Aeroporto Industrial

Сomentários

Transcrição

Aeroporto Industrial
Aeroporto Industrial
D il C
Danilo
Colares
l
d
de A
A. M
Moreira
i
Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais
Fórum Nacional de Logística
Belo Horizonte 09 de novembro de 2011
Comércio mundial crescendo mais rapidamente do que o PIB mundial
Crédito:
Boeing 747 adaptado para
transporte de partes do B787
Fatos do modal aéreo
9 A logística
g
aérea e a nova economia estão intrinsecamente
relacionadas;
9 40% do valor do comércio internacional e transportado por via aérea
(apenas 2% do peso total);
9 O tráfego
t áf
mundial
di l de
d carga aérea
é
d
deverá
á triplicar
t i li
nos próximos
ó i
17
anos (a carga aérea expressa deverá crescer três vezes mais
rápida);
9 13% do valor comércio exterior brasileiro é feito pelo modal “aéreo”
((versus 0,1% em termos de p
peso);
)
9 MG responde por apenas 4,2% do comércio aéreo brasileiro, apesar
de participar com 10% da corrente de comércio do país.
país
Exportações dos EE.UU
por via aérea e marítima
1990, 1996 e 2003
( US$ MM )
1990
1996
2003
V l total
Valor
t t l
$ 261
261,298
298
$ 417
417,434
434
$ 441
441,807
807
Aéreo
$ 10,471
$ 196,182
$ 235,601
Marítimo
$ 150,827
$ 221,252
$ 206,205
Legislação - Aeroporto Industrial.
Î Instrução Normativa/SRF nº 241, de 06/11/02;
Î Tratamento tributário estadual diferenciado - Lei n°.
13449 / 2000 – “Programa Pró-Confins”, e Regime
Especial da SEF.
SEF
Î Decreto Estadual 44.210/06, de 20/01/06;
Aeroporto Industrial
Regime
g
Aduaneiro Especial:
p
Aeroporto
p
e Porto Seco Industrial
9 Conceito similar ao norte-americano de “Free Trade Zone” (FTZ),
com controle aduaneiro:
9 Com
C
suspensão
ã dos
d impostos
i
sobre
b componentes importados
i
d
9 Com diferimento dos impostos na aquisição de insumos
nacionais
9 Com isenção dos impostos sobre o produto acabado
exportado
9 Os impostos somente se aplicam no caso de serem
comercializados no mercado interno e pagos após a venda ao
consumidor final
Objetivos
9 Consolidação da Região Metropolitana de Belo Horizonte como um
pólo dinâmico
exterior;
de logística e serviços avançados de comércio
9 Aumento da competitividade da empresa mineira,
9 Incremento das atividades no Aeroporto Internacional Tancredo
Neves e no seu entorno;
9 Incremento das atividades nos Portos Secos do Estado de Minas
G i
Gerais.;
9 Consolidação de um pólo da industria aeronáutica na RMBH.
Público-alvo
9Indústrias com alto conteúdo tecnológico e/ou alto valor agregado
(aeroespacial
e
defesa,
eletroeletrônica,
informática,
telecomunicações, “quick assembling”, ciências da vida( life
science);
9Prestadores de serviços avançados de logística e de apoio ao
comércio exterior, centros de distribuição (inclusive de perecíveis),
comércio eletrônico e manutenção aeronáutica.
aeronáutica
Vantagem Diferencial
9Redução de custo logístico
9Tempo de desembaraço - despacho
9Seguro
9Financiamento
Financiamento
9Capital de giro
9Tributário
Industrial Airport – Clamper Plant
Industrial
Airport – Clamper Plant
Aeroporto indústria do AITN
Um dos principais investimentos na CidadeCidade-Aeroporto de Belo Horizonte
Área já foi definida pela INFRAERO
Perspectiva da entrada principal e do prédio da
Alfândega
Obras em curso
Perspectiva do projeto implementado
EMPREENDIMENTOS/SERVIÇOS QUE CONSOLIDAM A CIDADE‐AEROPORTO DA RMBH
PERSPECTIVA DA ZONA ESPECIAL DE DESENVOLVIMENTO – ZED
(
(AEROPORTO INDÚSTRIA) NO AEROPORTO INTERNACIONAL TANCREDO NEVES
)
1ª Fase
2ª Fase
perspectiva
PARCEIROS, APOIADORES E CONSULTORES
Consultorias Nacionais e Internacionais
Acordos e Convênios 2004 – Kenan Institute/ The University of North Caroline – Prof. PhD. John Kasarda ‐ EUA
2004
K
I tit t / Th U i
it f N th C li
P f PhD J h K
d EUA
2005 – Lufthansa Consulting – Alemanha 2008 – Jurong Consultants – Cingapura
– Changi Airports Consultants– Cingapura – Frost & Sulivan – Cingapura
2009 – Consórcio BHMais 2008 ‐ Cooperação Técnica entre INFRAERO e o Estado de Minas Gerais
2008
Cooperação Técnica entre INFRAERO e o Estado de Minas Gerais
2009 ‐ United States Trade and Development Agency – USTDA (Business Plan do Pólo Aeronáutico)
‐ Banco Mundial (Logística Aérea para escoamento de frutas do Projeto Jaíba)
‐ Fondo de Estudios de Viabilidad – FEV – Espanha (Estudo de traçado do metrô da estação d o
Vilarinho ao AITN – Plataforma Logística de Comércio Exterior do AITN) Esquema de uma Aerotrópolis,
apud Prof.
Prof Dr.
Dr John D.
D Kasarda
Aerotrain
Business Park
Industrial
Park
Ai C
Air
Cargo
Flow-Thru
and
E-Fulfillment
Facilities
Aero
otrain
Research/
Technology
gy
Park
Hotell
Bonded
Warehouse
District
Business Officesc
Terminal/
Shopping Arcad
des
Aerolanes
Hotel Business
s Offices
Residential
Terminal/
Shopping Arcades
Hotel and
Entertainment
District
Logistics Park
d
and
Free Trade Zone
Industrial Park
Residential
Distribution
Center
Aeroporto Internacional
Sub Way - Filipinas
Sub-Way
Aeroporto Internacional
Hong Kong
Aeroporto Internacional
Incheon - Coréia do Sul
Alliance Texas USA
Alliance Gateway 60
180,000 SF Available
Alliance Gateway 52
262 500 SF Available
262,500
Alliance Gateway 2
445,870 SF Available
Alliance Gateway 72
472,500 SF Available
Alliance Gateway 15
18,725 SF Available
Alliance Gateway 23
71,250 SF Available
Alliance Gateway 18
399,000 SF Available
O HUB de Incheon conecta 63 empresas aéreas a 138 cidades e HUB´ss aéreos em 41 países
HUB
aéreos em 41 países
Um HUB aéreo melhor para o mundo
Crédito:
…existe um movimento mundial tendente à adoção do modelo
de negócios de uma “cidade aeroporto”. Muitos exemplos
demonstram o sucesso dessas iniciativas.
Cidades Aeroportos/Aerotropolis e Regiões Aeroportuárias
Crédito:
Airport Cities Magazine – Maio 2008
Foto: Emmanuel Pinheiro/Estado de Minas
Danilo Colares de A. Moreira
Subsecretaria de Assuntos Internacionais
Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico
Tel: (31) 3915-3053
3915 3053
E-mail [email protected]

Documentos relacionados

Danilo Colares Araújo Moreira

Danilo Colares Araújo Moreira ORDENAMENTO ECONÔMICO – Vetor Norte - RMBH PARCEIROS, APOIADORES E COSULTORES Consultorias Nacionais e Internacionais

Leia mais

Plano MacroEstrutural

Plano MacroEstrutural provida pelo corredor que se desdobra como uma avenida para o tráfego de alta velocidade. Projetado para acomodar cargas veiculares mais pesadas, o corredor pode suportar os altos níveis de ativida...

Leia mais