EX. 1

Сomentários

Transcrição

EX. 1
DCIII — EX 01
FBAUL, 2º semestre 2012/2013
Jorge dos Reis e Luísa Ribas
A Way to Typography + Manifestos
Signo, Sintaxe, Semântica
espaço, estrutura, sequência, contraste, forma e contraforma
Identidade e expressão
Página do número 4 da revista Octavo (87.4)
Página do número 4 da revista Octavo (87.4) que consiste numa reprodução da palestra de Wolfgang Weingart intitulada, “how can one make swiss
typography” (1974), apresentando os slides com exermplos dos seus exercícios.
2
O trabalho e ensino de Wolfgang Weingart reafirmam a importância
fundamental da experimentação no design tipográfico. Apenas através de uma
investigação inteligente e aberta, baseada num entendimento formal da
tipografia, pode o designer desenvolver, tornar independente, e aprender a desafiar
as convenções estabelecidas do design no seu trabalho. Neste sentido, o trabalho de
Weingart é uma celebração das infinitas possibilidades comunicativas da
tipografia e do poder elementar dos signos tipográficos. Os pontos em que a
história da tipografia evolui genuinamente são raros. Acreditamos que esta
palestra de Weingart representa tal progressão.
octavo 87.4 editorial (tradução livre)
s.j. with input from mark holt, hamish muir and michael burke.
Só podemos fazer tipografia hoje se compreendermos a sua dimensão sintáctica.
Dito de outra forma mais simples, a dimensão sintáctica da tipografia é, para
mim, um território novo. Aqui eu vejo um vocabulário visual surpreendente, não
descoberto, com mais métodos de design efectivos para oferecer informação.
Naturalmente, essas novas possibilidades não são de fácil alcance. E,
naturalmente, esses primeiros pedaços de conhecimento e primeiros padrões novos
não podem ser transpostos imediatamente para o nível prático. Em especial, não
no mundo prático actual de publicidade para o consumidor, que se baseia na
exaustão visual imediata. Mas onde o consumo fixo de informação não está no
primeiro plano, ou seja, onde se pode contar com o ser humano pensante, a
diferenciação sintáctica do material tipográfico é possível e sensível.
…
Para mim, a tipografia é uma relação triangular entre ideia de design, elementos
tipográficos e técnicas de impressão. Nas minhas aulas, cada problema é tratado a
partir desses três aspectos, nenhum dos quais deve jamais estar ausente. Então, a
coisa que é tão especial para mim, em relação ao valor que dou à sintaxe
tipográfica, é a variabilidade dos materiais tipográficos sob a influência de ideia e
técnica. Isso significa, finalmente, a flexibilidade com que ela pode funcionar e
ainda reter o seu significado, em relação a diferentes tipos de problemas. Todos os
exemplos a seguir foram feitos tendo em mente essas considerações. Eles estão
livres de qualquer modismo em design da publicidade. De certa forma são neutros
e comparáveis com exercícios matemáticos básicos, mas num sentido visual.
the simpler the assignment
the more difficult the solution
Wolfgang Weingart
3
Objectivos
Familiarização com as relações visuais tipográficas num espaço concreto, no sentido de uma
compreensão tácita de uma sintaxe da linguagem visual e exploração da dimensão sintáctica e
semântica da tipografia. Pretende-se explorara princípios fundamentais de composição tipográfica
tendo em conta noções de espaço, estrutura, sequência, contraste, forma e contraforma.
Incita-se uma exploração da palavra e sua forma gráfica, através da composição e/ou manipulação
e/ou criação tipográfica, na procura de uma identidade e expressão significante e coerente com o
sentido veiculado pelo texto.
Metodologia
Fase 0: Pesquisa Prévia
Tendo como objecto de trabalho uma série de manifestos facultados pelos docentes, o aluno deverá
proceder à leitura e interpretação dos mesmos, devidamente complementada por uma pesquisa
contextual da sua origem e do pensamento e trabalho a que estão associados. Deve realizar uma
pequena síntese interpretativa (até 500 p.) complementada por imagens de referência que servirá
para a realização de uma memória que acompanha a entrega do exercício. Esta memória descritiva
serve as duas fases do projecto, devendo ainda conter a identificação e justificação das escolhas
tipográficas, aspectos de composição explorados, entre outros elementos que se considerem úteis.
O texto não deve exceder uma página A4 que deve ser acompanhada por imagens de referência.
Fase 01: Composição
Realização de quatro composições tipográficas, utilizando uma frase seleccionada dos manifestos
facultados (eventualmente complementada por ou 1 a 3 frases, expressões ou palavras chave).
As composições devem constituir-se como interpretações tipográficas do texto, onde forma e
conteúdo se reforçam, explorando a sintaxe e hierarquia tipográfica, atendendo a critérios de
legibilidade e qualidade visual, na procura de possibilidades funcionais tentando superar
convenções.
1.1 Composição do texto em apenas um tipo (entenda-se um desenho específico dentro de uma
família) e com o mesmo corpo, explorando a colocação dos elementos, sua posição relativa e sua
relação com o espaço do suporte.
1.2 Composição explorando espaço, disposição e hierarquia dos elementos com variações do corpo
da letra, mantendo o mesmo tipo. Poderá explorara variações de orientação do texto.
1.3 Explorar variações de corpo, peso e ângulo, utilizando 2 tipos da mesma família. Poderão ser
exploradas variações na orientação do texto, bem como forma gráfica inerente à forma
tipográfica (como pontuação, linha e contraforma).
1.4 Composição que tira partido das possibilidades de variação anteriores, mas conjuga apenas dois
tipos, cada um de uma família distinta, na mesma composição.
condicionantes
Preto e branco (sem gradações tonais).
Formato 20x20cm (impresso).
4
Fase 02. Composição e Customização
Strictly speaking, typography involves the use of repeatable, standardised
letterforms (known as fonts), while lettering consists of custom alphabets, usually
employed for headlines, logotypes, and posters rather than for running text (…)
In this new intoxicating era of instant alphabetic gratification, designers could not
only buy, borrow, and steal digital fonts but could crack them open, violating the
original designs to create alternate characters and even whole typefaces. Designers
stirred up up the historic confusion between lettering and type in new ways by
altering the outlines of existing characters.
(…)
Where is typographic man headed as he rides off with his serfs and spurs into the
digitally remastered sunset?
Ellen Lupton
O aluno deverá complementar a frase seleccionada com outros excertos do manifesto facultado ou,
se necessário, outro material textual que complemente a frase, desde que previamente discutido
com os docentes.
Com base nesse material, e tentando manter alguma coerência com as composições anteriores,
propõe-se a realização de um objecto gráfico que se desenvolve segundo uma de duas opções de
aproveitamento de um plano A2 (42 x 59,4 cm).
1 — poster/desdobrável (frente e verso)
2 — brochura (capa e miolo)
frente/capa — componente identitária e expressiva
— escolher ou dar um título ao manifesto
— explorar a expressão e identidade tipográfica pela criação de um lettering, através de composição
e/ou manipulação e/ou criação tipográfica.
verso/miolo — componente interpretiva e informativa
— introduzir os complementos textuais que se considerem necessários para uma correcta
interpretação da ideia principal do manifesto
— realizar a sua composição tipografia explorando novamente as noções de espaço, estrutura,
sequência, ritmo, contraste.
As escolhas tipográficas deverão ser compatíveis com a componente identitária da frente/capa
(não necessariamente repetindo ou mimetizando) e ser coerentes com as opções da fase 01.
condicionantes
Frente/capa (quadricromia) / Verso/miolo (1 cor).
Formato A2 (42 x 59,4 cm) frente e verso, dobrado ou em caderno.
5
Imagens retiradas de Lupton, Ellen. "The Making of Typographc Man." Graphic Design Now in Production. eds. Blauvelt, Andrew & Ellen Lupton.
New York: Walker Art Center, 2011. 112-129.
6
Lista de Manifestos
First Things First Manifesto 2000
(vários designers)
(em)
http://www.eyemagazine.com/feature/article/first-things-first-manifesto-2000
http://www.emigre.com/Editorial.php?sect=1&id=14
———
(First Things First Manifesto -versão de 1964 - Ken Garland)
http://www.kengarland.co.uk/KG%20published%20writing/first%20things%20first/index.html
———
The vow of chastity
(the 1st year students [st.martins] in behalf of dogma 2001, John Morgan)
(em)
Dot dot dot #3; p.33- disponível em http://www.danielebarbiero.com/down2.htm
http://www.morganstudio.co.uk/2001/01/the_vow_of_chas.html
———
An incomplete manifesto for growth
Bruce Mau (1998)
http://www.brucemaudesign.com/4817/112450/work/incomplete-manifesto-for-growth
———
Manifesto #9
Stefan Sagmeister (2007)
(em)
http://www.iconeye.com/news/manifestos/manifesto-09-stefan-sagmeister-%7C-designer
———
Manifesto #1
Peter Saville (2007)
(em)
http://www.iconeye.com/news/manifestos/manifesto-01-peter-saville-%7C-designer
———
Laws of Simplicity
John Maeda (2005.06)
(em)
http://lawsofsimplicity.com/tag/laws
———
Manifesto #12
John Thackara
(em)
http://www.iconeye.com/news/manifestos/manifesto-12-john-thackara-|-designer
———
Manifesto #39
Dunne & Raby
(em)
http://www.iconeye.com/news/manifestos/manifesto-39-dunne-raby-|-designer
———
Manifesto #28
Random International | Designer
(em)
http://www.iconeye.com/news/manifestos/manifesto-28-random-international-|-designer
7
Calendário
dia 21 — lançamento (atribuição dos manifestos)
TPC — pesquisa prévia
dia 27 — acompanhamento 4 composições
dia 28 — acomp. + início fase 02
TPC — escolha de título e frases, esboços
dia 04/05 — fase 02 (composição e manipulação tipográfica)
dia 06 — estruturação e layout (objecto gráfico)
dia 07 — finalização (impressões)
dia 11/12 — entrega (em pdf)
Referências
Fase 01
Weingart, Wolfgang. Como se pode fazer tipografia suíça? São Paulo: Rosari, 2004.
(disponível na reprografia)
Burke, Michael; Mark Holt, Simon Johnson & Hamish Muir. eds. Octavo 87.4:
Journal of Typography. Wolfgang Weingart Issue. London: Eight Five Zero, January 1988.
http://www.simonjohnstondesign.com/archive_87401.html
(reprodução fotográfica por set shaw)
http://www.flickr.com/photos/sethshaw/sets/72157615890109490/with/3384664089/
Fase 02
Lupton, Ellen. "The Making of Typographc Man." Graphic Design Now in Production. eds.
Blauvelt, Andrew & Ellen Lupton. New York: Walker Art Center, 2011. 112-129. DG 6/404
Consulta Complementar (txt e img)
Weingart, Wolfgang. Typography - My Way to Typography. (1999). Basel: Lars Müller Publishers,
2000. DG 6/51
Weingart, Wolfgang. "How can one make swiss typography." Looking Closer 3: Classic Writings on
Graphic Design. eds. Bierut, Michael; Steven Heller; Jessica Helfand and Rick Poynor. New
York: Allworth Press, 1999. 219-237. DG 6/93 (3)
Lupton, Ellen & J. Abott Miller. "Deconstruction and graphic design." Design Writing Research.
(1996). eds. Lupton, Ellen & J. Abott Miller. London: Phaidon Press, 1999. 03-23. DG 6/55
8

Documentos relacionados

Ex. 01

Ex. 01 (known as fonts), while lettering consists of custom alphabets, usually employed for headlines, logotypes, and posters rather than for running text […] In this new intoxicating era of instant alpha...

Leia mais

Notas para uma normatização da nomenclatura tipográfica Notes for

Notas para uma normatização da nomenclatura tipográfica Notes for Este artigo apresenta propostas para uma nomenclatura tipográfica mais coerente em língua portuguesa, abordando definições básicas, métrica tipográfica e partes dos tipos. Ao levar em consideração ...

Leia mais