Crescendo com o Rio

Сomentários

Transcrição

Crescendo com o Rio
Crescendo com o Rio
Jubileu de Platina
Copyright© 2012 Publit Soluções Editoriais
EDITORA
Publit Soluções Editoriais
COORDENAÇÃO EDITORIAL
Gabriela Javier/ Publit Soluções Editoriais
Criada em 26 de setembro de 1942, a entidade, que representa o segmento de comércio e serviços imobiliários em todo o território fluminense, tem mostrado a seus representados ao longo de sete décadas por que se tornou referência.
Pautado nos valores da tradição e da modernidade, o Secovi Rio quer ir além e pro-
PROJETO GRÁFICO, CAPA E DIAGRAMAÇÃO
Vinicius Dias / Publit Soluções Editoriais
porcionar mais benefícios. É nossa prioridade contribuir para o desenvolvimento do setor,
TRATAMENTO DE IMAGENS
Publit Soluções Editoriais
lução do mercado imobiliário, atuando nas esferas governamental, jurídica e de serviços.
FOTO CAPA
Mark Turcan/Shutterstock
sempre com o objetivo de capacitar profissionais do setor, não apenas na Região Metro-
FOTO FOLHA DE ROSTO
Mark Schwettmann/Shutterstock
PESQUISA
Mariana Amaral/Astro Conteúdo
PESQUISA HISTÓRICA
Rafael Alonso
TEXTO
Marina Kezen/Publit Soluções Editoriais
Mariana Amaral/Astro Conteúdo
prestando serviços e levando informações importantes. Para tanto, estamos atentos à evo-
Ao longo desses 70 anos, oferecemos cursos, palestras, seminários e treinamentos,
politana, como também no interior fluminense, por meio de nove unidades regionais.
A parceria com administradoras e síndicos faz do Secovi Rio uma instituição que ajuda a
promover o desenvolvimento econômico e a qualidade de vida. Dessa forma, o Sindicato
destaca-se como um dos agentes de transformação da sociedade brasileira.
Nosso compromisso para as próximas décadas é prosseguir com este trabalho que tem
como meta o fortalecimento do setor imobiliário e de condomínios. Mas esse desafio só
se tornará realidade se contarmos com o apoio e a participação de todos vocês.
Pedro Wähmann
REVISÃO
Alessandro Thomé
Clarisse Cintra
IMPRESSÃO
Publit Soluções Editoriais
Foto: Celso Pupo/Shutterstock
O ano era 1942, e, em 27 de maio, nascia a Associação Profissional das Empresas de Compra, Venda e Locação de Imóveis – entidade que daria origem ao atual
Sindicato de Habitação. Era o início da profissionalização do setor de serviços
no país, um momento na história do Brasil que se refletiu em ações tão distintas
SECOVI RIO:
como tudo
começou
quanto a criação do Senac, do extinto Dasp e de uma série de organizações preocupadas em coordenar interesses profissionais de grupos que exerciam atividades
correlatas. A Associação Profissional das Empresas de Compra, Venda e Locação
de Imóveis foi um primeiro passo em direção à organização do setor de imóveis,
mas só atuou sob esse nome e formato por alguns meses, pois se transformou,
no dia 26 de setembro do mesmo ano, com a expedição da Carta Sindical, em
uma verdadeira entidade sindical. Era o nascimento do Secovi Rio.
Batizada, na época, de Secovi RJ, a organização surgia dentro de um efervescente contexto sindical, com o importante objetivo de defender os interesses
do segmento de comércio e serviços imobiliários. Em sete décadas, o Secovi
Rio atravessou uma série de períodos históricos marcantes – da Segunda Guerra
Mundial ao regime militar brasileiro – e enfrentou diversos cenários econômicos,
desde conjunturas inflacionárias até momentos de intensas reivindicações trabalhistas. E em todos os períodos, a atuação do Sindicato baseou-se em dois pilares:
o aprimoramento da gestão de condomínios e a preocupação com o problema
habitacional, com enfoque social.
Desde a sua fundação, o Secovi Rio jamais dissociou a sua posição da realidade socioeconômica do país. Muito pelo contrário. Historicamente, o desempenho do Sindicato da Habitação sempre teve em vista a realidade vivida por significativas parcelas dos trabalhadores brasileiros. Tanto que, para melhor entender
o ensejo que fomentou a criação do Sindicato da Habitação, é preciso olhar para
trás e relembrar o contexto político do Brasil na década de 1940, principalmente
no universo trabalhista.
Foto: Mark Schwettmann/Shutterstock
4
5
fatura já não atendia mais à demanda gerada
pela consolidação do mercantilismo. A economia feudal já lançava sinais de falência, às
custas dos ideais que iam contra o lucro e a
usura, e as feiras e mercados cresciam cada
vez mais. Nesse contexto e tendo tais fatores
em vista, é fácil concluir que a formação das
corporações de ofício está intrinsecamente
ligada ao nascimento de um sistema em que
o crédito ganhava importância. Era o advento
da economia capitalista e de uma lógica que
se originava da classe que detinha os meios
de produção e, desse modo, fomentava a necessidade de um mercado consumidor.
Uma história de
empregados e
empregadores
através dos séculos
Um momento de grandes avanços nas políticas sociais e econômicas, bem como
de expressivo apoio à industrialização, os anos 1940 são marcados por desdobramentos significativos nas esferas do comércio e de serviços. Nesse período, os mais
diversos segmentos começaram a se articular, dando origem a um movimento de organização profissional e empresarial da sociedade brasileira. Pautados na ideia de que
a representação sindical seria um fator fundamental para o reconhecimento político
de uma determinada categoria, essas entidades passaram a promover a articulação interna e externa dos segmentos que representavam, reunindo informações primordiais
para o melhor desempenho de cada atividade e dando forma e encaminhamento às
a suprema autoridade. Para se assegurar no poder,
o monarca precisava atender não só aos interesses
da nobreza feudal, como também aos de um novo
grupo que começava a ganhar destaque no todo
social – a burguesia. É um momento da história em
que se pode apontar o início do movimento de associação de classes.
Em meados do século XII, a divisão dos artesões
em grupos profissionais reconhecidos pela autoridade local já era um fato recorrente em diversos centros urbanos. Chamadas de corporações de artes e
ofícios, essas organizações serviam para fiscalizar
os produtos fabricados, punir delitos relacionados à
atividade profissional e proteger aqueles que faziam
parte dessa classe em caso de doença ou dificuldades financeiras. Cada corporação era regida de
acordo com um conjunto de regras condizentes ao
exercício das respectivas profissões, e o lucro não
era permitido.
questões e demandas dos mais variados setores.
O boom do movimento sindical, por sua vez, tem suas raízes em períodos históricos diferentes, sendo assim necessário voltar alguns séculos na linha do tempo para,
enfim, compreender o contexto que fomentou a inauguração do Secovi Rio. Para
traçar um histórico das entidades sindicais, é preciso retomar a ascensão do sistema
capitalista nos idos do Estado Moderno, regime em que o poder público constitui
6
Em conjunto, essas corporações tinham força
para combater imposições feudais e, assim, defender os interesses das profissões que agregavam.
Com o passar do tempo, criou-se uma hierarquia
econômica dentro de cada uma dessas corporações, visto que a produção doméstica de manu-
É a partir desse cenário que empregados
e empregadores sentem a necessidade de se
associarem, para que, juntos, possam negociar suas condições de trabalho. Posto isto,
podemos avançar um pouco mais na linha do
tempo, para o período em que o movimento sindical começava, de fato, a dar as caras.
Na Europa, a Revolução Industrial aumentou
exponencialmente a produção de bens de
consumo, acelerando o processo de feitura
e a quantidade de produtos oferecidos. Isso
movimentou a economia de tal modo que
grupos de operários resolveram juntar-se em
sociedade, nas famosas Trade Unions. Essas
organizações representavam as mais diversas
classes operárias e buscavam assegurar a seus
membros os devidos direitos.
Na mudança do século XVIII para o XIX, o
enfraquecimento dos Estados Absolutistas fez
com que os ideais liberais ganhassem cada
vez mais espaço na sociedade. A burguesia
conquistava, passo a passo, o cenário econômico e reivindicava com veemência sua participação política. Muitos operários começaram
a se organizar em sindicatos, e foi formada a
primeira Organização Internacional dos Trabalhadores. Nesse contexto, é importante frisar
que as lutas dos trabalhadores foram fundamentais para que fossem concedidas melhorias para a classe.
7
Foto: Steven Wright/Shutterstock
A invenção
do Rio
Enquanto isso, em terras tropicais, a então capi-
cidade, destruído em 1922), Morro de São Bento,
tal do Brasil também passava por um processo de
Morro de Santo Antônio e Morro da Conceição.
desenvolvimento e mudanças. Nos primórdios da
A comunicação da cidade com os outros polos
ocupação da cidade, idos do século XVII, os visi-
que cresciam no entorno da baía se dava por via
tantes que passavam por ela já deixavam a impres-
da faixa litorânea entre os morros de São Bento
são de que o cenário, cheio de belezas naturais,
e do Castelo, lugar onde também aconteciam as
era um importante diferencial. Desde a chegada
trocas comerciais da cidade. Mas rapidamente a
dos primeiros colonizadores portugueses, logo se-
cidade se tornaria um centro mercantil de grande
guidos por outros de nacionalidade distintas, a re-
importância no Atlântico Sul, tendo um papel cru-
gião que viria a tornar-se a cidade de São Sebastião
cial no comércio triangular que envolvia a costa
do Rio de Janeiro estava destinada a constituir-se
de Angola e Portugal, além de ser ponto de abas-
como um dos polos centrais do Atlântico Sul.
tecimento para os navios que se dirigiam ao Rio
A excelente localização para uma possível ci-
da Prata, em Buenos Aires.
dade, a ser fundada no interior da Baía de Gua-
O marco mais importante no que se refere à
nabara, despontava como objeto de cobiça no
dinâmica de relações da cidade, no entanto, foi a
contexto da expansão atlântica europeia, em
descoberta dos grandes filões de ouro na região
marcha desde o século XV. Um dos marcos des-
de Minas Gerais, por volta de 1700. Foi o acon-
se processo de conquista da centralidade foi a
tecimento na história da América Portuguesa
necessidade de garantir o território sob o domí-
que teve repercussões diretas no processo que
nio português quando os navegantes da França
levaria à independência do Brasil e que mudaria
pretenderam se instalar definitivamente na re-
definitivamente o eixo econômico do território
gião. O acirrado conflito com os franceses obri-
brasileiro de Norte para Sul. A transferência da
gou os portugueses à colonização e ocupação
capital para o Rio, em 1763, apenas consagrou
consistente da área. Diante do projeto colonial
um processo que já havia se efetuado na primei-
francês no Rio de Janeiro – denominado Fran-
ra metade do século XVIII.
ça Antártica –, os portugueses perceberam que,
se quisessem garantir a posse da porção sul de
seus domínios na América, precisavam primeiro
garantir a posse daquela baía tão bem protegida
– quase uma fortaleza natural.
A elevação da cidade à condição de capital
do país se deu por conta da preocupação portuguesa em arrecadar mais para a Coroa, isto é,
fiscalizar de maneira mais efetiva a produção e o
escoamento de riquezas. Na tentativa de acom-
Por muitos séculos, a extensão da cidade se
panhar as transformações pela qual a cidade pas-
limitava a uma área entre quatro morros fortifi-
sou a partir desse novo momento – o período do
cados situados a poucos metros das margens da
vice-reinado (1763-1808) –, podemos destacar as
Baía de Guanabara: Morro do Castelo (berço da
seguintes mudanças:
8
9
• O porto da cidade seguiu se expandido em direção ao Saco de
São Diogo (Canal do Mangue), isto
é, em direção à atual Avenida Rodrigues Alves.
• O fluxo de imigrantes para a região
de Minas Gerais passou a contribuir para o movimento no centro
antigo da cidade através da Rua
Direita (atual 1º de Março) e do Cais
dos Mineiros.
• Projetou-se a Rua do Piolho (atual
Frei Caneca).
• Foi inaugurada a Rua das Belas
Noites (atual Rua das Marrecas).
Por essa via – Glória, Catete, Flamengo,
Botafogo –, gradativamente a cidade se
expandiria para o que seria futuramente a
sua reluzente Zona Sul. Em sentido oposto,
nos arredores do Campo de Santana, em
direção ao Norte, a cidade incorporaria a
chamada Cidade Nova na direção da Tijuca
e arredores. As tentativas iniciais para instaurar na cidade um sistema de transporte
público remontavam aos primeiros ônibus puxados por mulas, que, em 1837, se
dirigiam a regiões ainda afastadas, porém
emergentes, como Botafogo, Laranjeiras e
São Cristóvão.
Em 1856, foi fundada a bem-sucedida
• Também o Aterro do Passeio Pú-
Companhia Ferro-Carril do Jardim Botâni-
blico, que passou a ser o primeiro
co (mais tarde rebatizada Botanical Gar-
espaço de lazer público da cidade.
• Foi construído o Aqueduto da Lapa.
• Nesse momento, os extremos urbanos da cidade ficavam demarcados pelo Campo de Santana,
numa ponta, e o Outeiro da Glória, na outra.
10
Tudo seguia orbitando o quadrilátero
onde se localizava a residência dos vice-reis, mais tarde rebatizado de Paço Imperial, mas não havia dúvidas de que a cidade
se expandia para além dos seus marcos
originais. Nos arredores da área central delimitada pelos quatros morros que demarcavam a cidade, novos bairros ganhavam
contorno, na esteira do desmembramento
das antigas sesmarias, chácaras e fazendas,
como, por exemplo, a região da Glória.
dens Railway Company). A primeira companhia de bondes da cidade iniciou suas
Foto:Platslee / Shutterstock.com
ca se transformaria, de um retiro bucólico de ar
do centro da cidade, mas somente na virada do
aristocrático, repleto de grandes chácaras de al-
século XIX para o XX a iluminação elétrica come-
gumas figuras importantes do período imperial,
çaria a ganhar espaço, por meio da iniciativa de
em um bairro residencial consolidado.
concessionários estrangeiros.
operações com uma linha entre o centro
A década de 1890 assistiria a uma nova etapa
Na Zona Sul da cidade, o fim do século mar-
da cidade e o bairro da Glória (para logo
no desenvolvimento urbano, fruto da eletrifica-
caria o “descobrimento” da região oceânica, das
alcançar Botafogo) e se consolidou como
ção de trechos operados pelas diversas compa-
maravilhosas praias que fazem parte da própria
o caminho de expansão da cidade em di-
nhias de transporte. Nesse momento, uma das
essência da cidade do Rio de Janeiro. Em 1892,
reção à sua Zona Sul. No que viria a ser a
grandes preocupações de investidores e go-
a abertura de um túnel permitiu a chegada dos
Zona Norte da cidade, o aumento da ocu-
vernantes da cidade era a obtenção de fontes
bondes a Copacabana, e, em 1902, o bonde
pação residencial também esteve atrelado
seguras para o abastecimento da crescente de-
chegaria oficialmente à área vizinha ao bairro,
à construção de uma linha de bonde de
manda por eletricidade no Rio. Pioneiramente, o
viabilizando definitivamente o projeto imobiliário
tração animal na década de 1870. Também
Barão de Mauá havia inaugurado, em 1854, um
de construção da Villa Ipanema.
nas últimas décadas do século XIX, a Tiju-
sistema de iluminação a gás em algumas partes
11
Cidade
Maravilhosa
A república brasileira, que veio à luz em 1889, tomou como tarefa central nos primeiros anos do novo
século uma remodelação completa da sua capital. O
Rio de Janeiro, capital da República, deveria estar à
altura de um país que se modernizava, incrementava
suas rendas e perseguia os padrões europeus de cultura e civilização que orientavam os homens da época.
O nome de Francisco Pereira Passos ficaria associado a esse projeto grandioso de reformar de maneira
radical a cidade, abrindo-lhe as portas para a modernidade e o século XX. Em dezembro de 1902, ele foi
Foto: Nicku/Shutterstock
nomeado prefeito pelo então presidente Rodrigues Alves e perseguiu obstinadamente o objetivo moderniza-
Modernização e
transformação
dor, que englobava uma série de ações em diferentes
frentes: comportamentos e posturas, saúde e higiene
e reforma urbana. Era necessário, de acordo com os
valores desses dirigentes, que a cidade estivesse de
acordo e à altura dos novos tempos e rumos que se
projetavam no país. A construção da Avenida Central
12
(atual Rio Branco), concluída em 1906, grande marco
Em termos de ocupação espacial da
Nessa era de grandes transformações
cidade, a grande transformação estava
e deslocamentos, novas áreas atrairiam a
condicionada à implementação de um
elite da capital: num primeiro momento
sistema eficiente de transporte público.
florescem regiões como Catete, Flamen-
Estávamos diante do momento de criação da ideia
Somente com uma oferta regular de
go, Laranjeiras, Botafogo, na Zona Sul, e
do Rio como Cidade Maravilhosa. Entre as muitas
transporte novas regiões da cidade pode-
Tijuca e Rio Comprido, na Zona Norte.
obras dessa grande reforma destacavam-se: o início
riam figurar como opções viáveis de mo-
Mais tarde o movimento tomaria a dire-
da construção do Teatro Municipal (1905); a constru-
radia para os cariocas de diferentes clas-
ção das zonas oceânicas, até então lar-
ção da Avenida Central (1906); as obras de construção
ses sociais. Portanto, a criação e posterior
gamente desabitadas, de Copacabana,
de um novo porto e uma moderna infraestrutura por-
ampliação e modernização das linhas de
Ipanema e Leblon.
tuária (ao longo da atual Avenida Rodrigues Alves) e as
dessa época e do governo Pereira Passos, é o principal
exemplo desse tipo de consideração.
trens suburbanos e bondes caminharam
melhorias no Canal do Mangue (1906); as melhorias e
paralelamente à própria expansão da ci-
o embelezamento do Campo de São Cristóvão (1906);
dade do Rio de Janeiro para além dos sí-
a inauguração da Avenida Beira-Mar e a construção da
tios originais da “cidade velha”.
Avenida Atlântica (1906); o aterramento das praias do
13
Anos 1930:
os sindicatos
chegam ao Brasil
Julho de 1935 - Reunião plenária:
homenagem e recepção da Federação à
bancada dos empregadores - comércio e
transportes - da Câmara Federal.
Acervo Secovi Rio
Flamengo e de Botafogo (1906); a melhoria no
abastecimento de água para a capital e o alargamento de diversas ruas da cidade. Ainda durante
a sua administração, foram liberadas verbas para
a construção da Biblioteca Nacional e para a
construção do novo edifício da Escola Nacional
de Belas Artes.
ção da Lapa; a criação da Cinelândia (década de
1930), o Cristo Redentor no alto do Corcovado
(1931), a construção da Avenida Presidente Vargas
(década de 1940); a construção dos edifícios da
Central do Brasil e do Ministério da Guerra (1941),
entre muitos outros.
rante com um complexo urbano modernizado
O roteiro dessa constante reinvenção da cidade do Rio de Janeiro foi ininterruptamente escrito durante o transcurso de todo o século XX e
segue nos dias atuais. A cidade continuou a expandir-se constante e rapidamente em todos os
sentidos. De 160 mil prédios registrados na cida-
e integrado àquelas belezas naturais. O cami-
de em 1933 passou-se a 355 mil em 1950, isto é,
nho da Avenida Central e da nova cidade era o
mais do que dobrou em apenas dezessete anos.
mar. Foi nessa época que a cidade foi apelidada
A população metropolitana crescia de modo fre-
de “Paris dos Trópicos”.
nético: 1.380 mil em 1930; 1.747 mil em 1940;
Em 1908, a grande Exposição Nacional em
comemoração ao centenário da abertura dos
portos, exibia uma nova cidade, que agora conjugava de maneira única a sua natureza exube-
2.336 mil em 1950 e 3.140 mil em 1960.
O ciclo de renovação da velha capital colonial
ocorreu com uma velocidade impressionante e
Ao longo de sua história, a cidade não deixou
tornou-se uma constante na primeira metade do
jamais de crescer geograficamente para novas
século XX. Algumas dessas iniciativas tornaram-se
ícone da nova cidade, como o Teatro Municipal
(1909), os jardins da Avenida Beira-Mar (da Glória a Botafogo) e da Quinta da Boavista (1910), o
bondinho do Pão de Açúcar (1913), o calçadão
do Leme e a Avenida Atlântica, o desmonte do
Morro do Castelo (iniciado em 1922), a criação
do bairro da Urca (década de 1920); a remodela-
regiões promissoras, de atrair milhares de imi-
14
grantes, de produzir riquezas em novas frentes
e de influir de maneira decisiva na maneira pela
qual o país se interpretava e buscava seus caminhos de desenvolvimento. Assim, a cidade seguia sendo a foto e o espírito de uma imaginária
carteira de identidade nacional.
Enquanto o mundo passava por um turbulento período de
estabilização industrial, marcado pela formação das cidades e
pelo embate entre classes, o Brasil ainda era um país essencialmente agrícola. Assim, foi somente no último quartel do século
XIX que começaram a surgir as primeiras manifestações de associações profissionais. Após a abolição da escravatura, em 1888,
o movimento de associações ganhou força em regiões onde o
desenvolvimento do capitalismo e da urbanização levou à formação de núcleos operários. Em linhas gerais, essas primeiras
uniões eram fundadas a partir do conceito de auxílio mútuo e,
em um primeiro momento, não tinham como objetivo reivindicações junto ao patronato.
Mas foi na década de 1930 que o movimento sindical tomou
a sua devida forma no Brasil. O ano foi um divisor de águas para
as relações trabalhistas no país, pois pela primeira vez o Estado interveio na área das relações de trabalho e das classes sociais. Em
novembro de 1930 foi criado no Brasil o Ministério do Trabalho e,
com o Decreto nº 19.770, de 19 de março de 1931, foi regulada a
sindicalização em moldes rígidos. Antes disso, era possível registrar uma série de leis relacionadas à proteção do trabalhador, mas
tratavam-se de iniciativas isoladas de deputados preocupados
com a questão social. Já no governo de Getúlio Vargas, o próprio
Poder Executivo se propôs a elaborar e realizar um programa trabalhista amplo e contínuo.
A política da Era Vargas tinha como principal alicerce leis referentes à organização dos sindicatos e à proteção ao empregado,
além de medidas que visavam à resolução de conflitos, como
no caso da criação da Justiça do Trabalho. No que diz respeito à
15
organização dessas entidades, o Governo Provisório inovou
ao lançar o Decreto nº 19.770, que regulamentava a formação sindical. As associações de trabalhadores tinham, então,
o direito de defender os “interesses econômicos, jurídicos,
higiênicos e culturais” de todos os empregados que exercessem “profissões idênticas, similares ou conexas” junto ao
governo. De modo geral, o Ministério do Trabalho detinha
maior controle sobre as entidades sindicais.
Durante esse período, uma série de decretos estabeleceu novas normas para entidades sindicais, ora conferindo
mais autonomia, ora delegando mais controle ao governo.
Mas depois da instauração do Estado Novo, em 1937, novos regulamentos ampliaram a monitoração do Ministério
do Trabalho sobre os sindicatos. Três anos depois, em 1940,
criou-se o Imposto Sindical, que determinava que todo assalariado do setor urbano contribuísse com um dia de trabalho
anual em benefício do Sindicato de sua respectiva categoria
profissional. A contribuição compulsória incluía integrantes
de qualquer categoria econômica, profissional, diferenciada
ou autônoma. Foi um momento decisivo para o cenário sindical brasileiro. Após a criação do Imposto Sindical, em três
anos toda a legislação referente aos problemas trabalhistas
e sindicais seria sistematizada na Consolidação das Leis do
Trabalho (CLT), promulgada no dia 10 de maio de 1943. E foi
nesse contexto que o Secovi Rio – enquanto unidade sindical legítima e reconhecida – deu os seus primeiros passos.
Em 26 de setembro de 1942, o Ministério do Trabalho
expediu a Carta Sindical, documento que reconhecia o Secovi Rio como representante de uma categoria profissional
perante as instâncias governamentais.
16
17
08 de outubro de 1942 - Eleição da
primeira diretoria e conselho fiscal
Acervo Secovi Rio
1942:
o nascimento do
Secovi Rio
Às 16h30 do dia 27 de maio de 1942, os primeiros integrantes
do que mais tarde viria a ser o Sindicato da Habitação – Secovi
Rio se reuniram para transformar em entidade sindical o órgão
que os representava enquanto profissionais do segmento imobiliário. Para tal feito, foi convocada uma assembleia geral de
fundação e instalação da Associação Profissional das Empresas
de Compra e Venda e de Locação de Imóveis do Rio de Janeiro, na presença de representantes das empresas F.R. de Aquino
& Cia. Ltda., Cia. Imobiliária do Castelo S/A, Administradora de
Bens Imóveis Ltda., Lowndes & Son Ltda., Eugenia Leuenroth &
Cia., Administradora Urbs S/A, Cia. Imobiliária Itajubá Carioca
S/A, Locadora Nacional Ltda., Barros e Kraucher, Administradora Curvelo Ltda. e Atlas Administradora Ltda.
18
Ao fim da reunião, foi definida a primeira diretoria da entidade,
por meio de uma votação. Foram eleitos para diretores o Dr. Coaracy de Medeiros, e ainda Carlos Castrioto de Figueiredo e Melo,
Levindo Lopes e Donald Azambuja Lowndes. Para suplentes, Antonio Ribeiro França Filho, Dr. Bastos de Oliveira, Marcelo Santiago e
Consta na ata da reunião que a sessão teve como principal
José da Silva Oliveira. O Conselho Fiscal ficou nas mãos de Charles
preocupação a necessidade de a classe constituir-se em sindi-
Barrem, Armando Bastos e Bianor, tendo como suplentes Francis-
cato. Essa seria a medida ideal para que o segmento de imóveis
co Barros do Amaral, Lauro Dias e Armando Camarão.
pudesse melhor defender os seus interesses. Durante a assem-
Uma semana depois, foi realizada uma assembleia geral ex-
bleia, foram abordados temas como as normas para organi-
traordinária para adaptação da associação a sindicato de clas-
zações sindicais no Brasil e estatutos. A reunião foi marcada
se. Às 15h45 do dia 4 de agosto de 1942, representantes de
por um clima amistoso, em que foram descartadas quaisquer
quatorze firmas do segmento de imóveis se reuniram a fim
inimizades entre os presentes e entre o sindicato em formação
de aprovar os estatutos sindicais que a associação adotaria.
e o Sindicato dos Corretores de Imóveis.
A votação foi unânime.
19
Ata da Assembleia Geral de Fundação e Instalação da Associação Profissional das Empresas de Compra e Venda e de Locação de Imóveis do Rio de Janeiro
27/05/1942
Às 16:30 horas, presentes os representantes das empresas: F. R. de Aquino &
Cia. Ltda., Cia. Imobiliária do Castelo S/A, Administradora de Bens Imóveis Ltda.,
Lowndes & Son Ltda., Eugenia Leuenroth & Cia., Administradora Urbs S/A., Cia.
Imobiliária Itajubá Carioca S/A, Locadora Nacional Ltda., Barros e Kraucher, Administradora Curvelo Ltda. e Atlas Administradora Ltda.
É aberta a sessão sendo aclamado presidente o Dr. Coaracy de Medeiros, da
firma F.R. de Aquino & Cia. Ltda., que convida para secretários Luis Donald Azambuja Lowndes, da empresa Lowndes & Son Ltda., e Bastos de Oliveira, da firma
Bastos de Oliveira S/A.
Em seguida, o Sr. Presidente explica os fins da reunião, frisando que era necessário a classe constituir-se em sindicato, para melhor defender os seus interesses
e de acordo com os ditames da Carta Magna, promulgada em 1937. Travam-se
vários debates, esclarecendo o Dr. Bernardo Sheinkman, Secretário-Geral da Federação dos Sindicatos Patronais do Comércio do Distrito Federal, que o enquadramento sindical brasileiro determinava expressamente a existência da categoria
econômica representada pelas empresas presentes no 5o Grupo da Confederação
Nacional de Comércio, enquanto a dos Corretores de Imóveis pertencia ao terceiro grupo da mesma Confederação.
Explicou ainda o Secretário-Geral da Federação, que a organização sindical brasileira vedava a interferência de uns grupos n’outros, e que mesmo para a constituição de uma Federação eclética, era indispensável o consentimento expresso
do Presidente da República (parágrafo único do art. 5o do Decreto-Lei no 2-321, de
9 de julho de 1940).
Com a palavra o Sr. Donald Lowndes agradece as informações prestadas e diz
estar o assunto amplamente esclarecido, pedindo que se assinale na ata dos trabalhos de hoje não existir qualquer sentimento inamistoso para com o Sindicato dos
Corretores de Imóveis com a Fundação da Associação, mas sim a finalidade de bem
servir os interesses da classe que a Associação passaria doravante a representar.
Antes de se proceder a leitura dos Estatutos são unanimemente aprovadas as
seguintes propostas: do Dr. Coaracy de Medeiros no sentido de ser lavrado um
voto de satisfação pelo fato de vir a pertencer à Associação o Sr. Antônio Ribeiro
França Filho, prestigioso “leader” do comércio nacional; do Sr. Donald Lowndes
um voto de admiração e apoio a S. Ex. o Sr. Ministro Marcondes Filho pela sua maneira brilhante por que vinha dirigindo a pauta do Trabalho, Indústria e Comércio,
e do Dr. Bernardo Scheinkman de satisfação e congratulações com o Sr. Luiz Augusto do Rego Monteiro, esforçado Diretor do DNT, por motivo do seu aniversário
natalício, que ocorria justamente no dia da Fundação da Associação.
21
Em seguida, procede-se à leitura dos Estatutos, artigo por artigo, sendo
discutido e votado cada item estatuário, depois de lida a sua redação final.
A questão da contribuição mensal encontra solução, mediante proposta do
Sr. Donald Lowndes, que lembra ser este o critério do Sindicato dos Seguradores. Aprovados os Estatutos, procede-se à eleição da primeira Diretoria,
explicando o Sr. Presidente da mesa que fora impossível proceder-se ao registro prévio da chapa, previsto pelos Estatutos, e que esta Diretoria dirigia
a Associação até a sua investidura sindical. Na forma da Lei procede-se à
eleição, verificando-se ter sido unanimemente eleita a seguinte chapa:
Para Diretores: Coaracy de Medeiros (F.R. de Aquino & Cia Ltda.), Carlos
Castrioto de Figueiredo e Melo (Administradora Urbs S/A), Levindo Lopes
(Administradora de Bens Imóveis Ltda.) e Donald Azambuja Lowndes (Lowndes & Sons, Ltda.)
Suplentes: Antonio Ribeiro França Filho (Cia. Tamoio S/A), Dr. Bastos de
Oliveira (Bastos Oliveira S/A), Marcelo Santiago (Imobiliária Monte Sul do
Brasil Ltda.), José da Silva Oliveira (Atlas Administradora Ltda.).
Conselho Fiscal: Charles Barrem (Imobiliária do Castelo S/A), Armando
Bastos (Cia Imobiliária Santo Antonio), Bianor (Locadora Nacional Ltda.). Suplentes do Conselho Fiscal: Francisco Barros do Amaral (Imobiliária Pindorama S/A), Lauro Dias (Coia Imobiliária Itajubá – Carioca S/A) e Armando
Camarão (Administradora Curvelo Ltda.).
Terminada a votação, procede-se a apuração e, verificando o resultado,
sob aclamações são dados como empossados todos os eleitos pelo Presidente da Mesa, sendo suspensa a sessão por meia hora e a presente ata que
,conforme pelos presentes, é assinada pelos membros da mesa, sendo encerrada a sessão às 18:40 horas.
22
23
Listas das
diretorias
Ata da Assembleia Geral Extraordinária para adaptação
da Associação a Sindicato de Classe, realizada em 4 de
agosto de 1942.
Às 15:45 horas, presentes 14 firmas associadas, por seus representantes,
o Dr. Coaracy de Medeiros, presidente da Associação Profissional das
Empresas de Compra e Venda e de Locação de Imóveis do Rio de Janeiro,
declara instalada a Assembleia Geral, em virtude de haver número legal, e
solicita que seja aclamado um presidente para dirigir os trabalhos, sendo
indicado pelo Sr. Donald Lowndes o Sr. Oswaldo do Valle Bastos, que
assume a presidência sob uma salva de palmas e convida o Sr. Dr. Oscar
Sant’Anna e Manoel Bastos de Oliveira para Secretários.
O Sr. Presidente procede à leitura do edital de convocação, publicado
em três jornais de grande circulação desta cidade, e diz que, conforme
se verifica da publicação e convocação feitas, a Assembleia tinha por fim
a aprovação do Estatuto do Sindicato em que se adaptará a Associação,
depois de consolidada a investidura por S. Ex. o Sr. Ministro do Trabalho,
Indústria e Comércio, representado na Mesa de Trabalhos pelo Assistente
Sindical, Dr. Mozart Sampaio Fortuna. Em seguida, são lidos, artigo por
artigo, os Estatutos do Sindicato elaborados pela Diretoria, segundo o
estatuto padrão recomendado pelo Ministério do Trabalho.
Terminada a leitura dos estatutos, e votados estes, quase sem discussão,
a Assembleia delibera, unanimemente, que se solicita imediatamente a
investidura sindical. Em seguida, é suspensa a sessão para a redação da
ata. Reaberto os trabalhos, são lidos os Estatutos novamente e a presente
ata que, conforme todos os presentes, é assinada pelos membros da mesa,
sendo levantados os trabalhos às 17 horas.
24
fevereiro de 1945
julho de 1952
Coaracy de Medeiros
presidente
Jonathas Nunes Pereira Filho
presidente
Jonathas Nunes Pereira Filho
secretário
Victor Oscar Sant’ana
secretário
João Antonio de Almeida Gonzaga Junior
tesoureiro
Roberto Vilmar
tesoureiro
julho de 1954
Julho de 1956
Jonathas Nunes Pereira Filho
presidente
Jonathas Nunes Pereira Filho
presidente
Alcides Leite de Morais
secretário
Alcides Leite de Morais
secretário
Ricardo de Paula Netto
tesoureiro
Ricardo de Paula Netto
tesoureiro
agosto de 1956
agosto de 1958
Jonathas Nunes Pereira Filho
presidente
Arnon Affonso de Farias Mello
presidente
Alcides Leite de Morais
secretário
Décio Geraldo Branco Lefreve
secretário
Ricardo de Paula Netto
tesoureiro
Ildefonso Gadioli dos Santos
tesoureiro
25
agosto de 1960
agosto de 1962
setembro de 1974
setembro de 1977
Guilherme Corrêa Garcia Dale
presidente
Guilherme Corrêa Garcia Dale
presidente
Guilherme Corrêa Garcia Dale
presidente
Guilherme Corrêa Garcia Dale
presidente
Carlos Pereira de Almeida Raposo
secretário
Carlos Pereira de Almeida Raposo
secretário
Pedro José Maria Fernandes Wähmann
secretário
Pedro José Maria Fernandes Wähmann
secretário
Aldo José Caneca
tesoureiro
Aldo José Caneca
tesoureiro
Mario Walter Nogueira
tesoureiro
João Carneiro de Freitas
tesoureiro
setembro de 1980
junho de 1981
agosto de 1964
agosto de 1966
Guilherme Corrêa Garcia Dale
presidente
Guilherme Corrêa Garcia Dale
presidente
Guilherme Corrêa Garcia Dale
presidente
Guilherme Corrêa Garcia Dale
presidente
Carlos Pereira de Almeida Raposo
secretário
Carlos Pereira de Almeida Raposo
secretário
Pedro José Maria Fernandes Wähmann
secretário
Pedro José Maria Fernandes Wähmann
secretário
Aldo José Caneca
tesoureiro
Edgard Guimarães de Almeida
tesoureiro
João Carneiro de Freitas
tesoureiro
Eva Marta Cordeiro de Matos
1ª tesoureira
setembro de 1983
setembro de 1986
agosto de 1968
26
setembro de 1971
Guilherme Corrêa Garcia Dale
presidente
Guilherme Corrêa Garcia Dale
presidente
Guilherme Corrêa Garcia Dale
presidente
Guilherme Corrêa Garcia Dale
presidente
Carlos Pereira de Almeida Raposo
secretário
João Carneiro de Freitas
secretário
Pedro José Maria Fernandes Wähmann
secretário
Pedro José Maria Fernandes Wähmann
secretário
Edgard Guimarães de Almeida
tesoureiro
Mario Walter Nogueira
tesoureiro
Eva Marta Cordeiro de Matos
tesoureira
Eva Marta Cordeiro de Matos
tesoureira
27
28
setembro de 1989
abril de 1990
abril de 1999
janeiro de 2004
Guilherme Corrêa Garcia Dale
presidente
Georges de Moraes Masset
presidente
Pedro José Maria Fernandes Wähmann
presidente
Pedro José Maria Fernandes Wähmann
presidente
Georges de Moraes Masset
1º vice-presidente
Pedro José Maria Fernandes Wähmann
1º vice-presidente
Augusto Alves Moreira
1º vice-presidente
Augusto Alves Moreira
1º vice-presidente
Pedro José Maria Fernandes Wähmann
2º vice-presidente
Augusto Alves Moreira
2º vice-presidente
Manoel da Silveira Maia
2º vice-presidente
Manoel da Silveira Maia
2º vice-presidente
Romulo Cavalcante Mota
secretário
Romulo Cavalcante Mota
secretário
Rômulo Cavalcante Mota
1º secretário
Rômulo Cavalcante Mota
1º secretário
Eva Marta Cordeiro de Matos
tesoureira
Eva Marta Cordeiro de Matos
tesoureira
Paulo César Leal
2º secretário
João Augusto Pessôa
2º secretário
Eva Marta Cordeiro de Matos
1ª tesoureira
Maria Teresa Mendonça Dias
1ª tesoureira
João Augusto Pessôa
2º tesoureiro
Ronaldo Coelho Netto
2º tesoureiro
setembro de 1992
setembro de 1997
Georges de Moraes Masset
presidente
George de Moraes Masset
presidente
Pedro José Maria Fernandes Wähmann
1º vice-presidente
Pedro José Maria Fernandes Wähmann
1º vice-presidente
Augusto Alves Moreira
2º vice-presidente
Augusto Alves Moreira
2º vice-presidente
Rômulo Cavalcante Mota
1º secretário
Rômulo Cavalcante Mota
1º secretário
Paulo Cesar Leal
2º secretário
Paulo César Leal
2º secretário
Eva Marta Cordeiro de Matos
1ª tesoureira
João Augusto Pessôa
2º tesoureiro
janeiro de 2007
Pedro José Maria Fernandes Wähmann
presidente
João Augusto Pessôa
vice-presidente de marketing
Manoel da Silveira Maia
vice-presidente
Rômulo Cavalcante Mota
vice-presidente jurídico
Eva Marta Cordeiro de Matos
1ª tesoureira
Maria Teresa Mendonça Dias
vice-presidente financeiro e de
desenvolvimento
Leonardo Conde Villar Schneider
vice-presidente de assuntos
condominiais
João Augusto Pessôa
2º tesoureiro
Ronaldo Coelho Netto
vice-presidente administrativo
Antonio Paulo de Garcia Monnerat
vice-presidente de locações
29
janeiro de 2010
Pedro José Maria Fernandes Wähmann
presidente
Rômulo Cavalcante Mota
vice-presidente jurídico
Manoel da Silveira Maia
vice-presidente
Leonardo Conde Villar Schneider
vice-presidente de assuntos condominiais
Maria Teresa Mendonça Dias
vice-presidente financeira e de
desenvolvimento
Antonio Paulo de Garcia Monnerat
vice-presidente de locações
Ronaldo Coelho Netto
vice-presidente administrativo
João Augusto Pessôa
vice-presidente de marketing
esquerda
Guilherme Dale
direita
George Masset
Alexandre Hermes Rodrigues Corrêa
diretor-adjunto de relações do trabalho*
De acordo com o estatuto do Secovi Rio, presidentes
e vice-presidentes precisam ser eleitos, mas é possível
nomear diretores-adjuntos. Alexandre Hermes Rodrigues Corrêa foi nomeado em 2008 e reconduzido ao
cargo em 2010
Rumo à
profissionalização
Décadas após a fundação do Secovi Rio, o momento histórico certamente
não era o mesmo para movimentos sindicais. A agitação em torno do embate
entre classes, à vista da chegada de um novo milênio, daria vez à vontade de
compreender os verdadeiros trâmites do mercado, a fim de estabelecer normas
que teriam como objetivo principal conferir o equilíbrio entre patrões e empregados. Ao longo dos anos 2000, o Sindicato se tornou um instrumento capaz de
intervir na realidade coletiva em prol de seus contribuintes e consumidores. Ou
seja, um verdadeiro representante da classe. Mas para entender de que maneira
o Secovi Rio adentrou essa era, é preciso voltar um pouco no tempo e lembrar
que os primeiros passos nessa direção foram dados nas gestões de Guilherme
Dale e George Masset.
De 1960 a 1989, Guilherme Correa Dale foi presidente do Secovi Rio e da
então chamada Federação de Turismo e Hospitalidade do Rio de Janeiro, órgão
que foi incorporado à Fecomércio-RJ no processo de unificação. A federação
congregava os sindicatos patronais do segmento de comércio e serviços que
compunham o Grupo 5 da Confederação Nacional do Comércio, ou seja, englobava categorias como empresas de compra, venda, locação e administração
de imóveis, empresas de asseio e conservação, casas de diversões, comércio
varejista de veículos e acessórios, institutos de belezas, entre outras. Sendo assim,
é fácil perceber que o Sindicato já dava às negociações coletivas a sua devida
importância. Também nos anos de Dale, o Secovi Rio teve um papel decisivo e
ajudou a viabilizar o primeiro Conai, mais tarde renomeado Conami (Congresso
30
31
Pedro Wähmann
Nacional do Mercado Imobiliário), realizado
Sindicato de Habitação se inseria, foi o primei-
por iniciativa da Abadi (Associação Brasileira
ro investimento em comunicação: a coluna
das Administradoras de Imóveis).
Notícias Secovi Rio, publicada semanalmente
Adentrando a década de 1990 e antevendo os avanços que seu sucessor na presidên-
O espaço, que chegou a contabilizar 104
cia, Pedro Wähmann, promoveria mais tarde,
edições por ano, foi o pontapé inicial para
Masset é apontado por funcionários e clien-
a confirmação de um compromisso em le-
tes como importante nome na trajetória do
var informação à comunidade condominial,
Sindicato. Ao longo de um mandato que ter-
incluindo síndicos e administradores. E vale
minou prematuramente em agosto de 1999,
dizer que a coluna foi responsável por inau-
devido a seu triste falecimento, Masset per-
gurar um meio de comunicação entre o Sin-
cebeu que o Sindicato precisava se preparar
dicato e seus contribuintes que deu tão certo
para os novos tempos indo além do papel,
que foi peça-chave no processo de expansão
já muito importante, alcançado até então,
do Secovi Rio para além dos limites da capital
de meio fundamental de negociações co-
fluminense. Nesse período, o Sindicato pas-
letivas entre categorias laborais. Com aguda
sou a publicar, quinzenalmente, nos seguin-
visão administrativa, o ex-presidente tinha em
tes veículos: Folha dos Lagos, da cidade de
mente o desenvolvimento do Sindicato para
Cabo Frio; Diário do Vale, de Volta Redonda;
além das paredes que o cercavam.
Classitudo, de Nova Friburgo; O Debate, de
Foi sob o seu comando que o Sindicato de
Habitação passou, durante os anos 1990, por
um processo de informatização e expansão,
se desenvolvendo em uma entidade com
departamentos específicos a fim de atender
melhor seus contribuintes. Um bom exemplo
32
nos classificados dos jornais Extra e O Globo.
Macaé; Monitor Campista, de Campos dos
Goytacazes; e Classilagos, do município de
Maricá. A publicação deixou de circular, mas
o seu advento foi essencial para que o Sindicato firmasse a sua representatividade no
interior do estado.
é o departamento jurídico, que, a partir da ini-
Com a trágica notícia da morte de Geor-
ciativa de Masset, passou a oferecer a seus re-
ge Masset, é o então diretor Pedro Wähmann
presentados atendimento instituído com data
quem fica incumbido de assumir o lugar na
e hora marcada. Mas o que verdadeiramente
presidência até o fim do mandato vigente.
deu o tom de uma nova fase sindical, muito
Neste momento deu-se o início de um novo
mais preocupada com o entorno social que o
capítulo na história do Secovi Rio.
Um novo
capítulo
Em 7 de abril de 1999, Pedro Wähmann assu-
tados e dar agilidade no desenvolvimento das
me a presidência do Sindicato de Habitação e,
atividades, a fim de estreitar a relação entre re-
logo de início, inaugura um modus operandi par-
presentante e representado.
ticipativo, seguindo os passos iniciados pelas mudanças propostas pelo ex-presidente Masset. O
Secovi Rio avançaria ainda mais no estreitamento
do contato com os integrantes da categoria em
todos os setores. O Sindicato estava cada vez mais
atuante e, tendo isso em vista, a configuração das
diretorias precisou ser modificada.
Segundo as palavras do próprio presidente, o
Sindicato tinha entrado em processo de se tornar, de fato, “um representante e um defensor de
seus representados”. E para isso era de suma importância que o Secovi Rio assumisse uma faceta
multidisciplinar. Em meio à evolução do mercado, era necessária a preocupação com profissio-
O novo presidente começa por dividir as res-
nais de outras áreas, como recursos humanos,
ponsabilidades do Sindicato entre os seus di-
contabilidade, direito trabalhista, previdenciário e
retores, no intuito de formar uma equipe que
ambiental, ou seja, com todos os campos que
pudesse trabalhar de forma mais equilibrada e
orbitam o universo da administração. Afinal, se
ainda mais eficaz. Foram criadas então direto-
pensarmos nas diversas funções de uma admi-
rias específicas, que tinham mais autonomia
nistradora de imóveis hoje em dia, veremos que
para trabalhar diretamente junto a seus departa-
as expectativas e cobranças vão muito além das
mentos. Assim, os cargos de 1º e 2º tesoureiros
arrecadações. Considerando que, atualmente, as
e 1º e 2º secretários foram substituídos pelos de
construções são finalizadas de forma cada vez
vice-presidentes. A meta de Pedro Wähmann,
mais rápida, e tomando como média cinquenta
nesse momento, era seguir instaurando uma
anos de vida útil de um edifício, é fácil perceber
lógica cada vez mais participativa dentro do
que apenas cerca de dois ou três desses anos
Sindicato, bem como diversificar o número de
ficam a cabo das construtoras. Já os demais 47
serviços colocados à disposição dos represen-
anos são responsabilidade da administração.
33
A guinada do Secovi Rio, nesse momento, foi
justamente no sentido de fomentar a expansão
do Sindicato para áreas de interesse que pudessem garantir a manutenção dos condomínios ao
longo das décadas. Durante esse período, foram
abertos novos canais de comunicação entre o Secovi Rio e seus representados; foram oferecidos
cursos de capacitação, oficinas e workshops para
profissionais do segmento, e, entre muitas outras
Foto: Ana Phelps/Shutterstock
O
Secovi Rio
hoje
Ao completar sete décadas, o Secovi Rio re-
melhorias, foram instaurados novos departamen-
presenta, em junho de 2012, mais de 33 mil con-
tos e coordenações, no intuito de otimizar a atua-
domínios comerciais, residenciais e mistos, além
ção do Sindicato dentro e fora do Secovi Rio.
de cerca de 5,4 mil administradoras e imobiliárias.
Paralelamente, é nessa época que o Dr. Pedro Wähmann assume a liderança da câmara
que reúne os Secovis de diferentes estados. No
final dos anos 1980, a Confederação Nacional
Ao todo, são mais de 3,5 milhões de pessoas que
contam com o Secovi Rio para defender seus interesses no segmento de comércio e serviços
habitacionais. Só no estado do Rio de Janeiro, os
do Comércio percebeu a importância do segmento de habitação e criou o GEA, Grupo Especial de Assessoramento, um núcleo pequeno,
de caráter consultivo. Inclusive, o ex-presidente
George Masset foi um dos coordenadores desse
grupo. Mas, ao longo dos anos, os Secovis iam à
presidência da CNC buscando mais suporte em
suas atividades, e foi assim que o GEA foi transformado em câmara. Originalmente chamada de
CCAI (Câmara de Comércio e Administração de
Imóveis), o órgão hoje é conhecido como CBCSI
(Câmara Brasileira de Comércio e Serviços Imobiliários) e foi uma consequência natural do aumento da demanda do segmento de imóveis.
Os lugares de liderança de George Masset e
Pedro Wähmann na CBCSI foram oportunidades incríveis que serviram tanto para confirmar
a aceitação da presidência do Secovi Rio quanto
para estreitar a relação entre os Secovis mais novos, oriundos de estados menores e que tinham
muita proximidade com a vida política local. Esse
foi um processo que garantiu força política à câmara no parlamento e, principalmente, uma voz
nacional do setor. Nas palavras do próprio Wähmann, a câmara foi responsável por uma “união
nacional de pensamento”.
34
35
Foto: Mark Schwettmann/Shutterstock
condomínios e empresas do setor geram cem
sos para o desenvolvimento do setor de comér-
os Secovis de todo o país. Partindo da premissa
de todo o estado. O Secovi Rio é ainda filiado
mil empregos diretos e R$ 1,4 bilhão em salários
cio e serviços imobiliários” e “promover o de-
de que o mercado imobiliário não só impulsiona
à Fecomércio-RJ (Federação do Comércio do
e encargos. São mais de R$ 750 milhões em ta-
senvolvimento do setor de comércio e serviços
a economia como é um dos maiores geradores
Estado do Rio de Janeiro) e à Confederação Na-
rifas públicas, uma marca que revela a importân-
imobiliários, propondo projetos e implementan-
de emprego no país, a câmara é um órgão con-
cional do Comércio.
cia do segmento para a economia do país.
do ações que contribuam para melhores resul-
sultivo, composto por líderes do segmento, que
tados e qualidade de vida dos seus representa-
tem como principal objetivo debater questões
dos”, respectivamente.
com implicações na atividade imobiliária e ofe-
É por conta disso que a entidade é ponto
de referência do setor de comércio e serviços
imobiliários, tendo um papel fundamental no
Unindo tradição e modernidade, o Secovi Rio
acompanhamento de políticas trabalhistas para
tem uma postura atuante no cenário político –
o segmento. Sempre atento às modificações
uma tática que busca transformações positivas na
políticas, econômicas e jurídicas, o Secovi Rio
sociedade brasileira, associando desenvolvimento
cumpre a importante tarefa de estabelecer re-
econômico e qualidade de vida. É uma entidade
lações de negociação coletiva entre os muitos
que não deixa de marcar presença junto aos po-
sindicatos profissionais no estado do Rio, além
deres Legislativo e Executivo por meio do acom-
de manter uma atuação efetiva no Conselho de
panhamento de projetos e até mesmo de apre-
Relações do Trabalho, formado por empresá-
sentação de propostas para o setor imobiliário.
rios do setor. Anualmente, são negociadas treze
Convenções Coletivas de Trabalho dentro da representação do Sindicato.
É importante ressaltar a atuação do Secovi
Rio junto à Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo. Sob a liderança
Nos dias atuais, o Sindicato segue duas dire-
de Pedro Wähmann, o Sindicato ocupa a coor-
trizes essenciais, uma visão e uma missão. “Ser
denação geral da Câmara Brasileira de Comércio
ponto de referência na implantação de proces-
e Serviços Imobiliários, entidade que congrega
36
recer estudos e sugestões que possam subsidiar
estratégias e ações políticas em apoio e defesa
da categoria. Tudo isso sob o guarda-chuva da
CNC, entidade sindical que representa os direitos
e interesses dos quase cinco milhões de empre-
Atualmente, a entidade ocupa um andar inteiro de um edifício localizado no Centro do Rio de
Janeiro, mas esse nem sempre foi o caso. A primeira casa do Secovi Rio situava-se no terceiro
andar da Rua Nilo Peçanha, nº 155. Um pouco
mais tarde, mas ainda nos primórdios do Secovi Rio, era possível agregar todo o Sindicato em
uma pequena salinha localizada na Rua México,
endedores do comércio de bens, serviços e turis-
logradouro que, nesse período, já começava a
mo de todo o Brasil.
concentrar firmas e escritórios. Com o desen-
Hoje, o Secovi Rio promove, ainda, capacita-
volvimento do mercado de imóveis e o paulatino
ção e qualificação para síndicos, conselheiros,
aumento da representatividade do Sindicato, uma
profissionais de condomínios, administradoras
mudança de endereço fez-se necessária, e a sede
e imobiliárias: um trabalho que não fica apenas
do Secovi Rio foi para um endereço não muito
na Região Metropolitana. Em constante proces-
distante do primeiro, na Rua do Carmo, nº 6.
so de expansão, o Sindicato conta com nove
Mas a guinada dada pelo Sindicato nos últi-
representações regionais, pensando sempre em
mos dez anos fez com que a sede trocasse de
chegar mais perto dos condomínios e empresas
lugar mais uma vez. Pensando sempre nos repre-
37
Mapas das sedes
do Secovi Rio
Aguardando imagem em alta resolucão do evento
* Sede atual:
Avenida Almirante Barroso,
nº 52, 9º andar.
sentados, o objetivo da mudança foi melhorar o
-presidente de assuntos condominiais; Antonio
atendimento aos condomínios, às imobiliárias e
Paulo de Garcia Monnerat, vice-presidente de lo-
às administradoras de imóveis por meio da am-
cações; e Alexandre Hermes Rodrigues Corrêa,
pliação do Departamento Jurídico, de novos cur-
diretor adjunto de relações do trabalho.
sos oferecidos pelo Centro de Capacitação, e de
tantos outros serviços. Desde o dia 24 de janeiro
de 2006, o Secovi Rio funciona na Avenida Almirante Barroso, nº 52, 9º andar.
Pedro Wähmann e o ministro Olívio Dutra
Esses são os nomes que estão à frente do
Sindicato e que servem de farol para outras centenas de nomes sem os quais o Secovi Rio não
poderia existir. Funcionando hoje como uma ver-
Os membros da atual diretoria – eleita em 18
dadeira empresa – com metas, planos estratégi-
A posse solene do grupo, celebrada em evento
A presença de ministros de Estado em ceri-
de dezembro de 2007 – são os principais preo-
cos, consultores etc. –, o Sindicato da Habitação
no dia 19 de abril de 2007, no Hotel Iberostar, em
mônias como essa, aliás, atesta o prestígio da
cupados em dar encaminhamento às demandas
conta em seus vários departamentos com pro-
Copacabana, teve a presença do então ministro
organização nas esferas governamentais. No
do setor. Hoje em dia, sob a liderança do pre-
fissionais qualificados das mais diversas áreas do
das Cidades, Márcio Fortes, que ressaltou a im-
evento que celebrou a posse da gestão anterior
sidente Pedro Wähmann, estão Manoel Maia,
conhecimento, cujo trabalho foi absolutamente
portância da atuação da entidade na esfera legis-
à atual, em 18 de março de 2004, no hotel Le
vice-presidente; Maria Teresa Mendonça Dias,
indispensável para que o Sindicato chegasse aos
lativa em prol do desenvolvimento do setor da ha-
Méridien, em Copacabana, esteve presente o
vice-presidente financeira e de desenvolvimen-
seus setenta anos. Além de atender às necessi-
bitação e dos investimentos públicos em moradia.
primeiro ministro das Cidades, Olívio Dutra, que
to; Ronaldo Coelho Netto, vice-presidente admi-
dades do setor de forma competente e eficaz, o
Representando o governador Sérgio Cabral Filho,
assumiu o cargo na pasta criada um ano antes
nistrativo; João Augusto Pessôa, vice-presidente
objetivo central do Secovi Rio e de todos os que
o secretário estadual de Transportes, Júlio Lopes,
pelo então presidente da República, Luiz Inácio
de marketing; Rômulo Cavalcante Mota, vice-
lá trabalham é oferecer soluções personalizadas
elogiou a representatividade do Secovi Rio, citan-
Lula da Silva.
-presidente jurídico; Leonardo Schneider, vice-
a todos os representados.
do o destaque nacional da organização.
38
39
Na hora de comprar ou alugar um imóvel, as administradoras de imóveis cumprem um papel de suma importância, buscando sempre oferecer a seus clientes uma gama de serviços que busque descomplicar
a vida de quem procura. A função da administradora de imóveis é zelar
pelos interesses do proprietário e do locador, visando manter a regularidade das obrigações contratuais formalizadas entre todas as partes e
gerindo eventuais problemas.
Peshkova/Shutterstock
Em troca de uma porcentagem do valor combinada previamente,
a administradora cuida de toda a divulgação, colocando anúncios em
mídias especializadas e placas, e promovendo a visita dos interessados
com acompanhamento de profissionais especializados. A administradora tem a importante função de fazer as vistorias, todo o levantamento cadastral – tanto do imóvel quanto dos interessados – e elaborar os
contratos de acordo com a legislação vigente. Em casos de embates
contratuais, muitas disponibilizam advogados especializados em Direito Imobiliário, assessorando os clientes durante o tempo que durar a
demanda judicial. Há administradoras que fazem, ainda, a intermediação e solução entre familiares que herdaram algum tipo de patrimônio.
Por conta disso, essas empresas têm o compromisso de estar sempre
atualizadas em questões fiscais, tributárias e jurídicas, além de manter
uma estrutura capaz de zelar pelos bons resultados na administração e
com uma prestação de contas transparente.
Em resumo, a administradora de imóveis fazem uma ponte entre locador e locatário. É ela quem dá tranquilidade ao síndico em questões
como recrutamento e contratação de funcionários, vistoria das instalações, elaboração de folhas de pagamento dos empregados e recolhimento de taxas e impostos, entre outras. Tendo em vista tantas funções
essenciais, o Secovi Rio reconhece o trabalho dessas empresas como
um dos mais importantes e legítimos dentro do universo imobiliário.
O papel das
administradoras
Prova desse reconhecimento é a realização anual, desde 2000, de
uma grande festa, no mês de novembro, para os funcionários das administradoras e imobiliárias em dia com as contribuições e suas famílias.
Excepcionalmente suspenso em 2012, por conta das comemorações
dos 70 anos do Secovi Rio, o evento, batizado de Um Dia Diferente,
conta com a participação média de mil pessoas por edição. O formato,
já consagrado, inclui café da manhã e churrasco durante toda a tarde, em um sítio com espaços de lazer e recreação infantil, distribuição
de brindes, sorteios de prêmios, além de serviços sociais gratuitos, em
parceria com o Senac Rio, como corte de cabelo e massagem, encerrando com um show musical. São recolhidas também toneladas de
alimentos não perecíveis para o Banco Rio de Alimentos.
40
41
O síndico
Um bom síndico precisa definir – e seguir – os direitos
e deveres de cada um dos condôminos e exigir a correta
utilização das áreas comuns, sempre cumprindo o regulamento interno. Ele é também o representante legal do
condomínio, em juízo ou fora dele, e pode ser tanto condômino quanto pessoa física ou jurídica estranha ao conjunto de copropriedade. De todo modo, o síndico deve
ser eleito em assembleia geral, na forma prevista na Convenção. Por essas e outras razões, esse personagem tão
importante para o dia a dia predial é uma das figuras-chave
para o Secovi Rio, que não poupa esforços para organizar
eventos inteiramente dedicados a eles.
Mario Lopes/Shutterstock
Para o Sindicato da Habitação, o síndico é o principal interlocutor,
pois ele é o elo entre o Sindicato, as empresas prestadoras de serviço, os
funcionários do condomínio, os condôminos e os fornecedores. Mais
que isso, o síndico é o porta-voz de uma comunidade e o representante
desta junto ao Sindicato e à sociedade. É ele quem assume a responsabilidade de supervisionar atividades de manutenção, segurança, planejamento e prestação de contas, entre tantas outras.
De acordo com o artigo 1.348 do Código Civil, as atribuições do síndico incluem representar o condomínio, fazer cumprir a Convenção,
contratar e demitir funcionários, zelar pela boa convivência entre os
condôminos, cuidar do sistema de segurança do prédio, preocupar-se
com a qualificação dos empregados, fazer manutenção preventiva e
manter as contas em dia.
A palavra condomínio significa “propriedade comum” e, sendo assim, é preciso um esforço constante a fim de conciliar as vontades de
todos os moradores e promover a harmonia no edifício. A função administradora não cessa no financeiro, já que um bom síndico é capaz
de administrar também pessoas. De acordo com uma pesquisa realizada em 2011 no portal do Sindicato na internet, a principal dificuldade
na gestão é justamente resolver atritos entre vizinhos. Os conflitos são
tão recorrentes que aterrorizam os síndicos até mais que a inadimplência! Sendo assim, quem assume essa função precisa ter muito jogo
de cintura e, principalmente, não pode nunca pôr os seus interesses
pessoais à frente dos interesses da comunidade.
42
Além de oferecer cursos ligados a questões orçamentais
e de gestão de pessoas, tópicos que auxiliam na atuação
do síndico, o Sindicato da Habitação promove todo ano o
Dia do Síndico. Comemorado no dia 23 de abril (em pleno
feriado de São Jorge), o evento já é tradição e acontece
desde 2007. Foi somente no ano seguinte, no entanto, que
a festa assumiu o seu animado formato atual: um coquetel
dançante no Clube Militar, no Centro do Rio. Anualmente, o Sindicato homenageia os “guerreiros do condomínio“
com uma grande festa, com coquetel, show dançante e
sorteio de prêmios.
43
Graças às ações do Secovi Rio ao
longo desses setenta anos, o perfil
atual do síndico no Rio mudou para
melhor. Eles agora estão mais bem informados e, consequentemente, mais
eficientes. Por isso, nada mais justo do
que promover uma grande celebração para coroar esse mérito. A festa
deu tão certo que no ano de 2011, a
comemoração foi estendida à Regional dos Lagos. Pela primeira vez, Cabo
Frio foi sede de um jantar de confraternização com os síndicos da região,
e, em 2012, a festa foi realizada também em Teresópolis.
Agora, para resolver com eficiência
os problemas do dia a dia, dos mais
simples aos mais complicados, um
dos eventos mais importantes para a
troca de conhecimentos dentro do setor imobiliário é o Fala, Síndico – um
fórum bimestral que cumpre o papel
Mangostock/Shutterstock
crucial de solucionar dúvidas sobre o
dia a dia da gestão condominial. Afinal,
nada melhor do que falar com quem
entende do assunto. Cada edição con-
Ao assumir a função de síndico, o condômi-
solicitados pelos contribuintes. É uma peça sin-
ta com a presença do corpo jurídico
no se vê frente a frente com diversas leis que re-
dical fundamental, uma vez que pretende fazer
do Sindicato, dedicado a responder
gem, diariamente, suas atividades. E, de tempos
com que as leis cheguem de forma clara a síndi-
perguntas dos participantes. O fórum
em tempos, novas regras e determinações legais
cos, administradores e moradores de condomí-
também tem participação de advoga-
aparecem para complicar ainda mais esse dia a
nios, a partir do contato direto com esse público.
dos convidados e especialistas em Di-
dia. Acontece que o descumprimento de boa par-
reito Imobiliário contribuindo nos de-
te dessas leis pode implicar pagamento de pesa-
bates. Com um formato simples, que
das multas e até mesmo processos legais. É aí que
permite a troca de informação entre
entra a assistência jurídica do Secovi Rio, um dos
profissionais do ramo, o encontro é
diversos departamentos do Sindicato voltados a
mais um serviço que busca facilitar a
solucionar problemas corriqueiros.
convivência entre gestores, funcionários e moradores.
44
O serviço é realizado por uma equipe de advogados do Sindicato, especializada no segmento imobiliário e preparada para sanar qualquer
tipo de dúvida que possa interferir no dia a dia
de um condomínio. Os temas podem ser relacionados às áreas de gestão predial, locação de
Com a missão de orientar, esclarecer e inter-
imóveis, trabalhista, previdenciária ou tributária/
ceder pelos seus representados, o departamento
fiscal. O departamento jurídico realiza em média,
jurídico do Sindicato da Habitação é um dos mais
cerca de oito mil atendimentos anuais.
45
O Sindicato presta atendimento personalizado em sua sede, no
Centro do Rio, com consultas previamente marcadas, mas as dúvidas podem ser enviadas via carta, fax ou e-mail. Também existe a
opção do Chat de Atendimento Jurídico, instalado no Portal Secovi
Rio, uma forma ágil de resolver questões simples e objetivas, que não
dependam de análise de documentos ou de pesquisa de legislação,
doutrina ou jurisprudência. A abertura desse canal on-line foi um ganho e tanto para quem procura os serviços jurídicos, que ganharam
mais agilidade e exatidão nas respostas – que seguem sempre por
escrito, quanto para o Sindicato, que tem a oportunidade de mapear
com mais rapidez as demandas dos representados a partir da recepção eletrônica das consultas.
Um setor de suma importância para o dia a dia do Sindicato, o
Departamento Jurídico se mostra ainda mais essencial quando há alguma mudança significativa na legislação brasileira, como foi o caso
da Lei do Inquilinato, que foi reformulada em 2009. Na ocasião, o Secovi Rio saiu na frente e lançou o livro A Lei do Inquilinato atualizada
pela Lei nº 12.112, de 9/12/2009 – Artigos, comentários, perguntas
e respostas e jurisprudência, que traz, de forma objetiva, tudo sobre
locação, incluindo as modificações introduzidas pela nova lei federal. Essa é apenas uma das diversas publicações encabeçadas pelo
setor jurídico do Secovi Rio, e que, em conjunto com os eventos
promovidos em diversos pontos do estado, exemplifica a presença
atuante e esclarecedora da entidade nas negociações trabalhistas de
seus representados.
46
Mas é importante frisar a atuação importantíssima do Secovi Rio
na atualização dessa lei, que dispõe sobre as locações de imóveis urbanos e que não sofria mudanças desde 1991. Vendo que a lei estava
ultrapassada, o departamento jurídico deu início a um minucioso processo de análise que resultou em uma série de propostas para a sua
reformulação. O Sindicato acompanhou o processo de perto e encabeçou uma das principais mudanças, que diz respeito ao tempo de
permanência do inquilino em um imóvel em caso de inadimplência.
De acordo com a nova lei, inquilinos com aluguel em atraso podem
ser alvo de ação judicial de despejo com prazo de quinze dias para na
desocupação liminar do imóvel, se estiverem sem garantia locatícia. O
mesmo prazo pode ser utilizado para despejo, em trinta dias, caso não
seja feita a substituição do fiador que tiver se exonerado.
A ação teve o intuito de dinamizar o mercado imobiliário e impulsionar locações, uma vez que o tempo médio para a retomada do
imóvel é reduzido. A nova lei também incentiva o bom inquilino. Em
certos casos, se for pontual nos pagamentos, ele pode até ser desobrigado de registrar um fiador. Já em relação à multa rescisória contratual, objeto de intermináveis conflitos, a lei atual ajusta-se ao novo
Código Civil e garante proporcionalidade no valor quando o imóvel
alugado é devolvido antecipadamente, entre outras mudanças. O Secovi Rio sempre acompanhou de perto projetos e apresentação de
propostas para a estabilidade do setor imobiliário, buscando incentivar
o mercado de locações, um segmento que permite ampliar o acesso
da população à moradia digna.
47
Foto: Marilyn Volan/Shutterstock
É por isso que o departamento jurídico do Secovi Rio também realiza
a Convenção Coletiva de Trabalho, um instrumento resultante do acordo firmado entre os sindicatos patronal e laboral, cujo principal objetivo
é regular condições de trabalho aplicáveis aos contratos individuais da
categoria. Na prática, as convenções são negociações organizadas pelo
Conselho de Relações do Trabalho do Secovi Rio – um grupo de empresários do segmento que se reúne para debater questões que digam
respeito às relações mantidas entre condomínios, administradoras, imobiliárias e seus respectivos empregados.
O Conselho, do qual fazem parte, na gestão 2012, Alexandre Hermes
Rodrigues Corrêa (presidente), Maria Teresa Mendonça Dias, Dennys Abdalla Muniz Teles e Fernando Schneider, tem relevante papel nas definições salariais do segmento, focando sua atuação no diálogo e no bom-senso, para que os lados patronal e laboral possam chegar a resultados
satisfatórios. É uma grande responsabilidade, afinal, os condomínios e empresas do setor representam, no Estado do Rio, 100 mil empregos diretos.
Sempre defendendo seus representados, o Secovi Rio atua também
com o intuito de influenciar as decisões governamentais, objeto de intenso trabalho nessa sua longa jornada. Ao longo de setenta anos de
existência, essa ação tem traduzido o verdadeiro mote do Sindicato da
Habitação. Os serviços oferecidos, os eventos promovidos, as publicações, tudo isso reafirma o lema principal da organização. Mas nenhuma
prática exemplifica tão bem os papéis de defensor e representante quanto as realizadas pela Coordenação de Relações Político-Institucionais
Nem todas as questões, no entanto, precisam ser levadas para um juiz. Mesmo com um de-
(CRPI) do Secovi Rio. Em conjunto com toda a estrutura do Secovi Rio,
partamento jurídico disponível, é importante ter em vista que, a cada ano, quase dois milhões
os profissionais desse setor são responsáveis por defender os interesses
de novos processos dão entrada na Justiça do Trabalho. Com tamanho volume, uma causa
do mercado imobiliário.
simples pode passar anos perdida entre recursos e liminares. Foi aí que o Secovi Rio entrou
com a iniciativa de resolver conflitos entre empregados e empregadores do setor imobiliário
por meio de um conselho de conciliação.
O Estado é a estrutura organizacional que viabiliza a existência de
uma sociedade moderna. Além de prestar os serviços essenciais, tais
como segurança, justiça, garantia da moeda etc., é responsável por pro-
Baseada na Lei 9.958, a Comissão de Conciliação Prévia, setor que teve atuação no Sindi-
ver diretamente ou assegurar que sejam prestados pela iniciativa privada
cato até dezembro de 2010, foi a solução do Secovi Rio para as batalhas jurídicas que conges-
um sem-número de outros serviços, como educação, saúde e assistên-
tionam os Tribunais do Trabalho, pondo na mesa apenas as partes interessadas, intermediadas
cia médica, transportes, infraestrutura e os demais que são imprescindí-
por representantes de empregado e empregadores, em igualdade de condições. Firmada em
veis ao desenvolvimento social.
1º de novembro de 2000, a iniciativa foi um passo decisivo para a modernização das relações
trabalhistas do segmento.
No estado democrático, os governos, que por concepção são eleitos, representam o pensamento médio da maioria da população e estão
Partindo da premissa de que não existem patrões sem empregados e vice-versa, o Secovi
legitimados para programar um modelo de gestão ou tomar decisões
Rio visa à estabilidade entre os sindicatos patronal e laboral. Para equilibrar a difícil equação en-
que expressem o seu pensamento político, suas opções que condizem
tre contribuir com a manutenção do nível de emprego e, ao mesmo tempo, manter a sustenta-
com a escolha que atendam às demandas da sociedade às quais estão
bilidade dos condomínios, o primeiro passo é acreditar que negociar seja buscar uma maneira
comprometidos em atender. Portanto, o Estado não é autossuficiente.
de todos saírem ganhando.
Governa para a maioria da população e promove, juntamente com os
48
49
indivíduos – cidadãos usuários de serviços públicos, consumidores, sujeitos de direito – e a iniciativa privada, entendida como segmento econômico/produtivo, as condições imprescindíveis
ao desenvolvimento e reprodução da sociedade.
As decisões governamentais em uma sociedade complexa e diversa invariavelmente irão
beneficiar alguns setores econômico-sociais e
prejudicar outros. E esse ciclo se repete, variando no tempo os conteúdos e setores atingidos,
que, não raro, podem se inverter de acordo com
a conjuntura, as necessidades objetivas, a capa-
cesso de elaboração das leis. É aí que entra o trabalho de defesa
das necessidades de determinadas categorias. E para pleitear ideários do segmento imobiliário existe a CRPI – Coordenação de
Relações Político-Institucionais.
A CRPI existe desde 1992, mas foi consolidada e reestruturada
em 1999 – uma verdadeira vitória para o Secovi Rio, uma vez que
se trata de uma atuação de máxima importância no que diz respeito à evolução do setor de imóveis, mantendo acompanhamento
permanente de proposições legislativas e das propostas e programas de políticas públicas do Executivo, nos âmbitos municipal,
estadual e federal que sejam de interesse do setor imobiliário.
cidade de mobilização e o projeto de governo.
No Legislativo, os principais objetivos são o de incrementar e
Essa realidade torna o Estado ou o governo o
aperfeiçoar a legislação pertinente aos assuntos de interesse do
fórum privilegiado para a expressão dos segmen-
setor imobiliário, além de analisar as proposições que possam in-
tos sociais e econômicos, os quais buscarão, de
tervir no segmento. Já no Executivo, a Coordenação participa das
forma legítima, influenciar as suas decisões, por
discussões e mantém representação em Conselhos e Grupos de
intermédio do convencimento (oferecimento de
Trabalho, debatendo e propondo ações para o desenvolvimento
informações) ou pressão (ameaça à legitimidade
do segmento.
do governo em relação à sociedade).
A isso, nos EUA, dá-se o nome de “advocacy“ – uma forma mui-
O “interesse público”, que é o instituto jurídi-
to comum de se participar ativamente da política pública. Tanto
co abstrato que legitima a atuação do Estado,
que atividades desse tipo são regulamentadas na União Europeia,
pressupõe a construção do conceito que parte
nos Estados Unidos e em parte da América Latina. Mas por aqui,
das concepções iniciais dos governantes em in-
onde a prática é conhecida como lobby, ainda há bastante re-
teração com a resultante das ações, convicções e
sistência, e, infelizmente, a palavra acabou sendo erroneamente
informações levadas a efeito pelos grupos socio-
atrelada a um sentido pejorativo. No entanto, ações transparentes
econômicos. A interação entre Estado e socieda-
como as da CRPI do Secovi Rio surgem justamente para inverter
de é imprescindível não somente para assegurar
essa lógica e provar que onde há democracia há lobby.
a possibilidade de maior eficiência nas decisões
governamentais, mas porque esse movimento vai
assegurando a manutenção da legitimidade ou a
gradativa perda desta, oxigenando a democracia
e os partidos políticos como seus representantes.
As atuações do Secovi Rio que buscam influenciar os processos
decisórios governamentais são mais eficientes porque foram concebidas de forma estratégica e nada “messiânica”. Com isso, elas
estão livres da falsa convicção de “verdades”, direitos e justiça dos
pleitos, que não raro obscurece o processo, descartando-se a dinâ-
A participação de todos os cidadãos, em to-
mica que envolve a construção do ambiente decisório e a ação dos
das as tomadas de decisão no Congresso, é, po-
opositores. Uma vez traçados os objetivos, é imprescindível reunir
rém, impossível, mesmo que se lance mão de
e sistematizar as informações necessárias quanto ao mérito e cir-
plebiscitos. Como fazer então para ter sua voz
cunstâncias em que a política pública e/ou a ação governamental
ouvida? Uma solução é estabelecer um diálogo
se circunscrevem. A plataforma de subsídios e materiais que servirá
permanente entre o governo e a sociedade, por
de instrumento de divulgação da posição do segmento deve ser
meio de entidades, a partir da atuação de grupos
concebida de maneira que possa ser compreendida em sua ampli-
de representação de interesses, durante o pro-
tude. Há aqui um forte componente de técnicas de comunicação.
50
51
O objetivo a ser alcançado deve passar pelo crivo dos seguintes aspectos, que podem viabilizar ou impedir o alcance dos resultados:
•
Base jurídica/constitucional: o princípio da legalidade.
Aqui se inclui a constitucionalidade, pressuposto imprescindível à tomada de qualquer decisão governamental.
Essa análise assegurará sustentabilidade ao pleito e a
possibilidade de análise do seu mérito.
•
Adequação do pleito às tendências da política governamental e aos precedentes que possam reforçá-lo.
•
Identificação dos elementos de conjuntura político-econômica e social que podem influenciar direta ou
indiretamente o alcance dos objetivos.
•
Análise dos “recursos de poder” (financeiro, tecnológico, organizacional, institucional e cultural) de que o segmento corporativo dispõe. Esse é um importante instrumento para escolher as ações que possam produzir os
efeitos mais expressivos.
Além do contato pessoal com os agentes de decisões governamentais e formadores de opinião, a ação estratégica recomenda a participação qualificada em encon-
•
Identificação dos segmentos (atores) socioeconômicos
corporativos convergentes em relação às propostas e
aos potenciais opositores, por meio de uma abordagem
direcionada que considere a agregação de força e que
reduza a eficácia dos recursos de poder dos opositores.
•
A adoção sequenciada e oportuna das ações programáticas e dos meios utilizados, pressupondo o melhor
aproveitamento dos recursos de poder.
52
tros setoriais e temáticos, seminários, audiências públicas e eventos em geral, publicidade direcionada, segmentos específicos da mídia, mobilização social e participação
direta, além da grande novidade da sociedade da informação, que é a mobilização
por meio das redes sociais.
A atuação continuada e proativa é imprescindível para o Secovi Rio, pois as decisões governamentais são recorrentes e influenciam diretamente as atividades de seus
representados. É por isso que o Sindicato se orgulha de erguer a bandeira da atuação
política objetiva e permanente, reconhecida pelos representados como uma participação legítima na elaboração de legislações. Por meio do compromisso e da transparência, o Secovi Rio vê as atividades exercidas pela CRPI como um meio que reafirma
a participação sociopolítica do Sindicato da Habitação e, mais que isso, como verdadeiramente essenciais para o bom funcionamento do setor de imóveis.
53
O Centro de Capacitação é a primeira instituição especializada em qualificação
profissional do setor imobiliário no Rio de Janeiro e formatada de acordo com pesquisas de mercado. Antes de sua criação, entre fevereiro e abril de 2003, foi realizada uma sondagem mercadológica com mais de duzentos representantes do ramo
de imóveis, entre síndicos, executivos e funcionários de condomínios e empresas.
Foi com base nas necessidades narradas por cada um deles que o Centro pôde
elaborar seu cronograma de treinamento, levando em consideração a localização
e preços acessíveis.
Desde a sua criação, o Centro vem oferecendo uma gama de cursos, palestras,
workshops e eventos destinados a profissionalizar todos aqueles que mantêm o
setor de habitação funcionando. Certamente, uma das grandes preocupações do
Sindicato tem sido provar para os profissionais do ramo o quanto a capacitação é
imprescindível, especialmente no cenário atual do mercado imobiliário. E foi com
esse objetivo que o Secovi Rio lançou, para o ano de 2010, o Programa Compromisso com a Qualidade – que incentivou condomínios, de janeiro a dezembro, a
investir na qualificação de seus colaboradores, fortalecer as relações e contribuir
para a qualidade de vida dos moradores.
Paralelamente à capacitação, o Secovi Rio realiza uma série de cursos avulsos e
eventos ao longo do ano, tanto em sua sede quanto nas unidades regionais situadas
em todo o estado. Os temas são variados, com aulas teóricas e práticas conduzidas
pelos maiores especialistas do segmento. As pautas são renovadas periodicamente,
Foto: Blaz Kure/Shutterstock
a fim de atender ao maior número possível de representados. Em 2012, foi apresentado o Programa Gerenciando Condomínios, uma série de cursos cuja missão é le-
Foi-se o tempo em que a medida de poder
profissionalização promove, ainda, o desenvolvi-
de uma empresa recaía sobre a extensão de sua
mento da autoconfiança, o que resulta em em-
folha de pagamentos. Atualmente, as mudanças
pregados não só mais capazes, como também
nas áreas de gestão revolucionaram as tradicio-
mais motivados e comprometidos.
nais concepções do setor produtivo, e, em meio
aos avanços tecnológicos, um novo paradigma,
em que o fator humano é imprescindível para o
sucesso dos empreendimentos, se instaurou. Ou
seja, para sobreviver ao mercado hoje em dia, só
Foi justamente a partir da necessidade de qualificação do segmento que o Secovi Rio inaugurou,
em 2004, o Centro de Capacitação Imobiliária.
Percebendo a enorme demanda, uma vez que o
var a síndicos, subsíndicos, conselheiros, gestores de condomínios, colaboradores
de administradoras de imóveis e pessoas interessadas em atuar na área questões
jurídicas, administrativas, financeiras e comportamentais, no intuito de aumentar a
eficiência e a eficácia da gestão condominial.
Atento aos avanços tecnológicos e, principalmente, à democratização do saber,
o Secovi Rio oferece, ainda, cursos e palestras com transmissão via web. É uma
ferramenta que, além de oferecer praticidade e comodidade, está ao alcance de
qualquer um com acesso à internet.
mercado imobiliário carioca se encontrava caren-
Para o Centro de Capacitação, o Sindicato contou, ainda, com a parceria de
te de treinamento, o Sindicato assumiu a missão
instituições sérias na área de ensino técnico e formação profissional: Senac, Defesa
de congregar conhecimento dos problemas da
Civil e Corpo de Bombeiros. Além de fornecer apoio ao núcleo de ensino, os par-
A profissionalização é uma medida estratégi-
categoria a fim de elaborar uma política de capaci-
ceiros que compraram a ideia de transformar o mercado imobiliário em um setor
ca para o aprimoramento da qualidade dos servi-
tação do setor. É por isso que o núcleo de ensino
competitivo, com profissionais qualificados, oferecem palestras e cursos rápidos
ços oferecidos. E levando em conta a crescente
tem como meta desenvolver cursos e palestras
em programas de treinamento para condomínios, com dicas práticas sobre acesso
competitividade das empresas do mercado, ter
com o objetivo de profissionalizar os serviços de-
de pessoas ao prédio e à garagem, equipamentos de segurança, bem como o Guia
um time bem treinado é um grande diferencial
sempenhados nos condomínios e nas empresas
de prevenção para cidadãos, com orientações para incêndios, cortes de energia,
no que diz respeito à satisfação dos clientes. A
atuantes nas áreas representadas pela entidade.
evacuação de prédios e demais situações de risco.
existe uma opção viável: contar com o auxílio de
profissionais qualificados.
54
55
O tema da Segurança Predial, aliás, é uma das principais bandeiras do Secovi Rio,
Por anos o programa foi referência, mas como o passar do tempo e os avan-
visto que os novos métodos de ação dos assaltantes colocam, diariamente, em risco
ços da sociedade, o Sindicato sentiu ser necessário dar mais um passo à frente na
muitos edifícios. Com o objetivo de preparar moradores, síndicos, zeladores, porteiros
busca pelo dia a dia pacífico nos condomínios. Então, em novembro de 2005, foi
e vigias a ampliarem o panorama de segurança em condomínios, o Sindicato toma
lançado um novo programa de segurança predial, batizado de Trilogia – Práticas
uma série de medidas para instaurar uma rotina nos condomínios que assegure a
para um condomínio seguro. Construído com base no mesmo tripé, o projeto
tranquilidade de todos.
se baseava na ideia de que a segurança condominial não está limitada a ações
No ano 2000, antes mesmo de o Centro de Capacitação ser aberto, o Secovi Rio
havia formulado o Projeto Segurança Predial, visando reduzir a criminalidade nos prédios residenciais do estado do Rio de Janeiro. Para além das palestras que o Sindicato
já ministrava para porteiros e síndicos, esse projeto tinha como principal objetivo sen-
de combate à violência urbana, mas em tudo que possa ameaçar o sossego, o
patrimônio e a própria vida dos condôminos. Além do DVD, com uma abordagem
comportamental, o projeto também distribuiu aos síndicos fluminenses milhares
de cartilhas ilustradas em cores.
sibilizar também os condôminos, uma vez que, bem informado, o morador é capaz
No fim, todos ganham: os funcionários de condomínios, com a qualificação e a
de colaborar decisivamente para evitar assaltos em seu condomínio. A principal pre-
motivação para desenvolver suas atividades, e os condôminos, por terem seu patri-
missa da questão da segurança é a prevenção, e, muitas vezes, prevenir pode significar
mônio valorizado e bem conservado. Inteiramente didática, a publicação contém
apenas estar atento. No Secovi Rio, projetos desse naipe sempre buscam incentivar
valiosas dicas e orientações aos gestores prediais e é, até hoje, uma das maiores
medidas simples, como instruir moradores e funcionários a ficarem atentos à invasão
armas do Secovi Rio em defesa da segurança predial.
de bandidos disfarçados de entregadores ou prestadores de serviços.
Como já dizia o ditado popular: a ocasião faz o ladrão. E se ele é verdadeiro, a
melhor maneira de aumentar a segurança dos condomínios residenciais é reduzir as
suas vulnerabilidades. As medidas são das mais diversas e incluem desde o controle
de acesso de pessoas e veículos ao uso de recursos tecnológicos, como câmeras
de vigilância. Por isso, o Programa de Treinamento em Segurança Predial apostou
na capacitação de porteiros e no esclarecimento da população. Na época, um kit foi
distribuído a doze mil condomínios e entidades. Um manual listava duas razões para
o crime: vontade e oportunidade, e pleiteava ser possível evitar a segunda razão por
meio de medidas preventivas.
Pela ótica da prevenção, todos têm seu papel a cumprir no combate ao crime, e,
sendo assim, a segurança condominial é um conjunto de atitudes adotadas pelo síndico, pelos moradores e pelos funcionários. Para esclarecer boa parte dessas questões,
um vídeo informativo ilustrava os truques mais usados por assaltantes para conseguir
driblar a vigilância e entrar nos condomínios. Por conta da parceria com a Polícia Militar, síndicos e porteiros podiam inscrever-se no programa por meio de qualquer Batalhão. A cada vinte inscrições, uma palestra era programada. Paralelamente, um curso
de qualificação de porteiros, ministrado em parceria com o Senac, incluía o tema da
segurança em sua programação.
A instauração do Programa de Segurança Predial do Secovi Rio foi certeira, e, no
ano seguinte, o Sindicato levou o Prêmio Master Imobiliário 2001 pela iniciativa. O sucesso levou o programa a ser ampliado, incorporando também manutenção predial e
prevenção contra incêndio e pânico. Em conjunto com a abordagem pela proteção
contra crimes, os dois novos tópicos formavam o tripé sobre o qual se construía a
nova concepção de segurança, muito mais abrangente e moderna e, enfim, preocupada com riscos à estrutura do prédio.
Alphaspirit/Shutterstock
57
Sem sombra de dúvidas, a expansão do se-
Um processo natural de evolução e interioriza-
As Delegacias Regionais do Secovi Rio fun-
Os mercados das diferentes regiões apresen-
tor de serviços é um fato incontestável. À me-
ção da economia fluminense levou o Secovi Rio
cionam como uma espécie de franquia, com o
tam diferentes necessidades de atuação. Assim,
dida que a economia de cidades interioranas
a instalar Delegacias Regionais nos grandes cen-
intuito de estender a representatividade e conso-
as delegacias das regiões dos Lagos e Norte Nor-
cresce, aumentam também, por consequência,
tros, promovendo o intercâmbio de informações
lidar a presença do Sindicato. O objetivo principal
deste, por exemplo, concentram suas atividades
as demandas do setor imobiliário. A expansão da
e o fortalecimento das atividades imobiliárias em
é levar às regionais todos os serviços e produtos
nas questões trabalhistas. Já em Nova Friburgo e
categoria imobiliária é sintomática do desenvol-
todo o estado. Com necessidades e demandas
oferecidos pelo Secovi Rio, mantendo a mesma
Teresópolis, a maior demanda é por capacitação
vimento urbano e, assim como nas grandes cida-
distintas daquelas da capital do estado, as empre-
linha de pensamento da sede no que diz respeito
profissional do segmento, por isso a regional ofe-
des, o mercado de imóveis no interior do estado
sas e os condomínios localizados em outras cida-
às suas ações e às respostas aos contribuintes. A
rece mais cursos e palestras entre programas di-
necessita de aparatos para prosperar: treinamen-
des contam com a participação ativa do Secovi
entidade fornece o conhecimento acumulado e
rigidos a porteiros, zeladores, síndicos e adminis-
to de pessoal, assistência jurídica, informação,
Rio por intermédio de suas delegacias: Baixada
uma marca de confiança em troca da unidade de
tradores. O Secovi Rio está atento aos problemas
ferramentas gerenciais e instrumentos para a
Fluminense, Costa Verde, Lagos, Litorânea, No-
ações em todo o estado do Rio de Janeiro.
de cada canto do estado e decidido a contribuir
profissionalização do setor.
roeste Fluminense, Norte Fluminense, Serra Im-
para o desenvolvimento do mercado de imóveis
perial, Serra Norte, Serra Verde e Sul Fluminense.
em todo o Rio de Janeiro.
Regional
Serra Verde
Regional
Baixada Fluminense
Regional
Serra Imperial
Regional
Serra Norte
Regional
Noroeste Fluminense
Sede
Secovi Rio
Regional
Norte Fluminense
Regional
Sul Fluminense
Regional
Lagos
Regional
Costa Verde
Regional
Litorânea
58
59
A melhor maneira de uma organização buscar a transparência e, ao mes-
simples e intuitiva. É por isso que o Secovi Rio dá toda
mo tempo, aproximar-se de seu público é, certamente, por meio do diálo-
a importância aos canais de comunicação, e, a cada
go. Mas como estabelecer essa troca de informações nos dias de hoje? Em
nova tendência midiática, aumenta a vasta coleção de
plena era da mídia digital, o Secovi Rio não fica para trás e nem abre mão
espaços destinados à informação.
da tradição, preferindo apostar na diversidade de meios que possam levar
informações relevantes e que contribuam para uma gestão condominial eficiente. Somados, esses espaços fortalecem a marca e, principalmente, buscam atender a todos os representados do Sindicato de Habitação de forma
Prova disso são os canais mais recentes: o Blog
Secovi Rio (secovirio.blogspot.com), as páginas nas
redes sociais Twitter (@secovirio) e Facebook (/secovirio) e um canal no YouTube – quatro indicadores do
quanto o Sindicato está ligado à modernidade. As redes sociais trouxeram uma nova dinâmica, já que antes
a comunicação tinha apenas uma via. Entre o Secovi
Rio e seus representados não havia de ser diferente.
Por meio dos novos canais, síndicos, administradores
e condôminos têm a oportunidade de sugerir, reclamar, elogiar, divulgar ou criticar.
Não é novidade para ninguém que a internet revolucionou a maneira como as pessoas interagem, e
os perfis no Twitter, Facebook e YouTube do Secovi
Rio acompanham essa tendência global de interação.
Com eles, o Sindicato pode divulgar informações pontuais, como cursos, eventos e serviços, e notícias importantes do mercado de imóveis, além de criar promoções e interagir com os representados da melhor
forma possível. O importante é a qualidade do consumo dessas informações pelo público. De certo, o bom
aproveitamento dessas redes contribui para resultados
positivos no desenvolvimento de qualquer empresa,
inclusive o Secovi Rio. É o Sindicato em sintonia com
a era das mídias sociais.
No blog, o Sindicato da Habitação conta com a
atuação de um departamento específico, a Coordenação de Relações Político-Institucionais (CRPI), que tem
como principal objetivo acompanhar as proposições
legislativas nos âmbitos municipal, estadual e federal,
levando sugestões para projetos que interferem no setor imobiliário. Esses canais pegam carona no sucesso
absoluto do Portal Secovi Rio, relançado em 2010.
60
61
On-line, onde é possível realizar inscrições no Sindicato, por
www.secovirio.com.br
meio do site, de maneira ágil e prática.
Mas como tudo na era da informática muda com uma rapidez
estonteante, o portal ganhou uma nova versão em 2012, para comemorar os setenta anos de Sindicato na crista da onda. O novo
site entrou no ar em abril, muito mais bonito, eficiente e integrado
Completamente reformulado, o site oficial do
Dentre as atualizações, valem destacar o
às redes sociais, com a missão de aproximar ainda mais a entida-
Secovi Rio ganhou, em 2010, um visual moderno
Chat Atendimento Jurídico, uma ferramenta
de de seus representados. O portal também ficou mais integrado
para abrigar não só as notícias do mercado imo-
para quem precisa solucionar dúvidas sem sair
com o blog, e todos os assuntos relacionados passaram a ser
biliário como também os novos serviços que es-
de casa ou do escritório; a Loja Virtual, um es-
postados também na página do Sindicato, na seção “Fórum”, sob
tavam sendo oferecidos on-line. Assim, de forma
paço on-line onde estão disponíveis para venda
o tema “Projetos de Lei”.
pioneira no setor, o website se transformou em
pesquisas, publicações e a assinatura anual da
um verdadeiro portal. A fim de facilitar o dia a dia
Revista Secovi Rio; os Classificados, onde estão
dos condomínios e das empresas do segmento
listadas empresas que prestam serviços para
de imóveis, a página na internet passou a ofere-
condomínios, bem como empresas do setor;
cer, além das áreas tradicionais, como Conven-
a seção Agende-se, um calendário indicando
ções Coletivas, Legislações, Cursos e Eventos,
quais são as datas para pagamento de INSS, 13º
novidades interativas.
salário, FGTS etc.; e a ferramenta de Inscrição
62
Além disso, o site também inaugurou uma importante seção
periódica de enquetes, onde os visitantes interessados podem
concordar ou discordar em assuntos que afetam o segmento de
imóveis. Esse é mais um meio usado pelo Sindicato para entender
ao seu público e poder, assim, defendê-lo. Nos próximos anos,
novas ferramentas certamente virão. Não se pode prever o futuro
da internet, mas não há dúvidas de que o Secovi Rio estará lá.
63
www.rederiodeimoveis.com.br
Quem já passou pela experiência de ter que
procurar uma casa ou apartamento para comprar ou alugar sabe muito bem o tamanho da dor
de cabeça que um serviço de baixa qualidade
pode causar. É por isso que, desde 2008, o Secovi Rio encabeça a Rede Rio de Imóveis, site que
oferece cerca de 4.500 unidades para locação,
compra e venda na cidade do Rio de Janeiro. Por
meio do portal, as administradoras de imóveis e
imobiliárias representadas podem cadastrar seus
produtos e estabelecer negociações com clientes potenciais. O serviço parte da ideia de que os
negócios individuais podem crescer a partir da
cooperação, ou seja, quando empresas concorrentes se unem em formato de rede. As imobiliárias saem ganhando, já que aumenta o volume
de negociações, mas quem ganha mais ainda é
o consumidor, que terá muito mais opções de
oferta, além de ter suas demandas atendidas em
um tempo muito menor.
Em resumo, a Rede Rio de imóveis foi criada com o objetivo de alavancar os negócios
realizados pelas empresas associadas, mas também visando mais segurança e praticidade para
quem quer alugar ou comprar/vender um imóvel no Rio de Janeiro. Quem acessa o site pode
encontrar grandes empresas do segmento de
administração e corretagem imobiliária, unidas
para prestar aos seus clientes um serviço de excelência. Os imóveis estão cadastrados de forma
que o cliente possa fazer uma busca simples e
rápida, bastando indicar o perfil que deseja. Lá
ele encontrará fotos e/ou vídeos que mostram as
principais características do imóvel pesquisado,
como uma forma de conhecer as dependências
sem ter que sair de sua casa ou escritório.
As mídias “clássicas” também têm vez no Sindicato da Habitação, que mantém a tradição de
zelar pelas questões relevantes para as categorias que representa.
O ano era 1999, e o Sindicato de Habitação
adentrava uma fase de renovações. Mas para isso
precisava de um veículo de comunicação que afirmasse esse desejo de mudança. Era o nascimento
da Revista Secovi Rio – uma publicação bimestral,
com tiragem média de mais de dezoito mil exemplares auditados e distribuída gratuitamente aos
condomínios, administradoras e imobiliárias em
dia com as contribuições do Sindicato.
Diferentemente dos canais on-line, o dinamismo e agilidade da Revista Secovi Rio não está
na rapidez, mas na sintonia com o público leitor.
É um veículo que começou a ser desenvolvido
justamente quando os efeitos da globalização da
economia se tornaram mais marcantes, e, sendo
64
assim, era crucial que houvesse um espaço para
se discutir o aumento da competição no mercado, a paulatina sofisticação da prestação de
serviços e a necessidade de profissionalização
do setor, entre outros assuntos. Nesse contexto,
com a revista, o Secovi Rio assumiu o papel de
provedor de soluções que levassem ao crescimento do setor imobiliário.
No editorial do primeiro número, a revista dizia: “É preciso socializar o conhecimento, lançar
ideias, refletir sobre novas tecnologias e métodos, dividir experiências e formar uma massa crítica que leve à efetiva evolução de toda a categoria”. É por isso que estampados nas páginas da
revista estão temas atuais, entrevistas, consultas
jurídicas e matérias sobre temas de suma importância para a administração condominial. Para
maior comodidade, as edições podem ser lidas
também no Portal Secovi Rio.
65
66
Qual é o perfil de quem investe em imóveis? Quais são as opções
Além dos já citados Portal Secovi Rio, Revista Secovi Rio e colunas
mais seguras na hora de alugar? Qual é a opinião dos melhores advo-
publicadas nos jornais O Globo e Extra, outro canal especializado dá con-
gados do mercado a respeito da legislação? Essas perguntas e muitas
ta de manter os representados pelo Sindicato sempre a par dos tópicos
outras nortearam o Investimob, informativo do Secovi Rio que circulou
mais importantes do segmento de imóveis e habitação. É o Secovi Rio
durante dois anos (abril de 2010 a abril de 2012). Especialmente voltada
Comunica – um boletim eletrônico de comunicação dirigido a empresá-
para investidores do setor imobiliário, com foco em locação, compra
rios. Em cada e-mail, o periódico traz notícias sobre ações do Sindicato,
e venda, e de periodicidade trimestral, a publicação divulgou entrevis-
além de pautas sobre o que há de mais moderno no mundo dos negó-
tas com especialistas, pesquisas com dados de mercado e valores de
cios imobiliários. De forma simples e cômoda, uma vez que as novidades
imóveis. Ou seja, foi um canal para ligar administradores, investidores,
chegam quinzenalmente à caixa de e-mails das empresas representadas,
empresários, locadores e locatários às informações mais precisas e re-
é possível ficar atualizado e redimensionar táticas empresariais, de acordo
levantes do mercado de imóveis.
com o movimento do setor.
67
São muitos os canais de comunicação que partem do
Sindicato para o mundo, mas o Secovi Rio não para por aí.
Hoje, o Sindicato é referência para a grande mídia e, a cada
dia, se fortalece como uma das mais importantes fontes de
informação do segmento de comércio e serviços imobiliários, atendendo aos principais veículos de comunicação
do país. É uma credibilidade que foi conquistada ao longo
de anos de competência e seriedade no trabalho.
No ano de 2009, a entidade passou por um verdadeiro boom de inserções na mídia, em veículos impressos,
Internet, rádio e TV. Na televisão, o Secovi Rio deu um salto astronômico, indo de 16.500 segundos de matérias em
2008 para 173.394 segundos em 2009. Na mídia impressa
e on-line houve crescimento de 32% (de 371 para 489 inserções). Nas rádios, a participação também foi marcante:
14.796 segundos de matérias e entrevistas, um aumento
de 37% em relação a 2008.
Em 2011, o Secovi Rio se firmou como principal fonte de informação do segmento. O Sindicato da Habitação
marcou presença na mídia durante todo o ano, fornecendo dados relevantes sobre o mercado imobiliário fluminense aos jornalistas de todo o país. Foram 595 ocorrências em jornais, revistas, sites e TV, além das participações
em programas de rádio. Isso significa um valor publicitário
de mais de R$ 2,7 milhões. Na mídia impressa, foram 237
aparições. Na mídia on-line foram contabilizadas, de janeiro a dezembro, 280 ocorrências. Ao longo do ano, foram
38 inserções na TV e 40 nas estações de rádio, totalizando
9 horas, 27 minutos e 7 segundos de mídia espontânea.
Os números são somente um indicativo de quanto o
nome do Sindicato cresceu nos últimos anos. Ao longo
de 2010, 2011 e 2012, o Secovi Rio, seus profissionais e
suas publicações foram fontes de informação de veículos
como Folha de S.Paulo, O Globo, O Estado de S. Paulo,
Revista Época, Veja Rio, Exame, G1, R7, Valor Econômico,
UOL Notícias, e tantos outros, em matérias que investigavam assuntos referentes ao mercado imobiliário brasileiro. A legitimidade da opinião do Sindicato é tanta que, em
2011, em um artigo sobre a bolha econômica brasileira, a
emissora inglesa BBC entrevistou o vice-presidente administrativo do Secovi Rio. Não satisfeito em colaborar em
pautas somente no Brasil, o Sindicato de Habitação agora
é referência lá fora!
68
69
tradores de Fincas. Nesse mesmo ano, em outubro, o Sindicato ainda
participou como representante nacional, em Montevidéu, Uruguai,
das II Jornadas Internacionales de Propiedad Horizontal, e em Tampa (Flórida/EUA), na Conferência Nacional do Irem (Institute of Real
Estate Management).
O ano de 2006 foi um marco na história do Sindicato e abriu caminho para uma série de outras experiências internacionais. Em 2007,
o Secovi Rio foi mais longe e se aproximou do mercado imobiliário
japonês por meio do Irem, trazendo de lá exemplos de gestões de sucesso, incluindo a capacitação e a profissionalização do setor imobiliário. Em 2008, o Sindicato organizou o segundo Fórum Internacional,
em conjunto com o XV Conami, e consagrou a realização de um dos
maiores eventos do segmento de administração imobiliária da América do Sul. A cada edição, o evento se firma como o encontro mais importante do setor atualmente – uma verdadeira janela para o mundo.
Sabemos que em um futuro não muito distante o Rio de Janeiro
vai sediar dois dos eventos esportivos mais importantes do planeta – a
Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016 — e, certamente,
Já faz mais de duas décadas que o processo de globalização mudou o significado do que é
o sucesso para uma empresa. Nos dias de hoje, ter êxito no mercado de trabalho não depende
somente dos resultados alcançados no fim de cada mês, mas também do potencial de crescimento da organização. Acontece que, para expandir, é preciso pensar para fora e buscar, em todos os lugares, novos conceitos e estratégias inovadoras. De forma simples e direta, para acompanhar o crescimento de qualquer indústria, não basta apenas manter contato com profissionais
de várias regiões de seu país, é preciso estabelecer um intercâmbio de ideias com pessoas de
todos os continentes.
Foi pensando nisso que a equipe Secovi Rio idealizou o Fórum Internacional de Administradores de Imóveis, um evento que busca suprir administradores de todo o país com informações
essenciais ao segmento por meio do intercâmbio de experiências bem-sucedidas nacionais e internacionais. Afinal, quando se trata do dia a dia de um condomínio, os problemas de todo o mundo são identificáveis, não importa a nacionalidade.
O primeiro Fórum Internacional aconteceu no Rio de Janeiro, em março de 2006. Estiveram
presentes, além do Brasil, representantes da Argentina, do Chile, da Colômbia, da Espanha, dos EUA,
da Guatemala, da União Europeia e do Uruguai para tratar de temas do interesse de administradores
de imóveis. O evento também visou aproximar legislações dos diversos países e estabelecer currículos mínimos de ensino para a formação de administradores de imóveis, entre outras ações.
as mudanças serão nítidas no setor de imóveis. Para debater o rumo
desse segmento, o Secovi Rio realiza nos dias 28 e 29 de setembro de
2012, no hotel Windsor Atlântica, a terceira edição do Fórum Internacional de Administradores de Imóveis. Assim como nas duas edições
anteriores, o evento põe na mesa de debate um panorama da administração imobiliária na Europa, nas américas Central, do Norte e do
Sul e no Japão, estimulando o networking, a troca de experiências, a
ampliação da participação das lideranças corporativas e o incremento
dos negócios dos participantes.
Vale lembrar que nesse fórum o Secovi Rio tem um motivo a mais
para comemorar: está completando setenta anos de atividades como
uma das mais atuantes e representativas entidades do setor no país.
A força do Secovi Rio na troca de experiências com entidades do
segmento no exterior fica evidente também nos convênios celebrados nos últimos anos, com as seguintes organizações: IREM (Instituto
de Administração de Imóveis), o órgão que valida e faz cumprir o Código de Ética do setor imobiliário nos EUA; Cepi, Conselho Europeu
de Profissões Imobiliárias, com sede na Espanha; CGAI, Colégio de
Gestão e Administração Imobiliária do Chile; CGCAFE, Conselho Ge-
O contato com profissionais do mesmo setor, mas de nacionalidades diferentes, mostrou-se
ral de Colegiados de Administradores de Imóveis da Espanha; AIERH,
muito enriquecedor para a evolução do mercado no Brasil. Tanto que, em setembro de 2006, o
Associação Imobiliária de Condomínios e Locações da Argentina; e
Secovi Rio representou o país em Málaga, na Espanha, no XIV Congresso Nacional de Adminis-
UNAI, União Nacional dos Administradores de Imóveis da Itália.
70
71
Málaga, Espanha
(setembro de 2006 –
Congresso CGCAFE)
Chicago
(2008 – Irem
Conference – USA)
San Sebastian, Espanha
(maio de 2004 – Congresso do CGCAFE)
Gênova, Itália
(setembro de 2004 –
Congresso da Anaci)
Pescara, Itália
(setembro de 2011 – II
Anaci Special Forum)
Veneza, Itália
(maio de 2009 – I
Anaci Special Forum)
Roma, Itália
(maio de 2012 – Congresso Internacional Unai)
Luxemburgo
(novembro de 2009 –
Conferência Anual do Cepi)
Orlando
(2010 – Irem
Conference – USA)
Varsóvia, Polônia
(maio de 2012 – Assembleia Anual do Cepi)
Boston, EUA
(junho de 2012 – Education Conference &
Exposition, do Nacional
Apartment Association)
Guatemala
(maio de 2012 – Congreso
Internacional de Administración Inmobiliaria)
Japão
(2007 – Irem Conference
– Capítulo Japão)
San Diego
(2011 – Irem Conference – USA)
Bogotá, Colômbia
(março de 2007 – Colégio
de Administradores de
Propriedades Horizontais)
Huelva, Espanha
(maio de 2005 – Congresso CGCAFE – Jovens
Administradores)
Montevidéu, Uruguai
(outubro de 2006 –
Congresso Caph)
Santiago, Chile
(dezembro de 2004 –
Congresso CGCAI)
72
Mar del Plata, Argentina
(novembro de 2005 –
Congresso AEIRH)
Ao visualizarmos o mapa-múndi, podemos perceber
exatamente como o Sindicato foi longe. E se contarmos
com essa tendência, a lista
ainda vai crescer!
73
Para levantar a moral e garantir ainda mais dedicação de um profissional de qualidade, é preciso reconhecer o valor de seu trabalho.
E que maneira de honrar um colega de profissão seria mais emblemática que uma cerimônia de premiação? Desde 2007, o Sindicato
da Habitação promove o Prêmio Secovi Rio, no intuito de homenagear pessoas e empresas que contribuem anualmente para o desenvolvimento do setor imobiliário. O evento é uma chance única para
festejar as maiores conquistas do segmento em grande estilo. Com
direito a estatuetas e tapete vermelho, a premiação é capaz de fazer
qualquer profissional se sentir digno de um Oscar.
O principal objetivo de evento é, sem sombra de dúvidas, valorizar o segmento imobiliário fluminense, já que o prêmio abrange
profissionais de todo o estado. O prêmio pretende prestigiar aqueles
que incentivam e desenvolvem o mercado por meio do reconhecimento aos que se sobressaem no setor. É uma atitude que fomenta
o desenvolvimento sustentável e a inovação. No Prêmio Secovi Rio,
podem concorrer pessoas que atuam no setor, tanto no ramo de
condomínio quanto no de compra, venda e locação de imóveis. Os
participantes disputam os três primeiros lugares nas categorias Mídia,
Condomínio Cidadão e Gestão do Síndico, além da categoria especial Personalidade do Segmento Imobiliário. Até 2011, também eram
eleitos os destaques na categoria Fornecedor/Prestador de Serviços.
Além de troféu e certificado, os vencedores podem levar para casa
prêmios em dinheiro para investir nos projetos que os levaram ao
pódio. É o caso da categoria Condomínio Cidadão, que tem como
princípio estimular o desenvolvimento de ações sociais que partem
das comunidades condominiais. Competem entre si cases desenvolCongregar líderes e os mais promissores profissionais do mercado imobiliário nacional para proporcionar a troca de experiências e diagnosticar problemas e soluções. Revisar conceitos, motivar
ações e somar conhecimentos, tendo em vista sempre o profissionalismo, a fim de tornar o segmento
a cada dia mais competitivo, ágil e capaz. Esses são os objetivos do Conami (Congresso Nacional do
Mercado Imobiliário) – um encontro bienal de quem faz acontecer no cenário imobiliário do Brasil.
O evento visa propiciar aos profissionais do segmento a disseminação de conhecimentos e o compartilhamento de experiências, além de novas práticas e tecnologias que venham a contribuir para o
aperfeiçoamento do setor. A cada edição, o evento é sediado em uma cidade brasileira diferente, no intuito de reunir representantes de todos os cantos do país ao redor de uma programação que traz sempre
palestras, painéis e debates com especialistas nas mais diversas áreas contidas na indústria de imóveis.
vidos por moradores e condomínios residenciais ou comerciais do
estado. Fica a cargo do síndico a apresentação do projeto. Nesse
caso, não importam os recursos financeiros empregados no desenvolvimento dessas iniciativas, mas o potencial de alcance social que
elas têm. A categoria já premiou projetos como viveiros de plantas
medicinais, bibliotecas comunitárias, sistemas de aquecimento com
painéis solares, alfabetização de adultos, capacitação de artesãos e
até a organização de uma escolinha de futebol.
Já na categoria Gestão do Síndico, os candidatos têm a chance
de concorrer com mais um case de sucesso, uma vez que esse é
um prêmio que busca reconhecer práticas eficientes e inovadoras. A
Na edição 2008, o Congresso Nacional aconteceu, mais uma vez, em conjunto com o II Fórum
categoria chamada de Mídia reconhece a melhor reportagem, artigo,
Internacional de Administradores de Imóveis, o que acrescentou ao debate uma visão global do seg-
ensaio ou cobertura sequenciada de eventos que tenha tido como
mento imobiliário. Ou, nas palavras do Dr. Pedro Wähmann, o evento agregou “soluções internacio-
tema o segmento de comércio e serviços imobiliários. Podem con-
nais para a crise mundial”.
correr veículos de todo o país (jornal, revista, internet, rádio ou TV),
74
75
O Secovi Rio foi fundado em 26 de setembro de 1942. Atravessou
diversos períodos históricos – da 2ª Guerra Mundial, o fim do Estado
Novo – quando a Constituição de 1937 fixou as diretrizes da política social
e trabalhista, ao regime militar iniciado em 1964 – e enfrentou várias
conjunturas de forte espiral inflacionária, bem como de intenso incremento
de reivindicações trabalhistas. Em todos os cenários, a entidade primou
pela firme defesa de duas bandeiras: o permanente aperfeiçoamento da
gestão de condomínios e o enfoque social no problema habitacional.
O Secovi Rio acredita que a administração predial é fator de
qualidade de vida para as populações condominiais. Ao longo do tempo,
a organização constituiu-se em um fórum canalizador da experiência
interativa de condomínios e administradoras de imóveis. Para isso, sempre
incentivou a contínua modernização de ferramentas gerências, métodos
Dia da Habitação - agosto de 2010 - diretoria do Secovi
Rio e José Mariano Beltrame - Secretário de Segurança
Pública do Rio de Janeiro - entrega do Prêmio Secovi Rio
- categoria Personalidade
de gestão e concepções administrativas ligadas a condomínios, seja na
esfera legislativa, judiciária, ou da administração pública governamental.
desde que a matéria esteja relacionada a fatos ocorridos no estado do Rio de Janeiro. É
Essas palavras são parte do discurso do deputado estadual Luiz Paulo Correa
um prêmio que certamente busca incentivar a participação desses agentes no mercado
da Rocha – o propositor da outorga da Medalha – e abrem o documento que
de imóveis, estimulando a produção de reportagens que contribuam para o desenvolvi-
concede ao Secovi Rio uma grande homenagem: a Medalha Tiradentes, desti-
mento do segmento de comércio e serviços imobiliários.
nada a premiar aqueles que prestaram serviços importantes à causa pública do
A categoria Personalidade do Segmento Imobiliário é a única que não aceita inscrições
prévias, e não é à toa. Esse troféu visa homenagear pessoas, sejam do âmbito privado ou
público, que tenham realizado alguma ação significativa em prol do engrandecimento e
desenvolvimento do segmento de comércio e serviços imobiliários.
Ao longo dos anos, foram homenageados: o empresário e advogado Leandro Ibagy,
em 2007, graças às ações nacionais junto às altas cortes do país na defesa da fiança
como sólida garantia para as locações; os empresários cariocas Geraldo Rezende Ciribelli e Paulo Victor da Costa Monnerat, em 2008, por ações em prol do segmento imobiliário, como a participação ativa na comissão organizadora do 1º Conami; o desembargador Sylvio Capanema, em 2010, pela idoneidade, influência positiva para o setor
e contribuição para a evolução do segmento de comércio e serviços imobiliários; e o
secretário de segurança pública, José Mariano Beltrame, pela sua contribuição ao sentimento de paz nas comunidades carentes ocupadas pelas UPPs. Em todas as ocasiões, a
estado do Rio de Janeiro. Afinal, com setenta anos de referência no mercado
de imóveis, não há de ser surpresa para ninguém que o Sindicato da Habitação
tenha acumulado agraciações de toda sorte.
Certamente, uma das maiores honras para o Sindicato foi receber, em sessão
solene na Câmara dos Deputados, em Brasília, uma homenagem pelos seus 65
anos de atuação em prol do segmento de comércio e serviços imobiliários. O
evento aconteceu em 20 de setembro de 2007, no Plenário Ulysses Guimarães,
na presença do presidente do Secovi Rio, Pedro Wähmann, e de toda a Diretoria e assessorias do Sindicato, além de representantes do segmento de imóveis
de todo o Brasil. Durante a solenidade, o presidente da Câmara dos Deputados
ressaltou a justa homenagem da Câmara ao intenso trabalho do Secovi Rio no
campo habitacional, um setor de suma importância para o desenvolvimento sustentável e um elemento primordial para a inclusão social.
decisão de honra ficou a cabo da diretoria do Secovi Rio.
76
77
“Hoje o Secovi Rio congrega mais de 31 mil condomínios, mais de
2.500 administradoras e imobiliárias, mais de um milhão de unidades
imobiliárias, num total de três e meio bilhões de pessoas, e é responsável
pelo pagamento de um bilhão de reais em salários a mais de cem mil
empregados diretos, e pelo recolhimento de cerca de 750 milhões de reais
em tarifas públicas. Sem dúvida, são números altamente expressivos que
atestam a relevância da instituição. Por tudo isso, as diversas homenagens
que aqui serão proferidas são justas, oportunas e, portanto, necessárias.
Parabenizo em nome da Câmara dos Deputados o Secovi Rio pelo
aniversário e pelo trabalho ao longo desses 65 anos.”
“Tendo aqui em Brasília uma competente assessoria parlamentar, o Secovi
Rio nos auxiliou na busca do entendimento, percebendo que nem sempre
a questão coorporativa exacerbada deve ser colocada diante dos objetivos
maiores, do desenvolvimento econômico, do combate à exclusão social,
da preservação do meio ambiente. Essa perspectiva de modernidade, que é
própria característica da democracia, eu tive a oportunidade de acompanhar
nas ações dos senhores. O Secovi Rio representa aquilo que a modernidade
democrática exige para o nosso país: buscar o entendimento e evitar
grandes embates.”
DEPUTADO JOSÉ EDUARDO CARDOZO
DEPUTADO ARLINDO CHINAGLIA
“Festejar os 65 anos do Secovi Rio permite-nos o reconhecimento do
importante trabalho realizado em prol do segmento imobiliário e do
empenho demonstrado na defesa de temas centrais como a inclusão
e a responsabilidade social. A entidade que sempre compreendeu a
administração predial como fundamental fator de qualidade de vida e
bem-estar amplia, a cada dia, seu potencial de canalizar a experiência
interativa dos condomínios e administradoras de imóveis.”
DEPUTADO EDUARDO SCIARRA
78
Foto: Celso Pupo/Shutterstock
“Ao longo do tempo, o teto tem sido uma conquista fundamental do ser
humano. Ele é um fator referencial quando propriedade daqueles que vivem
sobre seu abrigo. Infelizmente, no Brasil esse processo não é muito fácil.
Devo reconhecer que essa situação está melhorando. Está na hora de todos
nós, sobretudo uma instituição como o Secovi, que tem se demonstrado
voltada para minorar o problema habitacional oferecendo os apoios
técnicos, se colocar à disposição do Congresso Nacional para que sejamos
sábios na produção das leis.”
DEPUTADO AYRTON XEReZ
79
Casos como esses se repetem na história do sindicato,
como, por exemplo, o recebimento das Medalhas da Ordem do Mérito Policial Militar, devido à parceria firmada, em
2000, entre o Sindicato e a Secretaria de Segurança Pública
do Estado do Rio de Janeiro para a execução do Programa
de Treinamento em Segurança Predial. São inúmeras as homenagens recebidas pelo Sindicato, e a longa lista é mais
uma prova do compromisso do Sindicato da Habitação.
Comprometido não só com avanço do seg-
interesse de colaboradores, clientes, fornecedo-
mento de imóveis, mas também com o progres-
res, comunidades locais, autoridades públicas,
so do país como um todo, o Secovi Rio se or-
concorrentes e da sociedade em geral.
gulha de erguer a bandeira da Responsabilidade
social – um conceito relativamente novo, mas
fundamental para que empresas possam não
Igualmente honrosa é a participação do presidente do
só competir no mercado, mas também contri-
Secovi Rio, Pedro Wähmann, no Conselho da Cidade do
buir para uma sociedade mais justa. Em todo o
Rio de Janeiro, um fórum consultivo para auxiliar a revisão
mundo, somam-se ações que procuram debater
e o acompanhamento do Plano Estratégico da Prefeitura. O
conceitos, práticas e indicadores que irão definir
Conselho é composto por 150 cidadãos de destacada posi-
uma verdadeira organização cidadã. Não basta
ção na sociedade, seja por seu conhecimento das questões
pensar apenas nos negócios. Para uma organiza-
do município, seja por sua contribuição pessoal ou profissio-
ção se manter hoje em dia, é preciso pensar para
nal para a evolução da cidade. A escolha é fruto da projeção
fora e levar em conta as condições globais do
do sindicato, não só na esfera municipal, mas também na
entorno social. Partindo desse princípio, a gestão
estadual e na federal.
empresarial não pode ser norteada apenas pelos
interesses da própria empresa, mas também pelo
80
O Secovi Rio acredita nesse conceito, e é por
isso que, já há uma década, o sindicato vem desenvolvendo ações de cunho social – desde a
abertura de espaço para matérias de interesse da
coletividade até o apoio financeiro a instituições
especializadas. Desde 2007, o exercício da responsabilidade social da entidade está concentrado em dois eixos principais: compromisso com
ações socialmente inclusivas junto a populações
carentes por meio da Casa Maria de Nazaré, localizada na Rocinha, e promoção de campanhas
de doação de alimentos para o Banco Rio de Alimentos, em uma iniciativa do Sesc Rio.
81
Um dos grandes segredos do sucesso é o
sobre o mercado imobiliário fluminense. Por
saber. Para uma organização se destacar, é es-
meio do centro, o sindicato divulga valores de
sencial que, antes de tudo, seus profissionais
imóveis residenciais e comerciais ofertados para
tenham conhecimento tanto de como anda o
locação e venda dos principais bairros do muni-
cenário atual quanto de onde a sua própria em-
cípio do Rio, além dos valores médios de con-
presa se posiciona nesse contexto. E, para isso,
domínios residenciais segmentados por região e
são necessários dados. Dificilmente um negócio
uma tabela dos principais índices econômicos. O
consegue sobreviver no mercado sem coletar e
trabalho do centro também resultou em uma das
gerenciar informações. Na era da rede, da infor-
publicações de maior sucesso do Secovi Rio, o
mática e da comunicação digital, em que núme-
Panorama do mercado imobiliário.
ros podem ser compartilhados de um extremo a
outro do planeta em segundos, a posse da informação tornou-se um dos capitais mais importantes das empresas. Em alguns casos, é mais valioso até que o patrimônio físico. Em resumo, uma
empresa não consegue sobreviver no mercado
competitivo sem coletar e gerenciar as informações relativas aos seus clientes, fornecedores e
Por conta das ações de responsabilidade social do Secovi Rio, a Casa Maria
concorrentes, além de indicadores econômicos
de Nazaré pôde ampliar os projetos Estudo Dirigido e Oficinas de Sucesso, que
e sociais, produtos e serviços e demais fatores
atendem, juntos, cerca de 540 pessoas por mês. O trabalho é desenvolvido por pro-
que causam impacto, direta ou indiretamente,
fessores e voluntários que se dedicam semanalmente a crianças e jovens em suas
em seus negócios.
tarefas escolares com atividades de fixação de conteúdo. Além do reforço escolar,
a casa promove oficinas de música, dança, teatro, esportes, idiomas e arteterapia.
Além disso, o Sindicato da Habitação é uma “Empresa Solidária à Infância” do Unicef,
apoiando projetos e políticas públicas que ajudem a garantir os direitos das crianças
brasileiras. Presente em 191 países, o Unicef chegou ao Brasil em 1950 e, ao longo
das décadas, contribuiu para que várias conquistas dos direitos da infância se tornassem realidade. É por isso que o Secovi Rio apoia o trabalho dessa instituição para
realizar, coletivamente, aquilo que nem sempre condomínios ou empresar conseguem fazer individualmente: investir na infância e na adolescência para oferecer a
cada menina e a cada menino as condições necessárias para que possam desenvol-
O Cepai foi fundado com o objetivo de implantar um sistema de inteligência competitiva.
Ou seja, todas as informações geradas pelo Cepai
auxiliam as empresas associadas, os parceiros e
a mídia a tomar decisões certeiras, baseadas em
dados confiáveis, de forma ágil e eficaz. Mas não
é só isso. O Cepai também realiza um serviço de
análise das informações geradas para orientar as
empresas do setor em suas decisões estratégicas.
Os dados são coletados nos jornais de grande
circulação, na internet, nas administradoras de
grande porte e na Rede Rio de Imóveis. Depois de
Foi por isso que, após passar por um cresci-
analisados, os números são divididos em quatro
mento, o Secovi Rio percebeu que precisava de
categorias, a fim de facilitar a consulta: locação,
um departamento capaz de angariar esses nú-
vendas, condomínio e índices econômicos, cada
meros. Então, baseado no modelo que já fun-
qual com informações específicas de cada área,
cionava na Fecomércio, o Secovi Rio criou, em
como valor mínimo, médio e máximo em m2 dos
2008, o Centro de Pesquisa e Análise da Infor-
imóveis. A periodicidade dos relatórios é mensal,
mação (Cepai) – departamento voltado para um
o que faz do Cepai uma fonte não só legítima
trabalho sistemático de identificação, coleta, tra-
como também altamente atualizada e condizen-
tamento, análise e disseminação de informações
te com o contexto do mercado.
ver todo o seu potencial como cidadãos e profissionais.
82
83
Profissionalização, um termo que implica uma série de qualidades: conhecimento, capacidade e, principalmente, proficiência. Um verdadeiro profissional sabe dar valor à sua equipe e não hesita em solucionar dúvidas, quando indeciso, mas também é capaz de caminhar
com os próprios pés e de resolver problemas com autonomia. E para dar conta do recado, é
preciso ter fontes confiáveis. Pensando nisso, o Secovi Rio inaugurou as Publicações Secovi
Rio, uma série de manuais que tem como meta ser o braço direito de síndicos, administradores e – por que não? – condôminos.
Coletânea de leis processuais: organizado pelo advogado especialista em Direito
Imobiliário Geraldo Beire Simões, o livro traz,
Pode-se dizer que essa história começou quando, após o sucesso do premiado Programa
em 284 páginas, dez novas leis processuais
de Treinamento em Segurança, lançado pelo Sindicato no ano 2000, o Secovi Rio apresen-
que influenciam todos os segmentos da so-
tou o projeto Trilogia – Práticas para um Condomínio Seguro, em 2005, com cartilha e DVD.
ciedade, inclusive aquelas em que aparecem
Mais do que uma versão atualizada de conceitos de segurança predial, o livro englobou
as relações imobiliárias.
também questões críticas de manutenção e incêndio, tornando-se, assim, um manual de
indiscutível importância para quem se preocupa com a segurança no condomínio.
Daí em diante, ficou claro para o Sindicato o quanto era necessário disponibilizar para os
seus representados esclarecimentos sobre questões basais do mercado de habitação. E ao assumir o papel de mediador da informação, o Secovi Rio teve a chance de se tornar um ponto
de referência na constituição de processos do segmento do comércio e serviços imobiliários.
Ao longo dos anos, foram muitos os lançamentos cujo objetivo era justamente defender, intermediar, informar e capacitar. Dentre os títulos, vale destacar:
Panorama do mercado imobiliário:
um retrato do mercado imobiliário fluminense. Chegou ao mercado em janeiro de 2010 e
foi atualizado e relançado em 2011. É um levantamento completo realizado pelo departamento de pesquisa do Secovi Rio, com dados
sobre compra, venda, locação, condomínios e
outros indicadores socioeconômicos.
84
Entendendo o Supersimples: cartilha
com 31 perguntas e respostas sobre a inclusão
das empresas de administrações e locação de
imóveis de terceiros no regime do Supersimples, o que está definido na Lei Complementar
nº 123, de 14 de dezembro de 2006, ou Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de
Pequeno Porte.
85
Gestão condominial – Questões
mais frequentes: de autoria do advogado Hamilton Quirino, o livro funciona como
Consultando o Jurídico: questões
trabalhistas no condomínio: reúne dúvi-
um manual com respostas sobre questões
das sobre temas do Direito do Trabalho, trazen-
referentes ao dia a dia dos condomínios nas
do os assuntos mais frequentes nas consultas
esferas administrativa, trabalhista, previ-
feitas ao Departamento Jurídico do Secovi Rio.
denciária e tributária.
A Lei do Inquilinato atualizada pela
Lei nº 12.112: o segundo livro do DepartaImpressões do mercado imobiliário japonês: um verdadeiro relato da visi-
mento Jurídico reúne artigos, comentários,
ta da delegação brasileira a administradoras
ma objetiva e prática, para solucionar, em 332
de imóveis do Japão, em 2007.
páginas, qualquer incerteza sobre locação, in-
perguntas e respostas e jurisprudência, de for-
cluindo as modificações introduzidas pela Lei
Federal nº 12.112, de 2009.
86
87
Um espaço democrático dedicado a divulgar inovações que deram
certo no mercado imobiliário. Essa é a proposta da Feira Secovi Rio
de Condomínios, evento que desde 2007 vem batendo recordes de
público a cada edição. A feira oferece a visitantes ideias e soluções para
fazer dos condomínios espaços mais modernos, preocupados com a
responsabilidade social e a consciência ecológica e atentos ao desenvolvimento sustentável. Unindo estandes, palestras, debates e entretenimento, o encontro pretende agregar condôminos, síndicos, subsíndicos, conselheiros, administradores de imóveis e demais profissionais
interessados em conhecer novidades da área e debater temas do setor.
A última edição reuniu mais de duas mil pessoas, algumas das quais
saíram dos mais diversos estados do país e viajaram muitos quilômetros só para prestigiar o evento. Tamanho sucesso pode ser atribuído
aos produtos que são lançados na feira, sim, mas apenas parcialmente.
Muitos dos visitantes estão mesmo é interessados em descobrir novas
soluções para o dia a dia da vida condominial. É por isso que, para
resolver preocupações como a do corte de gastos, uma das mais comuns entre os síndicos, o evento faz uma agenda de palestras com
quem entende do assunto: economistas, engenheiros, advogados,
gestores ambientais e outros especialistas.
Além de exposição de produtos, serviços voltados para condomínios e palestras, o evento traz ainda o “Espaço Inovadores”, com alguns
dos lançamentos mais recentes da área de gestão condominial, biblioteca, cybercafé, sorteios, shows musicais e outras atrações que variam
a cada ano. Em 2010, a novidade foi a presença de profissionais do
Senac, que ofereciam, gratuitamente, serviços de shiatsu e massagem
nos pés, um mimo para amenizar o estresse de quem trabalha para
tornar a vida em condomínio mais harmônica. Isso sem falar na troca
de experiências entre os participantes que acontece intuitivamente nos
corredores, um fator que colabora para tornar as atividades condominiais ainda mais profissionais.
Sendo assim, é fácil perceber o quanto o sucesso da Feira Secovi Rio de Condomínios é um termômetro que reflete uma tendência
do setor: a expansão da indústria de comércio e serviços imobiliários.
É um movimento simbiótico: quanto mais o mercado cresce, mais o
evento abre espaço para novos estandes, novos palestrantes e novos
inscritos. E não havia de ser diferente, já que, no que diz respeito à atuação do Secovi Rio, a evolução do setor é prioridade.
88
89
Na vida cotidiana, as imagens se proliferam rapidamente mediante os meios de comunicação. A velocidade da informação e a rapidez da transformação dos mercados é
indiscutível, e diariamente todos nós – consumidores – somos bombardeados por uma
série de campanhas, logomarcas e slogans. E cada um destes tem algo a dizer. É por isso
que, para se destacar diante de tanta oferta, uma empresa comprometida com o seu trabalho precisa investir em uma identidade que comunique ao seu público os verdadeiros
valores da casa. Uma marca forte deve identificar os bens e serviços de uma organização
e diferenciá-los dos concorrentes.
Nem todo mundo sabe, mas nos primórdios do braço carioca do Sindicato da Habitação, a palavra “Rio” não havia sido incorporada ao nome. Assim como os demais Secovis
do Brasil, o sindicato fluminense era conhecido pela sigla federal, ou seja, era conhecido
como Secovi RJ. A mudança para Secovi Rio aconteceu somente durante as comemorações de 65 anos do sindicato. A ideia foi associar todo o poder e a força do nome Rio à
A bandeira da moradia digna, a ampliação da nossa
atuação pelo interior do estado, a nossa vocação de
tradição e ao profissionalismo já reconhecidos do sindicato. A marca incorporou a nova
trabalhar integrado ao sistema confederativo sindical
palavra de um modo inteligente: a letra I, de Secovi, e a letra R, de Rio, dividem a mesma
e à cadeia produtiva da habitação, a nossa atuação
haste – um exemplo gráfico da integração do sindicato com a cidade.
conjunta aos demais participantes da Câmara Brasileira
Mas desafio mesmo é lembrar o primeiro logotipo do Secovi, uma obra de design em
de Comércio e Serviços Imobiliários, que fortalecem
que as letras formavam o desenho do símbolo da habitação da época: uma casa, com
a ação e o pensamento nacional do setor, o fomento
direito a chaminé. Mas os anos foram se passando, as casas foram dando lugar a edifí-
do intercâmbio internacional buscando conhecer as
cios cada vez mais altos, e o sindicato teve que se atualizar. O símbolo que caracteriza
práticas de outros países, demonstram que aos setenta
o sindicato até hoje apareceu pela primeira vez no ano 2000. Foi-se a antiga casa, e em
seu lugar entrou a logo que traduz paz e segurança.
anos o Secovi Rio combina a experiência da maturidade
e o vigor da jovialidade.
Uma boa marca vai além da mera identificação pelo nome ou logotipo. Ela também
deve transmitir uma série de informações, associações e expectativas, que contribuem
para a diferenciação no competitivo mercado dos tempos atuais. É esse o objetivo da
marca Secovi Rio.
90
PEDRO WÄHMANN
PRESIDENTE
91
O Secovi Rio passa a fazer parte de um cenário
Oferecer novos serviços e produtos que agreguem
promissor, em que o governo vem reforçando suas
valor para os contribuintes é a missão da nossa área.
ações em prol do setor da habitação. Com o número
Atender com equidade a todos os representados é
crescente de lançamentos imobiliários, precisamos
uma das principais bandeiras do Secovi Rio. A meta da
estar preparados. O mercado, neste ano, permanece
vice-presidência de Desenvolvimento é incrementar e
aquecido e a nossa organização está apta a evoluir
ampliar cada vez mais os benefícios que já oferecemos
junto com esse movimento.
na capital para todos os cantos do estado.
MANOEL DA SILVEIRA MAIA
MARIA TERESA MENDONÇA DIAS
VICE-PRESIDENTE
VICE-PRESIDENTE FINANCEIRA E DE
DESENVOLVIMENTO
92
93
Ao longo desses setenta anos, o Secovi Rio tem
Para uma nova fase, uma identidade renovada. Seguindo
aplicado em sua gestão as mais modernas técnicas
esse conceito, estamos nos dedicando à modernização
administrativas, investindo constantemente em seu
da marca e ao aperfeiçoamento de nossos serviços, o que
quadro de funcionários, preparando-se, assim, para
tem sido motivo de orgulho para todos os colaboradores.
oferecer a seus representados serviços com o mais
Queremos nos adaptar ao mercado contemporâneo
alto grau de qualidade. O desenvolvimento do nosso
sem deixar de lado as ideias de tradição e excelência.
segmento está diretamente relacionado à capacitação
Ao completarmos setenta anos, a intenção é conquistar
de funcionários e melhorias contínuas na administração
ainda mais os nossos representados.
de condomínios, imobiliárias e administradoras.
RONALDO COELHO NETTO
VICE-PRESIDENTE ADMINISTRATIVO
94
JOÃO AUGUSTO PESSÔA
VICE-PRESIDENTE DE MARKETING
95
Assim como em todas as áreas da sociedade, o setor
A vida dentro do condomínio é reflexo da vida em
de habitação é regido por leis. Entre outras atribuições,
sociedade. Por isso, saber administrar um espaço
o Secovi Rio tem o papel de informar e instruir acerca
como esse é tarefa de extrema importância. Com
de questões jurídicas que nos cercam e interferem
o crescimento das cidades, a tendência é que a
no dia a dia de toda a comunidade. O atendimento
comunidade condominial também grande volume em
jurídico eficiente e o acompanhamento das decisões
todo o País. Aos setenta anos, o Secovi Rio permanece
do Judiciário continuam, portanto, entre as nossas
acompanhando
principais responsabilidades.
que possam auxiliar as empresas e os gestores de
esse
movimento,
com
serviços
condomínios a promoverem a qualidade de vida.
RÔMULO CAVALCANTE MOTA
VICE-PRESIDENTE JURÍDICO
LEONARDO CONDE VILLAR SCHNEIDER
VICE-PRESIDENTE DE ASSUNTOS
CONDOMINIAIS
96
97
Os setenta anos do Secovi Rio coincidem com o
A atuação do Secovi Rio ao longo desses setenta anos
aquecimento no setor de locações. A demanda crescente
revela uma busca constante pelo aprimoramento e a
é reflexo do aumento de renda da população, o que
implementação de processos que facilitem a rotina dos
beneficia também os locadores. Com a proximidade
seus representados. Nesse contexto, o sindicato, na
dos grandes eventos esportivos que vão mudar a cara
área de pessoal, vem desenvolvendo um trabalho com
da nossa cidade, a tendência é que o movimento se
foco na melhoria da qualificação dos profissionais do
intensifique. Nesse cenário, o sindicato reforça sua
mercado, buscando a excelência no atendimento e na
atuação com ações que visam incrementar ainda mais
qualidade dos serviços prestados aos condôminos e
esse mercado.
também nas empresas.
ANTONIO PAULO DE GARCIA MONNERAT
VICE-PRESIDENTE DE LOCAÇÕES
98
ALEXANDRE HERMES RODRIGUES CORRÊA
DIRETOR-ADJUNTO DE RELAÇÕES DO TRABALHO
99
Este livro foi editado pela
Publit Soluções Editoriais
no Rio de Janeiro em 2012