Memória da Cana - Os Fofos Encenam

Сomentários

Transcrição

Memória da Cana - Os Fofos Encenam
Álbum de Família,
ça
pe
da
o
çã
ta
ap
ad
livre
gues
de Nelson Rodri
direção
Newton Moreno
Apresentação
M
emória da Cana é uma adaptação
do texto teatral Álbum de Família
de Nelson Rodrigues alimentada pela
leitura de textos basilares sobre a formação
da família brasileira, principalmente, Casa
Grande & Senzala de Gilberto Freyre, obra
germinal para a interpretação do Brasil.
O projeto começa no estudo do livro
O Anjo Pornográfico de Ruy Castro,
aclamada biografia de Nelson Rodrigues,
pernambucano criado no Rio de Janeiro.
Mencionamos sua origem nordestina
porque, nesta leitura, cresce a percepção
de uma herança pernambucana na obra
de Nelson Rodrigues. Profusão de
imagens em seus quatro primeiros anos na
cidade de Recife e de convivência com o
imaginário pernambucano durante toda
sua vida.
Nasce uma vontade de devolver o Álbum
à Recife, devolver um pouco de Nelson
à sua origem, vasculhar sua árvore
genealógica enquanto percorremos a
nossa. Desenhar nosso álbum de família
pernambucana na geografia de arquétipos
traçada em seu texto.
O público vai assistir a um mergulho em
busca de memórias de nossas famílias
nordestinas em diálogo com a obra Álbum
de Família de Nelson Rodrigues.
O roteiro é composto de uma adaptação
da obra de Nelson e algumas ações
cênicas inspiradas pelas leituras da obra de
Gilberto Freyre sobre família patriarcal e a
civilização do açúcar.
Os atores envolvidos têm origem e/ou
parentes nascidos no eixo PernambucoAlagoas-Paraíba, com exceção de uma atriz
que explora o lugar da estrangeira, a que
não tem o mesmo sangue, a que se sente
excluída desta reunião familiar.
Os Fofos inauguram com este projeto
uma saudável prática da ‘construção
em processo’ de um novo espetáculo.
Realizamos uma primeira mostra do
trabalho no TUSP, em maio de 2008,
com apoio a Lei de Fomento ao Teatro da
Cidade de São Paulo e, no ITAÚ Cultural,
apresentamos uma segunda etapa de nossa
pesquisa, em fevereiro de 2009.
Abrimos as portas desta casa, propondo
um espaço-instalação onde atores e
público possam conversar com suas
lembranças familiares, testemunhando nos
cômodos desta casa patriarcal, os segredos
de família sussurrados ou bravejados/
sugeridos/revelados por Nelson, por
Gilberto e por nós.
Nesta casa de purgar, aceitamos o
desafio de Nelson e empreendemos
nossa queimada para incendiar máscaras.
Queremos caminhar sob as cinzas
desta experiência, num ritual cênico de
purificação para que, com a vista limpa,
possamos rever o lugar da família em
nossas histórias.
fora ade e m
m
e
12 e , e que moria d
e
s
fever
eiro empre e meus a
de 19
m
stara
79
o co igo
migo
Sinopse
A
daptação do grupo para o texto
clássico do dramaturgo brasileiro
Nelson Rodrigues, Álbum de Família.
Nesta montagem, a trama ganha o
cenário dos engenhos e canaviais
nordestinos, em um estudo sobre a
família patriarcal brasileira.
Jonas, o patriarca, é apaixonado pela
filha Glória. Para satisfazer esse desejo,
ele traz adolescentes em casa para
tirar sua virgindade, contando, para
isso, com a ajuda da cunhada Rute. A
mãe, D. Senhorinha, assiste a tudo e se
mantém impassível porque guarda um
grande segredo. Os conflitos eclodem
quando os filhos retornam para o lar:
principalmente, Glória, expulsa do
colégio interno; seguida por Guilherme,
que abandona o seminário e vem à
procura de Glória; e Edmundo, expulso
de casa pelo pai, abandona a mulher
com quem se casou, recentemente, por
uma paixão velada pela mãe.
meu
“ Toda palavra,
mente.”
filho, é uma se
ar
Raduan Nass
Currículo do
espetáculo
C
ontemplado com o Programa de
Ação Cultural da Secretaria de
Estado da Cultura, Prêmio Myriam
Muniz - FUNARTE – Petrobrás e
Programa Municipal de Fomento ao
Teatro, Memória da Cana, estreou em
2009 no Espaço dos Fofos.
Memória da Cana, com adaptação
e direção de Newton Moreno, foi
inspirado na fábula Álbum de Família
de Nelson Rodrigues, na obra de
Gilberto Freyre sobre a família
patriarcal na cultura da cana e nas
criações dos pesquisadores do grupo
sobre o tema da família.
A primeira experiência pública da
pesquisa deu-se em 2008, na Mostra
Experimentos do TUSP. Em fevereiro
de 2009, Os Fofos apresentaram o
processo de investigação no lançamento
da Enciclopédia de Teatro do Itaú
Cultural.
Currículo do
Diretor
N
ewton Moreno, nascido em
Recife, formou-se Bacharel em
Artes Cênicas pela Unicamp (com o
espetáculo Primeiras Estórias, adaptado
e dirigido por João das Neves em
1995) e Mestre em Artes Cênicas pela
USP com orientação da Profa. Dra.
Sílvia Fernandes Telesi, com quem
desenvolve atualmente pesquisa para
doutoramento.
Em 2001, encenou seu primeiro texto
Deus Sabia de Tudo.... É autor de
Dentro (que participou da Mostra de
Dramaturgia Contemporânea do SESI
em 2002) e A Cicatriz é a Flor, estes
dois textos juntos compõe a primeira
etapa do Projeto Body Art ; e Agreste montado pela Cia Razões Inversas
em São Paulo. Por este texto ganhou
o Prêmio Shell e o Prêmio APCA
(Associação Paulista dos Críticos de
Artes) de melhor autor em 2004.
Recebeu Bolsa Vitae de Artes em 2003
para realizar livre adaptação teatral do
livro Assombrações do Recife Velho de
Gilberto Freyre. Escreveu As Centenárias, dirigido por Aderbal Freire Filho,
que recebeu Prêmio Contigo! e Shell de
Teatro no Rio de Janeiro em 2008.
“A história social da ca
sa-grande é a história
íntima de
quase todo brasileiro:
de sua vida doméstic
a,
co
njugal,
sob o patriarcalismo
escravocrata e polígam
o; da sua
vida de menino; do se
u cristianismo reduzid
o
è religião
de família e influencia
do pelas crendices da
senzala.
O estudo da história
íntima de um povo te
m alguma
coisa de introspecção
proustiana; (...) O arqu
iteto Lúcio
Costa: A
‘ gente como que se
en
co
nt
ra
...E
se lembra de
cousas que a gente nu
nca soube, mas que es
tavam
lá dentro de nós; não
sei – Proust devia expl
icar isso
direito’”.
Os Fofos
Encenam
A
formação de Os Fofos Encenam
aconteceu em 1992, no curso
de Artes Cênicas da Unicamp, com
atividades de pesquisa direcionadas ao
riso e as raízes do cômico dentro da
grade curricular da faculdade. No ano
2000, Os Fofos se reencontraram para
a montagem de Deus Sabia de Tudo..., de
Newton Moreno, espetáculo que marcou
a transformação do grupo em companhia
profissional de teatro de repertório.
Em 2003 realizaram a montagem da
comédia A Mulher do Trem, espetáculo
vencedor do Prêmio Shell de Melhor
Figurino. Já em 2005 encenaram Assombrações do Recife Velho, baseado
no livro homônimo de Gilberto Freyre.
Esse espetáculo, contemplado com o
Programa Municipal de Fomento ao
Teatro e encenado no interior de um
casarão antigo da Bela Vista participou
foi indicado ao Prêmio Shell nas
categorias melhor direção, melhor
direção musical e melhor iluminação.
Em 2006, dando continuidade a
pesquisa do universo do Circo-Teatro,
encenaram o primeiro drama de sua
carreira: Ferro em Brasa. Contemplado
com o Prêmio Myriam Muniz FUNARTE - Petrobrás, Ferro em Brasa
estreou no Teatro Julia Bergmann, na
Barra Funda e cumpriu temporada de
3 meses. Recebeu ainda indicação ao
Prêmio Shell na categoria especial pela
pesquisa em circo-teatro e melhor atriz
(Cris Rocha). Conquistou em 2007
o apoio do Programa Municipal de
Fomento ao Teatro para Cidade de
São Paulo. Ganhou ainda o incentivo
do Projeto de Apoio a Cultura - PAC
- da Secretaria do Estado da Cultura,
viajando com o espetáculo A Mulher
do Trem para diversas cidades do
interior de São Paulo.
Em 2009, estrearam o espetáculo
Memória da Cana, inspirado em
Álbum de Família, de Nelson
Rodrigues, com adaptação e direção
de Newton Moreno. Esse espetáculo
foi contemplado com o Programa
Municipal de Fomento ao Teatro para
Cidade de São Paulo, Prêmio Myriam
Muniz – FUNARTE – Petrobrás e
Programa de Ação Cultural – PAC.
Ficha técnica
Texto original
Preparação corporal
Nelson Rodrigues
Viviane Madureira
Direção e adaptação
Cenário
Newton Moreno
Marcelo Andrade e Newton Moreno
Elenco de atores-criadores
Cenotécnico e aderecista
Carlos Ataíde
Zé Valdir
Kátia Daher
Assistente de cenotécnico e aderecista
Luciana Lyra
Vânia Medeiros Moreira
Paulo de Pontes
Alex Peixoto
Marcelo Andrade
Design dos bonecos santos
Viviane Madureira
Raimundo Bento
Voz Off - Tereza, Glória e Speaker
Confecção de bonecos santos
Erica Montanheiro
Raimundo Bento e Terno Teatro
Viviane Madureira
Figurinos bonecos santos
Fernando Neves
Carol Badra e Viviane Madureira
Assistência de direção
Criação e confecção bonecos
José Roberto Jardim
Glória e Edmundo
Direção de produção
Zé Valdir
Emerson Mostacco
Contra-regra
Assistência de produção e bilheteria
Raphael Pontes
Adriano Cobianchi
Design gráfico
Figurino e maquiagem
Eduardo Reyes
Leopoldo Pacheco
Documentarista
Assistência de figurino
Evaldo Mocarzel
Cris Rocha
Cameraman
Costureiras
Cleison Vidal
Zezé e Benê e Vera
Fotografia espaço anexo
Alfaiate terno Jonas
Ary Brandi
Domingos De Lello
Fotografia work in progress
Iluminação e operação de luz
João Khel, João Maria
Eduardo Reyes
Márcio Shimabukuro e Osmario Marques
Assistência de iluminação
Administração
Marcelo Viola e Paulo de Pontes
Emerson Mostacco e Eduardo Reyes
Consultoria pirotécnica
Estagiária
Leonardo Gatti
Mariana Souto Mayor
Direção musical e operação de som
Realização
Fernando Esteves
Os Fofos Encenam
Preparação musical
Cooperativa Paulista de Teatro
Mestre Nico
Mostacco Produções
Consultoria musical
Alberto Madureira e Helder Vasconcelos
Duração: 90 minutos
eiro, m
lma e
odo brasil quando não na a
a
a,
u manch
raz na alm ente de jenipapo o ou pelo
ag
bra,
– há muit lo Brasil – a som negro.”
e
p
do
a
mongólic ta, do indígena ou
pin
menos a
reyre
Gilberto F
Contato
Emerson Mostacco
55 11 3083.3751
55 11 9702.3191
[email protected]

Documentos relacionados

Apresentação Assombrações - 1.379,19 KB

Apresentação Assombrações - 1.379,19 KB Shell de Melhor Figurino. Já em 2005 encenaram Assombrações do Recife Velho, baseado no livro homônimo de Gilberto Freyre. Esse espetáculo, contemplado com o Programa Municipal de Fomento ao Teatro...

Leia mais