Cirrose alcoólica Alcoholic cirrhosis - Revista

Сomentários

Transcrição

Cirrose alcoólica Alcoholic cirrhosis - Revista
Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 7, n° 2, 2014, p (1-9), 2014 ISSN 18088597
Cirrose alcoólica1
Guilherme Augusto Assunção Guimarães2, Rafael Diniz Linhares Soares2, Sergio Custodio de
Faria2, Antonio de Freitas Gonçalves Junior3
1
.Trabalho realizado na Faculdade Montes Belos (FMB) como exigência parcial para receber o título de
Bacharel em Farmácia.
2
.Acadêmicos Faculdade Montes Belos, Curso de Farmácia.
3
Orientadora do trabalho de conclusão de curso Faculdade Montes Belos.
*Email: [email protected]
Resumo-Cirrose alcóolica. Através dessa pesquisa foi possível perceber aspectos da doença
hepática alcoólica (DHA), principalmente quanto ao diagnostico e o tratamento. O
diagnóstico deve basear-se na anamnese, exame físico, exames laboratoriais, exame
histológico em alguns casos e resposta terapêutica à abstenção alcoólica. O tratamento deve
incluir abstenção etílica e também transplante de fígado. As hepatites B e C, juntamente com
o abuso de álcool, podem desenvolver ou acelerar o processo de cirrose hepática. Pelo fato do
álcool ser hepatotóxico, o fígado sofre alterações estruturais e funcionais, com considerável
comprometimento de sua estrutura. O principal tratamento de pacientes cirróticos é o
transplante de fígado, com resultados satisfatórios. Entretanto, foi possível verificar que o
tratamento medicamentoso não teve nenhum êxito remissivo para pacientes cirróticos, não
existindo nenhum tipo de medicamento que possa tratar essa patologia ou amenizar o quadro.
Em estágios não tão avançados da cirrose hepática a abstinência do álcool pode ter um
resultado satisfatório para a melhora do paciente, podendo diminuir o quadro de cirrose
hepática. Testes bioquímicos específicos podem ser realizados objetivando a obtenção de
resultados sobre o quadro de cirrose.
Palavras-chave: Hepatotoxicidade. Alcoolismo. Doença Hepática.
Alcoholic cirrhosis
Abstract: Alcoholic cirrhosis. Through this research was possible to perceive aspects of
alcoholic liver disease (DHA), especially regarding diagnosis and treatment. The diagnosis
should be based on history, physical examination, laboratory tests, histological examination in
some cases and therapeutic response to alcohol abstention. Treatment should include ethyl
abstention and also liver transplant. Hepatitis B and C, along with alcohol abuse may develop
or accelerate the process of liver cirrhosis. Because alcohol is hepatotoxic, liver undergoes
structural and functional changes, with considerable commitment of its structure. The main
treatment of patients with cirrhosis is liver transplantation, with satisfactory results. However,
we found that drug treatment had no success to Table of cirrhotic patients, the absence of any
medication that can treat this condition or improve the situation. In not as advanced stages of
cirrhosis of abstinence from alcohol can have a satisfactory improvement of patient outcome
and may decrease the box cirrhosis. Specific biochemical tests can be performed aiming to get
results on the framework of cirrhosis.
Keywords: Hepatotoxicity. Alcoholism. Liver Disease.
1
Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 7, n° 2, 2014, p (1-9), 2014 ISSN 18088597
cirrótico, podendo culminar em um estagio
1 Introdução
mais crítico da doença (CASTELO, 2007).
O abuso do álcool é uma das
Além da cirrose o portador dessa
principais causas de cirrose e doença
patologia
hepática alcoólica (DHA), doença cuja
desencadeamento
causa consiste no alto consumo de álcool
neoplásico, tendo em vista que o álcool
durante algum tempo. É uma doença
atinge
causada pelo próprio homem, mas pode ser
consequentemente, o paciente pode chegar
evitada, desde que o consumo de álcool
a
seja controlado, não ultrapassando alguns
diagnosticado rapidamente, com suspensão
limites ou fazendo-se a retirada total do
do uso de bebidas alcoólicas, pode se ter
uso de bebidas alcoólicas
uma
(ROCHA,
PEREIRA, 2007).
pode
todas
um
de
as
estagio
melhor
sofrer
com
um
células
canceroso
adequação
o
processo
do
fígado,
grave.
a
Se
algum
tratamento. Entretanto, quase sempre o
O fígado é o maior órgão sólido
diagnóstico é tardio e o estágio da doença
humano e localiza-se no abdômen superior,
já está bem avançado, com elevada
sob as costelas, do lado direito do corpo. É
probabilidade de letalidade (IIDA et al,
responsável pelo aproveitamento de um
2005).
grande número de substâncias absorvidas
A cirrose é uma doença crônica do
pelo intestino e pela produção de várias
fígado e este possui como uma de suas
proteínas que desempenham as mais
funções principais a metabolização de
diferentes funções no organismo, tais como
substancias. A doença pode desencadear
a coagulação sanguínea e a defesa contra
danos em seu tecido comprometendo seu
infecções (STRAUSS, 2004).
funcionamento (VIEIRA et al, 2007).
Um de seus produtos é a bile, que é
O conhecimento da doença hepática
armazenada na vesícula biliar e eliminada
possibilitou a adoção de novas condutas
na primeira porção do intestino delgado,
que resultou no aumento da possibilidade
chamada duodeno, pelo ducto que interliga
de cura ou paliação da doença, dependendo
estas duas estruturas (GUYTON, 1998).
do grau em que se encontra. É facilmente
O álcool é um dos principais
perceptível
os
principais
sintomas,
causadores de cirrose hepática, juntamente
auxiliando no estabelecimento de condutas
com as hepatites virais. O alto consumo
que
diário de álcool pode acelerar o processo
qualidade de vida para o paciente. Se o
possam
resultar
numa
melhor
indivíduo adquirir a DHA é preciso um
7
Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 7, n° 2, 2014, p (1-9), 2014 ISSN 18088597
cuidado bem maior, independente do
O fígado é o principal órgão do
estado em que se encontra. Quanto mais
corpo, podendo ser prejudicado através do
cedo o acompanhamento, monitoramento e
alto consumo e exagero de bebidas ou
tratamento corretos começarem, maior a
alimentos. Ele é o centro do metabolismo e
probabilidade dos resultados esperados
degradação
serem alcançados (ROOBBINS, 2001).
substancias e com isso, o decurso do
de
quase
todas
essas
tempo, vão se observando os sinais e
2 Revisão Bibliográfica
sintomas de degradação característicos
2.1
(Figura
ETIOLOGIA
1)
(SILVA,
2010).
Figura 1: Três estapas de um figado cirrótico, com os estágios leve, moderado e grave. Fonte:
SANTOS et al, 2007.
É um órgão complexo, essencial
nas
funções
concentrações
vitais
de
e
regulação
alguns
tipos
das
de
substancias químicas, tendo como objetivo
subprodutos inofensivos, estes repassados
à
bili
ou
ao
sangue,
com
consequenteeliminação pelas fezes e urina
respectivamente (GUYTON, 1998).
principal degrada-las e excreta-las como
8
Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 7, n° 2, 2014, p (1-9), 2014 ISSN 18088597
O fígado é encarregado de oxidar
quando a pessoa apresenta a hepatite
todo o álcool, encontrando-se nele a maior
alcoólica, podendo evoluir para cirrose
quantidade de enzimas responsáveis pelas
alcoólica.
metabolizações, sendo elas: ADH (álcool
aproximadamente 30% das pessoas com o
desidrogenase),
(aldeído
alto consumo de álcool desenvolvem essa
desidrogenase), e o MEOS (Microsomal
doença. Corrobora esses dados o fato de
Ethanol Oxidizing System – Sistema
que pessoas com obesidade tornam essa
Microssômico
doença hepática bem mais alta, cerca de
ocorrendo
a
ALDH
de
Oxidação),
oxidação
do
neste
etanol
a
crônico
de
etanol
inibe
dados
sugerem
que
2,5 a 3 vezes maior (SILVA,2010).
acetaldeído e ácido acético. Assim, o
consumo
Os
Colestase
e
a
cirrose
biliar,
primariamente caracterizada pela sigla
significativamente a atividade da ALDH.
(CBP),
são
uma
doença
Induzindo O CYP 450, há um processo de
crônica caracterizada pela destruição dos
oxidação de álcool em duas fazes, na
ductos biliares, fibrose e cirrose, e são
primeira sendo transformado em aldeído
divididas em três estágios. O estágio I
acético, e na segunda o aldeído acético se
caracteriza-se
transformado em acetato e sendo eliminado
biliares de pequenos e médios calibres; o
na urina (SILVA, 2010).
estagio II pela fibrose em consequência do
por
lesões
progressiva
dos
ductos
estagio I (um processo inflamatório); em
2.2
COMPLICAÇÕES
decorrência da fibrose dos ductos biliares,
tem-se o estagio III. Nesse último estágio
As
manifestações
da
as consequências podem evoluir para um
hepatotoxicidade ocorrem com o decorrer
estado
do uso prolongado e excessivo de álcool.
coloração
Os tipos de manifestações mais comuns
pigmentação da bile (ROOBBINS et al,
são os de degeneração, necrose, esteatose,
2001).
colestase, icterícia. Os tipos de necrose
terminal,
O
verde
o
fígado
escuro,
desenvolvimento
apresenta
através
da
da
doença
podem se assemelhar aos da hepatite viral
hepática crônica sofre muita variação,
(SILVA, 2010).
dependendo do tamanho do corpo, idade,
A esteatose é um dos tipos de
sexo e raça. Os índices de ingestão diários
lesões do fígado mais comuns e mais
observados e que estão próximos ao
encontradas, sendo possível progredir para
volume
outros estágios mais avançados. Inicia-se
relacionados com a doença. Cada bebida
de
80g
dia
podem
estar
8
Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 7, n° 2, 2014, p (1-9), 2014 ISSN 18088597
tem um determinado volume para se
O diagnostico da DHA baseia-se
equivaler a esses 80g de álcool diário, por
nos
seguintes
conjuntos:
anamnese,
exemplo: 240 mL de wisque, duas garrafas
exames físicos e laboratoriais, e melhora
de vinho e seis garrafas de cerveja de 360
do paciente depois da suspensão do uso de
ml. Todavia, para desenvolvimento da
álcool (FARIA et al, 2012).
cirrose o consumo deve exceder ao período
de 10 anos (ROOBBINS et al, 2001).
2.3.1
Anamnese
A dependência etílica pode estar
associada
à
deficiência
neurotransmissores,
GABA,
e
como
dopamina.
de
serotonina,
Experimentos
São observados os seguintes sinais
específicos:
náuseas,
emagrecimento
e
dores
vômitos,
abdominais
revelam que gêmeos univitelinos e filho de
coloração da pele amarelada e olhos
alcoólatra,
criação
(FARIA et al, 2012).
diferente, ou seja, que foram adotados por
2.3.2. Exames físicos
que
tiveram
uma
outras famílias, apresenta tendência ao
O paciente pode apresentar ou não
consumo de álcool, sugerindo que o
sintomas específicos do uso de álcool ou
alcoolismo
doença hepática (TEODORO et al, 2008).
tem característica genética
(SILVA, 2006).
O alcoolismo pode ser definido em
2.3.3. Laboratoriais
dois tipos, I e II. O tipo I é mais frequente,
em homens como em mulheres, tendo
As determinações dos níveis de
como fatores: genética e abuso de álcool e
albuminemia, do tempo de protrombina e
geralmente (inicia-se aos 25 anos). As
da bilirrubinemia são úteis para detectar
consequências psicossociais não são muito
disfunção hepática (FARIA et al, 2012).
graves, e se aceita bem a abstinência
prescrita pelo medico. Já o tipo II tem
inicio na adolescência, é mais frequente em
homem, tem manifestações psicossociais
2.4
TRATAMENTO
2.4.1
Tratamento não específico
intensas e com tratamento muito difícil
(SILVA, 2006).
2.3
DIAGNÓSTICO
Recomenda-se a abstenção total de
bebidas alcoólicas, podendo assim obter
9
Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 7, n° 2, 2014, p (1-9), 2014 ISSN 18088597
uma diminuição dos níveis de inflamação
de cirrose hepática. Observou-se que o
do
maior consumo entre homens e mulheres, é
fígado
e
também
reduzir
significantemente os níveis de esteatose.
o
de
cerveja,
seguido
por
bebidas
Com essa abstenção pode se aumentar a
destiladas, vinhos e bebidas “ice”, sendo os
sobrevida do consumidor em comparação
homens os mais afetados. Para obtenção
aos que continuaram o consumo de álcool
de resultados sobre quadros de cirrose dos
(FONTES et al, 2002).
portadores dessa patologia, são analisadas
as provas bioquímicas para o perfil
2.4.2 Tratamento específico
hepático.
Algumas medicações são utilizadas
3 Discussão
no tratamento, como por exemplo: alguns
medicamentos diuréticos, antiácidos e
antibióticos.
suplementos
gravidade acentuada, sendo uma das
alimentares são utilizados para evitar a
principais responsáveis pela necessidade
evolução da doença, estimulando o apetite,
de transplantes hepáticos, estando atrás
o
somente da hepatite do tipo C (PAROLIM
que
Alguns
A cirrose é uma doença crônica de
em
etilista
consideravelmente
encontra-se
diminuído.
O
et al, 2002; COELHO, 2007).
transplante de fígado é também um
O consumo de álcool entre as
mecanismo de tratamento, substituindo o
pessoas vem aumentando a cada dia, e os
órgão
problemas relacionados com o etilismo
comprometido
e
anteriormente
retirado (PAROLIN, 2002).
também.
3 Resultado
4 Conclusão
Observou-se no período entre 1998
e 2013, o principal tratamento de pacientes
Esse trabalho objetiva promover o
cirróticos é o transplante de fígado, não foi
esclarecimento
observado nenhum avanço no tratamento
população etilista, procurando informar
medicamentoso. Em estágios não tão
que o consumo de álcool elevado por um
avançados
a
determinado tempo pode trazer sérios
abstinência do álcool pode ter um resultado
danos ao fígado, dentre eles a cirrose
satisfatório, podendo estabilizar o quadro
alcoólica. Informa também a quantidade
da
cirrose
hepática,
e
conscientização
da
10
Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 7, n° 2, 2014, p (1-9), 2014 ISSN 18088597
diária de álcool consumida que pode
potássio, bilirrubinas totais e diretas,
aumentar o risco de desenvolvimento de
creatinina, TGO e TGP, fosfatase alcalina,
cirrose alcoólica.
albumina e atividade de protrombina.
Busca ainda analisar os aspectos
clínicos e morfológicos das cirroses,
relacionando-os com os principais padrões
histológicos
conhecidos
e
suas
complicações e as hepatites alcoólicas.
Apresenta-se a cirrose hepática em
decorrência
do
alcoolismo,
seu
desenvolvimento, tipos de diagnostico e
tratamento, através de uma pesquisa
bibliográfica em que se observa a evolução
do estudo sobre a cirrose e sobre seus
avanços sobre esse caso.
Nos artigos e livros analisados o
principal tratamento de pacientes cirróticos
é o transplante de fígado, com resultados
satisfatórios. O período observado foi de
1998 a 2011, acompanhando a melhora do
paciente. Entretanto, foi possível verificar
que o tratamento medicamentoso não teve
nenhum avanço para pacientes cirróticos,
não
existindo
medicamento
que
nenhum
tipo
de
possa
tratar
essa
patologia ou amenizar o quadro.
Em estágios não tão avançados da
cirrose hepática a abstinência do álcool
pode ter um resultado satisfatório para a
melhora do paciente, podendo estabilizar o
quadro de cirrose hepática. Para se obter o
resultado sobre o quadro de cirrose são
analisados
as
quantidades
de
Referências Bibliograficas
sódio,
CASTELO, A; PESSÔA, M. B. B;
ALVES, M, R, D; ARAÚJO, D, V.
Estimativas de Custo da Hepatite Crônica
B no Sistema Único de Saúde Brasileiro
em 2005. Revista da Associação de
Medica. Brasileira, v. 53, n°6, São Paulo
2007.
COELHO, J. C. U; STADNIK, L;
PAROLIN, M. B; FREITAS, A. C. T.
Carcinoma hepatocelular: impacto do
tempo em lista e das formas de tratamento
pré-operatório na sobrevida do transplante
de fígado cadavérico na era pré-MELD em
um centro no Brasil; Arquivo de
Gastroenterologia, v. 44, n°3; São Paulo,
2007.
FONTES, P. R; MATTOS, A. A; EILERS,
R. J; NECTOUX, M.; PINHEIRO, J. O. P;
Colecistectomia
laparoscópica
em
cirróticos.
Revista
Arquivo
Gastroentereologia, v.39. n.4, São Paulo,
2002.
GUYTON, A C., HALL, John E.
Fisiologia humana e mecanismos das
doenças. 6° edição, ed. Guanabara
Koogan, Rio de Janeiro, 1998.
IIDA, V. H; SILVA, T. J. A.; SILVA, A.
S. F.; SILVA, L. F. F.; ALVES, V. A. F.
Cirrose Hepática: Aspectos Morfológicos
Relacionados
às
Suas
Possíveis
Complicações. Um estudo centrado em
necropsias.
Jornal
Brasileiro
de
Patologia e Medicina Laboratorial, v.41,
n.1, Rio de Janeiro, Fevereiro, 2005.
11
Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 7, n° 2, 2014, p (1-9), 2014 ISSN 18088597
PAROLIN, M. B; COELHO, J. C U;
IGREJA, M; PEDROSO, M. L; GROTH,
A. K; GONÇALVES, C. G. Resultados do
Transplante de Fígado na Doença Hepática
Alcoólica.
Revista
Arquivos
de
Gastroenterologia, v.39, n.3, São Paulo,
Julho/Setembro, 2002.
VARGAS, R. Silva; FRANÇA, F. C. V.
Processo de Enfermagem Aplicado a um
Portador de Cirrose Hepática Utilizando as
Terminologias Padronizadas NANDA,
NIC e NOC. Revita Brasileira de
Enfermagem,
v.60,
n.3;
Brasília
Maio/Junho; 2007.
ROCHA; E. G, PEREIRA, M. L. D.
Representaciones sociales sobre cirrosis
hepática alcohólica elaboradas por sus
portadores. Revista Arquivos Anna Nery,
v.11 n.4; Rio de Janeiro Dezembro, 2007.
VIEIRA, A; ROLIM, E. G; CAPUA JR, A;
SZUTAN, L. A. Recidiva da Ingesta
Alcoólica em Pacientes Candidatos a
Transplante Hepático. Análise de Fatores
de Risco. Revista Arquivos de
Gastroenterologia, v.44, n.3, São Paulo,
Julho/Setembro, 2007.
ROOBBINS, S. L. Fundamentos de
Patologia Estrutural e Funcional, 6°
edição, Rio de Janeiro, Guanabara Koogan,
2001.
SANTOS; J. F. G, ROCHA; A,
OLIVEIRA, L. C. M. Prevalência da
Pancreatite
Crônica
em
Pacientes
Portadores de Cirrose Hepática Alcoólica:
Estudo Histopatológico. Jornal. Brasileiro
Patologia, v.43, n.2, Rio de Janeiro. 2007.
SILVA, Penildin; Farmacologia 8°
edição, ed. Guanabara Koogan, Rio de
Janeiro, 2010.
SILVA, Penildon; Farmacologia. 7°
edição, ed. Guanabara Koogan, Rio de
Janeiro, 2006.
STRAUSS, E; AEROSA, J. P. Infecções
Bacterianas Pioram o Prognóstico da
Hepatite Alcoólica. Revista Sociedade
Brasileira de Medicina, v. 37, n.3,
Uberaba, Maio/Junho, 2004.
TEODORO,V;
JUNIOR,
M.
B;
LUCCHESI, L; KONDO, M; TUFIK, S.
Avaliação dos Potenciais Evocados
Relacionados a Eventos (ERP-P300) em
Pacientes com Cirrose Hepática sem
Encefalopatia.
Revista
Arquivos.
Gastroenterol, v.45, n.1, São Paulo:
Janeiro. 2008.
12

Documentos relacionados

Volume 35 - Número 1 - Janeiro/ Março, 2016

Volume 35 - Número 1 - Janeiro/ Março, 2016 autores; se houver mais de seis, citar os seis primeiros, seguidos por et al..): Alper CA, Kruskal MS, Marcus-Bagle Y, Craven DE, Katz AJ, Brint SJ, et al. Genetic prediction of response to hepatit...

Leia mais

Cirurgia Fígado Completo

Cirurgia Fígado Completo sim a excreção canalicular da bilirrubina. Como apenas a bilirrubina conjugada aparece na urina a presença de bilirrubinúria é quase sempre indicativa de doença hepática. Albumina – Sintetizada exc...

Leia mais