FOMENTAMOS a INVESTIGAÇÃO - Escola Profissional CIOR

Сomentários

Transcrição

FOMENTAMOS a INVESTIGAÇÃO - Escola Profissional CIOR
Dezembro 2012 #43
Leitura s
ESCOLA PROFISSIONAL CIOR
F O M E N TA M O S a IN V
E ST IG A Ç Ã O
SUMÁRIO
Junho 2012 #43
Leituras
ESCOLA PROFISSIONAL CIOR
FICHA TÉCNICA
TÍTULO
Leituras CIOR
Amnistia Internacional
P. 06
Entrega dos Diplomas
e Prémio de Mérito
P. 08
Estágios no Estrangeiro
e em Portugal
04 Linhas Mestras
05 Em Foco
20 Livre-Trânsito
Grande Prémio Frei Gil
35 Saberes Descobertos
P. 13
36 Daily English
P. 11
Praxes
39 InternaCIORizando
P. 15
Brilhamos no
Visionarium
41 Entretanto
Bem Escrever 41
Dicas de Poupança
P. 17
Raíz Quadrada 41
Óxido Nitroso (NITRO)
Sabias Que 42
P. 21
Testemunhos de
Ex-Alunos
42 Check-List
PROPRIEDADE
Cooperativa de Ensino de Vila
Nova de Famalicão, C.R.L.
(Escola Profissional CIOR)
DIRETORA
Carla Oliveira
RECOLHA DE INFORMAÇÃO /
IMAGEM / FOTOGRAFIA
Arcélio Sampaio
Cristina Ferreira
REVISÃO DE PROVAS
Andreia Araújo
Carla Susana Azevedo
Joaquim Meneses
DESIGN GRÁFICO E PAGINAÇÃO
Pedro Veloso
DATA DE PUBLICAÇÃO
Dezembro de 2012
NÚMERO
43
PERIODICIDADE
Quadrimestral
P. 30
P. 24
Última Fila 42
Dessalinizar a Água do
Mar e Águas Salobras
O Futuro dos Centros
Novas Oportunidades
P. 35
Entre Capas 43
P. 32
Hot Point 45
50 Em Alta/Em Baixa
Impressões Sobre os
Intercâmbios Europeus
Projetos - Um Período
em Cheio
P. 39
(In)Confidências 50
P. 36
[2]
50 ADN
Bilhete de Identidade 51
TIRAGEM
1300 Exemplares
INÍCIO DE PUBLICAÇÃO
1998
DISTRIBUIÇÃO
Gratuita
MORADA
Rua Amélia Rey Colaço, 106
Apartado 48
4764 - 901 V. N. de Famalicão
GPS:
lat: 41.399684 | lon: -8.522847
Tel: 252 301 210
Fax: 252 301 219
http://www.cior.pt
[email protected]
DEPÓSITO LEGAL
290782/09
Editorial
Saber, saber estar, saber andar...
Os dias passavam todos iguais. Levantar
cedo, chegar à loja a tempo e horas, vender
sapatos, botas… No fim do dia, o regresso a
casa. Vinte anos de vida, vinte anos parados!
Tinha calçado muita gente: operários,
bancários, mecânicos,… E, calçados, cada um
seguiu o seu caminho… Calçava os outros para
caminharem...
Até que a loja fechou! O chão sumiu debaixo
do calçado! Ficou sem pé! O desemprego! E
agora? Tinha feito o 6º ano e graças a Deus!
Andar na escola tinha sido um sacrifício!
Dentro da loja, tinha parado no tempo! E o
mundo andou! Bem lhe tinham avisado: vai
estudar, olha que se a gente não se faz à vida…
Esta é uma de muitas histórias dos adultos
que nos contactam, que se inscrevem nas
nossas formações…
À CIOR chegaram muitos adultos para
fazer formação modular. E as razões podem
ser as mais variadas. Contudo há um aspeto
transversal: a necessidade de aprender,
de se atualizar, de competir, potenciando
capacidades que lhes permitam assegurar
o emprego (ou arranjar um), ser mais
competitivos, mais profissionais.
Com as mudanças rápidas a que assistimos
(tecnológicas, relações de trabalho e de
mercado, políticas, sociais, financeiras,
empresariais, fragilidade do emprego…),
os desafios colocados diariamente exigem,
de todos, o domínio de conhecimentos:
saber procurar emprego, empreender,
utilizar as tecnologias de informação (para
os mais variados fins, trabalho, lúdico,
conhecimento…), estabelecer com os outros
– colegas de trabalho, de turma, amigos,
conhecidos e desconhecidos – é exigido a
cada um de nós um desempenho pautado
pelo rigor, exigência, excelência. Já não basta
ser médio, suficiente: o caminho deve ser
percorrido tendo como meta a excelência! E
para isto é preciso uma nova mentalidade,
porque as mudanças assim o exigem: o estado
social, a estabilidade de emprego, são cada vez
mais ténues, mais frágeis. Salvar-se-á quem
for musculado: na atitude, na exigência, na
dedicação, na aprendizagem.
E como a aprendizagem se faz formal e
informalmente, vemo-nos a braços com
situações que não pensávamos que pudessem
acontecer numa escola. Quando, no ensino
secundário, em que os alunos têm mais de 14
anos, e ainda há necessidade de os ensinar a
sentar numa cadeira, a saber estar numa sala
de aula, a terem de pedir autorização para sair
da sala, etc., etc., algo está mal! Muito mal!
Quem não cumpriu o seu papel? Os pais? Os
alunos?
Por isso, é urgente: pensar, repensar, definir,
redefinir o papel dos pais na educação dos
seus filhos! Para lá da obrigação legal, que a
isso os obriga, há a dimensão moral e ética!
Crescer sem regras, normas, não é educar!
É fundamental ensiná-los a distinguir o bem
do mal, o certo do errado! É que, como em
tudo, há limites! Um filho que não reconheça
a autoridade dos pais, professores e demais
agentes da sociedade – não está educado!
Atualmente, a escola, pois está a gastar
tempo, isso mesmo, gastar tempo e energia,
com tarefas que, supostamente, já deviam
estar concluídas, tendo em conta o processo
natural e cultural do crescimento!
CR
Antecâmara
A CIOR não para. Mais uma vez abrimos as
portas e mostrámos a essa Europa que nem
tudo está em crise no nosso país. Portugal continua a saber receber como ninguém. E foi isso
o que sentiram os grupos de parceiros islandeses, búlgaros, polacos e italianos que, em novembro, inseridos nos programas Juventude
em ação e Leonardo Da Vinci, visitaram
o nosso país e a nossa escola. Uma experiência muito proveitosa para todos, em particular
para os nossos alunos que fizeram um grande
esforço para que os nossos visitantes se sentissem bem-vindos. Contudo, este esforço será
recompensado, pois os papéis serão invertidos: os nossos alunos visitarão os países acima
referidos e serão recebidos por aqueles que
nos visitaram. Aproveitem!
E não é que uma italiana ficou por cá? E não
podia ter nome mais apropriado! A (já nossa)
Maria, Assunta de apelido, encontra-se na nossa escola, no âmbito do projeto Comenius, e
já provou ser um grande trunfo. Entre outros,
revelou-se uma enorme mais-valia ao assumir
a preparação linguística dos nossos alunos que
estagiaram e irão estagiar além-fronteiras.
Identificamos o teu futuro e asseguramos o
teu presente. Este bem que poderia ser o novo
slogan da tua escola. Depois do SIDIC, que
controla o acesso ao interior das instalações,
a CIOR ficou ainda mais segura com a presença
de uma equipa de segurança para zelar pelo
bem-estar de toda a comunidade escolar.
Ainda agora arrancou um novo ano letivo…
e já estamos no final do 1º Período. Lá chegaram, meios a medo, os novos alunos do décimo
ano do ensino profissional. Arrancamos com
cinco turmas… novinhas em folha, com alunos
cheios de expectativas, receios e muitas esperanças. Mais confiantes, mas não menos expectantes, apresentaram-se, ao mesmo tempo, quatro turmas de Educação e Formação de
Adultos, vulgo EFA’s, que procuram nesta oportunidade retomar um caminho que, por isto ou
aquilo, ficou inacabado.
Mas as portas na CIOR não encerram às
17.30h, bem pelo contrário. É caso para dizer
que “há vida para além do dia” na nossa escola. Em período pós-laboral, decorrem formações modulares, em várias áreas, que mantêm
a escola ativa até às 23 horas.
Com tanta azáfama, ao contrário do que assistimos diariamente nos noticiários, a CIOR,
felizmente, necessitou de recorrer a três novos
professores. A saber: Manuel Oliveira e Hélder
Ferreira, que estão a trabalhar com a turma
EFA de Mecânica de Motociclos; e José André,
que trabalha com os adultos de Mecânica de
Automóveis Ligeiros. Sejam bem-vindos.
Pinturas e retoques por todo o lado são
notados. Sempre que é preciso lá está o Sr.
Carneiro pronto para renovar, construir e melhorar. Também novas salas foram construídas
e equipadas a rigor, para receber os novos cursos, bem como as formações modulares.
O nosso CNO, à semelhança de todos os
outros por este país fora, estará em funcionamento, nos moldes em que vinha a funcionar,
até ao final de dezembro. O futuro ao poder
político pertence. Aguardemos pelos próximos
capítulos! Coragem, vontade e empenho não
nos faltam.
Estão quase de volta os nossos alunos da
turma ASC9, do 12º ano. Uns em Portugal, outros em Itália, todos (re)viveram nestes últimos
tempos aventuras e desafios que só um período como a Formação em Contexto de Trabalho
lhes poderia proporcionar.
Seguem-se outras turmas finalistas. Também alguns destes alunos terão a oportunidade de estagiar além-fronteiras, em Espanha e
na Alemanha, mais concretamente. A todos
um estágio muito proveitoso. Boa sorte!
CR
[3]
LINHAS MESTRAS
Infundir Esperança
Não fora a apresentação de excelentes trabalhos de grupo, levados a cabo por uma turma de animação, sobre o papel do animador
sociocultural, a que assistimos embevecidos, no auditório da escola, e
o título que encima este texto teria sido outro. Na verdade, quando
planificamos a confeção e a textualização do mesmo, pensamos seriamente em colocar, como título, dada
a sua atualidade
e inquietante
ambiguidade,
o e-mail, que
mão lusa descontente e crítica com o status quo pátrio em
que nos encontramos - nos fez chegar:“(A)Deus,
Pátria e Família”. Ainda titubeamos, por momentos, até porque este axioma, tripartido, permitir-nos-ia a edificação de uma estrutura sólida
e coerente para o assunto que queríamos
desenvolver. Todavia, e porque não querendo alimentar diatribes politiqueiras ou ideológicas, optamos por emergir dessa inócua
dimensão para nos focalizarmos no essencial
que é a formação, a crise e o futuro.
Na Pátria, ouvimos reminiscências das
cantigas de Linda de Sousa e da sua mala de
cartão, entoadas amargamente e com ecos
das sábias e intemporais farpas de Eça – “Em
Portugal a emigração não é, como em toda
a parte, a transbordação de uma população
que sobra; mas a fuga de uma população
que sofre”. Lemos na imprensa escrita, da
Pátria, que já teremos ultrapassado os níveis
de emigração da década de setenta. Mais de
70 mil portugueses emigraram em 2010, na
sua maioria, jovens com menos de 29 anos,
sendo o desemprego a principal razão para terem deixado Portugal, segundo o relatório ‘Perspetiva das Migrações Internacionais – 2012’. Entre 100 mil a 120 mil portugueses emigraram em
2011, muitos deles licenciados, e estes números
estão a aumentar assustadoramente. Quando
voltarão? Para que Pátria?
Nos idos de 60-70, sabíamos bem
que Portugal tinha dez milhões de habitantes, aliás, para atingirmos esse nú-
mero até abrangíamos os emigrantes. Se em 1960 Portugal era um país
jovem, do ponto de vista demográfico, hoje, a realidade apresenta-se
muito grisalha, pois manifesta já uma estrutura etária muito envelhecida. Segundo dados do Eurostat,
em 2060, 31 por cento dos residentes no nosso país terão mais de 65
anos. O que é o mesmo que dizer
que Portugal terá, nessa altura, 3,5
milhões de idosos e em 2100 haverá
apenas 6,7 milhões
de portugueses.
Com a taxa de
natalidade em
queda livre, a mais baixa da europa, com 1,3 filhos
em média por mulher em idade fértil; com a evasão
dos jovens reprodutores para o estrangeiro, e com
a velhice a sobrepor-se a todas as faixas etárias, pergunta-se: Quo vadis, Pátria?
A família, célula fundamental da sociedade,
afigura-se, cada vez mais, como o único porto
de abrigo, a tribo, a nossa mátria. É nela que
restauramos esperança, conforto, incentivo,
vontade para lutar pelo futuro. São raros os dias
em que não assistimos a quadros desoladores,
desesperantes, de famílias a desvanecerem-se:
mais um aluno que vai desistir, tem o pai e a
mãe desempregados; o filho tem vergonha de
vir para a escola, porque não tem dinheiro para
o material escolar; já falei com os meus pais, a
psicóloga, o diretor de turma… não ando aqui
a fazer nada. O meu irmão tirou um curso e está
no desemprego…; O meu filho quer desistir, porque vou emigrar, mas enquanto andar na escola
sempre tem o subsídio de refeição…
Assistir àquela aula, com jovens de 15, 16, 17
anos e menos jovens, dos cursos EFA, foi um bálsamo, no meio desta crise infinda, deste muro de lamentações. Ali, alavancava-se o futuro, sorria-se em
contexto de trabalho comprometido, e inalava-se, sobretudo, uma certa fragrância de esperança. Imberbes
infantes, mas que saberão refundar, e para melhor, a
sua futura pátria. Tal como diziam, esperançosos, um animador tem que ter capacidade de
infundir vida! E eles acreditam! E não se limitarão a existir!
“A família, célula fundamental da
sociedade, afigura-se, cada vez mais,
como o único porto de abrigo, a tribo, a
nossa mátria. É nela que restauramos
esperança, conforto, incentivo, vontade para lutar pelo futuro.”
[4]
A.D. & J.P.
EM FOCO
Fundação Cupertino de Miranda
UM ESPAÇO A DESCOBRIR
A turma de Mecatrónica Automóvel (MA4),
acompanhada pelos professores Ilda Dias
e Joaquim Meneses, visitou a Fundação
Cupertino de Miranda, em V. N. de Famalicão.
A turma foi recebida pela Dr.ª Constança
Araújo Amador que apresentou a história da
Fundação e deu a conhecer o leque variado
de atividades e iniciativas que têm lugar na
Fundação, convidando os alunos a fruírem dos
eventos culturais.
Seguiu-se a visita à exposição de pintura
“Explorador de Horizonte – Carlos Calvet”,
onde se encontram expostas mais de 90 obras
do autor.
No final, os alunos ainda puderam dar largas
à imaginação e usaram a técnica aquamoto,
utilização de tinta da china e água, criada por
Mário Cesariny.
O delegado de turma, José Tiago Ferreira,
agradeceu o acolhimento simpático e clareza
da comunicação.
Foi uma tarde diferente, uma visita a um
local que ocupa um lugar nobre na cidade de
V. N. de Famalicão.
MA4
Momentos de Partilha...
No âmbito do Curso Básico de Geriatria e do
módulo “Velhice: Ciclo Vital e Aspetos Sociais”,
visitámos no passado dia 19 de novembro o
Centro Social e Paroquial de São Martinho de
Brufe. Esta visita levou-nos a refletir sobre a
necessidade de amarmos e acarinharmos os
nossos idosos e juntos trabalharmos de forma construtiva e produtiva para conseguirmos
uma vida longa e com qualidade para os nossos cidadãos seniores. Na nossa opinião, nós,
indivíduos duma sociedade que preza os valores do “consumo imediato”, deveríamos dar
primazia aos valores morais que, como sociedade, fomos relegando para segundo plano, ao
longo dos anos. Deveríamos estar dispostos a
dar qualidade e dignidade às pessoas na terceira idade, dar o devido valor a pessoas que,
nesta fase das suas vidas, podem e devem continuar a dar o seu contributo à sociedade. Afinal, velhice não é doença mas sim sabedoria,
não concorda?
Deveríamos reconhecer os nossos idosos, os
nossos pais e os nossos avós, pessoas que fize-
ram por nós o melhor, que puderam e souberam e nos amaram e amam como somos. O mínimo que podemos fazer é retribuir esse amor
e gentileza com a delicadeza, tempo e disposição para estarmos presentes para eles ao longo das nossas vidas (as nossas e as deles).
As pessoas não deveriam ser só números
ou estatísticas, não deveríamos institucionalizar as pessoas,
apenas e só, com
a intenção de terminarem os seus
dias. Mas, no cenário das instituições para a terceira idade, deveríamos proporcionar
aos idosos: motivação, incentivo e
formas de preencher o tempo que
sejam aliciantes
e saudáveis, de
acordo com as suas capacidades, para que os
nossos seniores terminem os seus dias com
qualidade de vida e sentindo que ainda são
úteis. Afinal, estamos a terminar o Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações. Será que estamos dispostos
a fazer a diferença? A ver vamos…
Ricardo Silva e Márcia Brandão, formandos
[5]
Em Foco
Escol a A i nd a M a i s S eg u r a
Nos passados dias 5 e 6 de novembro,
recebemos, na nossa escola, dois elementos
da PSP de V. N. de Famalicão, o Chefe Silva e
o Agente Ribeiro. A presença deles esteve
relacionada com as ações de sensibilização,
sobre o tema da Escola Segura, feitas junto
dos alunos do 10º ano de escolaridade. Foram
abordados temas como o bullying nas escolas,
o consumo de drogas, o uso de armas, entre
outros.
Os alunos tiveram oportunidade de
estabelecer um diálogo com os dois agentes e
esclarecer dúvidas diversas.
A segurança é um assunto fundamental em
todos os aspetos da nossa vida. A escola não
é exceção.
IE14 e Carla Oliveira, professora
A m n i s t i a In t er n a c i o n a l
Entrámos no XIII Campo de Trabalho
da Amnistia Internacional para defender os
Direitos Humanos, no dia 1 de novembro.
Estivemos 4 dias alojados na Quinta da Costa,
em Mouquim, V. N. de Famalicão. Este campo
de trabalho proporcionou-nos, através da
participação em várias atividades, estabelecer
novas amizades, adquirir novos conhecimentos
e também novas culturas.
No primeiro dia, mal chegámos à
[6]
quinta, fomos muito bem recebidos pelos
monitores e pelos outros participantes. Foinos apresentado o programa das atividades,
foram feitos os grupos, o que permitiu também
conhecermo-nos melhor.
No segundo dia, fomos saber mais sobre a
Amnistia Internacional e realizámos atividades,
na Casa das Artes, em V. N. de Famalicão, onde
passámos o resto do dia.
No terceiro dia, fizemos um logótipo
humano e algumas atividades e workshops.
No quarto dia, foi apenas para trocarmos
contactos e fazer as malas para regressarmos
a casa.
Vamos sentir muitas saudades daquele
campo e daquelas pessoas fantásticas que
conhecemos.
Foi uma experiência fantástica!
José Ricardo e Carlos Daniel, MA4
Fa ze r o B e m
S e m O lha r a Q u em
Voluntariámo-nos numa campanha de angariação de fundos
a favor da AMI (Assistência Média Internacional) que decorreu
nos supermercados de V. N. de Famalicão, no dia 25 de novembro.
Além do contributo que demos para os projetos humanitários
da AMI, foi uma excelente oportunidade para sensibilizar a
população para a prática da solidariedade.
Desta forma, procurámos promover os direitos humanos,
liberdades, garantias, justiça e paz entre os povos e países.
Gostariamos de repetir esta experiência, porque fizemos uma
boa ação e contribuimos para ajudar quem mais precisa.
Patrícia Silva, Vânia Azevedo e Margarida Barbosa, HSTA7
CO N CUR SO
O Me u Pr oj e t o é E m p r een d e dor
Reuniu, no dia 9 do mês de outubro de
2012, o júri do concurso “O Meu Projeto é
Empreendedor”. Esta é uma iniciativa da Rede
Famalicão Empreende, em colaboração com
a ACIF - Associação Comercial e Industrial de
Famalicão, que tem como objetivo fomentar
o empreendedorismo. Pretende destacar
Provas de Aptidão Profissional (PAP) mais
empreendedoras apresentadas a júri de
avaliação pelos alunos finalistas dos cursos
profissionais. As ideias a concurso devem ser
inovadoras e empreendedoras, apresentando
um potencial para virem a ser integradas e/
ou desenvolvidas nas empresas/instituições da
região.
O júri do concurso era composto pelos
seguintes elementos: um representante do
Município; um representante do Instituto
de Emprego e Formação Profissional e dois
representantes da ACIF. Todas as candidaturas
foram avaliadas com base nos critérios do
ponto quatro, do sexto artigo do regulamento
do mesmo concurso, resultando numa nota
final para cada PAP. Desta avaliação foram
selecionadas as 10 PAP melhor classificadas,
tendo o nosso aluno Sérgio Manuel Martins
Nogueira, da turma de Energias Renováveis,
ER 4, da Escola Profissional CIOR, sido um dos
escolhidos.
Após a selecção dos alunos, realizou-se
uma reunião, no Auditório da Escola Secundária
D. Sancho I, para que os dez selecionados
procedessem à respetiva apresentação
das PAP a concurso. A sessão foi muito
interessante e o projeto representativo da
CIOR, do aluno Sérgio Nogueira carregamento
fotovoltaico e bicicleta elétrica, mereceu muito
interesse e curiosidade dos presentes. O aluno,
demasiado nervoso, fez o melhor que pode
para defender o projeto. Para esta reunião,
foram convidadas as Direções das Escolas, bem
como os orientadores das 10 PAP selecionadas.
Ficamos a aguardar pelos resultados.
CR
[7]
[8]
Em Foco
Entrega dos Diplomas
e Prémios de Mérito
Dia de festa! Momento sonhado, caminho feito, meta
atingida.
- E para receber o diploma de finalistas chamo a turma...
- Anunciava o mestre cerimónias!
Passo firme, peito cheio, ei-los a caminho do palco.
- Parabéns Joana e Guilherme e Maria e Ricardo e Vera e
Francisco e… - felicitava o Diretor!
- Em nome da turma, quero agradecer aos professores, ao
Diretor de curso, à Direção, a todos os colegas da escola, aos
nossos pais… Rematava o delegado!
Palmas e mais palmas…
A festa chega ao fim nesta manhã de 19 de outubro!
E agora, outros sonhos se levantam!
CR
[9]
Em Foco
Foi um grupo bem grande e bem-disposto o
que visitou a EMAF, no parque de exposições
da EXPONOR.
Um dia bem diferente para as turmas de
Refrigeração, Ar Condicionado e Climatização
(RACC3), Mecânica de Automóveis Ligeiros
(MAL1), Mecânica de Motociclos (MM1) e
Energias Renováveis (ER7), acompanhadas
pelos professores Hélder Ferreira, José André,
Manuel Vieira e Pedro Rocha.
Pretendia-se com esta visita, o contacto e
conhecimento da variedade de ferramentas
[ 10 ]
existentes no mercado, que serão utilizadas
no decorrer da formação pelos alunos e
futuramente como profissionais.
Assim, percorremos tudo o que pudemos,
em particular os expositores de setores como
máquinas-ferramentas, manutenção industrial,
instrumentação, automação e controlo,
produtos de metalúrgica e metalomecânica,
produtos, serviços e equipamentos de
segurança, entre outros, entrando em
contacto com vários produtos e equipamentos
disponíveis no mercado.
Em alguns expositores, houve ainda a
oportunidade de ver algumas demonstrações
dos diferentes produtos e obter informações
elementares com os respetivos responsáveis.
Esta visita foi de grande proveito para
todos, pois ficou a conhecer-se toda uma
rede de produtos, equipamentos e serviços
para diferentes áreas, bem como as últimas
novidades na área da robótica empresarial.
Os formadores acompanhantes
E S T Á G I O S
Animação Sociocultural
E m It ália
De Itália, com amor…
A nossa Formação em Contexto de Real de
Trabalho está a ter lugar em Rimini, Itália.
Começou muito bem, pois as pessoas aqui
são simpáticas e é sempre bom conhecer
novas pessoas e novas culturas e aprender
uma língua diferente da nossa.
Ainda nos estamos a adaptar à cidade e às
regras que aqui exigem mas, no geral, está
tudo a correr muito bem.
Aqui já passámos por muitas aventuras e
realizámos um grande sonho, que era ver o
grande Cirque du Soleil. Foi uma experiência
incrível, que jamais esqueceremos!
Quanto ao nosso estágio, começou
muito bem, mas ainda temos muito para
fazer e aprender, pois tudo isto será uma
aprendizagem e uma experiência única que
vivemos dia a dia.
Temos de aproveitar as oportunidades que
nos são cedidas. Muito obrigada a todos os
nossos professores.
Aqui, em Rimini, é tudo muito bonito,
principalmente a praia. A massa é tão boa e as
pizzas são deliciosas. As pessoas são simpáticas,
as crianças queridas e os idosos amorosos.
É, sem dúvida, uma cidade maravilhosa que
ainda andamos a conhecer e a visitar.
Esperamos que tudo corra bem até ao
final do estágio, pois é algo que nunca vamos
esquecer.
Rimini è una bella Cittá.
Beijinhos das Italianas, por agora…
Ana Cláudia, Mariana, Catarina e Ana Bela, ASC9
E m P or t ug a l
Teve início, no passado dia 29 de outubro, a Formação em
Contexto Real de Trabalho da turma do 12º ano, do curso de
Animação Sociocultural, ASC9, que finda a 14 de dezembro.
Os alunos tiveram a oportunidade de escolher os locais de
estágio e os respetivos polos/ valências, conforme a motivação
de cada um. Assim sendo, temos alunos a trabalhar/estagiar com
crianças, jovens e idosos nas mais diversas instituições da região,
nomeadamente, Associação Teatro Construção, EB2/3 Dr. Nuno
Simões, Centro Social de Moradores das Lameiras, Centro Social
da Paróquia de Esmeriz, Centro Social da Paróquia de Ribeirão,
Associação Cultural Recreativa e Desportiva de Fradelos e Centro
Social de Calendário.
Os estágios têm decorrido conforme o desejado e os alunos
estão satisfeitos com as opções que tomaram.
Eugénia Mendes, professora
[ 11 ]
Em Foco
Form açõ e s Mo d ul a r es
O Sa ber Não Ocu pa L ugar
As colaboradoras do Centro Social de Calendário e uma colaboradora do Infantário
do Agrupamento de Escolas Camilo Castelo
Branco de Vila Nova de Famalicão participaram
numa Formação Modular Certificada: Atividades pedagógicas em creche e jardim-de-infância – Quotidiano da criança, com a duração de
50 horas, nas instalações da Escola Profissional
CIOR, com a formadora Ana Catarina Silva.
Esta formação permitiu-nos atualizar alguns
conhecimentos, estimulando-nos a ser mais
ativas e criativas no desempenho das nossas
atividades e funções profissionais diariamente. Por outro lado, partilhámos e aprendemos
também algumas ideias para ajudar os pais a
ultrapassar as dificuldades de adaptação dos
seus filhos na educação infantil.
Tivemos, ainda, a oportunidade de assistir a
uma sessão informativa sobre Primeiros Socorros, nomeadamente Suporte Básico de Vida,
Posição Lateral de Segurança (PLS) e engasgamento, da responsabilidade dos bombeiros
Augusto Rodrigues e Rúben Rodrigues.
Como conclusão da formação e com o objetivo de confraternizarmos, realizámos um jantar na Casa da Mina, em S. Cosme do Vale.
Formandas da Formação Modular
H i d r i c a m en t e Fa l a n do. . .
No dia 5 de novembro, no âmbito da disciplina de Ambiente e Métodos de Análise de Riscos no Trabalho, a turma de Higiene e Segurança no Trabalho e Ambiente, HSTA7, lançou-se à
descoberta de como se faz a gestão das águas
residuais no nosso país, em particular na nossa
zona, o Vale do Ave.
Conscientes da importância de uma gestão equilibrada e sustentável deste, cada vez
mais precioso recurso, a água, deslocámo-nos,
acompanhados pelo professor Arcélio Sampaio, à ETAR de Agra, em Fradelos.
Esta ETAR recebe e trata os efluentes industriais e domésticos dos municípios de V.N.Famalicão, Trofa e Santo Tirso.
Só após passar por uma série de etapas de
[ 12 ]
tratamento é que a água é devolvida ao meio
ambiente.
Esta visita ajudou a compreender o funcionamento de equipamentos que testam a qualidade da água destinada a algumas atividades
humanas, como a rega e a indústria, procedimentos e métodos envolvidos no tratamento das águas e das lamas resultantes e muito
mais.
A Águas do Noroeste, empresa responsável
pela gestão desta estrutura, disponibilizou um
técnico que nos ajudou a compreender melhor
todos estes processos e se mostrou sempre
acessível para responder às nossas dúvidas.
Entre outras coisas, o técnico em questão
mostrou e explicou para que serve e como fun-
ciona cada etapa desta ETAR, mostrando-nos
também as novas instalações, que ainda não
estão em serviço, permitindo-nos constatar a
dimensão e magnitude destas estruturas e ver,
em primeira mão, as últimas tecnologias disponíveis para o tratamento de águas residuais.
Esta visita foi muito importante, pois foi
bastante esclarecedora, quer na interpretação
destes complexos processos a que as águas residuais estão sujeitas, desde da sua captação
até à sua devolução ao meio ambiente, quer na
compreensão da importância da gestão deste
recurso natural.
Carina, Cátia, Célia, Helena, Márcia e Sandra, HSTA7
Pré m i o Fu n d a ç ã o I l í d i o P i n h o
Mais uma vez marcamos presença no Prémio
Fundação Ilídio Pinho “Ciência na Escola”.
Na 10ª Edição deste concurso, os alunos da
turma de Energias Renováveis ER6, e alguns
alunos da turma ER4, representaram a escola
neste importante evento. Muitas escolas se
fizeram representar e a agitação era muito
grande: a título de curiosidade digo-vos que
foram servidos cerca de 1300 almoços. É muita
gente!
Os alunos gostaram e aproveitaram para ver
e interagir com alguns projetos interessantes
de outras escolas. A Escola que ganhou o 1º
Prémio, no nosso escalão, foi uma escola de
Aveiro com um projeto na área da saúde.
Verificamos que para se ficar entre os
primeiros neste concurso, para além de uma
boa ideia e de uma excelente materialização
da mesma, é fundamental um trabalho a
nível científico aprofundado e muito bem
documentado.
Ainda assim os nossos projetos eram
apelativos e suscitaram bastante curiosidade
dos presentes.
Nesta edição contamos com a presença do
Exmo. Senhor primeiro-ministro, cuja visita aos
vários expositores foi extremamente rápida
e apenas ao corredor central de expositores.
Com muita pena dos nossos alunos, nem
sequer avistamos a comitiva!
Pela experiência, pela motivação, pelo
contacto e interação dos nossos alunos
proporcionando-lhes a abertura de novos
horizontes e expectativas, mesmo sem
prémios, vale a pena continuar.
Manuel Vieira, professor
Arrasá m o s n a 6 ª E d i ç ã o d o
G r and e P r ém i o Fr ei G i l
Foi em Oliveira do Bairro, na casa dos nossos
concorrentes mais diretos, que a nossa escola
levou à competição dois barcos fotovoltaicos,
tendo arrasado toda a concorrência!
Mais uma vez, a CIOR está de parabéns e,
particularmente, os alunos das turmas de
Energias Renováveis, que tudo fizeram para
melhorar os barcos, já vencedores na Regata Solar que decorreu no Visionarium, em Santa
Maria da Feira.
As melhorias introduzidas
tentavam tornar os nossos
barcos melhores, tecnologicamente, que os
da concorrência.
Esta tentativa foi
bem-sucedida,
como se verificou!
Trouxemos o
1º e o 2º lugares
do pódio, com as duas equipas
com que participamos.
O 1º lugar para o Monster e
o 2º para o Poseidon. Foi fantástico e os alunos vibraram
com mais esta vitória da nossa
escola. Os nossos barcos foram, mais uma vez,
alvo de curiosidade, fotografias, perguntas e
elogios.
Intriga-os o facto de, apesar de termos materiais mais acessíveis, conseguirmos ganhar.
Muito trabalho, empenho e dedicação…
Manuel Vieira, professor
[ 13 ]
Em Foco
H a l l o w een
O Halloween é uma festa celebrada a 31 de outubro - a noite das
bruxas. Já todos sabemos que não faz parte da nossa cultura, é mais
comemorada nos Estados Unidos. Porém como um povo de festas que
somos, também gostamos do dia e noite das bruxas. O Sr. Vítor e a D.
Elisabete não deixaram passar esta comemoração em branco, decoraram
a preceito o bar/cantina da escola, fazendo ver a todos os alunos que não
é preciso muito para tornar um dia especial. Estava tudo muito bonito.
Parabéns aos dois!
M.C.
M ui t a s C a s t a n h a s
Ma s Na da de V inho...
Pois é verdade, houve castanhas para todos!
Os cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA) de Mecânica de
Motociclos (MM1) e de Mecânica de Automóveis Ligeiros (MAL1) fizeram
cartuchos de jornal (reutilizando o papel) e deram cortes nas castanhas para
que depois fossem assadas.
O curso EFA de Acompanhamento de Crianças no Domicílio (ACD1)
procedeu à distribuição dos cartuchos cheios de castanhas e dos sumos,
oferecidos pela escola.
CR
[ 14 ]
P R A X E S
[ 15 ]
Em Foco
Este é o Primeiro Dia...
Passos trémulos, olhar curioso, ei-los que
chegam as novas alunas e alunos!
Quem será este e aquele, aquela e mais
aquele… Parece que já os vi… Não, não
conheço.
Vieram de perto, de longe, daqui e dali.
Sentados, ouviam o Diretor:
- Bem-vindos à Escola Profissional CIOR!
Este é o primeiro dia... (E mais isto e mais
aquilo…) Os Orientadores Educativos estão
aqui e vão acompanhar os vossos educandos
até à sala e os Encarregado de Educação
permanecem nesta sala para tomarem
conhecimento de alguns aspetos muito
importantes para o dia a dia dos vossos
filhos…
Estava dado o sinal da partida para a etapa
que durará três anos! Passarão depressa!
E, mais importante, é que passem sem
sobressaltos, com muitos momentos felizes,
momentos de aprender, de fazer, de crescer!
É que o saber servirá para ocupar um bom
lugar! Façam-se a ele!
CR
Aprender com a Realidad e...
Entre 14 e 16 de novembro, os formandos
do curso EFA Acompanhantes de Crianças
no Domicílio, ACD1, realizaram 3 visitas
de estudo com o objetivo de observar e
recolher informação, no âmbito do módulo
Relacionamento Empático e Afetivo.
As instituições visitadas foram: a Associação
de Moradores das Lameiras, nas valências
creche e jardim-de-infância; Centro Social e
Cultural Dª Maria Gomes, em Calendário, na
valência de A.T.L, e Mamã Canguru, serviços
de amas/babysitting, em V. N. de Famalicão.
Tivemos, também a oportunidade de interagir
com as crianças e participar em algumas
atividades.
Estas visitas permitiram-nos observar
o funcionamento das valências referidas,
algumas atividades pedagógicas e o
relacionamento interpessoal, entre os
colaboradores e as crianças e entre as
próprias crianças. Foram, também muito
enriquecedoras,
pois
permitiram-nos
aprofundar os nossos conhecimentos sobre
os temas abordados no nosso curso, assim
como ter um primeiro contacto com a nossa
futura realidade profissional.
Agradecemos às instituições por nos terem
recebido muito bem.
ACD1
[ 16 ]
A C IO R B r ilh o u n o V i s i o n a r i u m
Decorreu, no final do ano letivo anterior, a 6ª
edição da regata de barcos movidos a energia
solar, no lago dos jardins do Visionarium, em
Santa Maria da Feira.
Destinada a alunos do ensino básico,
secundário e profissional, esta iniciativa
pretende ser um incentivo à realização de
atividades
experimentais
relativamente
simples e pouco dispendiosas e em que escolas
e alunos são motivados a inovar práticas
pedagógicas. A CIOR, presente com seis
equipas, brilhou mais uma vez num dia em que
o sol se escondia por instantes.
A disputa dos primeiros lugares foi renhida e
discutida até à fase final. Conquistamos os 1º, 2º
e 4º lugares do troféu performance, em corrida
no escalão dos alunos do ensino secundário
e profissional, com os barcos MONSTER,
POSEIDON e SAGRES II, respetivamente.
Para culminar conquistamos o prémio para o
melhor design do mesmo escalão com o barco
POSEIDON, elaborado pelos alunos de Energias
Renováveis do 10º ano.
A alegria dos alunos ficou registada com
a promessa de lá voltarmos para o próximo
ano. É de destacar o empenho dos alunos
envolvidos num trabalho que não é fácil,
sobretudo quando os pequenos detalhes
construtivos podem fazer a diferença perante
o peso da tecnologia.
Manuel Vieira, professor
J or n a l ism o c o m a ASC
A turma de Animação Sociocultural, ASC10,
teve o privilégio de viver a experiência de
participar num programa de Rádio (a Digital)
e de Tv (a Famatv). A turma demonstrou
muito interesse e empenho, visto que era uma
oportunidade que não podia desperdiçar. O
nervosismo e a tensão foram sentimentos
presentes, contudo foi um trabalho realizado
com êxito.
Este convite foi muito bem recebido por nós,
alunos. Ficamos gratos pela experiência vivida.
Tivemos bastante autonomia na realização
desta actividade, contudo queremos agradecer
ao professor Luís Bessa, pela ajuda que nos
deu, e aos locutores e responsáveis da rádio e
Tv pela oportunidade e ajuda que nos deram.
Não podemos deixar de nos lembrar da
presença indispensável do diretor da Escola, Dr.
Amadeu Dinis, do diretor pedagógico, Dr. José
Paiva, e da Drª Carla Oliveira, responsável pelo
jornal da escola, o Leituras, que participaram
na entrevista da Tv.
Rafaela e Files, ASC10
[ 17 ]
Em Foco
1, 2, 3 Experiência
Dado que as atividades experimentais
são consideradas excelentes instrumentos
de aprendizagem das ciências, o núcleo de
Física e Química está, à semelhança de anos
anteriores, em funcionamento.
Com esta iniciativa as professoras
responsáveis pela dinamização do núcleo
pretendem, sobretudo, contribuir para
despertar nos alunos o interesse e motivação
pela aprendizagem das ciências, bem como,
incutir a importância do trabalho de grupo, do
espírito crítico e de observação.
Ao longo do período, foram desenvolvidas
algumas atividades práticas, com destaque
para a atividade de Natal – colaboração na
construção de uma árvore de Natal gigante
revestida a folhas de jornal e de revista e da
elaboração de presépios em sabonete.
As professoras agradecem a todos os
alunos que, com entusiasmo e empenho, se
envolveram no desenvolvimento de cada uma
das atividades realizadas.
Carla Oliveira e Ilda Dias, professoras
Contrabando Imoral...
Entre 2008 e 2011, o tráfico de seres
humanos para exploração laboral tem vindo
a aumentar entre os portugueses. Esta foi
uma das principais conclusões apresentadas
durante o colóquio que teve lugar na nossa
escola e no qual participaram as turmas de 12º
ano.
A iniciativa que abordou o tema “O Tráfico
de Seres Humanos: fenómeno global,
realidade e impactos a nível nacional” é de
importância fundamental e que não deixa
ninguém indiferente. Durante o colóquio, a
oradora convidada, Dr.ª Dulce Couto, explicou
que “os dados relativos ao último ano e meio
revelam um aumento do número de casos de
tráfico humano para fins de exploração laboral,
nomeadamente de cidadãos portugueses para
o estrangeiro”. No entanto, não conseguimos
ainda dizer se este tipo de tráfico aumentou em
relação ao tráfico para fins sexuais, até porque
este pode estar encoberto e ser tipificado de
outra forma.
Atualmente, o tráfico de seres humanos
é mais comum nos centros urbanos, nas
zonas do interior e na vertente transnacional,
nomeadamente no que toca ao tráfico para
exploração sexual. Estes dados são recolhidos
através das forças policiais, de organizações
não-governamentais e de outros organismos.
A informação e a sensibilização para este
assunto são o melhor caminho para não serem
alvos destes crimes.
Ainda no âmbito deste tema, as turmas
de 12º ano e alguns cursos de Educação e
Formação de Adultos foram convidados a
assistir ao filme Transe. É um filme português
de Teresa Villaverde, uma longa-metragem
de ficção que explora o tema da emigração
dos países de leste para a Europa, segundo
a dolorosa experiência de uma jovem que
procura, em vão, uma vida mais digna.
CR
Verdade ira Animação
Este ano, a turma de Animação Sociocultural, ASC 10, tem uma intervenção a realizar subordinada ao tema “Brincar com as Estrelas”.
Esta ideia surgiu de um brainstorming realizado
pelos alunos da turma. Este ano o formato será
diferente, pois nos anos anteriores realizava-se
na escola (no ginásio), mas este ano os alunos
deslocar-se-ão às respectivas instituições.
[ 18 ]
A turma foi divida em três grupos, segundo
o público-alvo: Crianças, Jovens e Idosos. Cada
grupo tem um projeto a pensar e a elaborar,
podemos afirmar que o processo está a correr
bem por enquanto, e que temos instituições já
confirmadas, o que é muito bom.
As intervenções realizar-se-ão nos dias 12 e
13 de dezembro, em diversas instituições do
concelho. No dia 15 de dezembro estaremos
na Casa das Artes, no período da manhã, e na
nossa Escola, à noite.
Aqui deixamos o convite, marquem já na
vossa agenda: dia 15 de dezembro, pelas 21
horas, no ginásio da Escola. Venham assistir
à nossa intervenção, garantimos animação e
muita festa.
ASC10
Semana da Ciência e Tecnologia
Un i v ers i da de L usíada
Os alunos das turmas ER7 e ER5 do curso
de Energias Renováveis estiveram presentes,
em datas diferentes, nas instalações da
Universidade Lusíada, para participarem em
Workshops relacionados com o ensaio de
materiais e o funcionamento e rendimento
energético de uma bomba de calor,
respetivamente.
Esta iniciativa dirigida aos alunos e
professores do ensino secundário representa
uma oportunidade de aproximação à realidade
do ensino superior e da investigação científica,
através da participação dos jovens em
actividades e demonstrações nas áreas das
Engenharias, promovendo, assim, uma maior
aproximação entre a Universidade Lusíada e as
instituições de ensino secundário e profissional
da região. A Semana da Ciência e Tecnologia
2012 proporcionou o espírito de descoberta
e o convívio entre alunos, ou até mesmo
entre alunos e professores, influenciando a
aprendizagem fora do contexto escolar, como
processo de compromisso com a experiência e
com o desenvolvimento de ideias e de reflexão.
Pode dizer-se que o saldo da participação foi
extremamente enriquecedor para os nossos
alunos uma vez que tiveram a oportunidade
de assistir a formas diferentes de trabalhar
e ao mesmo tempo tomar contacto com as
novas tecnologias afetas à investigação. Foi
ainda importante o contacto dos alunos com
a realidade universitária, proporcionandolhes assim novos horizontes de vida. Pode por
isso dizer-se que as expectativas e objectivos
inicialmente formulados foram ultrapassados.
Manuel Vieira, professor
Uma Manhã em Cheio
No dia 22 de novembro, os formandos do
curso de Educação e Formação de Adultos
(EFA) de Refrigeração, Ar Condicionado e Climatização, RACC3, da Escola Profissional CIOR,
visitaram as instalações da Rádio e do Jornal
Cidade Hoje, em V. N. de Famalicão, acompa-
nhados pela formadora de Linguagem e
Comunicação, Carla Susana Azevedo.
Chegados às instalações da Rádio e do
Jornal Cidade Hoje, fomos bem recebidos
pelos diretores da Rádio e do Jornal Cidade Hoje, Oliveira Geão e Rui Lima, respetivamente.
De seguida fomos divididos em dois
grupos, alternadamente um grupo visitou
a Rádio e o outro o Jornal. Durante a visita,
tivemos oportunidade de conhecer as instalações, o funcionamento da rádio e do jornal.
Relativamente ao jornal, ficámos a saber
quais os procedimentos a seguir para a seleção
das notícias, como elaborar um jornal, entre
outros tópicos.
Quanto à visita à rádio, o diretor explicounos como a rádio funciona, qual o material
necessário ao funcionamento da mesma, quais
os critérios essenciais para trabalhar na rádio e
como criar um programa, tendo em consideração o público-alvo a atingir.
Os formandos consideraram esta visita enriquecedora, pois ficaram a compreender melhor o funcionamento destes meios de comunicação.
Foi, sem dúvida, uma manhã diferente para
formandos e formadora.
RACC3
[ 19 ]
L i v r e - Tr â n s i t o
O Mundo... Últimas
•Espanha: Catalunha quer independência
“Catalunha, novo Estado da Europa” foi o
lema da marcha independentista que juntou
milhares de catalães nas ruas de Barcelona, no
dia 11 de setembro.
•Angola: Posse de Eduardo dos Santos
José Eduardo dos Santos tomou posse, no dia
26 de setembro, como primeiro Presidente
eleito em Angola. Na Presidência da República
desde 1979, inicia um mandato de cinco anos.
Paquistão, sobreviveu, no dia 9 de
outubro, a um ataque dos talibãs.
•EUA: Eleições 2012
O Presidente norte-americano Barack
Obama foi reeleito, no dia 6 de novembro,
para um segundo mandato.
•Venezuela: Hugo Chávez reeleito
O Presidente da Venezuela, Hugo Chávez, foi
reeleito, no dia 7 de outubro, para mais um
mandato de seis anos.
•Palestina: Yasser Arafat
O corpo do antigo líder da Autoridade
Palestiniana vai ser exumado, no final de
novembro, para que seja esclarecida a causa
da sua morte. Suspeita-se que Yasser Arafat
tenha sido envenenado com uma substância
radioativa. Faleceu em 2004 num hospital em
Paris.
•Paquistão: Atentado talibã
A jovem Malala Yousafzai, ativista e defensora
da educação das raparigas e mulheres no
•Síria: Aumento da tensão
De acordo com o Observatório Sírio dos Direitos
Humanos, morreram mais de 37 000 pessoas,
na maioria civis, desde o início do conflito na
Síria (março de 2011).
O Alto Comissariado das Nações Unidas para
os Refugiados informou que o número de
refugiados sírios, nos países vizinhos, pode
atingir os 700 000 no final de 2012.
Carla Saldanha, professora
União Europeia,
Nobel da Paz 2012
A 12 de outubro de 2012, a União Europeia
foi distinguida pelo Comité Nobel norueguês
com o Prémio Nobel da Paz 2012.
“A União e os seus precursores têm
contribuído, há mais de seis décadas, para o
avanço da paz e da reconciliação, da democracia
e dos direitos humanos na Europa”, escreveu o
Comité Nobel no seu comunicado.
Salientou, ainda, que o papel estabilizador da
União Europeia “contribuiu para transformar
a maior parte da Europa, até então um
continente em guerra, num continente de paz”.
Muitos cidadãos ficaram surpreendidos com
a atribuição deste prémio, pois o processo de
construção europeia atravessa um momento
difícil. Atualmente são visíveis as profundas
divisões entre os países do sul da Europa,
como Grécia, Portugal, Itália e Espanha,
atingidos pela crise da dívida e com pesadas
políticas de austeridade, e os do norte, mais
ricos, liderados pela Alemanha.
Para Jacques Delors, antigo presidente da
[ 20 ]
Comissão Europeia, este prémio tem uma
mensagem moral e política. “É um prémio
moral no sentido em que saúda os países
que, reconhecendo a sua atitude do passado,
fizeram a paz entre eles. É um prémio político
porque surge num momento em que há muitas
críticas, muitas estatísticas, prognósticos
desfavoráveis à UE”, afirmou.
Carla Saldanha, professora
Poupança
Nestes momentos de crise é usual ouvirse a palavra oportunidade como chavão
para justificar a mudança de hábitos. Julgo
que as alterações de costumes deviam ser
realizadas por serem racionais e não estarem
dependentes das condições económicas.
Em termos energéticos podemos poupar
alterando os hábitos sem modificar o nosso
bem-estar. De seguida dão-se 8 exemplos de
poupança:
1 - Na cozinha use a panela de pressão, pois
demora menos tempo a cozinhar e poupa gás.
Se não possuir este utensílio não se esqueça
de tapar os tachos e panelas. Não deixe aberta
a porta do frigorífico e quando usar o forno
evite abrir a porta para verificar como está o
bolo, pois sempre que abrir a porta desperdiça
energia.
2 - Para a iluminação prefira as lâmpadas
economizadoras, mas não se esqueça de as
desligar quando delas não precisar.
3 - Nos quartos de banho prefira o duche ao
banho de imersão, porque além da poupança
de água, poupa imensa energia. Não deixe
torneiras abertas.
4 - Quando comprar um electrodoméstico
faça-o com parcimónia. Na compra considere
a eficiência e funcionalidade do equipamento.
Não compre um aspirador para condizer com a
cor do micro-ondas, pois eles só se vão voltar
a encontrar na reciclagem, ou no Hospital de
Monstros da CIOR.
5 - Quando não usar os equipamentos,
desligue-os. Carregadores de telemóvel,
computadores ou televisores são exemplos de
desperdícios.
6 - Quando selecionar a temperatura de um
equipamento de refrigeração ou aquecimento
não a selecione demasiado baixa no verão
nem demasiado alta no inverno. Desfrute dos
calções no verão e dos agasalhos no inverno.
7 - Nas deslocações de automóvel planeie
os trajetos. Tenha uma condução defensiva.
Nas pequenas deslocações ande a pé ou faça
exercício com a bicicleta. Verifique quais as
possibilidades de usar os transportes públicos.
8 - Partilhe e seja feliz. Atualmente em quase
todos os compartimentos de uma habitação
existe uma televisão. Partilhem parte do
vosso tempo com a vossa família. Conversem
em família sobre as vossas vivências, o jogo
de futebol, a telenovela ou o filme. Poupem,
sejam e façam os outros felizes!
Todos os dias devemos mudar, não porque
nos é imposto, mas porquanto mudar significa
conhecer, aprender e melhorar.
Pedro Pinheiro, professor
Prémio Sakharov 2012
O “Prémio Sakharov para a Liberdade
de Pensamento”, instituído em 1988 pelo
Parlamento Europeu, tem como objetivo
homenagear pessoas ou organizações que
contribuíram para a defesa dos direitos
humanos e das liberdades fundamentais.
A data da entrega do prémio ocorre por
volta do dia 10 de dezembro, dia em que
se comemora a assinatura da Declaração
Universal dos Direitos do Homem das Nações
Unidas.
Na edição de 2012, o Parlamento Europeu
distinguiu dois ativistas iranianos: Nasrin
Sotoudeh e Jafar Panahi.
Os dois iranianos estão atualmente detidos,
por lutarem pela liberdade de expressão e
pelos direitos civis no Irão.
Nasrin Sotoudeh é advogada e representou
vários membros da oposição que foram presos
após as eleições presidenciais no Irão, em
junho de 2009.
Jafar Panahi é cineasta e o primeiro
iraniano a receber um prémio no Festival de
Cinema em Cannes. Os seus filmes abordam,
frequentemente, as dificuldades enfrentadas
por crianças, mulheres e pobres no Irão.
O Prémio Sakharov 2012 será entregue no
dia 12 de dezembro, numa cerimónia realizada
no Parlamento Europeu, em Estrasburgo.
Carla Saldanha, professora
[ 21 ]
Livre-Trânsito
UM MARCIANO
Numa aula de Filosofia, numa escola qualquer de uma qualquer freguesia pertencente
a uma qualquer região do país, um aluno exclamou:
“A vida começou em Cabeço de Vide,
Sou um ser vivo,
Cabeço de Vide fica no Alentejo,
Logo, sou alentejano”.
Este silogismo, aparentemente absurdo,
ganhou asas recentemente quando cientistas
ligados à NASA afirmaram ter encontrado nas
águas termais de Cabeço de Vide uma estirpe bacteriana muito rara, só encontrada num
local ermo nos Estados Unidos e, bem sim, é
mesmo isso… em Marte.
Mas antes de corrermos em magote para a
Loja do Cidadão e requerer a alteração da nossa naturalidade para esta freguesia alentejana
vamos voltar atrás no tempo… muito, muito
atrás.
Esta nossa viagem no tempo bem que poderia começar com as primeiras palavras da Bíblia
“E no início…”.
Bom, no início não havia nada! Sim é verdade, rigorosamente nada, apenas o silêncio frio
do vazio…
Este ponto é aliás um dos poucos em
que a Igreja e a Ciência concordavam, porque logo de seguida, repentinamente,
BRUUUUUUUUAAAAAAAAAAA! Uma enorme
explosão de luz e energia, o Big Bang, deu origem a tudo o que conhecemos… e desconhecemos, o Universo.
“Faça-se luz”, disseram os deuses, e, do
nada, tudo apareceu.
Mas daí até ao surgimento da vida, em
Marte ou num cantinho deste nosso Portugal,
muito há para contar, a começar pela formação da nossa galáxia, do nosso sistema solar e,
finalmente, deste nosso planeta tão especial,
a Terra.
Desde o Big Bang até à formação do nosso
[ 22 ]
planeta decorreram, sensivelmente, 10,4 biliões de anos, mais milhão, menos milhão.
A Terra formou-se à, aproximadamente, 4,6
biliões de anos e em nada se parecia com o planeta que hoje conhecemos. O nosso planeta
era um verdadeiro inferno ardente, um imenso
oceano de rocha derretida, sem uma superfície
estável e sólida. À medida que foi arrefecendo,
formou-se uma superfície sólida, rochosa, mas
nada mais que isso. A Terra era apenas… bem
terra, ou melhor uma grande rocha arredondada suspensa no espaço.
Esta foi também uma fase crítica para o nosso planeta pois um fragmento rochoso errante
pelo nosso jovem sistema solar, do tamanho
de Marte, chocou violentamente com a nossa
Terra primitiva. A extinção esteve muito perto,
mesmo antes de a vida começar, mas, ao invés,
dos destroços rochosos resultantes a Terra ganhou uma amiga inseparável, a Lua.
Entre as muitas interações entre a Lua e a
Terra as mais evidentes são as atuais estações
do ano, marés dos oceanos, ou dias de 24 horas.
Mas, voltando ao nosso planeta, porque na
Lua só vivem alguns privilegiados, há cerca de
3,8 biliões de anos o nosso planeta estava muito quente, sobretudo devido a uma atividade
vulcânica muito intensa. Os enormes vulcões
jorravam rios infinitos de lava e libertavam
toneladas de gases, a grande maioria tóxicos,
mas entre os quais também uma pequena percentagem de vapor de água.
Assim começou por se formar uma atmosfera primitiva altamente tóxica mas que permitiu
que se formasse, pela primeira vez, algo nunca
antes visto… a chuva, e choveu não um ou dois
dias mas sim milhões de anos, ininterruptamente, dando origem aos oceanos.
Entretanto compostos como o carbono, o
enxofre ou o hidrogénio, originários dos gases
vulcânicos e entretanto dissolvidos nas águas
das chuvas, acumulavam-se nos oceanos primitivos. Na atmosfera começaram as primeiras
tempestades, violentíssimas e com enorme
carga elétrica e, há aproximadamente 3,2 biliões de anos, surgiu finalmente a vida no planeta.
Foi este cenário que, em 1929, dois cientistas tomaram em consideração para, separadamente, chegarem a uma mesma ideia: a Teoria de Oparin-Haldane, mais conhecida como
a Teoria da Sopa Primitiva. Segundo esta, os
oceanos continham todos os elementos químicos necessários à formação das primeiras moléculas orgânicas e, consequentemente, os primeiros seres vivos microscópicos, as bactérias.
Tudo o que seria necessário seria a ocorrência
de descargas energéticas que obrigariam estes
elementos a interagirem. Isso era explicado pelas poderosas tempestades elétricas presentes
EM CABEÇO DE VIDE
A Vida Terá Começado em Portugal?
Os Deuses Deviam Estar Loucos!
na atmosfera primitiva.
Posteriormente surgiram, dentro da comunidade científica, alguns defensores de uma outra ideia, uma outra teoria. Sem dúvida que os
oceanos continham todos aqueles elementos
e sem dúvida que haviam descargas elétricas
fortíssimas provenientes da atmosfera mas,
segundo estes cientistas, algo tão complexo
como a vida não poderia ter uma origem, nem
uma explicação tão simples. Estes defendem
que a vida na Terra é extraterrestre (não… não
estamos a falar do típico ET), ou seja, que veio
do espaço, através do embate de meteoritos
ou cometas com o nosso planeta. Aliás esta
teoria ganha cada vez mais força, com as novas
evidências a apoiarem cada vez mais esta ideia.
Por exemplo, ainda no ano passado, novos estudos sustentam a ideia de que os aminoácidos
terrestres, os blocos constituintes da vida na
Terra, são idênticos aos descobertos em múltiplas variedades de rochas espaciais analisadas.
Daniel Glavin, cientista da NASA, acredita que
isto prova que realmente há algo que veio dos
asteroides.
Ora é nesta perspetiva que se enquadram
as bactérias descobertas nas águas termais de
Cabeço de Vide. Segundo os cientistas, as termas desta vila alentejana, de natureza sulfúrea
(ricas em enxofre), encontram-se encaixadas
em rochas que conferem às águas termais propriedades muito particulares, como é o caso
de um pH à volta de 11.5, único no continente
europeu e só visto numa nascente em The Cedars, uma zona termal americana, e… sim, pas-
mem-se, nas rochas em Marte e nos indícios
da existência de água líquida naquele planeta.
Mas afinal são as rochas e as águas que são
marcianas? Não eram as bactérias?
Eram pois! As semelhanças extravasam o
contexto geológico, algo que até nem era no-
vidade. Estudos geológicos levados a cabo por
investigadores do Instituto Superior Técnico
haviam captado a atenção de cientistas do outro lado do Atlântico que, a partir dos dados
recolhidos pelos investigadores portugueses,
sinalizaram várias semelhanças com dezenas
de meteoritos chegados à Terra vindos da zona
espacial de Marte. Acresce que foi encontrada
uma bactéria só identificável na tal zona americana e nas planícies marcianas onde foram
encontradas vestígios de água líquida.
Portugal recebeu então o astrofísico Steve
Vance, do Jet Propulsion Lab, da NASA, que,
em parceria com investigadores do Centro de
Petrologia e Geoquímica do Instituto Superior
Técnico (CEPGIST), pretende analisar, comparar e relacionar as rochas e as águas dos três
locais o que, segundo Vance, poderá trazer respostas sobre a origem da vida na Terra.
A equipa de investigação conta ainda com
um poderoso e bem colocado aliado, a sonda
Curiosity, atualmente em Marte, a recolher
e a analisar amostras que poderão ser determinantes para o sucesso da investigação. O
mesmo pode acontecer em relação a uma bactéria comum aos três locais, que, mesmo não
passando de suspeitas, José Manuel Marques,
autor do estudo original, acredita poderem vir
a confirmar-se, já que está provado que houve
água em Marte, e existem fortes probabilidades de ainda existir no subsolo.
O estudo deste investigador português, publicado numa revista científica internacional,
foi determinante para esta colaboração entre
cientistas nacionais e americanos. Steve Vance,
após ler o artigo de Manuel Marques, convidou
-o para levar a cabo, na NASA, uma palestra sobre as águas termais de Cabeço de Vide e a sua
relação com a astrobiologia.
A equipa de investigação está convencida
de que a geologia do local é a ideal para proporcionar as condições ideais para o desenvolvimento de vida na Terra e em Marte, mas
também em outros corpos celestes, como em
Europa, uma lua de Júpiter.
Ora perante a hipótese de a vida na Terra poder ter começado em Cabeço de Vide, a pacata
população da vila encontra-se um pouco dividida e algo incrédula. Porém, Armando Beleza,
pedreiro de profissão e que se encontra trabalhar no antigo balneário das Termas da Sulfúrea
de Cabeço de Vide, quando entrevistado por
um jornalista do “Diário do Alentejo” exclamou
“Por algum lado deve ter começado”. Já segundo fontes não oficiais, Angela Merkel, a poderosa chanceler alemã, aquando da recente
visita a terras lusitanas no âmbito do programa
de recuperação financeira aplicado a Portugal,
quando confrontada com esta hipótese terá
deixado escapar “Das Leben hat in begonnen
Portugal? Die götter müssen verrückt sein!”*.
O primeiro-ministro português terá aproveitado a ocasião e disparado de imediato “Estás a
ver Angela? Ao fim ao cabo somos todos portugueses… primos… irmãos, quem sabe! Vá lá,
deita aí uma mãozinha à família”.
* A Vida terá começado em Portugal? Os
deuses deviam estar loucos!
Feliz Natal e Próspero Ano Novo a todos!
Arcélio Sampaio, professor
[ 23 ]
Livre-Trânsito
DÁ-LHE NITRO!
A utilização de óxido nitroso para elevar a
potência de motores é uma prática que começou a ser desenvolvida já há bastante tempo,
mais propriamente durante a Segunda Guerra
Mundial, onde se utilizava este sistema nos
aviões Aliados, de modo a se conseguirem
potências adicionais em grandes altitudes.
Porém, com aparecimento dos aviões a jato,
a aplicação do óxido nitroso em motores de
avião ficou esquecida, até que na década de 70
se começaram a efetuar mais estudos acerca
da sua possível aplicação, não só neste como
noutros campos em que se usavam motores de
combustão interna como propulsores.
O sistema de nitro – como é vulgarmente
conhecido – não é mais do que um sistema
que efetua a injeção de óxido nitroso (que é
uma substância líquida que se transforma em
gás comburente quando despressurizada) nas
câmaras de combustão. Ao contrário do que
muitos erroneamente pensam, esta substância
não detona nada, pois não se trata de nitroglicerina, nitro metano, nem nenhum outro tipo
de combustível. O óxido nitroso é apenas um
gás com poder comburente, cuja aplicação em
motores de combustão interna tem por objetivo aumentar a capacidade de queima na câmara de combustão e, consequentemente, a
energia produzida.
[ 24 ]
COMO FUNCIONA?
Todos os motores de combustão interna funcionam queimando combustível, que explode
na câmara de combustão e se expande, fazendo baixar os pistões, provocando desse modo a
rotação da cambota. Assim, podemos concluir
que quanto maior for esta explosão, mais força
irá ter o motor, o que se consegue pela queima
de uma maior quantidade de combustível.
Se o raciocínio é bastante simples, conseguir
na prática estes resultados já não o é, pois todos os combustíveis requerem oxigénio para
a sua combustão e se queimarmos mais combustível, precisamos de fornecer também mais
oxigénio ao sistema, o que não é tão simples
como pode parecer.
Se um motor tiver um maior poder de admitir oxigénio, pode
admitir mais combustível, conseguindo assim um aumento considerável de potência.
Assim, e para conseguirmos aumentar
o fluxo de ar, temos
algumas alternativas,
como o uso de válvulas
maiores, árvores de
cames com diferentes
durações de comando
das válvulas, turbos,
coletores de admissão especiais (por “cornetas”, guilhotinas, etc), escapes mais “livres” e
por sistemas de adição de óxido nitroso.
Os sistemas de óxido nitroso são, atualmente, o modo mais eficiente para aumentar
o fluxo de oxigénio e, consequentemente, de
combustível.
São três os principais fatores que fazem este
sistema favorecer o processo de combustão.
O primeiro é a vaporização do combustível,
pois no estado líquido a queima não é perfeita.
O motor convencional – seja através do carburador ou de injeção eletrónica – faz isso, mas
não da maneira mais eficiente, principalmente
em altas acelerações. Com a adição do óxido
nitroso, o processo torna-se extremamente
mais eficiente, devido à sua capacidade de ad-
mitir mais oxigénio e combustível mais vaporizado durante a combustão.
Outro fator prende-se com a própria composição química do óxido nitroso. Tanto o ar
que respiramos como o que um motor respira
contém, ao nível do mar, 78% de nitrogénio,
21% de oxigénio e apenas 1% de outros gases.
O óxido nitroso (N20) não é mais do que uma ligação química entre dois átomos de nitrogénio
e um de oxigénio, que sob o calor do motor se
separam, fornecendo mais oxigénio.
Por último, temos o facto de a densidade do
combustível ser afetada pela pressão atmosférica. Dado que esta, obviamente, não pode
ser alterada, resta-nos a opção de arrefecer o
ar para o tornar mais denso, pois quanto mais
densa é a mistura, mais combustível é admitido. Quando o óxido nitroso é injetado nas
câmaras, ele passa imediatamente do estado
líquido para gasoso, num processo endotérmico (que consome calor). Esta transformação
arrefece a câmara de combustão e, como se
sabe, tal como as moléculas quando aquecidas se expandem, quando arrefecidas estas
comprimem-se, fazendo com que caiba ainda
mais oxigénio e combustível dentro da câmara de combustão. A mistura mais densa é um
“bónus” que o sistema de óxido nitroso traz
que o faz destacar ainda mais dos outros sistemas de aumento de potência.
O óxido nitroso é normalmente acondicio-
nado em cilindros de alumínio, estando disponível numa variedade de tamanhos que varia
de 2,5 lbs a 20 lbs, de acordo com cada fabricante. Como o combustível será adicionado ao
gás nitroso, ele será introduzido comprimido
e atomizado completamente, o que promove
uma melhor queima na câmara de combustão,
que tem como resultados diretos o aumento
da força do motor tanto em potência quanto
em binário.
Quando comparamos os
custos de preparação de um
motor para alta performance, o óxido nitroso oferece
mais potência em relação ao
investimento que todas as outras alternativas conhecidas,
sendo esta mais uma das suas
vantagens.
Outra grande vantagem do
sistema de óxido nitroso é a
sua capacidade de fornecer
imediatamente potência sempre que é solicitado, ao contrário dos restantes sistemas,
que geralmente têm um certo
tempo de resposta, como é
o caso do tempo de resposta
dos turbos (turbo lag). Outra
vantagem deste sistema, vem
do facto de se poder retirar e
reinstalar o sistema noutro carro sem qualquer
problema e em poucas horas de trabalho.
Uma das primeiras perguntas que surgem
quando se fala de sistemas de óxido nitroso é
se este provoca um maior e prematuro desgaste do motor, o que depende da calibração do
equipamento de modo a obter uma potência
adequada ao motor em que o mesmo está instalado. Assim, se forem ultrapassados certos
limites, o motor pode danificar-se.
A vantagem deste sistema
é que pode ser usado apenas
quando o condutor quiser ou
for necessário e não constantemente, o que deve acontecer com alguma moderação,
uma vez que o uso excessivo
do mesmo é o que deteriora
com rapidez o motor. Se o
sistema for usado com prudência e for feita uma manutenção rigorosa, a duração
de vida do motor não fica de
nenhum modo afetada.
Querem saber mais sobre
este tema? Então, não percam as próximas edições do
Leituras!
Pedro Silva, professor
[ 25 ]
Livre-Trânsito
Cu ri o sid ad e s
Recolha de Fernanda David, Psicóloga, in Ciência Hoje
In fâ nci a e x p l i c a c a p a c i d a d e dos a du l tos res ol v erem con flitos
R e l a c i o n a m en t o c om os p a i s é determi n a n te
p a r a l i d a r c o m emoçõ es n eg a ti v a s
A capacidade de os casais resolverem os
seus conflitos pode estar ligada ao tipo de
relacionamento que cada uma das partes
teve com os pais durante a infância, revela
um estudo realizado por psicólogos da
Universidade de Minnesota, nos EUA.
De acordo com o artigo publicado na revista
“Psychological Science”, quanto melhor o
relacionamento com o pai e a mãe durante a
infância, mais as pessoas conseguem superar
discussões na idade adulta.
Uma equipa de investigadores acompanhou
um grupo de crianças de 12 a 18 meses nascidas
nos anos 70. Duas décadas depois, avaliaram
a forma como estes indivíduos resolviam
os conflitos nos seus relacionamentos e
verificaram quais os assuntos que para eles
eram mais sensíveis.
Constataram então que aqueles que tiveram
boas relações com os pais durante a infância se
mostraram melhores na resolução de conflitos
na fase adulta, visto que os progenitores
ajudam a regular as emoções negativas das
crianças. Desta forma elas crescem mais
capazes de regular as suas próprias emoções
após um desentendimento ou uma discussão.
De acordo com os psicólogos, mesmo
aqueles que tiveram uma infância insegura
podem aprender a resolver conflitos com um
parceiro emocionalmente mais equilibrado.
Jessica Salvatore, uma das autoras do estudo,
sublinhou que “se uma pessoa puder guiar o
processo de superação de um conflito, tornase capaz de ajudar o companheiro e a melhorar
o relacionamento”.
E c s t a s y L ev a a P erda da Efi cáci a do Cé rebro
Um estudo foi publicado na revista
“Neuropsychopharmacology”
permitiu
verificar que o consumo de ecstasy está
associado a uma perda de eficácia do cérebro,
o que significa que processar a informação
ou executar uma tarefa envolve mais energia
deste órgão.
Investigadores do Centro Médico da
Universidade de Vanderbilt, nos EUA,
realizaram exames de ressonância magnética
funcional para comparar a resposta do cérebro
ao estímulo visual, em pessoas saudáveis entre
os 18 e os 35 anos que tinham consumido
ecstasy até duas semanas antes do estudo e
outras que nunca tinham utilizado esta droga.
[ 26 ]
A análise de dados permitiu verificar que
os consumidores de ecstasy que foram mais
expostos à droga durante a vida tinham uma
maior ativação em três áreas do cérebro
associadas com o processamento visual. Tal
sugere que a utilização deste estupefaciente
está associada à perda da sinalização de
serotonina, resultando numa ativação
aumentada ou hiperexcitabilidade do cérebro,
o que indica uma perda de eficácia deste órgão.
Nos participantes que tinham usado ecstasy
durante mais de um ano, a ativação do cérebro
não voltou ao normal após a estimulação visual
utilizada no estudo. Ronald Cowan, professor
de psiquiatria e um dos membros da equipa
de investigação, acredita que esta mudança
na excitabilidade cortical pode ser crónica,
duradoura ou mesmo permanente.
As Minhas Férias
José Silva, ER5
Na disciplina de Práticas Oficinais foi-nos
solicitado que redigíssemos um texto sobre as
férias com o objetivo de nos prepararmos para
os relatórios que teremos de realizar este ano.
Nas férias, eu e os meus amigos realizámos
uma “Eurotrip”, isto é, uma viagem económica
pela Europa, visitando países que possuem
grandes potências no futebol.
Todas as viagens foram realizadas de
comboio, a baixo custo, pois obtivemos
uma promoção em que, durante um mês,
poderíamos efetuar todas as viagens que nos
interessassem dentro dos países europeus.
No país de nuestos hermanos visitámos o
Camp Nou, em Barcelona, estádio do maior
clube mundial da actualidade. Visitamos ainda
o estádio de uma das mais históricas e
conhecidas equipas mundiais, o Real
Madrid, onde tivemos oportunidade de
entrar em contacto com os portugueses
que trabalham no clube.
Como em quase todas as viagens de
jovens, o orçamento foi curto, e então
as dormidas e refeições nem sempre
foram perfeitas e de sonho.
Seguimos para França onde tivemos
dificuldade em comunicar, pois nenhum
de nós sente grande afeto pelo país e
pela língua. Eu, principalmente, sobretudo,
depois da meia-final do Euro 2000, senti um
desinteresse acentuado pela matéria nas aulas
de francês!
Mas como o Paris Sant-Germain é um clube
histórico e, recentemente, começou a renascer
para as grandes competições e conquistas, não
era de bom senso não visitar a sua casa, sem
tirar, como é óbvio, significado a toda a beleza
da capital francesa, que por curiosidade,
ajudou à visita da cidade.
Em Itália, foi a visita mais demorada, pois
sinto uma grande admiração pelo país e pela
sua história no futebol. Começamos por visitar
Milão, onde num só estádio se apresentam ao
mundo dois enormes clubes. Daí
partimos para Torino, onde mais
um enorme clube figura, a Juventus.
Era também impossível não visitar
Roma, onde a rivalidade entre os
seus dois clubes mais fortes, que
mesmo não sendo cabeças de cartaz
do seu campeonato, me arrepia só
de pensar.
Na ida para a nossa última visita,
fizemos paragem na grande potência
económica mundial, a Alemanha.
Um país mais “antipático” que todos os
outros que já tinhamos visitado até então, mas
onde também mora um histórico, o Bayern de
Munique, que possui um estádio assustador
em termos de tamanho, estética e de novas
tecnologias.
Chegados a Inglaterra ainda nos restava
uma semana de estadia, que seria
bem necessária, pois só em Londres
existem seis clubes que militam
na Premier League, para muitos
a melhor competição mundial de
futebol. Existem, ainda, outros clubes
“enormes” no país que deu o futebol
ao mundo. De norte a sul, podemos
encontrar clubes com história nas
competições europeias como o
Liverpool ou o Newcastle, entre
outros.
Em Manchester, localidade com
paragem obrigatória, visitámos o
estádio do United e do City que, ultimamente,
está a ser o clube com mais impacto mundial.
Acabada a visita, regressámos ao nosso país.
Estas férias serviram essencialmente para
ganhar responsabilidade na gestão financeira,
pois o orçamento era extremamente reduzido
e a viagem ainda era longa.
Tivemos também de conseguir conciliar o
tempo disponível com todas as visitas que
desejávamos fazer.
O que mais me desagradou foi mesmo a
falta de dormidas e refeições com as mínimas
condições mas, mesmo assim, tudo foi
suportável graças à maravilhosa viagem que
realizámos.
No futuro, gostava de visitar os mesmo
países, mas com outro intuito e mais tempo,
para tentar aprender e observar mais a cultura
de cada um.
As minhas expetativas para este ano letivo
estão elevadas, pois logo no início do ano
comecei por organizar um caderno diário para
cada disciplina, e dedicar umas horas de estudo
diárias, coisa que não fazia há muitos anos.
Tenho o cuidado de realizar os trabalhos de
casa e embora possa parecer insignificante, é
algo determinante no estudo e nos resultados
da avaliação.
Isto tudo porque tenho como objetivo,
no final do ano, candidatar-me a uma
universidade, pois não quero acabar a
minha vida escolar no o 12º ano.
Posso concluir que estas férias
foram muito importantes, apesar de
as viagens terem sido realizadas para
prazer pessoal e não com o intuito de
trabalho, a verdade é que consegui
ganhar mais responsabilidade na gestão
financeira e também de tempo e, ainda,
conheci melhor diferentes culturas.
[ 27 ]
Livre-Trânsito
Cursos de Educação e
A c o m p a n h a n t e d e Cri a n ça s n o Domi cí l i o, ACD1
Finalmente chegou o dia! Após uma longa
paragem nos estudos, eis a nossa chegada à
CIOR.
Ingressámos no curso EFA Acompanhante
de Crianças no Domicílio, ACD1, na expectativa
de adquirir novas competências que nos permitam enfrentar um mercado de trabalho cada
vez mais exigente.
Agora, passados três meses, constatamos
que evoluímos mais do que aquilo que inicialmente esperaríamos.
Mas nem tudo foi fácil! Além de toda a ansiedade e receios, o dia 17 de setembro significou
o início de uma nova etapa das nossas vidas.
A partir desta data tudo mudou radicalmente:
rotinas, horários, hábitos, convivências, conflitos, etc.
Felizmente encontramos uma escola que
soube acolher, desde os funcionários à Direção, passando, como é óbvio, pelos formadores e serviços.
Também a turma muito contribuiu para minimizar este impacto inicial e nos fazer sentir
mais confiantes, confortáveis e capazes de enfrentar esta nova aventura.
Entretanto, começaram as sessões de for-
mação, no verdadeiro sentido da palavra
e, com elas, os
grandes desafios que, uma
vez superados,
nos garantiram
novas competências e conhecimentos.
As sessões
de formação
têm adquirido
um
carácter
predominantemente prático,
onde tivemos
a oportunidade de desenvolver vários projetos
como campanhas de solidariedade, construção de uma roda dos alimentos, elaboração de
desdobráveis e outros materiais informativos e
compilação de portefólios, entre outros.
Além disso, realizámos várias visitas de estudo e participamos em diversas atividades da
escola: organização das boas-vindas e receção
aos parceiros estrangeiros; magusto; festa de
Natal; etc.
Nada mau… para apenas três meses por cá!
Esperamos continuar ativos no próximo trimestre e partilhar no Leituras as novas aventuras.
ACD1
Mec â n i c a d e A utomó v ei s Li g ei ros , MAL1
Antes de sermos selecionados para o curso
EFA Tecnológico de Mecânica de Automóveis
Ligeiros, MAL1, tínhamos diferentes expectativas relativamente aos cursos e à escola. Alguns
de nós pensavam que seria muito complica[ 28 ]
do, rigoroso e
aborrecido.
No
início,
ficamos
surpreendidos e
algo apreensivos, devido ao
número de módulos e à carga
horária elevada
de 1035 horas,
com o estágio
incluído. Contudo, ao longo
destes
dois
meses e meio,
com muita dedicação, as aulas tornaram-se
um local de aprendizagem, mas também de
convívio.
Além das aulas teóricas, as mais importantes
acabam por ser as práticas no seu contexto real
de trabalho, realizámos outras atividades: Gi-
nástica, São Martinho, Visita à Exponor, entre
outras já planeadas como o jantar de Natal.
Este curso proporciona-nos um conhecimento recíproco, formamos novas amizades
e passamos bons momentos de descontração,
saudáveis e divertidos.
Gostaríamos, também, de salientar que todo
este nosso esforço para estudar é com o intuito
de termos mais saídas profissionais, porque no
mercado de trabalho existe uma concorrência
e ferocidade implacável.
Aproveitamos esta oportunidade para realçar a paciência e a compressão dos nossos
formadores. Recomendamos a todos que venham frequentar estes cursos, pois não se irão
arrepender. É um local de aprendizagem, mas
também de descontração e convívio. Além de
nos levantar a autoestima, também nos sentimos úteis e capazes de conseguir os nossos objetivos, ou seja, receber o nosso certificado de
nível II (UE) de qualificação profissional.
Sandra Teixeira, MAL1
Formação de Adultos (EFA)
“ A ed u ca ção é u m p roces s o s oci a l ,
é des en v ol v i men to.
N ã o é a prepa ra ção p a ra a v i da ,
é a pró pri a v i da . ”
Dewey, John
Mec â n i c a de Motoci cl os , MM1
No dia 1 de outubro iniciámos o curso de Mecânica de Motociclos, MM1, e nesta área somos os pioneiros na CIOR. O curso tem
duração prevista até 21 de junho de 2013, contemplando 1035
horas, sendo que 120 horas são destinadas ao estágio, a realizar
numa empresa do mesmo ramo.
Antes de sermos selecionados para este curso, tínhamos expectativas um pouco infundamentadas em relação à aprendizagem e
ao mercado de trabalho devido à nossa idade e inexperiência. No
entanto, o tempo e as aprendizagens têm vindo a mostrar-nos o
contrário.
Entre os colegas de curso formamos uma família, porque conseguimos ultrapassar as diferentes personalidades de cada um.
Com a ajuda e muita paciência dos respetivos formadores vamos
superando as dificuldades que nos vão aparecendo no dia a dia nos
respectivos módulos.
Além de repararmos motociclos, também reparamos quadriciclos e todos os tipos de máquinas de motor a dois e quatro tempos.
A conclusão deste curso confere-nos o certificado do nível II (UE)
da qualificação profissional, que esperamos que nos facilite o nosso desempenho no mundo de trabalho.
José Alves, MM1
R e fr i g er a ç ã o , A r C o n di ci on a do e Cl i ma ti z a ção, R ACC3
Depois de tantos anos longe do ensino e da escola, os primeiros
dias foram difíceis…
O primeiro impacto foi complicado, pois eram 25 adultos, com
personalidades, aprendizagens e histórias de vida diferentes que
se refletiam e refletem nas suas ações, atitudes e ter de aprender
a lidar com essas diferenças foi e é ainda muito complicado. As
opiniões eram e continuam a ser diferentes, por exemplo, a
vontade de estar aqui não é igual para todos e isso manifesta-se no
nosso dia a dia, nas confusões e atritos que se criam entre o grupo.
Contudo, temos esperança que mude, que as personalidades se
ajustem, se moldem, contribuindo assim para um bom ambiente
entre todos.
Em relação à Instituição CIOR, gostaríamos de deixar aqui um
muito obrigado por nos dar a oportunidade, através da frequência
deste curso, de adquirirmos novos conhecimentos que nos vão
permitir melhorar o nosso futuro.
No fundo, queremos agradecer a todos, principalmente
ao delegado de turma, a sua paciência e ajuda na resolução
das situações que se têm vivido. Aos nossos formadores um
agradecimento pela forma como nos receberam e têm lidado
connosco ao longo destes três meses.
RACC 3
[ 29 ]
Livre-Trânsito
Te st e mun hos
de Ex-A l un o s
A CIOR n as Nossas Vida s
P edro M a galh ã es, I E 4 , e S a n d r a Ma g a l h ã e s , ASC 1
[ 30 ]
Olá, eu sou o Pedro Magalhães, ex-aluno da
Escola Profissional CIOR, Turma IE4.
Em primeiro lugar quero felicitar o Jornal
da Escola, assim como toda a organização do
mesmo pela iniciativa.
Equiparo a minha passagem pela CIOR à
construção de uma casa. Numa casa começamos pela base, a qual se apoia no seio familiar.
Depois de terminada dá-se início à construção de pilares, os quais têm de ser fortes pois
como o nome indica devem suportar a restante estrutura da casa. Um dos pilares da minha
construção só foi concluído com a colaboração
da Escola Profissional CIOR. Posso então afirmar que vejo a minha passagem pela Escola de
forma muito positiva.
Na Escola pude também criar um alicerce
para a vida, nomeadamente conhecer a minha
esposa, a Dani.
Em relação ao meu curso, Técnico de Insta-
lações Elétricas, posso dizer que foi um grande
impulsionador da vida profissional que tenho,
tendo em conta, que desde que terminei a
formação pude por em prática tudo o que
aprendi e podendo desta forma evoluir continuamente, sendo ainda hoje, Eletricista Profissional.
Graças à minha formação, trabalho como
Elektro Monteur na firma Georg Egli Ag na
Suíça, à qual agradeço a oportunidade e a
confiança depositada e todo o carinho dado.
É de salientar que o meu Diploma de Técnico
de Instalações Elétricas, atribuído pela Escola
Profissional CIOR, está exposto na minha atual
firma de trabalho.
Concluindo e utilizando uma expressão do
Diretor Pedagógico Dr. José Paiva “É uma Escola com um ambiente Familiar”, posso afirmar
que foi este ambiente familiar que também
me ajudou a crescer, não só a nível profissio-
nal, mas também a
nível intelectual e
moral.
Não posso deixar
de aproveitar para
agradecer a oportunidade de dar o
meu testemunho,
agradecer e louvar todo o pessoal
docente e não docente assim como ex-colegas de turma por
fazerem parte deste crescimento. Agradeço
em particular as professoras Isabel Nunes e
Andreia Araújo, bem como o Diretor da Escola,
Dr. Amadeu Dinis, e o Diretor Pedagógico, Dr.
José Paiva, o meu muito obrigado.
Desejo muito sucesso e felicidade à Escola
Profissional CIOR e a todos os alunos…
Eu sou a Sandra
de Magalhães, mais
conhecida por Dani
e ex-aluna da Escola
Profissional CIOR.
Tinha 16 anos
quando fui pela
primeira vez à
CIOR, assim como
à cidade de V. N. de
Famalicão, fazer a minha candidatura para o
Curso de Animação Sociocultural, turma ASC1.
Na altura ainda tínhamos que fazer testes de
admissão e tudo correu bem.
Tudo era novidade, a escola, a cidade, as
pessoas… enfim, foi o início de uma grande
aventura.
Durante os três anos que “vivi” na Escola,
criei amizades que ainda hoje perduram e acima de tudo cresci, não só a nível profissional,
como também a nível intelectual e espiritual.
Na Escola conheci também uma das pessoas mais importantes da minha vida, que me
fez sonhar e voar mais alto, precisamente o
Pedro Magalhães. Toda a nossa história teve
início nesta Escola e prolonga-se até aos dias
de hoje.
A Escola foi um dos principais alicerces para
a vida que hoje tenho. Aprendi coisas maravilhosas e importantes na Área da Animação
e Educação, mas também formei e criei ideais
que me alargaram o horizonte e me ajudaram
a completar a minha personalidade.
Com a Escola Profissional CIOR tive a oportunidade de fazer coisas extraordinárias como
a participação e organização da I Feira Medieval de V. N. de Famalicão, fazer um estágio
na Irlanda (Dublin), participar no programa
Prós e Contras, bem como outras atividades e
workshops, onde os Professores e Direção da
Escola foram os nossos impulsionadores e nos
garantiram todas as bases e ajuda necessárias.
Quando terminei o curso e com todas as bases que criei durante o mesmo, tratei de organizar a minha vida em termos de trabalho, não
tardando a estar a por em prática tudo o que
tinha aprendido. Trabalhei como Animadora
num ATL, em Avidos, durante quase três anos
e foi muito bom crescer profissionalmente,
aproveitando todos os ensinamentos e mostrando o que valho.
Mas, como a vida dá muitas voltas, acabei
por deixar aminha área de estudo, tendo optado por novas oportunidades. Embarquei numa
nova vida no estrangeiro, onde vivo uma luta
constante para dar seguimento aos meus estudos. Vou-me adaptando à língua e acima de
tudo voltar a exercer a minha área de formação.
Um bem-haja a toda a gente da Escola, pessoal docente, não docente, alunos e ex-alunos, com os votos de que todos alcancem os
sonhos.
S ó n i a S an to s e D i n i s P e r e i r a , C E 4
Foi na Escola Profissional CIOR que nos conhecemos, no Curso Técnico de Serviços Comerciais/Comércio Externo, de 1996 a 1999.
Guardamos boas recordações e amizades
desse tempo, já lá vão 13 anos e ainda mantemos contacto com algumas delas, incluindo
professores. Estamos, inclusive, a organizar um
jantar de turma para o dia 1 de dezembro.
Os 3 anos de curso foram enriquecedores
tanto a nível cultural como profissional. Mas
também uma grande valia no nosso caso, pois
após várias trocas de olhares, palavras… etc.,
cresceu um grande Amor.
Eu, Sónia, fiz o meu estágio profissional na
Indústria Têxtil do Ave, S.A. onde trabalho há
10 anos como Assistente Comercial no departamento de Compras.
O Dinis, também ligado à atividade comercial, é sócio-gerente de uma empresa de telecomunicações, CONTRATCELL, gestão de contas de clientes, da Vodafone, trabalha também
como operário na Indústria Têxtil do Ave, S.A.
para poder usufruir de uma melhor qualidade
de vida.
Hoje em dia, temos trabalho, saúde e dois
filhos maravilhosos como podem ver na foto.
Por isso, a nossa passagem pela CIOR foi uma
das mais importantes da nossa vida.
Queremos agradecer todo o apoio dos professores e funcionários durante a nossa “estadia” e de um modo especial ao professor
Joaquim Meneses, por se ter lembrado de nós
para dar o nosso testemunho.
1998
Muita coisa fica por dizer, por isso faço-vos
um convite, juntem-se ao nosso jantar-convívio, através do Facebook, grupo CE4.
A Escola do Futuro
A inovação começou
com o transporte; mal
saímos
de
casa apanhamos um autocarro com
uma grande cabine panorâmica com cerca de
20 pessoas sentadas e interligado a outras três
cabines semelhantes. Uma viagem calma com
algumas paragens.
A escola do futuro poderá estar comprometida devido à crise que o nosso país atravessa:
podemos ter escolas viradas para a tecnologia com o objetivo de substituir os livros e os
materiais escolares por um computador, onde
poderíamos enviar trabalhos por suporte informático e também ter todos os apontamentos
numa só pasta e talvez a possibilidade de assistirmos a uma aula a partir de casa seja uma
realidade. As escolas também poderão ter um
Ao almoço, na cantina, uma grande nave de
dois pisos, muito confortável e equipada com
robôs, onde os alunos escolhem os seus pratos
preferidos.
Mas se o país não conseguir ultrapassar
esta crise económica, esta história poderá mudar de rumo devido às restrições económicas.
Com a falta de dinheiro certamente não haverá
avanços na educação, mas isto não é único problema, pois o desemprego, a nossa dependência do petróleo e a escassez de água potável
poderão ameaçar o futuro para o qual teremos
de estar preparados. Tudo isto é o que imaginamos, mas com a ajuda dos nossos familiares
e professores havemos de conseguir chegar
onde nos propusemos, seguindo o caminho
que escolhemos.
Desejamos claramente que todas as crianças/jovens de todo o planeta tenham acesso às
escolas apropriadas.
ginásio bem equipado para que os alunos apreciem a prática do desporto ou exercício físico
com grandes bancadas para que todos os outros possam visualizar. Um dos variados exemplos que podemos mencionar é uma biblioteca
em suporte informático onde poderíamos ver
online as grandes obras da cultura portuguesa e também a História de Portugal, para que
os alunos leiam o que se passou com os nossos antepassados, para que os seus feitos não
caiam no esquecimento.
Tiago Mesquita, Rui Oliveira e Jorge Pereira, ER7
[ 31 ]
Livre-Trânsito
Dessalinizar a Água do Mar
ou as Águas Salobras dos
Açudes e Poços
O crescente aumento da população mundial associado às necessidades de água potável, que como sabemos são restritas, começa
a colocar sérios problemas de abastecimento,
sobretudo em meios áridos e com fracos recursos económicos. Não nos podemos esquecer
também que as crescentes pressões sobre os
solos, quer a nível de contaminações com produtos químicos e fertilizantes, quer através da
condução de efluentes provenientes de explorações como os aviários, suiniculturas e vacarias ou ainda de grandes unidades industriais,
têm contribuído para contaminar irremediavelmente os veios freáticos e reservas de água.
A dessalinização da água salgada ou salobra,
do mar, dos açudes e dos poços apresenta-se
como uma das soluções para a humanidade
vencer mais um desafio premente. Dessalinizar as águas salobras não só é possível, como
não é novidade. Convencionalmente, acontece
quando estas passam ao estado gasoso e se
“purificam” passando a águas doces por condensação.
Em regiões onde as reservas de água são
escassas, o recurso a processos industriais de
dessalinização da água, em particular da água
do mar, tem constituído um meio de superar
as crescentes necessidades de água para consumo humano. Em países como Cabo Verde,
Grécia, Paquistão, Austrália, Japão, índia, Chile,
Malta, Arábia Saudita, entre muitos outros e
no caso Português na ilha de Porto Santo, houve necessidade de purificar água do mar para
satisfazer as necessidades locais. No entanto, o
custo da água purificada é ainda bastante elevado, apresentando-se como uma alternativa,
ao transporte de água doce em camiões cisterna, navios tanques, barcaças e outros.
Nos oceanos está a principal solução para
suprir as necessidades futuras de água doce, já
que são possuidores de 97,4 % da água existente no globo terrestre.
A desmineralização da água do mar
Os processos normalmente utilizados para
dessalinização da água do mar são:
[ 32 ]
• destilação convencional
• destilação artificial
• eletrodiálise
• osmose inversa
O uso de energias renováveis, como a eólica
e a solar, contribui para viabilizar a dessalinização de zonas semiáridas, visando o consumo humano e animal e a micro-irrigação, propiciando melhores condições para a fixação
do homem em meios desfavoráveis.
A destilação é o processo mais antigo de
purificar água. Representa, ainda cerca de 90%
da produção mundial de água dessalinizada.
Neste processo, a água é vaporizada por aquecimento e condensada por arrefecimento para
se obter água líquida pura.
Destilador caseiro
Apesar de ser um processo eficaz é bastante
dispendioso, já que a mudança de estado da
água requer elevadas quantidades de energia:
H2O (1) D H2O (g) ; ΔH = 40,8 kj/mol
Atualmente a destilação faz-se a pressões inferiores à pressão atmosférica, o que traz uma
poupança de energia significativa.
Para reduzir custos, pode-se utilizar a energia solar para evaporar a água. É um processo
particularmente útil nos países mais quentes,
que são também aqueles onde há maior necessidade de purificar água. De qualquer forma
subsistem algumas dificuldades que têm impe-
Esquema típico da Osmose Inversa
Esquema típico de um sistema de
com recurso a membranas. Este
evaporação de água salobra com
recurso à energia solar e recolha do sistema tem custos energéticos mais
elevados. (Sistema Ativo)
condensado. (Sistema Passivo)
dido a utilização em larga escala deste processo de evaporação/condensação com recurso à
energia solar. A grande dimensão das unidades
e a lentidão do processo são alguns dos problemas que se colocam.
Técnicas mais modernas tiram partido da
osmose inversa. A osmose é um fenómeno
físico no qual moléculas de água atravessam
uma membrana semipermeável, movendo-se
de um compartimento onde existe água pura
para outro na qual a água tem substâncias
dissolvidas. A membrana impede a passagem
das espécies dissolvidas. Na osmose inversa é
aplicada uma pressão no compartimento da
água impura que obriga as moléculas de água
a fluírem para o compartimento da água pura,
proporcionando mais água pura. Na purificação da água do mar é necessário aplicar uma
pressão de cerca de 30 atmosferas. A osmose
inversa é consideravelmente mais barata do
que outros processos de separação. Os seus
custos energéticos são cerca de 10% dos de há
40 anos atrás, altura em que era frequente a
utilização da destilação artificial, recorrendo a
combustíveis fósseis.
Há zonas isoladas e caracterizadas por condições semiáridas, com baixa precipitação pluviométrica e por um solo predominantemente
cristalino, que favorece a salinização dos lençóis freáticos.
Costa de uma Ilha habitável, (Deserta, ao largo da Ria Formosa, a
cerca de 35minutos de barco) sem recursos de água doce
A dessalinização da água através de osmose inversa apresenta-se como uma ótima alternativa, uma vez que possui um menor custo
quando comparado com outros sistemas de
dessalinização. Além de retirar o sal da água,
este sistema permite ainda eliminar vírus, bactérias e fungos, melhorando assim a qualidade
de vida da população.
O seu funcionamento está baseado no efeito
da pressão sobre uma membrana polimérica,
através da qual a água irá passar ficando retidos os sais. A integração com a energia eólica
é uma possibilidade para rentabilizar o sistema
tornando‑o autónomo quando há um baixo
índice de eletrificação da região, na ausência
de energia distribuída. Poderá ainda ser utilizado um sistema fotovoltaico que irá fornecer
energia, para a bomba de captação de água do
poço.
Histórico dos processos de dessalinização:
• Em 1928 foi instalado em Curação uma estação
dessalinizadora
pelo processo da
destilação artificial, com uma
produção diária de 50 m3 de água potável.
• Nos Estados Unidos da América as primeiras
iniciativas para o aproveitamento da água
do mar datam de 1952, quando o Congresso aprovou a Lei Pública número 448, cuja
finalidade seria criar meios que permitissem
reduzir o custo da dessalinização da água do
mar. O Congresso designou a Secretaria do
Interior para fazer cumprir a lei, daí resultando a criação do Departamento de Águas
Salgadas.
• Em 1964 entrou em funcionamento o alambique solar de Syni, ilha grega do Mar Egeu,
considerado o maior da época, destinado a
abastecer de água potável a sua população
de 30.000 habitantes.
• A Grã-Bretanha, já em 1965, produzia 74%
de água doce que se dessalinizava no mundo, num total aproximado de 190.000 m3 por
dia.
• Em 1971 as instalações de Curação foram
ampliadas para produzir 20.000 m3 por dia.
• Em 1985, algumas petrolíferas como a Petrobrás, iniciaram o seu programa de dessalinização de água do mar para responder às necessidades das suas plataformas marítimas,
usando o processo da osmose inversa.
• Atualmente existem 7.500 unidades em
operação no Golfo Pérsico, Espanha, Malta,
Austrália e Caribe convertendo 4,8 biliões
de metros cúbicos de água salgada em água
doce, por ano. O custo, ainda alto, anda à
volta de US$ 2,00 por metro cúbico.
• As grandes centrais, semelhantes às refinarias de petróleo, encontram-se no Kuwait,
Curação, Aruba, Guermesey e Gibraltar,
Central de Barcelona: Aspetos da central que fornece água dessalinizada à cidade de Barcelona;- Investidor: Aguas Ter Llobregat (ATLL)
Início da construção 2007; Data de Inauguração em julho de 2010;
Capacidade de 200,000m³/dia; Investmento de €230m : 1/3 CEE
abastecendo-os totalmente com água doce
retirada do mar.
Porto Santo
Em Portugal já existe uma central de dessalinização na Madeira. Trata-se da central de dessalinização do Porto Santo de dimensão média,
do tipo osmose inversa que permite fornecer
água potável a toda a população.
Sala de bombagem a alta pressão na estação de Porto Santo
A água salgada entra em contacto com uma
membrana seletiva que retém o sal (NAOH Cloreto de Sódio) e deixa passar a água no seu
estado puro. É um sistema de módulos enrolados em espiral muito compactos, que, associam algumas centenas de metros quadrados
de área de membrana por metro cúbico. Este
projeto torna-se menos exigente do ponto de
vista energético, e em termos ambientais permite o tratamento de águas contaminadas e a
reciclagem da água nos processos químicos. A
sua aplicação ainda é pouco evidente em Portugal, por se tratar de uma tecnologia recente, mas, devidamente aproveitada, poderá ter
grande potencial.
Esta central tem diferentes espaços técnicos,
sendo o edifício principal composto por:
• Reservatórios de água salgada;
• Galerias técnicas e de bombagem primária;
• Salas de pré-tratamento;
• Nave exclusivamente destinada às unidades
de dessalinização;
• Sala de quadros elétricos;
• Sala de comando.
Existem ainda os edifícios anexos destinados
ao posto de transformação, armazéns e oficina,
bem como as galerias subterrâneas de captação de água salgada localizadas na praia sob a
camada rochosa semi-impermeável (calcarenitos).
A Central está dimensionada para produzir
até um caudal máximo de 70 l/s, ou seja, cerca
de 6.000 m3/dia, por intermédio de quatro unidades de dessalinização.
As unidades de produção por osmose inversa são na sua essência compostas pelos seguintes elementos:
• Uma bomba de alimentação primária cuja
função é elevar a água salgada da cisterna
de água bruta, fazendo passar pelo sistema
de pré-tratamento;
• Um sistema de pré-tratamento que inclui,
um sistema de injecção de anti-incrustante
e uma unidade de filtração por filtros de cartucho;
• Um grupo eletrobomba de alta pressão acoplado a uma turbina do tipo pelton para recuperação de energia;
• Conjunto de módulos de membranas enroladas em espiral;
• Um conjunto de equipamentos hidráulicos e
de instrumentação para controlo e monitorização de todo o processo.
As águas rejeitadas pelo processo de dessalinização, cerca de 65%, são novamente devolvidas ao mar com cerca do dobro da concentração de sais existente na água salgada.
A água produzida pelas unidades de Osmose Inversa é encaminhada para um sistema de
tratamento final. Este sistema é composto por
um conjunto de filtros com brita calcária onde
é feita a mineralização da água e uma unidade de injeção de hipoclorito de sódio. Após o
tratamento final a água é encaminhada para
um reservatório com cerca de 100 m3 e elevada para o reservatório do Lombo do Atalho
por intermédio de um sistema de bombagem,
composto por 4 grupos eletrobombas com capacidade unitária de 126 m3/h a uma altura de
elevação de 65 m c.a. O conjunto de condutas
adutoras, em polietileno de alta densidade
com diâmetros compreendidos entre os 315
mm e os 400 mm, têm o comprimento global
aproximado de 1.500 m.
Esta é uma possível solução para a problemática da escassez da água que em alguns
países já é adotada com sucesso. A título de
exemplo a nossa vizinha Espanha já possui
cerca de 700 centrais de dessalinização.
Sustentabilidade assegurada por sistema
fotovoltaico de última geração (UHCPV)
Concentrador fotovoltaico da IBM
A King Abdulaziz City for Science and Technology (KACST), um centro de investigação estatal da Arábia Saudita, está a construir aquela
que deverá tornar-se na maior central de dessalinização do mundo na cidade de Al-Khafji.
O empreendimento vai utilizar um novo tipo
de tecnologia fotovoltaica concentrada e um
inovador sistema de filtragem da água, ambos
[ 33 ]
Livre-Trânsito
desenvolvidos em conjunto com a IBM. A solução desenvolvida pela IBM para contornar este
problema recorre a uma liga líquida altamente
condutora de índio-gálio na parte inferior dos
chips condutores de silício para dissipar o calor.
Isto permite a concentração viável de cerca de
2 300 vezes a intensidade típica do Sol sobre
um dispositivo de apenas 1 cm2, um valor três
vezes mais alto que o conseguido pelos atuais
sistemas concentradores.
Os custos de operação deverão assim bai-
xar consideravelmente, podendo tornar-se no
futuro centrais modelo a implantar em locais
onde as populações mais necessitam.
As unidades de dessalinização, para abastecimento de águas, talvez por se tratar de uma
tecnologia recente, ainda não estão implantadas em Portugal continental mas esperam-se
projetos inovadores, uma vez que o grande
potencial de energia solar, do nosso país, favorece este tipo de empreendimentos. Haja
a vontade e a visão suficientes para perceber
que será este o caminho para suprir as necessidades de água potável que já se fazem sentir.
Questões para reflexão
Como é possível existirem locais em Portugal
que não dispõem de água para consumo? Será
melhor utilizar os poucos recursos que Portugal
tem de combate a incêndios, para levar a água
às populações? Ou será mais favorável usar as
tecnologias que o mercado nos oferece? Por
que se continua de braços cruzados, quando
existem soluções para resolver o problema de
abastecimento de água de um modo eficaz?
Bibliografia:
IGA - Investimentos e Gestão da Água, S.A.
Relatório do “Economist Intelligence Unit”
Technology Review, de 17 de dezembro de 2009
Technology Review, de 8 de abril de 2010
À descoberta do Planeta Azul – Porto Editora 2012
http://ambientes.ambientebrasil.com.br/agua/artigos_
agua_salgada/dessalinizacao_da_agua_do_mar.html
http://www.watercones.com/
http://www.mage-watermanagement.com/
http://www.saltworkstech.com/
http://www.gizmag.com/ibm-solar-powered-desalination/14760/
http://www.wikienergia.pt/~edp/index.php?title=Ar%C3%A1bia_Saudita_constr%C3%B3i_central_de_dessaliniza%C3%A7%C3%A3o_por_energia_solar_de_nova_gera%C3%A7%C3%A3o
Manuel Vieira, professor
Italiana vera
A M a r i a A s s u n t a é i t a l i a n a , a s s i s ten te de l í n g u a s , e es tará na
noss a e sc o l a a t é a o f i n a l do a n o l eti v o, a o a bri g o do Pro j eto
Co m e ni u s , E s c o l a d e A c ol h i men to. Tra n s crev emos , n u ma
trad u çã o a p r o x i m a d a , a s pri mei ra s i mpres s õ es da Ma ri a sobre
P o r t ug a l , o t ra ba l h o e a es col a CIOR
Final de maio, chego a minha casa e encontro um envelope de Florença, abro-o e descubro que fui escolhida como assistente por nove
meses. O meu destino é Portugal.
O primeiro pensamento que chega à minha
mente é que Portugal é realmente um país bonito.
Na noite anterior, entro no meu carro e escolho um CD, entre os tantos que tenho, e a
primeira canção que ouço é “Coisas pequenas”,
dos Madredeus, cantada no Coliseu do Porto:
isso é o primeiro sinal do destino. Na noite seguinte, recebo um outro sinal, quando estava
no carro do Andrea, o meu namorado, viro o
meu olhar e vejo um rapaz com uma camisola
da seleção portuguesa. Depois destes sinais, eu
não podia deixar de aceitar este desafio.
Entro em contacto com a Escola Profissional
CIOR e aguardo um email com informações
mais precisas. Logo de seguida, recebo um
agradável email da Nilza e da Olívia e, imediatamente, descubro a bondade portuguesa, que
depois tive o prazer de apreciar em toda a nossa correspondência.
Muitas vezes me encontrei fantasiando sobre a minha vida portuguesa, mas já tinha uma
certeza: iria viver para um país acolhedor, bon[ 34 ]
doso e jovial; de facto à minha chegada, o Senhor Andrade estava à minha espera com um
grande sorriso.
Na segunda-feira, começava a minha nova
vida portuguesa. Tinha medo, não conhecia
ninguém, não falava português (e ainda não
o faço muito bem), mas encontrei novamente
pessoas bondosas que me acolheram de uma
maneira excelente. Conheço a Nilza e a Olívia
que me explicam os meus deveres: o primeiro seria ensinar italiano a um grupo de cinco
meninas. Penso, imediatamente, num método
simples para que elas aprendam de uma forma
divertida, porque a língua não é só um conjunto de regras gramaticais, mas sobretudo uma
forma de comunicar os pensamentos. As aulas
foram um êxito, a Olívia disse-me que as meninas se divertiram, apesar de nas aulas só se
comunicar em italiano.
Esta experiência ajudar-me-á a crescer pessoal, profissional, e, sobretudo, mentalmente,
porque ajuda a aumentar a conhecimento da
diversidade e aceitação de uma cultura diferente da sua. É o que precisa esta Europa que
busca reunir culturas e línguas diferentes. Falar
uma língua (ainda que de modo imperfeito) é
comunicar com pessoas de culturas diferentes.
Saber falar uma língua ajuda a viajar com a
mente, abre mundos desconhecidos e ajuda
a entrar em contacto com a diversidade que
complementa o nosso ser.
Com estas palavras não quero dizer que viver
num país estrangeiro é fácil. Não, é muito complicado: sente-se saudade, temos que inventar
uma nova vida, mas é ainda uma nova fonte de
grande crescimento pessoal, que consente tornar-se num cidadão do mundo, com muitas facetas e muitos eu, como dizia Fernando Pessoa.
Il mio desiderio è quello di riuscire a lasciare
un piccolo pezzo di Italia, Paese che rappresento, in Portogallo: un piccolo pezzo di me, qui,
nella CIOR.
Maria Assunta, assistente de línguas Comenius
Saberes Descobertos
O FUTURO DOS
CENTROS NOVAS OPORTUNIDADES
CENTROS PARA A QUALIFICAÇÃO E ENSINO PROFISSIONAL?
Como é do conhecimento geral, encontra-se
a decorrer a reestruturação e remodelação da
Iniciativa Novas Oportunidades. Numa entrevista dada pelo Presidente da Agência Nacional para a Qualificação e Ensino Profissional
(ANQEP), Dr. Gonçalo Xufre ao jornal Sol, em
julho 2012, adiantou que: “da análise feita à
atividade desenvolvida, emergiu a necessidade de repensar a rede e a forma como se encontra estruturada. Desde logo, se verificou
que os Centros Novas Oportunidades (CNO)
não cumpriam efetivamente a totalidade da
sua missão, e que esteve na génese da sua
criação, compreendendo apenas um dos eixos da iniciativa, a dos adultos, pondo de lado
a formação direcionada para os jovens. Desta
forma, ficou clara a premência que o âmbito
da sua intervenção deveria ser efetivamente
alargado”. Todavia, e com o objetivo dos CNO
darem resposta aos adultos em processo, e
até que sejam publicados os normativos legais
enquadradores das novas estruturas - Centros
para a Qualificação e Ensino Profissional, foi
concedido, a título excecional, que os CNO pudessem prosseguir com a sua atividade até 31
de dezembro de 2012. O Presidente da ANQEP
acrescenta ainda que: “não se pretende criar
uma rutura ou desmantelamento dos Centros
Novas Oportunidades, mas antes uma reestruturação da sua rede e missão” adiantando, a
este respeito, que a portaria que regula os CNO
está a ser ajustada e ditará uma forma diferente de operacionalização deste sistema de qualificação. Pretende-se, segundo este, que “os
Centros para Qualificação e Ensino Profissional
constituam uma nova fase para a qualificação
de adultos, ampliando a sua missão para os
jovens”.
Joana Costa, coordenadora
Alguns Momentos do Nosso Centro Novas Oportunidades
Inauguração do Centro Novas
Oportunidades
Formalização de Protocolos
Equipa Inicial do Centro Novas
Oportunidades
I Encontro de CNO do Vale do Ave
Cerimónia de Entrega de Diplomas
Entrega de Certificados no Centro
Hospitalar Médio Ave
II Encontro de CNO do Vale do Ave
Encontro de CNO no Centro Cultural de
Vila Flôr
I Júri de Nível Secundário
Cerimónia de Entrega de Diplomas
Convívio de Natal
Júri de Certificação
Portefólio Reflexivo de Aprendizagens
RVCC Profissional
Cerimónia de Entrega de Diplomas
Júri de Certificação
Divulgação do CNO
Protocolos com as Juntas de Freguesia
Portefólio de RVCC Profissional - Técnico de Portefólio de RVCC Profissional - Técnico de
Ação Educativa
Ação Educativa
[ 35 ]
Daily-English
My Experience In Portugal
Little more than one week ago I went to Portugal with a group of
twelve students of my school and two teachers to take part on a cultural
exchange project with other European countries named “Comenius”.
With our school, there was a Polish school from Krakow, a Bulgarian
school from Byala and a Portuguese school from Vila Nova de Famalicão.
The educational trip lasted six days and we had the opportunity to meet
other guys and make friends with them. We visited some important cities
as Porto and Braga. Porto is famous for its production of Sandeman wine
that we have tasted and found very good. The theme of this project is
the study of the artistic and literary current of Surrealism in fact the title
of the project is “Just fall in love with art” and we could get knowledge
of the Surrealism visiting a museum in Vila Nova de Famalicão. Certainly
this was a nice experience full of surprises but the thing that struck
me very much is the importance of a foreign language. In fact among
us guys we could communicate only in English and we usually found
some difficulties because not all of us had the mastery of this language.
I think it is fundamental to know a foreign language because it helps
us to express our thoughts wherever we are in the world. The English
language is the bridge for our future and we must make every effort. to
learn it. Especially for young people, today the future that our country
offers isn’t clear so we must be ready to look for other ways to build our
adult life and this is the a way to do it. Now my friends and I are in touch
with our foreign friends on Facebook but we realize that talking on the
web is totally different talking in person, and would prefer the second
option of course.
Maria Pia, Liceo Scientifico em Itália
Impressions About
European Exchanges
From the 5th to the 10th
participated in an exchange
from Italy, Bulgaria, Poland and
got together and visited some
[ 36 ]
November I
of students
Portugal. We
of the most
important cities in the North of Portugal. We’ve
visited the Youth European Capital - Braga and
European Capital of Culture – Guimarães,
which are perfect cities for a cultural exchange.
I liked this experience because it is a good
thing to connect to other countries of Europe
and establish a relationship with people from
other parts of the world.
For one week, me and students from my
class and from other classes received groups of
young people from Poland, Italy and Bulgaria.
During that week, we visited the Castle of
Guimarães, Bom Jesus in Braga, the Azurara
Adventure Park in Vila do Conde and the Porto
wine cellars. We played traditional games in
Cior and did handicrafts words.
I like that week because I interacted with
new people, with different cultures and
languages. It was wonderful to be with them
along that week.
José Paulo Oliveira, ER5
the exchange.
The
Portuguese
students selected from the
12th grade welcomed the
partner students and all
of us participated actively
during this meeting in
the different activities
programmed
and
related to art, including
surrealism, which was
the subject of reflection
and analysis during this
meeting.
Workshops
were promoted for the
exchange. And all students
did cultural visits to museums and sights to
become aware of the architectural and cultural
heritage of the region, especially in Famalicão,
Braga, Guimarães and Porto. This project will
enable the further mobility in Europe to 16
students and eight teachers. I can say that the
meeting was extremely good.
José Flores Henrique, ER5
The Comenius week was spent with a group
of Italian, Polish and Bulgarian people. It was
a very good week because I met new people,
new faces and I could speak English very often.
This project allowed me to know a person
that I never thought I would get along with
so well and even came to like her. This person
taught me the Italian language and I taught her
Portuguese words. She is a beautiful girl and
that made ​​me smile for days and days. The last
day was very difficult to say goodbye to them
and to her. I did not want her to go away but
she had to go.
João Costa, ER5
The Cultural exchange with young people
from Poland, Bulgaria and Italy was very
good. It gathered 26 foreign participants + 13
students from our school. The exchange from
the Comenius multilateral partnership was
entitled “Just fall in love with art” and aimed
to develop general knowledge and awareness
among young people and their communities
for educational diversities of Europe. The
language that united all participants was the
English language, so it was the English language
that allowed communications among us during
This exchange was for
me a new experience.
I thought it was very
interesting because I met
people from different
cultures and speaking
different
languages.
During the week of the
exchange I spent a lot of
time with the Italians and
Polish people, because we
met on the first day of the
People from Iceland in Portugal
They came on the 15th and they had a special
reception organized by the class ASC9 for them
as well as for the Portuguese students who would
be with them during the week of their stay.
During the weekend they stayed with us and
only on Monday did they go to the residential for
the remaining days of the week.
We did a lot of activities and the young people
were more active when they went to the Azurara
Park on Monday. There we did canoeing, tree
climbing, orientation ….it was a day really well
The thing I liked the most was to learn some
words in other languages. The interaction with
other cultures was one of the greatest things
we did that week, because the language and
cultural barriers were huge and it was fun to
try to break them. Among the many things we
did, the traditional games helped to break the
ice.
José Filipe Cunha, ER5
exchange while the Bulgarians only arrived on
the third day. Oddly this week I did activities
that I had never done before.
At first we were all shy, but after the second
day things were improving and we got closer.
The conversations were a bit difficult because
we, the Portuguese had a certain difficulty in
speaking English as well as the Italians. The
Poles and the Bulgarians were those who
spoke better English, but we could not always
understand them so easily.
The best day was perhaps on Thursday
when we visited Oporto, because on that day
I spoke more English and so I could improve
my language skills. On that day we offered a
traditional cake to our foreign hosts which they
loved.
Finally, of course, which cost more was the
farewell dinner, because we were getting on
well together and we did not want them to go
or say goodbye.
Maybe someday we will meet again.
Diana Mendes, HSTA6
This exchange helped us to interact with
people from other countries and with different
cultures. And it also helped us to improve our
English language skills through the spoken
interaction. We liked to be with them and we
had the chance to meet new friends.
Now we would like to visit our new friends
in their country to get some more knowledge
about their culture.
Fábio Silva, Flávio Guimarães, João
Rodrigues e João Paulo Oliveira, EL18
spent.
It was an excellent experience – we leant a
new language, a new culture, and we liked it a lot
and we can’t wait to go to Iceland for one week!
Rafaela, Catarina Castro e André, ASC10.
[ 37 ]
Daily-English
From the 22nd and 30th of September some
students from the 11th grade participated in a
youth exchange with Iceland and we had the
chance to be chosen!
We received Icelandic students in our
homes. We participated in a lot of activities,
like going to the centre of Guimarães, see the
castle, playing football and basketball in the
school gymnasium, and we also did extreme
activities in the Azurara Adventure Park in Vila
do Conde.
We showed and explained them our culture,
for instance how we collect the grapes and
produce the wine. We also had the opportunity
to know the Icelandic culture and traditions.
It was a positive experience because we
could improve our English.
Carina Bastos, Cátia Machado, Filipa Costa,
HSTA7
We participated in an exchange with Iceland
and that was a very good experience. We learnt
[ 38 ]
a lot about their country and their culture.
On Saturday, the 20th September, they
arrived and the first contact was a little weird
because they were very shy.
We spent a week with
them and it was a very
good experience; we
had a lot of fun with the
activities. Activities were
very well planned because
we started speaking with
each other and learnt
about their sports, what
they do in Iceland and we
learnt a little about their
language.
We can say that it was
one of the best experience
in our lives.
Nuno Pereira, Bruno
Silva, João Silva, David Ribeiro, Rafael Silva,
ER6
For us this exchange was a new experience
in our lives. The activities with the Icelandic
group were very good. We stayed
with them for only one week, but it
was enough to know each other.
Their culture and traditions are
very different from ours. We realized
that they eat very small portions
when compared to us and they are
used to eat more fish than meat.
We enjoyed ourselves a lot when
we went to the Azurara Adventure
Park, where we did some sports
like canoeing, climbing, slide and at
the end of the day, we went to the
beach to swim in the sea.
We also enjoyed a lot the other activities of
the remaining days. They already told us about
the activities we will do in their country. We
can hardly wait for visiting Iceland.
Marco Coutinho, Jacob Cruz, Ricardo
Pousado, Rui Faria, IE13
I loved this exchange. I enjoyed all the
activities, especially the day at the adventure
park. I also think it was the day the Icelanders
liked the best.
Overall it was an interesting program for us
and our guests. I think it went on well.
Miguel Pereira, MA3
In my opinion, the exchange was very good.
We did a lot of things we had never done
before. In a global point of view I think the
Icelandic group enjoyed it too, because it was a
life experience for them. Besides the activities,
we visited interesting places so as to make
them know Portugal better.
Luís Oliveira, MA3
InternaCIORizando
1º Período em Cheio
O G ab i ne te d e P r o j et o s d a Es col a Profi s s i on a l CIOR começou o
a n o em p l en o!
F or am m u i t a s a s a t i v i d a des des en v ol v i da s por cá e p or lá,
num a d i nâ mi c a d e p r o m o ç ão da di men s ão eu rop ei a da Escola.
A o t o d o e sti v er a m en v o l v i d a s ma i s de u ma cen ten a de a l unos e
p r ofe ss o r es n o s p r o j et o s de mobi l i da de e de a col h i mento
Paula Pereira e Nilza Jardim, gabinete de projetos
PROGRAMA LEONARDO DA VINCI PARCERIAS
•Meeting em Bradford, Inglaterra
Realizou-se a 3ª reunião de parceiros do
Projeto “Viable ways for career starters to integrate into the world of work” (2011/2013)
entre os dias 3 e 6 de outubro, no qual participaram 8 elementos da CIOR.
O objetivo deste projeto, que teve início em
2011, é analisar e avaliar as estratégias que
promovem a integração dos formandos no
mundo do trabalho, nos diferentes países parceiros (Hungria, Alemanha, Inglaterra e Portugal). Visa também articular as exigências do
mercado de trabalho e os conteúdos desenvolvidos durante o período de formação, de modo
a garantir uma inserção mais eficiente e bemsucedida dos nossos formandos.
Durante o encontro, os parceiros visitaram
diferentes centros de formação e tiveram a
oportunidade de analisar e comparar os sistemas educativos dos países parceiros, refletir
sobre os programas disponíveis de orientação
profissional dos jovens e as estratégias de
contacto e proximidade estabelecidas com as
empresas locais, no intuito de articular com su-
cesso a oferta formativa
da região com as necessidades profissionais do
mercado de trabalho.
Programa Juventude em ação – Intercâmbio de jovens com a Islândia
Depois da visita preparatória com os líderes
Islandeses entre os dias
12 e 14 de julho, em Vila
Nova de Famalicão, em
setembro os nossos alunos do 11º ano acolheram e acompanharam os 21 jovens da Islândia.
Este intercâmbio, que decorreu entre os dias 22
e 30 de setembro, teve por principais objetivos
o diálogo intercultural, a visita a museus locais,
o conhecimento das tradições e gastronomia
portuguesas, bem como a promoção da melhoria das competências linguísticas em inglês. Fica
o voto de louvor aos nossos alunos e professores acompanhantes que desempenharam na
perfeição o papel de Embaixadores de Portugal.
Programa Leonardo da Vinci
- Ação Mobilidade FPI (Formação Profissional Inicial) – Projeto “ICE – IMPROVE COMPETENCES IN EUROPE”
Já se encontram instaladas em Rimini – Itália,
desde o dia 29 de outubro, as 4 alunas do curso
de Animação Sociocultural (ASC9). Estão a realizar, com entusiasmo, a formação em contexto
de trabalho em Lares de Idosos e Centros de
Jovens até ao dia 14 de dezembro.
[ 39 ]
- Leonardo da Vinci Parcerias – Iniciou,
em outubro, o Projeto “Harmonisation of
European Industrial Electrical Installations”
(2012/2014). Este projeto prevê a mobilidade
de 12 pessoas da CIOR; é coordenado por uma
entidade Cipriota e visa harmonizar a formação na área das instalações elétricas industriais
a nível Europeu, através da produção de conteúdos curriculares comuns nessa área.
Os parceiros deste projeto são constituídos
por escolas profissionais ou técnicas da Alemanha, Chipre, Reino Unido e Portugal.
Programa Comenius
- Escola de Acolhimento
A Assistente Maria Assunta Pagliaro, chegou
de Turim – Itália, a 8 de outubro e já pôs mãos
à obra.
Organizou a preparação linguística, em Italiano, e cultural das alunas que seguiram para
Itália; acompanhou as atividades integradas no
plano do projeto Comenius e já iniciou a preparação dos alunos que vão realizar a formação
•Meeting em Bremen, Alemanha
O primeiro meeting deste projeto realizouse em Bremen, na Alemanha, entre os dias 15
e 19 de outubro. A CIOR esteve representada
com 3 elementos. Ao longo dos 5 dias do encontro, realizaram-se diversas reuniões e visitas, de modo a promover o conhecimento entre os parceiros, definir a agenda de trabalho
e distribuir tarefas. As visitas realizadas permitiram contactar de perto com a realidade das
escolas profissionais de Bremen, bem como
das Indústrias da região das quais se destacam
a Festo, empresa líder em instalações electropneumáticas e a ROTEC, empresa de turbinas
para aerogeradores.
em contexto de trabalho
em Espanha. Aguardamse com expetativa outras ações.
- Parcerias Multilaterais – O Projeto “Just
Fall in Love with Art”
arrancou em Portugal.
Este projeto, com a duração de 2 anos, é coordenado pelo parceiro
da Polónia e tem como
objetivo desenvolver o
conhecimento e sensibilizar os jovens e o pes-
[ 40 ]
soal educativo para a diversidade e para o valor
das culturas e das línguas europeias.
Assim, o 1º meeting teve lugar em Vila Nova
de Famalicão, entre os dias 5 e 10 de novembro. A CIOR acolheu um total de 26 participantes dos países parceiros - 14 da Itália, 6 da Bulgária e 6 da Polónia.
Coube a 13 alunos das turmas de 12º ano
acompanhar as atividades deste projeto, nomeadamente: a visita aos museus e monumentos da região, a discussão e participação
em workshops de arte,
entre outras atividades.
Para além dos projetos europeus, a CIOR
continuou a cooperar
com organizações internacionais que operam
em Portugal, a saber:
Amnistia Internacional
- 2 jovens da turma
MA4, do 10º ano participaram no XIII Campo
de Trabalho “Vamos defender os Direitos Humanos”, entre 1 e 4 de
novembro, na Quinta da Costa, Mouquim, Vila
Nova de Famalicão.
AMI – Assistência Médica Internacional
- Alguns alunos da CIOR responderam ao
apelo da AMI e colaboraram no 19º peditório
anual de rua, que decorreu entre os dias 25 e
28 de outubro de 2012, em Vila Nova de Famalicão.
O Gabinete de Projetos ambiciona continuar
a apoiar os participantes em ações de formação
e criar oportunidades de aprendizagem e a partilha de experiências para alunos e professores
da escola, no intuito de melhorarem o desempenho escolar e profissional no espaço europeu.
Entretanto
B e m E s c r e ve r
1- Assinale a palavra correta, segundo o novo acordo ortográfico.
a)De manhã, o Alexandre aquece o leite no ______________________ (micro-ondas/microondas).
b)Para o seu aniversário, a tia Maria pediu que lhe comprássemos o novo creme ______________________ (anti-rugas/antirrugas) da publicidade.
c)No próximo ______________________ (fim-de-semana/fim de semana) iremos visitar os avós. Já sinto saudades!
d)O pai do Rui irá fazer a viagem toda por ______________________ (auto-estrada/autoestrada).
e)Na última aula de matemática, a professora Ana pediu que fizéssemos uma ______________________ (autoavaliação/auto-avaliação) do nosso
trabalho. Foi um exercício complicado.
l) …tu compreenderes…sem saberes…
2-Soluções:
a) …gostava…
b) …desumano.
c) …é que ele chegou…
d) …pago.
e) …chegarem,…tudo.
f) …à…de manhã?
g) …encontrei…estava…
h) …sonhei contigo.
i) …na estação e apanhou…
j) Para mim,…demasiado triste.
k) …para ouvir fado.
1-
a)
b)
c)
d)
e)
2- Cada frase tem um ou dois erros. Encontre-o(s) e corrija-o(s).
a) Ele gostou imenso de ir ao cinema connosco mas não pode.
b) O que ele fez foi deshumano.
c) A que horas ele chegou a casa?
d) Quando eu pedi a conta, ele já tinha pagado.
e) Antes de elas chegaram, nós já tínhamos feito todo.
f) Vais na praia amanhã na manhã?
g) Ontem encontrava a tua irmã e achei que ela esteve mais gorda.
h) Na noite passada sonhei de ti.
i) Ele entrou a estação e tomou o comboio.
j) Por mim, o fado é uma canção triste demasiado.
k) Nós estamos aqui por ouvir fado.
l) É impossível tu compreendes o filme sem saber português.
Soluções:
micro-ondas
antirrugas
fim de semana
autoestrada
autoavaliação
Carla Susana Azevedo, professora
R a í z Q u a d r a da
Andreia Araújo, professora
Mais um ano letivo que iniciou e o 1º
período já chegou ao fim.
Bem-vindos a mais uns desafios
matemáticos. Aproveita o tempo livre
para pensar um pouco em números…
Ajuda o Pai Natal e resolver estes
desafios e não fiques de pernas para
o ar…
Bom Natal e bons cálculos!
1.O Pai Natal distribuiu 1000 euros pelo
António, o Bernardo e o Carlos do seguinte
modo: deu, sucessivamente, 1 euro ao António, 2 euros ao Bernardo, 3 euros ao Carlos,
4 euros ao António, 5 euros ao Bernardo e
assim seguidamente.
Quanto dinheiro recebeu o Bernardo?
2. Neste Natal a Ana recebeu um livro e
verificou que precisava 1002 algarismos para
numerar as páginas do livro. Quantas páginas
tem livro da Ana?
3. O tio da Carolina disse-lhe, “este ano no
Natal vou-te dar as minhas moedas de ouro
se conseguires resolver este enigma:
Tens nove moedas de ouro todas iguais,
das quais, oito pesam exatamente o mesmo
e uma delas é mais leve.
Com apenas duas pesagens, numa balança
de pratos, consegues descobrir qual é a mais
leve?”
Soluções
1. O Bernardo recebe 345 euros.
2. O livro tem 370 páginas. São necessários 9 Algarismos para numerar as nove primeiras páginas, de 1 a 9. De seguida é necessário verificar que existem 90 páginas com dois algarismos, da 10 à 99, e portanto são necessários 2x90 algarismos. Para as páginas com três algarismos são necessários 3n. Traduzindo o problema por uma
equação obtém-se 9+2x90+3n=1002 e, portanto, n=271 e, consequentemente, o livro tem 9+90+271=370 páginas.
3. Divide-se as nove moedas em três grupos de 3. Pesa-se depois seis delas, pondo 3 em cada prato. Se a balança ficar em equilíbrio isso significa que a mais leve está no grupo que ficou de fora, senão está no grupo do prato mais levantado. Quer numa situação quer noutra, escolhe-se o grupo de três onde está a mais leve e
divide-se agora esse conjunto em três grupos de uma moeda cada. Pesa-se, de seguida, duas delas, pondo uma em cada prato; se a balança ficar em equilíbrio, a mais leve é a que ficou de fora, senão é que está no prato mais elevado... e... já está! (com apenas duas pesagens!...)
[ 41 ]
Entretanto
S a b i a s Que. . .
O SOS é uma convenção internacional para
transmitir pedido de socorro de viajantes em
dificuldades. Nasceu do velho Código Morse,
no qual a letras “s” (três pontos) e a letra “o”
(três traços) eram as de transmissão mais fácil.
O trovão, estrondo que acompanha o
raio, é uma explosão que acontece devido à
alta temperatura da faísca elétrica. O calor
altíssimo do raio agita as moléculas de ar à sua
volta, expandindo-as com grande velocidade,
o que causa o barulho. Normalmente o som é
ouvido depois do clarão, porque a velocidade
da luz é muito maior que a do som, que se
propaga através do ar.
No século XVIII, a invenção do para-raios, por
Benjamin Franklin, foi condenada pela Igreja
por ser considerada uma invenção do diabo.
Sendo o raio expressão da cólera do Senhor,
só podia ser tentação do demónio impedir
que o castigo Divino caísse sobre o mundo.
Na França, a “excomunhão” foi levada a sério:
em Saint-Omer, Vissery de Bois foi processado
por heresia, por instalar um para-raios em sua
casa.
O soluço resulta de uma contração
involuntária do diafragma, um fino músculo
que separa o tórax do abdómen e que,
juntamente com os músculos intercostais
externos, é responsável pelo controlo da
respiração.
Marte é o planeta do nosso sistema solar
mais parecido com a Terra. Este planeta
possui calotes geladas nos polos, tempestades
de areia, nuvens brancas que flutuam na
atmosfera, características que se alteram
sazonalmente e um dia de 24 horas como
na Terra. Por todas estas semelhanças, pela
forte vontade em acreditar e pela imaginação
humana sempre se colocou a hipótese de
existir vida em Marte!
A divisão da hora em 60 minutos e do minuto
em 60 segundos, é atribuída ao cientista
holandês Christian Huygens. Este cientista
aperfeiçoou a medida do tempo ao descobrir a
regularidade dos movimentos do pêndulo.
A descoberta da anestesia foi uma das
inovações clínicas que revolucionaram a
cirurgia. A anestesia com éter foi descoberta
em Boston na década de 1840. Anos antes,
em 1831, o clorofórmio havia sido elaborado.
O médico escocês Sir James Simpson, de
Edimburgo, foi o primeiro a usá-lo como
anestésico em 1847, mas o seu uso só foi
largamente aceite na medicina por volta de
1853.
Cientistas do Georgia Institute of Technology
criaram um relógio com margem de imprecisão
de apenas um décimo de segundo em 14
bilhões de anos. A precisão do relógio, 100
vezes superior quando comparada aos atuais
relógios atómicos, fica a dever-se a átomos
individuais de tório, um elemento químico.
O
ENIAC
(Electrical
Numerical
Integrator and Computer) foi o primeiro
computador digital eletrónico de grande escala
no mundo. Criado em fevereiro de 1946 pelos
cientistas norte-americanos John Eckert e John
Mauchly, da Electronic Control Company.
O ENIAC começou a ser desenvolvido,
em 1943, durante a II Guerra Mundial para
computar trajetórias táticas que exigissem
conhecimento substancial em matemática,
mas só se tornou operacional após o final da
guerra. O computador pesava 30 toneladas,
media 5, 50 m de altura e 25 m de comprimento
e ocupava 180 m² de área construída.
A primeira rádio pirata surgiu na Inglaterra,
na década de 50. Era a Rádio Caroline.
A terminologia rádio pirata foi usada
para designar a emissora, porque as suas
transmissões partiam de um navio ancorado
na costa britânica.
Ilda Dias, professora
Check-List
James Bond volta a salvar o mundo em “007 - Skyfall”
No ano em que se celebra o 50º aniversário do primeiro filme da série,
chega às salas de cinema o 23º filme da série James Bond, chamado
“Skyfall”.
Desta vez o agente secreto, interpretado pela terceira vez por Daniel
Craig, volta numa missão para derrubar o perigoso vilão interpretado
pelo ator espanhol Javier Bardem. Judi Dench regressa no papel de M,
junto com Ralph Fiennes e Ben Whishaw, enquanto Naomie Harris e
Berenice Marlohe são as novas Bond Girls.
Esta nova aventura de 007 inicia aquando do roubo de um HD contendo
informações valiosas sobre a identidade de diversos agentes, infiltrados
em células terroristas espalhadas ao redor do planeta. Quando a própria
agência do MI6 é atacada, cabe a James Bond procurar e eliminar a
ameaça, só que, de Istambul aos Mares do Sul da China, 007 vai ver a sua
lealdade a M desafiada ao descobrir segredos do passado dela. Isolados
,
os dois terão de provar que o bom e velho trabalho de campo continua
a
ser o meio mais eficaz.
Rodada em Londres, na Escócia, em Istambul e em Xangai, esta película
[ 42 ]
Ú l t i ma F ila
não se baseia em qualquer título de Ian Fleming e dos seus sucessores
literários e tem um argumento totalmente original, escrito por John
Logan, Neal Purvis e Robert Wade.
A realização do filme ficou a cargo de Sam Mendes - vencedor de um
Óscar em 1999 com “Beleza Americana”.
De realçar ainda que o tema principal do filme “Skyfall” é cantado por
Adele.
Paula Pereira, professora
“O Caderno de Maya” de
Isabel Allende
Um passado que a perseguia. Um futuro ainda por construir. E um caderno
para escrever toda uma vida.
“Sou Maya Vidal, dezanove anos, sexo
feminino, solteira, sem namorado por
falta de oportunidade e não por esquisitice, nascida em Berkeley, Califórnia,
com passaporte americano, temporariamente refugiada numa ilha no sul do
mundo. Chamaram-me Maya porque
a minha Nini adora a Índia e não ocorreu outro nome aos meus pais,
embora tenham tido nove meses para pensar no assunto. Em hindi,
Maya significa feitiço, ilusão, sonho, o que não tem nada a ver com o
meu caráter. Átila teria sido mais apropriado, pois onde ponho o pé a
erva não volta a crescer.”
Maya Vidal é uma americana de 19 anos, filha de um chileno e de
uma dinamarquesa, criada com muito amor pelos avós paternos, Nini
e Popo, num casarão em Berkeley. Com a morte do avô, que era tudo
para as duas, a avó caiu numa depressão e Maya revoltou-se com a
perda do avô. As más companhias levaram-na a conhecer as drogas
e a promiscuidade, tendo acabado num centro para menores. Fugiu
desse centro em Oregon, o que foi a pior decisão da sua vida. Chegou
a Las Vegas e acabou a trabalhar para um traficante de drogas e falsificador de dinheiro, que logo foi assassinado por dois dos seus “colaboradores”, Maya teve que fugir e virou mendiga e viciada em drogas. A
avó mandou-a para a ilha de Chiloé, no Chile, para fugir dos traficantes. Lá, na casa de Manuel Arias, descobriu-se a si mesma, o amor e o
desamor, o misticismo do povo chileno e a história da sua família, para
além da história da ditadura no Chile comandada pelo terrível general
Pinochet.
É numa entrevista a Rita Silva Freire, que Isabel Allende fala sobre a
sua mais recente obra: O Caderno de Maya.
Este livro nasce de um pedido por parte dos seus netos que lhe pediram para escrever um romance cujo tema lhes interessasse. A obra
fala sobre uma rapariga de 19 anos, nascida em Berkeley, que entra no
mundo das drogas, crime e prostituição. Trata-se de uma ficção contemporânea onde o amor dos avós surge como salvação de Maya.
Isabel Allende começa por explicar que “Maya é uma rapariga saudável, atlética, boa estudante, inteligente e muito ligada aos avós”, de tal
modo que “Quando o seu avô morre e a avó entra numa profunda depressão, ela perde o rumo, torna-se rebelde, faz más amizades, quebra
a lei, consome álcool e drogas, foge de casa e da escola.” O ambiente
em que a escritora insere a personagem principal da obra representa
o mundo real, o mundo cheio de perigos que começam na internet de
onde provêm, de forma fácil e influenciadora, a pornografia, a violência e o crime. No fundo, diz a autora, “O que no livro acontece a Maya
pode acontecer a muitos miúdos”.
Isabel Allende refere que não foi necessária uma grande pesquisa
sobre as drogas (“Só tive que averiguar quais as drogas da moda do
momento”) e o seu contexto, porque conheceu de perto a toxicodependência, visto que os seus enteados eram toxicodependentes. Por
ter dito, numa outra entrevista, que Maya tinha sido a personagem
com que mais sofreu, a escritora chilena explica que a personagem
podia ser uma das suas netas, Andrea e Nicole, pois a sua construção
baseou-se em aspetos das mesmas, e diz ainda que o sofrimento
E n t r e - C a pa s
causado por Maya aconteceu porque “não sabia como salvá-la dos
perigos que a cercavam e da sua própria imaturidade face ao drama
da toxicodependência”.
A estrutura de O Caderno de Maya apresenta um romance de suspense, com estrutura de thriller, porque, diz Isabel Allende, assim o
sugeriu o seu marido, “que é escritor de policiais”. Este tipo de escrita
é desafiante para a autora que nunca recorre a guiões para escrever e
uma vez que tinha de ir deixando pistas para o desenlace, tornou-se
complicado desenrolar toda a história que tinha para contar.
Isabel Allende
Isabel Allende Llona é
uma jornalista e escritora chilena. Apesar de
ter nascido em Lima, a
sua família voltou logo
para o Chile, sua terra
natal. Atualmente está
nos Estados Unidos da América.
Isabel Allende é considerada uma das principais revelações da literatura latino-americana da década de 1980. A sua obra é marcada
pela ditadura no Chile, implantada com o golpe militar que em 1973
derrubou o governo do primo de seu pai, o presidente Salvador Allende (1908-1973).
Escreveu A Casa dos Espíritos (1982) e ganhou reconhecimento do
público e da crítica. A obra foi filmada em 1993 por Bille August, com o
ator Jeremy Irons e a atriz Meryl Streep.
Escreveu El Plano Infinito (1991), livro que narra a história da família
do seu marido, e declarou com toda franqueza que “una de las razones por las que acepté salir com Willie fue porque sabía que él tenía
una gran historia por escribir”.
Em 1995 lançou o livro Paula, que a autora escreveu para a sua filha
que estava em coma.
Quanto à ideia de que o misticismo e o espiritismo ocupam lugar
em todas as suas obras, Allende é sintética: “é um aspeto essencial
da minha própria vida. (…) A morte é um grande inconveniente mas,
quando existe amor, não é um obstáculo para a comunicação. Sinto a
minha filha Paula sempre presente, é minha companheira.”
Mais tarde, lançou Afrodite (1998), um “tratado” de receitas afrodisíacas.
Os seus livros costumam fazer sucesso de imediato, como no caso de
Eva Luna, A Casa dos Espíritos, La Hija de la Fortuna (1999), Retrato
em Sépia (2001).
Em 2003 fez novas revelações sobre sua família com o autobiográfico
Meu país inventado. Decidiu partir para uma grande história infantojuvenil e publicou a trilogia: A Cidade das Feras (2002); O Reino do
Dragão de Ouro (2004) e O Bosque dos Pigmeus (2004). São as aventuras do jovem Alexander Cold em lugares como Amazonas, Himalaia e
Kenia. Em seguida lançou Zorro, Começa a Lenda (2006).
O seu lançamento mais recente é Inés del Alma Mia, romance histórico centrado na vida de Inês Suárez, esposa de Pedro de Valdívia (conquistador do Chile).
O seu livro mais recente é um romance autobiográfico: Una Tribu de
Novela.
A sua carreira deve-se em grande parte a Pablo Neruda, que a aconselhou a ser escritora em vez de jornalista.
Augusta Salgado, professora
[ 43 ]
Check-List
“Antes de Adormecer”
de S. J. Watson
Imaginem que acordam de manhã
e não sabem quem são ou onde
estão. E nem sequer reconhecem
as pessoas com quem partilham a
casa, a vossa vida.
Um verdadeiro pesadelo!
Pois isto é o que acontece todos os
dias a Christine, que perde as suas
memórias cada vez que adormece.
Esquece o seu nome, a sua
identidade, o seu passado e até as
pessoas de quem gosta. Até o seu
marido Ben é um estranho. E todos os dias ele tem de recontar a vida
deles e o acidente que tornou Christine uma amnésica. Encorajada por
um médico neurologista, Dr Nash, ela começa a escrever um diário
para ajudá-la a reconstruir suas memórias. O problema é quando ela
escreve na capa interna, a seguinte frase: “Não confiar em Ben” e
acaba descobrindo que a única pessoa em quem confia talvez esteja
contando apenas parte da história.
«Durante o sono, a minha mente apagará tudo o que fiz hoje. Amanhã
acordarei como acordei hoje de manhã. A pensar que ainda sou uma
criança. A pensar que tenho toda uma vida de escolhas pela frente…»
Paula Pereira, professora
“O Outro Amor
da Vida Dele” de
Dorothy Koomson
de ternura (Marshmallows for Breakfast) e Bons sonhos,
Meu Amor (Goodnight Beautiful). Todos eles bestsellers
já publicados em Portugal pela Porto Editora. O seu sexto
romance, Um erro inocente (The Ice Cream Girls), alcançou o
número dois nas tabelas dos livros mais vendidos e recebeu
“O Outro Amor da Vida
uma nomeação para os Galaxy National Book Awards de 2010.
Dele”, uma história que
A escritora vive na costa sul de Inglaterra.
podia ser um simples
Dorothy Koomson escreveu o primeiro romance aos 13 anos.
romance, ganha vida
Chamava-se There’s A Thin Line Between Love And Hatee foi
dupla ao incorporar um
escrito ao ritmo de um capítulo por noite, que depois circulava
mistério, que tal como
entre as colegas de escola, todas as manhãs.
uma hera se vai enredanCresceu em Londres e, mais tarde, durante a faculdade,
do em volta da história
em Leeds. Acabou por regressar a Londres, para fazer um
principal, chegando ao
ponto de quase a sufocar, mestrado, e ficou por lá durante alguns anos. Passou por
empregos temporários, até conseguir a grande oportunidade
ganhando o destaque e
no mundo da escrita, colaborando com várias publicações
conquistando o leitor.
femininas e jornais nacionais.
Libby tem uma vida
perfeita com um marido maravilhoso e uma casa enorme em
Contar histórias e escrever ficção constituem uma enorme
frente à praia. Mas, aos poucos, começa a duvidar do amor de
paixão na vida de Dorothy Koomson, pelo que foi aproveitando
Jack e não acredita que ele tenha realmente superado a morte
cada segundo que tem para trabalhar em contos e romances.
da primeira mulher, Eve.
Em 2001, teve a ideia que inspirou O Amor Está no Ar, e,
Quando o destino interfere na relação de ambos, Libby sente
com ele, começou uma carreira de romancista, que, segundo
necessidade de conhecer melhor o homem com quem se caa própria, «tem sido espectacular!». Em 2006, publicou o
sou e a aparentemente perfeita Eve.
terceiro romance, A Filha da Minha Melhor Amiga - que
A jovem esposa descobre algumas verdades assustadoras
registou um enorme sucesso, vendendo quase 90 mil
sobre aquela família. Com receio das consequências, Libby coexemplares no Reino Unido, só nas primeiras semanas. Cerca
meça a desconfiar que também ela terá o destino da primeira
de um mês depois, o livro foi selecionado para o Richard &
mulher que Jack amou…
Judy Summer Reads Book Club e as vendas aumentaram para
Pode um novo amor apagar uma grande paixão?
mais de meio milhão de exemplares.
Dorothy viveu dois anos em Sidney, na Austrália, e agora
está de volta a Inglaterra, embora não saiba dizer por quanto
Dorothy Koomson
tempo.
Dorothy Koomson é autora
de sete romances, incluindo A
filha da minha melhor
amiga (no original, My
Best Friend’s Girl), Pedaços
Augusta Salgado, professora
[ 44 ]
H ot Point - A ppDr o i d
Já aqui analisamos, em edições anteriores, aplicações relacionadas com cada
curso da nossa escola, aplicações direcionadas a estudantes como vós e
aplicações para nos ajudar a manter a forma física.
Desta vez vamos apresentar alguns jogos porque a vida de estudante não é só
estudar.
Não podíamos começar por outro jogo que não fosse o cómico e
viciante Angry Birds.
O jogo, desenvolvido pela empresa Finlandesa Rovio Mobile, foi inicialmente desenvolvido para o iOS da Apple e chegou à “store” em dezembro de 2009. Pouco tempo depois tinham sido vendidas mais de 12
milhões de cópias. Isto fez com que a empresa decidisse avançar para
outras plataformas móveis tal como o Android, entre outras.
Durante o jogo, o jogador controla vários tipos de pássaros que tentam recuperar os seus ovos que foram roubados pelos seus inimigos - os
porcos verdes. Esses porcos estão protegidos com obstáculos. Em todos
os níveis, é necessário eliminar todos os porcos. Para controlar os pássaros, o jogador dispõe de uma fisga que permite lançá-los diretamente
sobre os porcos, ou sobre estruturas que, ao serem destruídas, geram
pontos ao jogador.
No jogo existem vários tipos de pássaros. No início, o mais básico de
todos está disponível, o pássaro vermelho e ao longo do jogo, é possível
desbloquear novos pássaros. Alguns possuem vantagem para destruir
determinado elemento, outros possuem características únicas e uma
habilidade, que é ativada tocando no ecrã enquanto o pássaro voa. Por
exemplo, existe um pequeno pássaro azul que se pode separar em três,
[ 45 ]
Check-List
um pássaro preto que pode explodir, o pássaro amarelo pode acelerar e
o pássaro branco pode soltar ovos explosivos. Os porcos também possuem as suas diferenças, mais precisamente, no tamanho. Enquanto os
porcos pequenos podem ser destruídos por simples detritos, os maiores
possuem mais resistência a estes detritos. Em algumas fases do jogo,
também existem capacetes que protegem os porcos de detritos.
Existem várias edições especiais do jogo como o Angry Birds Seasons, Angry Birds Rio, Angry Birds Space, Angry Birds Magic e o Angry
Birds Star Wars. Uma coisa vos garanto: são todos viciantes. Aliás, o jogo
é um sucesso tão grande por ele ser viciante e ao mesmo tempo engragado.
Nada como o jogar para perceber o que estamos aqui a descrever.
Adrenalina e velocidade levadas ao limite.
Produzido pela Gameloft, empresa francesa de videojogos, o Asphalt
7 é mais um dos magníficos jogos que esta empresa criou. É um jogo de
corridas com os carros mais velozes e de fabricantes de prestígio. Nele
podes conduzir sessenta carros distintos como Ferrari, Lamborghini e Aston Martin, incluindo o lendário DeLorean.
As corridas acontecem em quinze pistas espalhadas por todo o mundo, entre elas, Paris, Havai, Londres, Miami e Rio de Janeiro.
Se não quiseres ser incomodado por ninguém joga-o sozinho, mas
se estás com disposição e achas que ninguém te pode vencer, então
desafia o mundo! Sim, o mundo. No modo multiplayer podes desafiar
localmente até cinco dos teus amigos, ou quem quer que esteja online.
Com o Asphalt Monitor podes sempre saber quem é o melhor, comparar
estatísticas, exibir façanhas e desafiar rivais.
Com gráficos extraordinários vais, de certeza, ficar colado a jogar.
Impressionante desde o primeiro Segundo.
Do mesmo criador do jogo Asphalt, a Gameloft criou o mais impressionante FPS (First-Person Shooter) de ficção científica na luta pela
sobrevivência da Humanidade. Trata-se de um enredo épico, em que
a humanidade regressa finalmente à terra após anos no exílio. Temos
disponíveis dez cativantes níveis de combate pela galáxia, desde a Terra
devastada pela guerra, até um gélido planeta chamado Volterite.
Pedro Veloso, professor
[ 46 ]
H ot Point - i Tek
Arcélio Sampaio, professor
Depois da épica batalha jurídica entre a Samsung e a Apple devido aos seus modelos Galaxy
Tab e iPad, respetivamente, os dois gigantes ombreiam agora pelo título de maior (e melhor)
fabricante mundial de smartphones.
O round 2 desta batalha já começou, agora com os intervenientes Galaxy S3 e iPhone 5 e o
ringue é, nada mais, nada menos, as lojas de todo o mundo.
Vamos então conhecer um pouco estes dois pesos pesados.
Samsung Galaxy S3
iPhone 5
Pontos positivos:
•Ecrã de 4,8 polegadas – maioria das empresas optou por dotar os
seus aparelhos de gama alta com ecrãs grandes e a Samsung criou um
smartphone perfeito para a visualização de conteúdos multimédia,
para jogar, gravar vídeos ou tirar fotos com um ecrã Super AMOLED
HD com 1280x720 de resolução;
•Fluidez do multitask (multitarefas), facilitada e melhorada graças a um
potente processador de quatro núcleos, o Exynos 4. O utilizador pode
realizar várias funções no ecrã, como ver um vídeo enquanto escreve
uma mensagem.
•Câmara, que embora possua o mesmo sensor que o seu predecessor,
o S2, com 8 megapixels, foi atualizada com efeitos fotográficos e um
maior rendimento para situações com pouca luz.
Pontos negativos:
• Tamanho perfeito para ser utilizado com os polegares, mas com uma
só mão torna-se numa tarefa difícil. As dimensões do Galaxy 3 são
uma vantagem para visualizar conteúdos, sobretudo multimédia, mas
um inconveniente para os que estão acostumados a andar com o
telemóvel no bolso.
• Materiais utilizados na construção que tornam o Galaxy S3 menos
robusto que o iPhone 5. O componente principal é o policarbonato,
um material que a Samsung assegura ser muito resistente.
• Bateria de 2.100mAh que supera a dos anteriores modelos desta
gama, mas o grande ecrã e o potente processador incorporado fazem
com que a autonomia não vá além de um dia ou, no máximo, um dia
e meio.
• Preço entre os 599 euros (16GB) e os 800 euros (64GB).
Pontos positivos:
• Design elegante – mais fino e mais largo, reforçando a ideia de
robustez com uma cobertura traseira em alumínio.
• Tamanho que segundo a Apple é perfeito para ser utilizado só com
uma mão.
• Ecrã de quatro polegadas e tecnologia Retina Display evidenciando as
diferenças para com o Galaxy 3 ao nível do brilho e das tonalidades.
Aparentemente a Apple conseguiu desenvolver um ecrã muito perto
da perfeição.
• Rapidez – o iPhone 5 tem capacidade para se ligar a redes LTE, e a
navegação wi-fi é também bastante rápida, graças a uma conexão
802.11n de banda dupla, até 150 Mb/s.
• Terminal com três microfones, permitindo melhorar de forma
decisiva as comunicações móveis. Vem ainda equipado com os novos
EarPods, uma atualização dos tradicionais auriculares da Apple, com
ganhos evidentes em termos de qualidade.
Pontos negativos:
• Impossível a visualização de conteúdos Flash.
• Ausência de entrada microUSB.
• Ausência de tecnologia NFC, que permite fazer pagamentos com o
telemóvel.
• Câmara fotográfica não apresenta melhorias assinaláveis
relativamente aos modelos anteriores. Mantêm-se os 8 megapixels,
se bem que graças ao processador A6, há uma maior estabilização
das imagens e é possível tirar uma fotografia enquanto se faz um
vídeo.
• Preço entre os 669 euros (16GB) e 849 euros (64GB).
[ 47 ]
Check-List
H ot P oi n t - P l a y Z o ne
Arcélio Sampaio, professor
Melhor que nunca, chegou o novíssimo Call of Duty: Black Ops II.
Melhores gráficos e mais ação, numa experiência arrebatadora. Num
cenário de um futuro próximo, com uma série de histórias ramificadas,
armamento moderno e uma inovadora tecnologia gráfica surge o Call of
Duty mais ambicioso até à data!
Com a história do jogo a decorrer no ano de 2025, Call of Duty: Black
Ops II lança os jogadores num conflito global com armamento avançado, robótica e guerra de drones num novo cenário de Guerra Fria cujas
sementes estão a ser plantadas nos media da atualidade. A nova tecnologia gráfica gera a impressionante ação cinematográfica dos enredos
ramificados e das missões não lineares da campanha de 1 jogador.
Com o Football Manager a celebrar os 20 anos, a versão deste ano permite-te
assumir o controlo de qualquer clube em mais de 50 nações em todo o mundo e
inclui todas as maiores ligas europeias, assim como uma base de dados de mais
de 500 mil jogadores e técnicos reais.
Para além de algumas novas funcionalidades notáveis no Modo Carreira,
existem agora novas formas para retirares o máximo da experiência que o
Football Manager proporciona.
O motor 3D recebeu grandes melhorias este ano. Tudo no relvado parece
mais realista: como os estádios, o público, o movimento dos jogadores e o modo
[ 48 ]
como a bola se move pelo ar, entre outros.
Outra diferença notável é a reestruturação do pessoal adjunto,
de treino e os seus papéis. Por exemplo, no Football Manager
2013 temos, pela primeira vez, o cargo de Diretor de Futebol, que
te permite delegar algumas das tuas obrigações de trabalho, como
contratos e negociações, se assim o entenderes.
Aumentou ainda o número de especialistas de treino dentro
do jogo e tens agora maior flexibilidade para escolher quais os
especialistas que fornecem aconselhamento e quando. Também,
e finalmente, podes optar por te queixares da interferência da
Direção, embora devas usar esta opção com algum tato.
Enfim, mais umas quantas razões para te prender ao monitor
do teu computador ou consola por parte daquele que, para
muitos, é já o jogo mais viciante de todos os tempos.
Em 2012 surge o 19º título da saga Need for Speed. Sim, ouviste bem,
o 19º título. E se pensas que é mais do mesmo do que vimos nos últimos
lançamentos como, por exemplo, no Need for Speed The Run, estás enganado.
Este título procura regressar às origens da saga, onde perseguições
constantes da polícia e corridas que tens que completar percorrendo o
melhor caminho que encontrares são o prato do dia. Claro que, como sempre, podes contar com as máquinas mais fabulosas do mundo automóvel.
Executa saltos, encontra atalhos, esconde-te ou foge da polícia em cenários que tiram o máximo partido dos pontos fortes do teu carro. Escolhe um carro, junta os teus amigos e participa numa lista interminável de
eventos competitivos.
[ 49 ]
Em
Alta
Baixa
nte para os alunos desta
O Leituras é um jornal muito interessa
os acerca das atividades escolares
escola, mantém os alunos informad
lar.
desenvolvidas durante o percurso esco
para alunos e professores.
nte,
essa
inter
o
O Leituras é um jornal muit
primeira coisa que eu faço é
No dia em que recebo o Leituras, a
um entusiasmo ver as nossas caras
procurar as fotos da minha turma. É
impressas no jornal.
e não vejo lá nada que não seja
De uma forma geral gosto do Leituras
de me informar,
considerados importantes, para além
interessante aborda temas que são
aprendo coisas novas.
EL18
(I n ) C o n f i d ê ncia s
Um livro que gostaste de ler
O Perfume - Patrick Suskind
Kevin Oliveira,
A música da tua vida
Black - Pearl Jam
O Leituras é um meio de comunicação muito importante. É através
dele que tomamos conhecimento de factos tão importantes, que
acontecem na nossa comunidade escolar. O nosso Leituras divulga a
produção e criatividade dos nossos trabalhos, o que ajuda a interagir
com os colegas. Parabéns a toda a equipa que o realiza, é, sem dúvida,
um excelente trabalho.
A frase que mais te irrita
“Não carregues o mundo sobre os ombros”
O filme que mais te marcou
Nenhum em especial, cada filme tem a sua
mensagem
Isabel Silva, HSTA6
O jornal Leituras para mim é muito importante, porque é nele que estão
anunciadas todas as atividades desenvolvidas e que se vão desenvolver
a nível escolar, portanto, visa, promove e divulga tudo o que há de bom
dentro da nossa comunidade escolar e transmite à sociedade, em geral,
o que acontece na nossa escola. É uma visão global da CIOR, os meus
parabéns à equipa e que juntos possamos levar este jornal a crescer
ainda mais.
Joardo Jornal, MA2
O jornal Leituras tem bastante inter
esse para a escola, pois dá-nos informações acerca das atividades dese
nvolvidas quer pelos alunos quer
por toda a comunidade, alertando para
a realidade. No Leituras o que
mais gosto é a parte em que podemos
conhecer melhor as pessoas
que frequentam a nossa escola. O Leitu
ras é muito educativo para
todos os alunos desta escola. Parabéns
a todos os que fazem parte da
equipa.
Cinema ou teatro?
Cinema
Fast-food ou comida tradicional?
Comida tradicional
Disciplina preferida
Educação Física
Artista de cinema preferido
Johnny Depp
Animal de estimação
Cão
Sobremesa preferida
Semifrio de bolacha
Miguel Campos, ER5
De quem gostaria de ler as memórias
Dos meus antepassados mais antigos
A viagem de sonho
Índia
O Leituras é o jornal da nossa escola! É o Leituras que nos direciona
para as maravilhas da nossa escola, as atividades motivadoras que
nela realizamos e o conhecimento e satisfação que ela nos transmite.
É através do Leituras que conseguimos perceber a qualidade do ensino
que a nossa escola nos proporciona. Este é um jornal interessante, pois
transmite quer internamente quer para o exterior, à comunidade, a
realidade que a nossa escola é!
Sílvia Barbosa, ASC9
Homem Ideal
Simpático, honesto e carinhoso
Qualidades que mais aprecias
Honestidade, simplicidade e amabilidade
O que não dispensarias numa ilha deserta
Amigos
Daniela Arantes, HSTA6
[ 50 ]
ADN
Bi l h e t e d e I d e n t i d ade
Um livro que gostaste de ler
Livros não leio, mas o jornal “O
Jogo” não falha!
A música da tua vida
Valete - Fim da Ditadura
O meu nome é Susana Faria.
A frase que mais te irrita
“Estás estranho”
Moro na Freguesia de Esmeriz – V. N. Famalicão.
Nasci no dia 2 de Novembro de 1978.
O filme que mais te marcou
“O golo”
No dia do meu aniversário gosto de conviver com as pessoas que mais
amo.
Cinema ou teatro?
Cinema
As pessoas dizem que tenho jeito para me relacionar com elas.
Produzo muito mais quando sinto que o meu trabalho é reconhecido por
parte das pessoas.
Fast-food ou comida tradicional?
Comida Tradicional
Sinto-me feliz quando vejo as pessoas felizes.
Disciplina preferida
Educação Física
Comovo-me quando vejo crianças a sofrer.
Artista de cinema preferido
Wesley Snipes
Adoro a minha família.
Detesto hipocrisia, injustiça, inveja e falsidade.
Animal de estimação
Cão
Num filme interpretaria a personagem de uma advogada, para ajudar a
combater as injustiças.
Sobremesa preferida
Não sou grande apreciador de doces, só café
Um dos meus sonhos é poder ver as minhas filhas crescer.
Acredito que o mundo vai mudar.
De quem gostarias de ler as memórias
De uma pessoa próxima
O Leituras para mim é um excelente meio de comunicação entre a escola,
a comunidade escolar e pessoas em geral, pois permite ver as atividades
realizadas pelos alunos nesta escola e dar a conhecê-las.
A viagem de sonho
Dubai
Se fosse um animal seria um pássaro.
Mulher Ideal
A maturidade, sensatez…
Por um dia gostava de ter o poder de acabar com a fome.
Se ganhasse o Euromilhões podia realizar os meus sonhos e ajudar as
pessoas queridas a realizar alguns dos seus sonhos.
Qualidades que mais aprecias
O sentido de humor, palhaçadas
Os computadores para mim são um importante meio de comunicação
para todos e uma excelente ferramenta de trabalho
O que não dispensaria numa ilha deserta
Uma cama, adoro dormir
Ricardo Ferreira, EL18
O que faltou perguntar foi “Que sonhos já realizaste?” .
[ 51 ]
Edição Digital

Documentos relacionados

Conquis tamos o 1º Prémio - Escola Profissional CIOR

Conquis tamos o 1º Prémio - Escola Profissional CIOR de uma forma estruturada e sustentada, envolvendo o trabalho conjunto entre profissionais de educação e saúde escolar. Sabendo que a educação sexual é uma importante dimensão da promoção e proteção...

Leia mais

cior qua lifica - Escola Profissional CIOR

cior qua lifica - Escola Profissional CIOR RECOLHA DE INFORMAÇÃO / IMAGEM / FOTOGRAFIA Arcélio Sampaio Cristina Ferreira REVISÃO DE PROVAS Andreia Araújo Carla Susana Azevedo Joaquim Meneses DESIGN GRÁFICO E PAGINAÇÃO Pedro Veloso

Leia mais

Fiz emos Feira Medie v al - Escola Profissional CIOR

Fiz emos Feira Medie v al - Escola Profissional CIOR REVISÃO DE PROVAS Andreia Araújo Carla Susana Azevedo Joaquim Meneses DESIGN GRÁFICO E PAGINAÇÃO Pedro Veloso DATA DE PUBLICAÇÃO Junho de 2013 NÚMERO

Leia mais