Nos Acreditamos Primavera 2009

Сomentários

Transcrição

Nos Acreditamos Primavera 2009
2009
Jovens
Primavera
Encarnação
Publicador: Joseph D. Small III
Escritores: Tricia Tedrow, Michael Harper, Gini Norris-Lane e Marcie Brown
Traductora: Eliane Menezes
Editor da versão em inglês: Mark Hinds
Editora da versão em portuguese: Marissa I. Galván Valle
Diretora de Arte: Jeanne Williams
Desenhista: Rebecca Kueber
Foto da Capa: PhotoDisc
Publicado especialmente para uso da Igreja Presbiteriana (E.U.A.), pela Congregational Ministries Publishing, do
Ministério da General Assembly Council, Congregational Ministries Division, (U.S.A.), Igreja Presbiteriana (E.U.A.)
Louisville, Kentucky.
A não ser que sejam indicadas, as quotações das escrituras nestas publicações são da Revised Standard Version
(NRSV) of the Bible, © 1989 by the Division of Christian Education of the National Council of the Churches of Christ
in the U.S.A. e estão autorizadas a serem usadas. Em alguns casos, algumas adaptações foram feitas para o uso de
uma linguagem inclusiva.
Esforços foram feitos para se manter os direitos autorais dos materiais aqui incluídos. Se, no entanto, algum material
de direitos autorais forem incluídos sem autorização e sem o devido conhecimento, apropriado crédito será dado em
futures impressões, assim que a notificação seja recebida.
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), Uma Corporação, Louisville, KY. Todos
os direitos são reservados. Exceto onde a permissão para fotocopiar é expressamente dado ao material, nenhuma
parte destes materiais poderá ser reproduzida sem a permissão da publicadora.
Imprimido nos EUA.
Reconciliação
Conteúdo
Introdução
Primavera 2009
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
Unidade 1: Os Ensinamentos de Jesus sobre a Reconciliação
Lição 1.
Quem é o Meu Próximo? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Mateus 22:34 – 40; Lucas 10:25 – 37
Lição 2.
Bem-vindo o Filho Pródigo à Casa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Lucas 15:11– 32
Lição 3.
Dando Graças Por Tudo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
Lucas 7:36 –50
Lição 4.
Setenta Vezes Sete . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Mateus 18:21 – 35; 22:34 – 40
Lição 5.
Traga o Juiz! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
João 8:1 –11
Lição 6.
Lavando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
João 13:1– 20
Unidade 2: A Reconciliação da Cruz
Lição 7.
Ele É Livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
João 20:1– 31
Lição 8.
A Rocha Reformada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
João 21:15 –19
Lição 9.
Você Não Vai Acreditar O Que Ele Fez! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
Atos10:34 – 48
Lição 10.
Remuneração Justa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
Mateus 20:1 –16
Lição 11.
O Que É Justificação? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
Romanos 5:1 –11
Lição 12.
Vínculos Diplomáticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
2 Coríntios 5:11– 21
Unidade 3: A Reconciliação Ao Redor da Mesa
Lição 13.
Adivinha Quem Está Vindo Para o Jantar? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
Levítico 7:14 –18; Isaiah 25:6 – 9
Lição 14.
Comportamento À Mesa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
Lucas 22:14 – 22
Lição 15.
Ceia Em Família . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
1 Coríntios 10:14 – 22, 31; 11:17– 26
Lição 16.
Vamos Partir o Pão Juntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
Atos 2:42 – 47
Títulos das Unidades e Lições (Outono 2009) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Contra Capa
Introdução
Quando usar este material
Nós Acreditamos: Palavra de Deus para o Povo de Deus para jovens, é
usada por educadores(as) cristãos(ãs) para a classe de estudantes de
escola secundária. Estas classes poderiam ser ministradas em escola
dominical, grupos de estudos durante a semana, ou em outras
oportunidades. Por isso, estas lições não são datadas. Porém, se o(a)
professor(a) planejar em usar este material em semanas sucessivas, nós
recomendamos o seguinte: Comece a Lição 1, no primeiro Domingo da
Quaresma, no dia 1 de março de 2009 (ou durante a semana seguinte) e
conclua com a Lição 16 no dia 14 de junho de 2009 (ou durante a
semana seguinte). O trimestre do outono está planejado para começar
em 30 de agosto de 2009 (ou durante a semana seguinte).
Este trimestre
A unidade deste trimestre enfatiza os diferentes aspectos da
reconciliação.
Unidade 1: Os Ensinamentos de Jesus sobre a Reconciliação
Unidade 1 observa como Jesus ensinou os seus discípulos a respeito da
reconciliação com Deus e com o seu próximo.
Unidade 2: A Reconciliação da Cruz
Unidade 2 observa a cruz como um instrumento de Deus para trazer
juntos Deus e a humanidade, à medida que o Senhor ressuscitado
reconcilia com as pessoas que pecaram contra ele.
Unidade 3: A Reconciliação Ao Redor da Mesa
Unidade 3 observa como a reunião ao redor da mesa é um ato de
reconciliação no Reino de Deus.
O Ano Litúrgico
Estas lições do trimestre da primavera incluem os domingos do ciclo da
Páscoa, que são Quaresma, a Semana Santa e as sete semanas da Páscoa
(começando com o Domingo de Páscoa), e a celebração de Pentecostes.
A palavra inglesa “lent” (quaresma) significa “primavera”. Porém, a
época anual da igreja chamado de “lent” (Quaresma) é derivado do
palavra latim para “lengthen,” significando o prolongamento da
claridade dos dias, que gradualmente acontece de fevereiro até abril.
Como o Advento, a Quaresma é uma época de preparação. Ao invés de
ser a época de preparação para o nascimento de Cristo, a Quaresma é
uma época de preparação para a crucificação e ressurreição de Cristo.
Historicamente, a Quaresma tem sido uma época para estudar e
refletir, enquanto a igreja prepara as pessoas candidatas para o batismo
na Páscoa. Ainda hoje, muitas igrejas incorporam esta idéia, tendo as
suas classes de confirmação, nas quais as pessoas jovens se tornam
membros ativos da igreja durante a época da Quaresma.
5
A Semana Santa é a culminação da Quaresma. Ela começa com o
Domingo de Palmas ou Paixão (algumas igrejas dão uma atenção
especial ao Domingo de Palmas, algumas a história da Paixão,
enquanto outras incorporam as duas celebrações em um só serviço),
avançando até a Quinta-Feira do Mandamento, Sexta-Feira Santa e a
Grande Vigília da Páscoa.
Finalmente, com o começo do domingo, a celebração da Páscoa chega!
O que é, talvez, o mais importante para você manter em mente
enquanto ensina estas lições, é que a celebração da Páscoa não termina
no Domingo de Páscoa. Os seis domingos depois da Páscoa são
também parte da época de Páscoa, quando a celebração da ressurreição
continua e a promessa de Deus de uma nova vida é proclamada pelas
pessoas cristãs. O quadragésimo dia depois da ressurreição é chamado
de Dia da Ascensão, comemorando a ascensão de Cristo à mão direita
de Deus que governa de cima todos os poderes da terra.
Nós concluímos o trimestre da primavera com a celebração de
Pentecostes, o qüinquagésimo dia depois da Páscoa. Este é o dia em
que Deus deu como presente, o Espírito de Deus para empoderar as
testemunhas da ressurreição. Você pode notar que Pentecostes é
freqüentemente referido como “o dia do aniversário da igreja,” o dia
em que a igreja cristã realmente foi criada.
Você e os estudantes
Ao se preparar para ensinar, você pode estar imaginando o que terá
que fazer primeiro. Primeiro, e antes de mais nada, seja você mesmo(a)!
Adolescentes podem realmente distinguir quando uma pessoa está
disponível para eles(as). Quanto mais bem preparado(a) você estiver
para cada lição, mais você poderá interagir com os(as) estudantes. Se
você estiver sempre disponível e pronto(a) para compartilhar com
os(as) estudantes, então saberão que você se importa com eles(as).
Estar preparado não significa saber todas as respostas. Esteja
disposto(a) a compartilhar com os(as) estudantes as coisas que são
novas para você, e as questões que tenha em sua mente. Isto ensinará
aos(às) estudantes que é normal questionar e fazer perguntas. Os(as)
adolescentes necessitam saber que não estão sozinhos(as) quando se
deparam com difíceis temas espirituais.
Um fator muito importante para que os jovens aceitem o amor de Deus
e o chamado de Cristo é se eles podem ou não confiar em você. E, a
melhor maneira de ganhar a confiança deles é mostrando que você os
ama, que eles podem contar com você, e que não importa quão
perplexas sejam suas perguntas, elas estão seguras com você.
6
Componentes da lição
Cada lição contém os seguintes passos:
• Idéia principal: Provê uma descrição do foco da lição.
•Contexto histórico para professores(as): Oferece para o(a)
professor(a) informação essencial sobre os textos bíblicos.
• Fazendo conexões: Faz uma ponte entre o ensino bíblico e o
mundo da adolescência.
• Assembléia: Provê atividades para dar boas-vindas e para ter
um bom começo de classe.
• Estudo bíblico: Provê instruções passo a passo para conduzir
seu grupo em atividades que o levam a aprender as histórias
bíblicas com uma perspectiva presbiteriana e reformada,
e que utilizam os conceitos de inteligências múltiplas e
aprendizagem cooperativa.
• Afirmação: Provê atividades práticas ou técnicas pedagógicas
que ajudam o crescimento espiritual através das sugestões
dos(as) estudantes. Considera-se respostas pessoais e comunais
à Palavra de Deus em nossas vidas cotidianas.
• Despedida: Este é um tempo de adoração, oração, conclusão e
enviando para o mundo.
•Avaliação: Avalia diferentes componentes da eficácia da lição
em apresentando a mensagem de Deus para aquele dia.
• Futuro: Permite consultar com antecedência a próxima lição
e explica qualquer trabalho preparatório que necessita ser
completado ou continuado.
• Página reproduzível: Incentivamos você a fazer muitas cópias
destas páginas, tantas quanto você necessite.
Em muitos componentes das lições (Assembléia, Estudo Bíblico,
Afirmação, Despedida) também estão incluídas idéias opcionais e
atividades para:
• Prática espiritual: Sugestões espirituais para oração e outras
disciplinas da fé.
• Serviço: Sugestões para conectar a lição à adoração da
congregação, vida de missão; ou idéias para que os estudantes
experimentem em suas vidas o significado dos textos.
Uma palavra sobre inteligências múltiplas: As pessoas, jovens e idosos,
variam na forma e no prazer de aprender. Algumas das atividades
deste livro atrairão a você e a seus (as) estudantes; outras não. Porém,
resista ao desejo de ignorar atividades, simplesmente, porque são
pouco conhecidas. Considere o estilo de aprendizagem de cada
estudante e adapte este material adequadamente. Talvez você poderia
encontrar com um grupo de professores, trocar idéias sobre algumas
das atividades pouco conhecidas antes de decidir não usá-las.
7
Recursos
A Bíblia
Nós Acreditamos: Palavra de Deus para o Povo de Deus utiliza a versão
revista e corrigida da tradução de João Ferreira de Almeida Atualizada.
Porém, nós entendemos, que há muitas outras traduções da Bíblia
disponíveis. Nós esperamos que você incentive os(as) estudantes para
que tragam suas próprias Bíblias, de forma que outros poderiam
beneficiar-se da diversidade rica de estudar com traduções diferentes.
O melhor incentivo que você pode oferecer aos(às) estudantes a
respeito de trazer e ler as suas próprias Bíblias, é você trazer e ler a sua
própria. Talvez você poderia desafiá-los(as) a lerem as passagens da
próxima lição com antecedência, e que tragam perguntas para você,
para o(a) pastor(a), ou até mesmo para as autoras bíblicas. Como você
poderia incentivar mais os(as) estudantes? O que fazem outros(as)
professores(as) para incentivar os(as) estudantes para que leiam as suas
próprias Bíblias?
Recursos Adicionais
Celia Brewer Marshall’s A Guide Through the Old Testament e A Guide
Through the New Testament (Louisville: Westminster John Knox Press,
1989 e 1994) são excelentes recursos e altamente recomendados para
professores(as) que desejam aprender mais e obter mais informações
do contexto das passagens bíblicas deste trimestre (estes recursos estão
em inglês).
Outros recursos de ajuda da Igreja Presbiteriana (EUA) que são usados
ao longo deste trimestre são: o Hinário Presbiteriano, o Livro Comum de
Adoração, o Livro de Confissões, o Livro de Ordem, e o Catecismo de
Estudo. Seu pastor/a poderia ter rápido acesso a estes recursos. Além
disso, o Livro de Confissões e o Livro de Ordem estão disponíveis em
inglês e espanhol, em formato Adobe Acrobat no site da Igreja
Presbiteriana (EUA): (www.pcusa.org). O Catecismo de Estudo: Versão
Completa pode ser encontrado em inglês no site: www.pcusa.org/
theologyandworship/confession/studycatechism.
Uso de Vídeos e DVDs na Sala de Aula
A lei de direitos autorais provê uma isenção para o desempenho de
uma série de vídeos, DVDs, e outros trabalhos registrados por
instrutores ou alunos com o propósito de instrução educacional cara-acara, se as estipulações seguintes são conhecidas: o vídeo ou DVD
(livro) é uma cópia legal; é mostrado em uma sala de aula atual (um
lugar dedicado à instrução); é parte do currículo para a classe; somente
professores (as) e estudantes poderiam assistir, e se você é uma
instituição educacional sem fins lucrativos. Isto se aplica diretamente
para uso em escola de Igreja.
8
Para ter-se uma maior paz de consciência, ou se você deseja mostrar
algum vídeo, em uma situação não coberta pela isenção, você pode
comprar uma licença através da Motion Picture Licensing Corporation.
Veja mais informações na www.mplc.com ou chame 1-800-462-8855.
Você pode também obter mais informações sobre direitos autorais no
site da Igreja Presbiteriana (EUA), www.pcusa.org, (Legal Resources
Manual) ou no site U.S. Copyright Office www.copyright.gov.
Sugestões para professores(as) suplentes
Você pode estar lendo esta página no último minuto, então aqui estão
algumas sugestões que lhe ajudarão a ter um dia próspero.
1.Antes de você fazer qualquer outra coisa, ore. Ore pelos(as)
estudantes que estarão chegando. Ore por sua própria
capacidade de compartilhar a Palavra de Deus com eles (as)
hoje. Se você não conhece os(as) estudantes, considere usar
etiquetas com os nomes.
2.Então, encontre a lição correspondente ao dia que você
vai ensinar. Brevemente, leia a lição do princípio ao fim,
observando o Estudo Bíblico e as atividades que você estará
ensinando.
3. Leia e junte os materiais da lista que você necessitará.
4.A parte mais importante da classe é estudar a Bíblia. Se você
não consegue encontrar tudo o que necessita, ou se não tem
tempo para preparar para cada atividade, pelo menos conte
bem a história da Bíblia. Utilize os seus próprios dons e
talentos para dar vida à história. Se você terminar antes do
tempo programado, peça aos (às) estudantes para que contem
as histórias da Bíblia que eles(as) já saibam. Sendo você um(a)
iniciante e um(a) convidado(a) na sala de aula, você pode
aprender muito sobre o que os(as) estudantes já sabem.
5.Se o(a) professor(a) que você está substituindo está doente,
considere pedir aos(às) estudantes que façam cartões
“desejando melhoras” como uma atividade alternativa. Deixe
que a sua fé brilhe, não importa quão apressada foi a sua
preparação, deixe que os(as) estudantes saibam que você se
preocupa com eles(as) e que está contente por estar ali.
9
Características do nível de idade
A maioria, mas nem todos adolescentes de hoje tendem:
• Ver a vida em condições otimistas, confiantes e positivas.
• Seguir regras de boa vontade.
• Trabalhar bem em equipe.
• Aceitar autoridade.
• Responderem a desafios e expectativas altas.
• Abraçar o cristianismo em condições convencionais,
verdadeiras.
• Sentir-se sobrecarregado(a) e pressionado(a) pela escola,
amigos e por preocupações familiares.
Adolescentes na faixa etária de quatorze a dezessete anos variam na
habilidade de pensar abstratamente. Algumas metáforas bíblicas e
imagens podem estar além da capacidade deles(as), enquanto
outros(as) rapidamente “captam” a imagem expressada na Bíblia.
Adolescentes são criaturas basicamente sociais, querendo pertencer e
fazer parte do grupo; eles(as) não querem parecer estúpidos ou muito
diferentes.
Você pode envolver seus(as) estudantes em uma gama extensiva de
perguntas teológicas. Criando um ambiente seguro na sala de aula e
mostrando sua vontade de ouvir a opinião deles(as), você estará então,
criando alguns momentos sagrados para todas as pessoas da classe.
Esteja atento(a) aos dons de seus(as) estudantes e encoraje-os(as) em
sua sala de aula. Diga para os(as) estudantes que você valoriza os dons
dados a eles(as) por Deus e ajude-os(as) a direcioná-los(as) a serviço da
comunidade cristã e para o mundo.
O Próximo Trimestre
O trimestre do outono de 2009, “Muitos chamados, uma voz,” enfatiza
em definir “chamado” e observar três tipos de chamados. As lições nos
mostram como a Escritura pode nos ajudar a nos informar sobre o
nosso chamado.
Unidade 1: “Daniel: Chamado e integridade,” observa como Daniel
mostra como o chamado de Deus pode trabalhar através de nossos
valores pessoais.
Unidade 2: “Pedro: Esculpindo a rocha,” observa como Pedro mostra
como o chamado pode demorar para se desenvolver, e que aceitar o
chamado de Deus não assegura um tempo fácil.
Unidade 3: “Ana e Maria: Respondendo ao chamado,” observa como
Ana e Maria respondem às promessas de Deus, mostrando como a
paixão e a confiança levam ao chamado.
10
Conheça os Escritor e Escritoras
Tricia Tedrow é pastora da Igreja Presbiteriana EUA, que serviu igrejas
em Louisiana e Texas. Ela se formou no Austin Presbyterian
Theological Seminary em Austin, Texas. Ela também é formada em
História pelo Whitworth College em Spokane, Washington.
Gini Norris-Lane formou se na Baylor University em Ciências da
Educação e recebeu o seu mestrado de divindade do Austin
Presbyterian Theological Seminary. Ela trabalhou em igrejas em San
Antonio, Texas, e Conyers, Georgia, e foi coordenadora da Presbyterian
Pastoral Leadership Search Effort (PLSE), um programa fundado por
Eli Lilly Foundation através do Fund for Theological Education que
incentiva pessoas jovens a considerarem o ministério como uma
vocação. Gini trabalhou em grandes igrejas como líder de adoração
para Youth Celebration no Mo Ranch em Hunt, Texas, e tem liderado
vários seminários para a espiritualidade de pessoas jovens adultas. Ela
vive em San Antonio, Texas, com seu esposo, Wes, e seu filho, Austin,
com dois cachorros e um gato.
Michael Harper atualmente trabalha como um associado para o
desenvolvimento de currículo para a Igreja Presbiteriana dos EUA.
Antes de trabalhar no Centro Presbiteriano, ele trabalhou com o
ministério de jovens e como educador nas igrejas do Texas,
Arkansas e Kentucky. Ele se formou no Austin College, em
Sherman, Texas, e tem o mestrado em artes de ensinar pela mesma
instituição.
Marcie Brown é formada em Austin Presbyterian Theological
Seminary. Em 1998 ela foi ordenada como Ministra da Palavra e
Sacramento. Depois de servir em Oklahoma City como pastora
assistente para educação cristã e missão por quatro anos, ela e sua
família voltaram ao Texas. Ela vive atualmente in Cuero, Texas, com
seu esposo, Toby, e duas crianças Maggie e Aidan. Marcie é uma
associada paroquial na First Presbyterian Church, Cuero, onde o seu
esposo é o pastor. Além disso, ela serve outras congregações como
moderadora, professora e faz pregações. Durante a semana, Marcie
trabalha numa escola local como Diretora do Projeto Depois da Escola
SHARP.
11
Conheça o editor
Mark Hinds trabalha como editor geral da Editora Ministérios
Congregacionais para o desenvolvimento de currículo. Ele se formou
na Trinity University, Austin Presbyterian Theological Seminary, e
Union-PSCE. Por vinte anos, ele foi pastor de igrejas no Estado do
Texas e no Estado da Virginia. Sua filha Sarah (26) e David (20), são a
sua felicidade.
Conheça o la editora
Marissa Galván-Valle trabalha como associada pra Recursos e
relacionamentos com grupos latino-americanos de la Igreja
Presbiteriana (EUA). Ela se formou na Universidade de Puerto Rico, e
Seminario Evangélico de Puerto Rico. Em 2003 ela foi ordenada como
Ministra da Palavra e Sacramento.
Opinião
Dê-nos a sua opinião a respeito de:
Nós Acreditamos: Palavra de Deus
para o Povo de Deus. Você gostaria
de recomendar algumas mudanças?
Por favor, envie os seus comentários,
escrevendo para Marissa GalvánValle, Associada pra Recursos e
relacionamentos com grupos latinoamericanos de la Igreja Presbiteriana
(EUA), Presbyterian Church (U.S.A.),
100 Witherspoon Street–Room
M008, Louisville, KY 40202-1396.
Ou envie um e-mail para marissa.
[email protected]
12
Unidade 1: Os ensinamentos de Jesus
sobre a reconciliação
Quem é o meu próximo?
Jovens
Unidade 1 Lição 1
Lição 1
Mateus 22:34 – 40; Lucas 10:25 – 37
Idéia principal
A segunda parte da grande comissão é a de amar ao nosso próximo como a
nós mesmos. A parábola de Jesus sobre o bom samaritano nos dá uma idéia
de quem é o nosso próximo e de que maneira Jesus espera que nós amemos.
Contexto histórico para professores(as)
A lição de hoje explora duas passagens das Escrituras que direcionam os
estudantes a um melhor entendimento sobre o que Jesus chama para
“amar o próximo com a si mesmo”. A primeira passagem (Mateus 22:34
– 40) mostra Jesus sendo confrontado por um grupo de fariseus. Alguns
religiosos tinham desafiado Jesus e sua autoridade desde o momento em
que ele chegou ao templo, previamente no Evangelho (Mateus 21:23).
Uma vez que as leis civis e religiosas eram inseparáveis neste tempo, o
advogado na lei que questionou Jesus poderia ser considerado um
teólogo profissional. Uma vez que os motivos deste em fazer a pergunta
não estão completamente esclarecidos, é seguro dizer que ele estava
tramando uma armadilha para desacreditar Jesus, tentando fazer com que
Jesus falasse contra a perspectiva comum aceita de que todos os
mandamentos eram iguais. Jesus aceita o desafio e reponde à pergunta
citando Deuteronômio 6:4 – 9 e Levítico 19:18.
A segunda passagem da Escritura (Lucas 10:25 – 37) começa como uma
conversação semelhante entre Jesus e um perito na lei. Desta vez, o perito
na lei pergunta a Jesus sobre a vida eterna. Ao invés de responder à
pergunta, Jesus faz com que o perito responda à sua própria pergunta,
fazendo outra pergunta. O perito na lei responde corretamente, mas ele
tenta pegar Jesus uma segunda vez perguntando: “Quem é o meu
próximo?” Desta vez, Jesus responde com uma história sobre um homem
desconhecido que é atacado, espancado e desnudo por assaltantes.
Apesar de que a história dê pouco detalhe sobre os dois líderes religiosos
que passaram pela vítima, ela oferece uma idéia sobre o samaritano que
era socialmente impuro, o qual atrasou a sua viagem, arriscou e pagou a
estadia do hotel para um homem estranho. Uma vez que havia uma
grande hostilidade entre os judeus e samaritanos, esta poderia ter sido
uma história radical para a audiência de Jesus.
Fazendo conexões
A Escola Secundária é um tempo de transição no qual os jovens mudam
de serem supervisionados pelos pais ou pelas pessoas responsáveis, ao
mundo relativamente independente. À medida que os jovens passam por
13
Quem é o meu próximo?
Mateus 22:34 – 40; Lucas 10:25 – 37
Lição 1
Você necessitará
o Bíblias
o Três cópias do “Leitores da peça
de teatro: A história do bom
samaritano” (página 15)
o Três crachás para os leitores da
peça de teatro
o Cópia de “Quem é o meu
próximo?” (página 16) para
cada estudante
o Cartolina e marcadores
o Papel
o Canetas e lápis
o Prêmio para a abertura do jogo
esta transição, as perguntas “Quem é o meu próximo?” e “Como eu
relaciono com o meu próximo?” são oportunas—especialmente num
mundo em conflito necessitando da cura de Deus. A lição de hoje tenta
ajudar aos estudantes a entenderem a resposta de Jesus para ambas
questões e desafiando-os a “ir e fazer isso”.
A
Perguntas para discussão
• O que significa reconciliação?
• Quando em sua vida você
experimentou ou testemunhou uma
reconciliação?
• Onde é que em sua família, em sua
comunidade ou no mundo há uma
necessidade de reconciliação?
ssembléia: Deus nos chama para estarmos juntos
Antes da chegada da turma, escreva a palavra reconciliação na cartolina
e coloque em um lugar bem visível na sala. Coloque à vista, o prêmio
para a abertura do jogo perto do papel que você acabou de escreve. À
medida que a turma entre, forme times de duas ou três pessoas e dê a
cada uma delas uma folha de papel e uma caneta ou lápis. Desafie a
cada time a propor quantas palavras possíveis usando somente as
letras encontradas na palavra reconciliação. Explique que o time que
conseguir encontrar o maior número de palavras receberá o prêmio no
final da aula. Depois de alguns minutos peça que cada time escreva o
nome das suas pessoas participantes na lista, junto com o número total
de palavras encontradas. Recolha as listas. Encoraje os times a manterem
em sigilo o número de palavras encontradas até o final da aula.
Convide a turma a discutir as questões que estão na coluna ao lado.
E
Oração inicial
Deus de amor e bondade, cujo amor
conecta, cura, protege, reconcilia
e pacifica esteja conosco neste dia
quando abrimos as nossas Bíblias e
ouvimos a sua santa palavra. Ajude-nos
a silenciar as distrações ao nosso redor e
concentrarmos em seu Espírito. Permita
que os nossos pensamentos, palavras e
ações glorifiquem a Ti agora e sempre.
Amém.
14
studo bíblico: Nós escutamos a Palavra de Deus
Abra a atividade de estudo bíblico com a oração que está ao lado ou
faça uma espontânea.
Distribua as Bíblias e solicite que abram em Mateus 22:34 – 40. Peça uma
pessoa voluntária para ler a passagem em voz alta, enquanto o resto da
turma segue a leitura silenciosamente. Em grupo, discuta as seguintes
perguntas:
• Onde é que esta história se passou? (Veja Mateus 21:23. Jesus
entrou no templo e logo foi desafiado pelos líderes religiosos. Em
Mateus 22:34 – 40, Jesus ainda está no templo e ainda sendo
desafiado pelos líderes religiosos).
• Quem eram os fariseus? Quem eram os saduceus? (Os fariseus e
saduceus eram dois grupos de líderes judeus. Eles competiam entre o
povo judeu para ambos os poderes religioso e político. Entre as várias
diferentes entre os dois, os fariseus acreditavam na ressurreição dos
mortos, enquanto os saduceus não).
• Porque o perito em lei “testou” Jesus? (Uma vez que a lei civil
e a lei religiosa eram inseparáveis durante este tempo, o perito em
leis poderia ter sido um teólogo profissional. Uma vez que o motivo
exato não é revelado no texto, ele provavelmente estava tentando
desacreditar os ensinamentos de Jesus).
• Porque a pergunta do perito em lei é discutível? (Durante este
tempo, muitos judeus acreditavam que as leis e os mandamentos do
Lição 1
Torá eram iguais em importância. Fazendo com que Jesus escolhesse
a lei mais importante, o perito em leis tentou persuadir Jesus em
um argumento controverso. Veja em Deuteronômio 6:4–9 e Levítico
19:18 para conferir quando Jesus falou dos dois mandamentos e ele
resumiu a lei e os profetas).
• Porque Jesus juntou dois mandamentos para responder uma
pergunta? (Nós não podemos realmente dizer que amamos a Deus, a
não ser que esteja ligado ao amor ao próximo e o amor a si mesmo).
Se a classe tem oito pessoas ou menos,
permita que façam esta atividade como
um só grupo.
Fatos do bom samaritano
• A estrada de Jerusalém era perigosa
porque era estreita e tinha ventos
fortes. Havia muitos lugares nos quais
os assaltantes podiam se esconder e
assaltar os viajantes.
• O pastor e o levita eram líderes
religiosos quem provavelmente
pararam para ajudar, mas a situação
deles devia ser complicada. Eles
poderiam estar a caminho de uma
celebração religiosa que requeria que
eles estivessem “puros”, e tocando
um corpo (se eles pensaram que este
homem estivesse morto) poderia
fazê-los “impuros”. Eles também
tiveram que tomar uma difícil decisão
sobre a própria proteção, porque
se eles parassem, os assaltantes
poderiam atacá-los também.
• Neste ponto da história, os limites
das culturas estavam bem definidos.
O povo de Samaria era considerado
impuro e eram considerados
sendo heréticos. Em nenhuma
circunstância, um judeu gostaria de
receber cuidados de um samaritano
“impuro”.
• Colocando vinho numa ferida poderia
purificá-la e poderia ter usado óleo
para manter a ferida suave.
• Dois denários poderiam corresponder
a dois dias de salário.
A
Lucas fala da história sobre Jesus sendo desafiado no templo no mesmo
tema. Usando “Leitores da peça de teatro: A história do bom
samaritano” (página 17), tenha três pessoas voluntárias lendo a
parábola do Bom Samaritano como leitores da peça teatral. À medida
que as pessoas voluntárias fazem a leitura, o restante da classe poderia
acompanhar a leitura silenciosamente em suas respectivas Bíblias
(Lucas 10:25 – 37). Depois da leitura divida a turma em grupos de
quatro ou seis pessoas.
Peça que cada grupo crie uma sátira de uma versão moderna da
história do Bom Samaritano na qual cada pessoa do grupo faça parte.
Desafie os grupos para que mantenham em mente os fatos listados na
coluna ao lado, à medida que desenvolvem a sátira.
Depois de alguns minutos, convide a cada grupo a apresentar a sua
cena para o restante da classe. Uma vez que todos os grupos tenham
feito a sua apresentação, peça que cada grupo assente fazendo um
círculo. Entregue a cada grupo uma folha e papel e um marcador.
Solicite que cada grupo crie uma sentença resumindo a moral ou o
ponto principal da história. Quando todos os grupos completarem o
trabalho, solicite que todas as pessoas formem um grande círculo.
Solicite que cada grupo afixe a sua folha em algum lugar na sala de
aula e leia a sua sentença para toda a classe.
Em grupo, discutem as seguintes perguntas:
• Como as sentenças apresentadas são similares? Como são
diferentes?
• Baseando-se nesta história, como você definiria a palavra
próximo?
firmação: Nós respondemos à Palavra de Deus
Entregue a cada estudante uma cópia de “Quem é o meu próximo?”
(página 18) e uma caneta ou lápis. Solicite que cada estudante escreva
nomes ou tipo de pessoas que pertencem na primeira das duas colunas
da página. Depois de alguns minutos, dê aos estudantes a oportunidade
de compartilharem as suas listas com o restante da classe, mas chame a
atenção dos estudantes a respeito de terem cuidado ao escolherem
15
Jovens
Unidade 1 Lição 1
Quem é o meu próximo?
Mateus 22:34 – 40; Lucas 10:25 – 37
Quem é o meu próximo?
Mateus 22:34 – 40; Lucas 10:25 – 37
Lição 1
Pergunta para discussão
Baseando-se na Escritura que lemos
e discutimos hoje, de que maneira
poderíamos nos relacionar com as
pessoas e com o tipo de pessoas
listadas na coluna do meio, para que
a honra seja dada a Deus? (Como
pessoas cristãs, somos chamados(as)
a reconciliar com as pessoas que
poderiam ser consideradas mais como
inimigas do que próximas).
quais os nomes que serão compartilhados com a turma. Seja sensível
com as pessoas que não queiram compartilhar. Depois que todas as
pessoas tiverem oportunidade de compartilharem as suas listas, solicite
que respondam a pergunta na coluna ao lado.
Solicite que cada pessoa escreva a palavra Reconciliação no alto da
terceira coluna de “Quem é o meu próximo?” (página 18). Então,
encoraje a cada estudante a escrever algumas palavras nesta terceira
coluna sobre o que ele ou ela pode fazer para se reconciliar com cada
pessoa ou com o tipo de pessoa que está na lista da coluna do meio.
D
espedida: Deus nos envia ao mundo
Reúna todo o grupo em um círculo grande, com 3 a 4 pés entre cada
pessoa. Solicite que uma pessoa escreva DEUS em letras grandes num
papel e que coloque-o no chão no meio da sala. Pergunte: “Se nosso
círculo representa a nossa comunidade de Deus e Deus é o centro da
nossa comunidade, o que acontece se nós chegamos mais perto de
Deus?” e “O que acontece quando a nossa comunidade chega mais
perto?” Assim que responderem às perguntas, solicite que as pessoas
tomem juntas uma série de pequenos passos em direção ao meio do
círculo. (A comunidade se torna mais próxima de Deus).
Resumo da lição e encargo
Na Escritura de hoje nós aprendemos
que o amor para com Deus e o amor
para com o nosso próximo estão
essencialmente ligados. Também
aprendemos que somos chamados(as)
para quebrarmos as barreiras sociais
e culturais para amarmos a todos os
nossos próximos; até mesmo aquelas
pessoas que são melhores descritas
como nossos inimigos. No final da
passagem de Lucas, Jesus diz ao
perito de leis para “ir e fazer” como o
samaritano que amou o seu inimigo.
Como você irá “fazer isso” esta
semana?
Compartilhe o resumo da lição e despeça a turma de acordo como
consta na coluna ao lado, então caminhe ao redor do círculo e dê a
oportunidade a cada pessoa de compartilhar as suas idéias da coluna
de reconciliação da atividade “Quem é o meu próximo?” (página 18)
que ele ou ela pode colocar em ação na próxima semana.
Termine a lição com uma oração. Depois da oração, refira-se à lista de
palavras do começo da atividade, e premie o grupo com a maior lista
de palavras.
A
F
16
valiação
Você pensa que as pessoas se envolveram com a lição de hoje? Porque
ou porque não? O que funcionou e o que não? A classe se divertiu em
criar a cena? Foram capazes de entender e aceitar o conceito de
reconciliação neste contexto? Se não, o que você poderia fazer da
próxima vez para ajudá-los(as) a entenderem melhor?
uturo
A próxima lição continua com o tema de reconciliação, focalizando
ainda mais a reconciliação com Deus. Você necessitará encontrar
figuras da parábola de Filho Pródigo para a abertura da atividade e
necessitará modelar barro para a atividade do Estudo Bíblico.
Unidade 1 Lição 1
Página Reproduzível
Quem é o meu próximo?
Mateus 22:34 – 40; Lucas 10:25 – 37
Leitores da peça de teatro: A história do bom samaritano
Necessita-se: Uma pessoa narradora, Jesus, e um(a) advogado(a).
Cada pessoa selecionada para ler terá que usar um crachá com o nome que diz qual é a sua parte. Jesus e o(a)
advogado(a) estariam de pé em frente à classe, e a pessoa narradora ao lado.
Narrador(a): Então, o(a) advogado(a) se levantou para testar Jesus.
Advogado(a): Mestre, o que tenho eu que fazer para herdar a vida eternal?
Jesus: O que está escrito na lei? Como você a lê?
Advogado(a): Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma, de todas as
suas forças e de todo o seu entendimento, e ame o seu próximo como a si mesmo.
Jesus: Você respondeu corretamente. Faça isso e viverá.
Narrador(a): Mas ele(a), querendo justificar-se, perguntou a Jesus:
Advogado(a): E quem é o meu próximo?
Jesus: Um homem descia de Jerusalém a Jericó, e caiu nas mãos de salteadores, os quais o
despojaram e espancando-o, se retiraram, deixando-o meio morto. Casualmente, descia pelo
mesmo caminho certo sacerdote; e vendo-o, passou de longe. De igual modo também um levita
chegou naquele lugar, viu-o, e passou de longe. Mas um samaritano, que ia de viagem, chegou
perto dele e, vendo-o, encheu-se de compaixão; e aproximando-se, atou-lhe as feridas, deitando
nelas azeite e vinho; e pondo-o sobre a sua cavalgadura, levou-o para uma estalagem e cuidou
dele. No dia seguinte tirou dois denários, deu-os ao hospedeiro e disse-lhe: Cuida dele; e tudo o
que você gastar a mais, eu lhe pagarei quando voltar. Qual, pois, destes três lhe parece ter sido o
próximo daquele que caiu nas mãos dos salteadores?
Advogado(a): Aquele que usou de misericórdia para com ele.
Jesus: Vai, e faze tu o mesmo.
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
17
Quem é o meu próximo?
Nomes das pessoas ou tipos
de pessoas eu penso que são
desafiantes amar como o
próximo.
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
Direções: Escreva os nomes das pessoas que pertencem nas primeiras duas colunas. Seu(Sua) professor(a) dará mais
instruções.
Nomes das pessoas ou tipos de
pessoas eu penso que são fáceis
amar como o próximo.
18
Quem é o meu próximo?
Mateus 22:34 – 40; Lucas 10:25 – 37
Unidade 1 Lição 1
Página Reproduzível
Unidade 1: Os ensinamentos de Jesus
sobre a reconciliação
Lição 2
Bem-vindo o filho pródigo
à casa
Lucas 15:11–32
Idéia principal
Ainda que a parábola do filho pródigo é argumentavelmente uma
das mais familiares parábolas da Bíblia, é conhecida por um nome
que engana leitores. Somente encontrada no evangelho de Lucas,
esta parábola também poderia ser chamado de “O amoroso pai”.
Somente concentrando nas ações do jovem filho rebelde, limita-se
o âmbito da história.
Contexto histórico para professores(as)
A parábola começa com um jovem filho rebelde quem coloca seus
desejos egoístas sobre os seus relacionamentos familiares. Ele está no
direito de reclamar a sua herança, mas o seu pedido efetivamente
dissolve todos os laços com a sua família. Depois de gastar
exageradamente todo o seu dinheiro numa vida fútil, o filho tem que
trabalhar com criação de porcos, os quais os judeus consideram
impuros. Neste ponto, o filho tem um momento de revelação no qual
ele reconhece o seu pecado, se prepara para se confessar, se arrepende
e se prepara para pedir ajuda ao seu pai.
Mas, antes que pudesse completar uma palavra, seu pai corre para
cumprimentá-lo. Ele o enche de afeto. Ao invés de empregar o seu filho,
o pai faz uma festa em honra a seu filho. Como já esperado, o filho que
é firme, obediente e trabalhador se aborrece com isto. A parábola termina
com uma explicação do pai que tem bastante amor para os dois filhos.
Esta parábola fala do amor reconciliador que vem de Deus. Se nos
identificamos mais com o filho rebelde que teve uma revelação ou com
o irmão mais velho que fica mais perto de casa, a história de Jesus nos
ensina que Deus está sempre conosco e que há suficiente amor para dar
a todas as pessoas. Também recebemos uma imagem incrível de Deus
como um pai que espera pacientemente pelo nosso retorno, não
importando que tão longe estejamos de casa.
Fazendo conexões
Os altos e baixos da vida na escola secundária são muito desafiantes. A
mensagem da parábola do filho pródigo (ou do pai amoroso) reafirma
nossos jovens que, mesmo em tempos turbulentos, o amor curador de
Deus está presente e sempre pronto para nos reconciliar quando temos
uma situação difícil.
19
JovensYouth
Older
Unit 1 Session
Unidade
1 Lição
12
Pródigo é um adjetivo que significa
descuidadamente extravagante ou
suntuoso.
Bem-vindo o filho pródigo à casa
Lucas 15:11–32
Lição 2
A
Você necessitará
o Bíblias
o Duas cópias de “Cena
espontânea” (páginas 23–24)
o Figuras da parábola do filho pródigo
o Música contemplativa
o Folhas de papel
o Marcadores de diferentes cores
o Fita adesiva ou cola
o Massa de modelar
o Papel de ceda
o Facas de plástico
o Sabão para mãos
Perguntas de galeria
• Imagine que você é um dos
personagens desta figura. Como
você se sentiria neste momento?
• O que está acontecendo nesta
figura?
• O que aconteceu às pessoas nesta
figura imediatamente momentos
antes da figura ser mostrada?
• Quais são duas palavras que
descrevem esta figura?
ssembléia: Deus nos chama para estarmos juntos
Como preparação para esta lição, encontre umas cinco ou sete figuras
representando diferentes partes da parábola do filho pródigo. Poderia
considerar utilizar os recursos na internet como www.google.com/
images, mas tenha cuidado para não imprimir cópias com direito
reservado. Você pode encontrar figuras apropriadas para fotocópias
pesquisando em recursos para igrejas ou perguntando o(a) seu(sua)
pastor(a) por figuras que talvez ele ou ela tenha.
Antes que as pessoas da classe cheguem, cole cada uma das figuras em
folhas individuais e escreva uma pergunta que provoque reflexão
abaixo de cada figura. As perguntas podem ser as que estão ao lado,
mas não fique limitado(a) à elas.
Dependure folhas de papel ao redor da sala e dependure uma folha
extra que diz Qual destas figuras é a sua favorita? Por quê? Coloque um
marcador perto de cada folha de papel. Faça a seguinte placa:
Bem-vindo(a) à nossa galeria de arte!
Caminhe ao redor da sala e passe alguns minutos observando cada
figura.
Depois de ter observado a figura por alguns minutos, responda à
pergunta da folha e passe para a próxima figura. Assegure-se de
escrever qual figura é a sua favorita!
A fim de concentrar melhor na arte, vamos fazer isto sem conversar,
por favor!
Assim que as pessoas chegarem, coloque a música contemplativa e as
receba na entrada da sala, segurando a placa de “Bem-vindo(a) à nossa
galeria de arte!” Procure não falar nada às pessoas, mas cumprimenteas com um forte olhar e um sorriso. Definitivamente, evite mencionar a
relação do show de arte com a parábola do hilho pródigo.
Depois de alguns minutos, desligue a música, ajunte o grupo em um
círculo e reflita sobre as perguntas e respostas encontradas nas folhas
de papel espalhadas na sala. Deixe as figuras expostas na sala, uma vez
que você as necessitará para o encerramento da atividade.
E
studo bíblico: Nós escutamos a Palavra de Deus
Pergunte: “Alguém pode adivinhar qual passagem da Escritura nós
vamos estudar hoje, baseando-se nas figuras encontradas em nossa
galeria?” (Se ninguém responder corretamente, explique que as figuras
mostram a parábola do filho pródigo, a qual será o centro desta lição).
20
Lição 2
Bem-vindo o filho pródigo à casa
Lucas 15:11–32
Assegure-se de que cada estudante tenha a sua Bíblia e convite cada
estudante a abrir o Evangelho de Lucas 15:11–32. Divida a classe em
três grupos. Designe um grupo para ser o “pai,” o segundo grupo para
ser o “filho mais velho” e o terceiro grupo para ser o “filho mais novo”.
Solicite que cada grupo se concentre em seus personagens designados
da história, durante a leitura.
Perguntas para discussão
• Quais são as três palavras que
descrevem o seu personagem?
• Quais são as duas palavras que o seu
personagem usaria para descrever
os personagens designados para os
outros dois grupos? (Estas palavras
não podem ser as palavras que
foram usadas para responder a
questão # 1!)
• Se o seu personagem fosse a principal
pessoa da história, qual seria a
mensagem da parábola?
Considere tocando uma música de
fundo enquanto a turma trabalha em
suas esculturas!
Perguntas sobre as esculturas
• Como as esculturas são similares?
• Como elas são diferentes?
• Baseando-se nestas esculturas,
qual é a mensagem principal desta
parábola?
Solicite uma ou mais pessoas voluntárias para lerem a história em voz
alta para a classe, enquanto o restante da classe lê em silêncio em suas
Bíblias.
Convite a cada grupo a ajuntar-se em um círculo separado, e pergunte
aos grupos as questões encontradas na coluna ao lado. Deixe que cada
grupo compartilhe as suas respostas com toda a classe antes de passar
para a próxima pergunta.
Deixe que a turma escute outra vez a história, utilizando a “Cena
espontânea” (páginas 23–24). Peça pessoas voluntárias para
apresentarem a cena e encoraje a turma a se divertir com a
apresentação. (Ainda que a cena pede por sete pessoas voluntárias, isto
pode ser apresentado por até dois leitores. Faça o devido ajuste).
Depois da cena, divida a turma em grupos de dois ou três pessoas cada
e peça a cada grupo para decidir qual cena da parábola é a mais
importante. Dê a cada grupo massa para modelar, papel cera e uma
faca plástica. Desafie-os para que esculpem a cena que pensem que seja
a mais importante, utilizando o material oferecido. (As pessoas podem
criar a cena encima da folha de cera). Deixe o sabão para lavrar as mãos
disponível para quando terminarem as suas esculturas.
Depois de alguns minutos, peça a cada grupo que apresente as suas
esculturas para o restante da turma, e expliquem porque escolheram
esta cena como a mais importante. Discuta com a classe as perguntas
encontradas na coluna ao lado.
Escreva as respostas da classe para a questão final, numa cartolina e a
mostre em um lugar visível na sala de aula.
21
Jovens
Unidade 1 Lição 2
Comece a atividade do Estudo Bíblico com a seguinte oração ou faça a
sua própria: “O Deus de amor, que nos ama mais do que podemos
entender, encha esta sala com o seu Espírito assim que abrimos as
nossas Bíblias. Ajude-nos a dar a Ti prioridade enquanto nós nos
encontramos como uma comunidade de fé e mergulhamos em tua
santa palavra. Permita que os nossos pensamentos, as nossas palavras e
ações glorifiquem a Ti, agora e para sempre. Amém”.
Bem-vindo o filho pródigo à casa
Lucas 15:11–32
Lição 2
Perguntas de resumo
• O que aprendemos a respeito de
Deus nesta parábola?
• O que aprendemos a respeito de
nosso relacionamento com Deus
nesta parábola?
• O que aprendemos a respeito
da reconciliação com Deus nesta
parábola?
Peça que os grupos discutem uma ou mais perguntas da coluna ao
lado.
A
firmação: Nós respondemos à Palavra de Deus
Depois que cada grupo tenha tido tempo para discutir as perguntas,
convide as pessoas a verem o que a parábola nos ensina, que Deus nos
ama em qualquer circunstância e que Deus está sempre conosco.
Podemos nos assemelhar mais com o filho mais novo, quem se rebela e
então retorna com um remorso em seu coração, ou com o mais velho,
filho que fica irado quando a misericórdia de Deus para outras pessoas
parece injusta. De qualquer forma, Deus está à disposição a reconectar
e reconciliar qualquer adversidade que possamos ter.
Troque as cores dos marcadores colocados perto das folhas, para que
cada folha tenha uma cor diferente daquela que tinha antes. Solicite
que as pessoas voltem a observar cada figura e responder a cada
questão na folha com a nova cor de marcador. Coloque uma música
contemplativa de fundo enquanto os estudantes trabalham.
D
espedida: Deus nos envia ao mundo
Depois de alguns minutos, ajunte o grupo em um círculo e pergunte se
alguém teve uma experiência diferente com as figuras ao redor da sala,
depois de ter estudado a parábola. Considere discutindo algumas das
respostas das folhas que foram escritas com uma cor diferente de
marcador.
Termine a lição com uma oração.
A
F
22
valiação
A lição de hoje teve vários elementos artísticos nela. Como foi que as
pessoas responderam à abordagem artística da lição? Você usaria estas
técnicas artísticas outra vez? Reconciliação com Deus pode ser uma
experiência muito pessoal. Os(as) estudantes pareceram dispostos(as) a
serem vulneráveis em compartir? Por quê e por quê não?
uturo
A nossa próxima lição observará um incidente argumentativo; uma
mulher pecadora lavando os pés de Jesus. Nós continuamos com o
nosso tema de reconciliação através desta história de perdão,
arrependimento e agradecimento. A nossa atividade de abertura da
próxima semana é mais envolvente do que se está acostumado, então
dedique tempo suficiente para reunir os materiais necessários.
Também, considere recrutar dois ótimos leitores para lerem a Escritura
na próxima semana. Seria sábio que estas pessoas ensaiassem antes de
fazerem a leitura na sala de aula.
Unidade 1 Lição 2
Página Reproduzível
Bem-vindo o filho pródigo à casa
Lucas 15:11–32
Cena espontânea
As pessoas participantes necessitarão:
Duas pessoas narradoras: As únicas pessoas que vêem o script.
Três principais figuras: Pai, filho mais velho e filho mais novo (homens e mulheres podem atuar).
Duas ou três extras: Para representarem em ações extras que forem necessárias
Os figurantes principais e os extras devem fazer mímicas para representarem a parábola de acordo com as instruções
que ouvem das pessoas que narram a história. Uma vez que somente as pessoas que narram têm cópia do script, elas
precisam de ter a certeza de que o restante dos participantes faça a sua parte!
Narrador(a) 1: Era uma vez um homem . . . (O pai entra no palco).
Narrador(a) 2: Que tinha dois filhos. (Os dois filhos entram no palco).
Narrador(a) 1: Então o filho mais jovem diz ao seu pai: “pai quero a minha parte da herança”. (A pessoa
narradora faz com que o filho mais jovem repita a frase).
Narrador(a) 2: Isto fez com que o pai ficasse furioso. (Se necessitar, repita até que o pai fique furioso).
Realmente, realmente furioso! (O pai deve aparentar cada vez mais furioso.) Em realidade, ele estava tão
furioso que começou a andar em círculos umas dez vezes! (O pai anda em círculos).
Narrador(a) 1: O que? Isto não está na Bíblia! Pare de inventar as coisas!
Narrador(a) 2: Bom, ele tem que ficar furioso—o filho dele acabou de pedir para cortar todos os laços com ele!
Narrador(a) 1: Você não sabe de nada! Fique com o que está na Bíblia e pare de inventar as coisas!
Narrador(a) 2: OK, então, nós não sabemos se o pai realmente ficou furioso, mas sabemos que o pai dividiu a
sua propriedade entre os dois filhos. (Espere que o pai represente isto de alguma forma, então o pai e o filho
mais velho saem do palco).
Narrador(a) 1: Depois de alguns dias, o filho mais jovem juntou tudo o que ele tinha e viajou a uma região
distante, e, lá esbanjou a sua propriedade de uma forma louca, imoral e egoísta. (Os figurantes extras
ajudam o filho mais novo atuar de alguma forma).
Narrador(a) 2: Depois de ter gasto tudo o que tinha, houve uma grande fome em todo o país, e ele começou
a passar necessidade.
Narrador(a) 1: Então ele foi empregar-se com um dos cidadãos daquela região, que o mandou para o seu
campo a fim de cuidar de porcos. (Os figurantes extras ajudam o filho mais novo atuar como um criador de
porcos).
Narrador(a) 2: Ele desejava encher o estômago com as vagens de alfarrobeira que os porcos comiam. (Fazer
uma pausa para que o grupo atue).
Narrador(a) 1: Mas ninguém lhe dava nada. (Fazer uma pausa para que o grupo atue).
Narrador(a) 2: Caindo em si, ele disse: “quantos jornaleiros do meu pai têm abundancia de pão, e eu, aqui,
pereço de fome!” (O filho mais novo repete).
Narrador(a) 1: Levantar-me-ei e irei ter com meu pai, e dir-lhe-ei:
(O filho mais novo repete).
Narrador(a) 2: Pai, pequei contra o céu e perante ti; Já não sou digno de ser chamado teu filho; faze-me como
um dos teus jornaleiros”. (O filho mais novo repete).
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
23
Unidade 1 Lição 2
Página Reproduzível
Bem-vindo o filho pródigo à casa
Lucas 15:11–32
Cena espontânea (continuação)
Narrador(a) 1: A seguir, levantou-se e foi para o seu pai. (Começa a andar ou faz de conta que está
andando).
Narrador(a) 2: Mas, estando ainda longe, seu pai o viu (O pai volta para o palco) e, cheio de compaixão (o
pai está cheio de compaixão).
Narrador(a) 1: Ele correu para o seu filho, e o abraçou . . . (O pai corre e abraça o seu filho mais novo).
Narrador(a) 2: E o beija.
Narrador(a) 1: Então o filho lhe disse: “pai, pequei contra o céu e perante ti; Já não sou digno de ser
chamado teu filho”. (O filho mais novo repete).
Narrador(a) 2: Mas o pai disse a seus servos: “Trazei depressa o melhor vestido e vesti-lho, e ponde-lhe um
anel na mão e alparcas nos pés; e trazei o bezerro cevado e matai-o; e comamos e alegremo-nos; porque
este meu filho estava morto e reviveu, tinha-se perdido e foi achado!” (O pai repete esta frase enquanto os
figurantes extras atuam).
Narrador(a) 1: E começaram a festejar. (As pessoas no palco celebram enquanto o filho mais velho retorna do lado
oposto do palco).
Narrador(a) 2: Eu penso que foi mais como um baile. (O grupo começa a dançar).
Narrador(a)1: Uma dança alegre. (O grupo começa a dançar entusiasticamente).
Narrador(a) 2: Enquanto isso, o filho mais velho estava no campo. Quando se aproximou da casa, ouviu a
música e a dança. Então chamou um dos servos e perguntou-lhe o que estava acontecendo. (Um dos
figurantes extras atua como o servo).
Narrador(a) 1: O servo lhe respondeu: “Veio teu irmão; e teu pai matou o bezerro cevado, porque o recebeu
são e salvo”.
Narrador(a) 2: Então o filho mais velho encheu-se de ira, e não quis entrar na casa. (O filho mais velho atua
irado). E, ele ficou irado e irado. (O filho mais velho atua como cada vez mais irado.) Na realidade, ele ficou
tão irado que ele andou em círculos dez vezes. (O filho mais velho anda em círculos).
Narrador(a) 1: Isto é necessário?
Narrador(a) 2: Desculpe, eu acho que é divertido vê-los andar em círculos!
Narrador(a) 1: Seu pai saiu da casa e insistiu com ele. (O pai caminha em direção ao filho mais velho.) Mas ele
respondeu ao sei pai: “Olha! Eis que há tantos anos te sirvo, e nunca transgredi um mandamento teu;
contudo nunca me deste um cabrito para eu me regozijar com os meus amigos; vindo, porém, este teu
filho, que desperdiçou os teus bens com as meretrizes, mataste-lhe o bezerro cevado.” (O filho mais velho
repete isto).
Narrador(a) 2: Então disse-lhe o pai: “Filho, tu sempre estás comigo, e tudo o que é meu é teu; era justo,
porém, regozijarmo-nos e alegramo-nos, porque este teu irmão estava morto, e reviveu; tinha-se perdido,
e foi achado”. (O pai repete isto).
Narrador(a) 1: Fim!
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
24
Unidade 1: Os ensinamentos de Jesus
sobre a reconciliação
Dando graças por tudo
Lucas 7:36 – 50
Idéia principal
Jesus utiliza uma controvertida situação (uma mulher pecadora ungindo
os pés de Jesus) para ensinar aqueles que estavam com ele a respeito de
perdão e arrependimento. Também somos instruídos que o amor expressado
pela mulher é uma resposta de gratidão pelo perdão de seus pecados.
Contexto histórico para professores(as)
Esta brilhante história durante um jantar fala da imensidão do amor e
perdão de Deus. Não teria sido uma surpresa para Jesus aceitar um convite
de um fariseu para jantar e não seria incomum para muitas pessoas estarem
perto onde os convidados estavam comendo. Entretanto, foi fora do comum
para uma mulher fazer uma cena como esta, de lavar os pés de Jesus com
lágrimas e cabelo. Depois de tudo, a mulher poderia sempre conservar o seu
cabelo! Ambas as atitudes, de deixar cair o cabelo e cuidar dos pés, tinham
uma conotação sexual nesta cultura. Não é de se estranhar que as pessoas
que estavam presentes estavam chocadas com a cena! Seguindo os costumes
da época, Jesus poderia ter colocado o seu cotovelo sobre a mesa. Ele poderia
ter esticado as suas pernas longe da comida, dando acesso adequado para
que a mulher lavasse os seus pés.
Simão, o fariseu, julgou as ações da mulher com arrogância. Certamente
Jesus o surpreendeu por não somente saber que a mulher era uma pecadora,
mas também por oferecer a ela o amor e o perdão de Deus. Jesus mudou o
centro da conversação para Simão oferencendo-lhe criticismo, igualmente
desconcertando o anfitrião. Jesus inclusive tratou de envolvê-lo numa
enigmática brincadeira, em que, dependendo da recepção de cada pessoa,
a verdade poderia ser tanto revelada quanto difícil de ser entendida.
Jesus deu as boas-vindas à uma mulher que ansiava por uma cura
espiritual, por sua humildade e pela sua paixão. Jesus até a identificou
como um exemplo positivo. O que podemos aprender com esta mulher a
respeito de arrependimento e perdão?
Fazendo conexões
Como os(as) estudantes da escola secundária procuram por suas
identidades e tentam diferentes papéis para descobrirem quem eles(as)
realmente são, eles(as) provavelmente vão quebrar a cabeça durante o
percurso. A conclusão de Jesus sobre o perdão e o amor incondicional de
Deus é importante para eles(as) ouvirem e terem com eles(as) como filhos
e filhas de Deus. As pessoas jovens necessitam da oportunidade de
apreciarem o positivo, afirmando a mensagem do evangelho!
25
Jovens
Unidade 1 Lição 3
Lição 3
Dando graças por tudo
Lucas 7:36 – 50
Lição 3
A
Você necessitará
o Bíblias
o Cópia de “Imaginando a
história” (página 29) para
cada dois ou três estudantes
o Cópia de “Liturgia final” (página
30) para cada estudante
o Uma mesa baixa e/ou forro de
mesa
o Comida e materiais para uma
refeição
o Almofadas (uma para cada
estudante)
o Uma pessoa adulta voluntária para
dar as boas vindas aos estudantes
(opcional )
o Crachá dizendo: eu fui beijado(a)!
o Toalha pequena (uma para cada
estudante)
o Azeite de oliva em uma tigela
o Cópias da charada para
compartilhar
o Caneta ou lápis para cada cópia de
“Imaginando a história” (página 29)
o Caneta hidrográfica para ressaltar
para cada cópia de “Imaginando a
história” (página 29)
o Massa para modelar
o Música de fundo (opcional )
o Sabão para lavar as mãos
Charada
Uma pessoa emprestou dinheiro a
duas outras pessoas; uma pessoa pediu
emprestado $5,000 e a outra somente
$50. Quando nenhuma delas pode
pagar a sua dívida, ela cancelou as duas
dívidas. Qual das pessoas amará mais a
mulher?
ssembléia: Deusnos chama para estarmos juntos
Antes da chegada dos estudantes, prepare uma refeição simples (ou
lanche) para que compartilhem. Coloque a comida numa mesa baixa ou no
chão forrado com um forro de mesa. Distribua as almofadas ao redor da
mesa ou do chão forrado. À medida que as pessoas chegarem, tenha uma
pessoa adulta voluntária para receber as pessoas convidadas, da mesma
forma que faria uma pessoa anfitriã de uma festa no tempo de Jesus:
• Receba as pessoas entusiasticamente. Hospitalidade era muito
importante. À medida que os estudantes chegarem, faça com que
sejam recebidos com entusiasmo.
• Receba-os com um beijo de paz. A pessoa anfitriã deve colocar
a sua mão no ombro de cada estudante e dar-lhe um beijo
simbolizando a paz. Ao invés de realmente beijar cada estudante,
entregue a cada estudante o crachá dizendo: eu fui beijado(a)!
• Lavando os pés. As pessoas convidadas caminharam em estradas
empoeiradas e calçavam sandálias que eram amarradas
com cordas. Um(a) servente lavaria os pés de cada pessoa
convidada assim que esta chegasse, para limpar e refrescar os
seus pés. Simbolizando esta atividade, peça que cada pessoa remova
os seus calçados e limpem os seus próprios pés com uma toalha.
• Ungindo as pessoas convidadas. Freqüentemente, uma gota de
óleo perfumado era colocada na testa das pessoas convidadas.
Utilize azeite de oliva para esta atividade, colocado numa vasilha.
Depois, convite as pessoas para tomarem os seus lugares na mesa.
Descansando os seus cotovelos numa almofada, as pessoas se inclinariam
para comer com as suas mãos. Elas deverão colocar os seus pés descalços
longe da comida. Durante a refeição, encoraje os(as) estudantes a contarem
charadas. (Contar charadas era um costume desta época). Enquanto a
turma compartilha charadas, apresente à turma, a charada da passagem da
Escritura de hoje, encontrada na coluna ao lado:
Diga à classe que irão ouvir mais a respeito desta charada mais adiante na
lição. Depois que a turma tiver tido alguns minutos para comer, ajunte
todas as pessoas em seus lugares usuais.
E
studo bíblico: Nós escutamos a Palavra de Deus
Comece a atividade do Estudo Bíblico com esta oração ou faça uma
espontânea: “Deus que tudo criou, cujo Espírito preenche as nossas vidas
de paz, alegria, gratidão e esperança, preencha o nosso tempo juntos hoje
com desafios, crescimento e ensinamentos. Ajude-nos a abrir os nossos
corações quando abrirmos as nossas Bíblias para que a sua santa palavra
inspire a cada uma das pessoas nesta sala.
Permita que os nossos pensamentos, palavras e ações glorifiquem a Ti hoje
e para sempre. Amém”.
26
Dando graças por tudo
Lucas 7:36 – 50
Lição 3
Antes que as Bíblias sejam distribuídas, deixe que a turma escute a
Escritura de hoje e sinta os detalhes usando a imaginação. Dê as seguintes
instruções à classe:
“Ao invés de seguirmos a leitura da Escritura em nossas Bíblias, enquanto
esta é lida, hoje, nós iremos fechar os nossos olhos e sentirmos de alguma
forma e com imaginação os detalhes da história. Então, enquanto escutam,
imaginem os personagens da história em sua mente. A história é a respeito
de um jantar muito parecido com o que acabamos de compartilhar. As
pessoas convidadas foram cumprimentadas à porta mostrando
hospitalidade, e se inclinaram para comer, da mesma forma que fizemos.
Imagine a sala ou a varanda onde aconteceu o jantar. O que as pessoas
estão vestindo? Você pode sentir o aroma que está no ar? O ambiente está
sendo iluminado com as velas? Quais são os tipos de vozes que as pessoas
têm? O que está sendo servido no jantar? Como é a comida e como cheira
a comida? Preencha mais detalhes o quanto for possível! Agora feche os
seus olhos, e enquanto lemos a passagem, tente ver esta história em sua
imaginação. A passagem será lida duas vezes com uma breve pausa entre
as leituras”.
Divida a classe em grupos pequenos, com duas ou três pessoas em cada
grupo. Dê a cada grupo uma cópia de “Imaginando a história” (página 29)
e uma caneta ou lápis. Solicite a cada grupo que escreva as suas respostas.
Após todos os grupos terminarem de completar esta tarefa, dê a cada
grupo uma caneta highlighter para que destaquem as suas respostas
favoritas debaixo de cada pergunta. Mais de uma resposta por pergunta
pode ser destacada, uma vez que as respostas podem ser combinadas em
uma resposta lógica. Depois de alguns minutos, peça que uma pessoa de
cada grupo compartilhe as respostas destacadas para cada pergunta com o
restante da turma.
Distribua as Bíblias e solicite que abram-na em Lucas 7:36–50. Discuta as
seguintes questões com a turma: de acordo com o texto, como amor e
perdão estão relacionados? Nós amamos porque somos perdoados(as)?
Ou, nós perdoamos porque somos amados(as)?
A
Tenha a certeza de que os estudantes
entendam que contrito significa
arrependido.
firmação: Nós respondemos à Palavra de Deus Compartilhe: “A mulher da história oferece um exemplo do que acontece
quando nós pedimos perdão a Deus. Quando realmente estamos com
Deus e nos aproximamos de Deus com um coração sincero e contrito,
Deus responde oferecendo um amor incondicional e o perdão”. Dê a cada
estudante uma massa de modelar.
Solicite que pensem a respeito de um exemplo de uma atitude pecaminosa
em suas vidas, que gostariam de pedir perdão a Deus. Então, utilizando a
27
Jovens
Unidade 1 Lição 3
Convide duas pessoas para lerem esta passagem (Lucas 7:36–50) para a
classe. Solicite que a primeira pessoa voluntária leia a passagem para a classe
da maneira mais dramática possível. Após a leitura, crie uma breve pausa
para que a segunda pessoa leia a passagem pausadamente para a classe.
Dando graças por tudo
Lucas 7:36 – 50
Lição 3
massa de modelar, esculpirão um símbolo de uma atitude pecaminosa.
Recorde à turma que uma atitude pecaminosa é qualquer ação que causa a
separação em seu relacionamento com Deus. Considere colocar uma
música de fundo apropriada, enquanto as pessoas trabalham nesta tarefa.
Tenha sabão para lavar as mãos disponível para assim que terminarem as
suas tarefas.
D
espedida: Deus nos envia ao mundo
Ajunte as pessoas em um círculo e coloque as esculturas simbolizando as
atitudes pecaminosas no centro do círculo. Ofereça a cada estudante a
oportunidade de compartilhar o significado da sua escultura com o
restante da classe. Distribua para cada estudante uma cópia da liturgia
final (página 30) e divida a classe em grupo de duas pessoas. Designe a
cada grupo uma parte da liturgia e leiam a liturgia juntos.
Compartilhe: “Enquanto aprendemos a passagem da Escritura de hoje,
Deus está pronto para nos perdoar, quando pedimos perdão a Deus. Saiba
que você está perdoado(a) e esteja em paz”.
Caminhe no centro do círculo, pegue as esculturas individuais e as ajunte
em uma só porção de massa. Compartilhe: “Que imagem ou símbolo que
podemos fazer para representar a paz e o perdão de Deus em nossas
vidas?” Ajude a classe a trabalhar junta para criar este novo símbolo.
Termine esta atividade com uma oração.
A
F
28
valiação
Como foi que os (as) estudantes sentiram quando usaram as suas
imaginações para viverem a história sobre Jesus? Isto os(as) ajudou a
adquirir um profundo entendimento do texto? Isto ajudou ou não? As
pessoas foram capazes de se abrirem e serem vulneráveis quando foi
pedido que esculpissem um símbolo de uma atitude pecaminosa? Por quê
e por quê não? Você opina que os(as) estudantes amadureceram seu
entendimento a respeito de perdão e arrependimento? Se não, o que você
poderá fazer no futuro para que eles (as) aprimorem os seus
conhecimentos nestes conceitos?
uturo
Há um limite de quantas vezes nós deveríamos perdoar alguém que nos
faz algum dano? Esta é a pergunta para a nossa próxima lição, da mesma
forma que Pedro esforçou-se em entender os limites da fé dele e da
extensão da misericórdia de Deus.
Unidade 1 Lição 3
Página Reproduzível
Dando graças por tudo
Lucas 7:36 – 50
Imaginando a história
Observação para professores(as): Faça cópias desta página para cada grupo de duas ou três pessoas.
Materiais para cada grupo: Caneta ou lápis, caneta hidrográfica para ressaltar (highlighter).
Direção: Em seu grupo, escreva as respostas das questões abaixo para cada pessoa de seu grupo.
Nome da Pessoa #1: _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
Nome da Pessoa #2: _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
Nome da Pessoa #3: _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
Quais são as três palavras que descrevem a cena que você imaginou?
#1 — — — — — — — — — — — — — — — —
— — — — — — — — — — — — — — —
— — — — — — — — — — — — — —
#2 — — — — — — — — — — — — — — — —
— — — — — — — — — — — — — — —
— — — — — — — — — — — — — —
#3 — — — — — — — — — — — — — — — —
— — — — — — — — — — — — — — —
— — — — — — — — — — — — — —
Como se parece e cheira a casa do fariseu?
#1___________________________________________________________________________________________________________________________________________________
#2___________________________________________________________________________________________________________________________________________________
#3___________________________________________________________________________________________________________________________________________________
Qual é o tipo de roupa que as pessoas da história vestem?
#1___________________________________________________________________________________________________________________________________________________
#2___________________________________________________________________________________________________________________________________________________
#3___________________________________________________________________________________________________________________________________________________
O que as pessoas convidadas estavam jantando? Como é que cheirava a comida e que gosto tinha?
#1___________________________________________________________________________________________________________________________________________________
#2___________________________________________________________________________________________________________________________________________________
#3___________________________________________________________________________________________________________________________________________________
Qual foi a reação das pessoas quando a mulher lavou e beijou os pés de Jesus?
#1___________________________________________________________________________________________________________________________________________________
#2___________________________________________________________________________________________________________________________________________________
#3___________________________________________________________________________________________________________________________________________________
Qual o tom de voz tinha Jesus quando ele estava falando?
#1___________________________________________________________________________________________________________________________________________________
#2___________________________________________________________________________________________________________________________________________________
#3___________________________________________________________________________________________________________________________________________________
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
29
Unidade 1 Lição 3
Página Reproduzível
Dando graças por tudo
Lucas 7:36 – 50
Liturgia final (baseada no Salmo 51)
Grupo 1:Tenha misericórdia de mim, Ó Deus, por teu constante
amor.
Grupo 2:
Lava-me e purifica-me do meu pecado,
Grupo 1:Pois eu reconheço as minhas transgressões, e o meu
pecado sempre me persegue.
Grupo 2:
Pequei contra ti, e fiz o que tu reprovas.
Grupo 1:
Desejas a verdade no íntimo.
Grupo 2:
Então, ensina-me sabedoria em meu coração.
Grupo 1:Cria em mim um coração puro, Ó Deus, e renova dentro
de mim um espírito estável.
Grupo 2:
Não me expulses da tua presença.
Grupo 1:
Nem tires de mim o teu Santo Espírito.
Grupo 2:
Devolve-me a alegria da tua salvação.
Grupo 1:E sustenta-me com um espírito pronto a obedecer.
Grupo 2:Ó Senhor, dá palavras aos meus lábios, e a minha boca
anunciará o teu louvor.
Grupo 1:
s sacrifícios que agradam a Deus são um espírito
O
quebrantado.
Grupo 2:
m espírito quebrantado e contrito, Ó Deus, não
U
desprezarás.
Todos(as): Amém.
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
30
Unidade 1: Os ensinamentos de Jesus
sobre a reconciliação
Setenta vezes sete
Mateus 18:21– 35, 22:34 – 40
Idéia principal
Pedro perguntou a Jesus quantas vezes ele teria que perdoar, e Jesus
respondeu com uma expressão e uma parábola. Jesus, então, ensina a
importância de amar outras pessoas.
Contexto histórico para professores(as)
Por quê Pedro perguntou a Jesus quantas vezes ele teria que perdoar
alguém? Ele talvez queria saber justamente quantas vezes ele teria que
perdoar as pessoas que continuamente ofendessem a ele. Ou, talvez, ele
perguntava a si mesmo se constantemente perdoando uma pessoa por
uma má atitude era realmente o melhor para esta pessoa. A pergunta de
Pedro aparece no ápice dos ensinamentos de Jesus a respeito de perdão,
onde Jesus dá quase passo a passo as instruções de como se perdoa uma
pessoa (Mateus 18:15–20). A pergunta de Pedro é uma boa pergunta.
Normalmente, quantas vezes as pessoas cristãs devem perdoar outras
pessoas, e é correto que as pessoas usem esta passagem como uma
desculpa para repetirem a sua má atitude?
Jesus não responde diretamente à pergunta de Pedro. A resposta dele
poderá certamente agregar algo mais à preocupação de Pedro. A frase
“setenta vezes sete” é uma expressão para um número infinito. Jesus
ensina que devemos perdoar uma pessoa sem contar as vezes. O perdão
de Deus é sem fim e ilimitado. Também devemos nós perdoar. Jesus conta,
então, a parábola de um servo impiedoso para ilustrar este princípio. A
parábola começa, “Por isso o reino dos céus. . .” (Mateus 18:23). Ele
reconhece que tal ilimitado perdão é além das possibilidades dos seres
humanos. A sua resposta para Pedro e outras pessoas é que nós devemos
imitar o perdão de Deus, se nós queremos fazer parte do reino de Deus.
Como fazemos isto? Jesus nos fornece esta resposta: “Perdoe seu irmão ou
irmã de coração” (verso 35b) e “Amarás o teu próximo como a ti mesmo”
(Mateus 22:39b).
É talvez instrutivo, recordar que mais tarde Pedro pediu perdão por negar
a Cristo. O Evangelho de João nos fala das três vezes que Pedro negou a
Cristo na noite da prisão no jardim. Em João 21:15–17, o Cristo
ressuscitado pergunta três vezes a Pedro, “Amas-me”? Três vezes Pedro
responde, “Senhor; tu sabes que eu te amo!” E, três vezes, Jesus o
encarregou: “Apascenta as minhas ovelhas!” Observe a conexão entre
amor, perdão e serviço. Observe, também, o uso poderoso do número três,
como o número setenta e sete usado em Mateus 18. Juntos, os números
31
Jovens
Unidade 1 Lição 4
Lição 4
Setenta vezes sete
Mateus 18:21– 35, 22:34 – 40
Lição 4
Você necessitará
o Bíblias
o Cópias de “Indo de encontro ao
alvo” e “Perguntas para reflexão”
(páginas 35 e 36) para cada
estudante
o Fita crepe
o Cartolina
o Marcadores
o Etiquetas redondas multicoloridas,
uma folha para cada estudante.
o Canetas colorida de ponta fina
A
três e setenta e sete no contexto do perdão simbolizam uma graça ilimitada
e um perdão completo.
Não faça contas, Jesus aconselha: perdoe uns aos outros quantas vezes
forem necessárias, acreditando que Deus perdoa generosamente.
Fazendo conexões
O perdão é muito importante na vida de adolescentes. Adolescentes estão
aumentando e testando os seus limites, os quais os levam a quebrar as
normas. À medida que aprendem a planejar os seus caminhos em seus
relacionamentos, também sabem o que significa ser ferido pelas pessoas
que amam. As pessoas jovens gostam de serem tratadas como pessoas
individuais; ainda mais quando percebem que outra pessoa foi premiada
com um privilégio maior ou uma extra quantidade de graça, eles choram
por nada. O pedido de Cristo de perdoar sem cessar pode ser visto para
eles como uma oportunidade para serem capachos. A vulnerabilidade dos
relacionamentos que o perdão necessita geralmente gera mágoas. A
pergunta de Pedro e a difícil resposta de Jesus durarão até quando as
pessoas caminharem na terra.
ssembléia: Deus nos chama para estarmos juntos
Antes de começar a aula, divida a sala ao meio utilizando a fita crepe
no chão. Escreva perdoe numa folha e a exiba num lado da sala. Escreva
não perdoe numa outra folha e a exiba no outro lado da sala. Depois que
todas as pessoas tiverem chegado, solicite que se posicionem em cima
da fita crepe. Diga-lhes que você irá descrever uma cena para eles(as) e
que decidirão em qual lado da sala eles(as) escolherão. Depois de cada
cena, discuta com as pessoas o porquê delas teriam escolhido o lado
que escolheram.
• Cena 1: O seu irmão mais novo ou a sua irmã mais nova
roubou o seu trabalho para a aula de inglês e o entregou com
se fosse dele(a). Ele(a) não somente consegue que ninguém
descubra, mas também consegue uma nota melhor do que a
sua! Você perdoa ou não o seu irmão ou a sua irmã?
• Cena 2: Está correndo um boato na escola a respeito de você
e outro(a) colega. Você descobre que foi o seu melhor amigo
ou a sua melhor amiga, que espalhou o boato. Você perdoa ou
não o seu amigo ou a sua amiga?
• Cena 3: Uma colega de sala continua fazendo brincadeiras com
você que você não gosta. Todas as vezes que você tenta falar
com ela a respeito disto, ela diz que sente muito—mas, ela faz
outra vez. Você perdoa a ela ou não?
32
Setenta vezes sete
Mateus 18:21– 35, 22:34 – 40
Lição 4
E
studo bíblico: Nós escutamos a Palavra de Deus
Distribua as Bíblias e solicite que a turma procure Mateus 18. Peça uma
pessoa voluntária para ler os versos 21–22 em voz alta. Discuta as
seguintes perguntas:
• Por quê Pedro perguntou quantas vezes uma pessoa perdoaria
alguém?
• Por quê Jesus disse setenta vezes sete?
• Você pensa que poderia ser difícil alguém perdoar alguém
repetitivamente? Por quê e porque não?
• Você pensa que têm alguns casos que não poderiam ser
perdoados? Por quê e por quê não?
Solicite quatro pessoas voluntárias para lerem os versos 23–35 em voz alta,
com cada pessoa assumindo diferentes papéis. Você necessitará de uma
pessoa para narrar, um rei e duas pessoas serventes. A pessoa que narrará
vai ler todos os versos que não são falados pelos outros personagens.
Depois da leitura, discuta as seguintes perguntas:
A
Solicite que as pessoas encontrem Mateus 22:34–40. Solicite uma pessoa
voluntária para ler a passagem em voz alta. Depois pergunte:
• Há algum relacionamento entre amor e perdão?
• Como eles estão relacionados?
• Você pode imaginar uma situação na qual amar uma pessoa
significa que você não deveria perdoá-la?
• Você pode imaginar uma situação em que amar a si mesmo
significa que você não deveria perdoar uma pessoa?
firmação: Nós respondemos à Palavra de Deus
Dâ a cada estudante uma cópia de “Indo de encontro ao alvo” e
“Perguntas para reflexão” (páginas 35 e 36), junto com uma folha de
etiquetas e uma caneta de cor de ponta fina. Explique que uma maneira
de definir pecado é “perder o alvo”. Solicite que
33
Jovens
Unidade 1 Lição 4
• Por quê o rei perdoou o servente?
• Por quê o rei estava tão furioso com o servente no final da
história?
• Você pensa que o primeiro servente deveria ter perdoado o
segundo servente? Por quê e porque não?
• O que a história nos fala a respeito do perdão de Deus?
• Como esta história nos fala como nós deveríamos perdoar as
pessoas? (Se as pessoas necessitam de uma dica, direcione-as
para a segunda metade do verso 35).
Setenta vezes sete
Mateus 18:21– 35, 22:34 – 40
Lição 4
primeiro observem “Indo de encontro ao alvo” e sigam as instruções na
página. Quando alguém terminar, solicite que responda as perguntas
correspondentes na “Perguntas para refletir”. Encoraje as pessoas a
serem honestas em suas perguntas, uma vez que não têm que
compartilhar as suas respostas.
D
espedida: Deus nos envia ao mundo
Ajunte as pessoas em um círculo de mãos dadas. Termine com a
seguinte oração, convidando as pessoas a repetirem as frases da oração
que você diz:
Deus em tua misericórdia,
Perdoa-me pelo o que eu fiz
E pelo que eu falhei em fazer em teu nome.
Eu quero ficar livre dos fracassos do passado e das
preocupações do futuro
Me guie no caminho correto
Para que tudo o que eu falar e fazer
Possa trazer honra ao teu nome
Deus de graça e perdão.
Dê-nos um coração grande para perdoarmos aquelas
pessoas que nos fizeram algum mal.
Ajude-nos a encontrar forças para esquecer as dores do
passado
Para que possamos ficar livres para compartilhar o teu
amor reconciliador com as pessoas.
Amém.
A
F
34
valiação
Perdão pode ser um assunto sensível. As pessoas participaram desta
discussão?
Alguma pessoa se distanciou da discussão ou de outras pessoas da
classe?
O que você pode fazer para encorajar estas pessoas?
uturo
A próxima lição contém uma prática espiritual optativa de escrever na
areia. Se você escolher esta opção, você precisará trazer areia e vasilhas
para cada estudante. Você pode conseguir areia em lugares apropriados
de venda. Se você não conseguir areia, mas ainda quiser fazer esta
atividade, você poderá substituir a areia pela areia que se coloca
para gatos.
Unidade 1 Lição 4
Página Reproduzível
Setenta vezes sete
Mateus 18:21– 35, 22:34 – 40
Indo de encontro ao alvo
Materiais: Etiquetas redondas, caneta colorida de ponta fina.
Direções: Escreva seu nome no centro do círculo. Agora, pense em pessoas em sua vida, e escreva os seus
nomes nas etiquetas. Coloque as etiquetas no alvo para representar que perto você está das pessoas.
Coloque as pessoas que estão mais perto de você mais perto do centro. Quanto mais distante você se
sente da pessoa, mais longe do centro você poderia colocar a etiqueta.
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
35
Unidade 1 Lição 4
Página Reproduzível
Setenta vezes sete
Mateus 18:21– 35, 22:34 – 40
Perguntas para reflexão
Materiais: Caneta colorida de ponta fina.
Direções: Leias as perguntas abaixo, e observe as etiquetas na sua página “Indo de encontro ao alvo”.
Escreva as suas respostas nos espaços oferecidos.
Observe os nomes que estão mais longe do centro. Por quê estes nomes
estão lá?
Você necessita perdoar estas pessoas? Por quê precisa perdoá-las?
Há alguns nomes os quais você sente que não poderia perdoá-los agora?
Pode-se compreender se você sente que não pode perdoar alguém agora.
Algumas vezes toma-se tempo até você sentir que pode perdoar alguém.
Como você poderia mostrar amor por esta pessoa, ainda que você sente
muita dor em perdoá-la?
Como você pensa que Deus pode ajudar você?
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
36
Unidade 1: Os ensinamentos de Jesus
sobre a reconciliação
Traga o juiz!
Jovens
Unidade 1 Lição 5
Lição 5
João 8:1–11
Idéia principal
Quem entre nós não tem pecado? Jesus faz esta pergunta para as
autoridades que esperavam apedrejar uma mulher. É uma pergunta que
nós enfrentamos hoje. Como o nosso julgamento é diferente do julgamento
de Deus? Há algum pecado pior do que outro aos olhos de Deus? Há
algum de nós que seja tão justo que não necessita do perdão de Deus?
Não!
Contexto histórico para professores(as)
Esta história poderia ter sido uma situação não ganha por Jesus. Os
mestres da lei e os fariseus trouxeram a mulher a Jesus como uma
armadilha. Era contra a lei judia libertar esta mulher por cometer adultério.
De acordo com a lei, ela estaria condenada à morte (Deuteronômio 5:18;
22:22). Os mestres da lei e os fariseus acreditavam que eles podiam
desacreditar Jesus sem importar o que ele responderia. Se ele concordasse
com a lei, ele poderia ser acusado de hipocrisia. Seria muito para a sua
mensagem de graça. Se ele discordasse com a lei, ele poderia ser acusado
de heresia.
Como um grande contestador, Jesus respondeu de uma maneira que virou
o comprometimento com a lei dos protagonistas contra eles próprios.
Deuteronômio 17:6–7 diz que a primeira pessoa a atirar a pedra contra a
pessoa acusada teria que ser aquela que estava entre as que deram a
evidência contra a pessoa culpada, e que esta pessoa não poderia ser
condenada à morte por somente uma testemunha. As palavras de Jesus
fazem lembrar a grande importância de se condenar uma pessoa à morte.
Isto também serve para mostrar a hipocrisia dos acusadores. Não tinha
nenhuma pessoa na multidão que não fosse culpada de algum pecado ou
outro.
Entretanto, Jesus não estava dizendo que somente aquelas pessoas que
nunca haviam pecado poderiam julgar as outras. Muitas pessoas tomam
esta declaração como uma frase de fuga para os seus próprios maus
comportamentos! Foi uma crítica contra aqueles que usavam da lei como
uma maneira de vingança ou para promover os seus próprios interesses.
Estas palavras eram severas para aqueles que se escusavam e se faziam de
justos para condenar cruelmente outras pessoas. O grupo de pessoas que
estava inflamado para apedrejar esta “mulher pecadora” saiu de
mansinho envergonhado e derrotado.
37
Traga o juiz!
João 8:1–11
Lição 5
Você necessitará
o Bíblias
o Cópias de “Certo ou errado?” e
“Não Peque Mais” (páginas 41 e
42) para cada estudante
o Lápis
o Areia (opcional )
o Uma vasilha rasa para cada
estudante (opcional )
Jesus reproduz o julgamento de Deus nesta história. Primeiro, ele direciona
um real problema bem de perto. O julgamento de Deus não é
inquestionável pelas nossas tentativas de evitar a examinação de Deus
longe de nossos pecados para com os outros. Segundo, Deus dá o perdão
para as pessoas que o pedem. Observe que nenhuma pessoa da multidão
pediu perdão. Somente a mulher fica em pé de frente a Jesus. Os pecados
dela foram revelados para todas as pessoas, mas ela encontra-se pronta
para o julgamento que ela merece. Jesus vê uma autêntica necessidade
nela, e ele não somente a perdoa, também ele permite que ela se vá com a
ordem de não mais pecar. A ordem dele nos mostra exatamente o que
graça é: quando uma pessoa pecadora é reconciliada com Deus, esta
pessoa está livre para viver uma vida santa.
Fazendo conexões
Os adolescentes são muito sensíveis. Um simples gesto impensado pode se
tornar uma razão para que rejeitem outra pessoa. Os adolescentes também
podem se sentir tentados a se ajuntar a outros em seu grupo quando estes
estão atacando outras pessoas por alguma coisa insignificante. Nós
podemos encorajar as pessoas jovens a resistirem à mentalidade de
gangues. As pessoas ainda hoje forçam outras a sentirem culpadas por
outras; nós isolamos indivíduos, grupos e uma raça inteira de pessoas
através do criticismo para desviar atenção de nossos próprios pecados. As
pessoas que gostam de intimidar outras estão em todas as partes. O que
Jesus gostaria que fizéssemos?
A
Charadas
O que as pessoas fazem e que ninguém
pode ver? Barulho.
O que nunca pode ficar mais molhado,
não importando tão forte seja a
chuva? O oceano, um lago, um rio.
O que tem um pé em cada lado e um
no meio? Uma jarda.
O que tem pescoço mas não tem
cabeça? Uma garrafa.
38
ssembléia: Deus nos chama para estarmos juntos
Assim que as pessoas chegarem pergunte se elas têm alguma charada
para compartilhar. Assim que todas chegarem, pergunte se podem
definir uma charada. Explique que uma charada é uma pergunta
confusa apresentada como um problema a ser resolvido. Charadas são
uns dos mais antigos quebra-cabeças da história. A charada mais antiga
conhecida foi escrita durante a época da Babilônia. Charadas podem
ser encontradas na mitologia, no Corão e na Bíblia. Pergunte aos
estudantes as charadas encontradas na coluna ao lado, e veja se alguém
pode encontrar as respostas corretas.
Explique que na passagem da Escritura de hoje, um grupo tenta
enganar Jesus fazendo a ele uma pergunta confusa. Ajunte o grupo em
um círculo. Explique que o grupo irá oferecer uma oração de abertura,
na qual cada pessoa contribuirá com uma palavra para a oração à
medida que se passa para a pessoa que está à esquerda. O objetivo é
fazer uma oração que faça sentido. Passe de pessoa a pessoa no círculo
quantas vezes se façam necessárias para se completar a oração. Permita
que todas as pessoas se unem para dizer “Amém” para concluí-la.
Lição 5
E
studo bíblico: Nós escutamos a Palavra de Deus
Distribua as Bíblias para a turma. Solicite pessoas voluntárias para
lerem quatro passagens da Escritura, e explique que a classe irá discutir
as passagens depois de lê-las.
Solicite que uma pessoa voluntária leia João 8:1–11. Depois da leitura,
pergunte às pessoas se elas podem descobrir como os mestres das leis e
os fariseus tentaram enganar Jesus.
Solicite uma pessoa voluntária para ler Deuteronômio 5:18 em voz alta.
Peça outra pessoa para ler Deuteronômio 22:22 em voz alta. Explique
que a lei judaica era aceita como absoluta.
Pergunte o que pensam o que teria acontecido se Jesus tivesse
concordado que a mulher deveria morrer. Como é que a multidão teria
enganado Jesus se ele tivesse respondido desta maneira? O que pensam
o que teria acontecido se Jesus tivesse dito que a lei estava errada?
Solicite uma pessoa para ler João 8:7 em voz alta. Discuta as seguintes
perguntas:
• Jesus condena adultério? Poderia alguém interpretar as
palavras de Jesus desta maneira?
• O que esta declaração nos fala a respeito de como Deus julga
as pessoas?
• O que esta declaração nos fala a respeito de como nós
poderíamos julgar as outras pessoas?
Distribua cópias de “Certo ou errado?” (página 41) e lápis às pessoas.
Divida a classe em grupos. Peça que o primeiro grupo utilize a
primeira situação da passagem da Escritura para argüir que os mestres
das leis e os fariseus estavam corretos com a decisão de apedrejar a
mulher. Peça que o segundo grupo utilize a segunda situação da
passagem das Escrituras para argüir que os mestres das leis e os
fariseus estavam errados. Dê aos grupos alguns minutos para
prepararem e então apresentarem os seus argumentos. Discuta
quaisquer surpresas ou perguntas que tenham descoberto enquanto
fazem este exercício.
A
firmação: Nós respondemos à Palavra de Deus
Relembre às pessoas que esta história termina com Jesus dizendo a
mulher para que ela não peque mais. Pergunte aos estudantes se
pensam que é possível que uma pessoa numa mais peque. Por quê
eles(as) sentem desta forma? Compartilhe que graça significa que nós
temos a liberdade de tentar outra vez. Nós esperamos que a mulher
39
Jovens
Unidade 1 Lição 5
Traga o juiz!
João 8:1–11
Traga o juiz!
João 8:1–11
Lição 5
Oração
Cria em mim um coração purificado,
Ó Deus, e colocas um espírito novo e
estável dentro de mim.
Não me expulses de tua presença,
e não tires de mim o teu Espírito Santo.
Devolva-me a alegria de Tua salvação,
e sustenta-me um espírito pronto a obedecer.
Então eu ensinarei os teus caminhos aos transgressores,
para que os pecadores se voltem para
Ti.
Livra-me, Ó Deus da minha salvação,
e eu cantarei em voz alta a Tua liberdade.
Amém.
(Baseado no Salmo 51)
nunca mais tenha cometido adultério outra vez, e, conseqüentemente
ficou livre do pecado. Distribua cópias de “Não peque mais” (página
42) e lápis para cada estudante. Convide as pessoas a seguirem as
direções na página. Garanta aos estudantes que as suas respostas irão
permanecer em confidência.
Prática espiritual: Escrevendo na areia (opcional )
Antes da aula começar, encha uma tigela rasa com areia para cada
estudante. Faça com que a areia seja o bastante para que uma pessoa
possa desenhar nela com um dedo. Lembre às pessoas que antes de
Jesus responder à pergunta sobre a mulher que cometeu adultério, ele
se ajoelhou e escreveu alguma coisa na areia. Dê a cada estudante uma
tigela com areia. Solicite que as pessoas fechem os seus olhos, pensem a
respeito do que significa ser perdoado(a), e para desenhar na areia com
um dedo. Peça que não se preocupem com o que estejam desenhando,
mas deixe que dedo se mova na areia. Depois de alguns minutos, peça
que abram os seus olhos e vejam o que desenharam. Pergunte se
desejariam compartilhar os seus desenhos com o resto da turma.
D
espedida: Deus nos envia ao mundo
Lembre às pessoas que somente Deus pode realmente julgar o que está
no coração das pessoas. E, que depende de Deus aumentar a graça. Nós
podemos imitar o perdão de Deus e sua justiça perdoando outras
pessoas, ao invés de condená-las. Encoraje as pessoas a encontrarem
maneiras de imitar o perdão de Deus para com as outras pessoas.
Termine com uma oração encontrada ao lado. Convide as pessoas a
repetirem a oração linha por linha.
A
F
40
valiação
As pessoas gostaram do debate do Estudo Bíblico? Elas surpreenderam
você de alguma maneira? Você fez a prática espiritual? Se fez, como foi
que os estudantes reagiram? Você opina que gostariam de usar outras
práticas espirituais? Converse com o(a) pastor(a) ou com a pessoa
responsável pela educação cristã de sua igreja a respeito de outras
práticas espirituais que você poderia encorajar os seus estudantes a
utilizarem.
uturo
A próxima lição é a descrição da lavagem de pés encontrada no
Evangelho de João. Você terá a opção de fazer um exercício de lavagem
das mãos. Se você for fazer este exercício, você necessitará trazer uma
tigela grande, pétalas de rosas ou outras fragrâncias (opcional ), e toalha
de mãos para a classe.
Unidade 1 Lição 5
Página Reproduzível
Traga o juiz!
João 8:1–11
Certo ou errado?
Materiais: Bíblia e lápis.
Direções: Veja o grupo de passagens da Escritura e escreva notas para criar o seu argumento.
Pro-Fariseus e Mestres das
Leis
Êxodo 20:14
Levítico 20:10
Deuteronómio 5:18
Provérbios 6:32
Jeremias 23:14
Malaquias 3:5
Mateus 5:27–28
1 Coríntios 6:9–10
Hebreus 13:4
Tiago 2:10–11
Contra-Fariseus e Mestres
das Leis
Deuteronómio 17:16–17
Salmo 86:5
Jeremias 31:34
Mateus 6:12–15, 9:5–6
Marcos 3:28
Marcos 11:25
Lucas 7:47–48
2 Coríntios 2:7–10
Efésios 1:7–8
Efésios 4:32
Colossenses 2:13–14
Notes
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
41
Unidade 1 Lição 5
Página Reproduzível
Traga o juiz!
João 8:1–11
Não peque mais
Direções: Responda as perguntas abaixo.
Faça uma lista de pecados que você cometeu ou coisas erradas que você tenha feito.
Faça uma lista dos pecados que você tem a certeza de que não mais cometerá.
Tem alguém que você conhece que também cometeu estes pecados? Quem (use
somente as iniciais) e como?
Se esta pessoa pedisse perdão a você, você seria capaz de perdoá-la? Por quê e por
quê não?
Você opina que é mais fácil ou difícil perdoar alguém por alguma coisa que você já
fez também? Por quê você pensa isto?
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
42
Unidade 1: Os ensinamentos de Jesus
sobre a reconciliação
Lavando
João 13:1–20
Idéia principal
Jesus lava os pés de seus discípulos, os preparando para serem agentes de
reconciliação no mundo.
Contexto histórico para professores(as)
João é o único escritor do Evangelho que nos descreve Jesus lavando os
pés dos discípulos. Mesmo que os outros três Evangelhos concentrem na
instituição da Última Ceia desta noite, João não faz isto. Alguns estudiosos
especulam que João omite a instituição da Eucaristia, porque isto não era
importante para a sua imagem de Cristo. Para João, Cristo foi o pão do céu
e o fornecedor da água vida. Entretanto, não há bastantes evidências para
dizer qual a importância que João pode ou não ter colocado no sacramento
da Ceia do Senhor.
A ação de lavar os pés era um costume comum daquele tempo. A poeira
das estradas deveria cobrir os pés das pessoas, então quando as pessoas
entravam em uma casa era providenciado uma forma de lavar a poeira
dos seus pés. As pessoas que tinham uma boa condição financeira teriam
serventes para fazer esta tarefa. Fazendo isto ele mesmo, Jesus estava indo
além de suas responsabilidades como um bom anfitrião. Ele estava se
rebaixando ao nível de um servente—uma postura profética que fugiu da
compreensão dos discípulos, como nós observamos na resposta de Pedro.
Esta história demonstra uma delicada e ainda significante mundança entre
o mestre e o servente. No ato de lavar os pés dos discípulos, Jesus está
indicando que os discípulos não são somente discípulos. Eles são muito
mais—eles se igualaram a ele e se tornaram o amigo dele. Ele também deu
a eles um exemplo para seguir após a partida dele. Eles tem que servir as
outras pessoas de uma maneira humilde, não importando a posição que a
pessoa que eles estão servindo ocupa na sociedade.
Algumas pessoas especularam a natureza do sacramento da lavagem dos
pés. Como seria, alguns dizem, se a igreja tivesse adotado o lavar dos pés
como um sacramento, ao invés da comunhão à mesa e o partir do pão e o
compartilhar do vinho? Tente imaginar a comunhão aos domingos, ao
invés da ida à mesa, a chegada da bacia e da toalha, com instruções para
remover os sapatos deles? Poderia a vida e o testemunho da sua igreja
serem diferentes, se o lavar dos pés fosse um componente da adoração—se
isto realmente fosse um sacramento?
43
Jovens
Unidade 1 Lição 6
Lição 6
Lavando
João 13:1–20
Lição 6
Você necessitará
o Bíblias
o Cópias de “Cristo vive em nós” e
“Uma liturgia para o Domingo de
Paixão” (páginas 47 e 48) para
cada estudante.
o 8 1/2" x 14" papel branco (uma
folha para cada estudante)
o Lápis
o Marcadores
o Cartolina
o Uma bacia grande com água
(opcional )
o Pétalas de rosas, colônia ou
fragrância floral (opcional )
o Toalha de Mão (opcional )
Fazendo conexões
Amizade é muito importante para adolescentes. Podem entender o
compromisso de “dar a vida por uma amizade”. Mas, servir alguém que
consideram inferior a eles? Esta é outra história. O lavar dos pés pode ser
uma forma poderosa de lembrar que nós servimos humildemente porque
Cristo serviu com humildade.
A
ssembléia: Deus nos chama para estarmos juntos
Assim que a turma chegar, dê a cada pessoa uma folha de papel e um
lápis. Peça que cada pessoa tire o seu calçado (e meias se for necessário)
e desenhe o formato do pé de cada pessoa. Providencie canetas
coloridas e peça que cada pessoa acrescente marcas ou detalhes
(cicatriz, esmalte para unhas etc.) em seus desenhos. Recolha as folhas e
as distribua outra vez, assegurando-se de que cada estudante receba o
desenho de um(a) outro(a) estudante. Peça que os(as) estudantes
adivinhem a quem pertence o desenho do formato de pé que tenham
em mãos. Discuta as seguintes questões:
• Foi fácil ou não identificar o pé da pessoa?
• Quais foram as dicas para descobrir de quem era o desenho
que tinha?
• Quais são as palavras que você usaria para descrever os pés?
• Você estaria disposto(a) a lavar os pés de outra pessoa? E, ter
alguém lavando os seus pés? Por quê?
Diga ao grupo que vocês estudarão a história de última ceia de Jesus
com os seus discípulos de acordo com o Evangelho de João, no qual o
evento principal foi Jesus lavando os pés de seus discípulos. Convide o
grupo a orar com você a seguinte oração:
“Ó Deus, como hoje nos reunimos à sombra da cruz, ajude-nos a
centralizarmos para que possamos entender o que significa refletir
Cristo em nossas vidas. Amém”.
E
studo bíblico: Nós escutamos a Palavra de Deus
Escreva João 13:1–11 na parte de cima da cartolina. Abaixo, no meio da
página escreva João 13:12–20. Deixe espaço suficiente debaixo de cada
passagem para anotações. Distribua Bíblias para a classe. Solicite uma
pessoa voluntária para ler João 13:1–11 em voz alta. Peça que leiam os
versos e compartilhem quaisquer palavras ou frases que pensem que
sejam as idéias centrais da história. Escreva estas palavras na parte
central superior da cartolina. Peça uma outra pessoa voluntária para ler
João 13:12–20 em voz alta. Solicite palavras ou frases que pensem que
sejam importantes desta história, e as escreva na parte central inferior
da página. Em grupo, observem a lista, e discutam o que é o mesmo e o
44
Lavando
João 13:1–20
Lição 6
Solicite uma pessoa voluntária para ler outra vez João 13:15 em voz
alta. Compartilhe com a turma que Dietrich Bonhoeffer escreveu que
Jesus continua a viver nas pessoas que o seguem, e por isso ele vive em
nós. Leia em voz alta a citação de Bonhoeffer encontrada ao lado.
Distribua as cópias de “Cristo vive em nós” (página 47) e lápis para as
pessoas. Divida a classe em cinco grupos (uma pessoa poderia ser um
grupo). Se você tiver menos de cinco estudantes, faça esta atividade
como um só grupo. Designe a cada grupo uma das seguintes
passagens: 1 João 2:6, Efésios 5:2, João 15:12, Colossenses 3:13, e
Filipenses 2:5. Peça que as pessoas observem as suas devidas passagens
e sigam as instruções em “Cristo vive em nós” (página 47). Solicite que
preparem-se para compartilharem as suas respostas com o restante da
classe.
Citação de Bonhoeffer
“Certamente é errado falar da vida
cristã: ao invés, deveríamos falar que
Cristo vive em nós”.1
A
firmação: Nós respondemos à Palavra de Deus
Serviço: Com estes pés (opcional )
Na parte superior da cartolina escreva Meus pés podem. . . . Solicite que
as pessoas pensem como elas podem mostrar o amor de Deus através
de seus pés (Por exemplo: “Meus pés podem caminhar para protestar
contra uma injustiça,” “Meus pés podem me sustentar enquanto eu
pinto uma casa”). Pergunte às pessoas como é que fazendo estas coisas
se mostra que Cristo vive em nós. Como é que fazendo estas coisas nós
mostramos que somos agentes do amor e do perdão de Cristo?
Prática espiritual: Com estas mãos (opcional )
Palavras “Com estas mãos”
Jesus, o cordeiro de Deus,
Tenha misericórdia de nós.
Jesus, portador de nossos pecados,
Tenha misericórdia de nós.
Jesus, Salvador do mundo,
Nos dê a paz.
1.Dietrich Bonhoeffer. The Cost
of Discipleship (O Custo de
Discipulado) New York: Macmillan,
1959), p. 274.
Antes da aula, encha uma vasilha grande com água. Você poderia
acrescentar à agua pétalas de rosa, colônia ou perfume de flores.
Solicite que as pessoas da classe pensem por um momento sobre o que
significa ser perdoado(a) como Cristo perdoou. Diga para a turma que,
para que perdoemos as pessoas, nós primeiramente deveríamos pedir
perdão para nós mesmos. Solicite que pensem em alguma coisa que
gostariam de pedir perdão a Deus. Convide cada estudante para ir à
frente assim que estiver preparado(a). Tome as mãos da primeira
pessoa e coloque-as na água. À medida que você “lava” as mãos dela,
diga as palavras que estão ao lado.
Então, peque a toalha, e enxugue as mãos da pessoa. Faça a mesma
coisa com cada estudante. Opção: Encoraje as pessoas da classe para
que uma lavem a mão da outra, especialmente se isto simboliza uma
restauração de uma amizade. Não se esqueça de pedir uma pessoa
para que lave as suas mãos!
45
Jovens
Unidade 1 Lição 6
que é diferente. Mencione que a primeira metade da história focaliza
no que Jesus fez. A segunda metade focaliza no que Jesus disse.
Lição 6
Lavando
João 13:1–20
D
espedida: Deus nos envia ao mundo
Lembre à classe de que o Domingo de Palmas é também conhecido
como o Domingo da Paixão. Quando nos concentramos no Domingo
da Paixão, nós nos fixamos no significado dos eventos da Semana Santa
e porque Jesus foi para a cruz. Encoraje a classe a assistir qualquer
serviço especial oferecido nesta semana.
Distribua as cópias de “Uma liturgia do Domingo da Paixão” (página
48) e convide a turma a ler juntamente com você a oração final.
A
F
valiação
Você experimentou algum momento hoje de “Aha!”—qualquer
momento em que as pessoas realmente pareceram interessadas? Se
você escolheu a prática espiritual opcional, qual foi a reação das
pessoas? Entenderam o significado desta prática? Se você escolheu o
serviço opcional, como você encorajou as pessoas ao colocar as suas
próprias palavras “onde estão os seus pés”?
uturo
Em preparação para a próxima semana, consiga duas pessoas
voluntárias (uma mulher e um homem) para atuarem como Maria
Madalena e Tomas. Ajude-as a encontrarem as roupas apropriadas e
repasse a lição, para que elas saibam o que se é esperado delas.
Também, entregue-lhes as cópias das perguntas da entrevista da
página 51, para que estejam prontas para as suas entrevistas com a
turma.
Durante a próxima semana, reflita sobre o significado e o poder da
ressurreição na sua vida. O que o batismo significa para você? A
Escritura nos diz que qualquer pessoa que está em Cristo Jesus—
qualquer pessoa batizada em sua morte e ressurreição—é uma nova
criação. De que maneira você é uma nova criação?
46
Unidade 1 Lição 6
Página Reproduzível
Lavando
João 13:1–20
Cristo vive em nós
Direções: Observe a sua devida passagem da Escritura e responda as perguntas abaixo.
Cristo é o exemplo que devemos seguir. Como é que a sua passagem diz que devemos seguir o
exemplo de Cristo?
O que isto tem a ver com o que sua passagem diz que devemos fazer?
Como você poderia seguir este exemplo?
De que outra maneira poderíamos refletir que Cristo vive em nós?
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
47
Unidade 1 Lição 6
Página Reproduzível
Lavando
João 13:1–20
Uma liturgia para o Domingo da Paixão
Bendigo seja aquele que vem em nome do Senhor
Hosanna nas alturas!
Bendito seja o Cordeiro de Deus que vem para tirar os pecados do mundo
Hosanna nas alturas!
O que eu fiz, meu povo, para causar que se virassem contra mim?
Eu conduzi vocês para fora da escravidão do Egito.
Eu providenciei para vocês água e maná no deserto.
Eu enviei a vocês juízes e profetas para mostra-lhes o caminho.
Mas vocês se voltaram contra mim, e construíram uma cruz para o seu Salvador.
Senhor, tenha misericórdia.
Não vim eu para o menor de vocês?
Eu dei de comer ao faminto, curei o enfermo, e perdoei ao pecador.
Eu trouxe a vocês o espírito de reconciliação e paz.
Mas vocês se voltaram contra mim, e construíram uma cruz para o seu Salvador.
Senhor, tenha misericórdia.
Todas as pessoas: Onipotente Deus, vieste à terra através de seu filho Jesus
Cristo, o Cordeiro de Deus. Tenha misericórdia de nós pela maneira em que
temos negado e traído a Ti. Enquanto nos colocamos à sombra da cruz, ajudenos a recordar daquele que veio para tirar os nossos pecados. Dê-nos força para
sermos agentes de reconciliação de Cristo no mundo. Amém.
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
48
Unidade 2: A reconciliação da cruz
Ele é livre
João 20:1–31
Idéia principal
Jesus é livre outra vez! O amor e o poder de Deus são mais forte do que a
morte e nosso Jesus vivo e ressuscitado é “livre”, encontrando com os seus
discípulos e transformando tristeza em alegria, medo em confiança e
dúvida em fé.
Contexto histórico para professores(as)
Esta passagem nos leva da Sexta-feira da Paixão para o começo do
ministério da igreja primitiva, e nos envolve a todos na mudança do medo
e da tristeza para a alegria e o serviço. No domingo cedo pela manhã,
Maria vai ao sepulcro, provavelmente com outras várias mulheres (por
causa do uso de “nós” no verso 2), e descobre que a pedra havia sido
removida. Sem olhar dentro do sepulcro, ela se apavora. As mulheres
correm para dizer a Pedro e “o discípulo que Jesus amava”
(provavelmente João) que eles suspeitavam que alguém tinha mudado o
corpo de Jesus, ou possivelmente alguém o havia roubado. A idéia de que
ele havia sido ressuscitado nem passava pela cabeça destas pessoas.
Então, nós nos encontramos com a presença de Jesus ressuscitado através
da experiência de Maria e Tomé. Enquanto Maria fica chorando no
sepulcro vazio, depois que Pedro e João saem para dizer aos discípulos,
Jesus aparece para ela e a chama pelo seu nome, perguntando por que ela
chorava. Quando ela reconhece Jesus e ela vai o segurar ele diz à ela,
“Disse-lhe Jesus: Deixa de me tocar, porque ainda não subi ao Pai; mas vai
a meus irmãos e dize-lhes que eu subo para meu Pai e vosso Pai, meu
Deus e vosso Deus”. (v. 17). Maria se torna a primeira testemunha da
ressurreição, a primeira apóstola a compartilhar as boas novas que Deus
tinha ressuscitado Jesus da morte.
Ao cair da tarde, os discípulos se escondem a portas trancadas temerosos
por suas vidas. Jesus aparece a eles do nada. Ele responde ao medo deles
proclamando a paz para eles. Ele, então, os encomendou, dizendo: “Assim
como o Pai me enviou, eu os envio”, e soprando neles da mesma maneira
que Deus soprou vida em Adão em Gênesis 2, ele diz, “Receba o Espírito
Santo. Âqueles a quem perdoardes os pecados, são-lhes perdoados; e
ñueles a quem os retiverdes, são-lhes retidos”. (v. 23).
Os discípulos foram transformados—exceto Tomé, que não estava com
eles nesta noite. Por uma semana, Tomé esteve na comunidade mesmo
com as suas dúvidas, o que sugere que a comunidade foi uma grande
49
Jovens
Unidade 2 Lição 7
Lição 7
Ele é livre
João 20:1–23
Lição 7
Você necessitará
o Bíblias
o Cópia do “Hino da ressurreição” e
“Jesus é vivre!” (páginas 53 e 54)
para cada estudante
o Atores para representarem Maria
Madalena e Tomé
o Roupas especiais
o Velas e fósforos
o Música solene
o Canetas e lápis
testemunha de gentileza e graça, até mesmo na sua euforia sobre o
encontro com o Jesus ressuscitado! Então, Jesus apareceu outra vez e vai
diretamente a Tomé, apaziguando as suas dúvidas, de forma que Tomé
ofereceu a sua proclamação de fé: “Senhor meu e Deus meu!” (v. 28).
Fazendo conexões
Uma pessoa sábia uma vez aconselhou, “Dê tanto quanto conhece a si
mesmo e tanto quanto conhece a Deus”. Há sabedoria neste conselho, uma
vez que em momento algum em nossa vida podemos dizer que sabemos
tudo a respeito de Deus e de nós mesmos. Hoje, nós proclamamos o
mistério da ressurreição. Nós não procuramos provas, porque prova
poderia contradizer a necessidade da fé. Assim como Jesus disse a Tomé,
“Felizes os que não viram e creram”. Assim como Jesus apareceu para
Maria, os discípulos e Tomé, assim ele também vem até a nós hoje e
transforma a nossa tristeza em alegria, o nosso medo em serviço e as
nossas dúvidas em fé. Nós somos encorajados a proclamar: “Cristo foi
ressuscitado! Cristo realmente foi ressuscitado!”
A
ssembléia: Deus nos chama para estarmos juntos
Antes do grupo chegar, deixe a sala escura, para que indique como era
a sala na qual os discípulos se encontravam reunidos cheios de medo.
Ascenda algumas velas e tenha a Bíblia aberta no Salmo 22 perto delas.
Selecione uma música solene para ser tocada como um fundo musical
para a ocasião. Cumprimente as pessoas à medida que entrem na sala.
Convide a pessoa mais velha da sala a ler o Salmo 22. Solicite que
escutem cuidadosamente e que imaginem a cena na sexta-feira quando
Jesus foi crucificado.
Faça a seguinte oração: “Deus de amor e de ressurreição, remova o
medo de nossos corações, mentes e imaginações para que à medida
que lemos a sua palavra, encontremos o Cristo vivo agora. Amém”.
E
studo bíblico: Nós escutamos a Palavra de Deus
Antes da aula, solicite duas pessoas voluntárias (uma mulher e um
homem) para representarem Maria Madalena e Tomé. Coopere para
que encontrem as roupas apropriadas e repasse e lição com elas. Dê a
cada figurante uma cópia das perguntas da entrevista para que estejam
preparados para as perguntas feitas pelo resto da classe.
Leia João 20:1–18 em voz alta. Faça com que a atriz representando
Maria Madalena entre repentinamente na sala, anunciando
entusiasticamente que ela viu o Senhor. (Ela poderia se basear na
passagem de João). Pergunte se ela poderia dar uma entrevista para a
turma. Claro que ela concorda! Baseie a entrevista nas perguntas que
estão ao lado ou faça outras parecidas com estas. (Encoraje os
estudantes a pensarem nas questões para fazê-las).
50
Ele é livre
João 20:1–23
Perguntas para a entrevista de
Maria
• Por quê você foi ao sepulcro esta
manhã?
• Quando você acreditou que Jesus
tinha ressuscitado da morte? Você
duvidou?
• O que você falou para Jesus? O
que você perguntou? Você estava
alegre, triste, chateada, com medo ou
confusa? Quais seriam as perguntas
que você não perguntou a ele, mas
gostaria de ter perguntado?
• O que você sentiu quando ele
chamou você pelo nome?
• Você se sente diferente após o
encontro que teve com o Jesus
ressuscitado?
A
Perguntas da entrevista com Tomé
• Por quê você não acreditou quando
os seus amigos lhe contaram que
Jesus apareceu nesta mesma sala?
• Como você se sentiu, sabendo que
Jesus morreu, e que seus amigos
disseram que o viram vivo?
• O que você diria se Jesus viesse
a você e mostrasse as suas mãos
e a parte de lado do seu corpo?
Você ficaria alegre, aliviado, triste,
angustiado, com medo ou confuso?
• Sua vida mudaria se Jesus aparecesse
para você? Então você creria?
Depois de uns dez minutes, conclua a entrevista distribuindo as cópias
do “Hino da ressurreição” (página 53) para todas as pessoas presentes.
Dirija o grupo para cantar ou ler os quatro versos na coluna esquerda
(marcados Cante com “Maria”). Maria sai de cena antes de terminarem
de cantar.
Assim que o hino terminar, sinalize para que a pessoa representando
Tomé entre na sala, com uma fisionomia questionadora. Ele não estava
presente quando da aparição do Senhor e ele é uma pessoa difícil de
ser convencida. Ele não acredita, a não ser que ele veja o Cristo
ressuscitado com os seus próprios olhos. Pergunte se ele poderia dar
entrevista e use as perguntas ao lado ou outras similares.
Depois de uns dez minutos, convide a turma a encontrar a folha do
“Hino da ressurreição” e cantar ou ler o hino na coluna da direita
(marcado Cante com “Tomé”). Tomé deixa a cena antes da canção
terminar. Depois da canção, leia João 20:24–31 em voz alta.
firmação: Nós respondemos à Palavra de Deus
Pergunte: Com qual pessoa você mais se identificou? Maria, quem
mudou da tristeza para o entusiasmo? Ou Tomé, quem perdeu a
oportunidade de ver Jesus da primeira vez—ou mesmo talvez depois
que Tomé encontrou com Jesus e declarou: “Meus Senhor e meu Deus”?
Jovens
Unidade 1 Lição 7
Lição 7
Permita um breve tempo de silêncio para que as pessoas pensem a
respeito disto, e então as convide para terem em mãos “Jesus é livre!”
(página 54) para escreverem durante três ou cinco minutos o que
quiserem. Diga se alguém não quiser escrever nada, que fique
assentado em silêncio, refletindo sobre as perguntas ou em oração.
Assim que terminarem de escrever, pergunte se alguém gostaria de
compartilhar alguma coisa que tenha escrito.
D
espedida: Deus nos envia ao mundo
Afirme ao grupo que cada pessoa na passagem do Evangelho
experimentou um encontro diferente com o Cristo ressuscitado. Nem
mesmo duas pessoas não tiveram a mesma experiência. Isto aconteceu,
e até hoje Jesus Cristo ainda está “livre” para vir até a nós, até mesmo
neste exato momento. A comunidade primitiva de discípulos
intuitivamente compreendeu que até mesmo no meio do seu
entusiasmo da experiência com o Senhor ressuscitado, necessitariam
abrir espaço para que Tomé continuasse a fazer parte desta
comunidade. E, Tomé pode se sentir incluído e aceito uma vez que ele
estava reunido com a comunidade uma semana depois, quando Jesus
veio até a ele.
51
Ele é livre
João 20:1–23
Lição 7
Se você tiver ainda alguns minutos, convide as pessoas a
compartilharem a respeito de como poderiam ser este tipo de
comunidade—não somente entusiasmada a respeito da presença de
Cristo entre elas, mas também serem cordiais com as pessoas cuja
experiência com o Senhor vivo tivesse sido diferente. Também, ajude a
classe a entender que as dúvidas podem fazer parte do crescimento da
fé das pessoas, justamente como aconteceu com Tomé.
Faça um círculo para a oração final. Peça que dêem as mãos,
posicionando a mão esquerda em cima da mão da outra pessoa e a
mão direita debaixo da mão da outra pessoa, simbolizando como eles
apóiam uns aos outros (mão esquerda) e sendo apoiados por outros
(mão direita). Termine com a seguinte oração, ou faça a sua própria:
“Deus de bondade e de graça, damos graças por teu amor ser mais
forte do que a morte! Agradecemos pelo Senhor ressuscitado, quem
apareceu a Maria, aos discípulos e a Tomé. Agradecemos por teres
transformado as suas tristezas em alegria, seus medos em serviço e
suas dúvidas em fé. Venha a nós e ao nosso mundo e transforma
nossas tristezas, medos e dúvidas com a Tua viva presença. Nos dê o
Teu Espírito Santo para que possamos ir em Teu nome. Em nome de
Jesus nós oramos. Amém”.
A
F
52
valiação
As pessoas estavam confortáveis durante esta lição? Participaram,
responderam às perguntas e fizeram os exercícios? Estão confortáveis
em falar sobre a sua fé e suas experiências com Cristo? Ao apresentar
da unidade, Você necessitará ficar atento(a) a respeito da personalidade
do seu grupo e adaptar as lições para que encaixem no estilo de
aprendizagem das pessoas. Você também necessitará de adicionar um
jogo de “como conhecer as pessoas” no começo da lição, se o seu grupo
tiver muitos novos membros.
uturo
Na próxima semana vocês estudarão João 21:15–19. Enquanto se
prepara para esta semana, ore para que o seu grupo venha a conhecer o
poder do perdão de Cristo e que as pessoas respondam para o serviço.
Unidade 2 Lição 7
Página Reproduzível
Ele é livre
João 20:1–23
Hino da ressurreição
(Cante com “Maria”)
Aleluia! Aleluia! Aleluia! Aleluia!
O filhos e filhas, cantemos!
O Rei do céu, o glorioso Rei,
A morte e o inferno subiram triunfantes.
Aleluia! Aleluia!
(Cante com “Tomé”)
Quando Tomé primeiro ouviu a notícia,
De como eles tinham visto o Cristo
ressuscitado,
Ele duvidou da palavra dos discípulos.
Aleluia! Aleluia!
Que na tristeza da Páscoa, ainda escuro,
As mulheres fiéis foram em sua jornada
Para procurar o sepulcro onde Jesus
estava deitado.
Aleluia! Aleluia!
“Meu lado marcado, O Tomé, veja;
Minhas mãos, meus pés, eu os mostro;
Não sem fé, mas crendo”.
Aleluia! Aleluia!
Um anjo vestido de branco eles viram,
Que se sentou e falou com os três,
“O Senhor foi para a Galiléia”.
Aleluia! Aleluia!
Nesta noite os apóstolos se encontraram
cheios de medo;
Entre eles veio o seu Senhor querido,
E disse: “Paz seja com vocês”.
Alleluia! Alleluia!
Não mais Tomé negou,
Ele viu os pés, as mãos e o lado;
“Meu Senhor e meu Deus”, ele
proclamou.
Aleluia! Aleluia!
Felizes aqueles que não viram,
E, cuja fé é constante,
Porque a vida eterna eles ganharão.
Aleluia! Aleluia!1
O tom tradicional deste hino é “O filii et filiae”. Se necessário, convite um músico de sua igreja para
visitar e cantar com a classe.
1. “O filhos e filhas, cantemos!” do Hinário Presbiteriano (Louisville: Westminster/John Knox Press, 1990), nos. 116, 117.
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
53
Unidade 2 Lição 7
Página Reproduzível
Ele é livre
João 20:1–23
Jesus é livre!
Direções: Escolha uma das frases e responda:
Jesus aparece para você e diz “Paz seja com você”. Como seria esta paz para você?
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
Jesus vem ao seu grupo de jovens e diz: “Receba o Espírito Santo. Assim com o Pai me enviou, agora
eu envio vocês”. Aonde você iria? O que faria? Como você responderia?
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
Você tem dúvidas, medo e preocupações. Jesus vem até você e diz: “Creia em mim, ainda que você
não pode me ver”. Que é sua resposta?
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
54
Unidade 2: A reconciliação da cruz
A rocha reformada
João 21:15–19
Idéia principal
Jesus perdoa Pedro por negá-lo. Dando-lhe o mandamento “apascenta as
minhas ovelhas,” Jesus restaura Pedro à sua função como uma rocha.
Contexto histórico para professores(as)
Nesta cena, Jesus reabilita Pedro. Imagine que Pedro é a testemunha sendo
questionada a respeito do que ele conhece de Jesus. Assim como no pátio
da casa do sumo sacerdote, Pedro nega Cristo como uma testemunha que
é pressionada. “Não, eu não conheço ele”, Pedro responde, referindo-se a
Jesus. O testemunho de Pedro está comprometido; ele está perto de perder
credibilidade como um líder da igreja. Agora, Cristo examina Pedro.
“Simão, filho de João, amas-me?” Cristo pergunta. Esta é a oportunidade
de Pedro de provar o mais perfeito testemunho de Cristo, e de falar a
verdade. Por três vezes Jesus pergunta e três vezes Pedro responde: “Sim,
Senhor! Sim!” A reabilitação da testemunha está completa!
É importante manter em mente o verso central do Evangelho de João
20:31: “estes, porém, estão escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o
Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome.”
O principal objetivo do Evangelho de João é que testemunhando Cristo é
que nós cremos. Em todo este Evangelho, Jesus proclama, “Eu sou . . “.: Eu
sou o pão da vida; Eu sou o caminho, a verdade e a vida; antes de Abraão
ser, Eu sou. Jesus Cristo proclamando “Eu sou,” faz uma magnífica
aclamação: “Eu sou a presença de Deus no seu meio. Creia”. Este
testemunho tem sido dado aos seguidores de Jesus, a igreja. A
credibilidade do testemunho de Pedro está em jogo, pois se sabe que ele
negou a Jesus. Como é que uma pessoa que negou a Cristo chega a uma
posição de liderança na igreja de Cristo? O encontro de Jesus com Pedro
restaura o testemunho de Pedro e o seu lugar na igreja. Provavelmente,
nós podemos acreditar no testemunho de Pedro porque ele confessou
Cristo e reconciliou com ele.
Durante esta lição, você será convidado a liderar as pessoas para que
façam um sumário do relacionamento de Pedro com Jesus segundo o
Evangelho. A jornada de Pedro de pescador a apóstolo é uma história
interessante, e oferece um apropriado cenário para o texto em João 21.
Enquanto você se prepara para este estudo, talvez eria apropriado
relembrar que assim como a negação de Cristo por Pedro foi perdoada, e
seu testemunho restaurado pela graça e misericórdia de Deus, também as
55
Jovens
Unidade 2 Lição 8
Lição 8
A rocha reformada
João 21:15–19
Lição 8
Você necessitará
o Bíblias
o Cartolina e marcadores
o Cópia de “A vida de Pedro”
(página 59) para cada estudante
o Cópia de “Retrato de Pedro”
(página 60) para cada grupo de
dois ou de três pessoas.
o Caneta, lápis e marcadores para
cada estudante
nossas faltas em servir a Cristo são cobertas pela mesma graça e
misericórdia. Isto nos dá coragem a dar um passo de fé e proclamar o
Senhor ressuscitado.
Fazendo conexões
Se tiver um texto da Escritura que expressa a verdade de que o evangelho
é particularmente relacional, aí está! Ainda que Pedro e os outros
discípulos desaparecessem na hora mais difícil, Deus planta sementes de
reconciliação. Apesar de que nós não gostaríamos de dizer aos nossos
jovens que tudo se pode—não importando a distancia que estamos de
Deus—nós estamos continuamente cheios da graça de Deus que nos aceita
como somos e nunca nos desampara. Observe que Cristo inicia a
restauração com Pedro. E, também ele o faz comigo e com você. Esta é
uma boa notícia para todos os filhos e filhas de Deus—até mesmo as
pessoas jovens!
A
ssembléia: Deus nos chama para estarmos juntos
Antes do começo da aula, escreva na cartolina o verso João 20:31:
“Estes, porém, estão escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o
Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome”. Coloque
esta folha num lugar bem à vista, mas não chame muita atenção para
isto. Simplesmente, permita que o Espírito Santo fale ao coração dos
estudantes.
Cumprimente os estudantes à medida que chegarem com uma
aclamação “Cristo está ressuscitado!” Comece a lição com uma oração
louvando a Deus por aclamar Cristo através da ressurreição e abrir os
caminhos para a vida eterna para todas as pessoas que crêem.
E
studo bíblico: Nós escutamos a Palavra de Deus
Convide as pessoas da classe a dizerem o que elas sabem a respeito do
apóstolo Pedro. Faça uma lista da contribuição delas numa cartolina
onde todas as pessoas possam ver.
Distribua Bíblias e cópias da “A vida de Pedro” (página 59) para a
turma. Peça que sigam as instruções da “A vida de Pedro” (página 59),
trabalhando independentemente ou em pares. Explique que cada
passagem desta página está ligada a um evento do relacionamento de
Pedro e Jesus, e que cada pessoa ou par enfatizará numa passagem
diferente. (Tenha a certeza de que cada passagem seja selecionada).
Explique que cada pessoa ou grupo fornecerá as seguintes informações
a respeito de suas passagens: Baseando-se nesta leitura, descrevam a
personalidade de Pedro, caráter e o seu senso de propósito. O que Pedro
assume ser a afirmação de Deus na vida dele? O que ele acredita que Deus
quer que ele faça?
Permita que trabalhem por três ou cinco minutos para completarem
esta atividade. Quando terminarem, peça que reunem-se em novos
56
A rocha reformada
João 21:15–19
Lição 8
grupos de duas ou três pessoas e comparem as suas respostas com as
perguntas apresentadas a respeito de Pedro. Distribua o “Retrato de
Pedro” (página 60) para cada grupo e peça que adicionem
características ao desenho que ilustra o caráter, a personalidade e o
senso de propósito na vida de Pedro.
Depois de conceder tempo suficiente para esta tarefa, reúna os
estudantes em um só grupo. Convide para que compartilhem o que
escreveram a respeito de Pedro. Reproduza o melhor que possa (ou
talvez um dos estudantes com dons artísticos poderia fazer isto) o
desenho do “Retrato de Pedro” na folha de cartolina exposta na
parede. Enquanto compartilham o que escreveram, desenhe as
características do caráter, personalidade e senso de propósito na vida
de Pedro. Divirta-se!
firmação: Nós respondemos à Palavra de Deus
Solicite que a turma tenha a passagem de hoje João 21:15–19. Peça três
pessoas voluntárias para lê-la, uma pessoa sendo Jesus, outra Pedro e a
terceira narradora. Talvez elas gostariam de revisar a passagem antes
de lê-la para a classe. Conceda-lhes a oportunidade de fazê-lo, se assim
desejarem.
Depois da leitura peça que comentem o que mais lhes tenha chamado
atenção. Possíveis respostas: as três vezes que Pedro foi questionado
refletem as três vezes que ele negou na noite em que Jesus foi preso, a
maneira pela qual Pedro poderia morrer; o mandamento de Jesus para
que apascente as suas ovelhas. O que pensam a respeito desta história?
Como é que interagem a respeito do relacionamento de Pedro e Jesus e
a liderança de Pedro com a igreja?
Depois de um tempo, leia as seguintes declarações de fé em voz alta,
introduzindo-as como citações do Estudo do Catecismo, produzido pela
Igreja Presbiteriana dos EUA. O catecismo segue com um formato de
pergunta e resposta e a intenção é de ajudar as pessoas cristãs as
doutrinas básicas da fé reformada.
Q. 80. O que significa quando você fala a respeito do “perdão dos
pecados”?
A. É por causa de Jesus Cristo que Deus não mais tem os meus
pecados contra mim. Cristo somente é a minha justiça e a minha
vida; Cristo é a minha única esperança. Somente a graça, e não
meus próprios méritos, é a base na qual Deus me há perdoado em
Cristo. Somente através da fé, não as minhas obras, é que eu recebo
Cristo no meu coração, e com ele o perdão que me faz uma pessoa
completa. Somente Cristo, somente a graça e somente a fé podem
trazer o perdão que eu recebo através do evangelho.
57
Jovens
Unidade 2 Lição 8
A
A rocha reformada
João 21:15–19
Lição
Q. 81. Perdão significa que Deus condena o pecado?
A. Não. Deus não deixa de ser Deus. Além de tudo, Deus é
misericordioso, Deus não condena o que Deus perdoa. Na morte e
ressurreição de Cristo Deus julga o que Deus abomina—tudo o que
é hostil ao perdão —abolindo isto pela raiz. Neste julgamento o
inesperado acontece: bondade é trazida das más intenções,
esperança é trazida de desesperança e vida é trazida da morte.
Deus poupa as pessoas pecadoras e as transforma de inimigas em
amigas. O intransigente julgamento de Deus é revelado no amoroso
sofrimento da cruz.
(O Estudo do Catecismo: Versão completa).
Pergunte como é que estas declarações se aplicam à vida de Pedro em
geral, ou mais especificamente à reabilitação de Pedro (João 21:15–19).
Quais são as palavras e frases na declaração de fé que poderiam ter
sido escritas a respeito de Pedro?
Considere falar a respeito de sua própria experiência de ser
perdoado(a) por Deus. A história desta lição sobre Pedro e as
perguntas e respostas do Estudo do Catecismo poderiam ajudar-lhe a
encontrar palavras para descrever a sua própria experiência do perdão
de Deus. Convide a turma a compartilhar.
D
espedida: Deus nos envia ao mundo
Solicite que cada estudante traga um bichinho de pelúcia na próxima
aula.
Convide uma ou mais pessoas mais maduras da turma para oferecerem
uma oração final.
A
F
58
valiação
Considere convidar algumas pessoas da classe a ficarem depois da
aula, para que forneçam opiniões a respeito da lição. Faça perguntas
básicas, como: “O que você gostou e o que não gostou sobre esta
lição?” “O que você gostaria que fosse diferente?” Talvez você prefira
fazer as perguntas por telefone durante a semana.
uturo
Na próxima semana os(as) estudantes deverão trazer bichinhos de
pelúcia para a aula. Talvez você poderia trazer alguns bichinhos extras
e enviar um e-mail durante a semana para lembrar-los sobre isto.
Considere, também, trazer alguns prêmios para a atividade do Estudo
Bíblico.
Unidade 2 Lição 8
Página Reproduzível
A rocha reformada
João 21:15–19
A vida de Pedro
Direções: Selecione as seguintes passagens para ler mais a respeito de Pedro e a sua interação com Jesus.
Baseando-se nesta leitura, descreva a personalidade, o caráter e o senso de propósito de Pedro. O que
Pedro assume que é o chamado de Deus na sua vida? O que ele acredita que Deus está o chamando para
fazer?
Lucas 5:1–11
Mateus 14:22–33
Mateus 16:13–20
Lucas 22:54–62
Lucas 24:1–12
João 21:15–19
Atos dos Apóstolos 2:1–16
Atos dos Apóstolos 2:32–42
___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
59
Unidade 2 Lição 8
Página Reproduzível
A rocha reformada
João 21:15–19
Retrato de Pedro
Direções: Baseando-se em seu estudo sobre a vida de Pedro, adicione os desenhos abaixo para que isto
reflita o aspecto da personalidade, caráter e senso de propósito ou chamado de Pedro.
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
60
Unidade 2: A reconciliação da cruz
Você não vai acreditar o
que ele fez!
Jovens
Unidade 2 Lição 9
Lição 9
Atos 10:34 – 48
Idéia principal
Pedro prega as boas novas da reconciliação dos gentios incluindo uma
confissão primitiva que inspira outras pessoas a crerem. Ele fala de um
Deus que é imparcial quem reconcilia todas as pessoas que crêem e as
chama para serem uma só unificada igreja.
Contexto histórico para professores(as)
Nos dias depois da crucificação e ressurreição de Jesus, a comunidade
cristã primitiva cresceu como um movimento dentro da fé judaica. Então,
Pedro e outros líderes da igreja se dividiram dos líderes judeus e
começaram a pregar as boas novas de Jesus Cristo. O destaque do
ministério de Paulo, entretanto, era o de converter as pessoas gentias (que
não eram judias) para se tornarem seguidoras de Jesus. A tensão entre os
crentes circuncisos que vinham de raiz judaica (aqueles que viajaram com
Jesus, lutaram pelo evangelho e suportaram muita perseguição) e os
gentios (aqueles que não compartilhavam de uma rica história e cultura
por não serem judeus) era evidente na igreja primitiva. De fato, muitos dos
judeus crentes esperavam que os gentios convertidos se tornassem judeus
convertidos como um pré-requisito para serem seguidores de Jesus.
A passagem da Escritura de hoje começa com Pedro pregando a um grupo
de gentios depois de vários eventos ocorridos em sua vida. Em Cesaréia,
um centurião teve uma visão na qual Deus o mandou buscar um homem
em Jope chamado Pedro. No próximo dia, enquanto os empregados de
Cornélio estavam indo a Jope, Pedro teve uma visão confusa, na qual ele
vê um lençol baixando do céu, cheio de animais que eram considerados
impuros pela lei judaica. Deus disse a Pedro que seria aceitável comer
destes animais “impuros”. Abençoado pelo Espírito Santo, Pedro retornou
a Cesaréia com os homens que foram buscá-lo. Quando eles chegaram à
casa de Cornélio, o significado da visão tornou-se claro para ele:
reconciliação entre os judeus crentes e os gentios.
No texto de hoje, depois de declarar que Deus é realmente imparcial,
Pedro prova que Jesus Cristo é Senhor para todas as pessoas. As suas
declarações eram radicais para os ouvidos das pessoas que escutavam,
daquelas que se encontravam no meio da divisão dos judeus crentes e
gentios. As palavras de Pedro são confirmadas pelo Espírito Santo, que
cobre a audiência gentia, causando que falassem em línguas e que
louvassem a Deus. Não podendo ignorar aquelas pessoas que foram
ungidas pelo poder do Espírito Santo, Pedro as batiza. Então, as novas
61
Você não vai acreditar o que ele fez!
Atos 10:34 – 48
Lição 9
Você necessitará
o Bíblias
o Cópia da “Cena espontânea”
(páginas 65 e 66) para cada pessoa
narradora
o Folha de Papel
o Folha de papel 8 1/2" x 11"
o Canetas ou lápis
o Um lençol pequeno
o Bichinhos de pelúcia
o Prêmios (opcional )
o Cartolina
o Marcadores
o História de Dr. Seuss “Ovos verdes
e presunto” (“Green eggs and
ham” versão DVD ou livro)
o Um aparelho de televisão e um
aparelho de DVD (se usar “Ovos
verdes e presunto” DVD)
pessoas crentes convidam Pedro para ficar alguns dias, mostrando que
desejavam crescer e explorar a nova fé.
Fazendo conexões
Apesar de que os estudantes da escola secundária de hoje provavelmente
não entendem a tensão entre os grupos encontrados no texto de hoje, eles
certamente precisam entender a tensão entre as comunidades de crentes,
conflitos entre diferentes religiões e o conflito no mundo entre grupos que
não se relacionam bem. As boas novas de Jesus Cristo nos diz que Deus nos
chama a uma comunidade e que Jesus Cristo é Senhor de todas as pessoas.
A
Palavras para atividade em grupo
Espírito Santo
Visão
Falar em línguas
Batismo
Sermão
Crucificação
Perdão
Sonho
ssembléia: Deus nos chama para estarmos juntos
Antes que as pessoas cheguem, pleneje como dividir a turma em
grupos de duas ou mais pessoas. Escreva as palavras que estão na
coluna ao lado numa folha separada. Escreva a lista de palavras na
folha para cada grupo.
À medida que as pessoas da classe chegarem, divida a turma em
grupos de duas ou mais pessoas e dê a cada grupo uma folha de papel
8 1/2" x 11" e uma caneta ou lápis. Solicite uma pessoa representante
de cada grupo para pegar uma folha de papel com você. Entregue a
cada representante uma folha de papel com a mesma palavra escrita.
Quando cada pessoa representante voltar para o seu grupo, ela precisa
tentar fazer com que o resto do grupo adivinhe a palavra, utilizando a
folha de papel 8 1/2" x 11" para desenhar ou fazendo gestos. As
pessoas representantes não podem dizer nada, fazer nenhum som, ou
escrever palavras, letras ou números. O primeiro grupo que adivinhar
a palavra escrita na folha de papel ganha a rodada. Continue esta
atividade até que todas as palavras sejam descobertas. Então, reúna a
classe num círculo no meio da sala de aula.
Coloque o pequeno lençol no chão no meio do círculo. Peça que cada
estudante, que trouxe um bichinho de pelúcia de casa, apresente o seu
bichinho para o resto da classe. Dê oportunidade para cada estudante
compartilhar o porquê ele ou ela gosta deste bichinho. Depois que cada
estudante apresentar e compartilhar o seu bichinho, ele ou ela colocará
o seu bichinho em cima do lençol. Assim que todas as pessoas tiverem
compartilhado, remova o lençol com os bichinhos para um lado da sala
por um momento.
Ofereça uma oração para que Deus abençoe o tempo que permacerão
juntos.
E
studo bíblico: Nós escutamos a Palavra de Deus
Comece o Estudo Bíblico com a seguinte oração ou faça uma própria:
“Deus que é Criador, enviastes Jesus para nos amar, nos perdoar e nos
62
salvar, deixe que Teu Espírito sopre nesta sala de aula. Permita que
nossas mentes concentrem em Ti enquanto abrimos nossas Bíblias e
procuramos as Tuas palavras santas. Permita que nossos pensamentos,
palavras e ações glorifiquem a Ti, agora e para sempre. Amém”.
Se você tem menos de sete pessoas
na sala (incluindo professores[as]),
duplique as partes para que a cena
esteja de acordo com o tamanho da sua
classe.
Perguntas para os grupos
• Qual foi a visão de Cornélio? (Deus
mandou que buscasse a Pedro).
• Qual foi a visão de Pedro? (Animais
impuros descendo do céu, e Pedro
não os queria comer, mas Deus
disse-lhe que ele poderia comê-los).
• O que o Espírito Santo disse a Pedro
que fizesse depois da visão? (Ir com
os homems enviados por Cornélio à
Cesaréia).
• O que aconteceu quando Cornélio
conheceu Pedro”? (Cornélio prostou
aos seus pés e adorou-o).
• Pedro era judeu ou gentio? (Judeu).
• Cornélio era judeu ou gentio?
(Gentio).
• Os judeus e os gentios eram
autorizados a relacionarem uns com
os outros? Porque ou Porque não?
(Não, era contra a lei judaica).
• O que Pedro descobriu com esta
visão? (Que era aceitável que ele
ficasse um tempo com os gentios).
Desempatador:
• O que Cornélio disse a razão pela
qual ele trouxe Pedro a Cesaréia?
(Cornélio disse que ele teve uma
visão que ele teria que trazer
Pedro até lá, e que eles estavam
apreensivos em ouvir o que Deus
havia mandado Pedro falar).
Dirija a discussão de classe a respeito da comunidade primitiva de
crentes, baseando-se na informação encontrada no primeiro parágrafo
do contexto histórico para professores(as) desta lição. (Se você quiser
mais informações, procure um bom dicionário bíblico e aprofunde em
seus estudos.) Antes que possam explorar a passagem da Escritura de
hoje, os(as) estudantes necessitam ter um sólido entendimento sobre a
divisão entre os crentes judeus primitivos e os gentios.
Facilite a aprendizagem dos estudantes sobre as histórias que
antecedem a passagem de hoje da Escritura representando a “Cena
Espontânea” (páginas 65 e 66). A cena tem sete personagens: duas
pessoas para narrar, Cornélio, Pedro, um anjo e dois empregados.
Decida quem representará cada personagem escrevendo os nomes dos
personagens num papel e peça que as pessoas tirem os nomes de uma
pequena cesta. Reparta cópias do texto para as duas pessoas que irão
narrar. Os outros personagens deverão ouvir e atuar de acordo com a
história, à medida que ela é narrada. Encoraje para que todas as pessoas
que participam da paródia divirtam-se o máximo possível com ela!
Divida a classe em dois grupos. Faça as perguntas, encontradas na
coluna ao lado, para a classe alternando as perguntas entre os dois
grupos. Se você planejar premiar o grupo vencedor, esteja atento(a) ao
número de perguntas cada grupo responde corretamente.
Uma opção para um caso de empate é encontrada na coluna ao lado (se
necessário, coloque um bichinho de pelúcia no meio da sala e chame a
primeira pessoa para agarrar o bichinho de pelúcia depois que a
pergunta for lida).
Certifique-se de que todas as pessoas da classe têm Bíblia e peça que
encontrem Atos 10:34–43. Solicite uma pessoa voluntária para ler em
voz alta, enquanto o restante da turma segue a leitura silenciosamente.
Discuta as seguintes perguntas:
• Qual era a Idéia principal do sermão de Pedro? (versos 34 – 35)
• Quais são algumas das declarações que Pedro usa para apoiar
sua Idéia principal? (versos 36 – 43)
• Baseando-se nas informações que aprendemos até agora nesta
lição, porque as palavras de Pedro poderiam ser inesperadas
ou até mesmo radicais para a audiência primitiva?
• Você pensa que Pedro fez um bom trabalho mostrando o seu
ponto para os gentios?
63
Jovens
Unidade 2 Lição 9
Lição 9
Você não vai acreditar o que ele fez!
Atos 10:34 – 48
Você não vai acreditar o que ele fez!
Atos 10:34 – 48
Lição 9
• Se você fosse Pedro, o que você diria aos gentios para mostrar
que Deus não mostra parcialidade?
Perguntas de Atos 10:44–48
• O que aconteceu nesta história?
• Quais são as perguntas que você tem
a respeito desta história?
• O que esta história tem em comum
com as outras histórias anteriores que
já ouvimos hoje?
A
Perguntas de “Ovos verdes e
presunto”
• Quais são as comparações que você
fazer entre “Ovos verdes e presunto”
e a passagem de hoje da Escritura?
• Qual é a lição que podemos ler
de “Ovos verdes” e da história
de Pedro e Cornélio?
• O que a passagem de hoje da
Escritura nos ensina para fazer no
mundo?
Divida a classe em grupos pequenos e solicite que uma pessoa de cada
grupo leia Atos 10:44 – 48 em voz alta para o seu grupo, enquanto o
restante do grupo acompanha silenciosamente. Enquanto os grupos
lêem, escreva as perguntas da coluna ao lado na cartolina. Convide a
turma a discutir as perguntas da coluna ao lado.
firmação: Nós respondemos à Palavra de Deus
Toque o DVD “Ovos verdes e presunto”. (“Green eggs and ham” em
inglês se você não conseguiu encontrar o vídeo da história. Você
poderá ler o livro). Depois da apresentação de “Ovos verdes e
presunto”, convide a turma para discutir as perguntas da coluna ao
lado.
D
espedida: Deus nos envia ao mundo
Termine a lição em oração seguindo as idéias:
• Comece a oração agradecendo a Deus pela oportunidade de
estarem juntos.
• Ore por quaisquer alegria ou preocupação da classe ou da
congregação.
• Termine a oração pedindo a Deus para estar com o grupo
enquanto estão separados.
A
F
64
valiação
Pedir para que o grupo traga bichinhos de pelúcia pode ter sido
interessante para eles. Gostaram disto ou não? Gostaram de representar
a Escritura, ou isto é uma atividade que não chamou muita atenção?
Pensa que entenderam a Escritura de hoje? Serão capazes de aplicar
isto em suas vidas?
uturo
A próxima lição é sobre a parábola da vinha na passagem em que a
graça de Deus vem a diferentes pessoas em tempos diferentes. Para
preparar-se para esta lição, diga às pessoas da classe que qualquer
pessoa que chegar a tempo receberá um prêmio. Antes do dia da aula,
peça que uma delas chegue à aula cinco minutos tarde. Tenha a certeza
de que a pessoa que chegará tarde entenda que é importante que
mantenha este pedido especial em segredo!
Unidade 2 Lição 9
Página Reproduzível
Você não vai acreditar o que ele fez!
Atos 10:34 – 48
Cena espontânea
Personagens necessitados:
Duas pessoas para fazerem a narração
Cornélio
Pedro
Anjo
Dois empregados
Materiais necessitados:
Um lençol pequeno
Bichinhos de pelúcia
Direções: As duas pessoas narradoras deverão ler o texto o mais dramático possível enquanto os outros
personagens representam a história. Somente as duas pessoas que narram terão o texto. Os outros
personagens deverão escutar e responder o que escutam.
Antes da cena começar, recolhe todos os bichinhos de pelúcia e os coloque no lençol.
Narrador(a) 1: Cornélio, um centurião que viveu em Cesaréia, não era judeu, ele era um gentio. (Cornélio
vem de um lado do palco).
Narrador(a) 2: Ele era um homem que temia a Deus (Espere que Cornélio atue)
Narrador(a) 1: E ele deu ofertas generosamente . . .
Narrador(a) 2: Deu o que?
Narrador(a) 1: Ofertas . . . você sabe . . . presentes para as pessoas necessitadas . . . (Espere que Cornélio atue).
Narrador(a) 2: Oh! OK . . . e ele orou constantemente a Deus. (Espere que Cornélio atue).
Narrador(a) 1: Um dia ele teve uma visão de um anjo quem disse a ele que ele precisava buscar um homem
chamado Pedro que estava em Jope. (Espere que o anjo se aproxime de Cornélio).
Narrador(a) 2: No próximo dia em Jope, Pedro subiu so terraço para orar. (Espere que Pedro atue).
Narrador(a) 1: Ele estava com fome, e enquanto ele esperava sua comida ser preparada, ele começou a
sonhar. (Espere que Pedro atue).
Narrador(a) 2: Enquanto ele sonhava, ele teve um sonho confuso. Ele viu o céu se abrindo e alguma coisa
parecida com uma toalha de picnic descendo com animais dentro, sendo segurada pelas quatro pontas e
colocada no chão (espere que as outras pessoas representem esta cena usando o lençol e os bichinhos de pelúcia).
Narrador(a) 1: Então ele ouviu uma voz dizendo, “Levanta-te, Pedro, mata e come”.
(Gestos na direção dos bichinhos).
Narrador(a) 2: Sabendo que comer destes animais era contra a lei dos judeus, Pedro disse: “De modo
nenhum, Senhor!” (Espere que Pedro diga isto ou balace a sua cabeça).
Narrador(a) 1: A voz disse a ele: “Não chames tu comum ao que Deus purificou.”
(Fazer um sinal negativo com o dedo).
Narrador(a) 2: Isto aconteceu três vezes. (Conte nos dedos: um, dois, três).
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
65
Unidade 2 Lição 9
Página Reproduzível
Você não vai acreditar o que ele fez!
Atos 10:34 – 48
Cena Espontânea (continuação)
Narrador(a) 1: Então, em seguida, o lençol foi recolhido ao céu. (Espere que esta cena seja representada).
Narrador(a) 2: Pedro estava intrigado sobre o que poderia significar esta visão.
(Espere que Pedro atue).
Narrador(a) 1: Repentinamente os homens enviados por Cornélio aparecem no portão e começam a procurar
Pedro. (Espere que os homens atuem).
Narrador(a) 2: Enquanto Pedro estava refletindo no significado da visão, o Espírito lhe disse: “Eis que dois
homens te procuram. Levanta-te, pois, desce e vai com eles, nada duvidando; porque eu tos enviei”.
(Gesto para Pedro se apressar em direção aos homens).
Narrador(a) 1: Pedro foi e se apresentou aos homens e os convidou a entrar e os hospedou. (Espere que Pedro
e os homens enviados por Cornélio atuem).
Narrador(a) 2: No dia seguinte Pedro partiu com os homens para Cesaréia. (Espere que Pedro e os homens
enviados por Cornélio atuem).
Narrador(a) 1: Cornélio o esperava e tinha convidado alguns parentes e amigos mais íntimos. Quando Pedro
ia entrando em casa, Cornélio dirigiu-se a ele e prostou-se aos seus pés, adorando-o. (Espere que Pedro e
Cornélio atuem).
Narrador(a) 2: Pedro dirigiu-se às pessoas ali reunidas e disse: “Vós bem sabeis que não é lícito a um judeu
ajuntar-se ou chegar-se a gentios”.
(Espere que Pedro atue).
Narrador(a) 1: Repentinamente, Pedro percebeu o que Deus estava falando com ele na visão. Era correto que
ele se associara com os gentios, porque Deus é Deus para todas as pessoas! (Espere que Pedro atue).
Narrador(a) 2: Então Pedro falou às pessoas ali reunidas: “Mas Deus mostrou-me que a nenhum homem
devo chamar comum ou imundo... Pergunto pois: Por que razão mandastes chamar-me?” (Espere que
Pedro atue).
Narrador(a) 1: Cornélio explicou a Pedro da visão que ele teve na qual o anjo lhe disse que enviasse os
homens a Jope e procurassem alguém chamado Pedro. (Espere que Cornélio atue).
Narrador(a) 2: Então Cornélio disse: “Agora pois estamos todos aqui presentes diante de Deus, para ouvir
tudo quanto te foi ordenado pelo Senhor.”
Narrador(a) 1 e 2: Fim!
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
66
Unidade 2: A reconciliação da cruz
Remuneração justa
Mateus 20:1–16
Idéia principal
A parábola dos trabalhadores na vinha ilustra como todos nós temos acesso
igual ao amor e ao perdão de Jesus. Não existe data de expiração para a graça
de Deus, tampouco isto se baseia em nossas obras ou nossas ações programadas.
Contexto histórico para professores(as)
Na primeira leitura, a parábola da lição de hoje pode incomodar um
pouco. Como é que alguém que tenha trabalhado somente uma hora pode
receber o mesmo pagamento que alguém que tenha trabalha todo o dia
debaixo do sol? Pode esta história ensinar que Deus é injusto? Claro que
não! Jesus disse esta parábola para ajudar as pessoas que estavam reunidas
com ele a entenderem a maravilhosa e reconciliadora graça que Deus
oferece para todo o povo de Deus.
A parábola apresenta uma situação familiar para a original audiência de Jesus.
Contratar trabalhadores diaristas na praça, poderia ser um evento normal
durante a época de colheita. Uma vez que o tempo de chuva rapidamente
segue o tempo de colheita, encontrar o máximo de trabalhadores possíveis para
que a colheita de uvas fosse mais rápida, deveria ser uma medida de muita
importância. Conseqüentemente, não deveria ser raro que um proprietário
fosse à praça duas vezes para contratar mais trabalhadores. A familiaridade
das circunstancias certamente ligou Jesus com as pessoas que o ouviam.
Falando em parábolas, Jesus demonstrou que o primeiro grupo de
trabalhadores concordou em trabalhar pela remuneração que era de
costume para os trabalhadores diaristas, e que os grupos seguintes
concordaram em trabalhar por qualquer remuneração que o proprietário
pensasse que fosse justo. Para a surpresa do primeiro grupo, o proprietário
pensou que pagando para todos os trabalhadores uma diária completa era
a coisa certa a fazer. Poderia você imaginar como se sentiria ver alguém
receber a mesma remuneração que você, mesmo que você tenha
trabalhado onze horas a mais debaixo de um calor forte?
Para entender esta parábola, nós precisamos de mudar a nossa posição de
sentir pena do primeiro grupo para celebrar com o último grupo. Esta
parábola é uma desafiante lição a qual nos ensina que o amor e a graça de
Deus estão disponíveis para todas as pessoas que crêem, sem levar em
consideração o tempo em que tenham sido transformado em pessoas
cristãs, e quantas horas que se têm trabalhado para o ministério de Jesus
Cristo. Esta graça é livremente dada para cada pessoa e é um indicativo da
generosidade e compaixão de Deus em nossas vidas.
67
Jovens
Unidade 2 Lição 10
Lição 10
Remuneração justa
Mateus 20:1–16
Lição 10
Você necessitará
o Bíblias
o Cópia de “A graça de Deus” e
“Entrevista na vinha” (páginas 71 e
72) para cada estudante
o Cartolina e marcadores
o Prêmios iguais para a atividade
de Assembléia (um para cada
estudante)
o Papel
o Canetas ou lápis
o Música contemplativa
A
Perguntas para discussão a
respeito de “Justiça”
• É justo que todas as pessoas recebam
o mesmo prêmio?
• Se você chegou na hora certa, o que
você pensa sobre as pessoas que
chegaram atrasadas receberem o
mesmo prêmio que você?
• Se você não chegou na hora
marcada, como se sente recebendo
o prêmio ainda que você pensa que
não o merecia?
Oração Inicial
Deus de generosidade, em Jesus
Cristo, Tu nos dá mais do que nós
necessitamos. Silencie as coisas em
nossas vidas que nos distrai de
ouvirmos a Tua voz em nosso meio.
Ajude-nos a sentir a Tua presença
enquanto abrimos as nossas Bíblias e
nos una com a Tua santa palavra. Deixe
que os nossos pensamentos, palavras
e ações Te glorifiquem, agora e para
sempre. Amém.
Fazendo conexões
A lição de hoje ensina o aspecto inicial da fé reformada. Nossas pessoas
jovens são desafiadas a entenderem a maravilhosa verdade de que a graça
de Deus é livremente dada e livremente recebida. Este incrível presente de
Deus está disponível para qualquer pessoa, e isto não depende do mérito,
obras ou até mesmo do tempo que alguém seja uma pessoa crente. É
através deste presente, que é a graça, que somos transformados(as). Ao
mesmo tempo, as pessoas que recebem esta graça podem ter inveja de
outras que também a receberam, especialmente se o primeiro grupo
considera que as outras pessoas não são merecedoras. Não somos nunca
livres do pecado, que julga outras pessoas, e afirma ter o amor de Deus
com a exclusão de outras pessoas.
ssembléia: Deus nos chama para estarmos juntos
Nos dias em que você ensinará esta lição, diga às pessoas da classe que
cada estudante que chegar na hora certa ganhará um prêmio. Faça que
entendam a importância de chegarem na hora certa para receberem o
prêmio, mas não mencione o que acontecerá com alguém que não chegar
na hora certa. Antes do dia da aula, peça uma das pessoas da sua classe
para chegar atrasada uns cinco minutos. Tenha a certeza de que esta
pessoa saiba que é importante que mantenha este pedido em segredo!
Antes da aula, dependure a cartolina num lugar visível. À medida que
as pessoas chegarem, peça que escrevam na cartolina o nome e a hora
em que chegaram. Uma vez que escreverem esta informação, solicite
que se assentem formando um círculo no meio da sala. Dê às pessoas
da classe a oportunidade de compartilharem a melhor ou a pior coisa
que tenha acontecido com cada uma delas desde a última vez que
estiveram juntas.
Depois que a pessoa, que foi pedido que chegasse intencionalmente
atrasada, chegar à porta diga ao grupo que é hora de apresentar os
prêmios. Começando com a pessoa que foi a última a chegar e
seguindo em ordem da primeira à ultima que chegou, presenteie cada
estudante. (É importante que todos os prêmios sejam iguais). Esteja
preparado(a) para a “reclamação” sobre a injustiça de que todas as
pessoas ganhem o mesmo prêmio.
Use as questões na coluna ao lado para a discussão desta atividade.
E
68
studo bíblico: Nós escutamos a Palavra de Deus
Faça a oração inicial encontrada na coluna ao lado, ou faça uma própria.
Escreva a palavra GRAÇA, com letras grandes, no alto de uma folha de
cartolina e a dependure em um lugar visível na sala de aula. Solicite
que os(as) estudantes compartilhem o que sabem a respeito da palavra
graça. Peça uma pessoa voluntária para escrever as respostas na
cartolina. Depois que a classe tenha tido um tempo para definir a
Método de avaliação
• Circule todas as respostas que
parecem corretas baseando-se na
pergunta 2 do catecismo.
• Faça uma cruz em todas as respostas
que parecem contradizer à resposta
do catecismo.
• Adicione novas respostas que
definem ou expliquem a graça
de Deus baseando-se no que
foi aprendido na pergunta 2 do
catecismo.
Esteja preparado(a) para modificar
as atividades de pequenos grupos
de acordo com o número de pessoas
em sua sala. Se tiver menos de seis
estudantes, faça a atividade como um
só grupo.
Perguntas da Parábola
• O que esta parábola nos ensina a
respeito da graça de Deus?
• O que esta parábola nos ensina a
respeito da nossa resposta à graça de
Deus?
palavra, distribua cópias de “A graça de Deus” (página 71) e solicite
que uma pessoa leia a pergunta e responda em voz alta para o grupo a
pergunta 2 do Estudo do Catecismo.
Depois da leitura, solicite que avaliem as respostas da cartolina usando
o método encontrado na coluna ao lado. Use uma cor de caneta
diferente para esta parte da lição.
Em seguida, entregue a cada estudante uma cópia da “Entrevista na
vinha” (página 72). Se a sua classe está dividida em grupos de três,
aponte um personagem da parábola para cada pessoa do grupo. A
próxima pessoa que faz aniversário deverá representar o proprietário.
Entre os dois membros restantes do grupo, qualquer que tenha mais
letras no seu sobrenome deverá representar o trabalhador que foi
contratado no início do dia. A outra pessoa representa um trabalhador
que foi contratado às 5 horas da tarde. (Num grupo maior, solicite
pessoas voluntárias para os três personagens.) Peça que sigam as
instruções encontradas na página. Depois que os(as) estudantes tenham
tido tempo suficiente para completar as suas entrevistas, coloque uma
cartolina num lugar visível na sala de aula, e peça uma pessoa
voluntária para escrever cada resposta da última questão da folha de
entrevista. (Baseando-se na sua experiência da história, o que você espera
das pessoas que escutam esta história aprenderem a respeito de Deus?).
Reveja a cartolina que define e explica a graça com a turma. Então, faça
as perguntas sobre a parábola encontradas na coluna ao lado.
Peça que as pessoas observem a pergunta 80 do Estudo do Catecismo
que pode ser encontrado na “Graça de Deus “(página 71). Solicite uma
ou mais pessoas voluntárias para lerem a Pergunta 80 e as cinco
declarações (A até E) em voz alta para a turma. Dê uns minutos para
cada grupo (ou cada estudante) escrever novamente cada uma das
cinco declarações em suas próprias palavras, usando o espaço
providenciado debaixo de cada declaração. Enquanto os estudantes
estão trabalhando, coloque uma cartolina num local visível. Na parte
de cima da cartolina escreva: Pergunta 80: O que você entende quando
você fala do “perdão dos pecados?”
Crie um espaço na classe de declarações reescritas pedindo que cada
grupo (ou cada estudante) leia em voz alta o que reescreveram sobre a
declaração A. Em grupo, utilizen palavras ou frases de cada declaração
reescrita para desenvolver uma nova declaração que cada estudante
esteja de acordo. Escreva esta declaração na cartolina. Repita este
processo com as outras quatro declarações.
Solicite que as pessoas que usem a cartolina anterior da GRAÇA e as
respostas reescritas da Pergunta 80, para responderem as perguntas da
coluna ao lado.
69
Jovens
Unidade 2 Lição 10
Lição 10
Remuneração justa
Mateus 20:1–16
Remuneração justa
Mateus 20:1–16
Lição 10
A
Perguntas para Discussão
• O que a parábola dos trabalhadores
da vinha nos ensina sobre as pessoas?
• O que ela nos ensina a respeito da
graça de Deus?
• O que ela nos ensina a respeito do
nosso relacionamento com Deus?
Perguntas das “Três palavras”
• Quais são as palavras que mais foram
repetidas? Porque estas palavras
foram repetidas?
• Você poderia pensar em outras
palavras para esta lista?
• Você tem alguma pergunta sobre
alguma palavra desta lista?
firmação: Nós respondemos à Palavra de Deus
Solicite que a turma encontre a carta a Efésios 2:8 e entregue a cada
estudante uma folha em branco e uma caneta ou lápis. Peça uma
pessoa voluntária para ler o verso em voz alta para o resto da classe
que acompanha a leitura em silêncio.
Compartilhe; “Deus ama você, não porque você fez alguma especial
para merecer esta graça ou porque você é melhor do que outra pessoa
qualquer, mas porque Deus ama você da maneira que você é”. Vamos
pensar um momento sobre como é que sentimos de recebermos este
presente que é a graça de Deus. Enquanto toca a música, escreva três
palavras que descrevam a sua reação sobre a graça maravilhosa de
Deus. Coloque uma música de fundo contemplativa, enquanto a turma
pensa sobre esta pergunta e escreva três palavras. Coloque uma
cartolina num lugar visível na sala de aula, enquanto a turma trabalha
nesta atividade.
Depois de alguns minutos, dê a oportunidade para cada estudante
compartilhar as suas três palavras com o restante da turma. Solicite
uma pessoa voluntária para escrever as respostas na cartolina. Se a
palavra for repetida, coloque uma marca perto da palavra para mostrar
quantas vezes esta foi repetida. Facilite a discussão a respeito das várias
palavras escritas na cartolina, usando as perguntas encontradas na
coluna ao lado.
D
espedida: Deus nos envia ao mundo
Convide as pessoas para uma oração final, agradecendo a Deus pelo
tempo que a classe esteve junta, e desafiando a todas as pessoas
participantes a aplicarem o que aprenderam em suas vidas.
A
F
70
valiação
O amor de Deus pode ser como um conceito abstrato para as pessoas
jovens. Na lição de hoje, as pessoas da classe foram desafiadas a
pensarem a respeito da graça de Deus e afirmá-la em suas vidas.
Entenderam e abraçaram este presente de Deus? Por quê e porque não?
O que você poderá fazer num futuro para uní-las com o amor, graça e
perdão de Deus?
uturo
Na próxima semana, nós exploraremos o quinto capítulo de Romanos e
os resultados da justificação. Apesar de que não há necessidade de
matérias especiais, leia com antecedência, para que você entenda a
doutrina Reformada da justificação. Considere pesquisar a palavra
justificação num dicionário bíblico ou num livro a respeito da doutrina,
para aprender o máximo possível antes que você possa ensinar na
próxima semana.
Unidade 2 Lição 10
Página Reproduzível
Remuneração justa
Mateus 20:1–16
A graça de Deus
Direções: Reescreva as declarações de A–E em suas próprias palavras.
Do Estudo do Catecismo
Pergunta 2. Como é que você vive da graça do Senhor Jesus Cristo?
Eu não sou meu dono/minha dona. Eu fui comprado(a) por um preço. Jesus Cristo me ama e se deu por
mim. Eu confio completamente nele, dando graças a cada dia por sua maravilhosa bondade.
Pergunta 80. O que você entende quando você fala do “perdão dos pecados?”
A. Por causa de Jesus Cristo, Deus não mais tem os meus pecados contra mim.
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
B. Cristo sozinho é minha justiça e minha vida; Cristo é a minha única esperança.
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
C. A graça sozinha, não meus méritos, é a base na qual Deus me perdou nele.
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
D. A fé sozinha, não minhas obras, é a maneira pela qual eu recebo Cristo no meu coração, e com ele o
perdão que me completa.
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
E. Cristo sozinho, a grace sozinha, e a fé sozinha trazem o perdão e eu recebo através do evangelho.
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
71
Unidade 2 Lição 10
Página Reproduzível
Remuneração justa
Mateus 20:1–16
Entrevista na vinha
Direções: Usando os seguintes formatos e perguntas, cada personagem deverá entrevistar outro
personagem da história. Cada pessoa entrevistará e será entrevistada por outra.
0
0
0
Proprietários deverão entrevistar os trabalhadores do “começo do dia”.
Os trabalhadores do “começo do dia” deverão entrevistar os trabalhadores das “5 P.M.”
Os trabalhadores das “5 P.M.” deverão entrevistar os proprietários.
Eu sou (Invente um nome engraçado para o seu personagem) ________________________________
Eu estou entrevistando (Faça com que as pessoas que estão sendo entrevistadas inventem um
nome engraçado para elas mesmas) ______________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________
Qual é a sua função nesta história? (Proprietário, trabalhadores do “começo do dia”
trabalhadores das “5 P.M.”) _____________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________
O que aconteceu com você na história? ________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________
Perguntas para os personagens específicos:
Para o proprietário: Como você se sente tendo empregados reclamando com você no final
da história? ______________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________
Para os trabalhadores do “começo do dia”: Como você se sente quando outros
trabalhadores recebem a mesma remuneração que você no final do dia? _____________________
____________________________________________________________________________________________________
Para os trabalhadores das “5 P.M.”: Como você se sente quando sabe que tem uma família
em casa para alimentar, mas ninguém contrata você para trabalhar até tarde do dia? _______
____________________________________________________________________________________________________
Última pergunta para cada personagem:
Baseando-se na sua experiência na história, o que você espera das pessoas que escutam esta
história aprendam a respeito de Deus? __________________________________________________________
____________________________________________________________________________________________________
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
72
Unidade 2: A reconciliação da cruz
Lição 11
O que é justificação?
Romanos 5:1–11
Idéia principal
Paulo compartilha a mensagem da justificação e reconciliação através de
Jesus. Quais são os resultados da justificação e como nós vimos estes
resultados em nossas vidas? Como é que nós somos o exemplo para outras
pessoas.
Contexto histórico para professores(as)
No quinto capítulo de Romanos, Paulo fala da confiança que ele tem no
relacionamento de Deus com a humanidade. A fim de entender a
passagem da Escritura da lição de hoje, nós precisamos primeiro entender
o seu autor, o seu propósito e a sua audiência original.
O livro de Romanos é uma carta, ou epístola, do apóstolo Paulo para as
pessoas de Roma. Ainda que Paulo fosse uma figura importante na
formação e liderança da igreja primitiva, é importante recordar que ele foi
chamado ao ministério através de uma dramática conversão na estrada de
Damasco. Antes desta conversão, ele era conhecido como Saulo (seu nome
hebraico) e ele perseguia os seguidores de Jesus e os enviava para a prisão.
Uma simples menção de seu nome sugeria medo entre os crentes
primitivos. Paulo passou de perseguidor das pessoas que eram crentes
para ser um perseguido por causa de suas convicções cristãs.
Não muito se conhece da igreja em Roma no tempo desta carta. De fato,
Paulo nem tinha estado em Roma, quando ele escreveu esta carta, e há
muitas perguntas a respeito do propósito e época desta carta. Ainda que
esta carta apareça primeiro dentre as cartas no Novo Testamento, é mais
provável que seja uma das últimas cartas que Paulo escreveu. Entretanto,
muitos anos de ministério, pregação, escritas, viagens e ensinamentos
antecederam a isto.
Na passagem de hoje da Escritura, Paulo discute os resultados da
justificação. Ainda que a doutrina Reformada da justificação possa parecer
um conceito intimidante para ensinar as pessoas jovens da escola
secundária, isto pode ser afirmado de maneira simples. Quando somos
justificados(as), as coisas são feitas justas entre Deus e nós porque nós
recebemos o perdão, e, apesar de nossos pecados, somos considerados(as)
justos(as) perante a Deus. Em todo o livro de Romanos, Paulo é muito
claro explicando que esta justificação acontece por causa de Deus e não
por causa de nós. Nós não somos justificados(as) pelas nossas obras ou
méritos. Ao invés disto, somos justificados pela graça de Deus através do
presente de Deus que é a fé.
73
Jovens
Unidade 2 Lição 11
Aprenda a respeito da vida de Paulo
quando ele era conhecido como Saulo e
sua conversão nos capítulos oito e nove
de Atos.
O que é justificação?
Romanos 5:1–11
Lição 11
Fazendo conexões
Você necessitará
o Bíblias
o Cópias de “Teste desafiante de
Paulo” (página 77 para o grupo 2,
página 78 para o grupo 1)
o Cartolina
o Marcadores (um para cada
estudante)
o Dicionários
o Papel
o Canetas ou lápis
Nós somos justificados (nossos pecados são perdoados e somos feitos
justos com Deus) através da morte de Jesus na cruz. O presente de Deus,
que é Jesus Cristo, nos livra do poder do pecado e nos chama para um
novo relacionamento com Deus. Através de nossa justificação, somos
reconciliados com Deus e temos paz com Deus. O que esta paz e este novo
relacionamento com Deus significa para as pessoas jovens da escola
secundária?
A
Palavras para definição
Sofrimento
Resistência
Caráter
Esperança
Justificação
Justiça
Reconciliação
Algumas palavras são difíceis de definir!
Diga-lhes que não há problema, se
tiverem condições de escreverem
alguma coisa somente na coluna
“Não Real”. No final desta atividade,
entregue dicionários e certifique-se de
que a definição correta seja escrita na
cartolina.
Oração inicial
Deus de maravilhas, quem nos ama,
nos perdoa, nos provê e nos sustenta,
deixe que o Teu Espírito encha esta sala
e guie a nossa conversação à medida
que nós procuramos por Tua verdade
em nossas Bíblias. Ajude-nos a crescer,
a aprender e a ser transformados
hoje. Deixe que nossos pensamentos,
palavras e ações glorifiquem a Ti agora
e para sempre. Amém.
ssembléia: Deus nos chama para estarmos juntos
Antes que as pessoas cheguem para a aula, dependure sete folhas de
cartolina em lugares acessíveis ao redor da sala. Na parte de cima de
cada folha de cartolina, escreva uma das palavras, encontradas na
coluna ao lado, em grandes letras. Debaixo de cada palavra, desenhe
uma linha vertical que cria duas colunas iguais no papel. Na parte de
cima da coluna da esquerda, escreva Real e na parte de cima da coluna
da direita, escreva Não Real.
À medida que as pessoas chegarem para a aula, dê a cada uma um
marcador. Solicite que andem ao redor da sala e escrevam alguma coisa
em ambas as colunas nas folhas de cartolina. Na coluna “Real” deverão
escrever uma definição correta da palavra. Na coluna “Não Real,”
deverão escrever uma definição engraçada, criativa e incorreta da
palavra na folha.
Depois que as pessoas tiverem tempo suficiente para escreverem em
cada folha de cartolina, reúna o grupo em círculo no meio da sala.
Revise todas as corretas e incorretas definições para cada palavra, com
uma atenção especial para com as definições engraçadas
particularmente. Então pergunte à classe: qual foi a palavra mais
desafiante para ser definida? Por quê?
E
Antes de começar o desafiante teste,
decida se você quer que seja uma
competição ou uma atividade divertida
sem declarar uma pessoa ganhadora.
Isto dependerá do espírito dos
estudantes e como responderão ao jogo
competitivo durante a classe.
74
studo bíblico: Nós escutamos a Palavra de Deus
Comece o Estudo Bíblico com uma oração encontrada na coluna ao
lado ou faça uma própria.
Divida a classe em dois grupos. Designe um grupo para ser o número 1
e o outro grupo número 2. Entregue a cada grupo cópias do “Teste
desafiante de Paulo” (páginas 77 e 78). Diga aos grupos que não podem
usar as Bíblias ou outras fontes para responderem as questões que lhes
vão ser perguntadas. Comece o desafio perguntando alguém do grupo
para ler a primeira pergunta para o outro grupo. Depois de ler a
pergunta, o grupo 1 começará a cantar “Jesus Me Ama”. O grupo 2
necessitará dar uma resposta para a pergunta antes que o grupo 1
termine de cantar. Se você vai contar os pontos, dê um ponto ao grupo
2 se respondem corretamente. Se não respondem corretamente, discuta
O que é justificação?
Romanos 5:1–11
Razões da justificação
• Quando somos justificados, as coisas
são feitas justas entre Deus e nós,
porque nós recebemos perdão e,
apesar de nossos pecados, somos
considerados justos diante de Deus.
• Justificação não é baseada em nada
que nós fizemos ou dizemos. Somos
justificados pela fé e não somos
justificados por causa de nossos
méritos ou obras.
• Pense sobre justificação em termos de
justificar o tipo, quando imprimimos
as palavras numa folha de papel.
Neste contexto, justificação significa
ter o tipo pautado, para que o tipo
esteja em relacionamento com as
bordas da página, e com o resto dos
itens da página. Assim também é
com Deus! Justificação é estar em
justo relacionamento com Deus por
Deus.
A
Perguntas para a discussão das
paráfrases
• Quais (se tiver) são as mudanças mais
precisas que você gostaria de fazer
nos versos parafraseados?
• O que esta passagem da Escritura
nos ensina a respeito do nosso
relacionamento com Deus?
• Parafraseando ajuda você a entender
o que a Escritura está dizendo? Por
qué ou por qué não?
qual é a correta resposta antes de continuar. Depois, peça que alguém
do grupo 2 faça a primeira pergunta para o grupo 1, que precisa dar
uma resposta antes que o grupo 2 termine de cantar “Jesus Me Ama”.
Reveze entre os grupos e faça com que os grupos respondem as suas
perguntas em ordem. Quando todas as perguntas forem feitas, declare
como ganhador o grupo com o maior número de perguntas
corretamente respondidas, ou parabenize todas as pessoas
participantes e diga-lhes que você não irá declarar um grupo vencedor
porque cada pessoa é uma vencedora!
Compartilhe: “Hoje nós estamos lendo o livro de Romanos, o qual é
realmente uma carta, ou epístola, que Paulo escreveu às pessoas de
Roma. Nesta passagem, Paulo fala sobre a justificação. Nós precisamos
de entender a doutrina da justificação antes de lermos a passagem da
Escritura”.
Tenha a certeza de que a cartolina da “justificação” da atividade da
Assembléia esteja exposta em um lugar em que todas as pessoas da
sala podem vê-la. Facilite uma discussão a respeito da justificação,
usando a cartolina com as definições, mostre as razões da justificação
encontrado na coluna ao lado.
firmação: Nós respondemos à Palavra de Deus
Certifique-se de que cada estudante tenha uma Bíblia e peça que
abram-na em Romanos 5:6–11. Peça uma pessoa voluntária para que
leia a passagem em voz alta, enquanto o restante da classe acompanha
a leitura silenciosamente. Depois da leitura, divida a classe em grupos,
com dois ou três estudantes em cada grupo. Divida os seis versos da
Escritura, igualmente, entre os pequenos grupos e entregue a cada
grupo uma folha de cartolina para cada verso que tenham sido
assinalados. Solicite que cada grupo parafraseie os seus versos,
escrevendo um verso em cada folha de cartolina.
Depois que todos os versos forem parafraseados, dependure os versos
reescritos em ordem, num local visível. Solicite uma pessoa voluntária
de cada grupo para que leia os seus versos em voz alta para o restante
da classe, tendo a certeza de que os versos sejam lidos em ordem. Em
seguida, solicite uma pessoa voluntária para ler Romanos 5:6–11em voz
alta para a turma, enquanto os estudantes acompanham os versos
parafraseados na cartolina. Em grupo, discuta as perguntas
encontradas na coluna ao lado.
D
espedida: Deus nos envia ao mundo
Antes da oração final, solicite que os estudantes tragam diferentes
traduções da Bíblia para a próxima semana.
75
Jovens
Unidade 2 Lição 11
Lição 11
O que é justificação?
Romanos 5:1–11
Lição 11
Distribua a cada estudante uma folha de papel e uma caneta ou lápis
para que cada estudante escreva um pedido de oração. Isto poderia ser
uma alegria, uma preocupação, uma expressão de agradecimento ou
um pedido de oração para qualquer coisa que alguém gostaria de fazer.
Reúna a classe em um círculo no meio da sala de aula. Colete todas os
pedidos de oração, misture-os, e os coloque empilhados no meio do
círculo. Começando pela pessoa cujo aniversário esteja mais próximo,
e continuando no círculo em sentido horário, dê a cada estudante a
oportunidade de compartilhar em voz alta, o que aprendeu na lição
de hoje.
Depois que cada estudante tenha compartilhado (ou escolha não
compartilhar), convide ele ou ela para apanhar um pedido de oração
do monte no meio do círculo. Assim que todas as pessoas tenham tido
a oportunidade de compartilharem e assim que todos os pedidos sejam
distribuídos, termine a lição orando da seguinte forma:
Se uma pessoa não conseguir pensar
em alguma coisa para compartilhar,
esteja preparado(a) para ajudá-la com
algumas idéias que ela possa usar.
1.Comece a oração agradecendo a Deus pela oportunidade de
estarem juntos para crescerem na fé.
2.Solicite que cada estudante compartilhe o pedido de oração
escrito na sua folha.
3.Termine a oração pedindo a Deus para que envie a turma ao
mundo para fazer diferença e trazer o grupo junto em breve.
A
F
76
valiação
A lição de hoje desafiou a você e às pessoas da classe a aceitarem a
doutrina teológica que pode ser significante e confusa para algumas
pessoas. No final da lição, os(as) estudantes entenderam a justificação?
A passagem da Escritura de hoje poderia ser difícil de entender na
primeira leitura, porque ela é cheia de declarações teológicas ao invés
de história sobre alguma coisa. Parafrasear a Escritura ajudou as
pessoas a entendê-la? Como foi que o grupo respondeu de como você
conduziu o desafiante teste? Como você faria este tipo de atividade no
futuro?
uturo
Na próxima semana, Você necessitará ter diversas traduções diferentes
da Bíblia para a aula. Solicite que as pessoas tragam diferentes
traduções de casa. E, também considere perguntar ao pastor ou à
pastora se você poderá pegar emprestado quaisquer traduções
diferentes que ele ou ela possa ter. Também, observe que você
necessitará de seis pequenos prêmios e massa modeladora para a
próxima semana.
Unidade 2 Lição 11
Página Reproduzível
O que é justificação?
Romanos 5:1–11
Teste desafiante de Paulo
Observação para professores(as): Faça cópias desta página para cada membro do Grupo 1.
Direção: Distribua esta página para o Grupo 1.
Perguntas para o Grupo 2
1. Paulo nasceu em que cidade?
a. Nineva
b. Tarso
c. Corinto
d. Jerusalém
2. Qual é o livro da Bíblia que nos fala a respeito de Paulo e da sua conversão?
a. João
b. Romanos
c. Atos
d. I Coríntios
3. O que Paulo fez antes de sua conversão?
a. Pregou a boas novas do evangelho
b. Vendeu comida nas ruas de Romas
c. Perseguiu seguidores de Jesus
d. Trabalhou como agente de viagens
4. Quantos dias Paulo ficou cego?
a. Nenhum
b. Um
c. Dois
d. Três
5. O que Paulo fez depois de sua conversão?
a. Ele voltou a ser um agente de viagem
b. Ele pregou as boas novas do evangelho, escreveu muitas cartas e criou muitas igrejas.
c. Ele ficou em Roma e criou família
d. Ele empregou seu tempo escrevendo o livro de Apocalipse.
Respostas: 1–b, 2–c, 3–c, 4–d, 5–b
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
77
Unidade 2 Lição 11
Página Reproduzível
O que é justificação?
Romanos 5:1–11
Teste desafiante de Paulo
Observação para professores(as): Faça cópias desta página para cada membro do Grupo 2.
Direção: Distribua esta página para o Grupo 2.
Perguntas para o Grupo 1
1. Antes de ser conhecido como Paulo, ele era chamado de . . .
a. Estevão
b. Simão
c. Saulo
d. Salomão
2. Paulo teve a conversão na Estrada de . . .
a. Babilônia
b. Corinto
c. Jerusalém
d. Damasco
3. Oque aconteceu a Paulo em sua conversão?
a. Jesus falou com ele e ele ficou cego
b. Ele estava cego e um anjo apareceu para ele
c. Um anjo apareceu e Jesus falou
d. O Espírito Santo veio como uma língua de fogo
4. Quem pôs a mão sobre Paulo para que Paulo ficasse cheio do Espírito de Deus?
a. Lázaro
b. Estevão
c. Barnabé
d. Ananias
5. Todos os seguintes livros da Bíblia são atribuídos a Paulo exceto . . .
a. Filemón
b. Gálatas
c. Filipenses
d. Atos
Respostas: 1–c, 2–d, 3–a, 4–d, 5–d
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
78
Unidade 2: A reconciliação da cruz
Vínculos diplomáticos
2 Coríntios 5:11–21
Idéia principal
Paulo escreve sobre a reconciliação de Deus com o mundo através de
Cristo e nos fala que nós somos pessoas “embaixadoras de Cristo”. Não
somente somos pessoas perdoadas, mas também somos chamadas a
compartilhar este perdão com as outras pessoas.
Contexto histórico para professores(as)
Em suas viagens, Paulo esteve em Corintos para pregar as boas novas de
Cristo e ali estabeleceu uma igreja. Depois de oito meses, ele deixou
Corintos para fundar mais igrejas em outras cidades. Enquanto ele estava
viajando, ele escreveu à igreja de Corintos e enviou assistentes para visitálos. Em sua ausência, entretanto, os seus oponentes vieram à Corinto e
colocaram as pessoas contra ele. Paulo retornou a Corinto para uma
segunda visita, a qual ele a caracterizou como “dolorosa” por causa do
maltrato que ele recebeu deles. (Veja 2 Coríntios 2).
Várias pessoas estudiosas da Bíblia concordam que esta primeira carta que
Paulo envia aos Coríntios estava perdida. A segunda carta, agora conhecida
como 1 Coríntios, foi enviada em resposta a uma denúncia problemática do
“povo de Cloe” sobre as divisões na igreja. (Veja 1 Coríntios 1:10–11). Ainda
que haja várias teorias a respeito das sucessivas cartas, provavelmente
houve uma terceira carta que foi enviada antes desta epístola conhecida
como 2 Coríntios. De fato, 2 Coríntios é provavelmente uma combinação de
várias cartas de Paulo que foram preservadas depois de sua morte.
O relacionamento de Paulo com a igreja de Coríntios estava problemática, e
necessitava de reconciliação. A sua comunicação com a igreja ajudou a
construir um entendimento teológico de reconciliação entre o povo da igreja,
e entre Deus e a igreja. Enquanto Paulo era claro que é Deus quem reconcilia
através de Jesus Cristo, e não alguma coisa que as pessoas possam fazer,
muito do ministério de Paulo centralizou em ser embaixadores(as) para
Cristo e chamando outros para viverem nas bênçãos da reconciliação.
Fazendo conexões
Através de Cristo, às pessoas jovens é dada o ministério de reconciliação
e elas são chamadas a serem embaixadoras dele no mundo. As pessoas
embaixadoras vivem num país estrangeiro enquanto representando as
preocupações de seus países. Sendo assim ou não, um país é entendido e
julgado em como ele é representado pela pessoa que é a embaixadora. Desta
mesma forma é ser uma pessoa que segue a Cristo. As pessoas cristãs vivem
no mundo como representantes de uma vida diferente que é a vida em Cristo.
79
Jovens
Unidade 2 Lição 12
Lição 12
Vínculos diplomáticos
2 Coríntios 5:11–21
Lição 12
A
Você necessitará
o Bíblias (várias traduções)
o Cópias de “Encontrando as
palavras” e “O que isto diz?”
(páginas 83 e 84)
o Cartolina e marcadores
o Dicionário
o Papel
o Canetas ou lápis
o Cesta (pequena ou tamanho médio)
o Seis prêmios (balas, brinquedos
pequenos)
o Massa para modelar
o Música alegre
ssembléia: Deus nos chama para estarmos juntos
Assim que as pessoas chegarem à sala de aula, reúna-as em grupo de
dois e entregue a cada grupo uma cópia de “Encontrando as palavras”
(página 83) e uma versão João Ferreira de Almeida Atualizada da
Bíblia). Se você tiver um número ímpar de estudantes, permita que um
grupo tenha três estudantes. Solicite que sigam as instruções na página
para que decifrem a declaração e a pergunta e então escrevam uma
resposta. Uma vez que todas as pessoas tiverem a oportunidade de
preencher os espaços em branco e responderem as perguntas, utilize as
questões na coluna ao lado para direcionar a discussão de classe.
Dependure uma cartolina num lugar visível da sala e escreva “Pessoas
embaixadoras” em letras grandes no topo da página. Solicite que os(as)
estudantes descrevam o que é ser uma pessoa embaixadora e o que ela
faz. Peça uma pessoa voluntária para usar o dicionário e encontrar a
palavra embaixador(a) e informar para a classe o que ela encontrou.
Adicione à cartolina mais informações encontradas no dicionário.
Resposta chave para a ativida
de “Encontrando as palavras”
(página 83)
Deus nos chamou para vivir como
embaixadores por Jesus Cristo no
mundo. Que diz isto para vós?
E
Perguntas para Discussão
• Foi esta atividade fácil ou desafiante?
• Quais foram os livros da Bíblia que
foram mais fácil de serem localizados?
Quais foram os mais desafiantes?
• Qual foi a sua resposta para a
pergunta?
Jogo de perguntas
• Quem escreveu 2 Coríntios? (Paulo).
• Qual era o nome de Paulo antes de
sua conversão? (Saulo).
• Paulo escreveu várias cartas que
também podem ser chamadas de
o que? Diga: começa com “E”!
(Epístolas).
• As epístolas de Paulo são encontradas
no Antigo ou Novo Testamento?
(Novo Testamento).
• Quando Paulo escreveu aos coríntios
ele escreveu para as pessoas cristãs
de qual cidade? (Corinto).
• Quais são os nomes das outras
duas epístolas que Paulo escreveu?
(Muitos estudiosos concordam
que Paulo escreveu 1 Coríntios,
1 Tessalonicenses, Filemón e
Gálatas. Outras epístolas são
tradicionalmente atribuídas a Paulo,
mas a autoria destas cartas são ainda
questionadas).
80
studo bíblico: Nós escutamos a Palavra de Deus
Comece o estudo bíblico com a oração que segue ou faça uma própria:
“Deus de amor quem criou todas as coisas e as chamou de boas, quem
enviou Jesus Cristo para nos mostrar uma nova criação, e quem criou
em nós o desejo de crescer na fé: Ajude-nos a escutar mais do que falar,
a comprometer mais do que ignorar, e nos concentrar mais do que nos
distrair. Deixe que nossos pensamentos, palavras e ações glorifiquem a
Ti agora e para sempre. Amém”.
Coloque uma cesta de tamanho pequeno a médio no meio da sala e
dê a cada estudante uma folha de papel e uma caneta ou lápis. Solicite
que escrevam os seus nomes no papel e que façam uma bola com ele.
Compartilhe: “Antes de abrirmos as nossas Bíblias, vamos ter a certeza
de que temos informações sobre a passagem de hoje da Bíblia. Se você
pensa que sabe a resposta da pergunta, tente jogar a sua bola de papel
e acertar a cesta. Entretanto, você deverá estar no seu lugar, quando
atirar a bola de papel ou a jogada não valerá. Faça a primeira pergunta
encontrada na coluna ao lado. Se ninguém conseguir acertar a cesta,
deixe que os(as) estudantes peguem os seus papéis e tentem outra vez.
Se somente uma pessoa conseguir acertar a cesta, ela terá a chance de
responder à pergunta. Se mais de uma pessoa conseguir atingir a cesta,
então tire uma bola de papel de dentro da cesta e leia o nome da pessoa
que responderá à pergunta. Continue até que a pergunta seja
respondida corretamente, então, repita o processo para cada pergunta.
Presenteie a pessoa que responder corretamente a cada pergunta.
Solicite uma pessoa voluntária com a Bíblia (preferencialmente a versão
João Ferreira de Almeida Atualizada) e peça que leia 2 Coríntios 5:11–21.
Vínculos diplomáticos
2 Coríntios 5:11–21
Considere em ter duas pessoas lendo a
Escritura em voz alta, cada uma leria a
passagem uma vez, para que a classe
escute diferentes vozes. Considere ter
uma pessoa adulta lendo uma vez e
uma pessoa jovem lendo outra vez.
Perguntas para discussão
• Quantas pessoas desenharam alguma
coisa? Quantas escreveram? Quantas
não fizeram nada?
• Houve temas comuns que
conectaram com as nossas respostas?
• Tendo a passagem da escritura
sendo lida duas vezes e tendo
a oportunidade de responder à
passagem, quem poderia dizer o que
se passa nesta passagem? (Escreva na
cartolina as respostas).
No verso 11, Paulo fala a respeito do
“temor a Deus”. Tenha a certeza de
que os(as) estudantes entendam que ele
mostrou uma grande reverência para
com Deus e sentiu que Deus merecia
ter um tratamento honroso.
Se você tem menos do que oito
estudantes na classe, divida a classe em
dois grupos. Faça com que um grupo
responda por Grupos 1 e 3, e que o
outro grupo responda por Grupos 2 e 4.
A
Distribua para o restante da classe uma folha de papel e uma caneta ou
lápis. Compartilhe: “___________ (diga o nome da pessoa que lerá a
passagem) vai ler a passagem da Escritura duas vezes em voz alta.
Enquanto escutam, respondam à Palavra de Deus e desenhe alguma
coisa que venha em sua mente ou escreva palavras ou frases que
chamem a sua atenção”. Permita que a leitura seja feita para a classe.
Depois da leitura da passagem, dê oportunidade a cada estudante de
compartilhar com o resto da classe o que tenha desenhado ou escrito.
Faça uma discussão em grupo utilizando as palavras encontras na
coluna ao lado.
Distribua a coleção de Bíblias de várias traduções para a turma.
Agradeça aquelas pessoas que trouxeram as suas Bíblias de casa.
Dependure uma cartolina em um lugar visível na sala e escreva
2 Coríntios 5:11–21 no topo dela. Parafraseie a passagem da Escritura
tendo cada tradução sendo lida em voz alta verso por verso e então
deixe que a classe tenha a discussão da melhor maneira possível
para combinar as diferentes traduções em uma. Escreva a versão
parafraseada na cartolina.
Divida a classe em quatro grupos e dê a cada grupo uma cópia de “O
Que Isto Diz?” (página 84). Designe a cada grupo um número (de 1 a
quatro) e diga para que leiam as instruções para os seus grupos na
página. Enquanto trabalham nesta atividade, dependure uma cartolina
num local visível. Desenhe umas linhas na cartolina dividindo-a em
quatro seções. Escreva uma das seguintes palavras no topo de cada
seção: Perdão, Reconciliação, Jesus e Deus.
Depois que tiverem tempo suficiente para trabalharem nesta atividade,
solicite que o grupo se reúna em círculo no meio da sala. Solicite uma
pessoa voluntária de cada grupo para compartilhar um resumo a
respeito do que de que fala a passagem, sobre o tema designado a
cada grupo. Faça anotações na cartolina para sumarizar as respostas
dos grupos.
firmação: Nós respondemos à Palavra de Deus
Tenha a certeza de que todas as pessoas possam ver a cartolina de
“Pessoas Embaixadoras” da atividade da Assembléia. Dirija a
conversação com a classe usando as seguintes perguntas:
• Agora que já estudamos a passagem de hoje da Escritura
e falamos a respeito da definição sobre uma pessoa
embaixadora, como você poderia responder a pergunta: “O
que significa para nós, sermos pessoas embaixadoras de Jesus
Cristo no mundo?”
81
Jovens
Unidade 2 Lição 12
Lição 12
Vínculos diplomáticos
2 Coríntios 5:11–21
Lição 12
Atividade missionária (opcional )
Em grupo, faça uma lista realística de
coisas que os(as) estudantes poderiam
fazer para serem pessoas embaixadoras
num certo momento num determinado
lugar. Então planeje uma maneira de
colocar em prática, o que foi listado,
num lugar e o momento que foi
discutido.
D
• Como é que as pessoas embaixadores para Cristo se parecem
com as pessoas embaixadoras que representam as nações?
• Se formos realmente pessoas embaixadoras de Cristo no
mundo, quais são os tipos de reações que nós poderíamos
esperar de nossas famílias? Amigos(as) da escola? Pessoas
estrangeiras? Pessoas com necessidades?
espedida: Deus nos envia ao mundo
Distribua para cada estudante uma porção de massa para modelar e
solicite que cada pessoa esculpa alguma coisa que ilustre o que ela
pode fazer, na próxima semana, para ser uma embaixadora de Cristo.
Enquanto trabalham nesta atividade, coloque para tocar uma música
alegre que seja apropriada para enviar pessoas ao mundo em nome de
Cristo. Coloque uma cartolina no chão, no meio da sala e escreva
Enviando em nome de Cristo em letras grandes. Depois que as pessoas
tiverem tido tempo suficiente para esculpirem alguma coisa, reúna-as
em um círculo ao redor da cartolina.
Começando com a pessoa que tenha feito aniversário recentemente, e
indo em sentido horário ao redor do círculo, dê a cada pessoa a
oportunidade de compartilhar a sua escultura com a classe, antes de
colocá-la na cartolina, no meio do círculo. Termine a lição com uma
oração de agradecimento a Deus pela chance de estarem juntos e
pedindo a ajuda de Deus, enquanto as pessoas participantes são
enviadas a serem embaixadoras de Jesus Cristo.
A
F
82
valiação
Como é que as pessoas se sentiram ao olhar todas as passagens da
Escritura na atividade da Assembléia? Sabiam da Bíblia o bastante ou
necessitaram de ajuda para ficarem mais familiares com ela? O que
você poderia fazer a cada semana para que as pessoas fiquem mais
confortáveis e familiarizadas com as suas Bíblias? Gostaram da
oportunidade de lerem a Escritura em diferentes traduções da Bíblia,
ou foi muito confuso para a turma?
uturo
Durante a próxima lição, a sua concentração será na mesa como um
sinal, símbolo e lugar para reconciliação. Em preparação, pense em
ocasiões em sua vida em que a mesa teve uma importante função de
unir as pessoas.
Unidade 2 Lição 12
Página Reproduzível
Vínculos diplomáticos
2 Coríntios 5:11–21
Encontrando as palavras
Passo 1: Procure cada verso na Bíblia de versão João Ferreira de Almeida Atualizada e escreva a
palavra indicada no espaço abaixo.
1 Coríntios 1:9, terceira palavra: _____________
Romanos 12:16, quinta palavra: _____________
Romanos 8:30, oitava palavra: _____________
Filipenses 3:7, quarta palavra: _____________
1 Tessalonicenses 4:11, Terceira palavra: _____________
Filemón 1:16, Terceira palavra: _____________
2 Coríntios 5:20, quinta palavra: _____________
1 Tessalonicenses 1:2, sexta palavra: _____________
1 Coríntios 15:57, duas últimas palavras: _____________ _____________
Filipenses 2:15, últimas duas palavras: _____________ _____________.
Gálatas 4: 30, primeiras duas palavras: _____________ _____________
2 Coríntios 10:7, vigésima uma palavra: _____________
Gálatas 4: 14, oitava e nove palavras: _____________ _____________?
Passo 2: Coloque todas as palavras juntas em ordem para formar uma declaração e uma
pergunta. Qual é a sua resposta da pergunta? Responda no espaço abaixo.
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
83
Unidade 2 Lição 12
Página Reproduzível
Vínculos diplomáticos
2 Coríntios 5:11–21
O que isto diz?
Direções: Em grupo, leia a passagem da Escritura (2 Coríntios 5:11–21) e escreva o que cada verso diz (ou
refere) a respeito do tópico designado para o seu grupo. Deixe o espaço em branco se você não consegue
descobrir o que o verso tem a ver com o tema que lhe foi designado.
O que a passagem da Escritura nos ensina a respeito de:
Grupo
Grupo
Grupo
Grupo
1–
2–
3–
4–
Perdão
Reconciliação
Jesus
Deus
Verso 11:
___________________________________________________________________________________________
V. 12:
___________________________________________________________________________________________
V. 13:
___________________________________________________________________________________________
V. 14:
___________________________________________________________________________________________
V. 15:
___________________________________________________________________________________________
V. 16:
___________________________________________________________________________________________
V. 17:
___________________________________________________________________________________________
V. 18:
___________________________________________________________________________________________
V. 19:
___________________________________________________________________________________________
V. 20:
___________________________________________________________________________________________
V. 21:
___________________________________________________________________________________________
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
84
Unidade 3: A reconciliação ao redor da mesa
Adivinha quem está vindo
para o jantar?
Jovens
Unidade 3 Lição 13
Lição 13
Levítico 7:14 –18; Isaías 25:6 – 9
Idéia principal
Deus dá a Moisés as instruções para um sacrifício, especialmente
preparado, e então compartilhado com as pessoas descendentes de
Israel para as gerações vindouras. O profeta Isaías compartilha uma
cena do banquete que Deus preparará para as pessoas. Observando
os dois textos do Antigo Testamento, podemos ver a visão do poder
reconciliador da Ceia do Senhor?
Contexto histórico para professores(as)
Enquanto começamos o nosso estudo sobre a Ceia do Senhor, nós
observamos primeiro o Antigo Testamento. Em Levítico, nós lemos
uma pequena porção das numerosas regulações a respeito das ofertas
de Israel a Deus na mesa de sacrifícios. Estas ofertas completam o que
Deus começou, justamente como escrever uma nota de agradecimento
que completa um círculo de oferecimento de presentes. Sacrifício no
Antigo Testamento prediz o sacrifício final de Jesus Cristo e o
resultado reconciliador do povo de Deus.
Enquanto lemos o profeta Isaías, nós também vemos salvação
oferecida para aquelas pessoas convidadas para a mesa do banquete.
Na época em que este texto foi escrito, o povo de Israel enfrentava
uma época de transição e adversidade. Através do profeta, Deus faz
promessas salvadoras que são simbolizadas num banquete de coisas
finas. Outra vez, nós vimos a comunidade como todas as pessoas
unidas, e os presentes especiais que somente Deus pode prover, são
oferecidos para as nossas almas.
Uma vez que esta unidade se concentra na importância da mesa,
poderia ser apropriado que a sua turma se reúna ao redor da mesa
para as lições.
Fazendo conexões
A Ceia do Senhor é repleta de simbolismos e significados
sacramentais. Qualquer pessoa, inclusive as pessoas jovens são
incluídas, necessita de saber a importância e as implicações de se
reunir ao redor da Mesa do Senhor e participar da ceia em conjunto.
As pessoas jovens de sua classe poderiam ter se reunido à Mesa do
Senhor por anos, sem realmente conhecer o que isto significa. Esta
lição e unidade oferece a oportunidade de abrir os seus olhos para
a graça da mesa.
85
Adivinha quem está vindo para o jantar?
Levítico 7:14 –18; Isaías 25:6 – 9
Lição 13
Você necessitará
o Bíblias
o Cópia de “Adivinha quem
está vindo para o jantar” e
“A cozinha de Deus” (páginas
89 e 90) para cada estudante.
o Canetas ou lápis
o Marcadores
A
Oração inicial
Te damos graças, O Deus, pela beleza
de cada dia e pelas oportunidades de
conhecer a Ti em nosso Senhor Jesus.
Pedimos para que todas as pessoas aqui
reunidas possam aprender mais sobre
a Tua reconciliação de amor no tempo
em que passarmos juntos. Amém.
ssembléia: Deus nos chama para estarmos juntos
À medida que as pessoas chegarem à sala de aula, entregue a cada
estudante uma cópia de “Adivinha quem está vindo para o jantar”
(página 89), uma caneta ou lápis e marcadores. Convide a turma a
imaginar que Jesus está vindo para o jantar. Solicite que os(as)
estudantes façam uma lista, um menu, um tema para a tarde e
atividades que acontecerão durante o jantar, e peça que escrevam suas
idéias num folheto. Encoraje a todas as pessoas a serem criativas e que
examinem as tradições e práticas de outras culturas, da parte das
pessoas convidadas, o tema e a comida. Convide que utilizem os seus
marcadores de várias cores para decorarem o folheto.
Dê tempo às pessoas para que completem as suas idéias. Se você notar
que estão com dificuldades, pergunte: Qual é o tema que você pensa
faria Jesus alegre? Natureza? Culturas humanas? Reconciliação e paz?
Depois de dar tempo para que respondam às perguntas de cada seção
de “Adivinha quem está vindo para o jantar” (página 89), peça que
cada estudante participe com a sua resposta.
Ofereça a oração encontrada na coluna ao lado ou faça uma própria.
E
Informação das Ofertas de Paz
A oferta de gratidão é dada por uma
ocasião quando a intervenção de
Deus na vida é vista. A pessoa oferta
para agradecer a Deus por ajudar em
momentos difíceis e tristes. Salmo 116:7
provê um exemplo de uma pessoa que
é respondida pela graça de Deus e faz a
sua oferta.
A oferta de voto é associada com um
juramento. Numa situação difícil, uma
pessoa irá prometer dar a Deus alguma
coisa se as suas preces forem ouvidas.
Um exemplo de oferta de voto pode
ser vista em 1 Samuel 1:11 quando Ana
implora a Deus para responder às suas
preces, e dar a ela um filho. Solicite que
a turma leia 1 Samuel com a petição de
Ana.
A oferta voluntária é espontânea
dada para mostrar gratidão a Deus.
Um exemplo de oferta voluntária é
encontrada no Salmo 54:6. Solicite
uma pessoa voluntária para ler esta
passagem em voz alta e enfatizar
que o autor promete uma “oferta de
gratidão”.
86
studo bíblico: Nós escutamos a Palavra de Deus
Solicite uma pessoa voluntária para ler Levítico 7:14 –18. Compartilhe:
Levítico 7 menciona três tipos de ofertas de paz: uma oferta de
gratidão, uma oferta por um voto e uma oferta voluntária.
Refira ao coluna ao lado, para compartilhar as informações a respeito
das ofertas de paz com os(as) estudantes.
Solicite que os(as) estudantes revejam Levíticos 7:14 –18 uma vez mais e
veja se podem contribuir com informações adicionais a respeito da
natureza das ofertas.
Faça as seguintes observações:
1.Oferendas são sempre dadas como uma resposta humana à
intervenção de Deus.
2.Oferendas não são dadas em privacidade. A Escritura
menciona as ações de um sacerdote. A parte chave em fazer
uma oferta é que a benevolência de Deus é respondida no
meio da comunidade de fé.
3.Oferendas não são para serem poupadas ou guardadas, mas
para serem comidas ou queimadas em um tempo determinado
como instruído pelas Escrituras. Por quê? Para que a oferenda
pudesse ser compartilhada. Ao invés de ser guardada, a
oferenda deveria ser comida por uma pessoa ou família ao
Perguntas sobre a
cozinha de Deus
• Como é que o banquete descrito
se compara à nossa atividade do
começo da lição “Adivinhe quem está
vindo para o jantar”?
• Poderia imaginar a lista de pessoas
convidadas de “todas as pessoas”?
• Estão incluídas no seu menu
palavras como banquete, farto ou
envelhecido?
• A sua lista de atividades inclui a
destruição do “véu que envolve
todos os povos”, a destruição da
morte e Deus enxugará as lágrimas?
longo do tempo, a oferenda é compartilhada com amigos e
com as pessoas pobres da comunidade. Outra vez, nós vimos a
natureza comunitária da oferenda.
Solicite que a turma tenha a Bíblia aberta em Isaías 25:6 – 9. Peça uma
pessoa voluntária para ler a passagem em voz alta.
Usando “A cozinha de Deus” (página 90) peça que usem de sua
imaginação à medida que descrevem o banquete que Deus
providenciou em Isaías 25:6 – 9. Depois que tiverem tempo suficiente
para trabalhar nesta atividade, faça as perguntas encontradas na coluna
ao lado.
Compartilhe: Isaías profetiza a santa ceia que traz todo o mundo junto,
oferece um final ao sofrimento, e evoca adoração e alegria no povo de
Deus. Pergunte à turma: Por quê a profecia de salvação de Isaías é
encontrada na imagem de um banquete? Por quê é importante reunirse à mesa? Peça que os (as) estudantes descrevam as mesas de
comunhão que presenciaram em igrejas que já tenham visitado. Como
estavam as mesas posicionadas? De que material são feitas as mesas?
Compartilhe: as mesas são normalmente colocadas em uma das áreas
do santuário—ou junto da parede na frente do santuário ou no meio da
reunião da congregação. As mesas são feitas de madeira, metal, pedra
ou mármore. Algumas são trabalhadas com os dizeres: “Faça isto em
minha memória”. A mesa colocada contra a parede ou feita de metal
ou pedra evoca o simbolismo do sacrifício; a mesa assemelha-se a um
altar. A mesa colocada no meio do povo faz lembrar de uma reunião
de família e a sua participação no banquete. O que a mesa em nosso
santuário parece dizer?
Compartilhe: observando a forma de adoração Presbiteriana, nós
podemos ver que a Santa Ceia começa com a oportunidade de
fazermos as nossas ofertas. Nós damos o nosso dízimo e ofertas para
beneficiar o propósito de Deus no mundo. Da oferta nós passamos para
o Convite para participação do Banquete do Senhor; todas as pessoas
convidas a virem e “se sentarem à mesa do Reino de Deus”. Então, nós
passamos ao “Agradecimento Maior, na qual as nossas orações são
oferecidas. Depois da oração de agradecimento, o pão é partido, o suco
é derrado e o povo de Deus compartilha uns com os outros. Então
somos despedidos(as) e desafiados(as) a ir ao mundo em paz.
87
Jovens
Unidade 3 Lição 13
Lição 13
Adivinha quem está vindo para o jantar?
Levítico 7:14 –18; Isaías 25:6 – 9
Adivinha quem está vindo para o jantar?
Levítico 7:14 –18; Isaías 25:6 – 9
Lição 13
A
firmação: Nós respondemos à Palavra de Deus
Diga-lhes: Deus tem nos dado muito. Nós somos chamados(as) a
responder.
Pergunte às pessoas da classe como é que gostariam de mostrar o amor
reconciliador de Deus. Considerando o estudo de hoje, uma resposta
poderia ser que a classe da Escola Dominical realize uma campanha
para coletar comida em lata e produtos não perecíveis. O plano
poderia ser submetido ao conselho, e se aprovado poderia ser
apresentado à congregação na próxima celebração da Santa Ceia.
Poderia pedir à congregação que traga comida em lata e produtos não
perecíveis para o banco de comida. A comida arrecadada poderia ser
colocada ao redor da mesa de comunhão durante o hino final. Depois
da adoração no dia do oferecimento da comida arrecada, os(as)
estudantes poderiam colocar a comida em caixas e levá-las a um
banco de comida. Com o propósito de oferecer uma oportunidade
mais profunda para os(as) estudantes, poderia ser uma ocasião em que
pudessem aprender mais sobre o nível de pobreza da comunidade.
As pessoas da sua classe poderiam pedir informações sobre um banco
de comida local: quantas pessoas são servidas e quais são os tipos de
comida que mais se necessita. Com esta informação, poderia ser
criado um boletim que mostrasse o que se descobriu a respeito das
necessidades de sua comunidade.
D
espedida: Deus nos envia ao mundo
Enquanto as pessoas da classe se preparam para partir, peça que pensem
a respeito da localização da Mesa de Comunhão no santuário, e o que
isto significa para elas. Encoraje para que pensem o quanto elas deveriam
estar gratas e dar graças a Deus pelas muitas bênçãos de Deus em suas
vidas. Termine com uma oração, agradecendo a Deus pela criatividade
das pessoas da classe e pelas muitas bênçãos dadas a cada dia.
A
F
88
valiação
Os(as) estudantes fizeram a ligação entre a imagem de altar/mesa do
Antigo Testamento e como isto é explicado no Novo Testamento e na
Santa Ceia? Os(as) estudantes têm consciência da pobreza na
comunidade e da necessidade de ajudar?
uturo
Na próxima semana nós exploraremos o significado da Santa Ceia.
Primeiramente, nós revisaremos o significado e o simbolismo na
história da Páscoa. Então, nós passaremos para a descrição da Santa
Ceia no Evangelho de Lucas, para ver como Jesus ofereceu a nova
aliança através da sua oferta de sacrifício de corpo e sangue.
Unidade 3 Lição 13
Página Reproduzível
Adivinha quem está vindo para o jantar?
Levítico 7:14 –18; Isaías 25:6 – 9
Adivinha quem está vindo para o jantar
Materiais: Caneta ou lápis, marcadores.
Direções: Utilizando o modelo abaixo, planeje um jantar no qual Jesus será o convidado de honra. Use
canetas coloridas para decorar os modelos.
Anfitrião (Anfitriã):__________________________________
(seu nome)
Lista de pessoas convidadas
Menu
Convidado de honra: Jesus
Tira-gosto
Prato Principal
Sobremesa
Bebidas
Temas e atividades
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
89
Unidade 3 Lição 13
Página Reproduzível
Adivinha quem está vindo para o jantar?
Levítico 7:14 –18; Isaías 25:6 – 9
A cozinha de Deus
Materiais: Canetas ou lápis, marcadores.
Direções: Referindo-se a Isaías 25:6–9 e usando os modelos abaixo, descreva o banquete que Deus proveu
em Isaías 25:6–9. Utilize a sua imaginação para providenciar os detalhes que a passagem da Escritura não
especifica.
Anfitrião:_______
Deus
Lista de pessoas convidadas
Menu
Convidado de honra: Jesus
Tira-gosto
Prato Principal
Sobremesa
Bebidas
Temas e atividades
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
90
Unidade 3: A reconciliação ao redor da mesa
Comportamento à mesa
Lucas 22:14 – 22
Idéia principal
Quando Jesus compartilhou a refeição da Páscoa com os seus
discípulos, ele os instruiu em como comerem juntos. Como nós
lembramos de Cristo quando celebramos a Santa Ceia?
Jovens
Unidade 3 Lição 14
Lição 14
Contexto histórico para professores(as)
Lucas cuidou em transmitir à igreja uma descrição fiel e exata
dos discípulos com Jesus à Santa Ceia, e fazendo isto, Lucas nos
transmite a importância desta refeição para todas as pessoas que
seguem o Cristo ressuscitado. Através do Espírito de Deus, esta
refeição renova a fé das pessoas que seguem a Cristo e isto as
empodera nos ministérios das pessoas que compartilham com ele,
ao redor da mesa. Então, a descrição detalhada de Lucas dá a igreja
um mapa de como celebrar esta refeição. Também, nós somos
relembrados(as) que esta refeição se concentra em dois pontos: a
morte salvadora de Cristo e o seu retorno corporal para completar
a criação (veja Coríntios 11:26). Conseqüentemente, ao redor da
mesa, onde Jesus é o anfitrião, nós não somente cumprimos as suas
instruções, como também nós compartilhamos a sua vida e morte, e
nós vimos um vislumbre do gracioso reino de Deus em nosso meio.
Fazendo conexões
A Santa Ceia é cheia de simbolismo e significância sacramental.
Nisto, nós celebramos a real presença de Cristo nos ingredientes
cotidianos. Todas as pessoas, inclusive adolescentes, necessitam
saber da importância e conotação desta reunião ao redor da Mesa do
Senhor e a participação nesta refeição conjunta. Durante esta lição,
nós observaremos profundamente a Santa Ceia e discutiremos as
implicações das ações de salvação de Cristo em nossas vidas.
91
Comportamento à mesa
Lucas 22:14 – 22
Lição 14
A
Você necessitará
o Bíblias
o Cópias da “Palavra cruzada
da Última Ceia” e “Liturgia
da Comunhão na Quinta-feira do
Mandamento” (páginas 95 e 96)
para cada estudante
o Lápis
A Santa Ceia
Ofertório
Convite à Mesa do Senhor
Oração do grande agradecimento
Oração do Pai Nosso
O Partir do Pão
Oração depois da Comunhão
ssembléia: Deus nos chama para estarmos juntos
À medida que as pessoas chegarem à classe, dedique algum tempo
para falar a respeito da comunhão. As pessoas da classe se lembram
dos componentes do Sacramento da Santa Ceia? (eja na coluna ao
lado). Pergunte por que acreditam que a Santa Ceia é significante para
as pessoas cristãs. Convide as pessoas da classe para que compartilhem
o que fazem quando recebem o pão e o vinho durante o culto de
adoração. Quando todas as pessoas presentes tiverem a chance de falar
a respeito de suas experiências pessoais da Santa Ceia, distribua cópias
da “Palavra cruzada da Última Ceia” (página 95) e dê-lhes tempo
suficiente para completarem esta atividade.
Reveja as respostas dos (as) estudantes (Veja a resposta chava na
coluna ao lado.)
Respostas da “Palavra cruzada da
Última Ceia” (página 95)
Horizontal Vertical
2. Apóstolos
1. Obrigado
3. Páscoa
4. Ceia
6. Fruto
5. Sofrimento
7. Aliança
8. Reino
10. Lembre 9. Pão
11. Corpo
12. Judas
Ofereça uma oração de agradecimento pelos maravilhosos presentes
que Deus há nos dado. Dê graças por ter enviado a Jesus Cristo para
estar em nossas vidas. Ore pelo constante crescimento do entendimento
da Última Ceia e o que isto significa para nós hoje.
E
Pragas
O Rio Nilo se transforma em sangue
Rãs
Piolhos
Moscas
Morte dos rebanhos
Feridas purulentas
Granizo
Gafanhotos
Trevas
Morte do primogênito
studo bíblico: Nós escutamos a Palavra de Deus
Distribua as Bíblias para a classe.
Compartilhe: A ceia da Páscoa veio durante a época de Moisés,
enquanto Deus trabalhava para acomodar o povo Israelita, livre da
escravidão no Egito. Antes da Páscoa, Deus enviou dez pragas para os
Egípcios, para que eles deixassem o povo de Israel livre. Pergunte se a
classe pode dar os nomes das dez pragas.
Solicite que a classe tenha a Bíblia aberta em Êxodo 12:1–20, e solicite
uma pessoa voluntária para que leia esta passagem.
Compartilhe: Esta é a história do começo da ceia da Páscoa que é
celebrada pelo povo judeu desde os dias de Moisés. O festival celebra
as promessas de proteção e provisão de Deus, como na fuga do povo
Israelita da escravidão, e sua liberação para a Terra Prometida. Na
Páscoa, a família se reúne para a ceia. Uma criança pergunta: “Por quê
esta noite é diferente das outras noites?” Esta pergunta se repete
rapidamente a história com palavras, comida e canções. Em toda a
tarde, a família relembra a história da Páscoa: a história da escravidão,
o trabalho de Deus através de Moisés, as pragas culminantes da morte
do primogênito, o anjo de Deus “passando” nas famílias de Israel, e o
consentimento da liberdade do povo Israelita.
Solicite uma pessoa voluntária para ler Lucas 22:14–22.
92
Comportamento à mesa
Lucas 22:14 – 22
Lição 14
Depois de oferecer um tempo para que a classe responda a esta
atividade, pergunte: Jesus tomou a ceia da Páscoa, completou com as
memórias do cuidado, provisão e promessa de Deus e ele revitalizou a
mensagem com um novo sentido. Através de Cristo, os pães sem
fermento do Êxodo se transformam em um símbolo para o seu corpo
com as palavras “Isto é o meu corpo, que é dado por vós; fazei isto em
memória de mim.” (Lucas 22:19). Da mesma forma, Jesus disse: “Este
cálice é o novo pacto em meu sangue, que é derramado por vós.”
(Lucas 22:20). Este foi o seu ensinamento do porquê ele veio a morrer e
o que a cruz poderia realizar para eles. Então, no contexto da ceia de
Páscoa, Jesus Cristo, o Filho de Deus, revitalizou o comprometimento
de Deus feito para o povo de Israel há muito tempo atrás—e esta
passagem ainda proclama liberdade para as pessoas que crêem nele e
que compartilham a sua ceia.
Pergunte: O que Jesus quiz dizer, quando ele disse: “cálice é o novo
pacto?” Tenha a certeza de que as pessoas da sala entendem que a
aliança de Deus, começa com Abraão, e é renovado no sacrifício de
Jesus Cristo. Jeremias 31:31–33 prediz a vinda da novo pacto. “Eis que
os dias vêm, diz o Senhor, em que farei um pacto novo com a casa de
Israel e com a casa de Judá. . . e eu serei o seu Deus e eles serão o meu
povo”. Com a novo pacto vem a realização da Páscoa e a pacto de
Deus com Israel.
Compartilhe: a mensagem da Última Ceia não acaba aqui. Oferecendo
o seu corpo e sangue, Jesus toma o papel de cordeiro. Ele se transforma
no sacrifício, enquanto ele aponta para a cruz, onde o seu corpo será
quebrado e seu sangue derramado. E, ele faz isto para que nossos
pecados sejam perdoado se seremos verdadeiramente livres como o
resultado deste presente.
Discussão: então, o que a Ceia do Senhor significa para nós hoje?
Nós nos reunimos à mesa, não somente para proclamar a sua morte
que salva, mas também para esperar a sua volta. É realmente um
banquete feliz!
A
firmação: Nós respondemos à Palavra de Deus
Distribua as cópias de “Liturgia da Comunhão de Quinta-Feira do
Mandamento” (página 96). Esta é uma parte da Liturgia da Comunhão
de Quinta-feira do Mandamento encontrada no Livro Comum de Adoração.
A palavra mandamento vem do latim. (de acordo com João 13:34, durante
a Última Ceia, Jesus deu aos seus discípulos um novo mandamento:
Amem-se uns aos outros). Divida o serviço para que todas as pessoas da
sala tenham a oportunidade de ler. Solicite que escutem as palavras e
93
Jovens
Unidade 3 Lição 14
Discuta: qual é o importante significado da ceia de Páscoa para o nosso
entendimento da Última Ceia?
Comportamento à mesa
Lucas 22:14 – 22
Lição 14
circulem as palavras que falam da aliança, escravidão no Egito, a Páscoa,
a jornada à Terra Prometida e a Última Ceia.
D
espedida: Deus nos envia ao mundo
Enquanto as pessoas da classe se preparam para sair, peça-lhes que
tomem um tempo para pensar sobre as implicações das ações de Jesus
na Última Ceia, e o que isto significa para nós hoje, quando nós nos
reunimos em adoração ao redor da mesa. Orem juntos, agradecendo a
Deus pela oportunidade de estarem juntos para estudar, e o presente
de vida conhecido em Jesus Cristo.
A
F
94
valiação
O que as pessoas da classe pensam a respeito das novas coisas que
Jesus fez no meio da ceia da Páscoa? Foram capazes de recordarem dos
componentes da Santa Ceia, e reconhecer como os nossos modernos
rituais da comunhão vêm diretamente das Escrituras?
uturo
O próximo estudo focalizará na comunidade que rodeia a Santa Ceia.
Numa carta aos Coríntios, Paulo está insatisfeito com os novos
membros da igreja, os quais estão também participando nas ceias
pagãs, feitas de comida que foi sacrificada para os ídolos. Sua resposta
é de alerta às pessoas de Corinto do perigo dos ídolos, e ele aconselha à
estas pessoas a observarem outra vez a Santa Ceia, para que talvez
entendam o significado desta sagrada ceia. Paulo também responde à
disparidade que os Coríntios impuseram nos recipientes da comida: as
pessoas enriquecidas são alimentadas e as empobrecidas são
dispensadas com fome. Ele lembra as pessoas de Corinto e nós que
quando pessoas que se reúnem ao redor de uma mesa para participar
da Santa Ceia, nós deveríamos reconhecer que todos somos membros
do corpo de Cristo.
Unidade 3 Lição 14
Página Reproduzível
Comportamento à mesa
Lucas 22:14 – 22
Palavra cruzada da Última Ceia
Horizontal
1. Expressão de gratidão
3. Comemoração judia do Êxodo
4. Última refeição do dia
5. Enfrentando dor, maldade ou atormentação
8. Domínio de Deus
10. Comemoração
12. Traiu Jesus por trinta peças de prata
ertical
V
2. Discípulos que encontraram o Cristo ressuscitado 6. Produto da planta
7. Acordo entre duas ou mais pessoas
9. Tortilha, pita, por exemplo
11. Substância material de pessoas humanas vivas
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
95
Unidade 3 Lição 14
Página Reproduzível
Comportamento à mesa
Lucas 22:14 – 22
Liturgia da comunhão da Quinta-Feira do Mandamento
Escute as palavras de instituição da Santa Ceia do Nosso Senhor Jesus Cristo:
O Nosso Senhor Jesus, na noite que foi preso, tomou o pão, e depois de dar graças, o
partiu, e deu aos seus discípulos, dizendo:
Tome e coma. Este é o meu corpo dado em favor de vocês.
Façam isto em memória de mim.
Da mesma forma, ele tomou o cálice dizendo:
Este cálice é a nova aliança no meu sangue, derramado para o
perdão dos pecados de muitos.
Toda vez que comerem deste pão e tomarem deste cálice,
Vocês proclamarão a morte salvadora do Senhor ressuscitado,
até que ele venha.
Com gratidão, ofereçamos a Deus a nossa grata adoração..1
Oremos,
É realmente verdade e nossa alegria
Dar graças e louvor,
O Senhor nosso Deus, criador e governador do
universo.
Tu trazes da terra o pão,
E criastes o fruto da vinha.
Tu nos fizeste à Tua imagem,
E nos livrou das garras da escravidão.
Tu nos proclamastes como o teu povo,
E fizestes aliança para seres nosso Deus.
Tu nos alimentastes de maná no deserto,
E nos levou a uma terra que derramava leite e mel.
Quando nos esquecemos de Ti, e nossa fé era fraca,
Tu falastes através dos profetas,
Nos chamando para retornar aos Teus caminhos.
Tu és Santo, o Deus de majestade,
E abençoastes em Jesus Cristo, Teu Filho, nosso
Senhor,
Quem Tu nos enviaste para nos liberar
Da escravidão da morte e escravatura para pecar.
Humildemente ele desce do alto,
Para ajoelhar em obediência ao mandamento de
amor.
Ele que é sem limites toma a escravidão de nossos
pecados.
Ele que é livre toma nosso lugar na prisão da morte.
Em nossas andanças errantes, ele nos sustenta
Nos dando o seu corpo como maná para o nosso
cansaço.
O cálice de sofrimento o qual ele bebeu
Se tornou para nós o cálice da salvação.
Em sua morte, ele nos resgatou do domínio da
morte;
Em sua ressurreição, ele abriu o caminho para a vida
eterna.
Lembrando de suas ações poderosas e
misericordiosas,
Nós tomamos este pão e este vinho
Dos presentes que Tu nos há dado
E celebramos com alegria
A redenção ganha para nós em Jesus Cristo.
Aceite este nosso sacrifíco de louvor e gratidão
Como uma viva e santa oferta de nós mesmos,
Que nossas vidas possam proclamar aquele que foi
crucificado e ressuscitado.
Em nome de Cristo nós oramos. Amém.
1. Tradução Livro Comum de Adoração (Louisville: Westminster/John Knox Press, 1993), páginas 273–79.
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
96
Unidade 3: A reconciliação ao redor da mesa
Ceia em família
Lição 15
1 Coríntios 10:14–22, 31; 11:17–26
Idéia principal
Paulo fala às pessoas da igreja de Corinto não somente como e porque
elas deveriam participar da Ceia do Senhor, mas também como elas
deveriam tratar umas às outras como “um só corpo”.
Hoje nós observaremos a primeira carta de Paulo à igreja de Corinto.
Em nossa leitura de hoje, Paulo responde ao tema que a igreja enfrenta
sobre a Ceia do Senhor. Primeiro, Paulo pergunta aos membros da
congregação sobre a participação deles nos festivais pagãos. Em sua
carta, ele proíbe comer comida que foi oferecida primeiro aos ídolos,
apontando para a incongruência entre os festivais pagãos e a Ceia do
Senhor. Segundo, Paulo questiona sobre as injustiças à Ceia do Senhor,
como alguns dos membros recebem mais do pão e cálice, enquanto
outros recebem menos. Paulo fala da importância da unidade e justiça
na comunidade e salienta que Deus chama todas as pessoas que crêem
em Cristo a serem convidadas à mesa e a participarem igualmente. Em
resposta às palavras de Paulo para nós hoje, nós temos que reconhecer
que nós somos chamados(as) a reunirmos como uma família da igreja,
unida por Cristo, quando celebramos a Ceia do Senhor.
Fazendo conexões
A Ceia do Senhor é cheia de simbolismo e significância sacramental.
Todas as pessoas, inclusive adolescentes, necessitam saber da
importância e conotação desta reunião ao redor da Mesa do Senhor e a
participação nesta refeição conjunta. Durante esta lição, nós
observaremos profundamente a palavra koinonia (palavra grega para
“laço comum”) que nós compartimos com Cristo e com a nossa
comunidade de fé, quando nós nos reunimos à mesa da família cristã.
A
ssembléia: Deus nos chama para estarmos juntos
À medida que as pessoas da classe se reúnem, entregue a cada
estudante uma cópia do “Retrato de Família” (página 101), um lápis e
marcadores. Convide cada estudante a desenhar um retrato de sua
família. Se alguém não quiser desenhar, encoraje esta pessoa a fazer
uma lista dos membros da família, que poderiam ser incluídas no
retrato. Depois de alugns minutos, solicite que cada estudante mostre o
97
Jovens
Unidade 3 Lição 15
Contexto histórico para professores(as)
Ceia em família
1 Coríntios 10:14 – 22, 31; 11:17– 26
Lição 15
Você necessitará
o Bíblias
o Cópia do “Retrato de família” e
“Boon” (páginas 101 e 102) para
cada estudante
o Lápis
o Marcadores
o Um globo ou mapa do mundo
seu retrato de família ou a lista e faça as perguntas da coluna ao lado.
Enquanto os(as) estudantes compartilham, indique diferentes
categorias de pessoas que foram incluídas: pais, avós, irmãos e irmãs,
amigos e os animais de estimação. Alguma pessoa da classe incluiu
algum membro da igreja no retrato de família ou na lista?
Perguntas sobre a família
• Quem você inclui no seu retrato de
família/lista?
• Qual foi o critério que você usou para
selecionar quem você colocaria no
retrato?
Ore com a turma, agradecendo a Deus por todas as pessoas de suas
famílias. Ore para a direção de Deus, enquanto vocês observam a carta
de Paulo à igreja de Corinto, para que possam aprender mais sobre o
amor de Deus conhecido em Jesus Cristo, através do sacramento da
Ceia do Senhor.
E
studo bíblico: Nós escutamos a Palavra de Deus
Perguntas para discussão
• Por quê você acha que os membros
da igreja em Corintos acreditavam
que era aceitável participar nas festas
pagãs?
Solicite uma pessoa voluntária para ler 1 Coríntios 10:14–22, 31.
Pergunte se a classe é familiar com as quesões relativas à idolatria na
igreja primitiva.
Compartilhe: A igreja em Corinto tinha dificuldades com a cultura que
a cercava. Em Corintos, era uma prática comum participar em festival
no templo pagão, o que significava comer a comida que era sacrificada
aos ídolos. Depois, faça as perguntas encontradas na coluna ao lado.
Depois que tiverem tempo suficiente para discutirem, diga: a resposta
de Paulo à igreja de Corinto mostra que as pessoas da igreja não
entenderam porque a Ceia do Senhor é sagrada, então ele começa com
uma explicação a respeito da comunhão, e da importância da
comunidade que se reúne para a refeição sagrada.
Solicite uma pessoa voluntária para ler os versos 16–17 outra vez. O
que estes versos dizem a respeito do papel da comunidade? Preste
atenção para as pessoas que puderem reconhecer que ao falar da
comunidade, Paulo usa a afirmação “nós,” o qual aponta para a
comunidade.
Além disto, Paulo declara que, ainda que somos muitas pessoas, nós
nos tornamos um só corpo em Cristo através de nossas ações de
compartilharmos um cálice e um pão que nos é oferecido por Cristo.
Isto é muito significante: nós não trazemos a nossa própria comida de
casa, como um jantar que cada pessoa contribui. Em vez disso, nós nos
reunimos e somos alimentados por uma refeição comum, que é
preparada para todas as pessoas batizadas membros do corpo da igreja.
Isto significa que servimos ao mesmo Senhor, assim como somos
servidos pelo Senhor. Nós também vimos o companheirismo que é
formado no ato de participar na Ceia do Senhor—conhecido como
koinonia, que significa “laço comum”.
98
Ceia em família
1 Coríntios 10:14 – 22, 31; 11:17– 26
Lição 15
Primeiramente, nós descobrimos que koinonia em relacionamento com
o Senhor ressuscitado. Pergunte o que significa estar em relacionamento
com Cristo através da Ceia do Senhor. Tenha a certeza de que entendam
que participando na Ceia do Senhor significa que nós participamos na
nova aliança feita por Deus em Jesus Cristo.
Segundo, koinonia é encontrada em relacionamento com as pessoas
crentes. Pergunte por que é importante que estejamos em
relacionamento com as pessoas crentes.
Com isto, Paulo cita as injustas divisões na igreja. Solicite uma pessoa
voluntária para ler 1 Coríntios 11:17–26.
Não era justo ou apropriado que alguns membros da igreja recebessem
mais das refeições sacramentais do que outros. As pessoas ricas e mais
poderosas, evidentemente, estavam se aproveitando de seu status para
adquirir uma porção maior da refeição. Dirija a discussão a respeito
disto, usando as perguntas na coluna ao lado.
Deixe que as pessoas da classe compartilhem as suas opiniões por alguns
minutos, e então volte a discutir as palavras de Paulo no v. 22. Relembre
às pessoas da classe que Paulo também sofreu para explicar à igreja de
Corinto, que o comportamento deles, ao redor da Mesa do Senhor estava
desonrando o testemunho deles para com um mesmo Salvador.
Paulo provê as palavras de instituição uma vez mais, para redirecionar
a atenção da comunidade nas coisas essenciais da Mesa do Senhor.
Diga: se todos somos um só em Cristo, no seu corpo e sangue
derramado na comunhão, então, nós precisamos sempre ter a certeza
de que todas as pessoas de Cristo têm uma porção igual na
comunidade da igreja.
A
firmação: Nós respondemos à Palavra de Deus
Distribua cópias de “Boon” (página 102). Apresente o artigo indicando
que esta é uma história de um adolescente em Laos. Dê a oportunidade
à classe de encontrar Laos no mapa ou globo que você tenha
providenciado. Solicite que a turma leia a história de Boon em silêncio.
Quando a turma terminar de ler a história de Boon, faça as seguintes
perguntas: Você pensa que foi apropriado a maneira pela qual a família
de Boon o tratou? Como foi que a família de Boon falhou em ser uma
família para ele? O que a família de Boon deveria ter feito diferente?
99
Jovens
Unidade 3 Lição 15
Perguntas sobre a justiça
• Você já passou por uma situação na
comunidade, onde algumas pessoas
pareceram receber mais do que
necessitam, quando outras pessoas
receberam menos?
• Como você se sente, agora que você
se inteirou das instruções de Paulo
para a igualdade em compartilhar
esta refeição à Mesa do Senhor?
• O que você faria se presenciasse
alguma situação parecida com esta
em nosso serviço de comunhão em
nossa igreja?
Neste relacionamento com Cristo e com a comunidade de fé, não há
lugar para uma falsa religião e práticas pagãs. Não podemos misturar
verdade com falsidade. Temos que celebrar este refeição como pessoas
cristãs, numa forma cristã.
Ceia em família
1 Coríntios 10:14 – 22, 31; 11:17– 26
Lição 15
Compartilhe: a situação de Boon oferece um exemplo de como uma
família pode falhar em responder às necessidades de um membro dela
Paulo foi confrontado com o desconcertante reconhecimento de que,
ainda que a igreja de Corinto estivesse afirmando ser o corpo de Cristo,
as pessoas falharam em ser uma comunidade que se unia como uma
resposta natural das pessoas que realmente formavam um laço comum
com Cristo e com a igreja. Somente quando um laço comum é formado
com Cristo e com o outro, é que o nosso tempo, juntos ao redor da
mesa, se torna em uma ceia em família.
Pergunte: olhando atrás no começo da lição, há alguém que você
gostaria de acrescentar no seu retrato de família? Se ninguém
responder, sugira Jesus ou uma pessoa membro da igreja que você sabe
que tenha influenciado a vida das pessoas da sua classe.
Considere perguntar às pessoas da classe, quem elas imaginariam
sendo incluídas em seu retrato de família. Apesar de que é certo de que
mencionarão imediatamente uma pessoa da família, encoraja-as a
pensar em outras pessoas que significam muito para elas. Convide as
pessoas a pensarem a respeito destas outras pessoas que tiveram
impacto em suas vidas.
D
espedida: Deus nos envia ao mundo
Reúnem-se para fazerem uma oração final. Agradeça a Deus pela
comunidade de fé em sua igreja e ao redor do mundo. Ore pelo
contínuo crescimento no relacionamento de Cristo e com cada uma das
pessoas. Ore para pessoas como Boon que são injustamente tratadas
por serem pessoas cristãs.
A
F
100
valiação
Os(as) estudantes tiveram uma sensação forte da importância da Ceia
do Senhor como um ato sagrado, que tem desde a sua fundação, um
relacionamento com Cristo e com as outras pessoas membros da igreja?
Como foi que responderam à história de Boon? Entenderam que são
parte importante da família da igreja?
uturo
A próxima lição será a última do estudo da Ceia do Senhor. Nós nos
concentraremos no sucesso da igreja primitiva. Lucas mostra a
importância das práticas que encorajam a vitalidade e o crescimento da
comunidade de fé. Depois de discutir cada um dos componentes, nós
nos concentraremos na prática do partir o pão juntos. Discutiremos como
louvar a Deus, quando compartilhamos uma refeição e como nossa
resposta à bondade e misericórdia de Deus é vista em nossas ações.
Unidade 3 Lição 15
Página Reproduzível
Ceia em família
1 Coríntios 10:14 – 22, 31; 11:17– 26
Retrato de família
Direções: Desenhe um retrato de sua família. (Se você não quiser desenhar, faça uma lista das pessoas que
você gostaria de incluir nesta foto).
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
101
Unidade 3 Lição 15
Página Reproduzível
Ceia em família
1 Coríntios 10:14 – 22, 31; 11:17– 26
Boon
Boon: Um cristão Khmu em Laos e sua longa oração
Khmu é uma das muitas tribos do povo em Laos. Pela graça de Deus, muitas famílias
Khmu, mesmo vilas inteiras, estão sendo levadas a Cristo. Porém, algumas vezes, uma
pessoa na família Khmu se torna cristã antes da família.
Boon, um adolescente Khmu em Laos, era um cristão. Todas as demais pessoas de sua
família eram animistas. A sua família tentou de impedí-lo de seguir a Jesus.
As pessoas animistas acreditam que os espíritos vivem em tudo. Estas pessoas têm
medo dos espíritos e tentam alegrá-los evitando que coisas ruins aconteçam em seus
lares e nas vilas. Talvez, a família de Boon pensava que os espíritos poderiam se
enfurecer com eles, se Boon se tornasse um cristão.
Quando Boon se sentava para comer com sua família, ele sempre dava graças a Deus.
Uma oração de graças de um Khmu por durar até mesmo 10 minutos! Ele agradece a
Deus por cada pessoa que está à mesa e ora para outras pessoas que conhece. Ele ora
para as pessoas que não tem o que comer, e para pessoas dos países ao redor do
mundo. Claro, que ele também dá graças a Deus pela sua comida. Para um cristão
Khmu, a hora da refeição é um tempo especial de oração.
Um dia, Boon se reuniu à sua família para uma refeição. Ele abaixou a sua cabeça e
fechou os seus olhos, justamente da forma que ele sempre fazia antes de comer. Ele
louvou a Deus, ele agradeceu a Deus, e ele orou para a sua família e outras pessoas. A
sua oração era bastante longa.
Quando Boon abriu os olhos depois da longa oração, sua comida tinha desaparecido e
também a sua família! Os seus pais disseram aos seus irmãos e às suas irmãs que
tirassem a sua comida. Rapidamente e em silêncio, eles pegaram toda comida de Boon
e comeram-na juntamente com a comida deles. Então, eles deixaram Boon à mesa,
sozinho e com fome. Ninguém guardou comida para ele. Esta era uma maneira que a
família dele mostrou que não queria que ele se tornasse um cristão.
Assim como Boon, outras pessoas cristãs em Laos sofrem perseguição, quando elas
assumem a sua fé em Jesus Cristo. Poderia você, durante as suas refeições orar,
especialmente, para pessoas cristãs perseguidas em Laos e em outros países?1
1. U
sado com permissão. A Voz dos Mártires, www.persecution.com <http://www.persecution.com>; wwwkidsofcourage.com
<wwwkidsofcourage.com>.
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
102
Unidade 3: A reconciliação ao redor da mesa
Vamos partir o pão juntos
Atos 2:42– 47
Idéia principal
Uma prática importante na vida da igreja primitiva era o de partir o pão
juntos. O que significa que as pessoas juntas participavam das refeições
com “alegria e singeleza de coração”? Como é que nós louvamos a Deus
quando estamos juntos na Mesa do Senhor? Como é que nós juntos
participamos das refeições com alegria e sinceridade em nossos corações
em qualquer momento em que a igreja parte o pão juntos?
Contexto histórico para professores(as)
O livro de Atos descreve a vida da igreja primitiva. Em Atos 2:42 nós
recebemos uma lista dos componentes essenciais da vida comum da igreja:
seguindo os ensinamentos dos apóstolos, estando em comunhão com a
família da igreja, partindo o pão e orando. Com estes componentes
fundamentais da vida da igreja, a graça abunda e floresce.
Durante esta unidade, nós estudaremos os vários aspectos da Ceia do
Senhor. Nós observaremos o Antigo Testamento para aprendermos a
respeito da importância do sacrifício e a profecia de Isaías do banquete
que o Senhor preparará. Então, nós sentamos com Jesus e seus discípulos
quando eles compartilharam a Última Ceia antes da morte de Jesus e
receberam a nova aliança. Então, Paulo expressa a sua preocupação que a
Ceia do Senhor seja honrada com um ato sagrado, na vida da igreja que
encoraja o corpo unificado de Cristo. E agora, nós chegamos ao final da
lição, quando celebramos o partir do pão que encoraja a vida de louvor a
Deus e generosidade do coração.
Na primeira comunidade cristã, palavras de devoção, estudo, comunhão,
companheirismo e oração trouxeram sinais e redistribuição da riqueza
pelos membros da igreja, para que todas as pessoas pudessem compartilhar
da bondade de Deus. Todas as pessoas foram unificadas pelo poder do
Espírito Santo. Quando estas pessoas se reuniam ao redor da mesa, em
suas casas ou participando da Ceia do Senhor, as pessoas eram unificadas
ambos socialmente e espiritualmente. Os resultados foram evidentes à
medida que a igreja crescia.
Fazendo conexões
A Ceia do Senhor é cheia de simbolismo e significância sacramental. Todas
as pessoas, inclusive adolescentes, necessitam saber da importância e
conotação desta reunião ao redor da Mesa do Senhor e a participação nesta
refeição conjunta. Durante esta lição, nós celebraremos o presente de Deus
103
Jovens
Unidade 3 Lição 16
Lição 16
Lição 16
Vamos partir o pão juntos
Atos 2:42– 47
Você necessitará
o Bíblias
o Cópias de “Inventário da nova
vida” e “Vivendo uma vida de fé:
Atos 2:42–47” (páginas 107 e 108)
para cada estudante
o Lápis
que é a Ceia do Senhor. Convide os adolescentes para considerarem a
diferença que faz em nossas vidas, quando nós olhamos a igreja primitiva
e vemos os resultados da comunidade unificada e motivada a aprender
dos apóstolos, participando em comunhão, partindo o pão juntos e
oferecendo oração. A igreja floresce à medida que a graça abunda e as
pessoas livremente compartilham as boas novas de Jesus Cristo!
A
ssembléia: Deusnos chama para estarmos juntos
À medida que as pessoas da classe se reunirem, entregue a cada
estudante uma cópia do “Inventário da Nova Vida” (página 107) e um
lápis.
Diga às pessoas da classe: por favor usem de franqueza para responder
o “Inventário da nova vida”. Este inventário é para vocês somente, ele
não será compartilhado com as outras pessoas.
Permita que a turma tenha tempo suficiente para terminar o
“Inventário da nova vida” e para refletir a respeito dele. Se você notar
que as pessoas estão impacientes, encoraja-as a rever as perguntas para
reflexão encontradas na parte inferior da folha de “Inventário da nova
vida”. Assim que todas as pessoas da classe tenham completado o seu
inventário, faça uma oração. Agradeça a Deus pela comunidade de fé
que veio antes de nós e sustentaram a igreja.
E
studo bíblico: Nós escutamos a Palavra de Deus
Compartilhe: hoje estudaremos as ações da igreja primitiva para
concluir nosso o estudo da Ceia do Senhor. Muitos estudiosos
concordam que Lucas escreveu o Evangelho que leva o seu nome e
também o livro de Atos, a história da proliferação do cristianismo.
Pergunte se as pessoas da classe sabem a diferença entre um discípulo
e um apóstolo. Se há uma confusão, explique que discípulo é uma
pessoa que segue e aprende de Cristo. Apóstolo é uma pessoa que tem
uma autoridade especial porque ela experimentou o Cristo
ressuscitado. Foi através do trabalho dos apóstolos que a formação e a
continuação da igreja foi assegurada.
Distribua cópias de “Vivendo uma vida de fé: Atos 2:42– 47” (página 108)
e solicite uma pessoa voluntária para ler a passagem de Atos 2:42– 47.
Compartilhe: vamos primeiramente prestar atenção à lista de
características chave de Lucas, que pertencem à comunidade de fé. No
verso 42 Lucas resume o que é essencial.
Solicite que as pessoas da classe dêem o nome das quatro características
que estão listadas no verso 42. (As quatro características são: seguir os
104
Vamos partir o pão juntos
Atos 2:42– 47
Lição 16
ensinamentos dos apóstolos, estar em comunhão com a família da
igreja, partir o pão e orar). Discuta as quatro características, usando o
seguinte resumo, e encoraje as pessoas da classe a tomarem notas na
folha de “Vivendo uma vida fiel: Atos 2:42– 47” (página 108).
Pergunte: o que Lucas quiz dizer quando ele fala que as pessoas da
igreja primitiva participavam juntas com “alegria e sinceridade de
coração”? (V. 46) Por quê estavam alegres? Por quê tinham sinceridade
em seus corações?
Pergunte: “Estar alegre” fala de quem somos como somos pessoas
transformadas, que aceitamos o nome de Cristo. A Ceia do Senhor é
um sacramento, um sinal visível da invisível graça de Deus. Nós nos
alegramos por causa das boas novas de Deus que é incorporada na
mensagem da santa ceia—que Jesus Cristo se ofereceu como sacrifício
para salvar as pessoas pecadoras como nós. Por causa do sacrifício de
Jesus, nós retornamos à aliança de Deus feita com o povo de Deus. Nós
temos tanto que agradecer! Então, ser uma pessoa sincera é uma
expressão natural da vida cristã, que é vivida em resposta à bondade
de Deus feito carne em Jesus Cristo.
firmação: Nós respondemos à Palavra de Deus
Pergunte: baseando-se no maravilhoso amor de Jesus Cristo, como nós
participamos na vida com “alegria e singeleza de coração”? Nós
estudamos a Palavra de Deus? Nós nos reunimos e trabalhamos com as
pessoas de fé? Nós vamos à mesa para lembrarmos o sacrifício de
Cristo? Nós adoramos a Deus em oração?
Isto nos traz de volta ao “Inventário da nova vida” (página 107)
distribuído no começo da aula. Sabendo que nenhuma pessoa da classe
é questionada para falar de seus resultados pessoais, diga que as
declarações 1 e 2 fala sobre o nosso nível de comprometimento em
aprender a Palavra de Deus. As declarações 3 e 4 refletem o tempo em
que passamos em comunhão cristã. As declarações 5 e 6 mostram o
nível de presença ativa à Mesa do Senhor. E, as declarações 7 e 8
refletem sobre o tempo que passamos em oração. Dependendo do nível
de confiança da classe, pergunte às pessoas da classe qual é a área que
elas são fortes e qual é a área que elas necessitam se esforçarem mais.
Estas áreas são consistentes no grupo?
Compartilhe: Estudo, comunhão, o partir do pão e oração são
componentes essenciais para uma vida de fé. Eles direcionam à uma
vida que transborda de generosidade e amor para as pessoas que estão
ao nosso redor. Isto é como a graça de Deus trabalha através da igreja e
move para o mundo ferido com esta mensagem de perdão e esperança
em Cristo.
105
Jovens
Unidade 3 Lição 16
A
Lição 16
Vamos partir o pão juntos
Atos 2:42– 47
D
espedida: Deus nos envia ao mundo
Termine a lição com uma oração. Agradeça a Deus pelo maravilhoso
presente que é a comunidade de fé. Agradeça a Deus por todas as
testemunhas fiéis que vieram antes de nós e aos apóstolos da igreja
primitiva. Ore: enquanto nós procuramos ser fiéis, nos encoraje a
estudarmos a Escritura, encher o nosso tempo em comunhão com o
Espírito Santo, nos chama a uma relação de aliança através do partir do
pão e nos sustenta em oração.
A
F
106
valiação
Como foi o estudo como um todo para os(as) estudantes?
Reconheceram as áreas para crescimento no relacionamento com Jesus
e com o Corpo de Cristo? Se você sabe de situações desafiantes que
enfrentam os (as) estudantes, como você poderia encorajá-los(as)?
uturo
Esta é a lição final de estudo deste trimestre. Se você planeja ensinar às
pessoas jovens no outono, não se esqueça de conferir o Website em
espanhol http://www.pcusa.org/espanol/portuguese.htm to
download Nós Acreditamos PDF documento para o seu uso.
Unidade 3 Lição 16
Página Reproduzível
Vamos partir o pão juntos
Atos 2:42– 47
Inventário da nova vida
Direções: Reflita sobre as declarações abaixo, e use as escalas adequadas para verificarem, precisamente,
quais as declarações se aplicam a você. Use de honestidade em suas respostas, estas informações não
serão compartilhadas.
1 = Nunca
2 = Raramente
3 = Algumas vezes
4 = Sempre, regularmente
___ Eu leio a Bíblia.
___Eu participo em estudos Bíblicos.
___ Eu participo em atividades para jovens na igreja.
___E u participo em outras atividades da igreja.
___Eu recebo comunhão.
___Eu participo de refeições com pessoas cristãs em casa e na escola.
___ Eu participo de orações comunitárias (orar com outras pessoas).
___Eu tenho uma vida de oração pessoal.
___Total
Some as suas respostas. O maior número possível é 32. Passe um tempo refletindo sobre a sua atividade na
sua vida de fé. Você está surpreso(a) com o nível de atividade? Tem alguma área particular em sua vida de fé
que você gostaria de desenvolver?
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
107
Unidade 3 Lição 16
Página Reproduzível
Vamos partir o pão juntos
Atos 2:42– 47
Vivendo uma vida de fé: Atos 2:42–47
Direções: Discuta em grupo Atos 2:42– 47, tome notas para aumentar o seu conhecimento as seguintes
características da vida de fé.
1. Dedicação ao ensino dos apóstolos
2. Comunhão
3. Partir do pão
4. Oração
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
108
Unidade 3 Lição 16
Página Reproduzível
Vamos partir o pão juntos
Atos 2:42– 47
Características de uma vida comunitária
Direções: Utilize este sumário para a discussão sobre as quatro características da comunidade.
1. Seguir os ensinamentos dos apóstolos. Leia Atos 2:43 outra vez e pergunte o que este
verso nos fala sobre a importância dos apóstolos e de seus ensinamentos.
Compartilhe: Os apóstolos eram importantes para a comunidade de fé, porque eles tinham
experiência com o Cristo ressuscitado, e foram os primeiros a receberem o poder do Espírito
Santo. Através das suas experiências com o Cristo ressuscitado e com o presente que é o
poder do Espírito Santo, os apóstolos se tornaram os líderes da primeira geração de herdeiros
da igreja. Estas experiências dos apóstolos eram essenciais para a comunidade de fé, porque
através deles a igreja aprendeu como ser o corpo de Cristo presente no mundo. Uma prova
disto é visto nos “maravilhosos sinais” que eles foram capazes de fazer.
2. Estar em comunhão com a família da igreja. De acordo com o que aprendemos na última
lição, a palavra grega koinonia descreve o aspecto da comunidade cristã, que é formada na
fundação do laço comum com Cristo. Como pessoas cristãs, nós estamos unidas com Cristo
na Ceia do Senhor através da sua nova aliança conosco. Nós também estamos unidos aos
nossos irmãos e às nossas irmãs em Cristo, como pode ser visto nos versos 44–46. Solicite
uma pessoa voluntária para ler os versos 44–46. Solicite que as pessoas da classe façam uma
lista do que a comunidade tem em comum. Através da unidade da igreja no Espírito Santo
vem uma resposta natural da preocupação com o bem estar espiritual e físico das pessoas
cristãs, o qual é visto na redistribuição da riqueza para as pessoas em necessidade (v. 45).
Este mesmo laço reuniu as pessoas cristãs primitivas para adoração a Deus e os trouxe à
mesa.
3. O partir do pão. Nesta passagem bíblica, o partir do pão ocorre no contexto da
comunidade de adoração quando eles celebram a Ceia do Senhor, e no contexto das famílias
de amigos crentes quando se reuniam ao redor da mesa para compartilhar uma refeição.
Verso 46 fala a respeito do espírito da reunião ao redor da mesa: “eles partiam o pão em suas
casas, e juntos participavam das refeições com alegria e sinceridade de coração”.
4. Orar. A oração indica a iluminação do Espírito Santo na Escritura. A oração sustenta
a comunidade de fé. A oração faz com que os elementos comuns de pão e vinho se
transformem numa refeição sagrada. Orar regularmente é essencial para uma vida de fé.
© 2009 Congregational Ministries Publishing, Igreja Presbiteriana (E.U.A.), uma corporação.
109

Documentos relacionados