biografia HELEN KELLER

Сomentários

Transcrição

biografia HELEN KELLER
HELEN KELLER (1880 - 1968)
A vida de Helen Adams Keller nascida em 27 de junho de 1880 em Tuscumbia,
Alabama, descendente de tradicional família do Sul dos Estados Unidos, filha do Capitão
Arthur Keller, Prefeito de Alabama do Norte em 1885, é a história de uma criança que aos
dezoito meses de idade ficou cega e surda subitamente, devido a uma doença que foi
diagnosticada naquela época como febre cerebral, sendo provável que tenha sido escarlatina,
e de sua luta árdua e vitoriosa para se integrar na sociedade, tornando-se além de célebre
escritora, filósofa e conferencista, uma personagem famosa pelo trabalho incessante que
desenvolveu para o bem estar das pessoas portadoras de deficiências.
Aos sete anos de idade, mais precisamente no dia 03 de março de 1887, por
indicação de ALEXANDER GRAHAM BELL, ANNE SULLIVAN, uma professora de vinte e um anos,
que havia estudado na Escola Perkins para Cegos (Perkins School for the Blind), pois quando
criança tinha sido cega, mas recuperou a visão através de nove operações, foi morar em sua
casa para ensiná-la, e desde então tornaram- se inseparáveis, até a morte da professora em
1936.
Com muito carinho, dedicação e perseverança, Anne Sullivan conseguiu ensinar à
aluna os alfabetos braille e manual. Sob a orientação de Anne, matriculou-se no Instituto
Horace Mann para surdos de Boston e depois na Escola Wright-Humason Oral de Nova Yorque.
Aos dez anos de idade aprendeu a falar para dizer: “Algum dia cursarei uma faculdade” o que
de fato aconteceu, em 1904 recebeu seu diploma de bacharel em filosofia pela Universidade
Radcliffe, onde no qüinquagésimo aniversário de sua graduação, recebeu o “Prêmio Destaque
a Aluno” além de dominar os idiomas Francês, Latim e Alemão.
Recebeu diversos títulos e diplomas honorários das Universidades Temple e de
Harward e das Universidades da Escócia (Glasgow), Alemanha (Berlim), Índia (Nova Delhi) e de
Witwaterstrabd (Johannesburg, África do Sul) e entre os inúmeros prêmios de grande
distinção, em junho de 1952 foi feita “Cavaleiro da Legião de Honra da França” e as
condecorações: no Brasil, “Ordem do Cruzeiro do Sul”; no Japão, “do Tesouro Sagrado”; Nas
Filipinas, “do Coração de Ouro”; no Líbano, “Medalha de Ouro de Mérito”; recebeu ainda o
prêmio “América para a União Interamericana”; “Medalha de ouro do Instituto Nacional de
Ciências Sociais”. Tornou-se membro honorário de sociedades científicas e organizações
filantrópicas dos cinco continentes.
Em 1902 fez sua estréia na literatura escrevendo sua autobiografia “A História de
Minha Vida” e em seguida no Jornalismo, com uma série de artigos no “Ladies Home Journal”.
A partir daí não parou mais de escrever.
Escreveu inúmeros artigos para revistas e além da “História de Minha Vida”, escreveu
vários livros entre os quais: “Otimismo - um ensaio”; “A Canção do Muro de Pedra”; “O
Mundo em que vivo”; “Lutando Contra as Trevas”; “Minha Vida de Mulher”; “Paz no
Crepúsculo”; “Dedicação de Uma Vida”; “A Porta Aberta”. Seus livros foram transcritos em
várias línguas.
Em 7 de maio de 1954, seu local de nascimento, Ivy Green, em Tuscumbia, foi
transformado em museu permanente. A cerimônia contou com a presença de diretores da
“America Foundation for the Lind” além de diversas outras autoridades. Juntamente com
esse acontecimento, realizou-se também a première do filme biográfico de Helen Keller: ”Os
Inconquistados”. O filme posteriormente recebeu o título “Helen Keller e sua História” que
em 1955 ganhou o prêmio da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas como o melhor
documentário de longa metragem do ano.
Durante toda sua vida, Helen Keller gozou da amizade de personagens proeminentes
de seu tempo, figuras famosas como Rover Cleveland; Charlie Chaplin; John F. Kennedy;
Katherine Corvell; Alexander Graham Bell entre outros.
De 1924 até sua morte, foi membro “staff” da American Foundation for the Blind,
onde pode trabalhar pelo bem estar das pessoas cegas e surdo-cegas, comparecendo perante
governos, dando conferências, escrevendo artigos e sobretudo, pelo exemplo pessoal do que
uma pessoa severamente prejudicada pode alcançar.
Porém sua participação ativa na área de trabalho para os cegos, começou em 1915
quando o “Fundo Permanente de Ajuda aos Cegos de Guerra”, posteriormente chamado Imprensa Braille Americana - foi fundado. Ela foi membro de sua primeira junta de diretores.
Quando a Imprensa Braille Americana transformou-se na “American Foundation for Overseas
Blind” (hoje Helen Keller Internacional Incorporated) em 1946, Helen Keller foi eleita
conselheira em relações internacionais. Foi então que começou suas viagens pelo mundo, em
benefício dos cegos, fato esse que a tornou bem conhecida em seus últimos anos de vida.
Durante sete viagens entre 1946 e 1957, ela visitou 35 países em cinco continentes. Em 1953
a convite oficial do governo brasileiro e da “Fundação para o Livro do Cego no Brasil”, veio ao
Brasil onde realizou visitas e palestras no Rio de Janeiro e em São Paulo e seu exemplo
estimulou e deu grande impulso à educação e a reabilitação de cegos no Brasil, recebendo da
Legião Brasileira de Assistência o título de Membro Honorário.
Uma mesa redonda realizada com sua presença na Federação das Indústrias do Estado
de São Paulo deu origem à criação,no SENAI (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) de
um Serviço de Orientação e Colocação Profissional de Cegos, que hoje já colocou nas
indústrias de São Paulo grande número de deficientes da visão.
Numa palestra para 550 pessoas no Hospital das Clínicas em São Paulo, alguém lhe
perguntou:
— “O que você gostaria mais de ver, se Deus lhe desse visão por cinco minutos?” Helen
Keller respondeu:
—“As flores, o pôr do Sol e o rosto de uma criança”.
Hellen fez sua última aparição em público num encontro do Lions Club de Washington.
Nesse encontro ela recebeu o “Prêmio Humanitário Lions” por sua vida dedicada a servir a
humanidade e por inspirar a adoção de programas de ajuda aos cegos e conservação da visão.
Em 1961, recolheu-se para viver tranqüilamente em “Arcan Ridg”, onde recebia a
família, amigos íntimos e membros da “American Foundation for the Blind” e da “American
Foundation for Overseas Blind” (hoje Helen Keller International Incorporated). Mas apesar de
seu afastamento da vida pública, não foi esquecida. Em 1964 recebeu a “Medalha Presidencial
da Liberdade” maior honra de seu país. Em 1965 foi uma das vinte eleitas para o “Hall da
Fama Feminina” na Feira Mundial de Nova Yorque. Hellen Keller e Eleanor Roosevelt
receberam a maioria dos votos entre as cem mulheres indicadas.
Hellen Keller faleceu em 1º de junho de 1968 em “Arcan Ridge” algumas semanas
antes de completar 88 anos. Suas cinzas foram depositadas ao lado das de Anne Sullivan Macy
e Polly Thomson na Capela de São José na Catedral de Washington. Durante a cerimônia, onde
compareceram diversas autoridades do governo, pessoas proeminentes de todos os setores e
delegações da maioria das organizações para cegos e surdos, em seu último adeus, o Senador
Lister Hill do Alabama disse a respeito de Helen Keller:
“Ela viverá; ela foi um dos poucos nomes imortais, que não nasceu para morrer. Seu
espírito perdurará enquanto o homem puder ler e histórias puderem ser contadas sobre a
mulher que mostrou ao mundo que não existem limitações para a coragem e a fé.”
E por tudo isso ela foi chamada por seus amigos americanos: “A primeira mulher de
coragem do mundo”.
Acessado em 10/10/12 -http://entreondas.multiply.com/journal/item/68?&show_interstitial=1&u=%2Fjournal%2Fitem

Documentos relacionados

helen keller - Lions e

helen keller - Lions e (LCI.6.0)
HELEN
KELLER [Lions clubes > Quem somos nós > Missão e história > Helen Keller]

Leia mais

A Biografia de Helen Keller

A Biografia de Helen Keller Apesar de seu afastamento da vida pública, Helen Keller não foi esquecida. Em 1964 recebeu a “Medalha Presidencial da Liberdade”, a maior honra de seu país. Em 1965, foi uma das vinte eleitas para ...

Leia mais