Boletim Número 43 - PROEALC - Programa de Estudos de América

Transcrição

Boletim Número 43 - PROEALC - Programa de Estudos de América
BOLETIM
PROEALC
BOLETIM
P R O E A L C - Abril-Maio-Junho de 2009 - ISSN 2175-9103 Nº 43
Centro de Ciências Sociais / CCS – Abril-Maio-Junho de 2009 - ISSN 2175-9103
43
Boletim Número 43
Data: Abril-Maio-Junho/2009
EDITORIAL
O quadragésimo terceiro Boletim do PROEALC traz como destaque a participação do Programa no 53º
Congreso Internacional de Americanistas (ICA), na realização do Simpósio Derechos Humanos, Pobreza y
Democracia en la América Latina”, organizado pela Profa. Dra. Silene de Moraes Freire e o Prof. Dr. Miguel
Serna Forcheri, com intuito de promover o debate sobre diferentes temas que permitiram compreender os
principais desafios para o pleno exercício dos direitos humanos na América Latina.
O leitor (a) também encontrará nesta edição, uma reportagem, uma entrevista e um artigo que tentam
demonstrar, o grave momento que vive a América Latina, sobretudo através das situações de Honduras e do
Peru. Tais como, o Golpe de Estado em Honduras, Massacre dos Indígenas no Peru, deixando mais de 40
mortos. Dentro da mesma proposta, publicamos o artigo do pesquisador do PROEALC Daniel Gomes de Sá,
sobre as ditaduras militares e atualidade política latino-americana. A matéria revela o desenvolvimento dos
processos eleitorais no Chile após o retorno à democracia.
O Boletim foi construido visando promover uma análise política dos diferentes países latino-americanos,
destacando as principais conseqüências no plano social, político e econômico, bem como registrando os
principais limites e desafios para a construção da democracia na América Latina. Ainda neste periódico, temos
uma reportagem de comemoração dos 50 anos da Revolução Cubana. Os assuntos abordados neste número
reforçam mais uma vez o compromisso do PROEALC com as questões vivenciadas pela América Latina,
evidenciando o empenho em promover reflexões e conhecimento acerca da nossa região.
Desejamos a todos uma boa leitura!
Profa. Silene de Moraes Freire
Talita Freire Moreira Anacleto
DESTAQUE
PROEALC no 53º Congreso Internacional de Americanistas (ICA)
O Programa de Estudos de América Latina e Caribe (PROEALC), na qualidade de referência na temática,
realizou simpósio intitulado “Derechos Humanos, Pobreza y Democracia en la América Latina”, organizado
pela Profa. Dra. Silene de Moraes Freire e o Prof. Dr. Miguel Serna Forcheri, no 53º Congresso Internacional
de Americanistas (53º ICA), no México. A participação do PROEALC no ICA vem sendo contínua durante toda
nossa gestão no Programa há 10 anos. Este encontro acadêmico foi importante tanto quantitativa, quanto
qualitativamente. Tivemos a participação de estudiosos de vários países latino-americanos, além de
pesquisadores europeus. Os trabalhos completos foram publicados na integra nos anais do evento.
O Simpósio teve como objetivo promover o debate sobre diferentes temas que permitiram compreender os
principais diagnósticos e desafios para o pleno exercício dos direitos humanos na América Latina do século
XXI e sua relevância para a afirmação e aprofundamento da democracia. Nesses tempos difíceis e
convulsionados para a região, a luta pela efetiva garantia de direitos ocupa lugar crucial para os povos e para
as democracias emergentes.
1
BOLETIM
P R O E A L C - Abril-Maio-Junho de 2009 - ISSN 2175-9103 Nº 43
Pensar os direitos humanos significou, também, refletir em um contexto no qual se inscrevem estes direitos,
num marco de globalização do capital econômico que tem agravado os processos de pobreza massiva na
periferia, a reprodução das desigualdades sociais persistentes e ampliando o espaço do desenvolvimento
entre países ricos e pobres. O tema da pobreza emerge como a nova cara da questão social globalizada,
recorrentemente nos informes dos Organismos Internacionais – do Banco Mundial, BID, entre outros – dão
conta dos obstáculos para avançar até uma democracia com uma cidadania social de baixa intensidade e
dissociada do reconhecimento formal dos Direitos Humanos.
Profa. Dra. Silene de Moraes Freire
Coordenação Geral
Em Foco I
_______________________________
Raúl en el acto por el 50º aniversario de la Revolución
Este es el más fecundo medio siglo de historia cubana
SANTIAGO DE CUBA.- El Presidente de los Consejos de Estado y de Ministros, General de Ejército Raúl
Castro Ruz, calificó como el más fecundo medio siglo de la historia de Cuba el transcurrido a partir del triunfo
de la Revolución.
En el discurso de clausura del acto conmemorativo por los 50
años de la clarinada de enero de 1959, Raúl rindió homenaje al
líder cubano Fidel Castro.
Tras evocar varios fragmentos de sus discursos en momentos
clave del país, reiteró que un individuo no hace la historia, pero
hay hombres imprescindibles capaces de influir en su curso, y
Fidel, dijo, es uno de ellos.
Precisó que el Comandante en Jefe ha luchado siempre contra lo
fatuo y lo pasajero, de ahí que ha enarbolado la máxima martiana de que toda la gloria del mundo cabe en un
grano de maíz .
En ese sentido convocó a seguir ese ejemplo a los dirigentes del mañana, que no olviden nunca que esta es la
Revolución de los humildes, con los humildes y para los humildes.
Los llamó a evitar el reblandecimiento con los cantos de sirena del enemigo y tengan conciencia de que, por su
esencia nunca dejará de ser agresivo, dominante y traicionero, y enfatizó que es esencial no apartarse jamás
de los obreros, campesinos y el resto del pueblo.
Aprendamos de la historia, enfatizó, y si actúan así siempre contarán con el apoyo del pueblo, y no les faltará
la autoridad moral que sólo otorgan las masas a quienes no ceden en la lucha.
Alertó que, de lo contrario, pudieran terminar siendo impotentes ante los peligros externos e internos e
incapaces de preservar la obra, fruto de la sangre y el sacrificio de generaciones de cubanos.
Si ello llegara a suceder, nuestro pueblo sabrá dar la pelea, y en primera línea estarán los mambises de hoy,
que no se desarmarán ideológicamente ni dejarán caer la espada, afirmó en su contundente discurso el
presidente cubano.
2
BOLETIM
P R O E A L C - Abril-Maio-Junho de 2009 - ISSN 2175-9103 Nº 43
Tras dedicar su primer pensamiento para los caídos en esta larga lucha, Raúl Castro realizó un recorrido
histórico desde el Moncada hasta hoy.
En el rigor de la lucha, dijo, aprendimos a transformar sueños en realidades y a no perder la calma ante
peligros y amenazas, a levantar el ánimo ante los reveses.
Los que hemos tenido el privilegio de vivir con toda la intensidad esta etapa de la historia, sabemos cuán cierta
fue aquella aseveración de Fidel el ocho de enero de 1959, cuando alertó que quedaba mucho por hacer, y
que quizás en lo adelante todo fuera más difícil, expresó.
Recordó que nada moralmente valioso ha sido ajeno al torbellino revolucionario en Cuba, que aun antes del
primero de enero comenzó a barrer oprobios e inequidades y que abrió paso a todo un pueblo.
Raúl se refirió a las numerosas agresiones y sabotajes sufridos por Cuba, incluida la invasión por Playa Girón,
el terrorismo de estado con su saldo de más de tres mil muertos, los planes de atentados a Fidel y otros
dirigentes y los asesinatos a campesinos, pescadores y estudiantes.
Una tras otra todas las administraciones norteamericanas han tratado de forzar un cambio de sistema en
Cuba, empleando una u otra vía, con mayor o menor agresividad, y resistir, subrayó, ha sido una palabra de
orden todos estos años.
Destacó que la de la Revolución y su pueblo ha sido una resistencia firme, ajena a fanatismos, basada en
sólidas convicciones, en la decisión de todo un pueblo de defenderse al precio que sea necesario.
Ejemplo de ello, destacó, es la inconmovible firmeza de los gloriosos Cinco Héroes cubanos.
Hoy no estamos solos frente al imperio en este lado del océano, como ocurrió en los años 60, hoy la
Revolución es más fuerte que nunca y jamás ha cedido un milímetro en sus principios, sentenció el
mandatario.
Al reflexionar sobre el futuro, en especial los próximos 50 años, Raúl afirmó que serán también de permanente
lucha y no pensamos que serán más fáciles atendiendo a las turbulencias del mundo.
Más de tres mil santiagueros en representación de todos los cubanos asistieron al acto conmemorativo por el
aniversario 50 del triunfo de la Revolución, celebrado en la heroica Santiago de Cuba, del territorio oriental,
cuna del triunfo de enero de 1959. (AIN)
Fonte: http://www.granma.cu/; http://www.prensa-latina.cu/
Em Foco II
_______________________________
Las lecciones de Honduras
Theotonio Dos Santos*
"- ¿Sabes por qué no hay golpes de Estado en Estados Unidos?
- ¡No!
- Porque en EE.UU. no hay embajada de EE.UU."
3
BOLETIM
P R O E A L C - Abril-Maio-Junho de 2009 - ISSN 2175-9103 Nº 43
Además, sabemos que los golpes en Estados Unidos se dan a través del asesinato, puro y simple de sus
presidentes (como en el caso de John Kennedy) o con la ayuda de la Suprema Corte para impedir el recuento
de los votos (como en el caso de Bush).
A pesar de estos y muchos otros precedentes, vemos ahora a los líderes del Partido Demócrata indignarse con
la negativa a recontar los votos en Irán, acusado de ser una tremenda dictadura.
¿Pero cual es la lección de Honduras? Por primera vez en la historia, los Estados Unidos apoyan la condena
de un golpe de Estado en América Latina permitiendo que se realice una condena unánime de un acto de
fuerza militar en todas organizaciones internacionales.
¿Esto quiere decir que de esta vez la embajada americana no participó del acto de fuerza? Desgraciadamente
no. De manera indiscreta, un diputado de la derecha hondureña reveló públicamente la conspiración que
mantenían los golpistas con la embajada de EE.UU.
Él lo hizo en la memorable sección de primitivo disfraz democrático en la cual se realizó la “elección” del
“sucesor” del presidente Zelaya, que había renunciado según la carta falsa leída por este bisoño “sucesor”, que
se olvidó de forjar una carta de renuncia del vice-presidente, a quien cabría suceder al presidente secuestrado.
Esta sesión fue transmitida por la Radio Globo de Honduras, última en ser silenciada por los “demócratas” del
“gobierno provisorio”.
Según este diputado, el embajador de Estados Unidos, que aprobaba la movilización golpista, había estado en
contra de realizar el golpe antes de la consulta popular no vinculante, llamada “referéndum” por la Corte
Suprema hondureña y por la gran prensa internacional que busca desesperadamente justificar el golpe.
Sería muy difícil creer que el gobierno de Estados Unidos estuviera ausente de la conspiración en un país que
sirvió de base a sus organizaciones militares mercenarias que desestabilizaron al gobierno legítimo de los
sandinistas. En este mundo de contra información en el cual vivemos, escuché al locutor de la TV Globo News
en Brasil decir que las organizaciones militares de los “contras” hondureños luchaban contra los “guerrilleros”
nicaragüenses.
Sabemos todos los altos costos de estas operaciones de guerra de baja intensidad, las cuales pueden servir
de modelo de corrupción para las organizaciones de defensa de los derechos humanos y transparencia. El
Congreso de Estados Unidos se ocupó de revelarnos los detalles tenebrosos de la operación triangular en
contra del gobierno sandinista, comandada por el entonces vice-presidente de Estados Unidos, George Bush:
El gobierno de Estados Unidos expandió las operaciones del narcotráfico a partir de Colombia a través de los
“contras” asentados de Honduras, Costa Rica y El Salvador. Sus ganancias servían para financiar sus
operaciones y, al mismo tiempo, para comprar armas para el eterno “enemigo” público de EE.UU.: el gobierno
del Irán.
A pesar de sus diferencias, los líderes religiosos iraníes habían acordado con el entonces candidato George
Bush prolongar el secuestro de los norteamericanos prisioneros en su embajada en Teherán para desmoralizar
a Carter y permitir la victoria electoral de Reagan a cambio de esta ayuda militar secreta.
Inmediatamente surgen las acusaciones de que este tipo de información hace parte de teorías “conspirativas”.
Sin embargo, nos estamos refiriendo a los hechos revelados por las investigaciones del Congreso de Estados
Unidos, el que, todo indica, sí cree en las conspiraciones, exitosas o fracasadas.
Estas conclusiones se refuerzan con los planteamientos de Ramsey Clark y el Obispo Filipe Teixeira de la
Diócesis de San Francisco de Asís, en su mensaje urgente al Presidente de Estados Unidos:
“Tomando en consideración:
“1. La cercana colaboración de los militares de Estados Unidos con el ejército hondureño manifestado por el
entrenamiento y los ejercicios comunes;
“2. El papel de la base militar Soto Cano, ahora bajo el comando del coronel Richard A. Juergens, quien era
Director de Operaciones Especiales durante el secuestro en febrero del 2004 del Presidente haitiano JeanBertrand Aristide;
“3. Que el jefe del Estado Mayor del ejército hondureño, general Romeo Vásquez, fue entrenado en la Escuela
de las Américas de los EE.UU.;
4
BOLETIM
P R O E A L C - Abril-Maio-Junho de 2009 - ISSN 2175-9103 Nº 43
“4. Que el Secretario Adjunto de Estado Thomas A. Shannon Jr. y el Embajador de los EE.UU. en Honduras,
Hugo Llorens estaban plenamente enterados de los conflictos que conducían al golpe militar,
“Concluimos que el gobierno de Estados Unidos tiene responsabilidad del golpe y está obligado a exigir que el
ejército hondureño regrese al orden constitucional y evite acciones criminales contra el pueblo hondureño.
“Por lo tanto insistimos, por de la paz en la región, que el presidente Barack Obama corte inmediatamente toda
la ayuda y las relaciones con el ejército de Honduras y suspenda todas las relaciones con el gobierno de
Honduras hasta que el Presidente constitucional regrese a su puesto”.
En resumen, el currículo estadounidense en Honduras muestra la dificultad de confiar en sus designios
democráticos en la región. Quizás la vuelta de los sandinistas y de los revolucionarios salvadoreños al
gobierno después de años de brutal represión en sus países haya enseñado algo a la diplomacia
estadounidense, aún vacilante en condenar definitivamente el golpe de Estado hondureño.
La prensa internacional expresa estas vacilaciones al llamar a Zelaya Presidente “depuesto” y al golpista
Roberto Micheletti Presidente “interino”; al llamar a la consulta no vinculante, propuesta por Zelaya para crear
una Constituyente, “referéndum” para perpetuarse en el poder. Cosas que no se ha podido escuchar sobre el
presidente asesino de Colombia que busca el tercer período presidencial, ni se escuchaba sobre las
pretensiones reeleccionistas de Fujimori, Menen o Fernando Henrique Cardoso.
Es también revelador entre sus motivaciones la ausencia de referencia en la prensa a la falsa carta de
renuncia del presidente Zelaya leída en el parlamento para justificar la elección de su sucesor. Es cómico que
se afirme que este señor fue elegido por unanimidad cuando no comparecieron a esa sesión los diputados
gobiernistas amenazados con prisión. Por fin, entre otras insidiosas tergiversaciones, se pretende que hay una
confrontación más o menos igual entre los defensores armados del golpe y los desarmados manifestantes en
contra del mismo.
Todo esto y las declaraciones de la secretaria Hilary Clinton sobre el necesario respecto de las instituciones
hondureñas que tienen acuerdos con EE.UU. nos muestran que hay divergencias dentro del gobierno de
EE.UU. Con el fantástico apoyo internacional con el cual cuenta el presidente Zelaya, se está buscando
obligarlo a una negociación espuria con los golpistas. Hasta hoy la justicia venezolana no acepta definir como
un golpe de Estado lo que realizaron sus gorilas locales en 2002. Imagínese lo que van a proponer en
Honduras.
Zelaya y el pueblo hondureño tienen muchas dificultades por delante pero no deben acobardarse frente a ellas.
No tiene porque bajar la cabeza frente a los mercenarios y sus jefes, ni frente a los golpistas que son
despreciados por toda la humanidad, a pesar de los apoyos abiertos o incluso disfrazados de los grandes
medios de comunicación.
*Theotonio Dos Santos es Presidente de la Cátedra y Red sobre Economía Mundial y Desarrollo Sostenible de
la UNESCO y la UNU. Profesor emérito de la Universidad Federal Fluminense (UFF) de Río de Janeiro.
http://theotoniodossantos.blogspot.com
Fonte: Agencia Latinoamericana de Informacion
Más información: http://alainet.org
Em Foco III
______________________________
Massacre no Peru, mais de 40 mortos
Elaine Tavares*
5
BOLETIM
P R O E A L C - Abril-Maio-Junho de 2009 - ISSN 2175-9103 Nº 43
Mesmo sem Bush, a águia predadora segue seu vôo pela América Latina, na parceria com as elites locais.
Agora é no Peru, cujo governo entreguista de Alan Garcia se recusa a rever os acordos fechados com os
Estados Unidos, o mal fadado TLC (Tratado de Livre Comércio) que permite a ocupação de terras dos povos
originários naquele país. Por 56 dias as comunidades indígenas da Amazônia peruana realizaram dezenas de
atos e protestos exigindo do governo a revogação de uma série de leis que eliminam direitos e permitem a
ocupação das terras comunais com o respectivo parcelamento. Tudo isso sem a consulta aos povos indígenas
tal qual assegura a constituição peruana. Ou seja, os protestos das gentes são pelo prosaico cumprimento da
carta magna. A lógica assumida pelo governo de Alan Garcia, com a aplicação do acordo de livre comércio, é
a de entregar as terras peruanas para empresas estrangeiras em nome do “desenvolvimento” do país. Hoje,
72% do território da Amazônia peruana já vêm sendo explorado na produção de hidrocarburos. As
comunidades não querem este tipo de desenvolvimento.
Pois como as populações originárias decidiram lutar pela revogação dos decretos que, inclusive, violam a
constituição, o governo usou da violência para desbaratar as paralisações que se faziam na região. Na
semana passada, um contingente policial cercou uma manifestação de quase duas mil pessoas que estavam
mobilizadas na localidade de Bagua. As estradas foram bloqueadas, ninguém podia passar pelos caminhos e a
rádio informava que os soldados estavam atirando, matando gente e colocando em sacos para jogar no rio.
Houve muito desespero na cidade de Bagua e isso causou mais reação da comunidade que decidiu se somar
aos protestos que até então eram protagonizados pelos indígenas.
A ação da polícia provocou uma rebelião em toda a cidade. O povo indignado tomou às ruas, o centro da
cidade, os edifícios públicos, e insistia para que a polícia saísse do lugar. Mas o que aconteceu foi o contrário.
Mais tiros, mais mortos e mais violência. Em Lima, o governo respaldou a ação policial dizendo que ela foi
necessária para “restabelecer a ordem”. O que não dizem é que a desordem foi provocada pela própria polícia,
uma vez que nestes mais de 50 dias de protestos, todos foram pacíficos. Foi a ação militar e as mortes que
indignaram as gentes.
Com a cidade levantada em rebelião até um helicóptero foi usado, disparando indiscriminadamente contra a
população civil. Segundo relatos que chegam das rádios comunitárias, crianças foram baleadas, hospitais
foram invadidos e mais de quarenta pessoas foram mortas, incluindo 11 policiais. Há muitos indígenas presos
e outros foram levados para cidades vizinhas e ninguém sabe o que lhes aconteceu. A situação ainda é muito
tensa na região. Até os feridos que estavam sendo cuidados no hospital foram retirados de lá pela polícia e
levados para a prisão.
As causas
A luta das comunidades indígenas se faz contra dois decretos editados em 2008 pelo presidente Alan Garcia –
Lei Florestal e de Fauna Silvestre e a Lei de Recursos Hídricos – que simplesmente tiram das comunidades o
controle sobre os recursos naturais. Para se ter uma idéia da posição governamental, o ministro do Meio
Ambiente chegou a declarar nos jornais que “os índios tem a terra superficial, mas o que está no subsolo é de
todos os peruanos”. O que ele não disse é que esta riqueza do subsolo, de todos os peruanos, é explorada por
empresas estrangeiras que levam do Peru todas as riquezas.
Os protestos das comunidades indígenas conseguiram abrir uma mesa de negociação, mas as reuniões
caminhavam de uma para outra sem qualquer resultado prático. Na semana passada, o congresso, a partir da
bancada governista, decidiu postergar ainda mais o debate sobre a questão, o que provocou os levantamentos
na cidade de Bagua. Mas, as mobilizações têm acontecido há mais de 50 dias em toda a região amazônica.
A ação da polícia na última sexta-feira foi mais uma destas ações arbitrárias e irracionais do governo, uma vez
que há menos de duas semanas ali mesmo, naquele país, foi realizada a V Cumbre dos Povos de Abya Yala,
na qual as comunidades originárias de todo o continente reiteraram a proposta de lutar contra toda a forma de
neocolonização imposta pelos governos na senda dos tratados de livre comércio com os Estados Unidos.
A violência
O que aconteceu na cidade de Bagua, quando a polícia investiu contra a população civil, nada mais é do que
mais do mesmo. Ao longo destes 500 anos de dominação das elites brancas ou criollas, as comunidades
originárias foram solapadas, dominadas, destruídas. Mas, agora, no alvorecer no século XXI, estas gentes têm
6
BOLETIM
P R O E A L C - Abril-Maio-Junho de 2009 - ISSN 2175-9103 Nº 43
reagrupado forças, estão unidas em toda Abya Yala, recuperam sua fortaleza. Não aceitam os tratados
firmados sem sua participação, não aceitam ser tratados como animais. Querem dignidade e querem seus
direitos respeitados. Os tumultos que terminaram com dezenas de mortos na pequena cidade da selva
peruana não foram causados pelos povos autóctones. Eles apenas exerciam seu sagrado direito de
manifestação. A polícia peruana, a mando dos governantes, fez o que sempre foi feito contra aqueles que
querem discutir e construir outra forma de organizar a vida: violência. E, aquilo que era um movimento pacífico
virou uma rebelião.
Agora, como também sempre ocorre, as vítimas são as que amargam as prisões e os mortos serão chamados
de baderneiros. Apenas os policias que perderam a vida nesta ação insana serão lembrados como heróis.
A reação
Mas, para as comunidades que iniciaram esta luta de resistência há meses, o que aconteceu em Bagua não
encerra o assunto. Entidades ligadas aos direitos humanos, organizações indígenas e outros movimentos
populares pedem a ação de toda a gente em frente às embaixadas do Peru. Em protesto contra o massacre e
na luta pela revogação das leis que entregam o território aos estrangeiros. Também pedem que seja realizado
um julgamento do governo de Alan Garcia por crime contra a humanidade. É hora, pois, da solidariedade
concreta.
* Jornalista do Brasil de Fato
Fonte: http://www.viomundo.com.br/massacre-no-peru
Atualizado em 08 de junho de 2009 às 11:29 | Publicado em 08 de junho de 2009 às 11:26
Espaço Aberto
_______________________________
As ditaduras militares e atualidade política latino-americana
Daniel Gomes de Sá*
Eleições presidenciais e legislativas que ocorrerão neste ano de 2009 em dois países da América Latina
reafirmam a pertinência do debate, passados aproximadamente 20 anos, sobre o legado político das ditaduras
militares na região.
A primeira delas será no Uruguai, em 25 de outubro. Lá os partidos políticos escolhem seus candidatos em
prévias onde os eleitores estão habilitados a votar, e que por esta razão adquirem grande importância e
funcionam como um prólogo da eleição. A coalizão governista de esquerda Frente Amplio conseguiu sair unida
desse processo, pois a chapa que apresentou reúne os dois principais concorrentes: os senadores José Mujica
e Danilo Astori, respectivamente candidato a presidente e vice. Mujica, popularmente conhecido como Pepe, é
um ex-guerrilheiro tupamaro que passou quase 15 anos de sua vida na prisão. Seus principais concorrentes
serão o ex-presidente Luis Alberto Lacalle (1990-1995), pelo Partido Nacional, e Pedro Bordaberry, pelo
Partido Colorado. Cabe lembrar que este último é filho de Juan María Bordaberry, presidente eleito em 1971,
mas que pactuou com os militares e aplicou o Golpe de Estado que inaugurou a ditadura cívico-militar (19731985). Ele atualmente se encontra em prisão domiciliar por conta dos homicídios cometidos durante seu
governo ditatorial.
Além de buscar um segundo mandato no governo, os frenteamplistas, somados a outras forças sociais,
conseguiram reunir mais de 300 mil assinaturas para a realização de um plebiscito concomitante às eleições
que decidirá pela anulação ou não da chamada Ley de Caducidad, que estabelece a renúncia do Estado
uruguaio a investigar e a acusar os militares e policiais que perpetraram crimes contra a humanidade na
7
BOLETIM
P R O E A L C - Abril-Maio-Junho de 2009 - ISSN 2175-9103 Nº 43
ditadura. Será a segunda tentativa de anular a Ley de Impunidad (como a chamam os militantes que pedem
sua anulação), tendo a primeira sido realizada em 1989, ainda sob forte impacto da ditadura.
Os principais argumentos pelo voto sim, pela anulação da lei, são que ela viola tratados internacionais de
direitos humanos dos quais o Uruguai é signatário e que crimes como a tortura devem ser considerados
imprescritíveis. Essa iniciativa merece toda nossa atenção, pois também vivemos um período sob a ordem
ditatorial instaurada pelo golpe em 1964; e nosso Estado de direito ainda precisa aprender lições de como lidar
com sua história, criando uma cultura de respeito à Constituição e aos direitos humanos em suas instituições.
O outro caso é o do Chile, onde a escolha do próximo presidente e dos parlamentares acontece em 13 de
dezembro. Os principais candidatos são o empresário Sebastián Piñera, pela direitista Coalición por el cambio,
integrada pela Renovación Nacional e pela Unión Demócrata Independiente; e o ex-presidente Eduardo Frei
(1994-2000), pela Concertación de Partidos por la Democracia, formada por socialistas e democratas cristãos,
entre outros, da qual faz parte a atual presidente Michelle Bachelet e que elegeu todos os chefes de Estado
após o fim da ditadura liderada por Augusto Pinochet (1973-1990).
As condições em que se desenvolvem os processos eleitorais no Chile após o retorno à democracia merecem
uma análise mais cuidadosa. Em primeiro lugar, o sistema eleitoral estabelecido pela Constituição de 1980 –
portanto, durante a ditadura - é binominal, ou seja, as duas coalizões mais votadas repartem entre si todos os
assentos legislativos em disputa em cada distrito. Isto cria uma situação em que uma força como o Juntos
Podemos Más, de esquerda e que tem o Partido Comunista como um de seus membros, seja excluído da
representação parlamentar apesar de contar com respaldo considerável dos cidadãos. Em segundo lugar, a
legislação proíbe, por exemplo, sindicalistas de ocupar cargos eletivos.
Entretanto, um acordo entre a Concertación e o Juntos Podemos, chamado de Pacto Electoral Democrático,
prevê a retirada de candidaturas ao legislativo de uma coalizão em favor da outra em alguns distritos, abrindo
a possibilidade de que os últimos consigam chegar ao parlamento e diminuindo as chances de vitória da
direita, uma vez que voto de centro e de esquerda tenderá a se concentrar nas mesmas candidaturas. O
impulso inicial para este acordo foi a eleição presidencial de 2005, quando os votos em primeiro turno para o
então candidato do Juntos Podemos, Tomás Hirsch, foram preciosos para que Bachelet fosse eleita,
derrotando Piñera em segundo turno.
Quanto à eleição presidencial, o Juntos Podemos lançará Jorge Arrate, político que já foi ligado ao Partido
Socialista e exerceu cargo de ministro após o retorno à democracia, mas deixou a agremiação por seu
descontentamento com o curso que a coalizão tomou no governo, se distanciando de suas posições de
esquerda.
O candidato conservador, Piñera, diferentemente de muitos de seus correligionários conseguiu construir uma
imagem distanciada da de Augusto Pinochet, sobretudo por ter feito campanha contra a extensão de sua
presidência até 1997 no plebiscito realizado em 1988, no qual a ditadura foi derrotada. Entretanto, essa
reputação corre o risco de sofrer sérios abalos com as denúncias publicadas pelo jornal El Siglo de que seu pai
colaborou com a CIA a partir de 1965 e que seu irmão era colaborador direto e analista financeiro da família
Pinochet. O pertencimento a esta rede de influências, prossegue o jornal, estaria por trás da formação de sua
fortuna, já que através dela se viu imune de responder pelas fraudes financeiras de que também é acusado
pelo jornal. A própria ministra da justiça de Pinochet, Mónica Madariaga, revelou em entrevista ter sofrido
pressões da ditadura para deixá-lo livre de ações judiciais.
A conjuntura ainda é favorável à direita, que apregoa a necessidade de mudança após 20 anos de governos
da Concertación e segue liderando as pesquisas de intenção de voto, mas fatos como esses somados aos
altos índices de aprovação de Bachelet (a mais popular desde a redemocratização) podem tornar a disputa um
pouco mais complicada que ao gosto de Piñera.
*Bolsista-pesquisador do PROEALC da Linha de Pesquisa Processos Políticos na América Latina
Contemporânea.
8
BOLETIM
P R O E A L C - Abril-Maio-Junho de 2009 - ISSN 2175-9103 Nº 43
Agenda Acadêmica
__________________________________
III Seminário Margem Esquerda
István Mészáros e os desafios do tempo histórico
De 18/8 a 1/9 de 2009
USP, UERJ, UFRJ, UFRGS, CUFSA, UNESP, UNICAMP, CEFET-MG e UNB
O III Seminário Internacional Margem Esquerda tem por tema a obra de István Mészáros. Discípulo do também
húngaro Georg Lukács, Mészáros é considerado um dos maiores pensadores marxistas da atualidade. Sua
obra é fundamental para o entendimento do sistema do capital, bem como de sua crise estrutural e da sua
necessária superação. Alguns dos mais importantes intelectuais do Brasil e do exterior ajudam a construir sua
trajetória de reflexão e de lutas, sob o legado marxista. Esperamos que o seminário, para além da análise e do
balanço da obra de grandes autores clássicos e contemporâneos, abra novos caminhos e perspectivas.
Convidamos todos a participarem desta construção.
Acompanhe a programação no blog da Boitempo - www.boitempoeditori
Mais informações pelo email [email protected] boitempoeditoria l.com.br
al.wordpress.
com
XXVII Congresso Associación Latinoamericana de Sociologia - ALAS 2009
31 de agosto a 04 de setembro de 2009
Local: Faculdade de Ciências Sociais, Universidade de Buenos Aires
Informações: http://prealas.fsoc.uba.ar/html/alas-2009/inicio-alas-2009.html
Encontro de Ciências Sociais do Norte e Nordeste
O Encontro de Ciências Sociais do Norte e Nordeste, que se realizará no Recife, de 8 a 11 de setembro de
2009, está em sua 14ª edição. Há mais de 20 anos, pesquisadores (as) vinculados (as) aos Programas de
Pós-Graduação em Ciências Sociais e centros de pesquisa das Regiões Norte e Nordeste do Brasil iniciaram
uma experiência de articulação e difusão científica que se consolidou num encontro vibrante e representativo
do que há de melhor na produção científica das duas regiões. As inscrições de trabalhos já estão encerradas.
Mais detalhes no site: http://www.xivciso.educacao.ws
Chamadas de artigos da Revista Brasileira de História:
A Revista Brasileira de História acaba de disponibilizar on line A Revista Brasileira de História receberá os
artigos para seu próximo dossiê Repúblicas até o dia 20 de agosto de 2009. Consulte as normas de submissão
de artigos na pagina da ANPUH http://www.anpuh.org/.
9
BOLETIM
P R O E A L C - Abril-Maio-Junho de 2009 - ISSN 2175-9103 Nº 43
VIII Encontro Regional Sudeste de História Oral
O VIII Encontro Regional Sudeste de História Oral acontecerá entre os dias 05 e 07 de outubro de 2009 no
campus da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) em Belo Horizonte. Este evento é uma realização
da Regional Sudeste da Associação Brasileira de História Oral (ABHO). Estão encerradas as inscrições para
apresentação de trabalhos. Mantendo a tradição da ABHO, o VIII Encontro Regional Sudeste de História Oral
será composto de Mesas Redondas, Mini-cursos e Mini-Simpósios Temáticos. Maiores informações no site
http://www.fafich.ufmg.br/viiiencontrohistoriaoral/.
Expediente
Reitor
Profº Ricardo Vieiralves de Castro
Vice-reitora
Profº Maria Christina Paixão Maioli
Sub-reitora de Graduação
Profª Lená Medeiros de Menezes
Sub-reitoria de Pós-graduação e Pesquisa
Profª Monica da Costa Pereira Lavalle Heilbron
Sub-reitoria de Extensão e Cultura
Profª Regina Lúcia Monteiro Henriques
Diretor do Centro de Ciências Sociais
Prof. Domenico Mandarino
Coordenadora do PROEALC
Profª Silene de Moraes Freire
Editora Responsável
Profª Dra. Silene de Moraes Freire
Assistente Editorial
Talita Freire Moreira Anacleto (PROEALC/CCS/UERJ)
Coordenação de Produção
Andréia de Souza de Carvalho (PROEALC/CCS/UERJ)
Talita Freire Moreira Anacleto (PROEALC/CCS/UERJ)
Colaboradores
Daniel Gomes de Sá (PROEALC/CCS/UERJ)
Projeto Gráfico
Érica Fidelis (NAPE/DEPEXT/UERJ)
Diagramação
Talita Freire Moreira Anacleto (PROEALC/CCS/UERJ)
Revisão
Os textos publicados são de responsabilidades dos autores
10