Allehop: O Teatro Mágico lança novo disco em Abril

Сomentários

Transcrição

Allehop: O Teatro Mágico lança novo disco em Abril
Allehop: O Teatro Mágico lança novo disco em Abril
Após terminar 2015 com a turnê de 12 anos de aniversário rodando pelas principais capitais do
Brasil, o ano começou com tudo para O Teatro Mágico. Além de bater o recorde de
financiamento coletivo no Brasil com mais de 391 mil reais arrecadado em 60 dias de
campanha, a banda passou os primeiros 20 dias do ano no Rio de Janeiro gravando seu sexto
álbum - quinto de músicas inéditas. O mais novo álbum da trupe se chama "Allehop", uma
expressão usada pelos artistas circenses que indica o tempo para o início de um número
acrobático.
O novo trabalho tem a assinatura do renomado produtor Alexandre Kassin, que já trabalhou
com artistas como Vanessa da Mata, Caetano Veloso, Gal Costa, Erasmo Carlos, e Los
Hermanos. Conrado Goys, Dani Black, Danilo Souza, Jessé Santo, Lucas Silveira (Fresno),
Marcelo Jeneci, Marcos Portinari, Pedro Garcia e Pedro Martins também fazem participações
no disco.
Com previsão de lançamento para o dia 25º de abril de 2016, cerca de dois anos depois do
monocromático “Grão do Corpo”, O Teatro Mágico volta a trazer cores tanto para a capa do
disco quanto para as músicas.
Fernando Anitelli, cantor e idealizador do projeto, promete surpreender o público com uma
sonoridade bem distinta do que eles estão habituados: “Neste novo trabalho quisemos trazer
batidas que nunca fizemos antes. O disco vai ter uma característica solar, com uma energia
para cima, de não parar de dançar”, pontua Anitelli.
De acordo com Anitelli, o Allehop é melhor álbum que O Teatro Mágico já fez até agora:
“Enquanto de um lado ele dialoga com a forma clara, simples e singela que sempre compus, de
outro, ele aponta para o futuro. Com um som moderno, cheio de camadas e características
que nunca conseguimos produzir antes”, diz.
O clipe da primeira musica de trabalho, "Deixa Ser", uma parceria entre Fernando Anitelli,
Daniel Santiago e Lucas Silveira, cantor da banda Fresno, já está disponível no youtube.
O Financiamento Coletivo:
O Teatro Mágico, que sempre se destacou por sua postura independente e de contato próximo
com o público, levantou R$ 391.974,00 e se tornou a banda detentora do recorde de captação
via crowdfunding para projetos de música do Brasil. O antigo recorde era dos capixabas do
Dead Fish, que arrecadou R$258.766 em julho de 2014 também aqui no Catarse.
Três mil quinhentas e noventa e nove pessoas fizeram parte da campanha, contribuindo com
valores que vão desde R$35 até R$1000. Até agora, 12 pessoas já colaboram com o valor mais
alto para ganharem um “free pass” e poderem participar de todos os shows da banda no ano
(além de receberem diversos outros mimos). A recompensa de maior sucesso foi para os fãs
reviveram o show Entrada Para Raros (primeiro álbum do Teatro Mágico) que aconteceram em
São Paulo nos dias 5 e 6 de março. O sucesso do show foi tão grande que a banda resolveu
abrir mais quatro sessões; no Rio de Janeiro, em Belo Horizonte, em Porto Alegre e em
Curitiba.
Gustavo Anitelli, produtor da banda, falou na página do projeto como eles enxergam o
financiamento coletivo: “é um modelo de economia colaborativa que tem tudo a ver com a
história do Teatro Mágico. Nunca tivemos intermediários em nossa relação com o público e o
financiamento coletivo funciona sob a mesma lógica”.
O dinheiro captado foi utilizado para arcar com uma nova estrutura de som e luz. Com isso, em
um período de crise econômica, a banda vai reduzir o custo de produção de shows e poderão
tornar a nova turnê da banda viável sem aumentar o preço dos ingressos.
A campanha do Teatro Mágico terminou no dia 18 de março e conseguiu reunir 4.715 apoios
em 60 dias.
Um pouco da História do Teatro Mágico:
Criado pelo músico Fernando Anitelli em 2003, O Teatro Mágico se consolidou como referência
na América Latina por sua estética própria, que reúne a música com as artes performáticas, e
também pelo uso inovador da internet para formação de público. A percepção de mudanças
comportamentais - como o público se relaciona com a música e os seus artistas – trouxe para a
companhia o espírito de projeto de música livre e o uso pioneiro de redes sociais como
Facebook, Twitter e Youtube. Além da criação da sigla MPB (Música para Baixar), O TM foi um
dos pioneiros no Brasil a disponibilizar suas músicas para download gratuito.
Até agora a banda lançou quatro CDS de estúdio, três DVDS e um álbum ao vivo. Atuando na
música de forma totalmente independente, tanto na produção como na venda. Mesmo
disponibilizando todo seu conteúdo para download gratuito, o grupo já vendeu mais de três
milhões de CDS e mais de 450 mil DVDS na chamada “Lojinha”, um stand de vendas montado
durante suas apresentações, que também conta com plataforma virtual
(http://lojinhaoteatromagico.com.br).
Os números da internet também são surpreendentes: mais de 16 milhões de visualizações no
Youtube, 160.000 seguidores no Twitter, 90.000 no Instagram emais de 1.200.000 curtidas na
página oficial no Facebook.
O grupo é formado por Fernando Anitelli (voz, violão, guitarra), Zeca Loureiro (guitarra e
violão), Sérgio Carvalho (contrabaixo), Rafael dos Santos (bateria), Ricardo Braga (percussão),
Guilherme Ribeiro (teclados), e com as artistas performáticas Andrea Barbour, Nô Stopa e
Manoella Galdeano.
Os Integrantes:
Fernando Anitelli (voz e violão): ator, músico, compositor e responsável pela criação do Teatro
Mágico. Ele idealizou um projeto musical que mistura arte performática, cultura, poesia e
discussões políticas, nas quais Fernando debate assuntos relacionados a temas como a
importância da arte e da cultura independente, pluralidade e distribuição livre de conteúdo.
Atualmente ele mantém ainda um trabalho solo no formato "Voz & Violão".
Zeca Loureiro (guitarra): Produtor musical e guitarrista. Já tocou com a Luiza Possi, Nô Stopa,
Angra e Kiko Loureiro.
Sergio Carvalho (baixo): compositor natural de Manaus tem um extenso trabalho dedicado à
música instrumental. Já gravou com Chico Pinheiro, César Camargo Mariano, Banda Black Rio,
além de ter participado de vários discos e turnês do cantor Djavan.
Guilherme Ribeiro (teclado): pianista, tecladista, acordeonista, arranjador e compositor. Além
de seus trabalhos autorais, já gravou ou acompanhou artistas como Roberto Menescal,
Dominguinhos, Paulo Moura, Moraes Moreira, Tom Zé, Luiz Melodia, Gabriel Grossi, Marcos
Valle, João Bosco, João Donato, Dona Ivone Lara, Mariana Aydar, Céu, Zé Miguel Wisnik, Luiz
Tatit, entre outros.
Ricardo Braga (percussão): natural da Bahia desembarcou na trupe vindo da Letieres Leite &
Orkestra Rumpilezz, vencedora do Prêmio Bravo de Melhor CD Popular do Ano e do Prêmio da
Música Brasileira, nas categorias Revelação e Melhor Grupo Instrumental.
Rafael do Santos (bateria): de Brasília, Rafa Black está na banda desde "A Sociedade do
Espetáculo". Já tocou com Armandinho Macedo, Carlos Malta, Lula Galvão, Gabriel Grossi
entre outros.
Andréa Barbour (performance): com formação em Balé e Dança Contemporânea ela faz parte
do corpo fixo de artistas performáticos da trupe desde 2012.
Nô Stopa (voz e performance): bailarina performática e cantora. Já lançou três álbuns solo,
sendo o último, Manifesto Poesia, produzido por Fernando Anitelli. Está na trupe desde 2015.
Manoela Galdeano (performance): bailarina performática, está na trupe desde 2013 (Grão do
Corpo) com participações ocasionais.
INFORMAÇÕES PARA IMPRENSA
Ricardo Baroni
Teatro Mágico Produções Artísticas
Tels.: (11) 3862-2375 / 3672-6753 / 3681-6061
[email protected]