Efeitos da atividade física em asmáticos. Um estudo de

Сomentários

Transcrição

Efeitos da atividade física em asmáticos. Um estudo de
Efeitos da atividade física em asmáticos. Um estudo de caso.
ELIAS, Adriana*; DUARTE, Marcelo Silva**
* Fisioterapeuta, Especialista em Fisioterapia Pneumo-funcional – FRASCE;
** Fisioterapeuta, Mestre em fisioterapia UNIMEP SP, Professor FRASCE
Resumo
A asma é uma doença inflamatória que determina crises de falta de ar, ocorrendo dificuldade
na entrada de ar nos pulmões e principalmente, na sua saída. Isto ocorre devido a um
processo inflamatório crônico das vias aéreas, tendo como conseqüência uma a liberação de
certas substâncias que determinam a contração dos músculos que envolvem os brônquios,
estreitando a sua luz e causando a dificuldade na respiração. O estreitamento das vias aéreas
(broncoconstrição) é geralmente reversível e pode ocorrer em decorrência da exposição a
diferentes fatores desencadeantes ("gatilhos"). Esta obstrução à passagem de ar pode ser
revertida espontaneamente ou com uso de medicações, porém em pacientes com asma
crônica, a inflamação pode determinar obstrução irreversível do fluxo aéreo. A atividade física
proporciona inúmeros benefícios vitais às pessoas, melhora do condicionamento físico, ou
seja, aumenta-se a capacidade do sistema cardio-respiratório, a resistência muscular geral e
localizada se desenvolve juntamente com a força, flexibilidade, agilidade, conseguindo com
tudo isto um melhor equilíbrio corporal e coordenação motora. O objetivo deste estudo foi
verificar a função respiratória após a prática de uma atividade física de natação e ginástica
regular, através de uma avaliação respiratória em uma paciente asmática crônica que faz uso
de medicamento broncodilatador. A metodologia aplicada foi uma avaliação respiratória antes
e após a prática de uma atividade física regular em um intervalo de 3 meses, através da
ausculta pulmonar, do pico de fluxo expiratório (Peak-Flow), da cirtometria torácica
(capacidade de expansão e capacidade de redução – CEV e CRV) e do padrão ventilatório.
Os resultados mostraram a diferença que a paciente apresentou um pico de fluxo expiratório
de 5 l/min entre as avaliações, CEV de 1 cm em ambos os pontos anatômicos medidos e CRV
de 0,5 cm também em ambos os pontos. O padrão ventilatorio permaneceu misto, Os valores
são considerados baixos para a faixa etária e sexo da voluntaria, e a capacidade de expansão
e de redução de acordo com seu estado clínico, uma ausculta pulmonar dentro da
normalidade e um padrão ventilatório característico da asma. Praticamente não foram
encontradas alterações nas avaliações, o que levamos a crer que a atividade física não
influencia nas condições do paciente asmático quando não esta em períodos de crise, porem
nos levar a acreditar ainda que não houve recorrência ou novos episódios. Incentivar a pratica
de atividade física é um indicativo de prevenção aos pacientes asmáticos de episódios de
crise e diminuição do uso de medicamentos controladores.
Palavras chaves: Asma, Atividade Física, Crise asmática.
Abstract
Asthma is an inflammatory disease that determines attacks of shortness of breath, difficulty
occurring in the air through the lungs and especially in its output. This is due to a chronic
inflammation of the airways, and as a consequence the release of certain substances that
determine the contraction of muscles around the bronchi, narrowing the lumen and causing
difficulty in breathing. The narrowing of the airways (bronchoconstriction) is usually reversible
and may occur as a result of exposure to different triggering factors ("triggers"). This
obstruction to air flow can be reversed spontaneously or with medication use, however, in
patients with asthma, chronic inflammation may determine irreversible airflow
obstruction. Physical activity provides many vital benefits to people, better physical
conditioning, ie, increases the capacity of the cardio-respiratory, muscular endurance and
located generally develops along with the strength, flexibility, agility, achieving all this with a
better body balance and coordination. The aim of this study was to assess the respiratory
function after doing a physical activity of swimming and gymnastics to regulate, by a respiratory
evaluation in a chronic asthma patient who makes use of bronchodilator medication. The
methodology applied was a respiratory evaluation before and after the practice of regular
physical activity in an interval of three months by auscultation, peak expiratory flow (PEF) of
the thoracic expansion (expansion capability and capacity reduction - CEV and CRV) and the
ventilatory pattern. The results showed the difference that the patient had a peak expiratory
flow of 5 l / min between assessments CEV 1 cm in both the anatomical landmarks and
measured 0.5 cm CRV also on both points. The respiratory pattern remained mixed, values are
considered low for age and sex of the volunteers, and capacity expansion and reduction
according to their clinical condition, an auscultation within the normal breathing pattern and a
characteristic of asthma. Practically no changes were found in the ratings, what we to believe
that physical activity does not influence the conditions of the asthma patient when not in times
of crisis, but also lead us to believe that there was no recurrence or new
episodes. Encouraging the practice of physical activity is indicative of asthmatic patients to
prevent episodes of crisis and decreased medication use controllers.
Key words: Asthma, Physical Activity, Crisis asthmatic.
I – Introdução
A asma é uma doença com alta prevalência e leva a importantes danos funcionais à
saúde e à qualidade de vida do paciente. A fisiopatologia da doença está centrada na
inflamação crônica das vias aéreas que associada a uma disfunção do sistema nervoso
autônomo (SNA) favorece a hiper-reatividade e à obstrução brônquica. O treinamento físico
pode modular a resposta autonômica e imune em indivíduos saudáveis e a sua prática de
maneira regular também é recomendada para os pacientes asmáticos.
Como uma das formas de tratamento a atividade física vem como ajuda a diminuir as
complicações dessa patologia, apresentando um aumento da resistência cardio-respiratória.
O estudo tem como objetivo observar as alterações respiratórias de um paciente
asmático antes e após a prática da atividade física.
II - Desenvolvimento
Lambertucci et al (2006) verificam os efeitos da atividade física em 215 pessoas
submetidas a meia hora de atividade física, duas vezes por semana, sobre a esteira ou a
bicicleta ergométrica, 25% apresentaram significativa diminuição da performance ao exercício.
A atividade aeróbia de intensidade moderada, aumenta o pico do consumo de oxigênio, o
limiar anaeróbio, melhora a capacidade respiratória e reduz a dispnéia associada à asma.
Moisés (2006) apresentou programas para a reeducação respiratória e o
condicionamento físico adequado em 260 indivíduos portadores de asma brônquica moderada
e grave, durante três aulas semanais de ginástica respiratória e natação. Os resultados
demonstraram mudanças no comportamento clínico dos portadores de asma, inclusive em
manifestações de crise de broncoespasmo.
Pacientes com doenças respiratórias crônicas apresentam menor tolerância ao
exercício físico devido à dificuldade respiratória, restrição às atividades ou falta de atividades
físicas. Nos pacientes asmáticos, essas limitações levam ao descondicionamento do sistema
cardiorrespiratório e diminuição da força muscular de membros superiores e inferiores.
Quando não está bem controlada, a asma interfere na vida social e profissional dos pacientes
(TRAVENSOLO; RODRIGUES, 2006).
Santos et al (2009) verificaram se o indivíduo que praticava exercício físico, e evoluiu a
óbito tendo como a principal causa as doenças do aparelho respiratório, pode ter uma
sobrevida em relação ao indivíduo que não praticava exercício físico, através de ludos de
neocropsias. O edema pulmonar a maior causa responsável por óbitos. A prática de exercícios
físicos é muito escassa, sendo um fator de suma importância para a saúde do sistema
respiratório do indivíduo.
Soncino Silva et al (2005) avaliaram a distância percorrida em nove minutos e a
freqüência cardíaca de repouso e a força dos músculos abdominais e respiratórios, antes e
depois de quatro meses de participação num programa de exercícios físicos através de
treinamento físico global realizado em solo e água,com atividades lúdicas e recreativas, duas
vezes por semana, associado ao tratamento medicamentoso para asma, pela espirometria,
antropométricas e do BIE. A qualidade de vida é um parâmetro passível de melhora pelos
programas de exercícios, inclusive refletindo a melhora da asma, bem como do uso de
medicação, que também pode diminuir em decorrência do treinamento.
Ramos (2009) avaliou o desempenho da musculatura periférica e capacidade funcional
e relacioná-los com o estado nutricional através da avaliação da força muscular periférica em
20 pacientes asmáticos graves e relação entre a capacidade funcional, composição corporal e
atividade física através da espirometria, teste de força e resistência muscular, composição
corporal, teste de caminhada controlada, questionário de atividade física e controle clínico da
asma. Os pacientes asmáticos apresentaram diminuição na resistência muscular periférica e
menor capacidade funcional.
Lima et al (2007) justificaram a realização de avaliar os efeitos de um programa de
Treinamento muscular inspiratório (TMI) e exercícios respiratórios no tratamento de 60
crianças com quadro de asma não controlada, através de um programa de fisioterapia
respiratória composto de TMI e exercícios respiratórios, sendo desenvolvido em 2 sessões
semanais de 50 min, durante sete semanas consecutivas, totalizando 14 sessões. Uma vez
que tanto a PImáx quanto a PEmáx aumentaram significativamente, proporcionando uma
melhora da obstrução aérea, evidenciada através do PFE e das variáveis de gravidade.
Machado et al (2007) descreveram características demográficas e clínicas de
asmáticos que apresentaram como desfecho a morte em 16 pacientes e relatou as condições
para tal através de atestados de óbitos e prontuários médicos. As causas registradas foram:
asma ou crise de asma, insuficiência respiratória, infarto agudo do miocárdio, hepatite, choque
hipovolêmico e parada cardiorrespiratória. A maioria dos óbitos dos asmáticos graves foi
atribuída a asfixia e doenças cardiovasculares, em ambiente hospitalar.
O êxito do tratamento da asma depende de uma parceria efetiva entre a equipe e/ou o
profissional que dispensa cuidados ao paciente, e ele próprio e seus familiares,tendo como
premissa o diálogo e a educação em saúde. A abordagem educativa deve ser continuada e
privilegiará as crenças e conceitos internalizados, as diferentes classes de medicamentos, os
esquemas terapêuticos e os diferentes sistemas de inalação disponíveis. A inadequada
utilização destes sistemas e dispositivos repercute inegavelmente numa falha terapêutica
aparente. É indispensável explicitar para a criança e seus familiares que a asma persistente
grave é uma doença crônica e até mesmo ameaçadora, e que seus efeitos deletérios
ultrapassam em muito os inconvenientes da corticoterapia inalatória (MOURA et al, 2002).
Um programa regular de atividades físicas pode melhorar a mecânica respiratória,
tornar mais eficaz a ventilação pulmonar e, portanto, aumentar sua tolerância ao exercício
físico e capacidade de trabalho. A reeducação funcional respiratória, associada a um plano de
exercícios, tem ação preventiva corretiva sobre as alterações torácicas e posturais. São
necessárias orientações quanto ao tipo e intensidade das atividades físicas para se evitar o
broncoespasmo induzido pelo exercício (TEIXEIRA, 2009).
O aumento do condicionamento físico pode ser um papel importante no controle clínico
de pacientes com asma persistente moderada ou grave promovendo a melhora da qualidade
de vida, redução de sintomas e inflamação pulmonar. Por outro lado, o condicionamento físico
não exerceu influência sobre a resposta autônoma desses pacientes asmáticos (MENDES,
2009)
Olivo (2009) relata a melhora da capacidade respiratória e redução dos sintomas da
asma em 54 pacientes durante 8 semanas submetidos a atividade, no qual o condicionamento
físico de moderada intensidade diminui a migração de eosinófilos e linfócitos sem modificar o
remodelamento aéreo e a hiperrresponsividade brônquica e reforçam a importância do
condicionamento físico em pacientes asmáticos e sugerindo um possível papel antiinflamatório desta doença.
Wisher et al (2010) Investigaram os benefícios a médio prazo de um programa de
natação em escolares e adolescentes com asma atópica persistente moderada, através um
estudo randomizado e prospectivo em 61 pacientes acompanhados durante 3 meses. O
programa de natação consistiu em um total de 24 aulas, duas vezes por semana, realizaram
espirometria, teste de broncoprovocação com metacolin, Pressão inspiratória máxima e
pressão expiratória máxima.
Nos resultados observaram que apresentou aumento
significativo da PC20 de metacolina, pressão inspiratória máxima e pressão expiratória.
Conclui-se que um programa de natação apresenta diminuição estatisticamente significativa
da hiper-responsividade brônquica, com aumento dos valores da PC20 de metacolina, quando
comparados que não realizaram natação.
A asma é uma doença complexa com ampla variabilidade de apresentação. Sendo
assim, diversos métodos são necessários para realizar o diagnóstico e avaliar seu controle,
todos com vantagens e limitações. Parâmetros clínicos aliados à avaliação da qualidade de
vida, da função pulmonar e dos métodos relacionados à inflamometria avaliam diferentes
aspectos da doença e se complementam. É necessário que mais estudos controlados,
randomizados, com adequado poder estatístico sobre a utilidade dos marcadores inflamatórios
não invasivos no manejo da asma sejam realizados para determinar sua real utilidade
(ANDRADE et al, 2010).
III – Metodologia
O objetivo do presente estudo é verificar a melhora da função respiratória de uma
paciente após a prática de uma atividade física regular. A voluntaria, com 30 anos, tem
permanência de no mínimo três meses de prática de atividade física e com freqüência de três
vezes por semana, devidamente matriculada na academia Aquacenter LTDA, localizada na
estrada do cafundá, 1034 na Taquara – Rio de Janeiro, após ser autorizada pela instituição a
realização do trabalho (Anexo A). A mesma faz uso de broncodilator aerolin com freqüência há
20 anos, 3 vezes ao dia.
Previamente a paciente selecionada, tomará conhecimento do estudo, bem como
finalidades, duração do tratamento, riscos da pesquisa e principalmente que esse estudo não
terá fins lucrativos para nenhuma das partes, mediante isso dará consentimento por meio do
(TCLE) Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (Anexo B).
Logo após a assinatura do TCLE, a paciente irá submeter-se a uma avaliação
respiratória (Anexo C), constando das seguintes etapas:
a) Coletar os principais dados de identificação do paciente
b) Coletar dados sobre uso de medicamentos para controle da asma, tempo de uso, intervalos
de crises, gravidade das crises e se realiza ou realizou fisioterapia respiratória.
c) Realização de testes específicos como: Ausculta pulmonar, Cirtometria torácica, Peak-flow
e padrão ventilatório.
IV – Resultados
A avaliação foi feita em duas etapas: no dia 10 de Dezembro de 2010, onde ainda não
havia começado uma prática de exercícios e no dia 10 de Março de 2011, com três meses de
atividade física regular.
Quanto á ausculta pulmonar tanto no início e no término apresentou murmúrios
vesiculares audíveis e sem ruídos adventícios, ou seja, sem ruídos pulmonares anormais. E
na avaliação do pico de fluxo expiratório, iniciou-se com 350 l/min e finalizando com 355 l/min.
A tabela 1 ilustra os resultados.
Tabela 1 – Ausculta pulmonar e Pico de fluxo expiratório
Data
Ausculta Pulmonar
Peak-Flow (l/min)
10/12/10
MV + sem RA
350
10/03/11
MV + sem RA
355
Quanto à capacidade de expansão da voluntária, iniciou com 4,0 cm, tendo um
aumento para 5,0 cm na última avaliação no nível de Linha Axilar. Quando medida no nível de
apêndice xifóide, iniciou com 5,0 cm e chegando ao final com um aumento para 6,0 cm. A
tabela 2 ilustra os resultados.
Tabela 2 – Capacidade de Expansão Voluntária (cm)
DATA
LINHA AXILAR
APÊNDICE XIFÓIDE
10/12/2010
4,0
5,0
10/03/2011
5,0
6,0
Quanto à capacidade de redução da voluntária, iniciou-se com 5,0 cm e finalizando
com 5,5 cm no nível de Linha Axilar. No nível do apêndice xifóide, iniciou-se com 6,0 cm e
finalizou com 6,5 cm. A tabela 3 ilustra os resultados.
Tabela 3 – Capacidade de Redução Voluntária (cm).
DATA
LINHA AXILAR
APÊNDICE XIFÓIDE
10/12/2010
5,0
6,0
10/03/2011
5,5
6,5
Quanto ao padrão ventilatório, as avaliações apresentaram padrão ventilatório misto,
ou seja, paciente apresentou inspirações e expirações irregulares padrões diafragmático e
apical. A tabela 4 ilustra os resultados.
Tabela 4 – Padrão Ventilatório
DATA
PADRÃO VENTILATÓRIO
10/12/10
MISTO
10/03/11
MISTO
VI – Discussão
A ausculta pulmonar estava dentro da normalidade sem apresentar ruídos adventícios
nos dois momentos de avaliação. A eficiência do programa de ginástica respiratória e natação
nos componentes do estilo de vida. Os resultados corroboram com Betio et al (2007) que
afirmam que o fluxo expiratório apresenta discreta melhora e também evidenciaram os
benefícios advindos da prática de atividades físicas. A importância da elaboração de
programas com período de longa duração e específicos para o desenvolvimento de
determinadas habilidades básicas.
Na avaliação do pico de fluxo expiratório, iniciou-se com 350 l/min e finalizando com
355 l/min. No paciente asmático quanto melhor controlada a doença maior será a medida do
pico de fluxo. O valor ideal do pico de fluxo pode variar de acordo com a idade, sexo, altura e
raça do paciente. É conveniente salientar que não são todos os asmáticos que devem fazer a
medida rotineira do peak flow, que gira em torno de 407 l/min. (SCHMIDT, 2008). A voluntaria
apresentou portanto um pico de fluxo expiratório baixo para sua faixa etária de acordo com a
tabela de teste clínico de ventilação funcional.
A capacidade de expansão voluntária e de redução voluntária não apresentou
diferenças significantes nas avaliações, com uma diferença de apenas 1,0 e 0,5 cm
respectivamente em ambos os pontos anatômicos da avaliação. Por outro lado, também não
teve redução nos valores. Pequenas variações na expansibilidade torácica podem ser
detectadas durante uma avaliação com o paciente desnudo na parte do tórax. A avaliação da
mobilidade torácica permite avaliar de forma estimativa a expansibilidade pulmonar. O
reconhecimento de técnicas que possam avaliar de forma efetiva a mobilidade torácica e por
conseguinte a expansibilidade pulmonar, tem grande importância no diagnóstico de patologias
que comprometam a dinâmica ventilatória (KERKOSKI et al, 2004).
O padrão ventilatório apresentou-se misto em ambas as avaliações, O asmático, em
função das características da doença, experimenta aumento da resistência ao fluxo aéreo,
aprisionamento de ar e hiperinsuflação pulmonar, que levam a alterações mecânicas na
dinâmica tóraco-abdominal e à desvantagem muscular inspiratória.(LIMA et al, 2008).
Não houve variações significativas permanecendo quase que iguais aos dados antes
do início dos exercícios. Porém acreditamos que pequenas melhoras em relação ao tempo de
crises foram devidas a pratica regular da atividade. Corroborando com Bernard, (2010) que
sustenta que a natação é um exercício saudável que é bem tolerado por asmáticos. Esse
efeito protetor da natação provavelmente resulta da alta umidade do ar inspirado no nível da
água, o que reduz a perda de água pela respiração. A posição horizontal do corpo durante a
natação também pode exercer um papel nisso ao alterar a rota respiratória. Portanto, é
freqüentemente recomendada aos asmáticos como um meio seguro e agradável de manter a
função pulmonar, aumentar sua capacidade aeróbica e melhorar sua qualidade de vida.
A paciente relatou uma sensação de bem estar ao que sentia anteriormente. Porém se
faz necessário um acompanhamento de uma equipe multidisciplinar para que seja feito um
trabalho preventivo com o objetivo da melhora da qualidade de vida do asmático. Travensolo e
Rodrigues (2006) verificaram que houve melhora na qualidade de vida em 6 pacientes
portadores de asma brônquica após um programa de fisioterapia respiratória ambulatorial
durante 12 terapias, aplicando o Questionário sobre Qualidade de Vida em Asma com
atividades padronizadas. A atividade física não piorou a função pulmonar e o broncoespasmo,
além de melhorar a performance cardiopulmonar.
VII – Conclusão
Podemos afirmar quem embora não houve melhoras significativas nas avaliações
feitas, acreditamos que a atividade física controlada pode ser um coadjuvante importante no
controle das crises asmáticas, visto que não houve nenhum episodio de crise no período, e
uma redução no uso do medicamento,
Novos estudos com períodos longitudinais parecem ser o caminho para elucidar os
efeitos terapêuticos que a atividade física regular propõe.
VIII - Referências Bibliográficas
ANDRADE, Cláudia R. de; CHATKIN,José Miguel; CAMARGOS, Paulo Augusto M. Avaliação
do grau de controle clínico, espirométrico e da intensidade do processo inflamatório na asma.
Jornal de Pediatria. Rio de Janeiro Vol. 86(2), p.93-100, 2010.
BERNARD, Alfred. Asma e natação: pesando os benefícios e os riscos. Jornal de Pediatria.
Rio de Janeiro, Vol. 86, Nº 5, p.351-352, 2010.
BETIO, Jane; KREBS, Ruy Jornada; KEULE, Guilherme Eugênio van. O efeito da prática de
exercícios em crianças e adolescentes asmáticos. Revista Cinergis. São Paulo. Vol 8, n. 2, p.
7-12 Jul/Dez, 2007.
LAMBERTUCCI, R.H.; PUGGINA, E.F.; PITHON-CURI, E.F. Efeitos da atividade física em
condições patológicas. Revista brasileira Ciência e Movimento. São Paulo, Vol. 14 (1), 6774, 2006.
LIMA, Elisânsela Veruska Nóbrega Crispin Leite; LIMA, Willy Leite; NOBRE, Adner; SANTOS,
Alcione Miranda dos; BRITO, Luciane Maria Oliveira; COSTAS, Maria do Rosario da Silva
Ramos. Treinamento muscular inspiratório e exercícios respiratórios em crianças asmáticas.
Jornal Brasileiro de Pneumologia. São Luís. Vol. 34(8), p. 552-558, 2008.
MACHADO, Adelmir Souza; MACHADO, Carolina Souza; SILVA, Daisy Freitas; PONTE,
Eduardo Vieira; CRUZ, Alvaro A. Causas de óbitos entre asmáticos graves admitidos no
Programa de Controle da Asma e da Rinite Alérgica na Bahia. Jornal Brasileiro de
Pneumologia. Bahia. Vol. 33(4), p 372-379, 2007.
MOISES, Márcia Perides. Ginástica respiratória para asmáticos: efeito de redução do número
e intensidade de crises asmáticas. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. São
Paulo. Vol.5 Número Especial, 2006.
MOURA, José Augusto Rubim de; CAMARGOS, Paulo Augusto Moreira; BLIC, Jacques de.
Tratamento profilático da asma. Jornal de Pediatria. Minas Gerais. Vol. 78, Supl.2, p. 141 –
150, 2002.
OLIVO, Rosa. Efeito do condicionamento físico aeróbio de moderada intensidade na
inflamação pulmonar alérgica crônica e na hiperresponsividade brônquica à
metacolaninas em cobaias. São Paulo, 55 fls. Área de Concentração: Movimento, Postura e
Ação Humana. Faculdade de Medicina: universidade de São Paulo, 2009.
RAMOS, Elisângela Cristina. Avaliação da função muscular periférica e capacidade
funcional em pacientes asmáticos. 49 fls, Grau: Título de Mestre em Ciências da
Reabilitação, Universidade Nove de Julho: São Paulo, 2009.
RODRIGUES, Felipe Augusto Mendes. Efeito do treinamento físico nos aspectos
psicossociais, modulação autônoma e inflamação pulmonar em pacientes com asma
persistente moderada ou grave. São Paulo. 74 fls. Área de Concentração: Movimento,
Postura e Ação Humana. Faculdade de Medicina: universidade de São Paulo, 2009.
SANTOS ,Ane Maia dos; FOLADOR,Daniel Nogueira; MARTINS, Lorena Furtado; SILVA, Luis
Antonio da; PAULO, Rosana Aparecida Hallak; NUNES, Newton. Sistema respiratório, óbito e
exercício físico. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo.
Vol.3, n.18, p.592-596. Nov/Dez. 2009. ISSN 1981-9900.
SCHMIDT, Adriana Vidal. Teste de função pulmonar. Jornal Brasileiro de Pneumologia.
Bahia. Vol. 36 (1), p. 252-258, 2006.
SONCINO SILVA,Cristiane; TORRES, Lídia Alice Gomes Monteiro Marins; RAHAL, Abel;
FILHO, João Terra; VIANNA, Elcio Oliveira. Avaliação de um programa de treinamento físico
por quatro meses para crianças asmáticas. Jornal Brasileiro de Pneumologia. São Paulo.
Vol.31(4), P.279-85. 2005.
TEIXEIRA, Luzimar. Asma: da teoria a prática. São Paulo, 10 fls. Área de Concentração:
Movimento, Postura e Ação Humana. Faculdade de Medicina: universidade de São Paulo,
2009.
TRAVENSOLO, Cristiane de Fátima; RODRIGUES, Claudiane Pedro. Qualidade de vida de
um grupo de portadores de asma brônquica após um programa de fisioterapia respiratória
ambulatorial: relato de cinco casos. Revista Espaço para a Saúde. Londrina. Vol.8, n.1, p.2833, dez.2006.
WICHER, Ivonne Bernardo; RIBEIRO, Maria Ângela Gonçalves de Oliveira; MARMO, Denise
Barbieri; SANTOS, Camila Isabel da Silva; TORO, Adyleia Aparecida Dalbo Contrera;
MENDES, Roberto Teixeira; CIELO, Flávia Maria de Brito Lira; RIBEIRO, José Dirceu.
Avaliação espirométrica e da hiper-responsividade brônquica de crianças e adolescentes com
asma atópica persistente moderada submetidos à natação. Jornal de Pediatria. Rio de
Janeiro, Vol.86(5), p.384-390, out. 2010.

Documentos relacionados

de ifsc.edu.br

de ifsc.edu.br manobras, consegue prevenir e reverter crises agudizadas associadas a outras patologias, dando a estes indivíduos uma melhor qualidade de vida e abreviando sua internação hospitalar. Este relato de...

Leia mais

Como o Laboratório de Função Pulmonar pode ser útil na Asma

Como o Laboratório de Função Pulmonar pode ser útil na Asma Relação entre hiperinsuflação e CVF. Significativo para o Grupo com aprisionamento aéreo ( hiperinsuflaçao isolada ou com limitação ao fluxo)

Leia mais

Português

Português segundas e quartas-feiras, no momento da dispensação dos medicamentos na farmácia do ambulatório após a avaliação médica. Apresentação do serviço de ATENFAR foi um processo sistemático, contínuo e ...

Leia mais

os beneficios da natação para crianças com asma

os beneficios da natação para crianças com asma hiperresponsividade das vias aéreas inferiores e por limitação variável ao fluxo aéreo, reversível espontaneamente ou com tratamento, manifestando-se clinicamente por episódios recorrente de sibilâ...

Leia mais