Disfunção sexual feminina e masculina

Сomentários

Transcrição

Disfunção sexual feminina e masculina
9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010
Disfunção sexual
feminina e masculina:
Semelhanças/Diferenças
francisco allen gomes
Lisboa, 18 a 20 de Fevereiro de 2010
A Resposta Sexual Humana
As 4 fases de Masters & Johnson correspondem, no fundo, a um
padrão bifásico: excitação e orgasmo
Comentário de Leonor Tiefer: uma máquina sem motor
Helen Kaplan (1974) acrescentou o motor: Uma fase cerebral
prévia: o desejo. A Resposta Sexual Humana transformou-se
num padrão trifásico: Desejo, Excitação e Orgasmo
Francisco Allen Gomes - 2010
A Resposta Sexual Humana: Diferenças Homem/Mulher
Na mulher o desejo apresenta
características mistas:
biológico/espontâneo (menos
consistente do que no homem) e
receptivo.
Homem: a capacidade para obter e
manter uma erecção é suficiente
para se sentir um parceiro sexual
eficiente.
Mulher: A excitação sexual resulta
mais de processos cognitivos
sobre o significado dos estímulos
que dum feed-back da
vasocongestão periférica.
Na fase de orgasmo há diferenças aparatosas entre homem
e mulher, sobretudo na interacção sexual.
Francisco Allen Gomes - 2010
A Resposta Sexual Humana: Diferenças Homem/Mulher
As várias fases da Resposta Sexual Feminina, não são
claramente separadas. Pelo contrário, sobrepõem-se.
Realmente é mais operacional conceptualizá-la como
circular.
Gomes FA (2000). In Andrologia Clínica.Edt Alexandre Moreira (pgs 717-732). Sociedade
Portuguesa de Andrologia, Porto
Uma questão pertinente: e não será que no
homem haverá, igualmente, uma sobreposição
das fases de desejo e excitação?
Francisco Allen Gomes - 2010
Modelo da resposta sexual feminina baseado na
intimidade
Intimidade emocional
Satisfação física e
emocional
Impulso sexual
espontâneo
Estímulo sexual
Excitação e
desejo sexual
Biológico
Excitação
sexual
Psicológico
Basson R (2001). Obstet Gynecol, 98: 350-353.
Francisco Allen Gomes - 2010
Disfunção Sexual Masculina (DSM-IV-TR):
Classificação
Desejo Sexual Hipoactivo
D. do Desejo Sexual
Aversão Sexual
D. da Excitação Sexual
Disfunção Eréctil
Ejaculação Prematura
D. do Orgasmo
Disfunção do Orgasmo Masculino
D. Dolorosa
Dispareunia
Primária ou Secundária
Generalizada ou Situacional
Devida a factores Orgânicos, Psicológicos ou Mistos
Adaptado da DSM-IV-R (2000/2002)
Francisco Allen Gomes - 2010
Disfunções Sexuais Femininas (DSM-IV-R e Consensus 98):
Classificação
Desejo Sexual Hipoactivo
D. do Desejo Sexual
Aversão Sexual
D. da Excitação Sexual
Disf da Excitação Sexual Feminina
D. Do Orgasmo
Disf do Orgasmo Feminino
Dispareunia
D. Dolorosas
Vaginismo
Dor Sexual Não Coital
Primária ou Secundária
Generalizada ou Situacional
Devida a factores Orgânicos, Psicológicos, Mistos ou Desconhecidos
e que causem perturbação pessoal
Consensus 98 - Basson R, et al. J Urol. 2000;163:888-893
Francisco Allen Gomes - 2010
Disfunções Sexuais: Classificação Comparada
Homem
Mulher
Disfunções do desejo (desire disorders)
Desejo Sexual Hipoactivo
Aversão Sexual
Desejo Sexual Hipoactivo
Aversão Sexual
Disfunções da Excitação Sexual (Arousal Disorders)
Disfunção Eréctil
Disfunção da Excitação Sexual
Feminina
Disfunções do Orgasmo (Orgasmic Disorders)
Ejaculação Prematura
Disf do Orgasmo Masculino
Disf do Orgasmo Feminino
Disfunções Sexuais Dolorosas (Sexual Pain Disorders)
Dispareunia
Dispareunia
Vaginismo
Dor Sexual não Coital
Francisco Allen Gomes - 2010
Disfunções Sexuais: Prevalência Global
Disfunção Sexual
Masculina
Disfunção Sexual
Feminina
EEUU: 31%1
Portugal: 24%2
Moderada e Grave: 6%
Insatisfeitos: 8,5%
EEUU: 43%1
Portugal: 56%2
Moderada e Grave: 19%
Insatisfeitas: 8,5%
1Laumann
EO; Paik A; Rosen RC (1999). Sexual dysfunction in the United States: prevalence and
predictors.JAMA, 281(6):537-44
2Pereira, NM, Vendeira P et alç. (2005). Episex
Francisco Allen Gomes - 2010
Disfunções Sexuais: Comparações
Disfunções do desejo (desire disorders)
Homem
Mulher
Desejo Sexual Hipoactivo
Aversão Sexual
Desejo Sexual Hipoactivo
Aversão Sexual
Definição: Diminuição ou
ausência persistente e
recorrente de fantasias
sexuais e desejo de
actividade sexual.
Definição: Uma persistente ou
recorrente deficiência (ou
ausência) de fantasias sexuais
e/ou do desejo para a
actividade sexual ou para a sua
receptividade.
EEUU:
15,8%
Portugal:
15,5%
Moderada e Grave: 3,6%
EEUU:
33,3%
Portugal:
35%
Moderada e Grave: 12%
Francisco Allen Gomes - 2010
Disfunções Sexuais: Comparações
Disfunções da Excitação Sexual (Arousal Disorders)
Homem
Mulher
Disfunção Eréctil
Definição: incapacidade
persistente e recorrente em
atingir ou manter uma
erecção adequada até
completar a actividade
sexual.
EEUU:
10,4%
Portugal:
12,9%
Moderada e Grave: 4,7%
Disfunção da Excitação Sexual
Feminina
Definição: incapacidade
persistente ou recorrente para
atingir ou manter uma excitação
sexual suficiente. Pode ser
expressa por uma ausência
subjectiva de excitação ou por
uma falta de lubrificação genital,
ou outras respostas somáticas.
EEUU:
18,8%
Portugal:
31,6%
Moderada e Grave: 9,4%
Francisco Allen Gomes - 2010
Disfunções Sexuais: Comparações
Disfunções do Orgasmo (Orgasmic Disorders)
Homem
Mulher
Ejaculação Prematura
Disf do Orgasmo Masculino
Disf do Orgasmo Feminino
Definição: atraso ou
ausência de orgasmo
persistente e recorrente a
seguir a uma fase de
excitação considerada
suficiente.
Definição: Atraso ou
ausência de orgasmo
persistente ou recorrente,
após uma estimulação e
excitação sexual suficientes.
EEUU:
Portugal:
EEUU:
24,1%
Portugal:
31,6%
Moderada e Grave: 11,1%
8,3%
0,7%
Francisco Allen Gomes - 2010
Disfunções Sexuais: Comparações
Disfunções do Orgasmo (Orgasmic Disorders)
Homem
Mulher
Ejaculação Prematura
Disf do Orgasmo Masculino
Sem equivalente
Ejaculação Prematura: quando o orgasmo e ejaculação
acontecem, de forma persistente e recorrente, na
sequência de um pequeno período de excitação, durante
ou imediatamente após a penetração e sem que o homem
o deseje.
EEUU:
Portugal:
28,5%
8,7%
Francisco Allen Gomes - 2010
Ejaculação Prematura: O novo paradigma
Considerou-se que, para definir a EP, são necessários os
seguintes constructos: tempo de penatração (IELT), incapacidade
para adiar a ejaculação (falta de controlo) e consequências
negativas pessoais. Assim:
EP Primária (lifelong) é uma DSM caracterizada por:
• ejaculação que ocorre sempre ou quase sempre antes ou à
volta de 1 minuto de penetração vaginal;
• incapacidade em atrasar a ejaculação em todas ou quase
todas as penetrações vaginais; e
• consequências pessoais negativas, tais como perturbação
emocional, aborrecimento, frustração e/ou evitamento da
intimidade sexual.
McMahon CG, Althof SE, Waldinger MD et al. (2008). An evidence-based definition of lifelong premature ejaculation:
Report of the International Society for Sexual Medicine (ISSM) Ah Hoc Committeee for thr definition of premature
ejaculation. J Sex Med, 5:1590-1606.
Francisco Allen Gomes - 2010
Disfunções Sexuais: Comparações
Disfunções Sexuais Dolorosas (Sexual Pain Disorders)
Homem
Dispareunia
Mulher
Dispareunia
Definição: dor genital persistente ou recorrente associada à
actividade sexual, quer no homem quer na mulher.
Vaginismo
Definição (vaginismo): espasmo
Dor Sexual não Coital
involuntário persistente e
recorrente da musculatura do Definição: dor genital
persistente e recorrente,
terço externo da vagina que
induzida por uma estimulação
interfere com a penetração
sexual não coital
vaginal.
EEUU:
14,4%
Portugal:
34,1%
Moderada e Grave: 3,3%
Francisco Allen Gomes - 2010
Alterações propostas para a DSM -V
Para remoção
Aversão Sexual
Para subordinação a outros diagnósticos
• Desejo sexual hipoactivo a Disfunção do interesse
sexual/excitação no homem e na mulher;
• Disfunção da excitação sexual feminina a Disfunção do
interesse sexual/excitação na mulher;
• Dispareunia (não orgânica) a Disfunção de dor genitopélvica/penetração
• Vaginismo (não orgânico) a Disfunção de dor genitopélvica/penetração
Categorias diagnósticas não contempladas na DSM-IV
• Disfunção do interesse sexual/excitação no homem
• Disfunção do interesse sexual/excitação na mulher
• Disfunção de dor genito-pélvica/penetração
http://www.dsm5.org/ProposedRevisions/Pages/SexualandGenderIdentityDisorders.aspx
Francisco Allen Gomes - 2010
Alterações propostas para a DSM -V
Disfunção do interesse sexual/excitação na mulher
Critérios de diagnóstico
A. Falta de interesse/excitação durante, pelo menos 6 meses,
apresentando 4 dos seguintes indicadores:
1. Ausência/redução do interesse na actividade sexual;
2. Ausência/redução de pensamentos e fantasias erótico/sexuais
3. Sem iniciativa na actividade sexual e sem receptividade à
iniciativa do parceiro
4. Ausência/redução sexual de excitação/prazer durante a
actividade sexual (pelo menos em 75% dos encontros sexuais)
5. O desejo não é provocado por qualquer estímulo erótico/sexual
(p.ex., escrita, verbal, visual, etc.)
6. Ausência/redução de alterações físicas genitais e não genitais
durante a actividade sexual (pelo menos em 75% dos encontros
sexuais)
http://www.dsm5.org/ProposedRevisions/Pages/SexualandGenderIdentityDisorders.aspx
Francisco Allen Gomes - 2010
Alterações propostas para a DSM -V
Disfunção do interesse sexual/excitação na mulher
Especificadores
1. Primário (desde o início da actividade sexual) ou secundário
2. Absoluto ou situacional
3. Factores do parceiro (problemas sexuais e estado de saúde)
4. Factores relacionais(p.ex., má comunicação, discórdia relacional,
discrepâncias no desejo de actividade sexual)
5. Factores de vulnerabilidade individual(p.ex., depressão ou
ansiedade, má imagem corporal, história de abuso sexual)
6. Factores culturais/religiosos (p.ex., inibições relacionadas com
proibições da actividade sexual)
7. Factores médicos (p.ex., doenças, medicações)
http://www.dsm5.org/ProposedRevisions/Pages/SexualandGenderIdentityDisorders.aspx
Francisco Allen Gomes - 2010
Alterações propostas para a DSM -V
Disfunção do interesse sexual/excitação no homem
Critérios de diagnóstico
A. Falta de interesse/excitação durante, pelo menos 6 meses,
apresentando 4 dos seguintes indicadores:
1. Ausência/redução do interesse na actividade sexual;
2. Ausência/redução de pensamentos e fantasias erótico/sexuais
3. Sem iniciativa na actividade sexual e sem receptividade à
iniciativa da parceiro
4. Ausência/redução sexual de excitação/prazer durante a actividade
sexual (pelo menos em 75% dos encontros sexuais)
5. O desejo não é provocado por qualquer estímulo erótico/sexual
(p.ex., escrita, verbal, visual, etc.)
6. Ausência/redução de alterações físicas genitais e não genitais
durante a actividade sexual (pelo menos em 75% dos encontros
sexuais)
http://www.dsm5.org/ProposedRevisions/Pages/SexualandGenderIdentityDisorders.aspx
Francisco Allen Gomes - 2010
Alterações propostas para a DSM -V
Disfunção do interesse sexual/excitação no homem
Especificadores
1. Primário (desde o início da actividade sexual) ou secundário
2. Absoluto ou situacional
3. Factores do parceiro (problemas sexuais e estado de saúde)
4. Factores relacionais(p.ex., má comunicação, discórdia relacional,
discrepâncias no desejo de actividade sexual)
5. Factores de vulnerabilidade individual(p.ex., depressão ou
ansiedade, má imagem corporal, história de abuso sexual)
6. Factores culturais/religiosos (p.ex., inibições relacionadas com
proibições da actividade sexual)
7. Factores médicos (p.ex., doenças, medicações)
http://www.dsm5.org/ProposedRevisions/Pages/SexualandGenderIdentityDisorders.aspx
Francisco Allen Gomes - 2010
Alterações propostas para a DSM -V
Disfunção de dor genito-pélvica/penetração
Critérios de diagnóstico
A. Dificuldades persistentes e recorrentes com, pelo menos, 6
meses de duração, e com um dos seguintes:
1. Incapacidade para ter relação vaginal/penetração em 50%
das tentativas
2. Acentuada dor vulvo/vaginal durante pelo menos, 50% das
tentativas de relação vaginal/penetração
3. Acentuado medo ou ansiedade em relação a dor
vulvo/vaginal ou pélvica, em pelo menos 50% das
tentativas de penetração vaginal
4. Acentuada tensão ou contracção muscular dos músculos da
parede da vagina durante, pelo menos, 50% das tentativas
de penetração vaginal
http://www.dsm5.org/ProposedRevisions/Pages/SexualandGenderIdentityDisorders.aspx
Francisco Allen Gomes - 2010

Documentos relacionados

Desejo

Desejo Masters e Johnson, 1966 e Kaplan, 1977; adaptado de APA, 1987

Leia mais

Disfunções Sexuais

Disfunções Sexuais Pede-se que o casal se acaricie até o homem ter uma boa ereção e a mulher alguma lubrificação (ao contrário pedir o uso de lubrificante). Posição: Mulher em cima e coloca o pênis do companheiro den...

Leia mais

Comportamentos sexuais alternativos na clínica

Comportamentos sexuais alternativos na clínica Tratamento concomitante de problemas sexuais da parceria: femininos (disfunções de desejo, vaginismo, anorgasmia, dispareunia) e masculinos (disfunção eretiva, ejaculação rápida ou inibida, questõe...

Leia mais