Diário da Estrada!

Сomentários

Transcrição

Diário da Estrada!
A Inimitável Fábrica de Jipes
1
Turne Acústica Européia
(2009/2010)
1 Dedico essas memórias a Paulo Leminski, irmão paranaense convicto e inspirador, que como singular
herança nos deixou que isso de querer ser exatamente aquilo que a gente é ainda vai nos levar além.
Índice
Os Motivos..................................................................03
O Caminho da Fama......................................................04
Investimento com Retorno...............................................07
Primeira Parada: Londres (Inglaterra).................................10
Segunda Parada: Paris (França).........................................13
Terceira Parada: Amsterdam (Holanda)...............................17
Quarta Parada: Bruxellas (Bélgica).....................................20
Quinta Parada: Berlim (Alemanha).....................................23
Sexta Parada: Praga (República Tcheca)..............................26
Sétima Parada: Vienna (Áustria)........................................30
Oitava Parada: Roma (Itália).............................................33
Equipamentos de Viagem e Dicas em Geral...........................37
Ranking Pessoal............................................................40
Resumo da Turnê..........................................................41
Agradecimentos............................................................42
2
Os Motivos
Um artista deve ser artista em qualquer lugar. Não é preciso um belo cartaz,
luzes de holofotes ou longas matérias nas revistas da moda para ser um
artista. Ser artista é uma opção de vida, ser famoso é um lance de dados do
destino. Ainda, ser famoso pode acontecer para qualquer um, seja você
talentoso ou não. O artista puro deve criar cotidianamente, deve buscar
aperfeiçoar a sua visão/entendimento e, acima de tudo, deve expressar a sua
arte das mais diversas formas e maneiras. O artista deve sentir o mundo. O
artista genuíno nunca tira férias.
Milhares de médicos, arquitetos, engenheiros, físicos e tantos outros
profissionais de tantas outras belas profissões desempenham dia-a-dia a sua
arte. Porém, apenas alguns poucos são efetivamente notados e conhecidos
pela grande legião de leigos. Alguns poucos profissionais levam o louro da
fama. Outros, no seu anonimato, escondidos na sua labuta, fazem a máquina
do mundo girar. Imagine se todos esses profissionais, desanimados pela falta
de fama ou reconhecimento decidissem parar? O caos estaria instalado.
Por aqui, percebe-se que muitos começam nas artes com o objetivo arcaico
de buscar a fama. Daí, nessa busca desesperada de reconhecimento, surge o
mais lastimável: o esquecimento da arte em si. Não buscam genuinidade, mas
sim, a imitação do que está em voga nos veículos tendenciosos e
domesticadores de massa. É o caminho fácil para chamar a atenção, para ser
a bola da vez. Bola da vez que daqui a pouco vai estar na caçapa e trancada
para sempre dentro da mesa de bilhar. Há pouco estudo, muita cópia e pouca
inspiração. Nada de novo no front, diria Remarque.
Pior do que os pseudo-artistas que buscam a fama com suas cópias baratas só
mesmo os pseudo-críticos de arte. O cara nunca sentiu o cheiro de uma tinta
e se sente habilitado para opinar sobre arte abstrata. Outro não sabe o que é
uma fermatta e se sente um grande teórico moderno de música
contemporânea. Enfim, o pior de tudo é que há um batalhão de cegos que
aguardam afoitos as sugestões inúteis nos blogues desses grandes boçais “selfmasturbators”.
Deixa eu dizer uma coisa, só para você, meu caro leitor. Sou engenheiro de
estruturas e músico. Tenho registro profissional tanto no CREA quanto na
OMB. Pago meus impostos em dia. Estudo música e concreto estrutural
deseperadamente. Todos os dias acordo pensando em estruturas, sejam elas
musicais ou arquitetônicas. Tenho 34 anos, uma mulher maravilhosa e um
cachorro chamado Ozzy. O nome da minha banda é A Inimitável Fábrica de
Jipes. Evidentemente, o seu vizinho nunca ouviu falar da minha banda de rock
e provavelmente nunca irá. Mas tenha paciência e me deixe explicar os
porquês dessa minha hipótese, nem um pouco abstrata. Se você tiver
paciência de ler esse texto até o final vai entender um pouco mais do
submundo da música brasileira e européia, e assim como eu, vai se
surpreender com as suas novas descobertas.
3
O Caminho da Fama
Em primeiro lugar, vejamos os custos embutidos para você ter uma carreira
artística reconhecida perante à grande massa brasileira. Evidentemente, tal
motivo se dá, na maioria das vezes, por culpa de uma mídia bastarda,
sensacionalista e lobbista. Observe que a nossa necessidade natural
normalmente exige uma bunda hiper-maxi-mega gostosa para que se consiga
dar um belo foda-se ao anonimato. Não tenho uma bela bunda e tampouco me
imagino colocando várias beldades de suculentos rabos dançando
coreograficamente ao som das minhas composições. Não que eu não goste de
uma bunda, alias eu adoro uma, mas acho isso um pouco de apelação.
Bom, mas se você não tem uma bela bunda, mesmo assim não é dificil você
chegar lá e ficar famoso e rico aqui no Brasil com a sua arte. Vejamos só. No
campo da música, basta você pagar algo em torno de R$50.000,00 para ver
sua música tocando na rádio da sua cidade. Isso pode acontecer
exaustivamente durante dois meses ou menos. Evidentemente, deve-se
alertar que o valor acima tem sido verificado aqui no Paraná. As duplas
românticas caipiras sabem melhor quanto custa esse preço, inclusive com as
casas decimais depois da vírgula. No caso de São Paulo e Rio, evidentemente,
centro da nossa melhor produção cultural, afinal o interior parece não existir,
a referida cifra tende a ser bem mais inflacionada.
Se o povo gostar da música que você pagou para colocar no rádio e começar a
comprar seu disco e frequentar os seus shows será uma maravilha. Mas se der
errado, você dançou meu amigo. Música de rádio no Brasil é mais instável do
que a bolsa de valores. Conselho, arrisque pagar o jabá se o seu som estiver
próximo da moda. Se não estiver será prejuízo na certa.
Alguém aí assistiu ou acompanhou a Garagem do Faustão? Disseram que
descobriram uma cantora/compositora excelente no anonimato. Ela era de
Minas. Mina de minas deve ser underground mesmo. Brilhante. Eu até
aumentei a tevê. Tudo ia bem, até ela dizer que tinha gravado um disco com
o Marcelo Susseking. Que fora hein, mineira? Que vacilo hein, Faustão? Dá
uma googleada para ver quem o nosso amigo Marcelo já produziu...Tão
querendo me sacanear, né? Daqui a pouco vão querer me convencer que o NX
Zero não fez plágio, mas sim versões em português autorizadas de bandas
emos americanas.
Bom, mas tem outros caminhos bacanas para ficar famoso e rico aqui no
Brasil. Os caminhos serão mais são curtos se você bater uma bola legal, se
tornar político, vender drogas, abrir uma igreja ou um cartório. Enfim,
estudar aqui no Brasil é bobeira se você está atrás de fama e dinheiro. O
caminho é muito longo e cansa pacas. Veja meu caso. Eu tenho sexto grau
completo e achava que ia ficar rico quando comecei a me debruçar
desesperadamente sobre os livros. Pelo menos conquistei uma vida estável de
funcionário público e me orgulho de ser pesquisador financiado pelo Cnpq e
pela Fundação Araucária.
4
Ah, mas espera lá eu estou fugindo do assunto. Vamos voltar ao caminho da
fama através da música. É nisso que eu quero focar essa passagem. É esse o
foco do texto. Olha lá molecada montando banda: Nem tudo está perdido.
Agora existe o underground brasileiro se consolidando. É a união das bandas
de garagem, lideradas por cabeças organizadas e pensantes aglutinadas sob a
visionária sigla de ABRAFIN. Não sei porquê, mas sempre penso comigo, que
deveria ser ABRA-FIM, numa homenagem a Moises abrindo o mar vermelho.
Mas vamos lá. É uma alternativa de sair do underground por dentro do
underground. É mais ou menos como um pintinho que nasce e vive dentro do
próprio ovo.
O esquema é super maneiro. Você traz os caras que comandam o lance para
tocar na sua cidade e daí eles te levam para tocar lá na cidade deles. Você
também entra no esquema dos grandes festivais. Se não me engano, as
cidades satélites do movimento são Goiânia e Campo Grande. Mas espera lá,
agora o movimento também está migrando para outras capitais. Inclusive tem
cidades do interior que se acham capitais no esquema. Londrina é uma delas.
Nossa, muito maneiro esse esquema. Funciona mesmo, né? O problema é que
quando as bandas “mainstream do underground unido” são convidadas para
tocar na sua cidade você tem que pagar transporte, alimentação,
hospedagem, bebida e cachê. Daí, quando é a sua vez de ir tocar na cidade
deles, possivelmente vão te emprestar apenas um palco e o nome no cartaz.
Você se vira com o resto, meu amigo. Já gastei vários cds para ver se
conseguia tocar nesses festivais. Evidentemente não deu certo. Não recebí
sequer uma carta ou e-mail, agradecendo o envio do material da minha
banda.
Ah, já ia esquecendo, não é qualquer um que pode entrar no esquema não.
Tem que ter indicação. É aquilo que desde o passado acostumamos chamar de
padrinhos. Eu, escrevendo essas linhas, notoriamente morrerei com minha
banda enterrada no limbo. Não ligo, apenas não me venham dizer que existe
um underground em consolidação e que a coisa é pluralista, revolucionária e
democrática. Não é não. Esse papo de cena independente se organizando e
crescendo, com inumeros festivais é apenas para o benefício de alguns poucos
espertos que se apoiam na inocência de uma massa sodomizada por jornalistas
infiltrados em alguns veículos maiores de comunicação.
Já percebeu que os maiores festivais sempre circulam a mesma meia dúzia de
bandas? São sempre as bandas dos cabeças do esquema ou então as bandas da
rapaziada ociosa que fica o dia inteiro na frente do computador fortalecendo
sua rede de amiguinhos virtuais. Eu sou do tempo do corredor polonês e do
polícia e ladrão, tá ligado mano? Na minha época a gente chamava isso de
panelinha e arrebentava logo na porrada. Quem cuspisse primeiro na mão do
juíz de briga saía com “sangue nos zóio” para a pancada.
Hoje estão chamando panelinha de circuito ou associação. Puro eufemismo.
Já percebeu que até os veículos de comunicação na maioria das vezes só dão
espaço para o pessoal que está conectado de alguma maneira ao esquema
ABRAFIN? É a aliança do underground partidário com o jornalismo pobre.
5
Jornalismo sem pesquisa que dissemina que só quem é conectado a esse
satélite anda fazendo coisa boa aqui nas terras descobertas por Cabral.
Estudem caramba. Chega de preguiça. Não estou querendo parecer o Olavo de
Carvalho, mas eu precisava definitivamente desabafar.
E quanto a vocês, moçada das panelas, abram as portas caramba. A ideia de
vocês é maravilhosa, vigorosa, estimulante, inspiradora e visionária. Mas
vamos trabalhar juntos. Vamos dar oportunidade para que efetivamente se
fortaleça um cenário independente. Pensem nisso, com o coração mesmo, e
deixem de fortalecer apenas alguns poucos grupos conectados às lideranças. É
só isso. Simples e fácil. Do que precisarem, contem conosco. A crítica é só
para que vocês saibam, pela enésima vez, que muita gente não anda
confortável com a pequena maçonaria que vocês montaram.
Deixe me ser um pouco mais profundo. Por aqui já trouxemos muita gente,
gente boa até, gente com boa visibilidade e tal. Além de gostarmos dos
“artistas” também nos empenhamos com a expectativa de um intercâmbio.
Quebramos a cara feio. Trabalhamos feito camelo e continuamos ancorados
em Maringá. Eu digo, não rendeu absolutamente nada. Graças a Deus, algumas
pessoas nos tiraram daqui algumas vezes, em especial meus agradecimentos
ao Beto Vizotto com o Paraíso do Rock e ao Sandro Saraiva do Sesc Vila
Mariana, onde gravamos nosso DVD ao vivo.
Mas voltando à explanação anterior. Trazer uma banda de fora ou do dito
circuito independente pode te trazer riscos enormes. Você gasta dinheiro do
próprio bolso e pode se dar muito mal. Graças a Deus, sempre ele, armamos
um circo aqui em Maringá em 2009 e, com apoio do DCE (Diretório Central do
Estudantes) e da ADUEM (Associação dos Docentes da Universidade Estadual
de Maringá), conseguimos enfiar 2500 pessoas para assistir um festival com as
bandas da cidade e com a banda do Paulão, as Velhas Virgens.
Choveu muito no dia do festival e por muito pouco mesmo o Circo não saiu
voando pela cidade (na verdade o vento levaria o palco de um outro festival
ao chão algumas semanas depois). Lama, rock e o coração na mão (para não
dizer aquela palavra de duas letras), já que a responsabilidade estrutural do
circo era minha, juntamente com parcela da responsabilidade financeira. Se
não tivesse dado certo o prejuízo seria grande e certamente eu não estaria
aqui escrevendo esse ensaio sobre a ilusão que domina o circuito udigrudis.
6
Investimento com Retorno
Após perceber que a gente vinha aplicando muito esforço nas furadas de
trazer bandas de fora sem receber em troca o devido retorno (entenda-se
retorno como a simples possibilidade de poder tocar fora de Maringá), percebi
que o risco poderia ser transformado em uma alternativa muito mais segura e
divertida. Dessa maneira, armei o meu violão, separei adesivos, cds, dvds e
parti em lua-de-mel para tocar em oito paises europeus, sem ter
absolutamente nada agendado.
Tocar fora do Brasil não é mérito nenhum. Inclusive algumas bandas de
destaque do cenário underground, como Autoramas e Vanguart, já tiveram
seus dias musicais no velho mundo. O que muda no meu caso é o fato de que
não havia nada agendado. Foi loucura pura mesmo e o indescritível peso de
carregar um hard case e várias malas em ruas banhadas de neve. Espírito
batizado no “do yourself” mesmo. Óleo de peroba na cara e vamos lá. Não
quer ser artista? Então já comece convencendo os donos dos bares pelos quais
você passar.
Toquei em todo tipo de lugar: praças, estações de trem, estações/vagões de
metrô, bares e cafés. O objetivo era claro: sempre apresentar as músicas da
Inimitável Fábrica de Jipes. O ideal era refinar a minha própria arte e, em
países com linguas estranhas ao nosso belo português, observar a reação das
pessoas em relação a determinadas canções. Posso dizer uma coisa. Sai mais
barato fazer o que fiz do que trazer uma banda de destaque no underground
que você não sabe se vai dar 30 ou 3000 pagantes.
Além disso, já tinha tido uma bela experiência nos Estados Unidos, quando
toquei em praça pública em Chicago e presenciei “On the Road para São
Thomé” ser pedida ao vivo por ninguém menos do que Art Alexakis do
Everclear. Esse é outro detalhe interessante. Músico famoso por aqui se acha
Deus. Será que o ego dos nossos artistas em evidência seria tão generoso a
ponto de fazer o mesmo que um Art Alexakis fez após me encontrar na rua
quando eu voltava pançudo do restaurante chines? Primeiro, os artistas por
aqui se escondem, não há dialogo. Segundo pega mal falar de qualquer coisa
que não seja deles mesmos. Ah, ia esquecendo, tem muita banda do
underground que já acha que faz parte do estrelato e se comporta como tal.
Vamos em frente. Alguém por ai viu o MTV Apresenta a maneira pela qual o
Cachorro Grande, se dirigiu ao Rodrigo Guedes (Grenade, New Ones) em um
dos episódios? – “Ai molecada, vocês estão no caminho certo! Mandando rock
mesmo hein!”. Molecada? Pois é, as bandas que estão circulando na mídia, em
evidência, talvez nunca ouviram um disco do Killing Chainsaw ou do Second
Come. Se você nunca ouviu falar de Piracicaba, novamente dê uma googleada
para saber o que já rolou por lá. Vai entender porque alguns escorregam
tratando dinossauros de “molecada”. Cadê a humildade?
7
É por isso que é fácil um Marcelo D2 ser exemplo de pai e sambista (virge!)
para a nossa sociedade. É por isso que o Marcelo Camelo é o poeta da nova
geração (até que ele escreve algumas coisas bacanas, apesar de
monotemático). Não há memória, não há neurônios. Como diria Bukowsky em
um dos seus livros se referindo à música: “Dê merda a esses meninos e eles
comem”. E como comem merda, meu caro Bukowsky. As coisas aqui em cima
da terra continuam na mesma.
Aliás, as coisas por aqui não andam nada bem seu Jorge. Salinger partiu e
Bortolotto se recupera de três tiros. O rock inglês é uma farsa maquiada e as
bandas da pesada, você já não ouve mais. Onde foram parar bandas como
Detrito Federal, Psychic Possessor, Plebe Rude, Volkanas, Picassos Falsos,
Mercenárias, Patife Band? Isso sim era underground. Também gostava do IRA!,
mas já viram o que aconteceu com eles? Enfim, a coisa ficou feia nas últimas
décadas.
Já notaram que a moda hoje é ser sambista, tocar Chico Buarque, beber
pinguinha com feijoada e usar chapeuzinho de malandro? Essa é a nova moda
após as bandas de dois caras. Para ser sincero prefiro as monobandas. Mas
enfim, há quem prefira as monótonas. Por exemplo: acho Mallu Magalhães
uma cantora formidável, com uma capacidade de articulação e raciocínio
incomparáveis. Esqueci de avisar que ironia é uma das minhas características.
As vezes fico até na dúvida entre escutar Mallu cantando tchuba-tchubatchuba, CSN ou aquele disco “Caipirão Classe A” com aquela música “Filho
Pródigo” do Júnio e Júlio. Enfim, conteúdo por conteúdo fico com o Júnio e
Júlio. Essa música dá um rockão de conteúdo. Meus amigos, dizer que estamos
no limbo é apenas um eufemismo para não dizer que estamos realmente
fodidos. Bob Dylan, andam usando teu nome em vão por aqui.
Felizmente ainda há alguma esperança nas ladeiras. Ainda encontro
sinceridade e arte puramente pela arte quando escuto os acordes de um Pata
de Elefante, Acústicos & Valvulados, Radiare, Pullovers, Cascadura, Aerocirco,
Violins, Anacronica, Terminal Guadalupe, La Carne, Stone Ferrari, Nevilton,
Saco de Ratos, Betty by Alone, Otto e Volver. Já percebeu que a maioria
dessas bandas não integra o dito “circuito independente unido” ? Se ligue
então e seja um pouco mais crítico quando quiserem te empurrar goela abaixo
algumas bandas pomposas escaladas nos grandes festivais independentes.
Pois bem, meus queridos, após tanto blá, blá, blá, vou agora ao que interessa.
Vamos desmistificar a Europa no que se refere ao rock and roll e daremos
todos os caminhos das pedras para você e sua banda fazerem um som por lá.
Te digo, a experiência é fascinante e se você é um artista de verdade, se isso
fala mesmo no seu coração, você vai perceber o que estou dizendo. Porém, se
você está nessa de querer ser famoso, de tocar junto com o Fresno ou ir dar
uma entrevista no Jô Soares, esqueça. Nesse caso é melhor você procurar
alguns jornalistas influentes (piada) via Orkut e tentar agendar uma seção
lambe ovos para se dar bem.
8
Eu estou falando de reconhecer e aperfeiçoar a sua própria arte. Eu estou
falando de tocar a sua música cantada em português num lugar onde os caras
só são capazes de falar tcheco. Eu estou falando de universalidade no mundo
da música. Eu estou falando de música sem fronteiras. Se você está afim de
saber disso, se gostaria de ter a experiência ou ao menos saber como é que é,
vem comigo. Esqueça essa palhaçada de fama, reconhecimento, circuito
independente. É preciso se despir, estudar, se aprofundar. Faça a sua parte
que o tempo se encarregará do resto.
9
Primeira Parada: Londres (Inglaterra)
Tocar na Inglaterra e especialmente em Londres é um sonho de qualquer um
que faça rock. Quando ancorei por lá com o meu instrumento ainda não sabia
direito o que ia acontecer. A cidade respira rock. As rádios tocam rock. As
lojas vendem muito rock. A sensação é voltar aos anos 80, quando as rádios
infestavam a sua programação com novas bandas pipocando Brasil afora.
Tocar nas estações de metro é uma boa. Porém é preciso ser registrado junto
a prefeitura para não amargar uma fine (multa) por lá. Se você for pego sem a
carteitinha a multa é de umas 400 libras. Além disso, os músicos nas estações
de metrô normalmente carregam uma parafernália de equipamentos que é
dificil para nós brasileiros transportamos.
Em Londres é possível ver o cara com um carrinho de feira transportando um
amplificador Marshal que dá conexão à guitarra e aos vocais. Uma sonzeira
danada. Alguns gravam até “backtracks” com bateria e baixo e mandam ver.
Enfim, se você chegar só com um violão e não tiver como amplificar você vai
parecer um mendigo perto dos caras que tocam por lá.
Com o problema da multa e o tempo limitado para poder me cadastrar na
prefeitura, me aventurei pela rua mesmo, mas sem o intuito de fazer grana.
Fui para a frente do Hyde Park, na avenida Bayswater (26/12/2009) e lá
mandei ver minhas músicas para os poucos curiosos que por ali passavam. O
frio é um problema severo nessas investidas. As cordas desafinam demais e o
povo não pára muito para te dar atenção. Além disso, você não consegue ficar
muito tempo tocando, pois as mãos começam a congelar.
Felizmente, Londres não me reservava só a frente do Hyde Park. Por lá
encontrei Henrique Laurindo, amigo de longa data e frontman da banda The
Tamborines, que há anos vem tentando a sorte na Inglaterra com sua banda.
Por intermédio dele descobri o Buffalo Bar (http://buffalobar.co.uk/) e o 12
Bar (http://www.12barclub.co). Talvez pelo comentário de que Chuck Berry
tenha tocado no 12 Bar, lenda está que sinceramente não tive como provar
via Google, decidi dar um pulo nesse bar e ver qual era a parada.
Era um domingo, 27/12/2009, e ancoramos no 12 Bar por volta das 20:30 hs.
Lá conversamos com a gerência e com a ajuda de alguns cds e dvds, consegui
agendar para o mesmo dia uma apresentação abrindo para a banda
Beackbeat, que é cover dos Beatles. O palco do bar é super maneiro. É tão
apertado que os microfones são apoiados pelo lado externo do palco, dando
uma visão surrealista.
Por cerca de meia hora mandei ver as músicas da Inimitável para um público
atencioso e muito educado. As palmas vinham fácil após o término das
canções, como se houvessem sido ensaiadas previamente. Uma sensação super
bacana, tendo-se em conta que os ingleses não entendem um “a” de
português. Na sequência, já fora do palco, várias novas amizades e alguns
adesivos espalhados em lugares estratégicos. A grande surpresa da noite foi
10
ouvir o barman dizer que adorava o metal brasileiro, principalmente Sepultura
e “ar-di-pi” que após alguns segundos num momento abençoado concluí ser
Ratos de Porão.
Em Londres, especialmente na região do metrô Totenhan, onde fica o 12 Bar,
há uma série de lojas de instrumentos musicais. Recomendo a todos que
tiverem a oportunidade que agendem um pulo por lá. Eu acabei adquirindo
um banjo e sem dúvida foi uma das melhores aquisições que já tive
oportunidade de fazer. Uma verdadeira barganha. Outra dica são as video
aulas e os songbooks. Tá afim de crescer como instrumentista? Então você vai
se surpreender com o volume de material que os caras possuem. Para ser
sincero, só não toca legal na Inglaterra quem tiver alguns neurônios a menos.
Está tudo ali, deglutido. É só sentar na frente da tevê e aprender.
Londres (Inglaterra): Intervenções na “Bayswater Road” e no “12 Bar Club”
Uma coisa que me chocou um pouco em Londres é a questão dos singles. Toda
segunda-feira uma penca de singles são lançados no mercado. Muitas bandas,
inclusive, duram apenas um single. A coisa por lá é muito comercial e tudo é
na base do single. Se o single se der bem numa NME, a banda segue. Caso
contrário o esquema mela. As bandas já começam com empresário e tudo
mais.
A impressão que dá do rock inglês de hoje é que é tudo muito comercial. Falta
coração. Cifra é a intenção. Fontes seguras me informaram que mesmo
bandas grandes, como Franz Ferdinand pagam um jabazinho para abrir alguns
shows de bandas maiores, como por exemplo, U2. Dizem que o Oasis também
pede uma graninha legal das bandas de abertura. Bom, eu não duvido. Abaixo
segue algumas sugestões da Inglaterra, que não tentam, em hipótese alguma,
esgotar o assunto.
11
Resumão da Inglaterra
O que ouvir: The Beatles, The Clash, The Who, The Jam, The Kinks, Queen,
David Bowie, Cream, Eric Clapton, Blur, The Libertines, Muse, Band of Skulls,
etc. Não vou perder tempo com as bandas inglesas afinal são as mais
conhecidas da Europa e é fácil descobri-las lendo uma NME, por exemplo.
Onde tentar tocar em Londres: Buffalo Bar, 12 Bar, The Bullet Bar, Sharp’s
Folk Club, Elixir Bar, Green Note, Monkey Chews. Procure principalemtne por
bares na região de Camden Town e próximo à estação de metro Totenhan. Nos
metros você precisa de carteirinha. Hyde Park pode ser uma boa para os mais
descolados.
O que tomar: Chá e cervejas, especialmente John Smith Extra Smooth e
Golden Pride.
O que comer: Café da manhã com bacon, ovos e salsichas. Fish and Chips
também é uma boa!
Imperdível: Cruzar a Abbey Road, dar um pulo em Camden Town e visitar a
memorabília do Hard Rock Café. Também vale Exposição de Salvador
Dali/Picasso na beira do Rio Tamisa.
12
Segunda Parada: Paris (França)
Salvador Dali certa vez falou uma frase que me deixou marcado. Ele dizia que
durante o ato da criação não era preciso entender ou dar explicação da sua
obra. As pessoas encontrariam algum tipo de explicação para o seu trabalho e
tudo ficaria certo no final. Acho esse pensamento perfeito e inspirador. As
vezes criamos filtros tão severos que empacamos no maldito bloqueio
artístico.
Essa mini-turne vai um pouco de carona nessa idéia do Dali. A princípio nem
eu sabia direito o que estava fazendo. Não entendia o sentido daquilo tudo,
do peso de carregar aquele violão. Mas sabia que tinha que fazer. As pessoas
dentro de mim foram dando sentido as coisas. Nesse sentido, peço licença a
Freud para apresentar as pessoas dentro de mim: id, ego e superego.
O id dizia para eu tocar em qualquer lugar. O ego dizia que eu precisava tocar
em lugares expressivos, com bom número de pessoas e registrar tudo para eu
me lembrar depois e poder mostrar para os meus amigos. O superego vivia me
recriminando, questionando sempre o fato de eu pegar o violão, onde quer
que fosse e mandar um rock. Me dizia que era coisa de criança. Mas no final
acho que os três se entenderam e concordaram que foi uma experiência
única.
A França é um país difícil. Digo difícil no sentido do protecionismo que há em
relação à lingua francesa. Se recusam, na maioria das vezes a falar inglês ou
espanhol. E quando falam, falam a contragosto. Em certo ponto é um hábito
louvável. Na minha opinião demonstra um nacionalismo invejável. Na cultura,
inquestionavelmente, os franceses são mestres. No cinema basta citar os
irmãos Lumière, Godart & Truffaut. Na literatura Proust, Dumas, Victor Hugo,
Flaubert, Balzac, Julio Verne, Voltaire e Baudelaire não deixam barato. A
arquitetura de Le Corbusier simplesmente mudou a vida do nosso Oscar
Niemeyer. Tem ainda um Cézzane e um Matisse para apavorar com as tintas.
Enfim, tantos artistas que a memória fica falha.
De quebra, os franceses também estão sempre a ameaçar o nosso orgulho
nacional. Qual brasileiro se nega a aceitar que o futebol seja a nossa maior
arte? Os franceses sabem bem disso. Querem o nosso trono. E por isso sempre
apresentam novos jogadores com o naipe de Fontaine, Platini, Tigana,
Trézéguet, Zidane & Thierry Henry. Precisamos ficar espertos. Abre o olho
Dunga, essa seleção aí tá dose.
Os cafés franceses exalam charme e Paris por si só é uma música inesquecível.
Nas margens do Sena uma infinidade de barraquinhas vendem cultura. Sebos
ao ar livre. Impossível não se inspirar na França. Impossível duvidar que
Oswald de Andrade conseguiu inspiração para o seu “Movimento
Antropofágico” na Place de Cliché, local onde ainda reina absoluto o Moullin
Rouge.
13
Paris, apesar de respirar arte não é rock and roll como Londres. Para tocar um
instrumento nos metros também se faz necessário a apresentação das
carteirinhas autorizadas pela prefeitura. Se bem que isso não deve ser um
problema maior para os franceses. Com o número de pulos de catracas que há
nas estações de metrô, habilidade é o que não deve faltar aos franceses para
uma fuga dos fiscais. Até velhinho pula catraca por lá. Mas vá lá, o governo
não está muito preocupado com isso...
Dois momentos me retornam a memória enquanto digito ao som de um
ventilador que imita o som das turbinas de um avião nos meus ouvidos. O
primeiro deles foi uma intervenção no vagão do metrô, entre as estações
Charles de Gaulle e Bir-Hakein, no dia 31/12/2009. Simplesmente me
levantei, peguei o violão e comecei a tocar. A inspiração veio de alguns
franceses que ví pedindo alguns trocados enquanto carregavam cachorros e
pronunciavam algo como uma poesia em francês, de tão decorado que estava
o texto.
Dentro do metrô não me interessava as moedas. Simplesmente queria
eternizar um momento único. De imediato, um grupo de romenos que estava
por perto começou a bater palmas e a festa foi grande, com todo vagão
participando. É claro que nessas intervenções se faz necessário ter algo bem
brasileiro preparado debaixo dos dedos. “Garota de Ipanema” e “Aquarela do
Brasil” podem te levar ao trono rapidamente. Me virei com meu acervo
próprio da Inimitável e, com a ajuda dos Beatles e do Tom Petty, pude
arrancar umas palmas entusiasmadas.
Num outro momento, ainda na virada de ano novo, uma intervenção na praça
Champ de Mars me deu uma idéia de como a música pode conectar povos.
Simplesmente carregava o meu violão quando um grupo de argelinos, afegãos
e marroquinos me pediu para tocar algumas canções. De imediato puxei “Na
Mochila Cabe o Mundo” e expliquei que era uma música minha. Contei que era
compositor. Gostaram, me pediram outras músicas e quando percebí havia
uma enorme roda formada, tendo eu e minha esposa, a Dani, localizados ao
centro. Temendo algum problema maior emendei outras músicas com avisos
de alerta para a Dani, já que a situação parecia ter saído de controle com
aquele povo todo nos cercando. Bateu um pavor enquanto cantava e tentamos
na malandragem sair de dentro do círculo.
Como o aglomerado de pessoas não entendia português, foi fácil se comunicar
com minha esposa e alertá-la que poderíamos ter entrado numa fria. A fria
parecia eminente, mas depois vimos que nosso medo era pura ilusão. Ao final,
bebemos e conversamos muito com os argelinos e com os marroquinos. Os
afegãos, por sua vez, não falavam nenhuma outra língua além da deles e, por
esse motivo, a gesticulação foi a linguagem que nos uniu por vários
momentos.
Ao final, todos agradeceram o momento e, apontando para o céu, alguns
disseram que era Deus que tinha procipiciado o nosso encontro. Os afegãos,
em especial, nos beijaram no rosto como é de costume entre eles e deram
uma rosa vermelha para a minha esposa. Nos sentimos verdadeiros idiotas por
14
desconfiar de um povo tão amoroso, sincero e festivo. As vezes, nós
brasileiros, precisamos nos despir do nosso senso natural de desconfiança e de
esperteza, de maneira a aproveitar melhor as oportunidades únicas que se
interpõem com os nossos dias pesados. O Brasil anda tão violento, a
insegurança é tão cotidiana que já não sabemos olhar para o próximo sem
desconfiança.
Paris pode nem ser tão rock and roll, mas a oportunidade de ligar povos tão
diferentes através da música foi uma experiência que ficará marcada na
minha lembrança da cidade. Ao invés da bomba, uma rosa. Ao invés de um
tiro, um beijo. Um argelino faixa preta em Krav Maga sem um dente da frente
já não me causa tanto medo como me causou a princípio. Ainda dá para
acreditar que por trás de um ser humano ainda bate um coração. Pelo menos
com música isso se torna possível. Agora entendo por que um pessimista como
Nietzsche foi capaz, pelo menos por uma vez na vida, de largar todo o seu
cinza de lado e dizer que “Sem a música, a vida seria um erro”.
Paris (França): Conjunto de tralhas na estação Galieni e intervenções no
metrô entre o trecho “Charles de Gaulle e Bir-Hakein”
15
Resumão da França
O que ouvir: Claude Debussy, Serge Gainsbourg, Édith Piaf, Louise Attack,
Indochine, Téléphone, Daft Punk, Les Démons de Minuit, Noir Désir, Nouvelle
Vague, BB Brunes e Carla Bruni.
Onde tentar tocar em Paris: Não faltam praças, igrejas e museus em Paris.
Bom tráfego de turistas nesses locais garantem intervenções inusitadas. Para
fazer som em bares procure pelos seguintes lugares: Le Galway Irish Pub,
Tennessee Bar, The Crazy 8, The Highlander, Lizard Lounge e Le Baroc’.
O que tomar: Qualquer tipo de vinho, do mais barato ao mais caro.
O que comer: Panini, croissant e qualquer tipo de baguete.
Imperdível: Cruzar as margens do Rio Sena para conferir as barraquinhas com
livros, discos, posters e artistas. Dar um giro no bairro Montmarte, atrás da
Catedral Sacré-Coeuer.
16
Terceira Parada: Amsterdam (Holanda)
Viagem sempre foi um tema recorrente nas letras da Inimitável Fábrica de
Jipes. Talvez por isso, o Luiz Cláudio (Gazeta do Povo), tenha nos definido tão
bem ao dizer que fazemos um verdadeiro “rock de estrada”. De fato, a
temática aparece em “On the Road para São Thomé”, “Vou-me Embora”, “Na
Mochila Cabe o Mundo”, “Nas Marés da Vida”, entre outras.
Porém, na minha opinião, a temática realmente se consagra em
“Amsterdam”. Percebo o quanto essa música tem sido lembrada pelas
pessoas, em especial pelos amigos mais próximos. Considero um marco na
minha maneira de compor, pois a música começa alegre, experimenta uma
transição e termina sombria, exatamente retratando a viagem.
“Amsterdam” marca uma experiência dolorosa que realmente aconteceu em
minha vida. Achei que seria realmente morto e enterrado no Red Light District
na oportunidade. Precisava voltar lá e matar os meus fantasmas. E dessa vez,
pude experimentar uma Amsterdam diferente, que sem dúvida marcou
novamente a minha memória. Amsterdam é assim. Quem vai dificilmente se
esquece.
Os holandeses são um povo especial, inteligente, alegre e prestativo. Adoram
uma festa. Para aqueles que acham que a cidade só se faz de coffee shops e
luzes vermelhas estão enganados. Amsterdam tem muito mais a oferecer. Por
lá dá para visitar alguns museus importantes e se ligar porque um Reinbrandt
e um Van Gogh são tão conhecidos e apreciados. Visitar a casa da pequena
Anne Frank revela uma Amsterdam com cicatrizes, bem diferente da farra
habitual moderna.
Talvez o lugar com o maior número de maconheiros por metro quadrado do
mundo esteja em Amsterdam. E todo mundo vive de maneira pacífica. Os
doidões parecem não ser tão mais doidões assim. É claro que tem aqueles
turistas goiabões que viajam em comer o tal do “bolo espacial” e acabam
ficando três dias internado em um hospital. Mas no geral Amsterdam é
tranquila se você não quiser filmar as damas da noite ou perder o controle nas
experimentações que não lhe são de costume.
Antes que me perguntem, você deve estar questionando ai na sua cuca se é
caro cair numa viagem como esta. Bom, como já te falei, sai mais barato que
trazer o Vanguart (aquele abraço rapaziada) para a sua cidade. Para as tuas
contas, se você for sozinho e topando dormir em beliches de albergues, você
vai gastar diárias em torno de 15 Euros. Para o rango, se você aguentar
segurar o estômago e preparar o rango comprado em mercado você vai gastar
mais uns 15 Euros. Para viagens, vale encarar os busões da Eurolines.
Ai vai uma dica: Procure encarar viagens noturnas com raios superiores a 500
km, pois assim você economiza uma noite de hotel. Nessa quilometragem
você vai gastar algo em torno de 50 Euros. Mas se você for bom de dedo, pode
descolar umas caronas maneiras e guardar um trocado. É claro, antes você
17
precisa chegar no velho mundo. Ultimamente anda saindo mais barato ir para
Europa do que ir para o Nordeste ver o Cascadura moendo na Praia de Bogary,
o que realmente é uma pena.
Mas voltemos a Amsterdam. A cidade é tão bacana que você se sente em casa
após ver alguns malucos tocando por todos os cantos da cidade. Muito cara
tocando música folk, de violão e gaita. Com base nessa observação mandei
bala sem vergonha alguma na Praça Leidseplein e foi o maior barato. As vezes
passavam uns caras chapadões e ficam lá parados de olhos fechados viajando
no som. Uma experiência marcante. Em Amsterdam não importa o que você
está afim de fazer. Vá e faça, desde que você respeite o próximo.
Após umas andanças acabei descobrindo o bar “The Waterhole” e, por
intermédio de inglês gente fina chamado Rory, consegui esquematizar uma
apresentação para o dia 04/01/2010. Com o bar lotado e com toda a
descontração dos holandeses não foi difícil botar a casa para ferver. Nota 10.
Amsterdam é um lugar que todo músico deve experimentar.
Amsterdam (Holanda): Intervenções na “Praça Leidseplein” e no pub “The
Waterhole”
18
Resumão da Holanda
O que ouvir: Anouk, Kame, Herman Brood, Bettie Serveert, The Very Sexuals,
The Sugarettes, De Kift, Focus, Golden Earring, Shocking Blue, Trace, Groep
1850, Kayak, Earth and Fire, Q65, Cuby & the Blizzards, Supersister e
Brainbox.
Onde tentar tocar em Amsterdam: Experimente as praças e alguns bares como
como The Waterhole, Sappho, Shelter Jordan e Skek.
O que tomar: Cerveja Heineken, Amstel e Amsterdam Mariner.
O que comer: Encare um restaurante argentino, pois o rango lá não é dos
melhores. Batata frita é o prato típico.
Imperdível: Visitar museu do Van Gogh e a casa de Anne Frank. O Hard Rock
café também vale a pena para uma beer e um sanduba.
19
Quarta Parada: Bruxellas (Bélgica)
Ainda relembrando Dali, me lembro de uma outra fase que também me
marcou. Ele dizia que artista não é exatamente um ser inspirado, mas sim
aquele que é capaz de inspirar as pessoas. Essa idéia me bateu de cheio. O
propósito desse texto é que as pessoas realizem seus sonhos de viagem, façam
aquilo que estejam afim de fazer, se motivem lendo essa aventura pelo velho
mundo. Muitos podem achar que sair tocando violão por países estranhos seja
coisa de criança. E é mesmo, não vou contrariar. Rock é coisa de criança. Mas
ser criança é continuar a viver. Ser criança é continuar a ter sonhos. Só a
criança erra e segue em frente sem se importar. E por isso aprende.
Em Bruxelas há uma criança fazendo xixi em uma fonte. É o Manequinho,
personagem tradicional dessa bela cidade. Além do bom chocolate o que não
falta em Bruxellas e na Bégica em especial são marcas de cerveja. Dizem que
você pode provar uma para cada dia do ano e mesmo assim faltarão algumas
marcas para degustar.
Por ser a capital da Europa, a cidade vem apresentando os problemas típicos
de trânsito que também afligem as grandes cidades mundiais. O charme de
Bruxellas está concentrado na Grand Place, onde carros não entram. Por lá,
uma infinidade de restaurtantes e garçons falando os mais improváveis
idiomas na expectativa de lhe empurrar um prato a base de frutos do mar.
Tudo parece girar em torno da Grand Place, principalmente depois que Victor
Hugo disse que essa era a praça mais bonita do mundo.
Do ponto de vista musical a coisa parece meio morna hoje em dia. Também
não há muitos bares para ouvir música ao vivo e o rock resiste bravamente no
underground com algumas bandas punk. Não importa. Quando você está em
Bruxellas vale comer um chocolate e se afogar na cerveja. Dai dá até para
arriscar um flamenco com os simpáticos tiozinhos dos bares belgas.
Por lá, no dia 06/01/2010, enquanto minha equipe de fotografia dormia (Dani,
minha esposa), me aventurei a tocar na frente da Igreja Sainte-Marie. Fazia
muito frio, gelo derretendo sob um céu cinzento e um povo sem paciência
caminhando rápido para se esconder do frio. Eu arrisquei ficar por meia hora
tocando para algumas pombas companheiras, mas no final acabei desistindo.
O frio faz com que as cordas desafinem constantemente e a boca começa a
ficar amortecida como se você estivesse saindo de uma sessão de extração dos
dentes do siso. O frio queima as mãos e em pouco tempo você está gemendo.
Enfim, se arriscar a fazer um som abaixo de zero não é uma boa intervenção.
20
Bruxelas (Bélgica): Intervenção rápida em frente à Igreja Sainte-Marie,
observado pelas pombas belgas, enquanto a equipe de fotografia dormia no
albergue
Os melhores dias para tocar nas cidades européias sem pré-agendamento são
domingos, segundas e terças. Como estava fora dessa trinca a solução foi se
consolar com algumas cervejas no A La Mort Subite. Enfim, o povo belga me
lembra muito os baianos. Tranquilos, desatentos e muito receptivos. Não tem
como não voltar com uma boa lembrança da terra dos quadrinhos. Sim,
quadrinhos. Se você curte já deve ter ouvido falar das Aventuras de Tintim e
Smurfs. São clássicos mundiais de origem belga.
21
Resumão da Bélgica
O que ouvir: Jacques Brel, Django Reinhardt, Vive La Fête, Flatcat, dEUS, El
Guapo Stuntteam, Rocco Granatta, Plastic Bertrand, TC Matic, Maurane, Jo
Lemaire, Soulsister, Vaya Con Dios, Zita Swoon, Evil Superstars, Kiss my Jazz,
Dead Man Ray, K’s Choice, Club Moral, Soulwax, Kate Ryan, Gabriel Rios,
Ghinzu, Chainsaw, The Kids, Funeral Dress e Zornik.
Onde tentar tocar em Bruxelas: Bem mais parado o agito por aqui. Mas vale a
pena arriscar uma incursão musical pela Grand Place. A herança de Django
deixou a cidade marcada pelo Jazz na maioria dos locais com música ao vivo.
Se você já está nesse nível, tente uma Jam nos seguintes locais: L'Archiduc,
Sounds Jazz Club e Ancienne Belgique.
O que tomar: Qualquer marca de cerveja.
O que comer: Caldeirada de frutos no mar na região da Grande Praça e
chocolates de qualquer marca, em especial Godiva. Belgium Waffle também
vale a pena experimentar.
Imperdível: Visitar o centenário bar “A La Mort Subite”, nas proximidades da
Grande Praça.
22
Quinta Parada: Berlim (Alemanha)
Acredito que nunca podemos ceifar os sonhos de alguém. Não interessa. Uma
vida sem sonhos não é vida, é simples passagem. Quando um jovem pintor,
vindo do interior da Austria, foi recusado por duas vezes na Academie der
Bildenden Künste de Vienna, o que era para ser a realização de um sonho deu
origem a um dos maiores pesadelos mundiais. O jovem, frustrado por não
poder aperfeiçoar a sua arte, resolveu entrar para a política. E foi na
Alamenha que ele encontrou o seu reinado. O jovem pintor? Ninguém menos
que Adolf Hitler.
A Alemanha é um país marcado pela história. Duas guerras nas costas e um
muro no coração de Berlim se tornaram definitivamente cicatrizes expostas
dos alemães. Impossível não secar a boca, acelerar o coração e escorrer
lágrimas dos olhos ao passar sobre as construções da Topographie des Terrors,
onde os nazistas arquitetavam seus planos. Impossível não se emocionar com a
criatividade dos alemães no Museu Checkpoint Charlie.
Mas o hoje os tempos são outros. Em meio as lembranças do Berliner Mauer
(Muro de Berlim) propositalmente deixado em alguns pontos da cidade,
floresce uma Berlim moderna e liberada. Percebe-se por ali que o povo ainda
está descobrindo a liberdade que lhe foi tirada no passado. Não é difícil
encontrar pelas ruas, garotas e garotos usando moicanos verdes ou rosas. E o
som da artilharia do passado foi hoje substituído pelo bate-estacas da música
eletrônica. Berlim, me deu a impressão de ser o paraíso da música eletrônica.
O que não é eletrônico parece remeter aquele som brega dos anos 80, tipo
Modern Talking (e não é que eles são alemães?). Essa sensação veio a se
confirmar mais tarde, quando demos um pulo no Irish Pub do Europa Center.
Quando o guitarrista tirou um Zoom 505 para usar na guitarra, fiquei
pensando: “Putz, o cara mora em Berlim, um berço de tecnologia e vai usar
um Zoom 505?. Tá de sacanagem”. Não deu outra, um repertório ultra brega e
ultrapassado e a galera lá curtindo e cantando junto. Evidentemente, não
rolou uma canja no bar. O local não era adequado e os alemães da banda não
foram muito corteses comigo.
O mais louco é que tem muita banda de metal da pesada que vem da
Alemanha. Eu particularmente me criei no metal e durante muito tempo
consumi muito metal alemão como: Helloween, Kreator, Scorpions e Accept.
O metal alemão é aquele classicão, de roupa de couro preta e rebites por
todo o corpo. Hoje apareceu o Rammstein, que anda fazendo mais sucesso por
um clipe semi-pornográfico do que pela sonzeira.
Enfim. O fato é que no dia, 09/01/2010, um sabadão, peguei minhas tralhas e
voltei ao Europa Center, onde não havia rolado a canja. E ali, nas
proximidades do relógio d’água de 13 metros de altura mandei ver umas
canções, ainda indignado pelo ocorrido na noite passada. A coisa ia bem, até
eu perceber que o pessoal começou a dispersar. De repente, ouvi um grande
grito em alemão que não consegui decifrar. Continuei tocando, fingindo calma
23
e vendo o pessoal se afastar. Quando olhei para o lado, em busca de algum
olhar atento, percebi a equipe de segurança se preparava para me levar em
cana. Permaneci firme até o final da música. E quando eles vieram me pegar
(percebam o quanto eles foram educados e discretos me esperando terminar a
música!) abri um sorriso e rapidamente saquei dois cds de dentro do hard-case
em oferecimento.
Me falaram algo em alemão que desta vez eu pude entender. O fato era que
não se podia fazer um som ali. Era terminantemente proibido. Expliquei que
não era um “busker” e que só estava tentando aperfeiçoar a minha arte.
Contei que estava tentando sentir a sensação das pessoas ao ouvirem uma
música em uma outra língua que não a delas. Expliquei que era artista e no
meio da falta de entendimento de línguas me liberaram felizes com os cds da
Inimitável nas mãos. Tive a sensação de missão comprida. Pelo menos algumas
músicas saíram daquele lugar que no dia anterior haviam me negaram palco!
No outro dia, 10/01/2010 voltei as redondezas do Europa Center e toquei na
frente de uma das igrejas mais conhecidas da cidade, a Kaiser-WilhelmGedächtniskirche. Era final de tarde (na verdade lá já é noite no final da
tarde durante o inverno) e havia acabado de nevar. O bacana foi pegar as
pessoas que saíam do Europa Center. Dessa vez, os seguranças não podiam
fazer nada. Como diria Castro Alves, a praça é do povo. E eu complemento,
“do povo sempre será”.
Berlim (Alemanha): Intervenções no “Shopping Europa Center” e na praça
defronte à Igreja Kaiser-Wilhelm-Gedächtniskirche
24
Resumão da Alemanha
O que ouvir: Helloween, Scorpions, Tokio Hotel, Rammstein, Atari Teenage
Riot, Blind Guardian, Kraftwerk, Kreator, Mad Sin, Modern Talking, Screi Nach
Liebe, Revolverhead, Jennifer Rostock, Die Ärzte, Die Toten Hosen, Nikko
Weidermann, Fehlfarben, Sportfreunde Stiller, Juli, Silbermond, Annett
Louisan, LaFee, Cinema Bizarre, Panik e Fräulein Wunder
Onde tentar tocar em Berlim: Arrisque mandar ver no Parque Tiergarten e no
Portal Brandenburger Tor, pois lá se concentram o maior número de turistas e
o clima não é pesado. Para bares tente procurar pelo The Sesh.
O que tomar: Qualquer marca de cerveja, em especial Berliner e Becks.
O que comer: Salsichas de Frankfurt (wurst), schnitzel (porco empanado),
eisbein (joelho de porco) e kebab (não sei porque, mas esse lanche árabe lá é
bom demais).
Imperdível: Checkpoint Charlie, Topographie des Terrors, Berliner Mauer e Sex
Museum.
25
Sexta Parada: Praga (República Tcheca)
Desde que lí “A Metamorfose”, de Franz Kafka, sonhava em descobrir como
seria a vida em Praga. Formado em Direito, Kafka passou a vida inteira
dividido pela dualidade (literatura versus direito) e criou obras literárias
únicas e enigmáticas abordando os mais diversos conflitos existênciais dos
seres humanos.
Me identifico muito com Kafka. Pirncipalmente na dualidade e no amor pela
terra natal. Apesar de ganhar a vida no mundo dos números (engenharia civil)
é no mundo das letras e dos sons (música e literatura) que descubro a cada
dia o grande sentido da minha vida. Além disso, mesmo tendo morado em
inúmeras cidades, foi em Maringá que encontrei meu porto seguro. Quiçá, só
sairei daqui novamente por algum motivo profissional. Tenho orgulho de ser
paranaense. E no Paraná decidí ficar, viver e morrer.
Imagine a Argentina invadir o Brasil e, do dia para noite, todos nós
passassemos a ser reconhecidos e tratados como argentinos. Um pesadelo né?
Pois a República Tcheca passou por isso várias vezes. Já ficou nas mãos da
Alemanha Nazi e depois nas mãos da extinta União Soviética. O país só voltou
ao seu “estado natural” em 1992, quando a então Tchecoslováquia se dividiu
em República Tcheca e Eslovaquia.
A despeito dos problemas políticos, a República Tcheca é um dos países mais
bacanas que tive o prazer de conhecer e tocar. E isso se deve principalmente
à doçura e generosidade do seu povo. É difícil encontrar um tcheco que fale
inglês ou espanhol. Porém, isso para eles não é empecilho para tentar uma
comunicação. Não raro, me comuniquei na base da mímica e fingi entender
um pouco de tcheco. Em todas as oportunidades as situações foram das mais
agradáveis e divertidas.
Me lembro que ao chegarmos em Praga, debaixo de um frio de menos 17oC e
camadas de gelo de 40 cm pelas ruas, decidimos dar uma volta e tomar uma
verdadeira cerveja tcheca para comemorarmos a proeza de conseguir achar o
albergue. Sem entender tcheco, sem ter coroas tchecas no bolso (eles ainda
não adotaram o Euro), carregando uma série de malas pesadas (pareciamos
esquimos) e sem saber direito para onde ir, imagine a felicidade de poder
encontrar um porto seguro no meio da noite para poder ancorar.
Saímos do albergue e na próxima esquina já havia um boteco. Pedimos uma
Grambinos e começamos as atividades. Após algumas horas o barman (grande
Boris) e a cozinheira (Pietra) já estavam bebendo conosco e arranhando uma
mistura de inglês com tcheco/alemão que era difícil entender. Presenteamos
os tchecos com uma bandeira do Brasil e eles que imediatamente arrumaram
um jeito de fixá-la na parede. Daí viria o melhor.
Um senhor de 70 e seu filho na faixa dos 40 também bebiam no bar. Ao verem
a bandeira do Brasil levantaram e vieram em nossa direção falando tcheco
sem parar e gesticulando muito. Não entendíamos nada, mas dava para
26
perceber que devia ser coisa boa. Falávamos algumas frases em inglês e eles
também não entendiam. Quando o senhorzinho me deu um abraço caloroso,
de irmão mesmo, e me deu um beijo no rosto tive a certeza que nós
brasileiros somos muito queridos mundo afora. Ele apontava para a bandeira
do Brasil e seguía falando tcheco. Eu fazia jóinha para ele e batia um timtim
com os copos de cerveja para comemorar. Fechamos o bar e voltamos para o
albergue pensando: “Que doidera de país é esse?”. Só fazia algumas horas que
tinhamos chegado e já tinhamos passado por uma experiência totalmente
maluca!
No outro dia, conhecemos melhor o albergue e também o recepcionista.
Sócrates era um romeno chapadão, cabeludo fã de heavy metal que
permanecia mal humorado 24 horas por dia. Mas no fundo o cara era legal.
Ficou mais receptivo quando disse para ele que tínhamos tído um craque na
seleção com o nome dele. E ele disse: “I know. He was verrrry good”, com
aquele inglês lascado estilo Al Pacino em Scarface.
No café da manhã, ainda no albergue, conhecí um iraniano boa praça, que
infelizmente não lembro o nome, mas que era dono do Brick Bar Music Klub. O
Brick Bar ((http://www.brickbarmusic.com) é um verdadeiro porão nas
dependências do Hotel A&O. Esse porão é um dos lugares mais maneiros que
ví na vida, com uma arquitetura fascinente. Todo decorado com tijolinhos e
muitos arcos passando para sustentar a laje. Pela manhã servem café aos
hospedes do albergue e durante a noite o bicho pega fogo com diversos shows.
Gente do mundo inteiro toca por lá.
Mas o fato é que lá no Brick Bar agendei uma apresentação para noite,
aproveitando que a agenda do bar estava incrivelmente liberada naquela
noite (11/01/2010). Com o palco inteiro a minha disposição mandei todo o
repertório da Inimitável e fechei tocando uma série de hits com a Dani.
Praticamente 2h30min de sonzeira no porão do Brick Bar. Nos pagaram várias
bebidas após o show e fizemos muitas amizades. O absinto desceu fervendo na
goela e as lágrimas vieram aos olhos. Não de emoção, mas porque o lance é
forte mesmo.
Aí vai uma dica quente, ainda se tratando de Brick Bar. Como o bar fica no
porão do albergue, você pode entrar em contato previamente, agendar um
show e garantir um local para dormir, almoçar e jantar em Praga. É tudo
interligado e tudo o que você precisa fazer é descer as escadas para fazer seu
som. Arrumar cachê difícil, mas também sejamos sinceros: Quem hoje no
Brasil paga cachê, dá hospedagem e rango para uma banda em ascenção?
Então arruma tua mala e vai. É lembrança e história para o resto da vida.
Defino Praga brevemente como sendo a capital dos botecos. Em cada quadra
há um a sua disposição. Não fosse o frio danado que dá as caras e frita a
gente, até que dava para viver por lá numa boa. O cenário musical é agitado e
interessante. Em especial, se destacam as cenas punk, metal e hip-hop.
Impressionante ver os tchecos mandando ver aqueles raps cantados na língua
deles, que para nós é impossível falar. O barato por lá é improvisar com
objetos que são colocados dentro de sacos e tirados aleatoriamente. No
27
metal, basta dizer que os grandes nomes do metal em turnê conjunta
(Metallica, Megadeth, Anthrax e Slayer) esgotaram em um dia de vendas todos
os ingressos por lá.
Praga (República Tcheca): Apresentação no “Brick Bar Music Klub” e
Intervenção Instrumental na “Estação Nádrazí Holesovice”
A República Theca, além de Kafka e da boa cerveja também produziu bons
frutos no esporte. Apesar do hoquei no gelo e do futebol serem os esportes
mais difundidos, é no tênis que o país tem sua projecção internacional. Creio
que você já tenho ouvido falar, por exemplo, de Ivan Lendl e Martina
Navrátilová.
Enfim, Praga e seu povo são um povo a parte dentro do mapa europeu. Junto
com os holandeses e com os italianos, talvez sejam os povos mais parecidos
com nós brasileiros. O único detalhe ruim fica por conta da língua mesmo, que
dificulta estabelecer um entendimento mais profundo desse povo tão
especial.
Finalmente, no dia 14/01, já com as malas na Estação Nádrazí Holesovice e
aguardando o trem para Vienna, aproveitei o grande silêncio para testar um
repertório instrumental, que provavelmente será lançado em disco pela
Inimitável. Com a equipe de reportagem (Dani) mais uma vez dormindo (dessa
vez desconfortavelmente em um banco de madeira) aproveitei para refinar e
sentir o efeito de diversos sons instrumentais, como “Flamboyant” e “Chapéu
de Palha”. Essa é uma das melhores estações da Europa para se tocar, tendose em vista o bom fluxo de pessoas e o silêncio inexplicável que por lá paira.
28
Resumão da República Tcheca
O que ouvir: Kábat, Harlej, Škwor, Plastic People of the Universe, Silent
Stream of Godless Elegy, Master's Hammer, Jig-Ai, Chinaski, o5 & Radeček,
Prohrála v kartách, Ewa Farná, Čechomor, Traband, J.A.R., Vítkovo kvarteto,
ORLÍK, Krucipüsk e Daniel Landa.
Onde tentar tocar em Praga: Brick Bar Music Klub na cabeça. Mas também
vale a pena tentar os bares Kavarna, Rock Café, Roxy Club, Blues Sklep e Irish
Pub James Joyce. Para locais públicos, se você estiver no verão, tente passar
um tempo tocando na ponte Charles Bridge. É lá que se reúnem os artistas da
cidade.
O que tomar: Qualquer marca de cerveja, em especial a Gambrinos por ter o
nome mais fácil de memorizar. As marcas mais populares são a Lzenský
Prazdroj, a Budvar e a Velképopovický.
O que comer: Carne com cerveja são a pedida por lá. Tente encarar os masitá
jídla (pratos com carne) que podem ser do tipo veprová (porco), hovezi (bife)
e klobasa (salsicha), todos com molhos muito fortes.
Imperdível: Staromestské Námestí (Old Town Square), Franz Kafka Museum,
Charles Bridge e Dancing House.
29
Sétima Parada: Vienna (Áustria)
A primeira impressão que se tem ao cair em Vienna, vivendo o papel de
músico sem educação formal, é uma verdadeira vergonha de tocar. Querer
levar um som na terra de Mozart, Strauss, Haydn, Schönberg e Schubert é no
mínimo uma tremenda ousadia. Além disso, por lá tocaram e morreram
compositores do naipe de Beethoven, Brahms e Vivaldi.
A cidade respira música clássica e não há como não sair de lá querendo
aprender alguma valsa vienense. Mas nem tudo é música na Áustria. A galera
de ultra-direita e seus discursos pró-nazistas volta e meia dá as caras e quer
tocar o terror. Até pouco tempo, no governo de Joerg Haider, verificava-se
por lá uma postura política totalmente xenofóbica.
O país do Niki Lauda é bem legal e super organizado, apesar dos probleminhas
anteriores. O frio, talvez outro problema, tenha levado Arnold
Schwarzenegger a se mudar para a Califórnia. E se tratando da terra de Hitler
e tantos outros indivíduos singulares, não é de se espantar que Freud,
também austríaco, tenha fundamentado grande parte de seus pensamentos
em Vienna.
Vienna (Áustria): Intervenções simples na “Estação Meidlinger”, apenas para
não perder o hábitoda pegada
Não há muitos bares por lá e sinceramente a juventude me pareceu velha e
sem vida. A diversão é basicamente baseada em shopping center e karaoke. E
nos shoppings não é raro ver pessoas portando seus cachorros. Mas não são
cachorrinhos pequenos não. Lá a galera sai para almoçar carregando pastores
e outras raças de grande porte. Os cachorros por lá são educados, tal como
seus donos austríacos.
Enfim, a cidade é linda, mas a parada diversão foi tão morna por lá que não
vou perder muito tempo descrevendo o que há. A televisão, com suas
propagandas de tele-sexo pelo menos me serviu para decorar os números em
alemão. Tirando isso, só me volta à memória três bibas japonesas cantando as
30
músicas da Lady Gaga e do Kings of Leon, com direito até a coreografia
ensaiada previamente. As vezes, também me pego cantando aquela música,
“Jessie”, do Joshua Kadison. Cantaram tanto no karaoke que não tive como
não decorar. Dá para crer? É nóis num karaoke gay de Vienna. Desculpa aí
Mozart, mas cadê o rock and roll?
Para não passar desapercebido, tive que mandar um rock na Estação
Meidlinger. Mas foi mesmo só para registrar a passagem por lá. Pelo menos os
austríacos apreciam alguma coisa além de karaoke e música clássica. O mais
maneiro foi ouvir um cara me pedindo para tocar “Knocking on Heven’s
Door”. Enquanto cantava, num inglês improvisado por não lembrar a letra,
saquei o cara fechar os olhos e balançar a cabeça curtindo a levada. “Danke”
foi o que o cara falou e em seguida saiu apressado para não perder o próximo
metrô. Vienna é tão clássica que me dá calafrios. Melhor voltar para o hotel e
tentar decorar os números em alemão: “eins, zwei, drei, vier, fünf...”
31
Resumão da Áustria
O que ouvir: Mozart, Haydn, Schubert, Straus, Berg, 3 Feet Smaller, Binder &
Krieglstein, Eela Craig, Excuse Me Moses, Jetzt Anders!, Luttenberger Klug,
Mondscheiner, SheSays e Whispers in the Shadow.
Onde tentar tocar em Vienna: Arrisque os bares Einbaumoebe, The Shack Bar
e o evento Vienna's International Poetry Open-Mic. A coisa é parada por lá. Se
descobrir algum pico legal me dê um toque. Para intervenções públicas tente
arriscar na frente da Igreja Stephansdom.
O que tomar: Mande várias Krug Bier. Você vai precisar de muitas por lá para
matar o tédio noturno e a falta de bares de rock.
O que comer: Wienerschitzel (filé de vitela, empanado em ovo e pão ralado) e
sachertorte (bolo de chocolate). Kebab aqui também vai bem.
Imperdível: Complexo Hofburg, Ringstrasse, Sigmund Freud Museum, Haus der
Musik e alguns concerto de música clássica (cuidado com os trapaceiros!)
32
Oitava Parada: Roma (Itália)
Ao chegar em Roma tive a sensação de estar ancorando em São Paulo. Muitas
paredes pichadas, povo falando alto e correndo sabe lá para onde. A sensação
de cagaço ao chegar numa cidade grande brasileira é semelhante àquela de se
chegar em Roma. Pedintes pelos lados, pessoas chapando a cabeça com
álcool, pequenas confusões por trocados. Enfim, sentí que estava no Brasil ao
chegar na Itália. Mas isso ainda seria só o começo.
Como não se emocionar num dos países que mais teve e tem influência na
cultura européia e mundial? Foi lá que surgiu o Renascimento e o Barroco. De
lá também brotaram algumas figuras de calibre, tais como: Michelangelo,
Leonardo da Vinci, Donatello, Botticelli, Fra Angelico, Tintoretto, Caravaggio,
Bernini e Ticiano. Rafael, fonte de inspiração para os meus pais também é
italiano.
Os italianos simplesmente bagunçaram, no bom sentido, com a pintura,
escultura e arquitetura. De quebra ainda fizeram barulho na literatura, na
ciência e na música. Tá ligado o soneto? Foi inventado lá. Dante Alighieri e
sua Divina Comédia também. Maquiavel pensou muito por lá, junto com
Galileu, Leonardo, Lagrange e Fibonacci. Monteverdi inventou a ópera por lá.
E Vivaldi e Paganini nos deram uma aula a parte sobre composição. Tem ainda
por lá um Federico Fellini e um Bernardo Bertolucci, que no cinema abriram
as jaulas para feras como Sophia Loren e Marcello Mastroianni.
E como não falar de futebol estando na Itália? São tão fanáticos como nós
brasileiros. Jornais e televisão são monotemáticos. Só se fala de futebol nesse
pais? O primeiro ministro, o polêmico Berlusconi é dono do Milan. Como pisar
na Itália e não se lembrar de Paolo Rossi? Eu era moleque e sofri para
caramba. Doeu. Era 1982. Em 1990 pintou um Toto Schillaci, que junto com o
Careca me davam pura fonte de inspiração para comandar o ataque do
Greminho. Em 1994, veio o Baggio. Dessa vez foi gostoso. A bola foi parar lá
no céu. O Brasil seria novamente campeão naquele ano. Paolo Rossi já não era
um nome tão ruim de se lembrar. A ferida parecia estar cicatrizada.
Mas voltando a viagem, Roma é um verdadeiro museu a céu aberto. Sob a
orientação da Roberta, uma grande amiga italiana e antropóloga de profissão,
e de seu marido Antonello, músico trompetista de Jazz, pudemos ter uma
visão diferenciada e privilegiada de Roma, conhecendo o buraco dos
morcegos. Por meio deles, por exemplo, chegamos ao Circolo degli Artisti
(http://www.circoloartisti.it/), onde em poucas semanas se apresentaria, por
exemplo, Buzzcocks. É ou não é uma toca de morcegos? Estilo Tribão aqui em
Maringá. Juninho, aquele abraço!
Depois resolvemos encarar o bar The Fiddler’s Elbow. Tomamos algumas beers
e deixamos esquematizada uma apresentação num Open Mic que ocorreria no
outro dia. Então, no dia 21/01/2010, sentamos e aguardamos com paciência o
momento de apresentação das músicas da Inimitável para os italianos. Muita
33
gente boa passou por lá antes, mas faltava aquele tempero brasileiro, aquele
desenvoltura que nos é típica.
Quando fui informado que o filho de um dos guitarristas do Thin Lizzy (eu
usava uma camiseta deles) havia sido gerente do bar, o sangue ferveu e
toquei decidido a botar fogo o bar. E foi assim por mais ou menos 1 hora,
intercalando as músicas da Inimitável e de bandas como Tom Petty, Beatles,
The Who, Travelling Wilburies, Everclear e o próprio Thin Lizzy. Ao final, a
Dani ainda grudou o microfone e fechamos com Pearl Jam e IRA!. Os italianos
e suas Peronis ficaram felizes da vida e ao final fomos todos expulsos do bar.
Literalmente. A dona, uma irlandesona braba, não deu arrego para ninguém e
mandou todo mundo para casa dormir.
Uma coisa que ficou clara na Itália é que você tem que ter convicção no que
faz. Se nem você se empolga com a sua própria música, como você quer que o
seu ouvinte se empolgue? Outra coisa é animar o show com músicas
conhecidas. O cover é indispensável onde não te conhecem e ele é a porta de
entrada para ganhar o público e tocar os seus próprios sons. Dinâmica é o
terceiro efeito. Não dá para parar e ficar afinando ou tentando lembrar uma
música. As músicas devem ser encadeadas sem dar tempo para galera pensar.
A estrada mostra algumas pérolas. É preciso estar atento para pegá-las.
Roma (Itália): Apresentação derradeira no pub “The Fiddler’s Elbow”
E assim, exausto de ficar carregando meu violão e uma série de malas pesadas
durante um mês, sob temperaturas abaixo de zero e molhado de tanto fincar
o pé na neve, tive pela primeira vez a sensação de que a missão estava
realmente cumprida. Agora tudo fazia um pouco mais de sentido. E não havia
lugar melhor para enquadrar a Itália estar nessa mini-turnê. Roma foi a chave
de fechamento, a lembrança de que vale a pena meter uma idéia na cabeça e
batalhar por ela.
34
Não interessa o fato de eu ser um músico desconhecido em meu país. Não
interessa o fato de nunca ter tocado para um estádio lotado. Não importa se a
minha banda não sai com frequência em jornais, revistas ou televisão. Não
importa se a minha banda nunca vai ser convidada para tocar num festival da
ABRAFIN. Não importa se o Lúcio Ribeiro não cita a minha banda no blogue
dele para que o batalhão de sem opinião chegue até nós. Não importa porra
nenhuma. Vamos seguir compondo, gravando e batalhando aqui no meio do
mato. O mato se chama Maringá e cada vez que saio apenas constato que aqui
é um dos melhores lugares do mundo. E, por favor, quando eu morrer, apenas
escrevam na minha lápide: “Jazz aqui alguém que cantou pelo velho mundo”.
E se a lápide custar caro e a grana do ECAD que nunca entra ainda estiver em
falta, me cremem e joguem minhas cinzas nas águas do Parque do Ingá. Pode
ter certeza que a vida valeu a pena.
35
Resumão da Itália
O que ouvir: Vivaldi, Negramaro, Verdena, Fabrizio de Andre, Subsonica, Le
Vibrazioni, Negrita, Vannila Sky, Lacuna Coil, Skianto, Diaframma, CCCP,
Vasco Rossi, Starfuckers, Massimo Volume, Marlene Kuntz, Madrigali Magri,
Afterhours, Uzeda, Elio E Le Storie Tese, Ordo Equitum Solis, Julie's Haircut's,
Paolo Conte, Raw Power, Confusional Quartet, Jennifer Gentle e Banco del
Mutuo Soccorso.
Onde tentar tocar em Roma: Para bares tente The Fiddler’s Elbow, Circolo
degli Artisti e Druids Rock Pub. Para exibições de rua encare a Piazza Navona.
O que tomar: Mande ver Nastra Azzurro e Peroni.
O que comer: Massa, massa e massa. Qualquer tipo. Sorvete caseiro também é
imperdível.
Imperdível: Colosseum, Vaticano, Fontana de Trevi, Pantheon e Piazza
Navona.
36
Equipamentos de Viagem e Dicas em Geral
Muitos perguntam o que levar para uma viagem como estas. Essa é uma boa
questão. Normalmente as companhias aéreas te deixam levar duas malas com
no máximo 30 kilos. É muito para você, caro aventureiro. Faça o seguinte.
Separe duas calças jeans, uma boa blusa, cinco camisetas, sete cuecas e sete
meias. Separe principalmente adesivos, pois pesarão menos e vão repercutir
mais.
Nessa pequena turnê levei os seguintes itens adjacentes à vestimenta e
material de saúde: hard-case, violão, cabo, alça, gaita com respectivo suporte
estilo Bob Dylan (esse sim é uma boa referência para sair tocando em
qualquer lugar!), 3 palhetas, 100 adesivos, 50 cds e 20 dvds. Sinceramente,
prefira um soft-bag ao invés de um hard-case para transportar seu
instrumento. Ele vai pesar menos e ajudar numa caminhada longa em que
você precisa carregar as suas malas. Fique atento e leve encordoamento
sobressalente. Você vai perceber que não é tão fácil encontrar lojas de
instrumentos musicais por lá como é por aqui.
Leve apenas alguns poucos Cds. Eles pesam muito na viagem e só ajudam
mesmo na hora de esquematizar alguns shows. Percebi que os adesivos, que
informam o site da banda, funcionam melhor. Além disso você pode deixar
alguns colados em alguns pontos estratégicos. Enfim, adesivos na viagem são
sempre um ótimo investimento.
Caneta e caderninho de anotações também são fundamentais. Sempre vai
pintar alguma inspiração para novas letras experimentando tanta cultura e
informações na sua cabeça. Se você tiver um iPod, melhor ainda, pois assim
você, além de anotar suas tralhas, também poderá procurar com facilidade os
melhores pontos para tentar se apresentar. Se você optar por se apresentar
somente em praças e metrôs, valem algumas dicas importantes que
resultaram da minha pesquisa e experiência nas ruas:
1. Escolha um local onde você seja visível no maior número de direções
possível. Isso ajudará as pessoas a entenderem de longe o que você está
fazendo e dará tempo a elas para procurarem algumas moedas nos seus bolsos
(caso você queira isso, além da arte pela arte). Se elas te virem
repentinamente, apenas por alguns segundos, caso você esteja escondido
atrás de alguma coisa elas terão apenas alguns segundos para pensar sobre te
dar alguma moeda ou atenção.
2. Seja criterioso quanto a escolha do seu local e evite tocar nas redondezas
ou na vaga de algum músico da cidade. Digamos que há um código de ética
entre o pessoal que se apresenta nas ruas (“buskers”) em busca de uns
trocados e você pode arrumar alguma encrenca. Também evite parar nos
caminhos de acesso de cadeirantes e de carrinhos de bebes. Tocar na frente
de restaurantes também não é uma boa opção.
37
3. Lojas com boa frequência de público que estejam fechadas nos finais de
semana também são uma boa alternativa. Não há ninguém para te impedir de
fazer o seu som e muita gente vai até lá achando que a loja está aberta.
4. Não se preocupe, ao escolher uma determinada área, se ela tem pouca ou
bastante gente trafegando. As vezes, lugares mais desertos podem te render
maior atenção já que as pessoas que por ali trafegam não estão acostumadas
com tais intervenções. As pessoas vão se sentir especiais e boas surpresas
podem acontecer.
5. Procure escolher um local silencioso para tocar, de maneira que as pessoas
possam te escutar. Normalmente, praças frontais de igrejas fornecem esse
tipo de situação. Corredores de metrôs também são excelentes para se
conseguir uma acústica maneira. Algumas estações de metrô e trem também
são maneiras, a despeito do tráfego das máquinas que as vezes te
interrompem.
6. Lembre-se que alguns pontos são explicitamente proibidos se você não tiver
uma carteirinha. Porém, onde não tiver a devida informação não pergunte
para ninguém. Chegue tocando sem pedir permissão e siga em frente. Caso
alguém venha te afrontar use a educação e se desculpe. Dificilmente você vai
ficar em apuros. Não corra, afinal de contas correr pode significar culpa.
Continue tocando (quase parando) como se não houvesse problema e apenas
diga que “não sabia que era proibido”. Usei a técnica em Berlim e ela
realmente funciona numa situação de apuros.
7. Sempre carregue uma garrafinha de água para poder hidratar a garganta.
8. Se as pessoas perguntarem como ouvir o seu som na internet tenha um
adesivo ou algum outro mecanismo promocional para fazer o ouvinte chegar a
você.
9. Alguns músicos de ruas são verdadeiros bastardos. Um riff simples do Michel
Jackson, na atualidade, pode trazer uma multidão até você. Não usei a
técnica, mas vi alguns empregarem. Funciona. Tenha alguns Beatles e
Creedence debaixo da manga. Isso também vai te abrir grandes portas.
10. Crianças são sempre uma surpresa a parte pela grande curiosidade.
Brinque com elas enquanto toque. Você estará ajudando o rock a manter a
sua força no futuro e o pai empolgado com a alegria de seu filho poderá
querer comprar um cd da sua banda. Se for adolescente ofereça seu
instrumento para ele fazer um som, caso o mesmo esteja olhando muito
interessado. Quem não gostaria de estar andando, topar um figura que canta
legal e ainda tocar no violão dele?
11. Procure ter um repertório ensaiado e siga tocando as músicas emendadas
umas atrás das outras. O repertório da Inimitável já vem sendo tocado há
vários anos, logo foi fácil seguir sem precisar olhar alguma ficha de anotações.
Se você sentir que a galera está desmotivada, mande um clássico sem
pestanejar, pois vai ajudar a manter a atenção. Use muito contato visual e
38
dance. Os europeus não dançam e vão se surpreender com a nossa maneira
mais descontraída de ser.
12. Se você parar de tocar e mesmo assim alguém continuar parado
esperando, pergunte se essa pessoa tem algum pedido especial. Mesmo que
você não se lembre direito, tente imitar o som e saia cantando. A pessoa
ficará feliz pela atenção e pela tentativa. Usei a técnica em Vienna quando
um cara me pediu “Knocking on Heaven’s Door” do Bob Dylan. Não sabia a
letra direito mas mesmo assim mandei bala. O cara só falava austriaco, logo
não percebeu direito a embromação. Foi embora para casa feliz da vida.
13. Percebi que alguns músicos de rua fazem pressão colocando moedas de
grande porte nas suas bolsinhas para chamar atenção do público e fazer com
que eles dêem moedas do mesmo porte. Em outros casos, eles combinam com
alguém da platéia para por uma nota alta. Dessa maneira, as pessoas ao redor
se sentem forçadas a colocar um dinheiro alto. Como meu lance era só
artistico não experimentei isso. Mesmo porque isso é nitidamente crime e
pode te colocar por trás das grades.
14. Outros músicos colocam cigarros, passes de metro, barras de chocolate e
o que mais a criatividade determinar. Me parece que as pessoas se sentem
mais atraídas a dar uma espécie de presente qualquer do que moedas. Me
parece uma situação bacana apesar de não ter testado.
15. Se você for daquele aventureiro que está pensando em fazer dinheiro, vou
dar duas dicas. A primeira é que você dificilmente vai fazer dinheiro tocando
só suas músicas, como eu fiz. Prepare uma série de covers daqueles de
balançar quarteirão e ai sim tente a sorte. Em segundo lugar, fique esperto
com os batedores de trocados. As vezes você pode correr atrás de alguém
tentando reaver o seu dinheiro e perderá os equipamentos que deixou para
trás. Normalmente as gangues trabalham organizadas e enquanto um corre os
outros aparecem para recolher o que você deixou com a sua desatenção
enquanto corria atrás do gatuno. Deixe o cara correr com a grana, pois o
prejuízo pode ser menor.
16. Em último lugar, acredite no que você está fazendo. Tenha convicção
sobre a sua proposta e não se preocupe tanto com as palmas. Tenha um show
preparado, ensaiado e vá refinando com base no comportamento das pessoas.
Use a oportunidade para crescer como músico e pessoa. Aprenda a cantar
cantando. Aprimore o contato visual. Solte seu corpo e dance se a música
pedir. Enfim, faça o que o seu coração mandar. Tocar em uma praça do nada
pode ser tão emocionante como abrir o show de uma grande banda na sua
cidade. Afinal, ser artista é uma coisa. Ser famoso é outra. Afinal, o que você
quer experimentar?
39
Ranking Pessoal
Basicamente, esse é o meu ranking experimental pessoal em relação as
capitais européias que estive. O ranking leva basicamente em consideração o
calor humano e a receptividade das pessoas nos lugares em que toquei. Não
visa em hipótese alguma estabelecer um ranking geral, mas apenas um
registro histórico da minha experiência. De qualquer maneira, poderá servir
de parâmetro para você se aventurar e colocar algumas dessas capitais no seu
roteiro.
1o – Roma
2 o – Amsterdam e Praga
3 o – Londres
4 o – Paris
5 o – Berlim
6 o – Bruxelas
7 o – Viena
40
Resumo da Turnê
26/12/2009 – Londres (Inglaterra), Intervenção livre na Avenida Bayswater.
27/12/2009 – Londres (Inglaterra), Apresentação no 12 Bar Pub.
31/12/2009 – Paris (França), Intervenção livre na linha de metrô Charles de
Gaulle/Bir-Hakein.
01/01/2010 – Paris (França), Intervenção livre na praça “Champs de Mars”.
03/01/2010 – Amsterdam (Holanda), Intervenção livre na praça Leidseplein.
04/01/2010 – Amsterdam (Holanda), Apresentação no bar “The Waterhole”.
06/01/2010 – Bruxellas (Bélgica), Intervenção livre em frente da Igreja SainteMarie.
09/01/2010 – Berlim (Alemanha), Intervenção no Shopping Euro Center.
10/01/2010 – Berlim (Alemanha), Intervenção em frente da Igreja KaiserWilhelm- Gedächtniskirche.
11/01/2010 – Praga (República Tcheca), Apresentação no Brick Bar Music
Klub.
14/01/2010 – Praga (República Tcheca), Intervenção Acústica na Estação
Nádrazí Holesovice.
17/01/2010 – Vienna (Áustria), Intervenção na Estação Meidlinger.
21/01/2010 – Roma (Itália), Apresentação no bar The Fiddler’s Elbow.
41
Agradecimentos
A Inimitável Fábrica de Jipes e eu, em especial, gostaríamos de agradecer a
todos aqueles que acreditam no rock como uma forma autêntica de expressão
artística, em especial: Sandro Saraiva, Carla Teixeira, Ioná Souza e Emilia
Carmineti (Sesc Vila Mariana), Adriana Aranha (Revista Etecetera), Fernando
Rosa (Senhor F), Andye Iore & Zombilly, Janny Lima & Programa Credencial,
Luiz Claudio Oliveira (Gazeta do Povo), Rodrigo Juste (Folha de Londrina),
Marcelo Costa (Scream and Yell), Humberto Finatti (Revista Dynamite),
Alexandre & Loaded E-Zine, Beto Vizotto & Paraiso do Rock, Alexandre
Gaioto, Lizandra Gomes (Programa Garagem), Flávio Sonic Flower, Thiago
"Espora de Galo", Ronaldo Gravino e Ordem dos Músicos do Brasil, ECAD,
ABRAMUS, Paulinho Shoffen & Cottonet Clube, José Luiz Menegatti (Rádio
Jovem Pan, São Paulo), WPGU Radio Station (Urbana-Champaign, EUA), Jornal
Destak, Revista O Grito!, Terence Machado & Programa Alto Falante,
Maringuaça Rockast, Bulla Jr., Mano e Blues Brothers, Junior Tribo´s, ao
Nilson Souza, Cristiano Franco, Maycol Alencar e Igor Grande (nossos exinimitáveis), Stone Bomber, Art Alexakis & Everclear, Eddie Spaghetti &
Supersuckers, Ian MacKaye & Fugazzi, Alice Ruiz, Rubens K., Heraldo
Paarman, Roger Moreira & Ultraje a Rigor (Obrigado pelo Chiclete!), Dary Jr &
Terminal Guadalupe, Nevilton, Aerocirco, Anacronica, Wander Wildner,
Autoramas, Faichecleres, Relespública, Astronauta Pinguim & Thunderbird,
Vanguart, Charme Chulo, Bufalos d´Água, Cascadura, Pullovers, Betty by
Alone, Seres Inteligíveis, Familia Palim, Bandidos Molhados, Havana 55, Tiny
Cables Ink, Hiroshima me Devora, Brian Oblivion, The Tamborines, Prof.
Astromar e os Criadores de Lobisomen, Dedo de Moça, Cash in Flowers,
Hospital Doors, Fanzine Rock, The Cockroaches, Stoned Beavers, Stoned
Sensation, Copacabana Pé Vermelho, Patriotas do Rock, Ted Gugu, The
Soundscapes, Radio Pandas, Pandora, Holder e tantas outras bandas que agora
nos fogem da memória, aos nossos familiares e finalmente ao nosso Grande
Amigo Lá de Cima, por sempre nos possibilitar tantas alegrias nas vitórias e
tantas superações nos momentos de dor. O rock salva. Todo mundo é
Inimitável.
Rafael Souza, Maringá, Verão de 2010
42

Documentos relacionados