The 2012 Transit of Venus

Сomentários

Transcrição

The 2012 Transit of Venus
O Trânsito de Vénus em 2012
O que é um Trânsito?
Um 'trânsito' ocorre quando um corpo celestial, como um planeta
ou a Lua, passa em frente de outro, visto da nossa perspectiva na
Terra.
Observe o Trânsito de 5 de
Julho de 2012 às:
Newfoundland (St. John’s)
O que Acontecerá em 5 de Junho de 2012?
Em 5 de Junho de 2012, Vénus passará em frente ao Sol. Este
evento terá lugar às horas indicadas à direita. Desde 2004 que este
acontecimento raro não é observado e apenas voltará a acontecer
em 2117. A imagem em baixo ilustra o trânsito de Vénus ocorrido
em 2004, semelhante ao trajecto de Vénus esperado este ano.
7:33 p.m.
Atlantic (Halifax) 7:03 p.m.
Eastern (Toronto) 6:04 p.m.
Central (Winnipeg) 5:05 p.m.
Como Usar os Óculos de Trânsito de um Modo Seguro
Mountain (Calgary) 4:05 p.m.
ATENÇÃO: Nunca olhe directamente para o Sol
com os olhos desprotegidos! Arrisca-se a sofrer
danos permanentes ou mesmo cegueira. Em caso
de dúvida, por favor, consulte
http://rasc.ca/transit-venus
Pacific (Vancouver) 3:06 p.m.
Filtros solares improvisados como vidros esfumados, radiografias,
negativos ou CDs não são seguros pois não providenciam qualquer
protecção contra as radiações ultra-violeta e infra-vermelho.
Se usar os óculos de trânsito, é perfeitamente seguro observar o
trânsito de Vénus bem como o eclipse solar que irá ocorrer em 20
de Maio de 2012 (e outros eventos similares). Estes óculos são
especialmente construídos para serem capazes de filtrar 99.999%
da radiação solar, incluindo raios ultra-violeta e infra-vermelhos. No
entanto, use apenas estes óculos isoladamente e nunca em
combinação com outras lentes.
Antes de observar o Sol, verifique sempre o estado dos seus óculos
de trânsito. Segure-os contra uma luz forte artificial e verifique que
não possuem furos, riscos ou quaisquer outras abrasões. Em caso
de danos, não os use. Tenha cuidado com as partes ópticas dos
óculos e proteja-os contra humidade, pó e objectos afiados.
Créditos da Imagem de Fundo: NASA/Ames/JPL-Caltech
Lapso-temporal do Trânsito de Vénus de 2004.
Os círculos pretos representam Vénus à
medida que atravessa o Sol. (Crédito: A.
Cerezo, P. Alexandre, J. Merchán, and D.
Marsán.)
Porque São os Trânsitos Importantes?
Nos séculos XVI e XVII, os trânsitos de Vénus tornaram pela primeira vez possível medir precisamente a distância ao
Sol. Várias figuras históricas estiveram envolvidas neste esforço incluindo o Capitão Cook que observou o trânsito de
1769 no Tahiti. Hoje em dia, os astrónomos usam trânsitos para descobrir planetas (exoplanetas) que orbitam outras
estrelas que não o Sol.
Como se podem usar Trânsitos para Descobrir outros Planetas?
Imagine olhar em direcção a uma estrela cujos planetas que a orbitam são demasiado pequenos para os
conseguirmos 'ver'. Quando um desses planetas atravessa a linha de visão entre nós e a estrela - quanto um trânsito
ocorre - o brilho dessa estrela diminui ligeiramente. Ao medir a diminuição do brilho e a sua duração, os astrónomos
são capazes de determinar o tamanho do planeta e quão longe se encontra da sua estrela mãe. Por sua vez, isto
permite-lhes determinar quão semelhante é o planeta à Terra e se é capaz de suportar Vida.
Como tem os Canadianos contribuído para o estudo de Exoplanetas?
Os astrónomos canadianos têm e continuam a contribuir imensamente para o estudo de exoplanetas. Nos anos 70 e
80, Gordon Walker e Bruce Campbell desenvolveram a primeira técnica com sucesso para encontrar exoplanetas à
volta de estrelas semelhantes ao Sol. David Charbonneau foi o primeiro astrónomo a detectar um exoplaneta em
trânsito - usando simplesmente um telescópio de 10 cm. O Dr. Charbonneau fez também parte da primeira equipa a
detectar a atmosfera de um exoplaneta, um passo chave na determinação de planetas capazes de suportar vida. A
sua investigação da atmosfera de exoplanetas foi inspirada pela investigação prévia desenvolvida pela canadiana Sara
Seager e por Dimitar Sasselov, aluno da Universidade de Toronto. O canadiano Jason Rowe ajudou, juntamente com a
equipa responsável pelo telescópio Kepler, a descobrir a localização de 61 exoplanetas e mais de 2300 potenciais
exoplanetas. Ray Jayawardhana, astrónomo da Universidade de Toronto, e um seu antigo aluno, Bryce Croll, usam
telescópios terrestres para medir a composição química de exoplanetas. A equipa canadiana que incluí Christian
Marois, David Lafrenière, René Doyon e Bruce Macintosh, obtiveram a primeira imagem real dum conjunto de
exoplanetas. O Dr. Jayawardhana, juntamente com o Dr. Lafrenière e Marten Van Kerkwijk da Universidade de
Toronto, publicaram a primeira fotografia dum exoplaneta a orbitar uma estrela semelhante ao nosso Sol.
Astrónomos canadianos lideram o mundo na descoberta de exoplanetas.
O que Reserva o Futuro para a Descoberta de Exoplanetas?
Hoje, astronónomos do Instituto Dunlap (DI) para a Astronomia e Astrofísica da Universidade de Toronto encontramse ocupados com a construção de um telescópio no Ártico canadiano onde esperam poder usufruir das longas noites
árticas e céus descobertos. Uma equipa mista canadiana/americana liderada pelo Prof. Macintosh e pelo director do
DI, Prof. James Graham, encontra-se a construir o Gemeni Planet Imager (GPI), a câmara mais avançada do mundo
capaz de fotografar e recolher o espectro de exoplanetas. A maioria do GPI foi construido no Instituto Herzberg de
Astrofísica em Victoria.
Esta curva mostra a diminuição do
brilho da estrela GJ 1214 ao ser
atravessada por um exoplaneta maior
que a Terra. (Crédito: Dr. Bryce Croll.)

Documentos relacionados

TVNET - Descobrir outras Terras é o próximo passo dos astrónomos

TVNET - Descobrir outras Terras é o próximo passo dos astrónomos Depois da descoberta de 50 novos exoplanetas e 16 novas super-terras, o próximo passo dos astrónomos envolvidos nesta investigação, entre eles, portugueses do Centro de Astrofísica da Universidade ...

Leia mais