Jeito Moleque toca na festa de 140 anos da Biblioteca Municipal

Сomentários

Transcrição

Jeito Moleque toca na festa de 140 anos da Biblioteca Municipal
Jeito Moleque toca na festa de 140
anos da Biblioteca Municipal nesta
sexta-feira (13)
Biblioteca Municipal – Foto Sandro
Giron
Em homenagem aos 140 anos da Biblioteca Municipal Joaquim Manuel de
Macedo, comemorado em 8 de dezembro, a Prefeitura de Itaboraí, por meio de
sua Fundação Cultural (FCI), realiza, nesta sexta-feira (13), uma festa especial na
Praça Marechal Floriano Peixoto, das 13h às 23h. A programação acontece
também na Casa Heloísa Alberto Torres e na própria sede da Biblioteca
Municipal.
O ponto alto será o show “Viva Vida”, do grupo Jeito Moleque, marcado para as
22h, com entrada franca, patrocinado pelo Serviço Social da Indústria (Sesi), por
meio de sua Caravana Sesi Cultural. Além do show, o evento, gratuito, oferecerá
ao público uma programação cultural, lúdica e educacional, com atrações
distintas voltadas para a comunidade.
Segundo o presidente da Fundação Cultural de Itaboraí, Cláudio Rogério Dutra,
este evento visa comemorar a trajetória da Biblioteca Municipal Joaquim Manuel
de Macedo e sua importância histórica para a cidade.
“Em primeiro lugar, temos que destacar uma biblioteca ativa há tanto tempo,
uma iniciativa do próprio Joaquim Manuel de Macedo, que nasceu em Itaboraí e
por aqui viveu tantos anos. Seu principal intuito era promover o acesso
democrático à leitura”, disse Dutra, finalizando com uma citação do escritor
itaboraiense em seu livro ‘O Rio do Quarto’, publicado em 1869: “É por isto e
por muito mais, é porque foi meu berço, e berço daqueles a quem mais amei e
amo, é porque no seu seio tenho sepulturas queridas, é porque me guarda em
seus lares amigos dedicados, é porque desejo ter em seus campos um abrigo na
minha velhice que começa, e no seu cemitério um leito para dormir o último
sono, é enfim por todos esses laços da vida e da morte que a Vila de Itaboraí me
é tão querida”.
A abertura oficial do evento acontece no prédio da Biblioteca Municipal, a partir
das 13h. E a programação segue com a “Tarde de Beleza”, oferecida
gratuitamente à comunidade pelo Instituto de Beleza Rosângela Sardinha, com
corte de cabelo, designer de sobrancelha e massagem relaxante.
Haverá, ainda, bate-papos com escritores locais, que divulgarão seus livros. Os
historiadores Dawson Nascimento, José Marcos e o próprio Cláudio Rogério
promoverão uma roda literárioa. A música fica por conta de Peterson Gomes e sua
banda, Luz do Eterno, que também farão apresentações de poesias. Também será
lançado no evento o livro “Gritos e Sussurros”, escrito por Luis Marcelo. Crianças
poderão assistier a contação de histórias, e a artista Cris Rosa fará uma exposição
de seus quadros.
A Casa Heloísa Alberto Torres abrigará a abertura da exposição de Obras Raras
da Biblioteca Municipal e o projeto Arteinstalada, da Ação Cultural da Ampla, com
artesanato nas áreas de reciclagem. A concessionária de energia elétrica vai
distribuir uma lâmpada econômica para quem apresentar, no local, uma conta de
luz e documentos de RG, CPF.
Já a Praça Marechal Floriano Peixoto contará com a ação cultural do Serviço
Social do Comércio (Sesc), com o “Bibliosesc”, uma biblioteca móvel, montada
sobre um caminhão, que vai levar mais de 3 mil livros, com acervo de diversas
áreas do conhecimento. Será realizada a leitura dramatizada, esquete e peça
teatral com o tema “Biblioteca Joaquim Manuel de Macedo” e “A moreninha”, com
alunos do professor Zeca Palácio, da Casa do Artista. O Grupo Serotonina fará
uma intervenção teatral, com de brindes ao público. O grupo R.I.O Street
Company faz uma apresentação de dançam e do Studio Patrícia promove um
aulão de Zumba, com Nice Mello.
O diretor geral da Biblioteca Municipal, Wanderson Silvas, afirma que a
programação foi pensada para todos os públicos e gostos.
“É um evento cultural que reúne várias modalidades de cultura, valorizando
também os artistas locais. A intenção é deixar registrado o histórico da
Biblioteca e do seu patrono fundador, para que a população tenha esse
conhecimento e comemore”, afirmou Silvas.
A Biblioteca Municipal Joaquim Manuel de Macedo funciona de segunda a sextafeira, das 8h às 17h, com atendimento ao público e empréstimo de livros aos
associados residentes da cidade. Atualmente, conta com um acervo de
aproximadamente 17 mil livros, e os projetos Telecentro comunitário, Hora do
conto, Viajar sem tirar o pé do lugar, Agente de leitura, Sarau literário,
Informatização da biblioteca, Divulgando seu livro, Arte em toda parte, Curso de
informática básica, Concurso de poesia e Exposição de artes.
Joaquim Manuel de Macedo nasceu em Itaboraí no dia 24 de junho de 1820 e
morreu em 11 de abril de 1882, aos 61 anos de idade. Foi médico, jornalista e
escritor, e dentre suas maiores obras estão A Moreninha, o livro mais lido no país
no século XIX; O Rio do Quarto, O Moço Loiro, Os Dois Amores, A Luneta Mágica,
O Forasteiro, As Mulheres de Mantilha e outros.
História da Biblioteca Municipal
Em 7 de Setembro de 1873, foi fundada a Sociedade da Biblioteca Popular
Itaborahyense, por Joaquim Manuel de Macedo. Em 8 de dezembro do mesmo
ano, com uma intensa campanha de arrecadação de livros doados, o presidente da
Sociedade, Joaquim Manuel de Macedo, o presidente-adjunto, Antônio Gomes de
Araújo, o tesoureiro, Manoel Antônio Pintzenauer, e o secretário, Francisco
Joaquim Gomes, inauguraram a Biblioteca Popular Itaborahyense. No princípio, a
Biblioteca funcionava nas salas da Câmara e Cadeia, no Largo da Matriz (atual
Praça Marechal Floriano Peixoto).
Foi com a primeira Exposição Municipal de Itaboraí, a primeira do Império do
Brasil, que foram angariados fundos para a aquisição de mobiliários, livros,
funcionário e para iniciar a edificação de uma sede adequada.
A Biblioteca Popular foi aberta ao público em 1º de Janeiro de 1874, funcionando
numa casa provisória. Teve como primeiro bibliotecário Francisco Joaquim
Gomes. Por volta de 1880 a referida biblioteca foi reinstalada em uma casa nas
imediações da Igreja Matriz de São João Batista. Porém, em virtude de ser
mantida durante décadas por uma sociedade de amigos beneméritos com o apoio
do poder público municipal, teve seu endereço alterado diversas vezes.
Em homenagem ao ilustre literato itaboraiense, em 21 de Março de 1939 a
Biblioteca Municipal, foi denominada Biblioteca Municipal Joaquim Manuel de
Macedo. A partir de 1988, a Biblioteca passou a realizar eventos como
“Lançamento de livros”, ”Simpósio de Arte Educação”, “Cursos”, “Exposições”,
“Criação da Escola de Artes”, “Encontro com escritores”, e outros.

Documentos relacionados

Dia do Escritor: Itaboraí realizará bate

Dia do Escritor: Itaboraí realizará bate que comemorar. Além de já ter revelado expoentes da literatura brasileira como Joaquim Manoel de Macedo – que dá nome a biblioteca do município – João Caetano e Alberto Torres, a cidade é celeiro d...

Leia mais