Anais 2011

Сomentários

Transcrição

Anais 2011
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
-1-
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
SUMÁRIO
COMISSÃO ORGANIZADORA DO IX SALÃO DE PESQUISA ................................................................................................. 15
PROGRAMA....................................................................................................................................................................... 18
APRESENTAÇÃO ................................................................................................................................................................ 21
11ª MOSTRA ESTADUAL DE PESQUISA - CURSOS TÉCNICOS - AGROPECUÁRIA........................................ 22
PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL EM UMA PROPRIEDADE DE 30,00 HECTARES ....................................................................... 22
VIABILIDADE DA PRODUÇÃO DE FRUTAS E HORTALIÇAS MINIMAMENTE PROCESSADAS NA AGROINDÚSTRIA DA
SETREM ............................................................................................................................................................................. 23
A EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATRAVÉS DA REVITALIZAÇÃO DA TRILHA ECOLÓGICA E ORGANIZAÇÃO DE UM ARBORETO
NO CAMPUS DA SETREM .................................................................................................................................................. 24
11ª MOSTRA ESTADUAL DE PESQUISA - CURSOS TÉCNICOS - DESIGN .................................................... 25
ELEGÂNCIA DAS ORQUÍDEAS E TERCEIRA IDADE INSPIRAM COLEÇÃO DE MODA PARA O VERÃO .................................. 25
COQUEIROS DO LITORAL BRASILEIRO INSPIRAM MODA: COLEÇÃO MODA PRAIA VERÃO 2012 ..................................... 26
DIVULGAÇÃO DO CURSO TÉCNICO EM DESIGN GRÁFICO ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE MÍDIAS SOCIAIS E
APLICAÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE MARKETING .................................................................................................................. 26
11ª MOSTRA ESTADUAL DE PESQUISA - CURSOS TÉCNICOS - GESTÃO E COMÉRCIO / ADMINISTRAÇÃO .. 29
CENTRAL DE ATENDIMENTO ONLINE: UM ESTUDO DE CASO NA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DA SETREM ............ 29
ANÁLISE DETALHADA E SISTEMATIZADA DOS GASTOS, SOBRETUDO TRIBUTÁRIOS, NA EMPRESA MIGUEL NEJELISKI E
CIA LTDA ........................................................................................................................................................................... 31
COMPOSTO MERCADOLÓGICO: UM ESTUDO SOBRE OS 4 P’S DO MARKETING NA EMPRESA CHALÉ CALÇADOS .......... 32
ANÁLISE DO GRAU DE SATISFAÇÃO DO PÚBLICO FEMININO EM RELAÇÃO A UMA LOJA DE ACESSÓRIOS FEMININOS .. 33
11ª MOSTRA ESTADUAL DE PESQUISA - CURSOS TÉCNICOS - INFORMÁTICA .......................................... 35
DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA WEB E DESKTOP PARA ARMAZENAMENTO DE PROJETOS DO CURSO TÉCNICO EM
INFORMÁTICA DA SOCIEDADE EDUCACIONAL TRÊS DE MAIO - SETREM ......................................................................... 35
USO E APLICAÇÃO DAS TECNOLOGIAS MÓVEIS NA EDUCAÇÃO ...................................................................................... 36
PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA EMPRESA DE RECICLAGEM DO LIXO ELETRÔNICO, DESENVOLVENDO
PRODUTOS RELACIONADOS AO BEM ESTAR .................................................................................................................... 39
PROPOSTA DO USO DE UM APLICATIVO MÓVEL E DAS TECNOLOGIAS MÓVEIS NA COMUNICAÇÃO ENTRE EMPRESAS
DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA E SEUS CLIENTES .......................................................................................... 40
AS TECNOLOGIAS MÓVEIS NO APRENDIZADO VIRTUAL, DESENVOLVIMENTO NA SOCIEDADE E IMPORTÂNCIA DA
MOBILIDADE NA EDUCAÇÃO ............................................................................................................................................ 48
APLICATIVO PARA TECNOLOGIA MÓVEL E INOVAÇÃO NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO AO ALCANCE DOS DEFICIENTES
VISUAIS DA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ........................................................................... 55
O USO E APLICAÇÃO DAS TECNOLOGIAS MÓVEIS PARA ADICIONAR JOGOS E PROPORCIONAR O ENTRETENIMENTO
POR MEIO DE DISPOSITIVOS PORTÁTEIS .......................................................................................................................... 59
UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE MÍDIAS SOCIAIS PARA DIVULGAÇÃO DA EMPRESA E CRIAÇÃO DE SOFTWARE DE
CONTROLE ORÇAMENTÁRIO PARA AUXILIO NA ÁREA CONTÁBIL .................................................................................... 62
PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE UM APLICATIVO MÓVEL, DIRECIONADO AO DESIGN CONTEMPLANDO A PRATICIDADE,
A MODERNIDADE E A INFORMATIZAÇÃO ......................................................................................................................... 67
-2-
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA CONTROLE DE INVESTIMENTOS DA EMPRESA SEASY E ELABORAÇÃO DE
PLANILHA DE GASTOS PESSOAIS DE CADA ESTUDANTE ................................................................................................... 74
CONSTITUIÇÃO DA EMPRESA INOVA SISTEMAS TECNOLÓGICOS ATRAVÉS DO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE
CONTROLE DE INVESTIMENTOS PESSOAIS, E DA DIVULGAÇÃO NO SITE DA MESMA ...................................................... 75
RECURSOS TECNOLÓGICOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: NOVA ESCOLA, NOVAS POSSIBILIDADES .................................... 76
13º SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PESQUISA ORIGINAL - ENGENHARIA........................................... 78
IOGURTE COM AMENDOIM .............................................................................................................................................. 78
CUSTO DE PRODUÇÃO DE UMA CERVEJA ARTESANAL ..................................................................................................... 79
FOGÃO SOLAR: SUSTENTABILIDADE NA COCÇÃO DE ALIMENTOS ................................................................................... 79
CONVERSÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM ENERGIA LIMPA, POR MEIO DA DIGESTÃO ANAERÓBICA .............. 80
REDUÇÃO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UMA RESIDÊNCIA ......................................................................... 82
ESTUDO DE DIMINUIÇÃO DOS DESPERDICIOS DE IMPRESSÃO NA EMPRESA GRÁFICA BOA VISTA ................................. 83
DESENVOLVIMENTO DE PROTOTIPO - ESTEIRA TRANSPORTADORA COM DISPOSITIVO PARA DETECÇÃO DE METAIS .. 85
CRITÉRIOS SENSORIAIS QUE AFETAM DIRETAMENTE NA QUALIDADE DA ERVA MATE ................................................... 86
FMEA (FAILURE MODE AND EFFECTS ANALYSIS) APLICADO AO PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE LEITE EM PÓ ............... 87
AQUECEDOR SOLAR DE ÁGUA: FONTE DE ENERGIA ALTERNATIVA ASSOCIADA À VIABILIDADE ECONÔMICA ................ 88
DESIDRATADOR SOLAR DE FRUTAS .................................................................................................................................. 89
ESTUDO DA CADEIA PRODUTIVA DA APICULTURA ........................................................................................................... 89
MELHORIA NO PROCESSO DE FURAÇÃO DE CHAPAS METÁLICAS .................................................................................... 90
ELABORAÇÃO DE UM MODELO DE MÉTODO DE TRABALHO PARA APLICAÇÃO NA MANTENÇÃO E OPERAÇÃO DOS
SISTEMAS DE PINTURA NA EMPRESA JOHN DEERE S/A-HORIZONTINA ........................................................................... 91
PROCESSAMENTO E CONTROLES NA PRODUÇÃO DE MELADO........................................................................................ 92
13º SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PESQUISA ORIGINAL - AGRONOMIA ........................................... 93
ESTUDO DO RENDIMENTO DA SOJA COM O USO DE ADJUVANTES EM DIFERENTES DOSES NA APLICAÇAO DE
FUNGICIDA - 2011 ............................................................................................................................................................. 93
COMPORTAMENTO DE CULTIVARES DE ALFACE EM DIFERENTES ESPAÇAMENTOS ........................................................ 94
INFLUÊNCIA DO NÚMERO DE APLICAÇÕES DE FUNGICIDA NA PRODUTIVIDADE DE DIFERENTES GRUPOS DE
MATURAÇÃO DE SOJA ...................................................................................................................................................... 95
ESTUDO DO RENDIMENTO DA SOJA COM O USO DE COBALTO & MOLIBDENIO E INOCULANTE EM DOSES
RECOMENDADAS NO TRATAMENTO DE SEMENTE SAFRA - 2011 .................................................................................... 96
ESTUDO DO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE FERTILIZANTE ORGANO-LÍQUIDO-MINERAL SOBRE O RENDIMENTO E PESO DE
MIL GRÃOS DA SOJA, BOCA DA PICADA – GIRUÁ/RS, SAFRA 2010/2011 ......................................................................... 97
ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUÇÃO DE LEITE DO MUNICÍPIO DE TUPARENDI, RS ................................................... 98
ANÁLISE COMPARATIVA DO DESEMPENHO DE TRIGO DE DUPLO PROPÓSITO QUANTO À UTILIZAÇÃO DE INOCULANTE
NA SEMENTE ..................................................................................................................................................................... 99
ANÁLISE PLUVIOMÉTRICA EM UMA PROPRIEDADE RURAL LOCALIZADA NO INTERIOR DO MUNICÍPIO DE ALEGRIA - RS
........................................................................................................................................................................................ 100
ANÁLISE COMPARATIVA DO DESENVOLVIMENTO DOS CULTIVARES DE SOJA ............................................................... 101
13º SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PESQUISA ORIGINAL - EDUCAÇÃO ............................................ 103
COMUNIDADES ESCOLARES DA DÉCADA DE 1950 ......................................................................................................... 103
-3-
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
PROJETO REVISITANDO A COMUNIDADE ....................................................................................................................... 103
REVISITANDO A COMUNIDADE ESCOLAR ....................................................................................................................... 104
REVISITANDO A COMUNIDADE....................................................................................................................................... 105
PERSPECTIVAS EDUCACIONAIS DE 1960 A 2011 ............................................................................................................. 106
A DOCÊNCIA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: VIVÊNCIAS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS ....................... 107
EDUCAÇÃO COM DIGNIDADE PARA TODOS ................................................................................................................... 108
A INFLUÊNCIA DOS JOGOS E SITES ACESSADOS NA APRENDIZAGEM DOS ESTUDANTES .............................................. 109
FORMAÇÃO DAS FAMÍLIAS: O QUE MUDOU? ................................................................................................................ 109
JOGOS E APRENDIZAGENS EM SALA DE AULA ................................................................................................................ 110
A CULTURA GAÚCHA E O MUNDO DO FAZ DE CONTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL .......................................................... 111
PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE, COMPROMISSO SOCIAL DE TODOS ..................................................................... 112
A CRIANÇA E SEU DESENVOLVIMENTO SOCIOCULTURAL ATRAVÉS DO BRINCAR ......................................................... 113
POSSIBILIDADE DE ALFABETIZAR LETRANDO A PARTIR DA LITERATURA INFANTIL ........................................................ 114
PERSPECTIVAS DOS PAIS EM RELAÇÃO À ESCOLA .......................................................................................................... 115
O DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA CRIANÇA DE 3 ANOS ..................................................................................... 115
A LUDICIDADE NA TERCEIRA IDADE ................................................................................................................................ 116
OS ENCANTOS E DESENCANTOS DA PEDAGOGIA NO ÂMBITO SOCIAL .......................................................................... 117
A INFLUÊNCIA DA FAMÍLIA NO DESEJO DE APRENDER ................................................................................................... 118
OFICINAS PEDAGÓGICAS ................................................................................................................................................ 119
PROFISSÃO DOCENTE: IMAGEM SOCIAL DE ONTEM E HOJE .......................................................................................... 120
A GRUTA NOSSA SENHORA DE FÁTIMA .......................................................................................................................... 121
A HISTÓRIA DA EDUCAÇAO DE JOVENS E ADULTOS NO BRASIL ..................................................................................... 122
“CTRL C CTRL V”: O COMPUTADOR COMO FACILITADOR DE TAREFAS ESCOLARES ....................................................... 123
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: A PRESERVAÇÃO AMBIENTAL COMO TEMÁTICA ..................................................... 124
DESENVOLVIMENTO DO ESQUEMA CORPORAL NA CRIANÇA DE 0 A 3 ANOS ............................................................... 125
RUMO A UMA APRENDIZAGEM DELICIOSA .................................................................................................................... 126
AS PRÁTICAS EDUCATIVAS DE JOVENS E ADULTOS ........................................................................................................ 126
TRABALHO E CIDADANIA ................................................................................................................................................ 127
APRENDENDO OS VALORES MORAIS COM O SMILINGUIDO .......................................................................................... 128
AS TEORIAS DE APRENDIZAGEM NO FAZER PEDAGÓGICO DOCENTE ............................................................................ 129
AS FACES DA VIOLÊNCIA ................................................................................................................................................. 130
BIBLIOTECA PÚBLICA COMO ESPAÇO DE CIDADANIA .................................................................................................... 130
NO MUNDO DA LEITURA: O PROCESSO DA ALFABETIZAÇÃO ......................................................................................... 131
ARTES: UMA POSSIBILIDADE DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL ................................................................. 132
PEDAGOGOS/AS E AS PERSPECTIVAS DE ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL....................................................... 133
13º SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PESQUISA ORIGINAL - INFORMÁTICA / COMPUTAÇÃO ............. 135
DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÃO EM LINGUAGEM C VOLTADA À ÁLGEBRA LINEAR ................................................ 135
ANÁLISE DA CAUSA RAIZ NO SUPORTE DE UM SISTEMA ERP ........................................................................................ 136
-4-
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
MIGRAÇÃO DO PROTOCOLO IPV4 PARA O IPV6 ............................................................................................................. 137
DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA ESPECIALISTA PARA ANÁLISE DE CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS UTILIZANDO O
SISTEMA LEED CI ............................................................................................................................................................. 138
ANÁLISE ORIENTADA A OBJETO DO CONTROLE DE LIVRO CAIXA PARA UMA METALÚRGICA ....................................... 139
ANÁLISE DE CUSTOS PARA COMERCIALIZAR UM ERP DESKTOP ATRAVÉS DA INTERNET .............................................. 139
ANÁLISE DE CONSUMO DE MEMÓRIA DE UM ERP DESKTOP ACESSADO ATRAVÉS DA INTERNET ................................ 140
CODIFICAÇÃO DE MATERIAIS E CONTROLE DE ESTOQUE EM UMA INDÚSTRIA MADEIREIRA ....................................... 141
PORTAL E-COMMERCE EM UMA DISTRIBUIDORA DE PRODUTOS HOMEOPÁTICOS E ACESSÓRIOS PARA GADO LEITEIRO
........................................................................................................................................................................................ 142
ANÁLISE E PROJETO ESTRUTURADO DE UM CONTROLE DE FLUXO DE CAIXA ............................................................... 143
PROJETO DE MELHORAMENTO DA INFRAESTRUTURA DA REDE DE COMPUTADORES DA PREFEITURA DE HORIZONTINA
........................................................................................................................................................................................ 144
PROJETO DE REDE DE COMPUTADORES DA BRIGADA MILITAR EM SANTA ROSA, MUDANÇAS NA INFRAESTRUTURA
ATUAL ............................................................................................................................................................................. 145
IMPLANTAÇÃO DE UMA FERRAMENTA DE GERENCIAMENTO PARA A REDE DE COMPUTADORES DE UMA EMPRESA DE
COMÉRCIO E REPRESENTAÇÕES AGRÍCOLAS .................................................................................................................. 146
DESENVOLVIMENTO DE UM ALGORITMO EM LINGUAGEM C PARA OPERAÇÕES DE MATRIZES ................................... 147
ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA CODIFICAÇÃO DE MATERIAIS PARA EMPRESA MOVELEIRA 148
DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO DE UMA INDÚSTRIA METALMECÂNICA ...................................................................................................................................................................... 149
PESSOAS NASCIDAS NA ERA DIGITAL – NATIVOS DIGITAIS ............................................................................................ 150
PORTAL DE RELACIONAMENTO ENTRE PARCEIROS DE NEGÓCIOS PARA UMA COOPERATIVA AGROPECUÁRIA .......... 151
GPRS................................................................................................................................................................................ 152
ANÁLISE DA INFRAESTRUTURA DA REDE DE COMPUTADORES DE UMA EMPRESA DE INFORMÁTICA ......................... 154
ESTUDO E MELHORIAS DO IPV6 EM RELAÇÃO AO IPV4 ................................................................................................. 154
ANÁLISE DE SERVIÇO DE ÁUDIO E VÍDEO CONFERÊNCIA UTILIZANDO O SOFTWARE DIMDIM ..................................... 155
ANÁLISE E PROJETO ESTRUTURADO DE UM SISTEMA DE CONTROLE PARA O PROGRAMA DE INCLUSÃO DIGITAL ...... 156
PROJETO E PLANEJAMENTO DA REDE DE COMPUTADORES DA EMPRESA DINON CEREAIS .......................................... 157
MONITORAMENTO E AUDITORIA DA REDE DE COMPUTADORES DE UMA LAN HOUSE ................................................ 158
MODELAGEM DE BANCO DE DADOS E FERRAMENTA DE BUSINESS INTELLIGENCE: COLOCANDO DADOS EMPRESARIAIS
EM AÇÃO ........................................................................................................................................................................ 159
GERENCIAMENTO DA REDE DE COMPUTADORES DE UM HOSPITAL ATRAVES DA FERRAMENTA ZABBIX .................... 160
SIMULAÇÃO DE FÓRMULAS ESTATÍSTICAS EM C ............................................................................................................ 161
ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS PARA UMA EMPRESA DE TI ...................... 162
MONITORAMENTO, ANALISE DE DESEMPENHO E AUDITORIA EM UM PROVEDOR DE INTERNET VIA RÁDIO .............. 164
DESENVOLVIMENTO DE ANÁLISE ESTRUTURADA DO SISTEMA DE GESTÃO DE CUSTOS EM UMA PROPRIEDADE RURAL
........................................................................................................................................................................................ 165
13º SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PESQUISA ORIGINAL - ADMINISTRAÇÃO................................... 167
PLANO DE MARKETING EM UMA INDÚSTRIA METALÚRGICA ........................................................................................ 167
-5-
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
ESTUDO SOBRE OS FATORES QUE INFLUENCIAM OS JOVENS DO ENSINO MÉDIO NA ESCOLHA DE UMA INSTITUIÇÃO DE
ENSINO SUPERIOR .......................................................................................................................................................... 168
ANÁLISE DAS NECESSIDADES DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE GESTÃO DE PESSOAS PARA OS
ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO ....................................................................................................................................... 169
LEVANTAMENTO DO CUSTO DE PRODUÇÃO DE UM LITRO DE LEITE EM UMA PROPRIEDADE RURAL .......................... 171
ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE COMPRA NA ÁREA DE INSUMOS AGRÍCOLAS ...................................................... 172
ANALISE ECONÔMICA DA EMPRESA ANIMEDI ............................................................................................................... 173
GRAU DE FORMAÇÃO DOS COLABORADORES DE INDÚSTRIAS TRÊS-MAIENSES VERSUS AS DEMANDAS DOS CARGOS
NESSES QUESITOS ........................................................................................................................................................... 174
ANÁLISE ECONÔMICA EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL .............................................................................................. 175
ANÁLISE DO CLIMA ORGANIZACIONAL NA INSTITUIÇÃO HOSPITAL SÃO VICENTE DE PAULO - TRÊS DE MAIO ............ 176
IDENTIFICAÇÃO DAS SETE PERDAS NO PROCESSO DE ORDENHA EM UMA PROPRIEDADE RURAL ............................... 177
ANÁLISE DO PERFIL DAS PESSOAS QUE REALIZAM COMPRAS VIA INTERNET ................................................................ 178
ANÁLISE DO IMPACTO DOS MEIOS DE DIVULGAÇÃO UTILIZADOS POR UMA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA ..................... 179
IDENTIFICAÇÃO DA POSTURA ESTRATÉGICA DO STEIN GARTEN HOTEL ........................................................................ 180
ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA E FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA LAVANDERIA INDUSTRIAL ....... 181
ANÁLISE DA EXPECTATIVA SOCIAL DOS ACADÊMICOS DA SETREM ............................................................................... 181
ÍNDICE DE CONFIANÇA DO CONSUMIDOR DE TRÊS DE MAIO – RS ................................................................................ 182
ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA E FINANCEIRA DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS DESENVOLVIDAS EM UMA
PROPRIEDADE RURAL ..................................................................................................................................................... 183
EFEITOS DA SAZONALIDADE EM UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS ............................................................... 186
ESTUDO DA FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE ........................................................................................................................... 187
A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA NO MERCADO DE TRABALHO............................................. 189
QUALIDADE DE VIDA DOS ACADÊMICOS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA SETREM ................................................ 189
ANÁLISE DE ASPECTOS DA GESTÃO FINANCEIRA E GESTÃO DE MATERIAIS DA FARMÁCIA FARMAVIDA ...................... 190
CRITÉRIOS ADOTADOS PELAS EMPRESAS NA ADMISSÃO DE FUNCIONÁRIOS ............................................................... 192
ANÁLISE DO PERFIL DE COMPRA DE PRODUTOS EM PROMOÇÃO DA LINHA DE PERFUMARIA/HIGIENE NA CIDADE DE
BOA VISTA DE BURICÁ – RS............................................................................................................................................. 193
ESTUDO DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO, PONTO DE EQUILÍBRIO E CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES NA EMPRESA
MANEQUIM MODAS ....................................................................................................................................................... 194
ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA E ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE CAPITAL DA EMPRESA MANEQUIM MODAS ....... 195
ESTUDO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE COM RELAÇÃO AO BOM ATENDIMENTO ........................................................... 196
ESTUDO DAS CAPACIDADES DE PRODUÇÃO PARA UMA INDÚSTRIA DE CONFECÇÕES ................................................. 197
COOPERATIVA ALIMENTÍCIA COOSABOR ....................................................................................................................... 198
ANÁLISE DO CONTROLE GERENCIAL EM UMA MICRO EMPRESA ................................................................................... 198
PROJEÇÃO DA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO .................................................................................. 200
PESQUISA SOBRE A CESTA BÁSICA NO MUNICÍPIO DE GIRUÁ/RS .................................................................................. 200
ANÁLISE DO RETORNO DO CAPITAL INVESTIDO POR MEIO DE FLUXO DE CAIXA .......................................................... 202
ÍNDICE DE CONFIANÇA DO CONSUMIDOR NA CIDADE DE HORIZONTINA NO PERÍODO PRÉ E PÓS-ELEITORAL EM 2010
........................................................................................................................................................................................ 203
-6-
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
ESTUDO DO NÍVEL DE CREDIBILIDADE DO COOPERATIVISMO ....................................................................................... 204
ELABORAÇÃO DE UM FLUXO DE CAIXA QUE ATENDA A NECESSIDADE DE UMA EMPRESA NO RAMO DE MÓVEIS E
CONSTRUÇÃO ................................................................................................................................................................. 205
SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ....................................................................................................................... 206
ANÁLISE DO CUSTO POR HORA TRABALHADA DE UM TORNO CNC ............................................................................... 206
LEVANTAMENTO DA NECESSIDADE DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO NA EMPRESA DI CEZAR MODA COURO
LTDA ................................................................................................................................................................................ 207
ANÁLISE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO LEITEIRA ............................................................................................................. 208
ANÁLISE DO QUANTATIVO DOS ACADÊMICOS BOLSISTAS DO CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO –
SETREM ........................................................................................................................................................................... 209
FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES .............................................................................................................................................. 210
AS DIFICULDADES QUE OS EMPREENDEDORES ENFRENTAM NOS PRIMEIROS ANOS DE ATUAÇÃO ............................. 211
PLANO DE NEGÓCIOS - PARAÍSO DAS ROSAS ................................................................................................................. 212
POSICIONAMENTO DO CONSUMIDOR EM RELAÇÃO À MARCA DIGITAL SAT ................................................................ 213
GESTÃO! MULHER NO MERCADO DE TRABALHO ........................................................................................................... 214
POSICIONAMENTO DA MARCA DE UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO ................................................... 215
A ACEITABILIDADE DO USO DE EPI’S NA INDÚSTRIA MÓVELEIRA .................................................................................. 216
O PERFIL BUSCADO PELOS CONTRATANTES DO SETOR DE VESTUÁRIO E CALÇADISTA, NOS MUNICÍPIOS DE ALEGRIA E
CRISSIUMAL .................................................................................................................................................................... 217
ANÁLISE DO CONHECIMENTO DAS EMPRESAS EM RELAÇÃO AOS DANOS CAUSADOS PELO LIXO ELETRÔNICO AO MEIO
AMBIENTE ....................................................................................................................................................................... 218
ÍNDICE DE CONFIANÇA DO CONSUMIDOR DO MUNICÍPIO DE NOVA CANDELÁRIA....................................................... 219
PESQUISA DE MARKETING REFERENTE AO POSICIONAMENTO DE MARCA DE UMA LOJA DE MATERIAL ELÉTRICO,
HIDRÁULICO, DE CONSTRUÇÃO E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO ..................................................................................... 220
ANÁLISE DOS VALORES DE PRODUTOS DE NECESSIDADE BÁSICA NO MUNICÍPIO DE HORIZONTINA-RS ...................... 222
LOGISTICA REVERSA ........................................................................................................................................................ 223
ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS CLIENTES DA EMPRESA DI CEZAR MODA COURO E CONFECÇÕES ................................. 224
ANÁLISE DE COMPORTAMENTO DOS CONSUMIDORES DO LABORATÓRIO DE VENDAS DA AGROINDUSTRIA – SETREM
........................................................................................................................................................................................ 225
MELHORIA DO PROCESSO NO SETOR DE PINTURA UV, COM VISTA A COMBATER O DESPERDÍCIO .............................. 226
DEFINIÇÃO DE PERFIL DO CONSUMIDOR DA EMPRESA LOJÃO ECONÔMICO ................................................................ 227
ANÁLISE DA NECESSIDADE DO CONSUMO DE AR CONDICIONADO ............................................................................... 228
PESQUISA DA CESTA BÁSICA EM TRÊS DE MAIO - RIO GRANDE DO SUL ........................................................................ 229
DIMENSIONAMENTO DO CUSTO DA CESTA BÁSICA NO MUNICÍPIO DE TRÊS DE MAIO-RS ........................................... 230
ESTUDO GERENCIAL DOS CUSTOS EM UMA EMPRESA DO RAMO DE SORVETES .......................................................... 231
ANÁLISE DA RELAÇÃO DE GASTOS DE ACADEMICOS DO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO DA SETREM ............... 232
PERFIL DO CLIENTE BANCÁRIO UNIVERSITÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR TRÊS DE
MAIO - SETREM............................................................................................................................................................... 234
PLANO DE NEGÓCIO - VITALI REPRESENTAÇÕES ............................................................................................................ 235
ANÁLISE ECONOMICO - FINANCEIRODA EMPRESA MÁQUINAS CONDOR S/A ............................................................... 236
-7-
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
COMPORTAMENTO DE COMPRA DE PERFUMES DO CONSUMIDOR DE TRÊS DE MAIO - RS ......................................... 237
ANÁLISE DO PROCESSO PRODUTIVO VISANDO DEFINIR AÇÕES PARA REDUZIR OS DESPERDÍCIOS EM INDÚSTRIA
MOVELEIRA ..................................................................................................................................................................... 238
GESTÃO POR COMPETÊNCIAS NA EMPRESA DA LUZ CALÇADOS ................................................................................... 239
ANÁLISE ECONÔMICA E FINANCEIRA DE UMA COOPERATIVA ....................................................................................... 240
ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA EM UMA PROPRIEDADE RURAL DE PEQUENO PORTE .................................................... 241
ANÁLISE DOS CONTROLES FINANCEIROS DE UMA EMPRESA FAMILIAR ........................................................................ 242
PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESA DO RAMO VAREJISTA ............................................................................ 243
TRANSFORMAÇÃO DO LIXÃO DA CIDADE DE HORIZONTINA EM ATERRO SANITÁRIO ................................................... 244
ANÁLISE DE ESTOQUE E O IMPACTO FINANCEIRO NO CAPITAL DE GIRO DA EMPRESA X ............................................. 244
ESTUDO SOBRE A REALOCAÇÃO DE PRODUTOS EM UM SUPERMERCADO INTEGRANDO AS CATEGORIAS.................. 245
ASSÉDIO MORAL NA RELAÇÃO DE TRABALHO ................................................................................................................ 246
A TENDÊNCIA NO CONSUMO DE PRODUTOS E SERVIÇOS DE USINAGEM E FERRAMENTARIA COMO OPORTUNIDADE DE
DESENVOLVIMENTO DE MERCADO DA SR MÁQUINAS .................................................................................................. 247
A IMPORTÂNCIA DO PONTO DE EQUILÍBRIO NAS TOMADAS DE DECISÕES DAS EMPRESAS ......................................... 248
ANÁLISE DO ARRANJO FÍSICO DE UMA EMPRESA DO RAMO GRÁFICO ......................................................................... 250
ESTUDO DAS PERDAS NO PROCESSO PRODUTIVO DA GAITA DE 8 BAIXOS ................................................................... 251
VIABILIDADE DA IMPLANTAÇÃO DE UMA AUTO PEÇAS ................................................................................................. 252
PESQUISA DE MARKETING SOBRE O CONHECIMENTO DA MARCA MINUANO ACORDEOES ......................................... 253
A MOTIVAÇÃO COMO FATOR ESSENCIAL PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA EMPRESA ......................................... 253
ESTUDO DO LAYOUT DO SETOR DE USINAGEM EM UMA EMPRESA DO SETOR METAL MECÂNICO ............................. 254
MAPEAMENTO DO PROCESSO DE PEDIDOS EM UMA LOJA DE CORTE E COSTURA ....................................................... 255
PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA EMPRESA DO RAMO METALURGICO ............................................. 257
PROPOSTA DE REFORMULAÇÃO NO LAYOUT DO DEPÓSITO E SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE BEBIDAS DA EMPRESA
ABRÃO & KOCHHANN LTDA ............................................................................................................................................ 258
ESPÉCIES DE GARANTIS ................................................................................................................................................... 258
FERRAMENTAS DE ANÁLISE COMO CONTROLE E OPORTUNIDADE DE MELHORIAS E DESENVOLVIMENTO NO PROCESSO
PRODUTIVO EM UMA EMPRESA DE USINAGEM E FERRAMENTARIA ............................................................................. 259
ANÁLISE DA EXPORTAÇÃO DE SOJA NA COOPERATIVA AGROPECUÁRIA ALTO URUGUAI LTDA .................................... 260
PERFIL DOS USUARIOS DE CARTÃO DE CRÉDITO ............................................................................................................ 262
PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA FRANQUIA LE SÉNÉCHAL NA CIDADE DE TRÊS DE MAIO ........................................ 263
ANÁLISE DO LAYOUT DO ESTOQUE DE LOJA DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO DE TRÊS DE MAIO ................................ 264
ANÁLISE ECONÔMICA FINANCEIRA SULMAQ INDUSTRIAL E COMERCIAL S/A ............................................................... 265
ANÁLISE ECONÔMICA-FINANCEIRA DE UMA MICRO EMPRESA ..................................................................................... 265
CLIMA ORGANIZACIONAL ............................................................................................................................................... 266
REESTRUTURAÇÃO DE PROCESSO DE SERVIÇO NA EMPRESA DIGITAL SAT ................................................................... 267
REESTRUTURAÇÃO DO ARRANJO FÍSICO DE PRODUÇÃO DA EMPRESA QMAMA BABY ................................................ 268
INFLUÊNCIA DA PROPAGANDA POLÍTICA NA ESCOLHA DO CANDIDATO ....................................................................... 269
PLANO DE NEGÓCIOS DA EMPRESA CADIOVINHOS LTDA .............................................................................................. 270
-8-
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
PESQUISA DA CESTA BÁSICA DA CIDADE DE BOA VISTA DO BURICÁ – RS...................................................................... 271
ESTUDO DA PREFERÊNCIA DOS CONSUMIDORES........................................................................................................... 271
PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO DE ARRANJO FÍSICO EM UMA EMPRESA DE AUTOPEÇAS ............................................ 272
POSICIONAMENTO DE MARKETING DE UMA EMPRESA DE AUTOPEÇAS DE MECÂNICA DE HORIZONTINA .................. 274
ANÁLISE DO CONTROLE DE ESTOQUE DO CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DA GSM DISTRIBUIDORA DE TINTAS LTDA - SUL
CORES ............................................................................................................................................................................. 275
ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS CLIENTES DO HOSPITAL SÃO VICENTE DE PAULO - TRÊS DE MAIO RS .......................... 276
APLICAÇÃO DO MÉTODO ABC NA MALHARIA CELESTE DE TRÊS DE MAIO .................................................................... 277
ANÁLISE DO PERFIL DO DOADOR DE SANGUE ................................................................................................................ 278
PROJEÇÃO DE DESPESAS PARA FORMATURA DO CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO EM 2013 .............. 279
ANALISE ECONÔMICA DE UMA EMPRESA DE TRANSPORTE .......................................................................................... 280
ESTUDO E ANÁLISE DOS CONHECIMENTOS DA POPULAÇÃO DE ALECRIM, SOBRE A CONSTRUÇÃO DA HIDRELÉTRICA
PANAMBI-GARABI ........................................................................................................................................................... 281
ANÁLISE DO CONTROLE DE ESTOQUE DO HOSPITAL ...................................................................................................... 282
PESQUISA E ANÁLISE DOS VALORES DA CESTA BÁSICA NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 283
ANÁLISE DO CONTROLE DE ESTOQUE DE BEBIDAS E VASILHAMES DE UM SUPERMERCADO ....................................... 284
ANÁLISE ECONÔMICA FINANCEIRA DE UMA EMPRESA DO RAMO AGROPECUÁRIO ..................................................... 285
ANÁLISE ECONÔMICA FINANCEIRA DE UMA INDÚSTRIA DE FERRAMENTAS ................................................................. 286
ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA INTEGRAÇÃO EXTRACURRICULAR NO DESEMPENHO DOS COLABORADORES NAS
ORGANIZAÇÕES .............................................................................................................................................................. 287
ANÁLISE ECONÔMICA E FINANCEIRA DA DISTRIBUIDORA DE SEMENTES MIRIMAR ..................................................... 288
HORAS EXTRAORDINÁRIAS ............................................................................................................................................. 289
ANÁLISE DO PERFIL DO CLIENTE DE UMA VÍDEO LOCADORA ........................................................................................ 290
ANÁLISE COMPARATIVA DOS CUSTOS PARA MANTER FROTA DE AUTOMÓVEIS PRÓPRIA E ALUGADA PARA UMA
INSTITUIÇÃO DE ENSINO................................................................................................................................................. 291
PROPOSTA DE UM NOVO LAYOUT PARA EMPRESA AUTO PEÇAS BELA VISTA ............................................................... 292
PESQUISA SOBRE O ÍNDICE DE CONFIANÇA DO CONSUMIDOR TRESMAIENSE ............................................................. 293
O PROBLEMA DO LIXO DOMÉSTICO NA CIDADE DE HORIZONTINA ............................................................................... 294
PESQUISA SOBRE A AQUISIÇÃO DE MÓVEIS PLANEJADOS NO MUNICÍPIO DE TRÊS DE MAIO ...................................... 295
PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E ANÁLISE DOS CUSTOS DO PROVEDOR DE INTERNET DE UMA EMPRESA DE
TI ..................................................................................................................................................................................... 295
CUSTO DE ARMAZENAGEM DE GRÃOS TRIGO ............................................................................................................... 296
13º SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PESQUISA ORIGINAL - PSICOLOGIA .......................................... 298
OFICINAS DE SEXUALIDADE PARA ADOLESCENTES: LIMITES E POSSIBILIDADES ............................................................ 298
PORTADORES DE DEFICIÊNCIA AUDITIVA: RELAÇÕES DE AMIZADE ENTRE ADOLESCENTES .......................................... 299
ADOÇÃO:VINCULO AFETIVO ENTRE PAIS E FILHOS ........................................................................................................ 299
AGRESSIVIDADE E O AMBIENTE ESCOLAR ...................................................................................................................... 300
JOVEM ADULTO: RELAÇÃO ENTRE PREMATURIDADE E DESLIGAMENTO EMOCIONAL DAS FIGURAS DE APEGO ......... 301
RELAÇÃO FAMILIAR: UM OLHAR DO ALCOOLATRA EM RECUPERAÇÃO ........................................................................ 302
-9-
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
AVALIAÇÃO DE SINTOMAS DE DEPRESSÃO E DESESPERANÇA NA REDE PRIMÁRIA DE SAÚDE ...................................... 303
INFÂNCIA, MÍDIA E CONSUMO: A REALIDADE DE CRIANÇAS CONTEMPORÂNEAS ........................................................ 304
COTIDIANO E SAÚDE DOS PROFISSIONAIS DOCENTES ................................................................................................... 304
A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIÇO DE CONSULTORIA EM PSICOLOGIA DO TRABALHO E ORGANIZACIONAL EM UMA
CLÍNICA-ESCOLA .............................................................................................................................................................. 305
O QUE É FELICIDADE NA ADOLESCÊNCIA? ...................................................................................................................... 306
SAÚDE E DOENÇA: DIFERENTES CONCEPÇÕES ............................................................................................................... 307
UM GRUPO DE LOTO COMO DISPARADOR DE PROCESSOS DE SUBJETIVAÇÕES ........................................................... 308
ÍDOLOS NA ADOLESCÊNCIA ............................................................................................................................................ 309
SUBJETIVIDADE E MÚSICA: O DEVIR DE UMA CARTOGRAFIA ........................................................................................ 310
REDE DE PROTEÇÃO À CRIANÇA: COMO EFETIVÁ-LA? ................................................................................................... 311
AVALIAÇÃO DA INSATISFAÇÃO DA IMAGEM CORPORAL E PREVALÊNCIA DE TRANSTORNOS ALIMENTARES ENTRE
ADOLESCENTES ............................................................................................................................................................... 311
O SENTIDO DO TRABALHO PARA PROFISSINAIS DA ENFERMAGEM ............................................................................... 312
POLÍTICAS PÚBLICAS E ASSISTÊNCIA SOCIAL: (DES)ENVOLVIMENTO DO CRAS DE SÃO JOSÉ DO INHACORÁ ................ 313
EM SINTONIA COM A VIDA: A LIBERTAÇÃO DA DESRAZÃO ............................................................................................ 314
SERVIÇO DE PSICOLOGIA JUNTO A UMA DELEGACIA DE POLÍCIA CIVIL: POSSIBILIDADES E DESAFIOS.......................... 315
PSICOLOGIA E REDUÇÃO DE DANOS: UM OLHAR SOBRE O USO DE ÁLCOOL ENTRE UNIVERSITÁRIOS ......................... 316
O PATCHWORK CARTOGRÁFICO: VIDAS BORDADAS NA BORDA.................................................................................... 317
13º SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PESQUISA ORIGINAL - SAÚDE................................................... 318
PREVALÊNCIA DE ASMA, RINITE ALÉRGICA E POLINOSE NO MUNICÍPIO DE SANTO ÂNGELO, RS ................................. 318
PERCEPÇÃO DO ADOLESCENTE FRENTE AO ABORTO ..................................................................................................... 318
VISITA DOMICILIÁRIA: DISCUTINDO ELEMENTOS DA PRÁTICA PROFISSIONAL DA/O ENFERMEIRA/O .......................... 320
BLOCO CIRÚRGICO: GESTÃO E GERENCIAMENTO DO TRABALHO ................................................................................. 323
PRÁTICAS DE ENFERMAGEM: ESTUDO DE CASO DA DISPLASIA ECTODÉRMICA ............................................................ 325
ESTUDO DE CASO SOBRE BRONCOESPASMO ................................................................................................................. 325
ESTUDO DE CASO SOBRE ATRESIA COANAL BILATERAL ................................................................................................. 326
SÍNDROME DE WOLF-HIRSCHHORN ............................................................................................................................... 327
ESTUDO DE CASO: BRONQUIOLITE EM CRIANÇA CARDIOPATA E COM DEFICIÊNCIA MENTAL ..................................... 328
A IMPORTÂNCIA DO NÃO ESQUECIMENTO DA DOENÇA DE CHAGAS ........................................................................... 328
EXPLORANDO A HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA A PARTIR DE UM ESTUDO DE CASO ........................................... 329
INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA: ESTUDO DE CASO ....................................................................................................... 330
PLANEJAMENTO REPRODUTIVO: GRAVIDEZ INADVERTIDA ........................................................................................... 331
GERENCIAMENTO DE RISCO NO AMBIENTE HOSPITALAR: ATUAÇÃO DOS ENFERMEIROS ............................................ 332
COLETA SELETIVA DE LIXO: PRINCIPAIS DIFICULDADES ENCONTRADAS NA IMPLANTAÇÃO DESSE PROJETO ............... 333
ANÁLISE DESCRITIVA DA MORTALIDADE POR DOENÇAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO .................................................. 334
ESTUDO DE CASO CLÍNICO: ASSISTÊNCIA DA ENFERMAGEM DOMICILIAR À UMA PACIENTE IDOSA EM ESTADO
TERMINAL ....................................................................................................................................................................... 335
DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECÍFICA DA GESTAÇÃO (DHEG) .......................................................................................... 335
- 10 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
REUTILIZAÇÃO DO ÓLEO DE COZINHA ............................................................................................................................ 336
ESTUDO DE CASO SOBRE SÍNDROME DE GUILLAIN-BARRÉ /ESTUDO DE CASO ............................................................. 337
ANÁLISE COMPARATIVA DA INCIDÊNCIA DA REALIZAÇÃO DO EXAME CITOPATOLOGICO ENTRE ACADÊMICAS .......... 338
ESTUDO DE CASO: EPILEPSIA .......................................................................................................................................... 339
ANÁLISE DA CONDIÇÃO VACINAL DE CRIANÇAS E ADULTOS ......................................................................................... 339
PERCEPÇÃO DA FAMÍLIA PERANTE O PARTO.................................................................................................................. 340
ESTUDO DE CASO - CÂNCER DE OVÁRIO ........................................................................................................................ 340
O QUE HABITANTES DE MUNICÍPIOS DO NOROESTE GAÚCHO PENSAM SOBRE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS ........................ 341
13º SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - REVISÃO DE LITERATURA - ENGENHARIA.................................. 343
DESENVOLVIMENTO DE PATÊ DE SOJA........................................................................................................................... 343
AVALIAÇÃO DO METÓDO DE REFRIGERAÇÃO DE CARNE ............................................................................................... 344
ESTUDO DA CADEIA PRODUTIVA DO LEITE ..................................................................................................................... 345
SORVETE DE SORO DE LEITE COMO UM PRODUTO INOVADOR ..................................................................................... 346
ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE DESCONGELAMENTO DE CARNES ................................................................................... 346
ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSOS DE ABASTECIMENTO DE PEÇAS EM UMA LINHA DE MONTAGEM .................... 347
COLHEITA E ARMAZENAGEM DO AMENDOIM ............................................................................................................... 348
FATORES QUE LEVAM O CONSUMIDOR A ESCOLHER A CARNE BOVINA DE MELHOR QUALIDADE ............................... 349
ESTUDO DA CADEIA PRODUTIVA DA PISCICULTURA ...................................................................................................... 350
CÁLCULO DE RESTITUIÇÃO APLICADO EM CERÂMICAS .................................................................................................. 351
BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO APÍCULA ...................................................................................................................... 351
13º SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - REVISÃO DE LITERATURA - AGRONOMIA .................................. 353
O PATRIMONIO CULTURAL E A AGRICULTURA FAMILIAR: ANÁLISE DE TRÊS ROTEIROS TURÍSTICOS RURAIS NO SUL DO
BRASIL ............................................................................................................................................................................. 353
ARMAZENAMENTO E EMBALAGENS DE FRUTAS ............................................................................................................ 354
OS FITORMÔNIOS E A REGULAÇÃO DO METABOLISMO ................................................................................................ 355
VEGETAL.......................................................................................................................................................................... 355
12º SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA – REVISÃO DE LITERATURA - EDUCAÇÃO .................................... 356
A ESCOLA NA VIDA DA CRIANÇA: UMA MANEIRA DIFERENTE DE SER APÓS FREQUENTÁ-LA........................................ 356
REFLEXÕES SOBRE ALFABETIZAÇÃO ............................................................................................................................... 356
12º SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA – REVISÃO DE LITERATURA – INFORMÁTICA/COMPUTAÇÃO....... 358
ESTUDO DIRIGIDO A REDES NO MIDDELWARE GINGA PARA O SBTVD .......................................................................... 358
ESTUDO SOBRE IPTV ....................................................................................................................................................... 359
12º SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - REVISÃO DE LITERATURA - ADMINISTRAÇÃO............................ 360
FGTS – FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO .................................................................................................. 360
CONTRIBUIÇÃO DA OBRA "TRANSFORMANDO SUOR EM OURO" PARA A GESTÃO DE PESSOAS .................................. 360
SUCESSÃO TRIBUTÁRIA ................................................................................................................................................... 361
ELABORAÇÃO DE UM PROTÓTIPO DE GERENCIAMENTO FINANCEIRO EM REPRESENTAÇÃO COMERCIAL ................... 362
O GERMINAL ................................................................................................................................................................... 363
- 11 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
AGENDA 21 E SUA IMPORTÂNCIA NA SOCIEDADE ......................................................................................................... 364
COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA ............................................................................................................................................ 364
REORGANIZAÇÃO DO LAYOUT EM COOPERATIVA DE CRÉDITO DE LIVRE ADMISSÃO DE ASSOCIADOS NOROESTE DO RS
/ SICREDI ......................................................................................................................................................................... 365
POR QUE A FILOSOFIA NA ADMINISTRAÇÃO? ................................................................................................................ 366
12º SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA – REVISÃO DE LITERATURA – PSICOLOGIA .................................. 368
FORTALECENDO A AUTOESTIMA DE CRIANÇAS DE UM PROGRAMA SOCIAL ................................................................. 368
LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL: TRABALHANDO O LÚDICO COMO FORMA DE INTERVENÇÃO ............................ 369
OS CAMINHOS DA INSTITUIÇÃO: O SENTIDO DO TRABALHO E DO ENVELHECIMENTO COMO PARTE DO CICLO VITAL 370
ESPECIFICIDADES DA CLÍNICA DE CRIANÇAS: UM ESTUDO A PARTIR DA PSICANÁLISE.................................................. 370
REFLEXÕES DO ESPAÇO DA PSICOLOGIA NO MEIO RURAL ............................................................................................ 371
12º SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - REVISÃO DE LITERATURA - SAÚDE ............................................ 373
TEORIA DOS SISTEMAS DE SAÚDE .................................................................................................................................. 373
TEORIA TRANSPESSOAL .................................................................................................................................................. 374
TEORIA TRANSCULTURAL - LEININGER ........................................................................................................................... 374
TEORIA SÓCIO – HUMANISTA ......................................................................................................................................... 375
NECESSIDADES HUMANAS BÁSICAS - WANDA HORTA ................................................................................................... 376
FLORENCE NIGHTINGALE ................................................................................................................................................ 377
A IMPORTÂNCIA DA PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO ............................................................................. 378
A DETECÇÃO PRECOCE DO CÂNCER DE MAMA .............................................................................................................. 379
A IMPORTÂNCIA DOS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS ...................................................................................................... 380
TEORIA HUMANÍSTICA-JOSEPHINE G. PATERSON & LORETTA T. ZDERAD ..................................................................... 380
ESTUDO DE CASO: PREMATURIDADE E ATRESIA DE COANAS ........................................................................................ 381
ESTUDO DE CASO- DOENÇA DE WERDNING-HOFFMANN .............................................................................................. 382
ESTUDO DE CASO – HERNIORRAFIA INGUINAL .............................................................................................................. 382
TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS ............................................................................................................................................. 383
13º SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - NOTA PRÉVIA - ENGENHARIA ................................................... 385
BALANCEAMENTO DA MÃO-DE-OBRA EM POSTOS DE TRABALHO EM UMA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS . 385
13º SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - NOTA PRÉVIA - EDUCAÇÃO ...................................................... 388
AS MUDANÇAS NA PROFISSÃO DOCENTE ...................................................................................................................... 388
ESPAÇOS/TEMPOS PARA O BRINCAR NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL ................................................ 389
ARTE NA ESCOLA: SENTIDOS DOCENTES ........................................................................................................................ 389
BULLYING: AÇÃO E REAÇÃO NO CONTEXTO ESCOLAR ................................................................................................... 390
A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONSTITUIÇÃO DA INFÂNCIA CONTEMPORÂNEA ............................................................ 391
BRINCANDO E APRENDENDO COM A MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL ............................................................. 392
OS PROCESSOS DE APRENDIZAGEM DA CRIANÇA COM AUTISMO NA ESCOLA REGULAR ............................................. 393
METODOS DE ALFABETIZAÇÃO E OS PROCESSOS DE APRENDIZAGEM .......................................................................... 394
- 12 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
A “MIGRAÇÃO” DE JOVENS DO ENSINO REGULAR PARA A MODALIDADE DE ENSINO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E
ADULTOS – EJA ............................................................................................................................................................... 394
O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS: DESAFIOS DA DOCÊNCIA ................................................................... 395
FAZENDO ARTE:SABERES E PRÁTICAS MUSICAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL ................................................................... 395
SEXUALIDADE NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL E EDUCAÇÃO INFANTIL .............................................. 396
HOMOFOBIA NA ESCOLA: LUZES E SOMBRAS DA DIFERENÇA ....................................................................................... 397
13º SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - NOTA PRÉVIA - INFORMÁTICA / COMPUTAÇÃO ....................... 398
UMA ONTOLOGIA PARA BUSCAS E DESCRIÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS ............................................................... 398
GERENCIAMENTO DE SERVIDORES REMOTOS ............................................................................................................... 399
13º SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - NOTA PRÉVIA - ADMINISTRAÇÃO ............................................. 401
ESTUDO DO NÍVEL DE SATISFAÇÃO DOS CLIENTES EM RELAÇÃO ÁS LANCHONETES .................................................... 401
LIDERANÇA DISTRIBUÍDA ................................................................................................................................................ 402
13º SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - NOTA PRÉVIA - PSICOLOGIA ..................................................... 403
PSICOLOGIA E SUS: REFLEXÕES E IMPLICAÇÕES ............................................................................................................. 403
PSICOLOGIA HOSPITALAR E O PROCESSO DE HOSPITALIZAÇÃO INFANTIL ..................................................................... 403
13º SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - NOTA PRÉVIA - SAÚDE ............................................................. 406
A PREVALÊNCIA DE DEPRESSÃO EM USUÁRIOS DA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DA REGIÃO
NOROESTE DO RIO GRANDE DO SUL .............................................................................................................................. 406
ATUAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM FRENTE AO INDIVÍDUO EM SOFRIMENTO PSÍQUICO ..................... 408
GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: ÍNDICE DE MATERNIDADE PRECOCE NOS MUNICÍPIOS PERTENCENTES A 14ª
COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE ........................................................................................................................ 409
EXPLORANDO ELEMENTOS ESTRUTURAIS CONSTITUINTES DO PERFIL DE USUÁRIOS DE UM SERVIÇO DE URGÊNCIA E
EMERGÊNCIA .................................................................................................................................................................. 410
10º JORNADA DE PESQUISA - PESQUISA PROFISSIONAL - EDUCAÇÃO .................................................. 412
A CONSTRUÇÃO DO JOGO DIDÁTICO NO COMPONENTE CURRICULAR DE HISTÓRIA.................................................... 415
REFLEXÕES ACERCA DA AVALIAÇÃO MEDIADORA NA EDUCAÇÃO BÁSICA .................................................................... 418
10º JORNADA DE PESQUISA - PESQUISA PROFISSIONAL ADMINISTRAÇÃO .......................................... 422
A RELAÇÃO ENTRE SOCIEDADE E AMBIENTE NAS DIFERENTES ABORDAGENS SOBRE DESENVOLVIMENTO REGIONAL422
10º JORNADA DE PESQUISA - PESQUISA PROFISSIONAL SAÚDE .......................................................... 426
ATIVIDADE ANTIMICROBIANA DO EXTRATO HIDROALCOÓLICO DAS FOLHAS DE TANACETUM VULGARE L. ................ 426
O ‘CAUSO’ DE UM GURI COM AUTISMO INFANTIL NA REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE EM MUNICÍPIO DO NOROESTE DO
RS .................................................................................................................................................................................... 429
10º JORNADA DE PESQUISA - PESQUISA PROFISSIONAL AGRONOMIA ................................................ 433
CARACTERÍSTICAS PÓS-COLHEITA DE MORANGO CONSORCIADO COM FIGUEIRA EM AMBIENTE PROTEGIDO ........... 433
10º JORNADA DE PESQUISA - PESQUISA DOCENTE EDUCAÇÃO ........................................................... 436
ESTUDO DE CASO: UMA NOVA POSSIBILIDADE DE FORMAÇÃO CONTINUADA NA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO .. 436
ANÁLISE DO PERFIL DOS PROFISSIONAIS DA FORMAÇÃO CONTINUADA....................................................................... 439
SABER E CONHECIMENTO E O PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO DO SABER A ENSINAR .............................................. 442
- 13 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
10º JORNADA DE PESQUISA - PESQUISA DOCENTE ADMINISTRAÇÃO .................................................. 446
CULTURA ORGANIZACIONAL - A INTERFERÊNCIA DAS COMUNIDADES NAS ORGANIZAÇÕES ....................................... 446
OS FENÔMENOS ORGANIZACIONAIS DE UMA EMPRESA FAMILIAR: UMA COMPREENSÃO PLURALISTA ..................... 449
PLANO DE CARREIRA FECHADA ...................................................................................................................................... 455
10º JORNADA DE PESQUISA - PESQUISA DOCENTE PSICOLOGIA .......................................................... 458
SINTOMAS DE DEPRESSÃO E ESTRESSE ENTRE USUÁRIOS DE UMA UNIDADE DE ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA
(ESF) ................................................................................................................................................................................ 458
MULHERES AFEGÃS: UMA FACE ESQUECIDA DOS DIREITOS HUMANOS ....................................................................... 464
O ENVELHECIMENTO NO CONTEXTO ATUAL .................................................................................................................. 468
10º JORNADA DE PESQUISA - PESQUISA DOCENTE SAÚDE .................................................................. 472
A PERCEPÇÃO DO IDOSO HOSPITALIZADO QUANTO AO CUIDADO PRESTADO PELOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ........ 472
- 14 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
COMISSÃO ORGANIZADORA DO IX SALÃO DE PESQUISA
SETREM
Coordenação Geral - Zenaide Heinsch
Vice-coordenação - Gilberto Souto Caramão
8ª Feira das Invenções e Inovações Tecnológicas - Dalziro Valdameri e Luiz José
Lena.
10ª Jornada de Pesquisa - Jorge Antônio Rambo e Natália Isaia da Costa.
11ª Mostra Estadual de Pesquisa - Claudinei Schmidt, Gilvani Norenberg, Luciomar
de Carvalho, Carla Elizabeth, Maidi Teresinha Dalri, Edinei Steffen, Elisangela Godói e
Mauro Alberto Nüske.
13º Salão de Iniciação Científica - Alexandre Chapoval e Rita de Cássia Maciazeki
Gomes.
Coordenadores dos Núcleos de Pesquisa - Alexandre Chapoval, Cinei Teresinha
Riffel, Douglas Faoro, Fauzi de Morais Shubeita, Paulo Fábio Pereira, Rita de Cássia
Maciazeki Gomes, Vanessa Marin, Vera Beatriz Pinto Zimmermann Weber.
COMISSÕES CIENTÍFICAS
ÁREA - CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA - (Agronomia)
Valberto Müller
Cinei Teresinha Riffel
ÁREA - CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA - (Computação)
Claudio Schepke
Fauzi de Moraes Shubeita
Vera Lucia Lorenset Benedetti
Tiago Luis Cesa Seibel
ÁREA - CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADA - (Desing de Moda)
Natalia Isaia da Costa
Rubiana de Quadros Sandri
- 15 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
ÁREA - CIÊNCIAS HUMANAS - (Educação)
Silvia Natália de Mello
Elisabete Andrade
Vera Beatriz Pinto Zimmermann Weber
Marina Zucatto
Derlan Trombetta
Jane Rodrigues
Neusete Machado Rigo
Rosana Silva Barros
Valsenio Gaelzer
Marisa Stragliotto
ÁREA - CIÊNCIAS DA SAÚDE - (Enfermagem)
Beatriz de Carvalho Cavalheiro
Carlice Maria Scherer
Gilberto Souto Caramão
Jane Lilian Ribeiro Brum
Mirian Herath Rascovetzki
Paulo Fábio Pereira
ÁREA - CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADA - (Administração)
Mauro Alberto Nüske
Gustavo Griebler
Jussara Rosaneli Dalla Costa
Jorge Antônio Rambo
Jesildo Moura de Lima
Sandro Ergang
Douglas Faoro
Luis Carlos Zucatto
Luis Carlos Schneider
Valmir Pudell
- 16 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
ÁREA - ENGENHARIAS - (Engenharia de Produção)
Alexandre Chapoval Neto
Paulo Puhl
Gélson Reis
Márcia Stein
Vanderlei da Rosa
Carla Sperling
ÁREA - CIÊNCIAS HUMANAS - (Psicologia)
Joice de Oliveira
Lilian Ester Winter
Jeane Borges
Rita de Cássia Gomes
Luciano Bedin
Carolina Duarte de Sousa
Lao Tsé Bertoldo
Oriana Hadler
Paulo Marques
ÁREA - ENSINO PROFISSIONALIZANTE
Mauro Alberto Nüske
Carlos Meneguetti
Elisangela Godói
Carla Elizabeth Becker
Luciomar de Carvalho
Gilvani Norenberg
Claudinei Schmidt
Maidi Teresinha Dalri
Edinei Steffen
- 17 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
PROGRAMA
IX SALÃO DE PESQUISA - SETREM
13º Salão de Iniciação Científica
11ª Mostra Estadual de Pesquisa
10ª Jornada de Pesquisa
8ª Feira das Invenções e Inovações Tecnológicas
Realização
Dias 04, 05, 06 e 10 de outubro de 2011.
Inscrições até 24 de agosto de 2011
Objetivo Geral
Promover, estimular e incentivar o desenvolvimento socialização e publicação das
produções científicas dos estudantes, professores e pesquisadores das diversas áreas da
SETREM e de outras instituições.
Participação
Mostra
Estadual
de
Pesquisa:
destinada
a
estudantes
da
Educação
Profissionalizante;
Salão de Iniciação Científica: destinado a acadêmicos;
Jornada de Pesquisa: destinada a professores e pesquisadores das diferentes áreas
do conhecimento e demais profissionais;
Feira das Invenções e Inovações Tecnológicas: destinada a inscrição de
invenções e inovações desenvolvidas pela comunidade.
Seleção dos Trabalhos
A seleção dos trabalhos para a Mostra Estadual de Pesquisa SETREM, do Salão de
Iniciação Científica e da Jornada de Pesquisa deve ser realizada pela Comissão Científica
e Avaliadora que considera os seguintes critérios obrigatórios, na seguinte ordem:
1º) ter um professor orientador para os trabalhos de iniciação científica;
2º) relevância científica com a área do conhecimento na qual o trabalho foi inscrito;
3º) apresentação da metodologia utilizada para a realização da pesquisa;
- 18 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
4º) resultados preliminares ou conclusivos da pesquisa;
5º) pertinência do conteúdo e adequação da redação;
6º) adequação ao modelo de resumo proposto para cada categoria.
Maiores informações consulte o regulamento do evento disponível no site
www.setrem.com.br/saps
Investimento:
11ª Mostra Estadual de Pesquisa da Educação Básica e Profissionalizante – R$15,00
13º Salão de Iniciação Científica – R$15,00
10ª Jornada de Pesquisa – R$22,00
8ª Feira das Invenções e Inovações Tecnológicas – participação gratuita
Lançamento IX Salão de Pesquisa – SETREM no dia 08/06/2011
Palestra:
Tema:
"Conhecimento,
pesquisa
e
educação
universitária:
vinculações
necessárias para a humanização e a cidadania".
Dr Jorge Luiz da Cunha
Curriculum vitae - Possui Graduação - Licenciatura Plena em Estudos Sociais, História e Geografia
pelas Faculdades Integradas de Santa Cruz do Sul (1982), Mestrado em História Social do Brasil pela
Universidade Federal do Paraná (1988) e Doutorado em História Medieval e Moderna Contemporânea Universitat Hamburg (1994). Foi Diretor do Centro de Educação da Universidade Federal de Santa Maria UFSM de 1997 a 2005. Pró-Reitor de Graduação de 2005 a 2010. Membro da Comissão de Implantação da
Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA, de 2006 a 2008. É professor titular da UFSM e Assessor do
Gabinete do Reitor. No campo da pesquisa dedica-se a temas relacionados com a história das migrações,
história da educação, história oral e narrativa (auto)biográficas.
Horários:
15h30min - (com os estudantes do Ensino Fundamental - séries finais, Médio e
Educação Profissionalizante)
19h30min - ( com estudantes do Ensino Superior e Educação Profissionalizante)
21h20min - ( com estudantes do Ensino Superior e Educação Profissionalizante)
04/10/2011 - terça-feira
19h30min – Momento Cultural – SACA-ROLHAS TEATRO com o espetáculo: “A Gag
Clownesca Cientistas Malucos"
- 19 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
20h - Abertura da 10ª Jornada de Pesquisa e 13º Salão de Iniciação Científica –
SETREM
20h - Apresentação dos trabalhos da Educação Profissionalizante.
05/10/2011 - quarta-feira
19h20min às 22h50min - Apresentação de trabalhos da 10ª Jornada de Pesquisa e
do 13° Salão de Iniciação Científica - SETREM (oral e pôster).
06/10/2011 - quinta-feira
19h20min às 21h - Apresentação de trabalhos da 10ª Jornada de Pesquisa e do 13°
Salão de Iniciação Científica - SETREM (oral e pôster).
21h20min às 22h50min - Encerramento do IX Salão de Pesquisa – SETREM com
um momento cultural no Ginásio de Esportes - SETREM
10/10/2011 - segunda-feira
19h30min e às 21h19min - Encerramento das atividades do IX Salão de Pesquisa
SETREM Apresentação dos melhores trabalhos de cada área e entrega do Prêmio
Pesquisador SETREM 2011.
Momento Cultural
Turno Noite - (estudantes da graduação e técnicos)
Local: Auditório Campus SETREM.
- 20 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
APRESENTAÇÃO
A busca incessante por conhecimento acompanha o ser humano durante toda a
sua existência. A pesquisa científica objetiva
fundamentalmente
contribuir
para
a
evolução da sociedade em todas as áreas do conhecimento. É através da pesquisa que o
desejo pelo saber
foi explorado
intensamente nos espaços acadêmicos mais
conceituados se constituindo um dos aspectos determinantes no desenvolvimento
humano. Portanto, a pesquisa científica representa um compromisso entre as Instituições
de Ensino e a comunidade a qual pertencemos.
A Sociedade Educacional Três de Maio (SETREM),
ciente do
seu papel na
formação acadêmica e no bem estar social, promove o IX Salão de Pesquisa SETREM.
O
evento
tem o objetivo de promover, estimular e
incentivar o desenvolvimento,
socialização e publicação das produções científicas dos estudantes, professores e
pesquisadores das diversas áreas da SETREM e de outras Instituições. Cerca de 380
publicações científicas nas
áreas das Ciências Sociais Aplicadas, Engenharias,
Ciências da Saúde, Ciências Humanas, Ciências Exatas e da Terra e Educação
Profissionalizante, fazem parte deste evento. Assim, a realização do SAPS contribui de
forma pertinente para a discussão de temas e exposição de resultados, colaborando para
a mudança de conceitos, afirmação e confirmação de fatos e o compromisso com a
ciência.
A Comissão Organizadora do IX Salão de Pesquisa SETREM – SAPS/2011
agradece aos coordenadores de Cursos da Faculdade Três de Maio e Cursos Técnicos,
aos Coordenadores dos Núcleos de Pesquisa, aos Professores/as que participaram das
comissões científicas, Colaboradores, Estudantes e principalmente aos Professores/as
que incentivaram seus Estudantes a participar, por isso do sucesso deste evento.
Enfim, agradecemos aos pesquisadores que submeteram seus trabalhos divulgando
suas pesquisas, ação tão importante para a socialização dos conhecimentos produzidos.
Comissão Organizadora SAPS/2011
- 21 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
11ª MOSTRA ESTADUAL DE PESQUISA - CURSOS
TÉCNICOS – AGROPECUÁRIA
PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL EM UMA PROPRIEDADE
DE 30,00 HECTARES
De: EDUARDO FERNANDO EMMEL, GUILHERME FRANCISCO ROSSO, ROGÉRIO SOMAVILA
Orientado por: CLAUDINEI MARCIO SCHMIDT ([email protected])
A produção sustentável é uma das exigências do mercado consumidor globalizado, até
pouco tempo as boas práticas de produção (BPP) eram exigidas apenas para o setor
agroindustrial, mas atualmente as BPP passaram a ser uma prioridade também nos
empreendimentos agropecuários independente da sua dimensão: pequena, média ou grande
propriedade. O presente trabalho foi realizado com o objetivo de avaliar a viabilidade técnica,
econômica, social e ambiental de uma propriedade de 30,00 hectares localizado no município
de Doutor Maurício Cardoso/RS. A propriedade desenvolve atividades na produção de leite,
produção de grãos como o milho, a soja e o trigo, além da criação de aves de corte. Para que
as propriedades rurais sejam sustentáveis é necessário um planejamento técnico bem
elaborado, buscando a harmonia entre o homem e o ambiente. O trabalho foi realizado a partir
de um levantamento e diagnóstico das condições e recursos existentes na propriedade rural, a
partir deste propor metas e ações que possibilitem a melhoria da mesma. Inicialmente,
realizou-se o mapeamento da propriedade com o auxílio de um GPS, amostragem de solo para
análise química, levantamento e avaliação das benfeitorias, máquinas, equipamentos e
semoventes. Posteriormente foram divididas e identificadas as áreas em glebas facilitando a
distribuição das culturas nas mesmas para organização do plano de rotação de culturas. Com
relação às atividades pecuárias (leite e aves de corte) se planejou as instalações,
equipamentos e alimentação necessária, atendendo as questões relacionadas ao bem estar
animal e questões ambientais. Também foi proposta a produção de culturas e criações de
subsistência para diminuir os custos e melhor a qualidade de vidas das pessoas da
propriedade. Com relação aos aspectos ambientais, foram sugeridas adequações quanto à
reserva legal áreas de preservação permanente (APP), conservação da água e do solo,
manejo dos dejetos dos bovinos de leite, aves de corte e abatedouro. Além da viabilidade,
técnica, social e ambiental é necessária a viabilidade econômica, por isso, realizou-se o
levantamento de custos (fixos e variáveis), o cálculo do ponto de equilíbrio, a lucratividade e
rentabilidade por atividade e global da propriedade. Com este trabalho, conclui-se que a
propriedade rural em estudo é viável economicamente, pois apresentou uma lucratividade de
32,09% e rentabilidade de 6,06% sem esquecer-se dos aspectos sociais e ambientais.
Palavras-chave: Propriedade rural, sustentabilidade, planejamento, técnica.
Referências:
COTTA, T. Frangos de corte: criação, abate e comercialização. Viçosa: Aprenda Fácil, 2003.
FILHO, D. F. Manual da Cultura do Trigo. Jaboticabal: Funep, 2008.
GÜLLICH, R. I. da C.; LOVATO, A.; EVANGELISTA, M. dos S. Metodologia da pesquisa - normas para
apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. 2 Ed. Três de Maio: SETREM, 2007.
KIRCHOF, B. Alimentação da vaca leiteira. Guaíba: Agropecuária, 1997. 111p.
KRÜGEL, E. Reflorestamento. Rio de Janeiro: Souza Cruz, 1999.
PEREIRA, M. F. Construções Rurais. São Paulo: Nobel, 2004.
- 22 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
PUPO, N. I. H. Manual de pastagens e forrageiras: formação, conservação, utilização. Campinas: Instituto
Campineiro de Ensino Agrícola, 2000.
VIABILIDADE DA PRODUÇÃO DE FRUTAS E
HORTALIÇAS MINIMAMENTE PROCESSADAS NA
AGROINDÚSTRIA DA SETREM
De: FRANCINE MARIA BUSANELLO ([email protected]), RAFAELA LAWISCH BRAGA
([email protected]), Micheli Carine Stepanienco ([email protected]), SIMONI JANAINA
ZIEGLER
([email protected])
Orientado
por:
CLAUDINEI
MARCIO
SCHMIDT
([email protected]), Sirlei Miriam Sippert Motta ([email protected])
A oferta de alimentos frescos prontos para o consumo são as novas exigências sociais do
cotidiano de jovens e adultos adaptados a novos hábitos da vida agitada e também, em virtude
da falta de tempo que é característica de famílias dos dias atuais. A produção de frutas e
hortaliças minimamente processados tem como causa a agregação de valor, transformando o
produto bruto em um produto diferenciado com uma praticidade e qualidade para o
consumidor. Assim, os produtos minimamente processados podem ser consumidos crus, no
preparo de saladas, como ingrediente de sopas, e pratos cozidos. Aproveitando a tendência de
aumento da procura por produtos que oferecem a praticidade e comodidade esta pesquisa teve
como objetivo avaliar a viabilidade técnica da implantação do processamento mínimo de frutas
e hortaliças na agroindústria da SETREM, no município de Três de Maio. Também em paralelo,
pretende-se avaliar qualitativamente o comportamento dos vegetais em estudo e a vida de
prateleira seguindo as normas do processamento e armazenamento dos minimamente
processados. Para avaliar a viabilidade técnica da implantação de uma agroindústria de
processamento mínimo de frutas e hortaliças inicialmente foi realizada uma pesquisa de
mercado utilizando um questionário com respostas objetivas baseando-se na investigação de
um grupo representativo da população em estudo, ou seja, 74 estudantes dos cursos Técnicos
em Agropecuária e Agronomia da SETREM. Verificou-se que as hortaliças minimamente
processadas possuem demanda por parte dos estudantes da SETREM como pode ser
visualizada, pela avaliação das respostas do questionário da pesquisa, onde 70% dos
entrevistados não conheciam este produto e 86,5% nunca consumiram o mesmo. Entretanto,
após explicações sobre os minimamente processados 74,3% demonstraram interesse em
adquirir os produtos. Tais informações confirmam o que já se sabia empiricamente, pois este
produto tem uma grande aceitação por parte dos consumidores, já que o mesmo alia
conveniência, praticidade, sem perder-se de vista o frescor e a qualidade do produto. Faz-se
necessário a partir deste desenvolver todo um trabalho de pesquisa para desenvolver produtos
com frutas e hortaliças minimamente processados que tenham custo benefício aceitável pelos
consumidores.
Palavras-chave: Minimamente processados, hortaliças, frutas, qualidade.
Referências:
DURIGAN José Fernando. Processamento mínimo de frutas e hortaliças – Centro de Convenções
Instituto Frutal, 69p. 1. Frutas – Processamento Mínimo. 2. Hortaliça – Processamento Mínimo. I.
Fortaleza – Ceará. Setembro, 2004. Acesso em 14/08/2011. Disponível em:
http://pt.scribd.com/doc/47595516/Apostila-Processamento-Minimo-Frutas
MORETTI, Celso Luiz. Manual de Processamento Mínimo de Frutas e Hortaliças / Celso Luiz Moretti —
Brasília :
Embrapa Hortaliças, 2007. 531 p.
SEBRAE. Hortaliças minimamente processadas - E s t u d o s d e Me r c a d o S E B R A E / E S P M.
2008. Acesso em 01/08/2011. Disponível em:
- 23 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
http://www.biblioteca.sebrae.com.br/bds/BDS.nsf/0883FDA8A4AF0BAE832574DC004682B0/$File/NT000
3907E.pdf
MORETTI Celso Luiz, MATTOS Leonora Mansur. Processamento mínimo de alface crespa. Comunicado
Técnico. Dezembro, 2006 Brasília, 2006. Acesso em: 17/08/2011. Disponível em:
http://www.cnph.embrapa.br/paginas/serie_documentos/publicacoes2006/cot_36.pdf
NITZKE Julio Alberto. Vegetais minimamente processado - Fresh cut. ICTA / UFRGS. 2003
Acesso em: 17/08/2011. Disponível em: www.ufrgs.br/alimentus/apresent/minimproc.ppt
A EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATRAVÉS DA
REVITALIZAÇÃO DA TRILHA ECOLÓGICA E
ORGANIZAÇÃO DE UM ARBORETO NO CAMPUS DA
SETREM
De:
Eva
Raquel
Neukamp
([email protected]),
Sandra
Cristina
([email protected])
Orientado
por:
VIVIANA
CRISTINA
([email protected]), CLAUDINEI MARCIO SCHMIDT ([email protected])
Buttinger
HATJE
A Trilha Ecológica e o Arboreto são ferramentas essenciais para levar informações sobre a
floresta e suas inter-relações com os demais elementos naturais. Com a visitação nestes
espaços, consegue-se despertar a consciência ecológica nas pessoas independente do seu
nível de escolarização e procedência. O objetivo do trabalho é reorganizar a Trilha Ecológica e
criar um Arboreto no campus da SETREM, no município de Três de Maio/RS, para levar ao
público informações sobre as principais espécies nativas que compõe a mesma, seus produtos
e funções na floresta. Também se pretende mostrar as principais alterações que ocorreram na
paisagem no entorna desta floresta preservada, resultante da ação do homem, durante o
processo de ocupação pela agropecuária e urbanização da região. Este trabalho será realizado
por estagiários do Curso Técnico em Agropecuária, envolvendo os estudantes que estão
cursando os componentes curriculares Silvicultura e Prática em Silvicultura. Inicialmente será
confeccionado um mapa da área de floresta remanescente, identificação das espécies e
demarcação de trilhas no seu interior, destacando ambientes que possam ser utilizados de
forma técnica, didática e lúdica para a conscientização dos seus visitantes sobre sua
responsabilidade ambiental e de seu papel como multiplicador. Após a organização da Trilha
Ecológica e do Arboreto, pretende-se organizar um cronograma de visitações aberta aos
alunos da SETREM, das demais escolas do município e da região, para avaliar o efeito desta
ação, ou seja, de que maneira e quanto dos conteúdos desenvolvidos foi assimilado. Esta
verificação será realizada através da aplicação de um questionário que deverá ser respondidos
por professores e alunos de escolas que participaram desta atividade. A avaliação das
respostas servirá como um indicativo do resultado do passeio proposto na Trilha Ecológica e
no Arboreto analisando os resultados atingidos junto a alunos e professores, com o trabalho de
educação ambiental.
Palavras-chave: Educação ambiental, trilha ecológica, arboreto.
Referências:
ALMEIDA, D. et al. Manual do Educador Agroflorestal. Rio Branco: Universidade Federal do Acre. 2002.
136p.
DIAS, G. F. Educação Ambiental: princípios e práticas. 9. ed. Gaia, 2004. 551p.
OLINE, M. M. Guia de educação ambiental para pais e professores. Salamandra, 1991. 35p.
LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do
Brasil.Nova Odessa: Plantarum. 1992. v. 1.
- 24 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil.
2. ed. Nova Odessa: Plantarum. 1992. v. 2.
MARCONDES, A. C. Curso Básico de Educação Ambiental. Scipione, 19__.88p.
MENDES, A. C. et al. Analisando a educação ambiental na trilha ecológica e arboreto da Embrapa
Florestas. Embrapa Florestas: I Evento de Iniciação Científica da Embrapa Florestas. Colombo, 2002.
11ª MOSTRA ESTADUAL DE PESQUISA - CURSOS
TÉCNICOS – DESIGN
ELEGÂNCIA DAS ORQUÍDEAS E TERCEIRA IDADE
INSPIRAM COLEÇÃO DE MODA PARA O VERÃO
De: KELI FANCK BRAGA ([email protected]) Orientado por: GILVANI SCHMIDT HOFFMANN
NORENBERG ([email protected])
O presente trabalho tem como finalidade desenvolver uma coleção de moda para o verão
2012, no decorrer do Estágio Supervisionado. Tal coleção tem como tema, a elegância das
orquídeas, considerada flores de rara beleza e que necessitam de cuidados especiais para que
não adoeçam e fiquem sempre belas. Características estas que remetem ao público alvo
selecionado para usufruir de tal coleção, sendo este, mulheres da terceira idade com faixa
etária de 60 a 75 anos, ativas e cheias de vida, que buscam conforto, delicadeza e elegância
no seu modo de vestir. Para complementar o desenvolvimento da coleção, a mesma foi
inspirada nas características do romantismo, unindo assim, a delicadeza das orquídeas e o
"glamour" da época do romantismo e, as tendências para o verão 2012. As peças da coleção
são compostas de blusas com ombros arredondados, corsários e conjuntos, que foi
desenvolvida da seguinte forma: primeiramente realizaram-se pesquisas relacionadas ao tema
de coleção, fonte de inspiração, tendências da estação e público alvo; na sequência
desenvolveram-se os croquis, fichas técnicas, seleção de materiais, modelagens e confecção
de três looks. As características que justificam o desenvolvimento deste trabalho referem-se à
busca de conforto e elegância no modo de vestir para as mulheres da terceira idade, pois,
observa-se que os anos mais bem aproveitados são dos vividos na terceira idade, ou seja,
após os 60 anos. Percebe-se que as condições de vida das pessoas são melhores, com maior
qualidade de vida, mais perspectiva de lazer e diversão, onde, o desgaste é esquecido e
trocado por festas e viagens, necessitando assim, estarem sempre bem vestidas e
confortavelmente, onde observa-se que a vontade de sentir-se bela e viva é muito grande.
Palavras-chave: coleção de moda, orquídeas, terceira idade.
Referências:
CASTILHO, Cathia. Moda e Linguagem. São Paulo: Editora Anhembi, 2006.FEGHALI, Marta Kasznar. As
Engrenagens da Moda. Rio de Janeiro: Editora SENAC, 2004.
PALOMINO, Erika. A moda. São Paulo: Editora Publifolha, 2003.
PIRES, Dorotéia. (org.). Design de moda: olhares diversos. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2008.
- 25 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
COQUEIROS DO LITORAL BRASILEIRO INSPIRAM
MODA: COLEÇÃO MODA PRAIA VERÃO 2012
De:
Cristine
Chrtist
([email protected])
([email protected])
Orientado
por:
Gilvani
Norenberg
O presente relatório objetiva o desenvolvimento de uma coleção de moda praia para o
verão 2012, na qual foram utilizadas as praias do litoral brasileiro como tema de coleção, e
como fonte de inspiração para a mesma foram utilizados os coqueiros. Essa coleção é
produzida para um público que, até então, é pouco valorizado no mercado, o qual compreende
os tamanhos que excedem ao GG tradicional, abrangendo uma faixa etária de 15 a 30 anos de
idade. As mudanças foram ocorrendo sucessivamente no passar dos anos, cada período da
história focava um ideal de beleza, hoje nota-se, mesmo que timidamente, as curvas sinuosas
do corpo das mulheres. Esse público vem aumentando consideravelmente, segundo o Instituto
Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a metade da população adulta do nosso País faz
parte desse público: 48% das mulheres e 50% dos homens estão com peso acima do
recomendado para manter uma vida saudável. Sem sombra de dúvida esse é um nicho de
mercado pouco explorado até o momento, mas vem chamando atenção de alguns
empreendedores atentos a novos mercados, talvez pelo fato de que o modelo de magreza
explorado em passarelas não se iguale às curvas da grande maioria das mulheres brasileiras.
No decorrer do trabalho, também foram desenvolvidos conceitos sobre os tecidos, aviamentos,
conforto e bem vestir das peças. Utiliza-se também de pesquisas sobre a moda, tendências,
estilo entre outros estudos que abrangem esta área. Após as pesquisas, relacionadas, foi
desenvolvida a coleção de moda, representada através de croquis e fichas técnicas,
proporcionando um melhor entendimento das mesmas. Para o processo de produção das
mesmas, foi realizada as modelagens das peças e na sequencia a confecção de três looks.
Palavras chave: moda praia, litoral brasileiro, mulheres gordinhas.
Referências:
ASCHENBACH, Ana Célia. Mulheres do Brasil. Revista Manequim, Editora Abril: São Paulo, no 607, p.
58-61, fev. 2010.
.
A moça do sonho: A beleza das gordinhas! Disponível em: http://www.mocadosonho.com/2010/07/belezadas-gordinhas.html; Acessado em 08/12/10.
JONES, Sue Jenkyn. Fashion design. São Paulo: Cosac Naify, 2005.
SCHWANTES, Lucas. Première Brasil: tendências verão 2011/12. Disponível em:
http://www.usefashion.com/Categorias/Noticias.aspx?IDNoticia=93188 Acessado em 01/02/2011
TREPTOW, Doris. Planejamento de coleção. Brusque: P. Treptow 2007.
DIVULGAÇÃO DO CURSO TÉCNICO EM DESIGN
GRÁFICO ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE RECURSOS
DE MÍDIAS SOCIAIS E APLICAÇÃO DE ESTRATÉGIAS
DE MARKETING
De: ANA MARIA SIPP MACHADO ([email protected]) Orientado por: DANIELE ROSSI
([email protected]), LUCIOMAR DE CARVALHO ([email protected])
A comunicação é, e sempre foi uma das maiores necessidades da sociedade, o presente
projeto tem como tema A divulgação do Curso Técnico em Design Gráfico através do uso de
- 26 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
recurso de mídias sociais e aplicação de estratégias de marketing, o desenvolvimento do
mesmo tem por objetivo aumentar a divulgação do curso utilizando os recursos oferecidos
pelas ferramentas de mídias sociais, para a realização do mesmo foram criados perfis do curso
em diversas páginas de relacionamentos, como Twitter, Facebook, Orkut, Google + e Blog,
também foi criada uma página web onde foram disponibilizados os links de cada páginas, a
metodologia aplicada para no desenvolvimento do estagio foram a a criação dos perfis do
curso em diversas mídias sócias e a partir disso iniciou-se a divulgação do mesmo em cada
uma mídias utilizadas. Os resultados alcançados com a criação dos perfis foi uma melhor
divulgação do curso através das mesmas, que além de possibilitar uma maior abrangência de
publico, um publico especifico também é realizada de forma gratuita e de forma mais ágil que
as mídias impressas.
Palavras-chave: Design, Divulgação, Marketing.
Referências:
AAKER, David A. Marcas: Brand Equity gerenciando o valor da marca. São Paulo: Negocio Editora, 1998.
AAKER, David A.; JOACHIMSTHALER, Erich. Como construir marcas líderes. 2.ed. São Paulo: Futura,
2000.
AZEVEDO, Wilton. O que é design. São Paulo: Editora Brasiliense, 1998.
CARVALHO, A. V.; SERAFIM, O.C. G. Administração de recursos humanos. São Paulo: Pioneira, 1995.
COMM, Joel. BURGE, Ken. Twitter. São Paulo: Editora Gente, 2009.
CUBICPLANET. Mídias Sociais. Disponível em: <http://www.cubicplanet. com.br/home/pt/noticias/227redes-sociais-x-midias-sociais> Acesso em: 10 de Mai. de 2011.
FACEBOOK. Orkut. Disponível em:<http://www.facebook.com/group.php?gid =142933059079205>
Acesso em: 17 de mai. de 2011.
GOOGLE. Orkut. Disponível em: <http://www.google.com.br/support/forum/
p/orkut/thread?tid=7f3723af6a1df912&hl=pt-BR> Acesso em: 10 de Mai. de 2011.
GRUSZYNSKI, Ana Cláudia. Design gráfico: do Invisível ao ilegível. Rio de Janeiro: 2AB, 2000.
INFRAMICRO, Imagem Twitter. Disponível em: <http://www.inframicro.com> Acesso em: 23 de Mai de
2011.
KOTLER, Philip. Como Construir Marcas Fortes. São Paulo: Vídeo Treinamento &endash; HSM
Manegement, 1999.
KOTLER, Philip. Transformando uma Marca. São Paulo: Revista - HSM Manegement, Ano 3, Número 14,
Maio/Junho 1999.
KOTLER, Philip. Marketing (Edição Compacta). São Paulo: Atlas, 3ª Edição, 1985.
LIMEIRA, Tania M. Vidigal. Marketign. Rio Grande do Sul: Editora Saraiva, 2003.
LIMEIRA, Tania M. Vidigal. Internet. Rio Grande do Sul: Editora Saraiva, 2003.
YOURDICTIONARY. Marketing Digital. Disponível em: <http://www.yourdicti onary.com/dictionaryarticles/define-online-marketing.html> Acesso em: 12 de Maio. de 2011.
PAPOWEB, Designer Gráfico; Disponível em: <http://www.papoweb.com/tag/ design-grafico> Acesso em:
05 de jul de 2009.
PEREIRA, Paula. Comunicação. Disponível em: <http://worklover.blogspot. com/2009/01/definio-decomunicao.html> Acesso em: 13 de Mai. de 2011.
- 27 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
PEÓN, Maria Luisa. Identidade visual. Rio de Janeiro: 2AB, 2003
PIXELARIA. Pixel. Disponível em: <http://www.pixelaria.org/forum/off/2978-significado-de-pixel> Acesso
em: 21 de Abr. de 2011.
PORTALDOMARKETING. Publicidade. Disponível em: <http://www.portaldo
marketing.com.br/Artigos/Propaganda_ou_Publicidade> Acesso em: 13 de Mai. de 2011.
PUCRS. Comunicação Digital. Disponível em: <http://www.ee.pucrs.br/~
decastro/pdf/Slides_CD_Introducao.pdf> Acesso em: 130 de Mai. de 2001.
REVISTACAFEICULTURA, Blog. Disponível em: <http://www.revistacafe
icultura.com.br/index.php?tipo=ler&mat=24000&vocabulario-de-internet-usado-no-texto-do-hot-sitedivulga-os-beneficios-do-cafe.html> Acesso em: 2 de out de 2010.
SLIDEHARE, Designer Gráfico. Disponível em: <http://www.slideshare.net/vs_ design/hd04-mov-reforma>
Acesso em: 05 de Jul de 2009.
TECNOVAREJO, Imagens Facebook. Disponível em: <http://www.tecnovarejo. com> Acesso em 27 de
Mai de 2011.
WINEXPERIENCE, Internet. Disponível em: <http://winexperience.wordpress. com/glossrio/>, Acesso em:
2 de out de 2010.
- 28 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
11ª MOSTRA ESTADUAL DE PESQUISA - CURSOS
TÉCNICOS - GESTÃO E COMÉRCIO / ADMINISTRAÇÃO
CENTRAL DE ATENDIMENTO ONLINE: UM ESTUDO DE
CASO NA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DA
SETREM
De: MICHELE REGINA RACHOR ([email protected]) Orientado por: FABIANE WEYDMANN
REINHOLD ([email protected])
A grande competitividade entre as organizações torna indispensável a realização de ações
visando diferenciação. Desta forma, o sucesso das organizações está em atender bem seus
clientes e para que isso aconteça é preciso um atendimento personalizado. Pensando nisso o
presente trabalho propôs a criação e viabilização de uma Central de Atendimento Online via
MSN Messenger na Sociedade Educacional Três de Maio- SETREM desta forma
aperfeiçoando ações de relacionamento e tendo por objetivo atender as diversas necessidades
dos clientes de forma individual. Também foi realizada pesquisa com intuito de identificar o
perfil dos usuários da Central de Atendimento, a satisfação destes com relação ao serviço, bem
como suas necessidades com relação à Instituição.O atendimento personalizado vem se
tornando a principal ferramenta para o sucesso das Instituições de Ensino, no entanto, isso
apenas não basta, é preciso conquistar e fidelizar os clientes para que retornem trazendo
consigo clientes em potencial, é preciso saber quais as necessidades destes, para atendê-los
da melhor forma possível.
Palavras-chave: Organizações, Atendimento Personalizado, Instituições de Ensino.
Referências:
ARGENTI, Paul A. Comunicação Empresarial: A construção da identidade, imagem e reputação. Rio de
Janeiro: Elsevier, 2006.
BLACKWELL, Roger D. MINIARD, Paul W.; ENGEL, James F. Comportamento do Consumidor. São
Paulo: Pioneira, 2005.
BRETZKE, Miriam. Marketing de Relacionamento e Competição em Tempo Real. São Paulo: Atlas, 2000.
CAHEN, Roger. Tudo que seus gurus não lhe contaram sobre comunicação empresarial: A imagem como
patrimônio da empresa e ferramenta de marketing. São Paulo: Best Seller, 1990.
COBRA, Marcos. Ensaio de marketing global. São Paulo: Marcos Cobra, 1995.
COLLIS, Jill, HUSSEY, Roger. Pesquisa em Administração: um guia prático para alunos de graduação e
pós - graduação. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.
COOPER, Donald R. SCHINDLER, Pamela S. Métodos de Pesquisa em Administração. Tradução:
Luciana de Oliveira da Rocha. 7ed. Porto Alegre: Bookmann, 2003.
DIAS, Sergio Roberto (Coord.). Gestão de Marketing: professores do departamento de mercadologia da
FGV-EAESP e convidados. São Paulo: Saraiva, 2006.
Estatísticas, dados e projeções atuais sobre a Internet no Brasil. Disponível em:
http://www.tobeguarany.com/internet_no_brasil.php. Acesso: 19 de abril de 2011.
FERRELL, O. C. e HARTLINE, Michael D. Estratégia de Marketing. 03 Ed. São Paulo: Thomson, 2005.
- 29 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
FUTRELL, Charles M. Vendas: Fundamentos e novas Práticas de Gestão. São Paulo: Saraiva, 2003.
GIL, Antonio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.
GITOMER, Jeffrey. A Bíblia de Vendas. São Paulo: M. Books do Brasil Editora Ltda, 2005.
GORDON, Ian. Marketing de Relacionamento: estratégias, técnicas e tecnologias para conquistar clientes
e mantê-los para sempre. São Paulo: Futura, 1998
GUMMESSON, Evert. Marketing de relacionamento total: Gerenciamento de marketing, estratégia de
relacionamento e abordagens de CRM para economia de rede. Porto alegre: Bookman, 2005
KOTLER, Philip. Administração de Marketing: Análise, planejamento, implementação e controle. São
Paulo: Atlas S.A., 5ª Ed, 1998.
KUNSCH, Margarida Maria Krohling. Planejamento de Relações Públicas na Comunicação Integrada. São
Paulo: Summus, 2003.
LAMB, Charles W.; HAIR,Jr. Joseph, F.; MCDANIEL, Jr. Carl. Princípios de Marketing. São Paulo:
Pioneira Thomson Learning, 2004.
LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Administração de marketing: Conceitos, Planejamento e Aplicações à
Realidade Brasileira. São Paulo: Atlas S.A, 2006.
LIMEIRA, Tania M. Vidigal. E- Marketing: O Marketing na Internet com casos brasileiros. São Paulo:
Saraiva 2003.
LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário Luiz Santos; GÜLLICH Roque Ismael da Costa. Metodologia
da Pesquisa: Normas para Apresentação de Trabalhos: Redação, Formatação e Editoração. Três de
Maio:SETREM, 2007.
MALHOTRA, Naresh K. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. 4 ed. Porto Alegre: Bookman,
2006.
MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de Pesquisa. São Paulo: Atlas, 2006.
MCKENNA, Regis. Marketing de Relacionamento: Estratégias bem-sucedidas para a era do cliente. Rio
de janeiro: Campus, 1992.
MUSSKOPF, Egon Hilario; Sinal verde para crescer: um livro de histórias da Sociedade Educacional Três
de Maio- SETREM: 1922- 2002. Novo Hamburgo: Echo Editora, 2004.
PIMENTA, Maria Alzira. Comunicação Empresarial. São Paulo: Alínea, 2006.
PINHO, J. B. Comunicação nas organizações. Viçosa: UFV, 2006.
Pinheiro, José Maurício dos Santos. Da iniciação Científica ao TCC: Uma Abordagem para os Cursos de
Tecnologia. Rio de Janeiro; Ciência Moderna, 2010.
TAVARES, Maurício. Comunicação Empresarial e Planos de Comunicação: Integrando Teoria e Prática.
São Paulo: Atlas, 2007.
- 30 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
ANÁLISE DETALHADA E SISTEMATIZADA DOS
GASTOS, SOBRETUDO TRIBUTÁRIOS, NA EMPRESA
MIGUEL NEJELISKI E CIA LTDA
De: FRANCIELI MAEHLER NEJELISKI ([email protected]) Orientado por: DOUGLAS FAORO
([email protected])
As formas de administração e controle das corporações se encontram, cada vez mais, em
níveis desenvolvidos, trazendo em um curto período de tempo, técnicas e ferramentas
utilizadas para auxiliar de forma positiva todos os departamentos. São programas que podem
ser utilizados de forma a aumentar as opções de controle, contribuindo para a fiscalização
geral, como apontamentos tributários que permitem cálculos antecipados sobre o valor a ser
pago. Atualmente, tanto o cliente como o fisco, exigem informações exatas sobre a empresa
que estarão fazendo contato, um serviço ou produto de extrema qualidade e um preço
adequado, se tais empreendedores não possuem meios confiáveis de demonstrar isso expiram
do mercado de atuação. Sendo que o projeto em questão aborda uma empresa de transporte
rodoviário de cargas em geral, intermunicipal, interestadual e internacional, sendo elas
perigosas, químicas, corrosivas e explosivas, o destaque para o setor das finanças se dá pela
dificuldade enfrentada no acompanhamento de maneiras para a inspeção do departamento. A
partir desta situação, foi implantada uma planilha automatizada com o objetivo de gerar dados
de forma ágil e eficaz, dando ênfase para as prestações tributárias. Tal planilha proporcionou
um grande progresso para a empresa de forma geral, tanto na redução de gastos involuntários
referentes a juros, que atualmente são nulos, como no acompanhamento do desenvolvimento
tecnológico. A harmonia de dados internos precisa existir, pois através destes apontamentos é
possível detectar a real situação do negócio.
Palavras-chave: Empresa, Transporte, Tributos.
Referências:
AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTE TERRESTRE: Carga Rodoviária. Disponível em
http://www.antt.gov.br/carga/rodoviario/rntrc.asp. Acesso em 06 de abr. de 2011.
AMARO, Luciano: Direito Tributário Brasileiro. São Paulo: Editora Saraiva, 2010.
BALLOU, Ronald H: Logística Empresarial. São Paulo: Editora Atlas, 2007.
EVANGELISTA, GÜLLICH, LOVATO. Mário Luiz Santos; Roque Ismael da Costa; Adalberto: Metodologia
da Pesquisa. Três de Maio: Editora Setrem, 2007.
FIGUEIREDO, FLEURY, WANKE. Kleber Fossati, Paulo Fernando, Peter: Logística e Gerenciamento da
Cadeia de Suprimentos. São Paulo: Editora Atlas, 2003.
GROPELLI, NIKBAKHT. Ehsan Moreira, Célio Knipel: Administração Financeira. São Paulo: Editora
Saraiva, 2002.
HOJI, SILVA, Masakazu, Hélio Alves da: Planejamento e Controle Financeiro. São Paulo: Editora Atlas,
2010.
INFOESCOLA: O transporte Rodoviário. Disponível em: http://www.infoescola.com/transporte/rodoviario/.
Acesso em 28 de mar. de 2011.
INSTITUTO BRASILEIRO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: Publicação. Disponível em:
http://www.ibpt.com.br/img/_publicacao/13891/189.pdf. Acesso em 18 de Abr. de 2011.
KUHNEN, BAUER. Osmar Leonardo; Udibert Reinoldo: Matemática Financeira Aplicada e Analise de
- 31 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Investimento. São Paulo: Editora Atlas, 1996.
LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 6ª Ed.
São Paulo: Atlas S.A, 2007.
LEAL, Rodolpho: Direito Tributário. São Paulo: Editora Lemes, 1998.
LOTARRACA, Nilson: Legislação tributária. São Paulo: Editora Atlas, 1982.
O GERENTE: Custeio do transporte Rodoviário. Disponível em: http://www.ogerente.com.br/log/dt/logdtcusteio_transporte_rodoviario.htm. Acesso em 04 de mar. de 2011.
POZO, Hamilton: Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais. São Paulo: Editora Atlas, 2007.
PUCCINI, Abelardo de Lima: Matemática Financeira objetiva e aplicada. São Paulo: Editora Saraiva,
2006.
RECEITA FEDERAL: Estudos Tributários. Disponível em:
http://www.receita.fazenda.gov.br/Publico/EstudoTributario/cargafiscal/CTB2005.pdf. Acesso em 18 de
abr. de 2011.
REVISTA IBERO AMERICANO: História do transporte rodoviário. Disponível em:
http://www.revistaiberoamericana.org/index.php/ibero/article/view/10/1386. Acesso em 18 de abr. de 2011.
SAMANEZ, Carlos Patricio: Matemática Financeira. São Paulo: Editora Pearson Education do Brasil,
2004.
SUAPESQUISA: Impostos. Disponível em: http://www.suapesquisa.com/o_que_e/impostos.htm. Acesso
em: 05 de mar. de 2011.
COMPOSTO MERCADOLÓGICO: UM ESTUDO SOBRE
OS 4 P‟S DO MARKETING NA EMPRESA CHALÉ
CALÇADOS
De: Juliana Ramiro ([email protected]), Celísia Liane Ziotti Bohn ([email protected]) Orientado
por: Cláudia Guimarães Scherer ([email protected])
A pesquisa identificou uma das estratégias do nível tático de marketing – Composto
Mercadológico: 4 P‟s, a partir do estudo realizado na empresa Chalé Calçados do município de
Ijuí no ano de 2011. A organização Chalé Calçados tem como negócio a venda de calçados
masculinos, femininos e acessórios. O Composto Mercadológico, os 4 P‟s, também
reconhecido como Mix de Marketing reúne as principais ferramentas para o marketing de uma
organização. O Composto possui efeitos positivos e resultados bastante convincentes e
notórios. Para Kotler (2009, p.97) “O composto de marketing é um dos conceitos-chaves da
moderna teoria de marketing”. A utilização dos 4 P‟s, contribui na conexão com o consumidor.
Para Kotler (2009, pg. 98) “(...) os 4 P‟s representam a visão dos vendedores em relação às
ferramentas de marketing disponíveis para influenciar compradores”. Os 4 P‟s são
desenvolvidos nas empresas para auxiliar clientes reais e potenciais. Conhecer os
produtos/serviços comercializados, formar os preços de venda deles, ter um ponto de
distribuição favorável e realizar propagandas são algumas das atividades relacionadas aos 4
P‟s. Para Araújo e Paula (2008) os 4 P‟s são os ingredientes principais do composto
mercadológico e significam: Produto, Preço, Praça e Promoção. Estes quatro elementos,
definidos por Eugene Jerome McCarthy no início dos anos 60, devem ser combinados para
promover ações que satisfaçam as necessidades do mercado e que possam alcançar os
objetivos da empresa. A metodologia utilizada correspondeu à abordagem qualitativa, pesquisa
descritiva e exploratória. Para dar sustentação ao trabalho a pesquisa bibliográfica tornou-se
fundamental assim como o estudo de caso realizado na empresa Chalé Calçados. Finalizando
- 32 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
o trabalho fez-se a análise e interpretação dos dados coletados na entrevista com o
administrador e dono da empresa citada. Verificou-se neste trabalho cada um dos 4 P‟s
estudados por E. Jerome McCarthy, e difundidos, entre outros por Philip Kotler, como uma das
mais importantes ferramentas do Composto Mercadológico. Em geral, o Produto, como
identificado anteriormente, é o alvo dos consumidores, e, consequentemente, o principal item
deste composto. O trabalho tornou-se significativo por ter identificado a estratégia de marketing
na organização, além de ter sido o primeiro estudo realizado na mesma. Teve importante
reconhecimento por abordar um assunto presente em toda e qualquer organização além de ser
fundamental para a fixação do estudo abordado.
Palavras-chave: composto mercadológico, marketing.
Referências:
ARAÚJO, Adriana de Fátima; PAULA, Everaldo Antônio de. Gestão de vendas: tudo sobre práticas e
estratégias em vendas. 1ª Ed. Santa Cruz do Rio Pardo: Editora Viena, 2008.
DANTAS, Edmundo Brandão. Marketing descomplicado. 2ª Ed. Brasília: Editora SENAC – DF, 2008.
KOTLER, Philip. Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e controle. 5ª Ed.
São Paulo: Editora Atlas, 2009.
REIS, Linda G. Produção de monografia: da teoria à prática. 2ª Ed. Brasília: Editora SENAC – DF, 2008.
ROESCH, Sylvia Maria Azevedo. Projetos de estágio do curso de administração: guia para pesquisas,
projetos, estágios e trabalhos de conclusão de curso. São Paulo: Editora Atlas, 1996.
YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3ª Ed. Porto Alegre: Editora Bookman, 2005.
ANÁLISE DO GRAU DE SATISFAÇÃO DO PÚBLICO
FEMININO EM RELAÇÃO A UMA LOJA DE
ACESSÓRIOS FEMININOS
De:
Priscila
Angelica
Picco
([email protected]),
([email protected])
Orientado
por:
ELISANGELA
([email protected])
Alessandro
PERINAZZO
Wornath
GODOI
Entende- se que para uma empresa ser reconhecida no mercado e alcançar sucesso ela
precisa fornecer produtos e serviços de qualidade. No entanto apenas isto não basta, é
necessário conquistá-los e torná-los fiéis fazendo com que eles voltem a empresa e optem
sempre pela mesma podendo assim fazer o marketing um-a-um. É notável também que as
empresas de sucesso exibem sempre um clima extrovertido e alegre, esse clima de alegria
entre os funcionários passa bem-estar ao cliente e à comunidade em que a empresa está
inserida. Daí ela passa a ser uma das empresas mais procuradas. É importante para qualquer
empresa saber das reais necessidades de seus clientes por isso foi preciso estudar estratégias
para atrair e fidelizar os clientes desta loja. Para essa pesquisa utilizou- se a abordagem qualiquantitativo. Para a aplicação do questionário foi realizada uma pesquisa de campo do tipo
exploratória com entrevista. Teve o objetivo de analisar o que os clientes pensavam em relação
à loja. A realização dessa pesquisa proporcionou resultados satisfatórios, com eles foi possível
sugerir estratégias para atrair e fidelizar seus clientes, alem de melhorias em relação a loja.
Com relação as hipóteses pode-se afirmar que não foram concretizadas pois é um trabalho de
longo prazo. Considerando o resultado da pesquisa realizada e a opinião das pessoas, pode-se
analisar que a loja deveria investir mais em seu marketing para facilitar a aproximação e a
fidelização dos clientes. Após a realização deste trabalho conclui-se que para uma empresa
alcançar o sucesso e o reconhecimento por seus serviços prestados à sociedade, deverá levar
- 33 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
em conta a importância de satisfazer ao máximo seu cliente, focando sempre na sua
fidelização á empresa.
Palavras-chave: Marketing, Satisfação, Clientes.
Referências:
ADMINSTRADORES, Marketing, Disponível em:<www.administradores.com.br/informese/artigos/conceitos-de-marketing/24803/ > Acesso em: 31 de Mar de 2011.
BARBARA, Hani; Ricardo; SIMÔES, Roberto. Administração de vendas: um enfoque gerencial. 1. Atlas,
1977.
DANTAS, Edmundo. Telemarketing a chamado para o futuro. 2ª edição. São Paulo: Atlas,1994.
DICIONARIOPUBLICITÁRIO. Atendimento, Disponível em:
< www.dicionariopublicitario.net/a.php > Acesso em 31 de Mar de 2011.
GOBE, Antonio Carlos et al. Administração de vendas. São Paulo: Saraiva, 2005.
GUMMESSON. Evert, Marketing de Relacionamento Total. Ed. - Porto Alegre: Artmed, 2002.
KOTLER, Philip. Administração de Marketing: análises, planejamentos, implementação e controle. Trad,
Ailton Bonfim Brandrão. 5. Ed. São Paulo: Atlas, 1998.
LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário Luiz Santos; GÜLLICH, Roque Ismael da Costa, Metodologia
da pesquisa: normas para apresentação de trabalhos:redação, formatação e editoração. Três de Maio:
Ed. SETREM, 2007.
MARCONI, Maria de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnica de pesquisa:planejamento e execução de
pesquisa, amostragens a técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. 6. Ed. São
Paulo, Atlas, 2003.
MIRANDA. Roberto Lira, Marketing do Varejo e Alianças Estratégicas com a Indústria. São Paulo:
Qualitymark, 1997.
REZENDE willians, O que é foco no produto. Disponível
em<http://www.pensandomarketing.dreamhosters.com/home/id47.html. Acesso em 03 de jun,2011.
SABESP, Cliente, Disponível em:
<www2.sabesp.com.br/fale%20conosco/perguntas_frequentes/glossário.asp#C > Acesso: em 31 de Mar
de 2011.
Segundo Kotler Philip (2003) Fidelização de Clientes como Diferencial Competitivo Disponivel em:
<http://www.portaldomarketing.com.br/Artigos/Fidelizacao%20de%20clientes%20como%20diferencial%20
competitivo.htm. Acesso em 02 de jun,2011.
SOBRE ADMINISTRÇÃO. Marketing boca-a-boca: Uma estratégia vencedora. Disponível em:
<http://www.sobreadministracao.com/marketing-boca-a-boca-uma-estategia-vencedora/>. Acesso em: 26
de mai. 2011.
SOBRE MARKETING. Marketing para produtos e serviços. Disponível em
<http://www.marketing.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=265&Itemid=80. Acesso
em 31 de maio. 2022.
OCEANOAZULRESEARCH, Fidelização, Disponível em:
< oceanoazulresearch.wordpress.com/conceitos/ > Acesso em:31 de Mar de 2011.
- 34 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
11ª MOSTRA ESTADUAL DE PESQUISA - CURSOS
TÉCNICOS - INFORMÁTICA
DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA WEB E DESKTOP
PARA ARMAZENAMENTO DE PROJETOS DO CURSO
TÉCNICO EM INFORMÁTICA DA SOCIEDADE
EDUCACIONAL TRÊS DE MAIO - SETREM
De: FRANCINE WINKELMANN ([email protected]), RENATA LARISSA DA SILVA
([email protected]), VANESSA ANDREIA SCHNEIDER ([email protected])
Orientado por: EDINEI DANIEL STEFFEN ([email protected])
Com a chegada da internet, o mundo está se acostumando com a importância de
compartilhar e de construir o conhecimento em conjunto, isso pode ser notado em blogs e
wikis, em que qualquer pessoa interessada em construir conhecimento com outras pessoas
pode participar. O que significa que, aos poucos as pessoas estão compreendendo a
importância de publicar aquilo que produzem, ou seja, de mostrar para as pessoas o que elas
fazem e pensam. Neste trabalho apresenta-se o sistema de armazenamento de projetos para o
Curso Técnico em Informática da Sociedade Educacional Três de Maio, SETREM,
desenvolvido pelas estudantes do próprio curso. Este projeto, partiu de uma demanda da
própria instituição de manter os projetos desenvolvidos pelos estudantes do curso em um
sistema, visto que até então os mesmos eram mantidos estocados em armários, contudo,
manter esses projetos estocados em um armário, não possibilita que a comunidade em geral
conheça o quão bons são esses trabalhos, nem que as pessoas possam se utilizar desses
projetos, que resultam em sistemas, relatórios, gráficos, entre outros. O trabalho apresenta
ainda, uma série de outras atividades realizadas, como a produção de vídeos, desenvolvimento
de objetos em 3D, entre outras.
Palavras-chave: Projeto, Compartilhamento de Dados, Conhecimento.
Referências:
AISA. O que é a Internet? Disponível em: <http://www.aisa.com.br/oquee.html>. Acesso em: 08 abr. 2011.
GOOGLE SKECHUP. Modelagem 3D para todos. Disponível em: <http://sketchup.google.com/intl/ptBR/>. Acesso em: 20 ago. 2009.
CEDET. Leis relativas a Informática. Disponível em:<http://www.cede
t.com.br/index.php?/Tutoriais/Gestao-da-Inovacao/lei-da-informatica-leis-8248-10176-e-11077.html>.
Acesso: 26 mar. 2011.
FACOM. Conceitos Básicos de Informática. Disponível em:
<http://www.facom.ufu.br/~claudio/Cursos/ICC/Resources/Modulo01/Conceitos_Basicos.pdf>. Acesso em:
10 abr. 2011.
FACUNTE, Emerson. Dephi 7: Internet e Banco de Dados. Rio de Janeiro: Brasport, 2003.
INFO WESTER. O que é Cloud Computing? Disponível em:
<http://www.infowester.com/cloudcomputing.php>. Acesso em: 27 mai. 2011.
TROFIA. O que é Computador? Disponível em: <http://www.trofia.com/informatica/computador-conceito>.
Acesso em: 02 jun. 2011.
- 35 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
UNAMAO. Edição de Vídeo. Disponível em: <http://umamao.com/topics/Edi%C3%A7%C3%A3o-dev%C3%ADdeo>. Acesso em: 27 mai. 2011.
USO E APLICAÇÃO DAS TECNOLOGIAS MÓVEIS NA
EDUCAÇÃO
De: ALINE DANIELA SCHU ([email protected]) Orientado por: CARLOS ALBERTO CECCON
([email protected]), PATRICIA JANNER ([email protected]), CHARLES ALBERTO
SCHIRMER ([email protected]m)
Ao longo do projeto foi-se pensando como as escolas poderiam usufruir das tecnologias
móveis que nos dias de hoje são muito usadas pelos jovens e que seria um incentivo para os
estudos além de ajudar os professores na explicação dos conteúdos de aula por ter ótimas
ferramentas de pesquisa. Pensou-se então na criação de um aplicativo direcionado a pesquisa,
mas que não precise ter acesso a internet e pode ser instalado em dispositivos móveis como
notebooks, netbooks, iphone, entre outros. Isso ajudaria em muito, pois muitos estudantes não
tem acesso fácil a internet, e com o aplicativo móvel a pesquisa seria rápida e muito prática.
Com isso foi realizada uma palestra para a turma da 6° série no município de São José do
Inhacorá com o intuito de ampliar os conhecimentos, incentivando-os a pesquisar.
Palavras-chave: Palavras chave: educação, tecnologias móveis, dispositivos móveis.
Referências
A NOSSA VIDA. 3D. Disponível em: <http://anossavida.pt/artigos/tecnologia-3d-nova-forma-ver-tv>.
Acesso em: 28 de abr de 2011.
AllDREAMS. Aplicativos Móbile. Disponível em: <http://www.alldreams.com.br/alldreams/artigos/44-o-quesao-aplicativos-mobile.html>. Acesso em: 27 de abr. de 2011.
BLACKBERRY BRASIL. Black Berry. Disponível em:
<http://www.blackberrybrasil.com.br/forum/viewtopic.php?f=1&t=34>. Acesso em: 29 de abr. de 2011.
BLOG DO IPHONE. App Store. Disponível em: <http://blogdoiphone.com/2008/11/entenda-porque-naoha-jogos-na-app-store-brasileira>. Acesso em: 28 de abr. de 2011.
CEDET. AMPS. Disponível em: <http://www.cedet.com.br/index.php?/O-que-e/ComunicacoesMoveis/amps.html>. Acesso em: 28 de abr. de 2011.
COMUNIDADE BRASILEIRA DE WORDPRESS-BR. Blog. Disponível em:<http://wpbrasil.org/novidades/o-que-e-um-blog-movimento-blog-voluntario>. Acesso em: 27 de abr. de 2011.
CRIAR WEB. HTML. Disponível em: <http://www.criarweb.com/artigos/7.php>. Acesso em: 20 de mai de
2011.
CRIAR WEB. Linhas. Disponível em: <http://www.criarweb.com/artigos/814.php>. Acesso em: 28 abril.
2011
CULTURA. BrOffice.Org Write. Disponível em: <http://www.cultura.ufpa.br/dicas/open/wri-ind.htm>.
Acesso em: 27 de abr de 2011.
CULTURA. BrOffice.Org. Disponível em: <http://www.cultura.ufpa.br/dicas/open/oo-defi.htm>. Acesso em:
29 de abr de 2011.
- 36 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
CURIO FISICA. LCD. Disponível em:<http://curiofisica.com.br/tecnologia/o-que-e-lcd>. Acesso em: 20 de
mai de 2011.
FARDO, Morgan. Distribuição de Frequência. Disponível em:
<http://informeeconomico.com.br/2008/08/19/distribuicao-de-frequencia.html>. Acesso em: 17 de jun. de
2011.
GOOGLE ANALICTYS. Google Analictys. Disponível em: <http://www.google.com/intl/pt-BR/analytics/>.
Acesso em: 29 abril. 2011.
ICMC. HTTP. Disponível em: <http://www.icmc.usp.br/ensino/material/html/http.htm>. Acesso em: 20 de
mai de 2011.
INFO WESTER. DVD. Disponível em: <http://www.infowester.com/dvd.php>. Acesso em: 25 de abr de
2011.
INFO WESTER. HD (Tipos de HD). Disponível em: <http://www.infowester.com/hds2.php>. Acesso em:
26 de abr de 2011.
INFORMÁTICA HSW. Bios. Disponível em: <http://informatica.hsw.uol.com.br/bios1.htm>. Acesso em: 27
de abr. de 2011.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo. Disponível em:
<http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/guia_do_censo_2010_apresentacao.php>. Acesso em:
27 de abr de 2011.
KIOSKEA. Mala Direta. Disponível em: <http://pt.kioskea.net/faq/5344-e-mail-mala-direta-o-que-e>.
Acesso em: 27 de abr de 2011.
LABORATÓRIO DE EPIDEMIOLOGIA E ESTATISTICA. Amostra. Disponível em:
<http://www.lee.dante.br/pesquisa/amostragem/que_amostra.html>. Acesso em: 28 de abr. de 2011.
LIBRE OFFICE. BrOffice.Org Impress. Disponível em: <http://www.broffice.org/broo/?q=produto/impress>.
Acesso em: 29 de abr de 2011.
MEIOS IMPRESSOS. Diagramação de Textos. Disponível em:
<http://meiosimpressos.blogspot.com/2007/08/diagramao-conceitos-bsicos.htm>. Acesso em: 26 de abr
de 2011.
OFFICE MICROSOFT. Estilos. Disponível em: <http://office.microsoft.com/pt-br/word-help/sobre-aformatacao-de-texto-usando-estilos-HP005189563.aspx>. Acesso em: 27 de abr de 2011.
OFFICE MICROSOFT. Microsoft Office PowerPoint 2010. Disponível em:<http://office.microsoft.com/ptbr/powerpoint/recursos-e-beneficios-do-powerpoint-2010-HA101809930.aspx>. Acesso em: 28 de abr de
2011.
OFICINA DA NET. Cloud Computing (Computação nas Nuvens). Disponível
em:<http://www.oficinadanet.com.br/artigo/923/computacao_nas_nuvens>. Acesso em: 26 de abr de
2011.
OFICINA DA NET. Android. Disponível em:
<http://www.oficinadanet.com.br/artigo/2239/google_android_o_que_e>. Acesso em: 28 de abr. de 2011.
OFICINA DA NET. CDMA. Disponível em: <http://www.oficinadanet.com.br/artigo/742/cdma_o_que_e>.
Acesso em: 27 de abr de 2011.
OFICINA DA NET. Editoração de Texto. Disponível em:
<http://www.oficinadanet.com.br/artigo/1833/editoracao_eletronica_-_introducao>. Acesso em: 27 de abr
de 2011.
- 37 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
OFICINA DA NET. Ferramenta Bézier. Disponível em:
<http://www.oficinadanet.com.br/artigo/127/usando_a_ferramenta_bezie>. Acesso em: 29 de abr de 2011.
OFICINA DA NET. GSM. Disponível em:
<http://www.oficinadanet.com.br/artigo/733/gsm_o_que_e_e_como_funciona>. Acesso em: 28 de abril de
2011.
OTIMIZACAO. Hiperlinks. Disponível em:<http://www.otimizacao-sites-busca.com/art-misc/hlink.htm>.
Acesso em: 28 de abr de 2011.
PATENTESONLLINE. Display. Disponível em: <http://www.patentesonline.com.br/metodo-e-dispositivopara-manipular-cor-em-um-display-178448.html>. Acesso em: 29 de abr de 2011.
PEREIRA, Ana Paula. Chipset. Disponível em:
<http://www.oficinadanet.com.br/artigo/923/computacao_nas_nuvens>. Acesso em: 25 de abr de 2011.
PEREIRA, Douglas. Indesign. Disponível em: <http://artsdream.forumeiros.com/t2327-adobe-indesign-oque-e-e-para-que-serve>. Acesso em: 20 de mai de 2011.
PLANETA EDUCAÇÃO. Folder. Disponível em:
<http://www.planetaeducacao.com.br/portal/artigo.asp?artigo=570>. Acesso em: 26 de abr de 2011.
PORTAIS. Facebook. Disponível em: <http://www.portais.ws/?page=art_det&ida=1202>. Acesso em: 28
de abr de 2011.
PORTAL CMC. Brainstorm. Disponível em: <http://www.portalcmc.com.br/tecria_09.htm>. Acesso em: 29
de abr. de 2011.
PORTAL EDUCACIONAL DAS AMERICAS. Internet 2. Disponível em:
<http://www.educoas.org/portal/pt/tema/tinteres/temaint26.aspx?culture=pt&navid=71>. Acesso em: 29 de
abr de 2011.
PROF WEB DIEGO. Layout. Disponível em: <http://prof-web-diego.webnode.pt/products/o-que-e-umlayout-de-slide-/>. Acesso em: 28 de abr de 2011.
RGARTE. CMYK. Disponível em: <http://www.rgarte.com.br/o-que-sao-cores-cmyk-rgb-e-pantone/>.
Acesso em: 27 de abr de 2011.
RJHOST. Antivírus. Disponível em: <http://www.rjhost.com.br/faq/117/hospedagem-de-site/o-que-umantivrus.html>. Acesso em: 28 de abr. de 2011.
SEMPRE TOPS. 4G. Disponível em: <http://www.sempretops.com/tecnologia/o-que-e-a-tecnologia-4g/>.
Acesso em: 26 de abr de 2011.
SEMPRE TOPS. Marketing Digital. Disponível em: <http://www.sempretops.com/internet/marketing-digitalo-que-e-conceito/>: Acesso em: 28 de abr de 2011.
SISTEMA ONLLINE. 6D. Disponível em: <http://www.sistema-online.com/imagem-super-realistas-com-atecnologia-6d>. Acesso em 28 de abr de 2011.
SUPER DOWNLOADS. Microsoft Office Word 2010. Disponível em:
<http://www.superdownloads.com.br/materias/microsoft-word-2010.html>. Acesso em: 28 de abr de 2011.
SUPPORT. Editor de Texto. Disponível em: <http://support.apple.com/kb/HT2523?viewlocale=pt_BR>.
Acesso em: 27 de abr de 2011.
TARBOURIECH. Ios. Disponível em: <http://www.ibiblio.org/pub/linux/docs/linux-docproject/linuxfocus///Portugues/March2002/article230.shtml>. Acesso em: 27 de abr de 2011.
- 38 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
TEC MUNDO. CPU. Disponível em: <http://www.tecmundo.com.br/209-voce-sabe-o-que-e-uma-cpu.htm>. Acesso em: 26 de abr de 2011.
TEC MUNDO. Maquina Virtual. Disponível em: <http://www.tecmundo.com.br/232-o-que-sao-maquinasvirtuais-.htm>. Acesso em: 28 de abr de 2011.
TECH CLUBE. Fonte AT e ATX. Disponível em: <http://www.techclube.com.br/blog/?p=302>. Acesso em:
28 de abr de 2011.
TROFIA. GB. Disponível em: <http://www.trofia.com/informatica/gigabyte-unidade-de-medida>. Acesso
em: 20 de maio de 2011.
TROFIA. MB. Disponível em: <http://www.trofia.com/informatica/megabyte-unidade-de-medida>. Acesso
em: 20 de mai de 2011.
USC. Manual de Identidade Visual. Disponível em: <http://www.usc.br/logotipos/logousc.pdf>. Acesso em:
27 de abr de 2011.
VIVINA Formulário. Disponível em: <http://vivina.com.br/site/InfoControl/Ajuda/Site/O-que-e-umformulario,71.aspx>. Acesso em: 26 de abr de 2011.
PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA EMPRESA DE
RECICLAGEM DO LIXO ELETRÔNICO,
DESENVOLVENDO PRODUTOS RELACIONADOS AO
BEM ESTAR
De: GILCIANE RODRIGUES HERPICH ([email protected]), ANA PAULA DOS SANTOS
([email protected]) Orientado por: DANIELE ROSSI ([email protected])
A proposta de implantação de uma empresa de reciclagem no primeiro semestre de 2010
foi com o intuito de diminuir o percentual de lixo eletrônico na região buscando alternativas
inovadoras que tragam resultados específicos. A Empresa proposta foi a INOVE que tem como
missão oferecer a comunidade um amplo conhecimento sobre o e-lixo, e proporcionar a
mesma uma alternativa de reciclagem, ajudando na preservação do meio ambiente, incluindo
produtos que podem beneficiar, e gerar uma melhor estabilidade sustentável. O produto
desenvolvido são capas para banco, feitas através de uma peça de mouses antigos,
denominados lixo eletrônico. A partir disso, foram realizadas pesquisas que informaram que o
mesmo traz conforto e proporciona benefícios à saúde. O desenvolvimento dessa empresa
resultou na criação de informativos trazendo características e soluções para o seu descarte.
Também, foi realizada uma palestra na escola Castelo Branco, onde foi apresentado um vídeo
que possibilita a obtenção de conhecimento para a sociedade diante desse lixo, mostrando os
riscos e ensinando as pessoas a terem uma conscientização correta para que este problema
possa ser resolvido rapidamente.
Palavras-chave: Reciclagem, inovação, desenvolvimento.
Referências
TECNOLOGIA E AMBIENTE. Toxicidade do lixo eletronico. Disponível em:
<http://www.istoe.com.br/reportagens/33690_LIXO+ELETRONICO+?pathImagens=&path=&actualArea=in
ternalPage>. Acesso em: 12 de mai. 2010.
FONSECA, Felipe. Lixo eletrônico. Disponível em:
<http://www.cibersociedad.net/congres2009/es/coms/lixo-eletrnico/767/>. Aceso em: 15 de abr. 2010.
BUSSAB, Wilton de O; MORETTIN, Pedro A. Estatística básica. São Paulo: Editora LTC, 2003
- 39 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
PROPOSTA DO USO DE UM APLICATIVO MÓVEL E
DAS TECNOLOGIAS MÓVEIS NA COMUNICAÇÃO
ENTRE EMPRESAS DE FORNECIMENTO DE ENERGIA
ELÉTRICA E SEUS CLIENTES
De: ANDRÉ GUILHERME HILGERT ([email protected]), LUAN FELIPE DE MATTOS MELLER
([email protected]), REGIS MATHEUS DE ANDRADE ([email protected]m.com.br) Orientado
por: DANIELE ROSSI ([email protected])
Como há um crescimento cada vez maior das Tecnologias Móveis diariamente, e junto
cresce o conhecimento das pessoas em relação às tecnologias, mas dentro disto há um
problema, as empresas sempre estão procurando e contratando os profissionais mais
qualificados disponíveis no mercado de trabalho, o que ultimamente esta difícil de encontrar.
Pensando nisto, surgiu a proposta de criação de um Aplicativo Móvel que faça a leitura dos
dados de energia das casas das pessoas e assim ajudando-as a controlar seus gastos. Com a
proposta de criação de um Aplicativo Móvel se faz necessário sua divulgação do mesmo bem
como uma análise financeira e uma pesquisa para saber se já existe alguma empresa em Três
de Maio que já utiliza estas tecnologias, para isso se desenvolveu um questionário e aplicado
às pessoas. Um manual de Identidade Visual para colocar os limites de divulgação e uso da
marca do aplicativo, o qual foi desenvolvido no CorelDraw. Foi desenvolvido um blog que
serviu como um caderno de campo para a divulgação do andamento do projeto bem como a
criação de um blog pessoal para cada integrante do grupo. A análise dos materiais de
divulgação, gráficos e tabelas para a pesquisa de campo, o livro foi elaborado no InDesign
juntamente com o folder que elaborou-se no CorelDraw, e usou-se o Page Maker para
desenvolvimento do jornal. A apresentação para a banca, juntamente coma apresentação
institucional foram desenvolvidos no PowerPoint e apresentadas na máquina virtual, a qual foi
configurada e adequada coma instalação dos softwares estudados no decorrer do semestre.
Palavras-chave: Comunicação, Tecnologias Móveis e Aplicativos Móveis
Referências:
ADOBE. O que é o InDesign?. Disponível em:
<http://www.adobe.com/br/products/indesign.html?promoid=BOZRK>. Acesso em: 19 Mai. 2011.
ALECRIM, Emerson. Fontes, Motherboard, USB. Disponível em: <http://www.infowester.com/>. Acesso
em: 28 Abr. 2011.
ALGOSOBRE. Sistema Operacional. Disponível em: < http://www.algosobre.com.br/informatica/sistemaoperacional.html>. Acesso em: 19 Mai. 2011.
ALLDREAMS. O que são Aplicativos Mobile?. Disponível em:
<http://www.alldreams.com.br/alldreams/artigos/44-o-que-sao-aplicativomobile.html>. Acesso em: 27 Abr.
2011.
ALMEIDA, Marilane Araújo de. Corel Draw. Disponível em:
<http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/marilanealmeida/coreldrawmod01026.asp>. Acesso em: 28 Abr.
2011.
ALTERMANN, Dennis; Qual a diferença entre Redes Sociais e Mídias Sociais?. Disponível em:
<http://www.midiatismo.com.br/comunicacao-digital/qual-a-diferenca-entre-redes-sociais-e-midias-
- 40 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
sociais>. Acesso em: 13 Abr. 2011.
ALVAREZ, Miquel Angel. O que é um Blog?. Disponível em: <http://www.criarweb.com/artigos/o-que-eum-blog.html>. Acesso em: 27 Abr. 2011.
ALVAREZ, Miguel Angel. Formatando o Texto. Disponível em: <http://www.criarweb.com/artigos/20.php>.
Acesso em: 26 Abr. 2011.
AMARAL, Fabio Eduardo; O que é Virtualização?. Disponível em: <http://www.tecmundo.com.br/1624-oque-e-virtualizacao-.htm>. Acesso em: 13 Abr. 2011.
ANDROID BRASIL. O que é Android?. Disponível em:
<http://www.androidbrasil.com/noticias/android/166-o-que-e-android>. Acesso em: 14 Mai. 2011.
ANDROIDBRASIL. O que é Android?. Disponível em: <http://www.androidbrasil.com/noticias/android/166o-que-e-android>. Acesso em: 27 Abr. 2011.
ATIVO FORUM. O que é Slot. Disponível em: <http://onlinepc.ativoforum.com/t8-o-que-e-slot>. Acesso
em: 29 Abr. 2011.
BABOO, TDMA. Disponível em: <http://www.babooforum.com.br/forum/index.php?/topic/141999-duvidassobre-gsm-tdma-cdma/>. Acesso em: 28 Abr. 2011.
BABOO, O que é PowerClip?. Disponível em: <http://www.baboo.com.br/conteudo/modelos/Trabalhandocom-PowerClip-no-CorelDraw_a7449_z0.aspx>. Acesso em: 28 Abr. 2011.
BABYLON. Windows XP. Disponível em: <http://dicionario.babylon.com/windows%20xp/>. Acesso em: 29
Abr. 2011.
BLACKBERRYBRASIL. O que é BlackBerry?. Disponível em:
<http://www.blackberrybrasil.com.br/forum/viewtopic.php?f=1&t=34>. Acesso em: 27 Abr. 2011.
BLOG, O que é Pantone?. Disponível em: <http://design.blog.br/design-grafico/o-que-e-pantone>. Acesso
em: 28 Abr. 2011.
BLOGSPOT, CYMK, o que é isso?. Disponível em: <http://dicasdraw.blogspot.com/2009/05/cymk-o-quee-isso.html>. Acesso em: 28 Abr. 2011.
BR OFFICE. Descrição do Produto. Disponível em: <http://www.broffice.org/broo/?q=produto/writer>.
Acesso em: 26 abr. 2011.
BYH, O que é Display?. Disponível em: <http://www.byh.com.br/materia/det/149/o-que-e-display.html>.
Acesso em: 28 Abr. 2011.
CABRAL, Bruno. Tributação para provedores. Disponível em:
<http://www.wirelessbrasil.org/bloco/2008/novembro/nov_11.html>. Acesso em: 29 Abr. 2011.
CAMPOS, Ivan Moura. O que é a Internet 2 ?. Disponível em:
<http://super.abril.com.br/superarquivo/2001/conteudo_209169.shtml>. Acesso em: 13 Mai. 2011.
CANSON INFINITY. O que significa RGB?. Disponível em: <http://www.cansoninfinity.com/pt/faq_colour_04.asp>. Acesso em: 25 Mai. 2011.
CARDOZO, André; Tablet: que bicho é esse ?. Disponível em:
<http://tecnologia.ig.com.br/noticia/2010/01/14/tablet+que+bicho+e+esse+9295069.html>. Acesso em: 19
Abr. 2011.
CASEEDITORIAL. Tilt Shift: A técnica da Miniaturização. Disponível em:
<http://www.revistafotomania.com.br/blog/item/67-tilt-shift-a-t%C3%A9cnica-daminiaturiza%C3%A7%C3%A3o>. Acesso em: 28 Abr. 2011.
- 41 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
CLAUDIA, O que é Web Design. Disponível em:
<http://www.claudia.kich.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=77%3Ao-que-ewebdesign&catid=42%3Aartigos&Itemid=84&lang=pt>. Acesso em: 28 Abr. 2011.
CLUBE DO HARDWARE. Como os Processadores Funcionam. Disponível em:
<http://www.clubedohardware.com.br/artigos/1145>. Acesso em: 15 Mai. 2011.
CLUBE DO HARDWARE. Todos os soquetes de Processadores. Disponível em:
<http://www.clubedohardware.com.br/artigos/1275>. Acesso em: 15 Mai. 2011.
CLUBE DO HARDWARE. Tudo o Que Você Precisa Saber Sobre Chipsets. Disponível em: <
http://www.clubedohardware.com.br/artigos/568>. Acesso em: 16 Mai. 2011.
CLUBE DO HARWARE. O que é soquete?. Disponível em:
<http://forum.clubedohardware.com.br/soquete-como-descobrir/629605>. Acesso em: 29 Abr. 2011.
COMOFAÇO. O que é Bios e como atualizar. Disponível em: <http://www.comofaco.com/2008/09/16/oque-bios-e-como-atualizar/>. Acesso em: 29 Abr. 2011.
COMPUTER DICAS. Microsoft Word 2010. Disponível em:
<http://www.computerdicas.com.br/2011/02/como-criar-organograma-no-word-2010.html>. Acesso em: 18
Mai. 2011.
CULTURA. Características Gerais. Disponível em: <http://www.cultura.ufpa.br/dicas/open/oo-defi.htm>.
Acesso em: 26 Abr. 2011.
D´ÁVILA, César Kyn; AMPS. Disponível em: <http://www.cedet.com.br/index.php?/O-quee/Comunicacoes-Moveis/amps.html>. Acesso em: 26 Abr. 2011.
DESIGN. O que é Pantone?. Disponível em: <http://design.blog.br/design-grafico/o-que-e-pantone>.
Acesso em: 25 Mai. 2011.
DIG NOW, As novas Mídias e a Interação entre as pessoas. Disponível em:
<http://www.dignow.org/post/as-novas-m%C3%ADdias-e-a-intera%C3%A7%C3%A3o-entre-as-pessoas149708-68120.html>. Acesso em: 10 Mai. 2011.
DIHITT. Como Formatar Fonte de Texto no Word 2010. Disponível em:
<http://www.dihitt.com.br/n/softwares/2011/03/04/como-formatar-fonte-de-texto-no-word-2010>. Acesso
em: 18 Mai. 2011.
ELETECHNOLOGY. Conceito do IP do movimento no sistema cdma2000. Disponível em:
<http://eletechnology.com/?action-viewnews-itemid-96072>. Acesso em: 19 Mai. 2011.
EPM. Imagens Digitais. Disponível em: <http://www.virtual.epm.br/material/tis/currbio/photosty/imagem.htm>. Acesso em: 29 Abr. 2011.
EQUIPE ER ASSOCIADOS, O que é RGB?. Disponível em: <http://erassociados.com/centralconteudo/detalhe/conteudo-o-que-e-rgb>. Acesso em: 29 Abr. 2011.
FLÁVIO, Valden. O que é o Google Analytics ?. Disponível em: http://www.mundoseo.com.br/googleanalytics/tutorial-basico-google-analytics/.
Acesso em: 12 Mai. 2011.
FMAIS. O que é Folder?. Disponível em: <http://www.fmais.com.br/design-grafico/o-que-e-folder>. Acesso
em: 25 Mai. 2011.
GLOBO. O que é Twitter?. Disponível em: <http://g1.globo.com/Noticias/0,,MUL394846-15524,00-
- 42 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
O+QUE+E+TWITTER.html>. Acesso em: 10 Mai. 2011.
GOIAS MIDIA. Identidade Visual, Folder. Disponível em: <http://www.goiasmidia.com.br/>. Acesso em: 16
Mai. 2010.
GOOGLE. O que é, e para que serve um formulário?. Disponível
em:<http://www.google.com/support/forum/p/docs/thread?tid=55fd3a61d4819216&hl=pt-BR>. Acesso em:
26 Abr. 2011.
GRUPO ESCOLAR. Editores de Texto. Disponível em:
<http://www.grupoescolar.com/materia/editores_de_texto.html>. Acesso em: 18 Mai. 2011.
GUGELMIN, Felipe; O que é o tal de 6D?. Disponível em: <http://www.tecmundo.com.br/2606-conheca-osistema-6d-capaz-de-projetar-imagens-extremamente-realistas.htm>. Acesso em: 26 Abr. 2011.
GUIA DO HARDWARE. Processador. Disponível em:
<http://www.guiadohardware.net/termos/processador>. Acesso em: 28 Abr. 2011.
HARDWARE. Palmtops. Disponível em: <http://www.hardware.com.br/termos/palmtops>. Acesso em: 17
Mai. 2011.
HARDWARE. Placa Mãe. Disponível em: <http://www.hardware.com.br/livros/hardware/placa-mae.html>.
Acesso em: 16 Mai. 2011.
HAUTSCH; Oliver. Como funciona a Realidade Aumentada. Disponível em:
<http://www.tecmundo.com.br/2124-como-funciona-a-realidade-aumentada.htm>. Acesso em: 10 Mai.
2011.
HELLMANN; Géssica. Mídias Sociais. Disponível em: <http://www.webartigos.com/articles/5560/1/O-Quee-Midia-Social/pagina1.html>. Acesso em: 10 Mai. 2011.
HP. O que é virtualização e o que ela pode fazer pela minha empresa?. Disponível em:
<http://www.hp.com/latam/br/pyme/solucoes/apr_solucoes_01.html>. Acesso em: 16 Mai. 2011.
HP. O que são Redes Sociais?. Disponível em: <http://h30458.www3.hp.com/br/ptb/smb/941786.html>.
Acesso em: 10 Mai. 2011.
IMARCA. Logomarca e Logotipo. Disponível em:
<http://www.imarca.com.br/_easyweb/_site/pg_logomarcas_logotipos.cfm>. Acesso em: 28 Abr. 2011.
IMASTERS. O que é Brainstorming. Disponível em: <http://forum.imasters.com.br/topic/7474-o-que-ebrainstorming/>. Acesso em: 28 Abr. 2011.
INFOESCOLA. Distribuição de Frequências. Disponível em: <http
://www.infoescola.com/estatistica/distribuicao-de-frequencias/>. Acesso em: 29 Abr. 2011.
INFOWESTER. HDs Disponível em: <http://www.infowester.com/hds1.php>. Acesso em: 28 abr. 2011.
KAKOHOLDER. O que é IOS?. Disponível em: <http://www.kakoholder.com/2011/04/dicas-parainiciantes-o-que-e-ios/>. Acesso em: 27 Abr. 2011.
KARASINSKI; Eduardo. O que é Computação em Nuvens?. Disponível em:
<http://www.tecmundo.com.br/738-o-que-e-computacao-em-nuvens-.htm>. Acesso em: 10 Mai. 2011.
KIOSKEA. Telefonia móvel. Disponível em: <http://pt.kioskea.net/contents/telephonie-mobile/reseauxmobiles.php3> . Acesso em: 13 Mai. 2011.
KIRNER; Zorzal. Realidade Aumentada. Disponível em:
<http://www.realidadeaumentada.com.br/home/index.php?option=com_content&task=view&id=1&Itemid=2
- 43 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
7>. Acesso em: 19 Abr. 2011.
KONFIDE. Consultoria em Marketing Digital. Disponível em: <http://www.konfide.com.br/consultoriamarketing-digital>. Acesso em: 13 Abr. 2011.
KRIEGER; Stephanie. O que são Macros?. Disponível em: <http://office.microsoft.com/pt-br/help/macrosdesmistificadas-o-que-sao-e-por-que-usa-las-HA010007210.aspx>. Acesso em: 25 Mai. 2011.
LABORATÓRIO RIGOR. O que é lente?. Disponível em:
<http://www.laboratoriorigor.com.br/lentes_tipos.html>. Acesso em: 28 Abr. 2011.
LANDIM; Wikerson. Como funciona a tecnologia 3D?. Disponível em: <http://www.tecmundo.com.br/2469como-funciona-a-tecnologia-3d-.htm>. Acesso em: 26 Abr. 2011.
LIBRE OFFICE. BrOffice.org – Descrição do Produto. Disponível em:
<http://www.libreoffice.org.br/broo/?q=produto/writer>. Acesso em: 18 Mai. 2011.
LIVRO ARBÍTRIO. Curso de PageMaker 7.0 Passo a Passo. Disponível em:
<http://www.livroarbitrio.com.br/novaloja/index.asp?programa=detalhesdoproduto.asp&produto=4766&loja
=1>. Acesso em: 19 Mai. 2011.
LOCASITE. CorelDraw. Disponível em: <http://www.locasite.com.br/design/tec_corel.shtml>. Acesso em:
26 Mai. 2011.
LOGO MÍDIA. O que é Símbolo. Disponível em: <http://www.logomidia.com/artigo001.htm>. Acesso em:
25 Mai. 2011.
LOVATO; Adalberto, EVANGELISTA; Mário Luiz Santos, GÜLLICH; Roque Ismael da Costa. Metodologia
da pesquisa: normas para apresentação de trabalhos – redação, formatação e editoração. Três de Maio:
Ed. SETREM, 2007.
MALHEIROS; Arthur Luiz. O que é PageMaker?. Disponível em: <http://info.abril.com.br/forumantigo/forum.php?topico=432392>. Acesso em: 29 Abr. 2011.
MARCEL; Frank. Redes Sociais. Disponível em: <http://www.mestreseo.com.br/category/redes-sociais>.
Acesso em: 28 Abr. 2011.
MARCO. Internet 4G. O que muda com ela?. Disponível em:
<http://blogdoguia.com/index.asp?pag=noticias&acao=detalhes&id=418&post=Internet--4G.-O-que-mudacom-ela?>. Acesso em 13 Mai. 2011.
MARQUES, Paulo. Calculadora HP12C. Disponível em: <http://www.algosobre.com.br/matematicafinanceira/primeiro-contato-com-a-calculadora-hp12c.html>. Acesso em: 15 Abr. 2011.
MARKETING. O que é SEO?. Disponível em: <http://www.marketingdebusca.com.br/seo/>. Acesso em:
28 Abr. 2011.
MARTON; Fábio. O que é ORKUT?. Disponível em: <http://super.abril.com.br/tecnologia/orkut444595.shtml>. Acesso em: 10 Mai. 2011.
MH. As constantes mudanças no mundo corporativo. Disponível em: <http://www.mh.etc.br/blog/relacoeshumanas/as-constantes-mudancas-no-mundo-corporativo>. Acesso em: 27 Abr. 2011.
MICROSOFT. Adicionar transições entre slides. Disponível em: <http://office.microsoft.com/ptbr/powerpoint-help/adicionar-transicoes-entre-slides-HA010107771.aspx>. Acesso em: 26 Abr. 2011.
MICROSOFT. Windows Mobile. Disponível em: <http://msdn.microsoft.com/ptbr/windowsmobile/bb264318>. Acesso em: 28 Abr. 2011.
- 44 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
MICROSOFT OFFICE ONLINE. Filtros, Fonte, Formatação Condicional, Formulas, Hiperlink, Macro,
Máquina Virtual, Microsoft Office. Disponível em: <http://office.microsoft.com/pt-br/>. Disponível em:
<http://office.microsoft.com/pt-br/powerpoint/HP051954061046.aspx>. Acesso em: 28 Abr. 2011.
MORENO; Luciano. A linha. Disponível em: <http://www.criarweb.com/artigos/814.php>. Acesso em: 28
Abr. 2011.
MORIMOTO; Carlos E. CMYK. Disponível em: <http://www.hardware.com.br/termos/cmyk>. Acesso em:
25 Mai. 2011.
N ESCOLAS. As funções de um Jornal. Disponível em:
<http://www.nescolas.dn.pt/index.php?a=kitmedia&p=2_4>. Acesso em: 19 Mai. 2011.
NEOMAXIMA. Hiperlinks. Disponível em:
<http://www.neomaxima.com.br/Criando%20minha%20pagina/Hiperlinks.htm>. Acesso em: 26 Abr. 2011.
NET BEANS. O que é um Aplicativo Móvel ?. Disponível em:
<http://netbeans.org/kb/trails/mobility_pt_BR.html>. Acesso em: 12 Mai. 2011.
OFICINADANET. CDMA o que é?. Disponível em:
<http://www.oficinadanet.com.br/artigo/742/cdma_o_que_e>. Acesso em: 27 Abr. 2011.
OFICINADANET. O que é Cloud Computing?. Disponível em:
<http://www.oficinadanet.com.br/artigo/1008/o_que_e_cloud_computing>. Acesso em: 27 Abr. 2011.
OLHANDO A COR. Cores Secundárias. Disponível em:
<http://olhandoacor.web.simplesnet.pt/cores_secundarias.htm>. Acesso em: 26 Mai. 2011.
ONLINE PC. O que é Slot?. Disponível em: <http://onlinepc.ativoforum.com/t8-o-que-e-slot>. Acesso em:
15 Mai. 2011.
OOCITIES. Mala Direta. Disponível em: <http://www.oocities.org/infoallbrasil/maladireta.htm>. Acesso em:
26 Abr. 2011.
ORAGOO. O que significa SEO?. Disponível em: <http://www.oragoo.net/o-que-significa-seo/>. Acesso
em: 14 Mai. 2011.
PC WORLD. Mestre no PowerPoint. Disponível em:
<http://pcworld.uol.com.br/dicas/2006/04/18/idgnoticia.2006-04-18.7346316139/>. Acesso em: 26 Mai.
2011.
MENEZES; Pedro. O que é Twitter. Disponível em: <http://pedromenezes.com/o-que-e-twitter-e-comopode-ser-util>. Acesso em: 28 Abr. 2011.
PENSE IMÓVEIS. Entenda o que são cores Primárias e Secundárias. Disponível em:
<http://revista.penseimoveis.com.br/especial/rs/editorial-imoveis/19,480,2889366,Entenda-o-que-saocores-primarias-e-secundarias.html>. Acesso em: 26 Mai. 2011.
PI. Diagramação de Textos. Disponível em:
<http://www.seduc.pi.gov.br/help/portal/adm/diagramacao_de_texto.htm>. Acesso em: 29 Abr. 2011.
PORTAISWS. O que é o Facebook?. Disponível em: <http://www.portais.ws/?page=art_det&ida=1202>.
Acesso em: 27 Abr. 2011.
PORTAL EDUCAÇÃO. Indesign. Disponível em:
<http://www.portaleducacao.com.br/tecnologia/artigos/4578/indesign-o-que-e>. Acesso em: 28 abr. 2011.
- 45 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
PRIMEIRA MÃO. Entenda o que é um filme em 3D. Disponível em:
http://blog.primeiramao.com.br/index.php/2009/12/18/entenda-o-que-um-filme-em-3d/. Acesso em: 10 Mai.
2011.
RJHOS. O que são Antivírus?. Disponível em: <http://www.rjhost.com.br/faq/117/hospedagem-de-site/oque-um-antivrus.html> . Acesso em: 25 Mai. 2011.
RNP. Internet 2. Disponível em: <http://www.rnp.br/redes/internet2.html>. Acesso em: 27 Abr. 2011.
RODRIGUES; Mariana. O que é Brainstorming?. Disponível em: <http://www.sucessonews.com.br/o-quee-brainstorming/>. Acesso em: 25 Mai. 2011.
PUCCINI, Abelardo de Lima. Matemática Financeira Objetiva e Aplicada. Editora Saraiva, 7ª Edição.
2006.
REOCITIES. Utilização de Lentes. Disponível em:
http://reocities.com/SiliconValley/horizon/5557/draw/helpcorel/EfeitosEspeciais.htm. Acesso em: 23 Mai.
2011.
SANTANA; Fernando. Aprenda a usar o Vmware. Disponível em:
<http://www.juliobattisti.com.br/artigos/windows/vmware_p1.asp>. Acesso em: 25 Mai. 2011.
SILVA; Roberto. O que é a tecnologia 4G?. Disponível em: <http://www.sempretops.com/tecnologia/oque-e-a-tecnologia-4g/>. Acesso em: 26 Abr. 2011.
SITE 7. O que é folder. Disponível em:
<http://www.site7.com.br/web/index.php?option=com_content&task=view&id=24&Itemid=46>. Acesso em:
28 Abr. 2011.
SÓ MATEMÁTICA. Medidas de Dispersão, Média Aritmética, Mediana, Moda, Proporção, Razão.
Disponível em: <http://www.somatematica.com.br/emedio/finan.php>. Acesso em: 28 Abr.2011.
SÓ MATEMÁTICA. Probabilidade. Disponível em:
<http://www.somatematica.com.br/emedio/probabilidade.php>. Acesso em: 29 Abr. 2011.
TECMUNDO. O que é memória RAM?. Disponível em: <http://www.tecmundo.com.br/918-o-que-ememoria-ram-.htm>. Acesso em: 29 Abr. 2011.
TECMUNDO. O que é Chipset?. Disponível em: <http://www.tecmundo.com.br/1402-o-que-e-chipset.htm>. Acesso em: 29 Abr. 2011.
TECMUNDO. Como criar uma conta na App Store americana (EUA) ou na Argentina. Disponível em:
<http://www.tecmundo.com.br/6002-como-criar-uma-conta-na-app-store-americana-eua-ou-naargentina.htm#ixzz1MFbh7nY> Acesso em: 13 Mai. 2011.
TECMUNDO. O que é BIOS? Disponível em: <http://www.tecmundo.com.br/244-o-que-e-bios-.htm>.
Acesso em: 18 Mai. 2011.
TECNOLOGIA. CDMA, GSM, TDMA, GPRS: saiba o que essas siglas significam. Disponível em:
<http://tecnologia.uol.com.br/ultnot/2006/11/24/ult2870u201.jhtm>. Acesso em: 14 Mai. 2011.
TECNOLOGIA. Crie estilos no padrão da ABNT no Word. Disponível em:
<http://tecnologia.uol.com.br/dicas/office/word/2009/08/10/ult6042u5.jhtm>. Acesso em: 18 Mai. 2011.
TECNOLOGIA. QR Code: o que é e como usar. Disponível em:
<http://tecnologia.ig.com.br/noticia/2011/06/03/qr+code+o+que+e+e+como+usar+10433405.html>.
Acesso em: 25 Mai. 2011.
- 46 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
TUDO DOWNLOADS. Conhecendo as linhas-guia do CorelDraw. Disponível em:
http://tudodownloads.uol.com.br/tutoriais/criarumnovoarquivoemcoreldraw/aq148conhecendoaslinhasguiadocoreldraw.html>. Acesso em: 25 Mai. 2011.
TUDO SOBRE MARCAS. O que são Marcas?. Disponível em: <http://tudo-sobre-marcas-epatentes.com/o-que-sao-marcas.html>. Acesso em: 20 Mai. 2011.
TUDOCELULAR. App Store. Disponível em: <http://www.tudocelular.com/Economia-eMercado/noticias/n23726/microsoft-app-store-todos.html>. Acesso em: 27 Abr. 2011.
TUTORZONE. CorelDraw – Usar o PowerClip. Disponível em:
<http://www.tutorzone.com.br/index.php?ind=reviews&op=entry_view&iden=633>. Acesso em: 25 Mai.
2011.
UOL. Para executivos, jornal é o meio de comunicação mais confiável. Disponível em:
<http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u437026.shtml>. Acesso em: 29 Abr. 2011.
UOL. HDs diminuem de tamanho e aumentaram sua capacidade; veja história. Disponível em:
<http://tecnologia.uol.com.br/produtos/ultnot/2007/04/03/ult2880u339.jhtm>. Acesso em: 13 Mai. 2011.
VERA ROGLIO SLIDES. O que são Slides. Disponível em:
<http://www.veraroglioslides.com.br/conteudo/home.asp>. Acesso em: 19 Mai. 2011.
VITOR; Leo. Logotipo, logomarca, identidade visual, símbolo... enfim, o que siginificam?. Disponível em:
<http://guia.mercadolivre.com.br/logotipo-logomarca-identidade-visual-simbolo-enfim-siginificam-7194VGP>. Acesso em 29 Abr. 2011.
WORDPRESS. Estilos Rápidos do Word 2007 nas Normas da ABNT. Disponível em:
<http://tragicomedia3.wordpress.com/2009/04/10/estilos-rpidos-do-word-2007-nas-normas-da-abnt/>.
Acesso em: 26 Abr. 2011.
WP BRASIL. O que é um Blog. Disponível em: <http://wp-brasil.org/novidades/o-que-e-um-blogmovimento-blog-voluntario>. Acesso em: 10 Mai. 2011.
WPLEX. O que é GSM?. Disponível em: <http://its.wplex.com.br/monitoramento/o-que-e-gsm-o-que-egprs/>. Acesso em: 27 Abr. 2011.
YAHOO. O que é Layout?. Disponível em:
<http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20091203084352AAPc4pm> . Acesso em: 26 Abr.
2011.
YAHOO, O que é Manual de Identidade Visual?. Disponível em:
<http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20060913121926AAmVo5L>. Acesso em: 28 Abr.
2011.
YAHOO. O que é Mobile?. Disponível em:
<http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20071005081520AACaUPd>. Acesso em: 27 Abr.
2011.
YAHOO. O que é população, estimativa, estatística dedutiva, indutiva e amostragem em Estatística
básica?. Disponível em: <http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20070308093436AAdjktA>.
Acesso em: 29 Abr. 2011.
YAHOO. O que são Slides?. Disponível em:
<http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20080423140621AAL2J64> . Acesso em: 26 Abr. 2011.
YAHOO. O que é Tipologia?. Disponível em:
<http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20070208143207AABdSzQ>. Acesso em: 29 Abr.
- 47 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
2011.
YAHOO. O que é Youtube?. Disponível em:
<http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20061122042837AArGHsV>. Acesso em: 10 Mai. 2011.
YAHOO. O que é Broffice?. Disponível em:
<http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20070925053218AAFPMp2>.Acesso em: 18 Mai. 2011.
YAHOO. Alguém me explique o que é Diagramação ?. Disponível em:
<http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20101026143542AAiHUwN>Acesso em: 19 Mai. 2011.
YAHOO. Qual a diferença da fonte AT para a ATX?. Disponível em:
<http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20080623102153AAwUVbh>. Acesso em: 14 Mai.
2011.
YAHOO. Quais sao os tipos de memorias para pc que existem e já existiram?. Disponível em:
<http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20090211100851AAtnEzr>. Acesso em: 15 Mai. 2011.
YAHOO. O que é Vetorizar?. Disponível em:
<http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20061219125340AA7cdMy>. Acesso em: 26 Mai. 2011.
YAHOO. O que é censo demográfico?. Disponível em:
<http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20100414055902AA6jg92.> Acesso em: 29 Abr. 2011.
YAHOO, O que são Editores de Textos?. Disponível em
<http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20070424120518AAbv0V8>. Acesso em: 25 Abr. 2011.
YAHOO. O que é editoração eletrônica?. Disponível em:
<http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20080908135303AAnjPM2>. Acesso em: 29 Abr. 2011.
YAHOO. O que é um dispositivo móvel?. Disponível em: <http://help.yahoo.com/l/br/yahoo/mobile/mobile02.html>. Acesso em: 26 Mai. 2011.
YAHOO. O que é uma Imagem Vetorial?. Disponível em:
http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20070128190117AANFm9A. Acesso em: 29 Mai. 2011.
YAHOO. O que é entrevista?Qual é a definição de entrevista?. Disponível em:
<http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20070519115400AAQKqo2>. Acesso em: 29 Mai.
2011.
YAHOO. O que é um Slogan?. Disponível em:
<http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20090529120816AAvd6kS>. Acesso em: 29 Mai. 2011.
YAHOO. O que é Photoshop ?. Disponível em:
http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20080507153642AAkeNIw. Acesso em: 27 Mai. 2011.
AS TECNOLOGIAS MÓVEIS NO APRENDIZADO
VIRTUAL, DESENVOLVIMENTO NA SOCIEDADE E
IMPORTÂNCIA DA MOBILIDADE NA EDUCAÇÃO
De: ANA PAULA TIECKER ([email protected]), BRUNA MARIANA SIPP RODRIGUES
([email protected]), KATIA ALINE NEUHAUS ([email protected]) Orientado por:
DANIELE ROSSI ([email protected]), PATRICIA JANNER ([email protected]), CARLOS
ALBERTO CECCON ([email protected])
- 48 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Com o intuito de trazer mais educação e proporcionar aos alunos maior praticidade, esta
sendo desenvolvido o professor virtual Bapi_Company, o qual terá a função de acompanhar o
aluno em aulas presenciais quanto a distancia, pois se o aluno não puder comparecer em
alguma aula seu conteúdo será enviado por algum aplicativo móvel. Para obter o produto o
interessado terá que fazer um cadastro em forma de formulário que terá durabilidade de um
ano, o aplicativo ficará disponível em redes sociais. Para obtermos uma melhor analise sobre o
estudo e o produto, realizou-se uma entrevista com um profissional ligado na área de TI. Para
um saber mais astuto da população foi realizada uma palestra de divulgação do produto. Para
alunos e alguns professores da Escola Estadual de Ensino Fundamental São Francisco. Foi
feita uma pesquisa de campo para saber o conhecimento das pessoas sobre o assunto. Com o
questionário em mãos foi tabulado gráficos no Microsoft Excel e com isso foi concluído que a
pesquisa foi quali-quantitativa. Tudo isso comprova que a tecnologia muda a cada dia e que a
educação busca na mobilidade um aprendizado mais rápido, pratico, facilitando é claro mas
sem deixar de lado a aprendizagem de qualidade.
Palavras-chave: aplicativo móvel, educação de qualidade, interatividade.
Referências:
ADOBE. Page Maker. Disponível em:< http://www.adobe.com/br/products/pagemaker/ > Acesso em: Mai.
2011
ALBIERO, Fábio, Weber. Software Proprietário. Disponível em: <http://wwwusr.inf.ufsm.br/~weber/elc1020/seminario/artigo.pdf> Acesso em: 15 abr. 2011.
ALECRIM, Emerson. O que é Tecnologia da Informação (TI). 2010. Disponível em:
<http://www.infowester.com/col150804.php> Acesso em: 12 abr. 2011.
ALLDREAMS. O que são aplicativos mobile? Disponível
em:<http://www.alldreams.com.br/alldreams/artigos/44-o-que-sao-aplicativos-mobile.html>Acesso em: 26
abr. 2011
AMARAL, Fabio Eduardo Paganin Reis. O que é Virtualização? 2009. Disponível em:
<http://www.baixaki.com.br/info/1624-o-que-e-virtualizacao-.htm> Acesso em: 6 abr. 2011.
ANDERSON. Diferença de fonte atx. Disponível em: <http://www.techclube.com.br/blog/?p=302> Acesso
em: 25 abr. 2011.
ANDRADE, Danilo Barros. Redes Sociais. Disponível em:
<http://informacaonaweb.wordpress.com/2008/06/25/o-que-sao-redes-sociais/ > Acesso em: 25 abr. 2011
ANDRADE, Gabriel. O que é Orkut? Disponível em:< http://www.infoescola.com/informatica/o-que-eorkut/> Acesso em: 27 abr. 2011
ANDROID BRASIL. Android. Disponível em: <http://www.androidbrasil.com/noticias?start=375 >Acesso
em: 26 abr. 2011.
ANTIVÍRUS GRÁTIS PORTUGUÊS. O que antivírus. Disponível em:
<http://www.antivirusgratisportugues.com/o-que-e-antivirus> Acesso em: 4 Mai. 2011
Atom. Tecnologia Móvel. Disponível em: <http://trovaojj.blogspot.com/p/conhecendo-um-pouco-sobre-ocelular.html >Acesso em: 26 Abr. 2011.
BEAL, Adriana. O que é Tecnologia da Informação. Disponível em: <
http://www.2beal.org/ti/manuais/GTI_INTRO.PDF> Acesso em: 17 Mai.2010
BONAZZI, Paolo Andrea. Cloud Computing - Com OMNE Office ANYWHERE® é possível! Disponível em:
http://distribuindosegurancananet.com/2011/04/cloud-computing-com-omne-office.html. Acesso em: 19
abr. 2011.
- 49 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
BP-WDC. Jornal. Disponível em: <http://bp-wdc.com.br/banca_jornal.htm > Acesso em: Maio. 2011
BRAGA, Giancarlo, M; ALECRIM, Emerson. Dicas para a compra de pcs, Placa-Mãe (motherboard).
2007. Disponível em: <http://www.infowester.com/dicascomprapc. php> Acesso em: 4 abr. 2011.
BROFFICE.ORG. Broffice: Características gerais. Disponível em:
<http://www.cultura.ufpa.br/dicas/open/oo-defi.htm>Acesso em: 16 abr. 2011.
CALDAS, Maria Aparecida et al. Documentos Acadêmicos: um padrão de qualidade. Recife universitária
UFPE 2006. Acesso em: 29 abr. 2011
Campus. 1999.
CARLOS. Planilha eletrônica. Disponível em: < <http://www.novotempo.org.br/web/?p=63> Acesso em
Mai. 2011
CARLOS. QR code. Disponível em: <http://www.novotempo.org.br/web/?p=63> Acesso em: Mai. 2011
CEDET . AMPS. Disponíveis em: < http://www.cedet.com.br/index.php?/O-que-e/ComunicacoesMoveis/amps.html> Acesso em: 25 abr. 2011
CEDET. TDMA. Disponível em: <lhttp://www.cedet.com.br/index.php?/O-que-e/Telecom/tdma.html>
Acesso em: 25 abr. 2011
CIDRAL, Beline. Android . Disponível em: http:<//www.techtudo.com.br/artigos/noticia/2011/01/afinal-oque-e-android.html> Acesso em: Mai. 2011
CLUBE DO HARDWARE. O que é soquete? Como descobrir o tipo de soquete? Disponível em:
<http://forum.clubedohardware.com.br/soquete-como-descobrir/629605> Acesso em: 25 Abr. 2011.
COLNAGO, Renzo. Disponível em: <http://blog.renzocolnago.com/category/web-2-0/> Acesso em: jun.
2011>
CONAREC. A Telecom na Era dos SVAS. Disponível em: < http://www.conarec.com.br/conarec-news/atelecom-na-era-dos-svas.html> Acesso em 26 abr.2011.
CONAREC. SVAS. Disponível em: <http://www.conarec.com.br/conarec-news/a-telecom-na-era-dossvas.html> Acesso em: Mai. 2011.
CONECTANDO PESSOAS. Marketing Digital. Disponível em:
<http://www.conectandopessoas.com.br/artigos/71-o-que-e-marketing-digital> Acesso em: Mai. 2011
COSTA, Edgard Alves. BrOffice.org da Teoria à Prática. Rio de Janeiro Brasport Livros e Multimídia Ltda,
2007. Acesso em: 29 ab. 2011
CULTURA. UFPA. Formatação do Texto. Disponível em: <http://www.cultura.ufpa.br/dicas/ms/worfor.htm> Acesso em 25 abr. 2011
DAVIS, William S. Disco Rígido: Sistemas Operacionais. Rio de Janeiro: Campus Ltda. 1991.
DCC. Internet 2 o que é?. Disponível em:
<http://www.dcc.ufrj.br/~schneide/es/2000/1/ex1/al10_23_a.htm> Acesso em: 26 abr. 2011.
DIGNOW . App Store . Disponível em: <http://www.dignow.org/post/apple-adiciona-servi%C3%A7o-deassinatura-digital-na-app-store-1319476-23955.html > Acesso em: 11 Mai. 2011
DIGNOW. Maquina virtual. Disponível em: < http://www.dignow.org/post/m%C3%A1quina-virtual%C3%A9-496307-79945.html> Acesso em: 13 Abr. 2011.
- 50 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
DUARTE, Marcos. Gráficos. 2008. Disponível em: <http://www.infoescola.com/estatistica/graficos/>
Acesso em: 14 ab. 2011.
ECOWISH. QR code. Disponível em: <http://ecowish.com.br/noticias/2011/04/qr-code > Acesso em: 26
abr. 2011.
FLOCUS. Tecnologia da Informação e comunicação-tic. Disponivel em:
<http://flocus.incubadora.fapesp.br/portal/educacao-e-tecnologia/educacaotecnologia/TecnologiaDaInforma_c3_a7_c3_a3oEComunica_c3_a7_c3_a3oTIC> Acesso em: 12 mai.
2010.
FORUMEIROS. INDESIGN. Disponível em: < http://artsdream.forumeiros.com/t2327-adobe-indesign-oque-e-e-para-que-serve> Acesso em: julh. 2011
FOTON. Mídias Digitais. Disponível em:<http://www.foton.com.br/midias_digitais/>Acesso em: Mai. 2011
FRAGA, Simone. Excel 2000 avançado. Florianopolis-SC: Visual Books Ltda, 2001.
FUNDAÇÃO BRADESCO. O que é o Windows? Disponível em: <http://www.fundacaobradesco.org.br/vvapostilas/win_p1.htm> Acesso em: 6 abr. 2011.
GASPARIMSAT. Windows Mobile. Disponível em: < http://programei.org/site/dispositivosmoveis/windows-mobile> Acesso em 26 abr. 2011.
GLOBO. Blog. Disponível em: <http://blogger.globo.com/br/about.jsp> Acesso em: Mai. 2011.
GOMES, Mario da Silva. Microsoft Office Excel 2003-Microsoft Office Access 2003-Microsoft Office
PowerPoint 2003. São Paulo: Brasil, 2004. Acesso em: 25 abr. 2011.
GOOGLE DISCOVERY. Computação nas Nuvens Google quer Construir o Futuro dos Computadores. .
Disponível em: <http://googlediscovery.com/2008/05/08/computacao-nas-nuvens-google-quer-construir-ofuturo-dos-computadores/> Acesso em: 14 abr. 2010.
GOOGLE. O que é o Google Analictys? . Disponível em: <
http://www.google.com.br/support/googleanalytics/bin/answer.py?hl=pt-BR&answer=55591> Acesso em
27 abr. 2011
GUIA DO HARDWARE. NET. VMware. Disponível em: <http://www.guiadohardware.net/termos/vmware>
Acesso em: 9 abr. 2011.
GULLICH, roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia
da Pesquisa. Três de Maio: SETREM, 2007.
HENRIQUE, João. O que é Microsoft Office. Disponível em: <http://blog.dicasdeexcel.com/2008/03/o-quemicrosoft-office.html> Acesso em: 19 abr. 2011.
http://www.idealdicas.com/o-que-e-uma-planilha/> Acesso em: 19 abr. 2011
INFO ABRIL. Mobilidade Corporativa. Disponível em: <http://info.abril.com.br/noticias/corporate/encontrodebate-mobilidade-corporativa-13042010-23.shl>Acesso em: 27 abr. 2011.
INOVAÇÃO TECNOLOGICA. 6D. Disponível
em:<http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=imagens-6d-sao-criadas-emsistema-super-realistico-de-projecao> Acesso em: 27 abr. 2011
INOVAÇÃO TECNOLOGICA. Microscópios miniaturizados cabem dentro de um chip. Disponível em:
<http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=microscopios-paralelos-observamdezenas-amostras-mesmo-tempo&id=010165100317> Acesso em: 26 abr. 2011.
- 51 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
INTEL. Feira da Intel. Disponivel em: < http://www.intel.com/education/la/pt/isef/overview.htm> Acesso
em: 20 jun. 2011.
KAKOHOLDER. O que é ios?. Disponíveis em: <http://www.kakoholder.com/2011/04/dicas-parainiciantes-o-que-e-ios/ >Acesso em: 27 abr. 2011
KIOSKEA. Arquivo DOC. Disponivel em: < http://pt.kioskea.net/faq/511-arquivo-formatodoc#q=O+que+%E9+.doc&cur=1&url=%2F> Acesso em: 22 abr. 2011.
KITAHARA, Cátia. BLOG. Disponível em:< http://wp-brasil.org/novidades/o-que-e-um-blog-movimentoblog-voluntario >Acesso em 26 abr. 2011
LANCHARRO, Eduardo Alcalde; LOPES, Miguel, Garcia; FERNANDEZ, Salvador, Peñuelas. Informática
Básica. São Paulo: Makron Books, 1991.
LANDIM, Wikerson. O QUE É 3D? . Disponível em: < http://www.tecmundo.com.br/2469-como-funciona-atecnologia-3d-.htm> Acesso em 26 abr. 2011.
LANDIM. SEO. Disponível em: http://www.tecmundo.com.br/2770-o-que-e-seo-.htm Acesso em: Mai.
2011.
MACWORLD BRASIL. Transição. Disponível em: <
http://macworldbrasil.uol.com.br/reviews/2010/10/06/powerpoint-2011-para-mac-compartilhaapresentacoes-online/> Acesso em: 25 Abr. 2011
MARTINS, Maurício. Formulários no Word. Disponível em:
<http://www.microsoft.com/brasil/msdn/Tecnologias/Office/FormulariosWo. mspx > Acesso em: abr. 2011
MACHADO, Nilso José. Educação Projetos e Vendas. São Paulo: 5º ed. Transversais, 1999.
MICROSOFT OFFICE ONLINE. Macro em Word: Escrever ou Gravar um Macro. Disponível em:
<http://office.microsoft.com/pt-br/word/HA100997691046.aspx> Acesso em: 6 abr. 2010.
MICROSOFT OFFICE. PowerPoint. Visão geral sobre layouts. Disponível
em:<http://office.microsoft.com/pt-br/powerpoint/HA100799071046.aspx> Acesso em: 30 abr. 2011.
MICROSOFT. Tablets. Disponivel em:
<http://www.microsoft.com/brasil/windowsxp/tabletpc/evaluation/about.mspx> Acesso em: 25 abr. 2011.
MICROSOFT. O QUE É O WORD? Disponível em:< http://office.microsoft.com/pt-br/word-help/tarefasbasicas-no-word-2010-HA101830016.aspx> Acesso em: abr. 2011.
MIDIATISMO. Redes Sociais. Disponível em:<http://www.midiatismo.com.br/comunicacaodigital/definicao-de-rede-social-e-midia-social> Acesso em: Mai. 2011
MODERNOPAPO. Você sabe o que é Cloud Computing (Computação em Nuvem)? . Disponível em:
<http://www.modernopapo.com.br/?p=1786 >Acesso em: 26 Abr. 2011
MORIMOTO, Carlos. Hardware, o guia definitivo. Disponível em:<
http://www.hardware.com.br/livros/hardware/capitulo-hds-armazenamento.html> Acesso em: 25 Abr. 2011
MINDBIZ. Dispositivos Suportados. Disponível em: < http://www.mindbiz.com.br/supported-devices/>
Acesso em: 21 jun. 2011
NORTON, Peter. Introdução à Informática. São Paulo: Makron Books, 1996.
NORTON, Peter. Introdução à Informática. São Paulo: Makron Books, 2005.
- 52 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
O‘Reilly, Tim Sarah Milstein. Desenvolvendo o twitter. São Paulo, 2009. Acesso em 26 abr. 2011.
OFFICE MICROSOFT. Funções. Disponível em: <http://office.microsoft.com/pt-br/excel-help/o-que-ha-denovo-alterac. aspx?CTT=5&origin=HA010369709 > Acesso em: 18 abr. 2011.
OFFICE MICROSOFT. O que é o PowerPoint? . Disponível em:<http://office.microsoft.com/ptpt/powerpoint-help/tarefas-basicas-no-powerpoint-2010-HA101824346.aspx> Acesso em: 27 abr. 2011.
OFICINA DA NET. GSM. Disponível em:
<http://www.oficinadanet.com.br/artigo/733/gsm_o_que_e_e_como_funciona#ixzz1Ka1RD2dW> Acesso
em: 25 abr. 2011
ONLINEPC. Slot. Disponível em:<http://onlinepc.ativoforum.com/t8-o-que-e-slot> Acesso em: 22 abr.
2011.
OTIMIZAÇÃO. Hiperlink. Disponível em:< http://www.otimizacao-sites-busca.com/art-misc/hlink.htm>
Acesso em: 25 abr. 2011.
PEIXOTO, Santana Tamires. Mídia online não é só meio, é interação. Disponível
em:<http://campidigital.ning.com/profiles/blog/list?user=1x9cy65pkjket >Acesso em 26 abr. 2011.
PEREIRA, Ana Paula Sedrez de Souza. O que é Driver? 2008. Disponível em:
<http://www.baixaki.com.br/info/207-o-que-e-driver-.htm> Acesso em: 6 abr. 2011.
PERNISA. Carlos. Mídia Digital. Disponível em: < http://www.fulltimemidiadigital.com.br/midiadigitalmidia.htm> Acesso em: 26 abr. 2011
REALIDADE AUMENTADA. Realidade Aumentada. Disponível em:
<http://www.realidadeaumentada.com.br/home/index.php?option=com_content&task=view&id=1&Itemid=2
7>Acesso em: Maio. 2011.
REALIDADE AUMENTADA. Realidade Aumentada. Disponível em: <
http://www.realidadeaumentada.com.br/home/index.php?option=com_content&task=view&id=1&Itemid=27
> Acesso em: 25 abr.2011
REDAÇÃO OFICINA DA NET. CDMA. Disponível em: <
http://www.oficinadanet.com.br/artigo/742/cdma_o_que_e> Acesso em: 26 abr. 2011
REZENDE, Launedes Prado. Placa Mãe. Disponível em:
<http://www.quimica.ufpb.br/downloads/apostilas/hardware/placa-mae-1.pdf> Acesso em: Mai. 2011.
ROCHA, Tarcízio da. Br Office Writter. Word Writer Migrando Totalmente. Rio de Janeiro: Ciência
Moderna Ltda. 2007.
ROCHA, Tarcízio da. Word Writer Migrando Totalmente. Rio de Janeiro: Ciência Moderna Ltda. 2007.
SAWCZUK, Mauricio. Igreja libera aplicativo que permite confissões através do iPhone. Disponível em:
<http://www.geekaco.com/igreja-libera-aplicativo-que-permite-confissoes-atraves-do-iphone>Acesso em:
26 abr. 2011.
SEMPRETOPS. Marketing Digital o que é conceito. Disponível em:
<http://www.sempretops.com/internet/marketing-digital-o-que-e-conceito/> Acesso em: 2 abr. 2011
SILVA, Mário, Gomes da. Termologia básica, Windows XP, Word XP, Excel XP. São Paulo: Érica, 2002.
SILVA, Mario, Gomes. Office PowerPoint 2003, Office Access 2003, Office Excel 2003. 4 ed. São Paulo:
Érica, 2002.
SILVA, Roberto. O que é a tecnologia 4G. Disponível em: <
- 53 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
http://www.sempretops.com/tecnologia/o-que-e-a-tecnologia-4g/> Acesso em: Mai. 2011.
SLIDES NO COMUNIDADES. Slide. Disponível em:
<http://slides.no.comunidades.net/index.php?pagina=1184313669> Acesso em: Mai. 2011
SOTUTORIAL. Filtros. Disponível em: <http://www.sotutorial.com/index. php/tutoriais-excel-019-filtros/>
Acesso em: abr. 2011
SUPPORT APPLE. Editor de texto. 2008. Disponível em:
<http://support.apple.com/kb/HT2523?Viewlocale=pt_BR&locale=pt_BR> Acesso em: abr. 2011.
SUPREMETECHX. IOS. Disponível em: <http://supremetechx.blogspot.com/2011/04/o-que-e-ios.html
>Acesso em: Mai. 2011
TEC MUNDO. SEO. Disponível em: <http://www.tecmundo.com.br/2770-o-que-e-seo.htm#ixzz1Ka4TJK27> Acesso em: 25 abr. 2011
TELECO. AMPS. Disponível em:<http://www.teleco.com.br/tutoriais/tutorialtdma/pagina_1.asp> Acesso
em: Mai.2011.
TORNADODIGITAL. Memória (Computador). Disponível em:
http://www.tornadodigital.com.br/Dicas/Memorias/memorias.htm Acesso em: 19 abr. 2011.
TORRES, Gabriel. Hardware curso completo. 4 ed. Rio de Janeiro: Excel Books, 2001.
TORRES, Gabriel. Hardware. Rio de Janeiro: Axcel Books do Brasil. 2001
TUTOMANIA. O QUE E TDMA. Disponível em:<http://www.tutomania.com.br/artigo/o-que-e-tecnologiagsm-cdma-e-tdma> Acesso em: Mai. 2011
TUTORZONE. o que e o celular CDMA. Disponível
em:<http://www.tutorzone.com.br/index.php?ind=reviews&op=entry_view&iden=2287> Acesso em: Mai.
2011
TREETECH. Smart Devices. Disponível em:<http://www.treetech.com.br/pt/sensores.php >Acesso em: 27
abr. 2011.
UOL. BlackBerry. Disponível em: <http://blackberry.uol.com.br/o-que-e-blackberry.jhtm> Acesso em: Mai.
2011.
VELLOSO, Fernando de Castro. Informática Conceitos Básicos. Rio de Janeiro:
VILA DO IPHONE. Qual o uso que você faz do seu Tablet. Disponível
em:<http://viladoiphone.com.br/2011/05/02/noticias/qual-uso-voce-faz-do-seu-tablet/ > Acesso em: 11
Mai. 2011.
VINIGUIM. O que é o chip set e para que serve?. 2004. Disponível em:
<http://www.vivaolinux.com.br/artigo/O-que-e-o-Chipset-e-para-que-serve/> Acesso em: abr. 2011
VIRTUAL. Excel. Disponível em: <http://www.virtual.epm.br/matapoiol/Excel97.html/currmed/tab_dinamica/tabdin.html>Acesso em: abr. 2011.
VIRTUAL. Tabelas Dinâmicas. Disponível em: http://www.virtual.epm.br/material/tis/currmed/tab_dinamica/tabdin.htmlAcesso em: abr. 2011.
WANDER, Fredson. O QUE É TI ?. DISPONÍVEL EM: http://www.via6.com/topico/521558/o-que-e-ti.Acesso em: 1 Mai. 2011.
- 54 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
XMARKS. Facebook. Disponível em:< http://www.xmarks.com/site/pt-br.facebook.com/>Acesso em: 27
abr. 2011.
APLICATIVO PARA TECNOLOGIA MÓVEL E INOVAÇÃO
NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO AO ALCANCE DOS
DEFICIENTES VISUAIS DA REGIÃO NOROESTE DO
ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL
De: Éder Derli Zirbes ([email protected]), Letícia Tiecher da Veiga ([email protected]),
Tatiane Dewes ([email protected]) Orientado por: DANIELE ROSSI ([email protected])
Tendo em vista a tecnologia móvel e a inovação nos meios de comunicação ao alcance dos
deficientes visuais na Região Noroeste do estado do Rio Grande do Sul, foi elaborada ao longo
do primeiro semestre do ano de 2011, uma proposta para o desenvolvimento de um aplicativo
móvel para deficientes visuais. Como forma de interação, estudo e explanação do assunto
desenvolveu-se uma palestra na APAE de Independência, além de uma pesquisa de campo e
uma entrevista com um profissional da área de tecnologia da informação. Para que dados e
gráficos fossem elaborados foram utilizados os facetes do Microsoft Excel, além do
desenvolvimento de um livro e de um jornal, onde foi descrito o que se realizou no semestre
deste ano e um relato sobre o projeto, também foram editadas fotos no Adobe Photoshop, as
quais foram postadas na rede social mais popular desta região, o Orkut. Constituiu-se também
uma marca para o aplicativo, bem como o manual de identidade visual onde consta
explicações sobre o que se pode fazer com a marca, através do programa CorelDraw, além de
folder e um banner explicativo. Para que toda essa proposta fosse colocada em ação foi
necessário o empenho do grupo que tinha por objetivo incluir as pessoas com deficiência visual
nas novas tecnologias que estão abrangendo o mundo como um todo, o estudo dessa pessoas
especiais adquirindo muitas informações sobre o mundo que elas vivem. Com isso esperou-se
que a região se sensibilizasse com o assunto abordado neste trabalho.
Palavras-chave: Tecnologias, Mobilidade, Deficiência Visual.
Referências:
ABED. Novas Tecnologias. Disponível em: < http://www.abed.org.br/seminario2003/texto07.htm>
Acessado em 6 julh, 2011.
APPLE. Mec 101: editor de Texto. Disponível em: < http://support.apple.com/> Acesso em: 14 de abril de
2011.
ACESSIBILIDADE. Símbolo. Acessado em: <
http://www.acessibilidade.net/at/kit2004/Programas%20CD/ATs/cnotinfor/Documentos/O%20Significado%
20dos%20S%EDmbolos/O%20Significado%20dos%20S%EDmbolos.htm#_Toc38171745>. Acessado em
17 junh.2011;
APRENDENDO WORD. WWW. Disponível em: < http://aprendendoaweb.blogspot.com/2008/03/o-quewww.html> .Acessada em 17 junh. 2011;
AGENCIA AMPLIFICADORA. Manual de Identidade Visual. Disponível em:
<http://www.agenciaamplificadora.com.br/artigos/o-que-e-manual-de-identidade-visual.php>. Acessado
em 17 junh.2011;
BRASILESCOLA. Brainstorming. Disponível em <
http://educador.brasilescola.com/orientacoes/tempestade-ideias-no-ensino-brainstorming.htm> Acessado
em 29 de abril de 2011
- 55 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
BROFFICE. Writer. Disponível em: <http://www.broffice.org/broo/?q=produto/writer> Acesso em 28 de
abril de 2011.
BUSSAB, MORETTIN, Wilton de, Pedro A. Estatística Básica. São Paulo: Saraiva, 2002.
CANUPUSONLINE. Tipologia. Disponivel em < http://www.canopusonline.com.br/. Acessado em 29 de
abril de 2011.
CEDET. TDMA. Disponível em
CLUBECETICO. Superminiaturizaçã. Disponível em http://clubecetico.org/forum/ Acessado em 29 de abril
de 2011.
ESTADÃO. App Stor. Disponível em <http://blogs.estadao.com.br/link/de-quem-e-a-marca-app-store/>
Acessado em 28 de abril de 2011.
DICAS DO EXCEL. Microsoft Office. Disponível em: < http://blog.dicasdeexcel.com/2008/03/o-quemicrosoft-office.html> Acessado em 6 julh, 2011.
CLUBE DO HARDWARE. Soquete. Disponível em:< http://forum.clubedohardware.com.br/soquete-comodescobrir/629605>
GAMEVICIO. Tecnologia 6D. Disponivel em < http://www.gamevicio.com.br/> Acessado em 29 de abril de
2011
GF SOLUÇÕES. Twitter. Disponível em: < http://www.gfsolucoes.net/gustavo/web-2-0/twitter/o-que-etwitter> Acessado em 22 abr. 2011;
GOOGLECODE. Android. Disponível em: < http://code.google.com/> Acesso em: 13 de abril de 2011.
HP. Redes Sociais. Disponível em < http://h30458.www3.hp.com/br/ptb/smb/941786.html> Acessado em
29 de abril de 2011.
HP. Virtualização. Disponível em < http://www.hp.com/latam/br/pyme/solucoes/apr_solucoes_01.html>
Acessado em 28 de abril de 2011.
HP. Redes Sociais. Disponível em: <http://h30458.www3.hp.com/br/ptb/smb/941786.html>. Acessado em
22 abr. 2011;
INACIO, Sandra Regina da Luz. Apresentação Eletrônica. Disponível em <
http://www.artigonal.com/tecnologia-artigos/> Acessado em 28 de abril de 2011.
INFOESCOLA. Blog. Disponível em < http://www.infoescola.com/informatica/> Acessado em 29 de abril
de 2011)
INFOWESTER. Fonte ATX e AT. Disponível em http://www.infowester.com/ Acessado em 14 de abril de
2011.
INOVAÇÃO TECNOLOGICA. SUPERMINIATURIZAÇÃO. Disponível em:
<http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=controlando-luz-com-som-lenteliquida-filmadora-superminiaturizada&id=010165081001> Acessado em 22 abr. 2011;
INTERNATIVA. Histórico dos Softwares. Disponível em: <http://www.internativa.com/> Acessado em 28
junh, 2011.
INTERNEY. Twitter. Disponível em < http://www.interney.net/?p=9761875> Acessado em 29 de abril de
2011.
- 56 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
IMASTER. TIC. Disponível em: <http://imasters.com.br/artigo/8278>. Acessado em 17 junh.2011;
KARLINS, Dave. CorelDraw. Rio de Janeiro: Campus Ltda, 1998
KICH. Web Design. Disponível em < http://www.claudia.kich.com.br/> Acessado em 29 de abril de 2011.
LJUNIOR. Matéria. Disponível em < http://www.blog.ljunior.com/materia-no-jornal-a-tarde/> Acessado em
29 de abril de 2011)
LOPES, Afonso Paulo. Probabilidade e Estatísticas.Rio de Janeiro:Reichmann & Affonso Editores, 1949.
NORTON, Peter. Introdução á Informática. São Paulo: Pearson Markron Books, 1997.
MARKETINGDEBUSCA. Seo. Disponvel em <http://www.marketingdebusca.com.br/> Acessado em 29 de
abril de 2011.
MASSI. Tratamento de Imagem Vetorial. Disponível em:
<http://carinemassi.blogspot.com/2010/11/tratamento-de-imagens.html> Acessado em 6 julh, 2011.
MESTRESEO. Seo. Disponível em: http://www.mestreseo.com.br/seo/o-que-e-seo. Acessado em 22
abr.2011;
MERCADO LIVRE. LCD. Disponível em: <http://guia.mercadolivre.com.br/lcd-8688-vgp>. Acessado em
17 junh. 2011
MOREIRA, SPERG. Nilva Lima, Yur Maria. Concurso IBGE. São Paulo: Instituto Padre Reus, 2010.
MULTIMANIA. Tipía. Disponivel em < http://members.multimania.co.uk/> Acessado em 29 de abril de
2011.
OFICINADANET. Editoração Eletrônica. Disponível em <
http://www.oficinadanet.com.br/artigo/1833/editoracao_eletronica_-_introducao> Acessado em 29 de abril
de 2011.
OLHARDIGITAL. Cloud Computing. Disponível em <
http://olhardigital.uol.com.br/produtos/central_de_videos/cloud-computing-sabe-o-que-e-isso> Acessado
em 29 de abril de 2011.
ONLINE. Slot. Disponível em: <http://onlinepc.ativoforum.com/t8-o-que-e-slot>. Acessado em 22 abr.
2011;
ORTON, Peter. Introdução a Informática. São Paulo: Pearson Markon Books, 1943.
PALMBRASIL. Windows Mobile. Disponível em: < http://www.palmbrasil.com.br/> Acesso em: 14 de abril
de 2011.
PCWORLD. PC. Disponível em: <http://pcworld.uol.com.br/dicas/2008/04/17/o-que-significa-um-pc2018vista-capable2019/>. Acessada em 17 junh.2011;
PORTAIS. Facecebook. Disponível em < http://www.portais.ws/> Acessado em 29 de abril de 2011.
PORTALEDUCAÇÃO. InDesign. Disponível em < http://www.portaleducacao.com.br/informatica/>
Acessado em 29 de abril de 2011
REALIDADE AUMENTADA. Realidade Aumentada. Disponível em: http://realidadeaumentada.com.br/.
Acessado em 22 abr. 2011;
- 57 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
ROCHA, Tarcízio da. Word x Writer. Rio de Janeiro: Ciência Moderna Ltda, 2007.
RTELL. Transição.Disponível em: <http://www.rtell.com.br/Pcp/paginas/powerpoint/dpower11.htm>.
Acessado em 22 abr.2011;
SANTOS, Eli Rozendo Moreira dos. Conceitos Básicos de Computação Eletrônica. Rio de Janeiro:
Tecnoprint Ltda, 1980
SCRIBD. JORNAL. Disponível em < http://pt.scribd.com/doc/22231396/O-QUE-E-UM-JORNAL>
Acessado em 29 de abril de 2011.
SHVOONG. Harware. Disponível em: <http://pt.shvoong.com/internet-and-technologies/372953-hardwareque-%C3%A9/> Acessado em 6 julh, 2011.
SEDUC. Diagramação de Texto. Disponível em < http://www.seduc.pi.gov.br/help/> Acessado em 29 de
abril de 2011.
SEMPRETOPS. Tecnologia 4G, Mrketing Digital. Disponível em http://www.sempretops.com/tecnologia/
Acessado em 29 de abril de 2011.
SILVA, Mário Gomes da. Terminologia Básica, Windows XP. Word XP. Excel XP. São Paulo: Érica, 2002.
SILVA, Mário Gomes da. Microsoft Office PowerPoint, Informática: Microoft Office Excel 2003: Microsoft
Office Access 2003: Microsoft Office PowerPoint 2003. São Paulo: Érica, 2004.
SLIDESHARE. Livro. Disponível em < http://www.slideshare.net/paulamorgado/o-que-um-livro> Acessado
em 29 de abril de 2011.
SOCIALMEDIA. Mídias Sociais. Disponível em < http://www.i9socialmedia.com/> Acessado em 29 de abril
de 2011.
SOFTWARE. Rgb. Disponível em: <http://wiki.softwarelivre.org/InkscapeBrasil/RGB> Acessado em: 22
abr. 2011;
SOLUCOESRS. Smart Devices. Disponível em <http://www.solucoesrs.com.br/util/softwares.html>
Acessado em 28 de abril de 2011.
SUPORTEMICROSOFT. Métrica no Word. Disponível em: < http://support.microsoft.com> Acesso em: 14
de abril de 2011
TARBOURIECH, Georges. iOS. Disponível em: HTTP://www.linuxfocus.org/ Acesso em: 13 de abril de
2011
TEC MUNDO. Tecnologia 3D. Disponível em: <http/www.tecmundo.com.br/2469-como-funciona-atecnologia-3d-.htm#ixzz1NCh23MqK>. Acessado em 22 abr. 2011;
TERRA. WINDOWS XP. Disponível em:
http://www.terra.com.br/informatica/especial/windowsxp/faq_01.htm. Acessada em 22 abr.2011;
TECNOLOGIA. Tecnologia 3D. Disponível em < http://tecnologia.uol.com.br/> Acessado em 29 de abril de
2011.
TICS5. Formulário do Word. Disponível em: < http://tics5.no.sapo.pt/Formularios.pdf> Acesso em: 14 de
abril de 2011.
TROFIA. Processador. Disponível em: <http://www.trofia.com/informatica/frequencia--de--processadoratributo>. Acessado em: 22 abr. 2011;
- 58 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
TUBIDÃO. MBA. Disponível em: http://tudibao.com.br/2009/03/o-que-e-mba.html. Acessado em 24
abr.2011;
TUTOR ZONA. PowerClip. Disponível em: <HTTP://www.tutorzona.com.br>. Acessado em 17 junh.2011;
TUTOMANIA. GSM,CDMA,TDMA. Disponível em: < http://www.tutomania.com.br/> Acesso em 28 de abril
de 2011.
UFPA. Writer. Disponível em: <http://www.ufpa.br/dicas/open/wri-apa.htm>. Acessado em 22 abr.2011;
UOL. BlackBerry. Disponível em: < http://blackberry.uol.com.br/> Acesso em: 14 de abril de 2011.
UOL. PageMaker. Disponível em: <http://ziggi.uol.com.br/downloads/adobe-pagemaker>. Acessado em
17 junh.2011;
ZERO HORA. Help! Sistema de Consulta Interativa. Rio Grande do Sul: Zero Hora.
WANDERLEY, Edson Tipos de HDs. Disponível em < http://edsonw.wordpress.com/2008/02/25/tipos-dehd%E2%80%99s/> Acessado em 29 de abril de 2011.
O USO E APLICAÇÃO DAS TECNOLOGIAS MÓVEIS
PARA ADICIONAR JOGOS E PROPORCIONAR O
ENTRETENIMENTO POR MEIO DE DISPOSITIVOS
PORTÁTEIS
De: DIONATAN RAFAEL SAUERESSIG ([email protected]), HELDEMAR GRAUPE
JUNIOR ([email protected]) Orientado por: DANIELE ROSSI ([email protected])
Para a realização do Projeto Interdisciplinar do 1º Semestre do Curso Técnico em
Informática estudou-se sobre o uso e aplicação das tecnologias móveis para a criação de
aplicativos de entretenimento por meio de dispositivos portáteis, para pesquisa e proposição da
criação do aplicativo optou-se por seguir algumas etapas entre elas o desenvolvimento de uma
pesquisa de campo através de indicadores gráficos, para verificar e analisar de forma
quantitativa a opinião dos jovens quanto a utilização de dispositivos, também foi realizada uma
entrevista com um profissional do ramo da mobilidade. Foi elaborado um jornal com a
ferramenta PageMaker, um livro com o conteúdo pesquisado na ferramenta Indesign, a criação
do blog para a postagem do desenvolvimento do projeto como se fosse um caderno de campo.
Foi realizado o cadastro do currículo na plataforma Lattes e a atualização do currículo no
Educar Web, também como a elaboração no mesmo no editor de textos Word. Foi sugerido um
aplicativo que seja usado em dispositivos portáteis em qualquer hora e lugar e que sirva tanto
para o entretenimento quanto para as empresas que queiram disponibilizar um treinamento em
um simulador de voo avançado, o nome escolhido pelo grupo para o aplicativo foi Sky drive,
que serve para quem quer mobilidade e praticidade na realização dos processos. Através das
pesquisas bibliográficas aumentou-se o conhecimento dos integrantes do grupo assim como
também a experiência na área da mobilidade, já que foi realizado entrevista com o profissional
da área além da criação de maquinas virtuais, blogs, jornais, livros.
Palavras-chave: Aplicativos Móveis, Jogos e entretenimento, Mobilidade, software,
hardware.
Referências:
WBI BRASIL. Pesquisa revela que 65% das empresas apostam nas redes sociais. Disponível em:
<http://www.wbibrasil.com.br/boletim/pesquisa-revela-que-65-das-empresas-apostam-nas-redessociais/801/>. Acesso em: 8 Jul. 2011.
- 59 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. Dicionário Escolar de Língua Portuguesa. 2 ed. São Paulo:
Companhia Editora Nacional, 2008.
ACCESS. Tabelas. Disponível em: <http://www.accessexemplos.com/tabelas/>. Acesso em: 16 de Mai.
2011.
ADOBE. Adobe Pagemaker. Disponível em: <http://www.adobe.com/br/products/pagemaker/>. Acesso
em: 16 Mai. 2011.
ALL DREAMS. O que são aplicativos móveis. Disponível em:
<http://www.alldreams.com.br/alldreams/artigos/44-o-que-sao-aplicativos-mobile.html>. Acesso em: 27
Jun. 2011.
ARTIGONAL. O que é e como funciona o antivirus. Disponivel em <http://www.artigonal.com/segurancaartigos/o-que-e-e-como-funciona-o-antivirus-2224048.html>. Acesso em:18 Mai. 2011.
AVILA, Renato Nogueira Perez. Adobe INDESING CS3. Rio de Janeiro: Brasport, 2008.
BLOGDOE-COMMERCE. O que é CloudComputing- Computação nas nuvens. Disponível em:
<http://www.blogdoecommerce.com.br/o-que-e-cloud-computing/>. Acesso em: 16Mai. 2011.
BLOGLGE. Oque é Android. Disponível em <http://bloglge.com.br/2009/09/16/o-que-e-android/>. Acesso
em: 18 Mai. 2011.
CARVALHO, João Antônio, Informática para cursos: teoria e questões. 3 ed. Rio de Janeiro: Elsevier,
2006.
CEDET.Gráficos. Disponível em: <http://www.cedet.com.br/index.php?/O-que-e/Gestao-daQualidade/grafico-de-pareto-ferramenta-da-qualidade.html>. Acesso em: 16 Mai. 2011.
DEFINIÇÃO. O que é BR Office. Disponível em: <http://www.cultura.ufpa.br/dicas/open/wri-apa.htm> .
Acesso em: 28 Abr. 2011
ECONSULTANCY. Gráfico de crescimento do uso das redes sociais entre 2010 e 2011. Disponível em:
<http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://www.agenciars.com.br/blog/wpcontent/uploads/2011/02/grafico-uso-redes-sociais.jpg&imgrefurl=http://www.agenciars.com.br/blog/o-quee-e-como-usar-uma-rede-social/&usg=__B7SLbaFbAEtpm2ILVHWWG6wdL4=&h=288&w=480&sz=20&hl=ptBR&start=0&zoom=1&tbnid=kxqFnrhBgA4vyM:&tbnh=89&tbnw=148&ei=hvURTrvlOcf0gAeXvvGGDg&pre
v=/search%3Fq%3Dgraficos%2Bque%2Bindicam%2Bqual%2B%25C3%25A9%2Ba%2Brede%2Bsocial%
2Bno%2Bbrasil%26hl%3DptBR%26biw%3D1440%26bih%3D719%26gbv%3D2%26tbm%3Disch&itbs=1&iact=hc&vpx=147&vpy=244
&dur=4823&hovh=174&hovw=290&tx=163&ty=95&page=1&ndsp=28&ved=1t:429,r:7,s:0>. Acesso em: 8
Jul. 2011.
ESQUADRÃO NOTICIA. Usuarios. Disponivel em: <http://esquadraonoticias.blogspot.com/>. Acesso em:
22 Mai. 2011.
EVERSON // DUBOX. 10 dicas para preparar uma apresentação de slides profissional. Disponível em: <
http://e.dubox.com.br/10-dicas-para-preparar-uma-apresentacao-de-sl-0 >. Acesso em 4 Jul. 2011.
EXPERT. NET. Estilos de Formatação. Disponível em: <http://www.tiexpert.net/office/word/estilos-deformatacao.php>. Acesso em: 15 Mai. 2011.
FAMILIA ADOBE. ADOBE INDESING. Disponível em:
<http://www.adobe.com/br/products/indesign.html?promoid=BOZRK>. Acesso em: 16 Mai. 2011.
FERRARI, Fabrício Augusto. Excel Para Finanças Pessoais. São Paulo: Digerati Books, 2007.
- 60 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
FÓRUM GDH. Todas as partes do PC. Disponível em: <http://www.hardware.com.br/comunidade/dicapartes/1085218/>. Acesso em: 16 Mai. 2011.
FÓRUM.O que é um processador. Disponível em: <http://onlinepc.ativoforum.com/t2-o-que-e-umprocessador>. Acesso em: 16 Mai. 2011.
GOOGLE ANALYTICS. O que são filtros? Disponível em:
<http://www.google.com/support/analytics/bin/answer.py?hl=pt-BR&answer=55593>. Acesso em: 16 mai.
2011.
GRUPO ESCOLAR. Editores de texto. Disponível em:
<http://www.grupoescolar.com/materia/editores_de_texto.html >. Acesso em: 15 Mai. 2011.
HARA. O que é Virtualização. Disponível em: <http://www.linhadecodigo.com.br/artigo/2266/O-que%C3%A9-virtualiza%C3%A7%C3%A3o. aspx> .Acesso em: 26 Abr. 2011.
INFO WESTER. O que é CloudComputing (Computação nas Nuvens). Disponível em:
<http://www.infowester.com/cloudcomputing. php> . Acesso em: 26 Abr. 2011.
JELEN, Bill. Macros e VBA para Microsoft Excel. 4 ed. Rio de Janeiro: Elseiver, 2004.
KIOSKEA. Mala direta, o que é. Disponível em: < http://pt.kioskea.net/faq/5344-e-mail-mala-direta-o-quee>. Acesso em: 16 Mai. 2011.
LANDIM, Wilkerson. Seleção: Serviços de antivírus online. Disponível em:
<http://www.tecmundo.com.br/6248-selecao-servicos-de-antivirus-online.htm> Acesso em: 12 jun. 2011.
MARQUES, Antônio Eduardo. Microsoft Windows XP SP2. Disponível em:
<http://www.centroatl.pt/titulos/so/windowsxp-sp2.php3> Acesso em: 15 Jul. 2011.
MICROSOFT OFFICE. Introdução ao Excel 2010. Disponível em <http://office2010.microsoft.com/ptbr/excel-help/getting-started-with.aspx> .Acesso em: 13 Abr. 2011.
MICROSOFT OFFICE. Recursos e benefícios do Word 2010. Disponível em:
<http://office.microsoft.com/pt-br/word/recursos-e-beneficios-do-word-2010-HA101810003.aspx> .Acesso
em: 09 Abr. 2011.
MICROSOFT OFFICE. Sobre as funções. Disponível em: <http://office.microsoft.com/pt-br/excelhelp/sobre-as-funcoes-HP005198425.aspx>. Acesso em: 16 de maio de 2011.
MICROSOFT OFFICE. Tarefas básicas no Power point 2010. Disponível em
<http://office.microsoft.com/pt-pt/powerpoint-help/tarefas-basicas-no-powerpoint-2010HA101824346.aspx> .Acesso em: 13 Abr. 2011.
MICROSOFT WORD. Tarefas básicas do Word 2010. Disponível em: <http://office.microsoft.com/ptpt/word-help/tarefas-basicas-no-word-2010-HA101830016.aspx> .Acesso em: 28 Abr. 2011.
MORAZ, Eduardo. Curso Avançado de Excel. São Paulo: Digerati Books, 2006.
MUNDOCLICK. Numero De Acessos Ao Orkut No Brasil. Disponivel em: <http://blog.mundoclick.com.br/ocomercio-eletronico-realizado-atraves-do-orkut/>. Acesso em: 22 Mai. 2011.
NETO, Jocildo Figueiredo Correia. Excel para profissionais de Finanças. 5 ed. Rio de Janeiro: Campus,
2007.
OFFICE. Visão geral sobre layouts de slides. Disponivel em: <http://office.microsoft.com/pt-br/powerpointhelp/o-que-e-um-layout-de-slide-HA010338412.aspx>. Acesso em: 4 Jul. 2011.
- 61 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
OLIVEIRA.Informática. Disponível em:
<http://books.google.com.br/books?id=qBaamdS7kU8C&pg=PA265&dq=planilha+eletronica+em+excel&hl
=ptBR&ei=gAW3TcahApOugQe0p51W&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=1&ved=0CFUQ6AEwAA#v
=onepage&q&f=false> .Acesso em: 26 Abr. 2011.
OTIMIZAÇÃO - SITES - BUSCA. Hiperlink. Disponivel em: < http://www.otimizacao-sites-busca.com/artmisc/hlink.htm>. Acesso em: 4 Jul. 2011.
PASCHOAL, Fausto de. Layout de página com Pagemaker 7.0. São Paulo: Érica, 2002.
PINTO, Sandra Rita B. Treinamento Avançado em Excel. 2 ed. São Paulo: Digerati Books, 2006.
PLANILHA ELETRÔNICA EXCEL. Noções básicas. Disponível em: <http://www.estudies.com.br/valter/arq/Apostila%20de%20Excel%20-%20Prof%20Valter.pdf>. Acesso em: 16 Mai.
2011.
ROCHA, Tarcísio da .Word x Writer. 2 ed. Rio de Janeiro: Ciência moderna LTDA, 2007.
SCHECHTER. Trabalhe com planilhas e textos em software livre. Disponível
em<http://books.google.com.br/books?id=EwuQlN-RC9sC&pg=PA3&dq=trabalhe+com+planilhas&hl=ptBR&ei=4wO3Td-3Hsf3gAe82_hm&sa=X&oi=book_result&ct=bookthumbnail&resnum=1&ved=0CGYQ6wEwAA#v=onepage&q&f=false>.Acesso em: 26Abr 2011.
TECMUNDO. O que é tecnologia 3D. Disponível em: <http://www.tecmundo.com.br/2469-como-funcionaa-tecnologia-3d-.htm> acesso em 28 Abr. 2011.
UNIVERSIDADE FEDERAL DE CEARÁ. Conceito. Disponível em:
<http://www.moderniz.ufc.br/manuais/manteform.htm>. Acesso em: 15Mai. 2011.
UOL TECNOLOGIA. Feira tecnologica alemã Cebit.Disponível em:<http://tecnologia.uol.com.br/ultimasnoticias/redacao/2011/03/01/na-febre-dos-tablets-cebit-2011-retoma-foco-em-tecnologias-deconsumo.jhtm>. Acesso em: 26 Jun. 2011.
VIVA O LINUX. Chipset. Disponível em: < http://www.vivaolinux.com.br/artigo/O-que-e-o-Chipset-e-paraque-serve>. Acesso em: 16 Mai. 2011.
VIVINA. O que é um formulário? Disponível em <http://www.vivina.com.br/site/Infocontrol/Ajuda/Site/Oque-e-um-formu, 71. Aspx> Acesso em: 25 Abr. 2011.
WORDPRESS. O que é um livro. Disponível em:<http://abrindoolivro.wordpress.com/2009/07/27/o-que-eum-livro/>. Acesso em: 16 Mai. 2011.
UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE MÍDIAS SOCIAIS
PARA DIVULGAÇÃO DA EMPRESA E CRIAÇÃO DE
SOFTWARE DE CONTROLE ORÇAMENTÁRIO PARA
AUXILIO NA ÁREA CONTÁBIL
De: EDUARDO LUCAS STRIEDER ([email protected]), LUCIANA RAQUEL RUARO
([email protected]), JACKSON BRITES MIRESKI ([email protected]) Orientado por:
TIAGO JOSE PASIEKA ([email protected])
O presente estudo teve por objetivo utilizar recursos de mídias sociais para divulgação da
empresa HI Soluttion e criar um software de controle orçamentário para auxílio na área contábil
com o intuito de responder o seguinte problema: De que forma pode ser suprida a necessidade
- 62 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
de controle de gastos pessoais dos estudantes e da empresa Hi Soluttion? As hipóteses
levantadas foram: a partir do desenvolvimento de sistema de controle de gastos pessoais e de
controle de finanças de uma empresa. Com a disponibilização do sistema no site, a empresa
teria uma melhor divulgação de seus serviços e consequentemente ficaria mais conhecida
perante o público que deseja atingir . A abordagem utilizada foi a qualitativa, pois o sistema
desenvolvido pela empresa auxilia o usuário no uso de recursos contábeis, vindo a facilitar o
desenvolvimento de tarefas simples da área contábil do seu cliente, e a pesquisa dialética,
onde através do diálogo em grupo foram definidas as atividades envolvidas no trabalho, já as
técnicas foram a observação em equipe, pois não consiste apenas em ver e ouvir, é necessário
também examinar todos os fatos a serem estudados e posteriormente analisar e encontrar
solução aos problemas encontrados observando as explicações dos professores para poder
examinar os fatos e resolver as atividades propostas e os procedimentos utilizados foram a
pesquisa de estudo de caso, que trata do conhecimento da área de contabilidade, das suas
funções para poder estudar a realidade delimitada do projeto. Também está sendo aplicada a
pesquisa bibliográfica, onde se nomeiam obras escritas por autores consagrados a respeito do
assunto a ser pesquisado, sendo que a mesma está sendo aplicada na forma de pesquisa de
definições para a escrita do relatório. Outro procedimento é a pesquisa ação, que ocorre
quando os pesquisadores interferem no assunto a ser pesquisado e na solução do problema
encontrado. A partir disso, foi desenvolvido um modelo ER do orçamento familiar, que foi
posteriormente estruturado no software Delphi. Através da ferramenta Dreamweaver do pacote
Adobe foram elaborados os websites, pessoais, da empresa e dos professores, os mesmos
estão hospedados, também na elaboração as imagens serão fatiadas com uso da ferramenta
do Fireworks. Utilizando a modelagem tridimensional foi desenvolvida a sede da empresa, o
celular e também a marca da empresa. Juntamente com o decorrer das atividades
programáticas, foi desenvolvido o caderno de campo com uso do blog. No Excel, foram
tabuladas as informações necessárias para o desenvolvimento do controle orçamentário. Para
a apresentação do trabalho, foi criada uma apresentação no Adobe Flash CS5.
Palavras-chave: Sistemas, Controle Orçamentário, Programação.
Referências:
ADOBE. Dreamweaver. 2011. Disponível em:
<http://www.adobe.com/br/products/dreamweaver/whatisdreamweaver/>. Acesso em: 2 de Abr. de 2011
AGRON, Núcleo de Agronegócio. Conceitos Financeiros; Conceitos Econômicos. Disponível em:
<http://www.emater.df.gov.br/sites/200/229/agroinf/conceitosfinanc.pdf>. Acesso em: 22 de Abr. de 2011.
AISA. Internet. Disponível em: < http://www.aisa.com.br/oquee.html> Acesso em: 2 de Abr. de 2011
AISA. Web. Disponível em: <http://www.aisa.com.br/basico.html> Acesso em: 2 de Abr. de 2011
ALVAREZ, Miguel Angel. NotePad ++; Flash; Java Script; HTML. 2008. Disponível em:
<http://www.criarweb.com/artigos/notepad.html>
ARAUJO, Everson. Santos. Operadores. Disponível em:
<http://everson.com.br/files/Operadores.pdf>. Acesso em: 22 de Mar.de 2011.
ANALISE BLOGUEIRA. Definição de Blog. 2010. Disponível em:
<http://www.analiseblogueira.com/basico-definicao-de-blog/>. Acesso em: 31 de Mai. de 2011
ANGELFIRE. Delphi. 2003. Disponível em:
<http://www.angelfire.com/mt/argo/historico.htm> Acesso em: 07 de Mai. de 2011
AZEVEDO, Denny. Contabilidade Geral. Disponível
em:<http://pt.scribd.com/doc/3110249/Contabilidade-Contabilidade-02-Conceitos>. Acesso em: 19 de Abr.
de 2011.
BERTOLO. Poupança. Disponível em:
<http://www.bertolo.pro.br/adminfin/html/POUPANCA.htm> Acesso em: 19 de Abr. de 2011
- 63 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
CAMPOS, Augusto. Fluxo de Caixa. 2008. Acesso em:
<http://www.efetividade.net/2008/01/09/fluxo-de-caixa-instrumento-essencial-para-profissionaisindependentes/ Acesso em: 19 de Abr. de 2011
CARACTERBLOG. Estrutura de Repetição. Disponível em:
<http://caracterblog.blogspot.com/2008/07/o-que-so-estruturas-de-repetio.html> Acesso em: 19 de Abr.
2011
CÉU, Sétimo . Adobe Premiere Pro. 2010. Disponível em:
<http://www.setimoceu.com.br/modules/planet/view.article.php/32025/b> Acesso em: 30 Mai. de 2011.
CRISTIANE. Layout. 2010. Disponível em:
<http://www.mimosdacrislayouts.com/2010/01/o-que-sao-layouts.html> Acesso em: 19 de Abr. de 2011
CONTABILIDADE, Portal. Livro Caixa. Disponível em:
<http://www.portaldecontabilidade.com.br/obrigacoes/livrocaixa.htm>. Acesso em: 2 de Abr.de 2011
CONTABILIDADE, Portal de. Escrituração Contábil - Uma Necessidade Ou Um Luxo? Disponível em:
<http://www.portaldecontabilidade.com.br/tematicas/escrituracaocontabil.htm>. Acesso em: 19 de Abr. de
2011.
CRUZ, KNOPMAN, Adriano Joaquim de Oliveira; Jonas. Algoritmo de Programação.
2011.<http://equipe.nce.ufrj.br/adriano/algoritmos/apostila/algoritmos.htm> Acesso em: 19 de Abr. de
2011.
CORREA, Kenneth. Fundos de Investimentos. Disponível em:
<http://www.administracaoegestao.com.br/investimentos/o-que-sao-fundos-de-investimento/> Acesso em:
19 de Abr. de 2011
CULTURA. WWW. Disponível em: < http://www.cultura.ufpa.br/dicas/net1/int-www.htm> Acesso em: 19 de
Abr. de 2011
CULTURA. Java Script. Disponível em: <http://www.cultura.ufpa.br/dicas/htm/htm-scrip.htm> Acesso em:
19 de Abr. de 2011
CUTRONI, Justin. Google Analytics. São Paulo. Editora Novatec. 2010
DARKNES. Delphi. 2010. Disponível em: <http://fatalitycheats.forum-livre.com/t53-definicao-de-delphi>
Acesso em: 19 de Abr. de 2011
DEITEL, Paul, Harvey. 2009. Deitel série do desenvolvedor. Rio de Janeiro. Ed. Pears Education Inc.
ECONTAL. Controle sobre o lucro bruto. Disponível em:<http://www.econtal.com.br/2006/11/24/controlesobre-o-lucro-bruto/>. Acesso em: 22 de Abr. de 2011.
ESCOLA, Brasil. Salario. Disponível em:
<http://www.brasilescola.com/economia/salario.htm> Acesso em 19 de Abr. de 2011
FEDERAL, RECEITA. Impostos. 2005. Disponível em:
<http://www.midiaindependente.org/pt/red/2005/05/316110.shtml> Acesso em: 22 de Abr. de 2011.
FASCINA, André Felipe. Layer Styles no Photoshop. 2003. Disponivel em:
<http://www.baboo.com.br/conteudo/modelos/Layer-Styles-no-Photoshop_a7450_z0.aspx>. Acesso em:
31 de Mai. de 2011
FRANCO, Hilário. Contabilidade. Disponível em:
<http://www.contabilidade.inf.br/o_que_e_a_contabilidade.asp>. Acesso em: 19 de Abr. de 2011
- 64 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
FREITAS, Alfredo. Firebird. 2006. Disponível em:
<http://www.htmlstaff.org/ver.php?id=1942> Acesso em: 19 de Abr. de 2011
GARCIA, Alexandre Sanches. Controles internos: conceito e aplicação. Disponível
em:<http://biblioteca.universia.net/html_bura/ficha/params/title/controles-internos-conceitoaplica%C3%A7%C3%A3o/id/30898966.html>. Acesso em: 22 de Abr. de 2011.
HUDSON. Logica de Programação. 2009. Disponível em:
<http://sabercss.com/index.php?option=com_content&view=article&id=59&Itemid=73> Acesso em: 19 de
Abr. de 2011
INFO. Google SketchUp. Disponível em:
<http://info.abril.com.br/download/4712.shtml> Acesso em: 19 de Abr. 2011
INVESTIDOR, Portal. Bolsa de Valores. Disponível em:
<http://www.portaldoinvestidor.gov.br/Acad%C3%AAmico/EntendendooMercadodeValoresMobili%C3%A1
rios/Oque%C3%A9BolsadeValores/tabid/92/Default.aspx> Acesso em: 19 de Abr. de 2011
INTELIGENTE, Site. Hospedagem. Disponível em:
<http://home.siteinteligente.com.>Acesso em: 19 de Abr. 2011
KIOSKEA. Vídeo Analógico. 2010. Disponível em:
<http://pt.kioskea.net/contents/video/video.php3> Acesso em: 31 de Mai. de 2011
LINE1. Controle Orçamentário. Disponível em:
<http://www.line1.com.br/telas/add_ons/controle_orcamentario.aspx> Acesso em: 19 de Abr. de 2011
LINKK. PhotoShop. 2009. Disponível
em:<http://www.linkk.com.br/story.php?id=24282> Acesso em: 30 Set 2010.
LOBO, Ramiro. O que são domínios? Disponível em:
<http://ramirolobo.com/2009/08/o-que-sao-dominios/>. Acesso em: 19 de Abr. de 2011.
KERN, Vinicius Medina. Banco de dados relacionais. São Paulo: Editora Érica,
1994, Aceso em: 20 de Abr. de 2011.
MARKETING. Seo. Disponível em: <http://www.marketingdebusca.com.br/seo/>
Aceso em: 20 de Abr. de 2011
MAUJOR. XHTML. Disponível em: <http://maujor.com/tutorial/xhtml.php> Acesso em: 19 de Abr. de 2011
MAURICIO. O Modelo Entidade Relacionamento. 2010. Disponível em:
<http://www.las.pucpr.br/mcfmello/BD/BD-Aula02-MER.pdf> Acesso em 31 de Mai. De 2011
MARTINS, Sérgio Pinto. REMUNERAÇÃO. Disponível
em:<http://www.professortrabalhista.adv.br/Remunera%C3%A7%C3%A3o/remunera%C3%A7%C3%A3o
%20index.htm>. Acesso em: 22 de Abr. de 2011.
MULLER, Nícolas. Frameworks. 2008. Disponível em:
<http://www.oficinadanet.com.br/artigo/1294/framework_o_que_e_e_para_que_serve> Acesso em: 19 de
Abr. de 2011
MUNDOSEBRAE. Pró-labore, despesa fixa ou variável?. Disponível
em:<http://www.mundosebrae.com.br/2010/04/pro-labore-despesa-fixa-ou-variavel/>. Acesso em: 22 de
Abr. de 2011.
- 65 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
NUNES, Paulo. 2009.FTP. Disponível em:
<http://www.knoow.net/ciencinformtelec/informatica/ftp.htm> Acesso em: 19 de Abr. de 2011
NUNES, Paulo. 2007. HTML. Disponível em:
< http://www.knoow.net/ciencinformtelec/informatica/html.htm> Acesso em: 07 de Mai. de 2011
NARAYANA. Elaborando orçamentos. 2009. Disponível em
<https://www13.bb.com.br/appbb/portal/bb/unv/func/hmm/budget>. Acesso em 27 jul. 2009.
OLIVEIRA, Rodolfo. W3C. 2010. Disponível em:
<http://portaldosoftware.forumeiros.com/t11-entenda-o-que-e-w3c> Acesso em: 06 de Jun. de 2011.
PEREIRA, Ana Paula. CSS. 2009. Disponível em:
<http://www.tecmundo.com.br/2705-o-que-e-css-.htm>. Acesso em: 19 de Abr. de 2011
PESSOAL, Info. Gastos, custos e despesas: sinônimos ou não?. Disponível
em:<http://www.administradores.com.br/informe-se/informativo/gastos-custos-e-despesas-sinonimos-ounao/9135/>. Acesso em: 22 de Abr. de 2011.
PRIMORUM. Movimento Bancário. Disponível em:
<http://www.primorum.com/index.php?option=com_content&task=view&id=19&Itemid=9> Acesso em: 19
de Abr. de 2011
SANTOS, Laderson. IbExpert. Disponível em: <http://www.devmedia.com.br/post-4039-Criando-eRegistrando-BD-Firebird-1-5-no-IBExpert.html> Acesso em: 19 de Abr. 2011
SEGUROS, Unibanco. Previdência Privada. Disponível em:
<http://www.unibancoseguros.com.br/artigo.asp?artigo=12> Acesso em: 19 de Abr. de 2011
SILVA, Rafael Da Trindade. Estruturas de Decisão. Disponível em:
<http://www.htmlstaff.org/ver. php?id=1377>. Acesso em: 19 de Abr. de 2011.
SILVEIRA, André Luis Marques da. Computação Gráfica.2007. Disponível em:
<http://www.um.pro.br/index.php?c=/computacao/definicao>. Acesso: 20 de Nov 2010
SIRTORI, Andrea. Regime de Competência x Regime de Caixa. Disponível em:
<http://www.administradores.com.br/informe-se/artigos/regime-de-competencia-x-regime-decaixa/20654/> Acesso em: 22 de Abr. de 2011.
SLOMPO. SGDB. Disponível em: <http://junior-slompo.blogspot.com/2011/01/o-que-e-um-sgdb.html>
Acesso em: 19 de Abr. 2011
SOUZA, Valdivino. Contabilidade. 2006. Disponível em:
<http://www.artigos.com/artigos/humanas/educacao/o-que-e-contabilidade-323/artigo/> Acesso em: 31 de
Mai. De 2011
UEFS – Universidade Estadual de Feira Santana. Balanço Patrimonial. 2007. Disponível em:
<http://www2.uefs.br/contas/index_arquivos/Page519.htm> Acesso em: 31 de Mai. De 2011
URBAEZ, Wilder. Estruturas Sequenciais. 2009. Disponível em:
<http://www.criarweb.com/artigos/estruturas-sequenciais.html> Acesso em: 19 de Abr. 2011
VIDEO, Fazendo. Frame. 2010. Disponível em: <http://www.fazendovideo.com.br/vtsin3.asp> Acesso em:
31 de mai. de 2011
XKURT. Dreamweaver. 2006. Disponível em:
<http://www.htmlstaff.org/ver.php?id=988> Acesso em: 06 de Mai. De 2011
- 66 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE UM APLICATIVO
MÓVEL, DIRECIONADO AO DESIGN CONTEMPLANDO
A PRATICIDADE, A MODERNIDADE E A
INFORMATIZAÇÃO
De: MAYARA ROSSI PADOIN ([email protected]), JESSICA WENTLAND
([email protected]), ANA PAULA BAUM ([email protected]) Orientado por: MAIDI
TEREZINHA DALRI ([email protected]), EDINEI DANIEL STEFFEN ([email protected])
No mundo atual, um dos fatores mais importantes e que está em constante crescimento, é
o ramo da informática. O mercado de trabalho exige cada vez mais por profissionais
qualificados e que se adaptem rapidamente as novas tecnologias. A mobilidade hoje vem se
desenvolvendo no mercado de trabalho, muitas empresas a utilizam para tornar seus negócios
mais práticos e fáceis. O design está exigindo por profissionais mais capacitados, com
qualificação nos seus demais setores. Com base nessas informações foi desenvolvido, durante
os meses de março a junho de 2011 um projeto pelos estudantes do Curso Técnico em
Informática subsequente matutino da SETREM sobre mobilidade. Foi realizada a entrevista
com a profissional da área, Terezinha Meller. Foi realizada a pesquisa de campo na Expofeira
de Três de Maio com mulheres de 16 à 71 anos, para analisar o conhecimento delas a respeito
dos aplicativos móveis. Foi desenvolvido o Manual de Identidade Visual no Corel Draw X5,
onde constam dados e informações sobre a empresa. Foram feitos o crachá e o cartão de
visita da empresa Láquesis no Corel Draw X5. Foi desenvolvido um jornal no Page Maker,
onde constam as informações do aplicativo. Foi desenvolvido o banner, o folheto, o display e
folder para a divulgação do mesmo.
Palavras-chave: Mobilidade, Manual de Identidade Visual, Aplicativo.
Referências:
ADMINISTRAÇÃO É PARA ADMINISTRADOR. O que é Brainstorming? Disponível em:
<http://paradministrador.blogspot.com/2009/08/o-que-e-brainstorming.html>. Acesso em: 11 abr. 2011.
ADOBE. Filtros. Disponível em: <
http://help.adobe.com/pt_BR/Photoshop/11.0/WSfd1234e1c4b69f30ea53e41001031ab64-7987a.html>.
Acesso em: 14 mai. 2011.
ALECRIM, Emerson. HDs. Disponível em: <http://www.infowester.com/hds1.php> Acesso em: 22 mai.
2011.
ALECRIM, Emerson. Placa mãe - principais características. Disponível em:
http://www.infowester.com/motherboard.php> Acesso em: 22 abr. 2011.
ALLDREAMS, O que são aplicativos mobile? Disponível em:
<http://www.alldreams.com.br/alldreams/artigos/44-o-que-sao-aplicativos-mobile.html> Acesso em: 27
abr. 2011.
ANDRADE, Danilo Barros. O que são redes sociais? Disponível em:
<http://informacaonaweb.wordpress.com/2008/06/25/o-que-sao-redes-sociais/> Acesso em: 27 abr. 2011.
ANDRADE, Gabriel. O que é Orkut. Disponível em: <http://www.infoescola.com/informatica/o-que-eorkut/> Acesso em: 22 abr. 2011.
ANDROID BRASIL. O que é android? Disponível em: <http://www.androidbrasil.com/noticias/android/166o-que-e-android> Acesso em: 28 abr. 2011.
ANTUNES, Jonathan Lamin. Identidade Visual: Primeiras Definições. Disponível
- 67 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
em:<http://www.oficinadanet.com.br/artigo/1184/identidade_visual_primeiras_definicoe>. Acesso em: 18
abr. 2011.
APOSTILA BÁSICA DO WORD, Curso de Sistemas de informações. Disponível em:
<http://www.aprodema.org.br/winword/03_winword.pdf >. Acesso em: 21 abr. 2011.
BERTOLO. Conhecendo a sua calculadro HP12C. Disponível em: <
http://www.bertolo.pro.br/adminfin/html/apostila_hp12c.htm>. Acesso em: 14 mai. 2011.
BOROS Rogério, CDMA. Disponível em:
<http://www.wirelessbrasil.org/wirelessbr/colaboradores/boros/cdma_01.html> Acesso em 27 abr. 2011.
BOTTARO, Marcos César, Informática Básica: Aplicativos. Disponível em:
http://www.mcbottaro.com.br/apostilas/info/Apostila%20Info%20VI%20Word.pdf. Acesso em 10 mai. 2011.
BrOffice The Document Foundation. Disponível em: <http://www.broffice.org/broo/?q=produto/writer>.
Acesso em 27 abr. 2011.
CALCANTE, Evandro Mariano. Super Mundo. Disponível em:
<http://super.abril.com.br/superarquivo/2001/conteudo_209169.shtml>. Acesso em: 11 mai. 2011.
CANOPUS, Vocabulário Especializado. Disponível em:
<http://www.canopusonline.com.br/faq_vocab.htm> Acesso em: 07 mai. 2011.
CAPITÃO, Antonio Carlos de Oliveira. Matemática Financeira: Descontos Simples. Disponível em:
<http://www.capitao.pro.br/apostilas/matematica%20financeira/MF2%20-%20Desconto%20Simples.pdf>.
Acesso em: 14 mai. 2011.
CARDOSO, André, O que é tablets? Disponível em:
<http://tecnologia.ig.com.br/noticia/2010/01/14/tablet+que+bicho+e+esse+9295069.html> Acesso em: 28
abr. 2011.
CASTEO VELLOSO, Fernando. Informática conceitos básicos. Rio de Janeiro: Campus, 2004.
CIRIACO, Douglas. O que são máquinas virtuais. Disponível em: <http://www.tecmundo.com.br/232-oque-sao-maquinas-virtuais-.htm>. Acesso em: 12 mai. 2011.
CLUBE DO HARDWARE. Todos os soquetes de processadores. Disponível em:
<http://forum.clubedohardware.com.br/soquete-como-descobrir/629605>. Acesso em 21 abr. 2011.
CONAREC. A Telecom na Era dos SVAs. Disponível em: <http://www.conarec.com.br/conarec-news/atelecom-na-era-dos-svas.html> Acesso em: 28 abr. 2011.
CONVERSE, Tim; PARK, Joyce. PHP a Bíblia. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.
CRESPO, Antônio Arnot. Estatística Fácil. São Paulo: Saraiva, 1999.
CRESPO, Antônio Arnot. Matemática Comercial e Financeira. São Paulo: Saraiva, 1999.
DEL. Sumário. Disponível em: <http://www.del.ufms.br/tutoriais/excel7/capitulo7.htm> Acesso em: 07 abr.
2011.
DESCONTO SIMPLES. Disponível em: <http://jaleite.tripod.com/ecomon/ecomonparte2/4.4desconto.pdf>.
Acessado em: 21 abr. 2011.
DESIGN.BLOG. O que é pantone? Disponível em: <http://design.blog.br/design-grafico/o-que-e-pantone>
Acesso em: 05 mai. 2011.
- 68 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
DESIGN POWER CLIP. Disponível em: <http://imasters.com.br/artigo/2900/suite_corel/power_clip/>
Acesso em: 06 mai. 2011.
DICASDEEXCEL. O que é formatar. Disponível em: <http://blog.dicasdeexcel.com/2008/09/o-queformatar.html>. Acesso em 27 abr. 2011.
DICASDEEXCEL. TAB>>Tabela dinâmica. Disponível em: <http://dicasdeexcel.com.br/site/tag/tabeladinamica/> Acesso em: 28 abr. 2011.
DICIONÁRIO INFORMAL. Slogan. Disponível em:
<http://www.dicionarioinformal.com.br/definicao.php?palavra=slogan&id=1711> Acesso em: 18 abr. 2011.
DUARTE, Marcos. Moda. Disponivel em: < http://www.infoescola.com/estatistica/moda/> Acesso em: 14
maio 2011.
ESPAÇO PUBLICIDADE. O que é folder? Disponível em:
<http://agenciaespaco.wordpress.com/2010/07/19/o-que-e-o-folder/> Acesso em: 06 mai. 2011.
FÓRUM ONLINE. Downloads Full e Informática. Disponível em: <http://onlinepc.ativoforum.com/t8-o-quee-slot>. Acesso em: 21 abr. 2011.
FUNÇÕES NO EXCEL. O que é uma Função. Disponível em:
<http://www.tudosobrexcel.com/funcoes/licoes_funcoes/>. Acesso em 21 abr. 2011.
GFARIAS. Conceito de questionário. Disponível em:
<http://www.gfarias.com/campus2/mod/page/view.php?id=699>. Acesso em: 14 mai. 2011.
GLOSSÁRIO. Layer. Disponível em: <http://www.cursotakano.com.br/glossario/curso_glossariol.htm>.
Acesso em: 08 out. 2010.
HECKERT, Aurélio. O que é RGB? Disponível em: <http://wiki.softwarelivre.org/InkscapeBrasil/RGB>
Acesso em: 19 abr. 2011.
HEWITT, Hugh. Blog: Entenda a revolução que vai mudar o seu mundo. Rio de Janeiro: Thomas Nelson
Publishers, 2007.
HICH, Cláudia, o que é web design. Disponível em:
<http://www.claudia.kich.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=77%3Ao-que-ewebdesign&catid=42%3Aartigos&Itemid=84&lang=pt>. Acesso em: 27 abr. 2011.
HIPERATIVO. O que é android? Disponível em: <http://www.hiperativo.com/o-que-e-android/> Acesso
em: 14 mai. 2011.
HISTORIA SOBRE OS SITES DE BUSCA. O que é hyperlink. Disponível em:
<http://sites.google.com/site/historiasobreossitesdebusca/historia-da-internet/tudo-sobre-internet/o-que-einternet/o-que-e-um-hiperlink>. Acesso em: 27 abr. 2011.
HOMEHOST. Adobe Photoshop: O líder em edição gráfica. Disponível em:
<http://www.homehost.com.br/artigos/adobe_photoshop_o_lider_em_edicao_grafica-049.html>. Acesso
em: 06 mai. 2011.
HP. HP 12 platinum. Disponível em: <http://www.hp.com/latam/br/produtos/calculadoras/12c_plat.html>
Acesso em: 12 abr. 2011.
IG. ABC das Telecomunicações e Informática. Disponível em:
<http://www.abafando.hpg.com.br/ciencia_e_educacao/8/index_int_11.html> Acesso em: 14 mai. 2011.
INF.FURB.BR. Desvio padrão, média, incidência normal. Disponível em: <
- 69 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
http://www.inf.furb.br/sias/saude/Textos/desvio_padrao.htm> Acesso em: 23 mai. 2010.
INFO WESER. Conheçendo o dísco rígido (HD) Parte 1. Disponível em:
<http://www.infowester.com/hds1.php> Acesso em: 11 mai. 2011.
INFO WESTER. Memória. Disponível em: <http://www.infowester.com/memoria.php> Acesso em: 06 abr.
2011.
INFOPÉDIA. Amostra: Estatística. Disponível em: <http://www.infopedia.pt/$amostra-(estatistica)> Acesso
em: 14 mai. 2011
INFOPÉDIA. Tipo. Disponível em: <http://www.infopedia.pt/pesquisaglobal/tipo>Acesso em: 05 abr. 2011.
INKSCAPE BRASIL. O que é RGB? Disponível em: <http://wiki.softwarelivre.org/InkscapeBrasil/RGB>
Acesso em: 06 mai. 2011.
JUNIOR, Mozart Fialho. CORELDRAW! 8.0 Passo a Passo. Goiânia: Terra, 1998.
KARASINSLI, Eduardo. O que é computação nas nuvens? Disponível em:
<http://www.tecmundo.com.br/738-o-que-e-computacao-em-nuvens-.htm>. Acesso em: 11 mai. 2011.
KIOSKEA. Imagens bitmap e vectoriais. Disponível em: <http://pt.kioskea.net/contents/video/vector.php3>
Acesso em: 06 mai. 2011.
KYN D´ÁVILA, César. AMPS. Disponível em: <http://www.cedet.com.br/index.php?/O-quee/Comunicacoes-Moveis/amps.html> Acesso em: 27 abr. 2011
LERPARAVER. Tudo sobre as funções soma, média, máximo e mínimo. Disponível em:
<http://www.lerparaver.com/node/1253> Acesso em: 14 mai. 2011.
LIMA, Cássio; TORRES, Gabriel. Como fazer um Upgrade de BIOS. Disponível em:
<http://www.clubedohardware.com.br/artigos/Como-Fazer-Um-Upgrade-de-BIOS/692>. Acesso em: 11
mai. 2011.
LOGOMÍDIA. Mascotes: para que servem? Veja o caso dos mascotes olímpicos. Disponível em:
<http://www.logomidia.com/artigo003.htm> Acesso em: 04 mai. 2011.
MANZO, André Luiz; MANZO, Maria Izabel. Microsoft Office Word 2003. Érica Ltda: São Paulo, 2004.
MARKETING. Conceito: mídia digital. Disponível em:
<http://www.marketing.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=120&Itemid=104> Acesso
em: 27 abr. 2011.
MARQUES, Paulo. Juros composto. Disponível em: <http://www.algosobre.com.br/matematicafinanceira/juros-compostos.html> Acesso em: 12 mai. 2011.
MARQUES, Paulo. Juros simples. Disponível em: <http://www.algosobre.com.br/matematicafinanceira/juros-simples.html> Acesso em: 12 mai. 2011.
MARTINS da COSTA, Flávio; A apresentação e o marketing pessoal. Disponível em:
<http://www.rh.com.br/Portal/Carreira/Artigo/5075/a-apresentacao-e-o-marketing-pessoal.html>. Acesso
em 28 abr. 2011.
MARTINS, Nelson. A imagem digital na editoração: manipulação, conversão e fechamento de arquivos.
Rio de Janeiro: Senac Nacional, 2005.
MATEUS ROCHA. Definição de Brainstorming. Disponível em:
<http://www.biinternational.com.br/aluno/mateusrch82/2010/01/07/definicao-de-brainstorming/>. Acesso
- 70 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
em: 10 mai. 2011.
MC BOTTARO. Formulário. Disponível em: <http://www.mcbottaro.com.br/apostilas/info/Apo> Acesso em:
01 abr. 2011.
MICROSOFT OFICCE. Recursos e benefícios do Word 2010. Disponível em:
<http://office.microsoft.com/pt-br/word/recursos-e-beneficios-do-word-2010-HA101810003.aspx>. Acesso
em: 13 mai. 2011
MICROSOFT. O que é Excel? Disponível em: <http://office.microsoft.com/ptpt/Novice/FX102659522070.aspx?ofcresset=1>. Acesso em: 14 abr. 2011.
MICROSOFT. O que é um layout de slide? Disponível em: <http://office.microsoft.com/pt-br/powerpointhelp/o-que-e-um-layout-de-slide-HA010338412.aspx> Acesso em: 05 mai. 2011.
MICROSOFT. O que são Macros? Disponível em: <http://office.microsoft.com/ptbr/Word/HP051894211046.aspx> Acesso em: 06 abr. 2011.
MORENO, Luciano. A linha. Disponível em: <http://www.criarweb.com/artigos/814.php>. Acesso em 27
abr. 2011
MORIMOTO, Carlos. Hardware, o guia definitivo. Disponível em:
<http://www.hardware.com.br/livros/hardware/placa-mae.html>. Acesso em: 11 mai. 2011.
MORIMOTO, Carlos E; Significado de Siglas. Disponível em:
<http://www.hardware.com.br/artigos/significado-siglas/>. Acesso em 28 abr. 2011.
NASCIMENTO, Gláucio Marcel. Praticando CorelDRAW. Rio de Janeiro: Brasport, 2004.
NORTON, Peter. Introdução à informática. São Paulo. Pearson Makron Books, 1996.
O CURISI. A economia de espaço versus eficiência dos codecs. Disponível em:
<http://www.tuxresources.org/blog/archives/tag/cmyk>. Acesso em: 10 out. 2010.
O QUE É BIOS E SUA FUNÇÃO. Disponível em: <http://www.guiadicasgratis.com/o-que-e-bios-e-qualsua-funcao/>. Acesso em: 21 abr. 2011.
O QUE SÃO PROCESSADORES, processadores. Disponível em: <http://mottacaixas.blogspot.com/2009/03/o-que-sao-processadores.html> Acesso em: 21 abr. 2011.
Oficina da net, GSM o que é e como funciona. Disponível em:
<http://www.oficinadanet.com.br/artigo/733/gsm_o_que_e_e_como_funciona>. Acesso em: 27 abr. 2011.
OFICINA DA NET. Definição de Blogs. Disponível em:
<http://www.oficinadanet.com.br/artigo/1400/definicao_de_blog>. Acesso em: 19 abr. 2011.
OLIVEIRA, Natanael. Breve conceito de: redes sócias X mídias sócias. Disponível em: <
http://www.natanaeloliveira.com.br/breve-conceito-redes-sociais-x-midias-sociais/>. Acesso em: 14 mai.
2011.
OLIVIERO, Carlos Antônio José. Faça um Site Dreamweaver MX 2004 Orientado por Projeto. São Paulo:
Érica, 2004.
PAGINAS.FE.UP.PT. Correlacionamento linear. Disponível em:
<http://paginas.fe.up.pt/~jcard/publicacoes/tese_html/node64.html> Acesso em: 23 de maio de 2010.
PCV. O que é imagem? Disponível em: <http://docs.google.com/viewer?a=v&q=cache:XReLgTa96kJ:www.iar.unicamp.br/lab/luz/ld/Linguagem%2520Visual/imagem_positiva_e_negativa.pdf+o+que+
- 71 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
%C3%A9+imagem&hl=ptBR&gl=br&pid=bl&srcid=ADGEESi5X7NgI93rUm55AI3rht194b25QVX1wZf2OMe
XYP34M5hV3w5Ld6yie5K9ZngAYaWWmc8rh0sSpld_H1IrwG8SaPP5L2jYgW_CurnbTT2tbnH3RefVLCG
5c9c5ZCDngqA56S&sig=AHIEtbTqnjHKNVvX0xhAASpUBTH1M2Xisw> Acesso em: 06 de mai. de 2011.
PEON, Maria Luísa. Sistema de identidade visual. Rio de Janeiro: 2AB, 2003.
PHOTOSYNT. Tipos de Imagem. Disponível em:
<http://www.photosynt.net/ano2/03pe/questao/12_pixels/index.htm> Acesso em: 14 mai. 2011.
PORTAIS. O que é facebook? Disponível em: <http://www.portais.ws/?page=art_det&ida=1202> Acesso
em: 14 mai. 2011.
POWER POINT. Disponível em: <http://www.rtell.com.br/Pcp/paginas/powerpoint/dpower11.htm> Acesso
em: 27 abr. 2011.
POWERMINAS.COM. Dicionário de Marketing. Disponível em:
<http://dicionariodemarketing.powerminas.com/dic_marketing_d.htm> Acesso em: 21 abr. 2011.
PRODUÇÃO GRÁFICA. Manual de Identidade Visual. Disponível em:
<http://producaografica.wordpress.com/page/5/>. Acesso em: 12 mai. 2011.
RECORD. O que é um hiperlink? Disponível em: <http://sites.google.com/site/sitesrecord/o-que-e-umhiperlink>. Acesso em: 11 mai. 2011.
REVISTA BRASILEIRA DE HISTÓRIA. Redefinindo o Conceito de Imagem. Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-01881998000100010 &script=sci_arttext>. Acesso em: 18
abr. 2011.
ROCHA, Tarcízio. Word x Writer. Rio de Janeiro: Ciência Moderna Ltda., 2007.
ROCHA, Diagramação. Disponível em: <http://meiradarocha.jor.br/news/2007/06/13/diagramacao-nobrasil-conceitos-e> Acesso em: 18 abr. 2011.
RODRIGUES, Diego. O que é um chipset? Disponível em: <http://www.tecportal.com.br/o-que-e-umchipset/> Acesso em: 14 mai. 2011.
SAP. Margens de segurança e de antecipação do início da produção. Disponível em:
<http://help.sap.com/saphelp_470/helpdata/pt/7e/d4190e455911d189400000e8323c4f/content.htm>
Acesso em: 05 mai. 2011.
SAWCZUK Mauricio. Igreja libera aplicativo que permite confissões através do iPhone. Disponível em:
<http://www.google.com.br/search?hl=ptBR&rlz=1R2ADSA_ptBRBR402&q=A+app+sote+%C3%A9+um+servi%C3%A7o..sawczuk>. Acesso em:
28 abr. 2011.
SCRIBD. O que é um jornal. Disponível em: <http://pt.scribd.com/doc/22231396/O-QUE-E-UM-JORNAL>
Acesso em: 14 mai. 2011.
SECURYTI, Linux. Linux Securyti Brasil: Visualização Linux com Xen. Disponível em:
<http://www.linuxsecurity.com.br/article.php?sid=10560>. Acesso em: 19 abr. 2011.
Sem autor. O que é excel? Disponível em: <http://www.dicasgratisbrasil.com/o-que-e-o-excel/> Acesso
em: 14 mai. 2011.
SILVA, Mario Gomes da. Informática: Microsoft Office Excel 2003: Microsoft Office Access 2003: Microsoft
Office PowerPoint 2003.-1. Ed., São Paulo: Érica, 2004.
SILVA, Mário Gomes da. Terminologia Básica. Érica Ltda: São Paulo, 2002.
- 72 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
SITE 7. O que é Folder. Disponível em:
<http://www.site7.com.br/web/index.php?option=com_content&task=view&id=24&Itemid=46> Acesso em:
12 abr. 2011.
SOARES DE CASTRO, Maria Alice. O que é World-Wide Web. Disponível em:
<http://www.icmc.usp.br/ensino/material/html/www.html>. Acesso em: 28 abr. 2011.
SODRÉ, Ulysses. Elementos básicos de matemática financeira. Disponível em:
<http://pessoal.sercomtel.com.br/matematica/financeira/curso/curso.htm>. Acesso em: 14 mai. 2011.
STRUNCK, Gilberto Luiz Teixeira Leite. Como criar identidades visuais para marcas de sucesso. Rio de
Janeiro: Rio Books, 2007.
SUPPORT. Mac 101: Editor de Texto. Disponível em:
<http://support.apple.com/kb/HT2523?viewlocale=pt_BR&locale=pt_BR>. Acesso em: 14 abr. 2011.
TANAKA, Edson. Adobe Photoshop 7.0. Rio de Janeiro: Elsevier, 2002.
TECMUNDO. O que é um macro? Disponível em: <http://www.tecmundo.com.br/195-o-que-e-macro.htm> Acesso em: 14 mai. 2011.
TORRES, Claudi. Marketing digital. Disponível em: <http://www.claudiotorres.com.br/>. Acesso em: 13
mai. 2011.
TRABALHANDO COM ESTILOS. Disponível em: <http://www.fundacaobradesco.org.br/vvapostilas/wd_pag39_1.htm> Acesso em: 21 abr. 2011.
TREETECH, Sensores. Disponível em: <http://www.treetech.com.br/pt/sensores.php> Acesso em: 27 mai.
2011.
TRIOLA, Mário F.. Introdução à Estatística. São Paulo: LTC, 1998.
TUDO SOBRE MARCA E PATENTES.COM. O que são marcas? Disponível em: <http://tudo-sobremarcas-e-patentes.com/o-que-sao-marcas.html> Acesso em: 05 mai. 2011.
UFBA. Tamanho de Amostra. Disponível em:
<http://im.ufba.br/pub/MATA26/TrabalhoVictor/MaterialCalculoTamanhoDeAmostra.pdf> Acessado em: 12
abr. 2011.
UFPA, Construção de "sites" simples. Disponível em: <http://www.ufpa.br/dicas/htm/htm-link.htm>. Acesso
em: 27 abr. 2011.
UFPA. Programas disponíveis. Disponível em: <http://www.cultura.ufpa.br/dicas/open/oo-defi.htm>
Acesso em: 27 abr. 2011.
UFSC. Cores. Disponível em: <http://www.arq.ufsc.br/arq5661/trabalhos_2001-2/iluminacao/cores.htm>
Acesso em: 07 mai. 2011.
ULTIMO SEGUNDO. Saiba o que é o twitter e como usá-lo. Disponível em:
<http://ultimosegundo.ig.com.br/economia/2009/08/08/saiba+o+que+e+o+twitter+e+como+usa+lo+769791
0.html> Acesso em: 28 abr. 2011.
UNESP. Conceitos. Disponível em: <http://www.fc.unesp.br/upload/sti/broffice/BrOffice.org_Impress.pdf>
Acesso em: 27 abr. 2011.
UNITAU. O que é um documento? Disponível em: <http://www.unitau.br/faqs/o-que-e-um-documento>
Acesso em: 14 mai. 2011.
- 73 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
USP. HTTP. Disponível em: <http://www.icmc.usp.br/ensino/material/html/http.html> Acesso em: 14 mai.
2011.
USANDO PHOTOSHOP. Filtros no Photoshop. Disponível em: <http://usandophotoshop.blogspot.com/2009/01/filtros-no-photoshop.html> Acesso em: 27 abr 2011.
VEIGA, Felipe; Veja isso. O que é twitter, como usar e responder? Disponível em:
<http://www.vejaisso.com/2007/12/20/o-que-e-o-twitter-como-usar-e-como-responder/>. Acesso em: 12
mai. 2011.
VERAROGLIOSLIDES. O que são slides? Disponível em:
<//www.veraroglioslides.com.br/conteudo/home.asp> Acesso em: 27 abr. 2011.
VETORIZANDO. O que é vetor? Disponível em:
<http://www.vetorizando.com.br/tutor_oqevetor/oqueevetor.htm> Acesso em: 16 abr. 2011.
VIEIRA, Yhasmin. História do design e definição. Disponível em:
<http://www.recantodasletras.com.br/artigos/1570020>. Acesso em: 14 mai. 2011.
VOL. A linha. Disponível em: <http://www.criarweb.com/artigos/814.php> Acesso em: 05 mai. 2011.
XAVIER, Denys Willian. Estilos de formatação. Disponível em: <http://www.tiexpert.net/office/word/estilosde-formatacao.php>.Acesso em: 12 mai. 2011.
WMWARE. Wmware. Disponível em: <http://info.vmware.com/content/GLP_
BR?urlcode=PortugueseBR_Google_General&gclid=CJuKzcv_zY0CFRyOFQod9mffLw> Acesso em: 18
abr. 2011.
DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA
CONTROLE DE INVESTIMENTOS DA EMPRESA SEASY
E ELABORAÇÃO DE PLANILHA DE GASTOS
PESSOAIS DE CADA ESTUDANTE
De: DAIANE BEATRIZ HANNUSCH ([email protected]), JUSSARA VITORINO DA SILVA
([email protected]), VIVIANE BORGES SIQUEIRA ([email protected]) Orientado por:
ANA
MARIA
SIPP
MACHADO
([email protected]),
TIAGO
JOSE
PASIEKA
([email protected])
A área da informática é uma das áreas que mais evolui nos dias atuais, a cada dia surgem
inovações e transformações neste campo da tecnologia. Pensando nesta constante evolução
foi proposta a realização do projeto visando à área contábil e sua importância tanto para as
empresas quanto para as pessoas. Para a realização do projeto foi proposto como tema o
desenvolvimento de um software visando o controle de investimentos da empresa Seasy e
elaboração de planilhas de gastos pessoais de cada estudante, tendo como objetivo o criação
de um sistema de controle de orçamentos na linguagem de programação Delphi, possibilitando
aos seus usuários uma maior facilidade no controle dos seus orçamentos pessoais, a
elaboração de um controle de despesas com o auxílio do software Excel, para a divulgação da
empresa foi elaborado um site utilizando as ferramentas Adobe Dreamweaver, Adobe
Photoshop, Adobe Fireworks e CorelDRAW X4 para a criação do layout do site, também foi
utilizado o software 3D Google SketchUp para o desenho da sede da empresa Seasy. Para a
documentação do projeto foi criado um Blog, onde foram postadas informações referentes ao
desenvolvimento do mesmo. Quanto aos resultados obtidos pode-se destacar a criação do site
da empresa, do software de controle de investimentos, o controle orçamental, do Blog
documentando o projeto desenvolvido e o desenho da sede da empresa em 3D.
Palavras-chave: Desenvolvimento, Controle Orçamental, Divulgação.
- 74 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Referências:
WARREN, James M. Reeve. Fundamentos de Contabilidade. São Paulo: Pioneira Thomson Learning,
2003.
RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade Geral Fácil. São Paulo: Editora Safira, 3ª edição, 2002.
MANZANO; OLIVEIRA, Jose Augusto N. G.; Jayr Figueiredo. Estudo Dirigido de Algoritmos. São Paulo:
Editora Érica Ltda, 7ª edição, 2002.
MARQUES, Luiz. Contabilidade Comercial - Passo a Passo. Paraná: Cianorte, 2010.
MARQUES, Wagner Luís. Contabilidade Geral a Necessidades da Empresa!. Paraná, Curitiba, 2004.
MAZZETTI, Gerardo; MINK, Carlos. HTML 4 com XML. São Paulo, Makron Books do Brasil Editora Ltda,
2000.
MENDES, Gilmar de Melo; RODRIGUES, José Antônio. Manual de Aplicação de Matemática Financeira.
Rio de Janeiro: FGV, 2007.
LIMA, Gerson. Economia, dinheiro e poder político. Curitiba: Lbpex, 2005.
LIMA, Luiz Henrique. Controle Externo: Teoria, Legislação, Jurisprudência e mais 450 questões. Rio de
Janeiro: Elsevier, 2008.
JUSTI; Rodrigues; Alexander, JUSTI; Bernstein; Alessandra. Modelagem 3D. São Paulo: Copyright, 2006.
FERBELLONE, EBERSPËCHER, André Luiz Villar e Henri Frederico. Lógica de programação: a
construção de algoritmos e estruturas de dados. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.
FERRARI, de Luís. Contabilidade Geral. São Paulo: Elsevier, 2008.
FESS, Philip E. Contabilidade Gerencial. São Paulo: Thompson Learning, 2001.
FORBELLONE, EBERSPËCHER, André Luiz Villar e Henri Frederico. Lógica de programação: a
construção de algoritmos e estruturas de dados. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.
COSIF. Contabilidade de Custos. Disponível em: <http://www.cosif.com.br/
mostra.asp?arquivo=cus_introduc>. Acesso em: 28 abr. de 2011.
CASTANHEIRA, Nelson Pereira. Noções Básicas de Matemática Comercial e Financeira. Curitiba: Ibpex,
2008.
CONSTITUIÇÃO DA EMPRESA INOVA SISTEMAS
TECNOLÓGICOS ATRAVÉS DO DESENVOLVIMENTO
DE SISTEMA DE CONTROLE DE INVESTIMENTOS
PESSOAIS, E DA DIVULGAÇÃO NO SITE DA MESMA
De: MAIARA BEATRIZ LUDWIG ([email protected]), FRANCIELE INES HECKLER
([email protected]), CARINE ANDRÉA MASSI ([email protected]) Orientado por:
ANA MARIA SIPP MACHADO ([email protected])
Para uma boa evolução financeira, tanto na vida pessoal, como empresarial, é
fundamental que se tenha um bom controle de investimentos, que possibilite analisar os gastos
passados e projetar os gastos futuros para a partir destes dados evitar prejuízos. Partindo
deste pressuposto buscou-se realizar pesquisas que viessem a auxiliar no desenvolvimento
- 75 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
deste software contábil. Desta forma o presente projeto traz como tema a constituição de uma
empresa fictícia denominada Inova Sistemas Tecnológicos, que visa o desenvolvimento de
sistema de controle de investimentos pessoais, da divulgação no site da mesma, tendo como
objetivo desenvolver um software de controle de investimentos, aprofundando os
conhecimentos na área de Programação com o desenvolvimento de um sistema de cálculo de
juros simples, como também aprender técnicas de Web Design, com a criação de um site para
a empresa. Para isso, foi criada uma empresa fictícia chamada Inova Sistemas Tecnológicos,
criados os fatos contábeis, livro caixa, movimento bancário e fluxo de caixa, no Excel e
desenvolvido um site para a divulgação dos softwares de controle de investimentos criados. O
layout do site foi criado com o auxilio dos softwares de edição de imagem bitmap Adobe
Photoshop e Adobe Fireworks e o software de criação de páginas web Adobe Dreamweaver. A
sede da empresa foi criada no Google SketchUp, e nele foram desenvolvidos também a marca
da empresa e um robô android. Também foi criado um blog para o projeto, que contém o
caderno de campo das atividades realizadas no decorrer do semestre. Com a realização do
projeto obteve-se como resultado o desenvolvimento de um software contábil e de um sistema
de juros simples, também foi criado um site para a divulgação da empresa, um blog para a
documentação do estagio e foi realizada a modelagem 3D da sede da empresa Inova Sistemas
Tecnológicos utilizando a ferramenta Google SketchUp.
Palavras-chave: Contabilidade, Software, Controle Finaceiro.
Referências:
SOMERA, Guilherme. Treinamento Pratico em CSS. São Paulo: Digerati Books, 2006.
BERTI, Anélio. Contabilidade e Análise de Custos. Paraná: JURUÁ, 2007.
EMATER. Conceitos Financeiros. Disponível em:
<http://www.emater.df.gov.br/sites/200/229/agroinf/conceitosfinanc.pdf>. Acesso em: 16 de Abr. de 2011.
LEITE, Mário. Técnicas de Programação – Uma Abordagem Moderna. Rio de Janeiro: Brasport, 2006.
RECURSOS TECNOLÓGICOS NA EDUCAÇÃO
INFANTIL: NOVA ESCOLA, NOVAS POSSIBILIDADES
De: PATRICIA CRISTINA SCHWADE ([email protected]) Orientado por: CHARLIZE NAIANA
GRIEBLER ([email protected]), DANIELE ROSSI ([email protected])
O presente trabalho tem como objetivo apresentar relato de experiência da informática
educativa como nova possibilidade educacional para o desenvolvimento de aprendizagens na
Educação Infantil. Compreende-se que é possível através da informática estimular a
construção de conhecimentos, sendo que os trabalhos foram focados no desenvolvimento de
habilidades físicas e mentais, estimulando o desenvolvimento da coordenação motora, do
lúdico, do cognitivo e de aprendizagens sociais. As tecnologias da informação, mais do que
como recursos a que importaria apelar, significam para a educação escolar desafios outros a
ela postos desde as novas formas que imprimem ao mundo, à sociedade, à cultura e às
identidades sociais e singularizadas. Ou seja, a informática na educação escolar busca
desafiar os alunos e a sociedade a enxergar as novas tecnologias utilizadas em sala de aula
como um meio de provocar um maior interesse em busca de conhecimentos da realidade,
conforme bibliografias de Mário Osório Marques (1999). Os jogos educativos buscam
complementar as atividades desenvolvidas em sala de aula, sendo que através de Objetos de
Aprendizagem (O.A) as aplicações das intervenções aconteceram integradas com um
planejamento prévio de projetos focais. Os projetos de atividades educativas aplicadas às
crianças estavam relacionadas aos animais, frutas/alimentação, sons, cores, formas
geométricas, letras e números. Como resultado estas atividades tiveram por finalidade mostrar
as crianças o som de cada animal, sua cor, tamanho e sua alimentação. Os sons e cores
estavam sendo trabalhadas e relacionadas a todas as atividades desenvolvidas. As atividades
realizadas com letras e números tiveram por finalidade reforçar seu aprendizado e fixação do
conhecimento das mesmas ao serem trabalhadas em sala de aula. As formas geométricas
- 76 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
contidas na maioria dos objetos são trabalhadas visando o entendimento e aplicação das
mesmas. As frutas e a alimentação têm uma função muito importante no seu desenvolvimento
em sala de aula fazendo com que as crianças tenham uma boa visão da sua boa educação
alimentar. Conclui-se então que os projetos de ensino aplicados através da informática na
educação fizeram com que as crianças possam utilizá-la com um bom Objeto de Aprendizagem
assim tendo um melhor aproveitamento nos estudos e nas demais atividades desenvolvidas
dentro e fora das instituições de ensino. Estes projetos ainda produzem um melhor
desenvolvimento físico, motor e cognitivo de cada criança.
Palavras-chave: Palavras-chave: Informática na Educação, Educação Infantil, Projetos.
Referências:
MARQUES, Mário Osório. Informática na Educação. A escola no computador: linguagens rearticuladas,
educação outra. Rio Grande do Sul. Unijui, 1999.
- 77 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
13º SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PESQUISA
ORIGINAL - ENGENHARIA
IOGURTE COM AMENDOIM
De:
ROBSON
MIGUEL
DOTTO
ROEHRS
([email protected]),
MAIKEL
ERHART
([email protected]), LUCINEIA CARLA LOEBLEIN ([email protected]), DIANE CRISTINA
SCHEER DE OLIVEIRA ([email protected]) Orientado por: MARCIA STEIN ([email protected])
O desenvolvimento de produtos a fim de conquistar novos mercados consumidores tem se
tornado uma prática constante entre as grandes empresas alimentícias, que buscam suprir as
necessidades dos consumidores em praticidade e qualidade auxiliando na melhoria das condições de
saúde através do consumo de alimentos saudáveis e que ajudem ao organismo. O iogurte é um
produto amplamente conhecido, consumido tanto por crianças como adultos. Já o amendoim é um
alimento que possui nutrientes e vitaminas importantes para o equilíbrio do organismo e manutenção
da saúde, como o ômega 9 ou ácido oléico. Este estudo refere-se ao trabalho de Prática de Produção
III, do Curso Bacharelado em Engenharia de Produção e tem por objetivo a elaboração de um
produto inovador, neste caso o Iogurte com Amendoim. Este produto caracteriza-se por ser de alto
valor nutritivo e funcional para a alimentação humana, podendo o mesmo ser consumido em qualquer
horário, e sem necessitar de preparo prévio. Para a estruturação do referido projeto utilizou-se o Guia
PMBOK®, no que diz respeito ao termo de abertura, a declaração de escopo e ao plano de
gerenciamento do projeto. Em relação à metodologia caracteriza-se por uma abordagem qualiquantitativa, e classifica-se em uma pesquisa exploratória, pois esta tem a finalidade de proporcionar
maiores informações sobre o assunto pesquisado e auxilia na descoberta de novos tipos de enfoque
para o assunto. Foi realizada previamente uma pesquisa bibliográfica, na qual se consultou livros,
artigos científicos, revistas, normas, resoluções. As técnicas utilizadas foram testes, questionários e
determinação da amostra. Em relação ao produto Iogurte com Amendoim, iniciou-se o trabalho com
10 formulações diferentes que após testes sensoriais realizadas pelo grupo, chegou-se ao resultado
desejado com duas formulações, amostra 1 Iogurte com Amendoim moído e amostra 2 Iogurte com
Amendoim triturado. Destas foram realizadas análise sensorial e análise laboratoriais. A aceitação do
público em relação à análise sensorial foi positiva em relação às duas amostras, mostrando que o
produto tem um bom potencial de vendas se produzido em escala maior.
Palavras-chave: Amendoim, Iogurte, Produto Inovador.
Referências:
AQUARONE, Eugênio et al. Alimentos e bebidas produzidos por fermentação. São Paulo: Edgard Blücher, 1983.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE CHOCOLATES, CACAU, AMENDOIM, BALAS E DERIVADOS
– ABICAB. Selo Amendoim de Qualidade ABICAB. Disponível em: <http://www.proamendoim.com.br>. Acesso
em 05 nov. 2010.
BRASIL. Portaria SVS/MS n° 326, de 30 de julho de 1997. Disponível em: <http://elegis.anvisa.gov.br/leisref/public/showAct.php?id=100>. Acesso em: 18 de setembro de 2010.
CRUZ, Ana Cristina Rodrigues Ferreira da. Balanço energético em indivíduos saudáveis após consumo de grão,
pasta,farinha ou óleo de amendoim. Viçosa: UFV, 2006.
DINSMORE, Paul et al. Como se tornar um profissional em gerenciamento de projetos: Revisado conforme a
terceira edição do Guia PMBOK. 2° edição. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2005.
EMBRAPA. Benefícios do amendoim. Disponível em: <http://www.proamendoim.com.br/amendoim_s…>. Acesso
em 18 de junho de 2010.
FELLOWS, P.J. Tecnologia do processamento de alimentos: princípios e práticas. Trad. Florência Cladera
Oliveira. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.
GAVA. Altair. Princípios de Tecnologia de Alimentos. São Paulo: Nobel, 1984.
GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.
GIOIELLI, Luiz Antônio. Óleos e gorduras vegetais: composição e tecnologia. Revista Brasileira de Farmacologia,
[19-]. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbfar/v5n2/a08v5n2.pdf>. Acesso em 22 de novembro de 2010.
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
pesquisa - normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. 2 Ed. Três de Maio:
SETREM, 2007.
- 78 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
RODAS, Maria et al.Capítulo VI - Análise sensorial. In ZENEBON, O. et al. Métodos físico-químicos para a
análise de alimentos. IV Ed; 1° edição digital. São Paulo, 2008. Disponível em
<http://www.gipescado.com.br/arquivos/met_fis-qui_ial/cap6.pdf>. Acesso em 16 de agosto de 2010.
SILVA, Dirceu Jorge et al. Análises de Alimentos: métodos químicos e biológicos. 3 ed. Viçosa: UFV,2002.
CUSTO DE PRODUÇÃO DE UMA CERVEJA ARTESANAL
De:
DAIANE
PATRÍCIA
SCHEID
([email protected]),
DEISE
GREGORY
([email protected]), HELGA MARIA EWERLING ([email protected]) Orientado por:
GELSON ANTONIO DE PAULA REIS ([email protected])
O presente artigo teve por objetivo efetuar um levantamento do custo de produção de uma
cerveja artesanal, tendo em vista que por ser um produto diferenciado, e de certa forma inovador,
devido suas característica tais como a predominância da cor clara com um sabor mais adocicado,
cítrico e frutal, não possua um custo de produção definido. Estas características objetivam atingir um
público alvo feminino, devido as preferências adocicadas deste público. A metodologia foi classificada
tanto para método quanto para técnica utilizada, como quantitativo, por ter como bases preços e
valores numéricos. O procedimento usado no trabalho se enquadra na modalidade de estudo de
caso, por se tratar de um produto já existente, mas com características inovadoras. Concluiu-se que a
parte mais influente na formação dos custos dee produção de uma cerveja são as matérias primas,
em função dos elevados custos de seus componentes.
Palavras-chave: Custo de Produção; Matérias-Primas; Produto Diferenciado.
Referências:
AGRARIA. DISPONÍVEL EM: http://www.agraria.com.br. Acesso em 15 de Junho de 2011.
AQUARONE, Eugênio. LIMA, Urgel de Almeida. BORZANI, Walter. Alimento e Bebidas Produzidos por
Fermentação. Editora Edgard Blücher LTDA, 5º edição. São Paulo – SP, 1990.
CASTLE MALTING. DISPONÍVEL EM: http://www.castlemalting.com. Acesso em 16 de Junho de 2011.
CERVEJAS DO MUNDO. DISPONÍVEL EM: http://www.cervejasdomundo.com. Acesso em 15 de Junho de
2011.
FILHO, Waldemar G. V. Tecnologia de cerveja. Fundação de Estudos e Pesquisas em Agronomia, Medicina
Veterinária e Zootecnia – FUNEP, Botucatu – SP, 2000.
LOJA BLINDADA. DISPONÍVEL EM: http://cervejacas.lojablindada.com. Acesso em 16 de Junho de 2011
MERCADO LIVRE. DISPONÍVEL EM: http://lista.mercadolivre.com.br. Acesso em 17 de Junho de 2011.
OETTERER, Marília. REGINATO-d‘ARCE, Marisa A. B. SPOTO, Marta H. F. Fundamentos de Ciência e
Tecnologia de Alimentos. Editora Manole LTDA. Barueri – SP, 2006.
FOGÃO SOLAR: SUSTENTABILIDADE NA COCÇÃO DE
ALIMENTOS
De:
CRISTIAN
RAFAEL
SCHNEIDERS
([email protected]ahoo.com.br),
ALEXSANDRO
DESCONZI
([email protected]) Orientado por: CARLA SIMONE SPERLING ([email protected])
O presente estudo é baseado em uma proposta de projeto do componente curricular Física II do
Curso de Engenharia de Produção da Sociedade Educacional Três de Maio – SETREM. Teve como
objetivo principal evidenciar uma maneira sustentável para a cocção de alimentos utilizando uma
- 79 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
alternativa energética disponível a todos de forma gratuita e em grande abundância: o sol. Uma
alternativa ecologicamente correta quando se sabe que uma boa parte da população mundial
depende basicamente de lenha para as necessidades energéticas de utilização doméstica, como a
cocção de alimentos por exemplo. O fogão solar foi a melhor maneira evidenciada para atingir o
objetivo proposto e para tanto foram buscados diversos referenciais teóricos que tratam do assunto. A
literatura refere-se a diversos tipos de fogões sendo o mais empregado e com melhor desempenho o
tipo parabólico, o qual foi alvo do nosso projeto. A principal vantagem do uso de um fogão solar do
tipo parabólico é a energia térmica que ele concentra na zona focal formada devido ao seu formato,
que fornece as calorias necessárias para a ebulição da água, cozinhar, aquecer, fritar e até mesmo
assar alimentos. Porém como desvantagem podemos citar que seu funcionamento se dá
exclusivamente com a presença da radiação solar direta, ou seja, não há um sistema de
armazenagem e ele funciona somente em condições de céu claro e sem nebulosidade. O projeto foi
desenvolvido no mês de junho de 2010 e mesmo com uma intensidade solar menor puderam-se
atingir altas temperaturas capazes de cozinhar uma porção de arroz, o que demonstra que o fogão
solar pode ser utilizado também em regiões com condições climáticas menos favoráveis. O estudo foi
muito satisfatório, pois trouxe aos acadêmicos um conhecimento diferenciado sobre sustentabilidade
podendo-se enfatizar ainda que o uso do fogão solar só traz benefícios para o usuário, principalmente
para os de baixa renda.
Palavras-chave: Cocção de alimentos, fogão solar, sustentabilidade.
Referências:
MISKALO, Pedro. Fogão Solar: uma riqueza dos pobres. Ano 2010. Disponível em:
http://www.pimenet.org.br/mundoemissao/ecologiasolar.htm
TAN, Teong H. Fogão Solar Bi-Angular de Doze Lados (BADLa). Ano 2010. Disponível em:
http://solarcooking.org/portugues/DATS-pt.htm
BEZERRA, Arnaldo Moura. O fogão solar na atividade humana - Uma contribuição ao desenvolvimento
sustentável. Ano 2010. Disponível em: http://mourabezerra.sites.uol.com.br/fogao.htm
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
pesquisa - normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. 2 Ed. Três de Maio:
SETREM, 2007.
CONVERSÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM
ENERGIA LIMPA, POR MEIO DA DIGESTÃO ANAERÓBICA
De:ALESSANDRA
KARIN
JOHANN
([email protected]),
ANGELA
FRONZA
([email protected]), LETICIA ALCANTARA ([email protected]), TAMARA RORATTO
([email protected]) Orientado por: VALMIR HECKLER ([email protected]), CARLA SIMONE
SPERLING ([email protected])
Este trabalho apresenta um panorama sobre a utilização da digestão anaeróbia no
processamento da fração orgânica dos resíduos sólidos urbanos como fonte renovável de energia
limpa, dentro de um conceito de desenvolvimento sustentável sem danos ao meio ambiente.
Contudo, neste estudo, buscou-se também verificar a viabilidade de implementação de um
empreendimento energético na Região Noroeste do Rio Grande do Sul. A disposição final dos
resíduos sólidos urbanos constitui uma preocupação ambiental enfrentada pelos grandes centros
urbanos, particularmente o Brasil, onde a utilização de depósitos sanitários é comumente utilizada. A
emissão desenfreada do biogás produzido através da decomposição da matéria orgânica disposta
nestes depósitos é encarada como uma ameaça ao meio ambiente local causando prejuízos à
vegetação, gerando odores desagradáveis, oferecendo risco de explosão em concentração entre 5 e
15% no ar, além de causar efeitos sobre a saúde humana. O biogás é encarado também, como um
problema global, pois é formado por cerca de 50 a 60% de metano, que é um gás causador do efeito
estufa. No entanto, a utilização do biogás formado pelos aterros pode promover vários benefícios
tanto ambientais, quanto sociais e econômicos.
- 80 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Palavras-chave: Resíduos sólidos urbanos; biodigestão anaeróbica; biogás; energia alternativa.
Referências:
ALCÂNTARA, C. D.; et al. Potencial do Mercado de Crédito de Carbono no Ceará. (Disponível em
<http://www.ipece.ce.gov.br/publicacoes/textos_discussao/TD_41.pdf>. Acessado em 13 de maio de 2009).
ARRUDA, M. H., et al. Dimensionamento de Biodigestor para Geração de Energia Alternativa. Revista Científica
Eletrônica de Agronomia Periodicidade Semestral. Ano I, N° 2, Dezembro de 2002. (Disponível em: <
http://www.revista.inf.br/agro02/notas/notatecnica01.pdf> Acessado em 9 de maio de 2009).
BRAZ, J, A; SILVA, C. L. III-113 – Avaliação do potencial energético do biogás de aterro sanitário gerado pelos
resíduos sólidos domésticos do município de Rio Claro. (Disponível em:
<http://homologa.ambiente.sp.gov.br/biogas/docs/artigos_dissertacoes/braz.pdf>. Acessado em 13 de maio de
2009).
CALIJURI, M. L; et al. Identificação de áreas alternativas para disposição de resíduos sólidos na região do Baixo
Ribeira do Iguape – SP. Eng. Sanit. Ambient. vol.12 no.3 Rio de Janeiro Jul/Set. 2007. (Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141341522007000300013&script=sci_arttext&tlng=target=_blank>.
Acessado em 15 de maio de 2009).
COELHO, S. T., et al. Geração de energia elétrica a partir do biogás proveniente do tratamento de esgoto.
(Disponível em: <http://cenbio.iee.usp.br/download/projetos/pure_cbe.pdf> Acessado em 9 de maio de 2009).
CUSSIOL, N. A. M; et al. Quantificação dos resíduos potencialmente infectantes presentes nos resíduos sólidos
urbanos da regional sul de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad. Saúde Pública [online]. 2006, v. 22, n. 6,
pp. 1183-1191. (Disponível em: <http://www.scielosp.org/pdf/csp/v22n6/07.pdf>. Acessado em 14 de maio de
2009).
DEGANUTTI, R., et al. Biodigestores rurais: modelo indiano, chinês e batelada. (Disponível em:
<http://www.feagri.unicamp.br/energia/agre2002/pdf/0004.pdf> Acessado em 10 de maio de 2009).
EVANGELISTA, M. L.; et al. Estratégias competitivas para a produção de biogás no município de Nova
Candelária – RS. (Disponível em: <http://www.convibra.com.br/2007/congresso/artigos/274.pdf>. Acessado em
14 de maio de 2009).
GALVÃO, J. M., et al. Gestão Ambiental: Aplicação dos Biodigestores. (Disponível em:
<http://www.simpep.feb.unesp.br/anais/anais_13/artigos/451.pdf> Acessado em 10 de maio de 2009).
GORGATI, C. Q; LUCAS JÚNIOR, J. Fração orgânica de lixo urbano como substrato para biodigestor.
(Disponível em: <http://www.renovaveis.hpg.ig.com.br/temas/biomassa/Claudia.pdf>. Acessado em 16 de maio
de 2009).
HARDOIM, P. C.; GONÇALVES, A. D. M. A. Avaliação do potencial do emprego do biogás nos equipamentos
utilizados em sistemas de produção de leite. (Disponível em
<http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?pid=MSC0000000022000000100053&script=sci_arttext>.
Acessado em 13 de maio de 2009).
LEITE, V. D; et al., Tratamento de resíduos sólidos de centrais de abastecimento e feiras livres em reator
anaeróbio de batelada. Rev. bras. eng. agríc. ambient. v.7 n.2 Campina Grande maio/ago. 2003. (Disponível em
<http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141543662003000200022&script=sci_arttext&tlng=ptpt>. Acessado em 14
de maio de 2009).
OLIVEIRA, S; PASQUAL, A. Avaliação de parâmetros indicadores de poluição por efluente liquido de um aterro
sanitário. Engenharia sanitária e ambiental ;9(3):240-9, Jul.-set. 2004. Ilus, mapas, tab. (Disponível em:
<http://www.bvsde.paho.org/bvsacd/abes/v9n3/p240a249.pdf>. Acessado em 14 de maio de 2009).
PÉREZ, Carlos Tablada. El Pensamiento Economico de Ernesto Che Guevara. Ediciones Casa de la America,
Cuba – 1987.
POSSAMAI, F. P., et al. Lixões inativos na região carbonífera de Santa Catarina: análise dos riscos à saúde
- 81 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
pública e ao meio ambiente. (Disponível em:
<http://bases.bireme.br/cgibin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&
nextAction=lnk&exprSearch=440832&indexSearch=ID> Acessado em 9 de maio de 2009).
PRADO FILHO, J. F; SOBREIRA, F. G. Desempenho operacional e ambiental de unidades de reciclagem e
disposição final de resíduos sólidos domésticos financiadas pelo ICMS ecológico em Minas Gerais. Eng. Sanit.
Ambient. vol.12 no.1 Rio de Janeiro Jan./Mar. 2007. (Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141341522007000100007&tlng=en&lng=en&nrm=iso>.
Acessado em 14 de maio de 2009).
RÊGO, R. C. F; et al. O que é lixo afinal? Como pensam mulheres residentes na periferia de um grande centro
urbano. Cad. Saúde Pública vol.18 no.6 Rio de Janeiro Nov./Dez. 2002. (Disponível em:
<http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2002000600012>. Acessado em 15 de
maio de 2009).
SOUZA DE DEUS, A. B., et al. Índice de impacto dos resíduos sólidos urbanos na saúde publica (IIRSP):
Metodologia e Aplicação. (Disponível em:
<http://bases.bireme.br/cgibin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&
nextAction=lnk&exprSearch=406808&indexSearch=ID> Acessado em 9 de maio de 2009).
SOUZA, S. N. M.; et al. Custo da eletricidade gerada em conjunto motor gerador utilizando o biogás da
suinocultura. (Disponível em:
<http://www.feagri.unicamp.br/energia/agre2004/Fscommand/PDF/Agrener/Trabalho%2041.pdf>. Acessado em 8
de maio de 2009).
TEXEIRA, C. E., et al. Estudos sobre a oxidação aeróbia do metano na cobertura de três aterros sanitários no
Brasil. (Disponível em: <http://www.abesdn.org.br/publicacoes/engenharia/resaonline/v14n01/RESA_v14n1_p99108.pdf> Acessado em 9 de maio de 2009).
VANZIN, E., et al. Análise da viabilidade econômica do uso do biogás de aterros sanitários para geração de
energia elétrica: aplicação no aterro metropolitano Santa Tecla. (Disponível em:
<http://www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP2006_TR520347_7425.pdf> Acessado em 8 de maio de 2009).
ZULAUF, M. Geração com biogas de aterros de lixo. In Dossiê: Energia Positiva para o Brasil 2004. (Disponível
em: <http:// www.greenpeace.br>. Acesso em 12 maio 2009).
REDUÇÃO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM
UMA RESIDÊNCIA
De: MAIQUEL BATISTA ([email protected]), RODRIGO VACCARO ([email protected]),
LAERCIO DANILO GOLDBECK STERN ([email protected]), SERGIO RAFAEL SCHMITH WITCEL
([email protected]) Orientado por: DOUGLAS FAORO ([email protected])
Na atualidade observamos a preocupação com a inovação e procura de novas tecnologias.
Tentativas que rumam em busca de descobertas ou objetivam por em prática tecnologias já
existentes, onde abordando este contexto se tem por propósito a produção de energia para
abastecimento das residências e indústrias. Mostrada essa preocupação de muitos estudiosos, com a
tentativa em descobrir novas fontes de energia ou novas maneiras de utilizá-la conscientemente, ou
seja, sem excessos, esse trabalho tem o intuito de começar no princípio desta “empreitada”,
mostrando formas para reduzir o consumo de energia elétrica em uma residência. Para todos os
detalhes do contexto envolvendo “redução no consumo de energia elétrica”, uma solução se oferece
por meio muito simples, a economia de energia utilizando de bons hábitos. Neste caso por parte dos
consumidores, mas devendo vir desde o desenvolvimento dessa fonte utilizando de novas
tecnologias mais eficientes que viram a auxiliar na redução no consumo. Como se trata de um
assunto do cotidiano, as pessoas estão habituadas e mostram entender a importância do uso
consciente de energia. Então nos perguntamos, por que os cuidados no consumo de energia elétrica
não são adotados na maioria das residências? Bom talvez seja por essas pessoas acharem que
deveram deixar de lado algum conforto para por em prática um consumo consciente, ou ainda, por
- 82 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
essas mudanças serem muito simples, passando por despercebidas aos olhos da população. Em
princípio foi observado à necessidade de montar um material para que essas barreiras fossem
“quebradas”, fazendo com que os envolvidos nesse desafio se interassem mais do assunto, e
passassem a ver o quanto é simples mudar. Com o desenvolvimento de uma palestra, foram
esclarecidas as dúvidas mais freqüentes de todos os consumidores, como qual a média de consumo
da residência, como é calculado o gasto de energia de determinados equipamentos em kWh, qual o
custo do kWh, como gastar menos, quais são os aparelhos que consomem mais e ainda determinar o
período que executaríamos as mudanças. Desenvolvido e concluído o acompanhamento das
melhorias, confrontamos os resultados obtidos no ano de 2011, com o mesmo período no ano de
2010. Tendo como resultado redução no consumo de 0% em maio, 34% em junho, 57% em julho e
45% em agosto. Através deste trabalho podemos mostrar que com simples medidas tomadas
podemos começar a mudar “o mundo”, ou seja, podemos mudar a situação do consumo de energia
das propriedades, situação financeira das famílias diminuindo gastos em contas no final do mês e por
que não com a sociedade e o mundo, consumindo conscientemente a energia elétrica exercemos um
ato de cidadania contribuindo com a preservação do meio ambiente.
Palavras-chave: Inovação, consumo consciente, meio ambiente.
Referências:
ORTEGA FILHO, S. O potencial da agroindústria canavieira do Brasil. [Serrana, PHB Industrial, 2003]. 9 p.
Disponível em: <http://www.agencia.cnptia. embrapa.br/gestor/cana-deacucar/arvore/CONTAG01_107_22122006154841.html>. Acessado em: abril de 2011.
TASOKO, Toshinobu. Revista Ecoenergia; Disponível em: < http://www.revistaecoe nergia.
com.br/ed02n05.php>. Acessado em: abril de 2011.
CAVALCANTE, Kleber. Energia Elétrica/Escola Brasil. Disponível em: <http://www.brasilescola.com
/fisica/energia-eletrica.htm>. Acessado em: abril de 2011.
SCHAEFFER, Roberto (2008). O futuro da energia elétrica no Brasil/ Mudanças Climáticas; Disponível
em:<http://www.mudancasclimaticas.andi.org.br/content/o-futuro-da-energia-eletrica-no-brasil>. Acessado em:
abril de 2011.
ESTUDO DE DIMINUIÇÃO DOS DESPERDICIOS DE
IMPRESSÃO NA EMPRESA GRÁFICA BOA VISTA
De: DAIANE PATRICIA SCHEID ([email protected]), DEISE GREGORY ([email protected])
Orientado por: ALEXANDRE CHAPOVAL NETO ([email protected]), VANDERLEI DA ROSA
([email protected])
O tema do trabalho foi conhecer o processo produtivo numa indústria gráfica, no objetivo de
encontrar problemas, que tragam desperdícios à produção. A pesquisa foi abordada
quantitativamente, de natureza aplicada. Os procedimentos utilizados foram a pesquisa bibliográfica,
entrevistas não estruturadas e visitas a empresa. Foram analisadas as características necessárias
para se obter uma impressão de qualidade, os desperdícios encontrados na empresa e formas de
solucioná-los sem custos elevados. Como maneira de auxiliar a gráfica a melhorar suas impressões,
diminuindo os custos referentes a erros de impressão, foi proposto um check-List das atividades de
impressão, como forma acompanhar o processo e auxiliar na visualização dos pontos de maior
desperdício de material. Outra sugestão foi a efetuação dos pedidos em três vias, todas assinadas
pelo cliente e pelo vendedor. Ficando uma via arquivada na empresa, outra entregue ao cliente, e a
terceira acompanhando o pedido em todos os processos, com o objetivo de evitar dúvidas ou erros
por falta de informação, tanto da parte dos operadores quanto dos clientes. O trabalho foi de suma
importância para nossa formação, pois tivemos a oportunidade de conhecer uma produção, e analisar
seus problemas, na tentativa de encontrar soluções viáveis para a empresa sem comprometer a
qualidade do produto final.
- 83 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Palavras-chave: Desperdícios, Impressão, Custo, Impressora Offset, Check-List.
Referências:
ABRIGRAF, Associação Brasileira de Gráficas. Posição do setor gráfico no PIB mundial, 2006. Dispolnivel em:
<http://www.abigraf.org.br /index.php/br/component/content/54?task=view.> Acesso em: 30 de Novembro de
2010.
ALBUQUERQUE, Fábio. Qualificação traz estímulos aos funcionários, 2007. Disponivel em:
<http://gecorp.blogspot.com/ 2007/07/qualificao-traz-estmulo-aos-funcionrios.html.> Acesso em: 28 de Setembro
de 2010.
ALECRIM, Emerson. Impressoras 2, 2007. Disponivel em: <http://www .infowester.com/impressoras2.php.> .
Acesso em: 28 de Setembro de 2010.
CAVALCANTE, André Murilo de Souza. Treinamento como ferramenta estratégica para o Crescimento
organizacional. Disponível em: <http://www.novom ilenio.br/foco/1/artigo/4_Artigo_TreinamentoANDRE.pdf.>
Acesso em: 28 de Setembro de 2010.
CANHA, O que é uma impressora offset? 2009. Disponível em: <http://design.blog.br/design-grafico/o-que-euma-impressao-offset-revisto.> Acesso em: 21 de setembro de 2010.
CUENCA, Ricardo. Disponível em: <http://www.abtg.org.br/index.php/br/comp
onent/content/218/218?task=view>. Acesso 28 de Setembro de 2010.
FRAZIER Greg, GAITHER Norman. Administração da produção e operações, Ed. Pioneira Thomson Learning
Ltda, 2002.
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
pesquisa - normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. 2 Ed. Três de Maio:
SETREM, 2007.
JUNIOR, José Alberi Fortes. Qualificação do profissional aumenta a produtividade do trabalhador, 2010.
Disponivel em: <http://www.agenciaempr egos.net/2010/01/21/qualificacao-profissional-aumenta-a-produtividadedo-trabalhador/>. Acesso em: 28 de Setembro de 2010.
LANCHARRO, Eduardo Alcade. Informática Básica. Markon Books, 1991.
LORILLEUX, LEFRANC. Manual da impressão em tipografia e Offset, 1968. Lisboa-6. Disponível em:
<http://portaldasartesgraficas.com/ficheiros/manual _imp_tip.pdf.> Acesso em: 30 de Novembro de 2010.
MACHLINE Claude et all. Manual de administração da produção, Rio de Janeiro, Fundação Getúlio Vargas, Serv.
De publicações, 1974.
MELLO, Cleber de Souza. Qualidade do papel para impressão, 2010. Disponível em:
<http://www.abtcp.org.br/arquivos/File/ABTCP%202010/
Congresso/05%20de%20outubro/Qualidade%20do%20papel%20para%20impress%C3%A3o_Cleber%20Mello_
CTEMS.pdf.> Acesso em: 30 de Novembro de 2010.
MEZA, Margareth. A impressão offset no Brasil, 2008. Disponível em:
<http://www.revistatecnologiagrafica.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=152:a-impressaooffset-no-brasil&catid=68:materias-especiais&Itemid=188.> Acesso: 21 de setembro de 2010.
NORTON, Peter. Introdução à informática. Makron Books, 1997.
SENAI, Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial. Manual de Segurança e Saúde no Trabalho Industria
Gráfica. Coleção Manaus, 2006. Disponível em:
<http://www.setorgrafico.org.br/Manual%20de%20%20Sa%C3%BAde%20
e%20Seguran%C3%A7a%20no%20Trabalho%20da%20Ind%C3%BAstria%20Gr%C3%A1fica%20.pdf.> Acesso
em: 30 de Novembro de 2010.
- 84 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
SENAI, Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial. Plano de Curso Técnico Gráfico em Offset. São Paulo,
2007. Disponível em: <http://www.sp. senai.br/portal/grafica/conteudo/plano%20de%20curso%20offset.pdf.>
Acesso em: 30 de Novembro de 2010.
SILVA, Elaine Martins da. Quais são os tipos de impressoras disponíveis no mercado, qual devo comprar, 2009.
Disponível em: <http://www.baixaki.com.br/info/2689-quais-sao-os-tipos-de-impressoras-dispo niveis-nomercado-qual-devo-comprar-.htm>. Acesso em: 28 de Setembro de 2010.
VELOSO, Fernando de Castro. Informática: Conceitos Básicos. Ed. Campus, 2003.
DESENVOLVIMENTO DE PROTOTIPO - ESTEIRA
TRANSPORTADORA COM DISPOSITIVO PARA DETECÇÃO
DE METAIS
De:
DAIANE
PATRICIA
SCHEID
([email protected]),
DEISE
GREGORY
([email protected]), HELGA MARIA EWERLING ([email protected]) Orientado por: JONAS
RIGODANZO ([email protected]), CARLA SIMONE SPERLING ([email protected])
O referido trabalho é resultado da disciplina de Automação, no semestre de 2010, do curso de
Engenharia de Produção, da Faculdade Três de Maio – Setrem, que objetiva o desenvolvimento de
um Protótipo relacionado ao sistema pneumático. Durante as aulas da disciplina de Automação
formaram-se grupos de estudos, sendo que foram desenvolvidos cinco trabalhos diferenciados. O
grupo optou-se em desenvolver um protótipo, sendo uma Esteira transportadora com dispositivo
magnético para detecção de metais. O desenvolvimento do protótipo teve como objetivo os seguintes
itens: reconhecer os processos de automação; detectar metal através do sensor indutivo e sugerir as
empresas alimentícias um equipamento para auxiliar no atendimento as Boas Práticas de Fabricação.
No desenvolvimento do trabalho foram utilizados materiais como: uma caixinha de madeira 23 x 7 cm
(comprimento x largura), 1 sensor indutivos com alcance 3 milímetro, 1 rele de 12 V, 1 botoeira 12 V,
1 motor elétrico 12 V, Fonte 12 V, engrenagem, rolete 10 cm, borracha de câmara de pneu. Depois
de concluída a etapa de instalação dos materiais foram realizados testes de verificação do
funcionamento dos equipamentos, realizou-se a ligação na energia elétrica para verificar se o motor e
a engrenagem rodariam a esteira, após aprovação passou-se para avaliação do sensor indutivo. O
funcionamento ocorreu de forma correta, sendo que o acionamento do equipamento desenvolveu
através de motor elétrico, rele, botoeira e uma fonte todos de 12 v e o acompanhamento de
engrenagens para rodar a esteira. Sensores são dispositivos eletroeletrônicos que tem a propriedade
de transformar em sinal elétrico a transformação de uma grandeza física que está relacionada a uma
ou mais propriedades do material de que é feito o sensor. O acionamento dos sensores, não depende
de contato físico com as partes móveis dos equipamentos, basta apenas que estas partes
aproximem-se dos sensores a uma distância que varia de acordo com o tipo de sensor utilizado. Para
detecção de metais, aço, alumínio, plástico ou madeira pode-se utilizar três tipos de sensores os
indutivos, os magnéticos ou capacitivos. O grupo definiu como sugestão de melhoria adaptação do
equipamento para a realidade das empresas de produtos alimentícios, sendo que a instalação dos
dispositivos indutivos, magnéticos ou capacitivos em esteiras transportadora da área de produção
podem auxiliar no atendimento das Boas praticas de Fabricação e evitar trabalho redobrado no
processo produtivo detectando materiais impróprios nos produtos. Sendo que os detectores são
empregados para identificar a presença de partes de materiais não desejáveis que passam sobre as
esteiras transportadoras.
Palavras-chave: Protótipo, Automação, sensores magnético.
FRANCISCO, Carlos André. BASICO EM SISTEMA PNEUMÁTICOS, volume 1; Editora: Bel Air Pneumática &
Hidráulica, Novo Hamburgo - RS, 2008.
FRANCISCO, Carlos André. COMANDO ELETROPNEUMÁTICO, volume 1; Editora: Bel Air Pneumática &
Hidráulica, Novo Hamburgo - RS, 2007.
- 85 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
www.priel.com.br/protecao-industrial/sensor-proximidade/index.htm.l
www.dominosul.com.br.
www.shadowdetectores.com.br/detector_de_metais/índex.
www.balluff.com.br/admin/produtos/linhas/arquivos-pdf.
CRITÉRIOS SENSORIAIS QUE AFETAM DIRETAMENTE NA
QUALIDADE DA ERVA MATE
De: RODRIGO VACCARO ([email protected]), MAIQUEL BATISTA ([email protected]),
EDUARDO RAFAEL WAGNER ([email protected]), VALDEVAN OLIVEIRA SILVA ([email protected]) Orientado por: CLAUDINEI MARCIO SCHMIDT ([email protected]), DOUGLAS
FAORO ([email protected]), MARCIA STEIN ([email protected])
O mercado atual de alimentos para consumo humano proporciona uma grande concorrência por
parte das indústrias, fazendo com que elas estejam em constante inovação sem esquecer-se da
qualidade do alimento processado (BELTÃO. L. et.al. 1998). O presente trabalho foi realizado com o
objetivo de avaliar a qualidade da erva mate (Ilex paraguariensis), através da Análise Sensorial (cor e
sabor) e granulométrica de amostras do produto oriunda de diferentes fornecedores da matéria-prima.
Os padrões de qualidade seguidos foram os estabelecidos por normas específicas do plano de
inspeção de recebimento, desenvolvido em uma indústria de erva mate da região Noroeste do Rio
Grande do Sul. Para ter uma análise mais abrangente das reais condições da qualidade da erva mate
produzida e consumida, foram avaliados os três principais critérios de qualidade: a cor, o sabor e a
granulometria, os mais relevantes para o consumidor final. Todas as amostras foram coletadas na
unidade de recebimento da indústria, processadas no soque piloto e encaminhadas para avaliação da
equipe de inspetores da qualidade, onde baseados em padrões específicos avaliaram a cor, o sabor
e a granulometria da erva mate cancheada e pura folha, procedente de ervais plantados ou nativos. A
matéria prima foi colhida no período de 03/01/11 a 14/04/11, em ervais do município de
Arvorezinha/RS, São Mateus/PR e Chapecó/SC. A análise sensorial foi realizada de acordo com
painel sensorial, contando com a participação de colaboradores da empresa. Os resultados obtidos
através desta avaliação, foram registrados em tabelas e usando uma ferramenta chamada tabela
dinâmica, foram feitos os estudos estatísticos de cada critério, por tipo de produto e de cada
fornecedor. Verificou-se que com relação à granulometria, parâmetro que foi obtido por equipamento,
manteve o padrão para todas as amostras. No que se refere à cor e sabor do produto, são muitas as
variáveis que podem interferir sobre as mesmas, como por exemplo, as condições de clima e solo, a
época da poda, o tipo de secagem, o tipo de lenha utilizada na secagem entre outros, que devem ser
pesquisados para que se possa obter um produto final cada vez mais homogêneo. Pode-se então
observar que com relação à cor da erva mate cancheada, houve uma variação de 11,24%
dependendo do local de origem da mesma, já nas amostras da erva pura folha a variação foi menor
apenas de 4,65 %. Com relação às amostras de ervais nativos também houve uma diferença de
13,3%. Quanto ao parâmetro sabor as variações foram menores tanto para os ervais plantados como
para os nativos, bem como para os diferentes locais de produção. Com este trabalho, pode-se
concluir que os aspectos qualitativos da erva mate variam em função dos fatores ambientais e de
manejo, portanto se faz necessária a participação dos produtores, indústrias e profissionais do setor
produtivo, no desenvolvimento de tecnologias que proporcionem a produção de um produto de
qualidade e que satisfaça os consumidores.
Palavras-chave: Erva mate, Cor, Sabor, Granulometria, Qualidade.
Referências:
BELTÃO L; HOEFLISCH, V. A; TARASCONI L.C; GUARANHA, J. M. R. Cadeia Produtiva: Estudo da cadeia
produtiva de erva mate no Rio Grande do Sul. FEPAGRO, Porto Alegre 1998. 52 p.
- 86 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Anuário Brasileiro de Erva Mate 1999. Gazeta Grupo de Comunicações. Santa Cruz do Sul 1999. 16 p.
Anuário Brasileiro de Erva Mate 2000. Gazeta Grupo de Comunicações. Santa Cruz do Sul 2000. 52 a 56 p.
Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br/legis/rosol/index-2002-re-nov.htm>. Acessado em: maio 2011.
BEUX. R. MÁRCIA. Atlas de Microscopia Alimentar - Identificação de Elementos Histológicos Vegetais
.
MONTEIRO. L. B. C. Técnicos de Avaliação Sensoriais. Universidade Federal do Paraná, 1984.
ZANDONÁ, S. M.; LEAL. E. T. Normas Técnicas e Higiênico-Sanitária para Erva Mate – Governo do Paraná,
Secretaria da Saúde, Instituto de Saúde do Paraná. Curitiba 06/1993.
FMEA (FAILURE MODE AND EFFECTS ANALYSIS)
APLICADO AO PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE LEITE EM
PÓ
De: DANIEL DA SILVA COSTA ([email protected]), DIANE CRISTINA SCHEER DE OLIVEIRA
([email protected]) Orientado por: MARCIA STEIN ([email protected])
As empresas de hoje estão em busca de maior produtividade e qualidade para seus produtos
e/ou serviços, diminuindo desperdícios com tempo, matéria-prima e mão-de-obra, evitando defeitos
em seus produtos. Por meio da globalização se desenvolveram métodos e técnicas que auxiliam os
processos de produção, garantindo a qualidade e confiabilidade do processo e inocuidade do
produto. Com este intuito é que se buscou informações sobre a utilização da ferramenta FMEA
(Failure Mode and Effects Analysis) no processo de fabricação de leite em pó. O objetivo dessa busca
é verificar se a utilização da ferramenta permite a análise real sobre a consequência e probabilidade
das falhas. Este estudo foi realizado durante o componente curricular Projeto de Estágio do curso de
Bacharelado em Engenharia de Produção Agroindustrial sendo sua aplicação realizada no decorrer
do segundo semestre do ano de 2011. A prevenção das falhas é muito importante contribuindo para a
qualidade no produto final e também na aceitação deste pelo mercado consumidor. Apesar de pouco
difundido na produção de alimentos a ferramenta FMEA é uma técnica que possibilita a diminuição
das falhas e até a eliminação das mesmas, apresentando ganhos para a indústria. Na fabricação do
leite em pó deve-se estar atento aos pontos críticos de controle, pois qualquer alteração no processo
pode gerar um produto que não atende as características desejadas. Para isso é imprescindível que
se tenha o mapeamento do processo, identificando as possíveis falhas e a sua implicação no produto
final e saber como proceder para preveni-las. Desse modo a identificação das possíveis falhas na
fabricação de leite em pó objetiva a otimização do processo com manutenção da qualidade,
confiabilidade e a integração de diferentes técnicas. A metodologia utilizada está embasada no
manual de Metodologia da Pesquisa da Sociedade Educacional Três de Maio – SETREM, com a
utilização da abordagem dedutiva, qualitativa e quantitativa para a mensuração dos valores apurados
e determinar a sua implicação sobre o processo. Os procedimentos e técnicas adotados foram
pesquisa exploratória, documental e pesquisa bibliográfica em livros, materiais didáticos, artigos,
legislações específicas aos itens trabalhados, dissertações entre outros. Como a coleta e análise dos
dados não foi concluída até o momento não é possível afirmar se a identificação e prevenção de
falhas contribuirá para a otimização e confiabilidade do processo, sendo obtido este resultado
somente no final do semestre de 2011 com a posterior divulgação dos mesmos.
Palavras-chave: Qualidade, Leite em pó, FMEA.
Referências:
FELLOWS, P.J. Tecnologia do processamento de alimentos: princípios e práticas. Trad. Florência Cladera
Oliveira. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.
GARCIA, Marlise D. Uso integrado das técnicas de HACCP, CEP e FMEA. Dissertação de Conclusão de
Mestrado Profissionalizante em Engenharia. Porto Alegre, p. 1-142, dezembro. 2000.1. Disponível em:
<www.lume.ufrgs.br/handle/10183/10884>. Acesso em 02 de março de 2011.
- 87 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
pesquisa - normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. 2 Ed. Três de Maio:
SETREM, 2007.
JURAN, J.M. Planejamento para a Qualidade. São Paulo: Pioneira, 1990.
MELLO, Carlos Henrique Pereira; AGUIAR, Dimas Campos. FMEA de processo: uma proposta de aplicação
baseada nos conceitos da ISO 9001:2000. XXVIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção – ENEGEP:
Rio de Janeiro, 2008.
ORDÓNEZ, Juan A. Tecnologia de Alimentos – Alimentos de origem animal. Trad. Fátima Murad. Vol. 2. Porto
Alegre: Artmed, 2005b.
ORDÓNEZ, Juan A. Tecnologia de Alimentos – Componentes dos alimentos e processos. Trad. Fátima Murad.
Vol. 1. Porto Alegre: Artmed, 2005a.
SLACK, Niger et al. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, 1996.
TOLEDO, José Carlos de. Visão geral dos métodos para análise e melhoria da qualidade. Disponível em:
http://www.gepeq.dep.ufscar.br/arquivos/Apostila%20Ger%20de%20Processos-09092008.pdf. Acesso em 11 de
abril de 2011.
AQUECEDOR SOLAR DE ÁGUA: FONTE DE ENERGIA
ALTERNATIVA ASSOCIADA À VIABILIDADE ECONÔMICA
De: DIEGO SCHIWE ([email protected]), JANYEL TREVISOL
Orientado por: CARLA SIMONE SPERLING ([email protected])
([email protected])
Atualmente as fontes de energia existentes vem aumentando os impactos ambientais e sociais,
fato esse relacionado ao consumo elevado de energia e ao crescente aumento da população.
Levando em conta esses dados, o mundo projeta-se para um futuro em que se fala de energia
alternativa que vem se destacando pela viabilidade econômica e por causar menos impactos. Os
meios de obtenção de energia solar são mais utilizados em regiões mais quentes na maior parte do
ano e pode ser de grande valor para pessoas de baixa renda. Fez-se um estudo bibliográfico com o
objetivo de associar e utilizar materiais de baixo custo para elaborar este trabalho. O presente estudo
visa reduzir os custos bem como o aproveitamento de materiais sucateados e que são descartados
como o PVC. Foi construído um aquecedor solar de água, testado e alcançado os resultados
esperados. Existem alguns detalhes no trabalho que podem ser ajustados para o melhor
aproveitamento do aquecedor e já está sendo estudado essas possíveis melhorias.
Palavras-chave: Energia alternativa; viabilidade econômica; aquecedor solar.
Referências:
NUSSENZVEIG, M.H. Curso de Física Básica. Edgard Blucher Ltda, 2 ed., 2002. V.2 e 3.
RESNICK, R.; HALLIDAY, D.; KRANE, K. Fundamentos da Física. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos,
1994. V. 2 a 3.
SEARS, F.; ZEMANSKY, M.W.; YOUNG, H.D. Física. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1984. V. 2 e
3.
- 88 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
DESIDRATADOR SOLAR DE FRUTAS
De: DOUGLAS GIOVANE COSTA MARTINS ([email protected]), ELIANDRO FERRETTI PRESTES
([email protected]), ALEXANDRE RACHO ([email protected]) Orientado por: CARLA
SIMONE SPERLING ([email protected])
A desidratação quanto à secagem referem-se a um sistema qualquer de remoção de água por
intermédio de um processo que, em geral, segue regras bastante simples, com aumento da
temperatura do produto a ser desidratado força a evaporação da água, enquanto a circulação do ar
remove a umidade evaporada.Pensando numa forma prática de conseguir manter as frutas
desidratadas longe do desenvolvimento de microorganismos que possam promover a deterioração da
fruta fresca com redução da umidade, reduzir custos com transporte, embalagem. No ponto de vista
econômico tem um custo relativamente baixo, necessita apenas a energia solar como fonte de calor,
além de proporcionar menor área para armazenamento do produto.Desidratador de frutas utiliza
energia solar direta é constituído de uma câmara de desidratação e uma câmara de captação de
energia. Esta é composta por uma cobertura de vidro de espessura 3 mm, que é transparente às
ondas de luz e de calor. Compõe ainda de uma tela em aço 304 inoxidável, onde são colocadas as
frutas para serem desidratadas. Objetivo é possibilitar ao pequeno e ao médio produtor a participação
efetiva nesse mercado que é, sem dúvida, promissor e está em crescente evolução.
Palavras-chave: Palavras chaves: auto-sustentabilidade, energia solar, desidratador de frutas.
Referências:
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
pesquisa - normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. 2 Ed. Três de Maio:
SETREM, 2007.
Silva, João Andrade, Tópicos da tecnologia dos alimentos – Alimentos, Conservação, Preservação, Nutrição,
Microbiologia, Ed. Varela: São Paulo, 2000.
Cruz, Guilherme A. Desidratação de alimentos – Frutas, Vegetais, Ervas, Temperos, Carnes, Peixes, Nozes,
Sementes, 2 Ed Globo S. A. São Paulo, 1990.
ESTUDO DA CADEIA PRODUTIVA DA APICULTURA
De:
ALESSANDRA
KARIN
JOHANN
([email protected]),
ANGELA
FRONZA
([email protected]), LETICIA ALCANTARA ([email protected]), TAMARA RORATTO
([email protected]) Orientado por: SANDRA SIMONI CALLEGARO HATJE ([email protected])
O artigo apresenta o estudo da apicultura no noroeste do estado do Rio Grande do Sul. O
objetivo deste trabalho é o estudo da cadeia produtiva da apicultura analisando os potenciais e as
limitações com ênfase nas boas praticas apícolas complementando a teoria á prática. Este artigo é
resultado da disciplina de prática de produção I do curso de bacharelado em Engenharia de Produção
da Faculdade Três de Maio - SETREM, no segundo semestre de 2010. A metodologia utilizada
baseou-se em uma revisão bibliográfica e posterior estudo a campo tendo como base de análise uma
propriedade localizada em Três de Maio. Este trabalho descreve as particularidades da apicultura,
características das abelhas, manejo das colméias, colheita e processamento do mel. O estudo
demonstrou a importância da apicultura como atividade embasada no tripé da sustentabilidade
englobando os aspectos econômicos, sociais e ambientais.
Palavras-chave: Apicultura, manejo, sustentabilidade.
Referências:
COSTA. C, S. P. Manual Prático de criação de abelhas. Aprenda Fácil Editora, Viçosa - MG, 2005.
- 89 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
COUTO. R, H, N. Apicultura: manejo e produtos. Jabuticabal: FUNEP, Afiliada, 2006.
LENGLER. S. Alimentação das abelhas. Disponível em: <
http://www.apacame.org.br/mensagemdoce/50/tecno.htm>. Acesso em: 12 ago 2010.
LENGLER. S. Apicultura, Princípios básicos para a instalação de apiário. Santa Maria, 2001.
MUXFELDT. H. Apicultura para todos. Porto Alegre, 1970.
PEREIRA, M. F; LOPES, R. T. M; CAMARGO, R. C. R. Produção de Mel – Embrapa 2003. Disponível em:
http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Mel/SPMel/manejoprodutivo.htm >. Acesso em: 18
Out 2010.
QUEIROZ. C, B. Apicultura. Disponível em: <
http://www.bnb.gov.br/content/aplicacao/cadeias_produtivas/apicultura/docs/cartilha%20apicultura.pdf>. Acesso
em: 30 set 2010.
ROCHA. J, S. Manual técnico, 05 – Apicultura. Disponível em: <
http://www.pesagro.rj.gov.br/dowloads/riorural/05%20Apicultura.pdf >. Acesso em: 12 ago 2010.
SILVA. A, W. Importância da Apicultura. Disponível em:<
http://www.webartigos.com/articles/11645/1/Importancia-da-Apicultura-/pagina1.html >. Acesso em: 23 set 2010.
WIESE. H. et al . Nova apicultura. Porto Alegre, Agropecuária, 1984.
MELHORIA NO PROCESSO DE FURAÇÃO DE CHAPAS
METÁLICAS
De:
MAX
PAULO
MARON
([email protected]),
ELIAS
FILIPIN
DA
SILVA
([email protected]), FERNANDO JOSE DALPIAZ DANELLI ([email protected]) Orientado por:
ALEXANDRE CHAPOVAL NETO ([email protected])
O presente trabalho refere-se à sugestão de melhoramento no processo de furação de chapas
metálicas realizada pela máquina metaleira, o qual está resultando no dobramento indesejado das
mesmas acarretando retrabalho desnecessário. A máquina metaleira é um equipamento com tripla
função, utilizada no corte de peças metálicas, como cantoneira e ferro chato, possuindo também a
função de furação e dobra, através de sistemas hidráulicos. O objetivo é propor sugestões de
melhorias no processo de furação das chapas metálicas diminuindo a flexão das extremidades das
peças. Pois esse dobramento só pode ser desfeito através do retrabalho, necessitando de mão-deobra e equipamentos específicos, dispondo maior custo sob o mesmo, em alguns casos mais
extremos as peças são descartadas tornando-se nulos todos os processos anteriores. Primeiramente
houve a coleta de dados via observações e anotações, estes dados foram anexados em modelos
didáticos, um deles o teorema de Yshikawa ou Diagrama Causa-Efeito, que auxiliou na identificação
da causa do defeito estudado, este defeito provinha da falta de fixação da peça a ser perfurada. Após
análise dos resutados, a sugestão proposta pelo grupo é o desenvolvimento de um mecanismo de
fixação, que consiste em fixar a parte superior da peça fazendo com que no momento da furação
diminuísse ou até mesmo, dependendo da eficiência do mesmo, eliminasse por total este
dobramento. Com isso revolucionaria e até mesmo modificaria o fluxograma de processamento da
peça, eliminando o processo de nivelamento, assim acarretando em ganho de tempo e diminuindo
custos.
Palavras-chave: Melhoria, processo, furação, chapas metálicas.
Referências:
ARNOLD, J. R. Tony. Administração de Materiais. Editora Atlas, São Paulo, 1999.
CHIAVERINI, Vicente. Tecnologia Mecânica. 2º edição – São Paulo: Pearson Education do Brasil, 1986.
- 90 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
CURY, Antônio. Organização e Métodos: uma visão holística; 8. ed. rev. e ampl. – 2. reimpr. – São Paulo: Atlas,
2006.
DAVIS, Mark M. Fundamentos da Administração da Produção. Porto Alegre: Bookman Editora, 2001.
EVANGELISTA, Mário; GÜLLICH, Roque; LOVATO, Adalberto. Metodologia da Pesquisa. 2º edição. Três de
Maio: Setrem, 2007.
Manual de referência, Planejamento Avançado da Qualidade do Produto (APQP) e Plano de Controle; Segunda
edição, julho de 2008.
ELABORAÇÃO DE UM MODELO DE MÉTODO DE
TRABALHO PARA APLICAÇÃO NA MANTENÇÃO E
OPERAÇÃO DOS SISTEMAS DE PINTURA NA EMPRESA
JOHN DEERE S/A-HORIZONTINA
De: ADRIANO STEFANELLO ([email protected]) Orientado por: ALEXANDRE CHAPOVAL NETO
([email protected])
A preocupação das empresas em gerenciar o conhecimento tem se tornado ponto fundamental e
estratégico para a melhoria e inovação de seus produtos e serviços. Com isso foi realizado um
trabalho que mostra o desenvolvimento de um modelo de procedimento a partir de uma análise
realizada no setor de manutenção onde pode-se identificar problemas relacionado a prestação de
serviços tais como, a dependência de auxílio de funcionários em relação ao conhecimento da
atividade e falta de informação ou manuais técnicos. A partir disto buscou-se identificar soluções para
melhorar a padronização e a disponibilidade de informações aos funcionários. Assim o trabalho
realizado tem como tema a formulação de um modelo de método de trabalho utilizando a gestão do
conhecimento com o objetivo de externalizar os conhecimentos específicos adquirido pelos
integrantes do grupo, como forma de armazenagem e com isso, utilizando a técnica de internalização,
fazer a disseminação do conhecimento para os demais integrantes e novos funcionários da equipe. A
metodologia utilizada teve como abordagem o método indutivo e qualitativo, como procedimento foi
utilizado o método bibliográfico e de estudo de caso, já a técnica utilizada foi a revisão de manuais e
referencial bibliográfico relacionado a gestão do conhecimento bem como entrevistas informais com
os integrantes da equipe de manutenção. Para construção do modelo buscou-se a união de alguns
conceitos como: segurança, confiabilidade e organização que são itens fundamentais na realização
de um serviço de qualidade. O modelo desenvolvido foi dividido em três fases, a primeira fase tem
como objetivo, realizar a análise e estruturação do local a ser realizada a atividade, envolvendo
principalmente segurança e identificação da área. Já a segunda fase o modelo traz, as descrições e
tarefas relacionadas diretamente com equipamento como, afrouxar, apertar, desmontar. Na terceira
fase faz-se fechamento da atividade, nela contém as etapas que visam à certificação e garantia de
funcionamento do equipamento como testes e organização das ferramentas. Com a implantação do
modelo de procedimento pode-se identificar alguns ganhos como, a roteirização da atividade,
padronização dos procedimentos de manutenção, identificação de pontos fundamentais como
conhecimento, organização e segurança e a aplicação de conhecimento relacionado à confiabilidade
dos serviços. Estes itens quando avaliados e acrescentados ao procedimento, torna o procedimento
uma ferramenta muito importante para armazenamento e disseminação do conhecimento. Após a
implantação do trabalho pode–se concluir que a aplicação de técnicas de gestão do conhecimento é
uma ferramenta muito importante nas empresas onde o trabalho em equipe é fortemente aplicado,
pois a rotatividade nas funções necessita de um rápido aprendizado e com isso a gestão do
conhecimento torna-se ponto fundamental para que ocorra de forma mais adequada e rápida possível
a preparação dos novos funcionários.
Palavras-chave: Palavras-chaves: Conversão do conhecimento, gestão do conhecimento,
Procedimento.
- 91 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Referências:
GUERRA, Renata de Souza. Gestão do Conhecimento e Gestão pela Qualidade. Belo Horizonte: C/Arte, 2002.
PEREIRA, Heitor José. Bases Conceituais de um Modelo de Gestão para Organizações Baseadas no
Conhecimento. 2002. Disponível em: <http://www.inei.org.br/inovateca/artigos-sobre-empreendedorismo-einovacao/Bases%20Conceituais%20para%20um%20Modelo%20de%20Gestao%20para%20Organizacoes%20B
aseados%20no%20Conhecimento.pdf> Acesso em: 07 jun. 2011.
PROCESSAMENTO E CONTROLES NA PRODUÇÃO DE
MELADO
De: Marciano Stewens ([email protected]), Gilson Dornelles Maicá ([email protected]), DANIEL
DA
SILVA
COSTA
([email protected]),
Tiago
Germano
Kretschmer
([email protected]) Orientado por: VANDERLEI DA ROSA ([email protected]), MARCIA
STEIN ([email protected])
A Prática de Produção II, do Curso de Engenharia de Produção, foi realizada na propriedade do
senhor Edegar Kupske, Linha das Flores, no município de Senador Salgado Filho, tendo este trabalho
o objetivo de identificar a ocorrência e a causa da não conformidade em lotes produzidos de melado,
as quais impactam diretamente em alterações no produto final, como produto “puxa puxa”, produto
cristalizado e produto com separação de líquido da massa do melado, após o processamento e
armazenamento. Em seguida realizou-se o levantamento de dados para análise, buscando identificar
através de 4 amostras de cana de açúcar, retiradas de diferentes áreas da propriedade, o teor de
graus Brix e acidez. Nestas análises se buscou comprovar a melhor condição para o processo
produtivo, utilizando-se duas contra provas, uma com pH 4,5 e outra com pH 5, controlando esta faixa
com adição de acido cítrico químico ou natural. Através dos testes e os resultados coletados, a
produção do melado pode ser padronizada, sendo este um diferencial dos outros tipos de melados
produzidos na região. Na propriedade estão cultivando 3,5ha de cana-de-açúcar, tendo previsão para
o próximo ano em dobrar a produtividade.
Palavras-chave: Padronização, processo, melado.
Referências:
CEZAR, Marco Antônio Azeredo, SILVA, Fabio Cesar da. Pequenas industrias rurais da cana-de-açúcar: Melado,
rapadura e açúcar mascavo(2003). http://www.agencia.cnptia.embrapa.br:>.Acesso em 17 nov.2010
O GRANDE MANUAL GLOBO. A agricultura pecuária, receituário industrial. Volume 6. Editora Globo, Porto
Alegre, 1978.
PASSONI. Apostila lll (2004). Disponível em: <http://www.worldlingo.com/ma/enwiki/pt/Brix>. Acesso em: 10 out.
2010.
PEREIRA, Maria Torres Rapadurinhas sabor de frutas, Informação Tecnológica-EMATER
MG,(2003),www.equatorinitiative.org:> Acesso em 10 out. 2010.
SOUZA, Carmelinda Maria de. Processamento artesanal da cana-de-açúcar: Melado, www.emater.mg.gov.br.
Acesso em 17 nov. 2010.
- 92 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
13º SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PESQUISA
ORIGINAL - AGRONOMIA
ESTUDO DO RENDIMENTO DA SOJA COM O USO DE
ADJUVANTES EM DIFERENTES DOSES NA APLICAÇAO
DE FUNGICIDA - 2011
De: ADELAR CRISTIANO SCHMIDT ([email protected]), CHARLES ANDRE NEUHAUS
([email protected]), EDER ANTONIO WISNESKI ([email protected]), FERNANDO
FOABRIS ([email protected]) Orientado por: MARCOS GARRAFA ([email protected])
Os adjuvantes e óleos minerais são substancias adicionadas as formulações ou a caldas de
produtos químicos para aumentar a eficiência dos mesmos ou modificar determinadas propriedades
da solução visando facilitar a aplicação, maximizar sua ação ou minimizar possíveis problemas. O
presente trabalho objetivou avaliar o efeito da utilização de óleo mineral e adjuvante na qualidade de
tratamentos fúngicos aplicados no cultivar de soja CD 238, nas condições edafoclimáticas do
município de Três de Maio, RS, na safra 2010/2011. A avaliação desse efeito foi efetuada a partir da
análise de rendimento de grãos e peso de mil grãos (PMG). Para tanto, foi utilizada a abordagem
quantitativa, os métodos de procedimento experimental e estatístico, com coleta de dados efetuada
por aferição de pesos e análise dos dados a partir da determinação de médias e aplicação de teste
de Tuckey. No campo foi estabelecido o delineamento experimental de blocos ao acaso, com quatro
repetições, com uso de óleo mineral e adjuvante em diferentes dosagens, além de testemunha, sem
utilização desses produtos. Os rendimentos foram submetidos à análise de variância e as médias
comparadas pelo teste de Tukey ao nível de 5% de significância. O uso de adjuvante e óleo mineral
não influenciou no PMG. Quanto ao rendimento de grãos (média 3.431 kg.ha-1), resultado superior
ocorreu com o uso de adjuvante na dosagem de 300 mL.ha-1 (3.846 kg.ha-1), sem diferenciar-se dos
demais tratamentos, à exceção da testemunha (2.989 kg.ha-1) e do uso de óleo mineral na dose de
500 mL.ha-1 (3.067 kg.ha-1). Assim, é possível concluir que, embora sem afetar o peso dos grãos, o
uso de adjuvante e óleo mineral nas doses de 150 mL.ha-1 e 300 mL.ha-1, respectivamente,
permitiram ganho significativo de rendimento nas condições do ensaio, sendo, portanto, passíveis de
recomendação de uso por ocasião da aplicação de fungicidas na cultura. O não uso desses produtos
por ocasião das pulverizações para controle fúngico nas lavouras de soja da região fronteira noroeste
do estado do Rio Grande do Sul pode estar gerando perda de rendimento.
Palavras-chave: soja, adjuvante e óleo mineral, rendimentos e PMG.
Referências:
ADDINSOFT. XLStat your data analysis solution. Lausanne: Addinsoft, 2011.
AGROFIT, Sistema de Agrotóxicos Fitossanitários. Disponível em:
<http://extranet.agricultura.gov.br/agrofit_cons/!ap_produto_form_consulta_cons.> Acesso: 26 jul. 2011.
DIÁRIO DO COMERCIO E INDÚSTRIA. Plantio de soja deve atingir novo recorde. Disponível em: <
http://www1.cooplantio.com.br/central-noticias/plantio-soja-deve-atingir-novo-recorde/1816.aspx.> Acesso: 26 jul.
2011.
KIMATI, H.; AMORIM, L; REZENDE, J.A.M.; BERGAMIN FILHO, A.;CAMARGO, L.E.A. Manual de Fitopatologia:
Doenças das plantas cultivadas. v.II, 4. ed. São Paulo: Agronômica Ceres, 2005.
REIS, E. M.; REIS, A. C.; FORCELINI, C. A. Manual de Fungicidas: guia para o controle químico de doenças de
plantas. Passo Fundo: UPF, 2007.
- 93 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
REUNIÃO DE PESQUISA DE SOJA DA REGIÃO SUL, 33. Indicação Técnicas para a cultura da soja no Rio
Grande do Sul e em Santa Catarina 2005/2006. Passo Fundo: UPF, 2005.
COMPORTAMENTO DE CULTIVARES DE ALFACE EM
DIFERENTES ESPAÇAMENTOS
De: JULIANA BARASUOL ([email protected]), PATRICIA CRISTINA SIMON ([email protected]),
DARLEIA ANDERLONI ([email protected]), FABIANE RAMBO ([email protected]) Orientado
por:
CLAUDINEI
MARCIO
SCHMIDT
([email protected]),
ANA
PAULA
CECATTO
([email protected])
A alface é, dentre as hortaliças folhosas, a mais popular e mais consumida. Segundo o IBGE, a
produção nacional de alface supera as 354.820 t/ano e na região sul, essa produção chega a
aproximadamente 63.493 t/ano. A cultura é suscetível, principalmente, aos efeitos provocados pelos
espaçamentos utilizados, ou seja, pelo adensamento. Este fator afeta a cultura em relação a
arquitetura, ao desenvolvimento, ao peso, a qualidade e consequentemente, a produção. Dessa
forma, o objetivo do trabalho foi avaliar duas cultivares de alface ( cv. Maravilha Inverno (lisa) e cv.
Simpson Black Seed (crespa), ambas da empresa Feltrin em três espaçamentos de plantio. O
experimento foi conduzido no período de 8 de abril a 15 de junho de 2011, na área experimental da
Sociedade Educacional Três de Maio – SETREM, com coordenadas geográficas: S 27° 53‟ 20,9”, WO
54° 19‟ 35,9" e altitude 332 metros. Os tratamentos consistiram em três espaçamentos: 20 x 20 cm,
25 x 25 cm e 30 x 30 cm, na arquitetura triangular e duas cultivares acima citadas, com delineamento
de blocos casualizados e três repetições. Os resultados foram analisados pela análise de regressão
polinomial para os dados de espaçamento e ANOVA e Tukey a 5% de significância para as cultivares.
O transplante das mudas foi realizado no dia 9 de maio, onde avaliou-se: massa fresca de raiz e parte
aérea e massa seca de raiz e parte aérea, considerando cinco plantas de cada cultivar. Na colheita,
aos 37 dias após o transplante, avaliou-se: massa fresca e massa seca, considerando quatro plantas
de cada parcela. Em relação às características das mudas utilizadas, a cv Simpson Black Seed
apresentou maior massa fresca de raiz, indicando melhores condições de pegamento da muda à
campo. Na colheita, não houve diferença para a massa fresca entre as cultivares testadas e entre os
espaçamentos utilizados. Não concordando com Reghin et al. (2002) que encontrou maior massa
fresca de alfaces mini cultivadas num espaçamento de 20 cm. Para a variável massa seca, houve
interação entre as cultivares e os espaçamentos utilizados. Ambas cultivares apresentaram
comportamento quadrático em relação a massa seca, apresentando a cv. Maravilha Inverno (lisa)
pico de massa seca com espaçamento de 25 cm. Já a cv. Simpson Black Seed apresentou pico de
massa seca com espaçamento de 30cm. A determinação da massa seca é uma importante variável
pois é nela que estão contidos os nutrientes: carboidratos e proteínas que darão maior qualidade
nutricional ao alimento (TAIZ e ZEIGER, 2006) . Conclui-se que para o espaçamento de 25 cm, a
cultivar que apresentou melhor desempenho nas condições testadas, foi a cv. Maravilha Inverno (lisa)
e para o espaçamento de 30 cm, a cultivar que melhor desempenho apresentou foi a cv. Simpson
Black Seed (crespa).
Palavras-chave: Lactuca sativa, adensamento, qualidade.
Referências:
IBGE. Censo Agropecuário: Brasil, 2006. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/home/> Acesso em: 05 de
julho de 2010.
REGHIN, M.Y.; DALLA PRIA, M.; OTTO, R.F.; FELTRIM, A.L.; VINNE, J. van der. Sistemas de cultivo com
diferentes espaçamentos entre plantas em alface mini. Horticultura Brasileira, v. 20, n.2, 2002.
SILVA, V.F.; BEZERRA NETO, F.; NEGREIROS, M.Z.; PEDROSA, J.F. Comportamento de cultivares de alface
em diferentes espaçamentos sob temperatura e luminosidade elevadas. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 18 n.
3, p. 183-187, novembro 2.000.
TAIZ, Lincoln; ZEIGER, Eduardo. Fisiologia Vegetal. Trad. Eliane Romanato Santarém...[et 525 al]. 3.ed. Porto
Alegre: Artmed, 2
- 94 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
INFLUÊNCIA DO NÚMERO DE APLICAÇÕES DE
FUNGICIDA NA PRODUTIVIDADE DE DIFERENTES
GRUPOS DE MATURAÇÃO DE SOJA
De:
GUSTAVO
BALDISSERA
([email protected]),
RAFAEL
ROSSO
([email protected]), LEANDRO GONCALVES VIEIRA ([email protected]), ANDREI
NOGARA ([email protected]) Orientado por: MARCOS GARRAFA ([email protected])
O presente estudo objetivou avaliar a influência de diferentes sistemas de aplicação de fungicida
para o controle da Phakopsora pachyrhizi no rendimento, peso de mil grãos (PMG) e número de
grãos por planta em três cultivares de soja (Nidera A 6411 RR, Coodetec 231 RR e Coodetec 219
RR), com diferentes grupos de maturação fisiológica, na safra 2010/2011, nas condições de clima e
solo da localidade de Esquina Tiradentes, município de Horizontina, RS. Para tanto se utilizou
abordagem quantitativa, procedimento laboratorial e estatístico, coleta de dados por observação e
aferição de pesos e médias, sendo os resultados comparados pelo Teste de Tuckey ao nível de 5 %
de significância. O delineamento experimental foi de blocos ao acaso, com quatro repetições, para os
seguintes tratamentos: sistema 1 - testemunha (sem aplicação de fungicida), sistema 2 monitoramento (aplicação apenas quando diagnosticada a ferrugem), sistema 3 - duas aplicações
(preventivamente, no estádio R1 e 25 dias após a primeira) e sistema 4 - três aplicações
(preventivamente, no estádio R1, 20 dias após a primeira e, 15 dias após a segunda). Todas as
aplicações de fungicida foram efetuadas com utilização de piraclostrobina + epoxiconazole (Ópera –
0,5 L.ha-1). O melhor rendimento médio (4.139 kg.ha-1) e PMG (168 gramas) ocorreram no cultivar
ND 6411, diferenciando-se dos demais nesses aspectos, em que pese ter apresentado número de
grãos por planta significativamente menor que os demais. Isso demonstra que as condições
climáticas da safra em estudo favoreceram os materiais genéticos de ciclo precoce. Nesse cultivar
não houve diferença significativa de rendimento quanto aos tratamentos e, quanto ao PMG, somente
a testemunha teve desempenho inferior, no entanto, o tipo de tratamento afetou o número de grãos
por planta, com resultado significativamente superior apresentado pelos Sistemas 4 e 3. O
rendimento de grãos do cultivar CD 231 apresentou resultado superior nos Sistemas 3 e 4,
diferenciando-se dos demais, a exemplo do PMG. Ainda no quesito rendimento, o cultivar CD 219
não apresentou diferença significativa entre os tratamentos, à exceção do Sistema 2 e, quanto ao
PMG, diferenciaram-se dos demais, com resultado superior, os Sistemas 4 e 3. Relativo ao número
de grãos por planta, no cultivar CD 231, se destacaram os Sistemas 3 e 4. Já, nessa mesma
avaliação, o cultivar CD 219 apresentou resultado significativamente inferior aos demais nos
Sistemas 1 e 2. Assim, é possível concluir que o tipo de tratamento utilizado influenciou
decisivamente no PMG em todos os cultivares, bem como no número de grãos por planta e, quanto
ao rendimento de grãos, afetou significativamente apenas os cultivares CD 231 e CD 219. A correta
condução do ensaio pode ser verificada pelos baixos coeficientes de variação (C.V.) atingidos em
todas as análises efetuadas.
Palavras-chave: Soja, rendimento, diferentes sistemas de aplicação de fungicida.
Referências:
BORGES, Edson; DIAS, Alfredo; OLIVEIRA, Juliano; GUAZINA, Renato; FERREIRA, Cleber; BORGELT,
Luciano; BALDASSO, Thiago. Hora de Aplicar: Quando Aplicar Fungicidas Contra a Ferrugem. Revista Cultivar,
p. 16-18, fev/2011.
SOARES, Rafael M.; GODOY, Cláudia; COSTAMILAN, Leila M. Estado de Alerta: Cuidados com a Ferrugem
Asiática. Revista Cultivar, p. 29-31, Nov/2009.
SOARES, Rafael M.; GODOY, Cláudia V.; DEL PONTE, Emerson. Trégua Seca: Situação da Ferrugem na Soja.
Revista Cultivar, p. 24-27, fev/2009.
FORCELINI, Carlos A.; REIS Erlei M.; YORINORI, José T.; HOFFMANN, Laércio; COSTAMILAN, Leila; SILVA
Olavo C.; BALARDIN, Ricardo; CASA, Ricardo T. Doenças na Cultura da Soja. Passo Fundo. Ed. Aldeia Norte
Editora Ltda, 2004.
- 95 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
XXXI Reunião de Pesquisa de Soja da Região Sul; UFRGS. Indicações Técnicas para a Cultura da Soja no Rio
Grande do Sul e em Santa Catarina 2003/2004. Porto Alegre, 2003.
KIMATI, Hiroshi; AMORIM, L.; REZENDE, J.A.M.; BERGAMIN FILHO, A.; CAMARGO, L.E.A. Manual de
Fitopatologia Volume 2: Doenças das Plantas Cultivadas. São Paulo. 4ª edição, Ed. Agronômica Ceres Ltda,
2005.
NAVARINI, Lucas; DALLAGNOL, Leandro J.; BALARDIN, Ricardo S.; MOREIRA, Marcelo T.; MENEGHETTI,
Rosana C.; MADALOSSO, Marcelo G. Controle Químico da Ferrugem Asiática (Phakopsora pachyrhizi Sidow) na
cultura da soja. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/sp/v33n2/a13v33n2.pdf. > Acesso em 24 de Jul. de
2011.
FINOTO, Everton L.; CARREGA, Willians C.; SEDIYAMA, Tuneo.; ALBUQUERQUE, José A. A.; CECON, Paulo
R.; REIS, Múcio S. Efeito da aplicação de fungicida sobre caracteres agronômicos e severidade das doenças de
final de ciclo na cultura da soja. Revista [email protected] On-line, p. 44-49, jan/abril, 2011.
ROESE, Alexandre D.; FILHO, Oscar F. L. Efeito de Fungicidas no Controle da Ferrugem da Soja, na
Produtividade e nos Teores Nutricionais em Folhas e Grãos. Disponível em: <
http://www.cpao.embrapa.br/publicacoes/online/zip/BP201056.pdf. > Acesso em 24 de Jul. de 2011.
BARROS, Hélio B.; SEDIYAMA, Tuneo; REIS, Múcio S.; CECON, Paulo Roberto. Efeito do número de
aplicações de fungicidas no controle da ferrugem asiática da soja. Disponível em: <
http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciAgron/article/view/1741/1022. > Acesso em 24 de Jul. de 2011.
HOFFMANN, Laércio L.; REIS, Erlei M.; FORCELINI, Carlos A.; PANISSON, Edivan;. MENDES, Cristiano S.;
CASA, Ricardo T. Efeitos da Rotação de Cultura, de Cultivares e da Aplicação de Fungicida sobre o Rendimento
de Grãos e Doenças Foliares em Soja. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/fb/v29n3/20356.pdf. > Acesso
em 25 de Jul. de 2011.
SOARES, Rafael M.; RUBIN, Sérgio A. L.; WIELEWICKI, Angélica P.; OZELAME, José G. Fungicidas no controle
da ferrugem asiática (Phakopsora pachyrhizi) e produtividade da soja. Revista Ciência Rural, p. 1245-1247,
jul/ago, 2004.
NAVARINI, Lucas. Resposta de Cultivares de Soja ao Controle Químico de Ferrugem Asiática. Disponível em: <
http://cascavel.cpd.ufsm.br/tede/tde_arquivos/4/TDE-2008-04-09T144950Z 1439/Publico/LUCASNAVARINI.pdf.
> Acesso em 25 de Jul. de 2011.
ESTUDO DO RENDIMENTO DA SOJA COM O USO DE
COBALTO & MOLIBDENIO E INOCULANTE EM DOSES
RECOMENDADAS NO TRATAMENTO DE SEMENTE SAFRA
- 2011
De: CHARLES ANDRE NEUHAUS ([email protected]), ADELAR CRISTIANO SCHMIDT
([email protected]), EDER ANTONIO WISNESKI ([email protected]), FERNANDO FOABRIS
([email protected]) Orientado por: MARCOS GARRAFA ([email protected])
Os nutrientes consistem em um dos fatores ambientais mais importantes a influenciar no
desenvolvimento das plantas. O molibdênio age sobre enzimas que auxiliam na absorção do
nitrogênio,o cobalto promove aumentos proporcionais na circulação e fixação do nitrogênio na
semente e o inoculante auxilia na fixação de rizóbio aumentando a nodulação para a fixação do
nitrogênio.O presente trabalho objetivou avaliar o efeito da utilização de cobalto, molibdênio e
inoculante no tratamento de sementes da soja, cultivar FUNDACEP 62, nas condições
edafoclimáticas do município de Três de Maio, RS, na safra 2010/2011. A avaliação do efeito desses
elementos aplicados nas sementes foi efetuada a partir da análise de rendimento de grãos. Para
- 96 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
tanto, foi utilizada a abordagem quantitativa, os métodos de procedimento experimental e estatístico,
com coleta de dados efetuada por aferição de pesos e análise dos dados a partir da determinação de
médias e aplicação de teste de Tukey ao nível de 5 % de significância. O ensaio foi estabelecido
utilizando delineamento experimental de blocos ao acaso, com quatro repetições para cada um dos
quatro tratamentos, quais sejam: aplicação de cobalto e molibdênio (Soja Vigor – 100 mL.ha-1);
cobalto, molibdênio e inoculante (Soja Vigor + Rhizofix – 100 ml.ha-1 + 100 mL.ha-1); somente
inoculante (Rhizofix – 100 mL.ha-1); e, testemunha, sem produto algum. As dosagens foram
utilizadas em acordo com o preconizado pelos respectivos fabricantes. Os rendimentos foram
submetidos à análise de variância e as médias comparadas pelo teste de Tukey ao nível de 5% de
significância. Em termos de rendimento (média 3.131 kg.ha-1) destacou-se o tratamento com cobalto,
molibdênio e inoculante (3.665 kg.ha-1), sem, no entanto, diferenciar-se estatisticamente dos demais.
O fato de não ter ocorrido diferença estatística no experimento, pode ser decorrência de ter sido a
área cultivada no verão dos últimos anos com soja, utilizando inoculante e micronutrientes, sendo
sugerida instalação de novo ensaio em área sem cultivo dessa leguminosa nessas condições há pelo
menos dois anos.
Palavras-chave: soja, nutrientes em sementes, rendimentos.
Referências:
ADDINSOFT.XLStat your data analysis solution. Lausanne: Addinsoft, 2011.
AGROFIT,Sistema de Agrotóxicos Fitossanitários. Disponível em:<http://extranet.agricultura
.gov.br/agrofit_cons/!ap_produto_form_consulta_cons.>Acesso: 26 jul. 2011.
DIÁRIO DO COMERCIO E INDUSTRIA. Plantio de soja deve atingir novo recorde. Disponível em:
<http://www1.cooplantio.com.br/central-noticias/plantio-soja-deve-atingir-novo-recorde/1816.aspx.> Acesso: 26
jul. 2011.
FLOSS, Elmar Luiz. Fisiologia das plantas cultivadas: o estudo do que está por trás do que vê. – 3. Ed. Ver. –
Passo Fundo, 2006.
MALAVOTTA, Eurípedes. Manual de nutrição mineral de plantas. Editora Agronômica Ceres, São Paulo, 2006.
REUNIÃO DE PESQUISA DE SOJA DA REGIÃO SUL, 33. Indicação Técnicas para a cultura da soja no Rio
Grande do Sul e em Santa Catarina 2005/2006. Passo Fundo: UPF, 2005.
ESTUDO DO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE FERTILIZANTE
ORGANO-LÍQUIDO-MINERAL SOBRE O RENDIMENTO E
PESO DE MIL GRÃOS DA SOJA, BOCA DA PICADA –
GIRUÁ/RS, SAFRA 2010/2011
De:
CARINE
KRONBAUER
([email protected]),
RAFAEL
RUTZEN
TURRA
([email protected]), RAFAELA LAWISCH BRAGA ([email protected]), Eden Jorge Tolomini
(edentol[email protected]) Orientado por: CLAUDINEI MARCIO SCHMIDT ([email protected])
Este trabalho foi realizado com o objetivo de avaliar o efeito da utilização de um fertilizante
organo-líquido-mineral, quando aplicado na cultura da soja (Glycine max L.) nas condições
edafoclimáticas da localidade de Boca da Picada, no município de Giruá/RS, na safra 2010/2011. A
avaliação desse efeito foi efetuada a partir da análise do rendimento de grãos e peso de mil grãos
(PMG). Para tanto, foi utilizada a abordagem quantitativa, os métodos de procedimento experimental
e estatístico, com coleta de dados efetuada por aferição de pesos e análise dos dados a partir da
determinação de médias e aplicação de teste de Duncan ao nível de 5% de significância. O
delineamento experimental utilizado foi o de blocos ao acaso, com cinco tratamentos e quatro
repetições. Os tratamentos foram os seguintes: 1) Testemunha (utilizou-se apenas tratamento de
semente); 2) Tratamento de semente + inoculante; 3) Tratamento de semente + fertilizante organolíquido-mineral aplicado na semente; 4) Tratamento de semente + fertilizante organo-líquido-mineral
- 97 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
aplicado na semente e duas aplicações foliares; 5) Tratamento de semente + inoculante + fertilizante
organo-líquido-mineral na semente. A unidade experimental corresponde a 5 linhas de 5,00 metros de
comprimento, espaçadas de 0,42 m. A semeadura efetuou-se em 01 de novembro de 2010, com a
cultivar BMX Magna® utilizando densidade de 24 sementes aptas por metro quadrado. A adubação
de base foi realizada com 250 kg.ha-1 da fórmula NPK 02-20-20. Para avaliação do rendimento de
grãos e PMG foram colhidas 4,00 m das três linhas internas, totalizando uma área útil de 5,04 m2.
Todas as parcelas receberam os tratamentos com defensivos químicos de acordo com as
necessidades da cultura. O uso do fertilizante organo-líquido-mineral obteve resultado significativo
sobre o rendimento de grãos, sendo que os tratamentos onde o mesmo foi utilizado (tratamento 3, 4 e
5) foram superiores a testemunha. Com relação ao peso de mil grãos, destacou-se o tratamento 5,
porem não diferenciando-se dos tratamentos 3 e 4. Concluiu-se que a aplicação do fertilizante
organo-líquido-mineral proporciona rendimento de grãos e PMG superiores a testemunha
independente da forma de aplicação e do número de aplicações, portanto, o mesmo pode ser
aplicado via tratamento de semente, ou tratamento de semente associado à aplicação foliar.
Palavras-chave: Efeito, Fertilizante, Rendimento, Peso de Mil Grãos, Soja.
Referências:
ADDINSOFT. XLStat your data analysis solution. Lausanne: Addinsoft, 2011.
COMISSÃO DE FERTILIDADE DO SOLO-RS/SC. Recomendações de adubação e calagem para o Estado do
Rio Grande do Sul e Santa Catarina. 3. ed. Passo Fundo: SBCC - Núcleo Regional Sul, EMBRAPA/CNPT, 1995.
REUNIÃO DE PESQUISA DE SOJA DA REGIÃO SUL, 26. Indicações técnicas para a cultura da soja no Rio
Grande do Sul e Santa Catarina 2007/2008. Passo Fundo: Embrapa Trigo, 2007.
__________ NOBRICO STAR COMO; Disponível em : <http://www.serrafertil.com.br/index.php> acesso em 20
de Out de 2010.
CRESPO, A. A. Estatística fácil. 15 ed: Saraiva, 1997.
FERREIRA, D. F. Estatística Básica. Editora universidade federal de lavras (UFLA), 2005.
IBGE . Séries Estatísticas. Produções de soja, no Brasil nos anos de 1970 à 2006 nas Regiões Norte, Nordeste,
Sudeste, Centro-Oeste e Sul abrangendo nesta Paraná, Santa Catarina e Rio grande do Sul. Disponível em:
<http://seriesestatisticas.ibge.gov.br/series.aspx?vcodigo=AGRO34>. Acesso em: 11 nov. 2010.
LIMA, M. C. Monografia: a engenharia da produção acadêmica. São Paulo: Saraiva, 2009.
MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. : Técnicas da Pesquisa: planejamento e execução de pesquisas,
amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. São Paulo: Atlas, 2006.
ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUÇÃO DE LEITE DO
MUNICÍPIO DE TUPARENDI, RS
De: Carine Kronbauer ([email protected]), Rafaela Braga ([email protected]), Romulo
Mateus Zalamena ([email protected]), Francine Maria Busanello ([email protected])
Orientado por: Douglas Faoro ([email protected])
A agricultura na região noroeste do estado do Rio Grande do Sul, está praticamente baseada na
produção de grãos como milho, soja e trigo. A produção de leite foi sempre uma segunda opção para
gerar alguma renda mensal, para não precisar vender grãos para o sustento das famílias. Com a
vinda de empresas do ramo lácteo na região a produção cresceu e está se tornando prioridade nas
propriedades rurais. O presente trabalho visa obter informações de como está a produção de leite no
- 98 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
município de Tuparendi com o intuito de verificar se este município tem potencial para se tornar uns
dos principais produtores de leite da região. Para o desenvolvimento deste trabalho foram realizadas
entrevistas com produtores através de um questionário, e pesquisas bibliográficas. Conforme a
Secretaria da Agricultura de Tuparandi, existe no município 524 produtores de leite. Para obter
resultados estatisticamente reais, foi realizado através de métodos estatísticos o tamanho da
amostra, sendo necessário aplicar o questionário para 182 produtores. Para homogeneizar a
captação de dados, usamos a divisão territorial do município, que é formado por seis microrregiões
sendo sorteados 31 produtores de cada microrregião. Tuparendi apresenta produção de
aproximadamente 60.000 lt/dia. Cerca de 50% dos produtores estão concentrados em pequenas
propriedades produzindo até 100 lt/dia, as médias propriedades representam 40% dos produtores
estando entre 101 até 500 lt/dia, e as grandes propriedades que produzem mais de 500 lt/dias
representam apenas 10% da população total de produtores de leite. Outro fato observado é que
produtores que estão nessa atividade a mais de vinte anos possuem menor produção. As
propriedades mais produtivas são as mais recentes. Com estes dados podemos constatar que
Tuparendi pode avançar muito na produção leiteira precisando apenas de incentivo, principalmente
para que os pequenos produtores aumentem sua produção.
Palavras-chave: Produção, Leite, Tuparendi.
Referências:
LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário; GUILLICH, Roque. Metodologia da Pesquisa: normas para
apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. Segunda Edição. Três de Maio: Ed. SETREM,
2007.
MARCONI, Marina; LAKATOS, Eva. Fundamentos de Metodologia Científica. Sexta Edição. São Paulo: Ed.
ATLAS S.A, 2007.
VILELA, Duarte; BRESSAN, Matheus; CUNHA, Aércio. Cadeia de Lácteos no Brasil: restrições ao seu
desenvolvimento.
Primeira Edição. Brasília: MCT/CNPq, Juiz de Fora: Ed. Embrapa Gado de Leite, 2001.
TRABALHO CIENTÍFICO, Leite e sua importância econômica, social e nutricional. Disponível em:
http://www.nupel.uem.br/pos-ppz/1a.aula-bovleite.pdf. Acesso em 15/11/10.
AGRONEGÓCIO, Rio Grande do Sul Ruma ao Topo na Produção Nacional de Leite. Disponível em:
http://www.zootecniabrasil.com.br/sistema/modules/news/article.php?storyid=951. acesso em :11/11/10.
EMBRAPA, Leite e sua Qualidade, autora: SANTOS, Ângela. Disponível em :
http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Leite/GadoLeiteiroZonaBragantina/paginas/qualidade.
htm. Acesso: 10/10/10.
ANÁLISE COMPARATIVA DO DESEMPENHO DE TRIGO DE
DUPLO PROPÓSITO QUANTO À UTILIZAÇÃO DE
INOCULANTE NA SEMENTE
De:
LEANDRO
BALZ
([email protected]),
CRISTIANO
RODRIGO
BRAUN
([email protected]), HENRIQUE FERNANDO SCHOLZE ([email protected]), FABIO LUIS
VALK GUTHS ([email protected]) Orientado por: DOUGLAS FAORO ([email protected])
Trigo importante cereal de inverno para a economia gaúcha, vem tendo com o passar dos anos
um grande aumento da produtividade, devido o surgimento de novos cultivares e de novos produtos
que maximizam a produtividade. Com o aumento do custo de plantio, buscam-se alternativas que
diminuam custos sem trazer consequências negativas à produtividade. Para o trigo o uso de
inoculantes à base de bactérias diazotróficas que podem fixar nitrogênio e produzir auxinas,
substâncias responsáveis pelo estímulo ao crescimento das plantas, podendo reduzir a utilização de
- 99 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
fertilizantes nitrogenados. Com o intuito de analisar os benefícios do processo de fixação biológica do
nitrogênio em gramíneas realizou-se um experimento com inoculação de sementes com Azospirillum
brasilense, em genótipo de trigo duplo propósito (DP). O experimento instalado em latossolo
vermelho argiloso, no município de Três de Maio, 2010. Foi utilizado delineamento experimental de
blocos ao acaso com parcelas subdivididas. Parcela principal com e sem aplicação de inoculante e
subparcelas do cultivar, com 3 repetições. O cultivar BRS Umbu foi avaliado quanto à produção de
massa verde, massa seca e produção de grãos, os resultados submetidos à análise de variância e as
médias comparadas pelo teste de Tukey ao nível de 5 % de significância. Pode se constatar que a
utilização de inoculante no plantio do trigo de duplo propósito não teve influência significativa na
produção de M.S e M.V e no rendimento de grãos.
Palavras-chave: Trigo de duplo propósito, inoculante e produção.
Referências:
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto. EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
Pesquisa: normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. Três de Maio: Ed.
SETREM, 2007.
MARCONI, Maria de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas da Pesquisa: planejamento e execução de
pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. São Paulo: Atlas,
2006.
www.embrapa.br/.../054_trigosparailp_renatofontaneli_cnpt_0822_1100. pdf. Trigos de duplo propósito para
integração lavoura-pecuária. Acessado em 05 de dezembro de 2010.
www.plantiodireto.com.br/?body=cont_int&id=799. Trigo de Duplo-Propósito na integração lavoura-pecuária.
Acessado em 05 de dezembro de 2010.
http://www.propp.ufms.br/gestor/titan.php?target=openFile&fileId=627 caracterização de bactérias em gramíneas.
Caracterização de bactérias diazotróficas isoladas de gramíneas nativas do pantanal sul mato-grossense.
Acessado em 05 de dezembro de 2010.
http://w3.ufsm.br/ppgcs/congressos/Fertbio2004/Mb14.pdf fenótipos das bactérias pra inoculação. Identificação e
caracterização de bacillus spp. Fixadores de nitrogênio associados a raízes de plantas de arroz irrigado.
Acessado em 05 de dezembro de 2010.
.
http://www.cpac.embrapa.br/publico/usuarios/uploads/cursobiotec/capitulo8.pdf
Fixação biológica de nitrogênio: uma revolução agrícola. Acessado em 05 de dezembro de 2010.
http://www.unicentro.br/editora/revistas/ambiencia/v3n2/Flutua%E7%E3o%20populacional%20de%20bact%E9ria
s%20do%20g%Eanero%20Azospirillum%20em%20solo%20cultivado%20com%20milho%20e%20em%20campo
%20nativo. pdf Flutuação populacional de bactérias do gênero Azospirillum em solo cultivado com milho e em
campo nativo. Acessado em 05 de dezembro de 2010.
ANÁLISE PLUVIOMÉTRICA EM UMA PROPRIEDADE
RURAL LOCALIZADA NO INTERIOR DO MUNICÍPIO DE
ALEGRIA - RS
De: LEANDRO BALZ ([email protected]), ENDERLI VIANA ([email protected]), EDSON
ROBERTO
OPPERMANN
KUNZ
([email protected]),
RAFAEL
PARUSSULO
([email protected]) Orientado por: DOUGLAS FAORO ([email protected])
A precipitação pluviométrica é de extrema importância para o cenário do agronegócio sendo
fundamental para o bom desenvolvimento de plantas e animais. Visando análise de precipitação
pluviométrica e um comparativo da média pluviométrica com a média de produtividade das principais
- 100 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
culturas anuais, desenvolveu-se um estudo da mesma nos últimos dezenove anos computando os
dados pluviométricos ocorridos em uma propriedade rural localizada no interior do município de
Alegria- RS. Após coletados os dados, foram calculadas as médias mensais e anuais durante o
período, analisando as grandes disparidades ocorridas. Analisando as médias mensais e anuais
durante o período pode se observar que a média anual do volume precipitado está por volta dos 2215
mm/ano e os meses em que ocorre maior oscilação, diante da média mensal que é de 185 mm/mês,
são outubro e agosto com chuvas de 308 mm e 141 mm, respectivamente. No comparativo da
precipitação com a média de produtividade das principais culturas anuais, o melhor ano para o
desenvolvimento da soja e do milho foi o ano de 2003 com médias de produtividades de 2400 kg/ha-1
e 4800 kg/ha-1 respectivamente, sendo o pior em 2005 onde a média de produtividade da soja foi de
210 kg/ha-1, e a de milho 1080 kg/ ha-1.
Palavras-chave: Precipitações pluviométricas, médias de precipitações e produtividade,
Alegria/RS.
Referências:
MENDONÇA, FRANCISCO. Climatologia: noções básicas e climas do Brasil/ Francisco Mendonça, Inês Moresco
Danni-Oliveira. São Paulo, 2007.
BONATO, E.R., Ed. Estresses em soja. Passo Fundo: Embrapa trigo, 2000. 254p.
OMETTO, JOSÉ CARLOS. Bioclimatoligia vegetal. – São Paulo: Ed. Agrônomica Ceres, 1981.
PARUSSULO, LEONIR. Informações concedidas a partir de anotações efetuadas na propriedade rural. Alegria:
2010.
EMATER. Histórico de Produtividade do Município de Alegria – RS. Alegria: 2010.
LIMA, Manolita Correia. Monografia: a engenharia da produção acadêmica. São Paulo: Saraiva, 2009.
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto. EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
pesquisa: normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. Três de Maio: Ed.
SETREM, 2007.
MARCONI, Maria de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas da Pesquisa: planejamento e execução de
pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. São Paulo: Atlas,
2006.
OLIVEIRA, Silvio Luiz. Trabalho de Metodologia Científica: São Paulo: Thomson Pioneira, 1999.
WWW.eumed.net/cursecon/ecolat/br/09/clbl.htm. Evolução do agronegócio brasileiro, desafios e perspectivas.
2009. Acessado em 03 de dezembro de 2010.
ANÁLISE COMPARATIVA DO DESENVOLVIMENTO DOS
CULTIVARES DE SOJA
De: VAGNER SIQUEIRA BOTTON ([email protected]), MARCELO LUIS RAUBER ([email protected]),
FELIPE ABEL HUNEMEIER ([email protected]), dieison elisandro schvan ([email protected])
Orientado por: CLAUDINEI MARCIO SCHMIDT ([email protected])
A pesquisa de novos cultivares de soja é de grande importância para o desenvolvimento de um
sistema de produção sustentável e com maior produtividade. O desenvolvimento genético é realizado
em climas específicos, por isso é importante verificar o comportamento dos diferentes genótipos,
expondo-os a diferentes situações climáticas e edáficas ocorrentes nos diversos locais onde o grão é
multiplicado. Com o intuito de verificar a adaptação de trinta materiais genéticos de soja originários de
três empresas obtentoras, foi analisado o rendimento das mesmas em ensaio implantado em Três de
Maio – RS na safra 2010/2011. A metodologia de condução do ensaio utilizou abordagem
quantitativa, procedimento estatístico, técnica de coleta de dados a colheita e pesagem de grãos e
- 101 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
análise dos dados média aritmética e teste de Tuckey. A semeadura dos materiais genéticos foi
efetuada com semeadeira tracionada por trator, utilizando adubação conforme preconizado pela
interpretação da análise de solo e o ensaio conduzido em acordo com as determinações da
REUNIÃO DE PESQUISA DE SOJA DA REGIÃO SUL (2009). Das parcelas foram retiradas três
amostras, cada uma medindo 2,7 m2, as quais foram pesadas após retiradas as impurezas. Uma vez
verificada a massa, foi descontado da mesma o peso relativo ao teor de umidade dos grãos. A
produtividade foi estimada para cada cultivar, realizando a média aritmética das amostras. Também
foi analisada a posição de cada cultivar em relação à média geral, diferenciada em um desvio padrão,
para mais e para menos. Os resultados indicaram que para o solo da região em estudo e clima da
safra 2010/11 os cultivares que apresentam maior produtividade foram ND 4823 (4460,4 kg.ha-1) e
ND 4725 (4389,3 kg.ha-1) os quais apresentaram, respectivamente, resultado 28% e 26% superior à
produtividade média de todas as cultivares (3484,9 kg.ha-1). De forma geral, apresentaram resultado
superior (média mais um desvio padrão) os cultivares ND 4823, ND 4725, ND 5909 e resultado
inferior (média menos um desvio padrão) os cultivares CD 249, IGRA 818, Monsoy 6707, CD 206.
Palavras-chave: Produtividade, Soja, Cultivar.
Referências:
APOLLO11.COM. Latitude e Longitude das cidades Brasileiras. Disponível em:
<http://www.apolo11.com/latlon.php?uf=rs&cityid=4321>. Acesso em: 12 jun. 2010.
COODETEC. Histórico. Disponível em: < http://www.coodetec.com.br/site.php>. Acesso em: 29 jun. 2010.
REUNIÃO DE PESQUISA DE SOJA DA REGIÃO SUL, 37. Indicações técnicas para a cultura da soja no Rio
Grande do Sul e em Santa Catarina 2009/10. Porto Alegre: UFRGS, 2009.
TRIOLA, Mário F. Introdução à estatística. 7ª ed. Rio de Janeiro - RJ: LTC, 1997.
UBERLÂNDIA CONVENTION & VISITORS BUREAU. Roteiro biotecnologia. Disponível em: <
http://www.uberlandiacvb.com.br/index.php?arq=pagina2>. Acesso em: 29 jun. 2010.
- 102 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
13º SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PESQUISA
ORIGINAL - EDUCAÇÃO
COMUNIDADES ESCOLARES DA DÉCADA DE 1950
De: Tatiane Andréia Nonenmacher
([email protected])
([email protected])
Orientado
por:
Valsenio
Gaelzer
A elaboração da escrita desse artigo foi realizada no Componente Curricular de História da
Educação II, do Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia - SETREM, no primeiro semestre de dois
mil e onze. A pesquisa foi realizada em um município da região noroeste do estado do Rio Grande do
Sul, com duas pessoas de duas comunidades escolares diferentes. Ao deparamo-nos com a
educação e práticas docentes que temos nos dias atuais, é muito importante e interessante
conseguirmos resgatar questões sobre a educação de tempos passados. Com isso, ao se ter a ideia
de como a docência se fundamentava naquela época. Ao mesmo tempo, ficam os questionamentos
sobre o que levava os professores a se portarem de forma mais autoritária na segunda metade do
século XX. Partindo disso, os objetivos dessa pesquisa são de resgatar práticas docentes das
comunidades da década de mil novecentos e cinquenta, para entendermos a evolução da educação
no Brasil, assim como também a evolução das práticas docentes, desenvolvendo uma análise
comparativa entre os dados coletados e fazer uma relação entre a educação da época com a atual. A
pesquisa é de abordagem qualitativa e está classificada em pesquisa bibliográfica, explicativa; tendo
como técnica a entrevista. A fundamentação foi realizada a partir dos ideais de Claudino e Nelson
Piletti (1997) e também Paulo Freire (1979). O resulto desta pesquisa, a partir dos recortes das falas
das pessoas da comunidade pode ser identificado na mudança da metodologia dos professores em
relação à forma como se relacionam com os alunos e também da forma como veem os mesmos.
Infere-se na realização dessa pesquisa que nada vem do acaso, que muito do que temos na
educação nos nossos dias é um reflexo da educação que já foi vivenciada por muitos, há muito tempo
atrás.
Palavras-chave: comunidades escolares; educação; década de 1950
Referências:
FREIRE, Paulo
F934 e Educação e Mudança/ Paulo Freire
Tradução de Moacir Gadotti e Lilian Lopes Martin – Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979, Coleção Educação e
Comunicação, volume 1
PILETTI, Nelson e PILETTI, Claudino, História da Educação, 7ª Edição, 1997,Editora Ática, Série Educação
PROJETO REVISITANDO A COMUNIDADE
De:
NEIDE
CARLISE
WEBER
([email protected]),
CAROLINE
RAQUEL
LAWALL
([email protected]), Caroline Raquel Lawall ([email protected]) Orientado por:
VALSENIO GAELZER ([email protected])
Esta escrita se constitui a partir de estudos realizados no Componente Curricular de História da
Educação II, desenvolvido no 1° Semestre de 2011, no 3 °período do Curso de Licenciatura Plena em
Pedagogia-SETREM. A pesquisa foi realizada em uma comunidade de um município da região
- 103 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
noroeste do estado do Rio Grande do Sul, com três pessoas da comunidade escolar que eram alunos
do século passado. O presente artigo tem como objetivo resgatar valores e práticas docentes
significativas que marcaram pessoas comuns na segunda metade do século XX, de modo a ressaltar
a história da educação local/global. Como metodologia, foi utilizada a pesquisa – social e
bibliográfica, a abordagem qualitativa, os procedimentos da pesquisa de campo, comparativa e
bibliográfica e como técnica a entrevista, trazendo recortes de falas dos entrevistados. No decorrer da
pesquisa foram enfatizados aspectos relacionados à educação da época como: a metodologia das
aulas, a relação professor-aluno, bem como práticas docentes que fizeram diferença na vida dos
alunos da época e que ainda lembram essas marcas escolares como pontos positivos no seu
percurso educacional. Ao mesmo tempo, foram enfatizadas as mudanças que ocorrem nas últimas
décadas no que se refere ao ensino nas escolas, bem como a importância do papel do ser professor.
A escrita teve como base as obras de André (1999), Angotti (2006), Aranha (1996), Cavalcanti (1995),
Cortella (2009), Dornelles (2008), Ferreiro (1993), Gadotti (2003), Marques (1996), Marques (1988).
Com resultado desta pesquisa pode-se perceber a necessidade de resgatar as práticas significativas
que marcaram a vidas dos alunos, pois elas deram certo e ainda são lembradas de forma muito
satisfatória pelos próprios alunos. Portanto, pode-se concluir que é importante, enquanto Curso de
Graduação, revisitar a história da educação local, relacionando-a com a educação global. Além disso,
podemos ter um melhor entendimento para podermos trabalhar na docência o tempo e o espaço em
sala de aula, bem como, as possibilidades de ensino-aprendizagem.
Palavras-chave: História, valores, práticas docentes, comunidade.
Referências:
ANDRÉ, Marli (org). Pedagogia das diferenças na sala de aula. Campinas, SP: Papirus, 1999.
ANGOTTI, Maristela (org.). Educação Infantil: para que, para quem e por quê? Campinas SP. Alínea, 2006.
ARANHA, Maria Lúcia Arruda. Filosofia da Educação. 2 ed. São Paulo, Moderna, 1996.
CAVALCANTI, Zélia. Trabalhando com história e ciências na pré-escola. Porto Alegre : Artes Médicas, 1995.
CORTELLA, Mário Sergio. Qual é a tua obra? : inquietações propositivas sobre gestão, liderança e ética. 6. Ed. –
Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.
DORNELLES, Leni Vieira. Infâncias que nos escapam: da criança na rua à criança cyber. 2. Ed, - Petrópolis, RJ:
Vozes, 2008.
FERREIRO, Emília. Com todas as letras. São Paulo: Cortez, 1993.
GADOTTI, Moacir. Boniteza de um sonho: ensinar – e – aprender com sentido. Novo Hamburgo: Feevale, 2003.
MARQUES, Mario Osório. Educação\interlocução, aprendizagem\ reconstrução de saberes. Ijuí: UNIJUÍ Ed,
1996. p.127 (Coleção Educação).
MARQUES, Mário Osório. Conhecimento e Educação. Ijuí: UNIJUÍ. Ed. 1988. 190 p.
REVISITANDO A COMUNIDADE ESCOLAR
De: CATELINE CHITOLINA ([email protected]), Kátia Lidiane Schú ([email protected]) Orientado
por: Valsenio Gaelzer ([email protected])
A escrita deste artigo foi elaborada dentro do componente curricular História da Educação II, no
terceiro período do curso de Licenciatura Plena em Pedagogia da SETREM, no primeiro semestre de
2011. A educação passou por várias transformações no decorrer das ultimas décadas, sendo estas
visíveis na sociedade e percebidas no cotidiano da escola, de modo que os profissionais se deparam
a um grande desafio. Por um lado, percebe-se que há um discurso por parte das políticas públicas
colocando a educação como prioridade, porém, de outro, um grande descaso por parte das mesmas.
- 104 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Diante desta realidade, objetiva-se através desta pesquisa de campo com abordagem qualitativa,
uma conversação com pessoas da comunidade escolar, a fim de resgatar valores, atitudes e práticas
docentes que outrora deram certo e acabaram se perdendo ao longo das ultimas décadas. A coleta
de dados foi realizada em uma comunidade do município da Região Noroeste do Estado do Rio
Grande do Sul, deu-se a partir de entrevistas feitas com duas pessoas da comunidade escolar que
eram alunos na década de setenta do século passado. A escrita teve como base as obras de Arroyo
(2000), Aranha(1989), Adalberto (2007), Imbernóm (2000), Luzuriaga (1983),Marques (1993), Nóvoa
(1991). Como resultado, constatou-se que a educação na segunda metade do século XX estava
alicerçada em valores éticos e morais que, infelizmente, não mais eram enfatizados com tanta
intensidade nas décadas posteriores. Com as reflexões feitas a partir da coleta de dados, bem como
a revisão bibliográfica nota-se que é necessário encontrar um equilíbrio na educação da época com a
dos dias atuais, a fim de reestabelecer relações de aprendizagem significativas. Portanto, torna-se
necessário resgatar valores e praticas docentes significativas que, em partes, foram deixadas de lado
pelos professores.
Palavras-chave: Práticas docentes, História, Valores.
Referências:
ARANHA, M. L. de Arruda. História da Educação. São Paulo: Moderna 1989;
ARROYO, G. Miguel. Ofício de Mestre: Imagens e auto-imagens. Petrópolis, RJ: Vozes,2000.
ADALBERTO, Evangelista, SANTOS, Mário Luiz, GÜLLICH, Roque Ismael da Costa. Metodologia da Pesquisa:
Normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. Três de Maio: Ed. SETREM, 2007.
NÓVOA, António (Org.). Profissão professor. Porto. Porto Editora, 1991.
IMBERNÓM, Francisco (org). A Educação no século XXI: os desafios do futuro imediato. Porto Alegre: Artes
Médicas Sul, 2000.
LUZURIAGA, Lorenzo. História da educação e da pedagogia. 14 ed. São Paulo: Cia. Ed. Nacional, 1983
MARQUES, Mário Osório. Conhecimento e modernidade em reconstrução .Ijuí: Ed. Unijuí, 1993
REVISITANDO A COMUNIDADE
De:
DENISE
MARIA
GROTH
([email protected]),
GRACIELI
KRILOW
([email protected]) Orientado por: VALSENIO GAELZER ([email protected])
STRAUSS
Esta escrita se constitui a partir de estudos realizados no Componente Curricular de História da
Educação II, desenvolvido no 1° Semestre de 2011, no 3 °período do Curso de Licenciatura Plena em
Pedagogia - SETREM. Entendemos que a educação ao longo do século XX, passou por várias
transformações sociais e estas impactaram o sistema de ensino e este encarregou-se mais na
adaptação do que na superação de problemas. Portanto, a escola ainda carrega antigas lacunas nas
relações de aprendizagem. Com esta pesquisa objetiva-se ampliar o entendimento das práticas
docentes tidas no final da primeira metade do século XX. Neste sentido realizamos uma pesquisa
junto a uma pequena comunidade da Região Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, com a
intenção de resgatar valores e práticas docentes que outrora fizeram a diferença naquela comunidade
escolar. A pesquisa foi realizada com dois moradores da comunidade que estudaram nas décadas de
30 e 50. A pesquisa de abordagem qualitativa teve como procedimentos a pesquisa de campo, a
pesquisação e a pesquisa bibliográfica, de modo que utilizamos como técnica para a coleta de dados
a entrevista. A escrita teve como base as obras de Cavalcanti(1995), Friedmann(2006),
Galliano(2006), Gonçalves(2002), Marques(1988) e Nidelcoff(1975). Como resultado, podemos
perceber que a educação daquela época serviu de laboratório para a educação atual, sendo que os
docentes se colocavam o desafio de ensinar acima das dificuldades enfrentadas. Portanto, pode-se
concluir que é importante, enquanto Curso de Graduação, revisitar a história da educação local,
relacionando-a com a educação global. Além disso, podemos ter um melhor entendimento para
- 105 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
podermos trabalhar na docência o tempo e o espaço em sala de aula, bem como, as possibilidades
de ensino-aprendizagem.
Palavras-chave: Educação, História, comunidade e práticas docentes.
Referências:
CAVALCANTI, Zélia. Trabalhando com história e ciências na pré-escola. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.
FRIEDMANN, Adriana. O desenvolvimento da criança através do brincar. São Paulo: Moderna, 2006.
GALLIANO, Alfredo Guilherme. Introdução a Sociologia. HARBRA LTDA, 2006.
GONÇALVES, Ana Maria; PERPÈTUO, Susan Chiode. Dinâmicas de grupo na formação de lideranças. Rio de
Janeiro: DP&A, 2002.
MARQUES, Mario Osorio. Conhecimento e Educação. Ijuí: UNIJUI, 1988.
NIDELCOFF, Maria Teresa. A escola e a compreensão da realidade. Brasiliense, 1975.
PERSPECTIVAS EDUCACIONAIS DE 1960 A 2011
De: JOCIELE CHAVES ([email protected]), Diessa Maiza Führ ([email protected]) Orientado
por: Valsenio Gaelzer ([email protected])
No cotidiano das instituições de ensino, as teorias e as práticas educacionais estão mudando
constantemente para atender as exigências do mundo globalizado. A educação autoritária, que tinha
o professor como o centro do ensino e o aluno como mero receptor dos conhecimentos, vem dando
lugar a uma educação com relações mais igualitárias, que valorizam a infância e o desenvolvimento
das crianças considerando cada fase de aprendizagem. A partir disso, buscamos relacionar a didática
de ensino–aprendizagem dos anos 60 até os atuais, através de uma pesquisa de cunho qualitativo,
utilizando os procedimentos de pesquisa histórica, bibliográfica e de campo, por meio de uma
entrevista com uma senhora de 61 anos de idade, com o objetivo de trabalharmos a história da
educação local resgatando valores e práticas docentes que outrora fizeram a diferença na
comunidade escolar. Neste contexto, vemos que o respeito e todos os valores que foram se perdendo
com o passar do tempo, precisam reintegrar-se na educação. Considerando a evolução teórica e
prática do processo de aprendizagem e das didáticas utilizadas pelos educadores atuais, conclui – se
que a educação teve melhorias, mas a infra-estrutura para a realização desse ensino, continua
defasada.
Palavras-chave: Processo de ensino; Relação professor-aluno; Sociedade.
Referências:
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra,
1996.
GADOTTI, Moacir. Pensamento Pedagógico Brasileiro. São Paulo: Ática, 2001.
PILETTI, Nelson. História da Educação no Brasil. São Paulo: Ática, 2000.
- 106 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
A DOCÊNCIA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO
FUNDAMENTAL: VIVÊNCIAS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS
De: CAROLINE RAQUEL LAWALL ([email protected]) Orientado por: ELISABETE ANDRADE
([email protected]), ZENAIDE HEINSCH ([email protected])
Esta escrita apresenta momentos significativos das observações e intervenções pedagógicas
vivenciadas durante a realização do Estágio Supervisionado IV desenvolvido no 1° Semestre de
2011, no 7° período do Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia - SETREM. O referido estágio foi
realizado em uma escola da rede Municipal de Ensino localizada na Região Noroeste Estado do Rio
Grande do Sul, em uma turma de 4º ano do Ensino Fundamental. O projeto de intervenção
pedagógica foi realizado e planejado a partir de observações de dez horas e quarenta horas de
intervenção pedagógica. Após a realização do estágio foi organizado um artigo que teve a finalidade
de fundamentar as vivências e práticas pedagógicas desenvolvidas no decorrer das práticas
pedagógicas. A sistematização escrita enfatizou a importância de desenvolver práticas pedagógicas
vinculadas à leitura e a escrita, envolvendo a alfabetização, o letramento e a literatura infantil, visando
a formação de sujeitos leitores e produtores. Considerando que mais do que aprender a ler e
escrever, a criança necessita saber utilizar a língua escrita nas diversas situações do seu cotidiano.
Além disso, apresentou de modo reflexivo a utilização de jogos e uma proposta de trabalho
interdisciplinar como recursos e fatores facilitadores no processo de aprendizagem das crianças. A
realização do Estágio Supervisionado IV oportunizou conhecer um pouco mais sobre os anseios,
interesses, necessidades das crianças e as relações que permeiam o contexto da sala de aula.
Ainda, a partir da experiência docente com o 4º ano do Ensino Fundamental, percebi a importância do
conhecimento, da pesquisa, da utilização de metodologias e desenvolvimento de práticas
pedagógicas diversificadas e adequadas para desenvolver os temas que são propostos para este ano
do Ensino Fundamental. Ficou evidente a importância de uma proposta de trabalho interdisciplinar
para trabalhar os conteúdos, bem como, contribuir na formação de sujeitos capazes de produzir e
criar, analisar e interpretar diversas leituras e escritas, o que diferenciou este estágio dos demais
realizados com a Educação Infantil e 2º ano do Ensino Fundamental.
Palavras-chave: docência, práticas pedagógicas, vivências.
Referências:
ABRAMOVICH, Fani. Literatura Infantil: gostosuras e bobices. 3ª Ed.. Scipione, 1993.
ANDRÉ, Marli (org). Pedagogia das diferenças na sala de aula. Campinas, SP: Papirus, 1999.
ARANTES, Valéria Amorim. Afetividade na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 2003.
BRASIL, Ministério da Educação e Desporto. Ensino Fundamental de Nove Anos: orientações para inclusão de
crianças de seis anos de idade, 2006.
FERREIRO, Emília. Com todas as letras. São Paulo: Cortez, 1993.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra,
1996.
GARCIA, Regina Leite, ZACCUR, Edwiges (Orgs). Alfabetização: reflexões sobre saberes docentes e saberes
discentes. São Paulo: Cortez, 2008.
GADOTTI, Moacir. Boniteza de um sonho: ensinar – e – aprender com sentido. Novo Hamburgo: Feevale, 2003
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa, LOVATO, Adalberto, EVANGELISTA, Mário Luiz Santos. Metodologia da
pesquisa: Normas para a apresentação de Trabalhos: redação, Formatação e editoração. Três de Maio: Editora
SETREM, 2007.
- 107 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
HERNANDEZ, Fernando. Transgressão e mudança na educação: os projetos de trabalho. Porto Alegre: Artes
Médicas, 1998.
KISHIMOTO, Tizuko Morchida (Org). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. Ed 5, São Paulo: Cortez, 2001.
LARROSA, Jorge. Pedagogia Profana. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.
SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.
VIGOTSKI, L.S.- A Formação Social da Mente. Martins Fontes, 6ª Ed. São Paulo, 1999
EDUCAÇÃO COM DIGNIDADE PARA TODOS
De: ADRIANA GRINGS ([email protected]), MARGARETE TERESINHA GEBAUER KRAKHECKE
([email protected]), JESSICA KATIELE QUOSS ([email protected]) Orientado por:
VALSENIO GAELZER ([email protected])
Essa pesquisa aborda a temática, educação com dignidade para todos. A educação sempre tem
se preocupado com práticas voltadas para a dimensão da dignidade, de modo que no cotidiano
escolar a infraestrutura como ambiente escolar, sala de aula, qualificação de professores e políticas
públicas, são elementos que constituem uma educação digna. Porém, ainda temos educadores e
políticas públicas preocupadas que vão ao encontro de uma escola em cuja educação possa
proporcionar dignidade para todos. O objetivo desta pesquisa é analisar como estava a educação há
seis décadas e quais foram suas mudanças até hoje. Nos últimos tempos a educação passou por
várias modificações, desde sua infraestrutura até na qualificação de seus profissionais e isto afetou a
qualidade no ensino. Com o objetivo de verificar essas mudanças ao longo das últimas décadas,
buscou-se aprofundar sobre o assunto analisando os aspectos da educação na época e como se
processa a educação na atualidade. Realizou-se uma pesquisa de abordagem qualitativa, tratando da
realidade social e educacional com pessoas de faixa etária entre 40 e 60 anos. Teve-se como
procedimentos a pesquisa-ação e a revisão bibliográfica, de modo que utilizou-se como procedimento
técnico o questionário e constatou-se que a educação daquela época estava amparada na qualidade
pedagógica e no comprometimento de toda a comunidade. Neste sentido as práticas docentes
estavam mais pautadas para garantir os valores, bem como a qualidade da aprendizagem do aluno.
Na atualidade, não percebe-se mais tanto assim esta mesma intensidade nas práticas de ensino, de
modo que com todo avanço na educação algumas escolas ainda estão mergulhadas em problemas
primários como a falta de comprometimento das políticas públicas no que se refere a educação para
todos e a garantia da aprendizagem mínima nos diferentes níveis de ensino.
Palavras-chave: Educação, comunidade, cotidiano.
Referências:
CITELLI, Adilson. Comunicação e Educação – A linguagem em Movimento. 3ª ed. – São Paulo: editora Senac
São Paulo, 2004;
MARQUES, Mario Osório. Aprendizagem - na mediação social do aprendido e da docência. 2ª ed. – Rio Grande
do Sul: UNIJUÍ, 2000;
UNESCO - Educação para Todos no Brasil. Disponível em:
< http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/education/education-for-all/>. Acessado em 05 de junho de 2011.
NÓVOA, Antônio - Íntegra de entrevista: Antônio Nóvoa. Disponível em:
< http://www.folha.uol.com.br/folha/treinamento/educacao/te2406200505.shtml>. Acessado em 08 de junho de
2011.
- 108 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
A INFLUÊNCIA DOS JOGOS E SITES ACESSADOS NA
APRENDIZAGEM DOS ESTUDANTES
De: ADRIANA GRINGS ([email protected]), MARGARETE TERESINHA GEBAUER KRAKHECKE
([email protected]), JESSICA KATIELE QUOSS ([email protected]) Orientado por: zenaide
HEINSCH ([email protected])
Este artigo aborda sobre a influencia que os jogos e sites exercem na aprendizagem dos
estudantes. Esta temática surgiu a partir da necessidade de entender o porquê nossos jovens
passam tanto tempo usando essa tecnologia, quais são os seus benefícios e malefícios e também, se
os pais têm conhecimento disso. Na perspectiva de saber até que ponto a tecnologia influencia na
vida das crianças, se ela contribui ou não para a boa formação do ser humano elaboramos um
questionário para os estudantes e respectivos pais, com questões sobre o tempo que as crianças
usam o computador, tempo dedicado aos estudos, atividades físicas e se os pais têm consciência dos
sites que seus filhos acessam. Para isso foi feito uma pesquisa social, quali-quanti, pois se trata de
uma realidade social e educacional, em uma turma de estudantes na faixa etária de 10 a 12 anos, do
6ª ano de uma escola municipal de um município do noroeste do RS. Os resultados obtidos através
dos questionários nos trouxeram uma certa inquietação, nos levando a refletir sobre, onde estaria o
problema, em casa? Pois, ainda na contemporaneidade há tanto desconhecimento das atividades
feitas pelos filhos e também a tamanha falta de diálogo, pois percebemos a grande diferença nas
respostas quando questionamos os pais sobre horários e programas que os respectivos filhos
acessam, em relação ao que os filhos responderam. Ou o problema está na escola? Pois, é um
espaço em que se constitui sujeitos.
Palavras-chave: estudantes, aprendizagem, tecnologia.
Referências:
OLIVEIRA, Ramos de. Informática educativa dos planos e discursos à sala de aula. Campinas – SP. Editora
Pipirus. 7ª ed. 2002;
MARQUES, Mario Osório. Aprendizagem na mediação social do aprendido da docência. 2 ªed. UNIJUI- Ijui,
2000;
BRAGA, José Luiz e CALAZANS, Regina. Comunicação e Educação questões delicadas na interface. São
Paulo: Hacker, 2001;
RABOY, Marc e SOLERVICENS, Marcelo. Enfoques Multiculturais sobre as Sociedades da Informação.
Disponivel em: < http://vecam.org/spip.php?page=article&id_article=699>. Acessado dia 07 de julho de 2011;
MATSUURA, Koichiro . Capacitação por meio de Tecnologias de Informação e Comunicação. Disponivel em: <
http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/ResultadoPesquisaObraForm.do>. Acessado dia 07 de julho de 2011.
FORMAÇÃO DAS FAMÍLIAS: O QUE MUDOU?
De: JOCIELE CHAVES ([email protected]), DIESSA MAIZA FÜHR ([email protected])
Orientado por: ZENAIDE HEINSCH ([email protected])
Originalmente as famílias eram consaguíneas, aquelas estruturadas a partir dos acasalamentos
de um grupo. Com o desenvolvimento da humanidade essa formação foi se modificando até chegar à
família monogâmica, baseada na fidelidade do casal. Porém essa formação vem sofrendo com
inúmeras modificações. Antigamente ela era basicamente nuclear composta pelo pai, mãe e filhos e
tida como fundamental pela sociedade, uma vez que era responsável por transmitir os princípios
básicos da época. Atualmente, é comum nos depararmos com novas configurações familiares
rompendo o modelo tradicional. Passamos a ter casas em que convivem pais e padrastos com filhos
e irmãos vindos de outros casamentos, tias ou avós exercendo papéis de pais. A partir disso,
buscamos analisar através de uma pesquisa de cunho qualitativo, a constituição da família de 25
- 109 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
alunos do 3º ano do Ensino Fundamental em uma Escola Estadual, localizada no município de Santo
Cristo, RS, identificando qual é a formação familiar predominante e sua influência nas relações deste
espaço e nos demais ambientes sociais, por meio de um questionário e procedendo sob a forma de
pesquisa bibliográfica e de campo. Buscamos embasar teoricamente nosso trabalho, com Luiz Carlos
Osorio, Enildo Pessoa entre outros. Com a pesquisa realizada podemos perceber que a formação
familiar que predomina na referente turma é a constituição nuclear. Considerando que a formação
familiar não é tão importante, quanto à função que a família deve exercer com responsabilidade na
transmissão de valores éticos e morais para que o indivíduo possa conviver em sociedade.
Palavras-chave: Formação familiar, Sociedade Contemporânea, Escola.
Referências:
DESSEN, Maria Auxiliadora; POLONIA, Ana da Costa. A Família e a Escola como contextos de desenvolvimento
humano. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/paideia/v17n36/v17n36a03.pdf>. Acessado em: 27.06.2011
JUNQUEIRA FILHO, Gabriel de Andrade. Linguagens geradoras: Seleção e articulação de conteúdos em
educação infantil. Porto Alegre, Mediação: 2011.
OSORIO, Luiz Carlos. Casais e Famílias: uma visão contemporânea. Porto Alegre: Artmed, 2002.
PESSOA, Enildo. A escola e a libertação humana. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.
IBGE-Instituto brasileiro de Geografia e Estatística. Projeção da População do Brasil. Disponível em:
<http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_impressao.php?id_noticia=1272>Acessado em:
26.06.2011
JOGOS E APRENDIZAGENS EM SALA DE AULA
De: MARISA FELIX MORAES ([email protected]) Orientado por: ZENAIDE HEINSCH
([email protected]), ELISABETE ANDRADE ([email protected])
Esta escrita apresenta em seu contexto reflexões vividas durante o Estágio Supervisionado IV
em que enfatizei a aprendizagem por meio de atividades lúdicas e divertida com jogos didáticopedagógicos, literatura infantil e atividades em grupos. A intervenção pedagógica foi realizada em
uma escola da rede pública estadual com a turma do 3° ano do Ensino Fundamental de nove anos,
com 19 crianças de 8 e 9 anos. Foram proporcionadas as crianças situações de aprendizagens por
meio de histórias infantis, brincadeiras orientadas, brincadeiras livres, jogos didáticos, vivências e
aprendizagens em grupos. O brincar é importante em todas as idades, mas nas séries iniciais é mais
importante, ainda é nessa fase que as crianças desenvolvem as múltiplas linguagens que fazem parte
de seu crescimento. Autores como benjamin (2002), Koudella (2009), Kishimoto (1999) e Abramovich
(1997), demonstram nos seus escritos a importância dos jogos e da literatura infantil para o
desenvolvimento criativo, emocional, imaginário e construtivo da criança. Com a realização destas
intervenções pedagógicas aprendi a respeitar as diferenças todos os aspectos do cotidiano escolar,
aprendi também que são de pequenas ações que começam as grandes mudanças.
Palavras-chave: Ludicidade, Jogos, Criança.
Referências:
ABRAMOVICH, Fanny. Literatura infantil: gostosuras e bobices. 3. Ed. Scipione, 1997.
BENJAMIN, W. Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. São Paulo: Summus, 1984.
BETTELHEIM, Bruno (1978). A psicanálise dos contos de fadas. Tradução de Arlene Caetano - Rio de Janeiro:
Paz e Terra, 2002.
BRASIL, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira n° 9.493/1996.
- 110 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros
curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEE, 1997.
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais:Matemática. 2a edição. Rio
de Janeiro: DP&A, 2000.
COLELLO, Silvia M. Gasparian. Alfabetização em questão. 2. Ed. Editor Paz e Terra, 2004.
FERREIRO, Emilia. Com todas as Letras. São Paulo: Cortez , 2001.
GENTILE, Paola e Gurgel, Thaís. Conta de Cabeça;04/2007 p.61Nova Escola.
A CULTURA GAÚCHA E O MUNDO DO FAZ DE CONTA NA
EDUCAÇÃO INFANTIL
De: MARISA FELIX MORAES ([email protected]) Orientado por: VERA BEATRIZ ZIMMERMANN
WEBER ([email protected]), SILVIA NATALIA DE MELLO ([email protected])
Este artigo apresenta em seu contexto reflexões vividas durante o Estágio Supervisionado III, do
curso de Pedagogia da SETREM, no qual enfatizei a cultura gaúcha de forma lúdica e divertida com
jogos, literatura infantil, lendas sobre o folclore gaúcho, com as quais montamos um álbum de lendas.
A intervenção pedagógica teve a duração de quarenta horas, foi realizada em uma escola da rede
pública com a turma de jardim “B” com 15 crianças de 4 e 5 anos. Foram proporcionadas as crianças
situações de aprendizagens por meio de histórias infantis, brincadeiras orientadas, brincadeiras livres
e jogos didáticos. O brincar é muito importante na educação infantil, pois é nessa fase que as
crianças desenvolvem as múltiplas linguagens que fazem parte de seu crescimento. Tendo como
objetivos ressaltar a cultura gaúcha com atividades lúdicas. Autores como BETTELHEIM (2002),
KOUDELLA (2009), KISHIMOTO (1996) E ABRAMOVICH (1997), demonstram nos seus escritos a
importância dos jogos e da literatura infantil para o desenvolvimento criativo, emocional, imaginário e
construtivo da criança. Trabalhar com lendas e folclore gaúcho com as crianças da Educação Infantil
foi muito bom, pois a cada lenda que contava era uma nova descoberta para elas e sem falar que
tivemos aulas sobre cultura de uma forma diferenciada, pois foi por meio de jogos literatura infantil e
atividades lúdicas que despertou o interesse das mesmas que abordei a cultura gaúcha com as
crianças do jardim “B” durante a intervenção pedagógica. Levo comigo a certeza de um objetivo
alcançado, quando me lembro do sorriso no rosto e o brilho nos olhos de cada uma das crianças da
turma jardim “B”.
Palavras-chave: Literatura, cultura gaúcha, ludicidade.
Referências:
ABRAMOVICH, Fanny. Literatura infantil: gostosuras e bobices. 3. Ed. Scipione, 1997.
ARAÚJO, Lizandro. Folclore, tradição na cultura gaucha. Coordenador da Disciplina de Tradição e Folclore.
Arroio Grande-RS.
21ª Região Tradicionalista. Disponível em: <http://www.culturagaucha.com.br/folclore.html>. Acesso em:
10/2010.BETTELHEIM, Bruno (1978). A psicanálise dos contos de fadas. Tradução de Arlene Caetano - Rio de
Janeiro: Paz e Terra, 2002.
BUJES, Maria Isabel Edelweiss Infância e maquinarias. Rio de Janeiro: DPeA, 2002.
COLELLO, Silvia M. Gasparian. Alfabetização em questão. 2. Ed. Editor Paz e Terra, 2004.
DORNELLES, Leni Vieira. Infâncias que nos escapam: da criança na rua à criança cyber. 2. Ed. Petrópolis, RJ:
- 111 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Vozes, 2008.
FERREIRO, Emília. Com todas as letras. São Paulo: Cortez, 2001.
GIDDES, ANTHONY. Sociologia. Tradução Sandra Regina Netz. - 4. Ed.- Porto Alegre: Artmed, 2005.
GOLDSCHMIED, Elinor; JAKSON, Sonia. Educação de 0 a 3 anos: o atendimento em creche. 2. Ed. Porto
Alegre: Artmed, 2006.
KISHIMOTO,Tizuko Morchida. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 5. Ed. Cortez Editora, 1996
KOUDELA, Ingrid Dormien. Jogos teatrais. 7. Ed. – São Paulo: Perspectiva, 2009.
MURCIA, Juan Antonio Moreno. Aprendizagem através do jogo. 1. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2005.
SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. /Magda Soares. 3. Ed. Belo Horizonte: Autêntica
Editora, 2009.
WWW.mtg.org.br. Movimento Tradicional Gaúcho. Acesso em 10/10/2010
PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE, COMPROMISSO
SOCIAL DE TODOS
De: ELAINE CAMARGO PACHECO ([email protected]) Orientado por: ZENAIDE HEINSCH
([email protected]), ELISABETE ANDRADE ([email protected])
Apresento a intervenção pedagógica do Estágio Supervisionado IV realizada com uma turma de
4ª série do Ensino Fundamental de Nove Anos, com treze crianças de 9 a 13 anos. Tive clareza que
as crianças deviam ter um conhecimento mais amplo sobre o Meio Ambiente, tema este abordado
com olhar diferente aos muitos aspectos ambientais percebidos até então pelas crianças. Nos
Parâmetros Curriculares Nacionais o tema Educação Ambiental é um tema transversal, tendo então
que ser trabalhado em todos os componentes curriculares e em todas as séries. Os cuidados com
preservação do meio ambiente é um posicionamento que precisa ser possibilitado às crianças do
Ensino Fundamental de nove anos, com isso poderão aprender a preservar o Meio em que vivem,
com prazer e não como obrigação e tenham um espaço de qualidade, no qual proporcione uma
melhor qualidade de vida e levem a mensagem do cuidar, até suas famílias. As aprendizagens com
as crianças foi muito interessante, não esperava que acontecesse coisas tão surpreendentes como
aconteceram. Metodologias das quais elas não conheciam foram bem aceitas, a participação no geral
foi gratificante e a cada estágio que nós encerramos é uma experiência a mais, as crianças nos
deixam mais reflexivas e capazes de nos colocar no lugar do outro para entendermos algumas
situações vivenciadas nos dias das intervenções pedagógicas
Palavras-chave: Meio ambiente, Criança, Cuidar.
Referências:
ABRAMOVICH, Fanny, Gostosuras e Bobices, Literatura Infantil. 3º edição. Scipione,1993.
ANDRÉ, Marli. (Org). Pedagogia das diferenças na sala de sala. Campinas, SP: PAPIRUS,2008.
História Global: Brasil e Geral – Volume Único COTRIM, Gilberto. Ed. Saraiva S.A , São Paulo.2008
LAJOLO, Marisa. ZILBERMAN, Regina. Literatura Infantil Brasileira Historias e historias.Editora Atica.1985.
LEFF,Enrique.Saberambiental:sustentabilidade,racionalidade,complexidade,poder.Tradução de Lúcia Mathilde
Endlich Orth.Petrópolis, RJ: Vozes,2004.
VYGOTSKY,L.S. A Formação Social da Mente.6 Ed- São Paulo Martins Fontes, 1998.
- 112 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
ZACCUR, EDWIGES,GARCIA,REGINA LEITE(Orgs) Alfabetização:Reflexões Sobre Saberes Docentes: E
Saberes Discentes: São Paulo: Cortez,2008.
RUSCHEINSKY, Aloisio. Educação Ambiental: Abordagens Múltiplas/ organizado por Aloisio Ruscheinsky. Porto
Alegre: Artmed, 2002.
A CRIANÇA E SEU DESENVOLVIMENTO SOCIOCULTURAL
ATRAVÉS DO BRINCAR
De: ADRIANE DIANE ZINGLER ([email protected]) Orientado por: Silvia Natália
([email protected]), Vera Beatriz Pinto Zimmermann Weber ([email protected])
de
Mello
O presente artigo é uma construção teórica reflexiva da prática desenvolvida na área de
Educação Infantil, na turma de pré-escola de uma escola da rede municipal de ensino do município
de Três de Maio - RS, através do componente curricular Estágio Supervisionado III do curso de
Licenciatura Plena em Pedagogia, que trás este em sua ementa para permitir as acadêmicas a
investigar a realidade da instituição em que a atuação foi realizada, com crianças de 4 a 5 anos,
possibilitando a construção da identidade docente por meio da observação e participação na escola,
realizando uma leitura da realidade e da rotina das escolas com crianças desta idade, respeitando as
diversidades.. As atividades desenvolvidas e analisadas durante o estágio com as crianças,
abordaram o tema relacionado à cultura gaúcha. Tive como objetivo através da analise das práticas,
descrever a importância do brincar e do ensino da cultura para o desenvolvimento da criança e de
suas aprendizagens dentro do contexto sociocultural. Nessa perspectiva a interação com o outro é
fundamental para o processo de ensinar e de aprender. O estudo produzido esta fundamentado em
autores como: Vygotsky(1998), Kramer(1998), Rego(1995)Leenhart(1973) ;Kishimoto, (2002),
Huizinga (1980). Não como conclusão mas como considerações finais o brincar é um meio de
desenvolver, ensinar e constituir a criança, em um sujeito social capaz de pensar e se relacionar
socialmente, respeitando as diversidades culturais de seu povo. Contudo, foi por meio das atividades
desenvolvidas, que percebi o quanto o brincar é importante neste processo de ensino aprendizagem
e no desenvolvimento deste infante.
Palavras-chave: criança, desenvolvimento, cultura, brincar.
Referências:
ARIES, Philippe. História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro. LTC,1978.
BROUGÉRE, Gilles. Jogo e educação. Trad. Patrícia Chittoni Ramos. Ed. Artes Médicas. Porto Alegre,1998.
DORNELLES,Leni Vieira.Infâncias que nos Escapam: da Criança na Rua à Criança Cyber. Ed. Petropolis, RJ:
Vozes 2008.
GULLICH, Roque Ismael da Costa;LOVATO, Adalberto.EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
Pesquisa: normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. Três de Maio: Ed.
SETREM, 2007.
HUIZINGA, Johan Homo Ludes.O jogo como elemento da cultura. Ed. Perspectiva S>A 2º edição, São
Paulo,1980.
Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental.
- 113 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
POSSIBILIDADE DE ALFABETIZAR LETRANDO A PARTIR
DA LITERATURA INFANTIL
De: João Ricardo Prestes Froes ([email protected]) Orientado por: SILVIA NATALIA DE MELLO
([email protected]), VERA BEATRIZ ZIMMERMANN WEBER ([email protected])
Vivemos numa sociedade com variadas práticas sociais de leitura e escrita. A literatura infantil é
importante no processo de alfabetização e letramento. É fundamental que a família e a escola
(principalmente na Educação Infantil), durante a infância proporcione momentos e práticas de leitura
para que as crianças tenham possibilidades de adquirir o gosto e o hábito pela leitura. Além de
oportunizar a formação de autores através da exploração de escrita e de gêneros textuais. Esta
pesquisa se desenvolveu a partir do projeto intitulado “Possibilidade de alfabetizar letrando a partir da
literatura infantil” e foi desenvolvido numa Instituição de Ensino localizada no município de Três de
Maio, com uma turma de Segundo ano do Ensino de Fundamental de Nove anos, composta por treze
crianças. A pesquisa se realizou no componente curricular Estágio Supervisionado II do Curso de
Pedagogia da Sociedade Educacional de Três de Maio – SETREM. A pesquisa foi de abordagem
qualitativa, procedimento descritivo, pesquisa-ação, fundamentação teórica e a técnica de
observação. A elaboração do projeto e planejamento das situações de aprendizagens foi
desenvolvida no decorrer das quarenta horas de intervenção pedagógica e oito horas de observação.
Neste estudo objetivou-se analisar e realizar práticas de alfabetização e letramento, as relações de
ensino-aprendizagem na matemática e do trabalho em grupo, e a literatura infantil como recurso
fundamental no processo de alfabetização e letramento. Os principais autores utilizados a discussão
teórica são: Colello (2004), Grossi (2005/6), Soares (1998), Zilberman (2001/3). Concluo afirmando
que a prática educativa oportunizou a formação de leitores, a constituição de autores através da
exploração de escrita e de gêneros textuais. E por isso, alfabetizar letrando é um dos requisitos
básicos possíveis para as crianças conhecerem e alargarem seus universos pessoais e sociais, em
busca de novos significados, de maneira a compreenderem a realidade, em suas múltiplas
dimensões.
Palavras-chave: Alfabetização; letramento; literatura infantil.
Referências:
BORDIN, Jussara; GROSSI, Esther Pillar. (organizadoras). Paixão de Aprender. 11° Edição, Editora Vozes;
Petrópolis, RJ: 2000.
________. FREIRE, Madalena. O que é um grupo?
COLELLO, Silvia Mattos Gasparian. Alfabetização em questão. 2° Edição revista e ampliada; Rio de Janeiro: Paz
e Terra. 2004.
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário Luiz Santos; Metodologia da
Pesquisa: normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. Três de Maio: SETREM,
2007.
KAMII, Constance. A criança e o número: implicações educacionais da teoria de Piaget para a atuação junto a
escolares de 4 a 6 anos. (Tradução: Regina A. de Assis). 9° Edição; Campinas: Papirus, 1988.
SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 1998.
ZILBERMAN, Regina. Literatura Infantil na Escola. 11° Edição revista, atualizada e ampliada. São Paulo: Editora
Global, 2003.
ZILBERMAN, Regina. Fim do Livro, Fim dos Leitores. São Paulo: Editora Senac, 2001.
- 114 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
PERSPECTIVAS DOS PAIS EM RELAÇÃO À ESCOLA
De:
DENISE
MARIA
GROTH
([email protected]),
GRACIELI
KRILOW
STRAUSS
([email protected]), NEIDE CARLISE WEBER ([email protected]) Orientado por: ZENAIDE
HEINSCH ([email protected])
Esta escrita se constitui a partir de estudos realizados no Componente Curricular de Sociologia
da Educação, desenvolvido no 1° Semestre de 2011, no 3 °período do Curso de Licenciatura Plena
em Pedagogia - SETREM. Apresenta uma pesquisa social realizada com trinta pais de uma escola do
município de Humaitá/RS em turmas de 3º ano, 5ª série e 2º ano do Ensino Médio. Com esta
pesquisa foi possível compreender o papel social e educativo da escola. Buscamos relatar o ponto de
vista dos pais diante da educação recebida pelos seus filhos, como os mesmos contribuem para esta
educação, como eles se relacionam com a instituição de ensino e que contribuições esperam da
escola. Diante das afirmações dos pais, destacamos e aprofundamos alguns pontos significativos,
além de fazer reflexões sobre o assunto.
Palavras-chave: Educação, Escola, Pais.
Referências:
ARANTES, Valéria Amorim. Afetividade na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 2003
CORTELLA, M.S.; LA TAILLE, Y. de. Nos Labirintos da Moral. Campinas, SP: Papirus, 2005
CUBERO, Rosário. Relações sociais nos anos escolares: família, escola, companheiros. In; COLL, César.
Desenvolvimento psicológico e educação. V. 1. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.
LIBÂNEO, J. C.; OLIVEIRA J. F.; TOSCHI M. S.; Educação escolar: políticas estrutura e organização. 2ª ed. São
Paulo: Cortez, 2005. (Coleção Docência em Formação)
MACEDO, R. M. A família diante das dificuldades escolares dos filhos. Petrópolis: Vozes, 1994.
SCHIMIDT. Maria Junqueira. Também os pais vão à escola. 4ª ed. Ver. E atual. Rio de Janeiro, Agir, 1973.
PRESTES, Irene Carmem Piconi. Psicologia da educação - Curitiba: IESDE, 2005.
POLITY, Elizabeth. Dificuldade de aprendizagem e família: construindo novas narrativas. 1ª. Edição. São Paulo:
Vetor, 2001.
ZABALZA, Miguel. Como educar em valores na escola. Revista Pátio Pedagógica. Ano 4, nº 13, mai/jul. 2000.
O DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR NA CRIANÇA DE 3
ANOS
De: CRISTIANE KIRCH FRITZEN ([email protected]) Orientado por: ELISABETE ANDRADE
([email protected]), MOACIR JULIANI ([email protected]), MARINA ZUCATTO
([email protected])
O estudo “O desenvolvimento psicomotor na criança de 3 anos” teve como objetivo proporcionar
às crianças de 3 anos, de uma Escola de Educação Infantil de um município da região Noroeste do
Estado do Rio Grande do Sul, condições de desenvolver seu potencial motor, através da expansão
de seus movimentos, exploração do corpo e do espaço a sua volta, compreendendo que a
psicomotricidade é importante para todas as aprendizagens escolares. Foi desenvolvido a partir de
- 115 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
uma pesquisa de abordagem qualitativa, tendo como procedimento pesquisa-ação, pesquisa
documental e pesquisa bibliográfica. Foi realizado estudo do Projeto Político Pedagógico e do Plano
de Estudos da escola, realização de 10 horas de observação, culminando numa intervenção
pedagógica de 40 horas, seguida de análise dos dados e elaboração de um Memorial de Estágio
embasado em teóricos como: Goldschmied e Jackson (2006), Brêtas(2006), Lapierre(1986) e
Junqueira(2005), estudados no decorrer do componente curricular ed Estágio Supervisionado I, e em
outros teóricos considerados relevantes de acordo com a temática.Este estudo culminou com as
sistematizações e aprendizagens sendo socializadas em um Seminário e na III Mostra de Práticas
Pedagógicas do Estágio Supervisionado I. O estágio proporcionou momentos de aprendizagens e
conhecimentos fundamentais para formação acadêmica, aliando a teoria com a prática. As noções
sobre Psicomotricidade que os teóricos trazem, puderam ser vistos na prática, em cada atividade
realizada se percebeu o desenvolvimento de cada criança, dentro de suas potencialidades.
Palavras-chave: Palavras-chave: Psicomotricidade; Criança; Desenvolvimento.
Referências:
BARBOSA, Maria Carmem Silveira. HORN, Maria da Graça Sousa. Projetos pedagógicos na educação infantil.
PORTO Alegre: Artmed,2006
BRÊTAS, José Roberto da silva. Cuidados com o desenvolvimento Psicomotor e emocional da criança: do
nascimento a três anos de idade. 1ª Ed. São Paulo: Ed. Átria, 2006.
GOLDSCHMID, Elinor; JACKSON, Sonia; Educação de 0 a 3 anos: o atendimento em creche. 2. Ed. Porto
Alegre: Artmed, 2006.
JUNQUEIRA, Gabriel de Andrade Filho. Linguagens geradoras: seleção e articulação de conteúdos em
educação infantil. Porto Alegre: Mediação, 2005.
LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário Luiz Santos; GÜLLICH, Roque Ismael da Costa. Metodologia da
Pesquisa: normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. Três de Maio: SETREM,
2005.
LAPIERRE, André. A educação psicomotora na escola maternal – uma experiência com os ―pequeninos‖. Trad.
de Ligia Elizabeth Henk. São Paulo: Manole Ltda., 1986
OLIVEIRA, Zilma Ramos de, Educação Infantil: Fundamentos e métodos. 3 ed. São Paulo: Cortez 2007
A LUDICIDADE NA TERCEIRA IDADE
De: kátia Schú ([email protected]), DANIELA REGINA HAMMES ([email protected]), Ana Paula
Kraemer Carpes () Orientado por: NEUSETE MACHADO RIGO ([email protected]), NEUSA CRISTINA
PEREIRA ([email protected])
Este artigo se constitui a partir de estudos realizados no Componente Curricular de Prática
Pedagógica Alternativa, desenvolvido no 2° Semestre de 2010, no 2o período do Curso de
Licenciatura Plena em Pedagogia-SETREM. A pesquisa foi realizada em um Lar de Idosos, de um
município na região noroeste do estado do Rio Grande do Sul. O presente artigo tem como objetivo
aprimorar a valorização dos idosos para que os mesmos percebam sua importância na sociedade,
assim aumentando sua auto-estima e participando de processos de diálogo. Como metodologia foi
utilizada abordagem qualitativa, pesquisa bibliográfica e pesquisa de campo, e como técnica a
entrevista com os idosos, trazendo recortes de fala dos mesmos. No decorrer da pesquisa foram
enfatizados aspectos relacionados á relação do que é ser idoso no Brasil hoje e da educação popular,
utilizando-se da observação para entender a realidade dos envolvidos e a ludicidade como forma de
mostrar-lhes uma nova possibilidade, uma maneira diferente de encarar a vida. A escrita teve como
base as obras de Papalia (2006), Nahmias (2009), Luckesi (2000), Freinet (1998), Negrine (2000),
- 116 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Viana (2000). Como resultado desta pesquisa foi possível ver de perto a realidade destas pessoas
que freqüentam o lar dos idosos por necessidades básicas de alimentação, atenção, cuidado e
carinho. Além de ter sido uma prática de fundamental importância ela com certeza acrescentou muito
em nossa formação, conseguimos compreender o que realmente importa, ter uma visão um pouco
mais crítica das coisas e pessoas que nos rodeiam, como também notou-se nitidamente que
atividades lúdicas são sim importantes na Terceira Idade, que além de estimulá-los, faz com que se
sintam capazes e valorizados.
Palavras-chave: terceira idade, lúdico, educação popular.
Referências:
VIANA, I. C. Unidades de alimentação e nutrição (UANs) de instituições geriátricas: estrutura física, operacional e
organizacional [dissertação]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo; 2000.
LUCKESI, Cipriano Carlos. Educação, ludicidade e prevenção das neuroses futuras: uma proposta pedagógica a
partir da Biossíntese. In: LUCKESI, Cipriano Carlos (org.) Ludopedagogia - Ensaios 1: Educação e Ludicidade.
Salvador: Gepel, 2000.
FREINET, Célestin. A educação do trabalho. 1ª ed. São Paulo-SP : Martins Fontes,1998;
.NEGRINE, Airton. O lúdico no contexto da vida humana: da primeira infância à terceira idade. In: Brinquedoteca:
a criança, o adulto e o lúdico. 1ª ed. Petrópolis-RS : Vozes, 2000;
PAPALIA, Diane E., OLDS, Sally Wendkos, FELDMAN, Ruth Duskin. Desenvolvimento humano. 8° ed. Porto
Alegre: Artemed, 2006.
NAHMIAS, Marcela Tchimino. Os desafios da Educação Popular Frente à Diversidade e à exclusão. In: Pontual,
Pedro, Ireland, Timothy. Educação Popular na América Latina: diálogos e perspectivas. Brasília, Ministério da
Educação, UNESCO. 1° Ed. Brasília, 2009.
OS ENCANTOS E DESENCANTOS DA PEDAGOGIA NO
ÂMBITO SOCIAL
De: ANATHÁLIA CAROLINE FELTEN ([email protected]), CRISTIANE APARECIDA ANTUNES
CARNEIRO ([email protected]), LISIANE PERIN ([email protected]), RITIELI CAROLINE
LIPPERT DA SILVA ([email protected]) Orientado por: JANE TERESINHA DONINI RODRIGUES
([email protected])
O projeto ora apresentado teve como objetivo investigar se o Curso de Pedagogia atingiu as
expectativas das acadêmicas que estão em fase de conclusão. Para alcançar o objetivo proposto, foi
realizada uma pesquisa com oito acadêmicas concluintes de Cursos de Pedagogia de Instituições de
Ensino Superior da Região Noroeste do Rio Grande do Sul. A pesquisa, de abordagem qualiquantitativa, teve como recurso para coleta de dados o questionário com perguntas abertas e
fechadas, cujas respostas foram posteriormente analisadas com base em teorias que contribuíram
para a ampliação da compreensão do fenômeno estudado. A partir da questão “Se você iniciasse a
graduação novamente, faria Pedagogia de novo? Porquê? Foi possível identificar as pedagogas
seguras de sua escolha e que elencaram os motivos desta escolha. Foi computado um total de 87,5%
das acadêmicas que não escolheriam outra graduação e pretendem seguir a profissão de pedagoga.
Palavras-chave: Palavras-chave: escolhas, pedagogia, pesquisa
Referências:
Linayo, maria cecília de sousa- Pesquisa Social
- 117 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
A INFLUÊNCIA DA FAMÍLIA NO DESEJO DE APRENDER
De: ADRIANE CRISTINA CHASSOT ([email protected]) Orientado por: VERA BEATRIZ PINTO
ZIMMERMANN WEBER ([email protected])
O tema deste estudo é “a influência da família no desejo de aprender”; tem como principal
objetivo refletir sobre o envolvimento das famílias na educação dos seus filhos, através da
valorização e estímulo atribuída a escola. Para realizar a pesquisa caracterizada de abordagem
qualitativa, que para coleta de dados foram feitos questionários abertos, os sujeitos de pesquisa
foram os pais de estudantes do 3º Ano do Ensino Fundamental de uma instituição Comunitária e de
outra da Rede Estadual de Ensino situadas nos perímetros urbanos de dois municípios pertencentes
à Região Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Após a coleta de dados, estes foram analisados
e discutidos a partir do referencial teórico sustentado pelos seguintes autores Ariès, Fernandez,
Osório, Wallon e Vigotski. Com a análise das respostas, pude perceber que os pais têm consciência
da importância de sua participação e envolvimento no rendimento escolar de seus filhos, buscando se
fazer presente acompanhando as tarefas escolares, participando de reuniões, incentivando e
mostrando a importância da educação na vida de seus filhos. Diante disso, fica a importância desde
estudo para que a família e a escola procurem manter um dialogo (elo), para que juntas possam fazer
com que a criança possa se desenvolver de uma forma integra e agradável, sendo que as duas
possuem responsabilidades no processo de aprender.
Palavras-chave: Família, aprendizagem, escola.
Referências:
ARIÈS, Philippe. História Social da Criança e da Família. 2ª Ed.Editora S.A. Rio de Janeiro, 1981.
BOCK, Ana Mercês Bahia et all. Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. São Paulo: Saraiva, 1989.
DANTAS, H. Afetividade e a construção do sujeito na psicogenética de Wallon, em La Taille, Y., Dantas, H.,
Oliveira, M. K. Piaget, Vygotsky e Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus Editorial
Ltda. 1992.
FERNANDÉZ, A. A inteligência aprisionada. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.
FERNÁNDEZ, Alicia. Os Idiomas do Aprendente: análise das modalidades ensinantes com família, escolas e
meios de comunicação. Porto Alegre: Artemed, 2001.
FERNÁNDEZ, Alicia. Autonomia de pensamento: possibilidades de expressão. In: GROSSI, Esther Pillar;
BORDIN, Jussara (org). Paixão de Aprender. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1992.
FERREIRA, Liliana Soares. Educação e história. Editora Unijui- Ijuí, 2001.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra,
1996.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da Indignação – Cartas Pedagógicas e Outros Escritos. São Paulo: UNESP, 2000.
FREIRE, Paulo; BETTO, Frei. Essa Escola Chamada Vida. São Paulo: Atica, 2000.
MARQUES, Mário Osório. Aprendizagem na mediação social do aprendido e da docência. Ed. Unijui – Ijui, 2000.
MINAYO, M. C. de S. (Org.) et al. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Editora Vozes,1994.
NOGUEIRA, M. A.. Relação família-escola: novo objeto na sociologia da educação. Cadernos de Educação
PAIDEIA, FFCLRP-USP, Ribeirão Preto, Fev/ago (1998).
- 118 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
OSÓRIO, Luiz Carlos. Casais e Famílias: uma visão contemporânea. Editora Artmed, Porto Alegre, 2002.
SMOLKA, A. L. B. & GÓES, M. C. (orgs.) A linguagem e o outro no espaço escolar: Vygotsky e a construção do
conhecimento. São Paulo: Editora Papirus,1995.
VYGOTSKY, L. S. A formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes1994.
VYGOTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2000.
WALLON, H. A evolução psicológica da criança. Lisboa: Edições 70. 1968.
WALLON, H. As Origens do Caráter na Criança. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1971.
PAIN, Sara. Função da Ignorância. Artmed, Porto Alegre, 1992.
POLIT, Denise F; BECK Cheryl T; HUNGLER Bernadette P. Fundamentos de Pesquisa em Enfermagem. 5ª ED.
Porto Alegre: Artemed, 2004.
RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa Social: métodos e técnicas. 3ª Ed, Atlas, São Paulo, 1999.
OFICINAS PEDAGÓGICAS
De: Tatiana Dallavechia ([email protected]), Deise Graciéli Tresel ([email protected]), Juliana
Santos Farzem ([email protected]) Orientado por: Neusete Machado Rigo ([email protected])
A prática descrita foi realizada no Componente Curricular de Pesquisa e Prática Pedagógica
Alternativa, do Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia, no segundo semestre do ano de dois mil
e dez. A prática foi realizada em uma escola de um município da região noroeste do Rio Grande do
Sul, envolvendo alunos e professores participantes Projeto Escola Aberta. Os alunos da atualidade
estão voltados para um novo aprender, onde a aprendizagem está começando cada vez mais cedo
com alguns projetos que estão voltados para melhorar a educação. Um desses projetos que são
realizados em comunidades carentes é o da escola Aberta, onde também se desenvolve a educação
popular, que é uma forma que se tem de conhecer a realidade que está à nossa volta, criando assim
oficinas pedagógicas para realizar trabalhos que possam assim amenizar a desigualdade social que
presenciamos, ao mesmo tempo, proporcionar aos alunos, pais e comunidade em geral momentos de
descontração, aprendizagens e descobertas de uma forma diferente da tradicional, de uma forma em
que a ludicidade seja uns dos principais enfoques apresentados. Com essa intencionalidade os
objetivos são buscar através das oficinas pedagógicas momentos de ludicidade, descontração e
aprendizagem, visando também a valorização do trabalho e a integração entre alunos, pais,
professores e a comunidade em geral. A partir desta prática realizada podemos dizer que a mesma
teve uma abordagem qualitativa, onde procuramos desenvolver um trabalho de boa qualidade, pois
com isso conseguimos despertar a atenção, a curiosidade e a criatividade dos alunos que se
envolveram nessa prática. Tivemos como base teórica pesquisas bibliográficas realizadas em livros e
internet que abordam sobre a educação popular e oficinas pedagógicas. A fundamentação teórica se
deu com BARBOSA (2006), FREIRE (1996), TORRES (2002), BONETI (1997), PREFEITURA
MUNICIPAL
DE
GRAVATAÍ(1999),http://www.seduc.rs.gov.br/pse/html/escola_aberta.jsp?ACAO=acao1
e
www.projetospedagogicosdinamicos.kit.net/index_arquivos/page756.htm. Infere-se assim que durante
o percurso da prática vimos o quanto é importante o trabalho em grupo, e também como ficaram em
nós as aprendizagem com tudo o que vivenciamos naquela escola. E no momento em que vimos a
alegria nos olhos daquelas crianças, nos trouxe a tona boa parte daquilo que nós queríamos que
acontecesse, havíamos conseguido aí, trazer a elas um pouco de vida, de alegria, de momentos que
elas esqueceram um pouco da vida que vivem lá fora, do outro lado dos portões da escola.
Palavras-chave: Educação Popular; Projeto Escola Aberta; oficinas Pedagógicas
- 119 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Referências:
Prefeitura Municipal de Gravataí. Secretaria Municipal de Educação e Cultura. Teoria e Fazeres; caminhos da
educação Popular. Gravataí, 1999.
BARBOSA, Maria Carmen Silveira. Por amor e por força: rotinas na educação infantil. Artmed, 2006.
Freire, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra,1996
(Coleção Leitura)
Torres, Rosa Maria (org.).
Educação Popular: Um encontro com Paulo Freire
In. Coleção Educação Popular, n 9, 2 edição.
Edições Loyola, São Paulo, 2002.
<http://www.seduc.rs.gov.br/pse/html/escola_aberta.jsp?ACAO=acao1>, acesso em 22 de outubro de 2010
<www.projetospedagogicosdinamicos.kit.net/index_arquivos/page756.htm>, acesso em 05 de novembro de
2010.
Boneti, Lindomar Wessler (coord.). Educação, exclusão e cidadania. Ijuí, Ed. UNIJUÌ, 1997.
PROFISSÃO DOCENTE: IMAGEM SOCIAL DE ONTEM E
HOJE
De: DANIELA REGINA HAMMES ([email protected]), Kátia Lidiane Schú ([email protected]),
CATELINE
CHITOLINA
([email protected]),
ANA
PAULA
KRAEMER
CARPES
([email protected]) Orientado por: ZENAIDE HEINSCH ([email protected])
Na antiguidade o professor era visto como um referencial, um verdadeiro modelo moral e
político, não apenas porque era tido como um cidadão exemplar, mas também porque era visto como
um sacerdote ao ofício do saber. Com o passar dos anos ocorreram muitas mudanças. Os avanços
tecnológicos trouxeram as pessoas maior rapidez no acesso as informações e o conhecimento. A
profissão docente que outrora era tão reconhecida começou a ser esquecida tornando o professor um
mero transmissor de conhecimentos. Em virtude disto nos questionamos a respeito de quais os
fatores que influenciaram para tamanha mudança. O projeto de pesquisa teve como tema “Profissão
docente: imagem social de ontem e hoje”, com cunho qualitativo, envolvendo vivencias de pessoas
da comunidade escolar, onde foi realizada pesquisa de campo com quatro professoras aposentadas,
quatro professoras com mais de 20 anos de atuação na profissão, quatro professores recémformados e quatro pessoas da comunidade da cidade de Horizontina/RS com idade acima de 30
anos. A escrita teve como base as obras de Arroyo (2000), Aquino(2007), Azevedo (2002), Esteve
(1991), Freire (1996, 1989, 2001), Gadotti (1999), Moran (2000), Nóvoa(1998), Oliveira (2004),
Pereira (1999), Ranghetti (2002), Romanelli (1998). Por fim, através das reflexões que fizemos nesta
pesquisa percebemos que existem muitos fatores que modificaram a imagem da profissão docente de
tempos atrás e de nossa contemporaneidade, destacando como principal a inovação tecnológica.
Enfatizando que ocorreu uma mudança social em relação à visão do professor, este que ainda é
essencial, possuindo grande importância e influencia para as transformações sociais.
Palavras-chave: Docente, Profissão Professor, Imagem social.
Referências:
ARROYO, Miguel G. Oficio de Mestre: Imagens e Auto-Imagens. Petrópolis, Rio de Janeiro. Vozes,2000
AQUINO, José. O aluno, o professor e a escola. Prática de ensino de Geografia e estágio supervisionado, São
Paulo: Contexto, 2007.
MORAN, José Manuel, MASETTO, Marcos e BEHRENS, Marilda. Novas Tecnologias e Mediação Pedagógica.
- 120 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
São Paulo, Papirus Editora, 2000.
NÓVOA, António (Coord.). Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1998.
OLIVEIRA, Valesca Fortes de, (Org) Imagens de professor: significações do trabalho docente. Ijuí: Editora Unijui
2004
PEREIRA, Maria Eliza; GIOIA, Silvia Catarina. Séculos XVIII e XIX: revolução na economia e política. In:
ANDERY, Maria Amália Pie Abib et al. Para compreender a ciência: uma perspectiva Histórica. 8 ed. Rio de
Janeiro: Espaço e Tempo; São Paulo: EDU, 1999.
Oliveira (2004), Pereira (1999), Romanelli (1998), Ranghetti (2002), Freire (1996, 1989, 2001), Esteve (1991),
Gadotti (1999), Azevedo (2002),
ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da Educação no Brasil. 20ed. Petrópolis- RJ: Vozes, 1998.
RANGHETTI, Diva S. Afetividade. In: FAZENDA, Ivani (Org.). Dicionário em
construção: interdisciplinaridade. 2.ª ed. São Paulo: Cortez, 2002, p. 87-89.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática
educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996
FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. 29 edição. São Paulo: Paz e Terra,1989.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. Saberes necessários para à prática educativa. São Paulo: Paz e
Terra, 2001.
ESTEVE, José (1991). "Mudanças sociais e função docente". António Nóvoa (Org.). Profissão professor , 93-125,
Porto. Porto Editora
GADOTTI, M. Convite à leitura de Paulo Freire. São Paulo: Scipione, 1999.
AZEVEDO, Giselle Arteiro N. Arquitetura Escolar e Educação: um Modelo Conceitual de Abordagem
Interacionista. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: COPPE/UFRJ, 2002.
A GRUTA NOSSA SENHORA DE FÁTIMA
De:
ADRIANE
DIANE
ZINGLER
([email protected]),
ELAINE
CAMARGO
PACHECO
([email protected]) Orientado por: VALSENIO GAELZER ([email protected])
O estudo retrata a história da comunidade Cinco Esquinas do interior de Independência e a
origem da Gruta Nossa Senhora de Fátima de Cinco Esquinas. Por meio de histórias podemos
trabalhar a cidadania e a História e Geografia nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. O projeto foi
desenvolvido a partir do componente curricular Fundamentos, Metodologia do Ensino da Sociedade e
Cidadania e que apresenta em sua ementa a proposta de possibilitar as acadêmicas a trabalhar a
trajetória cosmológica e humana, bem como suas constantes transições e adaptações em novos
contextos no tempo e no espaço realizando análises e reflexões da atuação do professor no processo
educativo. Ao mesmo tempo desenvolver possibilidades de elaborar novas propostas para o ensino
da Sociedade e Cidadania na Educação Infantil e nas Séries Iniciais. As acadêmicas tinham o
objetivo de conhecer e resgatar a história da comunidade Cinco Esquinas do interior de
Independência. Isto devido a desvalorização das crenças deste povo atualmente em suas dimensões
religiosas que, percebendo esse fator, estes estabeleceram o desafio para reconstruir a Gruta
daquele local e manter de geração em geração a sua religiosidade. O desenvolvimento do projeto foi
por meio de uma pesquisa que envolve pessoas da comunidade de Cinco Esquinas que vão por meio
de entrevista expor a história da Gruta.Também serão feitas pesquisas bibliográficas em livros atas e
livros de assinatura dos Romeiros, e álbuns de fotografias, assim permitindo e possibilitando por meio
desta pesquisa e obra resultante o conhecimento desta história por mais pessoas da região.Para
desenvolver este trabalho as acadêmicas tiveram aporte teóricos de autores como CALLAI (2002). O
resultado foi a produção de uma pequena história local que foi desdobrada numa apostila que poderá
- 121 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
servir como subsídio didático de História e Geografia dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Foi
uma excelente pesquisa, pois além de conhecermos a realidade e a história daquele povo tão
religioso, podemos sentir o quanto foi gratificante para aquelas pessoas serem ouvidas e perceber
que muitas crianças da comunidade por meio do livro irão conhecer a história do surgimento da Gruta
e a importância que ela tem neste local.
Palavras-chave: história, comunidade, gruta.
Referências:
CALLAI, Helena Copetti,ZARTH, Paulo Afonso.O estudo do município e o ensino de história e geografia. Ed.
UNIJUI, 1988.
CALLAI, Helena Copetti .O ensino em estudos sociais. Ijuí : Ed. Unijuí, 2002.
CAVALCANTI, Zélia.Trabalhando com história e ciências na pré-escola. Ed. Artes Médicas, Porto Alegre - 1995.
A HISTÓRIA DA EDUCAÇAO DE JOVENS E ADULTOS NO
BRASIL
De: CAROLINA MOTA SCHNEIDER ([email protected]), CRISTINA WERLE DA SILVA TURRA
([email protected]) Orientado por: SILVIA NATALIA DE MELLO ([email protected])
Essa pesquisa surgiu a partir do componente curricular, Educação de Jovens e Adultos do curso
de Licenciatura Plena em Pedagogia, tendo por objetivo principal conhecer a educação de jovens e
adultos (EJA) compreendendo a prática de dialética de saberes dos estudantes, buscando conhecer
a história da Educação de Jovens e Adultos (EJA) no Brasil e sua oferta pelo poder público. A
pesquisa foi realizada em uma instituição que oferece esta modalidade de ensino, localizada em uma
cidade da região noroeste do estado do RS. No decorrer da pesquisa os\as alunos\as que frequentam
esta instituição educacional relataram, em depoimentos e conversas informais, sua trajetória escolar
e o que os\as levou a optarem por esta modalidade, também analisamos materiais e documentos que
compõe este ensino comparando-os com a legislação que orienta e embasa essa etapa. A partir
desta vivência socializamos em sala de aula as aprendizagens a EJA em espaços públicos formais,
ampliando os saberes sobre a educação popular. Verificamos que nesta área da ciência existem
poucos estudiosos que se dedicam a aprofundar os estudos que perpassam a Educação de Jovens e
Adultos sendo que a mesma tem pouco reconhecimento social, mas que possui uma longa história no
Brasil e ainda é extremamente necessária sua oferta em virtude das demandas verificadas em
censos escolares. O estudo produzido está fundamentado em autores como: MOURA (1999),
SAMPAIO (2009), FREIRE (2001), MOBRAL (1993).
Palavras-chave: História, EJA, sociedade.
Referências:
BELLO, José Luiz de Paiva. Movimento Brasileiro de Alfabetização - MOBRAL. História da Educação no Brasil.
Período do Regime Militar. Pedagogia em Foco, Vitória, 1993.
Disponível em: http://www.pedagogiaemfoco.pro.br/heb10a.htm. Acesso em 16 de março.
MEC. Programa Brasil Alfabetizado. Acesso em 05 de abril.Disponível
emhttp://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=13096&Itemid=53
SAMPAIO Narcizo Marisa; ALMEIDA Souza Rosilene; PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS:
Complexidade, desafios e propostas, 2009.
FREIRE, Paulo; PEDAGOGIA DOS SONHOS POSSÍVEIS, 2001.
- 122 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
MOURA, Tânia Maria de Mello. A prática pedagógica dos alfabetizadores de jovens e adultos: Contribuições de
Freire, Ferreiro e Vygotsky. EDUFAL, 1999
“CTRL C CTRL V”: O COMPUTADOR COMO FACILITADOR
DE TAREFAS ESCOLARES
De: Édina Jaqueline Mayer ([email protected]), Deise Graciéli Tresel ([email protected]) Orientado
por: Zenaide Zeinsch ([email protected])
O presente artigo é resultado de uma pesquisa de campo, no qual o assunto principal é a
utilização de sites de busca na fundamentação de trabalhos escolares, tendo o computador como um
facilitador dessa tarefa. Pois estamos na era que em que as crianças e os adolescentes estão em
duradouro caso de amor com o computador, com isso ele se torna muito presente na vida escolar,
consequentemente fazendo com que os alunos fundamentem seus trabalhos escolares em sites de
busca, mas até que ponto essas informações que são retiradas da internet são confiáveis e será que
os alunos sabem filtrar essas informações. Nessa perspectiva essa pesquisa objetiva compreender
de que forma os alunos fundamentam seus trabalhos escolares e também qual é a opinião dos
professores sobre esse assunto. Com a pesquisa conclui-se que para os alunos a internet é sim, um
meio muito importante e utilizado para a fundamentação dos trabalhos escolares, pois os alunos
concordam que é uma maneira muito fácil e prática para esse fim. Do nosso ponto de vista,
concluímos que a internet é sim uma rica ferramenta para ser usada na obtenção de informações,
mas desde que seja usada com responsabilidade e senso crítico. Mas não podemos esquecer de que
os livros, não podem ser deixados de lado, pois sempre nos acompanharam e não podem ser
esquecidos, sendo substituídos pela internet.
Palavras-chave: Sites de busca; Pesquisa Escolar; Informações.
Referências:
DEMO, P.
Instrucionismo e nova mídia. In: SILVA, M. (Org.).
Educação online. São Paulo: Edições Loyola, 2003.
LÉVY, P.A
Conexão planetária: o mercado, o ciberespaço, a consciência.
2. ed. São Paulo: Editora 34, 2003
MORAM, M. J.
Contribuições para uma pedagogia da educação online. In: SILVA, M. (Org.).
Educação online. São Paulo: Edições Loyola, 2003.
MORAN, José Manuel
Como utilizar a internet da educação.
Link: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-19651997000200006, acesso em 06 de julho
de 2011.
OLIVEIRA, B. V. de (Org.).
Informática em psicopedagogia. São Paulo: Editora SENAC, 1996.
Papert, Seymour
A máquina das crianças: repensando a escola na era da
Informática / Seymour Paper; trad. Sandra Costa. – Porto Alegre:
Artes Médicas, 1994.
VIGOTSKI, Lev Semenovich, 1896-1934.
- 123 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores/ L. S. Vigotski;
organizadores Michael Cole ... [et al.]; tradução José Silveira Menna Barreto, Solange Castro Afeche – 6ª Ed. –
São Paulo: Martins Fontes, 1998. – (Psicologia e Pedagogia)
http://www.institutohipnologia.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=115:lei-de-plagio-nobrasil&catid=5:gerais&Itemid=13
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9610.htm
http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?pid=S0009-67252007000300002&script=sci_arttext&tlng=en
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: A PRESERVAÇÃO
AMBIENTAL COMO TEMÁTICA
De: CRISTIANE KIRCH FRITZEN ([email protected]) Orientado por: VERA BEATRIZ PINTO
ZIMMERMANN WEBER ([email protected]), SILVIA NATALIA DE MELLO ([email protected])
O estudo “Alfabetização e letramento: a preservação ambiental como temática” teve como
objetivo proporcionar às crianças do 2º ano, de uma Escola Municipal de Ensino Fundamental de um
Município da região noroeste do Rio Grande do Sul, momentos de leitura e escrita, enfatizando a
importância da preservação ambiental. É fundamental que os estudantes desenvolvam a
sensibilização em relação à preservação ambiental, desde o Letramento e a Alfabetização. A escola
torna-se o espaço aonde as crianças vão aprendendo a se sensibilizar sobre os fenômenos naturais,
da ação do homem e suas conseqüências para o meio ambiente. É uma pesquisa de abordagem
qualitativa, tendo como procedimento pesquisa-ação e pesquisa documental. Foi realizado estudo do
Projeto Político Pedagógico e do Plano de Estudos da escola, realização de 10 horas de observação,
culminando numa intervenção pedagógica de 40 horas, seguida de análise dos dados e elaboração
de um Artigo embasado em teóricos como: Collelo(2004), Ferreiro(2001), Soares(2010, e Dias(2004),
estudados no decorrer do componente curricular e em outros teóricos considerados relevantes. A
Educação Ambiental deverá ser constante no cotidiano escolar, a fim de que os estudantes percebam
a importância da preservação ambiental e constituam hábitos condizentes para uma conduta social
que possibilite a compreensão dos fenômenos naturais e da ação do homem e suas conseqüências
para si e para o meio ambiente. O tema preservação ambiental com a alfabetização e o letramento foi
desafiador, e importante, possibilitando a diversificação das aulas, com passeios, jogos e
brincadeiras, que estimularam a leitura e a escrita. O estágio proporcionou momentos de
aprendizagens e conhecimentos fundamentais para formação acadêmica, aliando a teoria com a
prática.
Palavras-chave: Palavras-chave: Alfabetização; Letramento; Meio Ambiente.
Referências:
BRASIL. Parecer CNE/CEB nº 13/2009, aprovado em 3 de junho de 2009 - Diretrizes Operacionais para o
atendimento educacional especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Disponível em:<
http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12745&Itemid=866>. Acesso em: 23 de
abril 2011.
BRASIL, Programa Nacional de Educação Ambiental – ProNEA. Brasília, 3ª edição. Disponível em:
<http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/educacaoambiental/pronea3.pdf.> Acesso em: 23 de abril 2011.
BRASIL. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Brasília: DOU de 16.9.2010. Disponível em
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6938.htm> Acesso em 10 de jun 2011.
COLLELO, Silvia Mattos Gasparian, Alfabetização em questão, 2ª edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2004.
DIAS, Genebaldo Freire. Educação Ambiental: princípios e práticas. 9ª edição. São Paulo: Gaia, 2004.
FERREIRO, Emília. Cultura escrita e educação: conversas de Emília Ferreiro com José Antônio Castorina,
- 124 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Daniel Goldin e Rosa Maria Torres. (Trad. Ernani Rosa). Porto Alegre: Artmed, 2001.
GROSSI, Esther Pillar. Didática da alfabetização. 5ª edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.
LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário Luiz Santos; GÜLLICH, Roque Ismael da Costa. Metodologia da
Pesquisa: normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. Três de Maio: SETREM,
2005.
MEIRELES, Cecília.Ou isto ou aquilo. 3ª Edição, Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.
MORIN, Edgar, KERN, Anne Brigitte. Terra Pátria. 3ª Ed. Porto Alegre: Sulina, 2002.
SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 4. Ed.- Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.
VIGOTSKI, Lev Semenovich. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológico
superiores. 6ª edição. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
DESENVOLVIMENTO DO ESQUEMA CORPORAL NA
CRIANÇA DE 0 A 3 ANOS
De: IANARA NORENBERG ([email protected]) Orientado por: ELISABETE ANDRADE
([email protected]), MARINA ZUCATTO ([email protected]), MOACIR JULIANI
([email protected])
O presente estudo foi desenvolvido a partir de um projeto que fez referência ao desenvolvimento
do esquema corporal na criança de 0 a 3 anos como proposta do Componente Curricular do Estágio
Supervisionado I – 0 a 3 anos do Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia-SETREM. Teve como
objetivos proporcionar às crianças a oportunidade de explorarem seus movimentos corporais,
conhecendo os limites e possibilidades do próprio corpo, desenvolvendo a coordenação motora
ampla e fina a partir de situações de aprendizagens que priorizassem o brincar. O desenvolvimento
do esquema corporal precisa ser visto com bons olhos, compreendido e evidenciado pelo profissional
da Educação Infantil, pois ele vem auxiliar o desenvolvimento motor e intelectual da criança, sendo
que o corpo e a mente são elementos integrados da sua formação. Para realização da prática foram
realizadas 10 horas de observação da realidade, diálogo com as crianças e a professora da turma,
registros das observações no diário de bordo, pesquisa bibliográfica, intervenção pedagógica de
quarenta horas, reflexão das práticas em sala de aula. Foi uma pesquisa de abordagem qualitativa,
tendo como procedimento a pesquisa-ação, culminando na produção de um memorial sistematizando
as práticas desenvolvidas com as crianças. Barbosa (2008), Brêtas(2006), Freire (2009),
Goldschmied e Jackson (2006), Junqueira (2006) e Oliveira (2007), foram os teóricos que utilizei para
embasar o estudo. O ponto de partida para o/a professor/a estimular a linguagem gestual-corporal na
criança é explorando seus movimentos corporais.
Palavras-chave: Crianças; Corpo; Desenvolvimento.
Referências:
BARBOSA, Maria Carmen Silviers. HORN, Maria da Graça Souza. Projetos Pedagógicos na Educação Infantil.
Porto Alegre: Artmed, 2008.
BRÊTAS, José Roberto da Silva. Cuidados com o desenvolvimento psicomotor e emocional da crianças: do
nascimento a três anos de idade.1ª edição. São Paulo: Iátria, 2006.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. 39ª edição. São Paulo: Paz
e terra, 2009.
GOLDSCHMIED, Elinor, JACKSON, Sonia. Educação de 0 a 3 anos: o atendimento em creche. 2ª edição. Porto
Alegre: Artmed, 2006.
- 125 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
JUNQUEIRA, Gabriel de Andrade Filho. Linguagens geradoras: seleção e articulação de conteúdos em
educação infantil. 2ª edição. Porto Alegre: Mediação, 2006.
LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário e GÜLLICH, Roque. Metodologia da Pesquisa: Normas para
Apresentação de Trabalhos: Redação, Formatação e Editoração. Três de Maio: Ed. Setrem, 2007.
OLIVEIRA, Zilma M. Ramos de. Educação Infantil: fundamentos e métodos. 3ª edição. São Paulo: Cortez, 2007.
RUMO A UMA APRENDIZAGEM DELICIOSA
De: ADRIANE CRISTINA CHASSOT ([email protected]), CRISTINA WERLE DA SILVA TURRA
([email protected]) Orientado por: DAGMA HEINKEL ([email protected])
Com o Projeto de Estudo: “Rumo a uma aprendizagem deliciosa”, buscamos sinalizar no
contexto escolar da Educação Infantil, o corpo, os cuidados para com a saúde, a higiene, a
alimentação e a importância dos movimentos/exercícios corporais para uma melhor qualidade de vida
desde a infância. Em sala de aula, nos momentos da merenda, fomos percebendo os diferentes e
variados tipos de alimentação trazidos de casa pelas crianças. Tendo na ação pedagógica uma
possibilidade de “outros” pensamentos e posturas de vida, buscamos, juntamente com a família, a
construção e formação de aprendizagens, noções, valores, hábitos e cuidados com o próprio corpo,
num desafio constante e inconcluso da prática com as crianças pequenas. A busca de uma
conscientização para uma alimentação balanceada, variada e mais natural possível na infância é uma
possibilidade de um desenvolvimento mais saudável. Através de atividades lúdicas como: versos,
poesias, músicas, charadas, parlendas, preparação e degustação de receitas saudáveis, construção
do jogo da memória e quebra-cabeça, foram momentos e fazeres pedagógicos oportunizados às
crianças da Creche Mista.
Palavras-chave: APRENDIZAGEM, ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL, CRIANÇA
Referências:
ARROYO, Miguel G. A infância interroga a pedagogia. In: SARMENTO, Manuel & GOUVEA, Maria Cristina
Soares (orgs.) Estudos da Infância: educação e práticas sociais. Petrópolis/RJ: Vozes, 2008.
_____. Ofício de Mestre: imagens e auto-imagens. Petrópolis/RJ: Vozes, 2000.
BARBOSA, Maria Carmem Silveira. Por amor e por força: rotinas na educação infantil. Porto Alegre: Artmed,
2006.
_____. Culturas escolares, culturas de infância e culturas familiares: as socializações e a escolarização no
entretecer destas culturas. Disponível em: Scielo artigos, Educação & Sociedade, v.28, nº 100, Campinas,
out./2007, p. 1-16. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010173302007000300020&script=sci_abstract&tlng=e. Acesso em: 25 de Jan 2010.
AS PRÁTICAS EDUCATIVAS DE JOVENS E ADULTOS
De: TATIANE SCHULTZ ([email protected]), Ana Luiza Kettner ([email protected])
Orientado por: Silvia Natália de Mello ([email protected])
As Práticas Educativas de Jovens e Adultos.O presente estudo teve como foco principal a
Educação de Jovens e Adultos (EJA ) baseados nos processos de aprendizagens com aporte da
Legislação, a partir de observações realizadas em um espaço escolar NEJA (Núcleo de Educação de
- 126 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Jovens e Adultos ) no município de Três de Maio. Este estudo traz algumas considerações
importantes que compreendam a alfabetização do NEJA, assim percebido durante a observação
desenvolvida. Neste contexto trazemos a relação professor e aluno no espaço da Educação de
Jovens e Adultos refletindo sobre algumas questões de escrita e na formação do aluno. E concluímos
com este estudo que a alfabetização de Jovens e Adultos requer formação do educador (a) para
atuar nesta modalidade de ensino, buscar novas metodologias, considerando os interesses dos
jovens e adultos na sua vida para que o mesmo tenha um melhor convívio na sociedade como um ser
participativo.Referente à metodologia proposta na EJA, é interessante que levemos em conta a faixa
etária dos estudantes, seus conhecimentos, experiências, vivências, habilidades e dificuldades.Este
estudo foi embasado na Legislação Brasileira trazendo autores Andre(1999), Arantes(2003),
Brasil(2000,2010), Freire(1996), Garcia(2008), LDB(1996).
Palavras-chave: Palavras-chaves: Eja, Neja, Alunos.
Referências:
ANDRÉ, Marli (org). Pedagogia das diferenças na sala de aula. Campinas, SP: Papirus, 1999.
ARANTES, Valéria Amorim. Afetividade na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 2003.
BRASIL. LDBEN-Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. LEI No. 9.394, de 20 de dezembro de 1996.
D.O. U. de 23 de dezembro de 1996.
BRASIL, Conferência Nacional de Educação. Disponível em <http://portal.mec.gov.br/conae/>. Acesso em 17
mar. 2010.
BRASIL, Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação, Câmara de Educação Básica. Parecer
11/2000: Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Distrito federal. Publicação:
Diário Oficial da União, 9/6/2000.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra,
1996.
GARCIA, Regina Leite, ZACCUR, Edwiges (Orgs). Alfabetização: reflexões sobre saberes docentes e saberes
discentes. São Paulo: Cortez, 2008.
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa, LOVATO, Adalberto, EVANGELISTA, Mário Luiz Santos. Metodologia da
pesquisa: Normas para a apresentação de Trabalhos: redação, Formatação e editoração. Três de Maio: Editora
SETREM, 2007.
RIBEIRO, Vera Masagão (Org). Educação de Jovens e Adultos: novos leitores, novas leituras. Campinas, SP:
Mercado de Letras: Associação de Leitura do Brasil-ALB; São àulo: Ação Educativa 2001.
SAMPAIO, Marisa Narcizo, ALMEIDA Rosilene Souza. Práticas de Educação de Jovens e Adultos:
complexidades, desafios e propostas. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.
SOUZA, Maria Antônia de. Educação de Jovens e Adultos. Curitiba: Ibpex, 2007.
TRABALHO E CIDADANIA
De: TATIANE SCHULTZ ([email protected]), Adriana de Fatima Fernandez ([email protected])
Orientado por: VALSENIO GAELZER ([email protected])
- 127 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Trabalho e Cidadania. O presente projeto teve a finalidade de produzir material didáticopedagógico alternativo para viabilizar aos alunos e alunas do 1º ano do Ensino Fundamental a
releitura critica de aspectos históricos e geográficos da vida local/global, abrangendo várias
peculiaridades da construção social do espaço do município de Independência, localizado na região
noroeste do estado do Rio Grande do Sul, assim produzimos um livro didático envolvendo uma
história real, de modo que a construção do espaço social do município de Independência seja
ressaltada a partir de um relato vivenciado no cotidiano da cidade. Elaboramos uma proposta
alternativa para abordar o entendimento de tempo e espaço, partindo da vivência local dos alunos e
alunas ampliando seus conhecimentos sociais, culturais, espaciais, temporais e econômicas. Para
que assim elas estabelecessem relações entre anterioridade, posterioridade e simultaneidade e de
conhecer a história de vida do Sr. “Pedro Arantes”, respeitando às diferenças e reconhecendo as
semelhanças, e também as peculiaridades da vida profissional de “catador de papel” e a sua
relevância. Percebendo assim a importância de atitudes cotidianas no cuidado com o meio ambiente.
Esta pesquisa foi de cunho qualitativa, com uma entrevista com questões semi – estruturada, a
entrevista semi-estruturada com perguntas abertas e fechadas, na qual o entrevistador teve a
possibilidade de saber mais sobre o tema abordado e poder discorrer sobre o tema em questão sem
se prender à indagação formulada.
Palavras-chave: Palavras-chaves: História, Culturais, Geografia.
Referências:
BRASIL. Ministério da Educação e Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais Educação Fundamental -1ª à 4ª
série. volume 5, 1997.
BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB 9.394. de 20 de
dezembro de 1996.
MINAYO, Cecília de Souza (org).. Pesquisa social: teoria método e criatividade. 29. Ed. Vozes, Rio de Janeiro:
2010.
OLIVEIRA, Marta Kohl de. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento. Um processo sócio-histórico. 4. Ed.
Editora Scipione, São Paulo, 1999.
COPETTI CALLAI, Helena.O Ensino Em Estudos Sociais.2.Ed.Editora Unijuí, Ijuí,2002.
TERESA NIDELCOFF,Maria.A escola e a compreensão da realidade.e.Ed.Editora Brasiliense
S.A,Rosario/Argentina,1975.
LUIZ CALLAI,Jaeme. Área de estudos sociais; metodologia,org.2.Ed. Editora Unijuí,ÍJUI ,1986.
APRENDENDO OS VALORES MORAIS COM O
SMILINGUIDO
De: CAROLINA MOTA SCHNEIDER ([email protected]) Orientado por: ELISABETE ANDRADE
([email protected]), ZENAIDE HEINSCH ([email protected])
Essa pesquisa tem como objetivo relatar o primeiro Estágio Supervisionado I – 0 a 3 anos. Em
uma escola municipal de Educação Infantil, localizada na região noroeste do estado do RS. Realizado
nos dias vinte e oito de setembro a nove de outubro do ano de 2009, totalizando quarenta horas de
estágio e dez horas de observações no âmbito escolar, concretizada com crianças de três anos do
maternal II B. Havendo como temática “Aprendendo os Valores Morais com o Smiliguido” que surgiu
a partir das observações efetivadas e do planejamento escolar da instituição. Possuindo como
principal intencionalidade reforçar os valores morais, através de histórias baseadas nos ensinamentos
bíblicos, trazendo juntamente o boneco e um diário de registro, onde a família teve a oportunidade de
interagir com as crianças, sendo que as mesmas estão se constituindo enquanto cidadão e formando
sua personalidade enquanto sujeito, propondo a elas a importância dos valores morais para melhor
convivência com as outras pessoas que fazem parte do seu contexto social, familiar e escolar.
Palavras-chave: Palavras- Chave: Valores morais, Crianças, Escola.
- 128 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Referências:
GOLDSCHMIED Elinor, JACKSON Sonia. Educação de o á 3 anos: O atendimento em creche. Porto AlegreRS.2006
GONZÀLEZ C.Batituci Graça. A maneira Lúdica de Ensinar: De acordo com os PCNS.Volumes: um e quatro. ED.
Fapi, 2000
GULLICH, Roque Ismael da Costa;LOVATO,Adalberto; EVANGELISTA, Mário dos Santos.Metodologia da
Pesquisa: normas
para apresentação de trabalhos: redação ,formatação e editoração. Três de Maio: ED. SETREM, 2007.
AS TEORIAS DE APRENDIZAGEM NO FAZER
PEDAGÓGICO DOCENTE
De: MIRIAN OLIVEIRA DA SILVA ([email protected]), CAMILA KUNZLER MACHADO
([email protected]), Daiane de Fátima Wagner ([email protected]), PATRICIA KLEINPAUL
ROSSAROLA ([email protected]) Orientado por: VERA BEATRIZ PINTO ZIMMERMANN WEBER
([email protected])
O presente estudo possibilita a compreensão e análise das teorias da aprendizagem e
especificamente busca conhecer a teoria que embasa o fazer pedagógico do/as professores/as da
Rede Municipal de Ensino de um município da região noroeste do estado do Rio Grande do Sul. Para
tanto, o trabalho levou em consideração a formação docente e sua forma de planejamento, a partir de
uma pesquisa de campo de abordagem qualitativa, que teve seus dados coletados por meio de
questionário aberto aplicados a todos os/as professores/as dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental.
Enfatizando a relevância das teorias da aprendizagem para o fazer docente, constatou-se que a
grande maioria dos/as professores/as questionados/as tem por base a teoria Construtivista
Piagetiana, e embasa o seu fazer pedagógico em autores Pós-piagetianos, os quais levam em conta
como ponto de partida para novos conhecimentos o que a criança já sabe superficialmente e o que
precisa aprofundar. Outro aspecto pertinente é a construção da profissionalidade, do ser professor,
seu processo de formação e constituição que ao longo deste estudo buscamos discutir juntamente
com os autores Arroyo (2000), Tardif (2008) e Fontana (1997). Percebe-se dessa forma a importância
de conhecer os diferentes olhares/teorias sobre a prática a fim de compreendê-la em toda a sua
complexidade, pois ela está presente em nosso fazer pedagógico, no contexto escolar, e também em
nosso discurso.
Palavras-chave: Teorias da aprendizagem; Formação docente; Planejamento escolar.
Referências:
ARROYO, Miguel G. Ofício de Mestre: Imagens e auto-imagens. 3° Edição, Petrópolis-RJ: Vozes, 2000.
FONTANA, Roseli. CRUZ, Maria Nazaré. Psicologia do Trabalho Pedagógico. São Paulo-SP: Atual, 1997.
TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 9° Edição, Petrópolis-RJ: Vozes, 2008.
- 129 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
AS FACES DA VIOLÊNCIA
De: Bruna Rafaela da Silva ([email protected]), Caroline Hösel ([email protected]),
Pâmela Luana Lipke ([email protected]), Simone da Cunha da Rosa ([email protected])
Orientado por: Rita de Cassia Maciazeki Gomes ([email protected])
Nos dias atuais a violência ocupa um grande espaço nos meios de comunicação. Este estudo
desenvolvido inicialmente para o componente de Psicologia do Curso de Pedagogia da Faculdade
Três de Maio, SETREM apresenta discussões teóricas sobre o fenômeno da violência. A literatura
(BOCK, 2008) aponta que os casos de agressão são causados por conteúdos conscientes e
inconscientes, podendo ser manifestados de tanto de forma verbal como não-verbal. A violência não
está exclusivamente relacionada ao crime, mas também a desigualdades sociais, hoje cristalizadas
em nossa sociedade. Outra questão, é a associação direta entre adolescência e violência, uma vez
que adolescentes são considerados como a nova “classe perigosa”, tanto como agentes quanto como
vítimas, que pode ocorrer nas ruas, escolas e nas famílias (CASTEL, 2008). A agressividade é
construída nas pessoas com o convívio social, através do processo de socialização, portanto os
inúmeros tipos de violências são resultados de uma construção de nossa sociedade, e isso não pode
ser deixado de lado, cabe a cada um de nós fazer a sua parte para combater a violência.
Palavras-chave: violência, agressividade, sociedade.
Referências:
Bock, Ana. Psicologias: uma introdução ao estudo da psicologia. São Paulo: Saraiva, 2008.
Castel, Robert. A insegurança social. Petrópolis: Vozes, 2005
BIBLIOTECA PÚBLICA COMO ESPAÇO DE CIDADANIA
De: CATELINE CHITOLINA ([email protected]) Orientado por:
([email protected]), Neusa Cristina Pereira ([email protected])
Neusete
Machado
Rigo
A escrita deste memorial é decorrente dos estudos realizados no componente curricular
Pesquisa e Prática Pedagógica Alternativa, oferecido no segundo semestre de 2010 no curso de
Licenciatura Plena em Pedagogia da SETREM. A Educação é concebida como meio para
desenvolver os conhecimentos acumulados historicamente, sendo esta exercida em espaços formais
e não-formais de convívio social. Este estudo coloca em foco a importância da leitura por verificar
uma crescente necessidade em despertar nos indivíduos o gosto pela mesma. Assim, por intermédio
de um projeto de intervenção numa biblioteca pública tendo por objetivo incentivar a leitura e sua
importância para as camadas populares, empobrecidas culturalmente. Junto à comunidade de um
município pertencente à Região Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul com o tema “Biblioteca
Pública como espaço de Cidadania”, devido que a Educação Popular acontece em vários espaços da
sociedade, tendo como intenção política a concepção de mundo enfatizando as classes mais
oprimidas da população. A pesquisa deu-se a partir de entrevistas feitas com pessoas da
comunidade, observações e intervenção que proporcionou as informações necessárias para a
reflexão. A escrita teve como base as obras de Arroyo (2000), Clauss (1982), Ferreira (1999), Freire
(1979/2000/2001), Foucambert (1997), Lovato (2007), Marques (2008), Rios (1998),Torres (2002).
Como resultado, constatou-se que todas as etapas da história da humanidade passam por intermédio
da leitura. Com as reflexões feitas a partir da coleta dos dados, bem como a revisão bibliográfica
nota-se que estamos inseridos em uma sociedade totalmente imediatista e sem tempo, imediatista
por estar na busca desenfreada de informações com desejo de leituras imediatizadas sem ter tempo
para pensar devido à correria do dia-a-dia. Portanto, torna-se necessário restabelecer vivências de
leituras nas suas diferentes manifestações, a fim de despertar a criatividade estimulando o
desenvolvimento do gosto pela leitura, bem como o senso crítico.
Palavras-chave: Cidadania, Educação, Leitura.
- 130 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Referências:
ARROYO, Miguel G. Ofício de Mestre: imagens e auto imagens. Editora: Vozes, Petrópolis-RJ,2000.
Biblioteca de Alexandria. Disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Biblioteca_de_Alexandria. Acesso em 30 de
agosto de 2010.
Biografia Paulo Freire. Disponível
emhttp://www.paulofreire.org.br/asp/template.asp?secao=biografia&sub=biografia3. Acesso em 3 de novembro
de 2010.
Contação de História e Desenvolvimento da Criança. Disponível em
http://portalliteral.terra.com.br/artigos/contacao-de-historias-e-desenvolvimento-da-crianca. Acesso em 14 de
outubro de 2010.
CLAUSS,Romualdo Justmann. Evolução Histórico-Geográfica de Tucunduva, 1982.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. Editora Paz e Terra, São Paulo, 2000.
FREIRE, Paulo. A importância do ato de Ler. Editora- Cortez, São Paulo, 2001
FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Editora Paz e Terra, Rio de Janeiro, 1979.
FOUCAMBERT, Jean. A criança, o professor e a leitura. Editora: Artes Médicas, Porto Alegre, 1997
FERREIRA, Liliana. Leitura e Conhecimento na perspectiva da modernidade em costrução. Editora: Unijuí, IjuíRS, 1999.
História da escrita. Disponível em http://www.suapesquisa.com/artesliteratura/historiadaescrita.htm. Acesso em
30 de agosto de 2010.
Lovato, Adalberto, Evangelista, Mário Luiz Santo, Güllich, Roque Ismael da Costa. Metodologia da Pesquisa:
Normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. Três de Maio: Ed. SETREM,2007.
MARQUES, Vera Regina Beltrão. História da Educação- Curitiba. IESDE, Brasil S. A,2008
Origem o termo biblioteca. Disponível em http://princesasissi.blogspot.com/2006/09/origem-do-termo-bibliotecaconceito.html. Acesso em 30 de agosto de 2010.
RIOS, Ribeiro Dermival. Dicionário prático da língua portuguesa. São Paulo: Difusão Cultural do Livro, 1998.
TORRES, Rosa Maria. Educação Popular: Um Encontro com Paulo Freire. Editora Loyola, São Paulo, Brasil,
1987, segunda edição: agosto de 2002.
NO MUNDO DA LEITURA: O PROCESSO DA
ALFABETIZAÇÃO
De: Patrícia Gabriela Butzen ([email protected]) Orientado por: Silvia Natália de Mello
([email protected]), VERA BEATRIZ PINTO ZIMMERMANN WEBER ([email protected])
O presente trabalho, “No mundo da leitura: o processo da Alfabetização”, teve como objetivo
proporcionar momentos de histórias, leitura e escrita, enfatizando a importância da literatura, dos
contos e histórias infantis, às crianças do 2º ano, de uma Escola Municipal de Ensino Fundamental de
um Município da região noroeste do Rio Grande do Sul. É fundamental que as crianças desenvolvam
desde cedo o gosto pela leitura desde a Alfabetização e o Letramento. A escola torna um espaço
importante para que esta criança aprenda a ser humano pensante, que aprendam a desenvolver a
concepção real de mundo com pensamentos críticos. É uma pesquisa de abordagem qualitativa,
tendo como procedimento pesquisa-ação, pesquisa documental e bibliográfica. Foi realizado estudo
do Projeto Político Pedagógico e do Plano de Estudos da escola, realização de 10 horas de
- 131 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
observação, culminando numa intervenção pedagógica de 40 horas, seguida de análise e discussão
dos dados, embasado em teóricos como: Collelo (2004), Ferreiro (2001), Abramovich (1993),
Zilbermann (2003) Soares (2010) Freire (2006) e Arroyo (2004), estudados no decorrer do
componente curricular e outros teóricos considerados relevantes. Conceber a Alfabetização e o
Letramento num mundo mágico, que são os livros, possibilitou a realização de aulas dinâmicas de
aprendizagem com jogos, leitura, escrita, tudo isso através da leitura de bons livros. É importante
constatar o significado de trabalhar com leituras prazerosas, gostosas que significa muito no processo
de alfabetização das crianças, proporcionando aprendizagens e conhecimentos.
Palavras-chave: Alfabetização, letramento, histórias infantis.
Referências:
COLELLO, Silvia Matos Gasparian; Alfabetização em questão.
SOARES, Magda; Letramento um tema em três gêneros.
LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário Luiz Santos; GÜLLICH, Roque Ismael da Costa. Metodologia da
Pesquisa: normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. Três de Maio: SETREM,
2005.
SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 4. Ed.- Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.
FERREIRO, Emília. Cultura escrita e educação: conversas de Emília Ferreiro com José Antônio Castorina,
Daniel Goldin e Rosa Maria Torres. (Trad. Ernani Rosa). Porto Alegre: Artmed, 2001.
ZILBERMAN, Regina, A literatura infantil na escola 11. Ed. Ver. Atual. E ampl. -São Paulo: Global, 2003.
ABRAMOVICH, Fanny. O estranho mundo em que se mostra ás crianças: São Paulo, Summus,1993.
ARTES: UMA POSSIBILIDADE DE APRENDIZAGEM NA
EDUCAÇÃO INFANTIL
De: Daiane Streicher Pereira ([email protected]) Orientado por: VERA BEATRIZ
ZIMMERMANN WEBER ([email protected]), Silvia Natália de Mello ([email protected])
PINTO
Esta Intervenção desenvolvida em uma escola da Rede Pública do Município de Três de Maio RS fez-me repensar vários aspectos do ser criança. Da importância da brincadeira, que trago aqui, de
como podemos utilizar outras formas de alfabetização para a criança e não sendo aquela
tradicionalista que é sentada e quietinha, temos que envolver as sensações, os movimentos, a
capacidade intelectual, desenvolvendo a motricidade, desvendando este corpo. Durante estas 48
horas de observação e atuação, percebi também a importância de ter um planejamento, de ser
criativo, de ocupar o que temos em mãos, e não somente reclamar do que nos falta.A cultura, outro
aspecto importante, a forma de como estamos agindo com as crianças seja em casa com a família ou
mesmo na escola entre professores e colegas. A Interação a troca de informações precisa ser
entendida por ambos os lados. É necessário compreensão, diálogo para que as atividades
aconteçam da melhor maneira possível.Para poder fundamentar, atuar apoderei-me de alguns livros,
algumas referencias, alguns autores tais eles: Vigotski, Abramovich, Freire, Bujes, Ariés, dentre
outros que deram-me suporte.
Palavras-chave: crianças, brincadeiras, alfabetização.
Referências:
ABRAMOVICH, Fanny. Literatura Infantil. Gostosuras e Bobices. Editora Scipione, São Paulo, 5ª Ed, 1997.
ARIÉS, Philippe. História Social da Criança e da Família. Editora S.A, Rio de Janeiro, 2ª Ed. 1981.
- 132 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
BUJES, Maria Isabel Edelweiss. Infância e Maquinarias. Editora DPA, Rio de Janeiro, 2002.
CORAZZA, Sandra Mara. História da Infância sem fim. Editora Unijuí, Ijuí, 2ª Ed. 2004.
FALKENBACH, Atos Prinz. ―Uma experiência como professor‖. Editora UNIVATES, 2002.
FREIRE, J. B. "Educação de corpo inteiro". São Paulo. Editora Scipione, 1992.
HEYLEN, Jacqueline. Parlenda, Riqueza Folclórica. Editora, HUCITEC. Brasília, 1987.
VYGOTSKY, Lev.S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes. 1989.
Emílio, ou, da Educação – ROSSEAU
JACOBY. Sissa. A criança e a produção cultural. Porto Alegre. Mercado Aberto, 2003.
NARODOWSKI. Mariano. Infância e Poder: Conformação da Pedagogia Moderna. 2001.
PEDAGOGOS/AS E AS PERSPECTIVAS DE ATUAÇÃO NA
EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL
De: DAIANE STREICHER PEREIRA ([email protected]) Orientado por: JANE TERESINHA DONINI
RODRIGUES ([email protected]), ZENAIDE HEINSCH ([email protected]), VERA BEATRIZ
PINTO ZIMMERMANN WEBER ([email protected])
Esta pesquisa tem por objetivo trazer ao debate as novas possibilidades de atuação do/a
pedagogo/a e como este profissional poderá contribuir para a constituição de uma sociedade mais
justa, numa realidade marcada pela contínua transformação. Os sujeitos da pesquisa foram 16
pedagogos/as que atuam na Educação Não-Formal, nas áreas da saúde, comunicação, social, lar de
crianças, justiça, serviços públicos e computação, pesquisados em âmbito nacional. Na primeira parte
da pesquisa, utilizei como instrumento de coleta de dados o questionário semi-aberto, com 18
questões relacionadas aos assuntos pessoais, formação inicial, e a atuação deste pedagogo/a.
Destes, 11 retornaram respondidos. No intuito de aprofundar a pesquisa, encaminhei aos sujeitos
pesquisados um roteiro semi-estruturado contendo aspectos referentes às suas trajetórias pessoais e
profissionais, sua opção pelo espaço de educação Não-Formal, suas atribuições, tempo de atuação,
sua percepção quanto à imagem do Curso de Pedagogia e experiências que marcaram de forma
significativa a sua trajetória profissional, solicitei que estas informações fossem registradas em forma
de carta. A pesquisa decorreu no período de setembro a novembro, do ano de 2010. A análise
indicativa dos referenciais teóricos sinalizou um novo momento da profissão como explicitado na
finalização desta pesquisa. Ao finalizar o trabalho, percebo que os resultados que obtive representam
o início de muitas reflexões e discussões. Há ainda muitíssimo por desvelar em relação ao que
pensam os/as Pedagogos/as sobre a profissão que exercem. Será por meio de estudos dessa
natureza que se tornará possível detectar a fragilidade na formação deste profissional, dessa forma,
será possível investir na melhoria dos cursos de formação inicial.
Palavras-chave: Formação, Educação Não-Formal e Pedagogias.
Referências:
ALVES, Rubem. Se eu pudesse viver minha vida novamente... .Editora Verus, Campinas, SP, 2004.
BAHIA, Juarez. Introdução à Comunicação Empresarial. Editora Mauad, Rio de Janeiro, 1995.
CALIMAN, Geraldo. Pedagogia Social de rua: entre acolhida e formação. In:SOUZA NETO, J. C. ;
NASCIMENTO, M. L. (Org). Infância: Violência, Instituições e Políticas Públicas. Editora Expressão e Arte, São
Paulo, 2006.
- 133 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
CODO, Wanderley. (coordenador). Educação: carinho e trabalho. Editora Vozes. Petrópolis, RJ. 1999. Brasília:
Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação. Universidade de Brasília de Psicologia do Trabalho.
CHIAVENATO, Idalberto. Administração de Recursos Humanos. Editora Atlas, 5ª ed. São Paulo, 2003.
EVANGELISTA, M.L.S; GÜLLICH, R. I. da C.; LOVATO, A. Metodologia da Pesquisa: Normas para a
apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. Três de Maio: Sociedade Educacional Três de
Maio – SETREM, 2005.
FERREIRA, Maria Elisa de Mattos Pires. Ser Educador, o que significa isso? Um estudo do sentido do ser
educador para as formandas de Pedagogia, curso hoje apresenta a perspectiva de atuação na educação
informal. 2006.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à pratica educativa. Editora Paz e Terra, São
Paulo, 1996.
GOHN, M.G. 2001. Educação não-formal e cultura política: impactos sobre o associativismo do terceiro setor.
Editora Cortez, 2ª ed. São Paulo, 2008.
LIBANEO, José Carlos. Pedagogia e Pedagogos, para que? 5. ed. São Paulo: Cortez, 2002.
HOLTZ, Maria Luiza M. .Lições de pedagogia empresarial. MH Assessoria
EmpresarialLtda.,SorocabaSP.Disponívelem<http://www.mh.etc.br/documentos/licoes_de_pedagogia_empresari
al.pdf>.
Acesso em: 18 de maio de 2009.
MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa social: teoria, métodos e criatividade. Ed. Vozes, Rio de
Janeiro, 1994.
MUÑOZ, Beatriz; RIVEROLA, Josep. Transformando Conhecimento em resultados: a gestão do conhecimento
como diferencial na busca de mais produtividade e competitividade. São Paulo: Clio, Editora, 2004.
RIBEIRO, Amélia Escotto do Amaral. Pedagogia Empresarial: a atuação do pedagogo na empresa. Rio de
Janeiro: Wark, 2003.
SACRISTÁN, José Gimeno. ―O Significado e a Função da Educação na Sociedade e na cultura Globalizadas‖.
IN: GARCIA, Regina Leite e MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa. Currículo na contemporaneidade, incertezas e
desafios. São Paulo: Cortez, 2003.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Empresa_Brasileira_de_Correios_e_Tel%C3%A9grafos
- 134 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
13º SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PESQUISA
ORIGINAL - INFORMÁTICA / COMPUTAÇÃO
DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÃO EM LINGUAGEM C
VOLTADA À ÁLGEBRA LINEAR
De: LEONARDO PERES ([email protected]), CRISTIANO LUIS BALZ ([email protected]),
ROGERIO ELOIR WILLE ([email protected]), EDUARDO CASARIN ([email protected])
Orientado por: HELMUTH GROSSMANN JUNIOR ([email protected]), SANDRA REJANE ZORZO
PERINGER ([email protected]), MARCOS GARRAFA ([email protected]), ADALBERTO
LOVATO ([email protected])
Este artigo refere-se à apresentação de uma pesquisa em que realizou-se o desenvolvimento de
um software direcionado a cálculos algébricos, mais precisamente operações com matrizes.
Utilizando-se da linguagem C, este programa tem por objetivo dispor ao usuário final uma maior
praticidade na execução de operações matriciais. Metodologicamente, o projeto é fundamentado num
estudo com procedimentos experimental (uso de programação estruturada), estatístico e
comparativo, sendo auxiliado pela abordagem quali-quantitativa com técnicas de coleta de dados a
partir de pesquisa bibliográfica e linguagem C, bem como análise dos dados com testes estatísticos
descritivos. Com o desenvolvimento da aplicação observou-se as melhores estruturas envolvendo os
algoritmos das operações de forma confiável e eficiente onde o usuário tem sua demanda atendida,
em todas as operações essenciais com matrizes, sem necessitar demasiado esforço. Também tornase necessário ressaltar que o programa utiliza diversas formas de tratamento de erros em todas as
entrada de dados, tornando-o mais estável e menos propenso a falhas. Desta forma, o estudo
permite concluir que o bom desenvolvimento das teorias tem por finalidade a construção de uma
aplicação sólida que engloba a funcionalidade nos cálculos com precisão nos resultados, inferindo
ainda que no caminho do desenvolvimento encontram-se obstáculos que tomam parte significativa do
tempo, sendo assim importantes para a aquisição de conhecimento necessário para enfrentar
determinadas situações com mais eficiência em trabalhos futuros.
Palavras-chave: Desenvolvimento de aplicação, matrizes, Linguagem C.
Referências:
BOLDRINI, José Luiz et al. Álgebra Linear. São Paulo: Harper & Rau do Brasil, 1986.
GULLICH, Roque da Costa; LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da Pesquisa:
normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. Três de Maio: SETREM, 2007.
LIPSCHUTZ, Seymour. Álgebra Linear: Teoria e problemas. 3. ed. São Paulo: Makron Books, 1994.
LOPES, José Marcos. Matrizes, Determinantes e Sistemas Lineares Através da Metodologia de Resolução de
Problemas para o Ensino Médio. Disponível em
<http://www.unesp.br/prograd/PDFNE2006/artigos/capitulo2/matrizes.pdf>. Acesso em: 08 set. 2010.
MARCONI, Marina de Andrade. LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de Pesquisa: planejamento e execução de
pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. São Paulo: Atlas,
2006.
MONTEIRO, A. Álgebra Linear e Geometria Analítica. São Paulo: Editora McGraw-Hill, 2001.
MORIMOTO, Carlos Eduardo. Linux, guia prático. Porto Alegre: Sul Editores, 2009.
- 135 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
OLIVEIRA, Adelize Generini. Análise, Projeto e Programação Orientados a Objetos. [S.l.]: Bookstore, 1996.
RIOS, Rosangela S. H. Aprenda a programar com C e suas derivações ANSIC, C++ e C#. Rio de Janeiro:
Campus, 2002.
RODRIGUES, Willian Costa. Metodologia Científica. Paracambi: FAETEC/IST, 2007.
SALVETTI, Dirceu Douglas. Algoritmos. São Paulo: Makron Books, 1998.
SCHILDT, Herbert. C Completo e total. 3. ed. São Paulo: Makron Books, 1996.
TORRES, Gabriel. Hardware, curso completo. 4. ed. Rio de Janeiro: Axcel Books, 2001.
TREVELIN, Enrique Camargo. Trabalho de Formatura: Apostila da Linguagem de Programação C++. Disponível
em: < http://www.cin.ufpe.br/~alp4/Apostila_C++.pdf>. Acesso em 06 out. 2010.
ANÁLISE DA CAUSA RAIZ NO SUPORTE DE UM SISTEMA
ERP
De: CAMILA GUARIENTI ([email protected]), PRISCILA GUARIENTI ([email protected])
Orientado por: ADALBERTO LOVATO ([email protected]), VERA LUCIA LORENSET BENEDETTI
([email protected])
Os sistemas de informação são peças fundamentais para aprimorar os processos
organizacionais. Com processos bem definidos e automatizados é possível dedicar mais tempo as
atividades que criam valores para a organização. Tendo como principal objetivo especificar um
método de analisar a causa raiz de um evento indesejado em um sistema ERP com base no Método
de Análise e Solução de Problemas - MASP e na ferramenta Root Cause Analysis – RCA. Para isso
as boas práticas apresentadas pelo ITIL integram e projetam o serviço envolvendo quatro tipos de
ativos, definidos como: a infraestrutura, os processos, as pessoas e os aplicativos. Apresenta
também um procedimento periódico para analisar os problemas crônicos e destes elicitar as
oportunidades que posteriormente serão avaliadas e validadas por métricas de desempenho. Este
trabalho está sendo realizado no período de novembro de 2010 à agosto de 2011. O desenvolvimento
do mesmo propiciou conhecimento quanto ao estudo de um novo tema e sua aplicação, onde por
meio desta será possível comprovar se a ferramenta RCA é confiável na busca da causa raiz de
problemas encontrados em um sistema ERP, com o intuito de qualificar os serviços prestados pela
empresa Abasesul Sistemas de Gestão Ltda.
Palavras-chave: ERP, Serviços, Processos, Causa Raiz, Oportunidades.
Referências:
Advanced Learne‘s Dictionary. Disponível em: http://www.merriam-webster.com/dictionary/commission.
Acessado em 20/04/2011.
CROW ITILV3_Glossary_Brazillian_Portuguese_v3.1.24.pdf. Disponível em http://www.itsmfi.org/. Acessado em
05/12/2010.
CAMPOS, V. F.; TQC: Controle da Qualidade Total (no estilo Japonês). Belo Horizonte: Fundação Christiano
Ottoni. 1995.
FNQ, Fundação Nacional da Qualidade. Critérios compromisso com a excelência e rumo a excelência 2008. São
Paulo.
Disponível em http://www.fnq.org.br, acessado em 04/12/2010.
FORRESTER, J.; Industrial Dynamics. Waltham. Pegasus: 1961.
GIL, A. C.; Como elaborar projetos de Pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas 2002.
- 136 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
GUARIENTI, C.; GUARIENTI, P. Análise da Causa Raiz no Suporte de um Sistema ERP. Trabalho de Conclusão
da Graduação em Sistemas de Informação. Três de Maio: SETREM, 2011.
GULLICH, R. I. da C.; LOVATO, A.; EVANGELISTA, M. dos S. Metodologia da Pesquisa: normas para
apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. 2 ed. Três de Maio: SETREM, 2007.
IEEE. Curricula Computing 2005. [ ] 2005.
IEEE Computer Society, IEEE 730 Standard for Software Quality Assurance Plans. New York, USA 2002.
IEEE Computer Society, IEEE 982.1 Standard Dictionary of Measures to Produce Reliable. New York, USA 1996.
KRAJEWSKI, L. J.; RITZMAN, L. P. Operation Management : Process and Value Chains. 7 ed. Upper Saddle
River: Prentice Hall, 2005.
LATINO, R. J.; LATINO, K. C. Root Cause Analysis: Improving Performance for Bottom Line Results. 2 ed.
Florida: CRC Press, 1999.
LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodologia científica. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2006.
LOVATO, A. Aplicação de técnicas de controle a sistemas de produção.Dissertação de mestrado. Rio de Janeiro:
COPPE, 1972.
OGC. ITIL: The Official Introduction to the ITIL Service Lifecycle . Norwich: TSO. 2007a.
OGC. ITIL: Service Design. Norwich: TSO. 2007b.
OGC. ITIL: Continual Service Improviment. Norwich: TSO. 2007c.
OLIVEIRA, S. L. Tratado de Metodologia Científica: projetos de pesquisas, TGI, TCC, monografias, dissertações
e teses. 2 ed. São Paulo: Pioneira, 2002.
PMI. A guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide). Fourth Edition. Newton Square,
PA, USA: Four Campus Boulevard 2004.
Root Cause Analysis. Disponível em:
https://webspace.utexas.edu/mae548/www/research/digital%20forensics/qp0704rooney.pdf. Acessado em
02/04/2011.
SLACK, N.; CHAMBERS, S.; HARLAND C.; HARRISON A.; JOHNSTON, R. Administração da Produção. 1 ed.
São Paulo: Atlas, 1996.
SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON, R. Operations Management. 5 ed. London: Prentice Hall, 2007.
TURBAN E.; LEIDNER, D.; MCLEAN E.; WETHERBE, J. - Tecnologia da Informação para Gestão,
transformando os negócios na economia digital. 6 ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.
MIGRAÇÃO DO PROTOCOLO IPV4 PARA O IPV6
De: Joanes Pereira Duarte ([email protected]) Orientado por: Denis Benatti ([email protected])
Com a explosão da internet percebe-se claramente a necessidade de substituição do atual protocolo
de internet que, além de manter a estrutura global do IPV4, presisará solucionar suas deficiências,
entre elas as exigências por mais espaço de endereçamento, o controle de um endereço mais
simples na camada IP, melhor suporte a QoS, maior segurança e suporte ao número crescente de
tipos de mídia e dispositivos com acesso a internet. Desta forma, o novo protocolo IPV6 fará a
- 137 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
substituição gradual do atual IPV4 que futuramente se tornará inviável por escassez de endereços.
Da mesma forma, este estudo apresentou as características, as modificações e principalmente as
formas de transição e convivência desses protocolos nas redes de computadores, sendo que ambos
os protocolos precisam funcionar em conjunto até que haja a possibilidade de realizar-se uma
migração total para o protocolo IPV6. Além disto, realizou-se um teste através da ferramenta Tunnel
Broker Freenet6, onde foi possível a transmissão de datagramas IPv6 encapsulados em um pacote
IPV4 que foram tunelados até o destino, desencapsulados e o pacote original IPv6 encaminhado ao
destino final. Contudo, em uma análise geral, o resultado do teste apontou que esta seria uma das
técnicas para que clientes possam acessar sites em IPv6 puro através de uma rede com suporte
apenas a IPv4, sendo de grande importância para empresas, organizações e instituições que
trabalham com serviços de internet.
Palavras-chave: IPv4, IPv6, Tunelamento.
Referências:
COMER, Douglas E. Interligação em redes com TCP/IP: princípios, protocolos e arquitetura. Rio de Janeiro:
Campus, 1998.
TORRES, Gabriel. Redes de Computadores: curso completo. Rio de Janeiro: Axcel, 2001.
DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA ESPECIALISTA PARA
ANÁLISE DE CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS
UTILIZANDO O SISTEMA LEED CI
De: ILAIR DOS SANTOS ([email protected]) Orientado por: HELMUTH
([email protected]), ADALBERTO LOVATO ([email protected])
GROSSMANN
JUNIOR
Atualmente, quando abordada a questão da sustentabilidade, o que primeiro vem a mente é
como construir ambientes causando pouca ou nenhuma agressão ao meio em que se vive. Existe
uma preocupação em um ambiente ser agradável no dia-a-dia, ou seja, estar constantemente
aplicando algumas melhorias na qualidade do local de trabalho, e tornando essa preocupação algo
corriqueiro dentro das empresas. Para tanto existem formas de mensurar o quanto uma obra
(construção) está aplicando políticas de melhorias dentro do seu ambiente, creditando à mesma uma
pontuação que lhe proporciona um título de construção sustentável.A certificação surge de uma
necessidade em atender um mercado mais exigente e preocupado com a qualidade de vida e bemestar das pessoas, por esse motivo grandes empreendimentos estão se adequando à essas normas
e colocando suas obras sob avaliação.Analisando os métodos de avaliação de construções
sustentáveis, percebeu-se a existência de diversos meios para avaliar as construções, sendo um dos
mais usados o sistema LEED, no qual foi proposto o desenvolvimento de um sistema especialista
baseado neste sistema de avaliação.Assim sendo, o problema identificado foi o seguinte:um sistema
especialista pode auxiliar a avaliar projetos de construções sustentáveis?Visando auxiliar na
avaliação de construções sustentáveis, desenvolveu-se o sistema especialista para análise de
construções sustentáveis utilizando o sistema LEED CI, focado em interiores comerciais.A partir do
problema proposto, desenvolveu-se um sistema que proporciona a avaliação de uma construção a
partir do seu projeto, sendo que o grau de sustentabilidade do mesmo é computado a partir das
informações que o auditor fornece ao sistema. Com base nessas informações, o sistema pontua o
projeto e lhe compete um nível de certificação de acordo com a pontuação obtida, atingindo o objetivo
do trabalho.
Palavras-chave: Sistema LEED, construções sustentáveis, avaliações de construções
sustentáveis
Referências:
LEED 2009 For Commercial Interiors Rating System. USGBC member approved november. Washington, 2008.
- 138 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
MELO, Ana Cristina. Desenvolvendo aplicações com uml 2.0: do conceitual à implementação. 2 ed. Rio de
Janeiro: Brasport, 2004.
PRESSMAN, Roger S. Engenharia de software. 5 ed. São Paulo: McGraw-Hill, 2002.
RABUSKE, Renato Antônio. Inteligência artificial. Florianópolis: Ed. da UFSC, 1995.
ANÁLISE ORIENTADA A OBJETO DO CONTROLE DE
LIVRO CAIXA PARA UMA METALÚRGICA
De:
MAIKEL
ALEXANDER
PENZ
([email protected]),
FRANCIELI
CARINI
BOTH
([email protected]) Orientado por: RENATO ROCKENBACH ([email protected]), MARCELO
ANDRE ACKERMANN ([email protected]), GELSON ANTONIO DE PAULA REIS
([email protected])
O mercado de trabalho está cada vez mais competitivo e muitas empresas enfrentam
dificuldades financeiras, enquanto que outras se destacam no mercado buscando novos
investimentos, mostrando competitividade para o seu produto e ampliando a sua área de atuação.
Diante disso, este estudo foca a elaboração de uma analise orientada a objetos de um livro caixa na
metalúrgica LVA Ltda do município de São José do Inhacorá, envolvendo conceitos relacionados às
disciplinas de Teoria Econômica, Banco de Dados e Análise Orientada a Objetos. Foram realizadas
pesquisas bibliográficas e também pesquisa de campo juntamente ao usuário. A análise tem o
objetivo principal documentar os requisitos que atendam as necessidades da empresa com relação
às receitas e despesas de um determinado período, possibilitando a extração dos dados de forma
dinâmica e de fácil compreensão na visão do usuário (consultas, gráficos e relatórios). Após o
levantamento de requisitos foi realizada a modelagem UML com os diagramas de Caso de Uso,
Classes, Sequência e Estado, e posteriormente o Modelo Entidade – Relacionamento (MER). O
sucesso da elaboração do MER e dos diagramas depende de uma boa elaboração dos requisitos e
de um bom entendimento do problema como um todo, identificando as reais necessidades e os
pontos de melhoria.
Palavras-chave: Requisitos, Livro Caixa, Análise Orientada a Objetos.
Referências:
BEZERRA, Eduardo. Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML. Rio de Janeiro: Campus, 2002.
YOURDON, Edward. Análise Estruturada Moderna. 3ª Ed. Rio de Janeiro, 1990.
RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade Geral Fácil. Regime de Caixa, Livro Caixa, Contabilidade. 1ª Ed. Editora
Saraiva, 1997.
MALANOS, George, Teoria Econômica. Teoria Econômica, Fórum editora, Rio de Janeiro, 1969.
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
Pesquisa: normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. Três de Maio: Ed.
SETREM, 2007.
ANÁLISE DE CUSTOS PARA COMERCIALIZAR UM ERP
DESKTOP ATRAVÉS DA INTERNET
De: MARCOS DA MOTTA HENDGES ([email protected]) Orientado
([email protected]), DENIS VALDIR BENATTI ([email protected])
- 139 -
por:
ILDO
CORSO
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Com a disseminação, evolução e o crescimento da banda larga, a rede mundial de
computadores possibilitou prestar serviços eletrônicos. Quase tudo que é digital pode ser incluído e
disponibilizado via WEB. Segundo Turban (2010) conduzir negócios na economia digital significa
utilizar sistemas baseados na Web através da Internet e outras redes eletrônicas para fazer
transações eletronicamente. Com isso formou-se uma nova forma de fazer comércio, empresas se
especializaram em prestar serviço através da rede. Dessa forma tornou-se interessante analisar a
viabilidade de distribuição de um ERP através da internet, por meio de ferramentas de acesso
remoto. Assim foi realizado um estudo de viabilidade econômica de comercializar o ERP-Gestor,
desenvolvido pela empresa Abasesul Sistemas de Gestão Ltda, através da internet. O objetivo foi o
de instalar o sistema uma única vez em um datacenter, propiciando a distribuição via internet, sem
necessitar instalar o sistema em cada cliente. As ferramentas de acesso remoto permitem a conexão
de um computador com outros computadores facilmente, mesmo estando em localidades distantes no
mundo. Esse acesso remoto pode ser feito de forma segura, com autenticação e criptografia de
dados, se necessário. Existem também diversos softwares que realizam acesso remoto, cada um
com características específicas para cada necessidade. Foram avaliadas três ferramentas: Windows
Terminal Service da Microsoft, XenApp da Citrix e Go-Global. Primeiramente avaliados os custos da
situação atual, que serviram apenas para definir um comparativo. A proposição foi criar uma nova
forma de comercialização do sistema. Segundo Groppelli (2002) Pela internet, as empresas podem
melhorar a produtividade e reduzir os custos, enquanto fornecem aos clientes maiores informações
sobre produtos a preços menores. A Abasesul possui uma carteira de clientes sólida, e uma
metodologia de trabalho e atendimento, a situação atual ficará inalterada. O comparativo de custos
entre a situação atual com um custo R$ 114,18 e a situação proposta com um custo de R$ 18,81
evidenciou a economia que poderá ser obtida com essa nova forma de comercialização. O que se
propôs com essa avaliação, foi de proporcionar à empresa um estudo detalhado de custos para
comercialização de seu ERP de outra forma e atrair um novo tipo de cliente, novos mercados,
geograficamente distantes, entregar seu produto de uma forma moderna, e o mais importante, sem
gerar custos ou investimentos.
Palavras-chave: datacenter, internet, custo e ERP.
Referências:
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
pesquisa - normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. 2 Ed. Três de Maio:
SETREM, 2007.
CÔRTES, Pedro Luiz. Administração de sistemas de informação. São Paulo: Saraiva, 2008.
GROPPELLI, A.A., NIKBAKHT, Ehsan, Administração Financeira. São Paulo: Saraiva, 2002.
HENDGES, Marcos; CORSO, Ildo; BENATTI, Denis. Análise de viabilidade de instalação e distribuição comercial
de um ERP desktop para WEB. Estágio Final de Curso Bacharelado em Sistemas de Informação – SETREM,
2011.
TURMAN, Efraim; LEIDNER, Dorothy; MCLEAN Ephraim; WETHERBE, James. Tecnologia da Informação para
Gestão. 6ª Edição. Porto Alegre: Bookman, 2010.
ANÁLISE DE CONSUMO DE MEMÓRIA DE UM ERP
DESKTOP ACESSADO ATRAVÉS DA INTERNET
De: LEONARDO MOERSCHBERGER ([email protected]), MARCOS DA MOTTA
HENDGES ([email protected]) Orientado por: DENIS VALDIR BENATTI
([email protected]), ILDO CORSO ([email protected])
Diversas organizações possuem seus sistemas alocados em servidores locais, que tem um
custo alto e precisam de manutenção periódica. Uma nova tendência que está em crescimento, é a
locação de serviços através de hospedagem em datacenter, que disponibiliza acesso de aplicações
- 140 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
de qualquer lugar a qualquer hora. Com isso o sistema pode ser alocado em um datacenter, e não
mais internamente no cliente, dispensando o investimento em hardware, o que gera um ganho
financeiro, foco no negócio e mobilidade de acesso. O estudo visa avaliar a quantidade consumida de
memória utilizada no datacenter em cada acesso remoto. O sistema operacional escolhido para
realizar os testes foi o Windows 2003 server da empresa Microsoft. Segundo Minasi (2003) a Internet
permite a utilizadores de computadores a conexão com outros computadores facilmente, mesmo
estando em localidades distantes no mundo. Esse acesso remoto pode ser feito de forma segura,
com autenticação, através de ferramentas de acesso remoto. Para avaliar o consumo de memória os
acessos foram realizados em três ferramentas de acesso remoto, a primeira delas o Windows
Terminal Service, seguindo com o Go-Global e o Citrix XenApp. Essas ferramentas atenderam aos
requisitos necessários para a disponibilização do ERP-Gestor através da internet. Elas permitem a
publicação apenas da aplicação, esse quesito é importante pois o usuário, nesse caso, não terá
acesso no momento da conexão a outros dispositivos ou softwares, que não sejam os
disponibilizados pelo datacenter. Os testes foram realizados em um datacenter com capacidade de 8
Gb de memória RAM. Com o Windows Terminal Service obteve-se 108 acessos simutâneos, com o
Citrix XenApp 97 acessos simultâneos e com o Go-Global 121 acessos simultâneos. Pode-se
observar que a ferramenta Go-Global obteve melhor desempenho quanto aos acessos de usuários do
sistema através da internet. Toda essa análise serviu para demonstrar a possibilidade de
disponibilizar o ERP-Gestor através da internet sem necessidade de reescrevê-lo em linguagem
própria para a WEB, fornecendo embasamento técnico quantitativo para a empresa Abasesul avaliar
uma nova forma de comercialização do seu produto.
Palavras-chave: datacenter, acesso remoto e memória.
Referências:
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
pesquisa - normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. 2 Ed. Três de Maio:
SETREM, 2007.
DIMARZIO, J.F.; Projeto e Arquitetura de Redes. Rio de Janeiro: Elsevier, 2001.
MINASI, Mark; Dominando o Windows 2003. São Paulo: Makron Books, 2003.
HENDGES, Marcos; CORSO, Ildo; BENATTI, Denis. Análise de viabilidade de instalação e distribuição comercial
de um ERP desktop para WEB. Estágio Final de Curso Bacharelado em Sistemas de Informação – SETREM,
2011.
CODIFICAÇÃO DE MATERIAIS E CONTROLE DE ESTOQUE
EM UMA INDÚSTRIA MADEIREIRA
De:
EDUARDO
MARCEL
SIGNORI
([email protected]),
GUSTAVO
FELIPE
KLAUS
([email protected]) Orientado por: LEILA DALAZEN ([email protected]), ADALBERTO LOVATO
([email protected]), TIAGO LUIS CESA SEIBEL ([email protected])
A necessidade cada vez maior das indústrias possuírem um controle mais efetivo em seus
processos de produção, faz com que busquem sistemas de informação focados nesse objetivo.
Durante a Prática Profissional Direcionada V do curso de Sistemas de Informação da SETREM,
ocorrida entre agosto e novembro de 2010, desenvolveu-se um sistema de codificação de materiais e
controle de estoque para uma indústria madeireira. O sistema foi desenvolvido com a linguagem
Java, utilizando conceitos de Engenharia de Software que segundo Pressman (2006) é a criação e a
utilização de sólidos princípios de engenharia a fim de obter softwares econômicos que sejam
confiáveis e também conceitos de Sistemas de Produção que segundo Davis (2001) é uma forma de
gerenciar os recursos que são necessários para a obtenção de um determinado produto de uma
forma organizada da maneira que o produto final saia com qualidade. O problema principal trata da
possibilidade de um sistema desenvolvido em Java, classificar, identificar e controlar os materiais
estocados em uma indústria madeireira. Os principais conceitos abordados foram na área de
- 141 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Engenharia de Software, referenciando todas as fases de um projeto desde o escopo a até a
manutenção do sistema, e também na área de Sistemas de Produção, focando nos processos de
produção e na qualidade do produto. Os resultados obtidos foram satisfatórios, conseguiu-se
desenvolver um sistema capaz de codificar os materiais e controlar os estoques nos almoxarifados da
indústria. Considerando que o segmento indústria até então não havia sido vivenciado pelos
acadêmicos, o sistema desenvolvido foi capaz de agregar valor às atividades da empresa.
Palavras-chave: Engenharia de Software, Indústria, controle de estoque.
Referências:
KLAUS, Gustavo; SIGNORI, Eduardo; DALAZEN, Leila; LOVATO, Adalberto; SCHWENING, Cristiano; SEIBEL,
Tiago.
Codificação de Materiais e Controle de Estoque em uma Indústria Madeireira. Curso Bacharelado em Sistemas
de Informação. SETREM, 2010.
PRESSMAN, Roger S. Engenharia de Software. São Paulo. 6. ed. McGraw, 2006.
DAVIS, Mark M. Fundamentos de Administração da Produção. Porto Alegre, Bookman Editora, 2001.
PORTAL E-COMMERCE EM UMA DISTRIBUIDORA DE
PRODUTOS HOMEOPÁTICOS E ACESSÓRIOS PARA
GADO LEITEIRO
De:
EDUARDO
MARCEL
SIGNORI
([email protected]),
GUSTAVO
FELIPE
KLAUS
([email protected])
Orientado
por:
MARCELO
ANDRE
ACKERMANN
([email protected]), TIAGO LUIS CESA SEIBEL ([email protected]), VERA LUCIA
LORENSET BENEDETTI ([email protected])
A evolução do comércio eletrônico no país faz com que as empresas procurem implementar
essa técnica para expandir seus negócios, aumentar a área da atuação e obter maior competitividade
no mercado. Dentro da Prática Profissional Direcionada VI do curso de Sistemas de Informação da
SETREM, durante os meses de março e junho de 2011, buscou-se a utilização dos principais
conceitos vistos em aula pelos componentes curriculares de Administração Mercadológica que
segundo FGV (2003) é uma função empresarial que cria constantemente valores para o cliente e gera
vantagem competitiva para a empresa; Sistemas de Informação que segundo O‟Brien (2008) é um
conjunto organizado de pessoas, softwares, hardwares e recursos de dados que transforma e
dissemina informação e Programação para Web para o desenvolvimento de um portal E-Commerce
para uma empresa de produtos homeopáticos e acessórios para gado leiteiro. O portal foi
desenvolvido na linguagem Java, utilizando-se de alguns frameworks como Struts e Hibernate e
banco de dados PostgreSql. O problema principal trata-se da possibilidade de um E-Commerce
desenvolvido em Java aumentar as vendas da empresa, utilizando a tecnologia do carrinho de
compras. Os principais conceitos abordados foram na área de marketing, de técnicas como
propaganda e publicidade e também na área de Sistemas de Informação, buscando extrair alguns
relatórios gerenciais do portal que auxiliaram os gestores na tomada de decisão. Os resultados foram
satisfatórios, conseguiu-se desenvolver um portal onde é possível realizar todas as etapas da compra
sem nenhuma intervenção humana, desde a escolha dos produtos até o pagamento através de boleto
bancário. Considerando que a linguagem Java, juntamente com conceitos de marketing e ecommerce eram novos até então, o conhecimento agregado foi muito grande, além da aquisição de
uma boa experiência do assunto.
Palavras-chave: E-commerce, marketing, carrinho de compras.
- 142 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Referências:
KLAUS, Gustavo; SIGNORI, Eduardo; ACKERMANN, Marcelo; BENEDETTI, Vera; SEIBEL, Tiago. Portal ECommerce em uma distribuidora de produtos homeopáticos e acessórios para gado leiteiro. Curso Bacharelado
em Sistemas de Informação.
SETREM, 2011.
FGV-EAESP, Professores do Departamento de Mercadologia e convidados. Gestão de Marketing. São Paulo.
Saraiva, 2003.
O‘BRIEN, A. James. Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na era da Internet. São Paulo. Saraiva,
2004.
ANÁLISE E PROJETO ESTRUTURADO DE UM CONTROLE
DE FLUXO DE CAIXA
De: Jônatas Wehrmann ([email protected]) Orientado por: FAUZI DE MORAES SHUBEITA
([email protected]), VALMIR PUDELL ([email protected]), JORGE ANTONIO RAMBO
([email protected])
Os sistemas de informação aplicados à administração de empresas são poderosas ferramentas,
pois permitem, quando utilizados corretamente, a obtenção de informações de forma rápida e
facilitada, permitindo maior controle sobre os dados. A empresa Nara Estúdio Fotográfico mostrou
interesse em trocar o sistema utilizado para controlar o fluxo do caixa, porque vem encontrando
problemas com sua utilização. O presente estudo, desenvolvido no componente curricular Prática
Profissional Direcionada II, identificou alguns problemas na empresa tanto no controle de serviços,
como na área da organização financeira. Seu principal objetivo foi desenvolver a análise e um projeto
estruturado de um sistema computacional que controle o fluxo de caixa, a fim de suprir a demanda da
organização. Yourdon (1990) destaca que a análise estruturada envolve muitos detalhes, processos,
procedimentos e um estudo minucioso da situação. Nesta etapa, grande parte do trabalho que o
analista de sistemas faz envolve a modelagem do sistema que o usuário deseja. Para se
compreender a situação da empresa foi realizado um estudo de caso que ocorreu através da
observação, de questionários e entrevistas estruturados. A comunicação entre o pesquisador e a
realidade analisada proporcionou certa influência no meio, o que caracterizou a pesquisa-ação. O
projeto do sistema precisava estar de acordo com o correto funcionamento de um fluxo de caixa, o
que gerou a necessidade de se obter informações e embasamento teórico, efetuado através da
pesquisa documental. Constatou-se então que o principal objetivo do fluxo de caixa, conforme
Zdanovicz (1986), é dar uma visão das atividades desenvolvidas, bem como as operações financeiras
que são realizadas diariamente, dentro das disponibilidades, e que representam o grau de liquidez da
empresa, possibilitando aplicar os recursos de forma mais rentável. Após a situação da empresa ser
compreendida, iniciou-se o processo de levantamento de requisitos que descreve a funcionalidade
total e as restrições do sistema, além de descrever recursos empregados e as regras do negócio.
Através do conhecimento obtido em aulas e em bibliografias pôde-se estruturar diagramas de fluxo de
dados que demonstram como os dados devem transitar no sistema nos diferentes níveis de
abstração. Entre as principais funcionalidades, destaca-se o registro dos lançamentos de débito e
crédito para o cálculo do saldo, podendo ser classificados em categorias definidas pelo usuário, as
quais podem ser utilizadas para gerar relatórios da aplicação e fonte dos recursos financeiros. O
estudo permite concluir que os problemas relacionados ao fluxo de caixa da empresa são decorrentes
do software utilizado mas também de funcionários que não o utilizavam corretamente, onde muitas
vezes recursos financeiros eram retirados do caixa sem o devido registro. Pela especificação do
usuário rejeitando o sistema atualmente utilizado, conclui-se que é necessário implantar um sistema
novo. Com este estudo ficou evidenciado que a análise é um trabalho que sofre de muita interferência
das formas de comunicação, nem sempre o analista apresenta a mesma visão do usuário, desta
forma, é sempre um desafio planejar um sistema que esteja de acordo com a visão do usuário.
Palavras-chave: Fluxo de Caixa, Projeto estruturado, Análise.
- 143 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Referências:
BEZERRA, Eduardo. Princípios de análise e projeto de sistemas com UML. 1ª. Ed. Rio de Janeiro: Editora
Campus, 2002.
CHIAVENATO, Idalberto. Teoria Geral da Administração. 6ª Ed. Rio de Janeiro: Elseiver, 2001.
GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª Ed. São Paulo: Alas, 2002.
GULLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário dos Santos. N. Metodologia da
pesquisa: normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. 2ª Ed. Três de Maio.
SETREM, 2007.
POMPILHO, S. Análise Essencial. Rio de Janeiro, Ciência Moderna LTDA, 2002.
YOURDON, Edward. Análise estruturada moderna. 3ª Ed. Rio de Janeiro. EDITORA CAMPUS, 1990.
ZDANOVICZ, José Eduardo. Fluxo de caixa: uma decisão de planejamento e controle financeiro. 1ª Ed. Porto
Alegre, DCLuzzatto, 1986.
PROJETO DE MELHORAMENTO DA INFRAESTRUTURA DA
REDE DE COMPUTADORES DA PREFEITURA DE
HORIZONTINA
De:
DAIANA
MICHEL
([email protected]),
ESTER
ELVIRA
STROSCHOEN
([email protected]) Orientado por: DENIS VALDIR BENATTI ([email protected]), LEILA DALAZEN
([email protected])
O presente trabalho aborda um estudo sobre os aspectos relativos à questão da infraestrutura da
rede de computadores da Prefeitura de Horizontina- RS. No que se concerne ao referido tema,
aborda-se acerca dos equipamentos utilizados, problemas encontrados e proposta de melhorias para
melhor aproveitamento da rede de computadores. Este estudo objetiva o desenvolvimento da
pesquisa teórica e aplicada nesta área, buscando atender as necessidades da instituição, também
demostrando os equipamentos que serão implantados e o orçamento para a realização destes. A
instituição possui atualmente “servidores” de dados, arquivos, e-mail, internet, telefonia VOIP com
Asterisk PABX, não possui servidor multimídia sendo que fotos são colocadas junto no servidor de
dados. No momento a mudança mais importante é com relação ao servidor de dados, pois contam
com uma máquina montada, isto é, um computador normal trabalhando como servidor. Além da troca
do servidor, outra mudança importante é com relação ao cabeamento, tanto lógico como elétrico. E a
interligação dos demais prédios da prefeitura, bem como escolas, secretarias, postos de saúde e
assim por diante com fibra óptica, pois hoje são interligados via rádio. Analisadas as possíveis
mudanças e então se apresenta a proposta do servidor de dados para a sede administrativa da
prefeitura. Com o uso do servidor de dados, as tarefas realizadas pelos funcionários tendem a se
realizarem mais rapidamente. Dessa forma pode-se considerar de que: se uma tarefa se completaria
em 60 minutos, com a utilização do servidor esse tempo é diminuído em 50 minutos. Então o uso do
servidor acarretará em uma economia de tempo e também financeira. Essa economia de tempo pode
parecer pequena, porém é significante quando analisada ao ano trabalhado, é através desta
economia de tempo que se calcula o retorno do investimento. Analisando-se o contexto encontrado
na instituição constata-se existe a real possibilidade de aumentar o número de máquinas na atual
infraestrutura da rede. Também se apresenta a proposta para a instituição continuar o programa 5S
que com a troca de governo deixou de existir. Pois é importante a existência de uma gestão de
qualidade na instituição, considerando os benefícios que a mesma proporciona na prestação de
serviços, onde eficiência, dinâmica, organização e limpeza são exemplos. No estudo também aplicase a Taxa de Retorno (TIR), para Gitman (1997), é a taxa de desconto que iguala o valor presente
- 144 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
das entradas de caixa ao investimento inicial referente a um projeto. Ela é usada para a avaliação dos
custos do investimento, procurando saber as melhores formas de investir para alcançar um bom
retorno. Então através de cálculos financeiros apresenta-se o tempo necessário para que ocorra o
retorno do valor a ser investido para a melhoria da rede de computadores da instituição.
Palavras-chave: infraestrutura, problemas, investimento.
Referências:
ARAUJO, Luis César G. de. Organização, sistemas e métodos e as modernas ferramentas de gestão
organizacional. São Paulo: Atlas, 2001
BRUNO, KIM, Anthony, Jacqueline. CCDA. Guia de Certificação do Exame. Rio de Janeiro: Ed. Alta Books,
2003.
Cleiton. Artigo Programa 5S. Disponível em: http://www.administradores.com.br/informe-se/artigos/programa5s/22159/. Acessado em 2 de maio de 2011.
GITMAN, Lawrence. Princípios da Administração Financeira. São Paulo: Ed. Harbra, 1997.
BENATTI, Alexander; BENATTI, Denis Valdir; DALAZEN, Leila; MICHEL, Daiana; STROSCHOEN, Ester Elvira;
ZUCATTO, Luis Carlos. Projeto de melhoramento da infraestrutura da rede de computadores da prefeitura de
Horizontina. Trabalho interdisciplinar realizado no 3° semestre do Curso Tecnologia em Redes de Computadores
da SETREM, em 2011.
TANENBAUM, Andrew S. Redes de Computadores. São Paulo: Ed. Elseivier, 2003.
PROJETO DE REDE DE COMPUTADORES DA BRIGADA
MILITAR EM SANTA ROSA, MUDANÇAS NA
INFRAESTRUTURA ATUAL
De: LUIS NILSON MIRANDA DE OLIVEIRA ([email protected]), LUIS EDUARDO KUHN RAMOS
([email protected]) Orientado por: DENIS VALDIR BENATTI ([email protected]), LUÍS
CARLOS ZUCATTO ([email protected]), ILDO CORSO ([email protected]), Alexander Rafael
Benatti ([email protected])
Este artigo tem por tema apresentar um projeto de reestruturação da rede de computadores para
a Brigada Militar de Santa Rosa. O projeto para a rede local é uma necessidade fundamental, pois na
Brigada Militar de Santa Rosa não há um setor especializado na área de TI. Os objetivos principais
são apresentar um novo projeto, definir as implementações e alterações necessárias, novo layout da
rede local a proporcionar escalabilidade no futuro. Na Instituição constatou-se como deficiências, a
falta de informações referentes à organização dos equipamentos e às tecnologias que integram a
estrutura da rede interna, dificultando uma ampliação. Baseando-se nos componentes curriculares
Planejamento e Projetos de Redes de Computadores, Montagem e Configuração de Redes, Finanças
e Organização Sistemas e Métodos, utilizando o método quali-quantitativo, analisou-se a condição
atual da estrutura física da rede local de computadores, obtendo informações para uma solução de
mudanças e implementação. Segundo o Project Management Institute (PMI, 2004), projeto é um
esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Para Bruno
(2003), o CCDA (Cisco Certified Design Associate), é um programa de certificação da Cisco System,
Inc., na qual analistas e engenheiros de rede demonstram seus conhecimentos em diferentes áreas e
níveis. Para Soares (1995), as topologias mais utilizadas na rede de computadores são estrela, anel e
barra. Na infraestrutura da rede local verificou-se uma identificação precária dos cabos, a
necessidade de um rack organizando seu espaço interno, permitindo acesso a cada componente
presente quando da realização de manutenção, adições e mudanças estruturais. O novo projeto de
reestruturação da rede local tornará melhor organizado, proporcionará mais rapidez nas aplicações e
no atendimento ao escalão superior e as suas unidades subordinadas. Concluiu-se que há
necessidade de mudanças na estrutura de rede local. As soluções propostas através do projeto foram
apresentadas para analise do Comando da Corporação. A realização deste artigo adicionou valores
- 145 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
relevantes aos acadêmicos, tanto aos conhecimentos teóricos adquiridos em sala de aula, quanto
pelas análises produzidas na Brigada Militar.
Palavras-chave: Instituição, Rede, Projeto, Segurança.
Referências:
BRUNO, A. Anthony; KIM, Jacqueline. Guia de Certificação do Exame CCDA: O guia oficial de certificação para
o exame DCN #640-441. 1ª Ed. Rio de Janeiro – RJ: Alta Books, 2003.
GITMAN, Lawrence Jeffrey. Princípios de Administração Financeira. 10ª Ed. São Paulo: Pearson, 2005.
RAMOS, Luís E., MIRANDA, Luís Nilson; BENATTI, Denis; CORSO, Ildo; ZUCATTO, Luiz Carlos. Projeto de
Rede de Computadores da Brigada Militar em Santa Rosa, mudanças na infraestrutura atual: Três de Maio/RS:
Setrem, 2010.
SOARES, Luiz Fernando Gomes; LEMOS, Guido; COLCHER, Sérgio. Redes de Computadores: das LANs,
MANs e WANs às Redes ATM. 2ª Ed. 23ª Reimpressão. Rio de Janeiro. Elsevier, 1995.
IMPLANTAÇÃO DE UMA FERRAMENTA DE
GERENCIAMENTO PARA A REDE DE COMPUTADORES DE
UMA EMPRESA DE COMÉRCIO E REPRESENTAÇÕES
AGRÍCOLAS
De: JULIO CEZAR THOME ZIEGLER ([email protected]), MIGUEL ANGELO DRESCH
([email protected]) Orientado por: DENIS VALDIR BENATTI ([email protected]), HELMUTH
GROSSMANN JUNIOR ([email protected]), FERNANDO BEUX ([email protected])
Este resumo apresenta um estudo do gerenciamento da rede de computadores de uma empresa
de comércio e representações agrícolas, no período de fevereiro até junho de 2011, com o objetivo
de gerenciar componentes da infraestrutura de redes baseado em uma ferramenta de gerenciamento
e monitoramento, buscando prevenir possíveis falhas na rede de computadores. Conforme Lakatos e
Marconi (2001), a pesquisa foi bibliográfica, experimental de abordagem qualiquantitativa, com
técnica de coleta de dados: observação direta e testes com softwares. Realizada dentro de etapas
que iniciaram desde o conhecimento da empresa até análise e apresentação dos resultados. Para
Lopes, Sauvé e Nicolletti (2003), os sistemas de gerência de redes podem ser definidos como uma
coleção de ferramentas integradas para a monitoração e o controle da rede, são constituídos por uma
arquitetura geral de quatro componentes básicos: elementos gerenciados, estação de gerência,
protocolo de gerência, informações de gerência. Segundo Faina (2009), o modelo de gerenciamento
de redes (FCAPS), foi criado a partir das iniciais de cada área de gerenciamento (Fault,
Configuration, Accounting, Performance and Security), servindo de base para todas as demais por
definir as áreas funcionais da gerência de redes. Na análise da problemática em questão, como
gerenciar os dispositivos da rede, buscando prevenir falhas que podem acarretar em isolamento de
serviços. Constatou-se através de duas funções que geram o gerenciamento de falhas, o
monitoramento e evento. Através do monitoramento foi possível identificar quando um evento chega
num ponto crítico, e como isso acaba gerando uma falha para a rede, e com o evento foi possível
tomar uma ação em cima de uma falha podendo resolver o problema de forma proativa enviado
alertas, através de e-mail, SMS ou scripts personalizados, sendo executado pela ferramenta de
gerenciamento nagios. Diante disso, com base no monitoramento pode se estabelecer quais os
pontos da rede que necessitam de manutenção ou troca de equipamentos e baseando-se nos
gráficos que são apresentados no histórico de funcionamento dos pontos monitorados, é identificado
os problemas que estão ocorrendo na rede, e assim é definido soluções proativas para prevenir
reduzindo os riscos, aumentando a qualidade dos serviços, além de manter a funcionalidade da rede
estável.
Palavras-chave: Gerenciamento, Monitoramento, Desempenho, Prevenção, Serviços de Rede.
- 146 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Referências:
FAINA, Luis Fernando. Gerenciamento de Rede. Disponível em:
<http://www.facom.ufu.br/~faina/MCC_Crs/MC110-2S2009/DwLd_MC110/mc110-chp01-introducao.pdf> Acesso
em: 22 de abril de 2011.
LAKATOS, Eva Maria. MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do Trabalho Ciêntífico. 6 ed. São Paulo:
Atlas, 2001.
LOPES, Raquel. SAUVÉ, Jacques. NICOLLETI, Pedro. Melhores Práticas para Gerência de Rede de
Computadores. Rio de Janeiro: Editora Campus, 2003.
SOARES, Luiz Fernando G. LEMOS Guido. COLCHER, Sérgio. Redes de Computadores: das LANS, MANS e
WANS as redes ATM. 2º. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1995.
TANENBAUM, Andrew S. Redes de Computadores. Tradução da quarta ed.6ª Reimpressão. Rio de Janeiro:
Elsevier, 2003.
TORRES, Gabriel. Redes de Computadores. Rio de Janeiro: Axel Books, 2001.
ZIEGLER, Julio Cezar Thomé. DRESCH, Miguel. BENATTI, Esp. Denis Valdir. M.SC. Junior, Helmuth
Grossmann. M.Sc.Santos,Fernando Beux. Implantação de uma Ferramenta de Gerenciamento para a Rede de
Computadores de uma empresa de comércio e representações Agrícolas. Trabalho Interdisciplinar do 5º
semestre do Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Três de Maio: SETREM, 2011.
DESENVOLVIMENTO DE UM ALGORITMO EM LINGUAGEM
C PARA OPERAÇÕES DE MATRIZES
De: TIAGO JOSE PASIEKA ([email protected]), DIOGO LUKASZESKI DOS SANTOS
([email protected]), EDUARDO LUIZ ULSENHEIMER ([email protected]) Orientado por:
MARCOS
GARRAFA
([email protected]),
HELMUTH
GROSSMANN
JUNIOR
([email protected]), SANDRA REJANE ZORZO PERINGER ([email protected]), Adalberto Lovato
([email protected])
Desenvolver algoritmos é uma importante forma de garantir uma boa lógica de programação,
independentes de qual linguagem irá se utilizar. O presente estudo objetivou o desenvolvimento de
algoritmo em linguagem C para operações de matrizes (adição, subtração, transposta, multiplicação,
multiplicação por escalar, determinante e inversa), realizado na Prática Profissional Direcionada I do
Curso de Sistemas de Informação, buscando responder ao problema: como garantir a confiabilidade
dos resultados de operação de matrizes a partir do algoritmo desenvolvido em linguagem C?
Buscando caminho pra responder ao mesmo foram levantadas as seguintes hipóteses: com o estudo
dos métodos de cálculo de matrizes e o uso da ferramenta Dev-C++ é possível elaborar e
desenvolver o algoritmo pretendido; o mesmo apresenta agilidade nos processos, envolvendo
matrizes de várias ordens; e, os resultados gerados garantem resultados confiáveis aos cálculos
efetuados. Para tanto, foi utilizada a abordagem quali-quantitativa, visando definir a qualidade do
algoritmo e os resultados obtidos a partir dele. Como procedimento se utilizou o método experimental,
para o desenvolvimento da programação estruturada; o estatístico, para testar o sistema e suas
funcionalidades; e o comparativo, relacionando os resultados obtidos com a operacionalização dos
mesmos quando usada a ferramenta Microsoft Excel. As técnicas acionadas no desenvolvimento do
estudo foram: pesquisa bibliográfica, para levantar os conceitos necessários à elaboração do estudo;
linguagem C, para o desenvolvimento do algoritmo; e a análise dos dados foi efetuada a partir da
aplicação de testes. Referenciou teoricamente o estudo os métodos de cálculos de matrizes,
principalmente o método de Gaus Jordam, usado para calcular o determinante e a inversa. Também
foi buscado embasamento sobre a linguagem C. Os resultados obtidos inicialmente foram oito
requisitos e o algoritmo com as seguintes opções de cálculos: a soma, subtração, multiplicação,
multiplicação por escalar, transposta, determinante e inversa. Para cada uma das opções de cálculos,
- 147 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
pode-se alimentar uma matriz, de tamanho definido pelo próprio usuário, tanto digitando como
carregando de um arquivo .txt. Depois de alimentado o mesmo, pode-se realizar o cálculo desejado e
exportar o resultado para o Excel. As ordens das matrizes que foram comparadas com a ferramenta
Excel foram de até vinte e quatro. Com isso, constatou-se ser possível o desenvolvimento de
algoritmo em Linguagem C com a ferramenta Dev-C++ e os resultados foram confiáveis, pois em
comparação com a ferramenta Microsoft Excel, todos os resultados obtidos a partir do algoritmo em
todas as operações foram totalmente iguais aos resultados do programa de referência. Dessa forma,
constitui-se esse trabalho em mais uma ferramenta disponível para calcular matrizes.
Palavras-chave: Linguagem C, Algoritmo, Operações de Matrizes.
Referências:
ANTON, Howad e BUSBY, Robert C. Álgebra linear contemporânea. 1. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.
FACHIN, Odília. Fundamentos de Metodologia. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2003.
LAY, David C. Álgebra Linear e suas Aplicações. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1997.
LIPSCHUTZ, Seymour. Álgebra Linear: Teoria e Problemas. 3. ed. São Paulo: Makron Books, Coleção Shaum,
1994.
LOVATO, Adalberto, EVANGELISTA, Mário Luiz Santos e GÜLLICH, Roque Ismael da Costa. Metodologia da
Pesquisa: normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. 2. ed. Três de Maio:
SETREM, 2007.
SHILDT, Hebert. C Completo e Total. 3. ed. São Paulo:Pearson, 1997.
STEINBRUCH, Alfredo e WINTERLE, Paulo. Álgebra Linear. 2. ed. São Paulo: McGraw-Hill, 1987.
ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA
CODIFICAÇÃO DE MATERIAIS PARA EMPRESA
MOVELEIRA
De: CRISTIANO RAFAEL STEFFENS ([email protected]), IVAN LUIS GUNKEL ([email protected])
Orientado por: TIAGO LUIS CESA SEIBEL ([email protected]), LEILA DALAZEN ([email protected])
O trabalho tem por objetivo apresentar a análise e o desenvolvimento de um software codificador
de materiais, produzido durante o segundo semestre do ano de 2010 na Prática Profissional
Direcionada V. Neste trabalho, através do levantamento de uma necessidade vivida na empresa
Irmãos Gunkel Ltda. da cidade de Cândido Godói, buscou-se aprofundar o conhecimento dos
integrantes na área de codificação de materiais, aliada às disciplinas de Sistemas de Produção,
Programação Comercial III e Engenharia de Software para o desenvolvimento do produto. O
problema proposto questionava como um software codificador de materiais poderia contribuir de
forma a melhorar o processo de produção de móveis da empresa, tendo como hipóteses a
padronização dos códigos dos materiais, a identificação pelo software de cada componente de um
móvel e a integração com o software de desenho SolidWorks. Através de metodologias de pesquisa
bibliográfica e exploratórias, procurou-se embasar o trabalho antes de iniciá-lo, a fim de prover
conhecimentos específicos aos participantes da pesquisa para a construção do trabalho, bem como
explorar os processos de produção da empresa, onde através destes se buscou a maneira mais
apropriada de codificar os materiais de acordo com seus tipos e descrições. O método utilizado para
a codificação dos materiais dentro do sistema foi o modelo decimal, que segundo Viana (2002, p.95),
divide os materiais em grupos e subgrupos através de um código único, a fim de prover uma
identificação mais facilitada do mesmo dentro da empresa. Foram usadas práticas de gerenciamento
de projeto com o intuito de auxiliar no planejamento do mesmo, bem como o uso de programação
orientada a objetos Java e banco de dados relacional PostgreSQL. Atenção especial também foi dada
ao processo de testes do software, dando a este robustez e confiabilidade através de testes de caixa
- 148 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
preta, que segundo Filho (2009, p.353), são focados nas saídas geradas pelo software, em resposta
às entradas e condições de execução inseridas em seu ambiente. Com o uso de ferramentas de
apoio como o controle de versões on-line, buscou-se centralizar todos os arquivos pertinentes,
facilitando o desenvolvimento e a organização do trabalho. Através do levantamento de requisitos,
sua análise e modelagem UML, obteve-se material apropriado para o desenvolvimento do software
codificador de materiais, o qual se caracteriza como principal resultado deste trabalho. Anexados ao
trabalho, somam-se documentações externas como um plano de implantação do software, manual de
usuário exemplificando as funcionalidades do sistema e um guia de instalação. Com o objetivo
principal e os objetivos específicos atendidos na concretização do sistema, as hipóteses adicionaram
mais valor e consistência ao trabalho, sendo todas confirmadas. Assim, o codificador de materiais é
apresentado como forma de agregar valor à empresa, catalogando os materiais e facilitando a
identificação destes no dia-a-dia da empresa.
Palavras-chave: codificação de materiais, programação, engenharia de software, produção.
Referências:
DEITEL, H. M. Java, como Programar. 4 ed. Porto Alegre: Bookman, 2003.
PAULA FILHO, Wilson de P. P. Engenharia de Software: fundamentos, métodos e padrões. 3ª Ed. Rio de
Janeiro: LTC, 2009.
SLACK, Nigel et al. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, 1999.
STEFFENS, Cristiano R; GUNKEL, Ivan L; LOVATO, Adalberto; SCHWENING, Cristiano; DALAZEN, Leila;
SEIBEL, Tiago C. Análise e Desenvolvimento de um Software para Codificação De Materiais para Empresa
Moveleira. Prática Profissional Direcionada V do curso Bacharelado em Sistemas de Informação - SETREM,
2010.
VIANA, João J. Administração de Materiais: um enfoque prático. São Paulo: Atlas, 2002.
DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA
SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO DE UMA INDÚSTRIA
METAL-MECÂNICA
De:
MAYCON
VIANA
BORDIN
([email protected]),
HELTON
EDUARDO
RITTER
([email protected]) Orientado por: LEILA CRISTINA DALAZEN ([email protected]), Adalberto Lovato
([email protected]), TIAGO LUIS CESA SEIBEL ([email protected])
O planejamento da produção tem por objetivo a melhoria da cadeia de produção, visando melhor
atender os clientes e consequentemente garantir a sustentabilidade da organização. Esse
planejamento é formado pelo plano agregado, de longo prazo; o Plano Mestre de Produção (PMP),
em médio prazo; e as técnicas de sequenciamento (ou programação fina), visando a
operacionalização diária. Enquanto o planejamento agregado e o PMP possuem métodos
padronizados e largamente aceitos, o sequenciamento diário da produção fica restrito as
características peculiares de cada negócio demandando métodos e técnicas personalizados. A
programação fina determina como será distribuída a produção entre os recursos disponíveis
(máquinas, pessoas, processos). A aplicação de técnicas e métodos que buscam a otimização do
sequenciamento traduzem-se em melhor utilização das máquinas e conformidade com o tempo de
entrega. A consequência disto é o melhor atendimento do cliente, maximização da eficiência
produtiva e redução de custos. Em Taborda (2008), levando em consideração as questões acima
descritas, fora desenvolvida uma solução para o sequenciamento da produção da metalúrgica Fratelli.
Esta solução fora pensada para o sequenciamento, através de planilhas eletrônicas, para 16
diferentes conjuntos (peças montadas). Mas com o passar do tempo esta solução demonstrou não
ser escalável, revelando insuficiências no sequenciamento de uma gama maior de conjuntos, que
hoje atinge cerca de 50. Com base neste cenário, o presente trabalho procurou, durante o segundo
semestre de 2010 na Prática Profissional Direcionada V do curso de Sistemas de Informação da
SETREM, desenvolver uma aplicação escalável, capaz de atender as crescentes demandas da
- 149 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
indústria, sendo mais eficiente e ágil no sequenciamento da produção, com relação à solução atual. A
aplicação foi desenvolvida utilizando a linguagem Java, seguindo as boas práticas da engenharia de
software e tendo como produto final, além do software, toda a documentação com relação à análise,
projeto, arquitetura, plano e execução de testes e manual do usuário. Provendo uma base sólida para
a manutenção do software e material suficiente para treinamento de usuários. Através deste trabalho
foi possível evidenciar a importância de certas práticas da Engenharia de Software, como testes
unitários e de integração, documentação do código. Mais que isso, ficou clara a importância da
análise no que tange ao suprimento das necessidades e consequente satisfação dos stakeholders.
Afirmação que pode ser comprovada com a entrega do software, que foi capaz de atender as
necessidades elencadas, principalmente no que tange a escalabilidade e eficiência, provando ser
uma alternativa viável e vantajosa com relação a atual solução. O que se traduz em menos tempo e
esforço no sequenciamento da produção, possibilitando o dispêndio de maior quantidade de tempo
em tarefas que possam agregar maior valor a organização.
Palavras-chave: Sequenciamento da produção, Engenharia de Software, Java.
Referências:
BAUER, Christian; KING, Gavin. Hibernate in Action. Greenwich: Manning, 2005.
BECK, Kent. Extreme Programming Explained: Embrace Change. Addison-Wesley, 1999.
BOOCH, Grady; RUMBAUGH, James; JACOBSON, Ivar. The Unified Modeling Language User Guide – 2a
Edição. Addison-Wesley, 2005.
BORDIN, M. V.; RITTER, H. E.; DALAZEN, L.; LOVATO, A.; SCHWENING, C.; SEIBEL, T.. Desenvolvimento de
um Software para Sequenciamento da Produção de uma Indústria Metal-Mecânica. Três de Maio: SETREM,
2010.
DATE, Chris J. An Introduction to Database Systems – 8a Edição. Pearson, 2004.
DAVIS, Mark M.; AQUILANO, Nicholas J.; CHASE, Richard B. Fundamentos da Administração da Produção – 3a
Edição. Porto Alegre: Artmed, 2001.
DEITEL, P. J.; DEITEL, H. M. Java: How To Program – 7a Edição. New Jersey: Pearson, 2007.
GAMMA, Erich; HELM, Richard; JOHNSON, Ralph; VLISSIDES, John M. Design Patterns: Elements of Reusable
Object-Oriented Software. Addison-Wesley, 1994.
PRESSMAN, Roger. Engenharia de Software – 6a Edição. McGraw-Hill, 2006.
SOMMERVILLE, Ian. Software Engineering – 8a Edição. Addison-Wesley, 2006.
TABORDA, Loana Wollmann. Sequenciamento da Produção em Indústria Metal-Mecânica. Três de Maio:
SETREM, 2008.
TAHCHIEV, Petar; LEME, Felipe; MASSOL, Vincent; GREGORY, Gary. JUnit in Action – 2a Edição. Greenwich:
Manning, 2009.
PESSOAS NASCIDAS NA ERA DIGITAL – NATIVOS
DIGITAIS
De: MARCOS DA MOTTA HENDGES ([email protected]) Orientado por: VERA LUCIA LORENSET
BENEDETTI ([email protected])
Recentemente tem havido uma necessidade de se nomear as gerações de forma a não alinhar
com as mesmas características indivíduos de épocas diferentes. Até há pouco tempo atrás, quando
se referia à crianças, adolescentes ou pessoas de meia ou terceira idade acabava-se generalizando
- 150 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
comportamento e características, independente da época em que viveram. Assim, fica fácil entender
que um adolescente do Século XIX, tem características diferentes de um adolescente do início do
Século XX, ou dos anos 50, 60 ou 90. Dessa forma, se optou por chamar as gerações, independente
de sua idade, considerando que as gerações envelhecem, por nomes específicos. A primeira delas a
X, nascidos de 1960 a 1980, seguindo da geração Y, nascidos de 1980 a 1990, e por final a Geração
Z nascidos após 1990. Segundo Palfrey (2011) as pessoas consideradas nativas digitais são aquelas
que nasceram depois de 1980, e que tem acesso às tecnologias digitais, e todos tem habilidades
para usar essas tecnologias. A Internet, emails, redes de relacionamento, recursos digitais, fizeram
com que a geração Y fizesse milhares de amigos ao redor do mundo, sem ao menos terem saído da
frente de seus computadores. Garotas e garotos da Geração Z, em sua maioria, nunca conceberam o
planeta sem computador, chats, telefone celular. Por isso, são menos deslumbrados que os da
Geração Y com chips e joysticks. Sua maneira de pensar foi influenciada desde o berço pelo mundo
complexo e veloz que a tecnologia engendrou. A mobilidade nas comunicações é uma característica
associada ao consumo dos nativos digitais. Não há acordo entre os estudiosos a respeito da data
exata de início e fim desta geração. Palfrey (2011) também afirma que na era digital, as pessoas
negociam o tempo todo o controle em troca da facilidade de acesso. Os sistemas digitais oferecem
meios extremamente eficientes de dirigir a vida nas sociedades conectadas à rede do mundo todo.
Essa geração desenvolveu-se numa época de grandes avanços tecnológicos e prosperidade
econômica. Eles cresceram vivendo em ação, estimulados por atividades, fazendo tarefas múltiplas.
Uma de suas características atuais é a utilização de aparelhos de alta tecnologia. Mas essa época foi
também modificação de visões políticas e existenciais, essa geração cresceu em meio a um
crescente individualismo e extremada competição. Apresenta uma preocupação social quanto à
proteção ambiental. Há de se promover a integração de qualidades e a conscientização do que deve
ou não deve ser encorajado como prática. Podem apostar que uma considerável parte dessa
Geração Y tem potencial e está disposta a ser positiva neste cenário inconstante, como ela, do
universo corporativo. É necessário equacionar todos esses X, Y e ainda acrescentar um Z positivo no
resultado.
Palavras-chave: pessoas, geração e mobilidade.
Referências:
PALFREY, John; Nascidos na Era Digital. Porto Alegre: Artmed, 2011.
PORTAL DE RELACIONAMENTO ENTRE PARCEIROS DE
NEGÓCIOS PARA UMA COOPERATIVA AGROPECUÁRIA
De:
MAYCON
VIANA
BORDIN
([email protected]),
HELTON
EDUARDO
RITTER
([email protected]) Orientado por: TIAGO LUIS CESA SEIBEL ([email protected]), VERA LUCIA
LORENSET
BENEDETTI
([email protected]),
Marcelo
André
Ackermann
([email protected])
Um dos grandes desafios das empresas atualmente está na forma como elas tratam seus
clientes, algo que, apesar de ser fundamental para o sucesso dos negócios, muitas vezes é deixado
em segundo plano pelas mesmas. Felizmente existem no mercado empresas que buscam se
diferenciar, oferecendo tratamento personalizado para cada um de seus clientes, procurando atendelos da melhor forma possível. A evolução dos sistemas de computação tornou possível criar
ferramentas para auxiliar no relacionamento entre empresa e clientes, possibilitando reduzir os custos
de um atendimento personalizado e de qualidade. Dentro da cooperativa COTRIMAIO, alguns
processos de relacionamento ainda acontecem apenas de modo presencial, ou por telefone. São
exemplos disso a consulta de saldo do cartão, saldo de grãos e títulos, e quando da necessidade da
compra, não há uma forma de consulta na web dos produtos (agropecuários). Para suprir essa
necessidade, ou mesmo antecipá-la, este trabalho se propôs a criar um portal de relacionamentos
Web capaz de fornecer essas informações aos associados, além de prover um canal de comunicação
entre a cooperativa e seus associados, bem como permitir-lhes a requisição de orçamentos de
produtos agropecuários e consulta e avaliação das visitas realizadas por técnicos as suas
propriedades. Com relação ao desenvolvimento do software, optou-se pela linguagem Java, por já ser
- 151 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
usada dentro da cooperativa, mesmo motivo que levou ao uso do banco de dados Oracle. A
arquitetura do portal segue o padrão de projetos MVC (Model-View-Controller), tendo sido usados
ainda outros padrões de projetos, como: ORM, dependency injection, lazy initialization, repository e
service layer. Através destas escolhas foi possível criar uma arquitetura concisa e de fácil
compreensão, resultando em menor esforço necessário para a manutenção do portal. Outro aspecto
do portal que ganhou atenção foi a usabilidade da interface com o usuário, procurando mantê-la
legível, de fácil navegação e compreensão, através do uso de cores com significado, seguindo
padrões de posicionamento de componentes e principalmente através do uso de AJAX
(Asynchronous Javascript and XML), que permitiu a redução na quantidade de passos necessário na
execução de algumas tarefas. Até o momento da conclusão do trabalho o portal do associado não
havia sido implantado na cooperativa, deste modo não fora possível analisar o impacto do mesmo
para com os associados. Mesmo sem resultados práticos sobre o portal do associado, levando em
conta que o levantamento dos requisitos e a análise do sistema seguiram critérios rigorosos e
buscaram compreender de forma concisa o funcionamento do negócio, foi possível afirmar que o
portal do associado atingiu seus objetivos, provendo uma ferramenta para a comunicação entre
associados e cooperativa.
Palavras-chave: Portal de relacionamento, Java Web, Engenharia de Software, UX.
Referências:
ALBERTIN, A. L. Comércio Eletrônico: Modelo, Aspectos e Contribuições de Sua Aplicação. 5a. ed. São Paulo:
Atlas, 2004.
CÔRTES, P. L. Administração de Sistemas de Informação. São Paulo: Saraiva, 2008.
FOWLER, Martin et al. Patterns of Enterprise Application Architecture. Addison Wesley, 2002.
GREENBERG, Paul. CRM at the Speed of Light. 4a. ed. McGraw-Hill, 2010.
HENNING-THURAU, T.; HANSEN, U. Relationship Marketing: Gaining Competitive Advantage Through
Customer Satisfaction and Customer Retention. Springer, 2000.
KOTLER, Philip. Administração e Marketing. 5a. ed. São Paulo: Atlas, 1998.
SANDHUSEN, R. L. Marketing Básico. 2a. ed. São Paulo: Saraiva, 2003.
SETREM. Programa de Inclusão digital do Produtor Rural, 2007. Disponivel em:
<http://sites.setrem.com.br/inclusaoprodutor/conteudos.htm>. Acesso em: 10 Junho 2011.
GPRS
De: MAYCON FRANCYEL SCHAWINSKY BATISTA ([email protected]), SANDRA CARINE MINIKEL
([email protected]) Orientado por: DENIS VALDIR BENATTI ([email protected]), SARA
BREITENBACH DINIZ ([email protected]), SIMONE STUMPF ([email protected])
No atual cenário comercial as empresas adaptam-se as novas tecnologias para atender melhor
os seus clientes e suas necessidades. Com o surgimento da tecnologia GPRS implantada nas
máquinas de cartão de crédito torna-se possível a realização em tempo real das transações
bancarias e comerciais. Já esta tecnologia implantada nas centrais de monitoramento de alarme temse a diminuição do custo financeiro na transmissão dos dados, com segurança e qualidade. Este
resumo se insere no contexto do avanço das tecnologias de transmissão de dados, tópico cujo
interesse foi retomado nos últimos meses pelas necessidades de se ter uma boa qualidade na
transferência de dados aliada a custo mais acessível, podendo ter grandes volumes de informações
em curtíssimos espaços de tempo. O tema aborda a importância do referido estudo sobre a
tecnologia, suas aplicabilidades e o funcionamento. GPRS - General Packet Radio Service é um
serviço de dados que proporciona um salto qualitativo no envio e recepção de informação através da
- 152 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
rede de telefonia móvel GSM. Utiliza-se das camadas do modelo OSI para encapsular as
informações, segundo TORRES (2001), cada camada da rede utiliza um protocolo para comunicar os
dados da camada da estação emissora com a camada da estação recebedora, criando assim regras
para esta comunicação. Este processo chama-se encapsulamento ou envelopamento de dados, para
que os dispositivos de uma rede venham a trocar informação entre si, com o mesmo protocolo. GPRS
permite acesso imediato e permanente às informações, permitindo poupar tempo de ligação e
conexão a cada vez que seja necessário o acesso aos dados. Com a implantação desta tecnologia
nos cartões de crédito e a ampliação da rede de aceitação, a empresa conveniada se beneficia ainda
do marketing competitivo que a tecnologia pode trazer frente aos concorrentes, por prestar um
atendimento de qualidade e conforto para seus clientes. No Brasil o serviço GPRS é oferecido por
grandes operadoras como Claro, TIM, Vivo, entre outras grandes operadoras. Segundo uma pesquisa
elaborada pelo Eliézer Pimentel (2004) houve um aumento nas transações comerciais utilizando
cartão de crédito, no período de 1999 a 2004. O baixo custo desta tecnologia utilizada no
monitoramento de centrais de alarmes o torna uma tecnologia muito utilizada no meio, pois também
atende a outros aspectos como segurança e agilidade na transmissão.
Palavras-chave: GPRS, GSM, CARTÃO.
Referências:
LOVATO, Adalberto; ENVANGELISTA, Mário Luiz Santos; GULLING, Roque Ismael da Costa. Metodologia da
Pesquisa: normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. 2º Edição. Três de Maio:
Ed. SETREM, 2007.
TANENBAUM, Andrew S. Redes de Computadores. 3º edição. Rio de Janeiro: Ed. Campus, 1997.
TORRES, Gabriel. Redes de Computadores Curso Completo. Rio de Janeiro: Ed. Axcel Bokks, 2001.
MORAES, Camila. Tecnologia GPRS traz agilidade às operações e conforto aos usuários de cartões. Disponível
em: <http://www.partnerconsult.com.br;partnerreport/v2/sessoes.cfm?sessao=reportagens&id=203>. Acesso em:
15 março.2010.
MAGAZINE LUIZA. Tecnologia GPRS. Disponível em:
<http://www.magazineluiza.com.br/PortaldaLu/verConteudo.asp?id=139>. Acesso em: 20 março.2010.
SONY ERICKSON. Technology GPRS. Disponível em:
<http://www.sonyericsson.com/cws/corporate/company/aboutus/understandingnetworks>. Acesso em: 11 de
junho. 2010.
RADIO ELECTRONICS. Technology GPRS. Disponível em: http://www.radioelectronics.com/info/cellulartelecomms/gprs/gprs-radio-air-interface-slot-burst.php > . Acesso em: 13 de junho.
2010.
PIMENTEL, Eliézer. Transações Eletrônicas. Disponível em: <http://www.planobe.com.br>. Acesso em: 11 de
maio. 2010.
BENATTI, Denis. Modelo OSI. Material Didático, 2010.
PAZ, Marcio. Configuração GPRS. Material Publicitário, 2010.
SANTOS, Julio Cesar dos. Configuração GPRS. Material Utilizado na Empresa Shelter Segurança, 2010.
SOLUTECH, Representante dos Produtos PPA. GPRS. Material Publicitário, 2010.
- 153 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
ANÁLISE DA INFRAESTRUTURA DA REDE DE
COMPUTADORES DE UMA EMPRESA DE INFORMÁTICA
De:
DAIANA
MICHEL
([email protected]),
ESTER
ELVIRA
STROSCHOEN
([email protected]) Orientado por: FAUZI DE MORAES SHUBEITA ([email protected]), ELISEU
MARAFIGA ([email protected])
O presente trabalho refere-se a uma análise da infraestrutura da empresa STYLLUS de
Horizontina, objetivando o desenvolvimento da pesquisa teórica e aplicada nesta área. No que se
refere ao tema, aborda-se acerca dos equipamentos utilizados, problemas encontrados e proposta de
melhorias para melhor aproveitamento da rede de computadores. A Empresa atua no ramo da
informática, prestando serviços de assistência técnica e oferecendo cursos profissionalizantes, a
mesma, conta atualmente com 10 computadores instalados, a maior parte com processadores Intel
dual core, sendo um Phenom de 3 Gigas e Office 2010 instalado. Também possuem 2 hubs, sistema
operacional Windows XP Professional, versão 2003, utilizando um servidor apenas para impressão,
pretendendo aumentar sua rede futuramente para 27 computadores, todos os usuários, alunos e afins
que fizerem uso de pen drives, os mesmos são verificados antes do uso para evitar assim a
propagação de vírus que possam vir a existir nos mesmos. O sistema de backup é manual e
realizado a cada semana. O cabeamento da empresa atualmente utiliza CAT 5 AT&T T258A. A
empresa pretende futuramente modernizar o software, instalando o Windows 7, bem como aumentar
a capacidade de memória e o número de CPUs e fazer a substituição de equipamentos mais antigos.
Segundo Northcutt (2002), o objetivo de uma rede é prover acesso, ou seja, acessibilidade, oferecer
serviço, desempenho e facilidade de uso, já o controle tem visão na negação do serviço ou acesso
sem autorização, separação, integridade e segurança. Analisadas as possíveis mudanças e então se
apresenta a proposta uma melhoria no cabeamento da empresa estruturando completamente para
atingir um ótimo desempenho na rede de uma disponibilidade do serviço e para atingir qualidade nas
outras propostas de implantação. Realizado um levantamento dos principais dados dos
computadores da rede, utilizando para isso o programa CPU-Z. Com o estudo do projeto proposto foi
realizado um cronograma, onde inicialmente se fez uma pesquisa teórica através de livros e da
Internet, para obtermos conhecimento suficiente a detectar problemas de segurança e infra-estrutura
na rede da empresa. Buscou-se apresentar algumas características sobre políticas de segurança e
possíveis implantações para resolver alguns dos problemas da empresa. Após a conclusão do estudo
realizado e os problemas encontrados foi mostrado ao proprietário os problemas e algumas soluções
onde possa ocorrer uma futura implantação pelo mesmo. Através do estudo pode-se comprovar que
políticas de segurança são suficientes para manter um bom desempenho da informação, sendo que
deve estar unida a uma boa estrutura física montada, da mesma forma que se pode comprovar a de
que a estrutura de cabeamento interno da empresa está adequada a uma boa comunicação da rede .
Palavras-chave: Infraestrutura, rede de computadores, segurança.
Referências:
NORTHCUTT, Stephen; ZELTSER, Lenny; WINTERS, Scott; FREDERICK, Karen K.; RITCHEY, Rnald W.
Desvendando Segurança em Redes. Rio de Janeiro: Ed. Campus, 2002.
MICHEL, Daiana; STROSCHOEN, Ester; BENEDETTI, Vera Lúcia L.; GROSSMANN JUNIOR, Helmuth;
KRAULICH, Claudir R.; MARAFIGA, Eliseu; SHUBEITA, Fauzi. Análise da Infraestrutura da Rede de
Computadores de uma Empresa de Informática. Trabalho interdisciplinar realizado no 2º semestre do Curso de
Tecnologia em Redes de Computadores, 2010.
ESTUDO E MELHORIAS DO IPV6 EM RELAÇÃO AO IPV4
De: LUIS EDUARDO KUHN RAMOS ([email protected]), BRUNO OTAVIO BRUN NETO
([email protected]), MARCUS VINÍCIUS VOLKWEIS ([email protected]) Orientado por: DENIS
- 154 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
VALDIR BENATTI ([email protected]), FAUZI DE MORAES SHUBEITA ([email protected]), SARA
DINIZ ([email protected]), JUSSARA DALLA COSTA ([email protected])
Este artigo tem por tema o estudo e melhorias do IPv6 em relação ao IPv4. Tendo como
motivação o fato do grande crescimento do número de usuários domésticos e empresarias na
internet, o IPv4 continua sendo o mais utilizado, porém com a transição de um protocolo para outro,
muitas dúvidas surgem sobre seu funcionamento e as características da nova versão. O presente
artigo tem por objetivo mostrar como foi desenvolvido o IPv6, apresentando suas principais
características e entender seu funcionamento. O protocolo TCP/IP passou a ser o mais utilizado em
redes locais. Assim, Visando impedir que os endereços IPv4 se esgotassem, a partir da década de
1990, membros da IETF (Internet Engineering Task Force), passaram a desenvolver um novo
protocolo, procurando aperfeiçoá-lo tornando mais eficiente. Diante disso, buscou-se saber quais as
características e funcionamento do protocolo IPv6. Baseando-se nos componentes curriculares de
Metodologia da Pesquisa e Redação Técnica, Inglês Instrumental, Fundamentos de Redes e
Informática Instrumental. Utilizou-se de uma pesquisa descritivo-exploratória, baseando-se em
bibliografias, internet e conhecimentos adquiridos em sala de aula. Segundo Torres (2001), para
facilitar a conexão de sistemas diferentes, a ISO (International Standarts Organization) desenvolveu o
modelo de referência OSI, para que os fabricantes pudessem criar protocolos a partir desse modelo.
Segundo Starlin (2004), protocolo é a inguagem usada pelos dispositivos de uma rede para que eles
consigam se entender, ou seja, trocar informações entre eles. Segundo Tanenbaum (2003), o TCP
(Transmission Control Protocol), é um protocolo orientado a conexões confiáveis, pois permite a
entrega e o controle, sem erros de fluxo de dados originário de um determinado computador da interrede. Os futuros problemas para as empresas estão relacionados aos custos com a adaptação da
infraestrutura, com elaboração de planos de implantação, equipamentos e qualificação dos seus
funcionários na área de TI. O protocolo IPv6 possui algumas vantagens em relação ao IPv4, onde
dados desnecessários foram retirados de seu cabeçalho, criando campos opcionais. Na questão
segurança, se utiliza o IPSec(IP Security Protocol) como mecanismo nativo, visando fornecer a
privacidade do usuário, manter a integridade e a autenticidade das informações. A sua autenticação
de VPN (Virtual Private Network) é aplicada de forma mais facilitada e oferece endereços
globalmente únicos e seguros. Existindo também serviços de segurança como o controle de acesso,
confidencialidade e integridade de dados, sem necessidade de firewalls adicionais. Assim, além de
apresentar melhorias na segurança e no desempenho, a nova forma de endereçamento resolverá os
problemas atuais de falta de endereços. Concluí-se que a realização deste artigo, proporcionou
conhecimentos adicionais aos acadêmicos, esclarecendo dúvidas sobre esta nova tecnologia e
colaborando para a formação profissional.
Palavras-chave: IPv6, características, funcionamento.
Referências:
NETO. Bruno Otávio Brun; RAMOS. Luís Eduardo Kuhn; VOLKWEIS. Marcus Vinícius; BENATTI, Denis Valdir;
SHUBEITA, Fauzi De Moraes; COSTA, Jussara Dalla; DINIZ, Sara. Estudo e Melhorias Do Ipv6 em Relação ao
Ipv4. Três de Maio: Setrem, 2009.
STARLIN, Gorki. TCP/IP – Conceitos, Protocolos e Uso. Rio de Janeiro: Alta Books, 2004.
TANENBAUM, Andrew S. Redes de computadores 4ª edição. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.
TORRES, Gabriel. Redes de Computadores: Curso Completo. Rio de Janeiro: Axcel Books, 2001.
ANÁLISE DE SERVIÇO DE ÁUDIO E VÍDEO CONFERÊNCIA
UTILIZANDO O SOFTWARE DIMDIM
De: ROBSON DALVAN PREUSS ([email protected]), JOAO CARLOS
([email protected]) Orientado por: DENIS VALDIR BENATTI ([email protected])
LUFT
FERRI
Neste trabalho relata-se o desenvolvimento de um projeto de análise visando funcionamento e
focando duas principais áreas de atuação em que se pode ser usado o software, suas funções,
- 155 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
instalações e disponibilidades para o uso em mundo acadêmico e no mundo dos negócios,
descrevendo o que ele disponibiliza de melhor para essas áreas, focando as vantagens que o mesmo
emprega. O projeto de pesquisa pode ser classificado, quanto aos meios como pesquisa-ação, onde
envolve a participação dos pesquisadores e dos participantes no processo de solução do problema;
também como hipotético-dedutiva, pois, relaciona as hipóteses apresentadas ao processo dedutivo.O
DIMDIM é um serviço que possibilita compartilhar sua área de trabalho e arquivos, mostrar
apresentações e realizar conversas via mensagens instantâneas, áudio e vídeo, sem a necessidade
dos espectadores realizarem nenhum tipo de instalação. As principais características e utilidades do
DIMDIM é áudio conferência a integração de voz, dados e imagens em redes de computadores, é
feito por meio de equipamentos de rede que transmitem os pacotes digitalizados em conjunto e de
maneira compartilhada.A videoconferência, tem como objetivo básico reduzir o custo de viagens,
baseando-se na empresa, permitindo efetuar reuniões entre pessoas situadas em locais diferentes, é
uma forma de comunicação interativa entre dois ou mais participantes separados fisicamente, através
da transmissão sincronizada de áudio, dados e vídeo em tempo real.A ferramenta free é instalada em
servidor próprio, está disponível para Windows e Linux. Comporta até cinco pessoas por conferência.
Ideal para pequenas e médias empresas que querem se utilizar da própria infraestrutura para sua
realização. Já a versão Pro, proporciona mais recursos que a versão gratuita, entre eles customizar a
sala com o logo da empresa, comporta até cem pessoas por sala, os preços variam de US$ 99,00 a
US$ 495,00/ano. A versão Enterprise conta com todas as funcionalidades da solução, há
possibilidade de usar o serviço hospedado no site do DIMDIM ou em servidor próprio, utilizando os
recursos disponíveis na empresa. Comporta até mil pessoas por sala, com a possibilidade de realizar
múltiplas Web-conferências simultaneamente, o preço desta versão se inicia em US$ 1999,00/ano.
Assim, utilização do software no mundo dos negócios facilitaria sincronizando apresentações ao vivo,
páginas da web enquanto partilha a sua voz e vídeo através da Internet – sem necessidade de fazer
download, contudo, a utilização da ferramenta DIMDIM, abre a possibilidade de transmitir palestras,
cursos, seminários, usando voz e vídeo, com interação com o apresentador, e ainda podendo
compartilhar o desktop, apresentações, web sites diretamente na tela do usuário.
Palavras-chave: DIMDIM, web-conferência, software livre.
Referências:
CHOWDHURY, Dhiman D., Projetos Avançados de Redes IP – roteamento, qualidade de serviço e voz sobre IP.
Editora Campus, 1 ed., 2002.
LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário Luiz Santos; GÜLLICH, Roque Ismael da Costa. Metodologia da
Pesquisa – normas para apresentação: redação, formatação e editoração. Editora SETREM, 2 ed., 2007.
SOUSA, Lindeberg Barros de. Redes de computadores: dados, voz e imagem. Editora Érica, 8 ed., 2005
TANENBAUM, Andrew S. Rede de computadores. Editora Campus Ltda, 4 ed., 2003
ANÁLISE E PROJETO ESTRUTURADO DE UM SISTEMA DE
CONTROLE PARA O PROGRAMA DE INCLUSÃO DIGITAL
De: TIAGO JOSE PASIEKA ([email protected]), MAURICIO SCHIAVO ([email protected])
Orientado por: JORGE ANTONIO RAMBO ([email protected]), FAUZI DE MORAES SHUBEITA
([email protected]), MAIDI TEREZINHA DALRI ([email protected])
A análise é considerada uma das partes mais importantes de um sistema, por permitir que sejam
levantados todos os requisitos e especificações que o projeto deve atender. Deste modo o presente
estudo buscou realizar uma análise estruturada para um sistema de controle para o programa de
Inclusão Digital da SETREM. O problema identificado foi: como os processos poderiam ser
automatizados? A partir dele foram levantadas as hipóteses: a análise permitirá ter uma visão clara
dos processos atuais do programa; haverá viabilidade de desenvolvimento de um sistema. Os
objetivos foram: levantar a situação atual do Programa de Inclusão Digital, identificar melhorias nos
processos, gerar gráficos a partir do histórico estatísticos do Programa, levantar os requisitos,
- 156 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
elaborar os Diagramas de Fluxo de Dados (DFD) e uma proposta de modelo ER. A abordagem foi do
tipo quali-quantitativa voltada aos requisitos e aos dados dos históricos. Os procedimentos foram:
pesquisa bibliográfica, para o levantamento da teoria, pesquisa documental, para obter os dados
históricos, estudo de caso, para o levantamento da situação atual, e a pesquisa-ação com o
envolvimento de ambas as partes para solucionar o problema. As técnicas foram: entrevista (para
conhecer o cenário atual), documental (levantamento dos números de matrículas e certificados
entregues) e a observação (levantamento dos requisitos a partir do conhecimento levantado pela
entrevista). As principais referências levantadas foram sobre inclusão digital, análise estruturada,
requisitos (funcionais, não funcionais e de domínio), DFD, modelo ER, sistemas de informação,
controle, planejamento, qualidade e produtividade. A partir das entrevistas com os responsáveis pelo
Programa, foram elaborados gráficos estatísticos sobre a história do Programa, permitindo visualizar
número de instrutores, alunos e turmas. Analisando o site atual, a forma de como eram realizadas as
inscrições, as chamadas, impressões de certificados e ata final de cada turma formada, foi possível
levantar requisitos, entre eles funcionais, não funcionais e de domínio, desenvolver DFDs e uma
proposta de modelo ER. Realizando-se uma análise estruturada dentro da Instituição pode-se avaliar
a viabilidade de desenvolvimento e implantação de um software para a área. E com o que foi
conversado, com os responsáveis pelo programa, pode-se observar a necessidade de um software
para o controle dos processos do programa, sendo possível gerar relatórios gerenciais mais rápidos,
como por exemplo: lista de presenças, ata final, certificados. Estes investimentos que o programa
viabiliza são muito importantes, sendo responsáveis por pelo menos dois dos laboratórios de
informática da Instituição. Fica então como proposta futura, através da análise já levantada,
desenvolver o sistema e também um site dinâmico para divulgar as informações, aproveitando os
dados armazenados no banco de dados do sistema proposto.
Palavras-chave: Sistemas de Informação, Inclusão Digital, Análise.
Referências:
INFORMATIVO DA UNIFAE CENTRO UNIVERSITÁRIO. Laboratório de Informática é aberto a jovens carentes.
FAExpress, v. 6, n. 4, p. 7, dez. 2006.
YOURDON, Edward. Análise Estruturada Moderna. Rio de Janeiro: Elsevier, 1990.
MAXIMIANO, Antonio Cesar Amarau. Introdução à Adminstração. 5ª. ed. São Paulo: Atlas, 2000.
SORDI, José Osvalde; MEIRELES, Manuel. Administração de Sistemas de Informação. São Paulo: Saraiva,
2010.
ANDRADE, Rui. Otávio. B.; AMBONI, Nério. Teoria Geral da Administração - Das Origens às perspectivas
contemporâneas. São Paulo: M.Books, 2007.
HOJI, Masakazu; SILVA, Hélio Alves. Planejamento e Controle Financeiro: Fundamentos e Casos Práticos de
Orçamento Empresarial. São Paulo: Atlas, 2010.
PROJETO E PLANEJAMENTO DA REDE DE
COMPUTADORES DA EMPRESA DINON CEREAIS
De: CHRISTIAN ADEMIR LINCK ([email protected]), MAURICIO TURRA
([email protected]) Orientado por: DENIS VALDIR BENATTI ([email protected])
VANZELLA
Esta documentação tem como objetivo apresentar os estudos e análise de implantação da nova
infraestrutura de rede da empresa Dinon Cereais de Tuparendi-RS que atua no ramo agronegócio
brasileiro. Diante disso a rede será projetada dentro dos padrões de certificação CCDA, buscando
uma centralização de equipamentos da rede de computadores e, seu novo prédio. O CCDA oferece o
conhecimento necessário para projetar infraestrutura de redes LAN, WAN e serviços de acesso
discado para empresas e grandes corporações (BRUNO e KIM, 2003. P.05). A elaboração de uma
proposta que atenda as necessidades da empresa, bem como a utilização de novas tecnologias
disponíveis no mercado, como uma centralização dos seus equipamentos (servidor, modem, patch
- 157 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
panel e no-breack‟s,) dentro de um rack. Atualmente as aplicações usadas na empresa estão
estruturadas basicamente em rede Novell e Linux, um dos sistemas da empresa utiliza o servidor de
rede Novell para armazenar seu banco de dados e o outro sistema das NFE utiliza o servidor Linux
para interligar banco de dados das filiais com a matriz. O estudo desse modelo é tido como algo
didático, pois nenhum dos protocolos existentes segue esse modelo de forma completa, fazendo
sempre as suas modificações. No entanto, é uma boa forma de comparar os protocolos existentes
para uma melhor compreensão dos pontos positivos e negativos de cada protocolo (TORRES, 2001,
p. 39). Considerando a solução da rede é necessário analisar os requisitos da rede, suas aplicações
e de seus usuários para assim poder fazer projeções de melhoria da rede, o usuário da rede precisa
de transformações constantes, por exemplo, a melhoria do servidor e a migração dos seus ERPS e o
controle de permissões de acesso dos usuários aos recursos da rede e o crescimento da empresa.
Por isso as exigências da organização e dos seus funcionários precisam ser atendidas, ou seja, uma
infraestrutura que satisfaça aos requisitos de seus novos ERPS e o crescimento da organização.
Sendo assim, a centralização da rede da empresa Dinon Cereais facilitará a administração dos
objetos da rede melhorando a comunicação física. Por outro lado a análise financeira e melhorias
numa empresa são fatores que oportunizam questões de custo benefício, pois através dela
consegue-se mensurar através de índices de viabilidade de investimento se o projeto é viável ou não
e qual o tempo de retorno. A qualidade e eficiência de uma rede têm relação com o seu projeto
infraestrutura, pois os planejamentos que estejam baseados nas melhores práticas de gerenciamento
CCDA demandam padrões específicos para a Rede, fornecendo a estabilidade, a confidencialidade e
a escalabilidade. Tudo isso levará à empresa Dinon Cereais ter uma qualidade a mais na questão de
qualidade dos processos e serviços que estão sendo efetuados como: Facilidade no Gerenciamento
e Monitoramento da rede, consequentemente um melhor desempenho de sua Rede.
Palavras-chave: Infra-Estrutura, Melhorias, Redes, Projeto CCDA.
Referências:
BRUNO ANTHONY, KIM JAQUELINE. CCDA Guia de Certificação do Exame. Rio de Janeiro: Alta Books, 2003.
COELHO, Paulo Estáquio. Projeto de Redes Locais com Cabeamento Estruturado. Belo Horizonte: Ed. Instituto
On Line, 2003.
DINSMORE, Paul Campbell, Coordenação Adriane Cavalieri. Preparação para Certificação PMP - Project
Management Professional. 2.ed. Rio de Janeiro: Editora Qualitymark Ltda, 2006.
MONITORAMENTO E AUDITORIA DA REDE DE
COMPUTADORES DE UMA LAN HOUSE
De: JULIO CEZAR THOME ZIEGLER ([email protected]), LUANA SANTOS DE FREITAS
([email protected]) Orientado por: DENIS VALDIR BENATTI ([email protected]), ALEXANDER
RAFAEL BENATTI ([email protected]), ALAJUIARA DOS REIS BRUM ([email protected])
O presente tema visou apontar decorrências da auditoria e monitoramento de serviços, recursos
e do tráfego da rede de computadores de uma Lan House. Tendo como base as normas de direito
com a aplicação a informática no período de agosto a novembro de 2010. E com o objetivo de realizar
o monitoramento e auditoria da infra-estrutura da rede. Sendo que para isso era possível detectar e
prever falhas, avaliando o desempenho da mesma, planejando futuras expansões e mantendo
estável o funcionamento de equipamentos gerenciáveis. Tendo em vista, que para Lopes, Sauvé e
Nicolletti (2003), monitorar é controlar os elementos da rede sejam eles físicos ou lógicos,
assegurando certo nível de qualidade dos serviços e desta forma prevenir e evitar problemas da rede.
Segundo Gil (1998), a área de auditoria implica a validação e avaliação do controle interno de
sistemas de informações em processamento eletrônico de dados, tendo o auditor de sistemas a
função de buscar a otimização do emprego dos recursos de processamento eletrônico de dados e a
melhoria das atividades empresariais com a aplicação desses recursos. Fundamentos estes que
tiveram como metodologia a abordagem quali-quantitativa, com métodos de pesquisa exploratória e
técnicas de observação direta. Pois conforme Lakatos e Marconi (1986) a metodologia para a
- 158 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
estruturação do trabalho é importante para a realização da pesquisa porque proporciona e narra às
etapas pelas quais o investigador vai chegar aos resultados de suas análises e observações. Tendo
em vista, que a problemática em questão de como analisar incidentes, planejar e ter um
conhecimento prévio do fluxo de rede com o monitoramento e auditoria da infra-estrutura. Diante
disso, os resultados foram analisados com o monitoramento que gera estatística, e através de uma
interface web que apresentou os principais gargalos encontrados na rede, a visita in loco constatou
problemas na infra-estrutura e de legalização de software. Desta forma, as soluções encontradas
buscaram melhorar o desempenho, aumentar a qualidade dos serviços e manter a empresa dentro da
legalidade.
Palavras-chave: Monitoramento, Auditoria, Desempenho, Infra-estrutura de Redes.
Referências:
GIL, Antonio de Loureiro. Auditoria de Computadores. 3ª ed. Editora Atlas S.A. São Paulo, 1998.
LOPES, Raquel. SAUVÉ, Jacques. NICOLLETI, Pedro. Melhores Práticas para Gerência de Rede de
Computadores. Rio de Janeiro: Editora Campus, 2003.
GULLICH, Roque Ismael da Costa. LOVATO, Adalberto. EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
Pesquisa: norma para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. Três de Maio: Ed.
SETREM, 2007.
SOARES, Luiz Fernando G. LEMOS Guido. COLCHER, Sérgio. Redes de Computadores: das LANS, MANS e
WANS as redes ATM. 2º. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1995.
STALLINGS, William. SNMP, SNMPv2, SNMPv3, and RMON 1 and 2. 3. ed. Boston: Addison Wesley, 2001.
TANENBAUM, Andrew S. Redes de Computadores. Tradução da quarta ed.6ª Reimpressão. Rio de Janeiro:
Elsevier, 2003.
ZIEGLER, Julio Cezar Thomé. FREITAS, Luana Santos de. BENATTI, Esp. Alexander Rafael. BENATTI, Esp.
Denis Valdir.
BRUM, Esp. Alajuiara. Monitoramento e Auditoria da Rede de Computadores de uma Lan House. Trabalho de
Relatório
Interdisciplinar do 4º semestre do Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Três de Maio:
SETREM, 2010.
MODELAGEM DE BANCO DE DADOS E FERRAMENTA DE
BUSINESS INTELLIGENCE: COLOCANDO DADOS
EMPRESARIAIS EM AÇÃO
De: KARINE SCHWADE ([email protected]), JADSON RAFAEL SILVEIRA CASSOL
([email protected]) Orientado por: TIAGO LUIS CESA SEIBEL ([email protected]), MARCELO
ANDRÉ ACKERMANN ([email protected])
A entrada da tecnologia da informação em praticamente todas as áreas do conhecimento é uma
realidade comum em qualquer organização, e esta atua de modo estratégico para o desenvolvimento
dos negócios. Não há mais como tomar uma decisão sem se basear em fatos, sem uma reflexão,
analisando indicadores coerentes, logo, não há mais motivos para deixar os dados de uma empresa
dentro de um banco de dados. O Business Intelligence surge como agente estratégico, pois irá
transformar dados em inteligência analítica para os negócios. O presente trabalho de conclusão de
curso, tem como foco a modelagem de uma base de dados dimensional a partir de bases
transacionais de sistemas diferentes da empresa, de forma a centralizar as informações de negócios
de modo a atender os Key Performance Indicators levantados, e a partir destes, aplicar a ferramenta
de Business Intelligence que possibilita auxiliar a tomada de decisões acordo com as estratégias do
negócio.Segundo Côrtes (2008), o BI busca romper com o status de muitos sistemas que se
- 159 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
restringem apenas à tarefa de transformar dados em informações, sem contribuírem, ao menos de
maneira significativa, para a geração de conhecimento ou desenvolvimento de inteligência
empresarial. Para Antonelli (2010), o conceito de BI com o entendimento de que é Inteligência de
Negócios ou Inteligência Empresarial compõe-se de um conjunto de metodologias de gestão
implementadas através de ferramentas de software, cuja função é proporcionar ganhos nos
processos decisórios gerenciais e da alta administração nas organizações, baseada na capacidade
analítica das ferramentas que integram em um só lugar todas as informações necessárias ao
processo decisório.A ferramenta utilizada para o desenvolvimento do trabalho foi a MicroStrategy e, a
partir desta, foi possível a criação de relatórios, gráficos e dashboard, como também, gerar relatórios
para iPhone. Para a implementação do sistema, foi realizada a prova de conceito pela própria
empresa, para verificação e validação dos resultados apresentados pelo BI. Como metodologia de
implantação, o grupo escolheu o modelo em espiral, pois a implementação deste trabalho se dará em
fases. O modelo espiral permite que durante a implementação, as informações do BI sejam
verificadas e avaliadas constantemente, uma vez que a empresa vem utilizando essas informações.
Verificou-se que a ferramenta MicroStrategy Reporting Suite Free atendeu todos os requisitos
esperados pela empresa, a ponto da empresa mudar seu padrão de software.
Desta forma, conclui-se que o Trabalho de Conclusão de Curso foi de grande aproveitamento
acadêmico, por possibilitar uma maior assimilação de conteúdos trabalhados em todo decorrer do
curso. Assim como, o trabalho desenvolvido, já esta auxiliando nas decisões da empresa,
melhorando a gestão da empresa.
Palavras-chave: Business Intelligence, MicroStrategy, modelagem dimensional.
Referências:
ANTONELLI, Ricardo Adriano. Conhecendo o Business Intelligence. Disponível em:
<http://revistas.utfpr.edu.br/pb/index.php/CAP/article/viewFile /933/544>. Acessado em: 15/09/2010.
CÔRTES, Pedro Luiz. Administração de Sistemas de Informação. São Paulo: Saraiva, 2008.
GERENCIAMENTO DA REDE DE COMPUTADORES DE UM
HOSPITAL ATRAVES DA FERRAMENTA ZABBIX
De:
PABLO
ALVES
DE
MAGALHAES
([email protected]),
EDUARDO
SILVA
([email protected]) Orientado por: HELMUTH GROSSMANN JUNIOR ([email protected]), DENIS
VALDIR BENATTI ([email protected]), FERNANDO BEUX ([email protected])
Este resumo apresenta um projeto de gerenciamento de rede de computadores do Curso
Superior de Tecnologia de Redes de Computadores desenvolvido no 5º Semestre sobre um hospital,
no período de fevereiro a julho de 2011. Tendo como objetivo gerenciar através de monitoramento os
servidores e a rede do hospital, analisando os serviços utilizados e suas disponibilidades. A partir da
implantação do software Zabbix foi feito o monitoramento e gerenciamento da rede da empresa,
demonstrando os resultados através de gráficos e notificações. Segundo Zabbixbrasil.org o Zabbix é
um software de gerenciamento e monitoramento de redes, que monitora vários parâmetros de uma
rede com a integridade e desempenho dos servidores. Disponibiliza relatórios e visualização de
dados de recursos com base nos dados armazenados. O mesmo possui código-fonte aberto sendo
escrito e distribuído pela GNU General Public License. Para Lopes (2003), o principal objetivo da
Gerência de Redes é monitorar e controlar elementos da rede, assegurando certo nível de qualidade
de serviço. Um sistema de gerência de rede pode ser definido como uma coleção de ferramentas
integradas para a monitoração e controle da rede. Este sistema oferece uma interface única, com
informações sobre a rede e pode oferecer também um conjunto poderoso e amigável de comandos
que são usados para executar quase todas as tarefas da gerência da rede. A metodologia utilizada foi
do tipo quantitativa e experimental, e pesquisa do tipo bibliográfico, com informações retiradas de
livros, e internet. Através das pesquisas foi implementado um servidor de monitoramento utilizando a
ferramenta Zabbix o qual foi aplicado sobre cinco servidores e um switch gerenciável. Apos
configurado obteve-se informações dos dispositivos e foi possível apresentar os resultados sobre
gráficos, gatilhos, e alertas. Com isso pode-se observar na rede da empresa que foi possível
- 160 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
apresentar meios de verificar possíveis falhas, como lentidão, problemas em serviços ou hardware.
Com base no estudo da rede, e histórico de monitoramento, foi possível apresentar soluções para
redução de riscos, aumentar segurança nos serviços utilizados e integridade da rede.
Palavras-chave: Gerenciamento, Serviços de rede, Zabbix.
Referências:
LOPES,SAUVÉ,NICOLLETTI, Raquel V., Jaques P., Pedro S. Melhores Práticas para Gerência de Redes de
Computadores. Ed. Campus, 2003.
MAGALHÃES, Pablo Alves, SILVA, Eduardo, BENATTI, Denis Valdir, BEUX, Fernando, GROSSMANN, Helmuth
Jr. Projeto De Gerenciamento Da Rede De Computadores Do Hospital São Vicente De Paulo. Work TRC 5. Três
de Maio, RS.
ZABBIX BRASIL, Disponível em <http://Zabbixbrasil.org/>. Acessado em 16 de Maio de 2011.
SIMULAÇÃO DE FÓRMULAS ESTATÍSTICAS EM C
De: GABRIELI JUNG CELMER ([email protected]), ANDERSON LUIZ TRAESEL WEISS
([email protected]), FELIPE SCHMITT PANEGALLI ([email protected]) Orientado por:
MARCOS GARRAFA ([email protected]), ADALBERTO LOVATO ([email protected]),
HELMUTH GROSSMANN JUNIOR ([email protected])
O desenvolvimento de softwares e aplicativos é um grande estimulador ao crescimento de
diversas áreas. Não é diferente em estatística, onde os softwares são responsáveis pela exatidão e
rapidez de cálculos e relatórios. O presente estudo objetivou o desenvolvimento de um programa
capaz de efetuar cálculos estatísticos, tais como: média, variância, desvio padrão e testes de
hipóteses. Para isso, foi utilizada uma abordagem quali-quantitativa, métodos de procedimento
experimental (para desenvolvimento e análise do sistema), estatístico (para testar a funcionalidade do
sistema desenvolvido) e comparativo (acionado para checar a funcionalidade do sistema em relação
ao Microsoft Excel). Visando coletar os dados referentes a operações estatísticas e computacionais,
funcionalidades do Excel e linguagem de programação C, foi acionada a técnica de pesquisa
bibliográfica, sendo os dados analisados por testes. Definidos os requisitos do sistema se passou à
análise e desenvolvimento do mesmo, finalizando com a aplicação de testes e comparação de sua
execução com o Microsoft Excel. Ao final, as hipóteses foram analisadas, sendo que o sistema
mostrou-se capaz de realizar os cálculos estatísticos projetados, apresentou bom desempenho em
termos de tempo de execução (inclusive com vantagem sobre o Excel quando rodado em máquinas
menos robustas, com configurações menores) e executou apenas no sistema operacional Windows
(sequer compilando em Linux). Dessa forma, foi possível concluir, respondendo ao problema
proposto, ser possível desenvolver um software em Linguagem C, capaz de realizar cálculos
estatísticos mesmo apresentando-se „leve‟, ou seja, não exigindo muito desempenho da máquina em
que for executado.
Palavras-chave: Desenvolvimento de sistemas, cálculos estatísticos, linguagem.
Referências:
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
pesquisa - normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. 2 Ed. Três de Maio:
SETREM, 2007.
ARA, Amilton Braio; MUSETTI, Ana Villares; SCHNEIDERMAN, Boris. Introdução À Estatística. São Paulo:
Edgard Blucher, 2003.
CORMEN, Thomas H. LEISERSON, Charles E. RIVEST, Ronald L. STEIN, Clifford. Algoritmos. Tradução da 2
ed. Rio de Janeiro: Editora Campus, 2002.
FACHIN, Odília. Fundamentos de metodologia. São Paulo: Saraiva, 2003.
- 161 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
FERREIRA, Daniel Furtado. Estatística Básica. Minas Gerais: UFLA, 2005.
MANZANO, José Augusto; OLIVEIRA, Jayr Figueiredo de. Algoritmos. Lógica para desenvolvimento de
programação de Computadores. São Paulo: Érica, 2004.
MEYER, Paul L. Probabilidade Aplicações A Estatística. Rio de Janeiro: LTC, 1973.
SCHILDT, Herbert. C Completo e Total. São Paulo: Pearson, 1997.
TENENBAUM, Aaron M.; LANGSAM, Yedidyah; AUGENSTEIN, Moshe J. Estruturas De Dados Usando C. São
Paulo: Pearson, 2004, tradução Teresa Cristina Félix de Souza.
ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE
GESTÃO DE PESSOAS PARA UMA EMPRESA DE TI
De:
ADRIANE
SCHERER
([email protected]),
EDUARDO
DA
SILVA
OSMARI
([email protected]), ELISANDRO RODRIGO KNEBELKAMP ([email protected]), FERNANDO
RAFAEL KOMMERS ([email protected]), FRANCIELI CARINI BOTH ([email protected]),
FRANCIELI
KARLA
TAFFAREL
([email protected]),
JONAS
RAFAEL
TESCHE
([email protected]), JONATAH SAMMUEL BENATTI ([email protected]), KATIANE BEIERSDORF
([email protected]), MAIKEL ALEXANDER PENZ ([email protected]), MATEUS ANDRE
CHIES ([email protected]), MAURICIO CAMARGO SIPMANN ([email protected]), PATRICIA
BORTOLUZZI ([email protected]), RAFAEL LUCAS CORREA ([email protected]), ROBSON
DALVAN PREUSS ([email protected]), TIAGO VALENTIM BACKES ([email protected]),
VINICIUS
GABRIEL
POODER
([email protected]),
WAGNER
RICARDO
WAGNER
([email protected]), WANDO WAGNER SCHNEIDER ([email protected])
Orientado
por:
MARCOS
GARRAFA
([email protected]),
RENATO
ROCKENBACH
([email protected]), FAUZI DE MORAES SHUBEITA ([email protected])
Na busca por novas ferramentas que auxiliam as organizações a coletar dados e tomar decisões
com maior rapidez e precisão realizou-se um estudo na área de Gestão de Pessoas, tendo como
objetivo desenvolver um software integrado subdividido nos seguintes módulos: Ficha Funcional,
Perfil de Cargo, Análise e Avaliação de Cargos, Recrutamento e Seleção, Avaliação de Desempenho,
Treinamento e Desenvolvimento e Salários e Benefícios. O mesmo deveria atender as necessidades
de uma empresa de TI que em relação a um software que permita o gerenciamento de seus
colaboradores, além da identificação de quais treinamentos devem ser ministrados a fim de qualificálos. Para o desenvolvimento do presente trabalho, utilizou-se como embasamento teórico os
conceitos apresentados nas disciplinas de Gerenciamento de Projetos, Administração de Recursos
Humanos, Banco de Dados II e Programação Comercial II que fazem parte da grade curricular do 5°
Semestre do curso de Sistemas de Informação. Para o desenvolvimento do trabalho foram utilizadas
algumas ferramentas, sendo elas: Gantter, que auxiliou no gerenciamento do projeto garantindo a
organização e o cronograma das atividades desenvolvidas; GeneXus, como ambiente de
desenvolvimento, permitindo o desenvolvimento do software para plataforma Web; SQLServer e o
Astah, utilizados como base de dados e para a elaboração da análise, respectivamente. A pesquisa
foi exploratória e descritiva, com abordagem qualitativa e quantitativa com documentação direta e
indireta. Utilizou-se a análise orientada a objetos para auxiliar na compreensão das necessidades da
empresa, tornando possível o desenvolvimento de um software compatível com as mesmas,
satisfazendo os requisitos necessários, além de outras funcionalidades não utilizadas atualmente,
mas que se fazem necessárias para um eficaz gerenciamento de pessoas. A fundamentação teórica
adquirida na disciplina de Administração de Recursos Humanos auxiliou na elaboração do trabalho,
pois deu aos acadêmicos a compreensão e o embasamento necessários para o desenvolvimento do
mesmo. A divisão em módulos permitiu uma agilidade no desenvolvimento do trabalho, mas acabou
por acarretar, em alguns momentos, na falta de comunicação entre os acadêmicos. Na tentativa de
minimizar esses problemas, foi criado um grupo de e-mail, sendo o método mais utilizado para a
comunicação entre os grupos e professores e uma forma acessível de informar os acadêmicos dos
prazos a serem cumpridos e das atividades a serem realizadas. Como o trabalho envolvia vários
- 162 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
acadêmicos, houve a necessidade de definir Gerentes de Projetos que auxiliassem no andamento de
todo o processo e monitorassem, principalmente, os prazos de entrega.
Palavras-chave: Gestão de Pessoas, Gerenciamento de Projetos, Software.
Referências:
ARAUJO, L. Gestão de Pessoas, Estratégias e Integração Organizacional. São Paulo, 2006.
ARNEMANN, Cleusa; DAL BERTO, Lorena; PANDOLFO, Alciane. Administração de Cargos e Salário. Três de
Maio: SETREM, 1999.
ARRUDA, Jaqueline. Pesquisa sobre recrutamento e seleção. Disponível em:
www.abrhrj.org.br/typo/index.php?id=385. Acesso em:09 abr 2011.
BERGAMINI, Cecília Whitaker, Avaliação de Desempenho Humano na Empresa. Editora Atlas S.A.: São Paulo,
1986.
BOOG, Gustavo G. Manual de Treinamento e Desenvolvimento - ABTD Associação Brasileira de Treinamento e
Desenvolvimento. São Paulo. Pearson Makron Books. 1999.
____ Manual de Treinamento e Desenvolvimento – Um Guia de Operações. São Paulo: Pearson Makron Books,
2001.
CHIAVENATO, Idalberto. Recursos Humanos. Gestão de Pessoas. 2.ed. São Paulo: Atlas,1992.
_____Recursos Humanos.4.ed. São Paulo: Atlas, 1997.
_____Recursos Humanos na empresa. São Paulo: Atlas, 1989. Vol. 1.
_____Gestão de Pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. 1.ed. Rio de Janeiro: Campus,
1999.
_____ Recursos Humanos. São Paulo: Atlas, 2002.
_____Gestão de Pessoas. 2.ed. Rio de Janeiro: Elsevier Editora Ltda, 2004.
_____Gestão de Pessoas. São Paulo: Elsevier, 2005.
COOPERS & LYBRAND. Remuneração estratégica: a nova vantagem competitiva. São Paulo: ATLAS, 1993.
DUTRA, Joel Souza. Gestão de pessoas: Modelo, processos, tendências e perspectivas. São Paulo: Atlas, 2002.
FACHIN, Odília. Fundamentos de metodologia. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2001.
FAISSAL, Reinaldo; PASSOS, Antônio Eugênio Valverde Mariani; MENDONÇA, Márcia da C. Furtado de;
ALMEIDA, Walnice Maria da Costa. Atração e Seleção de Pessoas. Dissertação Mestrado – Ebape/FGV, Rio de
Janeiro, 2002.
GANTTER. Gantter Overview . Gantter. Disponível em: <http://gantter.com/gantter-overview>. Acesso em: 15
mar. 2011.
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
Pesquisa: normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. Três de Maio: SETREM,
2007.
LEME, Rogério. Aplicação Prática de Gestão por competência: Mapeamento, Treinamento, Seleção, Avaliação,
Mensuração de resultados de Treinamento. 2.ed.Rio de Janeiro: Qualitymark, 2005.
- 163 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
MONTEIRO, Emiliano S.; Projeto de Sistemas e Bancos de Dados. Rio de Janeiro: Brasport, 2004.
PMI, Project Management Institute (Editor). PMBOK (Project Management Body of Knowledge) Guide. USA: PMI,
2004.
PONTES, B. R. Administração de cargos e salários. 4.ed. São Paulo: LTr, 1990.
SILVA´S, Osmar J.. MS SQL Server. Disponível em: <
http://www.arquivodecodigos.net/principal/diretorios/sqlserver/>. Acesso em: 12 mar. 2011.
WOOD JR., Thomaz; PICARELLI FILHO, Vicente. Remuneração estratégica: a nova vantagem competitiva. São
Paulo: Atlas, 1999.
WOOD, Jr., Thomaz. Remuneração e carreira por habilidades e por competências: preparando a organização
para a era das empresas do conhecimento intensivo. 3.ed. Atlas, 2004.
MONITORAMENTO, ANALISE DE DESEMPENHO E
AUDITORIA EM UM PROVEDOR DE INTERNET VIA RÁDIO
De: JORDAN CESAR MARTINI ([email protected]) Orientado por: DENIS VALDIR BENATTI
([email protected]), ALAJUIARA DOS REIS BRUM ([email protected])
O presente estudo tem como objetivo implantar ferramentas de monitoramento, desempenho e
auditoria na rede, baseado em softwares Open Source, com a finalidade de melhorar a qualidade do
serviço oferecido pela empresa. Os objetivos específicos abrangem: Monitorar a qualidade e
disponibilidade da rede, Auditar a rede da empresa, Identificar possíveis falhas de segurança na rede,
Testar ferramentas gratuitas e aplicar na rede da empresa a que apresentar melhores resultados. O
método utilizado foi o qualitativo. Procurou-se representar como uma rede de computadores pode ser
auditorada e monitorada quanto ao seu desempenho e ou segurança. Foi utilizado obras
bibliográficas de coleta de informações da rede e das configurações de hardware e softwares dos
computadores, além de entrevistas com os responsáveis pela empresa. A empresa estudada foi
Skynet localizada no município de Chiapetta/RS. A empresa busca oferecer o melhor serviço a seus
clientes, buscando atender a necessidade, confiabilidade, segurança e disponibilidade para seus
clientes, e esse é o intuito principal da elaboração deste trabalho, para que a empresa aprimore o seu
serviço oferecido para satisfazer cada vez mais seus clientes. Após a realização e encerramento do
referido estudo, percebe-se que o provedor de internet Skynet, mesmo sendo bem avaliada por seus
clientes ainda apresenta alguns pontos a melhorar, alguns problemas de segurança precisam ser
ajustados para evitar atrito com clientes futuramente ou até mesmo problemas judiciais. Mas que
podem ser melhoradas com as sugestões apresentadas pelos acadêmicos aos interessados. As
empresas de pequeno e médio porte em sua grande maioria, não preocupa-se com a atualização dos
equipamentos de TI, algumas sequer investem nessa área, porem não percebem o custo-benefício
gerado por um investimento tanto para implantação como para atualização da área de TI. Portanto,
após o encerramento da pesquisa conclui-se que os resultados obtidos foram de grande proveito,
tanto para os acadêmicos como para os proprietários da empresa e demais envolvidos. Realizar
tarefas de auditoria é de grande dificuldade, e deve-se tomar muito cuidado. Como dificuldade maior
identifica-se a apresentação dos resultados aos proprietários, em vista de não se saber qual será a
reação, pois o auditor faz uso de informações de extrema confidencialidade para a empresa e devese tomar cuidado com o que se relata. Para realização de uma pesquisa de auditoria e também de
monitoramento deve-se ter acima de tudo comportamento ético do acadêmico, pois estão envolvidas
informação importantes que lhe foram confiados pela empresa. O presente trabalho trouxe para o
acadêmico grande conhecimento técnico e prático na área de auditoria e monitoramento em redes de
computadores, o que trouxe grande proveito e satisfação em realizá-lo. Entendeu-se que o grande
beneficio que um trabalho de auditoria trás para qualquer empresa, pois mostra aos interessados
falhas e pontos favoráveis ocultos.
- 164 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Palavras-chave: Palavras chaves: Desempenho, Auditoria, Monitoramento, Ética, Direito,
Redes, SETREM
Referências:
BERNARDO, Wesley de Oliveira Louzada. O PRINCÍPIO DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA E O NOVO
DIREITO CIVIL: BREVES REFLEXÕES, Revista da Faculdade de Direito de Campos, Ano VII, Nº 8 - Junho de
2006. http://www.fdc.br/Arquivos/Mestrado/Revistas/Revista08/Artigos/WesleyLousada.pdf
BLUM, Richard. Network Performance Open Source Toolkit. Indianapolis, EUA: Wiley Publishing Inc, 2003.
GIL, Antonio de Loureiro. Auditoria de computadores. 3ª Ed. São Paulo. Editora Atlas S.A. 1998.
Glock, RS, Goldim JR. Ética profissional é compromisso social. Mundo Jovem (PUCRS, Porto Alegre),
2003;XLI(335):2-3, Texto incluído em 01/08/2003. (C)Glock&Goldim/2002-2003. Disponível em
http://www.ufrgs.br/bioetica/eticprof.htm. Acesso em 22 de Outubro de 2010.
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário Luis Santos. Metodologia da
Pesquisa: Normas para Apresentação de Trabalhos: Redação, Formatação e Editoração. Três de Maio:
SETREM, 2007.
IT Governance Institute. Cobit 4.1. Disponível em http://www.isaca.org/KnowledgeCenter/cobit/Documents/cobit41-portuguese.pdf Acesso em 24 de agosto de 2010.
LAKATOS, Eva Maria, MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de Metodologia Científica. 6 ed. São Paulo:
Atlas: 2007.
MELO, Osvaldo Ferreira de. Ética e Direito http://www1.jus.com.br/doutrina/texto.asp?id=7324. Elaborado em
08.2005. Acesso em 24 de Agosto de 2010.
Plínio Martins Filho - Direitos autorais na Internet – 1998 - http://www.scielo.br/pdf/ci/v27n2/martins.pdf.
SILVA, Vandeler Ferreira da. O Que é Direito?. Disponível em: http://www.infoescola.com/direito/o-que-e-direito/ .
Acesso em 22 de Outubro de 2010.
TANENBAUM, Andrew S. Redes de Computadores. Rio de Janeiro: Elsevier Editora, 2003.
TORRES, Gabriel. Redes de Computadores, 1 ed. Rio de Janeiro/RJ: Axcel:2001.
DESENVOLVIMENTO DE ANÁLISE ESTRUTURADA DO
SISTEMA DE GESTÃO DE CUSTOS EM UMA
PROPRIEDADE RURAL
De: ROGERIO ELOIR WILLE ([email protected]) Orientado por: FAUZI DE MORAES SHUBEITA
([email protected]), JORGE ANTONIO RAMBO ([email protected])
Na atualidade observa-se com frequência acentuada a não utilização de sistemas para gerir os
recursos e as atividades relacionadas a uma propriedade rural, devido a dificuldades de ordem
financeira ou de interesse, mostrando-se o uso de sistemas uma eficiente ferramenta para o pequeno
produtor rural apresentar uma tomada de decisão mais acertada, promovendo seu desenvolvimento,
como citado por vários autores e estudiosos da área. Assim a proposta de análise estruturada de uma
propriedade visou obter o conhecimento necessário para apresentar uma solução especifica as
necessidades da propriedade rural. O projeto é fundamentado num estudo com procedimentos de
pesquisa bibliográfica, estudo de caso e pesquisa-ação, auxiliado pela abordagem quali-quantitativa
com técnica de coleta de dados através de entrevista semiestruturada e observação da situação
atual. Fundamentado em uma análise estruturada com ênfase em sistemas automatizados, na busca
do conhecimento das diferentes equipes inerentes a atividade, com o desenvolvimento de diagramas
- 165 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
de fluxo de dados, levantamento de requisitos, estudo de centros de custos, aquisição de
informações e levantamento das operações, junto às pessoas envolvidas nas atividades da
propriedade, estrutura-se um sistema que realize operações de registro e gestão de custos da
propriedade rural, objetivo do trabalho em questão. Com a estrutura proposta a propriedade rural tem
de forma correta e concisa as informações que atendem as necessidades propostas na busca da
gestão de suas atividades, favorecendo a tomada de decisão na negociação da produção. No
caminho do desenvolvimento das atividades inerentes a análise encontram-se obstáculos que tomam
parte significativa do tempo, sendo assim fundamentais na aquisição de conhecimento necessário
para enfrentar determinadas situações com mais eficiência em trabalhos futuros e promover o
desenvolvimento de soluções para questões da comunidade local e regional.
Palavras-chave: Análise Estruturada, Gestão de Custos, Propriedade Rural.
Referências:
BORNIA, Antonio Cezar. Análise gerencial de custos. Porto Alegre: Bookman, 2002.
CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração: uma visão abrangente da moderna
administração das organizações. 7 ed. – Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.
FACHIN, Odília. Fundamentos de metodologia. 4. ed. – São Paulo: Saraiva, 2003.
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
pesquisa - normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. 2 Ed. Três de Maio:
SETREM, 2007.
JUNIOR, José Hernandes Perez; OLIVEIRA, Luíz Martins de; COSTA, Rogério Guedes. Gestão Estratégica de
Custos. 5. Ed. – São Paulo: Atlas, 2008.
MARCONI, Marina de Andrade, LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de Pesquisa: planejamento e execução de
pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. São Paulo: Atlas,
2006.
YOURDON, Edward. Análise estruturada moderna. 3. ed. – Rio de Janeiro: Elsevier, 1990.
- 166 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
13º SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PESQUISA
ORIGINAL - ADMINISTRAÇÃO
PLANO DE MARKETING EM UMA INDÚSTRIA
METALÚRGICA
De: MARIO SERGIO MARTINS (), MOISES TIZOTTI ([email protected]) Orientado por: SANDRO
ERGANG ([email protected])
Administrar não é um trabalho fácil e cada vez mais é preciso planejar os passos futuros da
organização. Conscientes dessa necessidade, o objetivo do presente estudo foi a elaboração de um
plano de marketing para uma indústria metalúrgica. Em um primeiro momento, fez-se um estudo
sobre os cenários do mercado no ramo de serralheria, estruturas metálicas e principalmente no ramo
de caçambas de lixo envolvendo os aspectos macro e micro ambiente. Para a realização deste
trabalho foram utilizados os métodos de abordagem qualitativos. O método de procedimento utilizado
no presente trabalho foi a pesquisa descritiva que tem como características a observação dos fatos,
os registros, as análises, a classificação e a interpretação dos mesmos, sem a interferência do
pesquisador sobre eles. A técnica utilizada foi a observação direta intensiva que envolve observação
e entrevista. Procurou-se embasar este trabalho levando em conta os principais autores sobre
marketing, dando ênfase ao tema Plano de Marketing. As informações obtidas no plano de marketing
são fundamentais para a organização e, através desta ferramenta, as informações são coletadas,
processadas e transformadas em oportunidades. O Plano de ação foi elaborado a partir da realidade
encontrada na empresa, descrevendo os pontos fortes e fracos, oportunidades e ameaças, para uma
posterior sugestão de estratégias a fim de buscar novos mercados, visando aumentar a
competitividade da mesma.
Palavras-chave: Marketing, Plano de Marketing, informação e competitividade.
Referências:
AMBROSIO, Vicente. Planos de Marketing: passo a passo. São Paulo: Pearso Prentice hall, 2007.
ANSOFF, Igor H; EDWARD, J. Mc Donnell. Implantando a Administração Estratégica. São Paulo: Atlas, 1993.
BARTZ Metalúrgica. Disponível em: http://www.bartz.ind.br/index.php?exibir=empresa. Acesso em: 01 mai. 2011.
BETHLEM, Agrícola de Souza. Estratégia empresarial: conceitos, processo e administração estratégica. 3 ed.
São Paulo: Atlas, 2001.
CHIAVENATO, Idalberto. Planejamento estratégico. Rio de Janeiro : Elsevier, 2003
CHURCHILL, Gilbert A. Marketing: criando valores para o cliente. J. Paul Peter ; tradução Cecilia Camargo
Bartalotti e Cid Knipel Moreira. São Paulo : Saraiva, 2003.
CZINKOTA, Michael R. Marketing: as melhores praticas. trad. Carlos Alberto Silveira Netto Soares e Nivaldo
Montngelli Jr. Porto Alegre: Bookman, 2001.
DIAS, Sergio Roberto. Gestão de Marketing. Coordenação Sergio Roberto Dias. São Paulo: Saraiva 2003.
FERRELL, O. C. Estratégia de Marketing. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.
KOTLER, Philip. Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e controle. 5 ed. São Paulo:
Atlas, 1998.
- 167 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
_____________. Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e controle. São Paulo:
Atlas, 1994.
LAMB, Charle W.; HAIR, Joseph F.; MCDANIEL, Carl. Princípios de marketing. Tradução Luciana Penteado
Miquelino ; revisão técnica Tânia Maria Vidigal Limeira. São Paulo : Pioneira Thomson Learning, 2004
LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Administração de Marketing: planejamento e aplicações a realidade brasileira.
São Paulo: Atlas, 2006
LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mario Luis Santos; GÜLLICH, Roque Ismael da Costa, Metodologia da
Pesquisa: Normas para Apresentação de Trabalhos: Redação, Formatação e Editoração. 2. ed. Três de Maio:
Editora Setrem, 2007.
LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do Trabalho Científico. 6. Ed. rev. e ampl.
São Paulo: Atlas, 2003.
LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 6. Ed. 5. Reimpr. São Paulo: 2007.
LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Administração de Marketing: conceitos, planejamento e aplicações a realidade
brasileira. São Paulo: Atlas, 2006.
OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Planejamento estratégico: conceitos, metodologia e praticas. 26 ed.
São Paulo: Atlas, 2009
TACHIZAWA, Takeshy; REZENDE, Wilson. Estratégia empresarial: tendências e desafios – um enfoque na
realidade brasileira. São Paulo: Makron Books, 2000.
TAVARES, Mauro Calixta. Planejamento estratégico: a opção entre o sucesso e fracasso empresarial. São
Paulo: Atlas, 1991.
VASCONCELOS, Filho Paulo; PAGNONCELLI, Dernizo. Construindo estratégias para vencer. 10 ed. Rio de
Janeiro: Campos, 2001.
ESTUDO SOBRE OS FATORES QUE INFLUENCIAM OS
JOVENS DO ENSINO MÉDIO NA ESCOLHA DE UMA
INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR
De: FRANCIELE HENDGES ([email protected]), MOISES TIZOTTI ([email protected]),
SCHARLES JOSÉ RODRIGUES KIEFER ([email protected]), VANDECIR JELSON SCOLARI
([email protected]) Orientado por: DOUGLAS FAORO ([email protected])
Este estudo tem como objetivo verificar os fatores que influenciam na hora de escolher uma
Instituição de Ensino Superior. Após o fim do Ensino Médio a duvida de escolher a faculdade
apropriada, que melhor atenderá as necessidades educacionais. Com um grande número de
Universidades e Faculdades competindo pela sua escolha, algumas vezes o aluno ingressante se
sentirá meio sobrecarregado, sendo então de fundamental importância a escolha prévia e detalhada
de uma Instituição a qual se identifique. Neste sentido o presente trabalho busca identificar os fatores
que os alunos formandos do Ensino Médio das escolas Centro Tecnológico Frederico Jorge
Logemann, Colégio Cristo Rei, Escola Estadual de Educação Básica Albino Fantin, ambas no turno
da manhã da cidade de Horizontina priorizam na hora de escolher uma Instituição de Ensino Superior
a fim de colocar seus projetos de vida em andamento, sendo que a formação educacional é um
contributivo muito importante para dar a sustentação do encaminhamento a uma profissão. O método
de abordagem utilizado foi quantitativo, onde os dados obtidos foram traduzidos em números,
procurando descobrir e quantificar a relação entre variáveis, tanto nas modalidades de coletas de
informações, quanto na apresentação de dados. Para a obtenção dos dados foi aplicado um
- 168 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
questionário, onde os dados coletados na pesquisa foram tabulados, representados em forma de
gráficos e avaliados de forma descritiva. A partir da análise dos dados foi possível perceber a
preocupação em ingressar em uma Instituição de renome, que traga uma contribuição à sociedade.
Também contam os processos de formação e os métodos de que as instituições se utilizam para
instruir os alunos no seu processo de construção profissional em nível superior. A maior dificuldade
encontrada pelos estudantes em ingressar no ensino superior é a dificuldade financeira.
Palavras-chave: Ensino médio, Instituição de Ensino Superior, Formação Educacional,
Profissão.
Referências:
BORGES, J. L. G.; CARNIELLI, B. L. Educação e Estratificação Social no Acesso à Universidade Pública.
Cadernos de Pesquisa. São Paulo. 2005.
CARAVANTES, B. C. Negócios e Talentos. Revista do Curso de Administração. Porto Alegre, ano 2003, n.1.
http://prouniportal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=124&Itemid=140. Acesso em 05
de dez.
http://www.universia.com.br/materia/imprimir.jsp?id=23. Acesso em 01 de dez. de 2010.
http://www.enem.inep.gov.br/enem.php. Acesso em 07 de dez.
http://www3.caixa.gov.br/fies/FIES_FinancEstudantil.asp
LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica / Maria de Andrade Marconi, Eva Maria Lakatos. –
6. Ed. – 5. Reimpr. – São Paulo: 2007.
OLIVEIRA, S. L. de. Tratamento de metodologia Cientifica: projetos de pesquisas, TGI, TCC, monografias,
dissertações, e teses. São Paulo: Pioneira Thompson Learning, 1999
RICHARDSON, Roberto J. Pesquisa social: Métodos e Técnicas. 3 ed. São Paulo: Atlas, 1999.
ANÁLISE DAS NECESSIDADES DE QUALIFICAÇÃO
PROFISSIONAL NA ÁREA DE GESTÃO DE PESSOAS
PARA OS ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO
De: ANDRESSA TAISA BERMANN ([email protected]), RAFAELA BORGES CAPELETTI
([email protected]) Orientado por: MAURO ALBERTO NUSKE ([email protected])
Este estudo tem por objetivo apresentar, discutir e analisar as necessidades de qualificação
profissional na área de Gestão de Pessoas para os estudantes de graduação cursando o último ano,
das Instituições de Ensino Superior dos cursos de Administração, Ciências Contábeis e Economia
nos municípios de Três de Maio, Horizontina e Santa Rosa – RS, no período de Fevereiro a Junho de
2011. O método de abordagem foi qualitativa e quantitativa. O procedimento utilizou-se dos métodos
de pesquisa bibliográfica, pesquisa exploratória e pesquisa de campo. Com a pesquisa concluída e
os resultados mensurados foi possível obter uma visão mais ampla das necessidades de qualificação
profissional apontadas pelos estudantes de graduação tanto das Instituições Presenciais e EAD. As
principais evidências do estudo identificaram uma maior representatividade de estudantes na faixa
etária de 22 a 26 anos. Identificaram também que 97% dos estudantes acreditam que seja necessária
uma qualificação profissional, 41% dos entrevistados investiriam de R$ 201,00 a R$ 500,00. 90% dos
estudantes preferem o turno noturno, 85% dos estudantes acreditam que o melhor método de
aprendizagem é em aulas presenciais, 59% responderam que receberam treinamento, 56% dos
estudantes responderam que as empresas investem em treinamento e 62% responderam que as
empresas em que trabalham valorizam os cursos de qualificação. Os cursos que mais se destacaram
entre os estudantes foram: Comunicação, Dicção e Oratória, Vendas e Formação de Liderança.
- 169 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Palavras-chave: Qualificação Profissional, Ensino Superior, Instituições Presenciais e EAD.
Referências:
AQUINO, C. P. Administração de recursos humanos: uma introdução. São Paulo: Atlas, 1992.
ARAUJO, L. C. G. de. Gestão de Pessoas / Luis César G. de Araujo. São Paulo: Atlas, 2006.
BARRETO, Y. Como treinar sua equipe. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1995.
BASTOS, O. P. M. Diagnóstico e avaliação de T&D: processo de T&D. In: BOOG, Gustavo G. Manual de
treinamento e desenvolvimento: ABTD – Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento. São Paulo:
Makron Books, 1994.
BASTOS, A. V. B. Trabalho e qualificação: questões conceituais e desafios postos pelo cenário de
reestruturação produtiva. In J. E. Borges-Andrade, G. S. Abbad, & L. Mourão (Orgs.). Treinamento,
desenvolvimento e educação em organizações e trabalho: fundamentos para a gestão de pessoas. Porto Alegre:
Artmed.2006.
BRUNO. L. (org). Educação e trabalho no capitalismo real. São Paulo: Atlas, 1996.
CARNEIRO, O. A. LDB fácil – Leitura Critico – compreensiva artigo a artigo. 7. Ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1998.
CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A. Metodologia cientifica. 5. Ed. São Paulo: Atlas, 1996.
CHIAVENATO, I. Introdução à Teoria Geral da Administração. 4. ed. São Paulo: Makron, 1993.
________. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações / Idalberto Chiavenato,
Rio de Janeiro: Campus, 1999.
________. Gestão de pessoas. Editora Campus, 2005.
COOPER, D. R. Métodos de pesquisa em administração / Donald R. Cooper e Pamela S. Schindler; trad.
Luciana de Oliveira da Rocha. – 7. Ed. – Porto Alegre: Bookman, 2003.
GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social / Antonio Carlos Gil. – 6. Ed. – 2. reimpr. – São Paulo: Atlas,
2009.
________. Gestão de Pessoas – enfoque nos papéis profissionais. São Paulo: Atlas, 2008.
GOODE, W.; HATT, P. K. Métodos em pesquisa social. São Paulo: Nacional, 1968.
GUIMARÃES, J. C. S.. Supervisor: o administrador de recursos humanos. São Paulo: LTr, 1997.
HITT, M. 1946 – Comportamento organizacional: uma abordagem estratégica. Michael A Hitt, C. Chet Miller,
Adrienne Colella; tradução e revisão Teresa Cristina Padilha de Souza. – Rio de Janeiro: LTC, 2007.
HOLANDA, F. Educação: a base do crescimento das organizações. Disponível em: <www.rh.com.br/artigos>.
Acesso em: 23 out. 2010.
LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica / Marina de Andrade Marconi, Eva
Maria Lakatos. 6. Ed. – 5. Reipr. – São Paulo: Atlas 2007.
LOVATO, A.; EVANGELISTA, M. L. S. e GÜLLICH, R. I. C. Metodologia da pesquisa: normas para apresentação
de trabalhos: redação, formatação e editoração. Três de Maio: Ed. SETREM, 2007.
MAXIMIANO, A. C. A. Introdução à administração - 5. ed. rev. e ampl.- São Paulo : Atlas, 2000 .
MARTINS, R. Capacitação é a solução. Disponível em: <http://www.rh.com.br>. Acesso em: 02 set. 2010.
- 170 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
OLIVEIRA, S. L. Tratado de Metodologia Cientifica: projetos de pesquisas, TGI, TCC, monografias, dissertações
e teses. 2 ed. São Paulo: Pioneira, 1999.
MAIA, C. ABC da EaD / Carmem Maia e João Mattar. – 1. ed. – São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.
MILKOVICH, G. T. Administração de recursos humanos / George T. Milkovich, John W. Boundreau; tradução
Reynaldo C. Marcondes. – São Paulo: Atlas, 2000.
NEVES, C. Efetividade em treinamento (o que existe de verdade?). T&D treinamento e desenvolvimento. São
Paulo, v. 3, n° 35, p. 20-28, nov. 1995.
PADOVANI, N. A. Avaliando a política de treinamento: um estudo no setor logístico. XIX ENANGRAD, Curitiba:
ENANGRAD, V.cdroom, 2008.
SANTOS, E .L.; SOARES, P. F.; CARDOSO, V. C. Em direção à Gestão de Competências por Processos: uma
proposta de método para construção de árvores de conhecimentos. In: XXIII encontro nacional de engenharia de
produção, 10., 2002, Ouro Preto. Anais... Ouro Preto: UFOP, 2002.
SOARES, M. S. A. et al. A educação superior no Brasil. Brasilia – Capes, 2002.
TOLEDO, F. Administração de pessoal: desenvolvimento de recursos humanos. 8.ed. São Paulo : Atlas, 1992.
TRIOLA, M. F. Introdução à estatística / Mário F. Triola. 7. Ed. Editora Livros Técnicos e Científicos, 1998.
LEVANTAMENTO DO CUSTO DE PRODUÇÃO DE UM
LITRO DE LEITE EM UMA PROPRIEDADE RURAL
De: MOISES TIZOTTI ([email protected]), REGINA SMANEOTO ([email protected]), MARIO
SERGIO MARTINS () Orientado por: SANDRO ERGANG ([email protected])
O produto que será apresentado no decorrer deste artigo é do gênero alimentício do segmento
lácteo. A onda de novos investimentos em unidades leiteiras no Rio Grande do Sul, além do aspecto
de geração de renda aos municípios e a criação de postos de trabalho, também tem o objetivo de
fomentar a produção gaúcha. Isso porque, a instalação das plantas da Italac, em Passo Fundo,
CCGL, em Cruz Alta, Nestlé, em Palmeira das Missões, Bom Gosto, em Tapejara, Embaré, em
Sarandi, Cosulati, em Capão do Leão e o mais recente investimento que o grupo Perdigão está
fazendo em nossa região que é a construção de uma indústria de produção de leite em pó. Antes
mesmo da concretização de todos os empreendimentos, as indústrias já trabalham com uma
ociosidade média de 20%. Agora, novos investidores vêm também com o objetivo de colaborar para o
incremento da produção de forma a atender à demanda das fábricas. Através dessas informações foi
feito um levantamento de dados em uma propriedade leiteira para se chegar ao custo real da
produção de um litro de leite, para isso foram levantados todos os custos necessários para essa
produção. Os métodos utilizados neste estudo foram a abordagem qualiquantitativa que engloba a
qualidade e quantidade dos dados a serem coletados na empresa sobre seus métodos operacionais
e controle da produção. O procedimento adotado foi o levantamento completo do custo de produção
de um litro de leite buscando identificar sua rentabilidade líquida, trabalhando a divisão dos custos de
produção pelo lucro bruto, reunindo dados referentes a gastos com alimentação por animal, o
imobilizado, os gastos pessoais, os custos fixos e variáveis. A técnica utilizada para a coleta de dados
foi através de questionário e observação direta da produção do leite na propriedade. Para aprofundar
os dados, foi feita uma fundamentação teórica através de pesquisas bibliográficas em livros. Os
resultados foram apresentados em forma de texto e gráficos comparativos entre a produtividade
padrão de mercado e a produtividade do produtor em estudo.
Palavras-chave: LEITE, CUSTOS E PRODUÇÃO
- 171 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Referências:
ARNOLD, J. R. Tony. Administração de Materiais. São Paulo: Editora Atlas, 1999.
ZDANOWICZ, José Eduardo. Fluxo de Caixa: Uma decisão de Planejamento e Controle Financeiros. 6º Edição.
Porto Alegre: Editora Sagra D. S. Luzzatto, 1995.
OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças. Planejamento estratégico: conceitos, metodologia e práticas. São Paulo:
Atlas, 2005.
ANSOFF, H. Igor. Estratégia Empresarial. São Paulo: McGraw-Hill, Ltda., 1977.
KOTLER, Philip. Administração de Marketing. São Paulo: Editora Atlas, 1980.
____________. Administração de Marketing. 4º edição. São Paulo: Editora Atlas, 1995.
ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE COMPRA NA ÁREA
DE INSUMOS AGRÍCOLAS
De: FABIO BARTH DALEMOLLE ([email protected]), GUSTAVO VINICIUS DE LIMA SCHAFER
([email protected]) Orientado por: MAURO ALBERTO NUSKE ([email protected])
O presente estudo tem por objetivo analisar o comportamento de compra na área de insumos
agrícolas, em propriedades de pequeno, médio e grande porte de município de Três de Maio. A
metodologia utilizada foi a abordagem dedutiva, através dos métodos qualitativo e quantitativo, os
procedimentos adotados foram o exploratório e estatístico e a técnica usada foi a entrevista dirigida.
A partir de definições sobre diferentes estilos e apontamentos que cada agricultor leva em conta no
momento da compra de insumos, surgiu a expectativa de identificar como se comporta nesse
momento de decisão. Desta forma buscou se identificar o nível de tecnologia, o tamanho de cada
propriedade e também o foco de produção. Apresenta-se ao longo do texto o resultado dessa
pesquisa, onde independente do tamanho da área de atuação, o principal fator determinante da
decisão é o preço, seguido logo pela qualidade do produto. Desta forma a pesquisa se mostra de
extrema importância para que gestores da área de vendas das empresas do município realizem sua
auto-avaliação e determinem sua estratégia de negociação com o produtor.
Palavras-chave: negociação, agricultor, comportamento, decisão.
Referências:
COLLIS, Jill; HUSSEY Roger. Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pósgraduação. São Paulo: Artmed, 2005.
CZINKOTA, M. R.… [ET AL]; Marketing, As Melhores Práticas, Ed. Bookman, Porto Alegre 2002.
DIAS, S. R. Gestão de Marketing, 5ª Ed. 2006 Ed. Saraiva.
FERREL, O. C.; HARTLINE, M. D. Estratégia de Marketing, Tradução da Terceira. Ed. Norte Americana, 2005
Ed. Thomson.
GADE, C. Psicologia do Consumidor e da Propaganda. São Paulo: Ed. Pedagógica Universitária, 2000.
GIL, Antonio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4. ed., São Paulo, Atlas, 2002.
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto, EVANGELISTA. Mário Luiz Santos. Metodologia da
Pesquisa: normas para apresentação de trabalho: redação, formatação e editoração, 2.ed. Três de Maio:
SETREM, 2007.
JULIO, Carlos Alberto. A Magia dos grandes negociadores, 7.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.
- 172 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
KOTLER, P. Administração de Marketing: Analise, Planejamento, Implementação e Controle. 5.ed., Ed. São
Paulo: ATLAS, 1998.
MARCONI, Marina de Andrade, LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de Metodologia Cientifica. 6. ed. São
Paulo: Atlas, 2007.
MARCONI, Marina de Andrade, LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do Trabalho Científico: 4. ed. São Paulo:
Atlas, 1992.
MELLO, José Carlos Martins F. de, Negociação baseada em estratégia, São Paulo: Atlas, 2003.
Módulo Fiscal. Disponível em: pt.wikipédia.org/wiki/modulorural. Acesso em 20/04/2011.
Módulo Fiscal. Disponível em: www.INCRA.gov.br. Acesso em 20/04/2011.
MOWEN, J.C.; MINOR, M.S. Comportamento do Consumidor. São Paulo: Ed. Prentice Hall, 2003.
OLIVEIRA, Silvio Luiz de. Tratado de Metodologia Científica. 2. ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning,
1999.
Revista Cultivar. Produtividade Máxima. Setembro de 2010. Revista Número 136.
Revista A Granja. Tecnologias da Agricultura. Dezembro de 2010. Editora Centaurus.
RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa social:métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Athas, 1999.
SCHUMPETER, C. G. And Baker, C. B. Concepts of Business and Financial Risk. American Journal of
Agricultural Economics. V. 62, Aug 1980, p. 560-4.
SCHIFFMAN, L. G.; KANUK, L. L. Comportamento do Consumidor. 6.ed., Ed. Rio de Janeiro: LTC, 1997.
SCHIFFMAN, L.G.; KANUK, L. L. Comportamento do Consumidor. 6.ed., Ed. Rio de Janeiro: LTC, 2000.
TURRA, Francisco Sérgio, STAROSTA, Eduardo. Agrocenários (desafios e oportunidades). Editora Berthie,
Passo Fundo 2006.
TRIOLA, Mário F. Introdução à Estatística. 7ª Ed., Rio de Janeiro: LTC, 1998.
ANALISE ECONÔMICA DA EMPRESA ANIMEDI
De: MOISES TIZOTTI ([email protected]), RODRIGO SCHEFFLER ([email protected]),
MICHELE ALEXANDRETE ([email protected]), RÉGIS FERNANDO SPILLARI RUARO
([email protected]) Orientado por: EDELMAR ELOI BARASUOL ([email protected])
O presente trabalho foca a viabilidade econômica e financeira da Empresa Animedi. No trabalho
utilizaram-se dados secundários arquivados no banco de dados da empresa em estudo para servir
como parâmetro a fim de dimensionar a estrutura e sua capacidade da mesma. Foram utilizados
métodos de abordagens quantitativos, pois as características do trabalho evidenciam resultados que
são mensurados objetivamente, tendo como procedimento utilizado o método descritivo, onde os
pesquisadores não influenciam sobre os dados coletados, sendo que as técnicas foram a coleta de
dados e a analise dos mesmos. Baseado nesta estrutura fez-se uma análise do demonstrativo de
resultado do exercício do ano de 2010 e 2011 e uma analise das despesas 2010 e 2011, a fim de
verificar, se o mesmo, apresenta resultados positivos. Na seqüência realizou-se uma projeção da
demonstração do resultado do exercício de julho a dezembro de 2011. Com base nos resultados
financeiros é feita uma análise do ponto de equilíbrio a fim de ver o mínimo que a empresa teria que
vender para cobrir os seus custos fixos e seus custos variáveis.
- 173 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Palavras-chave: Demonstrativo de resultado do exercício, Ponto de Equilíbrio e Resultado
Referências:
BRUNI, Adriano Leal; FAMA, Rubens. Gestão de Custos e Formação de Preços. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2008.
DUTRA, René Gomes. Custos: uma abordagem prática. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2009.
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
Pesquisa: normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. Três de Maio: Ed.
SETREM, 2007.
GROPPELLI, A. A.; NIKBAKTH, Ehsan. Administração Financeira. Tradução Célio Knipel Moreira. 2. Ed. São
Paulo: Saraiva, 2002.
MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo:
Atlas, 2007.
MATARAZZO, Dante C.; Análise Financeira de Balanços: abordagem básica e gerencial. São Paulo: Atlas, 1998.
PEDOVEZE, Clóvis Luís; BENEDICTO, Gideon Carvalho de. Análise das demonstrações financeiras. São Paulo:
Pioneira Thomson Learning, 2004.
SANTOS, Edno Oliveira dos. Administração financeira de pequenas e médias empresas. São Paulo: Atlas, 2001.
PEREZ JUNIOR, Jose Hernandez; OLIVEIRA, Luís Martins de; COSTA, Rogério Guedes. Gestão Estratégica de
Custos. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2008.
GRAU DE FORMAÇÃO DOS COLABORADORES DE
INDÚSTRIAS TRÊS-MAIENSES VERSUS AS DEMANDAS
DOS CARGOS NESSES QUESITOS
De:
ANDERSON
KRAEMER
([email protected]),
RODRIGO
RUTZEN
([email protected]) Orientado por: LUÍS CARLOS ZUCATTO ([email protected])
Este estudo visa efetuar uma análise crítica sobre os conhecimentos técnicos demandados pelas
organizações alvo do estudo com os requisitos apresentados pelos seus colaboradores. A gestão de
pessoas visa a desenvolver as pessoas dentro de uma organização, para que assim se atinja a
performance desejada pela organização e, por outro lado, os colaboradores desfrutem de um
ambiente adequado para o trabalho. Deste modo as pessoas passam a ser tratadas como parceiros
da organização, pois passam a ser reconhecidos como fornecedores de conhecimentos, habilidades,
capacidades e, principalmente a inteligência. Uma das mais importantes estratégias para a Gestão de
Pessoas reside na intensa comunicação e retroação com os funcionários o treinamento é uma
ferramenta que proporciona o aperfeiçoamento ou a inclusão de Conhecimentos, Habilidades e
Atitudes. A junção das três letras CHA é tudo o que uma função ou cargo de uma empresa exige para
que o serviço e o produto sejam bem administrados e tenham uma boa qualidade. Com base nisso foi
elaborada uma pesquisa para conhecer o potencial de cada colaborador e também os cargos
disponíveis nas empresas; para tanto utilizou-se das abordagens qualitativa e quantitativa, com
procedimentos de pesquisa exploratória e técnica de coleta de dados de entrevista estruturada.
Percebeu-se com a pesquisa que 82% dos colaboradores possuem formação básica apenas
suficiente para suprir a demanda de vagas, e apenas que 3% do total apresentam formação
específica na area de atuação.
Palavras-chave: grau de formação, indústria, colaboradores.
Referências:
CHIAVENATO, Idalberto. Recursos Humanos. Ed. Compacta. São Paulo: Atlas, 1986.
COLLIS, Jill. e HUSSEY, Roger, Pesquisa em Administração: 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.
- 174 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
DUTRA, Joel Souza. Gestão de Pessoas: Modelo, processos, tendências e perspectivas. São Paulo: Atlas, 2002.
GIL, Antônio Carlos. Gestão de Pessoas: Enfoque nos Papéis Profissionais. São Paulo: Atlas, 2001.
LIMA, D.G.Pavan, A.L & Michels. Estudo comparativo de implantação de Ginástica Laboral. 2004.
MARCONI, Marina de A. & LAKATOS, Eva M. Técnicas de Pesquisa. São Paulo: Atlas, 1985.
MARCONI, Marino de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do Trabalho Cientifico: Procedimentos
Básicos, pesquisa bibliográfica, projetos, relatórios, publicações e trabalhos científicos. São Paulo: Atlas, 2001.
MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de Pesquisa. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2006.
OLIVEIRA, Sílvio Luiz de. Tratado de Metodologia Cientifica. 2. ed. São Paulo: Pioneira, 1999.
TOLEDO, Flavio de. Administração de Pessoal: Desenvolvimento de Recursos Humanos. 6. ed. São Paulo:
Atlas, 1981.
ANÁLISE ECONÔMICA EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL
De: MOISES TIZOTTI ([email protected]), MARIO SERGIO MARTINS (), REGINA SMANEOTO
([email protected]) Orientado por: EDELMAR ELOI BARASUOL ([email protected])
No presente estudo foi realizada uma análise econômica em um Posto de Combustível,
utilizando-se a Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) do mesmo. Por meio da DRE foram
analisados os resultados econômicos trimestralmente, o ponto de equilíbrio e uma análise
comparativa entre o primeiro trimestre de 2009 com o primeiro trimestre de 2010 da empresa. O
método de abordagem utilizado no estudo foi o método quantitativo, sendo que as técnicas foram
coleta de dados e análise documental especialmente a Demonstração do Resultado do Exercício de
2009 e 2010 visando à obtenção de informações relevantes e confiáveis para a elaboração do
presente trabalho. Dentre os diversos dados coletados encontram-se as vendas diárias e mensais, a
DRE com seus grupos bem definidos como custos, impostos, despesas e receitas. Por meio da
analise da Demonstração do Resultado do Exercício de 2009 e 2010 verificou-se a evolução dos
resultados econômicos da empresa ao longo deste período. Apesar de ser uma filial, esta contribuiu
significativamente para a obtenção de receitas e aumento do lucro final de 2009. Pode-se observar
que a reestruturação da Demonstração do Resultado do Exercício de 2009 e do 1° trimestre de 2010
facilitou a análise dos dados e verificação das principais contas existentes dentro da empresa.
Destacou-se a importância que cada conta representa na composição da Demonstração do
Resultado do Exercício, proporcionando uma visão analítica do estudo proposto, contribuindo
significativamente para um acompanhamento gerencial.
Palavras-chave: Análise econômica, demonstração do resultado do exercício e ponto de
equilibrio
Referências:
BRAGA, Roberto. Fundamentos e Técnicas de Administração Financeira. São Paulo:Atlas, 1989.
BASSO, Irani Paulo. Contabilidade Geral Básica. Ijuí: Ed. Unijuí, 1996.
GRECO, Alvísio Lahorque. Contabilidade: teoria e prática básicas. São Paulo: Saraiva, 2007.
MARION, José Carlos. Contabilidade Básica.- 6° ed.-São Paulo: Atlas,1998.
RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade Básica fácil. São Paulo: Saraiva, 2002
SANVICENTE, Antonio Zaratto. Administração Financeira / Antonio Zaratto Sanvicente. – 3. ed. – São Paulo:
Atlas, 1987
- 175 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
PEREZ JUNIOR, Jose Hernandez, Elaboração das Demonstrações Contábeis / Jose Hernandez Perez Junior,
Glaucos Antonio Begalli. – 2. ed. – São Paulo: Atlas, 1999.
RICHARDSON, Roberto J. Pesquisa Social: Métodos e Técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1999.
LOVATO, Adalberto. Metodologia da Pesquisa: Normas para Apresentação de Trabalhos: Redação, Formatação
e Editoração. 2. Ed. Três de Maio: Editora Setrem, 2007.
OLIVEIRA, S. L. de. Tratado de Metodologia Científica: projetos de pesquisas, TGI, TCC, monografias,
dissertações e teses. São Paulo: Pioneira Thompson Learning, 1999.
ANÁLISE DO CLIMA ORGANIZACIONAL NA INSTITUIÇÃO
HOSPITAL SÃO VICENTE DE PAULO - TRÊS DE MAIO
De: FABIO BARTH DALEMOLLE ([email protected]), GUSTAVO VINICIUS DE LIMA SCHAFER (),
CLAUDIONEI
GEWEHR
([email protected])
Orientado
por:
CECILIA
SMANEOTO
([email protected])
O presente estudo analisou o Clima Organizacional da Instituição Hospital São Vicente de Paulo
- Três de Maio. A relação deste e o ambiente interno de trabalho, buscando desta maneira identificar
oportunidades de melhoria e propor ações para correção de possíveis deficiências identificadas. A
abordagem foi quantitativa, sendo aplicado um questionário para cada colaborador do setor
administrativo. A partir disso, buscou se esclarecer o seu significado e os benefícios que a pesquisa
de Clima Organizacional pode trazer, transmitindo confiança para que os colaboradores se sentissem
à vontade e colaborassem na construção do mesmo.Os resultados alcançados com a pesquisa dizem
que o clima organizacional da instituição tem pontos positivos, como a motivação dos funcionários e
também com relação aos salários pagos aos colaboradores que resultam diretamente no
desempenho dos mesmos. Algumas melhorias sugeridas se referem ao planejamento estratégico,
com esclarecimentos de todos os tópicos aos colaboradores, podendo melhorar assim o
relacionamento interno de funcionários e conseqüentemente melhoria de atendimento.
Palavras-chave: Colaboradores, Clima Organizacional, Ferramentas.
Referências:
CHIAVENATO, Idalberto. ; SAPIRO, Arão. Planejamento Estratégico: Ed. Rio de Janeiro; Campus, 2004.
CHIAVENATO, Idalberto. Gerenciando Pessoas. O Passo Decisivo para a Administração Participativa. São
Paulo: MAKRON Books, 1992.
COLLIS, Jill; HUSSEY Roger. Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pósgraduação. São Paulo: Artmed, 2005.
GIL, Antonio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa: 4. ed., São Paulo, Atlas, 2002.
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto, EVANGELISTA. Mário Luiz Santos. Metodologia da
Pesquisa: Normas para apresentação de trabalho: redação, formatação e editoração, 2.ed. Três de Maio:
SETREM, 2007.
LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo:
Atlas, 2003.
LUZ, Ricardo. Gestão do Clima Organizacional, 1ª ed., RJ, Qualitymark Editora Ltda, 2003.
- 176 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
MARCONI, Marina de Andrade, LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de Metodologia Cientifica. 6. ed. São
Paulo: Atlas, 2007.
MARCONI, Marina de Andrade, LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do Trabalho Científico: 4. ed. São Paulo:
Atlas, 1992.
LIVEIRA, S.L. Tratado de metodologia cientifica: projetos de pesquisas, TGI, TCC, monografia, dissertação e
teses. SP, Pioneira Thonson Learning, 1999.
WAGNER III, John A, HOLLENBECK, John R. Comportamento Organizacional: 1ª ed. 5º tiragem, SP, editora
Saraiva, 2004.
IDENTIFICAÇÃO DAS SETE PERDAS NO PROCESSO DE
ORDENHA EM UMA PROPRIEDADE RURAL
De:
ANDERSON
KRAEMER
([email protected]),
RODRIGO
RUTZEN
([email protected]) Orientado por: JORGE ANTONIO RAMBO (jorge.ra[email protected])
Este estudo visa elaborar um levantamento para o melhoramento e análise do processo
produtivo de leite. Para tanto a Produção Enxuta elimina todas as possíveis fontes de perdas do
processo produtivo, do começo ao fim, com menos esforço humano, tecnológico, tempo e espaço,
mas ao mesmo tempo, oferece aos clientes um produto de alta qualidade. Este sistema de
gerenciamento da produção cujo objetivo é o aumento do lucro através da redução dos custos, este
objetivo, por sua vez, só pode ser alcançado através da identificação e eliminação das perdas. O
sucesso de um negócio depende de algumas variáveis, como: clientes equipe de trabalho, tecnologia
aplicada, fornecedores parceiros, produtividade, competitividade. Estas variáveis, quando atendidas,
levam ao lucro que, como dito, é o objetivo de qualquer negócio inclusive em uma propriedade rural.
Com base nisso foi elaborada um levantamento para o melhoramento e analise do processo
produtivo de leite em uma propriedade rural; para tanto utilizou-se das abordagens qualitativa e
quantitativa, com procedimentos de pesquisa descritiva e estudo de caso e técnica de coleta de
dados de entrevista não-estruturada e observação direta. Verificou-se que as sete perdas da
produção de leite desta propriedade e montou-se o fluxograma dos processos de produção,
identificando onde localizava-se a maior perda.
Palavras-chave: Produção, sete perdas, qualidade
Referências:
Davis, Mark M. Fundamentos da Administração da Produção 3ª Ed. Porto Alegre, Editora Bookmann, 2001.
AZEVEDO, Paulo Furquim. Concorrência no agribusiness. In: ZYLBERSZTAJN, Décio; NEVES, Marcos Fava
(orgs). Economia & gestão dos negócios agroalimentares. São Paulo: Pioneira, 2000.
MARTINS E LAUGENI, Petrônio G. Fernando Piero, Administração da Produção, 2 ª Edição, São Paulo, Editora
saraiva, 2005.
http://www.administradores.com.br/artigos/a_administracao_da_producao/23401/
http://www.milkpoint.com.br/gestao-da-propriedade-rural_noticia_33175_61_159_.aspx
http://www.fazendadorosario.com.br/noticia.php?id=1
http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/dtbs/riograndedosul/horizontina
- 177 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Artigo, Dia Mundial do Leite – 29/04/2004, Disponível em http://bebaleite.com.br, acesso em 24/05/2009.
http://www.geocities.com/ublattmann/papers/valor.html 03/06/09
WOMACK, James P, JONES, Daniel T, ROOS, Daniel. A máquina que mudou o mundo. 13ª ed. – Rio de
Janeiro: Campus, 1992.
SLACK, Nigel, CHAMBERS, Stuart, JOHNSTON, Administração da produção. 2 ed. São Paulo: Atlas, 1999.
www.lincx.com.br/lincx/saude_a_z/alimentos/leite_vaca.asp, acesso dia 08 de junho de 2009.
ANÁLISE DO PERFIL DAS PESSOAS QUE REALIZAM
COMPRAS VIA INTERNET
De: ANDERSON DO NASCIMENTO ([email protected]), MATHEUS ROBERTO
MARCHEWICZ ([email protected]), Cassio Vinicius Schlosser Zaleski (), Jorge Alberto Stein () Orientado
por:
JORGE
ANTONIO
RAMBO
([email protected]),
VALSENIO
GAELZER
([email protected])
O presente artigo analisou qual é o perfil de compra via internet dos entrevistados no município
de Horizontina. Sabe-se que este nicho de mercado esta em constante evolução nos dias atuais,
devidos a uma série de atributos, sejam elas pela falta de tempo disponível para sair em busca de
determinado produto, ou pelo simples fato das facilidades de encontrar suas necessidades. Para
construir o perfil destes entrevistados alguns dados foram coletados, permitindo conhecer seus
objetivos, sua faixa etária, a faixa de renda em que se encontra, se faz utilização da internet, se
realizam compras via internet, o que compram e porque compram, entre outros, para que assim
empresas que realizam comercio via internet possam utilizar estes dados para melhorar seus serviços
e focar atividades exclusivas para esta cidade.
Palavras-chave: perfil de compra, comércio via internet, motivação de compra.
Referências:
CZINKOTA, Michael R. Marketing: As melhores práticas/Michel R. Czinkota... [et al]; trad. Carlos Alberto Silveira
Netto Soares e Nivaldo Montingelli Jr. Porto Alegre: Bookman, 2001.
FERREL, Michael Hartline. Estratégia de Marketing. São Paulo: Thomson, 2005
GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mario dos Santos. Metodologia da
Pesquisa: Normas para apresentação de trabalhos: Redação, Formatação e Editoração. Três de Maio: Ed.
SETREM , 2007.
.
KOTLER, Philip. Administração de Marketing: Análise, Planejamento e Controle. 5. Ed. São Paulo: Atlas, 1998.
LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do Trabalho Científico. 6. ed. São Paulo:
Atlas, 2007.
LODISH, Leonard; MORGAN, Howard Lee; KILLIANPUR, Amy. Empreendedorismo e marketing: Lições do curso
de MBA da Wharton School. Tradução de Roberto Galman. Rio de Janeiro: Campus, 2002.
http://www1.folha.uol.com.br/mercado/775216-empresas-de-tecnologia-dominam-lista-das-marcas-mais-valiosasapple-lidera.shtml
- 178 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
ANÁLISE DO IMPACTO DOS MEIOS DE DIVULGAÇÃO
UTILIZADOS POR UMA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA
De: GUILHERME LEISMANN SCHUMACHER ([email protected]), LINARA TATIANE
DALPRA
([email protected])
Orientado
por:
ALEXANDRE
CHAPOVAL
NETO
([email protected])
O presente trabalho busca realizar um estudo para avaliar o impacto que os meios de divulgação
utilizados por uma instituição financeira do município de Crissiumal, Rio Grande do Sul, têm sobre
cada segmento demográfico da população local. Os trabalhos para o alcance deste objetivo
iniciaram-se em agosto de 2010 e encerram-se em junho de 2011. A metodologia utilizada para dar
suporte e sistematização quanto à estrutura e procedimentos baseou-se em uma abordagem
quantitativa e qualitativa. Ainda, teve como método de procedimento uma pesquisa exploratória,
pesquisa descritiva e estudo de caso. Fez uso das técnicas de entrevista não estruturada e aplicação
de formulário junto à empresa estudada, além de formulário aplicado junto à população, cuja amostra
conferiu um intervalo de confiança de 95% e uma margem de erro de 5%, totalizando 374
entrevistados. Pode ser verificada a política de investimentos em divulgação utilizada pelo Sicredi de
Crissiumal, a qual não baseia-se em critérios formalmente definidos. Também foi verificado o impacto
dos meios de divulgação em cada segmento demográfico da população, detalhando as informações
por faixa etária, gênero sexual e faixa de renda, além de ser feita uma relação entre a percepção dos
entrevistados quanto aos meios de divulgação e a incidência de correntistas na instituição. Por fim,
cada meio de divulgação foi analisado separadamente, visando identificar possibilidades de melhoria
que venham otimizar os resultados decorrentes de ações publicitárias.
Palavras-chave: Meios de Divulgação, Segmentação demográfica, Percepção.
Referências:
ALVES, Marco Antônio Peres. Cooperativismo: arte e ciência. São Paulo: Liv e Ed. Universitária de Direito, 2002.
BLOG CONTEXTO POLÍTICO. Disponível em: http://contextopolitico.blogspot.com/2008/08/histria-banco-dobrasil.html. Acessado em 14 de Junho de 2011.
BLOG ECONOMIABR.NET. Disponível em: http://www.economiabr.net/economia/7_sfn.html Acessado em 16 de
Junho de 2011.
CZINKOTA, Michael R. Marketing: As melhores práticas/Michel R. Czinkota... [et al]; trad. Carlos Alberto Silveira
Netto Soares e Nivaldo Montingelli Jr. Porto Alegre: Bookman, 2001.
DOLABELA, Fernando. O Segredo de Luísa. Rio de Janeiro: Sextante, 2008.
FERREL, Michael Hartline. Estratégia de Marketing. São Paulo: Thomson, 2005
GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mario dos Santos. Metodologia da
Pesquisa: Normas para apresentação de trabalhos: Redação, Formatação e Editoração. Três de Maio: Ed.
SETREM , 2007.
.
IBGE CIDADES. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1. Acesso em 02 de Abril de
2011.
KOTLER, Philip. Administração de Marketing: Análise, Planejamento e Controle. 5. Ed. São Paulo: Atlas, 1998.
LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia do Trabalho Científico. 6. ed. São Paulo:
Atlas, 2007.
- 179 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
LODISH, Leonard; MORGAN, Howard Lee; KILLIANPUR, Amy. Empreendedorismo e marketing: Lições do curso
de MBA da Wharton School. Tradução de Roberto Galman. Rio de Janeiro: Campus, 2002.
MATTAR, Fauze Najib. Pesquisa de Marketing. São Paulo: Atlas, 2000.
PORTAL BANCO DO BRASIL. Disponível em:
http://www.bb.com.br/portalbb/page301,9171,9171,21,0,1,1.bb?codigoNoticia=7951&codigoMenu=5672.
Acessado em 14 de Junho de 2011.
PORTAL BANRISUL. Disponível
em:http://www.mzweb.com.br/banrisul/web/conteudo_pt.asp?idioma=0&tipo=8224&conta=28 Acessado em 14 de
Junho de 2011.
PORTAL CAIXA. Disponível em: http://www.caixa.gov.br/acaixa/historia_missao.asp Acessado em 14 de Junho
de 2011.
REVISTA DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL. Disponivel em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010320032010000200006&script=sci_arttex>. Acesso em 06 de Junho de 2011.
RICCIARDI, Luiz; LEMOS, Roberto Jenkins. Cooperativa, a empresa do Século XXI: como países em
desenvolvimento podem chegar a desenvolvidos. São Paulo: LTr, 2000.
SITE SICREDI. Disponível em www.sicredi.com.br Acessado em 14 de junho de 2011.
TOLEDO, Geraldo Luciano. Marketing Bancário:análise, planejamento, processo decisório. São Paulo: Atlas,
1978.
www.guiadomarketing.powerminas.com – acessado em 11 de Setembro de 2010.
www.mariopersona.com.br – Acessado em 11 de Setembro de 2010.
www.omecanico.com.br – Acessado em 02de Novembro de 2010.
www.pdftop.com – Acessado em 17 de Outubro de 2010.
www.polorp.wordpress.com – Acessado em 26 de Setembro de 2010.
IDENTIFICAÇÃO DA POSTURA ESTRATÉGICA DO STEIN
GARTEN HOTEL
De:
Jorge
Alberto
Stein
([email protected])
([email protected])
Orientado
por:
JORGE
ANTONIO
RAMBO
O presente resumo refere-se a um projeto realizado durante o componente curricular
Planejamento Estratégico e tem como tema a Identificação da Postura Estratégica do Stein Garten
Hotel. Para tal estudo foram avaliados, entre pontos fortes e fracos, diversos parâmetros dos mais
variados segmentos tanto no ambiente interno quanto externo. O mesmo tem como principais
referencias a apostila apresentada pelo orientador Jorge Rambo, de própria autoria, além do livro
Planejamento Estratégico - Fundamentos e Aplicações de Chiavenato e objetivou identificar a postura
estratégica do Stein Garten Hotel durante o período de aplicação do estudo, para que com base em
tal estudo a administração posa utilizar o mesmo como ferramenta auxiliar na tomada de decisões.
Identificou-se a postura estratégica que a empresa deverá seguir em virtude da posição de
manutenção, com alguma possibilidade de desenvolvimento da empresa. Os dados levantados
durante esse trabalho foram realizados com acompanhamento da sócia-proprietária do hotel, sendo
que os resultados do mesmo foram demonstrados a organização e tiveram excelente aceitação, uma
vez que esta análise detalhada proporcionou uma visão autêntica da situação em que a instituição se
- 180 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
encontra, ajudando não só na postura estratégica momentânea, mas também no planejamento
estratégico da mesma que é focado nos próximos dez anos.
Palavras-chave: Planejamento Estratégico, Postura Estratégica
Referências:
CHIAVENATO, Idalberto, SAPIRO, Arão, Planejamento Estrategico, 2 ed. 2009
ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA E FINANCEIRA
PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA LAVANDERIA INDUSTRIAL
De: FRANCIELI IZABEL HUNHOFF (), SIMONE ELISA CAPINOS NAGEL ([email protected])
Orientado por: JORGE ANTONIO RAMBO ([email protected])
Inseridos em um cenário em que as empresas necessitam de serviços com qualidade e
agilidade, garantia de entrega e pontualidade dos mesmos, os serviços de lavanderia industrial
exigem responsabilidade e presteza em suas atividades. A partir disso o presente estudo foi focado
na análise da viabilidade econômica financeira para implantação de uma lavanderia industrial, que
atuará no ramo de lavagens de uniformes e rouparias de hotéis, restaurantes e motéis, atendendo o
município de Três de Maio – RS, e os municípios circunvizinhos de Santa Rosa, Horizontina e Boa
Vista do Buricá. O método do estudo pauta-se pelas abordagens qualitativa e quantitativa, com
procedimento descritivo. No que tange as técnicas de coleta de dados, utilizou-se de entrevistas e
questionários. Na análise dos dados utilizou-se a técnica de análise de conteúdo para os dados
qualitativos e para os dados quantitativos foi utilizada a análise uni variada de dados, ou seja, por
meio de freqüências estatísticas. Para apurar os indicadores de viabilidade foram utilizadas as
formulas do VPL, TIR e Payback. Com a realização deste estudo foi possível identificar, através da
pesquisa de mercado, o interesse ou não, dos empresários respondentes, em terceirizar suas
atividades de lavagem de rouparias. Além disso, através dos cálculos de viabilidade foi possível obter
três cenários e a receita necessária para viabilizar o negócio.
Palavras-chave: Empreendedorismo; Lavanderia Industrial; e Viabilidade.
ANÁLISE DA EXPECTATIVA SOCIAL DOS ACADÊMICOS
DA SETREM
De:
ANDERSON
KRAEMER
([email protected]),
RODRIGO
RUTZEN
([email protected]) Orientado por: VALSENIO GAELZER ([email protected])
Gestão de Instituições de Ensino Superior que aborda as novas competências e novos modelos
de gestão que as IES devem adotar dentro do processo de institucionalização do mercado de ensino
superior. Existe uma necessidade que as universidades têm de se adaptar a uma nova realidade: a
emergência do mercado de ensino superior e, dentro dele, do princípio da concorrência, isto é, da
competição. Com o crescimento do número de instituições particulares, o ensino superior passou de
um direito a um negócio de prestação de serviços, com fins lucrativos. Ocorre que muitas instituições
colocam seu foco na rentabilidade da empresa, em detrimento da sua responsabilidade social de
preparação de um cidadão consciente de seus atos e comprometido com o desenvolvimento da
sociedade. Isto resulta no aumento do número de graduados, porém em uma condição de qualidade
profissional cada vez mais duvidosa. Através de uma pesquisa realizada na SETREM, foi possível
fazer uma analise da expectativa social dos acadêmicos do oitavo semestre do curso de Bacharelado
em Administração. Foi elaborada uma pesquisa para saber se o curso de Bacharelado em
Administração da SETREM atendeu as expectativas dos acadêmicos do oitavo semestre; para tanto
utilizou-se das abordagens qualitativa e quantitativa, com procedimentos de pesquisa exploratória e
técnica de coleta de dados de entrevista estruturada. Percebeu-se que a expectativa surpreendeu,
- 181 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
onde teve um relacionamento social dos acadêmicos e a faculdade, se analisou suas reverencias de
estudos em relação a instituição e aos acadêmicos envolvidos.
Palavras-chave: Gestão, Satisfação e SETREM.
Referências:
Colenci Jr, A., Guerrini, F. M. (2007), Organizações voltadas para o aprendizado In: Cavalcanti, M (org.): Gestão
estratégica de negócios. 2 ed. São Paulo: Thomsom-Learning.
Ferreira, Aurélio Buarque de Holanda.(2004), Novo dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. 3 ed. Curitiba:
Editora Positivo.
Gama Filho, P. C. & Carvalho, H. M. (1998) Os novos compromissos da gestão universitária. Rio de Janeiro:
Editora da Universidade Gama Filho.
Herrero, Emilio.(2005), Balanced Scorecard e a Gestão Estratégica: uma abordagem prática. 7 ed. Rio de
Janeiro: Elsevier.
Kaplan, Robert S. Norton, David P. (1997), A Estratégia em Ação. Rio de Janeiro: Campus.
Kother, Philip. (1998), Administração de Marketing: Análise, Planejamento, Implementação e Controle. São
Paulo: Atlas.
Tachizawa, Takeshy; Andrade, Rui Otávio Bernardes de. (2006), Gestão de Instituições de Ensino. 4 ed. Rio de
Janeiro: Editora FGV.
ÍNDICE DE CONFIANÇA DO CONSUMIDOR DE TRÊS DE
MAIO – RS
De: VAGNER JONAS PASTERNACK ([email protected]), ANDREIA ALEXANDRA BONMANN
([email protected]), VANIA DE OLIVEIRA ([email protected]) Orientado por: LUÍS CARLOS
ZUCATTO ([email protected])
Este estudo objetiva identificar o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) de Três de Maio –
RS em relação a aspectos atuais, como momento para aquisição de bens de consumo, condição
financeira atual, oportunidades de emprego em relação há um ano atrás e também a aspectos
futuros, como perspectivas de negócios para os próximos doze meses, condições econômicas para
os próximos cinco anos e condições financeiras daqui um ano. A pesquisa foi realizada em três
etapas, agosto, setembro e outubro/novembro de 2010, foram aplicados 180 formulários com 11
questões subjetivas, onde se buscou identificar aspectos atuais e perspectivas futuras sobre o ICC.
Os dados coletados foram analisados através de freqüências estatísticas e são dispostos em gráficos
individuais e comparativos, em que são estratificadas as variáveis analisadas. A partir da análise dos
dados, se identificou que a respeito dos aspectos atuais, em agosto e setembro os respondentes
disseram que o momento era bom para aquisição de bens de consumo em relação há um ano atrás,
já em novembro, este aspecto diminuiu bastante, sendo o nível de incerteza de 69%, as condições
financeiras familiares mostram-se melhores que no ano anterior, com 71% dos entrevistados de
novembro dizendo que são melhores que um ano atrás e quanto às oportunidades de emprego, os
respondentes consideram na maioria, que não mudou neste último ano. Já quanto às perspectivas
futuras, os entrevistados se mostram otimistas, acreditam que para os próximos doze meses as
condições de negócios serão melhores que agora, 52% dos respondentes, quanto às condições
financeiras para daqui a um ano, também existe um otimismo bem elevado, com 82% dos
entrevistados de outubro/novembro acreditando que será ainda melhor que agora, apenas o aspecto
que diz respeito às condições econômicas para os próximos cinco obteve uma redução do otimismo
dos entrevistados, em agosto e setembro as perspectivas eram de que seriam melhores as condições
econômicas do país, já em outubro/novembro 52% dos respondentes mostraram incerteza quanto a
este aspecto. O índice de confiança do consumidor permite, então, fornecer informações sobre o
comportamento do consumidor, suas perspectivas e como consideram o momento atual, os
- 182 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
benefícios, portanto, são relevantes e o desafio está em fazer um bom uso dos dados coletados,
reunindo e analisando-os criteriosamente.
Palavras-chave: Índice de confiança do consumidor de Três de Maio, situação atual,
perspectivas futuras.
Referências:
ATARDE. Índice de confiança do consumidor mantém Record. Disponivel em:
http:\\www.atarde.com.br\\economia\noticia.jsf?id=2445382. Acessado em 24 de novembro de 2010.
ENGEL, Jams F. et AL. Comportamento do consumidor. 8ª Edição. Rio de Janeiro: 2000.
GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1991.
KOTLER, Philip. Marketing para o século XXI, como criar conquistar e donimar o mercado. São Paulo: Futura ,
1999.
LAKATOS, Eva Maria e MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 3ª Edição. São
Paulo, 1991.
LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mario Luiz Santos; GÜLLICH, Roque Ismael da Costa. Metodologia de
Pesquisa. Três de Maio. Editora Setrem, 2007.
OGLOBO. Otimismo do consumidor brasileiro cai em novembro, mas segue favorável. Disponivel em:
http://oglobo.globo.com/economia/mat/2010/11/29/ otimismo-do- consumidor-brasileiro-cai-em-novembro-massegue-favoravel-923137019.asp. Acessado em 06 de dezembro de 2010.
OLIVEIRA, Silvio Luiz de. Tratado de metodologia científica. São Paulo: Pioneira, 1997.
RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa Social: Métodos e técnicas. 3ª ed. São Paulo: Atlas,1999.
SALOMON, D. Como fazer uma monografia. 4ª ed. São Paulo: M. Fontes, 1996.
ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA E FINANCEIRA
DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS DESENVOLVIDAS EM UMA
PROPRIEDADE RURAL
De:
JOEL
HEINSCH
MELLER
([email protected]),
GLAUBER
MARCEL
([email protected]) Orientado por: MAURO ALBERTO NUSKE ([email protected])
DONAT
O presente trabalho foi realizado na propriedade rural de Jandir Donat tendo como objetivo
analisar a viabilidade das atividades produtivas em uma propriedade rural através das análises
econômicas e financeiras de cada atividade, nos anos de 2008,2009 e 2010. A abordagem utilizada
foi quantitativa e dedutiva, no qual foram feitas pesquisas bibliográficas, entrevistas com o
proprietário, observações do processo produtivo e visitas junto à propriedade. Para uma melhor
análise financeira, procurou-se levantar um histórico das atividades desenvolvidas na propriedade,
resgatando valores recebidos pelas vendas dos produtos e custo de produção de cada atividade. O
estudo em questão visa diagnosticar quais das atividades desenvolvidas na propriedade são as mais
rentáveis e quais delas podem ser consideradas as propulsoras do negócio. Para dar credibilidade ao
trabalho o grupo utilizou-se os autores Contini, Batalha, Hoffmann, Marion e Martins entre outros.
Para explanação dos resultados alcançados utilizou-se gráficos e tabelas proporcionando um melhor
entendimento. Dentro do período estudo a propriedade teve uma receita operacional bruta de R$
157.558,08 sendo que o custo fixo representa 27,62%,o custo variável de 58,16% e um lucro líquido
de 14,22%. Se o proprietário utilizar-se desse conhecimento na propriedade poderá proporcionar um
melhor planejamento e condução da propriedade, visando uma melhor qualidade de vida para os
membros da família.
- 183 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Palavras-chave: Viabilidade Econômica - Tomada de Decisão - Análise.
Referências:
ALOE, A; VALLE, F. Contabilidade agrícola, 7ª ed. São Paulo Atlas, 1984.
ANDRADE, Maria Margarida de. Introdução à Metodologia do trabalho científico. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1997.
ANTUNES, L. M.; RIES, L. R.. Gerência agropecuária: análise de resultados. 3. ed.Guaíba: Agropecuária, 2001.
272 p.
ANTUNES, Luciano M.;ENGEL, Arno. Manual de Administração Rural: Custos de Produção. 3ºed.Guaíba:
Agropecuária,1999.
ARAÚJO NETO, Djalma Leite de; COSTA, Erico de Farias. Dimensionamento do PIB do agronegócio em
Pernambuco. Revista de economia e sociologia rural. Brasília, v. 43, n. 04,Out/dez 2005.
ATLAS SOCIOECONÔMICO RIO GRANDE DO SUL. Porto Alegre. IBGE, Resolução nº 5,2002. Disponível em:
<http://www.scp.rs.gov.br/ATLAS/atlas.asp?menu=334>. Acesso em: outubro 2010
BATALHA, Mario Otavio. Gestão do agronegócio. São Carlos: 2005
BATALHA, Mario Otavio. Gestão Agroindustrial. GEPAI - grupos de estudos e pesquisas agroindustriais. São
Paulo: Atlas, 1997.
BORNIA, Antonio Cezar. Análise Gerencial de Custos: Aplicação em Empresas Modernas. Editora Bookmann.
Porto Alegre, 2002.
BRAGA, Roberto. Fundamentos e técnicas de administração financeira. São Paulo: Atlas, 1989.
BRUNI, Adriano Leal; FAMÁ, Rubens. Gestão de Custos e Formação de Preços. 3ª ed. Editora Atlas. São Paulo,
2004.
CANZIANI, J. R. F. Administração rural: gestão de agronegócios. 1998.
COELHO, C. N. Os caminhos do agronegócio brasileiro. Disponível em:
http://www.mre.gov.br/cdbrasil/itamaraty/web/port/economia/agric/caminhos/index.htm. Acesso em: novembro de
2010.
COLIIS, Jill; HUSSEY, Roger. Pesquisa em Administração. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.
CONTINI, E. Dinamismo do agronegócio brasileiro. 2007 Disponível em:
<http://www.agronline.com.br/artigos/artigo.php?id=22>. Acesso em: novembro de 2010.
CREPALDI, Silvio Aparecido. Contabilidade Rural: Uma abordagem decisorial. 2º ed. São Paulo: Atlas, 1998.
DRUCKER, Peter Ferdinand. A Administração na Próxima Sociedade. São Paulo: Nobel, 2003.
DUTRA, René Gomes. CUSTOS – Uma Abordagem Prática. 5ª Edição, Editora Atlas ,2003.
EMBRAPA Gado de Leite (2004). Online, disponível em http://www.cnpgl.embrapa.br/, acessado em 2011.
FACHIN, Odília. Fundamentos de metodologia. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2001.
FEIDEN, A. Metodologia para análise econômica em sistemas agroecológicos Aproximação: análise de culturas
individuais. Seropédica: Embrapa Agrobiologia, 2001.
- 184 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
FIGUEIREDO, R. S.. Sistema de Apuração de Custos. – in Gestão Agroindustrial: Coordenador Mário Otávio
Batalha. São Paulo: Atlas, 1997.
FLOSS, L. G. Conceitos básicos de administração rural. Passo Fundo: Floss consultoria e Assessoria em
Agronegócios Ltda. 2004. 74 p.
GALLIANO, Alfredo Guilherme. O método científico: teoria e prática. São Paulo: Harbra, 1986.
GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo : Atlas, 2002.
GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2009.
GUILHOTO, J. J. M. et al. A importância do agronegócio familiar no Brasil. Revista de economia e sociologia
rural. Vol. 44, n. 03, p. 355-382, jul/set 2006.
GULLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Aldaberto; EVANGELISTA, Mario dos Santos. Metodologia da
pesquisa: normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. 2ª ed. Três de Maio:
Setrem, 2007.
HAZELL, P. B. R. Is there a future for small farms? Agricultural Economics [S.I.], v. 32, p.93-101, nov. 2010.
HOFFMANN, Rodolfo et al.. Administração da empresa agrícola. 5a ed. São Paulo: Pioneira, 1976.
HOFFMANN, Rodolfo et al. Capitais e custos. Administração da empresa agrícola. 5a ed. São Paulo: Pioneira,
1987.
http://www.agronline.com.br/artigos/artigo.php?id=457&pg=2&n=2 Acessado em 01/10/2010.
http://www.ibge.gov.br/series_estatisticas/exibedados.php?idnivel=BR&idserie=PO P13. Acessado em
01/10/2010.
IUDÍCIBUS, S. Contabilidade gerencial. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1980.
LAKATOS Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de Metodologia Científica. 4. ed. São Paulo:
Atlas, 2001
LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 6. ed. São Paulo:
Atlas, 2007
LIMA, M. C. Monografia: a engenharia da produção científica. São Paulo: Saraiva, 2004.
LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário Luiz Santos e GÜLLICH, Roque Ismael da Costa. Metodologia da
Pesquisa: normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. Três de Maio. E.
SETREM, 2005.
MAPA. Ministério da Agricultura e Abastecimento. Brasília, 2004. Disponível em
<http://www.agricultura.gov.br/creditorural.htm> Acessado em Novembro 2010
MARCONI,M.A e LAKATOS,E.M. Técnicas de Pesquisa. São Paulo. Atlas. 1986.
MARION, José Carlos. Contabilidade rural e controladoria em agribusiness. São Paulo: Atlas,1996.
MARION, José Carlos. Contabilidade rural. 6 ed. São Paulo: Atlas, 2000.
MARTINS, Eliseu. Contabilidade de custos. 7 ed. São Paulo: Atlas, 2000
MARINS, Eliseu. Contabilidade de custos.9. Ed. São Paulo: Atlas, 2003.
- 185 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
MATTAR NETO, João Augusto, Metodologia Cientifica na Era da Informática. São Paulo: Editora Saraiva, 2003.
MELO, Ricardo Wanke de; FONTANA, Denise Cybis; BERLATO, Moacir Antonio. Indicadores de produção de
soja no Rio Grande do Sul comparados ao zoneamento agrícola. Pesquisa Agropecuária Brasileira. Brasília, v.
39, n. 12, p. 1167-1175, dez. 2004. Disponível em: <
http://atlas.sct.embrapa.br/pdf/pab2004/dezembro/39n12a02.pdf>. Acesso :novembro 2010
MINAYO, M.C de S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde.3.ed. São Paulo, 1994
MUNDSTOCK, C. M.. A cultura da soja como fator de transformação e viabilização das propriedades agrícolas
produtoras de grãos do RS: uso de tecnologia e os efeitos na inclusão social e conservação ambiental.
Disponível em: http://www.fee.tche.br/sitefee/download/jornadas/2/e13-12.pdf. Acesso em: Nov. 2010.
OLIVEIRA. José Elizeu de; COLLA. Marcelino; LORO. Mauro Leandro; STEINMETZ. Ricardo. Análise dos
Investimentos da Pecuária Leiteira – Três de Maio – 2000.
OLIVEIRA, Silvio Luiz de. Tratado de Metodologia Cientifica: Projetos de Pesquisa, TGI, TCC, Monografia,
Dissertação e Teses. 2a Edição São Paulo, 1999.
PEREZ JÚNIOR, José Hernandez.; OLIVEIRA, Luís Martins de.; COSTA, Rogério Guedes. Gestão Estratégica
de Custos. 2a. ed. São Paulo: Atlas, 2001.
PETER, J.P; CERTO,S.J. Administração estratégica. 2a ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2005.
REICHERT, Lírio José. A Administração Rural em Propriedades Familiares. Teoria e Evidência Econômica.
Passo Fundo, v. 5, n. 10, p. 67-86, maio 1998.
SANTOS, G. J.; MARION, J. C.; SEGATTI, S. Administração de custos na agropecuária. 3 ed. São Paulo: Atlas,
2002.
SILVA, José Pereira. Análise financeira das empresas. 4 ed. São Paulo: Atlas. 1999.
TEIXEIRA, E. C.; GOMES, S. T. Elaboração e análise de projetos agropecuários. Viçosa: Universidade Federal
de Viçosa, 1994. 122 p.
EFEITOS DA SAZONALIDADE EM UMA EMPRESA
PRESTADORA DE SERVIÇOS
De: ANDREIA ALEXANDRA BONMANN ([email protected]), VAGNER JONAS PASTERNACK
([email protected]), VANIA DE OLIVEIRA ([email protected]), ADRIANA MEINCKE
([email protected]) Orientado por: LUÍS CARLOS ZUCATTO ([email protected])
Este estudo tem como principal objetivo analisar a estrutura de custos de uma lavagem de
veículo de passeio. A empresa LAVACAR está localizada na cidade de Três de Maio e atua no ramo
de lavagem. A maioria das tomadas de decisões não contempla as possíveis variações de custos,
que afetam a qualidade do serviço prestado, conseqüentemente, comprometendo a lucratividade da
empresa. Na fundamentação teórica deram-se ênfase aos conceitos relacionados com custos
variáveis, fixos, diretos, indiretos, ponto de equilíbrio, margem de contribuição, despesas e gastos. No
método do estudo, optou-se pela abordagem quantitativa, com procedimentos de estudo de caso. Os
dados foram coletados através de entrevista não estruturada com o gestor da empresa e análise de
demonstrações contábeis da mesma. Na análise dos dados optou-se pela estratégia de análise de
conteúdo. Inicialmente buscou-se verificar as informações pertinentes aos custos do serviço prestado,
percebendo-se que não há o hábito de sistematizar as informações de forma que possibilite um
controle eficiente no que tange aos aspectos financeiros. Foram observados os processos dos
serviços, coletaram-se os dados para a identificação dos custos e despesas e após alocou-se para o
veículo de passeio. Em uma empresa de prestação de serviços, saber o custo individual do serviço
- 186 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
prestado é fundamental para o cálculo do preço de venda, garantindo assim a lucratividade e o
crescimento da mesma. Cabe ainda destacar, que para a empresa ter uma boa gestão e boas
tomadas de decisões, a mesma deve possuir um quadro de colaboradores comprometidos e
qualificados objetivando desenvolver suas atividades com melhor precisão garantindo seu sucesso
profissional e o crescimento da organização.
Palavras-chave: Custos, Lavagem, Serviço
Referências:
BORNIA, Antônio Cezar. Análise gerencial de custos em empresas modernas. Porto Alegre: Bookman Editora,
2002.
BRUNI, Adriano Leal; FAMÁ, Rubens. Gestão de custos e formação de preços. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2008.
COLLIS, Jill. Pesquisa em Administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2. Ed.Porto Alegre: Bookman, 2005.
DUTRA, René Gomes. Custos: uma abordagem prática. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1995.
LEONE, George Sebastião Guerra.Custos: Planejamento, Implantação e Controle. São Paulo: Atlas, 2009.
LEONE, George Guerra. Custos: Um enfoque administrativo. 13. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2000.
LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mario Luiz Santos; GÜLLICH, Roque Ismael da Costa. Metodologia de
Pesquisa. Três de Maio. Editora Setrem, 2007.
YIN, Robert K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. 3 Ed.- Porto Alegre: Bookman, 2005.
RICCIO, E.L; ROBLES JUNIOR,A.; GOUVEIA, J.F.A. O Sistema de Custos Baseados em Atividades nas
Empresas de Serviços. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE CUSTOS, V,1997, Acapulco. Anais... Acapulco:
Congresso Internacional de Custos, 1997.
Disponível em http://www.tecsi.fea.usp.br/riccio/artigos/pdf/abc_servicos.pdf Acesso em 07 de outubro de 2010.
Disponível em: http://www.administradores.com.br/informe-se/artigos/gestao-de-custos-na-prestacao-deservico/31497/ Acesso em: 01 de Novembro de 2010.
Disponível em: http://www.clickpa.com.br/Custos_na_Prestacao_de_Servicos. pdf. Acesso em 28 de Outubro de
2010.
ESTUDO DA FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE
De: ANGÉLICA VANESSA WISNESKI DA SILVA ([email protected]), JACIELI ROST
([email protected]), KARINE RAQUEL REICHERT ([email protected]) Orientado por:
JUSSARA ROSANELLI DALLA COSTA ([email protected])
Cada vez mais as empresas buscam fidelizar um maior número de clientes, como há uma
grande competição, cada detalhe é essencial, por isso a grande preocupação da fidelidade do cliente.
Atualmente os clientes estão mais exigentes, e não basta apenas ter um diferencial de preço, mas
sim ter um atendimento que valorize o cliente, e que o faça se sentir a vontade na loja, para que
possa voltar e posteriormente obter a sua fidelidade. Com este estudo as lojas poderão rever a sua
maneira de fidelizar o cliente e por fim adquirir a fidelização de maior número. Este estudo realizou
uma pesquisa sobre a fidelização dos clientes nas lojas de médio porte no ramo de confecções no
município de Três de Maio, com o intuito de identificar quais são os principais fatores que levam o
cliente a se tornar fiel. A pesquisa foi realizada no segundo semestre de 2010, onde foram aplicados
60 questionários com 13 perguntas objetivas a mulheres de 18 a 60 anos, escolhidas aleatoriamente.
Para o desenvolvimento deste trabalho foi usada a metodologia com abordagem quali-quantitativa e o
método dedutivo. A abordagem qualitativa analisa as percepções, na pesquisa realizada foram
- 187 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
analisados e percebidos fatores culturais e sociais dos clientes, já a abordagem quantitativa examina
a parte numérica da pesquisa, obtendo determinado percentual. O método dedutivo baseia-se em um
conceito geral, que é aplicado em um caso particular, pois parte do entendimento de teorias e leis
gerais, que predizem a ocorrência de fenômenos particulares referentes ao ambiente estudado, ou
seja, as lojas de confecções, agindo assim pela lógica. O procedimento utilizado para a realização
deste estudo, leva em consideração o levantamento dos dados no próprio local da pesquisa, sendo
assim os questionários aplicados no mês de outubro depois de tabulados os resultados foram
passados para gráficos, onde geraram um conglomerado de informações, onde depois de analisados,
verificados e levados a discussão e comparação mostrou os fatores responsáveis pela fidelização dos
clientes. Para melhor compreensão do assunto, os gráficos foram divididos em quatro faixas etárias,
levando-se em consideração que a idade interfere na fidelidade do cliente. Conforme os gráficos
pode-se notar que entre as faixas etárias, os clientes mais fiéis são as mulheres entre 18 a 24 anos,
mas deve-se observar que um grande percentual freqüenta às vezes a mesma loja, isto significa que
a loja não consegue satisfazer totalmente os desejos dos clientes, então o mesmo acaba
freqüentando mais de uma loja. Percebe-se também que na faixa etária de 31 a 45 anos, há um
considerável percentual que não é fiel, 85 %, isto comprova que as mulheres desta faixa etária,
pesquisam mais na hora de comprar, talvez por terem uma vida econômica já estável, e ter todas as
despesas do lar. Entre as entrevistadas que não se consideram fiéis, nota-se que cada faixa etária
tem o seu motivo, na faixa entre 18 a 24 anos, percebe-se que a diversidade é o principal motivo para
não ser fiel, e talvez por uma única loja não conseguir satisfazer completamente as suas vontades,
procura outra. Este é um importante alerta para as lojas. O preço elevado também aparece como um
dos motivos da não fidelização. Percebeu-se também que o mau atendimento já não é um dos
principais motivos, isto mostra que as empresas já fizeram treinamento para seus colaboradores, é
um grande avanço. Referente à hora da compra em todas as faixas etárias o cliente, observa mais o
bom atendimento e qualidade do produto. O preço também não deixa de ser um fator que ajuda a
decidir na hora da compra. Então se uma loja de confecções tem roupas para todas as idades, ela
deve atuar pensando no preço, bom atendimento e na qualidade do produto. Respondendo a primeira
hipótese que a qualidade do atendimento e do produto interfere positivamente na fidelização do
cliente, esta hipótese foi corroborada. Já a segunda hipótese de que o layout da loja atrai o cliente foi
corroborada, pois as clientes procuram um ambiente agradável, onde ele se sinta bem e valorizado.
Referente a terceira hipótese , o preço interfere na fidelização do cliente, pois como há
competitividade existe uma grande variedade de preços, assim as pessoas procuram lojas que
possuam preços que estejam no seu orçamento. Já a quarta hipótese, referente a localização da loja,
foi refutada, pois quando uma empresa consegue satisfazer todas as vontades do cliente, ele voltará,
não importando com a localização da mesma. Enfim, ficou claro que os fatores que mais interferem
na fidelização do cliente é a qualidade do produto, o bom atendimento e o preço. A pesquisa aqui
relatada mostrou que é altamente positiva no que diz respeito às empresas repensarem a sua
maneira de fidelização, pois o cliente está mais exigente, e se ela não conseguir satisfazer as
necessidades do cliente, este com certeza procurará outra, e como há uma grande competição no
mercado, e a empresa perder um cliente pode se tornar um erro fatal. Algumas sugestões para as
empresas conquistarem mais clientes fiéis seria fazer pesquisas de satisfação, cursos de treinamento
para os seus funcionários, bem como oferecer promoções freqüentemente, e investir em publicidade,
isso fará com que os clientes procurem mais a loja e se as suas necessidades forem satisfeitas eles
se tornarão fieis. Também sugerimos como trabalho de continuidade, ser aplicado uma pesquisa que
verifique como está o atendimento e a qualidade dos produtos das lojas, já que estes itens são o que
os clientes mais observam na hora de comprar e se tornar fiel.
Referências:
DIAS, Sérgio Roberto et. al. Gestão de marketing 1° edição. São Paulo: Saraiva, 2006.
OLIVEIRA, Bráulio et. al. Fidelização. Revista Super Hiper. São Paulo, v.35, n.400, p.56, Ago.2009.
KARSAKLIAN, Eliane et. al. Comportamento do consumidor. São Paulo: Atlas,2000.
O.C. Ferrel; Michael D.Hartline et. al. Estratégia de Marketing 3° edição. São Paulo: Pioneira Thomson Learning
,2005
- 188 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA
NO MERCADO DE TRABALHO
De: CLAUDIA RAQUEL BENCKE ([email protected]), HAIDI ESTER KNEBELKAMP
([email protected]), HENRIQUE FERNANDO PIES ([email protected]) Orientado por: JUSSARA
ROSANELLI DALLA COSTA ([email protected])
O tema e a problematização desta pesquisa que abordou a importância do domínio da língua
estrangeira no mercado de trabalho, teve como principal objetivo verificar a influência da mesma no
mercado de trabalho buscando analisar o crescimento profissional após o curso de língua
estrangeira, quais os motivos do estudo da língua estrangeira pelo estudante de um centro de
idiomas e analisar os motivos que levam a contratação do profissional que possui este domínio. O
referencial teórico foi focado em três assuntos: Língua estrangeira, valorização e motivação
profissional e globalização e a língua estrangeira. A análise dos relatórios foi desenvolvida através da
abordagem quali-quantitativa, a abordagem quantitativa referiu-se aos números resultantes dos
questionários da pesquisa e a qualitativa fez uma relação descritiva entre a realidade (mercado de
trabalho) e o sujeito (estudante e profissional). A coleta se deu em centros de ensino de idiomas no
município de Três de Maio e as empresas de médio e grande porte, onde foi aplicado um questionário
com 9 perguntas objetivas á estudantes com idade superior a 16 anos e 3 questões de múltipla
escolha aos gestores das empresas para verificar através dos dados coletados a relevância do
aprendizado de uma língua estrangeira na contratação de profissionais. Os resultados mostram por
parte dos estudantes que a maioria deles busca aprender uma língua estrangeira visando o mercado
de trabalho e acreditam que o profissional que possui o domínio da mesma tem maiores chances de
crescer na sua área de atuação. Quanto à pesquisa direcionada aos gestores percebeu-se a
valorização do profissional que possui o domínio de alguma língua estrangeira e a falta desses
profissionais no mercado. Destacou-se nas respostas dadas que com o profissional que domina
alguma língua estrangeira a empresa acaba tendo maior facilidade em negociar com outros países e
que para o profissional que tem esse diferencial também são várias as vantagens adquiridas dentro
destas empresas. A língua estrangeira vem se tornando um diferencial no mercado de trabalho
devido a vários fatores, mas principalmente devido à expansão do comércio exterior e da instalação
de empresas multinacionais em nosso país. Conclui-se a partir do estudo que o domínio da língua
estrangeira está sendo sim valorizado, que as empresas sentem falta destes profissionais
qualificados no mercado e que a disputa por estes profissionais é cada vez maior. Se pode
comprovar através deste estudo realizado que profissionais qualificados têm seu espaço garantido no
mercado de trabalho. Sugerimos para as empresas que estabeleçam parcerias com centros de
ensino de idiomas, onde as empresas possam buscar profissionais que se enquadrem no perfil que a
empresa quer, sendo que os centros de ensino devem selecionar seus melhores estudantes que
tenham as qualificações exigidas pela empresa, e que tenham interesse em atuar na área requerida.
Palavras-chave: língua estrangeira, profissionalização, mercado de trabalho.
Referências:
AWAD, Elias. Mr. Fisk: a trajetória do presidente de uma das maiores redes de escolas de idiomas do mundo.
Novo Século Editora, Osasco-SP, 2008.
ALCOFORADO, Fernando. GLOBALIZAÇÃO. Editora Livraria Nobel S.A, 1997.
ARAÚJO, Luis César G.; GARCIA, Adriana Amadeu. Gestão de Pessoas. 2ª edição. Editora Atlas, 2006.
QUALIDADE DE VIDA DOS ACADÊMICOS DO CURSO DE
ADMINISTRAÇÃO DA SETREM
De: BRUNA DE PAULA RUMKE ([email protected]), DIONIR RAMOS ([email protected]),
ADRIANA SMANEOTO ([email protected]) Orientado por: JUSSARA ROSANELLI DALLA COSTA
([email protected])
- 189 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Sabemos que o modo como se leva a vida é muito importante nos dias atuais, a qualidade de
vida é um dos temas mais abordados em conversas informais e até em jornais e revistas. O termo
qualidade de vida nos leva a repensar as atitudes do dia a dia, o modo como executamos as tarefas e
o tempo reservado a atividades voltadas para o descanso e lazer. Através deste estudo realizou-se
uma pesquisa sobre a qualidade de vida dos acadêmicos do curso de Bacharelado em Administração
da SETREM. Para o desenvolvimento da mesma foi aplicado um questionário composto por 13
questões objetivas de múltipla escolha a uma amostra de 185 acadêmicos de um total de 287
acadêmicos. Para o desenvolvimento da pesquisa foi adotado o método dedutivo, que partindo de
planos maiores de teorias e leis irá se chegar a premissas menores com enunciados particulares,
objetivando uma conclusão fundamentada no raciocínio da dedução. Utilizando a abordagem de
avaliação qualiquantitativa, os resultados obtidos quanto à qualidade de vida dos acadêmicos do
Curso de Administração da SETREM foram traduzidos em gráficos e números e interpretados
teoricamente. A pesquisa de campo foi usada para registrar, analisar, classificar, e interpretar os
dados, identificando os seus fatores determinantes. A coleta de dados foi efetuada no mês de outubro
de 2010. Após esta coleta foi realizada a sua tabulação, que trouxe uma melhor compreensão do
nível de qualidade de vida que os acadêmicos apresentam e o que estes pensam em relação aos
programas de apoio oferecidos pela Instituição de Ensino SETREM. Analisou-se que 41% dos
acadêmicos consideram a sua qualidade de vida regular devido à carga horária excessiva e o
acúmulo de tarefas, sendo que 82% dos acadêmicos conciliam aos estudos o trabalho e 72% destes
acadêmicos se sentem prejudicados em relação aos outros que não possuem a necessidade de
conciliar estas duas atividades. A Instituição de Ensino SETREM, oferece como programa de apoio
aos acadêmicos o PAEES (Programa de Apoio ao Estudante de Ensino Superior), quando
questionados se tinham conhecimento desde programa 54% responderam que não o conheciam,
após está analise ficou claro que a instituição precisa investir mais na divulgação deste programa de
apoio, pois 90% dos acadêmicos responderam que acham isto importante para o conhecimento dos
benefícios que a Instituição de Ensino SETREM oferece. Com este estudo, os coordenadores e
diretores da Faculdade SETREM podem inserir novos métodos de acompanhamento e auxílio a estes
acadêmicos, visando melhorar a sua qualidade de vida e auxiliá-los quando necessário, aumentando
o seu rendimento no meio acadêmico. Através destas ações a Instituição de Ensino SETREM
entregará ao mercado de trabalho profissionais capacitados e motivados para enfrentar as
dificuldades do dia a dia, transpondo barreiras com maior facilidade.
Palavras-chave: Acadêmicos, Qualidade, PAAES
Referências:
LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de Metodologia Científica. 6ª ed. São Paulo: Atlas, 2007.
BERGAMINI, Cecília Whitaker. Motivação. São Paulo: Editora Atlas, 1993.
MARINS, Luiz. Livre-se dos ―Corvos‖. São Paulo: Harbra, 2003.
OLIVEIRA, Marco Antônio. Mitos e realidades da qualidade no Brasil. 2ª ed. São Paulo:Nobel, 1994.
ANÁLISE DE ASPECTOS DA GESTÃO FINANCEIRA E
GESTÃO DE MATERIAIS DA FARMÁCIA FARMAVIDA
De: VANESSA ANDRES ([email protected]), ALINE MARIA SCHNEIDER
[email protected]) Orientado por: LUÍS CARLOS ZUCATTO ([email protected])
(line-
O presente trabalho tem como objetivo analisar aspectos da administração financeira e de
materiais (estoque) da farmácia Farmavida, com a utilização de algumas ferramentas como:
Demonstração de resultado do exercício, fluxo de caixa, analise vertical e horizontal, giro de estoque,
margem de contribuição, estoque médio, entre outros. A motivação do estudo se dá em virtude de
que o mercado farmacêutico brasileiro é um dos maiores do mundo e, nos últimos, anos houve
importantes transformações, como a introdução dos medicamentos genéricos, o que acabou fazendo
com que o mercado se tornasse cada vez mais competitivo. Isso impõe a cada um dos concorrentes
estabelecerem uma estratégia clara e definida para manter e/ou aumentar sua participação no
mercado. O estudo foi realizado em uma empresa do ramo farmacêutico, situada na cidade de Boa
- 190 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Vista do Buricá, que possui boa participação e competitividade no ramo em que atua. A teoria de
base do estudo aborda Relação entre administração financeira e administração de materiais, com
ênfase à proposição de Braga (1989) e Gitman (2002), trabalhando-se, também, com Administração
financeira, na proposta teórica de Dias (2005) e Zdanowicz (1988) este último com ênfase no Fluxo
de caixa. No que tange à Demonstração do resultado do exercício – DRE se optou pela proposta de
Arend, Gartner e Greco (2007). Sobre Administração de materiais e patrimônio a prescrição teórica
observada foi a de Fernandes (1987) e em relação a Margem de contribuição a teoria utilizada foi de
Crepaldi (2004). O método do estudo orienta-se pela abordagem quantitativa, com procedimento
descritivo e comparativo. A coleta de dados foi feita através de entrevistas semi-estruturadas com a
proprietária da farmácia; por meio da extração de relatórios do software da empresa e também por
observações diretas feitas por uma das autoras do estudo. A técnica de análise dos dados foi feita
através do método de fluxo de caixa, DRE, estoque médio e a apresentação desses dados foi através
de gráficos e estatísticas. Evidências do estudo mostram que essa atividade pode apresentar
resultados satisfatórios, ou seja, lucros significativos ao proprietário, mas é preciso ressaltar que para
isso ocorrer é preciso uma boa gestão dos custos empregados para a comercialização dos produtos,
um bom gerenciamento dos estoques, um controle efetivo das entradas e saídas. Para a empresa
onde se realizou a prática, sugere-se que mantenha essas análises nos próximos períodos. Esse
acompanhamento pode ser realizado nas planilhas do Excel, sendo esse de fácil acesso, sem custos
e se bem utilizado pode trazer inúmeras informações valiosas para a empresa.
Palavras-chave: administração de materiais, administração financeira, estoques.
Referências:
AREND, Lauro; GARTNER, Gunter; GRECO, Alvício. Contabilidade teoria e práticas básicas. 10° ed. São Paulo:
Saraiva, 2007.
BRAGA, Roberto. Fundamentos e técnicas de administração financeira. São Paulo: Atlas, 1989.
CHURCHILL, Gilbert; PETER, Paul. Marketing: criando valor para o cliente. São Paulo: Saraiva, 2000.
CREPALDI. Silvio Aparecido. Contabilidade gerencial: teoria e pratica. 3º Edição. São Paulo: Atlas, 2004.
DIAS, Marco Aurélio. Administração de materiais: princípios, conceitos e gestão. 5ª Ed. São Paulo: Atlas, 2005.
FERNANDES, José Carlos. Administração de material: uma abordagem básica. 3ª Ed. São Paulo: Atlas, 1987.
GITMAN, Lawrence J. Princípios de administração financeira. 7ª Edição. São Paulo: Harbra, 2002.
GÜLLICH, Roque I. C; EVANGELISTA. Mário L. S; LOVATO, Adalberto. Metodologia da Pesquisa - Normas para
apresentação de trabalhos: Redação, Formatação e Editoração. Três de Maio: Editora SETREM, 2007.
LAMB, Charles; HAIR, Joseph; MCDANIEL, Carl. Princípios de marketing. São Paulo: Thomson, 2004.
LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Administração de marketing: conceitos, planejamento e aplicações à realidade
brasileira. São Paulo: Atlas, 2006.
POZO, Hamilton. Administração de recursos materiais e patrimoniais: uma abordagem logística. 3ª Ed. São
Paulo: Atlas, 2004.
SANVICENTE, Antonio Zoratto. Administração Financeira. 3º Ed. São Paulo: Atlas, 1987.
ZDANOWICZ, José Eduardo. Fluxo de caixa: uma decisão de planejamento e controle financeiros. 2° ed. Porto
Alegre: D.C. Luzzatto Editores Ltda, 1988.
- 191 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
CRITÉRIOS ADOTADOS PELAS EMPRESAS NA ADMISSÃO
DE FUNCIONÁRIOS
De: VANESSA ANDRES ([email protected]),
[email protected])
Orientado
por:
JUSSARA
([email protected])
ALINE MARIA
ROSANELLI
SCHNEIDER (lineDALLA
COSTA
O presente trabalho tem como objetivo analisar as principais características observadas pelas
Instituições na seleção de seus futuros funcionários. Antigamente não havia muitos critérios para a
contratação de funcionários, bastava à pessoa realizar sua função diária e cumprir seus horários.
Porém, no momento atual é grande a preocupação, curiosidade e até mesmo frustração das pessoas
e, principalmente, dos jovens por não saberem quais as habilidades/características que o mercado de
trabalho procura e exige na contratação de profissional. O estudo foi realizado nas empresas de
médio porte nas cidades de Humaitá, Tuparendi e São José do Inhacorá, no período de agosto a
novembro de 2008. A teoria de base principal do estudo aborda seleção de pessoal com ênfase à
proposição de Ferreira (1986) e Chiavenato (2005), este último com atenção especial aos Métodos de
seleção, Cattani (1997) descreve as transformações do mercado. O método do estudo orienta-se pela
abordagem quantitativa, com procedimento descritivo. Na coleta de dados utilizou-se da entrevista
semi-estruturada (COLLIS e HUSSEY, 2005), onde os dados foram tabulados e analisados através
de gráficos. Os resultados do estudo evidenciaram que a entrevista é o método mais utilizado para a
seleção de novos funcionários, também constatou-se que são os proprietários e gerentes que
realizam a maioria das contratações de funcionários. O estudo relatou também que a faixa etária mais
procurada pelas empresas é entre 25 e 30 anos. Pode-se constatar com a presente pesquisa que as
habilidades/características mais procuradas pelas empresas na contratação de seus funcionários, são
respectivamente o conhecimento específico, experiência profissional, a habilidade de trabalhar em
equipe e a habilidade de comunicação. Desta forma acredita-se que o presente estudo poderá servir
de uma espécie de manual para quem está à procura de uma vaga no mercado de trabalho.
Palavras-chave: gestão de pessoas, admissão, competência/habilidades.
Referências:
CATTANI. Situação do mercado de trabalho. Disponível em: http://niee.ufrgs.br/cursos/topicos- ie/cattani/pag
05.htm . Acesso em: 13.set.2008.
CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas. Segunda Edição, totalmente revista e atualizada. 2.ed., Rio de
Janeiro: ELSEVIER, 2002.
DELUIZ, N. Modelo de competências profissionais no mundo do trabalho e na educação: implicações para o
currículo. Boletim técnico do Senac. Rio de Janeiro, 2001.
DUTRA, Joel Souza. Gestão de Pessoas- Modelos, Processos, Tendências e Perspectivas. 1.ed. São Paulo:
ATLAS. 2002.
FERREIRA, Paulo Pinto. Administração de Pessoal- Relações industriais. 6.ed. São Paulo: ATLAS, 1986.
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mario dos Santos. Metodologia da
Pesquisa: normas para apresentação e editoração- Três de Maio: Ed. SETREM, 2007.
- 192 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
ANÁLISE DO PERFIL DE COMPRA DE PRODUTOS EM
PROMOÇÃO DA LINHA DE PERFUMARIA/HIGIENE NA
CIDADE DE BOA VISTA DE BURICÁ – RS
De: VANESSA ANDRES ([email protected]), ALINE MARIA
[email protected]) Orientado por: SANDRO ERGANG ([email protected])
SCHNEIDER
(line-
O presente trabalho tem como objetivo analisar o perfil de compra de produtos em promoção da
linha de perfumaria/higiene na cidade de Boa Vista do Buricá, para desta forma proporcionar maiores
informações e auxiliar nas tomadas de decisões para empresas do ramo farmacêutico do município.
A motivação do estudo se dá em virtude de que atualmente as empresas precisam identificar formas
de atrair e fidelizar clientes, e acredita-se que as promoções auxiliam esse processo nas empresas
farmacêuticas. Desta forma aplicou-se a pesquisa de marketing, com o intuito de buscar e fornecer
informações relevantes, precisas, confiáveis e atuais para as empresas. O estudo foi realizado no
município de Boa Vista do Buricá, no período de setembro a novembro de 2010. A teoria de base do
estudo aborda Pesquisa de Marketing e seus processos de Malhotra (2006), com ênfase no
Comportamento do consumidor de Blackwell (2005), além do Processo de compra do consumidor
descrito por FERREL (2005). O método do estudo orienta-se pela abordagem quantitativa, com
procedimento descritivo (COLLIS e HUSSEY, 2005). Na coleta de dados utilizou-se a entrevista
dirigida (RICHARDSON, 1999). Evidências do estudo demonstraram que as promoções na linha de
higiene/perfumaria são uma excelente forma de atrair novos clientes e uma oportunidade de fidelizálos, o trabalho também identificou que a maioria das pessoas entrevistadas opta por promoções
nesses segmentos, sendo que as mulheres entre a faixa etária dos 18 aos 28 anos são as que mais
adquirem produtos da linha de higiene/perfumaria em promoções. Conclui-se também através da
pesquisa que muitos consumidores efetuam suas compras em supermercados, o que indica que as
farmácias tem um amplo mercado para atrair, também pode-se verificar que muitas pessoas afirmam
não serem clientes fieis de nenhuma empresa, o que abre espaço para a utilização das promoções
como forma de atração desses clientes.
Palavras-chave: ramo farmacêutico, promoção e perfil do consumidor
Referências:
AAKER, David A. Pesquisa de Marketing. 2ºEd. São Paulo: Atlas, 2004.
BLACKWEEL, Roger D. Comportamento do consumidor / Roger D. Blackweell, Paul W. Miniard, James F. Engel;
tradução técnica Eduardo Teixeira Ayrosa. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.
FERRELL, O. C. Estratégia de marketing /O. C. Ferrell, Michael D. Hartline; (tradução de Mauro Campo de
Silva). – São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.
GÜLLICH, Roque I. C; EVANGELISTA. Mário L. S; LOVATO, Adalberto. Metodologia da Pesquisa - Normas para
apresentação de trabalhos: Redação, Formatação e Editoração. Três de Maio: Editora SETREM, 2007.
MALHOTRA, Naresh. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada / Naresh Malhotra; tradução Laura Bocco.
4 Ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.
MIRANDA, Vicente. Pesquisa de Marketing.
MOUTELLA, Cristina. Fidelização de Clientes como Diferencial Competitivo. Disponível em:
http://www.portaldomarketing.com.br/Artigos/Fidelizacao%20de%20clientes%20como%20diferencial%20competit
ivo.htm. Acesso em 14/11/10.
OLIVEIRA, Silvio Luiz de. Tratado de Metodologia Cientifica: projetos de pesquisas, TGI, TCC, monografias,
dissertações e teses. São Paulo: Pioneira Thomson, 2004.
Gestão de marketing / Coordenacão Sergio Roberto Dias. São Paulo: Saraiva, 2003.
- 193 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
ESTUDO DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO, PONTO DE
EQUILÍBRIO E CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES NA
EMPRESA MANEQUIM MODAS
De: MATEUS DALLA ROSA SCHIAVO ([email protected]), RENAN HENRIQUE VOLK
([email protected]), VALMIR ANDRÉ WEBER ([email protected]) Orientado por: LUÍS CARLOS
ZUCATTO ([email protected])
Os custos sempre estiveram presentes na sociedade desde os tempos mais primitivos. Desde
que nascemos tudo que necessitamos e consumimos para a nossa sobrevivência, há um custo
embutido. Com o passar dos tempos, principalmente com a Revolução Industrial, criou-se a
necessidade de quantificar e controlar os custos. Com a evolução e rápido crescimento de grandes
centros comerciais, dificultou cada vez mais o controle dos custos na maioria das empresas,
precisando, assim, obter novos métodos de custeio a fim de conhecer os custos específicos de cada
produto e serviço. Dessa forma, o estudo dos elementos e análise de custos são de fundamental
importância para todas as organizações, possibilitando melhor gestão para diminuir os custos e
maximizar os lucros. Então, com a utilização das técnicas de custeio permite tomar decisões mais
precisas e gerenciar de forma mais eficaz, almejando um maior desenvolvimento da organização.
Com base nos conceitos pertinentes à pesquisa, propõe-se o estudo do ponto de equilíbrio, margem
de contribuição e o custeio ABC da empresa Manequim Modas localizada no município de Três de
Maio, cuja atividade é a comercialização de mercadorias do ramo do vestuário. Para alcançar os
resultados pretendidos utilizou-se demonstrações contábeis dos anos de 2009 e 2010, dispondo os
mesmos em tabelas explicativas baseadas na abordagem quantitativa. Além disso utiliza-se a
entrevista semi-estruturada para obter informações complementares referentes a proporcionalidades
das linhas de produtos comercializados pela empresa. Quanto aos resultados, ficou evidenciado que
a margem de contribuição percentual teve um melhor desempenho passando de 44,41% para
51,31% de um ano para outro. Já o ponto de equilíbrio não teve uma variação significativa nos
períodos estudados reduzindo apenas 4,38%. O custeio ABC, por sua vez, proporcionou maior
visibilidade dos custos da empresa em relação às mercadorias comercializadas.
Palavras-chave: Margem de Contribuição. Ponto de Equilíbrio. Custeio Baseado em Atividades.
Referências:
BORNIA, Antônio César. Análise Gerencial de Custos – Aplicação em Empresas Modernas, São Paulo: Editora
Bookman, 2002.
BRUNI, Adriano Leal e FAMÁ, Rubens. Gestão de Custos e Formação de Preços, 5 Ed. São Paulo: Editora
Atlas, 2008.
DUTRA, René Gomes. Custos: uma abordagem prática. 5ª Ed. São Paulo: Editora Atlas, 2003.
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto. EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
Pesquisa: Normas para apresentação de trabalhos: Redação, formatação e editoração. Três de Maio: Ed.
SETREM, 2007.
LEONE, Georg S. G. Curso de Contabilidade de Custos, São Paulo: Editora Atlas, 1997.
NAKAGAWA, Masayuki. ABC – Custeio Baseado em Atividades, 2ª Ed. São Paulo: Editora Atlas, 2001.
NEVES, Silvério das; VICECONTI, Paulo Eduardo Vilchez. Contabilidade de Custos: um enfoque direto e
objetivo. 5 ed. São Paulo: Frase Editora,1998.
PEREZ Jr., José Hernandez; OLIVEIRA, Luís Martins de; COSTA, Rogério Guedes. Gestão Estratégica de
Custos. 5ª Ed. São Paulo: Editora Atlas, 2008.
PLACONÁ, João – Ponto de Equilíbrio – Disponível em: <http://www.webartigos.com/articles/6148/1/Ponto-De-
- 194 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Equilibrio/pagina1.html#ixzz13CpmVC00> Acesso em: 23/10/2010.
RIBEIRO, Osni Moura. Livro Contabilidade Geral Fácil, São Paulo: Editora Saraiva, 2006.
SANTOS, Joel José dos. Análise de Custos: um enfoque gerencial. São Paulo: Atlas, 1987.
ZORZAL, Edmar José – Considerações acerca do ponto de equilíbrio como ferramenta gerencial – Disponível
em: <http://www.novomilenio.br/foco/1/artigo/5_Ponto_de_equilbrio_artigo.pdf> Acesso em: 23/10/2010.
ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA E ELABORAÇÃO DO
ORÇAMENTO DE CAPITAL DA EMPRESA MANEQUIM
MODAS
De: MATEUS DALLA ROSA SCHIAVO ([email protected]), VALMIR ANDRÉ WEBER () Orientado por:
EDELMAR ELOI BARASUOL ([email protected])
O presente trabalho tem por finalidade fazer a análise do fluxo de caixa e elaborar o orçamento
de capital da empresa Manequim Modas que atua no ramo do vestuário e está situada na cidade de
Três de Maio – RS. Para efeitos de estudo, utilizou-se métodos de abordagem quantitativa, com
procedimentos de pesquisa descritiva e estudo de caso e entrevista semi-estruturada com os
proprietários do estabelecimento. O fluxo de caixa corresponde aos meses de janeiro à maio de 2011
e é de fundamental importância para a organização, pelo fato de poder analisar a capacidade de
investimento da empresa, além de verificar demais indicativos da saúde financeira, como por
exemplo, os pagamentos de despesas a curto prazo. No fluxo de caixa da empresa em questão
aparecem as entradas e saídas referentes a cada mês e os saldos totais, no qual ao final do período
estudado resultou em um saldo positivo de R$ 7877,00. Já o orçamento de capital refere-se ao
levantamento de preços para alterar a vitrine da loja Manequim Modas, divididos entre mão-de-obra,
projeto do engenheiro civil e materiais necessários, os quais foram orçados por meio de pesquisa de
campo em estabelecimentos do ramo. O orçamento para a elaboração da obra totalizou R$ 6192,30,
e portanto, deduzindo do saldo final do fluxo de caixa no período, pode-se dizer que a empresa tem
capacidade de fazer este investimento. Dessa forma, para empresas, principalmente de pequeno
porte é interessante o uso de planilhas de fluxo de caixa diário de cada mês, pois assim, pode-se ter
uma visão mais detalhada das entradas e saídas referentes a cada dia. Portanto, essas ferramentas
de controle gerencial permitem acompanhar a situação em que a empresa se encontra e se tornam
essenciais para o planejamento de investimentos e acompanhamento das receitas e despesas
correspondentes a determinados períodos de análise.
Palavras-chave: Orçamento de Capital. Fluxo de Caixa. Controles Gerenciais.
Referências:
BRAGA, Roberto. Fundamentos e Técnicas de Administração Financeira. 1.ed., São Paulo: Editora Atlas,1998.
CHING, Hong Yuh; MARQUES, Fernando; PRADO, Lucilene. CONTABILIDADE E FINANÇAS PARA NÃO
ESPECIALISTAS. 3.ed., São Paulo: Editora Pearson, 2010.
GITMAN, Lawrence J. Princípios de Administração Financeira. 7. ed., São Paulo: Harbra, 1997.
GROPPELLI, A. A.; NIKBAKHT, Ehsan. Administração Financeira. 2. ed., São Paulo: Saraiva, 2005.
LUNKES, Rogério João. Manual do Orçamento. 2.ed., São Paulo: Atlas, 2009.
PADOVEZE, Clóvis Luís; BENEDICTO, Gideon Carvalho de. Análise das Demonstrações Financeiras. São
Paulo: Editora Pioneira Thomson Learning, 2005.
PADOVEZE, Clóvis Luís. Controladoria Básica. São Paulo: Editora Thomson: 2004.
- 195 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade Geral Fácil – Para cursos de contabilidade e concursos em geral. 4. ed.,
São Paulo: Editora Saraiva, 2002.
RIBEIRO, Osni Moura. Estrutura e Análise de Balanços Fácil. 7.ed., São Paulo: Editora Saraiva, 2004.
SANTOS, Edno Oliveira dos. Administração Financeira da Pequena e Média Empresa. São Paulo: Atlas, 2001.
SILVA, José Pereira da. Análise Financeira das Empresas. 4.ed., São Paulo: Editora Atlas, 1999.
ESTUDO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE COM RELAÇÃO
AO BOM ATENDIMENTO
De: CRISTIANE ELOISA MAIER ([email protected]), JÉSSICA DAL PAI ([email protected]),
GILCEIA ROLIM DA SILVA ([email protected]) Orientado por: JUSSARA ROSANELLI DALLA COSTA
([email protected])
O tema e a problematização desta pesquisa que abordou a satisfação do cliente com relação ao
bom atendimento na cidade de Três de Maio – RS teve como principal objetivo verificar o nível da
satisfação do cliente com relação ao bom atendimento buscando analisar o que significa ser bem
atendido para o cliente, identificar as características do bom atendente, identificar o que é para o
cliente não ser bem atendido e propor sugestões através do estudo, do que é para o cliente um bom
atendimento. O referencial teórico foi focado em dois assuntos: Atendimento ao cliente e satisfação
do cliente. A análise da pesquisa foi desenvolvida através da abordagem quali-quantitativa, como
qualitativa por ser direcionada a obtenção de dados descritivos e pode ser classificada como
quantitativa pelo fato de ser possível demonstrar numericamente os resultados. Realizou-se uma
pesquisa de campo com sessenta consumidoras três-maiense através da conversação face a face,
com um roteiro de perguntas elaboradas e preenchidas pelo próprio pesquisador. As pessoas
entrevistadas foram 100% do sexo feminino. O questionário é composto por dez perguntas de
múltipla escolha e subjetivas. Os resultados apontaram que o atendimento oferecido na cidade de
Três de Maio não é totalmente satisfatório, mas é caracterizado pela maioria dos clientes como bom.
A maioria diz não ter passado por nenhum constrangimento, mas quem passou sentiu-se
principalmente humilhada. Constatou-se ainda que o que leva um cliente retornar ou não a uma
empresa depende para a maioria das entrevistadas da qualidade do atendimento recebido, seguido
pela qualidade do produto e preço. Conclui-se a partir desse estudo que as clientes se fidelizam
quando tem suas necessidades atendidas juntamente com o bom atendimento. Pode-se comprovar
que não adianta apenas oferecer um bom preço e um produto de alta qualidade, se não se tem
profissionais qualificados em prestar um bom atendimento. Sugerimos para as empresas que invistam
no atendimento ao cliente, capacitando os seus colaboradores, pois o bom atendimento afeta
diretamente na percepção do cliente em relação a empresa, essa percepção pode ser tanto positiva
como negativa, assim ficará conceituada uma imagem em relação a empresa, a mesma será
percebida não apenas por uma pessoa, mas por um determinado grupo social.
Palavras-chave: Atendimento; Necessidades; Satisfação.
Referências:
BRETZKE, Miriam. Comportamento co Cliente in: Gestão de Marketing. 5ª Ed. São Paulo: Saraiva 2006.
KOTLER, Philip. Administração de Marketing: análise, planejamento, implementação e controle – 5ªed. São
Paulo: Atlas, 1998.
- 196 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
ESTUDO DAS CAPACIDADES DE PRODUÇÃO PARA UMA
INDÚSTRIA DE CONFECÇÕES
De: VANEILA ESTER WEBER ([email protected]), SILIANE MUHLBEIER ([email protected]),
MONICA PAVLAK ([email protected]) Orientado por: ALEXANDRE CHAPOVAL NETO
([email protected])
Este artigo tem como tema o estudo das capacidades de produção para uma indústria e
comércio de confecções, que atua no ramo de artigos do vestuário na linha Sport Wear. Para a
realização do estudo buscou-se conceitos bibliográficos como: sistema de estoque para demanda
dependente, planejamento das necessidades de materiais, planejamento das necessidades de
capacidade, planejamento e controle do chão de fábrica na manufatura focalizada no produto,
estoques, manufatura Just in Time, e sistemas de produção para estoque. A metodologia utilizada
deu-se através de entrevista e conversa com os proprietários da empresa e uso de dados
disponibilizados diretamente do sistema da empresa. O estudo viu-se necessário pelo motivo de que
grande parte das empresas tem dificuldades para organizar a produção de forma a atender seus
clientes no tempo correto, buscando a fidelização e satisfação dos clientes, bem como maior
credibilidade da empresa. Em posse dos dados foram feitas análises e cálculos de necessidades de
operações, máquinas e pessoas, bem como o desenvolvimento de uma ficha operacional necessária
para a produção de determinado item com a utilização dos tempos padrão para cada operação.
Encontrou-se o tempo de produção para determinada peça, para determinado lote, bem como a
capacidade total da fábrica; foram estudados 6 produtos considerados pela empresa como potencial
de vendas. Sendo que para uma peça produzida do início ao final que apresentou um tempo de 9
minutos e 26 segundos, um lote de 800 peças ficaria pronto em aproximadamente 14 dias, porém
com a organização da produção em vários lotes, com a otimização dos tempos e alocação dos
recursos a capacidade pode ser estimada em 1100 peças por dia. Também foram identificadas
capacidades ociosas pelo motivo de que algumas máquinas e pessoas realizam mais de uma
operação, conforme a demanda de produção. O estudo poderá auxiliar nas tomadas de decisões,
para atender um maior número de clientes no prazo prometido, bem como a otimização de todo o
processo produtivo. Todos esses benefícios proporcionam a empresa uma redução de custos,
melhorando a eficiência operacional, além de garantir maior credibilidade da empresa junto ao cliente
garantindo a sua satisfação e fidelização. Apresentou-se a proposta de desenvolvimento de um plano
de produção que atenda a demanda em tempo hábil, conforme capacidade de máquinas e pessoas.
O trabalho contribuiu para a formação acadêmica prática, na questão de planejamento e controle de
produção na busca pela eficiência operacional de uma indústria.
Palavras-chave: Capacidade de Produção, Operações, Tempo.
Referências:
DAVIES, Mark M. ... (et. al). Fundamentos da Administração da Produção. Trad: Eduardo D‘Agord Schaan ... (et.
al.). 3 ed. - Porto Alegre: Bookman Editora, 2001.
GAITHER, Norman; FRAZIER, Greg; Administração da Produção e Operações. Revisão técnica: Petrônio Garcia
Martins. 8 ed. São Paulo: Thomson Learning: 2002.
GÜLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto. EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
Pesquisa: normas para redação, formatação e editoração. Três de Maio: Ed. SETREM, 2007.
LAKATOS, Eva Maria. Metodologia científica / Eva Maria Lakatos, Marina de Andrade Marconi. - 4. Ed.- 3.
reimpr. – São Paulo: Atlas, 2006.
MOREIRA, Daniel Augusto. Administração da Produção e Operações. São Paulo: Thomson Learning, 2006.
NIGEL SLACK ... (et. al.). Administração da Produção. Revisão técnica: Henrique Corrêa, Irineu Gianesi. - São
Paulo: Atlas, 1996.
- 197 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
NIGEL SLACK ... (et. al.). Administração da Produção. Revisão técnica: Henrique Corrêa, Irineu Gianesi. –
Edição Compacta. São Paulo: Atlas, 1999.
COOPERATIVA ALIMENTÍCIA COOSABOR
De: ANDREIA ALEXANDRA BONMANN ([email protected]), VALDIANE SCHARDONG VILLES
([email protected]), VANIA DE OLIVEIRA ([email protected]), KELLY FRANCINE HAAS ENGSTER
([email protected]) Orientado por: Cecília Smaneotto ([email protected])
Na sociedade cooperativa as pessoas contribuem reciprocamente com bens ou serviços para o
exercício de uma atividade econômica, de proveito comum, sem objetivar o lucro. Estas podem ser
classificadas conforme seu ramo: como agropecuária, de consumo, habitacional, de produção, de
crédito, educacional, de serviços, de saúde, especial ou de trabalho. Contudo, as cooperativas devem
constantemente adaptar seus negócios às condições de evolução do mercado buscando sempre
seguir seus princípios. Tem- se como objetivo criar uma cooperativa de prestação de serviço, no ramo
de produção de viandas com refeições saudáveis, balanceadas e saborosas aos clientes que não tem
tempo hábil para a produção das mesmas, tendo a posterior entrega destas viandas no local
desejado pelo cliente, oferecendo qualidade vida aos clientes com um custo acessível. A mesma será
criada baseada nos 7 princípios básicos do cooperativismo. Após a realização do projeto as
associadas da cooperativa COOSABOR acreditam que a mesma é viável e que traria benefícios para
todos os associados.
Palavras-chave: Cooperativismo, Alimentação e Saúde.
Referências:
Apostila de Associativismo e Cooperativismo.
Lei 5.764/1971
Disponível em: http://www.ocb.org.br/site/brasil_cooperativo/index.asp
SCHERER, Leonor Paulo. Cooperação, Solidariedade e Ação.
OLIVEIRA, Nestor Braz de. Cooperativismo guia prático. 2ª Ed.; Porto Alegre. Organização das Cooperativas do
Estado do Rio Grande do Sul, 1984.
ANÁLISE DO CONTROLE GERENCIAL EM UMA MICRO
EMPRESA
De:
VAGNER
JONAS
PASTERNACK
([email protected]),
VANIA
DE
OLIVEIRA
([email protected]), ANDREIA ALEXANDRA BONMANN ([email protected]) Orientado por:
EDELMAR ELOI BARASUOL ([email protected])
A Análise Gerencial constitui um processo de investigação sobre os controles gerenciais,
objetivando uma avaliação da empresa em seus aspectos operacionais, econômicos, patrimoniais e
financeiros, para propor alternativas a serem tomadas pelos gestores. O objetivo do estudo foi
analisar os controles gerenciais Fluxo de Caixa e a Demonstração do Resultado do Exercício(DRE),
verificar qual deles é mais indicado para a empresa em estudo, através dos métodos de
procedimento exploratório, histórico e coleta de dados. O uso dos controles gerenciais é de grande
importância para as micro e pequenas empresas e as informações que podem ser extraídas devem
servir de base para a tomada de decisão. A empresa em estudo atua no ramo de comércio de pneus,
rodas e acessórios para veículos, bem como prestação de serviços de geometria e balanceamento de
rodas, na busca de conhecimento e implementação dos controles utilizados pela mesma, foi
desenvolvida uma análise dos registros existentes e sugerido algumas mudanças que podem vir a
auxiliar no controle gerencial e na tomada de decisões pelo empresário. Assim, o presente estudo
permitiu um maior conhecimento e aplicação de controles gerenciais, sobre o Fluxo de Caixa e
tamém da DRE , a partir deles é possível analisar e identificar problemas ou o que pode ser
- 198 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
melhorado para que a empresa tenha uma maior lucratividade e desempenho eficaz e eficiente.
Neste estudo também foram calculados a margem de contribuição e ponto de equilíbrio da empresa,
além de desenvolver projeções para os anos de 2011 e 2012, possibilitando um futuro
acompanhamento e análise da situação financeira e econômica da empresa, para isso foi uilizado a
DRE projetado.
Palavras-chave: Controles Gerenciais, Fluxo de Caixa, Demonstração do Resultado do
Exercício.
Referências:
BORNIA, Antônio Cezar. Análise gerencial de custos em empresas modernas. Porto Alegre: Bookman Editora,
2002.
BRUNI, Adriano Leal; FAMÁ, Rubens. Gestão de custos e formação de preços. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2008.
CARAVANTES, B.C. Negócios e Talentos. Revista do Curso de Administração. Porto Alegre, ano 2003, n.1, p.20
– 21.
CHÉR, Rogério. A gerencia das pequenas e médias empresas: o que saber para administrá-las, 2ed. rev. e
ampl. São Paulo: Maltese, 1991.
COLLIS, Jill. HUSSEY, Roger. Pesquisa em Administração. Porto Alegre: Bookman, 2006.
DOLABELA, Fernando. O segredo de Luísa. 2º Ed. Atualizada. São Paulo, 2006.
GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1991.
GOMES, Fausto Rafael Gmach. Formação de estratégias organizacionais em pequenas empresas: um estudo
regional. 2004. 98f. Dissertação de Mestrado – Universidade de Taubaté, 2004.
IUDÍCIBUS, Sérgio de et al. Contabilidade introdutória, por uma equipe de professores da F.E.A. da U.S.P. 2ª ed.
São Paulo: Atlas, 2006.
Jordan, Bradford D.; Ross, Stephen A.; Westerfield, Randolph W. Princípios da administração financeira. 2
edição. São Paulo: Atlas, 2000.
LAWRENCE, J. Gitman. Princípios da Administração Financeira Essencial – 2ª edição. Porto Alegre: Bookman,
2002.
LEONE, George Sebastião Guerra.Custos: Planejamento, Implantação e Controle. São Paulo: Atlas, 2009.
MARION, José Carlos. Análise das Demonstrações Contábeis: contabilidade empresarial. 3.ed. São Paulo: Atlas,
2005.
MARION, José Carlos. Contabilidade básica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 1998.
MATARAZZO, Dante C. Análise financeira de balanços – abordagem básica e gerencial. 6ª edição. São Paulo:
Atlas, 2003.
PADOVEZE, Clóvis Luís. BENEDICTO, Gideon Carvalho de. Análise das Demonstrações Financeiras. São
Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004.
RAZA, Cláudio. Informações contábeis: o cliente não sabe pedir e o escritório contábil, na sua grande maioria,
não está preparado para fornecer. Boletim CRC SP, São Paulo, n.166, p.16-17, maio 2008.
RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa Social, Métodos e Técnicas. São Paulo: 3ª edição, 1999.
ROESCH, S. C. Projetos de estágio do curso de administração. São Paulo: Atlas, 1996.
- 199 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Sá, Carlos Alexandre. Fluxo de Caixa: a visão da tesouraria e da controladoria. 3 edição. São Paulo: editora
Atlas, 2009.
SILVA, Daniel Salgueiro. Manual de Procedimentos Contábeis para Micro e Pequenas Empresas, 5.ed. Brasília:
CFC: Sebrae, 2002.
http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/demonstracaodoresultado.htm
PROJEÇÃO DA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO
EXERCÍCIO
De: VALDIANE SCHARDONG VILLES ([email protected]), KELLY FRANCINE HAAS
([email protected]) Orientado por: EDELMAR ELOI BARASUOL ([email protected])
ENGSTER
A importância dos sistemas de controle gerencial para a gestão das empresas justifica o
presente trabalho, que analisa o caso da empresa Loja do Irineu onde projetou-se a Demonstração
de Resultado do Exercício (DRE) para o ano de 2011. Os objetivos do trabalho foram aprofundar
conhecimentos sobre controles gerenciais e financeiros, analisar, interpretar os resultados do ano de
2010, para fins de projeção; e projetar o DRE para o segundo semestre de 2011. A administração
financeira é uma ferramenta ou técnica utilizada para controlar de forma mais eficaz o planejamento,
análise de investimentos, visando sempre o desenvolvimento da empresa. O Demonstrativo de
Resultado do Exercício (DRE) é um instrumento da Contabilidade que apresenta de maneira dedutiva
e resumida, o resultado das operações realizadas pela entidade durante determinado período de
tempo, de forma a destacar o resultado líquido do período, o mesmo foi utilizado na projeção para o
ano de 2011. Por meio das análises dos resultados e projeções realizadas constatou-se a situação
econômica da empresa em que se encontra. Sugeriram-se controles financeiros e gerenciais para
melhorar a gestão e auxiliar o empresário nas tomadas de decisões.
Palavras-chave: Administração Financeira, DRE (Demonstração do Resultado do Exercício) e
Projeção.
Referências:
BOISVERT, Hugues. Contabilidade por Atividades. Contabilidade de Gestão: práticas avançadas. São Paulo:
Atlas 1999.
GOODE, W. J. & HATT, P. K. Métodos em Pesquisa Social. 3ªed., São Paulo: Cia Editora Nacional, 1969.
GITMAN, Lawrence J. Princípios da administração financeira. São Paulo:
Habra, 1997.
Segundo o IBRACON (NPC 27)
LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Técnicas de pesquisa: Planejamento e execução de
pesquisas, amostras e técnicas de pesquisas, análise e interpretação de dados. 4ª Ed. São Paulo, Ed. Atlas,
1999.
Martins, Eliseu. Contabilidade de Custo, São Paulo: Atlas, 1998.
MINTZBERG, Henry. Safári de estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Bookman. Porto
Alegre, 2000.
http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/demonstracaodoresultado.htm
PESQUISA SOBRE A CESTA BÁSICA NO MUNICÍPIO DE
GIRUÁ/RS
- 200 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
De: VANEILA ESTER WEBER ([email protected]), LISIANE SCHELL ([email protected]),
KARINA WINGHENBACH WILLIG ([email protected]) Orientado por: LUÍS CARLOS ZUCATTO
([email protected])
O objetivo deste estudo é realizar uma análise comparativa da variação dos preços da cesta
básica no município de Giruá/RS, no período de agosto a novembro de 2010, comparada com a cesta
básica dos municípios da região noroeste do Rio Grande do Sul e com a da cidade de São Paulo.
Para a realização do estudo, as abordagens teóricas utilizadas versam sobre temas como: histórico
do município de Giruá/RS, cesta básica, políticas de alimentação e nutrição no Brasil, consumo de
alimentos, salário mínimo necessário e necessidades dos clientes. No que concerne aos caminhos
metodológicos, a abordagem utilizada foi mista de forma qualitativa e quantitativa, utilizou-se uma
pesquisa de campo, para coleta mensal de preços dos produtos, após foram elaborados os cálculos,
a análise e interpretação dos resultados O estudo viu-se necessário devido a pouca exploração nesta
área em nossa região, sendo que os produtos que compõe a cesta básica são de extrema
importância para a sobrevivência de uma família, ou seja, é o mínimo que se precisa para viver. Após
a análise dos dados, foi traçado um comparativo de preços, observando-se que grande parte dos
produtos apresentou uma alta variação de preços de um mês para outro. Verificou-se no período,
uma queda de 5,40% no preço total da cesta básica, sendo que o preço médio ficou em torno de R$
308,37 ocupando 25,19% da renda média no município para uma família de 4 pessoas no período de
uma mês. Em relação aos municípios da região, Giruá apresentou em todos os meses o preço abaixo
da média, e em relação a São Paulo, apresentou um preço acima da média. Também foram
realizados estudos relacionando o preço da cesta básica com a jornada de trabalho e o salário
mínimo nacional, sendo que em todos os meses seria necessário mais da metade do mesmo para
adquirir uma cesta básica no município de Giruá. As maiores diferenças de preços foram identificadas
nos produtos do grupo alimentação, com aumento acumulado no período, como o feijão carioquinha
11,02%, o açúcar 38%, a farinha de trigo 13,36%, a batata 28,78% e o óleo de soja 18,29%. Já as
maiores quedas foram registradas nos preços da cebola 65,09%, dos ovos brancos 41,30%, da carne
de primeira 28,19% e da carne de segunda sem osso 15,46% no acumulado do período. Também
foram identificados alguns fatores da economia que influenciaram essas variações de preços, como
as alterações climáticas, a falta de matérias primas, a saúde dos animais e as políticas
governamentais. O estudo permitiu observar que os preços da cesta básica podem variar de mês
para mês, não apresentando aumento ou redução constante de preços, mas variação conforme as
mudanças e necessidade do mercado, influenciadas por diversos fatores. O estudo apresenta dados
que possibilitam as donas de casa realizarem uma análise dos preços dos produtos que compõem a
cesta básica, fonte de sustentação para sua família, proporcionando redução de custos, e melhor
aproveitamento das economias familiares.
Palavras-chave: Cesta básica, produto, comparação.
Referências:
ARRUDA, Bertoldo Kruse Grande de; e ARRUDA, Ilma Kruze Grande de. Marcos referenciais da trajetória das
políticas de alimentação e nutrição no Brasil. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbsmi/v7n3/11.pdf. Acesso
em 19 nov. 2010.
CABRERA, Paula. Preço da carne deixa churrasco mais carro. Disponível em:
<http://www.dgabc.com.br/News/5841042/preco-da-carne-deixa-churrasco-mais-caro.aspx>. Acesso em 1 dez.
2010.
COLLIS, Jill e HUSSEY, Roger. Pesquisa em Administração: um guia prático para alunos de graduação e pósgraduação. trad. Lucia Simonini. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.
DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. Pesquisa nacional da cesta
básica. Disponível em: <http://www.dieese.org.br/rel/rac/racfev99.xml>. Acesso em 25 nov. 2010.
DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. Pesquisa nacional da cesta
básica. Disponível em: <http://www.dieese.org.br/rel/rac/cesta.xml> Acesso em 19 nov. 2010.
- 201 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
GÜLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto. EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
Pesquisa: normas para redação, formatação e editoração. 2. ed. Três de Maio: Ed. SETREM, 2007.
IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Banco de Dados: cidades. Rio de Janeiro, 2010. Disponível
em: < http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1> Acesso em 6 set. 2010.
OLIVEIRA, Silvio Luiz de. Trabalho de Metodologia científico: projetos de pesquisas, TGI, TCC, monografias,
dissertações e testes. 2.ed. São Paulo: Pioneira, 1999.
Preço da Cesta Básica de Outubro em SP sobe 3,98%, aponta Procon-SP. Disponível em :
<http://www.ultimoinstante.com.br/economia/inflacao-precos/31102-Preo-cesta-bsica-outubro-sobe-398-apontaProcon-.html>. Acesso em 1 dez. 2010.
Preço da cesta básica sobre em 16 capitais, diz Dieese. Disponível em:
<http://www.noticiasagricolas.com.br/noticias.php?id=78301>. Acesso em 1 dez. 2010.
PROCON/SP - Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor. Pesquisas: cesta básica. Disponível em:
<http://www.procon.sp.gov.br/categoria.asp?id=64>. Acesso em 6 set. 2010.
PROCON/SP - Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor. Pesquisas: cesta básica. Disponível em: <
http://www.procon.sp.gov.br/categoria.asp?id=111. Acesso em 6 set. 2010.
SILVA, Joselis Moreira da; e PAULA, Nilson Maciel de. Alterações no padrão de consumo de alimentos no Brasil
após o plano real. Disponível em: <http://www.peteconomia.ufpr.br/banco_de_arquivos/00015_artigo%20evinvi%20Joselis.pdf>. Acesso em 19 nov 2010.
ANÁLISE DO RETORNO DO CAPITAL INVESTIDO POR
MEIO DE FLUXO DE CAIXA
De: FRANZELI INES KASPARY ([email protected]), ANDIARA PERINAZZO WESLING
([email protected]), DAMIELE CILENE ANDRADE ([email protected]) Orientado por:
EDELMAR ELOI BARASUOL ([email protected])
Este estudo visa demonstrar a importância do controle do fluxo de caixa, como ferramenta
fundamental, para assegurar a fidedignidade e integridade dos registros e demonstrações contábeis.
Sua utilização torna-se indispensável para a segurança da empresa, e também para resguardar o
administrador na sua tomada de decisão. Os processos se tornam ágeis e de fácil entendimento para
todos os usuários, tanto internos, quanto externos, que fazem uso dessas informações. O método
utilizado na abordagem do presente trabalho foi quantitativo, no âmbito da análise e projeção do
demonstrativo de caixa, o procedimento foi por meio de estudo de caso e as técnicas utilizadas foram
a análise e projeção de indicadores financeiros. Com este trabalho, procurou-se demonstrar que, a
utilização do fluxo de caixa é eficiente e primordial para demonstração de resultado dos ingressos e
desembolsos. Buscou-se analisar e projetar o retorno do investimento inicial de uma loja de
confecção feminina de Três de Maio – RS, utilizando o fluxo de caixa. Constatou-se que a empresa
está recuperando rapidamente seu capital inicial investido. O estudo revela que o retorno do capital
investido será recuperado no primeiro ano de operacionalidade. Constata-se que o ramo de comércio
desta empresa é altamente rentável. Conclui-se que o acompanhamento mensal de ingressos e
desembolsos é importante para uma empresa de pequeno-médio porte e contribui significativamente
na gestão administrativa.
Palavras-chave: Fluxo de Caixa, analisar e projetar, ferramenta.
Referências:
ALMEIDA, Marcelo Cavalcanti. Auditoria: um curso moderno e completo. São Paulo: Atlas, 1996.
CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração. 4.ed. São Paulo: Makron Books, 1993.
- 202 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
pesquisa - normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. 2 Ed. Três de Maio:
SETREM, 2007.
SANTOS, José Odálio dos. Avaliação de Empresas: Cálculo e Interpretação do Valor das Empresas: Um guia
prático - São Paulo: Saraiva, 2005.
SANTOS, Edno Oliveira dos. Administração Financeira da Pequena e Média Empresa. São Paulo. Atlas, 2001.
ÍNDICE DE CONFIANÇA DO CONSUMIDOR NA CIDADE DE
HORIZONTINA NO PERÍODO PRÉ E PÓS-ELEITORAL EM
2010
De: SILVANI MICHELI ZIEGLER ([email protected]), BRUNA ANDRESSA FRONCEK
([email protected]), TATIANE RAQUEL KEMPF ([email protected]) Orientado por: LUÍS
CARLOS ZUCATTO ([email protected])
O presente trabalho tem como tema o Índice de Confiança do Consumidor - ICC, e como objetivo
verificar este índice na cidade de Horizontina – RS, no ano de 2010, no período que antecede as
eleições presidenciais e também após a mesma. As percepções e perspectivas do consumidor são
relevantes quando se trata de comércio ou economia de uma cidade. Muitas decisões são tomadas
com base nestas perspectivas ou dos resultados do índice de confiança do consumidor, pois o índice
procura fornecer informações sobre o comportamento do consumidor para que se faça previsões
futuras de forma mais ágil e que se possam estabelecer medidas de controle e segurança tanto para
o comércio local, como para as diversas áreas da economia do município, ou ainda influenciar a
economia nacional. Levando-se em consideração a importância do índice de confiança do
consumidor para a economia local, teve-se por objetivo verificar o índice dos consumidores da cidade
de Horizontina – RS. Considerando o fato de o ano atual ser ano eleitoral, as pesquisas foram
realizadas em dois tempos, antes e depois das eleições, até mesmo para tentar identificar a influência
ou não deste fato nas percepções e perspectivas dos consumidores desta cidade. Com os dados da
pesquisa, fez-se análises sobre o perfil dos consumidores respondentes, bem como suas percepções
atuais e perspectivas futuras para a economia local, demonstrando graficamente os resultados. Por
fim, também faz-se alguns comparativos sobre fatos relevantes de nível nacional, visando identificar
semelhanças ou diferenças.
Palavras-chave: Índice de Confiança do Consumidor; Condições Econômicas; Eleições.
Referências:
BENTES, Fábio Gomes Morand. O poder preditivo do índice de confiança do consumidor no Brasil: uma análise
através de vetores auto-regressivos. Disponível em: <http://dominiopublico.qprocura.com.br/dp/27858/o-poderpreditivo-do-indice-de-confianca-do-consumidor-no-brasil-uma-analise-atraves-de-vetores-autoregressivos.html>.
Acesso em 20 nov. 2010.
CANO, Wilson. Introdução à economia: uma abordagem crítica. São Paulo: Editora UNESP, 2006.
FERREIRA, Daniel Furtado. Estatística básica. Lavras: Editora UFLA, 2005.
FIOROTTI, Vilma. Artigo: Industrialização e consumo. Disponível em:
<http://itinerantenretoledo2.pbworks.com/f/industrializacao_e_consumo>. Acesso em 20 nov. 2010.
INSTITUTO BRASILEIRO DE ECONOMIA - FGV. Sondagem de expectativas do consumidor. Disponível em:
<http://portalibre.fgv.br/main.jsp?lumChannelId=402880811D8E34B9011D92BB7A891DEF>. Acesso em 28 nov.
2010.
INSTITUTO BRASILEIRO DE ECONOMIA – FGV. Sondagem de expectativas do consumidor – Out 2010.
<http://portalibre.fgv.br/main.jsp>. Acesso em 17 nov. 2010.
- 203 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mario Luiz Santos; GÜLLICH, Roque Ismael da Costa. Metodologia da
Pesquisa: normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. Três de Maio: Ed.
SETREM, 2007, 2.ed..
MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de Metodologia Científica. 3.ed. São Paulo:
Atlas, 1991.
MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do Trabalho Cientifico. 6. ed. São Paulo:
Atlas, 2001.
MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de Pesquisa. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2006.
OLIVEIRA, Paulo Henrique F.C. Amostragem Básica – Aplicação em Auditoria. Rio de Janeiro: Moderna, 2004.
PREFEITURA MUNICIPAL DE HORIZONTINA. Dados de Horizontina: história político – administrativa.
Disponível em:
<http://www.pmhorizontina.com.br/portal/index.php?option=com_content&task=view&id=20&Itemid=9> .Acesso
em 13 nov. 2010.
TIGRE, Paulo Bastos. Artigo: paradigmas tecnológicos e teorias econômicas da firma. Revista Brasileira de
Inovação. Rio de Janeiro, v.4, n.1, jun. 2005.
ESTUDO DO NÍVEL DE CREDIBILIDADE DO
COOPERATIVISMO
De:
ALESSANDRA
MARIA
SERVI
([email protected]),
Mônica
Servi
Pavlak
([email protected]), Tassiara Borges da Motta ([email protected]) Orientado por: JUSSARA
ROSANELLI DALLA COSTA ([email protected])
O cooperativismo surgiu no século XIX quando vinte e oito tecelões ingleses se uniram com a
intenção de diminuir a exploração no trabalho e se desenvolverem economicamente e criaram a
Sociedade dos Probos Pioneiros de Rochdale Ltda. A partir daí o movimento se expandiu pelo mundo
todo e ganhou características que o representam, leis que norteiam suas organizações e inúmeros
adeptos. Assim, este trabalho possui como tema o estudo do nível de credibilidade do cooperativismo
e foi realizado no segundo semestre de 2010 com quarenta agricultores de três comunidades do
interior do município de Independência, tendo como objetivo geral verificar o nível de credibilidade
dos agricultores em relação ao cooperativismo e especificamente analisar o nível de escolaridade dos
agricultores associados, observar os benefícios oferecidos pelas cooperativas aos seus associados,
analisar o nível de conhecimento sobre cooperativismo dos agricultores e a relação entre ser
associado e acreditar no cooperativismo. Para a realização da pesquisa foi considerada a hipótese
que o nível de escolaridade influencia positivamente no crédito dado pelo agricultor as cooperativas, a
credibilidade do agricultor depende dos benefícios que a cooperativa lhe oferece, a falta de
conhecimento do agricultor sobre o cooperativismo interfere negativamente no nível de credibilidade e
que credibilidade não é definida pelo fato do agricultor estar associado a uma cooperativa. Além disso
foram observadas como variáveis a escolaridade, o nível socioeconômico, o grau de informação, as
comunidades interioranas, o sexo e a idade. O método de abordagem utilizado foi o indutivo, como
procedimento usou-se o estudo de caso e a técnica do questionário fechado. Então, através deste
trabalho pôde-se conhecer mais sobre o cooperativismo e principalmente sobre o nível de
credibilidade que os agricultores do interior do município de Independência têm em relação ao
movimento. A partir da pesquisa realizada, conclui-se que são muitos os associados a cooperativas e
que a maioria deles acredita e conhece sobre elas, além de sentir-se parte ativa destas organizações
e não desejar se desassociar, afirmações estas que demonstram que o nível de credibilidade dos
associados para com o cooperativismo é realmente considerável. Entretanto, ainda existem
problemas a serem sanados por parte das organizações cooperativistas, pois a maioria dos
agricultores costuma deixar sua cooperativa de lado para obter fins lucrativos, uma pequena parcela
não acredita no movimento e outros dizem que a cooperativa não os traz benefícios. Ou seja, é
- 204 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
necessário um estudo mais amplo que identifique os pontos a serem melhorados e possibilite as
cooperativas melhorar a credibilidade e fidelização de todos os seus associados.
Palavras-chave: Cooperativismo, agricultores, credibilidade.
Referências:
ALVES, Marco Antônio Pérez. Cooperativismo: arte & ciência. São Paulo: Editora Universitária de Direito, 2002.
GIGLIO, Ernesto. O Comportamento do Consumidor e A Gerência de Marketing. São Paulo: Pioneira, 1996.
PINHO, Diva Benevides. O Cooperativismo no Brasil: da vertente pioneira à vertente solidária. São Paulo:
Saraiva, 2004.
ELABORAÇÃO DE UM FLUXO DE CAIXA QUE ATENDA A
NECESSIDADE DE UMA EMPRESA NO RAMO DE MÓVEIS
E CONSTRUÇÃO
De:
TATIANE
LAWALL
ARNEMANN
([email protected]),
Ângela
Gisele
Backes
([email protected]) Orientado por: EDELMAR ELOI BARASUOL ([email protected])
Este estudo teve como principal objetivo a implantação de um fluxo de caixa que permita um
acompanhamento diário das entradas e saídas de uma empresa de pequeno porte no ramo de
móveis e construção, localizada no município de Nova Candelária. Este estudo permitirá á empresa
um maior controle financeiro, bem como projeções futuras de investimentos, principalmente quanto à
aquisição de estoques, visto que os mesmos representam custos elevados, portanto é preciso uma
boa análise antes de serem realizadas estas aquisições. Foi necessária uma reorganização no
controle de entradas e saídas da empresa, pois o mesmo era efetuado de forma manual pelos sócios
da empresa, sendo que com isso dificultava as projeções, muitas vezes fazendo com que a empresa
deixasse de ter produtos para entrega imediata, pois as mercadorias não eram adquiridas
anteriormente, pois, não se tinha uma certeza se o fluxo de caixa iria suportar as aquisições. O fluxo
de caixa foi desenvolvido de uma forma que facilite o controle e que não seja de difícil manuseio, pois
até então a empresa não possuía nenhum controle informatizado. O método de estudo utilizado foi o
quantitativo, visto que buscou-se identificar a situação atual da empresa e baseado nesses dados
identificar o melhor método de controle financeiro para a empresa. Com isso chegou-se a conclusão
que inicialmente o método mais viável seria o fluxo de caixa. O mesmo foi elaborado de forma que
permita a empresa um controle diário, e os resultados de entradas e saídas são apresentados de
forma semanal, a planilha também permite um cálculo do fluxo mensal, permitindo que a empresa
verifique se realmente as receitas superaram as despesas no mês, isto porque no estudo realizado
verificou-se que em alguns meses as saídas eram superiores as entradas, fator esse que se não for
analisado pode levar a problemas financeiros. Outro fator muito importante para a empresa é que o
fluxo de caixa permitirá a manutenção de um histórico de entradas e saídas, o que possibilitará a
médio e longo prazo que a empresa tenha um controle de quais os dias e meses que normalmente
apresentam maiores entradas e saídas de recursos, podendo programar melhor as compras de
mercadorias. Outro problema verificado na empresa foi o controle das duplicatas á receber, pois a
empresa anota os valores que tem a receber e os clientes efetuam os pagamentos durante o mês,
não é determinado um dia fixo. Nesse caso foi sugerido a empresa a implantação de um sistema de
cobrança através de boletos bancários, o que possibilitará á empresa fazer uma projeção de entradas
e saídas mais eficiente. Com base nesse estudo pode-se concluir que as empresas, precisam se
adaptar as novas tecnologias para não perderem espaço no mercado. Devem implantar ferramentas
de controle que ofereçam subsídios e informações confiáveis à tomada de decisões, principalmente
no que tange a investimentos á longo prazo.
Palavras-chave: Fluxo de caixa, controles, organização.
- 205 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Referências:
SANTOS, Edno Oliveira dos. Administração Financeira da Pequena e Média Empresa. 1.ed. São Paulo: Editora
Atlas S.A, 2001.
ZDANOWICZ, José Eduardo. Fluxo de Caixa – Uma decisão de Planejamento e Controles Financeiros. 10.ed.
Porto Alegre: Editora Sagra Luzatto, 2004.
SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO
De: EVANDRO TELKA ([email protected]), TIAGO CORACINI ([email protected]),
GABRIEL BERNARDI DE OLIVEIRA ([email protected]), ALINE WITCZAK ([email protected])
Orientado por: CARLOS WALDEMAR BLUM ([email protected])
No estudo a seguir, apresentar-se-á uma pesquisa descritiva em forma de artigo sobre assuntos
relacionados com Segurança e Medicina do Trabalho, que são de muita importância nas empresas
pois auxiliam na redução de acidentes e problemas relacionados a saúde de nossos empregados,
abordaremos a importância , as características as normas regulamentadoras , e como dever ser
aplicados os programas de avaliação e os tipos de exames necessários nas avaliações dos
trabalhadores em vários funções e cargos exercidos dentro da empresa. Onde serão relatadas
algumas das principais normas como PCMSO, PPP, PPRA, LTCAT, exames médicos admissional,
demissionais, periódicos, exames de retorno de trabalho, exames de alteração de função. Hoje em
uma empresa o quadro de Segurança do Trabalho compõe-se de uma equipe multidisciplinar
composta por Técnico de Segurança do Trabalho, Engenheiro de Segurança do Trabalho, Médico do
Trabalho e Enfermeiro do Trabalho. Segurança e Medicina do Trabalho esta regulamentada sob a lei
n° 6.514, de 22 de dezembro de 1977 e com as normas regulamentares – NR, aprovadas pela
portaria n° 3.214 de 8 de junho de 1978. Elas são adotadas visando minimizar os acidentes de
trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade e a capacidade de trabalho do
funcionário.
Palavras-chave: Segurança, laudos e exames.
Referências:
Legislação de segurança, acidente do trabalho e saúde do trabalhador / Tuffi Messias Saliba, Sofia C. Reis
Saliba 2ª edição São Paulo: 2003.
Segurança e Medicina do Trabalho – Coordenação e supervisão da equipe Atlas, 62° Edição 2008.
http://www.guiatrabalhista.com.br acesso 31/03/11
http://www.areaseg.com/seg acesso 31/03/11
http://www.cliniseg.com.br acesso 31/03/11
ANÁLISE DO CUSTO POR HORA TRABALHADA DE UM
TORNO CNC
De: ALINE WITCZAK ([email protected]), TIAGO CORACINI ([email protected]), EVANDRO
TELKA ([email protected]), GABRIEL BERNARDI DE OLIVEIRA ([email protected])
Orientado por: LUÍS CARLOS ZUCATTO ([email protected])
O presente artigo foi desenvolvido através do estudo realizado na empresa Romar F. Mann e Cia
Ltda, tendo como objetivo, apresentar os resultados obtidos no levantamento do custo por hora
trabalhada, em um Torno CNC (Comando Numérico Computadorizado) onde é fabricado peças de
reposição para colheitadeiras e plantadeiras. A pesquisa realizou-se através de um acompanhamento
diário na produção desta máquina. Evidenciou-se os fatores organizacionais da empresa, assim
como, as características técnicas e de funcionalidade do sistema produção existentes, e o tempo e
- 206 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
custo da máquina analisada. O mundo organizacional no qual as empresas se encontram está cada
vez mais competitivo, e está por sua vez, exigindo que estas se adaptem mais rapidamente a novas
informações e cenários produtivos. A viabilidade do empreendimento está relacionada à eficiência da
empresa, na utilização de seus processos. Assim, para que uma empresa seja competitiva, os custos
e despesas devem ser no mínimo inferiores ao preço de venda determinado pelo mercado. É para
isto que se torna necessário conhecê-los.Se uma empresa apresenta níveis significativos de gastos
indiretos, porém uma produção homogênea, com um único produto, a alocação de todos os gastos,
fixos ou variáveis, diretos ou indiretos, é extremamente simples. Basta classificar todos os gastos,
associando-os gradualmente aos produtos ou serviços.A partir desta pesquisa elaborou-se uma
análise e interpretação dos dados coletados tomando estes dispostos para base de conceitos. Assim
chegando á análise de todos os investimentos e despesas por hora gastos para chegar ao custo final
utilizado na produção do Torno CNC.
Palavras-chave: Palavras-chave: Custos, Tempos, Torno CNC.
Referências:
ARNOLD, J.R.Tony. Administração de materiais: uma introdução: tradução Celso Rimoli, Lenita R. Esteves. São
Paulo: Atlas. 1999.
BORNIA, Antonio Cezar. Análise gerencial de custos. Porto Alegre: Editora Bookman. 2002.
BERTÓ, Dalvio José; BEULKE, Rolando. Gestão de custos. São Paulo: Saraiva, 2005.
BRUNÍ, Adrinao Leal; FAMÁ, Rubens. Gestão de custos e formação de preços. São Paulo:
Atlas, 2004.
GULLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto. EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
Pesquisa: normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. Três de Maio: Ed.
SETREM, 2007.
KAPLAN, Robert S.; COOPER, Robin. Custo e desempenho: administre seus custos para ser mais competitivo.
Tradução O. P. Traduções. São Paulo: Futura, 2000. 376 p.
MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2002.
MASSUDA, Júlio César. Gestão de custos em pequenas empresas industriais de confecções. Florianópolis,
2003.
Disponível: http://www.knoow.net/cienceconempr/gestao/centrodecustos.htm.
Disponível: http://paraiso.etfto.gov.br/docente/admin/upload/docs_upload/material_09a6254d4e.pdf
LEVANTAMENTO DA NECESSIDADE DE TREINAMENTO E
DESENVOLVIMENTO NA EMPRESA DI CEZAR MODA
COURO LTDA
De: ALINE WITCZAK ([email protected]), TIAGO CORACINI ([email protected]), MARIANA
BOZ ([email protected]), GRAZIELI MARIA LIVISKI ([email protected]) Orientado por:
CECILIA SMANEOTO ([email protected])
O presente trabalho foi desenvolvido através do estudo realizado na Empresa Di Cezar Moda
Couro Ltda, tendo como objetivo, apresentar os resultados obtidos no levantamento do da pesquisa
sobre treinamento e desenvolvimento, adotado pela empresa, ou aquilo que os colaboradores
realmente esperam. A pesquisa realizou-se por meio de entrevistas, acompanhadas de um
questionário para os funcionários da empresa, buscando-se evidenciar os aspectos desenvolvidos
- 207 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
pela empresa e também pelos funcionários, assim como as características técnicas existentes na
empresa. A partir desta pesquisa elaborou-se uma análise e interpretação dos dados coletados
tomando estes dispostos para base de conceitos. Assim formando um diagnóstico do treinamento e
desenvolvimento da empresa. A pesquisa se fez necessária face à utilização de uma ferramenta de
levantamento da necessidade de treinamento e desenvolvimento está implantando, e também pelo
fator de que a empresa busca novas maneiras de treinar e desenvolver seus colaboradores. O
presente trabalho também proporcionou aos acadêmicos um maior conhecimento prático sobre os
métodos de pesquisa e suas aplicações. Nesta pesquisa foi possível diagnosticar que os
colaboradores da empresa, acreditam que pessoas que possuem cursos de treinamento e
desenvolvimento, são mais valorizadas pelo mercado de trabalho, e que os funcionários necessitam
de maior treinamento na função que exercem atualmente, para melhor desempenhá-la. Todos os
requisitos questionados, necessitam de uma maior atenção por parte da empresa pesquisada para
um melhor aperfeiçoamento.
Palavras-chave: Treinamento, Desenvolvimento, Pessoas
Referências:
ARAUJO, Luis César G. Gestão de Pessoas. Estratégias e Integração Organizacional. Editora: Atlas, 1ª Ed. São
Paulo, 2006.
CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de Pessoas. Editora: Campus, 2ª Ed. Rio de Janeiro, 2004.
GULLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto. EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
Pesquisa: normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. Três de Maio: Ed.
SETREM, 2007.
LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade; Fundamentos de Metodologia Científica; Editora: Atlas, 6ª
Ed. ; São Paulo, 2007.
LACOMBE, Francisco; Recursos Humanos: Princípios e Tendências; Editora Saraiva; 1ªEd.; São Paulo; 2005.
ANÁLISE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO LEITEIRA
De:
ANDRÉIA
VOZNIAK
([email protected]),
GRAZIELI
MARIA
LIVISKI
([email protected]), KARINA WINGHENBACH WILLIG ([email protected]), TATIELE
MULLER ([email protected]) Orientado por: EDELMAR ELOI BARASUOL ([email protected])
O objetivo deste estudo foi realizar uma análise dos resultados econômicos na produção leiteira
em uma pequena propriedade rural situada na localidade de Esquina Scholz, interior do município de
Independência, tendo como área analisada um hectare destinado à produção leiteira. O método
utilizado foi quantitativo e coleta de dados junto à propriedade. O município de Independência é
formado praticamente por minifúndios com mão-de-obra familiar e em grande parte das propriedades
não há diversificação de culturas fazendo com que muitos agricultores não consigam sobreviver em
suas propriedades, causando o êxodo rural e aumentando o desemprego na cidade. O processo de
globalização impôs aos setores produtivos principalmente a agricultura, muitas exigências, já que o
Brasil possui o melhor clima e solo agrícola a nível mundial, precisando demonstrar sua capacidade,
mas a globalização é fator determinante, uma vez que as margens lucrativas estão diminuindo em
muitos setores da economia brasileira. O período de análise das atividades foi de janeiro a dezembro
de 2009 e 2010 onde na propriedade analisada produziu-se 17.835 litros de leite em 2009, e 18.499
litros em 2010. Apesar de que produção ter sido maior em 2010 a renda foi menor devido a vários
fatores como a alta dos preços dos insumos, e o menor preço recebido por litro em função da troca
de empresa que compra o produto. Constatou-se que na pequena propriedade a produção de leite é
fundamental para a subsistência e aumento de lucratividade. Assim pode-se resgatar a possibilidade
de viver bem e prosperar no campo, aderindo à diversificação de culturas nas propriedades,
otimizando os recursos naturais e aumentando a qualidade de vida do produtor rural.
Palavras-chave: Palavras- chave: sustentabilidade, qualidade de vida, diversificação.
- 208 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Referências:
DIAS,Marco Aurélio P. Administração de Materiais 5º edição. São Paulo:Atlas,2005
JÚNIOR, José Barbosa da Silva. Custos Ferramentas de Gestão. 5º seção Regional. São Paulo: Atlas,2000.
MENEZES ,Estera Muszkat; SILVA, Edna Lúcia da. Metodologia da Pesquisa e Elaboração de Dissertação.
Disponível em: HTTP://www.ufsc.br. Acesso em 13 de abril 2010.
BRAGA,Roberto. Fundamentos e Técnicas de Administração Financeira. São Paulo:Atlas,1989.
KRAUSE,Fábio. Matemática Financeira: conceitos e aplicações com o uso da HP-12.Novo
Hamburgo:Feevale,2003.
GROPPELLI, A A NIKBAKHT, Ehsan.Administração Financeira. 2º Ed. São Paulo:Saraiva,2002.
CASAROTTO FILHO, N; KOPITTKE,B. Análise de Investimentos. 8ºed.São Paulo:Atlas,1998.
BORNIA,Antônio Cezar.Análise Gerencial de Custos.Aplicação em Empresas Modernas.Reimpressão 2004.
Porto Alegre:Bookman,2002.
ANÁLISE DO QUANTATIVO DOS ACADÊMICOS
BOLSISTAS DO CURSO DE BACHARELADO EM
ADMINISTRAÇÃO – SETREM
De: FRANZELI INES KASPARY ([email protected]), ANDIARA PERINAZZO WESLING
([email protected]), DAMIELE CILENE ANDRADE ([email protected]il.com), SILVANI MICHELI
ZIEGLER ([email protected]) Orientado por: LUÍS CARLOS ZUCATTO ([email protected]),
DOUGLAS FAORO ([email protected])
A importância de um curso superior para a vida profissional das pessoas, que desejam um
melhor espaço no mercado de trabalho, leva as mesmas à universidade. Embora haja dificuldades
para ingressar na universidade e, o Brasil seja conhecido por ter um pequeno percentual de
acadêmicos, existem também fatores que permitem que este número aumente, principalmente
quando se trata de custos, pois quem deseja estudar pode aderir a bolsas de estudos, do governo ou
da instituição de ensino, para realizar a graduação. O objetivo do presente estudo é coletar, analisar
dados numéricos e aplicar testes estatísticos de maneira a identificar o quantitativo de acadêmicos do
segundo semestre do ano de 2010 do Curso de Bacharelado em Administração da Sociedade
Educacional Três de Maio – SETREM que possuem bolsa/auxílio, bem como os percentuais das
mesmas. Fez-se uso de conceitos básicos de custos e estatística, bem como de bolsas de estudo e
os tipos de bolsa/auxílio atualmente utilizados. Como método de estudo, utilizou-se a pesquisa
eletrônica, a abordagem quantitativa, estudo de caso descritivo, estatístico e comparativo. A pesquisa
realizada contou com uma amostra de 109 acadêmicos, de uma população de 287 matriculados, a
mesma aponta que 71 pessoas não possuem bolsa/auxílio de qualquer tipo na instituição, enquanto
38 acadêmicos usufruem dos tipos de bolsa disponibilizados, como bolsa SETREM, PROUNI, FIES e
bolsa empresa. Entre as citadas, destaca-se um número maior de acadêmicos adentrastes no
PROUNI, seguido das bolsas de empresas, após o FIES com menor percentual e na seqüência as
bolsas oferecidas pela instituição. Constata-se que a são maioria jovens de 21 a 25 anos, solteiros,
do gênero feminino, residentes na cidade de Três de Maio, com atividade remunerada, com carteira
assinada, sendo essa remuneração condizente com a média regional paga pelo mercado,
equilibrando este valor com a mensalidade cobrada pela instituição. Observa-se que os acadêmicos
que não possuem qualquer tipo de bolsa ou atividade remunerada, recebem ajuda dos pais para
custear o curso, dos que possuem bolsa, ficariam sem possibilidade financeira para caminhada pela
busca do conhecimento se os mesmos não conseguirem a renovação da bolsa/auxílio. Outro ponto
relevante, é o fato de parte deles, por serem oriundos de diversas cidades da região, tem além do
custo com o curso, despesas com deslocamento, destes a maioria utiliza-se de transporte coletivo, já
o mesmo não pode ser considerado um fator de empecilho, pois grande parte opta por freqüentar
- 209 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
todas as disciplinas oferecidas semestralmente. Os resultados apresentados correspondem ao
objetivo do trabalho, onde se verificou que a instituição disponibiliza tipos de bolsas de estudo
condizentes com os acadêmicos, como benefício do governo e também auxílios particulares, o que
vai do interesse de cada acadêmico o dispor destes benefícios e auxílios no decorrer do curso para
mantê-los.
Palavras-chave: Bolsas, auxílio, acadêmico.
Referências:
BRUNI, Adriano Leal. FAMÁ, Rubens. Gestão de custos e formação de preços. 5. ed. – São Paulo: Atlas, 2008.
COLLIS, Jill; Hussey, Roger. Pesquisa em Administração: um guia prático para alunos de graduação e pósgraduação. Trad. Lucia Simonini. – 2.ed. – Porto Alegre: Bookman, 2005.
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto. EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
Pesquisa: normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. Três de Maio: Ed.
SETREM, 2007.
MUSSKOPF, Egon Hilario. Sinal verde para crescer: Um livro de história e de histórias da Sociedade
Educacional Três de Maio – SETREM. – Novo Hamburgo: Echo, 2004.
PERES JUNIOR, José Hernandez. OLIVEIRA, Luís Martins de Oliveira. COSTA, Rogério Guedes. Gestão
estratégica de custos. - São Paulo: Atlas, 1999.
RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade de Custos. 6.ed. – São Paulo: Saraiva, 1999.
SILVA JUNIOR, José Barbosa da. Custos: Ferramentas de Gestão/Conselho Regional de Contabilidade do
Estado de São Paulo. - São Paulo: Atlas, 2000.
TRIOLA, Mário F. Introdução à Estatística. Sétima Edição. – Rio de Janeiro: LTC, 1999.
VERGARA, Sylvia Constant. Métodos de pesquisa em administração, 3. ed. – São Paulo: Atlas, 2008.
FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES
De: RAQUEL LUDWIG ([email protected]), MAIRA DOS ANJOS OLIVEIRA (), KAREM JULIELI
BERTOLDO ([email protected]) Orientado por: JUSSARA ROSANELLI DALLA COSTA
([email protected])
Percebendo as diversas transformações que vem ocorrendo como os grandes avanços
tecnológicos e os demais fatores que implicam na ampliação dos mercados e na variedade em
serviços e produtos, passa também a existir um maior acesso dos consumidores as informações,
gerando assim, uma fragilidade das relações entre organizações e pessoas onde os consumidores
estão acabam levando em conta apenas fatores de interesse próprio. Por estes fatos foi realizado um
estudo no período de julho a dezembro de 2010, em cinco empresas de médio porte da cidade, onde
foram elaborados questionários contendo sete perguntas com respostas fechadas, direcionadas aos
proprietários para identificar quais os recursos mais utilizados pelas empresas de médio porte no
ramo de confecção da cidade de Três de Maio, para fidelizar seus clientes. Lembrando sempre que o
cliente é vital dentro das empresas por garantirem a estabilidade e sobrevivência das organizações.
Através dos estudos sobre o que as empresas estão fazendo para fidelizar seus clientes, concluemse que as mesmas na sua maioria estão conscientizadas da importância que se tem em fazer uso
das informações fornecidas pelos clientes, funcionários qualificados, formas de pagamento, assim
resultando em pontos positivos e válidos na construção de conceitos que podem contribuir nos
processos de fidelização de clientes, não esquecendo a importância de se trabalhar num plano
cooperativo. Sugerem-se novos estudos ligados aos clientes, mostrando as diferenças entre
empresas que levam em conta suas opiniões e necessidades, aplicando na empresa as técnicas
- 210 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
necessárias para trazer a realidade do cliente para dentro da mesma, e após um comparativo entre
as que conduzem os negócios sem levar em consideração as opiniões da clientela.
Palavras-chave: Palavras chave: Organizações, clientes, fidelização
Referências:
GODRI, Daniel. Conquistar e manter clientes. 3ª Ed. Curitiba: 1993.
LOBOS, Julio. Encantando o Cliente interno e externo. São Paulo: J Lobos, 1993
CHURCHIL, Jr Gilbert A. PETTER J.Paul. Marketing: Criando valor para os clientes, 2ª Ed. São Paulo: Saraiva,
2003.
BEE, Frances; BEE, Roland. Fidelizar o cliente, 1ª Ed. São Paulo: Nobel, 2000.
AS DIFICULDADES QUE OS EMPREENDEDORES
ENFRENTAM NOS PRIMEIROS ANOS DE ATUAÇÃO
De: VALDIANE SCHARDONG VILLES ([email protected]), VAGNER JONAS PASTERNACK
([email protected]), KELLY FRANCINE HAAS ENGSTER ([email protected]) Orientado por:
JUSSARA ROSANELLI DALLA COSTA ([email protected])
A falta de conhecimento sobre negócios do empreendedor possibilita que o mesmo passe por
dificuldades ao abrir sua empresa. Pensando nisto, realizou-se um estudo sobre os problemas que os
mesmos enfrentam nos cinco primeiros meses de atuação no mercado. Através dela foram
identificados os principais problemas que os novos empreendedores podem enfrentar entre seu
estágio inicial e sua ascensão no mercado. Nesta análise, delimitar-se-á o que é empreendedorismo,
seus três aspectos básicos como iniciativa, paixão pelo o que se faz, aceitar e assumir riscos, as suas
principais características, planejamento estratégico, suas estratégias, assim como outro. A
abordagem da pesquisa é qualiquantitativa, expressada através da subjetividade dos resultados,
além dos resultados em números. Tendo como objetivo geral alertar os pequenos empresários de
nossa região da importância de se descobrir os problemas básicos de uma empresa em seu estágio
inicial, para que os mesmos não se repitam com os futuros empreendedores das novas empresas e
que elas tenham ascensão no mercado, não correndo o risco de falência. Através da pesquisa e da
análise de seus resultados, verificou-se que a principal falha dos novos empreendedores é a falta de
planejamento estratégico nas empresas. Também, todas as hipóteses foram confirmadas, sendo a
falta de conhecimento sobre o ramo de negócios e do mercado, uma das principais dificuldades
enfrentadas pelas empresas. Estas informações darão suporte aos novos empreendedores para que
se lancem no mercado com maior segurança e estabilidade, conseguindo assim, alcançar o sucesso
esperado. Cabe então desenvolver novos estudos, realizar novas pesquisas que revelem novas
informações para a melhoria dos conhecimentos nesta área.
Palavras-chave: empreendedorismo, planejamento estratégico, mercado.
Referências:
ADMINISTRADORES. O que é Planejamento Estratégico. On-Line, disponível em
<http://www.administradores.com.br/artigos/o_que_e_planejamento_estrategico/10386> Acessado em 2 de out.
de 2009.
ALDAY, Hernan E. Contreras. O Planejamento Estratégico dentro do Conceito de Administração Estratégica. OnLine, disponível em
<http://www.fae.edu/publicacoes/pdf/revista_da_fae/fae_v3_n2/o_planejamento_estrategico.pdf> Acessado em 2
de out. de 2009.
BERNARDI, Luiz Antonio. Manual de empreendedorismo e gestão: Fundamentos estratégicos e dinâmicas.4º
tragem da 1ª Ed. São Paulo: Editora Atlas, 2003.
- 211 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
BIRLEY, Sue. MUZYKA, Daniel F. Dominando os desafios do empreendedor: São Paulo: Editora Pearson
Prentice Hall, 2004.
DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo: Transformando idéias em negócios. 9ª ed. Rio de janeiro:
Campus, 2001.
DRUCKER, Peter. Inovação e espírito empreendedor: Entrepreneurship, prática e princípios. 8ª reimp. Da 1ª Ed.
São Paulo: Editora Thomson Pioneira, 2005.
CHIAVENATO, Idalberto. SAPIRO, Arão. Planejamento Estratégico: Fundamentos e Aplicações. 4º Ed. Rio de
Janeiro: Editora Campus, 2004.
NUNES, Paulo. Conceito de Empresa. 2008. On-Line, disponível em
<http://www.knoow.net/cienceconempr/gestao/empresa.htm> Acessado em 2 de out. de 2009.
NUNES, Paulo. Conceito de Know-How. 2008. On-Line, disponível em: <
http://www.knoow.net/cienceconempr/gestao/knowhow.htm> Acessado em: 14 de out. de 2009.
NUNES, Paulo. Conceito de Networking. 2009. On-Line, disponível em: <
http://www.knoow.net/cienceconempr/gestao/networking.htm> Acessado em: 14 de out. de 2009.
NUNES, Paulo. Conceito de Segmentação de Mercado. 2007. On-Line, disponível em
<http://www.knoow.net/cienceconempr/gestao/segmentacaomercado.htm#vermais> Acessado em 2 de out. de
2009.
POSSAS, Mario Luiz. Os conceitos de mercado relevante e de poder de mercado no âmbito da defesa da
concorrência. On-Line, disponível em:
<http://www.ie.ufrj.br/grc/pdfs/os_conceitos_de_mercado_relevante_e_de_poder_de_mercado.pdf> Acessado
em: 2 de out. de 2009.
SEBRAESP. O que é empreendedorismo? On-Line, disponível em:
<http://www.sebraesp.com.br/faq/criacao_empresa/criacao_empresa/empreendedorismo> Acessado em: 2 de
out. de 2009.
PLANO DE NEGÓCIOS - PARAÍSO DAS ROSAS
De:
DENISE
SIMONE
MARTINI
([email protected]),
ALFRIDA
SIMAO
SCHERNER
([email protected]),
TATIELE
MULLER
([email protected]),
ANDRÉIA
VOZNIAK
([email protected]) Orientado por: LUÍS CARLOS ZUCATTO ([email protected])
Este estudo tem por objetivo apresentar a análise da viabilidade da floricultura, Paraíso das
Rosas que terá seu foco na comercialização de rosas, que se diferencia por meio de diversificadas
espécies e cores de rosas, além das rosas, a empresa também oferece flores artificiais. A estrutura
da empresa será simples, de padrões modernos de racionalização, utilizando experiências das
empreendedoras para administrar as atividades nascentes. O público alvo do Paraíso das Rosas será
constituído na faixa etária dos 18 aos 70 anos, que terão a disposição uma distribuição diferenciada
no ponto de venda. A Floricultura Paraíso das Rosas será dirigida por seus sócios em condições de
aproveitar as oportunidades que se apresentam em decorrência das intensas atividades comerciais
que acumulam a função de gerente administrador e de venda. O produto será comercializado em
arranjos ou individual também podendo ser entrega a domicílio. O mercado consumidor de flores
apresenta especificidades, com picos de consumos em datas especiais como Dia das Mães Dia dos
Namorados, Dia de Finados. Entretanto as vendas diluen-se ao longo do ano. A grande oportunidade
de mercado é a necessidade de presentear. A pesquisa de mercado evidenciou que, dentre os
diferentes tipos de flores, as rosas apresentam grande potencial de aceitabilidade. De acordo com a
projeção de vendas das rosas proporcionará cobertura dos custos e um bom retorno financeiro para a
empresa. Porém, aplicou-se questionário contendo dez questões subjetivas para cem pessoas do
município de Três de Maio, e segundo análise dos dados coletados na pesquisa de campo realizada,
- 212 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
este negócio poderá não ser viável porque exige a comercialização de uma quantidade muito
significativa de rosas para cobrir os custos fixos mensais. Para a sobrevivência da empresa é
necessário atingir dois terços da fatia total de vendas de rosas dos nossos três maiores concorrentes,
o que no início de uma empresa é muito difícil. A rosa não poderia ter um preço elevado, para ter um
diferencial dos concorrentes, a empresa teria que trabalhar com escala elevada. Ainda em relação à
pesquisa de mercado, constatou-se que as pessoas preferem não gastar mais de dez reais em flores,
o que lhe dá muitas outras opções de flores mais acessíveis, e que faz com que elas procurem uma
floricultura que ofereça variedades, que lhes proporciona opção de escolha. Além disso, 45% das
pessoas entrevistadas preferem comprar flores em vasos, devido à comodidade, e sua durabilidade
ser maior. E mesmo atingindo os objetivos citados no plano de negócios, o prazo para retorno do
investimento seria de cinco anos e dois meses, tornando o negócio inviável do ponto de vista da
expectativa de retorno das empreendedoras.
Palavras-chave: empreendedorismo, viabilidade, flores
Referências:
Moreira, Júlio Cesar Tavares. Administração de Vendas. São Paulo: Saraiva. 2005.
Güllich, Roque Ismael da Costa; Lovato, Adalberto; Evangelista, Mário dos Santos. Metodologia da Pesquisa:
Três de Maio: Ed. Setrem. 2007.
Dorneles, José Carlos Assis. Empreendedorismo. Transformando Idéias em Negócios. José Carlos Assis
Dorneles. Rio de Janeiro. Campus, 2001.
Porter. Vantagens Competitivas. Rio de Janeiro. Campus. 1989.
POSICIONAMENTO DO CONSUMIDOR EM RELAÇÃO À
MARCA DIGITAL SAT
De:
DENISE
SIMONE
MARTINI
([email protected]),
ALFRIDA
SIMAO
SCHERNER
([email protected]),
TATIELE
MULLER
([email protected]),
ANDRÉIA
VOZNIAK
([email protected]) Orientado por: SANDRO ERGANG ([email protected])
O estudo deste artigo ocupou-se em analisar o posicionamento do consumidor em relação à
marca Digital Sat, que atua no ramo de venda de eletroeletrônicos e prestação de serviços e esta
localizada no município de Três de Maio. Além do proprietário, conta com mais seis colaboradores.
Será analisado a propaganda e marketing da empresa. A empresa busca criar parcerias com
empresas de grande porte criando um vínculo de relacionamento com clientes. O problema a ser
analisado será, medir a eficácia da propaganda e da marca em relação ao consumidor do município
de Três de Maio. O setor de serviços, conforme Las Casas (2006) é um dos mais prósperos da
economia. Além de representar a maior parcela do PIB de quase todas as nações, é um dos setores
que mais empregam funcionários. O objetivo de realizar a pesquisa é analisar como a empresa Digital
Sat é vista pelos munícipes de Três de Maio e qual serviço é mais lembrado. Onde será realizada
uma pesquisa contendo sete questões voltadas para o problema do trabalho. Com o resultado da
pesquisa será medida a eficácia da propaganda e da marca da empresa juntamente com a qualidade
do serviço que presta a comunidade. A abordagem utilizada no trabalho é qualitativa e quantitativa,
pois se utilizou dados numéricos e exemplificações escritas, onde foi aplicada uma pesquisa aleatória
simples para a população do município de Três de Maio. Aplicou-se um questionário para cento e
noventa e quatro pessoas residentes no município de Três de Maio – RS. Desenvolver uma marca,
conforme Kapferer (2003) vai bem mais além da criação da marca, pois esta assinala que o produto
ou serviço recebeu em seu exterior uma marca, o registro de uma organização. Pode-se concluir que
devido à empresa ter pouco mais de um ano de atuação no mercado faz com que muitas pessoas
não a conheçam, assim seria necessário avaliar os meios de propaganda, para que o consumidor
fique ciente dos produtos e serviços que a Digital Sat fornece. A empresa deve investir nos serviços
- 213 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
que presta, pois, são estes que diferenciam a empresa das demais. Em relação ao problema
levantado no trabalho pode-se verificar que a empresa tem sua marca lembrada pelos consumidores
através dos serviços que presta. A propaganda da empresa é feita em vários meios de comunicação
como o rádio, jornal e portal Três de Maio, porém onde a empresa se destaca na sua propaganda é
na referencia de pessoas que adquiriram serviços da empresa, e onde a empresa menos consegue
transmitir sua propaganda aos munícipes é no portal, onde a empresa deve rever este conceito.
Muitas empresas tentam fazer de tudo para poderem ser bem lembradas pelos clientes, mas
esquecem que um bom atendimento muitas vezes é o principal diferencial de uma empresa. É neste
quesito que a empresa Digital Sat deve continuar investindo, para assim fazer a divulgação da melhor
maneira possível, através de pessoas que tenham adquiridos seus serviços.
Palavras-chave: Marketing, Marca, Clientes.
Referências:
AAKER, David A.; JOACHIMSTHALER, Erich; Como Construir Marcas Líderes; Porto Alegre; Editora Bookman,
2007.
Cordenação: DIAS, Sérgio Roberto Dias, Gestão de Marketing, Professores do Departamento de Mercadologia
da FGV. EAESP e Convidados – Editora Saraiva 2006 – Barra Funda.
FERRELL, O. C; HARTLINE, Michael D; Estratégias de marketing; São Paulo; Editora Thomson Learning, 2005
GÜLLICH,Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mario dos Santos; Metodologia da
Pesquisa: normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração; Três de Maio; Editora
Setrem, 2007.
KAPFERER, Jean-Noel; As marcas, capital da empresa: criar e desenvolver marcas fortes; Porto alegre; Editora
Bookmann, 2003.
LAS CASAS, Alexandre Luzzi; Administração de Marketing; conceitos, planejamento e aplicações à realidade
brasileira; Editora Atlas; São Paulo, 2006.
GESTÃO! MULHER NO MERCADO DE TRABALHO
De:
TATIANE
LAWALL
ARNEMANN
([email protected]),
JANICE
LORENZET
([email protected]), FRANCIELI CARINE KONRATH REX ([email protected]) Orientado por:
JUSSARA ROSANELLI DALLA COSTA ([email protected])
O presente trabalho teve como finalidade identificar quais as principais dificuldades encontradas
pelas mulheres para alcançarem cargos de gestão nas empresas atualmente, uma vez que o número
de mulheres no mercado de trabalho teve um grande recrudescimento nos últimos anos, estando
muito próximo dos 50% comparado com os homens. Alguns fatores que colaboraram na evolução
das mulheres no mercado de trabalho foram à queda na taxa de fecundidade e o aumento da
escolaridade, fator esse considerado determinante nos dias atuais. Foi elaborado um questionário
com algumas questões com intuito de identificar os principais fatores que dificultam a ascensão das
mulheres para cargos de gestão. A pesquisa foi aplicada nas cidades de Horizontina e Crissiumal,
localizadas na Região Noroeste do RS, com gestores de pequenas e médias empresas. A pesquisa
buscou evidências ou não de algum tipo de preconceito por parte do gênero masculino quando estes
têm a oportunidade de contratar ou promover uma mulher e não o fazem e identificar o que impede
mulheres a ocuparem um espaço maior no mercado de trabalho, em cargos de gestão. Para o
desenvolvimento do estudo foi utilizado o método quali-quantitativo, visto que se buscou identificar
numericamente o percentual de mulheres que ocupam cargos de gestão e se tentou identificar quais
as exigências das empresas no momento das contratações. Na pesquisa efetuada foi identificado que
o principal fator que leva a pouca incidência de mulheres em cargos de gestão ainda é o fator cultural,
que obteve um percentual de 62%, seguido da resistência a mudanças. Através de pesquisas
bibliográficas efetuadas constatou-se que atualmente o número de mulheres no mercado de trabalho
em algumas regiões é superior ao de homens, no entanto nos cargos de gestão acontece o inverso,
ou seja, a maioria são homens. O que ainda se percebe nos dias atuais é que existe uma forte
- 214 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
resistência dos homens em compartilhar de forma igualitária as tarefas do lar, da educação e criação
dos filhos, o que muitas vezes dificulta a inserção da mulher no mercado de trabalho e torna ainda
mais difícil a busca pelo crescimento profissional, visto que quanto mais elevado for o cargo maior
será o tempo que precisara dispor para o trabalho.
Palavras-chave: Mulheres, Gestão, Trabalho.
Referências:
COSTA, Albertina De Oliveira. Mercado de Trabalho e Gênero: Comparações Internacionais. Rio de Janeiro:
FGV, 2008.
PROBST, Elisiana Renata. A Evolução da Mulher no mercado de trabalho. Disponível em: <
http://www.icpg.com.br/artigos/rev02-05.pdf>. Acesso em: 24 out. 2010.
ROCHA, Maria Isabel Baltar da. Trabalho e Gênero: Mudanças, Permanências e Desafios. São Paulo: 34, 2000.
POSICIONAMENTO DA MARCA DE UMA EMPRESA DE
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO
De:
GRACIELE
CRISTINA
WIEGERT
([email protected]),
MARTA
ELUIZA
ROOS
([email protected]), ANGELICA LEHNHARDT ([email protected]) Orientado por:
SANDRO ERGANG ([email protected])
Este artigo refere-se ao Posicionamento da Marca de uma Empresa de Materiais de Construção,
localizada no Município de Três de Maio, Estado do Rio Grande do Sul, o estudo foi realizado no
período de outubro a dezembro de 2010. O objetivo do estudo é avaliar através de uma Pesquisa de
Marketing, como a empresa está sendo lembrada pelos moradores do município evidenciando
possíveis falhas da empresa em relação ao Marketing. Como teoria de base para o estudo, foram
utilizados conhecimentos adquiridos através de revisão bibliográfica na área de Administração
Mercadológica II com ênfase nos aspectos pertinentes à Pesquisa de Marketing e Posicionamento da
Marca. Este estudo apóia-se em uma abordagem qualitativa e quantitativa, com procedimento
descritivo e comparativo constituído de pesquisa descritiva, abordando também quatro aspectos:
descrição, registro, análise e interpretação. Para a coleta dos dados foi utilizado um formulário
baseado na técnica de entrevista dirigida, onde as questões foram aplicadas através da leitura diante
dos entrevistados. Este formulário é composto de questões abertas e fechadas com respostas de
múltipla escolha e únicas. Para a análise dos dados, foi utilizada a técnica de análise de conteúdo. O
resultado obtido revela que a organização em estudo, destaca-se por estar bem posicionada no
mercado local sendo a quarta marca mais lembrada da cidade no ramo em que atua, levando em
consideração o fato de estar instalada na cidade há apenas um ano. Sugere-se para a empresa de
materiais de construção a realização de uma campanha publicitária para tornar-se mais conhecida no
município.
Palavras-chave: Marketing, Posicionamento, Pesquisa.
Referências:
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
Pesquisa: normas para a apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. Três de Maio: Ed.
SETREM, 2007.
IPESO (INSTITUTO DE PESQUISA). O que é uma marca conhecida? Disponível em:
<http://www.topofmind.com.br/intro.asp> Acesso em: 24 nov. 2010.
MALHOTRA, Naresh. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. Porto Alegre: Bookman, 2006.
MATTAR, Fauze Najib. Pesquisa de Marketing. São Paulo: Atlas, 1996.
- 215 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
OLIVEIRA, Bráulio; CAMPOMAR, Cortez Marcos. Revisitando o posicionamento em marketing. Disponível em: <
http://www.revistasusp.sibi.usp.br /pdf/rege/v14n1/v14n1a4.pdf>. Acesso em: 21 nov.2010.
OLIVEIRA, Silvio Luiz de. Tratado de Metodologia Científica. São Paulo: Pioneira, 1999.
RÉVILLION, Piatnicki Sartori Anya.A Utilização de Pesquisas Exploratórias na Área de Marketing. Disponível em:
< http://www.rimar-online.org/artigos/v2n2a2.pdf >. Acesso em: 10 nov. 2010.
RIES, AL; TROUT, Jack. Posicionamento: A batalha pela sua mente. São Paulo. Pioneira, 1999.
SARQUIS, Bessa Aléssio; IKEDA, Akemi Ana. A prática de posicionamento de marca em agências de
comunicação. Disponível em: < http://proxy.furb.br/ojs/index.php/rn/article/view/639/565 >. Acesso em: 21 nov.
2010.
VIEIRA, Valter Afonso. As tipologias, variações e características da pesquisa de marketing. Disponível em: <
http://www.mouraconsultoria.com.br/artigo/Tipologia ...pdf >. Acesso em: 10 nov. 2010.
A ACEITABILIDADE DO USO DE EPI‟S NA INDÚSTRIA
MÓVELEIRA
De: ODAIR JOSE GUNSCH DE ALMEIDA ([email protected]), SIDNEI JOSE RADDATZ
([email protected]), MONICA STORMOWSKI ([email protected]), NELDA KASBURG
([email protected])
Orientado
por:
JUSSARA
ROSANELLI
DALLA
COSTA
([email protected])
Com o objetivo de proporcionar uma visão profunda em relação ao uso de EPI‟s na indústria
moveleira, o presente trabalho vem a esclarecer alguns fatores que podem influenciar na
aceitabilidade dos funcionários quanto ao uso destes, e assim cabendo aos administradores
gerenciar de maneira clara os assuntos abordados. No entanto, assiste-se uma crescente atenção à
saúde dos trabalhadores, associada às transformações no cenário mundial e seu impacto no mundo
do trabalho. Reconhece-se hoje, uma série de fatores associados ao trabalho como responsáveis por
sofrimento e alterações na saúde mental, desde fatores como a exposição a determinados agentes
tóxicos até a complexa articulação de fatores relativos à organização do trabalho. Embora o trabalho
se constitua em um importante elemento da inserção social pelo seu valor econômico, cultural e
simbólico, são necessários alguns requisitos no seu exercício para que possa proporcionar prazer,
bem-estar e saúde ao colaborador. O trabalho abordou a aceitabilidade do uso de EPI‟s pelos
colaboradores das empresas moveleiras Jaeli Móveis Ltda., localizada em Nova Candelária- RS; e na
indústria de Móveis Canção, localizada em Três de Maio- RS, buscando através de uma seqüência
sistemática e documentada, identificar quais são as reações e sentimentos dos colaboradores,
quanto ao uso obrigatório de EPI‟s. O método utilizado para desenvolvimento do mesmo foi, a
pesquisa quantitativa e exploratória. A coleta de dados foi realizada através da aplicação de um
questionário junto aos colaboradores, após a coleta de dados se iniciaram a interpretação dos
resultados, sendo que os dados levantados possibilitam a identificação do nível de aceitação,
conhecimento sobre o EPI, importância do uso, motivos que levam ao uso, entre outros. Após as
etapas de coleta e análise de dados, a presente pesquisa servirá de suporte para as respectivas
empresas utilizarem como base para melhorar a aceitabilidade do uso de EPI‟s junto a seus
colaboradores, e proporcionar-lhes a integridade física.
Palavras-chave: Segurança, Equipamentos de Proteção Individual, Indústria Moveleira.
Referências:
GALLIANO, A. G. O método científico: teoria e prática. São Paulo: Harbra, 1986.
LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário Luis e GÜLLICH, Roque Ismael da Costa. 2º Ed. Três de Maio,
Setrem, 2007.
- 216 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
MARCONI, Maria de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho científica. 6º Ed. São Paulo,
Athas, 2001.Segurança e Medicina do Trabalho. 54º Ed. São Paulo, Athas, 2004.
OLIVEIRA, Silvio L. de. Tratado de metodologia cientifica. São Paulo: Pioneira, 2004.
O PERFIL BUSCADO PELOS CONTRATANTES DO SETOR
DE VESTUÁRIO E CALÇADISTA, NOS MUNICÍPIOS DE
ALEGRIA E CRISSIUMAL
De: JOICE MAIARA DELGIOVO HAUPENTHAL ([email protected]), KAUANA PATRICIA MALLMANN
([email protected]), RUBIANA TAÍS DUMKE ([email protected]) Orientado por: DOUGLAS
FAORO ([email protected])
Na atualidade formou-se uma demanda que explicita muito bem a necessidade de se exercer
eficazmente e eficientemente as tarefas. Essa demanda busca claramente por qualificação. De outro
ponto de vista, estão os jovens aprendizes que buscam por maiores oportunidades por meio de
cursos profissionalizantes e universitários.
É totalizando esse conjunto que surgem algumas questões, como se há ou não oportunidade
aos jovens aprendizes, acadêmicos e demais estudantes, para se aplicar o que aprendem de forma
técnica? As empresas conduzem os aprendizes a este desenvolvimento ou permanecem resistentes
à inexperiência no campo empírico? Já as pequenas localidades, estas se enquadram no perfil geral
quanto a busca por profissionais de vendas? O vendedor, como propagador da marca de sua
empresa, e elemento essencial para a persuasão da venda, constitui um importante componente do
marketing, o que denota uma atenção especial durante a seleção de talentos. Selecionar bons
vendedores é uma das maiores dificuldades das empresas, o que tem como grande reclamação de
que o mercado de trabalho tem respondido muito em quantidade, não em qualidade, como refere-se
a Revista Venda Mais(2007) sendo muitos sem experiência e atraídos tão somente pelos salários
oferecidos.Objetivando identificar o perfil esperado dos vendedores pelos contratantes no setor de
comércio de vestuário e calçadista, realizou-se um estudo nos municípios de Alegria- RS e
Crissiumal- RS. Metodologicamente, a abordagem foi expressa de maneira mista, cujo os resultados
foram coletados através da entrevista direta com o entrevistado, obtendo dados de forma qualiquantitativa, evidenciando o caráter subjetivo de algumas questões, e caráter objetivo de outras. De
maneira dedutiva, partiu-se de planos maiores, em busca de um plano menor, uma definição. Para
coleta dos dados bases, técnicas estatísticas, como o cálculo da amostragem, foram utilizadas, onde
se tornou possível obter resultados mais seguros, baseados em uma margem de erro (5%) e um
índice de confiança de (90%). Assim, foram entrevistadas 28 pessoas no período de 27 de setembro
a 8 de outubro de 2010.Podem os vendedores em potencial, por meio dos dados adquiridos e
interpretados, prepararem-se melhor para entrevistas sabendo previamente o que deles é esperado.
Por meio deste artigo pode-se saber também que a principal faixa etária com a qual estarão
competindo tem entre 18 e 30 anos. Conseguiu-se, com a pesquisa realizada identificar que em
ambos os municípios valoriza-se mais a convivência, desenvoltura e interesse, do que a própria
técnica. Assim, pode-se afirmar que estas características devem fundamentar o profissional de
vendas, que tem em Alegria e Crissiumal, semelhanças substanciais com o profissional de vendas
buscado nos grandes centros. Dito isto, denota-se uma necessidade que pode ser suprida não
apenas com profissionais experientes, mas também com aqueles que possuem empatia e vontade de
conquistar seu espaço no mercado.
Palavras-chave: Perfil, vendas, lojistas
Referências:
STEVENSON, William J., Estatística Aplicada à Administração – São Paulo: Harbra Ltda, 2001.
FUTRELL, Charles M., Vendas Fundamentos e Novas Práticas de Gestão – São Paulo: Saraiva, 2003.
- 217 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
VIEIRA, Sonia. Elementos de estatística. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2003.
ARA, Amilton Braio, 1949- Introdução à Estatísica/ Amilton Braio Ara, Ana Villares Musetti, Boris SchneidermanSão Paulo: Edgard Blücher: Instituto Mauá de Tecnologia, 2003.
REVISTA VENDA MAIS. Edição de Raúl Candeloro. Nº 153, Editora Qauntum, 2007.
ALMEIDA, Walnice. Captação e seleção de talentos/ Walnice Almeida.- São Paulo: Editora Atlas, 2004.
ANÁLISE DO CONHECIMENTO DAS EMPRESAS EM
RELAÇÃO AOS DANOS CAUSADOS PELO LIXO
ELETRÔNICO AO MEIO AMBIENTE
De: GIOVANNA PAVAN BOTERO ([email protected]), CATIANE ELIS WINCKELMANN
([email protected]), JÚLIA CRISTINA STURM ([email protected]) Orientado por: JUSSARA ROSANELLI
DALLA COSTA ([email protected])
O trabalho tem como foco analisar o conhecimento das empresas sobre os danos causados pelo
lixo eletrônico ao meio ambiente, a pesquisa foi realizada no município de Três de Maio RS em 7
empresas escolhidas aleatoriamente entre as de maior destaque. Segundo relatório publicado pela
ONU , o Brasil é o maior produtor de lixo eletrônico entre os países emergentes. Este lixo possuí
vários componentes tóxicos em sua composição, o que leva a ser um grande poluidor. Segundo
Patella (2010) é considerado lixo eletrônico: pilhas, eletrodomésticos, equipamentos de informática,
lâmpadas florescentes, equipamentos de telecomunicações entre outros. Neste contexto, verificou-se
a necessidade deste estudo nestas empresas que são referência no município. O objetivo do trabalho
foi diagnosticar aspectos positivos e pontos a melhorar nas empresas pesquisadas. Como objetivos
específicos procuraram-se identificar se essas empresas têm conhecimento do que é o lixo
eletrônico, quais aparelhos compõe esse lixo, averiguar se as mesmas têm conhecimento sobre os
componentes tóxicos existentes nesses resíduos e analisar se estas dão o destino correto ao material
a ser descartado. Neste estudo optou-se pela abordagem quali-quantitativa. A partir da análise dos
resultados verificou-se que 100% das empresas entrevistadas têm conhecimento sobre o que é
considerado lixo eletrônico segundo o conceito de Patella (2010). Quanto ao destino dado aos
residuos, grande parte das empresas devolve o lixo gerado a empresa fornecedora do equipamento
antigo ou então do novo, que realiza o devido descarte. Sobre o conhecimento com relação a
existência de componentes tóxicos 85,7% das empresas têm ciência desses danos. As empresas
foram questionadas sobre a participação em projetos sociais, 3 das 7 empresas entrevistadas
possuem ou fazem parte de algum projeto. Pensando nas consequências que o descarte incorreto do
lixo eletrônico pode causar ao meio ambiente é que a análise do conhecimento das empresas com
relação ao danos causados pelo lixo eletrônico foi direcionada à percepção das ações tomadas pela
empresa. Ao término deste trabalho concluímos que as empresas têm conhecimento sobre os danos
causados ao meio ambiente. Percebemos que a consciência ambiental está presente nas ações
realizadas pela empresa, pois a maioria possuí ou esta envolvida em projetos de preservação. Além
disso, todas as empresas entrevistadas demonstram interesse e disponibilidade em se adequar ao
correto descarte do lixo eletrônico. Diante disso, o grupo propõe sugestões que podem auxiliar as
empresas na preservação ambiental, incentivando a busca por sustentabilidade e ações conscientes.
A parceria entre governo e empresa possibilita a criação de programas sociais e ambientais, como
exemplo, a montagem de salas de inclusão digital e cursos de manutenção de computadores para
jovens carentes utilizando material e máquinas doados pelas empresas.
Palavras-chave: Meio ambiente, Lixo eletrônico, Ação social
Referências:
LOURENÇO, Alex Guimarães, et al. Responsabilidade Social das Empresas. 2ª Edição. São Paulo: Editora
Peirópelis, 2003.
- 218 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
SÀNCHEZ, Luis Enrique. Avaliação de Impacto Ambiental Conceitos e Métodos. 1ª Edição. São Paulo: Editora
Oficina de Textos, 2008.
DIAS, Reinaldo. Gestão Ambiental e Sustentabilidade. 1ª Edição. São Paulo: Editora Atlas, 2007.
PHILIPPI Jr., Arlindo, et al. Curso de Gestão Ambiental. 1ª Edição. Barueri: Editora Manole, 2004.
COLLIS, Jill, HUSSEY, Roger. Pesquisa em Administração. 2ª Edição. -: Editora Bookman, 2005.
Periódico
PATELLA, Luciana. Resíduos de Computadores. Por que os equipamentos que facilitam a vida moderna podem
ser os vilões do futuro. Revista Mensal do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Rio
Grande do Sul, N. 73, p. 18-19, set. 2010.
ÍNDICE DE CONFIANÇA DO CONSUMIDOR DO MUNICÍPIO
DE NOVA CANDELÁRIA
De: ANGÉLICA BACKES ([email protected]), MONICA DANIELA STUDT, LUÍS CLAUDIO EIFERT,
Orientado por: LUÍS CARLOS ZUCATTO, DOUGLAS FAORO ([email protected])
Este trabalho tem por objetivo verificar o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) do município
de Nova Candelária – RS. Para a realização deste estudo foi utilizado o método quantitativo e a
abordagem qualitativa, o processo corresponde a pesquisas bibliográficas em livros e sites, quanto às
técnicas foram utilizadas a de coleta de dados e análise de dados, através da aplicação de um
questionário contendo 11 perguntas de múltipla escolha, sendo entrevistados 162 munícipes em três
etapas, do período de setembro a novembro de 2010. Para analisar os dados da pesquisa, foram
utilizados os métodos de aplicação da freqüência estatística e correlacionamento linear. Com a
pesquisa do ICC de Nova Candelária – RS pode-se verificar e conhecer as características do perfil do
consumidor do município analisado, saber quais fatores internos e externos influenciam no momento
da compra de eletrodomésticos, móveis e outros bens de consumo, também que perspectivas
possuem quanto suas condições financeiras sua e da sua família, oportunidades de emprego na sua
área, condições de negócios para os próximos doze meses, condições econômicas para os próximos
cinco anos no país e, se acreditam que a condição financeira familiar irá melhorar. Pode-se afirmar
que alguns fatos, que envolveram expectativas e incertezas, como a venda de uma empresa no
município para uma multinacional e as eleições 2010, influenciaram em parte as percepções e
perspectivas dos consumidores. Contudo, o consumidor Novo-candelariense demonstrou-se positivo
nas três etapas da pesquisa, com opiniões que elevam o ICC, demonstrando serem um povo otimista
e confiante.
Palavras-chave: Índice de Confiança do Consumidor, Nova Candelária – RS.
Referências:
BENTES, Fábio Gomes Morand. O poder preditivo do índice de confiança do consumidor no Brasil: uma análise
através de vetores auto-regressivos. Disponível em: <http://dominiopublico.qprocura.com.br/dp/27858/o-poderpreditivo-do-indice-de-confianca-do-consumidor-no-brasil-uma-analise-atraves-de-vetores-autoregressivos.html>.
Acesso em 18 nov. 2010.
CZINKOTA, Michael R. Marketing: as melhores práticas / Michael R. Czinkota ... [et al]; trad. Carlos Alberto
Silveira Netto Soares e Nivaldo Montingelli Jr. - Porto Alegre: Bookman, 2001.
GREGÓRIO, Sérgio Biag. 2002. Atitude e comportamento. Disponível em:
<http://www.ceismael.com.br/artigo/artigo057.htm>. Acesso em: 23. out. 2010.
LOVATO, Adalberto; EVAGENLISTA, Mário Luiz Santos; GÜLLICH, Roque Ismael da Costa. Metodologia da
pesquisa: normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. Três de Maio: Ed.
SETREM, 2007.
- 219 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
LUPPA, Luis Paulo. Porque será que os clientes vivem indo e vindo? Revista venda mais. Editora Quantum,
2008.
MATARAZZO, Dante C.; Análise financeira de balanços: abordagem básica e gerencial. São Paulo: Atlas, 1998.
MOREIRA, Júlio César Tavares et. al. Administração de vendas. São Paulo. Ed. Saraiva, 2005.
OLIVEIRA, Djalma De Pinho Rebolças De. Uma abordagem gerencial. São Paulo. Ed. Atlas, 2004.
OLIVEIRA, Francisco Estevam Martins De. Índice de Confiança do Consumidor. Disponível em:<
http://www.sesc-ce.com.br/content/aplicacao/ipdc-ce2/2005conteudo/iecc/2010_01_indice_de_confianca_do_consumidor.pdf>. Acessado em: 20 out. 2010.
PASSOS, Carlos Roberto Martins; NOGAMI, Otto. Princípios de Economia. 5. Ed. São Paulo: Thomson Learning,
2006.
PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA CANDELÁRIA, 2010.
TRIOLLA, Mario. Introdução à Estatística. 7. Ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos Editora S.A., 1999.
VILHENA, João Batista. Século XXI: a era do vendedor ou o vendedor já era? Disponível em:
<http://www.consultores.com.br/artigos.asp?cod_artigo=178>. Acesso em: 18 set. 2010.
PESQUISA DE MARKETING REFERENTE AO
POSICIONAMENTO DE MARCA DE UMA LOJA DE
MATERIAL ELÉTRICO, HIDRÁULICO, DE CONSTRUÇÃO E
DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO
De:
CAMILA
WOLLMUTH
([email protected]),
JESSICA
CAPELETTI
([email protected]), PRISCILA CAVALLINI ([email protected]), DAGIELE BEATRIZ
FRITSCH ([email protected]), JESSICA CAPELETTI ([email protected]), Orientado por:
SANDRO ERGANG ([email protected]), SANDRO ERGANG ([email protected])
Este estudo foi realizado em uma empresa do município de Três de Maio que atua no ramo de
comércio de materiais elétricos, hidráulicos, de construção e de prestação de serviços. O objetivo do
estudo foi pesquisar e analisar o posicionamento da marca da loja de material elétrico, hidráulico, de
construção e de prestação de serviço. A partir da formulação de um plano de marketing para a
empresa, verificou-se algumas necessidades de melhorias no layout, e no posicionamento de
marketing da instituição, para a obtenção de dados foi realizada uma pesquisa de marketing para
verificar o posicionamento atual da empresa no mercado local. A metodologia utilizada foi a pesquisa
exploratória com abordagem não probabilística por conveniência, para o tratamento dos dados
apoiou-se nas técnicas de análise de dados quantitativa, e foram elaborados gráficos para a análise
de resultados. Foram aplicados 253 questionários no município de Três de Maio – RS, durante o mês
de novembro de 2010. O referencial teórico utilizado foi o marketing de relacionamento,
posicionamento de marca, mix de marketing e os fatores de diferenciação. Os resultados obtidos
demonstram que a empresa aparece em segundo lugar como a empresa mais lembrada pelos
entrevistados, porém 63% reconhecem a marca como empresa de geração e distribuição de energia
elétrica, e não como loja de matérias e prestação de serviço. Em relação a preço, qualidade e
atendimento a empresa aparece em segundo lugar em relação à concorrência, nos requisitos de
localização e infra-estrutura a empresa ocupa a terceira posição. Em relação à melhor empresa em
divulgação e propaganda verificou-se que é o principal ponto a ser melhorado, pois enquanto a
concorrência apresenta índices de 47% e 32%, a empresa analisada possui apenas 14% de
eficiência. Com base nos resultados apurados, conclui-se que a empresa está bem posicionada no
mercado e possui uma marca de credibilidade e confiança, porém precisa investir mais em divulgação
- 220 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
e propaganda, a fim de colocar em evidência seus produtos e promoções. Sugere-se o uso de
encartes, propagandas de rádio e de jornal, bem como a criação de uma marca que identifique a loja,
distinguido-a dos demais ramos em que a empresa atua.
Palavras-chave: Marca, marketing, posicionamento.
Referências:
AAKER, David A., KUMAR V., DAY George S., Trad. MARCONDES, Reynaldo Cavalheiro. Pesquisa de
Marketing. 2° Ed. São Paulo: Editora: Atlas, 2004.
AAKER, David A., Trad. ANDRADE, André. Marcas Brand Equity Gerenciando o Valor da Marca. 14° Ed. São
Paulo: editora: elsevier, 1998.
AAKER, David A., JOACHIMSTHALER, Erich. Trad. GRASSI, Daniel. Como Construir Marcas Líderes. Porto
Alegre: Editora Bookman, 2007.
KAPFERER, Jean Noël. Trad. RYNGELBLUM, Arnaldo. As Marcas Capital da Empresa: Criar e Desenvolver
Marcas Fortes. 3° Ed. Porto Alegre: Editora Bookman, 2003.
KOTLER, Philip. Administração de Marketing: Análise, planejamento, implementação e controle. 5º Ed. São
Paulo: editora Atlas, 1998.
LAMB, Charles W., HAIR, Joseph F., MCDANIEL, Carl. Trad. MIQUELINO, Luciano Penteado. Princípios de
Marketing. 2º Ed. São Paulo: editora Thomsom, 2004.
LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Administração de Marketing: Conceitos, planejamento e aplicações à realidade
brasileira. São Paulo: editora Atlas, 2006.
FERREL, O. C., HARTLINE, Michael D. Trad. SILVA, Mauro de Campo, GALMAN, Roberto. Estratégias de
Markentig. 3º Ed. São Paulo: editora Thomsom, 2005.
- 221 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
ANÁLISE DOS VALORES DE PRODUTOS DE
NECESSIDADE BÁSICA NO MUNICÍPIO DE HORIZONTINARS
De: VALMIR ANDRÉ WEBER (), ALANA RAQUEL MONTEIRO ([email protected]), DAIANE PATRICIA
MESSER ([email protected]) Orientado por: LUÍS CARLOS ZUCATTO ([email protected])
O presente artigo tem como objetivo fazer a análise dos preços dos produtos que compõem a
cesta básica no município de Horizontina-RS no período de agosto à novembro. Para a obtenção dos
resultados e informações foram utilizados os métodos caracterizados por uma abordagem
quantitativa, com procedimentos de pesquisa de forma comparativa onde os resultados obtidos são
comparados aos diversos períodos estudados e aos valores da cesta básicas das capitais dos
estados brasileiros. Podemos destacar também como objetivo deste trabalho, efetuar a verificação do
custo de que precisamos desprender para adquirirmos produtos de necessidade básica, como
também fazer uma referência quanto ao salário mínimo nacional e sua evolução. Os levantamentos e
análises foram verificados mensalmente, tendo como base os produtos definidos pela pesquisa do
DIESSE. Pode-se verificar em relação ao preço que o valor total da cesta básica no município de
Horizontina-RS é superior em relação aos preços encontrado nas capitas estudadas com um
aumento gradativo nos períodos pesquisados e é necessário em torno de 64% de um salário mínimo
nacional para adquirir os produtos básicos para alimentação, higiene pessoal e limpeza doméstica.
Palavras-chave: Cesta básica, preço, análise.
Referências:
BENDER, Cintia Maísa, FEIX, Rodrigo Daniel, Inflação e custo da cesta básica no município de Horizontina,
Protestantismo em Revista, São Leopoldo, RS, v.20, set.-dez. 2009.
Dados do valor da cesta básica de São Paulo-SP_ Disponível em:
<http://www.dieese.org.br/rel/rac/traset10.xml#SAMPA> Acesso em Agosto de 2010.
Dados do valor da cesta básica de Porto Alegre-RS_ Disponível em:
<http://www.dieese.org.br/rel/rac/traset10.xml#POA> Acesso em Agosto de 2010.
Dados do valor da cesta básica de São Paulo-SP_ Disponível em:
<http://www.dieese.org.br/rel/rac/traout10.xml#SAMPA> Acesso em Setembro de 2010.
Dados do valor da cesta básica de Porto Alegre-RS_ Disponível em:
<http://www.dieese.org.br/rel/rac/traout10.xml#POA> Acesso em Setembro de 2010.
Dados do valor da cesta básica de São Paulo-SP_ Disponível em:
<http://www.dieese.org.br/rel/rac/tranov10.xml#SAMPA> Acesso em Outubro de 2010.
Dados do valor da cesta básica de Porto Alegre-RS_ Disponível em:
<http://www.dieese.org.br/rel/rac/tranov10.xml#POA> Acesso em Outubro de 2010.
Dados do valor da cesta básica de São Paulo-SP_ Disponível em:
<http://www.dieese.org.br/rel/rac/tradez10.xml#SAMPA> Acesso em Novembro de 2010.
Dados do valor da cesta básica de Porto Alegre-RS_ Disponível em:
<http://www.dieese.org.br/rel/rac/tradez10.xml#POA> Acesso em Novembro de 2010.
Dados do valor da cesta básica_ Disponível em: <http://www.procon.sp.gov.br/categoria.asp?id=111> Acessado
em Agosto, Setembro, Outubro e Novembro de 2010.
- 222 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Dados sobre o salário mínimo nacional_ Disponível em: <http://www.dieese.org.br/rel/rac/salminMenu09-05.xml>
Acessado em Agosto, Setembro, Outubro e Novembro de 2010.
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto. EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
Pesquisa: Normas para apresentação de trabalhos: Redação, formatação e editoração. Três de Maio: Ed.
SETREM, 2007.
LOGISTICA REVERSA
De:
REGINA
SMANEOTO
([email protected]),
RODRIGO
SCHEFFLER
([email protected]), MICHELE ALEXANDRETE ([email protected]), Janice Marchalek
Mireski
([email protected])
Orientado
por:
ALEXANDRE
CHAPOVAL
NETO
([email protected]), Alexandre Matjie ([email protected])
O artigo discorre sobre um aspecto da logística reversa que se preocupa com o retorno de
produtos, materiais e embalagens para a empresa. Com o aumento de produtos com vida útil menor,
aumenta-se o número de resíduos gerados, e com isto chega-se ao esgotamento da capacidade dos
sistemas tradicionais de disposição de resíduos, sendo necessário que surja alternativa para a
destinação final de bens de pós-consumo, a fim de minimizar o impacto ambiental gerado pelos
mesmos. Esse é um elemento importante para o planejamento estratégico das empresas,
estabelecendo dessa forma programas e regras de gestão de resíduos sólidos e propiciando a
melhoria de seus canais reversos, minimizando assim os impactos negativos de seus produtos e
processos no meio ambiente. A logística reversa vem demonstrando suas aplicabilidades e interesse
em diversos setores da empresa e apresentando possibilidades de novos negócios na logística
reversa, criando uma nova área dentro da logística. Alguns sistemas logísticos dependem da cadeia
de suprimentos para ir do ponto de origem ao ponto de destino, como no sistema do controle da
produção e das fontes, onde um fluxo reverso retorna de um ponto e é o reconhecimento para o envio
e o retorno desta ao mesmo, com outro tipo de produto ou similar.A partir dos anos 90 com a
constante preocupação sobre a utilização dos recursos naturais, assim como o acúmulo de produtos
industrializados nos grandes centros. As grandes empresas passaram a ser as culpadas pela
sociedade por este problema. As organizações passaram a ter uma nova preocupação, como seria
possível encontrar a resolução para esta situação sem gerar aumento de custos e despesas. Com o
advento deste cenário surgiu o conceito de Logística Reversa. Define-se como logística reversa, a
área que planeja, opera e controla o fluxo, e as informações logísticas correspondentes ao retorno
dos bens de pós-venda e de pós-consumo ao ciclo de negócios ou ao ciclo produtivo, através dos
canais de distribuição reversos, agregando-lhes valor de diversas naturezas: econômico, ecológico,
legal, competitivo, de imagem corporativa, dentre outros. Enquanto a logística tradicional trata do
fluxo dos produtos fabrica x cliente, a logística reversa trata do retorno de produtos, materiais e peças
do consumidor final ao processo produtivo da empresa. Desde seu transporte de produtos
agrotóxicos, pois existe uma certificação necessária para que ele possa ser embalado, transportado e
disposto de maneira adequada. Essa certificação tem influencia em todo o processo logístico das
embalagens, procurando o melhor manuseio e guarda dos resíduos recicláveis, utilizando contêineres
e paletes. As legislações mais severas e a maior consciência do consumidor sobre danos ao meio
ambiente estão levando as empresas repensarem sua responsabilidade sobre seus produtos após o
uso, por isso busca através de campanhas sociais para com o meio ambiente.
Palavras-chave: Cliente, Logística Reversa, Embalagens.
Referências:
http://www.revistaportuaria.com.br/site/?home=artigos&n=zTq&t=logistica-reversa-reversa-logistica, acessado em
24 de maio de 2011.
Disponível em: http://www.ogerente.com.br/log/log-dt-logrev.htm, acessado em 24 de maio de 2011.
Disponivel em: eco.unne.edu.ar/contabilidad/costos/VIIIcongreso/081.doc acesso 02 de junho 2011.
Disponivel em: http://www.ogerente.com.br/log/dt/logdt-an-logistica_reversa_brasil.htm, acessado em 02 de
- 223 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
junho de 2011.
Disponivel em: http://cooperativacrescer.blogspot.com/2011/06/logistica-reversa-tudo-se-transforma.html,
acessado em 02 de junho de 2011.
FILHO, José Vicente Caixeta; MARTINS, Ricardo Silveira; Gestão logística do transporte de cargas. Editora
Atlas: São Paulo, 2011.
NOVAES, Antonio Galvão; Logística e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição: Estratégia, Operação e
Avaliação. 3° tiragem. Editora Campus: Rio de Janeiro, 2001.
POZO, Hamilton; Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais: uma abordagem logística. 3ºed. Editora
Atlas: São Paulo, 2004.
ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS CLIENTES DA EMPRESA
DI CEZAR MODA COURO E CONFECÇÕES
De: NELISSE DO CARMO ([email protected]), DARLEIA SARTOR ([email protected]), GRAZIELI
MARIA LIVISKI ([email protected]), ODAIR JOSE GUNSCH DE ALMEIDA ([email protected])
Orientado por: SANDRO ERGANG ([email protected])
A presente pesquisa tem como objetivo analisar a percepção dos clientes da empresa Di Cezar
Moda Couro e Confecções. A empresa está situada no município de Três de Maio, a qual possui uma
fábrica onde são feitos artigos de couro, como casacos, jaquetas, bolsas, carteiras e também possui
a loja, onde são vendidos estes artigos, porém também são vendidos outros tipos de produtos do
vestuário. O problema levantando pela pesquisa refere- se a como os clientes vêem a empresa, como
hipótese acredita- se que muitas pessoas deixam de ir à empresa por achar que somente
encontraram artigos de couro. Já que a mesma atua há mais tempo neste ramo e tornou-se
conhecida pelo mesmo. Para a realização da pesquisa foram aplicados questionários na cidade de
Três de Maio, contendo questões fechadas e abertas, direcionando os entrevistados a responder,
qual sua percepção em relação a Di Cezar Moda Couro e Confecções. O método utilizado para
desenvolver a pesquisa foi o descritivo, o qual segundo Roesch (1996) é aquele que descreve o
comportamento dos fenômenos, é usado para identificar e obter informações sobre as características
de um determinado problema ou questão. A abordagem utilizada é a quali-quantitativa, na qual o
método qualitativo é mais subjetivo e envolve examinar e refletir as percepções para se obter um
entendimento de atividades sociais e humanas, e o método quantitativo cujo objetivo por natureza, é
focado na mensuração dos fenômenos.Uma das hipóteses levantadas pelo grupo era de que a
empresa estava deixando de vender seus produtos, porque grande maioria dos clientes acreditava
que somente encontraria artigos de couro. Quando perguntados se tinham conhecimento de que a
empresa vendia outros produtos além de artigos de couro, 55% das pessoas responderam que sim, e
45% responderam que não. Ou seja, a hipótese se confirmou, pois 45% é um número relativamente
alto, isso quer dizer que quase metade das pessoas entrevistadas não sabia que a empresa vendia
outros produtos além de artigos de couro. O grupo deixa de sugestão para a empresa que seja feito
uma separação do nome fantasia. Deixando o nome Di Cezar Moda Couro apenas para a fábrica e
colocando outro nome na loja de confecções. Inicialmente para preservar a marca Di Cezar Moda
Couro, que já que a mesma adquiriu seu espaço no mercado e tornou- se conhecida, e depois para
fazer o mesmo com a loja de confecções.
Palavras-chave: percepção, clientes, artigos de couro.
Referências:
DIAS, Sergio Roberto. Gestão de Marketing. São Paulo: Editora Saraiva, 2003.
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa. LOVATO, Adalberto. EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
Pesquisa: normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. Três de Maio: Ed.
SETREM, 2007.
- 224 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
MALHOTRA, Naresch. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. Porto Alegre: editora Bookman, 4ª
edição, 2006.
ANÁLISE DE COMPORTAMENTO DOS CONSUMIDORES
DO LABORATÓRIO DE VENDAS DA AGROINDUSTRIA –
SETREM
De:
FRANZELI
INES
KASPARY
([email protected]),
CRISTIANE
LIANE
([email protected]) Orientado por: LUÍS CARLOS ZUCATTO ([email protected])
ZINGLER
O objetivo deste estudo é identificar a demanda de produtos lácteos e verificar o grau de
conhecimento sobre o Laboratório de Vendas SETREM buscando identificar os fatores que
influenciam no processo de decisão de compra. A abordagem utilizada é a pesquisa quantitativa, que,
segundo Collis e Hussey (2005), envolve coletar e analisar dados numéricos e aplicar testes
estatísticos, busca de dados bibliográficos na qual referenciou-se autores para fundamentar a
veracidade dos dados. O método para o estudo da pesquisa definiu-se com o estudo de caso, com
observação direta, através de abordagem para aplicação de questionários, sendo essencial a
comunicação e ainda o uso de formulário eletrônico. A análise apresenta-se em forma de gráficos
sendo adotada a técnica de freqüência estatística. A teoria básica do estudo partiu da administração
de materiais VIANA (2002), demanda por PASSOS (2006), e estoque CHIAVENATO (2005), para o
método de estudo orientou-se na teoria de COLLIS e HUSSEY (2005) e EVANGELISTA (2007). A
pesquisa realizada com professores, funcionários e clientes do laboratório de vendas, com um total
de 164 respondentes, revela que apenas 2% não conhece o Laboratório de Vendas e que 45%
compra uma vez por semana seguida de três vezes, pode-se verificar que a seqüência de compra
não é muito freqüente, sendo 40 % professores e 37 % funcionários, dos quais 42 % tem renda média
familiar de mais de 4 salários mínimos Na pesquisa direcionada para os alunos do ensino superior e
cursos técnicos, com 64 formulários preenchidos, verificou-se 55% conhecem o Laboratório de
Vendas, sendo que 92 % pelo menos já ouviram falar dos produtos, dos quais apenas 39 % dos
mesmos consomem os produtos, no que se refere quanto ao horário de atendimento, 75% acreditam
que se o mesmo permanecesse aberto em horário diferenciado estariam consumindo os produtos.
Pode-se assim investir em um horário diferenciado para alcançar um novo público antes pouco
explorado, pois como pode se verificar que existe um grande consumo de produtos lácteos por parte
da amostra em análise. Ao concluir a pesquisa pode-se verificar como é importante ter conhecimento
dos fatores que influenciam no processo de decisão de compra, a busca constante de informações
através de pesquisas e feedback dos clientes é necessária para um constante aperfeiçoamento da
empresa, pode o mesmo ser realizado de várias formas, conforme as necessidades, obtendo
resultados concretos, para que a empresa possa se consolidar no mercado, atingindo assim também
a expectativa em relação aos resultados obtidos e trazendo retorno financeiro à mesma.
Palavras-chave: Administração de Materiais, demanda, estoque.
Referências:
CHIAVENATO, Idalberto. Administração de materiais: uma abordagem introdutória – Uma abordagem
introdutória. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.
COLLIS, Jill; HUSSEY, Roger. Pesquisa em Administração: um guia prático para alunos de graduação e pósgraduação. Trad. Lucia Simonini. – 2.ed. – Porto Alegre: Bookman, 2005.
EVANGELISTA, Mario dos Santos. GÜLLICH, Roque Ismael da Costa. LOVATO, Adalberto. Metodologia da
Pesquisa: normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. 2ª Ed. Três de Maio:
Setrem, 2007.
PASSOS, Carlos Roberto Martins; NOGAMI, Otto. Princípios de economia 5. Ed. Ver. São Paulo: Thomson
Learning, 2006.
VIANA, João José. Administração de materiais: um enfoque prático - São Paulo: Atlas, 2002.
- 225 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
MELHORIA DO PROCESSO NO SETOR DE PINTURA UV,
COM VISTA A COMBATER O DESPERDÍCIO
De: ANGELICA LEHNHARDT ([email protected]), GRACIELE CRISTINA WIEGERT
([email protected]), SILVIA DENISE MACHADO ([email protected]) Orientado por: ALEXANDRE
CHAPOVAL NETO ([email protected])
O artigo refere-se à melhoria do processo de pintura UV em uma indústria moveleira, no
Município de Três de Maio – Rio Grande do Sul. O estudo objetivou analisar e propor melhorias,
reduzindo o retrabalho e o desperdício. Os recursos que a administração da produção direciona nos
setores de produção das empresas, garantem a melhoria do processo produtivo, através do tempo
utilizado para a operacionalização das tarefas, também na mão-de-obra e na matéria-prima
disponibilizada e nos demais custos envolvidos, propiciando dessa forma identificar, diminuir e
eliminar o retrabalho combatendo desperdícios. Nos dias atuais se torna essencial a utilização de
métodos de organização e de sistematização mais adequados e eficazes para com a realidade do
mercado competitivo, que exige cada vez mais a padronização, a redução de custos, resultados mais
precisos e imediatos. Diante desse contexto desenvolveu-se o acompanhamento do processo
produtivo no setor de pintura UV, para compilar dados que viessem a contribuir com a proposição de
melhorias significativas e mensuráveis a empresa. Sendo então utilizada a abordagem qualiquantitativa, estudo dedutivo, procedimento descritivo e comparativo através do levantamento
fotográfico e da pesquisa bibliográfica, da coleta dos dados onde se realizou entrevista não
estruturada e posteriormente a análise do processo, pois, a intenção é obter um conhecimento
profundo de uma realidade delimitada. A partir do conhecimento do nível de retrabalho no setor de
pintura UV foi realizada uma análise para elencando as possíveis causas do mesmo, sendo que
resultado obtido revela que a empresa em estudo possui significativas causas de retrabalho nos m²
de sua produção, ou seja, o desenvolvimento do trabalho proposto através da prática surtiu de
maneira positiva para com os resultados finais apresentando relativo grau de importância. Sugere-se
então para a empresa investir em treinamento dos colaboradores e melhorar suas instalações no
ambiente de trabalho. Por isso ao finalizar o presente estudo percebe-se como é fundamental e de
relativa importância a empresa organizar o seu sistema produtivo de maneira que o mesmo tenha
condições para reduzir custos, regularizar o seu estoque e também o tempo a ser otimizado na
realização das tarefas que envolvem o processo produtivo de determinado produto ou serviço na
linha de pintura.
Palavras-chave: Setor de Pintura UV, Processo e Retrabalho.
Referências:
ANTONIO, Charbel Atalla. Plano de Ação. Disponível em: <http://www. webartigos. com/articles/2032/1/5w1h-Como-Fazer-Um-Plano-De-Accedilatildeo/pagina1. html#ixzz2MqpicVC0 >Acesso em: 16 maio 2011.
BARRETO, Juliana Menna. Análise de falhas no processo logístico devido a falta de um controle de qualidade.
Disponível em:
http://scholar.google.com.br/scholar?q=Controle+da+produ%C3%A7%C3%A3o+em+uma+empresa+moveleira&h
l=pt-BR&btnG=Pesquisar&lr= > Acesso em: 09 maio. 2011.
COLLIS, Jill; HUSSEY, Roger. Pesquisa em Administração: Um guia prático para alunos de graduação e pósgraduação. 2ª ed. Porto Alegre: Boockman, 2005.
DAVIS, Mark. M; AQUILANO, Nicholas. J; CHASE, Richard. B. Fundamentos da Administração da Produção.
3.ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.
ESCORSIM, Sérgio; KOVALESKI, João Luiz; REIS, Dalcio Roberto dos. Evolução conceitual da Administração
da Produção. Disponível em:<http://web01.unicentro.br/revistas/index.php/capitalcientifico/article/view/613/746>
Acesso em: 25 abril.2011.
- 226 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
FARIA, Caroline. Fluxograma. Disponível em: < http://www.infoescola. com/ administracao_/fluxograma/ >Acesso
em: 15 maio. 2011.
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário dos
Santos. Metodologia da Pesquisa: normas para a apresentação de trabalhos:
redação, formatação e editoração. Três de Maio: Ed. SETREM, 2007.
MARTINS, Petrônio.G; LAUGENI, Fernando. P. Administração da Produção. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2005.
MASTER, René. Sistema Produtivo e a necessidade do Plano de Produção. Disponível
em:<http://pt.shvoong.com/business-management/management/1655100-sistema-produtivo-necessidade-planoprodu%C3%A7%C3%A3o/ > Acesso em: 15 maio.2011.
NUNES, Paulo. Termo: Diagrama de Pareto. Disponível em: <http://www.knoow .net/ cienceconempr/gestao/
diagramadepareto. htm >Acesso em: 15 maio. 2011.
OLIVEIRA, Silvio Luiz de. Tratado de Metodologia Científica. São Paulo: Pioneira,
1999.
VINÍCIUS, Marcos. Aumento da competitividade através do combate aos desperdícios de produção. Disponível
em: <http://www.administradores. com.br/informe-se/artigos/aumento-da-competitividade-atraves-do-combateaos-desperdicios-de-producao/13139/ > Acesso em: 15 maio. 2001.
DEFINIÇÃO DE PERFIL DO CONSUMIDOR DA EMPRESA
LOJÃO ECONÔMICO
De: MARIANA BOZ ([email protected]), JAKELINE ANDRESSA SCHULTZ ZINGLER
([email protected]), GABRIEL BERNARDI DE OLIVEIRA ([email protected]), FABIO
RODRIGO CHRIST () Orientado por: SANDRO ERGANG ([email protected])
O objetivo desse trabalho é identificar qual é realmente o público alvo da empresa em estudo,
pois em um ambiente de incertezas e turbulências é necessário que uma empresa estruturada tenha
em mente qual é realmente seu público alvo. Este estudo auxiliará os proprietários a identificar as
necessidades e oportunidades de produtos gerados para um determinado público, trazendo
benefícios financeiros para a empresa e satisfazendo o cliente. A pesquisa foi desenvolvida na
empresa Lojão Econômico, que está localizada na cidade de Três de Maio – RS, tendo como sócios o
Sr. Alércio José Christ e sua esposa Sra. Salete Kist Christ, sendo caracterizada como uma empresa
familiar.Seus principais produtos são brinquedos, material escolar, livraria, bazar, doces e artigos de
presentes.As vendas da empresa têm um aumento principalmente em datas comemorativas, com
isso percebendo a necessidade de identificar o perfil do consumidor, focando para que assim possa
satisfazer os seus clientes com produtos que supram suas necessidades e atendam suas
expectativas. A pesquisa foi aplicada de 01 a 15 de novembro de 2010, sendo a pesquisa de caráter
qualitativo, os dados foram coletados com o auxilio de um questionário de oito questões, que foram
distribuídos para todos os clientes que vinham até a loja para realizar suas compras. Após o
questionário aplicado, os dados coletados constituíram uma importante ferramenta para os
proprietários da empresa, que preocupados com a satisfação dos seus clientes, poderão dispor de
produtos que realmente supram as necessidades de seus reais fregueses, com artigos que
satisfaçam suas expectativas. Diante do resultado da pesquisa, destacou-se a mulher como a
principal consumidora, com uma idade entre 20 e 29 anos, que reside no município de Três de Maio,
que busca produtos para seu lar, e que gasta em média em cada uma de suas visitas em torno de
R$6,00 a R$ 30,00, com uma freqüência de 1 a 4 vezes por mês. Questionou-se tambem para quem
será os produtos que ela adquire, notou-se que a diferença entre opções é pequena, mas ficou entre
para o lar, para presentear alguém ou para elas mesmo, e o que leva elas a procurar os produtos é a
diversidade e o preço. A partir disso a empresa pode identificar o seu público alvo, assim poderá
realizar um trabalho mais focado nesse público, para que seja um destaque entre as demais
empresas do ramo, na região e também poderão ter resultados financeiros maiores. Portanto, como
- 227 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
sugestão de melhoria para a empresa,sugere-se que a mesma possa realizar promoções em épocas
diversificadas, evidenciando os produtos de bazar, para que supram as necessidades de suas fiéis
consumidoras, que são seu principal público alvo.
Palavras-chave: perfil do consumidor, marketing e público alvo.
Referências:
AAKER, David A. Pesquisa de Marketing: São Paulo: 2º Ed. Atlas, 2004.
BENATTI, Felício P. Perfl do mercado consumidor. Ed. Nobel, 1975.
DIAS, Sérgio Roberto. Gestão de marketing: professores do departamento de mercadologia da FGV-EAESP e
convidados / Sérgio Roberto Dias (Coord.). Ed. Saraiva, 2006.
FERRELL, O.C.; HARTLINE, Michael D.; Estratégia de Marketing, 2005.
KARSAKLIAN, Eliane; Comportamento do consumidor, São Paulo, Editora Atlas S.A., 2000.
LOVATO, Adalberto. Metodologia da pesquisa: normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e
editoração. Ed. Setrem, 2007.
MALHOTRA, Naresh K. Pesquisa de Marketing: Uma Orientação Aplicada. 4º Ed. – Porto Alegre: Bookman,
2006.
ANÁLISE DA NECESSIDADE DO CONSUMO DE AR
CONDICIONADO
De: MARIANA BOZ ([email protected]), ALINE WITCZAK ([email protected]), TIAGO
CORACINI ([email protected]), GRAZIELI MARIA LIVISKI ([email protected]) Orientado
por: VALSENIO GAELZER ([email protected])
Devido a tantas mudanças que estamos vivenciando, a todo o momento nos surge praticamente
como obrigação o fato de precisarmos de maneiras para tornar nossas casas mais arejadas e com
uma maior comodidade tanto no verão quanto no inverno.O objetivo desse trabalho é a análise da
necessidade do consumo do ar condicionado nos lares dos munícipes da cidade de Três de Maio. A
pesquisa foi desenvolvida no período de agosto a outubro de 2010, sendo uma pesquisa de caráter
quali-quantitativa, os dados foram coletados através de um questionário que foi entregue aos
acadêmicos do curso de bacharelado em administração residentes em Três de Maio. Com essa
análise é possível obter o nível de consumo e quem são realmente as pessoas que mais procuram o
ar condicionado, e para qual a sua finalidade. Após a realização deste trabalho, conclui-se que este
aparelho está cada vez mais presente nas vidas das pessoas, sendo para um maior conforto ou
comodidade. Hoje em dia se faz cada vez mais necessário o uso do ar condicionado principalmente
pelos efeitos bruscos de temperatura. Este aparelho é um grande aliado para combater o calor e
aquecer no inverno. O uso do ar condicionado está mais voltado para a área doméstica, onde as
pessoas podem descansar, e usufruir deste aparelho que traz muito conforto. No decorrer da
pesquisa constatou-se que os entrevistados ressaltam a necessidade do uso do ar condicionado
principalmente no verão, pois as temperaturas estão cada vez mais altas, pelo grande aquecimento
global. Verificou-se também que em média o consumo do ar condicionado está em oito horas diárias,
o que leva a concluir que as pessoas utilizam o aparelho com maior freqüência durante as noites de
maior calor. Pode-se levar em consideração que ainda apenas as pessoas com uma maior renda
conseguem usufruir do conforto do aparelho de ar condicionado. Constatou-se que em alguns anos
este aparelho vai ser desfrutado por grande parte dos habitantes, pois as condições de compra estão
cada vez mais facilitadas, e se as temperaturas tendem a continuar em acréscimo também será uma
grande necessidade para conseguir-se amenizar as altas temperaturas.
Palavras-chave: Necessidade, Resultados, Consumo.
- 228 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Referências:
GULLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto. EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
Pesquisa: normas para apresentação de trabalhos: redação, formatação e editoração. Três de Maio: Ed.
SETREM, 2007.
Aquecimento Global. Disponível em:http\\www.suapesquisa.com/.../aquecimento_global.htm. Acesso em
01/10/2010.
Aquecimento Global. Disponível em: www.brasilescola.com ›... › Aquecimento Global. Acesso em 01/10/2010.
Conferência de Copenhaguecop.Disponível em: http\\www.ecodebate.com.br/.../compromissos-da-conferenciade-copenhaguecop-15-levarao-a-aumento-de-3-graus-na-temperatura/ . Acesso em 15/10/2010.
Mudanças Climáticas nos Últimos Tempos. Disponível em : http\\www.mundoeducacao.com.br › ... › Ecologia.
Acesso em 23/10/2010.
Mudanças Climáticas nos Últimos Tempos.Disponível em :
http\\www.wwf.pt/o_nosso.../alteracoes_climaticas/.Acesso em 23/10/2010.
Protocolo de Kyoto. Disponível em:http\\www.suapesquisa.com/.../protocolo_kyoto.htm.Acesso em 02/10/2010.
Protocolo de Bali. Disponível em: http\\ bali.blogs.sapo.pt/. Acesso em 10/10/2010.
Relacionamento de Marketing. Disponível em: http\\www.artigonal.com › Marketing.Acessoem 15/10/2010.
PESQUISA DA CESTA BÁSICA EM TRÊS DE MAIO - RIO
GRANDE DO SUL
De: RICARDO BOURSCHEID ([email protected]) Orientado
([email protected])
por:
LUÍS CARLOS ZUCATTO
Caracterizado como trabalho original, este artigo tem como tema o estudo da cesta básica em
Três de Maio, Rio Grande do Sul. O problema de pesquisa é a inexistência de um estudo
aprofundado desta natureza no município, que, ao levar-se em consideração a importância
socioeconômica da análise da cesta, justifica este trabalho. Tem por objetivo analisar e discutir as
variações de preço nos níveis macro e microeconômico, primeiro internamente em Três de Maio e
mais tarde com São Paulo – SP, identificando variações relevantes e suas causas, e analisando
situações reais sob a ótica econômica. Este estudo trabalha com abordagem quantitativa, de
procedimentos explicativos e com a técnica de pesquisa de mercado. Obedece a metodologia de
composição e cálculo da Cesta Básica levantada pelo PROCON-SP / DIEESE, pelo qual foram
realizadas quatro tomadas de preços aos vinte e cinco dias de agosto, setembro, outubro e novembro
de 2010, nos três principais supermercados de Três de Maio. Os resultados são apresentados sob
três principais vieses, cuja discussão é entremeada de questionamentos sociais e econômicos: a
análise unificada dos preços e sua evolução em Três de Maio, as diferenças de valores entre os
centros de vendas, e a comparação com a capital do estado de São Paulo. Os resultados do estudo
precificaram a Cesta Básica três-maiense em R$ 279,36 para o mês de agosto, R$ 270,02 para
setembro, R$ 274,59 para outubro e R$ 273,96 para novembro de 2010, nos quatro meses o valor
fora inferior ao encontrado nas capitais brasileiras e apresentou uma deflação total de 1,93%.
Internamente, fora verificada a tendência de convergência de preços a patamares médios entre os
estabelecimentos, apesar de mantidos posicionamentos distintos. Com inflação de 10,88% no
período e variações díspares entre produtos, a realidade de São Paulo destoou daquela verificada em
Três de Maio. O estudo também permitiu analisar as diferenças de preços entre economias
naturalmente exportadoras e importadoras, como os preços bastante distintos das commodities carne
bovina e café, e a representatividade da cesta perante a renda, menos expressiva em São Paulo
considerando-se a renda per-capita mais elevada do paulistano.
Palavras-chave: Cesta básica, economia, inflação
- 229 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Referências:
PASSOS, Carlos Roberto Martins, NOGAMI, Otto, Princípios de Economia, Ed 5, Thomson, São Paulo, 2006.
Código Civil, Comercial, Processo Civil, Constituição Federal e Legislação Complementar, Código Civil Brasileiro
de 2002, Ed. 6, Saraiva, São Paulo, 2010.
LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário Luiz Santos; GÜLLICH, Roque Ismael da Costa, Metodologia da
Pesquisa, ed. 2, SETREM, Três de Maio, 2007.
Pesquisas da Cesta Básica. Acesso em: 05/12/2010. Disponível em: http://www.
procon.sp.gov.br/categoria.asp?id=111
Vilão dos preços dos alimentos, feijão carioca dobra de preço no ano. Acesso em: 05/12/2010. Disponível em:
http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias /infomoney/2010/11/09/vilao-dos-precos-dos-alimentos-feijao-cariocadobra-de-preco-no-ano.jhtm
Preço do óleo de soja dispara no supermercado. Acesso em: 05/12/2010. Disponível em:
http://www.rpctv.com.br/parana-tv/2010/11/preco-do-oleo-de-soja-dispara-no-superm ercado/
Cesta básica de setembro. Acesso em: 05/12/2010. Disponível em:
http://www.procon.sp.gov.br/noticia.asp?id=1704
Efeito rússia eleva preço da farinha de trigo em até 20%. Acesso em: 05/12/2010. Disponível em:
http://www.portaldoagronegocio.com.br/conteudo.php ?id=42678
Preço da cebola despenca. Acesso em: 05/12/2010. Disponível em:
http://video.globo.com/videos/player/noticias/0,,gim1356836-7823preo+da+cebola+d espenca,00.html
Metodologia da Cesta Básica. Acesso em: 04/12/2010. Disponível em: http://portal
definancas.com/arq_cestas/metodologia.htm
DIMENSIONAMENTO DO CUSTO DA CESTA BÁSICA NO
MUNICÍPIO DE TRÊS DE MAIO-RS
De: MATEUS DALLA ROSA SCHIAVO ([email protected]), FABIULA MARIANO DE OLIVEIRA
([email protected]), CATIA DA SILVA ([email protected]) Orientado por: LUÍS CARLOS
ZUCATTO ([email protected])
O presente artigo apresenta o custo da cesta básica no município de Três de Maio – RS durante
os meses de agosto, setembro, outubro e novembro de 2010. Os produtos que compõe a cesta
básica são os mesmos utilizados pelo PROCON-SP (Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor
do Estado de São Paulo), em que divide-se nos grupos de alimentação, limpeza doméstica e higiene
pessoal, tendo, ainda, o objetivo de comparar a cesta básica tresmaiense com a cesta básica de São
Paulo e demonstrar as variações monetárias e percentuais dos preços gerais e individuais de cada
produto nos períodos em questão. Para a obtenção dos resultados foram utilizados os métodos
caracterizados por uma abordagem quantitativa, com procedimentos baseados na pesquisa descritiva
e de campo, além da utilização da técnica de observação, tendo como ponto de partida a verificação
dos preços dos produtos componentes da cesta básica que foram dispostos em tabelas e gráficos
ilustrativos. Quanto aos resultados contatou-se que o valor médio da cesta básica tresmaiense
durante os quatro meses pesquisados ficou em R$ 335,46, enquanto a paulista, de agosto para
outubro, totalizou R$ 300,06, o que demonstra que a cesta básica de São Paulo, atualmente, é
10,55% menor em relação à cesta básica de Três de Maio. É de suma importância a divulgação dos
dados para auxiliar o setor público a estimar parte do custo de vida da população, evitando práticas
abusivas de preços, além de trazer informações importantes para os consumidores.
- 230 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Palavras-chave: Cesta Básica. Variação de Preços. Mercado tresmaiense. Mercado Paulista.
Referências:
BARRETTO, Sérgio A. J.; CYRILLO, Denise C.; COZZOLINO, Sílvia M. F. – Análise nutricional e
complementação alimentar de cesta básica derivada do consumo – Disponível em:
<http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89101998000100004> Acesso em:
28/11/2010.
BENDER, Cintia Maísa. FEIX, Rodrigo Daniel – Inflação e custo da cesta básica no município de Horizontina –
Revista Eletrônica do Núcleo de Estudos e Pesquisa do Protestantismo da Escola Superior de Teologia – EST –
Disponível em: <http://www3.est.edu.br/nepp> Acesso em: 28/11/2010.
DIÁRIO DA BORBOREMA. Preço da cebola em baixa. Disponível em:<http://
www.diariodaborborema.com.br/2010/10/29/economia1_0.php> Acesso em: 05/12/2010.
Fundação PROCON-SP – Cesta Básica PROCON – Histórico – Disponível em:
<http://www.procon.sp.gov.br/categoria.asp?id=111> Acesso em: 29/11/2010.
- GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto. EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
Pesquisa: Normas para apresentação de trabalhos: Redação, formatação e editoração. Três de Maio: Ed.
SETREM, 2007.
INFOMONEY. Aumento no preço do açúcar só deve ter impacto nos resultados em 2012. Disponível em:
<http://web.infomoney.com.br/templates/news/view.asp? codigo=1966516&path=/investimentos/> Acesso em:
05/12/2010.
PORTAL MS. Falta de chuvas prejudica safra e faz preço do feijão subir 30% em 15 dias. Disponível em:
<http://www.portalms.com.br/noticias/detalhe.asp?cod= 959590264> Acesso em: 05/12/2010.
WAQUIL, Paulo D.; MATTOS, Ely José de – Pobreza Rural e Urbana no Rio Grande do Sul: Uma análise além
da renda – Disponível em:
<http://www.sep.org.br/artigo/22_WAQUIL.pdf> Acesso em: 29/11/2010.
ESTUDO GERENCIAL DOS CUSTOS EM UMA EMPRESA
DO RAMO DE SORVETES
De: RICARDO BOURSCHEID ([email protected]) Orientado
([email protected])
por:
LUÍS CARLOS ZUCATTO
O tema deste trabalho é o estudo gerencial dos custos na Sorveteria Pinguim, uma
microempresa localizada em Três de Maio, Rio Grande do Sul, que produz e comercializa sorvetes e
picolés. Não possuindo um sistema que permita auferir seus custos produtivos e gerenciá-los, este
trabalho busca atuar especificamente nessa deficiência. O problema de pesquisa é descobrir como o
conhecimento da estrutura e gestão de custos pode auxiliar a Sorveteria Pinguim em suas atividades
e na busca de resultados. Objetiva, portanto, analisar gerencialmente os custos e, para que isto seja
possível, montar a estrutura de custos da empresa, classificá-los em fixos ou variáveis, determinar
margens de contribuição, pontos de equilíbrio e também aprofundar o estudo da sazonalidade nas
vendas de sorvetes. A abordagem deste trabalho é quantitativa, enquanto procedimentos e objetivos
é, respectivamente, de estudo de caso e explicativa, e a técnica empregada é a observação
sistemática e não participante nas dependências da empresa. A bibliografia de custos apoia-se,
sobretudo nas obras de BORNIA (2010), DUTRA (2003), KROETZ (2001), LIMA (2007) E MARTINS
(2003). As margens de contribuição apuradas variaram de 56% para o sorvete de 1 litro até 83% para
o picolé de frutas, a margem de contribuição média ponderada pela participação na receita é de 68%,
logo os custos variáveis representam em média 32% do preço de venda. O ponto de equilíbrio
contábil é de R$ 4.315, o financeiro de R$ 4.150,00 e o econômico de R$ 4.603,60, sendo superados
em 4 meses do ano, nos quais é viável à empresa operar. Além da estruturação e conhecimento dos
- 231 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
custos por produto e categoria, os resultados da pesquisa permitiram descobrir uma não-sincronia
existente entre margens de contribuição e a participação na receita, que, ao ser trabalhada com a
promoção de produtos mais lucrativos, tem potencial de aumentar significativamente os ganhos da
empresa. Outra conclusão relevante é de que a influência das temperaturas sobre as vendas é menor
do que o senso comum supunha: as altas temperaturas estão mais para um pré-requisito do que
impulsionador de consumo, cujo desempenho é afetado por outras variáveis ambientais. A prática
fora selada com a entrega de uma planilha eletrônica de controle de custos para os proprietários da
empresa, que, adaptada às suas necessidades, tem poder de profissionalizar a administração de
custos naquele empreendimento.
Palavras-chave: Custos, Gestão, Sorvetes.
Referências:
BORNIA, Antônio Cezar, Análise gerencial de custos: aplicação em empresas modernas, Ed. Atlas, 3º ed., 2010.
DUTRA, René Gomes, Custos: uma abordagem prática, Atlas S.A., São Paulo, 2003.
KROETZ, Cesar Eduardo S., Apostila de contabilidade de custos I, UNIJUÍ, Ijuí, 2001.
LIMA, Marcus, Custos, preços e a produção de sorvetes, Sorveteria Confeitaria Brasileira, 2007.
LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário Luiz Santos; GÜLLICH, Roque Ismael da Costa, Metodologia da
Pesquisa, ed. 2, SETREM, Três de Maio, 2007.
MARTINS, Eliseu, Contabilidade de custos, Atlas S.A., São Paulo, 2003.
RIBEIRO, Sylvio, Como lidar com a sazonalidade. Acesso em: 25 nov. 2010. Disponível em:
http://www.administradores.com.br/informe-se/artigos/como-lidar-com-a-sazonalidade/35794/
SEBRAE – SC, Sorveteria Self – Service. Acesso em: 25 nov. 2010. Disponível em: http://www.sebraesc.com.br/ideais/default.asp?vcdtexto=2797&^^
Logística e fornecimento da GM e da Ford no RS. Acesso em: 25 nov. 2010. Disponível em:
http://nitec.ea.ufrgs.br/cars/diagnostico/estrategiasford3.htm
Depreciação de bens do ativo imobilizado. Acesso em: 25 nov. 2010. Disponível em:
http://www.receita.fazenda.gov.br/PessoaJuridica/DIPJ/2004/PergResp2004/pr 469a 482.htm
Tipos de sorvete Nestlé. Acesso em: 25 nov. 2010. Disponível em:
http://www.nestle.com.br/site/marcas/sorvetes_nestle.aspx
Tipos de sorvete Kibon. Acesso em: 25 nov. 2010. Disponível em:
http://www.kibon.com.br/br_pt/products/default.aspx
Tarifas de Energia Elétrica – Rio Grande Energia – RGE. Acesso em: 25 nov. 2010. Disponível em:
http://www.rge-rs.com.br/conselhorge/Tarifas.aspx
Normais climatológicas 1961-2000, Acesso em: 25 nov. 2010. Disponível em: http://www.tempoagora.com.br/
ANÁLISE DA RELAÇÃO DE GASTOS DE ACADEMICOS DO
BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO DA SETREM
De: FABIULA MARIANO DE OLIVEIRA ([email protected]), ALANA RAQUEL MONTEIRO
([email protected]), Catia da Silva ([email protected]) Orientado por: LUÍS CARLOS ZUCATTO
([email protected])
O objetivo deste estudo é analisar as características socioeconômicas e identificar o perfil do
acadêmico dos municípios da região, no período de agosto a dezembro de 2010 pelos acadêmicos
- 232 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
do 4° semestre do curso de Administração da SETREM. A abordagem do estudo é apresentada de
forma quantitativa, no qual os resultados são expressos em valores numéricos, por tabelas e gráficos,
durante a coleta dos dados foi utilizado o procedimento de pesquisa de campo, através de formulário
misto com questões fechadas e abertas e seu tratamento se deu através de ferramentas
disponibilizadas por estatística e custos. A palavra estatística provém do latim status, que significa
estado. É uma coleção de técnicas e métodos para planejar experimentos, obter dados e organizar,
resumir, analisar, interpretar e extrair conclusões dos mesmos. Já os custos são os valores aceitos
pelo comprador para adquirir um bem. O universo do estudo contempla a população acadêmica do
curso de Administração sendo que para isso foi utilizada uma amostra de 144 respondentes, com
uma margem de erro de 4,75% para mais ou para menos, calculado com base no total de 283
acadêmicos que frequentam regularmente o segundo semestre do ano de 2010. Dos 144
respondentes constatou-se que 58% eram do gênero feminino e 42% do gênero masculino, já a faixa
etária demonstrou que 70% dos respondentes está na faixa de 17 a 22 anos, enquanto que 20% se
encontra entre 23 a 27 anos. Buscou-se, também, saber qual a parcela de acadêmicos que exerce
atividade profissional e percebe-se que apenas 7 % dos respondentes estão fora do mercado de
trabalho e 2% sem remuneração e 93% de respondentes exercem atividade profissional, sendo que
96% recebem remuneração pelas atividades desenvolvidas, A renda própria demonstra que mais da
metade deles recebe de R$ 510,00 até R$ 1020,00 e apenas 10% dos respondentes recebe menos
de um salário mínimo (R$510,00). Quanto a auxílios para custeio dos estudos, 28% dos
respondentes tem auxilio total ou parcial dos pais, 14% recebem bolsa integral da entidade. Os
números desta questão são seguidos por 7% e 6% do número dos acadêmicos, que dizem ter algum
tipo de financiamento parcial, e pagaram sua faculdade com auxílio dos pais, respectivamente,
podemos destacar 3% dos alunos que tem bolsa parcial da instituição e também 1% que tem
financiamento integral. Questionados sobre qual financiamento recebem, isto é, se a sua resposta
anterior faz relação com algum tipo de financiamento ou auxílio mostra que a maioria dos acadêmicos
tem o seu auxilio escolar pago total ou parcialmente pelo PROUNI, seguido de 16% dos acadêmicos
possui faculdade paga pelo FIES, 21% têm auxilio direto da empresa em que trabalha, podendo ser
este parcial ou total, 12% responderam que possuem desconto comercial e 4% possuem auxílio de
órgão público ou auxílio da instituição. Quanto ao desembolso mensal para a mensalidade, 34%
desembolsa R$500,00, seguido por 15% que desembolsam um total de R$300,00. Estipulou-se
também a média de aumento das mensalidades e com isso calculados valores e variações da
mensalidade que ocorreram anualmente de acordo com critérios utilizados pela instituição de ensino,
avaliando de 2006 para 2007 um aumento de R$22,65, de 2007 para 2008 R$38,06, do ano de 2008
para 2009 R$ 25,69 e de 2010 para 2011 haverá um aumento de R$37,76. Resultando em um valor
total de gastos em torno de R$ 34.650,02, para um acadêmico que cursa regularmente a faculdade e
tem custos com deslocamento, evidenciando o patrimônio investido em educação na busca de uma
boa carreira.
Palavras-chave: Acadêmico de administração, auxílio educação, mensalidade.
Referências:
Bornia, Antonio Cesar; Analise Gerencial De Custos. Editora Bookman, 2002.
Bruni, Adriano Leal; Fama, Rubens; Gestão De Custos E Formações De Preços. Editora: Atlas S. A. 2008.
ERGANG, Sandro. Discurso de Formatura: Curso de Bacharelado em Administração. Faculdade Três de Maio SETREM, 2010.
FEA/ USP; Contabilidade Introdutoria. Editora: Atlas, 2006.
GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto. EVANGELISTA, Mário dos Santos. Metodologia da
Pesquisa: Normas para apresentação de trabalhos: Redação, formatação e editoração. Três de Maio: Ed.
SETREM, 2007.
Nakagawa, Masayuki; ABC Custeio Baseaso Em Atividade. Editora Atlas S.A. 2001.
OLIVEIRA, Paulo Henrique F. C. Amostragem Básica – Aplicação em Auditoria. 1ª Edição. Editora: Ciência
Moderna, 2004
Perez, José Hernandez Jr; Oliveira, Luis Martins de; Costa, Rogério Guedez; Gestão estratégica De Custos.
Editora Atlas S.A. – 1999.
- 233 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
STEVENSON, William J. Estatística Aplicada à Administração. 1ª Edição. São Paulo – SP. Editora: Harba, 2001.
TRIOLA, Mario F. Introdução à Estatística. 7ª Edição. Rio de Janeiro – RJ. Editora: LTC, 1998.
PERFIL DO CLIENTE BANCÁRIO UNIVERSITÁRIO DE
ADMINISTRAÇÃO DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR
TRÊS DE MAIO - SETREM
De:
RICARDO
BOURSCHEID
([email protected])
([email protected])
Orientado
por:
DOUGLAS
FAORO
O tema deste artigo é o estudo do perfil do cliente bancário universitário de Administração da
Instituição de Ensino Superior Três de Maio – SETREM. Para a FEBRABAN (Federação Brasileira
dos Bancos), a indústria bancária passa por um momento de expansão da bancarização, nesse
sentido, justifica-se o conhecimento dos hábitos financeiros da população. Integrando este público,
está a classe universitária, parcela significativa da população economicamente ativa do país e que
carrega consigo a perspectiva de realização de negócios futuros. O problema de pesquisa questiona
o nível de bancarização e o perfil do cliente bancário universitário de Administração da Faculdade
Três de Maio. Seu objetivo é de conhecer, através do mapeamento socioeconômico e específico, o
número de estudantes correntistas, suas percepções e suas práticas de utilização dos serviços
bancários. Quanto aos métodos, a abordagem caracteriza-se quantitativa, de procedimentos
descritivos e estatísticos, a técnica utilizada foi o questionário, aplicado a 210 acadêmicos nas salas
de aula. Os resultados apontam que 90,48% dos alunos do curso de Administração possuem vínculo,
seja através de conta corrente ou caderneta de poupança, com pelo menos uma instituição
financeira, sendo diretamente proporcionais renda e bancarização. Em geral, os estudantes
encontram-se satisfeitos com os serviços prestados por seus bancos, fazem uso expressivo do cartão
de crédito em detrimento do talão de cheques, e ocupam maciçamente caixas eletrônicos e salas de
autoatendimento. A realidade levantada pelo estudo é de valor para diversos sujeitos, entre eles a
própria faculdade, no viés da educação financeira, e, sobretudo, para as instituições bancárias, que
ao conhecer melhor aqueles consumidores podem proporcionar-lhes um atendimento mais eficiente e
produtos que melhor se adequem às suas necessidades, atividade que pode definir o sucesso ou
fracasso de suas estratégias de mercado.
Palavras-chave: Perfil de consumidor, Finanças pessoais, Bancos
Referências:
Bancarização: os bancos chegando a toda população brasileira. Acesso em: 12 de dezembro de 2010.
Disponível em:
http://www.febraban.org.br/Arquivo/Servicos/Eventoscursos/Palestras/O%20Papel%20do%20Sistema%20Fin%2
0no%20des%20nacional/Marcio%20Cypriano.pdf
Bancarização avança, mas ainda é desafio para instituições financeiras. Acesso em: 12 de dezembro de 2010.
Disponível em:
http://www.credinfo.com.br/admin_credinfo/index2.php?option=com_content&do_pdf=1&id=2100
Bancos saem à caça dos universitários. Acesso em: 12 de dezembro de 2010. Disponível em:
http://www.universia.com.br/materia/materia.jsp?id=6342
Talões de cheque perdem espaço no dia-a-dia do comércio. Acesso em: 12 de dezembro de 2010. Disponível
em:
http://www.em.com.br/app/noticia/economia/2010/10/31/internas_economia,189317/taloes-de-cheque-perdemespaco-no-dia-a-dia-do-comercio.shtml
LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário Luiz Santos; GÜLLICH, Roque Ismael da Costa, Metodologia da
- 234 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Pesquisa, ed. 2, SETREM, Três de Maio, 2007.
Nível de bancarização em Angola é satisfatório. Acesso em: 13 de dezembro de 2010. Disponível em:
http://www.angonoticias.com/full_headlines_.php?id=27762
Universitários na mira dos bancos. Acesso em: 12 de dezembro de 2010. Disponível em:
http://www.diariodepernambuco.com.br/2010/09/19/economia1_0.asp
Uso de cartões avança, e emissão de cheques cai à metade desde 2000. Acesso em: 12 de dezembro de 2010.
Disponível em:
http://www.administradores.com.br/informe-se/informativo/uso-de-cartoes-avanca-e-emissao-de-cheques-cai-ametade-desde-2000/24497/
PLANO DE NEGÓCIO - VITALI REPRESENTAÇÕES
De:
BRUNA
ANDRESSA
FRONCEK
([email protected]),
ANGELICA
([email protected]) Orientado por: Luiz Carlos Zucatto ([email protected])
BACKES
O objetivo deste estudo é analisar a viabilidade da comercialização de produtos agroecológicos
com o enfoque na ficicultura (cultura de figos). Os produtos foram comercializados na forma de geléia
de figos e figos cristalizados por intermédio de uma representação de vendas elaborada pelas
acadêmicas, de nome: Vitali representações. A Vitali Representações Ltda. disponibiliza para seus
clientes produtos de alta qualidade, sendo esses da marca Sabor da Casa, conhecida e renomada
agroindústria de Horizontina-RS. Atuando na região sul do país, em pontos estratégicos como
mercados e lojas de produtos 100% naturais. O processo e as técnicas de cristalização do figo é o
maior diferencial tecnológico da Agroindústria, pois diferem o simples fruto figo para um produto não
encontrado em nossa região, demonstrando toda criatividade e pesquisa em torno do fruto e suas
variações. A plantação de figos surge no cenário de alimentos ecológicos e autossustentáveis como
uma estratégia de inovação no setor, aliando práticas ecologicamente corretas e produtos
diferenciados, visto que muito se produz no setor de geléias e doces artesanais em nossa região,
contudo com outras espécies de frutíferas. Em nossa região, a atual produção nesse segmento de
doces e geléias de figos ainda não consegue suprir a demanda do mercado de colonização européia,
com costumes muito difundidos de consumo de doces e geléias em suas refeições diariamente.
Assim, acredita-se que uma empresa nesse segmento em nossa região que trabalhe especialmente
na comercialização de produtos agroecológicos, terá mercado garantido. Com o intuito de analisar a
demanda do mercado local por figos cristalizados e geléias de figo, foi realizada uma pesquisa de
campo, no dia 19 de Junho de 2010, no mercado Econômico, no município de Horizontina. A
metodologia utilizada foi uma abordagem quantitativa, seguida de pesquisa de campo com seis
perguntas de múltipla escolha. A amostra coletada foi de 84 pessoas. Do total de entrevistados, 36%
têm de 21 a 30 anos de idade, 48% pertencem à faixa etária de 31 a 40 anos, e 16% pertencem à
faixa etária acima de 41 anos. A principal dificuldade enfrentada pela Vitali no decorrer do
desenvolvimento do projeto foi encontrar os concorrentes potenciais na região. Por uma questão
cultural a maior parte dos produtores opta pela plantação de commodities como Milho e Soja, não
observando a possibilidade de exploração de outras culturas ainda não difundidas na região. Através
do desenvolvimento do plano de negócio da Vitali Representações, conclui-se que a implantação de
uma agroindústria de produtos agroecológicos derivados de figo é um projeto viável em nossa região,
visto que temos a colonização européia e o costume de ingerir doces como geléias e frutos
cristalizados. Também podemos averiguar a viabilidade através da grande demanda e da aceitação
dos produtos nos locais de distribuição e venda.
Palavras-chave: ficicultura, agroecológico, diferencial.
Referências:
BRAGANÇA, Maria da Graça L. Como Produzir Geléias e Polpadas. Viçosa-MG: CPT, 2000.
MIYASAKA, Newton S.; NAGAI, Kunio; MIYASAKA, Shiro. Agricultura Natural. Viçosa-MG: CPT, 2008.
- 235 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
PENTEADO, Roberto Silva. Fruticultura Orgânica Formação e Condução. Viçosa-MG: Aprenda Fácil, 2004.
SANTOS, Edno Oliveira. Administração Financeira da Pequena e Média Empresa. São Paulo: Atlas, 2001.
ANÁLISE ECONOMICO - FINANCEIRODA EMPRESA
MÁQUINAS CONDOR S/A
De:
ODAIR
JOSE
GUNSCH
DE
ALMEIDA
([email protected]),
NELDA
KASBURG
([email protected]), SUSANE GUNTHER HEEMANN ([email protected]), SILVIA DENISE
MACHADO
([email protected])
Orientado
por:
EDELMAR
ELOI
BARASUOL
([email protected])
Por meio deste estudo verificou-se a importância das informações contidas nas demonstrações
contábeis de uma empresa, pois proporcionam uma visão macro, que identifica o desempenho da
empresa em vários pontos. Conforme GITMAN(2002), os indicadores financeiros podem se tornar
pilares para decisões empresariais, à medida que fornece dados para a análise da situação
econômico-financeira da empresa. O presente trabalho teve como objetivo desenvolver uma análise
econômica e financeira da empresa Máquinas Condor S/A utilizando demonstrações publicadas. A
metodologia teve uma abordagem quantitativa, documental e comparativa, procedimentos coleta e
análise de dados. Realizou-se análise vertical e horizontal das demonstrações financeiras e
indicadores financeiros nos períodos de 2007/2008.Conforme OSNI(2002), os principais indicadores
analisados foram: proporção de capital de terceiro e próprio, retorno sobre o próprio capital, giro dos
estoques, índice de liquidez entre outros. Quanto a Liquidez Geral de 2007 para 2008 ocorreu uma
redução de 53,74%, mas assim mesmo obteve um excedente de R$ 0,22 para cada R$1,00 de
dívida. O Capital de Giro Próprio da empresa apresentou de 2007 para 2008, um aumento em torno
de 42%. O Endividamento Geral apresentou em 2007 um índice de 7%, contra 36% em 2008, a
garantia de capital de terceiro, em 2007 a empresa apresentou índice de 9%, em 2008 obteve 64%,
para cada R$1,00 do capital que financia o ativo, R$0,64 são recursos próprios. O prazo médio de
renovação dos estoques da empresa em 2007 de mercadoria girou em 241 dias, e em 2008 reduziu
para 192 dias, ocorreu uma diminuição nos dias para transformar os estoques em vendas, porém
deve-se considerar que se trata de uma empresa de maquinário pesado. Quanto ao prazo médio de
vendas em 2007 a empresa levou 22 dias para transformar as vendas em dinheiro, já em 2008 esse
índice aumenta para 128 dias, este fato pode ter ocorrido por uma política de financiamento de
clientes para aumentar o ganho operacional e gerar maior retorno do capital investido. A
Lucratividade Líquida Final de 2007 foi de negativa de 39,83% enquanto que em 2008 foi de 15,47%
positiva, esse fato ocorre devido ao aumento de 4436% na conta Receitas Financeiras. Percebe-se
ainda que apesar de haver um aumento nos custos com produtos vendidos, as receitas financeiras
cobriram o prejuízo de 2007 fazendo com que a empresa obtivesse lucratividade. A situação
financeira da empresa encontra-se estável, em nosso entendimento possui capacidade de
pagamento e apresentou crescimento na rentabilidade. O estudo remete-nos a importância do
profissional da administração empresarial. Destacando o entendimento das demonstrações contábeis
e análise dos indicadores econômicos e financeiros, essa compreensão proporciona uma visão global
do desempenho da empresa sobre a situação econômica e financeira e disponibiliza informações
relevantes para tomadas de decisões.
Palavras-chave: Balanço Patrimonial, Analise Finenceira e Indicadores Financeiro
Referências:
Disponivel:http://www.maquinascondor.com.br/site2008/institucional.php?func=2&categoria=3 acesso 13/10/09
22:42
Disponível:htt://www.peritocontador.com.br/artigos/colaboradores/ARTIGO _INDICADORES_DE_ATIVIDADE.pdf acesso 25/10/2009 23:35
GITMAN, Lawrence J. Princípios de Administração Financeira. São Paulo: Editora Harbra, 7° edição, ano 2002.
- 236 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
MATARAZZO, C. Dante. Análise Financeira de Balanços – Abordagem Básica e Gerencial. São Paulo: Editora,
Atlas 6º edição ano 2003.
OSNI, Moura Ribeiro. Estrutura e Análise de Balanços. São Paulo: Editora, Saraiva 6º edição ano 2002.
PADOVEZE, Clóvis Luis; BENEDICTO, Gideon Carvalho. Análise das Demonstrações Financeiras. São Paulo:
Editora, Pioneira Thomson Learning ano 2005.
SANTOS, José Odálio. Avaliação de Empresas. São Paulo: Editora Saraiva, ano 2005.
COMPORTAMENTO DE COMPRA DE PERFUMES DO
CONSUMIDOR DE TRÊS DE MAIO - RS
De:
SUSANE
GUNTHER
HEEMANN
([email protected]),
NELDA
KASBURG
([email protected]br), SILVIA DENISE MACHADO ([email protected]), ODAIR JOSE
GUNSCH DE ALMEIDA ([email protected]) Orientado por: SANDRO ERGANG ([email protected])
O estudo teve como propósito identificar o comportamento de compra e perfil do consumidor de
perfume da zona urbana no município de Três de Maio, com a intenção de analisar a viabilidade da
abertura de uma loja franqueada da marca Le Sénéchal. O estudo embasou-se em uma pesquisa
aleatória simples. Adotou-se este método por proporcionar uma melhor análise das questões
desenvolvidas e verificar se existe um público em potencial no que se refere à comercialização de
perfumes da Le Sénéchal na cidade de Três de Maio. Após definidas as questões relativas ao
problema levantado, coletou-se os dados através de formulários aplicados entre os dias 10 e 20 de
novembro de 2010 em supermercados, lojas, entre os estudantes da Setrem e via e-mail. Com o
propósito de identificar e compreender os resultados, os dados foram tabulados em planilhas do
Excel, utilizando, portanto o método quantitativo. A pesquisa realizada proporcionou o conhecimento
de pontos relevantes no hábito de consumo de perfumes da população de Três de Maio, e assim,
estudou-se estratégias de marketing, buscando entender os desejos e necessidades desse público. O
comportamento de compra analisado mostrou que a maioria das pessoas compra perfumes em lojas
ou por catálogos e costumam pagar mais de R$41,00 por unidade consumida. Também constatou-se
que maior parte dos entrevistados adquirem mais de 3 frascos de perfume ao ano. Outro fator
relevante considerado primordial para o adquirente é o aroma, sendo elencado em segundo lugar o
preço. No entanto a forma de pagamento não foi considerada tão importante como observado, pois,
no momento que as pessoas responderam a pesquisa este item não mostrou maior
representatividade. Um aspecto revelado na pesquisa é de grande importância no que se refere a
decisão de realização do investimento para a abertura da franquia é o fato de que 51% das pessoas
entrevistadas estão dispostas a mudar de marca e desta porcentagem 58% são mulheres e apenas
42% homens. Conclui-se dessa forma que o público alvo para a Le Sénéchal são mulheres onde o
foco das vendas deve ser direcionado para a loja e por vendedoras externas especializadas,
oferecendo assim um diferencial das demais lojas. O desenvolvimento e crescimento do negócio
dependem fortemente de ações de marketing que devem ter como propósito a construção e
consolidação da marca como: adicionar facilidades, sofisticar os produtos; inspirar confiança e
respeito ao cliente; oferecer serviços amigáveis, simpáticos e personalizados; criar novas ondas ou
modas no uso dos produtos através de eventos diferenciados. O trabalho demonstra um mercado
bastante promissor com relação aos resultados obtidos, o que torna a ideia da franquia muito atraente
quanto a sua implantação. E como contribuição o trabalho oportunizou, tanto para o meio acadêmico
quanto para a sociedade, a possibilidade de investimentos no ramo.
Palavras-chave: Perfume, Consumidor e Mercado.
Referências:
CHURCHILL, Gilbert A.; PETER, Paul J. Marketing: criando valor para os clientes. São Paulo, Saraiva, 2000.
GRÖNROOS, Christian. Marketing - gerenciamento e serviços. Rio de Janeiro, Campus, 1993.
KOTLER, Philip. Marketing para o século XXI: como criar, conquistar e dominar mercados. São Paulo, Futura,
- 237 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
2000.
_____, Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e controle. São Paulo, Atlas, 1998.
LAS CASAS, Alexandre Luzze. Marketing: conceitos exercícios casos. São Paulo, Atlas, 1997.
MALHOTRA, Naresh K. Pesquisa de marketing, uma orientação aplicada. 3. ed. Porto Alegre, Bookmann, 2001.
MATTAR, Fauze Najib. Pesquisa de Marketing. 2ª Ed.. São Paulo, Atlas, 2001.
VAVRA, Terry G. Marketing de relacionamento – After Maketing: como manter a fidelidade de clientes através do
marketing de relacionamento. São Paulo, Atlas, 1993.
VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil – Contratos em Espécie. 3ª Ed.. São Paulo, Atlas, 2003.
COUTINHO, Clara. Métodos e Técnicas de Amostragem. Disponível em:
<http://claracoutinho.wikispaces.com/M%C3%A9todos+e+T%C3%A9cnicas+de+Amostragem> Acesso em 01 de
dezembro de 2010.
IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/> Acesso em
10 de novembro de 2010.
INVEST NE. Brasil é o terceiro mercado de cosméticos do mundo. Disponível em:
<http://www.investne.com.br/geral/brasil-e-o-terceiro-mercado-de-cosmeticos-do-mundo> Acesso em: 30 de
novembro de 2010.
ANÁLISE DO PROCESSO PRODUTIVO VISANDO DEFINIR
AÇÕES PARA REDUZIR OS DESPERDÍCIOS EM
INDÚSTRIA MOVELEIRA
De:
DARLEIA
SARTOR
([email protected]),
NELISSE
DO
CARMO
([email protected]), ODAIR JOSE GUNSCH DE ALMEIDA ([email protected])
Orientado por: ALEXANDRE CHAPOVAL NETO ([email protected])
O trabalho tem como objetivo principal analisar a diferença entre a ordem de fabricação e a
produção do produto final de referência 200.93 (cadeira), na Indústria Móveis Canção Ltda, localizada
no município de Três de Maio/RS. Para tanto, procurou analisar o percentual total e por atividade dos
descartes de matéria prima utilizada para a fabricação das peças pé curto e pé comprido, podendo
assim sugerir melhorias no processo produtivo. Para a realização do estudo foi utilizado o método de
abordagem quantitativo além da observação do processo produtivo na empresa para a coleta de
dados das peças para serem analisados. Foram feitas visitas na empresa durante os horários de
expedientes, para que fosse possível acompanhar todo processo de produção do referido produto.
Para a realização do referencial teórico foram utilizados livros e pesquisas na internet. Com a revisão
bibliográfica teve-se melhor entendimento nas questões sobre planejamento e controle de produção,
qualidade, ferramentas da qualidade e ordem de fabricação, assim proporcionando a identificação de
eventuais perdas de matéria prima (madeira) no processo produtivo. Após o estudo, chegou à
conclusão que para a fabricação de 8 mil pés pequenos é preciso retirar do estoque 11.377 unidades
de matéria prima, tendo uma diferença de 40,80% a mais que a ordem de fabricação. Contabilizando
no final do processo juntos 6.970 unidades, tendo uma diferença de 12,88% a menos que o
necessário. Já os pés compridos para a fabricação de 8 mil unidades foi retirado do estoque um total
de 15.643 unidades, diferença de 93,46% a mais para atingir a ordem de fabricação. No final do
processo somaram um total de 6.290 unidade, tendo uma diferença de 21,38% a menos. No final do
processo pode-se embalar um total de 3.145 cadeiras tendo uma diferença de menos 27,19. A
quantidade de matéria prima perdida durante o processo de fabricação é relativamente alta, se
apenas for analisado os percentuais. Porém após este estudo, caberá a empresa analisar se os
mesmos são relevantes o suficiente para tomar qualquer atitude, em relação a trocar o fornecedor, ou
mudar algum processo de fabricação. Como sugestões para novos estudos o grupo pode deixar uma
- 238 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
análise para verificar o quanto estes descartes impactam na produtividade, ou ainda mensurar o
tempo por atividade na inspeção destes descartes.
Palavras-chave: Controle da produção, Descartes e Causa e Efeito.
Referências:
FEIGENBAUM, Armand V. Controle da qualidade total, volume I gestão e sistemas. São Paulo: editora Makron
Books,1994.
DAVIS, Mark M.; AQUILINO Nicholas J.; CHASE Richard B. Fundamentos da administração da produção 3ª
edição. editora Bookman, 2001.
LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário Luis e GÜLLICH, Roque Ismael da Costa. Metodologia da Pesquisa
2º Ed. Três de Maio, Setrem, 2007.
Disponível:
http://www.maxiprod.com.br/?opcao=paginas&idPagina=117 acesso 14/05/11 00h40min
Disponível:
http://moveiscancao.mikonos.uni5.net/produtos/copas/1030093x20093-t51 acesso 21/05/11 00h40min
GESTÃO POR COMPETÊNCIAS NA EMPRESA DA LUZ
CALÇADOS
De:
MONICA
PAVLAK
([email protected]),
KARINA
WINGHENBACH
([email protected]), SILIANE MUHLBEIER ([email protected]) Orientado por:
SMANEOTO ([email protected])
WILLIG
CECILIA
Este estudo objetiva realizar um plano de gestão por competências para os colaboradores da
empresa Da Luz Calçados, localizada no município de Três de Maio/RS. A empresa atua no ramo de
calçados e acessórios, desde 15 de março de 2008. A abordagem do estudo foi quali-quantitativa e
se caracteriza por estudo de caso. Com a grande concorrência, o maior diferencial que uma empresa
pode ter são as equipes bem qualificadas e desenvolvidas. Uma forma de fazer isso acontecer é a
gestão de pessoas por competências, onde o indivíduo passa a ser monitorado e cobrado para que
haja mudanças. Mas com isso, o colaborador também tem a ganhar: quem produz mais e melhor,
recebe mais. Esta é a grande sacada da gestão por competências, cada um recebe o que produz de
uma maneira justa. As organizações também têm grande interesse para a modificação dos
pagamentos de salários, já que a forma variável é considerada sem desembolso para o empregador
(deixando de ser um custo fixo), o funcionário sente-se mais motivado sob esta forma de
remuneração, produzindo mais e melhor. Existem várias formas de avaliar as competências dos
colaboradores, por vários métodos. Os métodos tradicionais mais utilizados são: escalas gráficas,
escolha forçada, pesquisa de campo, incidentes críticos e lista de verificação. Para o
desenvolvimento e a apuração das competências fez-se o uso dos formulários gosto/não gosto/o
ideal seria, na qual cada colaborador colocou os apontamentos que consideram importantes,
avaliando cada colega, subordinado e cargo superior, visando apurar os indicadores necessários para
cada colaborador e função; após apurados as competências e seus indicadores o grupo elaborou a
analise dos mesmos, na qual foi definido o nível de competência necessário para cada função, o qual
serviu de base para a análise de cada colaborador de acordo com sua respectiva função; com estes
dados foram apurados o gap de cada colaborador, onde pode-se constatar quais são as suficiências
e deficiências de cada colaborador.
Palavras-chave: desempenho, criatividade, resultados.
- 239 -
IX - SALÃO DE PESQUISA SETREM - SAPS
Referências:
CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. 3ª Ed. –
Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.
CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de
Janeiro: Elsevier, 2004.
GRAMIGNA, Maria Rita. Modelo de gestão de competências e gestão dos talentos. 2ª Ed. São Paulo: Pearson
Prentice Hall, 2007.
LEME, Rogério. Aplicação prática de pessoas por com