Memória e novos patrimônios

Сomentários

Transcrição

Memória e novos patrimônios
Memória e novos patrimônios
Cécile Tardy et Vera Dodebei (dir.)
Éditeur : OpenEdition Press
Lieu d'édition : Marseille
Année d'édition : 2015
Date de mise en ligne : 12 Fevereiro 2015
Collection : Brésil / France | Brasil / França
ISBN électronique : 9782821853539
Édition imprimée
ISBN : 9782821853522
Nombre de pages : 236
Ce document vous est offert par Aix
Marseille Université
http://books.openedition.org
Référence électronique
TARDY, Cécile (dir.) ; DODEBEI, Vera (dir.). Memória e novos patrimônios. Nouvelle édition [en ligne].
Marseille : OpenEdition Press, 2015 (généré le 12 février 2015). Disponible sur Internet : <http://
books.openedition.org/oep/417>.
Ce document est un fac-similé de l'édition imprimée.
© OpenEdition Press, 2015
Conditions d’utilisation :
http://www.openedition.org/6540
BRÉSIL / FRANCE | BRASIL / FRANÇA
Saberes cruzados em ciências sociais e humanas
A coleção do programa Saint-Hilaire
Memória e novos patrimônios
Coordoneção cientifica de Cécile Tardy e Vera Dodebei
BRÉSIL / FRANCE | BRASIL / FRANÇA
Saberes cruzados em ciências sociais e humanas
A coleção do programa Saint-Hilaire
Criação gráfica: Massimo Miola
Ilustração da capa: Strezhnev Pavel
Coordenação da tradução: Sabine Gorovitz
Revisora dos textos: Regina Maria Nogueira, Maria Haddock Lobo
Diagramação: OpenEdition Press
Coleção Brésil / France | Brasil / França, 2015
[Online] http://books.openedition.org/oep/417
Esta obra encontra-se online em acesso livre
Texto: Licença Creative Commons
Atribuição – Uso Não - Comercial - Proibição de Realização de Obras Derivadas
http://creativecommons.pt/cms/view/id/28/
Todas as ilustrações estão sujeitas ao direito de autor.
ISBN papel: 978-2-8218-5352-2
ISBN eletrónica: 978-2-8218-5353-9
Prefácio à coleção
E
m 1816, o botânico e naturalista francês Auguste de Saint-Hilaire não
mediu esforços para participar da missão do Conde de Luxemburgo que
rumava para o Brasil. Acabaria passando seis anos no país, percorrendo
mais de 16.500 km pelas suas terras mais afastadas e realizando pesquisas
pioneiras sobre a fauna e a flora locais. Fino observador, Saint-Hilaire
desenvolveu métodos científicos rigorosos, que se tornariam mais tarde um
modelo do gênero. Seu herbário foi logo incorporado ao Museu de História
Natural de Paris. Além de suas atividades científicas, Saint-Hilaire era
também um humanista e um filantropo que não cessava de maravilhar-se
com as potencialidades do Brasil.
A coleção de publicações científicas Saint-Hilaire presta, portanto, uma
homenagem a este grande “viajante científico”, que se tornaria um
verdadeiro embaixador do Brasil ao retornar à França – e isto, ao longo de
toda sua vida.
As publicações da coleção Saint-Hilaire resultam de uma
cooperação entre a Capes (Coordenação de aperfeiçoamento do
pessoal de nível superior), a agência federal brasileira do Ministério
da Educação e a Embaixada da França no Brasil.
Estas obras têm por intuito promover pesquisas conjuntas em
ciências humanas e sociais, relativas ao Brasil contemporâneo.
Sendo assim, universitários e equipes de alto padrão científico
trabalharam juntos sobre temas que interessam tanto à França
quanto ao Brasil, visando produzir conhecimentos transversais,
pertinentes e inovadores.
A coleção Saint-Hilaire está disponível a todos, sendo publicada na Internet através
da plataforma OpenEdition Books.
Ao apoiar a edição e a divulgação de conteúdo científico em ciências humanas
e sociais, esperamos poder perpetuar a tradição de intercâmbio intelectual
que une a França e o Brasil, à maneira de Auguste de Saint-Hilaire.
Denis Pietton
Jorge Almeida Guimarães
Comitê científico do programa Saint Hilaire
Eckert, Cornelia
(co-presidente) - (Universidade Federal do Rio Grande do Sul)
Théry, Hervé
(co-president) - (CNRS)
Barreira, César
(Universidade Federal do Ceara)
Couffignal, Georges
(université Sorbonne Nouvelle - Paris 3)
Jaisson, Pierre
(université Paris XVIII)
Trein, Franklin
(Universidade Federal do Rio de Janeiro)
Velut, Sébastien
(université Sorbonne Nouvelle - Paris 3)
Zilberman, Regina
(Pontificia Universidade Catolica do Rio Grande do Sul)
Introdução
Cécile Tardy e Vera Dodebei
Traduzido do francês por Germana Henriques Pereira de Sousa
Uma anterioridade científica franco-brasileira
Esta obra apresenta um trabalho de cooperação iniciado previamente entre diferentes membros de duas equipes de pesquisa, uma francesa e outra brasileira: a equipe
Culture & Comunication, do Centre Norbert Elias, na França, sediada na Universdade
de Avignon et des Pays de Vaucluse,1 e o Programa de Pós-Graduação Memória Social
no Brasil, da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO.2 Os pesquisadores estão empenhados em estudar a questão da memória social e da patrimonialização e se interessam, no contexto desta obra, pelas transformações suscitadas
pela articulação dessas duas problemáticas.
O diálogo franco-brasileiro entre essas duas equipes foi tecido ao longo de diferentes
projetos científicos3 que permitiram debater abordagens francesas e brasileiras em
termos de museologia, de mediação dos saberes e do patrimônio. Foi também a
existência de uma literatura científica que circula entre os dois países que favoreceu
essa aproximação, a saber, a tradição francesa das discussões teóricas acerca da
1. O Centre Norbert Elias é uma unidade mista de pesquisa do Centro National da Pesquisa Científica (Centre national de la recherche scientifique - CNRS). Cinco pesquisadores da equipe Cultura
& Comunicação colaboram nesta obra: Jessica Cendoya-Lafleur, Émilie Flon, Jean Davallon, Marie
Lavorel e Cécile Tardy.
2. Oito pesquisadores brasileiros desse centro de pesquisa contribuem nesta obra: Regina Abreu,
Leila Beatriz Ribeiro, Renata Daflon Leite, Sabrina Dinola, Vera Dodebei, Amir Geiger, Evelyn Orrico e
José Ribamar Bessa Freire.
3. Destacamos, entre eles: 1. Participação conjunta na rede MUSSI (Rede franco-brasileira de pesquisadores em mediações e usos sociais de saberes e informação), rede científica criada pela iniciativa de pesquisadores em ciências da informação-documentação do Brasil e da França. O projeto de
pesquisa tem por objetivo desenvolver e compartilhar pesquisas conduzidas nos dois países acerca
das mediações e usos sociais dos saberes e da informação. Iniciado em 2004, a proposta permite
reforçar e ampliar as colaborações (publicações, colóquios, cursos, visitas, conferências, etc.); 2. A
colaboração de Vera Dodebei no programa de pesquisa sobre as Mediações Fotográficas do Patrimônio (2009-2011), financiado pela Agência Nacional da Pesquisa na França (Agence Nationale de la
Recherche - ANR), coordenado por Cécile Tardy com a participação de Émilie Flon. 3. Encontro das
equipes no âmbito de colóquios internacionais: Museus e Comunicação, as exposições como objetos
de estudo (Rio, 2009), Edição das publicações científicas nas ciências humanas e sociais (Avignon,
2010), Mediações e hibridações: construção social dos saberes e da informação (Toulouse, 2011).
7
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
temática da memória e do patrimônio (Halbwachs, Bergson, Ricœur, Choay) e as
abordagens metodológicas da análise de discurso, da análise documentária e da análise da imagem (Pêcheux, Gardin, Joly, Aumont), aliadas à inovação dos estudos que
emergem no domínio cultural da pesquisa em ciências sociais no Brasil. Os trabalhos conduzidos no seio das duas equipes nutriram particularmente a temática desta
obra, uma que vez que o conjunto dos pesquisadores engajados nesta pesquisa se
interessa fortemente há mais de uma década por três processos: a patrimonialização, a memória social e a mediação:
• A análise do processo de patrimonialização permitiu estudar a produção do
estatuto patrimonial dos objetos culturais, ou seja, aprofundar o conhecimento
das modalidades por meio das quais os objetos materiais ou imateriais tornam-se
patrimônios.
• A memória social não é abordada como um simples fato social, mas como um
processo que se analisa a partir da relação da sociedade com o tempo, o espaço,
a linguagem e a criação. Essa abordagem originou a terminologia brasileira de
memoração, que em francês poderia ser traduzida por “mémoration”.4
• A categoria de análise da mediação permitiu o avanço na abordagem
comunicacional da memória e do patrimônio, prevendo relações que se tecem
entre públicos, dispositivos (tais como a exposição, o texto, a mídia digital),
objetos patrimoniais e culturais, instituições, assim como permitiu a evolução
das condições de circulação dos saberes.
Se a pluralidade das disciplinas científicas (antropologia, informação e comunicação, linguística, história) representadas nesta obra já contribui para esclarecer
amplamente esses processos, desejamos também dar a palavra a uma disciplina
conexa, a geografia. Seu interesse pelo patrimônio natural participa hoje da renovação da concepção mais tradicional do patrimônio, considerando-o menos como
um resto a preservar da perda e mais como um patrimônio em processo ancorado
no desenvolvimento territorial, portador de representações sociais diversificadas
segundo os atores e as situações. Decidimos, portanto, convidar duas geógrafas
para debater5 e apresentar seus pontos de vista acerca de nossas pesquisas no
posfácio a esta obra.
4. 1o Seminário Internacional em Memória Social: memoração, patrimonialização e imagens documentárias, realizado de 13 a 15 de março de 2012 na Universidade Federal do Estado do Rio de
Janeiro - UNIRIO.
5. Christine Bouisset e Isabelle Dégremont, geógrafas da Universidade de Pau, foram convidados
como debatedores da nossa investigação durante o seminário realizado de 21 a 25 de novembro de
2011 na Universidade de Avignon et des Pays de Vaucluse.
8
INTRODUÇÃO
Este livro inscreve-se, pois, no desejo de consolidação das relações franco-brasileiras
preexistentes. Visa ainda o avanço mútuo para tornar visível um campo de pesquisa
transversal (a problemática conjunta da memoração e patrimonialização), destacando tanto o que aproxima quanto o que afasta as duas abordagens das sociedades
estudadas.
Abordagens e desafios da articulação entre memória e
patrimonialização
O projeto teórico que foi pouco a pouco sendo construído em torno desse posicionamento institucional, e que ora aprofundamos e investigamos, é o de articular uma
reflexão acerca das relações entre a memória social e a patrimonialização. A atualidade desta obra baseia-se, sobretudo, na emergência contemporânea, no Brasil e na
França, de atores sociais e discursos que visam reforçar um espaço de decisão sobre
o que deve ser patrimonializado e segundo quais modalidades.
A reflexão em torno dessa temática foi conduzida ao longo das nove contribuições
apresentadas nesta obra, realizada por treze pesquisadores reunidos pela diversidade de suas competências, abrangendo do estudo da memória social ao da patrimonialização e da mediação dos saberes. Trata-se do acúmulo crítico desses diferentes
campos que se entrecruzam a partir de um exame mais atento da relação entre
memória e patrimônio. A respeito dessa questão específica, a obra busca esclarecer
dois movimentos: de um lado, como a memória pode se tornar um patrimônio, ou
seja, qual é o lugar da memória na patrimonialização; de outro, como o patrimônio
necessita de uma memoração para existir e ser transmitido.
O primeiro questionamento sobre o devir patrimonial da memória baseia-se nas
pesquisas em torno dos museus e exposições que se interessam pela reconstrução
patrimonial da memória social. Como a memória é geralmente pensada como um
processo contínuo exercido por um grupo social, nossa proposta é propor um outro
modo de enfrentar esse processo, examinando o que garante sua continuidade, por
exemplo, no contexto da entrada da memória no espaço museal. Pensamos que tal
abordagem da memória renova a questão da patrimonialização sob dois ângulos. Em
primeiro lugar, examina-se o estatuto dos objetos e os rastros da memória que não
relevam apenas saberes dos especialistas do patrimônio, mas também das comunidades sociais. Em seguida, examina-se a criação de formas de representação da
memória que permitem sua recomposição para torná-la visível, tanto para as pessoas
mais próximas ao campo interdisciplinar quanto para aquelas que se encontram nas
fronteiras disciplinares a essa memória social.
9
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
O segundo grande questionamento que fazemos nesta obra ressalta o desafio da
memoração do patrimônio. Do ponto de vista da patrimonialização, todo patrimônio
deve sua existência a um processo de construção social. Esse processo de construção social não é isento de tensões e requer a identificação dos tipos de discurso
patrimoniais e dos jogos complexos e dinâmicos pelos quais se define a legitimidade
dos enunciados. No Brasil, sobretudo após a promulgação da Constituição de 1988,
novos temas sobre direitos coletivos têm emergido e ocasionado discursos singulares sobre a patrimonialização. Se esse processo já foi, em sua globalidade, objeto
de pesquisas, trata-se, hoje, de se desenvolver conhecimentos aprofundados sobre
momentos específicos.
Esta obra objetiva, principalmente, atualizar a análise do papel das mediações documentais na patrimonialização. A documentação responde à necessidade de conhecimentos relacionados aos objetos do patrimônio, bem como à preocupação pela
preservação e transmissão ao longo do tempo. Mas leva também a construir representações distintas dos patrimônios que têm sua própria autonomia em termos de
circulação social. Trata-se aqui de propormos uma reflexão sobre os representantes
– ou os substitutos – documentais dos patrimônios e sobre sua capacidade de informar sobre o objeto original, permitindo-lhes novas formas de interpretação, manipulação e qualificação. A memória será levada em conta em suas dimensões, tanto
técnicas (ferramentas de estocagem e de reserva) como documentária (constituição
de uma documentação estruturada) e social (práticas e usos sociais).
Esses dois movimentos constituem dois modos de abordar numa mesma pesquisa a
relação entre memória social e patrimônio. Nenhum desses dois termos (patrimônio
e memória) será tomado isoladamente; a questão patrimonial será examinada do
ponto de vista da memória, e a questão da memória será enfrentada sob o ângulo
de seu devir patrimonial. Assim, o fio condutor que estrutura o conjunto da obra é o
exame da construção simultânea entre a memória social e a patrimonialização.
Pode-se falar de novos patrimônios?
A expressão “novos patrimônios”, evocada no título desta obra, designa habitualmente patrimônios emergentes na sociedade; a categoria pode se manter mesmo
que o interesse por eles tenha se perdido há vários anos. Em nossa opinião, a expressão tem o mérito de chamar a atenção para dois fatos. O primeiro é que ela designa
geralmente patrimônios (o patrimônio etnológico, o patrimônio vivo ou, ainda, o
patrimônio imaterial) a partir dos quais os pesquisadores em ciências sociais mostraram que a concepção do patrimônio não correspondia a um patrimônio herdado,
10
INTRODUÇÃO
legitimado por saberes principalmente históricos, conservados e transmitidos apenas
pelas estruturas museais e patrimoniais. O segundo fato refere-se aos patrimônios
chamados de novos e que permitiram renovar o olhar sobre todos os patrimônios –
quer sejam os patrimônios genéticos, arqueológicos, vivos, antropológicos, naturais,
paisagísticos, materiais, imateriais, digitais –, em vista de se refletir sobre a memória
social e sobre como ela deve fazer evoluir a concepção mesma da patrimonialização.
Está em jogo aí a redefinição das relações do patrimônio ao tempo, às práticas e aos
sujeitos sociais. Multiplas fronteiras, – geralmente estabelecidas entre especialistas
e públicos, conservação e transformação, preservação do passado e antecipação do
futuro, continuidade e recontextualização, identidade e apropriação – misturam-se e
convidam os pesquisadores a colocar os termos do alcance da memória social para
esses patrimônios.
Três tipos de patrimônios – imateriais, digitais, paisagísticos – atravessam em níveis
diversos as análises expostas ao longo desta obra. A especificidade de cada um
deles é a de terem servido de ponto de partida para a construção de nossa pesquisa
sobre a articulação entre memoração e patrimonialização.
O patrimônio imaterial (música, canto, dança, savoir-faire) suscita a questão da materialidade e dos saberes que permitirão assegurar sua continuidade caso esteja ameaçado de desaparecimento ou de fragilização, seja para garantir sua maior visibilidade,
em escala nacional e internacional, seja para afirmar o reconhecimento cultural de
grupos sociais. A obra mostra essa variedade de desafios que acompanha a inclusão
do patrimônio imaterial. O contexto de uma preservação que poderia ser qualificada
como urgente, quando o passado ainda não desapareceu mas está ameaçado de
sê-lo, indaga o modo de construir um conhecimento distanciado sobre uma memória
que é próxima de nós (como uma guerra civil) e, sobretudo, o lugar do testemunho
na construção dessa representação ainda recente da memória. A preservação de um
savoir-faire que desapareceu definitivamente, como a arqueologia, por exemplo, exige
reencontrar a memória dos gestos passados e reconstituí-la por meio das instruções
posteriores com relação às quais os conhecimentos científicos inscrevem-se na perspectiva de uma narração atual. Destacamos também a questão do reconhecimento
dos direitos coletivos de diferentes grupos sociais no Brasil quando falamos de patrimônio imaterial, já que este é caracterizado por sua forte ancoragem na vida social.
Atualmente, uma instituição cultural internacional como a UNESCO se debruça sobre
a elaboração de guias de boas práticas para a preservação do patrimônio imaterial.
Estas consistem em identificar modelos de preservação duráveis e organizar sua
transmissão aos diferentes atores envolvidos. Na qualidade de pesquisadores, propomos, de forma mais ampla, analisar a forma de implementar práticas para reconstruir,
perpetuar, mediar a memória social relacionada ao patrimônio imaterial.
11
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
O patrimônio digital e o patrimônio digitalizado não devem ser confundidos. O patrimônio digital é tanto um objeto digital quanto uma ferramenta, que serve para fazêlo funcionar. Patrimonializar sítios eletrônicos significa construir, de algum modo,
uma metarepresentação digital. O patrimônio digitalizado remete à existência de
um objeto original que existe numa materialidade diferente e cuja digitalização permite conservar uma imagem. Portanto, ambos põem em jogo a questão do uso da
memória social na qualificação do patrimônio e o próprio estatuto daquilo que se faz
patrimônio. No caso de coleção de objetos patrimoniais digitalizados, a mediação
documentária, que consiste em elaborar uma documentação digitalizada da coleção, questiona as modalidades de apropriação dos patrimônios sob a forma digital. Colocá-los virtualmente na página eletrônica de museus promove a mudança da
linha divisória entre as memórias legítimas (cientificamente) dos especialistas, que
os tinham qualificado até então, e as memórias sociais que foram ativadas por essas
modalidades digitalizadas de representação do patrimônio. No caso do patrimônio
digital, trata-se menos da questão dos usos de um patrimônio reconhecido como
tal do que da questão do estatuto do patrimônio alocado a objetos recentemente
produzidos e em quantidade industrial. A memória social deve hoje enfrentar o que a
memória informática permitiu fabricar estatuindo sobre o que deve ser conservado e
as modalidades de reserva dos objetos informáticos e de seus usos. Pode-se indagar
sobre como as escolhas técnicas e semióticas podem modificar nosso olhar sobre a
memória dos patrimônios e informar nossas relações com estes últimos.
O patrimônio paisagístico distingue-se pelo caráter vivo e evolutivo. Não se apreende como um patrimônio passado a ser conservado da perda, mas como um patrimônio a ser administrado pelas gerações atuais e futuras. Ninguém pode dizer o
que ele é nem o que será, pois se caracteriza por uma transformação permanente.
Sua patrimonialização necessita antes recorrer a modalidades de vigilância e acompanhamento de mutações do que de manutenção de elementos imóveis. Não se
trata, nesse caso, de memorizar objetos do passado, mas de colocar em prática um
método de memoração que permita, de um lado, tornar visíveis patrimônios que se
tornaram invisíveis por sua inserção no contexto da vida, e, de outro, tornar inteligíveis os desafios de sua gestão para o futuro. Esse processo de memoração que dá
suporte à visibilidade do patrimônio e a antecipação possível de uma ação de preservação introduz, segundo nosso ponto de vista, um outro modo de abordar o duplo
questionamento daquilo que a memória faz ao patrimônio e daquilo que o patrimônio
faz à memória. Com o patrimônio paisagístico, estamos no caso extremo de uma
patrimonialização que não pode existir sem um trabalho de memória social. Trata-se
de capturar, para se analisar, esse papel específico da memória na fabricação de um
patrimônio irremediavelmente incorporado – sem a possibilidade de descolamento
físico – na vida social.
12
INTRODUÇÃO
A obra não foi organizada segundo os diferentes tipos de patrimônios, o que não
faria sentido diante da diversidade dos contextos franceses e brasileiros, nem, sobretudo, diante de nossa abordagem do patrimônio de acordo com os processos que o
constituem. Propõe, ao contrário, observar situações, práticas, instituições, atores,
processos e dispositivos de mediação, nos quais a questão da memória social e
da patrimonialização é colocada de diversas maneiras. A obra dedica-se, assim, ao
exame do modo como a memória social ocorre nas sociedades francesa e brasileira
para construir patrimônios frequentemente singularizados por seu caráter ao mesmo
tempo evolutivo, invisível e próximo.
O desafio de uma obra franco-brasileira, teórica e
prática
Este livro ambiciona atingir, ao mesmo tempo, o público específico das ciências
humanas e sociais (pesquisadores, professores e estudantes), interessados na problemática da memória social e da patrimonialização, e os profissionais que trabalham no campo da valorização do patrimônio e da memória. Os autores propuseram,
igualmente, articular estreitamente as abordagens francesas e brasileiras, a fim de
colocar em evidência tanto as semelhanças quanto as diferenças existentes entre
elas. Esperamos que essa hibridação na organização dos textos possa fomentar a
reflexão em nossos leitores, como também proporcionar a composição, a seu modo,
das relações entre memória e patrimônio.
A primeira parte da obra, com enfoque teórico, apresenta três contribuições, uma
francesa e duas brasileiras, abordando pontos de vista de renomados pesquisadores
acerca da questão. Eles confrontam suas abordagens sobre a temática da relação
entre memória social e patrimonialização e proporcionam a descoberta de sínteses
teóricas que trazem uma visão panorâmica sobre a questão.
A obra começa pela síntese teórica de uma importante literatura científica, feita
por Vera Dodebei, a partir da qual ela depreende três processos de transmissão
da memória. Ela exporá, assim, alternadamente: o modo de transmissão por dissolução das memórias numa única memória segundo um processo de integração
e transformação no âmbito de um grupo social; a seguir discute a acumulação das
memórias fundamentada na técnica da escrita e dos suportes analógicos; e por fim
o modo híbrido que mistura os dois anteriores acionando a contribuição da memória
eletrônica que dilui as lembranças – por reformatação e produção coletiva –, ao
mesmo tempo em que autoriza sua acumulação por meio da reprodução da informação. Para a autora, vivemos em dois mundos, no mínimo, simultaneamente: um
13
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
mundo analógico e um outro digital. Em ambos os casos, as memórias e seus valores
enquanto documentos e patrimônios são construídos, circulam deixando rastros e
se dissolvem. A ideia de patrimônio institucional é recente e sua representação e
registro documental apresentam conflitos em relação à natureza da memória, que é
totalmente virtual.
O exercício teórico realizado por Jean Davallon (2006) consiste em interrogar a evolução de seu modelo da patrimonialização, elaborado a partir do caso do patrimônio material quando deslocado para patrimônio imaterial. O desafio da abordagem
é colocar em discussão a etapa da ruptura entre o mundo da origem dos objetos
patrimoniais e o mundo presente. Essa ruptura era vista como necessária à produção
patrimonial, ainda que aparentasse não ser mais efetiva com o patrimônio imaterial
que garantiria uma continuidade entre os dois mundos. Porém, no caso de uma tal
continuidade, pergunta-nos o autor, “que diferença haveria entre as definições cultural e jurídica do patrimônio?” Esse capítulo permite analisar o processo de transmissão do patrimônio imaterial, observando habilmente como se dá a passagem de uma
transmissão na sociedade para uma transmissão sobre a sociedade. Os desafios
teóricos em torno desses modos de existência do patrimônio imaterial na sociedade
são explicitados por meio do exemplo simples e eficaz dos cantos tradicionais da
Córsega, com várias vozes, inscritos na lista da UNESCO de preservação de urgência
do patrimônio cultural imaterial.
A parte teórica deste livro é concluída com a contribuição de Regina Abreu, que erige
um panorama histórico e analítico dos processos de patrimonialização em torno de
três momentos. O primeiro: do século XIX à primeira metade do século XX, em que os
processos de patrimonialização baseiam-se na reconstrução do passado (História)
ou na busca e valorização de uma arte nacional. O segundo situa-se nos anos 1940,
com a criação da UNESCO: nesse, os processos de patrimonialização integram uma
nova e importante variável relativa ao conceito antropológico de cultura que deveria
facilitar uma compreensão entre os seres humanos. E, enfim, o terceiro: no início
dos anos 1980, quando instaurou-se, segundo a autora, a “patrimonialização das
diferenças”, devido às recomendações emitidas, sobretudo, pela UNESCO no que
concerne à preservação das singularidades ou especificidades locais para além do
movimento de homogeneização que está se desenvolvendo no mundo. A autora se
interessa particularmente por esse terceiro momento ao sublinhar as diferentes tendências: instauração de listas de salvaguarda dos patrimônios imateriais em perigo,
mundial, oral, etc., conflitos e tensões entre os organismos governamentais e não
governamentais e desafios sobre a visibilidade pela corrida aos selos patrimoniais
e a midiatização de sítios eletrônicos das instituições reconhecidas no campo patrimonial.
14
INTRODUÇÃO
A segunda parte desta obra articula-se em torno de uma série de estudos de caso.
O princípio é mostrar, a partir de casos concretos, como a relação entre memória e
patrimônio é estudada nas sociedades brasileira e francesa, uma vez que a questão
memorial e patrimonial é uma realidade inscrita nas instituições culturais e patrimoniais e nas práticas sociais. Esta segunda parte não é uma mera ilustração da
primeira parte teórica. De fato, são desenvolvidas aí análises concretas que trazem
à tona o que ocorre nos campos estudados e o modo como os pesquisadores observam e compreendem aquilo que se tece entre os processos de patrimonialização da
memória e de memoração do patrimônio.
O estudo de caso que abre esta segunda parte da coletânea, apresentado por Evelyn
Orrico, Amir Geiger e Sabrina Dinola, debruça-se sobre o modo como documentários
resgataram do esquecimento a música popular brasileira e como esse tipo de filme
participa, por intermédio do discurso que veiculam, da patrimonialização. O patrimônio é considerado como uma construção simbólica que necessita de um processo
de mediação não apenas técnico, mas expressivo, que mobiliza a lógica e a magia
do que retrata. O filme documentário é, assim, um instrumento de mediação que
torna possível a memorização da música e a construção social de uma memória da
música popular brasileira a partir da seleção de certos artistas em lugar de outros.
Por meio da análise e da construção do discurso dos filmes documentários, os autores exploram a tensão entre reconhecimentos sociais e esquecimentos que marcam
a trajetória musical, especialmente de quatro artistas brasileiros.
Por meio da análise do blog Índios On-line, José Ribamar Bessa Freire e Renata Daflon
Leite abordam o papel das tecnologias digitais da informação e da comunicação na
construção do patrimônio e da identidade indígenas. Questionam a concepção clássica de uma memória constituída a partir do passado para outra que, ainda que possuindo caráter processual, mostra-se efetivamente mais colaborativa. Para os índios
da etnia Guarani, o passado não se coloca antes do presente, mas no presente. As
mídias digitais, ao reforçarem o reencontro entre as culturas indígenas tradicionais e
as culturais da sociedade industrial, favorecem um movimento memorial incessante
e contínuo. A análise do blog interétnico Índios On-line mostra que o patrimônio em
rede é mais uma prática social viva do que uma herança a ser fixada para sua conservação. Os autores evidenciam, por meio dos estudos das práticas desse tipo de
blog, os modos de subjetivação, tais como o estatuto – variável – dos autores e as
diferentes posições dos sujeitos na mobilização interétnica para garantir os direitos
indígenas e a reconstrução patrimonial.
Urbano, o Aposentado, personagem da tira em quadrinhos de mesmo nome, publicado num jornal carioca, coleciona objetos inúteis. Por meio do exemplo dessa
15
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
coleção de inutilidades, Leila Beatriz Ribeiro reflete sobre a lógica extrema da memória e da patrimonialização, que consistiria em testemunhar a história da materialidade
das coisas a partir daquilo que o homem rejeita. “Tudo guardar, nada descartar”:
a tarefa de Urbano é transmitir, através desses objetos acumulados, a história de
uma sociedade de consumo, uma sociedade de desestruturação, uma sociedade do
desperdício. A autora mostra que essa coleção foi feita de modo a se colecionar a
si próprio. Urbano, o Aposentado, coleciona-se a si mesmo, ou seja, o antigo. Essa
categoria social tem sua importância numa sociedade, tal como a sociedade brasileira, que contém um número cada vez maior de idosos. Assim, pergunta a autora:
qual seria o sistema de valores da nossa sociedade em relação aos representantes
humanos e materiais de uma cultura industrializada?
A partir do caso do aplicativo Musée Urbain MTL, para download no Iphone, produzido
pelo Museu McCord, de Montréal, Cécile Tardy investiga os riscos da transformação
digital nas coleções patrimoniais enfrentados hoje por várias instituições museais
mundo afora, desde o momento em que se investe em programas de digitalização.
A partir dos substitutos digitais de suas coleções, o museu está apto a reinventar a
relação que liga a sociedade aos objetos do passado e à própria instituição museal.
O Museu pode voltar-se para formas de representação da memória social de nosso
passado, não mais a partir de objetos patrimoniais, mas de suas imagens em inúmeros dispositivos com tela que se prestam a sua projeção nas mais diversas situações.
A autora busca compreender os mecanismos de transferência da garantia de autenticidade ligados à instituição museal para outros espaços socioeconômicos, como o
turismo urbano. Os substitutos são daí em diante investidos em diferentes lógicas de
uso e de representação, entre conservação, mediação e marca.
A propósito das ilustrações em arqueologia, Émilie Flon ultrapassa– e dá conta – os
debates sobre a avaliação da veracidade das informações que são supostamente
expostas, enquanto documentos de conhecimento, ao abordar as ilustrações em
termos de testemunho. À posição social do ilustrador junta-se o testemunho: ele é
convidado a certificar a realidade que ele representa, dando-lhe a oportunidade de
interpretar. Seu trabalho é feito a partir do conhecimento arqueológico, e também
das culturas visuais e sociais dos arqueólogos e artistas. A vantagem dessa abordagem pelo testemunho, desenvolvida pelo autor para compreender o estatuto das ilustrações em arqueologia, é, de um lado, analisar as ilustrações como uma mediação
no espaço público da memória social de um passado arqueológico inacessível, e, de
outro, reconhecer o papel das ilustrações para a patrimonialização, na qualidade de
uma construção social de um passado comum.
16
INTRODUÇÃO
Por fim, esta coletânea aborda o caso do tratamento dado pelos museus às memórias conflituosas e traumáticas por meio de dois exemplos: o primeiro é o das
exposições do quadro de Picasso, Guernica, produzido no contexto da Guerra Civil
Espanhola (1936-1939) – atualmente exposto no Museu Nacional Centro de Arte
Rainha Sofia –, e o segundo é o da representação da deportação durante a Segunda
Guerra Mundial (1939-1945) no Museu da Resistência e da Deportação, em Grenoble
(Isère), na França. Jessica Cendoya-Lafleur, Marie Lavorel e Jean Davallon confrontam
esses dois casos para analisar a patrimonialização da memória no contexto museal.
Retomando o modelo do processo de patrimonialização definido por Jean Davallon
(2006), os autores analisam duas etapas particularmente delicadas no caso dessas
memórias que poderíamos qualificar como sensíveis: a da passagem das memórias
do Guernica a uma história oficial e a da construção de uma representação negociada do evento traumático da deportação entre a memória do testemunho e os
conhecimentos do historiador.
17
Primeira parte.
Abordagens teóricas
19
Memoração e patrimonialização
em três tempos: mito, razão e
interação digital
Vera Dodebei
Os tempos da memória
Memória e patrimônio são dois temas que vêm ganhando presença cada vez mais
intensa nos meios de comunicação contemporâneos. Dos livros e artigos científicos
veiculados em mídias tradicionais aos blogues construídos no espaço ubíquo da web,
estudos sobre memórias on-line e patrimônio digital ganham destaque. No entanto,
pouco tem sido investigado empiricamente sobre criação, manutenção e dissolução
de registros de memórias e de bens patrimoniais na web. Mais escassas ainda são
as elaborações teóricas que tratem especificamente das relações entre as práticas
memorialistas e patrimoniais e as mídias eletrônicas.
De acordo com a proposta geral desta obra, o objetivo deste capítulo é colocar em
diálogo conceitos já consolidados nos campos da memória e do patrimônio com
aqueles inerentes aos campos da computação, informação e comunicação. Dito
21
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
de outro modo, a intenção é a de verificar como conceitos criados em ambiente
analógico se comportam, se adaptam e se transformam quando transpostos para
o ambiente virtual. É importante ressaltar que o ambiente virtual opera apenas com
números; portanto, quando os registros memoriais e patrimoniais deixam o mundo
analógico das sensibilidades corporais transformam-se em representações numéricas que potencialmente possuem significado.
Memória e patrimônio constituídos no ambiente virtual são sempre mediados por
objetos informacionais. Esses objetos ou códigos numéricos se metamorfoseiam em
imagens que são seus substitutos. Todo este processo de “vestimenta” dos códigos
é feito por programas computacionais, construídos em sua maioria para permitir que
as pessoas se comuniquem. A vestimenta dos códigos numéricos funciona como
nossa pele que nos confere identidade. Quer seja por símbolos visuais criados para
a escrita textual ou figurativa, quer seja por símbolos sonoros, nos comunicamos
eletronicamente por números. Nossa epígrafe é uma equação fractal que nos serve
como exemplo da estrutura matemática da informação1.
Durante quase vinte séculos, a cultura ocidental considerou as dimensões tempo e
espaço como atributos independentes e, portanto, nos habituamos a pensar que os
espaços são fixos e que o tempo é linear, caracterizando o passado, o presente e o
futuro (Dodebei, 2000). Com a ciência contemporânea, fomos obrigados a repensar
esse estatuto do tempo e do espaço e instados a buscar outras explicações que dessem conta dessa nova “desordem” característica do ambiente caótico no qual estamos imersos ao considerar o mundo informacional em que vivemos. Identificamos
que o conceito de “acontecimento” desenvolvido pelos estoicos e exemplificado por
Deleuze (1974, p. 6) pode nos ser útil para compreender a circularidade do tempo,
como a seguir: “Só o presente existe no tempo e reúne, absorve o passado e o futuro,
mas só o passado e o futuro insistem no tempo e dividem ao infinito cada presente.
Não três dimensões sucessivas, mas duas leituras simultâneas do tempo”.
Essa concepção sobre o tempo e suas consequências para o estatuto da memória
eclode com o advento das redes eletrônicas e do fenômeno da globalização, que
vêm atualizar o discurso sobre a circularidade do tempo e a virtualidade do espaço,
ao destacar o presente como única possibilidade temporal, da mesma forma que
pensado pelos estoicos. O espaço virtual e o tempo real passam a fazer parte da vida
1. Curva de Koch: se considerarmos cada passo, notamos que, para passar de uma linha para a
seguinte, substituímos três segmentos por quatro de igual comprimento, ou seja, o comprimento total
é multiplicado por 4/3. O limite da sucessão geométrica de razão 4/3 é o infinito, o que significa
que a figura final (ou para a qual tende esta sucessão) terá um comprimento infinito (designado por
Mandelbrot como “infinito interno”), disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Curva_de_Koch,
consultado em 8 de novembro de 2014.
22
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
cotidiana das pessoas, evidenciando a função da técnica midiática em nos manter no
tempo presente e no espaço ubíquo.
No entanto, a sensação de que estamos presos ao tempo presente pode também ser
ilusória, quer dizer, imaginamos viver apenas o presente, mas, de fato, ele está sempre nos escapando. As relações sociais representadas por redes que se conectam
a uma velocidade só possível pelo avanço da tecnologia da comunicação e informação vêm nos revelando que os tempos clássicos que configuravam a memória (passado-presente-futuro) estão sendo percebidos de maneira peculiar na atualidade. Ao
contrário da presentificação do tempo, podemos ter a sensação – como já nos indicava Walter Benjamin (1985) sobre a perda da experiência com o advento da informação – de que não interessa vivenciar o presente em sua intensidade. Pois, hoje,
mais vale registrar, “clicar” o momento presente para comunicá-lo e socializá-lo nas
redes, resguardando assim o que já passou, do que imergir na ação da qual se está
participando e retê-la na memória individual. Todos se registram por suas câmeras
fotográficas em tempo integral e compartilham essas imagens com seus “amigos” e
“seguidores”. Quer parecer-nos, então, que a preocupação de uma grande parcela
das sociedades contemporâneas se encontre mais fortemente ancorada no binômio
passado-futuro ao evitar a experiência do presente.
Não é por outra razão que a fotografia, por exemplo, é um dos principais artefatos
que têm um elevado poder de evocação de lembranças. A técnica ou reprodutibilidade técnica (analógica e digital) coloca, em frações de segundos, a mesma imagem
na caixa digital de centenas de milhares de pessoas que estão conectadas em rede
de comunicação eletrônica. A tecnologia nos permite, assim, perceber o tempo e o
espaço de maneiras singulares. Pensamos que o que acontece com a memória é
algo semelhante à percepção que temos do tempo. Se guardamos uma experiência
vivida em nossa memória pessoal, esta experiência é sempre da ordem do presente,
porque o estado ou a qualidade da memória é o movimento, a constante atualização
de informações/lembranças. A virtualidade da memória, conforme nos indica Bergson (1999), impõe-nos sempre o presente e nos impossibilita identificar o passado.
Quando registros técnicos – representações de memórias interiores/naturais – são
criados, suas existências são possibilitadas pela tecnologia disponível em determinado tempo e espaço. Nesse sentido, as memórias externas, artificiais, auxiliares ou
exomemórias formadas por esses registros podem ser consideradas materiais do
passado.
Os registros técnicos, restos, rastros, traços ou vestígios memoriais (designações
que variam conforme o ponto de vista teórico empregado) constituem, em sentido
amplo, os arquivos. Neste momento, importa compreender a influência da técnica
23
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
midiática na constituição das exomemórias, além de compreender como essa influência transforma a própria construção da memória. Deste ponto em diante, podemos
distinguir memória, sempre virtual, de registros memoriais, que habitam as memórias externas/artificiais.
Os objetos, considerados como informações individuais, podem ser representados
por fotografias pessoais, filmes, peças arqueológicas, museológicas, bibliográficas,
arquivísticas, ou mesmo peças imaginárias. As narrativas, compreendidas sob uma
perspectiva plural ou coletiva, seriam representadas por exposições, mostras, textos
literários, entrevistas. Objetos e narrativas não são mutuamente excludentes, o que
poderá gerar o conflito já amplamente discutido no campo da memória sobre sua
condição de subjetividade e coletividade. Quando o conceito de lembrança é transposto do nível individual para o coletivo, a operação feita é de natureza metafórica:
memória nacional, memória religiosa, memória literária. A memória pode ser estudada então do ponto de vista individual, o que é objeto principal das neurociências, e
pode ser compreendida do ponto de vista de uma construção social em que grupos
sociais criam um passado compartilhado com a ajuda do contexto social, das mídias.
Os diferentes modos de “lembrar” correspondem a uma grande disputa de opiniões
no campo dos estudos sobre a memória. Maurice Halbwachs (2004), ao opor história
e memória, leva-nos a compreender que a primeira diz respeito apenas ao passado
(morto) e a segunda reflete um presente (vivo). Essa polaridade faz com que Pierre
Nora apresente “os lugares de memória” como uma possibilidade (inter) mediada
entre a história e a memória. Podemos considerar que existem diferentes modos de
lembrar a partir das diversas culturas. Esse enfoque parte do pressuposto de que
o passado não está dado, mas, ao contrário, deve ser continuamente construído e
apresentado2.
Com certeza, o legado de Maurice Halbwachs é indiscutível, inicialmente por ter
cunhado a expressão “memória coletiva”, mas também por ter iniciado as discussões
dos “quadros sociais da memória” (1925) em que os conceitos de memória individual
e memória coletiva se apresentam em disputa. Com seus estudos sobre as memórias familiares, Halbwachs (2008) alimenta as posteriores discussões sobre a história
oral; com sua pesquisa sobre a memória de comunidades religiosas, ele acentua
os aspectos topográficos da memória, antecipando, assim, a noção de “lugares de
memória”. (Nora, 1993)
2. A expressão usada por muitos autores é reconstruir e reapresentar. Eu prefiro retirar a partícula
“re”, que denota a ideia de repetição, uma vez que a memória possibilita sempre uma (nova) criação
e não uma repetição de algo já dado.
24
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
Paul Ricoeur afirma que o objeto da memória é, certamente, a lembrança (mnme =
que); que a recordação (anamnesis = como) é o processo de busca dessa lembrança;
e que o importante não é quem se lembra, mas o que é lembrado. Ao suavizar o quem
das preocupações com o estatuto da memória, Ricoeur nos livra da tensão permanente entre memória individual e memória coletiva. Vale ressaltar que não é intenção
do autor eliminar uma ou outra memória, vinculada ou ao indivíduo, ou ao coletivo.
Está claro, na introdução de sua obra, que o caminho a percorrer vai do “o quê?” ao
“quem?” passando pelo “como?”, isto é, da lembrança à memória refletida, passando
pela reminiscência. (Ricoeur, 2007, p. 24)
A memória pode ser também compreendida sob uma dimensão cultural, o que a
aproxima do contexto digital contemporâneo, ao abarcar fronteiras de outras disciplinas que têm o passado como material de estudo, como a história, a arqueologia, as
ciências da informação. Astrid Erll apresenta uma genealogia e as ramificações dos
estudos sobre memória cultural que, na verdade, compõem a obra organizada por
ela e por Ansgar Nünning. Essa genealogia representa o domínio dos estudos sobre
a memória que, embora remontem a Platão e Aristóteles, têm seu desenvolvimento
pleno no século XIX, alcançando o boom (Huyssen, 2000), ou a boulemie mémorielle
(Nora, 1997) nas últimas décadas do século XX. O conceito de Pierre Nora (1993, p.
1-78) dos “lugares de memória”, por exemplo, muito ajudou a consolidar a metáfora
de uma memória coletiva, assim como o conceito de memória cultural (kulturelles
Gedächtnis) defendido por Jan e Aleida Assman (2008), que enfatizam a contribuição
de Halbwachs sobre seus estudos de comunidades cujas memórias pudessem alcançar centenas de anos, o que representa uma forte ligação com a cultura.
Sob a perspectiva da mediação memorial e patrimonial de objetos/narrativas existentes em ambiente virtual, não podemos deixar de considerar a ideia de “memória
mediada” proposta por Jose van Dijk (2007). O conceito procura entrelaçar o social
e o individual e enfrentar as modalidades contemporâneas de estabelecimento de
vínculos entre o passado e o presente. O pressuposto de Dijk é que os artefatos
individuais estão inseridos em modos (compartilhados socialmente) de registrar e
rememorar o passado. Tais modos estão, por sua vez, estreitamente relacionados
às mídias utilizadas. Fotografias ou imagens em movimento do núcleo familiar evidenciam uma prática compartilhada de viver o presente. Essa autora reconhece a
importância de Halbwachs para a fundamentação de um campo de saber sobre a
memória, porém propõe um modelo teórico que transcende o pai fundador da sociologia da memória. As obras de Henri Bergson e Gilles Deleuze (1999, 1988 e 1999)
constituem-se em pontos importantes de sua abordagem, que procura estabelecer
relações com o campo da psicologia cognitiva. A partir deste diálogo teórico emerge
um modelo que trata também da possibilidade criativa nos registros da memória,
25
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
mas que se propõe a uma investigação de caráter cultural, ampliando as premissas
de Bergson e Deleuze. (Dijk, 2007, p. 127-129)
Para incluir todos os adjetivos impostos à memória, entendemos que seu campo
de estudos pode ser nomeado “memória social”. Mas entendemos também que a
memória (quer seja coletiva, cultural ou social, mediada ou virtual) é uma abstração do pensamento e uma metáfora da suposição que fazemos de nossa memória
individual. No máximo, poderíamos afirmar que essas memórias são uma extensão
imaginada de nossa memória individual. (Dodebei, 2005, p. 27-39)
Posta essa questão, levantamos a seguinte hipótese: se os modos de transmissão do
saber estão atrelados às condições tecnológicas da sociedade, a produção de memórias se daria a partir de três processos memoriais ou de memoração. O primeiro está
diretamente ligado à ideia de dissolução de memórias, que pode ser explicitado pela
transmissão oral do conhecimento que não gera registros memoriais. Neste modo,
as memórias são de natureza processual, não cumulativa e se dissolvem quando o
grupo social as incorpora e as transforma, cedendo espaço para a criação de novas
memórias. Assim, não há acúmulo, repetição, origem ou autoria memorial, pois a
memória é sempre um único produto, como o exemplo da memória virtual de Henri
Bergson (1999). O segundo modo de produção de memórias é da ordem da soma,
da adição, o que significa que a ideia de acumulação faz parte de sua memoração. E,
como é de todo impossível possuir a totalidade de lembranças em nossa memória
individual, a sociedade cria, com a ajuda da técnica da escrita e dos suportes analógicos, as memórias artificiais que são os objetos auxiliares da memória individual.
Deste conceito de acumulação nascem as angústias da perda, da falta, do erro e as
consequentes ações de proteção “patrimonial” de lembranças. O terceiro modo de
produção de memórias pauta-se por uma hibridação dos anteriores, quer dizer, um
misto de dissolução e acumulação, que arriscaríamos denominar provisoriamente de
interação. Seguimos, neste caso, a ideia de metamorfose da interatividade de Kaplan
(2009) em que os objetos memoriais são interfaces privilegiadas de um universo
digital. Este modo de produção de memória requer a interação homem-máquina e
incorpora às memórias artificiais a chamada memória eletrônica. No ambiente online (virtual eletrônico), as lembranças depositadas ou comunicadas se, por um
lado, se dissolvem nos processos de reformatação e autoria coletiva, por outro lado,
podem ainda gerar acúmulo, pois as tecnologias atuais possibilitam a reprodução da
informação em várias mídias, garantindo a existência de registros tanto analógicos
quanto digitais.
Para demonstrar nossa hipótese, traçaremos uma síntese do pensamento de autores
que, direta ou indiretamente, utilizam essa argumentação, ao analisar a criação e a
26
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
circulação de registros memoriais. Os meios de memória são considerados discursos
de natureza espaço-temporal já clássicos na literatura historiográfica e das ciências
sociais, como indicado nas obras de Leroi-Gourhan (arqueólogo) e Jack Goody (antropólogo social), citados por Jacques Le Goff (historiador medievalista) em História e
memória (Le Goff, 2003), especialmente aqueles relacionados com a oralidade e a
escrita. Mas são ainda pouco discutidos no que se refere ao estágio contemporâneo dos registros memoriais em ambiente on-line, exceção feita para as análises de
Pierre Lévy (1993, 1998, 2003, 2005, 2007) e para alguns teóricos (Lemos, 2007;
Manovich, 2001, 2003, 2008; Kaplan, 2009) que pesquisam os espaços híbridos que
combinam ambientes analógico e digital, ou as chamadas interfaces.
Segundo Le Goff, da Pré-História à Antiguidade, surge a ideia de que a memória, no
âmbito da cultura oral, é eminentemente coletiva. A sociedade memorial é representada por homens-memória que têm por função transmitir os conhecimentos
práticos, técnicos, de saber profissional. A memória é narrativa, criativa e pauta-se
pelos interesses de uma construção generativa dos mitos de origem e dos saberes
técnico e mágico-religioso. Com o desenvolvimento da técnica, a memória medieval
encontra-se em equilíbrio entre o oral e o escrito. A ideia de reprodução mnemônica
e de memória repetitiva se faz presente com a criação de comemorações, monumentos e documentos. O modo de pensar é alterado por esta tecnologia midiática
– a escrita – em que nomear é conhecer, gerando nas sociedades novas aptidões
intelectuais. Intensifica-se, assim, a consciência do esquecimento e, com ela, a instituição de meios de memória representados por um aumento considerável na criação de arquivos, bibliotecas e museus. Nesta fase, a memória está em expansão; o
sentido de acumulação é preponderante ao da dissolução. A era da escrita faz surgir as memórias artificiais, auxiliares, já que é impossível ter homens-memória que
absorvam individualmente toda a produção do conhecimento registrado. A memória
na idade contemporânea é pouco discutida por Le Goff, que apenas indica ser ela a
mais complexa, por acomodar, de certo modo, as características das anteriores com
a estrutura dos bancos de dados e da memória eletrônica (dos computadores).
Para Jack Goody, as principais mudanças na estrutura social surgem a partir de três
fatores principais. O primeiro foi o desenvolvimento de formas intensivas de agricultura que permitiram a acumulação de superávit – o superávit explicava muitos aspectos da prática cultural, do casamento aos funerais, assim como a grande divisão
entre as sociedades africanas e europeias. Segundo, as mudanças sociais podem ser
explicadas em termos da urbanização e do crescimento das instituições burocráticas
que modificaram ou eliminaram formas tradicionais de organização social, como a
família ou a tribo, passando-se a identificar civilização com “cultura da cidade”. E,
em terceiro lugar, Goody atribuiu grande peso às tecnologias da comunicação como
27
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
sendo instrumentos de mudança psicológica e social. Ele associou a era da escrita
com a tarefa de gerenciamento do superávit. Em um importante artigo com Ian Watt
(Goody e Watt, 1963), o antropólogo social defende a tese de que o desenvolvimento
da ciência e da filosofia na Grécia clássica foi fortemente influenciado pela invenção
de um sistema eficiente de escrita, ou seja, do alfabeto3.
Pode-se, assim, inferir que o sentido de acumulação de qualquer tipo de bem social
inicia-se com o seu excesso, em termos econômicos, com o superávit. A representação desses bens propiciada pelo sistema de escrita faz com que tenhamos a sensação de poder acumular tudo que produzimos, deixando-nos com a impressão de
que aquilo que nos escapa é esquecido ou perdido, o que aponta para uma falha ou,
no mínimo, uma situação indesejável. Somos educados para não esquecer, o que é
contrário ao funcionamento de nossa memória individual, por exemplo. O escritor
Jorge Luís Borges (2000) e Viktor Mayer-Schönberger (2007) nos dão bons exemplos
dessa falácia de tudo lembrar.
Borges, no conto Funes, o memorioso, nos indica que lembrar todos os segundos de
uma existência é impedir a própria condição de existir, como observado por Irineu
Funes, “[...] o presente era quase intolerável de tão rico e tão nítido [...] minha memória, senhor, é como o despejadouro de lixos”. Mayer-Schönberger, ao discutir sobre
a arte de esquecer na era da computação ubíqua em seu preprint do repositório da
Harvard University, diz:
Como seres humanos, temos a capacidade de lembrar e de esquecer. Durante
milênios, esquecer foi fácil e lembrar foi difícil. Em princípio, esqueceríamos. A
tecnologia digital inverteu essa condição. Hoje, com espaço de armazenamento
economicamente acessível, recuperação fácil e acesso global, o ato de lembrar
se tornou o padrão, quer seja para o indivíduo, quer seja para a sociedade.
Armazenamos nossas fotografias digitais sejam elas boas ou ruins – porque
até escolher quais eliminar demanda tempo demais, e mantemos versões
diferentes dos documentos em que trabalhamos, para o caso de necessitarmos
de uma delas. A Google salva cada busca realizada e milhares de câmeras de
vigilância registram nossos movimentos. (Tradução livre da autora)
3. Inspirados na obra de Jack Goody, antropólogo social especializado no estudo da estrutura e de
mudanças sociais, Olson e Cole, além do prefácio “Tecnology and social change” dedicado a Goody,
reúnem, em Technology, literacy, and the evolution of society, diversas perspectivas de vinte renomados historiadores, antropólogos, psicólogos e educadores sobre a influência das tecnologias na
estabilidade e na mudança em sociedades tradicionais e modernas. Neste texto, de caráter interdisciplinar, acadêmicos examinam como línguas locais e tradições culturais, modos de produção e
comunicação, padrões de conhecimento e autoridade locais afetam o modo como as pessoas e as
culturas resistem ou se acomodam a essas mudanças. Cf. OLSON David R., COLE Michael (org.), 2006.
28
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
A obra de Pierre Lévy (2005, p. 123) sobre a cultura digital nos apresenta também a
mesma estrutura de pensamento encontrada nos autores da história e da antropologia, ao considerar que à dimensão do espaço/tempo soma-se a dimensão da técnica. E que ambas podem ser compreendidas, tal como o continuum de Halbwachs4,
em três polos do espírito: o da oralidade primária (mito), o da escrita (teoria), e o da
informática-mediática (simulação). Esses polos não se configuram em eras porque
transitam e acontecem ao mesmo tempo, em graus diversos de intensidade e de
manifestação explícita.
Lévy, no quadro comparativo que traça para os três polos, usa os atributos tempo,
pragmática da comunicação, memória social e formas de conhecimento. Mas, em
nenhum momento, o autor pressupõe o domínio de um polo sobre o outro. Ao contrário, indica que o uso de determinado tipo de tecnologia intelectual, seja o mito, a
teoria ou a simulação, coloca ênfase particular em certos valores, certas dimensões
da atividade cognitiva ou da imagem social do tempo, que se tornam mais explicitamente tematizadas e ao redor das quais se cristalizam formas culturais particulares.
Ernst Cassirer (2000, p. 19), por sua vez, ao analisar as conexões entre língua e mito,
considera também o espaço mítico não como uma era, mas como um modo de ver,
uma forma simbólica que, embora irrompa com maior força nos tempos mais antigos
da história do pensamento, nunca desaparece por inteiro. É esta a nossa intenção ao
referirmo-nos ao quadro de Lévy.
Resta, nesta introdução, enfatizar que a questão patrimonial – valor patrimonial atribuído a lembranças – é discutida considerando-se cada um dos tempos memoriais
propostos por nossa hipótese. Nossa intenção é a de compreender as relações entre
memória e patrimônio, principalmente em dois processos interligados: a memória
em seu vir-a-ser patrimônio e a memoração necessária a um patrimônio instituído.
Vale ressaltar que a periodização dos tempos da memória é feita apenas para fins de
análise do fenômeno, pois compreendemos, assim como os autores citados anteriormente, que os meios de memória ou técnicas midiáticas que favorecem sua transmissão, manutenção e dissolução podem ser concomitantes aos espaços-temporais
considerados, além de existirem em graus variáveis de persistência.
4. Halbwachs, ao discorrer sobre a oposição entre memória coletiva e história, usa menos o argumento da cientificidade e mais o conceito de continuidade espaço-temporal para estabelecer uma
diferença. De fato, o interesse da memória social sobre os acontecimentos do passado reside exatamente na percepção de que esses acontecimentos continuam a existir no presente, ou seja, pertencem a um continuum, alterado pelos esquecimentos ocorridos no percurso e acrescido de outras
lembranças. Cf. HALBWACHS Maurice, 2004, p. 80.
29
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
Oralidade mítica e dissolução da memória: patrimônio
como herança
Vernant (2000) nos explica que um mito, pontualmente um mito grego, é um relato.
A maneira pela qual esses relatos se constituíram, se transmitiram e se atualizam na
memória social pode ser compreendida pelos textos que só chegaram a nós dispersos e fragmentados, à exceção das obras literárias como a Ilíada e a Odisseia. À reunião dessas tradições múltiplas deu-se o nome de mitologia grega. A diferença entre
o relato mítico e outros tipos de relatos, por exemplo, o literário, o histórico, pode ser
evidenciada sob alguns aspectos. O primeiro deles diz respeito à autoria. Segundo
Vernant, o relato mítico não resulta da invenção individual nem da fantasia criadora,
mas da transmissão da memória. Assim, o mito só vive se for contado, de geração
em geração, na vida cotidiana, e as condições de sua sobrevivência são, exatamente,
a memória, a oralidade, a tradição. O segundo aspecto é relativo a sua integridade
informacional ou unicidade. O mito não está fixado numa forma definitiva. Esta vai
variar, sempre, em decorrência do agente – o “contador de estórias”, o aedo – ou
do processo – a transmissão – a qual incorpora novas analogias e abandona outras,
tecendo-se, assim, um continuum formado por lembranças e esquecimentos sempre
atualizado na memória coletiva. O mito sempre comporta variantes, versões múltiplas que o narrador tem a sua disposição, e que escolhe em função das circunstâncias, de seu público, de suas preferências, podendo cortar, acrescentar e modificar o
que lhe parecer conveniente.
A terceira diferença do mito com relação a outros relatos pode ser vista a partir da
perspectiva do espaço/tempo. As musas, filhas de Mnemosyne (memória), têm por
tarefa a apresentação da criação do mundo desde que ao Kháos (Caos) se contrapôs
Gaia. Gaia, ou a Terra, é nítida, firme e estável, significando o oposto do Caos, embora
tenha emergido dele. E é nela que os deuses, os homens e os bichos podem viver
com segurança, iniciando-se, assim, a estória das origens. No entanto, a origem do
cosmos relatada pela mitologia5 não deve ser vista em um quadro de sucessão no
tempo, como diz Vernant (1973, p. 71-112): “esta gênese do mundo, cujo decurso
narram as Musas, comporta o que vem antes e depois, mas não se estende por
uma duração homogênea, por um tempo único. Ritmando este passado, não há uma
‘cronologia’, mas ‘genealogia’”.
Quanto à experiência do que é espacial, a mitologia a representa, além do próprio
mito de origem (Caos – instável, infinito, espaço em queda, e Gaia – estável, definida
e fixa), pela figura do casal Héstia, simbolizando o centro, e Hermes, contrapondo
5. Cf. em Vernant (2000, p. 19) o nascimento de Chronus, filho de Gaia e Urano, que instaura o tempo
na Terra.
30
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
esse centro com o movimento. Esses polos, mais dinâmicos que opostos, ultrapassam em muito a noção ordinária de espaço e movimento e exprimem o que Vernant
denomina de tensão que se observava na representação arcaica do espaço: o espaço
exige um centro, um ponto fixo, com valor privilegiado, a partir do qual se possam
definir direções, todas diferentes qualitativamente; o espaço, porém, se apresenta ao
mesmo tempo como lugar do movimento, o que implica uma possibilidade de transição e de passagem de qualquer ponto a outro.
A união de centro e movimento aliada à circularidade temporal conduz à ideia de
um só conceito: espaço/tempo. E, tal como na mitologia, ele pode ser imaginado
como uma dimensão na qual, a partir da leitura do presente, celebram-se os acontecimentos que transitam no passado e no futuro. A função criativa do mito reside,
exatamente, no fato de que este pode ser interpretado à luz do quadro conceitual
do presente e, embora a oralidade mítica tenha cedido espaço ao polo da escrita,
suas características de relato singular (autoria, forma e espaço/tempo) podem ser
encontradas na transmissão do conhecimento na atualidade e, consequentemente,
na configuração, também atual, da memória social.
Se nos é fácil compreender a memória como um estado sempre virtual, o mesmo não
acontece com a noção de patrimônio, que implica atributos de valor e a preservação
desses. No entanto, também é difícil desarticular a noção de patrimônio de outras
categorias de pensamento como as de “cultura”, “tradição” e “herança”, como nos
apresenta a antropóloga Regina Abreu em seu artigo sobre a emergência do patrimônio genético (2003, p. 30-45). Por essa razão, a contribuição da antropologia é
fundamental para a reflexão da evolução ou das perspectivas de conceituação de
patrimônio tomado na distância espaço-temporal, conforme a estrutura do discurso
apresentado anteriormente sobre os polos da transmissão do saber. Como funcionaria a ideia de patrimônio no polo da oralidade mítica, mantendo-se os seus atributos
essenciais de perigo de desaparecimento do bem valorizado e, portanto, de sua salvaguarda para o futuro?
José Reginaldo Santos Gonçalves (2003, p. 21-29) nos diz que a noção de patrimônio,
do ponto de vista antropológico, é milenar, que ela está presente nas sociedades
tribais, no mundo clássico e na Idade Média, embora a sistematização dos estudos
sobre o tema tenha se constituído em fins do século XVIII com a formação dos estados nacionais. O autor mostra que, se o atributo de acumulação for desatrelado do
conceito de patrimônio, pode-se entender o patrimônio livre do sentido de razão, o
que nos permitiria transitar com essa categoria em outros contextos socioculturais.
Segundo o antropólogo, existem muitas sociedades que absorvem o conceito de
patrimônio como herança de saberes, mas que não veem na acumulação um sentido
31
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
de evocação de memória. Os objetos acumulados são de natureza utilitária e, muitas
vezes, quando há acumulação, esta é temporária e visa à distribuição, ou mesmo
à posterior destruição. Em algumas sociedades, os objetos materiais não são classificados separados de seus proprietários, pois são simultaneamente de natureza
econômica, jurídica, moral, mágica, estética, psicológica, sendo, portanto, inseparáveis de totalidades sociais e cósmicas que transcendem a condição do indivíduo. A
acumulação parece ser um atributo que, nas sociedades de tradição oral, pode não
pertencer ao conceito de patrimônio.
Se não há acumulação de bens, não há perigo de perda, e não há também necessidade de proteção ou de salvaguarda. Diz ainda o antropólogo que, a exemplo do
“mana melanésio”, discute-se a presença ou a ausência do patrimônio, a necessidade ou não de preservá-lo, porém não se discute a sua existência. Esta categoria
é um dado de nossa consciência e de nossa linguagem; um pressuposto que dirige
nossos julgamentos e raciocínios. O patrimônio, tomado como categoria de pensamento, coloca sua existência na relação exercida pelo outro e, como seu conceito
está atrelado aos conceitos de cultura, a ideia de patrimônio pode, no pensar antropológico, assumir diversos contornos semânticos no tempo e no espaço. Isto nos
facilita pensar também o patrimônio como pertinente ao mundo virtual, ao menos no
sentido da transmissão digitalizada, que é mais compartilhada e não visa, prioritariamente, à acumulação, mas à socialização da informação.
Escrita, razão e expansão memorial: patrimônio como
documento
A característica dominante deste polo de tecnologia de transmissão do saber é a
linearidade, considerando a figura temporal em que a circularidade está para a oralidade e os segmentos/pontos configuram, no dizer de Lévy, a era informática-mediática. As fronteiras mais tênues, do ponto de vista do distanciamento temporal em
que nos encontramos entre a escrita e a imagética, dificultam nosso pensar sobre
uma era que abre mão da história na perspectiva de uma realização, dos vestígios
e da acumulação de registros. O retardo, o ato de diferir e a inscrição no tempo se
contrapõem ao imediato da transmissão oral e ao tempo real da rede informáticamediática. Mesmo considerando o processo de comunicação nos três polos como
sendo hipertextual, a distância entre os hipertextos do autor e do leitor é maior no
polo da escrita, o que vai exigir do autor maior objetividade e do leitor maior capacidade interpretativa. Para Lévy, muda também a configuração da memória. Se nos
polos da oralidade e da simulação ela só pode ser entendida como construção processual, portanto em movimento constante, na tecnologia da escrita, seu conceito é
32
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
dependente da possibilidade de crítica ligada a uma separação parcial do indivíduo e
do saber, com ênfase no estatuto de verdade.
Com relação às formas canônicas do saber, o polo da escrita se fundamenta na
construção teórica (explicação, exposição, sistemática) e na interpretação, ao passo
que a oralidade tem o rito e a narrativa como instâncias do saber; já a informáticamediática se vale da modelização operacional e da simulação. Assim, permanência
e significação colorem a transmissão oral do saber; a verdade (crítica, objetividade,
universalidade) é dominante no polo da escrita; e a eficácia, pertinência local e
mudança, ou novidade, são os atributos do polo da informática-mediática.
Se a narrativa é a forma dominante de transmissão do saber no polo da oralidade
mítica, o documento, com seu estatuto de prova e verdade, é a instituição predominante do saber científico no polo da escrita/razão/teoria. A memória documentada, quer dizer, acumulada em arquivos, bibliotecas, museus, garante a relação de
dependência entre documento e memória, mesmo ao considerar que o conceito de
documento (Dodebei, 2001, p. 59-66) se fundamenta na existência de valores circunstanciais e temporários atribuídos aos objetos.
No mundo materializado das representações ou dos registros de memória, a era
da tecnologia da escrita identifica-se com a atribuição de valores patrimoniais aos
objetos textuais, imagéticos, monumentais, às coleções materiais e simbólicas que
Nora nomeou de “lugares de memória”. O desejo de perpetuar a memória, acrescido
da reprodutibilidade técnica com a consequente criação dos acervos, fez com que a
sociedade produzisse próteses de suas memórias individuais, verdadeiras memórias
auxiliares, cada vez mais extensas, diversificadas e até mesmo duplicadas, a exemplo
das bibliotecas, dos museus, dos arquivos, dos monumentos históricos, gerando uma
ampliação descomunal da capacidade de memória do mundo.
Segundo Choay (2001), a noção de patrimônio estava, na origem, ligada às estruturas
familiares, econômicas e jurídicas de uma sociedade estável, enraizada no espaço
e no tempo. Hoje, requalificada por diversos atributos, como se pode acompanhar
pela trajetória dos registros do conhecimento sobre esse tema, ela admite uma pluralidade de adjetivos (histórico, artístico, cultural, material, intangível, virtual, digital)
fazendo do termo um conceito “nômade”. A instituição patrimonial seria uma invenção
moderna, porquanto essa preocupação com a salvaguarda de edifícios e monumentos
só é sistematizada em 1837, na França, com a criação da Comissão dos Monumentos
Históricos. A manutenção dos estados nacionais nos séculos XIX e XX desencadeou o
processo de patrimonialização dos bens arquitetônicos, por razões que variavam entre
a proteção da arte e a manutenção do poder econômico e simbólico das instituições.
33
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
O processo de institucionalização do patrimônio toma contornos mais expansionistas, do ponto de vista conceitual, após a Primeira Guerra Mundial. Com o intuito de
estabelecer uma cooperação cultural entre os povos, a Sociedade das Nações (Bergson, 1919) cria, no ano de 1922, a Comissão Internacional de Cooperação Intelectual
(Bergson, 1922), que se reúne pela primeira vez em Genebra, sob a presidência de
Henri Bergson. Esta comissão de intelectuais, formada por onze membros titulares e
seis assistentes, reunia à época nomes de peso entre filósofos e cientistas: Bonnevie
(zoóloga), Curie (física), Bannerjea (economista político), Bergson (filósofo), Castro
(médico brasileiro), Destrée (escritor), Murray (filólogo), Reynold (escritor), Ruffini
(jurista), Torres-Quevedo (engenheiro eletromecânico) e Einstein (que não compareceu por estar em missão científica no Japão) (Mossé Bastide, 1959). O objetivo da
comissão era o de efetuar uma pesquisa sobre as condições do trabalho intelectual
em cada um dos países-membros da Sociedade das Nações. O interesse da comissão se estendia à organização internacional da documentação científica (bibliografia
corrente e retrospectiva), ao avanço da pesquisa científica, à cooperação internacional na educação, com destaque para as ciências humanas, tidas como pouco
articuladas no que concerne à transferência da informação. E, para que se iniciasse
uma cooperação internacional, era necessário conhecer o estado da arte da produção cultural dos países. Iniciava-se a era dos inventários da produção intelectual,
da criação dos centros internacionais de documentação, da propriedade intelectual
e científica em geral, e da proteção dos bens culturais em particular. Parece que
Henri Bergson teve grande participação na criação da noção de patrimônio cultural,
quando presidiu, entre 1° e 6 de agosto de 1922, a Commission Internationale de la
Coopération Intellectuelle, instituição precursora da UNESCO, criada em 1945, logo
após a Segunda Guerra Mundial.
De acordo com Choay, somente após a Segunda Guerra Mundial, na década de cinquenta do século XX, é que serão acrescentados às categorias definidas na Comissão
dos Monumentos Históricos outros objetos ainda considerados de valor menor, mas
já indicando uma ampliação da noção de patrimônio institucional para a sociedade.
Aos edifícios religiosos e palacianos acrescem-se fábricas, usinas, teatros, compreendendo os aglomerados de edificações da malha urbana: casas, bairros, aldeias,
cidades inteiras e mesmo conjuntos de cidades, agora tomados como coleções de
bens patrimoniais.
Em 1997, a UNESCO cria uma nova distinção internacional, intitulada obra-prima do
patrimônio oral e imaterial da humanidade6, concedida a espaços ou locais onde são
regularmente produzidas expressões culturais e manifestações da cultura tradicional
e popular. A criação do título foi a forma de alertar a comunidade internacional para a
6. Cf. o website da UNESCO http://www.unesco.org.br/, consultado em 8 de novembro de 2011.
34
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
importância dessas manifestações e a necessidade de sua salvaguarda, uma vez que
compõem o “diversificado tesouro cultural do mundo”. A proclamação das obrasprimas do patrimônio oral e imaterial da humanidade acontece de dois em dois anos,
com a escolha das candidaturas oferecidas pelos países, a cargo de um júri internacional. A primeira, ocorrida em 2001, selecionou dezenove bens. Em 2003, mais vinte
e oito itens foram acrescentados à lista das obras-primas da humanidade, entre eles
a arte Kusiwa – pintura corporal e a arte gráfica Wajãpi, candidatura preparada pelo
Museu do Índio, que retrata a cosmologia e a linguagem gráfica dos índios Wajãpi
do Amapá, Brasil. A terceira proclamação ocorreu em novembro de 2005, com mais
quarenta e três integrantes da lista do patrimônio oral e imaterial. Mais uma vez o
Brasil foi contemplado, com a inclusão do samba de roda do Recôncavo baiano. Em
2011, Yaokwa, o ritual para a manutenção da ordem cósmica e social do povo Enawene Nawe, na Amazônia, Brasil, foi inscrito na lista do patrimônio cultural intangível
que necessita salvaguarda urgente.
No Brasil, as políticas patrimoniais, representadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan7, criado em 1937, consideram um universo diversificado de bens culturais, classificados segundo sua natureza nos quatro livros do
Tombo: Livro do Tombo Arqueológico, Etnográfico e Paisagístico; Livro do Tombo Histórico; Livro do Tombo das Belas Artes; e Livro do Tombo das Artes Aplicadas. Suas
ações, voltadas à identificação, documentação, restauração, conservação, preservação, fiscalização e difusão, estão previstas em legislações específicas sobre cada
um dos temas pertinentes ao seu universo de atuação, sejam bens imóveis (núcleos
urbanos, sítios arqueológicos e paisagísticos, bens individuais) ou bens móveis (coleções arqueológicas, acervos museológicos, documentais, arquivísticos, bibliográficos, videográficos, fotográficos e cinematográficos). O Decreto n° 3.551, de 4 de
agosto de 2000, instituiu o registro, que é o instrumento legal para reconhecimento e
valorização do patrimônio cultural imaterial brasileiro. Os bens registrados são inscritos em quatro livros: Registro dos Saberes, das Celebrações, das Formas de Expressão e dos Lugares. Os saberes ou modos de fazer são atividades desenvolvidas por
atores sociais conhecedores de técnicas e de matérias-primas que identificam um
grupo social ou uma localidade. As celebrações são ritos e festividades associados
à religiosidade, à civilidade e aos ciclos do calendário, que participam fortemente da
produção de sentidos específicos de lugar e de território. As formas de expressão são
formas não-linguísticas de comunicação associadas a determinado grupo social ou
região, traduzidas em manifestações musicais, cênicas, plásticas, lúdicas ou literárias. Lugares são espaços onde ocorrem práticas e atividades de naturezas variadas,
tanto cotidianas quanto excepcionais, que constituem referência para a população.
7. Cf. o website do Iphan: http://portal.iphan.gov.br/portal/montarPaginaInicial.do, consultado em
8 de novembro de 2011.
35
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
O valor patrimonial é atribuído a objetos que estão sendo criados no presente e que
são frutos de manifestações culturais, em sua maioria de natureza artística e coletiva como as artes populares, indígenas, urbanas, das periferias, de comunidades
de baixa renda, entre outros. Ou ainda, seguindo o movimento ecológico, o patrimônio conviria também aos espaços naturais como bosques, florestas, fauna, lagos
e praias. Essa extensão conceitual fará surgir o patrimônio paisagístico, o genético,
o medicinal, entre tantos outros adjetivos que reforçam mais a preocupação com o
perigo de perda para a sobrevivência atual da humanidade do que com a herança
para gerações futuras.
A criação do patrimônio denominado imaterial, por conta de sua institucionalização,
transformou os objetos memoriais característicos da era mítica, da oralidade, em
documentos. Registrar o mito, mantendo-se sua natureza processual transformadora,
é uma tarefa, senão impossível, permanentemente inacabada. Se, por um lado, o registro patrimonial garante direitos de autoria, por exemplo, por outro lado, exige constante
atualização de registro para a manutenção fidedigna da prática cultural representada.
O patrimônio do polo da escrita, do documento, caracteriza-se, assim, por uma natureza representacional. O conhecimento é apresentado por seu substituto representacional que, na feição pública, significa conhecimento publicado, disponível para uso
– intencionalmente acumulado. Os estoques de informação/memória são o conjunto
dessas representações do conhecimento que precisam ser organizados por meio das
memórias documentárias. Essas memórias são, por sua vez, construções simbólicas do conhecimento que reúnem cadeias de representações presentes na dinâmica
social, desde a produção do conhecimento até sua assimilação, mediadas por uma
forma artificial de comunicação.
Antonio Garcia Gutiérrez alerta para uma das questões mais complexas da formação
e manutenção das memórias artificiais que nomeia de “exomemórias” – registros
da memória – ao considerar que a intermediação necessária entre os documentos e
seus leitores deve pautar-se por uma ética espaço-temporal. O mundo contemporâneo exige, por exemplo, atenção aos princípios da transculturalidade e do reconhecimento das redes de sensibilidade e interpretação transversal que constituem a
realidade, a memória e seus mediadores. Como consequência de uma herança
positivista (um lugar para cada coisa e uma coisa para cada lugar), a tendência nos
processos de representação documentária é a de buscarem-se apenas os significados relevantes, deixando de lado os aspectos menores ou distintos: “temos que nos
prover de uma ética sensorial, de equilíbrio e transculturalmente aceitável, que não
esqueça as partes da racionalidade e sensibilidade que devem estar presentes na
construção da memória registrada”. (Garcia Gutiérrez, 204, p. 31) Suas observações
36
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
podem ser estendidas ao processo de patrimonialização de objetos, no sentido de
que estes devem ser fruto de uma valorização ético-memorial.
Interatividade memorial: patrimônio como informação
Dizíamos na introdução deste texto que os objetos digitais são essencialmente números e, desta forma, não importa se o objeto patrimoniado, por exemplo, é de natureza
material ou imaterial, pois no ambiente eletrônico ele é representado em bits (0/1).
A vantagem que podemos observar deste processo de digitalização de objetos nascidos em meio analógico (por exemplo, o plano piloto da cidade de Brasília, capital do
Brasil) e daqueles já nascidos em meio digital (o registro das práticas Yaokwa, ritual
para a manutenção da ordem cósmica e social do povo Enawene Nawe, na Amazônia,
Brasil; a arte fractal) é a de que eles se metamorfoseiam em unidades memoriais digitais que podem ser combinadas e recombinadas, possibilitando a criação de novos
objetos. Como, por exemplo, a coleção digital da UNESCO denominada Memória do
mundo, cuja existência é possível apenas por seu caráter virtual.
Constituída de bens patrimoniais de natureza material e imaterial, de todas as partes do nosso planeta, essa coleção pretende representar uma síntese dos feitos da
humanidade e está disponível na rede mundial de computadores. Uma primeira leitura dos critérios estabelecidos para a seleção dos bens que integram a Memória do
mundo nos indica a presença forte do conceito clássico de coleção, pelos adjetivos:
raros, excepcionais, geniais, únicos, memoráveis, importantes, significantes, autênticos. Observando os objetos, percebemos que o desejo de colecionar abarca seres
humanos, animais, plantas, paisagens, construções. Fazem parte também da coleção fenômenos, propriedades, valores, criações artísticas, históricas e tecnológicas,
tradições, crenças e ideias. Várias questões poderiam ser colocadas em relação a
esses critérios de seleção. De que se compõe, afinal, a memória do mundo? Quem
seleciona os objetos que, isolados, deverão representar a totalidade de sua classe
conceitual? Por que um feito, uma paisagem, uma comunidade, uma música, um livro
é mais significativo para representar todos os outros de sua categoria?
Fato é que o processo de digitalização desses patrimônios oferece à humanidade a
oportunidade de mapear conceitos materiais e imateriais e de transferi-los para o
espaço virtual, onde a memória do mundo é construída já como uma coleção delimitada conceitualmente. Textos, imagens, sons, organizados como em um recorte
enciclopédico, podem ser acessados em tempo real por um número cada vez mais
amplo de internautas que se apropriam, reformatam e devolvem ao ciberespaço
novas informações.
37
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
Mas a natureza do ciberespaço é também caótica por sua constituição ser informacional. Assim, a comunicação pessoa/pessoa (sistema aberto) no espaço virtual
sofre os ruídos naturais do mundo analógico e daqueles criados pela interoperabilidade digital – pessoa/computador/pessoa (sistema fechado). O que se deseja
enfatizar aqui é que grande parte da comunicação efetuada entre as pessoas, a partir
da década de noventa do século XX, depende da interação com o computador. Essa
mediação eletrônica nos obriga a dominar a técnica, por um lado, e, por outro lado,
nos oferece um universo mítico de experiências simuladas que, de certa forma, compensam a aridez característica dos sistemas fechados.
Para muitos pensadores do contemporâneo não há memória no ambiente virtual,
o que nos apontaria para um futuro insípido e cruel. Hervé Fischer (2008, p. 351352), em ensaio sobre a arte, afirma que “é preciso escapar da efemeridade fatal da
cultura digital que não tem memória. As artes digitais se dissolvem, mal aparecem.
Quanto mais sofisticada é uma tecnologia, mais rápido ela envelhece, mais rápido
se apaga”. É preciso compreender que o ambiente virtual polvilhado de memórias
digitais, mesmo que efêmeras, possibilita a interação com um número expressivo
de internautas que podem fruir a obra de arte, interagir com ela, apropriar-se dela e
transformá-la, criando, desta forma, uma cadeia de sentidos que se torna independente do objeto original. Se os objetos se fundem em artefatos interativos e, cada vez
mais, os objetos eletrônicos se reduzem a interfaces, cabe à sociedade desenvolver
meios de disseminação de sentidos.
Nesse sentido, Pierre Lévy (2007) vem trabalhando no desenvolvimento da memória virtual da inteligência coletiva que diz respeito à construção de uma linguagem
artificial denominada IEML (Information Economy MetaLanguage), linguagem em sistema aberto de comunicação no ciberespaço, com o objetivo de facilitar o acesso ao
que ele denomina de memória virtual eletrônica. O projeto analisa a arquitetura da
memória virtual e considera quatro planos para representar a evolução das tecnologias da informação e comunicação.
O primeiro plano é denominado de “camada de endereçamento dos bits”, ou interconexão de transistores, e refere-se aos computadores que compõem os pontos de
ligação no ciberespaço. É a memória dos computadores ou endereços dos bits, que
compreende os sistemas operacionais e os aplicativos, de natureza lógica e aritmética, que tem a década de 1950 como a data de seu nascimento. A segunda camada,
“endereçamento dos servidores” ou interconexão entre computadores, é representada pelo protocolo de internet que liga computadores pessoais, comunidades
virtuais e proporciona a convergência de mídias digitalizadas. Esta fase é datada
em 1980. A terceira camada, “endereçamento das páginas” ou interconexão entre
38
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
documentos, compreende a esfera pública mundial hipertextual multimídia, significando a criação da world wide web com as ferramentas de pesquisa, navegadores
e endereços (URLs – Uniform Resource Locator) e links (HTTP – HyperText Transfer
Protocol). A popularização da web é datada em 1995. Além destas três camadas,
com as quais já estamos familiarizados, Lévy nos apresenta a “noosfera”, que corresponde à quarta camada adicional da memória virtual e que tem por base a linguagem
IEML. A noosfera, no esquema geral da arquitetura da memória virtual, está prevista
para funcionar plenamente em 2015, e representa endereços de conceitos (semiographs), conexão entre significados e gerenciamento do conhecimento.
A memória virtual da inteligência coletiva, projeto internacional coordenado por Lévy
junto à Universidade de Ottawa no Canadá, pode ser considerada, de certo modo,
a atualização para o ciberespaço do conceito de memória coletiva desenvolvido por
Maurice Halbwachs e do conceito de memória pura ou virtual de Henri Bergson. Há,
entre os três autores, um interessante diálogo sobre os conceitos de memória e uma
curiosidade em relação ao patrimônio cultural. Bergson não só inspirou Halbwachs
e Lévy, como foi o filósofo que lançou, como vimos, a noção de patrimônio cultural.
As unidades memoriais digitais permitem também a possibilidade de criar uma história para os objetos, segundo o que Frédéric Kaplan8 (2009, p. 13) denominou de les
métamorphoses de la valeur. Para compreender a dinâmica da evolução tecnológica,
o autor afirma que é necessário construir não apenas a história dos objetos, mas
principalmente sua genealogia, e é essa ação memorial que atribui valor aos objetos.
Baudrillard (2009), em sua obra Le système des objets escrita em 1968, diz também
que a tecnologia conta a história rigorosa dos objetos e que, de cada transição de
um sistema a outro melhor integrado e de cada síntese de funções, surge um sentido
independente àquele atribuído aos objetos por quem os criou.
A constituição de uma história dos objetos (métamorphoses de la valeur) em Kaplan,
de seu sentido independente (technèmes) em Baudrillard e de endereços de conceitos (semiographs) em Lévy leva à possibilidade de dissociação do objeto de sua
memória, o que vai favorecer a atribuição de valor não ao objeto, mas tão-somente
ao seu sentido. Nesse caso, todos os objetos digitalizados e postos em interação
com o público permitem não só a apreensão de seu sentido, história ou memória,
como também são passíveis de serem reproduzidos em meios analógicos. Esta seria
a condição híbrida de produção de memória que requer a interação homem-máquina
em ambiente virtual eletrônico, em que as lembranças depositadas ou comunicadas
8. Frédéric Kaplan é engenheiro, especialista em inteligência artificial e novas interfaces e designer
de objetos eletrônicos. Sua obra A metamorfose dos objetos é quase uma autobiografia, pois narra
sua experiência pessoal, familiar e empresarial sobre a criação de objetos/interfaces.
39
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
se dissolvem nos processos de reformatação e autoria coletiva e, ao mesmo tempo,
podem gerar acúmulo, pois, como vimos, o meio possibilita ainda a existência de
registros tanto analógicos quanto digitais.
Para Virilio (1994, p. 9), o tempo da interatividade memorial substitui os símbolos
da linguagem escrita pelos símbolos visuais. Esta ideografia pode ser compreendida
pelo que o autor nomeia de lógica da imagem, ou imagética. A imagética habita um
espaço-tempo, acrescido de outra dimensão, a velocidade, e pode ser caracterizada
por três fases: a era da lógica formal (pintura, gravura e arquitetura), que se conclui
no século XVIII; a era da lógica dialética (a fotografia, a cinematografia), no século XIX;
e a era da lógica paradoxal, que se inicia com a videografia, holografia, infografia
(informação digitalizada).
Dentre os tipos de tecnologias de transmissão do conhecimento citados por Virilio,
a infografia pode ser considerada como uma espécie de evolução da escrita.
Os exemplos são muitos e basta citar o prefixo e- (que significa eletrônico) para
encontrarmos e-books, e-musics, e-jogos, e-etc., serviços e produtos culturais
disponíveis na maior rede de comunicação da atualidade, a world wide web. Aliada
aos demais signos imagéticos, a infografia, ainda que constituída pela língua
natural, ultrapassa a escrita convencional (que, por sua vez, dominou o espaço da
transmissão do conhecimento em contraponto com a oralidade), e se constitui na
forma do relato da atualidade. Temos, assim, um quadro de memórias, parafraseando
Halbwachs, composto por matizes de textos, imagens e sons, conformando uma
nova linguagem que Lévy (2003) denominou de linguagem lúdica, tal é a sua forma
de interação comunicacional.
Ainda em Lévy (2003), dos tempos da memória – oralidade primária (mito), escrita
(teoria), e informática-mediática (simulação) –, este último (informático-mediático)
está em permanente transformação, tal como na oralidade, e encontra-se quase que
totalmente objetivado em dispositivos técnicos. Os atores da comunicação dividem
cada vez mais o mesmo hipertexto e as mensagens são cada vez menos feitas para
durarem, configurando-se o modelo de conhecimento por simulação, em contraposição ao modelo interpretativo do polo da escrita, no qual a memória é objetivada no
texto finito, o que vai exigir a identificação do indivíduo, portanto, a autoria. Mesmo
se considerarmos, como em Foucault (1986), que o livro é um paralelepípedo que
não se encerra no ponto final, por conta das ilações inesgotáveis proporcionadas
pela rede de citações, estas ainda resguardam a integridade das autorias.
O sentido de hibridação entre o analógico e o digital pode também ser observado por
algumas tentativas mediadoras ou de fronteiras que surgem no cenário empírico dos
40
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
campos da memória e do patrimônio. É no âmbito do processo de patrimonialização
do presente que se estabelece a categoria de bem intangível ou imaterial, separada
do patrimônio material. Se, por um lado, essa separação demonstra a importância do
contexto de criação do patrimônio material ao lhe atribuir sentido cultural, por outro
lado, a proteção do fazer cultural deve ser considerada como um ato de preservação
dos produtos e do ambiente no qual este fazer se produz, e não como outra categoria
de patrimônio. Compreende-se que esta questão surge a partir da preocupação de
não apenas salvaguardar os vestígios do passado, como também de incluir nesse
processo as ações desencadeadas no tempo presente. Os bens de natureza imaterial
são classificados na ordem dos saberes, dos fazeres, das comemorações, da tradição oral, quer seja a música, a dança, a literatura, a língua. São circunstanciais, vivos
e se preservam por tradição. Depreende-se daí que a falta aparente de um corpo
material na condição efêmera de produção não exclui a materialidade do imaterial,
nem a imaterialidade do material. Preservar uma construção religiosa sem a liturgia,
ou uma língua sem o falante, é observar uma única face ou natureza do objeto. E,
mesmo com a criação de leis, normas e procedimentos para a proteção dos bens
patrimoniais de natureza intangível ou imaterial, é necessário compreender o caráter
de virtualidade desses bens e a impossibilidade prática de separar o bem material
daquele imaterial. (Dodebei, 2007)
Mário Chagas (2003, p. 95-110) concorda com essa impropriedade de separar os
bens tangíveis dos intangíveis. Diz o autor que a preservação dos bens tangíveis
busca e assenta a sua justificativa não na materialidade do objeto e, sim, nos saberes, nas técnicas, nos valores, nas funções e nos significados que esses bens representam e ocupam na vida social. O patrimônio cultural é, então, criado a partir de
valores imateriais ou intangíveis, valores que representam objetos materiais ou saberes, fazeres e significados presentes na vida social.
Aqui fica a ideia de que é possível preservar significados, independentemente da
proteção aos objetos materiais que são sua referência. Do ponto de vista patrimonial,
talvez tenha sido necessário criar o conceito de bem imaterial para que pudéssemos
pensar em preservação para além do referente material. As políticas patrimoniais
separam os registros em livros distintos para os bens tangíveis (materiais) e os intangíveis (imateriais), mas o processo de representação do bem patrimonial na contemporaneidade é o mesmo, quer dizer, o registro digital transforma o bem, “material
ou imaterial”, em informação. A invenção ou a reinvenção do patrimônio imaterial,
a partir da mudança da tecnologia da escrita para a tecnologia da interação, nos
aproxima do tempo memorial mítico; e aproxima também a narrativa da informação.
(Dodebei e Gouveia, 2007, p. 293-307)
41
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
Se, no passado, a afirmativa de que ao relato escrito deviam-se créditos de reprodutibilidade e de prova, neste momento, tais atributos não lhe são convenientes. A
primeira grande ruptura na estabilidade da escrita é, tal como no relato mítico, a possibilidade de múltipla autoria. Recortes e recomposição da informação/memória são
processos incentivados pelo livre acesso aos estoques de conhecimento do espaço
virtual, a despeito de todas as tentativas de preservação dos direitos autorais. Pesquisas têm sido desenvolvidas para atribuir, ainda numa visão autoral da comunicação
e numa perspectiva cumulativo-repetitiva dos objetos memorais, a responsabilidade
pela preservação da memória na world wide web. (Sayão, 1996) Essa preocupação,
marcada pelo espírito de cientificidade na busca de consistência teórico-metodológica, é desencadeada exatamente pela inconsistência, inconstância, mutação e
obsolescência das informações lançadas na rede mundial de comunicação. Essa é a
forma paradoxal da memória na atualidade: ao mesmo tempo plural como processo
em permanente construção passível de múltiplas interferências, e singular como um
único conjunto – forma do hipertexto.
Para finalizar, trazemos a discussão sobre este tempo da interação memorial e do
patrimônio como informação, ainda tão contemporâneo a este relato, um objeto
empírico que pode abordar as possibilidades de memoração on-line. Trata-se do projeto Memoryshare, coordenado pela BBC de Londres, que nos mostra a fragmentação dos temas e a ausência de qualquer esforço reflexivo sobre as memórias ali
registradas e nos coloca diante daquilo que Beatriz Sarlo (2007, p. 9-22) chamou de
“uma cultura de memória ausente de pensamento sobre a memória”. Por outro lado,
a proposta de criar uma “história dos cidadãos” mostra alguns dos objetivos do projeto, como podemos ler no trecho abaixo, retirado do editorial do site:
No Memoryshare você coloca suas memórias on-line para que se possa construir um retrato da vida nas Ilhas Britânicas desde 1900. É um projeto único,
para construir um retrato de nossa história a partir dos cidadãos britânicos.
Qualquer pessoa que viva, estude, trabalhe ou se divirta neste país pode contribuir para registrar como era viver a vida no século XX e como é no século XXI.
(What is memoryshare, 2009)
De alguma forma, esta passagem nos revela um “desejo de memória” associado a
um projeto nacional que se quer perpetuar para as futuras gerações. Como entender
tal projeto amalgamado em uma plataforma de visualização tão fragmentária? Como
pensar a possibilidade de unidade de tais registros compostos a partir de computadores pessoais espalhados pelo mundo? Como pensar a construção de identidade
a partir de registros anônimos? Eis algumas questões colocadas por este artefato
cultural do ciberespaço, o portal Memoryshare. (Dantas e Dodebei, 2012)
42
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
O exemplo do portal Memoryshare nos serve para aproximar a dinâmica do tempo
da oralidade mítica ao tempo da interação, sem abdicar da escrita, uma vez que os
posts ainda são digitados. E como se configurava o imaginário social da oralidade,
muito mais criativo do que objetivo, o espaço-tempo da interação memorial é
habitado-vivenciado por uma memória dinâmica, interativa e em tempo real. O que
é fundamental, na atualidade, como nos mostrou Virilio, é a velocidade com que as
ações sociais são mediatizadas pela dimensão da técnica.
Dissolução e acumulação de memórias: uma proposta
para pensar o patrimônio digital
Em um primeiro momento, representado pela transmissão oral do saber, discutimos
mito e herança como discursos basilares para a construção dos conceitos de memória e de patrimônio. Nesse quadro de análise sobre a configuração da narrativa como
forma de transmissão de informações, o conceito de dissolução é apreendido como
uma possibilidade de construção da memória individual. A transmissão da memória
ou a herança memorial, em sua forma narrativa, proporciona o sentido da experiência do presente, como discutida por Walter Benjamin, e incorpora as duas leituras
possíveis do tempo estoico: o presente e a insistência, no tempo, do passado e do
futuro. Nessa configuração memorial não há risco de perda de lembranças e, portanto, não há necessidade de desenvolver ações de salvaguarda da memória. Se
pensarmos bem, não há muitos objetos criados para auxiliar a memória e nem para
representá-la. A memória é intrinsecamente pessoal e virtual.
O segundo momento, dedicado ao espaço-tempo da razão, das técnicas da escrita, nos
faz pensar nos excessos e transbordamentos da memória, que têm no documento a
explicação para a existência das memórias artificiais, auxiliares, memórias exteriores
ou “exomemórias”. O conceito de acumulação de lembranças surge em oposição ao da
dissolução ocorrida no espaço-tempo processual, típico da oralidade. A era da razão, da
prova, da autoria/autoridade, da garantia de bens patrimoniais, do acúmulo ou superávit cria na sociedade um sentimento de apego aos objetos. Podemos dizer que esta é a
era das coleções, da constituição dos acervos, dos lugares de memória discutidos por
Pierre Nora. O fetiche do objeto como prova de posse do conhecimento leva a sociedade a acumular bens e a sofrer as consequências de sua perda. Guardar, proteger,
recuperar são ações típicas do espaço-tempo da razão, proporcionadas pela técnica
da escrita. E é justamente no final do século XX que a sociedade se dá conta de que a
diminuição dos objetos criados, ou o que denominamos de convergência das mídias
proporcionada pela comunicação eletrônica, pode dar fim aos registros de memória
ou memórias auxiliares da memória individual. O fim dos objetos já é anunciado nas
43
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
mídias comunicativas, o que vem gerando o excessivo desejo de tudo salvar. Neste
contexto, a memória individual se complementa com os registros memoriais.
O terceiro momento é caracterizado pela interatividade memorial, em que informação
e eletrônica criam interfaces que mediam os processos de comunicação de lembranças. O conceito de interação é construído para a análise desse fenômeno, em que o
ambiente é de natureza virtual e que podemos nomear de ciberespaço, por exemplo,
e os objetos são digitais, isto é, são números com aparência de coisas. Já em meados
do século XX, quando a sociedade passa a privilegiar a informação em detrimento
do objeto no âmbito da pesquisa científica, podíamos já vislumbrar um horizonte da
supremacia do reino da informação sobre aquele dos objetos, coisas, artefatos. Paulatinamente, as coleções vão sendo digitalizadas, passando assim a habitar o ambiente
virtual. A corrida para a digitalização do passado representa aquilo que dizíamos sobre
a suposta perda da memória do mundo. De qual memória estaríamos falando? Naturalmente não da memória individual, virtual, mas daquela relativa aos registros de
memória. A transmissão da informação/memória continua a existir, como no tempo
da oralidade mítica, acrescida das novas lembranças depositadas no ciberespaço,
para as quais não sabemos ainda se haverá, no futuro, condição de reprodutibilidade
analógica. O sentido de hibridação na produção de lembranças também é o de justamente convivermos com meios de memória oral, documental/digital.
Como comentários finais, vale intensificar o diálogo com alguns conceitos apresentados
no texto. Sobre o digital/virtual, ressaltamos que digitalizar compreende o processo de
representar um objeto concreto, ou analógico, em bits, que poderão ser interpretados
por programas de computador. Por exemplo, a partir dos bits, um programa apropriado
gerará um conjunto de pixels, que será compreendido pelo olho humano como uma
imagem. A diferença entre digital e virtual está diretamente vinculada ao processo, no
caso do atributo digital, e no meio ou ambiente, no caso do virtual. Podem existir, desta
forma, objetos digitalizados que habitam tanto o mundo concreto quanto o mundo
virtual, mas o mundo virtual é habitado apenas por objetos digitais.
Quanto à patrimonialização da memória, a seleção do que patrimonializar deve ser o
processo principal de nossa atenção, do contrário vamos igualar o mapa ao território;
ou, como menciona Choay, o patrimônio pode ser decifrado como uma alegoria dos
humanos na aurora do século XXI. Não sabemos ainda se a memória virtual eletrônica
nos dará garantias de acumulação e de integridade de dados como é a característica
principal de uma coleção documentária ou patrimonial. A representação da memória
por redes de conceitos, em sistema aberto de comunicação, sugere que a constante
reformatação da informação, a exemplo do jogo da memória e do esquecimento,
parece ser o atributo essencial dessa memória virtual.
44
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
Quanto aos valores memoriais do patrimônio, entendemos que, se a sociedade deseja
preservar bens patrimoniais para as gerações futuras, é necessário considerar que
os objetos do cotidiano são, em ritmo exponencial, produzidos em meio digital.
No entanto, o valor patrimonial atribuído aos objetos digitalizados ou criados digitalmente deverá ser considerado sempre temporário e circunstancial, assim como
o valor documental. Documento e patrimônio são valores e, portanto, devem ser
compreendidos como construções virtuais. Essa parece ser a única maneira, no
momento, de garantir a existência desses valores entre as fronteiras do analógico/
digital. A corrida patrimonial parece desacelerar no século XXI, não apenas por desapego da sociedade aos bens materiais, o que já é praticado por diversas culturas,
mas por uma real impossibilidade tecnológica de tudo guardar. A memória, como
aquela arte pensada na sociedade oral, aliada à estrutura da memória virtual defendida por Henri Bergson, parece ser retomada com a ajuda de programas informáticos
que organizam os lugares e as imagens no ciberespaço.
Finalmente, podemos afirmar que vivemos ao mesmo tempo em, no mínimo, dois
mundos: um analógico e outro digital. Em ambos, as memórias e seus valores documentais e patrimoniais são construídos, transitam, deixam rastros e se dissolvem.
A ideia de patrimônio institucional é recente e, por seu caráter representacional,
gera conflitos com a natureza da memória, que é absolutamente virtual. Nossa discussão sobre a memória vir a ser patrimônio e o patrimônio necessitar do processo
memorial para se sustentar no tempo nos levou a analisar teórica e empiricamente
o campo de estudos denominado memória social, do qual os estudos documentais
e patrimoniais fazem parte. Além disso, tentamos visualizar como se comportam as
produções de subjetividade e objetividade em um espaço-tempo mantido por redes
eletrônicas de comunicação. A questão da memória ainda não está em jogo, por ser
de natureza virtual. Ao contrário da noção de patrimônio que, por ser de natureza
representacional, está atrelada ao documento e à sua reprodutibilidade.
Melhor do que a criatura,
fez o criador a criação.
A criatura é limitada.
O tempo, o espaço,
normas e costumes.
Erros e acertos.
A criação é ilimitada.
Excede o tempo e o meio.
Projeta-se no Cosmos
Cora Coralina
45
Memória e patrimônio: por
uma abordagem dos regimes de
patrimonialização
Jean Davallon
Traduzido do francês por Germana Henriques Pereira de Sousa
A abordagem comunicacional da patrimonialização que expus em Le Don du patrimoine (Davallon, 2006) foi elaborada essencialmente a partir do patrimônio material.
A questão que se coloca daqui para frente é a seguinte: como esse modelo que descreve a patrimonialização aplica-se ao caso do patrimônio imaterial ou ao da coleta
de objetos contemporâneos feita pelos museus? Nesses dois últimos casos, há, de
fato, uma continuidade entre o universo de origem desses objetos e a sociedade
na qual constituem um patrimônio, e, particularmente, com as enquetes de memória oral. A ruptura entre os dois universos, colocada como sendo uma das características da patrimonialização de objetos materiais, portanto, não existiria. Essa
ausência de ruptura viria, assim, questionar diretamente a distinção entre memória
– termo aqui compreendido no sentido de “memória coletiva”, conforme Halbwachs
(1997) – e patrimônio, distinção feita no próprio princípio da patrimonialização.
Uma das respostas sugeridas por diversas críticas feitas ao modelo dos processos de
patrimonialização, e, para alguns, à concepção que sustenta a existência de uma obrigação de guardar fundamentada no sentimento de dívida perante àqueles que produziram esses objetos, seria aquela em que talvez estejamos assistindo hoje a uma
diluição do estatuto patrimonial – tradicional, europeu e fundamentado no patrimônio
material – para dar lugar a uma concepção de patrimônio definido como tal pelo grupo
ou comunidade (ou seja, o coletivo) que dele reivindica a propriedade contínua desde o
passado. Não há, portanto, nenhuma ruptura entre o mundo de origem do patrimônio
e o mundo presente. Pelo contrário, é a continuidade entre os dois mundos que garante
o fato de que realmente se trata de patrimônio coletivo: seria considerado patrimônio
tudo aquilo que o coletivo considera como seu. No fundo, voltaríamos, assim, a uma
assimilação da definição cultural e da definição jurídica do patrimônio, a primeira
alinhando-se à segunda. De acordo com meu ponto de vista, tal assimilação questionaria a dimensão simbólica do patrimônio cultural e, portanto, requer um exame,
mesmo que não possamos negar o fato de que surgiram novas formas de patrimônio.
47
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
Retomemos os termos da oposição entre a memória coletiva e o patrimônio. Do ponto
de vista da abordagem comunicacional da patrimonialização, ou seja, da abordagem
da construção de uma relação dos homens do presente com os homens do passado, assegurando uma continuidade cultural da sociedade, quando há continuidade
na transmissão de saberes (compreendidos no sentido amplo de representações,
testemunhos, mitos, crenças, técnicas, conhecimentos técnicos, etc.), estaríamos
falando de memória coletiva, para retomar a definição de Halbwachs, para quem ela
continua a existir enquanto houver membros vivos do grupo que, portanto, podem
transmiti-la. Ela se apoia na memória individual dos fatos, das práticas e dos saberes.
Foi a partir dessa concepção da memória que me pareceu, em contraponto, que o
patrimônio poderia ser considerado como um estatuto reconhecido pelas pessoas
que, por razões diversas, pensam ser as depositárias de objetos que não produziram e aos quais conferem tal interesse que estimam conveniente conservá-los para
transmiti-los, embora tenha havido uma ruptura, real ou simbólica, na transmissão.
A patrimonialização é, então, um processo pelo qual um novo laço vai ser construído
entre o presente e o passado. Isto significa dizer que duas condições são necessárias
ao comprometimento da patrimonialização: a existência de um interesse social pelo
objeto imaterial e a possibilidade de um conhecimento desse objeto e de seu mundo
de origem.
O ponto de vista comunicacional apoia-se, assim, sobre dois postulados:
• A memória coletiva constitui um conjunto de saberes que é transmitido no seio
do grupo social pelos próprios membros do grupo;
• Um objeto não pode adquirir o estatuto de patrimônio sem que haja interesse
suficiente por parte dos membros do grupo (senão, é esquecido ou destruído) e
sem a possibilidade de se estabelecer sua origem (do contrário, qualquer coisa
poderia ser considerada como patrimônio).
Nesse contexto, a patrimonialização necessitará produzir um saber sobre o objeto
e estabelecer de onde ele vem, antes de lhe atribuir o estatuto de objeto a ser conservado e transmitido. Trata-se de um saber que é reconstruído por aqueles que
“encontraram” o objeto, e não de um saber recebido daqueles que o possuíam.
O interesse dessa oposição entre memória coletiva e patrimônio é permitir que se
produza um modelo da construção do estatuto simbólico conferido a objetos, justificando não apenas sua conservação imediata, mas, para além disso, sua circulação
no tempo, do passado ao presente e ao futuro. O que é mostrado no presente e
transmitido a gerações futuras não é somente o objeto conservado, e o estatuto que
lhe conferiram aqueles que o “encontraram”, mas também o saber que serviu para
conhecê-lo e estabelecer de onde ele vem. Diferentemente da memória coletiva, que
48
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
é uma transmissão direta entre indivíduos, amplamente oral, o patrimônio é fundamentado em saberes produzidos e transmitidos por meio da escrita.
Os principais elementos que entram em jogo na patrimonialização são os seguintes:
• A transmissão, ao longo do tempo, de objetos, ou seja, das realidades materiais
ou imateriais;
• A transmissão ou a produção de saberes com relação a esses objetos;
• Reconhecimento ou a construção do estatuto desses objetos utilizando-se
esses saberes.
Acrescentemos que a transmissão deve não apenas ser pensada no tempo dentro de
um grupo social, o que é, obviamente, fundamental aqui, mas também entre grupos
sociais de culturas diferentes.
Gostaria de reexaminar essa linha divisória entre a memória e o patrimônio, especialmente à luz de algumas diferenças entre o patrimônio material e o imaterial.
A abordagem comunicacional da patrimonialização
As características comunicacionais da patrimonialização
Comecemos por determinar o contexto no qual se apoia a abordagem comunicacional da patrimonialização, o qual evocarei em linhas gerais.
O primeiro esclarecimento diz respeito à distinção entre as noções de patrimônio
e memória. Se a oposição com relação a esses dois termos é feita, em geral, por
comodidade de linguagem, na realidade, ela deve ser feita entre a memoração e
a patrimonialização. É nessa condição que podemos abordar a questão da transmissão. Falar de memória e de patrimônio equivale a opor saberes (sobre eventos,
situações, estatutos, pessoas, práticas, técnicas, etc.) e objetos. Ora, a memória
também deve ser entendida como um processo de produção e de transmissão
particular desses saberes pelos próprios membros do grupo. Nesse sentido, é a
patrimonialização que é o equivalente simétrico da memória, da memoração, poderíamos dizer, e não o patrimônio, propriamente dito; a patrimonialização é um modo
de produção e transmissão, implicando, ao mesmo tempo, realidades materiais ou
imateriais (aquilo que chamamos precisamente de patrimônio) e saberes relativos a
esses objetos. Isso não resolve, certamente, o problema da natureza do patrimônio
49
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
imaterial, mas determina pelo menos o contexto a partir do qual se pode pensar as
semelhanças e as diferenças.
Tendo feito a primeira especificação, podemos introduzir uma segunda. Do ponto
de vista comunicacional, o ponto comum entre memoração (mise en mémoire) e
patrimonialização (mise en patrimoine) é que tanto uma como outra necessitam da
produção e da transmissão da significação no tempo. Se seguirmos a hipótese inicial proposta por Maurice Godelier no L’Énigme du don (segundo a qual não pode
haver sociedade que perdure sem realidades subtraídas às trocas que servem de
ponto de referência), o desafio reside, como afirmei acima, não apenas no fato de se
transmitir tais realidades (objetos materiais), mas também no fato de se transmitir
os significados que lhes são agregados. Não sei se esse postulado é válido para as
outras sociedades, mas é de grande importância para a nossa sociedade, na qual a
circulação dos significados é um fator determinante da representação que ela produz
sobre si mesma (Jeanneret, 2008). Por exemplo, não basta que objetos do passado
estejam hoje presentes, que práticas continuem a existir, é preciso ainda que sua
significação seja transmitida e aceita. Assim, a memoração e a patrimonialização
devem ser consideradas como uma operação de produção de acontecimentos, práticas ou dispositivos culturais singulares, permitindo a transmissão ao longo do tempo
de objetos e/ou de práticas acompanhadas de suas significações sociais, ou seja, de
saberes, de experiências e de valores. Tais práticas ou tais dispositivos são forçosamente híbridos, estratificados e autorreferenciais (no sentido em que eles significam
as operações que efetuam).
Esses dois primeiros pontos nos levam a especificar, em terceiro lugar, as operações
em que se baseia a eficiência social – melhor dizendo, a operacionalidade simbólica
– dos acontecimentos, práticas ou dispositivos culturais suscetíveis de produzir significado transmissível ao longo do tempo. São quatro operações:
1. Esses acontecimentos, práticas ou dispositivos culturais representam um
referente. Trata-se da operação de base inerente a toda significação: um signo
(ou, no sentido amplo, um conjunto significativo) está por definição no lugar
daquilo que ele representa, segundo uma relação com esse referente, que, após
Pierce (1978), sabemos que é ora icônica, ora indicial, ora simbólica.1
1. Por exemplo, um retrato pintado representa o modelo segundo um modo icônico (o laço entre o
significante e o referente será baseado na semelhança), um retrato fotográfico será baseado numa
relação indicial devido à reprodução do modelo permitida pela máquina fotográfica, enquanto um
diagrama será de natureza simbólica, uma vez que traduz o fenômeno representado por um cálculo.
50
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
2. Esses acontecimentos, práticas ou dispositivos culturais produzem uma nova
significação por meio de uma contextualização dessa representação: como
esta última não pode existir fora de um suporte, o conjunto assim constituído
(representação do referente e campo no qual ela está inscrita) forma a nova
unidade de significação.
3. A nova unidade de significação assim produzida não existe fora de uma
situação social: ela só existe para um destinatário que pode interpretá-la.
Essa interpretação depende, no final do processo, da prática na qual está
engajado esse destinatário. Mas ela pode ser também influenciada, orientada,
previamente, por uma produção da representação e da contextualização. Uma
relação de comunicação encontra-se objetivamente aberta entre aquele que
opera inicialmente e o destinatário que intervém posteriormente.
4. A transmissão de um saber lateral, que se refere ao mesmo tempo à relação
com o referente, ao contexto deste, assim como às operações de memoração
ou de patrimonialização, é indispensável. Assim, como já expus acima, a simples
representação de uma realidade não permite que ela, sozinha, reconstitua o
contexto dessa realidade, seu mundo de origem, por exemplo. Pior ainda, sua
contextualização, ao integrá-la numa nova unidade de significação, corre o
risco de ocultar definitivamente esse mundo de origem. Imaginemos um objeto
arqueológico (mas poderíamos fazer a mesma constatação com relação a um
segmento de memória) sobre o qual não sabemos nada, nem acerca de sua
sociedade ou do seu universo de origem, nem sobre o contexto de sua descoberta:
seria impossível reconstituir esses dois contextos, a não ser que, precisamente,
o contexto no qual o objeto se encontra hoje (por exemplo, sua colocação em
exposição) pudesse fornecer um saber sobre eles.
O regime autográfico dos objetos patrimoniais materiais
Voltemos à oposição entre memória e patrimônio, quando este é constituído de objetos materiais, à luz das especificações precedentes. Em primeiro lugar, essa oposição se fundamenta no fato de que, no caso da memória, a significação é produzida
anteriormente, e, no caso do patrimônio, posteriormente. Na transmissão da significação sob forma de memória, o saber e o objeto ao qual essa significação diz
respeito (o acontecimento, por exemplo), assim como o suporte da transmissão (o
testemunho, por exemplo), são produzidos por aquele que tem a intenção de transmitir esse saber: ele é o destinatário emissor. No caso do patrimônio, ao contrário,
se o objeto material tem uma origem num mundo anterior ao mundo no qual se
encontra aquele que o descobre, a produção do saber é incumbida a este último, que
51
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
se encontra, portanto, na posição de emissor do saber. Existe uma dissociação entre
o lugar de origem do objeto material e o lugar de origem do saber e, por conseguinte,
da significação. A produção desta última, que é própria da patrimonialização, pode
ser chamada de “atencional” (attentionnelle) e não “intencional”, para empregarmos
a distinção introduzida por Jean-Marie Schaeffer (1996). Os objetos patrimoniais do
patrimônio material têm, pois, uma origem dupla: a produção do objeto e a patrimonialização produtora do saber. Os objetos patrimoniais que são conservados pelas
instituições, expostos e transmitidos, não estão reduzidos, como se pensa frequentemente, apenas à realidade material dos objetos materiais vindos do passado; mas
trata-se de dispositivos culturais, conjuntos significantes compostos de realidades
heterogêneas: objetos materiais, certamente, mas também fichas descritivas, registros, relatórios de pesquisa, catálogos, livros, etc. Como os outros objetos culturais,
os objetos patrimoniais não existem, portanto, fora das instituições que os produzem como objetos significantes. Se, por enquanto, estamos nos referindo somente
ao patrimônio cultural material, os objetos patrimoniais, como dispositivos culturais
constituídos de objetos materiais e do saber documentário relativo a eles, possuem
várias especificidades.
Primeira constatação importante: a existência de objetos materiais vindos do passado atribui um peso singular à referência (a relação entre o signo e aquilo que representa) - o objeto do passado está presente no presente enquanto signo dele próprio.
É por isso que a questão da autenticidade dos objetos é tão importante no mundo do
patrimônio imaterial: o desafio é a garantia da natureza semiótica daquilo que está
diante de nós,2 homens do presente. A saber, uma garantia de seu estatuto indicial
segundo o qual o objeto que toco ou que vejo esteve de fato em relação física com o
mundo de origem, e não icônica (de uma cópia) ou simbólica (no sentido de Pierce,
ou seja, de algo que é signo por convenção).
Ora, todo o saber produzido sobre esse objeto servirá primeiro para estabelecer esse
estatuto, constituindo, sobretudo, características e reconstruindo seu contexto de
origem em suas dimensões técnicas, artísticas, históricas, sociais, societais, etc. Dito
de outro modo, uma das funções principais do saber é reconstruir, reconstituir a
memória perdida do objeto e de seu mundo de origem, de seu contexto de produção,
isto é, a transmissão memorial que está ausente. A pesquisa científica irá, assim,
suprir um saber lateral sobre o objeto que não foi transmitido. Porém, quando se
cria uma representação do contexto de origem do objeto, esta produzirá, simultaneamente, um contexto atual que dá sentido ao objeto, ou seja, que o define a partir
2. “L’archive et l’objet de musée, comme la relique sacrée, sont des pièces à conviction.” (Dulong,
1998, p. 181) [“O arquivo e objeto de museu, como a relíquia sagrada, são provas documentais.”]
[Nossa tradução]
52
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
da análise de suas características e faz dele um “semióforo”.3 O objeto não é apenas
uma matéria formatada, nem a pesquisa é externa a ele: como dizia acima, é o conjunto do objeto e de todo o aparelho que o documenta, que traz o conhecimento
sobre ele e o mundo de onde vem, que constitui o objeto patrimonial, ou aquilo que
comumente chamamos de patrimônio.
O resultado dessa inseparabilidade do objeto material e do saber que lhe atribui sua
significação é que a materialidade do objeto será daí por diante portadora da significação: é essa materialidade que parece ter originado a significação. Do mesmo modo
como um quadro, por exemplo, é portador, na sua materialidade mesma, da significação que produz, ainda que o saber sobre ele contribua para isso e para o efeito que
pode ter sobre quem o observa. Certamente, o quadro foi produzido para ser visto,
enquanto o saber é produzido para dar ao objeto material patrimonial sua significação; porém, o fato de que este se apoia na dimensão indicial transportada pela materialidade mesma do objeto irá conferir a este último uma potência simbólica que não
se reduz apenas à dimensão cognitiva da significação. Como se constata, o objeto
é intrinsecamente portador de sentido, literalmente semióforo. Apesar da diferença
entre um objeto de patrimônio e a obra de arte que é o quadro, proponho retomar o
termo empregado por Goodman e reutilizado por Genette (1994) para designar esse
modo de existência particular no qual o caráter da obra de arte é indissociável de sua
materialidade: o modo de existência autográfico. Porém, como acabei de dizer, faço a
ressalva de que o sistema autográfico4 dos objetos patrimoniais depende finalmente
do saber.
A dimensão comemorativa inerente a todo objeto patrimonial vem daí. Isso pode
certamente suscitar precauções no historiador, tendo em vista as regras da pesquisa
científica,5 mas consiste naquilo que confere ao objeto seu poder semiótico e social,
ou seja, sua operacionalidade simbólica no sentido antropológico do termo. O objeto
patrimonial é, de fato, como Janus, bifacial: de um lado, é saber, um saber presente ao
mesmo tempo nos documentos anexos e no próprio objeto oriundo do passado (mais
exatamente, a interpretação dessas características como indícios); porém, de outro,
é também um objeto material, concreto, sensível, que coloca quem está em contato
com ele em relação com um universo do qual, ao mesmo tempo, é o elemento e
o representante; de fato, um universo inacessível, intangível sem ele. Elemento do
passado no presente, o objeto patrimonial é também um signo cujo referente, em
virtude do saber construído, é um indício de seu contexto passado. É desse modo
que podemos afirmar que o objeto é um testemunho do mundo de origem e que pode
3. Retomo o termo de Krzysztof Pomian (1978, 1987, 1996), determinando sua natureza semiótica.
4. Para considerar aqui apenas a dimensão patrimonial desses objetos e não sua dimensão artística.
5. Por exemplo, Lowenthal (1998).
53
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
suscitar, naquele que o contempla ou toca, o sentimento de “sublime do passado” de
que fala Dulong (1998, p. 180-184).
Quanto ao destinatário, ou seja, aquele que está em contato com esse objeto patrimonial, o duplo caráter do objeto patrimonial serve de base para o que podemos
chamar de uma adesão patrimonial. Esta vai além do simples interesse pelo conhecimento sem por isso ficar reduzida ao prazer da exploração de um mundo imaginário
ou ainda apenas ao prazer da relação estética. É exatamente a conjunção do sensível
e do inteligível que serve de base para a experiência tanto do descobridor como
do visitante. A dimensão testemunhal do objeto, a operacionalidade da presença,
quando é sentida pelo homem do presente, pode colorir o saber e atribuir-lhe um
caráter de anamnese, o que pode, por exemplo, conferir à visita de uma exposição
ou de um sítio visual (ou a qualquer forma de mediação) um caráter comemorativo.
O saber atrelado ao objeto material pode, assim, despertar o interesse do grupo e
circular novamente na memória social.
Mas para que isso aconteça, é indispensável suscitar um interesse inicial pelo objeto
material ou pelo saber a ele atrelado, um processo de empatia, de identificação, para
encetar uma apropriação pelos indivíduos e pelo grupo que responde ao “desejo de
se transplantar no passado”6, como afirma Dulong7. Esse interesse continua a ser
uma das chaves do conhecimento do estatuto patrimonial dos objetos vindos do
passado. Sem isso, na melhor das hipóteses, podem recair no esquecimento, na pior,
serem destruídos.
O regime de patrimonialização dos objetos imateriais
A patrimonialização do patrimônio imaterial
O advento da categoria do patrimônio cultural imaterial levanta a questão de saber
se se trata simplesmente de uma nova categoria de patrimônio ou de um regime de
patrimonialização diferente, ou seja, um modo específico de produzir patrimônio.
Tendo mais para a segunda hipótese pelas razões que tentarei apresentar adiante,
baseando-me em pesquisas científicas, textos profissionais, administrativos e jurídicos, e ainda baseando-me na observação de situações concretas.
6. “vœu de se transplanter dans le passé” [Nossa tradução]
7. “Le désir d’histoire a le pouvoir de remonter le fil du temps en utilisant tout ce qui fait lien.” (Dulong,
1998, p. 194) [O desejo de história tem o poder de refazer a linha do tempo utilizando o que favorece
a ligação.] [Nossa tradução]
54
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
O patrimônio cultural imaterial é caracterizado, como seu nome indica, pelo fato de
que nenhum objeto material torna-se patrimônio enquanto tal. O que faz patrimônio
situa-se em outro lugar, nos elementos que são unicamente inteligíveis, perceptíveis,
tangíveis através dos suportes que o tornam manifestos. Sem isso, ele só teria existência no espírito, como “idealidade” (Genette, 1994) postulada (postula-se que esse
elemento existe como patrimônio) ou construída (como resultado de um trabalho de
análise). Um tal objeto imaterial, sendo um objeto ideal, mesmo que venha do passado, não poderia tornar presente o passado como pode fazê-lo o objeto material.
Uma das questões a ser examinada será, portanto, a de saber se o suporte, ou melhor
dizendo, a manifestação do objeto ideal, pode assegurar uma tal presentificação.
Uma das particularidades do patrimônio imaterial é, sem dúvida, que ele foi formalizado e definido por uma das instâncias jurídico-administrativas. A definição de referência é a feita pela UNESCO.8 Ainda que esse tipo de patrimônio tenha se beneficiado
de uma verdadeira paixão, as pesquisas e os exemplos de situações empíricas não
são suficientemente numerosos para que se possa extrair daí regularidades estáveis.
Então podemos dizer que a definição da UNESCO é bastante interessante, não com
relação ao conteúdo (evasiva sobre o que pode ser patrimônio), mas porque foi construída em relação direta com situações de patrimonialização para definir a maneira
como certos elementos de cultura podem se tornar patrimônio. Podem ser considerados patrimônio imaterial “práticas, representações, expressões, conhecimentos e
técnicas, assim como instrumentos, objetos, artefatos e espaços culturais que lhes
são associados”. Qualquer um que tenha se interessado pela questão sabe que fica
postulado que esse patrimônio pode se recriar continuamente em razão da natureza e das contingências dos grupos.9 Mas há um pressuposto segundo o qual o
dito patrimônio continuará sempre sendo ele próprio, ou seja, um patrimônio; sem
isso, seria difícil ver como ele poderia continuar sendo reconhecido pelo grupo. Um
mínimo de características permanentes parece, portanto, necessário para que seja
reconhecido como tal. Assim formulada, uma tal definição coloca um problema de
lógica, que é resolvido ao menos em teoria, pelo fato de que é o grupo (a comunidade
8. Lembro aqui a definição de patrimônio imaterial na Convenção: “Entende-se por ‘patrimônio cultural imaterial’ as práticas, representações, expressões, conhecimentos e técnicas – junto com os
instrumentos, objetos artefatos e lugares culturais que lhes são associados – que as comunidades, os
grupos e, em alguns casos, os indivíduos reconhecem como parte integrante de seu patrimônio cultural. Este patrimônio cultural imaterial, que se transmite de geração em geração, é constantemente
recriado pelas comunidades e grupos em função de seu ambiente, de sua interação com a natureza
e de sua história, gerando um sentimento de identidade e de continuidade e contribuindo assim para
promover o respeito à diversidade cultural e à criatividade humana” (Convenção sobre o patrimônio
imaterial, UNESCO, 2003).
9. Emprego o termo “grupo” para designar as comunidades, grupos, e, quando necessário, os indivíduos apresentados como os atores desse patrimônio. Quanto à natureza e às contigências, trata-se
de seu ambiente, de sua interação com a natureza e de sua história.
55
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
ou suas variantes) que reconhece os elementos que fazem parte do seu patrimônio. Se mantivermos essa definição, trata-se, portanto, de uma patrimonialização por
reconhecimento. Que esse reconhecimento seja, em seguida, objeto de declarações
emitidas pelos Estados e sobretudo pelos especialistas da UNESCO, isto não altera
nada o fato de que o reconhecimento é o ato primeiro pelo qual alguma coisa adquire
estatuto de patrimônio. Esse reconhecimento é o único gerador de patrimonialização
explícito, o único referente posto como capaz de dar ao processo sua razão de ser e
sua coerência.
Na realidade, como veremos, as coisas são um pouco mais complexas. Em que
bases esta patrimonialização está ancorada? A resposta dada pela UNESCO resulta
de três operações: uma transmissão geracional do elemento a patrimonializar; um
interesse do grupo por esse elemento que se pode supor estar ligado ao sentimento
de identidade e de continuidade; e uma declaração desse reconhecimento, sem a
qual ninguém saberia que se trata de um patrimônio. À primeira vista, temos, assim
como para o patrimônio material, uma construção patrimonial por homens do presente que consideram que tal elemento constitui seu patrimônio. Porém, é melhor
não se iludir. Diferentemente do que acontece com o patrimônio material (a saber,
a construção de um conhecimento sobre o objeto e seu modo de origem servindo
a estabelecer um estatuto patrimonial do objeto) aqui é postulado que basta uma
simples constatação (o reconhecimento) de um estatuto patrimonial preexistente
para que este seja aceito, declarado e continuado. Portanto, trata-se de um legado
ao mesmo tempo recebido e perseguido. Exceto que nem o reconhecimento como
simples constatação daquilo que faz patrimônio, nem a declaração como simples
escrita da constatação, nem a continuidade como retomada de um legado são
óbvios. E isso é válido para o ponto de vista da lógica e para o ponto de vista da
prática.
Do ponto de vista da lógica, fica claro que uma definição como essa coloca um
problema duplo. O primeiro tem a ver com a maneira como aquilo que muda pode
ser reconhecido como o mesmo. Pode-se objetar que, na prática, pouco importa
se há uma mudança, se há recriação permanente ou não. Porém, isso só será possível segundo uma única condição, e é aí que o problema ressurge, qual seja, que
não se tente especificar com precisão o que pode ser patrimônio… O segundo problema é que são formas de continuidade muito diferentes, como a continuidade por
transmissão de geração em geração e a continuidade iniciada pelo reconhecimento
explícito e pela declaração por uma geração do caráter patrimonial dessas práticas,
representações, expressões, conhecimentos e técnicas do que lhes é associado. A
segunda forma de continuidade viria simplesmente depois da primeira, quando na
verdade não são de mesma natureza.
56
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
Na prática da patrimonialização, procedimentos permitem escapar daquilo que
poderia se tornar uma tautologia, segundo a qual é patrimônio o que é (reconhecido
como) patrimônio. Mas esses procedimentos levantam toda uma série de questões.
Segundo quais modalidades o grupo (a imprecisão das formas de grupos já é, em si
mesma, reveladora do problema) pode estabelecer o reconhecimento de um patrimônio? E quem pode fazê-lo em seu nome? Na verdade, a análise do que já existe
mostra que sempre se recorre, de um modo ou de outro, a um cientista, muitas vezes
um etnólogo,10 para acompanhar um grupo (ou sua minoria ativa…) no seu reconhecimento daquilo que é e faz patrimônio. Como acontece com o patrimônio material,
vemos novamente o lugar decisivo que a produção do saber ocupa na patrimonialização para determinar o que faz patrimônio, em que e por que ele o faz. Mas o uso
do saber não é exatamente o mesmo: concentra-se principalmente no modo como
podemos compreender esse elemento como patrimônio e cujo fundamento evidente
é a manifestação ou o traço desse patrimônio. É isso que proponho examinar a partir
de um exemplo.
O exemplo de um objeto patrimonial imaterial
Para examinar com mais acuidade a questão do regime de patrimonialização dos
objetos imateriais e a relação desse regime com a memória, parece-me útil resumir o
que caracteriza esses objetos como objetos de patrimônio indo um pouco mais longe
do que a definição da UNESCO.
Como vimos, os objetos imateriais (enquanto objetos ideais), para constituírem patrimônio, devem satisfazer algumas condições. Devem pertencer ao patrimônio cultural
do grupo, possuírem uma singularidade que faz deles algo exemplar do ponto de vista
da cultura11 e se manifestarem numa materialidade. Em outras palavras, pertencerem
simultaneamente a uma classe, possuírem uma individualidade e ser objeto de manifestação. Desse ponto de vista, seu modo de existência assemelha-se ao das obras
de arte, como os textos literários como o Dom Quixote, que pertence a um gênero
cultural (o romance), possui uma singularidade que o define como obra, o distingue
como obra e o distingue dos outros romances, e que deve ser manifestada, para que
se possa aceder a ele, sob forma de cópias impressas, por exemplo. Para qualificar
o modo de existência dos objetos imateriais, em seu regime de patrimonialização,
tomarei emprestado a categoria que, para Goodman e Genette (1994), equivale ao
modo de existência autográfico: o modo, ou regime alográfico.
10. Salvo se o político que propõe a declaração toma a decisão com base em razões outras que as
científicas.
11. Deixo de lado a representatividade da diversidade cultural e da criatividade humana, que é um
dos critérios justificando a inscrição nas listas da UNESCO, uma vez que não intervêm na definição do
caráter patrimonial propriamente dito.
57
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
Vale precisar que a manifestação desses objetos ideais que são os objetos imateriais pode tomar duas formas: a de uma “execução” (um evento, uma prática, uma
performance, uma realização, etc.) ou a de uma transcrição, de um relatório, uma
descrição, etc., ou seja, de uma “denotação”.12 Sem uma ou outra dessas formas de
manifestação, ele continua uma idealidade, uma representação mental. Como veremos, esta precisão terá sua importância.
Tomemos como exemplo, ao mesmo tempo simples e suficientemente complexo,
os cantos tradicionais com várias vozes, oriundos da Córsega, e que estão inscritos
na lista da UNESCO de salvaguarda de urgência13 do patrimônio cultural imaterial
da humanidade. Esses cantos, por exemplo, a Messe des vivants de Sermanu (cantada nas festas de padroeiros), fazem parte da classe dos cantos chamados cantu in
paghjella. Trata-se de um conjunto mais ou menos evolutivo de peças tendo essas
características, usos, formas mais ou menos similares. É esse conjunto, essa classe,
que constitui patrimônio. Estabelecer esse pertencimento (segundo, claro, o grau de
expertise musical) fica, aliás, mais ou menos evidente para os membros do grupo
para o qual esse conjunto se constitui como patrimônio. Esse pertencimento será
facilmente reconhecido pelos membros da comunidade corsa como fazendo parte
do patrimônio corsa, tendo em vista as especificidades dessa forma de canto com
relação às outras formas, que, embora muito próximas, não serão consideradas parte
desse conjunto. Porém, esse reconhecimento supõe que a missa em questão seja
executada, cantada, objeto de performance, se é que podemos usar esse anglicismo,
por um grupo e que seja transmitida.
Tabela 1: Regime de patrimonialização do Cantu in paghjella
Objeto
Objeto genérico
Objeto individual
Ideal
Cantu in paghjella
Versi
Real
Execução e denotação (missa, concerto
aprendizagem, etc.)
Quando não houver mais traços desses cantos pertencendo a esse patrimônio, este
deixará de existir, até mesmo enquanto patrimônio. Daí a importância de duas formas de manifestação, que são a execução (uma performance no contexto de uma
situação social tal como uma missa, uma festa, um concerto, etc.) e a manifestação
da memória por ocasião, sobretudo, da transmissão ou de uma pesquisa de memória. É o caso dessa forma de transmissão por eventos que é a aprendizagem do canto,
12. Os conceitos de execução e de notação – ou (de)notação – foram emprestados de Genette
(1994) [exécution, notation, (dé)notation].
13. Conferir o sítio da coletividade territorial da Córsega http://www.corse.fr/Cantu-in-paghjella_
a2491.html, consultado em 8 de novembro de 2011.
58
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
e que não passa de uma forma de inscrição das modalidades de performance na
memória dos indivíduos sociais para produzir a memória coletiva. A memória individual e/ou coletiva é a base da denotação, e por conseguinte, base do saber sobre
o que caracteriza a obra como pertencendo à classe dos cantu in paghjella. Essa
denotação é o equivalente da partitura, dos comentários musicológicos ou das indicações cênicas. Mas, diferentemente da partitura (ou de outras formas de denotação
escrita), que faz forçosamente uma redução do canto, a transmissão por aprendizagem transmite não apenas as notas e os comentários, mas também a capacidade
de reproduzir o modo de manifestar o canto na execução (para produzir uma réplica
da obra). De fato, a execução deve ser feita segundo as modalidades que garantem
a manifestação efetiva da dimensão patrimonial, tal como a escolha das peças de
acordo com a situação, composição do grupo (distribuição das vozes), escolha das
circunstâncias, etc.14 Todas essas são condições para o sucesso de um reconhecimento do caráter patrimonial.
Diferentemente do modo autográfico do patrimônio material, em que o caráter patrimonial é atrelado ao objeto (modificar o objeto ou mudá-lo fará desaparecer o caráter
patrimonial), o estatuto do patrimônio imaterial existe anteriormente a suas manifestações, ainda que a existência mesma desse patrimônio seja questionada se essas
manifestações vierem a desaparecer, sobretudo, ponto essencial, a memória, que
permite que elas aconteçam. Esta seria provavelmente a razão de se recorrer à gravação, para que a memória seja fixada, uma vez que essas manifestações são na maior
parte do tempo efêmeras. Nessas condições, compreende-se por que o desafio não
repousa sobre a validade semiótica da relação do objeto com seu mundo de origem
(sua autenticidade), como no caso do patrimônio material. Essa relação recai sobre
a validade das manifestações e traços do que faz patrimônio, de sua conformidade
e de seu respeito ao objeto ideal (é o caso da Messe des vivants de Sermanu, por
exemplo), e do pertencimento deste à classe que constitui patrimônio (o cantu in
paghjella, para reforçar o mesmo exemplo). Esse desafio é ainda maior quando só
podemos apreender o que faz patrimônio através de uma peça executada, através de
suas manifestações.15 Os saberes não servem, portanto, para reconstituir a memória
perdida dos objetos a fim de atestar sua autenticidade, mas, antes, servem para
validar as modalidades de existência físicas das idealidades patrimoniais, suas manifestações, e até mesmo o registro delas.
14. Essas últimas indicações são precisamente exemplos de notações transmitidas pela memória do
grupo, mesmo junto aos não cantores.
15. Isso aparece muito bem no fato de que é a autenticidade da experiência do visitante ou do espectador que deve ser garantida. Ainda mais em razão da performance enquanto obra autográfica, cujo
registro produz cópias (alográficas). Somos aqui confrontados a uma hermenêutica prática do traço.
59
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
Não é espantoso, portanto, que os saberes sejam mobilizados para garantirem a
validade das relações entre os registros e a manifestação (aqui a execução dos cantos); entre a manifestação e o que faz patrimônio (os cantos reconhecidos como
patrimônio); entre esses objetos e a classe à que pertencem e que faz patrimônio
(no caso presente, o cantu in paghjella); entre essa classe de cantos e a cultura à que
ela mesma pertence (a cultura corsa). Em cada ocasião, esses saberes são híbridos
de memória e de conhecimentos construídos. Se os membros do grupo sabem o
que obedece ao caráter patrimonial e o que não obedece, é por terem visto, ouvido,
aprendido. Observamos que isso não dispensa, muito pelo contrário, o estabelecimento de uma descrição pensada e de um estudo científico durante o processo de
patrimonialização.16 Essa descrição e esse estudo vêm registrar, completar, traduzir
sob forma de conhecimentos, os saberes transmitidos implicitamente (durante as
execuções) ou explicitamente (por aprendizagem).
Permanecem abertas duas questões principais. A primeira é a de saber a partir de
que momento as mudanças nas manifestações vão abalar o caráter patrimonial do
objeto ideal (a Messe des vivants, nesse caso), e até mesmo a partir de que momento
esse objeto pode perder seu caráter patrimonial. De aparência algo teórica, para não
dizer casuística, essa questão compromete de fato as possibilidades de evolução
das manifestações e da permanência do que as torna singulares e manifestações do
patrimônio de uma cultura. Ainda sobre esse ponto, não é garantido que o princípio
que consiste em devolver a pergunta à comunidade seja tão simples a ser executado
quanto parece à primeira vista.
A segunda questão diz respeito à maneira como é possível compartilhar o que constitui patrimônio (o cantu in paghjella, para retomar nosso exemplo) e suas manifestações (execuções ou saber). Diferentemente, portanto, dos membros da comunidade,
que, pelo menos em princípio, podem determinar o que constitui patrimônio e o
que não constitui, as pessoas externas ao grupo entram unicamente para assistir às
manifestações. Isso coloca um duplo desafio. Em primeiro lugar, o da abertura ou
não desse patrimônio aos outros (por meio de sua instalação e circulação no espaço
público sob forma de concertos ou programas de rádio e televisão, por exemplo). E,
em segundo lugar, o modo como essa instalação e essa circulação vão permitir aceder, refazer, digamos assim, o caminho das manifestações à dimensão patrimonial
e de se ir além da mera performance musical, por exemplo. Retornarei a esses dois
desafios mais adiante.
16. Salini Dominique, Musique traditionnelles de Corse, A Messagera/Squadra di u Finusellu, Avril
1996. Pérès Marcel, Le Chant religieux corse : État, comparaisons, perspectives. Federazione d’Associ
Linguistichi Culturali è Economichi, éd. Créaphis 1996 (coll. Les cahiers du CERIMM).
60
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
Da memória coletiva à memória social
O caráter efêmero da memória coletiva
De acordo com a definição de memória coletiva que Maurice Halbwachs propõe, os
indivíduos do grupo são os portadores da memória e são eles que a manifestam. A
continuidade entre o passado e o presente é assegurada por intermédio dos próprios
indivíduos; são eles que servem de ligação entre os dois. Para que a transmissão
aconteça é, todavia, necessário que ela seja executada, ou seja, enunciada, seja pela
verbalização, seja por meio de uma prática. Uma das formas exemplares da manifestação da memória coletiva é o testemunho, mas também é preciso mencionar todas
as formas de transmissão oral e prática, técnicas e saberes através de situações
socialmente definidas, como um ritual, um relato, um espetáculo, uma intervenção,
uma discussão, um encontro, uma aprendizagem, a realização prática de uma técnica, etc. Circulando, assim, no grupo, a memória coletiva pode, em razão disso,
produzir correntes de pensamento que atravessam a sociedade. De qualquer forma,
entendida em sentido estrito, a memória coletiva permanece viva enquanto houver
membros do grupo para sustentá-la , mas ela desaparece com eles.
Comentando Halbwachs, Gérard Namer (1987, 1997) mostrou que a memória coletiva poderia momentaneamente se tornar memória social, ou seja, ser conservada
sob forma de traços, lugares, materializações rituais, textos – e, hoje, gravações –,
para ser em seguida reativada. Dois casos se apresentam: ou não houve realmente
ruptura, pois esses a quem a memória escrita se dirige viveram ou conheceram os
acontecimentos (a recepção assume, então, a forma de uma recordação dentro da
própria memória coletiva, a forma de uma evocação da lembrança); ou houve ruptura
entre os acontecimentos e aqueles a quem se dirige a memória social e, nesse caso,
o suporte, os traços, a escrita ou o registro gravado da memória servem para reativar
uma memória social no interior de um grupo social, que, embora não seja o grupo de
origem, faz parte do mesmo conjunto desse grupo ou tem ligação com ele, na medida
em que é, por exemplo, constituído por seus descendentes ou porque pertence à
mesma cultura (Rautenberg, 2003, p. 47). Estes suportes servem, então, para assegurar uma continuidade da memória, para restaurar esse tempo que, como explica
Namer (1987, p. 113), “é o contexto social da memória coletiva na medida em que é o
presente imutável do hábito de pensamento de si feito pelo grupo”.17 É a continuidade
de um hábito de pensamento que é mantido ou restabelecido.
17. “est le cadre social de la mémoire collective dans la mesure où il est le présent immuable de
l’habitude de pensée de soi du groupe” [Nossa tradução]
61
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
A memoração social
Se admitimos a distinção proposta por Halbwachs entre memória e história, a memória social – chamada também de memória cultural – pertence, evidentemente, ao
registro da memória, no sentido em que ela tem a capacidade de dar continuidade
à transmissão no seio de um grupo. Em oposição, sabemos que a reconstrução histórica ou patrimonial é feita a partir do tempo presente e pressupõe a mediação dos
documentos (o arquivo), e não a dos testemunhos ou documentos produzidos para
fins de transmissão. A diferença fica evidente com a história, que, segundo afirma
Halbwachs, “é necessariamente um atalho e é por isso que comprime e concentra,
em alguns momentos, evoluções que se estendem ao longo de períodos inteiros: é
nesse sentido que ela extrai as mudanças da duração”18 (Halbwachs, [1950] 1997, p.
165). Autores como Raphael Samuel (1994, p. ix-x) contestaram essa oposição entre
história e memória, que é, talvez, segundo ele, um legado do romantismo. Ampliando
a noção de história a uma forma social de conhecimento, ele considera a memória
segundo o modo da etnografia contemporânea: não como um banco de imagens do
passado, mas como uma força ativa, construtiva, dinâmica, que contribui para fazer
esquecer tanto como para fazer lembrar. Mas o que resta é precisamente o caráter
de fluxo da memória, a dimensão humana da palavra (a encarnação do enunciador);
em suma, a importância dos aspectos sociais, afetivos, sensíveis, e não apenas cognitivos.
Se a passagem da memória coletiva à memória social preserva a origem do saber
transmitido, ou seja, a posição do destinatário, ela interrompe, contudo, o fluxo, fixa
os saberes, corre o risco de fazer desaparecer a dimensão incarnada da fala, de apagar o contexto social de enunciação na medida em que esses saberes e essa palavra
serão daí por diante fixados, porque inscritos num suporte. Trata-se, portanto, de um
estado da memória que é estabelecido, transcrito, porém, a recriação contínua fica
interrompida.
Na qualidade de memória, ela deve ser executada, manifestada para existir. Mas,
enquanto memória social, devem ficar, forçosamente, traços dessa execução, dessa
performance. A forma mais simples e mais antiga apela para a transcrição, a descrição, o relato, etc.; em outras palavras, apela para a escrita. Além da dificuldade de sua
realização quando se trata de performances um tanto quanto complexas, o inconveniente dessa forma é a importante redução que ela opera. Ora, sabe-se que há a possibilidade de registro do som, da imagem fixa e animada, o que permite conservar traços
18. “est nécessairement un raccourci et c’est pourquoi elle resserre et concentre en quelques
moments des évolutions qui s’étendent sur des périodes entières : c’est en ce sens qu’elle extrait les
changements de la durée” [Nossa tradução]
62
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
não apenas daquilo que se diz, mas também da situação de enunciação, das práticas,
expressões, das relações e dos corpos. Fica evidente, porém, que o mesmo registro,
por mais completo que seja, opera sempre uma redução. De onde a necessidade de
uma verdadeira escrita, na forma da escolha do que é gravado, do ponto de vista e da
montagem, criando, assim, um contexto destinado a dar conta do contexto de origem
do elemento gravado, como nos ensinou a antropologia visual. Teremos, desse modo,
a criação de um olhar sobre a memória gravada, que a formata, editora de um certo
modo, lançando mão, para isso, do conhecimento científico, geralmente, do saber da
etnologia. A criação desse olhar introduz um compartilhamento entre, de um lado, a
memória e o mundo de onde ela vem e de outro o mundo que operou o registro; seja
entre um mundo de origem que enuncia a memória e um mundo da recepção que a
põe em forma e a conserva. O tratamento da memória social se aproxima, então, da
história e, em todo caso, engaja, de facto, um processo de patrimonialização.
O registro, e a fortiori a escrita, das manifestações da memória acarreta uma profunda
modificação no modo de existência social da memória. A mudança mais importante
é certamente a possibilidade de não apenas voltar sobre manifestações anteriores da
memória dentro do grupo (Goody, 1977), mas ainda de torná-la pública, ou seja, de
ser, de dá-las a conhecer e fazê-las circular fora do grupo, num outro espaço social.
Mede-se a extensão dessa mudança pelo fato de que o objeto suporte desse registro
pode se tornar totalmente autônomo. O contexto social da produção da memória ou
até mesmo de sua manifestação, que era próprio ao grupo, pode vir a desaparecer
ou, no mínimo, não mais constituir a situação que dá sentido à memória.
Entretanto, a transformação da memória coletiva em patrimônio não é a patrimonialização dos objetos imateriais. Gostaria, portanto, de voltar, como forma de conclusão,
a falar sobre ao lugar que ocupa a produção da memória social na patrimonialização
dos objetos imateriais como meio de produzir o saber.
Memória social e regime de patrimonialização dos objetos
imateriais
Parece-me, de fato, que o lugar do tratamento da memória seja determinante nas
diferenças existentes entre o regime de patrimonialização dos objetos imateriais e
o regime dos objetos materiais. Se, de um lado, a inscrição e o registro da memória
num suporte material faz com seja possível conservar e expor a memória, de modo
que ela seja assim patrimonializada, de outro, a memória constitui o saber lateral
que permite dar aos objetos imateriais seu estatuto de patrimônio.19 O registro e o
19. Observa-se o mesmo fenômeno com os objetos contemporâneos oriundos do mesmo regime de
patrimonialização.
63
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
tratamento da memória coletiva, destinados a produzir um saber servindo à patrimonialização, vão transformá-la numa memória social, escrita, documentada, estocada.
É assim que ela adquire o estatuto de saber legítimo garantindo a existência e a
natureza desse objeto ideal que é o objeto imaterial.
A análise do exemplo do cantu in paghjella – mas seria necessário verificar se acontece a mesma coisa nos outros casos – permite apreender como essa memória
social pode servir para definir a classe de pertencimento dos objetos imateriais. Esta,
de fato, é constituída apenas dos objetos imateriais que as manifestações permitiram identificar e reconstituir. É dessa forma que a patrimonialização pode constituir
uma idealidade genérica (o cantu in paghjella) a partir das manifestações dos indivíduos que a compõem (a saber, os diversos cantos coletados nos documentos).
Compreende-se por que a ausência de manifestações possíveis conduz irremediavelmente à constatação de um patrimônio perdido, seja porque se tornou inacessível,
seja porque jamais existiu. Inversamente, a existência de uma memória e de sua
coleta, colocada em perspectiva com conhecimentos etnológicos e musicológicos,
vai permitir coletar, e, às vezes, até mesmo restituir, o que constitui patrimônio (a
idealidade genérica do cantu in paghjella), sem que possamos, contudo, saber se o
conjunto coletado ou restituído corresponde à totalidade dos elementos (dos cantos)
que outrora puderam existir. Mas pouco importa. Podemos afirmar que o essencial
reside na coerência do conjunto que pode ainda ser manifestado hoje.20
O saber constituído por meio da escrita da memória coletiva em memória social possui, assim, um lugar determinante no processo de patrimonialização, e isso, de dois
modos. Em primeiro lugar, ele é um elemento do próprio objeto patrimonial. Como
no caso do patrimônio material, o saber é o que dá suporte ao objeto. Ele garante
que o objeto material presente pertence a seu mundo de origem e tem, portanto,
o estatuto de patrimônio. Já no caso do patrimônio imaterial, o saber garante que
a manifestação é realmente a de um objeto ideal, fazendo parte de um patrimônio
pelo duplo jogo do reconhecimento das características patrimoniais na manifestação e da existência efetiva de um patrimônio constituída pelo conjunto dos objetos
imateriais (como objetos ideais). Podemos dizer que o objeto patrimonial imaterial
é um dispositivo constituído pelo objeto ideal (como exemplo do conjunto, da idealidade, genérica), pelo saber constituído e pelas manifestações, que podem, ainda,
ser gravadas como traços da existência do objeto ideal; e isso, salvaguardados pelo
saber, garantindo que as ditas manifestações são verídicas e não puras invenções.
Em seguida, devido à escrita da memória coletiva em memória social, a constituição
do saber produz um hiato temporal entre um antes (em que o saber intervém dentro
20. Refiro-me ao sítio onde consta o relato da patrimonialização. Disponível em: http://www.cantuin-paghjella.com/, consultado em 8 de novembro de 2011.
64
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
das situações de transmissão) e um depois, cujo saber existe de modo relativamente
autônomo sob forma de documentário.
A escrita da memória afasta o esquecimento, mas, ao mesmo tempo, a memória
coletiva é remetida ao passado (aquele de antes de sua escrita). Já falamos desse
fenômeno. Porém, com o fato de que esse saber sob forma documental serve à patrimonialização – ao mesmo tempo, para a constituição dos objetos patrimoniais e para
transmiti-los e torná-los públicos –, esse hiato temporal é acompanhado por um processo de reflexão, uma vez que esse saber documental fornece um olhar e um conhecimento sobre a sociedade e sua cultura pelos próprios membros do grupo. Quanto
à produção, a posição daqueles que patrimonializam (a posição do destinatário) é, de
certa forma, clivada entre a participação na prática (sob forma de performance e de
transmissão tradicional) e a enunciação de um saber sobre essa prática por meio da
escrita e de sua memória. Quanto à recepção, a patrimonialização tem por efeito permitir a existência de duas posições de destinatários, de definir duas posições para
aqueles que assistem às performances (manifestação por execução) e/ou tomam
conhecimento dos saberes (manifestação por denotação):
• Em uma dada cultura, a posição das pessoas que possuem ao menos em
parte uma memória lateral sobre o objeto imaterial e o patrimônio ao qual
pertence, ao lado dos saberes constituídos sob forma documental e que podem,
por essa razão, e pelo menos parcialmente, apreciar a dimensão patrimonial da
manifestação;
• A posição das pessoas externas àquela, que não possuem essa memória
lateral e acedem ao objeto imaterial pela manifestação e/ou pelos saberes
constituídos. Para essas, o risco (de um ponto de vista patrimonial) é de que
a manifestação funcione como uma performance cultural, como uma obra
autônoma, desconectada da idealidade, ou seja, daquilo que faz patrimônio.21
Essa clivagem das posições comunicacionais de emissor e destinatário tem por efeito
produzir uma cultura comum entre os membros do grupo e as pessoas externas a
ele. Essa cultura comum remete forçosamente a um alhures, no passado, a performances e a uma transmissão que se faziam segundo o regime da memória coletiva.
O hiato temporal pode então eventualmente assumir a forma de uma ruptura.
21. Nesse caso, a manifestação funciona como uma obra tendo um modo de existência autográfica.
A criação substitui a dimensão patrimonial por um enfoque maior na parte da criação do que na
execução. No outro caso, eles vão buscar uma autenticidade da experiência patrimonial.
65
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
Em última análise, se o problema ao qual o regime de patrimonialização dos objetos
materiais é confrontado é a dificuldade de revitalizar na memória coletiva o saber
construído cientificamente (ou seja, produzir empatia), e de superar uma relação
unicamente estética ao objeto a fim de garantir uma continuidade entre o coletivo
presente e o grupo imaginário dos homens do mundo de origem dos objetos, a dificuldade do patrimônio imaterial reside paradoxalmente no risco de distanciamento
de sua própria cultura por causa da reflexividade, e também nas modalidades a colocar em prática para se manter o laço entre a manifestação presente e o que constitui
patrimônio na cultura.
66
Patrimonialização das diferenças
e os novos sujeitos de direito
coletivo no Brasil
Regina Abreu
Dedico este capítulo à memória de Gilberto Velho que me
despertou para as dimensões práticas e reflexivas de uma
antropologia da patrimonialização das culturas.
(Velho, 2007)
A configuração contemporânea dos processos de
patrimonialização
Na formação das nações modernas, a noção de patrimônio associou-se à ideia de
bem coletivo e público expressando um tipo de sociedade como coletivo de indivíduos e indivíduo coletivo. Num primeiro movimento, bens considerados privados e
restritos a grupos de elites, notadamente históricos e artísticos, ganharam o estatuto
de “bens nacionais” ou seja, legados de uma coletividade. Processos de patrimonialização tornaram-se objetos de políticas públicas com agências voltadas para este fim.
Patrimonializar passou a significar um processo de escolha de determinados bens ou
artefatos capazes de simbolizar ou de representar metaforicamente a ideia abstrata
de nação e seus corolários, como a ideia de humanidade. Krzysztof Pomian (1997, p.
51-87), em seu verbete sobre “coleção”, insiste sobre esta mudança de estatuto do
objeto após passar pelo movimento da patrimonialização. Ao integrar uma coleção
museológica, o artefato perde seu valor de uso e adquire um valor simbólico. Uma
xícara integrada ao acervo de um museu deixou de ser um objeto utilitário para se
tornar um objeto que representa ideias abstratas como estilo de fabricação, país,
região, uma época e assim por diante. Novos significados são justapostos e integrados a um bem que, na esfera mercantil, era apenas mais um objeto a ser consumido,
utilizado, descartado. A patrimonialização concede a este artefato uma nova vida
e um novo valor. A partir da patrimonialização, ele deve ser preservado e exposto
ao olhar do público, ou seja, ele se torna bem público e legado de um coletivo de
67
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
indivíduos. Esta é uma operação complexa que envolve diversos agentes especialmente treinados com a finalidade de uma construção especial de valor.
Os bens patrimonializados são considerados sagrados para uma cultura ou um grupo
social organizado. Richard Handler descreve a força da patrimonialização no Ocidente moderno para tornar palpáveis e materializáveis ideias muito abstratas, de
difícil assimilação, como a ideia de nação. Referindo-se ao caso do Quebec, Handler
usa a expressão “fetichismo da cultura material” para aludir ao patrimônio como
identificador de coletivos de indivíduos como “culturas”, “nações” e “humanidade”.
Neste contexto, “ter” um patrimônio passou a significar uma certificação cultural ou
uma certificação nacional.
Eu procuro explicar o que poderia ser chamado de fetichismo da cultura material que tanto anima os governantes, cidadãos e curadores de museus em seu
afã de preservar seus “patrimônios”. Qual patrimônio uma coleção particular
representa é frequentemente uma questão em aberto; mas a ideia de que um
objeto ou uma cultura material podem sintetizar uma identidade coletiva – e
a sintetizando, serem considerados como propriedade de uma coletividade –
raramente é colocada em questão. [...] em Quebec o patrimônio é um termo
comum de uso popular e central no discurso nacionalista. Falar de patrimônio é visualizar uma cultura nacional como propriedade, e a nação como uma
propriedade pertencente a um indivíduo coletivo, para usar a terminologia de
Dumont [...]1.
Handler refere-se criticamente a este processo mencionando um excesso de “objetificação” das culturas que os museus, notadamente os museus etnográficos, acabaram promovendo. Exibindo artefatos culturais, os museus acabaram criando a ilusão
de que, ao vermos estes objetos, estaríamos vendoz as culturas neles representadas.
O comentário de Handler é interessante também para percebermos o sentido e o
alcance dos patrimônios no Ocidente moderno. Num mundo organizado em estadosnações, patrimônios servem para identificar e expressar tanto as singularidades de
cada um como para marcar as diferenças entre eles. Dois conceitos são decisivos
nesta configuração: originalidade e autenticidade.
1. “I seek to explicate what might be called the fetichism of material culture that animates governments, citizens, anda museums curators alike in their zeal to preserve their ‘heritage’. Whose heritage
a particular collection represents is often open to question; but the idea that objects, or material
culture, can epitomize collective identity - and, epitomizing it, be considered as the property of the
collectivity - is rarely disputed. (…) In Quebec, le patrimoine is a term common in popular usage and
central in nationalist discourse. To speak of the patrimoine is to envision national culture as property,
and the nation as property-owning ‘collective-individual’, to use Dumont’s term (1971) […].” (Handler,
1985, p. 192-218) [tradução livre da autora]
68
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
Podemos, pois, falar em processos de patrimonialização como um movimento próprio do Ocidente moderno, com a criação de agências nacionais e internacionais, a
formação de agentes, a definição de políticas públicas. Trata-se de um campo com
muitas disputas e um circuito próprio de circulação de ideias, práticas, artefatos,
profissionais. Fazendo um esforço de síntese, podemos apresentar a trajetória dos
processos de patrimonialização em três grandes momentos. No primeiro, que vai
do século XIX à primeira metade do século XX, os processos de patrimonialização
fundamentavam-se na reconstrução do passado (história) ou na busca e valorização
de uma arte nacional. No segundo, cujo marco fundamental foi a criação da UNESCO
nos anos 1940, uma nova e importante variável é absorvida pelos processos de patrimonialização: o conceito antropológico de cultura. É importante ressaltar que o projeto de criação desta agência internacional esteve ligado diretamente à busca da paz
entre as nações após duas guerras mundiais. A noção de que os homens eram seres
biologicamente semelhantes e que poderiam marcar suas diferenças pela cultura foi
apropriada como um dos fundamentos da UNESCO em que a meta seria a troca e
o intercâmbio entre as culturas para uma maior aproximação e, consequentemente,
um maior entendimento entre os seres humanos. O terceiro momento tem início
no final dos anos 1980, particularmente com o lançamento pela UNESCO da Recomendação de Salvaguarda das Culturas Tradicionais e Populares em 1989, quando
as políticas preservacionistas passam a ser normatizadas por fóruns internacionais,
com a predominância da UNESCO, estimulando uma dinâmica globalizada de identificação, proteção, difusão e circulação de valores e signos patrimoniais. É neste
período que se implanta o que estou chamando de tendência à “patrimonialização
das diferenças”, em que a palavra de ordem, capitaneada sobretudo pela UNESCO, é
que, “num mundo com tendência crescente à homogeneização” protagonizada pelo
capitalismo globalizado e neoliberal, é preciso preservar, ou seja: conceder especial
atenção à noção de singularidade ou de especificidade local.
O tema do patrimônio imaterial ou intangível emerge com especial destaque e muitos dos estados-membros colocarão em prática políticas públicas especialmente voltadas para esta modalidade de patrimonialização. Mas a grande novidade advinda
neste período é que o campo da patrimonialização abarcará diálogos em rede entre
representantes de novos organismos – agências locais, nacionais e internacionais
e, sobretudo, movimentos sociais, organizações não-governamentais, coletivos de
indivíduos oriundos de camadas populares e um sem número de sujeitos coletivos
– favorecidos pelas novas tecnologias, trazendo um novo elemento como contraponto para a quase exclusividade das instituições estatais neste domínio até então.
É preciso sublinhar que estes novos agentes foram tomando a cena pública, expressando interesses variados e às vezes muito específicos. A partir dos anos oitenta do
século XX, podemos falar na “era das organizações não-governamentais”, cujas repre-
69
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
sentações foram legitimadas, e mesmo desejadas, pelos fóruns internacionais, como
os fóruns promovidos pela UNESCO e pelos governos democráticos em diversos países. O campo da patrimonialização adquiriu novo dinamismo e a política passou a se
fazer no corpo a corpo das agências. E é neste contexto que muitas novidades virão,
entre elas, a entrada na cena pública de segmentos sociais antes invisíveis, oriundos
das camadas populares e de sociedades tradicionais.
A nova dinâmica da patrimonialização das diferenças vai estimular um amplo sistema
de informações numa esfera global. Inventários, bancos de dados, listas intermináveis de bens preservados ou passíveis de preservação passaram a ser elencados
por um contingente crescente de profissionais especialmente formados para trabalhar em processos de patrimonialização. As universidades e os centros de formação
ampliaram os cursos e as especializações para qualificar novos agentes do patrimônio, dos museus, da memória. Registramos uma demanda crescente das instituições e agências por profissionais neste setor e também um mercado cada vez
mais atraente para jovens em início de carreira. Podemos dizer que, numa esfera
global, o campo do patrimônio vem se profissionalizando e inovando de maneira surpreendente. Especialmente as políticas públicas voltadas para patrimonialização de
aspectos culturais imateriais ou intangíveis vêm absorvendo profissionais das áreas
de ciências humanas, especialmente jovens antropólogos recém-saídos dos cursos
de graduação ou pós-graduação para a preparação de dossiês, projetos de inventário
e registro de manifestações culturais específicas e singulares.
Registramos também uma tendência crescente de dissertações e teses de mestrado
e doutorado focalizando temas relacionados à patrimonialização em programas de
pós-graduação na área de ciências humanas, especialmente antropologia social e
história cultural, ou em programas interdisciplinares como o de memória social no
Brasil e em programas específicos em torno da temática de memória e patrimônio
em diversos países.
Foram também criadas redes e fóruns de discussão na internet de pesquisadores e
profissionais do campo do patrimônio congregando significativo número de adeptos.
Por seu turno, as novas tecnologias dos suportes informacionais passaram a contribuir para a produção e gerência da catalogação e documentação das “diferenças
culturais”, seja por parte das agências estatais consagradas ao campo, seja por parte
dos museus, bibliotecas, arquivos ou ainda organizações não-governamentais, universidades, redes sociais. A disponibilização de portais e sistemas informacionais na
web gerou também uma nova área cunhada de “patrimônio digital”. A partir da tecnologia das redes informacionais, uma nova onda patrimonial foi posta em marcha, com
a criação de novos suportes de preservação e memória (Dodebei, 2008).
70
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
O fenômeno da “patrimonialização das diferenças” pode ser descrito como uma área
em ebulição e, num certo sentido, como uma área de excesso. O excesso de demandas de patrimonialização convive com políticas de distinção, principalmente com a
implantação das “listas” com várias gradações: lista dos patrimônios imateriais ameaçados; lista dos patrimônios mundiais; lista das obras-primas do patrimônio oral e
imaterial da humanidade. Se, de um lado, no plano dos inventários, da catalogação,
da documentação, os processos de patrimonialização são inclusivos, no plano das
listas, a corrida para candidaturas muitas vezes acirra disputas e tensões entre organismos governamentais e não-governamentais em todos os cantos do globo. Outra
característica da atual configuração é que não basta mais cada estado-nação constituir seu próprio patrimônio, como ocorria até princípios do século XX. Agora, é preciso
tornar patrimônios específicos e singulares visíveis globalmente por meio da web. E,
num contexto com excesso de informação (ou de patrimonialização), aqueles que se
destacam e se distinguem com o selo de “patrimônio mundial” ou de “obra-prima do
patrimônio oral e imaterial da humanidade” adquirem maior visibilidade, pois figuram
no portal da UNESCO e em programas variados de difusão, o que certamente abre e
fortalece projetos e demandas de mercantilização das culturas.
A importância que a visibilidade na web adquiriu para o campo do patrimônio pode
ser exemplificada pelo caso das patrimonializações das cidades. A corrida para a
obtenção do selo de “patrimônio mundial” concedido pela UNESCO desencadeou
expectativas as mais diversas num mundo mercantilizado, onde se destacou o crescimento da indústria do turismo. Em finais dos anos 1980, o número de cidades distinguidas como “patrimônio mundial” era de setenta e uma, enquanto, em finais dos
anos 1990 (apenas dez anos depois), este número se elevou para cento e sessenta e
quatro. O sociólogo Paulo Peixoto comenta que “tão ou mais significativo quanto este
crescimento é o fato de a percentagem de cidades patrimônio mundial situadas na
Europa ter passado, na última década do século XX, de 45,1%, em 1989, para 57,3%,
em 1999”. (Peixoto, 2012, 801-817)
Podemos sintetizar assinalando que o campo do patrimônio na contemporaneidade
constitui-se num campo assaz paradoxal: se, por um lado, abre-se uma comporta
para um excesso de patrimonialização impulsionado pela “política da patrimonialização das diferenças como forma de combate à homogeneização neoliberal”, bem
como pelas novas tecnologias e os modernos sistemas informacionais, por outro
lado, fortalece-se o movimento inverso estimulando ações de distinção patrimonial,
materializadas por meio dos selos de “patrimônio mundial” ou de “obra-prima do
patrimônio oral e imaterial da humanidade”.
71
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
De qualquer modo, e por mais paradoxal que este fenômeno possa parecer, o que
me parece crucial é que estas duas modalidades de aproximação com o campo do
patrimônio contribuíram para disseminar e popularizar a categoria “patrimônio”. Em
outras palavras, a categoria “patrimônio” “caiu na boca do povo”. Deixou de ser uma
prerrogativa das elites ou das agências estatais que representavam estas elites, para
ser entronizada no senso comum, nos mais diversificados rincões do planeta. A vontade de patrimonializar cresceu e se capilarizou no tecido social. E muitas têm sido as
consequências deste movimento: uma delas é que patrimônio deixou de ser sinônimo
de ouro, prata, bronze, coisa duradoura, para também contemplar a argila, o barro, o
efêmero. Outra consequência é que os processos de patrimonialização deixaram de
ser atributo de algumas falas autorizadas legitimadas no aparelho de Estado para se
converterem em falas plurais tecidas em redes em que interagem diversos agentes,
entre os quais se destacam as organizações não-governamentais, os especialistas,
as comunidades, os patrocinadores, os agentes estatais.
Uma característica nova dos atuais processos de patrimonialização, especialmente
aqueles ligados a bens culturais de sociedades tradicionais, é que os grupos sociais
ligados a estes bens é que devem demandar a patrimonialização, ou pelo menos
endossar as demandas de patrimonialização. Estas novas práticas, socialmente mais
inclusivas, contrastam com práticas anteriores, principalmente quando a hegemonia
do campo patrimonial se configurava como histórica e artística, ficando ao encargo
dos especialistas destas áreas a constituição dos processos de patrimonialização.
É perceptível o quanto estes processos deixaram de contemplar quase que exclusivamente reconstruções do passado para focalizarem manifestações culturais vivas
e pulsantes como festas, rituais, saberes, conhecimentos tradicionais. Neste movimento, os protagonistas dos bens passíveis de serem patrimonializados entraram
em contato com a lógica patrimonial. Muitos destes indivíduos, integrantes de etnias
indígenas e diversos grupos tradicionais, tiveram que se relacionar com a lógica
da patrimonialização aprendendo que manifestações culturais praticadas milenarmente pelo grupo poderiam ganhar novos significados no contato com a sociedade
nacional. Esta mudança de estatuto dos bens culturais, ao passarem pelo processo
de patrimonialização, vem implicando também em mudanças de percepção, novos
trânsitos e a transformação de visões de mundo numa perspectiva dialógica entre
diferentes agentes. É sobre este momento de ultracriatividade que o fenômeno da
patrimonialização das diferenças engendra o que trata este artigo.
72
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
O papel decisivo da UNESCO
Já mencionamos o lugar hegemônico da UNESCO na nova configuração dos processos
de patrimonialização. Numa ordem global, este lugar é exercido de diferentes maneiras, mas uma ferramenta tem se destacado: as recomendações que, de tempos em
tempos, a UNESCO lança, sugerindo ações e políticas públicas aos estados-membros.
É evidente que cada estado-nação desfruta de autonomia para suas tomadas de decisão, o que confere a estas recomendações o caráter de sugestão, mais do que de formulação de uma política para a área. Entretanto, na prática, grande tem sido o grau
de adesão às formulações desta agência internacional. Neste contexto, é importante
destacar a Recomendação sobre a Salvaguarda da Cultura Tradicional e Popular, lançada em 15 de novembro de 1989, documento que trouxe um conjunto de novas
questões, desdobrado posteriormente na Declaração Universal da UNESCO sobre a
Diversidade Cultural, de 2001, na Declaração de Istambul, de 2002, e na Convenção
para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial, de 2003.
A Recomendação para a Salvaguarda da Cultura Tradicional e Popular, de 1989, aprovada pela Conferência Geral da UNESCO, configurou-se numa espécie de “discurso
fundador”, colocando na ordem do dia uma nova diretriz: a identificação, a salvaguarda, a conservação, a difusão e a proteção da cultura tradicional e popular, por
meio de registros, inventários, suporte econômico, introdução de seu conhecimento
no sistema educativo, documentação e proteção à propriedade intelectual dos grupos detentores de conhecimentos tradicionais. A recomendação definia como cultura tradicional e popular:
o conjunto de criações que emanam de uma comunidade cultural fundadas
sobre a tradição, expressas por um grupo ou por indivíduos, e reconhecidas
como respondendo às expectativas da comunidade enquanto expressão da sua
identidade cultural e social, das suas normas e valores transmitidos oralmente,
por imitação ou por outros meios. As suas formas compreendem, entre outras,
a língua, a literatura, a música, a dança, os jogos, a mitologia, os rituais, os costumes, o artesanato, a arquitetura e outras artes. (UNESCO, 1989)
Os documentos da UNESCO, neste período, vão enfatizar a enorme perda cultural
para indivíduos, países e para a humanidade advinda das mudanças drásticas produzidas pelo capitalismo em sua feição globalizada. Uma preocupação recorrente
consistia em salvar tradições culturais em acelerado processo de desaparecimento.
Um dos documentos trazia a imagem metafórica de perdas importantes para a humanidade, caso não fossem imediatamente postos em prática programas e políticas
públicas de valorização e de registro da cultura tradicional e popular: “em sociedades
73
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
tradicionais, quando um ancião morre, muitas vezes é uma biblioteca inteira que se
queima”.
Por outro lado, na dinâmica de encontros da UNESCO, emergiam diferentes relatos
de modos de preservação e políticas de patrimonialização abrindo novas perspectivas. Uma das experiências mais marcantes neste sentido relacionava-se à vertente
oriental, especialmente à vertente japonesa de política patrimonial, voltada para a
preservação dos processos e do “saber-fazer”, mais do que para a preservação dos
produtos como “objetificação” de ideias abstratas como cultura, nação ou um coletivo de indivíduos. Desde os anos cinquenta do século passado, este país possui uma
legislação específica voltada ao estímulo da transmissão do “saber-fazer” incentivando grupos e pessoas que são guardiães de tradições culturais relevantes. O processo de patrimonialização, neste sentido, relaciona-se ao “estímulo da transmissão”,
ou seja, implica aspectos performáticos decorrentes de vivenciar uma experiência do
“fazer de novo e do mesmo modo”, ou seja, seguindo as mesmas técnicas, de modos
de fazer milenares, seja uma casa, uma festa, um arranjo floral, um estilo de escrita,
uma maneira de tingir tecidos e assim por diante. Este processo de patrimonialização diferia bastante do processo de patrimonialização que até então o Ocidente
conhecia e que consistia em tirar da circulação um determinado objeto, auferir-lhe
um especial estatuto, protegê-lo das intempéries do tempo e deixá-lo visível para
um amplo público, seja num espaço público, quando se trata de bens imóveis como
igrejas, templos ou palácios, seja num museu, quando se trata de um bem móvel. A
diferença aqui não é tanto a questão da materialidade ou da imaterialidade do bem
patrimonializado, mas fundamentalmente das diferentes maneiras de patrimonializar
e das diferentes consequências que este processo envolve.
O documento que coroou esta nova perspectiva da UNESCO, surgida a partir da
recomendação de 1989, foi a Convenção para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural
Imaterial, de 2003. Neste documento, havia algumas ideias-chave que norteariam o
campo do patrimônio no milênio que se iniciava: primeiro, a ênfase recaía não mais
em “cultura tradicional e popular”, mas em “patrimônio cultural imaterial”; segundo,
associava-se este “patrimônio cultural imaterial” à noção de “desenvolvimento sustentável”, ou seja, o “patrimônio cultural imaterial como fonte de diversidade cultural
e garantia de desenvolvimento sustentável”. Tratava-se de uma mudança significativa: longe de salvaguardar a “cultura tradicional e popular” como resquícios ou
remanescentes do passado, a intenção aqui era estimular que os estados-membros
encontrassem mecanismos para “patrimonializar” a “cultura tradicional e popular”,
pois esta seria a fonte de um estilo de desenvolvimento que se queria promover:
desenvolvimento com sustentabilidade e com diversidade cultural. Percebia-se também uma grande ênfase na noção de “humanidade” e numa vertente universalista da
74
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
patrimonialização. Não se tratava apenas de patrimonializar aquilo que distinguia um
coletivo de indivíduos de outro, ou seja, de marcar os patrimônios culturais imateriais
como nacionais. O documento partia de uma “vontade universal e da preocupação
comum de salvaguardar o patrimônio cultural da humanidade” e entendia que “as
comunidades, em especial as indígenas, os grupos e, em alguns casos, os indivíduos, desempenham um importante papel na produção, salvaguarda, manutenção
e recriação do patrimônio cultural imaterial, assim contribuindo para enriquecer a
diversidade cultural e a criatividade humana”.
A Convenção de 2003 define patrimônio cultural imaterial como “as práticas, representações, expressões, conhecimentos e técnicas – junto com os instrumentos,
objetos, artefatos e lugares culturais que lhes são associados – que as comunidades,
os grupos e, em alguns casos, os indivíduos, reconhecem como parte integrante
de seu patrimônio cultural. Este patrimônio cultural imaterial, que se transmite de
geração em geração, é constantemente recriado pelas comunidades e grupos em
função de seu ambiente, de sua interação com a natureza e de sua história, gerando
um sentimento de identidade e continuidade e contribuindo assim para promover o
respeito à diversidade cultural e à criatividade humana”. Segundo esta mesma Convenção, este “patrimônio cultural imaterial” se manifesta nos campos das tradições
e expressões orais, incluindo o idioma como veículo do patrimônio cultural imaterial,
expressões artísticas, práticas sociais, rituais e atos festivos; conhecimentos e práticas relacionados à natureza e ao universo, técnicas artesanais tradicionais.
Após a definição do objeto da Convenção, o documento estipula como atribuição
para os estados-membros “adotar as medidas necessárias para garantir a salvaguarda do patrimônio cultural imaterial presente em seu território”. Por fim, especial destaque é conferido à “participação das comunidades, grupos e organizações
não-governamentais pertinentes” na “identificação e definição dos diversos elementos do patrimônio cultural imaterial presentes em territórios nacionais”. Este novo
agenciamento dos processos de patrimonialização a um conjunto de agentes sociais
marca uma distância com relação a antigos procedimentos, quando os processos de
patrimonialização eram atribuição de agentes estatais e especialistas. Esta é uma
mudança, a meu ver, altamente significativa, pois vai alterar os mecanismos, os ritos
e fundamentalmente as correlações de poder. O campo do patrimônio a partir de
então deverá integrar organismos do Estado e da sociedade civil.
75
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
Ressonâncias
A Convenção entrou em vigor em 20 de abril de 2006 para os estados que haviam
depositado seus respectivos instrumentos de ratificação, aceitação, aprovação ou
adesão em 20 de janeiro de 2006 ou anteriormente. Para os demais estados, ficou
estipulado que a Convenção entraria em vigor três meses depois de efetuado o depósito de seu instrumento de ratificação, aceitação, aprovação ou adesão. Eram então
considerados estados-partes da Convenção aqueles que ratificaram a Convenção.
Estes estão divididos em cinco grupos: África; Estados Árabes; Ásia e Pacífico; Europa
e América do Norte; América Latina e Caribe. Até o início de 2012, cento e quarenta e
dois estados já haviam ratificado a Convenção. O primeiro deles foi a Argélia, enquanto
o último foi o Cazaquistão (abril de 2012). O Brasil ocupa a trigésima sétima posição,
tendo ratificado a Convenção em um de março de 2006. (UNESCO, 2012a)
Entretanto, alguns dados revelam diferentes ressonâncias com relação à participação dos estados no projeto da UNESCO. Analisando a lista de patrimônio imaterial,
verificamos que, no momento, apenas noventa países participam de processos de
patrimonialização, o que significa que, embora signatários, cinquenta e dois países
ainda não se mobilizaram efetivamente para participar do projeto. Os motivos são
diversos. O pesquisador Ismail Ali El-Fihail, do Departamento de Patrimônio Intangível
da União dos Emirados Árabes – Abu Dhabi, United Arab Emirates (UAE), em comunicação durante o Colóquio Local Vocabularies of Heritage. Variabilities, Negotiations,
Transformations, ocorrido em 8 a 10 de fevereiro de 2012, na Universidade de Évora,
comentou, por exemplo, que a reação dos países que formam o mundo árabe à Convenção foi muito desigual. Enquanto a Argélia foi o primeiro país do mundo a ratificar
a Convenção, três importantes países árabes levaram seis anos para dar o mesmo
passo. Quatro outros países árabes ainda não são signatários da Convenção, entre
eles, Bahrain e Kuwait. Ironicamente, a Líbia estava prestes a ratificar a Convenção
antes da queda do regime de Gadaffi, mas agora o assunto ainda precisa ser mais
trabalhado. A Somália também não ratificou a Convenção e pode continuar a não se
posicionar com relação a este tema devido à guerra civil em curso. Estes exemplos
podem ser indícios de que, em países com governos pouco democráticos ou em situação de instabilidade social e política, a ressonância para a Convenção da Proteção
ao Patrimônio Imaterial seja pequena ou mesmo inexistente.
No portal da Convenção, são sugestivas as notícias de fomento a comunidades
tradicionais como forma de estimular um aumento da participação no projeto. Na
África, por exemplo, foi criada uma Escola do Patrimônio Africano e a UNESCO tem
procurado realizar ações nesta escola com apoio de um Fundo Internacional para a
Salvaguarda do Patrimônio Cultural. O objetivo é trabalhar numa ação conjunta de
76
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
sensibilização dos estados nacionais e de fortalecimento do papel das comunidades
nos assuntos de patrimonialização. Segundo o texto publicado no portal da Convenção, o objetivo da sensibilização através de oficinas é destacar o papel dos estados
na adoção das medidas necessárias para garantir a salvaguarda do patrimônio cultural imaterial em seus territórios, tais como a adoção de uma política geral, a designação de organismos competentes, o fomento de estudos científicos e a adoção de
medidas legais, técnicas e administrativas apropriadas. O papel das comunidades
na identificação e transmissão do patrimônio cultural imaterial ocupa também um
lugar destacado, assim como a importância para salvaguardar o patrimônio cultural
imaterial para o desenvolvimento sustentável e a coesão social. (UNESCO, 2012b)
Em 27 de janeiro de 2012, o portal da Convenção noticiou que mais de um milhão
de dólares americanos haviam sido colocados à disposição para assegurar esforços de salvaguarda do patrimônio imaterial em oito países da região da Ásia e do
Pacífico (Butão, Camboja, Mongólia, Nepal, Papua Nova Guiné, Samoa, Sri Lanka e
Timor Oriental). Como justificativa para esta ação, a UNESCO reiterava que a enorme
riqueza das práticas culturais, os sistemas de conhecimento e os rituais existentes na
região se encontram ameaçados. Que a salvaguarda do patrimônio vivo se faz cada
vez mais necessária para o desenvolvimento sustentável dos países implicados, e que
o patrimônio imaterial influi no bem-estar das pessoas, nas suas relações com as
demais e com seu entorno natural, além de dotar as comunidades de um sentido de
pertencimento e favorecer a coesão social. Com recursos da Noruega para o Fundo,
outro projeto em andamento centra-se no desenvolvimento dos conhecimentos e da
capacidade institucional em países da Ásia Central, e países africanos de fala portuguesa e do Caribe. Para fomentar o projeto no Cazaquistão, representantes de organizações governamentais e não-governamentais, instituições acadêmicas e educativas
e as comunidades receberão uma formação sobre a aplicação da Convenção para a
Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial de 2003 em nível nacional, com recursos
provenientes de vários países, entre eles Bulgária, Chipre, Flandres (Bélgica), Hungria,
Japão, Noruega, República da Coreia, Espanha, Emirados Árabes e União Europeia.
A trajetória da patrimonialização das diferenças
no Brasil
O Brasil promulgou a Convenção para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial
em 12 de abril de 2006 pelo Decreto n. 5.753, assinado pelo então ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, e o então presidente da República, Luiz Inácio Lula
da Silva. É importante chamar a atenção para a conjuntura favorável que se criou no
país a partir do processo de redemocratização iniciado no final dos anos 1980 e que
77
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
consolidou uma crescente participação da sociedade civil no governo, sobretudo das
camadas populares durante o período de governo do presidente Lula (2003-2010).
Na área da cultura, tendo à frente o ministro Gilberto Gil, um novo Plano Nacional
de Cultura foi formulado e pactuado entre diversos setores, com a realização de inúmeros fóruns de discussão por todo o país. Há que se registrar a criação, em 2003,
da Secretaria da Diversidade e Identidade Cultural no contexto deste Ministério que
visava, entre outras ações, democratizar o acesso aos mecanismos de apoio, promoção e intercâmbio cultural entre as regiões e grupos culturais brasileiros, considerando características identitárias por gênero, orientação sexual, grupos etários,
étnicos e da cultura popular.
Uma das metas desta Secretaria, em consonância com a plataforma do próprio
governo, consistia em estimular ações para que a cultura se tornasse ferramenta efetiva de desenvolvimento sustentável em microrregiões do país. Levando em conta o
tamanho do território brasileiro e as históricas desigualdades regionais no que tange
ao acesso à cultura e ao desenvolvimento, a criação desta Secretaria reforçava uma
política do Ministério da Cultura de inclusão social e construção da cidadania. Lembremos do slogan do governo Lula, “Brasil, um país de todos”. Lembremos também
que o regime federativo no Brasil implicou historicamente em dissimilitudes com relação ao alcance de políticas públicas nacionais, inclusive no que tange ao campo da
patrimonialização. Lembremos ainda que, no bojo do processo de redemocratização
do país, a partir dos anos 1980, novas formas de financiamento das ações culturais,
inclusive relativas às políticas de patrimonialização, entraram em cena. Ficou popularmente conhecido como “leis da cultura” um conjunto de medidas para estimular o
mecenato e o investimento da área privada em projetos culturais. O papel do Estado
na área da cultura foi completamente redefinido. De grande promotor e financiador da
cultura, o governo brasileiro passou ao papel de estimulador e regulador da entrada do
capital privado por meio de mecanismos de renúncia fiscal. (Abreu, 2010, p. 163-203)
É neste contexto de redemocratização e no interior de um Estado em pleno processo
de reforma e redefinição de seu papel que uma das instituições mais prestigiadas
do país, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan traçou seus
novos rumos. Durante o governo de Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), já
havia sido criado um programa voltado para a patrimonialização do imaterial, como
consequência direta da Recomendação para a Salvaguarda da Cultura Tradicional e
Popular lançada em 1989. Para debater a Recomendação, um grupo de profissionais
do Iphan reuniu-se na cidade de Fortaleza, no Ceará, ali formulando um documento e
uma proposta de ação. A conjuntura era altamente favorável, um ano após a promulgação da nova Constituição brasileira de 1988. Esta nova carta magna brasileira, no
artigo 216, já havia ampliado a definição de patrimônio cultural brasileiro:
78
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
[...] bens de natureza material e imaterial, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes
grupos formadores da sociedade brasileira, nos quais se incluem: I - as formas
de expressão; II - os modos de criar, fazer e viver; III - as criações científicas,
artísticas e tecnológicas; IV - as obras, objetos, documentos, edificações e
demais espaços destinados às manifestações artístico-culturais; V - os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico, paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e científico. [A mesma carta magna (art. 216 parágrafo 1)
apontava caminhos para os processos de patrimonialização, entendendo como
dever do Poder Público] com a colaboração da comunidade, promover e proteger o patrimônio cultural brasileiro, por meio de inventários, registros, vigilância, tombamento e desapropriação, e de outras formas de acautelamento e
preservação. (Brasil, 1988)
Como consequência direta, criou-se, em 4 de agosto de 2000, por meio do Decreto
Federal n. 3.551, o Programa Nacional de Patrimônio Imaterial com o objetivo de
“viabilizar projetos de identificação, reconhecimento, salvaguarda e promoção da
dimensão imaterial do patrimônio cultural”. Observemos que este programa nasce
como um programa de fomento que busca estabelecer parcerias com instituições
dos governos federal, estadual e municipal, universidades, ONGs, agências de desenvolvimento e organizações privadas ligadas à cultura, à pesquisa e ao financiamento.
(Iphan, 2012) O Decreto Federal n. 3.551 tratava de estimular a própria sociedade
a construir uma mentalidade de promoção e proteção ao patrimônio imaterial, propondo ações e estabelecendo parcerias. Este aspecto me parece central, pois reflete
o espírito dos novos tempos, em que o Estado aparece como fomentador e regulador
de uma política que deve necessariamente envolver vários setores da sociedade: as
comunidades, os especialistas, as organizações não-governamentais, as empresas
privadas, as universidades.
O Decreto n. 3.551 instituiu dois mecanismos de valorização dos chamados aspectos imateriais do patrimônio cultural: o inventário dos bens culturais imateriais e o
registro daqueles considerados merecedores de uma distinção por parte do Estado.
Foram considerados bens culturais imateriais, as festas, celebrações, narrativas
orais, danças, músicas, modos de fazer artesanais, enfim, um conjunto de expressões culturais que não estavam contempladas nas políticas patrimoniais até então,
predominantemente voltadas para o patrimônio material. Segundo Marcia Sant’Anna
(2009), uma das formuladoras deste programa, o objetivo do Programa Nacional
do Patrimônio Imaterial consistiu em “implementar uma política de identificação,
inventário e valorização desse patrimônio”. Foram instituídos livros para inscrever os
bens a serem registrados (patrimonializados), respectivamente, Livro de Registro dos
79
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
Saberes (para o registro de conhecimentos e modos de fazer); Livro de Registro das
Celebrações (para as festas, os rituais e os folguedos), Livro das Formas de Expressão (para a inscrição de manifestações literárias, musicais, plásticas, cênicas e lúdicas), e Livro dos Lugares (destinado à inscrição de espaços onde se concentram e se
reproduzem práticas culturais coletivas).
Paralelamente, o Iphan desenvolveu uma metodologia de inventário de referências
culturais – instrumento para subsidiar as ações de registro e realizar um recenseamento mais amplo das manifestações culturais do país. Nas palavras de Marcia
Sant’Anna (2009, p. 56):
O Inventário Nacional de Referências Culturais (INRC) é um instrumento de
pesquisa que busca dar conta dos processos de produção desses bens, dos
valores neles investidos, de sua transmissão e reprodução, bem como de suas
condições materiais de produção. Operando com o conceito de referência cultural, o INRC supera a falsa dicotomia entre o patrimônio material e o imaterial,
tomando-os como faces de uma mesma moeda: o patrimônio cultural.
Com este programa nacional de patrimônio imaterial, o Iphan antecedeu-se à Convenção de Salvaguarda do Patrimônio Imaterial da UNESCO de 2003. Quando, em
2006, o Brasil ratificou a Convenção, ações concretas já estavam em andamento
para a promoção e proteção do patrimônio cultural imaterial brasileiro.
Tendo em vista que o aspecto substantivo destas ações era de fomento e estímulo à
ampla participação da sociedade para a demanda de patrimonializações (registros)
e a realização de inventários (INRC), novos elementos emergiram na dinâmica dos
processos de patrimonialização. Um destes elementos consistiu na mencionada participação da comunidade ou grupo social envolvido com a referência cultural inventariada ou candidata à patrimonialização. Já vimos que a tônica nos programas tanto no
nível internacional quanto no caso brasileiro enfatizavam a participação popular nos
programas de patrimonialização. Percebe-se, portanto, uma intenção clara de reconhecimento do protagonismo social dos grupos envolvidos. A própria Constituição
brasileira de 1988, em seu artigo 215, assinala o papel do Estado como protetor das
manifestações das culturas populares, indígenas e afro-brasileiras, e das de outros
grupos participantes do processo civilizatório nacional.
Outro elemento importante relaciona-se ao papel dos especialistas, notadamente
dos antropólogos, nas ações referentes à patrimonialização nesta nova configuração. Aos antropólogos era destinada uma função importante no assessoramento
aos grupos sociais detentores das manifestações culturais a serem inventariadas ou
80
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
registradas. O próprio método do INRC foi criado tendo por base uma experiência
piloto coordenada por um antropólogo, Antônio Augusto Arantes, em Porto Seguro,
na Bahia, em 1999. A metodologia de pesquisa proposta inspira-se fortemente na
tradição dos estudos antropológicos, sendo previstos: um levantamento preliminar,
quando são realizadas pesquisas em fontes secundárias e em documentos oficiais,
seguido de entrevistas com a população e contatos com instituições, propiciando um
mapeamento geral dos bens existentes num determinado sítio e a seleção dos que
serão identificados. Nesta fase, identificam-se os aspectos básicos dos processos de
configuração da manifestação, seus executantes, seus mestres, seus aprendizes e
seu público, assim como suas condições materiais de produção (matérias-primas e
acesso a estas, recursos financeiros envolvidos, comercialização, distribuição, entre
outros). Esta etapa inclui uma documentação por meio de registro audiovisual. O
estágio seguinte, relacionado ao registro, isto é à patrimonialização propriamente
dita, corresponde a um trabalho técnico, mais aprofundado, de natureza eminentemente etnográfica. (Santanna, 2009, p. 57)
Como assinalou Maria Cecília Londres Fonseca, uma das formuladoras do Programa
Nacional do Patrimônio Imaterial e consultora do Ministério da Cultura na ocasião,
o que está sendo patrimonializado neste caso não são bens materiais, “edificações,
sítios e obras de arte”, mas fundamentalmente, “narrativas” ou ainda “uma formação
discursiva que permite mapear conteúdos simbólicos, visando a descrever a formação da nação e constituir uma identidade cultural brasileira”. (Fonseca, 1997, p. 209)
Neste caso, portanto, o que está sendo inventariado e passível de ser inscrito no
livro de registros do patrimônio cultural brasileiro é uma materialidade discursiva,
por meios escritos ou audiovisuais que serão posteriormente transformados em bits
e inscritos no portal do Patrimônio Cultural Imaterial brasileiro e, em alguns casos, no
portal do Patrimônio Cultural da UNESCO, em suas listas de patrimônios da humanidade. Esta produção discursiva complexa implica uma série de agenciamentos entre
os especialistas, grande parte antropólogos, e as comunidades e seus representantes. Com relação a estes últimos, há que se levar em conta que as comunidades
raramente apresentam características de homogeneidade e unidade, o que significa
travar contato com um mundo pleno de clivagens, hierarquias e tensões. Há ainda
outros elementos que passam a integrar esta nova dinâmica de patrimonialização:
os patrocinadores, os poderes públicos locais e nacionais e outras instituições e
agências como as universidades, as instituições não-governamentais, as associações comunitárias.
81
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
A construção dos dossiês: patrimonializando uma
cultura indígena, o caso Wajãpi
No dia 4 de agosto de 2002, o Iphan conferia o título de patrimônio cultural do Brasil
à arte Kusiwa – pintura corporal e arte gráfica Wajãpi, dos índios Wajãpi do Estado do
Amapá, registrando esta manifestação cultural no Livro dos Saberes. O certificado
da titulação constitui uma espécie de síntese de um extenso dossiê contendo documentos textuais, bibliográficos e audiovisuais produzido pela antropóloga Dominique
Tilkin Gallois (2006) com apoio de outros pesquisadores do Núcleo de História Indígena e do Indigenismo da Universidade de São Paulo (NHII/USP) e com a colaboração dos assessores do Programa Wajãpi desenvolvido pelo Instituto de Pesquisa e
Formação Indígena/Iepé. A iniciativa da candidatura ao Programa Nacional do Patrimônio Imaterial correspondia a uma “solicitação expressa dos principais chefes e
professores indígenas, representados no Conselho das Aldeias Wajãpi/Apina com
o qual o Museu do Índio (instituição vinculada ao governo federal) vinha mantendo
parceria desde 2001, no âmbito da preparação e montagem da exposição “Tempo e
Espaço na Amazônia: os Wajãpi”. (Gallois, 2005, p. 110-129; Abreu, 2012)
Esta síntese do dossiê expressa peculiar esforço de tradução cultural e de descrição
de uma manifestação cultural exercida no cotidiano das aldeias Wajãpi. A arte Kusiwa
é definida, em poucas palavras, como um sistema de representação, uma linguagem
gráfica dos índios Wajãpi do Amapá que sintetiza seu modo particular de conhecer,
conceber e agir sobre o universo. Ainda segundo este documento, o sistema gráfico
Kusiwa opera como um catalisador para a expressão de conhecimentos e práticas
que envolvem relações sociais, crenças religiosas e tecnologias, até valores estéticos
e morais. A arte Kusiwa é também considerada como uma arte gráfica de excepcional valor, funcionando como um conhecimento complementar à arte verbal ou aos
relatos orais do grupo indígena. Ou ainda uma prática permanentemente interativa,
viva e dinâmica. Trata-se de um acervo cultural que se transforma de forma dinâmica,
com a inclusão de novos elementos, enquanto outros podem entrar em desuso ou
se modificar através de suas variantes. A descrição contabiliza vinte e um padrões
utilizados, que representam partes do corpo ou da ornamentação de animais, como
sucuris, jiboias, onças, jabotis, peixes, borboletas; e objetos, como limas de ferros e
bordunas e que podem ser combinados de muitas maneiras diferentes.
O registro patrimonial diz ainda que o grafismo é tradicionalmente utilizado como pintura corporal, por prazer estético e desafio criativo em atividades do cotidiano, realizada no âmbito familiar. Sendo uma tradição viva, modificações ocorrem de tempos
em tempos. Diz ainda o documento que a arte Kusiwa, antes reservada apenas ao
corpo, está sendo aplicada pelos Wajãpi a um conjunto variado de suportes. Fazem
82
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
desenhos nas peças de cerâmica destinada à venda, decoram suas cuias com motivos incisos, utilizados também na tecelagem de bolsas e tipoias e no trançado de
seus cestos. O uso do papel e de canetas coloridas constitui-se num campo novo e
muito apreciado para esta expressão cultural. Mas é tradição utilizar recursos da floresta como sementes de urucum, óleo de andiroba, gordura de macaco, carvão para
a obtenção das três cores utilizadas: o vermelho claro, o preto azulado, o vermelho
escuro. (Iphan, 2002)
O registro explicita que a descrição sintética apresentada corresponde ao conteúdo
de um processo administrativo mais amplo, no qual se encontra reunido o mais
completo conhecimento sobre este bem cultural, contido em documentos textuais,
bibliográficos e audiovisuais e que o presente registro está de acordo com a decisão
proferida na trigésima oitava reunião do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural.
Tomando por base a literatura sobre processos de patrimonialização, na qual se
chama a atenção para a mudança de estatuto de um bem cultural que sai de circulação em certa esfera para adquirir significados simbólicos em outra, as perguntas
que podemos fazer são: O que muda em casos como este? Quais as novidades destes processos de patrimonialização com relação àqueles existentes para a cultura
material? E o que permanece sob novas roupagens? Uma primeira observação é que,
neste caso, “o bem cultural” não sai de circulação, ou seja, não perde seu “valor
de uso” para usar a expressão de K. Pomian. (1997, p. 51-87) Mas, efetivamente,
ele adquire um valor simbólico que antes não encarnava, mesmo continuando a ser
amplamente usado no cotidiano. A patrimonialização envolve uma dimensão valorativa ainda que a atividade consagrada componha o simples dia a dia das aldeias e que
não se pretenda alterar este ritmo. Como salienta o documento referente ao certificado de registro, “as pinturas aplicadas no corpo não são tatuagens, nem decalques,
nem são marcas étnicas ou símbolos rituais”, mas são simplesmente uma tradição
“por prazer estético e desafio criativo”, realizada por todos das aldeias – homens,
mulheres, crianças – em atividades cotidianas. (Iphan, 2002)
Esta dimensão valorativa é a mesma que o Iphan confere às igrejas barrocas de Ouro
Preto, ao edifício modernista do Palácio Gustavo Capanema, ao prédio do Museu
Histórico Nacional. Trata-se de um título honorífico e com alto grau de simbolismo.
Por meio de um ritual que confere a este bem cultural o título de patrimônio cultural
do Brasil, sinaliza-se uma dimensão simbólica de representação da nacionalidade.
Neste sentido, a arte Kusiwa ganha o mesmo estatuto de proteção que qualquer
bem material tombado. Ela é investida desta aura simbólica que identifica o bem
cultural (parte) com o coletivo de indivíduos (todo) e o indivíduo coletivo que a nação
representa. E esta aura simbólica traz os índios Wajãpi da Amazônia para bem perto
83
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
de nós, os brasileiros. Somos todos Wajãpi e festejamos com eles a conquista deste
título. Esta similitude aproxima a arte Kusiwa de tantos outros bens culturais nos
quais reconhecemos o signo construído do pertencimento à nação brasileira. E por
meio do Decreto n. 3.551/2000, a arte Kusiwa passa a ter o mesmo estatuto de proteção do Estado que no Brasil tem a coroa do imperador ou na Inglaterra as joias da
Coroa. E este é só o início do processo, pois a máquina do Estado, uma vez acionada,
gerará os desdobramentos previstos de difusão e construção de uma longa trajetória
de acompanhamento do bem cultural patrimonializado.
Mas aqui se coloca a questão: diferentemente das igrejas barrocas de Ouro Preto
ou das joias da Coroa britânica, este bem cultural se mantém vivo no cotidiano das
aldeias Wajãpi. Ele não perdeu seu valor de uso. Como bem cultural vivo nas aldeias
Wajãpi, a memória desta tradição é repassada cotidianamente entre os indígenas. E
o grande paradoxo é que, enquanto bem cultural patrimonializado, ele não pode morrer, ou seja, não pode deixar de ser uma tradição viva no cotidiano das aldeias. Quer
dizer, não pode perder seu valor de uso sob pena de perder o título. Aliás, o título é
também uma forma de proteção de que seu valor de uso não será perdido. Neste sentido, como apontou Jean Davallon em conferência recente, a política de patrimonialização do imaterial está patrimonializando a memória de um grupo social. Caso este
grupo decida, por algum motivo, abolir a prática que foi patrimonializada, o objeto
da patrimonialização perde o sentido. Desse modo, quero chamar a atenção para o
fato de que o discurso, a narrativa construída para a patrimonialização de um bem
cultural deste tipo constitui a primeira forma de sua proteção. É neste momento que
“registra-se” num livro especial, no caso dos Wajãpi, no Livro dos Saberes, uma descrição do bem cultural a ser certificado. Chamo a atenção para que não é por acaso
que “registro” é o nome convencionado para a atribuição do título de patrimônio
cultural do Brasil a um “bem cultural imaterial”, distinguindo-se do dispositivo similar,
“tombamento” para “bens culturais materiais”. O “tombamento” sinaliza que uma
edificação ou um objeto não pode ser destruído fisicamente. O “registro” sinaliza
que uma primeira proteção foi estabelecida para que um “bem cultural imaterial” não
desapareça da memória social. O “registro” é uma forma de estimular a reativação de
um “bem cultural imaterial” caso ele venha a sofrer a ameaça de desaparecimento.
Bem, chegamos agora a alguns desdobramentos. Se o “registro” é fundamental, ele
implica uma “tradução” entre dois regimes culturais diferentes. A produção do discurso relativo ao inventário e registro de um bem cultural imaterial necessita de “tradutores” para o diálogo entre a comunidade onde a manifestação cultural é cultivada
e a instituição que realiza a patrimonialização. Esta “tradução”, como fica visível nos
certificados da titulação, impõe uma atitude reflexiva com relação ao bem cultural
em processo de patrimonialização. As comunidades tradicionais, como, por exemplo,
84
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
a comunidade Wajãpi, passará, a partir de então, a trabalhar com duas modalidades
de relação com o respectivo bem cultural. De um lado, vivenciando-o e mantendo
a tradição em circulação no grupo e na memória social e, de outro lado, sistematizando-o discursivamente, isto é, representando, por meio de linguagens audiovisuais,
fotográficas, digitais, aspectos desta tradição que devem ser permanentes. Como é
previsto que o bem cultural possa se modificar com o tempo, ele deve ser acompanhado por meio de alguns dispositivos, entre eles um plano de salvaguarda.
Retomemos a trajetória da arte Kusiwa Wajãpi. Segundo relato da antropóloga Dominique T. Gallois (no prelo), em 2003, o Conselho das Aldeias Wajãpi encaminhou,
através do Museu do Índio – Funai e do Ministério da Cultura, sua candidatura à 2a
Proclamação das Obras-Primas do Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade, propondo o desenvolvimento de um plano de salvaguarda intitulado “Plano integrado de
valorização dos conhecimentos tradicionais para o desenvolvimento socioambiental
sustentável das aldeias Wajãpi do Amapá”. Em novembro do mesmo ano, a UNESCO
anunciou o resultado distinguindo as “Expressões gráficas e orais dos índios Wajãpi”
na lista das obras-primas do patrimônio oral e imaterial da humanidade. A comunidade indígena encheu-se de autoestima e festejou com alegria o feito de terem alcançado agora um título internacional. Dominique T. Gallois (2005, p. 110-129) relata que
“as festas do prêmio” ocorreram na virada do ano, em cinco aldeias concomitantemente, e nenhum karikô (não índio) foi autorizado a participar.
É ainda Dominique T. Gallois quem relata que o plano de salvaguarda foi elaborado
em 2003/2004 por alguns chefes da aldeia, com a colaboração de professores, de
alguns agentes de saúde e com a sua assessoria. Um dos objetivos consistia em
mobilizar as quarenta e oito aldeias Wajãpi na valorização dos saberes e práticas tradicionais. A estratégia escolhida pelos chefes indígenas foi a de organizar uma turma
de “pesquisadores Wajãpi”, recrutados em diversas aldeias, que deveriam ser formados para auxiliá-los na discussão das transformações em curso no modo de vida e
para ajudar os professores a inserir, de forma adequada, a “cultura wajãpi” na escola.
A experiência com o plano de salvaguarda é bastante ilustrativa das questões que
envolvem a difícil tarefa da “tradução cultural” que a patrimonialização das diferenças
envolve. De um lado, a dupla patrimonialização – como patrimônio nacional e como
patrimônio da humanidade – encheu a comunidade Wajãpi de orgulho. De outro lado,
um longo e novo caminho se impôs trazendo questões até então impensadas. Refletindo sobre estas questões mais de dez anos depois, a antropóloga Dominique T.
Gallois nos traz algumas “coisas boas pra pensar”. Para se compreender a maneira
pela qual os Wajãpi apropriaram-se das novas políticas públicas de patrimonialização, tanto no campo nacional quanto internacional, é preciso retroceder um pouco
85
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
no tempo e entender o lugar que as comunidades indígenas conquistaram no Brasil a
partir do processo de redemocratização e da Constituição de 1988.
A nova dinâmica social no Brasil e os sujeitos
de direito coletivo
A nova configuração social e política que se produziu no Brasil no final dos anos
1980, e que se consolidou com a promulgação de uma nova Constituição em 1988,
afetou diversos campos, entre eles, o campo do patrimônio, principalmente por tornar possível a entrada em cena de novos sujeitos de direito coletivo, defendendo
seus próprios interesses e trazendo suas próprias demandas de patrimonialização
e preservação de suas tradições. Por meio de uma crescente participação da sociedade civil no governo, o país deu um salto de qualidade no fortalecimento de movimentos de ação afirmativa, no empenho da construção da autoestima e dignidade
social para agrupamentos sociais que antes eram marginalizados social, econômica
e politicamente. Novas identidades coletivas foram construídas e potencializadas
pelos movimentos sociais e pelas novas conquistas democráticas.
Como consequência de muitos anos de mobilização, a nova Constituição é bastante
avançada no que diz respeito à proteção de direitos sociais, da diversidade cultural
e da biodiversidade. Nela, legitima-se, a partir da perspectiva da etnicidade, a emergência de novos sujeitos coletivos com proteção especial garantida por lei: os povos
indígenas, os quilombolas, os povos da floresta e outros grupos sociais com interesses coletivos de natureza econômica, política e cultural. Podemos dizer, pois, que a
Constituição de 1988 representou um marco no país como discurso fundador que
desencadeou novas perspectivas para as identidades coletivas emergentes.
Nos anos que se seguiram, e especialmente após a Convenção da Biodiversidade
de 1992, vários projetos de lei foram sendo sancionados com relação às “culturas
populares e tradicionais” e também ao “conhecimento tradicional associado à biodiversidade”. (Araújo, 1996, 2006; Ávila, 2006) Proliferaram os documentos, leis e
decretos em torno da questão da “diversidade cultural”, dos “recursos genéticos” e
dos “conhecimentos tradicionais associados”, o que permite perceber uma expressiva quantidade de forças sociais envolvidas. Percebe-se também o progressivo alargamento do conceito de patrimônio e seus qualificativos: genético, químico, natural,
imaterial ou intangível, entre outros. (Abreu, 2007, p. 271-284; 2009, p. 34-48)
A Constituição e os novos projetos de lei que se seguiram garantiram caminhos
possíveis para a proteção de “interesses coletivos” de “coletividades singulares”-
86
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
denominadas ora por “comunidades locais” ora por “populações tradicionais”.
Ligados a uma coletividade determinável, surgiram os interesses coletivos de
natureza econômica e de conteúdo cultural, além dos interesses de natureza
ambiental e social. No livro organizado pela antropóloga Eliane Cantarino O’Dwyer
(2002), encontramos a expressão “remanescentes de quilombos” como referência
a grupos étnicos que guardam referências identitárias comuns associadas a uma
representação do passado, especialmente da vivência da escravidão, bem como a
um tipo de organização que persistiu ao longo dos anos.
Como assinalou o antropólogo Alfredo Wagner de Almeida: (2008, p. 70)
a categoria “povos da floresta”, que emerge em 1988, a partir de mobilizações
políticas, sintetiza este processo social e identitário. Trata-se de um primeiro
momento para se compreender o surgimento de novas identidades coletivas
e sua objetivação em movimentos sociais, apoiados na força mobilizatória de
etnias, de comunidades extrativistas, que agrupam famílias de produtores diretos com consciência ambiental aguçada e laços locais profundos. Neste processo, os agentes sociais deixam de ser vistos como “indivíduos biológicos”, de
existência serial e atomizada, para assumir, sob condições de existência coletiva, uma posição de sujeitos sociais. As referências empíricas em pauta nos
remetem diretamente a sujeitos sociais construídos em consonância com suas
condições específicas de existência coletiva e afirmação identitária, a saber:
seringueiros, castanheiros, quebradeiras de coco de babaçu, quilombolas, pescadores, ribeirinhos e povos indígenas, então agrupados na União das Nações
Indígenas (UNI). A aproximação destas identidades emergentes, que se apoiam
numa autoconsciência cultural e começam a se organizar como força política,
resulta na denominada “aliança dos povos da floresta”, consolidando um significado mais abrangente de natureza, capaz de expressar a diversidade social e
étnica e seus repertórios de reivindicações face aos aparatos de Estado.
Os antropólogos que focalizam a nova dinâmica social no Brasil, como o próprio
Almeida, vêm sinalizando para o surgimento de novas percepções, novas maneiras
de fazer política, novas ontologias. Os novos sujeitos sociais passaram a falar em
seus próprios nomes, não mais aceitando que tudo ficasse depositado na “razão
iluminista” ou na ação estatal. Segundo Almeida,
As novas relações dos sujeitos sociais com a natureza, com a terra, com o
trabalho, com os outros homens, com a cultura erodiram o velho sistema classificatório que os reduzia a ocupações econômicas homogêneas ou a figuras típicas como pescadores, lavradores, agricultores, operários, soldados,
marinheiros e assim por diante. Estas categorias deixaram de ter funções
87
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
explicativas e foram transformadas com as mobilizações políticas, a consciência ambiental e o advento das novas identidades coletivas. O que passa a
importar é como esses grupos sociais se autodefinem e chamam a si mesmos,
e não mais como os outros os designam. Não importa mais como o Estado,
os grandes empreendimentos econômicos ou os eruditos os classificam ou
querem classificar. Já não se catalogam pessoas como se catalogavam “indivíduos” e “espécies” da natureza e as “variedades” não correspondem à diversidade social. Assim, em vez de ter apenas uma “razão” em pauta, passamos
a ter múltiplas. Estamos diante, hoje, sobretudo a partir de 1988, de múltiplas
racionalidades concorrentes, implodindo com a ideia de um “racional superior” alimentado secularmente pelo colonialismo. Trata-se do reconhecimento
jurídico-formal de uma diversidade social liberta da moldura fisiográfica.
(Almeida, 2008 p. 73-74)
É neste contexto que podemos falar em mudanças efetivas das correlações de força
dos agentes sociais e governamentais nos processos de patrimonialização. Estas
mudanças ficam visíveis quando analisamos casos específicos da apropriação das
políticas públicas no campo do patrimônio cultural pelas chamadas comunidades
tradicionais. Uma categoria central como a de “tradição” ganha novos contornos
e parece estar sendo construída social e politicamente no tempo presente, a partir
de projetos de futuro. Assim, o que muitas vezes chamamos de comunidades tradicionais, como as sociedades indígenas, são os novos sujeitos coletivos que nada
têm a ver com remanescentes de comunidades primitivas ou resíduos de estágios
anteriores na formação social. Estas sociedades são permanentemente redefinidas e
recicladas a partir dos efeitos de movimentos sociais.
É interessante observar como os novos sujeitos de direito coletivo passaram a articular projetos políticos e sociais a partir de estratégias patrimoniais. Além do Programa
Nacional do Patrimônio Imaterial, estas comunidades vêm experimentando novas
modalidades de relação com a construção e a difusão de suas próprias memórias
em projetos de museus sociais. (Abreu & Chagas, 2007, p. 130-152; Freire, 2009, p.
217-253) e outros programas fomentados pelo governo, como os “pontos de memória” e as organizações não-governamentais voltadas para direitos humanos e para a
inclusão social e política destas populações. São novas formas de apropriação das
políticas públicas em memória e patrimônio que estão associadas a lutas por direitos
sociais, da propriedade territorial e de garantias de cidadania. Em torno de políticas
nacionais e internacionais relacionadas ao campo do patrimônio, observa-se ainda
uma tendência crescente à valorização da cultura popular, da tradição de grupos
populares. E esta tendência vai revelando um patrimônio mais ligado ao cotidiano, a
formas de vida populares e relacionadas com a natureza. O patrimônio monumental
88
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
relacionado às elites perde força neste novo enquadramento. Quero enfatizar aqui
a concepção de que se processam diferentes formas de apropriação da categoria
“patrimônio” e diferentes usos das políticas nacionais e internacionais do campo do
patrimônio por estes sujeitos coletivos. Tal como ocorreu com o conceito de “cultura”, o tema do patrimônio encarna hoje “um novo papel como argumento político e
vem servindo como arma dos fracos”. (Cunha, 2009)
Desdobramentos e consequências de processos
de patrimonialização das diferenças
O caso Wajãpi é muito emblemático e serve como bom exemplo tanto para analisar
a nova configuração da patrimonialização das diferenças – movimento que se capilariza mundialmente a partir do protagonismo da UNESCO – quanto para analisar
os efeitos desta nova configuração no caso brasileiro. Por um lado, como vimos, a
patrimonialização da arte Kusiwa seguirá todos os procedimentos e percursos próprios desta modalidade de patrimonialização. Imagino que, nos mais de cem países
que ratificaram a Convenção para a Salvaguarda do Patrimônio Imaterial, questões
relativas à necessidade de tradução cultural, registro, discursividade, reflexividade
estejam surgindo e um caso como este dos Wajãpi possa talvez servir para iluminar
muitos outros. Entretanto, tenho certeza de que há diferenças impostas pelos contextos sociais e políticos em que estas patrimonializações ocorrem. Sendo assim, é
preciso analisar cada caso e perceber as novidades que podem estar trazendo.
No Brasil, as políticas públicas relativas à salvaguarda da cultura tradicional e popular
e, mais especificamente, à salvaguarda do patrimônio cultural imaterial, já encontram um terreno fértil ao se voltarem para as chamadas sociedades tradicionais.
Estas, especialmente as sociedades indígenas, já vinham de um longo processo de
lutas políticas e de reconhecimento e valorização de identidades étnicas. Particularmente importante foram os processos de lutas pelas terras com políticas de efetivas
demarcações de territórios indígenas. Nestes processos, foram também se tecendo
relações de aliança com diversos setores do governo e da sociedade civil: universidades, organizações sociais, instituições de pesquisa, agências governamentais,
agências internacionais de apoio e patrocínio. Particularmente os antropólogos vêm
desempenhando importantes papéis de mediadores e de defensores de causas destes novos sujeitos coletivos e, portanto, de “tradutores culturais” no contexto de
uma extensa rede. Estas conquistas implicam em conquistas jurídicas e envolvem
diversos poderes e instâncias governamentais (locais, nacionais, internacionais).
Dominique T. Gallois (2011, p. 95-116) cita ainda “a instalação de escolas, as práticas
de assistência à saúde, que vêm há décadas sendo operadas como política pública
89
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
(primeiro pelo Serviço de Proteção ao Índio, depois pela Fundação Nacional do Índio
– Funai e, na sequência, por ministérios preocupados em “incluir” os índios)”.
Para um estudo sobre os efeitos das políticas de patrimonialização das diferenças
é importante levar em conta as condições sociais e políticas que antecedem os planos de salvaguarda. Como já assinalamos, estas são políticas que dependem em
larga medida de um protagonismo das comunidades envolvidas. Os “tradutores culturais” apenas podem agir em comunidades dispostas a levar adiante os processos
de patrimonialização. Citamos anteriormente diferentes casos em países da África,
da Ásia e da América Latina em que a UNESCO busca dispositivos para instrumentalizar a população e construir indivíduos capazes de exercer a liderança e se tornarem gestores de processos de patrimonialização. O caso brasileiro apresenta como
peculiaridade e, especialmente, entre os povos indígenas, o fato de que algumas
destas etapas já foram vencidas em função de outras experiências de contato. Podemos supor que comunidades tradicionais que passaram por experiências históricas
traumáticas como guerras e conflitos sociais ou que não se libertaram de governos
autoritários passem por trajetórias bem diferentes das que vêm ocorrendo em casos
como este que descrevo no Brasil.
Os Wajãpi foram adquirindo uma consciência de si e forjando uma identidade étnica
no próprio contexto da demarcação de suas terras que começou em 1994. Foi neste
mesmo ano que eles criaram uma organização não-governamental, o Conselho das
Aldeias Wajãpi, a Apina. Atualmente, eles vivem numa terra indígena protegida pelo
Estado, com cerca de seiscentos e quatro mil hectares. Cada grupo Wajãpi mora em
uma aldeia separada. Somam um total de treze aldeias, e a população vem aumentando sensivelmente. Através da Apina, eles vêm promovendo projetos de desenvolvimento sustentável ligados ao artesanato e ao garimpo, com substâncias não
poluentes. Praticam também o extrativismo como alternativa econômica de sustento
na floresta sem causar o desmatamento e a poluição ambiental, produzindo e vendendo produtos agrícolas, como o cupuaçu, a copaíba e a castanha.
Ao analisar os efeitos da patrimonialização da arte Kusiwa, dez anos depois, a antropóloga Dominique T. Gallois assinala que muitas das questões que chegaram com
os títulos de patrimônio cultural do Brasil e de patrimônio oral e imaterial da humanidade já eram enfrentadas anteriormente. A patrimonialização trouxe novos ingredientes e favoreceu certos processos que já estavam em curso. Uma das questões
relaciona-se à construção de uma postura reflexiva que o plano de salvaguarda e as
necessárias sistematizações dos processos tradicionais envolvem. Estas questões já
ocorriam a partir da chegada da escola nas aldeias.
90
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
A transposição para a escrita de narrativas míticas, ou seja, de experiências de
encontros entre ancestrais e seres do início dos tempos, criou tantas confusões, críticas e disputas de versões que esses jovens passaram a desenvolver
reflexões muito interessantes a respeito dessa dificuldade de transposição e
registro escrito. Alguns deles procuravam manter em seus registros não só
as marcas autorais correntes na narração como discutiam cuidadosamente as
variações, percebidas como valor, e não como problemas. Como diziam esses
professores indígenas, é difícil “resumir a cultura Wajãpi”. Afirmavam inclusive
que ela não existe mesmo se utilizam a palavra cultura para uso político em
palcos interétnicos. Aliás, é o que pensam os mais velhos, que continuam contando como os Wajãpi, em tempos remotos, “roubaram” dos animais ou dos inimigos a maior parte dos elementos culturais de que fazem uso hoje. Da mesma
forma, como vimos, não há problema em afirmar que tal padrão gráfico ou
canto ou item decorativo foi apropriado dos Wayana, ou de outro grupo. Cultura
wajãpi mesmo, como eles dizem, não existe. (Gallois, 2011, p. 114)
Mas, embora fossem enormes os problemas de transcrição das narrativas orais
para o domínio da escrita, a antropóloga assinala que, no processo de construção
do plano de salvaguarda, estes problemas foram minimizados diante da importante
aproximação que ocorreu entre os mais velhos e os mais jovens das aldeias. Estes
últimos afastavam-se cada vez mais dos saberes tradicionais e dos mais velhos e
viam na escola um espaço para se aproximarem do universo dos não índios que mais
lhe interessavam. Com o processo de patrimonialização, os mais jovens começaram
a valorizar os saberes tradicionais e os mais velhos, trazendo uma nova perspectiva
para a comunidade.
Ao propor um “plano de salvaguarda” para os grafismos e expressões gráficas Wajãpi, o Iphan (PCI) estimulou a realização de oficinas e uma “discussão”
entre os Wajãpi sobre a temática da cultura. “Toda essa discussão levou alguns
jovens interessados em comparar o que os Wajãpi chamam de dois caminhos
– o dos saberes dos não índios e dos saberes dos antigos – a uma reimersão
nos saberes tradicionais. São poucos indivíduos ainda, mas determinados e
engajados em aprender com os mais velhos as formas de enunciação julgadas corretas, belas. Esse foi, certamente, o resultado mais promissor desse
trabalho inicial de discussão sobre a temática da cultura, que se ampliou hoje
na forma de um “plano de salvaguarda”, conduzido pelo Conselho das Aldeias
Wajãpi – Apina e pelo Instituto de Pesquisa e Formação em Educação Indígena
– Iepé, com apoio do Iphan, da UNESCO, da Petrobrás Cultural e de outras
instituições. A via da patrimonialização suscitou, assim, um movimento de reaproximação entre as gerações, que está se consolidando lentamente, no bojo
91
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
de novas práticas de transmissão. Se o inventário dos bens imateriais Wajãpi
vai demorar a ser concluído, ou seja, se esta experiência de um programa de
salvaguarda não resultar em produtos tão acabados como se costuma exigir
nesse tipo de projetos, é certo que a reflexão de jovens e velhos Wajãpi sobre
todo esse percurso de sua cultura terá valido a pena. (Gallois, 2011, p. 114)
No contexto do registro do sistema gráfico Kusiwa como patrimônio cultural imaterial,
os jovens Wajãpi, estimulados por uma equipe acadêmica liderada por Dominique
Gallois, se mobilizaram para realizar pesquisas junto aos mais velhos. As lideranças
Wajãpi avaliaram que seria interessante um novo encontro com os saberes tradicionais, uma vez que os professores indígenas e os jovens ainda não são detentores
nem transmissores competentes dos conhecimentos de suas respectivas comunidades. Foi realizada uma pesquisa colaborativa intitulada “Saberes Wajãpi”, realizada
conjuntamente com pesquisadores acadêmicos do NHII-USP, educadores do Iepé,
representantes do Conselho das Aldeias Wajãpi/Apina e vinte jovens pesquisadores
em formação. Estas pesquisas tornaram-se uma oportunidade para um reencontro
entre gerações, em torno de problemáticas do conhecimento.
Dominique T. Gallois avalia positivamente a participação dos Wajãpi no processo de
patrimonialização. Por um lado, o Programa Nacional do Patrimônio Imaterial vem
possibilitando um conjunto de apoios às comunidades indígenas, bem como fomentando parcerias:
Investimentos em serviços de assessoria técnica e científica, alocação de
novas tecnologias de registro, com recursos públicos e privados, constituem
sem dúvida uma dimensão econômica a ser considerada, com impactos sociais,
políticos e culturais. São apoios que hoje se multiplicam no Brasil, viabilizando
a agregação de valor a algumas produções indígenas, em que o “bem” cultural
é, muitas vezes, menos importante que a produção de “produtores” desses
bens. Mesmo se admitimos que os resultados desses investimentos econômicos não são tão significativos no que diz respeito à sua resultante mercadológica. (Gallois, 2011, p. 98)
Por outro lado, para Dominique T. Gallois, o mais importante para os Wajãpi tem
sido a participação deles nos próprios processos de patrimonialização. A riqueza
destes processos parece ultrapassar qualquer resultado com relação aos produtos
finais em si mesmos (se é que eles existem no caso do patrimônio cultural imaterial). Transitando entre regimes culturais diferenciados, construindo novas formas
de olhar para si próprios e suas tradições, redescobrindo novos aspectos em seus
cotidianos, valorizando os mais velhos e seus saberes, enfim, a partir de um leque
92
PRIMEIRA PARTE. ABORDAGENS TEÓRICAS
amplo de novas perspectivas que as práticas patrimoniais engendram, na avaliação
de Gallois, os Wajãpi:
não só criam novos objetos, como constroem a si mesmos, enquanto sujeitos políticos e ativos agentes da mudança [...] A produção de objetos culturais (neste caso) parece ser indissociável da produção de sujeitos sociais. [Ou
ainda:] É no campo do reconhecimento político, da agregação de valores simbólicos que eles (os processos de patrimonialização) contribuem para a construção da cidadania das populações indígenas. (Gallois, 2011, p. 98)
A complexidade da nova configuração colocada em marcha por políticas de patrimonialização das culturas nos mais longínquos rincões do globo terrestre parece
ensejar novas modalidades de pesquisa. Como assinalou Jean Davallon (2010), a
instabilidade da noção de patrimônio designando realidades largamente contraditórias, tem levado os estudiosos a trabalharem com o conceito de “patrimonialização”.
Entender seus processos por meio de levantamentos detalhados em estudos de caso
pode ser um bom caminho para descortinar novos horizontes. Já não há mais tempo
a perder em polêmicas carregadas de juízos de valor que opõem a cultura material
à cultura imaterial, discutindo as vantagens desta ou daquela via. O fenômeno da
patrimonialização das diferenças tal como aqui foi exposto me parece constituir um
ponto de partida para o que ainda está por vir. É hora de contribuirmos com pesquisas consistentes refletindo sobre seus efeitos e desdobramentos.
93
Segunda parte. Análises de casos
95
O filme documentário como
discurso de patrimonialização da
música popular brasileira
Evelyn Goyannes Dill Orrico, Amir Geiger e Sabrina Dinola Gama Silva
Documentário musical e a patromonialização
Na última década, sobretudo nos últimos três anos, vem ocorrendo um aumento significativo na produção de filmes sobre música no Brasil. Mais especialmente, houve
uma produção expressiva de documentários tanto sobre gêneros musicais quanto
sobre músicos, cantores ou compositores1. Isso, de certo modo, despertou a atenção
sobre o que alguns autores vêm chamando, com teores diversos de ironia, crítica e
perplexidade, de boom ou inflação da memória na contemporaneidade2.
Dentro dessa nova produção de filmes, algo significativo ocorreu na relação entre
essas duas artes: de modo resumido e provocativo, pode-se afirmar que a música
passou da trilha para a tela, o que, por sua vez, nos instiga a pensar na relação
que essa mudança na ordem dos discursos e das percepções tem com a própria
realidade brasileira e as perspectivas ou desafios de representá-la, apreendê-la e
modificá-la – por exemplo, nas práticas patrimonializadoras.
Ao problematizarmos a maneira como as narrativas fílmicas retratam a ideia de
autenticidade de certas trajetórias, mais precisamente daquelas que caíram no
ostracismo no auge da MPB, objetivamos compreender seu papel na construção da
identidade brasileira.
Levando em conta o papel da música popular brasileira que, sob a sigla da MPB,
marcou o cenário musical brasileiro nos anos 1960 e 1970 como uma linguagem
1. Sinalizando e refletindo (sobre) essa produção, dois festivais de cinema, sediados no Brasil, tiveram
como tema, ou traziam como destaque, documentários sobre música brasileira: o Festival Internacional de Cinema de Arquivo – Recine, em 2010, e, no ano seguinte, a terceira edição do In-Edit Brasil.
2. Huyssen (2000) é particularmente incisivo na caracterização pós-moderna e ambígua dessa inflação como característica intrínseca da pós-modernidade.
97
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
musical que buscava expressar o Brasil, sendo, portanto, fortemente atrelada a um
gênero musical-identitário, este trabalho questiona, em primeiro lugar, de que modo
a relação da música com a identidade brasileira pode ser entendida segundo o que
chamamos de patrimonialização. Na atualidade, os diferentes grupos não mais se
reconhecem naqueles que produziriam uma “autêntica” cultura. É a discussão sobre
essa autêntica cultura que nos fez pensar em um processo de construção simbólica
valorativa em relação a determinadas formas artísticas, mais especialmente sobre
alguns artistas, que aqui denominamos patrimonialização. O cenário musical atual,
associado à produção intensa de documentários sobre música e músicos, nos fez
perceber a quebra da consciência homogeneizante que marcou o cenário musical
brasileiro nos anos 1960 e 1970.
Além disso, trazemos à discussão um outro fator importante na contemporaneidade:
a mediação cultural. Para nós importa pensar o papel que a mídia exerce nesse processo de patrimonialização. A título de exemplo, podemos citar a revista Carta Capital (2011, no 671), que publicou uma matéria sobre música, cujo título aproxima-a à
temática deste capítulo: “O novo ar da velha bossa. Patrimônio instrumental brasileiro, o Zimbo Trio lança trabalho autoral e tem os seus primeiros discos reeditados”.
A matéria versa sobre o lançamento de uma caixa de CDs do conjunto musical e o
texto elogia a trajetória do trio, evidenciando a sua importância para o cenário musical brasileiro desde quando foi criado, na segunda metade do século passado.
O primeiro ponto que nos chama atenção nessa aproximação é a apropriação, no título,
do termo patrimônio para vinculá-lo à excelência do trabalho artístico, qualificado na
matéria como “marco” da cultura musical brasileira. Além disso, é o diálogo estabelecido entre esse patrimônio e o papel que o grupo musical desempenhou na consolidação de uma produção artística respeitada no âmbito da cultura nacional, denominada
no texto por expressões como “[o trio] Logo viraria referência com sua nova forma de
tocar e acompanhar a música brasileira” e ainda “Os críticos ressaltavam: o Zimbo é
sofisticado, mas é samba da gente”. Com isso estamos discutindo o patrimônio como
valor estabelecido por um grupo social a determinadas manifestações culturais que
permitiriam – ou provocariam – que os brasileiros se reconhecessem como tal.
Como terceiro e último ponto de aproximação, vemos a relação com o que estamos
aqui adotando sob o rótulo de MPB como algo construído em prol de uma identidade
musical brasileira:
São as primeiras gravações comerciais do grupo, feitas para a gravadora RGE,
plenas de uma mensagem inconfundível: a música brasileira mudava. O grupo é
do samba, mas não deixou de gravar com orquestra, com cordas, com naipe de
98
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
metais, e numa época em que o violão […] e a brasilidade davam as cartas de
uma maneira quase radical. E, ao tomar essa atitude, o trio instrumental tornouse ainda mais querido de todos. (Carta Capital, 2011, no. 671, p. 89)
Acreditamos que mencionar essa matéria jornalística possa ilustrar o que aqui consideramos como a construção discursiva de representações de ícones de identidade e
memória de grupos sociais, ao que chamamos de patrimonialização.
Por patrimonialização e seus termos correlatos, então, denominamos o processo de
incorporar e sedimentar uma manifestação considerada por um grupo social como
valorosa e que, por isso, mereça integrar o conjunto de representação que o próprio
grupo, no caso a população brasileira, faça de si mesmo. Isso significa dizer que
haveria atribuição de valor a uma dada manifestação cultural que só pode ser compreendida pelo grupo a partir de uma convenção social, definida pelo próprio grupo
por intermédio de um discurso articulado.
Assim, estamos em busca de compreender processos alternativos – os documentários – utilizados pela comunidade, em especial a brasileira, para se apropriar de
elementos que permitam ao povo brasileiro se reconhecer identitariamente. Nesse
processo, formariam tradições de conhecimentos e crenças, em especial pela MPB,
o que nos aproxima do que Elias (1993) denomina de elementos de autointerpretação da sociedade contemporânea.
A partir do exposto, problematizamos o papel do filme documentário como veículo
a serviço da patrimonialização da música e, dessa forma, refletimos sobre o papel
desses documentários na produção de “experiências” sobre o Brasil. Admitindo a
experiência como algo narrável e também transmissível e aberta a interpretações
futuras (Benjamin, 1985), devemos, sob essa perspectiva, analisar a potencialidade
do cinema (a partir desse encontro com a música) como gênero discursivo, na perspectiva de Bakhtin (1997).
À luz dessa concepção, compreendemos o documentário como um campo de percepção valorizada, já que ele é não só um modo de representar o mundo, mas, acima
de tudo, um modo de construção desse mundo. É tanto um local de disputa, de
conflito e de esquecimento quanto de continuidade e de lembrança. Dessa forma, o
gênero, por ser possuidor de elementos essenciais abertos ao surgimento do novo,
mas calcado em referencial anteriormente estabelecido, coloca em funcionamento
elementos necessários ao processo de permanência e mudança, constituindo-se em
um “órgão de memória” que estabelece a dinâmica dessas narrativas: esquecimento
e ressignificação.
99
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
Ao pensar sobre novas formas de patrimonialização, esta investigação tem como
ponto de partida aquilo que diz Davallon (2006) sobre o lugar do patrimônio na sociedade ocidental contemporânea. Para esse autor, o papel do patrimônio se resume a
frear a preocupação em reter realidades, tomar o lugar da memória viva e traduzir a
recusa em olhar para o futuro.
Os documentários constituir-se-iam em “operadores de memória social”, segundo
Davallon (2007), para quem todo “objeto cultural” – livros, filmes, arquiteturas, ou
qualquer outro objeto concreto que resulte de uma produção formal e que se destine à produção de um efeito simbólico – pode ser observado como “operador de
memória social”.
Some-se a isso o que Davallon (2007, p. 25), ao trabalhar a relação existente
entre a memória social e as produções culturais, esboça ao analisar a “imagem
contemporânea”3 como sendo uma forma de operar a memória. Dialogando com as
ideias de M. Halbwachs, ele mostra que um acontecimento deixa de ser indiferente
e torna-se memória ao conseguir sair do “domínio da insignificância” (op. cit., p. 25).
É nesse sentido que podemos analisar a produção de documentários como um operador da memória social.
Os documentários seriam o “registro da relação intersubjetiva e social” (op. cit., p.
31). Ao mesmo tempo em que um acontecimento se dá num momento singular do
tempo, os documentários representarão para sempre a “essência do ato”. Trata-se
do “registro do acontecimento”, que possibilita a relação entre passado (registrado)
e futuro (momento de significações). Tais imagens, associadas aos enunciados
linguísticos, se tornarão, de maneira indissociável, “documento histórico e monumento de recordação” (op. cit., p. 27). Podemos afirmar que, como objeto cultural,
os documentários, ao mesmo tempo em que buscam representar a realidade, também buscam fazer “impressão sobre seu espectador”, ou seja, buscam também
“conservar a força das relações sociais” (op. cit., p. 27). Essas produções não só
“representam”, mas também permitem, àquele que as observa, uma possibilidade
de produzir significação.
Embora Davallon esteja se referindo ao processo legislativo da ação de patrimonializar, e nós, ao processo de construir discursivamente valores como constitutivos do
patrimônio cultural de determinado grupo social, acreditamos que o diálogo possa
se estabelecer, porque, a nosso ver, ao lado de uma ampliada preocupação com o
que lembrar, vivemos o tempo de patrimonializar o que lembramos. E, nesse sentido, compreender o conjunto patrimonializável como arquivo, já que “a constituição
3. O autor propõe, como exemplo, imagens televisionadas.
100
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
do arquivo está intrinsecamente relacionada à noção de enunciado, ou ainda, ao
sistema de enunciabilidade” (Sargentini, 2008, p. 105), é pensar novamente no conceito de mediação.
Nesse sentido, podemos afirmar que o patrimônio, assim como os documentários,
é uma categoria discursivamente construída. Como afirma Gonçalves (2002), é
em torno do patrimônio, pensado enquanto um gênero discursivo, que emergiriam
as diferentes disputas para a representação da autêntica memória da coletividade.
Quando tomamos essas narrativas documentárias como novos lugares de produção
de discurso sobre a música brasileira, o elemento que permearia todas essas narrativas, bem como nos faria entender os períodos tratados (direta ou indiretamente) é
o discurso produzido em torno da ideia de atribuir valor à “autenticidade”, ou melhor,
detemo-nos nos diferentes discursos e nas diferentes formas de mobilizar ou construir
autenticidade.
Apontamos para a ideia de construção porque a autenticidade é pensada não como
uma característica intrínseca ao objeto, mas como algo construído discursivamente
e, como tal, inserido no momento sócio-histórico de sua enunciação.
Documentários e memória dos músicos marginais
A ideia de MPB, surgida no decorrer dos anos 1960, tinha como objetivo traçar o Brasil musicalmente. Esta proposta, embora trouxesse em seu cerne uma multiplicidade,
buscava construir uma imagem de Brasil. Nesse sentido, é partindo da diversidade
que se estabeleceu uma busca de sínteses que convergissem para uma expressão
nacional razoavelmente uniforme.
No entanto (ou por isso mesmo), é nesse cenário que diversas manifestações individuais acabaram permanecendo marginais ou excluídas, caíram no ostracismo e
no esquecimento. Isso pode ser observado como uma equivalência discursiva na
caracterização das trajetórias abordadas em quatro documentários aqui estudados:
Fabricando Tom Zé (2007), de Décio Matos Jr; LoKi - Arnaldo Batista (2008), de Paulo
Henrique Fontenelle; Jards Macalé – um morcego na porta principal (2008), de Marco
Abujamra e João Pimentel; e Simonal – Ninguém sabe o duro que dei (2009), de Claudio Manuel, Micael Langer e Calvito Leal. Todos eles abordam trajetórias musicais da
chamada época heroica da MPB, segundo uma perspectiva do esquecimento.
Não se trata apenas de entendê-los como lugares de registro ou de preservação de
informação sobre o artista ou a cena musical da época, mas, principalmente, como
101
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
narrativas atuais e mecanismo ativador no qual as trajetórias artísticas do passado
constroem um sentido presente.
Partindo desse plano, observamos como tais narrativas, ao trabalharem os dramas e
as oscilações em torno dessas obras e carreiras, conduzem a um retrato em que, de
um modo ou de outro, a não consagração fica associada a algum tipo de rotulação
sofrida pelos artistas retratados e, de modo mais profundo, a um caráter divergente/
desviante, em sentido próximo ao que diz Howard Becker (2008) que, por sua vez, é
também próximo aos outsiders de Norbert Elias (2000).
No entanto, devemos ressaltar que a maneira como a rotulação de desviante vai
sendo produzida pelo discurso fílmico remete diretamente a certos ruídos presentes
no cenário musical brasileiro dos anos 1960/1970. Dessa forma, tais trajetórias se
tornam representativas/expressivas de um momento cismogênico da música brasileira, mas numa inteligibilidade dada pelo cenário musical e cultural da atualidade.
Por cismogênico compreendemos o que não aglutina, mas divide de um modo paradoxal: não suscita meramente oposição entre facções contra e a favor, mas divergência de interpretações totalizantes (todos igualmente contra e a favor, mas com
sentidos invertidos).
A problematização – ainda que indireta, ou alusiva – dos conflitos e dos cismas presentes não só no campo ou na cena artística, mas na sociedade brasileira de então,
é que traz a ressignificação ou nova apropriação dessas trajetórias.
Ao focar nas trajetórias – isto é, no entrelaçamento da biografia pessoal-afetiva
com a objetividade da carreira mais as redes dos encontros, parcerias e processos
criativos que redundaram nas obras (as composições, os álbuns), assim como nas
avaliações críticas – os documentários dão novo significado ao esquecimento. Este
aparece como uma memória da divergência, ou um apagamento ativo, que depende
de valores similares aos que geraram esses artistas e seus contemporâneos hoje
consagrados. De algum modo, sua desclassificação (são quase tabus, lendas de maldições) se transforma em sintoma de inclassificabilidade.
A rotulação ou estigmatização vai sendo construída pela narrativa fílmica de modo
muito semelhante: trazendo múltiplas vozes em volta da linha grosseira do esquecimento e consagração.
De modo geral, é interessante observar como, ao tematizar os cismas (ou os dilemas
cismogênicos) naquela cena musical, tais documentários promovem algo análogo
àquilo que Norbert Elias (1995) chamou de “encontro entre homem e artista”.
102
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
Discurso fílmico sobre os marginais
A análise dos quatro documentários, respeitando as respectivas especificidades, nos
aponta para uma linha de argumentação discursiva que nos remete a uma relação
que denominamos encontro homem-artista. Essa linha de argumentação se constrói por duas vertentes: a primeira pela presença de marcas da vida privada que se
misturam à profissional, como, por exemplo, a utilização de nomes de álbuns ou de
músicas dos artistas como título do documentário.
A segunda vertente volta-se para mostras de cenas de consagração-rechaço, em
que fragmentos de imagens sobre shows na época áurea ou daqueles realizados no
período de esquecimento evidenciam a importância do artista.
Na primeira vertente da construção discursiva, a aproximação entre a vida privada
e a profissional se faz pelos títulos dos próprios documentários que são tirados de
músicas ou de álbuns musicais do artista retratado. Na medida em que os filmes
mostram a trajetória do artista, entremeá-la com a vida privada faz parte de uma
opção de construção narrativa que merece ser observada, porque a autêntica obra
de arte, obra de cultura, é a própria trajetória, como os encontros e desencontros do
homem com o artista, em diálogo com o grupo e a época.
LoKi – álbum de Arnaldo Batista – conduz à visão já solidificada da figura do artista
(viciado em drogas, diversas internações) essencial para o entendimento da relação
entre homem e artista. Por trás das canções melancólicas que compõem o álbum
LoKi, o documentário promove novamente esse encontro após abordar os elementos
“criatividade” e “inovação” tratados pela narrativa tanto como elementos de valorização da singularidade do artista como aquilo que lentamente levaria o músico ao
esquecimento4.
Tais ambiguidades são também enfatizadas no documentário sobre Tom Zé, cujo
título é Fabricando Tom Zé. Neste documentário, o título não remete a uma obra
específica, mas à possibilidade de construir o próprio artista. Através dessas narrativas podemos perceber como o processo criativo pode ser observado como divergente/desviante5. O espírito inovador dos músicos em relação a Arnaldo e a Tom Zé,
4. É interessante observar como todos os demais filmes têm também algum tipo de ênfase na performance como um estado específico, diferente da “apresentação” ou “exibição” – a performance como
fora do regime da reprodutibilidade.
5. Seguindo um caminho que conecta o gênio “sociológico”, segundo Elias, e o gênio patológicocriativo dos paradoxos cognitivos, segundo Bateson, sugerindo que a criação genial é ela mesma um
desvio, uma constante diferenciação que tem algo de aleatória a priori e que, no entanto, não cessa
de, a posteriori, se revelar como recriadora-complexificadora da ordem anteriormente dada.
103
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
exaltado nos depoimentos, mostra artistas que são excelentes ao mesmo tempo que
singulares, como indício de inadequação. Em relação a Tom Zé, por exemplo, diz-se
que fazia orquestras com enceradeiras, ao mesmo tempo em que é apresentado
como algo singular, não afeito a fazer concessões à padronização.
Os documentários sobre Simonal e Macalé, cujos títulos são Ninguém sabe o duro
que eu dei e Tem um morcego na porta principal, remetem a duas obras de grande
impacto na carreira de cada um dos artistas.
Na segunda vertente, sobre as cenas de consagração-rechaço, podemos iniciar a
análise focando a turnê de Tom Zé na França e na Itália em 2005. O relato nos aproxima do processo criativo do músico, mas também apresenta os complicadores de
sua carreira; um exemplo é o episódio em que Tom Zé, encantado com a pequena
cidade medieval em que vai se apresentar, compõe uma canção em francês recorrendo inclusive à ajuda de um tradutor, minutos antes do show.
A falta de comunicação com a plateia, a incompreensão, as vaias finais não são
apenas ilustrativas de inadequação, falha de roteiro ou de direção do show, mas
funcionam como um memento de que é desse mesmo “material” que são feitos os
momentos mais “apoteóticos”. O interessante nesse caso é frisar essa relação entre
o artista, a situação de palco e o público que se dá numa constante tensão (que
metaforiza todas as demais trajetórias). Essa permanente imprevisibilidade criativa
– e que não é fluente, mas sim atritiva – é indissociável daquilo que poderíamos
chamar de seu “desvio musical”. Ou melhor – podemos ver diante de nós que não há
um suave deslizar nas ondas da aprovação externa, e que é essa energia a contrapelo que está na estranheza de sua música, sua não vocação para o apelo do gosto
geral. Como se a estranheza fosse o próprio signo e prova da genialidade, como uma
sugestão de que a dramaticidade ou estranheza da música e do não sucesso (ou da
decadência, e com valores invertidos, no caso de Simonal) já estivesse contida na
obra, não como profecia, mas como presença no campo artístico. Aqui, a biografia do
antissucesso é menos o tema do que a problematização do caráter da originalidade
(e da brasilidade).
Continuando a análise nessa segunda vertente de argumentação, os shows de
Arnaldo Baptista em Londres, à semelhança do de Tom Zé na turnê francesa, não
têm lugar, nas narrativas, somente como apoteoses ou como definitivas redenções;
ao contrário, são fortes reencontros do homem com o artista, porém em um modo
menor, áspero, de múltiplas sublimidades e perdições, e cuja vocação não se estabelece, mas deve acontecer a cada vez; encontros rarefeitos, refeitos e concatenados
com os percalços do homem (ator social) e do artista (criador).
104
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
Os filmes sobre Wilson Simonal e Jards Macalé formam quase uma rede de cenas que
remetem à cena musical-cultural-política em que os artistas retratados aparecem
como individualidades capazes de combinar atitude e musicalidade num embaralhamento de referências que dispensariam modelos estáveis.
No caso específico desses dois últimos, a malandragem aparece como noção comum,
mas em aspectos bastante distintos em cada caso – a de Simonal associada a um
(suposto) oportunismo de conveniência desrespeitoso de qualquer ética universalizável e que, no limite, fez dele um equivalente moral (mesmo que não tecnicamente)
do “dedo-duro” (por acionar a seu favor pessoal agentes da repressão política), ou, no
caso de Macalé, uma malandragem associada a uma estética contracultural. E isso
não está desconectado do modo como, nos mesmos documentários, são também
tematizadas as ambiguidades, as complexidades e desobediências a vários códigos
(musicais, de classe etc.) presentes no interior dessas trajetórias e em seu ambiente.
Nesse caso, seja a partir de um ato, dentro de um contexto unívoco, ou de não flexibilidades dentro de uma cena musical, são apontadas certas classificações que mais
tarde se tornaram elementos a serem excluídos da cena musical da época, mas também apontam para a valorização das singularidades, das inovações (nas artes, nas
técnica) remetendo sempre a uma certa autonomia desses artistas na assimilação/
interpretação de regras e de códigos.
O show de reencontro dos Mutantes em Londres em 2006, ao qual o filme Loki dá
algum destaque, tem obviamente uma camada de história de reconhecimento tardio,
mas que é logo relativizada pelo retorno do filme (e de Arnaldo) ao plano pessoal.
O show não é chave de ouro da aclamação, mas a chave instável de decifração – é
também o lugar do encontro homem-artista. Algo de louco e angelical (de selvagem
e barroco) brilha nessa constelação da genialidade. A loucura é tomada como signo
dessa criatividade.
Através dos filmes, portanto, a imperfeição ética-estética das obras desse quarteto
de esquecidos/relegados, por ser desproporcional à riqueza e à inventividade que
elas mesmas carreiam, passa a ter uma beleza cruel ou selvagem, do tipo que não
se arrefece quando tocada pelo espírito de experimentação que sempre namora a
feiúra.
Assim, os novos (des)equilíbrios ético-estéticos não seriam o efeito disruptor da
modernidade sobre a tradição brasileira, mas, ao contrário, lances de uma brasilidade mítica e bricoleuse que nunca chega à síntese; que escande tradições como
recurso de excesso (um excesso menor, sem monumentalidade) numa relação
imitativa-apropriativa do padrão da disseminação industrial. É uma brasilização da
105
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
modernidade, uma proliferação de modos híbridos em composições de rupturas
e continuidades com a matéria e a condição brasileiras, numa leitura aplicável ao
núcleo menos modernizante da MPB.
Documentários e identidade da música brasileira
A caracterização das trajetórias desses músicos como desviantes, seja no sentido
torto ou louco, teria mais a ver, no discurso desses filmes, com certa afinidade eletiva
entre contraculturalidade e condição brasileira, o que, por sua vez, leva a duas outras
observações.
Em primeiro lugar, os filmes documentários são gênero discursivo e, por isso, realizam – tornam real, porque têm sucesso na operação de convencer-nos da sua função
de representação – aquilo que narram; não mostram e não registram uma relação (o
desvio, a incompatibilidade, a ambiguidade) supostamente acontecendo diante das
câmeras, mas tecem, “fabricam” (como lembra o título de um dos documentários)
essa relação com e entre os elementos que compõem o discurso. Inventam-na.
É do discurso fílmico que os “fatos e documentos e comentários” trazidos vão significando, nas respectivas trajetórias, certos conteúdos como irresponsabilidade, instabilidade, imaturidade, agressividade, receptividade, ludicidade – uma constelação
de traços que não formam talvez um caráter, mas se organizam em torno das figuras
modernas de autenticidade: o louco, a criança, o primitivo, o marginal. E sua associação ao gênio dá a este um polimorfismo que ultrapassa as consagrações oficialescas
e o aproxima novamente da cismogênese e da contraculturalidade.
Isso fica ainda mais evidente nas cenas – ou no circo – dos festivais da canção. Se,
por exemplo, tomarmos um quinto documentário, Uma noite em 67, a respeito da
final televisada do “festival da música popular brasileira” daquele ano, fica bem claro
que sua estruturação e montagem documentárias são um ótimo contextualizador
do momento da MPB em que despontaram (dentre outros) os músicos tematizados
pelos documentários aqui estudados, e que essa contextualização como que confere
uma espacialidade de interação, uma arena (não só um palco) às temporalidades
próprias e conflitivas de cada trajetória. Mas é possível, e talvez mais interessante,
inverter o foco: as trajetórias retratadas também contextualizam o acontecimento
dos festivais. O documentário sobre o festival deixa de ser então um tratamento
direto das origens e consequências de um evento histórico6 e ganha um teor memorial
6. O cartaz do filme traz como frase de apresentação: “o festival que revolucionou a música brasileira”.
106
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
– não é nem apenas um ponto de intercessão, nem o desencadeador de outros
eventos, mas quase uma encenação, um ritual, um mito (televisionado), um drama
musical dos dilemas e confluências, das forças e fragilidades do momento MPB em
transição para a época da televisão7.
Ou seja, sem negar a factualidade de um relato histórico-jornalístico – a televisão
produzindo um evento/entretenimento musical e trazendo para o palco artistas em
início de carreira e/ou já consagrados –, estabelece uma estratégia de mediação
que nos permite entender de outra forma esse conjunto de filmes: do ponto de vista
das questões “patrimoniais” da cultura brasileira, é como se as diversas personas,
figuras e modalidades de autenticidade ocupassem a cena do festival para, entre a
confraternização e o agonismo, definir os rumos da incorporação, assimilação, apropriação ou aceitação da modernidade pop da indústria cultural.
Em outras palavras, mais importante que o papel desempenhado por cada artista no
evento-festival e no momento-cisma da MPB-tropicália, é entender o lugar do festival
(do campo de tendências que ele ilumina) nas trajetórias. Pois estas, na medida em
que não são biografias artísticas, nem sucessões de obras e acontecimentos, mas,
sim, conjuntos de significados e ações narráveis e retratáveis por documentários,
objetivações e subjetivações de relações sociais e de formas e conteúdos culturais,
têm complexidade igual ou maior que os eventos produzidos – ou melhor, são também eventos, desenhos traçados em lampejos criativos que vão ligando pontos de
um campo social e simbólico que inclui as realizações passadas, mas também as
solicitações presentes.
E, como que para nos lembrar que não há lampejo planejado nem descobrimento
projetado, e, como que para reafirmar que as linhas tortas, para sê-las, devem nascer retas, os documentários – diacrônica ou sincronicamente – falam de uma ruptura que já não é a das vanguardas modelares do modernismo, mas no modo da
inflexão semialeatória da diversão (sempre a um passo das demais conversões ou
perversões) de quem leva o talento ou a técnica ou o bom gosto sempre à beira da
consumação.
Na medida em que os filmes não falam de uma outra MPB, de um outro projeto, mas
de músicos não menos inseridos nem mais iconoclastas do que os consagrados e os
7. Falas e aparições como as de Chico Buarque, Edu Lobo e Sergio Ricardo também ajudam a marcar
que a repartição de papéis entre bom-mocismo e irreverência, contestação e conservadorismo, tradição e iconoclastia, modernidade e politização etc. podia ser bastante contingente e variável, conforme
as perspectivas musicais, ideológicas, comerciais etc.
107
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
esquecidos, e cuja formação não destoa nem agride os padrões dos quais brotaram,
tem-se quase um ruidoso turbilhão consentido.
*
Pode-se dizer que os documentários não se propõem a descobrir obras esquecidas
ou a consagrar artistas injustiçados, mas mostrar que (ou como) ainda há modos
de ouvir suas trajetórias8. É de uma outra escala (de valores e atitudes, de musicalidades, de modernidades) que eles dependem, e é dela que os filmes falam. É na
escuta que pode estar a autenticidade e é só aquela escuta que procura a (e que
se dá como) descoberta que pode captar a autenticidade como atributo daquilo
que é escutado – do contrário, ter-se-ia uma cultura “alienada” que depende de
laudos de peritos (ou da autoridade estrangeira) capazes de medir autenticidades
“objetivas” (supostas como atributos das obras, e não como valor que circula nelas).
O descobrimento não aparece como um ato essencial, nem como encontro com a
essência e, sim, um aleatório incorporado a uma ordem instável. E a autenticidade
brasileira tem a ver com uma condição made in brasil que nunca é perfeitamente
objetivável, que tem sempre história e afetos, circunstância e atavismos, mitologias
e iconoclastias.
Há (ou houve?) uma relação forte – e que ainda se ouve – entre a música feita no
Brasil e a identidade brasileira. E veremos como os filmes documentários sobre
trajetórias da MPB falam dessa relação, ao abordarem um momento de sínteses e
fragmentações em convergências e divergências, nos anos 1960. Mas é preciso já
deixar dito que a força dessa relação – no discurso desses filmes, e talvez por efeito
deles e do conjunto mais amplo de discursos em que se inserem na atualidade
– não está nos laços considerados substantivos, ou naturais, ou transcendentes,
entre um ser e uma manifestação ou entre uma realidade e sua representação. Talvez por ser a música menos evidentemente mimética (ou representacional) do que
as artes verbais e as plásticas, tenha lhe cabido, nas reflexões e na sensibilidade
modernas brasileiras do início e meados do século XX, um papel mais “expressivo”
de manifestação social/cultural. Mas, ainda assim (continua o argumento), a relação de expressão tinha um valor similar ou equivalente ao da representação – e foi
talvez sobre esse eixo que se sustentou a divisão de tarefas entre artes e ciências
no espírito da “construção da nação” que o modernismo animou (sem dogmatismo).
Essa relação privilegiada (pensada como natural, ou transcendente, ou necessária,
ou determinada historicamente) é talvez o que se entendia, em certo senso comum
culto, como a autenticidade de uma manifestação. E era esse sentido de autenticidade
8. É aqui que opera a “sociologia implícita” dos documentários; menos a adesão a um tipo de conhecimento do que uma riqueza musical da relação entre música e contexto pessoal-social.
108
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
que marcava os anos 1960, vindo da generalização e institucionalização do modernismo brasileiro nos anos 1930. Mas, se nos anos 1930, essa ideia tinha um poder
de operar ou contribuir para sínteses (o nacional pensado como resultado e o Estado
pensado como agente destas), nos anos 1960 era uma ideia cismogênica.
Resumindo: os filmes documentários abordados permitem que se mantenha uma
relação identitária com a música brasileira, mas sem que para isso seja suposta uma
identidade essencial qualquer – portanto, produzem um vínculo que é de memória,
não de continuidade objetiva e, por isso, não sintetizam identidade, não a respeitam,
mas sem cessar de recriar as invenções daqueles que nela acreditaram.
Portanto, a sugestão deste trabalho de que os documentários de trajetórias esquecidas da MPB são um discurso de patrimonialização tem um sentido forte e específico: patrimonializa-se a MPB, naquilo que ela tem de cismogenicamente criativa, não
somente suas obras ou carreiras consagradas. E isso, por sua vez, só é possível num
plano já metarreferencial, mas sem metalinguagem (e, por isso, pós-moderno): a gramática da MPB, ou seu vocabulário, ou sua entonação são incorporados sem necessidade e mesmo contra a necessidade de respeitar suas crenças, suas convicções.
Existe uma mensagem que está nos filmes como gênero, porque é um modo de
relação com os Brasis passados e presentes e que, por isso mesmo, não se encontra em nenhum deles especificamente: que a MPB é interessante, não por ter conseguido encontrar ou produzir a música brasileira autêntica que projetou ou em
que se projetou convicta e engajada, mas porque autenticamente, isto é, de um
modo radicalmente brasileiro, produziu músicas genial e genuinamente inautênticas, divergentes.
Ou, dizendo de outro modo: que a riqueza e o valor – condição de patrimonialibilidade – da MPB esteve na sua capacidade de produzir obras e atitudes (trajetórias)
falhadas, divergentes, contraditórias, assonantes, não consagráveis. Que ela foi uma
linguagem e não um conjunto de realizações. Isso significa que há uma descontinuidade vinculada, na medida em que a importância e o valor não são tomados como
“residentes” em determinadas canções ou estilos, isto é, que a MPB não produziu a
autenticidade e as obras autênticas em que acreditava, e que o modo como não o fez
é que dá sua riqueza e seu valor, pois foi um modo brasileiro, isto é, atravessado das
relações problemáticas constitutivas das crises de identidade brasileira, um modo
que ainda é capaz de “dizer algo” – como sonoridade, como atitude, como imaginação criativa – numa relação de parceria e não de fundamentação ou de anterioridade
com o presente.
109
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
Outra marca discursiva nos documentários analisados é sublinhar a sensação de
estranheza que há na obra desses artistas (Tom Zé, Arnaldo Batista e Macalé), ou que
aparece diante delas. Essa marca, por sua vez, está associada à interação, à negociação de sentidos, à valorização e à explicitação de uma relação que se estabelece
dentro do filme entre documentarista e artista retratado. Isso se observa mesmo
– ou talvez principalmente – com Simonal, já morto, mas cujas imagens/sons de
arquivo dialogam permanentemente com os demais documentos e depoimentos, já a
partir da abertura do filme, com uma fala drummondiana em tom de quase pilhéria9.
Ao se constituírem como discurso polifônico sem o qual a condição brasileira e a
divergência autêntica não seriam dizíveis ou mostráveis na sua complexidade paradoxal, os documentários recriam uma MPB (em cismogênese tropicalista) segundo
nova lógica cultural – ou seja, estão produzindo e atribuindo discursivamente essa
brasilidade e autenticidade, o que é a “essência” mesma da operação mágica e técnica que é a patrimonialização.
9. “Certa ocasião eu estava conversando com o meu anjo da guarda. Ele virou-se sério para mim e
disse: ‘Simona, ou você vai ser alguém na vida, ou vai morrer crioulo mesmo!’”.
110
Patrimônio em rede: a cinza, a
brasa e os direitos indígenas
no Brasil
José Ribamar Bessa Freire e Renata Daflon Leite
Entretenir la tradition, ce n’est pas conserver les cendres, c’est
souffler sur les braises.
Jean-Pierre Rioux, Jean Jaurès, Paris, Perrin, 2008, p. 48
Uso das tecnologias digitais por comunidades indígenas
Os estudos em memória e patrimônio passam a apresentar novas configurações conceituais e metodológicas a partir do momento em que as tecnologias comunicacionais digitais se fazem cada vez mais presentes no cotidiano em todos os setores da
vida social. Até mesmo as comunidades conhecidas por suas práticas e modos de
vida mais tradicionais passam a ver a internet como uma ferramenta com múltiplas
possibilidades. O uso das tecnologias digitais por índios de diferentes etnias no Brasil ocorre dentro de um contexto de tensão entre a tradição e a inovação, trazendo
consequências sociopolíticas e culturais, especialmente no campo da identidade e
da memória.
O Censo de 2010 do IBGE registrou a existência de mais de duzentos e trinta povos
indígenas, somando oitocentas e noventa e seis mil, novecentas e dezessete pessoas
que residem em território nacional e correspondem a 0,47 da população total do
país. Destas, trezentos e vinte e quatro mil, oitocentas e trinta e quatro vivem em
cidades e quinhentos e setenta e dois mil, oitenta e três em áreas rurais, em seiscentas e setenta e nove terras indígenas. (IBGE, 2012) Nessas terras, funcionam duas
mil, seiscentas e noventa e oito escolas indígenas com cerca de duzentos e dez mil
alunos. Uma parte significativa deles já entrou no mundo digital. (Freire, 2011, p. 216)
Analisamos aqui o impacto das tecnologias da informação e comunicação digitais
na consolidação do patrimônio e identidade indígenas. Apresentamos um estudo de
111
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
caso do blogue Índios online como exemplo do uso das tecnologias digitais pelos
índios, procurando enfocar os trabalhos de uma memória criativa construída de
forma processual e colaborativa, contrapondo-se à ideia comumente aceita de que
a memória é constituída apenas do passado. Para os Guarani, o passado não está
antes do presente, mas dentro do presente. Assim, a internet intercultural propõe um
encontro entre as culturas indígenas tradicionais e as culturas da sociedade industrial, que traz à tona o caráter criativo e político da memória social em seu movimento
incessante e contínuo, agora potencializado nas mídias digitais.
O dado novo que deve ser destacado aqui é a “liberação do polo da emissão”, característica das mídias de função pós-massiva, conforme sugerido por Lemos (2009).
Ela nos permite entender o caráter universal e pós-massivo da blogosfera como um
poderoso instrumento na construção identitária indígena, pois, afinal, os sujeitos
indígenas passam a ser autores da própria informação. Segundo Lemos (2009), as
mídias de função pós-massiva apresentam-se como uma forma de mídia social colaborativa, em que os usuários podem criar e compartilhar seus conteúdos a partir de
outros blogues, fazendo o que se denomina mixagens ou mashups. A liberação da
emissão pelos blogues permite uma reconfiguração da vida social, quer dizer, dar voz
a todos, pois pressupõe uma reelaboração da esfera pública. Desta forma, os blogues
tornam-se um dos fenômenos mais populares da cibercultura, refletindo um desejo
reprimido pela cultura de massa: o de ser ator na emissão, na produção de conteúdo
e na partilha de experiências.
O nosso olhar para a construção da memória coletiva indígena enfoca o movimento
contínuo presente em um trabalho de memória que se inscreve nos blogues da internet, apropriando-se da efemeridade do diálogo on-line enquanto elemento constitutivo de sua capacidade de agir sobre o mundo. O blogue interétnico Índios online
nos mostra que o patrimônio em rede é muito mais uma prática social viva a ser
preservada do que um legado intocável a ser transmitido. Dos usos da internet por
sujeitos indígenas e suas consequências para os modos de subjetivação e processos
de construção identitária, destacam-se aqueles que se referem aos graus de autoria,
empoderamento e mobilização interétnica na garantia dos direitos indígenas e na
reconstrução patrimonial. Entendemos aqui por “empoderamento” o processo pelo
qual indivíduos e grupos secularmente discriminados adquirem uma maior autonomia e poder de decisão no relacionamento interpessoal e institucional.
Este tema merece ser cada vez mais debatido porque estimula uma reflexão sobre o
imaginário social relativo às culturas indígenas, promovendo uma desterritorialização
de preconceitos difundidos no senso comum. A comunicação reticular indígena tem
muito a nos ensinar sobre a estrutura dialógica em rede da web. Alguns estudos traçam
112
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
um paralelo entre este modelo comunicacional e a rede hipertextual e interativa
da web 2.0. Neste sentido, Gomez Mont (2007) aponta uma perspectiva de análise
bastante instigante e estimulante a respeito das populações autóctones do México,
ao relembrar-nos de que foi a lógica comunitária estruturada em rede (a comunicação reticular) que salvaguardou os saberes destes povos, apesar de quinhentos
anos de colonização. Tendo como pressuposto que a lógica comunitária indígena,
denominada “comunicação reticular”, se aproxima da lógica da rede comunicacional
na internet e da formação de uma memória social criativa, a expansão digital do
sistema comunicacional e memorial indígena vem se revelando como alternativa a
uma política patrimonial vertical de cunho estatal. Rediscutir o patrimônio e afirmar a
sua processualidade e a sua impermanência implica também reinventar os conceitos
de homem e de direitos humanos. Repensar a noção de patrimônio nos dias atuais
implica conceber um patrimônio constituído “em rede”, capaz de incorporar o caráter
dialógico da web em sua constituição.
Entendemos que a internet indígena traz a originalidade das ideias novas que são
capazes de mobilizar o nosso pensamento, fazendo-o habitar zonas fronteiriças
potencialmente criativas. Quais as consequências da forte presença da autoria indígena na sociedade em geral? De que forma o discurso ocidental universalizante é
abalado pela potência das narrativas indígenas?
Com o objetivo de melhor aprofundar estas questões, dividimos o trabalho em três
tópicos: a) memória e patrimônio indígenas na blogue-esfera; b) a questão identitária
na web indígena; c) o blogue Índios online.
Memória e patrimônio indígenas na blogue-esfera
Os atributos “digitalidade” e “virtualidade”, quando associados aos conceitos de
memória social e patrimônio, inauguram uma reformulação conceitual dos mesmos,
o que implica outros modos de conceber a transmissão e preservação do conhecimento. Desta forma, os diversos sujeitos indígenas utilizam o espaço público da web,
sugerindo tanto a construção do ciberespaço enquanto ágora pública de confluência
cultural, quanto a reafirmação de suas raízes patrimoniais possibilitada pela rede
digital. O contexto contemporâneo faz emergir alguns questionamentos relativos a
diversas disciplinas e instituições antes seguras e definidas na modernidade, quando
as identidades culturais eram estáveis e sólidas. O descentramento do sujeito na
modernidade tardia e as modificações das paisagens culturais de classe, gênero,
sexualidade, etnia, raça e nacionalidade (Hall, 2003) enriquecem o debate sobre
a constituição do patrimônio cultural. Consideraremos aqui as reconfigurações
113
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
sofridas pelo “campo patrimonial”, a partir da noção de patrimônio digital, que acaba
por redimensionar, conforme defendemos aqui, as questões relativas ao humano.
O atributo digitalidade faz emergir o caráter de processualidade presente no próprio conceito de patrimônio (Dodebei, 2006). Podemos dizer, então, que o atributo
digitalidade contribui para revelar o automovimento e o potencial criador presentes
no conceito de patrimônio, denotando o seu caráter mobilizador. Podemos pensar,
então, que o patrimônio digital efetua uma difícil passagem daquilo que seria a individualização do patrimônio para os diferentes processos de individuação do patrimônio. Essa transição coincide com outra, aquela relativa à concepção mesma de
indivíduo, passando da concepção estática e totalizante de individualismo proposta
na modernidade para uma noção mais aberta, dos diferentes modos de individuação
que surgem na supermodernidade, quando o sujeito moderno surge descentrado de
seu eixo sólido, apresentando múltiplas possibilidades de identificação. O patrimônio
como individuação implica sujeitos ativos e empenhados em sua preservação, eles
mesmos autoimplicados neste processo, pois, enquanto reconstroem seu patrimônio, também reconstroem seus modos de subjetivação, efetuando uma escrita de si
inseparável de uma escrita do mundo. (Leite, 2011, p. 50-51)
A crescente presença indígena na web permite o reconhecimento de saberes e práticas tradicionais no contexto do mundo globalizado contemporâneo. A necessidade
de reconstrução da memória e recuperação do patrimônio implica o uso dos instrumentos da cultura letrada e da cibercultura, não como algo que anularia suas tradições, mas sim como uma ferramenta técnica, como quer Ailton Krenak:
Para mim e para o meu povo, ler e escrever é uma técnica, da mesma maneira que
alguém pode aprender a dirigir um carro ou a operar uma máquina. Então, a gente
opera essas coisas, mas nós damos a elas a exata dimensão que têm. Escrever e
ler para mim não é uma virtude maior do que andar, nadar, subir em árvores, correr,
caçar, fazer um balaio, um arco, uma flecha ou uma canoa. Quando aceitei aprender a ler e escrever, encarei a alfabetização como quem compra um peixe que tem
espinha. Tirei as espinhas e escolhi o que eu queria. (Airton Krenak, 2007, p. 15)
O uso da internet pelos sujeitos indígenas e a inserção da cultura indígena na rede
apresenta, porém, alguns pontos controversos, conforme podemos ver na reportagem “Tribo de Rondônia pode fechar acordo com Google Earth”, publicada pela Agência Estado em 2007. Segundo a reportagem, o grupo indígena Suruí, localizado no
município de Cacoal em Rondônia, na terra indígena Sete de Setembro, “deve fechar
uma parceria com a gigante Google para incluir a aldeia de 1,2 mil habitantes no Google Earth, serviço de imagens de satélite e mapas via internet, e adicionar palavras
114
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
da língua falada por eles nos motores de busca da empresa americana”. Almir Suruí,
que promove a ideia de conservação ambiental na Europa, promete, no entanto, não
fornecer as informações sobre a utilização de recursos da floresta para curar doenças: “Isso é nosso e não vamos compartilhar com eles”.
Figura 1. O cacique Almir Narayamoga Suruí acessando a internet
Fonte: www.paiter.org, consultado em 7 de julho de 2014.
A entrevista com o líder indígena Ampam Krakas, feita em 1980 quando seu povo, o
Shuar, que vive uma parte no Equador e outra no Peru, decide criar a Rádio Shuar,
contribui para pensarmos a questão de como os índios pensam sua identidade, por
exemplo, face às questões espaciais e diante da realidade dos estados nacionais. “À
pergunta feita: – Cual es tu Pátria?, ele me respondeu: - Mi pátria grande es el Ecuador y mi pátria chica es el Shuar”. (Freire, 2009, p. 19)
Este diálogo nos levou a pensar sobre a internet como um lugar onde as “pátrias
chicas” se encontram, dada a capacidade das mídias pós-massivas em recuperar
inclusive a riqueza da diferenciação dialetal que, segundo Claude Hagège (2000),
possibilita a aparição de novas línguas. Desta forma, os blogues e outras redes
sociais na web podem representar um poderoso instrumento de recuperação do
patrimônio linguístico, a partir do uso da escrita e das novas tecnologias pelos índios,
o que trará consequências inevitáveis sobre a questão da identidade. “Minha pátria é
minha língua” – afirma o poeta português Fernando Pessoa.
115
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
Segundo Marcos Terena, durante a celebração do Dia Internacional da Língua
Materna, ocorrido no Clube de Periodistas do México, indígenas e especialistas debateram o efetivo direito às línguas maternas como valor de identidade nacional e ressaltaram que é preciso aproveitar a diversidade linguística para empoderar os povos
indígenas1. Na ocasião, Susana Harp, promotora cultural mexicana, apontou a importância do uso das novas tecnologias de informação e comunicação para a proteção
linguística. Ela considerou que a negação no uso da língua materna ocorreu diante do
alto grau de racismo e discriminação contra os povos indígenas. O dia 21 de fevereiro
foi celebrado como o Dia Internacional da Língua Materna. Héctor Pedraza Olguín,
secretário da Comissão de Assuntos Indígenas da Câmara dos Deputados do México,
manifestou que “o idioma reflete a maneira de pensar de uma pessoa, de um povo,
seus processos mentais, sua organização social, sua cosmovisão. Quando o último
falante de um idioma morre, está morto também um acúmulo de ideias, histórias do
grupo social e sua comunidade”.
Cecilia Alm em What can language technologies do for endangered languages, and
vice-versa? (Alm, 2011, p. 94) revê a relação entre línguas em perigo de extinção e
a linguagem computacional e nos mostra como a linguística computacional pode
contribuir para o aumento da documentação e da presença de línguas em perigo,
bem como o que estas línguas podem fazer pela linguística computacional. Quando
falamos em recuperar e preservar o patrimônio indígena, estamos afirmando a recuperação e preservação de um ponto de vista, uma visão de mundo, uma organização
social, um processo cognitivo, um modo de vida e de pensamento específicos. O
uso das línguas indígenas nas redes sociais permite que seus falantes celebrem a
abertura desse novo espaço na perspectiva indicada por Bartomé Meliá: “A história
da América também é a história de suas línguas, que temos que lamentar quando
mortas, que temos que visitar e cuidar quando enfermas, que podemos celebrar com
alegres cantos de vida quando são faladas”. (Meliá, 2010, p. 27)
A questão identitária na web indígena
O processo de construção e de reconstrução da identidade cultural indígena com o
auxílio das mídias pós-massivas digitais permite investigar o exercício de identidades
culturais ativas, capazes de interferir performaticamente e politicamente no mundo
social, fugindo, assim, do purismo da “eugenia cultural”. Como diz Viveiros de Castro
(2009, p. 85): [...] “eugenismo cultural também nunca deu certo [...] aquela história
de raiz e de tradição, Deus me livre. Só tem tradição quem inventa”.
1. Terena Marcos, Mensagem postada em 20 de fevereiro de 2011 em literaturaindigena.yahoogrupos.com.br.
116
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
A construção de museus indígenas, capazes de exercer papel educativo e mobilizador, organizar a memória e revigorar a identidade de diferentes etnias, como o Museu
Magüta, por exemplo, ou os museus indígenas do Ceará, vem fortalecer a identidade
étnica, contribuindo, assim, na luta pela demarcação de terras. É que o direito dos
índios à terra depende, em grande parte, de serem reconhecidos como índios pela
sociedade brasileira, assumindo plenamente sua identidade étnica, muitas vezes
escondida por eles e negada sempre pela população regional, para quem os índios
eram “caboclos”. Os museus indígenas, servindo como uma reafirmação cultural,
fortalecem essa identidade. (Freire, 2009, p. 219)
Podemos, então, traçar um paralelo entre o papel do museu e aquele da internet na
luta pela conquista dos direitos indígenas e fortalecimento étnico. Do mesmo modo
que alguns museus indígenas em funcionamento no país mostram às lideranças indígenas de todo o Brasil a força que pode ter um museu para reafirmar a identidade
de uma etnia e para modificar a imagem que os brasileiros têm sobre os índios, a
internet pode ser um importante instrumento no combate ao preconceito contra os
sujeitos indígenas, retirando-lhes uma mordaça histórica, dando-lhes voz e um rosto,
como lembra-nos Yakuy Tupinambá em depoimento presente no livro Arco digital:
uma rede para aprender a pescar:
A internet promoveu a abertura de horizontes – contrariando o pensamento
de uma grande maioria interessada em nos manter amordaçados – trouxe-nos
novos significados, sem que isso implique no abandono das nossas tradições.
Devolvendo nossas vozes, que foram caladas por muito tempo, cobertas pelas
vozes dos que se julgam especialistas. Conectar-se ao mundo através da internet é ter direito a ter um rosto, e fazer ouvir nossa voz é saber dos acontecimentos e interesses que envolvem toda a humanidade. Através desse mecanismo
tecnológico conseguimos perceber uma janela para o mundo, a tão sonhada
Inclusão dos Povos Indígenas, como sociedade fundamentada, negada há décadas e décadas. (Yakuy Tupinambá apud KARIRI-XOCÓ, Nhenety et all., 2007, p. 11)
Os indígenas engajados hoje na luta pelo direito de exercer as suas práticas culturais
são como Cunhataí, a personagem do texto Ato de amor entre os povos da escritora
indígena Eliane Potiguara: “Cunhataí sai pelas matas, pelos céus, pelos rochedos,
pelas montanhas, rios e lagos buscando suas raízes fragmentadas e fragilizadas pelo
colonizador de todos os tempos”. (Potiguara, 2004)
O movimento indígena nasce do domínio das letras, dos números, dos códigos
sociais, dos processos econômicos e das políticas pelos líderes indígenas. Potiguara
(2004, p. 70) escreve que “Daqueles primeiros líderes muito se viu e ouviu, mas
117
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
pouco se leu”, e acrescenta que “Agora é hora de ler as palavras que foram ditas ao
papel”. Desta forma, o movimento indígena surge com a apropriação, pelos índios,
das instituições da sociedade nacional envolvente, constituindo uma busca por dar
vazão ao que Potiguara denomina “visões indígenas”, ou seja, o pensar, o sentir e o
viver dos povos indígenas brasileiros.
As lutas políticas indígenas têm, no uso da internet, uma importante ferramenta,
como salienta a indígena Yaku Tupinambá em resposta à pergunta “Como a internet
pode servir de instrumento de luta para a defesa dos direitos indígenas?”:
Não existe instrumento de comunicação mais democrático de fato que a internet
(jamais conseguiria espaço na chamada grande mídia) para contarmos a nossa história, promover intercâmbio cultural, lutar pelos nossos direitos, reivindicar políticas públicas, denunciar violação dos direitos humanos; hoje, basta um clic, e estou
passando informações para a Amnesty International, ONU, Parlamento europeu e
outros organismos que podem nos defender. A internet me levou a falar para a
Comissão de Direitos Humanos no Parlamento Europeu em Bruxelas, na Bélgica;
sem o uso da mesma, não ouviriam minha voz, jamais chegaria até lá, como fui em
2008, e tantos outros parentes que estão trilhando esse mesmo caminho. (Yakuy
Tupinambá, entrevista em 4 de dezembro de 2010)2
A eclosão de microliberdades indígenas, através do povoamento do território digital,
realiza efeitos de pressão sobre uma cultura massiva que se quer universal e que
compreende o “índio” como uma ideia romântica, geral e ligada à noção de atraso
intelectual, econômico e cultural. Esses movimentos de pressão são capazes de provocar uma “desterritorialização da maioria”, pois, ao mesmo tempo em que a experiência tecnossocial possibilita meios favoráveis a uma construção identitária dos
sujeitos indígenas, também impulsiona uma desterritorialização da noção genérica
de “índio”. Será útil, portanto, empregarmos o conceito de “desterritorialização da
maioria” conforme debatido por Deleuze:
Certamente as minorias são estados que podem ser definidos objetivamente,
estados de língua, de etnia, de sexo, com suas territorialidades de gueto; mas
devem ser consideradas também como germes, cristais de devir, que só valem
enquanto detonadores de movimentos incontroláveis e de desterritorialização
da média ou da maioria. (Deleuze, 2002, p. 53)
E como fica a construção de subjetividades indígenas a partir desta nova visibilidade
proporcionada pelas tecnologias da informação e comunicação digitais (TICs)? As
2. Para mais detalhes sobre essa entrevista, ver a dissertação de Leite, 2011.
118
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
tecnologias comunicativas digitais são instrumentos privilegiados na constituição da
subjetividade e da identidade indígena. No caso do blogue Índios online, podemos
dizer que, em cada post, está a subjetividade de seu autor e sua identidade indígena,
já que o blogue é uma mídia em que a autoria é imprescindível para sua construção.
Figura 2. A intimidade com as TICS
Eliete da Silva Pereira (2008) emprega o termo “ciborgues indígenas” para referir-se
à relação simbiótica entre grupos/sujeitos indígenas e as TICs, denotando um novo
contexto de uma sociabilidade tecnológica com distintas formas de atuação e autorrepresentação, delineadas pela visibilidade e pela tomada da palavra eletrônica. Os
ciborgues indígenas representariam, então, uma nova condição nativa contemporânea, atravessada por softwares e hardwares, sistemas informativos e fluxos comunicativos. A presença indígena na blogue-esfera promove uma “(re)elaboração étnica
que confronta direta e indiretamente com o termo ‘índio’, colonial e homogêneo;
processo esse promotor de um diálogo intercultural estabelecido por uma situação
social, tecnológica, comunicativa e em rede”. (Pereira, 2008b, p. 2) A emergência
das redes digitais interativas motivaria agenciamentos provocadores de uma “reelaboração hipertextual da representação sobre si”, abrindo uma perspectiva de análise
119
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
para além do uso antropocêntrico das tecnologias. Os ciborgues indígenas apontariam para uma “nova ideologia protagônica” surgida nos espaços tecnossociais das
redes digitais, contribuindo para a “desestigmatização” da identidade étnica indígena. (Pereira, 2008a) Desta forma, a interculturalidade e a visibilidade de saberes e
culturas é potencializada no ciberespaço a partir da promoção de um diálogo entre
culturas mais direto e horizontal.
Entendemos, então, que a constituição de um ciberterritório indígena faz parte do
movimento indígena e as ferramentas digitais auxiliam os sujeitos indígenas a conquistar a sua identidade. A exaltação identitária aparece em toda a produção de
escritura indígena, seja ela impressa ou presente no suporte virtual da web. Hoje,
toda a forma de produção textual indígena expõe a luta pela identidade como um fortalecimento diante do desrespeito e da humilhação, que compõem, como diz Graça
Graúna (2004), a sintaxe da diáspora indígena.
O blogue Índios online
O blogue Índios online surge em 2004 com um projeto piloto financiado pelo Supermercado Bom Preço e, em 2006, torna-se um ponto de cultura3, conectando sete
nações indígenas do Nordeste brasileiro: Kiriri, Tupinambá, Pataxó-Hãhãhãe, Tumbalalá na Bahia, Xucuru-Kariri, Kariri-Xocó em Alagoas e os Pankararu em Pernambuco,
conforme informação dada por Potyra Tê Tupinambá, advogada indígena em Ilhéus,
durante o I Simpósio Indígena sobre Usos de Internet nas Comunidades Indígenas do
Brasil, que ocorreu no final de novembro de 2010, na Cidade Universitária da Universidade de São Paulo.
A situação dos índios no Nordeste é discutida em vinte e três artigos publicados no livro
A presença indígena no Nordeste, organizado por João Pacheco de Oliveira, para quem:
O livro decorre do desconforto e mesmo da indignação que gera num conjunto
de pesquisadores a forma superficial e preconceituosa com que a existência
indígena no Nordeste tem sido abordada em circuitos prestigiados e poderosos
de informação, repercutindo de maneira muito negativa na naturalização e na
disseminação de estereótipos seja na opinião pública, seja na formação das
novas gerações de estudantes. (Oliveira, 2011, p. 9)
3. Os pontos de cultura são iniciativas culturais desenvolvidas pela sociedade civil em parceria com o
governo brasileiro, a partir da liberação de recursos do Ministério da Cultura. Para mais informações
ver: http://www.cultura.gov.br/pontos-de-cultura1.
120
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
Figura 3. Blogue Índios online
Fonte: http://www.indiosonline.net, consultado em 10 de dezembro de 2014.
A análise do blogue identificou alguns temas recorrentes nas postagens entre dezembro de 2010 e fevereiro de 2011, quais sejam:
• luta pela terra: demarcação de terras indígenas, ocupação e retomada de
territórios;
• política: movimento político indígena, denúncias, reivindicação de direitos
indígenas, políticas públicas;
• inclusão digital: computador nas aldeias, Índios online;
• divulgação de eventos: simpósios, encontros, assembleias e reuniões;
• educação: indígenas nas universidades, escolas indígenas;
• cultura: manifestação artística, ancestralidade, memória social;
• confraternização: saudações e festividades;
• saúde: políticas públicas de saúde, demandas e prestações de serviço de saúde
nas aldeias, médicos indígenas.
Observamos, desta forma, que as informações trocadas no blogue abrangem desde
simples confraternizações entre os indígenas, até a presença de denúncias e troca
de mensagens que enfatizam a defesa dos direitos indígenas. O blogue favorece
um reconhecimento das narrativas indígenas, ainda que elas não componham a
história oficial da nação, fazendo-as emergir e sair do grau de “apagamento” na
121
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
memória coletiva. A internet oferece-se como um instrumento eficiente na construção da memória social, permitindo que a memória possa emergir dos próprios
atores sociais em questão.
Vale insistir aqui no depoimento de Yakuy Tupinambá, presente no livro Arco digital: uma rede para aprender a pescar (Kariri-Xocó, 2007), em que ela ressalta como
a internet devolveu aos indígenas as vozes que lhes foram caladas por séculos e
séculos, dando-lhes o direito de ter um rosto e saber de acontecimentos que envolvem toda a humanidade. O blogue Índios online apresenta-nos, o tempo todo, atos
performáticos que atualizam a memória indígena, desde a escolha de grafismos tradicionais no layout do site até os depoimentos presentes nos vídeos, bem como as
matérias e imagens postadas.
O blogue Índios online apresenta-se também como ferramenta capaz de promover
uma mobilização social em prol da luta pela defesa dos direitos indígenas. Lá, encontramos dois passados: um que fala da exploração do índio pelos invasores portugueses, e outro que fala da herança cultural indígena transmitida pelo convívio com
seus ancestrais. Podemos dizer que esses dois passados surgem com novos significados a partir do presente e de um discurso atual que denuncia a discriminação, o
preconceito, o desrespeito aos direitos indígenas, o assassinato e a criminalização
de lideranças, sendo muitas vezes publicado em tempo real, como, por exemplo, no
caso da notícia da prisão da cacique Valdelice. O post Cacique Maria Valdelice é presa
injustamente, publicado em 3 de fevereiro de 2011, aparece no site apenas algumas
horas após a prisão da liderança em questão.
Mais uma vez uma liderança do Povo Tupinambá de Olivença é presa injustamente. Primeiro foi o cacique Babau, depois seus irmãos Givaldo e Glicélia,
agora foi a vez da cacique Maria Valdelice (Jamopoty). Ela foi presa na tarde de
hoje (3 de fevereiro) após uma audiência, por policiais da Policia Federal em
cumprimento ao mandado de prisão expedido pelo juiz federal Pedro Alberto
Calmon Holliday, após decisão da Karine Costa. Carlos Rhem da Silva (docs.
abaixo). (Postado por Potyra em www.indiosonline.org.br.)
Esta notícia nos faz refletir sobre a importância das mídias pós-massivas com seu
poder de intervir no acontecimento em tempo real. As denúncias publicadas nos
blogues e sites da internet rapidamente estabelecem uma rede de contatos capaz
de mobilização social. De forma diferente das mídias de função massiva, o ativismo
social na internet denota o poder de modificação do fato social. Logo após o post
citado anteriormente aparecem seis comentários e também um setor específico com
o título 7 trackbacks para esta matéria. Nele, temos acesso a outros sites que também
122
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
publicaram matérias sobre a prisão desta cacique, tais como União campo cidade e
floresta e Web Brasil indígena.
O movimento de protagonismo de uma minoria se dá a partir do momento em que
ocorrem as lutas políticas pela memória, e que esta minoria passa a ressignificar
o passado em seu discurso, como forma de fortalecer sua identidade de grupo, a
qual necessita estar coesa para dar continuidade ao processo de construção de uma
memória coletiva.
O post em questão dá acesso ao vídeo Homenagem à cacique Valdelice que está
presa ilegalmente em Ilhéus-Ba que também é publicado no Canal Celulares Indígenas Youtube, em que podemos assistir a diversos depoimentos dados pela cacique
Valdelice. Ela, enquanto ator social, traz à tona em sua fala o passado do grupo social
ao qual pertence quando diz: “um povo sofrido, um povo que foi discriminado, que
continua sendo discriminado ainda neste século [...]”.
Somos também confrontados com esse passado ao vermos o braço de Valdelice
pintado com grafismos e seu cocar, lembrando-nos da tradição cultural indígena.
Este passado, porém, aparece no presente, vivo e completamente ressignificado,
mostrando-nos que a tradição é mantida a partir dos embates travados na luta política pela memória. A mesma discriminação que a cacique Valdelice aponta em sua
fala aparece agora redimensionada quando o site Índios online publica a notícia sobre
sua prisão.
A internet pode ser um poderoso instrumento na luta pela garantia dos direitos indígenas, como, por exemplo, no caso da retomada de território pelos Tupinambás.
Yakuy Tupinambá, em conversa via Skype realizada no I Encontro On-Line de Indígenas Vivendo em Cidades, chega a falar em “mídia comprada”, referindo-se à veiculação desta luta indígena na mídia de massa:
[...] um caos [...] governo não faz nada, fazendeiros perseguindo, mídia comprada, por isso tendenciosa, indígenas torturados, criminalização de lideranças.
Por isso damos importância à internet, porque o 4º poder, como é chamada a
grande mídia, não nos dá direito a voz, não nos abre espaços, não mostra nossa
realidade. A internet permite a globalização contra, hegemônica; o que tem
feito a mídia é nos descaracterizar e nos desqualificar. (Yakuy Tupinambá, fala
realizada no I Encontro On-Line de Indígenas Vivendo em Cidades)
No blogue Indios online temos, no Canal Celulares Indígenas Youtube, a exibição de
quatro vídeos referentes à retomada de território pelos Tupinambás. São produções
123
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
realizadas pelos próprios indígenas, as imagens foram registradas por Potyra Tê Tupinambá, Fábio Tupinambá e Bruno Ninhã Tupinambá e editadas por Alex Pankararu.
Há um post publicado em 22 de dezembro de 2010 com o título: É retomada e não
invasão. Nele, podemos ler: “Quando é mostrada nos meios de comunicação a recuperação da terra indígena, feita pelos próprios índios, exemplo de retomada, eles
dizem: ‘indios da tribo… invadiram a fazenda de…’”. Não podemos deixar de sublinhar
a presença do ponto de vista indígena nessas matérias e vídeos, que apontam para
uma abordagem diferente daquela mostrada frequentemente nos veículos de comunicação de massa.
Jelin (2002, p. 41) fala-nos do forte vínculo com o poder presente na intencionalidade
da construção da narrativa oficial de uma nação, sublinhando, porém, que as interpretações das narrativas históricas se produzem ao longo do tempo, como produto
das lutas políticas, de mudanças na sensibilidade da época e do próprio avanço da
investigação histórica. Alguns posts do site apontam para a atuação de verdadeiros
“empreendedores da memória”, conforme definição de Jelin (2002, p. 54) que lutam
pelo reconhecimento público e oficial de acontecimentos importantes para a memória dos povos indígenas e que foram relegados ao “esquecimento” nas narrativas
oficiais.
Podemos dizer que o blogue Índios online é um instrumento importante para a organização da luta política pela memória indígena; nele observamos homens, mulheres,
jovens e crianças lutando por materializar suas memórias, tanto aquelas referentes
à tradição indígena, quanto as de acontecimentos do tempo presente, muitas vezes
negligenciadas pela mídia de massa.
O mundo em movimento
Nos últimos anos, as políticas públicas no campo da educação e da cultura começaram a refletir uma compreensão da importância do uso das novas tecnologias pelas
comunidades indígenas. O Museu do Índio, subordinado à Fundação Nacional do
Índio (Funai), inaugurou, no dia 10 de abril de 2012, no Memorial dos Povos Indígenas
em Brasília, uma exposição intitulada Mundo em Movimento: Saberes Tradicionais e
Novas Tecnologias. São diferentes espaços que exibem o universo indígena no Brasil,
sua produção artística e cultural e um diversificado conjunto de registros audiovisuais, acervos tratados e digitalizados, dicionários, gramáticas, materiais de divulgação como vídeos, CDs e DVDs, entre outros trabalhos produzidos pelos índios.
Seus conteúdos são validados e qualificados por mestres e especialistas indígenas
124
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
para uso em escolas e centros de documentação nas terras indígenas. A exposição
contém objetos, textos, fotos, vídeos, músicas e falas que revelam, de forma lúdica,
saberes tradicionais, mitos, rituais, dimensões simbólicas e estéticas, expressões
linguísticas e modos de fazer associados a aspectos específicos de cada cultura de
cinquenta e cinco etnias documentadas.
A exposição apresenta ainda um corredor sonoro com quatorze monitores portáteis
e interatividade para escuta de dezoito sonoridades – falas e cantos – indígenas.
Tudo isso é o resultado do Programa de Documentação de Línguas e Culturas Indígenas (Progdoc) desenvolvido nos últimos três anos em cento e nove aldeias, em parceria com vinte e três povos indígenas, em conjunto com o Instituto Max Planck, da
Holanda, e várias universidades e centros de pesquisa do Brasil. As mostras apresentam material inédito produzido pelos índios, no seu dia a dia. Trata-se de um evento
que valoriza o protagonismo das populações indígenas em ações de salvaguarda de
seu patrimônio cultural.
Tanto a exposição sobre os saberes tradicionais e as novas tecnologias como o blogue indígena propõem uma mudança no estatuto do olhar do outro, seja do outro
(“homem branco”) para o sujeito indígena, seja do indígena para si mesmo, ao apresentar a relação entre a cultura tradicional indígena e as tecnologias digitais de forma
criativa, como um instrumento de empoderamento diante do mundo. No caso do
blogue, cada post traz a subjetividade de seu autor e sua identidade indígena, já que
se trata de uma mídia em que a autoria é imprescindível para sua construção.
O Índios online e outros websites indígenas são, na atualidade, um dos lugares onde a
memória é construída criativamente, fazendo circular subjetividades agentes e transformadoras, em que podemos observar a construção de um protagonismo indígena,
a conquista da própria voz pelos índios e a consciência de que essa voz ecoa e produz discursos capazes de ocupar outras fronteiras. Os sites indígenas lembram-nos,
então, de que os modos de vida são criações que devem ser preservadas e que a
existência é, antes de tudo, uma “existência artista”. Para retomar Jean Jaurés, que
abriu este capítulo, podemos dizer que os sites indígenas não se limitam a conservar
as cinzas da tradição, mas estão soprando sobre sua brasa.
125
Patrimoniando o desmanche:
coleções de inutilidades como
uma metáfora capitalista
Leila Beatriz Ribeiro
O desenraizamento é condição desagregadora da maioria.
Ecléa Bosi
Introdução
Como lidar com uma discussão acerca da patrimonialização levando-se em conta uma
impossibilidade aparente de elevar o estatuto de um objeto inútil1 às categorizações
e aplicações das diversas disposições institucionais e jurídicas? Se não basta o interesse individual no que tange à conservação e à valorização desses objetos (Davallon,
2006, « L’institution du patrimoine : l’obligation de garder »), acrescente-se a isso uma
lógica capitalista que configura a sociedade pós-industrial (Featherstone, 1997, p. 38)
como um espaço de “triunfo da cultura dos significados e a morte do social”.
O capitalismo, na versão clássica de Marx, apresentava-se como um processo universal da produção de mercadorias, ou seja, cada objeto produzido traduz abstratamente um trabalho humano (Marx, 1980). Contemporaneamente, além do seu
caráter abstrato (consumo de bens e de corpos humanos/trabalho humano) e de
mudanças nas formas de expansão da produção, o capitalismo traz um desenho em
que cópias de reproduções confundem os indivíduos, numa explosão simbólica de
simulacros que espelham a mistura entre o real e o imaginário. (Featherstone, 1997)
Para falarmos de objetos que saíram do circuito das trocas e foram coletados, organizados sistemicamente, tratados e expostos, utilizamo-nos da categoria colecionamento. Para nós, colecionar é uma atividade que busca ordenar e manipular aquilo
1. Segundo Marx (1980), os objetos úteis são aqueles que se tornam mercadorias em decorrência
de uma produção de trabalhos privados que, em conjunto, formariam uma totalidade de trabalho
social.
127
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
que se encontra em uma situação de dispersão, seja ele (o objeto) um resto ou um
fragmento material que por vezes desafia uma lógica de investimento classificatório
e de ordenação racional2.
A coleção tem ainda o poder de representar o indivíduo fazendo com que o objeto
se perpetue como fator de ligação entre o indivíduo e o mundo que o cerca. É ainda
a solução de organização da temporalidade (Baudrillard, 2004). Esse mundo se abre
como uma possibilidade exploratória e criativa e, concomitantemente, torna-se passível de novas leituras e reordenamentos para guarda e conservação latentes.
O colecionamento refere-se a uma possibilidade de uso de um processo que garantirá que esses representantes da cultura material (e imaterial) de um determinado
grupo estarão a salvo de uma perda iminente. Nesse sentido, estariam assim protegidos e carregados de atributos tais como: “coerência, continuidade, totalidade e
autenticidade”. (Gonçalves, 2002, p. 23)
Além de bem próximos do presente de sua concepção, as coleções de objetos sobre
as quais iremos nos debruçar contrariam inicialmente não somente alguns desses
atributos, tendo em vista que eles, os objetos, são originários do desmanche, como
também irão buscar garantir um tipo de identidade e de autenticidade que soa “exótico” aos olhos do grupo que as consumiu e as descartou3. De forma complementar,
poderíamos nos perguntar se existe um investimento de uma quantidade de tempo
despendido por esse colecionador que redundaria em um trabalho social qualquer.
Urbano, o Aposentado nasceu no ano de 1982. Seu autor, o cartunista Antônio Silvério Cardinot de Souza, friburguense, tirou, em 1986, o terceiro lugar em um concurso
promovido pelo jornal O Globo. Desde então, a tira tem saído de forma quase ininterrupta no jornal. No dia 1 de setembro de 1986, Urbano tem anunciada a sua aposentadoria pelo seu chefe e recebe uma medalha por esse feito. Este senhor aposentado,
que trabalhou durante muitos anos em uma repartição, encontra na pracinha perto
de casa o seu refúgio. E é a pracinha, representação de um espaço clássico de mendigos, namorados, crianças e aposentados, que será palco de inúmeras aventuras,
2. Para Walter Benjamin (1995), por vezes, o ato de colecionar é exatamente a capacidade que os
indivíduos têm, principalmente as crianças, de desencadear processos de vínculos inimaginados; significa mais um processo de desmonte, de desordenação e ressemantização das coisas e das funções
que elas anteriormente carregavam (Sanches Neto, 2011).
3. A esse respeito é interessante recuperar Abraham Moles (1981) que discute a ideia da morte de
um conjunto de objetos, debatendo, entre outras questões, a (in)capacidade que o objeto tem de
desafiar o tempo, a sua obsolescência psicológica e a introdução de uma nova filosofia acerca da
materialidade dos objetos: a época tecnológica a partir da fabricação contínua da linha de montagem
tem como mote a ideia de que a destruição dos objetos tem como virtude a sua destruição. Esta
“virtude” é uma condição que terá de ser aceita pelo consumidor frente à capacidade da indústria de
fabricar objetos com uma duração temporal limitada e de fácil reposição pelos consumidores.
128
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
passatempos, reflexões solitárias ou em contato tanto com os amigos como com
desconhecidos4.
É Maria quem trabalha e cuida da casa e da vida desse aposentado que vive sonhando
com feijoadas no lugar do mingau diário e está sempre às voltas com cuidados relativos à sua saúde e dietas. É também Maria que reage veementemente contra o
aposentado que tenta partilhar com ela, em diversas ocasiões, suas incursões e lembranças junto às suas coleções. É ela quem resiste bravamente ainda contra outros
tantos hábitos e manias desse personagem que, a cada tira, descobre novas formas
de passar o tempo seja na rua (banco da praça; supermercados; feiras livres; filas de
bancos; cinema etc.) como em casa (dormindo; testando diversos inventos etc.) e
que, de alguma forma, reverbera dentro de casa traduzindo-se em constantes atritos
com Maria. Urbano, além de um colecionador, preenche o seu tempo, por exemplo,
como inventor e recorrentemente procura testar seus produtos com Maria e/ou nos
objetos e no espaço doméstico. No entanto, é curiosamente Maria – por exemplo,
na tirinha de 7 março de 1987 – quem o instiga ironicamente a se ocupar mais e
reforça a ideia de Urbano se tornar um “colecionador de horas vagas”. Em outra tira
de 11 de março de 1987, Urbano, sentado em sua poltrona, diz para Maria que está
pensando em que tipo de coleção irá começar. Maria fala que seja ela qual for, que
não desarrume a casa. Urbano pensa em fazer uma coleção de cabeças empalhadas.
Nesta coleção está incluída a cabeça de Maria.
A análise desse personagem de tiras de HQs nos situa dentro de uma perspectiva
de representação acerca de estratégias de afirmação e de representação social dos
idosos e de seus lugares de fala; de sua inserção nos espaços públicos e privados e
dos significados de seus hábitos e de suas lembranças materializadas por vezes nos
diversos suportes de memória: os objetos “inúteis” de coleção.
Na tira de 15 de outubro de 1986, Urbano está pensando na evolução, decadência
e falta de importância do velho, que antes era visto como guardião das tradições e
hoje é visto como inútil, que não serve nem para guardar recado. Urbano conclui este
pensamento depois de levantar para atender ao telefone e a secretária eletrônica ser
acionada antes dele conseguir atendê-lo.
Esse personagem de tirinhas em quadrinhos, através de suas lembranças, pode nos
possibilitar entender um tipo de sociedade em que os velhos, segundo Bosi, além
de terem atravessado algumas décadas, já viveram alguns “quadros de referência
4. Bauman (2001), citando Sennett, observa que a cidade é um lugar propício para se deparar com
estranhos, cujo encontro é um acontecimento marcado pela ausência de lembranças e projetos de
continuidade, ou seja, é um evento no ato e sem passado e sem futuro.
129
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
familiar e cultural”. (1994, p. 60) Entre as suas diversas práticas, Urbano coleta,
troca e coleciona determinados objetos que o cercam na metrópole. Esses, por sua
vez, podem ser categorizados sem uma funcionalidade aparente, pois, além de estarem fora do circuito das mercadorias por conta do descarte, não carregam simbolicamente uma marca de objetos guardados para um legado posterior e podem ser
categorizados como mortos5.
Metaforicamente, os objetos coletados por Urbano nos remetem aos próprios colecionadores, homens aposentados que são desvalorizados e degradados socialmente
e que procuram, nesses objetos inúteis e descartados, um sentido que lhes foi roubado ao viver o presente de uma sociedade que só valoriza aqueles que trabalham
e produzem. Para ilustrar tal situação, cabe lembrar aqui as palavras de Simone de
Beauvoir: “[...] o material humano só interessa enquanto produz. Depois, é jogado
fora”. (1990, p. 13) Em uma das tiras (19/01/1987), o personagem, por exemplo, é
representado por pensamentos e imagens que elucidam bem essa situação:
Tem dias que eu me sinto tão inútil... (quadro 1 e figura bem delineada);
Pareço passar desapercebido... (quadro 3 e imagem apresentando somente
contornos);
Uma figura totalmente dispensável (quadro 4 e Urbano encontra-se apagado
do quadro).
Esses objetos representam ainda certo tipo de continuidade já que, de forma geral,
expressam a cotidianidade dos indivíduos da metrópole e suas vivências e experiências diárias e até mesmo desconhecidas: falam das ruas, dos amigos, das coisas
banais e dos diversos mistérios que assolam as cidades; podem também ser cacos
ou objetos de alguém que ignoramos6. Ao serem coletados e ressignificados podem
expressar também aventuras afetivas.
Em uma das tirinhas, acompanhamos Urbano, tal qual uma criança, a juntar sequencialmente os inúmeros araminhos de sua coleção de pão de forma e de imaginá-los
como um traçado possível de uma viagem ao redor da Terra. Esse mecanismo de
coleta, ordenação e preservação funcionaria como uma espécie de advertência à
5. Segundo Moles (1972; 1981), um “parque” caracteriza o conjunto dos objetos em situação de
“vida”, ou seja, de acordo com a sua função. Nesse sentido, os objetos inúteis de Urbano podem ser
vistos em seu extremo como mortos.
6. Bosi chama esses objetos que estão fora de um ordenamento espacial racional de “desparceirados” (2003, p. 29).
130
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
sociedade de massas que rapidamente dissipou e desgastou diversos objetos anteriormente carregados de status. (Bosi, 2003)
Ao readquirirem um estatuto de excepcionalidade restauram uma “memória material” corporificada em um tipo de mercadoria que se encontra armazenada “como
coisas em casa”. (Marx apud Stallybrass, 1999, p. 105, grifos do autor) Para nós, a
ideia de problematizá-los como patrimônio nos permite analisar as mutações das
sociedades que o produziram. (Jeudy, 1990)
Nesse sentido, temos como proposta discutir se esses objetos – cuja trajetória processual vai desde o objeto de descarte até o objeto de coleção – podem auferir o status de objetos patrimoniados, observando sua natureza peculiar. Assim, cabe aqui,
especificamente, apontar de que tipo de patrimônio estamos falando ou ainda quais
os discursos que serão engendrados para legitimarmos as práticas patrimoniais que
dizem respeito ao nosso contexto de problematização. Davallon (2006) argumenta
que menos que a definição semântica do termo, o que está em jogo é o corpo de
regras e os procedimentos institucionalizados. Gonçalves (2003, p. 22), por sua vez,
ainda que chame a atenção para tomarmos determinadas precauções acerca do seu
uso, discorre sobre a possibilidade de “transitar-se analiticamente [com a categoria
patrimônio] entre diversos mundos sociais e culturais.”
E, para compreendermos o tipo de sociedade no qual está inserido nosso colecionador de inutilidades, seguimos as reflexões de Bosi que apresenta os velhos com um
tipo singular de “obrigação social”, ou seja, em oposição aos homens ativos e mais
jovens, que se lembram menos, os velhos aposentados ocupam-se com mais frequência das atividades de rememoração. Nos dizeres da autora, eles têm: “a posição
de lembrar, e lembrar bem”. (Bosi, 1994, p. 63)
Objetos de uma coleção de inutilidades em uma
sociedade precarizada
Urbano, o nosso personagem, insere-se em um contexto que traduz a existência
sofrida pelos impactos da circulação das mercadorias que transforma as coisas em
líquidos. (Bauman, 2001) A sociedade capitalista clássica, como Marx problematizou, é referenciada pela universalização da produção de mercadorias, sociedade esta
que, por mais abstrata que seja, traduz-se por uma prática consumista que “devora”
os corpos humanos e cuja abstração é representada pelo próprio formato adquirido
pela mercadoria. (Stallybrass, 1999, p. 53-54)
131
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
Como restos do acúmulo ou do desmanche7, os objetos inúteis coletados e colecionados por Urbano, fora do circuito das trocas, podem ser evocados a partir da
representação de um “imaginário do desmanche”, metáfora trabalhada por Teixeira
Coelho e apropriada por Fabrício Silveira (2010, p. 9) que designa um desejo de destruição sobreposto ao de construção.
Abaixo apresentamos um pequeno inventário de alguns dos objetos colecionados
por Urbano8:
Caixas vazias de creme dental; talheres e pratinhos descartáveis; sons exóticos (pios de aves; gargalhadas; gritos histéricos; sons da natureza; sirenes de
ambulância e carros de polícia); araminhos de pão de forma; carrinhos de feira;
lâmpadas queimadas; rolhas de garrafas; balões vazios de festas de aniversário;
pneus carecas; panfletos de rua; embalagens vazias; prospectos de produtos;
escovas de dente antigas; guarda-chuvas quebrados; esponjas de limpeza antigas; bonecos birutas de lojas e postos de gasolina; clipes; porcas, parafusos e
pregos velhos; tubos vazios de creme dental; pentes velhos; quentinhas vazias;
banners de candidatos; caixas de leite vazias; papéis de presente; embalagens
vazias de remédios; rolhas de garrafas; listas telefônicas antigas; ingressos de
cinema; rótulos; cacos de vidro; folhetos promocionais; lixo espacial etc.
Em paralelo ao “derretimento dos sólidos”9, vemos o esvaziamento do espaço e o
tempo tornando-se histórico porque adquire instantaneidade ainda que sem sua
força atrativa diferenciada anteriormente pela durabilidade10.
7. Esses objetos, sob a ótica problematizada por Bauman (2001), não carregam mais o volume, a
solidez, a duração e o peso da sociedade capitalista clássica. Se antes os objetos testemunhavam
a força de seus donos, hoje, os objetos são leves, acelerados – como os seus portadores – preferencialmente portáteis e tradicionalmente descartáveis, traduzindo a ideia da instantaneidade e da
movimentação ágil.
8. Nessa lista deixamos de lado os objetos coletados e ainda não caracterizados pelo personagem
como pertencentes às coleções já “legitimadas socialmente” tais como as de: selos; brinquedos
(soldadinhos de chumbo; piorras); cartões-postais; fotografias; monóculos com fotografias; medalhas;
instrumentos musicais (maracas; instrumentos de percussão); caixinhas de músicas; ampulhetas; figurinhas de álbuns etc.
9. Bauman (2001) utiliza-se da metáfora de liquidez para apontar que, na atualidade, os poderes
estão sendo redistribuídos e realocados. Estes poderes atingiram, segundo o autor, primeiramente as
instituições. Posteriormente, foram os padrões de relação, dependência e interação que fizeram com
que os indivíduos – agora desapegados, desterritorializados e solitários e com uma “sensação” de
liberdade – se confrontassem com esses novos formatos e padrões.
10. Em matéria jornalística no jornal O Globo, de 6 de julho de 2011, tomamos conhecimento de
projetos russos e norte-americanos para rastreamento e coleta do lixo espacial em torno da Terra.
Segundo as informações jornalísticas, somente de destroços de maior proporção, existem mais de
vinte mil objetos na órbita terrestre.
132
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
Nessa sociedade contemporânea caracterizada por uma “precarização material”,
buscamos o entendimento da memória coletiva e como esta se deposita materialmente tendo em vista que a precariedade da nossa existência social se traduz por
uma percepção de mundo “como um agregado de produtos para o consumo imediato”. Esta percepção do mundo, cujos indivíduos passam a ser vistos como itens
de consumo, “faz da negociação de laços humanos duradouros algo excessivamente
difícil. [...]”. (Bauman, 2001, p. 188)
A ideia de precariedade encontra eco em reflexões de Pierre Bourdieu (1998, p. 120),
quando esse teórico argumenta que, na contemporaneidade, devemos estar criticamente atentos a um tipo de “manutenção da ordem simbólica” que contribui para
o “funcionamento da ordem econômica” e que apresenta seus efeitos estendidos a
todos os indivíduos tanto no setor público quanto no setor privado. Não somos mais
insubstituíveis no espaço do trabalho, nos sentimos inseguros e desmobilizados e
nossa projeção de futuro é cada vez mais incerta frente às estratégias de precarização impostas pela “flexibilidade”, pela desterritorialização das empresas que têm, via
de regra, a dissociação de um estado-nação ou de um território.
Discutir a memória nessas condições é repensá-la no espaço da fluidez, em que os
objetos fora do circuito preenchem mais o tempo do que o próprio espaço. Bauman
(2001) argumenta que a instantaneidade, ao anular a resistência do espaço e liquefazer a materialidade dos objetos, faz com que o “momento” se torne infinito e que
a capacidade de extração desse momento, por mais breve e “fugaz” que seja, não
apresente um limite. Nesse sentido, como lidar com o paradoxo desses objetos inúteis que carecem de datação? Ou seja, se a ideia de “longo prazo”, como argumenta
Bauman, já não se sustenta, como problematizar as coleções que têm como projeto
o longo prazo?
Contrariando o consumo que é voraz e instantâneo, Urbano faz dos seus objetos
inúteis algo a ter permanência e vai de encontro ao processo de “desvalorização
da imortalidade”11. Refletir sobre uma cultura que se posiciona de forma insensível
moralmente às mudanças advindas da lógica do eterno, do transmissível e do legado
para gerações futuras, é, segundo Bauman, um território a ser explorado, e torna-se
necessário repensarmos uma sociedade em que a memória e o passado precisam
ser reproblematizados sob outra ótica que privilegie a vivência do momento.
11. Moles (1981, p. 109) discorre acerca de uma “ética do eterno” que representa o homem (principalmente o das classes superiores) que, investido de uma fragilidade frente ao mundo material,
vivenciou um estágio em que ele se projetava para o futuro. Dessa forma, buscava construir e deixar
para eternidade joias, grandes templos e palácios, enfim, toda uma gama de construções e objetos
que pudessem simular um desafio ao tempo.
133
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
Entender essas coleções “como ato autobiográfico” significa perguntarmos: nos processos de formação de subjetividade, o inútil e o traste são valores que permeiam
representações do aposentado ou a representação metafórica de resistência ao descarte é uma crítica aos hábitos de consumo, à morte das coisas? Perguntamo-nos
ainda se Urbano propõe uma nova ordem taxinômica do espaço do desmanche?
A transformação dos objetos de coleção em signos
Se a mobilidade e a contingência acompanham nossas relações,
há algo que desejamos que permaneça imóvel, ao menos na
velhice: o conjunto de objetos que nos rodeiam.
(Bosi, 2003, p. 5)
O espaço do consumo referencia-se a partir de práticas de sedução e desejos crescentes e nunca satisfeitos, pois a cada objeto (ou os sistemas simbólicos por eles
representados) consumido ou a cada vontade realizada no hoje, o amanhã se torna
menos distante, pois as vontades de hoje transformam-se em necessidades de amanhã semiologicamente representadas por um sistema de códigos vigentes. (Bauman,
2001; Featherstone, 1997)
É importante pensar que guardar, acumular aquilo que está fora do circuito sem valor
de uso e de troca ocupa espaços sólidos. Nesse sentido, perde-se a referência da
territorialidade histórica em função da temporalidade histórica, fluída, desterritorializada. Aqui, cabe introduzir Davallon (2006) que, ao refletir acerca da patrimonialização, adverte que esse movimento requer mais do que uma mera reconstrução
cognitiva do passado para o presente, demandando a busca por novas formas ou
gestos de entendimento acerca do processo de patrimonialização em sua diversidade no espaço público.
Urbano luta contra a individuação, buscando a manutenção de um tipo de identidade que faz do “objeto de desejo” aquilo que está próximo. É alguém que, também
discursivamente, narra uma história do desperdício a partir do que é considerado
lixo e descarte do mundo e propõe um deslocamento das coisas originárias, ressignificando-as. Ouçamos Silveira (2010, p. 38, grifos do autor): “A capacidade de
descartar – e não mais de possuir – objetos parece reconfigurar os sistemas de
atribuição e aquisição de status social, legitimidade e capitais simbólicos. E que a
substituição seja tão ampla e irreversível quanto constante e veloz!”. Assim, em termos práticos, coletar e colecionar objetos produzidos pela cultura de massa parece
reverberar uma tentativa de manutenção de determinadas práticas de trabalho que
134
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
corresponderiam à manutenção de uma expectativa de continuidade de experiências, contrariando um ciclo clássico da lógica capitalista que produz objetos para
consumo e descarte. Moles (1981, p. 104) chama a atenção para o tipo de objeto
característico da área tecnológica nomeando-o de “objeto misto”. Este tem uma
duração de vida definida e não é feito para a eternidade.
Propomos pensar que as práticas de colecionamento prescindem também de uma
postura cidadã, de um reconhecimento do papel dos sujeitos históricos como colecionadores, publicizados e com questões que se fazem representar acerca dos
objetos. Legitimar Urbano como um colecionador e seus objetos como coisas colecionáveis é colocá-los no espaço das discussões públicas. Desse modo, é preencher de questões públicas o espaço público, reproblematizando e redimensionando,
com questões como a aposentadoria, a velhice, o consumo desenfreado, o descarte
cada vez mais voraz. Ainda que seja cada vez mais difícil enxergamos um projeto
emancipatório na sociedade contemporânea, colocar essas temáticas em debate
é abrir mão do esvaziamento da esfera pública e dos projetos individualizantes e
midiáticos12.
Urbano, o enciclopedista e colecionador visionário
do desmanche?
Para Marx, assim como para os operários sobre os quais ele
escreveu, não havia “meras” coisas.
As coisas eram os materiais – as roupas, as roupas de cama,
a mobília – com os quais se construía uma vida; elas eram o
suplemento cujo desfazer significava a aniquilação do eu.
(Stallybrass, 1999, p. 105)
Pomian (1984, p. 72) argumenta que um objeto, para ter uma atribuição de valor,
necessita ser útil ou carregado de significado. “Os objetos que não reúnem nem
a primeira nem a segunda destas condições são privados de valor; de fato, já não
são objetos, são desperdícios”. Nesse sentido, o próprio autor nos aponta uma
das chaves de leitura para entender os objetos da coleção de Urbano: socialmente
12. Sob outra vertente, não problematizando o colecionamento como uma prática de acumulação
capitalista, Oliveira, Siegmmann e Coelho (2005, p. 11-119), em um instigante artigo intitulado:
“As coleções como duração: o colecionador coleciona o quê?” propõem olharmos para essas práticas contemporâneas a partir da ótica da filosofia da diferença ao invés de uma abordagem mais
economicista. Aproximando as coleções do espaço da estética, as autoras situam o colecionador
como um artista que, ao ser capaz de “atualizar o imemorial”, cria e busca novos arranjos do novo
e da memória.
135
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
eles são “desperdícios”, individualmente eles são carregados de significado e são
considerados “preciosos” como peças de um colecionador. O autor argumenta que
essa preciosidade diz respeito à valoração representativa do invisível e que tais objetos “preciosos” participam, desse modo, de um lugar superior e fecundo. No entanto,
socialmente, esses objetos, ainda que não tenham utilidade para grande parte da
sociedade, também não apresentam nenhum tipo de significação a não ser a falta de
uso, ou seja, são “desperdícios” ou restos.
É interessante nesse sentido, acompanhar a discussão que Gonçalves apresenta
acerca da retórica da perda que pode nos esclarecer sobre esse aparente paradoxo
do personagem, ou seja, guardar aquilo que é produzido para o descarte. O autor
argumenta que as narrativas nacionais que são engendradas para classificar objetos
na categoria de patrimônio cultural trazem um duplo aspecto: “desaparecimento e
reconstrução imaginativa, perda e apropriação, dispersão e coleção, destruição e
preservação, contingência e redenção”. (2002, p. 30) Assim, esses processos que
não podem ser problematizados de forma separada ou mesmo dicotômicos.
Dessa forma, poderíamos dizer que o que mantém a lógica de preservação e entendimento das coleções de inutilidades de Urbano seria uma recorrência acerca da
redundância do ato de coletar e preservar aquilo que deveria ser descartado. “Uma
ruína é algo que desaparece. Paradoxalmente, é algo que não é mais. Foi, certa vez,
parte de uma totalidade. Ao mesmo tempo, convida a uma permanente reconstrução”. (Gonçalves, 2002, p. 114) Urbano, ao não abrir mão dos objetos que representam inventários exaustivos e enciclopédicos das coisas do mundo, guarda entre suas
variações e particularidades aquilo que poderia ser classificado como restos e como
redundâncias. O personagem engendra mais os discursos acerca das coisas que
podem morrer do que as próprias coisas em si. (Maciel, 2009)
“Tudo guardar, nada jogar fora” nos ajuda também nessa reflexão. Jeudy (1990, p.
64) argumenta que, mais do que os sentidos que o objeto carrega, é o relato, a história que ele pode transmitir que é nova. Transmitir, então, a história dos homens,
principalmente a partir do desperdício e da representação do consumo voraz e
acelerado, é para nós a tarefa de Urbano, o colecionador-símbolo da contemporaneidade: o colecionador da sociedade do desmanche. Mas é também recuperar
e atualizar os processos de interação contidos nos objetos, ou seja, se eles, no
espaço das mercadorias, na modernidade sólida, tiveram um valor de troca, qual
o seu sentido como referência no circuito do desmanche? Se isso for possível,
estaríamos diante de um discurso redentor para parafrasear Reginaldo Gonçalves?
Ou devemos ficar atentos ao que já preconizava Abraham Moles, em décadas anteriores do século passado:
136
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
Parece que esta invasão pelos objetos, a poluição do mundo pelas formas sólidas que o homem realiza, deve se tornar um problema fundamental na sociedade futura. A imagem do “pronto para jogar fora” impõe-se como uma das suas
imagens-chaves, da qual o psicanalista se serve para analisar o conjunto social.
Uma teoria da eliminação dos produtos fabricados pelo homem é exigida, se se
sonha que o cidadão da cidade atual dissipa cerca de um quilograma de lixo por
dia (dos quais 30% são embalagens) nas lixeiras. (Moles, 1981, p. 182)13
Outro tipo de resposta a esse impasse se encontra no que eles, os objetos, podem
representar, e diz respeito metaforicamente ao próprio colecionador. Ou seja, se
“sempre colecionamos a nós mesmos”, o velho como uma categoria social não pode
mais ser ignorado frente aos números cada vez mais expressivos de envelhecimento
da sociedade brasileira. Em 2009, segundo o levantamento efetuado pela Pesquisa
Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), a população girava em torno de cento
e noventa e um milhões e oitocentos mil habitantes e já contava com vinte e um
milhões de habitantes de sessenta anos ou mais de idade. Entre o período de 1999
a 2009, este conjunto da população passou de 9,1% para 11,3%, demonstrando que
este grupo vem ocupando um lugar de destaque na sociedade brasileira. (IBGE, 2010)
Mas as coleções de objetos que um dia foram mercadorias significam a sua inclusão
no espaço das trocas de uma sociedade em que os indivíduos, para a produção,
tinham um lugar com endereço fixo, ou seja, esses objetos ainda falam de um trabalho, mas e agora? Trabalho que é tão desperdiçado quanto aqueles que os produziram? De espaços que somente nos remetem aos templos do consumo? Qual
o “regime de valor” (Appadurai, 2008) que se funda em nossa sociedade e em que
poderíamos legitimar Urbano e seus objetos não mais como mercadorias, mas como
“coisas” ou artefatos que são representações materiais de uma cultura industrializada? A esses objetos colecionados não é permitido o retorno ao seu estado natural
de mercadorias. No entanto, essas coleções de inutilidade não podem significar desvios de rota? Transgressões às avessas, ou possibilidades de auferir novamente um
tipo de valor ainda que não seja estético ou carregado de autenticidade ou mesmo de
originalidade? As coisas e objetos, segundo Appadurai (2008), podem ser entendidos
13. A esse respeito é interessante fazermos referência ao filme de animação Wall-E (2008) que narra
a trajetória de um robô no futuro, quando a Terra se encontra soterrada pelo lixo. A situação do planeta obriga os governos a tomarem medidas drásticas, traçando um plano de despoluição em que
robôs Wall-E ficam responsáveis pela limpeza do planeta por um período de cinco anos, até que a
Terra possa ser novamente habitável. Porém, diante da situação insalubre, este período se estende
por setecentos anos e, perante a falta de manutenção, apenas um robô Wall-E resiste e permanece
em funcionamento. O robô passa a vagar realizando a tarefa para a qual foi programado, ao mesmo
tempo em que escuta velhas melodias e coleciona inúmeros artefatos encontrados durante a limpeza.
Através dos objetos descartados, Wall-E se aproxima da humanidade e de sua história, reconfigurando
o seu próprio mundo. Cf. Ribeiro Leila Beatriz, Costa Thainá Castro, 2010. [Ver também: Ribeiro Leila
Beatriz, 2006].
137
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
a partir de seu próprio trajeto sócio-histórico e de uma análise sobre suas formas e
usos. Ao se movimentarem, eles nos dizem acerca dos indivíduos e da sociedade
dando a eles um significado.
“É o objeto que nos pensa” [...] Trata-se claramente de uma relação mágica que
contém o reverso de nossas projeções. O objeto absorve todas as posições
do sujeito, para devolvê-las como espelho de suas intenções. E, para nos resguardar dos eventuais sortilégios do objeto, nós o botamos no museu. (Jeudy,
2005, p. 47)
Pensá-las como signos que são contemporaneamente significa atribuir aos objetos
um possível status de capacidade de transmissibilidade de algo passível em conservar lembranças para aqueles que ainda não nasceram ou mesmo desconhecem as
possíveis funções que esses objetos conservam quando são evocados14. Significa
também acreditar que Urbano, ao imprimir esse status em seus objetos de coleção,
os simboliza como socialmente úteis tanto para ele como para o seu próprio grupo.
É nesse sentido que alguns cuidados que os objetos sofrem, tais como acondicionamento, catalogação e indexação, por exemplo, contribuem para enxergarmos os
mesmos como produtos de um determinado trabalho, o do colecionador que imprime
aos “objetos inúteis” uma singularidade valorativa ao fixar neles um atributo de valor
igualitário. Cada objeto das diversas coleções apresentaria um valor idêntico entre
si, ainda que sejam materialmente diferentes, representando o resultado produtivo
do trabalho de um colecionador que investiu tempo de trabalho nas diversas funções
executadas e descritas acima:
[...] Ora, a história de sua valorização” é a história de qualquer coisa, porque
une magicamente os relatos da vida psíquica mais individual ao movimento
projetivo do sincretismo simbólico. O valor é o dizer do objeto devolvido como
um espelho ao indivíduo e à coletividade. (Jeudy, 1990, p. 65)
Assim, se as coleções de inutilidades representassem um valor de trabalho ainda
que de um pequeno grupo, é possível que elas passem a representar uma nova possibilidade de coleções de objetos “úteis” que se convertam em signos abstratos de
produtividade material e recuperem também a relação estabelecida entre homens e
natureza.
14. Em uma das tiras, por exemplo, Urbano, no banco da praça com sua coleção de prospectos,
informa aos amigos o preço de custo de uma torradeira em 1993. Um deles comenta: “Nunca falta
assunto quando Urbano traz sua coleção de prospectos!”
138
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
Desse modo, a discussão acerca da patrimonialização das coleções de objetos de
Urbano, o Aposentado pode demandar outro tipo de reflexão, tendo em vista que
repensarmos o trabalho investido nesse tipo de tarefa e o valor investido pelo colecionador é o que faz jus ao estatuto desses objetos.
A ideia da mistura, uma ideia meio que desorganizada, meio que caótica, vai ao
encontro do controle e da ordenação do mundo a partir dos objetos de coleção de
Urbano. Guardando-se as proporções, poderíamos enxergar no seu projeto menos
que um retorno a um “gabinete de curiosidades”; seria mais a criação ou reinvenção
de um “teatro da memória” contemporâneo.
Como resolver sobre se as coleções de Urbano têm valor de uso e valor de troca aparente? A não ser o estatuto dado pelo próprio dono? O uso do olhar e do evocar lembranças seria suficiente? Voltar aqui à resistência das coisas, ao mundo que recicla
objetos e legitima o idoso cada vez mais como uma categoria social? (Ribeiro, 2011)
O valor dado pela resistência, como um dado ideológico, seria então uma resposta
suficiente para a contemporaneidade? Ou seja, vemos cada vez mais objetos retirados do circuito, inclusive os objetos do desmanche, sendo valorados e alçados a uma
categoria até que mereçam, alguns deles pelo menos, o retorno ao circuito no espaço
da reciclagem e se tornem mercadoria. Urbano, como ícone do descarte, transformase então em um projeto do novo capital? Transforma-se ainda em uma representação
de intermediação do desmanche e do circuito das mercadorias? A velhice ressignificada com seus objetos traz o passado (e seus objetos inúteis) não mais apenas como
referência de lembranças, não mais apenas a ser exposto e olhado pelos humanos,
mas como produto a ser novamente consumido (reciclado), representação icônica da
contemporaneidade.
Pomian (1984, p. 67) diz que a interpretação da história das coleções contemporâneas ainda está por se fazer. É nesse sentido que buscamos pensar Urbano, o Aposentado, o colecionador de inutilidades, engendrando um tipo de linguagem que lhe
possibilita relacionar-se com o invisível, unindo quando possível passado e presente,
evocando aqueles que se foram ou as coisas que teimam em desaparecer. Assegurar essa capacidade linguística de interação de coisas, pessoas e acontecimentos
em tempos e em espaços diversos torna Urbano capaz de enunciar o escondido, o
mundo submerso de “coisas que ninguém viu”:
A necessidade de assegurar a comunicação linguística entre as gerações
seguintes acaba por transmitir aos jovens o saber dos velhos, isto é, todo um
conjunto de enunciados que falam daquilo que os jovens nunca viram e que
139
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
talvez jamais verão. A linguagem engendra então o invisível, porque o seu próprio funcionamento, num mundo onde aparecem fantasmas, onde se morre e
acontecem mudanças, impõe a convicção de que o que se vê é apenas uma
parte do que existe. A oposição entre o visível e o invisível é antes de mais a
que existe entre aquilo de que se fala e aquilo que se percebe, entre o universo
do discurso e o mundo da visão. (Pomian, 1984, p. 68)
No entanto, o próprio autor argumenta que a linguagem não é suficiente para garantir a relação entre representação e objetos. Mas a linguagem ajuda a tornar essa
relação atuante e politicamente engendrada para mover algumas instituições, por
exemplo. Assim, as coleções do desmanche podem prenunciar um ato de celebração
e fazer de Urbano um intermediador não somente entre o mundo da visibilidade e da
invisibilidade, mas um personagem que transmite, a partir dessas coleções, um tipo
de resistência às práticas de produção15.
É interessante deixar que os objetos da coleção de Urbano conversem entre si, talvez
dessa forma eles possam auferir o status de documento e saírem do espaço de restos, desperdícios, desmanche. Se eles são capazes de suspender o tempo, de evocar,
em alguns momentos, lembranças tais como a chegada do homem a lua, as festas de
aniversários dos netos dos amigos, os usos passados dos objetos, as comidas hoje
proibidas e saboreadas no passado, como não dar a eles a legitimidade de objetos
de coleção? A coleção de inutilidades de Urbano como uma representação imagética, exposta aos olhares dos homens, tem como projeto ser formada de objetostestemunhos de sua própria história, testemunhos da história da materialidade das
coisas, da essencialidade funcional, da incapacidade de retenção da durabilidade no
espaço e tempo do circuito das mercadorias.
Coleção de cacos
Já não coleciono selos. O mundo me
enquizila.
Tem países demais, geografias demais.
Desisto.
Nunca chegaria a ter álbum igual ao do
dr. Grisolia,
orgulho da cidade.
E toda gente coleciona
15. Para Marshall (2005), a relação entre o colecionar, o colocar em ordem e enunciar um discurso
pressupõe a ordenação, o colecionamento e a narração. O autor propõe, ainda, de forma provocadora, que a coleta seletiva realizada pelos “colecionistas-indigentes” das cidades apresenta um
“intenso ardor classificatório”.
140
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
os mesmos pedacinhos de papel.
Agora coleciono cacos de louça
quebrada há muito tempo.
Cacos novos não servem.
Brancos também não.
Têm de ser coloridos e vetustos,
desenterrados – faço questão – da horta.
Guardo uma fortuna em rosinhas
estilhaçadas,
restos de flores não conhecidas.
Tão pouco: só roxo não delineado,
O carmesim absoluto,
o verde não sabendo
a que xícara serviu.
Mas eu refaço a flor por sua cor,
e é só minha tal flor, se a cor é minha
no caco da tigela.
O caco vem da terra como fruto
a me aguardar, segredo
que morta cozinheira ali depôs
para que um dia eu desvendasse.
Lavrar, lavrar com mãos impacientes
um ouro desprezado
por todos da família. Bichos pequeninos
fogem de revolvido lar subterrâneo.
Vidros agressivos
ferem os dedos, preço
de descobrimento:
a coleção e seu sinal de sangue;
a coleção e seu risco de tétano;
a coleção que nenhum outro imita.
Escondo-a de José, por não ria
nem jogue fora esse museu de sonho.
(Carlos Drummond de Andrade)
Mas esses objetos são ainda testemunhos daqueles que enxergam neles o próprio
tempo: candidatos a um mito de origem da contemporaneidade, “autênticos” exemplares da cultura do desmanche. Um tempo que nos remete ao espaço de triunfo do
capitalismo, de uma “ética da destruição criadora” (Moles, 1981) ou de um tempo
que um “algo a mais” se oculta. (Vieira, 2008)
141
A mediação de autenticidade dos
substitutos digitais
Cécile Tardy
Traduzido do francês por Germana Henriques Pereira de Sousa
A análise centra-se sobre a circulação social das coleções patrimoniais fotográficas
de um museu a partir de sua transformação numa imagem digital. Antes da digitalização, os museus utilizavam a fotografia para produzir substitutos, ou seja, um suporte
que se substituía à presença física do objeto patrimonial, para permitir seu estudo
sem o risco de degradação ou, mais comumente, para acompanhar a elaboração dos
saberes relacionados ao inventário das coleções. Assim, as imagens do patrimônio
inscrevem-se na longa tradição da conservação de seus objetos feita pelos museus.
Essa tradição permitiu que se pensasse que os substitutos haviam sido reduzidos a
um mero meio secundário que possibilitava o registro do rastro dos objetos patrimoniais. Nesse sentido, as políticas de digitalização seriam, antes de tudo, iniciativas a
serviço de uma abordagem mimética do real. Seu desafio seria, então, a construção
de uma representação portadora de uma referência fiel ao objeto autêntico. Ora, o
substituto digital não é apenas um “suporte bis” para um objeto de museu. Deve ser
situado num processo de negociação da semelhança com o objeto original do qual
participam os atores envolvidos na digitalização. O exemplo da digitalização das fotografias em placas de vidro é um caso-limite que poderia permitir explorar esse grau
de transformação do patrimônio quando se escolhe revelar a imagem em positivo
quando havia sido revelada em negativo numa placa de vidro. Mas o objeto da análise
está em outro lugar. A questão é saber o que a digitalização provoca no patrimônio e
não em matéria de semelhança, mas com relação aos aspectos comunicacionais1. A
digitalização modifica, portanto, essencialmente a relação da sociedade com o patrimônio quando o substituto não é mais concebido como um suporte de registro para
os especialistas, mas como um suporte de mediação do patrimônio para os públicos.
Assim, a digitalização acarreta uma expansão social, semiótica e material dos objetos
de museu, que devemos medir se quisermos entender o alcance estratégico de sua
mediação, para os museus, especificamente, nesse caso, para o museu de sociedade.
1. Uma pesquisa exploratória que eu fiz sobre o assunto, intitulada “O substituto digital: estatutos e
práticas museais”, foi apresentada no 18o Colóquio Bilateral franco-romeno Traços, memória e comunicação, organizado pela Universidade de Bucareste, de 30 de junho a 1 de julho de 2011.
143
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
A análise procura entender o funcionamento e os desafios da transformação do estatuto do substituto, que passa de suporte de registro dedicado ao estudo e ao inventário do patrimônio a suporte de mediação do museu voltado para seus públicos. A
intenção da pesquisa não é, certamente, erigir um catálogo de todas as possibilidades abertas pela digitalização das coleções no que se refere à mediação, mas antes
apontar para um problema colocado pela mediação, qual seja, a representação da
relação com a autenticidade feita pelo substituto e não mais pelo patrimônio. Esse
problema é enfocado a partir do caso da produção, feita pelo Museu Canadense da
História Social McCord, de um aplicativo para iPhone que consiste em fazer o usuário
projetar as imagens dos arquivos Notman2, na cidade de Montreal, no local original
das fotografias. Os substitutos são assim colocados no mesmo mundo de origem das
coleções fotográficas que representam. Essa materialização em tamanho original do
mundo de onde vêm as coleções permite que o museu adquira um potencial incomum de encenação da autenticidade. Ele pode capturar a matéria urbana, em vez de
evocá-la por meio de coleções fotográficas na qualidade de rastros de memória da
cidade. Esse deslocamento da relação com a autenticidade em prol do tratamento
de um mundo de origem, vivo socialmente, não é apenas espetacular. Ele cria, na verdade, um contexto de ativação de uma memória social que não está mais vinculada a
uma única representação do passado, mas a uma representação do tempo presente
e futuro. Assim, fundamentando a valorização do seu patrimônio fotográfico por meio
do suporte de registro, o Museu McCord reorganizou sua relação com a sociedade e
com a cidade de Montreal.
O texto a seguir desenvolverá, num primeiro momento, o quadro referencial teórico
da digitalização para se entender com precisão os desafios que o museu enfrentará
em matéria de comunicação da autenticidade na transformação da materialidade do
patrimônio. Em seguida, será feita a análise do caso do uso de substitutos num aplicativo móvel pelo Museu McCord e a posição que ele se atribui num espaço regido
pelo turismo. A conclusão intenta abrir uma discussão sobre os desafios enfrentados
pelo museu ao deslocar o estatuto do substituto para uma lógica de marca.
2. O Museu McCord apresenta em sua página virtual os arquivos fotográficos Notman como uma
documentação “de valor histórico inestimável”, ao mesmo tempo, de Montreal, do Quebec e do
Canadá, e que cobre, principalmente, o período de 1840 a 1935. Esse acervo dispõe de 1,3 milhão
de fotografias, incluindo 200 mil negativos de vidro. O museu disponibiliza totalmente esse acervo
digitalizado em sua página virtual, quer seja no banco de dados de suas coleções ou nos inúmeros
jogos e exposições on-line.
144
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
A digitalização como operação de redistribuição da
autenticidade museal
A principal característica da digitalização, enfocando-se os desafios que o museu
enfrenta com relação à sua evolução, é a dissociação que opera entre a imagem
do objeto e seu suporte de origem. Essa questão foi frequentemente apontada com
relação ao livro, que se tornou um texto digital, analisando-se a força do par signo/
suporte na identificação do objeto livro (Melot, 2007). A representação que se faz
dos objetos passa, então, pelo reconhecimento de uma materialidade que condiciona o seu estatuto e a sua existência social. Trata-se da história das formas do livro
que foi abalada, mas não interrompida, uma vez que esse “descolamento do signo”
(“déliaison du signe”) (Jeanneret, 2004, p. 14) requer sempre uma cultura livresca
ou outra cultura de referência, quer seja o modelo da antologia (Doueihi, 2008) ou
a referência à cultura do cenário audiovisual (Leleu-Merviel, 2005). As análises do
texto digitalizado não deixam de salientar que não há devir imaterial. A representação digital, ao mesmo tempo que ignora a materialidade do objeto original introduz
uma outra, informática, a partir da qual ela dá ao substituto um poder de existência
social. De um lado, tem-se o patrimônio fixo, congelado, imobilizado; de outro, a
representação de um patrimônio que é de natureza informacional, não manipulável,
mas palpável cognitivamente, o que não impede, claro, um engajamento corporal.
Poderíamos nos limitar a pensar que, para o museu há, daqui para a frente, o objeto
raro, original, autêntico, de valor patrimonial, e sua cópia digital, de valor mais ordinário, que preserva seu rastro. Valor superior do original, valor inferior do documento.
Mas esse argumento, se observarmos com atenção, não se sustenta mais. Se ele
permite aos profissionais procederem à conservação do objeto pela sua transformação em um resto visual, esse gesto documentário não é uma simples redução no
sentido de um empobrecimento do objeto original. Possibilita, de fato, uma visão sem
precedentes sobre o objeto, oferecendo ao olhar uma realidade inacessível naturalmente, quer seja pela miudeza dos detalhes ou pela extensão das coleções de
museus. Além de sua contribuição no estudo do objeto, a digitalização traz consigo
mudanças sociais e culturais. No caso extremo de objetos que são digitalizados para
superar sua fragilidade excessiva, o que é frequentemente o caso com fotografias
sobre placas de vidro, vê-se, embora a questão se coloque em todos os casos, a
inversão de valores que acontece: o que o objeto patrimonial perde em termos de
uso, o substituto aproveita. A ausência do suporte original libera um lugar social na
medida em que a materialidade sempre suporta a integração de tudo na vida social.
A substituição dessa primeira materialidade por um suporte dedicado a seu registro
confere ao substituto um valor sem precedentes em termos de uso. Sua materialidade informática atrela-o, daqui por diante, aos dispositivos com tela e à rede digital.
145
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
A digitalização não pode mais ser considerada apenas como uma materialidade definindo uma modalidade de preservação de um original, mas como uma introdução
inédita de modalidades de “disseminação”, de acordo com o termo usado por Vera
Dodebei e Inês Gouveia (2007).
Essa disseminação deve ser entendida do ponto de vista da mediação, uma vez que
a materialidade informática não é comparável a um canal de transmissão de informação que transportaria fluxos de dados sem afetá-los. Diante dessa concepção do
substituto numa lógica de disseminação para além do círculo dos especialistas, não
se trata de se perguntar se o museu está relutante ou, ao contrário, entusiasmado,
mas antes de considerar como a longa tradição museal de fabricação dos substitutos, da prática fotográfica à digitalização, é reinvestida de diferentes formas sociais
e materiais que tornam os substitutos, e através deles o museu e as suas coleções,
visíveis, inteligíveis e de fácil manipulação pela sociedade atual. A imagem pode,
portanto, aparecer numa variedade de lugares, a partir do momento em que um
equipamento de projeção o permita. A digitalização oferece uma nova superfície de
inscrição para os acervos fotográficos antigos, qual seja, a tela informática. Torna-se,
assim, possível brincar com o dimensionamento das fotografias, com as modalidades
de apresentação e com a mobilização do saber-ler digital dos públicos.
Nesse movimento em prol do uso de substitutos no contexto de uma mediação com
os públicos, o museu é desafiado a manter uma troca dinâmica entre o original e
seu substituto, a fim de que o segundo não leve ao esquecimento do primeiro e, em
última instância, ao do museu. Essa relação entre o substituto e o objeto que ele
representa depende do reconhecimento social do museu como uma instituição responsável por garantir a autenticidade de suas coleções. Através de suas funções de
conservação, pesquisa e exposição, o museu é responsável pela garantia do estatuto
patrimonial dos objetos a partir de sua autenticidade, ou seja, de sua relação com o
mundo que representa (pois são oriundos de um mundo particular) (Davallon, 1999,
p. 31-32). Essa relação com a autenticidade tem suas consequências na visitação
do museu. Gérard Namer (1987) sublinha o caráter emocional que ela é susceptível
de causar. O objetivo não é ligar a autenticidade a um choque emocional que seria
natural para o visitante, mas considerar que, por um lado, este último aciona seu
reconhecimento social do que ele espera do museu em matéria de apresentação
de objetos patrimoniais e, por outro, o museu encena, através de seu dispositivo
de exposição, a autenticidade dos objetos, religando-os ao seu mundo de origem. A
representação do objeto patrimonial em seu mundo original produz uma memória
social, uma vez que ela consiste em elaborar uma representação do passado que
podemos compartilhar coletivamente, desde que o museu estabeleça as condições
de sua transmissão.
146
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
Como colocar em cena a autencididade a partir dos substitutos de patrimônios? O
descolamento material entre objeto e substituto lhes permite evoluir separadamente,
na independência física um do outro, como o museu pode adequar a continuidade
de uma dependência patrimonial? O desafio que o museu enfrenta não é menor, uma
vez que isso põe em questão a perenidade daquilo que o fundamenta, a saber o valor
de autenticidade de suas coleções. A digitalização o leva a adotar uma posição de
afastamento com relação a essas coleções, convidando a instituição museal a refletir
sobre o modo como pode destacar a autenticidade de seus objetos a partir de substitutos. O desafio da pesquisa é fazer esse questionamento numa situação em que o
museu leva ao extremo a lógica do uso de substitutos, mobilizando sua capacidade
de reinvestimento em dispositivos informáticos com tela e de mobilidade para além
das paredes do museu. A análise centra-se na forma como o museu, num contexto
em que dissocia o aparecimento dos substitutos da instituição de acolhimento dos
públicos e de apresentação dos objetos originais, vai colocar em cena a autenticidade de suas coleções. Trata-se de um problema comunicacional que o museu
tem que resolver, colocando seus públicos em relação com o mundo de origem dos
objetos. A hipótese é a de que, nessa mutação da relação com o patrimônio, o museu
também vá deslocar sua relação com a memória social, inventando novas formas
de exposição de seus objetos por substituição. O estudo de caso realizado a seguir
explora o processo de reautentificação das coleções pelos substitutos, buscando
aprofundar os desafios e riscos de uma tal recomposição comunicacional para a
instituição museal.
O processo de delegação da representação
da autenticidade em ambiente urbano
O Museu Urbano MTL é um aplicativo para download gratuito em aparelho iPhone,
lançado em 2011 pelo Museu McCord, na cidade de Montreal, em colaboração com
Historia, um canal de televisão de língua francesa sobre história. Esse dispositivo
permite sobrepor a vista atual “150 pontos da cidade explorando o acervo dos
Arquivos Fotográficos Notman do Museu McCord”3. Usando o mapa que mostra a
localização das vistas, a função de geolocalização do dispositivo e pastilhas colocadas no chão, o detentor do iPhone projeta a imagem da cidade cem ou cento e
cinquenta anos atrás.
3. Essa citação, extraída do comunicado de imprensa, pode ser baixada em: http://www.museemccord.qc.ca/fr/mobile/MuseeUrbainMTL/, consultado em 30 de mars de 2012.
147
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
Figura 4. Tela principal do iPhone do aplicativo Museu Urbano MTL [Musée Urbain
MTL] do Museu McCord
A observação do uso dos substitutos do acervo Notman do Museu McCord é centrada
na sua contextualização por meio do suporte iPhone, em ambiente urbano e turístico.
A análise visa compreender como o museu delega, nessa contextualização, o valor
de autenticidade dos objetos originais. O texto a seguir abrangerá três momentos
desse processo, durante os quais instauram-se as condições para a transmissão de
autenticidade pelos substitutos:
1. A encenação da relação dos substitutos com o mundo de origem das coleções:
a questão enfoca a reconstrução da relação entre patrimônio e memória social
que o Museu McCord ativa a partir de uma forma de exposição, aliando espetáculo
tecnológico e tradição turística.
2. Processo de validação da autenticidade patrimonial pela montagem de duas
vistas da cidade, a do passado, dada por cada substituto, e a presente: representar
a autenticidade do patrimônio através de seu substituto requer a introdução de
uma regra de validação da relação entre o substituto e o mundo de pertencimento
do patrimônio representado.
3. A representação da presença do museu como uma garantia da autenticidade
da relação entre o substituto e o mundo de origem das coleções: o museu,
encenando sua própria transmissão – já que ele é de fato o detentor do lugar de
enunciador do dispositivo –, desloca sua posição institucional e sua legitimidade
para dizer o que é autêntico no cerne do espaço socioeconômico do turismo.
148
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
O panorama como representação da memória urbana
É pela introdução de uma imagem de arquivo do final do século XIX ou do início do
século XX, confrontando-a com seu quadro atual, in situ, que se concretiza, na cidade
de Montreal, uma iconografia cujo intervalo4 de tempo é de cem anos. As coleções
fotográficas do Museu McCord, embora concluídas e arquivadas, são reabertas, em
primeiro lugar pela digitalização, e, em seguida, pela reorientação do estatuto do
arquivo numa operação iconográfica, no sentido de representar a cidade, tanto em
seu passado como em sua evolução. Essas fotos antigas são retiradas da trajetória
de sua produção inicial para serem colocadas na perspectiva de um novo programa
iconográfico, que consiste em colocar em cena a relação física entre a imagem de
arquivo e a cidade. Portanto, não somente a fotografia mantém uma relação indicial
com o mundo que ela representa, uma vez que ela é sua marca física, como também
a fotografia continua a expressar a sua relação com um passado através dos vestígios desse último que compõem a sua imagem, mas, para além disso, a localização
da imagem na cidade recria sua relação com o mundo que ela representa.
Nesse modo de ser empurrada para a cidade contemporânea, a imagem de arquivo
ganha instabilidade temporal. Enquanto a fotografia remete imediatamente a um
tempo passado, mesmo logo após a realização da imagem, e enquanto seu devir de
arquivo patrimonial reforça essa relação com o passado, a introdução da perspectiva contemporânea vai rebocar o arquivo, estirá-lo ao longo do tempo5 para trazê-lo
até nós numa encenação “memorializada” da cidade. É interessante esmiuçar essa
relação com a memória urbana para se entender que a autenticidade das coleções
4. A noção de iconografia do intervalo é de Didi-Huberman, com relação à obra de Étienne-Jules
Marey (1830-1904), inventor da cronofotografia, tendo introduzido o tempo na imagem. Para
representar uma imagem em movimento, Marey vai tanto sequencializar como sobrepor as imagens. Ele é o promotor, segundo Georges Didi-Huberman, de uma “verdadeira iconografia do
intervalo, ainda mais visível do que na percepção” [grifo da autora] (Ibid., p. 245). [“véritable iconographie de l’intervalle, rendu plus visible encore qu’il ne l’est dans la perception”]. [Nossa tradução]
A iconografia do intervalo usada no contexto da análise da obra de Marey permite chamar a atenção
para a questão da montagem de várias imagens para representar o tempo. Embora o caso ora em
análise justaponha vistas figurando espaços urbanos – não é o traço de um movimento que carrega
a imagem –, a lógica da representação de um intervalo de tempo está plenamente presente nessa
iconografia em duas etapas.
5. Vale fazer referência à obra Traditions et temporalités des images, a respeito, sobretudo, das estátuas de culto onde se encontra essa questão das condições de alongamento do tempo e da imagem:
“Il faut comprendre en effet le rituel et toute liturgie comme un mode de production des objets qui, en
sollicitant tous les sens (la vue, mais aussi l’odorat avec l’encens et les parfums, l’ouïe avec la musique
et les chants, le toucher et même le goût) étire le temps de l’image autant qu’il est nécessaire pour
qu’elle vive dans l’esprit des hommes et y imprime son pouvoir” (en italique dans le texte) (Careri et
al., 2009, p. 12). [“Devemos entender o ritual e toda a liturgia como um modo de produção de objetos que, solicitando todos os sentidos (visão, mas também o olfato com o incenso e os perfumes, a
audição, com a música e os cânticos, o tato e até mesmo o gosto), estiram o tempo da imagem tanto
quanto for necessário para que ela viva no espírito dos homens e aí imprima o seu poder.” (em itálico
no texto de origem)] [Nossa tradução]
149
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
não somente está atrelada a um mundo original definitivamente passado, mas a um
mundo em permanente construção. O fato de não se atrelar o dispositivo a uma
segunda imagem fotográfica da cidade atual – o que acarretaria automática e imediatamente uma relação com o passado – permite deixar em aberto a relação com
o tempo presente e futuro. Para realizar essa bifurcação temporal do arquivo para
o futuro, o museu mobiliza o rastro digital de sua coleção patrimonial a serviço da
produção de uma memória social da cidade.
O uso do próprio contexto da produção dos arquivos permite ao museu realizar uma
mediação inédita em comparação com o que ele é capaz de concretizar em suas
exposições. Com o Museu Urbano MTL, o mundo original não é nem uma reconstituição nem o puro passado das imagens. É o mundo de origem atualizado, verdadeiro,
mas que evoluiu ao longo do tempo. O público é colocado numa relação espacial
contínua entre a imagem de arquivo e a cidade – pois se trata do mesmo lugar –,
porém numa ruptura temporal entre as duas entidades que se expõem mutuamente.
Podemos refletir sobre a natureza de um tal dispositivo representacional capaz de
iniciar uma relação com o passado e o futuro a partir do presente, e isso no contexto
urbano. A originalidade da mediação, feita em Montreal pelo museu, consiste em,
integrando-se ao espaço turístico, negligenciar o controle de um circuito de visita,
tal como feito habitualmente numa exposição museal, para brincar com encenações pontuais, embora recorrentes, de diferentes lugares. É nesse estreitamento do
poder de representação do tempo num só lugar do espaço que a afiliação com o
panorama pode ser discutida. Uma vez que o panorama trabalha uma relação com
o espaço composta de continuidade e ruptura espaciais, esse adota um ponto de
vista dominante que destaca do espaço circundante o observador, ao mesmo tempo
que o conecta a ele geograficamente. A encenação dessa quase ruptura promove a
experienciação de um alhures a partir do presente no qual se situa o observador. O
dispositivo panorâmico geográfico pode parecer muito longe do que pode oferecer o
tamanho portátil e reduzido na superfície da tela de uma ferramenta digital. Porém,
a experiência de representação é a mesma: o turista de Montreal não apenas está
diante de uma representação iconográfica como, na verdade, ele evolui dentro dela.
A imagem de arquivo acompanha seus passos, pois a cidade representa o mundo
de origem da imagem. A iconografia em dois tempos de Montreal mantém com o
panorama uma relação de parentesco, por meio do processo de inversão da posição
do sujeito, que passa da posição de estar diante da representação à posição de estar
no interior dela.
Outra diferença aparente entre a fórmula panorâmica da profundidade temporal e o
panorama geográfico é a das visões oferecidas, uma operando a partir do solo, a outra
a partir de um ponto de vista situado mais alto. No entanto, vale notar que ambas
150
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
trouxeram da experiência panorâmica esse desejo de englobar uma totalidade, quer
seja espacial ou temporal. Aumentar a possibilidade de tudo ver, até mesmo o que
o olho humano não pode assumir sozinho, afetaria, de hoje em diante, não apenas
o espaço, mas o tempo. Podemos até perguntar se essa maneira de fazer emergir a
profundidade temporal da cidade não corresponderia ao futuro da formação de uma
nova sensibilidade à paisagem urbana e a um novo objeto de turismo urbano. Não
há certeza, mas há uma tendência. Projetos de reconstituição virtual das cidades
em seu passado por meio das tecnologias da realidade aumentada mostram que
extensões de outra magnitude estão em curso6. As projeções temporais do espaço
ancoradas pelas tecnologias digitais afetarão um dia até os nossos hábitos visuais?
Uma diferença fundamental do que poderíamos chamar de “memorama” com relação
ao panorama geográfico é a sua ausência física da cidade, ou para ser mais exata, a
sua presença segundo a forma de rastros através das pastilhas fixadas no solo. Uma
vez que o dispositivo “memorâmico” só existe na utilização que é feita dele, a produção da autenticidade por meio de sua encenação é feita a partir do usuário.
A antecipação de uma postura de validação dos saberes feita
pelo dispositivo
O Museu McCord rejeita a dissociação em suas coleções fotográficas entre suporte e
signo, para oferecer outras modalidades de apresentação além das exposições intramuros. Os substitutos digitais dão ao museu a oportunidade de brincar com o carater
de acontecimento circunstancial e criativo da exibição de suas coleções. Conforme
enfatizado por Yves Jeanneret com relação ao texto informatizado: “O texto [informatizado] deixou de ser uma coisa manipulável para se tornar um evento repetido”7
(Jeanneret, 2004, p. 14). Esse devir circunstacial dos objetos de museu tem consequências na sua temporalidade de exibição e sobre o modo como são atualizados. O
dispositivo informatizado situa sua atualização, não apenas do seu conteúdo, mas de
si mesmo, no campo do receptor detentor da mídia que é o telefone.
A imagem do arquivo só é materialmente fabricada no ato de leitura do usuárioturista8 em seu iPhone. O princípio do dispositivo é, assim, colocar o turista em
6. Penso, por exemplo, no projeto B3D, da cidade de Bordeaux (França), que está em curso de concepção e experimentação de uma visita com realidade aumentada.
7. “Le texte [informatisé] a cessé d’être une chose manipulable pour devenir un événement réitéré.”
[Nossa tradução]
8. O discurso do comunicado de imprensa da aplicação refere-se a usuários de uma tecnologia numa
situação de passeio pedestre em zona urbana: “Uma forma única de aprender sobre o passado em
Montreal apenas andando pelas ruas da cidade, tudo isso graças a um aplicativo móvel e ao telefone
do usuário!” [“Une façon unique d’apprendre sur le passé montréalais en marchant simplement dans
les rues de la ville, tout cela grâce à une application mobile et à son téléphone !” (Nossa tradução)].
151
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
posição de fabricar ele mesmo a imagem. Não se trata de propor logo um conjunto
de imagens e uma estrutura de acolhimento ao público, mas de propor ao turista
um modo de conectar uma imagem a um lugar, posicionando-se num determinado
lugar da cidade. O dispositivo museal em ambiente urbano consiste em instruir o
turista com relação a que atitude adotar para acessar a profundidade temporal da
cidade pela conexão de duas vistas sobre o passado e o presente. Com sua ferramenta de leitura na mão, ele é convidado a identificar “as pastilhas no chão que
irão localizar alguns dos cento e cinquenta lugares incluídos no aplicativo” (informa
o press release). Uma vez situado no local requisitado, “a tecnologia da realidade
aumentada permitirá a sobreposição de uma imagem histórica na vista atual de
Montreal, oferecendo, assim, simultaneamente, duas visões do lugar, a de ontem
e a de hoje”.9 Assim, o turista se transmuta em operador de um duplo enquadramento, o da fotografia antiga, que ele ativa a partir de seu iPhone, e o da imagem
contemporânea, que ele ativa mentalmente reportando-se ao primeiro enquadramento. É, pois, o corpo do turista que assegura a ligação entre as duas partes da
iconografia, passado e presente. Ele é quem concretiza, através de sua posição na
cidade, a projeção da memória urbana, mantendo unidas as duas partes de uma
mesma totalidade. Por conseguinte, ele também é aquele que garante a validade da
veracidade dos saberes e da autenticidade patrimonial, atualizando a boa operação
de montagem iconográfica.
O que interessa à análise é entender como o dispositivo reinveste a memória social
relacionada com a fotografia inicial para controlar o programa iconográfico. Todo dispositivo de exibição do arquivo na cidade repousa na reunião simbólica do corpo do
turista com o corpo do fotógrafo original no local em que a imagem foi feita. A troca
é singular, sem face a face e localizada num tempo alongado, uma vez que se trata
de retomar a experiência de uma realidade geográfica feita por outro que não seja a
própria pessoa. O objetivo é conseguir construir um testemunho da memória urbana
de cem ou cento e cinquenta anos, fazendo coincidir os dois corpos no mesmo local.
O turista deve encontrar a localização do primeiro no espaço para reproduzir seu
enquadramento com a maior precisão possível, de modo a assegurar de que se trata
realmente da representação da memória de um só e mesmo lugar. O fotógrafo e o
turista vão traçar juntos um segmento de tempo.
A organização desse encontro à distância não exige apenas a definição de um local
corporal específico. Ela também redireciona o estatuto de cada um desses dois proTambém fala de “visitante” do Museu Urbano MTL.
9. “La technologie de la réalité augmentée permettra la superposition d’une image historique à un
point de vue actuel de Montréal offrant ainsi simultanément deux visions du lieu, soit celle d’hier et
celle d’aujourd’hui.” [Nossa tradução]
152
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
tagonistas, fazendo do fotógrafo a primeira testemunha da cidade que cria a experiência da segunda testemunha. Essa definição de estatuto a ser mantido nessa ação
envolve um comportamento que seja coerente com o que se espera do museu. Para
o usuário, ser a segunda testemunha não corresponde a alguém que poderia permitirse degradar a informação dada pela primeira testemunha. Essa noção, emprestada
de Renaud Dulong para se compreender a posição que o dispositivo dedica ao usuário, permite destacar o funcionamento de uma “corrente de testemunhas” (Dulong
1998, p. 209), o que é conseguido pela repetição de uma experiência, durante a qual
a testemunha está totalmente envolvida, em seu nome, na propagação de um significado atualizado do passado. Instaurando um dispositivo que consiste em repetir a
experiência do fotógrafo do passado, o Museu McCord estabelece um procedimento
de validação da exibição de cada substituto no lugar indicado na cidade. Seja qual
for o seu lugar na cadeia de testificação, a testemunha exerce uma responsabilidade
memorial, qual seja, a de dizer o que é a memória da cidade. O dispositivo iconográfico de dois tempos e dois protagonistas funciona segundo uma autoridade compartilhada. A primeira testemunha fornece a segurança documental (não é um álbum
de família que é projetado, mas vistas reconhecidas por instituições patrimoniais
e museais por sua qualidade documental); a segunda testemunha deve garantir o
ajuste da iconografia in situ. A ocupação dessa posição de segunda testemunha é
condicionada pela posse do iPhone, pelo desejo de descobrir esse aplicativo ou por
outras motivações. Mas o princípio dado pelo museu é a sua disponibilidade devido à
gratuidade. Cada um de nós pode atualizar o dispositivo. Somos todos testemunhas
potenciais da evolução de Montreal, mas testemunhas de passagem. O dispositivo
nos arrola como testemunha sem prender-nos, mas pedindo-nos para atender ao
exercício solicitado na qualidade de responsável pela memória urbana.
Nesse encadeamento de testemunhas, o papel atribuído à primeira testemunha, o
fotógrafo do passado, é especial. Pois, pedindo ao usuário para colocar-se em seus
rastros, o museu faz do fotógrafo original um mediador modelo, no sentido em que
ele não existe no presente, mas representa um guia ideal, devido a três razões:
• É a fonte mais segura de informação que há, e diria até mesmo a mais autêntica,
uma vez que é dada por aquele cujo corpo tocou o evento e que foi a testemunha
do passado da cidade através de sua atividade fotográfica.
• Ele realiza uma orientação corporal dos turistas para o recebimento de
informação exata, convidando-os a reproduzir o enquadramento autêntico da
imagem, o quadro original que ele colocou lá, há muito tempo, como fotógrafo. O
usuário o imita, colocando-se na pele desse testemunho de época. A autenticidade
se imiscui até nos gestos e na atitude do usuário, convertido em intérprete da
153
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
cidade pelas imagens de arquivo e em intérprete das imagens de arquivo atraves
da cidade.
• Ele é o porta-voz fiel e autêntico da instituição, uma vez que não se furtará ao
que ele é convidado a fazer – ou, mais precisamente, de fazer o turista fazer –,
e isso porque o fotógrafo antigo representa a própria identidade da instituição.
Através dele, o museu habita o visitante num corpo a corpo urbano reiterado em
cada local.
O processo de representação não hesita em mostrar a presença institucional do
Museu McCord, garantidor final do valor de autenticidade da memória de Montreal.
O museu, prescritor e garantidor da autenticidade no espaço
turístico
O dispositivo do Museu Urbano MTL é caracterizado pela transição da imagem das
coleções Notman do Museu McCord, na cidade velha de Montreal, o Vieux-Montréal,
o coração da atividade turística na cidade. O desafio do deslocamento é cruzar duas
áreas socioeconômicas, a do museu e a do turismo em Montreal. As pesquisas conduzidas por Saskia Cousin, no campo do turismo, sobre “a organização da economia da autenticidade”, mostram que o museu desempenha aí um papel importante.
Basta observarmos, de fato, como o turismo cultural implementa uma relação recíproca entre um campo e outro. “No Benin, os viajantes que vão para o norte do país
conhecer suas reservas e povos ‘autênticos’ fazem escala no Museu Etnográfico da
cidade de Porto-Novo para preparar sua visita, ou seja, para solidificar e legitimar a
representação que fazem de um país onde poderiam encontrar etnias autênticas –
pré-modernas e impermeáveis aos outros.”10 Ela também evoca o Museu de Artes
Primeiras do Quai Branly, em Paris, um lugar de turismo cultural: “Tanto por causa
do próprio museu quanto como forma de preparação para a viagem, e como autenticação da viagem a posteriori”11 (Cousin, 2011, p. 64). No caso do Museu McCord e
do Vieux-Montréal, essa circulação de atividades não parece inédita. Em primeiro
lugar, o Museu McCord é situado em pleno centro de Montreal, no coração da cidade
histórica, o que já é uma primeira prova da relação entre esses dois espaços de
práticas de visitas. No dispositivo Museu Urbano MTL, o museu valoriza os “lugares
emblemáticos de Montreal”, localizados numa área próxima, como a rua “Sainte10. “Ainsi, au Bénin, les voyageurs en route pour le Nord du pays, ses réserves et ses peuples ‘authentiques’, font-ils escale au musée ethnographique de la ville de Porto-Novo pour préparer leur rencontre, c’est-à-dire, en fait, pour solidifier et légitimer leur représentation d’un pays où l’on pourrait
rencontrer des ethnies authentiques – pré modernes et imperméables aux autres.” [Nossa tradução]
11. “À la fois pour lui-même, comme préparation au voyage, et comme authentification du voyage a
posteriori” [Nossa tradução]
154
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
Catherine, a rua Sherbrooke, o Vieux-Montréal, o Parque do Mont-Royal e o campus
da Universidade McGill”. Em outra indicação desses lugares, novamente estipula
como locais turísticos: o Carré Philips, o Belvedere do Mont-Royal, o Campus McGill,
a Praça Jacques-Cartier e a frente do Museu McCord. A relação entre o museu e a
cidade também é temática: o Museu McCord é um museu de sociedade, possuindo
coleções fotográficas importantes da cidade. Além dessas circulações geográfica e
temática, o museu inspira uma política de circulação das mediações entre os muros
da instituição e fora deles. Vale notar que o aplicativo foi lançado no contexto da
nova exposição permanente “Montreal - Pontos de vista”. Esse não é, portanto, o seu
primeiro experimento de exposição for a de seus muros12.
No caso estudado, a originalidade da circulação do valor de autenticidade do museu
para o turismo urbano não deve ser buscada numa circulação que manteria uma distinção entre um e outro espaço. A economia da autenticidade entre museu e turismo
ocorre pela superposição dos dois espaços socioeconômicos. A questão então se
concentra em como o museu reinventa sua presença institucional no cerne de um
espaço que está fora dele. O turista não iria assim buscar um critério de autenticação dentro de um museu, já que ele estaria integrado, através da figura da instituição museal, no cerne da área turística. O contrato moral que vincula o museu à
sociedade, para garantir a autenticidade dos objetos por meio de uma política de
conservação e desenvolvimento de saberes especializados, estaria operando fora
do museu. O nome do dispositivo, Museu Urbano MTL, traz a ideia da fusão entre o
museu e a cidade. O museu é, assim, aquele que vem alimentar o território urbano:
não é um apêndice dele. A representação do museu pelo dispositivo deve resolver
o problema, que consiste em integrar plenamente o museu à cidade sem, por isso,
fazê-lo desaparecer. Dessa fusão deve nascer um novo posicionamento do museu
no espaço turístico. Vamos tentar entender esse processo de reconhecimento no
contexto de uma assimilação.
A cartografia do Google que aparece no iPhone do usuário, e que aponta o acesso
aos locais da projeção de imagens de arquivo, desempenha um papel fundamental na
representação integrada do museu dentro do espaço urbano turístico. Esse acesso
12. Em 2007, por exemplo, o Museu McCord organizou a exposição Configurações: “Enquanto você
passeia pela avenida McGill College, visite a segunda exposição de fotografias fora do McCord. Nessa
exposição anual gratuita, 58 fotografias, extraídas dos célebres Arquivos Fotográficos Notman e de
coleções de artistas contemporâneos, evocam a vitalidade e a diversidade do tecido social quebequense.” http://www.musee-mccord.qc.ca/expositions/expositionsXSL.php?lang=2&expoId=49
&page=accueil. [“Tout en vous promenant le long de l’avenue McGill College, visitez la deuxième
exposition de photographies extérieure du McCord. Dans cette exposition annuelle gratuite, 58 photographies tirées des célèbres Archives photographiques Notman et de collections d’artistes contemporains évoquent la vitalité et la diversité du tissu social québécois.” (Nossa tradução)] A primeira
exposição feita segundo esse princípio de exterioridade ao museu foi Transações, em 2006, mobilizando novamente os Arquivos Fotográficos Notman
155
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
aos substitutos das coleções não é neutro, ele só não é prático. A cartografia, diz JeanMarc Besse, deve ser considerada como um processo social de territorialização por
meio do qual uma sociedade marca seu espaço de vida, lhe dá sentido e identidade
(Besse, 2009, p. 144). No caso do Museu Urbano MTL, o Museu McCord delega ao
Google a exibição do território do que pretende cobrir através da mediação de suas
coleções. O acesso cartográfico às coleções permite o desenho de um território não
por meio das fronteiras administrativas que marcam um perímetro, mas por intermédio de uma massa de arquivos que o constituem pelo seu interior. E o território
do Museu McCord é definido por um enxame de pinos vermelhos dispostos sobre o
mapa que baliza, de alguma forma, o interior do espaço urbano dedicado a uma experiência museal. Trata-se de um mapa que não coloca novos limites territoriais dentro
da cidade de Montreal, porém ela desenha um território em movimento baseado num
centro estável: o próprio museu. A posição geográfica do museu no centro histórico
de Montreal e sua própria definição como um dos lugares emblemáticos da cidade
cobertos pelo aplicativo Museu Urbano MTL facilita a concepção de uma tal continuidade do museu em direção ao centro de Montreal e, inversamente, do centro da
cidade para o museu. O usuário do aplicativo encontra-se numa espécie de extensão,
do museu e da cidade; de alguma forma, não está separado nem de um nem do outro.
O Google representa, portanto, um processo de territorialização que define uma articulação estreita entre os espaços turístico e museal.
Nessa dupla fusão, museal e urbana, o museu mantém sua singularidade, primeiro
usando o fundo de arquivos Notman que o identifica fortemente. Se a constituição
do circuito de visita não depende do museu, mas antes da organização turística da
cidade, deve-se notar que o museu não delega a certificação da autenticidade dos
objetos – os arquivos. O museu é definido, pelo contrário, como o único referente
institucional da veracidade dos saberes sobre os arquivos, colocando neles sua assinatura de proprietário, para além da assinatura de um formato textual. De fato, cada
imagem de arquivo leva na parte inferior e no centro a menção ao nome do museu,
seguida do copyright, seus direitos autorais, e está localizada na mesma linha do
número de inventário da imagem que conserva dentro de seus muros. Número de
inventário do arquivo, copyright, identidade: o museu aparece como o proprietário do
dispositivo e dos arquivos. Ele é o detentor do objeto autêntico – a fotografia original
–, cujo rastro continua no substituto; é realmente o lugar onde se elaboram os saberes especializados sobre o objeto e sua interpretação. Por outro lado, o formato dos
textos que acompanham as imagens na tela do iPhone afirma uma enunciação que
parte do museu. De alguma forma, o texto aparece com ele, uma vez que adota as
normas de uma ficha de inventário de identificação do objeto: o título dá o nome do
lugar, a data da fotografia seguida do nome do fotógrafo, a breve descrição fala sobre
o que é mostrado na imagem, às vezes dando indicações sobre a evolução do uso.
156
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
Figura 5a. Exemplo de uma imagem dos arquivos Notman
Figura 5b. Descrição pelo mapa que gera o acesso aos arquivos
157
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
Note-se que o dispositivo faz suceder (pela ação do usuário) a imagem de arquivo e,
em seguida, essa sinopse, que fica disposta quando se clica na imagem e desaparece
quando o usuário toca de novo na tela. A imagem de arquivo parece prevalecer sobre
o texto. Ela aperece em primeiro plano e o usuário pode retornar a ela facilmente.
No entanto, a consulta é projetada para que o usuário seja obrigado a passar pela
sequência de texto para poder voltar e escolher outra imagem. O usuário é colocado na relação com as imagens de arquivo do museu, quer ele consulte as imagens
ativando o dispositivo na própria cidade quer em qualquer lugar. Observa-se, entretanto, que em qualquer situação de consulta, o dispositivo, ligando mapa e texto,
nunca é definido como uma simples disponibilização das coleções on-line do museu:
ele disponibiliza, na verdade, um imaginário da visita à cidade.
E essa é a vantagem desse dispositivo Museu Urbano MTL: o museu é aquele que
enuncia o que deve ser visitado e como visitar. Torna-se, assim, o legítimo prescritor
de uma autêntica visita da cidade de Montreal. Esse aplicativo não serve apenas para
uma conscientização dos arquivos Notman, mas da própria cidade de Montreal. Ele
funciona como guia turístico, criando uma “memória de espera” para uma futura
visita. Essa expressão, usada por Gérard Namer, significa que vamos ao museu porque nos foi indicado e elogiado por um guia turístico ou uma “autoridade cultural”;
esta equivaleria a um professor ou um amigo, “cujo gosto respeitamos”, e se estende
à “escola” e à “publicidade” (Namer, 1987, p. 180). O Museu McCord torna-se uma
autoridade cultural do espaço turístico. Ele aconselha uma visita à cidade velha de
Montreal a partir de cento e cinquenta lugares selecionados com base em suas coleções arquivísticas: é ele mesmo o promotor e a condição de realização. O museu
coloca sua garantia de autenticidade a serviço da descoberta turística.
Os substitutos, suportes de conservação, de mediação
ou de marca?
A recontextualização dos substitutos leva o museu a construir uma comunicação
institucional capaz de não perder no caminho a própria imagem do museu e de
atrelar sua garantia de autenticidade à mediação de suas coleções por seus substitutos. Quanto mais o museu expande seu campo de ação ou o destaca do que está
acontecendo dentro da instituição, mais ele é levado a reforçar sua imagem para
confirmar sua presença. A fronteira entre mediação patrimonial e campanha publicitária torna-se frágil porque cada uma é indispensável à outra. A operação Museu
Urbano MTL é uma criação de marketing original, discreta e identitária, remetendo à
concepção da autenticidade à lógica da marca museal13.O desafio para esse museu
13. Vale se referir, sobre a noção de marca autêntica,às observações feitas por Sandra Camus (Les
158
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
de sociedade é fornecer, com os substitutos, uma nova alternativa de mediação de
sua instituição por uma marca, que podemos dizer autêntica, baseada na identidade
de suas coleções, na proximidade das pessoas que vivem no território do museu
(moradores ou turistas), e também na discrição do dispositivo de orientação. O realizador dessa abordagem promocional inventiva, a agência londrina Brothers and Sisters, tem a vantagem da sua experiência na capital inglesa. Essa agência realmente
possui a experiência desse tipo de aplicativo, colocando em situação urbana arquivos fotográficos para o Museu da Cidade de Londres, no contexto da promoção da
abertura de sua nova galeria. A agência londrina oferece a justaposição da marca de
museus em áreas urbanas que se imiscui com discrição na profundidade temporal
da cidade, bem como nos bolsos, nas mãos e nas atitudes urbanas. Para isso, brinca
com a transformação da tela do telefone num cartaz portátil e personalizado (que
aparece no local escolhido pelo visitante). O substituto pode muito bem tornar-se
um novo objeto de publicidade digital ideal para museus, imiscuído na profundidade
temporal dos locais.
Esse equilíbrio a ser encontrado no uso de substitutos, entre lógicas de marca e de
mediação, apela para um primeiro comentário sobre os atores envolvidos em tais
operações. O museu não está sozinho em sua relação com o espaço turístico – ele
trabalha com atores que dominam a passagem à era digital da materialidade das
coleções para formas de mediação espacial extensas que envolvem habilidades
de leitura digitais. O Museu McCord está trabalhando com vários atores interessados na representação, especializados em digitalização e exposição, e também
em cartografia e publicidade. O uso conjunto da geolocalização e de aplicativos
para iPhone interessam hoje, amplamente, aos profissionais do mundo da publicidade. A propagação extrema das marcas no espaço das cidades (Boyer et al.,
2005) impulsiona a imaginação e a tecnologia a avançarem para formas cada vez
mais inéditas, para se diferenciarem da sobrecarga urbana de placas publicitárias.
A indústria da publicidade não é mais o centro das atenções, mas a campanha
publicitária que a pessoa baixa para seu dispositivo onde estiver, possivelmente
visando o que a rodeia. Os aplicativos para iPhone mobilizando a geolocalização
tornam-se essenciais nessa publicidade nômade. O museu está mudando, graças
ao substituto, sua relação com o espaço público, buscando atender à questão da
representação publicitária, que poderia se tornar, aplicada ao museu, a de uma
padronização da comunicação patrimonial.
Cahiers du Musée des Confluences. volume 8: L’Authenticité, 2011), que mostra que a busca por uma
criação de marketing sem precedentes, ao se descolar da massa de produções de imagens, levou a
estratégias de autenticidade das marcas, aliando ao desejo de uma criação original, uma experiência
de consumo de marca desinteressado financeiramente e uma comunicação da marca que lança mão
mais da discrição do que da imposição.
159
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
A passagem de um substituto de conservação a um substituto de mediação, e, em
seguida, de marca, interpela as evoluções que estão no horizonte dos museus. O que
pode ser observado concerne, de um lado, à diversidade dos tipos de atores com
os quais o museu tem relação, no sentido de tratar os suportes de registros digitais
de suas coleções na qualidade de suportes de mediação; e, de outro, a diversidade
de espaços socioeconômicos em que ele pode investir suas coleções digitalizadas.
Entre o espaço museal e o espaço turístico poderia ser definida a disponibilização
da garantia de autenticidade que socialmente fundamenta o primeiro. Dessa forma,
o substituto ofereceria os meios para o museu não só divulgar sua imagem, mas
também para emprestá-la a um território. Vê-se nesse estudo de caso que a cidade
de Montreal torna-se qualificada pela marca do Museu McCord. Para essa disponibilização de uma imagem de autenticidade, a contrapartida do museu será manter, e
até fortalecer, esse contrato social que o liga à sociedade. Poderá, por conseguinte,
ainda menos negligenciar sua missão de conservação, estudo e pesquisa, já que
deseja divulgar sua relação com a autenticidade fora de sua instituição.
Outro ponto de discussão diz respeito aos limites da autonomia do substituto em
relação ao objeto original que representa. Como mídia digital, poderá viver muitas
recontextualizações possíveis sem medo de desaparecer. Mas o signo que carrega
com ele, um objeto autêntico preservado num museu, não poderá ser transmitido
sem ser afetado. Qual é o limite desse reinvestimento em substitutos de forma a
não comprometer a sua afiliação com o museu e as suas coleções? Os substitutos,
na intersecção das missões de conservação, de exposição e promoção, convidam
o museu a encontrar um equilíbrio entre esses diferentes investimentos, de modo a
não induzir uma ruptura da comunicação patrimonial, a que garante a autenticidade
dos objetos.
De forma mais ampla, esse estudo de caso canadense permitiu decifrar as questões
e os desafios do devir móvel, como também colocar em imagem as coleções patrimoniais. Muitos museus estão agora preocupados com essa evolução, que tende a
aproximá-los das questões da sociedade contemporânea, ao colocarem a visão e
a prática de suas coleções mais perto das pessoas que vivem em seu território de
proximidade ou que o atravessam temporariamente. O pesquisador é convidado a
examinar as formas assumidas pelas coleções digitalizadas no espaço social e os
desafios reflexivos colocados à instituição museal na abordagem da imagem de suas
coleções.
160
As ilustrações do passado
arqueológico: entre interpretação
científica, testemunho
e memória social
Émilie Flon
Traduzido do francês por Germana Henriques Pereira de Sousa
As pesquisas arqueológicas engendram, desde o século XIX, representações gráficas
ou plásticas dos homens do passado, de seus comportamentos, relações sociais e
estilo de vida. Os arqueólogos utilizam frequentemente suportes outros que a publicação científica para divulgar informações ou suas descobertas junto a um público
mais amplo do que o composto por seus pares. Dessa forma, lançam mão de artistas
plásticos1 ou de ilustradores para representar o passado arqueológico em publicações destinadas a um público amplo ou ainda em exposições. Tais representações
gráficas instigam inúmeras questões nos próprios arqueólogos, uma vez que são uma
interpretação do passado alimentada pelo estado dos conhecimentos arqueológicos
num momento dado, mas também devido ao contexto de trabalho dos arqueólogos e
artistas: seus preconceitos, opiniões, e mais globalmente, sua cultura visual e social.
Os ilustradores e os cientistas são, assim, levados a produzir uma visão particular do
passado: as ilustrações, e, de modo mais amplo, as representações gráficas, contêm
um aspecto imaginário e fictício, enquanto que o estatuto dos autores dessas imagens, e até mesmo as instituições (museais, editoriais) que as difundem, legitimam o
conhecimento representado por elas.
É por essa razão que a literatura que trata das ilustrações do passado arqueológico
aborda, em sua grande maioria, a questão da exatidão das reconstituições em vista
dos conhecimentos arqueológicos e daquilo que a realidade do passado pode ter sido.
As ilustrações são geralmente examinadas com relação à sua relativa veracidade
1. Esta contribuição enfoca as ilustrações científicas, mas as questões que se colocam com relação
a esse tipo de desenho são as mesmas que para esculturas ou dioramas de museus e exposições.
Existe uma abundante literatura sobre esta questão. Por exemplo: Ducros (2000), Arsenault (1990),
Beard M. e Henderson J. (1999).
161
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
e à necessária parte de imaginário ou ficção envolvidos na sua composição. Mas
essas ilustrações também questionam os processos de patrimonialização e de
memoração do passado. Elas são, por sua lógica de produção, ao mesmo tempo,
uma representação do conhecimento científico num momento dado e uma obra que
tem dimensão artística e é criada por um indivíduo. Em suma, o ilustrador é posto na
condição de representar cenas do passado a que ele não assistiu, mas que ele deve,
em sua maior parte, ser capaz de atestar. Isso não significaria produzir uma espécie
de memória do passado arqueológico, memória legítima, no entanto, de um passado
inacessível?
A contribuição ora apresentada objetiva questionar o papel das ilustrações no processo de construção social do passado, que parte do patrimônio arqueológico e de
seu estudo científico para produzir mediações desse patrimônio. Qual é o status
social dessas mediações? As ilustrações documentam o patrimônio (apoiando-se
sobre os conhecimentos arqueólogos) e o requalificam, baseando-se numa interpretação artística do passado feita por um indivíduo, o ilustrador. Esta situação questiona
sua legitimidade para representar o que chamamos coletivamente “o passado”. Em
outras palavras, propomos abordar as ilustrações provenientes do campo arqueológico como um objeto social, cujas características podem ser explicadas pelo lugar
ocupado pelo ilustrador e pelos arqueólogos no espaço público.
Nossa hipótese é a de que o ilustrador de arqueologia ocupa a mesma posição social
que a testemunha ocular no contexto social cotidiano, jurídico e histórico. Sob um
ângulo sociológico, a definição da verdade fatual não depende mais de uma capacidade individual para se recordar ou representar a realidade do passado. Do ponto de
vista sociológico, o testemunho é fundamentalmente definido:
• pelo duplo discurso que fornece: participação no reconhecimento dos
acontecimentos como fatos reais e julgamento emitido sobre essa realidade;
• por seu estatuto, que se baseia na audiência e na confiança concedida à
testemunha.
Esses dois pontos associam a ilustração do passado arqueológico e o fenômeno do
testemunho. De fato, pede-se ao ilustrador para representar o que se pressupõe ser
a realidade do passado, em função de um certo número de critérios de comprovação
científica, mesmo tendo-se consciência de que participa da modelagem dessa realidade, do mesmo modo como se pede para comprovar um acontecimento, apesar
da suspeita de que pode deformá-lo. É, portanto, finalmente, pelo reconhecimento
social do ilustrador e de suas produções que a representação adquire um status
162
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
legítimo que lhe permite figurar em publicações ou exposições científicas. Tanto em
matéria de ilustração em arqueologia como matéria de testemunho, o momento de
recepção é constitutivo do valor de verdade do discurso enunciado. Finalmente, a
tensão significativa entre a participação do ilustrador na manifestação gráfica de
uma veracidade arqueológica e a crítica a que suas produções são submetidas pela
comunidade científica não encontra sua origem nas capacidades do ilustrador para
representar o passado em função de conhecimentos científicos, mas em situações de
estrutura dialógica de recepção das ilustrações. Na verdade, o público lhe pediu para
representar o que ele considera ser a realidade do passado, enquanto suspeita que
ele possa distorcer essa realidade. Em suma, o ilustrador é socialmente colocado na
posição de testemunha: obrigado a ser preciso por causa das consequências sociais
do que expressa, e, ao mesmo tempo, propenso a cometer erros de julgamento.
Os trabalhos de Renaud Dulong (1998) sobre o testemunho fornecerão uma estrutura de interpretação ao fenômeno da ilustração em arqueologia. Nossa reflexão
baseia-se em materiais que traduzem a existência social da ilustração no contexto
científico da arqueologia e no contexto de sua divulgação para os públicos. Por um
lado, o corpus é composto por entrevistas feitas com os seguintes ilustradores, considerando suas práticas e produções: Jean-Claude Golvin e Benoît Clarys.2 De outro,
é formado por documentos relativos às suas práticas e produções: uma revisão da
literatura sobre a problemática da ilustração em arqueologia, uma série importante
de artigos escritos por Jean-Claude Golvin sobre as regras de produção das ilustrações, catálogos de exposição contendo textos sobre as ilustrações e seus processos
de realização e, enfim, as próprias ilustrações. O estudo desses materiais por meio
da lente teórica do testemunho como um objeto social nos permitirá mostrar que o
princípio da ilustração em arqueologia é produzir, simultaneamente, uma verdade
e um julgamento subjetivo sobre o passado – esses dois tipos de discurso sendo
socialmente legitimados pela posição do ilustrador – e certificados por uma comunidade científica e pelo público em geral. Mediante essa posição em equilíbrio entre
a interpretação científica e o testemunho, o ilustrador é levado a produzir imagens
que regulam nossas representações do passado, e que, como tal, são o que se pode
chamar de uma memória social do passado arqueológico.
2. Duas entrevistas foram realizadas com Benoît Clarys, uma em abril de 2009 no Préhistosite de
Ramioul (Bélgica) durante a preparação de uma exposição, e a outra em janeiro de 2012. A entrevista
com Jean-Claude Golvin foi realizada em janeiro de 2012, por ocasião da exposição Golvin, um arquiteto no coração da história, no Museu Departamental de Arles Antiga (França). Agradeço aos ilustradores Golvin e Clarys por terem se prestado ao jogo da entrevista, fornecendo-me a documentação
necessária a esta pesquisa. Agradeço também a Benoît Clarys e ao Museu Departamental de Arles
Antiga pela permissão para publicar as figuras 6 e 7 deste capítulo.
163
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
Nossa reflexão seguirá as etapas do reconhecimento social das ilustrações arqueológicas por meio daquelas do reconhecimento social do testemunho e que farão parte
da demonstração dos paralelos entre esses dois objetos sociais. Um primeiro ponto
abordará o estatuto das ilustrações dentro da comunidade científica, etapa que corresponde, na lógica do testemunho, à certificação dos fatos feita pelas instâncias de
regulação social: trata-se de atestar os fatos arqueológicos e de avaliar a veracidade
das ilustrações. Um segundo ponto abordará o papel das ilustrações na produção
da memória social, etapa que corresponde à expansão do espaço público envolvido
na interpretação dos fatos: o testemunho dá uma inelegibilidade à realidade previamente atestada e produz, assim, a dimensão social da memória.
A certificação dos fatos passados concedida pelas
instituições de regulação social: o estatuto das
ilustrações dentro da comunidade científica
A primeira etapa no estabelecimento de um testemunho é a atestação dos fatos que
são o objeto do testemunho. Quando abordamos o testemunho como objeto social,
“na medida em que a fatualidade está inscrita numa maneira de falar sobre o passado, ela depende dos julgamentos que acolhem o relato atestado, da confiança na
palavra acordada à palavra do narrador”3 (Dulong, 1998, p. 38). No caso da ilustração
em arqueologia, o reconhecimento é feito pelas instituições que são as disciplinas
acadêmicas (a arqueologia, a história e a paleontologia), as atividades de seus membros nas redes de divulgação científica e as instituições patrimoniais. Os debates e
críticas em torno da ilustração por parte da comunidade científica são as manifestações dessas instâncias de regulação social.
A certificação social de um fato (arqueológico)
O paralelo entre ilustração em arqueologia e testemunho começa pela constituição
da fatualidade de que a testemunha participa. Interpretar, comentar, explicar, traduzir em imagens: todas essas atividades pressupõem um objeto independente, uma
matéria preexistente, um conhecimento compartilhado. Para ser considerada, a realidade deve primeiro ser disponibilizada: só se pode discorrer sobre o que é identificado como um fato conhecido. Ora, o passado tem por conteúdo um acordo selado
após o acontecimento. Mesmo que, para se certificar um acontecimento como um
fato, utilizemos um dispositivo destinado a servir como prova de sua existência (fotos,
3. “Dans la mesure où la factualité s’inscrit dans une façon de parler du passé, elle dépend des jugements accueillant le récit attesté, de la confiance accordée à la parole du narrateur.” [Nossa tradução]
164
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
arquivos), todos esses dispositivos se referem a testemunhos ou os pressupõem,
uma vez que um acontecimento só se torna um fato na linguagem.
Normalmente, as mediações, que vão do andamento das ações à estabilização de
uma descrição se colocando como memória do que aconteceu, são invisíveis. Dulong
(1998) descreve algumas das etapas da transformação de um testemunho individual
numa versão unânime dos fatos nos âmbitos policial e judiciário. Ele mostra que
uma versão oficial dos fatos não constitui a soma de testemunhos individuais, mas
um processo interativo de integração inconsciente de dados e de sua produção narrativa coletiva.4 Latour e Woolgar (1988) examinaram a gênese de um fato científico
determinado num laboratório e demonstraram que um enunciado recebe o estatuto
de fato após um complexo processo de “estabilizações” discursivas. Esse processo
social é difícil de observar:
Um fato adquire uma qualidade que acaba por fazê-lo escapar das explicações
sociológicas e históricas. [...] Um fato é reconhecido como tal quando perde
todos os seus atributos temporais e integra uma vasta gama de conhecimentos apresentados por outros. Escrever a história de um fato esbarra numa dificuldade essencial: por definição, ele perdeu todo referente histórico5 (ibid., p.
91-92).
De acordo com Dulong, a única maneira de pensar os fenômenos entre o acontecimento e seu relato seria analisar a produção do enredo, assim como procedeu
Ricœur (1983), ou seja, a unificação em forma de relato de uma multiplicidade de
elementos heterogêneos que configuram os fragmentos em um todo coerente.
A ilustração dos períodos arqueológicos faz, de algum modo, surgir o processo de
constituição dos acontecimentos porque a imagem e suas ambiguidades epistemológicas constituem um rastro de transformação social em acontecimento. Claro, o
ilustrador não assistiu a nenhum fato da realidade que ele representa e interpreta.
Se a ilustração ocupa a mesma posição social que o testemunho, uma diferença
fundamental os distingue, entretanto: o que viveu a testemunha para produzir um
testemunho, a realidade a que ela tem acesso para ser capaz de testemunhar. A
4. O fenômeno é bem conhecido da polícia: “Se não chegarmos na cena dentro de minutos após a
ação e não tomarmos as devidas precauções para isolar as testemunhas umas das outras, difilmente
obteríamos provas independentes.” (Ibid., p. 65) [“Sauf à arriver sur les lieux dans les minutes qui suivent l’action et à prendre la précaution d’isoler les témoins les uns des autres, on obtient difficilement
des dépositions indépendantes.”] [Nossa tradução]
5. “Un fait acquiert une qualité qui finit par le faire échapper aux explications sociologique et historique. […] Un fait est reconnu en tant que tel lorsqu’il perd tous ses attributs temporels et s’intègre dans
un vaste ensemble de connaissances avancées par d’autres. Écrire l’histoire d’un fait se heurte à une
difficulté essentielle: il a, par définition, perdu tout référent historique.” [Nossa tradução]
165
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
realidade observada pelo ilustrador não é fatual, mas teórica ou acadêmica. A distinção entre a “verdade fatual” e “a afirmação racionalmente verdadeira” (Arendt, 1972)
abre um mundo entre o passado tal como realmente existiu enquanto fato (inacessível) e o passado tal como podemos racionalmente compreendê-lo a partir de dados
científicos. A partir de seu estatuto social de testemunha, o ilustrador encontra essa
primeira dificuldade ligada à fatualização dos acontecimentos arqueológicos.
Há um consenso na literatura: o estatuto das representações do passado arqueológico suscita problemas, pois expressar a hipótese através de imagens é difícil
(Wood e Cotton, 1999; Gouletquer, 1988; James, 1997; Goudineau e Lequeux, 1988;
Corboud, 2003; Ducros, 2000). A parte complicada seria que o que é representado
tende a adquirir mais o estatuto de um fato (ou uma certeza) do que o de uma hipótese. As imagens teriam um caráter realista, e, para o destinatário, as informações
que elas passam teriam um estatuto definitivo: a imagem “congelaria” uma espécie
de visão da “verdade” (Moser, 1996). Às vezes, isso gera recomendações ou regras
de conduta para os autores de ilustrações ou reconstituições (James, 1997; Tosello,
1990). Por exemplo: uma imagem não deve contradizer os dados disponíveis, e deve
testemunhá-los o melhor possível; tem de se conformar às propriedades físicas do
material e às estruturas. No entanto, mesmo que estas regras sejam seguidas ao se
produzir uma ilustração, “a única certeza que temos a respeito de uma reconstituição
é de que ela é falsa”6 (James, 1997). Essa importante questão toca num processo
cognitivo que embasa a disciplina da arqueologia: o arqueólogo não conhece o fato
de que ele encontra vestígios; faz o caminho inverso pela interpretação do vestígio
até o fato presumido. De fato, a arqueologia procede por inferências.
Segundo essa ótica, os trabalhos de Carlo Ginzburg (1989) sobre o paradigma indicial são esclarecedores. Este reúne arqueologia, história, psicanálise, mas também
medicina, geologia, astronomia física e paleontologia: essas disciplinas têm “a capacidade de fazer profecias retrospectivas. […] Quando não for possível reproduzir as
causas, resta apenas inferi-las a partir dos efeitos”7 (ibid., p. 169). Essas disciplinas
científicas, mas também alguns métodos interpretativos das obras de arte ou ainda
a capacidade dedutiva dos detetives, têm em comum basearem-se em indícios, ou
evidências, ou seja, os mesmos vestígios infinitesimais, a fim de captar uma realidade mais profunda, inatingível de outra maneira. O núcleo desse paradigma indicial
é, portanto, que “se a realidade é opaca, existem zonas privilegiadas – vestígios,
indícios – que permitem decifrá-la”8 (ibid., p. 177-178). Trata-se de, a partir de fatos
6. “La seule certitude que l’on ait à propos d’une reconstitution est qu’elle est fausse.” [Nossa tradução]
7. “la capacité de faire des prophéties rétrospectives. […] Quand on ne peut pas reproduire les causes, il ne reste plus qu’à les inférer à partir des effets.” [Nossa tradução]
8. “Si la réalité est opaque, des zones privilégiées existent – traces, indices – qui permettent de la
déchiffrer.” [Nossa tradução]
166
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
experimentais aparentemente insignificantes, reconstituir uma realidade complexa
que não é diretamente experienciável. Se a arqueologia é, pois, “uma ciência dos
objetos e de sua interpretação”9 (Schnapp, 1993, p. 28), ela é mais ainda uma ciência da interpretação dos vestígios, que são os objetos, das sociedades passadas.
Devido a isso, várias razões estão por trás do estatuto epistemológico problemático
das ilustrações do passado arqueológico para a comunidade científica. Em primeiro
lugar, uma parte das informações representadas em imagens não pode ser atestada pela arqueologia, uma vez que esta nunca dispõe de dados completos. Uma
representação do passado arqueológico envolve sempre uma parte de ficção. Em
segundo lugar, os dados disponíveis são raramente generalizáveis: as disciplinas do
paradigma indicial são de fato “disciplinas eminentemente qualitativas, que têm por
objeto casos, situações e documentos individuais, enquanto individuais, e é precisamente por esta razão que elas alcançam resultados que conservam uma margem
aleatória irredutível”10 (Ginzburg, 1989, p. 153). Por essa razão, uma ilustração do
passado arqueológico pode afetar somente o que ela representa, e é dificilmente
generalizável para um período ou um território.
No processo de aquisição do estatuto de testemunho que a ilustração segue, a primeira etapa é constituída pelo estatuto parcial das informações atualizadas, e, por
isso, sua interpretação pela arqueologia no seio do paradigma social torna visível o
processo social (aqui operado pelos cientistas) de definição dos fatos passados. Na
segunda etapa, o ilustrador fornece uma representação visual desse primeiro nível
de interpretação científica, acrescentando aos conhecimentos sua própria interpretação dos fatos; ele ocupa, assim, o status de testemunha, num primeiro passo para
a comunidade científica, e depois, mais amplamente, para o espaço público.
O estatuto da interpretação dos fatos na comunidade
científica
A avaliação da veridicidade das ilustrações
O estatuto epistemológico problemático das ilustrações suscita na literatura histórica
e arqueológica, como nas exposições que mostram os trabalhos de ilustradores, uma
avaliação de representações do passado com base no critério de veridicidade: socialmente, as ilustrações são julgadas com relação ao que elas representam do conhecimento científico. A atenção é então focada em dois pontos: o processo de produção
que parte dos vestígios para chegar à representação e a identificação das projeções
9. “une science des objets et de leur interprétation” [Nossa tradução]
10. “Des disciplines éminemment qualitatives, qui ont pour objets des cas, des situations et des documents individuels, en tant qu’individuels, et c’est précisément pour ce motif qu’elles atteignent des
résultats qui conservent une marge aléatoire irréductible.” [Nossa tradução]
167
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
sociais que se imiscuem na encenação durante a sua produção. Num excelente
exemplo desse posicionamento, Geneviève Lagardère (1990), curadora do Museu de
Solutré, afirma: “É a partir dessas reconstituições de ‘cenas de gênero’ e de animais
da pré-história que temos o direito de perguntar se elas são representativas de dados
científicos objetivos, ou, se são, ao contrário, portadoras de ilusões?”11 Mesma constatação no catálogo Jean-Claude Golvin, un architecte au cœur de l’histoire (2011), da
exposição de mesmo nome, que reúne várias contribuições sobre o processo das
restituições e as modalidades de colaboração com os arqueólogos.
Na literatura especializada, as pesquisas que identificam e denunciam as projeções
sociais dos arqueólogos e dos ilustradores nas imagens são inúmeras, especialmente
no cerne das representações dos indivíduos e suas relações sociais. Por exemplo,
Trinkaus e Shipman (1993) reconstituem a história das representações do homem de
Neandertal para mostrar a que ponto nossas representações desse “homem inimaginável” (como aceitar outra espécie humana?) variam em razão do contexto cultural
e político. Uma série de estudos sobre representações de gênero na pré-história
(Hurcombe de 1995; Moser, 1993; Gifford-Gonzalez, 1993) mostra que, os vestígios
arqueológicos da divisão sexual das atividades sendo incompletos e até inexistentes,
as influências sociais atuais provocam ali múltiplas interpretações implícitas: se nos
basearmos nessas ilustrações, havia menos mulheres do que homens; os homens
definiram as espécies e as mudanças evolutivas; e homens e mulheres preenchiam
os mesmos papéis sociais que nos dias de hoje.
Outro campo da literatura científica analisa as ilustrações como a expressão de ideias
especulativas preexistentes às descobertas científicas. Stoczkowski (1994, 2000)
demonstra a presença de uma “imaginação condicionada” que mescla o folclore
aos padrões míticos (o homem primitivo da filosofia antiga, o homem da floresta da
Idade Média) no desenvolvimento das teorias científicas como em suas ilustrações,
o que leva o autor a concluir que os homens pré-históricos foram “inventados” antes
de serem descobertos. Stephanie Moser (1998) e Moser e Gamble (1997) mostram
ainda que as imagens científicas oriundas de dados recentes são fortemente dependentes de uma linguagem visual já estabelecida bem antes do estudo científico,
sobretudo das imagens bíblicas ou românticas.
A avaliação da veridicidade, ou seja, a correspondência entre os conhecimentos científicos e as ilustrações, é totalmente integrada pelos ilustradores e sempre presente em
seus discursos. As entrevistas mostram uma avaliação constante, feita pelos próprios
11. “C’est à partir de ces reconstitutions de ‘scènes de genre’ et d’animaux de la préhistoire, que
nous sommes en droit de nous demander si elles sont représentatives des données objectives de la
science, ou, à l’inverse, porteuses d’illusions ?” [Nossa tradução]
168
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
ilustradores, da exatidão de suas representações. As ilustrações são comentadas
levando-se em conta a data de realização e os conhecimentos disponíveis naquela
altura: existe a ideia de que “a pesquisa progride, e a ilustração também”.12 O desejo
de uma ilustração “realista” (“mesmo que nunca se consiga ser perfeitamente
realista”13, 14) leva a utilizar uma documentação importante e “para tudo” o que é
representado. Mas quando a coerência da cena requer a representação de uma área
ou de algo que não está documentado, os ilustradores implementam uma estratégia
própria, que também depende do período de tempo representado.15 A expressão gráfica do limite entre o que é constatado materialmente e o que é inferido torna-se um
critério de avaliação: alguns deixam áreas inacabadas (por exemplo, a decoração em
Benoît Clarys ou Gilles Tosello), ou expressam graficamente um traço mais impreciso, ou até borrado (por exemplo, as roupas em Benoît Clarys).
Outros disfarçam as zonas desconhecidas com vegetação, ou reproduzem várias
vezes um elemento conhecido para dar a ideia de um todo (por exemplo, um sarcófago por uma necrópole romana, ou um bloco de casas por uma área habitada, como
em Jean-Claude Golvin).
Assim, a atitude social que consiste em avaliar as ilustrações segundo o regime de
veridicidade científica consiste em incluí-las numa administração da prova e em tratálas como tal: trata-se de isolar os dados certificados pela ciência a fim de definir o
passado. A etapa seguinte é a aquisição do estatuto social da testemunha.
O estatuto social do ilustrador no âmbito da comunidade científica
O estudo da literatura em história, arqueologia, ciências da comunicação e em
museologia acerca da ilustração do passado arqueológico mostra que o ilustrador é
colocado numa situação de tensão social relevante: ele foi convidado a representar
o que se acredita ser a realidade do passado, de acordo com uma série de critérios
científicos e de processos de certificação, embora se saiba que ele distorce essa realidade. É essencial mostrar aqui que a comunidade científica apoia, inclusive os seus
críticos, a produção da verdade por parte do ilustrador: avaliar as representações
gráficas de um passado arqueológico desaparecido através do prisma da verdade
12. Por exemplo, Benoît Clarys explica um “erro” em sua ilustração do rosto do australopiteco Lucy:
quando estava sendo feita, só se tinha acesso à mandíbula superior, e não à inferior. O resultado é que
essa mandíbula inferior ficou “um pouco curta” no desenho, porém, à luz dos conhecimentos atuais,
ela deveria ser mais forte. Outro exemplo: numa ilustração de caça à rena no período Paleolítico, a
trajetória da lança que parte do propulsor do caçador está incorreta: sabe-se hoje pela arqueologia
experimental que, com o auxílio dessa ferramenta que aumenta a força do braço, a lança deveria partir
de um ponto mais alto.
13. “même si on n’arrive jamais à être parfaitement réaliste” [Nossa tradução]
14. As frases ou expressões entre aspas foram retiradas das entrevistas.
15. Trata-se, ao mesmo tempo, de uma escolha artística e das possiblidades deixadas pelos conhecimentos disponíveis; encontramos com frequência essa dualidade.
169
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
científica pressupõe que essas representações possam pretender, pelo menos teoricamente, a um grau de verdade científica.
Para se compreender o exame crítico das ilustrações com base no critério de veridicidade científica, é essencial distinguir-se as ilustrações oriundas da colaboração entre
um artista e um arqueólogo, criações em que a arqueologia está envolvida de uma
forma ou de outra (exposições, romances, épicos, quadrinhos, etc.).
A análise de obras ficcionais oferece apenas um interesse anedótico, pois, desse
modo, qualquer profissão poderia contestar aí a forma como a presença de seus
membros ou os detalhes de suas práticas, gestos e ‘ferramentas’ são encenados
por um romancista ou um cineasta. A ficção se apegou aos médicos, policiais,
eclesiásticos, gângsteres, e os filmes ou romances que se dedicam a eles devem
pulular de imprecisões; mas não é por isso que eles se reúnem para discutir o
assunto16 (Goudineau e Lequeux, 1988, p. 140).
O interesse da ilustração em arqueologia para indagar a produção social de nossa
relação com o passado remete à colaboração entre o ilustrador e o arqueólogo e aos
debates em torno das inexatidões das ilustrações.
Existe uma tradição de colaboração entre artistas (ilustradores, mas também visuais)
e cientistas (arqueólogos e paleontólogos), com o objetivo de representar o passado
distante. Essa tradição aparece desde os primórdios da arqueologia pré-histórica,
no início dos anos 1830, com as ilustrações de cenas “antediluvianas” (Blanckaert,
2000). Desde o início, essas representações despertam controvérsia na comunidade científica. Esta considera que os colegas envolvidos nessas criações costumam
“sacrificar ao entusiasmo do público”17 (ibid., p. 24), devido a seu caráter hipotético.18
Diversos artistas pertencem a essa tradição, e várias exposições, desde então, retraçaram o percurso de sua abordagem.19 Se os seus nomes são, muitas vezes, pouco
16. “L’examen d’œuvres de fiction n’offre qu’un intérêt anecdotique car à ce compte toute
profession pourrait contester la présence de ses membres ou les détails des pratiques, des gestes
et des outils ‘mis en scène’ par un romancier ou un cinéaste. La fiction s’est attachée aux médecins,
policiers, ecclésiastiques, gangsters, et les films ou romans qui leur sont consacrés doivent fourmiller
d’inexactitudes ; ce n’est pas pour cette raison qu’ils se réunissent pour en débattre.” [Nossa tradução]
17. “sacrifient à l’engouement du public” [Nossa tradução]
18. Claude Blanckaert cita o texto escrito em 1901 por Manouvrier, exemplar, ainda hoje, do sentimento dos arqueólogos: a reconstituição é uma “tentativa algo ousada”, destinada ao público, mas
que poderia continuar instrutiva se um texto a acompanhasse, evocando os vestígios que inspiraram
a reconstituição, seu significado e as hipóteses inseridas na representação. Blanckaert menciona
reações semelhantes expressadas por Marcelino Boule e Ernest Hamy no mesmo período.
19. O efeito da distância com relação às ilustrações do século passado permite medir melhor os erros
dos artistas, e é usado regularmente em exposições de vocação didática ou crítica para questionar a
nossa relação com o passado através dessas imagens. Por exemplo, as exposições Pintores de um
mundo desaparecido, no Museu Departamental de Pré-história de Solutré, feita em 1990, ou Retratos
170
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
conhecidos fora do meio da arqueologia, suas produções, entretanto, se deslocam
de um suporte de mídia para outro, e marcaram fortemente o imaginário, incluindo o
dos futuros arqueólogos (ibid.). Essa abordagem é seguida hoje na França por, entre
outros, Gilles Tosello, Benoît Clarys e Jean-Claude Golvin.
A colaboração entre artistas e cientistas para produzir uma imagem sintética do passado intervém em várias etapas da produção de uma ilustração. As encomendas
são feitas, muitas vezes, por cientistas, arqueólogos e curadores do patrimônio, que
querem incluir a ilustração em publicações ou exposições. Para além disso, a produção da ilustração envolve uma extensa documentação, arqueológica e etnográfica.
A síntese dos conhecimentos é o primeiro trabalho a ser feito para a composição da
ilustração. Esse ponto de partida, abundantemente descrito em nossas entrevistas,
é comum aos ilustradores empenhados nesse processo de estreita colaboração com
os arqueólogos.20 Dessa forma, os ilustradores identificam claramente e têm plena
consciência da fronteira entre o conhecimento documentado e a imaginação.
Para concluir essa avaliação das ilustrações sob o prisma da veridicidade científica,
poderíamos comparar a posição epistemológica das imagens em arqueologia daquelas que ocupam na filosofia e nas suas relações com a ciência desde Platão (Dagognet, 1985). Platão lutava contra imagens e os simulacros, acusados de degradar o
ser ou o verdadeiro real.
O mito da caverna – é já uma metáfora dos dioramas e do uso do dispositivo
ótico! – relembra a nossa condição miserável e mantém o julgamento a tudo que
é cênico e aparente. Somos mistificados pelas sombras, que tomamos, aliás,
pelos próprios objetos21 (ibid., p. 10).
da pré-história: a imagem dos primeiros homens entre o mito e a realidade, realizada no Museu Departamental da Abadia de Saint-Riquier, em 2008.
20. Gilles Tosello, ilustrador e pré-historiador, afirmou: “O ilustrador, autor da imagem, deverá trabalhar em estreita colaboração com os arqueólogos a fim de melhor assimilar os dados e transcrever
os discursos deles em linguagem visual. De fato, nem todos os aspectos da vida pré-histórica podem
ser reconstituídos com a mesma precisão, e alguns deles, de jeito nenhum. De modo geral, quanto
mais longe o objeto mais se penetra no reino da imaginação.” [“L’illustrateur, auteur de l’image, devra
associer étroitement son travail à celui des archéologues pour bien assimiler les données et transcrire leur discours en langage visuel. En effet, toutes les facettes de la vie préhistorique ne peuvent
être reconstituées avec la même précision, certaines même pas du tout. En règle générale, plus on
s’éloigne de l’objet et plus on pénètre dans le domaine de l’imagination.”] (Tosello, 1990, p.109)
Vejamos outro exemplo, do ilustrador checo Burian (1905-1981): “Extremamente exigente em sua
abordagem do estudo do tema e da consequente realização, teve o cuidado de não dar livre curso à
sua imaginação. Julgava que o fato de ‘soltar as rédeas’ da imaginação era mentir, o que equivaleria,
portanto, ao fim das reconstituições.” [“Extrêmement exigeant dans sa démarche concernant l’étude
de son sujet et sa réalisation, il veillait à ne pas donner libre cours à son imagination. Il jugeait que le
fait de ‘lâcher la bride’ à l’imagination, c’était mentir, et par conséquent la fin des reconstitutions.”]
(Lagardère, 1990, p. 56).
21. “Le mythe de la caverne – déjà la métaphore des dioramas et le recours à un dispositif optique !
171
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
No entanto, se considerarmos a ilustração como um fenômeno social, esse ponto de
vista filosófico e científico corresponde à primeira etapa de um processo social mais
amplo.
A interpretação dos fatos no processo de
reconhecimento social do passado: o papel das
ilustrações na construção da memória social
Mobilizar o modelo sociológico do testemunho para compreender a situação da ilustração em arqueologia tem dois interesses. Primeiro, o paralelo mostra que o estatuto
epistemológico ambíguo das ilustrações é comum às outras situações de atestação
dos fatos reais (na história ou no âmbito judiciário). A validade das representações
do passado (discursivas, no caso do testemunho, visuais no caso da ilustração) não
depende das habilidades da memória, cognitivas ou artísticas de um indivíduo, mas
da audiência que as recebe e escolhe ratificá-las institucionalmente. Isso tem como
consequência principal (este será o nosso segundo ponto) o fato de que a dimensão
interpretativa e subjetiva torna-se precisamente o que constitui o interesse do testemunho, porque dá uma inteligibilidade socialmente reconhecida aos fatos. Em outras
palavras, o testemunho oferece um sentido à realidade cujo escopo é coletivo. No
contexto do patrimônio, as ilustrações aparecem, então, como uma regulação de
representações coletivas do passado, um operador constitutivo da memória social.
A interpretação pessoal dos fatos: dar uma inteligibilidade
social a uma situação arqueológica graças à imagem
Após a participação no reconhecimento dos acontecimentos como fatos reais, abordamos agora o segundo aspecto do discurso do testemunho: a interpretação subjetiva da realidade. De fato, se o testemunho contribui para o estabelecimento de
uma realidade histórica, sua contribuição traz em relação aos outros documentos
um toque especial de humanidade: ele expressa um primeiro julgamento e busca sua
ratificação por outros. Esse é o nível da interpretação dos fatos, do seu significado
para a ação presente. Com o testemunho, o julgamento emitido sobre o acontecimento e sobre os homens não é mais uma moral opcionalmente adicionada ao
relato, ele constitui sua razão de ser (Dulong, 1998). A emoção é um ingrediente da
inteligibilidade de uma situação, e longe de ser um elemento acessório do testemunho, enfatiza o sentido humano do olhar voltado para o que aconteceu. A testemunha
– rappelle notre misérable condition et entretient le procès au scénique comme à tout l’apparaître.
Nous sommes mystifiés par les ombres, que nous prenons d’ailleurs pour les objets eux-mêmes.”
[Nossa tradução]
172
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
ocular (através de seu corpo e de sua fala) é atrelada à cadeia das fatualidades, e
é por essa razão que ela pode dar uma inteligibilidade humana, moral e emocional
à realidade.22 O reconhecimento social de seu estatuto de testemunha atua como
uma ratificação de seu julgamento. Para o ilustrador, o julgamento que ele emite
sobre o evento e a emoção que ele associa a isso não estão relacionados com a sua
participação no evento, mas com suas escolhas de interpretação dos conhecimentos
e da composição da imagem; daí a importância de suas competências científicas e
artísticas.
Na prática, o ilustrador interpreta os conhecimentos baseado num argumento jurídico. Tomemos o exemplo de La Rencontre, ilustração de Benoît Clarys que representa um contato entre o homem de Neandertal e o homem moderno. Esse evento
não foi atestado arqueologicamente, pois não há evidências diretas desse encontro,
mas unicamente objetos culturalmente atribuídos a um e ao outro e presentes na
mesma camada estratigráfica. As condições do encontro, por conseguinte, remetem ao julgamento do ilustrador: ele optou por representar um contato pacífico, na
medida em que não existem atualmente vestígios arqueológicos de combates, e que
consideramos, de todo modo, as diferenças em matéria de encontro de acordo com
as regiões. Intervém aí um critério de equilíbrio entre a ausência de vestígios arqueológicos e a documentação.
Para a representação dos trajes dos personagens, acontece da mesma forma: o
ilustrador diz ter “tomado o partido” de representar o homem moderno vestido de
modo mais sofisticado do que o de Neandertal, e mesmo que a agulha ainda não
exista, porque podemos supor que homem moderno desenvolveu uma estratégia
técnica contra o frio (ele vem do Oriente Médio, área que já era mais quente do
que a Europa). Esse julgamento é baseado numa documentação: alguns povos da
América do Sul desenvolveram adaptabilidade fisiológica ao frio, e presume-se que
o Neandertal também poderia ter desenvolvido (o homem de Neandertal é a espécie
europeia endêmica ao Paleolítico europeu, antes da chegada do homem moderno,
vivendo, portanto, num clima mais frio). Outro critério de interpretação aparece aqui:
a comunicabilidade da imagem, ou seja, a expectativa de compreensão por parte
do espectador. O ilustrador escolheu representar nessa imagem um gesto amigável decodificável, mesmo correndo o risco de “fazer um clichê” (a mão no ombro).23
22. Dulong analisa de maneira detalhada esse aspecto através dos exemplos das testemunhas das
duas guerras mundiais.
23. “Les habitants de Nouvelle-Guinée tirent la langue pour dire ‘bonjour’, mais si je fais ça avec
Neandertal les gens ne vont rien comprendre !” Entrevista com Benoît Clarys. [“Os habitantes da Nova
Guiné estiram a língua para dizer ‘olá’, mas se eu fizer isso com o homem de Neandertal ninguém vai
entender nada.”] [Nossa tradução]
173
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
Figura 6. O Encontro
Ilustração de Benoît Clarys
Primeira publicação: Atlas des premiers hommes, Casterman, 1998.
Esse critério de interpretação dos conhecimentos é tanto uma competência de
comunicação como de mediação; também é encontrada no discurso de um outro
ilustrador, Jean-Claude Golvin.
Jean-Claude Golvin formalizou sua argumentação interpretativa por meio de vinte
e cinco publicações e comunicações científicas de 1984 a 2011,24 que constituem
uma metodologia de reconstituição arquitetural. O princípio da argumentação é a
fidelidade aos saberes em simultâneo com a verossimilhança da imagem: “A ideia
global que veiculamos é justa. Mas não é necessário ler tudo nos mínimos detalhes:
alguns detalhes são pertinentes, são realmente coisas que conhecemos, e outros
são adicionados, porque existiram, e temos que integrá-los na imagem, porque se
24. Notadamente Golvin (2003, 2005). Para a bibliografia completa, consultar: Collectif, 2011,
p. 187-188. Agradecemos calorosamente a Jean-Claude Golvin por nos ter dado acesso a essas
publicações.
174
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
estivessem ausentes a mensagem seria falsa.”25, 26 A ideia é a de que o conhecimento
não é suficiente para alcançar uma representação verdadeira ou plausível do passado; devem ser misturados a ela elementos interpretados com método. Trata-se de
compreender os princípios fundamentais da cidade antiga para assegurar o julgamento a partir de cinco determinantes sistemáticos: a topografia e as paisagens, o
contorno e os limites da cidade (muralha, necrópole), o tecido urbano (regular ou não,
ter um esboço disso), os edifícios públicos, bem como a posição relativa desses elementos que é única, dependendo da cidade. Esses elementos permitem construir a
imagem de forma metódica, articulando os conhecimentos (a equivalência dos fatos)
com o julgamento. No trabalho do ilustrador, dar uma inteligibilidade social à imagem
do passado é dar-lhe um significado que permitirá sua circulação social.
A ratificação social das interpretações do passado
Socialmente, a atividade do ilustrador funciona da mesma maneira que a da testemunha ocular e possui o mesmo estatuto: sua visão vai participar da identificação
do que se proclama como passado, enquanto referente coletivo e identitário.27 Essa
função essencial possui uma forte carga simbólica: a testemunha dá significado à
realidade social que ela testifica. A força dessa posição social difícil reside na possibilidade de produção de um espaço público para o debate científico, mas também de
um espaço de mediação do passado que reúne cientistas e membros da sociedade.
A ilustração como produção de um espaço público
O impacto político dos testemunhos só alcança sua verdadeira dimensão com o conceito de espaço público, pois a testemunha é um indivíduo social chamado a dizer em
voz alta o que ele viu e a ver o seu discurso tomado numa série de outros discursos
de caráter argumentativo. Num sentido amplo, o espaço público abrange qualquer
interação e qualquer expressão pública. Arendt o define como: “[…] a comunidade
dos homens enquanto devem, na ausência de garantias metassociais ou de uma
máxima universalizante, estar de acordo sobre os princípios fundadores do viver em
conjunto”28 (Dulong, 1998, p. 83) O espaço público inclui, portanto, a ação coletiva,
o debate que a elabora, a vida política e social. A história e a arqueologia são, por25. “L’idée globale que l’on donne est juste. Mais il ne faut pas tout lire au niveau du détail : certains
détails sont pertinents, ce sont vraiment les choses que l’on connaît, et d’autres sont rajoutées parce
qu’elles ont existé, et il faut arriver à les mettre, parce que si elles étaient absentes le message serait
faux.” [Nossa tradução]
26. Entrevista com Jean-Claude Golvin.
27. Para Arendt (1972), a primeira função da testemunha é proclamar o acontecimento e fazer com
que se tome consciência de sua importância (Dulong, 1998, p. 123).
28. “[…] la communauté des hommes en tant qu’ils sont tenus, en l’absence de garants métasociaux
ou d’une maxime universalisante, à s’entendre sur les principes fondant leur vivre ensemble.” [Nossa
tradução]
175
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
tanto, cada uma, um espaço público regional, que exige, por sua vez, uma instância
de preservação da fatualidade: crítica das publicações, controvérsias sobre as teses,
revisão dos sistemas de interpretação, e também a avaliação das ilustrações sob o
regime de veridicidade. Por meio de sua posição como testemunha, o ilustrador em
arqueologia faz existir o espaço público segundo duas modalidades discursivas: a
discussão e a narrativa. Essas modalidades se manifestam em espaços sociais e em
redes diferentes.
A ilustração em arqueologia cristaliza a tensão entre os conhecimentos científicos da
disciplina (que têm o estatuto de verdade) e o modo de produção dos conhecimentos, que, em parte, têm a ver com a discussão, porque a arqueologia procede por
inferências (paradigma de índice). A ilustração é, então, um equilíbrio a estabilizar em
permanência, entre verdade científica e discussão. Para os pesquisadores que aceitam integrar ilustração à sua pesquisa, a função da ajuda na discussão da ilustração
é muito clara: a atividade do ilustrador “age como um revelador”.29 30 “O desenho que
esboça rapidamente revela o que funciona e o que não funciona, seja técnico, inclinação do terreno, relevo ou localização. A localização do porto fluvial, por exemplo,
não poderia convir porque era o lugar onde a corrente era mais forte... Sua principal
virtude é nos ajudar a decidir.”31 A comunidade científica, a instância que determina
o que é reconhecido como fato ou verdade científica, é, então, o primeiro espaço
público em que age o ilustrador como revelador do debate e suporte à decisão do
que constitui os fatos.
O segundo espaço público em que ele intervém é muito maior, e corresponde à difusão social de suas obras. O ilustrador é então confrontado com a pesada responsabilidade a cargo da testemunha quanto ao sentido moral da sua testificação para a
compreensão do passado e de seu significado para o futuro coletivo. O relato da testemunha convoca o espaço público como uma comunidade de seres que partilham
a mesma sensibilidade em certos aspectos do mundo. O relato não é uma simples
listagem do que aconteceu: a compreensão do evento coincide com a sua inclusão
em um espaço de sentido; e na medida em que é inteligível, a descrição de um segmento de mundo participa na produção de um espaço de troca entre os homens
(Dulong, 1998, p. 135-138). Para Arendt (1972), contar um evento é tanto extrair
uma configuração de um caos de ocorrências durante a execução de um ato de
29. “agit comme un révélateur” [Nossa tradução]
30. A expressão e a citação são de uma curadora de patrimônio que solicitou várias ilustrações de
Lutécia a Jean-Claude Golvin por ocasião de uma exposição no Museu Carnavalet em 2011, E Lutécia
se tornou Paris (Collectif, 2008).
31. “Le dessin qu’il esquisse révèle très vite ce qui fonctionne et ce qui ne fonctionne pas, qu’il
s’agisse de technique, de pente, de relief ou de localisation. L’emplacement du port fluvial, par exemple, ne pouvait convenir parce que c’est là que le courant était le plus fort… Sa principale vertu, c’est
de nous aider à trancher.” [Nossa tradução]
176
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
julgamento ligado ao ato de perceber, como conferir a inteligibilidade necessária para
abrir um futuro. O testemunho prepara os relatos históricos para o ouvido humano,
tornando-os interessantes e até mesmo moralmente úteis. Se seguirmos a análise
sociológica do testemunho, o propósito da ilustração em arqueologia encontra-se,
portanto, na interpretação pessoal do passado, com base nos conhecimentos de que
dispõe o ilustrador, e na ratificação coletiva dessa visão pessoal do passado. Essa
interpretação é o que dá inteligibilidade ao passado, e é por meio dela que o fenômeno do testemunho atinge a sua amplitude política. Jean-Claude Golvin também é
muito explícito sobre isso: “Em nossa própria rua, não somos capazes de desenhar
todas as casas de memória! Não precisamos, não faz sentido. É preciso representar
o que faz sentido.”32
O ilustrador funciona, então, realmente, como um agente de memória social. A memória social é um conteúdo e, ao mesmo tempo, uma forma de processar e apreender
esse conteúdo, ou seja, um modo de ser no mundo (Candau, 1998). A memória social
assegura a continuidade sob a forma de “escolas de pensamento”, vestígios ou materializações rituais (Davallon, 2006, p. 110), e orienta a comunicação ou a expressão
das memórias individuais; “funciona como uma instância de regulação da lembrança
individual”33 (Hervieu Léger, 1993), dando-lhes uma clarificação de sentido que testemunha uma “visão de mundo” comum (Namer, 1987). O conceito de memória social
implica, portanto, a introdução de mecanismos de mediação para essa regulação
(comemorações, documentos, objetos...) de que as ilustrações fazem parte.
As ilustrações como produção de memória social
O caso das ilustrações dos sítios arqueológicos de palafitas é um bom exemplo para
se compreender o papel das ilustrações como operador da memória social, e sobretudo, graças ao recuo temporal que se tem hoje sobre o impacto social dessas imagens. Em 1854, Ferdinand Keller, presidente da Sociedade de Antiquários de Zurique,
oferece a primeira restituição de uma aldeia lacustre, após a descoberta da estação
de palafitas de Obermeilen. A ilustração de Keller é totalmente consistente com a
abordagem de ilustração científica aqui discutida: é um arqueólogo e usa documentação etnográfica34 e arqueológica oriunda de suas escavações. O sucesso da imagem não só irá desencadear uma onda de pesquisas arqueológicas nas margens dos
lagos suíços, mas também dará origem ao que é chamado de “mito lacustre”: aldeias
construídas em plataformas acima das águas, sobre as quais se fixam as projeções
32. “Dans notre propre rue, on n’est pas capable de dessiner toutes les maisons de mémoire ! On
n’en a pas besoin, ça n’a pas de sens. Il faut représenter ce qui a du sens.” [Nossa tradução]
33. “fonctionne comme une instance de régulation du souvenir individuel” [Nossa tradução]
34. Keller foi inspirado por um dos desenhos de Dumont d’Urville, após sua viagem para a Nova Guiné
em 1827 (Kaufman, 1979) e nas antigas casas de pescadores do Lago de Zurique, desaparecidas há
várias gerações, mas cuja lembrança foi conservada (Kaeser, 2000).
177
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
identitárias ideológicas suíças. Durante décadas, assumimos, com base em um
modo tão particular de habitat, a unidade étnica e cultural dos habitantes de lagos.
A teoria lacustre de Keller fica, assim, profundamente enraizada no contexto sociopolítico da época, e também contribui para moldá-lo: permite fortalecer a identidade
nacional da nova Confederação Suíça remodelando-a, pois, devido à interpretação
de Keller, ela parece surgir a partir de uma coesão cultural (Kaeser, 2000). “Desse
modo, a partir de algumas aldeias pré-históricas, ele construiu uma nova civilização.
Assim, podemos dizer que, se Keller não descobriu as palafitas, se não foi o primeiro
a realizar pesquisas nesse domínio, ele inaugurou de chofre uma teoria abrangente e
coerente. Aos olhos de seus contemporâneos, ele é o primeiro a compreender esses
vestígios”35 (ibid., p. 83).
Assim como no caso do testemunho, o sucesso do mito lacustre está intimamente
ligado à qualidade da sua recepção: ele criou um novo significado para os seus contemporâneos. É por isso que o questionamento da teoria lacustre teve dificuldades
em encontrar ecos. Os arqueólogos sabem, desde os anos 1950, que esses habitats
não estavam situados sobre a água, mas nas margens dos lagos, e que nenhuma
plataforma seria capaz de suportar o peso de um complexo habitacional. Foi apenas
nos anos 1980 que o público começou a prestar atenção nessas descobertas. Para
explicar essa resistência, os arqueólogos têm culpado a estupidez pública e a incompetência da instituição de ensino, porém se trata de algo completamente diferente.
“[O] mito lacustre (não visa) ao conhecimento do passado pré-histórico da Suíça, mas
à compreensão da atualidade e do futuro em comum”36 (ibid., p. 35). Kaeser compreendeu perfeitamente a amplitude e a importância coletiva da ilustração, e mesmo
que não teça uma relação explícita com o testemunho, sua análise do mito lacustre
poderia se aplicar a ambos os fenômenos:
[O ilustrador/arqueólogo] dá à luz uma realidade que ultrapassa, necessariamente, o domínio da objetividade, para entrar naquele das representações
coletivas, fundamentalmente subjetivas. [...] O passado representado não
existe mais como tal. Não tem mais a ver com um objeto de estudo situado no
passado, mas com um sujeito vivo, nos olhos e no imaginário de um público que
não é mais um mero espectador, uma vez que é precisamente seu olhar que
anima a imagem37 (Kaeser, 2002, p. 34).
35. “Ainsi à partir de quelques villages préhistoriques, il construit, lui, une nouvelle civilisation. On
peut donc dire que si Keller n’a pas découvert les palafittes, s’il n’a pas été le premier à effectuer des
recherches dans ce domaine, il a inauguré d’emblée une théorie globale et cohérente. Aux yeux de ses
contemporains, il est le premier à avoir compris ces vestiges.” [Nossa tradução]
36. “[Le] mythe lacustre [ne vise pas] à la connaissance du passé préhistorique de la Suisse, mais à
la compréhension de l’actualité et de l’avenir communs.” [Nossa tradução]
37. “[L’illustrateur/archéologue] donne naissance à une réalité qui dépasse nécessairement le domaine
de l’objectivité, pour entrer dans celui des représentations collectives, foncièrement subjectives. […]
178
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
A integração da totalidade das obras de Jean-Claude Golvin às coleções do Museu
Departamental de Arles Antiga é outro exemplo mais recente da constituição da memória social pela ilustração. Essas obras estão agora preservadas em domínio público,
com o duplo estatuto de peças de coleção do museu e como mecanismos de mediação
dos vestígios, já que muitas delas estão expostas nas salas das coleções permanentes
ao lado dos vestígios que as mesmas representam, explicam e recontextualizam. A ilustração O circo romano de Arelate, exposta na fachada envidraçada do museu por ocasião da exposição Golvin, um arquiteto no coração da história,38 é uma materialização do
fenômeno da memória social constituída e regulada pela ilustração. Três elementos se
sobrepõem visualmente para o espectador na fachada do museu: a ilustração do circo
sobre o vidro, o monumento enterrado situado fora do museu, e a cidade real visível em
plano de fundo. Através da composição que permite essa superposição, a ilustração
recoloca em situação os vestígios e une visualmente a representação do passado ao
presente da cidade de Arles para todos os visitantes que entram no museu.
Figura 7. O circo romano de Arelate
Ilustração do Jean-Claude Golvin apresentada no hall do Museu Departamental de Arles Antiga.
© Patrick Mercier Ville d’Arles
Le passé représenté n’en est plus un. On n’a en effet plus affaire à un objet d’étude situé dans le passé,
mais à un sujet vivant, aujourd’hui, dans les yeux et dans l’imaginaire d’un public qui n’est plus un pur
spectateur, puisque c’est précisément son regard à lui qui anime l’image.” [Nossa tradução]
38. Exposição apresentada de 22 de outobro de 2011 ao 6 de maio de 2012.
179
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
Para entendermos completamente o processo de constituição da memória social,
desejamos concluir afirmando que é essencial conferir seu lugar de direito à certificação científica do passado. Alguns analistas da ilustração consideram que: “[…]
representar o mundo pré-histórico ou qualquer outro passado não é operação qualificável epistemologicamente, pois se trata de algo que não tem nada a ver com o
conhecimento”39 (Boëtsch e Ferrié, 2000, p. 230). Acreditamos que este é um erro
antropológico, na medida em que este raciocínio equivale a negar a ligação entre a
lógica da patrimonialização e a produção da memória. As ilustrações possuem de
fato uma validade social quando produzidas em comum acordo com os arqueólogos.
Essa colaboração permite a produção de eventos memoráveis no campo da arqueologia e do patrimônio: ela constrói laços sociais, pois contribui para estabelecer a
existência de um passado comum. Nossas sociedades ocidentais precisam acreditar
que esse passado foi real em função dos conhecimentos atuais, ou seja, acreditar
que esse passado representado seja verossímil com relação aos saberes cientificamente comprovados, uma vez que a validade da ciência está no centro dos nossos
valores sociais no sentido de estabelecer um passado comum.
A abordagem do ilustrador é, portanto, vetor de valor: a sua preocupação com a
exatidão e veridicidade indica o compromisso social com a verdade científica para
a constituição do patrimônio, e do passado, por extensão; sua relativa liberdade de
composição da imagem indica que sua interpretação subjetiva do conhecimento
fornece uma inteligibilidade do passado, legitimada pelo reconhecimento social do
ilustrador.40 Os ilustradores participam, assim, enquanto indivíduos, na construção
social de nosso passado, mesmo que às vezes isso pareça difícil de conciliar com a
nossa concepção do patrimônio cientificamente autenticado. O fenômeno da ilustração mostra que as mediações têm um papel fundamental na legitimação do que
consideramos socialmente como nosso passado (Flon, 2012).
39. “Se représenter le monde préhistorique ou tout autre passé n’est pas une opération qualifiable
épistémologiquement, car c’est quelque chose qui n’a rien à voir avec la connaissance.” [Nossa tradução]
40. Podemos também aproximar a interpretação subjetiva pelo ilustrador da noção de interpretação
no sentido museológico, que implica diretamente o visitante no discurso museal através da emoção
(Dufour, 2009).
180
Patrimonializar a memória
da guerra no museu:
entre História e testemunho
Jessica Cendoya-Lafleur, Marie Lavorel e Jean Davallon
Traduzido do francês por Germana Henriques Pereira de Sousa
Visto como um espaço de comunicação (Odin, 2011), o museu permite-nos observar como se pode escrever uma memória traumática em que o testemunho serve
de ajuda à transmissão de passados difíceis. Esse testemunho pode ser encarnado
pelos detentores da memória, ainda vivos, ou se apresentar numa forma material. É,
portanto, uma manifestação interessante para se discutir as condições de um processo de patrimonialização da memória no âmbito das instituições museais.
A história contemporânea implica uma escrita sob a influência de uma demanda
social, científica e política, em maior ou menor grau, de acordo com a proximidade
temporal do evento histórico. Disso resulta uma escrita do passado entre história e
memória num contexto social ocidental em que a experiência individual é priorizada
por comunidades memoriais influentes. De modo geral, observa-se uma proliferação
da memória no espaço público, aquele de uma mudança de temporalidade onde se
cultiva o passado em todas as suas formas (arquivos, monumentos, memoriais, etc.)
Isso tem, por efeito, privilegiar uma relação afetiva com o passado e uma produção
narrativa desse passado com base na experiência humana individual, especialmente
através do testemunho. O testemunho é um meio pelo qual a sociedade vive e pensa;
ele se refere a um outro lugar. Ele fala sobre outra coisa. A testemunha é um “passador”, o intermediário com essa “outra cena” que mobiliza simultaneamente, e com
força, sentimentos e afetos, imaginação e quadros de referências interpretativos. É
por essa razão que o testemunho pode participar da criação e manutenção do quadro
de referência coletivo das identidades individuais. Ele é um relato que participa ativamente da criação de uma paisagem memorial. Ao contrário da narrativa histórica,
permite reconstruir uma ligação com o passado que já não é só de domínio exclusivo
do especialista. Essa ligação é direta e visível, uma vez que toma forma no testemunho portador de uma experiência vivida – fenômeno que, aliás, provocou muitos
debates sobre o estatuto do testemunho entre os historiadores do nosso tempo.
181
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
Os acontecimentos históricos conflitantes do século XIX, por seu caráter traumático
portador de uma ruptura simbólica, forçam historiadores e testemunhas a trabalhar
em conjunto. Esses eventos questionam suas respectivas relações com o passado
entre a busca da verdade e a missão de fidelidade memorial (Ricœur, 2001; Bedarida,
2005). Agentes de transmissão do passado, a testemunha e o objeto-testemunho(s)
adquiriram um verdadeiro estatuto social e estão sujeitos a uma utilização midiática
significativa. Se a televisão, o rádio e o cinema já se apropriaram amplamente disso,
o museu, por sua vez, também parece participar dessa escrita do passado nos confins da história e da memória, revelando um processo de patrimonialização.
Dois casos são o objeto do presente estudo. O primeiro apresenta os resultados da
análise de diferentes processos de exposição do objeto-testemunho(s)1 Guernica, o
quadro de Pablo Picasso pintado em Paris, no contexto da Guerra Civil Espanhola
(1936-1939) e atualmente em exposição no Museu Nacional Centro de Arte Rainha
Sofia (MNCARS). O segundo está localizado no contexto da Segunda Guerra Mundial
(1939-1945) no Museu da Resistência e da Deportação em Isère (MRDI). Este trabalho apresenta os resultados da observação do encontro testemunha-historiador no
comitê científico do museu. Essa relação se mostrou reveladora e potencialmente
legitimadora da escrita patrimonial da memória da deportação.
Os dois estudos de caso selecionados oferecem uma oportunidade para observarmos processos de patrimonialização em diferentes estágios que se devem ao
contexto histórico e memorial de dois acontecimentos. As exposições do objetotestemunha(s) Guernica reativam constantemente o processo de patrimonialização
do objeto-monumento que não pode ser concluído enquanto a história estiver sendo
escrita e a memória permanecer viva. Por outro lado, estamos assistindo ao culminar
de um processo de patrimonialização da deportação no Museu da Resistência e da
Deportação de Isère.
Buscamos compreender como um processo de patrimonialização pode ser alcançado nesses contextos históricos e memoriais particulares. Em geral, portanto, questionaremos as condições de operatividade do patrimônio.
1. O termo objeto-testemunho(s), pelo qual designamos o Guernica, está no plural, entre parênteses,
porque é oriundo originalmente da Guerra Civil, mas também de vários eventos subsequentes, como
o exílio dos refugiados espanhóis, os combates memoriais, etc. Distinguimos esse último da obra de
arte Guernica, que, integrado no espaço museal, foi patrimonializada.
182
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
O objeto-testemunho(s) Guernica e seus contextos
de exposição: um processo de patrimonialização
inacabado
Um fato particular à Espanha é a dificuldade em se mencionar uma história nacional
cientificamente comprovada, apesar de existirem os Arquivos Nacionais da Guerra
Civil Espanhola. Os conflitos memoriais são recorrentes na esfera pública. E ainda
indicam hoje a dificuldade de se estabelecer um consenso histórico, tanto para as
autoridades políticas quanto para o povo espanhol. Nesse contexto, pode se revelar
complexo para o museu ser o“relé” de uma história difícil de ser escrita, uma vez
que se baseia principalmente em narrativas memoriais. É certo que o Guernica é
parte do patrimônio dos espanhóis, no sentido tradicional da palavra “patrimônio”.
No entanto, é mais difícil de estabelecer que o processo de patrimonialização desse
objeto de arte, como testemunho, esteja devidamente concluído, uma vez que o seu
estatuto evolui de acordo com os lugares e o contexto em que ele é exposto.
Exposição do Guernica: estabelecimento de uma comunicação
do testemunho
O contexto histórico e político da criação de Guernica
O pintor espanhol Pablo Picasso pintou Guernica em 1937, no contexto de uma encomenda do governo republicano para o Pavilhão espanhol na Exposição Universal de
Paris naquele mesmo ano. Enquanto a Guerra Civil Espanhola (1936-1939) assolava
a Espanha, o pintor, que vivia na França, soube que a aldeia do país basco Guernica
havia sido bombardeada. Ele fez desse evento o tema de sua pintura.
Fazendo um panorama histórico, essa guerra fratricida opunha republicanos e nacionalistas. Foram os nacionalistas, liderados pelo general Francisco Franco, que venceram a guerra. Franco impôs uma ditadura até sua morte, em 1975. Foi apenas em
1977, após a transição democrática, que os espanhóis puderam votar novamente. A
partir desse período, e isso até meados da década de 1990, o tema da Guerra Civil
não foi mais claramente abordado no espaço público e na vida política espanhola.
A memória coletiva foi construída sobre o desejo de esquecer o passado, a fim de
proporcionar um futuro de paz. O esquecimento possui, então, uma legitimidade
funcional no contexto do retorno da democracia na Espanha (Arostegui, 2007). No
entanto, a partir do final da década de 1990, as associações expressaram sua necessidade de homenagear publicamente as vítimas do franquismo (Serrano-Moreno,
2012). Uma voga memorial invade o espaço público e o país fica dividido novamente.
Alguns espanhóis pensam que desenterrar os mortos equivale a reacender o conflito,
enquanto outros, filhos e netos de vítimas republicanas, expressam a necessidade
183
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
de um dever de memória nacional. Esse dever de memória foi discutido e instituído
sob o governo socialista do presidente José Luis Zapatero. Em 2007, uma lei de “recuperação da memória histórica” foi aprovada pelas Cortes Generales, isto é, o Parlamento espanhol. Essa lei garante “[...] o reconhecimento, a expansão dos direitos e a
instauração de medidas em favor dos que sofreram perseguição ou violência durante
a Guerra Civil e a ditadura” (BOE, Lei 52 / 2007, de 26 de Dezembro de 2007). O
debate ainda está em voga. A Guerra Civil dividiu e ainda divide espanhóis; portanto,
não é possível falar de uma memória histórica comum.
Contextos de exposições em relação com a história política
e memorial da Espanha
O Guernica viajou bastante desde a sua criação. Seus diferentes contextos de exposição permitem defini-lo como um objeto polissêmico e multifuncional: um objeto
que é ao mesmo tempo artístico, histórico, político, cultural e memorial. Esse quadro
é um testemunho da Guerra Civil Espanhola, e cada exposição sua tem uma ressonância com a história política e memorial do país. Os países e os museus onde ele
foi exposto, e suas diferentes cenografias, podem assim ser relacionados com o que
viveu o povo espanhol, da Guerra Civil até hoje.
A primeira exposição do Guernica, em 1937, em Paris, foi um ato político deliberado.
Picasso fez um testemunho através de um suporte artístico, destinado a denunciar
as atrocidades da guerra sofridas pelos seus concidadãos espanhóis. Esses acontecimentos vieram à luz graças à iniciativa de refugiados republicanos que atraiu a
atenção da comunidade internacional. Já podemos considerar o Guernica como um
objeto de arte, um testemunho e um suporte de mídia, simultaneamente.
A guerra terminou em 1939, e muitos espanhóis fugiram do país. De 1938 a 1944, o
Guernica foi exibido em várias cidades da Europa e da América para coletar fundos
no âmbito da campanha de ajuda aos refugiados espanhóis. Não só o quadro fornece
o testemunho do que o povo espanhol viveu, mas também é o porta-voz e o benfeitor
dos refugiados republicanos.
Em 1944, o Museu de Arte Moderna de Nova York se torna o depositário do Guernica.
De acordo com os desejos de Picasso, o quadro não poderia ser exposto na Espanha
até que a democracia fosse restabelecida. Assim, o pintor dota-o do estatuto de dissidente assinalando a ditadura vigente em seu país.
Foi apenas em 1981, após a morte de Franco e a reintrodução da democracia pelo
novo governo, que “o último exilado”2 entra pela primeira vez no território espanhol,
2. O quadro foi nomeado pela imprensa “o último exilado”.
184
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
sendo abrigado pelo Cason del Buen Retiro, administrado pelo Museu do Prado. É o
símbolo da democracia reencontrada. No entanto, o vidro blindado por trás do qual
fica exposto e os dois policiais que o emolduram testemunham as tensões políticas
subjacentes, uma vez que o quadro não é bem-vindo para todos os espanhóis.
Em 1992, o Guernica foi transferido para o MNCARS, onde, até 2007, foi exposto num
contexto exclusivamente artístico. Ao que parece, os curadores da época tentaram
atenuar sua função memorial e política colocando entre parênteses o contexto histórico. Assim, podemos perguntar se essa cenografia não traduz o desejo de silenciar
esse período da História, oferecendo uma interpretação estética e artística da obra.
Por outro lado, desde o ano de aprovação da lei sobre o dever de memória e até agora
(2012), o Guernica é exibido no contexto de criação artística, mas também histórico,
o que fortalece e torna manifesto seu alcance memorial. O tratamento cenográfico
do quadro, proposto por Manuel Borja Villel, o diretor do MNCARS, nomeado pelo
governo socialista de Zapatero desde 2006, destaca as condições de criação e exposição da pintura em 1937, assim como as obras de artistas republicanos da época.
Descrição da sequência de exposição Guernica de 2007 a 2011
Desde 2007, no MNCARS, a sequência da exposição intitulada Guernica apresenta
um conjunto de unidades que retraça o contexto artístico e histórico da obra. Entre
as unidades dessa sequência, consideramos apenas aquelas dedicadas ao período
da guerra com cenografias propostas de 2007 a 2011.
Esse período é apresentado através de expôts que poderíamos designar como sendo
artísticos (pinturas, fotografias, esculturas, desenhos, gravuras), históricos e documentais (vídeos, fotos, cartazes, arquivos de imprensa). As etiquetas situadas nos
elementos, embaixo e à direita, são simples, caracteres pretos sobre fundo branco
que indicam: o nome do artista; as datas e locais de nascimento e morte; o título da
obra em sua língua original, em espanhol e inglês; a data de criação; a técnica utilizada, a origem da obra. Há textos de acompanhamento, mas nenhum texto de informação afixado nas paredes que permitiriam aprofundar um saber sobre um contexto,
uma obra ou um artista. Constatamos que a interpretação é livre. O visitante é quem
deve construir uma narrativa segundo a relação que ele estabelecerá com os expôts
que terão chamado sua atenção.
Voltemos, mais em detalhe, sobre as salas e os elementos que compõem a sequência
da exposição Guernica. A primeira unidade é a do Guernica, ponto de convergência
desse conjunto. As duas salas adjacentes detalham o processo criativo do artista
pela exposição de vários desenhos, esboços e pinturas preparatórias. A instituição
designou essas três salas para a exposição para formar um único conjunto com o
185
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
quadro. Uma põe em cena elementos da primeira apresentação do Guernica no Pavilhão republicano espanhol, durante a Exposição Universal de Paris em 1937. Podemos observar ali obras originais e reproduções de elementos presentes nas salas do
pavilhão àquela época. A unidade seguinte apresenta uma série de desenhos executados por artistas republicanos, enquanto a última é composta por cartazes de
propaganda franquista. A última exibe uma série de fotografias tiradas por repórteres
de guerra, no front, incluindo o famoso Robert Capa.
Esse museu mobiliza um conjunto de unidades que giram em torno de um objeto
central, o Guernica. Esses diferentes elementos são obras de arte e documentos que
enriquecem o testemunho do quadro. Nesse conjunto, o testemunho tem dois níveis
de leitura que são diferenciados por sutilezas tipográficas. O Guernica em itálico qualifica a obra de arte, enquanto o título da sequência “Guernica”, tipografado entre
aspas, descreve o testemunho evocado pelo conjunto das unidades que acabamos
de apresentar, como interagem entre elas e com a obra de arte.
Guernica: o objeto-testemunho(s) feito monumento
Com base na análise que apresentamos da história do Guernica, constatamos que
essa pintura não é simplesmente um objeto estético. Pablo Picasso realizou-a para
dar um testemunho através de um suporte estético e midiático: o quadro.
Um testemunho é produzido por uma testemunha, isto é, alguém que assistiu
aos acontecimentos e autenticou sua existência. A palavra “testemunho” também faz parte do vocabulário judicial: pode estar relacionada com a denúncia.
Mas a maioria dos artistas que produziram exemplos paradigmáticos de representação dos limites do sofrimento ou da maldade humana pode não ter sido
uma testemunha direta dos fatos, mesmo que o seu trabalho tenha sido considerado por todos como a mais alta e bem-sucedida expressão de denúncia
(Fernandez-Martinez, 2008, p. 2).3
No entanto, o próprio artista e outros produtores (curadores, políticos, etc.) mudaram,
em seguida, esse testemunho através de diferentes exposições relacionadas com
contextos históricos e políticos específicos. Nós não consideramos o Guernica como
um testemunho dado por uma única pessoa, mas como um objeto-testemunho(s)
3. “Un témoignage est produit par un témoin, c’est-à-dire celui qui a assisté aux faits et authentifie
leur existence. Le mot ‘témoignage’ fait aussi partie du vocabulaire judiciaire : il peut être lié à la
dénonciation. Mais la majorité des artistes qui ont produit des exemples paradigmatiques de la représentation des limites de la souffrance ou de la méchanceté humaine, peut ne pas avoir été témoin
direct des faits, même si leur œuvre a été considérée par tous comme l’expression la plus réussie et
la plus aboutie de la dénonciation.” [Nossa tradução]
186
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
no plural, na medida em que testifica uma série de eventos (Guerra Civil, refugiados,
combate memoráveis, etc.). Contudo, convém distinguir o objeto-testemunho(s) do
objeto-testemunha, termo comumente usado pelos etnólogos. Por exemplo, na obra
Objets et Mémoires, Laurier Turgeon define o objeto-testemunha como um documento que pode acompanhar o trabalho de investigação científica dos etnólogos e
arqueólogos. Estes últimos consideram o objeto como o igual desse objeto próprio
ao historiador que é o arquivo escrito.
Etnólogos conseguem reverter a perspectiva que até então prevalecia: os testemunhos materiais adquirem uma precedência sobre os testemunhos escritos,
porque podem revelar segredos profundos da sociedade. Assim como a linguagem, o objeto permite atingir o pensamento e os processos cognitivos. Isso já é
reconhecer um estatuto comparável ao escrito4. (Turgeon, 2007, p. 19).
Se concordarmos com esse autor, poderemos dar ao Guernica, como testemunho,
um estatuto comparável ao da palavra escrita como objeto-testemunha. No entanto,
propomos acrescentar ao nome comum “témoin” o sufixo nominal de ação, em francês, “-age” e falar de “témoignage”, uma vez que o comparamos com o monumento
que, pela sua presença, age sobre as memórias.
Um monumento, no sentido original do termo, refere-se a uma obra erigida
com a intenção específica de manter, para sempre presentes nas mentes das
gerações futuras, acontecimentos ou feitos humanos especiais (ou uma combinação de uns e outros).5 (Riegl, [1903] 2001).
Riegl afirma que, quando há uma batalha, um monumento é erguido para testemunhar o evento, para conservar um rastro. Picasso começou a realizar o quadro nos
dias seguintes ao bombardeio. A obra ainda existe e foi instituída num estabelecimento público, MNCARS. O artista criou uma espécie de memorial para as vítimas
da Guerra Civil; um monumento comemorativo cuja natureza é fornecer um testemunho. Muitas vezes, no entanto, o monumento foi movido e contextualizado. Cada uma
dessas mudanças tem a ver com intenções políticas e memoriais da Espanha desde
a sua criação em 1937. Podemos fazer nossa a precisão introduzida por Joël Candau
sobre os objetivos do monumento:
4. “Les ethnologues réussissent ainsi à renverser la perspective qui avait prévalu jusqu’alors : les
témoignages matériels acquièrent une préséance sur les témoignages écrits, parce que capables de
révéler des secrets profonds de la société. Au même titre que le langage, l’objet permet d’atteindre
la pensée et les processus cognitifs. C’est déjà lui reconnaître un statut comparable à l’écrit.” [Nossa
tradução]
5. “Un monument, au sens originel du terme, désigne une œuvre érigée avec l’intention précise de
maintenir à jamais présents dans la conscience des générations futures des événements ou des faits
humains particuliers (ou un ensemble des uns et des autres).” [Nossa tradução]
187
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
Na realidade, esses dois objetivos – honorífico e de transmissão –, destacados pelo discurso oficial, escondem um terceiro, sempre implícito. Trata-se de
causar emoção entre os visitantes, a fim de obter a sua adesão a um projeto
político: reforçar a coesão nacional, satisfazer os representantes de “comunidades” ou de associações, fazer campanha para as próximas eleições, etc.6
(Candau, 2005, p. 124)
O Guernica é um monumento dedicado à memória dos republicanos vítimas da Guerra
Civil Espanhola numa instituição pública. Além disso, podemos considerar que a sua
função comemorativa só foi ativada em 2007, porque, vale lembrar, foi apresentada
num contexto histórico após a aprovação da lei sobre o “dever de memória”. Esse
testemunho encarnado pelo Guernica é produtor de memória. Intervém nas memórias coletivas que são “a combinação de lembranças individuais de muitos membros
de uma sociedade”7 (Candau, 2005). De fato, na sociedade espanhola, as memórias
individuais não estão relacionadas a uma base de valores comuns desde a Guerra
Civil.
Um processo inacabado de patrimonialização
Se nossa análise estiver correta, como um monumento, o Guernica seria um objeto
social que participa da (re)construção da memória da Guerra Civil Espanhola. Nós
atribuímos a ele o adjetivo “patrimonial” no sentido tradicional da palavra “patrimônio”. Em outras palavras, diferenciamos o patrimônio comemorativo, facilmente
designado pelo Estado ou pela sociedade, do patrimônio operador de construção de
uma relação com o passado, segundo gestos de patrimonialização8.
No caso de Guernica, é com esse segundo significado da palavra patrimônio que
temos de lidar, porque, depois de analisarmos a questão, não podemos considerar o
Guernica como um “monumento”, objeto patrimonial, porque seu processo de patrimonialização ainda está em curso. No entanto, não discutimos o sentido estético
6. “En réalité, ces deux objectifs – honorifique et de transmission – mis en avant par les discours officiels en cachent un troisième, toujours implicite. Il s’agit de provoquer une émotion chez les visiteurs,
dans le but d’obtenir leur adhésion à un projet politique : renforcer la cohésion nationale, satisfaire
les représentants de ‘communautés’ ou d’associations, faire campagne pour les prochaines élections,
etc.” [Nossa tradução]
7. “la combinaison des souvenirs individuels de beaucoup de membres d’une même société” [Nossa
tradução]
8. Lembremos que existem sete gestos de patrimonialização: “[1] Ruptura: o desaparecimento do
objeto e/ou de seu contexto. [2] Revelação do objeto como “descoberta”. [3] Certificação de origem
do objeto. [4] Confirmação da existência do mundo de origem. [5] Representação pelo objeto de seu
mundo de origem. [6] Celebração da “descoberta” do objeto pela exposição. [7] Obrigação de transmitir às gerações futuras” (Davallon, 2006, p. 119-126) (Original em nota de fim). [Nossa tradução]
188
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
patrimonial de Guernica, que, como um objeto de arte integrado no espaço museal,
é patrimonializado.
O Guernica objeto-testemunho(s) responde a todos os gestos, exceto ao primeiro,
o da “quebra e desaparecimento do objeto e/ou seu contexto.9 De fato, “para que
haja patrimonialização, é preciso ter havido uma ruptura na continuidade da memória” (Davallon, 2006, p. 119). Essa ruptura deveria ser o resultado da passagem da
memória da Guerra Civil Espanhola para a sua entrada na história oficial da Espanha.
Ora, nesse caso, a memória é constantemente reativada10, porque é difícil para a
Espanha terminar de escrever a história desse período. Os diferentes “estratos de
representações memoriais”11 (Morisset, 2009, citado por Georgescu-Paquin, 2011, p.
302), tais como o símbolo da guerra, do exílio, das vítimas da guerra, da liberdade
reencontrada, do objeto de arte e do objeto-testemunho(s), foram reativados pelos
eventos memoriais do país, reatualizando, assim, sistematicamente, o processo de
patrimonialização. As noções de reativação e atualização (Georgescu-Paquin, 2011)
são interessantes, uma vez que elas se inserem numa lógica de ruptura-continuidade
necessária a todo processo de patrimonialização. No entanto, a ruptura mencionada
implica uma ruptura memorial para fazer história.
Guernica é um objeto difícil de ser apreendido, pois, como acabamos de ver, ele não
é apenas o suporte memorial da Guerra Civil. Existem diferentes memórias que se
sobrepõem umas às outras, cada uma delas sendo o resultado da conjuntura de
seus espaços de exposição (França, Europa, Estados Unidos, Museu do Prado e o
MNCARS), de seus processos de exposição (contexto político de 1937, atrás de um
vidro blindado em 1981, num contexto artístico em 1992 e num contexto artístico e
histórico-memorial desde 2007) e das repercussões da mídia, políticas e sociais da
Espanha que colocam um freio no processo e num tratamento clarificado do objeto.
A falha, que, segundo nossa análise, impediria o processo de ser operativo, é a impossibilidade atual, daquela nação, em chegar a um consenso histórico. A leitura desse
objeto-testemunho(s) não se insere numa lógica historiográfica, ainda que, desde
2007, ele tenha sido exposto num contexto histórico. Além disso, ele está atualmente
num museu de belas-artes, o que atenua o tratamento histórico do objeto. A exposição do contexto histórico não oferece aos visitantes uma leitura límpida do evento.
9. “rupture et de la disparition de l’objet et/ou son contexte” [Nossa tradução]
10. O caso do juiz Garzon que eclodiu em 2010 testemunha a questão delicada que representa
ainda a Guerra Civil para o povo espanhol. “Desde a morte do General Franco em 1975, são os valores democráticos carregados pelos vencidos da Guerra Civil de 1936-1939 que lançaram as bases
da Espanha moderna. Permaneceu, no entanto, a lei de anistia que ocultava os crimes da ditadura de
Franco. Para confrontar esse ‘pacto do esquecimento’, o juiz Garzon, acusado de abuso de poder,
arriscou-se a até 20 anos de interdição de praticar a justiça.” [Nossa tradução]
11. “strates des représentations mémorielles” [Nossa tradução]
189
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
Por exemplo, os cartazes da propaganda franquista estão num corredor, não há salas
reservadas para eles, e apenas um número limitado de visitantes pode identificá-los
claramente e interpretá-los. A cenografia permite que sejam vistos, porém não os
musealiza. Claramente, é difícil para as instituições públicas condenar o franquismo,
já que isso faz parte das reivindicações memoriais que atualmente dividem o espaço
público e os espaços políticos. Essas reminiscências que atualizam e restauram a
memória são políticas e não apenas históricas (Davallon, 2006). Há aí um problema
de posicionamento recorrente nesse tipo de contexto entre a memória e a história.
De acordo com Julio Arostegui, a questão da memória é, nesse caso, muito forte, uma
vez que as testemunhas dessa história ainda estão vivas para testemunhar:
[...] Há um fluxo contínuo da memória entre gerações, sucessivas ou comuns
(não há apenas memórias sucessivas, mas também memórias entre as gerações ou contemporâneas), uma interação entre as gerações que vivem entre
a memória individual e coletiva, uma elaboração mais ou menos finita de uma
memória histórica, sem as quais um discurso histórico com base em suas próprias experiências não seria possível12 (Arostegui, 2007, p. 38).
Em conclusão, pode-se perguntar se o processo de patrimonialização poderá ocorrer
enquanto a memória estiver sendo atualizada por repercussões memoriais no espaço
público.
A relação entre testemunha e historiador no Museu
da Resistência e da Deportação de Isère: rumo a uma
patrimonialização acabada
Se a exposição de Guernica é um exemplo de patrimonialização da memória inacabada, a atualização da museografia do espaço dedicado à deportação no Museu da
Resistência e Deportação de Isère revela, ao contrário, um processo de patrimonialização que podemos qualificar hoje como acabada.
Em primeiro lugar, vale notar que o contexto histórico e memorial contemporâneo
ligado à deportação em Isère é muito diferente do que acontece com o Guernica. De
fato, o estado da investigação histórica sobre esse período, incluindo a publicação
12. “[...] il existe un flux continu de la mémoire entre générations, successives ou communes (il
n’existe pas seulement des mémoires successives, mais aussi des mémoires intergénérationnelles
ou contemporaines), une interaction entre générations qui vivent entre la mémoire individuelle et
collective, une élaboration plus ou moins finie d’une mémoire historique, sans lesquelles un discours
historique basé sur leurs propres expériences ne serait pas possible.” [Nossa tradução]
190
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
de um livro, Déportés de l’Isère,13 que recenseia da forma mais exaustiva possível os
deportados políticos e deportados judeus de Isère, dá maior destaque à deportação judaica, que, até então, era considerada secundária na historiografia dedicada à
Resistência. O processo de reconhecimento dessa memória coletiva particular, atestado por um trabalho científico, contribuiu para acalmar um contexto memorial que,
até 2006, parecia se definir em termos de concorrência entre memória da Resistência e memória judaica sobre a deportação. Além disso, a abertura de novos arquivos
a partir da década de 2000 ajudou a refinar e completar uma grande quantidade de
dados.
Em seguida, esse contexto historiográfico, que poderíamos qualificar de acabado,
se duplica num contexto memorial no qual as associações que apoiam as memórias dos resistentes também desaparecem, deixando um espaço maior para as associações de memórias dedicadas à deportação, em geral, aos Direitos Humanos e à
memória judaica. Esse desaparecimento das testemunhas diretas da Resistência é
acompanhado por um processo de reconhecimento, por parte dos historiadores, da
dimensão afetiva de seu testemunho enquanto meio pertinente para transmitir esse
acontecimento.
A atualização da deportação no MRDI, durante a modificação de alguns desses espaços, termina, assim, em 2008, num contexto científico e memorial pacificado.
Foi no início de 2006 que o Museu da Resistência e da Deportação de Isère, em Grenoble, decidiu atualizar a sala dedicada à deportação em sua exposição permanente
e pretendeu atender, assim, a diversas exigências. A primeira é de ordem histórica,
uma vez que o progresso da disciplina torna caducos alguns dados da exposição. A
segunda é de ordem tecnológica. A cenografia museal contemporânea integra cada
vez mais elementos audiovisuais para se adaptar a uma nova geração de visitantes
acostumada a conviver com imagens em movimento. A terceira é de ordem simbólica. Por um lado, essa terceira exigência diz respeito à memória do Holocausto (a
Shoah), que até agora não tinha se tornado um objeto de atenção especial na sala
dedicada à deportação. De acordo com o curador, essa é a consequência da escolha
que havia sido feita, no seio do comitê científico, para se conceber uma representação geral da deportação num contexto de memórias concorrentes. Por outro lado, a
atualização é realizada quando os últimos sobreviventes, especialmente os últimos
fundadores do museu, estão desaparecendo.
Esse processo de atualização, concluído em abril de 2008, mostra uma abordagem
museológica que, embora estando atenta à palavra de cada um dos atores envolvidos,
13. Déportés de l’Isère 1942-1943-1944, Presses universitaire de Grenoble, 2005.
191
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
está se preparando para uma nova direção em sua missão. Nós podemos realmente
falar de «quadro participativo», nas palavras de Goffman, para o quadro estabelecido
pelo museu sobre as reuniões do comitê científico. Este é composto por representantes de cada associação implicada pela deportação (comunidades resistentes e
judaicas estão presentes com suas diferentes correntes memoriais), historiadores
(a pesquisa em historiografia e a reflexão pedagógica são ambas representadas),
pelo diretor da Associação dos Amigos do Museu e pela equipe do museu. A atualização revela um novo compartilhamento de autoridade: os resistentes não têm mais
reivindicações identitárias e as memórias estão pacificadas. Se era importante até
agora atingir, por esse processo participativo, uma memória justa da Resistência e da
Deportação, trata-se daqui para a frente de cuidar de sua transmissão.
Nesse contexto particular, propomos observar o testemunho daquele que o detém,
a testemunha, em sua interação com o historiador no âmbito do comitê consultivo
criado pelo museu. A nova escrita museal da deportação nos parece ser reveladora
de um trabalho de patrimonialização agora possível na junção entre a história e a
memória. Esse trabalho é realizado num momento-chave em que as testemunhas
e, em especial, as testemunhas políticas e os fundadores do museu, começam a
desaparecer.
Colocando em relação historiador e testemunha dentro de um comitê científico, o
museu cria um espaço de comunicação que nos permite observar como esses dois
atores interagem e se conectam, apesar de seus saberes diferentes sobre o mesmo
acontecimento histórico. Para apreendê-lo, adotando um olhar antropológico, nos
interessaremos pela última reunião do processo de consulta que aconteceu entre
2006 e 2008, como também pelas entrevistas individuais realizadas em paralelo.
Historiador versus detentor de memória: uma relação
antagonista clássica
Um único historiador pôde estar presente nessa última reunião do comitê de consulta, e o primeiro comentário do curador de museu, logo no início na reunião – “...
felizmente você está aqui” –, mostra a importância da presença desse ator para o
museu. É também o primeiro locutor a ser interpelado pelo curador quando se trata
de discutir os novos textos produzidos para o espaço.
O historiador, o único representante de sua disciplina, é solicitado pelo curador
como garantidor da cientificidade, da precisão das mudanças que o museu pretende
fazer. Isso indica, assim, aos outros participantes sua autoridade no assunto. Essa
postura, favorecida pelo museu, mas também assumida pelo historiador, define um
192
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
pertencimento profissional do cientista e pesquisador e contribui para a construção
de um certo compromisso de sua parte, para além da mera produção de conhecimento. A análise da transcrição da reunião serve para identificar nas intervenções
do historiador uma variedade de termos e vocabulário que se referem a sua postura
de historiador que representa um campo científico: recordar a cronologia; datas
específicas; contextualização dos eventos históricos da deportação ocorrida em
Grenoble, para além dos relatos anedóticos; cautela ou prudência em suas declarações quando o assunto não é sua especialidade; referências aos textos científicos
produzidos. A ideia é de permanecer o detentor da objetividade científica, de uma
história em busca da verdade. As intervenções para correção de uma data, ou
um fato, na maioria das vezes dizem respeito à testemunha e são feitas num tom
cordial, mas há pouca interação direta entre os dois. Pelo contrário, o que se vê
é uma espécie de comunicação paralela, a transposição de uma relação clássica
entre historiador e testemunha, um sendo dedicado à busca da verdade e o outro
dedicado a uma missão de fidelidade à memória (Ricœur, 2001; Bedarida, 2005).
O historiador responde à testemunha por meio de datas e estatísticas quando
esta faz o relato de experiências vividas que, às vezes, adquire um caráter de
anedota com relação ao tema discutido. A testemunha, por sua vez, destaca o seu
estatuto único – é o único a ter experimentado a deportação – quando ele diz:
“Será que todo mundo viveu esse período de 40-45? Não há ninguém que tenha
vivido nesse período, você nasceu depois... bem...”. Ou ainda: “Eu ouvi e vi, e isso
é tudo”14 (Testemunha ocular 1, Ata, reunião). A própria posição da testemunha
ocular é, portanto, claramente reivindicada15 (Renaud Dulong, 1998). Dois tipos de
conhecimento sobre a deportação coexistem em paralelo e não parecem realmente
se encontrar, ou até mesmo se compartilhar. É o museu que os convoca, de um lado,
para validar a abordagem com o historiador, e de outro, legitimar seus documentos.
A observação dessas duas posturas, a do historiador-cientista e a da testemunha
portadora de memória, permite começar a entender como se compartilha a
autoridade dentro da reunião e como o historiador constrói uma postura mais
complexa do que a do simples cientista, enquanto a testemunha ainda permanece
o detentor de uma experiência individual e o último representante vivo do espírito
da Resistência e da experiência de deportação. Encontramos essa relação, algo
desconfiada, entre historiador e testemunha, durante a entrevista. Há por vezes
14. “Est-ce que tout le monde a vécu cette période 40-45 ? Y a personne qui a vécu cette période,
vous êtes nés après… bon…” “Je l’ai entendu et je l’ai vu, c’est tout.” [Nossa tradução]
15. No uso comum do testemunho, trata-se do “j’y étais (eu estava lá)” (Dulong, 1998, p. 55-57),
que carrega essa marca do compromisso e que constitui implicitamente na linguagem uma condição
de certificação e uma responsabilidade futura. Além disso, essa declaração testemunhal ocorre num
espaço dialógico que requer que o relato seja ouvido por outras pessoas e, que seja especialmente
cru. [Nossa tradução]
193
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
até uma certa condescendência quando o historiador chama as testemunhas de
“pequenos portadores de memória” (Historiador 1, verbatim, entrevista). Depois, na
entrevista, o historiador lembra os conflitos memoriais que abalaram a escrita da
história da memória da Resistência e Deportação. Isso recoloca as interações com
as testemunhas num longo período de tempo e permite ao historiador sublinhar que
essas querelas – devidas, no momento, às várias afiliações políticas dos diversos
deportados resistentes –, tornavam ainda mais necessárias as intervenções do
historiador como um meio de resolver e substituir a escrita da deportação em sua
relação com o passado. Ele destaca a importância dos dados científicos como um
meio para combater os relatos memoriais de testemunhas quando essas narrativas
podem derivar ou ser indevidamente influenciadas pelo presente (notadamente pelas
afiliações e papéis políticos de algumas das testemunhas envolvidas no museu).
Temos a sensação de que a ligação testemunha-historiador foi, por vezes, colocada
no registo do confronto. Uma das estratégias do historiador era dispor de muitos
dados históricos no sentido de compensar a dimensão experiencial e partidária da
testemunha. Segundo o historiador, o fato de não ser portador de memória garantelhe uma certa liberdade de expressão, até mesmo, implicitamente, no seu discurso
em prol de uma objetividade. Esse aspecto é fortemente enfatizado durante a
entrevista individual. A partilha do conhecimento ocorre raramente, e é sobretudo
pedagogicamente que a autoridade da testemunha é reconhecida.
Essas duas posições não permitem de fato considerar a questão da transmissão, uma
vez que estabelecem uma situação de comunicação sob o signo do confronto. Há
duas formas de conhecimento que parecem se enfrentar aqui. Embora a testemunha
seja ouvida e legitimada pelo museu, ela não é, contudo, considerada pelo historiador,
cujo ponto de vista é dominante e que ocupa uma posição clássica de perito. Essa
postura é reforçada implicitamente pelo museu pelo modo como se comunica com
ele nas reuniões. Apesar da legitimidade da testemunha dentro desses comitês, a desconfiança impera do lado do historiador, e reencontramos, assim, uma configuração
típica em que história e memória são quase antagonistas. Se a vontade do museu é
construir colaborativamente um relato sobre a deportação, as entrevistas individuais
confirmam, no entanto, que o saber legítimo está do lado do historiador e que a testemunha está presente, sobretudo, para ser o representante dos valores da Resistência.
Historiador pedagogo e testemunha sensível: uma relação
baseada na confiança e no reconhecimento
Duas outras posturas se desenvolvem em paralelo durante esse processo de atualização, especialmente durante essa mesma reunião (isso foi confirmado por entrevistas individuais). Elas permitem repensar a relação do historiador e da testemunha.
194
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
O historiador científico funciona como um historiador professor, que faz, durante a
reunião, intervenções motivadas pela busca da transmissão mais precisa desse difícil evento. A repetição da expressão “pedagogicamente” no começo de uma frase,
a evocação do currículo ensinado na escola sobre a memória da deportação como
justificativa para a escolha de textos ou imagens numa exposição, recordação dos
interesses de um público adolescente por esse período marcam a preocupação e o
interesse do historiador na questão pedagógica na transmissão dos saberes. O historiador demonstra também uma vontade de ser uma espécie de autoridade sobre
o assunto. A testemunha, por sua vez, lembra a emoção contida no depoimento presente na exposição, marcando, assim, a natureza sensível da memória, uma vez que
está encarnada e figurada. Isso proporciona, portanto, a oportunidade que tem o
público de entrar em contato mais diretamente com a experiência do campo de concentração. Ambas as posturas permitem aos dois atores se encontrar e construir
uma relação determinada pela confiança e respeito um pelo outro.
Estamos no coração da questão da transmissão patrimonial para as gerações futuras, e podemos aí ver se esboçar uma ligação entre as duas posturas, que ocorre em
torno de uma confiança mútua. Esse aspecto pedagógico destaca no historiador o
seu compromisso enquanto profissional da História atuando no espaço público. Dentro do museu, ele pode colocar em prática seu trabalho em prol de uma iniciativa de
vulgarização científica, mas também como cidadão, defendendo e compartilhando
certos valores herdados da Resistência. Reencontramos a dualidade entre a postura
de historiador e pedagogo, e entre a postura de cientista e pesquisador, zelando pela
objetividade do saber, não só apresentado, mas enunciado pelos outros atores ; e a
postura do professor, vendo no museu uma extensão materializada do que ele ensina
na sala de aula. Essas duas posições são endossadas com base em questões abordadas durante a reunião, colocando em cena a complexidade intrínseca ao processo
de patrimonialização que implica pensar o que nos une no sentido de criar um patrimônio da história da deportação.
Mas, ainda mais, há uma consciência de ambos os lados do desaparecimento de
testemunhas oculares. Para a testemunha, a presença do historiador e a confiança
adquirida dentro do museu o tranquiliza com relação à transmissão de sua experiência da deportação.
“Agora a gente pode morrer” (Curador, Verbatim, entrevista 2)16. Essa frase emitida
por uma testemunha resume a confiança que deposita no museu, mas significa mais
do que isso. A questão da transmissão pode enfim ser feita, uma vez que houve o
16. Extraído de uma entrevista realizada no final do processo de atualização com o curador, que faz
aqui o papel de retransmissor da palavra de testemunhas envolvidas no processo de consulta.
195
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
reconhecimento de uma experiência e de uma fala portadora de memória. Reconhecimento também de um estatuto privilegiado no seio do museu, visto que se trata
de início de um museu fundado por ex-combatentes resistentes e pelos deportados. O fato de dar um lugar à memória judaica da deportação por ocasião da atualização do espaço foi totalmente aceito pelos resistentes políticos, que veem isso
como uma maneira de construir uma narrativa histórica justa (Ricœur, 2005) e de
garantir, assim, a plena legitimidade de suas palavras dentro de um espaço dedicado
à deportação, que agora atualizado, oferece uma narrativa histórica mais próxima
dos últimos dados científicos. Desta feita, o fato de que isso ocorreu antes de seu
desaparecimento tranquilizou-os quanto à continuidade de sua presença no museu,
materializada pelos arquivos, testemunhos, mas também, de modo implícito, pela
promessa feita pelo curador de continuar a trabalhar e a produzir exposições ecoando os valores da Resistência. Essa promessa é encampada pelo historiador, que
adere a esses valores e reconhece que a testemunha – e, assim, o testemunho –,
é totalmente necessária e legítima na mediação museal de uma história sensível
relacionada a um evento traumático. Ao se introduzir a questão dos valores, é a questão do patrimônio que é convocada. Além das alterações de textos, do reequilíbrio
das memórias políticas e judaicas ou das melhorias tecnológicas introduzidas no
novo espaço, o museu repensa um novo relato a ser transmitido sobre a deportação,
entre história e memória. Pensar a transmissão implica fornecer um olhar não apenas sobre o passado, mas sobre o presente ou o futuro; olhar inerente a uma abordagem patrimonial (Schiele, 2005). Esse olhar voltado para o futuro permite que o
historiador e a testemunha se encontrem a fim de superar a divisão tradicional entre
história e memória. O historiador assume uma postura como pedagogo e junta-se à
testemunha para decidir o que interessa apresentar às novas gerações, aceitando,
assim, a dimensão afetiva e sensível do testemunho como forma de mediar uma
história difícil. O fato de adotarem um olhar voltado para o futuro permite que os dois
atores se encontrem e criem um relacionamento baseado na confiança necessária à
construção compartilhada dessa nova narrativa da deportação.
Um processo de patrimonialização acabada
A historiografia avançada sobre o assunto e o contexto memorial apaziguado, graças ao reconhecimento das diferentes memórias, políticas (resistentes) e judaicas, da
deportação, permitiram considerar, em 2008, a questão da transmissão no processo
de consulta estabelecido pela MRDI. Até então, tratava-se de mediatizar no museu
uma história da deportação que não dispunha de todos os arquivos disponíveis para
ser capaz de se escrever. Além disso, tratava-se também de mediatizar uma memória,
de um lado, fortemente agitada por concorrências memoriais entre as diferentes tonalidades políticas das associações resistentes e, de outro, parcial, evocando tenuamente
196
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
a memória judaica ligada ao acontecimento. Esse longo processo, estabelecido desde
a abertura do museu em 1994, atingiu atualmente um limite com o desaparecimento
de testemunhas oculares e originou a possibilidade de um trabalho de luto inerente a
um processo patrimonial. Trata-se de inscrever o passado no presente.
[...] A escrita desempenha o papel de um rito de enterro, ela exorciza a morte,
inserindo-a no discurso. Por outro lado, tem uma função simbolizadora; ela
permite a uma sociedade se situar, ao se atribuir na linguagem um passado, e
assim ela abre no presente seu próprio espaço: “marcar” um passado é dar um
lugar ao morto, mas também redistribuir o espaço dos possíveis, determinar
negativamente o que está por fazer e, por conseguinte, utilizar a narratividade
que enterra os mortos como um meio de fixar um lugar para os vivos17 (De Certeau, 1975, p. 140).
De Certeau refere-se aqui à escrita da história que produz um discurso científico
sobre o passado e tenta restituir uma parte ausente, realizar um trabalho de luto,
para encenar uma população de mortos. Quase se poderia dizer que o museu,
expondo e arquivando os testemunhos dos membros do comitê, considerava-os por
antecipação como mortos, enquanto as testemunhas podiam ver esse processo de
musealização de suas palavras como uma promessa de eternidade, uma vez que se
tratava de fixar suas palavras e transmiti-las às gerações futuras. A atualização da
deportação constitui uma reviravolta no processo de patrimolialização. Essa nova
narrativa, realizada num espaço de comunicação propício ao reconhecimento e à
confiança entre historiador e testemunha, permite realmente se viver o luto e abrir
um novo espaço para os vivos.
O tempo do patrimônio se parece um pouco com o do luto. E o trabalho do
patrimônio é também semelhante ao trabalho do luto. É um tempo e trabalho
para reinventar o sentido da vida, um momento em que se deve escolher entre
o que será mantido, o que é descartado e o que é reinterpretado. Mas também
podemos dizer que é um tempo para se sair da desesperança em que caem
aqueles que não têm mais ninguém, o tempo para encontrar outra maneira de
reformular o que nos une, e não só aos nossos contemporâneos mas também
às gerações passadas e futuras18 (Micoud, 2005, p. 94).
17. “[…] L’écriture joue le rôle d’un rite d’enterrement ; elle exorcise la mort en l’introduisant dans le
discours. D’autre part, elle a une fonction symbolisatrice ; elle permet à une société de se situer en
se donnant dans le langage un passé, et elle ouvre ainsi au présent un espace propre : ‘marquer’ un
passé, c’est faire une place au mort, mais aussi redistribuer l’espace des possibles, déterminer négativement ce qui est à faire, et par conséquent utiliser la narrativité qui enterre les morts comme moyen
de fixer une place aux vivants.” [Nossa tradução]
18. “Le temps du patrimoine est un peu comme celui du deuil. Et le travail du patrimoine est aussi
analogue au travail du deuil. C’est un temps et un travail pour réinventer le sens de la vie ; un temps
197
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
Conclusão
Em ambos os casos que acabamos de analisar, constatamos que a relação entre a
história e a memória estava no coração do processo patrimonial.
No caso de Guernica, o objeto-testemunho(s) não pode transitar em direção a uma
patrimonialização acabada enquanto as agitações memoriais interferirem com a
escrita da história. Vimos que cada uma das exposições tem uma ressonância com
um acontecimento do passado. Elas reativam, assim, as memórias coletivas e reatualizam a memória social do testemunho. O curador – que ajuda a dar um estatuto
e um uso diferente segundo a cenografia que propõe – não pode ocupar a função
de historiador, mesmo que seja um cientista. O conservador refere-se a história da
arte e não a do seu país, suas escolhas museográficas também não são o resultado
de comitês de consulta, como os referidos no segundo caso. De alguma forma, no
processo de patrimonialização do objeto-testemunho(s) Guernica, há a carência da
história, e a patrimonialização não pode ser concluída sem a sua presença e validação. Mas é provável que essa ação só possa ser feita quando as tensões políticas,
sociais e memoriais forem apaziguadas na Espanha.
No caso do Museu da Resistência e Deportação de Isère, estamos assistindo a um
processo da memória da deportação bem-sucedida e que se tornou possível graças
a um contexto histórico e memorial apaziguado. As reivindicações memoriais foram
ouvidas; a historiografia do período foi escrita num contexto social em que a deportação não é mais uma questão importante no plano político, uma vez que seu reconhecimento e sua institucionalização foram realizados. E parece-nos que estas são
as condições necessárias para pensar a transmissão de uma memória traumática
contemporânea na junção da história com a memória. Observamos que a perspectiva patrimonial engajada pelo museu permitia que as duas formas de conhecimento
sobre esse período coexistissem sem conflitos. Eis o que pudemos constatar com
relação à ligação entre historiador e testemunha que, ao adotar um olhar para o
futuro iniciado pelo museu, foram capazes de se unir para construir em conjunto um
relato patrimonial sobre a Deportação.
Além do fato de que a presença do historiador ou a existência de uma historiografia
escrita e partilhada pela comunidade científica (no caso do Guernica) é uma das condições necessárias à possibilidade de patrimonializar uma memória difícil, parece-nos
où il faut choisir entre ce que l’on garde, ce que l’on jette et ce que l’on réinterprète. Mais l’on peut
dire aussi que c’est un temps pour sortir de la déréliction qui échoit à ceux qui n’ont plus de liens ;
le temps pour trouver une autre manière de redire autrement ce qui nous relie, pas seulement à nos
contemporains mais aussi aux générations passées et à venir.” [Nossa tradução]
198
SEGUNDA PARTE. ANÁLISES DE CASOS
que, in fine, o contraste entre as duas situações deve-se em grande parte a uma
questão de temporalidade. A exposição do Guernica parece lutar com uma relação
com o tempo que se alterna entre o presente e o passado, sem ser capaz de considerar um futuro como resultado de um passado que ainda não foi historicizado. No
segundo caso, com o desaparecimento das testemunhas oculares, assistimos à historicização desse passado, o que permite apresentar uma narrativa compartilhada,
validada tanto pelo historiador quanto pela testemunha dentro da instituição museal.
Isso dá a oportunidade de sair de um pavor esclerosante do passado para considerar
um imaginário social no presente, ou seja, de organizar “o tempo coletivo no plano
simbólico” (Baczko, 1984, p. 35). Uma visão de futuro pode então encontrar o seu
lugar, reflexo das projeções e esperanças coletivas.
Figura 8. Contexto do processo de patrimonialização
199
Posfácio. Memória do patrimônio
ou patrimônio “lembrete”?
Christine Bouisset e Isabelle Degrémont
Traduzido do francês por Germana Henriques Pereira de Sousa
O patrimônio nunca foi tão atual: convocado, comunicado, exposto, organizado, seu
interesse segue crescendo em todos os setores da sociedade, tanto individualmente
quanto coletivamente. Desde a noção jurídica, erigida no século X, que manifesta o
desejo de transmitir os bens da família, até aquela noção, mais contemporânea e
societal, que desenvolve a ideia de um patrimônio comum material ou imaterial a ser
transmitido para as gerações futuras, percebemos como o patrimônio é um verdadeiro construto social. A qualidade patrimonial surge dessa diversidade de considerações, de pessoas e de estruturas, o que tem aumentado o número, o conteúdo e a
extensão dos bens considerados. O patrimônio é, portanto, tudo o que alguém diz e
faz a respeito dele.
Esse fenômeno plural é, assim, cada vez mais utilizado com diversos objetivos: das
políticas coletivas públicas às práticas culturais individuais de amadores. Claro, nas
representações, o patrimônio continua sendo para muitos uma questão para as políticas públicas. A partir do século XIX, nos países ocidentais, as políticas públicas se
apoderaram do objeto, de início, material, para construir uma identidade coletiva imaterial baseada na ideia de nação. Portanto, as políticas públicas nacionais – museais,
de proteção às construções ou lugares naturais, para citar apenas as mais antigas –,
se voltaram para o patrimônio. Foi “necessário” construir a identidade coletiva de um
povo, de uma nação, reunindo-se os diferentes grupos sociais que os constitui. Os
critérios de seleção, muitas vezes históricos, foram estabelecidos definindo-se o que
fazia ou não parte do patrimônio e lançando-se as primeiras bases de um certo modo
de definir e construir socialmente o patrimônio. Contudo, sem necessariamente
questionar a constituição patrimonial oficial, o entusiasmo popular pelo patrimônio,
tanto em relação aos seus componentes materiais (sítios, paisagens, monumentos
de prestígio ou mais vernaculares) quanto em relação aos imateriais (como o saberfazer, por exemplo), questiona atualmente os valores e os critérios oficiais de seleção
do mesmo.
201
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
Memória e novos patrimônios revela-nos, assim, com acuidade, esse desenvolvimento
e esse interesse contemporâneos pelo patrimônio, notadamente pelo imaterial, em
que o valor de memória popular torna-se mais importante que o valor histórico (ou
pelo menos é destacado entre todos os mencionados) na construção patrimonial de
um bem. Se as contribuições, francesas e brasileiras, mostram o olhar universal das
sociedades em relação ao seu passado, elas estão preocupadas principalmente em
compreender o peso, cada vez mais importante, da memória social na construção
patrimonial. Essa preocupação cultural, que é atrelada particularmente à memória
coletiva, é, atualmente, quase mundializada1 e parece possuir um amplo consenso.
Ela mostra, de modo evidente, que o foco está agora em algumas formas do passado
para construir um patrimônio. Ora, é aí que reside todo o interesse da obra Memória e
novos patrimônios. De fato, se A. Riegl já havia pressentido que na família dos valores
ligados ao passado2 o valor da Antiguidade (em que o passado é antes compreendido
como uma ambiência por um indivíduo, o que a posiciona na dimensão individual do
sensível e da emoção) prevaleceria no século XX sobre o valor da história (considerada como um verdadeiro valor científico, uma vez que é construído com base numa
demonstração detalhada da singularidade do objeto patrimonial), essa passagem de
tocha entre história e memória faltava ser estudada em detalhe, especialmente num
processo de confrontação/comparação entre duas culturas distintas.
Além disso, Memória e novos patrimônios reconcilia memória e história ao se interessar por suas mídias, aqui consideradas etimologicamente como um meio técnico,
e também como um elo temporal entre o objeto original e sua constituição, a posteriori, como patrimônio por um maior número possível (o que demanda um esforço
de vulgarização e de clareza de seu conhecimento). Essas mídias, em toda sua diversidade, intercedem, portanto, junto a elementos provenientes do passado e na sua
transformação em patrimônio nos momentos seguintes. Ora, as contribuições da
obra demonstram o quanto estamos em presença de um novo processo de patrimonialização, já que o valor memorial é ainda mais rico e, por isso, não há necessidade
de se fazer escolhas drásticas na sua seleção, tendo em vista a multiplicação e a
1. É assim que as políticas internacionais de proteção patrimonial desenvolvidas pela UNESCO
mostram a emergência desses novos valores, por exemplo, por meio de “paisagens culturais” que combinam critérios culturais e naturais, ou ainda em torno do “patrimônio imaterial”,
quando se afirma o seguinte: “o patrimônio cultural não se limita a manifestações tangíveis, tais
como monumentos e objetos que foram preservados ao longo do tempo. Também engloba as
expressões vivas, as tradições que inúmeros grupos e comunidades em todo o mundo herdaram de seus antepassados e transmitem aos seus descendentes, muitas vezes oralmente.”
Disponível
em:
http://portal.unesco.org/culture/fr/ev.php-URL_ID=34325&URL_DO=DO_
TOPIC&URL_SECTION=201.html, consultado em 30 de mars de 2012.
2. A partir de uma análise do culto dos monumentos históricos, Riegl desenvolveu uma classificação
de valores patrimoniais baseada em duas grandes famílias: os valores de recordação e os valores de
uso. Na primeira categoria, ele insiste nos valores de comemoração, de história e de Antiguidade. Na
segunda categoria, ele destaca os valores estéticos e de usos contemporâneos (RIEGL, [1903] 1984).
202
POSFÁCIO
diversidade dessas mídias. Esta é uma nova forma de abordagem da memória social
e coletiva pelo indivíduo, que, por vezes, resulta até mesmo numa patrimonialização
dos suportes, como aconteceu no caso de fotografias antigas.
A problemática desta obra, que associa as memórias e o patrimônio, permite, desse
modo, desenvolver um debate fecundo que permanece muito aberto, sobretudo no
que diz respeito a questões como: a memória diante da temporalidade do patrimônio,
mas também em face dos jogos complexos entre a coletividade e os indivíduos num
contexto de mundialização patrimonial. Isso prova também o interesse do patrimônio
na construção de uma relação cordial e interessada pelos outros: uma certa forma de
alteridade caracteriza, assim, o patrimônio num mundo de mobilidades e de trocas.
Temporalidade, história ou memória do patrimônio:
uma questão de saberes?
O patrimônio se partilha tanto quanto se defende. Ele teria valor para muitos, que
o qualificam como patrimônio, tanto inicialmente quanto em sua evolução temporal? De qualquer forma, a compreensão do processo de patrimonialização passa por
questões como: “Quem patrimonializa?”; “Quem detém o discurso e os argumentos
para a construção patrimonial?”. Finalmente, a pergunta “Quem detém o saber patrimonial?” continua a ser também, fundamental. Essa constatação leva, naturalmente,
a indagar qual é a relação entre os saberes populares e os técnico-científicos na
justificação patrimonial com o passar do tempo e durante a evolução das diferentes relações de uma sociedade com seu passado. O começo do fenômeno de patrimonialização foi, sem dúvida, colocado sob o signo dos saberes técnico-científicos,
muitas vezes externos à sociedade que havia criado o objeto para usos específicos.
Os pesquisadores, em particular os historiadores, têm desempenhado, muitas vezes,
o papel de especialista, de modo a justificar cientificamente o interesse patrimonial
e, assim, institucionalizar a conservação de patrimônios nacionais com as primeiras
medidas de proteção no final do século XIX, sobretudo no começo do XX (e, então, a
partir da metade do século XX, dos patrimônios internacionais), resultando na escolha
e também na seleção de patrimônios baseada em comprovados critérios históricocientíficos. Mas, quem diz “seleção”, diz também “arrependimento” por não ter patrimonializado a tempo ou por não ter patrimonializado o suficiente. Os historiadores,
juntamente com L. Réau (1994), por exemplo, foram também os primeiros a escrever
sobre esta não seleção dos objetos, considerados, contudo, por eles de interesse
científico. Essas políticas públicas patrimoniais, além de seu interesse na construção
de uma nação e de uma forte identidade nacional – como demonstraram A. Chastel (1990) e P. Nora (1986) sobre os lugares de memória –, baseiam-se num forte
203
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
entusiasmo popular ilustrado, tanto em termos de discursos quanto de práticas, por
meio de uma verdadeira adoração das coisas do passado a serem transmitidas às
futuras gerações. Além disso, ainda mais tardiamente do que se fazia supor seu papel
de especialistas, os historiadores têm tentado explicar o entusiasmo em relação ao
patrimônio. Naturalmente, nos referimos aos precursores J.-P. Babelon e A. Chastel
na década de 1980, que, por meio do texto intitulado “La notion de patrimoine”, explicam a chegada do entusiasmo patrimonial pela mudança de contexto social, ou até
mesmo de modelo de sociedade. É, portanto, uma sociedade moderna que ganhou
ímpeto no século XVIII, que está construindo para si uma nova relação com o passado
ao privilegiar coletivamente (especialmente em âmbito nacional) certos patrimônios.
Inegavelmente, o patrimônio está ligado à modernidade de nossas sociedades. Desse
modo, é surpreendente constatar as poucas observações em que o comportamento
e as representações da sociedade civil são objeto de interesse. Porém, o patrimônio
é considerado patrimônio graças ao interesse desta última. As memórias individuais
e coletivas ocupam cada vez mais espaço nos saberes populares do que nos conhecimentos científicos.
Entre indivíduos e coletivos, entre subjetividade
e objetividade: qual é o espaço-tempo do patrimônio?
As contribuições mostram, de fato, o surgimento da questão da passagem do indivíduo ao coletivo no processo de patrimonialização. Os valores (presentes no registro
do discurso) se transformam em critérios quando o patrimônio é oficialmente conservado pelo coletivo. Podemos, portanto, indagar sobre a passagem sucessiva entre
valores subjetivos (dos quais a memória faz parte de modo amplo) do indivíduo diante
de um objeto “patrimonializável” e critérios coletivos de seleção (baseados, sobretudo, na história e na memória verdadeiramente coletivas) do objeto que se tornou,
por exemplo, um patrimônio nacional ou internacional. Inversamente, de que modo
o processo se torna normativo e induz o indivíduo, por parte do coletivo, a um modo
de pensar? O patrimônio pode, muitas vezes, ser visto como um discurso simples,
relacionado a uma retórica. Mas o aumento crescente do patrimônio leva a questionar a relação entre discursos, políticas e ações sobre o espaço. Se o patrimônio
é solicitado, visitado e vivido, ele deverá ser, portanto, um lugar público organizado
ou ser exposto num local dessa natureza. Assim, o patrimônio está ligado às ações
temporais ou espaciais, em que profissionais, políticos e público se encontram. Ao
se perguntar como as pessoas se apropriam, se identificam com os patrimônios e,
portanto, como identificam os patrimônios, a problemática patrimonial não pode
fazer economia de uma reflexão sobre a identidade territorial sustentada por essas
representações, essas práticas e essas políticas. Na verdade, a memória individual
204
POSFÁCIO
e coletiva em matéria de patrimônio continua a ser um forte elemento de identidade
cultural. Ora, a identidade possui geralmente uma dimensão espacial, territorial, muitas vezes invocada no patrimônio – os já citados “lugares de memória” [lieux de
mémoire] de P. Nora, os altos lugares [hauts lieux] de J.L. Piveteau (1995) e recentemente, a relação entre memórias e territórios de A. Sgard (2007) ou ainda a identidade e o território de B. Debarbieux (2006), por exemplo –. Essa dimensão identitária
não é isenta de contradição com relação ao processo de patrimonialização discutido acima. De fato, a identidade cultural é paradoxalmente o que é semelhante e
diferente ao mesmo tempo. De um lado, a identidade evoca uma certa unidade, de
outro, ela se refere ao que é único, e portanto, diferente dos outros. Mas a memória
territorial baseada em elementos patrimoniais pretende, sobretudo, desenvolver uma
diferenciação que não deixa de ter uma certa contradição com o universalismo do
processo, especialmente em relação ao seu tratamento dispendido pelas políticas
públicas de proteção.
Porém, Memória e novos patrimônios lembra que o espaço-tempo que envolve o
patrimônio não pode tampouvo ignorar um debate sobre seus ritmos temporais no
espaço. Podemos dizer que, para o patrimônio, o tempo parou? O patrimônio é fixo
num espaço, um lugar a partir de um tempo escolhido? A pergunta não é insignificante, especialmente no que diz respeito à patrimonialização dos objetos mutáveis
que dependem da memoração de costumes vindos do passado de uma sociedade:
esses costumes estão condenados a sobreviver em nome das raízes mesmo que seu
uso não exista mais no cotidiano? A memoração que conduz à patrimonialização,
já que tende a fixar o objeto, levaria também necessariamente à transformação de
costumes em tradições, isto é, em objetos invariáveis, estáveis, formalizados e se
prestando à repetição? Para usar a definição de E. Hobsbawm: “O costume tem a
dupla função de motor e de volante. Ele não exclui, até certo ponto, a inovação e
a mudança” (Hobsbawm, 1995). A tradição não se transformaria em folclore com
uma redescoberta ou reconstrução, mais ou menos realista e mais ou menos ideológica, dos costumes perdidos e redescobertos...? A questão da autenticidade surge,
então, com bastante acuidade e pode, por conseguinte, desafiar a patrimonialização
da memória.
O tríptico costume, tradição e folclore também testemunha o fato de que a patrimonialização pressupõe etapas temporais. A primeira etapa, finalmente, não está
relacionada com a qualidade patrimonial: temos objetos e os elementos que possuem um ou mais usos. Ora as etapas seguintes da patrimonialização mostram que
esses objetos e esses elementos tornaram-se obsoletos, ora são de difícil funcionamento, uma vez que estão ameaçados de extinção (daí a urgência de conservá-los
ou de protegê-los). Se a memória e suas mídias permitem evitar o desaparecimento
205
MEMÓRIA E NOVOS PATRIMÔNIOS
e, desse modo, patrimonializar mais, então o espaço-tempo do patrimônio se tornará
ainda mais perturbado. Chegamos a uma certa contradição espaço-temporal que
deve assumir a coexistência crescente, numa mesma época e num mesmo local,
de objetos que podem se desdobrar, uns fixados pela memória, outros ainda em
evolução nos usos contemporâneos. O espaço e o tempo das sociedades são, assim,
cada vez mais questionados: o contexto atual de debate em matéria de desenvolvimento durável e de sua globalização está efetivamente agitando as lógicas societais
de representação e de gestão. As sociedades estão mais preocupadas com sua perenidade e perguntando-se sobre a duração de sua vida: sua própria existência é questionada quando se projetam no futuro. A reflexão sobre o passado e suas supostas
raízes ficam ainda mais intensas.
206
Bibliografia geral
Livros
ALMEIDA Alfredo Wagner Berno de, 2008, Antropologia dos archivos da Amazônia, Rio
de Janeiro, Casa 8 / Fundação Universidade do Amazonas.
ANDRADE Carlos Drummond de, 1985, Nova reunião: 19 livros de poesia, Rio de Janeiro,
José Olympio.
APPADURAI Arjun, 2008, «Introdução: mercadorias e a política de valor», A vida social
das coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural, Niterói, Eduff, p. 15-88.
ARENDT Hannah, 1972 [1954], « Vérité et politique », La crise de la culture, Paris, Gallimard, p. 289-336. (Coll. « Folio Essais »)
BAKHTIN Mikhail, 1997, Estética da criação verbal, 2. ed., São Paulo, Martins Fontes.
(Coleção Ensino Superior)
BAUDRILLARD Jean, 2004, O sistema dos objetos, São Paulo, Perspectiva.
—, 2009, Le système des objets, Paris, Gallimard.
BAUMAN Zygmunt, 2001, Modernidade líquida, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor.
BEAUVOIR Simone de, 1990, A velhice, Rio de Janeiro, Nova Fronteira.
BECKER Howard, 2008, Outsiders: estudos de sociologia do desvio, Rio de Janeiro, Jorge
Zahar Editor.
BENJAMIN Walter, 1985, «A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica» e
«Pequena história da fotografia» e «O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai
207
Leskov», Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura,
São Paulo, Editora Brasiliense. (Obras escolhidas, vol. 1)
—, 1995, Rua de mão única, 5.. ed., São Paulo, Editora Brasiliense. (Obras escolhidas,
vol. 2)
BERGSON Henri, 1922, Écrits et paroles, Paris, Presses Universitaires de France. (Tome
troisième, textes 129, 130, 131 – Commission Internationale de la Coopération
Intellectuelle)
—, 1950 [1934], «Le possible et le réel», La pensée et le mouvant, 27. ed., Paris, Presses Universitaires de France, p. 98-116.
—, 1999, Matéria e memória: ensaios sobre a relação do corpo com o espírito, São
Paulo, Martins Fontes.
BESSE Jean-Marc, 2009, Le goût du monde. Exercices de paysage, Arles, Actes
sud / ENSP.
BESSIÈRE Bernard, 1992, La culture Espagnole. Les mutations de l’après-franquisme
(1975-1992), Paris, Éditions L’Harmattan. (Coll. « Recherches et Documents,
Espagne »)
BORGES Jorge Luis, 2000, «Funes, o memorioso», Obras completas, vol. 1., São Paulo,
Globo, p. 539-546. (Ficções)
BOSI Ecléa, 1994, Memória e sociedade: lembrança dos velhos, 3. ed., São Paulo,
Companhia das Letras.
BOURDIEU Pierre, 1998, «A precariedade está hoje em toda parte», Contrafogos: táticas
para enfrentar a invasão neoliberal, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, p. 119-127.
CANDAU Joël, 1998, Mémoire et identité, Paris, Presses Universitaires de France, 224 p.
—, 2005, L’anthropologie de la mémoire, Paris, Armand Colin. (Coll. « Cursus
Sociologie »)
CASSIRER Ernst, 2000, Linguagem e mito, São Paulo, Perspectiva, p. 19.
208
CHOAY Françoise, 2001, A alegoria do patrimônio, São Paulo, Estação Liberdade,
Editora Universidade Estadual Paulista.
CUNHA Manoela Carneiro da, 2009, Cultura com aspas, São Paulo, Cosac e Naif.
DAVALLON Jean, 1999, L’exposition à l’œuvre, Paris, Éditions L’Harmattan.
—, 2006, Le don du patrimoine. Une approche communicationnelle de la patrimonialisation, Paris, Hermès-Lavoisier. (Coll. « Communication, médiation et construits
sociaux »)
DEBARY Octave, TURGEON Laurier (dir.), 2007, Objets et mémoires, Paris, Presses
Université Laval.
DE CERTEAU Michel, 1975, L’écriture de l’histoire, Paris, Gallimard.
DELEUZE Giles, 1999, Bergsonismo, trad. de Luiz Orlandi, São Paulo, Editora 34.
—, 1974, A lógica do sentido, São Paulo, Perspectiva, p. 6.
—, 1988, Diferença e repetição, trad. de Luiz Orlandi e Roberto Machado, Rio de
Janeiro, Graal.
DELEUZE Gilles, GUATTARI Félix, 2002 [1995], Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia,
vol. 2, Rio de Janeiro, Editora 34.
DIDI-HUBERMAN Georges, MANNONI Laurent, 2004, Mouvements de l’air. Étienne-Jules
Marey, photographe des fluides, Paris, Gallimard / Réunion des musées nationaux.
DIJK Jose van, 2007, Mediated memories in the digital age, Stanford, Stanford University
Press.
DOUEIHI Milad, 2008, La grande conversion numérique, Paris, Éditions du Seuil.
DULONG Renaud, 1998, Le témoin oculaire. Les conditions sociales de l’attestation personnelle, Paris, École des hautes Études en Sciences sociales.
ELIAS Norbert, 1993, O processo civilizador, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor.
—, 1995, Mozart. Sociologia de um gênio, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor.
209
—, 2000, Os estabelecido e os outsiders, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor.
FARGE Arlette, 1989, Le goût de l’archive, Paris, Éditions du Seuil. (Coll. « La librairie
du XXe siècle »)
FEATHERSTONE Mike, 1997, O desmanche da cultura: globalização, pós-modernismo e
identidade, São Paulo, Studio Nobel.
FLON Émilie, 2012, Les mises en scène du patrimoine. Savoir, fiction et médiation, Paris,
Hermès-Lavoisier.
FONSECA Maria Cecília Londres, 1997, O patrimônio em processo, Rio de Janeiro, Editora
UFRJ / MinC-Iphan.
FOUCAULT Michel, 1986, A arqueologia do saber, Rio de Janeiro, Forense Universitária,
p. 25-26.
FREIRE José Ribamar Bessa, 2011, Rio Babel: A história das línguas na Amazônia, 2. ed.,
Rio de Janeiro, Eduerj.
GALLOIS Dominique (org.), 2006, Patrimônio cultural imaterial e povos indígenas, São
Paulo, Iepé.
GARCIA GUTIÉRREZ Antonio, 2011, Epistemología de la documentación, Barcelona,
Stonberg.
GENETTE Gérard, 1994, L’œuvre de l’art. Immanence et transcendance, Paris, Éditions
du Seuil.
GINZBURG Carlo, 1989 [1986], « Traces, racines d’un paradigme de l’indice », Mythes,
emblèmes, traces. Morphologie et histoire, Paris, Flammarion, p. 139-180. [O artigo é
uma reedição de 1980, « Signes, traces, pistes. Racines d’un paradigme de l’indice »,
Le Débat, n° 6, p. 3-44.]
GODELIER Maurice, 1996, L’énigme du don, Paris, Arthème Fayard.
GÓMEZ MONT Carmen, 2007, «Technologies de la communication et traditions sociales
dans les communautés indigènes du Mexique», Hermès, no 48, Mexico, Université
Nationale Autonome de Mexico (Unam).
210
GONÇALVES José Reginaldo Santos, 2002, A retórica da perda: os discursos do patrimônio cultural no Brasil, 2. ed., Rio de Janeiro, Editora UFRJ / MinC-Iphan.
—, 2007, Antropologia dos objetos: coleções, museus e patrimônios, Rio de Janeiro,
Departamento de Museus e Centros Culturais. (Coleção Museu, Memória e Cidadania).
HALBWACHS Maurice, 1925, Les cadres sociaux de la mémoire, Paris, Félix Alcan.
—, 1997 [1re éd. 1950], La mémoire collective, nouvelle éd. critique par Gérard Namer,
Paris, Albin Michel. (Coll. « Bibliothèque de l’évolution de l’humanité ») (tradução
portugesa: 2004, Memória coletiva, São Paulo, Centauro)
HALL Stuart, 2003, A identidade cultural na pós-modernidade, trad. Tomaz Tadeu da
Silva e Guaciara Lopes Louro, Rio de Janeiro, DP&A.
HARRIS Roy, 1993, La sémiologie de l’écriture, Paris, CNRS Éditions.
HERVIEU LÉGER Danièle, 1993, La religion pour mémoire, Paris, Cerf, 273 p. (Cité dans
Candau, 1998)
HOLANDA Sergio Buarque de, 1998 [1936], Raízes do Brasil, São Paulo, Companhia das
Letras.
HUYSSEN Andréas, 2000, Seduzidos pela memória, Rio de Janeiro, Aeroplano.
—, 2004, Seduzidos pela memória: arquitetura, monumentos, mídia, Rio de Janeiro,
Aeroplano.
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 2012, Sinopse do Censo Demográfico 2010: XII Recenseamento Geral do Brasil, Rio de Janeiro, Comunicação Social.
—, 2010, «Síntese de indicadores sociais: Uma análise das condições de vida da população brasileira», Estudos & Pesquisas: Informação Demográfica e Socioeconômica,
Rio de Janeiro, IBGE.
JEANNERET Yves, 2008, Penser la trivialité. La vie triviale des êtres culturels, vol. 1, Paris,
Hermès-Lavoisier. (Coll. «Communication, médiation et construits sociaux»)
JELIN Elisabeth, 2002, Los trabajos de la memoria, Madrid, Siglo XXI de España Editores.
211
JEUDY Henri-Pierre, 2005, «A desforra do objeto», Espelho das cidades, Rio de Janeiro,
Casa da Palavra, p. 45-50.
—, 1990, «O objeto rei», Memórias do social, Rio de Janeiro, Forense Universitária,
p. 64-74. (Coleção Ensaio & Teoria)
KAPLAN Fréderic, 2009, La métamorphose des objets, [s. l.], France, FYP éditions.
KUPER Adam, 2002, «Cultura, diferença, identidade», Cultura. A visão dos antropólogos,
Adam Kuper, São Paulo, Edusc.
LATOUR Bruno e WOOLGAR Steve, 1988, La vie de laboratoire. La production des faits
scientifiques, Paris, La Découverte.
LE GOFF Jacques, 2003, História e memória, Campinas, SP, Editora da Unicamp.
LÉVY Pierre, 1993, As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da
informática, Rio de Janeiro, Editora 34, p. 126.
—, 1998, O que é o virtual?, São Paulo, Editora 34.
—, 2003, A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço, São Paulo,
Loyola.
—, 2005, Cibercultura, trad. de Paulo Neves, São Paulo, Editora 34.
LOWENTHAL David, 1998, The heritage crusade and the spoils of history, Cambridge,
Cambridge University Press.
LUCAS Gavin, 2011, Guérilla publicitaire, Paris, Pyramyd NTCV.
MACIEL Maria Esther, 2009, As ironias da ordem: coleções, inventários e enciclopédias
ficcionais, Belo Horizonte, Editora UFMG.
MANOVICH Lev, 2001, The language of new media, versão preliminar em pdf, http://
www.manovich.net/LNM/index.html, consultado em 10 de setembro de 2010.
—, 2008, Software takes command, versão preliminar em pdf, http://www.manovich.
net, consultado em 10 de setembro de 2012.
212
MARSHALL Francisco, 2005 «Epistemologias históricas do colecionismo», Episteme,
Porto Alegre, no 20, p. 13- 23.
MARX Karl, 1980, «O fetichismo da mercadoria: seu segredo», O capital: crítica da economia política, Karl Marx, 5. ed., Rio de Janeiro, p. 79-93. (Livro primeiro: O processo
de produção do capital)
MAUSS Marcel, 2000, Cohésion sociale et divisions de la Sociologie, vol. 3, Paris, Les
Éditions de Minuit.
MAYER-SCHÖNBERGER Viktor, 2007, Useful void. The art of forgetting in the age of ubiquitous computing, John F. Kennedy School of Government, Harvard University. (Faculty
Research Working Papers Series)
—, 2009, The virtuet of forgetting in the digital age, Princeton, Princeton University
Press.
MELIÀ Bartomeu, 2010, Pasado, presente y futuro de la lengua guarani, Asunción,
Eaduc.
MOLES Abraham A., 1981, Teoria dos objetos, Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro.
MOSER Stephanie, 1998, Ancestral images. The iconography of human origins, Stroud,
Cornell University Press.
NAMER Gérard, 1987, Mémoire et société, Paris, Méridiens Klincsieck. (Coll. « Sociétés »)
NAMER Gérard, 1997 [1re éd. 1950], « Postface », La mémoire collective, Maurice Halbwachs, Nouvelle éd. critique par Gérard Namer, Paris, Albin Michel, p. 236-295.
(Coll. « Bibliothèque de l’évolution de l’humanité »)
O’DWAYER Eliane Cantarino (org.), 2002, Quilombos, identidade étnica e territorialidade,
Rio de Janeiro, ABA/FGV.
OLIVEIRA João Pacheco (org.), 1999, A viagem de volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste indígena, Rio de Janeiro, Contra Capa.
— (org.), 2011, A presença indígena no Nordeste: processos de territorialização, modos
de reconhecimento e regimes de memória, Rio de Janeiro, Contra Capa.
213
PEIRCE Charles Sander, 1978, Écrits sur le signe, Paris, Éditions du Seuil.
POTIGUARA Eliane, 2004, Metade cara, metade máscara, São Paulo, Global.
RAUTENBERG Michel, 2003, La rupture patrimoniale, [s. l.], Éditions À la croisée. (Coll.
« Ambiances, ambiance »)
RÉAU Louis, 1994, Histoire du vandalisme. Les monuments détruits de l’art français.
Paris, Robert Laffont. (coll. « Bouquins »)
RICARDO Fany, 2004, Terras indígenas e unidades de conservação da natureza: o desafio
das sobreposições, São Paulo, Instituto Socioambiental.
RICOEUR Paul, 1983, Temps et récit, t. 1, Paris, Éditions du Seuil.
—, 2000, La mémoire, l’histoire, l’oubli, Paris, Éditions du Seuil.
—, 2007, Memória, história, esquecimento, Campinas, Editora da Unicamp.
RIEGL Aloïs, 1984 [1903], Le culte moderne des monuments, essence et genèse, Paris,
Éditions du Seuil. (Coll. « Espacements »)
—, 2003 [1903], Le culte moderne des monuments, Paris, Éditions L’Harmattan.
RIOUX Jean-Pierre, 2008, Jean Jaurès, Paris, Perrin.
SAMUEL Raphael, 1994, Theatres of memory. Past and present in contemporary culture,
vol. 1, London, Verso.
SARLO Beatriz, 2007, Tempo passado, São Paulo, Companhia das Letras.
SCHAEFFER Jean-Marie, 1987, L’image précaire. Du dispositif photographique, Paris, Éditions du Seuil. (Coll. « Poétique »)
—, 1996, Les célibataires de l’art. Pour une esthétique sans mythes, Paris, Gallimard.
(Coll. « NRF Essais »)
SCHIELE Bernard (dir), 2002, Patrimoines et identités, Québec, Multimonde.
214
SCHNAPP Alain, 1993, La conquête du passé, aux origines de l’archéologie, Paris,
Editions Carré.
SILVEIRA Fabrício, 2010, O parque dos objetos mortos e outros ensaios de comunicação
urbana, Porto Alegre, Armazém Digital.
STALLYBRASS Peter, 1999, O casaco de Marx: roupas, memórias, dor, Belo Horizonte,
Autêntica.
STOCZKOWSKI Wiktor, 1994, Anthropologie naïve, anthropologie savante. De l’origine de
l’homme, de l’imagination et des idées reçues, Paris, CNRS Éditions.
TRINKAUS Erik et SHIPMAN Pat, 1993, The Neandertals. Changing the image of mankind,
London, Jonathan Carpe.
VERNANT Jean-Pierre, 1973, «Aspectos míticos da memória e do tempo», Mito e pensamento entre os gregos, São Paulo, Difusão Europeia do Livro/Edusp, p. 71-112.
—, 2000, O universo, os deuses, os homens, São Paulo, Companhia das Letras.
VIEIRA Marcus André, 2008, Restos: uma introdução lacaniana ao objeto da psicanálise,
Rio de Janeiro, Contra Capa.
VIRILIO Paul, 1994, A máquina de visão, Rio de Janeiro, José Olympio.
WALLENBORN Hélène, 2006, L’historien, la parole des gens et l’écriture de l’histoire. Le
témoignage à l’aube du XXIe siècle, Paris, Labor.
WIERVIORKA Annette, 1998, L’ère du témoin, Paris, Plon.
Livros coletivos
ARAÚJO Ana Valéria (org.), 2006, Povos indígenas e a lei dos «brancos»: o direito à diferença, Brasília, Ministério da Educação/ Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, Laced/Museu Nacional.
ARAÚJO Ana Valéria, CAPOBIANCO, João Paulo (org.), 1996, Biodiversidade e proteção do
conhecimento de comunidades tradicionais, Rio de Janeiro, Instituto Socioambiental.
(Documentos do ISA, n. 2)
215
BORTOLOTTO Chiara (dir.), 2011, Le patrimoine culturel immatériel. Enjeu d’une nouvelle
catégorie, Paris, Éditions Maison des sciences de l’homme. (Coll. « Ethnologie de la
France, Cahier 20 »)
BRASIL, 2008, [1988], «Constituição», Constituição da República Federativa do Brasil,
Brasília, DF, Senado.
CARERI Giovanni et al. (dir.), 2009, Traditions et temporalités des images, Paris, Éditions
de l’École des hautes études en sciences sociales.
GOMES, Alexandre Oliveira, VIEIRA NETO, João Paulo, 2009, Museus e memória indígena
no Ceará: uma proposta em construção, Fortaleza, Secult.
GRANKOW, Márcia Maria (org.), 2002, Demarcando terras indígenas II: experiências e
desafios de um projeto de parceria, Brasília, Funai/ PPTAL/ GTZ.
HALBWACHS, Maurice et al., 2008, La topographie légendaire des evangiles en terre
sainte: étude de mémoire collective, Paris, Presses Universitaires de France.
KARIRI-XOCÓ Nhenety, GRAMACHO Derval Cardoso, GERLIC Sebastián (org.), 2007, Arco
digital: uma rede para aprender a pescar, Maceió, Thydewas.
LEITE Ilka Boaventura (org.), 2005, Laudos periciais antropológicos em debate, Florianópolis, NUER/ABA.
LITTLE Paul E. (org.), 2003, Políticas ambientais no Brasil: instrumentos e experiências,
São Paulo, Peirópolis.
MAGALHÃES Edvard Dias (org.), 2005, Legislação indigenista brasileira e normas correlatas, Brasília, CGDOC/ Funai.
MOLES Abraham A. et al., 1972, Semiologia dos objetos, Petrópolis, RJ, Vozes.
MUSÉE DÉPARTEMENTAL DE L’ABBAYE DE SAINT-RIQUIER, 2008, Portraits de la préhistoire : l’image
des premiers hommes entre mythe et réalité. (Catalogue de l’exposition présentée du
31 mai au 31 août 2008)
MUSÉE DÉPARTEMENTAL ARLES ANTIQUE, 2011, Jean-Claude Golvin, un architecte au cœur de
l’histoire, Paris, Editions Errance. (Catalogue de l’exposition présentée du 22 octobre
2011 au 6 mai 2012)
216
NORA Pierre (dir.), 1997, Les lieux de mémoires, Paris, Gallimard.
— (dir.), 1986, Les lieux de mémoire. La nation, vol. 2, Paris, Gallimard.
OLIVEIRA Andréia Machado, SIEGMMANN, Christine, COELHO Débora, 2005, «As coleções
como duração: o colecionador coleciona o quê», Episteme, Porto Alegre, no 20,
p. 11-119.
OLIVEIRA João Pacheco (org.), 1998, Indigenismo e territorialização: poderes, rotinas e
saberes coloniais no Brasil contemporâneo, Rio de Janeiro, Contra Capa.
OLSON David R., COLE Michael (org.), 2006, Technology, literacy and the evolution of
society. Implications of the work of Jack Goody, Mahwah, Nova Jersey, Lawrence Erlbaum Associated.
Capítulos de livro coletivo
ABREU Regina, 2003, «A emergência do patrimônio genético e a nova configuração
do campo do patrimônio», Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos, Regina
Abreu, Mário Chagas (org.), Rio de Janeiro, DP&A, p. 30-45.
—, 2007, «Patrimônio cultural: tensões e disputas no contexto de uma nova ordem
discursiva», Antropologia e patrimônio cultural: diálogos e desafios contemporâneos,
Manuel Ferreira Lima Filho, Cornelia Eckert, Jane Abeltrão, Blumenau, Nova Letra/
ABA.
—, 2009, «A emergência do patrimônio genético e a nova configuração no campo do
patrimônio», Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos, Regina Abreu, Mário
Chagas (org.), Rio de Janeiro, Lamparina.
—, 2010, «A cultura do mecenato no Brasil: uma utopia possível?», Economia de
museus, José do Nascimento Junior, Brasília, MinC / Ibram.
—, 2012, «Museus indígenas no Brasil: notas sobre as experiências Ticuna, Wajãpi,
Karipuna, Palikur, Galibi-Marworno e Galibi Kali’na», Ciências e fronteiras, Heloisa M.
Bertol Domingues e Priscila Faulhaber, Rio de Janeiro, Mast.
AGUILAR Paloma, 2006, « Presencia y ausencia de la guerra civil y del franquismo en
la democracia espanola: refexiones acerca de la articulacion y ruptura del pacto de
217
silencio», Guerra civil: mito y memoria, Julio Arostegui et François Godicheau (eds.),
Madrid, Marcial Pons, 2006, p. 245- 294.
AROSTEGUI Julio, 2007, Espana en la memoria de tres generaciones : De la esperanza a
la reparacion, Julio Arostegui, Madrid, Editorial Complutense. (Pensar nuestro tiempo)
ASSMAN Aleida, 2008, «The dynamics of cultural memory between remembering and
forgetting», Cultural memory studies. An international and interdisciplinary handbook,
Astrid Erll, Ansgar Nünning (ed.), Berlin, New York, Walter de Gryter, p. 1-18.
ÁVILA Thiago Antônio Machado, 2006, «“Não é do jeito que eles quer, é do jeito que
nós quer”: biotecnologia e o acesso aos conhecimentos tradicionais dos Krahô»,
Miriam Pillar Bgrossi, Maria Luiza Heilborn e Lia Zannota Machado (org.), Antropologia e direitos humanos, vol. 4, Florianópolis, ABA/Nova Letra.
BEARD Mary et HENDERSON John, 1999, « Rule(d) Britannia: Displaying Roman Britain in
the museum », Making early histories in museums, Nick Merriman (ed.), London, New
York, Leicester University Press, p. 44-73.
BLANCKAERT Claude, 2000, « Avant Adam. Les représentations analogiques de l’homme
fossile dans la première moitié du XIXe siècle », L’homme préhistorique, images et imaginaire, Albert Ducros, Jacqueline Ducros (dir.), Paris, Éditions L’Harmattan, p. 23-61.
BOËTSCH Gilles, FERRIÉ Jean-Noël, 2000, « Construire la préhistoire. Une anthropologie
de la communication de la science », L’homme préhistorique, images et imaginaire,
Albert Ducros, Jacqueline Ducros (dir.), Paris, Éditions L’Harmattan, p. 225-231.
CHAGAS Mário, 2003, «O pai de Macunaíma e o patrimônio espiritual», Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos, Regina Abreu, Mário Chagas, (org.), Rio de Janeiro,
DP&A, p. 95-110.
CHASTEL André, 1990, « Le patrimoine », Encylopedia Universalis, p. 220-228.
CORBOUD Pierre, 2003, « Comment faire parler les collections d’archéologie préhistorique ? De l’objet à la culture », Sciences au musée, sciences nomades, Béatrice
Pellegrini (dir.), Genève, Georg Editeur, p. 157-170.
DANTAS Camila, DODEBEI Vera, 2012, «Memórias anônimas: uma navegação entre
conceitos e artefatos digitais», Apontamentos em memória social II, Rio de Janeiro,
7Letras.
218
DAGOGNET François, 1985, « Introduction », Image et science, collectif, Paris, Bibliothèque George Pompidou et éditions Herscher. (Coll. « Sémaphore »)
DAVALLON Jean, 2007, «A imagem, uma arte de memória», Papel da memória, Pierre
Achard et al., 2. ed., Campinas, SP, Pontes, p. 23-34.
—, 2010, « The game of heritagization », Constructing cultural and natural heritage.
Parks, museums and rural heritage, Xavier Roigé & Joan Frigolé (dir.), Girona, Institut
Català de Recerca en Patrimoni Cultural, p. 39-62. (IRPC Libres, no 4)
DODEBEI Vera, 2000, «Espaços mítico e imagético da memória social», Memória e
espaço, Icleia Thiesen Magalhães Costa, Jô Gondar, Rio de Janeiro, 7Letras, p. 63-71.
—, 2001, «Construindo o conceito de documento», Memória e construções de identidades, Teresa Lemos, Nilson Moraes (org.), Rio de Janeiro, 7Letras, p. 59-66.
—, 2005, «Memória, circunstância e movimento», O que é memória social?, Jô Gondar,
Vera Dodebei (org.), Rio de Janeiro, Contra Capa, p. 27-39.
—, 2008, «Digital virtual: o patrimônio no século XXI», E o patrimônio?, Vera Dodebei,
Regina Abreu (org.), Rio de Janeiro, Contra Capa.
DOSSE François, 2005, « Paul Ricoeur, Michel de Certeau et l’histoire. Entre le dire et
le faire », L’histoire entre mémoire et épistémologie autour de Paul Ricoeur, Bertrand
Muller (dir.), Lausanne, Payot.
DUCROS Albert et DUCROS Jacqueline, 2000, « L’homme fossile, cet inconnu », L’homme
préhistorique, images et imaginaire, Albert Ducros, Jacqueline Ducros (dir.), Paris, Éditions L’Harmattan, p. 9-19.
DUFOUR Stéphane, 2009, « L’interprétation des lieux historiques. Du temps raconté
au temps retrouvé », Exposer des idées. Du musée au centre d’interprétation, Serge
Chaumier, Daniel Jacobi (dir.), Paris, Complicités, p. 113-129.
GOLVIN Jean-Claude, 2005, « Quelques aspects méthodologiques de la restitution »,
Dougga, études d’architecture religieuse. Les sanctuaires des Victoires de Caracalla,
de « Pluton » et de Caelestis, Jean-Claude Golvin, Mustapha Khanoussi, (dir.), Bordeaux, Ausonius, p. 25-29.
219
FISCHER Hervé, 2008, «Mitanálise da arte», In vitro, in vivo, in silício: ensaios sobre a
relação entre arte, ciência, tecnologia e o sagrado, Leila Amaral, Amir Geiger (org.),
São Paulo, Attar.
FONSECA Maria Cecília Londres, 2009, «Para além da pedra e cal», Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos, Regina Abreu, Mário Chagas (org.), Rio de Janeiro,
Lamparina.
FREIRE José Ribamar Bessa, 2009, «A descoberta do museu pelos índios», Memória
e patrimônio: ensaios contemporâneos, Regina Abreu, Mário Chagas (org.), Rio de
Janeiro, Lamparina, p. 217-253.
GONÇALVES José Reginaldo, 2002, «Monumentalidade e cotidiano: os patrimônios culturais como gêneros de discurso», Cidade: história e cotidiano, Lúcia Lippi Oliveira,
Rio de Janeiro, Editora FGV, p. 108-123.
—, 2003, «O patrimônio como categoria de pensamento», Memória e patrimônio:
ensaios contemporâneos, Regina Abreu, Mário Chagas (org.), Rio de Janeiro, DP&A,
p. 21-29.
GRAÇA GRAÚNA, 2004, «Identidade indígena: uma leitura das diferenças», Metade cara,
metade máscara, Eliane Potiguara, São Paulo, Global.
HANDLER Richard, 1985, «On having a culture. Nationalism and the preservation of
Quebec’s patrimoine», Objects and others. Essays on museums and material culture,
George W. Stocking Jr., Wisconsin, The University of Wisconsin Press.
JAMES Simon, 1997, « Drawing inferences. Visual reconstructions in theory and practice », The cultural life of images, visual representations in archaeology, Leigh Molynaux (ed.), London, New York, Routledge, p. 22-48.
KAESER Marc-Antoine, 2000, « Le fantasme lacustre. Un mythe et ses implications idéologiques dans la Suisse du XIXe siècle », L’homme préhistorique, images et imaginaire,
Albert Ducros, Jacqueline Ducros (dir.), Paris, Éditions L’Harmattan, p. 81-107.
KRENAK Airton, 2007, «Alfabetização», Te mandei um passarinho... prosas e versos de
índios no Brasil, Ira Macie et al. (org.), Brasília, MEC/ Literatura para todos.
LAGARDÈRE Geneviève, 1990, « Présentation », Peintres d’un monde disparu. La préhistoire vue par les artistes de la fin du XIXe siècle à nos jours, Solutré-Pouilly, Musée dépar-
220
temental de préhistoire de Solutré, p. 15-18. (Catalogue de l’exposition présentée du
22 juin au 1er octobre 1990 au Musée départemental de préhistoire de Solutré)
LELEU-MERVIEL Sylvie, 2005, « Structurer la conception des documents numériques
grâce à la scénistique », Création numérique. Écritures-expériences interactives, Sylvie Leleu-Merviel (dir.), Paris, Éditions Hermès-Lavoisier, p. 151-181.
LOWENTHAL David, 1998b, « La fabrication d’un héritage », Patrimoine et modernité,
Dominique Poulot (dir.), p. 107-127.
MANOVICH Lev, 2003, «New media from Borges to HTML», The new media reader, Noah
Wardrip-Fruin, Nick Monfort (ed.), Cambridge, Massachussetts/London, The MIT
Press.
MICOUD André, 2005, « La patrimonialisation ou comment dire ce qui nous relie (un
point de vue sociologique) », Réinventer le patrimoine. De la culture à l’économie une
nouvelle pensée du patrimoine?, Paris, Éditions L’Harmattan.
MOSER Stephanie, 1993, « Gender stereotyping in pictorial reconstructions of human
origins », Women in archaeology. A feminist critique, Hilary du Cros, Laurajane Smith
(ed.), Canberra, The Australian National University, Highland Press, p. 75-92.
—, 1996, « Visual representation in archaeology. Depicting the missing link in human
origins», Picturing knowledge. Historical and philosophical problems concerning the
use of art in science, Brian Baigrie (ed.), Toronto, Toronto University Press, p. 184-214.
PEIXOTO Paulo, 2012, «Desafios à cultura urbana no contexto da economia das experiências e das narrativas interativas», Estudos em homenagem ao prof. doutor Aníbal de
Almeida, AAVV, Coimbra, Coimbra Editora, p. 801 - 817.
PEREIRA Eliete da Silva, 2008a, «Nos meandros da presença étnica indígena na rede
indígena», Do público para as redes: a comunicação digital e as novas formas de participação social, Massimo Di Fellice (org.), São Caetano do Sul, Editora Difusão, p. 287333.
POMIAN Krzystof, 1984, «Coleção», Memória-história, Fernando Gil, Porto, Imprensa
Nacional, Casa da Moeda, p. 51- 86.
—, 1996, « Histoire culturelle, histoire des sémiophores », Pour une histoire culturelle,
Jean-Pierre Rioux, Jean-François Sirinelli (dir.), Paris, Éditions du Seuil, p. 73-100.
221
(Coll. « Univers historique »). Retomado em 1999, Sur l’histoire, Paris, Gallimard,
p. 191-229. (Coll. « Folio Histoire »)
—, 1997, «Coleção», Memória-história, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda.
(Enciclopédia Einaudi, vol. 1)
—, 2000, «Memória: Atlas, coleção, documento/monumento, fóssil, memória, ruína/
restauro», Sistemática, Fernando Gil (coord.), Porto, Imprensa Nacional, Casa da
Moeda, p. 507-516. (Enciclopédia Einaudi, vol. 42)
SANCHES NETO Miguel, 2011, «Autobiografia material», Crítica e coleção, Eneida Maria
de Souza, Wander Melo Miranda (org.), Belo Horizonte, Editora UFMG, p. 65-75.
SANT’ANNA Márcia, 2009, «A face imaterial do patrimônio cultural», Memória e patrimônio:
ensaios contemporâneos, Regina Abreu, Mário Chagas (org.), Rio de Janeiro, Lamparina.
SARGENTINI Vanice, 2008, «Objetos da AD: novas formas, novas sensibilidades», Análise
do discurso: Heranças, métodos e objetos, Vanice Sargentini, Maria do Rosário Gregolin (org.), Campinas, SP, Claraluz, p. 103-113.
SGARD Anne, 2007, « Mémoires, lieux et territoire », Territoires en action et dans
l’action, Rodolphe Dodier, Alice Rouyer, Raymonde Séchet (dir.), Rennes, Presses Universitaires de Rennes, p. 105-117.
STOCZKOWSKI Wiktor, 2000, « L’homme préhistorique : portraits imaginaires peints
d’après nature », L’homme préhistorique, images et imaginaire, Albert Ducros, Jacqueline Ducros (dir.), Paris, Éditions L’Harmattan, p. 233-242.
TOSELLO Gilles, 1990, « Reconstituer la préhistoire en images », Peintres d’un monde
disparu. La préhistoire vue par les artistes de la fin du XIXe siècle à nos jours, SolutréPouilly, Musée départemental de préhistoire de Solutré, p. 109-110. (Catalogue de
l’exposition présentée du 22 juin au 1er octobre 1990 au Musée départemental de
préhistoire de Solutré)
TUPINAMBÁ Yakuy, 2007, Arco digital: uma rede para aprender a pescar, Nhenety KaririXocó, Derval Cardoso Gramacho, Sebastián Gerlic (org.), Maceió, Thydewás.
VELHO Gilberto, 2007, «Patrimônio, negociação e conflito», Antropologia e patrimônio
cultural: diálogos e desafios contemporâneos, Manuel Ferreira Lima Filho, Cornelia
Eckert, Jane Beltrão (org.), Blumenau, Nova Letra/ABA.
222
VIVEIROS DE CASTRO Eduardo, 2009, Cultura digital.br, Rodrigo Savazoni, Sergio Cohn
(org.), Rio de Janeiro, Beco do Azougue, p. 81-95.
WOOD Barbara et COTTON Jonathan, 1999, «The representation of Prehistory in
museums», Making early histories in museums, Nick Merriman (ed.), London, New
York, Leicester University Press, p. 28-43.
Artigos em periódicos, jornais e revistas
ABREU Regina, CHAGAS Mário, 2007, «Museu da Favela da Maré: memórias e narrativas
a favor da dignidade social», Revista Musas, no 3.
ALM Cecilia Ovesdotter, 2011, «What can language technologies do for Endangered
languages, and vice-versa?», Endangered languages: voices and images, M. Haboud,
N. Ostler (ed.), p. 97-104.
BABELON Jean-Pierre, CHASTEL André, 1980, « La notion de patrimoine », La revue de l’art,
no 49, p. 5-30.
BOYER Élodie, PATRIN-LECLÈRE Valérie, 2005, « La valse des identités visuelles. Entre
média permanent et hystérie du nouveau », Communication et langages, no 146,
p. 55-70.
CAMUS Sandra, 2011, « Authenticité des marques », Les Cahiers du Musée des Confluences, vol. 8, p. 67-74. (L’authenticité)
COUSIN Saskia, 2011, « Authenticité et tourisme », Les Cahiers du Musée des Confluences, vol. 8, p. 59-66. (L’authenticité)
DAVALLON Jean, 2002, «Comment se fabrique le patrimoine» em «Qu’est-ce que transmettre?», Sciences Humaines, hors-série no 36.
DEBARBIEUX B., 2006, « Prendre position : réflexions sur les ressources et les limites de
la notion d’identité en géographie », L’espace géographique, no 4, p. 340-354.
DODEBEI Vera, 2006, «Patrimônio e memória digital», Morpheus: Revista Eletrônica em
Ciências Humanas, vol. 4, no 08.
223
FERNANDEZ MARTINEZ Dolores, 2009, « L’œuvre d’art en tant que témoignage: les artistes
confrontés à la guerre », Cahiers de civilisation espagnole contemporaine, 3/2008,
http://ccec.revues.org/2580, consultado em 12 de dezembro de 2014.
FERREIRA Rebeca Campos, 2010, «Cultura imaterial e educação patrimonial: notas
sobre museus e o valor educativo do patrimônio intangível», Museologia e Patrimônio,
vol. 3, no 2, http://revistamuseologiaepatrimonio.mast.74 br/index.php/ppgpmus,
consultado em 17 de abril de 2012.
GALLOIS Dominique Tilkin, 2011, «Materializando saberes imateriais: experiências indígenas na Amazônia Oriental», Revista de Estudos e Pesquisas, Funai, vol. 4, no 2.
—, 2012, «Donos, detentores e usuários da arte gráfica Kusiwa», Revista de Antropologia, vol. 55, São Paulo.
—, 2005, «Os Wajãpi frente à sua cultura», Revista do Patrimônio Histórico e Artístico
Nacional, Brasília, Iphan, no 32.
GEORGESCU-PAQUIN Alexandra, 2011, « Du nouveau dans l’existant. Le processus de
sélection patrimoniale à travers l’insertion architecturale », La sélection patrimoniale,
Martin Drouin, Anne Richard-Bazire (dir.), Québec, Éditions MultiMondes, p. 291-307.
(Coll. « Cahiers de l’institut du patrimoine de l’UQAM »).
GIFFORD-GONZALEZ Diane, 1993, « You can hide, but can’t run: representation of women’s work in illustrations of palaeolithic life », Visual Anthropology Review, vol. 9, no 1,
p. 23-41.
GOODY Jack, WATT Ian, 1963, «The consequences of literacy», Comparative Studies in
Society and History, vol. 5, no 3, p. 304–345.
GOODY Jack, 1977, « Mémoire et apprentissage dans les sociétés avec et sans écriture. La transmission du Bagré ». L’Homme, no 17 (1), p. 29-52. Retomado em Entre
l’oralité et l’écriture, traduzido do inglês por Brigitte Gendron, Paris, Presses universitaires de France, p. 177-199. (Coll. « Ethnologies »)
HOBSBAWM Eric, 2008 [1995], « Inventer des traditions », Enquête, Usages de la tradition, http://enquete.revues.org/document319.html, consultado em 29 de outubro
de 2012. (Hobsbawm Eric, Ranger Terence (eds.), 1983, The invention of tradition,
Cambridge, Cambridge university Press).
224
HURCOMBE Linda, 1995, « Our own engendered species », Antiquity, no 69, p. 87-100.
JEANNERET Yves, 2004, « Le procès de numérisation de la culture. Un défi pour la pensée du texte », Protée, vol. 32, no 2, p. 9-18.
KAUFMANN Christian, 1979, « Völkerkundliche Anregungen zur Interpretation der Pfahlbaufunde », Archéologie suisse, no 2, p. 12-19. (Cité dans Kaeser, 2000).
LEITE Renata Daflon, DODEBEI Vera, 2010, «A internet como exercício da interculturalidade: um estudo de caso do blogue indígena Arco digital», Extraprensa, USP, vol. 1,
p. 614-622.
LÉVY Pierre, 2007, «Abrir o espaço semântico em prol da inteligência coletiva», Reccis,
R. Eletr. de Com. Inf. Inov. Saúde, Rio de Janeiro, vol. 1, no 1, p. 129-140.
NORA Pierre, 1993, «Entre memória e história: a problemática dos lugares» Projeto História, Revista do programa de estudos pós-graduados em História e do Departamento
de História, São Paulo, no 10, p. 1-78.
PIVETEAU J. L., 1995, « Le territoire est-il un lieu de mémoire ? », L’espace géographique,
no 2, p. 113-123.
POMIAN Krzysztof, 1978, « Entre l’invisible et le visible : La collection », Libre, no 3,
p. 4-55. Retomado em 1987, Collectionneurs, amateurs et curieux. Paris, Venise, XVIeXVIIIe siècles, Paris, Gallimard (Coll. « Bibliothèque des histoires »).
—, 1981, « Musée archéologique : art, nature, histoire », Le Débat, no 12, p. 57-68.
RIBEIRO Leila Beatriz, 2011, «Por que não colecionar selos? Velhice e objetos de coleção», Urbano, o Aposentado», Ciências Sociais Unisinos, São Leopoldo, vol. 43, p. 199207, http://www.unisinos.br/_diversos/revistas/ojs/index.php/ciencias_sociais,
consultado em 20 de fevereiro de 2012.
RICŒUR Paul, 2000, « L’écriture de l’histoire et la représentation du passé », Annales.
Histoire, Sciences Sociales, 55e année, no 4, p. 731-747.
SAYÃO Luís Fernando, 1996, «Bases de dados: a metáfora da memória científica»,
Ciência da Informação, vol. 25, no 3.
SOUZA, Antônio Silvério Cardinot de, «Urbano: o Aposentado», Jornal O Globo.
225
VOLDMAN Danièle, 1992, « Le témoignage dans l’histoire française du temps présent »,
« La bouche de la vérité ? La recherche historique et les sources orales », Les cahiers
de l’IHTP, 1992, no 21.
Teses
LEITE Renata Daflon, 2011, Patrimônio em rede, memória criativa e performance: um
estudo do blogue Índios online, dissertação de mestrado em Memória Social, Rio de
Janeiro, Unirio.
Relatórios e documentos não publicados
FREIRE J. R. B., 2003, «En qué medida es indígena la Biblioteca Indígena? El caso de Brasil»,
Project Report nº 22: Memorias del Seminario en Lima, Peru, Peru, Lima, International
Federation of Library Associations (IFLA/LAC), vol. 1, p. 114-120. (Acceso a los servicios
bibliotecarios y de información en los pueblos indígenas de América Latina, Lima)
RIBEIRO Leila Beatriz, 2006, Mais do que posso contar: coleções, imagens e narrativas,
projeto de pesquisa, Unirio/Programa de Pós-Graduação em Memória Social.
Páginas virtuais, postagem de blogues
CIDEHUS Évora, 2002, http://www.cidehus.uevora.pt/centro/arquivo/arq11/heritage/heritage_program.html, consultado em 20 de abril de 2012.
CONVENÇÃO SOBRE OS POVOS INDÍGENAS, http://www.dhnet.org.br/direitos/sip/onu/
indios/conv89.htm, consultado em 21 de abril de 2012.
CORA CORALINA, http://www.vilaboadegoias.com.br/cora_coralina, consultado em 10
de agosto de 2007.
DECLARAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE OS POVOS INDÍGENAS, 2012, http://www.institutowara.
org.br/documentos.asp, consultado em 21 de abril de 2012.
IBRAM Pontos de memória, http://www.museus.gov.br/acessoainformacao/acoes-eprogramas/de-memoria/programa-pontos-de-memoria/, consultado em 21 de abril
de 2012.
226
INSTITUTO IEPÉ, www.institutoiepe.org.br, consultado em 20 de abril de 2012.
IPHAN, 2002, Arte Kusiwa: pintura corporal e arte gráfica Wajãpi, http://portal.iphan.
gov.br/portal/montarDetalheConteudo.do?id=12568&sigla=Institucional&retorno=
detalheInstitucional, consultado em 20 de abril de 2012.
—, Programa Nacional do Patrimônio Imaterial, http://portal.iphan.gov.br/portal/
baixaFcdAnexo.do?id=201, consultado em 20 de abril de 2012.
LEMOS André, 2007, Midia locativa e territórios informacionais, Curitiba, Compós, www.
facom.ufba.br/ciberpesquisa/andrelemos/mídia_locativa.pdf, consultado em 17 de
janeiro de 2012.
POTYRA, 2011, «Cacique Maria Valdelice é presa injustamente», http://www.indiosonline.net/cacique-maria-valdelice-presa-injustamente/, consultado em 3 de fevereiro
de 2011.
SERRANO-MORENO Juan-Enrique, 2009, La transmission mémorielle comme source de
socialisation politique. Peut-on devenir un descendant des vaincus de la guerre civile
espagnole ?, http://www.congresafsp2009.fr/sectionsthematiques/st38/st38.
html, consultado em 10 de mars de 2010.
UNESCO, 2012a, Portal da Convenção para Salvaguarda do patrimônio, http://www.
unesco.org/culture/ich/index.php?lg=es&pg=00475, consultado em 20 de abril de
2012.
—, 2012b, Convenção para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial, http://
unesdoc.unesco.org/imagens/oo13/00132540POR.pdf, consultado em 21 de abril
de 2012.
—, 1989, Recomendação sobre a salvaguarda da cultura tradicional e popular, Paris,
http://cvc.institutocamoes.pt/cpc2007/patrimonio/bloco2/recomendacao_%20
sobre_a_salvaguarda_da_cultura_tradicional.pdf, consultado em 12 de abril de 2012.
What
is
Memoryshare?,
http://www.bbc.co.uk/humber/content/articles/2008/01/15/02_memory_share_what_feature.shtml, consultado em 15 de
janeiro de 2012.
227
Comunicações publicadas em anais de colóquios
ARSENAULT Daniel, 1990, « Re-présenter le passé. Le problème de l’exposition des collections précolombiennes», Museologie et champs disciplinaires. Exposer le savoir,
savoir exposer, Actes du colloque, 15 mai, Université de Laval, Québec, Musée de la
civilisation, p. 79-96.
DODEBEI Vera, GOUVEIA Inês, 2007, «Organisation et préservation de l’information.
Questions posées à l’expérience de virtualisation des musées brésiliens», 6e Colloque International du Chapitre Français de l´ISKO, Organisation des connaissances et
societé des savoirs: concepts, usages, acteurs, Actes du colloque, 7-8 juin, Gerard
Regimbeau et Viviane Couzinet (dir), Toulouse, Université Paul Sabatier, p. 293-307.
DODEBEI Vera, 2007, «Museu e memória virtual», Museus, ciência e tecnologia: livro do
Seminário Internacional, José Neves Bittencourt, Marcus Granato, Sarah F. Benchetrit,
Rio de Janeiro, Museu Histórico Nacional.
DUARTE Luiz Fernando, 2000, «Uma natureza nacional: entre a universalização científica e a particularização simbólica das nações», MHN, Anais, RJ.
GOLVIN Jean-Claude, 2003, « Le rôle de la restitution architecturale dans l’étude des
temps de Dougga », L’Afrique du Nord antique et médiévale, VIIe colloque sur l’histoire
et l’archéologie de l’Afrique du nord antique et médievale, Actes, M. Khanoussi et al.,
Tabarka, 8-13 mai 2000, Tunis, p. 471-489.
GOUDINEAU Claude et LEQUEUX Brigitte, 1988, « Vulgarisation, transposition, fiction »,
rencontres internationales d’archéologie et d’histoire. L’archéologie et son image,
Actes, Antibes, Octobre 1987, Juan les Pins, Éditions APDCA, p. 139-140.
VIIIe
GOULETQUER Pierre, 1988, « La préhistoire mise en scène », VIIIe rencontres internationales d’archéologie et d’histoire. L’archéologie et son image, Actes, Antibes, Octobre
1987, Juan les Pins, Éditions APDCA, p. 165-183.
KAESER Marc-Antoine, 2002, « L’autonomie des représentations, ou lorsque l’imaginaire
collectif s’empare des images savantes. L’exemple des stations palafittiques »,
Lebensbilder-Scènes de vie. Colloque de Zoug, Actes, 13-14 mars 2001, Lausanne,
Documents du GPS, n° 2, p. 33-40.
LEITE Renata Daflon, DODEBEI Vera, 2009, «Memória criativa na blogue-esfera entre as
esferas pública e privada da internet», VI Congreso de la Cibersociedad 2009, Crisis
228
analógica, futuro digital, Anais, 12 a 22 de novembro de 2009, Madrid (sede física),
Observatorio para la Cibersociedad, vol. 1, p. 1-22.
—, 2010, «O ciberespaço como lugar de reconstrução patrimonial: um estudo de caso
do blogue indígena Arco Digital», 27 Reunião Brasileira de Antropologia, Belem do
Pará, Anais da reunião realizada nos dias 1, 2, 3 e 4 de agosto de 2010, São Paulo,
ABA, vol. 1, p. 45-65.
MELOT Michel, 2007, « Mémoire et numérisation », IIIe Colloque international icôneimage, musées de sens. Image et mémoire, Actes, 6-8 juillet 2006, Éditions Obsidiane / Les Trois P, p. 157-165.
PEREIRA Eliete da Silva, 2008b, «Ciborgues indí[email protected]: entre a atuação nativa no
ciberespaço e as (re) elaborações étnicas indígenas digitais», II Simposio Nacional da
Abciber, Anais, São Paulo PUC – SP.
RIBEIRO Leila Beatriz, COSTA Thainá Castro, 2010, «Do lixão ao futuro: os aterros de
objetos cotidianos, a informação e o descarte na narrativa fílmica Wall-E», VII Simposio
de Historia «O passado no presente: reflexões sobre os usos da historia», Anais, São
Gonçalo, RJ, Universidade Salgado de Oliveira/Universo.
Documentários cinematográficos
MATOS JR. Décio (dir.), 2007, Fabricando Tom Zé, BRA, 89 min., sonoro, colorido.
FONTENELLE Paulo Henrique, (dir.), 2008, LoKi - Arnaldo Baptista, BRA, 120 min., sonoro,
colorido.
ABUJAMRA Marco e PIMENTEL João (dir.), 2008, Jards Macalé – Um morcego na porta
principal, BRA, 71 min., sonoro, colorido.
MANUEL Claudio, Langer Micael e Leal Calvito (dir.), 2009, Simonal – Ninguém sabe o
duro que dei, BRA, 90 min., sonoro, colorido.
TERRA Renato, CALIL Ricardo (dir.), 2010, Uma noite em 67, BRA, 2010, 93 min., sonoro,
colorido.
229
Sobre os autores
Abreu, Regina
Professora associada I do Programa de Pós-Graduação em Memória Social
Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - Unirio.
Doutora em Ciências Humanas / Antropologia Social, Universidade Federal do Rio de
Janeiro / UFRJ / Museu Nacional.
[email protected]
CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/3730365381262450
Bouisset, Christine
Maître de conférences en géographie
Université de Pau et des Pays de l’Adour
Laboratoire SET – Société Environnement Territoire (UMR 5603 CNRS), Institut Claude
Laugénie, domaine universitaire de Pau
Doctorat de géographie
[email protected]
http://web.univ-pau.fr/RECHERCHE/SET/INTRANET/fiche_identite.php?user=bouisset
Cendoya-Lafleur, Jessica
Doctorante du programme conjoint de doctorat international Muséologie, médiation,
patrimoine entre l’UAPV (Avignon) et l’UQAM (Montréal)
[email protected]
Davallon, Jean
Professeur émérite en Sciences de l’Information et de la Communication
Université d’Avignon et des Pays de Vaucluse
Centre Norbert Élias (UMR 8562), Équipe Culture et Communication
[email protected]
http://www.univ-avignon.fr/fr/recherche/annuaire-chercheurs/membrestruc/personnel/
davallon-jean.html
Degrémont, Isabelle
Maître de conférences en géographie
Université de Pau et des Pays de l’Adour
Laboratoire SET – Société Environnement Territoire (UMR 5603 CNRS), Institut Claude
Laugénie, domaine universitaire de Pau
Doctorat de géographie
[email protected] http://web.univ-pau.fr/RECHERCHE/SET/INTRANET/fiche_identite.php?user=degremont
230
Dodebei, Vera
Professora associada IV do Programa de Pós-Graduação em Memória Social
Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – Unirio. Doutora em Comunicação e
Cultura, Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ.
[email protected]
CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/1112112146102164
Flon, Émilie
Maître de conférences en Sciences de l’Information et de la Communication
Université Pierre-Mendès France (Grenoble 2)
GRESEC (Université Grenoble Alpes)
Doctorat en Sciences de l’Information et de la Communication
Freire, José Ribamar Bessa
Professor adjunto do Programa de Pós-Graduação em Memória Social
Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – Unirio.
Doutor em Letras, Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ.
[email protected]
CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/7211811266353518
Geiger, Amir
Professor adjunto do Programa de Pós-Graduação em Memória Social
Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – Unirio.
Doutor em Antropologia Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro.
[email protected]
CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/6912091873348755
Lavorel, Marie
Doctorante du programme conjoint de doctorat international Muséologie, médiation,
patrimoine entre l’UAPV (Avignon) et l’UQAM (Montréal)
[email protected]
[email protected]
Leite, Renata Daflon
Doutoranda em Memória Social do Programa de Pós-Graduação em Memória Social
Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – Unirio.
Mestranda em Memória Social, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – Unirio.
[email protected]
CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/5639464012374862
231
Orrico, Evelyn Goyannes Dill
Professora associada II do Programa de Pós-Graduação em Memória Social
Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – Unirio.
Doutora em Ciência da Informação, Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e
Tecnologia / Universidade Federal do Rio de Janeiro.
[email protected]
CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/4299342469360586
Ribeiro, Leila Beatriz
Professora adjunta IV do Programa de Pós-Graduação em Memória Social
Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – Unirio.
Doutora em Ciência da Informação, Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ/ Instituto
Brasileiro de Informação Científica e Tecnológica – IBICT.
[email protected]
CV Lattes: http://lattes.cnpq.br/4234602401995614
Silva, Sabrina Dinola Gama
Mestre em Memória Social
Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – Unirio.
[email protected]
Tardy, Cécile
Professeure en sciences de l’information et de la communication
Université Lille 3 - GERiiCO
Doctorat en sciences de l’information et de la communication
[email protected]
232
Sumário
Introdução
7
Cécile Tardy e Vera Dodebei
Primeira parte. Abordagens teóricas
Memoração e patrimonialização em três tempos:
mito, razão e interação digital
19
21
Vera Dodebei
Memória e patrimônio: por uma abordagem dos regimes
de patrimonialização
47
Jean Davallon
Patrimonialização das diferenças e os novos sujeitos
de direito coletivo no Brasil
67
Regina Abreu
Segunda parte. Análises de casos
O filme documentário como discurso de patrimonialização
da música popular brasileira
95
97
Evelyn Goyannes Dill Orrico, Amir Geiger e Sabrina Dinola Gama Silva
Patrimônio em rede: a cinza, a brasa
e os direitos indígenas no Brasil
José Ribamar Bessa Freire e Renata Daflon Leite
234
111
Patrimoniando o desmanche: coleções de inutilidades
como uma metáfora capitalista
127
Leila Beatriz Ribeiro
A mediação de autenticidade dos substitutos digitais
143
Cécile Tardy
As ilustrações do passado arqueológico: entre interpretação
científica, testemunho e memória social
161
Émilie Flon
Patrimonializar a memória da guerra no museu:
entre História e testemunho
181
Jessica Cendoya-Lafleur, Marie Lavorel e Jean Davallon
Posfácio. Memória do patrimônio ou patrimônio “lembrete”?
201
Christine Bouisset e Isabelle Degrémont
Bibliografia geral
207
Sobre os autores
230
235