the file

Сomentários

Transcrição

the file
AVALIANDO O PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM: UMA EXPERIÊNCIA COM O
ESTUDO INDIVIDUALIZADO EM CURSOS DE GRADUAÇÃO NA UFRN
AUTOR
Paulo Ney Silva Bulhões
INSTITUIÇÃO
UFRN - DEPADE/PPGA
Av. das Alagoas, 1700
Capim Macio
59080-200 Natal (Rf
Tel (084)2174722
1 - INTRODUÇÃO
Muito se tem discutido sobre o significado da avaliação no processo educacional. Afinal de contas, a
avaliação serve somente para classificar? Ou constitui-se como um instrumento de tomada de consciência do
educador? Autores como LUCKESI (1991), LIBÂNEO (1991), VASCONCELOS (19920 e HOFFMANN
(1992), entre outros, têm debatido sobre esse assunto de vital importância para a prática educativa. De acordo
com HOFFMANN, 1992, p. 14 "vários significados são atribuídos ao termo: análise de desempenho,
julgamento de resultados, medida de capacidade, apreciação do todo do aluno, etc.". No entendimento dessa
autora tanto para alunos como para educadores, a avaliação está relacionada com o julgamento de valor dos
resultados alcançados. Tanto é assim que encontram-se vinculados ao processo de avaliação elementos como
prova, nota, conceito, reprovação, registro, etc.
Por entender-se que a avaliação é de importância indiscutível para o processo de
ensino/aprendizagem, pois através da prática avalista pode-se realizar os ajustes necessários ao modo de cada
semestre letivo tem procurado utilizá-la no intuito de compreender as dificuldades do educando e dinamizar
novas oportunidades de conhecimento.
Assim sendo, o trabalho tem como objetivo analisar os resultados da aplicação de uma técnica de
ensino individualizado, conhecida como Método Keller, em Cursos de Graduação da Universidade Federal do
Rio Grande do Norte-UFRN, através da disciplina Organização & Métodos (ADM -033). Por tratar-se de uma
técnica de ensino a que os alunos, normalmente, não vêm vivenciando, é que teve-se a preocupação de fazerse uma avaliação de sua validade quanto aos objetivos, os conteúdos, o desempenho do professor e a
adequação do Método à disciplina em questão.
2 – O ENSINO INDIVIDUALIZADO
De acordo com TURRA et al (1989) "as técnicas de ensino representam maneiras particulares de
organizar as condições externas à aprendizagem, com a finalidade de provocar modificações comportarnentais
desejáveis no aluno". Essas técnicas se classificam em: técnicas de ensino em grupo e técnicas de ensino
individualizado.
Sabe-se que não existem duas pessoas iguais, os indivíduos diferem entre si. Tanto
não aprendem no mesmo ritmo, divergindo de acordo com MATTOS (apud TURRA, 1989),
de maturação, capacidade, preparo escolar, domínio vocabular, resistência à fadiga, bem
atitudes e ideais, interesses, preferências e padrões habituais de conduta e de reação".
professor pode alternar técnicas de ensino em grupo com técnicas de ensino individualizado.
é que os alunos
"quanto ao nível
como quanto a
Assim sendo o
Segundo COST & CHAGAS (1980) o ensino individualizado ou instrução personalizada tem
recebido diferentes definições por pane dos autores. Sendo que, alguns o entendem como um programa de
estudo individual, enquanto que outros o caracterizam como um sistema que ajusta a aprendizagem ás
características e necessidades do aluno.
De qualquer modo o que caracteriza, basicamente, o ensino individualizado é o atendimento das
diferenças individuais dos alunos, levando-se em conta: seu ritmo de aprendizagem, seus interesses e
motivações, seus conhecimentos prévias e seus estilos de aprendizagem. Surgiram, portanto, vários modelos
como resultado à tendência à individualização do ensino. COST & CHAGAS (1980), TURRA (1989) e
BORDENAVE (1991) referem-se às seguintes técnicas de ensino individualizado:
- o estudo através de fichas didáticas,
- a instrução programada;
- o módulo de ensino;
- a observação;
- o estudo de textos;
- a redação,
- a pesquisa bibliográfica;
- o estudo dirigido;
- a entrevista; e
- a solução de problemas.
No que se refere ao ensino superior, COSTA e CHAGAS (1980) analisam os seguintes modelos:
- O modelo descrito por DALTON (19720 que consiste em pacotes de aprendizagem individual,
contendo: objetivos comportarnentais, pré-teste que possibilite ao aluno saltar a realização do pacote;
atividades de aprendizagem, uma variedade de tarefas que auxiliam o aluno a atingir os objetivos e pós-testes
para avaliar se os objetivos foram ou não atingidos.
- O modelo de Instrução Prescrita Individualmente (IPI) apresentado por SCALON (1973) e
desenvolvido por Glaser, Bolvin e Lindvall. Esse modelo é conhecido também como Módulo Instrucional
(MI). É formado por módulos que contém objetivos comportamentais, pré-teste, atividades de aprendizagem e
pós-teste.
- O modelo Keller, conhecido, por Curso Programado ou Sistema Personalizado de Ensino (SPE)
utilizado inicialmente na Universidade de Brasília e posteriormente Federal de Santa Catarina. Esse modelo é
formado por blocos integrados de aprendizagem que contém. objetivos comportarnentais, atividades de
aprendizagem e pós-testes.
Ainda de acordo com COSTA & CHAGAS 919800 os modelos já mencionados, apresentam as
seguintes características comuns:
- O conteúdo é dividido em unidades claramente definidas;
- As unidades de aprendizagem são auto-instrucionais e, muitas vezes, consistem no contato do
estudante com os materiais de aprendizagem;
- Cada unidade de aprendizagern é geralmente seguida de um instrumento de verificação, que mede o
domínio dos objetivos propostos; e
- O papel do professor é de direcionar, motivar e, servir de recurso à aprendizagem dos alunos.
Como pode-se observar todos esses modelos procuram atender as diferenças individuais dos alunos,
podendo existir pequenas detalhes entre um e outro na sua forma de organização.
2.1 - O Modelo ou Método Keller
Para sua organização o Método Keller prevê três etapas que são a seguir discriminadas:
Etapas da programação:
- Organizar a seqüência do conteúdo a ser trabalhado;
- estabelecer os objetivos comportamentais e os critérios de avaliação;
- organizar as atividades de ensino;
- redigir as instruções gerais e das unidades de aprendizagem; e
- organizar as fichas de identificação e de controle de rendimento do aluno.
Etapa da aplicação:
- Aplicar uma ficha de identificação a fim de obter dados referentes aos alunos;
- distribuir a folha de instrução geral;
- esclarecer as possíveis dúvidas dos alunos;
- distribuir as folhas de instrução (ou quadro de atividades) das Unidades de aprendizagem com os
respectivos materiais instrucionais (textos, exercícios, etc. );
- dar futoramente aos alunos;
- verificar a aprendizagem dos alunos, após a correção dos exercícios e do atendimento individual,
para a discussão do texto, através de testes; e
- registrar as realizações dos alunos.
Etapa da avaliação e reprogramação:
- tabular e analisar os dados coletados;
- reprogramar as unidades que apresentarem deficiências, tendo em vista os resultados obtidos.
Entende-se, à qualquer das etapas do método Keller, sem que este seja descaracterizado.
3 – PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
Foram entrevistados os 70 (setenta) alunos que concluíram a disciplina Organização e Métodos
(ADM -033), matriculados no semestre passado, sendo 25 (vinte e cinco) do Curso de Administração; 19
(dezenove) do Curso de Ciência da Computação; os (cinco) do Curso de Cooperativismo e 21 (vinte e um) do
Curso de Ciências Contábeis. Para isso utilizou-se como instrumento de coleta de informações um
questionário contendo perguntas abertas e fechadas, onde procurou-se avaliar os objetivos; à adequação de
método à disciplina; o material didático utilizado; o conteúdo das textos e o desempenho do professor. Para
avaliar os dados tabulados foi utilizado o método descritivo de análise.
4 – ANÁLISE DOS RESULTADOS
4.1 - Caracterização da disciplina
A disciplina Organizacional & Métodos (ADM -033), oferecida pelo Departamento de Ciências
Administrativas é obrigatória para os cursos de Administração, Computação e Cooperativismo e
complementar para o curso de Ciências Contábeis. Sendo que para o primeiro curso a carga horária é de 90
horas/aula e o número de créditos é de 06 (seis) e para as demais a carga horária é de 60 horas/aula e o
número de créditos é de 04 (quatro). A referida disciplina tem entre outros objetivos conhecer as técnicas
organizacionais e os critérios de racionalização do trabalho, fundamentando sua importância no exercício das
atividades profissionais. O conteúdo está dividido em três unidades e são realizadas três avaliações.
4.2 - Análise descritiva dos dados
O instrumento utilizado para testar a validade do método Keller na ministração da disciplina em
pauta procurou verificar, em primeiro lugar, o atingimento dos objetivos tendo-se chegado aos resultados
explicitados na tabela n° 01.
TABELA N° 01
OPINIÃO DOS ALUNOS QUE CURSARAM A DISCIPLINA ORGANIZAÇÃO & MÉTODOS
ATRAVÉS DO MÉTODO KELLER, NO QUE SE REFERE AO ATINGIMENTO DOS OBJETIVOS.
ALTERNATIVAS
NÚMERO DE ALUNOS
ABSOLUTO
RELATIVO
SIM
NÃO
NÃO RESPONDEU
56
0
14
80%0
0
20%
TOTAL
FONTE: Pesquisa direta
70
100%
De acordo com LIBÂNEO, 1992, p. l19 "os objetivos antecipam resultados e processos esperados do
trabalho conjunto do professor e dos alunos, expressando conhecimentos, habilidades e hábitos, a serem
assimilados de acordo com as exigências metodológicas". Assim sendo, observando-se a tabela n° 0l, verificase que 80% dos entrevistadas concordaram que os objetivos foram atingidos. Isso indica que essa técnica de
ensino individualizada pode ser utilizada com sucesso, o que é demonstrado pelo alto índice de respostas
positivas 980%).
Por ser Organização & Métodos uma disciplina obrigatória e de fundamental importância para os
Cursos em questão, procurou-se verificar a adequação de um método de estudo individualizado à disciplina,
na ótica dos alunos, o que será demonstrado na tabela que se segue.
TABELA N° 02
OPINIÃO DOS ALUNOS QUE CURSARAM A DISCIPLINA ORGANIZAÇÃO & MÉTODOS
ATRAVÉS DO MÉTODO KELLER, NO QUE SE REFERE À ADEQUAÇÃO DO MÉTODO Á
DISCIPLINA
ALTERNATIVAS
NÚMERO DE ALUNOS
ABSOLUTO
RELATIVO
ADEQUADO
INADEQUADO
NÃO RESPONDEU
59
2
9
84,3%
2,8%
12,9%
TOTAL
FONTE: Pesquisa direta
70
100%
Como pode-se observar examinando-se a tabela n° 02, 84,3% dos
adequação entre o método Keller e a disciplina O & M. Isso significa que
nenhum prejuízo na utilização de um método de estudo individualizado na
porque, além dos exercícios teóricos, foram realizados exercícios práticos, com
desse modo a teoria fosse aliada à prática.
alunos revelaram que houve
para esses alunos não houve
ministração da disciplina, até
visitas ás empresas, para que
Quanto à qualidade do conteúdo dos textos utilizados na bibliografia oferecida para cada unidade de
aprendizagem, os resultados podem ser verificados na tabela que se segue.
TABELA N° 03
OPINIÃO DOS ALUNOS QUE CURSARAM A DISCIPLINA ORGANIZAÇÃO & MÉTODOS
ATRAVÉS DO MÉTODO KELLER, NO QUE SE REFERE À A QUALIDADE DOS CONTEÚDOS
ALTERNATIVAS
NÚMERO DE ALUNOS
ABSOLUTO
RELATIVO
EXCELENTE
BOM
REGULAR
DEFICIENTE
24
46
00
00
34,3%
65,7%
0
0
TOTAL
FONTE: Pesquisa direta
70
100%
Constata-se que a seleção dos conteúdos da disciplina em questão, foi considerada satisfatória pelos
alunos, estando, inclusive, ajustada ao Método Keller. Isso poder ser constatado observando-se os dados da
tabela n° 03, onde 100% dos alunos consideraram esses conteúdos de excelente e boa qualidade. Vale
salientar que a maioria afirmou tal falo prende-se, inclusive, a autoria desses textos, pois os mesmos eram de
autores brasileiros, refletindo a realidade das nossas organizações. Ainda, de acordo com LIBÂNEO, 1991, p.
81 "a condução do processo de ensino requer uma compreensão clara e segura do processo de aprendizagem:
em que consiste, como as pessoas aprendem, quais as condições externas e internas que o influenciam".
Assim sendo, na tentativa de avaliar o processo como um todo, buscou-se verificar como os conteúdos
estavam sendo transmitidos pelo professor no atendimento individualizado. Os dados da tabela n° 04 revelam
que o mesmo percentual (48,6%) de alunos considerou a exposição dos conteúdos como excelente e muito
boa, tendo, apenas, 2,8% considerado essa exposição como razoável.
TABELA N° 04
OPINIÃO DOS ALUNOS QUE CURSARAM A DISCIPLINA ORGANIZAÇÃO & MÉTODOS,
ATRAVÉS DO MÉTODO KELLER, NO QUE SE REFERE À EXPOSIÇÃO DOS CONTEÚDOS
PELO PROFESSOR NO ATENDIMENTO INDIVIDUALIZADO
ALTERNATIVAS
NÚMERO DE ALUNOS
ABSOLUTO
RELATIVO
EXCELENTE
MUITO BOA
RAZOÁVEL
CONFUSA
34
34
2
0
48,6%
48,6%
2,8%
0
TOTAL
FONTE: Pesquisa direta
70
100%
Sabe-se que ensino e aprendizagem são duas facetas do mesmo processo. Cabe ao professor planejar,
organizar, dirigir e controlar esse processo, com a finalidade de estimular e instigar os alunos envolverem-se,
tenda como resultado final a apropriação do saber. Por ter-se utilizado uma técnica de ensino individualizado,
no caso o Método Keller, nova ou mesmo estranha para muitos alunos, é que achou-se necessário verificar a
atuação do professor no que tange á sua habilidade em motivar os alunos a interessarem-se, tanto pelo Método
como pela disciplina. A tabela n° 05 expõe os seguintes resultados:
TABELA N° 05
OPINIÃO DOS ALUNOS QUE CURSARAM A DISCIPLINA ORGANIZAÇÃO & MÉTODOS
ATRAVÉS DO MÉTODO KELLER, NO QUE SE REFERE À CAPACIDADE DO PROFESSOR DE
DESPERTAR INTERESSE PELO MÉTODO E PELA DISCIPLINA
ALTERNATIVAS
NÚMERO DE ALUNOS
ABSOLUTO
RELATIVO
EXCEPCIONAL
BOA
NENHUMA
16
51
3
22,9%
72,8%
4,3%
TOTAL
FONTE: Pesquisa direta
70
100%
Observa-se que a maioria dos alunos pesquisados (72,8%), considerou como boa a capacidade de
despertar interesse pelo método e pela disciplina. 22,9% consideraram-na excepcional e, apenas, 4,3%
afirmaram que essa capacidade foi nula. Esses resultados levam a crer que pode-se continuar a empregar esse
método em outras turmas que venham a cursar essa disciplina.
Concordando com a afirmação de LUCKESI (19910, de que o professor deve preparar-se para
exercer a docência em termos de domínio do conteúdo e habilidades, pois só assim terá possibilidade de
exercer sua profissão da melhor forma possível, é que procurou-se avaliar o domínio dos conteúdos de
Organização & métodos pelo professor, chegando-se aos resultados apresentados na tabela de n° 06.
TABELA N° 06
OPINIÃO DOS ALUNOS QUE CURSARAM A DISCIPLINA ORGANIZAÇÃO & MÉTODOS
ATRAVÉS DO MÉTODO KELLER, NO QUE SE REFERE AO DOMÍNIO DOS CONTEÚDOS
PELO PROFESSOR
ALTERNATIVAS
NÚMERO DE ALUNOS
ABSOLUTO
RELATIVO
SIM
NÃO
70
0
100%
0
TOTAL
FONTE: Pesquisa direta
70
100%
A totalidade dos alunos afirmou que o professor, durante o processo de ensino apresentou domínio
dos conteúdos da disciplina em questão.
5 - CONSIDERAÇÕES FINAIS
Considerando a avaliação como um instrumento de julgamento qualitativo da ação para o
aprimoramento dessa mesma ação, é que procurou-se utilizá-la no processo de ensino/aprendizagem da
disciplina Organização & Métodos, através de uma técnica de ensino individualizado. Tencionou-se
investigar a validade do uso dessa técnica, pois a preocupação do autor está voltada para os resultados da
aprendizagem, ou seja, a apropriação do saber pelos alunos. Concorda-se com LUCKESI (1991) quando esse
autor afirma que a avaliação tem por objetivo subsidiar o esforço para "o ser humano que se quer formar".
Assim sendo, pode concluir, de acordo com o que foi apresentado nas tabelas de 01 a 06, que pode-se
utilizar um método de ensino individualizado com sucesso.
Torna-se evidente que o bom senso do professor em fazer adaptações e estimular a ni teressar-se por
uma experiência nova de ensino/aprendizagem é fundamental para o sucesso do uso de uma técnica de ensino
individualizado Aliás, sabe-se que as técnicas não se constituem como um fim em si mesmas. Elas são um
meio para que os objetivos educacionais sejam alcançados. Assim sendo, entende-se que a utilização de uma
técnica de estudo individualizado nem sempre é aconselhável àquelas disciplinas que exigem uma maior
reflexão e discussão. Para essas disciplinas as técnicas de ensino socializadas são mais pertinentes. No caso de
O & m, acredita-se na validade ao uso de estudo individualizado pois a natureza da disciplina é instrumental e
tem como objetivo dotar o administrador dos conhecimentos organizacionais, necessários à racionalização dos
métodos de trabalho para que este realize uma administração eficaz. Assim sendo, a utilização do método
Keller, permite através dos encontros entre professores e aluno: a discussão dos textos, o esclarecimentos das
dúvidas, o acompanhamento dos exercícios práticos e pesquisados realizadas nas empresas. É de bom alvitre
ressaltar que a experiência tem demonstrado que o número de alunos matriculados em cada semestre, deve ser
de no máximo, 25 alunos, pois seria impraticável utilizar um método de estudo individualizado para uma
turma maior. Finalmente, vale ressaltar que os resultados indicam que o método foi considerado adequado por
84,3% dos alunos entrevistados e que 80% consideraram que os objetivos foram atingidos.
6 - BIBLIOGRAFIA
BORDENAVE, Juan Diaz e PEREIRA, Adair Martins. Estratégias de ensino-aprendizagem. Petrópolis:
Vozes, 1 991.
COSTA, Maria de Pompéia Silva de. Curso programado: a influência da escolha do instrumento de avaliação
sobre a aprendizagem e nível de satisfação dos alunos. UFRGS. Tese de mestrado, 1975.
COSTA, Maria de Pompéia Silva da e CHAGAS, Édio. Manual de treinamento do método Keller, através da
disciplina metodológica do ensino superior, Florianópolis: Editora Universitária, 1980.
DALTON, Leonard F. The single - pape learning model. Educacional Technology. Englewocd Cliffs, 1972.
HOFFMANN, Jussara. Avaliação: mito e desafio. Porto Alegre: Vozes, 1992.
KELLER, Fred. Engineering personalized instruction file classroom. Revista Interamericana de Psicologia,
1966.
LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, 1991.
LUCKESI, Cipriano Carlos. Filosofia da educação. São Paulo: Cortez, 1991.
TURRA, Clódia M. G. et al. Planejamento de ensino avaliação. Porto Alegre: Sagra, 1990.
VASCONCELLOS, Celso dos Santos. Avaliação, concepção dialético-libertadora. São Paulo: CIP, 1992.

Documentos relacionados

the file

the file indicaram que o método foi considerado adequado por 84,3% dos alunos entrevistados e que 80% consideraram que os objetivos foram atingidos. 6 - BIBLIOGRAFIA 1 - BORDENAVE, Juan Diaz e PEREIRA, Adai...

Leia mais