Edição Especial nº 2 / 2014

Сomentários

Transcrição

Edição Especial nº 2 / 2014
MINISTÉRIO DA CULTURA, GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO E SECRETARIA DA CULTURA APRESENTAM
MARIANA
VALENÇA
MÚSICO HOMENAGEADO 2014
A VOZ DE MARIANA
POR ARTHUR NESTROVSKI
3
DO FUNDO DO BAÚ
FOTOGRAFIAS
4
UMA ARQUITETA QUE
ENCONTROU SUA VOZ
ENTREVISTA A RICARDO TEPERMAN
6
2
A VOZ DE
MARIANA
POR ARTHUR NESTROVSKI
Q
ue mistério tem a voz de uma pessoa
que canta – qualquer pessoa: você
ou eu, qualquer um que entoa uma
palavra e sustenta sílabas no ar. Os
sentidos imediatamente se transformam, sob efeito
da inspiração funda e da expiração prolongada,
que mantêm vogais soando e faz de cada consoante
um acontecimento. Tanto mais quando essa pessoa
canta de verdade, como a nossa Mariana Valença, e
mais ainda quando ela canta no meio de 50 vozes –
cada uma, uma, e todas numa só.
Segredo e revelação de quem fala, a voz de
alguém que canta leva ainda mais longe a exposição
da subjetividade, justamente ali onde quem canta
vira música. Mariana, por exemplo, cantando uma
ária de Bach, com a expressão que é característica
sua, ao mesmo tempo um pouco para trás e
generosamente entregue: entregue à música, e à
dimensão humana que a música inventa ou faz ver.
No ano em que o Coro da Osesp completa seu
vigésimo aniversário, temos uma satisfação muito
especial de prestar essa homenagem a Mariana
Valença, representando todos os músicos da
Fundação Osesp, e em especial os coralistas, com
destaque para os sete outros cantores com ela no
Coro desde sua fundação em 1994. De lá para cá,
foram literalmente centenas de apresentações,
seja a cappella ou com a orquestra, seja na Sala São
Paulo ou em outros espaços da capital e inúmeras
outras cidades do estado e do país, sem falar na
marcante turnê espanhola em 2006, sempre sob a
regência de Naomi Munakata.
Para comemorar os 20 anos, o Coro fará um
concerto matinal especial, no domingo, 13 de
abril, transmitido ao vivo pela Rádio Cultura FM,
em cadeia com mais de 180 emissoras ao redor do
mundo (incluindo transmissão pelos respectivos
sites). O compositor visitante da Osesp em 2014
será o escocês James MacMillan, talvez o mais
renomado autor de obras corais da atualidade, que
vai reger um concerto do Coro dia 12 de outubro.
Nosso maestro associado, Celso Antunes,
professor de regência coral na Haute École de
Musique, em Genebra, e o maestro do Coro da
Ópera de São Francisco, Ragnar Bohlin, também
irão reger lindos programas, sem falar em Naomi.
O CD Canções do Brasil será relançado em abril no
Selo Digital Osesp, e a partir daí estará disponível
gratuitamente para download, assim como já é o
caso do disco digital dedicado a obras de Aylton
Escobar, lançado no ano passado. O Coro pela
primeira vez abre a Temporada, cantando a
cappella a Missa Brevis de Leonard Bernstein, sob a
regência de Marin Alsop, com quem gravou essa
mesma peça, incluída em CD da Sinfônica de
Baltimore (selo Naxos). E o Coro também fecha
a Temporada, cantando duas peças de Arvo Pärt e
o Carmina Burana, de Carl Orff, juntamente com o
Coro Acadêmico e o Coro Infantil da Osesp.
São todas formas de comemorar essas duas
décadas de excelência; e tudo tem em Mariana
uma representante ideal. Ela mesma vai cantar a
Cantata nº 54 de Bach, num imperdível programa
barroco da série Solistas da Osesp (dias 6 e 8 de
novembro).
Que mistério tem a voz de uma pessoa! Ser
a dona da própria voz é um destino e uma
responsabilidade, uma dádiva e um aprendizado
sem fim. Que privilégio ter Mariana conosco,
dividindo esse presente com tantos outros músicos,
em benefício de todos nós.
ARTHUR NESTROVSKI é o diretor artístico da Osesp.
3
DO FUNDO
DO BAÚ
MARIANA VALENÇA NA DÉCADA DE 1970
COM OS PROFESSORES BENITO E ISABEL MARESCA, EM 1997
COM OS PROFESSORES BENITO E ISABEL MARESCA, EM 1997
4
AOS 15 ANOS, EM RECITAL NO CONSERVATÓRIO
ERNESTO NAZARETH
INTERPRETANDO UMA CANTATA DE BACH, À FRENTE DO CORO E ORQUESTRA DA UNESP, REGIDOS PELO MAESTRO ABEL ROCHA, EM 2000
COM O CORO DA OSESP, EM TURNÊ NA ESPANHA, EM 2006
5
UMA ARQUITETA
QUE ENCONTROU
SUA VOZ ENTREVISTA COM
MARIANA VALENÇA
E
m 2010, a Fundação Osesp inaugurou seu
projeto de homenagens anuais a um músico,
na condição de representante dos demais. O
primeiro foi o spalla Claudio Cruz, seguido
pelo oboísta Arcádio Minczuk. Em 2012, os
músicos estrangeiros da Osesp receberam uma
homenagem na figura do violinista Lev Veksler e,
no ano passado, foi a vez do trompetista Gilberto
Siqueira e da percussionista Elizabeth Del Grande,
ambos na orquestra desde 1973.
A contralto Mariana Valença será a musicista
homenageada em 2014, quando o Coro da Osesp,
dirigido por Naomi Munakata, completa vinte
anos de existência. Mariana e mais sete cantores
integram o grupo desde o ano de sua criação:
6
Francisco Meira, Laércio Resende, Maria Angélica
Leutwiller, Mônica Weber, Regina Ayres, Silas de
Oliveira e Viviana Casagrandi.
​Nascida em São Paulo, no bairro da Mooca,
Mariana formou-se em arquitetura e, apesar de
ter feito os nove anos de piano no Conservatório
Ernesto Nazareth e cantar em coros amadores, nem
pensava em se profissionalizar na música. O rumo
de sua vida foi alterado ao ser aprovada nas audições
para a criação do Coro da Osesp, em 1994.
​Casada com Eduardo Seiler e mãe de duas
meninas, Clara e Lia, na entrevista a seguir a contralto
conta um pouco sobre sua paixão pela música, as
lembranças do trabalho com Eleazar de Carvalho e
os momentos marcantes na história do Coro.
Podemos começar por suas primeiras experiências
com música?
Em casa, ouvíamos muita música. Meus pais
tinham duas coleções de LPs, uma de Música
Clássica e outra de História da Música Popular
Brasileira, nas quais eu e minha irmã Beatriz
adorávamos mexer e que ouvimos até praticamente
furar... Não havia músicos profissionais na nossa
família, mas minha mãe tinha um piano – um
Blüthner de 1919, comprado por ela em seu
“tempo de solteira” e que está comigo até hoje.
Ela tocava um pouco e nos incentivou a estudar.
Comecei a estudar piano seriamente com oito anos
e cheguei a terminar o curso no Conservatório
Ernesto Nazareth aos dezessete anos. Hoje, além
da música erudita do nosso dia a dia, minhas
filhas também ouvem uma coleção de CDs de
Música Popular Brasileira no carro e adoram,
espero que para elas seja marcante também.
E que espaço a música tinha na sua vida nessa
época?
​Eu estudava arquitetura no Mackenzie quando
comecei a cantar no Coral do Senac Línguas.
Logo passei a ser monitora do naipe de contraltos
e assim ganhei uma bolsa de estudos, que custeou
todo o curso de inglês. Além disso, naquele coro,
eu conheci meu marido, o tenor Eduardo Seiler.
​S urgiram outros grupos corais amadores,
como o Grupo TULE e o Coral do Museu
Lasar Segall. O movimento coral naquela época
era intenso, viajamos várias vezes para cantar
em festivais pelo país. Eu tinha vinte anos,
uma época muito gostosa da vida... Eu levava
o canto coral como uma atividade paralela,
com a qual estava cada vez mais envolvida. De
vez em quando, surgia alguma oportunidade
de trabalho remunerado, como a participação
no espetáculo Bibi in Concert, minha primeira
experiência cantando com orquestra. Cheguei
E como você começou a cantar?
a me formar em arquitetura, e os patrões do
No colégio em que estudei, o Liceu Santa Cruz, escritório onde eu trabalhava iam assistir às
na Mooca, havia um pequeno coral, em que eu era minhas apresentações e adoravam.
presença essencial, especialmente para tocar piano...
Até hoje me lembro de algumas músicas: cantávamos
Quer dizer que você realmente não pensava em se
um arranjo do “Uirapuru”, de Waldemar Henrique, profissionalizar na música?
e também de “Quem Sabe”, de Carlos Gomes. Foi
Naquele momento, já casada e trabalhando
uma primeira experiência. É interessante como com arquitetura, eu simplesmente não via esta
algumas lembranças nos influenciam para sempre. possibilidade, pois já era responsável pelas minhas
Dos catorze aos dezessete anos, cantei no Coral despesas. Os poucos trabalhos remunerados com
do Conservatório, que na época era regido por música que apareciam não seriam suficientes
Roberto Dante Cavalheiro. Durante esse período, para pagar as contas.
redescobria e me encantava com o repertório
de MPB – tocava, cantava e compunha com
E como foi a entrada no Coro da Osesp?
os amigos da Igreja Nossa Senhora do Bom
Em 1994, vi por acaso no jornal o anúncio
Conselho e me inspirava em grupos vocais como do concurso para a criação do Coral Sinfônico
o MPB4 e o Boca Livre.
do Estado de São Paulo, com oitenta vagas,
registro em carteira de trabalho e um salário
Você optou por cursar arquitetura, não música. Como que era equivalente ao que eu ganhava trabalhando
foi essa escolha?
no escritório de arquitetura. Eu me interessei na
Na época de prestar vestibular, nem me ocorria hora. Fui me aconselhar com o regente com
a possibilidade de me profissionalizar como cantora. quem eu cantava na ocasião, Marco Antônio da
Eu gostava de música, tocava piano, violão, mas Silva Ramos, que disse que eu tinha chances de
não conhecia música lírica, nem sabia muito sobre entrar e me apresentou à professora de canto
o mundo profissional da música vocal. Optei pela Isabel Maresca, que poderia me preparar para
arquitetura e continuei a tocar e cantar como hobby. o concurso.
7
E como foi essa preparação?
Aprender as duas árias exigidas foi um desafio.
Cantar para a banca examinadora então, imagine!
Tivemos também uma prova de solfejo à primeira
vista, além da análise do currículo. Enquanto esperava minha vez de cantar, nos corredores das Oficinas
Culturais Três Rios [hoje Oficina Cultural Oswald
de Andrade], eu via tanta gente com aquela pose de
cantor lírico… Havia professores de canto que iriam
disputar a vaga comigo, cantores que estavam dispostos a sair de outros grupos estáveis para entrar
no Coro, gente de outros estados que veio confiante
para mudar de vida. Eu disse para a Isabel: “Vamos
desistir, não vai dar nem pro começo”. Mas ela foi
firme: “Vai dar certo, sim!”. Bem... deu certo!
E o que aconteceu com a carreira de arquiteta?
Entrei no Coro há vinte anos, achando que o
trabalho do coralista se resumiria a abrir a boca e
cantar. Com o tempo, fui percebendo que para estar
aqui seria necessário muito mais do que isso. Para
executar bem nosso papel, todos temos que ser
músicos no sentido mais amplo da palavra, estudar
e ensaiar fora do horário de trabalho, manter a
técnica vocal em dia, aprender a pronúncia de
várias línguas, enfim. Somos exigidos e avaliados
continuamente: é preciso estar pronto a ser um
solista a qualquer momento. Além disso, quando a
gente ama o que faz, o trabalho nos preenche em
tempo integral. Por isso, abandonar a arquitetura
foi para mim o caminho.
OS OITO CANTORES QUE INTEGRAM O CORO DA OSESP DESDE 1994. DA ESQUERDA PARA DIREITA: SILAS DE OLIVEIRA, REGINA AYRES,
VIVIANA CASAGRANDI, MÔNICA WEBER, MARIANA VALENÇA, MARIA ANGÉLICA LEUTWILLER, FRANCISCO MEIRA E LAÉRCIO RESENDE
8
Em 2000, iniciei o Curso Superior de Música na
Unesp, com Habilitação em Canto, e no ano seguinte cancelei meu Crea. Hoje em dia, apenas mato a
saudade quando planejo pequenas intervenções nos
espaços do meu apartamento novo. Pessoalmente,
faz parte do meu dia a dia me dividir entre meu trabalho como musicista e a dedicação à minha família:
Eduardo e minhas filhas Clara e Lia.
As atividades no Coro e o estudo do canto lírico
acabaram estimulando o surgimento de oportunidades de cantar sozinha, tanto à frente do Coro como em
recitais. Escolher meu repertório e interpretar uma
canção diante de uma plateia é algo que, para mim,
também é muito gratificante. Ao longo desses vinte anos, o estudo foi uma constante. Tive excelentes
professores de canto, como Benito Maresca, Leilah
Farah, Martha Herr, Lenice Prioli e Jeller Filipe.
Entre todos, destaco Isabel Maresca, que me preparou para o concurso em que ingressei no Coro, foi
uma amiga presente durante todo este tempo e, há
poucos anos, voltou a ser minha orientadora vocal.
São vinte anos como integrante do Coro da Osesp.
Fale um pouco sobre essa experiência.
São muitas lembranças, muitos amigos, muitos
momentos emocionantes.
No início, éramos o Coral Sinfônico do Estado de
São Paulo e ensaiávamos em uma sala das Oficinas
Culturais Três Rios. O grupo que entrou em 1994
era muito bom e bastante heterogêneo, cada um
com a sua expectativa de mudar de vida. Ninguém
sabia ao certo o que viria pela frente. É diferente de
hoje, quando quem entra no Coro já conhece o trabalho, já viu na TV. Há pessoas que estudam durante
muito tempo já com o objetivo de um dia cantar no
Coro da Osesp.
Após um período de encantamento inicial, seguiram-se anos de grande instabilidade administrativa,
que se encerraram com a criação da Fundação Osesp,
em 2005. Do grupo inicial, hoje temos oito integrantes: Francisco Meira, Laércio Resende, Maria
Angélica Leutwiller, Mônica Weber, Regina Ayres,
Silas de Oliveira, Viviana Casagrandi e eu.
​Dos primeiros anos, foi marcante o contato com
o maestro Eleazar de Carvalho. Com ele, fizemos,
ainda no Memorial da América Latina, as óperas
de Carlos Gomes e outras obras sinfônicas. Era um
grande músico, muito inspirador para mim. Lembro
que quando a orquestra estava tocando forte demais
e encobrindo o Coro, ele dizia, em tom teatral:
“Quando o instrumento acompanha a voz humana,
deve-se ouvir a voz humana!!!”. E então batia no peito,
dizia que também tinha um diploma de cantor, e todos
batiam palmas... Era uma grande personalidade.
E
​ m 2006, fizemos uma turnê pela Espanha, nossa única turnê internacional. Cantamos em Oviedo, na cerimônia do Prêmio Príncipe de Astúrias,
e também fizemos mais três concertos só do Coro,
cantando um belo repertório, com peças de Villa-Lobos e outros compositores brasileiros, além de
Brahms e outros autores. Foi uma viagem ótima
para o amadurecimento do grupo.
9
​A comemoração dos nossos quinze anos, em
2009, também foi muito marcante. Fizemos um
concerto festivo, baseado no primeiro CD solo
do grupo, Canções do Brasil, de que todos gostamos
muito. [O CD será relançado este ano no Selo Digital Osesp.] No repertório do concerto, foram incluídas ainda canções escolhidas pelos integrantes
que estavam no Coro desde a criação, em 1994. A
festa foi muito bonita, e todos estávamos envolvidos e satisfeitos com o trabalho.
Como vê o Coro e a Orquestra hoje?
​Estamos vivendo um momento muito especial.
O Coro acabou de lançar um CD só com peças de
Aylton Escobar [Selo Digital Osesp], que é uma
espécie de padrinho para nós, alguém que foi
muito importante na criação do grupo em 1994.
Gravamos também peças a cappella de Leonard
Bernstein, sob regência de Marin Alsop, para um
CD da Sinfônica de Baltimore (Selo Naxos). Foi o
primeiro trabalho mais profundo que fizemos com
Marin, e a experiência foi muito boa.
​A Osesp recebe muitos dos melhores maestros
do mundo e, para nós do Coro, é sempre
gratificante ver como os regentes convidados
ficam bem impressionados com a nossa
sonoridade, versatilidade e maturidade musical. É
o resultado de vinte anos de trabalho contínuo e
aprimoramento de todos nós coralistas e, claro, da
Naomi, que é nossa regente desde 1995.
Além de ser homenageada em nome dos coralistas,
você será solista numa Cantata de Bach. Quais são suas
expectativas para esse concerto?
A obra de Bach me atrai desde o tempo em que
eu estudava piano. As primeiras cantatas que cantei
foram dentro do curso de Canto da Unesp, orientada
por Samuel Kerr e também por Abel Rocha. Depois
disso, em 2005, cantei uma das árias da Cantata
BWV 214 com a Naomi regendo a Orquestra de
Câmara da Osesp, no Theatro São Pedro. Neste ano
de 2014, será a Cantata BWV 54, para contralto solo
e pequeno grupo instrumental, na série Solistas da
Osesp. Eu me identifiquei com a partitura assim
que a vi, me preparei bastante para a audição
em que fui selecionada e estou bem animada!
Entrevista a Ricardo Teperman
10
O CORO DA OSESP NO LANÇAMENTO DO CD CANÇÕES DO BRASIL.
11
ORQUESTRA SINFÔNICA
DO ESTADO DE SÃO PAULO
MARIN ALSOP DIRETORA MUSICAL E REGENTE TITULAR (2012-16)
CELSO ANTUNES REGENTE ASSOCIADO (2012-16)
ARTHUR NESTROVSKI DIRETOR ARTÍSTICO
FUNDAÇÃO OSESP
PRESIDENTE DE HONRA
FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO
PRESIDENTE
FÁBIO COLLETTI BARBOSA
VICE-PRESIDENTE
HEITOR MARTINS
CONSELHEIROS
ALBERTO GOLDMAN
ANTONIO QUINTELLA
ELIANA CARDOSO
HELIO MATTAR
JOSÉ CARLOS DIAS
LILIA MORITZ SCHWARCZ
MANOEL CORRÊA DO LAGO
SÁVIO ARAÚJO
CONSELHO DE ORIENTAÇÃO
FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
CELSO LAFER
HORACIO LAFER PIVA
JOSÉ ERMÍRIO DE MORAES NETO
PEDRO MOREIRA SALLES
CONSELHO FISCAL
JÂNIO GOMES
MARCELO VAZ BONINI
MIGUEL SAMPOL POU
CONSELHO CONSULTIVO
ANTONIO CARLOS CARVALHO DE CAMPOS
ANTONIO PRATA
DRAUZIO VARELLA
EDUARDO GIANNETTI
EUGÊNIO BUCCI
FÁBIO MAGALHÃES
GUSTAVO ROXO
HELOISA FISCHER
JAC LEIRNER
JAYME GARFINKEL
JOÃO GUILHERME RIPPER
JOSÉ PASTORE
JOSÉ ROBERTO WITHAKER PENTEADO
LORENZO MAMMÌ
LUIZ SCHWARCZ
MONICA WALDVOGEL
PAULO ARAGÃO
PEDRO PARENTE
PÉRSIO ARIDA
PHILIP YANG
RICARDO LEAL
RICARDO OHTAKE
SERGIO ADORNO
STEFANO BRIDELLI
TATYANA ARAÚJO DE FREITAS
THILO MANNHARDT
WILLIAM VEALE
ZÉLIA DUNCAN
MARCELO LOPES DIRETOR EXECUTIVO
FAUSTO AUGUSTO MARCUCCI ARRUDA
SUPERINTENDENTE
O CONTEÚDO DAS NOTAS
DE PROGRAMA É DE RESPONSABILIDADE
DE SEUS RESPECTIVOS AUTORES
EDIÇÃO FINALIZADA EM
11 DE MARÇO DE 2014
EDITOR
RICARDO TEPERMAN
SUPERVISÃO EDITORIAL
FERNANDA SALVETTI MOSANER
REVISÃO
FLÁVIO CINTRA DO AMARAL
PROJETO GRÁFICO
FUNDAÇÃO OSESP
DIAGRAMAÇÃO
JULIA ARAUJO VALENCIA
A OSESP ENVIDOU TODOS OS ESFORÇOS PARA LICENCIAR AS IMAGENS E
TEXTOS CONTIDOS NESTA EDIÇÃO. TEREMOS PRAZER EM CREDITAR OS
PROPRIETÁRIOS DE DIREITOS QUE PORVENTURA NÃO TENHAM SIDO
LOCALIZADOS.
CRÉDITOS
ACERVO MARIANA VALENÇA
DING MUSA E ALEXANDRE SANTOS
REALIZAÇÃO
SALA SÃO PAULO
FUNDAÇÃO OSESP
PRAÇA JÚLIO PRESTES, 16
T 11 3367.9500
OSESP.ART.BR

Documentos relacionados

Edição nº 1 / 2016 - Março

Edição nº 1 / 2016 - Março ALEXANDER LIEBREICH BEHZOD ABDURAIMOV

Leia mais

Edição nº 2 / 2016 - Abril

Edição nº 2 / 2016 - Abril GABRIELA MONTERO INTERPRETA CONCERTO PARA PIANO EM LÁ MENOR, DE GRIEG, SOB REGÊNCIA DE

Leia mais

PAULo szot, LAURen snoUFFeR, denIse de FReItAs, John

PAULo szot, LAURen snoUFFeR, denIse de FReItAs, John GIANCARLO GUERRERO REGENTE MANUEL BARRUECO VIOLÃO ROBERTO SIERRA HEITOR VILLA-LOBOS CLAUDIO SANTORO LEONARD BERNSTEIN

Leia mais

JAMES GAFFIGANREGE A O CORO DA OSESP INTERPRETA

JAMES GAFFIGANREGE A O CORO DA OSESP INTERPRETA inúmeras cópias que lhe eram enviadas após concertos, júris ou simples viagens recreativas. Os momentos marcantes de sua vida estão registrados em seus álbuns. Portanto, sempre há alguma foto para ...

Leia mais

Edição nº 7 / 2015 - Novembro-Dezembro

Edição nº 7 / 2015 - Novembro-Dezembro o prazer e a alegria”.1 Francisco Mignone escreveu cerca de 60 obras corais a cappella nas décadas de 1950 e 1960, utilizando na maioria textos populares ou de sua própria autoria. Entre elas, estã...

Leia mais