A ÁFRICA EM MAPAS EUROPEUS ANTIGOS E MODERNOS. José

Сomentários

Transcrição

A ÁFRICA EM MAPAS EUROPEUS ANTIGOS E MODERNOS. José
A ÁFRICA EM MAPAS EUROPEUS ANTIGOS E MODERNOS.
José Rivair Macedo
(Dep. De História – UFRGS)
Os mapas são representações gráficas da superfície curva e tridimensional do
planeta, ou de parte dele, em projeções bidimensionais, planas. Os signos aí inscritos
têm a finalidade de representar o espaço geográfico, que aparece projetado em
escala reduzida, e o campo de estudo em que se insere a concepção, elaboração e
estudo dos mapas é a cartografia.
Muito antes do aparecimento da cartografia moderna, os mapas eram
elaborados com finalidades práticas, como suporte ou auxílio aos viajantes ou às
autoridades constituídas; ou com finalidades simbólicas: tornar visível, através de uma
projeção, a forma do mundo, dos continentes, países e regiões.
A precisão e objetividade das representações cartográficas dependeram não
apenas das condições técnicas disponíveis e de instrumentos que permitissem a
medição e análise do espaço geográfico, mas dependeram também dos
conhecimentos acumulados a respeito de espaços mais ou menos explorados, e
mesmo de condicionamentos culturais, simbólicos e religiosos existentes no momento
em que determinado mapa estava sendo elaborado.
Observe abaixo o conjunto de mapas ou partes de mapas selecionados, e
avalie as formas pelas quais a África e os africanos aparecem representados.
Considere que a seleção obedeceu a um critério cronológico e a um critério
cultural: os mapas foram elaborados entre os séculos XII-XIX, na Europa. Os mais
antigos pertencem ao período histórico denominado Idade Média, em que a visão de
mundo era caracterizada por uma perspectiva religiosa , teocêntrica, de orientação
cristã. Os demais foram elaborados entre os séculos XVI-XIX, quando os
desenvolvimentos técnicos, científicos e filosóficos deram suporte a uma visão de
mundo humanista, racionalista e progressivamente científica.
Esta mudança de perspectiva está relacionado com a ampliação do
conhecimento do planeta pelos europeus, ocorrida durante as navegações e a
expansão marítima nos séculos XV-XVI, e de uma crítica dos fundamentos tradicionais
do conhecimento realizada desde o Renascimento, nos séculos XV-XVI, até o
Iluminismo, no século XVIII, e o cientificismo que acompanhou a Revolução Industrial,
no século XIX. Mas em todos os casos, a transposição da visão de mundo européia foi
feita a partir de uma perspectiva etnocêntrica, pela qual a Europa tendeu a ser
tomada como modelo de civilização e de cultura, sendo colocada no centro do
mundo.
MAPAS ANTIGOS E MODERNOS: SÉCULOS XII-XIX
Mapa em diagrama extraído de um manuscrito do século XII que ilustra o Liber
Etimologiarum, de Isidoro de Sevilha. Trata-se de um exemplar de Mapa T.O.. As
representações do planisfério denominadas T.O. (Orbis Terrarum) obedeciam a critérios
simbólicos e religiosos vinculados ao mundo cristão. A circunferência da Terra em forma de
“O”, cortada pelo “T”, mostrava-se rica em possibilidades de leitura. Sugeria em primeiro
lugar a idéia de totalidade, porque o círculo era formado pelo Mar Oceano – que funcionava
como o limite do mundo conhecido. Por sua vez, as três partes formadas pelo “T” (Ásia,
Europa e África) lembravam a idéia da trindade (Pai, Filho e Espírito Santo).
Fólio do manuscrito do Líber Etimologiarum, de Isidoro de Sevilha, impresso em 1472 em
Augsburg, Alemanha, por Gunther Zainer, com mapa T.O. (Acervo da Foundation of Western
European Cartography, Texas, USA).
Detalhe do fólio do manuscrito do Liber Etimologiarum impresso em 1472 em Augsburg. A
representação trinaria lembra a passagem bíblica segundo a qual, após o dilúvio universal, o
mundo teria sido povoado pelos descendentes dos três filhos de Noé: os asiáticos
descenderiam de Sem, o filho mais velho; os europeus descenderiam de Jafet, o filho mais
novo; e os africanos descenderiam de Cam, o filho do meio - que teria zombado da nudez e
embriagues paterna, sendo amaldiçoado.
Mapa de 1234 atribuído a Gervásio de Tilbury, conhecido como Mapa de Ebsdorf. Observe
que a Terra é cercada por mar, e que o globo assume a forma do corpo de Cristo, com a
cabeça acima e os pés abaixo.
Detalhe da parte central do Mapa de Ebsdorf: Cristo e Jerusalém aparecem representados no
centro do mundo.
Fólio do Atlas Catalan, elaborado em 1375 pelo cartógrafo judeu Abrahan Gresques na Ilha
de Majorca, doado ao rei Carlos V da França (Acervo da Bibliothèque Nationale de France).
Trata-se de um exemplar de cartas geográficas denominadas portulanos, e tem a intenção de
descrever as rotas de comércio que cruzavam o deserto do Saara. Na parte de baixo podemse ver um mercador tuareg atravessando o deserto num camelo e um governante negro
segurando uma pepita de ouro - que costuma ser associado a Mansa Mussa, que governou o
antigo Mali nas primeiras décadas do século XIV.
Mapa português de 1502, de autoria anônima, conhecido como Planisfério de Cantino, em
que aparece a primeira representação cartográfica dos descobrimentos portugueses (Acervo
da Biblioteca Estense, Módena, Itália).
Detalhe do mapa denominado Theatrum orbis terrarum, desenhado pelo cartógrafo
flamengo Abraham Ortelius em 1564 (Acervo da Library of Congress, USA).
Ilustração do capítulo XVIII do livro Geographia, publicado por Sebastian Munster em
Basiléia no ano de 1540. Observe a presença dos animais, a representação das rotas de
comércio e o desenho da caravela que se aproxima do continente.
Detalhe da ilustração anterior, com a representação de um monstro de um olho só
(monoculi).
Representação da África Ocidental no Livro de todo ho Universo, elaborado por Lázaro Luís
em Lisboa no ano de 1563 (Acervo da Academia das Ciências de Lisboa). As linhas
demarcatórias e anotações dos nomes de lugares no litoral sugerem o avanço do
conhecimento dos europeus no contexto da expansão marítima. Na região do Golfo da Guiné
aparece desenhada uma fortaleza portuguesa, provavelmente a feitoria de São Jorge.
Mapa dos reinos do Congo e de Angola, na parte ocidental da África Central, elaborado pelo
cartógrafo Willelm Janszoon Blaeu, Amsterdã, 1662 (Acervo da University of Virginia
Library, USA)
Mapa do Golfo da Guiné. Detalhe da obra Theatrum mundi, de Willem Janszoon Blaeu,
Amsterdã, 1668 (Acervo da Brown Library and Brown University, USA). Note a presença da
caravela, do comércio de marfim e a representação dos animais africanos.
Representação da África austral, com o reino do Monomotapa, situado nos atuais Zimbábue e
Moçambique, e a região denominada Cafrarie, por Alain Manesson Mallet, 1683.
Mapa da África do Sul, intitulado Aethiopia inferior vel exterior, publicado pelos cartógrafos
Gerard Leendertsz Valck e Pieter Shenk, cerca de 1695.
Mapa da África ocidental por Emmanuel Bowen, intitulado A new and accurate map of
Negroland, Londres, 1747.
Mapa da África ocidental em que aparece representada a região do Golfo da Guiné,
elaborado por Homannsche Erben, Nuremberg, 1743 (Acervo de mapas da Royal Library,
Copenhague). Observe as atividades de trabalho realizadas pelos guineenses e a exploração
do marfim, que era uma das matérias-primas valorizadas no comércio internacional.
Mapa de Angola: litografia em papel elaborada por Sá da Bandeira e Fernando da Costa Leal, Lisboa, 1870
(Acervo da Biblioteca Nacional de Lisboa)
Mapa decorado com cenas e regiões da África, publicado em 1890 pela editora Brokhouse,
em Leipzig, Alemanha.
Cartoon com o empresário Cecil Rodhes (1853-1902), representado sobre o mapa da África.
Rodhes foi um dos mais importantes exploradores das riquezas minerais africanas,
sobretudo ouro e diamantes, através da companhia De Beers Mining Company. O desenho foi
feito logo após o anúncio de que ele iria mandar construir linhas telegráficas e rede
ferroviária que ligariam a Cidade do Cabo, na África do Sul, ao Cairo, no Egito, em 1892.
REFERÊNCIAS DE PESQUISA
MAPAS DISPONÍVEIS NA INTERNET:
Bibliothèque Nationale de France
(http://gallica.bnf.fr/)
DIGMAP - discovering our past world with digitalized maps
(http://www.digmap.eu/doku.php)
Early world maps. In: Wikipedia:
(http://en.wikipedia.org/wiki/Early_world_maps)
HANDLER, Jerome S.; TUITE JR., Michael L.. The Atlantic Slave Trade and
slave life in the Americas: a visual record (Universidade da Virginia, USA):
(http://hitchcock.itc.virginia.edu/Slavery/index.php)
Mapsorama: the world at your hand
(http://www.mapsorama.com)
BIBLIOGRAFIA:
AMIN,Samir. El eurocentrismo: crítica de uma ideologia. México: Siglo
XXI, 1989.
BASSET, Thomas J.; SCHEVEN, Ivette. Maps of Africa to 1900: a checklist of
maps and atlases and geographical journals in the collections of The
University of Illinois, Urbana-Champaign. University of Illinois, 2000
(disponível on line:
http://pt.calameo.com/read/00006161621117611e585)
BRAUDE, Benjamin. “Cham et Noe: race, esclavage et exegese entre
islam, judaisme et christianisme”. Annales HSS, vol. 57, 2002, pp. 9-125.
BRAUDE, Benjamin. “Ham and Noah: sexuality, servitudinism, and
ethnicity”. Proceedings of the Fifth Annual Gilder Lerhman Center
International Conference at Yale University, 7-8 november 2003
(disponível on line: http://www.yale.edu/glc/events/race/Braude.pdf)
DEVISSE, Jean (org). L’image du noir dans l’art occidental. Volume 2,
première partie – des premiers siècles chrétiens aux grandes
découvertes. Fribourg (Suíça): Office du Livre, 1979.
DIAS, Jill R.. África: nas vésperas do mundo moderno. Lisboa: Comissão
Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses,
FALL, Yoro K.. Afrique à la naissance de la cartographie moderne: les
cartes majorquines – XIV-XV siècles. Paris: Kathala/Centre de
Recherches Africaines, 1982.
FERRONHA, António Luís (org). O confronto do olhar: o encontro dos
povos na época das navegações portuguesas. Lisboa: Editorial
Caminho, 1991.
KIMBLE, Georges T.. A geografia na Idade Media. Londrina: Editora da
UEL, 1999.
LATOUCHE, Serge. L’Occidentalisation du monde. Paris: La Découverte,
2005.
MACEDO, José Rivair. “Os filhos de Cam: a África e o saber
enciclopédico medieval”. Signum (Revista da Associação Brasileira de
Estudos Medievais – ABREM), vol. 3, 2001, pp. 101-132 (disponível on
line: http://www.pem.ifcs.ufrj.br/Filhos.pdf)
MOTA, A. Teixeira da. A África no planisfério português anónimo
“Cantino” (1502). (Centro de Estudos de Cartografia Antiga). Lisboa:
Junta de Investigações do Ultramar, 1977 (disponível on line:
http://actd.iict.pt/eserv/actd:SEPV102/web_n102.jpg)
RIBEIRO, Maria Eurydice de Barros. “O sentido da história: tempo e
espaço na cartografia medieval: séculos XII-XIII”. Tempo (Revista da
UFF),
vol.
14,
2003,
pp.
11-27
(disponível
on
line:
http://www.historia.uff.br/tempo/site/)
***

Documentos relacionados

De Mercator ao Google Maps

De Mercator ao Google Maps Na época de Swift, os exploradores europeus haviam apenas margeado as regiões costeiras da África; seu interior permanecia, para todos os fins, um mistério. Mas, como observa o poeta, em vez de sim...

Leia mais