Acne, um problema que também afeta adultos

Сomentários

Transcrição

Acne, um problema que também afeta adultos
Acne, um problema que também afeta adultos
Rosto cheio de pontos vermelhos, brancos ou pretos. A imagem que muitas vezes é associada aos
adolescentes se torna cada vez mais comum nos adultos. Até mesmo pessoas que nunca tiveram acne
na adolescência podem vir a apresentá-la depois dos 25 anos. E as mulheres são as mais afetadas na
fase adulta. Ao menos 5% dos adultos acima dos 30 anos sofrem com a doença.
Acne é uma afecção dos folículos pilossebáceos, cuja estrutura é composta por glândulas sebáceas e
pelos. "As glândulas estimuladas secretam muito sebo, que acaba por obstruir e dilatar os poros,
formando cravos. Aí chegam as bactérias e surge a clássica espinha", diz a dermatologista Ligia Kogos.
A acne também pode ocorrer devido a uma predisposição genética, relacionada aos hormônios sexuais, e
se apresenta na forma de cravos e espinhas. "Pode também ser causada pelo uso inadequado de
cosméticos gordurosos, à base de óleos, lanolinas, que 'entopem' os poros, ou em épocas de banho de
sol exagerado", afirma a dermatologista. Rosto, queixo, pescoço e partes do tronco como as costas são
os locais mais comuns.
As causas são diversas, mas figuram entre as principais o estresse e, principalmente, a falta de cuidado
com a pele. Poluição e resíduos de maquiagem contribuem com a obstrução dos poros, principalmente no
rosto, o que resulta na acne. A Dra. Ligia alerta que "Não são somente as pessoas que sentem a pele
oleosa apresentam acne. Muitas vezes, há sensação de ressecamento, o que leva ao uso de cremes
consistentes, que agravam ainda mais o problema".
Os sintomas variam e podem se manifestar de formas e intensidades diferentes em cada pessoa. Em
determinados casos, é de pequena e média intensidade, mas também pode se tornar mais grave.
O quadro clínico pode ser dividido em quatro estágios:
1º grau: apenas cravos, brancos ou pretos, sem inflamação (espinhas);
2º grau: além dos cravos, surgem espinhas menores e inflamadas com formação de pus;
3º grau: as espinhas são maiores, mais profundas e dolorosas. O aspecto é de um avermelhado intenso e
a inflamação é maior;
4º grau: acontece o surgimento de lesões císticas comunicantes, bem inflamadas, que se sobrepõem
umas sobre as outras e têm aspecto desfigurante.
O tratamento da acne pode ser feito com medicamentos de uso local e, se necessário, de uso oral. Os de
uso externo aliados a uma limpeza profunda e à higienização da pele são a melhor maneira de reduzi-la

Documentos relacionados

EspINhA TEM TRATAMENTO

EspINhA TEM TRATAMENTO e a queratinização anômala com obstrução dos folículos”, complementa a dermatologista. Além disso, existem os fatores emocionais, que podem “agravar a acne por uma ação cerebral sobre o sistema hor...

Leia mais

Espinhas no Rosto

Espinhas no Rosto Na escola quem foge um pouco ao padrão estético acaba levando algum apelido: “Faustinho”, “bolão”, “esqueleto”, “jacaré”, “bereba”... Além do mal-estar gerado pelo apelido, o adolescente enfrenta p...

Leia mais