projeto de reconstrução histórica da família pano

Сomentários

Transcrição

projeto de reconstrução histórica da família pano
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
PROJETO DE RECONSTRUÇÃO HISTÓRICA DA FAMÍLIA
PANO: UMA VISÃO GERAL DOS RESULTADOS ALCANÇADOS
Wesley Nascimento dos Santos (UFG)1
[email protected]
Gláucia Vieira Cândido (UFG)2
[email protected]
RESUMO: O foco deste trabalho é um projeto de pesquisa intitulado Reconstrução Histórica da Família
Pano: Uma Proposta de Protoformas Fonológicas e Lexicais. Procura-se, aqui, apresentar alguns
resultados e conclusões a que chegaram os trabalhos desenvolvidos no âmbito desse projeto, bem como
aspectos mais gerais que fazem parte de tais trabalhos. Espera-se, assim, apresentar uma visão geral da
reconstrução da família etnolinguística Pano.
PALAVRAS-CHAVE: Línguas indígenas; Família Pano; Reconstrução da família Pano.
ABSTRACT: The focus of this paper is a project of research whose title is Historical Reconstruction of
Panoan Family: a Proposal of Phonological and Lexical Proto-forms. The aim is to present some results
and conclusions reached through surveys developed in the project of Panoan Reconstruction, as well as
others generals aspects belong to it. Thus, it is expected a general view of the reconstruction of the
Panoan ethnolinguistic family.
KEYWORDS: Indigenous languages; Panoan family; Reconstruction of Panoan family.
1 Introdução
O projeto Reconstrução Histórica da Família Pano: uma Proposta de
Protoformas Fonológicas e Lexicais objetiva, como se pode deduzir do título, a
reconstrução de protoformas fonológicas e lexicais de uma família de línguas indígenas
conhecida como Pano.
Pano é o nome dado a uma família etnolinguística sulamericana, cuja localização
dos seus falantes se dá em três países: Bolívia, Brasil e Peru. Trata-se da quinta maior
família de línguas da América do Sul, ficando atrás apenas das famílias Tupi-Guarani,
Jê, Carib e Arawak. Em geral, conforme as classificações mais recentes (LOOS, 1999;
1
2
Graduando pela Universidade Federal de Goiás (UFG). [email protected]
Professora Doutora da Universidade Federal de Goiás (UFG). [email protected]
270
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
RIBEIRO, 2006; FLECK, 2013), são 30 as línguas que pertencem a essa família e
estima-se que haja 30.000 falantes dessas línguas (RIBEIRO, op. cit.).
A primeira menção a essa família se deu em uma comunicação do Congresso
dos Americanistas, quando La Grasserie (1888) apresentou o trabalho De la famille
linguistique Pano, estudo pioneiro sobre línguas faladas na América do Sul a partir do
método de reconstrução largamente utilizado em trabalhos dessa natureza, conhecido
como metodologia histórico-comparativa.
Daquela data, final do século XIX, até aos dias atuais, vários trabalhos têm sido
realizados sobre essa família, dentre eles, estudos, cuja natureza é a reconstrução ou a
classificação da família Pano. O trabalho de reconstrução Pano considerado pioneiro é o
de Shell (1985), pois toma a metodologia histórico-comparativa e é mais completo em
comparação ao de La Grasserie (1888). Ainda assim, Shell (op. cit.) afirma:
La reconstrucción no pretende ser la última palavra al respecto. Tal
vez futuras investigaciones en los países de Bolívia y Brasil podrían
proveer datos para un pano más primitivo que el que podría ser
reconstruído tomando como base los presentes datos (SHELL, 1985,
p. 11).
Nesse sentido, a reconstrução histórica Pano que tome dados de línguas da
Bolívia e do Brasil se torna muito importante, visto que o trabalho da autora apenas
focalizou dados de línguas Pano peruanas. Na sequência, portanto, pretende-se
apresentar os resultados alcançados no projeto de reconstrução desenvolvido a partir de
dados de línguas brasileiras, bolivianas e peruanas, todos disponíveis em estudos
realizados nos últimos anos após o trabalho de Shell (op. cit).
O artigo está assim organizado: a seção (1) trata brevemente do aporte teórico
utilizado no projeto; a seção (2), das classificações mais recentes da família Pano; a
seção (3) reúne os estudos dos trabalhos desenvolvidos no projeto de reconstrução foco
deste artigo; na seção (4) tem-se o inventário de protofonemas consonantais e vocálicos
reconstruídos; e na seção (5), então, tem-se as protoformas lexicais reconstruídas para as
línguas Pano. Complementam o texto a conclusão e as referências.
271
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
1 Quadro teórico: metodologia histórico-comparativa
A referência teórica utilizada no projeto de reconstrução Pano é a metodologia
histórico-comparativa, tal como apresentada por Campbell (1999). Resumidamente,
essa metodologia foi desenvolvida a partir dos estudos da Linguística Histórica e da
Linguística Comparada (FARACO, 2005; GABAS JR., 2001), e consolidada
significativamente desde a reconstrução do Proto-Indo-Europeu, durante os séculos
XVIII e XIX.
2 Classificações recentes da família etnolinguística Pano
Em geral, as propostas de reconstrução de uma protolíngua partem de uma
classificação estabelecida para uma dada família ou tronco linguístico. Nesse sentido,
apresentam-se, nesta seção, as classificações mais recentes da família Pano, que são a de
Loos (1999), Ribeiro (2006) e Fleck (2013). A justificativa para apresentar essas
classificações se deve, em princípio, à natureza delas, visto que são de cunho
linguístico, diferentemente de várias outras que foram realizadas e, no entanto, baseiamse em dados geográficos para estabelecerem o pertencimento de uma língua a uma dada
família. Assim, na sequência, são ilustradas as classificações referidas, dispostas tal
como apresentadas acima.
A proposta de Loos (1999) apresenta um total de 30 línguas como pertencentes à
família Pano, das quais 14 são faladas no Brasil. O autor também informa o número
aproximado de falantes para cada língua ainda falada, bem como o país no qual estão
localizadas (Bolívia, Bo.; Brasil, Br.; Peru, P.). Do total de línguas apresentadas, o autor
divide-as em três subgrupos e um subgrupo de línguas não agrupadas, conforme
verificamos abaixo:
272
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
Subgrupo Yaminawa3
1 Yaminawa 500 P, Br.
2 Amawaka 200 P.
3 Kashinawa/Honikoin 500 P., Br.
4 Sharanawa/Shanindawa/Chandinawa/Inonawa/Marinawa 300 P.
5 Yawanawa 200 Br.
6 Chitonawa 35 P.
7 Yoranawa/Nawa/Parquenawa 200 P.
8 Moronawa 300 Br.
9 Mastanawa 100 P.
Subgrupo Chakobo
10 Chacobo 400 Bo.
11 †Arazaire P.
12 †Atsawaka P.
13 †Yamiaka P.
14 Katukina/Kamannawa/Waninnawa 300 Br.
15 Pakawara 12 Bo.
Subgrupo Kapanawa
16 Kapanawa/Pahenbakebo 400 P.
17 Shipibo/Konibo/Xetebo 8.000 P.
18 †Remo Br.
19 Marubo 400 Br.
20 †Wariapano/Panobo/Pano P.
21 Iskonawa 30 P.
22 †Kanamari/Taverí/Matoinahã Br.
Línguas não agrupadas
23 Kashibo/Kacataibo/Komabo 100 P.
24 †Kulino Br.
25 Karipuná Br.
3
‘†’ indica uma língua (provavelmente) extinta (LOOS, op. cit.).
273
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
26 Kaxarari 100 Br.
27 Matses/Mayoruna 2.000 P, Br.
28 †Nokamán Br.
29 †Poyanáwa Br.
30 †Tuxinawa Br.
Classificação das Línguas Pano (Adaptado de LOOS, 1999).
A classificação de Ribeiro (2006), a qual encerra um total de 34 línguas,
divididas em quatro grupos, dos quais os três últimos subdividem-se em pequenos
subgrupos, ao passo que o primeiro é constituído por uma única língua. Segue, então, a
ilustração da classificação de Ribeiro:
Grupo I
1 Amawaka
Grupo II
Subgrupo II-1
2 Kashibo
3 Nokaman
Subgrupo II-2
4 Shipibo
5 Kapanawa
6 Panobo
Grupo III
Subgrupo III-1
7 Iskonawa
8 Kaxinawa
Subgrupo III-2
Subgrupo III-2-1
9 Nukini
10 Remo
274
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
Subgrupo III-2-2
Subgrupo III-2-2-1
11 Kanamari
12 Katukina
13 Marubo
Subgrupo III-2-2-2
14 Mastanawa
15 Tuxinawa
16 Yoranawa
17 Sharanawa
18 Shanenawa
19 Arara
20 Yawanawa
21 Xitonawa
22 Yaminawa
Subgrupo III-2-3
23 Kaxarari
24 Poyanawa
Grupo IV
Subgrupo IV-1
25 Kapishto
26 Matsés
27 Kulina
28 Matis
Subgrupo IV-2
29 Atsawaka
30 Arazaire
31 Yamiaka
Subgrupo IV-3
275
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
32 Karipuna
33 Chacobo
34 Pakawara.
Classificação das Línguas Pano (Adaptado de RIBEIRO, 2006).
A classificação de Fleck (2013) estabelece 32 línguas. O autor, na sua
classificação, divide as línguas em dois grandes grupos e subgrupos, como ilustrado
abaixo:
I. Ramo Mayoruna45
A. Grupo Mayo
i. Subgrupo matsés
a. 1 Matses Br. P.
Matsés brasileiro, Matsés peruano, †Paud Usunkid
b. 2 Korubo Br.
Chankuëshbo, Korubo
c. *3 Kulina do rio curuçá Br.
*Chema, *Kapishtana, *Mawi
d. †4 Demushbo Br.
ii. Subgrupo matis (mais similar do ramo principal)
a. 5 Matis Br. (mais divergente deste ramo)
b. †6 Mayoruna do rio jandiatuba
c. †7 Mayoruna do rio amazonas
†Mayoruna doméstica do rio amazonas
†Mayoruna selvagem do rio amazonas
B. †8 Mayoruna do tabatinga (mais divergente deste ramo em termos de
fonologia)
4
‘*’ indica uma língua obsoleta; lembrada por alguns falantes, mas não falada diariamente (FLECK, op.
cit.).
5
‘†’ indica uma língua que se encontra em extinção (FLECK, op. cit.).
276
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
II. Ramo Principal
A. 9 Kaxarari (língua mais divergente deste ramo) Br.
B. 10 Kashibo (dialeto Kakataibo) P.
Kashibo, Kakataibo,
Nokaman (marcada como extinta em trabalhos anteriores)
C. Grupo Nawa (subgrupo ordenada a partir da língua menos divergente)
i. Subgrupo boliviano
a. 11 Chakobo/Pakawara (dois dialetos de uma língua)
b. †12 Karipuna (pode ser dialeto do Chakobo/Pakawara)
ii. Subgrupo Madre de Dios
a. †13 Atsawaka/†Yamiaka (dois dialetos de uma língua)
b. †14 Arazaire
iii. †15 Remo do rio Blanco
iv. †16 Kashinawa do rio tarauacá
v. Subgrupo marubo
a. 17 Marubo do javari
b. 18 Katukina
Katukina de olinda, Katukina de sete estrelas,
†Kanamari
c. †19 Kulina de são paulo de Olivença
‘Grupo de línguas Pano central’ (subgrupos vi-viii): proximidade
geográfica entre essas línguas influenciaram seus aspectos comuns.
vi. Subgrupo Poyanawa
a. *20 Poyanawa
b. *21 Iskonawa (muito próximo do Poyanawa, mas também
assemelha-se ao Shipibo-Konibo, Kapanawa e Amawaka)
c. *22 Nukini
d. *23 Nawa (rio môa)
e. †24 Remo do rio jaquirana
vii. Subgrupo Chama
a. 25 Shipibo-Konibo-Kapanawa (três dialetos de uma língua)
Shipibo, Konibo, *Kapanawa do rio tapiche
b. *26 Pano
277
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
†Pano, *Shetebo, *Piskino
c. †27 Sensi
viii. Subgrupo Headwaters
a. 28 Kashinawa do rio ibuaçu
Kashinawa brasileiro, Kashinawa peruano, †Kapanawa
do rio Juruá, †Paranawa
b. 29 Yaminawa (maior complexo dialético)
Yaminawa brasileiro, Yaminawa peruano, Chaninawa,
Chitonawa, Mastanawa, Parkenawa, Shanenawa,
Sharanawa - *Marinawa, Shawanawa (=Arara),
Yawanawa, *Yaminawa-arara (diferente do
Shawanawa/Arara), †Nehanawa
c. 30 Amawaka
Amawaka peruano (intermediário entre este subgrupo e
o subgrupo chama, talvez por contato geográfico)
†Nishinawa (=Amawaka brasileiro)
†Yumanawa (similar ao Kashinawa do rio ibuaçu)
d. †31 Remo do rio môa (similar ao Amawaka)
e. †32 Tuchiunawa (similar a dialetos Yaminawa)
Classificação das Línguas Pano (Adaptado de FLECK, 2013).
A proposta de reconstrução do Protopano apresentada neste artigo tem como
referência a classificação das línguas Pano realizada por Ribeiro (2006), que é
justificada pela metodologia empregada, a léxico-estatística.
3 Trabalhos realizados e em andamento no âmbito do projeto
O total de trabalhos já concluído ou, ainda em andamento, no âmbito do projeto
de Reconstrução Histórica da Família Pano: uma Proposta de Protoformas Fonológicas
e Lexicais é nove. O quadro I, a seguir, sumariza esses trabalhos, descritos em seguida,
tal como cronologicamente realizados. Ademais, a divisão no quadro se dá por meio de
grupos e subgrupos, tal como na classificação de Ribeiro (2006).
278
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
Grupo I
Santos
(2014)
Grupo II
Subgrupo
II-1
Subgrupo
II-2
Grupo III
Santos (2014)
Subgrupo III-1
Santos (2014)
Subgrupo III-2
Subgrupo III-2-1
Subgrupo III-2-2
Subgrupo III-2-21
Subgrupo III-2-22
Subgrupo III-2-3
Grupo IV
Santos
(2011)
Silva (2011)
Santos
(2015)
Subgrupo IV1
Subgrupo IV2
Subgrupo IV3
Coelho
(2014)
Santos
(2015)
Santos
(2015)
Barbosa
(2009);
Cruvinel
(2009);
Silva (2010)
Souza
(2009)
1. Quadro das referências dos trabalhos no âmbito do projeto de reconstrução Pano
Como se vê pelo quadro acima, os primeiros trabalhos realizados no âmbito do
projeto foram os de Barbosa (2009), Cruvinel (2009) e Souza (2009). O trabalho de
Barbosa (2009) tomou algumas línguas do Grupo III/Subgrupo III-2-2-2 da
classificação de Ribeiro (op. cit.), mais especificamente, as línguas Shanenawa e
Sharanawa. Cruvinel (2009) também tratou de algumas das línguas do Grupo
III/Subgrupo III-2-2-2, especificamente: Yoranawa, Yawanawa e Yaminawa. Souza
(2009) tomou as línguas que pertencem ao Grupo III/Subgrupo III-2-3: Kaxarari e
Poyanawa. Silva (2010) abordou as línguas pertencentes ao Grupo III/Subgrupo III-2-22: Mastanawa, Tuxinawa, Arara e Xitonawa. Santos (2011) tomou as línguas do Grupo
III/Subgrupo III-1: Iskonawa e Kaxinawa. Silva (2011) tomou as línguas que pertencem
ao Grupo III/Subgrupo III-2-1: Nukini e Remo. Coelho (2014) tomou as línguas do
Grupo IV/Subgrupo IV-1: Kapishto, Matsés, Kulina e Matis. Santos (2014) tomou as
línguas dos Grupos I, cujo único constituinte é a língua Amawaka, e do Grupo
II/Subgrupos II-1 e Subgrupo II-2: Kashibo e Nokaman como pertencentes ao primeiro,
ao passo que o segundo tem as línguas Shipibo, Kapanawa e Panobo como pertencentes
a tal. Por fim, Santos (2015, ms.), em andamento, toma as línguas dos grupos Grupo
III/Subgrupo III-2-2-1: Kanamari, Katukina e Marubo; Grupo IV/Subgrupo IV-2:
Atsawaka, Arazaire e Yamiaka; e Grupo IV/Subgrupo IV-3: Karipuna, Chacobo e
Pakawara como constituintes.
279
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
Na seção seguinte, pretende-se descrever o inventário de fonemas reconstruídos
para cada grupo ou subgrupo objeto dos trabalhos referidos acima, ou seja, as
protoformas fonológicas consonantais (3.1) e vocálicas (3.2).
4 Descrição dos protofonemas
4.1 Os protofonemas consonantais
Esta subseção descreve os protofonemas consonantais reconstruídos para os
grupos e subgrupos objetos dos trabalhos apresentados em (2). Assim, a seguir, o
quadro 2 sumariza esses protofonemas consonantais.
REFERÊNCIA6
Barbosa (2009)
Cruvinel (2009)
Souza (2009)
Silva (2010)
Santos (2011)
Silva (2011)
Coelho (2014)
Santos (2014)
Santos (2015)
PROTOFONEMAS CONSONANTAIS
*p *t *k
*p
*p
*p
*p
*p
*p
*t
*t
*t
*t
*t
*t
*k
*k
*k
*k
*k
*k
*m *n
*ʔ *b *d *m *n
*b
*m *n
*b
*m *n
*ʔ *b *d *m *n
*ʔ
*m *n
*ʔ
*m *n
*r *β
*s *ʃ *ʂ
*ɾ *β *v *s
*s
*ɾ *β *v *s
*ɾ *β *v *s
*ɾ *β
*s
*ɾ *β
*s
*ʃ *ʂ
*ʂ
*ʃ
*ʃ *ʂ
*ʃ *ʂ
*ʃ *ʂ
*h *ts *tʃ
*w *j
*h *ts
*ts
*h
*h *ts
*h *ts
*h *ts
*w *j
*w
*j
*w *j
*w *j
*w *j
*tʃ
*tʃ
*tʃ
*tʃ
*tʃ
Quadro 2. Inventário dos protofonemas consonantais da reconstrução Pano
Como se pode perceber, os segmentos consonantais estão basicamente divididos
e agrupados em oclusivo – nasal – tepe – fricativo – africado - aproximante. A
descrição, abaixo, de cada um, se dará nessa sequência. Antes, porém, algumas
observações sobre a ocorrência desses segmentos nesses grupos e subgrupos de línguas.
6
Os trabalhos de Barbosa (2009) e de Souza (2009) não estabelecem um inventário de protoformas
fonológicas consonantais.
280
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
Os segmentos oclusivos, a maioria surdos, ocorrem em todos os grupos ou os
subgrupos, aqui, em análise. Somente os trabalhos de Silva (2010) e Coelho (2014)
estabelecem as contrapartes vozeadas das oclusivas bilabial /p/ e alveolar /t/, que são
respectivamente /b/ e /d/. Outros dois trabalhos, Santos (2011) e Silva (2011),
estabelecem somente a contraparte vozeada para a oclusiva alveolar /t/, que é o /d/.
Ainda quanto às oclusivas, Cruvinel (2009), Santos (2011) e Silva (2011) não
estabelecem a oclusiva glotal /ʔ/ como um protofonema do inventário.
Diferentemente das oclusivas, as nasais bilabial /m/ e alveolar /n/ fazem parte de
todos os inventários dos trabalhos realizados. Quanto ao tepe /ɾ/, todos os estudos,
exceto o de Santos (2011), estabelecem esse som como protofonema do inventário.
Em relação às fricativas, a bilabial /β/ figura somente no trabalho de Santos
(2011). A fricativa lábio-dental /v/ aparece somente em Silva (2010), Silva (2011) e
Coelho (2014). A ocorrência da fricativa alveolar /s/ é majoritária, visto que está
presente em todos os inventários de protofonemas estabelecidos. A fricativa álveopalatal /ʃ/ só não aparece no trabalho de Santos (2011). Já em relação à fricativa
retroflexa /ʂ/, esta só não figura no inventário do trabalho de Silva (2011). Enfim, a
fricativa glotal /h/ não ocorre apenas em Santos (2011). Por sua vez, as africadas
alveolar /ts/ e álveo-palatal /tʃ/ ocorrem em praticamente todos os inventários, com
exceção de Silva (2011). Finalmente, quanto às aproximantes, as únicas exceções são
que a aproximante velar /w/ não ocorre no inventário de Silva (2011), enquanto a palatal
não ocorre no inventário de Santos (2011).
4.2 Os protofonemas vocálicos
No quadro 3, a seguir, são apresentadas as vogais (ou protofonemas vocálicos).
281
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
REFERÊNCIAS7
Barbosa (2009)
Cruvinel (2009)
Souza (2009)
Silva (2010)
Santos (2011)
Silva (2011)
Coelho (2014)
Santos (2014)
Santos (2015)
PROTOFONEMAS VOCÁLICOS
*i
*ɨ
*o
*a
*i
*ɨ
*o
*a
*i
*ɨ
*u
*a
*i
*ɨ
*e *u
*a
*i
*ɨ
*u
*o
*a
*i
*ɨ
*o
*a
*i
*ɨ
*u
*o
*a
Quadro 3. Inventário dos protofonemas vocálicos da reconstrução Pano
Neste sentido, a vogal alta anterior /i/ é descrita para todas os grupos e os
subgrupos do quadro 3, assim como a vogal alta central /ɨ/. Ainda, a vogal média-alta
anterior /e/ aparece somente no trabalho de Silva (2011). A vogal alta posterior /u/, por
sua vez, não ocorre em Cruvinel (2009), Silva (2010) e Santos (2014). A vogal médiaalta posterior /o/ não ocorre no inventário de (Souza, 2009), Santos (2011), Silva (2011)
e Coelho (2014). Enfim, a vogal baixa central /a/ ocorre em todos os trabalhos.
4. 3 Breve inventário de protofonemas do Protopano
Com base nas informações dispostas nos quadros 1 e 2, apresenta-se, abaixo, no
quadro 3, um breve inventário dos protofonemas consonantais do Protopano e, em
seguida, no quadro 4, o inventário de protofonemas vocálicos do Protopano.
7
Os trabalhos de Barbosa (2009) e de Souza (2009) não estabelecem um inventário de protoformas
fonológicas vocálicos.
282
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
Oclusivo
Bilabial Lábio- Alveolar
Álveo-
Dental
Palatal
*p
*t
*b
*d
Nasal
*m
*k *ʔ
*n
*ɾ
Tepe/Flepe
Fricativa
Retroflexa Palatal Velar Glotal
*β *v
*s
*ʃ
*ʂ
*h
*j
Aproximante
*ts
Africada
*w
*tʃ
4. Breve inventário dos protofonemas consonantais do Protopano
Como se vê, a partir do quadro 4, em Protopano, provavelmente, o inventário de
sons consonantais tinha 19 protofonemas, que, conforme o modo de articulação,
subdividiam-se em oclusivos, nasais, tepe, fricativos, aproximantes e africadas. E,
conforme o ponto de articulação desses sons, estes subdividiam-se em bilabiais, lábiodentais, alveolares, álveo-palatais, retroflexos, palatais, velares e glotais.
Alta
Anterior
Central
Posterior
*i
*ɨ
*u
*o
Média-Alta
Média-Baixa
*a
Baixa
5. Breve inventário dos protofonemas vocálicos do Protopano
A partir das informações no quadro 4, tem-se que, em Protopano,
provavelmente, havia cinco vogais. Conforme o grau de abertura da boca, elas se
subdividiam em alta, medial-alta e baixa. De acordo com a posição da língua na boca,
elas se subdividiam em anterior, central e posterior.
283
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
5 Descrição das protoformas lexicais
As protoformas lexicais reconstruídas no trabalho de reconstrução histórica da
família Pano são cognatos que, em teoria, fazem parte do vocabulário básico de todas as
línguas Pano e, claro, do mundo. Esses cognatos são baseados na lista de Swadesh
(1950), que inclui, em geral, nomes de animais, plantas, partes do corpo, cores, números
etc. A seguir, na seção (4.1), tem-se a apresentação e a descrição desses cognatos.
5.1 Protoformas lexicais reconstruídas
Esta seção pretende apresentar os cognatos utilizados na reconstrução Pano e,
também, bem como os que foram reconstruídos nos trabalhos referendados, aqui.
Assim, abaixo, o quadro 4 sumariza os cognatos utilizados e, também, reconstruídos
pelos trabalhos utilizados para este texto. Como se tratam de nove trabalhos cujos
resultados devem ser dispostos num quadro, decidiu-se dividi-los e, assim, os quatro
primeiros se encontram na primeira parte, enquanto o restante, na segunda parte. O
símbolo ‘*’ indica uma forma hipotética.
Português
1. animal
Barbosa (2009)
-
Cruvinel (2009)
-
Souza (2009)8
-
Silva (2010)
-
2. cachorro
*kaman
*ia
-
*paʂta
3. pássaro
-
*pɨij/*pɨja
-
*pɨijaʔ
4. cobra
-
-
-
-
5. peixe
-
*joma
-
*ʂ mã
6. piolho
*ia
-
-
*ʔija
7. verme
-
-
-
-
8. grama
-
-
-
-
9. árvore
-
*iwi
-
*ʔiwi
8
O trabalho de Souza (2009) não apresenta um quadro de cognatos e, consequentemente, de protoformas
lexicais reconstruídas.
284
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
10. nome
*anɨ
*anɨ
-
*ada/ *kɨda
11. papai
-
-
-
-
12. mãe
-
-
-
-
13. esposo
-
-
-
-
14. esposa
-
-
-
*ãw
15. homem
-
-
*doʔopɨdɨ
16. mulher
-
*nokohɨnɨ/
*nokɨβɨnɨ
*kɨɾo
-
*ʔɨihoʔ
17. criança
-
-
-
*waʔɨ
18. pessoa
-
-
-
-
19. cabeça
-
*mapo
-
*bãpo
20. orelha
-
*patʃo
-
*patʃoʔ
21. olho
-
*hɨɾo/*βɨɾo/*wɨɾo
-
*wɨɾo
22. nariz
-
*ɨɾtʃoko
-
*lɨtʃoʔo
23. boca
-
-
-
*aʂa
24. língua
*ana
*ana
-
*ʔãda
25. dente
*ʂɨta
*ʂɨtɨ
-
*ʂɨta
26. pescoço
-
*tɨʂo
-
*tiʂo
27. barriga
-
*posto
-
*ʔatõ
28. costas
-
-
-
-
29. rabo
*ina
*ina
-
* da
30. perna
-
-
-
-
31. pé
*taɨ
*taɨ
-
*taɨ
32. asa
-
-
-
-
33. mão
*mɨfi
*mɨkɨn
-
-
34. coração
-
*oiti
-
*ʔ ti
35.entranhas
-
-
-
-
*taka
*taka
-
*taʔa
37. osso
-
*ʂao
-
*ʂao
38. carne
*nami
*nami
-
*dabi/ *dabɨj
39. gordura
*ʂɨni
-
-
*ʂɨdi
40. pele
*fitʃi
*hitʃi/*βitʃi
-
*βitʃiʔ
36. fígado
285
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
-
*ho
-
*ho/*hoo
42. pena
*pɨi
*pɨi
-
-
43. sangue
*imi
*imi
-
*ʔ bi
44. raíz
-
*tapo
-
*tapo
45. casca
-
*saka/ *ʂaka
-
-
46. folha
*pɨi
*pɨi
-
*pɨi
47. flor
-
-
-
-
48. fruta
-
-
-
-
*ɨʂɨ
-
-
*ʔɨʂɨ
50. pau
-
-
-
-
51. cinza
-
*mapo
-
*ʂibapo
52.montanha
-
*maki/ *matʃi
-
-
53. floresta
-
-
-
-
54. rio
-
-
-
-
55. lago
-
-
-
*ã
56. mar
-
-
-
-
57. água
*ɨnɨ
-
-
*βaʔa
58. gelo
-
-
-
-
59. fogo
-
*tʃi
-
*tʃi
60. fumo
-
*koi
-
-
61. terra
*mai
*mai
-
*bai
62. poeira
-
-
-
-
63. areia
-
*maʃi
-
*baʂi
64. pedra
-
-
-
*baʂaʂ/ *maʂaʂ
65. estrada
-
-
-
*diti
66. ovo
-
*ʃini/*ʂɨni
-
*too
67. chuva
-
*oi
-
*ʔei
68. neve
-
-
-
-
69. neblina
-
-
-
-
70. céu
-
-
-
*dai
71. nuvem
-
-
-
-
72. vento
-
-
-
-
41. cabelo
49. semente
286
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
*faɾi
-
-
*βaɾi
74. estrela
-
*iʃti
-
*daiβiɾo
75. dia
-
-
-
-
76. noite
-
*jamɨ
-
*jabɨ
77. ano
-
-
-
-
78. corda
-
-
-
*ɾiʂi/*diʂi
79. sal
-
-
-
-
80. eu
*ɨn
*ɨn
-
*ʔ
81. tu
*mɨn
*min
-
*mi
82. ele
-
-
-
-
83. eles
-
-
-
-
84. nós
-
*no
-
*nõ
85. vós
-
-
-
-
86. quem
-
*tsoa
-
*tsõa
87. o quê
-
*awa/awi
-
*awa
*na
-
-
*da
89. aquele
-
-
-
-
90. viver
-
-
-
-
*nai
*na
-
*da
92. congelar
-
-
-
-
93. crescer
-
-
-
-
94. cair
-
-
-
-
95. respiɾar
-
-
-
-
96. soprar
-
-
-
-
97. dormir
-
oʂa
-
*oʃa
98. mentir
-
-
-
-
99. sentar
-
*tsao
-
*tsaowɨ
100. parar
-
-
-
-
101. flutuar
-
-
-
-
102. fluir
-
-
-
-
103. vir
-
*o
-
-
104.
-
-
-
-
73. sol
88. este
91. morrer
287
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
Caminhar
105. voar
-
*joja/*noja
-
-
106. nadar
-
*topi
-
-
107. voltar/girar
-
-
-
-
108. jogar
-
-
-
-
109. ver
-
*owi
-
*õiwɨ
110.cheirar
-
-
-
-
111. ouvir
-
*nika
-
*diʔawɨ
112. saber
-
*tapi
-
-
113. pensar
-
-
-
-
114. temer
-
-
-
-
115. contar
-
-
-
-
116. dizer
-
-
-
-
117. cantar
-
-
-
-
118. rir
-
-
-
-
119. comer
*pii
*pi
-
*pi
120. beber
*ajai
-
-
*aja
121. chupar
-
-
-
-
122. morder
-
-
-
*daka
123. esculpir
-
-
-
-
124.vomitar
-
-
-
-
125. rasgar
-
-
-
-
126. casar
-
-
-
-
127.queimar
-
*ko
-
*kooa
128.costurar
-
-
-
-
129. amarrar
-
-
-
-
130. pular
-
-
-
-
131. lançar
-
-
-
-
132. empurrar
-
-
-
-
133. apertar
-
-
-
-
134. cavar
-
-
-
-
135. lavar
-
-
-
-
288
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
136. limpar
-
-
-
-
137.esfregar
-
-
-
-
138. dar
-
-
-
*inawɨ
139.
aguarrar
141. rachar
-
-
-
-
-
-
-
-
142. lutar
-
-
-
-
143. acertar
-
-
-
-
144. perfurar
-
-
-
-
*ɾɨtɨi
*ɾɨtɨ
-
*ɾɨtɨ
-
-
-
-
147. quente
*ʂana
*ʂana
-
*ʂadaʔ
148. frio
*matsi
matsi
-
*batsi
149. forte
-
-
-
-
150. aborrecido
-
-
-
-
151. podre
-
-
-
-
152. reto
-
-
-
-
153. sujo
-
-
-
-
154. pesado
-
-
-
-
155. molhado
-
-
-
-
156. seco
-
-
-
*bɨto
157. negro
-
-
-
-
158. branco
-
*oʂo
-
*ʔoʂo
159. roxo
-
-
-
-
160. amarelo
-
-
-
-
161. verde
-
-
-
*ʃo
162. novo
*fɨna
*ʂɨna
-
-
163. velho
-
-
-
-
164. bom
-
*ʂaɾa
-
*ʂaɾa
165. mal
-
-
-
-
166. aqui
-
-
-
-
167. lá
-
-
-
-
145. matar
146. liso
289
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
168. perto
-
-
-
-
169. longe
-
-
-
-
170. direita
-
-
-
-
171 esquerda
-
-
-
-
172. grande
*ɨwapa
*ɨwapa
-
-
173. largo
-
-
-
174. grosso
-
-
-
-
175. pequeno
-
-
-
*ʔɨwapa
176. fino
-
-
-
-
177. estreito
-
-
-
-
178. longo
-
*tʃaini
-
-
179. curto
-
-
-
-
180. um
*wisti
*wisti/ *wɨsti
-
-
181. dois
*ɾawɨ
*ɾawɨ
-
-
182. três
-
-
-
-
183. quatro
-
-
-
-
184. cinco
-
-
-
-
185. muitos
-
*itʃapa
-
*ʔitʃapa
186. poucos
-
-
-
-
187. todos
-
-
-
-
188. alguns
-
-
-
-
189. outro
-
-
-
-
190. onde
-
-
-
-
191. quando
-
-
-
-
192. como?
-
-
-
-
193.
em
(dentro)
194. correto
-
-
-
-
-
-
-
-
195. não
-
*ma
-
-
196. e
-
-
-
-
197. porque
-
-
-
-
198. se
-
-
-
-
290
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
199. em (LOC)
-
-
-
-
200. com
-
-
-
-
Quadro 6. Protoformas reconstruídas no âmbito do projeto de reconstrução Pano
Português
Santos
Silva (2011)
(2011)
Coelho
Santos
(2014)
(2014)
Santos (2015)
1. animal
2. cachorro
-
-
*wapa
3. pássaro
4. cobra
5. peixe
*isa
-
*tʃapa
6. piolho
7. verme
8. grama
9. árvore
10. nome
11. papai
12. mãe
13. esposo
14. esposa
15. homem
16. mulher
17. criança
18. pessoa
19. cabeça
20. orelha
*ia
*iwi
*anɨ
*ainbu
-
*anɨ
*ani
*awin
*tʃidabo
*maʂo
-
*ʔia
*noiN
*hiwi
*hanɨ
*papa
*titã
*βɨnɨ
*ʔawiN
*βɨnɨ
*ʂanu
*βakɨ
*honi
*maʂpo
*paβinki
*mapu/*mapo
*paCoki
21. olho
22. nariz
23. boca
24. língua
25. dente
*wɨu/*bɨu
*kiʂa
*ana
*ʂɨta
*bɨdu
-
*βɨɾu
*ɾɨkiN
* kɨʂa
*hana
*ʂɨta
*βɨɾo
*ɾɨkini
*
*hana
*ʂɨta
26. pescoço
27. barriga
*tɨʂu
-
*mahtu/
*naʃtu
*iɾabu
*aibu/*aivu
*mapu
*pabiki/
*pabim
*bɨɾu
*kɨha
*ana
*sita/*hɨta/
*ʃɨta
*puhtu/*puku
*johina
*ʔotʃiti/
*ʔutʃiti
*ʔisa
*ɾono
*japa
-
*tɨpuku
*pusto
28. costas
29. rabo
30. perna
31. pé
32. asa
*ina
*taɨ
-
*tai/*taki
-
*tɨʂu
*poko/
*puku
*katɨ/*kaʂo
*hina
*kisi
*taɨ
*pɨhi
-
*ɾunu/*ɾuno
*ia
*hiwi
*papa
*ɨwa
*βɨnɨ
*huni
*
*
*
*taʔɨ
*
291
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
33. mão
*mɨkɨn
34. coração
35.entranhas
36. fígado
37. osso
38. carne
39. gordura
40. pele
41. cabelo
42. pena
43. sangue
44. raíz
*witi/*winti
*taka
*ʂau
*nami
*bitʃi
*imi
*tapu
45. casca
46. folha
47. flor
48. fruta
49. semente
50. pau
51. cinza
52.montanha
53. floresta
54. rio
55. lago
56. mar
57. água
*ʂaka
*pɨtʃɨ/*pɨ
*tʃimapu
*matʃi
*vaka/
*waka
*tʃi
*kui
*mai
*maʃi
*maʂaʂ
*batʃi
*ui
*naikui/
*naikuin
-
58. gelo
59. fogo
60. fumo
61. terra
62. poeira
63. areia
64. pedra
65. estrada
66. ovo
67. chuva
68. neve
69. neblina
70. céu
71. nuvem
72. vento
73. sol
74. estrela
75. dia
*manku /
*minkin
*witi/* ite
*vu/*vou
-
-
*mɨkɨN
*mɨkɨnɨ
*nami
-
*
*
*taka
*ʂau
*nami
*βitʃi
*himi
-
-
*tʃiʃi
*waka
*hoiNti
*puku
*taka
* ʂao
*nami
*ʂɨni
*ʂaka
*βuu/*βoo
*pɨhi
*himi
*tapuN/
*tapoN
*ʂaka
*pɨhi
*hua
*βimi
*βɨɾo
*hiwi
*tʃimapo
*ni
*paɾo
*hiaN
*ʔompaʂ
*pɨʔi
*βimi
*hiwi
*waka
*waiti/*mɨtɨ
*ui/*ʔoi
-
*masi
*meko
*tu
*we
-
*tʃi
*kohiN
*maia
*poto/ *putu
*maʃi
*makaN
*βai
*βaʃi
*hoi
*nai
*naikohiN
*tʃiʔi
*maβi > *maj
*maʃi
*βaʔi
*βatʃi
*ui
*nai
-
*vaɾi/*βaɾi
-
-
*niwɨ
*βaɾi
*ʔwiʃpiN
*nɨtɨ
*βaɾi
-
292
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
76. noite
77. ano
78. corda
79. sal
80. eu
81. tu
82. ele
83. eles
84. nós
85. vós
86. quem
87. o quê
88. este
89. aquele
90. viver
91. morrer
92. congelar
93. crescer
94. cair
95. respiɾar
96. soprar
97. dormir
98. mentir
99. sentar
100. parar
101. flutuar
102. fluir
103. vir
104.
Caminhar
105. voar
106. nadar
107.
voltar/girar
108. jogar
109. ver
110.cheirar
111. ouvir
112. saber
113. pensar
114. temer
115. contar
116. dizer
117. cantar
118. rir
119. comer
120. beber
*jami
*ɨ
*mi
*nu
*
*na
*mawa
*uʂa
*tsao
*u
-
*mi
*uha/*usa
-
*nuki
*mikui
*kun
*akid
*uʃ
*tʃo
-
*jamɨ
*βaɾitia
* ɾisβi
*taʃi
*hɨa
*mia
*ha
*hatu
*nokɨ
*matu
*tsua
*hawɨ
*mawati
*pakɨti
*howinti
*ʂonki
*huʂati
*hoti
*niti
*jama
*mi(-n)/*mina
*nu
*mato
*hawɨ
*pakɨa
*oʂa/*uʃa
-
*nuja
-
-
-
*nujanti
-
-
*ui/*uin
*nika/ *ninka
*unai/ *unan
*pi
-
*pi
-
*sinan
*ak
*histiN
*ʂɨtɨtiN
*ninkakiN
*ʔunãntiN
*ʃinãntiN
*topontiN
*johikiN
*βɨwati
*pitiN
*ʂɨatiN
*tana
*ʃinana
*pipa
-
293
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
121. chupar
122. morder
123. esculpir
124.vomitar
125. rasgar
126. casar
127.queimar
128.costurar
129. amarrar
130. pular
131. lançar
132.
empurrar
133. apertar
134. cavar
135. lavar
136. limpar
137.esfregar
138. dar
139.
aguarrar
141. rachar
142. lutar
143. acertar
144.
perfurar
145. matar
146. liso
147. quente
148. frio
149. forte
150.
aborrecido
151. podre
152. reto
153. sujo
154. pesado
155.
molhado
156. seco
157. negro
158. branco
159. roxo
160. amarelo
161. verde
162. novo
163. velho
-
-
-
*natɨʂtiN
*kinantiN
*kɨʂɨtiN
*nɨʂakiN
*ninikiN
-
-
-
-
*ʃik
*mene
-
* tʃokatiN
*ʔinankiN
-
-
-
-
-
-
-
*ɨtɨ
*ʂana
*matsi
-
-
*ak
*waduʂ
-
*ɾɨtɨkiN
*ʔitsis
*matsi
*kɨʂu
-
*itsisa
*matsi
-
-
-
-
*pajoti
*hiwɨ
*mɨtʃati
*tʃuʃta
*ɨwɨ
*ʂu
-
-
*wisu
*ʃin
*maʂto
*tʃoʃiti
*tʃoʂa
*hoʂo
*huʃiN
*βɨna
*ʂɨni
*tʃɨʂɨ
*uʃu
*βɨna
294
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
-
-
-
169. longe
170. direita
171 esquerda
172. grande
173. largo
174. grosso
175.
pequeno
176. fino
177. estreito
178. longo
179. curto
180. um
181. dois
182. três
183. quatro
184. cinco
185. muitos
186. poucos
*ɨwapa
-
-
*tʃi
-
*tʃai
*abɨ
*itʃaka
-
-
-
187. todos
188. alguns
189. outro
190. onde
191. quando
192. como?
193.
em
(dentro)
194. correto
195. não
196. e
197. porque
198. se
199.
em
(LOC)
200. com
-
-
*ma
-
-
164. bom
165. mal
166. aqui
167. lá
168. perto
*nɨnu
*ʔonu
*ʔoɾama/
*ʔotʃama
* mɨkajau
*mɨmiu
*tʃa
* kɨʂtu
-
*nina
-
*wisti
*ɾavu
-
-
* tʃai
*ɾaβɨ
*kimiʃa
*ʔitʃa
*ʔitsamaʃi/
*ʔitʃamaʃi
*wɨtsa
*hawɨɾãnu
*hawɨkɨsa
-
*ai
*ano
*jama
-
*ma
*hawɨ
-
-
-
Quadro 6. Protoformas reconstruídas no âmbito do projeto de reconstrução Pano.
295
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
Conclusões
O projeto de reconstrução histórica, foco do presente artigo, tal como
apresentado aqui, tem por objetivo a reconstrução histórica da família Pano. Trata-se de
um estudo que toma dados de línguas de todos os países onde os falantes Pano se
encontram.
O artigo trouxe, inicialmente, alguns aspectos etnográficos da família Pano e fez
uma breve apresentação da referência teórica do projeto de reconstrução Pano. Na seção
(2), foram apresentadas as classificações mais recentes da família Pano, dentre as quais
a de Ribeiro (2006), que é aquela utilizada na proposta de reconstrução do Protopano
em questão. Na seção (3), tem-se a descrição dos trabalhos realizados durante a
execução do projeto de reconstrução. Na seção (4), os resultados dos trabalhos
relacionados na seção (3), tais como os inventários de protofonemas consonantais e
vocálicos reconstruídos e, na seção (5), as protoformas reconstruídas, quando fora
possível.
Por meio dos inventários de protofonemas reconstruídos, sejam consonantais ou
vocálicos, viu-se que há uma semelhança quase que completa entre estes, assim como
nas protoformas reconstruídas, visto que, também, há poucas mudanças nesses
cognatos. Essas prévias conclusões, haja vista que o projeto de reconstrução ainda não
está de todo concluído, reforça as palavras de Erikson (1992) sobre a homogeneidade
linguística, territorial e cultural da família Pano, a qual provavelmente se deve, também
reforçando Loos (1999), à recente separação que as línguas Pano atuais tiveram do
Protopano.
Referências
BARBOSA, Raphael Augusto Oliveira; CÂNDIDO, Gláucia Vieira; CRUVINEL,
Agmar; RIBEIRO, Lincoln Almir Amarante. Relatório final de pesquisa relativa ao
projeto de pesquisa Reconstrução Histórica da Família Pano: uma proposta de
protoformas para um subgrupo de línguas. Unidade de Ciências Sócio-Econômicas e
Humanas - UNUCSEH -Universidade Estadual de Goiás. Anápolis: 2009. 17p.
296
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
CAMPBELL, Lyle. Historical Linguistics: an introduction. 2 ed. Cambridge: MIT
press, 1999.
COELHO, Karla Andressa Medeiros; CÂNDIDO, Gláucia Vieira. Relatório final de
pesquisa relativa ao Projeto de Reconstrução Histórica da Família Pano: uma
proposta de protoformas fonológicas e lexicais. Faculdade de Letras – Universidade
Federal de Goiás. Goiânia: 2014.
CRUVINEL, Agmar. Proposta de protoformas fonológicas e lexicais para as línguas
Yaminawa, Yawanawa e Yoranawa. 2009. 26 p. TCC (Licenciatura em LetrasPortuguês/Inglês). Unidade de Ciências Sócio-Econômicas e Humanas - UNUCSEH Universidade Estadual de Goiás, Anápolis
ERIKSON, Philippe. Uma singular pluralidade: a etno-história Pano. In: CUNHA,
Manuela Carneiro (org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das
Letras, 1992. p. 239-252.
FARACO, Carlos Alberto. Linguística Histórica: uma introdução à história das
línguas. São Paulo: Parábola, 2005.
FLECK, David. Panoan languages and linguistics. Anthrophological papers of the
American Museum of Natural History, n 99. New York: 2013.
GABAS JR., Nilson. Linguística histórica. In: MUSSALIN, Fernada; BENTES, Ana
Cristina (orgs.). Introdução à linguística: domínios e fronteiras. São Paulo: Cortez,
2001. p. 77-103.
GRIMM, Jacob. Deutsche grammatik. Berlin: 1870 [1819, 1937].
LA GRASSERIE, Raoul. De la famille linguistique Pano. Actas del VII Congreso
Internacional de Americanistas. Berlin: 1888. p. 438-450.
LOOS, Eugene E. LOOS. Pano. In: DIXON, Robert. M. W.; AIKHENVALD,
Alexandra. Y. (eds). The Amazonian Languages. Cambridge: Cambridge University
Press: 1999. p. 227-250.
RIBEIRO, Lincoln Almir Amarante. Uma proposta de classificação interna das línguas
Pano. Revista Investigações, Linguística e Teoria Literária, Recife, v. 19, p. 1-25,
2006.
SANTOS, Samantha Borges. Reconstrução da protolíngua Pano: proposta de
protoformas fonológicas e lexicais para as línguas Kaxinawá e Iskonawa. 2011. 21
p. TCC (Licenciatura em Letras – Português/Inglês). Unidade de Ciências SócioEconômicas e Humanas - UNUCSEH -Universidade Estadual de Goiás, Anápolis.
SANTOS, Wesley Nascimento; CÂNDIDO, Gláucia Vieira. Reconstrução Histórica da
Família Pano: uma proposta de protoformas fonológicas e lexicais para as línguas
Amawaka, Kashibo, Nokaman, Shipibo, Kapanawa e Panobo. In: Grupo de Estudos
Linguísticos de São Paulo (GEL), Campinas. Painel apresentado em 2 jul. 2014.
Campinas: Universidade Estadual de Campinas – Unicamp. Disponível em:
http://www.gel.org.br/ProgramacaoFinal2014.php. Acesso em: 15 jul. 2014.
297
Web-Revista SOCIODIALETO • www.sociodialeto.com.br
Bacharelado e Licenciatura em Letras • UEMS/Campo Grande
Mestrado em Letras • UEMS / Campo Grande
ISSN: 2178-1486 • Volume 5 • Número 15 • Maio 2015
Edição Especial • Homenageado
ARYON DALL'IGNA RODRIGUES
______. Reconstrução Histórica da Família Pano: uma proposta de protoformas
fonológicas e lexicais para as línguas Kanamari, Katukina, Marubo, Kaxarari,
Poyanawa, Atsawaka, Arazaire, Yamiaka, Karipuna, Chacobo e Pakawara.
Manuscrito. Goiânia: 2015.
SHELL, Oliver A. Estudios Pano III: las lenguas Pano y su reconstrucción. Serie
Lingüística Peruana, n. 12, 2 ed. Lima: Instituto Linguistico de Verano, 1985.
SILVA, Eclenir; CÂNDIDO, Gláucia Vieira. Relatório final de pesquisa relativa ao
projeto de pesquisa Reconstrução Histórica da Família Pano: uma proposta de
protoformas para um subgrupo de línguas. Unidade de Ciências Sócio-Econômicas e
Humanas - UNUCSEH -Universidade Estadual de Goiás. Anápolis: 2010. 27p.
SILVA, Gyovanna Milhomen. Reconstrução da protolíngua Pano: proposta de
protoformas fonológicas e lexicais para as línguas Nukini e Remo. 2011. 24 p. TCC
(Licenciatura em Letras – Português/Inglês). Unidade de Ciências Sócio-Econômicas e
Humanas - UNUCSEH -Universidade Estadual de Goiás, Anápolis.
SOUZA, Nayara Fernandes. Um estudo comparativo entre as línguas Kaxarari e
Poyanawá da família Pano. 2009. 33 p. TCC (Licenciatura em Letras –
Português/Inglês. Unidade de Ciências Sócio-Econômicas e Humanas - UNUCSEH Universidade Estadual de Goiás, Anápolis.
Recebido Para Publicação em 28 de fevereiro de 2015.
Aprovado Para Publicação em 13 de maio de 2015.
298

Documentos relacionados

a sociolinguística aplicada ao ensino: como os docentes vêem as

a sociolinguística aplicada ao ensino: como os docentes vêem as consideradas como variantes linguísticas de menos prestígio, ou normas-não-padrão. A variação de prestígio social, diz respeito às diretrizes atribuídas pela gramática normativa, onde o jeito de “f...

Leia mais