Marcelo Cândido terceiro colocado no Brasileiro de Moutain Bike

Сomentários

Transcrição

Marcelo Cândido terceiro colocado no Brasileiro de Moutain Bike
Ano III - Número 31
julho 2006
Distribuição Gratuita
Marcelo Cândido
terceiro colocado
no Brasileiro de
Moutain Bike
N E S TA E D I Ç Ã O
9 de Julho......................05
World Cup....................06
Zé Capote.......................11
Brasileiro de XC...............12
Panamericano de Ciclismo......14
Volta de Santa Catarina.......18
Power Bike....................20
Pedalando com o Vando............22
Zé Gambiarra........................25
Cicloturismo........................29
02
03
Carta ao leitor
Mais um ano de Copa do Mundo.
Copa do Mundo no futebol, Copa do Mundo no
Mountain Bike.... Mundial no BMX... Enfim, muita coisa
acontecendo de uma vez. Quanto ao BMX, deixarei para
a próxima edição, porque o evento aconteceu bem na
data de fechamento da edição do Zé. O Futebol, graças à
Deus acabou. Digo com tanta felicidade porque a pauta de
toda a grande mídia era só a Copa. O mercado se voltou
apenas para as firulas da copa. E as bikes? Ufa, ainda
bem que acabou!
Durante o último jogo da Seleção Brasileira, eu estava
em Camboriú, fazendo cobertura de outra Copa, a Copa
do Mundo de Mountain Bike. Para ser mais exato, no dia
do Four Cross. Cara, que evento!
Pois bem, a festa teve de ser encerrada mais cedo devido o jogo. Igual uma missa, uma religião. Afinal somos
brasileiros. Por falar nisso, aquela multidão, lotou os bares
alí na Praia Laranjeiras. ...Quando a França fez um gol!
Caramba... os poucos franceses alí presente fizeram uma
festa. Mas quem mais comemorou foram nossos amigos
(*&¨%#$#@) vizinhos argentinos, que conseguiram tomar
conta da festa. Ah, deixa pra lá. O que foi mesmo legal, foi
o contraste de um cara muito boa praça, o Cedric Gracia,
aquele francês que anda fazendo loucuras em uma bike. Pois
é, sua bike e equipamentos foram extraviados nos aeroportos, Sabe-se lá onde. Mas para não ficar fora da festa, ele
tratou logo de arrumar magrela e uniforme emprestado.
Que bacana! Sabe qual uniforme o francês estava usando no dia que a França ganhou do Brasil? Isso mesmo, uma
camisa da Seleção Brasileira, e ele fazia a maior festa!
Agora falando sério. O evento estava literalmente
gringo. Dos atletas à organização. O mestre Andrade com
sua batuta mágica, octoctava para todo lado, regendo a
orquestra sem desafinar em momento algum. Desse jeito
ele vai mesmo conseguir seu objetivo: realizar o Mundial
de Mountain Bike em Santa Catarina em 2010. Parabéns
Andrade e todos os apoiadores e Staf’s da Federação
Catarinense.
Nossa, já acabou o espaço, e nem deu para falar do
Marcelo. O cara da capa. Ó, só para não passar batido:
ele ficou em terceiro entre os 32 melhores atletas do Brasil.
Ele está subindo como um foguete. É o Zé descobrindo
talentos, igual o Gilberto Góis na Ametur. Veja nas próximas páginas.
Um abraço
Jomane Casagrande
31-3353-7521 - MSN: [email protected]
04 - Zé Pedal
Parceiros
Zé Pedal
•Casagrande Comunicação Ltda
CNPJ: 04.607.893/0001-99 - Betim/MG
• Tiragem 15.000 exemplares
• Todas as matérias e informações
assinadas são de inteira responsabilidade
do autor. As mesmas não representam a
opnião do Zé Pedal.
• Impressão CGB Artes Gráficas
• Editor responsável:
Jomane Casagrande MTb MG.00353
(31) 9958-2028 [email protected]
•Jornalista responsável: Maria de Lourdes
Almeida Rezende. MTb - SP.17816
• Departamento Comercial:
Belo Horizonte: (31) 3353-7521
• [email protected]
• Site: www.zepedal.com.br
• Revisão: Flávia F.M. Casagrande.
• Colaboradores nesta edição:
Hugo Pradoneto, Amigos da Bike, Sampa
Biker’s, Jander Linhares, Edivando Souza
Cruz, Clube de Cicloturismo do Brasil,
Rodrigo Teles, Marcos Adami, Pedro Cury,
Eduardo
9 de Julho
Texto e Fotos: Amigos da Bike
O atleta Renato Seabra, escapou do
pelotão na 14ª volta e ninguém mais
parou o atleta que venceu a 63ª edição da
competição 9 de Julho. Destacado do pelotão
com oito segundos de vantagem para o
segundo colocado, Rafael Andriato. Renato
completou as 20 voltas do circuito montado
no Autódromo de Interlagos em 2h04m21s
percorrendo mais de 80 quilômetros. No
feminino deu dobradinha da Scott com
Débora Gehard em primeiro e Luciene
Ferreira em segundo, numa competição
decidida no sprint final.
A prova aconteceu dia 08/07, no
Autódromo Internacional José Carlos Pace
em Interlagos com mais de 3000 participantes,
sendo 252 atletas só na Elite Masculino. O
pelotão formado pelos melhores ciclistas
brasileiros se esforçou, realizou trabalhos de
vácuo, mas já era tarde para buscar Seabra.
Bem preparado, o atleta de Blumenau
Erika Gramiscelli, Campeã Brasileira
de Estrada, foi fortemente marcada
pelas adversárias na 9 de Julho,
ficando com a 8ª colocação
conseguiu manter o forte ritmo e bateu
seus adversários em uma chegada atípica,
destacado do pelotão, levantando os braços
para vitória a bons metros linha de chegada.
“Escapei para vencer o prêmio de
passagem e abri boa vantagem do pelotão,
enquanto isso meu técnico passava as
informações a todo o momento e consegui
manter a diferença para vencer a competição”,
relatou o campeão Renato Seabra, atleta que
representou o Brasil nas olimpíadas de Sidney
em 2000 na modalidade Mountain Bike.
Afastado dois anos das competições, Seabra
voltou a competir no início do ano passado e
vem conquistando boas colocações tanto em
provas de ciclismo quanto em mountain bike,
sendo o atual 3º colocado do ranking
da Copa Internacional de MTB.
“Essa mescla com o mtb
me ajuda muito em ambas as
competições. Nas provas de
ciclismo consigo melhor
desempenho em subidas e
nas provas de MTB, mais
giro e desenvolvimento
em trechos de velocidade”,
completou o atleta paulista
de 28 anos que representa a
cidade de Blumenau em Santa
Catarina.
No feminino Débora
Ge ha rd, atu al campeã
brasileira de Contra-Relógio,
levou a melhor na disputa do
sprint final, conquistando uma “dobradinha”
para a equipe com a segunda colocação de
Luciene Ferreira. Em uma competição bastante
estudada, as atletas do feminino mantiveram-se
em pelotão compacto durante toda a prova,
com poucos ataques a prova veio para o
sprint final onde prevaleceu a força da atleta
representante de São José dos Campos.
Outro destaque da competição foram
as disputas para-olímpicas, válidas como
seletivas para o Mundial da Suíça. O mineiro
Flaviano de Carvalho venceu a LC3 disputada
em 5 voltas. Na handbike (bikes adaptadas
para pedalar com os braços), Heliziário dos
Santos foi o vencedor. A competição ainda
contou com provas em tandens masculino
e feminino, onde os vencedores foram
Rodrigo Mandetta com Leandro Ferreira
no masculino e Elizângela de Oliveira com
Andréa da Silva no feminino.
Elite Masculino
1º Renato Seabra
2º Rafael Andriato
3º Antonio Nascimento
4º Raphael M. Serpa
5º Diego Muller
Open Feminino Elite
1º Débora Gehard
2º Luciene Ferreira
3º Maria Luiza Belo
4º Valquíria Pardial
5º Camila Coelho
Renato Seabra. Escapou, ninguém
buscou e foi campeão
05
- Zé Pedal
Fotos: Jomane Casagrande
Texto: Pedro Cury e Jomane
Four Cross
A pista do Four Cross foi desenvolvida
pelo designer oficial da UCI (União Ciclística
Internacional) Phil Saxena, que surpreendeu
todos com o novo traçado deste ano. Ele
declarou que foi uma das melhores pistas
de sua vida.
Para muitos pilotos, a primeira reta era
decisiva. Com seis obstáculos, ela foi crucial
para muitos, melhor para os especialistas
em bicicross que souberam aproveitar bem
os duplos e triplos para garantir as melhores
posições.
A final foi representada por dois pilotos
representando a República Tcheca, um
australiano e um americano. Mas não deu
para ninguém, Prokop estava impecável. Com
a sua bike de aproximadamente 10 quilos, o
tcheco desbancou os adversários logo na
primeira reta, e garantiu o seu possível título
de campeão mundial da copa do mundo de
2006. Jared ficou com a segunda colocação,
seguido de Chris e Kamil.
Na categoria feminino só teve uma bateria
após o qualify, a final. Eram nove pilotos, mas
apenas as oito melhores classificariam, sendo
assim, a brasileira Patrícia Valente que tinha
disputado o qualify, ficou de fora das finais
por não fazer um bom tempo. O destaque
da final nem foi a vitória de Kintner, mas a
decisão da segunda e terceira colocação entre
Miller e Llanes, que só foi decidida pela foto.
Ambas atletas chegaram próximas, mas Miller
levou a melhor.
Abaixo, o campeão, Matti Lehikoinen, da equipe Honda.
Acima: o brasileiro Markolf Berchtold, 6º colocado no DH. Uma excelente descida
Down Hill
O finlândes Matti Leihikonen da Honda e
inglesa Rachel Atherton da Animal/Giant/Red
Bull foram os grandes vencedores desta 5ª
etapa da copa do mundo de downhill. Em
segundo lugar masculino tivemos Steve Peat
e em terceiro Mick Hannah. Um dos grandes
favoritos, Sam Hill, errou e caiu uma curva,
ficando na 12ª posição, mesmo lugar onde o
campeão da etapa em 2005, Greg Minnaar
caiu. Foi a primeira vez que Matti fica na
posição mais alta do pódio.
Alguns pilotos tiveram problemas: Nathan
Rennie, Cedric Gracia e Steve Peat não
puderam treinar todos os dias, pois suas bikes
se perderam na conexão do vôo.
O brasileiro mais rápido da competição,
como esperado, foi Markolf Berchtold,
fazendo uma bela descida, e ficou na 6ª
colocação. Outro brasileiro que fez uma boa
descida foi Nataniel Giacomozzi, que ocupou
a 27ª, em um total de 112 competidores.
06- Zé Pedal
Resultados
Four Cross
Down Hill
Masculino
Feminino
1 - Jill Kintner
2 - Katrina Miller
3 - Tara Llanes
4 - Anita Molcik
5 - Melissa Buhl
6 - Fionn Griffiths
7 - Diana Marggraff
8 - Anneke Beerten
Masculino
1 - Mikael Prokop
2 - Jared Graves
3 - Cris Powell
4 - Kamil Tartarkovic
5 - Roger Rinderknecht
6 - Cedric Gracia
7 - Jose Escudero
8 - Dan Atherton
1 - Matti Leihikonnen
2 - Steve Peat
3 - Mick Hannah
4 - Gee Atherton
5 - Marc Beaumont
6 - Markolf Berchtold (BRA)
27 - Nataniel Giacomozzi (BRA)
30 - Felipe Wermuth (BRA)
34 - Djone Fornari (BRA)
38 - Doron Cattoni (BRA)
40 - Volkmar Berchtold (BRA)
43 - Anderson Furlanetto (BRA)
Feminino
1 - Rachel Atherton
2 - Sabrina Jonnier
3 - Tracy Moseley
4 - Helen gaskel
5 - Emmeline Ragot
15 - Patricia Araujo (BRA)
16 - Stephanie Scherrer (BRA)
Feira das peças
Assim que acabou o donwhill no domingo, outra festa surgia
nos Box’s. Repetindo o ocorrido no ano passado... Estava
começando mais um mercado, o de venda, troca e doações de
peças por parte dos gringos, que já virou moda. A multidão ficava
na expectativa do feirão. E quando ele começou, a correria foi
inevitável. Era gente correndo para tudo que é lado
Como se fosse um leilão, mas ao ar livre. Por sinais de
comunicação, mímicas, gestos sinalizando o que queriam e o que
ofereciam, pronuncias doidas de peças inglês. Tudo estava valendo.
Este ano teve até intérprete nos negócios. Gente comercializando
paralelamente. Incrível! O Real rola solto e os gringos se divertem
com quem dá mais. A galera foi à loucura. Afinal, quem não quer
comprar um pneu que custa R$150,00 por R$25,00? E o que dizer
de um pedal de R$350,00 por R$50,00? Capacetes por R$90,00?
Luvas sujas de graça? Caneleiras e camisas suadas eram jogadas
para o alto.
A família Atherton também entrou no clima com a diversão. O
negócio estava tão bom que a galera invadiu o Box, tumultuando
mais ainda. Mas a situação chegou ao ponto de algo pior acontecer
com os gringos, e os seguranças chegaram a tempo. Normalizando
tudo. A galera da Yeti também não ficou atrás. O comandante dos
negócios foi o mecânico da equipe, que era ruim de jogo. O sujeito
estava pedindo alto nas peças: 2 pneus por R$70,00; já que nos
outros Box’s estavam por R$20,00... uma pena que acabou! Só
no próximo ano agora!
07
- Zé Pedal
Fotos: Jomane Casagrande
Texto: Pedro Cury e Jomane
O que aconteceu fora das pistas
Pódium Feminino do Down Hill. Rachel Atherton no lugar mais alto
O francês Cedric Gracia, 8º colocado. Com muita simpatia, competiu com a camisa do Brasil
Acima: Tracy Moseley, atleta Kona, terceira colocada no DH Feminino
Abaixo, Greg Minnaar, devido um erro, caiu e ficou na 23ª colocação do DH Masculino
Este ano a Federação Catarinense de Ciclismo,
representada por seu presidente João Carlos de Andrade
e seus fiéis apoiadores, fizeram da 5ª Etapa da Copa do
Mundo de Down Hill e Four Cross um belo espetáculo.
Literalmente um evento gringo. Não há problema ou crítica
que possa desabonar a qualidade do evento. “Estamos
trabalhando com toda seriedade e temos o objetivo de
sediarmos o Mundial em 2010”, contou Andrade.
Largando do alto de uma montanha, ao meio de uma
bela mata, admirando o belo visual do mar diante seus
olhos e chegando na praia. "Esta etapa é maravilhosa e
bem organizada”, confidenciou o atleta da Honda Greg
Minnaar, que foi o vencedor de 2005. Além do encanto de
Minnaar com o visual da geografia catarinense, o público
e os atletas brasucas, também admiravam os bastidores
da World Cup. Ao longo do complexo do evento, eram
Bikes diferentes, peças e protótipos, equipamentos
maravilhosos, pilotos gringos circulando livremente,
mecânicos ao ar livre fazendo aqueles últimos preparativos
sem mistérios - com exceção da Honda.
Nos treinos dos pilotos da Honda, Greg Minnaar e
Matti Leihikonnen, sempre andaram juntos, um atrás
do outro, coladinho. Após cada descida, as bikes eram
levadas para o Box da equipe e analisada por computador
. Ambas bikes recebiam um trato especial nas suspensões
Showa e nos Gear Box. Uma espécie de leitura por
chip, que informava todo comportamento que a bike de
US$50.000 teve durante cada descida. Outras bikes que
também chamaram atenção foram as Yeti’s. O modelo
303, com o sistema inovador na suspensão.
A GT não ficou para trás e trouxe um protótipo (que
ainda não tem nome definido) com o novo sistema I-Drive.
Mais leve do que as antigas, essa bike está em fase de testes
pelos pilotos: Bryn Atkinson e Dave Wardell.
As bikes de 4X estão cada vez mais vidradas na
questão do peso. Quanto mais leve, melhor. A bicicleta
de Brian Lopes, de 2005 pesava pouco mais de 9kg. Era
um quadro especial. Com isso, o mercado 4X começou
a mudar seus conceitos em determinadas peças, além da
criação. Ali estava presente protótipos, quadros feitos sob
medida com ligas especiais, suspensões diferentes, peças
de XC de alta qualidade, peças de ciclismo e por aí vai.
A bike de Katrina Miller, por exemplo, era uma Jamis
Dakar XC Pro com balança superior de carbono. Esse
modelo sofreu uma modificação na junção dos top e
down tube com o head tube especialmente para atleta.
Depois disto tudo apresentado, o que falar da bike do
campeão mundial, Prokop? Suas rodas são protótipos.
Feitas exclusivamente para ele com os raios de titânio.
Câmbio traseiro e catraca Dura Ace com sete velocidades.
Canote, guia e tensionador de carbono. Freios Hayes El
Camino de XC. Ele vinha usando a suspensão da Manitou
R-7 Platinum de 80mm nas etapas anteriores, mas aqui
no Brasil ele trocou pela Minute 4, porque a pista exigia
uma suspensão mais forte. As bikes de Filip Polc, Jared
Graves, Cris Powell, Gee e Dan Atherton, Neto, Lu, Roger
Rinderknecht, Kamil Tartakovic, Melissa Buhl, Tara Llanes
e tantas outras se destacavam. Cada uma mais bela que
a outra.
Steve Peat, 2º colocado DH Masculino
Nos Boxes
Como Patrocinadora Oficial da UCI
Mountain Bike World Cup, a Shimano esteve
presente no evento oferecendo apoio técnico
a competidores, através da equipe de serviços
Shimano. Desde então, a BIC Shimano fez
sua parte. Além do staff Brasileiro, tivemos as
presenças de Max Colombo (MIC - Shimano
Itália), Frank Martinez e Matt Eames (ambos
da Shimano América e representantes da
Shimano Multi Services - que oferece apoio
técnico em todas as provas da UCI).
Para dar suporte a estes profissionais da
equipe Shimano Multi Services, teve ainda a
participação de Rodrigo Pletitsch Yamaguchi
(responsável técnico da Scott - Indaiatuba, SP)
e Gerson Canjika (da Bike Nort - Joinville).
Os dois mecânicos tiveram participação
Acima: Final do DH dentro da pista de 4X.
Abaixo: O mecânico vendendo as peças
Melissa Buhl, 8º colocação DH Feminino
João Ludolf, 89º colocado DH Masculino
importantíssima contribuindo para o bom
andamento dos serviços prestados no stand
da Shimano, sendo elogiados pelos técnicos
da Shimano América.
A família Markolf expôs o seu Box super
movimentado. Destaque para os quadros da
marca que estarão no mercado no decorrer
do ano. Belas fotos do fotógrafo gaúcho
Foguinho, camisas e muitas peças estavam
sendo vendidas. Surge mais uma nova marca
no mercado brasileiro. A equipe Pedal Livre
esteve presente, dando suporte aos pilotos
do Rio e os da equipe Intense Internacional:
Chris Kovarik e Cláudio Calouri.
A Kona do Brasil estava com os pilotos:
Kamil Tartakovic e Tracy Moseley; além dos
brasileiros. Fabien Barel não veio porque
estava contundido. Auxiliados pelos irmãos
Leandro e Fábio, os gringos receberam
todo apóio logístico. O mecânico Zé, que é
um dos mais experientes e entendidos em
suspensãoes do Brasil, foi contratado pela
dupla para oferecer assistência técnica no
Box durante os dias de competição.
A Session Brasil ofereceu espaço e
assistência para os pilotos que ela representava,
as duas equipes estrangeiras, tanto a Animal
(Gee Atheton, Rach Atherton, Dan Atherton
e Hellen Gaskel) e a Monster Energy( San Hill
e Sabrina Jonier), além dos box dos pilotos
brasileiros da Session(Leofacio Baptista,
Michel Sombrio, Vicente Neto e Stephanie
Scherer). O mesmo fez Plimax com Hayes,
Vanguarda Sposts com a Manitou e Astro.
Além da presença da Camelbak, exibindo
seus produtos e vídeos do evento, registrados
pelas lentes de Túlio Baiano, Sundown,
Scott, Proparts, Calypso, Vzan, Casa Turnês
e outros.
Acima: Gee Atherton, 9º colocado 4X
Abaixo: Bryn Atkinson, 11º do 4X
Acima: Guilherme Bisarria, 82º colocado
Abaixo: Martin Raffo, 60º colocado do DH
Dirt - 360º
Derrubaram minha casa
Jander Linhares
"Calcinha"
Iniciou no esporte em 1990,
no Bowl do Nova Floresta,
em Belo Horizonte.
Idealizador da marca de
roupas para BMX “Dirt”
[email protected]
Casa é um lugar onde nos sentimos
abrigados. Onde se pode curtir um fim de
semana tranquilo junto com os amigos.
É um lugar que guarda nossas melhores
lembranças, mesmo quando deixamos
de morar lá. Esse é um texto que eu não
gostaria de escrever. Falaria até sobre
futebol, pra mudar de assunto. Mas
vamos lá. Hoje, dia 3 de julho de 2006,
n ó s p e r d e m o s a p i s t a d e s t re e t d e
Di vi n ó p o lis. Quem mora em Minas
Gerais sabe da importância dessa pista, já
que não temos muitas do mesmo porte
no estado. Apesar de não morar na
cidade, me considero um dos caras de
lá, porque ela sempre foi minha pista
de street preferida. Sempre que eu quero
dar uma escapada de Belo Horizonte,
é pra lá que eu vou.
No começo era uma pista particular,
comercial. E teve vida longa. Entre as
pistas par ticulares que eu conheço,
a que durou mais. Não sei ao cer to
quando foi inaugurada, mas fui lá pela
primeira vez em 1995, e ela esteve de
pé esse tempo todo. Já há uns dois anos
Esse é o Gui, o caçula da galera
Esse é o Gui, o caçula da
galera
ela estava abandonada, mas como a
área era fora da cidade, sem
utilização, se tornou extra-oficialmente
pública. E como um bem comunitário,
q u a n d o a pa recia a lgu m defeito, os
próprios caras consertavam. Esse sentimento
d e re s p o n s a b i l i d a d e c o m a “ c a s a ”
ficava acima das eventuais brigas entre
B M X , s k a t e e p a t i n s . To d o m u n d o
colaborava, com grana ou com
trabalho. E já que ninguém acreditava
que ela ia ser demolida um dia,
continuávamos a andar nela. Mas
finalmente chegou o dia. E o trator não
perdoou.
10- Zé Pedal
Hugo, Wall-tap
Graças a essa pista, Divinópolis
sempre foi celeiro de bons pilotos. Já
convivi com duas gerações de atletas
de lá. Atualmente a cidade tem caras
b o n s c o m o o C h a v e s e o H u g o. E
tem uma terceira geração muito forte
chegando, representada pelo Guilherme, de
13 anos.
Como choradeira não resolve nada,
vamos pra frente, que a vida continua.
Resta ainda em Divinópolis a BBC e
o 20V. Tem também a pista do Parque do
Gafanhoto, uma reserva do Ibama que foi
adotada por uma universidade. Mas
como nada é perfeito, recentemente surgiu
uma nova regra no Gafanhoto: nada
de bicicletinha, só skate. Mas eu tenho
muita confiança nos meus amigos de
Divinópolis. Com toda cer teza, eles
v ã o c o n s e g u i r m u d a r i s s o l o g o.
Dias 15 e 16 de julho tem campeonato no
Clube do Vert. Estou esperando todo
mundo lá, inclusive os despejados de Divinópolis.
Chaves, X-up
Zé Capote
Nesta edição, o Zé Capote foi clicado em uma das descidas mais difíceis da pista do Campeonato Brasileiro
de Cross Country, em Ouro Preto/MG. A atleta que decola sobre a bike é Cecília Grillo, que terminou na décima
posição. Apesar da decolagem a ciclista nada sofreu.
11
- Zé Pedal
Campeonato Brasileiro
O catarinense Ricardo Pscheidt e a
mineira Jaqueline Mourão, venceram o
Campeonato Brasileiro de Cross
Country, que aconteceu domingo, 23 de
julho, na cidade histórica de Ouro Preto, Minas
Gerais, dentro do Campus da Universidade
Federal de Ouro Preto. Mas o grande
destaque da prova foi o mineiro Marcelo
Cândido, de Nova Serrana, cidade do Oeste
de Minas, que terminou a competição na
terceira posição, onde 32 competidores,
disputavam o título na categoria principal,
a Elite.
Marcelo Candido - 3º lugar Elite Masculino
Jaqueline Mourão
Campeã Elite Feminino
Marcelo, tem patrocínio da Fórmula Bike
e apoio da Scott, que emprestou uma bike
para competir, largou no final da fila. Aos
poucos foi ganhando posições e conseguiu
ficar entre os atletas do segundo pelote. Na
terceira volta, em um total de sete, tudo
aconteceu. Edivando furou o pneu, o
campeão Ricardo Pscheidt destacou a frente,
Henrique Avancini - Campeão Júnior
12- Zé Pedal
Marcelo Candido - 3º lugar Elite Masculino
e Marcelo atacou Thiago Aroeira, segundo
colocado, rodando boa parte da prova em
sua “roda”. “A prova estava muito dura.
O que estava mais difícil eram as subidas,
aqueles topes, porque a bicicleta não dava
tração. Na terceira volta, quando o Vando
furou, ataquei o Thiago, mas não deu para
segurar até o final, porque começou a dar
cãibras nas minhas pernas, então só segurei
a terceira colocação”, contou Marcelo.
Ao longo da pista, os amigos, fãs,
conterrâneos e boa parte do grande público
presente gritava e incentivava Cândido. Ao
receber a bandeirada de terceiro lugar vibrava
muito com os olhos cheios de lágrimas. Quase
não deu tempo de parar a bike, porque os amigos
e fãs correram logo ao seu encontro, abraçando
e vibrando, como se fosse o campeão. Afinal,
é mesmo um campeão. Quem se lembra do
Gilberto Góis, ano passado na Ametur de Araxá,
que também conseguiu a terceira colocação?
Pois é, a história se repete.
de Cross Country
Texto e Fotos: Jomane Casagrande
A prova
O campeão, Ricardo Pscheidt
largou forte, mantendo-se no pelotão
principal, que estava composto por
Gilberto Góis, Ricardo Pscheidt, Thiago
Aroeira e Edvando Souza Cruz. Os
demais atletas, compunham o segundo
pelotão. Na terceira volta, em um total
de sete, tudo mudou. Ricardo assumiu
a ponta, Edvando furou o pneu, Góis
passou para o segundo pelotão e Marcelo
Cândido passou para o pelotão da frente.
Assim ficou por quase todo o restante da
competição, onde o catarinense abriu
certa vantagem, terminando a prova
com 2 minutos e 58 segundo de frente
do segundo colocado, Thiago Aroeira.
Marcelo manteve-se na terceira posição,
Edvando fez uma prova de recuperação,
Leonardo Edson - Campeão Infanto Juvenil
terminando em quarto e Tácio Camargo
completou o podium, ficando com o quinto
lugar. “No começo da corrida não forcei
muito, procurei estudar os adversários, para
ver quem ia forçar mais. Na terceira volta
resolvi atacar, mas ninguém veio comigo,
então forcei o ritmo e administrei até o final”,
contou o campeão.
No feminino, o esperado aconteceu.
Jaqueline Mourão venceu a corrida com
mais de oito minutos de frente da
segunda colocada, Érika Gramiscelli.
Jaque, que vem de um ritmo de
corrida muito grande de competições
internacionais, largou com muita força e depois
da segunda volta só administrou a vantagem.
“Nunca subestimo minhas adversárias.
Como não sei como estão os níveis das
meninas aqui no Brasil, procurei logo
largar com força total. Após a primeira
v o l t a d i m i n u i o r i t m o e p r o c u re i
administrar a vantagem”, contou Jaqueline
Mourão. Em terceiro ficou Rober ta
Stopa, em quarto Lorena Maria e em quinto
Julyana Machado.
Na Júnior, prevaleceu a força de Henrique
Avancini, que liderou de ponta a ponta na
competição. Avancini é cinco vezes campeão
brasileiro na modalidade. O atleta que vem
de uma temporada de treinos nos Estados
Unidos, não deu chances a seus adversários
e pedalou forte para garantir o título.
Par ticiparam da competição 186
atletas, divididos em 16 categorias. Em um
circuito de seis quilômetros, com
características muito técnicas e com grau de
dificuldade muito grande para
os atletas. “O circuito estava seletivo.
Estava completo, onde tinha que ter
muita força e técnica. Embora muito
rápido, onde estava virando cada volta
em 18min., a técnica prevaleceu, onde
era preciso usar todas as marchas da
bicicleta”, contou Edvando Cruz, quarto
colocado da Elite.
Campeões 2006
Elite Feminino
1 - J aqueline Mourão
2-E
rika Fernanda Gramiscelli
3 - Roberta Kelly Stopa
Elite Masculino
1 - Ricardo Alexandre Pscheidt
2 - Thiago Aroeira
3 - Marcelo Candido da Silva
Junior
1 - Henrique da Silva Avancini
2 - Joelson Schadeck
3 - George Mateus Feliciano
Sub 23
1-D
aniel da Silva Resende
2-D
aniel Carneiro Brum Ribeiro Zóia
3-P
ablo Alberto Lucatelli
Inf Juvenil
Inf Juvenil Fem
1-L
eonardo Edson Pereira
2-L
uis Otavio Magalhaes Dias
3 - Bruno Weinrich
1 - Letícia Maria Antunes do Carmo
Juvenil
1-B
runo Martins da Silva
2-R
ichard Thomas Malinowshy
3-F
ilipe Campelo Leopoldo
Juvenil Fem
1 - Luana Machado
2 – Isabela Moura
Sub 30
1-D
aivyson Alves Cunha
2-W
esley Alves da Silva
3 - Fernando Lopes Mendes Torga
Sub 35
1-A
marildo Ferreira
2-A
lex do Nascimento
3-P
aulo Otto Augusto de Lima
Sub 40
1-C
láudio Roberto Alves de Souza
2-A
lexandre Freitas Costa
3-L
uiz Cláudio Vargas de Andrade
Sub 45
Sub 50
Sub 55
Sub 60
1 - Eduardo Ramires
2-R
icardo Alves Machado
3-M
arcos Humberto Vieira
1-P
aulo Roberto Correia
2-R
obenson Jose Pacheco Fontora
3-A
dolfo Jose Mariano de Oliveira
1 - Werner Wind
2 - Pacifico Delal
3-R
oberto Carneiro Giraldes
1 - Waldemar Pedro
2-L
uiz Roberto de Souza
3-A
gostinho Santos Reis
Panamericano de Ciclismo
Foto: Amigos da Bike
O Pan-Americano de Ciclismo, foi realizado entre os dias 4 e 11
de junho, no Estado de São Paulo. As delegações foram divididas
em quatro categorias: Masculino de estrada, masculino de pista,
feminino de estrada e feminino de pista.
Com três medalhas de ouro, três de prata e três de bronze,
a seleção ficou com o quarto lugar na classificação geral da
competição, atrás apenas dos tradicionais times de Cuba, Colômbia
e Argentina.
Na prova de estrada, participaram do 85 ciclistas, representando
o Brasil, Argentina, Barbados, Canadá, Chile, Colômbia, Costa
Rica, Cuba, Equador, Jamaica, Mexico, Paraguai, Trinindad e
Tobago, Uruguai e Venezuela. Com 169 Km de percurso, a prova
acabou sendo decidida nas últimas duas voltas, quando uma fuga
“recheada” de brasileiros abriu boa vantagem do pelotão principal.
O colombiano José Serpa em uma arrancada surpreendente venceu
a prova, deixando para trás os brasileiros Breno Sidoti e Alex Diniz,
que tiveram que se contentar respectivamente com as medalhas
de Prata e Bronze. O ciclista Pedro Autran Nicacio conquistou a
medalha de ouro, na prova de contra relógio.
A maioria das competições foram realizadas no velódromo de
Caieiras. O Brasil só conseguiu uma medalha de Bronze nas provas
de Pista, pela dupla Hernandes Quadri e Mac Donald Fernandes,
na modalidade Madison Masculino.
“O saldo foi positivo. A seleção brasileira de estrada, que
conquistou oito medalhas, mostrou que está bem preparada. Agora
nosso foco é fortalecer o time de pista. No contexto geral ficou provado
que podemos brigar com qualquer seleção”, disse o presidente da
Confederação Brasileira de Ciclismo José Luis Vasconcellos.
Foto: Divulgação/CBC
Resultados
Estrada - Elite Masculino
1 - Jose Serpa - Colombia
2 - Breno Sidoti - Brasil
3 - Alex Diniz - Brasil
Estrada Feminino
1 - Yumari Gonzalez - Cuba
2 - Kori Seehafer - Estados Unidos
3 - Clemilda Fernandes - Brasil
Contra-Relógio - Feminino
1 - Amber Neben - Estados Unidos
2 - Erinne Willock - Canada
3 - Kori Seehafer - Estados Unidos
Contra-Relogio Masculino
1 - Pedro Nicacio - Brasil
2 - Magno Nazaret - Brasil
3 - Eric Wohlberg - Canadá
Scratch Masculino
1 - Segura Fredy - VEN
2 - Samuels Oneil - JAM
3 - Rodrigo Brito - BRA
Madison Masculino
1 - Walter Perez / Juan E. Curuchet - ARG
2 - Luis Sepulveda / Enzo Cesário - CHI
3 - Hernandes Quadri / Mac Donald – BRA
Foto: Divulgação/CBC
15
- Zé Pedal
Fotos: BMX Press
Paulinho
•••Bike Destaque•••
Julho 2006
Nome
Paulo de Tarso Martins
Modalidade
Cicloturismo
Apelido
Paulinho
Data de Nascimento
09/09/1964
Onde mora
São Paulo
Bike Atual
Caloi Elite pró 2.7, Caloi Neo Full Suspension,
Caloi Strada, Caloi Tandem.
Ídolo
Renata Falzoni
Início
10 anos com minha Caloi dobrável, onde saía para
percorrer as estradinhas de terra da cidade de minha vó no
Sul de Minas, em Conceição dos Ouros, isso por volta de
1974. Nem existia o mountain bike.
Hobby
Jogar Botão
Altura
1,78 cm
Peso
72 kg
Melhor roteiro no Brasil
Rota do Descobrimento, Sul da Bahia.
Melhor Roteiro no exterior
Travessia dos Andes, Patagônia Argentina e Chilena.
Música
Qualquer uma que não seja funk ou axé.
Idiomas
Espanhol
Principais viagens de bike
Rota Maia em Belize na América Central, Rokie Mountain
no Canadá, Lake Tohe na Califórnia, Costa Rica na
competição La ruta de los Conquistadores, Travessia dos
Andes, Tera do Fogo até Usuaia, Torres del Paine ao glaciar
Perito Moreno, El Chetén pedalando ao lado do monte
Fitz Roy, 3 vezes o Caminho de Santiago, Caminho de
Fátima, contornei a Ilha da Madeira em Portugal, pedalei
nos pampas do Uruguai, Travessia de Brailoche até a região
do Vulcão osorno, san martin de Los Andes, pedalei na
bélissima trilha do Bosque so Arraines em Villa la Angostura,
Deserto do Atacama.
Primeira viagem de cicloturismo
Travessia Cunha a Paraty em 1989.
Volta de Santa Catarina
A oitava edição da Volta a Santa Catarina
em MTB consagrou o catarinense de São Bento
do Sul, Gilberto Góes, como bicampeão, além
de marcar seu nome na história como o único
atleta a vencer invicto todas as quatro etapas
da competição. Goes concluiu os 250,1 km
da competição com o tempo acumulado de
9h16min21s, 10min17s à de Ricardo Pscheidt,
segundo colocado na geral.
“Eu sabia que tinha condições de vencer
a Volta. Estou treinando forte e me dedicando
muito. Quero ser o mais constante possível.
Eu não tenho apoio financeiro como meus
adversários. Só agora tenho uma boa bike”,
disse o modesto campeão, que até o mês
de maio trabalhava como garçom em um
restaurante e treinava em apenas um período.
Desde o começo do ano o atleta defende a
equipe Amazonas-Kona-Proshock, de Niterói
(RJ), e recebe uma pequena ajuda mensal de
R$ 300,00 da equipe Coyotes, de sua cidade.
A PROVA
A Volta a Santa Catarina em Mountain
Bike, uma das poucas provas de MTB por
etapas sob a chancela da UCI no mundo,
começou numa quinta-feira (15/06), feriado
de Corpus Christi, em Joinville, e terminou
no domingo, com a chegada final no
Parque Malwee, em Jaraguá do Sul. A
prova catarinense recebe a classificação
D2 da UCI e distribui importantes pontos
para o ranking nacional e internacional.
A prova é dura. Foram quatro dias de ritmo
intenso e com muitas serras para serem
superadas. Dos 99 atletas que largaram,
apenas 75 terminaram. A prova distribuiu
R$10.030 em prêmios e Goes levou para
casa R$ 3.850 pelas quatro vitórias nas
etapas e pelo título geral.
CLASSIFICAÇÃO GERAL
Masculino
1 - Gilberto Goes
2 – Ricardo Pscheidt
3 - Tácio Camargo
4 - Marcelo Cândido
5 - Abraão Azevedo
Feminino
1 – Erika Gramiscelli
2 – Roberta Stopa
3 - Alziane Diógenes
4 – Lorena Oliveira
5 – Maria Salete
Texto: Marcos Adami • Fotos: Eduardo Schaucoski
PRIMEIRA ETAPA - JOINVILLE-SCROEDER – 44,4 KM
A largada inaugural foi às 9 horas e 99 ciclistas vindos de nove Estados
alinharam em frente ao Museu da Bicicleta, em Joinville. A primeira etapa
tinha relevo variado e os atletas enfrentaram um pequeno trecho de trilha
estreita, bastante lamacenta e em subida. Foi nesse trecho – na altura do
Km 21 - que a dupla formada por Gilberto Goes e Ricardo Pscheidt abriu
vantagem em relação aos demais do pelotão principal e seguiram juntos
até a chegada. Após percorrer os 44,4 km entre Joinville e Schroeder em
1h39min34s, Goes levou a melhor na disputa do sprint final.
SEGUNDA ETAPA - SCHROEDER-S. B. DO SUL – 59 KM
No segundo dia de competição, os 91 bikers restantes na prova
enfrentaram a dura escalada em direção ao Planalto Norte. O pelotão
de elite se manteve compacto até o Km 37, pouco antes do ponto de
abastecimento. Adiante, nos 9 km do trecho de single-track, o líder Goes
atacou, descolou do pelotão principal e sustentou uma fuga solitária com
mais de 21 quilômetros até a chegada.
TERCEIRA ETAPA - SÃO B. DO SUL - CORUPÁ – 56 KM
Novamente Gilberto Goes venceu com garra. Escapado, os 56 quilômetros
entre São Bento do Sul - sua terra natal - e Corupá em 1h58min01s. Com a
vitória. Mais da metade do percurso da penúltima etapa foi em trechos com
descidas íngremes, em estradas interioranas da Serra do Mar, e os bikers desciam
dos 750 metros de altitude de São Bento do Sul aos 50 metros sobre o nível
do mar em Corupá. Além das longas e velozes descidas, o dia foi marcado por
14 travessias de nível com a ferrovia. Na terceira e na quarta travessias, um
trem cargueiro, com cerca de 70 vagões, fora do horário previsto, interrompeu
a prova e alguns atletas foram prejudicados no tempo da classificação geral.
Gilberto Goes se manteve na ponta do pelotão até próximo da área de
abastecimento, no Km 26, quando teve seu pneu traseiro furado. Goes trocou
a roda rapidamente com seu companheiro de equipe Coyotes – o joinvilense
Marcelo Borges – e perdeu cerca de um minuto. Após alguns quilômetros
de perseguição, Goes encostou no pelotão principal e alcançou a fuga de
Pscheidt e Marcelo Cândido, que estavam 40s à frente do grupo principal.
E o campeão não parou de atacar. Cerca de cinco quilômetros adiante, em uma
subida, Goes deixou ambos para trás e foi sozinho até cruzar a chegada.
ÚLTIMA ETAPA - CORUPÁ - JARAGUÁ DO SUL – 92 KM
A última etapa, com 92 km, considerada a mais dura, apresentava
nada menos que cinco serras, num total de 25,5 km para serem escalados.
Goes se destacou do pelotão principal na terceira subida de serra
juntamente com o mineiro Tácio Camargo, ambos foram escapados até
a chegada final no Parque Malwee, em Jaraguá do Sul, e disputaram o
sprint final, com o tempo de 3h24min26s. Com a segunda colocação na
etapa, Tácio subiu da quarta para a terceira colocação na geral e tomou
o lugar de Marcelo Cândido, mineiro de Nova Serra.
FEMININO
O destaque da categoria feminino ficou por conta do duelo pelo
terceiro lugar na geral entre a paranaense Lorena Oliveira e a cearense
Alziane Diógenes na última etapa. Na escalada da última serra, a atleta
do Ceará encostou, passou Lorena e reconquistou o terceiro lugar, com
apenas 24s sobre a paranaense. O quinto lugar ficou com a joinvilense
Maria Salete, de 49 anos e mãe de três filhos.
DEMAIS CATEGORIAS
Na categoria Sub-23, que reuniu treze ciclistas, o mineiro Daniel
Zóia venceu todas as etapas e terminou como o grande campeão da
categoria e conquistou a sexta colocação geral. Na segunda colocação
da Sub-23 ficou o catarinense Ricardo Ranthun. O título por equipes
ficou com Amazonas-Kona-Proshock-Coyotes.
19
Power
A edição de 2006 do Power Biker em
Passo Quatro não deixou ninguém de fora,
a organização este ano ofereceu 3 dias de
bike com muita emoção e um cardápio
para agradar bikers dos 6 aos 60 anos. A
prova contou com a presença Internacional
do organizador da La Ruta na Costa Rica
Roman Urbina e da tranqüila sueca Louise
Kobin, figura carimbada das Ultra Maratonas
internacionais, assim como os melhores
nomes do esporte nacional e por fim mais de
200 crianças e 600 mortais de todas as idades
e sexo. A presença feminina se fez sentir com
mais de 90 candidatas dos 5 aos 50, sem
dúvida o Circo chegou na cidade.
O Inicio do espetáculo foi na sexta-feira
com uma Etapa noturna para categoria
Ouro, o evento poderia ser feito com 3 dias
de prova, dois ou um para categoria Sport,
mais uma vez a organização não esqueceu
de agradar a todos. A etapa noturna foi de
25,5 km em um percurso bastante rápido,
os 6 líderes da etapa chegaram juntos num
sprint final.
Sábado foi o grande dia, além de ser
a maior etapa do power Biker teve o Fast
Downhill, uma competição urbana na noite
do sábado no centro de Passa Quatro, que
levou a emoção da prova para o público
local. Estava uma bela manhã, a temperatura
agradavel e as 10h30min foi dada a Largada
simultânea de todas as categorias para
percorrermos 45 km, com uma forte subida
logo no início onde seria disputado o Rei e
Rainha da Montanha, premiação especial
para os campeões Masculino e Feminino da
meta volante de montanha. Indicada pela
organização em pontos de maiores aclives
da competição, o primeiro topo estava à
1780 m de altitude após 14 km de escalada
forte, descemos e podemos ver um visual
épico à 1300 m de altitude e iniciamos a
segunda escalada até 1695 m em 6 km, ai
veio a parte boa da etapa, 10 km de pura
descida com curvas acentuadas, single um
Bike
verdadeiro Play Ground para qualquer
biker. Na base nos esperava um single
pela trilha de trem e a vitoriosa bandeirada
de chegada após vencer 45 km e 1500m
de ascensão. Enquanto desafiamos esses
dois morros, a categoria Kids com mais
de 100 crianças fez um percurso sobre
o paralelepípedo do largo da Igreja
Matriz com inicio as 11;30hs, cansado!
Ainda tem mais... A noite veio a parte
mais radical do Circo, os acrobatas do
Fast Down Hill, esses atletas ofereceram
um show para toda cidade descendo
umas escadarias enormes sobre os olhares
prefixos dos habitantes de Passo Quatro.
Após um merecido descanso o último
dia de prova chegou com um percurso
muito rápido de 40 km, a media de
velocidade foi muito alta para todos
atletas, a entrega de prêmios foi conforme
horário estipulado pela a organização, a
qual está de parabéns por toda a estrutura
apresentada antes e durante a prova, sem
dúvida um grande fim de semana de MTB
que deixou saudades a todos, não perca a
edição 2007 e treine para 1,2 ou 3 dias ou
quem sabe ano que vem tem mais!
Texto: Mário Roma • Fotos: Sampa Bikers
Atleta sueca Louise Kobin, 3ª colocada
Resultado Final Maratona
Elite Masculino
1 – Gilberto Goes
2 – Odair Pereira
3 – Kleber Nascimento
4 – Edivando Cruz
5 - Abraão Azevendo
Elite Feminino
1 – Roberta Stopa
2 – Erika Gramiscelli
3 – Louise Kobin
4 – Daniela Genovesi
5 – Lorena Oliveira
Resultado Final Down Hill
Campeão - Robert Sgarbi
Vice-Campeão - Marcos Marra
3º lugar - Walace Miranda
4º lugar - Juninho
5º lugar - Guilherme Renke
6º lugar - Miruca
7º lugar - Macão
8º lugar - Gustavo janini
Pedalando com o Vando
Pequena Temporada Europeia
Edivando Souza Cruz
Atleta de mountain bike da Elite
do Ciclismo Brasileiro.
Representante do Brasil nas
Olimpíadas de Atenas. Número 1
no ranking 2005
Patrocinadores:
Astro
Manitou
Vzan
Michelin
Nossa Caixa
Apoio:
Answer
SDG
Amigos da Bike
Bikers Point
Crank Brothers
Atleta de Cristo
Montenegro
Olá amigos das duas rodas, queremos compartilhar com vocês a nossa experiência
na Europa no mês de julho deste ano.
No dia 06 saimos de São Paulo e seguimos para Montenegro no leste europeu, e
após uma longa viagem chegamos na cidade de Bilejo Polje onde participamos no dia
09 do II Trophy Montenegro de MTB, que foi válida pelo ranking da UCI com pontuacão
Classe 1 onde pontuam os 15 primeiros colocados.
A prova foi realizada num percurso de 5 KM com sete voltas, a pista era dura pois
tinha longas subidas e descidas técnicas e velozes, nos revezamos nas primeiras posições
junto com o atleta da Romenia Tudor Oprea, que conseguiu abrir nas últimas voltas uma
vantagem sobre nós, e levou o primeiro lugar, eu terminei em 2º, Odair em 3º e assim
conquistamos valiosos pontos para o Pais. Jaqueline Mourão também estava presente no
evento e conquistou o segundo lugar. Em Bjelo Polje fomos muito bem recebidos pelo
organizador do evento Mr Branko, que estava realizando a competição pelo segundo ano
em Montenegro, além de cuidarem do nosso transporte eles ainda arcaram com despesas
de hospedagem e elimentação durante o evento para todos os participantes, haviam 11
paises representados no evento e Odair, Jaqueline e eu estavamos lá para representar o
Brasil.
Austria
Terminada a prova em Montenegro partimos para Austria e seguimos para Perg onde
treinamos durante a semana e nos preparamos para o 9º Festival de MTB de Windhaag, que
também foi uma prova válida pela UCI como classe 1. A competição de Windhaag reuniu
os melhores atletas europeus e teve um alto nível, a prova foi relizada num percurso muito
técnico cheio de sobe e desce, onde a valocidade variava muito e era nescessário muitas
mudanças de marchas e técnica nas descidas, mais uma vez marcamos pontos valiosos no
Ranking Internacional, Odair chegou em 10º e eu em 11º, o campeão da prova foi o austriaco
Christoph Soukup, estiveram presentes no evento atletas vindo da Italia, Holanda, Dinamarca,
Israel, Polonia e outros. No feminino Jaqueline fez uma bela prova e conquistou a 5º colocação
e marcou mais alguns pontos no ranking da UCI para garantir a vaga nas Olímpiadas de Pequim
em 2008. Ficamos felizes com nosso desempenho pois o ritmo foi muito forte.
Apesar do sacrificio, da longa viagem, e do cansaço da espera nos aeroportos
realmente valeu a pena, pois além de ter conquistado bons resultatos, acresentamos mais
experiência internacional em nossa bagagem, esperamos dar continuidade ao nosso
objetivo, continuar a conquistar mais espaço no cenário internacional, e agradecemos
ao COB e a CBC por ter dado inicio a este trabalho.
Terminada estas provas logo arrumamos as malas para voltar ao Brasil e encarar as
provas nacionais com o Campeonato Brasileiro que você confere nesta edição.
Ranking UCI
Em 2006 foi dada a largada pela busca por
pontos que irão classificar os paises que irão
competir nas olímpiadas de Pequim em 2008.
O Ranking de 2006 - 2007 serão somados e
para estar nas Olímpiadas será nescassário o
país estar entre os 25 primerios no ranking
Internacional para ter direito as vagas no
masculino e entre os 18 no feminino.
Numa prova Olímpica só largam 50 atletas
no masculino e 30 no feminino, e pensando
no número de paises que existem e número
de atletas para se chegar a uma Olímpiadas
é preciso muito trabalho. Outra forma de
classificação fica por conta dos campeonatos
continentais de 2007 onde os paises que não
estiverem entre os 25 primeiros no ranking
disputarão duas vagas.
Atualmente o Brasil está entre os 30
primeiros no masculino e esta próximo de
entrar entre os 25 primeiros e esta melhora
dependerá totalmente de um tabalho
Internacional, durante o ano temos centenas
de provas e infelizmente para nós brasileiros
elas acontecem na maior parte na Europa, as
pontuações variam de acorto com a classe da
prova, uma Copa Internacional por exemplo
é uma prova de classe 2 e pontuam os 10
primeiros, sendo que o 1º marca 30 pontos e
o 10º marca 1 ponto, numa prova de classe
1 pontuam os 15 primeiros, o 1º marca 60
pontos e o 15º marca 1 ponto, o grau de
pontuação aumenta de acordo com o nível
da prova como Campeonatos Nacionais,
Continentais, Copas do Mundo e Mundiais,
o 1º de um Nacional marca 110 pontos na
UCI e o 1º de um Continental marca 200
pontos e o 40º marca 3 pontos, e assim vai,
quanto maior o evento maior a pontuação
e também o número dos que pontuam, por
exemplo, numa prova de calsse 1 pontuam
os 10 primeiros e numa Copa do Mundo os
61 primeiros e todos que terminarem a prova
após esta colocação tem direiro a 3 pontos.
Bom ,são muitos números mas não é dificil
de entender.Uma outra coisa importante é
que só é computado no Ranking das nações a
pontuação dos três melhores atletas rankiados
no pais. Após a etapa do campeonato
Brasileiro de XC os três melhores no ranking
da UCI no Brasil ficou assim:
168 pontos Edivando de Souza Cruz
134 pontos Ricardo Picheidth
110 pontos Tiago Aroeira
No total somamos 412 pontos após o
campeonato Brasileiro realizado em Ouro
Preto-MG, outro atleta que esta bem Rankiado
é Odair Pereira com 95 pontos, que não pode
fazer uma boa prova no Brasileiro por ter seu
equipamento extraviado na viagem para
Europa, mas somou muitos pontos na Copa
Internacional e nas provas na Europa, no
Brasileiro foi o 10º colocado.
Diante desta cituação hoje é realmente
essencial os paises enviarem seu atletas para
competir fora. Pois não é apenas o ranking
que é usado nas Olímpiadas, mas também
determina o número de participante no
Mundial e em outras provas importantes.
Além disso, o alinhamento dos atletas é
feito totalmento pela colocação no Ranking
Internacional, se um atleta for para um
mundial sem pontos ele larga na última
fila e ai será difícil ter um bom resultado.
Neste ano a CBC e o COB deram início
a um trabalho que será nescessário dar
continuidade, sabemos que o Brasil tem
um grande potencial e pode crescer muito
fazendo um trabalho contínuo.
,
Zé em Forma
Atletas Deficientes, menos físico mais psicológico!
Hugo Pradoneto
dono da www.treine.net
(OCE), atleta profissional de
mountain bike e ciclismo,
patrocinado pela Specialized,
técnico de vários atletas
campeões brasileiros 2005 e
trabalha para a
conceituada Carmichael
Training Systems.
Fala galera Zé Pedal!
Eu estava
pronto para tentar dissecar um pouco o
tipo de treinamento e esforço que se leva
para competir em uma das corridas mais
duras de MTB no mundo, o Iron Bike da
Itália, já consegui no 3º pedal com minha
SPZ nova, arranhá-la e levar um tombo
apoiando meu braço quebrado e voltando
a sentir fortes dores no mesmo. Foram
três semanas engessado, três com o braço
bem fraco e agora dois dias com o braço
novamente super fraco e dolorido. Em 10
dias viajo para Torino na Itália pra competir
o Iron Bike Itália e sinto que estou indo
com apenas um braço! Essa experiência
me fez pensar muito e aprender a dissecar
não só as adaptações físicas dos atletas
deficientes, mas a força mental que existe
dentro desses super atletas.
Adaptações físicas – quando eu quebrei
o braço pensei comigo mesmo que não
deixaria isso atrapalhar a minha temporada,
então comecei com um plano de treinamento
conservador, onde eu tentaria me manter no
rolo dentro de casa e fazer os meus treinos,
mas bastou chegar o 1º fim de semana e lá
estava eu com um braço pedalando nas ruas.
Meu corpo teve que fazer várias adaptações
porque eu estava apoiando com apenas um
lado da bike e pondo peso só em um lado,
outro fato importante é que como eu tinha
pouco apoio dos braços os meus músculos
estabilizadores tinham que trabalhar dez
vezes mais e de maneira diferente uma vez
que o meu lado esquerdo estava sendo
sobrecarregado. A frustração no início era
grande e foi em momentos como esses que
eu valorizei ainda mais o nosso estilo de vida
e atleta, de guerreiro, de vencer obstáculos.
Lentamente a parte física do meu corpo foi
se adaptando.
“A subida e o vento foram difíceis,
mas difícil mesmo foi quebrar as minhas
costas” conta Marc Herremans um belga
que depois de disputar no Ironman do
Hawaii na 6ª colocação ficou paraplégico
e 8 meses depois estava numa cadeira
de rodas competindo apenas com os
membros superiores do corpo. Nós, atletas
100% fisicamente talvez tenhamos que
trabalhar nosso psicológico para também
ser 100%.
Como atleta de ponta, no mais alto
nível do esporte descobri que os atletas
com algum tipo de deficiência física são
exemplos de uma das qualidades mais
importantes que um atleta de qualquer
nível ou até mesmo qualquer ser humano
tem que ter, e isso se chama motivação
interna. A motivação sempre tem que vir
de dentro para fora. É muito importante
que os atletas tomem consciência disso,
se a motivação está vindo de fora para
dentro duas coisas vão acontecer: 1- ela
não vai durar por tempo suficiente, 2- logo
você perceberá que não está fazendo isso
por você e sim por situações externas ou
outras pessoas.
Toda vez que você estiver subindo
uma subida íngreme, estiver com algum
tipo de dificuldade em um treino ou na
vida e achar que está difícil, repense
porque existem pessoas que passam o que
a gente passa só que às vezes até mesmo
sem um membro do corpo. Essas pessoas
na verdade fizeram uma troca, não têm
100% do corpo físico, mas alcançaram o
cume do corpo mental para se adquirir a
alto performance.
“Campeões não são feitos nas academias
ou nas estradas. Campeões são feitos vindo
de uma coisa profunda dentro deles – um
sonho, uma visão, um desejo! Eles têm que
ter a habilidade física e a vontade, mas a
vontade tem que ser mais forte do que a
habilidade!” Muhammad Ali
Mês que vem contarei todas as
dificuldades físicas e mentais que vou
me deparar no Ironbike da Itália. Sei
que se não estiver 100% vou tentar estar
100% mental igual a esses superatletas,
na verdade o nome da categoria paraolímpica ou para deficientes deveria
mudar para SUPERATLETAS!
Zé Gambiarra
Esta gambiarra foi descoberta em Itabirito/MG, durante a segunda etapa
da Copa Assitur de Mountain Bike. O artista que desenvolveu o projeto
foi Anderson Ricardo Silva, de Mariana. Mais conhecido pelo apelido de
Fiote. A peça desenvolvida é um suporte de alumínio com uma mola de
passador, que tenciona a gancheira, forçando assim a corrente para não
ficar batendo.
25
Giro Rápido
Iron Biker Itália
No dia 29 de julho o mineiro Hugo
Prado conquistou a medalha de bronze no
Iron Itália. Esta competição foi realizada em
oito etapas com total de 620 km, ocorrendo
do dia 22 ao dia 29 de julho. O brasileiro só
foi superado pelo Kazaquistanes Radoslav
Sibl e pelo esloveno Vladimir Oprencak.
Segundo Hugo, a prova exigia muito do
físico e do psicológico. A intenção do mineiro
era apenas completar a prova, mas acabou
surpreendendo com sua ótima colocação.
(Na foto Hugo nos alpes italianos)
Premiação em dinheiro
O G5, grupo formado pelos 5 principais
e mais tradicionais organizadores de
competições de mountain bike do estado
de São Paulo, anunciou que haverá uma
premiação em dinheiro para o Super
Campeão Masculino e Feminino. Cada um
receberá a quantia de R$ 1000,00. Edvando
é o líder no masculino por apenas um ponto a
frente de Gilberto Góes e no Feminino Robert
Stopa segue isolada na liderança.
Bike Race Across
A 5ª edição do Bike Race Across
acontece de 5 a 9 de setembro de 2006.
Um roteiro de 500 quilômetros de percurso,
de tirar o fôlego, com paisagens e encantos
naturais, foi elaborado para proporcionar
muita adrenalina aos competidores deste
evento, que está entre os melhores desafios
de mountain bike do mundo. As inscrições
estão abertas no site www.bikeraceacross.
com.br . Márcia Cristina e Josy Neves (86)
3223-2956 e 9988-5050.
Equipe de Moeda/MG
Presente nas principais competições de mountain bike do país, a equipe de Moeda
está fazendo bonito. Parabéns galera. De pé. Da esquerda para a direita: Gabriel,
Rone, Malku, Fernando, Yang, Mateus (Matenga), Ernani (Naninho) e Rafel (Parrudo).
Assentado. Da esquerda para a direita: Kalki, Genaro, Bárbara, Vanderson (Grilo),
Isabela, Joelma e Cristiano.
Bike Parque
Com o objetivo de incentivar a prática
do ciclismo, proporcionado a quem gosta
de pedalar um local agradável e funcional,
a Sundown Bikes adotou o Parque das
Bicicletas, que pertence à prefeitura de
São Paulo e fica na região de Moema, na
esquina das avenidas República do Líbano
e Ibirapuera, em um dos cruzamentos mais
movimentados da cidade. Entre outras
ações, o patrocínio da Sundown envolve
a manutenção das áreas comuns, totens,
banners e identificação de placas.
Giro Rápido
Calendário Super Copa 2007
04/02 Gp Ravelli Maratona - 11/02
Interestadual - 11/03 Interestadual - 25/03
Bigbiker - 15/04 Interestadual - 06/05
Maratona dos Canaviais - 20/05 Bigbiker 24/06 Power Biker - 15/07 Bigbiker - 19/08
Desafio da Mantiquiera - 02/09 Bigbiker
- 21/10 Crocante Cup - 25/11 MTB 12
Horas.
Desafio da Mantiqueira
Será dia 20 de agosto, no Parque dos
Lagos, que fica na divisa de Campos do
Jordão com São Bento do Sapucaí. O
Desafio da Mantiqueira 2006 terá sem
dúvida um dos melhores percursos de
Maratona já realizados no Brasil, com o
diferencial de ser totalmente off-road na
Serra da Mantiqueira. A largada será dada
dentro de um lindo parque que contém
vários lagos e belos caminhos desde a
saída até a chegada. Passará por fazendas
e estradinhas acompanhadas de magníficas
trilhas com desníveis que tornará o evento
um verdadeiro desafio para os amantes do
mountain bike. Até o km 30,6 as categorias
PRÓ e SPORT andarão juntas, após este km,
se separam e se encontram no km 46,9 da
PRÓ e no km 36,1 da SPORT. Separam-se
novamente no km 51,8 da PRÓ e no km 41
da SPORT para se encontrarem na chegada.
Informações: [email protected]
Intercity Pedro Leopoldo
Maratona de aproximadamente 55 km.
Dia 13 de agosto com largada e chegada
na Praça da Estação de Pedro Leopoldo.
As 150 primeiras inscrições ganham uma
camisa da prova. Informações: (31) 88857833 – Diney (31) 3662-6829 - www.
cachorroloucoadventures.com.br - E-mail:
[email protected]
Copa Caeté
Será dia 20 de agosto a tradicional prova
de mountain bike do interior de Minas. A
Copa Caeté, que completa dez anos. Para
comemorar esta década de competição e
pedal, os organizadores, Ruslan e Fabrício
vão premiar mais de R$ 2500,00 em dinheiro.
As inscrições poderão ser feitas na Cicleviana,
Intertrilhas, Ikenfix e Tripp. Informações: 319647-4581.
DH Catarina
A sétima Etapa do Campeonato
Catarinense de Down Hill será nos dias 19 e
20 de agosto em Botuverá. A prova acontecerá
no terreno (Morro do Macaco) pertencente
a Adilson Zabel (popular Macaco), que é
Mecânico da Espaço Bike Márcio May e
organizador da prova. www.ciclismosc.com.
br - Fone: (47) 3422-0137
Volta Ciclística de Goiás
De 23 a 27 de agosto, será realizado em
Goiás a 5ª Volta Ciclística de Goiás - MASTER.
Única prova do gênero no País, com quatro
dias seguidos de duras disputas que incluem
etapas de estrada, contra-relógio e circuito. Os
atletas estarão divididos em três categorias:
Máster A, de 30 a 39 anos; Máster B, de 40 a
49 anos; e Máster C, de 50 anos acima. Eles
disputarão uma premiação de R$ 5.600,00
no total. Em 2005, 96 atletas de todo o País.
Inscrições até o dia 21 de agosto. Informações:
Liga Goiana de Ciclismo. (62) 3218-1556 email [email protected]
voltas e ficou com o ciclista de Campo Bom,
Ricardo Reichert.
Avancini
O Atleta Henrique Avancini, 17 anos,
Campeão Brasileiro Júnior, participou por
20 dias nos Estados Unidos, estado da
Pensilvânia, onde a Fuji América mantém
um Centro de Treinamento de Atletas
Juniores. De um treinamento de Ciclismo
(Cycling Training Camp). Com o objetivo de
aprimoramento do atleta, a Fuji e propicia
este intercambio entre jovens atletas apoiados
pela FUJI no Mundo. Este aprimoramento
visa a participação do Atleta no Campeonato
Mundial de Mountain Bike, que será realizado
na Nova Zelândia em 24 de agosto. “Consegui
uma boa participação entre os atletas. O que
achei de diferente entre os estrangeiros e
nós brasileiros, foi em relação à estrutura
de apoio e equipe. Quanto a parte técnica
e desempenho, não me assustou muito”,
contou avancini. (Na foto, Avancini durante
um treino no Centro Fuji)
Gaúcho de XC
Ricardo Reichert conquistou sua primeira
vitória no Cross Country em 2006.
As trilhas em meio a mata da Chácara
Kuntz em Novo Hamburgo, na região do Vale
do Rio dos Sinos, foram o local escolhido
pela Federação Gaúcha de Ciclismo para
realizar a 4ª etapa do Campeonato Gaúcho
de Mountain Bike Cross Country 2006.
A prova aconteceu dia 16/07 com a
participação de mais de 130 atletas de
diversas cidades do Rio Grande do Sul. A
vitória na Elite só foi confirmada nas últimas
27
- Zé Pedal
Veja onde encontrar o Zé Pedal
Minas Gerais
Belo Horizonte
Ali Bikes – Rua Araguari, 2211 - B. Preto – (31)32137813
Bike Mania – Av. A.Chateaubriand, 440 - Centro – (31) 3224-6660
Bike Star – Av. Contorno, 1919 – Floresta – (31) 3222-1033
Bike Zero – Av. Luiz P. Franco, 887 – Belvedere – (31)3264-3777
Bike Advenrure – R. Sararé, 57 – Jardinópolis – (31)3321-3532
Ciclo Dias – Av. Barão H.Melo, 1853 – Jd. América (31)3373-2055
Ciclovia – Av. Dom Pedro II, 1207 - C. Prates –(31) 3278-2239
Ciclo Giro – Rua Major Lopes, 49 - São Pedro – (31) 3281-6833
Oficina Bike – Av. A. Machado, 2227 – A. de Melo (31)3474-4091
Bici Shop – Av. Amazonas, 2760– Gutierrez–(31) 3292-8422
Campolina – R. Cel Jairo Pereira, 233 – Palmares – (31)3426-2538
Casa Viana –R. Úrsula Paulino, 1771 – Betânia–(31)3383-3006
Cicle Viana -Av. Crist. Machado, 6900 – 1º de Maio – (31)3445-1445
Dé Bikes –Av. Vilarinho, 2343 –Venda Nova–(31)3451-1596
Giga Bike –R Campos Elíseos, 694–Barroca–(31)3334-5370
Global 1–Av. Inconfidentes, 868–Funcionários–(31)3282-3003
Global 2 –Av. Olegário Maciel, 417–Centro/BH –(31)3271-1201
Global 3 –R.Padre P. Pinto, 1449–Venda Nova–(31)3451-4453
Global 4 –R.Tamoios, 592 – Centro – (31)32715402
Guime Bike –R.Contria, 946 – Barroca – (31)3332-9217
Iken Fix –Av. Luiz P. Franco,651.BH Mall–Belvedere– 3286-8199
Intertrilhas -R.Tomé de Souza, 587– Savassi –(31)3264-3232
MOP 1 –Av Abílio Machado, 2177–Primavera–(31)3474-2425
MOP 2 –Av do Contorno, 6425 - Savassi –(31) 3282-7414
Motozart –Av. Vilarinho, 2380 – V. Nova – (31) 3451-4821
Pedal Verde –R Teixeira Mendes, 181– C. Jardim –(31)3344-5245
Platina Bike –R. Platina, 1709 – Calafate– (31) 3371-1869
Top Bike –R.Montes Claros, 740 – Anchieta(31)3284-3044
Trip Aventura –Av. Prud.Moraes, 239-C Jardim (31) 3292-7229
Araxá
Ciclo Araxá - Av. Sen. Montandon, 576 – Centro –(34) 3661-2850
Bike Parts - Rua Belo Horizonte, 733 - Centro - (34) 3661- 1349
Araguari
Ciclomania -Pça. Santo Antonio,221–Goiás–(34) 3242-3815
Barbacena
Lagoa Santa
Montes Claros
Ciclo Ponto –Av.Mestra Fininha, 880-Centro–(38)3222-5816
Patrocínio
Pedal de Ouro – R Pres. Vargas, 1779 – Centro–(34)3831-5160
Patos de Minas
Power Bike – R Major Jerônimo, 858 – Centro – (34)3822-2481
Pedro Leopoldo
MultiBike – R Com.Antônio Alves, 137–Centro–(31)3661-1489
São Joaõ Del Rey
Bike Shop – R Prof. Dias Beltão, 66–Matozinhos–(32)3371-5495
Uberlândia
Radical Bike - Av. Brasil,2259 – Centro – (34)3226-1072
Timóteo
Dr.Bike – R Miguel Maura, 547–Garapá–(31)3849-2942
Lima Duarte
Real Bicicletas– R Alfredo Carão, 232–Centro–(32)3281-1706
Pouso Alegre
TheBastBike – R Santo Antônio, 56–Centro–(35)3421-2261
Brasília
Super Bike- CLSW, 101-BLC, LJ30
Bike Mania - QD 05 - CL 23 Lj 04 - Sobradinho - (61)35915646
Asa Norte
UniBike – 114 Norte - BL B, Lj 36 – (61) 3347-4775
Goiás
Formosa
BikersFormosa– R. Lázaro de Melo, 67-Centro (61)3631-3870
Rio de Janeiro
Contagem
Paraná
Brumadinho
Acad.CorEsporte –R Reinaldo Vieira, 459–S Prado–(31) 3571-1831
Carmo do Paranaiba
Bike Carmo – R Manoel E Mendes,521 – Centro – (34) 3851-0654
Import Bike –R Cel Artur Nascimento, 58–Centro–(31) 3762-1655
Bike Zero –Av.TitoFulgêncio, 421–Industrial–(31)3361-3064
Global 5 –Av.Olímpio Garcia, 51–Eldorado–(31)3356-4293
Imperial – Av. J.César Oliveira, 193–Eldorado–(31)3395-1919
Unibike –Rua Oleoduto, 33 – Petrolândia–(31) 3397-5013
Delorto Bar -Av.OlimpioGarcia, 645 - Eldorado (31)3351-9157
Top Fit - Av.José F. Rocha, 3208 - Eldorado-(31)3391-8318
Uberaba
Próbike – Av. Santa Beatris, 767 – Centro –(34)3336-9777
Bic.Keora –Av. Leop. Olivera, 1854–Frei Eugenio–(34)3312-2560
Diamantina
Pedalando–Pça. Barão de Guaicui, 99–Centro–(38)3222-0151
Divinópolis
Fórmula Bike– Av. 21 de abril, 991 - Centro–(37)3222-0151
Pedal Forte – Av. 7 de Setembro, 1460 – Centro–(37)3213-6246
Lambari
Terra Bike –R Fabiano Pereira, 190–Centro–(35)3271-3163
Juiz de Fora
Bagal Bike –R Mariano Procópio, 65–Centro–(32)3214-8756
Bike Force –Av.Independência, 2475 –São Mateus–(32) 3232- 5635
Ipatinga
Com.Monark – Av. Independência, 2475–Cid.Nobre– (31)3822-2023
Horto Bikes - Rua Jacarandá, 384- Horto -(31)3824-6721
Xtreme Adventure – R Ametista, 102– Itaguaçu–(31)3822-3299
Itabirito
Maranhão – R Primo Cavalieri, 20 – Centro –(31)3561-2699
SpeedBikes-R Dr. Eurico Rodigues, 94 - Centro-(31)3561-6016
Itabira
Bike Mania –Rua Platina, 90 – Major Laje – (31)3834-4159
Curitiba
JamurBikes– R. Fern.de Barros, 1559-Hugo Lange (41)3264-5835
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Progresso– Av. Julio de Castilho, 1349-V. Espanhola (67)3361-6336
Rio Grande do Sul
Galileus – R Marques Valença, 572 – Mooca –(11)6601-1371
Aerobike – R Dr. Lino de M Leme, 304 – Pq. Jabaquara –5032-0021
CicloMeg – Av. Sen Teot. Vilela, 10960 –São Rafael-(11)5938-1546
Backflip – R Inacio Mammana, 480 – V Aurora –(11) 6952-5902
PitStop Bike – R Carandai, 106 – Casa Verde –(11)3857-3888
Ribeirão Preto
Multibike–Av. Pres Vargas,1105 – Jd.São Luiz–(16)3913-4505
Bike Center – Rua Minas, 654 – Centro – (16)3636-1486
Campinas
Elite Bike – R Maria Monteiro,1824–Cambuí- (19)32511670
Pro Sports – Av. Orosimbo Maia, 2001–N Cambuí–(19) 3251-9897
VM3– R Capitão José de Souza, 104-Centro-(19) 3232-7014
Jundiaí
Megabikers–R. Petrol Antunes, 223 - Centro (11) 4521-0041
Araraquara
EsportMaxx– R. Tupy, 394 - Sta Angelina - (16) 3335-9743
CicleMoby – Av. São Paulo, 262 - Centro - (16) 3322-3754
Botucatu
BrasaBike – Rua Amando Barros, 158 - Centro - (14) 3815-7604
Mogi das Cruzes
Bike Tech Mogi – R Pres Rodrigues Alves, 389- (11) 4799-0996
Itapecerica da Serra
Caxias do Sul
Bike Shop – Av. Alm Tamandare, 253 - Itaguassu-(12)3896-2847
Esteio
Ciclo Pedal -Rua M.Manuel Antonio, 855–S.Antonio–(11)3372-9843
Santa Catarina
Sunbikes
Rua Quatro, 1450 - Centro - (19) 3534-590 8
Sport Bike – Av. Nove, 814 – Centro –(19) 3524-0069
Joel Bikes– R. Olímpio Oliveira, 973–Bucarein –(47)3433-0076
Casa Turnês –R. Dr. João Colin, 2650 –América –(47) 3435-2153
Ravelli Bikes – Av. Prud. Moraes, 339–L.Santa –(11)4025-1591
Martini Bike – R.Manoel S.Camargo, 466–Jd.Santana –(11)4022-3836
Ilha Bela
Danda Bike- Av.Victor Hugo Kunz, 486 -Centro–(51)3525-1133
São Carlos
Via Bike- Rua Mateo Gianella,1440-Sta Catarina-(54)3211-2946
Good Pack- Rua 24 de Agosto, 1617. Centro -(51) 3473-3114
Joinvile
São Bento do Sul
-
Rio Claro
Itu
Itatiba
Bike SãoBento– R. Jacob Treml, 19 – Centro –(47)3634-0889
Sto Antonio – Av. Sen. Lacerda Franco, 16 - Centro-(11)4524-5252
Espírito Santo
CirciutBike – Av. Fiuta R Garcia, 238-Luiz Gonzaga(16)3954-6452
Cariacica
Santa Rosa de Viterbo
São José dos Campos
Unicicle – Rod Gov Jose Sette, 0 – Centro –(27) 3254-1555
Turtle Step– R Paschoal Moreira, 401–Esplanada–(12)3922-5886
Central Bikes– Av. Central, 489 - Laranjeira –(27)3328-5668
Caverna Bike– R Saldanha Marinho, 4152-V.Aurora(17)3231-4727
Serra
Nova Serrana
Criciclo – R. Cônego de Castro, 124 - Parangaba – (85)3492-3033
28- Zé Pedal
São Paulo
Anderson 1 - Av. Ver Jose Diniz,1200–Sto Amaro -(11)5687-2099
Anderson 2 - R.Serra da Bragança, 482 - Tatuapé–(11)6192-2715
Ciclovece - Rua Camargo, 379–Butantã -(11)3811-9814
Central Serviços -R.Alvarenga, 1621–Butantã–(11)3815-4509
E Puertollano -Av. M Amália Lopes ,118-Tremembé-6952-3380
Pedal Power-Rua Baluarte, 672 - V.Olímpia-(11)3040-4800
Alberto - R. Azevedo Coutinho, 100 - V.Formosa – (11)6918-5853
Bike Store -Av.Nhambiquaras, 1529 -Moema–(11)5561-5439
Alvorada - Rua Alvorada, 1120 - V Olímpia–(11)3849-1493
Bicicle -Av. N Senhora do Ó,2100-Freguesia–(11)3931-8342
Bike Tech - Av. Pedroso Morais, 1053 - Pinheiros -(11)3814-9271
Sunny Bikes -Av. Murumbi, 7884 - Morumbi –(11)5533-5771
Total Bike1-R.São Sebastião,454 - Brooklin – (11)5183-9499
Total Bike2 - Rua Cubatão,631 - Paraíso – (11)5539-3530
Trilha Bikes - Rua Tabapua, 659 - Itaim Bibi - 3849-4041
Bikes Point - Olavo Egidio, 826 - Santana–(11) 6979-6070
Tutto Bike - Av. Pompeia,787 - Vila Pompéia -(11)3872- 5505
General Bike - Av. Moema, 736 - Moema – (11) 5051-7397
Bike Tech - Rua Tito 1641 – Alto da Lapa – (11)3641-9566
Blue Bike - Av. Dióg Rib Lima, 3040 - Alto Lapa-(11)3835 9666
Bike Star - Av. Lins Vasconcelos, 2304 - Lins –(11)5549-4331
Tao do Pedal - R. Araçari, 208 – Itaim Bibi – (11)3071-3654
Alphabikers-Al.Araguaia,762–Alphaville–Barueri–(11)4191-3996
Bike Sul - R Desemb.Bandeira de Mello, 531- Santo Amaro
Impact bike – R José Veríssimo da C. Pereira, 246 – Jabaquara
Ciclo Dias –R Tribo Acras, 360 – Jardim São José – (11)5823-2127
Ciclomeg–Pça. Julio C Campos,16–Pareleiros–(11) 5920-2478
Sport – Rua C. Arco Verde, 413 – Jd. América –(11)3085-3673
Trek store – Al. Jauaperi, 431 – Moema – Tel: (11) 50510891
Lima Bikers–Av. S.Gilb Agostinho, 07 –V Velho –(11)4667-1506
Ceará
Moto Bike – R Dimas Guimarães, 641–Centro–(37)3225-3614
Motobike – R Dr. Jacinto M. Filho, 379–Centro- (37)3225-3614
São Paulo
Novo Hamburgo
América Latina–R Péricles Gomide,207–Centro - (37)3241-4300
Itauna
Hill Bike – Av. Pref. Braz de Lira, 136 - N. Palestina– (81)3705-1719
Divina Roda – Pça. Melo Viana, 98 –Centro–(37)3232-1449
Conselheiro Lafaiete
Betim
Pizza Casagrande–R Amazonas, 21-S.Caetano (31)3591-2028
Santa Cruz do Capibaribe
Pará de Minas
Bike Show-R.Amaral Costa, 112 –C Grande-(21)2413-1775
Brazilian Bike - R Limite, 1164 – Realengo-(21) 2402-2759
Special Bike-R.Visconde Pirajá,135–Ipanema-(21)2521-2686
Special Adventure - R. S J Batista, 27 – Botafogo-(21)2266-3002
Bike Box - Av. Américas, 4666–Barrashopping–(21)2431-9269
Kraft 1 - R.Laranjeiras, 197– Laranjeiras - (21) 2553-0409
Kraft 2 - Rua Medina, 58 A – Méier - Tel: (21) 3899-7953
All Track- Av. Ataulfo Paiva, 1174 Sub-solo-(21)2239-0512
Renato Estrella- Av. Arm Lombardi, 949-Barra–(21)2491-5711
Bike Tech - Av. Bartolomeu Mitre, 455-Leblon-(21)2239-3600
Amazonas - Rua Barão do Amazonas, 277 - (21) 2622-1114
Casa das Bicicletas–R Freire Andrade, 58–Centro– (32)3331-3599
Import Bike - R. Sena Madureira, 84 - Pontilhão - (32)3331-6470
Pernambuco
Ciclo Vianna –R Bela Viana, 920 – Várzea –(31)3681-2869
Fortaleza
Crato
OficinaEsporte – R. Tristão Gonsçalves, 505 - Centro – (88)3521-4534
São José do Rio Preto
Sorocaba
Ciclo Avenida – R. Gel. Carneiro, 276-Vl Augusta–(15)3221-7651
Franca
Pedal Pró – Av. Champagnat, 2175 - Vl Industrial - (16)3723-0333
Marília
Caverna Bike – Av. República, 15 - Centro - (16)3453-5049
Amigo Lojista, se você tem interesse em distribuir o Jornal Zé Pedal em seu estabelecimento, entre no site
http://www.zepedal.com.br/distribuidor.asp e faça o cadastro que entraremos em contato.
Cicloturismo
Texto e foto Rodrigo Teles
Clube de Cicloturismo do Brasil
Faça sua parte
Muito se ouve falar hoje em dia que a bicicleta é uma das
melhores soluções de transporte para as grandes cidades. Não só
para as grandes, mas também para as médias e pequenas cidades,
assim como para as áreas rurais, por que não? Mas isso não é
nenhuma novidade, a bicicleta já nos transportou com eficiência
por centenas de anos. Foi preciso esperar o caos do acúmulo de
automóveis nas ruas, que inviabilizam o movimento nas cidades,
a poluição, que causa sérios problemas de saúde à população, e
o anúncio das catástrofes ambientais globais causadas por essa
poluição, para que o modelo de transporte vigente chegasse ao
ponto de ser discutido na sociedade.
Esse já um grande passo, apesar de estar bastante atrasado, é
um sinal de que a consciência está surgindo. Porém, o ser humano,
para passar da idéia para a ação, parece ter uma inércia enorme,
principalmente quando isto afeta o seu... (pensou que íamos dizer
o seu bolso? não!) quando isto afeta o seu dia-a-dia, os seu hábitos.
Falar é muito fácil, mas mudar um hábito é dificílimo! Quando se
tem um determinado conforto, como um carro, abrir mão dele é um
verdadeiro ato heróico, porque o indivíduo, motivado pela sua razão,
muitas vezes precisa travar uma luta contra sua própria natureza.
É duro ter que aceitar isso, mas é da natureza do ser humano
procurar o seu conforto. Durante centenas de milhares de anos
fomos selecionados para poupar energia e procurar por lugares
abrigados. Vejam: o carro!!! Mas essas mesmas centenas de milhares
de anos também nos deram uma grande arma: um imenso cérebro,
proporcionalmente muito maior e mais poderoso do que o dos
outros animais. Com ele conseguimos perceber que toda ação tem
sua conseqüência, não só a curto prazo (essa os outros animais
também percebem), mas também a longo prazo. Permite-nos saber
que ações coletivas têm conseqüências ainda maiores e ainda nos
dá chance de fazermos projeções de futuro. É maravilhoso. Mas a
maior de todas as vantagens dele é que nos permite ir contra nossa
própria natureza quando isso nos é conveniente.
Hoje em dia a maioria das pessoas sabe que se comesse
diariamente tudo o que sentisse vontade de comer, teria problemas
de saúde bem mais cedo do que se impuser a ela própria uma dieta
saudável. Muitas pessoas estão tentando parar de fumar, apesar de
sentirem vontade, pois sabem que o fumo prejudica a saúde. Outras,
apesar da preguiça, estão acordando mais cedo, para praticar um
esporte, pois sabem que isso traz um enorme benefício para elas.
Todos estes são exemplos de situações em que as pessoas,
mediante um grande esforço pessoal, mudam seus hábitos visando
um benefício próprio. Não seria difícil, nessa linha de pensamento,
mencionar razões para a troca de um carro por uma bicicleta no
dia-a-dia. O exercício físico diário seria o primeiro benefício a ser
destacado. Diminuição de gastos com combustível e com manutenção,
baixo investimento na aquisição do veículo, menos tempo perdido em
congestionamentos e procurando vagas para estacionar, seriam outras
razões, sem falar é claro, na sensação de liberdade, no vento no rosto,
melhora do humor e da saúde.
Mas a questão não é só essa, se as mudanças acontecerem somente
por razões pessoais, elas não terão consistência social. Se eu optei
pela bicicleta somente por motivos próprios, a qualquer momento eu
mudo de idéia e isso não diz respeito a mais ninguém. Hoje, porém, os
problemas são globais, temos que começar a pensar diferente.
Onde há muita gente para pouco espaço, como é o caso do nosso
planeta, em especial nas regiões urbanas, as ações devem ser pensadas
também em função do coletivo. Se eu adquirir a consciência de que
se andar de carro estou queimando petróleo e assim colaborado
para o aquecimento global e para as catástrofes que serão (e já estão
sendo) decorrentes dele, talvez a minha decisão de mudar de veículo
seja mais sólida. Se eu me lembrar sempre que optando pela bicicleta
estou desafogando o trânsito e com isso melhorando a vida de todas as
pessoas que moram na mesma cidade que eu, talvez eu não volte atrás
na minha decisão sempre que a minha natureza pedir por conforto.
A luta que temos pela frente não é pequena. Mudar hábitos sociais é
extremamente complicado e ainda muito mais difícil do que mudar hábitos
pessoais. Hábitos sociais, mesmo que ruins, ao longo do tempo se transformam
em tradição, se transformam em consenso e ganham uma “legitimidade”.
Ninguém se sente obrigado a se explicar por que está poluindo o
ambiente. Todo mundo faz isso, então por que eu não posso? É um
ciclo vicioso difícil de ser quebrado.
Sair desse ciclo envolve muita discussão e mudança de conceitos
estabelecidos. Muitas perguntas devem ser feitas e respondidas pela
sociedade. Mas sem dúvida nenhuma, transformações sociais sempre
começam de iniciativas individuais que se somam, e a melhor maneira
de convencer alguém é dando o exemplo.
Se você quer começar a ajudar nessa luta, além de deixar o carro em
casa, você pode fazer parte de movimentos organizados que já existem
no Brasil, ou se inspirar num deles para criar um na sua cidade caso
ainda não haja nenhum. Existem dezenas de ONGs e movimentos que
você pode procurar, veja alguns deles: Transporte Ativo, Rodas da Paz,
Bike Brasil, Bicicletada, ABCiclovias, Ciclo Brasil, Via Ciclo, Escola de
Bicicleta e muitos outros.
Eliana Garcia e Rodrigo Telles são fundadores do Clube de Cicloturismo e fabricantes dos alforjes Arara Una
www.ararauna.esp.br • www.clubedecicloturismo.com.br
Pedalando com o Zé
Estância climática de colonização
européia. São Bento do Sul tem clima
temperado e, no inverno a temperatura
chega a ficar abaixo de 0o C., com as geadas
formando belas paisagens, típicas das
serras do sul. Construções em estilo alpino
integram-se com o verde da cidade e sua
gente. São Bento tem música e Festa o ano
todo em seu Calendário. O centro da cidade
respira progresso, mas não deixa de ser um
recanto de paz e tranqüilidade. Paisagens
bucólicas do interior, com sua vida serena,
centenas de quedas d'água e misteriosas
cavernas escondidas no meio da exuberante
vegetação da Serra do Mar.
O início do passeio é em São Bento do
30- Zé Pedal
Sul. A pedalada corta a Serra do Mar, até a
cidade de Corupá, são 36 km por estradinhas
de terra, no interior do município através de
paisagens rurais repletas de beleza naturais.
Ao longo do caminho cruzamos várias vezes
a linha de trem, por onde passa a Ferrovia
das Cachoeiras onde é possível fazer um
gostoso passeio de Maria Fumaça, também
com final em Corupá.
Um dos pontos altos do passeio que
quando avistamos o Morro da Igreja. Uma
obra da natureza que faz lembrar um templo.
A formação está localizada a 870 m de altura.
O templo parece estar elevado por três torres
e com espigões de granito elevados para o
céu. É um convite à aventura. Local para a
prática do montanhismo.
O ponto final da pedalada é a cidade
de Corupá. Corupá significa, na
linguagem tupi guarani, lugar
de muitas pedras. Pode ser
considerada como rota das cachoeiras do
Estado de Santa Catarina.
Não é para menos. No município estão
localizadas 67 cachoeiras, além de inúmeras
grutas e densa área de mata atlântica.
Catorze delas estão localizadas num
trecho de três quilômetros no Rio
Novo, o que faz da região um
patrimônio natural indescritível.
O município é um excelente
local para a prática do
mountain bike com
dezenas de roteiros
para todos os
níveis.
Travessia São Bento do Sul a Corupá
Texto e fotos: Sampabikers
Localização
São Bento do Sul e Corupá estão à 120km
de Curitiba, 500 km de São Paulo, 200km de
Florianópolis e 60 km de Joinville.
Onde ficar
São Bento do Sul
• Novotel - Rua Paulo Müller, 250
Fone: (47) 634-1112 – Fax: 3634-1011
Reservas: 0800-11-1790
• Hotel Stelter - Av. Nereu ramos, 446
Fone: (47) 3634-1182
• Hotel Vila Verde
Sc 301, 5 km do centro – Jardim Brasília
Fone: (47) 3633-1902
Corupá
• Tureck Garten - BR 280, km 82
Fone: (47) 3375-1482
O Sampa Bikers estará organizando esta
viagem de 11 a 15 de outubro. Iinformações no
site www.sampabikers.com.br ou ligue 11-3045
2722.

Documentos relacionados