DCDM maurícia escola de negócios

Сomentários

Transcrição

DCDM maurícia escola de negócios
10 ANOS DO PROGRAMA ÁRVORE DA VIDA: PERSPECTIVAS
E RESULTADOS
Ellen Dias, Fernando Elias, Luciana Costa, Luiz Guilherme Gomes
Fiat Automóveis
RESUMO
O programa social Árvore da Vida, idealizado pela Fiat Automóveis, promove o
desenvolvimento local inclusivo das comunidades onde a empresa está
presente, construindo oportunidades coletivas e individuais de transformações.
Para a concretização dessa política, a plataforma Árvore da Vida divide-se em
três grandes programas: Jardim Teresópolis, Capacitação Profissional e
Parcerias. Em 2014, o programa Árvore da Vida – Jardim Teresópolis completa
10 anos com resultados que indicam o alcance dos objetivos propostos por
meio de ações socioeducativas, fortalecimento da comunidade e geração de
trabalho e renda. O relato apresenta também o modelo de avaliação e
monitoramento do programa no âmbito do Complexo Jardim Teresópolis, em
Betim (MG), permitindo o aperfeiçoamento sistemático de gestão e diretrizes.
Na iniciativa privada, o Árvore da Vida tem sido uma importante referência de
Investimento Social Privado (ISP) pela soma de elementos como: perenidade,
alianças intersetoriais, sistema de indicadores, gestão participativa e diálogo
social.
APLICABILIDADE
O Brasil sedia a maior unidade de produção do Grupo Fiat Chrysler no mundo,
localizada em Betim (MG) e em operação desde 1976. No país, a Fiat
Automóveis foi a primeira indústria automobilística a instalar-se fora do eixo
Rio-São Paulo, consolidando ao seu redor um complexo parque de
fornecedores. Desde a inauguração, a fábrica de Betim já produziu mais de 13
milhões de automóveis e comerciais leves, dos quais mais de 5 milhões são
flexfuel.
Na Fiat Automóveis, a sustentabilidade é um processo de melhoria contínua,
essencial para a perenidade da empresa ao equilibrar as oportunidades de
negócios, as necessidades atuais da sociedade e o bem-estar das gerações
futuras. Ao longo dos anos, a estratégia de sustentabilidade da empresa deu
origem a uma série de programas, em um sistema de governança corporativa
que abrange:
PRODUTO: a busca pela excelência e inovação contínua como diferenciais e o
desenvolvimento de produtos que gerem menos impactos ambientais.
PESSOAS: respeito à diversidade, valorização do bem-estar e compromisso
com o crescimento das pessoas.
PARCEIROS: relação embasada pela parceria, crescimento mútuo e
transparência. Engajamento de parceiros nos desafios do setor automobilístico.
PLANETA: utilização responsável dos recursos visando o equilíbrio e a
preservação do meio ambiente, minimizando o impacto das operações da
empresa.
COMUNIDADE: compromisso com o desenvolvimento social das comunidades
em que a empresa está inserida.
CLIENTES: intensificar a experiência do cliente com a marca e a estratégia de
sustentabilidade da empresa.
No contexto da COMUNIDADE, a Fiat Automóveis tem um histórico de apoio
às ações sociais desde sua implantação em 1976, em Betim. Acompanhando a
evolução do conceito e práticas de Responsabilidade Social Corporativa (RSC)
no Brasil, a Fiat também avançou na revisão de sua participação no
desenvolvimento social. Se nas décadas de 1970 e 1980, as ações eram
pontuais, sem foco e regularidade definida, nos anos de 1990 ganham “corpo”
os primeiros projetos próprios – sementes que possibilitaram à Fiat, em 2004, a
criação do programa social Árvore da Vida.
O diretor de Comunicação Corporativa e Sustentabilidade da Fiat Chrysler para
a América Latina, Marco Antonio Lage, resume no depoimento abaixo a
evolução do conceito de Responsabilidade Social Corporativa na empresa:
“Começamos com projetos que estimulavam a leitura para
crianças, programas de educação no trânsito e ações que
procuravam valorizar o país e o orgulho de ser brasileiro. Isso foi
feito a partir de uma pesquisa realizada na época que apontou
uma falta de esperança dos jovens com relação ao futuro do país.
A contribuição da Fiat estava, entretanto, distante do contexto
preocupante da desigualdade social nas regiões onde a fábrica
está presente, onde indicadores mostravam que a empresa podia
ter um papel direto e significativo no desenvolvimento social.”
A partir de 2000, a Fiat mudou sua percepção em relação às regiões
localizadas próximas à fábrica de Betim. Essas comunidades passaram a ser
percebidas como territórios com oportunidades de desenvolvimento social e
econômico. A criação do programa Árvore da Vida em 2004 é resultado da
evolução do entendimento do papel social da Fiat ao buscar alternativas para o
desenvolvimento local inclusivo, estabelecendo dinâmicas de relacionamento e
atuação intersetoriais de atores que reconhecem sua influência e as exercem
em um processo participativo.
Para a definição do perfil de intervenção nas comunidades, o primeiro passo foi
a elaboração de um amplo diagnóstico que indicou os fatores de
vulnerabilidade e o contexto socioeconômico do Complexo Jardim Teresópolis
– região que hoje concentra cerca de 31 mil moradores dos bairros Jardim
Teresópolis, Vila Bemge e Vila Recreio. Era o momento de aproximar de forma
efetiva os dois lados da rodovia BR-381, conforme mapa abaixo:
Figura 1 – Mapa da Fiat e comunidades do entorno
JARDIM TERESÓPOLIS
VILA BEMGE
VILA RECREIO
BR 381
FIAT
Figura 2 – Área de atuação do Árvore da Vida – Jardim Teresópolis
A pesquisadora Márcia Benevides da Silva Grazzioti, autora do estudo
“Comunicação em sistemas nas redes sociais: um estudo de caso da Rede de
Cidadania Fiat”, apresentado no XVI Congresso de Ciências da Comunicação
na Região Sudeste, fez um breve relato dessas comunidades:
“Com a presença da Fiat na década de 1970, Betim atraiu um
grande número de pessoas, geralmente de baixa renda, para as
adjacências da empresa. Ao longo dos anos, a grande imigração
de pessoas para os bairros Jardim Teresópolis, Vila Bemge e Vila
Recreio resultou em um crescimento desordenado na região,
agravado pelas condições precárias de infraestrutura, saúde,
educação etc. Esse crescimento gerou a formação de um dos
maiores conglomerados urbanos, com um dos menores índices
de desenvolvimento humano de Betim”.
No primeiro diagnóstico feito pela Fiat, educação, trabalho, capital social e
relações familiares foram os patrimônios identificados como importantes de
serem fortalecidos e três linhas de atuação foram traçadas para o alcance dos
objetivos do programa: ações socioeducativas, fortalecimento da comunidade e
geração de trabalho e renda.
O sucesso dos primeiros anos do Árvore da Vida, com atuação prioritária no
Complexo Jardim Teresópolis, fez com que a Fiat reorganizasse o programa
em 2008, incluindo nele outras frentes nas quais a empresa já atuava, como os
patrocínios a projetos sociais, culturais e esportivos espalhados pelo país,
resultando no Árvore da Vida – Parcerias. Outra vertente criada foi o Árvore da
Vida – Capacitação Profissional, com foco na formação de jovens para
trabalhar nas concessionárias da Fiat, realizado em algumas capitais.
Em breve, a Fiat vai iniciar uma nova operação em Pernambuco, na cidade de
Goiana, e o aprendizado acumulado até aqui será fundamental para que a
presença da empresa contribua com o desenvolvimento regional e esteja em
sintonia com a cultura local.
OBJETIVOS
O objetivo deste trabalho é apresentar as estratégias e os benefícios sociais
alcançados com o programa Árvore da Vida – Jardim Teresópolis, destinado a
promover o desenvolvimento social, cultural e econômico, incentivando a
independência e autonomia das pessoas que vivem na comunidade. Nos
últimos anos, a região tem vivenciado uma melhoria significativa dos
indicadores sociais.
1.DESENVOLVIMENTO
1.1.CONTEXTO
Diante de um mercado automotivo cada vez mais competitivo, buscar formas
inovadoras de atuação socialmente responsável é hoje um relevante
diferencial, contribuindo diretamente para melhorar a reputação da empresa e
agregar valor à marca.
A Fiat acredita que o desenvolvimento econômico e tecnológico deve estar
alinhado às práticas que garantam, cada vez mais, transformações sociais. A
partir dessa premissa, nasceu o programa social Árvore da Vida – Jardim
Teresópolis, que está completando 10 anos com um robusto escopo de ações
e alianças intersetoriais que se articulam por meio de uma Rede de Cidadania
entre os parceiros.
A comemoração dos 10 anos do programa é também momento de revisão de
diretrizes e construção de uma visão de futuro do território para os próximos 10
anos. A Fiat acaba de lançar o Árvore da Vida 10+10, que é uma plataforma
que reúne iniciativas de comunicação e de engajamento da comunidade,
parceiros e empresas que, em fóruns e encontros, irão discutir áreas
prioritárias de atuação para os próximos anos. Espera-se a elaboração de um
documento com diretrizes e, em 2015, através da Rede de Desenvolvimento do
Teresópolis, a construção de metas e indicadores alinhados ao Plano de Metas
do município de Betim.
1.2. GESTÃO
O modelo de gestão escolhido para a implantação do programa Árvore da Vida
no Complexo Jardim Teresópolis foi a parceria com a Fundação AVSI e a CDM
(Cooperação para o Desenvolvimento e Morada Humana), duas instituições do
terceiro setor com experiência em projetos de desenvolvimento social e que
ficaram responsáveis por sua gestão operativa. Também foi instituído um grupo
formado por lideranças locais, o Grupo de Referência, que atua na definição de
estratégias de implementação das ações no território e representa um
importante ponto focal para a realização de atividades de engajamento com a
comunidade.
O Grupo de Referência encontra-se mensalmente e seus integrantes
funcionam como mediadores entre a comunidade e o programa, trazendo
demandas, discutindo-as conjuntamente e ajudando a levar as informações
para a população.
Benedito Rocha Martins, o Seu Bené, é
o braço direito da Fiat desde os
primeiros contatos com a população da
região, em 2004. Foi de porta em porta
ajudando a apresentar as ideias do
Árvore da Vida – Jardim Teresópolis e
mobilizando a população. Nesses 10
anos, viu o Árvore da Vida nascer e
crescer. Acompanhou, inclusive, seus
filhos e netos participarem de atividades
esportistas, artísticas e
profissionalizantes do programa. Hoje,
ele integra formalmente o conselho de
lideranças do Grupo de Referência, ao
lado da mulher, Enedina Nascimento
Martins
Ciente de que para tornar perene um programa dessa magnitude é necessário
promover a integração entre os diversos setores da sociedade, a Fiat também
criou, em 2004, a estrutura da Rede de Cidadania. A Rede de Cidadania faz a
gestão das diversas parcerias com o governo, fornecedores, universidades,
instituição não-governamentais e de ensino e com a própria comunidade,
consolidando-se como uma importante iniciativa de engajamento desses
diferentes atores nas ações do programa. Essas parcerias, sempre de maneira
voluntária, se dão em diferentes níveis e de acordo com o interesse e a
disponibilidade de cada um, podendo ser desde a doação de recurso físico ou
financeiro até a participação na gestão das atividades do programa ou
oferecimento de cursos e vagas para inserção em postos de trabalho.
A Rede de Cidadania começou a funcionar aproveitando a teia de
relacionamento institucional e comercial constituída entre a Fiat e seus
fornecedores, concessionários e demais parceiros. Atualmente, a Rede reúne
57 empresas e instituições, que incluem universidades, órgãos públicos,
entidades de classe, entre outros. Para avançar na gestão da Rede de
Cidadania, a Fiat está desenvolvendo, em parceria com o Sistema Fiemg
(Federação das Indústrias de Minas Gerais), uma plataforma virtual com a
finalidade de potencializar a integração dos parceiros.
Figura 3 – Instituições que integram a Rede de Cidadania
Na avaliação de Graziella Giacomini, coordenadora do Centro de
Empreendedorismo Social e Administração do Terceiro Setor (Ceats) da
Universidade de São Paulo (USP), “a Rede Fiat de Cidadania é complexa e,
por isso, inovadora, muito em função do elevado nível de articulação
multidisciplinar, que intensifica o relacionamento da empresa com seus
stakeholders”. Outra importante referência que guia todo o programa, desde as
primeiras ações, é o foco no protagonismo na comunidade. O desafio é
preparar a comunidade, de forma efetiva, para a autosustentabilidade do
programa, criando as condições necessárias para que a Rede de Cidadania
possa desligar-se e a população vir a assumir a responsabilidade de coordenálo.
A perspectiva da perenidade do Árvore da Vida no Complexo Jardim
Teresópolis passa, também, pela existência de um espaço físico adequado
para a realização das várias atividades oferecidas. Nesses 10 anos, a sede do
Árvore da Vida mudou de endereço algumas vezes, para se adaptar ao
crescimento do programa e, principalmente, desenvolver-se como importante
ponto de referência na comunidade. Em 2011, após a aquisição do terreno no
Jardim Teresópolis, a Fiat vem investindo na idealização e concretização de
uma sede própria.
As obras tiveram início em 2013. Com projeto arquitetônico assinado pelo
arquiteto mineiro Gustavo Penna, a nova sede nasce com a proposta de ser –
aos poucos – apropriada pela própria comunidade. Será uma ferramenta de
convívio, integração e mobilização social de Betim, abrigando inúmeras
iniciativas para a melhoria continuada da qualidade de vida na região, além de
fortalecer a importância do Complexo Jardim Teresópolis no circuito cultural do
município.
Figura 4 – Projeto da sede própria
1.3. ATUAÇÃO
O nome “Árvore da Vida” é referência à simbologia que representa esperança e
crescimento. A valorização da vida, a prosperidade, a autonomia do ser
humano e a perenidade são os valores que norteiam o relacionamento da Fiat
com a comunidade. Os “galhos” dessa Árvore da Vida retratam a união de
forças entre a empresa, as comunidades e os parceiros.
Desde 2008, a plataforma Árvore da Vida divide-se em três grandes
programas: Jardim Teresópolis, Capacitação Profissional e Parcerias. O
financiamento das ações se dá por meio de recursos de incentivo fiscal e
recursos próprios (econômicos e não econômicos) da Fiat e de algumas
empresas e instituições da Rede de Cidadania. A empresa também mantém
uma estrutura de pessoal dedicada às ações do programa, além de
compartilhar suas competências tecnológicas e de infraestrutura sempre que
necessário.
Figura 5 – Logotipos dos três programas
1.3.1 Árvore da Vida – Jardim Teresópolis
Nos últimos anos, a comunidade do Complexo Jardim Teresópolis vem
enfrentando positivamente importantes desafios para a melhoria da educação,
segurança, saúde e trabalho, com o apoio de programas como o Árvore da
Vida – Jardim Teresópolis e, principalmente, com a participação dos próprios
moradores.
O Árvore da Vida – Jardim Teresópolis realiza ações voltadas para o
desenvolvimento local, com projetos para crianças, jovens e adultos e seus
públicos de relacionamento, como a família e as escolas, por meio das
estratégias:
 Oferecer atividades socioeducativas: realiza oficinas de
percussão, canto, esporte, atividades de formação humana e
educomunicação, com a participação de adolescentes de 12 a 15
anos.
A população de 12 a 24 anos da comunidade
é o universo-chave a partir da qual a
intervenção tem mais chances de gerar um
processo de mudança sustentável. Diversos
jovens da região têm, por exemplo,
oportunidade de participar de cursos de
informática
Desde 2004, mais de 900 crianças de
adolescentes, com idades entre 12 e 16 anos,
já frequentaram as oficinas de canto e
percussão.
Eles
fazem
diversas
apresentações públicas, em escolas e festas
da comunidade. Um dos momentos mais
marcantes foi a participação no show do tenor
italiano Andrea Bocelli em Belo Horizonte, em
2011
Outro momento inesquecível dos jovens
das oficinas de canto e percussão foi a
gravação do CD “Diversidade”, lançado em
abril de 2014. Realizado através da Lei
Estadual de Incentivo à Cultura de Minas
Gerais, o CD é o registro do aprendizado de
230 jovens, com um repertório de quatro
músicas
Desde 2013, cerca de 20 jovens, de 13 a
18 anos, participam das oficinas de
Educomunicação. A cada aula, os alunos
são
incentivados
a
redescobrir
a
comunidade sob a ótica da comunicação
(fotos, vídeos e internet). O objetivo é
instrumentalizar esses jovens para o uso
da comunicação como ferramenta de
mobilização e transformação social,
fortalecendo o protagonismo da própria
comunidade na busca de soluções. Todos
os vídeos produzidos são postados no
Facebook do Grupo: TERE COMUNICA
AÇÃO
 Fomentar a geração de emprego e renda: apoia jovens e adultos
na conquista de uma vaga no mercado de trabalho e oferece
oportunidade para os comerciantes da região aperfeiçoarem a
gestão de seus negócios. Uma das iniciativas é a Cooperárvore.
A cooperativa social cria e desenvolve acessórios de moda, como
bolsas e chaveiros, com os materiais reaproveitados da indústria
automotiva, doados pela Fiat e parceiros.
Os cursos de qualificação profissional,
realizados pelo Senai ou outra instituição
de ensino, são oferecidos aos jovens de
17 a 24 anos. A empresa parceira paga a
qualificação, o transporte e a alimentação
e, após o curso, contrata o jovem. Já nos
cursos de Aprendizagem Industrial,
participam jovens entre 16 e 24 anos da
comunidade. Quem ministra a formação é
o Sistema Fiemg/Senai e a empresa,
desde o primeiro momento do curso,
contrata o jovem. As contratações
ocorrem de acordo com o rendimento do
aluno e da oferta de vagas na empresa
A Cooperárvore foi criada em 2006 para
contribuir com o desenvolvimento humano
e social da comunidade do Jardim
Teresópolis por meio da capacitação
profissional e geração de trabalho e renda.
Atualmente, cerca de 20 cooperados
transformam cintos de segurança e tecidos
automotivos em produtos de moda e
decoração, como bolsas, chaveiros, jogos
e nécessaires. Os resíduos são doados
pela Fiat Automóveis e parceiros. Desde
2006, mais de 17 toneladas de materiais já
foram reutilizadas pela cooperativa. Em
2013, mais de 20 mil peças foram
vendidas, inclusive em outros estados
Há cinco anos, Jussara Cíntia da Silva
participa da Cooperárvore. Ela tem 36 anos,
é casada e tem dois filhos, com quem passa
bastante tempo todos os dias, pela
proximidade de casa e autonomia oferecidas
pela cooperativa. Ela conta que a
Cooperárvore lhe deu a oportunidade de
realizar um trabalho com o qual aprende
coisas novas a cada dia, conhecer pessoas
e divulgar seus produtos. Jussara esteve
presente em várias feiras regionais e
nacionais representando a cooperativa. Em
2011, foi uma das quatro cooperadas eleitas
para levar os produtos a uma feira
internacional, em Rimini, na Itália
A Cooperárvore vem dando passos importantes na busca
da autonomia financeira. Ao longo dos anos, houve o
maior envolvimento dos cooperados que passaram a se
qualificar para melhor gerenciamento do negócio. Com
isso, ganharam experiência administrativa e aprenderam
realmente a “pescar o peixe” e não esperar que chegasse
pronto às mãos. Futuramente, a ideia é que eles
administrem sozinhos a cooperativa e sejam totalmente
autônomos, pagando por todos os custos gerados
 Promover o fortalecimento da comunidade: articula e capacita as
lideranças e gestores para o desenvolvimento local. O trabalho
deu origem à Rede de Desenvolvimento
Social do Teresópolis, que reúne
instituições na busca de soluções para os
principais desafios da região.
A Rede de Desenvolvimento do Jardim Teresópolis foi
criada em 2009 para promover o desenvolvimento
humano e social na região ao consolidar os laços entre
integrantes da comunidade. O grupo, que começou com
atividades de capacitação em gestão e trabalho em
rede, vem se fortalecendo nos últimos anos e tornandose cada vez mais autônomo e atuante. Dentre as ações
já realizadas, destaca-se a produção e a distribuição do
Guia de Instituições (documento produzido de forma
cooperativa entre os participantes da Rede que traz
informações úteis aos cidadãos sobre cada serviço
prestado e suas formas de acesso e utilização)
Desde 2004, mais de 20 mil moradores já foram beneficiados pelo programa
Árvore da Vida – Jardim Teresópolis que, em 2012, foi eleito uma das 50
melhores práticas brasileiras que contribuem com os Objetivos do Milênio no
Prêmio ODM Brasil, realizado pela Presidência da República em parceria com
o Programa Nacional das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud). O
programa foi reconhecido por contribuir com o 8º objetivo: “estabelecer parceria
mundial para o desenvolvimento”.
1.3.2. Árvore da Vida – Capacitação Profissional
O programa Árvore da Vida – Capacitação Profissional oferece formação
técnica na área automotiva para jovens de 18 a 24 anos, em situação de
vulnerabilidade social. A iniciativa é realizada em parceria com a Rede de
Concessionárias Fiat em alguns estados brasileiros. Desde 2006, o programa
já capacitou mais de 670 jovens.
Ao final da capacitação, os alunos podem ser contratados pelas
Concessionárias Fiat. O índice de empregabilidade do programa é de 87%.
São oito modalidades de curso já oferecidas: eletroeletrônico, eletromecânico,
garantista, capoteiro, técnico em manutenção automotiva, consultor automotivo
de vendas, estoquista e funileiro.
Os cursos são coordenados pelo Isvor, a Universidade Corporativa da Fiat. As
aulas são ministradas por instituições de ensino, principalmente pelo Senai.
ONGs locais também assessoram o programa, atuando na seleção, formação
humana e acompanhamento social dos jovens. Incentivos como cesta básica,
uniformes, transporte e alimentação, além da possibilidade de tirar a carteira de
motorista, são oferecidos a todos os participantes.
Daniela Pereira participou da
primeira
turma
de
Eletromecânica em Porto
Alegre. Hoje, trabalha em
uma concessionária da Rede
Fiat. Ela é o retrato da
inserção feminina em uma
área
tradicionalmente
dominada por homens
Em 2006, Hallem Saldanha participou da primeira
turma do curso de Eletromecânica. Ao concluir o
curso, foi contratado pela concessionária Fiat
Scuderia. Seu trabalho competente acabou lhe
rendendo uma carta de recomendação para ir
trabalhar na fábrica Fiat. “Hoje, graças a Deus eu sou
motorista de teste. Sem o curso no Árvore da Vida eu
não teria tido a oportunidade de alcançar essa
profissão”
1.3.3. Árvore da Vida – Parcerias
Com o objetivo de contribuir para o crescimento justo e sustentável da
sociedade brasileira, a Fiat Automóveis busca parceiros que desenvolvam
propostas com os mesmos valores e ideias.
Através do programa Árvore da Vida – Parcerias, a empresa apoia e patrocina
diversos projetos que promovem educação, lazer, cultura e esporte,
viabilizados por uma combinação do uso de mecanismos de incentivo fiscal,
como a Lei Rouanet, Lei do Esporte, Fundo para a Infância e Adolescência, Lei
Estadual de Incentivo à Cultura de MG, além de recursos próprios.
São contemplados projetos de instituições de diversos estados brasileiros,
sempre focando na inclusão e no desenvolvimento de crianças, adolescentes e
jovens, além de seus núcleos de relacionamento, como a comunidade, a
família e a escola.
A Fiat segue um conjunto sólido de critérios para a escolha dos
parceiros para patrocínios sociais: idoneidade, expressividade dos
resultados alcançados e a capilaridade das ações. O Complexo
Pequeno Príncipe, na cidade de Curitiba (RS) é um dos parceiros.
Referência em atendimento pediátrico na América Latina, é
constituído por hospital, instituição de ensino superior e instituto
de pesquisa. Com mais de 1.500 profissionais da saúde, o
hospital é reconhecido pela excelência do trabalho,
particularmente no tratamento de casos de alta complexidade,
como cirurgias cardíacas em bebês e transplantes de órgãos
Uma das iniciativas que tem a parceria da Fiat é o Minas pela Paz,
fundado em 2007 pela Federação das Indústrias de Minas Gerais
(Fiemg) e grandes empresas, dentre elas a Fiat. A missão da entidade
é promover a cultura de paz, por meio da inclusão social, tendo em
vista a transformação da vida de pessoas socialmente vulneráveis.
Programas voltados para o enfrentamento da violência (181 Disque
Denúncia), inclusão de egressos do sistema prisional no mercado de
trabalho (programa Regresso) e incremento à educação (Acervos
Museológicos) são algumas das ações desenvolvidas pelo Minas Pela
Paz. Atualmente, o Minas pela Paz é dirigido pelo C. Belini, presidente
da Fiat Chrysler para a América Latina
RESULTADOS DO ÁRVORE DA VIDA – JARDIM TERESÓPOLIS
O diagnóstico realizado em 2004 para a definição do escopo de atuação do
Árvore da Vida – Jardim Teresópolis foi repetido, outras três vezes, na
comunidade para acompanhamento dos principais indicadores de impacto da
região (nível de escolaridade, renda, situação socioeconômica das famílias,
moradia, empregabilidade, entre outros). Esse acompanhamento longitudinal é
conduzido pela Polis Pesquisa.
Por meio de variáveis sociodemográficas, é feito um raio-x da comunidade e
das principais mudanças ocorridas. A pesquisa mais recente foi realizada em
novembro de 2013, conforme metodologia descrita abaixo:
 foram reaplicados dois questionários estruturados a uma amostra
probabilística, estratificada segundo a população residente nas
vilas;
 o primeiro questionário destina-se à coleta de informações
físicoambientais e informações de todo o domicílio, além da
avaliação do programa Árvore da Vida pelo respondente;
 o segundo questionário destina-se à coleta indireta de
informações sociodemográficas de todos os residentes no
domicílio selecionado da amostra.
Figura 6: Sumário metodológico descritivo
Abrangência
Avaliação do programa
Alunos do programa aprovados na escola
Alunos do programa que permaneceram nas escolas
Renda das famílias
CONCLUSÃO
A indústria automotiva nacional enfrenta vários tipos de pressão. Além da
crescente competitividade, as empresas do setor têm que lidar com crescentes
expectativas dos seus múltiplos stakeholders, dentre eles a sociedade. Uma
empresa é socialmente responsável quando consegue gerar valor não apenas
para os proprietários e acionistas, mas para os demais públicos com os quais
se relaciona.
Portanto, a sustentabilidade corporativa não é nenhum tipo de assistencialismo
ou filantropia, nem mesmo um investimento social isolado. A sustentabilidade é
a adoção de práticas que fortalecem os negócios de forma integrada. O Árvore
da Vida faz parte de uma estratégia global de atuação sustentável do Grupo
Fiat Chrysler, ao gerar oportunidades para as pessoas da comunidade do
entorno da planta de Betim (MG) e contribuir para a redução das históricas
desigualdades do país.
São muitos os aspectos avaliados no acompanhamento do impacto do
programa na realidade do Complexo Jardim Teresópolis. Por meio de variáveis
sociodemográficas como faixa etária, escolaridade, renda e situação
ocupacional, é possível constatarmos que a presença do Árvore da Vida –
Jardim Teresópolis na comunidade impulsionou efetivamente seu crescimento.
O Árvore da Vida não atinge apenas as famílias em maior situação de risco,
como também tem atuado como importante espaço de informação para os
moradores. As famílias que participam ou já participaram do Árvore da Vida
tem-no como referência, procurando-o em busca de orientação. Nesses 10
anos, a Fiat criou um importante vínculo com a comunidade, longe das
premissas do assistencialismo, mas estruturado em alicerces que permitem a
comunidade crescer com autonomia.
REFERÊNCIAS
ASSAYAG, Raphael José. Desafios na transformação de empresas desafiantes
em líderes do setor: o caso da Fiat do Brasil. Dissertação apresentada ao
Instituto COPPEAD de Administração, Universidade Federal do Rio de Janeiro,
2012.
FIAT. Relatório de Relacionamento com a Comunidade 2012. 1ª ed. Minas
Gerais, 2013.
FIAT. Relatório de Relacionamento com a Comunidade 2013. 1ª ed. Minas
Gerais, 2014.
GRAZZIOTI, Márcia Benevides da Silva. Comunicação em sistemas nas redes
sociais: um estudo de caso da Rede de Cidadania Fiat. In: Anais do XVI
Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste, 2011.
OLIVEIRA, Osvaldo Mauricio. Avaliação institucional da Cooperárvore do
programa de responsabilidade social empresarial da Fiat Automóveis.
Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado Profissional em Administração
da Fundação Cultural Pedro Leopoldo, 2012.

Documentos relacionados