Características Batata-Doce - Departamento de Ciências Biológicas

Сomentários

Transcrição

Características Batata-Doce - Departamento de Ciências Biológicas
Universidade de São Paulo - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”
Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária: Programa Aprender com Cultura e
Extensão
Projeto: “Desenvolvimento econômico, social e ambiental da agricultura
familiar pelo conhecimento agroecológico.”
Batata-Doce
Belquior Benoni da Silva1
Flávio Bertin Gandara Mendes2
Paulo Yoshio Kageyama3
Características: A batata-doce, cujo nome científico é Ipomoea batatas, é uma
hortaliça tuberosa, originária da América do Sul [03]
Variedades Indicadas: Existem cultivares de batata com película externa branca,
rosada ou avermelhada, e coloração da polpa de cor branca, amarela ou creme. A
escolha para plantio depende da preferência do mercado ao qual se destina a
produção. Deve-se dar preferência aos cultivares existentes na região, que apresentem
boa adaptação às condições de clima e solo locais, e boa produtividade. [02 ; 03]
Além disso, em cada região produtora existem variedades locais, cujo material de
reprodução é permutado entre produtores. [02]
Clima e Solo: É uma cultura de clima tropical, sendo viável o seu cultivo até 40º de
latitude norte ou sul. As melhores produções são obtidas em regiões ou épocas com e
boa precipitação pluvial, seguido de outro de temperatura amena. [01]
Solos arenosos facilitam o crescimento lateral das raízes, evitando a formação de
batatas tortas ou dobradas. Além disso, facilita a colheita, permitindo o arranquio das
batatas com menor índice de danos e menor esforço físico. [01 ; 02]
Produz melhor em clima quente, com temperaturas noturnas e diurnas superiores a 20
graus centígrados, e alta luminosidade.[01 ; 03]
É considerada uma cultura rústica, pois cresce em solos pobres e degradados. [02]
Época de Plantio: Viveiro para produção de ramas: junho a agosto (raízes miúdas);
campos de produção de raízes para forragem e indústria: setembro a dezembro; para
mesa: agosto a fevereiro. As ramas devem ter 30 cm de comprimento e, o plantio, ser
feito com terra úmida, na forma de U ou L, mantendo a ponta fora do solo. [01]
Propagação: Ramas-semente contendo seis a oito entrenós (cerca de 30 cm) são
comumente utilizadas na formação de lavouras comerciais. As ramas devem ser
retiradas das partes mais novas do caule, até cerca de 60 cm da extremidade, por se
enraizarem mais rápido (de três a cinco dias) e também por serem menos
contaminadas por pragas e patógenos, especialmente os fungos localizados no solo.
[02]
A propagação da batata-doce pode ser feita também através de brotos ou batatas
brotadas.
1
2
3
Graduando do curso de Engenharia Florestal – Universidade de São Paulo
Professor Mestre, Departamento de Ciências Biológicas – Universidade de São Paulo
Professor Doutor, Departamento de Ciências Florestais – Universidade de São Paulo
Espaçamento: Para forragem e indústria o espaçamento convencional é 90 x 40 cm;
e para mesa, 80 x 30 cm. [01]
Técnicas de plantio: A batata-doce deve ser plantada em leira com altura de 25 a 35
centímetros. As ramas devem ser enterradas forçando sua parte central contra o solo.
Para que não se quebrem, no momento do plantio, essas ramas devem ter sido
preparadas um dia antes, de forma a estarem parcialmente murchas, no momento do
plantio. [03]
Faixa de pH ideal: O ideal para seu desenvolvimento é um pH ligeiramente ácido.
[02]
Necessidade Hídrica: Quanto ao regime pluvial, a cultura deve ser implantada em
locais com pluviosidade anual média de 750 a 1000 mm, sendo que cerca de 500 mm
são necessários durante a fase de crescimento. [02]
Quando o plantio é realizado na época das chuvas, é quase desnecessário fazer
irrigações. Estas devem ser feitas apenas em caso de veranico prolongado e no cultivo
realizado na época da seca. O sistema indicado é a aspersão.
As fases em que a batata-doce exige mais água são: início do crescimento das ramas
plantadas e na fase de formação das batatas.
Ao aproximar-se a época da colheita, a irrigação deve ser mais escassa, pois excesso
de água prejudica o sabor do produto e sua conservação pós-colheita, e aumenta a
incidência de podridões. [03]
Adubação alternativa: A aplicação de matéria orgânica tem proporcionado
excelentes resultados por dois motivos: o primeiro, por promover o arejamento e o
afrouxamento do solo, facilitando o crescimento lateral das raízes. Com isso, formamse raízes menos tortuosas. O segundo motivo é que, sendo uma cultura de ciclo
relativamente longo, ocorre a liberação mais lenta dos minerais durante a
decomposição da matéria orgânica mantendo um equilíbrio entre a formação de partes
vegetativas e a acumulação de reservas.
Caso haja disponibilidade de matéria orgânica, pode-se adicionar 20 a 30t/ha de
esterco de gado. Os fertilizantes devem ser distribuídos no espaçamento
correspondente às leiras, antes da sua construção, de forma que fiquem localizados na
base da leira. [02]
Manejo: Devem ser feitas duas a três capinas manuais, junto às linhas de plantas, até
que as ramas de batata-doce cubram totalmente a área. A partir desse momento, a
cultura convive bem com as ervas nativas do local. [02 ; 03]
A amontoa consiste em reformar as leiras. Esta operação tem a finalidade de
escarificar o solo, tornando-o mais frouxo e portanto com menor resistência ao
crescimento lateral das raízes de reserva, o que favorece a formação de raízes menos
tortuosas. Outra função da amontoa é vedar as rachaduras do solo formadas pelo
crescimento das raízes. Por meio dessas rachaduras, alguns insetos-praga fazem a
postura diretamente nas raízes, favorecendo a sua danificação.
A amontoa é geralmente realizada uma única vez, alguns dias após a última capina.
Deve ser uma operação exclusiva, pois nesse caso o operário trabalha caminhando
lateralmente, utilizando uma enxada para retirar terra da entrelinha para reformar a
leira. O tempo dado após a capina é necessário para que ocorra a desidratação e
morte das plantas cortadas durante a capina. [02]
Principais pragas/doenças: A batata-doce é uma planta muito rústica [02] e, por
isso, não apresenta problemas com pragas e doenças. Eventuais problemas com
brocas, que atacam as batatas, podem ser controlados pela rotação de cultura, e o
equilíbrio ecológico no solo, além da manutenção de corredores de refúgio na área, por
exemplo. [03]
Outra medida preventiva é evitar solos contaminados por nematóides, selecionar em
viveiro material para plantio, eliminando plantas atacadas por mosaico (vírus). [01]
Colheita: A colheita pode ser feita com a enxada ou enxadão, evitando-se ferimentos
às batatas. [03]
A planta da batata-doce não apresenta um ponto específico de colheita. O momento de
colheita é definido pelo tamanho ou peso das raízes, que devem ter aproximadamente
300g. A colheita pode ser antecipada ou retardada, dependendo da oportunidade de
comercialização. Em condições ideais de cultivo, a colheita pode se iniciar aos 90 dias,
mas em geral, a colheita ocorre entre 120 e 150 dias; com o amarelecimento da parte
aérea e queda de grande parte das folhas. A antecipação geralmente corresponde a
uma menor produtividade, devido à colheita de raízes de menor tamanho. A
prorrogação do ciclo pode implicar em maior dano por insetos, por permitir maior
número de ciclos das pragas, além de se formarem raízes grandes e freqüentemente
mais defeituosas [02]. Deve-se também atentar que a mesma deve ser realizada antes
que comece novo período de chuvas. [03]
Controle de Soqueira: É uma prática que pode ou não ser feita, de acordo com as
características do sistema de plantio e da disponibilidade de mão de obra. Após a
colheita, as ramas, pequenas batatas e pedaços de raiz podem originar novas plantas,
constituindo a soqueira, que geralmente hospeda pragas e patógenos que contaminam
cultivos posteriores.
O controle da soqueira é relativamente cara e difícil, uma vez que as ramas localizadas
próximo à superfície do solo brotam em pouco tempo, enquanto que as batatas e
outros restos da planta brotam mais tarde. Com essa desuniformidade, ao mesmo
tempo que se têm plantas novas, se têm plantas em inicio de tuberização, formando
novas estruturas de reprodução. Por isso, a eliminação da parte aérea ou brotos por
meio de capinas é pouco eficiente, mas de qualquer forma não se deve abandonar a
área e sim cultivar plantas de porte ereto ou arbustivo e realizar maior número de
capinas, para eliminar todas as brotações e também arrancar as batatas em formação.
[02]
Lavagem: Nos mercados brasileiros a batata-doce é geralmente comercializada
lavada. Em São Paulo, por exemplo, 90% da batata-doce é lavada. Esta prática deve
ser evitada, pois prejudica a conservação e aumenta as perdas devido ao ataque de
patógenos. O correto seria escovar as batatas para retirar a terra a elas aderida. Se
forem lavadas, deve-se promover o escorrimento da água aderida às batatas, não
empilhando e colocando as caixas ou sacos em local ventilado. Se houver necessidade
de armazenamento, as batatas não devem ser lavadas.
A lavagem é normalmente necessária quando a cultura é instalada em solos argilosos.
Em solos arenosos, as raízes são colhidas praticamente limpas, dispensando a
escovação e a lavagem. [02]
Produtividade: Em plantios puros, tem-se a produção de: forragem: raízes de 20 a
30 t/ha e ramas de 10 a 30 t/ha; mesa: raízes de 10 a 15 t/há. [01]
Rotação de Cultura: Recomenda-se rotação com milho, adubos verdes, pasto ou
capineiras. A rotação de culturas é indispensável para evitar queda acentuada na
produção e qualidade das raízes tuberosas [01], não devendo ser cultivada durante
dois ou três anos no mesmo local.
Deve ser evitado o plantio da batata-doce em seguida a uma leguminosa, porque o
excesso de nitrogênio provoca grande desenvolvimento vegetativo e pouca produção
de batatas. [02]
Consórcio: A cultura da batata-doce, por ser uma planta de crescimento
indeterminado, ocupa toda a superfície do solo e portanto não deve ser cultivada em
consorcio com plantas de pequeno porte. Em pomares ou lavouras com plantas de
porte alto, principalmente durante a fase de formação dessas plantas, é perfeitamente
possível utilizar temporariamente o espaço livre.[02]
Suporta sombreamento parcial.
Usos: Tem inúmeras aplicações na arte culinária doméstica, na elaboração tanto de
pratos salgados como de doces e aperitivos. Na indústria, é fonte de matéria-prima
para doces enlatados, confeitaria e fécula. Na alimentação animal constitui
componente para rações de bovinos e suínos, principalmente, podendo ser aproveitada
na forma natural picada, ensilada, ou na forma de farinha seca. [01]
Outro destino pode ser a produção de álcool, que não é comum no Brasil, uma vez que
temos outras fontes mais econômicas de matéria prima.
É protetora do solo – A cultura é instalada em camalhões ou leiras que devem ser
construídas em nível, formando um eficiente sistema de controle da erosão podendo,
portanto, ocupar áreas marginais e de topografia acidentada. A planta apresenta ainda
um crescimento rápido, cobrindo completamente o solo a partir de aproximadamente
45 dias do plantio. [02]
Ciclo de produção: de 90 a 150 dias.
Longevidade: Planta perene, porem cultivada como anual.
Raiz: A batata-doce possui um sistema radicular profundo (75 a 90cm) e ramificado, o
que lhe possibilita explorar maior volume de solo e absorver água em camadas mais
profundas do que a maioria das hortaliças. [02]
Dispersão: Dispersa por propagação vegetativa, e por sementes esporadicamente.
Polinização: Flores bastante atrativas para abelhas.
Regeneração: É capaz de se manter no sistema.
Potencial invasor: Não apresenta risco como invasora.
Referencias Bibliograficas:
[01] Monteiro, D. A. at al. Instruções agrícolas para o estado de São Paulo – Boletim
Nº200 . 6ª edição. Instituto Agronômico de Campinas. 1995. p. 341-342.
[02] Silva, J. B. C.; Lopes, C. A. Magalhães, J.S. Cultura da batata-doce – Sistemas de
Produção. Embrapa Hortaliças. Em http://www.cnph.embrapa.br/ (acessado em
10/08/2009)
http://www.cnph.embrapa.br/sistprod/batatadoce/index.htm
[03] Souza, J. L. ; Resende, P. L.; Cultivo Orgânico de Alho, Cenoura, Baroa, Beterraba
e Batata-Doce. CPT. Viçosa, MG. 2001.

Documentos relacionados

BOLETIM TÉCNICO UFT A Cultura da batata

BOLETIM TÉCNICO UFT A Cultura da batata câncer e de capricórnio, e entre latitudes de 42 ˚ N até 35˚ S. Ela apresenta uma ampla adaptação, que pode ser observada desde o nível do mar até 3000 m de altitude. Por esta razão o cultivo tem s...

Leia mais