Ano 5, Número 2

Сomentários

Transcrição

Ano 5, Número 2
ano5|número2|mar-abr-mai2015
distribuiçãogratuita|vendaproibida
AssueroLima|AlaUrsa|BairrodoRangel,JoãoPessoa|2014
ASSUEROLIMA
NasceuemSãoJoãodoRiodoPeixe,Paraíba(1966).Vivee
trabalhaemJoãoPessoadesde1987.Atuacomofotojornalistano
JornalCorreiodaParaíbadesde1997.Trabalhou(freelancer)para
osjornaisEstadodeSãoPaulo,OGlobo,JornalCatarinenseeMeio
Norte(AM),easrevistasIstoéGenteeQuem.Frequentou
workshopcomWalterFirmo(VFestivalNacionaldeArte-Fenart,
Funesc,1999).Em1999realizouoensaioFervorReligioso,parao
jornalAUnião(JoãoPessoa).Principaisexposições:1997‒Coletiva
FotojornalismoParaibano(AssociaçãoParaibanadeImprensa-API);
MençãoHonrosanoProjetoLambe-Lambe(NúcleodeArte
Contemporânea-NAC/UFPB).1998‒Intercâmbiofotográfico:
Paraíba-MinasGerais;CidadãodoMundo(Viena/Áustriae
Marselha/França).1999‒MostradeFotojornalismo(VFenart,
Funesc).Prêmios:1998‒Fotógraforevelação(BailedosArtistas,
JoãoPessoa);XXIConcursoNacionaldeFotografiadeSantaMaria
‒2ºlugarnacategoriaCorProfissional(SantaMaria-RS);Votosde
aplausosportrabalhorealizadoemFotojornalismo(Câmara
MunicipaldeJoãoPessoaeAssembleiaLegislativadaParaíba);
MoçãodeaplausospeloprojetofotográficoCidadãodoMundo
(AssembleiaLegislativadaParaíba).1999‒Fotógrafodoanoem
Fotojornalismo(Paraíba).2000‒PrêmioJBPRESSde
Fotojornalismo‒1ºe2ºLugar(JoãoPessoa).2014‒Prêmio
FotojornalismodaAssembleiaLegislativadaParaíba(2ºlugar)
[email protected]
ArevistaSegundaPessoa,commaisessenúmero,cumpresua
“escrita”deinsistirnareflexão,documentação,estudoedivulgação
sobreartistas,instituiçõeseassuntosváriosdasartesvisuais,mas
tambémdeadentrarnasuacapilaridade,nosseus“afluentes”.
Afinal,quandofalamosdecinema(outeatrooumúsicaou
literatura)estamostratandodevisualidades,deimagens,sejada
cenografiaoudadireçãodearte,dafotografiaoudoprojeto
gráfico...Eassim,muitooupouco,háintegraçãocomasartes
visuais.
Aprovaé,porexemplo,nessenúmerodaSegundaPessoa,o
artigodeNaldinhoFreire.Músicoepesquisador,escreve
apaixonadamentedamúsicadetradiçãooralnordestina.Nãohá
comonãoquererouvirsuascanções...Ouatéimaginarariqueza
cromáticadasvestimentasdessesmestresdaculturapopular.
Nessemesmo“mundo”(daartepopular,dopopularnaarteoudo
ricoimagináriopopular)estáoartigodeWilliamCostaaose
aprofundarnaobradoartistacontemporâneoManuelDantas
Suassuna,quevemaserfilhodoeternoArianoSuassuna.Aliás,
outrosmestresfilhosdoBrasilReal(comodiziaAriano),comoJosé
SimeãoLeal(Areia/PB,1908‒RiodeJaneiro,1996)eAbraham
Palatnik(Natal/RN,1928),são“homenageados“pelaprofessora
BernardinaFreireepelomultiartistaJotaMedeiros,
respectivamente.
Índice
ArtePostal‒Poéticadacomunicaçãoemrede,
porRobsonXavierdaCosta
4
OpioneirismodePalatnikouumnovoconceito
paraapintura,porJotaMedeiros 10
Quandoaspalavrassãoraízes,
porNaldinhoFreire12
Osolàsombra,porWilliamCosta 15
Ofimdaartecomomeiodeconhecimento,
porAlmandrade 20
JoséSimeãoLeal‒Usinaculturalemmovimento,
porBernardinaMariaJuvenaldeOliveira
22
OtrajedecenaemShakespeare:estereótipose
contradiçõesemTitoAndrônico,Flastaff,Macbeth
eHamlet,porTaináMacedoVasconcelos 25
Asmulhereseasartesvisuais,
porDyógenesChavesGomes
28
Resenha:”Oqueéumartista?”,deSarahThornton,
porAlmandrade 30
NestaSegundaPessoa,selecionadanoEditalProculturade
EstímuloàsArtesVisuais2010,daFunarte/MinistériodaCultura,
hátambémespaçoparaaEconomiaCriativa‒Moda‒comartigo
daatrizeprofessoraTaináMacedoemquetratadotrajedecena
naobradeWilliamShakespeare.
Iniciandoaedição,oprofessorRobsonXavieresmiuçaafundoa
ArtePostal(ouArteCorreio)noBrasilenomundo.Jáopoeta,
arquitetoeartistavisual,assíduocolaboradordaSegundaPessoa,
apresentadoistextosatualíssimos:numdelesdiscuteo“Fimda
Arte”;noutro,fazumaresenhadolivroOqueéumartista?,de
SarahThornton.Eonossoeditor,aofinal,propõepequenareflexão
sobrequestõesdegêneronaarte:asmulhereseasartesvisuais.
Valelembrarqueaediçãoimpressatambémestápublicadana
Internet(www.segundapessoa.com.br),comtodoseuconteúdo
disponívelparadownloadouparaimpressão(emsuaversãoem
PDF).
EafotografiadacapaédoparaibanoAssueroLima.
Boaleitura.
Este projeto foi contemplado com o Prêmio Procultura de Estímulo àsArtes Visuais 2010
3
ArtePostal‒Poética
dacomunicaçãoem
rede
RobsonXavierdaCosta
ArtePostal?
TrajetóriadaArtePostal
Aartepostaléumamanifestaçãoartísticaformadaporum
circuitoalternativodaartequeutilizaacorrespondência
entreosartistasparacomunicarideias,pensamentos,
poemas,imagensemvariadossuportes,sãopropostas
criativaselivresderegras.Seufococentraléatrocade
informaçõeseaformaçãodeumaredederelações
interpessoaissemdiscriminaçãodenenhumtipoesem
exclusões.
Aartepostalteveinícionasprimeirasmanifestaçõesdas
vanguardasartísticasdoséculo20,pormeiodeações
ocasionaisdealgunsartistasplásticosaoenviar
correspondênciasentreseusparesouparaparentes,
críticosoumarchands.
VincentVanGogh(1853-1890),nofinaldoséculo19,
descreveupraticamentetodaasuaobrapormeiodecartas
aoseuirmãoTheo,fazendorelatosdasimagensemuitas
vezesacrescentandoesboçosdosseustrabalhos.Pablo
Picasso(1881-1973),HenriMatisse(1869-1954),Marcel
Duchamp(1887-1968),KurtSchwitters(1887-1948),Max
Ernst(1891-1976)eFrancisPicabia(1879-1953)também
desenvolveramtrabalhosutilizandocorrespondência.
Destaforma,osfuturistas,ossurrealistas,osdadaístas,os
artistaspop,osneodadaístas,osneo-realistaseosartistas
conceituaisproduziramalgumtipodeartepostal,porémde
formaesporádica,semascaracterísticasdaartepostalatual.
Osuporte,claro,sãoascartas,oscartões,mensagensgravadas
ouvideoteipesenviadospelocorreio.Ointercâmbioquese
estabelecenãoéquantitativo,poisasmensagenseosobjetos
enviadosnãosecaracterizamcomoobrasvendáveis,
questionandoasleisdomercadodearte.Surge,assim,um
circuitoqueampliaosistemadearteecriaaexposição
fragmentária,queémontadaàmedidaquenovasmensagens
chegameécontinuamenterenovadapelosdiferentesritmos
deremessa.(DACOSTA,2004,p.67).
Oartistapostaléocriador,oreceptoreoemissordas
mensagens,interagindocomoutrosartistassem
interferênciadomercadodearte.Inúmerastécnicase
suportessãoutilizadosnaartepostal,desdeimagens
gráficas,cartões-postais,carimbos,adesivos,poesiavisual,
timbres,logomarcas,livrosdeartistas,selos,fax,xérox,
vídeos,objetosentreoutros.
Inicialmenteaartepostalfoiutilizadaexclusivamentepelos
artistasplásticos,posteriormentepoetas,ilustradores,
artistasmultimídia,escritoresefotógrafosautilizaram,
ampliandoogrupodepessoasquetrabalhamcomesse
tipodearte.
MasaorigemhistóricadaartepostalremeteaoGrupo
Fluxus‒termocriadoporGeorgesMaciunas(1931-1978)
em1961,paradesignarasmúltiplasaçõesdeumgrupode
artistasinternacionais,queacreditavamqueavidapodeser
vividacomoarte,suasaçõessederamemtornodepoéticas
variadas,taiscomo:performance,artepostal,assemblage,
jogosteatrais,concertosmusicaisepublicações,comforte
influênciadamúsicaexperimentaldeJohnCage(19121992).OconceitocentraldoFluxusfoiamáxima“façavocê
mesmo”elementoimpulsionadordessanovaformade
expressãoartística.Em1962oartistaneodadáamericano
componentedoGrupoFluxus,RayJohnson(1927-1995)
crioua“NewYorkCorrespondanceSchoolOfArt”,
responsávelpeladivulgaçãomundialdaartepostal.
Essatendênciaartísticaéformadapelaidéiadetrocar
mensagensutilizandoosistemadosCorreioseainternet,
meiosquepermitemaveiculaçãoemcurtoespaçode
tempodaproduçãoindependentedeartistas,poetas,
ilustradores,arquitetos,desenhistas,escritoresedemais
pessoas.
Asexperiênciascomartepostalsãodesenvolvidaspormeio
deprojetosouconvocatórias,muitasvezesbaseadasem
temasespecíficosquenorteiamostrabalhosapresentados;
lançadospormeiopostalouviainternet,asconvocatórias
pedemqueosinterlocutoresenviemsuaproduçãoparaum
ouváriosendereços.Essestrabalhoscirculamnaredee
sofreminterferênciaealgumasvezessãoexpostosem
váriaspartesdomundo.
4
Dosanos1960atéoséculo21,aartepostalsofreuinúmeras
modificaçõeseabsorveuvariadastecnologiasque
permitiramsuapopularização,masmantiveramseucaráter
contestadoresubversivodeartemarginal.
Oprincipalfatorquedeumargemacriaçãodaartepostal
foiaorganizaçãoeinstitucionalizaçãodosistemados
correios;arápidapopularizaçãodesteserviçoemtodoo
mundopermitiuacontinuidadedaproposta.Osistemade
correiosetelégrafosfoisistematizadonoséculo15,coma
possibilidadedoenviodecorrespondênciaprivadano
territórioeuropeu.Em1869,oBarãoAdolfoMaly,diretor
dosCorreiosAustríacos,crioupordecretooprimeiro
cartão-postaldefranquiareduzida;em1892oscartõespostaisforamproduzidosnoformatoatual.Noséculo19
foramproduzidospostaiscomimagensdepaisagens,
parentes,amigos,artistasfamosos,satíricas,políticas,
humorísticaseeróticas,contribuindoparaaformaçãodo
imagináriodaépoca.
comumseloazuldesuaautorianadécadade1950.Essa
modalidadedeartepostaltomoufôlegoapartirdas
atividadesdesenvolvidaspeloGrupoFluxosepelaNYCS.Os
pseudos-seloscriadospelosartistastemediçãolimitada,
assinadaenumerada,indicamainstituiçãoemissora,real
ouilusóriaepodemsubstituirumselopostaloficialdevido
aofatodeseremaparentementesemelhantes,emborana
maioriadasvezesnãosejamprodutoscomerciais.
ArtePostal:Variaçõestécnicas
O“livrodoartista”éoutrapossibilidadeparaaatividade
comaartepostal;“olivrodoartistaoulivro-objetoconstitui
umaproduçãoqueseinserenocampodosnovosmeios,ao
ladodovídeo,artepostale[das]poéticasvisuais.Sãolivros
concebidoscomoobrasdestinadasaveicularumaideiade
arte.”(DACOSTA,2004,p.68),jáquedevidoaoseuformato
podeserfacilmenteenviadopelosistemapostal.
Osselosdeborrachaoucarimbosforamutilizadospela
primeiraveznaHistóriadaArtepeloartistaKurtSchwitters,
carimbandodeformaritmadaefirmesobrebases
aquareladas.Ocarimboéaidentificaçãodoartista,oelode
ligaçãoentreoqueéoficialeosubversivo.
Asaçõesdesenvolvidaspormeiodaartepostalemsua
maioriasãooriundasdeprojetostemáticos,taiscomoas
“convocatórias”criadaspormeiodepessoase/ou
organizações,comtemasespecíficos,normalmenteligados
àsquestõesestéticas,oupolíticasesociais.Seus
desdobramentosgeralmentesãodenúnciasou
reinvidicaçõescontrainjustiçassociaiscomliberdade
técnica.ComoadventodaInternet,asredesforam
ampliadaseasconvocatóriassãofeitaspormeiodelistas
virtuais,emboraamaioriadelassoliciteoenviodos
trabalhospormeiodopostaltradicional.
Desdeofimdadécadade1980,algunsespaçosoficiais
procuramainclusãodaartepostalnoscircuitosdaarte;
representandoumatentativadeinstitucionalizaçãodessa
modalidadedaartecontemporânea,jáexistehojea
comercializaçãodetrabalhospostaiseconvocatóriascom
júriecensura,masessaformadeabordagemnão
correspondeaessênciadaartepostal.
Umadasmodalidadesdaartepostaléa“cadeiadecartas”,
queimplicanaformaçãodeumalistadeumas10pessoas
conhecidasoudesconhecidasquerecebemumtrabalho,
anotaseunomenofinaldalistaeapagaoprimeiro,
enviandoumnovotrabalhoemqualquermídia,depois
copiaalistaeenviaparadezpessoasdiferentespara
continuaracorrente.
Comoumamanifestaçãoalternativaaartepostalsobrevive
apartirdapossibilidadedeliberdadedecomunicaçãoentre
pessoasderaças,credos,ideologias,idadeselocais
diferentes,comoumespaçodecontestaçãodosistema
vigente.
Tambémexisteapossibilidadedaatividadedo“AddAnd
Pass”(adicionaerepassa),atividadelúdicajáutilizadapelos
artistasdadaístas.Geralmenteexisteumaimagemoutexto
debase,quedevesermodificadapeloreceptorerepassada
paraoutroparticipanteeparaoutrossucessivamente,até
queaobrapossaretornaraoproponenteinicial.
ContribuiçõesdasvanguardasartísticasparaaArtePostal
Aexperimentaçãodasvanguardasartísticasdoiníciodo
século20foimuitofavorávelparaacriaçãodeumaredede
ligaçõesentreosartistas.Entreelas,ofuturismo,o
dadaísmo,osurrealismo,onovorealismo,aartepop,aarte
conceituale,particularmente,oneodadaismocomoGrupo
Fluxus,fomentaramapropagaçãodessaarte.
Duranteonovo-realismofrancêsoartistaYvesKleincriouo
“SelodeArtista”,enviandopelocorreiocorrespondências
5
Descreveremosacontribuiçãodecadaumadasvanguardas
artísticasparaodesenvolvimentodaartepostal.
Ofuturismo,criadopelopoetaFilippoTomasoMarinetti
(1876-1944)pormeiodeummanifestoassinadoporvários
artistas,foiumaodeàmodernidade,vangloriandoo
movimentoaceleradodasmáquinaseopondo-seasformas
conservadorasdaarte,atradição,asinstituições,opassado.
Exaltandoavelocidade,aenergia,atecnologiaea
urbanidade.Osfuturistasutilizarampelaprimeiravezos
postaiscomoveículoparaaarte.GiacomoBalla(1871-1958)
confeccionoucartõespostaispintadoseIvoPannagi(19011981)foiocriadordas“colagenspostais”,umacombinação
defotografias,imagensgráficas,selos,papéisvariados,em
policromiaquedepoiseramsobrepostosaleatoriamente
pelosselosdoscorreiosoucarimbosoficiais.
Essapoéticamodernateveumainfluênciaindiretanas
idéiasquenortearamacriaçãodoGrupoFluxus
(anteriormentecitado)porsuaênfasenasideiascoletivase
norompimentodasbarreirasestéticas,permitindoqueas
imagensbrotemdoinconscienteetornandocriadores
anônimosemartistaspotenciais,idéiaqueestánabasedo
conceitodaartepostal.
ODadaísmo,movimentocriadopelospoetasHugoBalle
TristanTzara(1896-1963)noCabaréVoltaireemZurique,
emconjuntocomumgrupodeartistascontrarioaosideais
burgueses,contestadoresdaordemvigente.Essaformade
manifestaçãoartísticacorrespondeuaumatomadade
posição,umatodecontestaçãoporpartedosartistasem
relaçãoàarteestabelecida.Algunsartistasdadaístas
trocavamconstantementecorrespondênciascomfins
artísticosprincipalmenteMarcelDuchamp(1887-1968)e
KurtSchwitters(1889-1948).
Emmeadosdosanos1950umgrupodeartistas
denominadosneo-realistas,ouNouveauRealism,reunia-se
emParisparaampliaremantervivasasidéiasdeMarcel
Duchamp;tendocomocomponentesartistasdoportede
IvesKlein(1928-1962),ArmanArmand(1928),JeanTinguely
(1925-1991),DanielSpoerri(1930)eRaymondHains(1928),
suasconcepçõesvoltavam-separaautilizaçãode
elementosretiradosdiretamentedomundorealenão
apenaspictórico.Suasaçõesemrelaçãoàartepostal
tornaram-seobrasdereferência.Armandcriouem1954os
Cachets,carimboscomotrabalhospostais;jáKleincriouo
BlueStamp(seloazul)edefendiaousodoselodoartista.
Spoerricriouváriasobraseprojetospostais.
MarcelDuchampfoioartistadestemovimentoquemais
influenciouaartepostalnoseuinício;comsuasideias
impactantessobreoobjetoartístico.Apartirdacriaçãodos
Ready-mades,objetosdocotidianotransmutadospara
objetosartísticos,Duchamp,questionouemsuaessênciao
conceitodearte,essaaçãoampliouasperspectivaseos
diversossuportespossíveisparaoobjetoartístico.O
conjuntodospostaiscriadosporDuchamp,chamados
Rendez-vousdimanche6frevier1916à1h¾de1'maprésmidi,formadopor14postaisqueoartistaenviouaosseus
mecenasMr.eMrs.WalterC.Arenbergpodeser
consideradocomoumprecursordaartepostal.
AArtPop,marcadapelastransformaçõesestéticasocorridas
nasegundametadedosanos1950entreaInglaterraeos
EUA,voltou-separaaculturademassas.Em1955,surgiram
artistascomoRobertRauschenberg(1925)eJasperJohns
(1930),inicialmentechamadadeneodadaismo,aartpop,
foiummarconahistóriadaarteeconfigurouopredomínio
deNewYorkcomocentromundialdaartecontemporânea.
Schwitters,porsuavez,prestouumagrandecontribuiçãoà
artepostalporrecusarousodosmateriaisconvencionais,
preferindoosmenosnobres,taiscomo:selos,rolhas,trapos,
retalhos,bilhetesdeônibusemetrô,entreoutros.Suaobra
ecléticaenãocomercialinauguranaHistóriadaArtea
negaçãodomercado.Esseartistamanipulou11postais
editadosporPaulSteegmannquecontinhamimagensde
suasobrasdestruídaspelaguerra.
Oartistapop,aolidarcomosíconesdaculturademassas,
manifestasuacontestaçãocomauniformizaçãoda
sociedadedemercadoebuscacriarsentidosparaarelação
dohomemcomomundo.OPopcriouobrasdescartáveise
imagensbanais.AndyWarhol(1928-1987),aoutilizara
serigrafiasobretela,abriunovaspossibilidadeparaos
artistascontemporâneosepermitiuadiscussãosobreo
múltiplonaarte,ideiasutilizadaspelosartistaspostaisao
trabalharemcommeiosdigitaiseimagenscopiadas.
Osurrealismo,movimentoartísticobaseadonomanifesto
elaboradoporAndréBreton(1896-1966),também
contribuiuparaodesenvolvimentodaartepostal.Os
surrealistasacreditavamnaarteenoseupotencialde
transformaçãodoserhumano,pretendiamligaras
representaçõesinconscientescomasconscientes,
representavamummundodesonhosepesadelos,
fundamentadosnateoriadapsicanálisedeSigmundFreud.
Buscavamaausênciadecontrolepregadopelas
vanguardasanteriores.Essesartistaspriorizavamumaforma
detrabalhointensamenteemocional,trabalhandocomo
automatismoespontâneoeoregistrodossonhos.
Aarteconceitualsurgiuemmeadosdadécadade1960
perdurandoaté1974-75,tendocomoprincipaisartistas
JosephKosuth(1945),RobertBarry(1936),LawrenceWeiner
(1940)eDouglasHebler(1924-1997).Essesartistas
realizaraminúmeraspropostaspormeiodeescritos,
fotografias,documentos,mapas,filmes,vídeos,
6
quetodasaspessoaspossamproduzireconsumirarteéum
dosobjetivosdaNYCSedapropostadaartepostal.
Comoobjetivo,aartepostalseopõeapolíticacultural
vigente,aopredomíniodasgaleriasemuseusebuscacriar
redesinternacionais,aproximaroartistadoseupúblicoe
viceversa,fazerexposiçõessemjuradosesemcuradores.
Essapoéticaartísticautilizaosmeiosdecomunicaçãode
massaparasistematizar,divulgaremuitasvezesexporos
materiaisenviadosnarede.
Destaformanãoexisteseleçãonemjurados;nãoexiste
competiçãonemprêmios;nãohácomercialização;nãose
devolveàsobras;nãoexistecensura;háliberdadedemeios,
suportesegêneros;todosostrabalhossãoexpostoseos
participantesrecebemadocumentaçãodaparticipação;é
umaformadeartealternativaecontestadora.
performances,objetosetc.Inspiradosnasideiasde
Duchamp,osartistasconceituaisbuscavamdestituiraobra
dearteevalorizaracimadetudooconceito,suasideias
reconsideraramoobjetivodaarte,questionandosua
elitizaçãoeaidolatriadoartista.Váriosartistasconceituais
utilizarampostais,telegramas,fotografiasecolagens
enviadaspeloscorreios,possibilitandoodesenvolvimento
daartepostal.
Em1963,umartistadoGrupoFluxus,RobertFilliou(19261987)criouoconceitodaEternalNetwork,eraummodelo
utópicodecomunicaçãoempermanenteexpansãoem
meiosexpressivosdiversos,facilmenteadaptadosparao
circuitodaartepostal.Aredesegueumsistemarizomático
segundoGillesDeleuze(1925-1995)comentradasesaídas
porumnúmeroinfinitodecaminhos,compontose
interessescomuns;sãocircuitosinter-relacionados.Otermo
networkfoimuitoutilizadopelosartistasdadécadade
1980paradesignarsuasatividades.Naredetodosos
artistassãoiguais,interconectadosporváriosmeios,
produzindoedividindoconhecimentos.
OGrupoFLUXUSeoTheNewYorkCorrespondance
Schooll
OGrupoFluxus,oriundodasideiasdaarteconceituale
utilizandoumacríticapolíticaacirradaeumhumorferino
desenvolveuideiasespecíficascomoummovimento
particulardaartecontemporânea;dogrupooriginal
participaramosseguintesartistas:BemVautier(1935),
GeorgeBrecht(1926),JonhCage(1912-1992),Alison
Knowles(1933),YokoOno(1933),JosephBeuys(19211986),KenFriedman(1939).Suasaçõesartísticaseram
compostasdehappenings,events,activities,vídeo-arte,
livrosdeartistaeartepostal.
SegundoPianowski,aartepostalfoiomovimentoartístico
maisduradourodaHistóriadaArteepassouporquatro
fasesdistintasqueforam:
(...)Aprimeirafase,apartirdasuacriaçãonadécadade1960
caracteriza-seporumperíodomaisfechado,poisos
participantesdaslistasreduziam-seaconhecidosoupessoas
envolvidasdiretamentecomomundodaarte.Nafase
seguinte,queseconfiguracomoadécadade1970,houveuma
ampliaçãodosadeptosnarede,istodadoprincipalmentepelas
exibiçõesepelaspublicaçõesespecializadasqueseespalharam
pelomundo,resultandonaaberturadaslistasaqualquer
interessadoemfazerarte.Nestafase,seinstauroucomgrande
forçaodo-it-youself(façavocêmesmo)impulsionandode
formavigorosaestemovimento.Nadécadade1980,aterceira
fase,grandesinstituiçõesvoltaramseusolhosparaaartepostal
eassimelacomeçouaaparecerembienaisemuseusde
renome,alémdisso,instituiçõescomouniversidadesiniciaram
seusprojetosdeartepostal.Cabesalientar,porém,ocaráter
políticodealgumasdessasinstituições,comoasuniversidades,
queapesardaevidentetentativadeinstitucionalização,não
possuemoaspectomercadológicoemsuasações,mantendoa
ideologiadomovimento.E,finalmente,aquartafasedosanos
1990,emqueaartepostalseabriuparaomundo,
principalmenteapartirdainstauraçãodainternetpermitindo
umamaioracessibilidadeaomovimentodeformarápidae
econômica.(PIANOWSKI,2002,p.07).
OartistaamericanoRaymondEdwardJohnson,oRay
Johnson(1927-1995)estruturouoqueconhecemoshoje
comoartepostal,queatéentãocorrespondiaaatividades
esporádicas.Esseartistacriouosprimeiroshappenings,
intitulando-osdeNothings.Seutrabalhofocava-sena
relaçãodamortecomavida.Emboraconsideradopor
algunscríticoscomoartistaindependente,RayJohnson
estáintresicamenteassociadoàArteConceitualeaoGrupo
Fluxus.
Em1962-1963RayJohnsoncriouotermoNewYork
CorrespondanceSchool,unindoNewYorkSchool,termo
referenteàpinturaabstrata,comCorrespondance,
indicandoasescolasporcorrespondênciadaépoca.Essa
escolafomentouapráticadaartepostalemtodoomundo,
comapreocupaçãodequetodosostrabalhosrecebidos
fossemexpostoseparatodososparticipantesfosseemitido
umadocumentaçãodamostra.
ArtePostalnaAméricaLatina
Permanecendoematividadepormaisde40anos,aNYSC
estimulouemtodoomundoapráticadaartepostaleuniu
povosderaçasenacionalidadesdiversasemumaprática
artísticacomum.Democratizaroacessoàarteepermitir
Asprimeirasexperiênciasregistradascomartepostalna
AméricaLatinadatamde1969;naArgentina,comos
artistasLilianaPorter(1941)eLuisCamnitzer(1937)e
AntonioVigo;noUruguai,comClementPadin(1939),no
7
DanielSantiago&PauloBruscky
PostaisdasIeVMostraInternacionaldeArtePostal|Funesc|Paraíba|1985e1990
Brasil,comPedroLyra(1945),quepublicaem1970o
ManifestodaArtePostal.Em1974érealizadooFestivalde
LaPostalCreativa,emMontevidéu,primeiraexposiçãode
artepostalnaAméricaLatina;posteriormente,aArgentina
realizouumaExposiçãoInternacionaldeArtePostalemLa
Plata,noanode1975.NoBrasil,em1975,foirealizadaa
PrimeiraInternacionaldeArtePostalemSãoPauloe,em
dezembro,domesmoanofoiorganizadaemRecifea
ExposiçãoInternacionaldeArtePostal.Em1976,Paulo
BrusckyeDanielSantiago(1939)realizaramaExibição
InternacionaldeArtePostalnoRecife,fechadapelos
militaresumahoraapóssuaabertura,comaprisãodos
artistasorganizadores,fatoquerepercutiumundialmente.
Outrosartistasbrasileirosdestacaram-senocenário
internacionaldaartepostal,taiscomo:GilbertoPradode
Santos,SãoPaulo.Artistamultimídia,oriundodoInstituto
deArtesdaEscoladeEngenhariadaUNICAMP,participou
deinúmerascoletivasebienais,organizouerecebeuvárias
exposiçõesdeartepostalemCampinas(SãoPaulo),tendo
concluídoseudoutoradoemParisecontinuandoatuando
comoprofessordaECA/USP,trabalhandoatualmente
exclusivamentecomosmeioseletrônicos.JáHudinilsonJr.
deSãoPauloégrafiteiro,fazintervenções,montagens,
performances;artistamultimídiaquesemanteveparalelo
aoscircuitosoficiaisdaarte.LanirdeMiranda,dePedro
OsórionoRioGrandedoSul,fazumatentativadeunirà
escritaapintura,trabalhandoatualmentecomlivrosde
artista,tendodesenvolvidotrabalhosnadécadade1980
comartepostal.
Duranteaditaduramilitarvigenteemmuitospaísesda
AméricaLatina,muitosartistaspostaisforamperseguidos,
presos,torturadoseseusfamiliarestambémsofreram
consequênciasdevidoàsexposiçõesrealizadascomcaráter
contestatórioepolítico.Essasbarreirasmantiveramaarte
postalforteevigorosanospaíseslatinos,comoumespaço
decontestaçãopermanenteelivredatiraniadegovernos
autoritários.
NaArgentina,agranderepercussãodaartepostalsedevea
participaçãodoartistaEdgardoAntonioVigo,delaPlata;
xilógrafo,poetaexperimental,construtordemáquinasantifuncionaiseobjetosestranhos,foiautordepropostas
inovadoras;tendoestudadonaFrança,tomoucontatocom
asvanguardasmundiais.Suaobraéauto-referente,com
umainteraçãointensadoespectadorparaafinalizaçãoda
mesma.JánoUruguai,oartistaClementePadín,de
Lascano;poetamultimídia,desenhistagráfico,vídeo-artista,
performer,networker,desenvolveuumtrabalhoque
tornou-sereferênciaemtodoomundo;asrevistasnasquais
foidiretor,LosHuevsoDelPrata(1965-1969),Ovum10e
Ovum(1969-1975)eseusdiversoslivrospublicadosna
AméricaenaEuropatornaram-sereferênciaparaaarte
postal;seustextosetrabalhosartísticosforampublicados
emdiversasrevistasespecializadasemtodoomundo;
cassadoepresoduranteaditaduramilitaruruguaia,
desencadeouumaredemundialdeprotestosquelevaramà
sualibertaçãoedoseucompanheiroJorgeCaballo.
Nadécadade1980aartepostaléincluídanaXVIBienal
InternacionaldeSãoPaulo;em1981,cria-seogrupo
SolidarteeColectivo3noMéxico;aAssociaçãoUruguayana
deArtistasPostales,criadaem1983eaAssociación
LatinoamericanayDelCaribedeArtistasPostalesécriada
naArgentina.
NaParaíba,váriasatividadesenvolvendoartepostalforam
desenvolvidasnasdécadasde1970e1980noNúcleode
ArteContemporânea-NACdaUniversidadeFederalda
Paraíba-UFPB.EsseNúcleo,criadoem1978,surgiucomo
umprojetoinovadorforadoeixoRio-SãoPaulo,
incentivandoapesquisadasfontescriativaslocaisedas
linguagensartísticasnacionaiseinternacionais,emum
EstadoatéentãoforadocircuítodasArtesVisuais.Na
Paraíbaforamrealizadasváriasexposiçõesenvolvendoarte
postal,quedescreveremosaseguir:
NoBrasil,oartistapernambucanoPauloBrusckydestacousepormeiodesuaspesquisasexperimentais;artista
multimídiaedesenhista,realizoutrabalhoscomarte
conceitual,intervenções,happenings,carimbos,copyart,
audio-arteetc.Em1973,lançouemconjuntocomoartista
DanielSantiagoomovimentoNadaísta,utilizandoo
suportesuper-8.Utilizaogelo,afumaça,objetosdo
cotidiano,atecnologia,assensaçõesemsuasobras.
Ganhadordeinúmerosprêmiosnacionaiseinternacionais,
Brusckyéumdosartistas/pesquisadoresmaisatuantesno
Brasileoartistapostalmaisimportantedopaís.
A“ExposiçãoInternacionaldeArtePostalnoBrasil”,em
1978noMuseudeArteAssisChateaubriand,emCampina
8
realizadapeloNACfoia“XerografiaAmericanaaCores”,
mostradacoleçãodaGaleriaMaryFeldstein(EUA)em
agostode1980.
Amostra“ArtePostal‒Mostradacoleçãodoartista
UnhandeijaraLisboa”realizadaem1980,comtrabalhos
escolhidosdoacervodoartistacompostodemaisdemil
peças.Foramexpostostrabalhoscomutilizaçãodediversas
mídiascomosuporteetrabalhosderenomadosartistas
internacionais.
Amostra“Projeto4”,mostradaartepostaldePauloBruscky,
FalvesSilva,LeonhardFranchDucheVeraChavesBarcellos
foiapresentadanoNACemoutubrode1980.
Emfevereirode2006,aUsinaCulturalEnergisa,realizoua
mostrainternacional“CartografiasdoTerritório”com
exposiçãodeobrasdosartistasFábiaLíviadeCarvalho,
KrassimiraDrenskaeDadiWirz,incluindolivrosdeartistae
artepostal.
Grande,organizadaporJotaMedeiroseUnhandeijara
LisboaeoutranaCoordenaçãodeExtensãodaUFPB,
organizadaporJotaMedeiros.
AExposição“LivrecomoArte‒MostraInternacionaldo
LivrodeArtista”,coordenadapelosociólogoeprofessor
SilvinoEspínola,realizadaem1978,noNAC.Primeira
mostradelivrodeartistarealizadanopaís,contoucoma
participaçãodeartistasderenomeinternacional,taiscomo:
CildoMeirelles,VeraChavesBarcellos,AugustodeCampos,
JúlioPlaza,HansPeterFeldman,AntonioDias,IanHamilton
Finlay,PedroOsmar,DécioPignatari,IwaldGranato,Juracy
Dórea,ReginaSilveira,PauloBomfim,entreoutros,com
váriostrabalhosenviadospormeiospostais.
Consideraçõesfinais
[Aartepostal]encanta,justamente,porpermitirolivretrânsito
dequalquercidadãodomundo,detornarfactívelummundo
semfronteirasatravésdacomunicaçãodepessoas
culturalmentediferentes,mastãopróximasnasideias.Oque
importaaquinãoéafama,nãoéaarteenquantoproduto
lucrativo,massimoquehádemaisimportantenaexpressão
artística:ocomunicar,aaproximaçãodeumserhumanoa
outro.(PIANOWSKI,2002,p.15).
Amostra“CidadãoKlein‒Fotografiaebureaudearte
postal”deautoriadoartistaPauloKlein,foiapresentadano
NACem1979,enaBibliotecaCentraldoCampusIIdaUFPB
emCampinaGrande,hojeUFCG,nomesmoano.Paulo
Kleinpartiudeumtrabalhodeartepostal,desenvolvido
pelaartistaMariaIreneRibeiro,juntoaumgrupode
criançasdoABCeDiademaemSãoPaulo,parafazeruma
convocatóriaaartistas,estudantes,criançasetodosos
interessadosnoprocessocriativo.Oartistarecebeueexpôs
ospostaisenviadosparaoNACcomtemáticalivre.A
exposiçãofoimontadacomumaltarparaaletraK,símbolo
dasabedoria,nasalaprincipalformadopor100fotosde
personagensvariados,comostemas:VIDA/ARTE,ARTE/
LUTA,CULTURA/TRABALHO,nafrentedoaltarumporta
retratocomaimagemdoHOMEM/DEUS/DIABO/MULHERe
umasériedelivrosdispostosemsemi-círculo.Emuma
outrapartedamostrafoimontadaumaAgênciados
Correioscomamostradotrabalhodecriançasdaperiferia
deSãoPaulo,criançasparaibanas,jovensartistaseartistas
consagradosdaMAILARTEPOSTAL,emoutrasalafoi
exibidaumasériedevídeo-arte.(GOMES,2006,p.72)
Buscandoaindefiniçãopermanente,aartepostalésempre
inovadora,contestadora,umespaçoparaoexercícioda
liberdadeedademocraciaplena,deformalúdica,
interessanteedescompromissadaaartepostalpermiteaos
networkersmanteremumaredeintensaderelaçõesentre
paíseseculturasdistintos.Ofatodenãoserjulgado,nãoser
excluído,permiteaoartistaviajarnassuascriações,tero
plenodireitodesuasideiasepossibilidades.
Atualmenteaartepostalampliouseusmeiosdedivulgação
einterligaçãonarede,devidoaoFaxeàInternet.Chegando
facilmenteatodososcantosdomundoepregandoa
igualdadeentreaspessoasaartepostalpodeserum
veículoparaaformaçãodeumanovaconsciência
interplanetárianadefesadosdireitosdaterra.
Divulgaropotencialdemocráticodaredecriadapelos
artistaspostaisénossoobjetivonessetexto.Estáfeitoo
conviteparaosleitoresseconectaremaredepormeiodas
referênciascitadaseproduziremseustrabalhos,atendendo
àsconvocatóriasatuaisoucriandoseusprópriosprojetos.
A“MostraXerografia”,partedoconvêniodoNACcoma
PinacotecadeSãoPauloem1980eorganizadapor
HudinilsonJr,artistapaulista,componentedoGrupo3NÓS3
(grupoquetrabalhoucomintervençõesurbanasnacidade
deSãoPaulo).Hudinilson,esteveemJoãoPessoa,para
ministrarumaoficinadecriatividadeemxéroxpara
professoresealunosdaUFPB.Esseartistadesenvolveuo
usodeimagensdocorpopormeiodaxerografia,como
formaexperimentaldearte.Outramostracomartexérox
RobsonXavierdaCostaéProfessordoDepartamentodeArtesVisuais
daUFPB,coordenadordoProgramaAssociadodePós-Graduaçãoem
ArtesVisuaisdaUFPB/UFPEecoordenadordaPinacotecadaUFPB.
DoutoremArquiteturaeUrbanismo(PPGAU/UFRN,2014),ex-bolsista
dodoutoramentopeloProgramaErasmusMundus17daUnião
Europeia(ProgramadePós-GraduaçãoemArquitecturada
UniversidadedoMinho,Guimarães,Portugal).MestreemHistória
(UFPB,2007).
9
Opioneirismode
Palatnikouumnovo
conceitoparaapintura
JotaMedeiros
Envelopoema|PauloBruscky|1990
Referências
Livros:
AMARAL,Aracy.ArteeMeioArtístico:EntreaFeijoadaeoX-burguer.
SãoPaulo:Nobel,1983.
ARCHER,Michael.ArteContemporânea:umaHistóriaConcisa.São
Paulo:MartinsFontes,2001.
ARGAN,G.C.ArteModerna.SãoPaulo:CompanhiadasLetras,1998.
CHIARELLI,Tadeu.ArteInternacionalBrasileira.SãoPaulo:Lemos
Editorial,2002.
DACOSTA,CacildaTeixeira.ArtenoBrasil1950-2000:movimentose
meios.SãoPaulo:Alameda,2004.
DELEUZE,Gilles.ADobra:LeibnizeoBarroco.SãoPaulo:Papirus,1991.
GOMES,DyógenesChaves(org.).NúcleodeArteContemporâneada
Paraíba/NAC.RiodeJaneiro:EdiçõesFunarte,2004.
WOOD,Paul;HARRIS,JonathaneFRASCINA,Francis,etall.Modernismo
emDisputa:aartedesdeosanosquarenta.SãoPaulo:Cosac&Naify,
1993.
PATRIOTA,Margarida.ModernidadeeVanguardanasArtes.Brasília:
UNB/Plano,2000.
PIANOWSKI,Fabiane.ArtePostalArte.Merzmail/martinternacional.
disponívelem:http://www.merzmail.net/artepostalarte.htm.Acesso
em05deabrilde2006.
PROENÇA,Graça.HistóriadaArte.SãoPaulo:Ática,2003.
ROSENBERG,Harold.ObjetoAnsioso.SãoPaulo:Cosac&Naify,2004.
WOOD,P.ArteConceitual.SãoPaulo:Cosac&Naify,2002.
Diantedacrisedarepresentação,dapinturaestática,o
artistatorna-seconscientedestarealidadeinerte,do
movimentodaluzestáticanasartes,desdeocinema(do
gregokinema),movimento,noséculoXX.
Jánofinaldosanos1920,orussoDzigaVertovproduzUm
homemcomacâmera,oqueviriaaseragranderevolução
docinemamudoedocine-documentário.Naépocafoi
considerado“alémdaliteraturaeoutrasartes”.
Nasartesplásticashouveprenúnciosmarcantesdos
construtivistassoviéticos,aexemplodeGaboePevsner,os
quaisafirmariamque“oespaçoeotempomorreramhoje”.
Nosanos1920,ohúngaroMoholy-Nagy,daBauhaus
germânica,segundoMárioPedrosa,“abandonandoopincel
eofigurativo,decidiu-se,apósumpequenoestágio
abstracionista,apintarcomaluz,numaaudaciosatentativa
derealizarumadasmaisvelhasʻutopiasartísticasʼ”.
AbrahamPalatnik,natalensedeorigemrusso-judaica,
nascidoem19defevereirode1928,iniciouassuas
pesquisasdapinturacesaem1949,quandoabandonaa
pinturaeproduzosseusdoisprimeiros“aparelhos
cinecromáticos”.SobainfluênciadocríticoMárioPedrosa,
em1951,trêsanosapós,apresentouoseuprimeiro
“aparelhocinecromático”,duranteainauguraçãoda
primeiragrandemostradearteibero-americana,aBienal
InternacionaldeSãoPaulo,naqualobteveMençãoHonrosa
dojúriinternacional.
Indicaçõesdeendereçoseletrônicos:
ArtePostal,em:www.artepostal.com.br/uqeh.php
Contextos,em:www.rizoma.net/interna
ArtePostalArte,em:www.merzmail.net/artepostalarte.htm
SpanArt,em:www.geek.com.br/modules/edicoes/ver_conteudo.php
Estilos,Escolas&Movimentos,em:www.veja.com.br/idae/estação
/veja_recomenda
Convocatórias,em:www.zinco.oktiva.net/sispub/cgi-bin/myPage.fcgi
ArteeComunicação,em:www.itaucultural.org.br
BreveIntroduçãoàArtePostal,em:www.centrocultural.sn.gov.br
EnciclopédiaItaúCultural,em:www.itaucultural.org.br
Apresençado“cinecromático”naIBienalfoiuma
verdadeira“aventura”,vistoqueoobjetodesedução
trans/pictórico,nãosendopinturaconvencionalmente,
figurativae/ouabstrata,nãofoiaceitopelacomissãoe
somentefoiposteriormenteintroduzido.
SegundoocríticoebiógrafocariocaLuizCamiloOsório,
citandoMárioPedrosa,“otrabalhofoijulgadonumasalado
MuseudeArteModernadeSãoPaulo,edecidiramquenão
fariapartedaBienalʻporquenãoerapinturaenãodavapra
encaixarʼ”.Logoemseguida,encontrou-secomoartista
AlmirMavignier,amigoformadopelaescoladeUlm,que
lhecomunicouasuaparticipação,sobretudopelaausência
dadelegaçãodoJapão.
10
ParaPalatnik:“ocinecromáticocondensaemsinovas
possibilidadesnaatividadeartística,libertandooartistade
umafatalidadequaseinevitávelqueéalimitaçãoeredução
dasuaatividadeàstécnicastradicionalmenteconhecidas,e
possibilitaarealizaçãoconcretadoproblemadotempo,
espaço,movimentoedinamismo”.
inter-activo,àestéticafractaleàpoesiavisuale/ouànova
poiesis.Jádespertavaoolhardospoetasconcretos,
sobretudoAugustodeCampos,de1950,quandoPalatinik
participoudetrêsdasquatromostrasdoGrupoFrente
realizadasnoMuseudeArteModernadoRiodeJaneiro,em
1955,eemResendeeVoltaRedonda,em1956.
SegundoocríticoJaimeMaurício,enviadoespecialaXXXII
BienaldeVeneza,em1964,pelojornalCorreiodaManhã,
“ospainéisdeAbrahamPalatniktestemunhamaextrema
liberdadedoartista,paraoqualjánãosubsistemmaisas
etiquetasconvencionais,nemfronteirasentreasdiversas
artes[oquetinhasidoderestoprevistoporLeonardo].[...]
Constituemumaespéciedelanternamágicadanossa
época;masseuselementosnãosãofornecidos
externamente,antessãoelaboradoscomrigorpeloartista,
quepretendeconciliarespaçoetempo”.
Duranteosupracitadoevento,ocríticoepoetaCarloBelloli
procurouoartistaparachecaradataoriginaldeseu
primeirocinecromático.Constatadaadatade1951,Belloli
corrigiaentãoainformaçãovigentenaEuropa,queatribuía
aMalinaSchofferopioneirismonostrabalhoscomluze
movimento.
Simultaneamenteaoscinecromáticos,oartistaproduzia
pinturasabstratasaliadasaomobiliário.Posteriormente,
desenvolveuobjetosmóbilescinéticoserelevoscom
papéisqueremetemàsnossasdunaspotiguares.Palatnik
rompecomapintura,formalmente,masdácontinuidade
incursionandoemseudiscursopictórico,novosmateriaise
desenvolvendonovaspropostasobjectuais.
PrecursordaArtHighTech,podemoscitarcomo
redimensionamentodapinturacesaapoéticaHighTechde
algunsbrasileiros,comoEduardoKacnosanos1986/87;
AugustodeCamposeoespetáculoPoemix,doqual
participaramCidCampos,JoãoBandeira,ArnaldoAntunes,
LenoradeBarros,em2007;ovídeoGaláxias,fragmento
intertextualdopoemaconstelarhomônimodopoeta
concretoHaroldodeCampos,deminhaautoriaemparceria
comoastrofísicoJoelCarvalho,produzidonaOficinade
TecnologiaEducacionaldaUniversidadeFederaldoRio
GrandedoNorte,em1991.
Aprimeiramostrainternacionaldeartecinéticaocorreuem
Paris,em1955,naGaleriaDeniseRené,reunidoobrasde
MarcelDuchamp,AlexanderCalder,IvesKlein,Tinguelye
AbrahamPalatnik,entreoutros.
Seguiram-seoutrasexposições,naSuíça,Holandae
Iugoslávia,bemcomogruposdeartistasorganizados,como
oGRAV(GrupodePesquisaeArteVisual)eos“Grupos
Gestálticos”,naItália;“NovasTendências”,naIugoslávia;
“GrupoZero”,naAlemanha;“TheResponsibleEye”,nos
EstadosUnidose“Dvijenie”,naUniãoSoviética.
ParaPopper,“aartecinéticasecompõedeobraem
movimentovirtual(op)ereal”.Aartecinéticaétambém
urbana,aproximando-sedaLandArt(dapaisagem)edo
Happening(acontecimento)comoGRAV.
Aexpressãoseprojetaparaalémdaretina,ou,comodiria
MeloeCastroemPoéticadosMeioseArtHighTech,“como
ciênciadadefiniçãodoespaçonãopodeagoraalhear-se
dosproblemasdoespaçosocialdacomunicaçãoedos
suportesdessacomunicação,constituindoaquiloquese
chamaumapoéticadosmeios[...]”.
Vemosaprópriaartecinéticacomointegrantedaatual
práticapoéticaestendidaaosmaisdiversificadosmultimeios.
EspaçoVirtual
Happening,expressãocriadapelopoemúsiconorteamericanoJohnCage:“tudooquefazemosémúsica,há
teatrootempotodo”.Aartecinéticaéperformáticana
atualidade,aliando-seàvídeo-artenumprocedimento
11
OMuseuAbrahamPalatnik(www.nac.ufrn.br),iniciadoem
fevereirode2006,temcomopropósitohomenagearo
artistapioneirodaarte/tecnologianoBrasil.Reunindoobras
dearte/multimediaqueconstituem,deinício,oacervodo
artistaJotaMedeiros.Éummuseuemprocesso,eseamplia
comdoações,interaçõeseproduçõeslaboratoriais.
Quandoaspalavras
sãoraízes
NaldinhoFreire
NascinumaregiãodoBrasilondeobaião,oxote,aciranda,
ococoetantosoutrosritmosfazempartedocotidiano.Na
minhainfânciacostumavairàbarbeariadoMestreNelson
Mateus,quenosintervalosdoscortesdecabelostocava
acordeãoereuniaosvizinhosparaaudições.
Estaideiademuseuvemmaterializar-sapartirda
Multimedia/UFRN,realizadaem1983,eventoque
apresentoupropostasdesdeaarte/correioàcomputerart;
dasintervençõesurbanasàsoficinasdemultimeios;shows
performáticos;MostraInternacionaldeArtdoor“Natalem
Natal”daqualparticiparamartistascomoVolpi,Mauricio
NogueiraLima,Bruscky&Santiago,RaulCórdula,Regina
Silveira,JoãodaRua,FlávioFreitas,AfonsoMartins,
MarcelusBob,FernandoGurgel,entreoutros.Dapoesia
marginalàartecarimbo;daxerografiaàheliografia;doS8à
vídeo-arte;dolivrodeartistaàsrevistasdeinvenção;
ocupandooespaçourbanodaCidadedoNatalem
sincroniacomoFestivaldeArtesnoFortedosReisMagos.
OespaçovirtualdoMAPacha-seabertoamemóriaatemporaldaarteemseusmúltiplosprocessosinterativos.
Em1995,conhecioBumba-meu-boimaranhensee,desde
então,quissabermaissobreamúsicadetradiçãooral
nordestina,visitandocomunidadesondeelasemanifesta
emsuaformamaispura.
Cominfluênciaseuropeias,africanaseindígenas,oBumbameu-boimaranhensecarregaváriossotaquesouvariações
rítmicas,entreelesosdeMatraca,ZabumbaeOrquestra.
Contaalendaqueemumafazendaviviaumcasalde
escravos,PaiChicoeCatirina.Gestante,Catirinadesejava
comeralínguadoboiestimadodofazendeiroe,para
satisfazerodesejo,PaiChicoteriamatado,àsescondidas,o
boi.Aosaberdoacontecido,opatrãoexigiuoseuanimal
vivoe,então,foramchamadosàfazendapajésque
ressuscitaramoboi;emseguida,aconteceuumagrande
festa.Preservandoatradição,opovomaranhense,nomês
dejunho,realizaessefestejoqueprossegueatésetembro,
quandoocorreamortedoboi.
JotaMedeiroséMestreemLiteraturapelaUFRNeidealizadore
curadordoMuseuVirtualAbrahamPalatnikdoNAC/UFRN.
https://soundcloud.com/naldinho-freire/naldinho-fogo-e-folia
https://www.youtube.com/watch?v=NWw9quBKVfA&feature=
youtu.be
ApósvisitaroestadodoMaranhão,evoltarencantadocom
todaabelezadabrincadeiradoBumba-meuboi,continuei
aminhainvestigação,indoatéacidadedePortoRealdo
ColégionoestadodeAlagoas,ondepercebiaimportância
dopovoindígenanamúsica,noscostumes,naculinária.
Nessaregiãodoestadoháumacomunidadequese
preocupaempreservaressacultura,osCariris-Xocó/
Xucurus-Cariri.Resolvirepresentá-losatravésdocantoque
diz:“Euqueroirembora...Descansaremnomedataba”.
https://soundcloud.com/naldinho-freire/naldinho-bohoiwiro
https://www.youtube.com/watch?v=oe1YzjoWB34&feature=youtu.
be
IncluoaquiumafalaquegraveidoíndioSarêre:
12
https://soundcloud.com/naldinho-freire/naldinho-malunguim
https://www.youtube.com/watch?v=MPIKyvJqENU&feature=
youtu.be
Seguindoessaviagempelatradiçãooral,convideia
professoraNaraSallesparairmosatéacidadede
Japaratuba,Sergipe,comopropósitodeconhecero
Cacumbi.EncontramosacasadeMestreCirico,quenos
recebeudeumaformamuitocarinhosaenoscontoumuito
sobreoCacumbi.
Eusoubomdeencruzada,voulá,venhocá,façomeia-lua,viro
praláeviropracá.BrincavaManéPescada,Guilherme,Justino,
ofilhodeleAntonioJustino,eErasmo,essessãodaminha
época.Agoraopovonãoestámaisrespeitandoagente,mas
temjovemqueseinteressa.Asmulheresacompanhavama
brincadeira,masnãoparticipavamdiretamenteanãoserna
figuradaRainha.ÀtardequandoaRainhasaiparasercoroada
agentecanta:”óquelindeza,quedocéujávemsaindo”.Etem
ascantigasderua:”estrelaminhaestrela...”Arainhaeoreisão
osdonosdafesta.AntonioJustinofoimeumestre,essas
cantigasquandomelembro,dávontadedechorar,jábrinquei
emRiachuelo,emCapelaePropriá.Hojeeunãovoumais,os
meusnervosestãocansados,àsvezesquandoéomeumenino
quevai,euvoubeirando,gostodafolia.
Sarêrenanossalínguaquerdizerguerreiro.Onomedonosso
grupoéDezibukuá(CaririsdaRibeiradoBaixoSãoFrancisco).
Nós,atravésdessetrabalho,aospoucosvamosresgatandoa
nossalínguaquehámuitosanosfomosperdendo.Eumesmo
sófaziatrabalhonalínguaIatê,línguaFulniô,meupaiera
Fulniôepassavapragentealínguadele.Atravésdoíndio
chamadoNeneti(professordanossatribo)estamosestudando
alínguaCariri.Aquiseencontramoutrosindígenasquefazem
essetrabalhojuntocomigo,mostrandoarealidadedoíndio
alagoano/índioCariri.Mesmocomtodacivilização,oqueé
maisimportanteparanóséanossacultura.Temosque
acompanharaevolução,nãoesquecendoosnossoscostumes,
osnossoscantoseasnossasdanças.
D.Eugênia,filhadoMestreCirico,nosfalousobreoMestre
Batingaefomosatésuacasaparavivenciarumpoucomais
oCacumbi.MestreBatingamostrou-nostodosos
instrumentosdoCacumbi,alémdetocá-los:corró(feitode
bambu,umaespéciedereco-reco),ganzá,caixas,onças
(cuícacomsomgrave),pandeiros,tamborinseapito.Dizia
oMestre:”Nãotemquemnãosebalancecomabrincadeira
doCacumbi”.
AindaemAlagoas,querodestacaromeuencontrocom
MestreCíceroLinodoPífano,MestreJuvêncioda
Chegança,MestreVenâncio(quecantavaemboladase
peçasdoGuerreiroAlagoano),MestraIldadoCocoeMestre
Verdilinho.Essesmestrespresentearam-mecomsuas
históriasesaberesmusicais.ReverencioaMestraMariado
CarmodasBaianasdeSantaLuziadoNorte,interpretandoa
canção“Baianá”.
https://soundcloud.com/naldinho-freire/naldinho-eu-vim-do-mar
https://www.youtube.com/watch?v=w8fsD51XePA&feature=
youtu.be
AexperiênciacomosMestresdoCacumbifoiemocionante;
conseguintemente,muitaemoçãoestavaporvir.Continuei
o“escacaviar”musical,evolteiàslembrançasdaminha
infância,quandovisitávamosolitoralsuldaParaíba,
ouvíamosevíamosoCocoPraieironomunicípiodoConde.
EssaformadeexpressãoculturaldenominadaCoco
encontra-seemtodooNordestebrasileiro:emsuamaioria,
osbrincantesdançamemrodasecantamrespondendo
versosmuitasvezesimprovisadospelosseusmestres.
VivencieiessasrodasnosestadosdeAlagoas,ondetemoso
CocodeTropel,enoCearáconhecioManeiroPau.
https://www.youtube.com/watch?v=3hI7Cy44WUU&feature=youtu.
be
AsgravaçõesrealizadasnosestadosdoMaranhãoede
Alagoasforamestímuloparacontinuarapesquisar.
Embrenhei-mepelouniversocaboclo,comaslembranças
doespetáculoVaudaSarapalhamontadopeloGrupo
Piollin,noqualescuteipelaprimeiravezumcantopara
Malunguim,entoadopelopercussionistaEscurinho.
Encantei-mecomabelezadesuamelodia,quenoslevaa
visualizarasmataseadentrá-las.Posteriormente,emvisitas
aalgunsilêsAxédoNordestebrasileiro,maisaindafui
surpreendidopelofatodosOgãseBabalorixástambém
entoaremparaMalunguim,tendocomobaserítmicao
Barra-Vento.
https://soundcloud.com/naldinho-freire/naldinho-batuque-de-coco
https://www.youtube.com/watch?v=w6EDVyE3kQQ&feature=
youtu.be
https://soundcloud.com/naldinho-freire/naldinho-pancada-demaneiro
Numadessasvisitas,estiveemPiaçabuçu‒Alagoas,no
TerreirodaCasadeSeuJoséCunva,ondeouvimos,
cantamosedançamospontosquesãopreservadospelos
praticantesdoCandomblé.Numdosintervalosouvio
ZeladorDeninho,queinicioudizendo:“AbassádeLage
Grande”.Desuafala,registroaquiumafrase:“Nósdo
Candomblésomosirmãos,Oxaláénossopai,todosnós
nascemoscomumcaboclo.”Axé,Malunguim!
MasfoiporindicaçãodomúsicoCleudoFreirequecheguei
aCabeceiras‒MunicípiodeTibaudoSulnoRioGrandedo
Norte.Lá,temosoCocodeZambê,regidopeloMestre
GeraldoCosmo,quenabrincadeiraenvolvetodaasua
família.OZambê,tamborfeitocomtroncodecoqueiroe
courodeboié,dosinstrumentosutilizadosnabrincadeira,
oprincipal.Ocouroéaquecidonumafogueira,adquirindo
aafinaçãoexata.
13
Naminhavisita,ogrupopreparouumarodadeZambê,eo
MestreGeraldoCosmo,queguardaemsuamemóriacantos
comreferênciaaomar,àsembarcaçõeseaospescadores,
mostrou-meversosquevãoalémdoseurepertório,
improvisandosobretemasdiversos.Osbrincantes
dançavamlivrementee,emalgunsmomentos,faziam
movimentoscoletivosqueremetiamàcapoeira.
NasduasformasdoMaracatuapresençaindígenae
africanaéexplícita,nostambores,nocantoenofigurino.
Procureinamúsica“Maracatus“unirasduasvariações
rítmicas,buscandopalavrasquetraduzissemessesdias
vividosemmeioaosbaques.
https://soundcloud.com/naldinho-freire/naldinho-maracatu
https://www.youtube.com/watch?v=_7jRePPg02Q&feature=
youtu.be
Napeça“OdiOdo”agrupeiosversoscantadosporMestre
GeraldoCosmonaquelanoite.
Porfim,nessaminhabuscapormanifestaçõesmusicais
tradicionaisnoNordestebrasileiro,fuiaParnaíba,cidade
litorâneasituadanoestadodoPiauí.Naquelelugar
encontreioMestreBatistaque,saudoso,cantavaecontava
ashistóriasdosmares.Faleceuem2002comodesejode
reativarasuaMarujada‒”Euficocomocoraçãobem
satisfeitoquandoestounabrincadeira,euqueroedesejo
queParnaíbanãoesqueçaaMarujada”‒,folguedoqueem
outrascidadesdoNordestedenomina-sedeNauCatarineta
ouFandango.
AMarujadaéencenadaemtodooBrasil,principalmenteno
Nordeste,relatandoaslutaseconquistasdosibéricos
navegantes.Éumadançapraticadaemsuamaioriapor
homensusandouniformesdemarinheiro.
Mesmorouco,oMestreBatista,tocandosuapandeirola,
cantoumuitosversosdaMarujada,quecompileinacanção
“NauCatarineta”.
https://soundcloud.com/naldinho-freire/naldinho-odi-odo
LogodepoisqueretorneidoRioGrandedoNorte,estivena
ZonadaMataenoLitoraldePernambuco,evivencieiuma
dasprincipaismanifestaçõesdopovopernambucano,o
Maracatu,quenaZonaRuraldenomina-sedeBaqueSoltoe
naZonaUrbanadeBaqueVirado.
SeuLuiseSeuEugênio,brincantesdoMaracatu,
apresentaram-meoternodeinstrumentosquecompõema
basepercussivadoMaracatudeBaqueSolto:obombo,o
taroleaporca(espéciedecuíca).Alémdessesinstrumentos
adiciona-seomineiro(chocalhodeboi)eumnaipede
instrumentosdesopro(clarinete,trompeteetrombone).
Umapitoficacomomestrequecantaasloaseéoregente.
NacidadedeNazarédaMataencontreiumgrandepalco,
ondeosmestresseapresentavamcomosseusternoseos
inúmerosparticipantesficavamnochão.Ostemas
abordadosemseusversosfaziamreferênciaàcidade,aos
políticos,aquestõesreligiosaseaocotidianorural.Nesse
diapudevislumbraraforçadosMaracatusPavão
Misterioso,LeãodasCordilheiraseÁguiaDourada.
https://soundcloud.com/naldinho-freire/naldinho-nau-catarineta
https://www.youtube.com/watch?v=Q2f5dW7qDn0&feature=
youtu.be
Comtodoessearsenaldeinformaçõessobreamúsicade
tradiçãooraldoNordestebrasileiroeasdiversas
contribuiçõesrecebidasproduzioCDRaízeseoDVD
Raízes:traçoscontemporâneos.E,apartirdesseescrito,
concluoumciclomusicalemminhavida.
OMaracatudeBaqueVirado,tambémdenominado
MaracatuNação,trazareligiosidadeafricana,utilizando
tamboresalfaiasqueestremecemocoraçãodequemos
tocamedequemosouvem.Incorporam-seos
instrumentostarol(caixa)egonguê,quecompõema
belezarítmicadoBaqueVirado,nosensaiosedesfilesque
acontecempelasruasebairrosdeváriascidades
pernambucanas.
NaldinhoFreireéMúsico.
14
Osolàsombra
WilliamCosta
Arte,amor,arma,ardor,chama,clamor,revoltaeoração:a
pinturadeManuelDantasSuassunacelebraacultura
brasileiraefazumacorajosareleituradaestéticaArmorial.
ArraialdeCanudos,talvezamaiorexperiênciacomunitária
daHistóriadoBrasil,depoisdogenocídioindígenaedo
quilombodePalmares.
Entretantasfigurasemblemáticas‒oreiportuguêsDom
Sebastião,porexemplo‒,Dantasseretratanocentrode
suastelas,perfilando-sedomesmomodoqueosinsurretos,
ressuscitadosetrabalhadoresanônimos,comovaqueirose
caçadores,transfigurados.Umamaneiradedizeremque
estãoali,firmes,fortes,altivos,imortalizadosnaúnicaforma
capazderelativizaradecomposiçãodosangueeenfrentar
otempo,comsuasarmasdedestruirmemórias,queéa
arte.
AveMusaincandescente
dodesertodoSertão!
Forje,noSoldomeuSangue,
oTronodomeuclarão:
canteasPedrasencantadas
eaCatedralSoterrada,
Castelodestemeuchão!
Osversosdaepígrafequeilustraesteartigoestãona
apresentaçãoqueArianoSuassunafazdoRomancedʼA
PedradoReinoeoPríncipedoSanguedoVai-e-Volta,
publicado,pelaJoséOlympioEditora,doRiodeJaneiro,em
1971,efazemumareferênciaexplícitaaouniverso
marcadamentesecoeensolarado,oSertãodaParaíba,
dentrodoqualoprisioneiroeprotagonista-narradorda
obra,PedroDinisFerreira-Quaderna,desfiaráonovelode
suasterríveismemórias.
Atintaescorrepelatelacomootempoagesobreavida,
ameaçandotudoolvidaremumamassacompacta,
monocrômica,sobaqualasformasfigurativassediluiriam.
Ummundo.Umtempo.Umaculturaquevaidesaparecer,
inexoravelmente.Masasfigurasresistemeestãopresentes,
oumelhor,sugeridas,mesmonosmomentosemqueo
artistaadentraolabirintodoinconsciente,aabstração,para
umpurgar-se,etapadorenascimento.
AesseambienteestáligadooartistaManuelDantas
Suassuna,filhodeAriano,masascores“solares”não
dominamsuapaletatelúrica.Dantascaminhananoite
penumbrosadamemóriaeàsombradosagrado.No
documentárioAriano:Suassunas(2013),deClaudioBrito,
eleadmitequeoquadrodemaiorluminosidadetalvezseja
oquepintou,compredominânciadetonsamarelos,para
homenagearsuamulher,DeniseSuassuna,quepratica
meditação.
Asabstraçõestambémremetematerrasincendiadas-os
plasmascalcinadospelaschamasdochumboque
derreteramsobreCanudos?Astonalidadessãoasdotempo
edamorte‒ferruginosas,oxidadas,enãoobedecema
planosoulinearidades.Énafiguraçãoquesetornammais
evidentesasreferênciastopográficas,culturais,artísticase
religiosasrelacionadasaoReinodoSertão‒casas,serras,
lajedos,armas,mortos,caixões,cruzes,cemitériosetc.
Acimadetudo,aartedeDantastemumcompromissocom
oBrasil,portantoéindissociáveldaculturaedasaspirações
dopovo.Ajornadadoartista,noplanodaestéticaeda
religiosidade,representaaprocuraporrespostasàs
perguntasfundamentais,relacionadasaosereestarno
mundo,quemotivatodoserhumano,nãoimportaotempo
eoespaçoouacondiçãosocial.Éoutrocavaleiroandante,
erguendoaltoopendãodosonho,deinsígniasarmoriais.
Osagradosefazrepresentar,napinturadeDantas,entre
outrossímbolos,pelosCristoscrucificadoseoscorações‒
oraencimadosporcruzes,oraapunhalados.Tambémpelas
figurasquaseangelicais,poucas,easmuitas“aparições”‒
personagensdifusasquealudemàmorte,àtranscendência,
equeparecemlutarcontraoesquecimento,reivindicando
presençaeredenção‒emcertoscasos,atémesmo
vingança‒,nomundodosvivos,pelamemória.
“Tristedospaisquenãovêemseufilhoiradiantedeles”.
Ditadopopular.
AfiguradeAntonioConselheiroérecorrente,
representandoainfluênciaque,atravésdaascendência
paterna,recebeudeOsSertões,deEuclydesdaCunha.Mas
nãosóisso.Significaocompromissodoartistanosentido
decolaborarnadestruiçãodofalsomitoemque
transformaramAntonioVicenteMendesMaciel,líderdo
Emabril,opintorManuelDantasSuassunarealizou,no
ShoppingRioMar,emRecife(PE),talvezumadesuas
exposiçõesmaisdifíceis.Nãopelacomplexidadedasobras,
15
oconceitoouaarquiteturadamostra,maspelacarga
emotivaqueelacontinha.Emboratambémdedicadaà
mãe,ZéliadeAndradeLima,aexposiçãoEmNomedoPai
homenageiaopaidoartista,ArianoSuassuna,noprimeiro
anodamortedoescritor,ocorridaem23dejulhode2014.
“Naverdade,amostraaconteceuatravésdeumconvitedo
pessoaldoShoppingRioMar,quequeriafazeruma
homenagemapapaiemecedeuumespaçomuitogrande,
apartirdoqualfoiqueeupenseiaexposição.Elanão
estavanempensadaparaacontecer,enemdaformaque
aconteceu”,revelouoartista,ementrevistaexclusivaao
CorreiodasArtes.Otítulodamostrafoisugeridopelo
professorepoetapernambucanoCarlosNewtonJúnior.
DantashaviapensadoemArasdoPai,paratítuloda
exposição,masacatouaopçãooferecidaporCarlos
Newton,amigodesuafamíliae,hoje,omaiorconhecedor
davidaeobradeAriano.“EmNomedoPaificou,
simbolicamente,extraordinário”,reconheceoartista.A
mostrareúneasobrasqueDantaspintouparaAriano,
desdeadécadade80.Elerecebeuumconviteparatrazê-la
àParaíba,mas,nadatadaentrevista,nadaestava
confirmado.
incondicional,mesmonasfasesemqueorebento
titubeava,massósossegouquandoseconvenceudeque
estavadiantedeumdetalentogenuíno,enãodeummero
imitador.
Emumtrechodotextointitulado“ApinturadeDantas”,
Ariano,depoisdediscernirastrêsgrandeslinhasque
balizamatrajetóriaartísticadofilho,afirma
categoricamente:“EmDantasSuassuna,aparece,demodo
singulareforte,aunidadeculturaldaAméricaLatinaem
geral,doBrasilemparticular.Oparentescoquenosunea
todaartequesefaznoTerceiroMundo,aRainhadoMeioDiadomeuuniversoliterário”.
Ofinalnãodeixamargemparadúvidas,quantoaosentido
daarte(adeles,pelomenos):“Sabemosoquenossopaís
esperadeseusartistas,demodoque,quandoopossível
nãobasta,nóstentamostambémoimpossível.Porqueeste
chão,estehúmus,estaterrapoderosa,aomesmotempo
estranhaefamiliar‒anossa‒nóslhesomosfiéiseaela
permanecemosirremediavelmenteligados,mesmoque
nemsempretenhamosdistoumaclaraconsciência”.
Dasestranhas“opçõesdevida”àdescobertadaarte
OacervodeEmNomeDoPaicontém,pelomenos,duas
obrasmuitocarasaDantas:SãoJoãoBatistaDegolado,de
1986(aovê-la,Arianoconvenceu-sedeumavezportodas
dequeestavadiantedeumverdadeiroartista),eum
trípticoquehomenageiaosavóspaternos‒JoãoSuassuna
eRitadeCássia‒,alémdefazerreferênciaamonumentossímbolosdavidaedaartedopai,comoaPedraBonita,no
SertãodePernambuco,eaFazendaAcahuan,naParaíba.
DosseisfilhosdeArianoSuassunaeZéliadeAndrade,o
segundovarão,ManuelDantasSuassuna,é,talvez,omais
inquietoeindeciso.Ainquietação,aoqueparece,continua
sendoumadesuascaracterísticasmaisfortes,masa
indecisão,frenteatantoscaminhos,foisuperadaaindana
juventude,aoseralertado,porumaconsciênciaaindasutil,
dequeseriaolegítimoherdeiroecontinuador,noplano
dasartesplásticas,daobradopai.
OutrodestaquedamostrasãotelasdasériequeDantas
pintou,emTaperoá,apartirde2006,quandoestavana
cidade,juntocomodiretorLuizFernandoCarvalho,
participandodoprocessodeadaptaçãodoRomancedʼA
PedradoReino,paraocinema.Apartirdessaexperiência,
Dantasinstalaria,emumcasarãodoséculo18,emTaperoá,
aOficinaCabeçadeCabro,nomesugeridopelopai‒ofilho
haviapensado,inicialmente,emCabeçadeBode.
DocumentodeinauguraçãodaOficinaCabeçadeCabro,
redigidoporArianoSuassuna
Nestadata,13deagostode2011,damosporinauguradaa
OficinaCabeçadeCabro,confiadaaumdenós,ManuelDantas
Suassuna,artistaqueéoúnicoaptoalevaradianteaobrade
seusPais:nasartesplásticas,seupodercriadorébemmaiordo
queodeles,cumprindo-se,entreostrês,oditadopopularque
afirma“Tristedospaisquenãovêemseufilhoiradiantedeles”.
Porisso,écomamaioralegriaquesubscrevemosopresente
Termo-de-Abertura,dandoaOficinaporiniciada.
Taperoá,13.VIII.2011
Percebe-sequeDantasprocuraconteraemoção,quando
falaououvefalarnopai.Tarefadifícil.Afinal,oslaçosque
uniamArianoàfamíliaforamtecidosnoamor,nalealdadee
norespeito,mútuos.Arianoguioupelamãoofilho,na
tortuosaestradadavidaedaarte.Emprestou-lheapoio
16
Osebastianismoearesistênciapopularàsagressõesdo
poderconstituído,dequesãoexemplososmassacresde
PedraBonita(1838),aGuerradeCanudos(1896-1897)ea
GuerradoContestado(1912-1916),sãotemascarosà
literaturadeAriano.Masabase,comotodossabem,éa
culturapopular,notadamenteadematriznordestina.Eo
cenário,emboranãoexclusivo,éoSertãoespinhento,
poeirentoepedregoso,ondebrilhao“Solmalhadodo
Divino”.
Sertãodascruzes‒àmargemdasestradas,nodorsodos
lajedos,nascostasdospagadoresdepromessa,nocume
dosmontes,sobasnavesdasigrejas,portrásdosmuros
doscemitérios.Sertãodogadodeancasmarcadasaferroe
fogo.Sertãodeíndioscaras-de-pedra,“deCangaceiros,de
rudesBeatoseProfetas,assassinadosduranteanoseanos
entreessaspedrasselvagens”.Sertãopatade“Onça-Parda”
edentede“Onça-Malhada”.Sertãoda“MoçaCaetana”.
Dantascresceuemdois“hemisférios”diametralmente
opostos,dopontodevistaculturalegeográfico:ourbano
(representadopelacidadegrandedoRecife,noLitoralde
Pernambuco)eorural(representadopelacidadepequena
deTaperoá,noSertãodaParaíba).Estudavanacapital
pernambucana,maspassavaasfériasnasfazendasda
família,tornando-seumsúditolealdoReinoSolardos
CaririsVelhos,porobraegraçadosavós,dospaisedostios.
Dantas‒comoémaisconhecidoentreosamigose
familiares‒quisserdevaqueiroapilotodeavião.No
Ariano:Suassunas,elerevela,dandoboasrisadas,queum
diatambémalmejousermendigoeladrão.Zélia
confidenciavaaArianosuaspreocupaçõescomasestranhas
“escolhas”dojovemDantas‒,masopainãolevavaasérioe
sempretinhaumarespostabemhumoradaparaas“opções
devida”dofilho.Hoje,percebe-sequeerapuraintuição.
OqueDantasaindanãosabia,eraque,pordesígniosquea
razãonãoalcança,foratambémmarcadocomo“Selodo
Sol”,para,assimassinalado,cantar,comsuastintase
pincéis,abelezaeodesatinoda“Raçacastanhaesagrada”,
emnomedequem,nosonhodosonoacordado,foi
erguida,poroutroreisemcetroecoroa,casteloecatedral
imensos.Tevequesairdecasa,também,paracruzar“o
Tabuleiropedregoso”econquistaroqueporele“for
decifrado”.
EmTaperoá,Dantascaçava,pescava,cavalgava,iaaocirco,
liafolhetosdecordeleouviaospoetasrepentistasesuas
violas.Aospoucos,dominavaossegredosda
caprinocultura,vindo,maistarde,asubstituiropaina
sociedadedecriaçãodecabrasdaFazendaCarnaúba,
propriedadedeseutioManuelDantasVilarFilho,o
Manelito.Semsaber,bebia“oFogonataçadepedrados
Lajedos”ecaminhava“noInconcebível”,na“Fronteirado
Enigma”.
Portanto,parachegaraocernedapinturadeDantas,seé
queissoépossível,énecessárioconhecerosuniversos
relacionadosaoartista,aexemplodahistóriadesuafamília,
onobremetaldoslaçossanguíneos,oconjuntodaobrado
pai,omeioambientefísico,socialeculturaldoSertãoea
HistóriadoBrasil,comênfasenaGuerradeCanudos.No
planodaliteratura,EuclydesdaCunha,GuimarãesRosae
MigueldeCervantessãofundamentais.
OcasarãodaRuadoChacon,328,CasaForte,Recife,onde
Dantasviveuamaiorpartedesuavida,eraumverdadeiro
“centrocultural”.Nãobastasseacompanhiadopaieda
mãe,sempreproduzindoarte,recebiamcomfrequênciaa
visitadeartistasdamúsica,dadança,doteatro,docinema
etc.EmAriano:Suassunas,Dantascitaosensaiosdo
QuintetoArmorial,parailustrarocontatopermanentecom
aarte,estabelecidodentrodesuaprópriacasa.
Noquedizrespeitoàsartesvisuais,éfácilreconhecer
“arquétipos”rupestresnapinturadeDantas,comotambém,
respeitando-seassingularidadesdiferenciadoras,algum
traçocomumafigurativosbrasileiros,aexemplodecerto
IberêCamargo.Mas,nahistóriapessoaldoartista,têm
relevânciaretratosdemortoseseresangustiados:a
fotografiade“Che”Guevara(MarcHutten?),oCristoMorto,
deHansHolbein,OGrito,deEdvardMunch...
Dessemodo,aterraeahistória,aarteeacultura,osangue
eosagrado,amorteeoenigma,otempoeoespaço,a
memóriaeoesquecimentoseriamelementostemáticos
constitutivosdaartedeDantas.Umapinturadetraço
expressivo,transcendente,identitárianascores,nasformas
enosassuntos,vinculadaaospreceitosarmoriais,porém
abertaenquantoinstrumentodediálogocríticodoartista
comomundoconvulsivoqueorodeiaeinquire.
OassassinatodoavôdeDantas,oentãodeputadofederale
ex-presidentedaParaíba,JoãoSuassuna,a9deoutubrode
1930,noRiodeJaneiro,emconsequênciadosconflitose
perseguiçõesquesesucederamaoconjuntodefatosque
entrariaparaaHistóriacomotítulode“Revoluçãode30”,
imprimiuumcarátertrágicoàpoesia,aoteatroeao
romancedeseupai,quesóviriaafazerconcessãoaoriso
apósconhecerZélia,aromãdeseupomar.
OdedodeQuixoteapontaparaodestinodomenino
Dantasestevenacapitalparaibana,emmaio,paraassistirà
exibiçãodePeloCaminhoSagrado:Andante,segundofilme
datrilogiadocumentaldeClaudioBrito.Foinoauditóriodo
InstitutoFederaldeEducação,CiênciaeTecnologiada
17
Paraíba(IFPB),emJaguaribe,localdaprojeção,queele
concedeuaentrevistaquesubsidiouestareportagemsobre
asuatrajetóriaartísticaeoprojetoqueolevouaseguiros
passosdeAntonioConselheiro.
OficinaCerâmicaFranciscoBrennand,ondepassouseis
anos.“Entãoessaaífoiaminhabase.Eudigoqueaminha
universidadeforamessesdoisartistas.Eapós-graduaçãofoi
emTaperoá,quandoeudecidiserpintor,mesmo”,destaca.
Dantasafirmouquepintavadesdecriança,massomente
viriaasefirmarcomoartistaapartirdadécadade80.
Contouque,certodia,parouparapensarqualseriaa
imagemmaisantigaquesuamemóriaguardava,
relacionadaàsuacondiçãodeartista.Lembrou-se,então,
que,quandosomavaapenasquatrooucincoanosdeidade,
levadopeloirmão(Joaquim,falecidoem2010),iaao
gabinetedopaiparafolhear,extasiado,umexemplarde
DomQuixote.
O“afastamento”artísticoegeográficodopai
Enquantoinúmerosartistas,dasmaisvariadasvertentes,
buscavamoconvíviodiretocomAriano,nosentidode
apreendereaplicarosfundamentosdaestéticaarmorialem
suasobras,Dantassentiuqueprecisavafazerocaminho
inverso,ouseja,afastar-se,artísticaegeograficamente,do
pai,paraterliberdadedeescolha,nosentidodecriarsua
própriaidentidade.Eassimofez,recebendo,tambémnessa
fasedesuacarreira,totalapoiodeAriano.
“Euachoquenemliaainda.Ejámefascinavapelasgravuras
doDomQuixote(ele,comcerteza,sereferiaàedição
ilustradacomgravurasdofrancêsGustaveDoré).Entãojá
eraoartistaqueestavaali,inconscientemente”,ressalta.
Masfoiaos17anosqueDantas,indecisosobreosrumos
quetomariaapósconcluirociclodeeducaçãosecundária,
teveoseupotencialartísticofinalmente“descoberto”ou
“reconhecido”peloimplacávelolhocríticodopai.
EssaliberdadedecriaçãopermitiuaDantasavançarna
propostadoMovimentoArmorial,iniciativaartísticaque
eclodiunadécadade70equeteveemArianooseu
principalideólogo.OArmorialdefendeumaarteerudita
brasileiraerigidacomelementosdaartepopular.“Papai
admiravaemmimaliberdadequeeutinhadecriarnovas
linguagensparaoArmorial.Écomoseeuestivessefazendo
umareleituradaquilotudoqueaprendicomopintor”,
esclarece.
OscadernosescolaresdeDantaseramdivididosaomeio.As
páginasdaprimeirametaderegistravamasatividadesde
classe.Asdasegundasetransformavamemsuportesde
desenhos.“Quandopapaiviuaquiloalieledisse:ʻRapaz,
aquitemumcaminhopragentetrabalhar.Vocêgostadesse
negócioqueestáfazendo,dedesenhar?Vocêachaqueé
umaprofissãoquepodequererseguir?ʼEudisse:achoque
sim”.Estavaabertaaporteira.
QuemimaginaqueapinturadeDantas,porserarmorial,é,
porexemplo,estritamente“xilográfica”,tomar-se-ádesusto
aosedepararcomtelas,tecnicamentefalando,identificadas
comoquefazemospintoresrelacionadosaoquese
convencionouchamarde“artecontemporânea”.“Éque,
geralmente,aspessoastendemadizerquequemestá
ligadoaoMovimentoArmorialestápresoauma
determinadalinha”,criticaoartista.
Apartirdaqueledia,Dantascomeçouatrabalharcomo
pintor.“Papaimepagavaumabolsa,comopagouatéir
embora,atéseencantar,paraqueeupudesseterodireito
detrabalharempaz”,relembra.“Então,desde17anos
venhotrabalhandoasériocompintura.Apartirdadécada
de80foiqueeucomeceiapensaresonharcompintura,
exclusivamente.Voufazer55anosagoraemoutubro,então
eujátenhoumbocadodetempo”,ressalta.
Eprosseguenomesmodiapasão:“Primeiro,vocêtemque
estarpresoaalgumacoisa.Presoaumpensamento.Você
temqueteralgumacoerênciacomoquevocêestáfazendo.
E,aomesmotempo,éumacoisadifícilteraliberdadede
criar.Agora,osúnicosartistasquesãocobradosparaseguir
umalinhasãoosarmoriais,aomesmotempocobradose
ditosconservadores,ouditosʻpresosʼ,entendeu?Masnãoé,
dejeitonenhum”,reitera.
Comachanceladopai,Dantastrabalhoutrêsanoscomo
pintorJosédeBarros,parenteseu,quelheensinoutécnicas
dedesenhoe,principalmente,degravuraemmetal,que
eraoseuforte.Depoisfoitrabalharcomomentorda
18
Emumdosepisódiosdesuacoluna“NovoAlmanaque
Armorial”,queassina,mensalmente,noCorreiodasArtes,
intitulado“ManuelDantasSuassunaeatipologia
'Armorial'”,CarlosNewtonJúniordebruça-se,exatamente,
sobreaarte(pintura,desenho,cerâmica,esculturaetc.)de
Dantas,citando,parainíciodeconversa,doisexemplosque,
segundooescritor,roboram“aideiadequeonovo,em
arte,sempresurgeapartirdatradição”.
EleesclarecequeoSertãorepresenta,paraele,oqueoTaiti
representouparaoGauguin.“Eletevequesairdaquele
ambientefrancês,paramudaracordeseusquadros.Ele
tinhaqueconvivercomaquelaenergia,comaqueleespaço.
Éoqueacontececomigo,noSertãoenoRecife,lugares
ondeeucriominhasobras.Eutenhoumaligaçãomaior
comoSertão,porqueaminhaobranãotemnadade
urbano.Bemdizer,éumaobraligadadiretamenteao
campo”,assinala.
CarlosafirmaqueaobradeDantasépermeadade
contemporaneidadee“profundamentearmorial‒nos
temas,noaspectoemblemáticodassuascomposições,na
expressividadedasformas,napinceladavigorosadesua
pinturanão-lineareemtantosoutroselementosque
evidenciamaprocuraconscientedeumtipodebelezaque
secontrapõe,emessência,aopredomíniodaracionalidade
edodespojamentocomofundamentodaharmonia”.
Aperegrinação“pelocaminhosagrado”
Dantasconfessaqueficoumuitoimpressionadocoma
históriadeAntônioConselheiro,queconheceunãosó
atravésdeOsSertões,deEuclydesdaCunha,queleuna
bibliotecadopai,comotambémpelasobservaçõesfeitas
porAriano,chamandoaatençãodofilhoparaaimportância
docaminhopercorridopelo“Operegrino”,saindode
Quixeramobim,noCeará,atéchegaraCanudos,naBahia,
ondefundouohistóricoarraial,destruídopelaRepública.
Percebeuque,deitandoumolharplásticosobreajornada
deAntonioConselheiro,poderiadescobrirnovasmaneiras
derefletiroBrasil,atravésdaarte.Complementoualeitura
deOsSertõescomasdeOReidosJagunços(1899),de
ManoelBenício,QuaseBiografiasDeJagunços:OSéquito
DeAntônioConselheiro(1986)eCartografiadeCanudos
(1997),deJoséCalasans.“Entãoapartirdaífoiquesurgiu
essecaminhar,esseolhardocaminhante,queéoprojeto
ʻPeloCaminhoSagradoʼ”,explica.
Dantaschamaatençãoparaaliteraturadopai‒também
acusadade“arcaica”,“conservadora”etc.,noplanoda
linguagem‒,que,segundoele,éaltamente
contemporânea,completamentetransgressora.“UmCristo
negronadécadade50,nãoéverdade?Querumacoisa
maismodernadoqueisso?”,provoca,referindo-seà
personagemManuel(NossoSenhorJesusCristo),doAuto
daCompadecida,de1955,amaisfamosacomédiade
Ariano.
Oartistaconfirmaainfluênciaquealiteraturaexercesobre
asuaobra.“Eufuicriadonumambienteliteráriomuito
forte.Naminhaúltimaexposiçãoeupresteihomenagem
aostrêsescritoresqueeuachoquesãoimportantesparaa
formaçãodoBrasil:ArianoSuassuna,EuclydesdaCunhae
GuimarãesRosa.Eela(apintura)temalgumacoisade
diário,também.Oescritorfazanotaçõesdiárias,eupinto
coisasdiariamente,também”,compara.
AcompanhadodofotógrafoGeysonMagnoedo
programadorvisualRicardoGouveiadeMelo,tudo
documentadopelodiretorClaudioBritoeocinegrafista
JoãoCarlosBeltrão,Dantas,em“PeloCaminhoSagrado”,se
propõeafazerumarevisãodahistóriadeCanudose,como
foiditoantes,umadesmistificaçãoedesmitificaçãode
AntônioConselheiro.Aequipesegueapé,visitandoigrejas
ecemitérios,entreoutrasobrasfundadasoureformadas
pelʼOperegrino.
DantasfoimoraremTaperoánadécadade80.Criava
cabras,masnãolargavatelasepinceis.Apinturaassumiu
talrelevância,queretornouaoRecife,emmeadosdaquela
década,para“acompanharosartistascontemporâneos”,
conformerevelouemAriano:Suassunas.Estreou,
oficialmente,comumaexposiçãoem1986,enuncamais
paroudepintaredeexpor.AmaisrecentefoiEmnomedo
pai,quehomenageiaopai,noprimeiroanodesuamorte.
Entreoutroslocais,atrupejáestevenoSantuáriodaSanta
Cruz,emMonteSanto,nasruínasdaantigaCanudos‒hoje,
criminosamente,sobaságuasdoAçudedeCocorobó‒e
diantedo“cruzeiroqueseencontravaemfrenteàʻIgreja
velhaʼdoarraialdeBeloMonteehojeseencontranum
19
OFimdaArtecomo
meiodeconhecimento
Almandrade
Nãotemosacapacidadededestilarempalavrasas
experiênciasvisuaisquefazemobelorepousarnaquiloque
éapreendidopeloolhar.Umaobradearteétudoqueela
contém:forma,textura,cor,linhas,conceitos,relaçõesetc.É
aquiloquesevê,eoquesediznãocorresponde
exatamenteaoquesevê.Nãorepresentanadacomo
imagemdeoutracoisa.Eparalerumtrabalhodearteé
necessáriosepartirdeummodelo(referências,
informações...).Existemcódigosapriori(aquelesutilizados
peloartista)ecódigosaposteriori(aquelesutilizadospelo
espectador).
pequenomuseu”,conformeassinalaCarlosNewtonJúnior
em“Pelocaminhosagrado”,títulodeoutroepisódiodeseu
“NovoAlmanaqueArmorial”,noCorreiodasArtes.
Jáaideiadecaracterizar-secomoperegrino,paraseguir
“PeloCaminhoSagrado”,segundoDantas,surgiu
espontaneamente.Mas,eleassegura,opersonagem
cumpreafunçãodesentirouniversodeumamaneira,
digamosassim,independentedoartistaplástico.Écomose
tentassedescobrirquetipodereflexãofazia“Operegrino”,
andandoporaqueleslugaresermos.Equalopensamento
quepodesurgirsobreoBrasil,nesseexatomomento.
Avirtudedaarteéafirmarumconhecimento,propondo
instrumentosqueseduzemainteligência.Ainvençãode
umalinguageméoresultadodeumexercíciopacientede
contemplaroutraslinguagens.Comotododiscursoé
resultadodeoutrosdiscursos.Exige-seummétodo.Aarteé
oqueestáalémdoslimitesdetudooqueseconsidera
cultura;nãopodeserestringiraumexóticoexperimentoou
aparênciadasuperfíciedeumtrabalho,queficaparatrás,
comoumacoisavazia,noprimeiroconfrontocomoolhar
quepensa.
“Oartistasaiembuscadessecaminho,que,naverdade,
comoeucitoali(refere-seaodocumentáriodeClaudio
Brito),estálocalizado,geograficamente,deQuixeramobim,
noCeará,aCanudos,naBahia‒prossegueDantas‒,masé
ocaminhoespiritualdetodosnós,ocaminhosagrado
nosso,derefletiroBrasil,deolharoBrasil.Sãooscaminhos
queagenteestáquerendobuscar,compreenderparaonde
nósestamosindo”,conclui.
Aarte,entendida,comomeiodeconhecimento,hojeem
dia,vemcedendolugaraumaexperiêncialigadaaolazere
adiversão,queenvolveoutrosprofissionaiscomo
responsáveispelasualegitimação:ocurador,oempresário
patrocinadoreoorganizadordeeventos,marchands,
profissionaisdepublicidade,administradoresculturaise
captadoresderecursos.Comasleisdeincentivoaculturae
apresençamarcantedainiciativaprivada,paradoxalmente,
levouaarteaumlimite,ofimdaobra,dotrabalholigadoa
umsaber.Eoartista,nemartesãoenemintelectual,sem
dominarqualquerconhecimento,estácadavezmaissujeito
aopoderdooutro.Asgrandesmostrassãograndes
empreendimentosparaatenderàindústriado
entretenimento,(maisempresarialemenoscultural),que
movimentamumaquantidadesignificativaderecursose
envolveumnúmeroassustadordeatravessadores.
WilliamCostaéJornalista,escritoreeditordoCorreiodasArtes.
JoãoCarlosBeltrãorealizouasfotografias.
Ascontradiçõesmodernidade/tradição,contemporâneo/
moderno,nesteiníciodeséculo,cedelugaraumaoutra
contradição:artistasquepertencemaometiereartistas
estranhosaometier,inventadosporempresáriosdacultura,
cujostrabalhosseprestamparailustrarumateseouteoria
imagináriadeumsupostointelectualdaarteegarantiro
20
retornodoquefoiinvestidopelopatrocinadorepelo
comerciantedearte.Umamercadoriafácildeinvestir,sem
riscodeperda,bastaumaboacampanhapublicitária.O
artistapodesersubstituídoporumouporoutro,aobraéo
menosimportante.Aliás,éoqueaindústriadomarketing
temfeitocomasmostrasdosgrandesmestrescomo:Rodin,
Manetetc.,poucoimportaasobrasdessesartistasesimo
nomeeopatrocinador.Apublicidadeleva
consumidores/espectadorescomoquemlevaaum
shoppingcenter.Aquantidadedepúblicogaranteo
sucesso.Opúblicoécomooturistaapressado,carentede
lazerculturalquevisitaoscentroshistóricoscomomesmo
apetitedequementranumalanchoneteparauma
alimentaçãorápida.
arte,dasgrandesmostrasoficiaisedeiniciativaprivada.
Umacontemporaneidadesintomática.
Estamosvivendoummomentoemquequalquer
experiênciacultural:religiosa,sociológica,psicológicaetc.é
incorporadaaocampodaartepeloreconhecimentodeum
outroprofissionalquedetémalgumpodersobreacultura,
(tudoquenãosesabedireitooqueé,éarte
contemporânea).Comotudode“novo”naartejáfoifeito,o
inconscientemodernopresentenaartecontemporânea
imploraum“novo”enestabuscainsaciáveldo“novo”,
experiênciasdeoutroscamposculturaissãoinseridosno
meiodeartecomoumanovidade.Deixandoaartedeser
umsaberespecíficoparaserumdivertimentoouum
acessóriocultural.Nestecontexto,oregional,oexótico
produzidoforadosgrandescentrosentranahistóriadaarte
contemporânea.Nosanos80,foioretornodapintura,o
reencontrodoartistacomaemoçãoeoprazerdepintar.
Umprazereumaemoçãosolicitadospelomercadoem
reaçãoaumsupostohermetismodaslinguagens
conceituaisquemarcaramadécadade70.Acaboufazendo
daartecontemporânea,umfazersubjetivo,umacessório
psicológicoousociológico.Troca-sedesuportenosanos90
comopredomíniodatridimensionalidade:escultura,
objeto,instalação,performanceetc.,masaartenão
retomouarazão.
Na“sociedadedoespetáculo”,regidapelaéticado
mercado,oartistasemcurador,semmarchand,sem
patrocinador,ésimplesmenteignoradopelasinstituições
culturais,raramenteérecebidopeloburocrataquedirigea
instituição.Seusprojetossãodeixadosdelado.Também
pudera,essasinstituições,semrecursospróprios,temsuas
programaçõesdeterminadaspelospatrocinadores.Numa
sociedadedominadapeloimpériodomarketing,a
realidadeeaverdadesãomensagensveiculadaspela
publicidadequedisputaumpúblicocadavezmaiore
menosexigente.Avidaévividanaespeculaçãodamídia,
napressadainformação.Enestemeio,aarteéuma
diversãoqueserealizaemtornodeumescândalo
convencional,deixandodeladoapossibilidadedo
pensamento.
Nabarbáriedainformaçãoedaglobalização,estamos
assistindoaodescréditodasinstituiçõesculturaiseda
dissoluçãodoscritériosdereconhecimentodeumtrabalho
dearte.Tudoétãoapressadoqueacabanodiaseguinte,os
artistasvãosendosubstituídoscomopassardamoda,
ficamosempresáriosculturaisesuaequipe.Umacorrida
exacerbadaatrásdeuma“novidade”,quenãohátempo
paraseconstruirumalinguagem.Ochamado“novo”éa
experimentaçãodescartávelquenãochegaaconstruiruma
linguagemelaborada,mesmoassim,éfestejadoporuma
críticaquetemcomocritériodejulgamentointeresses
pessoaiseinstitucionais.Aartepodeserqualquercoisa,
masnãosãotodososfenômenosditosculturais,
principalmenteosquesãogeradosàsombradeuma
ausênciadeconhecimento.
Ofantasmado“novo”,quenorteouamodernidadefoi
deslocadoparaoartistaqueestácomeçando,pelomenos
novoemidade,oartista/atleta,acaçadenovostalentose
deexperiênciasdeoutroscampossociais.Totensreligiosos,
acasadolouco,arebeldiadoadolescente...Tudoéarte,
semexigirdequemfazoconhecimentonecessário.Todo
curadorquerrevelarumjovemtalento,comoseaarte
dispensasseaexperiência.Um“novo”,sinônimodejovem
oudeumaoutracoisaquedesviadaparaomeiodearte,
funcionacomoumacoisa“nova”.Umnovosempreigual,a
arteéquenãointeressa.Praticamentetrintaanosdepoisdo
aparecimentodachamadaartecontemporâneanoBrasil,
recalcadanosanos70pelasprópriasinstituiçõesculturais,
umoutrocontemporâneosurgidonosanos90passoua
fazerpartecotidianodossalões,bienais,domercadode
AlmandradeéArtistaplástico,poetaearquiteto.MestreemDesenho
UrbanoeprofessordeteoriadaartedasoficinasdoMAM-Bahia.
21
JoséSimeãoLeal‒
Usinaculturalem
movimento
BernardinaMariaJuvenalFreiredeOliveira
“Ohomemnãotemumaúnicaemesmavida.Temvárias
arranjadasdepontaaponta”.(AUSTER,2002)
africanas,asAdivinhações,asCantigasderoda,entre
outros.
JoséSimeãoLeal,paraibano,filhodeAlfredodosSantos
LealeMariadeAlmeidaLeal,nasceunacidadedeAreia/PB,
completariacemanosem13denovembrode2008.
EstudounoLyceuParaibano,umaeducaçãotradicional,
pautadanaestruturapolíticadasvelhasoligarquias,
alvarista,epitacistaedepoisamericista,JoséSimeãoLealfoi
educadonaformaçãoprivilegiadadaépoca.Saiuda
pequenacidadedeengenhoscomdestinoàcapital
paraibanae,porinfluênciadopaiingressou,em1925,aos
dezesseteanosdeidade,noColégioLyceuParaibano,onde
cursouopreparatório,obtendograusete¹,descobrindo,na
ocasião,ograndeamigodeumavidainteira,TomásSanta
RozaJúnior.Umaamizadealimentadaporrazõespessoaise
intelectuaislevou-osapartilharemexperiênciaseemoções,
atéaseparaçãodefinitiva,causadapelamortedeTomás
SantaRosaem1956,às10h30,noHospitalWellingtonem
NovaDellhi,naÍndia,vítimadeataquecardíacofulminante,
assistidaporJoséSimeãoLealqueemhomenagemao
amigoconcluiaviagemaoorientenaCompanhiade
RobertoAssumpção,percorrendomonumentos,embora
deixassetransparecerosofrimentodaperdademonstrado
porumaprofundamelancoliaqueoacompanharaemtodo
otrajeto.
Asmanifestaçõesculturaispopularesdemodogeralse
fazemporcaminhosalheiosaosdatradição,poisasformas
deculturatalvezestejamnavisãototalizantedoespaçoe
dotempo:“étodooespaçoetodootempoquese
pretendemracionais”(TERRA,1986,p.26).Segundoa
autora,oquesevemverificandoéumprocessocadavez
maisintensodeuniversalização,easíntesedetalprocesso
estánodesarranjodosvaloresqueconstituíamopassado,
ouseja,atradição.
ComestasparticularidadesJoséSimeãoLealfazumaalusão
àquelegênerodebuscadeinformações,ouseja,escritos
parasimesmos,comanotaçõesquedãocontadasua
indagação(FOUCAULT,1992),emhorizontesculturais
populares,sendoaomesmotempotestemunhaecoletor
dessasmanifestações.Emsuaspesquisas,elecontextualiza
amanifestaçãoestudadaeaindaesclareceoleitora
respeitodecomoforamrealizadasaspesquisa,cujos
conteúdosdespertouinteressedefolcloristasdeépoca,a
exemplodeArthurRamos,quesolicitapartedeseusdados
parautilizaçãoemumadesuaspublicações.
AprovadoemMedicinanaUniversidadedoRecife,e,após
cursaroprimeiroano,transferiu-se,em1927,paraoRiode
Janeiro,embuscadesuaformaçãomédicanaUniversidade
doBrasil,juntamentecomseusprimosAderbalAlmeidae
Ney,especializando-seemurologiaeginecologia,voltaà
Paraíba,exercecargospúblicos,realizandoentre1940e
1945pesquisassobreaculturaparaibana.
Suascoletasdedadosseguiamosritos:levantamento
bibliográficodetudoquehaviasidopublicadonosmais
diferentessuportes,jornais,revistas,livros;liatodoo
materialerelacionavaonomedasdiversasmanifestaçõese
suasrespectivasdesignaçõesporregião;emseguidapartia
paraotrabalhodecampovisitandogruposculturais
popularesesuasvariadasmanifestações.Anotavatudoo
quevia,gravava,utilizandofiosdemetalefotografava
quandopermitido.
Considerandoomomentohistóricodentrodoqualvivia
JoséSimeãoLealnaParaíba,entre1938e46,bemcomoa
práticacotidianaqueoinspirou,possodizerque,neste
ponto,eleprocuroudarumamaiortransparênciadassuas
indagaçõesetno-antropológicas,constituídaderelatos
informais,deanotaçõesdecampoedeobservaçãoa
respeitodasmanifestaçõesculturaispopulares.Essasnotas
trazemumasignificativacontribuiçãoparaosestudosda
culturapopular,emboraseusescritospermaneçamsem
nenhumarepercussãoatéhoje,aexemplodosmanuscritos
sobreaNauCatarineta,osCongos,aLapinha,asDanças
Figuradeterminantenoâmbitodaprodução,circulaçãoe
divulgaçãodasobrasdeescritoreseartistasbrasileiros,
SimeãoLealfoiumdivulgadordaculturabrasileira,
lançandoescritores,editandoobrasenquantoesteveà
frentedoServiçodeDocumentação,doantigoMinistério
deEducaçãoeSaúde,períodoquedurou18anos,sete
mesesesetedias.Emcertosentido,eleiniciounoBrasilo
movimentoeditorialnocampopúblico,ouseja,um
universodeintricadosmeandros,delabirintosoníricos.
Entrevê-se,assim,olugarocupadoporJoséSimeãoLealno
22
[...]nessestrêsanosdesuarenovação,oServiçode
DocumentaçãodoMECeditoumaisde2milhõesemeiode
volumes,distribuídosportodooBrasilepeloestrangeiro,
sobretudoosdeediçõesbilínguesetrilíngues,levandoas
letras,asarteseaculturabrasileiraaosprincipaispaísesdo
Velho,doNovoMundoedaÁsia.
campodasletras,dasartes,dacultura,enfim,nocampo
intelectualeartísticobrasileiro.
NocampoeditorialpúblicobrasileiroJoséSimeãofoium
descobridornatodetalentosliterários,acreditandoser
deverdoestadoàimpressão,divulgaçãoecirculaçãode
obras,sobretudoasquediscorressemsobreconteúdosque
retratassemoBrasilesuadiversidade,foicomesseespírito
queeditouaRevistaCultura,cujasediçõesestenderam-se
porseisanosconsecutivos,atravésdoServiçode
DocumentaçãodoMinistériodeEducaçãoeSaúdeem
parceriacomTomásSantaRosa,naqualidadedeilustrador.
Essaparceriaincitounãoapenasessainiciativade
publicação,masinúmerasoutras,dentreasquaiscitamos:
CadernosdeCultura,RevistaArquivos,Catálogosde
ExposiçãodeArtes,ColeçõesAspectos,ColeçãoArtistas
Brasileiros,ColeçãoDocumentos,ColeçãoLetraseArtes,
ColeçãoTeatro,ColeçãoVidaBrasileira,Separatasde
Cultura,SeparatasdeArquivos,Discursos,Programasde
Ensino,Revistas,Jornais,ColeçãoQuadrante,Coleção
ImagensdoBrasil,OsNovos,Comédia,Documenta,Correio
daUNESCO,RevistaBranca,RAL,RevistadaFNFdentre
outras.
OdepoimentodeSantaCruzchamaaatençãonãoapenas
paraoaspectoquantitativodonúmerodepublicações,mas
demaneiralúcidaeserenaparaoentrecruzamentoentre
leituraecirculação.Trata-sedeumaformaamenaderevelar
aexpansãoqueganhouodiscursoliterárioeculturalde
época,apartirdadistribuiçãoecirculaçãodaprodução
editorialpostaempráticaporJoséSimeãoLeal,fontede
divulgaçãodaculturanacional,comessabrasilidadevivae
única.
Nocernedesuatrajetóriadevida,inscreveu-seomundo,
fragmentado,desconexo,aomesmotempoorganizado,
combaseemumcritériorigoroso,bemarticuladoaos
valoresqueopresidiram.Emrápidapassagempelo
percursodevidaregistra-seumSimeão,Médico,Professor,
SecretáriodeEstadonaParaíba,AdidoCultural,
representantebrasileiroemváriospaíses,Jornalista,Editor,
AmanteePesquisadordaCulturalPopular,Membro
FundadordaAssociaçãoBrasileiradeCríticosdeArte,
DiretordaEscoladeComunicaçãoeArtes,Membro
FundadordaEscolaSuperiordeDesenhoIndustrial,ambas
noRiodeJaneiro,MembrodaComissãoOrganizadoradaIe
IIBienalInternacionaldeSãoPaulo.Nestaúltima,atuou
comocuradordaexposiçãoquehomenageouEliseu
Visconti,porconsiderá-lo“overdadeiromarcodapintura
modernanoBrasil”,semmenosprezarotrabalhode
excepcionalimportânciarealizadoporAnitaMalfatti,Tarsila
doAmaral,LasarSegall,DiCavalcantieoutros,pioneirosdo
modernismonoBrasil.
TestemunhandooesforçodeJoséSimeãoLealemprolda
produçãoliterárianacional,FranciscodeAssisBarbosa
(2004,p.17),aoprefaciaraobra“AVidaLiterárianoBrasil”,
daautoriadeBritoBroca,registra“nãofosseàinsistênciade
JoséSimeãoLeal,diretordoServiçodeDocumentaçãodo
MinistériodaEducaçãoeSaúde,jamaisteriasidopublicado
olivroquelhedarianotoriedade”[referindo-seaBrito
Broca]eporessarazãochamouaSimeãoLealdepaido
livronaprimeiraediçãoetiodasegunda,publicadapor
JoséOlympio.
AdedicaçãodeJoséSimeãoLealextrapolouuma
preocupaçãomeramentequantitativa,paraembarcarnuma
lúcidaviagemeditorialcomoobjetivodedivulgaracultura
brasileira,conformeenunciaAltimarPimentel(2001)“[...]
paraaculturabrasileirafoi,sobretudoaaltaqualidadedos
livrosqueeleconseguiupublicarnoMinistérioda
Educação,acoleçãochamadaCadernosdeCultura,[...]uma
grandequantidadedeobrasquedãoumavisãogeralda
literaturanoBrasil,daculturabrasileira,[...]daarte”,e,
ratificaSantaCruz(1962,p.12-13)
FoitambémCoordenadordoMuseudeArteModernado
RiodeJaneiro,alémdeartistaplástico,escultor.Suaartefoi
reveladaemplenamaturidadeintelectual,asseguraRaul
Córdulaem1985,aoregistrar:“artistaplásticode
linguagemcontemporânea;eistoémuitoimportante
porquenãosetratadeumhomemidoso,fazendoterapia
atravésdaarte,comoolharnopassadoareviver
lembranças,masdeumartistacomopensamentono
futuro,construindosuaarteavalizadaporumagrande
experiênciadevida”.
23
Suaarte,vindaapúbliconosidosde1950,projetava-se
solitariamente,revelandoentrelinhassinuosas,desenhos,
colagensepinturasdecoresmistas,emtonsavermelhados
efortes,empregandomateriaisdiversificados,vanguardista
deumaestéticacontemporânea.UmSimeãomúltiplo,de
fantasiasolta,frutíferasemformascinéticas,ilusionistas,
quepossibilitamtúneisinfinitosemespaçosinquietantes.
Suaobra,comoafirmouFláviodeAquino“sãofrutosdo
matemáticopoeta”.Assim,produziuartesemprender-sea
determinismosacadêmicosecríticos,revelandoemsua
rebeldiapeculiar,alivreexpressão,ofluirdossentimentos.
Simeãoviveu87anosdemúltiplosfazereseviveres.Como
bemdisseRaqueldeQueiroz,“umaespéciedeusina
cultural”.Ninguémsabeporqueseformaraemmedicina,
masdevetê-lofeitocumprindoaquelaobrigaçãoaque
todo“moçodeboafamília”,naprovíncia²,épraticamente
forçado:possuirodiplomadedoutor.“Queeusaibanunca
oviououvifalandoemassuntosmédicos.Enaverdadefoi
elequemudouonomedoMinistériodeEducaçãoeSaúde
para“MinistériodeEducaçãoeCultura”.
Sempreinteressadoemartesplásticas,foidiretoreconsultor
culturaldoMAM;nosúltimosanosdevida,jámeiocombalido
poraqueleexigenteeexigidocoração,oparaibanodedicou-se
maisàpinturaeaodesenho.Tenhoaqui,diantedosolhos,o
últimopresentequeelememandou(onossointermediário
eraoporteirodele,queforaantesnossoporteiroaquino
Leblon).Éumafolhaquasebranca,comumgrandecírculo
amarelo-avermelhado,solitário,nomeiodobranco,dando
umaimpressãosolardeluminosidade,solidão,beleza
(QUEIROZ,1996).
CaricaturadeJoséSimeãoLealporCarlosDrummonddeAndrade
Comtodasessasvirtudesliterárias,plásticaseculturais,
Simeãocultivavaaarteparticulardesefazerquerido.
Encontrá-lonarua,nacasadosoutros,naseditoras,era
sempreumafesta,derisadas,deinformaçõescuriosas,
irônicas,engraçadas.OportunidadeúnicaparaRaquelde
Queiroztestemunharemcrônicaaconversa
interessantíssimaentreambos:
Aúltimavezemqueoencontrei,narua,depoisde
conversarmosumpouco,Simeãosedespediuàspressas,
porqueEloahjáoesperavanãoseiondeeeudisse:“Adeus,
minhaflor”.Eele,quefizeraameia-voltaparairembora,virouseparamimedeuaquelesorrisoaberto:“Adoreisersuaflor!”.
Foiaúltimavezemquenosvimos.Falávamosaotelefone.
Eloahàsvezessequeixavadasestripuliasqueelecometia
24
Otrajedecenaem
Shakespeare:estereótipose
contradiçõesemTito
Andrônico,Falstaff,Macbeth
eHamlet
TaináMacedoVasconcelos
contraasaúde;masprincipalmentefalávamosdequem
escreveuistoeaquilo,dequemandavapintandouma
barbaridade;ah,Simeão,osartistasbrasileirosperderamum
grandeanimadoremestre.
WilliamShakespeare(1564-1616),poetaedramaturgo
inglês,nasceuemStradfordUponAvon,ondefezosseus
primeirosestudos.Poucosesabe,emuitoseespecula,a
respeitodesuavida,até1591,anoemquesemudoupara
Londreseiniciousuacarreiranoteatro.Naquelaépoca
Londrestinhatrêsteatrosquemovimentavamacidade:The
Theatre,TheCurtaineTheRose.(BERTHOLD.2000,p.312).
Shakespeareviveuoidealrenascentistaatravésdesua
produçãodramatúrgica,mostrandoacriaturahumana
comoindivíduoconscientedesiedesuasações,numa
épocaemqueocapitalismocomeçavaadarascaras,eas
rotascomerciaissefortaleciamelevandoaburguesia
enquantoclassesocial(NERY.2009,p.84).Atravésda
produçãodramatúrgicashakespearianaépossívelveras
contradiçõesinerentesaumasociedadeemtransição,de
umavidacomunalfechadaparaummundoabertoaoutras
culturas,queserviramdetemaparamuitasdesuasobras.
Porexemplo,TitoAndrônico(Itália),Macbeth(Escócia)e
Hamlet(Dinamarca).
“Entre1590e92Shakespeareescreveuváriaspeças”
(HELIODORA.2008,p.24),econquistousucesso,iniciandoa
fazerfortunacomoteatro.Eleescreveusuaspeçasparao
palcoelizabetano,quesecaracterizavaporteruma
extensãodoproscênioemdireçãoàplateia.Asuaprodução
sediversificouemtragédias,comédiasedramashistóricos,
edopontodevistadaelaboraçãodosfigurinosutilizados
nosespetáculos,nãoexisteminformaçõesdetalhadassobre
criação,usoeconservaçãodasindumentáriascênicasda
época.
Iremosestudaragoraousodosfigurinosnasmontagensde
TitoAndrônico,MacbetheHamlet,feitasporShakespeare
emsuaépoca.Escolhemosessestextosemvirtudeda
disponibilidadedereferênciasdoperíodoelizabetano.
UltimamenteSimeãoandavamaisesquisito,queixava-se
RaqueldeQueiroz.Jádoente,quasenãotelefona.“ʼAgente
ficavelho,ficaingratoʼ,disse-meelecertodia.Enãose
referiasóaele,masprincipalmenteamim,velhatambém.
Foiquandolheagradecientusiasmadamenteoquadrodo
ʻsolvermelhoʼ.“Prossegueaautoraemcrônica/
homenagemaJoséSimeãoLeal,umaespéciede
despedida,poisamortetriunfou:
Ah,vida,vida.Longademais,curtademais.Osmelhoresestão
indoembora,tantos,tantos,queatéassustaagente,quetalvez
pormedodasolidão,pensaemiremboratambém.Seráque
poraíestácrescendonovageraçãodeboascabeças,debelos
talentos,paratomarolugardosquesevão?Simeãodiriaque
sim,eleacreditavanosmoços,principalmentenosmoços.
Assim,RaqueldeQueirozemendaaspontasdofioe
arrematasuahomenagempóstumaaograndeamigo,com
adiscussãosempreoportunadequeJoséSimeãoLeal
cumpriuavidadeformaplena.Todavia,Simeãocontinuae
estáentrenós!
BernardinaMariaJuvenalFreiredeOliveiraéProfessorado
DepartamentodeCiênciadaInformaçãodaUniversidadeFederalda
Paraíba-UFPB.DoutoraemLetras(UFPB),MestreemCiênciada
Informação(UFPB,1999),EspecialistaemOrganizaçãodeArquivos,
EspecialistaemAdministraçãodaEducaçãoaDistância,Graduaçãoem
BiblioteconomiapelaUniversidadeFederaldaParaíba(1988).ExcoordenadoradoProgramadePós-GraduaçãoemCiênciada
InformaçãodaUFPB.PesquisadoraeadmiradoradavidaeobradeJosé
SimeãoLeal.
TitoAndrônico
Notas
1.ConformeLivrodeAtas1920a1928,página01,miolodolivro,
pertencenteaoArquivodoColégioLyceuParaibano‒JoãoPessoa/PB.
2.Estouusandootermo“província”nãocomoumaunidade
administrativa,postoqueparaaépocaocorretofosseEstado,mas
estouutilizando-ocomosignificadodeumaregiãocomideias
provincianasearraigadasnosmoldestradicionaisdaclassemédiae
altadeterum“doutor”nafamília.
JamesLaver(1964)citaumdesenho,queoMarquêsde
Bathpossuía,quemostravasetepersonagensdapeçaTito
Andrônico,em1595.Essapeçacontaahistóriadeum
generalimportante,queacabadevoltarvitoriosodeuma
guerra,mastentandopensarcorretamente,nãoaceitao
conviteparasetornarimperador.Muitasmortesacontecem
emcena,tornandooespetáculoviolento.Nodesenho
haviamdoissoldadosquevestiamroupasmilitares,exceto
25
pelopeitoralepelocapacetecomplumas,umdelesparecia
serromano.Outrasduaspersonagensajoelhadasparecem
vestir-sedeacordocomoestiloElizabetano,eTamoraveste
umvestidofluído,muitodiferentedaarmaçãoduraqueera
comumsobassaiasdaépoca,eumacoroa.Alarboveste
umacoroadefloresnacabeça,umaespéciedecouraça,
botasdecanoalto,eumacapa.Aarãotemumatúnica
semelhanteecoturnos,masnãooturbantequese
esperaria.Encontramosnestedesenhoumamisturade
roupasdeváriosestiloseperíodos(LAVER.1964),essaé
umacaracterísticadostrajescênicosemShakespeare.
Umacontecimentoimportante,équepormeiodemuitas
figurasantigasencenadoresefigurinistascriaram
estereótiposdaspersonagens,comoéocasodofamoso
Falstaff.Háumagravura,quesediztersidoencontradano
interiordoteatroRedBull,emClerkenwell,ondevários
personagenssãomostradosnopalcodoséculoXVII.
Aanfitriãvesteasroupascomunsdeumamulherdeclasse
médianoperíodojacobino.Falstaff,personagemde
Shakespeare,émostradovestindogibãoecalçõescoma
bordaderenda,ecomumchapéudeabaslargas.Épossível
quepodetersidooconhecimentodestagravuraque
ajudouaestereotiparotrajedeFalstaff,queémostradoem
roupasmuitosemelhantesaolongodesuacarreira,mesmo
quandoosatoresestãousandoroupascontemporâneas.
Figura1-DesenhodapeçaTitoAndrônico|1595
Figura2-GravuraencontradanointeriordoteatroRedBull|séculoXVII
SegundoLaver(1964),nãopodemosexaminar
minuciosamenteessasimagensaqui,paradecidirquantoa
configuraçãodascenassãoteatrais.Entretanto,aoobserválasnotamosqueostrajescênicosdaspeçasdeShakespeare
nãopossuíamumaharmoniadeestilo,masumamisturade
indumentáriasdediferentesépocas.Outrosexemplosestão
porvir.
Macbeth
Macbethaoretornardeumabatalha,recebeaprevisãode
quesetornaráreidaEscócia,atéqueaflorestadeBirnamse
movacontraele.Paraalcançaraprofecia,Macbethesua
esposa,LadyMacbeth,planejamematamorei,masem
seguida,umasériedeacontecimentoslevamaruínade
Macbeth.
InteresseparticularéatribuídoaofigurinodeMacbeth.
Questiona-seseShakespeareapresentou-ocomoescocês.
26
Figura3-JohnHendersoncomoHamlet
Certamentenãodevemosreconhecerumkiltcomootraje
dessapersonagem,mesmoporqueokiltcomeçouaser
usadonaEscócianaprimeirametadedoséculoXVIII,ea
liberaçãodaestampaxadrezcomcintoparaousogeral,foi
deumséculodepois.Antesdissooqueerausado,erauma
camisadecourooulinho,comocomprimentoatéojoelho,
levementeplissada,talqualofigurinodofilmeCoração
Valente,realizadoporMelGibson.
SabendoqueoenredodapeçaMacbethsepassanaépoca
dasbatalhasentreaEscóciaeaInglaterra,quefindaramno
séculoXIV,éequivocadovestiroprotagonistacomkilt,sea
opçãocênicadoespetáculoforrealista.
cuidado,paranãoperpetuaremoestereótipodeuma
personagempelasroupasqueelaveste.
Aosedebruçarsobreocontextohistóricodapeça,faz-se
necessáriosituá-locomcoerêncianotempo,paraquena
criaçãodefigurinosparaoespetáculo,nãosecometaoerro
deindicarumavestetípicadeumlocal,massemreferência
temporalcomodrama,essetipodedeslizeacaba
prejudicandoavisualidadedotrabalhoporcompleto.Se
pensarmossobreaestilizaçãodotrajecênico,aindaassima
propostadeveestardeacordocomaépocadeterminada
pelodiretor,ouprodutor.
Pararefletirsobreapráticadacriaçãodefigurinosdaspeças
deShakespeare,TitoAndrônico,MacbetheHamlet,é
necessárioqueseleveemconsideraçãoascaracterísticas
dosespetáculoseasreferênciashistóricasdetaistragédias.
Hamlet
Outrapersonagemquecausaestranhamentoquantoa
utilizaçãodostrajesdecena,éHamlet,príncipeda
Dinamarca,quedesejavavingaramortedoseupai,
entendendoqueoculpadopelamorteeraseutio,que
imediatamentecasou-secomarainhaviúva,maso
desfechodestapeçatambémétrágico.Hamlet,poroutro
lado,eraencenadotrajandoindumentáriacomum,mas
geralmentedepretoecomumadesuasmeiasabaixadas.
Muitasimagensdemonstramisso.Umapinturadoator
HendersoninterpretandoHamlet,em1776,mostraele
muitoelegantecombabadoserenda.Naverdade,Hamlet
sevestirdemaneiramodernaéumainvençãodoséculoXX.
EssefoiotrajeestabelecidonoséculoXVIII.Éaindamais
provávelqueosfigurinossãoosmesmos,ousemelhantes,
paraosdaépocacontemporânea.Hamletcertamenteviveu
emumperíodomuitoanterior.Tambémhaviaareferência
notextodasinvasõesdinamarquesas.Entãotentativas
começaramaserfeitasparaadequarotrajeosuaépoca.
Comesseestudo,épossíveldizerqueumadas
característicasreferentesaostrajesdecenautilizadosnas
peçasdeShakespeare,eraacomposiçãodediferentes
indumentáriasligadasàdiversosperíodoshistóricos,éclaro
queumtextoescritocommuitospersonagensdiferentes
podeocasionaressaheterogeneidade,poremnãodevemos
esquecerqueumdosfundamentosdobomfigurinoéasua
harmoniacomocontextodapeça.Outraideiaimportante,
équeabasedemuitosestudossobrefigurinosãoimagens
eilustrações,quepodeminfluenciarfuturascriaçõesde
figurino,masessasimagensnecessitamseravaliadascom
TaináMacedoVasconceloséatriz,figurinistaeprodutoradeModa.
MestrandaemArtescênicas(UFPB),EspecialistaemArteeEducação
(CentroIntegradodePesquisaeTecnologiadaParaíba),Bacharelem
Teatro(UFPB)eTécnicaemProduçãodeModa(Funetec).Éprofessora
doCursodeDesigndeModadoCentroUniversitáriodeJoãoPessoa
(Unipê),edoCentroEstadualdeArtedaParaíba.
Notas
1.Textooriginaleminglês:“Itwouldbeoutofplaceheretoexamine
theplatesindetailtodecidewhenthesettingofthesceneis
ʻtheatricalʼandwhenitispicturesque”(LAVER.1964,p.86).
Referências
BERTHOLD,Margot.HistóriaMundialdoTeatro.SãoPaulo:Perspectiva,
2000.
HELIODORA,Bárbara.PorquelerShakespeare.SãoPaulo:Globo,2008.
LAVER,James.Costumeinthetheatre.NovaYork:HillandWang,1964.
NERY,MarieLouise.Aevoluçãodaindumentária:subsídiospara
criaçãodefigurinos.RiodeJaneiro:Senac,2009.
SHAKESPEARE,William.Obracompleta.VolI.RiodeJaneiro:Nova
Aguilar,1988.
27
Asmulhereseas
ArtesVisuais
DyógenesChavesGomes
Fazendoumaanálisedaproduçãobrasileiranasartes
visuaisénotóriooreconhecimentodapresençafeminina,
emsuamaioria,emapenasidentificá-lascomo“artistas”
amadoras,ouseja,não-profissionais.Noiníciodoséculo
passadoacríticaespecializada,entãoporta-vozdocampo
dasartes,járelutavaemconsiderarasmulheresartistas
comodignasdeumaapreciação“séria”.Noartigo
“Eternamenteamadoras:artistasbrasileirassoboolharda
crítica(1885-1927)”,daprofessoraAnaPaulaSimioni,há
váriascitaçõesdecríticoseintelectuaiscomoMonteiro
Lobato,FelixFerreira,LuisGonzagaDuque-Estrada,Joãodo
RioeAngyoneCosta,emque,sistematicamente,tratam
essapresençafemininaatravésdemetáforascomo
“sensíveis”,“invasão”,“decadência”.Paraelesessainvasão
femininaeraosinaldefraquezadealgunssalõesdearte
tornando-osumdesfiledemediocridades.
Mas,énosanos1980que,definitivamente,asmulheres
paraibanasganhamdestaquecomoartistas.Emquepeseo
pequenonúmero,éevidenteaprojeçãodealgumasartistas
comoAliceVinagre,autoradeumapinturaexpressionista
vigorosaeex-alunadaturmainfantil(leia-seaProfªLourdes
Medeiros)doDepartamentoCulturaldaUFPB,que,após
concluirocursodeBelasArtesnaUFRJpassaaarrebatar
prêmiosemeventosnacionais.Entreoutras,sedestacam:
MarleneAlmeida,comumaobradeengajamentopolíticoecológicoenomefundamentalnacriaçãodaAssociação
dosArtistasPlásticosProfissionaisdaParaíba,vindoaser,
depois,coordenadoradeartesplásticasdaFunesc;Rosilda
Sá,ceramistacompetenteepesquisadoranestacategoria;
e,apintoraMariaHelenaMagalhães,queveiodeBelo
Horizonte,ondeconcluiuocursodeBelasArtes.Hoje,as
duasúltimassãoprofessorasdocursodeArtesVisuaisda
UniversidadeFederaldaParaíba.
NaParaíba,nosanos1920,apintoraAmelinhaTheorga
mereceuelogiosdeintelectuaisnosjornaisdaépoca,mas,
suapequenaatuaçãorestringiu-seaotempoemqueera
solteira.Provavelmente,tambémfoiagraciadacom
adjetivos“bombons”comocitadonofamosoartigo
“Paranóiaoumistificação?”,deMonteiroLobato,emque
estedesandaajulgaraobradeAnitaMalfattiatravésdeum
olharconservadoreanti-modernista,apesarde“tentar”
dedicar-lheumtratamentode“profissionaldasartes”,
termosóatribuídoaoshomens.
Naartenaïff,háespecialatençãoparaasartistas‒inclusive,
algumasjásurgindocomcertaidade‒DonaDalva,Dona
Irene,IsaGalindo,AnaPamplona,eajovemLetíciaLucena
(filhadopintorJoséLucena).Naartedacerâmica,alémde
RosildaSá,aparecemGinaDantaseMariadosMares.Na
gravura,areligiosaHelleBessa,LíviaMarques(atualmente
professoradocursodeArtesvisuaisdaUFPB)eCarmem
Trevassãonomesquesedestacamdesdeofinaldosanos
1970.Também,RoseCatãoeIvanusaPontes,alunasde
gravuradomestreJoséAltino.
Aprimeiraexposiçãobrasileiradedicadaàpresença
femininanasartes(SãoPaulo,1960)afirmavaemseu
catálogoqueantesdasmodernistas(p.e.,AnitaMalfattie
TarsiladoAmaral)houveapenas“heroínas
melancolicamentefrustradasquearrostavam
incompreensões,preconceitosecaipirismos,numaépoca
emquenãohaviasalõesnemgaleriaseemqueseus
pendoreshabituaisselimitavamàarteaplicadadas
almofadas,rendas,bordados,floresartificiaisetc.”Podemos
imaginarque,comoAmelinhaTheorga,devetersurgido
outras“moças”naproduçãodepinturasemnossaterra,
mas,diantedessetratamentoexcludente,parecemjamais
teremexistido,eseusnomesetrajetóriasdesconhecidas.É
sóaí,nosanos60,queaparecemnomesfemininosnasartes
visuaisdaParaíba(CarmemDea,TerezinhaCamelo,a
professoraLourdesMedeiroseCeleneSitônio,entreoutras)
emmeioadezenasdepoetaseartistasdosexomasculino.
Paraibana,mascomcursosemRecifeenoRiodeJaneiro,
FábiaLíviadeCarvalhochegaaganharprêmionoSalãodos
Novos(GovernodoEstado)antesdefixarresidênciana
Suíça,ondealternaestadiaentreBaseleJoãoPessoa.
Mesmoproduzindoumaobrafigurativamaisafeitaao
mercadodeartelocalqueàstendênciascontemporâneas,
deve-secitaraescultoraRosaQueirozeaspintorasPepitae
DoryFocke(mas,quepoucoatuamnosdiasatuais).De
CampinaGrande,lembrodeLiliBrasileiroeZileneNeiva,
surgidasnamostraArteAtualParaibana,em1990,e
MargareteAurélio,hojeresidindoemJoãoPessoa,esta,um
rarotalentonapinturaenodesenhoàpastel.
Emmeadosdosanos1990,acriaçãodoCentrodeArtes
VisuaisTambiá-CAVT‒capitaneadopelafamíliaAlmeida
(Antonio,MarleneeJoséRufino‒,comatividadesque
28
fomentamimportanteintercâmbiocomaAlemanha,
promoveosurgimentodeváriasartistasdetalento,entre
estas,destaqueparaCéliaAraújo,HeloísaMaia,Neuma
SaleseAlenaSá(quepublicouumlivrocomoresultadode
suaspesquisassobreaCOR).Jánosanos2000,aAssociart
(que,apesardonome,nãoéamesmaassociaçãodos
artistasdosanos70)juntaumgrupodejovenssenhoras,
algumasex-alunasdoCAVT,dispostasaorganizar
exposiçõesdeartesplásticas.
DizAnaPaulaSimioni:“Compreenderasrazõesdaexclusão
dasmulheresdopanteãoartísticoultrapassaaperspectiva
dosimplesʻresgateʼdesuasobrasetrajetórias;implicaum
questionamentomaisprofundosobreasrazõeseomodo
comqueseoperoutalobscurecimentocoletivo”.Mas,
estamosemnovostemposdeemancipaçãodamulhere
suapresençadevesermaisobservadaqueapenaspeloviés
deumsuposto“femininouniversal”.Pormaisqueisso
aindaestejaemnossoinconsciente“machista”.
AmelinhaTheorga|décadade1920
DyógenesChavesGomeséArtistavisual,designertêxtil,curador
independenteemembrodaAssociaçãoBrasileiradeCríticosdeArteABCAedaAssociaçãoInternacionaldeCríticosdeArte-AICA.Publicou
eorganizoulivrossobreartesvisuais.ÉmembrodoColegiadoSetorial
deModa(SEC/MinC)eprofessordoCursodeDesigndeModado
CentroUniversitáriodeJoãoPessoa(Unipê).EditorgeraldaSegunda
Pessoa.
MarleneAlmeida
PinturadeAliceVinagre|1986
AlenaSá
29
Resenha
“Oqueéumartista?”,
deSarahThornton
Almandrade
Aperitivoparaasconversassobrerituaisebobagensde
celebridades
Quandoacortinaseabrevemosomundodoartista,suas
crenças,suasrelaçõescominstituiçõeseposiçõespolíticas,
porémaobraquasenãoaparece.Ficanoarumadúvida:
umaironiadaautora?‒Elaquerdesmistificaraarte
contemporâneaeseussantos,mostrarqueaobraéo
menosimportante,nesseespetáculo?Oestúdioatélembra
umpalcoondeoartistaencenaseusadjetivos,fantasias,
status,relaçõesprofissionaiseseuscompromissosdeclasse.
AjornalistaesociólogacanadenseSarahThorntonvisitoue
entrevistoutrintaetrêsartistascomopropósitode
responderapergunta:“OqueéumArtista?”.Pareceque
suaintençãoeraexporcomoelesedestacanomercadode
arteecomochegaafama.Asrespostastalvezsejammuitas.
Hojeoartistaalémdeconstruirumtrabalho,inventamitos
e,éprecisooperarumaengrenagemnocircuitoparaser
reconhecido.
Olivroéangustianteecansativo,paraquemacreditana
artecomomeiodeconhecimentoevênaobraaverdade
acimadavidafictíciadoartistaesuasarticulações.Decena
emcena,emtrêsatosoutemas:política,filiaçãoeofício,ele
podeatéserumaleituradivertida,semgrandes
preocupaçõescríticas,queexpõemcomovivemesses
artistasentrevistados,comoafetamesãoafetadospelo
mercado,seusintermediáriosedesejosdeser“superstar”.
Umacoisaécerta,hojeemdia,asobrasnãochegamaos
seusdestinosporcontaprópria,profissionaiseespecialistas
fazemavaliações,investem,alémdeumbommarketing.
Atentativaderevelaromistériodoquesejaumartista,não
foitotalmentefrustrada,aautoranesselivroéumahábil
contadoradehistórias,doqueumacríticadearte.Paraum
leitormaldoso,comumpoucodepaciência,eladesvelao
ladomundanodomeiodearte,apresentaumelencode
personagensqueconvivemnomundodaarte.Nassuas
narrativassobreencontroseconversascomartistasfazum
panoramadasartesvisuaisdopontodevistadosartistas
bemlocalizadosnomercado.Asinvestidasdoartista,
sinônimodesucesso,paragarantirumlugarprivilegiadoe
elevarpreçosdesuasobrasnummercadosempreem
expansão,vacinadocontracriseserecessões.
Noatualcenárionãoéfácilsetornarartistaemanterum
trabalhocomummínimodecoerênciaeética.Semoapoio
deprofissionaiscomo:marchandsecuradores,viverdo
trabalho,nempensar.Poroutrolado,oartistaprecisade
disciplinaparasustentareimporsuaobraenãoseperder
nasdemandasdomercado.Longederesponderaquestão
quedátítuloaolivro,eleémaisumaperitivoparaas
conversassobrerituaisebobagensdecelebridades,entre
amigosnasvernissagens,nointervalodeumdrinquee
outro,ounaplateiaantesdecomeçaraconferênciasobreo
tema.
Umjogodeaparênciaseespetáculosestáportrásdaarte
contemporânea.Osucessoexigeousodeumaestratégia
demarketing.Aautoraobservaprimeirooartista,depoisa
obra.Thorntonchegouavisitar14paísesemcinco
continentese,entrevistarcentoetrintaartistas,osuficiente
pararealizarumamostrabienal,dosquais33sãoos
personagensdascenasdescritasnasmaisde400páginas
dolivro.Otítuloépretensiosocapazdemobilizarum
públicomenosexigentes,leitordeamenidadese
curiosidadesquepoucoacrescentam,masenfeitamà
trajetóriadeumartista.
Almandradeéartistaplástico,poetaearquiteto.
Título:Oqueéumartista?
Comdescriçõesdetalhadasdassuasviagensaautoranão
poupounememdescreveroitinerárioatéoateliêdo
artista,suasinstalações,mobiliário,chegaemalgumas
cenasadescreverparedesepisos.Oqueéoestúdiodeum
artistabemsucedidorepresentadoporgrandesmarchands,
ocenáriodosacrifíciodoartistaparasemanternomeiode
artedominadoporgaleristas,curadores,colecionadores,
profissionaisdemarketingeadministradoresculturais.
Títulooriginal:33artistsin3acts
Autor:SarahThornton
Tradução:AlexandreBarbosadeSouza
448páginas
JorgeZaharEditor,RiodeJaneiro,2015
30
Capa:fotografiadeAssueroLima|AlaUrsa|BairrodoRangel,JoãoPessoa|2014
expediente
SegundaPessoa
RevistadeArtesVisuais
Ano5,Número2‒Mar-Abr-Maide2015
Editor-geral|DyógenesChavesGomes(ABCA/AICA)
Jornalistaresponsável|WilliamPereiradaCostaDRT-PB792
Conselhoeditorial|DyógenesChavesGomes|FranciscoPereirada
SilvaJúnior|GabrielaMarojaJalesdeSales|MadalenaZaccara|
MariaCristinadeFreitasGomes|PauloRossi|PauloSérgioDuarte|
RodolfoAugustodeAthaydeNeto|ValquíriaFarias|William
PereiradaCosta
Projetográfico|DyógenesChaves|2ou4
Textos|Almandrade|BernardinaMariaJuvenalFreire|Dyógenes
ChavesGomes|JotaMedeiros|NaldinhoFreire|RobsonXavierda
Costa|TaináMacedoVasconcelos|WilliamCosta
Fotografia|ArquivosdosautoreseJoãoCarlosBeltrão(páginas15,
18e19)
Impressão|UniGráfica
Contatosparaenviodeartigosecolaborações:
e-mail:[email protected]
2ou4Editora/RevistaSegundaPessoa
RuaProtásioPontesVisgueiro,111,Jardim13deMaio
JoãoPessoa-PB‒58025-680
Telefones:(83)98808.7877
www.segundapessoa.com.br
Osartigospublicadossãodetotalresponsabilidadedeseus
autores.OsinteressadosempublicarnaSegundaPessoa:devem
observarasnormasdepublicaçãonositedarevista.
EstaediçãodeSegundaPessoa(ISSN2237.8081)foiimpressaem
julhode2015,naUniGráfica,utilizandoostiposdafamíliaKozuka
GothiceCaslon,empapelpólen(90g/cm²),comumatiragemde
10.000exemplares,sobaresponsabilidadeda2ou4Editora.
Este projeto foi contemplado com o Prêmio Procultura de Estímulo àsArtes Visuais 2010
ISSN 2237-8081
9 772237 808001
10
Este projeto foi contemplado com o Prêmio Procultura de Estímulo àsArtes Visuais 2010

Documentos relacionados