Negrinho do Pastoreio - Literatura de Cordel

Сomentários

Transcrição

Negrinho do Pastoreio - Literatura de Cordel
Negrinho do Pastoreio
Por onde estavam as coisas perdidas
Estava o negrinho pastoreiro
Que sempre achava uma saída
Onde havia tristeza
Negrinho Pastoreiro
Animava com certeza.
Negrinho Pastoreiro com sua vela acesa
Iluminava os caminhos
De quem precisava de carinho
Chovia, chovia sem parar
Negrinho Pastoreiro
Logo fez o sol brilhar.
Texto produzido pela aluna Larissa Lopes de Andrade (7º ano)
Literatura de Cordel
Eu toco minha viola
Meu cumpadre um violão
Na varanda fazendo uma saudação
Para todos que passam
vai meu aperto de mão.
E logo passa a moça bonita
O meu coração palpita
E ninguém mais acredita.
Ninguém acredita que a moça bonita
O meu coração levou
Eita moça danada que me pegou!
Texto produzido pela aluna Gabriely Corozola da Silva (3º ano do Ensino Médio)
Literatura de Cordel: Cordéis são folhetos com histórias populares em verso (sextilhas ou setilhas), expostos em
varais de corda, especialmente nas feiras do Nordeste, embora também sejam encontrados em outras regiões do Brasil.
Os temas do cordel são variados: religião, fatos históricos, descrição de fenômenos naturais (como a seca) e sociais (o
problema dos retirantes), narrativas de heróis e anti-heróis (personagens a quem faltam qualidades e virtudes próprias
do herói clássico).
Originados da tradição popular, os cordéis muitas vezes são contados ou declamados por poetas analfabetos. Em razão
disso, possuem estrutura em versos que lhes permite decorá-los facilmente.
“Um grama de exemplos vale mais que uma
tonelada de conselhos.”
Provérbio popular
Parada Leitor
Tema especial:
Projeto Causos e Cordéis - Folclore
Texto 2
Agosto / 2012