corporativas baseadas em
15
plataformas fechadas e proprietárias obterem melhor desempenho. Uma vez decidida a
adoção, ainda assim o planejamento de TI mantém-se necessariamente cuidadoso e atento ao
processo de migração. Medidas de substituição abruptas são equivocadas, dado que em uma
mesma máquina podem conviver, por exemplo, os dois sistemas operacionais mais populares,
amenizando processos transitórios por oportunizarem a apropriação do novo em descarte
imediato do substituído.
Considera-se que o estudo das aplicações construídas e analisadas neste trabalho,
também contribuiu para perceber-se que o processo de migração para o software livre não
atende apenas aos aspectos filosóficos, econômicos ou sociais envolvidos, mas pode criar
novas motivações para as aplicações de escritório. Foi possível observar, por exemplo, que
independentemente do ambiente tecnológico, nos diferentes setores empresariais, o uso de
planilhas é intenso e diversificado.
Contudo, entre as implementações através dos recursos dos aplicativos de software
livre, evidencia-se a interação entre eles e as possibilidades que se multiplicam. Assim, criada
a planilha, pode-se, por exemplo, pedir um “Novo Banco de Dados”, que tratará a planilha
como uma tabela, que será a fonte de dados utilizada para inserção de dados em qualquer
outro aplicativo.
Assim, apesar dos obstáculos naturais da mudança e os traumas inerentes à adoção de
novos modelos, novas motivações se estabelecem com o paradigma do software livre: tantas
quantas as possíveis leituras subjetivas e iniciativas criativas, próprias dos ambientes da
informação digital.
16
Referências
BROERSMA, Matthew. Administração de Munique retoma migração para plataforma
em Linux. Publicada no IDG Now! Em 04 de julho de 2006. Disponível em
http://idgnow.uol.com.br/. Acesso em 23/09/2006.
CAUTELA, A. Lourenço; POLLONI, E. Franco. Sistemas de Informação na
Administração de Empresas. São Paulo: Atlas, 1993.
DA SILVA, Ana Maria Alves Carneiro et all. Pesquisa Impacto do Software Livre e de
Código Aberto (SL/CA) na Indústria de Software do Brasil: competências em SL/CA no
Brasil. Anais do. XI Seminário Latino-Iberoamericano de Gestion Tecnológica. Salvador:
Altec, 2005.
IDG NOW. Pesquisa mostra que 71% de desenvolvedores utilizam código aberto.
Publicada
no
IDG
Now!
Em
21
de
setembro
de
2006.
Disponível
em
http://idgnow.uol.com.br/. Acesso em 23/09/2006.
MCT, Governo Federal. Brasil terá 22 milhões de computadores até maio. Publicada no
site do Ministério da Ciência e Tecnologia, no portal do Governo Federal, em 24/03/2004.
Disponível em http://ftp.mct.gov.br/temas/info/Imprensa/Noticias_4/hardware_4.htm.
NÉLIO, A. Sistemas de gestão empresarial: conceitos permanentes na administração de
empresas válidas. São Paulo: Atlas, 1998
O´BRIEN, James. Sistemas de Informação e as decisões Gerenciais na era da Internet.
São Paulo: Saraiva, 2001.
STAIR, R. M. e REYNOLDS, G. W. Sistemas de Informação: uma abordagem gerencial.
São Paulo: LTC, 2002.
TAURION, César. Software Livre - Potencialidades e Modelos de Negócio. São Paulo:
Brasport, 2004.
TRUCOS
PARA
WINDOWS.
Historia
de
Windows.
Disponível
em
http://www.trucoswindows.com. Acesso em 23/09/2006.
UEM, Universidade Estadual de Maringá. Portaria Nº 005/2006-PAD, de 26 de maio de 2006.