Florença - ONT Osservatorio nazionale del Turismo

Сomentários

Transcrição

Florença - ONT Osservatorio nazionale del Turismo
Nº y fecha de publicación : 111124 - 24/11/2011
Difusión : 24846
Página : 18
Periodicidad : Aleatorio
Tamaño : 90 %
Economis18_111124_18_4.pdf
363 cm2
VPB : 3042€
Web Site: http://www.eleconomista.es/
PUENTE DEDICIEMBRE
Sicilia
El
mayordelMediterráneo
la
,
puente de diciembreestá
a
vueltade esquina yavasiendo momento de elegir
la
la
el
,
nuestro destinopara disfrutardeunos merecidosdías dedescanso desconexión Politours
anima viajero escaparse porEuropa París Londres Ámsterdam Praga
entreotros muchos estánesperando.
.
y
al
a
:
o
,
,
,
,
otrosmuchos
destinos Politours
propone Sicilia cono
Entre
,
Se
trata de principal isla
un destino especial
de canalesde rocas
atravesadas
mayor del
la
y
Mediterráneo
Palermo
.
Su capital
guarda incontables
,
Etna
isla
la
.
,
,
indispensable
El
volcánactivomás
el
,
admirar enestegigante de
naturaleza.
Siracusa Agrigento
Cefalú
Taorimasonotros de
loslugares de
y
segunda ciudad
la
,
másgrande de
,
,
este deSicilia
esuna delasetapas
esenciales
al
paradescubrir esta
.
a
largo delossiglos
mundo.
paisajes únicos en
Valle delBoye consus
altos muros dehasta1.000
m.
Gruta delHielo con
único ejemplo existente
lo
el
El
,
la
,
,
el
deglaciar perenne estas
latitudes las Gargantas de
a
,
Alcantara una densa red
,
nochesen
pasar días
Siciliadesde 725euros en
hotelde cuatroestrellas
se prefiere estirar todo
5
y
tierra Sus espectaculares
erupciones han creado
visita cuando se viaja
Silicia.
Con Politours sepueden
a
grande de Europa está
situado
.
la
,
atractivos así como
Catania
mismo
el
sonalgunas delas
maravillas que se pueden
nombre..
.
la
italiana
poraguasfrías
delríocon
4
y
.
O
"
"
si
,
el
puente pasar días
nochescon
Tourde
8
y
y
"
7
el
Sicilia desde 885euros en
hotelesdelcuatro estrellas.
"
unarutas circuitos
Mil
y
y
para descubrir los rincones
másocultos deSicilia sus
,
playas sus parques
,
naturales
,
suscastillos
,
y
catedrales.
1/1
ITALIA TURISMO
Nº y fecha de publicación : 111101 - 01/11/2011
Difusión : No comunicado
Página : 20
Periodicidad : Bimensual
Tamaño : 80 %
MuchoVia_111101_20_3.pdf
1239 cm2
Web Site: -
EMBARQUE
Lista deviaje
Por ANABEL VÁZQUEZ
Puentesdeayer hoy
y
1
.
VIADUCTO
DE MILLAU
AVEYRON
FRANCIA
5
2
.
(
)
2004
UU ).1870-1883
la
.
el
es uno delos más
.
reconocibles demundo
sobre hanocurrido
asesinatos culminado
él
y
el
la
y
el
.
la
Al
.
,
el
,
ingeniero Roebling
fue suesposaEmily
Warren Roebling que
estudió se encargó de
el
,
la
y
culminarlo.
DINAMARCASUECIA
/
el
,
le
en influencia
.
Pura
iconografía sevillana.
).1999
el
el
y
a
.
.
y
y
el
,
y
máslargo de
Europa con unos7.845
metros Para los viajeros
,
.
instrumento
perfecto para saltar de
un país otro.
es
el
a
el
el
www.oresundsbron.com
Une Dinamarca Suecia
través deCopenhague
Malmd Cuenta con
dos líneas de tren seis
pistas de carretera es
puente combinado
trencarretera
arizonatourism.com
Pura fotogenia Es
único puenteque cruza
ríoColorado sobre
Cañón encasimil
kilómetros
paisaje
que ofrece esdramático
espectacular Su
.
y
,
,
(
,
(
.
y
historias deamor
morir suconstructor
el
,
frontera mental entre
Sevilla Triana aún
muchas personas se
santiguan cruzarlo
siguiendo una antigua
costumbre Sus autores
Ferdinad Bernadet
Gustav Steinachel se
inspiraron en antiguo
puente de Carrusel
sobre Sena aunque
éste ha superado
NAVAJO
ARIZONA EE
UU ).1929 1995
COPENHAGUEMALMO
al
y
PUENTE
DE ORESUND
.
(
y
,
.
,
y
a
el
4
Funciona como una
el
:
.
www.visitasevilla.es
www.nycqo.com
En sumomento fue
pioneroen usodel
acero gran escala
,
PUENTE DE
TRIANA SEVILLA.
ESPANA ).1852
3
,
/
3.000 personas durante
36 meses Aunque
autor másmediático es
Norman Foster artífice
deldiseño
estructura
es francésMichel
Virlogeux Emblema de
nueva Francia.
PUENTE DE
BROOKLYN
NUEVA YORK.( EE
ayeyron-tourism.com es
Una de las grandes
obrasde ingeniería
reciente en quetodo
es hiperbólico Es
puente más alto del
mundo 343 metros
sobre ríoTram En su
construcción trabajaron
.
.
BRIDGE
,
,
y
antecesor
el
,
primer
Navajo Bridge
,
fue
construido en1929.
Desde 1995 existe
otro que se atraviesa
encoche aunquelos
,
románticos siguen
teniendo opciónde
recorrer antiguo pie.
la
el
a
6
20
'
muchozaje
1/2
ITALIA TURISMO
Nº y fecha de publicación : 111101 - 01/11/2011
Difusión : No comunicado
Página : 21
Periodicidad : Bimensual
Tamaño : 80 %
MuchoVia_111101_20_3.pdf
1239 cm2
Web Site: -
10
2
4
5
9
.
8
3
MILLENIUM
9
.
HANGZHOU
1
7
.
(
.
6
GOLDEN GATE
BRIDGE SAN
FRANCISCO.
PONT NEUF
BRIDGE LONDRES
PARIS
FRANCIA ).1607
el
,
7
la
,1
la
y
a
lo
.
él
másantiguo.
Fue primeroque se
construyó en piedra
en ciudad sigue
siendo más largo 232
metros Los parisinos
adoran tiene hasta
supropiapelícula una
sino
el
el
la
y
el
(
.
)
lo
y
,
fábula maravillosa
llamada Los Amantes
del Pont Neuf.
visitlondon.com es
Este artefacto delicado
práctico unamezcla
dearquitectura
/
,
y
,
ingeniería arte essólo
,
y
para peatones En su
diseño construcción
.
y
estudio
de OveArup Partners
escultor SirAnthony
Caro resultadofue
una especie deescultura
colgante que sobrevuela
colaboraron
el
y
el
.
)
10
,
2000
El
ríoTámesis.
,
(
transoceánicos más
largosdelmundo Tiene
.
,
unelas
ciudades deShanghai
Ningbo Hangzhou
el
y
,
y
a
y
camino un centro de
servicioscon área de
descanso restaurante
hotel centro de
conferencias gasolinera
,
,
,
,
y
ITALIA ).1345
www.firenzeturismwit
Por aquí cruzaron en
Renacimientolos
artistas sus mecenas.
Hoy hacen todoslos
que viajanpara ver su
arte lospalacios que
lo
,
alberga mitad de
y
PONTE
,
Con sus36 kilómetros
seiscarriles
.
VECCHIO
FLORENCIA
es unodelos puentes
el
&
.
CHINA
(
www.cnto.org
/
a
,
EE UU ).1937
www.sanfrancisco.travel
Desde su nacimiento
hasoportado hastaun
terremoto de de
escala Richter sólo
lluvia halogradoque se
cerraratres veces
largo desu historia En un
día normal pasan por
más de100.000 vehículos.
(
).
2009
sunombre no es
másnuevo deParís
Pese
INGLATERRA
(
es.parisinfo.com
,
BAY BRIDGE
,
,
una torre panorámica.
dejaron en Florencia.
Fue obra de Taddeo
Gaddi
y
cuenta
la
propio
Hitlerdio orden de
que no sebombardeara.
leyenda que
el
la
2/2
ITALIA TURISMO
Um Inferno de turistas e um Purgatório de ruas labirínticas antecedem
uma chegada ao Céu. O Paraíso mora aqui, na divina cidade de Dante,
Miguel Ângelo e Leonardo da Vinci, no local onde os sinos dobram e
os gelati, as pastas e as bistecas se provam mais do que duas vezes.
«Aqui» é Firenze. E Firenze é Florença. Aqui e agora
Mónica Franco – www.monicainn.com
Constantino Leite – www.cleitephotos.com
Florença
outubro 2011
visão vida & viagens
v&V 83
N
ão há bela sem senão.
E se é um facto que
Florença é bela como
poucas outras, também
é verdade que está cheia
de pequenas falhas, de fraturas que a enfraquecem
e, ao mesmo tempo, lhe conferem caráter. Florença é como uma mulher escultural: de figura esguia
e voluptuosa, de pele aparentemente perfeita, mas
na realidade carregada de marcas do tempo e rugas
de expressão. É uma figura que nos deixa primeiro
boquiabertos com a perfeição, depois fascinados com
a imperfeição.
Florença é como David de Miguel Ângelo. Tanto a
estátua como o seu autor são imagens de marca da
cidade, mas são também uma metáfora sobre ela.
A obra-prima do grande mestre italiano é monumental (mede cinco metros!), desenhada a finos traços, quase humanos. Mas até a «pequenez» da nudez
de David serve um propósito estético: valia mais ser
perfeito à vista do que ter as medidas «certas»…
Parece fútil, mas está carregada de conteúdo. Parece apenas preocupada com a aparência, mas valoriza o que está para lá dela. Falamos da escultura,
mas também da cidade. É monumental, assombrosa
e emocionante mas corre o risco de ser superficial.
Cabe a cada um de nós descobrir o que vai na alma
desta senhora aristocrata e de boas famílias. Perceber como age. O que está por baixo da sua capa, da
sua pele pintada por artistas ilustres, dos seus «vestidos de griffe». Cabe-nos desvendar a sua camada
subterrânea. Desenterrar a essência desta que já foi
uma das cidades mais importantes da história mundial e que hoje parece ser apenas um bonito bilhete-postal. Cabe-nos escapar de uma espécie de inferno
turístico para chegar ao céu, mesmo sabendo que
temos de passar pelo purgatório no caminho.
O inferno de Dante. Chegámos e acertámos em
cheio. Difícil não acertar, já que em Florença todos os
caminhos vão dar ao Duomo. E antes mesmo da estupefação, do encantamento, antes de conseguirmos
levantar a cabeça para observar uma das catedrais
84 v&V
visão vida & viagen s outubro 2011
Florença é como David, de
Miguel Ângelo: monumental,
assombrosa e emocionante,
mesmo em dias de chuva...
mais bonitas e maiores do mundo, uma das cúpulas
mais altas, a obra de vários dos mais importantes artistas renascentistas, fomos atropelados em espanhol,
francês, inglês, chinês, japonês e até em português…
Italiano nem ouvi-lo. Florentinos nem vê-los.
Provavelmente no tempo do poeta Dante Alighieri (1265-1321) este bocado de Florença não era
Florença deixa-nos
boquiabertos
com a perfeição
e depois fascinados
com a imperfeição
outubro 2011
visão vida & viagens
v&V 85
Florença está sempre
repleta de turistas, que
enchem as suas ruas,
praças e param nas
pontes a descansar.
É preciso, por isso,
reservar tempo para
visitar a cidade. Muito
tempo... que nunca será
dado como perdido
86 v&V
visão vida & viagen s outubro 2011
o centro histórico é feito de ruas
estreitas e labirínticas que guardam
segredos para quem se perca nelas
assim… Provavelmente não havia turistas a atropelar
ninguém quando o pai da língua italiana escreveu a
sua obra-prima, A Divina Comédia. Era natural que
os bairros onde nasceu e viveu – entre o Duomo e a
Piazza della Signoria – fossem apenas habitados por
florentinos. Mas isso já era. Essa Florença pertence
de facto ao passado e é dele mesmo que ela é feita.
É desse passado que os turistas (maioritariamente
seniores de dia e juniores à noite) vão à procura. Da
memória de um tempo glorioso que fez brotar génios
como o próprio Dante, Miguel Ângelo, Leonardo da
Vinci, Brunelleschi, Giotto, Donatello, Fra Angelico.
De uma época em que uma família poderosa de apelido Medicis podia tudo, patrocinava tudo: Palazzo
Medici-Riccardi, Palazzo Vecchio, Galleria degli Uffizi, Corridoio Vasariano, Basilica di San Lorenzo, Palazzo Pitti e Giardino di Boboli, entre muitas outras
obras, sobretudo renascentistas. É Florença porque
era florescente. É Florença que é Renascença.
E Florença será sempre assim.
O Purgatório nas ruas. Como já dissemos,
não há como escapar do Duomo e da Piazza della
Signoria. Porquê? Porque de facto o campanário assinado por Giotto é impressionante, porque vale a
pena observar os frescos do artista e historiador de
arte Giorgio Vasari na cúpula, o batistério com portas
esculpidas a bronze por Ghiberti e Pisano e, sobretudo, é imperdoável não subir os mais de quatrocentos
degraus para chegar ao topo da imponente cúpula
do grande Brunelleschi e ver a cidade de cima – sem
arranha-céus nem aberrações arquitetónicas…
E depois vale a pena cirandar pelo museu ao ar
livre, centro social e político, que é a Piazza della
Signoria, ver de perto a cópia de David de Miguel
Ângelo e ter a tentação de a apalpar e sentir o impulso de correr para a Galleria dell’Accademia para
analisar de perto o original…
Não se pode abandonar Florença sem entrar no
Palazzo Vecchio, o assento governamental da cidade desde 1300 tornado palácio renascentista em
1500 – por quem, por quem?? Pelos Medici, claro.
Nem deixar que as filas à porta da Galleria degli
Uffizi nos impeçam de ver o mais importante museu de arte renascentista do mundo. E as filas quase
nunca são por acaso. Neste caso, são pelas 50 salas
que guardam cerca de 1500 obras que chegam até a
cortar a respiração. Se faltar o ar, há remédio santo
no terraço da cafetaria. Muito ar e muita vista. Para
onde, para onde? Para a Piazza della Signoria e
para a cúpula do Duomo, está claro.
Não faltam motivos de interesse em Florença,
não escasseiam monumentos, igrejas, pinturas, esculturas, edifícios para ver, contemplar, entrar, pasmar. Florença não chumba por faltas, mas arrisca-se a fazê-lo por excesso. Chamam-lhe «síndrome
de Stendhall» porque até o escritor francês a sentiu
quando visitou esta cidade toscana: é a vertigem da
beleza, a alucinação celestial. Não, não aconselhamos a visitar a cidade em dois ou três dias. Muito
menos a vê-la na tarde livre de uma viagem de cruzeiro. Isso pode até provocar taquicardias…
Leve tempo, «perca» tempo, vagueie sem rumo,
sem precisar de mapa. O centro histórico é feito de
ruas estreitas e labirínticas que guardam pequenos segredos para quem se perca nelas. São ruas de
traçado romano e medieval que podem levar-nos a
uma viagem sem tempo (e, de preferência, sem horas marcadas).
Caminhos para a «perdição». Foi assim que
descobrimos a «igreja do amor». Quase por acaso,
com as pernas a guiar-nos o caminho. E não vale
a pena começar a percorrer as páginas do guia de
viagem à procura da morada, porque ela não existe.
A história de um amor impossível não é fruto da
nossa imaginação, mas o nome da igreja sim. Badia
Fiorentina é a designação oficial de uma das igrejas mais antigas desta cidade do antigo. Foi aqui,
à sua porta, na hoje batizada Via Dante Alighieri
que o poeta Dante viu Beatrice pela primeira vez e
ficou enamorado para sempre. Hoje, este pequeno
templo está reservado à prece e meditação e abre
apenas três horas por semana, mas mesmo assim os
casais apaixonados arranjam forma de deixar ali as
suas cartas de amor…
De templo em templo, até ao topo do antigo convento onde fica o Caffè delle Oblate (via dell’Oriuolo
26), uma cafetaria com vista para o Duomo, hoje
Biblioteca pública apinhada de estudantes com comoutubro 2011
visão vida & viagens
v&V 87
Não é preciso entrar nas galerias para apreciar arte.
Em Florença, basta entrar num restaurante e provar,
por exemplo, uma bisteca florentina no Boccanegra
florença é um museu vivo. em cada
esquina, uma estátua; em cada praça, um
monumento; em cada loja, uma pintura
putador portátil. Fala-se em surdina, estuda-se só ou
acompanhado, bebe-se um café em silêncio. Porque
o momento é belo demais para poluir com palavras.
O silêncio também se impõe na Scuola del Cuoro
(via San Giuseppe 5r). E impõe-se mesmo sobre as
marteladas compassadas que ecoam nas paredes
desta escola e oficina do couro. Arriscamo-nos a
cometer o pecado da luxúria, mesmo estando nas
traseiras de uma das mais importantes igrejas da
cidade – a de Santa Croce, que dá também nome ao
bairro. E mesmo a tão curta distância da santidade
e solenidade, é quase impossível não ceder à tentação de comprar umas peças das tão famosas (e nada
baratas) peles italianas made in Firenze.
Está visto que o Céu também é feito de maravilhas
terrenas e que os pecados são comuns entre os mortais, por isso circule-se pelo centro histórico, entre os
88 v&V
visão vida & viagen s outubro 2011
bairros do Duomo e Santa Croce, com um gelati na
mão. Duas hipóteses: Gelateria di Neri (via dei Neri
20/22r) e Grom (via del Campanile). Na primeira,
mesmo que o tentem arrastar, não saia sem várias
bolas de gelado de ricotta com figo!
Relaxe. Em Itália, a gula não é pecado. Por isso, esqueça os sentimentos de culpa e dirija-se à Bottega del
Cioccolato do mestre chocolateiro florentino Andrea
Bianchini (via de Macci 50). Entre sem medos e saia
com caixas de chocolate com açafrão de Chianti, com
vinagre balsâmico de 8 anos (o nosso preferido!), com
azeite ou com alperce e lavanda. E nem precisa colocar os óculos escuros quando sair da pastelaria Dolci
& Dolcezze (piazza C. Beccaria 8r) com um carregamento daquele bolo de chocolate que não tem o título
de melhor do mundo, mas provavelmente é… Em Florença toda a gente cede às tentações da «carne».
Os florentinos amam a
gastronomia. E a oferta,
para os visitantes, é fantástica
O Céu à mesa. Onde, senão em Florença, um restaurante de alta cozinha é também um minimuseu
com audioguia em várias línguas? Onde, senão em
Florença, uma ervanária e perfumaria se orgulha de
estar no interior de um antigo convento com o maior
claustro da cidade? Onde, senão em Florença, um estilista pode abrir uma discoteca numa antiga capela?
Onde, senão em Florença, a casa de banho do quarto
de um hotel tem janela sobre uma das mais belas catedrais do mundo?
A resposta fica dada. Não é preciso responder para
compreender: Florença é um museu vivo. Em cada
esquina, uma estátua; em cada praça, um monumento; em cada loja, uma pintura. Não é preciso
entrar nas galerias para apreciar arte e não é preciso
ser apreciador de arte para observar frescos originais
do século XIV e vestígios romanos. Basta gostar de
comer (quem não gosta, levante o braço). Basta interessar-se por gastronomia, pela gastronomia italiana
e pelos chefes de cozinha que lhe dão a volta.
No caso do restaurante Alle Murate (via del Proconsolo 16r), é uma mulher quem chefia a cozinha
de inspiração tradicional «revisitada». Giovan-
na Iorio é uma das poucas que o faz em Florença
(Itália) e depois de provar o seu ravioli com cebolas
doces percebemos porque o faz… É no Alle Murate
que isso tudo se faz e é lá que também se faz uma
visita guiada pelos frescos onde figura o poeta e pai
da língua italiana, Dante Alighieri, e por umas ruínas onde ainda se podem ver os pilares de madeira
que sustentavam a cidade.
No Boccanegra (via Ghibellina 124r), a visita não é
guiada, mas uma bisteca na esplanada pode dar-nos
mais de Florença e dos florentinos do que muitas aulas de História. No Boccanegra, a bisteca (costeleta
ou, melhor, costeletona!) pode vir acompanhada por
um Giuseppe bem florentino… Não, não é risotto;
também não é pasta nem insalata nem mesmo aquela bela focaccia feita no forno a lenha. É empregado
de mesa que até fala um pouco de português do Brasil, mas com aquele sotaque italiano!
O paraíso do consumo. As criações de Gucci, Salvatore Ferragamo, Roberto Cavalli e Emilio
Pucci também têm esse sotaque. E mais do que sotaque, têm «nacionalidade» florentina. Nas princioutubro 2011
visão vida & viagens
v&V 89
A arte moderna
invade alguns dos
espaços históricos
da cidade
90 v&V
visão vida & viagen s outubro 2011
só há um
conselho
que precisa
de ser
seguido em
florença:
‘senta-te
numa praça,
fecha os
olhos, toca e
cheira’
outubro 2011
visão vida & viagens
v&V 91
oltrarno corre o risco de ser o bairro
mais interessante de florença. uma
mistura entre paris e o bairro alto
pais ruas de compras, como as vias Tornabuoni, del
Calzauoli e em torno da Piazza della Repubblica, é
possível adquirir peças com estas e outras etiquetas
de luxo. Isso pode não ser um exclusivo florentino,
mas há algo que é... Falamos do Museu Ferragamo,
o local onde o historicista encontra o fashionista.
Por baixo de uma das lojas deste artista florentino,
considerado um dos maiores criadores de sapatos
do mundo, guarda-se um espólio museológico, mas
conta-se também a história do calçado. Contextualizam-se criações, revelam-se inspirações, exibem-se as divas de Hollywood que foram calçadas por
ele. E assim, de uma forma aparentemente fútil, se
descobre na cidade dos artistas uma outra arte que
também é maior.
Uma curiosidade: o filho de Salvatore, Leonardo
Ferragamo, é responsável pelos muito contemporâneos Hotéis Lungarno. Um deles, o Continentale, fica à
beira do rio Arno e tem um muito recomendável bar-terraço chamado Sky Lounge. Aqui é obrigatório tomar uma bebida ao final do dia. Verá como o dourado
de uma atmosfera pode encher um pantone…
Mas a família Ferragamo não está só nesta «batalha» dos criadores florentinos. Roberto Cavalli
também assina café e club na sua cidade-natal. Giacosa (via della Spada 10r) é o nome do pequeno café
decorado a fotografias a preto-e-branco ao lado da
loja principal do estilista. É o local certo para um
shot de Cavalli Vodka ou para um cocktail especial:
o Negroni foi inventado aqui, nesta cafetaria-bar
nascida em 1815. O Cavalli Club serve música e copos até tarde, na outra margem do rio.
A renascença de Florença. A rive gauche
é Oltrarno. Oltrarno é «para lá do Arno». E já na
margem esquerda do rio Arno ficam outras duas
ruas que apelam ao consumo: Borgo San Jacopo e
via Santo Spirito. Este corre o risco de ser o bairro
mais interessante de Florença. Uma mistura entre
Paris e o Bairro Alto, uma zona alternativa e chique, descontraída e realmente florentina.
Na via Santo Spirito 4 fica o Olio & Convivium,
um restaurante gastronómico, um bar de vinhos,
uma olioteca, uma mercearia com mais de uma
década. Gerida por uns sexagenários charmosos
92 v&V
visão vida & viagen s outubro 2011
(à boa maneira italiana), vende desde as pastas,
queijos e prosciuttos mais espetaculares a sardinhas em lata made in Portugal – «as melhores do
mundo», segundo os proprietários.
No número 58r encontramos Angela Caputi, a
joalheira e as suas joias feitas de plástico. Parece
quinquilharia? Pois não é. No workshop da parte
de trás, veem-se jovens artesãs a trabalhar peças
de um design moderno, ultra feminino e ultracolorido que levam qualquer tipo de mulher ao pecado da luxúria num instantinho.
Na continuação de Santo Spirito, mas já no Borgo San Jacopo (38r) está A Piedi Nudi Nel Parco,
uma loja de roupa de designers alternativos e não
muito mais além, junto à piazza de Santo Spirito,
pode assistir-se a uma das cenas mais encantadoras e reveladoras do estilo de vida italiano. Falamos de sapatos, claro. De um ateliê de sapatos.
O artesão/artista/sapateiro é Roberto Ugolini e
ele está ali, de martelo em punho, na sua pequena
loja da via Michelozzi 17r.
No momento que entrámos, estava a trabalhar
sobre um modelo com bico pontiagudo (tipicamente italiano) e mostrava-se pouco disponível
para conversas. Fácil perceber porquê: este seu
ateliê de sapatos masculinos está aberto há 15
anos nesta rua junto à principal igreja de Oltrarno, nesta cidade conhecida por receber milhões
de turistas todos os anos... Ao fim de algumas perguntas curiosas, lá acabou por nos falar dos sapatos, dos dois ou três dias que são necessários para
fazer apenas um par, dos moldes que tem atrás de
si com o nome de cada cliente escrito a caneta, das
peles italianas e francesas que utiliza, das solas
italianas que são «as melhores».
Cidade florescente. «Senta-te numa praça,
fecha os olhos, toca e cheira.» Seguimos o conselho de uma amiga e tomámos um capuccino na
pequena esplanada do Caffè degli Artigiani na
pequeníssima piazza de la Pasera para ver o que
acontecia. E aconteceu. O cheiro do café acabado
de tirar, o ribombar de um sino ao fundo, e ainda
outro uns minutos passados, um suspiro de tranquilidade. Ma que bella!
O artesão/artista/sapateiro
Roberto Ugolini a trabalhar
num dos seus sapatos, à vista
de todos, numa cidade onde
a tradição se confunde com
o design moderno nos novos
hoteis
outubro 2011
visão vida & viagens
v&V 93
as cores do
entardecer
conferem à
cidade uma
auréola de
mistério e
romantismo
94 v&V
visão vida & viagen s outubro 2011
Esta é uma das praças mais bonitas de Florença, mas há que vivê-las todas. Levar uma fatia de
pizza e sentar-se nos degraus da igreja de Santo
Spirito e ver o giro que ali acontece sobretudo ao
final do dia e início da noite. Passar de novo para
a outra margem e observar os passantes na piazza della Signoria, assistir a concertos ou a jogos
mais ou menos espontâneos na piazza de Santa
Croce...
Mas agora são sete da tarde e está na hora do
aperitivi. Neste país, todas as desculpas são boas
para tomar um copo de vinho, para entrar numa
enoteche e beber um Chianti Classico, o vinho
com denominação da região e petiscar um panini
(sanduíches) ou um crostini (tostas), de preferência com enchidos e queijos italianos. E isto faz-se
a qualquer hora do dia ou da noite em Florença,
mas a hora do aperitivo é uma das mais animadas (e económicas).
Entre as seis e as nove da noite, aproximadamente, é seguir até ao Circolo Aurora na piazza
Torquato Tasso (em Oltrarno) e pedir um ou
mais copos desses Chianti famosos. Isso dará direito a comer o que estiver na mesa. E neste bar
que aproveita a torre do relógio da antiga muralha da cidade, o que está na mesa é muito bom:
queijos e enchidos, está claro, mas também quiches, shots com sopas frias e tudo feito por uma
italiana de Roma cheia de pinta. Rita é cozinheira e hospitaleira, recomenda o vinho e limpa os
pratos e nunca o faz sem um sorriso na cara.
Não sabemos se foi pela boa disposição de
Rita, pelos copos de Chianti ingeridos, pela dolce
vita de Florença, pelo magnífico dia passado em
Oltrarno, pela polifonia da língua… certo é que
quando nos dirigimos para junto do rio para observar o pôr do Sol sobre ele, o sorriso também já
estava colado a nós.
Quando chegámos à Ponte Santa Trínita e
olhámos para a silhueta da Ponte Vecchio, a mais
antiga e encantadora de Florença (de 1345), o
sorriso rasgou-se mais ainda. Os ocres dos edifícios tornam-se dourados, acobreados, e o tom
lamacento das águas do rio confere à cidade uma
auréola de mistério e romantismo. É certo que
colocaremos um cadeado nas grades junto àquela
ponte cheia de pequenas joalharias e casas fixadas nas laterais. É certo que iremos declarar o
nosso amor e selá-lo com esse cadeado. É certo
que deixaremos ali, à beira do Arno, os nossos votos de amor eterno. Por ti, Florença.
Às sete da tarde é
hora do aperitivo.
Depois, é seguir
para junto do rio
e observar o pôr
do Sol. Não há
melhor final de dia
em Florença
outubro 2011
visão vida & viagens
v&V 95
guia do viajante
Em 2004 a Wine Spectator apelidou-o de «mestre mundial dos ingredientes humildes», uma
crítica lendária, Patricia
Wells, considerou o seu
restaurante um dos seus
dez preferidos em todo
o mundo. Picchi abriu
o Cibrèo ristorante em
1979, mas entretanto, na
mesma pequena praça, já
inaugurou uma trattoria,
para refeições mais económicas, o Caffè Cibrèo
para almoços e capuccinos e o Teatro del Sale
para jantares com espetáculos. Via del Verrocchio,
8r. Telefone: +39 055 234
11 00. www.cibreo.com
O QUE VER
COMO IR
A TAP viaja para Bolonha a
partir de €300. Daí apanhe
o comboio rápido para a
estação de Santa Maria
Novella, no centro de
Florença. O bilhete custa
cerca de €40 (ida e volta)
e a viagem demora 30 minutos. As viagens de comboio podem ser reservadas
através da GSVT- www.
gsvt.pt. www.flytap.com.
www.trenitalia.it
ONDE D ORM I R
Plaza Hotel Lucchesi
As vistas de alguns quartos
são o expoente máximo
deste alojamento. Uns virados para o rio, outros sobre
a igreja de Santa Croce, a
torre do Palazzo Vecchio e
a cúpula do Duomo. Duplo
a partir de €120. Lungarno
96 v&V
della Zecca Vecchia, 38. Tel:
+39 055 26 236. www.plazalucchesi.it
Una Hotel Vittoria Design
e arquitetura, bicicletas à
disposição e pequeno-almoço generoso são algumas das características
deste hotel de uma cadeia
italiana que pode não ter
a melhor localização (fica
em San Frediano), mas
compensa todas as distâncias com a proximidade
de Oltrarno e do parque
delle Cascino. Duplos
desde €80. Via Pisana, 59.
Tel: +39 055 22 771. www.
unahotels.it
O N D E CO M E R
Alle Murate É pró’ consolo do corpo e da alma.
Porque é restaurante de
visão vida & viagens outubro 2011
chef italiana, que utiliza
produtos frescos e tradicionais para «revisitar» a
cozinha italiana. Simples
e delicioso, como o ravioli
com cebolas doces. Menu
degustação: €90. Via del
Proconsolo, 16r. Telefone:
+39 055 289 020. www.
allemurate.it
Boccanegra Neste restaurante simpático, com esplanada, a bistecca alla florentina vem acompanhada
de batatas e salada. Não se
iniba de pedir uma focaccia para entrada – vai ver!
Preço médio por refeição:
€25. Via Ghibellina, 124r.
Telefone: +39 055 200 10
98.www.boccanegra.com
Cibrèo Fabio Picchi é uma
personagem de Florença.
Catedral Duomo Tem um
campanário de Giotto com
85m (de 1334), relevos de
Pisano e Lucca della Robbia, uma cúpula de Brunelleschi (de 1465) que já
foi a maior do seu tempo
e uma fachada do século
XIV. Piazza del Duomo.
Telefone: +39 055 230 28
85. www.duomofirenze.it
Galleria degli Uffizi
A família Medicis foi poderosa. E esta galeria é uma
das muitas provas disso
na cidade. Uma coleção
de pinturas dos séculos
XIII a XVIII considerada uma das melhores do
mundo, em 45 salas repletas de obras famosas:
a mais antiga é Madonna
de Ognissanti de Giotto
(1310), com um uso de naturalismo e perspetiva re-
volucionário para a época.
Outros nomes sonantes
presentes: Botticelli, Piero
della Francesca, Leonardo
da Vinci, Miguel Ângelo,
Rafael, Caravaggio. Loggiata degli Uffizi. Telefone:
+39 055 238 8651
www.firenzemusei.it/uffizi
Galleria dell’Accademia
A Accademia delle Belle
Arti foi a primeira escola
de arte da Europa moderna e foi fundada, em 1563,
na hoje chamada Galleria
dell’Accademia. Hoje, as
hordas de turistas esperam horas, se for preciso,
para ver David, a famosa
escultura efetuada em
1504 por Miguel Ângelo. A estátua do homem
de pénis pequeno (dizem
que era pouco estético têlo maior…) foi criada para
a Piazza della Signoria,
onde hoje está uma cópia.
Via Ricasoli, 60. Telefone:
+39 055 238 8612. www.
accademia.firenze.it/ www.
firenzemusei.it/accademia
Palazzo Pitti e Giardino
di Boboli Concebido por
Brunelleschi em 1458 para
a família Pitti, tinha um
objetivo muito claro: fazer
«concorrência» aos Medicis. Cabem lá dentro vários
museus, sendo a Galleria
Palatina o mais importante.
Paredes decoradas a frescos seguram obras-primas
renascentistas. Piazza Pitti.
Telefone: +39 055 238 8614
O Q U E FA Z E R
Percorrer a cidade de bicicleta ou segway Pode alugar uma bicicleta (€19) ou
fazer um tour guiado de bicicleta (€39) ou de segway
(€75). Normalmente são
percursos de três horas.
www.italysegwaytours.com.
www.italycruiserbiketours.
com. www.bicicruiser.com
Inscrever-se num
workshop de cozinha,
azeite, vinagre ou vinhos
Existem cursos de pastas
ou cozinha tradicional a
partir de €49 por pessoa,
de azeites e vinagres a €29,
de chocolates e vinhos a
€49. Muitas opções para
uma viagem diferente…
www.italywinetasting.com.
www.florencetasting.com
Subir a San Miniato al
Monte ao fim do dia
É obrigatório subir até junto da igreja para assistir à
caída do sol atrás do rio
Arno. E ficar até esgotar. E
prometer voltar.
Fazer compras no
Mercado Central No
bairro de San Lorenzo, há
mercado de rua com peles
e muitas «bugigangas»
e mercado central de
estrutura em ferro e vidro
de 1874, com o melhor
dos produtos alimentares
italianos.
Comprar chás e perfumes
na Officina Profumo Há
poucos anos, a Officina
Profumo – Farmaceutica di
Santa Maria Novella abriu
uma sucursal em Lisboa.
Mas não seja isso que o
impeça de visitar a loja
que deu origem a tudo,
no bairro de Santa Maria
Novella. Via della Spada, 16.
Telefone: +39 055 216 276
CO N S E L H O S
P R ÁT I CO S
1 Circule na cidade de bicicleta ou a pé.
2 Marque as entradas nos
monumentos pela internet
antes de chegar à cidade.
www.florence-tickets.com.
www.firenzemusei.it
outubro 2011
www.enit.it
www.museionline.it
www.firenze.net
www.firenzeturismo.it
3 Vá com tempo para
conhecer a Toscana ou
circular por Itália de
comboio.
www.trenitalia.it
www.ferroviedellostato.it
4 Descubra as trattorias
onde turista quase
não entra e coma
belissimamente por €10.
Il Chico di Caffè- via della
Chiesa 16r (Oltrarno)
Sabatino- via Pisana 2r
(Oltrarno). Trattoria I Fratellini- via Ghibellina 27r
(Santa Croce)
AGRADECIMENTOS
TAP Air Portugal
www.flytap.com
ENIT Italia- Agenzia
Nacionale del Turismo
Telefone: 21 793 55 13
[email protected]
www.enit.it
visão vida & viagens
v&V 97