outubro de 2015

Сomentários

Transcrição

outubro de 2015
O U T U B R O
POLÍTICA
d e
2 0 1 5
Actividade Presidencial
Mega aeroporto internacional de Luanda
Presidente radiografa evolução das obras
O Presidente da República,
Camarada José Eduardo dos Santos,
efectuou (26/10) uma visita de trabalho
às futuras instalações do novo aeroporto
internacional de Luanda, a fim de
se inteirar da execução das suas obras.
N
uma visita de duas
horas, o Chefe de Estado, na sua chegada
ao local, recebeu explicações
do que já foi feito e o que falta
concluir, dos ministros dos
Transportes, Augusto da Silva
Tomás e do Urbanismo e Habitação, José da Silva e, do representante da empresa China
International Fund Limited, responsável pelas obras.
A segunda parte da visita de
José Eduardo dos Santos que
esteve em companhia do VicePresidente da República, Manuel Vicente, ficou marcada pela observação das instalações
do terminal de passageiros, a
pista sul e norte de aterragem
das aeronaves do referido empreendimento, percurso que o
fez de automóvel.
Ao Presidente José Eduardo dos Santos foi também dado
a ver o terminal de passageiros
e o VIP, este último com uma
placa independente.
O novo aeroporto internacional de Luanda, tem uma
área total de cerca de 75.5 quilómetros quadrados e as suas
obras deverão terminar em
2017. O empreendimento vai
movimentar 15 milhões de pessoas por ano.
Acompanharam o Chefe de
Estado angolano nesta sua
quinta visita a este aeroporto,
membros do Executivo, responsáveis do Governo da Província de Luanda e outras individualidades.
Novo aeroporto
operacional até 2017
Em construção a uns 40
quilómetros a sudeste do centro da cidade (Luanda) numa
área de 1.324 hectares, o novo
aeroporto terá 31 mangas e
equipamentos aeronáuticos
modernos.
Terá duas pistas duplas
com capacidade de aterragem
do maior avião comercial do
mundo, o Airbus A380, entre
outras infra-estruturas de
apoio, que serão o suporte para
a movimentação de 15 milhões
de passageiros por ano.
Na última visita ( este ano) o
Presidente da República tomou
conhecimento do que já foi executado de 2004 até Março de
2015, com principal destaque
aos acabamentos das zonas
de voo, terminais, controlo de
tráfego e instalações de apoio
(complementares), a descrição
de acessos rodoviários e ferroviários, estes que vão do centro da cidade até as cercanias
do novo aeroporto internacional de Luanda, entre outras.
Plano metropolitano de Luanda
A edificação do novo aeroporto
internacional de Luanda já se enquadra
no Plano Director Geral Metropolitano
de Luanda (PDGML), uma estratégia
definida para um período de 15 anos
e que visa tornar a capital mais compacta.
S
egundo a coordenadora
do PDGML, Neusa
Inglês, que falava à
imprensa (26/10) dentro do
plano director o novo aeroporto
não foi posto de parte. "É uma
infra-estrutura que vai atender o
INSCRITO NO
MINISTÉRIO DA
COMUNICAÇÃO
SOCIAL SOB O Nº:
129/B/96
Propriedade: MPLA
www.mpla.ao
crescimento da província de
Luanda".
Neusa Inglês, que falava à
margem da visita do Presidente
da República, José Eduardo dos
Santos, às obras do novo Aeroporto Internacional de Luanda,
Neusa Inglês, coordenadora
do PDGML
referiu que o desenvolvimento
da cidade aeroportuária já tem
em vista a integração na cidade
de Luanda. Disse que a referida
integração vai ser feita com base
no plano director da província de
Luanda, em curso.
O representante da China
International Fund Limited
(CIF), empresa que executa as
obras de construção do novo
aeroporto, Ju Lizhao, reafirmou
a entrada em funcionamento
da infra-estrutura para Abril de
2017. No auge das obras, disse
Ju Lizhao, a CIF espera ter
uma média de cinco mil trabalhadores em operação no aeroporto.
Angola sendo um grande
corredor aéreo internacional,
bem localizado do ponto de
vista estratégico, com investimentos correlacionados no
sector aéreo, marítimo, portuário e ferroviário, com este
aeroporto vai de certo modo
criar as condições de infraestruturas fundamentais para
relançar o sector da indústria,
agricultura, pecuária, pescas e
demais serviços.
O novo aeroporto internacional está localizado na comuna do Bom Jesus, no município
de Icolo e Bengo, província de
Luanda, e a sua construção teve
início em 2007.
Está dividido em quatro
áreas: zona de voos, terminais,
áreas de controlo de tráfego e
instalações de apoio. Os terminais vão albergar 31 mangas, 20
das quais para a área internacional e 11 para a doméstica.
O aeroporto possui duas pistas, sendo que a pista norte possui 3800 metros de comprimento
e 60 metros de largura, com
capacidade para acolher aviões
Boeing 747, e a pista sul, com
quatro mil metros de comprimento e 75 metros de largura,
podem aterrar e descolar aviões
Airbus 380.
DIRECÇÃO – Director: Emanuel Mangueira da Silva ([email protected]); Administrador: Fernando
Jaime; Chefe de Redacção: Hermínia Tiny ([email protected]) – REDACÇÃO – Política: Hermínia Tiny
(Editora); Sociedade: João Valente (Editor); Reconstrução e Desenvolvimento: Joaquim Guilherme (Editor);
Actualidade: Estêvão Rodrigues (Editor); Cultura e Desporto: Ferraz Neto (Editor); Redactores: Ema Mungala,
Nelson José, Domingos Luís Ganga, Ermelinda Júnior e João Cipriano; Fotografia: Hélder Neto (Editor), Domingos
Gaio e João Luís; Concepção Gráfica e Composição: Leonel Ganho (Editor) e António Pompílio –
ADMINISTRAÇÃO: Contabilidade: Fátima Daniel, Relações Públicas e Marketing: Marisa de Oliveira; Distribuição
e Vendas: Ângelo Vunda – DIRECÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E REDACÇÃO: Sede Nacional do MPLA, 3º andar/DIP/CC;
TLM: 912513004; AGÊNCIA DE NOTÍCIAS: ANGOP; RESPONSABILIDADE EDITORIAL: Secretariado do Bureau
Político do MPLA; TIRAGEM: 10.000 exemplares.
2
O U T U B R O
d e
2 0 1 5
POLÍTICA
Actividade Presidencial
José Eduardo dos Santos recebe
homólogo do Bostwana
O Presidente da República, José Eduardo dos Santos,
recebeu (13/10), no Palácio Presidencial,
o Presidente da República do Botswana, Seretse Khama
Ian Khama, em visita oficial de trabalho a Angola.
N
o encontro os dois
estadistas abordaram
assuntos de interesse
comum, da região onde os dois
países estão inseridos (África
Austral) e também de carácter
internacional.
À sua chegada, Seretse Khama recebeu cumprimentos de
boas vindas do Chefe de Estado
angolano, José Eduardo dos
Santos, tendo de seguida cumprido algumas formalidades pro-
tocolares antes da sua entrada
para o Palácio Presidencial.
Antes do encontro privado os
dois presidentes discursaram na
abertura de uma reunião a nível
ministerial de ambos países, onde estes (ministros) analisaram
questões nos domínios da Agricultura, Geologia e Minas, Energia e Águas, Comércio, Ambiente e, Político-diplomático.
O programa da visita da delegação presidencial incluiu ain-
da a realização de uma sessão
solene especial da Assembleia
Nacional, no Palácio dos Congressos.
Angola e Botswana mantêm relações diplomáticas
desde 1975, que resultou na
assinatura do Acordo Geral de
Cooperação, em Fevereiro de
2006. Ambos os países são
membros da Comunidade de
Desenvolvimento da África
Austral.
PR defende política de diversificação económica
O Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, defendeu (13/10), na cidade de Luanda,
a adopção de políticas idênticas em Angola e Botswana, com vista à diversificação
das respectivas economias, para fazer face à situação da crise internacional.
P
or ocasião da visita oficial de Sua Excelência,
o Presidente do Botswana, Seretse Khama Ian
Khama, a Angola, o Chefe de
Estado angolano proferiu um
importante discurso, cujo teor
transcrevemos na íntegra:
“Sua Excelência
Seretse Khama Ian Khama,
Senhores ministros das
delegações da República do
Botswana e da República de
Angola,
Senhores embaixadores,
Minhas senhoras e meus
senhores,
Caro irmão,
É com bastante satisfação
que o recebemos hoje no nosso
país, nesta sua primeira visita de
Estado à República de Angola.
Essa visita traduz os laços culturais e de amizade existentes
entre os nossos dois países e a
nossa vontade comum, de elevarmos as relações de cooperação económica.
Espero que, durante esta sua
breve estadia, possa desfrutar
da tradicional hospitalidade do
povo angolano e sentir-se aqui
como se estivesse no seu próprio país.
De facto, os laços culturais e
históricos que nos unem transcendem a distância geográfica
que nos separa e constituem
factores susceptíveis de conferir
maior dimensão e fortalecimento
ao relacionamento existente
entre os nossos dois Estados.
Por essa razão, temos vindo
a desenvolver esforços, no sentido de contribuir para o proces-
so de integração regional de forma harmoniosa, o que implica,
também, aprofundarmos as relações de cooperação e parceria
nos mais distintos domínios,
principalmente naqueles em que
as valências de cada um possam contribuir para a criação de
vantagens recíprocas.
Na verdade, o futuro do processo de integração regional
depende do desenvolvimento
económico, social, político e cultural de cada um dos nossos
países. O desenvolvimento deve
aproximar-nos e exige, para
tanto, uma cooperação permanente, baseada em relações
harmoniosas e fraternas.
Deste modo, desejamos ver
reforçadas as nossas relações
de cooperação bilateral que
hoje, com a sua visita, encontram uma oportunidade de serem perspectivadas e relançadas.
São muitos os domínios em
que Angola e o Botswana podem cooperar com benefícios
recíprocos, nomeadamente na
agricultura, energia e águas,
hotelaria e turismo, ambiente,
geologia e minas, telecomunicações e comércio etc.
O contexto actual que os
nossos países vivem, em virtude
da situação da crise internacional, levam-nos a adoptar
políticas idênticas com vista à
diversificação das nossas res-
3
pectivas economias, havendo,
por conseguinte, a necessidade
de se privilegiar a cooperação
sul-sul, por forma a encontrarmos, nas potencialidades humanas e materiais existentes nos
nossos países, a solução para
fazer face às dificuldades actuais.
Por outro lado, os países da
região austral, integrados na
SADC estão a edificar Estados
democráticos e de direito, realizam periodicamente eleições
gerais livres e justas e procuram
respeitar os princípios fundamentais que devem reger as
democracias modernas.
Esta identidade de princípios
entre os nossos países facilita,
também, o diálogo, a solidariedade e a cooperação a nível político e diplomático.
Senhor Presidente,
Os nossos dois países devem, igualmente, conjugar os
seus esforços, no sentido de se
preservar o clima de paz, estabilidade política e segurança que a
região austral vive actualmente,
tendo em conta que este é o
principal garante de condições
para o desenvolvimento.
Daí o nosso empenho, em
buscarmos as melhores vias de
prevenção, gestão e resolução
de diferendos e conflitos em África, em especial na África austral,
central e na região dos Grandes
Lagos, na perspectiva de criarmos condições que propiciem o
progresso e o bem-estar dos
nossos povos.
Deste modo, devemos fazer
as concertações necessárias e
conjugar esforços para combater o terrorismo, a imigração ilegal, o tráfico de armas, de narcóticos, de seres humanos e de
espécies biológicas ameaçadas
de extinção, bem como a destruição dos ecossistemas e a degradação ambiental, de um modo geral.
Senhor Presidente,
Urge que os nossos países
adoptem um Plano de Acção,
com prazos e metas bem definidas, com vista à troca de conhecimentos e de experiência e
ao estudo das potencialidades
existentes de interesse comum e
procedam o relançamento dos
trabalhos da nossa Comissão
Bilateral.
Senhor Presidente,
Reitero os meus votos de
boas vindas a si e a delegação
que o acompanha, desejando
que esta visita alcance os objectivos que os nossos dois povos e
Governos almejam.
Muito obrigado”
O U T U B R O
POLÍTICA
d e
2 0 1 5
Marcha em apoio ao Presidente Dos Santos
Militantes, simpatizantes
e amigos do MPLA,
participaram (17/10),
em Luanda, numa
marcha pelas ruas
desta cidade para
apoiar a mensagem
sobre “O Estado da
Nação”, que o
Presidente da República
de Angola, Camarada
José Eduardo dos
Santos, endereçou,
a todo o país,
na abertura do Ano
Parlamentar 2015/2016.
junta milhares de cidadãos
A
s avenidas da capital
angolana estiveram coloridas com a movimentação em massa dos populares
que ao passarem pelas várias
artérias da cidade acenavam
com bandeiras, ao som de palavras de ordem, como, “Dos
Santos amigo, o povo está contigo”. Este calor humano contagiou outros cidadãos que dos
seus prédios e casas também
apoiaram vivamente o Chefe de
Estado.
Já com o slogan “Paz sim,
Confusão não”, os milhares de
cidadãos repudiaram vivamente
os actos de subversão praticados por alguns cidadãos que
pretendem fomentar o descontentamento através de mentiras
e calúnias contra o governo de
Angola e o MPLA.
A marcha foi uma iniciativa
do Comité Provincial do Partido
de Luanda e teve como ponto de
partida o Porto de Luanda e chegada no Largo das Escolas, onde culminou com a realização de
um acto político e cultural.
Acto político
e cultural de massas
No final do evento, orientado
pelo segundo-secretário do Comité Provincial do Partido de
Luanda, camarada Jesuíno Silva
os militantes, simpatizantes e
amigos do MPLA foram informados sobre a mensagem do Camarada Presidente e esclarecidos sobre os vários factos políticos que têm ocorrido em Angola.
Na ocasião, Jesuíno Silva
referiu as várias acções tendentes ao desenvolvimento sustentável do país e bem-estar dos cidadãos angolanos, através da
manutenção da paz, consolidação da democracia, unidade
nacional e de outros pressupostos que concorrem para o progresso económico-social de Angola e o equilíbrio das famílias.
O político apontou a identificação de estratégias conduzentes a identificar os caminhos para ultrapassar o período menos
bom que estamos a viver, em
termos de economia, que não é
uma vontade dos angolanos,
mas sim um processo conjuntural que neste momento aflige o
mundo inteiro”.
Ao usar da palavra, a primeira-secretária local do MPLA, camarada Joana Quintas, enfatizou a posição do MPLA por se
afirmar como o único partido capaz de manter o bem-estar da
população angolana e da juventude em particular.
O evento contou com a presença de membros do Governo,
do MPLA e suas organizações
(OMA e JMPLA), autoridades
tradicionais, entidades religiosas, estudantes e docentes, deputados e membros da sociedade civil.
4
O U T U B R O
d e
2 0 1 5
POLÍTICA
Camarada Roberto de Almeida
JMPLA deve assumir postura exemplar
O Vice-presidente do MPLA, camarada Roberto de Almeida,
disse em Luanda, que os dirigentes e quadros da JMPLA têm
de assumir uma atitude exemplar na sociedade, colocando
os interesses da Nação acima das vantagens pessoais.
R
oberto de Almeida, que
falava na abertura da
Conferência Nacional
no Complexo Turístico Futungo
II, sob o lema “A Juventude e
os 40 Anos da Independência
Nacional”, afirmou que a
JMPLA deve primar pelo trabalho colectivo e entreajuda na
realização das tarefas, promovendo, por esta via, a unidade e
coesão no seio da organização.
Na sua intervenção, o vicepresidente reconheceu o aumento do sentido de responsabilidade e da consciência política e ideológica da juventude
angolana.
“Torna-se cada vez mais imperioso a aposta do capital humano, a formação de quadros
em todos os níveis, precisamos
de jovens competentes, responsáveis, jovens com educação humanista; que sejam auxiliares na construção do seu
pensamento crítico; precisamos de lideranças juvenis, mas
uma liderança ética, forjada na
educação com respeito aos
princípios e valores fundamentais”, frisou o vice-presidente.
A conferência abordou dois
importantes temas com destaque para o Contributo da Juventude nas várias etapas do
processo político e a Consolidação do Estado Democrático
e de Direito, apresentado pelo
ministro da Administração do
Território, camarada Bornito de
Sousa.
Outro tema desafiante foi o
que abordou o EmpreendedorismoJuvenil e os Desafios da
Diversificação da Economia
Nacional, apresentado pelo
camarada Manuel Nunes Júnior.
Enquanto que a Secretária
de Estado das Relações Exteriores, Ângela Bragança, falou
da “Afirmação de Angola no
contexto Regional e Mundial”.
“A juventude angolana escreveu assim nas páginas brilhantes nos anais da história da
luta contra o colonialismo Português, na clandestinidade, nas
prisões e campos de concentração, na resistência contra o
trabalho forçado e todas as formas de discriminação, no exílio
e todas as vicissitudes aí sofridas, no maquis de armas na
mão contra o regime opressor
em guerra desigual e prolongada”, frisou.
Segundo Roberto de Almeida, na fase actual, são de destacar as acções positivas da
JMPLA junto da sociedade,
como por exemplo, os campos
de férias dos estudantes Universitários, as brigadas de luta
contra a sinistralidade rodoviária, feira do auto-emprego e
empreendedorismo e as acções no âmbito da exaltação do
patriotismo, visando o resgate
dos valores morais.
No seu ponto de vista, a juventude angolana continua
firme na defesa da integridade
territorial tantas vezes em perigo ao longo destes 40 anos de
existência, com enormes sacrifícios e renuncia aos seus sonhos imediatos de formação
académica e profissional.
Roberto de Almeida disse,
por outro lado, que a juventude
angolana é também o alvo
predilecto das tentativas de ali-
ciamento por parte de elementos que procuram semear conflitos, através do fomento de
acções desestabilizadoras e
manobras de divisão do nosso
povo
“ O MPLA considera que a
juventude deve desempenhar
um papel crucial em todo o processo de reconstrução e desenvolvimento do país, não só
porque ela constitui a maioria
da população, mas sobretudo
porque é aquela camada da
população que apresenta maior
potencial de desenvolvimento.”, sublinhou.
Por isso, no seu entendimento, a juventude angolana
deve reforçar as iniciativas para
a resolução dos seus problemas essenciais, Precisa despirse do complexo ideológico para, unido na diversidade, continuar na marcha do progresso
rumo ao desenvolvimento de
Angola.
Estiveram presentes os secretários nacionais da JMPLA,
membros do BP e CC do
MPLA, membros do Secretariado Nacional da OMA e da
JMPLA.
Sob a égide da JMPLA, o
evento juntou igualmente membros, simpatizantes e amigos
da Organização, líderes juvenis
partidários, sociais e religiosos.
Emília Rita
Evidenciado empenho
da JMPLA na expansão
do Ensino em Angola
O Vice-presidente do MPLA
reconheceu que a expansão
escolar nos primeiros anos da
independência e os destacamentos juvenis de produção e
as brigadas juvenis de trabalho
voluntário, foram o resultado do
árduo trabalho desenvolvido
pela juventude angolana.
Para o político a JMPLA
sempre assumiu a liderança
das principais acções junto do
segmento juvenil angolano,
com particular destaque para
as tarefas de educação e da
produção.
5
O U T U B R O
POLÍTICA
d e
2 0 1 5
BP do MPLA recomenda respeito
pelas instituições angolanas
O Bureau Político do Comité Central recomendou, (03/11),
o maior respeito pelas instituições angolanas e condenou todo
o tipo de ingerência externa nos assuntos de Angola.
E
sta afirmação vem expressa no Comunicado
do Bureau Político do
MPLA , saído da sua 5ª Reunião
Ordinária, que transcrevemos a
seguir:
“Sob a direcção do CAMARADA JOSÉ EDUARDO DOS
SANTOS, Presidente do MPLA,
teve lugar, aos 03 de Novembro
de 2015, a 5ª Reunião Ordinária
do Bureau Político do Comité
Central, que analisou assuntos
relativos à vida interna do Partido e à governação do país.
No quadro do Processo Orgânico do VII Congresso Ordinário do MPLA, o Bureau Político
do Comité Central apreciou o
Projecto de Resolução sobre os
Princípios, as Percentagens e as
Quotas Aplicáveis na Indicação
de Candidatos para a Continuidade e para a Renovação, bem
como tomou conhecimento da
Proposta de Metodologia de Selecção de Novos Talentos para
os órgãos colegiais.
O Bureau Político do Comité
Central do MPLA considera de
crucial importância a estabilidade da ordem organizativa do
Partido, razão pela qual atribui
especial atenção à gestão dos
seus quadros, mediante a atracção e potenciação de novos talentos, com provas dadas, em
termos de militância, competência e mérito.
Ainda no concernente à vida
interna do Partido, o Bureau
Político do Comité Central apreciou o Modelo de Livro de Registo de Militantes do MPLA, instrumento que visa elevar os níveis de controlo dos militantes, o
Projecto de Regulamento de
Organização e Funcionamento
das Organizações de Base, o
Projecto de Resolução Sobre a
Adequação da Estrutura do Partido no Município do Lóvua, na
Lunda-Norte e aprovou a Agenda de Trabalhos para a próxima
sessão do Comité Central.
O Bureau Político do Comité
Central aprovou a Directiva sobre as Comemorações do 59º
Aniversário da Fundação do
MPLA, a assinalar-se a 10 de
Dezembro próximo, tendo instado os seus militantes, simpatizantes e amigos a participarem,
de forma entusiástica, nas actividades alusivas à efeméride,
exaltando os esforços do Executivo, na realização dos anseios e
aspirações mais prementes dos
angolanos.
O Bureau Político do Comité
Central apreciou os anteprojectos de Plano Geral de Actividades do Partido para 2016, do
Plano de Eventos Centrais do
MPLA e do Orçamento Geral do
Partido para o mesmo período,
cujas acções inscritas são, principalmente, inerentes à preparação e realização do VII Congresso Ordinário, a ter lugar em
Agosto de 2016, sob o lema
“MPLA - COM O POVO, RUMO
À VITÓRIA”.
Ao apreciar a evolução da situação política nacional e internacional, o Bureau Político do
Comité Central do MPLA notou,
com preocupação, o facto de
certos círculos nacionais e internacionais terem enveredado por
uma atitude de pressão sobre as
autoridades angolanas, em particular sobre o Titular do Poder
Executivo, com vista à libertação
de cidadãos, formalmente acusados de actos preparatórios de
rebelião, com o objectivo de derrubar o Governo, legitimamente
constituído em Angola, de uma
forma anticonstitucional.
Consciente de que compete
somente aos tribunais, de acordo com a Constituição da República de Angola, administrar a
justiça em nome do povo e sem
prejuízo do princípio da presunção de inocência, o Bureau Político do Comité Central do
MPLA reafirma a defesa da aplicação da separação de poderes,
elemento basilar do Estado democrático de direito, consagrado
no Artigo 2º da carta magna angolana e realça a sua total confiança na independência e imparcialidade do poder judicial do
país, certo de que este não se
deixará influenciar por qualquer
mecanismo de pressão.
O Bureau Político do Comité
Central do MPLA reitera o seu
incondicional apoio ao Chefe de
Estado e Titular do Poder Executivo, CAMARADA PRESIDENTE JOSÉ EDUARDO DOS
SANTOS, pelo sentido de Estado e pela forma dedicada e serena como tem conduzido os
destinos do país.
O Bureau Político do Comité
Central do MPLA recomenda o
maior respeito pelas instituições
angolanas e condena todo o tipo
de ingerência externa nos assuntos do país, pois que Angola
é um Estado independente e soberano, que, ao longo dos seus
quase 40 anos de existência,
tem dado passos seguros, no
sentido da consolidação da paz
e da reconciliação nacional, da
unidade e coesão nacional, do
reforço da democracia, da garantia dos direitos humanos e da
elevação progressiva da qualidade de vida do povo angolano.
O Bureau Político do Comité
Central recorda ao povo angolano que essas manifestações de
ingerência externa nos assuntos
do país, apoiadas internamente
por certos círculos da oposição,
não são uma novidade.
A estabilidade política e a
evolução que o país tem evidenciado, nos mais diversos domínios da vida nacional, principalmente depois da conquista da
paz, em 2002, não agradam a
todos aqueles que, desde que
Angola se tornou independente,
em 1975, sob a direcção do
MPLA, sempre lutaram, por todos os meios (incluindo os militares), para a destruição do nosso Partido e das conquistas alcançadas pelo nosso povo.
O Bureau Político do Comité
Central exorta, assim, a todo o
povo angolano, para que, tal como no passado, se mantenha firme e vigilante e que cerre fileiras
em torno do nosso glorioso
MPLA e do seu líder, CAMARADA
PRESIDENTE
JOSÉ
EDUARDO DOS SANTOS, para
que o Executivo angolano, sob a
direcção do Partido, prossiga a
sua nobre missão de materializar as principais aspirações do
povo angolano.
MPLA – COM O POVO, RUMO
À VITÓRIA
PAZ, TRABALHO E LIBERDADE
A LUTA CONTINUA
A VITÓRIA É CERTA.
Luanda, 03 de Novembro de
2015.
O BUREAU POLÍTICO DO COMITÉ CENTRAL DO MPLA”.
Vice presidente do MPLA recebe secretária
da Federação das Mulheres Cubanas
No encontro o vice-presidente recordou o apoio de Cuba na luta pela independência
e pelo desenvolvimento de Angola, reiterando o desejo de ver consolidadas cada vez
mais as relações de amizade e de cooperação existentes entre os dois povos e países.
O
camarada Roberto de
Almeida indicou o
apoio multiforme prestado por aquele país latino-americano a Angola, com enfoque
para as áreas da Educação,
Saúde e Agricultura.
Durante a audiência transmitiu o desejo de ver reforçados os
laços de amizade e de cooperação existentes entre as duas
instituições partidárias (MPLA e
PCC) .
No decurso do encontro houve uma ampla troca sobre o trabalho de ambas as organizações políticas na actual conjuntura, bem como sobre a reabertura das relações com os
EUA, assim como o contexto
actual da região caribenha.
Roberto de almeida
aponta desafios para
a inclusão de mulheres
Já a secretária organizadora
da FMC, Surina Brooks, explicou
os propósitos da FMC no seu
relacionamento com diversas
organizações do mundo e do
desenvolvimento daquele país
latino, focada na vontade política
de empoderar a mulher na vida
política, econômica e social .
Surina Brooks afirmou que a
sua presença em Angola enquadra-se no aprofundamento
dos laços de amizade, de cooperação e de solidariedade existentes entre os dois povos e
países .
A secretária organizadora da
FMC expressou o seu agradecimento pela valiosa informação e as atenções recebidas nos
encontros que manteve com a
direcção do MPLA.
Por outro lado Surina Brooks
manifestou interesse na transferência da experiência da OMA
visando desafios para a inclusão
de mulheres como papel primordial na vida económica e política
da sociedade como resultado
dos inegáveis avanços no exercício da plena igualdade possibil-
6
itado pela Independência de
Angola .
“Neste momento, aprendemos a sabedoria das mulheres
angolanas e transportamos também a experiência das mulheres
cubanas desde os 55 anos de
organização depois de 56 do
processo revolucionário iniciado
a 1 de Janeiro de 1959, para
continuar a estreitar as relações
entre os dois países”, frisou a
dirigente .
Programa de trabalho
Durante a estada em Angola,
a deputada da FMC manteve
uma série de encontros de tra-
balho e cortesia com diversas
entidades nacionais, com destaque para o Secretariado Executivo Nacional da OMA, Grupo
de Mulheres Parlamentares, e a
direcção da JMPLA.
O programa de trabalho começou com um encontro com
os membros do Secretariado da
OMA onde foram reiterados a
necessidade de se continuar a
fortalecer a relação entre as
duas organizações, sobretudo
na troca de visitas regulares
entre as duas organizações.
A paragem seguinte foi a visita ao Memorial Dr. Agostinho
Neto e ao Instituto Nacional da
Criança .
No encontro a secretária da
FMC disse que foi analisada a
possibilidade de um intercâmbio
bilateral entre esta instituição e o
Instituto Nacional de Assistência
e Solidariedade de Cuba.
Hermínia Tiny
O U T U B R O
d e
2 0 1 5
POLÍTICA
MPLA avalia funcionamento dos órgaos do Partido
O Comité Provincial do Partido de Luanda realizou (26/10) um encontro com os membros dos grupos
de acompanhamento a todos os municípios, distritos e comunas da capital do país, para informar sobre
os trabalhos que estão a ser desenvolvidos no âmbito do 7º Congresso Ordinário do MPLA.
lho dos grupos de acompanhamento e, simultaneamente,
sublinhar a importância que
esta iniciativa assume para a
intensificação da acção política do Partido.
O político defendeu que as
acções dos grupos de acompanhamento em estreita ligação e articulação com as
bases permitirá a realização
com êxito de assembleias de
renovação de mandatos de
forma organizada e funcional.
Reforçar o Partido
O
evento foi presidido
pelo secretário do BP
para a Organização e
Mobilização, camarada Jorge
Inocêncio Dombolo e teve como objectivos essenciais, o
exame da situação económica
e social, a avaliação das políticas e o desempenho dos grupos de acompanhamento pelos problemas do País, assim
como a identificação dos prin-
cipais constrangimentos ao
seu desenvolvimento.
O encontro visou também
apresentar o guia das principais acções e afirmar as linhas da metodologia de traba-
O camarada Jorge Dombolo
salientou, de igual forma, que o
acompanhamento e avaliação
do funcionamento dos órgãos do
Partido aos diversos níveis e
mobilização da população para
continuar activamente, na consolidação da Unidade Nacional,
na preservação da Paz e na
realização do Programa de
Governo.
Assembleias das
Organizações de base
O primeiro-secretário do
Comité Provincial de Luanda do
MPLA condena as pressões ao PR
para interferir nos Tribunais
O Comité Provincial de Luanda do MPLA
condenou (27/10) as pressões e interferências
que alguns políticos e outras correntes têm
engendrado, na tentativa de constranger
o Presidente da República, Camarada José
Eduardo dos Santos, a intervir no processo dos
15 detidos acusados de preparar uma rebelião.
E
ste pronunciamento foi
feito pelo segundo-secretário do Comité Provincial de Luanda do MPLA, camarada Jesuíno Silva, durante
um encontro que manteve com
os grupos de acompanhamento
dos comités, municípios ,distritos
e comunas .
O camarada Jesuíno Silva
considerou de esforço inútil esse
tipo de pressões que se verifica
dentro e fora do país, sobretudo
de dirigentes de Estados da
União Europeia, entre os quais
Portugal que tentam condicionar
o normal funcionamento democrático das instituições angolanas, nomeadamente dos seus
Tribunais.
Ao contestar tais posições argumentou que “curiosamente,
são os mesmos que volta e meia
questionam sem razão a independência dos Tribunais angolanos, mas hoje, porque lhes
convém, já acham normal que o
Titular do Poder Executivo interfira no Judicial”, apontou.
Jesuíno Silva lembrou que a
separação de poderes é um
princípio estruturante de qual-
MPLA, camarada Bento Bento,
deu a conhecer que as Assembleias das Organizações de
base iniciam no dia 1 de Novembro de 2015 e têm o término previsto para 30 de Janeiro de
2016.
Ao nível das comunas e distritos as reuniões terão lugar no
período compreendido entre 1 a
10, e 21 a 28 de Abril de 2016,
respectivamente.
O camarada Bento Bento
defendeu a necessidade da intensificação, domínio do programa e estatutos da formação partidária, entre os militantes por
considerar documentos fundamentais à vida do partido.
Segundo o político esta posição, visa estender a informação política e ideológica a todos os militantes do MPLA ,
organizados nos diversos órgão
do Partido.
O primeiro secretário do CPP
apontou que os desafios que se
avizinham são muitos e devem
ser encarados com responsabilidade para responder as expectativas e os propósitos do
MPLA,.
HT
quer sistema democrático e em
Angola não é diferente.
“Em Angola, tal como em
Portugal ou em qualquer outro
país europeu, o Presidente da
República não manda nos tribunais. Isso seria violar a Constituição e os princípios republicanos”, reiterou o político.
Desrespeito pelas leis configuram ingerências
Acrescentou ser estranho
que embaixadores de países
com democracias aparentemente consolidadas façam diligências em total desrespeito pelas
leis internas angolanas o que
configura “autênticas ingerências em assuntos internos”.
O político referiu que os angolanos sempre “souberam
quem trabalha de maneira abnegada em prol dos seus interesses, dos seus anseios, para uma
Angola melhor”.
Por isso , apontou a vigilância, serenidade e maturidade política como atributos dos militantes, para perceberem que
“pedir ao Presidente que interfira
no processo dos 15 detidos é fazer o jogo dos que duvidam da
seriedade das nossas instituições”.
Hermínia Tiny
7
O U T U B R O
POLÍTICA
d e
2 0 1 5
1ª reunião plenária do Comité de Especialidade dos empresários
Os membros deste Comité do MPLA
em Luanda reuniram (22/10)
para definir estratégias de
diversificação da economia nacional.
A
plenária foi presidida
pelo primeiro secretário
do Comité de Especialidade dos Empresários do
MPLA, camarada Paixão Júnior.
Na sua intervenção disse que
“os membros reuniram para
aprovarem vários documentos
que vão apoiar a classe empresarial, com vista a diversificação
da economia nacional e o empreendedorismo”.
Paixão Júnior garantiu que
os documentos aprovados serão
encaminhados à Comissão Executiva do Comité Provincial do
Partido. “O Comité de Especialidade dos Empresários trabalha
em sintonia com os órgãos superiores do MPLA para que sejam materializados os nossos
projectos”.
O dirigente afirmou que dos
documentos aprovados destacam-se três: “Plano operacional
para a criação do cluster agroin-
dustrial”, “Criação de uma sociedade que vai gerir este cluster
agroindustrial” e “Criação de um
gabinete empresarial público privado que vai atender as questões ligadas à área das indústrias”.
Por sua vez, o camarada Jesuíno Silva disse que o Comité
de Especialidade dos Empresários vai ajudar o Executivo angolano a traçar estratégias que
vão facilitar na diversificação da
economia nacional.
“É neste Comité onde os empresários do Partido passarão a
debater trimestralmente políticas
acertadas de promoções e sobretudo o proteccionismo do empresariado”, disse Jesuíno Silva.
O político, Jesuíno Silva,
concluiu que a plenária foi positiva e proveitosa. Em breve teremos os resultados das estratégias que foram gizadas neste
evento.
O Comité de Especialidade
dos Empresários é o 17º
órgão consultivo que agrupa
os militantes do Partido com
formação especializada em
áreas temáticas importantes
da vida política, económica,
social, cultural, técnica e científica.
Emirados Árabes Unidos
MPLA aumenta as suas fileiras
A Comissão
Dinamizadora para
a Criação das
Estruturas do MPLA
nos Emirados Árabes
Unidos realizou
(31/07) em Dubai,
a sua assembleia
de militantes com
vista a apresentar
as estruturas de base
do Partido naquela
comunidade.
O
encontro realizado no
Hotel
Internacional
serviu também para
empossar os membros da Comissão Executiva dos comités
de acção (Cap’s) do MPLA em
Abu-Dhabi, Dubai e Sharjah.
A assembleia presidida
pelo coordenador da Comissão Dinamizadora, camarada
José Andrade de Lemos,
aprovou as actas das reuniões
de concertação para a constituição dos referidos CAP’s,
decorridas nos dias 16 e 28 de
Julho último.
Durante o acto, tomaram
posse os membros da Comissão Executiva do CAP de AbuDhadi, na qual fazem parte os
camaradas Dionai Lobato Pires, primeiro secretário, e
restantes membros Yolanda de
Carvalho, David dos Santos,
Manuel de Jesus e, Cláudio
Conceição.
Para a Comissão Executiva
do CAP do DUBAI, integram os
camaradas Victor Roffima Calado, primeiro secretário, Paulo
Alberto Silva Lopes da Cruz,
Walter Baltazar Marques, Piter
King de Castro Van-Dúnem, José Buta Neves e, Iracelma dos
Santos.
Integram a Comissão Executiva do CAP de Shariah, os
camaradas Roberto de Carva-
8
lho Francisco, primeiro secretário, Jacinto Afonso Quicassa,
Aristides Copumi, Jerson Ernesto de Lucas e, Maria Filipe
Sebastião.
Na sua breve explanação
sobre os propósitos do encontro, o camarada José Andrade
de Lemos instou aos presentes
no sentido de continuarem a
trabalhar em prol do reforço
das estruturas de base, tornálas mais dinâmicas no recrutamento de novos membros para
as fileiras do Partido nos Emirados Árabes Unidos, fazendo
jus ao slogan, “MPLA – revitalizar as estruturas para fortalecer o Partido”.
Os primeiros secretários ora
empossados agradeceram a
confiança que lhes foi depositada e manifestaram o compromisso de darem o seu melhor
em prol do MPLA.
Joaquim Guilherme
O U T U B R O
d e
2 0 1 5
POLÍTICA
Falecimento
Morreu a camarada Maria Judith dos Santos
Membro fundador da OMA
“Foi com profunda dor e
consternação que o Secretariado Executivo Nacional da OMA
tomou conhecimento do passamento físico da Camarada Maria Judith dos Santos, “Mariazinha”, uma das fundadoras da
OMA, ocorrido no dia 01 de Novembro de 2015, em Lisboa, vítima de doença.
Destacada militante, iniciou
as suas actividades em prol da
Organização da Mulher Angolana na clandestinidade, em Leopoldiville, Kinshasa, onde demonstrou, de forma ímpar, o
seu patriotismo e amor ao próximo. Uma Camarada que,
desde o início da luta armada,
esteve ligada ao MPLA, na
longa e dura luta pela libertação
de Angola e conquista da Independência Nacional.
A Camarada Maria Judith
dos Santos desde muito cedo
envolveu-se na luta de clandestinidade, onde realizou actividades de disseminação de informação política, solidariedade
com os angolanos detidos nas
cadeias, apoio aos guerrilheiros
e às famílias, assim como participou activamente no Centro
Voluntário de Assistência aos
Angolanos e Refugiados
(CVAAR) e nos Serviços de
Assistência Médica (SAM).
Entre outras formas de
apoio ao MPLA e seu ideal político, a Camarada Maria Judith
dos Santos, nos primórdios da
luta de libertação, exerceu várias funções entre as quais as
de membro do Secretariado
Executivo Nacional da OMA e
de Secretária para as Relações
Exteriores, onde soube trans-
Departamento
para a Informação
e Propaganda do MPLA
endereça condolências
mitir a sua experiência a uma
geração de mulheres.
A OMA recorda, neste momento de tristeza, a elevada
auto-estima de Maria Judith
dos Santos, bem como o espírito nacionalista, que a levaram a
separar-se da família e a juntarse ao MPLA, nas suas várias
etapas de luta e intervenção
política.
Neste momento de dor e
consternação a Organização
Desaparecimento
físico do membro
do Grupo Técnico
para a Elaboração
da História do MPLA
O Secretariado do
Bureau Político do
Comité Central do
MPLA emitiu, (04/11),
um comunicado, pela
morte do camarada
Júlio Mendes Lopes,
por doença.
Jornalista Pedro Ramalhoso
“O Secretariado do Bureau
Político do Comité Central do
Partido cumpre o doloroso
dever de comunicar o falecimento do camarada Júlio
Mendes Lopes, membro do
Grupo Técnico da Comissão
para a Elaboração da História
da Mulher Angolana apresenta as mais sentidas condolências à família enlutada,
aos amigos que com ela conviveram, aos militantes e simpatizantes.
Secretariado Executivo Nacional da OMA, aos 02 de Novembro de 2015.
Secretária-Geral da OMA,
Luzia Inglês Van-Dúnem “Inga”,
Membro do Bureau Político do
Comité Central do MPLA”.
do MPLA, ocorrido, segundafeira, dia 02 de Novembro de
2015, em Luanda, por
doença.
Jornalista, historiador, professor e investigador científico, o camarada Júlio Mendes,
que contava 52 anos de idade, foi um militante convicto,
que deu a sua prestimosa
contribuição à elaboração dos
dois primeiros volumes da
História do MPLA, referentes,
respectivamente, aos períodos 1940/1966 e 1967/1976,
obras essas que satisfazem
todos aqueles que procuram
estudar e compreender o passado recente de Angola.
Neste momento de dor e
de luto, o Secretariado do Bureau Político do Comité Central do MPLA inclina-se perante a memória do camarada
Júlio Mendes e, em nome dos
militantes, simpatizantes e
amigos do Partido, endereça,
9
Um comunicado do DIP
do Comité Central do MPLA
referiu (04/11) que o sector da
comunicação social de Angola
perdeu um valoroso comunicador.
“Foi com muita tristeza
que o Departamento de Informação e Propaganda
(DIP) do Comité Central do
MPLA tomou conhecimento
do falecimento do jornalista
PEDRO RAMALHOSO, director do Instituto Angolano
de Cinema, Audiovisual e
Multimédia (IACAM), ocorrido no dia 03 de Novembro
de 2015, em Luanda, por
doença.
O MPLA está convicto
de que, com esta infausta
ocorrência, o sector da
comunicação social de
à família enlutada, as suas
mais sentidas condolências.
Angola, muito particularmente a TPA, onde PEDRO RAMALHOSO trabalhou durante 40 anos e
o IACAM, onde, à data da
sua morte, cumpria missão de serviço, perde um
valoroso
comunicador,
que soube honrar a sua
profissão, até aos últimos
dias da sua vida.
Neste momento de dor e
de luto, o DIP do Comité
Central do MPLA endereça,
à família enlutada, à TPA e
ao IACAM, as suas mais
sentidas condolências.
A VITÓRIA É CERTA.
MPLA – COM O POVO,
RUMO À VITÓRIA
Luanda, 04 de Novembro
de 2015.
PAZ, TRABALHO E LIBERDADE
O SECRETARIADO DO
BUREAU
POLÍTIO
DO
MPLA”.
A LUTA CONTINUA
O U T U B R O
d e
2 0 1 5
MULHER ANGOLANA
UNIDA PELA
IGUALDADE
E DESENVOLVIMENTO
OMA reforça cooperação com Cuba
A Organização da
Mulher Angolana (OMA)
reafirmou (16/10), em
Luanda, a necessidade
do fortalecimento das
relações de cooperação
com a Federação de
Mulheres de Cuba, nos
domínios da formação
profissional para as
mulheres, mormente
na alfabetização.
O
desejo foi expresso à
imprensa pela secretária geral da OMA,
Luzia Inglês "Inga", no final de
um encontro com a secretária
Organizadora da Federação de
Mulheres de Cuba, Surina Costa
Brooks, tendo reiterado a importância de se manter "essa
boa relação de cooperação"
entre os dois países sobretudo
na troca de visitas regulares
entre as duas organizações.
"Cuba foi sempre um país
que deu apoio e sua solidarie-
dade internacionalista a Angola", enfatizou a secretária
geral da OMA, para quem "há
necessidade de se continuar a
fortalecer a relação entre as
duas organizações e fazer reaviver uma cooperação no domínio da formação, mormente
na alfabetização e formação
profissional para as mulheres,
contando com a experiência de
cuba".
Já a cubana Surina Costa
Brooks reconheceu que a OMA
e a Federação de Mulheres do
seu país têm elementos comuns
no concernente ao empoderamento das mulheres, nas decisões e intervenções importantes
relacionadas com Angola e
Cuba.
Para si, ambas organizações intervêm também em acções políticas junto dos seus
partidos e no âmbito social e
económico.
No final do encontro, houve a troca de presentes entre
as duas delegações, no qual a
delegação cubana apresentou
um álbum contendo fotografias das mulheres heroínas
que lutaram pela independência do seu país, o gesto foi retribuído também pela Luzia
Ingles (Inga) que ofereceu um
pano que simboliza a cultura
africana.
No Memorial António
Agostinho Neto
A secretária organizadora
manifestou-se, (17/10)em Luanda, satisfeita com a infra-estrutura do memorial António Agostinho Neto, depois de receber
explicações sobre a sua história.
No final de uma visita, Surina
Brooks disse à imprensa, que o
mausoléu conta toda a história
do pai da independência do povo angolano, o que constitui um
exemplo para a presente e futuras gerações e também para
recordar os cubanos que dignamente defenderam esta causa.
Acompanhada da secretária
geral da OMA, Luzia Inglês, que
também fez parte da história,
Saurina Books disse que, para a
OMA e a FMC constitui um momento importante sobretudo
neste momento em que o país
vai comemorar 40 anos.
Para Luzia Inglês, a visita
das mulheres cubanas ao país
visa fortalecer a cooperação, o
intercâmbio e a troca de experiência entre as duas organizações femininas.
Dirigente da OMA apela militantes à unidade
A coordenadora do grupo de acompanhamento
do Comité Nacional da OMA, para província do
Huambo, camarada Albertina Teresa José, apelou
(27/10), na comuna de Hengue, as militantes
da organização feminina do MPLA a pautarem
pela unidade na implementação de programas
que visam o progresso da mulher.
A
o falar no acto de encerramento da assembleia comunal de balanço e renovação de mandatos da OMA, Albertina José disse ser necessário existir uma
boa colaboração de trabalho
entre as mulheres eleitas e as
demais para se alcançar os
objectivos da organização.
São grandes e múltiplas as
tarefas que nos esperam ,por
esta razão a direcção da OMA
alerta as mulheres que o momento actual desperta o redobrar de grandes responsabilidades para o desenvolvimento
de um conjunto de tarefas que
se avizinha “, sustentou.
Albertina José Madalena elogiou a estratégia do Partido liderado pelo Presidente José
Eduardo dos Santos, na promoção, valorização da mulher,
bem como da sua participação
na vida política, económica,
social e cultural.
Exortou as mulheres da Organização no sentido de estar
atentas e continuarem a defender com firmeza a paz, unidade nacional e a reconciliação
nacional, bem como uma maior
união no seio das militantes,
com vista ao cumprimento dos
programas gizados, sobretudo
ba realização do VI congresso
Depois de reconhecer os esforços demonstrados pela OMA
no Huambo em prol das famílias,
a responsável exigiu das militantes coesão política e espírito
de colectividade para melhor
conduzirem os destinos da orga-
nização em todas as suas vertentes .
“Esta unidade deve prevalecer em especial na participação das militantes nos programas de desenvolvimento
que o estado angolano preconizou para o bem da nação
inteira”, disse.
A OMA disse a fonte, deve
continuar a mobilizar as militantes da organização e socie-
10
dade no geral, sobre a necessidade do resgate dos valores morais, patrióticos, assim
como na moralização da sociedade, quanto a solidariedade e respeito do património
público .
O grupo de acompanhamento, da qual integra a sua adjunta
camarada Hermínia Tiny, acompanhou as assembleias das comunas de Alto Hama, Luvemba,
Catabola e Vilinga e contou com
a presença de cerca de100 a
125 delegadas nas diferentes
assembleias .
A missão do grupo foi o de
acompanhar e constatar os desenvolvimentos de trabalho de
cinco assembleias comunais e a
organização, no tocante aos planos de acção e actividades, passando pela comuna, comité de
base e secções.
O U T U B R O
d e
2 0 1 5
OMA
Palestra de exaltação ao Presidente do MPLA
SG apela jovens
ao patriotismo
A secretária-geral da OMA, Luzia Inglês
Van-Dúnem “Inga” apelou (30/10)
aos jovens a seguirem o exemplo
de patriostimo e dedicação do Presidente
da República, José Eduardo dos Santos,
reconhecidos internacionalmente.
Homenageadas antigas combatentes
A antiga combatente como símbolo de heroísmo
da mulher angolana foi o tema de uma palestra
que marcou (23/10) o acto de homenagem
as antigas combatentes e veteranas de guerra.
O
acto, sob a égide da
OMA, homenageou
perto de 80 mulheres
que deram o seu contributo na
luta de libertação e da Independência Nacional.
Ao proceder a abertura do
encontro, a secretária-geral da
OMA, camarada Luzia Inglês,
apelou as mulheres a continuarem firmes na luta pela preservação da unidade e coesão
nacional, na consolidação da
democracia e defesa das instituições legalmente instituídas.
A dirigente saudou o MPLA
por continuar a envidar esforços e manter o compromisso
de promover acções de índole
política, social, cultural e de formação para dignificar os antigos combatentes e veteranos
da pátria e seus familiares.
"Com este gesto, o MPLA
honra a memória de todos que
lutaram para nossa liberdade e
independência, em especial e
em particular o saudoso presidente Antônio Agostinho Neto,
guia importar da revolução
angolana", sublinhou.
Por outro lado, a OMA congratula-se pelo facto do executivo angolano, na pessoa do
Presidente José Eduardo dos
Santos, estar a implementar
programas que visam melhorar
as condições de vidas dos
combatentes, que contribuíram
para a independência e paz em
Angola.
A dirigente apelou as mulheres para continuarem a exaltar o patriotismo, consolidar a
paz e a democracia em nome
da nação angolana.
O certame teve como moderador o secretário de Estado
dos Antigos Combatentes, Clemente Cunjuca.
Antigos combatentes
apelam à vigilância
e união
Os antigos combatentes e
veteranos da Pátria apelaram à
vigilância e a união de todo Povo angolano como forma de
preservar a paz tão duramente
alcançada.
A margem da cerimónia de
homenagem, por ocasião da
celebração, no dia 11 de Novembro de 2015 e dos 40 anos
de Independência de Angola,
foram unânimes em exortar o
Povo angolano, particularmente a juventude, a não se deixar
enganar, nem dar ouvidos a falsas promessas.
De nome de guerra “Isaura”,
a camarada Jacinta Luís Gomes afirma que o Povo angolano já não quer voltar à guerra
e realça a “grande alegria” que
sente desde que a paz foi
alcançada. “O Povo angolano
deve estar mais vigilante, porque houve muito sofrimento e
não se pode voltar ao passado”, enfatiza.
A
camarada
“Isaura”,
actualmente perto dos 70 anos
de idade, destaca, além da necessidade de vigilância, e como
mais importante a união e solidariedade em torno do Camarada Presidente José Eduardo
dos Santos.
Apela as novas gerações
que desconhecem a história da
luta de libertação nacional a
“primar pela formação profissional, evitando o imediatismo,
pois tudo o que se conseguiu
alcançar foi fruto de muito sangue de irmãos e irmãs derramado, por isso, deve ser bem
preservado”.
Sobre os 40 anos de independência, diz que não foram
fáceis e destacou o seu contributo com a participação na guerrilha, particularmente em Nambuangongo, 1ª Região Militar,
onde nas matas permaneceu
durante 14 anos. “Mais sempre
firme e confiante em dias melhores”, pontualiza.
Por sua vez, Domingas
Paim, irmã da heroína Lucrécia
Paim, afirma que os 40 anos de
Independência devem ser festejados com muita alegria, apesar de muitas mulheres que
participaram da luta de libertação estarem já idosas e outras terem falecido.
Membro fundador da OMA,
a camarada Domingas Paim
afirma que os caminhos trilhados pelo Povo angolano desde
o início da luta armada de libertação nacional “devem continuar a ser divulgados para que a
juventude siga o exemplo de
unidade e coragem que levou à
independência de Angola”.
“Devemos nos unir, sem
distinção de raça, nem partido
político, porque Angola tem valor e esta união vai servir para
que ninguém venha ditar regras
no nosso país”, sublinha.
11
A
dirigente partidária
lançou o apelo aquando da palestra de exaltação ao Presidente do MPLA
e da República, José Eduardo
dos Santos, pelos seus feitos
em prol do bem-estar dos
angolanos, em particular das
mulheres.
Acrescentou que as mulheres por serem a maioria
devem orgulhar-se pelo percurso político do seu líder, que
desde muito jovem entregouse com muito sacrifício e abnegação ao desenvolvimento
económico, social, cultural e
político da nação angolana.
“Angola orgulha-se por ter
este filho que soube conquistar por mérito próprio o respeito e admiração das nações
mais desenvolvidas do mundo, destacando-se com firmeza e serenidade no patamar
dos estadistas universais que
primam pelo desenvolvimento
humano, consumado com as
políticas públicas viradas ao
bem-estar das mulheres”, frisou.
Segundo Luzia Inglês, José
Eduardo dos Santos tem
sabido impulsionar, valorizar,
enaltecer e apoiar o papel das
mulheres angolanas no processo de desenvolvimento da
nação e na luta pelos seus
direitos, desde os primordios
da independência nacional,
que este ano comemora 40
anos.
Inga sublinhou, citando extractos da recente mensagem
do Presidente da República à
nação, o facto de haver entidades estrangeiras interessadas
em instalar o caos e a desordem nalguns países do continente africano para provocar a
queda de partidos políticos ou
de dirigentes com os quais não
simpatizam.
Por outro lado, disse que a
OMA notou que alguns políticos e outras correntes, dentro
e fora do país, têm criado situações na tentativa de pressionar o Presidente da República a
interveir no trabalho dos tribunais.
“A organização está consciente de que compete somente aos tribunais administrar a justiça em nome do povo
e reiteramos que a separação
de poderes é um princípio estruturante de qualquer sistema
democrático e em Angola não
é diferente, por isso, condenamos este acto ultrajante”, reiterou.
Luzia Inglês afirmou ainda
que as mulheres angolanas
não querem voltar ao passado,
onde muitos dos seus esposos, irmãos e filhos perderam a
vida, por isso, não podem
aceitar que ingerências externas venham ditar regras no
país.
Neste âmbito, apelou o
apoio incondicional ao Executivo angolano liderado pelo
Presidente José Eduardo dos
Santos, bem como exortou a
participação e engajamento na
promoção do patriostismo,
consolidação da paz e defesa
da democracia.
PUBLICIDADE
O U T U B R O
12
d e
2 0 1 5
O U T U B R O
d e
2 0 1 5
JMPLA
Angola participa na Assembleia Geral
da Federação Mundial da Juventude Democrática
Uma delegação de alto nível da JMPLA, participou (08-12/11), na 19º Assembleia Geral da
Federação Mundial da Juventude (Fgfmj), que se realizou na cidade de Havana, Cuba.
A
delegação foi chefiada
pelo primeiro secretário
da JMPLA, camarada
Luther Rescova, num encontro
em que participaram mais de 60
representações juvenis do Mundo.
O encontro previu no Programa de Trabalho a análise e discussão do relatório de actividades para balancear o trabalho
desenvolvido no quinquénio, e
onde foram traçadas as linhas
de força do Plano de Actividades
para o próximo mandato.
A Fmjd é a maior plataforma
juvenil do mundo que congrega
organizações juvenis políticas
com ideologia comunista socialista e progressista.
A sede da organização fica
na capital da Hungria, Budapeste.
O principal evento organizado pela FMJD é o Festival Mundial da Juventude e Estudantes.
A última edição do evento
aconteceu no Equador e contou
com milhares de participantes de
todo o mundo.
A Federação Mundial da
Juventude Democrática é uma
organização juvenil internacional
reconhecida pela Organização
das Nações Unidas (ONU) como uma ONG da juventude
mundial.
A entidade foi fundada em
1945, em Londres, no encerramento da Conferência Mundial
da Juventude, como un amplo
movimento internacional da juventude após o fim da Segunda
Guerra Mundial.
A FMJD tem como objectivo
promover a unidade, a cooperação, a solidariedade e ações
conjuntas, além da troca de informações e experiências de trabalhos e lutas entre as juventudes progressistas de todo o
mundo, exercendo assim um papel indispensável nas lutas contra o imperialismo, o fascismo, o
colonialismo, a exploração e a
guerra, lutando pela paz, solidariedade internacional, avanços
sociais e direitos para os jovens.
Camarada Luther Rescova
Ingombota
Cidade de Havana realizou a 19º Assembleia Geral
da Federação Mundial da Juventude
Rosária Fortunato
Huíla (Lubango)
JMPLA realiza acto em JMPLA conta
apoio a mensagem do PR com mil
O Secretariado do Comité do Distrito Urbano
da JMPLA na Ingombota, realizou recentemente no
Anfiteatro da Escola Magistério Primário de Luanda,
um Ciclo de Estudo em apoio a mensagem do
Presidente da República, José Eduardo dos Santos,
lida pelo vice-presidente, Manuel Vicente,
na abertura da 4ª Sessão da Terceira Legislativa.
O
certame visou analisar
o discurso orientador,
do Presidente da República que destaca na sua
mensagem aspectos como a
consolidação da democracia,
manutenção da unidade na diversidade, promoção do desenvolvimento humano e o bem estar da população.
O secretário da JMPLA na
Ingombota, camarada Hélder
Chahua, apelou aos membros
da organização para trabalharem na mudança de consciência
e a não aderirem as acções que
atentam a estabilidade e a
preservação da paz no país.
Acrescentou que o discurso
defende o reforço da unidade
nacional e o respeito à Constituição da República de Angola.
Neste contexto aponta a erradicação da fome e a pobreza,
bem como da melhoria da assistência médico medicamentosa, elevação do nível educacional entre outros.
De acordo com o político, a
juventude angolana exprime o
seu incondicional apoio ao processo de aprofundamento da
democracia no país assente no
pluralismo democrático.
No final, exortou a juventude
angolana a manter uma postura
digna condicente aos princípios
mais nobres da ética, do respeito, solidariedade ao próximo
e das boas práticas sociais.
e 98 novos
militantes
P
elo menos mil e 98 novos militantes de diferentes bairros do município do Lubango, província da
Huíla, ingressaram, recentemente ,nas fileiras da JMPLA,
num acto orientado pelo primeiro
secretário municipal, Victor Pacheco.
A actividade enquadrou-se
no âmbito do das comemorações dos 40 anos de Independência nacional e dos 53 anos
desde a criação da JMPLA a 23
de Novembro de 1962.
Na ocasião, o dirigente disse que o acto de ingresso constitui uma ocasião muito especial por ser o reafirmar do compromisso do militante com a organização e espera-se que a
integração dos mesmos (novos
militantes) torne a JMPLA mais
forte e preparada para os desafios vindouros.
13
Explicou que a realização do
evento está em perfeita sintonia
com a quarta etapa do processo
de ingresso no organismo juvenil
do MPLA, sendo a quinta e a
mais importante, uma vez que
este enquadramento nos núcleos existentes nas diferentes
zonas dos bairros está em conformidade com a directiva sobre
o crescimento da organização.
“Hoje ao Ingressarem formalmente na JMPLA, estão a assumir um dos mais nobres compromissos que é de se transformarem em verdadeiros soldados do povo, pois a JMPLA,
mais do que uma organização
juvenil, é acima de tudo uma
escola de promoção de valores”,
realçou.
Victor Pacheco apelou os
recém-ingressados a estarem
cada vez mais atentos e não
permitir no seu seio o boato, a
intriga e a calúnia, pois "este
comportamento vos pode desviar do principal foco que é de
tornar a JMPLA nesta circunscrição territorial numa organização cada vez mais forte e coesa".
Com esse ingresso, o número de membros da organização juvenil do partido no poder,
no município sede da Huíla,
eleva-se para 19.756 militantes.
Assistiram ao acto membros
dos grupos de acompanhamento do Comité Municipal, primeiros secretários dos bairros e militantes em geral.
O U T U B R O
E N T R E V I S TA
d e
2 0 1 5
“É excelente a formaçãode juristas
nestes quarenta anos”
O primeiro secretário do Comité de Especialidade de Juristas
do MPLA, camarada Ludgério de Jesus Florentino Peliganga
“Tino Peliganga”, disse, em entrevista ao Jornal ÉME,
em Luanda, que “a formaçãode juristas, nos 40 anos de
Independência Nacional, é positiva porqueconcretiza o plano de
formação de quadros técnicos e especializados neste domínio”.
Entrevista de: João Valente / EMS
Jornal ÉME (JÉME): Qual
a sua avaliação sobre a formação de juristas nestes 40
anos de Independência Nacional?
Ludgério Peliganga (LP):
Considero positiva a formação
de juristas nestes 40 anos de
Independência Nacional, porque está sendo concretizado o
plano de formação de quadros
técnicos e especializados neste
domínio. Esta é uma determinação da Direcção do MPLA,
para o alcance dos desígnios
de Angola.
Recordo que durante o
regime colonial a formação em
direito só era feita em Portugal.
Pela sua natureza classista,
os juristas eram tidos como elementos indispensáveis para
doutrinar e aplicar as leis em
forte ligação ou influência do
então sistema colonial e fascista, que promovia um controlo
centralizado na própria metrópole.
Além disso, a formação em
direito estava sujeita a exigências excessivas, tais como,
compromissos de portugalidade e um bom suporte financeiro, que confortassem a viagem para Portugal.
Só em 1979, com a fundação da Faculdade de Direito da
Universidade Agostinho Neto,
se realizou o primeiro curso de
direito, era o ano académico
1979/80, com pouco mais de
cem alunos. Apenas cerca de
vinte juristas concluíram com a
licenciatura. A partir daí o número de licenciados em direito
foi subindo.
Hoje, o Executivo permitiu a
abertura de faculdades de direito nas novas universidades
públicas e privadas. Em consequência, anualmente são lançados para o mercado várias
centenas de licenciados neste
ramo, o que nos leva a considerar de excelente a formação
de juristas nestes 40 anos.
Considero também que os
ganhos da Independência, na
área jurídica e noutras, devemse à aplicação das políticas de-
“Apelo a todos os juristas que
transmitam os conhecimentos
e experiências técnicas e
investigativas, capacitem,
aperfeiçoem a qualidade formativa
dos actuais e futuros membros
da classe de juristas”
finidas nos programas do
MPLA, executadas pelos governos sucessivos que adoptaram instrumentos de organização, de funcionamento e de
disciplina adequados às circunstâncias.
JÉME: Como caracteriza
o nosso Sistema de Justiça?
LP: É um sistema em grandes transformações e desenvolvimento que se vai adaptando, a cada dia que passa, às
exigências da situação e do
processo político, económico,
social e cultural que o país vive.
JÉME: Quem pode pertencer ao Comité de Especialidade de Juristas do MPLA?
LP: Todos os licenciados
em direito, sejam ou não militantes do MPLA. A adesão é
livre, tendo em conta que o
nosso objectivo é sempre crescer.
JÉME: Quais são as atribuições do Comité que dirige
e qual o perfil do membro?
LP: O Comité de Especialidade de Juristas, afecto ao
Comité Provincial do Partido
em Luanda, é um órgão intermédio que sob orientação metodológica da Direcção do Partido, cumpre as atribuições previstas no artigo 6º do Regulamento Geral de Organização
e Funcio-namento dos Comités
de Es-pecialidade e apoia o
Partido na concepção, actual-
ização e correcção de políticas
do domínio técnico-científico,
no que concerne ao direito, à
justiça, à governação e à gestão previsional de quadros.
O Comité de Especialidade
de Juristas tem inscritos acima
de quinhentos membros. O
grau de adesão é satisfatório,
na medida em que tem vindo a
aumentar o número de militantes recém licenciados, mercê
das suas expectativas e do trabalho de sensibilização das
nossas organizações.
JÉME: Estamos no mês
da nossa Independência, pode dizer-nos onde se encontrava na altura da proclamação da Independência Nacional?
LP: Na altura da proclamação da Independência, em 11
de Novembro de 1975, me
encontrava na República de
Cuba. Nessa altura era militar,
pertencente à então FAPLA e
fazia parte do grupo de 120
guerrilheiros, seleccionados na
1ª, 2ª e 3ª regiões político-militares do MPLA, por decisão da
Direcção do Par-ido e do Comando Supremo Militar das
FAPLA. Partimos para a República de Cuba para uma preparação acelerada em várias
designadaespecialidades,
mente exército, força aérea,
marinha, tropa guarda-fronteira, segurança e defesa pessoal, ante-vendo os desafios
pós-independência.
14
“Só em 1979, com a fundação
da Faculdade de Direito da
Universidade Agostinho Neto,
se realizou o primeiro curso
de direito, era o ano académico
1979/80, com pouco mais de cem
alunos. Apenas cerca de vinte juristas
concluíram com a licenciatura”
A informação sobre os
acontecimentos que antecederam o dia da Independência
e o próprio, em que a nossa
maior curiosidade era conhecer
o hino e as cores da bandeira,
recebemos em De-zembro de
1975, aquando da participação
no 1º Congresso do Partido Comunista de Cuba, da delegação
do MPLA chefiada pelo camarada Lúcio Lara. Foi promovido
um encontro com os formandos
militares e aquele dirigente informou sobre a situação reinante no país.
JÉME: Que mensagem
deixa para os juristas angolanos no quadragésimo ano
da Independência Nacional?
LP: Aos juristas angolanos
enquadrados nos mais variados domínios da administração
da justiça, docência, magistratura, advocacia, administração
pública, empresas públicas e
privadas, organizações sociais,
representações diplomáticas,
orga-nizações internacionais,
exorto que desenvolvam a consciência nacional e patriótica a
bem da defesa dos interesses
da Nação angolana.Tenham
sempre presente que somos
produto da Independência Nacional, proclamada em 11 de
Novembro de 1975, pelo Fundador da Nação o Dr. António
Agostinho Neto.
Apelo a todos os juristas
que transmitam os conhecimentos e experiências técnicas
e investigativas, capaci-tem,
aperfeiço-em a qualidade formativa dos actuais e futuros
membros da classe de juristas,
para que se cultive a doutrina e
se aplique a justiça a bem da
paz e do desenvolvimento do
Estado de direito e democrático.
O U T U B R O
d e
2 0 1 5
OPINIÃO
Direitos fundamentais e seus limites
Filomeno Manaças
E
um dos aspectos que
Onofre dos Santos fez
questão de sublinhar é
que esses direitos estão sujeitos à ponderação, porque têm
sempre um bem ou interesse a
proteger. Traduzido em miúdos
significa tão somente que os
direitos fundamentais (e assim
são designados porque estão
consagrados na Constituição),
como o de manifestação, não
são absolutos, porque têm limites. E é realmente aqui que
reside um dos mal entendidos.
Onofre dos Santos veio recordar-nos a todos, políticos, activistas e cidadãos em geral, que
não se pode fazer tábua rasa
de direitos inalienáveis que também estão na Constituição,
mas que por razões ou interesses obscuros, ou ainda por
falta de esclarecimento, se pretende que uns têm prevalência
sobre os demais. Na nossa ainda jovem democracia, e por
isso mesmo com as limitações
decorrentes dessa condição,
assistimos a atropelos e até
mesmo à defesa exacerbada
de excessos como se se tratasse de algo normal em democracia. Ou seja, normal no sentido de que os excessos não
deviam e não devem ser penalizados, porque essas posições
resultam da própria natureza de
um regime democrático.
E é incrível ver como pessoas, que era suposto terem
conhecimento desses direitos e
dos limites inerentes ao seu
exercício, se posicionam de forma compaginada com o falso
princípio de que “em democracia tudo é permitido”. É o direito
à liberdade de expressão e de
opinião, de que o direito de ma-
O juiz conselheiro do Tribunal Constitucional Onofre dos Santos foi
à Maka à Quarta-feira da União dos Escritores Angolanos falar sobre o
tema “Os direitos fundamentais´ dos cidadãos na Constituição angolana”.
nifestação é um corolário, um
dos campos onde as águas se
tornam aparentemente turvas.
Há quem entenda que a liberdade de expressão e de opinião
é um “cheque em branco” para
insultos e ofensas à dignidade e
à honra das pessoas, ao seu
bom nome e à sua imagem, só
porque se trata de um adversário político. No exercício do
direito de manifestação, há
quem vá ao ponto de defender
que é lícito organizar, por vários
dias e em afronta às autoridades, protestos que configuram uma clara perturbação da
ordem pública e entrave ao normal funcionamento das instituições, com recurso a barricadas,
pneus incendiados e ocupação
de importantes vias de circulação rodoviária.
Antes de mais, é importante
sublinhar que os direitos fundamentais não se resumem à liberdade de expressão e de opinião. Ao lado destes existem
outros tantos direitos sobre os
quais o Estado tem dever de
protecção e que se encontram
plasmados nos 244 artigos que
a Constituição angolana possui.
Há direitos fundamentais
que, pelo seu mau exercício,
podem desencadear da parte
do Estado reacções criminais.
Ou seja, o Estado pode e deve
agir sempre que o exercício
desse direito extravasar o seu
âmbito e cair na alçada da lei
penal. Apesar de a Constituição
angolana consagrar a “liberdade de reunião e de manifestação pacífica e sem armas”,
temos assistido a tentativas de
transformar essas manifestações em movimentos de outra
natureza e com evolução con-
trárias ao espírito que a lei mãe
fixa como baliza. E não é, de
todo, de afastar a consonância
política entre esse tipo de posicionamento, as práticas verificadas em países onde essas
manifestações degeneraram
em violência e instabilidade, e o
que, quer cá dentro, quer fora
de portas, nos vão chegando
em termos de informação veiculada.
E um bom exemplo disso é
o texto com o título “Angola à
espera da sua primavera árabe”, assinado e publicado pelo
economista Robert Looney, na
revista Foreign Policy, no âmbito de uma campanha traiçoeira que visa desvalorizar todas
as conquistas até agora alcançadas pelo país. De certeza que
o economista Robert Looney e
a eurodeputada Ana Gomes
ficam a roer as unhas à medida
que os anos passam e os angolanos vão alcançando novas
vitórias na construção de um
país próspero e soberano. Pessoas dessa estirpe gostariam
de ver instalado em Angola o
ambiente que levou à pilhagem
dos recursos da Líbia, agora
um país destroçado e que não
sabe como reaver os dinheiros
que, na época de Muammar
Kadhafi, depositou em bancos
de países ocidentais. Síria, Iraque, Tunísia e Egipto dizem
tudo. Angola fez com sucesso o
combate pela paz e, uma vez
terminada a guerra, o combate
passou a ser pela estabilidade
política, pelo progresso social e
económico, pelo funcionamento
normal de todas as instituições
do país, pela regularidade dos
pleitos eleitorais e escolha nas
urnas dos representantes dos
15
órgãos de soberania. Os angolanos sabem que a História do
seu país é diferente.
Em Abril de 2002, ao cabo
de 27 anos de guerra, Angola
conhecia finalmente a paz.
O Memorando de Entendimento do Luena, que pôs fim a
um dos conflitos militares mais
sangrentos de África, permitiu
resgatar das matas milhares
de vidas humanas, entre elas
as de vários dirigentes políticos da UNITA, que de outro
modo, com o prosseguimento
das escaramuças, seguramente não teriam resistido. Foi
o Presidente José Eduardo
dos Santos quem deu a ordem
para se parar as hostilidades e
iniciarem-se de imediato as
negociações, com o que restava da direcção da UNITA, para
a implementação da paz e reconciliação nacional em Angola.
Dado este passo, e tendo em
conta a necessidade de permitir que a UNITA se reorganizasse para concorrer às eleições como força política desmilitarizada, só em 2008 o
povo angolano voltou a manifestar-se nas urnas escolhendo os seus representantes para os órgãos de soberania. Foi
feita a guerra para conquistar
a paz, a vida dos dirigentes da
UNITA foi poupada, deu-se
tempo à UNITA para se organizar como um verdadeiro partido político, como mandam a
lei e as regras da democracia.
Nas ditaduras isso não acontece. Nem sequer há espaço
para uma comunicação social
plural, como existe em Angola.
O Presidente José Eduardo
dos Santos é, semana sim semana sim, alvo de ataques, e
o Executivo sujeito a críticas
em alguns órgãos de comunicação social privados. Até
agora nenhum deles viu as
suas portas encerradas ou
deixou de ser publicado. A
Rádio Despertar é uma tribuna
onde vários ouvintes telefonam todos os dias a dizer, com
argumentos muito pobres sublinhe-se -, que em Angola
não há liberdade de expressão
e democracia. Mas ela continua aí sempre a emitir e os
seus ouvintes sempre a verterem opiniões.
A eurodeputada Ana Gomes
disse ter constatado por “observação directa falta de liberdades democráticas” em Angola.
Pelos vistos, não fez nenhuma
observação, nem directa nem
indirecta.
O Parlamento Europeu caiu
no engodo e, desse modo, endossou uma campanha com
objectivos bem claros. Primeiro:
manchar a imagem e o prestígio crescente do Presidente José Eduardo dos Santos, que é
reconhecido a nível internacional como um grande estadista
africano e precursor de uma
nova mentalidade com forte potencial para mudar a geografia
política no nosso continente.
Segundo: ofuscar a imagem de
Angola como país emergente
com uma economia promissora
e com cada vez mais peso político a nível internacional, já
que é novamente membro não
permanente do Conselho de
Segurança das Nações Unidas,
está na liderança da Conferência Internacional para a Região
dos Grandes Lagos, com resultados palpáveis que são elogiados por vários países.
PUBLICIDADE
O U T U B R O
16
d e
2 0 1 5
O U T U B R O
d e
2 0 1 5
POLÍTICA
MPLA saúda Angop
no 40º aniversário
da sua fundação
O MPLA encoraja a Angop a prosseguir com o seu trabalho
informativo e formativo, de preservação e elevação dos valores
inalienáveis, conquistados pelo país e pelo seu povo heróico e
generoso, nomeadamente, a independência, a paz, a soberania,
a unidade nacional, o progresso social,
a democracia e a tolerância
E
sta exortação está contida numa mensagem
do Secretariado do
Bureau Político do MPLA,
endereçada aos trabalhadores
dessa agência de informação
por ocasião do 40º aniversário
da sua fundação que se assinalou no dia 30 de Outubro.
De acordo com a missiva, nesta
senda, o MPLA incentiva a
Angop a continuar a melhorar
a capacidade dos seus recursos humanos, de acordo com
as tendências globais do jornalismo e com os avanços
registados no domínio das
tecnologias de informação e
comunicação, assegurando,
também, a projecção interna-
cional de Angola, potenciando
parcerias estratégicas com
outras organizações congéneres.
Por ocasião do 40º aniversário da Agência de Notícias
Angola Press, o Secretariado
do Bureau Político do Comité
Central do MPLA endereça,
ao Conselho de Adminis-
tração e ao colectivo de trabalhadores da Angop, as suas
mais vivas felicitações e
expressa votos de boa saúde
e de bom trabalho para todos.
“Nesta data de aniversário,
o Secretariado do Bureau
Político do Comité Central do
MPLA, em nome dos militantes, simpatizantes e ami-
gos do Partido, reitera a sua
disposição de continuar a
contribuir, conjuntamente com
este importante órgão de
comunicação social, no sentido da consolidação da paz,
da reconciliação nacional e do
Estado democrático de direito
em Angola”, lê-se na mensagem.
Associação de Apoio aos Combatentes das Ex-FAPLA
Ascofa saúda Mensagem sobre Estado da Nação
A mensagem sobre o
Estado da Nação do
Presidente da
República, Camarada
José Eduardo dos
Santos, foi
efusivamente saudada
(21/10) pela Associação
de Apoio aos
Combatentes das
Ex-FAPLA (Ascofa) por
reflectir os ganhos que
o país tem vindo
a conquistar e as
perspectivas de um
futuro melhor para os
angolanos.
S
egundo o presidente da
Ascofa, brigadeiro António Fernando "Samora" a mensagem ilustra a atenção que o Titular do Poder
Executivo tem demonstrado
através de políticas que beneficiam o povo angolano nos mais
variados sectores da vida
social.
António Fernando fez tais
declarações quando falava
durante uma conferência de
imprensa na sede da instituição, em que considerou que a
mensagem apresenta medidas
bastante coerentes, que visam
o reforço das estratégias de
melhor inserção e reintegração
social dos ex-militares.
António Fernando "Samora"
disse ainda que a mensagem
do Chefe de Estado é focalizada em dois pontos fundamentais, em que reflecte com realis-
órgão é trazer a realidade da
base de dados dos ex-militares,
no contexto nacional, por forma
a garantir a sua reintegração
social definitiva. A inclusão dos
reformados e pensionistas na
Caixa de Segurança Social das
FAA é outro dos objectivos da
referida comissão de que faz
parte a Ascofa.
No final da referida conferência, António Fernando disse
que é com elevado sentido de
abnegação e esperança que os
ex-militares encaram o futuro
brilhante do país, expressando
a sua solidariedade e apoio
pela forma clarividente e incisiva como o Executivo angolano
tem vindo a concretizar as aspirações do povo por uma pátria
melhor.
Domingos Nganga
Angola
Inquérito apresenta indicadores
de violência doméstica
Presidente da Ascofa, brigadeiro António Fernando "Samora"
mo o profundo conhecimento
sobre as linhas de força circunscritos aos programas de
desenvolvimento socioeconómico, financeiro e político da
nação e traça os caminhos a
seguir rumo ao bem-estar de
todos os angolanos.
Por outro lado, António
Fernando, afirmou que o Presidente da República e Comandante-em-Chefe das FAA,
Camarada José Eduardo dos
Santos, avançou que a serenidade traduzida na esperança
deve imperar nos angolanos
“porque dias melhores estão
por vir”.
O dirigente fez saber ainda
que a crise não é um problema
exclusivo de Angola, pois que
tem reflexos na conjuntura
internacional, com carga nega-
tiva da instabilidade do preço
do petróleo.
A direcção da Ascofa reafirmou ainda que o reforço das
políticas estruturadas pelo
Executivo angolano no sentido
da resolução dos problemas
dos ex-militares ilustra o elevado sentido de consideração e
de respeito, bem como anima a
instituição pela atenção que
tem sido prestada em favor
deste segmento, que deu uma
importante contribuição à luta
de libertação nacional.
A Ascofa está integrada na
Comissão Técnica do Estado
Maior General das Forças
Armadas Angolanas, que foi
criada recentemente pelo
Executivo para fazer o registo
complementar dos ex-militares.
Um dos objectivos deste
17
O Inquérito de Indicadores
Múltiplos e de Saúde (IIMS
2015) além de permitir a
incidência
do
VIH/Sida,
malária e anemia, vai apresentar, pela primeira vez, os indicadores de violência doméstica no país, anunciou recentemente em Luanda, a sua coordenadora geral adjunta, Paula
Ana.
A responsável anunciou o
facto numa conferência de
imprensa, no Instituto Nacional
de Estatística (INE).
Segundo a fonte para o
sucesso do inquérito, que
decorre desde Outubro do ano
em curso no país, será necessário trabalhar com diferentes sectores da sociedade.
Considera
que estes
dados permitirão saber os indicadores de violência doméstica, pelo que reitera o apelo
aos órgãos de Comunicação
Social a divulgarem mais informações sobre o assunto, de
forma a facilitar a recepção
das equipas de inquiridores
que se deslocam às residências. Com este trabalho pretende-se levar ao conhecimento de todos, os dados biométricos que serão recolhidos
durante essa actividade.
O IIMS servirá de base
para avaliar o grau de progresso do país na concretização
dos compromissos nacionais e
internacionais no domínio da
saúde, relativos ao Plano
Nacional de Desenvolvimento
2013/2017 e aos Objectivos
de Desenvolvimento do
Milénio.
Participaram da conferência de imprensa, presidida pelo
director geral do INE, Camilo
Ceita, membros da coordenação geral do IIMS e da
comissão técnica.
O U T U B R O
SOCIEDADE
d e
2 0 1 5
Cidades sustentáveis e atractivas
Por: Ermelinda Júnior
No âmbito do Dia Mundial das Cidades o Ministério do Urbanismo e Habitação,
levou a cabo nos dias 30 e 31 de Outubro, uma jornada
de actividades que visou saudar a efeméride.
C
onstaram da agenda a
inauguração da Sede
na UNHabitat em Angola, bem como a realização de
uma palestra onde foi apresentado o Plano Director Geral
Metropolitano da Província de
Luanda pela empresa“ Urbinvest”.
Esta empreitada, segundo os
promotores, foi elaborada para
dar soluções estratégicas de
desenvolvimento da cidade e
está projectada para albergar
12,9 milhões de habitantes até
2030.
Falando na abertura do acto
que decorreu sob o lema “Cidades Desenhadas para Conviver”, o Ministro da Administração do Território, Bornito de
Sousa realçou o compromisso
do Executivo na criação de
condições habitacionais que
visam conferir melhor qualidade
de vida aos cidadãos.
Recordou ainda que não
obstante as dificuldades vigentes os programas de investimen-
tos públicos prosseguem com
vista a honrar as metas preconizadas. De acordo com o
ministro do Urbanismo e Habitação, José António Maria da
Mbanza Congo (Zaire)
Trânsito fluído
na estrada
nacional 210
O
s trabalhos de manutenção da estrada
nacional 210, que
liga a cidade de Mbanza
Congo ao município do Nzeto,
província do Zaire, realizados
nos últimos dois meses do ano
em curso, voltaram a proporcionar maior fluidez ao trânsito
automóvel no referido troço
rodoviário.
De acordo com alguns
automobilistas que falaram
(05/11) à imprensa, a operação de tapa-buracos dos 214
quilómetros sob a égide do
Instituto de Estradas de
Angola (INEA) foi oportuna,
pois criavam sérios constrangimentos aos utentes da via.
Miguel Neves, taxista,
disse que com a manutenção
da via o número de acidentes
de viação neste troço
diminuiu, tendo defendido
que intervenções do género
sejam permanentes em todas
as estradas da região e não
só.Pedro Santos, automobilista de uma empresa privada de transporte rodoviário,
disse esperar que os utentes
da via tenham maior prudência durante a condução nesta
via, desencorajando o excesso de velocidade.
“Esperamos que, com a
ausência de buracos na estrada nacional, a mesma não se
torne como pista de viação
para alguns automobilistas
que conduzem em alta velocidade”, aconselhou.
Por sua vez, o taxista
Francisco Tandu, reprovou o
comportamento de certos
automobilistas que deixam
escorrer combustível no
tapete asfáltico quando confrontados com uma avaria de
seus automóveis, considerando ser uma das causas que
aceleram a degradação da
estrada. “Casos há em que
um pneu de uma determinada
viatura estoira durante a
viagem, mesmo assim o
motorista insiste em conduzir
nessa condição, fazendo com
que a jante danifique de alguma maneira o tapete asfáltico”,
denunciou.
Além da operação de tapaburacos que esteve a cargo da
empresa Tecnovia-Angola, o
referido troço rodoviário beneficiou também de trabalhos
de limpeza das bermas.
Conceição e Silva, “em Angola o
forte êxodo das populações das
zonas rurais para centros
urbanos, é visível através das
condições precárias nas zonas
peri-urbanas remetendo-nos a
uma atenção especial de solidariedade e a conjugação de
esforços no combate a pobreza”.
Concluiu.
Para o efeito segundo disse,
é importante a elaboração sistemática de estudos de planeamento territorial urbanístico privilegiando abertura de espaços de
diálogo permanente entre a
administração pública o sector
privado e a sociedade civil. O dia
31 de Outubro foi instituído pelas
Nações Unidas, como dia
mundial das cidades, nesta
ocasião os países membros da
UN.Habitat, são instados a celebrar a data numa jornada de
reflexão e discussão sobre as
cidades nos seus variados
domínios.
A Habitat é uma agência das
Nações Unidas dedicada a promoção de cidades social e ambientalmente sustentáveis.
Presenciaram o acto de
apresentação, entre outras individualidades, os ministros do
Urbanismo e Habitação, José
António da Conceição Silva, da
Administração do Território,
Bornito de Sousa, o representante da ONU em Angola, Pier
Paolo Balladelli e vice-governadora de Luanda para a área
técnica e infraestruturas, Nijila
Pires de Carvalho.
Ministro da Administração do Território, Bornito de Sousa
Soyo (Zaire)
Governador prevê conclusão
de infra-estruturas em 2017
O
governo provincial do
Zaire prevê, para o
ano de 2017, a conclusão da auto-estrada que ligará
esta localidade ao município do
Nzeto, num percurso de 150
quilómetros, do Hospital Geral, e
a construção da central que gerará energia eléctrica com recurso a gás natural, entre outras infra-estruturas, destacou (05/11)
o governador local, José Joanes
André. Ao falar num encontro
com moradores e autoridades
tradicionais, o governante reconheceu haver avanços significativos na implementação destes
projectos que têm a entrada em
funcionamento previsto a partir
de 2017. Fez saber que a central
de energia deverá gerar 750
Mega Watts (MW) de energia
eléctrica para a província e outras regiões do país.
O governante que se encontra em visita de trabalho nesta
região litoral da província, afirmou que o fornecimento de
energia eléctrica nos seis
municípios da circunscrição melhorou nos últimos tempos.
18
Na sua óptica, a solução
definitiva desta problemática na
província passa necessariamente pela conclusão dos trabalhos de montagem da central
do ciclo combinado em curso no
município do Soyo.
Deu a conhecer que foram
construídos diversos sistemas
de distribuição de água potável,
através de furos artesianos, nos
municípios e aldeias desta região, que terão melhorado também a capacidade de acesso
deste líquido por parte da população local.
O U T U B R O
d e
2 0 1 5
SOCIEDADE
Matala (Huíla)
Reabilitação de estradas
melhora circulação rodoviária
Cuíto (Bié)
Governo garante
estancamento de ravinas
O
A circulação rodoviária entre a sede municipal da Matala e algumas comunas
locais encontram-se melhoradas, com a reabilitação das estradas secundárias
e terciárias, no âmbito do programa de combate à fome e à pobreza, informou
(04/11) o administrador local, Miguel António Paiva Vicente.
A
circulação rodoviária
entre a sede municipal
da Matala e algumas
comunas locais encontram-se
melhoradas, com a reabilitação
das estradas secundárias e terciárias, no âmbito do programa
de combate à fome e à
pobreza, informou (04/11) o
administrador local, Miguel
António Paiva Vicente.
O administrador disse que
ainda assim, duas ligações
comunais precisam de ser asfaltadas, a via que liga à comuna
de Capelongo, com cerca de 50
quilómetros e a do Mulondo,
com 125.
Afirmou que a única comuna
com acesso asfaltado é do
Micosse. “Não temos grandes
problemas na circulação de pessoas e bens nas três comunas,
embora se faça um trabalho de
fundo”, disse.
O município da Matala tem
uma população estimada em
243 mil e 938 habitantes, de
acordo com os dados provisórios do Censo2014.
vice-governador da
província do Bié, para a esfera Técnica e
Infra-estruturas, José Fernando Tchatuvela assegurou
(01/11) na cidade do Cuíto,
que o governo, dará continuidade em 2016 o programa de combate às ravinas,
visando garantir a segurança,
e sobretudo uma qualidade
de vida aceitável à população.
O governante, que falava
em alusão ao Dia Mundial
das Cidades (31 de Outubro)
afirmou que o governo provincial mantém o seu programa
de estancamento das ravinas,
com maior realce para as
existentes nos bairros da Ilha,
Catraio, São José, Catemo,
Cambulucuto, Popular, entre
outros.
Adiantou que as autoridades locais têm vindo a
combater as ravinas com
algumas medidas paliativas,
essencialmente com base
de material local, naqueles
bairros, bem como o estancamento realizado este
ano da ravina da centralidade do Cunhinga, que ameaçava engolir as cem casas.
José Fernando Tchatuvela assegurou que constitui
também preocupação do
governo as ravinas do Cangangawé, do quilómetro 16
próximo ao rio Cuquema, na
estrada que liga comuna do
Mumbué, assim como da missão de Catota, no município do
Chitembo, 150 quilómetros a
sul do Cuíto.
Disse que as ravinas tem
aumentado fruto da construção
de moradias, sobretudo nas
margens de rios, salientando
que a eliminação da passagem
das águas das chuvas, associado ao depósito de resíduos
sólidos nas valas de drenagem.
Apelar à população no
sentido de ajudarem o Governo no combate às ravinas,
através da plantação de
árvores e canas bravas nos
lavabos, assim como evitar o
depósito de lixo nas valas.
Fontes do Governo da
província do Bié indicam que
este ano as entidades governamentais locais estão a
investir 141 milhões 447 mil
Kwanzas no estancamento
de ravinas.O valor está a ser
gasto para estancar ravinas
nos municípios do Cuíto e
Chitembo, a 150 quilómetros
a sul da cidade do Cuíto (Bié).
Em 2014, as autoridades
governamentais da província
do Bié estancaram a ravina do
Cuquema, a 18 quilómetros a
sul do Cuíto, que perigava a
circulação de pessoas e bens
na estrada nacional que liga
as cidades do Cuíto a do
Huambo e Menongue.
Tomboco (Zaire)
Apresentado plano director de desenvolvimento
O plano director para o
desenvolvimento do
município do Tomboco,
província do Zaire, foi
apresentado (03/11) na
localidade,
aos membros
do conselho
de auscultação
e concertação social.
Por outro lado, Cláudio
Fortunato pediu aos beneficiários das 200 residências
económicas, construídas no
município pelo governo, a iniciar o seu pagamento, no
âmbito das modalidades de
renda resolúvel definidas pelas
partes.
Por sua vez, o administrador municipal, António
Cavungo, reconheceu que a
sua circunscrição registou um
aumento exponencial da população, nos últimos anos, daí a
necessidade de se construir
mais projectos direcionados à
melhoria da vida dos munícipes
locais.
Segundo o director, o
Tomboco ganhou cerca de 159
novas salas de aulas, num universo de 28 escolas, do ensino
primário ao II ciclo do ensino
secundário, tendo enumerado
os avanços que a localidade
obteve no sector da saúde, que
conta com uma rede sanitária
composta por 12 unidades.
O
documento programático, que espelha e
identifica as diferentes
áreas para a construção de
infra-estruturas nos mais variados domínios da vida económica e social, foi apresentado
pelo director provincial da
habitação, Urbanismo e Ambiente, Cláudio Fortunato.
O responsável pediu aos
munícipes a colaborar com
sugestões que ajudem a enriquecer o plano director.
19
O U T U B R O
SOCIEDADE
d e
2 0 1 5
Pesca em Cambambe
Inaugurada unidade de processamento
A ministra das Pescas, Vitória de Barros Neto, inaugurou (12/10) na localidade do Ngolome, em Cambambe, o primeiro Centro de Formação
e Processamento de Pescado do país, no ambito do Programa Nacional de Desenvolvimento da Pesca Artesanal Continental.
A ministra das Pescas, Vitória de Barros Neto, inaugurou
(12/10) na localidade do Ngolome, em Cambambe, o primeiro
Centro de Formação e Processamento de Pescado do país, no
ambito do Programa Nacional
de Desenvolvimento da Pesca
Artesanal Continental.
Com 2 mil e 412 metros quadrados, a construção do empreendimento durou 15 meses e
custou ao Estado 1.390.000
dólares. Garante 20 postos de
trabalho directos e cerca de 300
indirectos.
Dentre as valências do empreendimento constam áreas de
fabricação de gelo, local de recepção de matéria-prima, moagem
de farinha de peixe, loja para a
venda de material de pescas e
um centro de formação técnica,
além de duas residências e três
suites para funcionários.
A ministra das Pescas disse
que a inauguração do Centro de
Formação e Processamento de
Pescado de Ngolome marca o
início do programa de desenvolvimento da pesca artesanal
continental em Angola, pelo
facto de ser o primeiro do género
no país.
Vitória de Barros Neto
sublinhou que o desenvolvimento e expansão da pesca continental e aquacultura constam
das prioridades do Executivo,
visando a diversificação da
economia nacional, contribuindo
para a segurança alimentar das
comunidades e garantir oportu-
Neto manifestou satisfação pela
nova imagem do Centro de
Apoio à Pesca Artesanal, que
resultou de uma parceria público-privada, e mostrou interesse
no sentido do mesmo acontecer
noutros centros localizados no
litoral angolano.
A escola de duas salas,
inserida no Projecto de Alfabetização e Desenvolvimento
Comunitário nas Comunidades
Pesqueiras de Cabo Ledo e
Buraco, promovido pelo Ministério das Pescas e Ajuda de
Desenvolvimento de Povo para
Povo (ADPP), beneficia 600
famílias das duas localidades
durante três anos. As famílias
são organizadas em áreas constituídas por 25 famílias, que vai
tade do Executivo de elevar o
sector das Pesas ao mais alto
patamar das suas políticas de
diversificação da economia.
Mamadou Diallo manifestou-se
surpreendido com a grandeza
do empreendimento. “Quando
lançámos a primeira pedra para
a sua edificação, em 2013, estava longe de imaginar que
poderíamos inaugura hoje este
grande complexo de tratamento
e de conservação do pescado”,
disse. O diplomata informou que
a FAO inscreveu o Complexo
entre os projectos de referência
em África, financiados pela sua
instituição. Técnicos do organismo já trabalham em Roma
(Itália) para fazerem deste
heres dedicadas ao processamento do pescado nas áreas de
escala, salga e fumagem do
peixe.
Na cerimónia de inauguração estiveram representantes
do Ministério das Pescas, do
Governo Provincial do Cuanza
Norte e da Administração Municipal de Cambambe, além de
entidades tradicionais e religiosas.
Pescadores de Cabo Ledo
vão receber casas
nidades de emprego aos jovens.
O programa, inserido no
processo de diversificação da
economia, é de iniciativa do
Executivo, sob responsabilidade
do Ministério das Pescas, em
parceria com o Fundo das
Nações Unidas para Alimentação (FAO).
Para o representante do
Fundo das Nações Unidas para
a Alimentação (FAO), Mamadou
Diallo, a inauguração do Centro
é uma demonstração da von-
Centro um recinto de excelência
para a formação e vulgarização
da cadeia integrada da pesca
continental para toda a África.
Mamadou Diallo disse que no
próximo ano pescadores, técnicos e vendedores de outros
países africanos vão poder
deslocar-se a Ngolome, Cuanza
Norte, para aprenderem e partilharem experiências com os
locais. O vice-governador provincial do Cuanza Norte para o
sector económico, Manuel
Abreu, considerou o Centro uma
mais-valia em função do potencial piscatório da região. A actividade é crucial para a vida dos
cerca de 900 habitantes, dos
quais 300 se dedicam inteiramente à pesca, com mais de
150 embarcações. A Lagoa de
Ngolome produz mensalmente
cerca de 6.700 quilos de peixe,
entre cacusso, bagre, mussolo e
tainha, o equivalente a 200 quilos por dia. Manuel Abreu
realçou a existência de 76 mul-
20
Mais de 150 habitações
serão construídas em breve
para os pescadores de Cabo
Ledo, inseridos na Cooperativa
“Coopescaldo”.
A ministra reinaugurou antes
o Centro de Apoio à Pesca Artesanal de Cabo Ledo, totalmente reabilitado com vista a
melhorar as medidas de higiene,
sanidade e apresentação do
pescado para o consumo humano em boas condições.
O Centro, que vai produzir
por mês 20 toneladas de peixe
seco e cujas obras ficaram
orçadas em mais de 200 milhões de kwanzas, possui agora
uma escola com duas salas e
um centro médico de apoio à
comunidade.
Vitória de Barros
ter um grupo de acção comunitária constituído por três pessoas, um casal de adultos e um
jovem. Outras quatro áreas com
um total de 100 famílias vão ter
um agente comunitário que junto
do grupo de acção comunitária
vai promover o desenvolvimento
das actividades.
A coordenadora nacional da
ADPP, Agneta Dahne, referiu
que esta estrutura organizacional vai servir de base para
treinar as famílias em conhecimentos teóricos e actividades
práticas, através das quais
podem melhorar as suas condições de vida.
As actividades práticas do
projecto, disse, incluem a construção de latrinas, plantação de
árvores, prevenção de malária,
informação e mobilização sobre
o VIH/SIDA, distribuição de
preservativos, campanhas para
vacinação de crianças, entre
outras. “As turmas terão 35
alunos e cada alfabetizador será
responsável por 70 alunos, ou
seja, terá duas salas. As aulas
terão a duração de duas horas
por dia, cinco dias por semana,
isto é, dez horas por semana”,
disse. A metodologia aplicada no
projecto é baseada nos módulos
1, 2 e 3 do Programa de Alfabetização e Aceleração Escolar do
Ministério da Educação.
O U T U B R O
d e
2 0 1 5
SOCIEDADE
Benguela acolhe Feira do Empreendedor
A quarta-feira edição
Regional do Autoemprego e
Empreendedorismo,
que decorreu de 30 a 31
de Outubro do corrente
ano, na província de
Benguela, sob o Tema
"Juventude
EmpreendedoraDesenvolvimento
Garantido", reuniu
cerca de 120
expositores.
P
ara além da Feira o
evento inclui um fórum
com palestras em torno
do empreendedorismo, tendo
como eixos temáticos a gestão,
criação de empresas e do
próprio negócio, elaboração de
projectos, obtenção de financiamento, assim como as potencialidades económicas das três
províncias envolvidas.
No Fórum Angolano de AutoEmprego e Emprendedorismo,
foram debatidos temas como
“Potencialidades da Região e
Oportunidades de Negó-cios”,
“Oportunidade de Negó-cios
para o Jovem Empreendedor”,
“A Cooperativa como So-lu-ção
para a Gestão Racional dos
Recursos”, “Dinâmica e Oportunidades de Investimento no Sector da Indústria Transformadora” e “Programa Angola Jovem (Caso prático)”.
A Feira e do fórum foram
promovidos no âmbito do plano
estratégico do Fórum Angolano
de Jovens Empreendedores
(FAJE), para 2013-2017, que
tem como objectivo estimular a
juventude a criar seu próprio
emprego, através do desenvolvimento de soluções sustentáveis
de negócio.
A Feira foi inaugurada pelo
secretário de Estado da Juventude, Albino da Conceição,
que na ocasião expressou a sua
satisfação ao expressar que o
evento faz parte das acções que
estão em curso no âmbito do
“Programa de Desenvolvimento
da Juventude, que é resultado
do processo de auscultação dos
jovens”.
Albino da Conceição acrescentou que os pontos fortes do
êxito da 4ª feira foram “ a força, a
vontade e o alto espírito de criatividade da juventude empreendedora”.
O responsável, acrescentou
que as pequenas e médias
empresas, são hoje os grandes
motores da economia, e que
vão reduzir o desemprego no
país. O Ministério pretende continuar a motivar os empreendedores, porque intregam um dos
eixos do Plano Nacional de
Desenvolvimento da Juventude
(PNDJ).
“As Feiras têm como vantagens para os empreendedores
melhorar a sua visibilidade e fortalecimento das suas marcas
institucionais e, por outro, a pro-
jecção de uma imagem de organização inovadora, ajudando à
captação de novos clientes e
negócios”, referiu o ministro.
O secretário concluiu que a
responsabilidade de inserir os
jovens na vida activa é uma tarefa de toda a sociedade, porque o
estado está cumprir com seu
papel , temos programas em
vigor e os números têm demonstrado que estamos num bom
caminho.
Por sua vez, o coordenador
nacional do FAJE, Alberto
Mendes, disse que na Feira os
empreendedorismo e a inovarmos vários aspectos para ampliar as oportunidades de obtenção
de rendimentos para os jovens.
“O evento não só pretende
ajudar os empreendedores a
estabelecerem protocolos e
parcerias com instituições governamentais, bancárias, associações e empresas, mas também
contribuir para a formação profissional e redução do desemprego, no âmbito da luta contra a
pobreza”, disse.
Concluiu que o FAJE tem o
seu público-alvo. Abrange estudantes universitários, jovens
empreendedores que queiram, a
título individual, iniciar o seu próprio negócio, bem como novos
empresários que pretendam
desenvolver iniciativas geradoras de rendimentos já existentes.
expositores apostaram nos sectores da agricultura, pesca,
indústria, comércio, construção
civil e serviços, numa área de
exposi-ção de cerca de 1.600
metros quadrados.
O coordenador do FAJE,
disse que está satisfeito, “os dois
dias de feira os empresários partilharam ideias, desenvolveram
sinergias e identificaram problemas que estão a dificultar o bom
ritmo do auto-emprego e
empreendedorismo”.
Alberto Mendes, salientou
que nesta 4ª feira tivemos a
necessidade de estimular o
Gala de premiação
dos Laureados
Luz, cor, glamour, música,
dança e emoções, marcaram a
gala de premiação da 4ª Feira
do Empreendedor, realizado na
noite de (31) em Benguela.
Numa noite de muitas surpresas e muitos prémios, ao
ritmo da música angolana,
foram prestigiados os realizadores da Feira e os empreendedores.
Nelson José
21
O U T U B R O
SOCIEDADE
d e
2 0 1 5
Especialista destaca prioridade de investir na criança
A representante do
Unicef em Moçambique
e especialista em direito
e protecção da criança,
Carla Mendonça destacou (16/11) em Luanda
a prioridade de se
investir na criança
sendo o principal i
nvestimento
a possibilidade de
aprendizagem
e a continuidade de
uma sociedade.
´
A responsável que falava
durante o "I curso Internacional
de protecção jurisdicional dos
direitos da criança para os
PALOP que decorre de 16 a 20
do corrente mês referiu que a
criança tem de ser protegida
dos abusos, contra a negligência e maus tratos.De acordo
com a responsável a criança
deve ser amparada, acarinhada, alimentada e ter uma
cidadania e um nome, bem
como deve ser protegida.
Reforçou que este facto
incumbe principalmente responsabilidade aos pais, comunidade e ao estado."Nós temos
instrumentos internacionais e
nacionais que visam sobretudo
um olhar para o aspecto de pro-
tecção e cuidado a criança",
sublinhou.
Para si a situação da criança ainda não é aquela que
os instrumentos legislativos
prevêm que é a necessidade
de se melhorar em algumas
áreas em particular da pro-
tecção da criança.
Salientou que em Moçambique em relação a criança
em situação de conflito há um
Lubango (Huíla)
INEMA assiste centenas de pacientes
durante peregrinação ao Toco
Centenas de pessoas
com patologias
diversas foram
atendidas pela brigada
fixa e móvel do
Instituto Nacional de
Emergências Médicas
de Angola (INEMA),
durante a realização da
IV Peregrinação ao
Santuário da Nossa
Senhora da Muxima do
Toco, no Lubango.
S
egundo o director do
INEMA, na Huíla,
Paulo Luvangamue,
que procedeu ao balanço,
nesta cidade, disse que se
destacaram casos de hipertensão arterial, ferimentos
ligeiros e de diarreias agudas,
de peregrinos provenientes,
maioritariamente, de Luanda e
Cuanza Sul, com um caso
que me-receu internamento.
“O caso que mais nos preocupou foi de um paciente
proveniente de Luanda ao
serviço da Igreja Católica com
crise hipertensiva mas que foi
evacuado imediatamente ao
Hospital Central “António
Agostinho Neto” onde continua a receber tratamento médico, sendo que o mesmo está
já fora do perigo”, disse.
De uma maneira geral, o
responsável considerou satisfatória a afluência de pessoas
ali atendidas e a pronta
resposta dos oito médicos em
distintas especialidades, assim como de 18 enfermeiros,
incluindo três ambulâncias e
uma tenda, para além de um
22
veículo de logística que estiveram ao serviço da actividade religiosa.
A peregrinação decorreu
sábado e domingo, embora os
peregrinos começassem a
chegar na quinta e sexta-feira,
num evento que reuniu mais
de oito mil pessoas.
esforço que está a ser implementado através do governo
com a ajuda de parceiros de
desenvolvimento.
Bolongongo (Cuanza Norte)
Ganhos da independência
passam pelo crescimento
da rede sanitária
O chefe de Repartição de Saúde
de Bolongongo, Cuanza Norte, António Ernesto António, disse (04/11)
que os ganhos alcançados no sector,
durante os 40 anos da independência
passam pelo aumento do número de
unidades sanitárias.
Ressaltou que o desenvolvimento
técnico profissional dos técnicos do
sector, permite aos enfermeiros colmatarem as suas debilidades e melhorarem as suas habilidades. Esclareceu que as melhorias dessas habilidades evidenciaram-se através de
superações em seminários de troca
de experiências, assim como o
aumento do nível académico que contribuíram para o melhoramento da
prestação dos profissionais.
Salientou que durante esse período, a rede sanitária local, passou de
seis para 10 unidades sanitárias, o
que representa um crescimento positivo no sector da saúde. Para si, tal
crescimento tornou acessível os
serviços de saúde a todos cidadãos,
facto que deve levar as pessoas a
vários níveis, valorizar e reconhecer
os esforços do Executivo na expansão destes serviços. Neste momento
em que o ano está prestes a terminar,
o responsável reiterou a oportunidade
dos profissionais da saúde reflectirem
em torno do trabalho desenvolvido e
perspectivar melhores resultados no
próximo ano lectivo.
O U T U B R O
d e
2 0 1 5
SOCIEDADE
Luanda
Ministro garante erradicação
da poliomielite em Angola
O ministro da saúde,
José Van-Dúnem,
garantiu (04/11), em
Luanda, haver
condições para se
anunciar
a eliminação da
poliomielite em Angola.
Caála (Huambo)
Lançada campanha
de registo civil gratuito
Uma campanha
massiva de registo civil
gratuito foi lançada
(03/11), no município
da Caála, província do
Huambo, numa
cerimónia orientada
pelo administrador
local, Victor
Tchissingui.
A
campanha, abrange
crianças e adultos sem
qualquer tipo de registo, num trabalho levado a cabo
por quatro equipas constituídas
para o efeito. Cada equipa,
composta por 15 elementos,
vai registar 920 cidadãos por
mês, nas comunas da Calenga,
Catata e Cuíma.
O administrador municipal
da Caála, Victor Tchissingui,
disse que a ideia é cadastrar
todos os cidadãos residentes
nesta região para garantir o
direito á cidadania.
De acordo com o administrador, perto de 70 por cento
da população local, estimada
em 260 mil habitants na sua
maioria residentes nas comunidades rurais, carecem de
documentos básicos para conferir a cidadania angolana
Sumbe (Cuanza sul)
Bairro 78 livre do analfabetismo
E
m entrevista à imprensa, José Vandunem,
afirmou que Angola
está há quatro anos sem registar casos de poliomielite, por
isso, haver condições para que
se anuncie o fim da doença no
país, visto que este é um
critérios exigidos pela Organização Mundial da Saúde
(OMS).
“Apesar de o país estar nestas condições não implica que
se deve cruzar os braços, pelo
contrário devemos reforçar as
nossas acções”, frisou.
Acrescentou que a poliomielite é uma doença passível
de erradicação e tem vindo a
ser progressivamente eliminada em vastas regiões do
mundo, e agora chegou a vez
de Angola.
De acordo com o ministro
da saúde, a erradicação é confirmada gradualmente através
da certificação da eliminação
desta doença, em cada país,
região e a nível global, por
comissões independentes.
A erradicação obedece
critérios como ficar pelo menos
três anos seguidos sem casos
de poliomielite por vírus selvagem, excelente desempenho
da vigilância, nomeadamente
da paralisa flácida aguda,
demonstração de capacidade,
em cada país, de detectar, notificar e responder a casos importados.
A título de exemplo apontou
que após as regiões das
Américas e do Pacífico Oeste,
a região Europeia da OMS foi a
terceira a obter a Certificação
da Eliminação da Poliomielite,
em 2002.
Em Abril de 2010, a doença
reemergiu na Europa, pela
primeira vez após a certificação, com um surto de
poliomielite no Tajiquistão, originado por um caso importado
da Índia, que registou 457
casos, o último em Julho de
2010Este surto gerou, posteriormente, 18 casos notificados
em vários países vizinhos
(Rússia,
Turquemenistão,
Cazaquistão, e possivelmente,
Uzbequistão).
Por isso, disse o ministro, as
estratégias para manter a eliminação da poliomielite em
Angola deve basear-se em
acções fundamentais, designadamente a vacinação, a vigilância, contenção laboratorial
e resposta a eventual importação do vírus de um dos países vizinhos de Angola que
ainda tem o vírus em circulação.“Estas acções visam colmatar assimetrias nas coberturas vacinais, aumentar a
capacidade e rapidez de
detecção, notificação, investigação e resposta a casos, de
forma a manter a ausência do
vírus da poliomielite no país,
mantendo o estatuto nacional
de eliminação da poliomielite.
Entretanto, o ministro da
saúde manifestou confiante
que, possivelmente, até Dezembro deste ano o anuncio de
eliminação da doença em
Angola chegue para a alegria
dos angolanos, visto ser este
um dos ganhos dos 40 anos de
Independência Nacional.
Balombo (Benguela)
Centros e Postos de Saúde vão
efectivar corte vertical do VIH
O
A
administração municipal da Conda, província do Cuanza Sul,
declarou o Bairro 78 como
Livre do analfabetismo, fruto do
programa de alfabetização e
aceleração Escolar ( PAAE) ,
segundo um relatório distribuido a imprensa (04/11), no
Sumbe.
De acordo com o documento, a aplicação PAAE, a contribuição e participação da população, bem como o trabalho
abnegado da coordenação e
alfabetizadores, permitiu, no
primeiro trimestre deste ano, se
combater o analfabetismo no
bairro 78.
Para o sucesso da erradicação do analfabetismo no
bairro 78, o projecto contou
com a participação de 120 alfabetizadores para um universo
de 250 habitantes.
No município da Conda,
nos últimos três anos, foram
alfabetizados 1.800 cidadãos.
ito unidades sanitárias seleccionadas,
entre centros e postos de saúde, do
município do Balombo, nordeste da
cidade de Benguela, vão no presente mês, efectivar o corte vertical do VIH/Sida em mulheres grávidas, afirmou (03/11), o chefe de Repartição
Municipal da Saúde, Adriano Cachembe.
O responsável disse (03/11), que a integração
destes serviços nas referidas unidades sanitárias
do município, visa essencialmente, reduzir as distâncias entre a mulher grávida e os serviços
disponíveis que só se encontravam na sede do
município.Referiu que para efectivação deste
propósito, teve início uma acção prática de formação integrada de corte de VIH/Sida, dirigida a 38
técnicos das respectivas unidades sanitárias.
Adriano Cachembe deu a conhecer que, a formação com a duração de quatro dias é orientada
pela supervisora provincial da Saúde Reprodutiva
Algimira Belarmina e pelas técnicas, Maria Justina
23
e Massunkililini Daniel.
Acrescentou que tão logo se termine a formação dos técnicos, os centros e postos seleccionados, passarão já implementar este serviço
dirigido às mulheres grávidas.
O U T U B R O
CULTURA
d e
2 0 1 5
Nas celebrações dos 40 anos da Independência de Angola
ENSA realiza exposição de artes plásticas
A exposição de artes plásticas denominada “Obras
do Acervo Artístico da Colecção Ensa” exposta na
casa de Cultura Brasil/Angola, em Luanda, numa
promoção da seguradora angolana Ensa Seguros
de Angola S.A, marcou os 40 anos
da Independência nacional e os 37
de existência da empresa.
A
Exposição junta obras
premiadas das mais
variadas edições do
Prémio ENSA Arte, incluindo
algumas que estiveram expostas em Veneza, Roma e
Lisboa. Para além da exposição serão também homenageadas algumas figuras que
contribuíram significativamente
para a Colecção ENSA Arte.
O presidente do Conselho
de Administração da ENSA,
Manuel Gonçalves, adianta que
a iniciativa visa juntar-se ao
entusiasmo popular na comemoração da maior festa do
país, a independência nacional,
que se assinala a 11 de Novembro.“A Ensa tem um dos
maiores acervos disponíveis
sobre a história da arte
angolana. Por isso, queremos
marcar presença evidenciando
e mostrando, através desta
exposição, o trabalho que com
muita criatividade tem sido feito
por ilustres artistas plásticos
angolanos que ao longo das
mais de duas décadas do
Prémio ENSA ARTE têm permitido o registo das várias manifestações da vida social,
económica e política”, disse.
O Prémio Ensa Arte (voltado
para as artes plásticas) é de
âmbito nacional e com periodicidade bienal tem como destinatários jovens e conceituados
criadores de obras de pintura e
escultura que protagonizam as
tendências estéticas destas
duas modalidades.
Considerado uma referência
no panorama das artes plásticas
em Angola, o Prémio Ensa Arte
foi instituído em 1991, altura em
que começou o concurso Ensa
de pintura, tendo a ideia surgido
no ano anterior a partir de uma
exposição de sete pintores
angolanos: Viteix (primeiro
artista premiado), Henrique
Abranches, Augusto Ferreira,
Jorge Gumbe, António Ole,
Telmo Vaz Pereira e José Zan
Andrade. Em 1996, com a entrada de mais uma disciplina
Viana (Luanda)
(Escultura), o concurso passa a
Prémio com a denominação
Ensa-Arte, agregando as duas
modalidades. Com uma qualidade inquestionável a nível
nacional, o Prémio Ensa-Arte
ultrapassou fronteiras e chegou
a uma das maiores montras de
artes plásticas do mundo, a
Bienal de Veneza.A convite do
Ministério da Cultura, 26 obras
da Colecção Ensa Arte estiveram patentes na Bienal de
Veneza, em 2013, contribuindo
desta forma para que o Pavilhão
de Angola fosse distinguido,
dentre 88 países, com o mais
importante prémio: o Leão de
Ouro.
Lubango (Huíla)
Jovens realizam encontro
sobre temas do quotidiano
Feira da Dipanda
na Casa
da Juventude
Uma exposição denominada Feira da
Dipanda, do Livro e do Artesanato,
com a participação de 15 editoras,
livrarias e artesãos, foi aberta (03/11)
na Casa da Juventude de Viana,
numa organização do movimento
artístico Levarte.
O evento, conta com a exposição de seis mil
livros de literatura diversa, tem como objectivo
saudar o 40º aniversário da independência
nacional, que se assinala a 11 do corrente.
Segundo o coordenador do núcleo de Viana
do referido movimento, Fernando Pessoa, a feira
visa também a humanização de comportamentos
através das artes. “Realizamos campanhas de
sensibilização para a participação em massa da
população na feira, em várias instituições de ensino de Viana, e contamos com a colaboração dos
meios de comunicação social para divulgação
dessa actividade”, referiu.
A feira contou com momentos de música,
declamação de poesia, palestras sobre a
importância da leitura, sobre métodos de estudo,
assim como sobre a relação entre o hip hop e a
literatura. “Está igualmente prevista a participação da miss Viana/2015, Eliani Lungoji, que vai
falar sobre a sua trajectória e dos cuidados para
prevenção das doenças de transmissão sexual”,
disse. Entretanto, para Tânia Domingos, da
livraria Secemart, esta é mais uma oportunidade
para promoção dos hábitos de leitura na população. Apelou aos pais, estudantes e munícipes
de Viana, a aderirem à feira, uma vez que existem “livros para todos os bolsos”, com preços que
vão dos 500 kwanzas aos seis mil e 500.
“Estão aqui expostos livros didácticos, infantis, romances, de poesia, dentre outros”, frisou.O
movimento Levarte foi fundado a 20 de Julho de
2006, em Luanda, com o propósito de incentivar
a leitura, a criatividade artística, o gosto pela leitura e contribuir na humanização do comportamento das pessoas através da arte.
24
Um grupo de jovens da
província da Huíla realizou na
cidade da Huíla, a primeira
edição de um encontro
denominado "Otyoto Conference", no qual serão debatidos assuntos do quotidiano,
principalmente do sector cultural.
A informação foi avançada
(31/10) pela responsável do
evento, Rossana Oliveira,
tendo referido que o encontro
terá como tema central
“Repensar as raízes” e partic-
iparam da actividade cerca de
150 delegados.O objectivo,
explicou, é que os participantes possam apresentar
ideias novas, projectos criativos, programas desafiadores e partilharem conhecimentos para desenvolverem,
cada vez mais, a província,
principalmente o seu sector
cultural.“Queremos abordar,
nesse fórum, temas variados
sobre teatro, história, o papel
da mulher, de forma abrangente”, realçou.
O U T U B R O
d e
2 0 1 5
CULTURA
Saurimo (Lunda-Sul)
Banda Kassav actua no estádio das Mangueiras
A banda antilhana Kassav terá no próximo dia 11
de Novembro a missão de animar a plateia que vai
acorrer ao estádio municipal das Mangueiras, em
Saurimo, província da Lunda Sul, local escolhido
para o show das festividades dos 40 anos da independência nacional.
T
rata-se de uma banda
que desde 1979 têm
dado cartas no mercado musical internacional e que
vai procurar desfilar o que de
melhor tem no seu repertório
musical.
Para além da banda Kassav,
o show será igualmente marcado com actuação de alguns
músicos do mercado nacional.
Kassav é uma banda de
zouk de Martinica e de
Guadalupe formada em 1979.
Os membros originais da banda
eram Jocelyne Béroard, Jacob
Desvarieux,
Jean-Philippe
Marthély, Patrick St. Éloi, JeanClaude Naïmro, e Georges
Décimus (que actualmente não
mais faz parte do grupo) juntamente com alguns outros componentes, que permaneceram
pouco tempo no grupo.O grupo
lançou ao longo do seu percurso aproximadamente 30 álbuns
(em forma de LP e/ou CD).
Malanje
Livro aborda contributo
de Cuba na pacificação de Angola
E
Um livro com o título
"Cuba na guerra de
Angola", de autoria do
escritor cubano Manuel
Rojas, foi apresentado
(02/11), na cidade de
Malanje, no âmbito da
amizade entre os povos
dos dois países.
m declarações à imprensa, à margem da
cerimónia, o escritor
disse que o livro apresentado
comporta 335 páginas e foi
lançado este ano, em Luanda,
como o propósito de esclarecer os jovens sobre a
importância da amizade entre
Angola e Cuba.
“Os jovens de Malanje,
principalmente os estudantes,
devem ler o livro porque nele
tem coisas muito importantes
sobre a amizade entre Angola
e Cuba e a população desta
província tem o dever de con-
hecer a história dos dois países irmãos”, defendeu.
Referiu que o lançamento
da obra numa altura em que
Angola completa 40 anos de
Independência Nacional tem
um significado muito grande
para os cubanos, porque ao
longo destes anos também
foram participes na luta pela
preservação da integridade
territorial do país.
Por sua vez, o governador
provincial
de
Malanje,
Norberto dos Santos “Kwata
Kanawa”, disse que os
angolanos têm uma dívida
para com os cubanos, a julgar
pelo sacrifício consentido para
o alcance da independência
de Angola. Lembrou que foram
os cubanos que começaram a
formar os primeiros quadros
angolanos, e devem adquirir o
livro para saberem que a independência de Angola foi arrancada a ferro e fogo com a participação dos cubanos.
“Se olharmos hoje para
quem dirige o nosso país, veremos que a maior parte dos médicos, engenheiros e oficiais generais das Forças Armadas
Angolanas (FAA) e da Polícia
Nacional formaram-se em
Cuba”, frisou.
O autor do livro, nascido na
cidade de Havana (Cuba) a 5 de
Março de 1943, trouxe para
Malanje cerca de 300 exemplares que estão a ser comercializados no valor de dois mil
Kwanzas cada.
O evento, promovido pela
direcção provincial da Educação, contou com a presença
de membros do governo local,
autoridades religiosas, tradicionais, efectivos da Polícia
Nacional, das FAA, estudantes
e outros convidados.
Uso das línguas nacionais
Eddy Tussa exorta utilização e preservação
O músico angolano Eddy Tussa
aconselhou (01/11) em Luanda, a
classe para a necessidade da utilização das línguas nacionais na composição e execução das músicas,
principalmente no estilo semba, com
vista a preservar e valorizar a cultura
e identidade nacional.
O músico que falava durante a sessão de
lançamento da obra “Kassembele” músico solicitou aos fazedores da música, principalmente
do estilo semba, a fazer uso das línguas
nacionais, com a finalidade de dar mais originalidade às letras das suas músicas.
“Se não preservarmos aquilo que é nosso
25
não teremos identidade e não tendo esta identidade seremos considerados forasteiro, portanto
teremos de defender as nossas culturas e
raízes”, reforçou.
“O estilo semba quando é feito numa língua
nacional tem outro impacto de ponto vista rítmico, comparativamente se for cantada em português”, adiantou o músico.
Para Eddy Tussa, os músicos devem preocupar-se com o legado musical dos mais velhos e saber utiliza-las, com o objectivo de valorizar cada vez mais a música nacional, fazendo com que permaneçam nas memórias colectivas. Eddy Tussa surgiu no mercado musical
como membro do grupo de rap Warrent B, ao
lado de Kenny Bus, Meyv e Papetchulo. Tem no
mercado, entre outros, “Grandes Mundos” e
“Ezenu Um Tale”.
PUBLICIDADE
O U T U B R O
26
d e
2 0 1 5
O U T U B R O
d e
2 0 1 5
FACTUALIDADE
Catete (Icolo e Bengo)
Trajectória de
Agostinho Neto
retratada em livro
Uma obra literária intitulada “Agostinho Neto, o Cidadão, o Médico, o Poeta,
e a Profecia dos seus Versos no Processo da Luta de Libertação” foi lançada (01/11) no Centro Cultural Agostinho Neto, em Catete, comuna sede do
município de Icolo e Bengo, em Luanda.
O
livro do autor Chicoadão teve como apresentador o escritor
António Gonçalves que considerou a obra mais um contributo para a biografia do então fundador da Nação angolana (Dr.
António Agostinho Neto) que irá
enriquecer o conhecimento dos
académicos e da juventude
angolana. Com 11 páginas e
cinco capítulos, o conteúdo
versa sobre os acontecimentos da sua vida, da sua
família, formação em Portugal
e os seus feitos antes e pós
libertação de Angola pelo jugo
colonial, pelo qual se debateu
em toda sua aparição em
vida.
A obra foi editada pela
Fundação Dr. António Agostinho
Neto e teve uma tiragem de três
mil exemplares. Participaram do
evento, autoridades locais de
Icolo e Bengo, estudantes, entre
outros convidados.
Centralidade do Kilamba
Luena (Moxico)
Pitabel promove “Culturas para todos”
Projecto Team dos Kotas
será apresentado em 2016
A companhia de teatro do Pitabel e a administração do Kilamba vão promover,
a partir de 31 de Outubro, noites de teatro, num projecto denominado
“Cultura para todos”. O projecto começa com a exibição da obra
“O preço do Fato”, na escola 14 de Abril, na centralidade do Kilamba.
Cultura para todos é um projecto de inclusão social que visa
levar os moradores da centralidade a mais interactividade, participativos e comunicativos, para
melhor diversidade.
Depois da estreia do Pitabel,
revela o documento, seguir-seão espectáculos todas às sextas-feiras, sábados e domingos,
no mesmo espaço com os grupos Oásis, Miragens, Protevida,
Amazonas, Enigma e o Feloma
Mu Sanzala.
Por outro lado, a organização
contará com técnicos( professores ) angolanos e cubanos
para sessões formação de crianças nas áreas de canto,
teatro, dança e artes plásticas.
O “O preço do fato”, obra de
abertura do evento, espelha um
conflito entre o tradicional e o
moderno, o antigo e o novo.
A produtora LS Republicano
está a realizar um projecto denominado Team dos Kotas, que
pretende apresentar em 2016,
anunciou (21/10) no Luena, o
seu responsável, Nino Republicano.
Falando à margem do espectáculo musical do Team do
Sonho, volume II, decorrido no
pavilhão 27 de Março do Luena,
disse que o processo de selecção dos músicos participantes
no projecto iniciou há seis mês e
vai contar com conceituados
músicos da “velha guarda”.
“O projecto iria ser apresentado no fim deste ano, conforme
prometemos à imprensa e ao
público em Abril na apresentação do II volume do disco do
Team de Sonho, em Luanda”,
Caxito (Bengo)
Isabel Galante
a nova Miss Bengo
Isabel Galante, estudante,
com 21 anos, 1,75 metros de
altura foi eleita (31/10) em
Caxito, a Miss Bengo 2016, no
concurso que contou com treze
concorrentes.
A vencedora do concurso
que elege a representante da
beleza feminina da província do
Bengo receberá como prémio
uma viatura, 200.000 kwanzas,
um curso para obter a carta de
condução, tratamento de beleza,
formação sobre estética e um
subsídio de 20.000 Kwanzas
durante o seu reinado.
Nas suas primeiras declarações, Isabel Galante elegeu a
luta contra o cancro da mama
como o foco do seu mandato,
tendo elogiado a organização do
certame. O corpo de jurados,
presidido pelo jornalista João Lígio, distinguiu ainda Yolanda António e Jesuína Mário, como 1ª e
2ª dama de honor, respectivamente.
Na presente edição, que decorreu sob o lema “empreendedorismo juvenil”, foram ainda distinguidas a Miss Simpatia, Cristina Joaquim, Fotogenia (Jacinta
27
lembrou o responsável, destacando o esforço que estão a
empreender para evitar novas
falhas.
Na mesma ideia, o músico
Heavy C, porta-vóz do projecto,
disse terem escolhido já 20
músicos, porém escusou-se
avançar nomes.
A LS Republicano responsável pela criação do Team do
Sonho, que engloba artistas como Yuri da Cunha, Ary, Big Nelo,
Pérola, Chelsy Chantel, C4
Pedro, Big Nelo, Daniel Nascimento, Heavy C, JD, Cage One,
Puto Português, Yanick Afroman, Yola Araújo, Nagrelha, os
Dj’s Callas, Darcy, Djeff, Capiro,
Malvado e Malvado Júnior, assim como os grupos Zona 5 e
Tuneza.
Hossy), Académica (Belardina
Cassule), Magnólia (Azenaide
Agostinho) e Arte Iris (Ana Gomes).
Isabel Galante sucede a estudante Rosária da Piedade dos
Santos, como Miss Bengo. A gala de eleição foi animada pelos
músicos Gaby Moy, Telma Lee e
as Africanas.
O U T U B R O
DESPORTO
d e
2 0 1 5
Atletismo
Bengo promove corrida do Dia da Independência
Uma corrida pedestre denominada "Honremos o 11
de Novembro"foi realizada (04/11) em Caxito,
província do Bengo, para saudar o 40º aniversário
da Independência nacional, numa iniciativa da
Associação Provincial de Atletismo.
Em declarações à imprensa
o coordenador provincial da
actividade, Mandjel Zua, explicou que a corrida terá início na
localidade da açucareira e culminará no campo de futebol municipal do Dande.
Fez saber que neste
momento já estão inscritos cerca
de 200 pessoas e as inscrições
continuam nos locais habituais e
os mais velhos percorrerão 10
quilómetros e juniores cinco,
respectivamente. Sublinhou que
todas as condições estão a ser
criadas para que nada falte e
solicita a várias sensibilidades
económicas sedeadas na
província do Bengo a apoiarem
esta iniciativa, que visa saudar
os 40 anos da independência
nacional.
Mandjel Zua disse que nesta
corrida espera contar com mais
estudantes e atletas da velha
guarda para troca de experiência, tendo incentivado os directores de escolas nas aulas de
educação física introduzirem o
atletismo, para que as crianças
tenham noção e interesse pela
modalidade.
Huambo
Treinadores aperfeiçoam
conhecimentos básicos
Sessenta e seis treinadores de futebol das províncias do Huambo, Luanda,
Cuanza Sul, Cuando Cubango, Bié e Huíla iniciaram no Huambo, um curso básico
de aperfeiçoamento dos conhecimentos práticos e teóricos sobre as formas de
treinamento, promovido pela associação local da modalidade.
C
om término no dia 16,
os participantes estão a
ser capacitados em
matérias práticas e teóricas ligadas ao treinamento de futebol,
nutrição dos atletas, leis do jogo,
dirigismo desportivo e formação
de guarda-redes.
O presidente da associação
de futebol na província do
Huambo, António Rosário
Machado de Lemos, disse que o
curso básico de treinadores de
futebol visa aumentar o desempenho das actividades desportivas desta franja futebolística,
tendo em atenção a massificação da modalidade e, ao
mesmo tempo, a descoberta de
novos valores na vertente do
treinamento.
Referiu que, além de aumentar os conhecimentos pessoais,
vai também aprimorar o
desenvolvimento das competências para a gestão de
trabalhos, habilidades e atitudes, para a ampliação das
capacidades individuais e de
equipa,
visto
que
os
treinadores enfrentam diversas situações no campo
desportivo, entre rotineiras e
inéditas. Por isso, de acordo
com António de Lemos, urge
toda uma necessidade de se
reactivar a formação de
treinadores de futebol, no
sentido de elevar a prática da
modalidade, partindo das
camadas de formação. Disse
ainda ser importante que os
agentes desportivos se reúnam,
cuidadosamente, assumindo um
único objectivo voltado ao diálogo, respeito à hierarquia e aos
interesses da maioria, uma vez
que o futebol sempre foi um factor de unidade, reconciliação,
desenvolvimento, promoção da
saúde, moral e desenvolvimento
colectivo.
até ao próximo dia 30. O sorteio
para as duas competições continental, designadamente acesso
á liga dos clubes campeões e da
Taça da Confederação “Nelson
Mandela”, será efectuado a 15
de Dezembro
Após este período, disse, o
Comité de Licenciamento de
Clubes vai verificar toda documentação dos clubes inscritos,
para dar o seu aval de poder ou
não participar na prova.
A fase preliminar destas
duas competições tem início
previsto para Fevereiro de
2016. O Recreativo do Libolo
do Cuanza Sul (campeão
nacional) e o FC Bravos do
Maquis do Moxico (vencedor
da Taça) são os representantes angolanos.
Futebol
CAF inspecciona clubes
angolanos
A
A Confederação
Africana de Futebol
(CAF) vai em 2016
inspeccionar
o licenciamentos dos
clubes angolanos, no
sentido de verificar o
cumprimento dos
requisitos
exigidos
pelo órgão reitor
da modalidade
no continente.
informação foi prestada
(01/11), em Luanda,
pelo zambiano George
Kassengele, especialista da
CAF, que a par do seu compatriota, Honour Tanza, e do sulafricano, Russell Paul, vão transmitir durante o seminário sobre o
licenciamento de clubes conhecimentos a dirigentes angolanos
sobre a organização de processo até à obtenção de licença.
O licenciamento de clubes foi
criado em 1997 com o objectivo
das agremiações desportivas
pautarem pela transparência,
assim como declararem a sua
capacidade financeira no sentido
de darem maior confiança aos
patrocinadores.
Temas como infra-estruturas
desportivas, formação de atletas
jovens e organização administrativa estão no centro dos trabalhos que decorrem na Galeria
dos Desportos, em Luanda.
Informou também que a
Federação Angolana de Futebol
(FAF) deve indicar os seus representantes às competições sob
a égide da Confederação
Africana da modalidade (CAF)
28
O U T U B R O
d e
2 0 1 5
DESPORTO
Luena (Moxico)
FC Bravos do Maquis recebido em apoteose
A equipa do FC Bravos
do Maquis conquistou a
Taça de Angola, em
Luanda, na final disputada com Sagrada
Esperança da Lunda
Norte, foi recebida em
apoteose pela massa
associativa e população
da cidade do Luena.
A
sua chegada no aeroporto local, os jogadores e a equipa técnica foram recebidos com euforia,
por membros do governo provin-
cial, agentes desportivos e adeptos do futebol, seguido da realização de uma passeata nas
principais artérias da cidade do
Luena e bairros periféricos.
No acto da apresentação da
taça à população desta província, o vice-governador para área
técnica e infra-estrutura, Manuel
Lituai, pediu a solidariedade e
apoio da sociedade civil, para
permitir a equipa representar
condignamente o país na Taça
de Confederação de futebol em
2016. Reconheceu os esforços
consentidos pelos jogadores e
equipa técnica para conquistar o
título da segunda maior competição futebolística nacional
“Taça de Angola”, a julgar pelas
Luanda
Carlos Morais renova
contrato com Libolo
O extremo angolano Carlos Morais, de 1,93 m e 91kg,
representará o Recreativo do
Libolo até Dezembro de
2017, após renovar recentemente o vínculo contratual
por mais duas épocas, indica
o sítio do clube. Assim, o
MVP de Afrobasket de 2013,
em Abdjam, ajudará o conjunto do Cuanza Sul a redimir-se
da época 2015, onde em três
provas internas conquistou
apenas a taça de Angola, ao
vencer o 1º de Agosto, por
79-70.
No seu historial, o basquetebolista teve uma curta
passagem aos Toronto Raptors, onde esteve a tentar a
obtenção de uma vaga na
equipa que actua na Liga
norte-americana (NBA).
Carlos Morais notabilizou
pela sua habilidade de ataque
rápido e eficácia nos lances
livres e da linha dos três pontos; iniciou a carreira no Petro
de Luanda (2001-2009),
depois se transferiu para o
Libolo (2009-2010), regressou aos tricolores (20102013) e em 2013 tornou a
assinar pela equipa do
Cuanza Sul onde fica até
2017.
dificuldades financeiras, que o
clube maquizarde enfrenta.
Agentes desportivos e adeptos
de futebol no Moxico consideram a conquista da taça de
Angola, uma amostra de carácter, persistência e perseverança
da juventude local no movimento associativo e desportivo,
traduzido no sentimento de
orgulho, espírito de unidade,
determinação e vontade de
vencer.
Capitão do Maquis enaltece apoios do Povo
O capitão do FC Bravos do
Maquis, Benvindo Garcia,
atribuiu a conquista da 34ª
edição da Taça de Angola em
futebol, ao esforço da equipa e
em especial aos apoios do povo
da província do Moxico.
Após vitória sobre o Sagrada
Esperança da Lunda Norte, por
1-0, em jogo da final, disputado
no estádio dos Coqueiros, afirmou ser um momento de grande
alegria que premeia o sacrifício
do colectivo, para homenagear o
povo da região localizada no
leste do país.
“É uma grande alegria da
equipa que atribuímos ao povo
da província do Moxico, pelo car-
inho e o apoio prestado em
todos os momentos. Passamos
por várias dificuldades, mas o
esforço foi coroado, apesar
de estarmos na segunda
divisão”, disse.
Em relação ao seu futuro,
Benvindo Garcia adiantou ter
sido contactado por outras
agremiações, mas que tudo
passará pelas próximas conversações a manter com a
direcção do FC Bravos do
Maquis. Com esta conquista o
FC Bravos do Maquis será o
representante angolano na
Taça da Confederação em
2016.
Caso Rivaldo
FIFA recua na decisão
contra Kabuscorp
O
presidente do Kabuscorp do Palanca, Bento
dos Santos “Kangamba” disse em Luanda, que a
FIFA recuou na decisão de condenar a sua agremiação ao
pagamento de 750 mil dólares,
acrescidos a uma multa equivalente a 23 mil euros ao ex-internacional brasileiro Rivaldo.
O responsável desportivo
disse que após o seu clube ter
apresentado recurso o órgão
reitor do futebol no mundo recuou na decisão. O internacional
brasileiro Rivaldo, que alinhou
pela formação palanquina em
2012, reclama uma dívida de
750 mil dólares ao clube
angolano, tendo apresentado a
reclamação à FIFA, que lhe dera
razão.
“Fizemos crer à FIFA e
mostramos provas que o
Rivaldo abandonou o clube, sem
qualquer satisfação, três meses
antes do término do seu contra-
29
to, e por várias vezes a direcção
do Kabuscorp contactou-o na
possibilidade de este viajar para
Angola ou um dos seus representantes, no sentido de tratar
do assunto", afirmou Kangamba,
que sublinhou que a sua agremiação é “responsável” e que
“nunca fugiu aos seus direitos e
deveres”.
Por esta razão, acrescentou,
a FIFA decidiu que o antigo
campeão do mundo deverá
deslocar-se a Angola, no sentido
de tratar do assunto com a
direcção do clube angolano. No
entanto, o presidente do
Kabuscorp não deu mais pormenores sobre a forma como
será tratato o assunto.
Bento Kangamba recordou
que anteriormente os advogados do jogador chegaram a conclusão que o seu constituinte
estava errado, por abandonar o
país e o clube sem ter acabado
o contrato de atleta profissional.
“O contrato era de Janeiro a
Dezembro de 2012, mas ele só
trabalhou até Outubro”, explicou.
Rivaldo, que jogou no
Barcelona e foi campeão do
mundo pela selecção brasileira
(2002), actuou durante a época
2012 pelo Kabuscorp do
Palanca
no
campeonato
nacional de futebol da I divisão,
vulgo Girabola, marcando 11
golos em 21 jogos, ficando a três
do artilheiro da prova, o atacante
do Progresso do Sambizanga
Yano.
PUBLICIDADE
O U T U B R O
30
d e
2 0 1 5
O U T U B R O
d e
2 0 1 5
BOA SAÚDE
Micoses
O que é micose?
Micose é uma infecção da
pele causada por um fungo.
Micose no couro cabeludo afeta
principalmente crianças. O tratamento é feito com antifúngicos
que precisa ser tomado durante
várias semanas. Um champô
antifúngico por si só não é eficaz,
mas pode ser aconselhável, em
adição à medicação.
Como pegar micose
no couro cabeludo?
A maioria dos casos de
micose no couro cabeludo são
pegos de pessoa para pessoa
através do toque, compartilhamento de toalhas, etc.
Fungos e seus esporos
podem permanecer vivos em
pentes, escovas, toalhas sujas,
móveis e lençóis por longos
períodos.
Algumas pessoas são portadores de fungos. Isto é, elas têm
fungos na pele e cabelo, mas
eles não invadem a pele para
causar infecção ou sintomas. No
entanto, eles podem passar o
fungo para outras pessoas que
não desenvolvem sintomas.
Às vezes, um surto de
micose do couro cabeludo
ocorre em famílias ou escolas
Alguns cães, gatos e outros
animais de estimação têm
infecções fúngicas na pele. Eles
podem transmitir a infecção,
especialmente a crianças. (Os
animais podem ser tratados também, se suspeita que um animal
de estimação é a causa, consulte o seu veterinário. Os animais de criação também podem
ser uma fonte.
Os fungos são comuns e
uma infecção pode ocorrer 'out
of the blue ". Por exemplo,
esporos de fungos pode entrar
no ar a partir de uma pessoa
infectada e da terra no couro
cabeludo de outra pessoa. Os
esporos podem, então, tornar-se
fungos e causar uma infecção.
Micose do couro cabeludo
afeta principalmente crianças
pequenas. É incomum em adul-
tos. Isto é pensado para ser
porque o óleo da pele normal
(sebo), que aumenta no couro
cabeludo após a puberdade (na
adolescência) tem propriedades
que o tornam resistente aos fungos.
Quais são os sintomas
da micose no couro
cabeludo?
Normalmente, a infecção só
se parece com caspa grave em
vários lugares no couro cabeludo. Isto pode ser confundido
com psoríase.
Algumas infecções causam
manchas de perda de cabelo
(remendos calvos) para se
desenvolver. Os remendos
calvos são geralmente inflamada e muito escamosa. Pequenos
pêlos broken-off pode permanecer
espalhados
nos
remendos calvos.
Uma infecção mais grave
desenvolve num pequeno
número de casos. Isto provoca
uma grande 'pantanoso' inchaço
numa secção do couro cabeludo, chamado kerion. Isso pode
ser inchaço e concurso e, se não
for tratada precocemente, pode
causar cicatrizes permanentes e
perda de cabelo.
Se você tiver uma infecção
grave, como um kerion ou pústulas, você pode desenvolver uma
febre e as glândulas do pescoço
podem inchar.
Como é diagnosticada
a micose no couro
cabeludo?
Às vezes, os sintomas sugerem fortemente uma infecção
fúngica. No entanto, micose do
couro cabeludo pode ser confundida com outros problemas em
primeiro lugar. Por exemplo,
alguns casos, pode olhar como
psoríase ou caspa, e infecção
fúngica é apenas uma das várias
causas de remendos calvos e
perda de cabelo.
Infecção do couro cabeludo
por fungos (micose do couro
cabeludo). A maioria dos casos
de micose no couro cabeludo
são pegos de pessoa para pessoa.
Se forem confirmadas ou seu
filho é confirmada como tendo
micose no couro cabeludo, em
seguida:
Sempre que possível, você
deve jogar fora ou desinfectar
(com lixívia) objectos que podem
estar
contaminados
com
esporos de fungos - por exemplo, chapéus, pentes, travesseiros, cobertores e tesouras. O
objectivo é evitar a re-infecção
após o tratamento e para evitar
transmitir a infecção para outras
pessoas.
Não deve compartilhar toalhas, lave as toalhas usadas com
frequência.
Não é necessário manter as
crianças fora da escola. No
entanto, para garantir que a contaminação não é transmitida
para os outros, que devem
seguir cuidadosamente o tratamento recomendado.
Se um animal de estimação
é suspeito de ser a origem da
infecção fúngica, em seguida,
deve procurar aconselhamento
de um veterinário para o tratamento.
Qual é o tratamento para
micose no couro cabeludo?
Griseofulvina tem sido a
primeira escolha de tratamento
para micose no couro cabeludo
por muitos anos. Não há nenhuma forma líquida disponível, mas
os comprimidos podem ser
esmagados se necessário mis-
turado com um pouco de água,
para crianças com dificuldades
em engolir inteiro.
A terbinafina é uma outra
opção que está a ser cada vez
mais utilizada em vez de griseofulvina. Estritamente falando,
não é licenciado para esse fim,
mas é um tratamento eficaz.
Outros
medicamentos
antifúngicos, tais como o itraconazol e fluconazol, são por
vezes utilizados. Medicamentos
antifúngicos são geralmente
bem tolerado e os efeitos colaterais são raros. No entanto, eles
ocorrem em algumas pessoas e
algumas pessoas não devem
tomá-los. Por exemplo, mulheres em idade fértil não devem
engravidar durante e até um
mês depois, o tratamento com
griseofulvina. Os homens devem
usar contracepção durante seis
meses após, o seu próprio tratamento com griseofulvina. Isso
ocorre porque os potenciais
efeitos adversos no sistema
reprodutivo masculino.
Cremes antifúngicos ou
champôs não limpam a infecção
completamente. Isso ocorre
porque os fungos entram nos
fios de cabelo, onde os cremes e
xampus não podem alcançar.
Portanto, não pode curar a
doença.
Um
shampoo
antifúngico ou creme pode ser
aconselhado duas vezes por
semana por um par de semanas, além de medicação
antifúngica - por exemplo, o
selênio shampoo, shampoo
cetoconazol ou terbinafina
creme. Esta é para limpar os fungos na superfície rapidamente e
torná-lo muito menos provável
para o fungo se espalhar para
outras crianças.
Como pegar micose no
couro cabeludo? Quais são os
sintomas da micose no couro
cabeludo?
Se a infecção não for tratada
e se tornar grave, existe um risco
de algumas manchas e cicatrizes permanentes careca
restantes sobre o couro cabeludo, mesmo após o tratamento.
Além disso, por vezes, a inflamação causada por uma
infecção por fungos pode levar a
uma infecção bacteriana da pele
"secundário".
O que são contactos próximos de pessoas afetadas?
Algumas pessoas sem sintomas podem estar contaminados com fungos em seus cabelos. Estas pessoas são
chamadas de "portadores".
Portanto, os membros da família
e outros contactos próximos de
uma pessoa afetada pode ser
aconselhado a fazer um teste
simples. Isto é, uma escova
especial podem ser utilizados na
forma de cabelo, que é então
enviado para o laboratório, para
ver se o cabelo está contaminado com fungos ou esporos de
fungos.
dos, a associação de produtos
derivados da vitamina D com
corticosteróides de alta potência,
ambos de uso tópico, se
mostrou o tratamento mais efetivo entre os tratamentos de uso
local. A notícia interessa àquelas
pessoas que sofrem de psoríase
em placa leve, ou seja, com poucas lesões, já que, para pessoas
com numerosas placas, como
na foto abaixo, fica difícil fazer a
aplicação local da medicação
sobre cada placa.
Cremes antifúngicos
e xampus
Dia Mundial da Psoríase
Atualmente, cerca de
2% da população
mundial tem psoríase
uma doença crônica,
sistêmica, inflamatória
e não contagiosa que
afeta principalmente a
pele e sofre com
o preconceito causado
pela falta
de informação.
Combinar dois
remédios
é mais eficaz
Psoríase é uma doença
crônica da pele que afecta um
grande número de pessoas em
todo o mundo. É caracterizada
pela formação de placas avermelhadas e recobertas por
descamação seca e esbranquiçada. Apesar de qualquer
parte do corpo poder ser afetada, atinge principalmente os joelhos, cotovelos e couro cabeludo.
Em casos graves, a psoríase
pode chegar a comprometer
toda a pele.
A psoríase pode se manifestar de formas diferentes em cada
paciente . A forma mais comum
é a psoríase em placas (foto
abaixo) para a qual o uso de
medicações de uso tópico
(cremes, pomadas, loções e
géis) pode ser indicado.
Placas avermelhadas
e descamativas
Existem vários medicamentos de uso tópico que são
empregados para o tratamento
da psoríase e, como se trata de
uma doença de longa duração, é
importante saber quais medicamentos atuam melhor provocando menos efeitos colaterais.
Associação de produtos:
maior eficácia contra a psoríase
Com esta finalidade, foi realizada uma revisão de 131 estudos sobre o assunto que revelou
que duas das substâncias
comumente utilizadas para tratar
a psoríase em placas funcionam
melhor quando são associadas
do que separadamente.
De acordo com estes estu-
31
O U T U B R O
d e
2 0 1 5
Publicidade

Documentos relacionados

9 a 15 de Julho de 2012

9 a 15 de Julho de 2012 DIRECÇÃO - Director: Emanuel Mangueira, Administrador: Fernando Jaime ([email protected]), Chefe de Redacção: Herminia Tiny ([email protected]) - REDACÇÃO - Reconstrução & Desenvolviment...

Leia mais

De 27 de Novembro a 4 de Dezembro de 2012

De 27 de Novembro a 4 de Dezembro de 2012 Educação, da Energia e Águas, da Agricultura, do Comércio, bem como o secretário de Estado da Saúde.

Leia mais