Global Economic Symposium (GES)

Сomentários

Transcrição

Global Economic Symposium (GES)
GES | 2012 Media Review
16–17 October, Rio de Janeiro, Brazil
Global Economic
Symposium (GES)
Growth through Education and Innovation
Cooperation Partner
Kiel Institute
for the World Economy
Collaborator
GES | 2012 Media Review
Content
Introduction2
Selected Articles 3
Media Review Brazil
11
Introduction
On October 16 and 17, the Global Economic Symposium took place in Rio de Janeiro. For the first time in
Brazil, the symposium was organized by the Kiel Institute, Bertelsmann Stiftung and in cooperation with
the Leibniz Information Center for Economics (ZBW) and in collaboration with FGV, counting on world
leaders, economists and specialists from various countries to discuss and formulate innovative solutions
for the biggest political, environmental and socioeconomic problems experienced by the world today.
The total publication range of the GES 2012 came to over 150 articles, magazines and direct notes on
printed media (mentioning the Global Economic Symposium), radio, internet, agencies and TV. The highest concentration of articles occurred during the period from October 16 to 24, highlighting more than 100
articles.
In terms of publicity equivalence, the spontaneous media obtained the sum of € 2.7 million. There were
more than 8 thousand centimeters of articles and almost 30 minutes of exposure on radio and TV.
In addition, there were repercussions on institutional sites, social media and in other languages besides
Portuguese and English.
The website activities resulted in approximately 85.000 hits during the symposium. That is about four
times more than the rest of the year. The GES livestream has been accessed over 4.000 times.
The social media activities of the GES 2012 resultet in over 1200 tweets and messages on other social
networks like Google+ and Facebook, leading to an exposure of more than 1.5 million impressions
(Twitter alone) with a total reach of 200.000 unique Twitter accounts.
Impressions count the number of times a message directly associated with the GES 2012 has been visible
in the streams of Twitter users. Unique accounts count the number of unique users that were reached with
messages directly associated with the GES 2012.
–2–
GES | 2012 Media Review
Selected Articles
a1haber.com, 11/01/2012
GES 2012’in Teması Eğitim, İnovasyon ve Büyüme Oldu
http://tinyurl.com/bto77sj
a1haber.com, 10/25/2012
Küresel Ekonomik Sempozyum, Rio’da Yapıldı
http://tinyurl.com/csjm6kz
dha.com.tr, 10/24/2012
Rio de Janeiro, Küresel Sorunların Tartışıldığı Sempozyuma Ev Sahipliği Yaptı
http://tinyurl.com/clypaf9
truth-out.org, 10/23/2012
Saudi Arabia Reveals Plans to Be Powered Entirely by Renewables While Fossil Fuels Dictate U.S.
Energy Policy
http://tinyurl.com/8w2yb8n
oilprice.com, 10/23/2012
Saudi Arabia, World’s Leading Oil Producer, to go “Green” at Home?
http://tinyurl.com/dxaqll2
leibnitz-gemeinschaft.de, 10/23/2012
Ideen für eine bessere Welt
http://tinyurl.com/ble7wau
Jornal da Ciência, 10/22/2012
Universidade virtual descobre o Brasil
cmconsultoria.com.br, 10/22/2012
Universidade virtual descobre o Brasil
http://tinyurl.com/d9quyjr
msn.com, 10/22/2012
Universidade virtual “descobre” o Brasil
http://tinyurl.com/cw5mxly
karmakonsum.de, 10/22/2012
Saudi Arabien will zu 100% erneuerbar werden
http://tinyurl.com/8ta33m2
estadao.com.br, 10/22/2012
Universidade virtual descobre o Brasil
http://tinyurl.com/ck592kp
ulitzer.com, 10/22/2012
GRE®-Programm stellt neue Tools zur Vorbereitung auf Tests vor, um angehenden Studenten von
Graduierten- und Betriebswirtschaftsschulen unter die Arme zu greifen
http://tinyurl.com/c6hzlor
–3–
GES | 2012 Media Review
Selected Articles
finanznachrichten.de, 10/22/2012
Leading Corporate Executives Gather in Miami for 2012 Latin Trade Symposium
http://tinyurl.com/c8ksger
citizenrenaissance.com, 10/22/2012
Shared Society: The State We’re In
http://tinyurl.com/c466zpm
computerweekly.com, 10/22/2012
Leaders need to be part of the network not apart from it
http://tinyurl.com/c75cnzg
manager-magazin.de, 10/22/2012
IfW-Präsident Snower: Europäische Identität verzweifelt gesucht
http://tinyurl.com/8zt46b9
intelog.net, 10/21/2012
Odebrecht defende fundo garantidor na concessão de portos e aeroporto
http://tinyurl.com/cuar6fp
info4.com.br, 10/21/2012
Comunidades que possuem UPP apresentam sinais de desenvolvimento social
http://tinyurl.com/bqmy5az
info4.com.br, 10/21/2012
Comunidades pacificadas apresentam sinais de desenvolvimento social
http://tinyurl.com/corpvsa
globaler-wandel.blogspot.com, 10/20/2012
Neue Verfassung in Island? Offene Kommunen in Deutschland?
http://tinyurl.com/cds6vpa
info4.com.br, 10/20/2012
Apesar do desenvolvimento, ainda faltam serviços básicos em áreas com UPPs
http://tinyurl.com/bl6z5gg
info4.com.br, 10/20/2012
Especialistas fazem balanço sobre comunidades pacificadas do Rio de Janeiro
http://tinyurl.com/bwzx4yr
clubmadrid.org, 10/19/2012
Wim Kok at the GES: “Our goal should be an inclusive, fair and sustainable shared society.”
http://tinyurl.com/bwdbuuu
canalrh.com.br, 10/19/2012
Global Economic Symposium - GES 2012
finanznachrichten.de, 10/19/2012
OCZ Technology to Display Enterprise Storage Solutions at Gartner s Symposium
http://tinyurl.com/bonazat
–4–
GES | 2012 Media Review
Selected Articles
guardian.co.uk, 10/19/2012
Saudi Arabia reveals plans to be powered entirely by renewable energy
http://tinyurl.com/95mma6b
futurechallenges.org, 10/19/2012
Disappearing Forests: Frances Seymour, Former Director General of the Center for International
Forestry Research
http://tinyurl.com/cropg8d
Kieler Nachrichten, 10/19/2012
Mitgefühl trainieren – schon in der Vorschule
Kieler Nachrichten, 10/19/2012
Erneuerbare helfen nicht nur dem Klima
cdeacf.ca, 10/19/2012
Développement des compétences : repenser l’avenir
http://tinyurl.com/bntnjtn
diariodepernambuco.com.br, 10/19/2012
FGV propõe criação de agência do governo para coordenar a imigração para o Brasil
http://tinyurl.com/crvwjw4
globo.com, 10/19/2012
László Andor: “Nada na história se compara à atual crise da Europa”
http://tinyurl.com/d32m9qz
globo.com, 10/19/2012
Estudo da FGV propõe criação de agência do governo para coordenar a imigração para o Brasil
http://tinyurl.com/bvdvccf
O Globo, 10/19/2012
Eficiência de professores será medida pelo Bird
guardian.co.uk, 10/19/2012
Saudi Arabia reveals plans to be powered entirely by renewable energy
http://tinyurl.com/95mma6b
inhabitat.com, 10/19/2012
Saudi Arabia Plans to Go 100% Renewable in Coming Decades
http://tinyurl.com/99ckjtj
Jornal da Ciência, 10/19/2012
Desempenho de professores da rede estadual do Rio será monitorado
entornointeligente.com, 10/18/2012
COSTA RICA: Contra el desempleo juvenil, capacitación
http://tinyurl.com/cyofr3b
–5–
GES | 2012 Media Review
Selected Articles
estadao.com.br, 10/18/2012
‘Os juros no Brasil estão exageradamente baixos’
http://tinyurl.com/cdk5oqp
estadao.com.br, 10/18/2012
Rede atual comporta início de cobertura 4G, afirma governo
http://tinyurl.com/bne4b4q
Extra - RJ, 10/18/2012
Desempenho de professores da rede estadual do Rio será monitorado
Fundação Getulio Vargas, 10/18/2012
Rede atual comporta início de cobertura 4G, afirma goberno
globo.com, 10/18/2012
Desempenho de professores da rede estadual do Rio será monitorado
http://tinyurl.com/cq3e2fl
globo.com, 10/18/2012
Escolas estaduais do Rio vão receber observadores do Banco Mundial
http://tinyurl.com/bsho88t
backyardbooks.wordpress.com, 10/18/2012
Eating and the imagination: eating politically
http://tinyurl.com/cskceep
portogente.com.br, 10/18/2012
Odebrecht defende fundo garantidor na concessão de portos e aeroportos
http://tinyurl.com/c699ps4
usuport.org.br, 10/18/2012
Odebrecht defende fundo garantidor na concessão de portos e aeroporto
http://tinyurl.com/d7rxeq6
yahoo.com, 10/18/2012
Escolas estaduais do Rio vão receber observadores do Banco Mundial
http://tinyurl.com/dycc37d
yahoo.com, 10/18/2012
Desempenho de professores da rede estadual do Rio será monitorado
http://tinyurl.com/cr3oqr6
berlinkontor.de, 10/18/2012
GES: Zustimmung für Fiskalregeln
http://tinyurl.com/d39qkrr
canalrh.com.br, 10/17/2012
A educação e o impacto na economia global
http://tinyurl.com/dx8ps2h
–6–
GES | 2012 Media Review
Selected Articles
estadao.com.br, 10/17/2012
Estrutura para 3G garante cobertura em 4G para a Copa, diz Ministério
http://tinyurl.com/cjr8hp9
jb.com.br, 10/17/2012
Beltrame quer integração entre países para repatriação de dinheiro desviado
http://tinyurl.com/cvgwaqu
portalodia.com, 10/17/2012
Beltrame defende mais integração entre países da América Latina para repatriação de dinheiro desviad
http://tinyurl.com/c8lyl2s
brazilmodal.com.br, 10/17/2012
Odebrecht defende fundo garantidor na concessão de portos e aeroportos
bahiaeconomica.com.br, 10/17/2012
Odebrecht defende fundo garantidor na concessão de porto e aeroporto
Extra - RJ, 10/17/2012
Operadoras não terão problemas para cumprir prazos do 4G, diz governo
Extra - RJ, 10/17/2012
Pesquisa aponta crescimento de 23% em negócios de cinco favelas com UPPs
Extra - RJ, 10/17/2012
Odebrecht defende fundo garantidor na concessão de portos e aeroporto
Extra - RJ, 10/17/2012
Diretor da Odebrecht diz que obras do estádio do Corinthians continuam
emtemporeal.com.br, 10/17/2012
Juro baixo agora é criticado
http://tinyurl.com/c4ruuk2
agenciabrasil.ebc.com.br, 10/17/2012
Beltrame defende mais integração entre países da América Latina para repatriação de dinheiro desviado
http://tinyurl.com/c38pdn9
4cantosalagoas.com.br, 10/17/2012
Beltrame defende mais integração entre países da América Latina para repatriação de dinheiro desviado
http://tinyurl.com/c8ce5xa
globo.com, 10/17/2012
Ex-premier holandês diz que discussões sobre crise europeia estão na direção correta
http://tinyurl.com/bpwxn5t
globo.com, 10/17/2012
Os desafios globais para o uso da informação na internet
http://tinyurl.com/cy8xuaw
–7–
GES | 2012 Media Review
Selected Articles
globo.com, 10/17/2012
Operadoras não terão problemas para cumprir prazos do 4G, diz governo
http://tinyurl.com/cm93ptp
globo.com, 10/17/2012
Pesquisa aponta crescimento de 23% em negócios de cinco favelas com UPPs
http://tinyurl.com/ctekv7c
globo.com, 10/17/2012
Diretor da Odebrecht diz que fundo garantidor é essencial para PPPs
http://tinyurl.com/d49n4w8
globo.com, 10/17/2012
Diretor da Odebrecht diz que obras do estádio do Corinthians continuam
http://tinyurl.com/c7u2lxl
globo.com, 10/17/2012
Odebrecht defende fundo garantidor na concessão de portos e aeroporto
http://tinyurl.com/bpdlqch
O Globo, 10/17/2012
Beltrame pede maior controle das fronteiras
O Globo, 10/17/2012
Langoni: juro real do país está abaixo do ponto de equilíbrio
Portos e Navios, 10/17/2012
Odebrecht defende fundo garantidor na concessão de portos e aeroporto
msn.com, 10/17/2012
Beltrame defende mais integração entre países da América Latina para repatriação de dinheiro desviado
http://tinyurl.com/bllhu4l
Valor Econômico, 10/17/2012
Seminário discute papel dos bancos centrais no estímulo ao crescimento
Valor Econômico, 10/17/2012
EUA devem crescer mais entre ricos em 2013, diz britânico
Valor Econômico, 10/17/2012
Exportação sobe e atenua crise na UE
Valor Econômico, 10/17/2012
Produção industrial sobe e dá fôlego à retomada americana
valor.com.br, 10/17/2012
Operadoras não terão problemas para cumprir prazos do 4G, diz governo
http://tinyurl.com/chsonf6
valor.com.br, 10/17/2012
Presidente do Clube de Madri prevê que crise europeia vai durar anos
http://tinyurl.com/cxvr9c2
–8–
GES | 2012 Media Review
Selected Articles
valor.com.br, 10/17/2012
Odebrecht defende fundo garantidor na concessão de portos e aeroporto
http://tinyurl.com/cex6p22
revistaculturacidadania.blogspot.de, 10/17/2012
V Global Economic Symposium 2012
http://tinyurl.com/cm5t3ca
terra.com.br, 10/17/2012
Beltrame pede integração entre países contra desvio de dinheiro
http://tinyurl.com/cz3ye76
neurope.eu, 10/17/2012
Reform the Concept of Central Banking
http://tinyurl.com/cjh2bck
dw.de, 10/17/2012
Junge Ideen für eine bessere Welt
http://tinyurl.com/d43wdbh
jb.com.br, 10/17/2012
Beltrame quer integração entre países para repatriação de dinheiro desviado
http://tinyurl.com/cvgwaqu
dw.de, 10/17/2012
Economic crises can only be solved as a whole’
http://tinyurl.com/cvzguqo
yahoo.com, 10/17/2012
Diretor da Odebrecht diz que fundo garantidor é essencial para PPPs
http://tinyurl.com/btzhv6d
yahoo.com, 10/17/2012
Pesquisa aponta crescimento de 23% em negócios de cinco favelas com UPPs
http://tinyurl.com/dxoblpv
yahoo.com, 10/17/2012
Ex-premier holandês diz que discussões sobre crise europeia estão na direção correta
http://tinyurl.com/d3wb77k
yahoo.com, 10/17/2012
Diretor da Odebrecht diz que obras do estádio do Corinthians continuam
http://tinyurl.com/bv4jqoa
meutimao.com.br, 10/17/2012
Diretor da Odebrecht diz que obras do estádio do Corinthians continuam
http://tinyurl.com/d29hber
–9–
GES | 2012 Media Review
Selected Articles
emtemporeal.com.br, 10/17/2012
Juro baixo agora é criticado
http://tinyurl.com/c4ruuk2
folha.uol.com.br, 10/17/2012
Odebrecht defende fundo garantidor na concessão de portos e aeroportos
http://tinyurl.com/bu3mpq8
bol.uol.com.br, 10/17/2012
Odebrecht defende fundo garantidor na concessão de portos e aeroporto
http://tinyurl.com/c6qyzux
bol.uol.com.br, 10/17/2012
Operadoras não terão problemas para cumprir prazos do 4G, diz governo
http://tinyurl.com/cff2nga
uol.com.br, 10/17/2012
Operadoras não terão problemas para cumprir prazos do 4G, diz governo
http://tinyurl.com/cug3mxa
uol.com.br, 10/17/2012
Odebrecht defende fundo garantidor na concessão de portos e aeroporto
http://tinyurl.com/cncj55h
info4.com.br, 10/17/2012
Especialistas sugerem a criação de um banco de dados para combater a imigração ilegal em todo o
mundo
http://tinyurl.com/bmouz4g
elespectador.com, 10/16/2012
UE y OCDE piden no subestimar medidas europeas contra crisis
http://tinyurl.com/c2tkeks
ntn24.com, 10/16/2012
La UE y la OCDE piden no subestimar las medidas europeas contra la crisis
http://tinyurl.com/d8h24c5
Hoje Notícias, 10/16/2012
Beltrame defende mais integração entre países da América Latina para repatriação de dinheiro desviado
canalrh.com.br, 10/16/2012
Global Economic Symposium - GES 2012
Estadão, 10/16/2012
OCDE: decisões da Europa não devem ser subestimadas
Extra - RJ, 10/16/2012
Com o fim da crise, desemprego continuará sendo problema, diz autoridade da UE
Extra - RJ, 10/16/2012
Especialistas questionam papel dos bancos centrais do mundo
– 10 –
GES | 2012 Media Review
Selected Articles
uol.com.br, 10/16/2012
OCDE: decisões da Europa não devem ser subestimadas
http://tinyurl.com/cx4oflh
uol.com.br, 10/16/2012
Langoni, ex-BC, vê inflação pressionada e necessidade de elevar juro
http://tinyurl.com/cvylgcw
globo.com, 10/16/2012
Langoni, ex-BC, vê inflação pressionada e necessidade de elevar juro
http://tinyurl.com/cq5gpzn
valor.com.br, 10/16/2012
PIB chinês crescerá entre 7% e 8% ao ano até 2017, diz pesquisadora
http://tinyurl.com/cwrm4k8
valor.com.br, 10/16/2012
Langoni, ex-BC, vê inflação pressionada e necessidade de elevar juro
http://tinyurl.com/bqucrro
yahoo.com, 10/16/2012
Especialistas questionam papel dos bancos centrais do mundo
http://tinyurl.com/bosa43d
yahoo.com, 10/16/2012
Com o fim da crise, desemprego continuará sendo problema, diz autoridade da UE
http://tinyurl.com/bm7wjw2
investmax.com.br, 10/16/2012
“Lua de mel monetária acabou”, diz ex-presidente do Banco Central
http://tinyurl.com/c96nbbl
valor.com.br, 10/16/2012
Independência do Banco Central será testada em 2013, prevê Langoni
http://tinyurl.com/c9t8cpu
globo.com, 10/16/2012
Com o fim da crise, desemprego continuará sendo problema, avalia autoridade da UE
http://tinyurl.com/cvbg3e6
globo.com, 10/16/2012
Especialistas questionam papel dos bancos centrais do mundo
http://tinyurl.com/ceg3occ
noticiasrss.com.br, 10/16/2012
Lua de mel monetária acabou, diz ex-presidente do Banco Central
http://tinyurl.com/d5bug6c
noticiasrss.com.br, 10/16/2012
Brasil deverá testar indicadores de agência de rating independente
– 11 –
GES | 2012 Media Review
Selected Articles
vooz.com.br, 10/16/2012
Brasil deverá testar indicadores de agência de rating independente
http://tinyurl.com/csn5pyv
ig.com.br, 10/16/2012
Brasil deverá testar indicadores de agência de rating independente
http://tinyurl.com/blbotp4
canalrh.com.br, 10/16/2012
Brasil recebe simpósio internacional para debater problemas globais
http://tinyurl.com/cx4bncv
ig.com.br, 10/16/2012
Lua de mel monetária acabou, diz ex-presidente do Banco Central
http://tinyurl.com/9lpllpr
diariodepernambuco.com.br, 10/16/2012
Com o fim da crise, desemprego continuará sendo problema, avalia autoridade da UE
http://tinyurl.com/d6po3ly
diariodepernambuco.com.br, 10/16/2012
Especialistas questionam papel dos bancos centrais do mundo
http://tinyurl.com/cjxgxsz
dw.de, 10/16/2012
Qualifizierte Hilfe aus China
http://tinyurl.com/ckr5z83
globo.com, 10/16/2012
Rio vai sediar simpósio para debater problemas mundiais
http://tinyurl.com/c9g5649
dw.de, 10/16/2012
Der ganzheitliche Ansatz
http://tinyurl.com/cs8dsx4
dw.de, 10/16/2012
Debatte über globale Fragen an der Copacabana
http://tinyurl.com/ccsxd5n
ig.com.br, 10/16/2012
‘Lua de mel monetária acabou’, diz ex-presidente do Banco Central
http://tinyurl.com/9lpllpr
ig.com.br, 10/16/2012
Brasil deverá testar indicadores de agência de rating independente
http://tinyurl.com/blbotp4
– 12 –
GES | 2012 Media Review
Selected Articles
bertelsmann-stiftung.de, 10/16/2012
Global Economic Symposium 2012 Began
http://tinyurl.com/cl8vr6k
klinform.de, 10/16/2012
„Krise lässt sich nur ganzheitlich lösen“
dw.de, 10/16/2012
Snower: „Krise lässt sich nur ganzheitlich lösen“
http://tinyurl.com/c3sttz6
bertelsmann-stiftung.de, 10/16/2012
Future Economic Dialogue im Rahmen des Global Economic Symposium 2012
http://tinyurl.com/boycz5m
moneyweb.co.za, 10/16/2012
Zuma then and now
http://tinyurl.com/cf88xwz
4-traders.com, 10/15/2012
Youth unemployment - our shared concern
http://tinyurl.com/d8ub8cb
Kieler Nachrichten, 10/13/2012
Von Favelas bis zu Notenbanken
lithuaniatribune.com, 10/12/2012
Global Economic Symposium in Vilnius: to be, or not to be?
http://tinyurl.com/9knxw9o
bertelsmann-stiftung.de, 10/12/2012
Auf der Suche nach globalen Lösungen
http://tinyurl.com/d4an6gl
vox.gi, 10/11/2012
Minister Bossano to attend Global Economic Symposium
http://tinyurl.com/c6gx3vp
Kieler Nachrichten, 10/10/2012
Visionen aus Kiel für Rio
responsabilidadesocial.com, 10/10/2012
Brasil sedia Simpósio Econômico Global 2012
http://tinyurl.com/d2ydg97
computerweekly.com, 10/09/2012
GES2012: Optimising information use through the internet and social media
http://tinyurl.com/ckd6kh5
Valor Econômico, 10/04/2012
Brasil recebe proposta de criação de agência de rating
– 13 –
GES | 2012 Media Review
Selected Articles
globo.com, 10/02/2012
Rio will host symposium to discuss world problems
globo.com, 09/29/2012
Rio vai sediar simpósio para debater problemas mundiais
http://tinyurl.com/c9g5649
O Globo, 09/29/2012
Rio vai sediar simpósio para debater problemas mundiais
uniseb.com.br, 09/18/2012
FGV traz ao Brasil o Global Economic Symposium 2012
http://tinyurl.com/d3y9eky
monitormercantil.com.br, 09/05/2012
Presidente do TJ-RJ cobra mais rapidez da justice
http://tinyurl.com/bqy5fmd
Revista Suma Economica, 09/04/2012
Brasil recebe simpósio internacional para debater problemas globais
administradores.com.br, 09/04/2012
Brasil recebe simpósio internacional para debater problemas globais
http://tinyurl.com/c3hzxqh
istoedinheiro.com.br, 08/20/2012
FGV realiza evento econômico mundial no Rio
http://tinyurl.com/cfllref
fgvprojetos.fgv.br, 06/01/2012
Global Economic Symposium – GES 2012
http://tinyurl.com/bngdhdx
Kieler Nachrichten, 04/28/2012
Kiel bleibt die Heimat des GES
Kieler Nachrichten, 04/28/2012
Das Global Economic Symposium bleibt in Kiel
Die Welt, 04/28/2012
Norden kompakt - Weltwirtschaftssymposium bleibt an der Förde
focus.de, 04/27/2012
Weltwirtschaftssymposium bleibt in Kiel
http://tinyurl.com/86mcgbr
kn-online.de, 04/27/2012
Experten treffen sich auch 2013 in Kiel
http://tinyurl.com/bn4fkh3
Kieler Nachrichten, 03/29/2012
Albig: Wirtschaftsgipfel muss in Kiel bleiben bleiben
– 14 –
GES | 2012 Media Review
Selected Articles
Kieler Nachrichten, 03/29/2012
„Kiel muss die Heimat des GES bleiben“
Kieler Nachrichten, 03/28/2012
Kiel bangt um Gipfeltreffen der Wirtschaft
Kieler Nachrichten, 03/28/2012
Wackelt der Standort Kiel?
Kieler Nachrichten, 03/28/2012
Kein Wanderpokal
handelsblatt.com, 02/07/2012
Gastkommentar: Der Rentner als Ressource
http://tinyurl.com/cyx7lvl
Kieler Nachrichten, 01/30/2012
Gute Kontakte, gute Geschäfte
schleswig-holstein.de
Nächster Halt Rio de Janeiro
http://tinyurl.com/cozsslq
GES Blog, Gregory Scruggs, 10/20/2012
Green the Gap
http://tinyurl.com/cj3k6yx
GES Blog, Naomi Conrad, 10/19/2012
Disappearing Forests: Interview with Frances Seymour
http://tinyurl.com/c4my4sm
GES Blog, Naomi Conrad, 10/19/2012
From “More” to “Better”: Wim Kok of the Club of Madrid
http://tinyurl.com/cp9hd5c
GES Blog, Naomi Conrad, 10/19/2012
Misconceptions of Migration: Laura Thompson of the International Organization for Migration
http://tinyurl.com/d5bkj6j
GES Blog, Elis dos Anjos, 10/19/2012
The Roundtable: “Global Economic Fellows’ Projects on Education, Innovation and Media”
http://tinyurl.com/cphhr8j
GES Blog, Yohana de Andrade, 10/19/2012
“There’s No Magical Solution for Migration Policies”
http://tinyurl.com/cxc9h74
GES Blog, Yohana de Andrade, 10/19/2012
Immigration: a Fact We Have to Deal with, Not Change
http://tinyurl.com/c586val
– 15 –
GES | 2012 Media Review
Selected Articles
GES Blog, Yohana de Andrade, 10/19/2012
GES Personality: Irene Natividad
http://tinyurl.com/ctlfwxg
GES Blog, Florian Bontrup, 10/18/2012
Following Fiscal Rules? – Unfortunately Not
http://tinyurl.com/dx4snqv
GES Blog, Luciano Sobral, 10/17/2012
Three Questions for Professor Charles Goodhart
http://tinyurl.com/cvjjcq6
GES Blog, Paula Fortes, 10/17/2012
The Defeated “Economic Man”
http://tinyurl.com/c6x67m8
GES Blog, Rasheed Abou-Alsamh, 10/17/2012
Nuclear energy the elephant in the room of renewable energy debate
http://tinyurl.com/c79vnwb
GES Blog, Raphael Tsavkko Garcia, 10/17/2012
Panel: Security in the Face of Globalization
http://tinyurl.com/c9j3sou
GES Blog, Yohana de Andrade, 10/17/2012
“Diversity Is Good for Business”
http://tinyurl.com/c6hazff
GES Blog, Gregory Scruggs, 10/17/2012
Belgium + India = Brazil
http://tinyurl.com/d4n2cx7
GES Blog, Paula_Fortes, 10/17/2012
Where Society Is Not Investing…
http://tinyurl.com/cnlhnaj
GES Blog, Raphael Tsavkko Garcia, 10/17/2012
Roundtable: Education and Media
http://tinyurl.com/d4r8vmk
GES Blog, Tom Fries, 10/16/2012
Dollars for Agriculture: David Cleary of the Nature Conservancy
http://tinyurl.com/d8m5xuf
GES Blog, Raphael Tsavkko Garcia, 10/16/2012
Roundtable: The Challenge of Major Events
http://tinyurl.com/cxas3hn
– 16 –
GES | 2012 Media Review
Selected Articles
GES Blog, Gregory Scruggs, 10/16/2012
Who Starves First: Us or the Planet?
http://tinyurl.com/c853smf
GES Blog, Rasheed Abou-Alsamh, 10/16/2012
The challenge of online education
http://tinyurl.com/bnwblqy
GES Blog, Gregory_Scruggs, 10/16/2012
Design + Research + Advocacy: Preview of Afternoon Favela Panel
http://tinyurl.com/bw77v9s
GES Blog, Elis_dos_Anjos, 10/16/2012
Education for life
http://tinyurl.com/b49mwuh
GES Blog, Florian Bontrup, 10/15/2012
Final Preparation
http://tinyurl.com/bpounzq
GES Blog, Yohana de Andrade, 10/15/2012
Women, Welcome to the Game! But, Please, Don’t Change Our Rules
http://tinyurl.com/bqqs8ag
GES Blog, Paula Fortes, 10/14/2012
Rio+20: A Week of Postmodern Apartheid
http://tinyurl.com/d53dpfj
GES Blog, Gregory Scruggs, 10/10/2012
Rio Favela Pacification: The Researchers’ Perspective
http://tinyurl.com/cd9wnv5
GES Blog, Gregory Scruggs, 10/10/2012
Favela Funk Culture in the Spotlight and Under the Search Light
http://tinyurl.com/bm3zrzq
GES Blog, Luciano Sobral, 10/10/2012
Of Monopoly and Monetary Policy
http://tinyurl.com/cfzn997
GES Blog, Luciano Sobral, 10/10/2012
When Stupidity Can’t Fail
http://tinyurl.com/ckz5dts
GES Blog, Raphael Tsavkko Garcia, 10/01/2012
Internet as a Human Right? Part Four: Setbacks and Public Sector/Government
http://tinyurl.com/cnqqsgq
– 17 –
GES | 2012 Media Review
Selected Articles
GES Blog, Yohana de Andrade, 09/19/2012
Celebrating the Bolivians in São Paulo
http://tinyurl.com/bw2ndhr
GES Blog, Yohana de Andrade, 09/17/2012
After Living in Five Countries, a Frenchwoman, Married to an Argentinean, Talks About Her Life in Brazil
http://tinyurl.com/dyy2guu
GES Blog, Luciano Sobral, 09/11/2012
Getting Political on Central Banking
http://tinyurl.com/crezmhf
GES Blog, Raphael Tsavkko Garcia, 09/09/2012
Internet as a Human Right? Part Three: Setbacks and the Private Sector
http://tinyurl.com/bp82gm9
GES Blog, Rasheed Abou-Alsamh, 09/06/2012
Brazil takes baby-steps towards solar energy
http://tinyurl.com/bp82gm9
GES Blog, Luciano Sobral, 09/06/2012
Food Prices Rise: What Is the Role of Central Banks?
http://tinyurl.com/bubgv8z
GES Blog, Yohana de Andrade, 09/04/2012
The Link Between Women Executives and Prisoners: Collaboration
http://tinyurl.com/bubgv8z
GES Blog, Raphael Tsavkko Garcia, 08/30/2012
Internet as a Human Right? Part Two: Economy
http://tinyurl.com/bs6zd5c
GES Blog, Rasheed Abou-Alsamh, 08/22/2012
How soaring corn prices are producing an ethanol backlash
http://tinyurl.com/bvsmqmh
GES Blog, Yohana de Andrade, 08/22/2012
Which Country Is Home to the Largest Number of Refugees in Latin America?
http://tinyurl.com/c9nbch9
GES Blog, Raphael Tsavkko Garcia, 08/22/2012
The Internet as a Human Right? Part One: Population
http://tinyurl.com/c7dbex4
GES Blog, Elis dos Anjos, 08/19/2012
I Believe We Can Pedal
http://tinyurl.com/cughxa8
– 18 –
GES | 2012 Media Review
Selected Articles
GES Blog, Luciano Sobral, 08/14/2012
Brazil and the Battle for Hearts and Minds on the Inflation Front
http://tinyurl.com/bmv2z54
GES Blog, Yohana de Andrade, 08/13/2012
Implementing Diversity in Public Companies
http://tinyurl.com/bm8w35c
GES Blog, Raphael Tsavkko Garcia, 08/07/2012
Information: not just getting it, but knowing what to do with it
http://tinyurl.com/d7g35nq
GES Blog, Yohana de Andrade, 07/31/2012
Why do people migrate?
http://tinyurl.com/cdzg3kb
GES Blog, Luciano Sobral, 07/26/2012
Targeting Nominal GDP, a Powerful and Trendy Idea
http://tinyurl.com/ckqz575
GES Blog, Rasheed Abou-Alsamh, 07/24/2012
Brazil phasing out incandescent light bulbs
http://tinyurl.com/cyx4g3p
GES Blog, Yohana de Andrade, 07/19/2012
Women in construction: an example for an entire community
http://tinyurl.com/cf376rn
GES Blog, Florian Bontrup, 07/17/2012
ECB between the chairs?
http://tinyurl.com/cg54ojd
GES Blog, Elis dos Anjos, 07/14/2012
Rio+20, a brush for a better world
http://tinyurl.com/c5tgglq
GES Blog, Rasheed Abou-Alsamh, 07/07/2012
Saudi Arabia moves towards solar and nuclear energy
http://tinyurl.com/bv89e7d
GES Blog, Luciano Sobral, 07/06/2012
Inflation Targeting Is Dead; Long Live What?
http://tinyurl.com/cguzkch
GES Blog, Raphael Tsavkko Garcia, 07/06/2012
Collaboration and the global network
http://tinyurl.com/c4ux6re
– 19 –
GES | 2012 Media Review
Selected Articles
GES Blog, Gregory Scruggs, 07/06/2012
Favelas: A Fern by Any Other Name
http://tinyurl.com/bvgmkj6
GES Blog, Rasheed Abou-Alsamh, 07/03/2012
Is Brazil’s commitment to its ethanol program slipping?
GES Blog, Yohana de Andrade , 07/02/2012
How many women employers are there in Brazil?
http://tinyurl.com/d3zrmoz
GES Blog, Elis dos Anjos, 06/23/2012
The right to visual arts: a stimulus on education
http://tinyurl.com/c95adqz
GES Blog, Yohana de Andrade, 06/22/2012
Does Brazil know how to receive immigrants?
http://tinyurl.com/cl4apab
GES Blog, Raphael Tsavkko Garcia, 06/21/2012
Information and action
http://tinyurl.com/ce9sawk
GES Blog, Luciano Sobral, 06/18/2012
Central banking in times of crisis and its future – introducing
http://tinyurl.com/d4wue2u
GES Blog, Yohana de Andrade, 06/18/2012
Why are women still the big elephant in the room?
http://tinyurl.com/d6kayvc
– 20 –
67$&8/785$(&,'$'$1,$9*OREDO(FRQRPLF6\PSRVLXP
&RP SDU WLOKDU
PDLV 3Uy[LPREORJª
&ULDUXPEORJ /RJLQ
5(9,67$&8/785$(
&,'$'$1,$
,QIRUPDomRLQWHOLJHQWHSDUDTXHPQmRWHPPHGRGDYHUGDGH
$ 6)27 26'26(9 (17 2632'(5­ 26(5$ 35(&, $ '$ 612)$ &(%22&.'$
5(9 , 67 $ )$&(%22&.&8/785$&,'$'$1,$
48$ 5 7 $ )(,5 $ '(287 8%5 2'( 9*OREDO(FRQRPLF6\PSRVLXP
3È * ,1$ 6
,QtFLR
([SHGLHQWH
$ 5 48,9 2'2%/2*
ź
ź
ź2XWXEUR
ź
([SRVLomR2EVHUYDo}HV
6HPLQiULR6ROXo}HVGH
6HJXURVQD,QG~VWULDGH
ÏOH
7URYmRGH0LQDV
/DQoDPHQWRGR/LYUR$
3UDLDGD3LSDGR7HPSR
GRV
9,,)yUXP,QWHUQDFLRQDO
GH0HLR$PELHQWH
%UDVLO-D
;,,,-RUQDGDGH1XWULomR
3DUHQWDOH(QWHUDOGD
6%1
,)yUXP,QWHUQDFLRQDOGH
&RRUGHQDomR
2ULHQWDomRH
2TXLQWR6LPSyVLR(FRQ{PLFR*OREDO*(6FRPHoRXFRPXPD
FHULP{QLD GH DEHUWXUD H UHFHSomR QR 5HDO $VWRULD +RWHO 5LR
GH -DQHLUR %UDVLO QD QRLWH GH VHJXQGDIHLUD 'XUDQWH RV GRLV
GLDV PDLV GH HPSUHViULRV DOWD FODVVLILFDomR SROtWLFRV
DFDGrPLFRV H UHSUHVHQWDQWHV GD VRFLHGDGH FLYLO GH FLQFR
FRQWLQHQWHV H PXLWRV SDtVHV TXH VH LQVFUHYHUDP SDUD
SDUWLFLSDU GR *(6 QR +RWHO :LQGVRU $WODQWLFD HP 5LR
SURFXUDUiHQFRQWUDUVROXo}HVSDUDJOREDOXUJHQWHSUREOHPDV
26LPSyVLR(FRQ{PLFR*OREDO SUHWHQGHXRIHUHFHUQRYDV
LGHLDVSDUDOLGDUFRPGHVDILRV JOREDLVHGHHODERUDUSURSRVWDV
FRQFUHWDV SDUD UHIRUoDU RV PHFDQLVPRV GH FRQWUROH JOREDLV
HFRQ{PLFDV H GH QHJyFLRV FRRSHUDomR LQWHUQDFLRQDO H
LQLFLDWLYDV VRFLDLV 2 WHPD SULQFLSDO GR *(6 IRL
&UHVFLPHQWRDWUDYpVGD(GXFDomRH,QRYDomR
1D FHULP{QLD GH DEHUWXUD &DUORV ,YDQ 6LPRQVHQ /HDO 3K'
3UHVLGHQWH GD )XQGDomR )*9 VDXGRX RV SDUWLFLSDQWHV
GHVWDFDQGR TXH D FLGDGH GR 5LR GH -DQHLUR SDUHFH VHU R
FHQiULR LGHDO SDUD RV *(6 GLVFXVV}HV 7UDGLFLRQDOPHQWH
FRQVLGHUDGD FRPR XPD YLWULQH SDUD DV TXDOLGDGHV GR SDtV D
FLGDGH YLYH XP PRPHQWR GH RWLPLVPR H WHP VLGR DOYR GH
JUDQGHV LQYHVWLPHQWRV SDUD D KRVSHGDJHP GH JUDQGHV
HYHQWRVQDFLRQDLV HQWUH¤FRPRD &RSDGR0XQGRGH H
RV -RJRV 2OtPSLFRV GH 2 5LR UHFHQWH PRVWURX D
FRPXQLGDGHLQWHUQDFLRQDO DVXD KDELOLGDGHQR SODQHMDPHQWRH
H[HFXomRGHHYHQWRVGHJUDQGHSRUWH
UHYLVWDFXOWXUDFLGDGDQLDEORJVSRWFRPEUYJOREDOHFRQRPLFV\PSRVLXPKWPO
67$&8/785$(&,'$'$1,$9*OREDO(FRQRPLF6\PSRVLXP
,,&RQJUHVVR/DWLQR
$PHULFDQRGD:RUOG
6RFLHW\RI
9,,,6HPDQDGH&LrQFLDV
+XPDQDV&(3IGF
ž6HPLQiULRGHFLGDGHV
)RUWLILFDGDVž
(QFRQWUR
/DQoDPHQWRGR/LYUR
,PLJUDQWH,GHDO
)DVKLRQ%XVLQHVV2XWRQR
,QYHUQR
;;,,&213(+7%UDVLO
9*OREDO(FRQRPLF
6\PSRVLXP
;(QFRQWUR&OLR3VLFKp
,QVWLWXLo}HV+LVWyULDH
ž)yUXPGH(GXFDomR
$PELHQWDO
(;32021(<
([SRVLomR&XOWXUD
$OLPHQWDU0LQHLUD'R
&XUUDO'H
5HWURVSHFWLYD$QQD%HOOD
*HLJHU
,VHPLQiULR6DEHUHVH
)D]HUHV'RWUDGLFLRQDO
DR
2UTXHVWUD6LQI{QLFD
3HWUREUDVQD$UHQD
-RYHOLQD3p
)HVWHMRGR7DPERU
0LQHLUR
,6HPLQiULRGH2ItFLRV
'R7UDGLFLRQDODR
&RQWHPS
6HPLQiULR,QRYDomR
1RYDV)RUoDVGR
0HUFDGR%UDVLO
'HQQLV 6QRZ HU SUHVLGHQWH GR ,QVWLWXWR .LHO SDUD D (FRQRPLD
0XQGLDO ,I: VDOLHQWRX 1D WHQWDWLYD GH UHVROYHU RV
SUREOHPDV JOREDLV RV SDUWLFLSDQWHV *(6 GHVWH DQR QR 5LR
GHYH RXYLU QmR Vy D YR] GD UD]mR PDV WDPEpP D YR] GH
FXLGDGRV H FRPSDL[mR 2V *(6 VHPSUH SURFXURX VROXo}HV
JOREDLV EDVHDGDV HP HYLGrQFLDV H DQiOLVH SRQGHUDGD HVWH
DQR FXLGDGR H FRPSDL[mR VmR DGLFLRQDGRV j
PLVWXUD 'HVDILRV GR PXQGR HVVHQFLDLV ¤ PHQWH IHUYHVH HP
GRLV R SUREOHPD GRV EHQV FROHWLYRV H DomR FROHWLYD H R
SUREOHPD GD SREUH]D QR PHLR GD DEXQGkQFLD $ VROXomR
GHVVHV SUREOHPDV H[LJH SHVVRDV GH WRGDV DV SDUWHV GD
VRFLHGDGH VH SUHSDUDU SDUD FRPHWHU DR VHUYLoR S~EOLFR HP
VHQWLGR DPSOR GLVSRVWRV D FRQWULEXLU PDLV GR TXH HOHV
SUySULRVYmRJDQKDUDSDUWLUGHXPDDomR
4XDQGR RV SUREOHPDV YmR JOREDO D UHVROXomR GH SUREOHPDV
GHYHLU JOREDOWDPEpP(VVD pXPD LGpLDHP SRXFDVSDODYUDV
R GRV *(6 GLVVH $DUW GH *HXV SUHVLGHQWH H &(2 GD
%HUWHOVPDQQ 6WLIWXQJ 7HP FRPR REMHWLYR VHU XPD
RSRUWXQLGDGH SDUDRV GHFLVRUHV HPSUHViULRVH SHVTXLVDGRUHV
GH WRGR R PXQGR SDUD DSUHQGHU XQV FRP RV RXWURV FRQHFWH
R VHX FRQKHFLPHQWR H WUDQVIHULOR SDUD SROtWLFDV HILFD]HV $
%HUWHOVPDQQ 6WLIWXQJ HVWi RUJXOKRVR GH VHX SDSHO FRPR FR
DQILWULmR GHVWD LPSRUWDQWH LQLFLDWLYD GR ,QVWLWXWR .LHO SDUD D
(FRQRPLD0XQGLDO
'U .ODXV 7RFKWHUPDQQ 'LUHWRU GR =%: %LEOLRWHFD 1DFLRQDO
$OHPmR GH (FRQRPLD /HLEQL] &HQWUR GH ,QIRUPDomR GH
(FRQRPLD HQIDWL]RX 2 6LPSyVLR (FRQ{PLFR *OREDO UH~QH XPD FRPXQLGDGH ~QLFD GH SHQVDGRUHV LQWHUHVVDGRV RV
WRPDGRUHV GH GHFLVmR LPSRUWDQWH RV SHVTXLVDGRUHV LOXVWUHV
HSHODSULPHLUDYH] WDPEpPDVFRPXQLGDGHVYLUWXDLVQD:HE
6RFLDO SDUD FKHJDU D PHQWH DEHUWD VROXo}HV SDUD RV GHVDILRV
H[LVWHQWHV HP UHODomR D HVWH DQR DEUDQJHQWH WHPD
&UHVFLPHQWRDWUDYpVGD(GXFDomRH,QRYDomR
'U $OHVVLR -* %URZ Q 'LUHWRU ([HFXWLYR GR *(6 DFUHVFHQWRX
9HMD RV *(6 FRPR XPD RSRUWXQLGDGH SDUD SHQVDU IRUD GD
FDL[D UHPRYLGR VDEHGRULDV FRQYHQFLRQDLV JUXSRV GH
LQWHUHVVHHDV UHVWULo}HVFRWLGLDQDVGDSROtWLFD HGDVRFLHGDGH
SDUDLPDJLQDUDOJRQRYR
3RVWDGRSRU&8/785$(&,'$'$1,$jV 5HFRPPHQGWKLVRQ*RRJOH
3RVWDJHPPDLVUHFHQWH
,QtFLR
3RVWDJHPPDLVDQWLJD
$%$9
6HPLQiULR2%UDVLOHD
$JHQGDGD
6XVWHQWDELOLGDGH
3UrPLR6HU+XPDQR
$%5+5-
([SRVLomR&URPiWLFD
&LFOR9LV}HVGD+LVWyULD
2)LPGD+LVWyULD"
$UWLJRV$EXVR3ROLFLDO
/DQoDPHQWRGR/LYUR
(37KRPSVRQHD
7UDGLomRGH
([SRVLomR5LR'LDH
UHYLVWDFXOWXUDFLGDGDQLDEORJVSRWFRPEUYJOREDOHFRQRPLFV\PSRVLXPKWPO
11/09/12
Brasil recebe simpósio internacional para debater problemas globais
GHVHWHPEURGHjVKPLQ
%UDVLOUHFHEHVLPSyVLRLQWHUQDFLRQDOSDUDGHEDWHU
SUREOHPDVJOREDLV
5HFRQKHFLGRFRPRXPGRVSULQFLSDLVHQFRQWURVPXQGLDLVR*OREDO(FRQRPLF
6\PSRVLXP*(6DFRQWHFHUiSHODSULPHLUDYH]IRUDGD(XURSDQRVGLDVHGH
RXWXEUR
3RU5HGDomRZ Z Z DGPLQLVWUDGRUHVFRP
2%UDVLOVHSUHSDUDSDUDVHURFHQWURGRGHEDWHHFRQ{PLFRPXQGLDOHPRXWXEURHSHODSULPHLUD
YH]IRUDGD(XURSDR*(6VHUiRSRQWRGHHQFRQWURGHOtGHUHVLQWHUQDFLRQDLVGRVPHLRV
DFDGrPLFRHJRYHUQDPHQWDOHGDVVRFLHGDGHVFLYLOHHPSUHVDULDOSDUDWUDoDUQRYRVUXPRVSDUD
DHFRQRPLD
2UJDQL]DGRSHOD)*9HPSDUFHULDFRPR.LHO,QVWLWXWHD%HUWHOVPDQQ6WLIWXQJHHPFRRSHUDomR
FRPR&HQWURGH,QIRUPDomR/HLEQL]GH(FRQRPLD=%:R6LPSyVLRLUiUHXQLUHVSHFLDOLVWDVGH
GLYHUVRVSDtVHVSDUDDQDOLVDUHSURSRUVROXo}HVDRVSULQFLSDLVSUREOHPDVHQIUHQWDGRVSHOR
PXQGRFRQWHPSRUkQHRDERUGDQGRWHPDVFRPRFULVHVHFRQ{PLFDVPXGDQoDVFOLPiWLFDV
HVFDVVH]GHDOLPHQWRVHTXHVW}HVUHODWLYDVjHGXFDomRHHPSUHJRV1HVWHDQRWHUiFRPRWHPD
FHQWUDO2&UHVFLPHQWRSRU0HLRGD(GXFDomRH,QRYDomR
&RPVHGHHP.LHOQD$OHPDQKDR.LHO,QVWLWXWHIRUWKH:RUOG(FRQRP\XPGRVPDLV
UHVSHLWDGRVFHQWURVHFRQ{PLFRVGDDWXDOLGDGHpRUHVSRQViYHOSHODLGHDOL]DomRGR*OREDO
(FRQRPLF6\PSRVLXPGHVGH26LPSyVLRTXHYHPVHFRQVROLGDQGRFRPRXPD
LPSRUWDQWHLQLFLDWLYDSDUDDJHUDomRGHLGHLDVYDOHVHGHXP~QLFRSURFHVVRGHFRODERUDomRH
FULDWLYLGDGHTXHGHVDILDRVSDUWLFLSDQWHVDSHQVDU
IRUDGDFDL[D
HDSURSRUVROXo}HVLQRYDGRUDV
HFRQFUHWDVSRUPHLRGHGHEDWHVHPHVDVUHGRQGDVGHPRGRTXHSRVVDPVHUYLUGHFDWDOLVDGRU
SDUDPXGDQoDVHIHWLYDVHPTXDWURSULQFLSDLVHL[RVWHPiWLFRVHFRQRPLDSROtWLFDVRFLHGDGHH
PHLRDPELHQWH
7HPDVDERUGDGRV±'HQWUHDVSDXWDVGRWHPDHFRQRPLDJOREDOPHUHFHPGHVWDTXHLD
TXHVWmRGRIXWXURGRVEDQFRVFHQWUDLVHRFRQWUROHGDVVXDVPHWDVGHLQIODomRYHUVXV
HVWDELOLGDGHILQDQFHLUDLLDFRQVROLGDomRILVFDOSRUPHLRGHUHJUDVILVFDLVLLLDRWLPL]DomRGR
XVRGDVLQIRUPDo}HVDWUDYpVGDLQWHUQHWHGDVPtGLDVVRFLDLVLYRVLQYHVWLPHQWRVHIHWLYRVH
PHOKRULDVQDiUHDGDHGXFDomRHDYUHGHILQLomRGDVXQLYHUVLGDGHV
(PVRFLHGDGHJOREDOVHUmRGLVFXWLGDVDLIRUPXODomRGHSROtWLFDVLQWHOLJHQWHVGHPLJUDomRGD
PmRGHREUDLLRFRPEDWHjGHVLJXDOGDGHGHRSRUWXQLGDGHVLLLFRPSRUWDPHQWRVRFLDOSDUD
XPDHFRQRPLDVXVWHQWiYHOLYFRPRDWDFDURSUREOHPDGRGHVHPSUHJRHQWUHMRYHQVHDY
H[SDQVmRGDVRSRUWXQLGDGHVGHWUDEDOKRSDUDDWHUFHLUDLGDGHEHPFRPRYLLPSOHPHQWDUD
GLYHUVLGDGHQRVFRQVHOKRV
1RSDLQHOVREUHSROtWLFDJOREDOVHUmRUHDOL]DGRVLPSRUWDQWHVGHEDWHVVREUHLDVIDYHODV
DERUGDQGRGHPDQHLUDLQRYDGRUDDTXHVWmRGRVGHVDILRVHDVRSRUWXQLGDGHVJOREDLV
LQVWDXUDGDVQHVVHIRUPDWRGHFRQYLYrQFLDHRUJDQL]DomRVRFLDOWDPEpPVHUiGHEDWLGDLLD
VHJXUDQoDGLDQWHGDJOREDOL]DomRHLLLFRPRSURPRYHULQLFLDWLYDVGRJRYHUQRDEHUWRHPVHUYLoRV
S~EOLFRV
0HLRDPELHQWHJOREDOWHUiWySLFRVFRPRDLSURWHomRHUHVWDXUDomRGDVIORUHVWDVGRPXQGRLL
H[SORUDomRGRVUHFXUVRVHQHUJpWLFRVGRRFHDQRiUWLFRLLLUHDYDOLDomRGDVHQHUJLDVUHQRYiYHLV
administradores.com.br/informe-se/economia-e-financas/…/print/
1/2
11/09/12
Brasil recebe simpósio internacional para debater problemas globais
HDLYSURPRomRGDVHJXUDQoDDOLPHQWDUSRUPHLRGDFRQWULEXLomRGDDJULFXOWXUDFOLPDWLFDPHQWH
LQWHOLJHQWH
(QWUHRVFRQYLGDGRVSDUDR*(6HVWmRDSUHVLGHQWH'LOPD5RXVVHIHRVPLQLVWURV*XLGR
0DQWHJD)D]HQGD$ORL]LR0HUFDGDQWH(GXFDomR%UL]ROD1HWR7UDEDOKR3DXOR%HUQDUGR6LOYD
&RPXQLFDo}HV7DPEpPIRUDPFRQYLGDGRV*UDoD)RVWHUSUHVLGHQWHGD3HWUREUiVH(LNH
%DSWLVWDSUHVLGHQWHGR*UXSR(%;
3UHVHQoDFRQILUPDGDGRVPLQLVWURV*LOPDU0HQGHV6XSUHPR7ULEXQDO)HGHUDOH,]DEHOOD
7HL[HLUD0HLR$PELHQWHRSUHVLGHQWHGD)*9&DUORV,YDQ6LPRQVHQ/HDO5REHUWR5RGULJXHV
H[PLQLVWURGDDJULFXOWXUDHFRRUGHQDGRUGR&HQWURGH$JURQHJyFLRGD)XQGDomR*HWXOLR9DUJDV
*9$JUR&DUORV/DQJRQLH[SUHVLGHQWHGR%DQFR&HQWUDOHGLUHWRUGR&HQWURGH(FRQRPLD
0XQGLDOGD)*90DUFHOR1HULHFRQRPLVWDFKHIHGR)*9&36HSUHVLGHQWHGR,3($HRXWURV
KWWSZZZDGPLQLVWUDGRUHVFRPEULQIRUPHVHHFRQRPLDHILQDQFDVEUDVLOUHFHEHVLPSRVLR
LQWHUQDFLRQDOSDUDGHEDWHUSUREOHPDVJOREDLV
administradores.com.br/informe-se/economia-e-financas/…/print/
2/2
RQVDELOLGDGH6RFLDO%UDVLOVHGLD6LPSyVLR(FRQ{PLFR*OREDO
%XVFD
6HJXQGD2XWGH
(GLomR$QR,661
5HVSRQVDELOLGDGH6RFLDO
,QYHVWLPHQWR6RFLDO3ULYDGR
& HUWLILFDomR6yFLRDPELHQWDO
%DODQoR6RFLDO
0LVVmR
4 XH P VRP RV &RQW DW R , QGLTXH /LQN V 0XUDO
(GLW RULDO
(QW UH Y LVW DV
$ UW LJRV
3XEOLFDGRHP
%UDVLOVHGLD6LPSyVLR(FRQ{PLFR*OREDO &XUWLU
+XP RU
5H D OL] D G R S H OD S U LP H LU D I R U D G D (XU R S D R H Y H QWR G LV F XWLU i
S U R E OH P D V P XQG LD LV
3 H UI LO
3 URFXUDVH
1RW tFLDV
(QTXHWH
9 RFr DFKDTXH D) LFKD
/LP SD Y DL SH JD U
QH VW D H OH LomR"
6LP 2 VH OH LWRUH V
H VWmRD WH QWRVD R
FRP SRUWDP H QWR
GRVFDQGLGDWRV
1mReSUH FLVRXP D
P XGDQoDFXOWXUDO
QRSDtVGH ORQJR
SUD]R
9RWDU 9HUUHVXOWDGRV
$ FDSLWDO IOXPLQHQVH VHGLDUi QHVVH PrV R 6LPSyVLR (FRQ{PLFR *OREDO
*OREDO (FRQRPLF 6\PSRVLXP *(6 5HDOL]DGR SHOR ,QVWLWXWR GH
(FRQRPLD 0XQGLDOGH .LHO HP SDUFHULDFRP D )XQGDomR*HW~OLR 9DUJDV
R HYHQWR UHFHEHUi HVSHFLDOLVWDV GH WRGR R PXQGR QRV GLDV H 2
REMHWLYR p GLVFXWLU H DSUHVHQWDU VROXo}HV SDUD SUREOHPDV XUJHQWHV GD
DWXDOLGDGHHPHFRQRPLDSROtWLFDHPHLRDPELHQWH
%ROHWLPGHQRWtFLDV
5HFHEDDVQRYLGDGHVGR
5HVSRQVDELOLGDGH6RFLDO
QRVHXHPDLOeJUDWXLWR
1RPH
(PDLO
(QYLDU
%ORJ
,QG~VWULDIRWRYROWDLFD
2 HL[R FHQWUDO GRV GHEDWHV VHUi R WHPD ³2 FUHVFLPHQWR SRU PHLR GH
HGXFDomR H ,QRYDomR´ $ SDXWD GR HQFRQWUR FRQWD DLQGD FRP
GLVFXVV}HV VREUH GHVHPSUHJR HQWUH MRYHQV R IXWXUR GRV EDQFRV
FHQWUDLV FRPSRUWDPHQWR VRFLDO SDUD XPD HFRQRPLD VXVWHQWiYHO
UHDYDOLDomR GH HQHUJLDV UHQRYiYHLV LQYHVWLPHQWRV HIHWLYRV HP
HGXFDomRHDVHJXUDQoDGLDQWHGDJOREDOL]DomR
(YHQWRV
3DWURFtQLRV& XOWXUDLV
,QFHQWLYDGR
(VVD p DSULPHLUD YH] TXH RHQFRQWUR VHUi UHDOL]DGR IRUDGD (XURSD $
LQLFLDWLYD FRQWD WDPEpP FRP D SDUFHULD GR %HUWHOVPDQQ 6WLIWXQJH GR
& HQWUR GH ,QIRUPDomR /HLEQL] GH (FRQRPLD $ LQVFULomR SDUD SDUWLFLSDU
GRVLPSyVLRpJUDWXLWDPDVDVYDJDVVmROLPLWDGDV
6LJDQRVQRWZ LWWHU
³e QHFHVViULR XP LQYHVWLPHQWR HIHWLYR HP HGXFDomR ( WHQKR FHUWH]D
TXH YmR DSDUHFHU LGHLDV UHDOPHQWH LQWHUHVVDQWHV $V VXJHVW}HV GHYHP
JLUDU HP WRUQR GD LPSRUWkQFLD GH LQFHQWLYRV GLUHWRV FRP R DOFDQFH GH
PHWDV FRQFUHWDV´ GHVWDFRX R SUHVLGHQWH GR ,QVWLWXWR .LHO 'HQQLV
6QRZHU
3DUDRGD)*9& DUORV,YDQ6LPRQVHQ/HDORHQFRQWURpDRSRUWXQLGDGH
GH XQLUWHPDV TXH HVWmRHP ~OWLPDLQVWkQFLD UHODFLRQDGRV HQWUHVL ³2
PXQGR WHP PXLWDV LOKDV JLJDQWHV FRP FDQDLV GH LQWHUDomR HQWUHHODV
FRPR FRPpUFLR VHJXUDQoD H RXWURV 7HUHPRV D FKDQFH GH YHU RV
SHQVDGRUHVLQWHUDJLQGRVREUHHVVHVWHPDV´DYDOLRX
3 DUFHULDV
'H DFRUGRFRP 6QRZHUXP GRV FXLGDGRVQD VHOHomRGRV SDUWLFLSDQWHV
p TXH DSUHVHQWHP WUDEDOKRV EDVHDGRV HP SHVTXLVDV H TXH DV
GLVFXVV}HV DYDQFHP HP EXVFD GH VROXo}HV SDUD RV GLIHUHQWHV WHPDV
(VVDV FRQFOXV}HV VmR SRVWHULRUPHQWH HQFDPLQKDGDV D RUJDQLVPRV
LQWHUQDFLRQDLV FRPR 2UJDQL]DomR ,QWHUQDFLRQDO GR 7UDEDOKR 2,7
2UJDQL]DomR SDUD D & RRSHUDomR H R 'HVHQYROYLPHQWR (FRQ{PLFR
2& '( 2UJDQL]DomR GDV 1Do}HV 8QLGDV 218 H )XQGR 0RQHWiULR
,QWHUQDFLRQDO)0,
5HVSRQVDELOLGDGH6RFLDOFRPLQIRUPDo}HVGRMRUQDO2*ORER
6KDUH _
(QWU H H P &R QWD WR
6LP S y V LR (F R Q{ P LF R *OR E D O
6LWH S D U D LQV F U Lo m R ZZZIJYEUJHVULR
7 H OH I R QH 'H L[ H D T XLV H XF R P H QWi U LR Z Z Z UHVSRQVDELOLGDGHVRFLDOFRPDUWLFOHDUWLFOHBYLHZ SKS"LG !
"##
!
"#
$%&&&'()
*+%*(
,-.)(/
0/1230%&%
/
& &' 4 5 40%( 6 & 407 &!
& 8 07
8&45
9 % & - 3 4 & %
45 15552 : & 40%;( )( &
& & 9
3&&'
<4;(*=&
1*2 ( & % +
> & ? 0%
'5
)/[email protected]%&
&!
4 '
&
8 4 3 ! 4 % ' 4'
&. 3
&5 < A
( &
6
8
<4(B
8
5
9+
&'(
664
5;
<&/[email protected]+++?</38
0% 0% &/( 3 & &
- C&% & 4#
9!&8(+
'/4
'&
&' 4 & DE5 ( / 6 & / ! /
&&'
45;
8QL6(%)*9
+RPH
&XUVRV
&LGDGHV
6ROXo}HVFRUSRUDWLYDV
&RQWDWR
+RPH 1RWtFLDV
1RWtFLDV
0DLVQRWtFLDV
)*9WUD]DR%UDVLOR*OREDO(FRQRP LF6\ P SRVLXP GHVHWHPEURGH
GHMXOKRGH
1RVGLDVHGHRXWXEURD)*9UHDOL]DQR5LRGH-DQHLUR±HPSDUFHULDFRPR.LHO,QVWLWXWHD
)D]HQGRDGLIHUHQoD
%HUWHOVPDQQ6WLIWXQJHHPFRRSHUDomRFRPR&HQWURGH,QIRUPDomR/HLEQL]GH(FRQRPLD=%:±R
GHMXOKRGH
*OREDO(FRQRPLF6\PSRVLXP*(6TXHDFRQWHFHSHODSULPHLUDYH]QR%UDVLOGHVGHTXHIRLFULDGR
SHOR.LHOHP
)*90DQDJHPHQWUHDOL]RXSHVTXLVDSDUD
FRPSUHHQGHURSHUILOWHFQROyJLFRGRV
DOXQRVGH0%$
2VLPSyVLRFRQWDUiFRPOtGHUHVPXQGLDLVJHVWRUHVHFRQRPLVWDVHVSHFLDOLVWDVGD)XQGDomRHGH
GLYHUVRVSDtVHVSDUDGLVFXWLUHIRUPXODUVROXo}HVLQRYDGRUDVDFHUFDGRVPDLRUHVSUREOHPDV
SROtWLFRVDPELHQWDLVHVRFLRHFRQ{PLFRVYLYLGRVSHORPXQGRDWXDOPHQWH2WHPDFHQWUDOGHVWD
HGLomRp³2&UHVFLPHQWRSRU0HLRGD(GXFDomRH,QRYDomR´HVHUiDERUGDGRHPTXDWURHL[RV
WHPiWLFRV(FRQRPLD3ROtWLFD6RFLHGDGHH0HLRDPELHQWH
(QWUHRVFRQYLGDGRVHVWmRDSUHVLGHQWH'LOPD5RXVVHIIRVPLQLVWURV*XLGR0DQWHJD)D]HQGD
$ORL]LR0HUFDGDQWH(GXFDomR%UL]ROD1HWR7UDEDOKR3DXOR%HUQDUGR6LOYD&RPXQLFDo}HVH
,]DEHOOD7HL[HLUD0HLR$PELHQWHRJRYHUQDGRUGRHVWDGRGR5LRGH-DQHLUR6pUJLR&DEUDOHR
SUHIHLWRGRPXQLFtSLRGR5LRGH-DQHLUR(GXDUGR3DHVDOpPGDSUHVLGHQWHGD3HWUREUDV*UDoD
)RVWHUGRYLFHSUHVLGHQWHGR%1'(6-RVp&DUORV)HUUD]HGRSUHVLGHQWHGR*UXSR(%;(LNH
%DSWLVWD
GHMXOKRGH
5XPRVGRDJURQHJyFLREUDVLOHLUR
GHMXOKRGH
$JHUDomR
QHPQHP
GHMXOKRGH
8QL6(%)*9GLVSRQLELOL]DFXUVRGH
7pFQLFDVGH&RPSUDV
GHMXOKRGH
3URIHVVRUGD((63)*9HVWUHLDEORJFRP
GLFDVVREUHILQDQoDVQD)ROKD
GHMXOKRGH
(PSUHVDVGHYHPIRFDUIRUPDomRGH
OLGHUDQoDV
$LQVFULomRpJUDWXLWDHDVYDJDVVmROLPLWDGDV
3DUDVDEHUPDLVVREUHRHYHQWRDFHVVH
GHMXOKRGH
$OXQRVGRFXUVRGH*HUrQFLDGH3URMHWRV
FRQIHFFLRQDPFDPLVHWDGDWXUPD
ZZZJOREDOHFRQRPLFV\PSRVLXPRUJ
GHMXOKRGH
EORJJOREDOHFRQRPLFV\PSRVLXPRUJ
3HVTXLVDFRORFD)*9HQWUHHPSUHVDV
PDLVLQRYDGRUDVQRUHODFLRQDPHQWRFRPR
FOLHQWH
GHMXOKRGH
8QL6(%VHGLD,,6HPDQD)*9GH
3DOHVWUDV
3iJLQDGH
&LGDGHV
$UDoDWXED
,QVWLWXFLRQDO
+LVWyULD
$UDUDTXDUD
%DUUHWRV
)*90DQDJHPHQW
)UDQFD
5LEHLUmR3UHWR
3RUTXH(VWXGDU$TXL
6mR&DUORV
8QL6(%H)*9
6mR-RVpGR5LR3UHWR
1RWtFLDV
ZZZXQLVHEFRPEUIJYQRWLFLDVIJYWUD]DREUDVLORJOREDOHFRQRPLFV\PSRVLXP
/RMD)*9
*UXSR6(%‹
*OREDO(FRQRPLF6\PSRVLXP*(6
(YHQWRV
ZZZFD QD OUKFRP EU
*ORED O(FRQRPLF6\PSRVLXP*(6
Y HUDEDL[R
_
:LQGVRU$ WODQWLFD+RWHO5LRGH-DQHLUR
2%UDVLOSUHSDUDVHSDUDVHURFHQWURGRGHEDWHHFRQ{PLFRPXQGLDOHUHFHEHUiOtGHUHVLQWHUQDFLRQDLVGRVPHLRVDFDGrPLFRH
JRYHUQDPHQWDOHGDVVRFLHGDGHVFLYLOHHPSUHVDULDOSDUDWUDoDUQRYRVUXPRVSDUDDHFRQRPLDSROtWLFDPHLRDPELHQWHH
VRFLHGDGH
7UDWDVHGR*OREDO(FRQRPLF6\PSRVLXP*(6RUJDQL]DGRSHOD)*9HPSDUFHULDFRPR.LHO,QVWLWXWHD%HUWHOVPDQQ
6WLIWXQJHHPFRRSHUDomRFRPR&HQWURGH,QIRUPDomR/HLEQL]GH(FRQRPLD=%:R6LPSyVLRLUiUHXQLUHVSHFLDOLVWDVGH
GLYHUVRVSDtVHVSDUDDQDOLVDUHSURSRUVROXo}HVDRVSULQFLSDLVSUREOHPDVHQIUHQWDGRVSHORPXQGRFRQWHPSRUkQHRDERUGDQGR
WHPDVFRPRFULVHVHFRQ{PLFDVHILVFDLVPXGDQoDVFOLPiWLFDVHVFDVVH]GHDOLPHQWRVHTXHVW}HVUHODWLYDVjHGXFDomRPtGLDH
HPSUHJRV1HVWHDQRWHUiFRPRWHPDFHQWUDO³2&UHVFLPHQWRSRU0HLRGD(GXFDomRH,QRYDomR´
'LDVH
/RFDO:LQGVRU$WODQWLFD+RWHO$YHQLGD$WOkQWLFD±&RSDFDEDQD5LRGH-DQHLUR%UDVLO
6LWH2ILFLDOKWWSZZZJOREDOHFRQRPLFV\PSRVLXPRUJ
%ORJ2ILFLDOKWWSEORJJOREDOHFRQRPLFV\PSRVLXPRUJ
ZZZFDQDOUKFRPEU0XQGRVLPSULPLUDVS
11/09/12
Presidente do TJ-RJ cobra mais rapidez da justiça - Monitor Mercantil
1RWtFLDV
&ROXQDV
$VVLQDWXUDV
3XEOLFLGDGH
%XVFD
*UiILFD
$(PSUHVD
$QR
3DUFHLURV
&RQWDWR
$QR
35,0(,5$/,1+$
3UHVLGHQWHGR7-5-FREUDPDLV
UDSLGH]GDMXVWLoD
&ROXQLVWD
6HUJLR%DUUHWR0RWWD
35,0 (,5$/,1+$
0DLV1RWtFLDV
&21-81785$
2SUHVLGHQWHGR7ULEXQDOGH-XVWLoD7-5-0 DQRHO5HEHORUHYHORXDHVWDFROXQDTXHR3RGHU-XGLFLiULR
IOXPLQHQVHHVWiHPSULPHLUROXJDUQDFLRQDOHPUDSLGH]SURFHVVXDO'DHQWUDGDDRMXOJDPHQWRDGHPRUDPpGLDpGH
GRLVDQRVHRLWRPHVHVHQDVYDUDVHPTXHIRLLQVWDODGRVLVWHPDHOHWU{QLFRRSUD]RFDLSDUDRLWRPHVHV1D
VHJXQGDLQVWkQFLDDGHPRUDPpGLDpGHGLDV2EVHUYDTXHKiHPWUDPLWDomRQR7-5-QDGDPHQRVGHPLOK}HV
GHSURFHVVRVGRVTXDLVQRVMXL]DGRVHVSHFLDLVFtYHLVXPDQRYLGDGHSRVLWLYDSRLVUHVROYHFDVRVPHQRVYXOWRVRV
1RVEDVWLGRUHVGRIyUXPKiLQIRUPDo}HVGHTXHHPSUHVDVSDXOLVWDVFRPILOLDLVQR5LRRSWDPSRULQGLFDUR5LRFRPR
VHGHOHJDOWHQGRHPYLVWDDUDSLGH]SURFHVVXDOYHULILFDGDQRHVWDGR$SHVDUGHVVDOLGHUDQoDQDFLRQDO0 DQRHO
5HEHORDGPLWHTXHDWUDPLWDomRQR%UDVLOpOHQWDWDQWRSHODEXURFUDFLDFRPRSHORH[FHVVRGHUHFXUVRVSHUPLWLGRH
FRPHQWD
(6YDLD67)FRQWUDUHSDVVHGHUR\DOWLHV
&$57$6
.DVVDE
)$726
$YDQoRX
1R%UDVLOYDOHDSHQDVHUPDXFDUiWHUSRLVDOHLOHYDUiPDLVWHPSRGRTXHRQRUPDOSDUDLPSRUSHQDVDTXHPDJH
GHIRUPDHUUDGDGLVVHSDUDUHIRUoDUVXDFUtWLFDjQHFHVVLGDGHGHPXGDQoDVQRVVLVWHPDVGHSURFHVVR
(PUHODomRDRPHQVDOmRGHFODURXTXHDLVHQomRGRVPLQLVWURVHVWiVHQGRUHVVDOWDGDSHODLPSUHQVDPDVTXHSDUD
HOHQmRpVXUSUHVD
-DPDLVDFHLWDPRVTXHXPMXL]GHVHPEDUJDGRURXPLQLVWURGHWULEXQDOVXSHULRUIRVVHGHL[DUGHMXOJDUFRUUHWDPHQWH
SRUWHUVLGRQRPHDGRSRUXPRXRXWURSUHVLGHQWHGD5HS~EOLFD2HSLVyGLRGHL[RXLVVREHPFODUR
,QIRUPRXTXHTXDQGRHQWURXQR7-5-KDYLDIDOWDGHMXt]HVHMiIRUDPFKDPDGRV0 HVPRDVVLPQRYR
FRQFXUVRMiIRLDEHUWRSDUDUHGX]LUHVVDFDUrQFLD5HEHORDFUHVFHQWRXTXHHPSDUFHULDFRPRJRYHUQDGRU6pUJLR
&DEUDOLQVWDORXMXVWLoDLWLQHUDQWHHPiUHDVSDFLILFDGDVFRPR&RPSOH[RGR$OHPmRH9LOD&UX]HLUR
$oRPDLVFDUR
2&XVWR%UDVLOFRQWLQXDDVXELU)RQWHVUHYHODPTXHGRDoRXVDGRQDFRQVWUXomRQDYDOWHPVLGRLPSRUWDGR
SRUTXHDGLIHUHQoDGHSUHoRpGHHPUHODomRDRSURGXWRQDFLRQDO(PUHFHQWHSDFRWHRPLQLVWURGD)D]HQGD
*XLGR0 DQWHJDHOHYRXDDOtTXRWDGHLPSRUWDomRSDUDFHUFDGHLWHQVFRP$FUHGLWDVHTXHHVVHQtYHOQmR
GDUiFRPSHWLWLYLGDGHDRSURGXWRLQWHUQRSRUXPODGRHGHRXWURLUiRQHUDURDoRLPSRUWDGR,VVRUHSHUFXWLUiQR
FXVWRILQDOGRQDYLR
5HYHODPDVIRQWHVTXHPHVPRFRPDoRLPSRUWDGRRVHVWDOHLURVWrPFRQVHJXLGRDWLQJLURGHVHMDGRtQGLFHGHGH
FRQWH~GRQDFLRQDOHPQDYLRVHSODWDIRUPDV&RPRVHUHFRUGDRUHJLVWURGRFRQWH~GRQDFLRQDOQmRpVXEMHWLYR
FRPRDQWHV$JRUDpDXGLWDGRSRUVRFLHGDGHVFODVVLILFDGRUDVLQWHUQDFLRQDLVFRPHQRUPHWUDGLomRQRPHUFDGR
PXQGLDO
&RPSHUMHPDOWD
2&RPSOH[R3HWURTXtPLFRGH,WDERUDt&RPSHUMDQGRXWHQGRDOJXQVDWUDVRVSRUPRWLYRVGLYHUVRV1RHQWDQWR
VHJXQGRIRQWHVHPSUHVDULDLVJDQKDUiIRUoDHVSHFLDOQRVSUy[LPRVPHVHV2Q~PHURGHHPSUHJDGRVGDV
HPSUHLWHLUDVKRMHGHPLODQWHVGRILPGRDQRGHYHUiDWLQJLUPLOHQRSUy[LPRDQRGHYHUiVXSHUDUPLO
SHVVRDV
&UtWLFD
8PJUDQGHMRUQDOFDULRFDFRQVHJXLXRLPSRVVtYHODERUGDUDSROrPLFDHQWUH'LOPD5RXVVHIIH)HUQDQGR+HQULTXH
&DUGRVRVHPFLWDUDSULQFLSDODFXVDomRGDDWXDOSUHVLGHQWHDGHTXH)+&XVRXGHVHXSRGHUUHSXEOLFDQRSDUD
DOWHUDUD&RQVWLWXLomRHPEHQHItFLRSUySULRDRLQVWLWXLUDUHHOHLomRHPSURFHVVRSROrPLFRFRPYDOLGDGHLPHGLDWD
'yODUHVDUJHQWLQRV
6HQR%UDVLORSUREOHPDIRLGXUDQWHPXLWRWHPSRRGyODUEDL[RQD$UJHQWLQDRFRUUHH[DWDPHQWHRFRQWUiULR3RU
HVFDVVH]GHPRHGDIRUWHDSUHVLGHQWH&ULVWLQD.LUFKQHUUHGX]LXLPSRUWDo}HVDWpGR%UDVLOXPGRVSULQFLSDLVDOLDGRV
SROtWLFRVGDUHJLmR
2GyODUSDUDOHOROiFKDPDGRGHEOXHYDOHTXDVHVHWHSHVRV3DUDUHIRUoDURVFRIUHVRILFLDLVGHVGHViEDGRHQWURX
HPYLJRUFREUDQoDGHVREUHJDVWRVFRPFDUWmRGHFUpGLWRQRH[WHULRURTXHSRGHWHUHIHLWREXPHUDQJXH
OHYDQGRRVDUJHQWLQRVDFRPSUDUHPGyODUHVQREOXHHPYH]GHSDVVDURFDUWmRQRH[WHULRU(PDWRSRVWHULRUR
JRYHUQRLQFOXLXFRPSUDVGH,QWHUQHWHJDVWRVFRPFDUW}HVGHGpELWRQRH[WHULRUFRPRLJXDOPHQWHWD[DGRV
(PUHODomRjVH[SRUWDo}HVGHVRMDYLJRUDFRQILVFRGHGRYDORUTXHDTXDOTXHUPRPHQWRSRGHUiFKHJDUD
8PDSHVTXLVDLQGLFDTXHGRVFLGDGmRVQmRTXHUHPPXGDUDVUHJUDVGRMRJRSDUDGDUD&ULVWLQD.LUFKQHUD
SRVVLELOLGDGHGHFRQWLQXDUQDSUHVLGrQFLD
0 3GR577
$5HFHLWD)HGHUDOGR%UDVLOVHSUHSDUDSDUDHGLWDUPHGLGDSURYLVyULDSDUDH[WLQJXLUR5HJLPH7UDQVLWyULRGH
7ULEXWDomR577HRVHIHLWRVGDVDOWHUDo}HVFRQWiEHLVGHFRUUHQWHVGDHTXLSDUDomRGDUHJUDFRQWiELOEUDVLOHLUDDRV
SDGU}HVLQWHUQDFLRQDLVYLVDQGRDFDEDUFRPDLQVHJXUDQoDMXUtGLFDTXHSHUPHLDDPDWpULDILVFDOGHVGHHQWmR
www.monitormercantil.com.br/index.php?pagina=Noticias&Noticia=119093&Categoria=PRIMEIRA
1/2
11/09/12
Presidente do TJ-RJ cobra mais rapidez da justiça - Monitor Mercantil
6HJXQGR%UDQFR$VVHVVRUHVTXHWHPjIUHQWHRMXULVWD5XEHQV%UDQFRRILVFRHVWiFKHJDQGRDRPRGHORILQDOGD
QRYD(VFULWXUDomR&RQWiELO'LJLWDO$QiOLVHGDHPSUHVDJDUDQWHTXHPXLWDVLQFHUWH]DVGRVLVWHPDGR577
SHUPDQHFHUmRHVSHFLDOPHQWHTXDQWRjHIHWLYLGDGHGDQHXWUDOLGDGHWULEXWiULD
(PUHODomRjVRSHUDo}HVGHIXV}HVHDTXLVLo}HVHVSHFLILFDPHQWHTXDQWRDRiJLRDVLQFHUWH]DVHVmRPDLRUHVDQRYD
UHDOLGDGHFKHJDDVHUDVVXVWDGRUD2WUDWDPHQWRILVFDOFRDGXQDFRPQRYRFULWpULRFRQWiELOTXHHVWDEHOHFHR
GHVGREUDPHQWRGRFXVWRGHDTXLVLomRSDUDTXHRLQYHVWLPHQWRVHMDUHJLVWUDGRDYDORUGHFXVWRFRQIRUPHYDORUGH
SDWULP{QLROtTXLGRQDDTXLVLomRHDMXVWDGRGHIRUPDTXHDGLIHUHQoDSDJDSHORLQYHVWLPHQWRVHMDDORFDGDFRPR
PDLVYDOLDGLIHUHQoDHQWUHRYDORUMXVWRGRVDWLYRVOtTXLGRVGDLQYHVWLGDQDSURSRUomRGDSHUFHQWDJHPGD
SDUWLFLSDomRDGTXLULGDHRYDORUGHFXVWR
(PVXPDRHVVHQFLDOpDFRPSDQKDUGHSHUWRRVPRYLPHQWRVGD5HFHLWD)HGHUDOHPWRUQRGHVWHWHPDMi
HVWUXWXUDQGRDVRSHUDo}HVGHPRGRDQmRVHUVXUSUHHQGLGRSHORQRYRWUDWDPHQWRILVFDO&RQFOXLVHSRUWDQWRTXH
DLQGDKiXPORQJRFDPLQKRSDUDVHFKHJDUDXPDVLWXDomRGHVHJXUDQoDMXUtGLFDVHQGRFHUWRpTXHDVQRYDV
PXGDQoDVRFRUUHUmRQRLQWXLWRGHFRQWURODUILVFDOPHQWHRVDMXVWHVWUD]LGRVSHODLPSOHPHQWDomRGDVUHJUDV
FRQWiEHLVLQWHUQDFLRQDLVJHUDQGRPDLVXPPRPHQWRGHDGDSWDomRHLQFHUWH]DVDRVFRQWULEXLQWHVHSURILVVLRQDLVGH
WULEXWRV
5iSLGDV
$SUHVLGHQWH&ULVWLQD.LUFKQHUDFDEDGHFULDUXPSyORDXGLRYLVXDOHPiUHDGHPLOPHWURVTXDGUDGRVMXQWRD
3XHUWR0 DGHURDiUHDFXOWXUDOSRUWXiULDGH%XHQRV$LUHV$LPSUHQVDFKDPDRHPSUHHQGLPHQWRGH+ROO\ZRRG
SRUWHQKD6HUiGLDGHRXWXEURQR5LRRIyUXP*OREDO(FRQRPLF6\PSRVLXP,QIRUPDD)XQGDomR*HW~OLR
9DUJDVTXHRDEULJDUiVHUDSULPHLUDYH]HPTXHR*(6VHUiUHDOL]DGRIRUDGD(XURSD2WHPDFHQWUDOVHUi
&UHVFLPHQWRSRU0 HLRGD(GXFDomRH,QRYDomR2+LSyGURPRGD*iYHDQD=RQD6XOFDULRFDJDQKDUiXPQRYR
UHVWDXUDQWH2QGHILFDYDR(O7XUIHQWUDUiR3RUFmR*RXUPHWHPEUHYH$WHQomR3UHIHLWXUDGR5LRQHVWDTXDUWD
IHLUDDRPHLRGLDKDYLDPRUDGRUHVGHUXDGRUPLQGRHPiUHDQREUHGR&HQWURDFRQIOXrQFLDGDVUXDV2XYLGRUH
&DUPR2GHVHPSUHJRQmRGHYHHVWDUDOWR$HPSUHVDGH{QLEXV5HGHQWRULQIRUPDTXHKiYDJDVSDUDPRWRULVWDVH
TXHDFHLWDLQLFLDQWHFRPVDOiULRGHPRWRULVWDSOHQRHDGPLWHUHWRUQRGHTXHPVDLXGDHPSUHVD)DL[D
FRQWUDGLWyULDQR&DQHFmRORFDOGHVKRZVGHVDWLYDGRKiGRLVDQRVGHVGHTXHSDVVRXDRFRPDQGRIHGHUDO8)5-HP
*UHYH(VWDPRVWUDEDOKDQGRSRUXPDXQLYHUVLGDGHPHOKRU7UDEDOKDQGR"$TXDUWDIHLUDIRLGHEROVDHPDOWDH
GyODUHPTXHGD
&RPHQWiULRV
1RPRPHQWRQmRKiFRPHQWiULRV3DUDHVFUHYHURVHXFRPHQWiULRpQHFHVViULRVHDXWHQWLFDU
1RWtFLDV
&ROXQDV
$VVLQDWXUDV
3XEOLFLGDGH
*UiILFD
$(PSUHVD
&RQWDWR
0 RQLWRU0 HUFDQWLO‹7RGRVRVGLUHLWRVUHVHUYDGRV
(VWHPDWHULDOQmRSRGHVHUSXEOLFDGRWUDQVPLWLGRSRUEURDGFDVWUHHVFULWRRXUHGLVWULEXLGRVHPSUpYLDDXWRUL]DomR
'HVHQYROYLGRSRU6HYHQ6ROXo}HV
www.monitormercantil.com.br/index.php?pagina=Noticias&Noticia=119093&Categoria=PRIMEIRA
2/2
FGV realiza evento econômico mundial no Rio
IstoÉ Dinheiro - São Paulo/SP - BLOGS E COLUNAS – 20/08/2012 - 12:57:00
Economistas, líderes mundiais e especialistas de diversas áreas estarão no Rio de Janeiro,
em outubro, para o GES 2012, Global Economic Symposium.
Pela primeira vez no Brasil, o simpósio é organizado pela FGV em parceria com o Kiel
Institute, a Bertelsmann Stiftung e em cooperação com o Centro de Informação Leibniz de
Economia (ZBW).
O evento vai reunir especialistas de todo o mundo para debater e formular estratégias
inovadoras para problemas relacionados à economia, sociedade, política e meio ambiente.
O encontro é aberto ao público e as inscrições devem ser feitas pelo site global-economicsymposium.org.
O ingresso custa R$ 1,5 mil.
Brasil recebe simpósio internacional para debater problemas globais
Administradores - João Pessoa/PB - ECONOMIA E FINANÇAS – 04/09/2012 - 12:59:00
O Brasil se prepara para ser o centro do debate econômico mundial em outubro e, pela
primeira vez fora da Europa, o GES 2012 será o ponto de encontro de líderes internacionais
dos meios acadêmico e governamental, e das sociedades civil e empresarial para traçar novos
rumos para a economia.
Organizado pela FGV em parceria com o Kiel Institute, a Bertelsmann Stiftung e em
cooperação com o Centro de Informação Leibniz de Economia (ZBW), o Simpósio irá reunir
especialistas de diversos países para analisar e propor soluções aos principais problemas
enfrentados pelo mundo contemporâneo, abordando temas como crises econômicas,
mudanças climáticas, escassez de alimentos e questões relativas à educação e empregos.
Neste ano, terá como tema central "OCrescimento por Meio da Educação e Inovação".
Com sede em Kiel, na Alemanha, o Kiel Institute for the World Economy, um dos mais
respeitados centros econômicos da atualidade, é o responsável pela idealização do Global
Economic Symposium desde 2008. O Simpósio, que vem se consolidando como uma
importante iniciativa para a geração de ideias vale-se de um único processo de colaboração e
criatividade, que desafia os participantes a pensar fora da caixa e a propor soluções
inovadoras e concretas por meio de debates e mesas redondas, de modo que possam servir
de catalisador para mudanças efetivas em quatro principais eixos temáticos: economia,
política, sociedade e meio ambiente.
Temas abordados – Dentre as pautas do tema economia global merecem destaque (i) a
questão do futuro dos bancos centrais e o controle das suas metas de inflação versus
estabilidade financeira, (ii) a consolidação fiscal por meio de regras fiscais, (iii) a otimização
do uso das informações através da internet e das mídias sociais, (iv) os investimentos
efetivos e melhorias na área da educação e a (v) redefinição das universidades.
Em sociedade global serão discutidas a (i) formulação de políticas inteligentes de migração
da mão de obra, (ii) o combate à desigualdade de oportunidades, (iii) comportamento social
para uma economia sustentável, (iv) como atacar o problema do desemprego entre jovens e
a (v) expansão das oportunidades de trabalho para a terceira idade, bem como (vi)
implementar a diversidade nos conselhos.
No painel sobre política global serão realizados importantes debates sobre (i) as favelas,
abordando de maneira inovadora, a questão dos desafios e as oportunidades globais
instauradas nesse formato de convivência e organização social; também será debatida (ii) a
segurança diante da globalização e (iii) como promover iniciativas do governo aberto em
serviços públicos.
Meio ambiente global terá tópicos como a (i) proteção e restauração das florestas do mundo,
(ii) exploração dos recursos energéticos do oceano ártico, (iii) reavaliação das energias
renováveis e a (iv) promoção da segurança alimentar por meio da contribuição da agricultura
climaticamente inteligente.
Entre os convidados para o GES 2012 estão a presidente Dilma Roussef e os ministros
Guido Mantega (Fazenda), Aloizio Mercadante (Educação), Brizola Neto (Trabalho), Paulo
Bernardo Silva (Comunicações) Também foram convidadosGraça Foster (presidente da
Petrobrás) e Eike Baptista (presidente do Grupo EBX).
Presença confirmada dos ministros Gilmar Mendes (Supremo Tribunal Federal) e Izabella
Teixeira (Meio Ambiente); o presidente da FGV - Carlos Ivan Simonsen Leal, Roberto
Rodrigues (ex-ministro da agricultura e coordenador do Centro de Agronegócio da Fundação
Getulio Vargas - GVAgro), Carlos Langoni (ex-presidente do Banco Central e diretor do Centro
de Economia Mundial da FGV), Marcelo Neri (economista-chefe do FGV-CPS e presidente do
IPEA), e outros.
Presidente do TJ-RJ cobra mais rapidez da justiça
Monitor Mercantil - Rio de Janeiro/RJ - PRIMEIRA LINHA – 05/09/2012 - 13:01:00
O presidente do Tribunal de Justiça (TJ-RJ), Manoel Rebelo, revelou a esta coluna que o Poder
Judiciário fluminense está em primeiro lugar nacional em rapidez processual. Da entrada ao
julgamento, a demora média é de dois anos e oito meses e, nas 24 varas em que foi instalado
sistema eletrônico, o prazo cai para oito meses. Na segunda instância, a demora média é de 83
dias. Observa que há em tramitação no TJ-RJ nada menos de 9 milhões de processos, dos
quais 10% nos juizados especiais cíveis - uma novidade positiva, pois resolve casos menos
vultosos.
Nos bastidores do fórum há informações de que empresas paulistas, com filiais no Rio, optam
por indicar o Rio como sede legal, tendo em vista a rapidez processual verificada no estado.
Apesar dessa liderança nacional, Manoel Rebelo admite que a tramitação no Brasil é lenta,
tanto pela burocracia como pelo excesso de recursos permitido e comenta:
- No Brasil, vale a pena ser mau caráter, pois a lei levará mais tempo do que o normal para
impor penas a quem age de forma errada - disse, para reforçar sua crítica à necessidade de
mudanças nos sistemas de processo.
Em relação ao mensalão, declarou que a isenção dos ministros está sendo ressaltada pela
imprensa, mas que, para ele, não é surpresa.
- Jamais aceitamos que um juiz, desembargador ou ministro de tribunal superior fosse deixar
de julgar corretamente por ter sido nomeado por um ou outro presidente da República. O
episódio deixou isso bem claro.
Informou que, quando entrou no TJ-RJ, havia falta de 150 juízes, e já foram chamados 34.
Mesmo assim, novo concurso já foi aberto para reduzir essa carência. Rebelo acrescentou que,
em parceria com o governador Sérgio Cabral, instalou justiça itinerante em áreas pacificadas,
como Complexo do Alemão e Vila Cruzeiro.
Aço mais caro
O Custo Brasil continua a subir. Fontes revelam que 100% do aço usado na construção naval
tem sido importado, porque a diferença de preço é de 40% em relação ao produto nacional. Em
recente pacote, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, elevou a alíquota de importação para
cerca de 100 itens, com 25%. Acredita-se que esse nível não dará competitividade ao produto
interno, por um lado e, de outro, irá onerar o aço importado. Isso repercutirá no custo final do
navio.
Revelam as fontes que, mesmo com aço importado, os estaleiros têm conseguido atingir o
desejado índice de 65% de conteúdo nacional em navios e plataformas. Como se recorda, o
registro do conteúdo nacional não é subjetivo, como antes. Agora, é auditado por sociedades
classificadoras internacionais, com enorme tradição no mercado mundial.
Comperj em alta
O Complexo Petroquímico de Itaboraí (Comperj) andou tendo alguns atrasos, por motivos
diversos. No entanto, segundo fontes empresariais, ganhará força especial nos próximos
meses. O número de empregados das empreiteiras, hoje de 30 mil, antes do fim do ano deverá
atingir 40 mil e, no próximo ano, deverá superar 50 mil pessoas.
Crítica
Um grande jornal carioca conseguiu o impossível: abordar a polêmica entre Dilma Rousseff e
Fernando Henrique Cardoso sem citar a principal acusação da atual presidente: a de que FHC
usou de seu poder republicano para alterar a Constituição em benefício próprio, ao instituir a
reeleição - em processo polêmico - com validade imediata.
Dólares argentinos
Se, no Brasil, o problema foi durante muito tempo o dólar baixo, na Argentina ocorre
exatamente o contrário. Por escassez de moeda forte, a presidente Cristina Kirchner reduziu
importações até do Brasil, um dos principais aliados políticos da região.
O dólar paralelo, lá chamado de "blue", vale quase sete pesos. Para reforçar os cofres oficiais,
desde sábado entrou em vigor cobrança de 15% sobre gastos com cartão de crédito no exterior
- o que pode ter efeito bumerangue, levando os argentinos a comprarem dólares no "blue" em
vez de passar o cartão no exterior. Em ato posterior, o governo incluiu compras de Internet e
gastos com cartões de débito no exterior como igualmente taxados.
Em relação às exportações de soja, vigora confisco de 35% do valor, que a qualquer momento
poderá chegar a 40%. Uma pesquisa indica que 66% dos cidadãos não querem mudar as
regras do jogo para dar a Cristina Kirchner a possibilidade de continuar na presidência.
MP do RTT
A Receita Federal do Brasil se prepara para editar medida provisória para extinguir o Regime
Transitório de Tributação (RTT) - e os efeitos das alterações contábeis decorrentes da
equiparação da regra contábil brasileira aos padrões internacionais visando acabar com a
insegurança jurídica que permeia a matéria fiscal desde então.
Segundo Branco Assessores, que tem à frente o jurista Rubens Branco, o fisco está chegando
ao modelo final da nova Escrituração Contábil Digital. Análise da empresa garante que muitas
incertezas do sistema do RTT permanecerão, especialmente quanto à efetividade da
neutralidade tributária.
Em relação às operações de fusões e aquisições, especificamente quanto ao ágio, as
incertezas e são maiores a nova realidade chega a ser assustadora. O tratamento fiscal
coaduna com novo critério contábil que estabelece o desdobramento do custo de aquisição
para que o investimento seja registrado a valor de custo - conforme valor de patrimônio líquido
na aquisição - e ajustado de forma que a diferença paga pelo investimento seja alocada como
mais-valia (diferença entre o valor justo dos ativos líquidos da investida, na proporção da
percentagem da participação adquirida, e o valor de custo).
Em suma, o essencial é acompanhar de perto os movimentos da Receita Federal em torno
deste tema, já estruturando as operações de modo a não ser surpreendido pelo novo
tratamento fiscal. Conclui-se, portanto que ainda há um longo caminho para se chegar a uma
situação de segurança jurídica, sendo certo é que as novas mudanças ocorrerão no intuito de
controlar fiscalmente os ajustes trazidos pela implementação das regras contábeis
internacionais, gerando mais um momento de adaptação e incertezas aos contribuintes e
profissionais de tributos.
Rápidas
A presidente Cristina Kirchner acaba de criar um pólo audiovisual, em área de 120 mil metros
quadrados, junto a Puerto Madero, a área cultural-portuária de Buenos Aires. A imprensa
chama o empreendimento de Hollywood portenha *** Será dia 16 de outubro, no Rio, o fórum
Global Economic Symposium. Informa a Fundação Getúlio Vargas, que o abrigará, ser a
primeira vez em que o GES será realizado fora da Europa. O tema central será Crescimento
por Meio da Educação e Inovação *** O Hipódromo da Gávea, na Zona Sul carioca, ganhará
um novo restaurante. Onde ficava o El Turf, entrará o Porcão Gourmet, em breve *** Atenção
Prefeitura do Rio: nesta quarta-feira, ao meio dia, havia 12 moradores de rua dormindo em
área nobre do Centro, a confluência das ruas Ouvidor e Carmo *** O desemprego não deve
estar alto. A empresa de ônibus Redentor informa que há vagas para motoristas e que aceita
iniciante com salário de "motorista pleno" e admite retorno de quem saiu da empresa *** Faixa
contraditória no Canecão - local de shows desativado há dois anos, desde que passou ao
comando federal: "UFRJ em Greve - Estamos trabalhando por uma universidade melhor".
Trabalhando? *** A quarta-feira foi de bolsa em alta e dólar em queda.
Rio vai sediar simpósio para debater problemas mundiais
O Globo Online - Rio de Janeiro/RJ - ECONOMIA - 29/09/2012 - 18:01:00
RIO - Especialistas de todo o mundo estarão no Rio nos dias 16 e 17 de outubro para participar
do Simpósio Econômico Global (Global Economic Symposium, GES) 2012, realizado pelo
Instituto de Economia Mundial de Kiel em parceria com a Fundação Getulio Vargas, além do
Bertelsmann Stiftung e o Centro de Informação Leibniz de Economia. Esta é a primeira vez que
o encontro será realizado fora da Europa.
A ideia é debater e apresentar soluções para problemas urgentes da atualidade em economia,
política e meio ambiente. O tema principal será “O crescimento por meio de educação e
Inovação”, mas também serão debatidas questões como o desemprego entre jovens, o futuro
dos bancos centrais, comportamento social para uma economia sustentável, reavaliação de
energias renováveis, investimentos efetivos em educação e a segurança diante da
globalização.
— É necessário um investimento efetivo em educação. E tenho certeza que vão aparecer
ideias realmente interessantes. As sugestões devem girar em torno da importância de
incentivos diretos com o alcance de metas concretas — afirma o presidente do Instituto Kiel,
Dennis Snower.
A inovação, segundo o presidente da FGV, Carlos Ivan Simonsen Leal, é um dos três temas de
discussão mais relevantes da atualidade, ao lado da questão geopolítica de segurança e das
áreas monetárias. E sua importância não está restrita apenas às questões mais complexas:
— Não se faz inovação sem educação. Mas a inovação não está apenas em uma televisão 3D
ou em um iPad. Há inovações extremamente importantes que são mais simples, como num
processo de administração pública — diz.
Simonsen Leal acrescenta, ainda, que o encontro é a oportunidade de unir temas que estão,
em última instância, relacionados entre si:
— O mundo tem muitas ilhas gigantes, com canais de interação entre elas, como comércio,
segurança e outros. Teremos a chance de ver os pensadores interagindo sobre esses temas.
Brasil ganha destaque
Um dos cuidados na seleção dos participantes, explica Snower, é que apresentem trabalhos
baseados em pesquisas e que as discussões avancem em busca de soluções para os
diferentes temas. Essas conclusões são, posteriormente, encaminhadas a organismos
internacionais como Organização Internacional do Trabalho (OIT), Organização para a
Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), Organização das Nações Unidas (ONU)
e Fundo Monetário Internacional (FMI).
— É a oportunidade de um grande debate de ideias. Haverá muitos participantes com ideias
novas e teremos a chance de olhar fora da caixa e tentar encontrar soluções. Como é um
grupo diversificado, poderemos ter discussões profundas, além de conhecer outros
profissionais — afirma a economista da Comissão Europeia Anna Grochowska.
No contexto dos debates, o Brasil deve aparecer em destaque, na avaliação de Carlos Ivan
Simonsen Leal:
— O Global Economic Symposium (GES) 2012 vai trazer o Brasil para o centro das discussões
internacionais.
Dennis Snower também comemora a realização do encontro no Brasil, país extremamente
importante em áreas como energia, segurança, megacidades, migração, segurança e pobreza,
entre outros:
— O Brasil tem recebido muita atenção, mas em geral é apresentado apenas como parte dos
Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), ao lado de outros países. Muito pouco se
fala sobre o Brasil por si só, não como parte do mundo emergente. E esta será uma
oportunidade para o Brasil contar sua história de sucesso em várias áreas, independentemente
do desempenho dos outros Brics.
Nem mesmo o baixo crescimento da economia brasileira desde o ano passado ofusca seu
papel no cenário mundial, de acordo com Snower. Ele diz que as expectativas do mundo em
relação ao Brasil eram muito altas e é natural que não pudessem ser alcançadas. A
importância do Brasil, segundo ele, “é grande e de longo prazo”.
A inscrição para participar do simpósio é gratuita, mas as vagas são limitadas. As informações
podem ser obtidas pelo site www.fgv.br/gesrio2012 e pelo telefone (21) 3799-6044. O encontro
será realizado no Windsor Atlantica Hotel (Avenida Atlântica 1020, Copacabana)
Brasil recebe proposta de criação de agência de rating
Valor Econômico - São Paulo/SP - FINANÇAS - 04/10/2012 - 01:05:35
A organização alemã Fundação Bertelsmann apresentará em 19 de outubro ao Ministério da
Fazenda e à chancelaria brasileira proposta para a criação de uma agência de risco
internacional independente e sem fins lucrativos, com o objetivo de levar mais competição a
esse mercado, atualmente dominado pelas americanas Fitch, Standard & Poors e Moodys.
A proposta do "think tank" (organização de pesquisas) alemão é que governos do G-20
levantem US$ 400 milhões para a agência, cujo projeto já foi apresentado ao Tesouro
americano, à Securities and Exchange Comission (SEC), ao Fundo Monetário Internacional
(FMI) e à Comissão Europeia.
O Brasil será o primeiro país emergente a receber o plano - lançado em abril - que também
será levado à China no ano que vem, após a transição de governo nesse país. Annette Heuser,
diretora-executiva da Bertelsmann nos Estados Unidos, acredita que o G-20 seja o ambiente
mais adequado para a criação da agência. Nesse contexto, ela endossa a importância do Brasil
e da participação dos emergentes no financiamento do projeto.
"Aparecemos com essa proposta alternativa, porque por muitos anos os países não têm ficado
satisfeitos com a falta de transparência, competição e qualidade no que se refere a ratings de
dívida soberana", disse Heuser em entrevista ao Valor. "Por essa razão vamos conversar com
as autoridades brasileiras, porque estamos todos no mesmo barco", completou.
A ideia é que a organização batizada de International Non-Profit Credit Rating Agency (Incra,
em inglês) tenha escritórios na Europa, nos Estados Unidos, na América Latina e na Ásia, nos
quais especialistas farão a análise de risco de cada país. A expectativa do Bertelsmann é que o
Brasil seja a sede latino-americana da agência, por ser a maior economia da região.
Por enquanto, as nações do G-20, que já ressaltaram a necessidade de uma reforma nas
agências de crédito em reuniões passadas, ainda não se debruçaram para analisar a proposta
da fundação. "Mas acredito que o grupo chegará a um consenso sobre a necessidade de
criação da Incra", declarou Heuser.
Além dos governos, a Incra poderá receber doações de corporações e Organizações Não
Governamentais (ONGs). "Queremos que todos os atores da sociedade sejam doadores,
porque a questão do risco soberano é um bem público, afeta todos os contribuintes já que,
quando uma nota de um Estado é reduzida, o país paga mais caro para se financiar nos
mercados mundiais", disse a diretora-executiva.
O conflito de interesses, ponto-chave na crítica feita às agências de risco americanas durante a
crise financeira, seria solucionado na nova organização com a criação de um "corpo de
supervisão", que terá como objetivo garantir que não haja interferência dos doares nas
decisões de rating dos Estados. "Todos os doadores terão a mesma fatia de participação, mas
ninguém teria ingerência sobre como os ratings são conduzidos", explicou Heuser.
O instituto tem trabalhado na proposta desde dezembro de 2011. A iniciativa de efetivamente
criar a agência, no entanto, caberá aos Estados, explica Heuser.
Com a recente redução da nota de crédito de países como Espanha, Portugal e Itália, o tema
da credibilidade das agências de rating foi extensamente debatido no Velho Continente. Após a
onda de rebaixamentos, surgiram inclusive planos para a criação de uma agência de risco
privada europeia, o que é criticado por Heuser. "Os investidores internacionais não vão confiar
mais em uma agência europeia. Os investidores procuram uma agência realmente
independente para avaliar o risco de dívida dos países", lembrou.
"Sempre defendemos que aumentar a independência e qualidade das agências de rating não é
uma questão apenas da Europa, mas uma questão que está no topo da agenda dos Estados
da América Latina, como do Brasil, e de estados da Ásia, como Índia e China", disse.
A Incra pretende usar também indicadores políticos, econômicos e de desenvolvimento dos
países para chegar aos ratings de crédito, não apenas indicadores macroeconômicos, explica
Heuser. "Do meu ponto de vista, é necessário arrumarmos a casa antes de a próxima crise
financeira ocorrer", concluiu.
Brasil sedia Simpósio Econômico Global 2012
Responsabilidade Social - - NOTÍCIAS - 10/10/2012 - 16:57:45
A capital fluminense sediará nesse mês o Simpósio Econômico Global 2012 (Global Economic
Symposium, GES). Realizado pelo Instituto de Economia Mundial de Kiel em parceria com a
Fundação Getúlio Vargas, o evento receberá especialistas de todo o mundo nos dias 16 e 17.
O objetivo é discutir e apresentar soluções para problemas urgentes da atualidade em
economia, política e meio ambiente.
O eixo central dos debates será o tema “O crescimento por meio de educação e Inovação”. A
pauta do encontro conta, ainda, com discussões sobre desemprego entre jovens, o futuro dos
bancos centrais, comportamento social para uma economia sustentável, reavaliação de
energias renováveis, investimentos efetivos em educação e a segurança diante da
globalização.
Essa é a primeira vez que o encontro será realizado fora da Europa. A iniciativa conta também
com a parceria do Bertelsmann Stiftung e do Centro de Informação Leibniz de Economia. A
inscrição para participar do simpósio é gratuita, mas as vagas são limitadas.
“É necessário um investimento efetivo em educação. E tenho certeza que vão aparecer ideias
realmente interessantes. As sugestões devem girar em torno da importância de incentivos
diretos com o alcance de metas concretas”, destacou o presidente do Instituto Kiel, Dennis
Snower.
Para o da FGV, Carlos Ivan Simonsen Leal, o encontro é a oportunidade de unir temas que
estão, em última instância, relacionados entre si. “O mundo tem muitas ilhas gigantes, com
canais de interação entre elas, como comércio, segurança e outros. Teremos a chance de ver
os pensadores interagindo sobre esses temas”, avaliou. .
De acordo com Snower, um dos cuidados na seleção dos participantes, é que apresentem
trabalhos baseados em pesquisas e que as discussões avancem em busca de soluções para
os diferentes temas. Essas conclusões são, posteriormente, encaminhadas a organismos
internacionais como Organização Internacional do Trabalho (OIT), Organização para a
Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), Organização das Nações Unidas (ONU)
e Fundo Monetário Internacional (FMI).
(Responsabilidade Social, com informações do jornal O Globo)
Minister Bossano to attend Global Economic Symposium
Vox - - LOCAL - 11/10/2012 - 12:35:00
He made quite an impact as first speaker in China two months ago when he was invited for the
Global Economic Summit 2012 in which there were around 2000 participants, 500 of whom
were awarded VIP status by the host country and had their expenses met. Gibraltar was
included in the VIP list.
That the Minister for Enterprise, Joe Bossano MP, has been invited to participate in the Global
Economic Symposium illustrates how highly regarded Bossano is in this field. He made quite an
impact as first speaker in China two months ago when he was invited for the Global Economic
Summit 2012 in which there were around 2000 participants, 500 of whom were awarded VIP
status by the host country and had their expenses met. Gibraltar was included in the VIP list.
The Symposium takes place in Rio de Janeiro, Brazil from the 15th to 17th October. Minister
Bossano will return to Gibraltar on the 18th October.
The Symposium will open with an address by the Presidents of Brazil and Mexico and they will
debate new initiatives to address the Global Economic crisis.
Participation is by invitation only, and participants are predominantly economists from academic
and global institutions. The Symposium is designed to explore new avenues and theoretical
concepts to mark a path for sustainable economic development.
Snower: "Krise lässt sich nur ganzheitlich lösen"
Deutsche Welle - - WORLD - 16/10/2012 - 08:00:00
Um die Lösung globaler Probleme geht es auf dem Global Economic Symposium in Rio de
Janeiro. Sein Gründer, Ökonom Dennis Snower, sagt, warum dazu ganzheitliche Ansätze und
junge Menschen notwendig sind.
DW: Herr Snower, wir haben jetzt fünf Jahre Krise auf der Welt. Eine Finanzkrise, eine
Weltwirtschaftskrise, eine Eurokrise. Aber fünf Jahre gibt es auch das Global Economic
Symposium. Das mag Zufall sein, aber an Problemen mangelt es sozusagen nicht. Inwiefern
wird diese Krise, die uns ja umgibt, auch eine Rolle auf dem diesjährigen Global Economic
Symposium spielen?
Dennis Snower: Sie wird eine ganz große Rolle spielen. Eine Panel-Session, die wir haben
werden, befasst sich mit Fiskalregeln, die eine Lösung für diese Krise sein können. Ein großes
Problem, das wir heutzutage haben, ist, dass sich Staaten nicht verpflichten können. Wenn ein
Staat ein Versprechen macht bezüglich der Schulden, die er verursacht, kann es kein
langfristiges Versprechen sein. Denn in einem demokratischen System kann die nächste
Regierung wieder alles umwerfen. Und daher ist es sehr schwer zu gewährleisten, dass die
Schuldenquote - Schulden relativ zum Nationalprodukt - nicht ausufert. Und wie man dieses
Problem löst, das ist eines der Dinge, die hier besprochen werden.
Das Symposium setzt sehr stark darauf, den Zusammenhang herzustellen zwischen
Gesellschaft, Politik und Wirtschaft, also Lösungsansätze, die ganzheitlich sind. Wäre ein
solcher ganzheitlicher Ansatz nicht auch die Lösung in der Eurokrise?
Ja natürlich. Und gerade darin besteht unsere Schwäche. Wie sind Regierungen strukturiert?
Nach Disziplinen, Aktivitätsfeldern, Abteilungen und so weiter, die einen zwingen, die
Gesamtheit aus den Augen zu verlieren. Wir haben eine Krise, die viele verschiedene Aspekte
hat, zum Teil Finanzkrise, zum Teil Wirtschaftskrise, Schuldenkrise, geldpolitische Krise,
Fiskalkrise. Dann kommt noch der demographische Wandel dazu, es gibt verschiedene
gesellschaftliche Probleme, die in diese Krise hineinspielen. Ein Finanzsystem, in dem die
Anreize nicht gut funktionieren. Da hat man sehr viele Elemente, die zusammen gehandhabt
werden müssen. Aber wir haben nicht das Instrumentarium, um das zu tun. Und daher ist es
wirklich gut, ein Symposium zu haben, das einen freien, kreativen Raum bildet, in dem man sich
mit diesen großen systemischen Zusammenhängen beschäftigen kann.
Wenn das Symposium hier in Rio vorbei ist, beginnt in Brüssel der nächste Europäische
Krisengipfel. Glauben Sie, dass dann eben genau wieder der Rückfall in dieses nationale
Gefeilsche doch gleich wieder um sich greifen wird?
Ja. Ein großes Problem, das wir heutzutage haben, ist, dass unsere Probleme mehr und mehr
global werden. Wir sehen das in Europa. Die Finanzkrise lässt sich nicht auf ein oder wenige
Länder beschränken. Aber die meisten Instrumente der Wirtschaftspolitik und der Politik
generell sind angesiedelt auf der Staaten-Ebene. Und auch internationale Organisationen wie
zum Beispiel die EU-Kommission sind oft Orte, in denen nationale Konflikte ausgetragen statt
ausgeglichen werden. Und das ist genau das Problem, das das Global Economic Symposium
unter die Lupe nehmen will, um Lösungsvorschläge zu machen und um eine Art Katalysator für
neues Denken in der Zukunft zu sein.
Das Syposium setzt ja auch stark auf junge Menschen. Es gibt die Global Economic Fellows,
Menschen am Anfang ihrer Karriere, die mit guten Ideen die Welt ein bisschen besser machen
wollen. Warum setzen Sie sich so sehr für dieses Programm ein?
Das ist ein ganz besonders wichtiges Programm. Hier im Symposium wollen wir uns die Welt
der Zukunft vorstellen, eine heilere Welt, und diese auch gestalten. Wir haben viele berühmte
Teilnehmer, die in ihrer Karriere schon viel geschaffen haben, die Lösungsvorschläge machen.
Aber wir wissen nicht, ob diese Welt, die wir hier versuchen besser zu machen, eine Welt ist, in
der die nächste Generation wirklich leben will. Deshalb ist es wichtig, die Stimme der nächsten
Generation zu hören und ihre Vorstellungen einzubeziehen in das Gedankengut des
Symposiums. Dieser Intergenerationendialog muss weiterhin im Zentrum des Syposiums
stehen.
Dennis J. Snower ist amerikanischer Wirtschaftswissenschaftler, seit Oktober 2004 Präsident
des Instituts für Weltwirtschaft in Kiel sowie Professor für theoretische Volkswirtschaftslehre an
der Christian-Albrechts-Universität zu Kiel. Zu seinen Forschungsschwerpunkten zählen
Beschäftigungspolitik und Arbeitslosigkeit. Er gründete 2008 das Global Economic Symposium.
- Mit ihm sprach Henrik Böhme.
Brasil recebe simpósio internacional para debater problemas globais
Canal RH - São Paulo/SP - EVENTOS - 16/10/2012 - 14:39:00
O Brasil prepara-se para ser o centro do debate econômico mundial em outubro e, pela
primeira vez fora da Europa, o GES 2012 será o ponto de encontro de líderes internacionais
dos meios acadêmico e governamental, e das sociedades civil e empresarial para traçar novos
rumos para a economia.
Organizado pela FGV em parceria com o Kiel Institute, a Bertelsmann Stiftung e em
cooperação com o Centro de Informação Leibniz de Economia (ZBW), o Simpósio irá reunir
especialistas de diversos países para analisar e propor soluções aos principais problemas
enfrentados pelo mundo contemporâneo, abordando temas como crises econômicas,
mudanças climáticas, escassez de alimentos e questões relativas à educação e empregos.
Neste ano, terá como tema central O Crescimento por Meio da Educação e Inovação.
Com sede em Kiel, na Alemanha, o Kiel Institute for the World Economy, um dos mais
respeitados centros econômicos da atualidade, é o responsável pela idealização do Global
Economic Symposium desde 2008. O Simpósio, que vem se consolidando como uma
importante iniciativa para a geração de ideias vale-se de um único processo de colaboração e
criatividade, que desafia os participantes a pensar ‘fora da caixa’ e a propor soluções
inovadoras e concretas por meio de debates e mesas redondas, de modo que possam servir
de catalisador para mudanças efetivas em quatro principais eixos temáticos: economia, política,
sociedade e meio ambiente.
Temas abordados – Dentre as pautas do tema economia global merecem destaque (i) a
questão do futuro dos bancos centrais e o controle das suas metas de inflação versus
estabilidade financeira, (ii) a consolidação fiscal por meio de regras fiscais, (iii) a otimização do
uso das informações através da internet e das mídias sociais, (iv) os investimentos efetivos e
melhorias na área da educação e a (v) redefinição das universidades.
Em sociedade global serão discutidas a (i) formulação de políticas inteligentes de migração da
mão de obra, (ii) o combate à desigualdade de oportunidades, (iii) comportamento social para
uma economia sustentável, (iv) como atacar o problema do desemprego entre jovens e a (v)
expansão das oportunidades de trabalho para a terceira idade, bem como (vi) implementar a
diversidade nos conselhos.
No painel sobre política global serão realizados importantes debates sobre (i) as favelas,
abordando de maneira inovadora, a questão dos desafios e as oportunidades globais
instauradas nesse formato de convivência e organização social; também será debatida (ii) a
segurança diante da globalização e (iii) como promover iniciativas do governo aberto em
serviços públicos.
Meio ambiente global terá tópicos como a (i) proteção e restauração das florestas do mundo,
(ii) exploração dos recursos energéticos do oceano ártico, (iii) reavaliação das energias
renováveis e a (iv) promoção da segurança alimentar por meio da contribuição da agricultura
climaticamente inteligente.
Entre os convidados para o GES 2012 estão a presidente Dilma Roussef e os ministros Guido
Mantega (Fazenda), Aloizio Mercadante (Educação), Brizola Neto (Trabalho), Paulo Bernardo
Silva (Comunicações) Também foram convidados Graça Foster (presidente da Petrobrás) e
Eike Baptista (presidente do Grupo EBX).
Presença confirmada dos ministros Gilmar Mendes (Supremo Tribunal Federal) e Izabella
Teixeira (Meio Ambiente); o presidente da FGV - Carlos Ivan Simonsen Leal, Roberto
Rodrigues (ex-ministro da agricultura e coordenador do Centro de Agronegócio da Fundação
Getulio Vargas - GVAgro), Carlos Langoni (ex-presidente do Banco Central e diretor do Centro
de Economia Mundial da FGV), Marcelo Neri (economista-chefe do FGV-CPS e presidente do
IPEA), e outros.
Fundação Getulio Vargas no GES
O papel da Fundação Getulio Vargas no GES vem ganhando relevância desde 2010, quando a
FGV foi convidada a participar da organização de painéis e sessões de debates reunindo
líderes do mundo acadêmico, governamental e empresarial com reconhecimento internacional
nos temas abordados. Em 2010, a FGV organizou sessões sobre energia e educação e, em
2011, levou a experiência brasileira no setor de agronegócios e petróleo.
Neste ano, por meio dessa importante parceria, a FGV será a organizadora do GES no Brasil.
Também terá participação especial nas mesas de debate e principais temas abordados,
trazendo a experiência de seus especialistas e projetos, bem como de importantes autoridades
brasileiras.
Kiel Institute for the World Economy
O Kiel Institute for the World Economy, fundado em 1914 em Kiel, na Alemanha, é um dos
maiores centros mundiais de pesquisa sobre economia mundial, responsável por criar soluções
globais para problemas urgentes, desenvolvendo e aplicando pesquisas e estudos sobre
relações econômicas mundiais, políticas econômicas e educacionais. O Instituto conta com
uma equipe de especialistas internacionais, cujas pesquisas estão em sintonia com os estudos
e atividades que desenvolve. Além disso, possui a maior biblioteca do mundo em economia e
ciências sociais, o que lhe confere enorme importância em educação econômica.
Global Economic Symposium - GES 2012
Dias: 16 e 17/10/2012
Local: Windsor Atlantica Hotel (Avenida Atlântica, 1020 – Copacabana) - Rio de Janeiro - Brasil
Site Oficial: http://www.global-economic-symposium.org
Blog Oficial: http://blog.global-economic-symposium.org/
Brasil deverá testar indicadores de agência de rating independente
IG - Economia - - NOTÍCIAS - 16/10/2012 - 06:00:00
Criticadas duramente desde a crise econômica de 2008 pelas falhas na avaliação de riscos de
países e empresas, as três principais agências de rating do mundo - Moody´s, Fitch e Standard
& Poors – correm agora o risco de ganhar um concorrente internacional de peso, cuja proposta
é oferecer independência e transparência aos investidores.
A proposta de criação da primeira agência independente de rating, elaborada pela Fundação
Bertelsmann, da Alemanha, será oficialmente apresentada no Brasil esta semana pela diretoraexecutiva da organização, Annette Heuser. Batizada de International Non-Profit Credit Rating
Agency (Incra), a nova instituição deverá usar não apenas os tradicionais indicadores
macroeconômicos, mas também indicadores qualitativos como os investimentos feitos por cada
país em educação e inovação.
Para testar esses novos indicadores, a instituição alemã escolheu cinco países entre os quais
está o Brasil. “Ao lado de países como Alemanha, Japão, França e Itália, o Brasil estará entre
os responsáveis pela avaliação dos indicadores da Incra”, afirmou Annette, que participa esta
semana do Global Economic Symposium, evento promovido pela Fundação Getulio Vargas, no
Rio de Janeiro, nos dias 16 e 17.
Em entrevista ao iG , a diretora-executiva da Fundação Bertelsmann explicou os principais
diferenciais da Incra e falou ainda sobre as fontes de recursos necessários à fundação da
agência.
Divulgação
Diretora-executiva da Fundação Bertelsmann, Annette Heuser defende a criação de uma
agência de risco independente
iG: Quais são os principais diferenciais de uma agência como a Incra?
Annette Heuser: O objetivo da Incra é estabelecer-se como uma agência sem fins lucrativos
que seja capaz de evitar conflitos de interesse na avaliação de riscos soberanos.
Também existe a preocupação com a independência das análises. Para tanto, os fundadores e
mantenedores da agência não deverão ter acesso ao trabalho operacional de definição dos
ratings. Queremos também criar um conselho do qual façam parte não apenas os fundadaores
da Incra, como também representantes da sociedade, como sindicatos e instituições de defesa
dos consumidores.
Vale ressaltar ainda que a Incra deverá ser a primeira agência internacional independente
focada exclusivamente na análise de risco soberano.
iG: Além dos indicadores macroeconômicos, que outros critérios deverão ser analisados pela
Incra?
Annette: Além dos tradicionais indicadores macroeconômicos, a nova agência propõe-se ainda
a utilizar indicadores de mercado futuro para as análises de risco soberano. Um exemplo é:
"Como esse país lidou com a crise no passado e o que isso mostra ao mercado a respeito da
capacidade de lidar com novas crises econômicas no futuro?" Ou "este país está investindo no
desenvolvimento sustentável de seu sistema de educação"? "O quão sério é este país no
compromisso de investir em pesquisa e desenvolvimento para a inovação"?
Nos últimos anos, temos visto que um número cada vez maior de investidores tem utilizado
indicadores qualitativos como estes antes de tomar qualquer tipo de decisão. Sendo assim, nós
acreditamos que é preciso integrar essas informações a uma proposta de criação de um
sistema sério de avaliação de risco soberano.
iG: A Fundação Bertelsmann vem testando os critérios de análise com investidores há alguns
meses. Como estão esses testes?
Annette: Após o lançamento da proposta da Incra no início do segundo trimestre desde ano,
que gerou um interesse global pela ideia de criação de uma agência de risco independente,
começamos a testar nossos indicadores. Para isso, escolhemos cinco países: Brasil, Japão,
Itália, França e Alemanha. Neste momento, estamos simulando um processo de definição de
rating, considerando tanto os indicadores quantitativos (macroeconômicos) quanto qualitativos
(de mercado futuro) de cada país. Os resultados serão anunciados até o final do ano em uma
coletiva de imprensa que acontecerá em Berlim.
iG: Como os governos e as empresas de grande porte têm reagido à proposta de criação da
Incra? Os países estão e as companhias estão preparados para esta mudança de paradigma?
Annette: De forma geral, a proposta tem sido muito bem-recebida. Mas, como acontece com
todas as novas ideias mais radicais, leva tempo até explicar o conceito da agência e os
indicadores que servirão de base para o novo tipo de análise que a Incra se propõe a fazer.
Neste momento, acreditamos que o mais importante é envolver os países do G20 nas
discussões para criação da Incra. Não temos dúvidas de que as empresas e o terceiro setor
comprarão a ideia da agência independente a partir do momento em que as maiores economia
do mundo se comprometerem com o projeto.
iG: Segundo a Fundação Bertelsmann, a criação da Incra deverá consumir investimentos da
ordem de US$ 400 milhões. De onde virá esse dinheiro?
Annette: Com base na premissa de que ratings de dívida soberana são um bem público,
esperamos que vários setores da sociedade estejam entre os possíveis doadores de recursos.:
governos, empresas e ONGs. Nossa avaliação é de que quanto mais diversificada for a origem
dos recursos, maior será a capacidade da agência de evitar conflitos de interesse.
iG: A Incra será capaz de reduzir a influência das tradicionais agências americanas no médio
prazo?
Annette: Acreditamos que um player internacional como a Incra certamente vai aumentar a
competição neste mercado, pressionando as três grandes agências a melhorarem seu
desempenho na análise de risco. No médio prazo, essa nova instituição (Incra) certamente
ganhará maior espaço.
iG: De que forma um projeto como a da Incra poder ajudar economias emergentes de países
como o Brasil e a Índia?
Annette: A Incra não deverá ajudar nenhuma economia emergente em particular. Mas, uma
análise de risco conduzida pela agência pode indicar claramente a um país como o Brasil quais
são seus pontos fracos e o que pode ser feito para fortalecer sua competitividade. É importante
ressaltar que queremos mudar a maneira como são encarados os ratings. A análise de risco
não deve ser vista como uma punição, mas sim como o ponto de partida para discutir e
implementar melhorias nos países avaliados.
Brasil deverá testar indicadores de agência de rating independente
VOOZ – Geral -- NOTÍCIAS - 16/10/2012 - 12:59:00
Criticadas duramente desde a crise econômica de 2008 pelas falhas na avaliação de riscos de
países e empresas, as três principais agências de rating do mundo - Moody´s, Fitch e Standard
& Poors – correm agora o risco de ganhar um concorrente internacional de peso, cuja proposta
é oferecer independência e transparência aos investidores.
A proposta de criação da primeira agência independente de rating, elaborada pela Fundação
Bertelsmann, da Alemanha, será oficialmente apresentada no Brasil esta semana pela diretoraexecutiva da organização, Annette Heuser. Batizada de International Non-Profit Credit Rating
Agency (Incra), a nova instituição deverá usar não apenas os tradicionais indicadores
macroeconômicos, mas também indicadores qualitativos como os investimentos feitos por cada
país em educação e inovação.
Para testar esses novos indicadores, a instituição alemã escolheu cinco países entre os quais
está o Brasil. “Ao lado de países como Alemanha, Japão, França e Itália, o Brasil estará entre
os responsáveis pela avaliação dos indicadores da Incra”, afirmou Annette, que participa esta
semana do Global Economic Symposium, evento promovido pela Fundação Getulio Vargas, no
Rio de Janeiro, nos dias 16 e 17.
Em entrevista, a diretora-executiva da Fundação Bertelsmann explicou os principais
diferenciais da Incra e falou ainda sobre as fontes de recursos necessários à fundação da
agência.
Quais são os principais diferenciais de uma agência como a Incra?
Annette Heuser: O objetivo da Incra é estabelecer-se como uma agência sem fins lucrativos
que seja capaz de evitar conflitos de interesse na avaliação de riscos soberanos.
Também existe a preocupação com a independência das análises. Para tanto, os fundadores e
mantenedores da agência não deverão ter acesso ao trabalho operacional de definição dos
ratings. Queremos também criar um conselho do qual façam parte não apenas os fundadaores
da Incra, como também representantes da sociedade, como sindicatos e instituições de defesa
dos consumidores.
Vale ressaltar ainda que a Incra deverá ser a primeira agência internacional independente
focada exclusivamente na análise de risco soberano.
Além dos indicadores macroeconômicos, que outros critérios deverão ser analisados
pela Incra?
Annette: Além dos tradicionais indicadores macroeconômicos, a nova agência propõe-se ainda
a utilizar indicadores de mercado futuro para as análises de risco soberano. Um exemplo é:
"Como esse país lidou com a crise no passado e o que isso mostra ao mercado a respeito da
capacidade de lidar com novas crises econômicas no futuro?" Ou "este país está investindo no
desenvolvimento sustentável de seu sistema de educação"? "O quão sério é este país no
compromisso de investir em pesquisa e desenvolvimento para a inovação"?
Nos últimos anos, temos visto que um número cada vez maior de investidores tem utilizado
indicadores qualitativos como estes antes de tomar qualquer tipo de decisão. Sendo assim, nós
acreditamos que é preciso integrar essas informações a uma proposta de criação de um
sistema sério de avaliação de risco soberano.
A Fundação Bertelsmann vem testando os critérios de análise com investidores há
alguns meses. Como estão esses testes?
Annette: Após o lançamento da proposta da Incra no início do segundo trimestre desde ano,
que gerou um interesse global pela ideia de criação de uma agência de risco independente,
começamos a testar nossos indicadores. Para isso, escolhemos cinco países: Brasil, Japão,
Itália, França e Alemanha. Neste momento, estamos simulando um processo de definição de
rating, considerando tanto os indicadores quantitativos (macroeconômicos) quanto qualitativos
(de mercado futuro) de cada país. Os resultados serão anunciados até o final do ano em uma
coletiva de imprensa que acontecerá em Berlim.
Como os governos e as empresas de grande porte têm reagido à proposta de criação da
Incra? Os países estão e as companhias estão preparados para esta mudança de
paradigma?
Annette: De forma geral, a proposta tem sido muito bem-recebida. Mas, como acontece com
todas as novas ideias mais radicais, leva tempo até explicar o conceito da agência e os
indicadores que servirão de base para o novo tipo de análise que a Incra se propõe a fazer.
Neste momento, acreditamos que o mais importante é envolver os países do G20 nas
discussões para criação da Incra. Não temos dúvidas de que as empresas e o terceiro setor
comprarão a ideia da agência independente a partir do momento em que as maiores economia
do mundo se comprometerem com o projeto.
Segundo a Fundação Bertelsmann, a criação da Incra deverá consumir investimentos da
ordem de US$ 400 milhões. De onde virá esse dinheiro?
Annette: Com base na premissa de que ratings de dívida soberana são um bem público,
esperamos que vários setores da sociedade estejam entre os possíveis doadores de recursos.:
governos, empresas e ONGs. Nossa avaliação é de que quanto mais diversificada for a origem
dos recursos, maior será a capacidade da agência de evitar conflitos de interesse.
A Incra será capaz de reduzir a influência das tradicionais agências americanas no
médio prazo?
Annette: Acreditamos que um player internacional como a Incra certamente vai aumentar a
competição neste mercado, pressionando as três grandes agências a melhorarem seu
desempenho na análise de risco. No médio prazo, essa nova instituição (Incra) certamente
ganhará maior espaço.
De que forma um projeto como a da Incra poder ajudar economias emergentes de países
como o Brasil e a Índia?
Annette: A Incra não deverá ajudar nenhuma economia emergente em particular. Mas, uma
análise de risco conduzida pela agência pode indicar claramente a um país como o Brasil quais
são seus pontos fracos e o que pode ser feito para fortalecer sua competitividade. É importante
ressaltar que queremos mudar a maneira como são encarados os ratings. A análise de risco
não deve ser vista como uma punição, mas sim como o ponto de partida para discutir e
implementar melhorias nos países avaliados. Fonte: IG
Beltrame defende mais integração entre países da América Latina para repatriação de
dinheiro desviado
Agência Brasil - Brasília/DF - NACIONAL - 16/10/2012 - 23:54:00
Nielmar de Oliveira
Repórter da Agência Brasil
Rio de Janeiro - O secretário de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro, José Mariano
Beltrame, defendeu hoje (16), durante a abertura do Global Economic Symposium, uma
integração maior entre os países de todo o mundo nas ações que levem à repatriação dos
recursos desviados irregularmente.
Na avaliação do secretário de Segurança Pública, é necessário que se formalizem mecanismos
internacionais de combate à evasão de divisas, principalmente de recursos públicos que são
mandados para paraísos fiscais.
“Nós precisamos formalizar uma rede internacional de instituições que possam trabalhar em
conjunto na proteção da evasão de divisas, em especial na América Latina. Eu acho que,
muitas vezes, se conseguem respostas mais rápidas com países mais distantes do que com
nossos vizinhos aqui, da América Latina. E eu acho que nós precisamos melhorar muito essa
interação [entre os países latino-americanos] para que as respostas fluam com mais rapidez”,
disse.
Beltrame ressaltou que a população de uma maneira geral quer respostas que confirmem
decisões da Justiça como resultados de ações investigativas. “Acho que esse dinheiro
[desviado do país] demora muito tempo para ser repatriado para os cofres públicos e nós
precisamos pressa, uma vez que as pessoas querem resultados práticos, objetivos e
concretos”.
Durante o simpósio internacional, falando sobre segurança pública, o secretário defendeu
ainda, como prioridade no combate à violência, uma politica nacional de proteção às nossas
fronteiras, para impedir a entrada de armas e drogas no país.
“O país tem que ter uma politica nacional muito clara de proteção às fronteiras, pois o Brasil é,
sim, vulnerável nessa proteção. E não falo só ao tráfego de armas, mas também de crianças e
adultos, além de artigos de toda a natureza”, disse.
Edição: Aécio Amado
Lua de mel monetária acabou, diz ex-presidente do Banco Central
Notícias RSS - - ECONOMIA - 16/10/2012 - 22:01:14
Carla Falcão
"Na tentativa de combater o desaquecimento econômico, o Banco Central do Brasil afastou-se
de sua principal função, que é controlar a inflação. E os custos dessa decisão poderão ser
percebidos, de forma mais ostensiva, em 2013", projeta o economista e ex-presidente do
Banco Central, Carlos Langoni.
Durante palestra nesta terça-feira no Global Economic Symposium, evento promovido pela
Fundação Getulio Vargas, no Rio de Janeiro, o ex-presidente do Banco Central destacou a
importância de se garantir a independência dessas instituições e de se estabelecer claramente
quais são seus objetivos e prioridades.
?É preciso diferenciar atribuições emergenciais das verdadeiras obrigações dos bancos
centrais. Hoje, a multiplicidade de funções está distanciando essas instituições de seu
verdadeiro papel, que é controlar a taxa de inflação e gerenciar as expectativas do mercado,
tendência também percebida no Brasil?, afirma Langoni.
Para ele, a ?lua de mel monetária acabou?. Segundo o economista, este é um momento
delicado em que o BC centrou esforços na questão do baixo crescimento econômico,
afrouxando o controle inflacionário. ?A prova disso é que explicitamnte, a instituição já projeta
um desnível entre a meta estabelecida e a inflação esperada para este ano e o próximo?,
afirma.
Ainda de acordo com Langoni, 2013 será o grande teste para a autonomia do Banco Central.
?Tendo em vista a retomada do crescimento da economia e o aumento das pressões
inflacionárias, conseguirá o Banco Central evitar o aumento da taxa de juros"?, questiona.
Ele aposta que o BC seja capaz de manter a taxa básica de juros em um único dígito se a
inflação se mantiver num patamar de até 5,5%. Se a inflação chegar a 6%, ressalta Langoni, o
Banco Central será obrigado a elevar a Selic, o que irá ?contrariar uma das principais
bandeiras do atual governo?.
Para o economista, existe o risco político de se criar uma tensão institucional entre o Banco
Central e o Governo em 2013. ? O perigo de se colocar um peso excessivo na taxa de juros
como mecanismo para manter o crescimento econômico e garantir estabilidade financeira, é
que essa fórmula pode se esgotar ou se mostrar insuficiente?, avalia.
Outro ponto que merece atenção especial na opinião do ex-presidente do Banco Central é o
distanciamento do tripé da política monetária brasileira ? câmbio flutuante, superávit primário e
controle da inflação. ?O superávit primário está sob judice, o câmbio vem sendo controlado e já
não perseguimos as genereosas metas inflacionáriasque temos no País com o mesmo rigor?,
diz.
Com base nesse cenário, Langoni alerta que a percepção de risco do País está fundamentada
na consistência do tripé da política monetária. Se este tripé é momentaneamente modificado
para se adaptar a uma conjuntura de crise, avalia, não há problemas. Mas, se houver uma
alteração permamente e profunda nesse tripé, o mercado certamente revisará o risco brasileiro.
Durante o evento, Langoni defendeu ainda a criação de um forum mundial para discutir a
coordenação das políticas monetárias dos principais bancos centrais do mundo. A proposta é
estabelecer uma autoridade monetária global que funcione de maneira semelhante à
Organização Mundial do Comércio.
?Pode parecer uma proposta inviável, mas quem diria, décadas atrás, que o mundo contaria
com uma instituição como a OMC, capaz de impor sanções aos países que não seguem as
regras globalmente adotadas" É uma ideia a ser discutida no longo prazo, mas certamente esta
instituição faz falta em um mundo globalizado como o nosso?, diz.
Com o fim da crise, desemprego continuará sendo problema, avalia autoridade da UE
O Globo Online - Rio de Janeiro/RJ - ECONOMIA - 16/10/2012 - 13:42:00
RIO — O comissário da União Europeia para Emprego, Assuntos Sociais e Inclusão Social,
László Andor, afirmou nesta terça-feira que a solução para a crise do euro não será suficiente
para acabar com o desemprego entre os jovens do continente. Na sua avaliação, é preciso
intervenções no mercado com políticas para melhorar as condições de trabalho para os jovens.
— Não podemos dizer que resolvendo a crise do euro os problemas estarão resolvidos. (...) É
preciso intervenção – disse Andor, ao participar do painel “O ataque ao problema do
Desemprego entre Jovens”, do Global Economic Symposium (GES) 2012, uma parceria do
alemão Instituto Kiel para a Economia Mundial e a Fundação Getulio Vargas.
Andor afirmou que a Comissão Europeia está estudando estender a todos os países do bloco
uma iniciativa de garantir uma oportunidade de treinamento ou trabalho a todos os jovens que
saírem da universidade e não conseguirem encontrar vagas após quatro ou cinco meses de
procura. Já adotado na Áustria, o projeto é chamado de Garantia a Jovens, ou Youth
Guarantee.
— Isso estimula a empregabilidade, mas também é um investimento social.
Já o professor da Universidade Carlos III de Madri Juan Dolado defendeu que haja uma
redução no custo de contratação de profissionais, que possa estimular os contratos
permanentes e amenizar a explosão de contratos temporários entre jovens:
— Países como Espanha, Itália e Portugal foram severamente atingidos pela crise e o
desemprego entre jovens já passa de 50%. Nessas economias, o custo de se demitir
funcionários é muito alto e os empresários ficam muito tímidos em transformar contratos
temporários em empregos estáveis.
Leterme: Livre mercado não produz bem estar social
A economia de livre mercado não produz estados de bem estar social e não considera a
escassez dos recursos naturais, admitiu nesta terça-feira Yves Leterme, secretário geral
adjunto da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).
— A economia de livre mercado não propciou a coesão social e a sustentabilidade. As
lideranças estão tentando salvar o euro, mas ainda assim terão que fazer uma reengenharia
dos conceitos básicos do desenvolvimento econômico — disse.
Durante o GES 2012, o belga acrescentou ainda que as decisões tomadas pela Europa para
solucionar a crise do euro não devem ser subestimadas. Contudo, ele reconheceu que as
negociações podem ser frustrantes.
— Eu não subestimaria, em comparação com outros blocos, as decisões que serão tomadas
pelos lideranças da Europa. Não subestimaria os impactos dessas decisões.
"Lua de mel monetária acabou", diz ex-presidente do Banco Central
InvestMax - - NOTÍCIAS - 16/10/2012 - 19:41:19
"Na tentativa de combater o desaquecimento econômico, o Banco Central do Brasil afastou-se
de sua principal função, que é controlar a inflação. E os custos dessa decisão poderão ser
percebidos, de forma mais ostensiva, em 2013", projeta o economista e ex-presidente do
Banco Central, Carlos Langoni.
Durante palestra nesta terça-feira no Global Economic Symposium, evento promovido pela
Fundação Getulio Vargas, no Rio de Janeiro, o ex-presidente do Banco Central destacou a
importância de se garantir a independência dessas instituições e de se estabelecer claramente
quais são seus objetivos e prioridades.
“É preciso diferenciar atribuições emergenciais das verdadeiras obrigações dos bancos
centrais. Hoje, a multiplicidade de funções está distanciando essas instituições de seu
verdadeiro papel, que é controlar a taxa de inflação e gerenciar as expectativas do mercado,
tendência também percebida no Brasil”, afirma Langoni.
Para ele, a “lua de mel monetária acabou”. Segundo o economista, este é um momento
delicado em que o BC centrou esforços na questão do baixo crescimento econômico,
afrouxando o controle inflacionário. “A prova disso é que explicitamnte, a instituição já projeta
um desnível entre a meta estabelecida e a inflação esperada para este ano e o próximo”,
afirma.
Ainda de acordo com Langoni, 2013 será o grande teste para a autonomia do Banco Central.
“Tendo em vista a retomada do crescimento da economia e o aumento das pressões
inflacionárias, conseguirá o Banco Central evitar o aumento da taxa de juros?”, questiona.
Ele aposta que o BC seja capaz de manter a taxa básica de juros em um único dígito se a
inflação se mantiver num patamar de até 5,5%. Se a inflação chegar a 6%, ressalta Langoni, o
Banco Central será obrigado a elevar a Selic, o que irá “contrariar uma das principais bandeiras
do atual governo”.
Para o economista, existe o risco político de se criar uma tensão institucional entre o Banco
Central e o Governo em 2013. “ O perigo de se colocar um peso excessivo na taxa de juros
como mecanismo para manter o crescimento econômico e garantir estabilidade financeira, é
que essa fórmula pode se esgotar ou se mostrar insuficiente”, avalia.
Outro ponto que merece atenção especial na opinião do ex-presidente do Banco Central é o
distanciamento do tripé da política monetária brasileira – câmbio flutuante, superávit primário e
controle da inflação. “O superávit primário está sob judice, o câmbio vem sendo controlado e já
não perseguimos as genereosas metas inflacionáriasque temos no País com o mesmo rigor”,
diz.
Com base nesse cenário, Langoni alerta que a percepção de risco do País está fundamentada
na consistência do tripé da política monetária. Se este tripé é momentaneamente modificado
para se adaptar a uma conjuntura de crise, avalia, não há problemas. Mas, se houver uma
alteração permamente e profunda nesse tripé, o mercado certamente revisará o risco brasileiro.
Durante o evento, Langoni defendeu ainda a criação de um forum mundial para discutir a
coordenação das políticas monetárias dos principais bancos centrais do mundo. A proposta é
estabelecer uma autoridade monetária global que funcione de maneira semelhante à
Organização Mundial do Comércio.
“Pode parecer uma proposta inviável, mas quem diria, décadas atrás, que o mundo contaria
com uma instituição como a OMC, capaz de impor sanções aos países que não seguem as
regras globalmente adotadas? É uma ideia a ser discutida no longo prazo, mas certamente
esta instituição faz falta em um mundo globalizado como o nosso”, diz.
Lua de mel monetária acabou, diz ex-presidente do Banco Central
IG - Economia - - NOTÍCIAS - 16/10/2012 - 16:41:02
"Na tentativa de combater o desaquecimento econômico, o Banco Central do Brasil afastou-se
de sua principal função, que é controlar a inflação. E os custos dessa decisão poderão ser
percebidos, de forma mais ostensiva, em 2013", projeta o economista e ex-presidente do
Banco Central, Carlos Langoni.
Durante palestra nesta terça-feira no Global Economic Symposium, evento promovido pela
Fundação Getulio Vargas, no Rio de Janeiro, o ex-presidente do Banco Central destacou a
importância de se garantir a independência dessas instituições e de se estabelecer claramente
quais são seus objetivos e prioridades.
“É preciso diferenciar atribuições emergenciais das verdadeiras obrigações dos bancos
centrais. Hoje, a multiplicidade de funções está distanciando essas instituições de seu
verdadeiro papel, que é controlar a taxa de inflação e gerenciar as expectativas do mercado,
tendência também percebida no Brasil”, afirma Langoni.
Para ele, a “lua de mel monetária acabou”. Segundo o economista, este é um momento
delicado em que o BC centrou esforços na questão do baixo crescimento econômico,
afrouxando o controle inflacionário. “A prova disso é que explicitamnte, a instituição já projeta
um desnível entre a meta estabelecida e a inflação esperada para este ano e o próximo”,
afirma.
Ainda de acordo com Langoni, 2013 será o grande teste para a autonomia do Banco Central.
“Tendo em vista a retomada do crescimento da economia e o aumento das pressões
inflacionárias, conseguirá o Banco Central evitar o aumento da taxa de juros?”, questiona.
Ele aposta que o BC seja capaz de manter a taxa básica de juros em um único dígito se a
inflação se mantiver num patamar de até 5,5%. Se a inflação chegar a 6%, ressalta Langoni, o
Banco Central será obrigado a elevar a Selic, o que irá “contrariar uma das principais bandeiras
do atual governo”.
Para o economista, existe o risco político de se criar uma tensão institucional entre o Banco
Central e o Governo em 2013. “ O perigo de se colocar um peso excessivo na taxa de juros
como mecanismo para manter o crescimento econômico e garantir estabilidade financeira, é
que essa fórmula pode se esgotar ou se mostrar insuficiente”, avalia.
Outro ponto que merece atenção especial na opinião do ex-presidente do Banco Central é o
distanciamento do tripé da política monetária brasileira – câmbio flutuante, superávit primário e
controle da inflação. “O superávit primário está sob judice, o câmbio vem sendo controlado e já
não perseguimos as genereosas metas inflacionáriasque temos no País com o mesmo rigor”,
diz.
Com base nesse cenário, Langoni alerta que a percepção de risco do País está fundamentada
na consistência do tripé da política monetária. Se este tripé é momentaneamente modificado
para se adaptar a uma conjuntura de crise, avalia, não há problemas. Mas, se houver uma
alteração permamente e profunda nesse tripé, o mercado certamente revisará o risco brasileiro.
Durante o evento, Langoni defendeu ainda a criação de um forum mundial para discutir a
coordenação das políticas monetárias dos principais bancos centrais do mundo. A proposta é
estabelecer uma autoridade monetária global que funcione de maneira semelhante à
Organização Mundial do Comércio.
“Pode parecer uma proposta inviável, mas quem diria, décadas atrás, que o mundo contaria
com uma instituição como a OMC, capaz de impor sanções aos países que não seguem as
regras globalmente adotadas? É uma ideia a ser discutida no longo prazo, mas certamente
esta instituição faz falta em um mundo globalizado como o nosso”, diz.
Independência do Banco Central será testada em 2013, prevê Langoni
Valor Online - São Paulo/SP - BRASIL - 16/10/2012 - 15:37:16
RIO - A independência da atual gestão do Banco Central (BC) será testada no ano que vem,
quando a economia deverá voltar a acelerar e será necessária nova rodada de alta dos juros
para conter a aceleração da inflação. A avaliação foi feita pelo ex-presidente do Banco Central
Carlos Langoni durante o evento Global Economic Symposium promovido pela Fundação
Getulio Vargas (FGV) no Rio de Janeiro.
“Se a inflação se renovar, ou aumentar a partir do segundo semestre do ano que vem, vamos
ver se o BC vai fazer o que deve fazer, que é voltar a elevar a taxa de juros. O teste definitivo
vai ser no ano que vem. Existe um viés de alta [da inflação] justamente porque a economia vai
aquecer, vamos ver qual será a postura do Banco Central”, disse Langoni. “Eu acredito que
essa autonomia que foi conquistada de forma tão difícil desde a crise de 1998 será
preservada.”
O BC tem sido criticado por economistas que acreditam que a autoridade monetária tem cedido
a pressões políticas do governo para a redução dos juros.
A previsão de Langoni é que a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor
Amplo (IPCA) encerre 2012 em 5,5% – o acumulado de 12 meses até setembro está em
5,28%. Para 2013, o ex-presidente do BC estima que o IPCA ficará em 5,5%, com
possibilidade de ir além desse patamar em razão do reaquecimento da economia brasileira.
Com o fim da crise, desemprego continuará sendo problema, avalia autoridade da UE
Diário de Pernambuco Online - Recife/PE - ECONOMIA - 16/10/2012 - 14:16:00
O comissário da União Europeia para Emprego, Assuntos Sociais e Inclusão Social, László
Andor, afirmou nesta terça-feira (16) que a solução para a crise do euro não será suficiente
para acabar com o desemprego entre os jovens do continente. Na sua avaliação, é preciso
intervenções no mercado com políticas para melhorar as condições de trabalho para os jovens.
"Não podemos dizer que resolvendo a crise do euro os problemas estarão resolvidos. (...) É
preciso intervenção", disse Andor, ao participar do painel "O ataque ao problema do
Desemprego entre Jovens", do Global Economic Symposium (GES) 2012, uma parceria do
alemão Instituto Kiel para a Economia Mundial e a Fundação Getulio Vargas.
Andor afirmou que a Comissão Europeia está estudando estender a todos os países do bloco
uma iniciativa de garantir uma oportunidade de treinamento ou trabalho a todos os jovens que
saírem da universidade e não conseguirem encontrar vagas após quatro ou cinco meses de
procura. Já adotado na Áustria, o projeto é chamado de Garantia a Jovens, ou Youth
Guarantee.
"Isso estimula a empregabilidade, mas também é um investimento social."
Já o professor da Universidade Carlos III de Madri Juan Dolado defendeu que haja uma
redução no custo de contratação de profissionais, que possa estimular os contratos
permanentes e amenizar a explosão de contratos temporários entre jovens:
"Países como Espanha, Itália e Portugal foram severamente atingidos pela crise e o
desemprego entre jovens já passa de 50%. Nessas economias, o custo de se demitir
funcionários é muito alto e os empresários ficam muito tímidos em transformar contratos
temporários em empregos estáveis."
Especialistas questionam papel dos bancos centrais do mundo
Extra - RJ - Rio de Janeiro/RJ - ECONOMIA - 16/10/2012 - 14:21:27
RIO — O diretor do Centro de Economia Mundial da Fundação Getulio Vargas e ex-presidente
do Banco Central, Carlos Langoni, afirmou nesta terça-feira que os bancos centrais têm hoje
cada vez mais objetivos, mas que isso não pode comprometer sua capacidade de controlar a
inflação. Ao participar do Global Economic Symposium (GES) 2012, no Rio, uma parceria do
alemão Instituto Kiel para a Economia Mundial e a Fundação Getulio Vargas,
Langoni disse que esse questionamento já ocorre em relação ao Federal Reserve (Fed, banco
central dos Estados Unidos) e ao Banco Central Europeu (BCE), mas também começa a se
refletir no Banco Central do Brasil.
— O BC está se preocupando com inflação, crescimento e câmbio. É muito objetivo para uma
única instituição — afirmou. Segundo ele, o nível de juros reais no país, inferior a 2%, é muito
baixo para o tamanho de nossa poupança doméstica, e o ideal seria algo acima de 3%.
Na sua avaliação, a inflação de 5,5% em 12 meses não é um nível confortável e a meta
brasileira de 4,5% “é muito generosa”.
No debate “O futuro dos Bancos Centrais: Meta de Inflação versus Estabilidade Financeira”, os
participantes foram unânimes em apontar que apenas a manutenção da taxa da inflação pelos
bancos centrais não é suficiente para garantir a estabilidade financeira.
Segundo,Charles Goodhart, ex-membro do Comitê de Política Monetária do Banco da
Inglaterra e professor da London School of Economics and Political Science (LSE), Charles
Goodhart, esse é um dos mitos em que se acreditava e caiu por terra com a crise financeira.
Para ele, os bancos centrais devem adotar uma política que acompanhe uma série de
indicadores, como a expansão do crédito e o endividamento em financiamento imobiliário, e
tomem medidas para contra esta fase do ciclo econômico.
Goodhart apontou, ainda, que as atuais políticas de compra de ativos pelos bancos centrais
(especialmente a quantitative easing, do Fed) são necessárias num cenário de mercado em
que todos os atores econômicos estão recuando:
— Alguém tem que oferecer alguma liquidez senão haverá apenas depressão — afirmou.
Especialistas questionam papel dos bancos centrais do mundo
Diário de Pernambuco Online - Recife/PE - ECONOMIA - 16/10/2012 - 14:14:00
O diretor do Centro de Economia Mundial da Fundação Getulio Vargas (FGV) e ex-presidente
do Banco Central (BC), Carlos Langoni, afirmou nesta terça-feira (16) que os bancos centrais
têm hoje cada vez mais objetivos, mas que isso não pode comprometer sua capacidade de
controlar a inflação. Ao participar do Global Economic Symposium (GES) 2012, no Rio, uma
parceria do alemão Instituto Kiel para a Economia Mundial e a Fundação Getulio Vargas,
Langoni disse que esse questionamento já ocorre em relação ao Federal Reserve (Fed, banco
central dos Estados Unidos) e ao Banco Central Europeu (BCE), mas também começa a se
refletir no Banco Central do Brasil.
"O BC está se preocupando com inflação, crescimento e câmbio. É muito objetivo para uma
única instituição", afirmou. Segundo ele, o nível de juros reais no país, inferior a 2%, é muito
baixo para o tamanho de nossa poupança doméstica, e o ideal seria algo acima de 3%.
Na sua avaliação, a inflação de 5,5% em 12 meses não é um nível confortável e a meta
brasileira de 4,5% "é muito generosa". No debate "O futuro dos Bancos Centrais: Meta de
Inflação versus Estabilidade Financeira", os participantes foram unânimes em apontar que
apenas a manutenção da taxa da inflação pelos bancos centrais não é suficiente para garantir
a estabilidade financeira.
Segundo,Charles Goodhart, ex-membro do Comitê de Política Monetária do Banco da
Inglaterra e professor da London School of Economics and Political Science (LSE), Charles
Goodhart, esse é um dos mitos em que se acreditava e caiu por terra com a crise financeira.
Para ele, os bancos centrais devem adotar uma política que acompanhe uma série de
indicadores, como a expansão do crédito e o endividamento em financiamento imobiliário, e
tomem medidas para contra esta fase do ciclo econômico.
Goodhart apontou, ainda, que as atuais políticas de compra de ativos pelos bancos centrais
(especialmente a quantitative easing, do Fed) são necessárias num cenário de mercado em
que todos os atores econômicos estão recuando. "Alguém tem que oferecer alguma liquidez
senão haverá apenas depressão", afirmou.
Com o fim da crise, desemprego continuará sendo problema, diz autoridade da UE
Extra - RJ - Rio de Janeiro/RJ - ECONOMIA - 16/10/2012 - 14:21:28
Lucianne Carneiro - O Globo
RIO — O comissário da União Europeia para Emprego, Assuntos Sociais e Inclusão Social,
László Andor, afirmou nesta terça-feira que a solução para a crise do euro não será suficiente
para acabar com o desemprego entre os jovens do continente. Na sua avaliação, é preciso
intervenções no mercado com políticas para melhorar as condições de trabalho para os jovens.
— Não podemos dizer que resolvendo a crise do euro os problemas estarão resolvidos. (...) É
preciso intervenção – disse Andor, ao participar do painel “O ataque ao problema do
Desemprego entre Jovens”, do Global Economic Symposium (GES) 2012, uma parceria do
alemão Instituto Kiel para a Economia Mundial e a Fundação Getulio Vargas.
Andor afirmou que a Comissão Europeia está estudando estender a todos os países do bloco
uma iniciativa de garantir uma oportunidade de treinamento ou trabalho a todos os jovens que
saírem da universidade e não conseguirem encontrar vagas após quatro ou cinco meses de
procura. Já adotado na Áustria, o projeto é chamado de Garantia a Jovens, ou Youth
Guarantee.
— Isso estimula a empregabilidade, mas também é um investimento social.
Já o professor da Universidade Carlos III de Madri Juan Dolado defendeu que haja uma
redução no custo de contratação de profissionais, que possa estimular os contratos
permanentes e amenizar a explosão de contratos temporários entre jovens:
— Países como Espanha, Itália e Portugal foram severamente atingidos pela crise e o
desemprego entre jovens já passa de 50%. Nessas economias, o custo de se demitir
funcionários é muito alto e os empresários ficam muito tímidos em transformar contratos
temporários em empregos estáveis.
Com o fim da crise, desemprego continuará sendo problema, diz autoridade da UE
Yahoo Brasil - - ECONOMIA - 16/10/2012 - 13:49:38
RIO - O comissário da União Europeia para Emprego, Assuntos Sociais e Inclusão Social,
László Andor, afirmou nesta terça-feira que a solução para a crise do euro não será suficiente
para acabar com o desemprego entre os jovens do continente. Na sua avaliação, é preciso
intervenções no mercado com políticas para melhorar as condições de trabalho para os jovens.
- Não podemos dizer que resolvendo a crise do euro os problemas estarão resolvidos. (...) É
preciso intervenção - disse Andor, ao participar do painel "O ataque ao problema do
Desemprego entre Jovens", do Global Economic Symposium (GES) 2012, uma parceria do
alemão Instituto Kiel para a Economia Mundial e a Fundação Getulio Vargas.
Andor afirmou que a Comissão Europeia está estudando estender a todos os países do bloco
uma iniciativa de garantir uma oportunidade de treinamento ou trabalho a todos os jovens que
saírem da universidade e não conseguirem encontrar vagas após quatro ou cinco meses de
procura. Já adotado na Áustria, o projeto é chamado de Garantia a Jovens, ou Youth
Guarantee.
- Isso estimula a empregabilidade, mas também é um investimento social.
Já o professor da Universidade Carlos III de Madri Juan Dolado defendeu que haja uma
redução no custo de contratação de profissionais, que possa estimular os contratos
permanentes e amenizar a explosão de contratos temporários entre jovens:
- Países como Espanha, Itália e Portugal foram severamente atingidos pela crise e o
desemprego entre jovens já passa de 50%. Nessas economias, o custo de se demitir
funcionários é muito alto e os empresários ficam muito tímidos em transformar contratos
temporários em empregos estáveis.
Especialistas questionam papel dos bancos centrais do mundo
Yahoo Brasil - - NACIONAL - 16/10/2012 - 13:47:38
RIO - O diretor do Centro de Economia Mundial da Fundação Getulio Vargas e ex-presidente
do Banco Central, Carlos Langoni, afirmou nesta terça-feira que os bancos centrais têm hoje
cada vez mais objetivos, mas que isso não pode comprometer sua capacidade de controlar a
inflação. Ao participar do Global Economic Symposium (GES) 2012, no Rio, uma parceria do
alemão Instituto Kiel para a Economia Mundial e a Fundação Getulio Vargas,
Langoni disse que esse questionamento já ocorre em relação ao Federal Reserve (Fed, banco
central dos Estados Unidos) e ao Banco Central Europeu (BCE), mas também começa a se
refletir no Banco Central do Brasil.
- O BC está se preocupando com inflação, crescimento e câmbio. É muito objetivo para uma
única instituição - afirmou. Segundo ele, o nível de juros reais no país, inferior a 2%, é muito
baixo para o tamanho de nossa poupança doméstica, e o ideal seria algo acima de 3%.
Na sua avaliação, a inflação de 5,5% em 12 meses não é um nível confortável e a meta
brasileira de 4,5% "é muito generosa".
No debate "O futuro dos Bancos Centrais: Meta de Inflação versus Estabilidade Financeira", os
participantes foram unânimes em apontar que apenas a manutenção da taxa da inflação pelos
bancos centrais não é suficiente para garantir a estabilidade financeira.
Segundo,Charles Goodhart, ex-membro do Comitê de Política Monetária do Banco da
Inglaterra e professor da London School of Economics and Political Science (LSE), Charles
Goodhart, esse é um dos mitos em que se acreditava e caiu por terra com a crise financeira.
Para ele, os bancos centrais devem adotar uma política que acompanhe uma série de
indicadores, como a expansão do crédito e o endividamento em financiamento imobiliário, e
tomem medidas para contra esta fase do ciclo econômico.
Goodhart apontou, ainda, que as atuais políticas de compra de ativos pelos bancos centrais
(especialmente a quantitative easing, do Fed) são necessárias num cenário de mercado em
que todos os atores econômicos estão recuando:
- Alguém tem que oferecer alguma liquidez senão haverá apenas depressão - afirmou.
PIB chinês crescerá entre 7% e 8% ao ano até 2017, diz pesquisadora
Valor Online - São Paulo/SP - BRASIL - 16/10/2012 - 14:19:13
RIO - A China entrou em um ciclo de desaquecimento econômico que está de acordo com a
conjuntura internacional, afirmou Aolin Liu, diretora executiva do departamento de pesquisa da
China International Capital Corporation Limited. Ela projeta que em 2012 e nos cinco anos
seguintes o Produto Interno Bruto (PIB) chinês crescerá entre 7% e 8%, enquanto a economia
mundial permanecerá com baixo crescimento.
“Projetamos um desaquecimento econômico da China, cuja economia será mais baseada no
mercado interno, no consumo de sua população”, afirmou Aolin, depois de participar do Global
Economic Symposium, no Rio.
Com menor crescimento econômico, avaliou, a inflação na China não será problema. “A
inflação não é mais uma preocupação. O que preocupa um pouco é a valorização dos preços
dos imóveis, mas o governo vem adotando medidas para conter essa valorização.”
Especialistas questionam papel dos bancos centrais do mundo
O Globo Online - Rio de Janeiro/RJ - ECONOMIA - 16/10/2012 - 13:43:00
RIO — O diretor do Centro de Economia Mundial da Fundação Getulio Vargas e ex-presidente
do Banco Central, Carlos Langoni, afirmou nesta terça-feira que os bancos centrais têm hoje
cada vez mais objetivos, mas que isso não pode comprometer sua capacidade de controlar a
inflação. Ao participar do Global Economic Symposium (GES) 2012, no Rio, uma parceria do
alemão Instituto Kiel para a Economia Mundial e a Fundação Getulio Vargas,
Langoni disse que esse questionamento já ocorre em relação ao Federal Reserve (Fed, banco
central dos Estados Unidos) e ao Banco Central Europeu (BCE), mas também começa a se
refletir no Banco Central do Brasil.
— O BC está se preocupando com inflação, crescimento e câmbio. É muito objetivo para uma
única instituição — afirmou. Segundo ele, o nível de juros reais no país, inferior a 2%, é muito
baixo para o tamanho de nossa poupança doméstica, e o ideal seria algo acima de 3%.
Na sua avaliação, a inflação de 5,5% em 12 meses não é um nível confortável e a meta
brasileira de 4,5% “é muito generosa”.
No debate “O futuro dos Bancos Centrais: Meta de Inflação versus Estabilidade Financeira”, os
participantes foram unânimes em apontar que apenas a manutenção da taxa da inflação pelos
bancos centrais não é suficiente para garantir a estabilidade financeira.
Segundo,Charles Goodhart, ex-membro do Comitê de Política Monetária do Banco da
Inglaterra e professor da London School of Economics and Political Science (LSE), Charles
Goodhart, esse é um dos mitos em que se acreditava e caiu por terra com a crise financeira.
Para ele, os bancos centrais devem adotar uma política que acompanhe uma série de
indicadores, como a expansão do crédito e o endividamento em financiamento imobiliário, e
tomem medidas para contra esta fase do ciclo econômico.
Goodhart apontou, ainda, que as atuais políticas de compra de ativos pelos bancos centrais
(especialmente a quantitative easing, do Fed) são necessárias num cenário de mercado em
que todos os atores econômicos estão recuando:
— Alguém tem que oferecer alguma liquidez senão haverá apenas depressão — afirmou.
Odebrecht defende fundo garantidor na concessão de portos e aeroportos
Porto Gente - - NOTÍCIAS - 18/10/2012 - 01:52:00
O diretor de desenvolvimento de negócios da Odebrecht Infraestrutura, João Borba Filho, disse
que é “fundamental” que o lançamento dos novos modelos de concessão de portos e
aeroportos, em fase de desenvolvimento, sejam acompanhados de um fundo garantidor. “O
fundo garantidor dará tranquilidade para investir e participar das PPPs [Parcerias Público
Privadas]”, afirmou ele, depois de participar hoje do Global Economic Symposium, no Rio.
De acordo com Borba Filho, a Odebrecht Infraestrutura aguarda os textos dos modelos de
concessão para definir quais empreendimentos serão alvo de disputa por parte da empresa.
No caso de aeroportos, Borba Filho disse que a Odebrecht Infraestrutura se associará a um
operador internacional para formar um consórcio.
Primeiramente, a companhia brasileira conversará com a Changi, operadora do aeroporto de
Cingapura, a quem a Odebrecht Infraestrutura se associou para concorrer às licitações de
aeroportos realizadas no início deste ano.
“Começaremos conversando com eles [dirigentes da Changi]. Mas conversaremos com
outros”, disse ele, referindo-se a operadores de aeroportos de Paris, Londres, Frankfurt, entre
outros.
A respeito do Estádio Itaquerão, do Corinthians, Borba Filho afirmou que as obras seguem
normalmente, apesar de a operação financeira não estar concluída. O Banco do Brasil (BB),
que está no negócio como agente repassador de R$ 400 milhões em recursos do Banco
Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e Odebrecht ainda não entraram
em acordo sobre as garantias que deverão ser concedidas pela construtora ter acesso ao
financiamento.
“As obras estão sendo tocadas normalmente. Paralelamente, estamos terminando de estruturar
a operação financeira necessária para concluirmos o empreendimento. Hoje, não há nenhuma
interrupção”, disse.
Borba Filho não comentou a possibilidade de as obras do estádio pararem, caso a Odebrecht
não entre em acordo com o BB.
“Não queremos considerar esse risco. As coisas estão bem adiantadas. Entendemos que
vamos chegar a um bom termo rapidamente. As obras e as negociações vão bem. As obras
estão 100% no prazo”, garantiu.
A Odebrecht é também responsável pela construção da Nova Arena Pernambuco, Fonte Nova
(em Salvador) e pela reforma do Maracanã, que estão previstos para receberem jogos da Copa
das Confederações em 2013.
“Todas as obras seguem 100%. Não consideramos risco de atrasos”, disse ele.
Fonte: Valor
Langoni, ex-BC, vê inflação pressionada e necessidade de elevar juro
Valor Econômico - São Paulo/SP - FINANÇAS - 16/10/2012 - 12:09:00
RIO - O economista e ex-presidente do Banco Central (BC) Carlos Langoni disse nesta terçafeira que a inflação seguirá pressionada em 2013, como ocorre neste ano, e que, por isso, a
autoridade monetária verá necessidade de elevar o juro a partir do meio do ano que vem.
Ele prevê que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deverá se manter em
torno de 5,5% em 2012 e também em 2013, com viés de alta, em razão do aquecimento da
economia brasileira.
“Estes são níveis preocupantes para a inflação. Há viés de alta por conta do aquecimento da
economia, apesar da redução da tarifa de energia elétrica e um reajuste menor do salário
mínimo”, disse Langoni, após participar do Global Economic Symposium (GES) 2012, que
ocorre esta semana no Rio.
O ex-presidente do BC avaliou que, com a inflação neste patamar, de 5,5% ao ano, teria
mantido a taxa básica de juros (Selic) em 7,5% ao ano, em vez de reduzi-la em 0,25 ponto
percentual, como fez na semana passada o Comitê de Política Monetária (Copom).
“Vivemos um momento delicado com a inflação e o BC deve se manter atento a isso. Se o
IPCA não convergir para o centro da meta [4,5%] nos próximos meses, o BC voltará a elevar a
Selic”, disse Langoni.
Ele acredita que o Copom manterá o juro estável até junho de 2013, quando deverá elevar a
taxa novamente. Na avaliação do ex-presidente do BC, a taxa básica de juros encerrará 2013
em 8% ao ano.
(Diogo Martins | Valor).
Langoni, ex-BC, vê inflação pressionada e necessidade de elevar juro
BOL - São Paulo/SP - ECONOMIA - 16/10/2012 - 12:14:00
O economista e ex-presidente do Banco Central (BC) Carlos Langoni disse nesta terça-feira
que a inflação seguirá pressionada em 2013, como ocorre neste ano, e que, por isso, a
autoridade monetária verá necessidade de elevar o juro a partir do meio do ano que vem.
Ele prevê que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deverá se manter em
torno de 5,5% em 2012 e também em 2013, com viés de alta, em razão do aquecimento da
economia brasileira.
"Estes são níveis preocupantes para a inflação. Há viés de alta por conta do aquecimento da
economia, apesar da redução da tarifa de energia elétrica e um reajuste menor do salário
mínimo", disse Langoni, após participar do Global Economic Symposium (GES) 2012, que
ocorre esta semana no Rio.
O ex-presidente do BC avaliou que, com a inflação neste patamar, de 5,5% ao ano, teria
mantido a taxa básica de juros (Selic) em 7,5% ao ano, em vez de reduzi-la em 0,25 ponto
percentual, como fez na semana passada o Comitê de Política Monetária (Copom).
"Vivemos um momento delicado com a inflação e o BC deve se manter atento a isso. Se o
IPCA não convergir para o centro da meta [4,5%] nos próximos meses, o BC voltará a elevar a
Selic", disse Langoni.
Ele acredita que o Copom manterá o juro estável até junho de 2013, quando deverá elevar a
taxa novamente. Na avaliação do ex-presidente do BC, a taxa básica de juros encerrará 2013
em 8% ao ano.
(Diogo Martins | Valor)
Langoni, ex-BC, vê inflação pressionada e necessidade de elevar juro
O Globo Online - Rio de Janeiro/RJ - PAÍS - 16/10/2012 - 12:55:31
O economista e ex-presidente do Banco Central (BC) Carlos Langoni disse nesta terça-feira
que a inflação seguirá pressionada em 2013, como ocorre neste ano, e que, por isso, a
autoridade monetária verá necessidade de elevar o juro a partir do meio do ano que vem. Ele
prevê que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deverá se manter em
torno de 5,5% em 2012 e também em 2013, com viés de alta, em razão do aquecimento da
economia brasileira.
"Estes são níveis preocupantes para a inflação. Há viés de alta por conta do aquecimento da
economia, apesar da redução da tarifa de energia elétrica e um reajuste menor do salário
mínimo", disse Langoni, após participar do Global Economic Symposium (GES) 2012, que
ocorre esta semana no Rio.
O ex-presidente do BC avaliou que, com a inflação neste patamar, de 5,5% ao ano, teria
mantido a taxa básica de juros (Selic) em 7,5% ao ano, em vez de reduzi-la em 0,25 ponto
percentual, como fez na semana passada o Comitê de Política Monetária (Copom). "Vivemos
um momento delicado com a inflação e o BC deve se manter atento a isso.
Se o IPCA não convergir para o centro da meta [4,5%] nos próximos meses, o BC voltará a
elevar a Selic", disse Langoni. Ele acredita que o Copom manterá o juro estável até junho de
2013, quando deverá elevar a taxa novamente. Na avaliação do ex-presidente do BC, a taxa
básica de juros encerrará 2013 em 8% ao ano. (Diogo Martins | Valor)
OCDE: decisões da Europa não devem ser subestimadas
A Tarde On line - BA - Salvador/BA - ECONOMIA - 16/10/2012 - 18:01:00
As decisões tomadas pelos líderes da Europa para solucionar o cenário de crise na zona do
euro não devem ser subestimadas, de acordo com o secretário-geral adjunto da Organização
para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o belga Yves Leterme. "Eu não
subestimaria as decisões que serão tomadas pelos líderes europeus nos próximos dois anos.
Podemos dizer que eles já tomaram decisões importantes, e eu não subestimaria também o
impacto disso", declarou, durante o Simpósio Econômico Global 2012, no Rio.
Resolver a questão da dívida europeia é prioridade para a OCDE. Entretanto, Leterme
reconhece que as negociações podem ser "meio frustrantes", em meio a tantos interesses
diferentes e trâmites burocráticos, como a aprovação de medidas em determinados
parlamentos. "Os líderes estão tentando enfrentar os problemas. Mas essa questão está
relacionada à Europa da forma que foi desenvolvida. É preciso seguir inúmeros tratados",
afirmou.
O comissário para Emprego, Assuntos Sociais e Inclusão da União Europeia (UE), Lászlo
Andor, concorda que os líderes e Estados do bloco estão organizados de forma legal e com
base em tratados. Porém, Andor defende mais urgência na busca pelos pilares que possam
fazer com que a aliança monetária seja sustentável e legítima. "Não conseguimos reconstruir a
confiança dos mercados financeiros e perdemos a de alguns cidadãos. Então, precisamos
reconstruir a confiança", afirmou.
Provocado sobre se a Alemanha deveria ceder um pouco na exigência de corte de gastos dos
países endividados, ele concordou. "A Alemanha e outros países precisam avançar mais
rapidamente no que se faz necessário para alcançar uma consolidação", disse ele, para quem
é necessária a cooperação do norte e ajustes no sul da Europa para que a UE saia da crise.
"Precisamos de ambos. Os dois lados precisam estar juntos para fortalecer as estruturas",
acrescentou.
OCDE: decisões da Europa não devem ser subestimadas
Estadão - São Paulo/SP - ECONOMIA - 16/10/2012 - 18:05:00
RIO - As decisões tomadas pelos líderes da Europa para solucionar o cenário de crise na zona
do euro não devem ser subestimadas, de acordo com o secretário-geral adjunto da
Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o belga Yves
Leterme. "Eu não subestimaria as decisões que serão tomadas pelos líderes europeus nos
próximos dois anos. Podemos dizer que eles já tomaram decisões importantes, e eu não
subestimaria também o impacto disso", declarou, durante o Simpósio Econômico Global 2012,
no Rio.
Resolver a questão da dívida europeia é prioridade para a OCDE. Entretanto, Leterme
reconhece que as negociações podem ser "meio frustrantes", em meio a tantos interesses
diferentes e trâmites burocráticos, como a aprovação de medidas em determinados
parlamentos. "Os líderes estão tentando enfrentar os problemas. Mas essa questão está
relacionada à Europa da forma que foi desenvolvida. É preciso seguir inúmeros tratados",
afirmou.
O comissário para Emprego, Assuntos Sociais e Inclusão da União Europeia (UE), Lászlo
Andor, concorda que os líderes e Estados do bloco estão organizados de forma legal e com
base em tratados. Porém, Andor defende mais urgência na busca pelos pilares que possam
fazer com que a aliança monetária seja sustentável e legítima. "Não conseguimos reconstruir a
confiança dos mercados financeiros e perdemos a de alguns cidadãos. Então, precisamos
reconstruir a confiança", afirmou.
Provocado sobre se a Alemanha deveria ceder um pouco na exigência de corte de gastos dos
países endividados, ele concordou. "A Alemanha e outros países precisam avançar mais
rapidamente no que se faz necessário para alcançar uma consolidação", disse ele, para quem
é necessária a cooperação do norte e ajustes no sul da Europa para que a UE saia da crise.
"Precisamos de ambos. Os dois lados precisam estar juntos para fortalecer as estruturas",
acrescentou.
Langoni, ex-BC, vê inflação pressionada e necessidade de elevar juro
UOL - - ECONOMIA - 16/10/2012 - 12:14:00
O economista e ex-presidente do Banco Central (BC) Carlos Langoni disse nesta terça-feira
que a inflação seguirá pressionada em 2013, como ocorre neste ano, e que, por isso, a
autoridade monetária verá necessidade de elevar o juro a partir do meio do ano que vem.
Ele prevê que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deverá se manter em
torno de 5,5% em 2012 e também em 2013, com viés de alta, em razão do aquecimento da
economia brasileira.
"Estes são níveis preocupantes para a inflação. Há viés de alta por conta do aquecimento da
economia, apesar da redução da tarifa de energia elétrica e um reajuste menor do salário
mínimo", disse Langoni, após participar do Global Economic Symposium (GES) 2012, que
ocorre esta semana no Rio.
O ex-presidente do BC avaliou que, com a inflação neste patamar, de 5,5% ao ano, teria
mantido a taxa básica de juros (Selic) em 7,5% ao ano, em vez de reduzi-la em 0,25 ponto
percentual, como fez na semana passada o Comitê de Política Monetária (Copom).
"Vivemos um momento delicado com a inflação e o BC deve se manter atento a isso. Se o
IPCA não convergir para o centro da meta [4,5%] nos próximos meses, o BC voltará a elevar a
Selic", disse Langoni.
Ele acredita que o Copom manterá o juro estável até junho de 2013, quando deverá elevar a
taxa novamente. Na avaliação do ex-presidente do BC, a taxa básica de juros encerrará 2013
em 8% ao ano.
(Diogo Martins | Valor)
Langoni, ex-BC, vê inflação pressionada e necessidade de elevar juro
Valor Online - São Paulo/SP - BRASIL - 16/10/2012 - 12:11:16
RIO - O economista e ex-presidente do Banco Central (BC) Carlos Langoni disse nesta terçafeira que a inflação seguirá pressionada em 2013, como ocorre neste ano, e que, por isso, a
autoridade monetária verá necessidade de elevar o juro a partir do meio do ano que vem.
Ele prevê que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deverá se manter em
torno de 5,5% em 2012 e também em 2013, com viés de alta, em razão do aquecimento da
economia brasileira.
“Estes são níveis preocupantes para a inflação. Há viés de alta por conta do aquecimento da
economia, apesar da redução da tarifa de energia elétrica e um reajuste menor do salário
mínimo”, disse Langoni, após participar do Global Economic Symposium (GES) 2012, que
ocorre esta semana no Rio.
O ex-presidente do BC avaliou que, com a inflação neste patamar, de 5,5% ao ano, teria
mantido a taxa básica de juros (Selic) em 7,5% ao ano, em vez de reduzi-la em 0,25 ponto
percentual, como fez na semana passada o Comitê de Política Monetária (Copom).
“Vivemos um momento delicado com a inflação e o BC deve se manter atento a isso. Se o
IPCA não convergir para o centro da meta [4,5%] nos próximos meses, o BC voltará a elevar a
Selic”, disse Langoni.
Ele acredita que o Copom manterá o juro estável até junho de 2013, quando deverá elevar a
taxa novamente. Na avaliação do ex-presidente do BC, a taxa básica de juros encerrará 2013
em 8% ao ano.
(Diogo Martins | Valor)
Beltrame defende mais integração entre países da América Latina para repatriação de
dinheiro desviado
Hoje Notícias - - BRASIL - 16/10/2012 - 23:54:00
Nielmar de Oliveira
Repórter da Agência Brasil
Rio de Janeiro - O secretário de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro, José Mariano
Beltrame, defendeu hoje (16), durante a abertura do Global Economic Symposium, uma
integração maior entre os países de todo o mundo nas ações que levem à repatriação dos
recursos desviados irregularmente.
Na avaliação do secretário de Segurança Pública, é necessário que se formalizem mecanismos
internacionais de combate à evasão de divisas, principalmente de recursos públicos que são
mandados para paraísos fiscais.
Nós precisamos formalizar uma rede internacional de instituições que possam trabalhar em
conjunto na proteção da evasão de divisas, em especial na América Latina. Eu acho que,
muitas vezes, se conseguem respostas mais rápidas com países mais distantes do que com
nossos vizinhos aqui, da América Latina. E eu acho que nós precisamos melhorar muito essa
interação [entre os países latino-americanos] para que as respostas fluam com mais rapidez ,
disse.
Beltrame ressaltou que a população de uma maneira geral quer respostas que confirmem
decisões da Justiça como resultados de ações investigativas. Acho que esse dinheiro
[desviado do país] demora muito tempo para ser repatriado para os cofres públicos e nós
precisamos pressa, uma vez que as pessoas querem resultados práticos, objetivos e concretos
.
Durante o simpósio internacional, falando sobre segurança pública, o secretário defendeu
ainda, como prioridade no combate à violência, uma politica nacional de proteção às nossas
fronteiras, para impedir a entrada de armas e drogas no país.
O país tem que ter uma politica nacional muito clara de proteção às fronteiras, pois o Brasil é,
sim, vulnerável nessa proteção. E não falo só ao tráfego de armas, mas também de crianças e
adultos, além de artigos de toda a natureza , disse.
Edição: Aécio Amado
Brasil recebe simpósio internacional para debater problemas globais
Canal RH - São Paulo/SP - EVENTOS - 16/10/2012 - 14:39:00
O Brasil prepara-se para ser o centro do debate econômico mundial em outubro e, pela
primeira vez fora da Europa, o GES 2012 será o ponto de encontro de líderes internacionais
dos meios acadêmico e governamental, e das sociedades civil e empresarial para traçar novos
rumos para a economia.
Ganizado pela FGV em parceria com o Kiel Institute, a Bertelsmann Stiftung e em cooperação
com o Centro de Informação Leibniz de Economia (ZBW), o Simpósio irá reunir especialistas
de diversos países para analisar e propor soluções aos principais problemas enfrentados pelo
mundo contemporâneo, abordando temas como crises econômicas, mudanças climáticas,
escassez de alimentos e questões relativas à educação e empregos. Neste ano, terá como
tema central O Crescimento por Meio da Educação e Inovação.
Com sede em Kiel, na Alemanha, o Kiel Institute for the World Economy, um dos mais
respeitados centros econômicos da atualidade, é o responsável pela idealização do Global
Economic Symposium desde 2008. O Simpósio, que vem se consolidando como uma
importante iniciativa para a geração de ideias vale-se de um único processo de colaboração e
criatividade, que desafia os participantes a pensar ‘fora da caixa’ e a propor soluções
inovadoras e concretas por meio de debates e mesas redondas, de modo que possam servir
de catalisador para mudanças efetivas em quatro principais eixos temáticos: economia, política,
sociedade e meio ambiente.
Temas abordados – Dentre as pautas do tema economia global merecem destaque (i) a
questão do futuro dos bancos centrais e o controle das suas metas de inflação versus
estabilidade financeira, (ii) a consolidação fiscal por meio de regras fiscais, (iii) a otimização do
uso das informações através da internet e das mídias sociais, (iv) os investimentos efetivos e
melhorias na área da educação e a (v) redefinição das universidades.
Em sociedade global serão discutidas a (i) formulação de políticas inteligentes de migração da
mão de obra, (ii) o combate à desigualdade de oportunidades, (iii) comportamento social para
uma economia sustentável, (iv) como atacar o problema do desemprego entre jovens e a (v)
expansão das oportunidades de trabalho para a terceira idade, bem como (vi) implementar a
diversidade nos conselhos.
No painel sobre política global serão realizados importantes debates sobre (i) as favelas,
abordando de maneira inovadora, a questão dos desafios e as oportunidades globais
instauradas nesse formato de convivência e organização social; também será debatida (ii) a
segurança diante da globalização e (iii) como promover iniciativas do governo aberto em
serviços públicos.
Meio ambiente global terá tópicos como a (i) proteção e restauração das florestas do mundo,
(ii) exploração dos recursos energéticos do oceano ártico, (iii) reavaliação das energias
renováveis e a (iv) promoção da segurança alimentar por meio da contribuição da agricultura
climaticamente inteligente.
Entre os convidados para o GES 2012 estão a presidente Dilma Roussef e os ministros Guido
Mantega (Fazenda), Aloizio Mercadante (Educação), Brizola Neto (Trabalho), Paulo Bernardo
Silva (Comunicações) Também foram convidados Graça Foster (presidente da Petrobrás) e
Eike Baptista (presidente do Grupo EBX).
Presença confirmada dos ministros Gilmar Mendes (Supremo Tribunal Federal) e Izabella
Teixeira (Meio Ambiente); o presidente da FGV - Carlos Ivan Simonsen Leal, Roberto
Rodrigues (ex-ministro da agricultura e coordenador do Centro de Agronegócio da Fundação
Getulio Vargas - GVAgro), Carlos Langoni (ex-presidente do Banco Central e diretor do Centro
de Economia Mundial da FGV), Marcelo Neri (economista-chefe do FGV-CPS e presidente do
IPEA), e outros.
Fundação Getulio Vargas no GES
O papel da Fundação Getulio Vargas no GES vem ganhando relevância desde 2010, quando a
FGV foi convidada a participar da organização de painéis e sessões de debates reunindo
líderes do mundo acadêmico, governamental e empresarial com reconhecimento internacional
nos temas abordados. Em 2010, a FGV organizou sessões sobre energia e educação e, em
2011, levou a experiência brasileira no setor de agronegócios e petróleo.
Neste ano, por meio dessa importante parceria, a FGV será a organizadora do GES no Brasil.
Também terá participação especial nas mesas de debate e principais temas abordados,
trazendo a experiência de seus especialistas e projetos, bem como de importantes autoridades
brasileiras.
Kiel Institute for the World Economy
O Kiel Institute for the World Economy, fundado em 1914 em Kiel, na Alemanha, é um dos
maiores centros mundiais de pesquisa sobre economia mundial, responsável por criar soluções
globais para problemas urgentes, desenvolvendo e aplicando pesquisas e estudos sobre
relações econômicas mundiais, políticas econômicas e educacionais. O Instituto conta com
uma equipe de especialistas internacionais, cujas pesquisas estão em sintonia com os estudos
e atividades que desenvolve. Além disso, possui a maior biblioteca do mundo em economia e
ciências sociais, o que lhe confere enorme importância em educação econômica.
Global Economic Symposium - GES 2012
Dias: 16 e 17/10/2012
Local: Windsor Atlantica Hotel (Avenida Atlântica, 1020 – Copacabana) - Rio de Janeiro - Brasil
Site Oficial: http://www.global-economic-symposium.org
Blog Oficial: http://blog.global-economic-symposium.org/
Brasil deverá testar indicadores de agência de rating independente
Notícias RSS - - ECONOMIA - 16/10/2012 - 08:01:35
Carla Falcão
Criticadas duramente desde a crise econômica de 2008 pelas falhas na avaliação de riscos de
países e empresas, as três principais agências de rating do mundo - Moody´s, Fitch e Standard
& Poors ? correm agora o risco de ganhar um concorrente internacional de peso, cuja proposta
é oferecer independência e transparência aos investidores.
A proposta de criação da primeira agência independente de rating, elaborada pela Fundação
Bertelsmann, da Alemanha, será oficialmente apresentada no Brasil esta semana pela diretoraexecutiva da organização, Annette Heuser. Batizada de International Non-Profit Credit Rating
Agency (Incra), a nova instituição deverá usar não apenas os tradicionais indicadores
macroeconômicos, mas também indicadores qualitativos como os investimentos feitos por cada
país em educação e inovação.
Para testar esses novos indicadores, a instituição alemã escolheu cinco países entre os quais
está o Brasil. ?Ao lado de países como Alemanha, Japão, França e Itália, o Brasil estará entre
os responsáveis pela avaliação dos indicadores da Incra?, afirmou Annette, que participa esta
semana do Global Economic Symposium, evento promovido pela Fundação Getulio Vargas, no
Rio de Janeiro, nos dias 16 e 17.
Em entrevista ao iG, a diretora-executiva da Fundação Bertelsmann explicou os principais
diferenciais da Incra e falou ainda sobre as fontes de recursos necessários à fundação da
agência.
iG: Quais são os principais diferenciais de uma agência como a Incra"
Annette Heuser: O objetivo da Incra é estabelecer-se como uma agência sem fins lucrativos
que seja capaz de evitar conflitos de interesse na avaliação de riscos soberanos.
Também existe a preocupação com a independência das análises. Para tanto, os fundadores e
mantenedores da agência não deverão ter acesso ao trabalho operacional de definição dos
ratings. Queremos também criar um conselho do qual façam parte não apenas os fundadaores
da Incra, como também representantes da sociedade, como sindicatos e instituições de defesa
dos consumidores.
Vale ressaltar ainda que a Incra deverá ser a primeira agência internacional independente
focada exclusivamente na análise de risco soberano.
iG: Além dos indicadores macroeconômicos, que outros critérios deverão ser analisados pela
Incra"
Annette: Além dos tradicionais indicadores macroeconômicos, a nova agência propõe-se ainda
a utilizar indicadores de mercado futuro para as análises de risco soberano. Um exemplo é:
"Como esse país lidou com a crise no passado e o que isso mostra ao mercado a respeito da
capacidade de lidar com novas crises econômicas no futuro"" Ou "este país está investindo no
desenvolvimento sustentável de seu sistema de educação"" "O quão sério é este país no
compromisso de investir em pesquisa e desenvolvimento para a inovação""
Nos últimos anos, temos visto que um número cada vez maior de investidores tem utilizado
indicadores qualitativos como estes antes de tomar qualquer tipo de decisão. Sendo assim, nós
acreditamos que é preciso integrar essas informações a uma proposta de criação de um
sistema sério de avaliação de risco soberano.
iG: A Fundação Bertelsmann vem testando os critérios de análise com investidores há alguns
meses. Como estão esses testes"
Annette: Após o lançamento da proposta da Incra no início do segundo trimestre desde ano,
que gerou um interesse global pela ideia de criação de uma agência de risco independente,
começamos a testar nossos indicadores. Para isso, escolhemos cinco países: Brasil, Japão,
Itália, França e Alemanha. Neste momento, estamos simulando um processo de definição de
rating, considerando tanto os indicadores quantitativos (macroeconômicos) quanto qualitativos
(de mercado futuro) de cada país. Os resultados serão anunciados até o final do ano em uma
coletiva de imprensa que acontecerá em Berlim.
iG: Como os governos e as empresas de grande porte têm reagido à proposta de criação da
Incra" Os países estão e as companhias estão preparados para esta mudança de paradigma"
Annette: De forma geral, a proposta tem sido muito bem-recebida. Mas, como acontece com
todas as novas ideias mais radicais, leva tempo até explicar o conceito da agência e os
indicadores que servirão de base para o novo tipo de análise que a Incra se propõe a fazer.
Neste momento, acreditamos que o mais importante é envolver os países do G20 nas
discussões para criação da Incra. Não temos dúvidas de que as empresas e o terceiro setor
comprarão a ideia da agência independente a partir do momento em que as maiores economia
do mundo se comprometerem com o projeto.
iG: Segundo a Fundação Bertelsmann, a criação da Incra deverá consumir investimentos da
ordem de US$ 400 milhões. De onde virá esse dinheiro"
Annette: Com base na premissa de que ratings de dívida soberana são um bem público,
esperamos que vários setores da sociedade estejam entre os possíveis doadores de recursos.:
governos, empresas e ONGs. Nossa avaliação é de que quanto mais diversificada for a origem
dos recursos, maior será a capacidade da agência de evitar conflitos de interesse.
iG: A Incra será capaz de reduzir a influência das tradicionais agências americanas no médio
prazo"
Annette: Acreditamos que um player internacional como a Incra certamente vai aumentar a
competição neste mercado, pressionando as três grandes agências a melhorarem seu
desempenho na análise de risco. No médio prazo, essa nova instituição (Incra) certamente
ganhará maior espaço.
iG: De que forma um projeto como a da Incra poder ajudar economias emergentes de países
como o Brasil e a Índia"
Annette: A Incra não deverá ajudar nenhuma economia emergente em particular. Mas, uma
análise de risco conduzida pela agência pode indicar claramente a um país como o Brasil quais
são seus pontos fracos e o que pode ser feito para fortalecer sua competitividade. É importante
ressaltar que queremos mudar a maneira como são encarados os ratings. A análise de risco
não deve ser vista como uma punição, mas sim como o ponto de partida para discutir e
implementar melhorias nos países avaliados.
Global Economic Symposium - GES 2012
Canal RH - São Paulo/SP - EVENTOS - 16/10/2012 - 14:42:00
O Brasil prepara-se para ser o centro do debate econômico mundial e receberá líderes
internacionais dos meios acadêmico e governamental, e das sociedades civil e empresarial
para traçar novos rumos para a economia, política, meio ambiente e sociedade.
Trata-se do Global Economic Symposium - GES 2012, organizado pela FGV em parceria com
o Kiel Institute, a Bertelsmann Stiftung e em cooperação com o Centro de Informação Leibniz
de Economia (ZBW), o Simpósio irá reunir especialistas de diversos países para analisar e
propor soluções aos principais problemas enfrentados pelo mundo contemporâneo, abordando
temas como crises econômicas e fiscais, mudanças climáticas, escassez de alimentos e
questões relativas à educação, mídia e empregos. Neste ano, terá como tema central “O
Crescimento por Meio da Educação e Inovação”
Dias: 16 e 17/10/2012
Local: Windsor Atlantica Hotel (Avenida Atlântica, 1020 – Copacabana) - Rio de Janeiro - Brasil
Site Oficial: http://www.global-economic-symposium.org
Blog Oficial: http://blog.global-economic-symposium.org/
UE y OCDE piden no subestimar medidas europeas contra crisis
El Espectador - Colômbia - - NEGOCIOS - 16/10/2012 - 16:11:00
Las medidas tomadas por los países europeos para hacer frente a la crisis económica no
pueden ser subestimadas, pese a que falta dar un paso hacia una solución definitiva,
coincidieron hoy en un foro en Río de Janeiro representantes de la Unión Europea (UE) y de
la OCDE.
"Los líderes europeos adoptaron soluciones muy importantes que no pueden ser
subestimadas", afirmó el secretario general adjunto de la Organización para la Cooperación
y el Desarrollo Económico (OCDE), Yves Leterme, en una intervención en la sesión plenaria
del Simposio Económico Global 2012, abierto en esta ciudad brasileña.
El Simposio es organizado anualmente por el Instituto de Economía Mundial de Kiel
(Alemania) y por primera vez se celebra en América Latina, con el apoyo de la Fundación
Getulio Vargas (FGV) de Brasil.
Leterme, exprimer ministro belga, agregó que, pese a que aún no se percibe una solución a
corto plazo y la desconfianza persiste, es necesario esperar que las medidas adoptadas
comiencen a dar frutos.
El político afirmó que Europa está más preparada ahora que hace algunos meses para
solucionar la crisis y agregó que aún serán discutidas otras medidas que pueden superar los
actuales problemas, entre los que mencionó la futura unión bancaria.
El secretario adjunto de la OCDE también mencionó las inyecciones de dinero aprobadas por
el Banco Central Europeo para hacer frente a la crisis financiera y la aprobación de la unión
fiscal.
Su posición fue compartida por el comisario de Empleo de la Unión Europea, László Andor,
quien rechazó las críticas que ha escuchado en América Latina, en el sentido de que la
decisión de la UE de adoptar una moneda única fue un error.
"Los líderes europeos que impulsaron la unión monetaria escribieron el Volumen 1 del
proceso y se olvidaron de dejar listo el Volumen 2, pero sus sucesores lo están escribiendo
actualmente", afirmó.
El comisario europeo aseguró que el error no fue la moneda única sino el no haberle dado
importancia a los países que estaban con elevados déficit fiscales y haber esperado mucho
tiempo para ofrecerles una ayuda.
"Lo que necesitamos ahora es más solidaridad de los países del norte y más ajuste en el
sur", aseguró Andor al ser preguntado sobre las presiones de Alemania para que los demás
países impulsen duros ajustes fiscales.
En la misma plenaria, Leterme aseguró que la crisis europea muestra la necesidad de
pensar en nuevas formas de abordar los desafíos económicos, pues dejó claro que la
llamada economía de mercado, que parecía incuestionable, no resuelve todos los problemas.
"Lo más importante inmediatamente es recuperar la confianza en el euro, pero a mediano
plazo necesitamos una reingeniería de los conceptos básicos de la economía", afirmó.
En su opinión, la economía de mercado no resuelve los problemas de cohesión social
porque su objetivo no es mejorar la distribución de la renta, así como tampoco garantiza un
estado de bienestar social ni tiene en cuenta el agotamiento de los recursos naturales.
Según el secretario adjunto de la OCDE, en estas tres áreas es necesario una intervención
para solucionar problemas a los que el mercado no da respuesta.
"Tenemos que ver cómo financiar los estados de bienestar social y administrar problemas
como el envejecimiento de la población sin destruir las finanzas públicas. Igualmente es
necesario pensar en formas de producir sin agotar los recursos naturales", agregó.
La UE y la OCDE piden no subestimar las medidas europeas contra la crisis
NTN24 - - ECONOMÍA - 16/10/2012 - 00:06:40
Archivo AFP
Las medidas tomadas por los países europeos para hacer frente a la crisis económica no
pueden ser subestimadas, pese a que falta dar un paso hacia una solución definitiva,
coincidieron este martes en un foro en Río de Janeiro representantes de la Unión Europea (UE)
y de la OCDE.
"Los líderes europeos adoptaron soluciones muy importantes que no pueden ser
subestimadas", afirmó el secretario general adjunto de la Organización para la Cooperación y el
Desarrollo Económico (OCDE), Yves Leterme, en una intervención en la sesión plenaria del
Simposio Económico Global 2012, abierto este martes en esta ciudad brasileña. El Simposio
es organizado anualmente por el Instituto de Economía Mundial de Kiel (Alemania) y por
primera vez se celebra en América Latina, con el apoyo de la Fundación Getulio Vargas (FGV)
de Brasil.
Leterme, exprimer ministro belga, agregó que, pese a que aún no se percibe una solución a
corto plazo y la desconfianza persiste, es necesario esperar que las medidas adoptadas
comiencen a dar frutos. El político afirmó que Europa está más preparada ahora que hace
algunos meses para solucionar la crisis y agregó que aún serán discutidas otras medidas que
pueden superar los actuales problemas, entre los que mencionó la futura unión bancaria. El
secretario adjunto de la OCDE también mencionó las inyecciones de dinero aprobadas por el
Banco Central Europeo para hacer frente a la crisis financiera y la aprobación de la unión fiscal.
Su posición fue compartida por el comisario de Empleo de la Unión Europea, László Andor,
quien rechazó las críticas que ha escuchado en América Latina, en el sentido de que la
decisión de la UE de adoptar una moneda única fue un error. "Los líderes europeos que
impulsaron la unión monetaria escribieron el Volumen 1 del proceso y se olvidaron de dejar
listo el Volumen 2, pero sus sucesores lo están escribiendo actualmente", afirmó.
El comisario europeo aseguró que el error no fue la moneda única sino el no haberle dado
importancia a los países que estaban con elevados déficit fiscales y haber esperado mucho
tiempo para ofrecerles una ayuda. "Lo que necesitamos ahora es más solidaridad de los países
del norte y más ajuste en el sur", aseguró Andor al ser preguntado sobre las presiones de
Alemania para que los demás países impulsen duros ajustes fiscales.
En la misma plenaria, Leterme aseguró que la crisis europea muestra la necesidad de pensar
en nuevas formas de abordar los desafíos económicos, pues dejó claro que la llamada
economía de mercado, que parecía incuestionable, no resuelve todos los problemas. "Lo más
importante inmediatamente es recuperar la confianza en el euro, pero a mediano plazo
necesitamos una reingeniería de los conceptos básicos de la economía", afirmó.
En su opinión, la economía de mercado no resuelve los problemas de cohesión social porque
su objetivo no es mejorar la distribución de la renta, así como tampoco garantiza un estado de
bienestar social ni tiene en cuenta el agotamiento de los recursos naturales. Según el
secretario adjunto de la OCDE, en estas tres áreas es necesario una intervención para
solucionar problemas a los que el mercado no da respuesta. "Tenemos que ver cómo financiar
los estados de bienestar social y administrar problemas como el envejecimiento de la población
sin destruir las finanzas públicas. Igualmente es necesario pensar en formas de producir sin
agotar los recursos naturales", agregó.
Junge Ideen für eine bessere Welt
Deutsche Welle - - WORLD - 17/10/2012 - 08:00:00
Es müssen nicht immer die großen Projekte sein, um die Welt zu einem besseren Ort zu
machen. Oft genügt schon eine einfache Idee. Auf dem Global Economic Symposium in Rio
wurden einige davon vorgestellt.
Sie sind jung, haben ihr Studium abgeschlossen und stehen am Anfang ihrer Karriere. Sie
kommen aus Deutschland, Kenia, England, Australien, Polen und Indien. Eingeladen hat sie
das Global Economic Symposium, eine Art Denkfabrik des Instituts für Weltwirtschaft in Kiel
und der Bertelsmann-Stiftung. Dieses Symposium fand am Dienstag und Mittwoch (17.10.2012)
in Rio de Janerio statt, es war die fünfte Auflage.
Seit dem zweiten Treffen bietet das Forum auch jungen Menschen und ihren Ideen eine Bühne.
"Das ist ein ganz besonders wichtiges Programm", sagt GES-Gründer Dennis Snower über
"seine" Global Economic Fellows. "Die Stimme der nächsten Generation zu hören und ihre
Vorstellungen einzubeziehen in das Gedankengut des Symposiums ist von erstrangiger
Wichtigkeit."
Idee im Vordergrund
Und dann sitzen sie auf dem Podium eines Tagungsraums und stellen ihre Projekte vor. Fünf
Minuten freie Rede für jeden, mehr Zeit gibt es nicht, keine Power-Point-Präsentation. Dann
eine offene Runde mit dem Publikum und schließlich die Einschätzung eines Experten. Mit
Euphorie und voller Überzeugung kämpfen die Fellows für ihre Ideen. Ihnen geht es nicht
vordergründig darum, hier Geld für ihre Projekte aufzutreiben, zunächst soll das Vorhaben
bekannt gemacht werden - sozusagen in ein Netzwerk eingespeist werden.
Die Teilnehmer am GES-Fellows-Programms vor der Kulisse des Zuckerhuts in Rio de Janeiro
Ideen für Afrika
Wie etwa das Projekt der Kenianerin Caroline Muthoni Muriithi. Sie möchte etwas tun, um die
sexuelle Gewalt gegen Frauen in Sambia zu bekämpfen. Mittels mobiler Kommunikation soll
parallel zu den Telefon-Providern eine bezahlbare, einfach zu nutzende Plattform aufgebaut
werden, um Gewalt anzeigen zu können ohne Angst haben zu müssen, dadurch erneut zum
Opfer von Gewalt zu werden. Ebenfalls in Afrika engagiert sich Simon Quinn, ein gebürtiger
Australier von der Universität Oxford. Er hat einen Wettbewerb in Dar es Salaam, Lusaka und
Addis Ababa um die beste Geschäftsidee organisiert - für den Gewinner gab es 1000 US-Dollar
an Startkapital. Während des Projekts wurden viele Daten gesammelt, die das Verständnis des
Geschäftslebens in Afrika erleichtern.
Wie Massenmedien Millionen Menschenleben retten können, das hat der Engländer Will Snell
von Development Media International untersucht. In afrikanischen Ländern hören 75 Prozent
der Menschen regelmäßig Radio - und Snell hat berechnet, dass per Äther die
Kindersterblichkeit um zehn bis 20 Prozent mindern ließe: Mit gezielten Medienkampagnen. In
Burkina Faso läuft bereits ein Modellprojekt. Anders der Ansatz von Thomas Baden, ein
Neurowissenschaftler von der Universität Tübingen in Deutschland. Er möchte, dass die
Forscher in Afrika vom Wissen der industrialisierten Welt profitieren können und hat dazu mit
der Universität von Kampala in Uganda ein Lehrprojekt installiert: Wissensaustausch per
Internet und vor Ort heißt die Devise.
Ideen gegen Rerssourcenknappheit
Um das Recycling drehen sich die Ideen von Philipp Brandecker und Vimlendu K. Jha.
Brandecker, ein Deutscher, kommt von Veolia, einem weltweit führenden Umweltdienstleister.
Also eine Firma, die eigentlich am Ende der Wertschöpfungskette steht. Aber Recycling dürfe
nicht am Ende des Wertstoffzyklus stehen, sagt Brandecker. Schon bei der Entwicklung der
Produkte müsse ihre Wiederverwertbarkeit bedacht werden. Das setze aber die Kooperation
von Forschern, Designern und Recycling-Experten voraus. Wie anders die Dinge in Indien
liegen, wird beim Projekt von Vimlendu K. Jha deutlich. Seine Firma namens Swechha
produziert Waren aus Müll auf einer fairen Basis. Da werden aus alten Reifen oder abgelegter
Kleidung neue Produkte. Hergestellt werden sie von Strafgefangenen, denen man damit eine
Ausbildung und einen Arbeitsplatz verschafft.
Ideen für großes und kleines Geld
Um Geld und Geschäfte mit Geld geht es bei den Projekten von Anna Grochowska und
Zarpana Massad-Baqa. Die gebürtige Afghanin, die sich bei der Deutschen Bank um
nachhaltige Anlageformen kümmert, sieht in Mikrokrediten nach wie vor den besten Ansatz für
die Gründung von Unternehmen in Entwicklungsländern. Das müsse aber in Zusammenhang
mit einer besseren Ausbildung junger Menschen geschehen. Anna Grochowska aus Polen, die
bei der EU-Kommission arbeitet, hat sich Geldgeschäfte genauer angeschaut und festgestellt,
das für die Kunden die Kompetenz bei solchen Geschäften immer wichtiger wird. Um Konflikte
zwischen Anbietern und Verbrauchern zu vermeiden, brauche es einen Verhaltenskodex für
Geschäfte mit Finanzprodukten und eine Institution, die das überwacht.
Neue Plattform
Zu hoffen ist, dass diese vielen guten Projekte eine Zukunft haben. Von den Teilnehmern des
Global Economic Symposium hier in Rio bekamen die GEFellows viel positives Feedback. Viele
Visitenkarten und Mail-Adressen wurden ausgetauscht. Auf jeden Fall will das GES dem
Nachwuchs eine feste Plattform bieten. Mit einem "Emerging Leaders Network" soll eine
Struktur geschaffen werden, mit der die Fellows fester in die Community des Global Economic
Symposium eingebunden werden. So sollen ehemalige Teilnehmer des Programms selbst neue
Teilnehmer nominieren und mit ihren Erfahrungen auch das GES selbst bereichern.
Ex-premier holandês diz que discussões sobre crise europeia estão na direção correta
Yahoo Brasil - - NACIONAL - 17/10/2012 - 13:02:43
RIO - O presidente do Clube de Madri e ex-premier holandês Yim Kok afirmou nesta quartafeira que a crise europeia ainda levará alguns anos para acabar, mas as discussões dos
problemas estão agora indo na direção correta.Ao participar Global Economic Symposium
2012, no Rio, ele reconheceu que a governança política na União Europeia não é simples e
que as questões ligadas à crise financeira não podem ser resolvidas de um dia para o outro.
- As coisas levam tempo, mas estão gradualmente se movendo na direção correta. Aqueles
impacientes, especialmente os americanos, devem levar que a situação não está resolvida
também nos Estados Unidos e que alguns estados, como a Califórnia, estão muito
endividados.
Kok destacou a importância da economia de países emergentes, como o Brasil, para evitar
uma recessão mundial.
- O Brasil vive uma desaceleração do crescimento econômico, mas pelo menos está
crescendo. Graças a países como o Brasil, o mundo não está ainda em recessão. Vocês (o
Brasil) são um dos países estabilizadores.
Em seu discurso, Kok citou o processo de redução de pobreza em curso no Brasil, auxiliado
por programas como o Fome Zero e o Bolsa-família.
- A redução de pobreza no Brasil é se de destacar. Os recordes nos últimos dez anos foram
muito positivos, embora mais precise ser feito, já que as desigualdades de renda no Brasil
ainda são grandes.
Sobre a situação da economia mundial, Kok defendeu a necessidade de estratégias de longo
prazo para resolver problemas como o aquecimento global e a a segurança alimentar. Ele citou
medidas como o aumento da produção de alimentos e de biocombustíveis, a boa
administração de recursos hídricos e espécies de impostos ambientais como fatores
importantes nesse processo.
Ex-premier holandês diz que discussões sobre crise europeia estão na direção correta
O Globo Online - Rio de Janeiro/RJ - ECONOMIA - 17/10/2012 - 12:57:00
RIO — O presidente do Clube de Madri e ex-premier holandês Yim Kok afirmou nesta quartafeira que a crise europeia ainda levará alguns anos para acabar, mas as discussões dos
problemas estão agora indo na direção correta.Ao participar Global Economic Symposium
2012, no Rio, ele reconheceu que a governança política na União Europeia não é simples e
que as questões ligadas à crise financeira não podem ser resolvidas de um dia para o outro.
— As coisas levam tempo, mas estão gradualmente se movendo na direção correta. Aqueles
impacientes, especialmente os americanos, devem levar que a situação não está resolvida
também nos Estados Unidos e que alguns estados, como a Califórnia, estão muito
endividados.
Kok destacou a importância da economia de países emergentes, como o Brasil, para evitar
uma recessão mundial.
— O Brasil vive uma desaceleração do crescimento econômico, mas pelo menos está
crescendo. Graças a países como o Brasil, o mundo não está ainda em recessão. Vocês (o
Brasil) são um dos países estabilizadores.
Em seu discurso, Kok citou o processo de redução de pobreza em curso no Brasil, auxiliado
por programas como o Fome Zero e o Bolsa-família.
— A redução de pobreza no Brasil é se de destacar. Os recordes nos últimos dez anos foram
muito positivos, embora mais precise ser feito, já que as desigualdades de renda no Brasil
ainda são grandes.
Sobre a situação da economia mundial, Kok defendeu a necessidade de estratégias de longo
prazo para resolver problemas como o aquecimento global e a a segurança alimentar. Ele citou
medidas como o aumento da produção de alimentos e de biocombustíveis, a boa
administração de recursos hídricos e espécies de impostos ambientais como fatores
importantes nesse processo.
Beltrame defende mais integração entre países da América Latina para repatriação de
dinheiro desviado
4 Cantos Alagoas - - NOTÍCIAS - 17/10/2012 - 12:10:00
Agência Brasil
O secretário de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame,
defendeu hoje (16), durante a abertura do Global Economic Symposium, uma integração maior
entre os países de todo o mundo nas ações que levem à repatriação dos recursos desviados
irregularmente.
Na avaliação do secretário de Segurança Pública, é necessário que se formalizem mecanismos
internacionais de combate à evasão de divisas, principalmente de recursos públicos que são
mandados para paraísos fiscais.
“Nós precisamos formalizar uma rede internacional de instituições que possam trabalhar em
conjunto na proteção da evasão de divisas, em especial na América Latina. Eu acho que,
muitas vezes, se conseguem respostas mais rápidas com países mais distantes do que com
nossos vizinhos aqui, da América Latina. E eu acho que nós precisamos melhorar muito essa
interação [entre os países latino-americanos] para que as respostas fluam com mais rapidez”,
disse.
Beltrame ressaltou que a população de uma maneira geral quer respostas que confirmem
decisões da Justiça como resultados de ações investigativas. “Acho que esse dinheiro
[desviado do país] demora muito tempo para ser repatriado para os cofres públicos e nós
precisamos pressa, uma vez que as pessoas querem resultados práticos, objetivos e
concretos”.
Durante o simpósio internacional, falando sobre segurança pública, o secretário defendeu
ainda, como prioridade no combate à violência, uma politica nacional de proteção às nossas
fronteiras, para impedir a entrada de armas e drogas no país.
“O país tem que ter uma politica nacional muito clara de proteção às fronteiras, pois o Brasil é,
sim, vulnerável nessa proteção. E não falo só ao tráfego de armas, mas também de crianças e
adultos, além de artigos de toda a natureza”, disse.
Juro baixo agora é criticado
Brasília em Tempo Real - Brasília/DF - ECONOMIA - 17/10/2012 - 11:45:00
O diretor do Centro de Economia Mundial da Fundação Getulio Vargas (FGV) e ex-presidente
do Banco Central (BC), Carlos Langoni, afirmou ontem que "acabou a lua de mel monetária" e
o BC chegou a uma taxa de juros reais abaixo do que ele considera de equilíbrio. Langoni
participou do Global Economic Symposium (GES) 2012, no Rio, uma parceria do alemão
Instituto Kiel para a Economia Mundial e a FGV.
- A economia vai voltar a crescer e na minha opinião os juros reais estão até abaixo do que
seria o juro real de equilíbrio. O Brasil não tem poupança doméstica que justifique juro real
abaixo de 3% - disse Langoni, para quem a meta de inflação não tem sido cumprida, a despeito
de ser "generosa", e que a inflação de 5,5% em 12 meses não é um nível confortável.
De acordo com Charles Goodhart, ex-membro do Comitê de Política Monetária do Banco da
Inglaterra, os bancos centrais devem adotar uma política que acompanhe uma série de
indicadores - como crédito e endividamento em financiamento imobiliário - e tomar medidas
para amenizar esta fase do ciclo econômico.
Goodhart afirmou que as atuais políticas de compra de ativos pelos bancos centrais são
necessárias.
Yves Leterme, secretário-geral adjunto da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento
Econômico (OCDE), acrescentou que as decisões tomadas pela Europa para salvar o euro não
devem ser subestimadas. Contudo, reconheceu que as negociações podem ser frustrantes.
- Não subestimaria, em comparação com outros blocos, decisões que serão tomadas pela
Europa - disse. (Lucianne Carneiro e Fabiana Ribeiro)
Odebrecht defende fundo garantidor na concessão de portos e aeroportos
Brazil Modal - São Paulo/SP - JORNAL MULTIMODAL - 17/10/2012 - 17:53:00
O diretor de desenvolvimento de negócios da Odebrecht Infraestrutura, João Borba Filho, disse
que é fundamental que o lançamento dos novos modelos de concessão de portos e aeroportos,
em fase de desenvolvimento, sejam acompanhados de um fundo garantidor.
"O fundo garantidor dará tranquilidade para investir e participar das PPPs [parcerias Público
Privadas]", afirmou ele, depois de participar hoje do Global Economic Symposium, no Rio.
De acordo com Borba Filho, a Odebrecht Infraestrutura aguarda os textos dos modelos de
concessão para definir quais empreendimentos serão alvo de disputa por parte da empresa. No
caso de aeroportos, Borba Filho disse que a Odebrecht Infraestrutura se associará a um
operador internacional para formar um consórcio.
"Primeiramente, a companhia brasileira conversará com a Changi, operadora do aeroporto de
Cingapura, a quem a Odebrecht Infraestrutura se associou para concorrer às licitações de
aeroportos realizadas no início deste ano. Começaremos conversando com eles [dirigentes da
Changi]. Mas conversaremos com outros", disse ele, referindo-se a operadores de aeroportos
de Paris, Londres, Frankfurt, entre outros.
A respeito do Estádio Itaquerão, do Corinthians, em São Paulo, Borba Filho afirmou que as
obras seguem normalmente, apesar de a operação financeira não estar concluída.
"O Banco do Brasil, que está no negócio como agente repassador de R$ 400 milhões em
recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e Odebrecht
ainda não entraram em acordo sobre as garantias que deverão ser concedidas pela construtora
ter acesso ao financiamento. As obras estão sendo tocadas normalmente. Paralelamente,
estamos terminando de estruturar a operação financeira necessária para concluirmos o
empreendimento. Hoje, não há nenhuma interrupção", disse.
Borba Filho não comentou a possibilidade de as obras do estádio pararem, caso a Odebrecht
não entre em acordo com o BB. "Não queremos considerar esse risco. As coisas estão bem
adiantadas. Entendemos que vamos chegar a um bom termo rapidamente. As obras e as
negociações vão bem. As obras estão 100% no prazo", garantiu.
A Odebrecht é também responsável pela construção da Nova Arena Pernambuco, Fonte Nova
(em Salvador) e pela reforma do Maracanã, que estão previstos para receberem jogos da Copa
das Confederações em 2013. "Todas as obras seguem 100%. Não consideramos risco de
atrasos", disse ele.
Fonte: Valor Online
Os desafios globais para o uso da informação na internet
O Globo Online - Rio de Janeiro/RJ - TECNOLOGIA - 17/10/2012 - 18:14:00
RIO - Reunidos no Global Economic Symposium (GES), no Rio de Janeiro, pesquisadores e
representantes de empresas e governos discutiram na tarde desta quarta-feira o uso otimizado
da informação na internet. Uma das questões levantadas foi a criação de padrões mínimos
globais que regulamentem a proteção de dados e privacidade.
Segundo Klaus Tochtermann, diretor do ZBW-Leibniz Information Center for Economics, na
Alemanha, gigantes da tecnologia se instalam em países onde a legislação é mais amena.
– O Facebook não tem sede na Alemanha, mas na Irlanda, onde as exigências são menores.
Se estivesse na Alemanha já teria sido processado. Nós temos uma regulação para cada país.
Não há um acordo geral sobre um padrão mínimo de proteção e nós precisamos disso –
afirmou.
Com a ausência de padrões globais, o ministro interino das Comunicações, Cezar Alvares,
citou a experiência brasileira na gestão de informações. Apesar de o marco civil da internet
ainda estar em discussão no Congresso, Alvares apontou a Lei de Acesso à Informação como
uma das formas que governos podem usar para a segurança no uso de dados.
– Na falta de instrumentos globais de governança, o acesso à informação é a melhor
segurança contra o mau uso dela – disse.
Estrutura das informações
Para facilitar o acesso, o pesquisador da Universidade da Califórnia Paul Berkman propõe o
uso da estrutura da informação para otimizar o consumo de dados. Segundo ele, no mundo
digital é possível contextualizar palavras dentro de textos, facilitando as buscas em grandes
bancos de dados.
Atualmente, de 10% a 15% das informações digitais estão estruturadas e esse percentual
precisa ser ampliado. Berkman diz que não existem barreiras tecnológicas, falta apenas
vontade.
– Um livro pode ser catalogado por assunto, autor, local de publicação. A informação digital
pode ser catalogada por palavras e até letras – disse.
Para Robert Phillips, presidente da Edelman, não basta o acesso, é preciso mudar a forma de
uso das informações. Governos e empresas devem estar atentos às mudanças sociais
promovidas pela internet e pelas redes sociais. Segundo ele, as instituições temem, com razão,
esse mundo onde as massas também atuam no processo de difusão de informações.
– Antes, o mundo era sempre de cima para baixo. Agora, também é de baixo para cima. Se
eles derrubaram um regime, podem derrubar corporações – disse, em referência à queda de
Osni Mubarak no Egito.
Operadoras não terão problemas para cumprir prazos do 4G, diz governo
Extra - RJ - Rio de Janeiro/RJ - PAÍS - 17/10/2012 - 18:22:30
Valor Online
As operadoras que compraram licenças para operar na frequência de 2,5 gigahertz (4G) não
terão dificuldades no cumprimento dos prazos determinados pelo governo, afirmou nesta
quarta-feira o secretário-executivo do Ministério das Comunicações, Cezar Alvarez.
"A densidade das redes já existentes nos centros urbanos em função da quantidade enorme de
usuários do 3G obrigou [as operadoras] a ter um volume denso de torres", afirmou o secretário,
depois de participar do Global Economic Symposium, no Rio.
O governo estabeleceu que Oi, Claro, Vivo e TIM ? que compraram lotes nacionais ? cubram
ao menos 50% da área urbana das seis cidades-sede da Copa das Confederações até o início
da competição, prevista para junho.
Outra determinação é que as empresas disponibilizem o serviço 4G em 80% da área urbana
das 12 cidades-sede da Copa do Mundo, marcada para os meses de junho e julho de 2014.
"É claro que pode ter uma ou outra região de uma ou outra cidade em que esteja faltando sinal
do 4G. [Ainda assim] teremos uma belíssima experiência com a Copa das Confederações, no
ano que vem", disse Alvarez.
Pesquisa aponta crescimento de 23% em negócios de cinco favelas com UPPs
Extra - RJ - Rio de Janeiro/RJ - GERAL - 17/10/2012 - 18:21:40
Rogério Daflon - O Globo
RIO — Os negócios em áreas com Unidades de Polícia Pacificadora (UPP) apresentam
tendência de crescimento. Em palestra no “Global Economic Symposium”, no hotel Windsor
Atlântica, em Copacabana, o economista Marcelo Neri, presidente do Instituto de Pesquisa
Econômica Aplicada (Ipea), citou uma pesquisa da Fundação Getúlio Vargas em cinco
comunidades com UPPs: Pavão-Pavãozinho e Cantagalo; Chapéu Mangueira e Babilônia;
Dona Marta; Cidade de Deus e Batan. Ela mostra que, entre os negócios instalados nessas
favelas, 23% tiveram crescimento.
Os empreendimentos de maior porte tiveram crescimento mais elevado. Isso indica, segundo
Neri, que esses negócios podem ter chegado depois da UPP:
— Assim, uma empresa grande de hambúrguer, atraída pela pacificação e pela possibilidade
de fazer seu merchandising, pode estar esvaziando o negócio de quem vende churrasquinho.
Nessa disputa, há o consumidor, que merece ser estudado em relação às suas opções.
Sem fazer juízo de valor da disputa pelo mercado nas áreas com UPP, o economista ressaltou
que o poder público pode exercer um papel importante na transição pela qual a economia
desses lugares vem passando. Para ele, é fundamental haver serviços como o que o Sebrae
vem prestando, seja na qualificação de mão de obra, seja na orientação contábil, seja na
formalização das empresas.
— É claro que pode estar havendo uma migração para as favelas com UPP, a fim de aproveitar
o efeito pacificação. Por isso, tem de haver uma escolha: se queremos proteger os negócios
pequenos ou não. Essa decisão tem de ser tomada — disse o economista.
Neri afirmou que, como o valor dos imóveis no entorno de comunidades com UPP teve um
aumento grande, há uma pressão para quem mora nas áreas pacificadas:
— A UPP é uma coisa boa, mas traz alguns efeitos. No caso do aumento de aluguéis das
casas dessas áreas, isso gera uma diminuição de renda do morador que paga esse aluguel. A
instalação de infraestrutura também traz contas, como a da energia elétrica. Tudo isso causa
um impacto na renda.
Operadoras não terão problemas para cumprir prazos do 4G, diz governo
BOL - São Paulo/SP - ECONOMIA - 17/10/2012 - 18:34:00
As operadoras que compraram licenças para operar na frequência de 2,5 gigahertz (4G) não
terão dificuldades no cumprimento dos prazos determinados pelo governo, afirmou nesta
quarta-feira o secretário-executivo do Ministério das Comunicações, Cezar Alvarez.
"A densidade das redes já existentes nos centros urbanos em função da quantidade enorme de
usuários do 3G obrigou [as operadoras] a ter um volume denso de torres", afirmou o secretário,
depois de participar do Global Economic Symposium, no Rio.
O governo estabeleceu que Oi, Claro, Vivo e TIM ? que compraram lotes nacionais ? cubram
ao menos 50% da área urbana das seis cidades-sede da Copa das Confederações até o início
da competição, prevista para junho.
Outra determinação é que as empresas disponibilizem o serviço 4G em 80% da área urbana
das 12 cidades-sede da Copa do Mundo, marcada para os meses de junho e julho de 2014.
"É claro que pode ter uma ou outra região de uma ou outra cidade em que esteja faltando sinal
do 4G. [Ainda assim] teremos uma belíssima experiência com a Copa das Confederações, no
ano que vem", disse Alvarez.
Os desafios globais para o uso da informação pela internet
O Globo Online - Rio de Janeiro/RJ - TECNOLOGIA - 17/10/2012 - 18:14:00
RIO - Reunidos no Global Economic Symposium (GES), no Rio de Janeiro, pesquisadores e
representantes de empresas e governos discutiram na tarde desta quarta-feira o uso otimizado
da informação na internet. Uma das questões levantadas foi a criação de padrões mínimos
globais que regulamentem a proteção de dados e privacidade.
Segundo Klaus Tochtermann, diretor do ZBW-Leibniz Information Center for Economics, na
Alemanha, gigantes da tecnologia se instalam em países onde a legislação é mais amena.
– O Facebook não tem sede na Alemanha, mas na Irlanda, onde as exigências são menores.
Se estivesse na Alemanha já teria sido processado. Nós temos uma regulação para cada país.
Não há um acordo geral sobre um padrão mínimo de proteção e nós precisamos disso –
afirmou.
Com a ausência de padrões globais, o ministro interino das Comunicações, Cezar Alvares,
citou a experiência brasileira na gestão de informações. Apesar de o marco civil da internet
ainda estar em discussão no Congresso, Alvares apontou a Lei de Acesso à Informação como
uma das formas que governos podem usar para a segurança no uso de dados.
– Na falta de instrumentos globais de governança, o acesso à informação é a melhor
segurança contra o mau uso dela – disse.
Estrutura das informações
Para facilitar o acesso, o pesquisador da Universidade da Califórnia Paul Berkman propõe o
uso da estrutura da informação para otimizar o consumo de dados. Segundo ele, no mundo
digital é possível contextualizar palavras dentro de textos, facilitando as buscas em grandes
bancos de dados.
Atualmente, de 10% a 15% das informações digitais estão estruturadas e esse percentual
precisa ser ampliado. Berkman diz que não existem barreiras tecnológicas, falta apenas
vontade.
– Um livro pode ser catalogado por assunto, autor, local de publicação. A informação digital
pode ser catalogada por palavras e até letras – disse.
Para Robert Phillips, presidente da Edelman, não basta o acesso, é preciso mudar a forma de
uso das informações. Governos e empresas devem estar atentas às mudanças sociais
promovidas pela internet e pelas redes sociais. Segundo ele, as instituições temem, com razão,
esse mundo onde as massas também atuam no processo de difusão de informações.
– Antes, o mundo era sempre de cima para baixo. Agora, também é de baixo para cima. Se
eles derrubaram um regime, podem derrubar corporações – disse, em referência à queda de
Osni Mubarak no Egito.
ODEBRECHT DEFENDE FUNDO GARANTIDOR NA CONCESSÃO DE PORTO E
AEROPORTO
Bahia Econômica - - HOME - 17/10/2012 - 15:15:00
Em entrevista após participar do Global Economic Symposium, realizado no Rio de Janeiro, o
diretor de desenvolvimento de negócios da Odebrecht Infraestrutura, João Borba Filho, disse
hoje (17) que é "fundamental" que o lançamento dos novos modelos de concessão de portos e
aeroportos, em fase de desenvolvimento, sejam acompanhados de um fundo garantidor.
"O fundo garantidor dará tranquilidade para investir e participar das PPPs [Parcerias Público
Privadas]", afirmou. Segundo o executivo, a Odebrecht Infraestrutura aguarda os textos dos
modelos de concessão para definir quais empreendimentos serão alvo de disputa por parte da
companhia.
Borba Filho disse que, no caso de aeroportos, a Odebrecht Infraestrutura se associará a um
operador internacional para formar um consórcio. Primeiramente, a companhia brasileira
conversará com a Changi, operadora do aeroporto de Cingapura, a quem a Odebrecht
Infraestrutura se associou para concorrer às licitações de aeroportos realizadas no início deste
ano.
"Começaremos conversando com eles [dirigentes da Changi]. Mas conversaremos com
outros", disse, referindo-se a operadores de aeroportos de Paris, Londres, Frankfurt, entre
outros.
Operadoras não terão problemas para cumprir prazos do 4G, diz governo
O Globo Online - Rio de Janeiro/RJ - ECONOMIA - 17/10/2012 - 18:54:06
As operadoras que compraram licenças para operar na frequência de 2,5 gigahertz (4G) não
terão dificuldades no cumprimento dos prazos determinados pelo governo, afirmou nesta
quarta-feira o secretário-executivo do Ministério das Comunicações, Cezar Alvarez.
"A densidade das redes já existentes nos centros urbanos em função da quantidade enorme de
usuários do 3G obrigou [as operadoras] a ter um volume denso de torres", afirmou o secretário,
depois de participar do Global Economic Symposium, no Rio.
O governo estabeleceu que Oi, Claro, Vivo e TIM ? que compraram lotes nacionais ? cubram
ao menos 50% da área urbana das seis cidades-sede da Copa das Confederações até o início
da competição, prevista para junho. Outra determinação é que as empresas disponibilizem o
serviço 4G em 80% da área urbana das 12 cidades-sede da Copa do Mundo, marcada para os
meses de junho e julho de 2014.
"É claro que pode ter uma ou outra região de uma ou outra cidade em que esteja faltando sinal
do 4G. [Ainda assim] teremos uma belíssima experiência com a Copa das Confederações, no
ano que vem", disse Alvarez.
Operadoras não terão problemas para cumprir prazos do 4G, diz governo
UOL - - ECONOMIA - 17/10/2012 - 18:34:00
As operadoras que compraram licenças para operar na frequência de 2,5 gigahertz (4G) não
terão dificuldades no cumprimento dos prazos determinados pelo governo, afirmou nesta
quarta-feira o secretário-executivo do Ministério das Comunicações, Cezar Alvarez.
"A densidade das redes já existentes nos centros urbanos em função da quantidade enorme de
usuários do 3G obrigou [as operadoras] a ter um volume denso de torres", afirmou o secretário,
depois de participar do Global Economic Symposium, no Rio.
O governo estabeleceu que Oi, Claro, Vivo e TIM ? que compraram lotes nacionais ? cubram
ao menos 50% da área urbana das seis cidades-sede da Copa das Confederações até o início
da competição, prevista para junho.
Outra determinação é que as empresas disponibilizem o serviço 4G em 80% da área urbana
das 12 cidades-sede da Copa do Mundo, marcada para os meses de junho e julho de 2014.
"É claro que pode ter uma ou outra região de uma ou outra cidade em que esteja faltando sinal
do 4G. [Ainda assim] teremos uma belíssima experiência com a Copa das Confederações, no
ano que vem", disse Alvarez.
Operadoras não terão problemas para cumprir prazos do 4G, diz governo
Valor Online - São Paulo/SP - EMPRESAS - 17/10/2012 - 18:27:34
RIO - As operadoras que compraram licenças para operar na frequência de 2,5 gigahertz (4G)
não terão dificuldades no cumprimento dos prazos determinados pelo governo, afirmou nesta
quarta-feira o secretário-executivo do Ministério das Comunicações, Cezar Alvarez.
“A densidade das redes já existentes nos centros urbanos em função da quantidade enorme de
usuários do 3G obrigou [as operadoras] a ter um volume denso de torres”, afirmou o secretário,
depois de participar do Global Economic Symposium, no Rio.
O governo estabeleceu que Oi, Claro, Vivo e TIM — que compraram lotes nacionais — cubram
ao menos 50% da área urbana das seis cidades-sede da Copa das Confederações até o início
da competição, prevista para junho.
Outra determinação é que as empresas disponibilizem o serviço 4G em 80% da área urbana
das 12 cidades-sede da Copa do Mundo, marcada para os meses de junho e julho de 2014.
“É claro que pode ter uma ou outra região de uma ou outra cidade em que esteja faltando sinal
do 4G. [Ainda assim] teremos uma belíssima experiência com a Copa das Confederações, no
ano que vem”, disse Alvarez.
Pesquisa aponta crescimento de 23% em negócios de cinco favelas com UPPs
Yahoo Brasil - - CIDADES - 17/10/2012 - 17:14:47
RIO - Os negócios em áreas com Unidades de Polícia Pacificadora (UPP) apresentam
tendência de crescimento. Em palestra no "Global Economic Symposium", no hotel Windsor
Atlântica, em Copacabana, o economista Marcelo Neri, presidente do Instituto de Pesquisa
Econômica Aplicada (Ipea), citou uma pesquisa da Fundação Getúlio Vargas em cinco
comunidades com UPPs: Pavão-Pavãozinho e Cantagalo; Chapéu Mangueira e Babilônia;
Dona Marta; Cidade de Deus e Batan. Ela mostra que, entre os negócios instalados nessas
favelas, 23% tiveram crescimento.
Os empreendimentos de maior porte tiveram crescimento mais elevado. Isso indica, segundo
Neri, que esses negócios podem ter chegado depois da UPP:
- Assim, uma empresa grande de hambúrguer, atraída pela pacificação e pela possibilidade de
fazer seu merchandising, pode estar esvaziando o negócio de quem vende churrasquinho.
Nessa disputa, há o consumidor, que merece ser estudado em relação às suas opções.
Sem fazer juízo de valor da disputa pelo mercado nas áreas com UPP, o economista ressaltou
que o poder público pode exercer um papel importante na transição pela qual a economia
desses lugares vem passando. Para ele, é fundamental haver serviços como o que o Sebrae
vem prestando, seja na qualificação de mão de obra, seja na orientação contábil, seja na
formalização das empresas.
- É claro que pode estar havendo uma migração para as favelas com UPP, a fim de aproveitar
o efeito pacificação. Por isso, tem de haver uma escolha: se queremos proteger os negócios
pequenos ou não. Essa decisão tem de ser tomada - disse o economista.
Neri afirmou que, como o valor dos imóveis no entorno de comunidades com UPP teve um
aumento grande, há uma pressão para quem mora nas áreas pacificadas:
- A UPP é uma coisa boa, mas traz alguns efeitos. No caso do aumento de aluguéis das casas
dessas áreas, isso gera uma diminuição de renda do morador que paga esse aluguel. A
instalação de infraestrutura também traz contas, como a da energia elétrica. Tudo isso causa
um impacto na renda.
Pesquisa aponta crescimento de 23% em negócios de cinco favelas com UPPs
O Globo Online - Rio de Janeiro/RJ - RIO - 17/10/2012 - 17:09:00
RIO — Os negócios em áreas com Unidades de Polícia Pacificadora (UPP) apresentam
tendência de crescimento. Em palestra no “Global Economic Symposium”, no hotel Windsor
Atlântica, em Copacabana, o economista Marcelo Neri, presidente do Instituto de Pesquisa
Econômica Aplicada (Ipea), citou uma pesquisa da Fundação Getúlio Vargas em cinco
comunidades com UPPs: Pavão-Pavãozinho e Cantagalo; Chapéu Mangueira e Babilônia;
Dona Marta; Cidade de Deus e Batan. Ela mostra que, entre os negócios instalados nessas
favelas, 23% tiveram crescimento.
Os empreendimentos de maior porte tiveram crescimento mais elevado. Isso indica, segundo
Neri, que esses negócios podem ter chegado depois da UPP:
— Assim, uma empresa grande de hambúrguer, atraída pela pacificação e pela possibilidade
de fazer seu merchandising, pode estar esvaziando o negócio de quem vende churrasquinho.
Nessa disputa, há o consumidor, que merece ser estudado em relação às suas opções.
Sem fazer juízo de valor da disputa pelo mercado nas áreas com UPP, o economista ressaltou
que o poder público pode exercer um papel importante na transição pela qual a economia
desses lugares vem passando. Para ele, é fundamental haver serviços como o que o Sebrae
vem prestando, seja na qualificação de mão de obra, seja na orientação contábil, seja na
formalização das empresas.
— É claro que pode estar havendo uma migração para as favelas com UPP, a fim de aproveitar
o efeito pacificação. Por isso, tem de haver uma escolha: se queremos proteger os negócios
pequenos ou não. Essa decisão tem de ser tomada — disse o economista.
Neri afirmou que, como o valor dos imóveis no entorno de comunidades com UPP teve um
aumento grande, há uma pressão para quem mora nas áreas pacificadas:
— A UPP é uma coisa boa, mas traz alguns efeitos. No caso do aumento de aluguéis das
casas dessas áreas, isso gera uma diminuição de renda do morador que paga esse aluguel. A
instalação de infraestrutura também traz contas, como a da energia elétrica. Tudo isso causa
um impacto na renda.
Ex-premier holandês diz que discussões sobre crise europeia estão na direção correta
O Globo Online - Rio de Janeiro/RJ - ECONOMIA - 17/10/2012 - 12:57:00
RIO — O presidente do Clube de Madri e ex-premier holandês Wim Kok afirmou nesta quartafeira que a crise europeia ainda levará alguns anos para acabar, mas as discussões dos
problemas estão agora indo na direção correta.Ao participar Global Economic Symposium
2012, no Rio, ele reconheceu que a governança política na União Europeia não é simples e
que as questões ligadas à crise financeira não podem ser resolvidas de um dia para o outro.
— As coisas levam tempo, mas estão gradualmente se movendo na direção correta. Aqueles
impacientes, especialmente os americanos, devem levar que a situação não está resolvida
também nos Estados Unidos e que alguns estados, como a Califórnia, estão muito
endividados.
Kok destacou a importância da economia de países emergentes, como o Brasil, para evitar
uma recessão mundial.
— O Brasil vive uma desaceleração do crescimento econômico, mas pelo menos está
crescendo. Graças a países como o Brasil, o mundo não está ainda em recessão. Vocês (o
Brasil) são um dos países estabilizadores.
Em seu discurso, Kok citou o processo de redução de pobreza em curso no Brasil, auxiliado
por programas como o Fome Zero e o Bolsa-família.
— A redução de pobreza no Brasil é se de destacar. Os recordes nos últimos dez anos foram
muito positivos, embora mais precise ser feito, já que as desigualdades de renda no Brasil
ainda são grandes.
Sobre a situação da economia mundial, Kok defendeu a necessidade de estratégias de longo
prazo para resolver problemas como o aquecimento global e a a segurança alimentar. Ele citou
medidas como o aumento da produção de alimentos e de biocombustíveis, a boa
administração de recursos hídricos e espécies de impostos ambientais como fatores
importantes nesse processo.
Odebrecht defende fundo garantidor na concessão de portos e aeroportos
Folha.com - São Paulo/SP - MERCADO - 17/10/2012 - 15:16:00
O diretor de desenvolvimento de negócios da Odebrecht Infraestrutura, João Borba Filho, disse
que é fundamental que o lançamento dos novos modelos de concessão de portos e aeroportos,
em fase de desenvolvimento, sejam acompanhados de um fundo garantidor.
"O fundo garantidor dará tranquilidade para investir e participar das PPPs [parcerias Público
Privadas]", afirmou ele, depois de participar hoje do Global Economic Symposium, no Rio.
Falhas de gestão fazem menina dos olhos do setor portuário virar "mico"
De acordo com Borba Filho, a Odebrecht Infraestrutura aguarda os textos dos modelos de
concessão para definir quais empreendimentos serão alvo de disputa por parte da empresa. No
caso de aeroportos, Borba Filho disse que a Odebrecht Infraestrutura se associará a um
operador internacional para formar um consórcio.
"Primeiramente, a companhia brasileira conversará com a Changi, operadora do aeroporto de
Cingapura, a quem a Odebrecht Infraestrutura se associou para concorrer às licitações de
aeroportos realizadas no início deste ano. Começaremos conversando com eles [dirigentes da
Changi]. Mas conversaremos com outros", disse ele, referindo-se a operadores de aeroportos
de Paris, Londres, Frankfurt, entre outros.
A respeito do Estádio Itaquerão, do Corinthians, em São Paulo, Borba Filho afirmou que as
obras seguem normalmente, apesar de a operação financeira não estar concluída.
"O Banco do Brasil, que está no negócio como agente repassador de R$ 400 milhões em
recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e Odebrecht
ainda não entraram em acordo sobre as garantias que deverão ser concedidas pela construtora
ter acesso ao financiamento. As obras estão sendo tocadas normalmente. Paralelamente,
estamos terminando de estruturar a operação financeira necessária para concluirmos o
empreendimento. Hoje, não há nenhuma interrupção", disse.
Borba Filho não comentou a possibilidade de as obras do estádio pararem, caso a Odebrecht
não entre em acordo com o BB. "Não queremos considerar esse risco. As coisas estão bem
adiantadas. Entendemos que vamos chegar a um bom termo rapidamente. As obras e as
negociações vão bem. As obras estão 100% no prazo", garantiu.
A Odebrecht é também responsável pela construção da Nova Arena Pernambuco, Fonte Nova
(em Salvador) e pela reforma do Maracanã, que estão previstos para receberem jogos da Copa
das Confederações em 2013. "Todas as obras seguem 100%. Não consideramos risco de
atrasos", disse ele.
Odebrecht defende fundo garantidor na concessão de portos e aeroporto
BOL - São Paulo/SP - ECONOMIA - 17/10/2012 - 15:16:00
O diretor de desenvolvimento de negócios da Odebrecht Infraestrutura, João Borba Filho, disse
que é fundamental que o lançamento dos novos modelos de concessão de portos e aeroportos,
em fase de desenvolvimento, sejam acompanhados de um fundo garantidor.
"O fundo garantidor dará tranquilidade para investir e participar das PPPs [parcerias Público
Privadas]", afirmou ele, depois de participar hoje do Global Economic Symposium, no Rio.
De acordo com Borba Filho, a Odebrecht Infraestrutura aguarda os textos dos modelos de
concessão para definir quais empreendimentos serão alvo de disputa por parte da empresa. No
caso de aeroportos, Borba Filho disse que a Odebrecht Infraestrutura se associará a um
operador internacional para formar um consórcio.
"Primeiramente, a companhia brasileira conversará com a Changi, operadora do aeroporto de
Cingapura, a quem a Odebrecht Infraestrutura se associou para concorrer às licitações de
aeroportos realizadas no início deste ano. Começaremos conversando com eles [dirigentes da
Changi]. Mas conversaremos com outros", disse ele, referindo-se a operadores de aeroportos
de Paris, Londres, Frankfurt, entre outros.
A respeito do Estádio Itaquerão, do Corinthians, em São Paulo, Borba Filho afirmou que as
obras seguem normalmente, apesar de a operação financeira não estar concluída.
"O Banco do Brasil, que está no negócio como agente repassador de R$ 400 milhões em
recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e Odebrecht
ainda não entraram em acordo sobre as garantias que deverão ser concedidas pela construtora
ter acesso ao financiamento. As obras estão sendo tocadas normalmente. Paralelamente,
estamos terminando de estruturar a operação financeira necessária para concluirmos o
empreendimento. Hoje, não há nenhuma interrupção", disse.
Borba Filho não comentou a possibilidade de as obras do estádio pararem, caso a Odebrecht
não entre em acordo com o BB. "Não queremos considerar esse risco. As coisas estão bem
adiantadas. Entendemos que vamos chegar a um bom termo rapidamente. As obras e as
negociações vão bem. As obras estão 100% no prazo", garantiu.
A Odebrecht é também responsável pela construção da Nova Arena Pernambuco, Fonte Nova
(em Salvador) e pela reforma do Maracanã, que estão previstos para receberem jogos da Copa
das Confederações em 2013. "Todas as obras seguem 100%. Não consideramos risco de
atrasos", disse ele.
Diretor da Odebrecht diz que obras do estádio do Corinthians continuam
Yahoo Brasil - - CIDADES - 17/10/2012 - 15:05:06
RIO - O diretor de Desenvolvimento de Negócios da Odebrecht Infraestrutura, João Borba
Filho, afirmou nesta quarta-feira que a empresa não trabalha com a possibilidade de
interromper as obras do estádio do Corinthians em Itaquera. A empresa ainda não recebeu os
recursos para financiar a obra.
- As obras estão sendo tocadas normalmente. Paralelamente, estamos terminando de
estruturar a questão financeira. A gente não quer considerar esse risco (de parar as obras) do
jeito que as obras e as negociações estão adiantadas - disse o executivo, após participar do
Global Economic Symposium (GES) 2012.
Além do estádio do Corinthians, a Odebrecht também participa da reforma ou construção de
outros três estádios que também serão usados na Copa 2014 e na Copa das Confederações,
em 2013: o Maracanã, a Fonte Nova, em Salvador, e a Arena, em Recife.
Segundo Borba Filho, as obras estão em estágios diferentes, com pelo menos quatro mil
trabalhadores em cada um dos canteiros, e serão entregues a tempo.
- Não estamos considerando risco de atraso.
No início do mês, a prefeitura de São Paulo rompeu com o acordo feito com a construtora para
arcar com os custos de uma das arquibancadas do Itaquerão, que vai receber a abertura do
Mundial do Brasil daqui a dois anos. Na ocasião, tanto o clube paulista quanto a construtora
admitiram que ainda não tinham recebido nenhum valor dos R$ 400 milhões aprovados em
julho pelo BNDES.
Sem esses recursos, havia o risco de as obras pararem. A liberação deles depende do
oferecimento de garantias financeiras que o Corinthians não tem e a empreiteira não poderia
dar, pois o estádio não será de sua propriedade. A construtora inicialmente resolveu tocar a
obra com os seus próprios recursos, mas aguarda a liberação do empréstimo para se ressarcir.
O Itaquerão estava inicialmente orçado em R$ 800 milhões, mas acredita-se que o custo total
da obra deve chegar a R$ 1 bilhão.
Diretor da Odebrecht diz que obras do estádio do Corinthians continuam
O Globo Online - Rio de Janeiro/RJ - ESPORTE - 17/10/2012 - 15:00:00
RIO - O diretor de Desenvolvimento de Negócios da Odebrecht Infraestrutura, João Borba
Filho, afirmou nesta quarta-feira que a empresa não trabalha com a possibilidade de
interromper as obras do estádio do Corinthians em Itaquera. A empresa ainda não recebeu os
recursos para financiar a obra.
- As obras estão sendo tocadas normalmente. Paralelamente, estamos terminando de
estruturar a questão financeira. A gente não quer considerar esse risco (de parar as obras) do
jeito que as obras e as negociações estão adiantadas – disse o executivo, após participar do
Global Economic Symposium (GES) 2012.
Além do estádio do Corinthians, a Odebrecht também participa da reforma ou construção de
outros três estádios que também serão usados na Copa 2014 e na Copa das Confederações,
em 2013: o Maracanã, a Fonte Nova, em Salvador, e a Arena, em Recife.
Segundo Borba Filho, as obras estão em estágios diferentes, com pelo menos quatro mil
trabalhadores em cada um dos canteiros, e serão entregues a tempo.
- Não estamos considerando risco de atraso.
No início do mês, a prefeitura de São Paulo rompeu com o acordo feito com a construtora para
arcar com os custos de uma das arquibancadas do Itaquerão, que vai receber a abertura do
Mundial do Brasil daqui a dois anos. Na ocasião, tanto o clube paulista quanto a construtora
admitiram que ainda não tinham recebido nenhum valor dos R$ 400 milhões aprovados em
julho pelo BNDES.
Sem esses recursos, havia o risco de as obras pararem. A liberação deles depende do
oferecimento de garantias financeiras que o Corinthians não tem e a empreiteira não poderia
dar, pois o estádio não será de sua propriedade. A construtora inicialmente resolveu tocar a
obra com os seus próprios recursos, mas aguarda a liberação do empréstimo para se ressarcir.
O Itaquerão estava inicialmente orçado em R$ 800 milhões, mas o custo total da obra de
chegar a R$ 1 bilhão, pois estruturas temporárias como restaurantes, elevadores e assentos
móveis não constavam do orçamento inicial.
Odebrecht defende fundo garantidor na concessão de portos e aeroporto
Extra - RJ - Rio de Janeiro/RJ - PAÍS - 17/10/2012 - 14:21:41
Valor Online
O diretor de desenvolvimento de negócios da Odebrecht Infraestrutura, João Borba Filho, disse
que é "fundamental" que o lançamento dos novos modelos de concessão de portos e
aeroportos, em fase de desenvolvimento, sejam acompanhados de um fundo garantidor. "O
fundo garantidor dará tranquilidade para investir e participar das PPPs [Parcerias Público
Privadas]", afirmou ele, depois de participar hoje do Global Economic Symposium, no Rio.
De acordo com Borba Filho, a Odebrecht Infraestrutura aguarda os textos dos modelos de
concessão para definir quais empreendimentos serão alvo de disputa por parte da empresa.
No caso de aeroportos, Borba Filho disse que a Odebrecht Infraestrutura se associará a um
operador internacional para formar um consórcio.
Primeiramente, a companhia brasileira conversará com a Changi, operadora do aeroporto de
Cingapura, a quem a Odebrecht Infraestrutura se associou para concorrer às licitações de
aeroportos realizadas no início deste ano.
"Começaremos conversando com eles [dirigentes da Changi]. Mas conversaremos com
outros", disse ele, referindo-se a operadores de aeroportos de Paris, Londres, Frankfurt, entre
outros.
A respeito do Estádio Itaquerão, do Corinthians, Borba Filho afirmou que as obras seguem
normalmente, apesar de a operação financeira não estar concluída. O Banco do Brasil (BB),
que está no negócio como agente repassador de R$ 400 milhões em recursos do Banco
Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e Odebrecht ainda não entraram
em acordo sobre as garantias que deverão ser concedidas pela construtora ter acesso ao
financiamento.
"As obras estão sendo tocadas normalmente. Paralelamente, estamos terminando de estruturar
a operação financeira necessária para concluirmos o empreendimento. Hoje, não há nenhuma
interrupção", disse.
Borba Filho não comentou a possibilidade de as obras do estádio pararem, caso a Odebrecht
não entre em acordo com o BB.
"Não queremos considerar esse risco. As coisas estão bem adiantadas. Entendemos que
vamos chegar a um bom termo rapidamente. As obras e as negociações vão bem. As obras
estão 100% no prazo", garantiu.
A Odebrecht é também responsável pela construção da Nova Arena Pernambuco, Fonte Nova
(em Salvador) e pela reforma do Maracanã, que estão previstos para receberem jogos da Copa
das Confederações em 2013.
"Todas as obras seguem 100%. Não consideramos risco de atrasos", disse ele.
Diretor da Odebrecht diz que obras do estádio do Corinthians continuam
Extra - RJ - Rio de Janeiro/RJ - JOGO EXTRA - 17/10/2012 - 14:20:44
Lucianne Carneiro - O Globo
RIO - O diretor de Desenvolvimento de Negócios da Odebrecht Infraestrutura, João Borba
Filho, afirmou nesta quarta-feira que a empresa não trabalha com a possibilidade de
interromper as obras do estádio do Corinthians em Itaquera. A empresa ainda não recebeu os
recursos para financiar a obra.
- As obras estão sendo tocadas normalmente. Paralelamente, estamos terminando de
estruturar a questão financeira. A gente não quer considerar esse risco (de parar as obras) do
jeito que as obras e as negociações estão adiantadas – disse o executivo, após participar do
Global Economic Symposium (GES) 2012.
Além do estádio do Corinthians, a Odebrecht também participa da reforma ou construção de
outros três estádios que também serão usados na Copa 2014 e na Copa das Confederações,
em 2013: o Maracanã, a Fonte Nova, em Salvador, e a Arena, em Recife.
Segundo Borba Filho, as obras estão em estágios diferentes, com pelo menos quatro mil
trabalhadores em cada um dos canteiros, e serão entregues a tempo.
- Não estamos considerando risco de atraso.
No início do mês, a prefeitura de São Paulo rompeu com o acordo feito com a construtora para
arcar com os custos de uma das arquibancadas do Itaquerão, que vai receber a abertura do
Mundial do Brasil daqui a dois anos. Na ocasião, tanto o clube paulista quanto a construtora
admitiram que ainda não tinham recebido nenhum valor dos R$ 400 milhões aprovados em
julho pelo BNDES.
Sem esses recursos, havia o risco de as obras pararem. A liberação deles depende do
oferecimento de garantias financeiras que o Corinthians não tem e a empreiteira não poderia
dar, pois o estádio não será de sua propriedade. A construtora inicialmente resolveu tocar a
obra com os seus próprios recursos, mas aguarda a liberação do empréstimo para se ressarcir.
O Itaquerão estava inicialmente orçado em R$ 800 milhões, mas acredita-se que o custo total
da obra deve chegar a R$ 1 bilhão.
Presidente do Clube de Madri prevê que crise europeia vai durar anos
Valor Online - São Paulo/SP - BRASIL - 17/10/2012 - 14:55:25
A crise na zona do euro se manterá nos próximos anos, afirmou nesta quarta-feira o exprimeiro-ministro da Holanda Wim Kok. “A conclusão da reunião de Tóquio [do Fundo
Monetário Internacional] é a de que mais ações são necessárias em Portugal, Grécia e
Espanha”, disse Kok, referindo-se às medidas de austeridade fiscal para reduzir os déficits
públicos desses países, bem como para fortalecer suas economias.
Atual presidente do Club de Madri, organização composta por ex-presidentes e ex-primeirosministros que tem como objetivo promover a democracia na comunidade internacional, Kok
disse que a Europa tem avançado no combate à crise, mas de maneira lenta. “Vai demorar até
colocarmos a casa em ordem. Estamos na direção correta, mas lenta e gradualmente. Todo
esse processo levará mais alguns anos”, disse ele, depois de participar do Global Economic
Symposium, no Rio.
A respeito do Brasil, Kok elogiou o combate à pobreza, dizendo que o país evoluiu muito nos
últimos dez anos, mas afirmou que ainda é preciso avançar nos programas sociais. “O Brasil
tem sido bem-sucedido no combate à pobreza. Sou um social democrata e compartilho da
preocupação do ex-presidente Lula e da presidente Dilma Rousseff quanto ao combate à
pobreza.”
Diretor da Odebrecht diz que fundo garantidor é essencial para PPPs
Yahoo Brasil - - NACIONAL - 17/10/2012 - 14:20:56
RIO - O diretor de Desenvolvimento de Negócios da Odebrecht Infraestrutura, João Borba
Filho, afirmou nesta quarta-feira que a existência de um fundo garantidor é essencial para o
funcionamento de uma Parceria Público-Privada (PPP). Ele disse que somente após a
divulgação das regras para as novas concessões de aeroportos e portos será possível afirmar
sobre o interesse da empresa em participar. Mas disse que mais do que o modelo a ser
adotado é importante avaliar as condições e garantias para a empresa.
- Para uma PPP, é fundamental ter um um fundo garantidor. Além do programa em si, é
preciso vir acompanhado de algumas garantias - disse Borba Filho, depois de participar de
painel no Global Economic Symposium (GES) 2012, realizado pelo alemão Instituto Kiel para a
Economia Mundial em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV).
Borba Filho e o diretor da Escola de Economia de São Paulo (EESP/Fundação Getúlio Vargas)
compartilharam a avaliação de que a infraestrutura brasileira é um dos principais entraves da
economia brasileira.
- O Brasil tem um processo de desenvolvimento travado porque não tem infraestrutura, a
infraestrutura está em frangalhos - afirmou Nakano.
Diretor da Odebrecht diz que fundo garantidor é essencial para PPPs
Yahoo Brasil - - CIDADES - 17/10/2012 - 14:20:56
RIO - O diretor de Desenvolvimento de Negócios da Odebrecht Infraestrutura, João Borba
Filho, afirmou nesta quarta-feira que a existência de um fundo garantidor é essencial para o
funcionamento de uma Parceria Público-Privada (PPP). Ele disse que somente após a
divulgação das regras para as novas concessões de aeroportos e portos será possível afirmar
sobre o interesse da empresa em participar. Mas disse que mais do que o modelo a ser
adotado é importante avaliar as condições e garantias para a empresa.
- Para uma PPP, é fundamental ter um um fundo garantidor. Além do programa em si, é
preciso vir acompanhado de algumas garantias - disse Borba Filho, depois de participar de
painel no Global Economic Symposium (GES) 2012, realizado pelo alemão Instituto Kiel para a
Economia Mundial em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV).
Borba Filho e o diretor da Escola de Economia de São Paulo (EESP/Fundação Getúlio Vargas)
compartilharam a avaliação de que a infraestrutura brasileira é um dos principais entraves da
economia brasileira.
- O Brasil tem um processo de desenvolvimento travado porque não tem infraestrutura, a
infraestrutura está em frangalhos - afirmou Nakano.
Odebrecht defende fundo garantidor na concessão de portos e aeroporto
O Globo Online - Rio de Janeiro/RJ - ECONOMIA - 17/10/2012 - 14:54:10
O diretor de desenvolvimento de negócios da Odebrecht Infraestrutura, João Borba Filho, disse
que é "fundamental" que o lançamento dos novos modelos de concessão de portos e
aeroportos, em fase de desenvolvimento, sejam acompanhados de um fundo garantidor.
"O fundo garantidor dará tranquilidade para investir e participar das PPPs [Parcerias Público
Privadas]", afirmou ele, depois de participar hoje do Global Economic Symposium, no Rio. De
acordo com Borba Filho, a Odebrecht Infraestrutura aguarda os textos dos modelos de
concessão para definir quais empreendimentos serão alvo de disputa por parte da empresa. No
caso de aeroportos, Borba Filho disse que a Odebrecht Infraestrutura se associará a um
operador internacional para formar um consórcio.
Primeiramente, a companhia brasileira conversará com a Changi, operadora do aeroporto de
Cingapura, a quem a Odebrecht Infraestrutura se associou para concorrer às licitações de
aeroportos realizadas no início deste ano. "Começaremos conversando com eles [dirigentes da
Changi]. Mas conversaremos com outros", disse ele, referindo-se a operadores de aeroportos
de Paris, Londres, Frankfurt, entre outros.
A respeito do Estádio Itaquerão, do Corinthians, Borba Filho afirmou que as obras seguem
normalmente, apesar de a operação financeira não estar concluída. O Banco do Brasil (BB),
que está no negócio como agente repassador de R$ 400 milhões em recursos do Banco
Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e Odebrecht ainda não entraram
em acordo sobre as garantias que deverão ser concedidas pela construtora ter acesso ao
financiamento.
"As obras estão sendo tocadas normalmente. Paralelamente, estamos terminando de estruturar
a operação financeira necessária para concluirmos o empreendimento. Hoje, não há nenhuma
interrupção", disse. Borba Filho não comentou a possibilidade de as obras do estádio pararem,
caso a Odebrecht não entre em acordo com o BB. "Não queremos considerar esse risco. As
coisas estão bem adiantadas.
Entendemos que vamos chegar a um bom termo rapidamente. As obras e as negociações vão
bem. As obras estão 100% no prazo", garantiu. A Odebrecht é também responsável pela
construção da Nova Arena Pernambuco, Fonte Nova (em Salvador) e pela reforma do
Maracanã, que estão previstos para receberem jogos da Copa das Confederações em 2013.
"Todas as obras seguem 100%. Não consideramos risco de atrasos", disse ele.
Diretor da Odebrecht diz que fundo garantidor é essencial para PPPs
O Globo Online - Rio de Janeiro/RJ - ECONOMIA - 17/10/2012 - 14:15:00
RIO – O diretor de Desenvolvimento de Negócios da Odebrecht Infraestrutura, João Borba
Filho, afirmou nesta quarta-feira que a existência de um fundo garantidor é essencial para o
funcionamento de uma Parceria Público-Privada (PPP). Ele disse que somente após a
divulgação das regras para as novas concessões de aeroportos e portos será possível afirmar
sobre o interesse da empresa em participar. Mas disse que mais do que o modelo a ser
adotado é importante avaliar as condições e garantias para a empresa.
— Para uma PPP, é fundamental ter um um fundo garantidor. Além do programa em si, é
preciso vir acompanhado de algumas garantias — disse Borba Filho, depois de participar de
painel noGlobal Economic Symposium (GES) 2012, realizado pelo alemão Instituto Kiel para a
Economia Mundial em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV).
Borba Filho e o diretor da Escola de Economia de São Paulo (EESP/Fundação Getúlio Vargas)
compartilharam a avaliação de que a infraestrutura brasileira é um dos principais entraves da
economia brasileira.
— O Brasil tem um processo de desenvolvimento travado porque não tem infraestrutura, a
infraestrutura está em frangalhos — afirmou Nakano.
Odebrecht defende fundo garantidor na concessão de portos e aeroporto
UOL - - ECONOMIA - 17/10/2012 - 14:39:00
O diretor de desenvolvimento de negócios da Odebrecht Infraestrutura, João Borba Filho, disse
que é "fundamental" que o lançamento dos novos modelos de concessão de portos e
aeroportos, em fase de desenvolvimento, sejam acompanhados de um fundo garantidor. "O
fundo garantidor dará tranquilidade para investir e participar das PPPs [Parcerias Público
Privadas]", afirmou ele, depois de participar hoje do Global Economic Symposium, no Rio.
De acordo com Borba Filho, a Odebrecht Infraestrutura aguarda os textos dos modelos de
concessão para definir quais empreendimentos serão alvo de disputa por parte da empresa.
No caso de aeroportos, Borba Filho disse que a Odebrecht Infraestrutura se associará a um
operador internacional para formar um consórcio.
Primeiramente, a companhia brasileira conversará com a Changi, operadora do aeroporto de
Cingapura, a quem a Odebrecht Infraestrutura se associou para concorrer às licitações de
aeroportos realizadas no início deste ano.
"Começaremos conversando com eles [dirigentes da Changi]. Mas conversaremos com
outros", disse ele, referindo-se a operadores de aeroportos de Paris, Londres, Frankfurt, entre
outros.
A respeito do Estádio Itaquerão, do Corinthians, Borba Filho afirmou que as obras seguem
normalmente, apesar de a operação financeira não estar concluída. O Banco do Brasil (BB),
que está no negócio como agente repassador de R$ 400 milhões em recursos do Banco
Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e Odebrecht ainda não entraram
em acordo sobre as garantias que deverão ser concedidas pela construtora ter acesso ao
financiamento.
"As obras estão sendo tocadas normalmente. Paralelamente, estamos terminando de estruturar
a operação financeira necessária para concluirmos o empreendimento. Hoje, não há nenhuma
interrupção", disse.
Borba Filho não comentou a possibilidade de as obras do estádio pararem, caso a Odebrecht
não entre em acordo com o BB.
"Não queremos considerar esse risco. As coisas estão bem adiantadas. Entendemos que
vamos chegar a um bom termo rapidamente. As obras e as negociações vão bem. As obras
estão 100% no prazo", garantiu.
A Odebrecht é também responsável pela construção da Nova Arena Pernambuco, Fonte Nova
(em Salvador) e pela reforma do Maracanã, que estão previstos para receberem jogos da Copa
das Confederações em 2013.
"Todas as obras seguem 100%. Não consideramos risco de atrasos", disse ele.
Odebrecht defende fundo garantidor na concessão de portos e aeroporto
Valor Online - São Paulo/SP - EMPRESAS - 17/10/2012 - 14:35:04
O diretor de desenvolvimento de negócios da Odebrecht Infraestrutura, João Borba Filho, disse
que é “fundamental” que o lançamento dos novos modelos de concessão de portos e
aeroportos, em fase de desenvolvimento, sejam acompanhados de um fundo garantidor. “O
fundo garantidor dará tranquilidade para investir e participar das PPPs [Parcerias Público
Privadas]”, afirmou ele, depois de participar hoje do Global Economic Symposium, no Rio.
De acordo com Borba Filho, a Odebrecht Infraestrutura aguarda os textos dos modelos de
concessão para definir quais empreendimentos serão alvo de disputa por parte da empresa.
No caso de aeroportos, Borba Filho disse que a Odebrecht Infraestrutura se associará a um
operador internacional para formar um consórcio.
Primeiramente, a companhia brasileira conversará com a Changi, operadora do aeroporto de
Cingapura, a quem a Odebrecht Infraestrutura se associou para concorrer às licitações de
aeroportos realizadas no início deste ano.
“Começaremos conversando com eles [dirigentes da Changi]. Mas conversaremos com
outros”, disse ele, referindo-se a operadores de aeroportos de Paris, Londres, Frankfurt, entre
outros.
A respeito do Estádio Itaquerão, do Corinthians, Borba Filho afirmou que as obras seguem
normalmente, apesar de a operação financeira não estar concluída. O Banco do Brasil (BB),
que está no negócio como agente repassador de R$ 400 milhões em recursos do Banco
Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e Odebrecht ainda não entraram
em acordo sobre as garantias que deverão ser concedidas pela construtora ter acesso ao
financiamento.
“As obras estão sendo tocadas normalmente. Paralelamente, estamos terminando de estruturar
a operação financeira necessária para concluirmos o empreendimento. Hoje, não há nenhuma
interrupção”, disse.
Borba Filho não comentou a possibilidade de as obras do estádio pararem, caso a Odebrecht
não entre em acordo com o BB.
“Não queremos considerar esse risco. As coisas estão bem adiantadas. Entendemos que
vamos chegar a um bom termo rapidamente. As obras e as negociações vão bem. As obras
estão 100% no prazo”, garantiu.
A Odebrecht é também responsável pela construção da Nova Arena Pernambuco, Fonte Nova
(em Salvador) e pela reforma do Maracanã, que estão previstos para receberem jogos da Copa
das Confederações em 2013.
“Todas as obras seguem 100%. Não consideramos risco de atrasos”, disse ele.
Seminário discute papel dos bancos centrais no estímulo ao crescimento
Valor Econômico - - NOTÍCIAS - 17/10/2012 – 00:00:00
Luciana Bruno e Diogo Martins
A credibilidade e a independência dos bancos centrais são essenciais para manter o
crescimento de longo prazo das economias globais, mas há divergências quanto ao papel da
autoridade monetária: há quem defenda comprometimento apenas com a meta inflacionária, e
outros que desejam uma atuação mais ampla no impulso ao crescimento econômico.
Economistas brasileiros e estrangeiros realizaram um debate ontem, no Rio, sobre a
credibilidade e o espectro de atuação dos bancos centrais mundiais, com especial atenção ao
Banco Central Europeu (BCE) e ao Federal Reserve (Fed), durante um dos painéis do Global
Economic Symposium, evento organizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e por institutos
alemães de pesquisa.
Enquanto a independência do Banco Central brasileiro é colocada em xeque por conta das
supostas pressões políticas do governo para a redução dos juros, o Federal Reserve (Fed) e o
Banco Central Europeu (BCE) também são criticados por suas políticas de injeção de liquidez
na economia, com a compra de títulos públicos e hipotecários.
Carlos Langoni, ex-presidente do BC, afirma que o grande teste para a autoridade monetária
brasileira virá no ano que vem, quando é esperada uma retomada do crescimento econômico
e, por conseguinte, uma aceleração da inflação. "Se a inflação se renovar, ou aumentar a partir
do segundo semestre do ano que vem, vamos ver se o BC vai fazer o que deve fazer, que é
voltar a elevar os juros. O teste definitivo vai ser no ano que vem", declarou. "Acredito que essa
autonomia que foi conquistada de forma tão difícil desde a crise de 1998 será preservada. "
Na opinião de Aolin Liu, diretora-executiva do departamento de pesquisa do banco China
International Capital Corporation, o objetivo dos bancos centrais deve ir além do controle
inflacionário. "A experiência mostrou que controle da inflação sozinho não garante estabilidade
financeira. "
Aolin elogiou o "bom desempenho" do Fed durante a recessão americana, afirmando que a
política monetária serviu como ferramenta para incentivar o consumo, os investimentos e as
exportações americanas.
De acordo com Charles Goodhart, professor de Finanças da London School of Economics,
cabe às autoridades monetárias serem fortes para enfrentar crises econômicas. "Os bancos
centrais precisam ser fortes, pois a alternativa é a recessão", disse. Ele também é um defensor
das políticas de injeção de liquidez de BCE e Federal Reserve.
Estado: "Os juros no Brasil estão exageradamente baixos"
Agência Estado - - NOTÍCIAS - 17/10/2012 – 00:00:00
São Paulo, 17/10/2012 - Se a economia se recuperar, o Banco Central pode ser obrigado a
subir os juros em 2013. Esse será o "teste definitivo" para apurar se o BC perdeu sua
autonomia no governo Dilma Rousseff. A avaliação é de Carlos Geraldo Langoni, que
comandou a autoridade monetária entre janeiro de 1980 e setembro de 1983, no mandato de
João Baptista Figueiredo, o último governo militar.
"Se a inflação não ceder ou apresentar sinais de aceleração, o BC terá que aceitar a
inevitabilidade de um novo ciclo de alta da Selic", diz Langoni, que hoje dirige o Centro de
Economia Mundial da Fundação Getúlio Vargas (FGV), no Rio. "Esse vai ser o grande teste.
Até agora continuo acreditando que a autonomia do BC foi preservada."
Langoni diz que os juros brasileiros hoje estão em patamares "exageradamente baixos", cerca
de 2% a 3% em termos reais (descontada a inflação). Ele acredita que, enquanto a taxa de
poupança estiver em 18% do PIB, os juros não podem se manter nesse patamar quando a
economia voltar a crescer. A seguir trechos da entrevista.
Estado: O tripé da política econômica se mantém no governo Dilma?
Carlos Geraldo Langoni: O que ocorre no Brasil é uma pequena amostra do que vem
acontecendo a nível mundial. Os BCs estão mais focados em evitar uma depressão que no
controle da inflação. Tinham um mantra de austeridade e ortodoxia e foram obrigados a
trabalhar com instrumentos heterodoxos. No Brasil, vivemos um caso um pouco diferente,
porque não houve uma grave crise. O BC injetou liquidez para compensar o aperto de crédito utilizou as reservas internacionais, reduziu o compulsório e os juros. Em resumo, fez tudo que
tinha de fazer, mas dentro de um receituário convencional. O Brasil saiu da crise com tanta
força que estava crescendo em ritmo chinês. O BC, corretamente, voltou a apertar a política
monetária e impôs restrições ao crédito. Até aí o tripé não havia sido modificado. Mas houve o
rescaldo da crise europeia. A partir de meados de 2011, o foco da política do BC passou,
gradativamente, evitar o impacto deflacionário da crise mundial.
Estado: O foco do BC mudou de inflação para crescimento?
Langoni: Sem dúvida. Isso é visível e continua até agora. O BC claramente deixou de ter
apenas um único objetivo e - a exemplo de outros bancos centrais do mundo, mas por razões
distintas - começou a se preocupar também com o crescimento. Simultaneamente, o câmbio
deixou de ser flutuante para se tornar quase fixo em R$ 2. Foi uma decisão do governo, mas
acabou pensando nos ombros do BC. Hoje o banco central tem três objetivos: crescimento,
inflação e câmbio. A meta de inflação foi flexibilizada e a de câmbio, enrijecida.
Estado: Essa guinada heterodoxa do BC foi técnica ou política?
Langoni: Isso é o que vamos testar agora. De meados de 2011 até o terceiro trimestre de 2012,
vivemos uma lua de mel monetária. O BC teve espaço para reduzir juros sem explosão da
inflação. Há um desconforto inflacionário, que é caracterizado por expectativas de IPCA
consistentemente acima da meta. E houve uma disparada nos índices gerais de preço, mas há
sempre a desculpa de que foi causada pela seca nos Estados Unidos e pela alta do petróleo. A
visão do governo e do BC é que isso é transitório, que os preços vão ceder no próximo ano, e
que teremos menos inflação por conta do módico reajuste do salário mínimo e da redução do
custo da energia. A interrogação é: será suficiente para compensar o impacto da retomada do
crescimento? O mercado de trabalho permaneceu incólume na crise e os preços dos serviços
seguem pressionados. Esse vai ser o grande teste. Até agora continuo acreditando que a
autonomia do BC foi preservada. Se a inflação não ceder ou até apresentar sinais de
aceleração, o BC terá que aceitar a inevitabilidade de um novo ciclo de alta da Selic.
Estado: Pode ser necessário então subir os juros em 2013?
Langoni: Pode. O governo está fazendo uma aposta - o governo, e não o BC - de que há
condições para a Selic permanecer nesse patamar. Acho uma aposta arriscada e precipitada.
Dois fatores vão dificultar a vida do governo e colocar o BC num grande desafio. Primeiro,
ainda temos uma indexação residual no país, baseada no IGP-M, que reajusta os alugueis e
outros serviços. E o IGP-M já roda a 8%. Segundo, acredito que o governo vai ter bom senso e
vai reajustar os combustíveis no ano que vem. É fundamental para recompor a rentabilidade da
Petrobrás e viabilizar seus investimentos. O teste definitivo - se o BC perdeu ou não sua
autonomia - vai ser nos próximos meses.
Estado: Com as desonerações tributárias e com o câmbio a R$ 2, o governo perdeu
instrumentos para controlar a inflação?
Langoni: A equação está ficando complicada. Parece claro que a meta cheia de 3,1% de
superávit primário dificilmente vai ser alcançada. Para manter a Selic estável e evitar o
aumento da inflação, o ideal seria apertar a política fiscal no ano que vem, com um superávit
superior a 3,1%. Um dos efeitos colaterais desfavoráveis de adotar múltiplos objetivos é
diminuir a eficácia do BC como gestor de expectativas. É uma consequência inevitável. As
pessoas não sabem se a preocupação do Banco Central é a inflação ou salvar o sistema
financeiro. No caso do Federal Reserve e do Banco Central Europeu, há muitas críticas de que
essa enxurrada de liquidez vai, mais cedo ou mais tarde, provocar pressões inflacionárias.
O argumento do Bernanke (Ben Bernanke, presidente do Fed) e do Draghi (Mario Draghi,
presidente do BCE) é que não estão preocupados com isso nesse momento. A preocupação
agora é ver luz no fim do túnel. No Brasil, o mercado já reflete a pouca transparência do BC em
priorizar a inflação. As expectativas continuam rígidas e apontando inflação elevada.
Estado: A meta de inflação é alta no Brasil?
Langoni: Sim, mesmo comparado com economias emergentes, que adotam 3% a 3,5%. O
Brasil precisava dar alguns saltos para resgatar a credibilidade do BC. Reafirmar o
compromisso com a convergência da inflação para a meta e formalizar a independência plena
do banco central. Isso teria um enorme impacto positivo nas expectativas. Além disso, reduzir a
meta de inflação. Poderia ser uma queda gradual: 4% nos próximos dois anos, 3,5% depois e
chegando a 3%, que é o patamar que prevalece nas economias avançadas e emergentes.
Estado: É possível manter o câmbio fixo?
Langoni: Não dá para fixar o câmbio arbitrariamente por uma decisão tecnocrática. Não dá
para achar que esse é o nível de equilíbrio da taxa de câmbio em um mundo com grande
mobilidade de capital. Se a economia mundial se recuperar e o grau de incerteza diminuir ao
longo dos próximos anos, a tendência é ingressar um volume substancial de capitais de curto e
de longo prazos no Brasil. A pressão para valorizar o câmbio vai ser enorme e o BC não vai
conseguir segurar.
Isso pode acontecer até pelo sucesso do País em aumentar a produção do pré-sal e virar um
exportador de petróleo, o que eliminaria o déficit em conta corrente. O câmbio fixo em R$ 2
pode ser uma situação emergencial, mas tratar isso como política de longo prazo seria um
grave erro.
Estado: Reduzir os juros é uma meta da presidente Dilma. Ela vai conseguir?
Langoni: Sim, desde que sejam feitas outras reformas. A redução dos juros não pode ser
artificial como um ato da vontade dos governos. Reduzir os juros quando a economia está
estagnada é o que os bancos centrais fazem. Mas manter esse nível sem elevar a taxa de
poupança doméstica é impossível. Os juros reais do Brasil estão hoje em patamares
exageradamente baixos, cerca de 2% em termos reais. Enquanto a poupança doméstica
estiver em 18% do PIB, os juros de equilíbrio não podem ser 2%. Não vamos comparar com os
asiáticos, porque é covardia, mas na América Latina temos um país com juros reais estáveis
sustentados em 3% a 3,5%. Esse país é o Chile, que tem um BC independente, uma longa
tradição de inflação baixa e crescimento sustentado, e uma taxa de poupança doméstica de
26% do PIB. Nesse caso, há coerência e é possível manter os juros reais permanentemente
baixos. O desejo da presidenta Dilma é legítimo e fundamental para alavancar o mercado de
capitais e permitir um crescimento mais elevado, mas passa por reformas, inclusive
previdenciária e tributária. O Brasil é um país que estimula o consumo de forma exagerada e
taxa a poupança. Temos que estimular a poupança de longo prazo e eliminar o déficit nominal
público.
Estado: A geração dos anos 90 não sabe o que é hiperinflação. Ainda há risco de a inflação
fugir de controle?
Langoni: É pouco provável por uma razão simples. A estabilidade não é fruto de uma opção de
governo, mas uma demanda consolidada por toda a sociedade e, principalmente, pela nova
classe média. A retirada de um grande número de pessoas da miséria e o sucesso do Bolsa
Família não seriam possíveis sem a estabilidade monetária, sem o Plano Real e sua evolução
quando, a partir de 1999, tivemos o regime de metas de inflação e a autonomia operacional do
BC. É importante perceber que a estabilidade monetária é pré condição da mobilidade social
que vem transformando o Brasil. Nenhum governo conseguiria se sustentar politicamente com
nova onda de explosão inflacionária. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
Beltrame defende mais integração entre países da América Latina para repatriação de
dinheiro desviad
Portal O Dia - Teresina/PI - PIAUÍ - 17/10/2012 - 00:00:00
Agência Brasil
Rio de Janeiro - O secretário de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro, José Mariano
Beltrame, defendeu hoje (16), durante a abertura do Global Economic Symposium, uma
integração maior entre os países de todo o mundo nas ações que levem à repatriação dos
recursos desviados irregularmente.
Na avaliação do secretário de Segurança Pública, é necessário que se formalizem mecanismos
internacionais de combate à evasão de divisas, principalmente de recursos públicos que são
mandados para paraísos fiscais.
“Nós precisamos formalizar uma rede internacional de instituições que possam trabalhar em
conjunto na proteção da evasão de divisas, em especial na América Latina. Eu acho que,
muitas vezes, se consegue respostas mais rápidas com países mais distantes do que com
nossos vizinhos aqui, da América Latina. E eu acho que nós precisamos melhorar muito essa
interação (entre os países latino-americanos) para que as respostas fluam com mais rapidez”,
disse.
Beltrame ressaltou que a população de uma maneira geral quer respostas que confirmem
decisões da Justiça como resultados de ações investigativas. “Acho que esse dinheiro
[desviado do país] demora muito tempo para ser repatriado para os cofres públicos e nós
precisamos pressa, uma vez que as pessoas querem resultados práticos, objetivos e
concretos”.
Durante o simpósio internacional, falando sobre segurança pública, o secretário defendeu
ainda, como prioridade no combate à violência, uma politica nacional de proteção às nossas
fronteiras, para impedir a entrada de armas e drogas no país.
“O país tem que ter uma politica nacional muito clara de proteção às fronteiras, pois o Brasil é,
sim, vulnerável nessa proteção. E não falo só ao tráfego de armas, mas também de crianças e
adultos, além de artigos de toda a natureza”, disse.
A educação e o impacto na economia global
Canal RH - São Paulo/SP - MBA E EDUCAÇÃO CONTINUADA - 17/10/2012 - 08:26:47
por Marisa Torres
RIO DE JANEIRO - O tema da educação permeou quase todas as rodadas de discussões
doGlobal Economic Symposium (GES). Agora, quando o tema se une à tecnologia disponível a
real dimensão do que pode acontecer nesse cenário fica quase sem previsões até mesmo para
palestrantes ilustres. Especialmente quando o fornecimento de conteúdo educacional se dá online. Fato é que as universidades se preparam para oferecer mais e mais formação ou cursos
em nível superior via internet. Mas, neste exato momento, precisam estabelecer uma estratégia
mais vigorosa para tanto. Isso porque precisam estar preparadas para enfrentar o tiroteio de
críticas dos setores clássicos da educação, sob aspectos de defesa dos interesses dos
usuários de cursos on-line.
Michael Kirst, professor emérito de Educação e Administração de Empresas da Universidade
de Stanford, diz que há muitos fatores a serem resolvidos, como a questão dos tutores, dos
softwares de gestão, da evasão, ou seja, é preciso uma redefinição da universidade, mas a
escolha vai depender do consumidor que pode escolher qualquer provedor de ensino para
fazer um curso universitário, em qualquer país.
Nessa linha, há quem aposte que o aluno poderá montar o seu pacote de formação, pegando
os temas de seu interesse, em diferentes locais. “Ele poderá ir às compras no quesito
educação”, assegurou Kirst. “Em vez de usar apenas um provedor de ensino”.
Assim, a redefinição das universidades, um dos temas do GES, que aconteceu no Rio de
Janeiro esta semana, parece uma questão emergencial sob diversos aspectos à espera de
uma solução. O presidente da University of the People, Shai Reschef, não se deixa intimidar e
diz que pretende crescer na medida em que há demanda. A Uopeople já recebeu mais de 1,5
mil estudantes de mais de 130 países, o que a coloca entre os líderes globais em educação
superior.
Fundador e diretor Administrativo da Kaizen Private Equity, Sandeep Aneja, acredita que a
educação on-line vai ser acessível a todos, mas defende uma autenticação que comprove o
grau de habilidade dos alunos de acordo com o nível da educação ofertada. Já o membro do
conselho executive da Bertelsmann Stiftung, Jörg Dräger, assegura que é preciso, antes de
tudo, mudar o conceito da cadeia de valor da escola.
Kirst acrescenta que o governo precisa criar um mecanismo regional, ou federal, para agregar
os diferentes fornecedores e assim garantir que todos pratiquem o mesmo padrão de qualidade
na educação. “E precisamos de um órgão ou conselhos de revisão da qualidade profissional
para os cursos, de forma a assegurar que tenham a qualidade esperada”.
O membro do conselho executive da Bertelsmann Stiftung, Jörg Dräger, assegura que é
preciso antes de tudo mudar o conceito da cadeia de valor da escola. Dräger enfatizou que, se
a educação vai se tornar commoditie, é preciso que tenha o mesmo padrão para todos. Ou
seja, que se crie um sistema de transferência de créditos (pontos versus disciplina)
reconhecido e aceito por diversas universidades. “Precisamos oferecer cursos com controle de
qualidade, com resultado definido, e de um modo transparente de certificação que possa ser
aceito entre universidades e países”. Segundo ele, essas são medidas necessárias para
proteger o individuo, mesmo que ele esteja investindo apenas tempo e não dinheiro, porque
muitos cursos são gratuitos.
Nessa linha, Aneja sugeriu medir a taxa de empregabilidade com base nos cursos oferecidos
pelas universidades on-line. Ou seja, um dos dilemas do setor hoje é, segundo Kirst, estruturar
um ranking de classificação das universidades gratuitas on-line. A comissão européia,
assegura Dräger, já está trilhando esse caminho para ter essa mensuração multidimensional.
A questão das universidades via internet interfere diretamente em um tripé importante da
economia das nações, como mobilidade, capital e emprego. Reshef lembrou um dado da
Unesco de que há 100 milhões de estudantes aguardando pela oportunidade de obter uma
educação em nível superior. Ainda assim, ele diz que o mercado não deve esperar que o
governo trabalhe em algum tipo de regulamentação. Ele prefere, caso haja a necessidade de
se criar um critério de análise internacional, ou creditação global das universidades, que isso
seja coordenado por instituições não governamentais.
Kist lembrou que embora haja muitas críticas duras e negativas quanto à questão da qualidade
do ensino a distancia, a evasão dos cursos, ou seja, do sistema como está hoje em dia, é
preciso criar uma resistência a esses pontos e respostas significativas.
Riqueza humana
E porque será que a educação passa a ser fator crítico na discussão econômica? A resposta
não está muito longe, mas na plenária realizada na sala ao lado, que tratou do combate à
desigualdade de oportunidades, na qual Yves Leterme, secretário-adjunto da OECD, fez
questão de frisar que a riqueza humana das nações é que vai determinar o desenvolvimento
das oportunidades.
Ele defendeu uma boa formação de base no estágio da infância e seu ponto de vista foi
reforçado pelo exemplo do sucesso de escolas privadas de baixo custo que pipocam no
Paquistão e na Índia. Segundo Eric Hanushek, sênior Fellow da Hoover Insitution, da
Universidade de Stanford: “Elas têm hoje uma imensa capacidade de mudar o nível da
educação nesses países”. Ele defendeu ainda a ideia de se criar, portanto, um sistema mais
responsável e de fazer com que os governos respondam mais aos pobres e às crianças. “Se a
família não está fornecendo a educação, precisamos buscar novas formas de fazer isso”.
Robert Dugger, que integrou a bancada, salientou que a economia é apenas mais uma forma
de falar de justiça. “E a justiça é um ponto importante para se estudar a desigualdade.” Muito
se falou em voluntariado para sanar os gaps de educação, mas Yves Leterme foi categórico ao
dizer que se trata de uma ação importante, mas insuficiente. “Temos de investir na formação e
remuneração da profissão de professores”.
O poder da amorosidade
O Global Economic Symposium (GES - 2012) também mesclou o pensamento econômico
clássico do ocidente com o oriente. Colocou em um mesmo painel Tania Singer, diretora do
Departamento de Neurociência Social do Instituto Max Planck para Ciência Cognitiva e Mental,
na Alemanha, e o co-fundador e presidente da Organização Humanitária Karuna-Shechen,
Matthieu Ricard, que está envolvido em mais de 100 trabalhos humanitários. Um jeito simpático
de passar do fenômeno das massas para o individual e de mostrar que se cada um fizer bem a
sua parte, o todo será melhor.
Tania Singer desenvolve, por sua vez, um trabalho junto a outros cientistas, como
antropólogos, economistas, biólogos e psicólogos para tentar entender como o ambiente
influencia o comportamento humano, ou a mente humana.
Durante o GES ela falou sobre a manutenção do cuidado. Segundo ela, há três sistemas
motivacionais que estão por trás das decisões. Todas elas, garante, têm um fator principal de
motivação. Ou seja, não existe de fato ou uma decisão racional, que antes não tenha sido
fomentada por algum tipo de fator motivador.
Os sistemas são três. O primeiro o de busca motivacional (ou seja, que tem incentivo, metas) e
leva a um certo grau de impaciência e excitação. O segundo é o sistema de ameaça, que
desemboca no medo que tende a se perpetuar. E o terceiro é o do cuidado, bem representado
por sensações de calor, amor, afeto. Sentimentos positivos e não de auto-exitação, mas com
características de realização e satisfação.
Segundo Tania, quando esses três sistemas estão em equilíbrio, a pessoa está em harmonia.
“Mas quando um deles se sobressai, a pessoa fica doente”, observa. Isso, porque o primeiro
sistema de busca, por exemplo, pode tornar um profissional em um viciado, mais competitivo e
até invejoso. Segundo ela, o indivíduo pode colaborar para a empresa por qualquer um desses
sistemas, mas a sustentabilidade vai depender de onde a motivação surgiu.
Já o sistema do cuidado, por sua vez, produz oxytocin e assim ativa uma pequena área no
cérebro (amygdale) responsável por criar uma sensação de confiança e amorosidade. E Tania
questionou a larga audiência presente à sessão: “A compaixão faz parte dos modelos
econômicos ou é um paradoxo”? Esse foi tema também de um congresso em Zurich no ano
passado. A palestrante garante que hoje, a partir de muitas experiências cientificas, há técnicas
capazes de treinar e estimular a mente para a compaixão. “É possível sim, em apenas uma
semana, mudar as redes sociais da mente”, afirma ela. “A cooperação, em vez da competição,
muda os níveis de cortisona e isso reduz o estresse e aumenta a sensação de bem estar”.
Eu, você, o outro...
E é bom que as coporações treinem seus profissionais nessa linha, afinal, Matthieu Ricard quer
mesmo é ver aumentar a preocupação do bem-estar do outro. “Quando se usa mais a
benevolência, aumenta-se também a forma como se vai julgar uma situação”, orienta ele. Só
desse modo, acrescenta, é possível enriquecer o aspecto motivacional. For a isso, assegura
ele, estamos nos tornando pessoas narcisistas e auto-centradas. “Ou seja, viramos uns
verdadeiros psicopatas”, sentencia. “E isso significa o esmagamento da compaixão”.
Ricard frisou que com todos os desafios que temos hoje, vivendo num mundo com tantos
riscos e perigos, lutar juntos para sobreviver é mais fácil que lutar contra o outro. “A
cooperação sempre resultou num sistema de sobrevivência bem sucedida na natureza”. Agora,
diz ele, precisamos aplicar isso para o curto prazo da vida humana e no longo prazo da vida do
planeta ou do meio ambiente. “Uma consideração maior pelos outros não destrói as economias
de vida”.
Para Ricard, a falta de preocupação com o carinho, ou com a inteligência emocional, de nada
ajuda a sociedade como um todo. E é preciso estar atento e aberto a mais esse ensinamento.
Mercados livres
Se a amorosidade e a benevolência estão na pauta econômica e social, será que a crise
européia tem condições de fazer a reengenharia necessária para que tudo volte aos trilhos?
Tudo indica que sim, afinal a União Europeia acaba de reconhecida com o Prêmio Nobel da
Paz pelas inúmeras tentativas de criar uma proposta promissora na zona do euro. Ou seja, os
lideres estão tentando enfrentar o problema da crise por meio de uma governança inclusiva,
segundo alguns debatedores, para tentar uma coesão social. “Eu não subestimaria as decisões
já tomadas pelos líderes europeus e aquelas que ainda virão nos próximos dois anos”, aposta
Yves Leterme, secretário-adjunto da OECD. E ele se firma na crença de que, apesar dos
pesares, os mercados livres ainda são a forma mais eficiente para desenvolver uma economia,
embora não equacione a coesão social e da falta de recursos ambientais e naturais.
Diplomático ao extremo, Lászio Andor, comissário para Emprego, Assuntos Sociais e Inclusão
da UE (Comissão Europeia) diz que várias premissas ainda não foram analisadas na crise da
zona do euro. “O volume 2 de como reconstruir essa união deve ser escrito a partir de agora”,
filosofou.
Os líderes da comunidade européia envolvidos com as duras negociações da agenda
econômica e social ouviram de Ricard que de nada adianta um país ser uma potência
econômica, mas com uma população infeliz. Ele disse que o modelo social-econômico adotado
no Butão, que leva em conta o indicador de felicidade interna bruta, em vez do PIB, está
constantemente sendo revisado e pode ser exportado.
Ricard voltou a enfatizar a importância da benevolência e provocou a mesa ao dizer que, após
dez rodadas de negociações em fóruns como o G20 ou G7, as pessoas se cansam e deixam
de ser solidárias. “O ponto é que estamos decidindo a vida das gerações futuras que nem
estão aqui, mas que vão sofrer as consequências disso tudo”. Criticou também os elevados
níveis de consumo que, segundo ele, são os grandes responsáveis pela desigualdade. Afinal,
consumimos nas ultimas três ou quatro décadas mais recursos naturais que nos últimos 2 mil
anos de história. Outro problema que mexe com os ânimos em geral é a questão do
envelhecimento da população. A China, embora poupe 50% do que ganha, dispõe de um
sistema frágil que não oferece garantias de renda e isso pode provocar um grande declínio na
forca de trabalho. Andor lembra que, na idade de aposentadoria, o risco de pobreza é maior
para a mulher do que para o homem, porque ela se afasta com mais antecedência da atividade
profissional.
As grandes nações, portanto, se deparam com a reforma do sistema de seguridade social,
tornando assim a saúde pública e a empregabilidade atores importantes no cenário econômico
e social. E tudo isso passa de alguma forma por construir nações com educação necessária
para enfrentar os novos tempos.
Mais informações:
Site Oficial: http://www.global-economic-symposium.org
Blog Oficial: http://blog.global-economic-symposium.org/
Beltrame pede integração entre países contra desvio de dinheiro
Terra - - AMÉRICA LATINA - 17/10/2012 - 08:37:00
O secretário de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame,
defendeu nesta terça-feira, durante a abertura do Global Economic Symposium, uma
integração maior entre os países de todo o mundo nas ações que levem à repatriação dos
recursos desviados irregularmente.
Veja os desafios encontrados nas fronteiras do Brasil
Na avaliação do secretário de Segurança Pública, é necessário que se formalizem mecanismos
internacionais de combate à evasão de divisas, principalmente de recursos públicos que são
mandados para paraísos fiscais.
"Nós precisamos formalizar uma rede internacional de instituições que possam trabalhar em
conjunto na proteção da evasão de divisas, em especial na América Latina. Eu acho que,
muitas vezes, se conseguem respostas mais rápidas com países mais distantes do que com
nossos vizinhos aqui, da América Latina. E eu acho que nós precisamos melhorar muito essa
interação (entre os países latino-americanos) para que as respostas fluam com mais rapidez",
disse.
Beltrame ressaltou que a população de uma maneira geral quer respostas que confirmem
decisões da Justiça como resultados de ações investigativas. "Acho que esse dinheiro
(desviado do País) demora muito tempo para ser repatriado para os cofres públicos e nós
precisamos pressa, uma vez que as pessoas querem resultados práticos, objetivos e
concretos."
Durante o simpósio internacional, falando sobre segurança pública, o secretário defendeu
ainda, como prioridade no combate à violência, uma politica nacional de proteção às nossas
fronteiras, para impedir a entrada de armas e drogas no País.
"O País tem que ter uma politica nacional muito clara de proteção às fronteiras, pois o Brasil é,
sim, vulnerável nessa proteção. E não falo só ao tráfego de armas, mas também de crianças e
adultos, além de artigos de toda a natureza", disse.
Beltrame defende mais integração entre países da América Latina para repatriação de
dinheiro desviado | Agência Brasi
MSN - - ÚLTIMAS NOTÍCIAS - 17/10/2012 - 03:01:00
Nielmar de Oliveira
Repórter da Agência Brasil
Rio de Janeiro - O secretário de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro, José Mariano
Beltrame, defendeu hoje (16), durante a abertura do Global Economic Symposium, uma
integração maior entre os países de todo o mundo nas ações que levem à repatriação dos
recursos desviados irregularmente.
Na avaliação do secretário de Segurança Pública, é necessário que se formalizem mecanismos
internacionais de combate à evasão de divisas, principalmente de recursos públicos que são
mandados para paraísos fiscais.
Nós precisamos formalizar uma rede internacional de instituições que possam trabalhar em
conjunto na proteção da evasão de divisas, em especial na América Latina. Eu acho que,
muitas vezes, se conseguem respostas mais rápidas com países mais distantes do que com
nossos vizinhos aqui, da América Latina. E eu acho que nós precisamos melhorar muito essa
interação [entre os países latino-americanos] para que as respostas fluam com mais rapidez,
disse.
Beltrame ressaltou que a população de uma maneira geral quer respostas que confirmem
decisões da Justiça como resultados de ações investigativas. Acho que esse dinheiro
[desviado do país] demora muito tempo para ser repatriado para os cofres públicos e nós
precisamos pressa, uma vez que as pessoas querem resultados práticos, objetivos e
concretos.
Durante o simpósio internacional, falando sobre segurança pública, o secretário defendeu
ainda, como prioridade no combate à violência, uma politica nacional de proteção às nossas
fronteiras, para impedir a entrada de armas e drogas no país.
O país tem que ter uma politica nacional muito clara de proteção às fronteiras, pois o Brasil é,
sim, vulnerável nessa proteção. E não falo só ao tráfego de armas, mas também de crianças e
adultos, além de artigos de toda a natureza, disse.
Edição: Aécio Amado
Agência Brasil - Todos os direitos reservados.
Beltrame quer integração entre países para repatriação de dinheiro desviado
Jornal do Brasil - Rio de Janeiro/RJ - RIO - 17/10/2012 - 05:49:00
O secretário de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame,
defendeu nesta terça-feira, durante a abertura do Global Economic Symposium, uma
integração maior entre os países de todo o mundo nas ações que levem à repatriação dos
recursos desviados irregularmente.
Na avaliação do secretário de Segurança Pública, é necessário que se formalizem mecanismos
internacionais de combate à evasão de divisas, principalmente de recursos públicos que são
mandados para paraísos fiscais.
“Nós precisamos formalizar uma rede internacional de instituições que possam trabalhar em
conjunto na proteção da evasão de divisas, em especial na América Latina. Eu acho que,
muitas vezes, se conseguem respostas mais rápidas com países mais distantes do que com
nossos vizinhos aqui, da América Latina. E eu acho que nós precisamos melhorar muito essa
interação [entre os países latino-americanos] para que as respostas fluam com mais rapidez”,
disse.
Beltrame ressaltou que a população de uma maneira geral quer respostas que confirmem
decisões da Justiça como resultados de ações investigativas. “Acho que esse dinheiro
[desviado do país] demora muito tempo para ser repatriado para os cofres públicos e nós
precisamos pressa, uma vez que as pessoas querem resultados práticos, objetivos e
concretos”.
Durante o simpósio internacional, falando sobre segurança pública, o secretário defendeu
ainda, como prioridade no combate à violência, uma politica nacional de proteção às nossas
fronteiras, para impedir a entrada de armas e drogas no país.
“O país tem que ter uma politica nacional muito clara de proteção às fronteiras, pois o Brasil é,
sim, vulnerável nessa proteção. E não falo só ao tráfego de armas, mas também de crianças e
adultos, além de artigos de toda a natureza”, disse.
Beltrame pede maior controle das fronteiras
O Globo - Rio de Janeiro/RJ - INFOMIX - 17/10/2012 - 03:36:47
Para secretário, EUA deveriam rastrear fuzis que chegam às quadrilhas do Rio
O secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, que participou do seminário "Global
Economic Symposium" ontem, no hotel Windsor de Copacabana, afirmou que o Brasil precisa
de uma política mais clara de proteção de suas fronteiras para evitar a chegada de armas às
quadrilhas.
- Esse problema não está sendo enfrentado de maneira visível e com resultados que possam
ser avaliados pela população - afirmou.
Ele ressaltou que a maioria das armas vem dos Estados Unidos, que, em sua opinião, deveria
rastreá-las.
- Nosso inimigo número um é o fuzil automático. Mas nós não temos fuzis automáticos
nacionais. Esse equipamento vem de fora, dos Estados Unidos sobretudo. O país produtor
deveria prestar contas dessa transação. Pior do que a arma é a munição, porque a munição se
compra reiteradas vezes - disse, acrescentando que a maior parte das vítimas de bala perdida
é atingida por estilhaços de projéteis de fuzil 762.
Beltrame admitiu que existe desvio de armas das forças policiais. No entanto, segundo o
secretário, o percentual de armamento que chega às mãos dos bandidos dessa forma é bem
menor em comparação com o do material que vem de fora. Beltrame enfatizou ainda que o
controle de fronteiras beneficiaria não só o Rio, mas todos os estados:
- Isso também ajudaria a controlar toda sorte de produtos piratas. Assim que houver uma
medida concreta, todo o país será beneficiado.
Rogério Daflon
Langoni: juro real do país está abaixo do ponto de equilíbrio
O Globo - Rio de Janeiro/RJ - INFOMIX - 17/10/2012 - 03:36:22
Langoni: juro real do país está abaixo do ponto de equilíbrio Para ex-presidente do BC, acabou
a lua de mel monetária
O diretor do Centro de Economia Mundial da Fundação Getulio Vargas (FGV) e ex-presidente
do Banco Central (BC), Carlos Langoni, afirmou ontem que "acabou a lua de mel monetária" e
o BC chegou a uma taxa de juros reais abaixo do que ele considera de equilíbrio. Langoni
participou doGlobal Economic Symposium (GES) 2012, no Rio, uma parceria do alemão
Instituto Kiel para a Economia Mundial e a FGV.
- A economia vai voltar a crescer e na minha opinião os juros reais estão até abaixo do que
seria o juro real de equilíbrio. O Brasil não tem poupança doméstica que justifique juro real
abaixo de 3% - disse Langoni, para quem a meta de inflação não tem sido cumprida, a despeito
de ser "generosa", e que a inflação de 5,5% em 12 meses não é um nível confortável.
De acordo com Charles Goodhart, ex-membro do Comitê de Política Monetária do Banco da
Inglaterra, os bancos centrais devem adotar uma política que acompanhe uma série de
indicadores - como crédito e endividamento em financiamento imobiliário - e tomar medidas
para amenizar esta fase do ciclo econômico.
Goodhart afirmou que as atuais políticas de compra de ativos pelos bancos centrais são
necessárias.
Yves Leterme, secretário-geral adjunto da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento
Econômico (OCDE), acrescentou que as decisões tomadas pela Europa para salvar o euro não
devem ser subestimadas. Contudo, reconheceu que as negociações podem ser frustrantes.
- Não subestimaria, em comparação com outros blocos, decisões que serão tomadas pela
Europa - disse. (Lucianne Carneiro e Fabiana Ribeiro)
Odebrecht defende fundo garantidor na concessão de portos e aeroporto
Portos e Navios - Rio de Janeiro/RJ - PORTOS E LOGÍSTICA - 17/10/2012 - 23:10:00
Noticiário cotidiano - Portos e Logística
O diretor de desenvolvimento de negócios da Odebrecht Infraestrutura, João Borba Filho, disse
que é “fundamental” que o lançamento dos novos modelos de concessão de portos e
aeroportos, em fase de desenvolvimento, sejam acompanhados de um fundo garantidor. “O
fundo garantidor dará tranquilidade para investir e participar das PPPs [Parcerias Público
Privadas]”, afirmou ele, depois de participar hoje do Global Economic Symposium, no Rio.
De acordo com Borba Filho, a Odebrecht Infraestrutura aguarda os textos dos modelos de
concessão para definir quais empreendimentos serão alvo de disputa por parte da empresa.
No caso de aeroportos, Borba Filho disse que a Odebrecht Infraestrutura se associará a um
operador internacional para formar um consórcio.
Primeiramente, a companhia brasileira conversará com a Changi, operadora do aeroporto de
Cingapura, a quem a Odebrecht Infraestrutura se associou para concorrer às licitações de
aeroportos realizadas no início deste ano.
“Começaremos conversando com eles [dirigentes da Changi]. Mas conversaremos com
outros”, disse ele, referindo-se a operadores de aeroportos de Paris, Londres, Frankfurt, entre
outros.
A respeito do Estádio Itaquerão, do Corinthians, Borba Filho afirmou que as obras seguem
normalmente, apesar de a operação financeira não estar concluída. O Banco do Brasil (BB),
que está no negócio como agente repassador de R$ 400 milhões em recursos do Banco
Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e Odebrecht ainda não entraram
em acordo sobre as garantias que deverão ser concedidas pela construtora ter acesso ao
financiamento.
“As obras estão sendo tocadas normalmente. Paralelamente, estamos terminando de estruturar
a operação financeira necessária para concluirmos o empreendimento. Hoje, não há nenhuma
interrupção”, disse.
Borba Filho não comentou a possibilidade de as obras do estádio pararem, caso a Odebrecht
não entre em acordo com o BB.
“Não queremos considerar esse risco. As coisas estão bem adiantadas. Entendemos que
vamos chegar a um bom termo rapidamente. As obras e as negociações vão bem. As obras
estão 100% no prazo”, garantiu.
A Odebrecht é também responsável pela construção da Nova Arena Pernambuco, Fonte Nova
(em Salvador) e pela reforma do Maracanã, que estão previstos para receberem jogos da Copa
das Confederações em 2013.
“Todas as obras seguem 100%. Não consideramos risco de atrasos”, disse ele.
Fonte: Valor / Diogo Martins
Estrutura para 3G garante cobertura em 4G para a Copa, diz Ministério
Estadão - São Paulo/SP - ECONOMIA - 17/10/2012 - 18:45:00
Vinicius Neder
Na avaliação do secretário-executivo do Ministério das Comunicações, os sítios e torres instalados
nas grandes cidades comportam investimentos em novas antenas no padrão 4G
RIO - A atual estrutura de rede da telefonia móvel de terceira geração (3G) é suficiente para dar
conta da cobertura inicial da tecnologia de quarta geração (4G) com vistas à Copa das
Confederações, no próximo ano, e à Copa do Mundo de futebol, em 2014. Na avaliação do
secretário-executivo do Ministério das Comunicações, Cezar Alvarez, os sítios e torres instalados
nas grandes cidades comportam investimentos em novas antenas no padrão 4G.
"A densidade das redes já existentes nos grandes centros urbanos em função da quantidade
enorme de usuários da terceira geração obrigou a ter uma quantidade de torres já muito próximas
(entre si). Elas são capazes de suportar (investimentos) simplesmente usando os mesmo sítios e as
mesmas torres, evidentemente com o decodificar de quarta geração", afirmou Alvarez, após
participar do Seminário Econômico Global, promovido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) no Rio.
Para o secretário-executivo, a Copa das Confederações de 2013 será uma "belíssima experiência"
para a cobertura 4G nas seis cidades-sede. Em relação aos prazos acordados com a Fifa, Alvarez
não vê grandes dificuldades, nem mesmo na questão da legislação federal para padronizar o
licenciamento de torres de telefonia pelos municípios.
Segundo Alvarez, embora "algumas vezes" as operadoras tratem o tema da ausência de rede 4G
como "um perigo", as metas de ter 50% de cobertura nas cidades-sede da Copa das
Confederações, ano que vem, e 80%, nas 12 sedes da Copa de Mundo em 2014, não assustam.
"Pelo menos para essas primeiras metas e nas áreas urbanas, eu não ignoraria, mas relativizaria o
peso da ausência de antenas ou de legislações restritivas", completou.
Alvarez também informou que o Ministério das Comunicações discute a possibilidade de mudar os
prazos para o desligamento da TV analógica, com a consequente liberação da faixa de
radiofrequência de 700 MHz, uma demanda das operadoras de telefonia. A ideia seria ter datas por
municípios, em vez de uma única para todo o País.
"Há municípios com pouco uso de radiofrequência, onde essa faixa já está liberada. Então, a ideia é
já usar essa faixa em alguns municípios. Em outros, até mesmo em 2016, teremos algumas
dificuldades. O que hoje o ministério discute é não termos mais uma data única para desligar 100%
da TV analógica", disse Alvarez, completando que a Agência Nacional de Telecomunicações
(Anatel) deverá concluir até o fim do ano um estudo com o diagnóstico dessa questão.
São Paulo poderia servir de experiência para antecipar o desligamento da TV analógica para 2015,
em vez de julho de 2016, como inicialmente previsto. "Há uma ideia de fazer em São Paulo em
2015, mas até lá tem que trabalhar, limpar o espectro", completou Alvarez. O ministro das
Comunicações, Paulo Bernardo, já havia dito que em algumas cidades o desligamento poderia
começar em 2013.
Alvarez também defendeu a antecipação do debate sobre os bens reversíveis da telefonia fixa.
EUA devem crescer mais entre ricos em 2013, diz britânico
Valor Econômico - São Paulo/SP - INTERNACIONAL - 17/10/2012 - 24:00:14
A crise na zona do euro continua longe de uma solução definitiva, apesar de a atitude mais
firme do Banco Central Europeu (BCE) ter produzido um alívio nos mercados nas últimas
semanas, disse o economista britânico Charles Goodhart, professor emérito da London School
of Economics (LSE). Para ele, a Europa vai enfrentar mais alguns anos de crescimento muito
baixo, enquanto os EUA tendem a registrar o melhor desempenho econômico entre os países
ricos em 2013, desde que democratas e republicanos cheguem a um acordo para evitar o
chamado abismo fiscal.
Ex-integrante do comitê de política monetária do banco central britânico, Goodhart afirmou que
a promessa do BCE de fazer compras "potencialmente ilimitadas" de títulos soberanos foi
fundamental para reduzir os juros pagos por países em dificuldades, evitando o risco de um
trauma imediato. A questão, segundo ele, é que a ação mais determinada do BCE, embora
bem-vinda, não é suficiente para a Eurolândia retomar uma trajetória de crescimento mais
robusto.
A solução depende em grande medida das lideranças políticas europeias, que até agora não
conseguiram agir juntas e desenvolver uma estratégia coerente, disse Goodhart, que participou
ontem no Rio do Simpósio Econômico Global (GES, na sigla em inglês), promovido pela
Fundação Getulio Vargas (FGV), o Instituto Kiel para a Economia Mundial e a
BertelsmannStiftung. O seminário, que termina hoje, ocorreu neste ano pela primeira vez fora
da Europa.
Para Goodhart, que falou ao Valor por telefone, o problema é que os avanços políticos deverão
demorar muito tempo, ainda que haja cada vez mais pressão por maior centralização política e
fiscal. Sem medidas nessa direção, a solução da crise fica mais distante.
"O ideal da União Europeia, algo que considero maravilhoso, sempre foi um ideal da elite, e
não se pode caminhar para maior centralização fiscal e política sem a concordância da maior
parte de toda a população", disse Goodhart. "A situação é diferente de um país para o outro,
mas em muitos deles o público continua com um ponto de vista nacionalista, e não com um
ponto de vista europeu."
Nesse quadro, o mais provável é que a zona do euro e a Europa inteira continuem a enfrentar
severas dificuldades em termos de crescimento, segundo Goodhart. Para ele, o risco de uma
saída de um ou mais países da união monetária não pode ser descartada, porque a situação
europeia é hoje muito frágil. Um erro de cálculo pode precipitar esse movimento, disse
Goodhart, notando, contudo, que há um esforço nas últimas semanas para tentar manter até
mesmo a Grécia na Eurolândia.
Segundo ele, a situação da dívida grega é insustentável, mas o temor do impacto que a saída
do país poderia causar sobre Espanha e Portugal tem levado os líderes europeus a uma
atitude um pouco menos rigorosa em relação à Grécia. O economista acha que Espanha e
Portugal ainda podem se equilibrar, mas um eventual abandono da união monetária pelos
gregos poderia tornar a situação dos dois insustentável. Para Goodhart, é importante também
não insistir em medidas adicionais de austeridade, por serem contraproducentes.
Goodhart mostrou-se menos pessimista em relação à economia americana. Segundo ele, o
mercado imobiliário está em condições um pouco mais favoráveis e o mercado de trabalho está
melhor do que há alguns meses. Ele diz que ainda há muita incerteza política, por causa do
temor que se concretize o abismo fiscal -a possibilidade de que, no começo de 2013, haja a
combinação do fim da isenção de impostos e do corte de gastos.
Mas, se esse risco for driblado, os EUA poderão ter um crescimento mais forte que Europa,
Japão e o Reino Unido, disse Goodhart, para quem a terceira rodada do afrouxamento
quantitativo (a política monetária ultraexpansionista, marcada pela compra de títulos
hipotecários) ajudará a sustentar a recuperação americana.
E as reclamações da presidente Dilma Rousseff de que a política monetária do mundo
desenvolvido prejudica países como Brasil, por pressionar o câmbio? Para Goodhart, é
verdade que isso afeta o câmbio de um lado, mas de outro impulsiona o crescimento
americano, permitindo que o Brasil exporte mais para os EUA. Reclamar demais não faria
sentido.
"Os juros no Brasil estão exageradamente baixos"
Estadão - SP - São Paulo/SP – ECONOMIA - 18/10/2012 - 03:09:00
Raquel Landim
Para Langoni, BC de Dilma vai enfrentar teste definitivo sobre sua autonomia em 2013
Se a economia se recuperar, o Banco Central pode ser obrigado a subir os juros em 2013. Esse
será o "teste definitivo" para apurar se o BC perdeu sua autonomia no governo Dilma Rousseff. A
avaliação é de Carlos Geraldo Langoni, que comandou a autoridade monetária entre janeiro de
1980 e setembro de 1983, no mandato de João Baptista Figueiredo, o último governo militar.
"Se a inflação não ceder ou apresentar sinais de aceleração, o BC terá que aceitar a inevitabilidade
de um novo ciclo de alta da Selic", diz Langoni, que hoje dirige o Centro de Economia Mundial da
Fundação Getúlio Vargas (FGV), no Rio. "Esse vai ser o grande teste. Até agora continuo
acreditando que a autonomia do BC foi preservada."
Langoni diz que os juros brasileiros hoje estão em patamares "exageradamente baixos", cerca de
2% a 3% em termos reais (descontada a inflação). Ele acredita que, enquanto a taxa de poupança
estiver em 18% do PIB, os juros não podem se manter nesse patamar quando a economia voltar a
crescer. A seguir trechos da entrevista.
O tripé da política econômica se mantém no governo Dilma?
O que ocorre no Brasil é uma pequena amostra do que vem acontecendo a nível mundial. Os BCs
estão mais focados em evitar uma depressão que no controle da inflação. Tinham um mantra de
austeridade e ortodoxia e foram obrigados a trabalhar com instrumentos heterodoxos. No Brasil,
vivemos um caso um pouco diferente, porque não houve uma grave crise. O BC injetou liquidez
para compensar o aperto de crédito - utilizou as reservas internacionais, reduziu o compulsório e os
juros. Em resumo, fez tudo que tinha de fazer, mas dentro de um receituário convencional. O Brasil
saiu da crise com tanta força que estava crescendo em ritmo chinês. O BC, corretamente, voltou a
apertar a política monetária e impôs restrições ao crédito. Até aí o tripé não havia sido modificado.
Mas houve o rescaldo da crise europeia. A partir de meados de 2011, o foco da política do BC
passou, gradativamente, evitar o impacto deflacionário da crise mundial.
O foco do BC mudou de inflação para crescimento?
Sem dúvida. Isso é visível e continua até agora. O BC claramente deixou de ter apenas um único
objetivo e - a exemplo de outros bancos centrais do mundo, mas por razões distintas - começou a
se preocupar também com o crescimento. Simultaneamente, o câmbio deixou de ser flutuante para
se tornar quase fixo em R$ 2. Foi uma decisão do governo, mas acabou pensando nos ombros do
BC. Hoje o banco central tem três objetivos: crescimento, inflação e câmbio. A meta de inflação foi
flexibilizada e a de câmbio, enrijecida.
Essa guinada heterodoxa do BC foi técnica ou política?
Isso é o que vamos testar agora. De meados de 2011 até o terceiro trimestre de 2012, vivemos uma
lua de mel monetária. O BC teve espaço para reduzir juros sem explosão da inflação. Há um
desconforto inflacionário, que é caracterizado por expectativas de IPCA consistentemente acima da
meta. E houve uma disparada nos índices gerais de preço, mas há sempre a desculpa de que foi
causada pela seca nos Estados Unidos e pela alta do petróleo. A visão do governo e do BC é que
isso é transitório, que os preços vão ceder no próximo ano, e que teremos menos inflação por conta
do módico reajuste do salário mínimo e da redução do custo da energia. A interrogação é: será
suficiente para compensar o impacto da retomada do crescimento? O mercado de trabalho
permaneceu incólume na crise e os preços dos serviços seguem pressionados. Esse vai ser o
grande teste. Até agora continuo acreditando que a autonomia do BC foi preservada. Se a inflação
não ceder ou até apresentar sinais de aceleração, o BC terá que aceitar a inevitabilidade de um
novo ciclo de alta da Selic.
Pode ser necessário então subir os juros em 2013?
Pode. O governo está fazendo uma aposta - o governo, e não o BC - de que há condições para a
Selic permanecer nesse patamar. Acho uma aposta arriscada e precipitada. Dois fatores vão
dificultar a vida do governo e colocar o BC num grande desafio. Primeiro, ainda temos uma
indexação residual no país, baseada no IGP-M, que reajusta os alugueis e outros serviços. E o IGPM já roda a 8%. Segundo, acredito que o governo vai ter bom senso e vai reajustar os combustíveis
no ano que vem. É fundamental para recompor a rentabilidade da Petrobrás e viabilizar seus
investimentos. O teste definitivo - se o BC perdeu ou não sua autonomia - vai ser nos próximos
meses.
Com as desonerações tributárias e com o câmbio a R$ 2, o governo perdeu instrumentos para
controlar a inflação?
A equação está ficando complicada. Parece claro que a meta cheia de 3,1% de superávit primário
dificilmente vai ser alcançada. Para manter a Selic estável e evitar o aumento da inflação, o ideal
seria apertar a política fiscal no ano que vem, com um superávit superior a 3,1%. Um dos efeitos
colaterais desfavoráveis de adotar múltiplos objetivos é diminuir a eficácia do BC como gestor de
expectativas. É uma consequência inevitável. As pessoas não sabem se a preocupação do Banco
Central é a inflação ou salvar o sistema financeiro. No caso do Federal Reserve e do Banco Central
Europeu, há muitas críticas de que essa enxurrada de liquidez vai, mais cedo ou mais tarde,
provocar pressões inflacionárias. O argumento do Bernanke (Ben Bernanke, presidente do Fed) e
do Draghi (Mario Draghi, presidente do BCE) é que não estão preocupados com isso nesse
momento. A preocupação agora é ver luz no fim do túnel. No Brasil, o mercado já reflete a pouca
transparência do BC em priorizar a inflação. As expectativas continuam rígidas e apontando inflação
elevada.
A meta de inflação é alta no Brasil?
Sim, mesmo comparado com economias emergentes, que adotam 3% a 3,5%. O Brasil precisava
dar alguns saltos para resgatar a credibilidade do BC. Reafirmar o compromisso com a
convergência da inflação para a meta e formalizar a independência plena do banco central. Isso
teria um enorme impacto positivo nas expectativas. Além disso, reduzir a meta de inflação. Poderia
ser uma queda gradual: 4% nos próximos dois anos, 3,5% depois e chegando a 3%, que é o
patamar que prevalece nas economias avançadas e emergentes.
É possível manter o câmbio fixo?
Não dá para fixar o câmbio arbitrariamente por uma decisão tecnocrática. Não dá para achar que
esse é o nível de equilíbrio da taxa de câmbio em um mundo com grande mobilidade de capital. Se
a economia mundial se recuperar e o grau de incerteza diminuir ao longo dos próximos anos, a
tendência é ingressar um volume substancial de capitais de curto e de longo prazos no Brasil. A
pressão para valorizar o câmbio vai ser enorme e o BC não vai conseguir segurar. Isso pode
acontecer até pelo sucesso do País em aumentar a produção do pré-sal e virar um exportador de
petróleo, o que eliminaria o déficit em conta corrente. O câmbio fixo em R$ 2 pode ser uma situação
emergencial, mas tratar isso como política de longo prazo seria um grave erro.
Reduzir os juros é uma meta da presidente Dilma. Ela vai conseguir?
Sim, desde que sejam feitas outras reformas. A redução dos juros não pode ser artificial como um
ato da vontade dos governos. Reduzir os juros quando a economia está estagnada é o que os
bancos centrais fazem. Mas manter esse nível sem elevar a taxa de poupança doméstica é
impossível. Os juros reais do Brasil estão hoje em patamares exageradamente baixos, cerca de 2%
em termos reais. Enquanto a poupança doméstica estiver em 18% do PIB, os juros de equilíbrio não
podem ser 2%. Não vamos comparar com os asiáticos, porque é covardia, mas na América Latina
temos um país com juros reais estáveis sustentados em 3% a 3,5%. Esse país é o Chile, que tem
um BC independente, uma longa tradição de inflação baixa e crescimento sustentado, e uma taxa
de poupança doméstica de 26% do PIB. Nesse caso, há coerência e é possível manter os juros
reais permanentemente baixos. O desejo da presidenta Dilma é legítimo e fundamental para
alavancar o mercado de capitais e permitir um crescimento mais elevado, mas passa por reformas,
inclusive previdenciária e tributária. O Brasil é um país que estimula o consumo de forma exagerada
e taxa a poupança. Temos que estimular a poupança de longo prazo e eliminar o déficit nominal
público.
A geração dos anos 90 não sabe o que é hiperinflação. Ainda há risco de a inflação fugir de
controle?
É pouco provável por uma razão simples. A estabilidade não é fruto de uma opção de governo, mas
uma demanda consolidada por toda a sociedade e, principalmente, pela nova classe média. A
retirada de um grande número de pessoas da miséria e o sucesso do Bolsa Família não seriam
possíveis sem a estabilidade monetária, sem o Plano Real e sua evolução quando, a partir de 1999,
tivemos o regime de metas de inflação e a autonomia operacional do BC. É importante perceber
que a estabilidade monetária é pré condição da mobilidade social que vem transformando o Brasil.
Nenhum governo conseguiria se sustentar politicamente com nova onda de explosão inflacionária.
Rede atual comporta início de cobertura 4G, afirma governo
Estadão - São Paulo/SP - ECONOMIA - 18/10/2012 - 03:06:00
A atual estrutura de rede da telefonia móvel de terceira geração (3G) é suficiente para dar
conta da cobertura inicial da tecnologia de quarta geração (4G) necessária para a Copa das
Confederações, no próximo ano, e a Copa do Mundo, em 2014. Para o secretário executivo do
Ministério das Comunicações, Cezar Alvarez, as torres instaladas nas grandes cidades
comportam investimentos em novas antenas 4G.
"A quantidade enorme de usuários da terceira geração obrigou (as empresas) a ter uma
quantidade de torres muito próximas (entre si). Elas são capazes de suportar (investimentos)
simplesmente usando os mesmo sítios e as mesmas torres, evidentemente com o
decodificador de quarta geração", afirmou Alvarez, após participar do Seminário Econômico
Global, promovido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), no Rio.
Segundo Alvarez, embora as operadoras às vezes tratem o tema da ausência de rede 4G
como "um perigo", a meta de ter 50% de cobertura nas cidades-sede da Copa das
Confederações, no ano que vem, e 80% nas 12 sedes da Copa de Mundo em 2014 não
assusta. "Pelo menos para essas primeiras metas e nas áreas urbanas, eu não ignoraria, mas
relativizaria o peso da ausência de antenas", explicou.
TV analógica. O secretário também informou que o Ministério das Comunicações discute a
possibilidade de mudar os prazos para o desligamento da TV analógica - demanda das
operadoras de telefonia. A ideia seria ter datas por municípios, em vez de uma única para todo
o País.
"Há municípios com pouco uso de radiofrequência, onde essa faixa já está liberada. Então, a
ideia é já usar essa faixa em alguns municípios. Em outros, até mesmo em 2016, teremos
algumas dificuldades", disse Alvarez, completando que a Agência Nacional de
Telecomunicações (Anatel) deverá concluir até o fim do ano um estudo com o diagnóstico
dessa questão.
Desempenho de professores da rede estadual do Rio será monitorado
Extra - RJ - Rio de Janeiro/RJ - PLANTÃO - 18/10/2012 - 18:22:44
Cristina Tardáguila - O Globo
RIO - Cerca de cem escolas da rede pública estadual do Rio deverão receber em novembro a
visita de coordenadores pedagógicos da Secretaria Estadual de Educação treinados pelo
Banco Mundial para dar início a um projeto-piloto que visa a medir a eficiência dos professores
em sala de aula. O estudo, que já foi feito em outras mil escolas de Minas Gerais, Pernambuco
e do município do Rio, deverá dar ao secretário Wilson Risolia um mapa sobre onde atuam os
melhores mestres do estado. O objetivo é aponta e espalhar boas práticas e, em um segundo
momento, fazer com que esses resultados levem a programas de bonificação por performance.
O Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do Rio de Janeiro (Sepe), no entanto, já
critica a medida.
— Os observadores que vamos treinar ficarão no fundo da sala e, seguindo um método
padronizado adotado nos Estados Unidos, farão anotações sobre os materiais que os
professores usam, as atividades que promovem e o grau de envolvimento dos alunos —
explicou a economista-chefe do Banco Mundial para Educação na América Latina e na região
do Caribe, Barbara Bruns, em uma das mesas do Global Economic Symposium, que aconteceu
nesta semana no Rio.
Segundo Barbara, a indústria da educação é a única em que os “operários” (professores) não
tem sua performance avaliada de forma direta e objetiva em busca de uma otimização do
tempo.
— O que existe no Brasil são sistemas que avaliam as escolas, não os professores. E nós
acreditamos na diferenciação entre eles. Em Washington D.C, por exemplo, graças a um
programa desse tipo, o estado descobriu onde estão seus melhores mestres e dobrou o salário
deles.
Desde 2009, o programa implantado pelo Banco Mundial já avaliou professores em 600
escolas de Minas Gerais, 300 de Pernambuco e cem da cidade do Rio. Constatou “uma
variação gigantesca” no uso do tempo e, ao cruzar esses resultados com os obtidos pelos
alunos, enxergou uma relação direta.
— Faremos esse piloto agora em novembro, quando as provas de fim de ano estão próximas,
e uma mostra maior no ano que vem — adiantou Barbara.
A economista destaca que a avaliação do professor é anônima e tem por objetivo dar a Risolia
um mapa de seus melhores quadros.
— Sabemos que os sindicatos não costumam aprovar esse tipo de avaliação que os diferencia.
Mas o programa funciona no Chile, em Cingapura e estamos trabalhando muito bem no Peru.
A coordenadora geral do Sepe, Gesa Correa, lamentou a adoção da avaliação.
— Isso mostra que o secretário Risolia continua seguindo a linha de punir e responsabilizar o
professor por todas as mazelas da educação. O secretário continua insistindo em avaliações
externas para dizer que a culpa de a escola não ir bem não é do estado, mas dos professores.
Testes padronizados só servem para colocar um ranking, dividir profissionais de educação
entre competentes e incompetentes. A educação não pode ficar na mão de economistas.
Desempenho de professores da rede estadual do Rio será monitorado
O Globo Online - Rio de Janeiro/RJ - EDUCAÇÃO - 18/10/2012 - 08:53:00
RIO - Cerca de cem escolas da rede pública estadual do Rio deverão receber em novembro a
visita de coordenadores pedagógicos da Secretaria Estadual de Educação treinados pelo
Banco Mundial para dar início a um projeto-piloto que visa a medir a eficiência dos professores
em sala de aula. O estudo, que já foi feito em outras mil escolas de Minas Gerais, Pernambuco
e do município do Rio, deverá dar ao secretário Wilson Risolia um mapa sobre onde atuam os
melhores mestres do estado. O objetivo é aponta e espalhar boas práticas e, em um segundo
momento, fazer com que esses resultados levem a programas de bonificação por performance.
O Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do Rio de Janeiro (Sepe), no entanto, já
critica a medida.
— Os observadores que vamos treinar ficarão no fundo da sala e, seguindo um método
padronizado adotado nos Estados Unidos, farão anotações sobre os materiais que os
professores usam, as atividades que promovem e o grau de envolvimento dos alunos —
explicou a economista-chefe do Banco Mundial para Educação na América Latina e na região
do Caribe, Barbara Bruns, em uma das mesas do Global Economic Symposium, que aconteceu
nesta semana no Rio.
Segundo Barbara, a indústria da educação é a única em que os “operários” (professores) não
tem sua performance avaliada de forma direta e objetiva em busca de uma otimização do
tempo.
— O que existe no Brasil são sistemas que avaliam as escolas, não os professores. E nós
acreditamos na diferenciação entre eles. Em Washington D.C, por exemplo, graças a um
programa desse tipo, o estado descobriu onde estão seus melhores mestres e dobrou o salário
deles.
Desde 2009, o programa implantado pelo Banco Mundial já avaliou professores em 600
escolas de Minas Gerais, 300 de Pernambuco e cem da cidade do Rio. Constatou “uma
variação gigantesca” no uso do tempo e, ao cruzar esses resultados com os obtidos pelos
alunos, enxergou uma relação direta.
— Faremos esse piloto agora em novembro, quando as provas de fim de ano estão próximas,
e uma mostra maior no ano que vem — adiantou Barbara.
A economista destaca que a avaliação do professor é anônima e tem por objetivo dar a Risolia
um mapa de seus melhores quadros.
— Sabemos que os sindicatos não costumam aprovar esse tipo de avaliação que os diferencia.
Mas o programa funciona no Chile, em Cingapura e estamos trabalhando muito bem no Peru.
A coordenadora geral do Sepe, Gesa Correa, lamentou a adoção da avaliação.
— Isso mostra que o secretário Risolia continua seguindo a linha de punir e responsabilizar o
professor por todas as mazelas da educação. O secretário continua insistindo em avaliações
externas para dizer que a culpa de a escola não ir bem não é do estado, mas dos professores.
Testes padronizados só servem para colocar um ranking, dividir profissionais de educação
entre competentes e incompetentes. A educação não pode ficar na mão de economistas.
Desempenho de professores da rede estadual do Rio será monitorado
Yahoo Brasil - - CIDADES - 18/10/2012 - 18:08:53
RIO - Cerca de cem escolas da rede pública estadual do Rio deverão receber em novembro a
visita de coordenadores pedagógicos da Secretaria Estadual de Educação treinados pelo
Banco Mundial para dar início a um projeto-piloto que visa a medir a eficiência dos professores
em sala de aula. O estudo, que já foi feito em outras mil escolas de Minas Gerais, Pernambuco
e do município do Rio, deverá dar ao secretário Wilson Risolia um mapa sobre onde atuam os
melhores mestres do estado. O objetivo é aponta e espalhar boas práticas e, em um segundo
momento, fazer com que esses resultados levem a programas de bonificação por performance.
O Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do Rio de Janeiro (Sepe), no entanto, já
critica a medida.
- Os observadores que vamos treinar ficarão no fundo da sala e, seguindo um método
padronizado adotado nos Estados Unidos, farão anotações sobre os materiais que os
professores usam, as atividades que promovem e o grau de envolvimento dos alunos - explicou
a economista-chefe do Banco Mundial para Educação na América Latina e na região do
Caribe, Barbara Bruns, em uma das mesas do Global Economic Symposium, que aconteceu
nesta semana no Rio.
Segundo Barbara, a indústria da educação é a única em que os "operários" (professores) não
tem sua performance avaliada de forma direta e objetiva em busca de uma otimização do
tempo.
- O que existe no Brasil são sistemas que avaliam as escolas, não os professores. E nós
acreditamos na diferenciação entre eles. Em Washington D.C, por exemplo, graças a um
programa desse tipo, o estado descobriu onde estão seus melhores mestres e dobrou o salário
deles.
Desde 2009, o programa implantado pelo Banco Mundial já avaliou professores em 600
escolas de Minas Gerais, 300 de Pernambuco e cem da cidade do Rio. Constatou "uma
variação gigantesca" no uso do tempo e, ao cruzar esses resultados com os obtidos pelos
alunos, enxergou uma relação direta.
- Faremos esse piloto agora em novembro, quando as provas de fim de ano estão próximas, e
uma mostra maior no ano que vem - adiantou Barbara.
A economista destaca que a avaliação do professor é anônima e tem por objetivo dar a Risolia
um mapa de seus melhores quadros.
- Sabemos que os sindicatos não costumam aprovar esse tipo de avaliação que os diferencia.
Mas o programa funciona no Chile, em Cingapura e estamos trabalhando muito bem no Peru.
A coordenadora geral do Sepe, Gesa Correa, lamentou a adoção da avaliação.
- Isso mostra que o secretário Risolia continua seguindo a linha de punir e responsabilizar o
professor por todas as mazelas da educação. O secretário continua insistindo em avaliações
externas para dizer que a culpa de a escola não ir bem não é do estado, mas dos professores.
Testes padronizados só servem para colocar um ranking, dividir profissionais de educação
entre competentes e incompetentes. A educação não pode ficar na mão de economistas.
Odebrecht defende fundo garantidor na concessão de portos e aeroporto
Usuport - - NOTÍCIAS - 18/10/2012 - 13:46:06
O diretor de desenvolvimento de negócios da Odebrecht Infraestrutura, João Borba Filho, disse
que é "fundamental" que o lançamento dos novos modelos de concessão de portos e
aeroportos, em fase de desenvolvimento, sejam acompanhados de um fundo garantidor. "O
fundo garantidor dará tranquilidade para investir e participar das PPPs [Parcerias Público
Privadas]", afirmou ele, depois de participar hoje do Global Economic Symposium, no Rio.
De acordo com Borba Filho, a Odebrecht Infraestrutura aguarda os textos dos modelos de
concessão para definir quais empreendimentos serão alvo de disputa por parte da empresa.
No caso de aeroportos, Borba Filho disse que a Odebrecht Infraestrutura se associará a um
operador internacional para formar um consórcio.
Primeiramente, a companhia brasileira conversará com a Changi, operadora do aeroporto de
Cingapura, a quem a Odebrecht Infraestrutura se associou para concorrer às licitações de
aeroportos realizadas no início deste ano.
"Começaremos conversando com eles [dirigentes da Changi]. Mas conversaremos com
outros", disse ele, referindo-se a operadores de aeroportos de Paris, Londres, Frankfurt, entre
outros.
A respeito do Estádio Itaquerão, do Corinthians, Borba Filho afirmou que as obras seguem
normalmente, apesar de a operação financeira não estar concluída. O Banco do Brasil (BB),
que está no negócio como agente repassador de R$ 400 milhões em recursos do Banco
Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e Odebrecht ainda não entraram
em acordo sobre as garantias que deverão ser concedidas pela construtora ter acesso ao
financiamento.
"As obras estão sendo tocadas normalmente. Paralelamente, estamos terminando de estruturar
a operação financeira necessária para concluirmos o empreendimento. Hoje, não há nenhuma
interrupção", disse.
Borba Filho não comentou a possibilidade de as obras do estádio pararem, caso a Odebrecht
não entre em acordo com o BB.
"Não queremos considerar esse risco. As coisas estão bem adiantadas. Entendemos que
vamos chegar a um bom termo rapidamente. As obras e as negociações vão bem. As obras
estão 100% no prazo", garantiu.
A Odebrecht é também responsável pela construção da Nova Arena Pernambuco, Fonte Nova
(em Salvador) e pela reforma do Maracanã, que estão previstos para receberem jogos da Copa
das Confederações em 2013.
"Todas as obras seguem 100%. Não consideramos risco de atrasos", disse ele.
Fonte: Valor
Escolas estaduais do Rio vão receber observadores do Banco Mundial
O Globo Online - Rio de Janeiro/RJ - EDUCAÇÃO - 18/10/2012 - 08:53:00
RIO - Cerca de cem escolas da rede pública estadual do Rio deverão receber em novembro a
visita de observadores do Banco Mundial que, a pedido da Secretaria Estadual de Educação,
darão início a um projeto-piloto para medir a eficiência dos professores em sala de aula. O
estudo, que já foi feito em outras mil escolas de Minas Gerais, Pernambuco e do município do
Rio, deverá dar ao secretário Wilson Risolia um mapa sobre onde atuam os melhores mestres
do estado. O objetivo do Banco Mundial é fazer com que esses resultados levem a programas
de bonificação por performance. O Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do Rio de
Janeiro (Sepe) já critica a medida.
— Nossos observadores ficarão no fundo da sala e, seguindo um método padronizado adotado
nos Estados Unidos, farão anotações sobre os materiais que os professores usam, as
atividades que promovem e o grau de envolvimento dos alunos — explicou a economista-chefe
do Banco Mundial para Educação na América Latina e na região do Caribe, Barbara Bruns, em
uma das mesas doGlobal Economic Symposium, que aconteceu nesta semana no Rio.
Segundo Barbara, a indústria da educação é a única em que os “operários” (professores) não
tem sua performance avaliada de forma direta e objetiva em busca de uma otimização do
tempo.
— O que existe no Brasil são sistemas que avaliam as escolas, não os professores. E nós
acreditamos na diferenciação entre eles. Em Washington D.C, por exemplo, graças a um
programa desse tipo, o estado descobriu onde estão seus melhores mestres e dobrou o salário
deles. Queremos que o Rio tenha algo semelhante.
Desde 2009, o Banco Mundial já avaliou professores em 600 escolas de Minas Gerais, 300 de
Pernambuco e cem da cidade do Rio. Constatou “uma variação gigantesca” no uso do tempo e,
ao cruzar esses resultados com os obtidos pelos alunos, enxergou uma relação direta.
— Faremos esse piloto agora em novembro, quando as provas de fim de ano estão próximas,
e uma mostra maior no ano que vem — adiantou Barbara.
A economista destaca que a avaliação do professor é anônima e tem por objetivo dar a Risolia
um mapa de seus melhores quadros.
— Sabemos que os sindicatos não costumam aprovar esse tipo de avaliação que os diferencia.
Mas o programa funciona no Chile, em Cingapura e estamos trabalhando muito bem no Peru.
A coordenadora geral do Sepe, Gesa Correa, lamentou a adoção da avaliação.
— Isso mostra que o secretário Risolia continua seguindo a linha de punir e responsabilizar o
professor por todas as mazelas da educação. O secretário continua insistindo em avaliações
externas para dizer que a culpa de a escola não ir bem não é do estado, mas dos professores.
Testes padronizados só servem para colocar um ranking, dividir profissionais de educação
entre competentes e incompetentes. A educação não pode ficar na mão de economistas.
COSTA RICA: Contra el desempleo juvenil, capacitación
Entorno Inteligente - - INTERNACIONALES - 18/10/2012 - 08:00:00
ENTORNOINTELIGENTE.COM / El combate al desempleo juvenil, un mal mundial que alcanza
actualmente niveles alarmantes incluso en Europa, exige la combinación de varias estrategias,
entre ellas flexibilización de los regímenes laborales y capacitación técnica, coincidieron varios
expertos en Río de Janeiro.
El debate sobre las estrategias para combatir el desempleo juvenil fue el que centró la atención
en la primera jornada del Simposio Económico Global 2012, un foro organizado anualmente por
el Instituto de Economía Mundial de Kiel (Alemania) y que por primera vez tuvo como sede una
ciudad latinoamericana.
Pese a que fueron presentadas diferentes propuestas, incluyendo la del comisario de Empleo
de la Unión Europea, László Andor, los participantes coincidieron en que es necesario
combinar varias estrategias, que van desde políticas macroeconómicas y desregulación laboral
hasta proyectos específicos de capacitación y búsqueda de nichos de mercado.
Andor explicó que la Comisión Europea ha instado a los Gobiernos de la UE a que adapten los
sistemas de formación profesional en las empresas y las prácticas a las exigencias del
mercado laboral y a las necesidades de las empresas.
En ese sentido se refirió a modelos de países como Alemania y Austria que prevé que las
propias empresas funcionen simultáneamente como escuela y lugar de formación,
entrenamiento y empleo.
"Se trata de un entrenamiento doble. Por la mañana los estudiantes van a clases y por la tarde
a trabajar en la misma empresa en la que estudian", afirmó al referirse a un modelo que
permite que cerca de 9,4 millones de jóvenes europeos se formen en sus compañías.
"El entrenamiento es importantísimo para un periodo de crisis, pero no es la única solución",
agregó.
Andor aclaró que en la propia Unión Europea hay gran diversidad entre los países, en algunos
de los cuales la formación de los jóvenes es de menor nivel, por lo que las propuestas no
pueden ser generalizadas.
El comisario dijo igualmente que otra estrategia que será recomendada por la Comisión
Europea es la oferta de una especie de "garantía para los jóvenes" de que, de completar un
curso de capacitación, en cuatro meses tendrán una propuesta de empleo o de otra formación.
El economista español Juan Dolado, profesor de la Universidad Carlos III de Madrid, dijo que
una de las principales estrategias es la flexibilización de los regímenes laborales para permitir
contratos más abiertos.
"Las exigencias de los contratos hacen que los empleadores sean tímidos cuando tienen que
contratar jóvenes", explicó.
Según Dolado, los países con mercados de trabajo menos regulado, como Dinamarca,
Holanda y Reino Unido, tienen menores tasas de desempleo juvenil, en tanto que los países
con regímenes muy regulados en que el desempleo es bajo, como Austria y Alemania, tienen
que compensar la rigidez de las normas con sistemas muy fuertes de educación y formación.
El académico español aclaró que esa desregulación tiene que ser controlada porque en los
países de Europa que tienen alta incidencia de trabajo temporal por la resistencia de los
empleadores a ofrecer contratos fijos, los trabajos son inestables.
Río de Janeiro / EFE www.entornointeligente.com
Escolas estaduais do Rio vão receber observadores do Banco Mundial
Yahoo Brasil - - CIDADES - 18/10/2012 - 08:58:44
RIO - Cerca de cem escolas da rede pública estadual do Rio deverão receber em novembro a
visita de observadores do Banco Mundial que, a pedido da Secretaria Estadual de Educação,
darão início a um projeto-piloto para medir a eficiência dos professores em sala de aula. O
estudo, que já foi feito em outras mil escolas de Minas Gerais, Pernambuco e do município do
Rio, deverá dar ao secretário Wilson Risolia um mapa sobre onde atuam os melhores mestres
do estado. O objetivo do Banco Mundial é fazer com que esses resultados levem a programas
de bonificação por performance. O Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do Rio de
Janeiro (Sepe) já critica a medida.
- Nossos observadores ficarão no fundo da sala e, seguindo um método padronizado adotado
nos Estados Unidos, farão anotações sobre os materiais que os professores usam, as
atividades que promovem e o grau de envolvimento dos alunos - explicou a economista-chefe
do Banco Mundial para Educação na América Latina e na região do Caribe, Barbara Bruns, em
uma das mesas doGlobal Economic Symposium, que aconteceu nesta semana no Rio.
Segundo Barbara, a indústria da educação é a única em que os "operários" (professores) não
tem sua performance avaliada de forma direta e objetiva em busca de uma otimização do
tempo.
- O que existe no Brasil são sistemas que avaliam as escolas, não os professores. E nós
acreditamos na diferenciação entre eles. Em Washington D.C, por exemplo, graças a um
programa desse tipo, o estado descobriu onde estão seus melhores mestres e dobrou o salário
deles. Queremos que o Rio tenha algo semelhante.
Desde 2009, o Banco Mundial já avaliou professores em 600 escolas de Minas Gerais, 300 de
Pernambuco e cem da cidade do Rio. Constatou "uma variação gigantesca" no uso do tempo e,
ao cruzar esses resultados com os obtidos pelos alunos, enxergou uma relação direta.
- Faremos esse piloto agora em novembro, quando as provas de fim de ano estão próximas, e
uma mostra maior no ano que vem - adiantou Barbara.
A economista destaca que a avaliação do professor é anônima e tem por objetivo dar a Risolia
um mapa de seus melhores quadros.
- Sabemos que os sindicatos não costumam aprovar esse tipo de avaliação que os diferencia.
Mas o programa funciona no Chile, em Cingapura e estamos trabalhando muito bem no Peru.
A coordenadora geral do Sepe, Gesa Correa, lamenta a adoção da avaliação.
- Isso mostra que o secretário Risolia continua seguindo a linha de punir e responsabilizar o
professor por todas as mazelas da educação. O secretário continua insistindo em avaliações
externas para dizer que a culpa de a escola não ir bem não é do estado, mas dos professores.
Testes padronizados só servem para colocar um ranking, dividir profissionais de educação
entre competentes e incompetentes. A educação não pode ficar na mão de economistas.
László Andor: “Nada na história se compara à atual crise da Europa”
Revista Época - São Paulo/SP - NEGOCIOS & CARREIRA - 19/10/2012 - 15:35:00
O comissário de emprego da União Europeia diz que a falta de emprego entre os jovens é um
dos maiores problemas hoje no continente. Para ele, as nações mais prejudicadas precisam
aprender novas formas de gerar oportunidades de trabalho
Uma das piores marcas da crise brasileira dos anos 1980 – apelidados de “década perdida” –
era a falta de esperança dos jovens. As expectativas de conseguir um bom emprego ou criar
um negócio próprio eram baixas. Um tema comum nas conversas de bar e faculdade eram os
planos para sair do país. Essa é hoje a situação em grande parte da Europa. Nos 17 países
que usam o euro como moeda, a taxa de desemprego entre pessoas com menos de 25 anos já
preocupava antes da crise. O melhor índice foi registrado em 2001, de 14,6%, e piorou desde
então, até chegar aos atuais 23%, com tendência de alta (no Brasil, é de 15%). O problema
atormenta o economista húngaro László Andor, comissário de Emprego da União Europeia, o
equivalente a ministro do Trabalho para a área que reúne 27 países e 500 milhões de
habitantes. Ele não mostra otimismo quanto a uma recuperação, mas ressalta que dentro da
Europa há diferenças brutais e países em boa situação. O desemprego entre os menores de 25
anos chega a 52% na Espanha, mas está em apenas 8% na Alemanha. Entre os motivos para
que os alemães entrem facilmente no mercado de trabalho estão a popularidade do ensino
técnico e a proximidade das escolas com as empresas. Aprender as boas experiências e leválas para os países em problemas é um exercício necessário na Europa e útil para o Brasil.
Andor esteve no Rio de Janeiro para o Global EconomicSymposium (GES), organizado pela
Fundação Getúlio Vargas e o Instituto de Economia Mundial de Kiel, na Alemanha, entre outras
instituições.
László Andor, comissário
de Emprego da União Europeia (Foto: Georges Boulougouris/Divulgação)
ÉPOCA – O desemprego na Europa está crescendo. Na Zona do Euro, chegou ao recorde de
11,4%. Qual é o seu diagnóstico desse problema?
László Andor – É importante ressaltar que, mesmo antes da crise, o desemprego já vinha se
mantendo muito alto na União Europeia, acima das médias históricas, especialmente entre os
jovens. Isso piorou com a crise. Em 2009 e 2010, as taxas de desemprego entre os mais
jovens dispararam, passaram de 10% e não caíram mais. Mas o problema é muito mais grave
em duas regiões, o sul da Europa e os países bálticos. Isso mostra que não há um problema
uniforme na União Europeia, mas sim um fenômeno com traços específicos em cada
região. Lembre que, mesmo hoje, a Europa oferece bons modelos, como Alemanha, Áustria e
Holanda. São países onde o desemprego entre os jovens com até 25 anos ficou quase sempre
abaixo de 10%, mesmo durante a fase mais aguda da recessão. Temos de comparar isso com
as taxas superiores a 20% nos países mais fracos. Os países com bom nível de emprego
devem isso a uma combinação de fatores. Eles apresentam bom desenvolvimento econômico
geral, estabilidade fiscal e financeira e uma transição muito eficiente da escola para o mercado
de trabalho. Eles exploram o sistema duplo, que une treinamento e experiência dentro das
empresas ao mesmo tempo. Assim, o jovem encontra trabalho muito mais facilmente ao sair da
escola.
+União Europeia leva o Prêmio Nobel da Paz de 2012
ÉPOCA – O sistema duplo é a grande lição de países como a Alemanha?
Andor – É uma das lições mais importantes. Em vários países, o sistema de educação e
treinamento não oferece qualificação e habilidades suficientes. Quando o cidadão perde um
emprego, tem muita dificuldade para se reconectar com o mercado de trabalho. Ele não tem os
conhecimentos relevantes que poderiam colocá-lo num novo emprego em seu país de origem
ou em outro da União Europeia. Mas, para esses países, o sistema duplo não basta. O
desequilíbrio entre países europeus se tornou grande demais. Para os espanhóis e gregos, não
adianta esperar que os empregos retornem em alguns poucos anos. Eles precisam de um
sistema triplo, que inclua ensino forte de outros idiomas. Precisamos incentivar a mobilidade
dos profissionais dentro da Europa e garantir que os bem preparados encontrem as vagas
abertas, mesmo fora de seu país de origem. Um engenheiro bem qualificado na Itália ou na
Espanha vai se sair melhor se falar bem alemão ou, ao menos, inglês – frequentemente, é
possível trabalhar na Alemanha ou na Holanda falando apenas inglês. Há muitas vagas abertas
nos países mais dinâmicos, como Alemanha e Suécia. Mas essas vagas exigem domínio dos
idiomas e conhecimentos específicos.
A Áustria é outro bom exemplo. Eles criaram uma garantia para os jovens: se você tem menos
de 25 anos e perde o emprego ou não encontra emprego após sair da escola, o governo
garante que você possa continuar estudando ou seja aceito numa empresa como aprendiz.
Esse modelo inspirou outros países europeus e agora estamos desenvolvendo um modelo que
envolva todas as nações da União Europeia.
ÉPOCA – Que tipo de consequências o desemprego prolongado entre jovens acarreta na
Europa?
Andor – Como o período de desemprego entre jovens está sendo muito longo, infelizmente já
vemos várias consequências. Há movimentos como os Indignados, na Espanha (movimento
criado em 2011 para protestar contra o sistema financeiro e os cortes de gastos do governo),
protestos espalhados pelo continente, instabilidade social e política. Além disso, temos a
emigração preocupante de países como Grécia e Irlanda. Os jovens percebem agora que, na
atual situação da crise na Zona do Euro, não é possível ver quando as oportunidades se
abrirão novamente. Por isso, muitos deixam o continente. De Portugal para o Brasil e Angola,
da Irlanda para os Estados Unidos e a Austrália, da Espanha para outros países da América
Latina. Isso terá consequências demográficas. Se, por muitos anos, os jovens não têm
emprego nenhum ou têm empregos ruins – a baixa qualidade dos empregos também é um
problema –, eles não conseguem morar por conta própria e continuam nas casas dos pais. Isso
atrasa as outras etapas da vida e resulta em menos nascimentos. E a força de trabalho já
começou a encolher na Europa.
+A nova gripe espanhola
+A arriscada austeridade de Portugal
ÉPOCA – Além dos jovens com qualificação apenas inadequada, há um grupo em situação
mais grave, sem nenhuma qualificação, muitos deles imigrantes ou filhos de imigrantes. É
possível lidar também com esse problema?
Andor – Acho que não existe ninguém que seja impossível de preparar para o trabalho. Cada
um tem de buscar se preparar e aprender, especialmente quando é jovem. Para muitos,
podemos oferecer treinamento subsidiado.
ÉPOCA – Quando o senhor acha que a Europa teve taxas de desemprego saudáveis pela
última vez?
Andor – Nos anos 1950 e 1960, havia baixo desemprego. A situação era outra, claro, com
outro modelo econômico, antes da globalização. A produção na Europa não precisava competir
com a produção de outras partes do mundo.
ÉPOCA – A situação era tão diferente que parece impossível reproduzi-la atualmente.
Andor – Sim, é impossível reproduzir aquele modelo, mas temos de encontrar outros caminhos
para ter taxas de desemprego parecidas com aquelas. Para as instituições europeias, a
questão hoje é saber como reproduzir, nos países mais fracos, o modelo dos países mais
fortes.
ÉPOCA – O que a sua equipe está fazendo a respeito?
Andor – Estou concentrado em avaliar as melhores experiências para empregar e incluir os
jovens. Realocamos mais de 10 bilhões de euros para os sete países com taxas de
desemprego mais altas entre os jovens, a fim de incentivar projetos que os beneficiem de
forma mais rápida e eficiente.
ÉPOCA – A história da Europa ensina algo sobre como sair das crises?
Andor – Não há na história nada comparável com a crise atual. Esta é a crise de um sistema
monetário que se estende por uma grande área geográfica, que colocou países muito
diferentes numa integração muito profunda, como nunca houve antes. Não é descabido
comparar esta crise com o fim do padrão ouro (em 1971, o governo americano abandonou o
preço fixo do ouro em dólar. Para governos que tinham reservas em dólar, foi como se ouro
desaparecesse de seus cofres) ou a quebra do sistema de taxas de câmbio europeu (em 1992,
o Reino Unido abandonou o sistema chamado ERM, que mantinha a estabilidade das taxas de
câmbio entre as maiores moedas europeias). Mas a liberdade para fazer o que quisesse com
sua moeda pôde curar o Reino Unido. Não temos essa opção. Acreditamos que a
desintegração seria muito mais custosa. Queremos reforçar a união monetária.
Há outros aspectos do problema. Um deles é a segmentação (da qualidade da proteção social)
no mercado de trabalho. Mesmo no sul da Europa, alguns grupos de assalariados foram bem
protegidos quando perderam os empregos. Com os mais jovens, isso não aconteceu. Eles
ficaram desempregados e logo se viram sem proteções como o seguro-desemprego, porque
estavam no mercado havia pouco tempo e porque tinham empregos e contratos de trabalho de
baixa qualidade.
Esse problema se sobrepõe a outro: as bolhas. Muitos jovens haviam interrompido sua
educação e treinamento atraídos pela promessa de ganho rápido em alguns poucos setores
que pareciam muito dinâmicos, como imóveis na Irlanda e imóveis e turismo na Espanha.
Essas bolhas esvaziaram rapidamente com a recessão, e esses jovens ficaram sem trabalho.
ÉPOCA – O senhor arriscaria uma previsão sobre quantos anos a Europa precisará para
superar a crise?
Andor – Isso depende de muitas decisões políticas para estabilizar a Zona do Euro. Podemos
melhorar as condições de trabalho para os jovens, melhorar a educação e incentivar a
mobilidade entre os países. Mas o futuro da união monetária vai definir a recuperação e um
novo ciclo de investimento. Infelizmente, vimos nos últimos anos que uma resposta organizada
e de longo prazo contra a crise pode ser adiada repetidas vezes. Mesmo que o resultado disso
seja muita instabilidade, não podemos contar com o surgimento de políticas abrangentes de
estabilização e reconstrução.
Saudi Arabia reveals plans to be powered entirely by renewable energy
The Guardian - - ENVIRONMENT - 19/10/2012 - 11:14:00
Saudi Arabia, the worlds biggest oil producer, has plans to become 100% powered by
renewable and low-carbon forms of energy, according to an influential member of the royal
family.
But the process is likely to take decades, and some observers are sceptical as to whether it is
any more than window-dressing.
Prince Turki Al Faisal Al Saud, founder of the King Faisal Foundation and one of the states top
spokesmen, told the Global Economic Symposium in Brazil that he hoped the kingdom might be
powered entirely by low-carbon energy within his lifetime – he is 67 – but that he thought it was
likely to take longer.
However, he insisted Saudi was moving ahead with investment in renewable energy, nuclear
power and other alternatives to fossil fuels and that it could use its vast oil reserves for other
goods, such as plastics and polymers.
"Oil is more precious for us underground than as a fuel source," he said. "If we can get to the
point where we can replace fossil fuels and use oil to produce other products that are useful,
that would be very good for the world. I wish that may be in my lifetime, but I dont think it will
be."
Joss Garman, political director of Greenpeace, said: "It speaks volumes that a Saudi prince can
see the benefits of switching to clean energy sources when [UK chancellor] George Osborne
seemingly cannot, but Saudi Arabia will only truly be a green economy when it leaves its fossil
fuels in the ground."
Saudi Arabias energy use is almost entirely from fossil fuels at present, with about two-thirds
coming from oil and the remainder from gas. The state produces close to 12m barrels of oil a
day, representing more than 12% of world crude production, and has about one-fifth of the
worlds oil reserves, according to the US governments Energy Information Administration.
Energy use per person within the kingdom is also high by world standards, because energy
prices are kept so low.
As Prince Turki noted, however, the kingdom has vast potential for using solar power. "The cost
of solar energy is now 15% of what it was 20 years ago," he noted. Saudi Arabia has also
signed memoranda of understanding – though no final deal as yet – with Argentina over nuclear
energy.
But despite his commitment to advancing renewable energy in the Middle East, Prince Turki –
who served as director of Saudi Arabias intelligence services for more than 20 years and has
also been an ambassador to the UK and the US – was also clear that the rest of the world was
likely to continue to rely on fossil fuels for many years to come. "No country can ban itself from
any one form of energy," he said.
One of the other potentially important technologies for Saudi Arabia is carbon capture and
storage, as depleted oil fields could be used as storage for compressed carbon dioxide, but it
has so far made little progress. The prince said the development of carbon capture and storage
(CCS) technology should be seen as an international effort rather than the responsibility of
single countries.
Nebjsa Nakicenovic, deputy chief of the International Institute for Applied Systems Analysis,
said CCS was likely to be a vital technology around the world. Though he acknowledged there
could be problems, as the technology is still unproven, he warned: "Do not discount CCS."
On renewables, Nakicenovic said the world should aim to generate 30% of energy from
sustainable renewable sources by 2030. That would represent more than a doubling of current
renewable energy usage, because although on paper about 15% of energy now comes from
renewable sources, this includes a large amount of biomass – mostly wood, dung and other
waste – burned in developing countries. Much of this is unsustainable, and requires a significant
use of resources in foraging for firewood. "So [the target] is very ambitious, but doable," he said.
Saudi Arabia Plans to Go 100% Renewable in Coming Decades
Inhabitat - - ENERGY - 19/10/2012 - 12:12:00
that a top spokesman for the Kingdom of Saudi Arabia has announced plans to transition the
nation to 100 percent renewable energy in coming decades. Prince Turki Al Faisal Al Saud told
the Global Economic Symposium in Brazil that the Kingdom is moving forward with large
investments inrenewables, nuclear power, and other alternatives to make the transition to lowcarbon sources.
FGV propõe criação de agência do governo para coordenar a imigração para o Brasil
Diário de Pernambuco Online - Recife/PE - ECONOMIA - 19/10/2012 - 18:16:00
No momento em que a economia brasileira se prepara para um crescimento maior, em que o
país atrai imigrantes e ainda carece de profissionais em algumas áreas, é natural que o tema
imigração ganhe importância. Mas a estrutura que o Brasil tem para cuidar da questão não é a
mais adequada, e o país deveria criar uma agência específica, indica o estudo Imigração como
vetor estratégico do desenvolvimento socioeconômico e institucional do Brasil, uma parceria da
Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas e da FGV Projetos.
"Há uma fragmentação na política de imigração no país, com uma multiplicação de atores,
como o Ministério da Justiça, o Ministério do Trabalho, o Ministério de Relações Exteriores e a
Polícia Federal. A nossa proposta é criar uma agência de imigração", afirma o diretor de
Análise de Políticas Públicas da FGV, Marco Aurelio Ruediger.
Na avaliação dele, essa nova estrutura institucional permitiria integrar os diferentes aspectos
que contemplam o tema imigração: desde a necessidade de atrair profissionais qualificados
que possam ajudar de alguma forma a contornar o problema da carência de mão de obra, até a
imigração ilegal de fronteira ou humanitária. É preciso, assim, segundo ele, uma política pública
que inclua desenvolvimento e direitos humanos.
Diante da maior participação do Brasil em questões internacionais — como as forças de paz no
Haiti — e do crescimento de sua economia, é natural que o país passe a ser visto cada vez
mais como destino. Baseado em dados do Ministério do Trabalho, o estudo indica que o
número de vistos concedidos a trabalhadores estrangeiros quase quadriplicou, de 2006 a 2011,
para 70.615.
"O Brasil deve pensar a imigração como estratégia nacional. É preciso aproveitar o chamado
bônus demográfico (quando a população economicamente ativa supera a de crianças e
idosos), a atual atratividade do Brasil para imigrantes e a chance de melhorar nossa estrutura
institucional", defende Ruediger.
Espanha e Portugal: alvos
Países como EUA, França, Portugal, Itália e Espanha são alguns dos destacados pelo estudo
da FGV como os de maior desemprego e número de vistos para pessoas com 17 anos ou mais
de estudo. Outro levantamento foi o de áreas com maior desemprego para pessoas de 20 a 34
anos na Europa. Na Espanha, a taxa era de 15,2% em artes e humanidade e 13,2% em
agricultura e medicina veterinária. Na Itália, o desemprego era de 13,5% em ciências sociais,
negócios e direito.
A importância de um debate mais profundo sobre imigração é reconhecida pelo governo.
Segundo o secretário nacional de Justiça, Paulo Abrão, o assunto tem sido discutido nos
ministérios da Justiça, do Trabalho e de Relações Exteriores. Ainda que se estude no
Congresso a proposta da agência, sua criação não está sendo considerada a curto prazo no
governo.
"Existe iniciativa de estudo no Congresso para uma agência que abranja todas as funções, de
regulação, administração, polícia migratória e execução de políticas públicas de integração
social. Nos EUA, França e Argentina, com variações, há estas unidades. Mas devo reconhecer
que a criação de uma agência não tem sido parte das discussões", afirma.
Abrão explica que os ministérios têm trabalhado em uma proposta para aperfeiçoar o projeto
de lei do Estatuto dos Estrangeiros para "uma efetiva Lei de Migrações". A ideia é, ao mesmo
tempo, simplificar processos e tornar mais claros os direitos da população migrante no país.
Drenagem de cérebros
O Brasil hoje importa e exporta mão de obra qualificada em um ritmo muito semelhante.
Levantamento feito pela Agência Nacional de Pesquisa Econômica (NBER na sigla em inglês,
um instituto privado) mostra que, de um universo de cientistas que publicaram em periódicos
de renome, 58 são brasileiros que moram no exterior e 50, estrangeiros que vivem no Brasil.
Os Estados Unidos são, de longe, o país que mais atrai cientistas. São 1.735 estrangeiros que
moram nos Estados Unidos, enquanto 146 americanos que viram seus trabalhos publicados
vivem no exterior. Na Índia, a situação é inversa: apenas quatro pesquisadores estrangeiros
que vivem no país tiveram publicações nesses periódicos, contra 321 indianos que moram no
exterior.
Estudo da FGV propõe criação de agência do governo para coordenar a imigração para o
Brasil
O Globo Online - Rio de Janeiro/RJ - ECONOMIA - 19/10/2012 - 08:40:00
RIO — No momento em que a economia brasileira se prepara para um crescimento maior, em
que o país atrai imigrantes e ainda carece de profissionais em algumas áreas, é natural que o
tema imigração ganhe importância. Mas a estrutura que o Brasil tem para cuidar da questão
não é a mais adequada, e o país deveria criar uma agência específica, indica o estudo
“Imigração como vetor estratégico do desenvolvimento socioeconômico e institucional do
Brasil”, uma parceria da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas
e da FGV Projetos.
— Há uma fragmentação na política de imigração no país, com uma multiplicação de atores,
como o Ministério da Justiça, o Ministério do Trabalho, o Ministério de Relações Exteriores e a
Polícia Federal. A nossa proposta é criar uma agência de imigração — afirma o diretor de
Análise de Políticas Públicas da FGV, Marco Aurelio Ruediger.
Na avaliação dele, essa nova estrutura institucional permitiria integrar os diferentes aspectos
que contemplam o tema imigração: desde a necessidade de atrair profissionais qualificados
que possam ajudar de alguma forma a contornar o problema da carência de mão de obra, até a
imigração ilegal de fronteira ou humanitária. É preciso, assim, segundo ele, uma política pública
que inclua desenvolvimento e direitos humanos.
Diante da maior participação do Brasil em questões internacionais — como as forças de paz no
Haiti — e do crescimento de sua economia, é natural que o país passe a ser visto cada vez
mais como destino. Baseado em dados do Ministério do Trabalho, o estudo indica que o
número de vistos concedidos a trabalhadores estrangeiros quase quadriplicou, de 2006 a 2011,
para 70.615.
— O Brasil deve pensar a imigração como estratégia nacional. É preciso aproveitar o chamado
bônus demográfico (quando a população economicamente ativa supera a de crianças e
idosos), a atual atratividade do Brasil para imigrantes e a chance de melhorar nossa estrutura
institucional — defende Ruediger.
Espanha e Portugal: alvos
Países como EUA, França, Portugal, Itália e Espanha são alguns dos destacados pelo estudo
da FGV como os de maior desemprego e número de vistos para pessoas com 17 anos ou mais
de estudo. Outro levantamento foi o de áreas com maior desemprego para pessoas de 20 a 34
anos na Europa. Na Espanha, a taxa era de 15,2% em artes e humanidade e 13,2% em
agricultura e medicina veterinária. Na Itália, o desemprego era de 13,5% em ciências sociais,
negócios e direito.
A importância de um debate mais profundo sobre imigração é reconhecida pelo governo.
Segundo o secretário nacional de Justiça, Paulo Abrão, o assunto tem sido discutido nos
ministérios da Justiça, do Trabalho e de Relações Exteriores. Ainda que se estude no
Congresso a proposta da agência, sua criação não está sendo considerada a curto prazo no
governo.
— Existe iniciativa de estudo no Congresso para uma agência que abranja todas as funções,
de regulação, administração, polícia migratória e execução de políticas públicas de integração
social. Nos EUA, França e Argentina, com variações, há estas unidades. Mas devo reconhecer
que a criação de uma agência não tem sido parte das discussões — afirma.
Abrão explica que os ministérios têm trabalhado em uma proposta para aperfeiçoar o projeto
de lei do Estatuto dos Estrangeiros para “uma efetiva Lei de Migrações”. A ideia é, ao mesmo
tempo, simplificar processos e tornar mais claros os direitos da população migrante no país.
Drenagem de cérebros
O Brasil hoje importa e exporta mão de obra qualificada em um ritmo muito semelhante.
Levantamento feito pela Agência Nacional de Pesquisa Econômica (NBER na sigla em inglês,
um instituto privado) mostra que, de um universo de cientistas que publicaram em periódicos
de renome, 58 são brasileiros que moram no exterior e 50, estrangeiros que vivem no Brasil.
Os Estados Unidos são, de longe, o país que mais atrai cientistas. São 1.735 estrangeiros que
moram nos Estados Unidos, enquanto 146 americanos que viram seus trabalhos publicados
vivem no exterior. Na Índia, a situação é inversa: apenas quatro pesquisadores estrangeiros
que vivem no país tiveram publicações nesses periódicos, contra 321 indianos que moram no
exterior.
Eficiência de professores será medida pelo Bird
O Globo - Rio de Janeiro/RJ - INFOMIX - 19/10/2012 - 05:06:33
Eficiência de professores será medida pelo Bird
Coordenadores treinados vão mapear boas práticas em salas de aula de escolas estaduais;
sindicato reclama
Cristina Tardáguila
[email protected]
Cerca de cem escolas da rede pública estadual do Rio receberão em novembro a visita de
coordenadores pedagógicos da Secretaria estadual de Educação treinados pelo Banco Mundial
para alavancar um projeto-piloto que pretende medir a eficiência dos professores em sala de
aula.
O estudo, que já foi feito em mil escolas de Minas Gerais, Pernambuco e do município do Rio,
dará ao secretário Wilson Risolia um mapa sobre onde atuam os melhores mestres do estado.
O objetivo é identificar boas práticas por eles adotadas e perpetuá-las por toda a rede por meio
de cursos de capacitação continuada. Num segundo momento, os resultados deverão levar,
sim, à bonificação por performance.
- Queremos entender a dinâmica da aula e relacioná-la ao desempenho do aluno. Depois,
vamos desenvolver as competências dando cursos de formação para o professor que precisa.
Quem tiver melhor performance, por outro lado, terá rendimento melhor. A medida é construtiva
defende Risolia. - A meritocracia é um valor que a sociedade deveria estimular.
A parceria entre a secretaria e o banco foi anunciada na anteontem numa das mesas do
"Global Economic Symposium" , que acontece no Rio.
- Os coordenadores que vamos treinar ficarão no fundo da sala e, seguindo um método
adotado nos Estados Unidos, farão anotações sobre os materiais usados pelos professores, as
atividades realizadas e o envolvimento dos alunos - disse Barbara Bruns, economista do Banco
Mundial responsável pela educação na America Latina e região do Caribe.
Segundo ela, a educação é a única indústria em que os "operários" não têm performance
avaliada de forma objetiva em prol da otimização do tempo.
- O que existe no Brasil são sistemas que avaliam as escolas, não os professores. E nós
acreditamos nessa diferenciação. Em Washington D.C, graças a um programa desse tipo, o
estado descobriu onde estão os bons mestres e dobrou o salário deles.
Barbara ressalta que a avaliação será anônima e não acarretará em consequências diretas
nem para os professores, nem para as escolas. O secretário estadual afirma que o mapa
gerado deverá ficar pronto até o início de 2013 e servirá de ferramenta para traçar políticas
para o setor.
O projeto recebeu críticas do Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação (Sepe).
Segundo a coordenadora geral Gesa Correa, o secretário segue a linha de "punir e
responsabilizar o professor por todas as mazelas da educação":
- Testes padronizados só servem para criar ranking e dividir os profissionais entre competentes
e incompetentes. A educação não pode ficar na mão de economistas.
Desempenho de professores da rede estadual do Rio será monitorado
Jornal da Ciência - - NOTÍCIAS - 19/10/2012 - 18:07:28
Banco Mundial vai capacitar funcionários da Secretaria de Educação para fazer a avaliação.
Cerca de cem escolas da rede pública estadual do Rio deverão receber em novembro a visita
de coordenadores pedagógicos da Secretaria Estadual de Educação treinados pelo Banco
Mundial para dar início a um projeto-piloto que visa a medir a eficiência dos professores em
sala de aula. O estudo, que já foi feito em outras mil escolas de Minas Gerais, Pernambuco e
do município do Rio, deverá dar ao secretário Wilson Risolia um mapa sobre onde atuam os
melhores mestres do estado.
O objetivo é aponta e espalhar boas práticas e, em um segundo momento, fazer com que
esses resultados levem a programas de bonificação por performance. O Sindicato Estadual dos
Profissionais de Educação do Rio de Janeiro (Sepe), no entanto, já critica a medida.
"Os observadores que vamos treinar ficarão no fundo da sala e, seguindo um método
padronizado adotado nos Estados Unidos, farão anotações sobre os materiais que os
professores usam, as atividades que promovem e o grau de envolvimento dos alunos", explicou
a economista-chefe do Banco Mundial para Educação na América Latina e na região do
Caribe, Barbara Bruns, em uma das mesas do Global Economic Symposium, que aconteceu
nesta semana no Rio.
Segundo Barbara, a indústria da educação é a única em que os "operários" (professores) não
tem sua performance avaliada de forma direta e objetiva em busca de uma otimização do
tempo. "O que existe no Brasil são sistemas que avaliam as escolas, não os professores. E nós
acreditamos na diferenciação entre eles. Em Washington D.C, por exemplo, graças a um
programa desse tipo, o estado descobriu onde estão seus melhores mestres e dobrou o salário
deles."
Desde 2009, o programa implantado pelo Banco Mundial já avaliou professores em 600
escolas de Minas Gerais, 300 de Pernambuco e cem da cidade do Rio. Constatou "uma
variação gigantesca" no uso do tempo e, ao cruzar esses resultados com os obtidos pelos
alunos, enxergou uma relação direta. "Faremos esse piloto agora em novembro, quando as
provas de fim de ano estão próximas, e uma mostra maior no ano que vem", adiantou Barbara.
A economista destaca que a avaliação do professor é anônima e tem por objetivo dar a Risolia
um mapa de seus melhores quadros. "Sabemos que os sindicatos não costumam aprovar esse
tipo de avaliação que os diferencia. Mas o programa funciona no Chile, em Cingapura e
estamos trabalhando muito bem no Peru."
A coordenadora geral do Sepe, Gesa Correa, lamentou a adoção da avaliação. "Isso mostra
que o secretário Risolia continua seguindo a linha de punir e responsabilizar o professor por
todas as mazelas da educação. O secretário continua insistindo em avaliações externas para
dizer que a culpa de a escola não ir bem não é do estado, mas dos professores. Testes
padronizados só servem para colocar um ranking, dividir profissionais de educação entre
competentes e incompetentes. A educação não pode ficar na mão de economistas."
(O Globo)
Odebrecht defende fundo garantidor na concessão de portos e aeroporto
Intelog - Porto Alegre/RS - EMPRESAS - 21/10/2012 - 22:43:44
Por Valor Econômico - SP
O diretor de desenvolvimento de negócios da Odebrecht Infraestrutura, João Borba Filho, disse
que é “fundamental” que o lançamento dos novos modelos de concessão de portos e
aeroportos, em fase de desenvolvimento, sejam acompanhados de um fundo garantidor. “O
fundo garantidor dará tranquilidade para investir e participar das PPPs [Parcerias Público
Privadas]”, afirmou ele, depois de participar hoje do Global Economic Symposium, no Rio.
De acordo com Borba Filho, a Odebrecht Infraestrutura aguarda os textos dos modelos de
concessão para definir quais empreendimentos serão alvo de disputa por parte da empresa.
No caso de aeroportos, Borba Filho disse que a Odebrecht Infraestrutura se associará a um
operador internacional para formar um consórcio.
Primeiramente, a companhia brasileira conversará com a Changi, operadora do aeroporto de
Cingapura, a quem a Odebrecht Infraestrutura se associou para concorrer às licitações de
aeroportos realizadas no início deste ano.
“Começaremos conversando com eles [dirigentes da Changi]. Mas conversaremos com
outros”, disse ele, referindo-se a operadores de aeroportos de Paris, Londres, Frankfurt, entre
outros.
A respeito do Estádio Itaquerão, do Corinthians, Borba Filho afirmou que as obras seguem
normalmente, apesar de a operação financeira não estar concluída. O Banco do Brasil (BB),
que está no negócio como agente repassador de R$ 400 milhões em recursos do Banco
Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e Odebrecht ainda não entraram
em acordo sobre as garantias que deverão ser concedidas pela construtora ter acesso ao
financiamento.
“As obras estão sendo tocadas normalmente. Paralelamente, estamos terminando de estruturar
a operação financeira necessária para concluirmos o empreendimento. Hoje, não há nenhuma
interrupção”, disse.
Borba Filho não comentou a possibilidade de as obras do estádio pararem, caso a Odebrecht
não entre em acordo com o BB.
“Não queremos considerar esse risco. As coisas estão bem adiantadas. Entendemos que
vamos chegar a um bom termo rapidamente. As obras e as negociações vão bem. As obras
estão 100% no prazo”, garantiu.
A Odebrecht é também responsável pela construção da Nova Arena Pernambuco, Fonte Nova
(em Salvador) e pela reforma do Maracanã, que estão previstos para receberem jogos da Copa
das Confederações em 2013.
“Todas as obras seguem 100%. Não consideramos risco de atrasos”, disse ele.
Fonte: Valor / Diogo Martins
Universidade virtual descobre o Brasil
CM Consultoria - Marília/SP - NEWS - 22/10/2012 - 08:46:00
Instituição apoiada pela ONU só cobra taxas de US$ 150 de alunos e implodiu custos graças a
rede de voluntários.
O Estado de S.Paulo
"Ganhei dinheiro suficiente, é tempo de retribuir." Com essa frase o israelense Shai Reshef
explicou ao portal americano Huffington Post por que decidiu criar uma das maiores iniciativas
de ensino online do mundo, a University of the People (Universidade do Povo ou, na sigla em
inglês, UoPeople).
Escolhido em 2010 pelo Huff Post como uma das pessoas que estão "mudando o jogo" da
educação e neste ano pela revista Wired como uma das 50 personalidades que estão
transformando o mundo, Reshef fez fortuna como executivo. Transformou a Kidum israelense
de um cursinho preparatório para exames em um gigante da prestação de serviços
educacionais - ela foi comprada pela americana Kaplan em 2005 por mais de US$ 25 milhões.
Depois disso, Reshef doou US$ 1 milhão para o projeto da UoPeple, lançado em 2009 com
apoio da Organização das Nações Unidas. Com cursos de Administração e Ciências da
Computação, a universidade cobra apenas uma taxa de inscrição e outra para custear o
processo de avaliação, no valor total de US$ 150. A UoPeople tem vivido dessas taxas e da
doação de fundações como a de Bill Gates, graças a um modelo de baixíssimo custo, apoiado
em professores voluntários de primeira linha.
Reshef, que participou na semana passada, no Rio, do Global Economic Symposium,
organizado pela Fundação Getúlio Vargas, planeja tornar a UoPeople sustentável a partir de
2015, sobrevivendo só com a receita das taxas, no que pode ser o primeiro modelo de negócio
viável de uma instituição de ensino online. Nesta entrevista, ele falou sobre o interesse de
firmar parcerias no Brasil:
Desde que o senhor lançou a UoPeople, houve várias outras iniciativas de ensino online
gratuito, como Coursera e Udacity, ambos criados por professores da Universidade de
Stanford. O que o sr. acha deles e como vê o atual estágio do ensino online?
A UoPeople apoia totalmente o conceito de Mooc (sigla em inglês para cursos abertos online
massivos, criados para atingir grandes públicos) e o movimento de Recursos Educacionais
Abertos (material e ferramentas de ensino com licença aberta de uso). Os Moocs representam
a livre disseminação do conhecimento para o aperfeiçoamento da humanidade e são
excelentes ferramentas de aprendizado.
A UoPeople se diferencia por ser uma universidade com currículo amplo que dá acesso a
diplomas formais de Administração e Ciências da Computação. Os Moocs são bastante
atraentes se a pessoa quer se aprofundar em um tópico específico ou deseja ver um professor
renomado tratando de um tema, mas não abrem caminho para o diploma.
Outra distinção importante é o fato de que a UoPeople garante ao estudante atenção
individualizada. Em vez de oferecer um só curso para milhões, quebramos os nossos em
classes de 20, 30 estudantes. Isso permite ao instrutor fazer a supervisão e interagir com os
alunos, algo básico no processo de aprendizado.
Qual é a situação atual do mundo no que diz respeito ao acesso ao ensino superior?
Milhões de pessoas em todo o planeta enfrentam obstáculos por limitações financeiras,
geográficas, sociais e pessoais. Projeções da Unesco sugerem que até 2025 haverá um
público de 98 milhões de jovens que precisam de ensino superior, mas não terão vaga nas
instituições existentes.
O ensino online é uma maneira excelente de conseguir atender a essa demanda incrível por
ensino superior - não só para atender demandas individuais, mas também para tornar o mundo
um lugar melhor para todos.
Quais são os próximos passos da UoPeople? Vocês mantêm a meta de construir um modelo
de negócios sustentável até 2015?
Embora não cobremos mensalidade, o ensino que oferecemos não é totalmente gratuito. Mas a
UoPeople tem sido bem-sucedida em cortar quase todo o custo associado ao ensino superior.
Não cobramos, por exemplo, por livros e material didático. Tudo o que pedimos é que o
estudante pague uma taxa para entrar na nossa seleção, de US$ 50, e para bancar o processo
de avaliação do seu curso, de US$100 - mesmo assim, só se eles puderem.
Precisamos de recursos no valor de US$ 6 milhões para chegar a 2015. Daí em diante, não
apenas vamos nos sustentar integralmente com as taxas de avaliações como também
poderemos ajudar a um número maior de estudantes que não podem pagá-las. Além disso,
estamos criando um Portal de Minibolsas, o primeiro do gênero em qualquer universidade, no
qual estudantes que não podem bancar as taxas podem contar sua história e pedir ajuda a
nossos apoiadores que se interessam por patrocinar alunos.
Quantos estudantes, voluntários e funcionários vocês têm agora? E quais instituições apoiam
a UoPeople?
Temos 3 mil voluntários e 1,5 mil estudantes de 132 países. Estamos ligados à Organização
das Nações Unidas, à Escola de Direito da Universidade de Yale e à Iniciativa Global de Bill
Clinton. Recebemos apoio de mais de 1 milhão de pessoas no Facebook e temos acordos de
colaboração com a Universidade de Nova York, que identificou talentos entre nossos
estudantes e os selecionou para seu câmpus em Abu Dhabi, e com a Hewlett-Packard, para
oferecer estágios a alunos. Recebemos apoio de líderes de universidades como Oxford e de
diversas fundações, entre elas as de Bill & Melinda Gates e do Google.
O que o senhor sabe sobre a educação no Brasil?
Sei o básico. Por exemplo, que os estudantes têm de passar por um processo competitivo para
ter acesso ao ensino superior. Dos vários brasileiros que estudam conosco e compartilharam
suas histórias, notamos que, além da gratuidade, um dos grandes motivos para escolher a
UoPeople é a capacidade de se comunicar globalmente.
Temos depoimentos nessa linha: "Escolhi a UoPeople porque ela me oferece uma
oportunidade de intercâmbio cultural, além de me ensinar a ser uma pessoa mais centrada. Se
você quer ser especial, precisa fazer parte de algo especial".
Vocês planejam ter parcerias aqui no Brasil?
A UoPeople está aberta a parcerias em todo o mundo e está ansiosa por fechar acordos no
Brasil, especialmente com gente disposta a patrocinar estudantes brasileiros.
O sr. mencionou em uma entrevista anterior a necessidade de se aperfeiçoar o ensino médio.
Também disse que achava que era uma tarefa urgente para governos e outras instituições
trabalharem com níveis inferiores de educação.
Há progressos sendo feitos em relação a isso?
Quanto mais alunos se formarem no ensino médio, maior o número de pessoas que nós
poderemos ajudar. Alguns governos até podem passar a considerar que o que fazemos na
UoPeople tem potencial para ser aplicado nesse nível de ensino.
É correto, do ponto de vista de um governo, considerar o ensino gratuito de qualidade uma
ferramenta para aumentar dramaticamente o Produto Interno Bruto (PIB)?
Não existe necessariamente uma correlação entre PIB alto e ensino gratuito. No entanto, há
uma clara conexão entre PIB alto e altas taxas de acesso e frequência à universidade. Assim,
deveria ser do interesse dos governos garantir taxas mais altas de acesso à universidade. Se
as pessoas não conseguem pagar as mensalidades, o foco deveria ser garantir acesso ao
ensino gratuito. Conhecemos diversos governos que estão olhando para o modelo que
construímos na UoPeople como uma opção para lidar com essa situação.
Hoje, pelo menos aqui no Brasil, é muito comum ver autoridades e a sociedade em geral
atribuir parte dos problemas do País à falta de instrução da população. Não faz sentido, nesse
cenário, oferecer ensino online gratuito em larga escala?
Totalmente. Nós adoraríamos participar dessa missão tão importante - seja compartilhando
nosso conhecimento ou oferecendo educação a mais brasileiros.
Fonte: O Estado de São Paulo
Universidade virtual "descobre" o Brasil
MSN - - ESTADÃO - 22/10/2012 - 07:02:00
"Ganhei dinheiro suficiente, é tempo de retribuir." Com essa frase o israelense Shai Reshef
explicou ao portal americano Huffington Post por que decidiu criar uma das maiores iniciativas
de ensino online do mundo, a University of the People (Universidade do Povo ou, na sigla em
inglês, UoPeople).
Escolhido em 2010 pelo Huff Post como uma das pessoas que estão "mudando o jogo" da
educação e neste ano pela revista Wired como uma das 50 personalidades que estão
transformando o mundo, Reshef fez fortuna como executivo. Transformou a Kidum israelense
de um cursinho preparatório para exames em um gigante da prestação de serviços
educacionais - ela foi comprada pela americana Kaplan em 2005 por mais de US$ 25 milhões.
Depois disso, Reshef doou US$ 1 milhão para o projeto da UoPeple, lançado em 2009 com
apoio da Organização das Nações Unidas. Com cursos de Administração e Ciências da
Computação, a universidade cobra apenas uma taxa de inscrição e outra para custear o
processo de avaliação, no valor total de US$ 150. A UoPeople tem vivido dessas taxas e da
doação de fundações como a de Bill Gates, graças a um modelo de baixíssimo custo, apoiado
em professores voluntários de primeira linha.
Reshef, que participou na semana passada, no Rio, do Global Economic Symposium,
organizado pela Fundação Getúlio Vargas, planeja tornar a UoPeople sustentável a partir de
2015, sobrevivendo só com a receita das taxas, no que pode ser o primeiro modelo de negócio
viável de uma instituição de ensino online. Nesta entrevista, ele falou sobre o interesse de
firmar parcerias no Brasil:
Desde que o senhor lançou a UoPeople, houve várias outras iniciativas de ensino online
gratuito, como Coursera e Udacity, ambos criados por professores da Universidade de
Stanford. O que o sr. acha deles e como vê o atual estágio do ensino online?
A UoPeople apoia totalmente o conceito de Mooc (sigla em inglês para cursos abertos online
massivos, criados para atingir grandes públicos) e o movimento de Recursos Educacionais
Abertos (material e ferramentas de ensino com licença aberta de uso). Os Moocs representam
a livre disseminação do conhecimento para o aperfeiçoamento da humanidade e são
excelentes ferramentas de aprendizado.
A UoPeople se diferencia por ser uma universidade com currículo amplo que dá acesso a
diplomas formais de Administração e Ciências da Computação. Os Moocs são bastante
atraentes se a pessoa quer se aprofundar em um tópico específico ou deseja ver um professor
renomado tratando de um tema, mas não abrem caminho para o diploma.
Outra distinção importante é o fato de que a UoPeople garante ao estudante atenção
individualizada. Em vez de oferecer um só curso para milhões, quebramos os nossos em
classes de 20, 30 estudantes. Isso permite ao instrutor fazer a supervisão e interagir com os
alunos, algo básico no processo de aprendizado.
Qual é a situação atual do mundo no que diz respeito ao acesso ao ensino superior?
Milhões de pessoas em todo o planeta enfrentam obstáculos por limitações financeiras,
geográficas, sociais e pessoais. Projeções da Unesco sugerem que até 2025 haverá um
público de 98 milhões de jovens que precisam de ensino superior, mas não terão vaga nas
instituições existentes.
O ensino online é uma maneira excelente de conseguir atender a essa demanda incrível por
ensino superior - não só para atender demandas individuais, mas também para tornar o mundo
um lugar melhor para todos.
Quais são os próximos passos da UoPeople? Vocês mantêm a meta de construir um modelo
de negócios sustentável até 2015?
Embora não cobremos mensalidade, o ensino que oferecemos não é totalmente gratuito. Mas a
UoPeople tem sido bem-sucedida em cortar quase todo o custo associado ao ensino superior.
Não cobramos, por exemplo, por livros e material didático. Tudo o que pedimos é que o
estudante pague uma taxa para entrar na nossa seleção, de US$ 50, e para bancar o processo
de avaliação do seu curso, de US$100 - mesmo assim, só se eles puderem.
Precisamos de recursos no valor de US$ 6 milhões para chegar a 2015. Daí em diante, não
apenas vamos nos sustentar integralmente com as taxas de avaliações como também
poderemos ajudar a um número maior de estudantes que não podem pagá-las. Além disso,
estamos criando um Portal de Minibolsas, o primeiro do gênero em qualquer universidade, no
qual estudantes que não podem bancar as taxas podem contar sua história e pedir ajuda a
nossos apoiadores que se interessam por patrocinar alunos.
Quantos estudantes, voluntários e funcionários vocês têm agora? E quais instituições apoiam a
UoPeople?
Temos 3 mil voluntários e 1,5 mil estudantes de 132 países. Estamos ligados à Organização
das Nações Unidas, à Escola de Direito da Universidade de Yale e à Iniciativa Global de Bill
Clinton. Recebemos apoio de mais de 1 milhão de pessoas no Facebook e temos acordos de
colaboração com a Universidade de Nova York, que identificou talentos entre nossos
estudantes e os selecionou para seu câmpus em Abu Dhabi, e com a Hewlett-Packard, para
oferecer estágios a alunos. Recebemos apoio de líderes de universidades como Oxford e de
diversas fundações, entre elas as de Bill & Melinda Gates e do Google.
O que o senhor sabe sobre a educação no Brasil?
Sei o básico. Por exemplo, que os estudantes têm de passar por um processo competitivo para
ter acesso ao ensino superior. Dos vários brasileiros que estudam conosco e compartilharam
suas histórias, notamos que, além da gratuidade, um dos grandes motivos para escolher a
UoPeople é a capacidade de se comunicar globalmente.
Temos depoimentos nessa linha: "Escolhi a UoPeople porque ela me oferece uma
oportunidade de intercâmbio cultural, além de me ensinar a ser uma pessoa mais centrada. Se
você quer ser especial, precisa fazer parte de algo especial".
Vocês planejam ter parcerias aqui no Brasil?
A UoPeople está aberta a parcerias em todo o mundo e está ansiosa por fechar acordos no
Brasil, especialmente com gente disposta a patrocinar estudantes brasileiros.
O sr. mencionou em uma entrevista anterior a necessidade de se aperfeiçoar o ensino médio.
Também disse que achava que era uma tarefa urgente para governos e outras instituições
trabalharem com níveis inferiores de educação.
Há progressos sendo feitos em relação a isso?
Quanto mais alunos se formarem no ensino médio, maior o número de pessoas que nós
poderemos ajudar. Alguns governos até podem passar a considerar que o que fazemos na
UoPeople tem potencial para ser aplicado nesse nível de ensino.
É correto, do ponto de vista de um governo, considerar o ensino gratuito de qualidade uma
ferramenta para aumentar dramaticamente o Produto Interno Bruto (PIB)?
Não existe necessariamente uma correlação entre PIB alto e ensino gratuito. No entanto, há
uma clara conexão entre PIB alto e altas taxas de acesso e frequência à universidade.
Assim, deveria ser do interesse dos governos garantir taxas mais altas de acesso à
universidade. Se as pessoas não conseguem pagar as mensalidades, o foco deveria ser
garantir acesso ao ensino gratuito. Conhecemos diversos governos que estão olhando para o
modelo que construímos na UoPeople como uma opção para lidar com essa situação.
Hoje, pelo menos aqui no Brasil, é muito comum ver autoridades e a sociedade em geral
atribuir parte dos problemas do País à falta de instrução da população. Não faz sentido, nesse
cenário, oferecer ensino online gratuito em larga escala?
Totalmente. Nós adoraríamos participar dessa missão tão importante - seja compartilhando
nosso conhecimento ou oferecendo educação a mais brasileiros.
Universidade virtual descobre o Brasil
O Estado de S. Paulo - São Paulo/SP - EDUCAÇÃO - 22/10/2012 - 07:02:00
SERGIO POMPEU - O Estado de S.Paulo
"Ganhei dinheiro suficiente, é tempo de retribuir." Com essa frase o israelense Shai Reshef
explicou ao portal americano Huffington Post por que decidiu criar uma das maiores iniciativas
de ensino online do mundo, a University of the People (Universidade do Povo ou, na sigla em
inglês, UoPeople).
Escolhido em 2010 pelo Huff Post como uma das pessoas que estão "mudando o jogo" da
educação e neste ano pela revista Wired como uma das 50 personalidades que estão
transformando o mundo, Reshef fez fortuna como executivo. Transformou a Kidum israelense
de um cursinho preparatório para exames em um gigante da prestação de serviços
educacionais - ela foi comprada pela americana Kaplan em 2005 por mais de US$ 25 milhões.
Depois disso, Reshef doou US$ 1 milhão para o projeto da UoPeple, lançado em 2009 com
apoio da Organização das Nações Unidas. Com cursos de Administração e Ciências da
Computação, a universidade cobra apenas uma taxa de inscrição e outra para custear o
processo de avaliação, no valor total de US$ 150. A UoPeople tem vivido dessas taxas e da
doação de fundações como a de Bill Gates, graças a um modelo de baixíssimo custo, apoiado
em professores voluntários de primeira linha.
Reshef, que participou na semana passada, no Rio, do Global Economic Symposium,
organizado pela Fundação Getúlio Vargas, planeja tornar a UoPeople sustentável a partir de
2015, sobrevivendo só com a receita das taxas, no que pode ser o primeiro modelo de negócio
viável de uma instituição de ensino online. Nesta entrevista, ele falou sobre o interesse de
firmar parcerias no Brasil:
Desde que o senhor lançou a UoPeople, houve várias outras iniciativas de ensino online
gratuito, como Coursera e Udacity, ambos criados por professores da Universidade de
Stanford. O que o sr. acha deles e como vê o atual estágio do ensino online?
A UoPeople apoia totalmente o conceito de Mooc (sigla em inglês para cursos abertos online
massivos, criados para atingir grandes públicos) e o movimento de Recursos Educacionais
Abertos (material e ferramentas de ensino com licença aberta de uso). Os Moocs representam
a livre disseminação do conhecimento para o aperfeiçoamento da humanidade e são
excelentes ferramentas de aprendizado.
A UoPeople se diferencia por ser uma universidade com currículo amplo que dá acesso a
diplomas formais de Administração e Ciências da Computação. Os Moocs são bastante
atraentes se a pessoa quer se aprofundar em um tópico específico ou deseja ver um professor
renomado tratando de um tema, mas não abrem caminho para o diploma.
Outra distinção importante é o fato de que a UoPeople garante ao estudante atenção
individualizada. Em vez de oferecer um só curso para milhões, quebramos os nossos em
classes de 20, 30 estudantes. Isso permite ao instrutor fazer a supervisão e interagir com os
alunos, algo básico no processo de aprendizado.
Qual é a situação atual do mundo no que diz respeito ao acesso ao ensino superior?
Milhões de pessoas em todo o planeta enfrentam obstáculos por limitações financeiras,
geográficas, sociais e pessoais. Projeções da Unesco sugerem que até 2025 haverá um
público de 98 milhões de jovens que precisam de ensino superior, mas não terão vaga nas
instituições existentes.
O ensino online é uma maneira excelente de conseguir atender a essa demanda incrível por
ensino superior - não só para atender demandas individuais, mas também para tornar o mundo
um lugar melhor para todos.
Quais são os próximos passos da UoPeople? Vocês mantêm a meta de construir um modelo
de negócios sustentável até 2015?
Embora não cobremos mensalidade, o ensino que oferecemos não é totalmente gratuito. Mas a
UoPeople tem sido bem-sucedida em cortar quase todo o custo associado ao ensino superior.
Não cobramos, por exemplo, por livros e material didático. Tudo o que pedimos é que o
estudante pague uma taxa para entrar na nossa seleção, de US$ 50, e para bancar o processo
de avaliação do seu curso, de US$100 - mesmo assim, só se eles puderem.
Precisamos de recursos no valor de US$ 6 milhões para chegar a 2015. Daí em diante, não
apenas vamos nos sustentar integralmente com as taxas de avaliações como também
poderemos ajudar a um número maior de estudantes que não podem pagá-las. Além disso,
estamos criando um Portal de Minibolsas, o primeiro do gênero em qualquer universidade, no
qual estudantes que não podem bancar as taxas podem contar sua história e pedir ajuda a
nossos apoiadores que se interessam por patrocinar alunos.
Quantos estudantes, voluntários e funcionários vocês têm agora? E quais instituições apoiam a
UoPeople?
Temos 3 mil voluntários e 1,5 mil estudantes de 132 países. Estamos ligados à Organização
das Nações Unidas, à Escola de Direito da Universidade de Yale e à Iniciativa Global de Bill
Clinton. Recebemos apoio de mais de 1 milhão de pessoas no Facebook e temos acordos de
colaboração com a Universidade de Nova York, que identificou talentos entre nossos
estudantes e os selecionou para seu câmpus em Abu Dhabi, e com a Hewlett-Packard, para
oferecer estágios a alunos. Recebemos apoio de líderes de universidades como Oxford e de
diversas fundações, entre elas as de Bill & Melinda Gates e do Google.
O que o senhor sabe sobre a educação no Brasil?
Sei o básico. Por exemplo, que os estudantes têm de passar por um processo competitivo para
ter acesso ao ensino superior. Dos vários brasileiros que estudam conosco e compartilharam
suas histórias, notamos que, além da gratuidade, um dos grandes motivos para escolher a
UoPeople é a capacidade de se comunicar globalmente.
Temos depoimentos nessa linha: "Escolhi a UoPeople porque ela me oferece uma
oportunidade de intercâmbio cultural, além de me ensinar a ser uma pessoa mais centrada. Se
você quer ser especial, precisa fazer parte de algo especial".
Vocês planejam ter parcerias aqui no Brasil?
A UoPeople está aberta a parcerias em todo o mundo e está ansiosa por fechar acordos no
Brasil, especialmente com gente disposta a patrocinar estudantes brasileiros.
O sr. mencionou em uma entrevista anterior a necessidade de se aperfeiçoar o ensino médio.
Também disse que achava que era uma tarefa urgente para governos e outras instituições
trabalharem com níveis inferiores de educação.
Há progressos sendo feitos em relação a isso?
Quanto mais alunos se formarem no ensino médio, maior o número de pessoas que nós
poderemos ajudar. Alguns governos até podem passar a considerar que o que fazemos na
UoPeople tem potencial para ser aplicado nesse nível de ensino.
É correto, do ponto de vista de um governo, considerar o ensino gratuito de qualidade uma
ferramenta para aumentar dramaticamente o Produto Interno Bruto (PIB)?
Não existe necessariamente uma correlação entre PIB alto e ensino gratuito. No entanto, há
uma clara conexão entre PIB alto e altas taxas de acesso e frequência à universidade. Assim,
deveria ser do interesse dos governos garantir taxas mais altas de acesso à universidade. Se
as pessoas não conseguem pagar as mensalidades, o foco deveria ser garantir acesso ao
ensino gratuito. Conhecemos diversos governos que estão olhando para o modelo que
construímos na UoPeople como uma opção para lidar com essa situação.
Hoje, pelo menos aqui no Brasil, é muito comum ver autoridades e a sociedade em geral
atribuir parte dos problemas do País à falta de instrução da população. Não faz sentido, nesse
cenário, oferecer ensino online gratuito em larga escala?
Totalmente. Nós adoraríamos participar dessa missão tão importante - seja compartilhando
nosso conhecimento ou oferecendo educação a mais brasileiros
Universidade virtual descobre o Brasil
Jornal da Ciência - - NOTÍCIAS - 22/10/2012 - 18:07:20
Instituição apoiada pela ONU só cobra taxas de US$ 150 de alunos e implodiu custos graças a
rede de voluntários.
"Ganhei dinheiro suficiente, é tempo de retribuir." Com essa frase o israelense Shai Reshef
explicou ao portal americano Huffington Post por que decidiu criar uma das maiores iniciativas
de ensino online do mundo, a University of the People (Universidade do Povo ou, na sigla em
inglês, UoPeople).
Escolhido em 2010 pelo HuffPost como uma das pessoas que estão "mudando o jogo" da
educação e neste ano pela revista Wired como uma das 50 personalidades que estão
transformando o mundo, Reshef fez fortuna como executivo. Transformou a Kidum israelense
de um cursinho preparatório para exames em um gigante da prestação de serviços
educacionais - ela foi comprada pela americana Kaplan em 2005 por mais de US$ 25 milhões.
Depois disso, Reshef doou US$1 milhão para o projeto da UoPeple, lançado em 2009 com
apoio da Organização das Nações Unidas. Gom cursos de Administração e Ciências da
Computação, a universidade cobra apenas uma taxa de inscrição e outra para custear o
processo de avaliação, no valor total de US$150. A UoPeople tem vivido dessas taxas e da
doação de fundações como a de Bill Gates, graças a um modelo de baixíssimo custo, apoiado
em professores voluntários de primeira linha.
Reshef, que participou na semana passada, no Rio, do Global Economic Symposium,
organizado pela Fundação Getúlio Vargas, planeja tornar a UoPeople sustentável a partir de
2015, sobrevivendo só com a receita das taxas, no que pode ser o primeiro modelo de negócio
viável de uma instituição de ensino online. Nesta entrevista, ele falou sobre o interesse de
firmar parcerias no Brasil:
Desde que o senhor lançou a UoPeople, houve várias outras iniciativas de ensino online
gratuito, como Goursera e Udacity, ambos criados por professores da Universidade de
Stanford. O que o senhor acha deles e como vê o atual estágio do ensino online?
A UoPeople apoia totalmente o conceito de Mooc (sigla em inglês para cursos abertos online
mctssivos, criados para atingir grandes públicos) e o movimento de Recursos Educacionais
Abertos (material e ferramentas de ensino com licença aberta de uso). Os Moocs representam
a livre disseminação do conhecimento para o aperfeiçoamento da humanidade e são
excelentes ferramentas de aprendizado.
A UoPeople se diferencia por ser uma universidade com currículo amplo que dá acesso a
diplomas formais de Administração e Ciências da Computação. Os Moocs são bastante
atraentes se a pessoa quer se aprofundar em um tópico específico ou deseja ver um professor
reno-mado tratando de um tema, mas não abrem caminho para o diploma. Outra distinção
importante é o fato de que a UoPeople garante ao estudante atenção individualizada. Em vez
de oferecer um só curso para milhões, quebramos os nossos em classes de 20, 30 estudantes.
Isso permite ao instrutor fazer a supervisão e interagir com os alunos, algo básico no processo
de aprendizado.
Qual é a situação atual do mundo no que diz respeito ao acesso ao ensino superior?
Milhões de pessoas em todo o planeta enfrentam obstáculos por limitações financeiras,
geográficas, sociais e pessoais. Projeções da Unesco sugerem que até 2025 haverá um
público de 98 milhões de jovens que precisam de ensino superior, mas não terão vaga nas
instituições existentes. O ensino online é uma maneira excelente de conseguir atender a essa
demanda incrível por ensino superior - não só para atender demandas individuais, mas
também para tomar o mundo um lugar melhor para todos.
Quais são os próximos passos da UoPeople? Vocês mantêm a meta de construir um modelo
de negócios sustentável até 2015?
Embora não cobremos mensalidade, o ensino que oferecemos não é totalmente gratuito. Mas a
UoPeople tem sido bem-sucedida em cortar quase todo o custo associado ao ensino superior.
Não cobramos, por exemplo, por livros e material didático. Tudo o que pedimos é que o
estudante pague uma taxa para entrar na nossa seleção, de US$ 50, e para bancar o processo
de avaliação do seu curso, de US$100 - mesmo assim, só se eles puderem. Precisamos de
recursos no valor de US$ 6 milhões para chegar a 2015. Daí em diante, não apenas vamos nos
sustentar integralmente com as taxas de avaliações como também poderemos ajudar a um
número maior de estudantes que não podem pagá-las. Além disso, estamos criando um Portal
de Minibolsas, o primeiro do gênero em qualquer universidade, no qual estudantes que não
podem bancar as taxas podem contar sua história e pedir ajuda a nossos apoiadores que se
interessam por patrocinar alunos.
Quantos estudantes, voluntários e funcionários vocês têm agora? E quais instituições apoiam a
UoPeople?
Temos três mil voluntários e 1,5 mil estudantes de 132 países. Estamos ligados à Organização
das Nações Unidas, à Escola de Direito da Universidade de Yale e à Iniciativa Global de Bill
Clinton. Recebemos apoio de mais de 1 milhão de pessoas no Facebook e temos acordos de
colaboração com a Universidade de Nova York, que identificou talentos, entre nossos
estudantes e os selecionou para seu campus em Abu Dhabi, e com a Hewlett-Packard, para
oferecer estágios a alunos. Recebemos apoio de líderes de universidades como Oxford e de
diversas fundações, entre elas as de Bill&Melinda Gates e do Google.
O que o senhor sabe sobre a educação no Brasil?
Sei o básico. Por exemplo, que os estudantes têm de passar por um processo competitivo para
ter acesso ao ensino superior. Dos vários brasileiros que estudam conosco e compartilharam
suas histórias, notamos que, além da gratuidade, um dos grandes motivos para escolher a
UoPeople é a capacidade de se comunicar globalmente. Temos depoimentos nessa linha:
"Escolhi a UoPeople porque ela me oferece uma oportunidade de intercâmbio cultural, além de
me ensinar a ser uma pessoa mais centrada. Se você quer ser especial, precisa fazer parte de
algo especial".
Vocês planejam ter parcerias aqui no Brasil?
A UoPeople está aberta a parcerias em todo o mundo e está ansiosa por fechar acordos no
Brasil, especialmente com gente disposta a patrocinar estudantes brasileiros. O senhor
mencionou em uma entrevista anterior a necessidade de se aperfeiçoar o ensino médio.
Também disse que achava que era uma tarefa urgente para governos e outras instituições
trabalharem com níveis inferiores de educação.
Há progressos sendo feitos em relação a isso?
Quanto mais alunos se formarem no ensino médio, maior o número de pessoas que nós
poderemos ajudar. Alguns governos até podem passar a considerar que o que fazemos na
UoPeople tem potencial para ser aplicado nesse nível de ensino.
É correto, do ponto de vista de um governo, considerar o ensino gratuito de qualidade uma
ferramenta para aumentar dramaticamente o Produto Interno Bruto (PIB)?
Não existe necessariamente uma correlação entre PIB alto e ensino gratuito. No entanto, há
uma clara conexão entre PIB alto e altas taxas de acesso e frequência à universidade. Assim,
deveria ser do interesse dos governos garantir taxas mais altas de acesso à universidade. Se
as pessoas não conseguem pagar as mensalidades, o foco deveria ser garantir acesso ao
ensino gratuito. Conhecemos diversos governos que estão olhando para o modelo que
construímos na UoPeople como uma opção para lidar com essa situação.
Hoje, pelo menos aqui no Brasil, é muito comum ver autoridades e a sociedade em geral
atribuir parte dos problemas do País à falta de instrução da população. Não faz sentido, nesse
cenário, oferecer ensino online gratuito em larga escala?
Totalmente. Nós adoraríamos participar dessa missão tão importante - seja compartilhando
nosso conhecimento ou oferecendo educação a mais brasileiros.
(O Estado de São Paulo)
Mídias Eletrônicas
Especialistas sugerem a criação de um banco de dados para combater a imigração ilegal em
todo o mundo
17/10/2012 - Rádio CBN – SP (Jornal da CBN 2ª Edição) - Pág:18:46
http://www.info4.com.br/gomateria.asp?cod=662157&nome=1432&cliente=1432
Apesar do desenvolvimento, ainda faltam serviços básicos em áreas com UPPs
20/10/2012 - Rádio CBN – RJ (Jornal da CBN) - Pág:07:59
http://www.info4.com.br/gomateria.asp?cod=662679&nome=1432&cliente=1432
Especialistas fazem balanço sobre comunidades pacificadas do Rio de Janeiro
20/10/2012 - Rádio CBN – SP (CBN Madrugada) - Pág:00:39
http://www.info4.com.br/gomateria.asp?cod=662635&nome=1432&cliente=1432
Comunidades que possuem UPP apresentam sinais de desenvolvimento social
21/10/2012 - Rádio CBN – RJ (Revista CBN) - Pág:14:34
http://www.info4.com.br/gomateria.asp?cod=662760&nome=1432&cliente=1432
Comunidades pacificadas apresentam sinais de desenvolvimento social
21/10/2012 - Rádio CBN – RJ (Jornal da CBN) - Pág:07:14
http://www.info4.com.br/gomateria.asp?cod=662743&nome=1432&cliente=1432
Organizers
Cooperation Partner
Collaborator
Strategic Partner
Strategic Public Relations Partner
Sponsors
Blau
100c/90m/30y/40k
HKS 41
RAL 5003
Official Airline
Knowledge Partners
Berlin
9 November
2012
Media Partners
Associated Partners
The International Conference
on Future Breakthroughs
in Science and Society
GES | 2012 Media Review
Kiel Institute for the World Economy
Hindenburgufer 66, D-24105 Kiel
Phone:+49(431)8814-1
Telefax:+49(431)85853
www.ifw-kiel.de
www.global-economic-symposium.org
[email protected]
Design and Layout:
www.christian-ulrich.de, Kerstin Stark, Birgit Wolfrath, Kai Meinke
Pictures
Cover
top f.l.t.r.: © Nikada / iStockphoto; © Huguette Roe / iStockphoto;
© mustafa deliormanli / iStockphoto; © Roberto Gennaro / iStockphoto;
© Christian Jakimowitsch - Fotolia.com;
bottom f.l.t.r.: © woraput chawalitphon / iStockphoto; © Mehmet Salih Guler
/ iStockphoto

Documentos relacionados

Global Economic Symposium (GES)

Global Economic Symposium (GES) Vice-Diretor, Instituto de Análise de Sistemas Aplicados

Leia mais