A imagem da Química nos Animês Miguel de Castro Silva1

Сomentários

Transcrição

A imagem da Química nos Animês Miguel de Castro Silva1
A imagem da Química nos Animês
1
Miguel de Castro Silva *, Eurípedes Siqueira Neto2, Jackson Araújo Lima3, Francisco
Ivan da Silva4, Amanda Furtado Luna5, José Milton Elias De Matos6.
1,2,3,4,6
. Departamento de Química (DQ) - Universidade Federal do Piauí (UFPI).
Email: [email protected]
Resumo
Uma imagem vale mais que mil palavras. Se levarmos esse conceito ao pé da
letra, uma animação com vinte imagens por segundo vale muito mais que um livro
inteiro.
Existir uma procura por um procedimento eficaz para o ensino tanto de
química como outras disciplina no ramo da ciências da natureza. As vezes
procedimentos muitos uteis podem está ao nosso alcance, só não muito explorado
pelos educadores. Assim como o cinema, os animês em sala de aula é uma
alternativa plausível. No entrando ambos, se deve um acompanhamento apropriado
para os alunos fixarem os seus conhecimentos sobre o estudo das ciências. As
animações japonesas os (Animês) vem tomando e moldando um novo mercado
internacional.
Palavras-chave: Animês, Química, Sala de Aula.
Introdução
O gênese da arte teve inicio na pré-história, período que antecede a invenção
da escrita que ocorreu aproximadamente à 4000 a. C, e continua até hoje (ALVES
ET. AL 2011).
Émile Reynaud foi o responsável pela primeira animação. Ele inventou o
praxynoscópio um aparelho que com uma tira de papel com diversos desenhos que,
ao se girar uma lata, os desenhos refletidos em fitas transparentes, ganhavam
movimento. Em 1888 Émile Reynaud apresentou o primeiro show de animação com
imagens em movimento que consistia em projetar os desenhos num painel branco.
Foi a primeira apresentação de imagens em movimento projetadas para um público,
Nasce assim, o Desenho Animado (SANTOS, 2008).
O primeiro filme em animação foi "Humorous Phases of funny face" exibido
em 1906, do produtor americano James Stuart Blackton. Em 1907 se fez a primeira
produção de animação japonesa, o menino marinheiro (BECKERMAN, 2003).
Por volta de 1910, as platéias japonesas passaram a conhecer desenhos
animados através dos cinemas. Seitarõ Kitayama, a partir de seus primeiros estudos
com papel e nanquim em 1913, conseguiu produzir curtas-metragens baseados em
fábulas infantis japonesas, como “Saru Kani Kassen” (“A Luta Entre o Caranguejo e
o Macaco”) em 1917, e “Momotaro” (“O Menino-Pêssego”) em 1918, que foi o
primeiro desenho animado japonês exibido no exterior (LEITE, 2011).
Saru Kani Kassen (A Luta Entre o Caranguejo e o Macaco)
http://it.wikipedia.org/wiki/File:Saru_Kani_Gassen.jpg acessado em 07/03/2012.
Com a derrota do Japão, em agosto de 1945 termina a II Guerra Mundial.
Com isso o Japão teve que abrir suas portas para os países estrangeiros. E com os
estrangeiros vieram outras culturas principalmente a cultura americana. E consigo
vieram vários heróis americanos como: Superman, Capitão América, Homem
aranha, Batman entre outros que começavam a influenciar o Japão. Com a intenção
de diminuir a influência americana, surgira o primeiro herói japonês. A partir de
então, o gênero começa a abranger as séries televisivas e produções
cinematográficas de super-heróis. As animações japonesas vieram com a intenção
de disseminar costumes e culturas japonesas, tanto para o público japonês como
para todo o público estrangeiro que pudessem assistir essas obras (LOPES, 2008).
As animações japonesas, os animês, podem intensificar, realçar ou reagir
sobre os mais variados temas. Fazer com que o telespectador veja diferentes pontos
de vista, a ponto de fazer ele mudar de opinião sobre diversos temas do qual ele
tinha um convicção formada. Apresentar assuntos desconhecidos e fazer com que o
telespectador se cative com eles. Também tem o ponto de vista econômico. Os
animes tem que atingir um auto índice de audiência para que possa gerar lucro
(FARIA, 2007).
O objetivo desse trabalho é conciliar a história da química e da ciência com
histórias dos animês: Fullmetal Alchemist, Saint Seiya, Akira, Dragon Ball Z, Dragon
Ball GT, Pokémon, Barefoot Gen e Hotaru no Haka, Ashita Genki ni Nare!, Garasu no
Usagi, First Squad; The Moment of Truth. Com a história da evolução da química.
Desde o seu inicio, passando pelo tempo atual e as expectativas futuras. Situando
empreendimentos químicos, baseados nas percepções científicas apresentadas. E
discutindo as obras comparando com a percepção social entorno da ciência.
Introdução a Alquimia e Princípios Básicos da Química.
Fullmetal Alchemist ( Alquimista de Aço).
http://gublack.wordpress.com/2010/03/06/fullmetal-alchemist-um-dos-melhores-animes-do-mundo/
acessado em 07/03/2012.
Alquimistas eram uma espécie de fusão de cientistas e magos, pois
trabalhavam com materiais laboratoriais e sintetizando diversas substâncias para
experimentos, e magos por acreditarem que muitos dos seus feitos eram por conta
de magia, muitos por não terem explicações plausíveis. O motivo maior dos estudos
dos alquimistas era a transmutação de qualquer metal em ouro ou prata, e a criação
do elixir da longa vida, um remédio que supostamente curaria todas as doenças e
poderia prolongar a vida indefinidamente, além da criação de homúnculos, criaturas
criadas artificialmente a partir de materiais inanimados. E tudo isso seria possível
com a criação da lendária Pedra Filosofal que daria ao usuário poderes para todos
esses feitos (MISKOLCI, 2000).
A alquimia gerava várias discussões devido ao seu aspecto exótico. Ficaram
famosos por contribuírem para química, medicina e o charlatanismo. Lembrando
ainda, que os alquimistas fizeram um impacto marcante sobre a história tanto na
literatura como nas artes. E com isso foi criadas várias historias e lendas que mexem
com o imaginário popular que persistem até hoje (LIMA, SILVA 2003).
Durante toda série o animê apresenta diversos conceitos químicos de forma
cronológica e simplificada pra ajudar a compreensão dos telespectadores. Explica
questões como: conceitos e propriedades da matéria, transformações da matéria, a
energia que acompanha essas transformações, reações químicas, grandezas das
matérias, unidades de medida entre outros.
O mundo de Fullmetal Alchemist se passa após a Revolução Industrial
européia no século XIX que foi o século das Ciências. Onde inúmeras descobertas
foram feitas: O desenvolvimento das ciências experimentais, estudos sobre células;
estudos sobre hereditariedade e evolução das espécies; estudos sobre
termodinâmica, acústica e eletricidade. Consistiu em um conjunto de mudanças
tecnológicas com profundo impacto no processo produtivo em nível econômico e
social (MACHADO, 2011).
Situado em um universo ficcional onde apesar de todas as evoluções da
época, a alquimia se tornou a mais avançada técnica científica conhecida pelo
homem. O anime conta a história de dois irmãos que são os personagens principais
Edward e Alphonse Elric, que tentam restaurar seus corpos que foram absolvidos
por uma entidade em um ritual de alquimia conhecido como transmutação, após uma
fracassada tentativa de tentar trazer sua mãe de volta à vida através desse ritual.
Usando o principio de alquimia que segundo o contexto da historia explica que: A
alquimia é Ciência da compreensão da estrutura da matéria com a intenção de
desmontá-la e refragmenta-la. Usando esse conhecimento pode-se até transformar
metais baratos em metais valiosos como ouro. Como qualquer outro campo da
ciência ela também está ligada as leis fundamentais da natureza. A lei da troca
equivalente rege a alquimia e diz: para obter alguma coisa, outra com valor
equivalente tem que ser sacrificada. Ou seja, sintetizar matérias em outro que
apresenta uma estrutura atômica semelhante, e usando como energia de ativação,
“que é a energia inicial necessária para que uma reação aconteça (BONACORSO
ET. AL. 1992)”, um círculo de transmutação que é o símbolo usado pelos alquimistas
para que estes possam fazer transmutações de matéria com alquimia. Esse conceito
segue o principio de Antoine Lavoisier o principio da conservação das massas. Essa
afirmação é uma lei da natureza, onde “nada se perde nada se cria, tudo se
transforma”. Com isso ele concluiu que a massa total não varia quaisquer que sejam
as transformações que venham a ocorrer. Essa afirmação ficou conhecida como lei
da conservação da matéria (LEAL, 2001).
No experimento dos irmãos Elric foi usado: 35 litros de água; 20 quilos de
carbono; 4 litros de amônia; 1,5 quilos de cal; 800 gramas de fósforo; 250 gramas de
sais; 100 gramas de nitrogênio; 80 gramas de enxofre; 7,5 gramas de flúor; 5
gramas de ferro; 3 gramas de silício; e um pouco mais de outros elemento químicos.
Essa é a quantidade média de componentes químicos presentes no corpo de um
humano adulto segundo o anime. Esses também se encaixam no principio de
Joseph Louis Proust, que determina: que uma determinada substância composta é
formada por substância mais simples, unidas sempre na mesma proporção em
massa. Essa conclusão é chamada de Lei de Proust ou Lei das proporções definidas
(LEAL, 2001).
Assim ocorre um acidente. Edward perdeu a perna esquerda, e Alphonse
perdeu todo o seu corpo. Após o acidente Edward fez outro ritual de alquimia e selou
a alma de Alphonse em uma velha armadura usando seu braço direito como custo
da alquimia. Após o acidente os irmãos decidem partir em busca da lendária pedra
filosofal para que possam recuperar seus corpos.
Durante a sua jornada em busca da pedra filosofal, assim como, no apogeu
da alquimia entre os séculos XIV e XVI, eles encontraram muitos alquimistas que
usam seus conhecimentos para beneficio próprio como justifica seus truques
afirmando ser uma dádiva divina para enganar as pessoas e terem privilégio. E
charlatães que utilizam truques afirmando ser alquimia. Além de encontrarem
pessoas e animais que foram vitimas da alquimia assim como na química, como por
contaminações deixadas para traz, assim muitos pessoas são consideradas inúteis
por seus manipuladores. Inclusive acidentes que devastam cidades inteiras. E
durante toda a série os protagonistas são seguidos por homúnculo, que por não
serem humanos e por isso tem habilidades especiais, que são melhoramentos feitos
em seus corpos para aumentar suas capacidades em batalha (CHASSOT, 1995).
Introdução a Teoria Atômica e Aplicações da Química- Física.
Saint Seiya (Os Cavaleiros do Zodíaco).
http://ovicio.com.br/wp-content/uploads/reviews_saint_seiya_01.bmp acessado em 07/03/2012.
Cem crianças são mandadas do Japão para diversas partes do mundo para
treinar, com objetivos de se tornarem lendários guerreiros conhecidos como
cavaleiros. Fieis soldados sobre o comando da deusa grega Atena.
Seiya o personagem principal, assim como os outros jovens, durante seu
treinamento aprenderam vários conceitos básicos sobre matéria e aprendem que
tudo no universo é formado por átomos, desde os corpos dos seres humanos até os
corpos celestes. Conceito que foi falado pioneiramente pelo o filosofo grego
Demócrito (460-370 a.C.) e que foi ressuscitado pela Hipótese de Dálton
(FILGUEIRAS, 2004). Entre outros conceitos cientifico básicos esses conceitos são
responsáveis pela explicação de alguns dos poderes dos personagens.
Durante os episódios apresentam-se outros argumentos científicos com
intenção de justificar a variedade de poderes dos personagens, como o poder de
cavaleiros capazes de dominar baixas temperaturas, que usam golpes onde são
citadas informações sobre o zero absoluto e explicam que o zero absoluto é a
temperatura na qual diminui todos os movimentos das moléculas de um corpo.
Apesar do anime passar uma idéia errônea, este assunto se encaixa nas leis da
termodinâmica de Nernst-Planck, e seu enunciado diz que, quando um sistema se
aproxima da temperatura do zero absoluto, cessam todos os processos, e a entropia
assume um valor mínimo. (REIS E BASSI, 2012)
A hierarquia dos cavaleiros é de acordo com o poder (chamada cosmo
energia). Elas são dividas em três classes principais Bronze, Prata e Ouro; essas
armaduras são entregues aos cavaleiros que possuem domínio do Cosmo
equivalente ao nível da armadura. Os cavaleiros de bronze que são considerados os
mais fracos movimentam-se com a velocidade de Mach 1. Mach é uma unidade de
medida de velocidade. É definida como a relação entre a velocidade do corpo e a
velocidade do som. Ao nível do mar, “a velocidade do som é de cerca de 761 milhas
por hora (1.225 km por hora). A 20.000 pés (6.096 metros), a velocidade do som é
de 660 milhas por hora (1.062 quilômetros por hora)”. Os Cavaleiros de Prata, que
estão em uma hierarquia superior, movimentam-se de Mach 2 a Mach 3. A
velocidade de Mach 2 é o dobro da velocidade do som e Mach 3 o triplo. (XAVIER E
ASSIS, 1994).
As de Ouro são vestidas pelos cavaleiros mais poderosos aqueles que
dominam completamente a cosmo energia e são capazes de atingir a velocidade da
luz 299.792.458 m / s. O que na historia responde porque seus movimento são
vistos como vultos de luz, porquê segundo a teoria de Einstein E=mc² qualquer
corpo que atinge a velocidade da luz se transforma em energia pura mostrando que
os cavaleiros de ouro dominam a energia e em seguida recompõem sua matéria
(BARCELLOS, 2008).
A Química na Manipulação Genética.
Akira
http://projetoakira01.blogspot.com/ acessado em 07/03/2012.
A historia do estudo da genética aperfeiçoa-se com os estudos de Gregor
Johann Mendel e continua progredindo até hoje. Entre os anos de 1980 e 1990
houve um grande avanço no estudo da manipulação genética (THIEMANN, 2003).
A ovelha Dolly que foi clonada em 1996 repercutiu muito por ser o primeiro
mamífero a ser clonado com sucesso a partir de uma célula adulta. Assuntos que
geraram polêmicas estimularam a criatividade de vários autores que continuam se
baseando nas mesmas (MARTINS, ET AL, 2004).
Um dos principais focos da manipulação genética foi o estudo das células
tronco. Uma das principais características das células-tronco em relação às demais
células é a capacidade de se diferenciarem e de se converterem em distintos tecidos
no organismo e a propriedade de auto-replicação, que é a capacidade de produzirem
cópias idênticas de si mesmas com todas as características. O que contribuiu para a
terapia genética, pois permitiu substituir genes doentes por genes sãos, ou mesmo
eliminar os genes doentes entre outros (BARROSO, 2007).
Essa repercussão do estudo da manipulação genética, acabou dando origem
a um longa-metragem de animação Akira, lançada em 1988. O enredo de Akira, gira
em torno da historia de crianças com capacidades psíquica elevadas que são
criadas em laboratório e tiveram suas capacidades psíquica melhoradas
geneticamente através de experiências, dando a eles poderes sobre-humanos, em
particular, as capacidades psicocinéticas. A telecinésia é a capacidade de mover
objetos com a força da mente. Outros animes também se utilizarão sobre o tema de
manipulação genética: Dragon Ball Z(1989) e GT(1996), Pokémon (1997), entre
outros. Nesses trabalhos a genética foi apresentada como tema tecnológico do
futuro da humanidade.
A Química Como Ameaça para Humanidade: A Radioatividade.
Barefoot Gen (Gen pés descalços)
http://www.dvdbeaver.com/film/DVDReviews15/barefoot_gen_dvd_review.htm acessado em 07/03/2012.
O avanço da ciência trouxe consigo muitas promessas de prosperidade para
o futuro e deixou um arco muito grande de destruição no passado. Neste contexto se
enquadra os estudos e desenvolvimento do estudo envolvendo a radiação
(CHASSOT, 1995).
A radioatividade foi descoberta inicialmente por Henri Becquerel em 1896. A
radiação é a propagação da energia como uma emissão espontânea do excesso de
matéria ou energia pelo núcleo de um átomo instável. O que faz o núcleo ficar
instável é exatamente esse excesso de matéria ou energia. As pessoas convivem
diariamente com essa radiação como por exemplo: a radiação solar é a energia
emitida pelo sol. A radiação eletromagnética compõe-se de um campo elétrico e um
magnético, que oscilam constantemente uma a outro e à direção da propagação de
energia é classificada de acordo com a frequência. Esta é muito encontrada em
micro-ondas raio laser dentre outros (MERÇON E QUADRAT, 2004).
Os estudos realizados por Becquerel sobre a radioatividade comprovaram a
existência de três tipos de radiações emergentes do interior dos átomos: os raios
alfa que é consistem em feixes de partículas carregadas positivamente, os raios beta
que são constituídos por um feixe de partículas carregadas negativamente, e os
raios gama que praticamente tem ausência de massa e tem alto poder de
penetração que se consiste em fótons de alta energia de comprimento de onda
muito curto. A emissão de radiação gama acompanha a maioria dos processos
radioativos (OLIVEIRA, 2009).
O limite tolerável de radioatividade para o corpo humano é de
aproximadamente meio rem (Röntgen Equivalent Man é uma unidade de dose de
radiação que foi substituído pelo Sievert. 1 Sv = 100 rem) por semana. A
radioatividade gama passa facilmente através do corpo humano, causando danos
irreparáveis às células. A tolerância de radioatividade varia ligeiramente entre os
organismos vivos, mas uma dose generalizada de centenas de rem ocasiona
sempre graves lesões e mesmo a morte (CRUZ, 1987).
A radioatividade tem varias aplicações para fins pacíficos. Na Medicina,
quando se aproveita sua capacidade de penetração é perfeita para o tratamento de
tumores e diversas doenças da pele e dos tecidos em geral; Na Industria, nas áreas
de obtenção de energia nuclear mediante procedimentos de fissão ou ruptura de
átomos pesados; e científico para o qual fornece com mecanismos de
bombardeamento de átomos e aceleração de partículas, meios de aperfeiçoar o
conhecimento sobre a estrutura da matéria nos níveis de organização subatômica,
atômica e molecular (OLIVEIRA, 2009).
O processo de fissão nuclear foi utilizado por um grupo de cientistas liderados
por J. Robert Oppenheimer, em Los Álamos (Novo México), na fabricação da bomba
atômica que foi detonada em 16 de julho de 1945 no campo experimental do Novo
México (EUA), e militarmente usada no fim da Segunda Guerra Mundial contra as
cidades japonesas de Hiroshima (Bomba de urânio-235 em 6/8/45) e Nagasaki
(Bomba de plutônio-238 em 9/8/45) (MERÇON E QUADRAT, 2004).
Imediatamente depois da ativação, a massa gasosa se expandiu e emitiu
elevadas quantidades de raio X e raios ultravioleta. Essa emissão de radiação
eletromagnética foi absorvida pelo ar e provocou vários danos. As pessoas que
estavam mais próximas se desintegraram instantaneamente e as mais distantes, por
causa da luminosidade intensa ficaram cegas após a explosão. Uma vez liberada a
radiação, a massa detonou e o ar em volta dela formou uma bola de fogo que ao
expandir-se, destruiu todos os materiais inflamáveis e provocaram queimaduras de
primeiro, segundo e terceiro graus as pessoas mais distantes. A energia liberada
destruía todo ao seu redor (ASSUNÇÃO, 2006).
Cerca de 6 segundos após a primeira fissão, a onda de choque atinge o solo
iniciando a devastação mecânica. A onda de choque se propagou rapidamente,
seguida de deslocamento de ar provocado pela esfera de fogo. O fenômeno equivale
a um furacão com ventos de 200 a 400 km/h. Dois minutos depois da explosão, a
esfera de fogo já estava completamente transformada em cogumelo atômico. Que
iria atingir a estratosfera (ASSUNÇÃO, 2006).
Outro processo que ocorre logo após o lançamento de uma bomba atômica é
a chuva negra, nome dado a chuva que traz de volta para a terra a poeira e a cinza
que permanecem em suspensão no ar após a explosão de uma bomba atômica.
Depois de caírem os detritos mais pesados, uma poeira fina e muito venenosa fica
suspensa por períodos que podem durar horas ou mesmo anos (ASSUNÇÃO,2006).
Essa historia que foi vivenciada pela humanidade quando foi lançada a
bomba atômica sobre as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki, durante a
Segunda Guerra Mundial, estes e outros fatos são reladatos em vários animes entre
eles: Barefoot Gen 1983, Barefoot Gen 2 1986 (Gen pés descalços 1 e 2), Hotaru
no Haka (Cemitério dos Vagalumes) 1988, Ashita Genki ni Nare! Hanbun no
Satsumaimo (Amanhã será um dia mais brilhante!) 1991, Garasu no Usagi (Coelho
de vidro) 2005, First Squad, The Moment of Truth (Esquadrão Primeiro - O Momento
da Verdade) 2009 entre outros.
Histórias foram baseadas e contam em detalhes os passos dos desastres.
Uma das principais historias é Gen pés descalços escrito por Keiji Nakazawa, onde
Gen é um dos sobreviventes da bomba de Hiroshima em 1945. O anime retrata
historias das pessoas que, ficaram sujeitas aos efeitos dessa radiação venenosa
contida na chuva negra e no solo. Dentre esses efeitos, queimaduras e doenças
graves, todos os tipos de câncer e mutações genéticas nas pessoas expostas a
bomba e até mesmo nas gerações futuras, crianças que nascem sem uma parte do
corpo, com membros deformados ou mortos.
Filmografia resumida das obras citadas:
Animê
Ano
Duração
Autor
Direção
Fullmetal Alchemist
2003
51 episódios de
23 Minutos
Hiromu Arakawa
Seiji Mizushima
Os Cavaleiros do
Zodíaco
Akira
Dragon Ball Z
Dragon Ball GT
1994 152 episódios de Masami Kurumada
23 Minutos
1988
Katsuhiro Otomo
Katsuhiro Otomo
1989 291 episódios de
23 Minutos
Akira Toriyama.
Minoru Okazaki
Daisuke Nishio
1996
64 episódios de
23 Minutos
Akira Toriyama.
Daisuke Nishio
Osamu Kasai
75 Minutos
Takeshi Shudo
Kunihiko Yuyama
Pokémon, o Filme:
1998
Mewtwo Contra-Ataca
124 Minutos
Kozo Morishita, Kazuhito
Kikuchi
Barefoot Gen
1983
85 Minutos
Keiji Nakazawa.
Masaki Mori
Barefoot Gen 2
1986
86 Minutos
Keiji Nakazawa.
Toshio Hirata
Hotaru no Haka
1988
88 Minutos
Akiyuki Nosaka
Isao Takahata
Ashita Genki ni Nare! 2005
Hanbun no
Satsumaimo
90 Minutos
Shinichi Nakada
Yoshio Takeuchi
Garasu no Usagi
2005
86 Minutos
Toshiko Takagi
Setsuko Shibuichi
First Squad, The
Moment of Truth
2009
57 minutos
Aljosha Klimov
Misha Shprits
Yoshiharu Ashino
Conclusão
Baseado nos animes apresentados podemos ter uma base conclusiva que a
evolução e ciência caminharam lado a lado com o desenvolvimento dos animes.
Desde a medicina, engenharia genética, e questões ambientais entre muitos outros.
Concluímos no final de tudo que os animes trazem bons conceitos sobre diversos
assuntos. Assim introduzindo conhecimentos de forma direta ou indireta,
incentivando a educação.
Nesse trabalho trazemos sugestões de animes que podem ser levados ou
sugeridos em sala de aula, com o objetivo de discutir a imagem da ciência. O
professor pode indicar ou apresentar os animes em sala de aula. Já que se trata de
animações existem grande chance dos mesmos serem bem aceitos. É sugerido que
o professor leve animes onde a cronologia da historia apresentada, aconteça, no
momento em que o anime foi produzido, especialmente para qual momento histórico
a ciência se apresentava.
Após isto discutir a imagem da ciência apresentada nos vídeos. Essas
discussões levariam os alunos a formarem opinião criticas sobre os assuntos em
foco. Facilitando assim o aprendizado.
Referência
Alves, T.L.; Brito, M.A.M.L.; Lage, M.C.S.M.; Cavalcante, L.C.D.;Fabris, J.D.
Pigmentos de pinturas rupestres pré-históricas do sítio letreiro do quinto,
Pedro II, Piauí, Brasil . Quim. Nova, Vol. 34, No. 2, 181-185, 2011.
Santos, J.A.D.; Neves, F. M. Sala de aula e cinema: O desenho animado para além
da imagem, do som e do movimento.2008. 43p. (Licenciada em Educação Artística) Universidade Estadual de Maringá. Araruna.
Faria. M.L. Comunicação pós-moderna nas imagens dos mangás. 2007. 156P.
Dissertação (Mestrado em Comunicação Social). Universidade Católica do Rio
Grande do Sul. Porto Alegre.
Beckerman, H. Animation the whole story 1.ed. Printed in Canada. Library of
congress cataloging-in-publication data. 2003. Pg.16-17.
Leite, I.M.B. O poder do desenho animado japonês: Uma análise da relação entre
os animês e a cultura brasileira. Vila velha. Facevv. 2011.
Lopes, D.A. Animê e mangá: NGE e a rede interartística na cultura pop japonesa.
2008. Trabalho apresentado no XI Congresso Internacional da ABRALIC, São Paulo,
Brasil, 2008.
Miskolci, R . A Iniciação Alquímica e os Mistérios Órficos n'A Montanha Mágica.
Itinerários (UNESP) , Araraquara-SP/UNESP, v. 15/16, p. 261-283, 2000.
Lima, T.A.; Silva, M.N. Alquimia, Ocultismo, Maçonaria: o ouro e o simbolismo
hermético dos cadinhos. São Paulo. 2003.
Machado. A.A.S.C. Da gênese ao ensino da química verde. Quim. Nova, Vol. 34,
No. 3, 535-543, 2011.
Bonacorso, H.G.; Caro, M.S.B.; Zanatte, Nilo; Martins, M.A.P., Determinação da
Energia de Ativação na Temperatura de Coalescência: Avaliação do. Método
para a n-etil-n-metilacetamida. Quím. Nova, No. 15, 1992.
Leal, M.C., Como a química funciona? Reflexões Epistemológicas e a
Determinação de Fórmulas e Pesos Atômicos a partir das Leis Ponderais e da Teoria
Atômica de Dalton. Química Nova na Escola, No. 14, 2001.
Chassot, A.I. Alquimiando a química. Química. Química Nova na Escola. N° 1,
1995.
Filgueiras, C. A. L., Duzentos anos da teoria atômica de Dalton. Química Nova na
Escola. N° 20, 2004.
Reis, M.C.,Bassi, A.B.M.S. A Segunda Lei da Termodinâmica, Quim. Nova, Vol.
XY, No. 00, 2012.
Xavier Jr, A.L.;Assis, A.K.T. O comprimento do postulado de relatividade na
mecânica clássica – uma tradução comentada de um texto de Erwin Schrödinger
sobre o principio de Mach. SBHC, n.12, p. 3-18, 1994.
Barcellos, M.E. História, sociologia, massa e energia. uma reflexão sobre a
formação de pesquisadores em física. 2008. 152P. Dissertação ( Mestre em
Ensino de Ciências). Universidade de São Paulo. São Paulo.
Thiemann, O.H. A descoberta da estrutura do DNA. Química Nova na Escola, N°
17, 2003.
Martins, I.; Nascimento, T.G.; Abreu, T,B., Clonagem na sala de aula: Um exemplo
do uso didático de um texto de divulgação científica. Investigações em Ensino de
Ciências – V9(1), pp. 95-111, 2004.
Barroso, L.R. Gestação de fetos anencefálicos e pesquisas com células-tronco:
dois temas acerca da vida e da dignidade na constituição. Panóptica, ano 1, n. 7,
2007.
Chassot, A. Raios X e Radioatividade. Química nova na escola. N° 2, 1995.
Merçon, F.; Quadrat, S.V. A Radioatividade e a História do Tempo Presente.
Química Nova na Escola, n. 19, p. 27-30, 2004.
Oliveira, R.A.P. Estudo da Luminescência do Cristal de Espodumênio. 2009.
114P.Dissertação (Pós-Graduação em Física). Universidade Federal de Sergipe. São
Cristóvão.
Cruz, F.F.S. Radioatividade e o acidente de Goiânia. Cad. Cat. Ens. Fis.,
Florianópolis, 4(3): 164-169, dez. 1987.
Assunção, J.A. Avaliação Imunológica dos Indivíduos Expostos à Radiação
Ionizante do 137Cs, no Acidente radioativo de Goiânia (Brasil). 2006. 58P.
Dissertação (Pós-Graduação em Ciências Ambientais e Saúde). Universidade
Católica de Goiás. Goiânia.