Fidelidade e Discrição

Сomentários

Transcrição

Fidelidade e Discrição
Universi Terrarum Orbis Architectonis Ad Gloriam Ingentis
Ordo Ab Chao
Supremo Conselho do Grau 33 do Rito Escocês Antigo e Aceito da Maçonaria para a
República Federativa do Brasil
Primeira Região Litúrgica do Paraná – Vale de Curitiba
Excelsa Loja de Perfeição General Clodomiro Nogueira
Página: 1 de 2
Fidelidade e Discrição
Laércio Ferreira Coelho, grau 4.
Desde o início de nossa vida maçônica, passamos a aprender o caminho das pedras e que, para que
possamos atingir o nosso objetivo maçônico teremos que ler e estudar, procurar entender e assimilar mais.
E ao chegarmos à vertente final, termos a certeza de que de acordo com a vontade do Grande Arquiteto
do Universo consigamos sucesso na parte a nós confiada na construção do templo de Salomão.
Em nossa iniciação chegamos de olhos vendados, descalços, com parte da roupa despida e sem
nenhum metal no bolso. Isso representa o útero da mãe, onde nada enxergamos enquanto lá estivermos e
ainda não preparado para o início de nossa vida, mas lá estamos sendo guiados pelo amor maternal;
descalços, pois em seu ventre ainda não caminhamos; um pouco despido, pois a roupa que nos envolve é
parte dela. Ao nascermos, ou seja, ao sermos iniciados, após as caminhadas necessárias, iniciam-se as
marchas para o nosso crescimento.
Desde o grau de aprendiz, passando pelo de companheiro e até como mestre, aprendemos que com
os ensinamentos e com nossa parte na busca dos ensinamentos, estamos lapidando a pedra bruta até que
ela se torne cúbica. Podendo então ser essa produção, com suas medidas e tamanhos - cada um terá a sua colocada na parte a nós confiada em dita e abençoada obra. Cada irmão fará a sua parte e com a soma de
todas elas, poder-se-á estabelecer uma bela construção.
Como uma criança que nasce, cresce e se desenvolve até completar seu ciclo de vida, em nossa
caminhada temos que nascer de novo, pois quando iniciados nada sabemos do que nos espera pela frente;
temos de crescer, lendo, estudando, meditando com nossos irmãos, eis que, assim estaremos aprendendo o
que é certo e o que é errado; a beleza e força da união e o mais importante, estaremos recebendo a
solidariedade daqueles que sabem mais, transmitindo-nos a sua ciência para a melhora de nossa
sabedoria.
Eis o que temos: a sabedoria do que aprendemos; a força da dedicação ao aprendizado e a beleza
da união de todos, onde os que ensinam também aprendem. A somatória nos dá um resultado que é o que
quer o Grande Arquiteto do Universo, ou seja, o amor.
Diz um ensinamento que na nossa escola de Maçonaria filosófica, devemos aprofundar-nos na
lenda de Hiram Abiff, vivenciando a personalidade de Adonhiram. Com essa força teremos a
oportunidade, porque não dizer, a força, para procurar a chave que nos abrirá a parte secreta do templo de
Salomão. Somente lá, podemos vislumbrar a mensagem de vida dirigida ao homem por nosso Criador.
Ao conceder a ordem da construção do templo ao Rei Davi, o Senhor iniciou o teste do
comportamento humano, assim, verificando o quanto esta criatura (homem) já conseguiu de grandeza. Ao
isso conseguir, o obreiro será um irmão humilde, discreto e fiel. A humildade está amplamente ligada à
nossa vida, pois se não a tivermos, a felicidade real não acontecerá. Como bem disse o filho do Homem:
"os humildes chegarão ao reino dos céus".
A luta para isso tudo está eivada no comportamento maior, qual seja, o silêncio. É nele temos a
oportunidade de pensar, testar o nosso conhecimento e aprendizagem, e após, programar o nosso futuro
de acordo com o que aceitarmos, do que guardarmos de nossas leituras, recebimentos de ensinamentos
dos irmãos e da busca do aprendizado, de acordo com nossa vontade e aceitação.
O silêncio também que dizer discrição. Ao sermos discretos em nosso caminho, todos nos olharão
como uma pessoa reservada para um aprendizado maior. Eis que, sem ele, não obteremos a chave da
entrada secreta ao templo de Salomão, onde está o nosso maior tesouro, a vida.
Universi Terrarum Orbis Architectonis Ad Gloriam Ingentis
Ordo Ab Chao
Supremo Conselho do Grau 33 do Rito Escocês Antigo e Aceito da Maçonaria para a
República Federativa do Brasil
Primeira Região Litúrgica do Paraná – Vale de Curitiba
Excelsa Loja de Perfeição General Clodomiro Nogueira
Página: 2 de 2
O silêncio não quer dizer calar, mas sim, aceitar aquilo que for bom para o nosso desenvolvimento
e após sabermos o que pode ser dito a nosso favor e a favor dos irmãos e a de toda a Maçonaria. O
silêncio é meditar; é reter o que é bom; é deixar de lado o que não nos convém. É a razão. Para que a
razão seja completa, pois ela já tem a humildade e o silêncio dentro de si, existe a necessidade de compor
esses dois fatores com a fidelidade. É ter dedicação à causa que optar; É ter força de vontade para
aprender o que for ensinado; É ter respeito aos limites de cada um; É guardar dentro de si, o que de bom
possa se aproveitar da meditação e do ensinamento recebido; É respeitar as leis da vida; É amar e
respeitar as leis do Grande Arquiteto do Universo.
Hiram Abiff teve três oportunidades de demonstrar a força de sua fidelidade. Em nenhum
momento hesitou. A vida lhe foi tirada, mas não, a sua fidelidade. Esse é o exemplo a ser seguido para
que a acácia nos seja conhecida. Para que os ramos da oliveira e os do loureiro nos façam sombra
suficiente para que possamos, como mestre secreto, cumprir a nossa missão e o nosso caminhar até o
Templo Maior de Deus, o Grande Arquiteto do Universo.

Documentos relacionados

A importância do Conhecimento das Ciências

A importância do Conhecimento das Ciências pensamento e poder de interferir na evolução dos costumes e da cultura, o que atualmente denominamos exercer plenamente a cidadania. O trabalho dos Arquitetos consistia em gravar nas Colunas os con...

Leia mais