TA 58 - East Timor

Сomentários

Transcrição

TA 58 - East Timor
East Timor Agriculture Network and Virtual Library
Rede agrícola e biblioteca virtual de Timor Leste
Documento:TA058
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
SUBSÍDIOS PARA O ESTUDO DA FAUNA PARASITOLÓGICA
DOS SEUS ANIMAIS DOMÉSTICOS
Author: HERNÂNI RUI BARON DE CABRIER DA SILVA
Date: 1960
Published by: Junta de Investigação do Ultramar, ESTUDOS, ENSAIOS
E DOCUMENTOS N.°76
Summary
Parasitic prospection in Timor:
A constribution to the study of tha parasitological fauna of its domestic
animals.
It is a known and undisputed principle that inter-tropical regions
present a parasitological fauna undoubtedly much richer than that of
temperate regions, on account of favorable ecological conditions,
particularly in relation to temperature, humidity and luminosity, which
enable the swarming both of parasite species and numerous intermediate
hosts, such as molluscs.
If, on the other hand, these inter-tropical ecological conditions
are favorable to parasite species, they are often unfavorable to domestic
animals and man, that become therefore even more sensitive to the
damaging action of the former.
Many species that in temperate regions exercise their activity
only in the hotter time of the year, on account of the temperature being
optimum only at that time, which allows their full development, swarm in
inter-tropical region owing to the fact that that temperature is more or less
permanently achieved.
Schematically, the 24°C isotherms to the north and south of the
Equator mark clearly the boundaries between these two types of
parasitological fauna.
This most important temperature factor, from which one cannot
dissociate a high degree of humidity, enabling a great richness of vegetal
and animal pla nkton propitious to the great development of numerous
intermediate hosts; the composition of the lateralized soil, poor in
oligoelementos indispensable to cellular activity and metabolism, the lack
of which predisposes the animal or human organism to parasitary or
microbial diseases; the great concentrations of animals in certain regions
or places, conditioned by compulsory transhumanation due to alternatives
of plenty or lack of food and water at certain times of the year; the fecal
danger resulting from these concentrations — these are so many causes
helping to explain the parasitary phenomenon in the tropics.
Timor being geographically a part of the greatest archipelago in
the world — known of old as Insulíndia or Malay Archipelago and to
which Schulz gave in 1921 the conventional name of Indonesia (in like
manner of Melanesia, Micronesia and Polynesia), a denomination that
took political significance in 1946, as it was adopted by the newly-born
republic — lies in the equatorial zone, where such a phenomenon is more
clearly manifest.
Its position in the eastern end of the long chain of the Sunda
Islands, thus being the island nearer to the Australian continent, confers
to it some interesting features, sometimes still poorly studded but already
foreseen in relation to its fauna, flora and geology.
Zoologically, the Indonesian archipelago may be conventionally
divided into three regions, one of them having well defined features,
another being typically Australian, and while in the third one the features
of the former two superimpose.
The first of these regions, the nearest to Asia, of which it keeps
both the zoologic and faunistic features, consists of the three great insular
masses of Sumatra, Borneo and Java and of the two nearby islands of
Madura and Bali, separated from the archipelago's remaining islands by
the narrow straits between Lombok and Bali, this being the fundamental
boundary of Asia and Australia. Wallace established there the boundary
of the floras and faunas of the two continents that uses to be called the
«Wallace Tine», for its author, and which extends it along the deeps of
the Macassar straits.
From Bali westward the bottom of the sea rises abruptly from a
depth of thousands of meters to one of a hundred, fifty, twenty and
sometimes even less than fifteen meters, thus forming a very wide
continental plateau. If one could lower the sea level or raise the bottom
by the same height, the China Sea would disappear and one would find
Java, Sumatra, Borneo and the lesser islands of Madura and Bali linked to
the whole body of Asia through the Malay Peninsula, Siam and
Indochina.
This possibility of a continuity that may have existed remotely,
and might manifest itself again, as well as the nearness, should explain
why there predominate in this region the characteristics of Asiatic fauna,
although it may be said that each island has its own types.
In the other end of the archipelago lies the group comprising the
islands of Halmahera, Aru and New Guinea, which, by their zoological
features, are decidedly very near the Australian fauna, for the present
both of marsupials and of paradise birds (New Guinea), cockatoos,
parakeets, parrots, pigeons; however, there are no kangaroos.
As an intermediate zone, comprising Timor , there are the small
Sunda Islands from Lombok to Timor, the Celebes and the Molucas.
It is remarked that the Asiatic simians still are recorded in Timor,
this island being the easternmost boundary of their expansion area. On
the other hand, a small marsupial halanger orientalis — abounds in
Timor and it is known in our side of the island as «meda».
The great wealth in species that is a feature of the other two
zones persists only in the Celebes, although throughout the whole region
there are species not to be found in the other two. It is to be observed that
even in the Celebes the fauna is essentially different from that of Borneo,
a fact that proves the antiquity of the straits of Macassar, just a part of the
Wallace Tine.
We are therefore before a transitional region, with markedly
Asiatic species monkeys, antelopes — besides others showing Australian
influence— the «meda», the cackatoo, the various pigeons, the parakeets.
In general, those species decrease in number as one goes
eastward and southward, while the country happens in relation to the
Australian ones.
In the very particular aspect with which we are concerned, Timor
has served as a springboard for the introduction of new zoological species
into Australia.
There is now no doubt at all that Siphonia exigua (Meijere, 1903)
(syn. Lyperosia exigua) was carried from its original niche, the IndoMalay region, to Melville Island, in the north of Australia, with one or
several boatloads of buffaloes sent from Timor between 1824 and 1828,
most probably in 1825. When the colony established in this island went
to Port Essington in 1838, that fly reached the Australian continent.
For the same reason one may consider Hematopistus tuberculatus
(Burmeister, 1839) the common Asiatic buffalo louse, as having been
introduced in Australia with those same boatloads of buffaloes sent from
Timor.
These instances are enough to prove how much Timor and
generally the geographic region comprising this island has served as a
transit point for one animal species and for two plagues afflicting
Australia in present times.
It is also generally conceded that Boophilus microplus
(Canestrini, 1887) has been introduced through Darwin (Northern
Territory), and then known as Palmerston, in August 1872, by eight cow
and four bull zebus shipped from Batavia (Java) aboard the Investigador
to feed the village's population. Unfortunately, some of these animais
escaped and later some descendants were taken to Adelaide River, where
they mixed with the livestock. Here is how an apparently unimportant
inadvertence caused the spreading of the tick commonest in Australian
cattle that is, above any other consideration, the one causing the most
damage, as it is the main vehicule for bovine pyroplasmosis and
anaplasmosis, not taking into account its plundering action, which is
remarkable.
The diversity of the tasks inherent to the author's office did not
enable him always to devote the necessary time for research, a matter in
which he did not consider himself prepared and especially inclined. Even
then, he endeavored to make a parasitological prospection that is very far
from a systematical one and of which the present paper is, in part, a
consequence.
The travels during which he made this prospection were varied,
all of them on horseback, this means of transportation being the only one
through which one can reach most regions in Timor, and only in this way
it was possible for the author to make a cattle survey in depth of all the
territory that might concern his work.
The author could record in Timor the following species:
Trypanosoma evansi
Fasciola hepatica
Metastrongilus sp.
Sarcocystis f usi f ormis
Ascaris lumbricoides
Taenia solium
Coccidea sp.
Paramphistomum sp.
Stephanurus dentatus
Lucilia cuprina
Hippobosca variegata
Siphona exigua
Dermestes vulpinus
Menopon gallinae
Goniodes dissimilis
Lipeurus caponis
Hematopinus suis
Hematopinus quadripertusus
Hematopinus tuberculatus
Ctenocephalides canis
Amblyoma cyprium cyprium
Boophilus microplus
Haemaphysalis papuana
Rhipicephalus haemaphysaloides
Rhipicephalus sanguineus
However, if the parasitological fauna of domestic animals in
Timor does not restrict itself to the species above enumerated, it is also a
fact that it is not to be supposed that this fauna is so rich in number of
species that it is by itself a sample of those existing in the great
continental areas.
It must not be forgotten that Timor is an island and, like many
islands, it does not seem to possess its own specific fauna. Anyway, we
are not aware that any zoological species exclusive to the island have
been found so far in the non-Portuguese part, except, however, for Ixodes
praematurus, this being an argument in favor of such a fauna having not
existed in times prior to the coming of domestic animals to the island.
Therefore, everything leads to the belief that the parasitological
fauna of the Timor domestic animals is in no way peculiar in relation
either to the micro fauna or to the macro-fauna, the latter being, thus, of
exogenous origin, that is to say come from the outside.
Its relative poorness in present days is a function of the isolation
in which it has lived through centuries, and that fauna was acquired only
as time passed, under an influent almost always of human origin at least
in relation to the introduction of domestic animals. In their stead, these
brought to the island, in several periods and for several times, the present
parasite fauna, which we therefore suppose not to be very varied.
Only time and a more through prospection work may confirm or
contradict this hypothesis.
In a second part, owing to the specialization of the subject, the
present knowledge — as far as possible — of the ixodological fauna of
Indonesia and Australia, as well as its geographic distribution and
zoological species parasited, are reviewed. In order to do this we use the
precious elements contained in the exhaustive study by George Anastos,
The Scutate Ticks of Indonesia (1950), on Indonesia, which is still today
the best critical study on the Ixodoidea of that region. As to Australia, we
availed ourselves of the work by Dr. H. R. Seddon, Dr. V. Sc., Diseases
of Domestic Animais in Australia (part 3), published in 1951 by the
Division of Veterinary Hygiene of the Commonwealth of Australia.
Thus we are led to think to be logical a comparison of Timor's
ixodological fauna in relation to what could be determined in it, that is to
say, in domestic animais — and that of Indonesia, the geographic region
that includes Timor, and of the Australian continent, which owes to its
nearness to Timor the introduction of some zoological plagues afflicting
it: buffaloes, almost all of them living wild in the marshes of the
Australian northern shore; the parasites carried by them
— Lyperosia exigua and Haematopinus tuberculatus, a high
probability existing that Rhipicephalus sanguineus might have been
introduced by dogs following the crews of ships arriving in Australia
from Timor.
The author concludes by saying that Indonesia and the northern
part of Australia, being the regions ecologically more similar to Timor
and owing, on the other hand, to their geographic nearness, there will be
thus a natural trend to obtain there the animais needed to improve the
providence's livestock.
Therefore, it will be convenient to be rather prudent when
bringing in domestic animals from either Indonesia or Australia, in order
to prevent particularly the introduction of new parasitary species.
Thus, it will be avoided that Australia returns us with interest the
plagues it received from Timor. Of course, this interest would consist in
other species that do not exist at present in our part of the island and the
introduction of which we must endeavor to avoid at any cost.
Resumo
O autor percorreu a ilha de timor e identificou as seguintes espécies de
parasitas em animais domésticos:
Trypanosoma evansi
Fasciola hepatica
Metastrongilus sp.
Sarcocystis f usi f ormis
Ascaris lumbricoides
Taenia solium
Coccidea sp.
Paramphistomum sp.
Stephanurus dentatus
Lucilia cuprina
Hippobosca variegata
Siphona exigua
Dermestes vulpinus
Menopon gallinae
Goniodes dissimilis
Lipeurus caponis
Hematopinus suis
Hematopinus quadripertusus
Hematopinus tuberculatus
Ctenocephalides canis
Amblyoma cyprium cyprium
Boophilus microplus
Haemaphysalis papuana
Rhipicephalus haemaphysaloides
Rhipicephalus sanguineus
Resumo
PESQUISA BA PARASITOLÓGICA IHA TIMOR
SUBSÍDIOS ATU HALO ESTUDO IDA BA FAUNA PARASITOLÓGICA
BA ANIMAIS DOMÉSTICOS
Outor haleu tiha territorio ne’e no identifika tiha especies parasitas iha animal
domesticos (animal rai laran) hanesan tuir mai ne’e:
Trypanosoma evansi
Fasciola hepatica
Metastrongilus sp.
Sarcocystis f usi f ormis
Ascaris lumbricoides
Taenia solium
Coccidea sp.
Paramphistomum sp.
Stephanurus dentatus
Lucilia cuprina
Hippobosca variegata
Siphona exigua
Dermestes vulpinus
Menopon gallinae
Goniodes dissimilis
Lipeurus caponis
Hematopinus suis
Hematopinus quadripertusus
Hematopinus tuberculatus
Ctenocephalides canis
Amblyoma cyprium
cyprium
Boophilus microplus
Haemaphysalis papuana
Rhipicephalus haemaphysaloides
Rhipicephalus sanguineus
Disclaimer: The availability of a digital version of this document does not
invalidate the copyrights of the original authors.
This document was made available freely in a digital format in order to
facilitate its use for the economic development of East Timor.
This is a project of the University of Évora, made possible through a
grant from the USAID, East Timor. info: [email protected]
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
ESTUDOS, ENSAIOS
E
DOCUMENTOS
N.°76
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA
EM TIMOR
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
VOLUMES JÁ PUBLICADOS NA COLECÇÃO DE «ESTUDOS, ENSAIOS E
DOCUMENTOS*:
1. Contribuições para o conhecimento da flora de Moçambique – I -por F. Ascensão
Mendonça.
2. Aspectos do problema da erosão do solo em África-por J. Botelho da Costa.
3. Acerca da casa e do povoamento na Guiné-por Francisco Tenreiro
4. Explorações botânicas em Timor - por Ruy Cinatti Vaz Monteiro Gomes.
5. Reconhecimento preliminar das formações florestais no Timor Português por Ruy
Cinatti Vaz Monteiro Gomes.
6. Madeiras coloniais por Luís de Seabra e Manuel P. Ferreirinha.
7. Contribution à la connaissance lithologique de l'archipel du Cap-Vert
por L.
Berthois.
8. Notas de zoogeografia e de história das explorações faunísticas da Guiné Portuguesa
por F. Frade.
9. Resenha geográfica do distrito da Beira por Egberto Rodrigues Pedro e Alfredo
Esteves de Sousa.
10. A propósito da cultura do amendoim no plano de valorização económica de
Moçambique — por F. Monteiro Grilo.
11. Estudo do sistema «Raydist» e das redes hiperbólicas por Joaquim B. V. Soeiro de
Brito.
12. Contribuições para o conhecimento da flora de Moçambique II por F. Ascensão
Mendonça.
13. Os bambus na indústria da celulose por Luís de Seabra.
14. Os moluscos de água doce do ultramar português. I-Introdução. Generalidades por J.
Fraga de Azevedo e Lídia do Carmo M. de Medeiros.
15. O carneiro do feijão por A. F. Teixeira Constantino.
16. Os insectos do tabaco armazenado por A. Antunes de Almeida.
17. Contribuição para o estudo da defesa fitossanitária da copra do ultramar português
por J. M. Cardoso da Costa.
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
18. A entorno fauna dos produtos armazenados. Os Tribolium spp. (Coleóptera,
Tenebrionidae) — por F. L. de Faria estácio.
19. Contribuição para o estudo da ecologia de Pachymerus acaciae Gyll. (Coleoptera,
Bruchidae) — por Jorge Cancela da Fonseca.
20. Brachystegia spp. de Moçambique — por Manuel Nogueira Ramos.
21. Cretaceous and tertiary nautiloids from Angola — by A. K. Miller and Lee B.
Carpenter.
22. Estudos sobre a cultura do chá em Moçambique — por Hélder Lains e Silva.
23. Ensaios sobre a titulação de vacinas contra a peripneumonia contagiosa dos bovinos
— por António Martins Mendes.
24. Les coches phosphatées d'Angola — por Edmond Dartevelle.
25. Primeiro reconhecimento petrográfico da circunscrição do Barué — por Alexandre
Borges e A. V. Pinto Coelho.
26. Acerca do equilíbrio bioecológico dos povoamentos de «cibes» Borassus spp. na
Guiné Portuguesa — por J. F. Castel-Branco e G. C. Tordo.
27. Movimentos associativos na África Negra — por Silva e Cunha.
28. Contribuição para o estudo do microplâncton marinha de Moçambique — por Estela
de Sousa e Silva.
29. A entorno fauna dos produtos armazenados. Dermestes maculatus Deg. e Dermestes
ater Deg. (Coleoptera, Dermestidae) — por J. Monteiro Guimarães.
30. Contribuição para o estudo do problema florestal da Guiné Portuguesa — por J. A.
Tavares de Carvalho e J. S. de F. Pereira Nunes.
31. Os moluscos de água doce do ultramar português. II — Moluscos do Sul do Save
(Moçambique) — por J. Fraga de Azevedo, Lídia do Carmo M. de Medeiros e
Manuel M. da Costa Faro.
32. Seroantropologia das ilhas de Cabo Verde. Mesa-redonda sobre o homem caboverdiano — por Almerindo Lessa e Jacques Ruffié.
33. A experimentação no Posto de Culturas Regadas do Vale do Limpopo — por
António Henriques de Sousa Falcão.
34. O clima e o solo de Timor. Suas relações com a agricultura — por Fírmino António
Soares.
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
35. A entorno fauna dos produtos armazenados. Oryzaephilus mercator (Fauv.) e
Oryzaephilus surinamensis (L.) (Coleoptera, Cucujidae) — por M. M. Cordeiro.
36. A entorno fauna dos produtos armazenados. Tenebroides mauritanicus (L.)
(Coleoptera, Ostomidae) — por F. S. Neves Evaristo.
37. Impressões digitais nos indígenas da Guiné Portuguesa — por Leopoldina Ferreira
Paulo.
38. Contribuição para o estudo da fertilidade da mulher indígena no ultramar português
— por F. Figueira Henriques, A. Sarmento, J. J. Pais Morais, N. Alves Morgado e
Eduino de Brito.
39. Vida do eritrócito humano estudada com o uso do crómio radioactivo por F. A.
Carvão Gomes e F. M. Bragança Gil.
40. Aspectos da defesa fitossanitária dos produtos armazenados em Angola por J. P.
Amaro e A. J. Soares de Gouveia.
41. Subsídios para o estudo do regime hidrográfico do porto da Beira — por J. A.
Barahona Fernandes.
42. Primeiro reconhecimento petrográfico da serra da Gorongosa (Moçambique) — por
A. Vasconcelos Pinto Coelho.
43. Pastas celulósicas de gramíneas. Estudo laboratorial de algumas espécies da
metrópole e ultramar — por Luís de Seabra e Manuel Lopes da Silva.
44. Études sur les mallophages. Observations sur les Cuclotogaster (Isehnocera,
Philopteridae), parasites des galliformes des genres Franeolinus et Pternistis — por
João Tendeiro.
45. Estudo do sistema «Tellurometere» — por Joaquim B. V. Soeiro de Brito.
46. Glossário internacional dos termos usados em anatomia de madeiras — por Manuel
P. Ferreirinha.
47. Cianófitas de S. Tomé e Príncipe — por Joaquim Sampaio.
48. Contribution à la connaissance de la géologie de la province portugaise de Timor —
par Robert Gageonnet et Marcel Lemoine.
49. O feijão de Angola. Panorama actual da sua cultura, comércio e armazenamento —
por A. T. Constantino.
50. Agrupamento e caracterização étnica dos indígenas de Moçambique — por António
Rita-Ferreira.
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
51. Acerca de uma classificação fitossanitária do armazenamento — por Amílcar Lopes
Cabral.
52. Minerais de fracção argilosa de solos de Angola. 1 —Curvas de desidratação — por
J. M. Bastos de Macedo, E. P. Cardoso Franco e J. C. Soveral Dias.
53. Caracterização das principais unidades pedológicas do «Esboço da cara dos solos de
S. Tomé e Príncipe» — por José Carvalho Cardoso.
54. Subsídio para o estudo da peripneumonia contagiosa dos bovinos em Angola— por
António Martins Mendes.
55. A entomofauna dos produtos armazenados, Corcyra cephalonica (Staint)
(Lepidoptera, Pyralidae) — por Maria Manuela Carmona.
56. Arte cristã na Índia Portuguesa — por Carlos de Azevedo.
57. Mahamba—Tentativa de interpretação artística e psicológica de documentos de arte
dos Negros Africanos — por António de Oliveira.
58. Possibilidades de aplicação das espécies ultramarinas nas diversas indústrias da
madeira — por Luís de Seabra.
59. Influência dos tratamentos insecticidas no poder germinativo das sementes (o caso
particular do trigo) — por António Henriques Pinto de Matos.
60. O comércio mundial de madeiras tropicais africanas — por Manuel P Ferreirinha.
61. O ferro em Medicina— I parte — por Carlos Trincão et alii.
62. O ferro em Medicina—II parte — por Carlos Trincão et alii.
63. O feijão de Angola— Alteração das suas qualidades culinárias durante o
armazenamento— por A. Teixeira Constantino.
64. Estudos de hidrobiologia no Ultramar Português — Contactos com labo ratórios
estrangeiros — por Rui Monteiro.
65. Eludes sur les inallophages africains — por João Tendeiro.
66. Para a caracterização das condições fitossanitárias do armazenamento —por A. L.
Cabral, M. I. S. Moreira, A. G. Costa e A. S. de Carvalho.
67. Foraminíferos da costa de Moçambique — por J. M. Braga.
68. Condições fitossanitárias de produtos ultramarinos em armazéns do porto de Lisboa
(Alcântara-Norte) —por Amilcar Lopes Cabral e A. J. Soares de Gouveia.
69. Le thon patudo Parathunnus obesus (Lowe) et se pêche — por Fernando Frade.
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
70. Prospecções e ensaios experimentais apícolas em Angola — por J. F. Rosário Nunes
e G. C. Tordo, com uma *Nota preliminar» de F. Fader.
71. Agricultores e pescadores portugueses na cidade do Rio de Janeiro (es-tudo
comparativo) — por Raquel Soeiro de Brito.
72. Contribuição para o estudo das diatomáceas do lago Niassa (Moçambique) — por
Maria Inês Monteiro.
73. Contribution to the theory ot certain non-linear di f ferencial equations — por Rui
Pacheco de Figueiredo.
74. Aspectos do povoamento branco de Angola — por Ilídio do Amaral.
75. Notas sobre a criação de gado bovino em Angola — por Jorge Bravo Vieira da Silva.
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
JUNTA DE INVESTIGAÇOES DO ULTRAMAR
PROSPECÇÃO
PARASITOLÓGICA EM TIMOR
SUBSÍDIOS PARA O ESTUDO
DA
FAUNA PARASITOLÓGICA DOS SEUS ANIMAIS DOMÉSTICOS
Por
HERNÂNI RUI BARON DE CABRIER DA SILVA
LISBOA— 1960
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
ÍNDICE
EXPLICAÇÃO PRÉVIA ………………………………………………………………13
PRIMEIRA PARTE…………………………………………………………………….15
Introdução………………………………………………………………………….17
O fenómeno parasitário dos Trópicos……………………………………………...27
Prospecção parasita lógica em Timor……………………………………………...31
Lista das espécies identificadas……………………………………………………37
Breves apontamentos sobre as espécies observadas……………………………….39
SEGUNDA PARTE…………………………………………………………………….47
Fauna ixodológica do arquipélago indonésio……………………………………...51
Fauna ixodológica do continente australiano………………………………………71
Ixodídeos dos animais domésticos de Timor ……………………………………...75
Quadros comparativos…………………………………………………………….85
TERCEIRA PARTE …………………………………………………………………...89
Distribuição por hospedeiros………………………………………………………91
Conclusões…………………………………………………………………………95
RÉSUMÉ………………………………………………………………………………...97
BIBLIOGRAFIA……………………………………………………………………….117
EXPLICAÇÃO PRÉVIA
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
Não somos entomologistas
Deve-se apenas à circunstância de nada se conhecer sobre Timor no respeitante à matéria
agora versada que nos incitou a trilhar o caminho espinhoso de entomologista aprendiz, de que o
presente ensaio constitui a resultante.
De facto, a metade leste de Timor tem constituído desde sempre uma incógnita na
cartografia parasitalógica do sudeste asiático.
Evidentemente que tal lacuna existindo ainda naturalmente, é a esta que agora se procura
obviar.
Não teria, no entanto, sido possível dar-lhe um esboço de solução se não fossem os preciosos
auxílios que procurámos, e que generosamente nos foram dispensados de vários lados, e os
ensinamentos que pela mesma ocasião recebíamos.
O resultado constitui uma prova de quanto pode a entreajuda desinteressada no campo
científico para além fronteiras. Possa ele servir de exemplo a muitos que ainda o não
compreenderam.
São, portanto, numerosos e variados os agradecimentos a fazer, e que adiante se consignam.
Ao amigo e colega Doutor João Tendeiro ficamos devendo o cordial acolhimento e
compreensão ante as nossas dificuldades, facultando-nos toda a bibliografia de que dispunha e,
sobretudo, encorajando-nos para que fosse escrito este e outros trabalhos acerca de Timor sobre
assuntos a que ele dedica indiscutível competência.
H. C.
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
INTRODUÇÃO
Timor está sendo alvo de especial solicitude da Metrópole no que respeita à sua prospecção
científica, concretizada pela criação do Centro de Estudos de Timor quando da visita à Província do
Ministro do Ultramar, comodoro Sarmento Rodrigues, em meados de 1952, e cujas actividades
foram simbolicamente iniciadas pouco depois pelo presidente da Junta de Investigações do
Ultramar, Prof. Doutor Mendes Correia, na presença do governador, capitão Serpa Rosa.
De então para cá passaram por Timor, e por períodos assaz longos, a Missão Antropológica,
a de Prospecção Geológica e Petrolífera, a de Combate às Endemias, um técnico da Junta de
Exportação do Café e a Missão Geográfica, que ainda ali se encontra e que continua os trabalhos
dos malogrados coronel Castilho e engenheiro Canto Resende, iniciados antes do segundo conflito
mundial.
Toda esta actividade leva a supor que não haja que aguardar muito tempo para que uma
missão zoológica vá a Timor realizar os estudos que também se impõem.
Entretanto, são muito escassos os conhecimentos que na matéria se conseguem e menos
ainda aquilo que se encontra consignado em escritos.
São, portanto, também poucos ou nenhuns os elementos seguros que se possuem, por
exemplo, sobre a fauna parasitologia dos animais domésticos de Timor, assunto também inédito nos
anais da Província, e que é intenção agora abordar.
Mau grado a opinião de alguns, não parece que esse desconhecimento possa de forma
alguma ser imputado às pouquíssimas individualidades que por lá têm passado e que ao assunto se
poderiam ter dedicado.
Não foi a qualquer deles favoráveis o ambiente, propiciando, portanto, os afazeres da
investigação.
O meio era então por demais pequeno e indiferente, e por vezes, até, malévolo, para que
qualquer trabalho, mesmo o mais construtivo, não fosse logo olhado com cepticismo e
frequentemente deturpado nas suas intenções.
Por outro lado, o baixo nível científico de regra existente na Província, além do desinteresse
do meio em geral, era a mais das vezes adverso e crítico a assuntos cujo interesse e alcance a grande
maioria decididamente não atingia.
Muita coragem, ânimo e persistência eram necessários a quem, contra a indiferença de
muitos e a má vontade de alguns, pretendesse levar a sua avante. Muitos eram os obstáculos que se
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
levantavam pelo caminho resultante da inércia, de quase todos. Muitas eram as quedas, e por isso, se
o indivíduo não era de qualidade a recobrar ânimo e a colher dessas contrariedades alento para
prosseguir, era certo nunca levar a cabo o que empreendera. Foi o que sucedeu, e por vezes
infelizmente ainda sucede, à maioria das boas vontades que por ali passaram, e a que não fazemos
excepção, e que, ao longe, apesar do malogro dos seus esforços, guardam ainda, volvidos por vezes
muitos anos, uma muito especial afeição por essa maravilhosa mas tão caluniada ou ignorada terra
de Timor, contudo tão pródiga e generosa nas suas benesses.
Se bem que não fôssemos dos mais animosos, as dificuldades, apesar de tudo ainda
encontradas, a despeito dos tempos, começaram a ser outros, constituíram dos melhores estímulos a
incitar no prosseguimento na senda da valorização de Timor terra que cativa e a todos deve merecer
especial carinho.
Não ficaram justamente alguns colegas a tal indiferentes, e assim, dentro das limitadas
possibilidades do momento, procuraram reconhecer algumas das parasitoses que ali prevaleciam.
ASCENSÃO VALDEZ, sem citar propriamente os géneros e espécies parasito lógicas,
indica, contudo, alguns morbos de origem parasitária, tais como a «surra», a «bronquite verminosa
dós suínos», a «caquexia aquosa dos ruminantes», a existência de carraças e o diagnóstico de um
caso de piroplasmose em bovino importado da Austrália.
Igualmente RODRIGUES DA COSTA, de uma forma genérica, menciona ténias,
dicrocélios, ascáris, ancilostomas, sarnas e miases cutâneas.
Muito naturalmente também este aspecto não foi descurado, e assim é que, aos poucos, se
colheu material para estudo. Este foi sendo realizado com os fraquíssimos recursos de que se
dispunha, lutando-se, portanto, com dificuldades de toda a ordem; umas resultantes das deficiências,
naturais por parte de quem não era especializado em entomologia, agravadas ainda mais pelas
circunstâncias de se estar desprovido dos indispensáveis elementos de trabalho, entre os quais se
sobrelevavam os de consulta bibliográfica, que, aliadas, por outro lado, à falta de convivência
profissional e à multiplicidade das tarefas a atender, mais moroso tornaram o trabalho a realizar.
Paulatinamente, socorrendo-nos dos recursos locais e conhecimentos que possuíamos,
conseguiu-se classificar uns espécimes, outros, porém, requerendo conhecimentos mais
especializados, como, por exemplo, os Ixodídeos, tiveram de ser submetidos a colegas
entomologistas.
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
Assim é que, tendo, desde a nossa chegada a Timor, contactado com colegas australianos
para efeitos de aquisição de vacinas, ante a boa vontade por eles revelada, deles nos socorre-mos
sempre que foi necessário.
Foi, portanto, a eles que se recorreu para esclarecimento das dúvidas suscitadas.
É, portanto, de toda a justiça que aqui se consignem os agradecimentos que são devidos ao Dr. R. N.
Wardle — «director of Veterinary Hygiene» do «Health Department», a quem se deve, entre outras
atenções, o ter providenciado o envio de todas as publicações editadas por aquele departamento
sobre a nosologia pecuária no continente australiano e, além disso, as facilidades dispensadas pelo
Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation (C.S.I.R.O.).
Igualmente o Dr. A. J. Nicholson, chefe da «Division of Entomology» e os Drs. S. J.
Paramonov, T. G. Campbell, M. D. Murray e F. H. S. Roberts, este do «Veterinary Parasitology
Laboratory», de Brisbane, que examinaram os exemplares enviados, têm jus a profundo
reconhecimento, pelo auxílio que tão desinteressadamente dispensaram, e sem o qual não teria sido
possível boa parte do que adiante se escreve.
Não podemos, por último, deixar de citar os nomes dos funcionários administrativos que nos
acompanharam nas nossas excursões e de quem sempre recebemos provas de estima e uni nunca
negado auxílio nas nossas andanças timorenses.
São eles os administradores Torresão, Morais e Tinoco, secretários Hopffer-Rêgo e Saldanha,
chefes de posto Alegria e Varela e encarregados de postos Alfredo Pires, Saul, Caeiro, Horta,
Barbosa, Mário e José Pires, Ilídio, Inácio, Pina, Filomeno, Cardoso e Castilho. Para eles a nossa
saudosa simpatia.
Timor faz geogràficamente parte do maior arquipélago do mundo, conhecido que foi em
tempos por Insulíndia ou arquipélago Malaio, e a que Schulz, em 1921, à semelhança da Melanésia,
Micronésia e Polinésia, convencionou chamar Indonésia, designação essa que, em 1946, passou a
revestir significado político, por ter sido adoptado pela nova república ali recém formada.
A sua posição a extremo leste do extenso rosário das ilhas da Sonda, em situação que a torna
a mais próxima ilha do continente australiano, conferem-lhe particularidades interessantes, por
vezes ainda mal estudadas, mas já antevistas no que respeita à sua fauna, flora e geologia.
No aspecto zoológico convenciona-se hoje em dia dividir o arquipélago indonésio em três
regiões, uma de características declaradamente asiáticas, outra de feição tipicamente australiana,
sobrepondo-se na terceira as características de ambas.
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
No entanto, a primeira dessas regiões, a mais próxima da Ásia, da qual guarda a feição não
só zoológica como igualmente de flora, é constituída pelas três grandes massas insulares de
Sumatra, Bornéu e Java e as duas ilhas que a esta estão próximas, Madura e Bali, separadas das
restantes ilhas do arquipélago pelo estreito que separa Lombok de Bali, de largura diminuta mas que
constitui a divisão fundamental entre a Ásia e a Austrália. É ali que Wallace estabeleceu a fronteira
das faunas e flora dos dois continentes, e que o uso em homenagem ao seu autor convencionou
chamar a linha de Wallace, que aliás se prolonga pelas fossas abissais do estreito de Macassar.
A partir de Bali e caminhando para oeste, o fundo do mar eleva-se bruscamente de milhares
de metros de profundidade, a ponto de ficar apenas a cem, cinquenta, vinte e por vezes até menos de
quinze metros de superfície, constituindo assim um extensíssimo planalto continental. Se pudesse
fazer descer a superfície das águas ou elevar o fundo do mar de outro tanto, o mar da China
desapareceria e ter-se-ia Java, Sumatra, Bornéu e as ilhas menores de Madura e Bali ligadas a toda a
Ásia pela península Malaia, o Sião e a Indochina.
Essa possibilidade de continuidade que possa remotamente ter existido e a poder renovar-se
um dia, além da proximidade, explica o motivo, ou, pelo menos, é como tal tida, por que ali
predominam as características da fauna asiática, embora se possa dizer que cada ilha possua também
os seus tipos próprios.
Assim o «orang-utang» — em malaio, «orang» significa homem e «utang» floresta somente
existe em Bornéu e Sumatra.
Apenas nesta última se encontram o «siamang», o elefante, o, tapir, o rinoceronte da
Sumatra (R. sumatranus) e também o tigre, que existe igualmente em Java, mas está ausente de
Bornéu.
Em contrapartida, Java possui um rinoceronte próprio, o R. sundaicus.
Em troca, o touro bravo — o Bibos banteng —, cujo solar é a península malaia, onde ainda
se encontra no estado selvagem, também é igualmente selvagem em Java e Bornéu. No entanto, no
estado doméstico vêmo-lo espalhado por quase todo -o arquipélago, do qual constitui, com o búfalo,
a grande riqueza pecuária.
No extremo oposto do arquipélago encontra-se o conjunto das ilhas de Halmahera, Aru e
Nova Guiné, cujas características zoológicas as aproximam decididamente da fauna australiana,
quer pela presença de marsupiais, quer de aves-do-paraíso {Nova Guiné), catatuas, periquitos,
papagaios, pombos, não havendo contudo cangurus.
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
Como zona intermediária, em que se integra Timor, temos as pequenas ilhas da Sonda, desde
Lombok a Timor, as Celebes e Molucas.
Constata-se que os símios asiáticos ainda alcançam Timor, que constitui o limite leste da sua
área de expansão. Em troca, um pequeno marsupial Phalanger orientalis, abundante em Timor,
sendo conhecido no nosso lado pelo nome de «meda», faz parte da fauna de características
australianas da Nova Guiné, Malucas e Aru.
A grande riqueza de espécies que caracteriza as duas outras zonas sómente nas Celebes se
mantém, embora em toda a região se encontrem espécies inexistentes nas duas primeiras. Aliás,
mesmo nas Celebes a fauna difere essencialmente da de Bornéu, o que prova a grande antiguidade
do estreito de Macassar por onde passa justamente a linha de Wallace.
Trata-se, pois, de uma região de transição com espécies nitidamente asiáticas macacos,
veados — e outras de influência australiana — a «meda», a catatua, os vários pombos, loricos.
Dum modo geral, aquelas espécies vão diminuindo de número à medida que se caminha para
leste e para sul, o contrário sucedendo às australianas.
Timor, no aspecto muito particular que nos interessa, tem servido de trampolim para a
introdução na Austrália de espécies zoológicas novas.
Não restam hoje em dia dúvidas de que a Siiphona exígua (de Meijere, 1903) (sin. Lyperosia
exígua) foi levada do seu solar de origem, a região indo-malaia, para a ilha de Melville, no norte da
Austrália, com um ou vários carregamentos de búfalos idos de
Timor entre 1824 e 1828, muito
provavelmente 1825. Com as deslocações da colónia de povoamento estabelecia naquela ilha para
Porto Essington em 1838, aquela mosca alcançou o continente australiano.
Pela mesma razão se pode considerar que o Hematopinuus tuberculatus (Burmeister, 1839),
o vulgar piolho do búfalo asiático, foi introduzido na Austrália com aqueles mesmos carregamentos
de búfalos idos de Timor.
Bastam estes exemplos para demonstrar quanto Timor, e de uma forma geral a região
geográfica em que essa ilha se integra, serviu de ponto de ps.sagem a uma espécie animal e duas
pragas que assolam presentemente a Austrália.
É também geralmente admitido que o Boophilus micraplus (Canestrini, 1887) tenha sido
introduzido através de Darwin (território do norte), então conhecido como Palmerston, em Agosto
de 1872, por oito vacas e quatro touros zebus embarca-dos em Batávia (Java) a bordo do
Investigator para alimentação da população da vila. Alguns desses animais, infelizmente, fugiram e
mais tarde alguns descendentes foram levados para Adelaide River, onde se misturaram com o gado
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
de criação. Aqui está como de um pequeno descuido, aparentemente sem importância, resultou a
disseminação da carraça mais comum no gado australiano, e sobretudo a mais prejudicial, por ser a
principal veiculadora da piroplasmose e anaplasmose bovina, sem contar com a sua acção
expoliadora, que é notável.
Tudo leva a pensar não ser, por isso, de todo falha de lógica a comparação da fauna
ixodológica de Timor, naquilo que desta foi possível determinar — isto é, em relação aos animais
domésticos — com a da Indonésia, região geográfica em que Timor se integra, e a do continente
australiano, que à proximidade de Timor ficou devendo a introdução de algumas pragas zoológicas
que presentemente flagelam o seu território: os búfalos — quase todos vivendo actualmente no
estado selvagem nas regiões pantanosas do litoral do norte australiano — os parasitas que veiculou
— a Lyperosia exígua e o Haematopinus tuberculatus, sendo muito provável que o Rhipicephalus
sanguineus tenha sido introduzido por canídeos acompanhando as tripulações dos barcos que de
Timor à Austrália aportavam.
Propomo-nos, por isso, seguir no presente ensaio a seguinte ordem:
Numa primeira parte, além das notas explicativas e introdutórias da razão de ser deste
trabalho e após se situar Timor, geográfica e zoológicamente, na área em que se integra, procura-se
pôr em evidência a importância do parasitismo na patologia tropical.
Seguidamente, e após e enumeração das espécies identificadas, dá-se em apontamento
conhecimento daquilo que sobre cada uma delas se observou.
Numa segunda parte, dado o particularismo da matéria, passam-se em revista os
conhecimentos, tanto quanto possível actuais, sobre a fauna ixodológica da Indonésia e Austrália,
sua distribuição geográfica e espécies zoológicas parasitadas, socorrendo-nos para isso dos
elementos preciosos contidos no estudo exaustivo de George Anastos, Tive Scutate Ticks of
Indonesia (1950), no referente à Indonésia, ainda hoje o melhor estudo crítico sobre os ixodídeos
desta região, e, quanto à Austrália, valendo-nos o trabalho do Dr. H. R. Seddon, Dr. V. Sc., Diseases
of Domestic Animais ira Australia (pari 3) publicado em 1951 pela «Division of Veterinary
Higiene» do «Commonwealth of Australia».
Seguidamente, relata-se a prospecção realizada em Timor, mencionando as espécies
identificadas e esboçando-se a sua distribuição na Austrália, Indonésia e Timor e relações
respectivas.
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
O FENÓMENO PARASITÁRIO DOS TRÓPICOS
Circunstâncias várias obrigam a limitar o presente trabalho à enumeração das espécies
identificadas, sua distribuição por hospedeiros e aos elementos resultantes das observações sobre a
sua frequência e distribuição geográfica de algumas delas.
Evidente é, porém, não se limitar a fauna parasitológica de Timor, mesmo circunscrita apenas à dos
animais domésticos, às escassas duas dúzias de espécies que agora se assinalam.
É princípio assente, e incontroverso, que as regiões intertropicais apresentam uma fauna
parasitológica sem dúvida alguma muito mais rica do que a das regiões temperadas, em resultado
das condições ecológicas favoráveis, particularmente de temperatura, humidade e luminosidade, que
permitem a pululação não só das espécies parasitárias mas também de numerosos hospedeiros
intermediários, como, por exemplo, moluscos.
Por outro lado, se essas condições ecológicas intertropicais favorecem as espécies
parasitárias, são-no, pelo contrário, frequentemente desfavoráveis para os animais domésticos e
homem, tornando-os, portanto. ainda mais sensíveis à acção nocente daqueles.
Muitas espécies cuja actividade nas regiões temperadas apenas se exerce nas épocas mais
quentes do ano, em virtude de só então a temperatura ser a óptima, permitindo o seu pleno
desenvolvimento nas regiões intertropicais, em virtude de essa temperatura estar por assim dizer
permanentemente realizada, traz como consequência a sua pululação.
Assim, por exemplo, as ancilostomíases caninas na Europa apenas se manifestando nos
meses de Verão— a da espécie humana, porém, é permanente nos trabalhadores das minas, em
virtude de a temperatura a partir da qual se atingiu o ponto óptimo de actividade dos ancilostomas
— , em regiões tropicais tornam-se uma afecção permanente de superfície, quer em homens quer em
animais.
O mesmo se verifica com a singamose aviaria, que, tornando-se permanente nas regiões
quentes, adquire um tal grau infestante que até em mamíferos se manifestam casos deste tipo de
parasitismo.
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
Porém, outros parasitas hão que não são, como os anteriores, ubiquistas, exemplo os
esofagóstomos, que só se encontram nos Trópicos, onde constituem morbo constante, causando
perdas elevadas nas criações ovinas.
Escleroticamente pode considerar-se que as linhas isotérmicas dos 24° C a norte e a sul do
Equador constituem as fronteiras que delimitam de uma maneira nítida estes dois tipos de fauna
parasitológica.
Este factor importantíssimo da temperatura, do qual se não deve dissociar o grau
higrométrico elevado, permitindo uma grande riqueza do plâncton vegetal e animal favorável ao
grande desenvolvimento de numerosos hospedeiros intermediários; a composição do solo
lateritizado, pobre em oligoelementos indispensáveis à actividade celular e ao metabolismo, cuja
falta predispõe o organismo animal, ou humano, às doenças parasitárias e microbianas; as grandes
concentrações de animais em certas regiões ou locais condicionadas pelas transumâncias
obrigatórias, devido às alternativas de abundância ou carência de alimentos e água em certas épocas
do ano; o perigo fecal que resulta dessas concentrações é outras tantas causas adjuvantes que
explicam o fenómeno parasitário dos Trópicos.
No entanto, se a fauna parasitológica dos animais domésticos de Timor não se limita às
espécies que adiante se enumeram, é facto também que não há que supor ser essa fauna de uma
riqueza em espécies em número tal que constitua, só por si, um mostruário das que se verificam nas
grandes superfícies continentais.
Não esqueçamos que Timor é uma ilha e que, como muitas ilhas, não parece talvez possuir fauna
própria. Não nos consta, pelo menos, que na parte portuguesa de Timor tenha sido encontrada até
agora qualquer espécie zoológica que lhe seja exclusiva, à excepção, no entanto, do Ixodes
praematurus, o que milita em favor da suposição da inexistência dessa fauna em épocas anteriores à
introdução de animais domésticos na ilha.
Tudo nos leva a crer, portanto, que a fauna parasitológica dos animais domésticos de Timor
nada tenha de especificamente próprio, quer se trate do micro quer da macro fauna, que será,
portanto, de origem exógena, isto é, vinda do exterior.
A sua relativa pobreza actual é função do isolamento em que viveu durante séculos, e essa
fauna só foi adquirida no decorrer dos tempos, sob influência quase sempre de origem humana, pelo
menos no que respeita à introdução de animais domésticos. Foram estes que, por sua vez, trouxeram
para a ilha, nas várias épocas e com as várias introduções, a actual fauna parasitária, que supomos
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
não ser muito variada, portanto Só o tempo e um mais aturado trabalho de prospecção poderão
confirmar ou infirmar esta hipótese.
No entanto, Timor, em consequência da sua posição geográfica, última ilha deste longo arco
de ilhas da Sonda que estabelece uma relativa continuidade geográfica entre o continente asiático e
o australiano, tem sido ponto de passagem para a introdução na Austrália de algumas espécies
domésticas, e com elas alguns parasitas, a Inyperoaia exígua e o Hematopinuus tuberculatus, facto
já atrás referido.
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
A diversidade das tarefas inerentes ao cargo que desempenhámos nem sempre nos
permitiram dedicar aos assuntos da investigação o tempo que seria indispensável e para os quais
sinceramente não nos considerávamos preparados nem com especial vocação. Mesmo assim
procurámos realizar uma prospecção parasitológica que ficou muito longe de ser sistemática e de
que o presente trabalho é em parte a consequência.
Evidentemente que as espécies que agora se identificam foram aquelas que destacadamente
nos chamaram a atenção. Isso não quer dizer, porém, que só essas constatassem e que somente essas
existam!
Encontrámos logo de princípio, mas apenas tuna vez, um hemoparasita no cão, do tipo
microfilária, que não consegui-mos, contudo, identificar.
Aconteceu também que diversas pessoas em várias ocasiões nos assinalavam terem
verificado em animais das várias espécies domésticas, ou até selvagens, a presença de parasitas, na
conjuntiva de bovinos, por exemplo, que, contudo, não conseguimos observar. Referiam-se também
frequentemente a uma espécie de polvo dentro do coração em animais bufalinos mortos, de
septicemia hemorrágica, segundo concluímos posteriormente, e para cujo mistério não
encontrávamos explicação, que o era de facto quando falavam de um polvo («corita» em timorense)
e que a princípio supusemos tratar-se das coronárias ingurgitadas de sangue e envolvendo o coração.
Só mais tarde, quando procedíamos a uma autópsia, ao abrirmos o coração, e retirámos a
massa esbranquiçada constituída por sangue misturado em parte com linfa em proveniência do canal
torácico, os nativos presentes apontaram como sendo a «corita». É que, ao ser retirada, apresentava,
de facto, a forma de um polvo cujos tentáculos eram constituídos pela massa linfo-hemática que se
prolongava pelos vasos que saem do coração, e cujo corpo era constituído pelo sangue e linfa da
cavidade cardíaca propriamente dita.
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
Ficou esclarecido o fenómeno e evidentemente que foi uma hipótese de parasitismo desde
logo devidamente arrumada!
Porém, a maior parte dos casos que nos assinalaram vieram a revelar-se como
fundamentados e deram origem a que viéssemos a proceder à sua colheita e posterior classificação.
Pode dizer-se que, praticamente, todo o território foi percorrido inúmeras vezes em todos os
sentidos, à excepção da ilha de Ataúro, que foi visitada apenas unia vez. O ilhéu Jaco nunca pôde
ser visitado.
Foram variados os itinerários durante os quais realizámos essa prospecção, todos eles
inteiramente a cavalo, pois só por esse modo de locomoção é acessível a grande maioria dos regiões
de Timor e só por esse meio nos foi possível proceder ao reconhecimento pecuário, em
profundidade, de todo o território que ao nosso campo de acção podia interessar.
Teve influência decisiva no nosso comportamento posterior, em relação ao meio físico e
social timorense, os dois primeiros itinerários abaixo indicados, que realizámos nos meses de
Setembro, Outubro, Novembro e Dezembro de 1951 e em que reconhecemos praticamente toda a
costa sul da Província, realizando uns percursos sozinho, porém, as mais das vezes acompanhados
de chefes e encarregados dos postos administrativos, na sua grande maioria antigos soldados e cabos
ou filhos da terra, profundos conhecedores da psicologia do povo timorense, que nos fizeram
apreciar, pelas sugestivas lições que deles recebemos, guias preciosos pelo conhecimento que nos
proporcionaram das respectivas áreas e que nos foram descrevendo ao sabor das viagens e serões as
peculiaridades das terras e gentes, suas tradições e costumes sociais e hábitos pastoris.
Também nos foi dado apreciar logo nessas primeiras saídas a tradicional hospitalidade
timorense, pois certos percursos demasiado longos para serem realizados num só dia obrigaram--nos
a acolher-nos nas casas dos liurais e chefes de suco de Bibi-Susso, Fahi-Nean, Tutuluro, Nahareca e
Lai-Suro-Lai de Cima.
Foram os seguintes os percursos realizados:
1.° Itinerário — Sarna, Alas, Fatu-Berliu, Cai-Cassa, Bibi--Susso, Turiscai, Fahi-Nean, Mindelo,
Tutu-luro, Fatu-Berliu, Soibada, Barique, Camedar, Barique, Ué-Mau-Badac,
Natar-Bora, Feuc--Rim, Barique, Lacluta, Dilor, Ossu, Venilale, Nahareca, LaiSuro-Lai, Afa-Loi-Cai, Uato--Lari, Uato-Carabau, Baguia, Luro e lliomar — 55
dias.
2.° Itinerário — Fohorem, Fatu-Mean, Fatu-Lulic, Taroman, Fohorem — 4 dias.
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
3.° Itinerário — Same, Betano, Fatu-Cuac, Alas, Fatu-Berliu, Soibada, Laclubar, Cribas, Manatatuto
— 6 dias.
4.° Itinerário — Hato-Lia, Fatu-Bessi, Tilimolara, Hato-Lia — 3 dias.
5.° itinerário — Vemasse, Ossuala, Lui - Lubo, Uato - Lari, Ostico, Vemasse — 3 dias.
6.° itinerário — Laleia, Cai-Rui, Laleia — 2 dias.
7.° Itinerário — Ossu, Nahareca, Lai-Suro-Lai, Afa-Loi-Cai, Nahareca, Ossu — 2 dias.
8.° Itinerário — Viqueque, Uai-Mori, Viqueque — 2 dias.
9.° Itinerário — Maubisse, Turiscai, Maubisse — 2 dias.
10.°Itinerário — Maliana, Cailaco, Maliana -- 2 dias. 11.° itinerário — Díli, Remexia, Díli — 2
dias.
12.° itinerário — Tilomar, Dacolo, Tilomar — 2 dias.
13.° itinerário — Manatuto, Cribas, Tuquete, Manatuto — 3 dias.
14.° itinerário — Baguia, Osso-Hena, Afa Loi-Caí Baguia — 3 dias.
15.° Itinerário — Fazenda Algarve, Boibao, Banitur, Fazenda Algarve — 2 dias.
O número de percursos realizados em jeep por todas as estradas, ou, melhor, caminhos
carrossáveis, da ilha e as pequenas excursões, geralmente de um dia apenas, partindo dos postos e
administrações para nos dirigirmos a cavalo às mangas de vacinação ou para examinar um ou outro
gado doente e durante os quais se efectuaram colheitas de material para exame, foram em tal
número durante os sete anos que lá passámos que são agora a distância impossíveis de concretizar.
Pelo mapa indicativo das excursões poder-se-á constatar que determinadas regiões não
foram percorridas, enquanto que outras o foram em vários sentidos, de carro ou a cavalo, ou de
ambas as formas, percursos esses realizados por mais de uma vez, pois os que se inscrevem não são
mais do que as linhas indicativas dos principais itinerários, que tinham de obedecer necessariamente
às estradas ou caminhos de pé posto.
Outras regiões, porém, ou não foram praticamente visitadas ou nelas a penetração não
passou além da sua periferia, ou, quando muito, atravessadas de fugida, regiões que, no entanto,
dadas as características de extremo relevo prevalecentes em Timor, eram, apesar de tudo,
observadas a distância e daí se inferia qual a sua vocação mais marcada.
A razão está em que, desde o início, nos inclinámos mais para a costa sul, dado o
conhecimento prévio que tínhamos de ser ali maior a incidência pluviométricas e onde
necessariamente, por essa razão, maior a sobrevivência das pastagens, circunstância
fundamentalmente propícia à pastorícia. Também ali as vertentes dos maciços montanhosos que
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
constituem a espinha dorsal da ilha são de declives menos acentuados do que na costa norte,
prolongando-se suavemente até ao mar por extensas planícies de largura variando entre os 3 e 12
km, quase sempre de formação aluvial.
Foram, portanto, essas as regiões que mais frequentemente mereceram a nossa atenção.
Outras regiões demasiadamente montanhosas e recobertas de formações florestais, com
predominância das espécies Eucalyptus taba, abaixo de mil metros, e Eucalyptus Decaisneana em
altitudes superiores àquela, como seja toda a região com início nas montanhas sobranceiras a Díli e
que se estende para leste até à ribeira de Lacló, em Manatuto, e para sul confundindo-se com a
cordilheira do Ramelau, não oferecem condições especiais, antes são adversas à criação de gado
pelo seu grau de secura relativamente elevado, sendo, pela sua fácies orográfica, acidentado e, pelas
espécies arbóreas nelas existentes, de tendência marcadamente silvícola.
Outras de feição votada à agros silvicultura, como sejam aquelas à volta da Esmera e que se
estendem pelas encostas do Ramelau, quer seja pela banda de Atsabe e Lete-Foho, quer pelos lados
de Maubisse, Turiscai, Ainaro e até Same, nas faldas do Cablac, são tão propícias à cafeicultura que
não devem ser desviadas do fim para que a natureza as fadou.
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
LISTA DAS ESPÉCIES IDENTIFICADAS
Eis a lista das 25 espécies de interesse pecuário identificadas em Timor:
Trypanosoma evansi (STEEL, 1885).
Fasciola hepatica (LINEU, 1758).
Metastrongilus sp.
Sarcocystis f usi f ormis RAILLIET, 1897.
Ascaris lumbricoides (LINEU, 1758).
Taenia solium LINEU, 1758.
Coccidia sp.
Paramphistomum sp.
Stephanurus dentatus DIESING, 1839.
Lucilia cuprina (WIEDEMANN) (Sin. Phaenicia cuprina).
Hippobosca variegata (MÜHLFELD, 1803).
Siphona exigua (DE MEIJERE, 1903) (Sin. Lyperosia exigua).
Dermestes vulpinos (FABRICIUS, 1781).
Menopon gallince (LINEU, 1758).
Goniodes dissimilis NITZSCH, in DENNY, 1842.
Lipeurus caponis (LINEU, 1758).
Haematopinus suis (LINEU, 1758).
Haematopinus quadripertusus FAHRENHOLZ, 1916.
Haematopinus tuberculatus (BURMEISTER, 1839).
Ctenocephalides canis (CURTIS, 1826).
Amblyomma cyprium NEUMANN, 1899.
Boophilus microplus (CANESTRINI, 1888).
Haemaphysalis papuana THORELL, 1882.
Rhipicephalus haemaphysaloides pilans SCHULZE, 1935.
Rhipicephalus sanguineus (LATREILLE, 1806).
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
BREVES APONTAMENTOS SOBRE AS ESPÉCIES
OBSERVADAS
FASCIOLA HEPÁTICA (LINEU, 1758)
Foi praticamente através deste parasita que tomámos contacto desde o primeiro dia com a
fauna parasitológica dos animais domésticos de Timor, dado que os elementos que lhe dizem
respeito provêm quase que exclusivamente do que foi observado durante as inspecções ao
matadouro de Díli. Neste são abatidos animais das espécies bufalina, bovinos, caprinos, ovinos e
suína, sendo, porém, a espécie bufalina a que se apresenta infestada em grau de longe o maior.
A localização habitual da fascíola é, evidentemente, o fígado, sendo de 12,3 a percentagem
dos búfalos parasitados.
Assinalámos, porém, como digno de menção o facto de termos observado em bufalinos
várias dezenas de casos de localização errática nos pulmões, nos quais, sob a forma de lesões
cavitárias (ou locas) contendo fascíolas em número de várias dezenas. Os bovinos, ovinos e caprinos
só muito raramente apresentam este parasitismo.
MENOPON GALLINIE (LINEU, 1758)
Ë o piolho das penas e é muito frequente em Timor nas aves adultas.
GONIODES DISSIMILIS NITZSCH, in DENNY, 1842
Também foi encontrada com frequência parasitando as galinhas.
LIPEURUS CAPONIS (LWEU, 1758)
Wing louse dos australianos, ou piolho das asas, muito espalhado em Timor nas galinhas.
Não se chegou a fazer a prospecção nos galos bravos, muito abundantes em Timor.
HAEMATOPINUS SUIS (LINEU, 1758)
É um parasita habitual dos suínos de Timor, que, no entanto, não apresentam infestações
maciças, em virtude de uma curiosa associação resultante do tipo de criação das pequenas espécies
domésticas em Timor, que fazem quase que parte integrante do agregado familiar, vivendo
absolutamente à solta, mas reconhecendo perfeitamente o seu dono, a cuja casa recolhem
diariamente ao cair da noite.
Assim, é frequente verem-se as aves domésticas empoleiradas em cima dos suínos catandolhes positivamente todos os parasitas da pele. Desta associação resulta uma dupla vantagem: os
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
suínos ficam desembaraçados dos insectos e as aves adquirem assim uma ração suplementar de
proteínas pela ingestão dos referidos insectos.
HAEMATOPINUS QUADRIPERTUSUS FAHRENHOLZ, 1916
É o piolho do tufo da cauda dos bovinos e foi em Timor encontrado em bovinos nas áreas
dos postos de Venilale e Bobonaro.
HAEMATOPINUS TUBERCULATUS (BURMEISTER, 1839)
É o vulgar piolho do búfalo, também introduzido em Timor com os búfalos em épocas
remotas, e de ali para a Austrália, no princípio do século XIX. Infesta tão intensamente os bufalinos
de Timor que se chegaram a retirar de alguns deles às mãos cheias. Combateu-se com facilidade
com D. D. T.
CTENOCEPHALIDES CANIS (CURTIS, 1826)
É quase um lugar comum dizer-se que todo o canídeo que se preza tem a sua pulga e que não
há cão que se não coce. Não fazem excepção à regra os cães de Timor, que todos, de uma maneira
geral, tiveram, têm ou virão a ter de certeza a sua pulga, tanto mais que nem os cães pertencentes
aos elementos mais civilizados são alvo de cuidados especiais de higiene.
Todos os cães que tivemos de observar nas mais variadas localidades de Timor
apresentavam a sua infestação, que, porém, nunca era maciça.
Facto interessante, e que é de considerar digno de menção, é a circunstância de o homem não ser
importunado pela pulga que lhe é própria, a não ser nas regiões de montanhas elevadas, onde a
temperatura desce bastante, indo por vezes até próximo de zero. Aí é certo encontrá-la em
abundância.
HIPPOBOSCA VARIEGATA (MÜHLFELD, 1803).
Muito frequente na Província, especialmente nas altitudes baixas e nas planícies costeiras.
Infesta especialmente, e quase que exclusivamente, os bovinos e equinos, aparecendo mais
intensamente ao longo das galerias florestais dos rios.
SIPHONA EXIGUA (DE MEIJERE, 1903) =sinonímia Lyperosia exígua
Existe certamente de há muito em Timor, pois, sendo originária da região indo-malaia, deve
ter sido introduzida na ilha com os primeiros búfalos idos da referida região e que se espalharam
pelo arquipélago no decurso dos séculos.
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
A Austrália, se tem hoje um grave problema, como é o da infestação por esta mosca, deve-o
a búfalos idos de Timor entre 1824 e 1828, sendo a data mais provável a de 1825 para a ilha de
Melville.
Em 1838 a Siiphona exígua atingiu o continente propriamente dito em Port Essington e
constitui hoje em dia uma praga para a espécie bovina.
Em Timor, facto notável, somente é aparente no gado bufalino, não incomodando grandemente o
bovino Banteng.
DERMESTES VULPINUS (FABRICIUS, 1781)
Já tivemos ocasião de assinalar a sua existência em Timor num anterior trabalho intitulado
«O Dermestes vulpinus (FABRICIUS, 1781), como agente depredador das peles de Timor».
Aparece em toda a Província, atacando as peles provenientes de búfalos, bois, cabras e ovelhas, e
chegando frequentemente a inutilizar completamente toda a matéria-prima.
TRYPANOSOMA EVANSI (STEEL, 1885)
Esta tripanossomíase, característica de todas as zonas tropicais do Oriente e conhecida
geralmente por «surra», é principalmente mortal para o cavalo e cão, por vezes também letal para os
búfalos e bois, quando as condições físicas destes animais se encontram diminuídas.
Logo à nossa chegada a Timor tivemos ocasião de diagnosticar num cão esta
tripanossomíase, aliás no mesmo animal em que observáramos uma microfilária. Em Díli era
frequente os cães infectarem-se pela ingestão de sangue e vísceras dos animais abatidos no
matadouro, apesar de estes não revelarem sinais clínicos de doença, nem mesmo post mortem, mas
que se revelavam veiculadores de doença.
Revelavam-se ineficazes os medicamentos usualmente utilizados em Timor até à nossa
chegada, o atoxil e o tártaro emético.
Foi introduzido o Bayer 205, plenamente eficaz com apenas uma injecção intravenosa, mas
de aplicação pouco prática em cavalos, razão que nos levou a experimentar o metil-sulfato e o
bicloreto de antricide, em injecção subcutânea numa só vez, medicamento que se revelou
eficacíssimo para a «surra», mas que em África se revelou de fracos resultados nas tripanossomíases
africanas propriamente ditas, ou sejam as transmitidas por glossinas.
Não conseguimos determinar quais os vectores exactos da «surra»; porém, como ela é
transmitida por acção puramente mecânica, é natural que todo o insecto picador lá existente seja
transmissor do morbo.
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
Pode considerar-se a «surra» como generalizada a todo o território, mas constatámos ser nas
regiões de altitude baixa e média em que ela mais intensamente se revelava, o que era natural, dado
ser nessas regiões que as condições de meio já atrás referidas — temperatura e humidade —
permitiam a pululação dos insectos vectores do morbo.
SARCOCYSTIS FUSIFORMIS RAILLIET, 1897
Observou-se no matadouro de Díli a infestação de 1,8 % nos búfalos abatidos e apenas
nestes, em proveniência das circunscrições de Baucau, Viqueque e Bobonaro. As infestações só em
raros casos se revelaram maciças, originando rejeições totais.
STEPHANURUS DENTATUS DIESING, 1839
Somente nos últimos anos da nossa estadia em Timor nos foi dado fazer inspecções em
suínos no matadouro, pois até aí as matanças de animais desta espécie eram clandestinas.
Não chegámos, por isso, a estabelecer o grau de infestação, que era, no entanto,
relativamente frequente no tecido perire-nal e renal.
Os animais infestados eram provenientes das várias regiões da Província, o que nos leva a
crer estar este parasita disseminado por todo o território.
TAENIA SOLIUM LINEU, 1758
Foram observados, com relativa frequência, cerca de 10 % de casos de Cystioercus
cellulosae em suínos do matadouro municipal, com apenas um caso de infestação por largas
centenas de cisticercus.
Dada a circunstância de o grau de infestação da população humana pela Taenia solium ser
elevada e estender-se a toda a ilha, assim se pode encontrar o cisticerco parasitando os porcinos em
qualquer ponto de Timor.
ASCARIS LUMBRICOIDES (LINEU, 1758)
Encontrámos referências a este parasita em documentos respeitantes a suínos importados da
Austrália em 1946, e a cujos excreta foi feita análise. Confirmámos posteriormente a sua presença
em animais oriundos de Timor.
METASTRONGYLUS sp.
Já ASCENSÃO VALDEZ, atrás citado, fazia referência à «bronquite verminosa dos suínos».
Também nos documentos citados a propósito do Ascaris lumbricoides faz este autor referência à
presença de Metastrcmgylus nos mesmos porcos importados em 1946 da Austrália. Infelizmente,
apesar de diversas vezes nos terem assinalado essas mesmas bronquites, não tivemos ocasião de
efectuar qualquer colheita.
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
Se acaso os animais referidos como provenientes da Austrália já vinham infectados, é natural
que se tratasse ou do Metastrongylus apri ou do M. podendotectus, ali muito comuns.
PARAMPHISTOMUM sp.
No gado bovino importado da Austrália, também em 1946, foi encontrado um
Paramphistomum sp., facto também registado no respectivo processo. Também em resultado
daquilo que nos foi dado observar no matadouro de Díli, encontrámos frequentes vezes o mesmo
parasita no rúmen de búfalos.
O rigor do trabalho que a complexidade da sua sistemática impõe, como consequência dos
particularismos de cada espécie e subespécie, tornam a ixodologia somente acessível a um escasso
número de indivíduos altamente especializados, razão por que ocupa dentro do vasto mundo que é a
parasitologia um lugar à parte.
Isso levou a que se reservasse para os ixodídeos de Timor o lugar especial que se lhes deve
sempre reconhecer dentro da fauna parasitológica de uma região, para mais quando se dispunha da
bibliografia necessária ao estabelecimento de ensaio comparativo com faunas semelhantes da
Indonesia e Austrália.
Contudo, também nesta segunda parte não vai o mérito além do facto de se ter procurado
realizar o maior número possível de colheitas e, conseguida a sua classificação, ter-se esboçado a
distribuição geográfica das espécies assim identificadas.
Também aqui se não entrou no campo morfométrico e biológico e, se mais nenhuma outra razão
subsistisse, a falta de prática em estudos de tal natureza seria mais que suficiente para o justificar.
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
FAUNA IXODOLÓGICA DO ARQUIPÉLAGO
INDONÉSIO
GEORGE ANASTOS considera que ainda estão longe de ser totalmente conhecidas todas as
carraças existentes na Indonésia e sob esse aspecto muito deve ainda haver a fazer em matéria de
prospecção ixodológica em muitas ilhas do arquipélago.
Excluídas aquelas espécies encontradas nos animais domésticos, certos elementos podem ser
generalizados a partir dos elementos existentes.
As espécies ocorrentes nas ilhas próximas da Ásia são geralmente idênticas àquelas
encontradas na fauna do continente asiático.
Caminhando em direcção a leste ao longo das ilhas constituintes do arquipélago, as espécies
comuns ao continente asiático tornam-se cada vez mais raras e quase todas se encontram ausentes
na Nova Guiné, que possui uma fauna ixodológica bastante própria. Contudo, algumas espécies da
Nova Guiné podem também ser encontradas em certas ilhas das mais ocidentais.
O maior número de espécies encontra em Sumatra-Java e ilhas próximas. Se bem que as suas
faunas sejam semelhantes e constituídas na maioria por espécies originárias da Ásia, existem,
contudo, muitas espécies que são, apesar de tudo, próprias a este grupo de ilhas.
As pequenas ilhas da Sonda, de Bali a Banda, apresentam uma menor variedade de espécies
que o grupo Sumatra-Java; algumas são características desta região, enquanto outras mostram
afinidades com as da fauna Sumatra-Java ou com a fauna da Nova Guiné.
Sobre o grupo de ilhas das Celebes e Halmahera nada de definitivo se pode dizer ainda; com
excepção de uma espécie, Amblyomma babirussae, conhecida só nas Celebes, as restantes espécies
são as comuns aos animais domésticos introduzidos nesta área.
Muitas espécies têm encontrado nos animais domésticos hospedeiros apropriados e os hábitos destes
têm permitido a sua multiplicação e a sua disseminação por outras ilhas.
A este grupo pertencem especialmente as seguintes espécies:
Amblyomma testudinarium
Boophilus microplus
Dermacentor auratus
Haemaphysalis bispinosa
Haemaphysalis oornigera
Haemaphysalis hystricis
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
Haemaphysalis papuana
Haemaphysalis wellingtonic
Rhipicephalus haemaphysaloides
Rhipicephalus scunguineus
Muitas espécies, inicialmente encontradas apenas em animais selvagens, são em definitivo
consideradas de origem asiática e têm avançado na Indonésia para leste:
São elas:
Amblyomma crenatum
Amblyomma helvolum
Amblyomma javanense
Amblyomma malayanum
Aponomma lucasi
Haemaphysalis koningsbergeri
Ixodes granulatus
As espécies seguintes são específicas ao arquipélago e são desconhecidas nas outras regiões de todo
o Oriente:
São elas :
Amblyomma babirussae
Amblyomma robinsoni
Amblyomma geoemydae
Aponomma barbouri
Aponomma komodoense
Haemaphysalis hylobatis
Haemaphysalis toxopei
Haemaphysalis traguli
Ixodes praematurus
Ixodes spiniooxalis
Deste grupo o Amblyomma robinsoni e o Aponomma komodoesse só foram encontrados na
ilha de Komodo.
O Amblyomma cyprium e o Aponomma trimaculatum pare-cem ser originários da Nova
Guiné e até agora como tal tem sido incluído neste grupo.
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
O Amblyomma corcdiferam tem uma distribuição geográfica muito particular, pois localizase em três regiões situadas em extremos opostos, ou sejam na Tailândia, na ilha de Cracatoa e na
ilha de Banda. Futuras prospecções preencherão provavelmente as soluções de continuidade
verificadas na sua distribuição.
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
GÉNEROS, ESPÉCIES E SUBESPÉCIES CONSTITUINTES DA FAUNA IXODOLÓGICA
DA INDONÉSIA
Género AMBLYOMMA C. L. KocH, 1844
Espécies e subespécies:
Amblyomma babirussae SCHULZE, 1932
Amblyomma cordiferum NEUMANN, 1899
Amblyomma crenatum NEUMANN, 1899
Amblyomma cyprium NEUMANN, 1899
Amblyomma geoemydae (CANTOR, 1847)
Amblyomma helvolum C. L. KocH, 1844
Amblyommnzma javanense (SUPINO, 1897)
Amblyomma malayanum NEUMANN, 1908
Amblyomma robinsoni WARBURTON, 1927
Amblyomma testudinarium C. L. KocH, 1844
Género APONOMMA NEUMANN, 1899
Espécies:
Aponomma barbouri ANASTOS, 1950
Aponomma komodoense OUDEMANS, 1929
Aponomma lucasi WARBURTON, 1910
Aponomma trimaculatum (LUCAS, 1878)
Género BOOPHILUS CURTICE, 1891
Espécie:
Boophilus microplus (CANESTRINI, 1888)
Género DERMACENTOR C. L. KocH, 1844
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
Espécie:
Dermacentor auratus SUPINO, 1897
Género HAEMAPHYSALIS C. L. KocH, 1844
Espécies:
Haemaphysalis bispinosa NEUMANN, 1897
Haemaphysalis cornigera NEUMANN, 1897
Haemaphysalis hylobatis SCHULZE, 1933
Haemaphysalis hystricis SUPINO, 1897
Haemaphysalis koningsbergeri NUTTALL e WARBURTON, 1909
Haemaphysalis papuana THORELL, 1882
Haemaphysalis toxopei WARBURTON, 1927
Haemaphysalis traguli OUDEMANS, 1928
Haemaphysalis wellingtoni NUTTALL e WARBURTON, 1908
Género IXIODES LATREILLE, 1795 Espécies:
Ixodes granulatus SUPINO
Ixodes praematurus SCHULZE
Ixodes spinicoxalis NEUMANN
Género RHIPICEPHALUS
Espécies e subespécies:
Rhipicephalus haemaphysaloides haemaphysaloides SUPINO, 1897
Rhipicephalus haemaphysaloides pilara SCHULZE, 1935
Rhipicephalus sanguineus (LATREILLE, 1806)
LOMBOK:
Rhipicephalus haemaphysaloides pilaras;
Boophilus microplus;
Amblyomma testudinarium.
SUMBAWA:
Haemaphysalis bispinosa; H. cornigera;
H. Papuana;
Rhipicephalus haemaphysaloides pilans;
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
R. Sanguineus.
KOMODO:
Amblyomma helvolum; A. robinsoni;
Aponomma komodoense.
FLORES:
Amblyomma cyprium cyprium;
A. helvolum;
A. testudinarium;
Boophilus microplus;
Haemaphysalis bispinosa;
Rhipicephalus haemaphysaloides pilans.
ALOR:
Haemaphysalis papuana;
Rhipicephalus haemaphysaloides pilans;
R. sanguineus.
BANDA:
Amblyomma oordiferum.
SUMBA:
Boophilus microplus;
Haemaphysalis oornigera;
Rhipicephalus haemaphysaloides pilans;
R. sanguineus.
Amblyomma testudinarium.
SAVU:
Rhipicephalus haemaphysaloides pilans.
TIMOR:
Boophilus microplus;
Haemaphysalis papuana;
Ixodes praematurus;
Rhipicephalus haemaphysaloides pilans;
R. sanguineus.
ROTI:
Rhipicephalus haemaphysaloides pilans.
TANIMBAR:
Amblyomma helvolum;
Boophilus microplus.
BURU:
Amblyomma babirussae (?);
Haemaphysalis toxopei.
BOO:
Amblyomma testudinarium.
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
SAPARUA:
Boophilus microplus;
Haemaphysalis papuana;
Rhipicephalus sanguineus.
SULA:
Boophilus microplus;
Haemaphysalis bispinosa;
H. palmei/na.
TERNATE:
Amblyomma condi ferum (?);
Aponomma lucasi (?).
HALMAHERA:
Haemaphysalis papuana;
Boophilus microplus.
CELEBES:
Amblyomma babirussae;
A. Cyprium;
A. Testudinarium;
Boophilus microplus;
Haemaphysalis bispinosa;
H. hystricis;. H. papuana;
Rhipicephalus haemaphysaloides pilans;
R. sanguineus.
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
DISTRIBUIÇÃO POR ILHAS1
SIMEULUE:
Amblyomma helvolum;
Aponomma trimaculatum;
Haemaphysalis koningsbergeri.
BABI:
Amblyomma helvolum;
Aponomma lucasi (');
Haemaphysalis hystricis.
NIAS:
Boophilus microplus.
SIBERUT:
Haemaphysalis hystricis.
SUMATRA:,
Amblyomma crenatum;
A. geoemydae; A. helvolum;
A. javanense; A. malayanum;
A. testudinarium;Aponomma lucasi;
A. trimaculatum; Boophilus microplus;
Dermacentor auratus;Haemaphysalis bispinosa;
H. cornigera;H. hylobatis; H. hystricis; H. konings
bergeri; H. papuana; H. wellingtoni; Ixodes granulatus;
I. spiniooxalis; Rhipicephalus haemaphysaloides haema
physaloides; R. haemaphysalaides pi
lans; R. sanguineus.
BERHALA:
Amblyomma helvolum;
Haemaphysalis traguli.
PANDANG:
Amblyomma testudinarium.
BENGKALIS:
Haemaphysalis hystricis.
MAU:
Haemaphysalis hystricis.
1
Excluem Bornéu, ilhas Aru, amboina, ilhas kai e a nova guine holandesa.
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
BINTAM:
Amblyomma testudinarium.
KRAXATAU:
Amblyomma cordi ferum.
JAVA:
Amblyomma crenatum; A. helvolum; A.
javanense; A. testudinarium;
Aponomma barbouri; A. lucasi;
Boophilus microplus;Dermacentor auratus;
Haemaphysalis bispinosa; H. cornigera;
H. koningsbergeri; H. papuana; H. traguli; H. wellingtoni;
Ixodes granulatus; I. spinicoxalis;
Rhipicephalus haemaphysaloides pilaras; R. sanguineus.
MADURA:
Boophilus microplus;
Rhipicephalus haemaphysaloides pilaras;
R. sanguineus.
KARIMUNDJAWA:
Haemaphysalis cornigera;
H. hystricis; H. bispinosa; Boophilus microplus.
BAWEAN:
Haemaphysalis koningsbergeri;
Ixodes granulatus.
BALI:
Amblyomma testudinarium;
Boophilus microplus;
Haemaphysalis bispinosa; H. cornigera; H. hystricis;
Rhipicephalus haemaphysaloides pilaras; R. sanguineus.
SANGIHE :
Haemaphysalis papuana; Boophilus microplus.
BUTUNG:
Boophilus microplus.
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
DISTRIBUIÇÃO POR HOSPEDEIROS
REPTILIA
Ordem TESTUDINATA
Família EMYDIDiE
1. Geoemyda spinosa (GRAY) — Tartaruga espinhosa Amblyomma geoemydae.
Ordem SQUAMATA
Subordem SAURIA, ou LACERTILIA
Família SCINDIDIE
2. Mabuya multifasciata (KUHL.) — Lagarto listrado Amblyomma helvolum. Família
VARANIDAE
3. Varanus komodoensis OUWENS
Amblyomma robinsoni, A. helvolum, Aponomma komodoense.
4. Varanus salvator (LAURENTI)
Amblyomma helvolum, A. jauanense, Aponomma lucasi,
A. trimaculatum
5. Varanus indicus (DAUDIN)
Amblyomma helvolum.
Subordem SERPENTES, ou OPHIDIA
Família BOIDAS
6. Python reticulatus SCHENEIDER
Amblyomma helvolum, Aponomma barbouri.
7. Python sp. (PITON)
Amblyomma oordiferum.
Família COLUBRIDIE
8. Ptyas korros (SCHLEGEL) — Cobra rasteira
Amblyomma helvolum.
9. Ptyas mucosus (LINEU) -Grande cobra rasteira
Amblyomma helvolum.
10. Boiga dendrophila (Bom) — Cobra do mangal
Amblyomma helvolum.
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
11. Coluber oxycephalus (BOTE) — Ularselenseng (nome malaio)
Amblyomma helvolum.
Família ELAPIDIE
12. Ophiophagus hannah (CANTOR) — Cobra real Amblyomma helvolum.
13. Naja lcuoodira BOULENGER — Cobra-madeira Amblyomma helvolum.
AVES
Família TIMALIIDIE
14. Babbler Ixodes praematurus.
Família TURDIDAE
15. Gookichla sp. — Tordo terrestre Ixodes praematurus.
Família ZOSTEROPIDIE
16. Zosterops sp. Ixodes praematurus.
Família PHASIANIDJE
17. Gallus LINEU — Galinha doméstica Haemaphysalis wellingtoni.
Família ANATIDIE
18. Anser LINEU —Ganso doméstico Haemaphysalis wellingtoni.
MAMMALIA
Ordem INSECTIVORA
Família T UPALID1E
19. Tupaia glis hypochrusa TOMAS Ixodes granulatus.
20. Tupaia javcvnica occkientalis ROBINSON e KLOSS Ixodes granulatus, 1.
spinicoxalis.
21. Tupaia tanta RAFFLES Haemaphysalis oornigera (?).
Família ERINACEIDJE
22. Ilylomys suillus suillus MÜLLER Ixodes granulatus.
Família SORICIDJE
23. Crocidura oricntalis JENTINK Ixodes granulatus, 1. spinicoxalis.
Ordem CHIROPTERA
24. Morcego Haemaphysalis toxopei.
Ordem PRIMATES Família HOMINIDIE
25. Homo sapiens LINEU
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
Amblyomma testudinarium, Rhiipicephalus sanguineus.
Família HYLOBATIDJE
26. Hykobates syndactylus syndactylus (RAFFLES) Siamang. Haemaphysalis hylobatis.
Família LORISIDJE
27. Nycticebus coucang (BODDAERT) Haenusphysalis koningsbergeri.
Ordem CARNIVORA
Família MUSTELIDJE
28. Martes f lavigula hanrici (SCHINZ) — Marta de garganta amarela
Amblyomma testudinarium,
Haemaphysalis koningsbergeri, Ixodes spinicoxalis.
29. Helictis orientalis (HORSFIELD) Haemaphisalis koningsbergeri.
30. Arctonyx collaris hoevenvi (HUSRECFT) Haemaphysalis hystricis.
31. Mydaus javanensis (LESCHENAULT) Haemapphysalis koningsbergeri, Ixodes
spinicoxalis.
Família CANIDIE
32. Canis familiaris LINEU — Cão doméstico Boophylus microplus, Haemaphysalis
bispinosa, H. hystricis, H. papuana, Rhipicephalus haemaphysaloides, R.
haemaphysaloides pilaras, R. sanquineus.
Família VIVERRIDJE
33. Paradoxurus hermaphroditus javamicus (HORSFIELD) — Rato de palmeira
Haemaphysalis koningsbergeri, Ixodes spinicoxalis.
Família FELIDJE
34. Felis tigris LINEU — Tigre
Haemaphysalis koningsbergeri, Rhipicephalus haemaphysaloides,
R. haemaphysaloides pilaras.
35. Felis pardus LINEU — Leopardo Haemaphysalis koningsbergeri.
36. Felis bengalensis javanensis DESMAREST — Gato-leopardo Haemaphysalis
koningsbergeri.
Ordem EDENTADA, ou PHOLIDOTA
Família MANICJE
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
37. Manis javanica DESMAREST — Pangolim Amblyomma javanense.
Ordem RODENTIA
Família SCIURIDJE
38. Petaurista (PALLAS) — Esquilo gigante voador
Haemaphysalis koningsbergeri.
39. Ratufa bicolor (SPARRMANN) — Grande esquilo preto
Haemaphysalis koningsbergeri.
40. Callosciurus notatus (BODOAERT) — Esquilo Comum da Malaia
Ixodes granulatus.
41. Callosciurus notatus madurae (THOMAS) — Esquilo comum da Malaia Ixodes
granulatus.
42. Callosciurus nigrovittatus (HORSFIELD) — Esquilo de listras pretas
Ixodes granulatus, I. spinicoxalis.
43. Lariscus insignis javanus (TRONAS e WROUGHTON) — Esquilo terrestre listrado
Ixodes granulatus.
Família MURIDJE
44. Rattus rattus rattus (LnNEu) — Rato preto
Ixodes granulatus, Haemaphysalis koningsbergeri.
45. Rattus rattus diardi (JENTINK) — Rato malaio Ixodes granulatus.
46. Rattus rattus brevicaudatus HORST e DE RAADT — Rato dos arrozais Ixodes
granulatus.
47. Rattus rattus jalorensis (BONHOTE) — Rato do campo malaio
Ixodes granulatus.
48. Rattus concolor ephippium (JENTINE) — Pequeno rato da Birmânia Ixodes
granulatus.
49. Rattus maxi SODY — Rato gigante
Ixodes granulatus.
50. Rattus lepturus (JENTINK) — Rato de cauda longa
Ixodes granulatus, I. spinicoxalis.
51. Rattus fulvescens bukit (BONHOTE) —Rato do Bonhote
Ixodes spinicoxalis.
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
52. Rattus fulvescens treubi ROBINSON e KLOSS — Rato de Bonhote Ixodes
granulatus.
53. Rattus f ulvesvens temmincki KLOSS — Rato de Bonhote
Ixodes granulatus.
54. Rattus bartelsi (JENTINK) —Rato de Bartels
Ixodes granulatus.
55. Pithecheir melanurus CUVRER — Rato vermelho arborícola
Ixodes spinicoxalis.
Ordem PERISSODACTYLA
Família RHINOCEROTIDJE
56. Rhinoceros sondaicus DESMAREST — Rinoceronte de Java Amblyoinma
testudinarium.
Família TAPIRIDIE
57. Tapires indicus (DESMAREST) — Tapir malaio Amblyomma testudinarium.
Família EQUIDJE
58. Equus caballus LINEU — Cavalo doméstico Amblyomma babirussae, Boophilus
microplus, 0
Haema {physalis bispinosa, H. hystricis, H. papuana,
Rhipicephalus haemaphisaloides pilans.
Ordem ARTIODACTYLA
Família SUIDJE
59. Sus cristatus WAGNER — Porco-bravo Amblyomma testudinarium, Rhipicephalus
haemaphysaloides pilaans.
60. Sus cristatus vittatus Bois — Porco-bravo Amblyomma testudinarium, Rhipicephalus
haemaphysaloides pilans.
61. Sus verrucosus MÜLLER e SCHLEGEL — PORCO de lava Amblyomma
testudirnarium.
62. Sus barbatus MÜLLER — Porco barbado Amblyomma testudinarium.
63. Sus celebensis MÜLLER e SCHLEGEL —Porco das Celebes Amblyomma
babirussae, A. cyprium, Haemaphysalis hystricis.
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
64. Sus scrofa domestica LINEU — Porco doméstico Amblyomma testudinarium,
Boophilus microplus, Derma-contar auratus, Haemaphysalis bispinosa, H. hystricis,
H. papuana, Rhicicephalu.s haemaphysaloides.
65. Babirussa (LINEU) — Babirussa Amblyomma babirussae.
Família TRAGULIDIE
66. Tragulus kanchil (RAFFLES) Haemaphysalis traguli.
Família CERVIDJE
67. Cervus unicolor equinos CUVIER Boophilus microplus
68. Cervas unicolores russas MÜLLER e SCHLEGEL Boophilus microplus.
69. Cervus sp. Amblyomma testudinarium.
70. Deu, Boophilus microplus, Haemaphysalis bispinosa. Família BOVIDJE
71. Bos sondaicus SCHLEGEL e MÜLLER— Boi Banteng Amblyomma testudinarium,
Haemaphysalis cornigera, H. papuana.
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
FAUNA IXODOLÓGICA DO CONTINENTE
AUSTRALIANO
Comparada com as 31 espécies de ixodídeos encontrados no arquipélago indonésio, a fauna
ixodológica do continente australiano, apenas com 16 espécies, pode considerar-se relativamente
pobre.
No entanto, enquanto que as da Indonésia estão repartidas apenas por sete géneros, as
relativamente pouco numerosas espécies presentes na Austrália distribuem-se pelos oito géneros
seguintes:
Amblyomma
Haemaphysalis
Aponomma
Ixodes
Argas Ornithodorus
Boophilus
Rhipicephalus
Afortunadamente, um certo número de espécies destes géneros não existem na Austrália e
outros géneros veiculares de doenças estão inteiramente ausentes.
Numa nenhuma espécie do género Dermacentor foi encontrada na Austrália e não tem sido
igualmente registada ultimamente a presença de carraças do género Hyalomma.
Também em tempos foi encontrado num cavalo na Nova Gales do Sul o que pareceu
constituir uma variedade do Haemaphysalis leachi, que, não voltando a ser assinalada, se considera
como presentemente inexistente.
Alguns dos ixodídeos inexistentes na Austrália estão confinados na Europa, África ou
América, mas hão-os que, apesar de tudo, podem ser encontrados no sudeste asiático ou ilhas entre
esta região e a Austrália.
Nos primeiros tempos da colonização do norte australiano, bois, búfalos e cavalos foram
importados destas regiões.
Porém, já em épocas mais remotas, grande variedade de embarcações nativas transportando
cães e outros animais domésticos de pequeno porte, tais como porcos e cabras, visitavam
normalmente os portos do norte da Austrália ou os acampamentos aborígenes ou para simples
aguada ou em visitas normais de permuta ou aquisição de búzios ou pérolas ou em busca de
trabalhadores.
É, pelo contrário, muito de admirar que dessas frequentes visitas não tenha senão resultado a
introdução das espécies Boophilus microplus, Haemaphysalis bispinosa, Argas persicus e
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
Rhipicephalus sanguineus, quando seria de admitir que, pelo menos no que respeita a espécies cujo
hospedeiro normal é o cão, elas encontravam veículo apropriado nos cães das tripulações dessas
embarcações, que, desembarcando acompanhando os homens, encontrariam nos cães dos aborígenes
óptimos hospedeiros.
As únicas doenças de origem protozoário veiculadas por carraças são a piroplasmose bovina,
devida a Babesia bigemina e Babesia argentina, e a anaplasmose bovina. A Theileria mutans,
apesar de transmitida por carraças, é de fraca inocência no gado australiano. Porém, há ixodídeos na
Austrália que actuam como vectores da espiroquetose aviaria e da febre Q.
Apenas se encontra na Austrália como carraça paralisante o Ixodes
holocyclus
e
verdadeiramente causando de facto per turvações graves na vida dos gados só se encontra o
Boophilus microplus e em parte o Haemaphysalis bispinosa.
De tempos a tempos têm sido encontradas outras carraças em animais recém-chegados aos
portos australianos, mas severas medidas de quarentena e as prévias visitas sanitárias a bordo dos
navios têm impedido que se disseminem, ou por os animais serem impedidos de desembarcar ou
porque são devidamente desinfectados antes de deixarem a quarentena.
Tal foi o caso do Haemaphysalis campanulata encontrado num cão de bordo de um barco
japonês e do Dermacentor albipictus encontrado num touro em proveniência dos Estados Unidos.
O Rhipicephalus sanguineus, que infesta o norte australiano, foi uma vez encontrado em
cães desembarcados na zona de quarentena de Melburne.
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
GÉNEROS, ESPÉCIES E SUBESPÉCIES CONSTITUINTES
DA FAUNA IXODOLÓGICA DA AUSTRÁLIA
Género AMBLYOMMA C. L. Koch, 1844
Espécies:
Amblyomma triguttatum Koch, 1844.
Amblyomma moreliae Koch, 1867.
Género APONOMMA NEUMANN, 1899 Espécies:
Aponomma hydrosauri (DENNY, 1843).
Aponomma gervaisi (LUCAS, 1847).
Aponomma trachysauri (LUCAS, 1861).
Aponomma trimaculatum (Lucas, 1878).
Género ARGAS
Espécie:
Argas persicus OICEN, 1818.
Género BOOPHILUS CURTICE, 1891
Espécie:
Boophilus microplus (CANESTRINI, 1887).
Género HJEMAPHYSALIS C. L. Kocuu, 1844
Espécies :
Haemaphysalis baancrofti NUTALL e WARBURTON, 1915.
Haemaphysalis bispinosa NEUMANN, 1897.
Haemaphysalis humerosa WARBURTON e NuTTALL, 1909.
Género IXODES LATREILLE, 1795
Espécies :
Ixodes australiensis NEUMANN, 1904.
Ixodes holocyclus NEUMANN, 1899.
Ixodes tasmani NEUMANN, 1899.
Género RHIPICEPHALUS C. L. Koca, 1844
Espécie:
Rhipicephalus sanguineus (LATREILLE, 1804.
Género ORNITHODOROS
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
Espécie:
Ornithodorus gurneyi WARBURTON, 1926.
IXODIDEOS DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS
DE TIMOR
Quando em 1951 nos foi destinado Timor para início de vida profissional, terra em que
iríamos passar o melhor de sete anos, procurámos, antes de partir, colher o maior número possível
de elementos que ajudassem ao seu conhecimento e nos facilitassem a tarefa.
Podemos afirmar sem exagero que também no campo ixodológica encontrámos o vácuo,
pois apenas se conseguiu a referência feita em 1929 por ASCENSÃO VALDEZ à existência de
carraças em Timor e a observação de um caso clínico de piroplasmose num bovino importado da
Austrália.
Evidentemente que logo nas primeiras saídas de reconhecimento, que se prolongaram por
vários meses, pois convinha tomar contacto com o meio antes do início das chuvas, verificámos que
duas espécies de grande porte existentes na ilha, o búfalo e o boi, tinham a caracterizá-los tipos
diferentes de ectoparasitas.
Assim, enquanto que no búfalo se verificava frequentemente infestação maciça por piolhos
— chegámos a mandar colher às mãos cheias de Hcematopinus tuberculatus de um só animal mas
raras, raríssimas, carraças, os bois, e mais nos originários das regiões temperadas das raças Jersey,
Shorthorn e Holstein Friesian, importados da Austrália no após guerra em número diminuto,
apresentavam-se intensamente parasitados, o que mais contribuía para que se mostrassem
inferiorizados perante o meio, a cujo clima e alimentação se adaptaram mal.
Já o boi Banteng, ou dos «fundilhos brancos», por possuírem duas malhas brancas na face
posterior das coxas, que lembram perfeitamente os clássicos remendos, resistiam mais facilmente à
acção expoliadora, não indo o número de carraças encontradas por animal além de escassas dezenas.
Em contrapartida, raríssimos foram os casos de hematopinose bovina, e os poucos que se
verificaram limitaram-se ao tufo da cauda por Hematopinuus quadripertusus.
São as que se seguem as espécies e subespécies de ixodídeos pertencentes a quatro géneros
existentes na metade portuguesa da ilha, com a restrição de ter apenas havido sistematização de
prospecção em relação às espécies bovina e bufalina, por serem as espécies de maior interesse
económico e com as quais mais directamente nos preocupámos.
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
GÉNEROS, ESPÉCIES E SUBESPÉCIES CONSTITUINTES DA FAUNA IXODOLÓGICA
DO TIMOR PORTUGUÊS
Género AMBLYOMMA C. L. Koch, 1844 Subespécie:
Amblyomma cyprium cyprium NEUMANN, 1899.
Género BOOPHILUS CURTICE, 1891 Espécie :
Boophilus microplus (CANESTRINI, 1888).
Género HjEMAPHYSALIS C. L. Kocx, 1884 Espécies:
Haemaphysalis papuana TI ORELL, 1882.
Género RHIPICEPHALUS C. L. Kocx, 1844 Subespécies:
Rhipicephalus haemaphysaloides pilans SCHULZE, 1935.
Rhipicephalus haemaphysaloides haemaphisaloides (?) SUPINO, 1897. Espécie:
Rhipicephalus sanguineus LATREILLE, 1806.
Do exame do material colhido nas sucessivas prospecções concluiu-se ser o Boophilus
microplus o ixodídeo mais comum em Timor, parasitando principalmente a espécie bovina, a
espécie aliás mais parasitada dentre todos os animais domésticos, seguido, mas já a maior distância,
pelo Rhipicephalus haemaphysaloides pilans.
São as seguintes as regiões nas quais foram encontrados ixodídeos parasitando bovinos:
Boophilus microplus – Ainaro, Fatu-Lulic, Tilomar, Barique, Hato-Lia, Suai, Lospalos, Liquiçá,
Venilale, Lacluta, Oe-Silo, Ermera, Fohorem, Allas, Fatu-Berliu, Same, FatuMean, Viqueque, Maubara, Bobonaro.
Rhipicephalus sanguineus — Lacluta.
Rhipicephalus haemaphysaloides pilans— Lacluta, Alas, Ainaro, Fatu-Berliu, Fohorem, Viqueque.
Rhipicephalus haemaphysaloides — Tilomar.
Amblyomma cyprium cyprium — Fatu-Mean.
A espécie animal mais parasitada em seguida à espécie bovina foi a canina, sendo o principal
agente o Rhipicephalus sanguincus e em raros casos o Haemaphysalis papuana.
Na representação cartográfica da sua distribuição em Timor a área de expansão do
Boophilus microplus sobrepõe-se exactamente à dos bovinos, e ainda provavelmente inexistente nas
áreas de muitos postos administrativos da Província, dado que em muitos destes ainda não existem
bovinos.
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
Por isso se poderia considerar que certas zonas ainda se encontrarão possivelmente limpas
deste ixodídeo, com a reserva, porém, de que ele possa parasitar espécies selvagens ou domésticas,
cabras, ovelhas e porcos que não foram examinados com cuidado!
É, no entanto, convicção nossa de que o Boophilus já esteja disseminado por todos os
recantos do território, à excepção talvez da ilha de Ataúro e do ilhéu Jaco, em que não foram, no
entanto, realizadas quaisquer prospecções, visto que à primeira só tivemos oportunidade de nos
deslocarmos uma vez, nunca o tendo feito em relação à segunda, aliás inabitada.
Note-se que no Ataúro semente existem cabras e raros carneiros, o que de tal forma a
caracteriza que, em língua malaia, a ilha do Ataúro — assim designada pelos seus próprios
habitantes — é conhecida na Indonésia por Pulo-Cambing, o que significa ilha (pulo) das cabras
(cambing).
Do ilhéu Jaco, inabitado e sem animais domésticos, diz-se serem numerosos os répteis e que
por vezes recebe a visita de veados, que, vendo-se muito perseguidos em Timor, para lá fogem
atravessando a nado o estreito canal que separa as duas ilhas.
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
BOOPHILUS MICROPLUS (CANESTRINI, 1888)
O Boophilus microplus (CANESTRINI, 1888), como as outras carraças de um só
hospedeiro, é neste que sofre as suas metamorfoses.
A fêmea, após a repleção total, cai e, escolhendo local sombreado, prepara-se para a postura,
que pode ir de apenas 2 dias no tempo quente até 30 no cacimbo. A postura pròpriamente dita dura
cerca de 10 dias na época cálida a várias semanas na fria e 3 000 ovos são em média postos por cada
fêmea.
A postura é, porém, errática abaixo de 15°, a temperatura óptima parecendo situar-se entre
os 24° e 26°. A temperatura de 6° é fatal para as fêmeas na fase de postura. Após esta, a fêmea,
meio encarquilhada, acaba por morrer. As fêmeas apenas parcialmente repletas de sangue não põem
senão escasso número de ovos.
O período de incubação dos ovos varia entre 14 dias a 36° a 114 dias a 16°, com a condição
de a humidade relativa não descer abaixo de 70 %.
Evidentemente que se pode observar desenvolvimento com humidades bastante mais baixas,
com a condição de em cada 24 horas a humidade ultrapassar pelo menos uma vez os 70 %.
As larvas são igualmente sensíveis em extremo aos baixos graus de humidade, o óptimo para
o seu desenvolvimento situando-se entre os 90 e 95 %. Dentro destes limites as larvas, não
parasitando o hospedeiro, portanto livres, podem sobreviver durante 218 dias a 15°C, mas apenas 16
dias se essa temperatura subir a 35°C.
As larvas são de cor castanho-avermelhada e habitualmente fixam-se imediatamente logo
que encontram hospedeiro que lhes convenha, se bem que, apesar de tudo, pequena percentagem
pode vaguear até 3 dias sobre a pele até se fixar. Num tempo médio (4 dias, com um máximo de 7
dias) as larvas estão plenamente entumecidas e prontas para a passagem ao estado ninfal.
As primeiras ninfas aparecem ao quinto dia e as últimas ao décimo de vida parasitária. Vão
desde o amarelo-claro até ao castanho-acinzentado, com um scutum castanho-avermelhada. Fixamse usualmente próximo do local onde se encontravam as larvas originárias, mas podem vaguear um
pouco antes da fixação e resistem até sete dias quando retiradas do hospedeiro.
A medida que se entumecem, as ninfas adquirem uma cor azul-acinzentada e entre o décimo
e o vigésimo dia, com um termo médio de treze dias, entram em metamorfose.
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
As primeiras fêmeas adultas aparecem no décimo terceiro dia e estão repletas no décimo
nono. Esta repleção faz-se a princípio lentamente, mas aumenta rapidamente e no vigésimo segundo
dia pelo menos metades das fêmeas estão aptas a cair. O ciclo pode, no entanto, estender-se até
quarenta dias.
Os machos são em muito menor número e, apesar de se encontrarem quase sempre
associados a uma fêmea, podem, no entanto, ser encontrados deslocando-se. Podem viver até 70
dias.
O ciclo total pode variar entre um mínimo de 37 dias até 400, este último sob as condições
óptimas difíceis de obter nas condições habituais na natureza.
As condições climáticas exactas limitando a sua existência ainda não estão estabelecidas;
porém, dado que, por um lado, os adultos são susceptíveis às baixas temperaturas e, por outro, as
larvas e ninfas não resistem aos baixos índices de humidade, é opinião corrente que o Boophilus
microplus não constituirá grande praga nas regiões em que a temperatura na relva desça a 0° e onde
a humidade relativa seja inferior a 70 %.
Ora é justamente o contrário que sucede em Timor, em que estão praticamente sempre realizadas
condições óptimas para a pululação do Boophilus. Até no ponto mais alto da ilha, no Tata-Mai-Lau,
a 2 995 m, a temperatura só nuns escassos dias por ano, em Junho e Julho, desce a 0°. E, quanto à
humidade, semente nesses mesmos meses ela poderá ser inferior a 70 %, também durante escassos
dias por ano e ao nível do mar ao longo da costa norte em Maubara, Liquiçá, Díli, Manatuto e
Laleia.
Dada, no entanto, a circunstância de ser o boi Banteng a raça quase que dominante da
espécie bovina, com a particularidade de ser o grau de intensidade do parasitismo relativamente
baixo, a acção nocente do Boophilus microplus nos bovinos de Timor é relativamente benigna e
semente se faz sentir pela sua acção expoliadora, pois, felizmente, não parece haver hemoparasita
do tipo Babesia ou Anaplasma.
Já o mesmo não sucede na Austrália, onde, para termo de comparação e como exemplo, o prejuízo
económico causado directa e indirectamente pelo Boophilus microplus, independentemente das
perdas devidas causadas pela piro e anaplasmose, é provavelmente muito maior do que se supõe.
Em 1943, por exemplo, calculava-se em A 600 000 e actualmente é certamente muito maior.
Sobre as perdas causadas pela acção expoliadora desta carraça quando pela primeira vez
invadiu a Austrália do Norte, nada encontrámos registado. Devem ter sido, no entanto,
consideráveis, tanto mais que está hoje bem estabelecido que a acção nocente resultante do primeiro
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
ataque de um dado parasita sobre um hospedeiro que o alberga pela primeira vez é, sem dúvida, de
efeitos mais espectaculares e graves do que se tivesse sido já em épocas anteriores submetido à sua
acção.
Está estabelecido que nos anos que mediaram entre 1894 e 1901, período de expansão da
carraça no Queensland, a população bovina diminuiu de 3 milhões de cabeças; mas, se a maior parte
destas perdas foram sem dúvida devidas à grande seca que assolou a Austrália por essa época, não é
menos verdade que, tendo havido Simultâneamente o aparecimento de uma grave epizootia de redwater, esta teve, portanto, uma quota--parte notável em tais perdas.
Portanto, se não tivesse havido carraças não teria havido possibilidades de surgir e se
expandir a doença! Pode afirmar-se, pois, que são perdas devidas à acção directa do Boophilus!
Felizmente que em Timor, apesar da falta de cuidado que no geral tem havido com a
introdução de animais estranhos, não foi até agora assinalada a presença de qualquer hemoparasita
transmitido pelo Boophilus microplus, como sucede na Austrália com a Babesia bigemina ou a
Babesia argentina ou ainda o Anaplasma margis ale.
Seria, no entanto, prudente ir-se pensando no combate ao Boophilus, pois, se ele ainda não
constitui grande problema, isso também resulta de os seus hospedeiros preferidos, os bovinos, serem
relativamente pouco numerosos -14 000 bovinos — quando em Timor há já 110 000 bufalinos,
espécie esta praticamente não parasitada. Se a população bovina continuar a aumentar, aumentará
também o número dos parasitas e a sua área de difusão. Seria, pois, prudente adoptarem-se as usuais
medidas de combate, os tanques banheiros.
AMBLYOMMA CYPRIUM CYPRIUM NEUMANN, 1899
Desta subespécie apenas foi colhido um exemplar adulto num bovino na área do posto
administrativo de Fatu-Mean, circunscrição de Bobonaro, na fronteira dos postos mais ricos em
bovinos, pois estes ultrapassam, em número e de longe, o bufalino, facto raro em Timor, em que
esta espécie predomina, a bovina sendo de muito mais recente introdução no nosso território —
escassas dezenas de anos apenas!
Evidentemente que do nosso lado é a primeira vez que esta subespécie é assinalada, como
aliás em relação a todos os outros ixodídeos a que agora se faz referência e sobre os quais este
trabalho constitui a primeira notícia, mas também em relação à fauna ixodológica do Timor
Indonésio é caso inédito, pois na prospecção lá feita, e de que GEORGE ANASTOS nos dá os
elementos, também não foram lá encontrados até 1950 quaisquer exemplares, se bem que já lá
deveriam existir, e para cuja origem pomos a seguinte hipótese:
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
Na lista de distribuição por ilhas dos ixodídeos da Indonésia verifica-se que na ilha das
Flores, já por nós visitada em Novembro de 1954, antiga possessão portuguesa até 1858, que teve
por capital a célebre Larantuca dos afamados larantuqueiros, possuem as missões católicas daquela
ilha, em particular a de Maumere, na sua costa norte, boa criação de gado bovino leiteiro da raça
Holstein-Friesian.
O Episcopado de Ende (Flores) enviou ao de Kupang (Timor Indonésio) em 1946 alguns
exemplares desse gado para início de criação de gado leiteiro na missão de Lahoerus, situada na
parte indonésia de Timor, exactamente no centro do saliente que aquele território faz no nosso, entre
as áreas dos postos administrativos de Balibó, a norte, e dos de Fatu-Lulic e Fatu-Mean, a sul.
É, pois, muito plausível que tal explique o aparecimento de um exemplar do Amblyomma
cyprium cyprium em Fatu-Mean e outros é natural que existam em proveniência daqueles que
provavelmente vieram das Flores parasitando os animais leiteiros deslocados para Lahoerus.
RHIPICEPHALUS HAEMAPHYSALOIDES PILANS
SCHULZE, 1935
A seguir ao B. microplus pode considerar-se numericamente corno o ixodídeo mais
abundante em Timor parasitando o gado bovino, tendo sido identificado em Viqueque, Lacluta,
Alas, Fatu-Berliu, Ainaro e Fohorem. Também esta carraça terá tendência a aumentar em número,
proporcionalmente ao acréscimo que se verificar no gado bovino.
RHIPICEPHALUS HAEMAPHYSALOIDES
HAEMAPHYSALOIDES SUPINO, 1897
É com toda a reserva que se menciona esta carraça, pois apenas se encontrou um exemplar
duvidoso em Tilomar, tanto mais que na Indonésia somente foi assinalada na parte setentrional de
Sumatra, donde, que conste, não foi feita qualquer importação para Timor, incluindo a parte
indonésia, que justifique a sua presença.
É de notar, no entanto, que não constituiria caso inédito tal descontinuidade geográfica na sua
disseminação, pois o mesmo se verifica com o Amblyomma cordiferum, que, como já se assinalou
quando se tratou da Indonésia, existe na Tailândia, na ilha de Cracatoa e na de Banda!
RHIPICEPHALUS SANGUINEUS (LATREILLE, 1806)
Frequente em Timor, especialmente nos cães, não tendo sido observadas infestações
intensas. Registou-se também a presença de alguns espécimes em bovinos de Lacluta.
HAEMAPHYSALIS PAPUANA THORELL, 1882
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
Apenas foram encontrados escassos exemplares parasitando um cão em Díli.
IXODES PRJMAT URUS SCHULZE, 1935
Conhecido apenas, no Timor Indonésio, na forma ninfal.
QUADRO COMPARATIVO DA FAUNA IXODOLÓGICA
DO TIMOR INDONÉSIO E TIMOR PORTUGUÊS
TIMOR INDONÉSIO·
TIMOR PORTUGUÊS
— Ainda não identificado
— Amblyomma cyprium eypryum
— Boophilus microplus
— Boophilus microplus
— Haemaphysalis papuana
— Haemaphysalis pápuaoua
— Ixodes praematurus
— Ainda não identificado
— Rhipicephalus haemaphysa
— Rhipicephalus haemaphysa.
Iodes pilaras
loides pilaras
— Ainda não identificado
— Rhipicephalus haemaphysaloides haemaphysaloides t
— Rhipicephalus sanguineus
— Rhipicephalus sanguineus
QUADRO COMPARATIVO DAS FAUNAS IXODOLÓGICAS
DA INDONÉSIA, TIMOR E AUSTRÁLIA
INDONÉSIA
TIMOR
AUSTRÁLIA
Género AMBLYOMMA C. L. KocH, 1844
Amblyomma babirussae
Amblyomma cyprium
Amblyomma cordiferum
Cyprium
Amblyomma triguttatum
Amblyomma moreliae
Amblyomma crenatum
Amblyomma cyprium cyprium
Amblyomma geoemydae
Amblyomma helvolum
Amblyomma javanense
Amblyomma malayanum
Amblyomma robinsoni
Amblyomma testudinarium
Género APONOMMA NEUMANN, 1899
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
Aponomma barbouri
—
Aponomma hydrosauri
Aponomma komodoense
—
Aponomma gervaisi
Aponomma lucasi
—
Aponomma trachysauri
Aponomma trimaculatum
—
Aponomma trimaculatum
Género ARGAS
—
—
Argas persicus
Género BOOPHILUS CURTICE, 1891
Boophilus microplus
Boophilus microplus
Boophilus microplus
Género DERMACENTOR C. L. KocH, 1844
Dermacentor auratus
—
—
Género HJEMAPHYSALIS C. L. KocH, 1844
Haemaphysalis bispinosa
Haemaphysalis papuana
Haemaphysalis bancrofti
Haemaphysalis cornigera
—
Haemaphysalis bispinosa
Haemaphysalis hylobatis
—
Haemaphysalis humerosa
Haemaphysalis hystricis
—
—
Haemaphysalis koningsbergeri
—
—
Haemaphysalis papuana
—
—
Haemaphysalis toxopei
—
—
Haemaphysalis traguli
—
—
Haemaphysalis wel1ingtoni
—
—
Género IXODES LATREILLE, 1795
Ixodes granulatus
Ixodes praematurus
Ixodes australiensis
Ixodes praematurus
—
Ixodes holocyclus
Ixodes spinicoxalis
—
Ixodes tasmani
Género RHIPICEPHALUS C. L. KocH, 1844
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
Rhipicephalus haemaphysaloides
Rhipicephalus
haemaphysaloides
sanguineus
Rhipicephalus haemaphysaloides Rhipicephalus
pilans
haemaphysaloides pilans
Rhipicephalus sanguineus
Rhipicephalus
sanguineus
Género ORNITHODOROS
—
—
Ornithodorus gurneyi
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
DISTRIBUIÇÃO POR HOSPEDEIROS
AVES
Ordem GALLIFORMES
Família GALLIDJE
1. Gallus gallus domesticus (LINEU) — Galinha doméstica
Menopon gallinae (LINEU, 1758).
Goniodes dissimilas (NITZCN, 1818).
Lipeurus caponis (LINEU, 1758).
MA M MALIA
Ordem CARNIVORA
Família CANIDJE
2. Canis familiares LINEU — Cão doméstico
Trypanosoma evansi (STEEL, 1885)
Ctenocephalides canis (CURTIS, 1826).
Haemaphysalis papuana THORELL, 1882.
Rhipicephalus sanguineus (LTREILLE, 1806).
Ordem PERISSODACTYLA
Família EQUIDAE
3. Equus caballus asiaticus — Cavalo asiático
Trypanosoma evansi (STEEL, 1885).
Hippobosca variegata (MUHLFELD).
Ordem ARTIODACTYLA
Família SUIDAE
4. Sus scrofa domestica (LINEU) — Porco doméstico
Cisticercus cellulosae Taenia solium (LINEU, 1758).
Stephanurus dentatus (DIESING, 1838).
Hematopunus suis (LINEU, 1758).
Metastrongilus sp.
Família BOVIDAE
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
5. Bos sondaicus sundaicus (SCHLEGEL e MÜLLER) — Boi Banteng
Tryponosoma evansi (STEEL, 1885).
Fasciola hepatica (LINEU, 1758).
Hippobosca variegata (MUHLFELD).
Haematopinus suis (LINEU, 1758).
Haematopinus quadripertusus (FAHRENIHOIZ, 1916).
Amblyomma cyprium cyprium NEUMANN, 1899.
Boophilus microplus (CANESTRINI, 1888).
Rhipicephalus haemaphysaloides haemaphysaloides SUPINO, 1897
Rhipicephalus haemaphysaloides pilans SCHULZE, 1935.
Rhipicephalus sanguíneas (LATREILLE, 1806).
6. Bos taurus (LINEU)
Trypanosoma evansi (STEEL, 1885).
Fasciola hepatica (LINEU, 1758).
Paramphistomum sp.
Ascaris lumbricoides (LINEU, 1758).
Hippobosca variegata (MUHLFELD)
Boophilus microplus (CANESTRINI, 1888).
7. Bos bubalis bubalis (LINEU) — Búfalo asiático ou búfalo de água
Trypanosoma evansi (STEEL, 1885).
Fasciola hepatica (LINEU, 1758).
Ascaris lumbricoides (LINEU, 1758).
Sarcocystis f usi f ormis RAILLIET, 1897.
Coccidia sp.
Siphona exigua (DE MEIJERE, 1903) (sin. Lyperosia exígua).
Hcematopinus suis (LINEU, 1758).
Haematopinus tuberculatus (BURMEISTER, 1859).
Boophilus microplus (CANESTRINI, 1888).
Lucilia cuprina (WIEDMANN).
Paramphistomum sp.
8. Capra hircus (LINEU) — Cabra doméstica
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
Fasciola hepatica (LINEU, 1758).
Coccidia sp.
9. Ovis aries (LINEU) — Ovelha doméstica
Fasciola hepatica (LINEU, 1758).
Coccidia sp.
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
CONCLUSÕES
A fauna parasitológica de Timor, no que respeita aos seus animais domésticos, não tem
nenhuma espécie a caracterizá-la em especial, a não ser a existência do Ixodes praematurus,
classificado por SCHULZE em 1935 a partir de ninfas colhidas por G. STEIN em 1932 na
cordilheira de Moetis, na parte indonésia de Timor.
A prospecção realizada em todo o nosso território limitou-se tão-somente às espécies
domésticas, o que se lamenta; porém, mais não foi possível fazer atendendo à dispersão dos nossos
esforços a outros sectores.
Sendo a Indonésia e a parte norte da Austrália as regiões que ecologicamente mais se
assemelham a Timor e dada, por outro lado, a sua proximidade geográfica, é muito naturalmente a
estas terras que haverá tendência para se irem buscar os animais necessários aos melhoramentos do
armentio da Província.
Deve, pois, a introdução de animais domésticos em proveniência, quer da Indonésia ou
Austrália, rodear-se da prudência necessária que evite essencialmente a introdução de novas
espécies parasitárias.
Evitar-se-á assim que, por exemplo, a Austrália nos devolva com juros as pragas idas de
Timor. Evidentemente que esses juros seriam constituídos por outras espécies que ainda não existem
na parte nossa da ilha e a cuja introdução a todo o custo convém obstar.
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
RÉSUME
On trouvera certainement étrange qu'un essai sur une matière si peu accessible à ceux qui ne
sont pas spécialistes, comme c'est le cas de 1'Entomologie, ait pour auteur quelqu'un qui ne peut pas
être consideré parmi ces spécialistes.
C'est pour çà que l'auteur donne cet éclaircissement préalable: il n'est pas un entomologiste
et la raison de cet essai est la méconnaissance sur cette matière qu'il a trouvé à Timor lorsqu'il est
arrivé là-bas pour la première fois; méconnaissance qui se maintient encore et qui 1'a amené à ses
activités d'entomologiste amateur.
Malgré 1'intérêt manifesté, pendant la dernière décade, pour tout ce qui est en rapport avec le
Timor, c'est un fait qu'on ignore encore beaucoup de sa connaissance scientifique.
Ce fait a donné lieu à la création du Centro de Estudos de Timor en 1952 et à 1'envoi des
missions d'étude qui, in loco, on developpé ses activités de recherche.
Néanmoins le sujet étudié par l'auteur est encore peu connu, malgré les travaux de
ASCENSÃO VALDEZ et RODRIGUES COSTA signalant, respectivement, quelques maladies
d'origine parasitaire et quelques parasites, d'une façon générale.
Les difficultés que l'auteur a trouvé, soit à cause de 1'ignorance du milieu par rapport à ces
travaux, soit inhérents au propre auteur, et les occupations normales de ses fonctions, on rendu lente
la cueillete des spécimens et les travaux de préparation et de classification des exemplaires
collectés.
De ces travaux a résulté la liste des espèces identifiées, transcrite plus loin, mais çà n'a pas
été possible avec assurance, surtout pour les ixodidés, que grâce à 1'aide généreuse des Drs. S. J.
Paramonov, T. G. Campbell, M. D. Murray et F. H. S. Roberts, qui ont examiné les exemplaires
envoyés. Nous remercions particulièrement le Dr. R. N. Wardle, director of Veterinary Hyigiene du
Commonwealth of Australia, et le Dr. A. J. Nicholson, chef de la Division of Entomology de la C.
S. I. R. O., qui ont autorisé ses examens.
C'est un principe convenu et incontestable que les régions inter-tropicales présentent une
faune parasitologique sans doute plus riche que celle des régions tempérées; ce fait est dú aux
conditions écologiques favorables, surtout la température, 1'humidité et la luminosité qui permettent
la pullulation, non seulement des espèces parasitaires, mais aussi de nombreux hôtes intermédiaires,
les mollusques, par exemple.
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
Par contre, si ces conditions écologiques inter-tropicales sont favorables au développement des
espèces parasitaires, elles sont, fréquemment, défavorables pour l'homme et pour les animaux
domestiques, ce qui les rend plus sensibles à l'action nuisible des parasites.
Beaucoup d'espèces dont l'activité, aux régions tempérées, s'exerce seulement pendant les
époques plus chaudes de l'année, quand la température est plus favorable à son développement, aux
régions inter-tropical sont toujouz-s en plein développement, étant donné que 1'optimum de la
température est, pour ainsi dire, permanent.
Schématiquement, on peut dire que les lignes isothermiques des 24°C au nord et au sud de
l'Équateur constituent les frontières que délimitent, d'une façon nette, ces deux types de faune
parasitologique.
Les causes adjuvantes qui justifient le phénomène parasitaire des tropiques sont: a) le facteur
très important représenté par la température, duquel on ne peut pas séparer celui du degré
hygrométrique élevé, permetant une grande richesse du plancton animal et végétal, favorable au
développement de nombreux hôtes intermédiaires; b) la composition du sol, latéritisé, pauvre en
oligoéléments indispensables à l'activité cellulaire et au métabolisme, ce que prédispose les
organismes animaux et humains aux maladies parasitaires et microbiennes; c) les grandes
concentrations d'animaux dans certaines régions ou locaux, conditionnées par les transhumances
obligatoires dues aux alternances d'abondance et de carente d'eau et de nourriture à certaines
époques de l'année et le danger fécal résultant des ces concentrations.
Situé en pleine zone équatorial, oì t ce phénomène est plus évident, géographiquement le
Timor fait partie du plus grand archipel du monde, lequel a été connu par le nom de Insulinde ou
archipel Malais et auquel Shulz, en 1921, de même que pour la Mélanésie, la Micronésie et la
Polynésie, a donné le nom de Indonésie; cette désignation, en 1946, a pris une acception poli-tique,
après avoir été adoptée pour la nouvelle république.
Située à 1'extrême est des fies de Sonda et étant file la plus proche du continent australien,
elle a des particularités intéressantes, parfois mal connues mais déjà entrevues, en ce qui concerne
sa faune, sa flore et sa géologie.
Au point de vue zoologique, on considere, à présent, 1'archipel indonésien divisé en trois
régions: une de caractéristiques vraiment asiatiques, une autre d'aspect tipiquement australien et
encore une autre oú se superposent les caractéristiques des deux premières.
La première de ces régions, celle qui se trouve plus proche de l'Asie, de laquelle elle garde
1'aspect, non seulement zoologique, mais aussi de la flore, est formée par les trois masses insulaires
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
de Sumatra, Bornéo et Java et par les deux fies de Madura et Bali; ces fies sont separées du reste de
l'archipel par le détroit entre Lombok et Bali, très resseré mais qui représente la séparation
fondamentale entre 1'Asie et l'Australie; Wallace a établi ici la frontière des faunes et des flores de
ces deux continents et 1'usage — en hommage à son auteur — lui a donné le nom de ligne de
Wallace. Elle se prolonge par des fosses abyssales du détroit de Makassar.
À partir de Bali, en direction ouest, le fond de la mer passe brusquement de quelques milliers
de mètres de profondeur jusqu'à cent, cinquant, vingt et, parfois même, moins de quinze mètres,
constituant ainsi un très vaste plateau continental. Si on pourrait faire descendre la surface de l'eau
ou faire monter le fond de la mer d'une hauteur pareille, la mer de Chine disparaitrait et on aurait
Java, Sumatra, Bornéo et les fies mineures de Madura et Bali liées à toute 1'Asie par la presqu'ile de
Malaca, le Siam et 1'Indochine.
Cette continuité, qui, possiblement, a eu lieu dans une époque três lointaine et qui peut se
renouveler un jour, et la proximité expliquent la prédominance des caractéristiques de la faune
asiatique, bien que chaque fie ait ses propres types.
À 1'extrême opposé de 1'archipel on trouve l'ensemble des fies de Halmahera, Aru et Nouvelle
Guinée, dont les caractéristiques zoologiques s'approchent nettement de celles de la faune
australienne, soit par la présence des marsupiaux, soit par celle des oiseaux-de-paradis (Nouvelle
Guinée), cacatois, perruches, perroquets, pigeons; non obstant, on ne trouve pas des kangourous.
La zone intermédiaire, dans laquelle se trouve file de Timor, est formée par les petites fies de
Sonda, de Lombok jusqu'au Timor, les Célèbes et les Moluques,
On vérifie que les simiens asiatiques viennent jusqu'au Timor, limite est de son expansion. Par
contre, un petit marsupial — Phalanger orientalis — est abodant au Timor, oì z il est connu, dans la
partie portugaise, par le nom de «mêda».
La grande richesse d'espèces caractéristiques des autres deux zones se présente seulement
aux Célèbes, bien que dans toute la région se trouvent des espèces qui sont absentes dans les deux
premières régions. D'ailleurs, la faune des Célèbes est três differente de celle de Bornéo, ce qui
prouve 1'antiquité du détroit de Makassar, oú passe justement la ligne de Wallace.
Il s'agit d'une région de transition, avee des espèces nettement asiatiques — singes, antilopes
— et d'influence australienne — «mêda», cacatois, divers pigeons, perroquets.
D'une façon général, ces espèces-1à diminuent au fur et à mesure qu'on va vers 1'est et vers
le sud, le contraire ayant lieu avec les espèces australiennes.
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
Le Timor, du point de vue três particulier qui nous intéresse, a servi de tremplin pour 1'introduction,
en Australie, d'espèces zoologiques nouvelles.
À présent il est certain que la Siphona exigua (de Meijere, 1903) (syn. Liperosia exigua) a été
amené de son foyer d'ori,-gine, la région Indo-Malaise, jusqu'à file de Melville, au nord de
1'Australie, par un ou plusieurs chargements de buffles sortis de Timor entre 1824 et 1828, três
probablement en 1825. Avec les déplacements de la colonie de peuplement établie dans cette fie,
pour Port Essington, en 1838, cette mouche est arrivée au continent australien.
Pour la même raison on peut considérer que 1'Hematopinu. tuberculatus (Burmeister, 1839),
le pou vulgaire du buffle asiatique, a été introduit en Australie avec les mêmes chargements de
buffles venus du Timor.
Ces deux exemples sont suffisants pour démontrer combien le Timor, et, d'une façon
générale, la région à laquelle appartient cette fie, a servi de point de passage pour une espèce animal
et pour deux fléaux qui ravagent, à présent, 1'Australie.
En général on admet aussi que le Boophilus microplus (Canestrini, 1887) a été introduit à
travers Darwin (territoire du Nord) — à l'époque connue sous le nom de Palmerston — au moia
d'Aoüt de 1872, par huit vaches et quatre taureaux zébus envoyés de Batavie (Java) sur le bateau
Investigador, pour l'alimentation de la population du bourg. Quelques uns de ces animaux ont fuit
et, plus tard, des descendants ont été envoyés vera Adelaide River, oú ils ont été mélangés avec le
bétail. Cette petite néglicence, sana danger apparent, a eu comme conséquence la dissémination de
la tique la plus répandue sur le bétail australien et, surtout, la plus préjudiciable, puisqu'elle est le
principal véhicule de la piroplasmose et de 1'anaplasmose bovine; il faut aussi tenir compte de son
action spoliatrice, qui est remarquable.
La diversité des tâches inhérents à l'accomplissement de ses fonctions n'ont pas permi à
l'auteur de dédier aux travaux de recherche le temps indispensable; en outre, il n'avait pas ni la
préparation nécessaire, ni même une vocation spécial pour ces travaux. Quand même, il a fait de son
mieux pour réaliser une prospection parasitologique, qui est très loin d'être systématique, et de
laquelle cet essai est, en partie, une conséquence.
Les itinéraires, pendant lesquels l'auteur a réalisé cette prospection, ont été très variés et tous
faits à cheval, le seul moyen de transport acessible à la plupart des régions de Timor; seulement
avec ce moyen a été possible de faire la reconnaissance du bétail par tout le territoire pouvant
intéresser à son champ d'action.
Les espèces qui l'auteur a pu signaler au Timor ont été les suivant:
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
Trypanosoma evansi
Fasciola hepatica
Metastrongilus sp.
Sarcocystis f usifornis
Ascaris lumbricoides
Taenia solium
Coccidea sp.
Paranphistomum sp.
Stephanurus dentatus
Lucilia cuprina
Hippobosca variegata
Siphona exigua
Dermestes vulpinus
Menopon gallin se
Goniodes dissimilis
Lipeurus caponis
Remato pinos suis
Hematopinus quadripertusus
Hematopinus tuberculatus
Ctenocephalides canis
Amblyoma cyprium cyprium
Boophilus microplus
Haemaphysalis papuanza
Rhipicephalus haemaphysaioides
Rhipicephalus sanguineus
Si la faune parasitologique des animaux domestiques ne se borne pas aux espèces qu'on
vient de citer, on ne peut pas, quand même, supposer que cette faune soit d'une richesse d'espèces en
nombretel qu'elle puisse former un étalage des espèces qu'on trouve dans les grandes surfaces
continentales.
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
N'oublions pas que le Timor est une zle et que, comme la plupart des files, ne semble pas
avoir une faune spécifiquement propre. Au moina, nous n'avons pas entendu dire qu'on ait
rencontré, dans la partie non portugaise de Timor, aucune espèce zoologique exclusive de 1'ile, à
1'exception du Ixodes praematurus; ce fait vient renforcer la supposition de l'inexistance de cette
faune, aux époques antérieures à 1'introduction des animaux domestiques dans 1'ile.
Tout noas mène à croire que la faune parasitologique des animaux domestiques du Timor n'a
rien de spécifiquement propre, soit pour la microfaune, soit pour la macrofaune, lesquelles sont, par
conséquence, d'origine exogène.
Son actuelle pauvreté relative est fonction de 1'isolément dans lequel 1'ile a vécu pendant
des siècles; cette faune a été acquise à travers des temps, presque toujours sous 1'influence humaine,
au moins en ce qui concerne 1'introduction des animaux domestiques. Ceux-ci, aux diverses
époques, ont été les véhicules de 1'actuelle faune parasitaire, que nous supposons n'être pas três
variée.
Seulement le temps et une étude de prospectión plus approfondie pourront confirmer ou
infirmer cette hypothèse.
Dans une deuxième partie 1'auteur fait une révision, tant que possible actualisée, des
connaissances sur la faune ixodologique de 1'Indonésie et de 1'Australie, de sa distribution
géographique et des espèces zoologiques parasitées; pour 1'Indonésie, 1'auteur a utilisé 1'oeuvre de
George Anastos, The Scutate Ticks of Indonesia de 1950, qui est encore la meilleure étude critique
sur les ixodidés de cette région; en ce qui concerne 1'Australie, 1'auteur a utilisé 1'oeuvre du Dr. H.
R. Seddon, Dr. V. Sc., Diseases of Domestic Anvimals vn Australia (partie 3), publiée en 1951 par
la Division of Veterinary Higiene, du Commonwealth of Australia.
Tout nous mêne à croire qu'il n'est pas du tout sans logique la comparaison de la faune
ixodologique du Timor — en ce qu'on la pu étudier, c'est-à-dire, par rapport aux animaux
domestiques — aves celle de 1'Indonésie—région géographique à laquelle le Timor appartient — et
avec celle du continent australien, lequel doit à sa proximité du Timor 1'introduction de quelques
fléaux zoologiques qui, au présent, infestent son territoire: les buffles — qui vivent presque tous à
1'état sauvage dans les régions marécageuses du litoral du nord australien —, les parasites qu'ils ont
véhiculé — Lyperosia ercgua et Hematopw.'us tuberculatus — et le Rhipicephalus sanguineus, qui,
três probablement, a été introduit en Australie par les chiens accompagnant les équipages des
bateaux qui du Timor allaient en Australie.
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
Étant donné que 1'Indonésie et la partie nord de l'Australie sont les régions plus semblables
au Timor, au point de vue écologique, et qu'elles sont aussi les plus proches, c'est naturel qu'on va
chercher à ces régions les animaux nécessaires à 1'amélioration du bétail du Timor.
L'introduction des animaux domestiques de ces deux provenances doit, pourtant, être faite
aves les précautions nécessaires pour ne pas laisser entrer des espèces parasitaires nouvelles.
Ainsi on pourra empêcher, par exemple, que 1'Australie nous renvoye, intérêts compris, les
fléaux qu'elle a reçu de Timor. >Jvidemment que ces intérêts seraient formés par des espèces qui
n'existent pas encore dans la partie portugaise de File et dont l'introduction doit être empêchée,
conte qui conte.
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
BIBLIOGRAFIA
1. ANASTOS, GEORGE — The Sctutate Ticks, or Ixodidae, of Indonesia —
Reprinted from Entomologica Americana — 1950.
2. CABRIER DA SILVA, HERNÂNI R. B. DE — «Panorama Pecuário de Timor», in
Revista de Ciências Veterinárias, n.º 348-349, vol. XLIX, Janeiro-Junho 1954.
3. COSTA, MANUEL PINHEIRO RODRIGUES DA— Relatórios Anuais da Secção
de Pecuária O. P. F. de Timor — 1947, 1948 e 1949 (não publicados).
4. GUILHON, R. — Cours de Parasitologie — Institut d'Elevage et de Médecine
Vétérinaire des Pays Tropicaux. Alfort, France — 1956.
5. JAMES, MAURICE T. — The Flies that cause Myasis in Man —U. S. Department
of Agriculture, no 631, September 1947.
6. MCGUIRE, PAUL — Westward the Course — The New World of Oceania,
Melbourne 1946.
7. NEVEU-LEMArRE, M. — Traité d'Entomologie Médicale et Vétérinaire — Paris,
1938.
8. SEDDON, H. R., DR. V. Sc. — Diseases of Domestic Animais in Australia, part 2, 3
— Fly, Louse and flea infestations — Tick and Mite Infestations — Service
Publication n° 6, 7 (Division of Veterinary Hygiene) Department of Health,
Commonwealth of Australia — 1951.
9. VALDEZ, JOSÉ D'ASCENSÃO — «Timor e a sua Pecuária» — in Boletim da
Agência-Geral das Colónias, Lisboa, Dezembro 1929, ano v, n.º 54.
10. WALLACE, ALRRED RUSSEL — The Malay Archipelago — London, 1902.
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR
Hernâni Rui Baron de Cabrier da Silva
PROSPECÇÃO PARASITOLÓGICA EM TIMOR