podologia em bovinos

Сomentários

Transcrição

podologia em bovinos
PODOLOGIA EM BOVINOS
CONCEITOS BASILARES
Relatório Final de Estágio
Licenciatura em Medicina Veterinária
MÁRIO ALCIDES FERREIRA DA SILVA
UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO
DOURO
VILA REAL, 2009
Júri de Apreciação
Presidente: ______________________________________
1.º Vogal: _______________________________________
2.º Vogal: _______________________________________
Classificação: _____
Data: ___/___/_____
O Coordenador,
O Orientador,
________________________________
________________________________
Prof. Dr. João Carlos Caetano Simões
Dr. José Manuel Alegre Chaves
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
PREFÁCIO
Temos tido o gosto, para além do dever, de acompanhar os nossos alunos
durante a sua licenciatura, e alguns deles durante o seu estágio final de curso e
invariavelmente nas suas dúvidas pós-licenciatura quando se dedicam à clínica das
espécies pecuárias em causa. E cada aluno é um mundo especial.
Ao Mário Alcides, coube efectuar o seu estágio em ano de transição de
licenciatura para Mestrado Integrado em Medicina Veterinária. Homem adulto, pai de
2 filhos, despertava-me curiosidade durante as saídas de campo, efectuadas nas aulas, a
sua capacidade de observação aliada a uma visão filosófica da vida que talvez somente a
idade permita. Aliás, que pode ser em parte constatada na sua escrita.
Inicialmente, aquando da programação do plano de estágio, pretendia o Mário
estagiar na sua Terra Natal (região da Tocha - Cantanhede), junto aos filhos. Acabou
por realizá-lo na Terra que lhe concede a licenciatura, com vista a regressar o mais
brevemente à sua família.
Também, desde o início me admirou o seu gosto pelo tema das claudicações em
bovinos, 3ª causa de perdas económicas nas explorações, mas sempre relegada para 2º
plano. A tal ponto, que foram outros técnicos, entre outros …, a assumir a maioria das
vezes tal trabalho sob o manto da correcção funcional dos cascos. E a região de onde é
natural bem conhece esta realidade.
Pretendendo o Mário debruçar-se sobre aspectos fundamentais e
eminentemente práticos, permitimos responsavelmente que este relatório fosse o
espelho do seu ser, até por julgarmos conhecer, em profundidade, as realidades das
diversas regiões e das pessoas. Mas sabe o Mário que a sua educação em tecnologias de
informação e a formação pós-licenciatura são premissas da actualidade, a par da
experiência a adquirir como Médico Veterinário já com cédula profissional.
E a inovação, para além da experiência, necessita de uma procura e esmiuçar
das explicações científicas das ocorrências e necessidades, como se pode constatar em
algumas das referências apresentadas pelo Mário.
Resta-me desejar ao Mário que, perante a sua faceta filosófica, continue a
acreditar que não se deva desejar aos outros aquilo que não queremos para nós. Este é
um dos legados mais importantes para a formação de carácter dos seus próprios filhos.
Porque o exemplo arrasta!
João Simões
i
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
“As doutrinas apresentadas
neste trabalho são da exclusiva
responsabilidade do autor.”
ii
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
AGRADECIMENTOS
Se há honras que merecem destaque, as que vou sequencialmente citar merecemme naturalmente honraria. A todas as entidades humanas que vou fazer referência
curvo-me perante elas e, caso o use, tiro-lhes o meu chapéu. Será muito difícil por
palavras escritas, a que vulgarmente chamamos frases, expressarmos o nosso
reconhecimento e todo o nosso fascínio por aqueles que nos ajudam, pois isso só é
permitido aos sentimentos e esses não se vêem, só se sentem, daí o seu nome.
Por esta razão, vou tentar mostrar a nobre fidelidade do que sinto e do que
penso.
Passo a agradecer ao Professor Doutor João Simões por ter aceite ser o meu
coordenador de estágio, pelos seus ensinamentos e pela sua crescente e invariável boa
disposição.
Agradeço ao Dr. Alegre Chaves por ter aceite ser o meu orientador de estágio,
pelo seu convívio, pelos seus conhecimentos e pelas fotografias gentilmente cedidas e
que deram corpo a este relatório.
Agradeço aos meus pais que, na fase derradeira das suas vidas, foram buscar
forças sobre-humanas para me ajudarem nos mais variados quadrantes que a vida
conhece.
Agradeço à minha esposa e filhos por terem sabido lidar com a minha ausência e
com a minha distância, pois quase deixei de ser pai para ser estudante.
Agradeço ao Carlos Albuquerque e ao João Requicha pelos seus ensinamentos,
pelo seu apoio e pelas incansáveis e intermináveis horas que comigo perderam. Apesar
de terem uma faixa etária muito distante da minha, souberam sempre erguer-me quando
eu quase caía, souberam sempre movimentar-me quando eu parava. Agradeço aos seus
pais a sua existência. Tudo o que possa dizer deles jamais alguém poderia sentir. São os
meus heróis.
Agradeço ao João Dias por todos os últimos quatro anos em que me
acompanhou, pelas noitadas de estudo, pelo seu empenho e preocupação pela minha
vida académica e pelo meu bem-estar pessoal. Mais ainda lhe agradeço o facto de ser
meu amigo e o grande contributo que deu à minha vida. Por tudo isto honra-me tê-lo
conhecido.
iii
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
Agradeço ao Rui, o açoriano como lhe chamávamos, pela sua pureza, pela sua
grandeza e pela sua nobreza enquanto amigo. O companheiro e ser humano que
qualquer um gosta de ter e de conhecer.
Agradeço ao André, ao Tiago e ao Joel pelos seus conselhos, pela sua amizade e
por frequentemente se lembrarem de mim. São seres humanos inexcedíveis.
Agradeço ao Ricardo Lages pela bondade humana e pela sua nobreza como
amigo. Muitas das brincadeiras que aqui tiveram-no a ele, invariavelmente, como
interlocutor. Diz-se que um ser humano é bom quando tem um bom coração; então
atrevo-me a dizer que todo o seu corpo é apenas coração.
Agradeço ainda a muitos outros colegas de curso que por aqui conheci e que
fizeram o favor de serem meus amigos.
Agradeço ao Jorge pela amizade e por todos os momentos de conversação. Um
bom amigo.
Agradeço ao Tozé da papelaria pelo seu contributo durante a minha estadia em
Vila Real.
Agradeço a alguns professores que conheci durante o curso e que, pelo facto de
serem muitos não os cito aqui, mas de igual forma estão em igual cotação no respeito e
admiração que por eles nutro
Agradeço ainda a tantos outros amigos a quem, por este meio, presto a minha
homenagem. A todos eles e sem distinção, o meu,
Muitíssimo Obrigado.
iv
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
ÍNDICE
INTRODUÇÃO .................................................................................................................................1
1 – HISTOLOGIA E ANATOMIA DAS PARTES DISTAIS DOS MEMBROS
DOS BOVINOS .................................................................................................................................2
1.1 – HISTOLOGIA DO CASCO ......................................................................................... 2
1.1.1 – Epiderme ....................................................................................................... 2
1.1.2 – Derme ............................................................................................................ 4
1.1.3 – Tecido subcutâneo ......................................................................................... 4
1.2 – ASPECTOS ANATÓMICOS........................................................................................ 4
1.2.1 – Ossos ............................................................................................................. 5
1.2.2 – Articulações................................................................................................... 5
1.2.3 – Ligamentos .................................................................................................... 6
1.2.4 – Tendões.......................................................................................................... 6
1.3 – IRRIGAÇÃO E ENERVAÇÃO DO PÉ ........................................................................... 6
2 – ETIOLOGIA DOS PROBLEMAS PODAIS ...................................................................8
2.1 – FACTORES BIOMECÂNICOS QUE CONTRIBUEM PARA CLAUDICAÇÕES ..................... 9
2.1.1 – Extremidades posteriores .............................................................................. 9
2.1.2 – Extremidades anteriores ............................................................................... 9
2.2 – OUTRAS CAUSAS DE CLAUDICAÇÃO..................................................................... 10
2.2.1 – Alimentação................................................................................................. 10
2.2.2 – Factores genéticos....................................................................................... 11
2.2.3 – Instalações................................................................................................... 12
2.2.4 – Pastoreio ..................................................................................................... 13
2.2.5 – Produção ..................................................................................................... 13
2.2.6 – Correcção funcional dos cascos ................................................................. 14
2.2.7 – Concentração de gado ................................................................................ 14
2.2.8 – Higiene ........................................................................................................ 14
2.2.9 – Factor humano ............................................................................................ 16
2.2.10 – Climatologia .............................................................................................. 16
2.2.11 – Época do ano............................................................................................. 16
2.2.12 – Humidade .................................................................................................. 17
2.2.13 – Idade .......................................................................................................... 17
3 – EQUIPAMENTO E INSTRUMENTAL USADO EM PODOLOGIA .................. 17
3.1 – TRONCOS DE CONTENÇÃO ................................................................................... 17
3.1.1 – Troncos de contenção Wopa® ..................................................................... 18
v
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
3.1.2 – Troncos de contenção de origem uruguaia ................................................. 18
3.1.3 – Troncos de contenção tombadores-hidráulicos .......................................... 19
3.2 – INSTRUMENTOS USADOS EM PODOLOGIA ............................................................. 20
4 – CORRECÇÃO FUNCIONAL DOS CASCOS EM BOVINOS ............................... 22
4.1 – CORRECÇÃO DAS UNHAS DOS MEMBROS POSTERIORES ........................................ 23
4.1.1 – Unha interna ............................................................................................... 24
4.1.2 – Unha externa ............................................................................................... 24
4.2 – MOLDAR AS CONCAVIDADES AXIAIS ................................................................... 24
4.3 – LIMPEZA DOS TALÕES.......................................................................................... 25
5 – CORRECÇÃO DOS CASCOS EM CASOS DE AFECÇÕES PODAIS
(MÉTODOS TERAPÊUTICOS OU CURATIVOS) .......................................................... 25
5.1 – TERAPIA COM RECURSO A TACOS ORTOPÉDICOS .................................................. 25
5.2 – OUTROS MÉTODOS DE TERAPIA PODAL ................................................................ 26
6 – CLASSIFICAÇÃO DAS PATOLOGIAS PODAIS ..................................................... 27
6.1 – DERMATITE INTERDIGITAL .................................................................................. 27
6.2 – DERMATITE DIGITAL ........................................................................................... 28
6.3 – EROSÃO DOS TALÕES ........................................................................................... 29
6.4 – HIPERPLASIA INTERDIGITAL (TILOMA) ................................................................ 29
6.5 – FLEIMÃO INTERDIGITAL (NECROBACILOSE INTERDIGITAL) ................................. 29
6.6 – PODODERMATITE CIRCUNSCRITA (ÚLCERA DA SOLA) ......................................... 30
6.7 – LAMINITE (PODODERMATITE ASSÉPTICA DIFUSA) ............................................... 31
6.8 – AFECÇÕES DA LINHA BRANCA ............................................................................. 33
6.9 – FISSURAS OU RACHADURAS DO CASCO ................................................................ 33
7 – AMPUTAÇÃO DE DEDO EM BOVINO ....................................................................... 34
7.1 – ANESTESIA E CONDUCTA PRÉ-OPERATÓRIA ......................................................... 34
7.2 – TÉCNICA CIRÚRGIA.............................................................................................. 35
7.3 – CUIDADOS PÓS-OPERATÓRIOS ............................................................................. 35
CONCLUSÃO ................................................................................................................................. 37
BIBLIOGRAFIA ............................................................................................................................ 38
ANEXOS .............................................................................................................................................. I
I. CASOS CLÍNICOS ................................................................................................... II
CASO CLÍNICO N.º1 ................................................................................................ II
CASO CLÍNICO N.º2 ...............................................................................................IV
CASO CLÍNICO N.º3 ...............................................................................................VI
II. CASUÍSTICA......................................................................................................... IX
vi
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
ÍNDICE DE FIGURAS
Figura 1 – Representação esquemática da anatomia do casco, vista palmar ................... 3
Figura 2 – Esquema representativo da anatomia e histologia do dedo............................ 8
Figura 3 – Situação de sobre-população em regime de exploração bovina intensiva ... 15
Figura 4 – Deficiente higiene dos pisos ........................................................................ 15
Figura 5 – Troncos de contenção Wopa® móveis .......................................................... 18
Figura 6 – Troncos de contenção uruguaios. Vista lateral e frontal .............................. 19
Figura 7 – Tronco de contenção tombador-hidráulico. Modelo Fregonezzi ................. 19
Figura 8 – Facas de casco direitas e esquerda ............................................................... 20
Figura 9 – Disco de trapo para polir após o afiar da faca .............................................. 20
Figura 10 – Discos de corte para esmerilador. .............................................................. 21
Figura 11 – Rebaixador de cascos. ................................................................................ 21
Figura 13 – Tenaz de corte de unhas e grosa para cascos ............................................. 21
Figura 12 – Pinça de detecção de dor. ........................................................................... 21
Figura 14 – Tacos ortopédicos e cola para cascos. ........................................................ 22
Figura 15 – Bota de irrigação. ....................................................................................... 22
Figura 16 – Bovino em posição de camping back......................................................... 23
Figura 17 – Medidas recomendadas para o recorte funcional dos cascos ..................... 24
Figura 18 – Locais mais frequentes de dermatite digital ............................................... 28
Figura 19 – Aspecto macroscópico de dermatite digital em bovino ............................. 28
Figura 20 – Torniquete para aplicação de anestesia regional intravenosa. ................... 34
Figura 21 – Técnica cirúrgica de amputação de dedo em bovino ................................ 36
Figura 22 – Dermatite digital no membro posterior direito de em bovino. ................... III
Figura 23 – Bandagem com oxitetraciclina para tratamento da dermatite digital ......... IV
vii
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
Figura 24 – Úlcera da sola em bovino. ............................................................................V
Figura 25 – Taco ortopédico para tratamento da úlcera da sola .................................... VI
Figura 26 – Vaca gestante com hidropisia. Vista anterior e posterior.......................... VII
viii
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
INTRODUÇÃO
Todos nós no nosso imaginário traçamos orientações, gostos e concretizações.
Quando as duas premissas iniciais conhecem empenho, a terceira também
invariavelmente acontece. Seria de esperar e é de esperar que qualquer indivíduo se
oriente e norteie pelas suas paixões. Uma das minhas é a Podologia. O principal motivo
pelo qual abordei este tema foi necessariamente, além do gosto, o crescente interesse
que esta ciência começa obrigatoriamente a merecer, a importância que o tratamento
dos cascos tem nas modernas explorações leiteiras e o facto de que o veterinário
podólogo ainda é uma raridade no nosso país. Pretendo assim, com esta monografia,
descrever os conceitos basilares da Podologia e contribuir num sentido eminentemente
prático para a promoção desta ciência no seio da nossa comunidade veterinária.
Para meu regozijo, verifico também que algumas personalidades a nível mundial
começam a dar especial projecção a esta ciência, tendo algumas delas feito como opção
profissional dedicar-se à Podologia como especialidade. Refiro-me, naturalmente a
Toussain Raivan, Adrian González, e Roberto Acuña. Estou convicto que, o contributo
destas três eminências à Podologia mundial, permitiu que as explorações leiteiras
tenham hoje menos problemas de origem podal e, consequentemente, um melhor bem estar animal e um maior índice produtivo. Por mim, folgo muito em saber isto.
No decorrer do estágio curricular, com uma duração prática de cerca de 4 meses,
foi-me possível contactar e aplicar o vasto conhecimento teórico, adquirido durante a
licenciatura, na abordagem diagnóstica e terapêutica de variadas patologias, não só de
carácter podal, mas também de outros sistemas orgânicos, como está patente no capítulo
de casos clínicos e casuística, em anexo, pese embora as dificuldades inerentes à clínica
de espécies pecuárias e à região, onde (ainda) predominam as explorações familiares.
1
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
1 – HISTOLOGIA E ANATOMIA DAS PARTES DISTAIS DOS
MEMBROS DOS BOVINOS
Os bovinos são classificados como mamíferos quadrúpedes ungulados, isto é,
apoiam-se e movimentam-se sobre quatro membros, estando a parte distal dos mesmos
revestida por casco.
A parte distal do membro anterior de um bovino é conhecida por mão e os seus
dois dígitos são também designados por dedos, o dedo lateral e o dedo medial
(didactilia). No membro posterior, a sua parte distal designa-se de pé, tendo estes
também dois dedos, sendo lateral de maiores dimensões.
Cada membro apresenta, além dos dois dedos principais, dois dedos
suplementares ou rudimentares, encontrando-se estes últimos projectados atrás do
boleto e geralmente não estão em contacto com o solo.
1.1 – Histologia do casco
Cada dígito de um bovino e composto por três tipos de tecido: a epiderme, a
derme e o tecido subcutâneo. A epiderme é queratinizada e a derme, também chamada
de córion, é uma estrutura altamente vascularizada que tem como função a nutrição do
casco. Por último, o tecido subcutâneo que forma a almofada digital. Além dos três
tecidos referenciados, cada dígito compõem-se ainda de três falanges e três sesamóides,
tendões e ligamentos8.
O termo casco compreende a cápsula ou estrato córneo da epiderme e os outros
componentes.
1.1.1 – Epiderme
A epiderme divide-se em: estrato basal, estrato germinativo e estrato córneo, este
último ainda se subdivide em: em estrato externo, estrato médio e estrato interno ou
lamelar.
2
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
A epiderme é avascular, pelo que os queratinócitos da camada germinativa
dependem do suprimento sanguíneo da derme (córion) para obtenção de oxigénio e
nutrientes. Esta difusão sanguínea pode ser quebrada o que conduz à produção de um
mau tecido córneo.
A camada germinativa da epiderme e o córion têm uma íntima relação, por
consequência, qualquer lesão numa destas estruturas conduz a prejuízos na outra.
A estabilidade estrutural do tecido córneo é resultante dos complexos formados
entre a queratina e os aminoácidos metionina, histidina, lisina e arginina, bem como
água, macro e micro-elementos (cálcio, fósforo, cobre, zinco, enxofre cobalto,
molibdénio) e uma pequena quantidade de gordura.
Externamente, verificam-se na epiderme ou tecido córneo, estruturas que
adquirem um nome próprio1 (figura 1 e 2):
- Bordo coronário ou coroa;
- Parede ou muralha;
- Palma ou sola;
- Talão;
- Linha branca.
Figura 1 – Representação esquemática da anatomia do casco, vista palmar (Adaptado
de 3).
3
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
1.1.2 – Derme
A derme ou córion divide-se em três partes:
- A parte coronariana ou perioplo. Esta ocupa um espaço restrito, sendo formada
por papilas vascularizadas que se orientam em direcção à superfície do chão. O tecido
córneo mole da banda coronária é produzido por células germinativas;
- A parte parietal ou tubular localiza-se imediatamente abaixo da derme
coronariana;
- A derme lamelar é predominantemente vascular e tem muitas fibras reticulares
densas que ligam a parede dos vasos à falange distal;
1.1.3 – Tecido subcutâneo
O tecido subcutâneo ou sub-cutis é abundante no bulbo ou talão, apresentandose como uma densa camada de tecido fibroelástico,
O bulbo tem uma importante função de amortização dos impactos e, quando é
pressionado durante a distribuição de peso, expande-se axial e abaxialmente,
transferindo as forças para a parede do casco. Quando ocorrem alterações na estrutura
do talão ou quando há reduzidas forças de tensão, por exemplo, na laminite crónica, a
absorção do impacto pelo bulbo fica claramente comprometida.
O tecido subcutâneo está ausente na maioria do córion 4,5.
1.2 – Aspectos anatómicos
Sob o ponto de vista anatómico, além das estruturas histológicas atrás referidas,
é essencial abordar as estruturas ósseas, as articulações, os ligamentos e os tendões, pois
elas estão encarregadas de suportar, distribuir e amortecer o peso do animal no solo
(figura 2)3,4,8.
4
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
1.2.1 – Ossos
Quanto à constituição óssea, as extremidades distais dos membros compreendem
diversos ossos, entre o carpo (mão) ou o tarso (pé) e as falanges distais3.
Os ossos suportam primariamente as estruturas do pé. Cada dedo é constituído
por três ossos principais1 (figura 2):
- Falange proximal ou primeira falange;
- Falange média ou segunda falange;
- Falange distal ou terceira falange.
Existem ainda outros ossos mais pequenos, os ossos sesamóides, essenciais para
actuar como guia dos tendões.
O osso mais susceptível de ser lesado é a terceira falange, pois está mais exposta
a traumatismos ou a agentes infecciosos que podem chegar até ela após a ocorrência de
lesões e deformações na protecção córnea ou epiderme 4.
1.2.2 – Articulações
As articulações são a união entre os ossos, que estão recobertos por cartilagem
na sua parte final (figura 2). Estas estruturas estão encarregadas de proteger a fricção
entre os ossos aquando o movimento destes. A articulação está rodeada por uma cápsula
articular onde está um líquido gelatinoso, chamado líquido sinovial, e tem como função
a lubrificação contínua, reduzindo ainda mais o atrito 7.
A articulação interfalangiana distal, está totalmente encerrada na cápsula córnea
e une a segunda e a terceira falange. A unha ou dedo compreende a terceira falange, a
parte distal da segunda falange, o osso sesamóide distal ou osso navicular, os
ligamentos articulares e a parte terminal dos tendões flexores e extensores, o córion e o
tecido subcutâneo, estando todas estas estruturas envoltas pela cápsula córnea 7-9.
5
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
1.2.3 – Ligamentos
Os ligamentos unem e suportam os ossos entre si. Existem vários ligamentos que
estão encarregados de prevenir que os dedos se afastem lateralmente. Dentro destes, os
mais importantes são os ligamentos cruzados5.
Sempre que um animal comece a ter alterações no caminhar estes ligamentos
sofrem estiramento e provocam inflamação com as consequentes claudicações 2,3.
1.2.4 – Tendões
Os tendões unem os músculos aos ossos, ao contrário dos ligamentos que
contactam osso entre si. Nos membros há dois tipos de tendões (figura 2):
- Os tendões flexores ou posteriores, que têm como função elevar o pé e a perna;
- Os tendões extensores ou anteriores, que permitem a descida gradual do pé.
Os tendões, tal como os ligamentos, são de natureza fibroelástica. Estes estão
recobertos por uma bainha fibrosa que, quando lesionada, leva a inflamações e, quando
colonizadas por bactérias conduz a um processo de tendinite 7.
1.3 – Irrigação e enervação do pé
Devido à complexidade da enervação e irrigação do pé, é de grande relevância
que aqui seja mencionada, pois o seu conhecimento é de vital importância para a
conhecer a fisiopatogenia das lesões, proceder à correcta instauração de técnicas de
anestesia e terapêutica1.
Pelo facto de a maioria das lesões serem encontradas nos membros posteriores,
descrevem-se aqui, ainda que de forma sucinta, os seus vasos mais importantes e com
interesse em intervenções cirúrgicas ou dolorosas no pé, dando particular atenção aos
vasos sanguíneos já que a anestesia regional intravenosa é a que mais utilizada 3.
Os principais vasos arteriais que irrigam o pé são:
6
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
- As arteríolas plantar medial e plantar lateral, que são ramas da artéria safena;
- A artéria metatársica dorsal, que se liga às artérias plantares;
- A artéria digital comum plantar III, que é um ramo da artéria plantar medial
que continua em direcção ao espaço interdigital onde se anastomosa com o tronco
principal. É encontrada quando há amputação de um dedo.
As veias estão divididas num sistema profundo havendo, contudo, alguns vasos
importantes:
- A veia safena lateral que emerge de duas tributárias;
- A veia safena medial que é formada por duas ramos, o ramo cranial e o ramo
caudal.
As veias superficiais, abaixo do jarrete, podem salientar-se pela aplicação de um
torniquete para administração de anestésico local com o objectivo de dessensibilizar os
dedos.
Quanto à enervação do pé, está a cargo dos ramos superficiais e profundo do
nervo peronial e dos nervos plantares medial e lateral. O bloqueio destes nervos é
importante caso se opte por uma técnica anestésica que não a intravenosa regional.
Entre essas técnicas de anestesia destacam-se duas: infiltração peri-neural dos nervos
digitais plantares e bloqueio circular. Quanto à anestesia por bloqueio nervoso, o
método consiste no bloquear dos troncos nervosos responsáveis pela enervação das
extremidades distais. Procede-se à tranquilização do paciente e à limpeza e desinfecção
da zona abaixo do boleto. O primeiro ponto de inoculação é na face anterior do boleto e
o segundo ponto é posterior e entre os dois dedos acessórios. O terceiro e o quarto
pontos de inoculação são laterais, interno e externo, cerca de dois centímetros acima dos
dedos acessórios4,7,8.
7
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
Figura 2 – Esquema representativo da anatomia e histologia do dedo (Adaptado de 3).
2 – ETIOLOGIA DOS PROBLEMAS PODAIS
A intensificação das técnicas produtivas com a especialização de vacas por raças
e o moderno maneio na produção leiteira trouxeram um aumento do número de
claudicações, já que os bovinos experimentaram alimentações ricas em factores
predisponentes para que estas ocorram. Algumas repercussões nas claudicações dos
bovinos situam-se na produção, condição corporal, fertilidade, mamites, longevidade,
sacrifícios dos animais (abate), melhoria genética e mão-de-obra. Assim, importa
conhecer e identificar os factores contributivos para a ocorrência de tais lesões5.
8
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
2.1 – Factores biomecânicos que contribuem para claudicações
Existe uma interacção entre o solo que os bovinos pisam e os seus próprios
membros, o que requer conhecimentos da mecânica de apoio, bem como conhecimentos
do próprio chão que o animal pisa durante toda a sua vida. Muitos outros factores
interferem directamente na biomecânica podal e as próprias patologias nestes locais que
à frente serão abordadas.
2.1.1 – Extremidades posteriores
Os membros posteriores, durante o período que a vaca está parada, apresentam
movimentos de balanço nas ancas de 2,5cm para cada lado. Isto conduz a um aumento
de peso nos talões externos, enquanto que os internos ficam inalterados4.
O talão posterior externo e a respectiva unha são maiores que o interno, assim ao
apoiar em terreno duro recebe mais pressão o que conduz a uma maior irrigação
sanguínea e consequentemente a um sobre-crescimento dessa mesma unha2 (figura 33).
Outra característica da unha posterior externa é o facto de apresentar menor
concavidade na superfície palmar em relação à unha posterior interna. A unha interna ou
medial tem um apoio mais instável em terrenos duros, assim transmite mais peso à unha
lateral. Também nos movimentos de rotação as unhas laterais ficam mais expostas a
pressões sobre as mesmas. Todos estes factores anátomo-mecânicos contribuem para
que as patas posteriores sejam mais acometidas por lesões em relação às anteriores, e
são as unhas laterais ou externas as mais afectadas7.
2.1.2 – Extremidades anteriores
Os problemas podais nas extremidades anteriores são menos frequentes do que
nas posteriores, no entanto, quando ocorrem alterações ou patologias podais nestes
membros, são muito mais incómodas para os bovinos contribuindo para isso o balanceio
do pescoço e o aumento de peso do pescoço e da cabeça.
9
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
Quando a claudicação é unilateral, o bovino procura voltar o pescoço para o lado
são a fim de aliviar algum peso. Nas extremidades anteriores, as unhas que
frequentemente sofrem mais lesões são as internas ou mediais e em tais situações, é
comum os bovinos cruzarem os membros para aliviar a dor. Pensa-se que o facto da
unha medial ser mais afectada se deve ao sobre-peso oblíquo exercido nesta unha
quando o bovino estende o pescoço através das estruturas metálicas colocadas nas
manjedouras para conseguirem alcançar o alimento 8.
2.2 – Outras causas de claudicação
Além dos factores atrás abordados outros existem e que são na actualidade
considerados factores de risco. Genericamente, podemos dividir as claudicações pela
sua etiologia em três tipos: metabólicas, mecânicas e infecciosas (figura 34).
Alguns factores de risco para a claudicação estão relacionados com a
alimentação, a hereditariedade, as instalações, o pastoreio, a produção, a correcção de
cascos, a concentração de gado, o Homem, a fase da lactação, o clima, a humidade, a
idade, os traumatismos, e a época do ano. É de grande importância conhecer estes
factores de risco, já que podem influenciar a estrutura e a função do casco e assim
conduzir a medidas que se possam implementar para colocar em prática métodos
profilácticos para uma melhoria da sanidade dos bovinos.
Sobre alguns destes factores atrás mencionados se irá em seguida fazer uma
breve abordagem, tal como a algumas patologias que deles possam derivar.
2.2.1 – Alimentação
Existe grande consenso de que a alimentação é um factor fundamental no
desenvolvimento dos problemas podais. Manifestações de úlceras palmares e abcessos
da linha branca são ambos consequências da incapacidade do córion para produzir uma
unha saudável, e a alimentação é de grande responsabilidade nesta ocorrência.
10
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
A laminite está associada a toxémia por ingestão de excesso de hidratos de
carbono, a acidose ruminal e, em alguns trabalhos (segundo Roberto Acuña) também
comprovaram que um excesso de proteínas em mais de 15% aumenta essa
predisposição4. Pastagens e forragens que contenham altos conteúdos de nitratos podem
de igual forma causar laminites4.
Por outro lado, as lesões traumáticas por penetração de corpos estranhos devemse quase sempre a um casco de má qualidade, que pode ser originado por uma
inadequada administração de nutrientes que intervêm no processo de queratinização. A
ingestão de grandes quantidades de concentrado e baixo consumo de forragem é um
factor de problemas podais. Os amidos e outros açúcares associam-se a problemas
podais, bem como a proteína de alta degradabilidade. Alimentações ricas em proteínas e
baixas em fibras conduzem a fezes abundantes e líquidas que vão conspurcar os pisos
onde os animais se movimentam, isto predispõe ao crescimento de microrganismos e
amolecimento dos cascos, sendo assim mais facilmente atacados por esses agentes
patogénicos7.
Carência de micro-elemetos, como o cobre (Cu) e o zinco (Zn), e de vitamina E
e selénio (Se) são na actualidade considerados factores de risco para as doenças podais 7.
2.2.2 – Factores genéticos
A conformação das unhas é uma característica herdada, as quais demonstra ter
alguma correlação com as claudicações.
As unhas devem ser iguais, devendo ser descartadas do efectivo todas as vacas
com diferenças acentuadas de tamanho entre elas 4. A selecção genética, para aumentar a
produção leiteira, não tem sido acompanhada com a selecção para a qualidade dos
cascos e dos membros, a fim de que os animais suportem melhor o maior peso que o
melhoramento genético permitiu2. Isto porque a heritabilidade da conformação podal é
bastante inferior à heritabilidade de outras características morfológicas e até
reprodutivas4.
11
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
A pigmentação do casco é uma questão racial e mesmo não sendo
cientificamente comprovado tem aceitação geral que os claros ou não pigmentados têm
menor resistência que os escuros, sendo assim mais susceptíveis a lesões2.
2.2.3 – Instalações
Os tipos de estábulo são um factor ambiental de capital importância no conforto
dos animais pois condiciona o seu comportamento, a locomoção e as relações sociais.
2.2.3.1 – Estabulação fixa
Em explorações bovinas de característica tradicional, as quais ainda assentam
em sistemas de estabulação fixa, as vacas amarradas permanentemente acedem
facilmente ao alimento e por conseguinte têm locomoção nula o que lhe permite um
sobre-crescimento do casco devido à falta de desgaste. Nesta estabulação, as
claudicações podais são mais frequentes nas patas anteriores, pois as anteriores apoiam
sobre um solo mais seco. Pelo contrário, as patas posteriores estão em ambiente
conspurcado devido às dejecções e urinas, sendo assim a carga bacteriana sobre estas
unhas é bastante elevada e a resistência do casco diminuída pelo contínuo
humedecimento e ataque de agentes corrosivos7.
2.2.3.2 – Estabulação livre
Este é o tipo de estabulação que mais interessa, já que a grande parte das
vacarias têm vindo a evoluir para este sistema, verificando-se, com o passar dos anos, o
quase desaparecimento da estabulação fixa 5.
É importante que a drenagem dos pátios e passeios, onde os animais se
deslocam, seja feita correctamente de forma a evitar zonas de acumulação de dejectos.
Uma boa qualidade da cama dos animais nos cubículos faz com que estes
permaneçam deitados durante um maior número de horas do que quando as camas
apresentam uma altura baixa, provocando desconforto. Isto obriga as vacas a estarem
12
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
mais tempo de pé, assim exercem mais tempo pressão sobre as patas. Com um maior
número de horas de descanso as claudicações nas vacas acabam por diminuir
drasticamente7.
Os cubículos mal desenhados e curtos fazem com que as vacas tenham os
membro posteriores no limite da estrutura, apoiando-se, por vezes, nas pinças causando
grande desequilíbrio e desconforto aos animais2.
As vacas leiteiras precisam de estar deitadas entre 12 a 14 horas por dia. Para
isso o tamanho dos cubículos e a qualidade da cama são dois factores para que isso
ocorra.
2.2.4 – Pastoreio
As vacas em condição de pastoreio têm os cascos mais secos que as vacas
confinadas. Existe uma relação entre o conteúdo de água do casco e a sua dureza. Um
aumento de água do casco leva a uma menor resistência e consequentemente a um
maior desgaste. Quando os cascos estão expostos a uma maior humidade dos currais,
ficam amolecidos permitindo que penetrem nestes corpos estranho como pedras ou
objectos pontiagudos. Por esta razão as vacas em pastoreio têm menor exposição a
dejectos e humidade o que contribui para a ocorrência de um menor número de
patologias podais2,5.
O exercício durante o pastoreio favorece a actividade do retorno venoso,
aumenta a produção de casco e previne a invasão bacteriana7.
2.2.5 – Produção
Numa exploração, as vacas com maiores índices de produção leiteira têm maior
risco de sofrer claudicações, sendo esse risco acrescido na fase de maior produção que
ocorre por volta dos 70 dias pós-parto7.
13
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
Também no peri-parto, produzem-se uma grande quantidade de alterações
hormonais, alimentares e de maneio que geram uma situação de stress. Se estes
processos não forem controlados podem contribuir para problemas podais5.
2.2.6 – Correcção funcional dos cascos
A correcção funcional dos cascos deve ser feita de forma rotineira, tentando
restabelecer as proporções normais dos mesmos, restaurar a posição dos membros e
favorecer uma distribuição equilibrada do peso. Esta correcção deve fazer parte de um
programa de medicina preventiva nos efectivos bovinos2.
Dada a importância deste assunto, será assim apresentado um capítulo dedicado
a este tema.
2.2.7 – Concentração de gado
A falta de superfície de cama em estabulações livres e o número de cubículos
sensivelmente inferior ao número de animais (figura 3) tem como consequência um
tempo menor de permanência dos animais deitados. Isto reflecte-se numa má qualidade
das camas e correlaciona-se com um maior número de claudicações, sendo mais
frequentes em animais que estão um menor número de horas deitados7.
Em estábulos com pouco espaço, a contaminação das camas por fezes e urinas
faz-se rapidamente, assim como a carga bacteriana, o que incrementa a incidência de
doenças de doenças infecto-contagiosas, bem como a sua velocidade de difusão7.
2.2.8 – Higiene
A sujidade combinada com humidade tem uma elevada relação com o
aparecimento de claudicações em bovinos (figura 4). A dermatite digital e interdigital,
erosão dos talões e pododermatites com complicações sépticas 5,8.
14
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
Pátios com dejectos e camas envoltas em humidade maceram a queratina do
casco e o próprio epitélio, facilitando a penetração de agentes infecciosos 7,15.
Figura 3 – Situação de sobre-população em regime de exploração bovina intensiva.
Figura 4 – Deficiente higiene dos pisos.
15
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
2.2.9 – Factor humano
A indiscutivelmente aceite que a intervenção humana numa exploração de
bovinos, principalmente de leite, tem um papel preponderante na diminuição de vacas
claudicantes e patologias à claudicação associadas7.
Se os criadores de bovinos tiverem conhecimentos básicos de podologia terão
obrigatoriamente menos vacas com problemas podais, não só pelo facto de terem
sensibilidade para o problema, mas também porque têm percepção do real interesse que
se deve dar a tais doeças2,5,7. Este conhecimento adquirido alerta os criadores para
encomendar os serviços técnicos de um podólogo o que permitirá impedir que algumas
patologias podais se tornem crónicas ou incurável 2,7,8.
Um veterinário com conhecimento de podologia e consciente da sua importância
pode ter uma directa influência para convencer o criador de bovinos da real necessidade
de encontrar esforços para prevenir e resolver os problemas das unhas7.
2.2.10 – Climatologia
É uma evidência que o calor constitui uma fonte de stress para as vacas leiteiras
de alta produção. As consequências metabólicas do stress pelo calor conduzem ao
aparecimento de problemas nas patas dos bovinos5.
Por outro lado, um clima seco é favorável para a saúde podal, visto que solos
menos húmidos estão menos predispostos a levarem as patas dos bovinos à incidência
de claudicações7.
2.2.11 – Época do ano
Em regiões onde o pastoreio predomina, a observação de patologias podais tem
menor incidência no Verão, sendo o Inverno e a Primavera as épocas do ano com maior
prevalência, destacando-se as dermatites digitais e interdigitais7.
Em estabulação livre, as diferenças estacionais são menos notadas, contribuindo
para isso o maior stress existente7.
16
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
2.2.12 – Humidade
A cápsula córnea é uma estrutura higroscópica e a humidade impregna-se na
queratina do casco amolecendo-o. Como consequência, diminui a resistência mecânica e
aumenta a possibilidade de ataques químicos e bacterianos7.
Pelo contrário, uma grande perda de humidade do tecido córneo torna-o duro e
quebradiço, predispondo ao aparecimento de pequenas rachas denominadas por fissuras.
A quantidade normal de água no casco deve ser de 14 a 20% e na palma de 15 a 30% 7.
2.2.13 – Idade
Quanto mais idade tiver um bovino, maior será a probabilidade de padecer de
problemas nas patas. As vacas velhas tendem a sofrer de problemas crónicos nas patas
com frequentes recidivas2,7.
3 – EQUIPAMENTO E INSTRUMENTAL USADO EM PODOLOGIA
Para o exame e recorte das unhas em bovinos, devem ser usados métodos de
contenção e instrumentos adequados à prática da podologia. A segurança do animal e a
segurança do operador devem estar presentes, já que actos irreflectidos podem conduzir
a graves consequências físicas tanto para o animal em observação, como para o
podólogo.
Neste capítulo, serão abordados todos os meios tecnológicos disponíveis no
mercado ou, pelo menos, a sua maioria, para a prática da podologia bovina 2,4.
3.1 – Troncos de contenção
Na prática clínica podem-se usar as salas de ordenha ou recorrer-se ao
posicionamento do animal em decúbito lateral a fim de conter o animal. Todavia, estes
métodos mais tradicionais e em desuso oferecem pouca segurança ao técnico que
executa o trabalho e causam-lhe desconforto devido a ângulos incorrectos de visão7,8.
17
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
Hoje, usam-se troncos de contenção dos mais variados modelos e de diversos
fabricantes. O uso de troncos de contenção transportáveis é o método mais seguro e
cómodo5.
3.1.1 – Troncos de contenção Wopa®
Estes troncos são de fabrico holandês, de grande qualidade e com uma grande
variedade de modelos. Podem ter um funcionamento manual ou ter um funcionamento
hidráulico, sendo estes últimos mais cómodos e rentáveis, porém mais honorosos na sua
aquisição2,4,11.
Os troncos Wopa® (figura 5) são verticais e permitem um ângulo de visão mais
correcto para o exercício da correcção dos casco, estando o animal em estação 11.
Figura 5 – Troncos de contenção Wopa® móveis (Adaptado de 11).
3.1.2 – Troncos de contenção de origem uruguaia
Neste caso, os troncos são também verticais, embora menos usados na Europa2,4
(figura 6).
18
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
Figura 6 – Troncos de contenção uruguaios. Vista lateral e frontal (Adaptado de 4).
3.1.3 – Troncos de contenção tombadores-hidráulicos
Estes modelos exigem menos esforço físico por parte do técnico, porém o ângulo
de visão para a correcção dos cascos é menos perfeita, acrescendo ainda o facto de
causar mais stress ao animal (figura 7). A grande vantagem é proporcionar ao técnico o
acesso a todos os dígitos ao mesmo tempo2,4.
Figura 7 – Tronco de contenção tombador-hidráulico. Modelo Fregonezzi (Adaptado
de 2).
19
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
3.2 – Instrumentos usados em podologia
Os instrumentos usados em podologia são geralmente muito simples, sendo aqui
também possível encontrar diversos fabricantes e modelos 5,7.
Nestes instrumentos de corte incluem-se as tenazes de corte articuladas (figura
13), as facas de cascos (para a mão direita e para a mão esquerda) (figura 8) e a
rebarbadora com discos especiais de corte que facilitam o trabalho e o tornam menos
laborioso2,5.
Também neste conjunto de ferramentas se incluem o equipamento para afiar as
facas de cascos (esmerilador e pedras de afiar) (figuras 9 e 10), grosas para acabamento
do recorte podal (figura 13), tacos ortopédicos de vários modelos (figura 14) e botas de
irrigação (figura 15).
Outras ferramentas podem ser adquiridas, embora estes sejam os mais usuais e
de maior necessidade7,8.
Figura 8 – Facas de casco direitas e
esquerda.
Figura 9 – Disco de trapo para polir após o
afiar da faca.
20
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
Figura 10 – Discos de corte para
esmerilador.
Figura 11 – Rebaixador de cascos.
Figura 13 – Tenaz de corte de unhas (em
cima) e grosa para cascos (em baixo).
Figura 12 – Pinça de detecção de dor.
21
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
Figura 14 – Tacos ortopédicos e cola para cascos.
Figura 15 – Bota de irrigação.
4 – CORRECÇÃO FUNCIONAL DOS CASCOS EM BOVINOS
Para uma perfeita correcção de cascos em bovinos exige-se que o técnico que
opera em podologia tenha um conhecimento correcto da anatomia dos membros. Sobre
estas regiões anatómicas já foram anteriormente dispensadas algumas páginas. Outros
aspectos de grande importância são a observação da postura corporal do animal (figura
28), a posição dos curvilhões que estão paralelos, num animal são, abertos, quando há
sobrecarga das unhas posteriores externas e assimétricos em relação à verticalidade do
úbere2,5,8:
- adiantados quando o sofrimento é na ponta da unha (pinça), denominado neste
caso de camping under (figura 27);
- quando o apoio é por detrás do úbere, posição de camping back, indica que há
lesões no talão e o animal adopta o apoio mais sobre as pinças7 (figura 16).
Por último devem ser observados epitélios adjacentes às unhas e naturalmente as
próprias unhas. A observação atenta das unhas, quanto à sua morfologia e aspecto
22
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
patológico, dará indicação do tipo de correcção mais adequado e poderá obrigar a fazer
algumas alterações ao padrão típico do aparo funcional periódico dos cascos de animais
que não claudicam. Esse aparo profilático deve ser feito de seis em seis meses. É sobre
este último aspecto que vamos centrar e orientar a nossa descrição, alicerçando o
procedimento em suportes técnico-científicos e que, pela sua natureza, obedece a várias
etapas2,5,7,8.
Figura 16 – Bovino em posição de camping back.
4.1 – Correcção das unhas dos membros posteriores
Nos membros posteriores, começamos por corrigir a unha interna ou medial por
ser esta a mais pequena e normal, enquanto nas unhas dos membros anteriores começase a correcção pela unha externa ou lateral sendo o procedimento igual em ambas.
Deve inicia-se a correcção após limpeza geral do casco com jactos de água ou
com a faca de cascos para que se possam remover todos os resíduos de material
inorgânico podendo-se assim explorar melhor toda a região da parede axial, da sola, do
talão e da linha branca2,5,7.
23
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
4.1.1 – Unha interna
Inicialmente, medem-se 7,5cm de comprimento desde o começo da parede dura
do casco até à pinça, ou seja, desde a parede dorsobaxial do dígito ou banda coronária
até à sua extremidade distal. De seguida, corta-se o excesso com uma tenaz em forma
perpendicular à sola, devendo a espessura da sola ficar entre 0,5 a 0,7cm de altura
(figura 30) após fazer o rebaixamento da sola com uma faca de cascos (figura 17). A
sola não deve ficar mais baixa que a medida atrás referenciada e deve respeitar-se a
altura dos talões. No entanto, encontram-se unhas internas com o comprimento correcto,
não devendo, por isso, ser cortadas, apenas deve-se proporcionar uma certa
estabilidade2,4.
Figura 17 – Medidas recomendadas
para o recorte funcional dos cascos
(Adaptado de 6).
4.1.2 – Unha externa
Compara-se o comprimento das duas unhas acercando-se ou aproximando-as e
toma-se como referência o comprimento da unha interna, cortando-se de seguida a unha
externa (figura 29). Posteriormente, com o uso da faca de cascos, faz-se o abaixamento
da unha desde o talão até à pinça aproximando o mais possível esta da unha interna em
relação à altura da sola, isto permite uma correcta distribuição do peso. Cada unha ficará
a suportar 50% do peso, ou o mais próximo possível dessa proporção2,4,5.
4.2 – Moldar as concavidades axiais
Estas concavidades devem ser moldadas nos dois terços posteriores da unha,
respeitando o terço anterior que é de grande interesse para um apoio estável da unha,
24
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
deixando assim uma zona onde a pressão por suporte do peso deve ser exercida (figura
31)2,7.
4.3 – Limpeza dos talões
Toda a região dos talões deve ser limpa de erosões e tecido necrótico. É tão
frequente encontrar talões erosionados que inclui-se a sua limpeza como parte do
recorte ou correcção dos cascos. Para a correcção funcional básica bastam estes passos
com os respectivos procedimentos4,5.
5 – CORRECÇÃO DOS CASCOS EM CASOS DE AFECÇÕES PODAIS
(MÉTODOS TERAPÊUTICOS OU CURATIVOS)
5.1 – Terapia com recurso a tacos ortopédicos
Se, após concretizados os procedimentos atrás citados, for detectada a presença
de algum grau de afecção podal, procede-se então a uma correcção que possa contribuir
para o alívio de peso sobre a unha afectada. Para isso, pode ser necessário rebaixar,
quanto possível, a zona afectada, direccionando assim o peso para a unha sã. No
entanto, deve respeitar-se sempre a espessura da sola no seu terço anterior, já que
quando demasiado fina pode causar claudicações iatrogénicas com algumas
consequências negativas. Quando as lesões não podem ser resolvidas por este
mecanismo de distribuição de peso e consequente alívio de peso na unha afectada, deve
colocar-se na unha sã (no membro posterior deve ser a unha medial) uma prótese
(colada ou segura por cravos usados nas ferraduras), denominada por taco ortopédico. A
função do taco ortopédico é fazer com que a pressão/peso seja exercido sobre a unha sã,
aliviando assim o peso sobre a unha lesada, até que esta recupere a sua funcionalidade,
devendo o referido taco ser removido ao fim de um mês após a sua colocação. Este
procedimento usa-se frequentemente quando estão presentes úlceras da sola bem como
abcessos da parede2,4,7.
25
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
A aplicação do taco ortopédico é uma técnica simples embora devam ser usados
procedimentos para evitar fracassos. Para a colocação de tacos de madeira, o
procedimento correcto é:
Limpar e aprumar a sola onde se colocará o taco, podendo fazer-se ligeiros
sulcos para melhor aderência da cola usada para aderir o respectivo taco;
Misturar a cola líquida com o pó que vem separado, até obter uma pasta
homogénea colocando-a na superfície do taco e na sola;
Pressionar com firmeza o taco contra a sola e moldar a cola sobrante à parede
da unha, permitindo assim uma maior aderência;
Quando a pasta está completamente dura o processo está finalizado, podendo,
no inverno, para acelerar o processo de secagem usar uma fonte de calor
como por exemplo um secador de cabelo.
5.2 – Outros métodos de terapia podal
Quando alguns tipos de lesões estão presentes, e que para o seu processo de cura
a unha não deva estar exposta a ambientes conspurcados, como os dejectos dos animais,
usam-se botas de irrigação. Este mecanismo permite colocar produtos químicos, como
fármacos diluídos dentro da bota, e que possam ser diariamente removidos e outros
novamente colocados sem que para isso seja necessário retirar a bota do membro
afectado. É frequentemente usada esta bota de irrigação quando há lesões que obrigam a
uma grande exposição do córion.
As bandagens com antibiótico em pó (oxitetraciclina e lincomicina) são outra
terapia usada nos tratamentos podais, essencialmente nos casos de dermatites digitais e
interdigitais, respectivamente2,7.
O uso de uma ferradura também é um processo de valor considerável no
tratamento podal quando as duas unhas estão lesadas e não pode ser colocado o taco
ortopédico, como é o caso específico de úlceras em ambas as unhas (lateral e medial). A
colocação da ferradura, além de promover imobilidade, permite que o peso seja
suportado pela interface parede/linha branca, onde os cravos são aderidos4,5,8.
Além destes métodos de terapia podal, outros podem ser utilizados, como a
artrodese e a amputação de unha, além de como seria de esperar, o tratamento por
26
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
fármacos de aplicação sistémica, essencialmente antibioterapia (macrólidos, sulfamidas,
lincomicina e cefalosporinas). Mais à frente serão abordadas algumas doenças podais
que encontrei durante o período em que efectuei o estágio, e nestas serão abordados os
respectivos tratamentos de uma forma mais exaustiva e detalhada, sendo que se ache
desnecessário aqui mencionar os tratamentos até à exaustão do seu pormenor. Assim
sendo, qualquer outra técnica terapêutica aqui não abordada poderá, caso necessário, ter
o devido tratamento descritivo aquando da menção da doença em causa2,4,7.
6 – CLASSIFICAÇÃO DAS PATOLOGIAS PODAIS
Desde há muito tempo que se vem discutindo as afecções podais dos bovinos em
relação à classificação das doenças que atingem os ruminantes nas extremidades dos
seus membros. Reuniões de especialistas em doenças podais ocorreram em Utrech
(1976), Skara (1978), Viena (1982) e Alfort (1984) com vista a encontrar uma
terminologia adequada para classificar de uma forma universal as doenças podais que se
encontram nos membros dos bovinos, mais propriamente nas extremidades dos
membros1:
Vamos considerar, para efeitos deste relatório, 9 entidades nosológicas nos pés
dos bovinos que serão abordadas de forma sucinta excepto aquelas que com maior
predominância foram encontradas na área de trabalho de campo em que eu estive
presente na qualidade de estagiário.
6.1 – Dermatite interdigital
É uma inflamação superficial da epiderme interdigital provocada por uma
infecção bacteriana, sendo o Fusobacterium necrophorum e Bacteroides nodosus os
agentes mais comummente isolados. Esta infecção na fase aguda quase não produz
sintomas clínicos, mas quando na fase crónica provoca erosões dos talões, o que leva a
claudicações mais graves4,7,12,15.
1
dermatite interdigital; dermatite digital; dermatite verrucosa; hiperplasia interdigital (tiloma, limax); fleimão
interdigital (panarício), erosão da úngula; pododermatite asséptica difusa (laminite); pododermatite circunscrita
(úlcera da sola); pododermatite séptica; fissura longitudinal ou transversal do casco.
27
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
6.2 – Dermatite digital
A dermatite digital, também chamada doença de Mortellaro, é uma inflamação
contagiosa da epiderme, proximal ao espaço interdigital ou à banda coronária (figura
18). Embora em menor extensão, a derme pode ser afectada. As lesões típicas na sua
forma erosiva, ulcerativa e proliferativa (verrucosa) apresentam-se, geralmente,
circulares com 1 a 4 centímetros de diâmetro (figuras 19 e 35). Tem-se encontrado
bacilos não invasivos na superfície das lesões com Bacteroides nodosus, Bacteroides
fragilis e Bacteroides capillaris, no entanto, o seu papel ainda está em discussão2,7,8,12,14.
Figura 18 – Representação esquemática dos locais mais frequentes de dermatite digital
(Adaptado de 6).
Figura 19 – Aspecto macroscópico de dermatite digital no membro posterior de um
bovino.
28
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
6.3 – Erosão dos talões
Trata-se de uma perda irregular de substância córnea no bulbo (talão) em forma
de sulcos profundos e está relacionada com a dermatite interdigital. É bastante comum
ocorrer em vacas leiteiras, especialmente nas mais idosas que são confinadas em débeis
condições higiénicas. Em lesões extensas há destruição dos talões levando a um apoio
defeituoso com consequente claudicação7,15,17.
O agente bacteriano envolvido nesta patologia é o mesmo da dermatite
interdigital, embora bactérias secundárias, como o Fusobacterium necrophorum,
possam também ser isoladas. A erosão dos talões pode também estar associada a
laminite subclínica. Os dígitos posteriores são os mais frequentemente afectados 15,19,20.
6.4 – Hiperplasia interdigital (Tiloma)
É uma reacção proliferativa da pele interdigital em que ocorre uma massa dura.
Pode ser uni ou bilateral e é mais comum e é mais comum no membro posterior que no
interior. A causa mais frequente é a irritação provocada por inflamação da região
interdigital ou um crescimento excessivo da parede axial do dedo, bem como um
acumular excessivo de gordura subcutâneo no espaço interdigital. Nas extremidades
afectadas observa-se claudicação ligeira a moderada2,4,7.
6.5 – Fleimão interdigital (Necrobacilose interdigital)
É uma infecção necrótica aguda ou sub-aguda que atinge o tecido conjuntivo
subcutâneo da região interdigital e causa intensa claudicação. A doença é cosmopolita e
pode ocorrer de forma endémica em rebanhos leiteiros e de corte 7,8,15.
A doença é causada por uma bactéria anaeróbica Gram negativa, o
Fusobacterium necrophorum que é um habitante normal do rúmen e intestinos em
bovinos e ovinos, e é oportunista dos cascos nestas duas espécies. É o agente mais
isolado no fleimão interdigital. Pode existir sinergismo desta bactéria com o
Bacteroides nodosus e o Bacteroides melaninogenicus, tal com Actinomyces pyogenes,
Staphylococus spp. e Streptococus spp.4,15.
29
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
Os factores de risco são as lesões traumáticas da pele tal como o seu
amolecimento por fezes e urina associadas a más condições higiénicas ambientais.
Outros factores de risco são ulcerações secundárias a infecções virais sistémicas como
febre aftosa e a doença das mucosas. Ambos os membros podem ser afectados, sendo
mais frequente acometer os posteriores. O animal apresenta dor, eritema e intensa
claudicação evitando apoiar o membro no chão. Podem aparecer alterações sistémicas
com elevação da temperatura corporal e hiporéxia. Este quadro pode complicar-se
quando a infecção atinja estruturas mais profundas do dedo como seja a articulação
interfalangiana distal, conduzindo então a artrite supurativa e abcesso retroarticular2,4,19.
6.6 – Pododermatite circunscrita (Úlcera da sola)
A pododermatite circunscrita também conhecida por úlcera da sola é uma lesão
específica da sola muito frequente em vacas leiteiras bastante pesadas que estejam
mantidas em piso húmido e cuja base da sua alimentação seja de alto nível de
concentrado e proteína. Esta patologia podal desenvolve-se na região onde se une a sola
com os talões, mais próximo da margem axial do que da abaxial, e regra geral afecta
mais os membros posteriores. Aceita-se na actualidade que a laminite subclínica por
determinar a formação de substância córnea de baixa qualidade predispõe ao
aparecimento da úlcera da sola. No entanto, nem todos os casos estão associados à
laminite mas também aos animais adultos suportarem mais peso nos dedos externos
(laterais) no membro posterior conduzindo assim a grande pressão mecânica exercida
no córion ficando mais comprimido entre a sola e o processo plantar da terceira falange,
originando assim necrose isquémica. A erosão dos talões e a dermatite interdigital
podem alterar o apoio e assim também complicar o processo de úlcera da sola 16,18.
O grau da claudicação depende da gravidade da lesão, que varia desde uma
descoloração da área sensível à pressão até uma perfuração circunscrita. Em casos
avançados de úlcera da sola, o tecido de granulação reparador no sítio da lesão faz
protusão através do orifício produzido na sola, e a infecção existente no córion produz
diversos graus de separação da sola18,20.
30
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
Após colocar o animal num tronco de contenção, a lesão é visível na maioria dos
casos, embora algumas vezes se encontre uma extensão de sola a recobrir a zona e logo
se identifica a úlcera ao fazer o recorte dos cascos7,18.
6.7 – Laminite (Pododermatite asséptica difusa)
A laminite é uma inflamação difusa do córion e origina-se de distúrbios da microcirculação digital, resultando em isquémia. Estas alterações produzem inflamação e
degeneração das lâminas dérmicas. Este processo tem como consequência a produção
de substância córnea anormal com zonas amareladas, débeis e por vezes com
hemorragias na sola e nos talões. Através do estudo de peças anatómicas provenientes
do abate de animais com laminite, chegou-se à conclusão que esta patologia passa por
três fases distintas:
Fase 1 – alterações na micro-circulação podal, vasodilatação e detenção do fluxo
sanguíneo. Formam-se shunts arterio-venosos e a circulação sanguínea não
chega aos tecidos o que resulta em hipóxia. Começa a transudação de líquido
provocando edema, hemorragias, trombos e por fim necrose. Estes transtornos
deterioram a união derme/epiderme;
Fase 2 – há retracção e afundamento da terceira falange que vai comprimir o
córion na sola e nos talões. Isto conduz à evolução dos danos, originando mais
hemorragia, isquémia, trombose e consequente necrose. Nesta fase, o clínico
apenas consegue detectar dor e claudicação;
Fase 3 – pelas quatro a seis semanas após o início do processo, começam a
aparecer lesões na cápsula córnea. As hemorragias na sola tornam-se visíveis
através de manchas e quando estas são suficientemente grandes levam a que
ocorra uma dupla sola. Ocorrem úlceras devido ao bloqueio da produção de
substância córnea por necrose num determinado ponto. Com a decorrer das
lesões aparecem sulcos na parede dorsal (anterior) do casco, devido à produção
de casco de má qualidade14-17.
As laminites podem ser clínicas ou subclínicas e dentro das clínicas temos as
agudas e as crónicas. As mais comuns são as subclínicas, que podem afectar grande
31
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
parte dos bovinos numa exploração leiteira, sendo mais frequentes em animais após o
primeiro parto15-17.
As formas agudas são esporádicas, no entanto, mais comuns em animais de
engorda (feedlot) e no gado leiteiro a sua aparição é, regra geral, entre os 30 a 60 dias
após o primeiro parto. Nesta fase há eritema, inflamação, sensibilidade e calor na banda
coronária. Na forma crónica não há sintomas gerais e os que aparecem são na unha. As
unhas deformam-se e aparecem ranhuras horizontais2.
As laminites são conhecidas há mais de vinte anos e a sua origem ainda hoje é
discutida. As evidências do seu aparecimento apontam para uma dieta rica em
carbohidratos, e consequentemente, acidose láctica, o maneio, a genética e o meio
ambiente, sendo assim uma doença multifactorial 4,7.
Devido à má qualidade do casco e à diminuição da dureza da queratina aparecem
lesões secundárias significativas com invasão e infecção bacteriana. Também é aceite
que doenças infecciosas como a mastite, a metrite, a pneumonia, a peritonite podem
produzir uma grande quantidade de endotoxinas bacterianas que ao entrar em circulação
sistémica causam alterações na micro-circulação podal e conduzem a laminites17.
Várias outras patologias podais estão descritas como podendo estar associadas às
laminites:
Hemorragia da sola
Úlcera da sola
Sola dupla
Erosão dos talões
Lesões na linha branca
Fissuras ou rachaduras2,5,17.
32
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
6.8 – Afecções da linha branca
A doença da linha branca está caracterizada pela desintegração da união entre a
parede e a sola do casco e a sua penetração por corpos estranhos. O local mais comum
da lesão é a parede abaxial na junção da sola com o talão, no entanto, as lesões mais
graves são as que ocorrem na região apical da sola 2-5,13.
As causas desta patologia são várias, primeiro a degeneração fibrosa que existe
entre a sola e a parede do casco permitindo assim a penetração de matéria orgânica e de
corpos estranhos e depois, outros factores como a humidade dos estábulos e a
deformação do casco resultante da laminite14,16.
A linha branca ao ser separada é facilmente penetrada por corpos estranhos que
podem originar fístulas com material purulento na banda coronária e na zona de união
da sola com o talão e penetração na bolsa navicular com consequente infecção da
articulação distal7.
Geralmente são mais afectados os dígitos externos dos membros posteriores e os
sinais clínicos só aparecem após se desenvolverem processos infecciosos. Dos sinais
clínicos destacam-se: a saída de material purulento, dor, aumento da temperatura do
casco e a separação da sola dos talões7,20.
6.9 – Fissuras ou rachaduras do casco
São fissuras do tecido córneo da unha que atingem a parede, paralelamente à sua
parte dorsal ou paralelas à banda coronária, podendo assim ser fissuras verticais ou
horizontais, respectivamente. Esta lesão é comum em reprodutores de carne com idade
superior a três anos e são os membros anteriores os mais frequentemente atingidos.
Estas fissuras podem conduzir a pododermatites sépticas. Embora as causas continuem
a ser discutidas é aceite que os traumas, a desidratação, as laminites e a deficiência em
alguns oligoelementos tenham importância no aparecimento da afecção. Alguns
episódios de stress também são apontados como causa. Muitas destas fissuras são
benignas e os animais não apresentam nenhuma claudicação, mas em certas situações as
fissuras podem infectar-se2,5,7.
33
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
7 – AMPUTAÇÃO DE DEDO EM BOVINO
Esta técnica cirúrgica está recomendada em processos graves e irreversíveis nas
zonas profundas da unha, entre as quais se podem citar as artrites da articulação
interfalangiana distal, a necrose da almofada plantar, a osteíte e osteólise da terceira
falange, entre outras4,9,10.
Pelo facto de não ter ocorrido nenhuma cirurgia de amputação de dedo durante o
período de estágio curricular, recorreu-se a patas provenientes de um matadouro de
rezes para efectuar e demonstrar este processo cirúrgico. Existem dois processos de
amputação, o inferior e o superior. Todavia, no presente texto apenas se descreveu a
amputação superior9,10.
7.1 – Anestesia e conducta pré-operatória
A operação pode sr feita com o animal em decúbito lateral após sedação com
xilazina ou com o animal em estação após colocado num tronco de contenção.
Posteriormente, faz-se uma ligadura de Esmarch ou torniquete (figura 20) no
metacarpo ou no metatarso e realiza-se uma anestesia regional intra-venosa (35mg de
lidocaína a 2%) na veia metatarcarpiana dorsal ou na veia metatarsiana dorsal,
dependendo do membro que está a ser intervecionado2,5,9,10 (figura 36).
Figura 20 – Torniquete para aplicação
de anestesia regional intravenosa
(Adaptado de 9).
34
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
7.2 – Técnica cirúrgia
Após ser feita a tricotomia e assépsia do campo cirúsrgico, procede-se à incisão
da pele com um bisturi desde o espaço interdigital até circundar a segunda falange
(figura 21). Após fazer o rebatimento da pele, corta-se com um fio-serra a partir do
espaço inter-digital, começando na porção distal da primeira falange e seguido em
posição oblíqua. O movimento do fio-serra não deve ser rápido, de modo a que não
ocorra necrose dos tecidos adjacentes, osso inclusivé.
Após a extracção do dedo, deve remover-se o tecido necrótico. Se possivel,
procede-se à eliminação da metade proximal da 2ª falange com auxílio de uma cureta.
Em seguida, a pele deve ser suturada, se existir em extensão suficiente, podendo-se
deixar um espaço para drenagem. No caso caso deste recobrimento ser impossível de
executar, ter em atenção que não se deve remover o torniquete sem antes realizar uma
bandagem compressiva.
Em seguida, a pele pode ser suturada, deixando um espaço para drenagem, podendo até
nem ser necessário recobrir toda a ferida cirúrgica com a pele sobrante 7,9,10
7.3 – Cuidados pós-operatórios
No final da cirurgia, o torniquete deve ser retirado suave e lentamente para que a
lidocaína não entre abruptamente na circulação sistémica
Em toda a zona removida, deve ser colocado antibiótico e posteriormente uma
bandagem para compressão (figura 39). As bandagens são removidas em cada 2 ou 3
dia, mentendo-se o membro com as mesmas até que seja evidente a total cicatrização da
ferida.
Uma correcta antibioterapia por via parenteral deve ser administrada durante
alguns dias. O animal deve também permanecer num ambiente seco e limpo durante
pelo menos duas semanas de forma a diminuir a carga bacteriana em redor da zona
afectada3,9,10.
35
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
B
A
C
D
Figura 21 – Procedimentos sequenciais na técnica cirúrgica de amputação de dedo em
bovino (Modificado de 10).
36
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
CONCLUSÃO
Durante os quatro meses de estágio curricular, contactei toda a utilidade dos
ensinamentos académicos que adquiri até ao final do curso, pois a maioria deles pude
colocá-los em prática em todas as saídas de campo que efectuámos. Ao mesmo tempo,
verifiquei que houve um enriquecimento científico que poderá permitir a minha
evolução como clínico durante a minha vida.
Por fim, acho salutar e reconfortante que todos os objectivos traçados ao entrar
no Ensino Universitário tenham sido objectivamente cumpridos no sentido da sua
realização, mas também grandemente valorosos por sentir que valeu a pena e, enquanto
nisso acreditar, vou cultivando essa crença.
37
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
BIBLIOGRAFIA
1. Dyce, K.M., Sack, W.O., Wensing, C.J.G. (1997). O membro posterior dos
ruminantes. In: Tratado de Anatomia Veterinária, 2ª Ed. Editores:, K.M. Dyce,
W.O. Sack, C.J.G. Wensing. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro. 589-597.
2. Nicoletti, J.L.M. (2004). Manuel de Podologia Bovina. Editor: J.L.M. Nicoletti.
Editora Manole, Brasil.
3. Ferreira, P.M., Carvalho, A.U., Filho, E.J.F., Coelho, S.G., Ferreira, M.G.,
Ferreira, R.G. (2005). Afecções de Sistema Locomotor dos Bovinos. In: II
Simpósio Mineiro de Buiatria, Brasil.
4. Acuña, R., Alza, D.H., Junqueira, J.B., Nordlund, K., Ramos, J.M. (2004).
Cojeras del Bovino. Editores:, R. Acuña, D.H. Alza,
J.B. Junqueira, K.
Nordlund, J.M. Ramos. Editorial Inter-médica, Buenos Aires.
5. Sagües, A.G. (sem data). Cuidado de Pezuñas en Vacuno Lechero. Editor: A.G.
Sagües. Cadernos de Campo Merial, Espanha.
6. Universidade Estatal de Utrech e Centro de Formação Prática de Gado
Leiteiro de Oenkerk (1997). Cuidados de Pezuñas en Ganado Vacuno. IPC
Dier, Oenkerk.
7. Sagués, A.G. et al. (1995). Control de Cojeras en el Ganado Vacuno de Leche.
In: Revista Bovis. Ediciones Luzan, Madrid. 7-31.
8. Rebhun, W.C., Guard, C. (1999). Enfermedades musculoesqueléticas. In:
Enfermedades del Ganado Vacuno Lechero. Editores: W.C. Rebhun, C. Guard.
Editorial Acribia, Saragoça. 481-500.
9. Alexander, A. (1989). Amputación de miembros en bovidos. In: Tecnica
Quirurgica en Animales. Editor: Alfonso Alexander. Editora Interamericana
McGraw-Hill, México. 236-238.
10. Turner, A.S., McWairth, C.W. (1985). Amputação de dedo. In: Técnicas
Cirúrgicas em Animais de Grande Porte. Editores: A. Simon Turner, C. Wayne
McWraith. Editora Roca, Brasil. 301-304.
11. Página de internet http://www.wopa.com. Consultada no dia 22 de Janeiro de
2008.
38
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
12. Souza, R.C. et al. (2006). Aspectos histopatológicos da dermatite digital em
vacas leiteiras. In: Ciência Animal Brasileira, 7 (4): 423-431.
13. Silva, L.A.F. (2001). Características clínicas e epidemiológicas das enfermidades
podais em vacas lactantes do município de Orizona. In: Ciência Animal
Brasileira, 2 (2): 119-126.
14. Silva, L.A.F. (2006). Enfermidades digitais em bovinos confinados: uso
parenteral do cobre na prevenção. In: Vet. Not., 12 (1): 21-28.
15. Berry, S.L. (2006). Infectious diseases of the bovine claw. In: 14 th International
Symposium and 6th Conference on Lameness in Ruminants, Uruguai.
16. Martins, C.F. (2002). Prevalência e classificação das afecções podais em vacas
lactantes na bacia leiteira de Campo Grande e municípios arredores. In: Ensaios e
Ciência, 6 (2): 113-137.
17. Shearer, J.K., Amstel, S.R. (2003). Managing lameness for improved cow
comfort and performance. In: 6th Western Dairy Management Conference, Reno.
18. Silva, F.F. et al. (2006). Pododermatite solar circunscrita, úlcera de Husterholz
ou úlcera da sola. In: Ciência Vet. Tróp, 9 (2): 102-105.
19. Úrsula, M. (2008). Efeito da sazonalidade sobre a ocorrência de lesões podais
em vacas de raças leiteiras. In: Rev. Bras. Saúde Prod. An., 9 (1): 109-116.
20. Dias. S. (2004). Efeito das afecções de cascos sobre o comportamento no estro e
desempenho reprodutivo de vacas leiteiras. In: Tese de Doutoramento da
Universidade de São Paulo, 21-45.
39
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
ANEXOS
I
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
I. CASOS CLÍNICOS
CASO CLÍNICO N.º1
Identificação do animal
Espécie: Bovino
Raça: Holstein Frísia
Sexo: Fêmea
Idade: 6 anos
Motivo da consulta
Acorreu-se ao local da consulta por motivos de claudicação, hiporéxia e queda
na produção leiteira.
Exame físico
Observou-se dificuldade em apoiar o membro no solo e um ligeiro aumento da
frequência respiratória.
Após colocação do animal no tronco de contenção, este manifestou dor à
palpação e observaram-se duas lesões alopécicas circulares com cerca de 3 a 4cm de
diâmetro na pele adjacentes aos talões (figura 22). As lesões apresentavam-se ulceradas,
com odor, ligeiro sangramento. Os seus bordos estavam recobertos com pêlos eriçados.
Verificou-se que outros animais do rebanho também claudicavam.
II
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
Figura 22 – Dermatite digital no
membro posterior direito de em bovino.
Diagnóstico diferencial
Os possíveis diagnósticos diferenciais são a dermatite interdigital ou a dermatite
digital.
Diagnóstico: Dermatite digital erosiva-ulcerativa.
Tratamento
Para o tratamento deste bovino, optou-se por colocar uma bandagem com
oxitetraciclina em pó, após ter feito a limpeza do pé (figura 23). O animal foi,
posteriormente, colocado num local seco e limpo.
III
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
Figura 23 – Aplicação de
bandagem com oxitetraciclina
para tratamento da dermatite
digital em bovino.
CASO CLÍNICO N.º2
Identificação do animal
Espécie: Bovino
Raça: Holstein Frísia
Sexo: Fêmea
Idade: 2 anos
Motivo da consulta
O cliente descreveu que o bovino leiteiro referido apresentava claudicação,
fortes dores no membro afectado, dificuldade de locomoção e baixa na produção de
leite.
IV
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
Exame físico
O animal apresentava dor no membro afectado, inflamação do tecido interdigital
(figura 24), sobre-crescimento da unha lateral do membro posterior e ligeira abdução
para transpor o peso para a unha medial. A frequência respiratória e o estado de
hidratação apresentavam-se normais.
Figura 24 – Úlcera da
sola em bovino.
Diagnósticos diferenciais
O aspecto macroscópico da lesão fizeram-nos suspeitar de poder ser uma doença
da linha branca ou uma laminite aguda.
Diagnóstico: Úlcera da sola.
Tratamento
Fez-se um recorte curativo do casco e reduziu-se ao mínimo o suporte de peso
circundante à lesão conseguido-se uma baixa espessura de casco nessa região para não
comprimir a lesão (figura 25).
V
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
O tratamento de eleição é o uso de um taco ortopédico para sustentar o peso do
dedo não afectado e subtrair assim o peso ao dedo doente (figura 25). Quando a lesão
não é purulenta, não se aconselha o uso de bandagens com antibióticos em pó, pois
atrasaria o crescimento de nova córnea. Quando a lesão é purulenta, devem ser usados
antibióticos por via parenteral, sendo a oxitetraciclina e a lincomicina considerados de
primeira escolha.
Figura 25 – Aplicação
de taco ortopédico para
tratamento da úlcera da
sola do animal da figura
anterior.
CASO CLÍNICO N.º3
Identificação do animal
Espécie: Bovino
Raça: Holstein Frísia
Sexo: Fêmea
Idade: 3 anos
VI
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
Motivo da consulta
O bovino referido encontrava-se no sétimo mês de gestação e apresentava uma
grande distensão abdominal, muito visível a partir do sexto mês, segundo o proprietário.
A vaca tinha dificuldade em andar e um apetite menor que o normal.
Exame físico
No exame físico, constatou-se que havia uma grande distensão abdominal
(figura 26), dificuldade em levantar-se e uma marcada desidratação. À palpação transrectal revelou um útero cheio de líquido, tendo-se conseguido palpar os placentomas.
Figura 26 – Vaca gestante com hidropisia. Vista anterior e posterior.
Diagnósticos diferenciais
As possíveis patologias compatíveis com os dados atrás colhidos são o
hidroalantóides, o hidroâmnios e o hidroperitoneu.
Diagnóstico: Hidropisia das membranas fetais.
VII
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
Tratamento
Para o tratamento desta vaca, optou-se por hidratar o animal com lactato de
Ringer e induzir o parto com uma administração intramuscular de PGF2α, por opção do
dono.
VIII
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
II. CASUÍSTICA
IX
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
X
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
XI
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
XII
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
XIII
Podologia em Bovinos: Conceitos Basilares
XIV