5º pa sseio turístico a penel a

Сomentários

Transcrição

5º pa sseio turístico a penel a
12
Tertúlia Gastronómica
desde 29 SET 1998
José Mocito - Manuel Barreto - Adérito Formiga - - António Castelo Carlos Carvalhão - Carlos Salvado - Rui Vaz - Joaquim SousaJosé Matos
- António Carreto - Elísio Ribeiro - Armando Fernandes - Artur Martins
J. Mocito © 2015
Organização
Sócio Honorário
ISAAC GADANHA
Os confrades (por ordem de chegada à frente)
5º PASSEIO TURÍSTICO A PENELA
TG
16 de maio de 2015
TG12
e a mascote ZiGGY
PROGRAMA
Miradouro do Monte de Vez (São Sebastião)
Tempos
FBĘǾMŌŃŎ ǼĨ MǾPÒŇMŅǾÑŌPÑ MŎ Pavilhão Municipal
Petit déjeuner - Isna de São Carlos
Museu da Concertina - Vila Facaia (Pedrogão)
Branquinho fresquinho na "Taberna do Cristo"
Almoço - Restaurante "Dona Maria" t. 236 641 050
Azeitonas e Queijo Seco
Lombinhos e Pataniscas de Bacalhau
1 Girafa (cerveja local)
Mista de porco preto
Arroz Doce e Café
Miradouro do "Monte de Vez"
Visita ao Castelo Germanelo
Lanchinho light - Restaurante "O Pastor"
Despedida efusiva do nosso anfitrião Isaac
Castelo Branco. Vamos dormir! Sonhos lindos...
Restaurante «Dona Maria”
Estrada “Via Lusitânia”, nº 798
Estrada Nacional 110
Vendas de Maria (junto ao Posto de Abastecimento da Galp)
3250-293 Maçãs de Dona Maria
Tel: 236 641 050
Capacidade: 50 pessoas
Encerra: sábado depois de almoço e domingo
Horário: 07:00 – 23:00h
P
C
P
C
P
C
P
C
P
C
P
C
P
C
P
C
8:00
9:00
9:45
10:45
11:45
12:15
12:35
13:00
15:30
1:00
0:45
1:00
1:00
0:30
0:20
0:25
2:30
0:20
Km
60
60
40
100
25
125
Com acesso por São Sebastião, do Monte
de Vez desfruta-se de uma paisagem
deslumbrante. A existência de uma Capela e
de um moinho de vento reconstruído são dois
elementos que emprestam ao local uma
beleza muito própria. Daqui avista-se uma
grande parte da área do Concelho, avistandose para além das Vilas de Penela e Espinhal o
Castelo de Germanelo, e as Serras do Espinhal
e do Rabaçal.
20
145
8
15:50
16:35
16:55
17:40
18:00
19:00
20:30
0:45
153
0:20 8
0:45
161
0:20 10
1:00
171
1:30 120
291
xx:xx
Pa ra gem
Castelo Germanelo
D. Afonso Henriques (1139-1185) criou o concelho de
Germanelo e deu-lhe Carta de Foral em 1142, na qual
determinava que, além de serem livres de impostos,
concedia paz, perdão e isenção de justiça a todos quantos
tivessem cometido crimes de homicídio, de furto, ou de
qualquer outro tipo de perturbação pública, sob a
condição de se refugiarem nas terras do Germanelo, de
as cultivarem e de as defenderem dos ataques dos
inimigos. Datará deste período a construção ou
reconstrução do castelo, implantado para servir de posto
avançado da segurança no trajeto Ansião-Condeixa,
através do vale do Rabaçal. Com o avanço das fronteiras para o Sul, o castelo perdeu a sua
função estratégica, vindo a ser abandonado.
A Lenda dos Irmãozinhos
Conta a lenda que em cada um dos montes habitava um ferreiro – os irmãos
Germanelo (a norte) e Jerumelo (a sul).
Os seus pais seriam pobres, não teriam mais que deixar a estes irmãos do que apenas
duas forjas, um martelam e a arte de trabalhar.
Estando cada um em seu monte com a sua respectiva forja, o martelo serviria
alternadamente.
A curta distância entre o topo dos dois montes permitia que os irmãos, dois gigantes,
atirassem o martelo um ao outro quando dele precisavam.
Assim, nas redondezas escutar-se-ia com frequência os dois ferreiros a comunicarem
entre si -“Germanelo passa para cá o martelo” e em contraposição - “Jerumelo, atira para
cá outra vez o malho”.
Um dia, Jerumelo zangou-se com o irmão e atirou-lhe o martelo com tanta força que
este se desconjuntou, caindo o ferro na encosta do monte Germanelo, fazendo brotar
uma fonte de água férrea de onde surgiu a povoação da Fartosa (em 1160 dizia-se
Ferratosa e em 1420 já era designada por Ferretosa). O cabo de madeira de zambujo,
mais leve, foi espetar-se numa terra a dois quilómetros de distância, fazendo nascer um
Latitude 39°52'29.33" N
Longitude 8°21'04.89" 0
2
3