RUGBY INSERÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO

Сomentários

Transcrição

RUGBY INSERÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO
RUGBY INSERÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FISICA ESCOLAR
André da Silva MENDES ¹
[email protected]
Leonardo da Silva QUINTINO ¹
Rafaela Pereira FERREIRA ¹
Wagner Domingos Ferreira GOMES ² ³
Resumo:
Esse trabalho fala sobre o rugby no ambiente escolar onde o professor poderá
implantar esse nova modalidade esportiva nas práxis escolares, onde o docente
aplicara os conhecimentos sobre temas transversais, será observado como a
Federação portuguesa de rugby possui um trabalho com diversas categorias até a
idade adulta onde o jogador terá autonomia mas sem perder as origens e valores do
esporte, apresenta contextos sobre violência e agressividade suas diferenças e o
papel da agressividade positiva no desenvolvimento da formação da criança e do
jovem, o professor desempenha seu papel com os alunos diante aos fatos
apresentados no trabalho do esporte na escola.
Palavras-chave: Rugby, Escola, Agressividade, Esporte e Temas Transversais.
Abstract
This work talks about rugby in the school environment where the teacher can deploy
this new sport practice in school, where teachers apply the knowledge of crosscutting themes will be observed as the Portuguese Rugby Federation has a job with
several categories to adulthood where the player will have autonomy, but without
losing the origins and values of sport, has contexts of violence and aggression their
differences and the role of aggression in the development of positive education of
children and young people, the teacher plays his role with the students on the facts
presented the work of sport at school.
Keywords: Rugby School, Aggressiveness, Sport and Transversal Themes.
1.
2.
Alunos Formandos do curso de Licenciatura em Educação Física – Universidade Castelo Branco
Docente da Universidade Castelo Branco.
3.
Docente do Centro Universitário Moacyr Sereder Bastos.
Introdução
O Rugby foi criado na Inglaterra em 1823 por Willian Webb Elis quando esse
jovem, em uma das aulas de educação física pegou a bola e saiu correndo em
direção ao gol da equipe adversária. (Confederação Brasileira de Rugby 2010)
Quase 200 anos após sua criação, o Rugby é atualmente o segundo esporte
mais praticado em todo mundo, perdendo apenas para o futebol, que também teve
sua origem na Inglaterra. (Internacional Rugby Board 2008 s/n )
Conforme a Federação Portuguesa de Rugby 2009, existem regras específicas
para a prática infantil como Sub 8, 10 , 12 e 14 onde a ludicidade é o instrumento
fundamental para o aprendizado do rugby dessa forma a criança passa a ter um
contato com a modalidade de forma prazerosa, como também passa a desenvolver
as habilidades do jogo gradativamente de acordo com o amadurecimento do aluno
praticante do jogo.
Estima-se que o Rugby tenha chegado ao Brasil entre 1875 e 1891, então
sendo um dos primeiros desportos a serem praticados no pais. Mas, somente a
partir de 1990 que o mesmo vem conquistando adeptos no território brasileiro
principalmente no estado de São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.
(Confederação Brasileira de Rugby 2010)
No contexto escolar brasileiro, o Rugby quase não vem sendo trabalhado, pois
devido à falta de conhecimento da modalidade, e devido a nossa cultura do futebol
vem a reforçar ainda mais falta de conhecimento da modalidade.
Nesse entendimento inserir o rugby na escola pode ser relevante para reforçar
valores sociais e humanos?
Desta maneira, será verificado como o Rugby pode ser aplicado nas aulas de
Educação Física Escolar pelo professor para a formação global dos alunos. Foi
desenvolvido um levantamento do estudo do Rugby sobre a questão da
agressividade positiva dos alunos, nas quais estão inseridos os benefícios do
desporto para os alunos na escola.
O Rugby poderia ser apresentado no contexto escolar como um reforçador de
conteúdos durante as aulas de educação física, mostrando de caráter lúdico como
aprender brincando uma nova modalidade esportiva.
Acredita-se que valores sociais e humanos reforçados pela prática esportiva,o
aprender a jogar com o colega e não contra o mesmo, são objetivos que o Rugby
poderá
incutir
nos
alunos
presentes
em
aulas
de
Educação
Física.
O rugby na escola.
Conforme a Internacional Rugby Board (2008) A pratica do rugby desde a préescola até o profissional o esporte e praticado com suas regras na integra onde as
mesmas são respeitadas incondicionalmente. Através da disciplina, camaradagem,
controle, respeito mutuo, espirito de equipe, conduta e contato controlado, o
distingue dos demais esportes podendo ser assim praticado por pessoas de biótipos,
gêneros e idades variadas.
O esporte é fruto da modernidade. A Inglaterra foi pioneira a utilizar-lo como
meio de educação, por iniciativa de Thomas Arnold, diretor do colégio de Rugby, em
1828. A valorização do esporte na escola inglesa, deve-se ao fato de considerarem
os jogos de influência socializante e por educar para a cooperação, a autodisciplina,
a iniciativa, a liderança, o espírito de equipe e ação coletiva, princípios esses
necessários ao desenvolvimento da Inglaterra. (Betti apud Reis at all 2009).
Segundo o Coletivo de Autores, (apud CAPARROZ, 1997 p. 132), o esporte
apresenta uma grande tendência a possuir: “princípios de rendimento atlético,
competição, comparação de rendimento e recordes, regulamentação rígida, sucesso no
esporte como sinônimo de vitória, racionalização de meios e técnicas”. Entretanto, o
esporte para estar na escola, e ser ensinado na escola, isto é, tornar-se um esporte “da”
escola, deve ser resinificados, reelaborado consolidado em uma práxis educativa para
além da repetição e da mecanização, da finalidade única da técnica e do rendimento, em
que os mais fracos e os menos habilidosos são colocados à margem e marcados pela
exclusão.
A Prática da educação física na escola poderá favorecer a autonomia dos
alunos para monitorar as próprias atividades, regulando o esforço, traçando metas,
conhecendo as potencialidades e limitações e sabendo distinguir situações de
trabalho corporal que podem ser prejudicadas.(PCN 1997 p. 29).
Baseando-se nos conceitos da Internacional Rugby Board 2008, o rugby tem
fundamentos básicos avançar, apoiar, continuidade e a pressão são eles que dão a
dinâmica ao jogo esse esporte possui características ímpares, mas diferente de
outros esportes coletivos trata essencialmente da criação e utilização do espaço e
da participação de todos os componentes da equipe para atingir o objetivo. Os
vencedores de um jogo serão os atletas da equipe que conseguir colocá-los no
espaço criado e utilizá-lo com sabedoria, e que consigam também negar aos seus
adversários tanto a posse da bola quanto o espaço para utilizar essa posse.
As formas adaptadas e propostas pela Federação Portuguesa de Rugby
(F.P.R) para o ensino do rugby na escola privilegiam a circulação de bola e o
reposicionamento constante dos jogadores, devendo ser evitado o confronto físico
entre os alunos e o jogo deve ser entendido como um meio e não como um fim.(Vaz
2005)
Segundo a Federação Portuguesa de Rugby(2008) existe categorias para a
pratica e o aprendizado progressivo do rugby nas idades iniciais são elas:
•
Sub 8 Jogadores possui idades entre 6 a 7 anos, é praticado por 5 jogadores
de cada lado, com uma área de jogo de 25x15, o tempo médio de jogo dura 10 min,
o objetivo principal o contato com a bola, executar pequenos passes, e possui regras
simples para melhor aprendizado.
•
Sub 10 Jogadores possui idades entre 8 a 9 anos, é praticado por 7 jogadores
de cada lado, com área de jogo de 30x 20, o tempo médio de jogo dura 15 min,
objetivo principal e contato com a bola e executar passes curtos e médios, e
introdução ao pontapé de inicial com a bola, Possui regras mais complexas
iniciando-se o Ruck, Maul e Placagem.
•
Sub 12 Jogadores possui idades entre 10 a 11 anos, é praticado por 10
jogadores de cada lado, com área de jogo de 70 x 30, o tempo médio de jogo dura
20 min, objetivo principal e executar passes curtos, médios e longos, e o uso dos
pés para pontapé inicial, penal, drop kick para o gol para ganho de território, Scrum,
Ruck e Maul, Alinhamento para saída de bola no lateral.
•
Sub 14 Jogadores possui idades entre 12 e 13 anos, é praticado por 12
jogadores de cada lado, com área de jogo de 70 x 45, o tempo médio de jogo dura
30 min, objetivo principal efetuar todos os lances e jogadas de um jogo de adulto só
que com uma área de jogo menor e numero de jogadores menor que dos adultos,
buscando o desenvolvimento gradativo para o jovem esportista.
O rugby desde as idades iniciais busca desenvolver a criança gradativamente
de acordo com suas valências físicas compatíveis com sua idade, para que no futuro
esse jovem jogador não venha queimar essas etapas do desenvolvimento, pois elas
são muito importantes para a vida do ser humano.
O professor e sua pedagogia no ensino do esporte.
Brincar supõe, de início, que no conjunto das atividades humanas, algumas
sejam repertoriadas e designadas como "brincar" a partir de um processo de
designação e de interpretação complexo. Não é objetivo de esta comunicação
mostrar que esse processo de designação varia no tempo de acordo com as
diferentes culturas. (Brougére apud Mendes 2011)
A Educação Física dentro da sua especificidade deverá abordar os temas
transversais, apontados como temas de urgência para o país como um todo, além de
poder tratar outros relacionados às necessidades específicas de cada região. Sobre
cada tema este documento traz algumas reflexões para serem tratadas pela área, com a
intenção de ampliar o olhar sobre a prática cotidiana e, ao mesmo tempo, estimular a
reflexão para a construção de novas formas de abordagem dos conteúdos. (PCN
Educação física p.34 1998)
As mudanças curriculares, bem como as necessidades e motivações dos
jovens que frequentam as nossas escolas tornam-se cada vez mais importantes ao
ponto de considerar que se torna importante por parte do professor de educação
física, encontrar novas soluções e novas motivações no decorrer do processo de
ensino-aprendizagem.( Vaz 2005 p. 1)
Sem abandonar os Temas Transversais, o conteúdo das aulas de Educação
Física implementadas segundo as estratégias utilizadas por um professor com atitude
investigativa, auxiliam o aluno na compreensão dos aspectos ligados a Língua
Portuguesa, a Matemática, Ciências e Programas de Saúde, Estudos Sociais e
Educação Artística.Tanto a Educação Física como a Língua Portuguesa, são diferentes
formas de linguagem. A Educação Física traduz a expressão e comunica uma idéia, o
sentimento daquele corpo que pensa e se movimenta. O entendimento do idioma pátrio
compreende o processo de ortografização e de alfabetização do mundo.(Arantes 2005 p.
1)
O modelo metodológico ideal de iniciação e formação de jogadores de rugby na
atualidade não existe, o modelo desejável é por si só flexível. Existe no entanto
atualmente alguma unanimidade entre técnicos e formadores para as vantagens na
utilização da oposição durante a formação de jogadores , bem como do jogo global
para o específico em função da estruturação e lógica do jogo moderno. (Vaz 2005
p.1)
A Relevancia da pratica do rugby na formação global dos alunos.
Para a prática do rugby é necessário que haja muito contato físico, mas em si o
esporte não gera violência física, ao contrário, é muito competitivo e de muita astúcia
e vigoridade, onde a violência não tem espaço, pois o jogador de rugby aprende a
respeitar o seu adversário e todos os que o cercam.
Na nossa sociedade, a violência atinge todas as camadas sociais e culturais, o
esporte não foi descartado desse fenômeno, temos acompanhado através da mídia,
brigas, ameaças ,todos podem ser vitimas e agressores, ou seja, às vezes
agredimos pessoas sem perceber por não entender culturas, hábitos e crenças. O
rugby agrega diversos valores humanos o principal deles e o amor ao seu
semelhante, todo praticante dessa modalidade aprende junto com o esporte a
camaradagem, fraternidade, respeito ao próximo, compartilhar, entender as
diferenças étnicas, religiosas e culturais. Cabe ao professor, reforçar os valores
aprendidos pelo esporte de tal maneira, que possa ser utilizado na vida diária dos
alunos praticantes de rugby.
Os esportes são locais para a geração de excitação prazerosa, amizade e
sociabilidade. Eles são uma grande invenção coletiva, que consegue com sucesso
resolver a aparente contradição entre rivalidade e amizade. Pode-se dizer que os
esportes são formas de “rivalidade amistosa”, e como tais, são extremamente
valiosos. (Gastaldo 2008 p. 227)
Entendemos a violência como algo estabelecido pelo princípio da desigualdade
entre os sujeitos e como algo que extrapola as condições normais de vida. É importante
considerar que, até mesmo a linguagem, falada ou gestual (formas simbólicas), pode
tornar-se forma de violência quando ameaça, intimida ou ainda desqualifica o outro. No
plano do esporte, a violência vai estar presente em função das opções éticas dos
jogadores (como veem o esporte e o adversário), e, ainda, pelas orientações e pressões
externas exercidas. No plano social mais amplo, a violência gira em torno das pressões
exercidas por grupos sociais, pelas situações familiares, pelas condições objetivas de
vida não favoráveis à existência humana e pela falta de perspectivas de futuro. A
violência é um fenômeno social.(Martins 2002 p.191)
Um dos maiores exemplos que o esporte pode mudar a mentalidade de um
povo foi vista na copa do mundo de rugby de 1995 que foi sediada na África do Sul,
esse país passou por vários anos de um regime chamado de Apartheid esse modelo
de segregação racial separou uma minoria de branca da maioria negra, a qual a
branca tinha direitos de governar o País. Com o evento realizado nesse país foi
usado para unir uma nação por um só objetivo torcer pelo seu país, despertar o
espirito de uma só nação esse foi o maior legado que um evento esportivo deixou
para todos nós a paz e união entre povos.
O rugby no despertar da agressividade positiva.
O Rugby é um esporte praticado com uma ética única, que vem mantendo-se
através dos tempos. O mesmo não e só praticado com regras, essas vem sendo
encaradas como leis do jogo, por isso o rugby e chamado de esporte de cavalheiros,
pois o praticante dessa modalidade comporta-se como tal , o mesmo pode ser
praticado desde a pré-escola até em níveis profissionais que oferece uma
experiência única e agradável a seus praticantes.
O esporte é a melhor forma para obter-se a socialização. O professor terá um
papel importante para abordar diversos temas em suas aulas, pois a atividade
esportiva serve apenas para integração do os alunos a atividade proposta pelo
docente, abordar em suas aulas sobre sexo, ética, respeito, entre outros vai passar
para o aluno conhecimentos sobre todos os fatos apresentados em sua vida
cotidiana para sendo assim o mesmo ter uma consciência de seu papel na
sociedade. Pois o rugby trabalha uma quantidade de conceitos sociais e emocionais
tais como coragem, lealdade, espirito desportivo, disciplina e trabalho em equipe que
devem ser valorizados dentro e fora de campo.
Por sua natureza aberta, os Parâmetros Curriculares Nacionais configuram
uma proposta flexível, a ser concretizada nas decisões regionais e locais sobre
currículos e programas de transformação da realidade educacional empreendidos
pelas autoridades governamentais, pelas escolas e pelos professores. Não
configuram, portanto, um modelo curricular homogêneo e impositivo...” (Brasil,1997a,
p.13)
Ao atravessar adequadamente o primeiro período de sua formação esportiva,
um período caracteristicamente preparatório, a criança agora estará apta a iniciar o
processo de especialização esportiva com todas as decorrências e implicações a ele
inerentes. Esta iniciação especializada normalmente abrange crianças com idades
entre 12 e 14 anos e, às vezes, esta abrangência baixa um pouco, dependendo da
aptidão demonstrada pelo indivíduo para a prática esportiva, seu grau de
desenvolvimento físico e sua maturação psicológica.(Costa 2003 p. 1)
No entanto Betão(2004) citado por Sousa (2005 p.3) refere que a agressividade
é essencial na sobrevivência, no desenvolvimento, defesa e adaptação dos
indivíduos. Considera exclusivamente como elemento protetor que possibilita a
construção de um espaço interno, promovendo a diferenciação entre o eu e o outro,
bem como a criação de vínculos. O movimento deve ser compreendido, acima de
tudo, como humano.
Metodologia
Tipo de Pesquisa.
A Pesquisa foi caracterizada como pura, pois teve como característica
identificar a aplicabilidade do rugby no meio escolar. Diante a classificação do tipo
pesquisa aplicada, pois cita trabalhos realizados por outros autores dando um novo
enfoque a área esportiva e recreativa do esporte, reforçando valores sociais e
humanos.
Classificando quanto a objetivo e procedimento buscar coletar informações
buscando responder a situação problema através de informações coletadas. Quanto
ao objeto, a pesquisa se aplica de maneira bibliográfica, pois se baseia em artigos,
livros, mimios retirados de sites de federações nacionais e internacionais de rugby.
Todo material foi analisado de forma sistemática com objetivo de retirar informações
relevantes diante ao fato pesquisado.
Discussões
Segundo Vaz (2005) Os novos programas contemplam hoje a hipótese dos
nossos alunos vivenciarem a prática do rugby, como matéria alternativa. Devido à
riqueza de situações que o rugby proporciona, considero que constitui um meio
formativo por excelência.
Embora seja reconhecido como um conteúdo importante fica a cargo da boa
vontade dos docentes, pois a referida lei não especifica a quem estas aulas devam
ser atribuída. Então repete - se equívoco histórico escrito por (GONÇALVES, 2004
citado por ARANTES 2005) que sobre essa realidade afirma:
"A prática e ou vivência legal de movimentos na educação física por parte das
crianças é incluída por força de lei apenas a partir da 5ª série do ensino
fundamental, com professor especializado" (p: 47).
Os “temas transversais” dizem respeito a conteúdos de caráter social, que
devem ser incluídos no currículo do ensino fundamental, de forma “transversal”, ou
seja: não como uma área de conhecimento específica, mas como conteúdo a ser
ministrado no interior das várias áreas estabelecidas. (FIGUERO 2000)
Para o professor a escola não é apenas lugar de reprodução de relações de
trabalho alienadas e alienantes. É, também, lugar de possibilidade de construção de
relações de autonomia, de criação e recriação de seu próprio trabalho, de
reconhecimento de si, que possibilita redefinir sua relação com a instituição, com o
Estado, com os alunos, suas famílias e comunidades. (PCN p.38 v.8)
A Federação Portuguesa de Rugby (F.P.R) em seu curso de formação de
Treinadores de 2008. Os objetivos da sessão teórica são:

Dar a conhecer o Tag rugby, Rugby toque e o Rugby XV.

Alterar a imagem que o rugby tem em nossa cultura.

Apresentar uma metodologia de ensino centrada no jogo.

Apresentar estratégias de ensino para os problemas mais frequentes
Rocha e Cordovil (1995 conforme Vaz 2005) referem que a concepção do
ensino e aprendizagem do rugby aponta no sentido de criar condições para que o
jovem praticante se aproprie ativamente do rugby, identificando os "porquês" antes
dos "como”, a táctica antes da técnica.
Leve-se em consideração que o rúgbi, quando utilizado no meio escolar, não
se deve utilizar do contato físico direto entre os alunos (conhecido como tackle).
Existe o contato, porém, controlado e supervisionando pelo professor, sempre com
suas características de companheirismo e respeito aos colegas. PERREIRA E
FREIRE 2009 p.5).
Conclusão e Recomendações
O professor e a peça fundamental para a formação do aluno como ser humano,
o esporte e apenas uma ferramenta reforçar os valores sociais e humanos através
dos temas transversais e sua importância no cotidiano escolar. O rugby está sendo
muito utilizado nas aulas de educação física escolar em Portugal pois sua dinâmica
valoriza o trabalho psicomotor, a aceitação de valores humanos, a admiração da
violência , aprendizado da agressividade positiva como instrumento de busca de
objetivos em sua vida cotidiana.
Nas escolas brasileiras o professor de educação física deverá buscar
conhecimento do rugby através de equipes locais onde poderá aprender sobre a
pratica esportiva, e como professor poderá aprender e ensinar com a equipe local
além de tornar-se um divulgador do esporte e um captador de jogadores para a
equipe local sendo assim, um divulgador do esporte. Buscar informações do esporte
nos Sites das Federações nacionais, regionais e Internacionais para conseguir
materiais teóricos para possuir embasamento teórico para suas aulas no meio
escolar.
A aplicabilidade do rugby na escola vem como uma apresentação de uma nova
atividade esportiva para os alunos onde o mesmo poderá participar o independente
de biótipo, raça e gênero. E ideal para obter a socialização dos alunos e obter uma
relação entre os mesmos, pois no rugby um jogador depende do outro para obter
resultados satisfatórios e fazer que alunos que não tinham hábitos de participação
das aulas passarem a ser incluídos na aula e também na vida escolar cotidiana. As
aulas devem ter um caráter lúdico onde a melhor forma de aprender e brincado
Referencias
ABRAMIDES MBC, Violencia Urbana, Revista PUC -Viva, São Paulo, n° 30, abriljunho 2007.
ALMEIDA TJB. Abordagem dos temas Transversais nas aulas de Ciências do ensino
fundamental, no distrito de Arembepe no município de Camaçari – BA, CanombáRevista Virtual, BA. Vol. 2, n.1, p 1 - 13, Jan – jun. 2006.
ARANTES AC A Educação Física na visão interdisciplinar. Análise de conteúdo a
partir do texto de Gonçalves, C. Ler e escrever também com o corpo em movimento
(incluindo-se
a
legislação
paulista
e
outros
textos
pertinentes),
http://www.efdeportes.com/ Revista Digital - Buenos Aires - Ano 10 - N° 86 - Julho de
2005.
Coletivos de autores (1992) Metodologia do Ensino em educação Física, ed. Cortez.
Conferação Brasileira de Rugby http://www.brasilrugby.com.br/
COSTA AJS , A formação esportiva e a educação motora , Revista virtual EFArtigos
- Natal/RN - volume 01 - número 12 - outubro – 2003.
Federação Portuguesa de Rugby, web site http://www.fpr.pt/index.asp
FIGUERO MND A Viabilidade dos Temas Transversais a luz do Trabalho docente,
http://www2.uel.br/ccb/psicologia/revista/textov2n12.htm. Ano 2000.
FILHO CK, Violência Urbana e Violência no Esporte , Revista PUC -Viva, São
Paulo, n° 30, abril- junho 2007.
FLORENTINO J, SALDANHA RP, Esporte, educação e inclusão social: reflexões
sobre a prática pedagógica em Educação Física, http://www.efdeportes.com/ Revista
Digital - Buenos Aires - Ano 12 - N° 112 - Setembro de 2007
GASTALDO E Esporte Violência e Civilização, Horizontes Antropológicos, Porto
Alegre, ano 14, n. 30, p. 223-231, jul./dez. 2008.
IBGE,http://www.ibge.gov.br/ibgeteen/datas/discriminacao/apartheid.html 2011.
Internacional Rugby Board, Rugby Ready, Ed. 2010.
MARTINS AS Educação Física Escolar: Novas Tendências, Revista. Mineira.
Educação. Física., Viçosa, v. 10, n. 1, p. 171-194, 2002.
MÜHLEN JCV et all Invicitus Conquistando o Inimigo?, Revista Historia do Esporte,
v. 3, n° 2, dez 2010.
NETO Carlos Alberto Ferreira, Motricidade e Jogo na Infancia, Rio de Janeiro, Ed
Sprint, 2 ed , 1999.
NOGUEIRA J, MIGILANO M, VOLGA X, Guia de participantes do Rugby Union,
2008, IRB.
PEREIRA V.S.G, FREIRE. J.B, O Rugby Como Instrumento Para Desenvolvimento
Psicomotor de Escolares. Centro de Ciencias da Saude e do Esporte. Universidade
do Estado de Santa Catarina. Ano 2009.
PIMENTA CAM Violência Entre as Torcidas de Futebol ,São Paulo Perspectiva.
vol.14 no.2 São Paulo Apr./June 2000.
PLALATIS H, GRUNDIG M, Guia da IRB para variações Experimentais das Leis do
Jogo, 2008, IRB.
REIS DPP, PEREIRA AM, MARILENE M. A Hegemonia do Esporte na Escola, PR,
IX Congresso Nacional de Educação, III Encontro Nacional de Psicopedagogia, , p
4447-4460, 26-29 de Out. 2009.
Secretaria de Educação fundamental (1997). Parâmetros Curriculares Nacionais:
Educação Física (v.7). Brasília: MEC/SEF.
Secretaria de Educação Fundamental (1997). Parâmetros Curriculares Nacionais:
apresentação dos temas transversais, ética (v. 8). Brasília: MEC/SEF.
SOUSA PML, Agressividade em Contexto Escolar , www.Psicologia.com.pt,
Portugual, p. 1 a 39 ano 2005.
TOMASSI.M CF, O Conceito de Agressividade na Obra de Winnicott, Infanto,
Revista de Neuropsiquiatria da Infância e do adolescente , ano 5 , v.2 , p. 73-76 ano
1997.
VAZ LMT, O Ensino do Rugby no meio escolar, http://www.efdeportes.com/ Revista
Digital - Buenos Aires - Ano 10 - N° 81, Fevereiro de 2005.