Como prevenir acidentes domésticos

Сomentários

Transcrição

Como prevenir acidentes domésticos
Como
prevenir
acidentes
domésticos
Projeto Gráfico, produção e ilustrações: Linea Creativa
Apoio: Planitox
Desenhos: Pierre Trabbold e Luiz Rodrigues
Redatora: Sandra Aymone
Coordenação em Toxicologia: Dr. Flávio Zambrone
Revisão Pedagógica: Dra. Patricia Lupion Torres
Coordenação Geral: Roberto Araújo
Setembro/2005
— Oi galera! Meu nome é Gabriel. Eu queria
contar a você certas coisas que aprendi e fizeram
muita diferença no meu dia-a-dia. Então, se liga,
que eu vou começar!
Minha namorada se chama Aline. Ela tem
uma sobrinha de 3 anos, a Duda. Uma vez,
a mãe da Duda precisou viajar a trabalho e
nós concordamos em tomar conta da criança.
Ficamos na sala da casa dela, assistindo TV. De
repente, percebemos que a Duda não estava
na sala. Corremos na hora, e a encontramos na
área de serviço, chorando. Ela tinha achado uma
garrafa de refrigerante, tipo PET, sem rótulo, tirou
a tampa e o líquido caiu em cima dela. Senti um
cheiro esquisito e gritei:
— Caramba! Isso não é refrigerante!
Parecia querosene. Aline pegou a Duda depressa,
tirou sua roupinha e vimos que não tinha nenhuma
queimadura ou irritação. Mesmo assim, a colocamos
no chuveiro. Mas ela continuava chorando.
Resolvemos levá-la a um hospital. Levei também a tal
garrafa, que ainda tinha líquido. Foi a maior correria!
Depois de examinar, o médico colocou Duda
em observação. Ele era gente boa e começou
a explicar sobre os riscos de intoxicações com
produtos químicos em nossas casas. Vou repetir
para você o que ele me falou.
Para começar, nunca se deve trocar a
embalagem de produtos químicos. Muito menos
colocar em embalagens de alimentos! Pessoas
desavisadas podem se intoxicar.
Os produtos químicos fazem parte de nosso
dia-a-dia, trazendo conforto e praticidade à
nossa vida. Quando são usados do jeito certo,
não fazem mal nenhum. Mas quando se usa
errado...
Você sabe com quem acontece
o maior número de acidentes de
intoxicação dentro de casa? Com
as crianças! Elas são curiosas e
colocam tudo na boca!
Mas os adultos também se enganam. Por exemplo,
muita gente quando vai matar uma barata, exagera
na dose e “afoga” o inseto no veneno, aumentando
a chance de pessoas e animais domésticos se
acidentarem com o produto aplicado em excesso.
A melhor forma de evitar as baratas é manter a casa
limpa e tampar os ralos com tela. Se a infestação for
grande, chame uma dedetizadora.
As embalagens dos produtos trazem instruções
importantes sobre o uso, o que fazer em caso de
intoxicação e também informam a composição
do produto. Para evitar acidentes, elas devem
ser lidas sempre.
É muito perigoso usar produtos “piratas”, que não
têm número de registro no Ministério da Saúde e são
vendidos por ambulantes sem nota fiscal, e às vezes
até sem rótulo. Minha mãe tinha mania de comprar
esses, porque são mais baratos, mas agora ela já
sabe que o risco não compensa!
Se alguém comer, beber ou sujar a pele com alguns
produtos químicos que temos em casa, pode se
intoxicar e até morrer! Só que esses produtos fazem
parte da vida moderna. Você consegue viver sem
usar sabonete, pasta de dente, xampu, remédios,
álcool, detergente, sabão em pó, cosméticos e muitos
outros? Difícil, né? Então, o jeito é usar corretamente!
Nossa casa tem produtos químicos em
quase todos os lugares. Duvida? Então
vamos olhar cômodo por cômodo.
COZINHA não é lugar de criança. Além
do fogão e dos aparelhos elétricos, lá
existem vários produtos que devem
ficar bem guardados: desentupidores,
limpa-fornos, desinfetantes, sabões
e detergentes. Alguns têm tampas
difíceis de abrir, mas se a embalagem
não estiver bem limpa, a criança pode
botar na boca, o que poderá provocar
irritações na pele ou queimaduras.
Outro erro grave é guardar produtos
químicos dentro da geladeira,
principalmente se estiverem sem rótulo
ou acondicionados indevidamente em
embalagens de alimento.
A ÁREA DE SERVIÇO é o “paraíso dos produtos perigosos”! Tem solventes, limpadores à base
de amoníaco, amaciantes, água sanitária, inseticidas, álcool, botijão de gás, sabão em pó, ceras,
fertilizantes para as plantas e mais um monte! Deixe tudo trancado e esconda a chave!
O BANHEIRO é outra área em que todo
cuidado é pouco. Tem desodorantes,
creme de barbear, tinturas para cabelo,
xampus, perfumes, cosméticos e
desodorizadores de ambientes. Deixe tudo
longe dos olhos e das mãos das crianças!
Em muitas SALAS são guardadas bebidas alcoólicas.
Se não estiverem trancadas, a criança pode encontrar.
Mesmo no alto, ela dá um jeito de subir.
Nos QUARTOS, é fácil encontrar perfumes, cosméticos, naftalina nas gavetas e inseticidas.
Não se deve guardar remédios no criado mudo, ou em armários fáceis de abrir.
Anticoncepcionais ou calmantes são pílulas coloridas e podem provocar sérios problemas se
forem ingeridos por crianças. Nunca deixe medicamentos ao alcance delas. Já pensou se a
criança pensar que o comprimido é uma bala?
Dicas importantes:
•Quando estiver fazendo compras, não misture no carrinho
alimentos com produtos de limpeza e higiene. Eles podem
apresentar vazamentos e contaminar os alimentos.
•Leia os rótulos antes de usar qualquer produto e siga todas as
instruções.
•Guarde produtos de limpeza, inseticidas e outros desse tipo longe dos alimentos e dos medicamentos, e fora do alcance das crianças.
•Mantenha os produtos nas suas embalagens originais.
Como usar e guardar remédios:
•Não use remédios sem orientação médica. Mesmo os remédios
naturais, como os que são feitos com plantas medicinais, devem ser usados com acompanhamento
médico.
•Leia a bula antes de usar qualquer medicamento.
•Nunca tome remédio na frente de crianças, elas gostam de
nos imitar.
•Não dê remédio no escuro para não haver trocas perigosas.
•Mantenha os medicamentos nas embalagens originais.
•Nunca use medicamentos com prazo de validade vencido.
•Descarte remédios vencidos.
•Quando der remédio a uma criança, nunca diga que é uma
bala ou guloseima.
•Em caso de intoxicação, não tente tratar
em casa. Procure logo um médico, levando a
embalagem e a bula do produto.
Agora vamos para o JARDIM. Você sabia que muitos casos de intoxicação ainda são causados por
plantas venenosas, como o comigo-ninguém-pode e muitas outras?
Alamanda Allamanda cathartica
Bico-de-papagaio Euphorbia pulcherrima
Chapéu-de-napoleão
Thevetia peruviana
Comigo-ninguém-pode
Dieffenbachia picta
Copo-de-leite
Zantedeschia aethiopica
Coroa-de-cristo
Euphorbia milli
Cróton
Codiaeum variegatum
Mamona Ricinus communis
Tinhorão Calladium bicolor
Taioba-brava
Callocasia antiquorum
Também devemos tomar cuidado para evitar picadas de animais peçonhentos, como aranhas e
escorpiões e cobras, que existem nos jardins e, às vezes, dentro de casa. Se você achar uma cobra ou
escorpião, não tente matá-los e não mexa com eles. Peça ajuda a especialistas da Vigilância Sanitária
de sua cidade, prefeitura, IBAMA ou até mesmo do Corpo de Bombeiros.
Como evitar acidentes com animais peçonhentos em áreas rurais.
• Use calçados e luvas nas atividades
de jardinagem e trabalho no campo.
• Examine calçados, roupas,
lençóis e toalhas antes de usá-los.
• Afaste camas das paredes e não
pendure roupas fora de armários.
• Tampe as frestas e buracos
nas paredes, portas, chão e teto.
10
• Limpe sempre atrás de
móveis, cortinas e quadros.
• Utilize telas em portas, janelas e ralos.
• Preserve os inimigos naturais de aranhas
e escorpiões, como lagartixas, corujas,
sapos e galinhas.
• Evite plantas junto da casa e apare a grama.
• Não acumule lixo orgânico, entulhos e
materiais de construção.
• Limpe terrenos baldios.
• Não coloque mãos ou pés em
buracos, cupinzeiros, montes de
pedra ou lenha, troncos podres etc.
11
Bem, no fim dessa conversa, ficamos sabendo que a Duda não tinha bebido o líquido e estava
liberada. Ufa! Que alívio! Quando a mãe dela chegou em casa, contamos tudo o que o médico tinha
ensinado.
Ela agradeceu e pediu nossa ajuda para colocarmos a casa toda do jeito que aprendemos. Fizemos
uma superarrumação!
Resumindo...
• Compre apenas produtos legais (registrados). Diga não aos clandestinos.
• Leia o rótulo e siga as instruções.
• Armazene corretamente, fora do alcance de crianças.
• Mantenha os produtos em suas embalagens originais.
• Fique atento aos prazos de validade.
• Em caso de intoxicação, procure um médico imediatamente, levando a embalagem do produto (e a
bula, se for o caso).
12
12
Resumo dos
Principais Cuidados:
NA HORA DE COMPRAR:
Nunca compre produtos químicos por meio de ambulantes ou camelôs, pois estes
produtos são piratas, não possuem registro e colocam em risco a saúde das
pessoas. Exija sempre a nota fiscal e verifique se o produto possui instruções de uso,
recomendações de primeiros socorros e telefone para atendimento ao consumidor.
NO TRANSPORTE: Produtos químicos devem ser transportados separadamente de
alimentos, medicamentos e de rações para animais, para prevenir contaminações
provocadas por vazamentos.
ONDE GUARDAR: os produtos químicos devem ser mantidos dentro de suas
embalagens originais e fora do alcance de crianças e de animais domésticos. A maioria
dos acidentes que ocorrem com produtos químicos dentro de casa é porque eles
estavam guardados em local errado.
USO: Produtos químicos só devem ser utilizados por pessoas que sabem ler o rótulo e
que seguem as instruções de uso.
PRIMEIROS SOCORROS: Em caso de acidente com produtos químicos, siga as
instruções de primeiros socorros e procure logo um médico, levando o rótulo, a bula
e/ou a embalagem do produto.
Mãos à obra!
Após assistir ao vídeo e ler o texto desta revista, faça uma pesquisa em sua própria
casa.
Para cada produto encontrado em local perigoso, pense numa solução para evitar que o
produto continue oferecendo perigo às crianças e pessoas desavisadas.
FIM
13
13
Centros de Informações
Toxicológicas
Sistema Nacional de Informações
Tóxico-Farmacológicas
(Atualizado em 4 de abril de 2005)
Brasília
Centro de Referência Nacional
Agência Nacional de Vigilância Sanitária
Telefone: (61) 3448.1082/3448.1099/3448.1451
Fax: (61) 3448.1076
Site: www.anvisa.gov.br
E-mail: [email protected]
Centro de Informação e Assitência Toxicológica
Telefone: (61) 3225.6512 / 0800.6446774
e-mail: [email protected]
Belém
Centro de Informações Toxicológicas de Belém
Telefone: (91) 249.6370 (tel. CIT)
Fax: (91) 249.5365 (Diretoria)
E-mail: [email protected]
Belo Horizonte
Serviço de Toxicologia de Minas Gerais
Telefone: (31) 3239.9224/3239.9223 (Hospital)
Telefone: (31) 3239-9308 / 3224-4000 (Tel. CIT)
Fax: (31) 3239.9260(CIT)
E-mail: [email protected] ou
[email protected]
Botucatu
Centro de Assistência Toxicológica de Botucatu
Telefone: (14) 3815-3048 / 3811-6017 / 3811-6034
Fax: (14) 6822.1385
Site: laser.com.br/ceatox
E-mail: [email protected] ou [email protected]
Campina Grande
Centro de Assistência Toxicológica de Campina Grande
Fone (83) 310.9238
E-mail: [email protected]
Campinas
Centro de Controle de Intoxicações de Campinas
Telefones: (19) 3788-7555 / 3788-6700
(atendimento 24 horas) / 3788-7573
(supervisão) / 3788-7373 (laboratório)
Fax: (19) 3788-7232
E-mail: [email protected]
Campo Grande
Centro de Informações Toxicológicas de Campo Grande
Telefone: (67) 386-8655 e 378-2558
Fax: (67) 381.2996 (CIT)
E-mail: [email protected]
14
14
Cuiabá
Centro de Informação Anti-Veneno de Mato Grosso
Fone/Fax: (65) 617-1700 (Tel. Hospital)
Telefone: (65) 617-1715 (Tel. CIT)
E-mail: [email protected]
Curitiba
Centro de Informações Toxicológicas de Curitiba
Telefone: (41) 264-8290 / 363-7820
Fax: (41) 360-1800 - R. 6619 - Atendimento: 0800 41 01 48
E-mail: [email protected]
Florianópolis
Centro de Informações Toxicológicas de Santa Catarina
Telefone: (48) 331.9535/ 331.9173 (Tel. CIT)
Atendimento: 0800 643 52 52 - Fax: (48) 331.9083 (CIT)
E-mail: [email protected] / [email protected]
Fortaleza
Centro de Assistência Toxicológica de Fortaleza
Telefone: (85) 255.5050 / 255.5012 (Tel. CIT)
Fax: (85) 255.5048 (CIT)
E-mail: [email protected]; [email protected]
Goiânia
Centro de Informações Tóxico-Farmacológicas de Goiás
Telefone: (62) 201.4113 - Fax: (62) 291-4350
Atendimento: 0800 646 43 50
E-mail: [email protected]
João Pessoa
Centro de Assistência Toxicológica da Paraíba
Telefone: (83) 216-7007 - Fax: (83) 224.6688
Site: www.ufpb.br/ceatox
E-mail: [email protected]
Londrina
Centro de Controle de Intoxicações de Londrina
Telefone: (43) 3371.2244 - Fax: (43) 3371-2422
E-mail : [email protected]
Manaus
Centro de Informações Toxicológicas de Manaus
Fone: (92) 622-1972 - Fax: (92) 621-6532
E-mail: [email protected]
Marília
Centro de Informação Toxicológica de Marília
Telefone: (14) 3433.8795 ou (14) 3421.1744 R. 1008
Fax: (14) 433.1888 e 422.5457
E-mail: [email protected]
Maringá
Centro de Informação Toxicológica de Maringá
Telefone: (44) 2101.9100 ou (44) 3262.1131
Fone/Fax: (44) 262.1131 (Tel. CIT)
E-mail: [email protected]
Natal
Centro de Informação Toxicológica de Natal
Telefone: (84) 232-7969
Fax: (84) 232-7909
E-mail: [email protected]
Niterói
Centro de Controle de Intoxicações de Niterói
Telefone: (21) 2717-0148; (21) 2717-0521
E-mail: [email protected]
Porto Alegre
Centro de Informações Toxicológicas do Rio Grande do Sul
Telefone: (51) 2139.9200 e fax: 2139.9201
Atendimento: 0800 78 02 00
Site: www.cit.rs.gov.br
E-mail: [email protected]
Presidente Prudente
Centro de Atendimento Toxicológico de Presidente Prudente
Fone/Fax: (18) 231.4422
Telefone: (18) 229-1500 (Plantão)
Telefone: (18) 9771-2286
Site: www.unoeste.br/ceatox
E-mail : [email protected]
Recife
Centro de Assistência Toxicológica de Pernambuco
Telefone: (81) 3421.5444 R. 151 (Tel. Hospital)
Fax: (81) 3421.5927 / 3423-8263
E-mail: [email protected]
Ribeirão Preto
Centro de Controle de Intoxicações de Ribeirão Preto
Telefone: (16) 602-1000 (Tel. Hospital)
Telefone: (16) 602.1190 (Tel. CIT)
Fax: (16) 610.1375
Rio de Janeiro
Centro de Controle de Intoxicações do Rio de Janeiro
Telefone: (21) 2521-4271
E-mail: [email protected]
São Jose dos Campos
Centro de Informação Toxicológica de São José dos
Campos
Telefone:(12) 3901.3400 R. 3431 ou 3449
Fax: (12) 3912-1232
E-mail: [email protected]
Salvador
Centro de Informações Anti-Veneno da Bahia - CIAVE
Telefone: (71) 387.3414/387-4343 e 0800 284 43 43
Fax: (71) 387.3414
Site: www.ciave.hpg.com.br
E-mail: [email protected]
Santos
Centro de Controle de Intoxicações de Santos
Telefone: (13) 3222.2878
Fax: (13) 3222.2654
E-mail: [email protected]
São Paulo
Centro de Controle de Intoxicações de São Paulo Fone/
Fax: (11) 5012/2399
CIT Fone: (11) 5012-5311
Atendimento médico Fone: (11) 5011-5111 Ramais: 250
- Laboratório 251 Atendimento Médico 252 - Administração 253 e 254
Atendimento: 0800 771 37 33
E-mail: [email protected]
Centro de Assitência Toxicológica do Hospital das
Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade
de São Paulo
Fone: (11) 3069.8571 - Fax: (11) 3088.9431
Atendimento: 0800.148110
Site: www.ucr.hcnet.usp.br/ceatox
e-mail: [email protected]
Sergipe
Centro de Informação Toxicológica
Fones: (79) 3259-3645, (79) 3216-2600 - Ramal: 2677
E-mail: [email protected]
FIOCRUZ
Telefone: (21) 3865-3246
Fax: (21) 2260.9944/22702668
Site: www.fiocruz.br/sinitox
E-mail: [email protected]
Taubaté
Centro de Controle de Intoxicações de Taubaté
Telefone: (12) 232.6565 - Fax: (12) 232.6565
E-mail: [email protected]
São Jose do Rio Preto
Centro de Informação Toxicológica de São José do Rio Preto
Telefone:(17) 3201.5000 Ramal 1380
Fax: (17) 210-5000 R. 1560
E-mail: [email protected]
Vitória
Centro de Atendimento Toxicológico (Toxcen)
Fone/Fax: (27) 3137-2400 / 3137-2406
Atendimento: 0800 283 99 04
E-mail: [email protected] ou
[email protected]
BASF S/A
Divisão de Produtos para Agricultura
Estr. Samuel Aizemberg, 1707
Bloco C Térreo - 09851-550
S. B. do Campo - SP
Todos os direitos autorais são reservados à BASF S/A. A reprodução total ou parcial é permitida com autorização expressa da BASF S/A.

Documentos relacionados