Bambus und die negative Auswirkung der - Isomax

Сomentários

Transcrição

Bambus und die negative Auswirkung der - Isomax
Olá, Edmond.
Olá, amigos.
O uso de herbicidas é amplamente difundido na agricultura e em culturas domésticas, jardins
etc.. Por trás de seus efeitos milagrosos estão escondidas algumas facetas altamente
inconvenientes, para quem está voltado a produzir em um ambiente razoavelmente
preservado.
Estive visitando nos EUA alguns produtores de bambu que utilizam em seus cultivos o
Roundup como um coadjuvante (da enxada) no sentido de manter as suas touceiras de bambus
e entremeios, isentas de gramas e ervas daninhas. De fato o Roundup termina com tudo mas
deixa alguns rastros que podem ser irreversíveis, como a formação de resistência , sua
migração para as águas podendo contaminar mananciais como peixes batyráquios e a vida
aquática de um modo amplo e outros.
Em minha area no Bambuplatz Garten eu não utilizo nenhum tipo de herbicida, mas confesso
que trabalho triplicado no sentido de manter a minha coleção de bambus protegida(nem
sempre com sucesso) do ataque das ervas daninhas e outras gramas concorrentes com as
minhas gramíneas de objetivo. Tipo Lei de Murphy: Se vc. plantar uma muda de bambu
certamente irá se desenvolver em dobro, ao lado dela, uma espécie de erva daninha qualquer e
a sua mudinha não irá sair do zero.
O conteudo do artigo abaixo aborda o assunto resistência. Como o Roundup é amplamente
utilizado no cultivo do bambu estou reproduzindo o artigo para o grupo para que formem o
seu juízo.
Quem quiser ir no link...
http://www.nature.com/news/war-on-weeds-loses-ground-1.10691
Quem quiser ler... abaixo do texto em inglês está uma tradução literal do google.
War on weeds loses ground
The rise of herbicide-resistant varieties drives a search for fresh methods of control.
• Helen Thompson
22 May 2012
Standing tall: glyphosate-resistant pigweed growing in Roundup Ready cotton.
Bill Barksdale/AgStock Images/Corbis
With its jumble of leaves and pointy, green, flower spikes, the plant known as pigweed or
palmer amaranth (Amaranthus palmeri) isn’t much to look at. But to farmers in the
southeastern United States, it is a formidable foe. Having evolved the ability to withstand
glyphosate, the main ingredient in Monsanto’s popular herbicide Roundup, it now flourishes
unchecked alongside crops such as cotton and soya bean that are genetically modified to be
glyphosate tolerant.
And it is not unique, says agronomist Harold Coble at the Office of Pest Management Policy
in Raleigh, North Carolina, part of the US Department of Agriculture (USDA), who notes that
383 known weed varieties have the genetic defences to survive one or more herbicides.
“Weed resistance is a game changer for agriculture in the same way that drug resistance has
been a game changer for the health-care industry,” says Coble, who spoke on 10 May at a
Weed Summit in Washington DC convened by the National Academies. The problem has
escalated since the widespread introduction of Roundup Ready and similar crops over the past
decade allowed farmers to apply glyphosate more liberally. At the summit, distinctly different
responses to the challenge were up for discussion.
The conventional approach is to switch to a different herbicide and engineer crops to
withstand it. This has produced a wave of genetically modified crops under review by the
USDA, which earlier this year made changes to speed up its approval process. Next to receive
a green light could be maize (corn) that is tolerant to glyphosphate and 2,4dichlorophenoxyacetic acid (2,4-D). Created by Dow AgroScience in Indianapolis, Indiana,
the plants can break down both of the chemicals in Dow’s newly formulated herbicide Enlist.
“You’re applying two different ways of killing the weed at the same time,” says Mark
Peterson, global biology team leader at Dow. “The odds that you’re going to have a weed
that’s resistant to both are very low.”
Environmental groups oppose Dow’s application, which drew more 365,000 public comments
last month. News reports have drawn attention to the fact that 2,4-D was one of the
ingredients (although not the most toxic) in the defoliant Agent Orange, used during the
Vietnam War.
Researchers are also wary of engaging in a continuing arms race with nature. “A number of
analysts feel that such an approach is short sighted and doomed to fail,” says agronomist Matt
Liebman of Iowa State University in Ames. The chief worry is that new herbicide blends will
accelerate the emergence of resistance to multiple chemicals. In a paper published in January,
weed ecologist David Mortensen of Pennsylvania State University in University Park and his
colleagues argue that the growing number of multiresistant weed varieties proves that “weeds
can defy the probabilities” (D. A. Mortensen et al. BioScience 62, 75–84; 2012). Mortensen
expects that increased reliance on two herbicides will favour plants with multiple mutations
for resistance to each, as well as the emergence of plants with more general survival
strategies, such as the ability to break up certain molecular structures or to confine herbicides
in cell vacuoles. “These are traits that could overcome more than one chemical mode of action
and see an increase in selection pressure,” says Mortensen.
How much of an increase depends on how widely the multitolerant crops are planted and how
frequently the herbicide combinations are used. Although Dow will include a set of
recommended management practices with its products, “there are no enforcement
regulations”, says Carol Mallory-Smith, a weed scientist at Oregon State University in
Corvallis. The threat of multiresistance has prompted a return to older methods of weed
control. Stanley Culpepper, a weed scientist at the University of Georgia in Tifton, has shown
that planting a cover crop of rye blocks sunlight and reduces the number of pigweed seeds
that germinate by 75%. In Georgia and elsewhere, Culpepper says, herbicide resistance is
already forcing farmers to combine such techniques with conventional herbicide use.
New machinery could also help. At the weed summit, agronomist Michael Walsh of the
University of Western Australia in Crawley described the Harrington Seed Destructor, a
harvester that collects weed seeds along with the crop, smashes up about 95% of them, and
sprinkles the harmless remains in its wake.
“The weeds that have survived the crop season are the ones that are the most likely to have
stacked resistance because they’ve survived herbicide applications, so that’s why we’re
pushing these harvesting techniques,” says Walsh.
And then there are biocides. The USDA and the agrochemical industry are looking into the
use of the natural chemical defences of plants and microbes to control weeds. On 17 May, the
US Environmental Protection Agency approved a bioherbicide from Marrone Bio Innovations
in Davis, California. Its primary component is derived from the soil bacterium Streptomyces
and disrupts weed-cell division. Such solutions may be easier on the environment but if
overused could still breed resistance.
Most agree that farming in a post-Roundup era will be more complicated. “The reality of
weed management without the silver bullet of glyphosate is that we need to revert to a manyhammers approach — crop rotations, cultivations, tillage, appropriate herbicide application,”
says agronomist Charles Benbrook, a research professor at Washington State University’s
Center for Sustaining Agriculture and Natural Resources in Puyallup. “It’s going to take more
time, it will take more management care, and it will probably cost more money.”
Nature
485,
430
(24 May 2012)
doi:10.1038/485430a
VIDE TAMBÉM O LINK :
http://www.consciencia.net/2003/10/19/glifosato.html
Ene
Agrobambu CF&T
Visite nosso website em:
http://www.bamboofount.com.br
Visite nosso blog em:
http://agrobambu.blogspot.com
Segue abaixo a tradução literal do Google:
resistentes ao glifosato assarina crescendo em algodão Roundup Ready.
Bill Barksdale / AgStock Images / Corbis
Com sua mistura de folhas e pontudas, verde, espigas de flores, a planta conhecida como
caruru ou palmer amaranto (Amaranthus palmeri) não é muito de se olhar. Mas para os
agricultores no sudeste dos Estados Unidos, é um adversário formidável. Depois de ter
desenvolvido a capacidade de resistir ao glifosato, o ingrediente principal herbicida Roundup
da Monsanto popular, que agora floresce desmarcada ao lado de culturas como algodão e soja
que são geneticamente modificados para ser tolerante ao glifosato.
E não é único, diz o engenheiro agrônomo Harold Coble no Escritório de Política de Controle
de Pragas em Raleigh, Carolina do Norte, parte do Departamento de Agricultura dos EUA
(USDA), que observa que 383 variedades de plantas daninhas conhecidas têm as defesas
genéticas para sobreviver um ou mais herbicidas. "Resistência de plantas daninhas é um
divisor de águas para a agricultura da mesma forma que a resistência a medicamentos tem
sido um divisor para a indústria de cuidados de saúde", diz Coble, que falou em 10 de Maio,
uma cimeira de plantas daninhas em Washington DC convocada pelas Academias Nacionais.
O problema tem aumentado desde a introdução generalizada da Roundup Ready e culturas
semelhantes na última década permitiu que os agricultores aplicam o glifosato mais liberal.
Na cimeira, respostas distintas para o desafio eram em discussão.
A abordagem convencional é mudar para um herbicida diferente e culturas engenheiro de
resistir a isto. Isso produziu uma onda de culturas geneticamente modificadas em análise pelo
USDA, que no início deste ano fez alterações para acelerar seu processo de aprovação. Em
seguida para receber uma luz verde pode ser de milho (milho) que é tolerante ao ácido
glifosfato e 2,4-diclorofenoxiacético (2,4-D). Criado pela Dow AgroScience em Indianapolis,
Indiana, as plantas podem quebrar ambos os produtos químicos de herbicidas recémformulado Dow Aliste. "Você está aplicando duas maneiras diferentes de matar a erva
daninha, ao mesmo tempo", diz Mark Peterson, chefe da equipe mundial de biologia da Dow.
"As chances de que você está indo ter uma erva daninha que é resistente a ambos são muito
baixos."
Os grupos ambientalistas se opõem a aplicação da Dow, que atraiu mais de 365.000
comentários públicos no mês passado. As notícias chamaram a atenção para o fato de que o
2,4-D foi um dos ingredientes (embora não o mais tóxico) no desfolhante Agente Laranja,
usado durante a Guerra do Vietnã.
Os pesquisadores também desconfiam de se engajar em uma corrida armamentista
permanente com a natureza. "Um certo número de analistas consideram que essa abordagem é
míope e fadada ao fracasso", diz o engenheiro agrônomo Matt Liebman da Iowa State
University, em Ames. A principal preocupação é que as misturas de herbicidas novos vai
acelerar o surgimento de resistência a múltiplas substâncias químicas. Em um artigo
publicado em janeiro, a erva daninha ecologista David Mortensen, da Pennsylvania State
University, em University Park e seus colegas argumentam que o crescente número de
variedades de plantas daninhas multiresistentes prova que "as ervas daninhas podem desafiar
as probabilidades" (Da Mortensen et al BioScience 62, 75. - 84; 2012). Mortensen espera que
dependência crescente de dois herbicidas vai favorecer plantas com múltiplas mutações para
resistência a cada um, bem como o aparecimento de plantas com mais estratégias de
sobrevivência gerais, tais como a capacidade de romper certas estruturas moleculares ou para
confinar herbicidas em vacúolos celulares. "Estes são os traços que podem superar mais de
um modo químico de ação e ver um aumento na pressão de seleção", diz Mortensen.
Quanto ao aumento depende de como amplamente as culturas são plantadas multitolerant ea
frequência de combinações de herbicidas são utilizados. Embora a Dow vai incluir um
conjunto de práticas de manejo recomendadas, com seus produtos, "não existem regulamentos
de aplicação", diz Carol Mallory-Smith, um cientista de plantas daninhas na Oregon State
University, em Corvallis. A ameaça de multirresistência foi solicitado um retorno a métodos
mais antigos de controle de plantas daninhas. Stanley Culpepper, um cientista de ervas
daninhas da Universidade da Geórgia, em Tifton, mostrou que o plantio de uma lavoura de
cobertura de centeio bloqueia a luz solar e reduz o número de sementes de caruru que
germinam em 75%. Na Geórgia e em outros lugares, diz Culpepper, resistência a herbicidas já
está forçando os agricultores a combinar estas técnicas com utilização de herbicida
convencional.
As novas máquinas também poderia ajudar. Na cimeira de plantas daninhas, agrônomo
Michael Walsh, da Universidade da Austrália Ocidental em Crawley descreveu o Destructor
Semente Harrington, uma colheitadeira que coleta sementes de plantas daninhas com a
cultura, esmaga-se cerca de 95% deles, e polvilha os restos inofensivos em seu rastro.
"As ervas daninhas que sobreviveram a safra são os que são os mais propensos a ter
empilhadas resistência porque eles sobreviveram aplicações de herbicidas, é por isso que
estamos empurrando essas técnicas de colheita", diz Walsh.
E depois há os biocidas. O USDA e na indústria agroquímica estão olhando para a utilização
das defesas químicas naturais de plantas e micróbios para controlar as ervas daninhas. Em 17
de maio, os EUA Agência de Proteção Ambiental aprovou uma bioherbicide de Marrone Bio
Inovações em Davis, Califórnia. O seu componente principal é derivado dos Streptomyces
bactéria do solo e interrompe-ervas daninhas de divisão celular. Tais soluções podem ser mais
fácil para o ambiente, mas se em demasia pode ainda produzir resistência.
A maioria concorda que a agricultura em uma era pós-Roundup vai ser mais complicado. "A
realidade do manejo de plantas daninhas sem a bala de prata do glifosato é que nós
precisamos para reverter para uma abordagem muitas de martelos - rotações de culturas,
cultivos, preparo, aplicação de herbicida apropriado", diz o agrônomo Charles Benbrook,
professor e pesquisador no Centro Washington State University para Manutenção Agricultura
e Recursos Naturais em Puyallup. "Vai levar mais tempo, ele vai cuidar mais de gestão, e
provavelmente vai custar mais dinheiro."
Natureza
(24 Maio 2012)

Documentos relacionados

boletim informativo

boletim informativo Embrapa Agrossilvipastoril. As sementes foram dispostas em caixas gerbox sobre folha dupla de papel "germitest", umedecido com água destilada equivalente a 2,5 vezes a massa do papel seco. As caixa...

Leia mais