Visualizar

Сomentários

Transcrição

Visualizar
Risco de Mercado: Desafios para o
Segmento de Capitalização
(4o Encontro Nacional de Atuários)
16/09/2015
A resolução sobre Capital para Risco de Mercado foi
publicada no final de 2014
(e revogada pela Resol. CNSP 321/2015)
CAPITAL REGULATÓRIO
Value At Risk (VaR)
(99% de confiança, horizonte de tempo de 3 meses)
• Arquivos em 2015 (periodicidade semestral e, posteriormente, trimestral)
• Capital: 0% em 2015, 50% em 31/12/2016 e 100% a partir de 31/12/2017
Page 2
Esta legislação tem um impacto relevante nas sociedades
de capitalização
Estudo de Impacto – SUSEP: (29 Empresas Participantes)
Grupos
CMR/Ativos Totais
CMR Anterior/Ativos Totais
Risco de Mercado/CMR
Total
13,1%
10,0%
42,7%
Vida e Previdência
8,1%
4,7%
53,5%
Não Vida
14,4%
12,2%
26,3%
Resseguradora
25,6%
25,0%
26,0%
Capitalização
9,1%
2,7%
72,7%
Fonte: Apresentação 5ª Reunião GT – Risco de Mercado (28/01/2014)
(Risco de mercado para 12 meses – matriz de ago/13)
Grupos
CMR/Ativos Totais
CMR Anterior/Ativos Totais
Risco de Mercado/CMR
Total
11,0%
10,0%
29,2%
Vida e Previdência
6,1%
4,7%
39,2%
Não Vida
12,8%
12,2%
15,3%
Resseguradora
25,1%
25,0%
12,8%
Capitalização
4,5%
2,7%
54,8%
Fonte: Apresentação 5ª Reunião GT – Risco de Mercado (22/08/2014)
(Risco de mercado para 3 meses – matriz de jul/14)
Page 3
Este impacto é decorrente, principalmente,
descasamento de fator de risco e prazo
Descasamento de prazo e indexador
Descasamento de prazo
Casamento de prazo e indexador
Page 4
do
PRINCIPAIS DESAFIOS
PARA O SEGMENTO
DE CAPITALIZAÇÃO
Page 5
A nova regulamentação traz diversos tipos de desafios
para as sociedades de capitalização
Aspectos
operacionais
Mensuração do
impacto
Estrutura de
Governança
Gestão financeira
Page 6
Modelo interno
Aspectos operacionais
Aspectos
operacionais
Mensuração
do impacto
Estrutura de
Governança
►
Não
existe
a
obrigatoriedade
de
elaboração de TAP para
Capitalização
►
Definição de metodologia
(Diversidade de práticas)
►
Documentação do modelo
►
Definição de processo
Page 7
Gestão
financeira
Modelo interno
Requer a projeção dos
fluxos de caixa a valor
presente (exposição
líquida entre ativos e
passivos), agrupandoos por maturidade e
fator de risco
Mensuração do impacto
(Simulação de impacto)
Aspectos
operacionais
Mensuração
do impacto
Estrutura de
Governança
►
Simulação de impacto de
capital para risco de
mercado (com e sem
atualização das matrizes de
variância-covariância).
►
É preciso compreender as
exposições da Companhia
e quais são os fatores de
risco/vértices que mais
influenciam na alocação de
capital para risco de
mercado
Page 8
Gestão
financeira
Modelo interno
Mensuração do impacto
Aspectos
operacionais
(Métricas de mensuração e o efeito na PLA)
►
►
►
Estrutura de
Governança
Eventuais ajustes na PLA
►
Diferenças de mensuração de ativos e passivos
Prêmios e contribuições futuras
Ilustração: Suponha que uma
Empresa disponha do seguinte
ativo e passivo:
196.715,14
►
Gestão
financeira
n=10 anos e taxa contratual=7%
Passivos com
taxa
contratual
100.000
100.000
PASSIVO
n=10 anos e taxa contratual=6%
179.084,77
Page 9
Modelo interno
Supondo que a taxa de mercado
seja de 5%a.a., tem-se:
Ativos na curva
ATIVO
Mensuração
do impacto
Passivo com
taxa de
mercado
Ativos a mercado
A
100.000,00
P
100.000,00
PL
0,00
A
P
120.766,03 100.000,00
PL
20.766,03
A
100.000,00
P
109.942,51
PL
-9.942,51
A
P
120.766,03 109.942,51
PL
10.823,52
Mensuração do impacto
(Métricas de mensuração e o efeito na PLA)
►
Estudo CNSeg (NUESP): Diferença entre o
valor provisionado e o passivo à mercado para
sociedades de capitalização
Aspectos
operacionais
Mensuração
do impacto
Estrutura de
Governança
Gestão
financeira
Modelo interno
Resultado por empresa respondente (em % sobre a provisão):
Nome
Mínimo das empresas:
Média das empresas:
Máximo das empresas:
Número de empresas respondentes:
2012.1
2%
15%
55%
5
2012.2
1%
13%
55%
7
Data-base
2013.1
2013.2
2%
1%
13%
14%
56%
57%
7
7
2014.1
1%
12%
52%
8
2014.2
1%
17%
57%
7
Data-base
2013.1
2013.2
0%
0%
158%
144%
628%
454%
7
7
2014.1
0%
135%
510%
8
2014.2
0%
124%
508%
7
Resultado por empresa respondente (em % sobre o PLA):
Nome
Mínimo das empresas:
Média das empresas:
Máximo das empresas:
Número de empresas respondentes:
Page 10
2012.1
0%
106%
340%
5
2012.2
0%
122%
567%
7
Gestão financeira (ALM)
Aspectos
operacionais
Mensuração
do impacto
Estrutura de
Governança
►
Qual o principal objetivo do ALM?

Minimizar o capital regulatório?

Minimizar o capital econômico?
Modelo interno
Gestão
financeira
DFA (Dynamic Financial Analysis)
DST (Dynamic Solvency Testing)

Buscar o equilíbrio entre criação de
valor e proteção de valor?
DCAT (Dynamic Capital Adequacy Testing)
Cash Flow Matching
Immunization Technique
Etc.
Page 11
Gestão financeira (ALM)
Aspectos
operacionais
Mensuração
do impacto
Estrutura de
Governança
Gestão
financeira
Page 12
Modelo interno
Gestão financeira (ALM)
Aspectos
operacionais
Mensuração
do impacto
Estrutura de
Governança
►
A discussão sobre ALM pode ser
dividida
em
duas
abordagens,
conforme a natureza do passivo:
Tipo A
(contratos de curto/médio prazo)
Gestão
financeira
Modelo interno
Tipo B
(contratos de longo prazo)
►
Projeção do fluxo de caixa futuro de ativos e
passivos
►
Projeção do fluxo de caixa futuro de ativos e
passivos
►
Natureza das opções embutidas, caso aplicável
►
Estrutura de opções embutidas e garantias
►
Horizonte de tempo
►
Horizonte de tempo
►
Nível de confiança
►
Nível de confiança
►
Cenário econômico atual
►
Cenário econômico atual
►
Possíveis cenários futuros
►
Possíveis cenários futuros
►
Risco de reinvestimento
Page 13
Gestão financeira (ALM)
Aspectos
operacionais
Mensuração
do impacto
Estrutura de
Governança
Gestão
financeira
Modelo interno
No passado recente, a discussão de ALM residia no
casamento de ativos e passivos, ou seja, o foco era
risco. Atualmente, existe uma clara tendência de
migração da ênfase em risco para gestão do risco e
retorno, o que leva a avaliar a decisão estratégica de
alocação de ativos frente aos passivos
Obs.: Abordagem mais aplicável a obrigações de curto/médio prazos
Asset and Liability Matching
Page 14
Asset and Liability Management
Gestão financeira (ALM)
(Passivos de médio e curto prazos)
►
Baseado em DFA (Dynamic Financial
Analysis)
►
►
►
►
►
►
►
Listar as categorias de risco de ativos e
passivos
Avaliar quais componentes de risco serão
introduzidos no modelo
Escolher a medida de risco de acordo com o
propósito da análise (VaR, Tail VaR)
Escolher a métrica referente à performance
almejada (ex.: lucro, margem, dividendos)
Determinar o horizonte de tempo da projeção
(conforme a característica do risco)
Definição do modelo gerador de cenários para
os fatores de risco
Otimização da carteira e projeção o fluxo de
caixa e resultados
Page 15
Aspectos
operacionais
Mensuração
do impacto
Estrutura de
Governança
Gestão
financeira
Modelo interno
Modelo interno
Aspectos
operacionais
Mensuração
do impacto
Estrutura de
Governança
Gestão
financeira
Ativos não
elegíveis
►
Capital
regulatório
Ativos
elegíveis
►
Versus
Capital
econômico
►
Ativos
elegíveis
Page 16
►
Obrigações
Modelo interno
Objetivo: garantir os benefícios dos
segurados (solvência)
Capital regulatório padronizado: Não deve
ser excessivamente alto de maneira a
inviabilizar investimentos no setor e nem
muito baixo de maneira a não garantir a
solvência
ou
desestimular
o
desenvolvimento de modelos internos
Objetivo: garantir a continuidade dos
negócios (ongoing basis)
Deve viabilizar análises mais acuradas em
relação a criação de valor ou retorno
ajustado ao risco por linhas de negócio,
por exemplo.
Modelo interno
Aspectos
operacionais
(Governança de modelos internos)
Mensuração
do impacto
Estrutura de
Governança
CAMADA DE DADOS
• Preços de mercado
• Política
•Dados históricos
• Ambiente de gestão de risco
• etc
CAMADA DE CÁLCULO
• Gerador de cenário econômico
• Sistema de projeção
• Modelo precificação
Gestão
financeira
►
►
►
►
CAMADA DE REPORTE
•Relatórios
• Processo decisório
Page 17
Modelo interno
Qualidade do modelo estatístico
Calibração
Documentação
Validação de modelos
USO NA GESTÃO (teste de uso)
Exemplos: reportes, ALM, hedging,
precificação de produtos
Estrutura de governança
Aspectos
operacionais
Mensuração
do impacto
Estrutura de
Governança
►
Revisão da estrutura para atender à gestão
do capital para risco de mercado
Gestão
financeira
Modelo interno
PRINCIPAIS RESPONSABILIDADES DAS ÁREAS ENVOLVIDAS
Investimentos
Projeção dos fluxos de
caixa
de
ativos
financeiros
► Documentação
da
metodologia
► Elaboração da política
de investimento
► Reporte (ex.: medidas
de risco: stress test,
análise
de
sensibilidade, VaR)
►
Page 18
Atuarial
►
►
►
Projeção
dos
fluxos de caixa das
obrigações
Documentação da
metodologia
Controladoria
►
►
Projeção
dos
fluxos de caixa dos
demais ativos e
passivos
Documentação da
metodologia
Reporte
►
Reporte
Gestão de Risco
►
Simulação
de
impacto de capital
►
Gestão de ativos e
passivos (ALM)
►
Reporte
Considerações finais
►
No curto prazo, espera-se um aumento de esforços na
implementação de processos de ALM e de
gerenciamento e otimização de capital.
►
A introdução do Capital de Risco Baseado no Risco de
Mercado ressalta a importância de uma gestão
econômico-financeira que tenha foco na geração de
valor, alinhada à tolerância ao risco, o que, por sua vez,
deve contribuir para acelerar a implantação de
ERM/ORSA.
Page 19
►Obrigada!!!
►Contatos
►E-mail:
Page 20
[email protected]
Betty Lilian Chan
Gerente Sênior – Financial Services
Tel:
Mobile:
Email:
+55 11 2573 3684
+55 11 99701 2070
[email protected]
Formação Acadêmica
►
Bacharel em Ciências Contábeis – FEA/USP
►
Bacharel em Ciências Atuariais – PUC-SP
►
Mestrado em Controladoria e Contabilidade – FEA/USP
►
Doutorado em Controladoria e Contabilidade – FEA/USP
►
MBA Gestão Atuarial e Financeira – FIPECAFI-USP
Setores
►
Seguradoras
►
Bancos e Mercados de Capitais
►
Asset Management
Habilidades
►
Gerenciamento de Risco
►
Modelagens Estatístico-Atuariais
Clientes
►
Seguradoras
►
Bancos
Page 21
Experiência Profissional
Projetos Relevantes
Betty é Gerente Sênior da área de Financial Services da EY, contando com mais de 10
anos de experiência profissional, preponderantemente, relacionada a bancos e
seguradoras e consultoria nesses segmentos.
►
Foi head da divisão de consultoria para Seguradoras, Entidades Abertas de Previdência
Complementar, Sociedades de Capitalização e Resseguradoras na Risk Office, sendo
responsável pelos projetos na área de gestão de risco, além de prestação de serviços de
ALM e gestão de capital regulatório e econômico.
►
Foi gerente de modelagem de risco de crédito no Itaú-Unibanco, responsável pelo
desenvolvimento de modelos para clientes Corporate e Large Corporate (para Brasil e
Unidades Externas), bem como pela sua implantação para fins de cálculo de capital
regulatório e econômico e PDD (IFRS e USGAAP).
►
Foi atuária em seguradora, responsável pelos cálculos de provisões técnicas, atuando
também na precificação e apoio à área comercial, bem como reporte atuarial para a
matriz.
►
Desenvolveu projetos de perícia contábil, análise de demonstrações contábeis/financeiras
como consultora da FIPECAFI
►
Possui experiência em auditoria externa de demonstrações contábeis.
►
Possui experiência em projetos de valuation de empresas.
►
É professora de cursos de MBA e Mestrado, ministrando disciplinas relacionadas a
gestão de risco atuarial, mercado financeiro e estatística.
Em tais áreas, realizou projetos ligados a gestão de riscos e modelagens estatísticoatuariais.
Possui experiência no gerenciamento e desenvolvimento de projetos, atividades de
planejamento, coordenação e direção da execução técnica da equipe, bem como
assegurar o cumprimento dos prazos e padrões de qualidade aplicando modelos e
metodologias para a identificação e implementação de soluções adequadas para os
projetos.