Estudo da degradação de verde malaquita fotocatalisado por

Сomentários

Transcrição

Estudo da degradação de verde malaquita fotocatalisado por
Sociedade Brasileira de Química (SBQ)
Estudo da degradação de verde malaquita fotocatalisado por
nanotubos de óxido de cério e óxido de titânio.
Daniel de A. Moreira(IC)¹, Elias de P. A. Carneiro(IC)¹, Larissa G. Maciel(IC)¹*, Ricardo C.
J. Silva (IC)1, Matheus S. de Holanda(PG)1, Marcelo O. Rodrigues (PQ)1.
[email protected]*
LIMA
–
Professor
Gilberto
Sá1,
CEP 70910-000 Brasília, Distrito Federal
Universidade
de
Brasília,
Caixa
Postal
04478
Corante, TiO2, CeO2, fotodegradação.
Introdução
A fotocatálise heterogênea tem se
mostrado
um
dos
métodos
mais
promissores no que se diz respeito à
descontaminação de efluentes, tendo em
vista que, ao contrário dos métodos
convencionais,
ele
degrada
o
contaminante, ao invés de simplesmente
adsorvê-lo.1
Em fotocatálise, um material que tem sido
amplamente testado é o CeO2 devido à sua
baixa energia de ‘band gap’ equivalente a
2,94 eV, o que permite a fotodegradação
utilizando comprimentos de onda próximos
da região do visível, diferentemente do
material comumente utilizado, o TiO2 que
possui energia de ‘band gap’ de 3,2 eV e
necessita de comprimentos de ondas mais
energéticos. Essa característica do óxido
de cério, associada a sua capacidade de
adsorção, explica o porquê dos diversos
testes para a substituição e/ou utilização
em conjunto do óxido de titânio na
fotodegradação.2
Dessa forma foram utilizados nanotubos de
CeO2 e de TiO2 a fim de realizar um
comparativo entre eficiência.
Resultados e Discussão
Partindo de uma solução de 100 mL de
verde malaquita com concentração de
1,00.10-5 mol.L-1, foram realizados três
ensaios de fotodegradação, sendo testadas
as atividades dos nanotubos de TiO2 (nTiO2), de CeO2 (n-CeO2) e a degradação do
corante sem o efeito dos catalisadores. Nos
ensaios com o catalisador, foram
adicionados 0,10 g do mesmo à solução. A
cada meia hora foram retiradas alíquotas
das
soluções.
Alíquotas
livres
de
catalisador foram utilizadas, nas análises
por espectroscopia de ultravioleta.
O mesmo procedimento foi realizado para o
teste de degradação do corante sem o
catalisador. Foi utilizado nos ensaios um
fotoreator caseiro com uma lâmpada de
vapor de mercúrio de 250W.
Após 210 min, as propriedades do óxido de
cério deixam evidente a melhor ação de
seus nanotubos, uma vez que restaram
aproximadamente 12% de verde malaquita,
contra 37% da reação com óxido de titânio.
Figura 1. Degradação de verde malaquita
em função do tempo
Conclusões
Os nanotubos de CeO2 mostraram-se
bastante superiores na degradação do
corante, o que faz com que esse material
se apresente como uma boa alternativa
para o TiO2 na recuperação de efluentes
contaminados.
Agradecimentos
CNPq, CAPES e QuiCSI Team.
___________________________________
1 Nogueira, R. F. P.; Jardim, W. F. Quim. Nova 1998, 2,
69.
2 Martins, T. S.; Hewer, T. L.; Freire, R. S. Quim. Nova
2007, 30, 2001
36ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química

Documentos relacionados