Mais de 70% dos alojamentos clássicos ocupados como residência

Сomentários

Transcrição

Mais de 70% dos alojamentos clássicos ocupados como residência
Mais de 70% dos alojamentos clássicos ocupados como residência
habitual, situam-se na região de Lisboa e Vale do Tejo e região Norte
Em 1998 havia no Continente cerca de 3,3 milhões
de alojamentos clássicos ocupados como
residência habitual, distribuídos
como consta do Gráfico 1.
regionalmente
Gráfico 1 - Alojamentos clássicos ocupados como residência habitual,
por NUTS II, em % do total do Continente
40
36.9
35
33.9
30
25
18.6
20
15
10
6.3
4
5
0
Norte
Centro
Lisboa e Vale do
Tejo
Fazendo a desagregação do parque por época de
construção (Quadro 1), verifica-se que cerca de 31%
do total de alojamentos no Continente terão sido
construídos depois de 1980 (cerca de 10% após
1990). A distinção entre moradias e apartamentos
revelou-se crucial para a caracterização do parque
habitacional ocupado como residência habitual.
Alentejo
Algarve
O peso relativo dos diferentes regimes de ocupação
(casa própria vs. arrendamento) e a importância do
recurso a crédito para acesso à habitação própria,
por exemplo, estão fortemente associados ao tipo de
edifício. O Gráfico 2 mostra o peso relativo destes
dois tipos de alojamento em cada uma das NUTS II
e para o Continente.
Distribuição dos alojamentos clássicos ocupados como
residência habitual segundo a época de construção (%)
Nuts II
Continente
Norte
Centro
LVT
Alentejo
Algarve
época de construção
depois de
até 1980 1981-1990
1990
65,9
22,2
11,9
68,3
22,8
8,8
71,7
18,4
9,9
73,1
19,9
7,0
62,2
25,3
12,5
68,8
20,9
10,3
Total
100
100
100
100
100
100
Gráfico 2 - Alojamentos clássicos ocupados como
residência habitual, por tipo de edifício (em %)
90
78.2
80
78.2
70
65.4
64.3
63.4
60
56.8
50
43.2
40
35.7
moradias
apartamentos
36.6
34.6
30
21.8
21.8
20
10
0
Norte
Centro
Lisboa e Vale
do Tejo
Alentejo
Algarve
Continente
habitual, subindo estas percentagens para 78% nas
regiões Centro e Alentejo. No conjunto do território
continental as moradias representavam cerca de
57% do total.
O peso dos apartamentos só ultrapassa o das
moradias na região de Lisboa e Vale do Tejo (65,4%
contra 34,6%). No Norte e no Algarve as moradias
representavam, respectivamente, 64,3% e 63,4% do
parque habitacional ocupado como residência
Gráfico 3 - Regimes de ocupação dos alojamentos
clássicos ocupados como residência habitual, por NUTS II (%)
90.0
78.7
80.0
74.8
69.4
70.0
64.3
60.8
60.0
58.0
casa própria
arrendamento total
cedência gratuita
outra
50.0
40.0
33.4
32.0
27.7
30.0
19.9
20.0
16.5
14.0
10.0
10.3
9.0
6.7
1.1
8.5
7.1
4.8
0.7
1.0
0.5
0.3
0.9
0.0
Norte
Centro
Lisboa e Vale
do Tejo
A habitação própria é o regime de ocupação
dominante em todas as regiões do Continente. Em
1998, os alojamentos ocupados pelo seu
proprietário representariam cerca de 64% do total
de alojamentos clássicos ocupados como
more
Alentejo
Algarve
Continente
residência habitual no território continental. O peso
da ocupação própria é particularmente elevado na
região Centro, 78,7%, sendo relativamente mais
reduzido nas regiões do Norte, 58%, e de Lisboa e
Vale do Tejo, 60,8% (Gráfico 3).
Para saber mais...
No quadro do desenvolvimento dos projectos estatísticos da área “Habitação”, o Instituto Nacional de
Estatística tem vindo a realizar um sub-projecto intitulado “Características do Parque Habitacional”, cujo
objectivo essencial é fornecer informação estatística de natureza estrutural sobre o parque habitacional
ocupado como residência habitual, designadamente em matéria de:
características físicas e estado de conservação dos alojamentos;
•
formas de provisão e regimes de ocupação do parque habitacional ocupado como residência habitual;
•
formas de financiamento do acesso à habitação própria (compra ou construção/ reconstrução) e
•
esforço financeiro com a habitação nos diferentes regimes de ocupação; e
percurso habitacional e mobilidade das famílias.
•
Algumas definições:
Arrendamento - Contrato pelo qual uma das partes concede à outra o gozo temporário de um alojamento,
no todo ou em parte, mediante retribuição (renda).
Edifício - Construção independente, coberta, limitada por paredes exteriores ou paredes meias que vão das
fundações à cobertura, destinada a servir de habitação (com um ou mais fogos/alojamentos) ou outros fins.
Fogo/Alojamento familiar clássico - Local distinto e independente, constituído por uma divisão ou conjunto
de divisões e seus anexos, num edifício de carácter permanente ou uma parte distinta do edifício (do ponto
de vista estrutural), que, considerando a maneira como foi construído, reconstruído, ampliado ou
transformado, se destina a servir de habitação, normalmente, apenas de uma família/agregado doméstico
privado. Deve ter uma entrada independente que dê acesso (quer directamente, quer através de um jardim
ou um terreno) a uma via ou a uma passagem comum no interior do edifício (escada, corredor ou galeria,
etc.). As divisões isoladas, manifestamente construídas, ampliadas ou transformadas para fazer parte do
fogo/alojamento familiar clássico são consideradas como parte integrante do mesmo.
Tipologia de arrendamento do edifício - Considera-se a possibilidade de o alojamento estar arrendado
(mobilado ou não pelo senhorio), subarrendado ou noutra situação (cedido, porteiros, etc.).
Regime de Propriedade do Alojamento - Tipologia de entidades proprietárias do alojamento. Os
alojamentos poderão ser propriedade dos seus ocupantes ou de outras entidades: particulares/empresas
privadas, Estado ou instituições públicas autónomas, empresas públicas, autarquias locais, caixas e outras
instituições sem fins lucrativos ou cooperativas de habitação.

Documentos relacionados